SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA TOMADA DE DECISÕES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA TOMADA DE DECISÕES"

Transcrição

1 SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA TOMADA DE DECISÕES FERNANDES-JUNIOR, Valtoir Josâ 1 SANTOS,, Herlones Wuilles dos 2 GAVILAN, Jálio Câsar 3 AMADIO, Renato Arnaut 4 RESUMO: O trabalho apresenta alguns elementos para a reflexño sobre a importäncia de um Sistema de InformaÉães no processo de tomada de decisño em uma empresa. E para melhor especificar o assunto veremos algumas situaéães vividas na empresa GAZIN MT filial 123, localizada na cidade de Jaciara-MT. Com o tema Sistema de InformaÉÑo para a Tomada de Decisães a fim de buscar proposta para solucionar os problemas existentes na érea de atendimento e relacionamento entre funcionérios tornando o Sistema de InformaÉÑo um requisito base para um empresa ser bem sucedida nos dias atuais. O avanéo tecnolègico favorece ê empresa que possui uma rede de informaéño que funciona atravâs de site da prèpria empresa, onde o mesmo fornece diariamente informaéães sociais, econëmicas, noticias da prèpria empresa denominada GIRO GAZIN, site contâm rédio GAZIN que se â utilizado para fornecer informaéães em tempo real para clientes/ouvintes em tempo real e funcionérios. Na primeira etapa, o presente trabalho mostra o conceito de Sistema, suas definiéães, evoluéño. Na segunda etapa tambâm mostraré o papel estratâgico dos sistemas de informaéño. PALAVRAS-CHAVE: Sistema de InformaÉÑo, Tomada de Decisães. INTRODUÇÃO O presente estudo surgiu com o intuito de estudar e fazer um diagnèstico para gerenciar o processo de informaéño na empresa GAZIN de Jaciara-MT filial 123, a fim de buscar proposta para solucionar os problemas existentes na érea de atendimento e relacionamento entre funcionérios. Segundo (CHIAVENATO, 2002, p. 531), a ánica maneira de mudar as organizaéães â mudar a sua cultura, isto â, mudar os sistemas dentro dos quais as pessoas trabalham e vivem. As hipèteses aqui descrita serño pesquisadas e investigadas afim de apresentar melhorias da comunicaéño interna traéando a funéño de cada cargo, 1 Graduado pela Faculdade de CiÜncias Sociais Aplicadas do Vale do SÑo LourenÉo EDUVALE. 2 Professor Especialista e Coordenador do Curso de Sistemas de InformaÉÑo Faculdade EDUVALE. 3 Mestre em CiÜncias da ComputaÉÑo pela Universidade Federal de Santa Catarina e Bacharel em FÖsica Computacional pela Universidade de SÑo Paulo. Atualmente â professor e chefe do departamento do Curso de Sistemas de InformaÉÑo da Faculdade de CiÜncias Sociais Aplicadas do Vale do SÑo LourenÉo EDUVALE. 4 Especialista em Redes e Teleprocessamento pela UNIC e Bacharel em CiÜncias da ComputaÉÑo pela UNIPAR. Atualmente professor do Curso de Sistemas de InformaÉÑo da Faculdade de CiÜncias Sociais Aplicadas do Vale do SÑo LourenÉo EDUVALE. 1

2 para que o serviéo funcione de forma harmoniosa, utilizando a tecnologia disponövel no ambiente de trabalho, de forma ê melhorar o serviéo afim de promover um atendimento égil ao cliente, e os ramais internos que nem sempre â do setor referenciado na lista disponövel, contando com o sistema informaéño meios de mudanéa no ambiente da empresa de forma externa e interna para resoluéño do problema entre os funcionérios. Atualmente com a globalizaéño, as empresas estño buscando melhorar o desempenho, e estabelecer a qualidade do produto e o serviéo na empresa. Estando inserida no mercado competitivo visando atrair maiores lucros e obtendo resultados positivos, a empresa conta com o sistema de informaéño contribuindo para atingir os objetivos e realizar um processo de transformaéño de dados em informaéães que sño utilizadas na estrutura decisèria da empresa, proporcionando, ainda a sustentaéño administrativa para aperfeiéoar os resultados esperados. Com isso o objetivo desta pesquisa gerenciar melhorias na comunicaéño interna conforme necessidades da empresa e dos funcionérios. Conhecendo as necessidades da empresa, podendo melhorar os meios de comunicaéño entre funcionérios e utilizaéño dos recursos tecnolègicos disponöveis, o que poderé proporcionar uma melhoria de relacionamento e promovendo um ambiente de trabalho agradével, podendo levar a uma maior produéño. O sistema de informaéño dentro da empresa facilita o conjunto de partes interagistes e interdependentes que conjuntamente, forma um todo unitério com determinado objetivo e efetuam determinada funéño. De acordo com (OLIVEIRA, 2001, p.285) essas informaéães devem propiciar a identificaéño dos problemas e das necessidades organizacionais nos vérios növeis da empresa ( estratâgicos, téticos e operacional). A Justificativa para elaboraéño deste trabalho baseado no sistema de informaéño totalmente implantado e atuante, e que se pode, tirar planos de aéño de melhorias que se alcance metas de trabalho na empresa, visando atingir os növeis estratâgicos pensando no planejamento, tética implantaéño e operacional na prética, assim ê empresa consegue atingir todos os növeis hierérquico, administra ê produéño, qualidade e crescimento em questño financeira da empresa. A pesquisa de Sistema de InformaÉÑo ainda iré contribuir para que a empresa faéa uma avaliaéño das atuais condiéães do processo de atendimento vigentes, 2

3 fazendo novos planejamentos e ainda propor um plano de sistema de informaéño de comunicaéño que facilite e melhore a produtividade da empresa. Segundo (GUIMARAES, 2007, p.25) Os sistemas de informaéães surgem com objetivo de suprir essa necessidade agilizando e automatizando o fluxo de informaéño entre as diferentes partes de uma empresa. A satisfaéño no trabalho â importante, pois um colaborador satisfeito com a organizaéño produz mais e melhor, sendo mais eficaz e eficiente, contribuindo mais efetivamente para os resultados organizacionais. A empresa tenta trabalhar de forma honesta e sincera com todos que nela contribuem para seu funcionamento. METODOLOGIA A atual empresa possui um sistema que fornece informaéães tais como: rentabilidade, valores reais de vendas que assim permite a comparaéño de lucros e vendas facilitando a comparaéño de crescimento de um ano para o outro, sendo esta anélise feito pelo mâtodo de SWOT. Dados de informaéño que transmite informaéães de produtos que tem saöda em determinadas âpocas do ano, tais como datas comemorativas (EX: dia das mñes, dia dos pais, dia das crianéas), o que favorece um estoque para atender a demanda do cliente em especifico de cada âpoca; O sistema tambâm fornece informaéães precisas com numero de serviéos assim pode-se acompanhar diariamente as metas estabelecidas de vendas mensais para cada vendedor. REFERENCIAL TEÓRICO Para melhor trabalhar o assunto, devemos conhecer o conceito de sistema de informaéño gerencial. Um Sistema de InformaÉÑo pode ser entño definido como todo sistema usado para prover informaéño (incluindo o seu processamento), qualquer que seja o uso feito dessa informaéño. 3

4 O sistema de informaéño possui vérios elementos inter-relacionados que coletam (entrada), manipulam e armazenam (processo), disseminam (saöda) os dados e informaéães e fornecem um mecanismo de feedback. Um Sistema de InformaÉães Gerencial (SIG) abrange uma coleéño organizada de pessoas, procedimentos, software, banco de dados e dispositivos que fornecem informaéño rotineira aos gerentes e aos tomadores de decisño. O foco de um SIG â, principalmente, a eficiüncia operacional. Marketing, produéño, finanéas e outras éreas funcionais recebem suporte dos sistemas de informaéño gerencial e estño ligados atravâs de um banco de dados comum. (STAIR; REYNOLDS, 2002, p. 18) Um Sistema de InformaÉÑo cujo elemento principal â a informaéño. Seu objetivo â armazenar, tratar e fornecer informaéães de tal modo a apoiar as funéães ou processos de uma organizaéño. Geralmente, um sistema â composto de um sub-sistema social e de um subsistema automatizado. O primeiro inclui as pessoas, processos, informaéães e documentos. O segundo consiste dos meios automatizados (méquinas, computadores, redes de comunicaéño) que interligam os elementos do sub-sistema social. Ao contrério do que muitos pensam, as pessoas (juntamente como os processos que executam e com as informaéães e documentos que manipulam) tambâm fazem parte do sistema de informaéño. O Sistema de InformaÉÑo â algo maior que um software, pois alâm de incluir o hardware e o software, tambâm inclui os processos (e seus agentes) que sño executados fora das méquinas. Isto implica em que pessoas que nño usam computadores tambâm faéam parte do sistema e, conseqíentemente, necessitem ser observadas e guiadas pelos processos de planejamento e anélise de sistemas. O perigo de nño se dar atenéño ao aspecto social â que os sistemas automatizados (incluindo o software), nño sejam eficazes ou nño possam ser utilizados, apesar de estarem funcionando perfeitamente (pelo menos, em ambientes de implantados acabam teste). No ambiente real, os aspectos sociais interferem e muito no funcionamento do sistema de informaéño. Os processos podem ser modificados em razño de aspectos sociais nño bem controlados. Por esta razño, â que existem muitos sistemas que apès nño sendo utilizados ou atâ mesmo trazendo prejuözos ou dificultando o trabalho nas organizaéães. 4

5 Entre tais problemas, observou-se: a diföcil identificaéño do local onde esté o cèdigo de barras (funcionério mal-treinado ou etiquetas mal-colocadas), problemas com a leitora ètica (exigindo passar vérias vezes o produto para que o cèdigo fosse identificado ou mesmo digité-lo), problemas na passagem do produto pela leitora do cèdigo (etiqueta com o cèdigo mal colocado, dobrado ou em lugar inacessövel), demora no preenchimento de cheques, falta de empacotadores ou mesmo sacolas, etc. Assim, o Analista de Sistemas deveré tambâm estudar e planejar o subsistema social de cada sistema de informaéño. O uso da informaéño para tomada de decisães e soluéães de problemas, deve-se sempre estar, escutar e conhecer o mercado, antecipar as expectativas do cliente e adaptar nossos produtos e serviéos, definir procedimentos saudéveis de pès-venda. ì necessério comunicar internamente, organizar e capitalizar a experiüncia adquirida, avaliar o desempenho, entre diversas outras atividades. Enfim, mais do que quantidade, â necessério rapidez, seletividade e qualidade na informaéño, que precisa ser coletada, armazenada, processada e difundida. Deve-se zelar para que a informaéño produzida nesse processo todo seja atual, correta, confiével e de fécil compreensño. A Matriz da empresa faz o controle de satisfaéño dos clientes baseados em pesquisas, assim conseguem visualizar a satisfaéño que os usuérios da empresa tem com ela, melhorando o que nño for satisfatèrio. STEPHEN e COULTER (1996, p. 126), enfatizam que a situaéño ideal para a tomada de decisães â a de certeza, ou seja, o administrador pode tomar decisães precisas, pois o resultado de cada alternativa â conhecido de tomada de decisño â realmente um processo que envolve fenëmenos Com relaéño ês decisães tomadas sob condiéães de incertezas, os resultados sño desconhecidos e gerados sob probabilidades, onde o decisor tem pouco ou nenhum conhecimento das informaéães que formam as alternativas. Entende-se que o processo tanto individuais como sociais, baseado em premissas de fatos e de valores, que inclui a escolha de um comportamento, dentre uma ou mais alternativas, com a intenéño de aproximar-se de algum objetivo desejado. 5

6 A tomada de decisño pode ser realizada de acordo com diferentes estratâgias. Desta forma, sño listados os modelos de decisño de Harrison (BILHIM, 1999): Modelo racional: prescreve o que o indivöduo deve fazer para se um decisor eficaz e muito estruturado. O seu critârio de decisño â a maximizaéño do resultado final. Este modelo esté mais adequado para a tomada de decisães do tipo I (estruturadas); Modelo organizacional: combina as contribuiéães do uso de matemética, estatöstica e economia, como o modelo anterior, com as disciplinas de ciüncias sociais. O seu critârio de decisño â a obtenéño de um resultado final que seja satisfatèrio. Este modelo reconhece que existem limitaéães de informaéño, cognitivas, de tempo e de custos, levando este facto em consideraéño. Esté associado com a tomada de decisño de curto prazo e muito orientado para os resultados finais, possui um carécter téctico. Modelo polötico: referido tambâm como modelo adaptativo, baseia-se nas contribuiéães da ciüncia polötica, da filosofia, da psicologia e da sociologia. Trata-se de um modelo comportamental e o seu critârio de decisño â que os resultados sejam aceitéveis. Recorre a uma estratâgia de decisño baseada na negociaéño e no compromisso para conseguir obter resultados que sejam aceitéveis por diversos grupos externos. Desta forma, a escolha nño â ánica, muito menos â a decisño certa, pois â apenas a decisño aceitével; Modelo de processo: associado ê gestño e que possui como critârio de decisño uma forte orientaéño para os objetivos. Usa as disciplinas quantitativas e reconhece a importäncia das ciüncias sociais. SensÖvel ê envolvente externa e assente em princöpios profundamente interdisciplinares (tal como o modelo organizacional, embora possua em relaéño a este, uma orientaéño para o longo prazo e um carécter estratâgico). Este modelo â adequado ê inovaéño. No contexto organizacional, Choo (1998) considera que a tomada de decisño normal â estruturada por regras e procedimentos que especifica papâis, mâtodos e normas que, por sua vez, estabelecem valores que influenciam como a organizaéño enfrenta a escolha e a incerteza. A combinaéño esperada entre cultura, comunicaéño e consenso melhora a eficiüncia e ajuda a alcanéar um növel mais elevado de comportamento de escolha racional. Nos vérios modelos de decisño 6

7 estudados, â possövel reconhecer que a decisño nem sempre â resultado de um processo seqíencial, estruturado e dirigido para uma ánica soluéño. Mas â possövel afirmar que a informaéño â um recurso primordial para a tomada de decisño e que, quanto mais estruturado for este processo, como no caso dos modelos racional e de processo, mais indicado se faz o uso de sistemas de informaéño que possam responder ês demandas e necessidades informacionais do decisor. Da mesma forma, as informaéães requeridas para este tipo de decisño sño mais objetivas e quantificéveis, tornando mais indicada a utilizaéño de recursos informacionais que possam organizar, recuperar e disponibilizar as informaéães coletadas durante o processo de trabalho. O papel estratâgico dos sistemas de informaéães muitas vezes, â a prèpria fonte de informaéño que influencia diretamente na caracteröstica de um acesso ê informaéño, â obter a boa informaéño (pertinente e átil) e igualmente poder dispor dela mesmo antes do momento adequado (O'REILLY,1982, p. 760) Trabalhar esta opéño significa rapidez e agilidade na tomada de decisño, pois quando se possui informaéães necessérias répidas, permite agir com rapidez e eficécia. O planejamento, segundo Chiavenato (2007, p. 207), representa o como fazer, pois se refere ê maneira como as estratâgias deverño ser colocadas em prética, ou seja, operacionalizadas. Quanto ao sistema de informaéño realizar estratâgias afim de melhorar a comunicaéño, e assim tornar o ambiente mais hostil e agradével. O planejamento possibilita perceber a realidade, avaliar os caminhos, e reavaliar todo o processo a que o planejamento se destina. Sendo, portanto, o lado racional. Algumas de nossas aéães necessitam de planejamento, mas muitas nño. Em nossas atividades diérias, estamos sempre agindo, e antecipamos os resultados de nossas aéães, mesmo que nño estejamos completamente cientes dessa antecipaéño. Uma atividade premeditada exige tomada de decisño quando se volta para novas situaéães ou tarefas e objetivos complexos ou quando conta com aéães menos familiares. Uma vez que o planejamento â um processo muito complicado, que consome muito tempo e dinheiro, recorremos ao planejamento apenas quando â realmente 7

8 necessério ou quando a relaéño custo vezes beneföcio nos obriga a planejar. Alâm disso, geralmente, procuramos somente planos bons e viéveis ao invâs de planos ètimos. ì importante que o planejamento seja entendido como um processo prético das determinaéães do plano, o que lhe garante continuidade, havendo uma constante realimentaéño de situaéães, propostas, resultados e soluéães, lhe conferindo assim dinamismo, baseado na interatividade, num processo contönuo de tomada de decisães. No exercöcio da funéño gerencial, a Ünfase deve ser dada ê informaéño. Algumas estratâgia sño citadas por Davenport (1998, p. 19) para o gerenciamento do comportamento informacional nos ambientes empresariais, dentre as quais se destacam tornar claros os objetivos e estratâgias da organizaéño, identificar competüncias informacionais, concentrar-se na administraéño de tipos especöficos de conteádos da informaéño, atribuir responsabilidades pelo comportamento informacional, criar uma rede de trabalho responsével pelo comportamento informacional e apresentar a todos os problemas do gerenciamento da informaéño. A sociedade da informaéño em seus diferentes papâis que a informaéño tem na organizaéño, ela assume vérias formas, detâm diferentes caracterösticas e pode ser processada e transmitida de diferentes maneiras utilizando diferentes tecnologias. Por exemplo, na interaéño da organizaéño com o ambiente externo, a informaéño pode comparecer na forma de boatos e notöcias para acompanhar movimentos da economia e aéães da concorrüncia, reaver produéño e vendas, analisar o consumo da populaéño ao produto. Na coordenaéño de suas atividades, a organizaéño pode utilizar a comunicaéño informal face a - face, memorandos internos ou formulérios para transmitir ordens e especificaéães sobre as tarefas a serem realizadas. Na automaéño de suas atividades, dados de pedidos de clientes podem ser registrados em sistemas informatizados e estruturados, e acionar aéães de produéño automaticamente. Muitos autores definem dado e informaéño tomando como base o modelo computacional, em que os dados sño a matâria-prima que deve ser devidamente processada para a obtenéño de informaéães (LAUDON; LAUDON, 2004, p. 101). 8

9 A transformaéño de dados em informaéño envolve sempre o contexto em que ela seré utilizada. Como definem Davis e Olson (1985, p.209), informaéño â um dado que foi processado de forma significativa para seu receptor e seu valor â real ou percebido no momento, ou em aéães prospectivas nas decisães. Davenport (1998, p. 18), por exemplo, considera que informaéães sño dados dotados de releväncia e propèsito, lembrando que quem dota os dados de releväncia e propèsito sempre sño as pessoas. Portanto, a informaéño â dependente da sua interpretaéño e do contexto em que seré utilizada. NÑo â algo objetivo, isolado de seu contexto. A avaliaéño de sistemas de informaéño â uma necessidade para o gestor, tanto para a melhoria destes sistemas, como para justificar os altos investimentos realizados neste setor. A avaliaéño nño â um fim por si mesma. Seus propèsitos se originam da necessidade de determinar o valor de um sistema ou de atividades deste sistema. Operacionalmente, o processo de avaliaéño esté inter-relacionado ao planejamento: tem inöcio com a definiéño de seus objetivos (derivados do objetivo do sistema) e prossegue identificando critârios e variéveis adequados ê mensuraéño e explanaéño do grau de sucesso (növel de desempenho do sistema). Os critârios sño indicadores de desempenho do sistema e expressam expectativas do administrador e dos usuérios com relaéño aos objetivos do sistema. Eles sño os componentes fundamentais da avaliaéño e deles se derivam as variéveis necessérias ê obtenéño de medidas de desempenho. Nem sempre â fécil selecionar critârios e variéveis; em geral, esta seleéño vai depender nño sè dos objetivos da avaliaéño, mas tambâm da validade e aplicabilidade instrumentos de coleta e anélise de dados. A mensuraéño â um componente auxiliar no processo de avaliaéño, nño â indispensével, mas a linguagem matemética facilita a compreensño anélise do problema em estudo. Portanto o sistema de informaéño â apontado como um destes instrumentos, embora nño se encontre organizado a ponto de responder ês demandas e necessidades de informaéño para a tomada de decisño pelos gerentes. Para os gerentes e coordenadores, a informaéño â a base para a tomada de decisño, e, para que a soluéño sugerida aos problemas seja efetiva e acertada, as 9

10 informaéães devem ser precisas, relevantes, oportunas, permitindo uma abordagem completa da situaéño. Os dados e informaéães comumente utilizados sño aqueles que se referem ao cuidado do paciente e aos recursos organizacionais disponöveis para a coordenaéño da unidade, em especial, os recursos humanos. A compreensño do significado de necessidades e fontes de informaéño reafirma que a maior dificuldade para criaéño de um sistema de informaéño esté na definiéño das necessidades e demandas por parte dos usuérios, pois, por vérias vezes, foram citadas fontes como necessidades de informaéño para a tomada de decisño. Tendo como referüncia o cenério vivido pelos gerentes e coordenadores na unidade funcional e o ambiente informacional disponövel, ou sabe - se pontuar alguns subsödios para a (re)organizaéño da informaéño como recurso para a gerüncia, considerando os usuérios do sistema, as demandas e necessidades de informaéño, as fontes disponöveis e potenciais. O ponto de partida â o repensar da prética gerencial, ou seja, as mudanéas geradas no processo de trabalho pela incorporaéño tecnolègica, que vño requerer tambâm mudanéas na forma como se faz o trabalho. Em especial quando se opta por utilizar sistemas informatizados, isto nño significa que o modo como sño organizados os dados e as informaéães produzidas no processo de trabalho nño seja transferido para o meio eletrënico. O desenvolvimento de sistemas de informaéño prevü a abordagem das normas relativas aos aspectos estruturais da organizaéño e da especificidade tâcnica de cada serviéo. No que se refere ê terminologia, deve-se adotar um sistema de classificaéño que permita a organizaéño, o acesso e a recuperaéño das informaéães para utilizaéño no processo de trabalho. Alguns aspectos devem ser observados: definir regras para as classificaéães, de forma a assegurar a uniformidade no seu emprego; incorporar expressães pertinentes ê determinada categoria; assegurar que as categorias dos termos sejam excludentes; garantir a estabilidade do sistema para possibilitar uma anélise comparativa ao longo do tempo. ì importante ressaltar que o processo de trabalho na instituiéño implica, necessariamente, a articulaéño entre os diversos setores. Portanto, nño se trata de 10

11 criar sistemas isolados para cada serviéo, mas sim garantir a articulaéño dos dados, orientada pela especificidade de cada serviéo e pela seletividade no acesso ê informaéño. Acrescido a estas condiéães, o sistema deve utilizar componentes estratâgicos que reánam condiéães de aplicabilidade, sustentabilidade e orientaéño O computador nño pensa, apenas realiza as tarefas que lhe sño ñensinadasñ. O desenvolvimento dos Sistemas de InformaÉÑo, bem como sua anélise, devem ser feitos de maneira independente. Uma vez desenvolvidos os processos, resta apenas transmiti-los ê méquina. A eficiüncia dos sistemas nño â medida pela informatizaéño, mas pela qualidade e eficiüncia dos mâtodos, assegurando a informaéño desejada, confiével e no tempo certo. O entendimento dessa diferenéa (desenvolvimento de Sistema de InformaÉÑo versus ProgramaÉÑo) proporciona a criaéño de processos/rotinas mais adequados, mais seguranéa, maior controle, alâm de possibilitar ê empresa, uma anélise clara dos beneföcios (ou nño) que a informatizaéño pode trazer. O Sistema de InformaÉÑo sño peéa fundamental para as empresas, nño apenas na elaboraéño de relatèrios, mas fazem parte de todos os departamentos e atividades da companhia, desde o simples controle atâ a confecéño de planos estratâgica complexos. Tudo que acontece, todos processos, sño regidos por um sistema, que pode ou nño ser informatizado. Mais uma vez, deve ser considerada a importäncia do administrador nesse processo que â nada menos que vital para a corporaéño. A tâcnica SWOT ferramenta eficaz na organizaéño dos dados e das informaéães, fator importante na compreensño dos ambientes interno (foréas e fraquezas) e externo (ameaéas e oportunidades), inserindo-a em um modelo de exame da ambiüncia organizacional. Com o diagnèstico resultante da sua aplicaéño â possövel traéar diretrizes claras na promoéño do desenvolvimento futuro, incluindo aéães de diferenciaéño e diante do desafio da gestño estratâgica da informaéño (ARAóJO JR, 2005, p. 2). O autor (ARAóJO JR, 2005, p. 6 ).define que a anélise SWOT â uma espâcie de fotografia das ocorrüncias nos ambientes organizacionais, daö a sua consideraéño de foréas e fraquezas intrönsecas ê organizaéño, coletadas no ambiente interno e de oportunidades e ameaéas extrönsecas ê organizaéño, 11

12 coletadas no ambiente externo. Os quatro elementos a serem coletados e analisados podem ser definidos como: ForÉas ou pontos fortes - sño como caracterösticas internas que propiciam, se reforéadas, amplas condiéães para a organizaéño cumprir sua missño e atingir seus objetivos; Fraquezas ou pontos fracos - sño debilidades intrönsecas ê organizaéño que impãem obstéculos no cumprimento da missño e dos objetivos prâ-estabelecidos; Oportunidades - sño condiéães ambientais externas que, se aproveitadas, podem ajudar a organizaéño a cumprir com efetividade sua missño e os seus objetivos; e AmeaÉas - sño condiéães ambientais que impedem o cumprimento da missño e dos objetivos organizacionais. RESULTADOS PRELIMINARES A sociedade da informaéño em relaéño entre informaéño, tecnologia, organizaéães e pessoas demonstra que o avanéo tecnolègico tem favorecido ê empresa que possui uma rede de informaéño que funciona atravâs de site da prèpria empresa, onde o mesmo fornece diariamente informaéães sociais, econëmicas, noticias da prèpria empresa denominada GIRO GAZIN, site contâm rédio Gazin que se â utilizado para fornecer informaéães em tempo real para clientes/ouvintes em tempo real e funcionérios. O site da empresa tambâm possui opéães que favorece o serviéo do funcionério. Seu papel estratâgico a empresa possui um sistema de informaéño central, que atualizado em tempo méximo de 30 min., onde em uma central possui pessoas designadas ê tomar decisño afim de nño perder venda, e estar antenado em promoéães de concorrentes e atualizar as promoéães. O avanéo tecnolègico favorece ê empresa que possui uma rede de informaéño que funciona atravâs de site da prèpria empresa, onde o mesmo fornece diariamente informaéães sociais, econëmicas, noticias da prèpria empresa denominada GIRO GAZIN, site contâm rédio GAZIN que se â utilizado para fornecer informaéães em tempo real para clientes/ouvintes em tempo real e funcionérios. 12

13 Assim podemos concluir que o sistema o site da empresa tambâm possui opéães que favorece o serviéo do funcionério. Todo o processo de sistema de informaéño central, que â atualizado em tempo méximo de 30 min., onde em uma central possui pessoas designadas ê tomar decisño afim de nño perder venda, e estar antenado em promoéães de concorrentes e atualizar as promoéães. Baseado na revisño de literatura observa se que o mâtodo abordado na empresa tem uma boa resolubilidade e agilidade na resoluéño de conflito. Atravâs desses dados, podemos concluir que os nossos objetivos foram alcanéados, pois o Sistema de InformaÉÑo utilizado pela GAZIN auxilia nas tomadas de decisães, reduz custos e proporciona metas de vendas para a empresa, e permite aos funcionérios acompanhar suas vendas e produtividades. REFERÊNCIAS BALLOU, Ronald H. LogÖstica Empresarial : transportes, administraéño de materiais e distribuiéño fösica. TraduÉÑo Hugo T.Y. Yoshizaki. SÑo Paulo : Atlas, 1993 DORNIER, Philippe-Pierre et al. LogÖstica e OperaÉães Globais. SÑo Paulo : Atlas, 2000 GATTORNA, John et al. Stategic Supply Chain Alignment : Best practice in Supply Chain Management. [S.I] : Gower Pub. Co., 1998 LAUDON, Kenneth. Sistemas de InformaÉÑo. Rio de Janeiro : LTC, 1999 MEIRELES, Manuel Sistemas de InformaÉÑo: quesitos de excelüncia dos sistemas de informaéães operativos e estratâgicos. Volume 1 da Sârie: Indicadores Gerenciais/ Manuel Antonio Meireles da Costa; MEIRELES. Manuel. SÑo Paulo: Arte & CiÜncia, 2001 NAZòRIO, Paulo. A Importäncia de Sistemas de InformaÉães para a competitividade logöstica. In: PUBLICAôöES DA COPPEAD UFRJ, Rio de Janeiro. RJ 13

A IMPORTÄNCIA DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÅÇO NA ADMINISTRAÅÇO PÉBLICA ESTUDO DE CASO NO MUNICÖPIO DE JACIARA-MT

A IMPORTÄNCIA DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÅÇO NA ADMINISTRAÅÇO PÉBLICA ESTUDO DE CASO NO MUNICÖPIO DE JACIARA-MT A IMPORTÄNCIA DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÅÇO NA ADMINISTRAÅÇO PÉBLICA ESTUDO DE CASO NO MUNICÖPIO DE JACIARA-MT JESUS, Esdras Warley Nunes de 1 SANTOS,, Herlones Wuilles dos 2 GAVILAN, Jálio Câsar

Leia mais

A TECNOLOGIA DA INFORMAÄÅO NA LOGÇSTICA DA COOPERATIVA MISTA AGROPECUÉRIA DE JUSCIMEIRA MT

A TECNOLOGIA DA INFORMAÄÅO NA LOGÇSTICA DA COOPERATIVA MISTA AGROPECUÉRIA DE JUSCIMEIRA MT A TECNOLOGIA DA INFORMAÄÅO NA LOGÇSTICA DA COOPERATIVA MISTA AGROPECUÉRIA DE JUSCIMEIRA MT CARDOSO, Kize Tamy 1 SANTOS,, Herlones Wuilles dos 2 GAVILAN, Jálio Câsar 3 AMADIO, Renato Arnaut 4 RESUMO: O

Leia mais

TECNOLOGIAS PARA VOZ SOBRE IP NAS EMPRESAS DO VALE DO SÃO LOURENÇO

TECNOLOGIAS PARA VOZ SOBRE IP NAS EMPRESAS DO VALE DO SÃO LOURENÇO TECNOLOGIAS PARA VOZ SOBRE IP NAS EMPRESAS DO VALE DO SÃO LOURENÇO AMADIO, Renato Arnaut 1 GAVILAN, Jálio Câsar 2 SANTOS, Herlones Wuilles 3 RESUMO: A regiño do Vale do SÑo LourenÉo se caracteriza pela

Leia mais

ANÁLISE E MODELAGEM DE UM SISTEMA WEB PARA CHAMADOS DE SUPORTE

ANÁLISE E MODELAGEM DE UM SISTEMA WEB PARA CHAMADOS DE SUPORTE ANÁLISE E MODELAGEM DE UM SISTEMA WEB PARA CHAMADOS DE SUPORTE LEAL, Abdiel 1 AMADIO, Renato Arnaut 2 GAVILAN, Jálio Câsar 3 SANTOS,, Herlones Wuilles dos 4 RESUMO: Este trabalho apresenta uma anälise

Leia mais

O TRABALHO DA EQUIPE GESTORA PARA O DESENVOLVIMENTO POLÍTICO PEDAGÓGICO E ADMINISTRATIVO DA ESCOLA

O TRABALHO DA EQUIPE GESTORA PARA O DESENVOLVIMENTO POLÍTICO PEDAGÓGICO E ADMINISTRATIVO DA ESCOLA O TRABALHO DA EQUIPE GESTORA PARA O DESENVOLVIMENTO POLÍTICO PEDAGÓGICO E ADMINISTRATIVO DA ESCOLA SOUZA, Elisangela Ruiz de 1 MUNIZ, Valdinâia C. B. Q. 2 FORGIARINI, Valquiria 3 RESUMO: Inámeras reformas

Leia mais

O FLUXO DE CAIXA NO PLANEJAMENTO FINANCEIRO PARA OBTENÄÅO DE RESULTADOS: UM ESTUDO DE CASO EM UMA EMPRESA DE LATICÇNIOS DE DOM AQUINO MT

O FLUXO DE CAIXA NO PLANEJAMENTO FINANCEIRO PARA OBTENÄÅO DE RESULTADOS: UM ESTUDO DE CASO EM UMA EMPRESA DE LATICÇNIOS DE DOM AQUINO MT O FLUXO DE CAIXA NO PLANEJAMENTO FINANCEIRO PARA OBTENÄÅO DE RESULTADOS: UM ESTUDO DE CASO EM UMA EMPRESA DE LATICÇNIOS DE DOM AQUINO MT ANDRADE, Crislaine Barcelo 1 OLIVEIRA, Braz da Silva 2 JESUS, Esdras

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO

SISTEMA DE INFORMAÇÃO WESLLEYMOURA@GMAIL.COM SISTEMA DE INFORMAÇÃO ANÁLISE DE SISTEMAS O QUE É UM SISTEMA DE INFORMAÇÃO? Sistema de Informação (SI) é uma sequência de instruções escritas para serem interpretadas por um computador

Leia mais

Sistemas de Informação Gerencial

Sistemas de Informação Gerencial Sistemas de Informação Gerencial Ao longo da historia da administração ocorreram muitas fases. Sendo que, seus princípios sempre foram semelhantes, mudando apenas o enfoque conforme a visão do pesquisador.

Leia mais

O PLANEJAMENTO FINANCEIRO COMO FERRAMENTA PRINCIPAL PARA O DESENVOLVIMENTO DE UMA TRANSPORTADORA EM JACIARA MT

O PLANEJAMENTO FINANCEIRO COMO FERRAMENTA PRINCIPAL PARA O DESENVOLVIMENTO DE UMA TRANSPORTADORA EM JACIARA MT O PLANEJAMENTO FINANCEIRO COMO FERRAMENTA PRINCIPAL PARA O DESENVOLVIMENTO DE UMA TRANSPORTADORA EM JACIARA MT SOUSA, CÖntia Gomes 1 OLIVEIRA, Braz da Silva 2 JESUS, Esdras Warley Nunes de 3 RESUMO: A

Leia mais

Conceitos ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Comunicação; Formas de escritas; Processo de contagem primitivo;

Conceitos ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Comunicação; Formas de escritas; Processo de contagem primitivo; Conceitos Comunicação; Formas de escritas; Bacharel Rosélio Marcos Santana Processo de contagem primitivo; roseliomarcos@yahoo.com.br Inicio do primitivo processamento de dados do homem. ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DOS JOGOS PARA A APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA

A IMPORTÂNCIA DOS JOGOS PARA A APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA A IMPORTÂNCIA DOS JOGOS PARA A APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA CORDEIRO, Maria Josâ 1 SILVA, Valdinâia Nogueira da 2 RESUMO: O presente trabalho trata-se de uma revisño bibliogräfica sobre a importãncia dos

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL: MUDANÇAS ESTRUTURAIS DO PASSADO AO PRESENTE RUMO AO PROCESSO DE CONVERGÊNCIA AS NORMAS IFRS NO BRASIL

BALANÇO PATRIMONIAL: MUDANÇAS ESTRUTURAIS DO PASSADO AO PRESENTE RUMO AO PROCESSO DE CONVERGÊNCIA AS NORMAS IFRS NO BRASIL BALANÇO PATRIMONIAL: MUDANÇAS ESTRUTURAIS DO PASSADO AO PRESENTE RUMO AO PROCESSO DE CONVERGÊNCIA AS NORMAS IFRS NO BRASIL OLIVEIRA, Amauri GonÉalves de 1 SILVA, Denis Rodrigues 2 RESUMO: O processo de

Leia mais

SOFTWARE LIVRE. Graduado em Sistemas de InformaÉÑo pela Faculdade de CiÜncias Sociais Aplicadas do Vale do SÑo LourenÉo EDUVALE.

SOFTWARE LIVRE. Graduado em Sistemas de InformaÉÑo pela Faculdade de CiÜncias Sociais Aplicadas do Vale do SÑo LourenÉo EDUVALE. SOFTWARE LIVRE MACHADO, Gilmar Damacena 1 AMADIO, Renato Arnaut 2 GAVILAN, Jálio Câsar 3 SANTOS,, Herlones Wuilles dos 4 RESUMO: Com o crescimento da quantidade de computadores existentes nos lares, empresas

Leia mais

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO As Empresas e os Sistemas Problemas locais - impacto no sistema total. Empresas como subsistemas de um sistema maior. Uma empresa excede a soma de

Leia mais

PROPAGANDA E MARKETING NO ATELIÊ CASA DO ARTISTA

PROPAGANDA E MARKETING NO ATELIÊ CASA DO ARTISTA PROPAGANDA E MARKETING NO ATELIÊ CASA DO ARTISTA OLIVEIRA, Camila Gutierrez Campos de Oliveira 1 OLIVEIRA, Braz da Silva 2 JESUS, Esdras Warley Nunes de 3 RESUMO: Para construéño desta monografia foi utilizada

Leia mais

SEGURANÇA EM REDES 802.11

SEGURANÇA EM REDES 802.11 SEGURANÇA EM REDES 802.11 RIBEIRO, Hamanda MendonÉa 1 AMADIO, Renato Arnaut 2 GAVILAN, Jálio Câsar 3 SANTOS,, Herlones Wuilles dos 4 RESUMO: As redes sem fio, em funéño de sua praticidade, estño se tornando

Leia mais

REDES ATM - ASYNCHRONOUS TRANSFER MODE

REDES ATM - ASYNCHRONOUS TRANSFER MODE REDES ATM - ASYNCHRONOUS TRANSFER MODE AMADIO, Renato Arnaut 1 GAVILAN, Jálio Câsar 2 SANTOS,, Herlones Wuilles dos 3 RESUMO: Este â resultado de estudos realizados que tinha como objetivo mostrar a necessidade

Leia mais

ANÁLISE DAS CAUSAS DE EXTINÇÃO DE CONTRATOS DE TRABALHO POR PRAZO INDETERMINADO

ANÁLISE DAS CAUSAS DE EXTINÇÃO DE CONTRATOS DE TRABALHO POR PRAZO INDETERMINADO ANÁLISE DAS CAUSAS DE EXTINÇÃO DE CONTRATOS DE TRABALHO POR PRAZO INDETERMINADO OLIVEIRA, Luciana Aparecida Augusta 1 OBERSTEINER, Maria Isabel Della Valle 2 RESUMO: Durante toda a nossa vida, dedicamo-nos

Leia mais

VALOR JUSTO APLICADO AOS INSTRUMENTOS FINANCEIROS DERIVATIVOS POR BANCOS PÚBLICOS HABILITADOS PARA ATUAR NO MERCADO DE CÂMBIO: A REALIDADE BRASILEIRA

VALOR JUSTO APLICADO AOS INSTRUMENTOS FINANCEIROS DERIVATIVOS POR BANCOS PÚBLICOS HABILITADOS PARA ATUAR NO MERCADO DE CÂMBIO: A REALIDADE BRASILEIRA VALOR JUSTO APLICADO AOS INSTRUMENTOS FINANCEIROS DERIVATIVOS POR BANCOS PÚBLICOS HABILITADOS PARA ATUAR NO MERCADO DE CÂMBIO: A REALIDADE BRASILEIRA OLIVEIRA, Amauri GonÉalves de 1 RESUMO: Com a expansño

Leia mais

AS DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM NO CONTEXTO ESCOLAR

AS DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM NO CONTEXTO ESCOLAR AS DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM NO CONTEXTO ESCOLAR SANDIM, Eva Braga 1 VILELA, Maria Cristiana da Silva 2 OLIVEIRA, Braz da Silva 3 RESUMO: Tendo em vista os desafios que o professor precisa enfrentar

Leia mais

ERP é um sistema de gestão empresarial que gerencia as informações relativas aos processos operacionais, administrativos e gerenciais das empresas.

ERP é um sistema de gestão empresarial que gerencia as informações relativas aos processos operacionais, administrativos e gerenciais das empresas. Introdução Sistemas de Informação é a expressão utilizada para descrever um Sistema seja ele automatizado (que pode ser denominado como Sistema Informacional Computadorizado), ou seja manual, que abrange

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação

Estratégias em Tecnologia da Informação Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 6 Sistemas de Informações Estratégicas Sistemas integrados e sistemas legados Sistemas de Gerenciamento de Banco de Dados Material de apoio 2 Esclarecimentos

Leia mais

SISTEMA DE CONTROLE DE FERRAMENTE PARA OFICINA MECÂNICA

SISTEMA DE CONTROLE DE FERRAMENTE PARA OFICINA MECÂNICA SISTEMA DE CONTROLE DE FERRAMENTE PARA OFICINA MECÂNICA SOUZA, Marco Antânio 1 RHEINNHEMER, Maico Luiz 2 ARAäJO, Fãbio de Paula 3 RESUMO: Esse artigo divulga os resultados parciais de uma pesquisa que

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA ESCOLA E A RECICLAGEM DO LIXO ORGÂNICO

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA ESCOLA E A RECICLAGEM DO LIXO ORGÂNICO A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA ESCOLA E A RECICLAGEM DO LIXO ORGÂNICO OLIVEIRA, Malvina da Silva 1 OLIVEIRA, Braz da Silva 2 VILELA, Maria Cristiana da Silva 3 CASTRO, Tânia Aparecida Almeida 4

Leia mais

ANÁLISE DOS DIREITOS E DEVERES DO EMPREGADOR E DO EMPREGADO NA CELEBRAÇÃO E NA EXTINÇÃO DO CONTRATO DE TRABALHO DE UMA TRANSPORTADORA DE JACIARA - MT

ANÁLISE DOS DIREITOS E DEVERES DO EMPREGADOR E DO EMPREGADO NA CELEBRAÇÃO E NA EXTINÇÃO DO CONTRATO DE TRABALHO DE UMA TRANSPORTADORA DE JACIARA - MT ANÁLISE DOS DIREITOS E DEVERES DO EMPREGADOR E DO EMPREGADO NA CELEBRAÇÃO E NA EXTINÇÃO DO CONTRATO DE TRABALHO DE UMA TRANSPORTADORA DE JACIARA - MT GASPARINI, Renata Yanaga Shibukawa 1 OBERSTEINER, Maria

Leia mais

Aula 1 Conceitos básicos de Sistemas de Informação.

Aula 1 Conceitos básicos de Sistemas de Informação. Aula 1 Conceitos básicos de Sistemas de Informação. Dados X Informações O que são Dados? São materiais brutos que precisam ser manipulados e colocados em um contexto compreensivo antes de se tornarem úteis

Leia mais

Módulo 4: Gerenciamento dos Riscos, das Aquisições, das Partes Interessadas e da Integração

Módulo 4: Gerenciamento dos Riscos, das Aquisições, das Partes Interessadas e da Integração Diretoria de Desenvolvimento Gerencial Coordenação Geral de Educação a Distância Gerência de Projetos - Teoria e Prática Conteúdo para impressão Módulo 4: Gerenciamento dos Riscos, das Aquisições, das

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DA INFORMÁTICA

ADMINISTRAÇÃO DA INFORMÁTICA ADMINISTRAÇÃO DA INFORMÁTICA A informação sempre esteve presente em todas as organizações; porém, com a evolução dos negócios, seu volume e valor aumentaram muito, exigindo uma solução para seu tratamento,

Leia mais

O SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS (S.I.G.) APLICADO EM SUPRIMENTOS E PROCESSOS DECISÓRIOS

O SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS (S.I.G.) APLICADO EM SUPRIMENTOS E PROCESSOS DECISÓRIOS O SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS (S.I.G.) APLICADO EM SUPRIMENTOS E PROCESSOS DECISÓRIOS Hugo Bianchi BOSSOLANI 1 RESUMO: Sistema de Informações Gerenciais (S.I.G.) é o processo de transformação de

Leia mais

PLANO DE CONTINGÊNCIA DE BANCO DE DADOS

PLANO DE CONTINGÊNCIA DE BANCO DE DADOS PLANO DE CONTINGÊNCIA DE BANCO DE DADOS Pedro Henrique Jussani 1, Luiz Fernando Braga Lopes 1 1 Universidade Paranaense (UNIPAR) Paranavaí PR Brasil pedrohenriquejussani@hotmail.com, lfbraga@unipar.br

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO * César Raeder Este artigo é uma revisão de literatura que aborda questões relativas ao papel do administrador frente à tecnologia da informação (TI) e sua

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação I

Administração de Sistemas de Informação I Administração de Sistemas de Informação I Prof. Farinha Aula 04 Conceito Sistema de Informação é uma série de elementos ou componentes inter-relacionados que coletam (entrada), manipulam e armazenam (processo),

Leia mais

Tecnologias e Sistemas de Informação

Tecnologias e Sistemas de Informação Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 02 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

BRINCAR É PRECISO. MARRAFON, Dâbora Luciana 1 SILVA, PatrÖcia Arruda da 2 INTRODUÇÃO

BRINCAR É PRECISO. MARRAFON, Dâbora Luciana 1 SILVA, PatrÖcia Arruda da 2 INTRODUÇÃO BRINCAR É PRECISO MARRAFON, Dâbora Luciana 1 SILVA, PatrÖcia Arruda da 2 RESUMO: Embora o brincar sempre tenha feito parte do cotidiano infantil, nem sempre foi dada a devida importäncia. Mesmo sabendo

Leia mais

SI- Sistemas de Informação. Professora: Mariana A. Fuini

SI- Sistemas de Informação. Professora: Mariana A. Fuini SI- Sistemas de Informação Professora: Mariana A. Fuini INTRODUÇÃO A informação é tudo na administração de uma organização. Mas para uma boa informação é necessário existir um conjunto de características

Leia mais

...estas abordagens contribuem para uma ação do nível operacional do design.

...estas abordagens contribuem para uma ação do nível operacional do design. Projetar, foi a tradução mais usada no Brasil para design, quando este se refere ao processo de design. Maldonado definiu que design é uma atividade de projeto que consiste em determinar as propriedades

Leia mais

DOENÇA DA CONTEMPORANEIDADE: DEPRESSÃO INFANTIL

DOENÇA DA CONTEMPORANEIDADE: DEPRESSÃO INFANTIL DOENÇA DA CONTEMPORANEIDADE: DEPRESSÃO INFANTIL BORBA, Lucimar Alves de 1 RESUMO: Durante um peröodo a depressño infantil era uma doenéa sem muita importância, era algo negativo, tanto para a sociedade

Leia mais

Como pode ser dividido

Como pode ser dividido Planejamento Como pode ser dividido O planejamento estratégico prever o futuro da empresa, em relação ao longo prazo. De uma forma genérica, consiste em saber o que deve ser executado e de que maneira

Leia mais

Sistema de Informação Gerencial SIG

Sistema de Informação Gerencial SIG Sistema de Informação Gerencial SIG O SIG abrange a empresa Estratégico Tático Operacional Conceitos Básicos: DADO: Qualquer elemento identificado em sua forma bruta que, por si só, não conduz a compensação

Leia mais

Administração de Pessoas

Administração de Pessoas Administração de Pessoas MÓDULO 5: ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS 5.1 Conceito de ARH Sem as pessoas e sem as organizações não haveria ARH (Administração de Recursos Humanos). A administração de pessoas

Leia mais

NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE TÉCNICA DO SETOR PÚBLICO NBCT (IPSAS)

NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE TÉCNICA DO SETOR PÚBLICO NBCT (IPSAS) NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE TÉCNICA DO SETOR PÚBLICO NBCT (IPSAS) Temas para Discussão 1) DISPOSIÇÕES GERAIS 2) DEFINIÇÕES GERAIS 3) CARACTERÍSTICAS E ATRIBUTOS DA INFORMAÇÃO DE CUSTOS 4) EVIDENCIAÇÃO

Leia mais

Visão Geral dos Sistemas de Informação

Visão Geral dos Sistemas de Informação Visão Geral dos Sistemas de Informação Existem muitos tipos de sistemas de informação no mundo real. Todos eles utilizam recursos de hardware, software, rede e pessoas para transformar os recursos de dados

Leia mais

EVOLUÇÃO E DESAFIOS DA GESTÃO DE UMA EMPRESA FAMILIAR DO RAMO DE CONSTRUÇÃO CIVIL Breno Luiz Lagreca Dias da Costa 1 Larissa Disconzi Perufo 2

EVOLUÇÃO E DESAFIOS DA GESTÃO DE UMA EMPRESA FAMILIAR DO RAMO DE CONSTRUÇÃO CIVIL Breno Luiz Lagreca Dias da Costa 1 Larissa Disconzi Perufo 2 EVOLUÇÃO E DESAFIOS DA GESTÃO DE UMA EMPRESA FAMILIAR DO RAMO DE CONSTRUÇÃO CIVIL Breno Luiz Lagreca Dias da Costa 1 Larissa Disconzi Perufo 2 1 INTRODUÇÃO Empresas familiares distinguem-se das demais

Leia mais

8. AS EQUIPES VIRTUAIS PROMOVENDO VANTAGENS COMPETITIVAS NA BUNGE FERTILIZANTES S/A

8. AS EQUIPES VIRTUAIS PROMOVENDO VANTAGENS COMPETITIVAS NA BUNGE FERTILIZANTES S/A 8. AS EQUIPES VIRTUAIS PROMOVENDO VANTAGENS COMPETITIVAS NA BUNGE FERTILIZANTES S/A Adriane Hartman Fábio Gomes da Silva Dálcio Roberto dos Reis Luciano Scandelari 1 INTRODUÇÃO Este artigo pretende mostrar

Leia mais

4. SISTEMAS DE APOIO À DECISÃO

4. SISTEMAS DE APOIO À DECISÃO 1 4. SISTEMAS DE APOIO À DECISÃO A necessidade dos Sistemas de Apoio à Decisão (SAD) ou Sistemas de Suporte à Decisão (SSD) surgiu em decorrência de diversos fatores, como, por exemplo: Competição cada

Leia mais

MOTIVAÇÃO: A MOLA PROPULSORA DA GESTÃO DE PESSOAS RESUMO

MOTIVAÇÃO: A MOLA PROPULSORA DA GESTÃO DE PESSOAS RESUMO MOTIVAÇÃO: A MOLA PROPULSORA DA GESTÃO DE PESSOAS RESUMO Considerando que o ser humano é formado por características de personalidade únicas e complexas, o seu comportamento no trabalho e em outros lugares,

Leia mais

FTAD Formação Técnica em Administração. Aula 04 Prof. Arlindo Neto

FTAD Formação Técnica em Administração. Aula 04 Prof. Arlindo Neto FTAD Formação Técnica em Administração Aula 04 Prof. Arlindo Neto COMPETÊNCIAS QUE TRABALHAREMOS NESTE MÓDULO Conhecer as funções e importância de um Sistema de Informação Gerencial. O que é um Sistema

Leia mais

ONDE OS PROJETOS FALHAM? Manuel da Rocha Fiúza BRANCO, Jr 1

ONDE OS PROJETOS FALHAM? Manuel da Rocha Fiúza BRANCO, Jr 1 ONDE OS PROJETOS FALHAM? Manuel da Rocha Fiúza BRANCO, Jr 1 RESUMO Diversos profissionais relatam dificuldades em coordenar adequadamente projetos sob sua responsabilidade. Muitos fatores que influenciam

Leia mais

PLANEJAMENTO COMO PROCESSO ADMINISTRATIVO

PLANEJAMENTO COMO PROCESSO ADMINISTRATIVO 1 PLANEJAMENTO COMO PROCESSO ADMINISTRATIVO Aline Silva SANTOS 1 RGM 088607 Andressa Faustino da SILVA¹ RGM 089712 Diego Dias dos SANTOS¹ RGM 087266 Tatiane Gomes dos SANTOS¹ RGM 089204 Viviane Regina

Leia mais

Tópicos Especiais em Economia e Gestão da Saúde

Tópicos Especiais em Economia e Gestão da Saúde Tópicos Especiais em Economia e Gestão da Saúde Sistemas de Informações ( Parte I) Patrícia Paula Dias de Sá Residente de Administração em Gestão Hospitalar Hospital Universitário - UFJF Ato ou efeito

Leia mais

Introdução; Sistemas de Informação; Aplicações de Ferramentas de Sistemas de informação; Gestão de Conhecimento; Visão panorâmica dos grupos de

Introdução; Sistemas de Informação; Aplicações de Ferramentas de Sistemas de informação; Gestão de Conhecimento; Visão panorâmica dos grupos de Introdução; Sistemas de Informação; Aplicações de Ferramentas de Sistemas de informação; Gestão de Conhecimento; Visão panorâmica dos grupos de pesquisa no Brasil; Contribuição do profissional de SI; Conclusão;

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

Sistema de informação para controle de vendas em imobiliária

Sistema de informação para controle de vendas em imobiliária Sistema de informação para controle de vendas em imobiliária Acadêmico: Diego Vicentini Orientador: Prof. Paulo R. Dias FURB Universidade Regional de Blumenau Julho/2007 Roteiro da apresentação Introdução

Leia mais

Sistemas de Informação CEA460 - Gestão da Informação

Sistemas de Informação CEA460 - Gestão da Informação Sistemas de Informação CEA460 - Gestão da Informação Janniele Aparecida Conceitos Sistema de Informação Conjunto de componentes interrelacionados que coletam (ou recuperam), processam e armazenam e distribuem

Leia mais

IMPLANTAÇÃO E TREINAMENTO NO SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS ESTUDO DE CASO

IMPLANTAÇÃO E TREINAMENTO NO SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS ESTUDO DE CASO 503 IMPLANTAÇÃO E TREINAMENTO NO SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS ESTUDO DE CASO Christina Garcia(1); Franciane Formighieri(2); Taciana Tonial(3) & Neimar Follmann(4)(1) Acadêmica do 4º Ano do Curso de

Leia mais

CÓDIGO CRÉDITOS PERÍODO PRÉ-REQUISITO TURMA ANO INTRODUÇÃO

CÓDIGO CRÉDITOS PERÍODO PRÉ-REQUISITO TURMA ANO INTRODUÇÃO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS ESCOLA DE GESTÃO E NEGÓCIOS CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS, ADMINISTRAÇÃO E ECONOMIA DISCIPLINA: ESTRUTURA E ANÁLISE DE CUSTO CÓDIGO CRÉDITOS PERÍODO PRÉ-REQUISITO

Leia mais

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Material de Apoio Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações.

Leia mais

Os cinco subsistemas de Gestão de Pessoas

Os cinco subsistemas de Gestão de Pessoas Faculdade de Tecnologia Senac Goiás Os cinco subsistemas de Gestão de Pessoas Trabalho de Gestão de Pessoas Alunos: Nilce Faleiro Machado Goiânia,4 de dezembro de 2015 1 Sumário Capa...1 Sumário...2 Introdução...3

Leia mais

PERÍCIA FORENSE COMPUTACIONAL: METODOLOGIAS, TÉCNICAS E FERRAMENTAS

PERÍCIA FORENSE COMPUTACIONAL: METODOLOGIAS, TÉCNICAS E FERRAMENTAS PERÍCIA FORENSE COMPUTACIONAL: METODOLOGIAS, TÉCNICAS E FERRAMENTAS GONâALVES, Märcio 1 AMADIO, Renato Arnaut 2 GAVILAN, Jálio Cãsar 3 SANTOS,, Herlones Wuilles dos 4 RESUMO: Este trabalho apresenta ao

Leia mais

A importâ nciâ dâ tecnologiâ dâ informâçâ o nâs empresâs

A importâ nciâ dâ tecnologiâ dâ informâçâ o nâs empresâs A importâ nciâ dâ tecnologiâ dâ informâçâ o nâs empresâs RESUMO O presente artigo visa apresentar a importância das Tecnologias de Informação no gerenciamento das empresas de forma ágil e eficaz, demonstrando

Leia mais

Planejamento de sistemas de informação.

Planejamento de sistemas de informação. Planejamento de sistemas de informação. O planejamento de sistemas de informação e da tecnologia da informação é o processo de identificação das aplicações baseadas em computadores para apoiar a organização

Leia mais

Utilização de ferramentas de colaboração para Gestão do Conhecimento

Utilização de ferramentas de colaboração para Gestão do Conhecimento Utilização de ferramentas de colaboração para Gestão do Conhecimento Carlos Roberto de Souza Tavares 1 Carlos Mário Dal Col Zeve 2 RESUMO Um dos maiores problemas que as empresas atuais enfrentam refere-se

Leia mais

fagury.com.br. PMBoK 2004

fagury.com.br. PMBoK 2004 Este material é distribuído por Thiago Fagury através de uma licença Creative Commons 2.5. É permitido o uso e atribuição para fim nãocomercial. É vedada a criação de obras derivadas sem comunicação prévia

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUES EX-PROJECT RESUMO INTRODUÇÃO

SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUES EX-PROJECT RESUMO INTRODUÇÃO SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUES EX-PROJECT Antonio Evangelino de Carvalho Soares Cintia Silvia Victor dos Santos Claudinei Candido Vieira Érica Natália Martins Silva Kátia Ribeiro dos Santos Marco Túlio

Leia mais

Por que estudar sistemas de informação?

Por que estudar sistemas de informação? Por que estudar sistemas de informação? Por que estudar sistemas de informação? Isto é o mesmo que perguntar por que alguém deve estudar contabilidade, finanças, as, marketing, RH ou qualquer outra grande

Leia mais

Componentes do SI. Organização. Pessoas. Tecnologia. Unidades que exercem diferentes funções, tais como: vendas, produção, educação;

Componentes do SI. Organização. Pessoas. Tecnologia. Unidades que exercem diferentes funções, tais como: vendas, produção, educação; Componentes do SI Realimentam o SI com novos dados que geram novas informações; Interagem diretamente com o SI. Utilizam as informações geradas para algum processo de tomada de decisão (ambiente de trabalho);

Leia mais

CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT - CRM: SUA EFICÁCIA NOS PROCESSOS DE TOMADA DE DECISÕES EMPRESARIAIS Érika de Souza CAMALIONTE 1 Marcelo LAMPKOWSKI 2

CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT - CRM: SUA EFICÁCIA NOS PROCESSOS DE TOMADA DE DECISÕES EMPRESARIAIS Érika de Souza CAMALIONTE 1 Marcelo LAMPKOWSKI 2 CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT - CRM: SUA EFICÁCIA NOS PROCESSOS DE TOMADA DE DECISÕES EMPRESARIAIS Érika de Souza CAMALIONTE 1 Marcelo LAMPKOWSKI 2 RESUMO: O Customer Relashionship Management CRM ou

Leia mais

OS IMPACTOS DAS ESTRATÉGIAS DE ESCRITA DE UMA PROFESSORA NA PRODUÇÃO TEXTUAL DOS ALUNOS *

OS IMPACTOS DAS ESTRATÉGIAS DE ESCRITA DE UMA PROFESSORA NA PRODUÇÃO TEXTUAL DOS ALUNOS * OS IMPACTOS DAS ESTRATÉGIAS DE ESCRITA DE UMA PROFESSORA NA PRODUÇÃO TEXTUAL DOS ALUNOS * BAZARIM, Milene 1 RESUMO: Este trabalho apresenta os resultados de uma investigaéño sobre os impactos das estratâgias

Leia mais

OS NOVOS PARADIGMAS DA FORMAÇÃO CONTINUADA: DA EDUCAÇÃO BÁSICA À PÓSGRADUAÇÃO

OS NOVOS PARADIGMAS DA FORMAÇÃO CONTINUADA: DA EDUCAÇÃO BÁSICA À PÓSGRADUAÇÃO OS NOVOS PARADIGMAS DA FORMAÇÃO CONTINUADA: DA EDUCAÇÃO BÁSICA À PÓSGRADUAÇÃO Profa. Drª. Ana Maria Maranhão 1 Resumo: A tecnologia da Informação e de modo específico o computador, oferece as diferentes

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS Gilmar da Silva, Tatiane Serrano dos Santos * Professora: Adriana Toledo * RESUMO: Este artigo avalia o Sistema de Informação Gerencial

Leia mais

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO P á g i n a 3 INTRODUÇÃO A Administração de Materiais compreende as decisões e o controle sobre o planejamento, programação, compra, armazenamento e distribuição dos materiais indispensáveis à produção

Leia mais

REMUNERAÇÃO ESTRATÉGICA SETEMBRO 2.011

REMUNERAÇÃO ESTRATÉGICA SETEMBRO 2.011 REMUNERAÇÃO ESTRATÉGICA SETEMBRO 2.011 AS EMPRESAS Mapa Estratégico Menos níveis hierárquicos Foco no Cliente Novas Lideranças Gestão por processos O RH parceiro da estratégia Terceirizações Foco no core

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

Sistema. Atividades. Sistema de informações. Tipos de sistemas de informação. Everson Santos Araujo everson@everson.com.br

Sistema. Atividades. Sistema de informações. Tipos de sistemas de informação. Everson Santos Araujo everson@everson.com.br Sistema Tipos de sistemas de informação Everson Santos Araujo everson@everson.com.br Um sistema pode ser definido como um complexo de elementos em interação (Ludwig Von Bertalanffy) sistema é um conjunto

Leia mais

Fundamentos do Sistema de Informação nas Empresas. Objetivos do Capítulo

Fundamentos do Sistema de Informação nas Empresas. Objetivos do Capítulo Objetivos do Capítulo Explicar por que o conhecimento dos sistemas de informação é importante para os profissionais das empresas e identificar as cinco áreas dos sistemas de informação que esses profissionais

Leia mais

Por que sua organização deve implementar a ABR - Auditoria Baseada em Riscos

Por que sua organização deve implementar a ABR - Auditoria Baseada em Riscos Março de 2010 UM NOVO PARADIGMA PARA AS AUDITORIAS INTERNAS Por que sua organização deve implementar a ABR - Auditoria Baseada em Riscos por Francesco De Cicco 1 O foco do trabalho dos auditores internos

Leia mais

BSC Balance Score Card

BSC Balance Score Card BSC (Balance Score Card) BSC Balance Score Card Prof. Gerson gerson.prando@fatec.sp.gov.br Uma das metodologias mais visadas na atualidade éobalanced ScoreCard, criada no início da década de 90 por Robert

Leia mais

A INCLUSÃO DE PORTADORES COM DEFICIÊNCIA AUDITIVA NO ENSINO REGULAR

A INCLUSÃO DE PORTADORES COM DEFICIÊNCIA AUDITIVA NO ENSINO REGULAR A INCLUSÃO DE PORTADORES COM DEFICIÊNCIA AUDITIVA NO ENSINO REGULAR BORBA, Lucimar Alves de 1 GOMES, Verânica Pereira 2 RESUMO: O estudo teve como objetivo promover uma sensibilizaéño dos profissionais

Leia mais

4. BANCO DE COMPETÊNCIAS PROPOSTA DE UMA FERRAMENTA DE APOIO À DECISÃO DE CAPACITAÇÃO DE RH

4. BANCO DE COMPETÊNCIAS PROPOSTA DE UMA FERRAMENTA DE APOIO À DECISÃO DE CAPACITAÇÃO DE RH 4. BANCO DE COMPETÊNCIAS PROPOSTA DE UMA FERRAMENTA DE APOIO À DECISÃO DE CAPACITAÇÃO DE RH 1. INTRODUÇÃO Gilson da Silva Cardoso Antonio Carlos Francisco Luciano Scandelari O mundo está experimentando

Leia mais

O IMPACTO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NO RH

O IMPACTO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NO RH O IMPACTO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NO RH RESUMO Denise Felber 1 Helmuth Grossmann Jr. 2 Ângela Maria Reginaldo Brun 3 Fernando Krein Pinheiro 4 Liliane Carina Janner 5 A crescente competitividade faz

Leia mais

Sistemas de Informações Gerenciais

Sistemas de Informações Gerenciais Sistemas de Informações Gerenciais Aula 4 Sistema de Informação SI baseado em computadores Organização, administração e estratégia Professora: Cintia Caetano INTRODUÇÃO Sistemas de Informação são parte

Leia mais

Governança de TI Funções Gerenciais e Estrutura Organizacional. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br

Governança de TI Funções Gerenciais e Estrutura Organizacional. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Governança de TI Funções Gerenciais e Estrutura Organizacional Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Agenda Componentes de uma empresa Objetivos Organizacionais X Processos de negócios Gerenciamento integrado

Leia mais

Capítulo 1. Avaliando Empresas Uma Introdução

Capítulo 1. Avaliando Empresas Uma Introdução Capítulo 1 Avaliando Empresas Uma Introdução A expressão avaliação de empresas é a tradução para a língua portuguesa do termo valuation, sendo sinônimo de valoração de empresas. A recente onda de fusões

Leia mais

POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DO FUNBIO

POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DO FUNBIO POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DO FUNBIO P-32 /2014 Área Responsável: Auditoria Interna OBJETIVO: Descrever a metodologia do FUNBIO à gestão de riscos, documentar os papéis e responsabilidades da

Leia mais

Disciplina: GESTÃO DE PROCESSOS E QUALIDADE Prof. Afonso Celso M. Madeira

Disciplina: GESTÃO DE PROCESSOS E QUALIDADE Prof. Afonso Celso M. Madeira Disciplina: GESTÃO DE PROCESSOS E QUALIDADE Prof. Afonso Celso M. Madeira 3º semestre CONCEITOS CONCEITOS Atividade Ação executada que tem por finalidade dar suporte aos objetivos da organização. Correspondem

Leia mais

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão Desenvolve Minas Modelo de Excelência da Gestão O que é o MEG? O Modelo de Excelência da Gestão (MEG) possibilita a avaliação do grau de maturidade da gestão, pontuando processos gerenciais e resultados

Leia mais

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr.

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. 15 Aula 15 Tópicos Especiais I Sistemas de Informação Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. Site Disciplina: http://fundti.blogspot.com.br/ Conceitos básicos sobre Sistemas de Informação Conceitos sobre Sistemas

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I Dimensões de análise dos SI Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br + Introdução n Os sistemas de informação são combinações das formas de trabalho, informações, pessoas

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL COMO FONTE DE TOMADA DE DECISÕES GERENCIAS

A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL COMO FONTE DE TOMADA DE DECISÕES GERENCIAS A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL COMO FONTE DE TOMADA DE DECISÕES GERENCIAS Linha de pesquisa: Sistema de informação gerencial Pâmela Adrielle da Silva Reis Graduanda do Curso de Ciências

Leia mais

Sistemas de Informações

Sistemas de Informações Tópicos da aula GESTÃO DA INFORMAÇÃO GESTÃO DO CONHECIMENTO CAPITAL INTELECTUAL TOMADA DE DECISÃO ENGENHARIA DA INFORMAÇÃO Sistemas de Informações Ondas de transformação da humanidade Revolução Agrícola

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Este material resulta da reunião de fragmentos do módulo I do Curso Gestão Estratégica com uso do Balanced Scorecard (BSC) realizado pelo CNJ. 1. Conceitos de Planejamento Estratégico

Leia mais

APRENDIZAGEM ORGANIZACIONAL NA INDÚSTRIA MOVELEIRA NAS REGIÕES FRONTEIRA NOROESTE E CELEIRO RS, NO ÂMBITO DO PROJETO EXTENSÃO PRODUTIVA E INOVAÇÃO.

APRENDIZAGEM ORGANIZACIONAL NA INDÚSTRIA MOVELEIRA NAS REGIÕES FRONTEIRA NOROESTE E CELEIRO RS, NO ÂMBITO DO PROJETO EXTENSÃO PRODUTIVA E INOVAÇÃO. APRENDIZAGEM ORGANIZACIONAL NA INDÚSTRIA MOVELEIRA NAS REGIÕES FRONTEIRA NOROESTE E CELEIRO RS, NO ÂMBITO DO PROJETO EXTENSÃO PRODUTIVA E INOVAÇÃO. 1 Maria Aparecida Da Silva Buss 2, Pedro Luís Büttenbender

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA NA CONSTRUÇÃO CIVIL: METODOLOGIA PARA ANÁLISE DO DESEMPENHO ORGANIZACIONAL

GESTÃO ESTRATÉGICA NA CONSTRUÇÃO CIVIL: METODOLOGIA PARA ANÁLISE DO DESEMPENHO ORGANIZACIONAL GESTÃO ESTRATÉGICA NA CONSTRUÇÃO CIVIL: METODOLOGIA PARA ANÁLISE DO DESEMPENHO ORGANIZACIONAL Renato Paraquett Fernandes Mestrando do Programa de Pós-Graduação e Engenharia Civil/Produção da Universidade

Leia mais

Fonte: Laudon & Laudon 5ª edição Administração de Sistemas de Informação

Fonte: Laudon & Laudon 5ª edição Administração de Sistemas de Informação ADMINISTRAÇÃO DA EMPRESA DIGITAL Fonte: Laudon & Laudon 5ª edição 1 OBJETIVOS Qual é o papel dos sistemas de informação no ambiente de negócios competitivos existentes hoje? O que é, exatamente, um sistema

Leia mais

Processos Administrativos de Compras

Processos Administrativos de Compras Processos Administrativos de Compras INTRODUÇÃO A função compras é um segmento essencial do Departamento de Materiais e Suprimentos, que tem pôr finalidade suprir as necessidades de materiais ou serviços

Leia mais

GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro

GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro Matheus de Aguiar Sillos matheus.sillos@pmlog.com.br AGV Logística Rua Edgar Marchiori, 255, Distrito

Leia mais

TÉCNICA DE VENDAS: UMA ABORDAGEM DIRETA

TÉCNICA DE VENDAS: UMA ABORDAGEM DIRETA 1 TÉCNICA DE VENDAS: UMA ABORDAGEM DIRETA Alan Nogueira de Carvalho 1 Sônia Sousa Almeida Rodrigues 2 Resumo Diversas entidades possuem necessidades e interesses de negociações em vendas, e através desses

Leia mais

Conceitos. - Sistema de Informação, Estruturas e Classificação. - Dados x Informações. Edson Almeida Junior www.edsonalmeidajunior.com.

Conceitos. - Sistema de Informação, Estruturas e Classificação. - Dados x Informações. Edson Almeida Junior www.edsonalmeidajunior.com. Conceitos - Sistema de Informação, Estruturas e Classificação - Dados x Informações Edson Almeida Junior www.edsonalmeidajunior.com.br Definição de Sistema Uma coleção de objetos unidos por alguma forma

Leia mais