SIG: SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL COMO FERRAMENTA DE APOIO AS EMPRESAS.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SIG: SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL COMO FERRAMENTA DE APOIO AS EMPRESAS."

Transcrição

1 SIG: Sistema de Informação Gerencial como Ferramenta de Apoio as Empresas 1 SIG: SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL COMO FERRAMENTA DE APOIO AS EMPRESAS. Gláucia Maria Carteri 1 Pabblo Abadia Miranda Rodrigues 2 RESUMO O presente artigo abordará alguns assuntos relacionados com Sistema de informação gerencial (SIG), e terá como objetivo identificar, analisar e reconhecer as técnicas, métodos e procedimentos que são utilizados por esse, no processo administrativo das empresas. Avaliará a importância do mesmo como ferramenta indispensável para os gestores na tomada de decisão, principalmente nos dias atuais, por ocasião das frequentes mudanças, que acontecem tanto dentro quanto fora do âmbito organizacional e empresarial. Diante disso, é de suma importância que a organização disponha de um bom sistema de informação, para que venha a desenvolver um gerenciamento de forma eficaz, com maior agilidade, segurança, e assim os gestores terão subsídios para tomarem sempre as decisões mais corretas. Palavras-Chave: Sistema; Informação; Organização; Tomada de Decisões. ABSTRACT This article will address some issues related to management information system (GIS), and will aim to identify, analyze and recognize the techniques, methods and procedures that are used by that in administrative proceedings of companies. Assess its importance as an indispensable tool for managers in decision making, especially nowadays, when the frequent changes that take place both inside and outside the organization and business. Therefore, it is extremely important that the organization has a good information system, that will develop a management effectively, with greater speed, security, and so the managers will always make allowances for Better Decisions. Keywords: System, Information, Organization, Decision Making. 1 Gláucia Maria Carteri. Professora Especialista em Gestão Empresarial e Controladoria em Ciências Contábeis, Coordenadora do Curso de Ciências Contábeis, das Faculdades Unidas do Vale do Araguaia, 2 Pabblo Abadia Miranda Rodrigues Professor dos cursos Administração, Ciências Contábeis e TADS Tecnologia e Análise de Desenvolvimento de Sistemas das Faculdades Unidas do Vale do Araguaia e Especialista em Gestão Empresarial, e INTRODUÇÃO Observando uma crescente quantidade de empresas emergentes em nosso cotidiano e que, muitas vezes, fecham suas portas em poucos anos, despertou-nos a curiosidade em saber o porquê desse fenômeno. Será que elas encontram-se preparadas para enfrentar o mercado de trabalho? Essas entidades possuem um Sistema de Informação Gerencial para que elas possam tentar sobreviver no cenário atual? Com o avanço da concorrência e a carência de recursos disponíveis terem contribuído para as constantes alterações na gestão dos negócios e em todos os seguimentos, acentua-se a necessidade de informações que possam auxiliar os executivos nas tomadas de decisão do dia a dia. O SIG Sistema de Informação Gerencial vem completar esse espaço, produzindo informações objetivas, claras, úteis e relevantes, através da combinação de ferramentas indispensáveis nas diversas áreas do conhecimento dos negócios. Neste processo, a comunicação terá um papel significativo para os tomadores de decisões. É importante observar que as informações geradas são de grande relevância à medida em que os gestores consigam identificar tanto as ameaças quanto as oportunidades que o ambiente proporciona às empresas. O desafio do SIG é colaborar para o aprimoramento da interpretação desse ambiente organizacional, ISSN X

2 SIG: Sistema de Informação Gerencial como Ferramenta de Apoio as Empresas 2 demonstrando a aplicabilidade do SIG como instrumento para tomada de decisão dos gestores, selecionar e apresentar ferramentas gerenciais, que sirvam de suporte para uma nova abordagem de tomada de decisões e, com isso, auxiliar o empreendedor para uma gestão de sucesso. SISTEMA Quando se ouve falar em Sistema, o que nos vem à mente é uma interligação entre um conjunto de elementos nos quais tenham alguma relação. De fato, isso não está errado, mas como vamos lidar com sistemas de uma empresa, vamos visualizar esse sistema como sendo a ligação entre os setores da empresa, tais como Administrativo, Financeiro, Recursos Humanos, Tecnológicos dentre outros, que tem como objetivo a maior obtenção de informações possíveis, que possam auxiliar os gestores em suas decisões. De acordo com Bio (1985 p. 18) considera-se sistema um conjunto de elementos interdependentes, ou seja, um todo organizado, ou partes que se interagem formando um todo unitário e complexo. Oliveira, Junior e Silva (2009, p. 54) mencionam que sistema é um conjunto de funções e processos, logicamente estruturados, de modo a possibilitar o planejamento, a coordenação e o controle das atividades organizacionais, com a finalidade de atender aos objetivos empresariais. Já para Oliveira (2001, p. 23) sistema é um conjunto de partes interagentes e interdependentes que, conjuntamente, formam um todo unitário com determinado objetivo e efetuam determinada função. Churchmam (1972, p. 50 citado por Nascimento e Reginato, 2007, p. 19) afirma que sistema é um conjunto de partes coordenadas para realizar um conjunto de finalidades. Por sua vez, Optner (1973, apud Nascimento e Reginato, 2007, p. 19) sistema é um conjunto objetos que possui determinadas relações entre eles e seus atributos. Segundo ainda Oliveira, Junior e Silva (2009, p. 54) expressa um conceito mundialmente aceito para qualquer sistema que seria o seguinte: Sistema é um conjunto de partes e componentes, logicamente estruturados, com a finalidade de atender a um objetivo. Para Padoveze (2009, p. 46) Sistema pode ser definido como complexo de elementos em interação. Em outras palavras sistema é um conjugado de elementos que se interatuam para que as metas ou os objetivos almejados pela empresa possam ser atingidos. Analisando o gráfico acima, podemos dizer que um sistema é formado essencialmente dos seguintes elementos: Fig. 1 Caracterização e Funcionamento básico de um sistema. Fonte PADOVEZE, As entradas abrangem a captação e aglomeração dos componentes que adentram no sistema, e com isso serão processados. Já o processamento, é o método de modificação ou transformação que resume o insumo, que é a (entrada) em produto pronto. E as saídas dizem respeito à passagem de elementos que foram produzidos por um processo de transformação ou modificação até o seu destino final. Padoveze define ainda sistema: Como uma resultante do enfoque sistêmico, o todo deve ser mais que a soma das partes. No ambiente empresarial, esta resultante tem sido denominada de sinergia, que significa que a ação conjunta de diversos componentes sistêmicos ou entidades podem obter desempenho melhor do que aquele possível de se obter isoladamente. Em outras palavras, por mais que se estudem as partes para entender o todo, é necessário considerar as inter-relações e o contexto em que estão inseridas. Dessa maneira, as inter-relações existentes permitem que o todo seja maior que a soma isolada das partes, ou seja, no agregado encontramos características muitas vezes não encontradas nos componentes isolados. Fundamentamentalmente, o funcionamento de um sistema configura-se com um processamento de recursos (entradas do sistema), obtendo-se, com esse processamento, as saídas ou produtos do sistema (entradas, processamento, saídas). (PADOVEZE, 2007, p. 8 e 9). Dessa forma podemos dizer que sistema seria um conjunto de elementos coordenados interdependentes e em constante interação, sempre em busca da melhor eficácia para atingir determinado objetivo para o todo da organização. Por sua vez Mello (1999, p. 21) apresenta um conceito ainda mais resumido e objetivo sobre sistema, definindo-o [...] como sendo um conjunto de elementos, ou de componentes que mantêm relações entre si. Em outras palavras podemos definir sistema como um conjunto de partes e componentes, totalmente formado, que tem como finalidade atender um objetivo. DADO X INFORMAÇÃO Antes de falarmos de informação, primeiramente, temos que saber distinguir e abordar o significado de duas palavras que estão ligadas diretamente a ela, que são, os dados e a informação, pois para um processo de gerenciamento bem sucedido, é de fundamental importância que se tenha bem claro, o que cada uma delas representa dentro do sistema de informação. Dado Toda e qualquer entidade se utiliza de dados, mas, por sua vez, os dados são eventos que ocorrem de forma primária e bruta, e que necessitam de organização, para serem transformados em informações. Segundo Mello (199, p. 30) [...] dado é a expressão lógica de um fato isolado e uma informação é a expressão lógica de um fato global. Padoveze (2007, p. 27) diz que dado é o registro puro, ainda não interpretado, analisado e processado. De acordo com Oliveira (2001, p. 36) dado é qualquer elemento identificado em sua forma bruta que,

3 SIG: Sistema de Informação Gerencial como Ferramenta de Apoio as Empresas 3 por si só, não conduz a uma compreensão de determinado fato ou situação. Já Frezatti, Rocha, Nascimento e Junqueira mencionam que Dado é uma descrição ou mensuração de um objeto, de um atributo do objeto ou de um evento que, alternativamente: (a) já é conhecido por quem recebe; (b) não é conhecido, mas também não lhe interessa conhecer; ou (c) não contribui para melhorar a compreensão de alguma situação ou problema. (FREZATTI, ROCHA, NASCIMENTO e JUNQUEIRA, 2009, p. 70) Conforme Rezende: Dados incluem os itens que representam fatos, textos, gráficos, imagens estáticas, sons, segmentos de vídeo analógico ou digital etc. Os dados são coletados, por meio de processos organizacionais, nos ambientes interno e externo. Em suma, dados são sinais que não foram processados, correlacionados, integrados, avaliados ou interpretados de qualquer forma. Os dados representam a matéria-prima a ser utilizada na produção de informações. (REZENDE 2003, APUD SCHMIIDT e SANTOS, 2006, p. 179). Oliveira, Junior e Silva trazem a seguinte definição: Dado é qualquer elemento identificado em sua forma bruta, que por si só não conduz a uma compreensão de determinado fato ou situação. Pode ser entendido como a matéria prima que necessita ser trabalhada dentro de determinado contexto para, de forma sistêmica e ordenada, transformar-se no produto acabado, representado pela informação. (OLIVEIRA, JUNIOR e SILVA, 2009, p. 54). Mañas (1999, p. 64) diz que dado não é informação. Dado é a expressão em estado bruto e não interpretada de um fato. Sendo assim a transformação de dados em informação passa por um processo e uma série de trabalhos logicamente pautados, realizados para atingir um resultado determinado. Informação Podemos dizer que a informação é o recurso de maior importância e relevância dentro de uma empresa, e que ela é o resultado da organização, coordenação e analise dos dados. Dessa forma a qualidade da informação é muito mais importante do que a quantidade. Porém em várias ocasiões a informação acaba sendo confundida com dado. Conforme Mañas A informação passou a ser analisada sob o aspecto estratégico de maior relevância de uma empresa. Só o homem o supera, pois o conhecimento obtido por um homem pode levá-lo a resultados melhores ou piores. É preciso coadunar um homem e a informação que ele detém pra que surtam efeitos, os mais produtivos e positivos possíveis. (MAÑAS, 1999, p. 63). Segundo Oliveira (2001, p. 36) informação é o dado trabalhado que permite ao executivo tomar decisões. Por outro lado, Frezati, Rocha, Nascimento e Junqueira (2009, p. 70) dizem que informação é a descrição ou mensuração de um objeto ou evento que: (a) provoca surpresa em quem recebe; (b) reduz suas incertezas; e (c) ajuda-o a tomar decisões. Mañas (1999, p. 54) define ainda em sua obra que informação é o processo pelo qual a empresa informase sobre ela própria e seu ambiente, e por ele informa ao seu ambiente sobre ela mesma. Já Oliveira, Junior e Silva (2009, p. 54) afirmam que informação trata-se do produto acabado em decorrência da lapidação dos dados disponíveis, pronto para ser consumido pelos gestores da corporação, de forma útil e capaz de proporcionar o retorno necessário à realização dos objetivos estratégicos estabelecidos. Para Padoveze (2007, p. 27) informação é o dado que foi processado e armazenado de forma compreensível para seu receptor e que apresenta valor real ou percebido para suas decisões correntes ou prospectivas. Mañas (1999, p. 64) traz ainda em sua obra que informação é um dado registrado, classificado, organizado ou interpretado dentro de um contexto, exprimindo significado. É um acréscimo de conhecimento. Rezende (2003) menciona que informação: Os dados passam por algum tipo de processamento para serem exibidos em uma forma inteligível às pessoas que irão utilizá-los. O processo de transformação envolve a aplicação de procedimentos, que incluem formatação, tradução, fusão, impressão e assim pro diante. A maior parte desse processo pode ser executada automaticamente. Uma vez que dados tenham sido transformados em informações, pelo menos em uma interpretação inicial, é possível refinar as informações mediante um processo de elaboração. As informações resultantes desse processo incluem características adicionais do problema, geram hipóteses, conseqüências das hipóteses, sugerem soluções para problemas, explanação e justificativas de sugestões, crítica de argumentos etc. ; (REZENDA 2003, APUD SCHMIDT e SANTOS, 2006, p. 179) O que pode diferenciar o dado da informação, está unido ao conhecimento que cada uma delas poderá nos proporcionar para a tomada de decisão especialmente a informação. Já que a informação de forma abreviada é o dado processado de forma a ser entendido pelo receptor, e dessa forma a permuta de é a conversação. Em outras palavras, a informação é um processo pelo qual a organização recebe informações da mesma e de seu espaço, e através dela informa o seu ambiente a respeito da mesma, por meio da comunicação, da visão ou criação, do tratamento e da retenção dessas informações em suas formas mais diferentes. COMPONENTES DO SISTEMA De acordo com Padoveze (2007, p. 9) os componentes ou elementos básicos que compõem um sistema são: objetivos do sistema, ambiente do sistema ou processamento, recursos ou as entradas do sistema, componentes do sistema, saídas do sistema, administração ou controle e avaliação do sistema.

4 SIG: Sistema de Informação Gerencial como Ferramenta de Apoio as Empresas 4 Churchmam (1972, p. 51 citado por Padoveze, 2007, p. 10) menciona que os componentes de um sistema são: 1. Os objetivos totais do sistema, e, mais especificamente, as medidas de rendimento do sistema inteiro. 2. O ambiente do sistema: coações fixas. 3. Os recursos do sistema. 4. Os componentes do sistema, suas atividades, finalidades e medidas de rendimento. A administração do sistema. Oliveira (2001, p. 23) define que Os sistemas apresentam alguns componentes, a saber,? - os objetivos, que se referem tanto aos objetivos dos usuários do sistema quanto aos do próprio sistema. O objetivo é a própria razão de existência do sistema, ou seja, é a finalidade par qual o sistema foi criado; - as entradas do sistema, cuja função caracteriza as forças que fornecem ao sistema o material, a energia e a informação (que é o item básico abordado neste livro) para a operação ou processo, o qual gera determinadas saídas do sistema que devem estar em sintonia com os objetivos anteriormente estabelecidos; - o processo de transformação do sistema, que é definido como a função que possibilita a transformação de um insumo (entrada) em um produto, serviço ou resultado (saída). Esse processador é a maneira pela qual os elementos componentes do sistema interagem no sentido de produzir as saídas desejadas; - as saídas, que correspondem aos resultados do processo de transformação. As saídas podem ser definidas como finalidades para quais se uniram objetivos, atributos e relações do sistema. As saídas devem ser, portanto, coerentes com os objetivos do sistema; e, tendo em vista o processo de controle e avaliação, devem ser quantificáveis, de acordo com critérios e parâmetros previamente fixados. - os controles e as avaliações do sistema, principalmente para verificar e as saídas estão coerentes com os objetivos estabelecidos. Para realizar o controle e a avaliação de maneira adequada, é necessária uma medida do desempenho do sistema, chamada padrão; e - a retroalimentação, ou realimentação, ou feedback do sistema, que pode ser considerada como a reintrodução de uma saída sob a forma de informação. A realimentação é um processo de comunicação que reage a cada entrada de informação incorporando o resultado da ação-resposta desencadeada por meio de nova informação, a qual afetará seu comportamento subseqüente, e assim sucessivamente. Essa realimentação é um instrumento de regulação retroativa ou de controle, em que as informações realimentadas são resultados das divergências verificadas entre as respostas de um sistema e os parâmetros previamente estabelecidos. Portanto, a finalidade do controle é reduzir as discrepâncias ao mínimo, bem como propiciar uma situação em que esse sistema se torne auto-regulador. (OLIVEIRA, 2001, p. 23). Os componentes de um sistema podem ser visualizados na figura 2. Podemos dizer que as entradas são as nascentes que sustentam o sistema. Elas, por sua vez, quando fornecidas ao sistema vão originar as saídas, sempre de forma alinhada aos objetivos do sistema. O processo de transformação pode ser definido como a entrada de um insumo e sua transformação em um produto, serviço ou resultado que será a saída. É o modo como os componentes do sistema se interatuam para produzirem as saídas esperadas. Fig. 2 Componentes de um sistema. Fonte OLIVEIRA, As saídas compreendem os resultados alcançados pelo processo de transformação. Esses, por sua vez precisam ser coesos com o escopo do sistema e também quantificáveis conforme os critérios e parâmetros antecipadamente fixados. Os controles e avaliações, por sua vez observam se as saídas que foram geradas estão coesivas com os objetivos que foram estabelecidos. E são alcançados conforme um padrão estabelecido, como uma avaliação de atuação do sistema. Por fim a retroalimentação ou feedback do sistema que pode ser analisado como a reintrodução de uma saída que foi fornecida sob a formato de informação. O feedback tem como finalidade ajustar as informações que foram realimentadas, resultantes dos desacordos observados entre os objetivos que foram definidos e as saídas que serão produzidas. OBJETIVOS DOS SISTEMAS Os objetivos de um sistema é um dos pontos mais importantes, dentro da organização, pois representa basicamente o que queremos que o sistema nos realize. Esses objetivos estão ligados de forma direta com a missão e nossa responsabilidade dentro da empresa. Oliveira (2001, p. 23) menciona que [...] o objetivo é a própria razão de existência do sistema, ou seja, é a finalidade para qual o sistema foi criado [...]. Nesse sentido podemos dizer que toda formação de um sistema tem início a partir da precisa significação e definição, transparente de seus objetivos. CLASSIFICAÇÃO DOS SISTEMAS Os sistemas podem ser classificados de várias formas, porém para decorrência deste trabalho, serão classificados em abertos e fechados, mas como seriam na íntegra esses sistemas.

5 SIG: Sistema de Informação Gerencial como Ferramenta de Apoio as Empresas 5 Sistemas Abertos Para Bio (1985, p. 19) os sistemas abertos envolvem a ideia de que determinamos inputs são introduzidos no sistema e, processados, geram certos outputs. Com efeito, a empresa vale-se de recursos materiais, humanos e tecnológicos, de cujo processamento resultam bens ou serviços a serem fornecidos ao mercado. Mañas (1999, p. 62) diz que sistema aberto pode ser interpretado como um conjunto de partes em constante interação, constituindo um todo orientado para determinados fins e em permanente relação de interdependência com o ambiente externo. Conforme Nakagawa (1993, apud Oliveira, Junior e Silva 2009, p. 135) a noção de um sistema aberto implica a ideia de que o sistema importa recursos diversos que, após serem transformados em produtos e serviços, são exportados para o ambiente externo da empresa, ou seja, para o mercado. A figura 3 a seguir mostra o grau de influência que o ambiente externo tem sobre um sistema empresarial. Frezatti, Rocha, Nascimento e Junqueira (2009, p. 46) mencionam que sistemas abertos são os que integram com seu ambiente, em relação ao qual recebem e transmitem energia, informações e produtos. Uma organização com ou sem fins lucrativos é um exemplo. O ser humano é outro exemplo. Assim os sistemas abertos são aqueles que dependem do ambiente externo, pois estão em uma constante interação com a sociedade como um todo, mantendo sempre uma relação de troca com o ambiente que o cerca, e uma estável permuta de energia, considerando sempre a complexidade dos componentes em constantes interações por meio do curso de entradas e saídas, bem como a obrigação de adequação devido ao estável curso de recursos, e com isso formando um processo contínuo de aprendizagem e autorealização. Sistemas Fechados Conforme Padoveze (2009, p. 46) [...] Os sistemas fechados não integram com o ambiente externo, enquanto que os sistemas abertos caracterizam-se pela interação com o ambiente externo, suas entidades e variáveis. Para Frezatti, Rocha, Nascimento e Junqueira (2009, p. 46) sistemas fechados são os que não integram com seu ambiente, ou seja, as interações nele observadas ocorrem apenas entre as partes ou elementos que os compõem. Exemplo: um relógio. Analisando o que foi dito pelos autores, podemos concluir que o sistema fechado é aquele que não depende do ambiente externo para desenvolver suas funções pois trabalham separados e de forma isolada em relação ao ambiente que o cerca. SISTEMA DE INFORMAÇÃO O sistema de informação nos dias atuais se tornou um elemento indispensável para dar suporte e apoio às operações e principalmente às tomadas de decisões nas organizações da era globalizada. Oliveira, Junior e Silva (2009, p. 54) afirmam Sistema de informação é a combinação de um conjunto de dados sobre os quais se aplica determinada rotina de trabalho, manual e/ ou com a utilização dos recursos computacionais, para obtenção de informação de saídas. Gil (1992, p. 14 apud Padoveze 2007, p. 32) por sua vez menciona que Sistema de Informação compreendem um conjunto de recursos humanos, materiais, tecnológicos, e financeiros agregados segundo uma seqüência lógica para o processamento dos dados e a correspondente tradução em informações. De acordo com Mañas (1999, p. 55) o sistema de informação pode ser definido como [...] o conjunto interdependente das pessoas, das estruturas da organização, das tecnologias da informação (hardware e software), dos procedimentos e métodos que deveriam permitir à empresa dispor, no tempo desejado, das informações que necessita (ou necessitará) para seu funcionamento atual e para sua evolução [...]. Mosimann e Fisch (2008, p. 54) dizem que sistema de informação pode ser conceituado como uma rede de informações cujos fluxos alimentam o processo de tomada de decisões, não apenas da empresa como um todo, mas também de cada área de responsabilidade. Conforme Padoveze: Podemos definir Sistema de Informação como um conjunto de recursos humanos, materiais, tecnológicos e financeiros agregados segundo uma sequência lógica para o processamento dos dados e tradução em informações, para com seu produto, permitir às organizações o cumprimento de seus objetivos principais. (PADOVEZE, 2009, p. 46). Dessa forma podemos dizer que sistema de informação é um tipo especializado de sistema, que pode ser definido como um conjugado de itens interrelacionados, trabalhando unidos para arrecadar, readquirir, processar, registrar e difundir as informações com a intenção de facilitar o planejamento, controle, coordenação, análise e o mais importante o processo decisório nas empresas, entidades e organizações. Pois o mesmo dispõe de informações sobre as pessoas, lugares e coisas de interesse, no espaço, ao redor e dentro da própria organização. O que não podemos deixar de acrescentar é o valor do recurso humano, que faz parte do sistema, isso porque nenhum sistema é mais perfeito que os indivíduos que irão operacionalizá-los. SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL (SIG) Segundo Frezati, Rocha, Nascimento e Junqueira (2009, p. 71 e 72) [...] Sistema de Informações Gerenciais (SIG) como um conjunto de recursos e procedimentos interdependentes que interagem para produzir e comunicar informações para gestão. Para Oliveira (2001, p. 40) Sistema de Informações Gerenciais (SIG) é o processo de transformação de dados em informações que são utilizadas na estrutura decisória da empresa, proporcionando, ainda, a sustentação administrativa para otimizar os resultados esperados.

6 SIG: Sistema de Informação Gerencial como Ferramenta de Apoio as Empresas 6 Fig. 3 - Ambiente de um sistema empresarial. Fonte OLIVEIRA, JUNIOR E SILVA, Oliveira (2001, p. 143) nos apresenta em sua obra, uma estrutura onde são apresentados os componentes do SIG em forma de um processo, figura 4. De acordo com Gil e Oliveira (GIL, 1978 e OLIVEIRA 1997, p. 39 citado por Nascimento e Reginato, 2007, p. 67) definem sistema de informação gerencial: Gil (1978) considera o sistema de informações gerenciais como o conjunto de recursos humanos e materiais responsável pela coleta e processamento de dados para produzir informações que sejam úteis a todos os níveis de gerência, enquanto que Oliveira (1997, p. 39) define como processo de transformação de dados em informações que buscam contribuir para melhorar a qualidade das decisões e com isso a otimização dos resultados delas decorrentes Para Oliveira, Junior e Silva (2009, p. 55) Sistema de informação gerencial (SIG) é o processo de transformação de dados em informações, que são utilizadas na estrutura decisória da empresa como ferramenta que possibilita a sustentação administrativa para otimizar os resultados esperados, figura 5. Mediante aos conceitos apresentados podemos definir que o Sistema de Informação Gerencial (SIG) é um processo de recepção, analise e utilização dos dados transformando os em informação úteis e relevantes para o processo de tomada de decisão dentro de uma empresa. Importância do Sistema de Informação Gerencial Antes de falarmos da importância do SIG, precisamos identificar para que serve o Sistema de Informação Gerencial, como ele deve ser entendido e como funciona. Segundo Frezatti, Rocha, Nascimento e Junqueira (2009, p. 72) Sua utilidade é gerar informações que atendam às necessidades dos tomadores de decisões, dando suporte ao processo de gestão em todas as suas etapas: planejamento, execução e controle. Frezatti, Rocha, Nascimento e Junqueira (2009, p. 72) mencionam que o SIG deve ser entendido como um subsistema da organização e, para que seja eficaz, deve ser projetado em consonância com a estrutura organizacional e com modelo de gestão da entidade. Os mesmos autores afirmam que quanto ao seu funcionamento: Um Sistema de Informações Gerenciais consiste em captar e identificar os eventos econômicos, interpretar, analisar, registrar e acumular os dados relativos aos eventos e processar os dados transformando-os em informações que possam ser, de fato, utilizadas nas decisões dos gestores, dando sustentação à administração, para que atinja seus objetivos e otimize os resultados esperados. (FREZATTI, ROCHA, NASCIMENTO, JUNQUEIRA, 2009, p. 54). O SIG é uma ferramenta de suma importância, para os gestores das empresas, Oliveira (2001, p. 44) [...] afirma que o Sistema de Informações Gerenciais, sob determinadas condições, proporciona os seguintes benefícios para as empresas: Redução dos custos das operações; Melhoria no acesso às informações, propiciando relatórios mais precisos e rápidos, com menor esforço; Melhoria na produtividade, tanto setorial quanto global; Melhoria nos serviços realizados e oferecidos; Melhoria na tomada de decisões, através do fornecimento de informações mais rápidas e precisas; Estímulos de maior interação entre os tomadores de decisão; Fornecimento de melhores projeções dos efeitos das decisões; Melhoria na estrutura organizacional, por facilitar o fluxo de informações Melhoria na estrutura de poder, propiciando maior poder para aqueles que entendem e controlam o sistema; Redução do grau de centralização de decisões na empresa; Melhoria na adaptação da empresa para enfrentar os acontecimentos não previstos, a partir das constantes mutações nos fatores ambientais; Otimização na prestação dos serviços aos clientes;

7 SIG: Sistema de Informação Gerencial como Ferramenta de Apoio as Empresas 7 Fig. 4 - Fonte: Adaptado de OLIVEIRA, Fig. 5 - Sistema de informações gerenciais. Fonte OLIVEIRA, JUNIOR E SILVA, 2009.

8 SIG: Sistema de Informação Gerencial como Ferramenta de Apoio as Empresas 8 Melhor interação com os fornecedores; Melhoria nas atitudes e atividades dos funcionários da empresa; Aumento do nível de motivação das pessoas envolvidas; Redução dos sustos operacionais; Redução da mão-de-obra burocrática; e Redução dos níveis hierárquicos. No entanto observamos que o Sistema de Informação Gerencial (SIG), exerce um papel fundamental dentro da empresa, executando processos capazes de gerar e transformar os dados obtidos em informações úteis para a tomada de decisão, vindo a nos beneficiar de diversas formas, principalmente na redução de custos, que é o ponto mais exigido dentro das organizações. NÍVEIS DE INFLUÊNCIA DO SIG O Sistema de Informação Gerencial (SIG) esta subdividido em três níveis que influenciam diretamente na organização, Oliveira descreve em sua obra quais são esses níveis de influência, conforme disposto abaixo: Nível estratégico, que considera a interação entre as informações do ambiente empresarial (estão fora da empresa) e as informações internas da empresa. Corresponde ao SIE sistema de informações estratégicas. Nível tático, que considera a aglutinação de informações de uma área de resultado e não da empresa como um todo. Corresponde ao SIT sistema de informações táticas. Nível operacional, que considera a formalização, principalmente através de documentos escritos, das várias informações estabelecidas na empresa. Correspondendo ao SIO sistema de informações operacionais. (OLIVEIRA, 2001, p ). Os três níveis de influência do SIG podem ser observados, na figura 6. exemplo: o nível estratégico está ligado a parte econômica da empresa, já o nível tático podemos citar como exemplo o plano de marketing da empresa, analisando o mercado em que ela está inserido, o preço produto, a distribuição, dentre outros componentes que fazem parte do marketing, e para o nível operacional podemos citar como exemplo o controle de pagamentos da empresa. A separação desses níveis, na realidade, tem efeito direto aos três níveis de planejamento da empresa, que são o Planejamento Estratégico, o Planejamento Tático e O planejamento Operacional, pois propiciam uma condição de interligação entre eles. Não deixando de salientar que esses três tipos de planejamento podem ser analisados como início do método utilizado no molde geral do Sistema de Informação Gerencial da empresa. Mas o que vem a ser Planejamento? Segundo Oliveria (2001, p. 137) Planejamento é a função administrativa de se estabelecer uma situação futura desejada e os meios (inclusive alternativos) de se chegar à situação idealizada. Sendo assim através da definição da função de planejamento podemos coligar este conceito ao significado de cada um dos planejamentos citados acima. Oliveira menciona da seguinte forma esses tipos de planejamentos: Planejamento estratégico é a metodologia gerencial que permite estabelecer a direção a ser seguida pela empresa, visando a maior interação com o ambiente. Planejamento tático é a metodologia gerencial que tem por finalidade otimizar uma situação futura desejada de determinada área da empresa. Planejamento operacional é a formalização das metodologias de desenvolvimento e de implementação de resultados específicos a serem alcançados pelas áreas funcionais da empresa. (OLIVEIRA, 2001, p. 138). Contudo podemos analisar que cada um dos tipos de planejamento apresentados possui uma função estratégica dentro da empresa, auxiliando a mesma no decorrer de suas funções, para o alcance de seus objetivos. CONSIDERAÇÕES FINAIS Fig. 6 - Níveis de influência do SIG. Fonte OLIVEIRA, O motivo básico de se trabalhar os três níveis descritos de modo separado, é porque cada um deles possui um tipo de influência e intensidade sobre o Sistema de Informação Gerencial (SIG), como, por O crescimento, o desenvolvimento, a visão de futuro, a cada dia que passa é uma realidade que ocorre no mundo inteiro. A ação de mudanças em toda esfera global faz com que as empresas busquem a cada dia maiores informações capazes de auxiliar e garantir sua sobrevivência no mercado. No entanto ainda nos dias atuais nos deparamos com empresas que persistem em desenvolver suas atividades de forma aleatória, sem nenhum planejamento, fazendo com que as mesmas passem por constantes dificuldades ou até mesmo fechem suas

9 SIG: Sistema de Informação Gerencial como Ferramenta de Apoio as Empresas 9 portas, por falta de controle na utilização das informações gerencias geradas e recebidas pelas mesmas. Portanto, observamos que as empresas que dispõem de um bom sistema de informação gerencial, independentemente de sua estrutura, destacam-se no cenário empresarial, como foi visto no estudo apresentado as ferramentas para a execução do SIG, são de fácil aplicação, mas que, na maioria das vezes, não são utilizadas por falta de conhecimento por parte dos gestores das empresas. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 1. ABEC - Elaborando Trabalho Científicos. Normas para apresentação e elaboração. Univar Faculdades Unidas do Vale do Araguaia. Barra do Garças (MT): Editora ABEC, BIO, Sérgio Rodrigues. Sistema de Informação: Um Enfoque gerencial. 1.ed., São Paulo: Atlas, CARDOSO, Ricardo Lopes; MÁRIO, Poueri do Carmo; AQUINO, André Carlos Busaneli de. Contabilidade Gerencial: Mensuração, Monitoramento e Incentivos. 1.ed., São Paulo: Atlas, CREPALDI, Silvio Aparecido. Contabilidade Gerencial: Teoria e Prática. 3.ed., São Paulo: Atlas, OLIVEIRA, Djalma de Pinho Rebouças. Sistema de Informações Gerenciais: Estratégicas Táticas Operacionais. 7.ed., São Paulo: Atlas, OLIVEIRA, Luís Martins; JUNIOR, José Hernandez Perez; SILVA, Carlos Alberto dos Santos. Controladoria Estratégica. 5.ed., São Paulo: Atlas, PADOVEZE, Clóvis Luís. Controladoria Básica. 1.ed., São Paulo: Pioneira Thomson Learning, PADOVEZE, Clóvis Luís. Sistemas de Informações Contábeis: Fundamentos e Análise. 5.ed., São Paulo: Atlas, PADOVEZE, Clóvis Luís. Contabilidade Gerencial: Um enfoque em sistema de informação contábil. 6.ed., São Paulo: Atlas, SOUSA, Luiz Carlos de. CONTROLADORIA: Aplicada aos Pequenos Negócios. 1.ed., Curitiba: Juruá, SCHMIDT, Paulo; SANTOS, José Luiz dos. Coleção Resumos de Contabilidade: Fundamentos de Controladoria. 1.ed., São Paulo: Atlas, FIGUEIREDO, Sandra; CAGGIANO, Paulo Cesar. Controladoria: Teoria e Pratica. 3.ed., São Paulo: Atlas, FREZATTI, Fábio; ROCHA, Welington; NASCIMETO, Artur Roberto do; EMANUEL, Junqueira. Controle gerencial: Uma abordagem da contabilidade gerencial no contexto econômico, comportamental e sociológico. 1.ed., São Paulo: Atlas, GONÇALVES, Rosana C. M. Grillo; RICCIO, Edson Luiz: Sistemas de Informação: Ênfase em Controladoria e Contabilidade. 1.ed., São Paulo: Atlas, MAÑAS, Antonio Vico. Administração de Sistemas de Informação: como otimizar a empresa por meio dos sistemas de informação. 2.ed.; São Paulo: Érica, MELLO, Ivo Soares. Administração de Sistemas de Informação. 1.ed., São Paulo: Pioneira, MOSIMANN, Clara Pellegrinello, FISCH, Sílvio. Controladoria: Seu Papel na Administração de Empresas. 2.ed., São Paulo: Atlas, NASCIMENTO, Auster Moreira; REGINATO, Luciane. Controladoria: Um Enfoque na Eficácia Organizacional. 1.ed., São Paulo: Atlas, 2007.

Sistema de Informação Gerencial SIG

Sistema de Informação Gerencial SIG Sistema de Informação Gerencial SIG O SIG abrange a empresa Estratégico Tático Operacional Conceitos Básicos: DADO: Qualquer elemento identificado em sua forma bruta que, por si só, não conduz a compensação

Leia mais

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL Cristiane de Oliveira 1 Letícia Santos Lima 2 Resumo O objetivo desse estudo consiste em apresentar uma base conceitual em que se fundamenta a Controladoria.

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

Conceito de Sistema e Enfoque Sistêmico. Professora Cintia Caetano

Conceito de Sistema e Enfoque Sistêmico. Professora Cintia Caetano Conceito de Sistema e Enfoque Sistêmico Professora Cintia Caetano AGENDA 1. Introdução 2. O que é Sistema? 3. Componentes do Sistema 4. Características, Ambiente, Natureza e Hierarquia dos Sistemas Introdução

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS Gilmar da Silva, Tatiane Serrano dos Santos * Professora: Adriana Toledo * RESUMO: Este artigo avalia o Sistema de Informação Gerencial

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

MPA 015 Fundamentos de Sistemas de Informação

MPA 015 Fundamentos de Sistemas de Informação MPA 015 Fundamentos de Sistemas de Informação UNIFEI Universidade Federal de Itajubá Mestrado Profissional em Administração Prof. Dr. Alexandre Ferreira de Pinho Prof. Dr. Fábio Favaretto 1 Informações

Leia mais

Aula 1 Conceitos básicos de Sistemas de Informação.

Aula 1 Conceitos básicos de Sistemas de Informação. Aula 1 Conceitos básicos de Sistemas de Informação. Dados X Informações O que são Dados? São materiais brutos que precisam ser manipulados e colocados em um contexto compreensivo antes de se tornarem úteis

Leia mais

ASPECTOS DE SISTEMAS GERENCIAIS NO CONTEXTO EMPRESARIAL

ASPECTOS DE SISTEMAS GERENCIAIS NO CONTEXTO EMPRESARIAL ASPECTOS DE SISTEMAS GERENCIAIS NO CONTEXTO EMPRESARIAL ASPECTS OF MANAGEMENT SYSTEMS IN ENTERPRISE CONTEXT Gabriela Concolin Schimidt Centro Universitário Filadélfia UniFil Prof. Rodrigo Duarte Seabra

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

GAION, Aparecida Vanif; SÉRGIO, Paulo; ALBERTINI, Peter, et. all. A IMPORTÂNCIA DA CONTROLADORIA NO PROCESSO DE GESTÃO.

GAION, Aparecida Vanif; SÉRGIO, Paulo; ALBERTINI, Peter, et. all. A IMPORTÂNCIA DA CONTROLADORIA NO PROCESSO DE GESTÃO. A IMPORTÂNCIA DA CONTROLADORIA NO PROCESSO DE GESTÃO THE COMPUTING IN ADMINISTRATION Heber Ridão Silva * Leônidas da Silva JosuéAmaral Fabio Ferreira Paula Sergio Peter Albertini Aparecida Vanif.Gaion

Leia mais

INTRODUÇÃO AO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ORGANIZACIONAL

INTRODUÇÃO AO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ORGANIZACIONAL INTRODUÇÃO AO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ORGANIZACIONAL ZAROS, Raíssa Anselmo. Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais/ACEG E-mail: raissa_zaros@hotmail.com LIMA, Sílvia Aparecida Pereira

Leia mais

Sistemas de Informações Gerenciais (SIG) Juliana Grigol Fonsechi - 5147903 Chang Ming - 4915182 Vanessa Herculano de Oliveira - 5146840

Sistemas de Informações Gerenciais (SIG) Juliana Grigol Fonsechi - 5147903 Chang Ming - 4915182 Vanessa Herculano de Oliveira - 5146840 Sistemas de Informações Gerenciais (SIG) Juliana Grigol Fonsechi - 5147903 Chang Ming - 4915182 Vanessa Herculano de Oliveira - 5146840 1 Contexto Reclamações comuns dos executivos: Há muita informação

Leia mais

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Autorizado pela Portaria nº 1.393 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 Componente Curricular: CONTROLADORIA PLANO DE CURSO

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Autorizado pela Portaria nº 1.393 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 Componente Curricular: CONTROLADORIA PLANO DE CURSO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Autorizado pela Portaria nº 1.393 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 Componente Curricular: CONTROLADORIA Código: CTB-404 Pré-requisito: ------- Período Letivo: 2013.1 Professor: ROMAR

Leia mais

Sistemas de Informações Gerenciais. André G. Coimbra

Sistemas de Informações Gerenciais. André G. Coimbra Sistemas de Informações Gerenciais André G. Coimbra Ementa A disciplina dará uma visão geral dos assuntos relevantes da tecnologia da informação com enfoque na gestão financeira. Serão abordados temas

Leia mais

Sistemas de Informação

Sistemas de Informação Material adicional: Sistemas de Informação livro Osistema de Informação : Enfoque Gerencial... livro O Analista de Negócios e da Informação... 1. Conceito de Sistema A palavra sistema envolve, de fato,

Leia mais

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle A FUNÇÃO CONTROLE O controle é a ultima função da administração a ser analisadas e diz respeito aos esforços exercidos para gerar e usar informações relativas a execução das atividades nas organizações

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA 553 A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA Irene Caires da Silva 1, Tamires Fernanda Costa de Jesus, Tiago Pinheiro 1 Docente da Universidade do Oeste Paulista UNOESTE. 2 Discente

Leia mais

Introdução aos Fundamentos de Sistemas de Informação

Introdução aos Fundamentos de Sistemas de Informação Introdução aos Fundamentos de Sistemas de Informação aula01_t04 Aula 1: Introdução aos Fundamentos de Sistemas de Informação CONCEITUAÇÃO DE SISTEMA Cotidianamente convivemos com alguns sistemas. O sistema

Leia mais

FTAD Formação Técnica em Administração. Aula 04 Prof. Arlindo Neto

FTAD Formação Técnica em Administração. Aula 04 Prof. Arlindo Neto FTAD Formação Técnica em Administração Aula 04 Prof. Arlindo Neto COMPETÊNCIAS QUE TRABALHAREMOS NESTE MÓDULO Conhecer as funções e importância de um Sistema de Informação Gerencial. O que é um Sistema

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I Dimensões de análise dos SI Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br + Introdução n Os sistemas de informação são combinações das formas de trabalho, informações, pessoas

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Osmar Mendes 1 Gilberto Raiser 2 RESUMO Elaborar uma proposta de planejamento estratégico é uma forma de criar um bom diferencial competitivo, pois apresenta para a organização

Leia mais

Visão Geral dos Sistemas de Informação

Visão Geral dos Sistemas de Informação Visão Geral dos Sistemas de Informação Existem muitos tipos de sistemas de informação no mundo real. Todos eles utilizam recursos de hardware, software, rede e pessoas para transformar os recursos de dados

Leia mais

3. Estratégia e Planejamento

3. Estratégia e Planejamento 3. Estratégia e Planejamento Conteúdo 1. Conceito de Estratégia 2. Vantagem Competitiva 3 Estratégias Competitivas 4. Planejamento 1 Bibliografia Recomenda Livro Texto: Administração de Pequenas Empresas

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Planejamento e Gestão

Leia mais

CONTROLADORIA: TOMANDO DECISÕES EM BUSCA DA EFICÁCIA

CONTROLADORIA: TOMANDO DECISÕES EM BUSCA DA EFICÁCIA CONTROLADORIA: TOMANDO DECISÕES EM BUSCA DA EFICÁCIA NETO, Antonio Rodrigues¹ PORFÍRIO, Anderson Cassiano¹ SILVA, Carlos Eduardo Candido da¹ OLIVEIRA, Dirce Benedita de¹ SARAIVA, Antonio W. Pereira² RESUMO

Leia mais

07/06/2014. Segunda Parte Prof. William C. Rodrigues Copyright 2014 Todos direitos reservados.

07/06/2014. Segunda Parte Prof. William C. Rodrigues Copyright 2014 Todos direitos reservados. Segunda Parte Prof. William C. Rodrigues Copyright 2014 Todos direitos reservados. 1 Conceituação, análise, estruturação, implementação e avaliação. 2 Metodologia é sempre válida: Proporcionando aos executivos

Leia mais

O Uso do Sistema de Informação Contábil como Ferramenta para a Tomada de Decisão nas Empresas da Região de Contagem - Minas Gerais.

O Uso do Sistema de Informação Contábil como Ferramenta para a Tomada de Decisão nas Empresas da Região de Contagem - Minas Gerais. O Uso do Sistema de Informação Contábil como Ferramenta para a Tomada de Decisão nas Empresas da Região de Contagem - Minas Gerais. Elaine Raquel Fernandes carlosadm@bol.com.br SENAC Flávia Cristina Pereira

Leia mais

ORGANIZAR O PRIMEIRO PASSO PARA O CONTROLE EMPRESARIAL

ORGANIZAR O PRIMEIRO PASSO PARA O CONTROLE EMPRESARIAL 1 ORGANIZAR O PRIMEIRO PASSO PARA O CONTROLE EMPRESARIAL ORGANIZATION THE FIRST STEP TO BUSINESS CONTROL Adriane C. Lopes * Elisiane Godoy* Emanuel O. Batista* Sheila C. M. Guilherme* Aparecida Vani Frasson

Leia mais

04/04/2014. Antes de 1940

04/04/2014. Antes de 1940 Prof. William Costa Rodrigues Eng. Agrônomo Um Sistema de Informação Gerenciais é um instrumento administrativo que contribui efetivamente para a otimização das comunicações e do processo decisório nas

Leia mais

GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS. Vanice Ferreira

GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS. Vanice Ferreira GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS Vanice Ferreira 12 de junho de 2012 GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS: conceitos iniciais DE QUE PROCESSOS ESTAMOS FALANDO? GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS: conceitos iniciais

Leia mais

A Importância da Visão Sistêmica para a Introdução dos Sistemas Informatizados nas Organizações

A Importância da Visão Sistêmica para a Introdução dos Sistemas Informatizados nas Organizações A Importância da Visão Sistêmica para a Introdução dos Sistemas Informatizados nas Organizações Carlos Campello Introdução Nos dias atuais existe a necessidade de constantes modificações das estratégias

Leia mais

1. As Áreas Funcionais e Ambiente Organizacional

1. As Áreas Funcionais e Ambiente Organizacional 1. As Áreas Funcionais e Ambiente Organizacional Conteúdo 1 Bibliografia Recomenda Livro Texto: Introdução à Administração Eunice Lacava Kwasnicka - Editora Atlas Administração - Teoria, Processo e Prática

Leia mais

Auditoria Interna Como assessoria das entidades

Auditoria Interna Como assessoria das entidades Auditoria Interna Como assessoria das entidades Francieli Hobus 1 Resumo A auditoria interna vem se tornando a cada dia, uma ferramenta indispensável para as entidades. Isso está ocorrendo devido à preocupação

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http:// Teoria de Sistemas A Teoria Geral dos Sistemas tem por finalidade identificar as propriedades, princípios e leis

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Existem três níveis distintos de planejamento: Planejamento Estratégico Planejamento Tático Planejamento Operacional Alcance

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr.

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. 15 Aula 15 Tópicos Especiais I Sistemas de Informação Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. Site Disciplina: http://fundti.blogspot.com.br/ Conceitos básicos sobre Sistemas de Informação Conceitos sobre Sistemas

Leia mais

INSTRUMENTOS DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO

INSTRUMENTOS DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO INSTRUMENTOS DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO Sistema de informações gerenciais Sistema de informações gerencial => conjunto de subsistemas de informações que processam dados e informações para fornecer

Leia mais

O SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS (S.I.G.) APLICADO EM SUPRIMENTOS E PROCESSOS DECISÓRIOS

O SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS (S.I.G.) APLICADO EM SUPRIMENTOS E PROCESSOS DECISÓRIOS O SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS (S.I.G.) APLICADO EM SUPRIMENTOS E PROCESSOS DECISÓRIOS Hugo Bianchi BOSSOLANI 1 RESUMO: Sistema de Informações Gerenciais (S.I.G.) é o processo de transformação de

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br Guia de Estudo Vamos utilizar para a nossa disciplina de Modelagem de Processos com BPM o guia

Leia mais

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi Marketing Prof. Angelo Polizzi Gestão de Produção Gestão de Produção Objetivos: Mostrar que produtos (bens e serviços) consumidos, são produzidos em uma ordem lógica, evitando a perda ou falta de insumos

Leia mais

Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE

Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE Belo Horizonte 2011 Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE

Leia mais

Sistemas de Informação Gerencial

Sistemas de Informação Gerencial Sistemas de Informação Gerencial Ao longo da historia da administração ocorreram muitas fases. Sendo que, seus princípios sempre foram semelhantes, mudando apenas o enfoque conforme a visão do pesquisador.

Leia mais

1. Conceitos de sistemas. Conceitos da Teoria de Sistemas. Conceitos de sistemas extraídos do dicionário Aurélio:

1. Conceitos de sistemas. Conceitos da Teoria de Sistemas. Conceitos de sistemas extraídos do dicionário Aurélio: 1. Conceitos de sistemas Conceitos da Teoria de Sistemas OPTNER: É um conjunto de objetos com um determinado conjunto de relações entre seus objetos e seus atributos. TILLES: É um conjunto de partes inter-relacionadas.

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONCEITOS

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONCEITOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONCEITOS 1. Sabe-se que o conceito de Sistema de Informação envolve uma série de sistemas informatizados com diferentes características e aplicações, os quais, porém, têm em comum

Leia mais

PLANEJAMENTO DE MARKETING

PLANEJAMENTO DE MARKETING PLANEJAMENTO DE MARKETING A análise ambiental e o planejamento beneficiam os profissionais de marketing e a empresa como um todo, ajudando os gerentes e funcionários de todos os níveis a estabelecer prioridades

Leia mais

Estruturas Organizacionais

Estruturas Organizacionais Estruturas Organizacionais Deve ser delineado de acordo com os objetivos e estratégias estabelecidos pela empresa. É uma ferramenta básica para alcançar as situações almejadas pela empresa. Conceito de

Leia mais

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS 0 UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS AS FUNÇÕES DA CONTROLADORIA E O PERFIL DO CONTROLLER NAS EMPRESAS INTEGRANTES DOS PRINCIPAIS

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO * César Raeder Este artigo é uma revisão de literatura que aborda questões relativas ao papel do administrador frente à tecnologia da informação (TI) e sua

Leia mais

OS DADOS GERALMENTE OU SÃO INSUFICIENTES OU ABUNDANTES. PARA PROCESSAR O GRANDE VOLUME DE DADOS GERADOS E TRANSFORMÁ-LOS EM INFORMAÇÕES VÁLIDAS

OS DADOS GERALMENTE OU SÃO INSUFICIENTES OU ABUNDANTES. PARA PROCESSAR O GRANDE VOLUME DE DADOS GERADOS E TRANSFORMÁ-LOS EM INFORMAÇÕES VÁLIDAS O ADMINISTRADOR EM SUAS TAREFAS DIÁRIAS AJUSTA DADOS OS DADOS GERALMENTE OU SÃO INSUFICIENTES OU ABUNDANTES. 1.EXCESSO DE DADOS DISPENSÁVEIS 2. ESCASSEZ DE DADOS RELEVANTES NECESSITA DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES

Leia mais

Sistema. Atividades. Sistema de informações. Tipos de sistemas de informação. Everson Santos Araujo everson@everson.com.br

Sistema. Atividades. Sistema de informações. Tipos de sistemas de informação. Everson Santos Araujo everson@everson.com.br Sistema Tipos de sistemas de informação Everson Santos Araujo everson@everson.com.br Um sistema pode ser definido como um complexo de elementos em interação (Ludwig Von Bertalanffy) sistema é um conjunto

Leia mais

Origens da Teoria de Sistemas: O biólogo alemão Ludwig von Bertalanffy a elaborou na década de 1950. Conceito de Sistemas:

Origens da Teoria de Sistemas: O biólogo alemão Ludwig von Bertalanffy a elaborou na década de 1950. Conceito de Sistemas: Origens da Teoria de Sistemas: O biólogo alemão Ludwig von Bertalanffy a elaborou na década de 1950. Conceito de Sistemas: Sistema é um conjunto de elementos dinâicamente relacionados entre si, formando

Leia mais

Os pressupostos básicos para a teoria de Bertalanffy foram os seguintes:

Os pressupostos básicos para a teoria de Bertalanffy foram os seguintes: Teoria Geral de Sistemas Uma introdução As Teorias Clássicas (Administração Científica e Teoria Clássica), a Abordagem Humanística (Teoria das Relações Humanas), a Teoria Estruturalista e a Teoria da Burocracia

Leia mais

IMPLANTAÇÃO E TREINAMENTO NO SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS ESTUDO DE CASO

IMPLANTAÇÃO E TREINAMENTO NO SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS ESTUDO DE CASO 503 IMPLANTAÇÃO E TREINAMENTO NO SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS ESTUDO DE CASO Christina Garcia(1); Franciane Formighieri(2); Taciana Tonial(3) & Neimar Follmann(4)(1) Acadêmica do 4º Ano do Curso de

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico Introdução Prof. Dr. Alexandre H. de Quadros Planejamento: processo desenvolvido para o alcance de uma situação desejada de um modo mais eficiente, eficaz e efetivo, com a melhor

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN PLANO DE ENSINO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN DEPARTAMENTO: CIÊNCIAS CONTÁBEIS PLANO DE ENSINO DISCIPLINA: CONTROLADORIA

Leia mais

Unidade IV SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Prof. Daniel Arthur Gennari Junior

Unidade IV SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Prof. Daniel Arthur Gennari Junior Unidade IV SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Daniel Arthur Gennari Junior Sobre esta aula Sistema de informação nos negócios Sistemas de informação no apoio ao processo de tomada de decisão Sistemas colaborativos

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS John F. Eichstaedt, Toni Édio Degenhardt Professora: Eliana V. Jaeger RESUMO: Este artigo mostra o que é um SIG (Sistema de Informação gerencial) em uma aplicação prática

Leia mais

ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação

ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação UNIFEI Universidade Federal de Itajubá Prof. Dr. Alexandre Ferreira de Pinho 1 Componentes de uma empresa Organizando uma empresa: funções empresariais básicas Funções

Leia mais

CONTROLADORIA: DIFERENCIAL COMPETITIVO NO PROCESSO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL

CONTROLADORIA: DIFERENCIAL COMPETITIVO NO PROCESSO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL CONTROLADORIA: DIFERENCIAL COMPETITIVO NO PROCESSO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL Ítalo Alves Gomes Rafael Rocha Salvador Prof Esp. Francisco César Vendrame Profª Esp. Jovira Maria Saraceni Profª M. Sc. Máris

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Marketing Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Marketing. 1. Introdução Os Projetos

Leia mais

A importância dos sistemas de informação para a controladoria no processo de gestão. Éris Antônio Risso Unioeste, Cascavel erisrisso@hotmail.

A importância dos sistemas de informação para a controladoria no processo de gestão. Éris Antônio Risso Unioeste, Cascavel erisrisso@hotmail. A importância dos sistemas de informação para a controladoria no processo de gestão Éris Antônio Risso Unioeste, Cascavel erisrisso@hotmail.com Elias Garcia Unioeste, Cascavel esaile@brturbo.com.br Osmarina

Leia mais

Estratégia Empresarial. Prof. Felipe Kovags

Estratégia Empresarial. Prof. Felipe Kovags Estratégia Empresarial Prof. Felipe Kovags Conteúdo programático Planejamento: definição, origem, espírito, princípios e tipos empresariais Planejamento estratégico por negócio Formulação de estratégia:

Leia mais

INSTRUÇÃO DE TRABALHO PARA INFORMAÇÕES GERENCIAIS

INSTRUÇÃO DE TRABALHO PARA INFORMAÇÕES GERENCIAIS INSTRUÇÃO DE TRABALHO PARA INFORMAÇÕES GERENCIAIS Asia Shipping Transportes Internacionais Ltda. como cópia não controlada P á g i n a 1 7 ÍNDICE NR TÓPICO PÁG. 1 Introdução & Política 2 Objetivo 3 Responsabilidade

Leia mais

O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS

O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS Nadia Al-Bdywoui (nadia_alb@hotmail.com) Cássia Ribeiro Sola (cassiaribs@yahoo.com.br) Resumo: Com a constante

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

TEORIA GERAL DOS SISTEMAS

TEORIA GERAL DOS SISTEMAS TEORIA GERAL DOS SISTEMAS 2 HISTÓRICO Gottfried Leibniz (1646-1716) chamava de Sistema: Repertório de conhecimentos que não se limitasse a ser um simples inventário, mas que contivesse suas razões ou provas

Leia mais

Planejamento Organização Direção Controle. Termos chaves Planejamento processo de determinar os objetivos e metas organizacionais e como realiza-los.

Planejamento Organização Direção Controle. Termos chaves Planejamento processo de determinar os objetivos e metas organizacionais e como realiza-los. Decorrência da Teoria Neoclássica Processo Administrativo. A Teoria Neoclássica é também denominada Escola Operacional ou Escola do Processo Administrativo, pela sua concepção da Administração como um

Leia mais

AUDITORIA INTERNA DA ATLAS

AUDITORIA INTERNA DA ATLAS AUDITORIA INTERNA DA ATLAS A auditoria interna serve à administração como meio de identificação de que todos os processos internos e políticas definido pela ATLAS, assim como sistemas contábeis e de controle

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS 1 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Instituto de Ciências Econômicas e Gerencias Curso de Ciências Contábeis Controladoria em Agronegócios ANÁLISE COMPARATIVA DO CUSTEIO POR ABSORÇÃO E DO

Leia mais

Contabilidade Empresarial

Contabilidade Empresarial 2 Contabilidade Empresarial Aderbal Nicolas Müller Antonio Gonçalves Oliveira Introdução Entre os agentes econômicos, ativos participantes da economia das nações, temos as organizações empresariais, que

Leia mais

ESCOLA PAULISTA DE NEGOCIOS DISCIPLINA: ESTRATÉGIA E PLANEJAMENTO CORPORATIVO PROFESSOR: CLAUDEMIR DUCA VASCONCELOS ALUNOS: BRUNO ROSA VIVIANE DINIZ

ESCOLA PAULISTA DE NEGOCIOS DISCIPLINA: ESTRATÉGIA E PLANEJAMENTO CORPORATIVO PROFESSOR: CLAUDEMIR DUCA VASCONCELOS ALUNOS: BRUNO ROSA VIVIANE DINIZ ESCOLA PAULISTA DE NEGOCIOS DISCIPLINA: ESTRATÉGIA E PLANEJAMENTO CORPORATIVO PROFESSOR: CLAUDEMIR DUCA VASCONCELOS ALUNOS: BRUNO ROSA VIVIANE DINIZ INTRODUÇÃO Estratégia é hoje uma das palavras mais utilizadas

Leia mais

EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER?

EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER? EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER? Anderson Katsumi Miyatake Emerson Oliveira de Almeida Rafaela Schauble Escobar Tellis Bruno Tardin Camila Braga INTRODUÇÃO O empreendedorismo é um tema bastante

Leia mais

ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA

ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA GLOSSÁRIO DE TERMOS DO MARCO ANALÍTICO Avaliação de Projetos de Cooperação Sul-Sul: exercício fundamental que pretende (i ) aferir a eficácia, a eficiência e o potencial

Leia mais

fagury.com.br. PMBoK 2004

fagury.com.br. PMBoK 2004 Este material é distribuído por Thiago Fagury através de uma licença Creative Commons 2.5. É permitido o uso e atribuição para fim nãocomercial. É vedada a criação de obras derivadas sem comunicação prévia

Leia mais

SISTEMAS ADMINISTRATIVOS

SISTEMAS ADMINISTRATIVOS SISTEMAS ADMINISTRATIVOS TEORIA GERAL DE SISTEMAS - TGS 1. EVOLUÇÃO HISTÓRICA No final dos anos 30, o biólogo alemão Ludwig von Bertalanffy havia observado que a ciência se acostumara a tratar de forma

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis Resumo Demonstrações contábeis são informações e dados que as empresas oferecem ao fim de cada exercício, com a finalidade de mostrar aos acionistas, ao governo e todos os interessados,

Leia mais

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação Capítulo 2 E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação 2.1 2007 by Prentice Hall OBJETIVOS DE ESTUDO Identificar e descrever as principais características das empresas que são importantes

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Ementa da Disciplina Fundamentos da teoria

Leia mais

Sistemas de Informações Gerenciais

Sistemas de Informações Gerenciais Sistemas de Informações Gerenciais Aula 4 Sistema de Informação SI baseado em computadores Organização, administração e estratégia Professora: Cintia Caetano INTRODUÇÃO Sistemas de Informação são parte

Leia mais

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 5 CONCEITOS DO PLANEJAMENTO OPERACIONAL

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 5 CONCEITOS DO PLANEJAMENTO OPERACIONAL PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 5 CONCEITOS DO PLANEJAMENTO OPERACIONAL Índice 1. Conceitos do planejamento...3 1.1. Planejamento... 5 1.2. Conceituação de planejamento... 5 1.3.

Leia mais

Sistemas e Sistemas de Informação

Sistemas e Sistemas de Informação Sistemas e Sistemas de Informação 1) Defina pensamento sistêmico. É pensar na empresa como um sistema. A empresa não é vista como um conjunto de partes independentes, buscando alcançar objetivos isolados,

Leia mais

A importância do sistema de informação gerencial para tomada de decisões

A importância do sistema de informação gerencial para tomada de decisões A importância do sistema de informação gerencial para tomada de decisões Cristiane Bazzotti, (UNIOESTE), E-mail: crisbazzotti@yahoo.com.br. Endereço: Rua Tiradentes, 2345 - CEP 85813-200 Cascavel Paraná.

Leia mais

ATIVIDADES DE LINHA E DE ASSESSORIA

ATIVIDADES DE LINHA E DE ASSESSORIA 1 ATIVIDADES DE LINHA E DE ASSESSORIA SUMÁRIO Introdução... 01 1. Diferenciação das Atividades de Linha e Assessoria... 02 2. Autoridade de Linha... 03 3. Autoridade de Assessoria... 04 4. A Atuação da

Leia mais

IF685 Gerenciamento de Dados e Informação - Prof. Robson Fidalgo 1

IF685 Gerenciamento de Dados e Informação - Prof. Robson Fidalgo 1 IF685 Gerenciamento de Dados e Informação - Prof. Robson Fidalgo 1 Banco de Dados Introdução Por: Robson do Nascimento Fidalgo rdnf@cin.ufpe.br IF685 Gerenciamento de Dados e Informação - Prof. Robson

Leia mais

Tecnologias e Sistemas de Informação

Tecnologias e Sistemas de Informação Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 02 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Recursos Humanos Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos 1.

Leia mais

Implementação de estratégias

Implementação de estratégias Etapa 1 Etapa 2 Etapa 3 Etapa 4 Etapa 5 Disciplina Gestão Estratégica e Serviços 7º Período Administração 2013/2 Implementação de estratégias Agenda: Implementação de Estratégias Visão Corporativa sobre

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS FERRAMENTAS DO MARKETING NAS PEQUENAS EMPRESAS. PAES, Paulo César 1 SARAIVA, Antonio Wanderlan Pereira 2 RESUMO

A IMPORTÂNCIA DAS FERRAMENTAS DO MARKETING NAS PEQUENAS EMPRESAS. PAES, Paulo César 1 SARAIVA, Antonio Wanderlan Pereira 2 RESUMO A IMPORTÂNCIA DAS FERRAMENTAS DO MARKETING NAS PEQUENAS EMPRESAS PAES, Paulo César 1 SARAIVA, Antonio Wanderlan Pereira 2 RESUMO A Ferramenta do Marketing nas Pequenas Empresas atualmente vem sendo utilizada

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA)

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) A administração participativa é uma filosofia ou política de administração de pessoas, que valoriza sua capacidade de tomar decisões e resolver problemas,

Leia mais

12/09/2015. Conceituação do SIG. Introdução. Sistemas de Informações Gerenciais Terceira Parte

12/09/2015. Conceituação do SIG. Introdução. Sistemas de Informações Gerenciais Terceira Parte Sistemas de Informações Gerenciais Terceira Parte Prof. William C. Rodrigues Copyright 2015. Todos direitos reservados. Atualizado em setembro de 2015 Conceituação do SIG Introdução Nessa fase o executivo

Leia mais

Sistemas de Informações Gerenciais

Sistemas de Informações Gerenciais Organização, Sistemas e Métodos Sistemas de Informações Gerenciais Por José Luís Carneiro - www.jlcarneiro.com - Conceitos básicos Complexidade do processo de tomada de decisão Proporcional à complexidade

Leia mais

G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS

G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS Amplitude de Controle Conceito Também denominada amplitude administrativa ou ainda amplitude de supervisão, refere-se ao número de subordinados que um

Leia mais

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL Somos especializados na identificação e facilitação de soluções na medida em que você e sua empresa necessitam para o desenvolvimento pessoal, profissional,

Leia mais

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO A presente pesquisa aborda os conceitos de cultura e clima organizacional com o objetivo de destacar a relevância

Leia mais

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO 1 LÍDERES DO SECULO XXI André Oliveira Angela Brasil (Docente Esp. das Faculdades Integradas de Três Lagoas-AEMS) Flávio Lopes Halex Mercante Kleber Alcantara Thiago Souza RESUMO A liderança é um processo

Leia mais

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Não há mais dúvidas de que para as funções da administração - planejamento, organização, liderança e controle

Leia mais

ESTUDO DA IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA O COMÉRCIO VAREJISTA LUCIMEIRI CEZAR ANDRÉ

ESTUDO DA IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA O COMÉRCIO VAREJISTA LUCIMEIRI CEZAR ANDRÉ ESTUDO DA IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA O COMÉRCIO VAREJISTA LUCIMEIRI CEZAR ANDRÉ Acadêmica de Administração Geral na Faculdade Metropolitana de Maringá /PR - 2005 RESUMO: A atividade comercial

Leia mais