Rating BANCO BMG S/A. Bancos FUNDAMENTOS DO RATING

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Rating BANCO BMG S/A. Bancos FUNDAMENTOS DO RATING"

Transcrição

1 Relatório Analítico Rating A+ O banco apresenta solidez financeira intrínseca boa. São instituições dotadas de negócio seguro e valorizado, boa situação financeira atual e histórica. O ambiente empresarial e setorial pode variar sem, porém, afetar as condições de funcionamento do banco. O risco é muito baixo. Data: 06/mar/2009 Validade: 31/jan/2010 Sobre o Rating Perspectiva: Estável Observação: - Histórico: Dez/08: Afirmação: A+ (Estável) Afirmação: A-2 (CP) Jun/08: Afirmação: A+ (Estável) Afirmação: A-2 (CP) Dez/07: Afirmação: A+ (Estável) Atribuição: A-2 (CP) Jun/07: Afirmação: A+ (Estável) Dez/06: Afirmação: A+ (Estável) Analistas: Cátia Mota Tel.: Luis Miguel Santacreu Tel.: Austin Rating Serviços Financeiros Rua Leopoldo Couto Magalhães, 110 conj. 73 São Paulo SP CEP Tel.: Fax: FUNDAMENTOS DO RATING O Comitê de Classificação de Risco da Austin Rating, em reunião realizada no dia 06 de março de 2009, afirmou o rating de crédito de longo prazo A+ e a classificação A-2 de curto prazo do Banco BMG S/A (BMG). A perspectiva do rating permanece estável. A manutenção da classificação reflete a preservação da qualidade de seus ativos de crédito e pelos adequados indicadores de capitalização reportados pela instituição durante o período de monitoramento realizado pela Austin. Reflete, por outra parte, os adequados controles empregados, com vistas à mitigação dos riscos de mercado e operacionais, contribuindo para a solvência da instituição. Devido ao cenário mundial, de crise no sistema financeiro acentuada no último trimestre de 2008, e conseqüente redução da liquidez, o BMG readequou sua estratégia. Entre as metas a serem seguidas, se espera a manutenção da posição de liderança no mercado de crédito consignado, com a retomada da concessão de crédito, após a retração entre setembro e dezembro de Entretanto, o crescimento das operações deve dar-se em ritmo menor que o observado nos anos precedentes. O foco de atuação será direcionado aos principais produtos que o banco detém expertise, considerando o objetivo de preservar seu market share no mercado de crédito consignado que, tradicionalmente, apresenta elevada concorrência. A rápida readequação da estratégia em uma conjuntura desfavorável é vista como positiva pela Austin, na medida em que visa à redução de sua exposição ao risco de crédito e de liquidez. No entanto, no longo prazo, o BMG mantém-se como um banco monoproduto, o que o vincula aos riscos inerentes ao mercado de crédito consignado que historicamente está sujeito à concorrência acirrada, medidas regulatórias, necessidade de funding de longo prazo, entre outros fatores. O patrimônio líquido expandiu-se em maior proporção que o total de ativos do BMG, perfazendo R$ 2.017,3 milhões em dez/08, o que representa uma variação de 51,9% em relação a dez/07. Esta ampliação se deu pela incorporação de resultados e do aporte de R$ 600 milhões por parte dos acionistas, com recursos captados em operação com o UBS Pactual pelo período de cinco anos. Com isso, o índice de adequação do capital (Basileia) foi impactado positivamente, expandindo-se de 12,3% em dez/07 para 15,6% em dez/08, possibilitando ao banco a maior conservação em seu balanço da produção de crédito, o que reflete positivamente em seus indicadores de rentabilidade, uma vez que o spread é totalmente apropriado pela instituição. O banco reportou lucro de R$ 240,7 milhões em dez/08, com queda acentuada na comparação com o ano de 2007, quando o resultado perfez R$ 507,6 milhões. A queda está ligada: (i) à reversão de receitas por liquidação antecipadas de contratos; (ii) ao hedge cambial das captações externas; (iii) à rigidez da estrutura de custos ligados ao comissionamento dos correspondentes bancários; e (iv) ao encarecimento do funding. Dessa forma, o índice de rentabilidade sobre o PL foi afetado, passando de 38,2% em dez/07 para 11,9% em dez/08. O BMG redefiniu sua estrutura de custos para uma nova perspectiva de crescimento dos negócios, o que, apesar do impacto inicial de elevação de custos pelos encargos trabalhistas, deve se refletir na redução das despesas no médio prazo e, consequentemente, melhora do resultado.

2 O rating incorpora as dificuldades inerentes a um banco de nicho sem rede de agências, com estrutura de funding mais concentrada e mais suscetível a momentos desfavoráveis, como o vivenciado atualmente. O banco tem risco concentrado em gestão de liquidez, uma vez que os ativos estão concentrados em operações consignadas que apresentam indicadores de inadimplência baixos, porém são de longo prazo. Com isso, tem como desafio gerenciar a sua estrutura de captação condizente com estes prazos e com a rigidez das taxas, já que estão sujeitas a regulamentação (operações de crédito consignado com o INSS). O quarto trimestre de 2008 foi caracterizado pela redução do saldo de depósitos, principalmente os depósitos a prazo, que passaram de R$ 1.949,0 milhões em set/08 para R$ 1.228,0 milhões em dez/08. Com isto, o BMG restringiu o volume de produção de novas operações ajustado ao volume da captação. A captação se manteve concentrada em cessões de carteira de crédito consignado para outras instituições e FIDCs, além da emissão de Short Term Notes (em agosto de 2008 foram emitidos US$ 50 milhões). Cumpre ponderar que a composição da estrutura de funding concentrada em cessões tem algumas limitações, como o apetite do mercado por ativos das características que o BMG produz, como também, para que cessões sejam viáveis, as taxas de cessão têm de ser condizentes com as taxas cobradas no crédito consignado, para que o resultado do banco não seja comprometido. Por outro lado, as medidas tomadas pelos agentes oficiais brasileiros, com o objetivo de aumentar a liquidez no mercado, favorecem a captação. Como exemplo, a decisão do Banco Central do Brasil do limite de R$ 20 milhões de garantia do Fundo Garantidor de Crédito FGC, para linhas de captação intituladas Depósito a prazo com garantia especial do FGC. A abertura de informações por parte do BMG é boa. As suas demonstrações financeiras estão alinhadas ao tamanho e à diversidade de suas atividades, contendo bom número de notas explicativas. A instituição demonstra elevada transparência, disponibilizando uma quantidade relevante de informações adicionais, por meio de documentos gerenciais e reuniões com a administração, o que favorece a definição de seu perfil de risco. Fatores Positivos Longo histórico de atuação no sistema bancário brasileiro; Administração formada por profissionais altamente qualificados e com larga experiência, incluindo a presença dos sócios no cotidiano das operações; Posição de liderança no seu segmento de atuação, com destacada base de originação de operações e plataforma tecnológica; Postura conservadora na tesouraria; Adequados instrumentos de análise, formalização, acompanhamento e controle do risco de crédito, contribuindo para a manutenção da boa qualidade da carteira produzida e cedida a terceiros; Ampliação de sua base patrimonial, expandindo sua margem para manutenção de sua produção de crédito sem desenquadramento no indicador da Basileia; Crescimento do mercado de crédito consignado no Sistema Financeiro Nacional; A capitalização vai ao encontro das novas exigências de mercado, mantendo a instituição preparada para as alterações de regras de adequação de capital (Basileia II). Fatores em Observação Elevada concentração na modalidade do crédito consignado em folha de pagamento de entes públicos e INSS, expondo seu desempenho às mudanças de cunho regulatório e político; Maior acirramento da competição, com a entrada de grandes bancos de varejo e estrangeiros no crédito com consignação em folha de pagamento; Redução e/ou fixação de teto para taxas praticadas, bem como a elevação das comissões pagas a correspondentes, no crédito consignado aos beneficiários do INSS; 2

3 Tem como desafio gerenciar os prazos e taxas de captação de recursos, de acordo com a estrutura de seus ativos, os quais têm como característica serem de longo prazo; Apesar de fortalecer sua estrutura de capital, o aumento de seu patrimônio líquido, pela parceria com o Banco UBS Pactual, foi realizado antes da alteração da estratégia da instituição (conforme abordado abaixo). Portanto, as expectativas formuladas em um cenário diverso podem ser comprometidas, como crescimento da carteira de crédito, ampliação da atuação em segmentos mais rentáveis que o consignado e, consequentemente, a rentabilidade dos acionistas. ESTRATÉGIA Devido ao cenário mundial, de crise no sistema financeiro acentuada no último trimestre de 2008, e conseqüente redução da liquidez, o BMG readequou sua estratégia. Entre as metas a serem seguidas, ainda se espera a manutenção da posição de liderança no mercado de crédito consignado, com a retomada da concessão de crédito. Entretanto, o crescimento das operações deve dar-se em ritmo menor que o observado nos anos precedentes. O foco de atuação será direcionado aos principais produtos que o banco detém expertise, considerando o objetivo de preservar seu market share no mercado de crédito consignado que, tradicionalmente, apresenta elevada concorrência. Portanto, o crédito consignado ao setor público será o principal objetivo de suas operações ativas, na qual detém expertise e posição de destaque no mercado, em detrimento de carteiras de financiamento de veículos (CDC auto) e o consignado privado, que apresentam histórico de maior inadimplência, caracterizando a política chamada de Back to the Basics. Em paralelo, a estrutura de cobrança será reforçada para manter o índice de inadimplência em níveis baixos. Com a retração do volume de produção e originação de crédito, principalmente nos segmentos de consignado e veículos, a estrutura operacional foi reduzida, com o objetivo de se adequar à nova estratégia e reduzir a estrutura de custos fixos ligados à atividade do banco. Em paralelo, buscará qualificar a logística, melhorando a sua eficiência para que se reflita em menores volumes de despesas administrativas. A contratação de Diretor Executivo de TI vai de acordo com sua estratégia de busca de maior eficiência, com novos sistemas que proporcionarão oportunidades de prospecção de clientes (ex.: instalação de totens) e distribuição de produtos. A capitalização via recursos adquiridos junto ao UBS Pactual e incorporação de resultados, fazendo com que o PL passasse de R$ milhões em jun/07 para R$ milhões em jun/08, conferiu à instituição maior capacidade de retenção de operações de crédito com menor necessidade de cessões para não se desenquadrar em termos do limite operacional de adequação de capital de 11%. ANÁLISE ECONÔMICO FINANCEIRA Balanço O forte ritmo de crescimento dos ativos totais, observado entre os anos de 2005 e 2008, foi afetado pela crise no sistema financeiro internacional, agravada em setembro de Com isso, houve queda no total de ativos de 9,1% entre setembro e dezembro de 2008, como um reflexo, principalmente, da retração na concessão de crédito. Do lado passivo, observou-se forte redução na captação via depósitos, que somaram R$ 1.510,7 milhões em dez/08 frente a R$ 2.349,2 em set/08. A queda teve maior impacto no nível de depósitos a prazo, que representavam 83% dos depósitos totais em setembro, passando a representar 81,3% no encerramento de A captação se manteve concentrada em cessões de carteira de crédito consignado para outras instituições e FIDCs, além da emissão de Short Term Notes (em agosto de 2008 foram emitidos US$ 50 milhões). O saldo de Short Term Notes e Medium Term Notes que passou de R$ 1.194,9 milhões em dez/07 para R$ 2.490,6 milhões em dez/08 foi fortemente influenciado pela variação cambial, acentuada após setembro de 2008, porém, o banco mantém hedge para a 3

4 totalidade de sua exposição cambial. No início de 2009, foram amortizados US$ 50 milhões de títulos emitidos no exterior, sendo que os próximos vencimentos estão previstos para Ademais, o Banco manteve a realização de cessões de créditos que somaram R$ milhões, sendo 76% com coobrigação e 24% sem coobrigação, no exercício de 2008, direcionados a instituições financeiras e fundos de recebíveis. Com estas, auferiu resultado de R$ 1.488,7 milhões, contabilizado em receitas da intermediação financeira operações de crédito. Atualmente, mantém acordos operacionais de cessão de créditos com a Nossa Caixa S.A., Banco do Brasil S.A., Cetelem e Caixa Econômica Federal, além de parcerias com instituições como Itaú, Bradesco, Banco Santander, etc. O aumento da base patrimonial efetuado no primeiro semestre de 2008, permite que o banco mantenha o crescimento da produção e retenção de créditos em seu balanço, sem que o índice mínimo de adequação de capital definido pelo Banco Central do Brasil, de 11%, seja atingido. Em dezembro passado, o patrimônio líquido perfez R$ 2.017,4 milhões, enquanto o índice da Basileia atingiu 15,6%. Da carteira bancada no balanço, a modalidade de maior representatividade na carteira de crédito é o crédito pessoal consignado para funcionários do setor público, para aposentados e pensionistas do INSS e para o setor privado, com 41,5%, 32,9% e 3,4% de participação, respectivamente, no total da produção. O financiamento de veículos representava 16% da carteira, enquanto as operações de middle market 6,2%. De acordo com dados do DATAPREV, detinha 19,7% do mercado do consignado com o INSS e 13,5% do crédito consignado para funcionários públicos, mantendo sua posição de liderança entre os bancos privados atuantes neste segmento. 4

5 R$ mil dez/06 dez/07 set/08 dez/08 Ativo Circulante Disponibilidades Aplicações Interf. de liquidez Títulos e Valores Mobiliários Relações Interfinanceiras Operações de Crédito Operações de Arrendamento Mercantil Outros Créditos Outros Valores e Bens Realizável a Longo Prazo Aplicações Interf. de liquidez Títulos e Valores Mobiliários Operações de Crédito Operações de Arrendamento Mercantil Outros Créditos Outros Valores e Bens PERMANENTE ATIVO TOTAL Passivo Circulante Depósitos Captação no Mercado Aberto Recursos de Aceites Emissão Títulos Relações Interfinanceiras Obrigações por Empréstimos Repasses País - Inst. Oficiais Instrumentos Financeiros Derivativos Outras Obrigações Exigível a Longo Prazo Depósitos Recursos de Aceites Emissão Títulos Obrigações por Empréstimos Repasses País - Inst. Oficiais Instrumentos Financeiros Derivativos Outras Obrigações Participação Minoritária Patrimônio Líquido PASSIVO TOTAL Resultado O resultado sofreu retração de 52,6% entre 2007 e 2008, passando de R$ 507,6 milhões para R$ 240,7 milhões. A queda está ligada: (i) à reversão do resultado das carteiras cedidas; (ii) ao hedge cambial das captações externas; (iii) à rigidez da estrutura de custos ligados ao comissionamento dos correspondentes bancários; e (iv) ao encarecimento do funding. Dessa forma, o índice de rentabilidade sobre o PL foi afetado, passando de 43,3% em jun/07 para 14,9% em jun/08. A receita da intermediação financeira teve aumento de 14,3%, na comparação entre 2007 e 2008, montando R$ 2.534,7 milhões, a despeito da queda de sua principal receita, a de operações de crédito, que apresentou decréscimo de 21,8% no mesmo período, impactado, principalmente, pela redução das taxas de cessão da carteira de crédito consignado. Em contrapartida, o banco obteve crescimento no resultado de títulos e valores mobiliários (58%) e no resultado de instrumentos financeiros derivativos, atrelado ao ganho de hedge de sua exposição cambial. 5

6 Entre as modalidades que mais geram receita para o banco estão o crédito consignado, que era responsável por 39,3% das receitas de operações de crédito e o CDC veículos, que representava 13,2%. As receitas provenientes da carteira de títulos e valores mobiliários apresentaram expansão de 58,7%, perfazendo R$ 219,2 milhões. Entretanto, ainda se mantém pouco representativa entre as receitas da intermediação financeira (8,6% do total). A despesa da intermediação financeira teve incremento de 406%, passando de R$ 291,1 milhões no encerramento de 2007 para R$ 1.060,2 milhões em Assim como em todo o setor financeiro nacional, foi observada a ampliação dos custos de operações de captação no mercado, sendo que o BMG reportou aumento expressivo na despesa com títulos e valores mobiliários no exterior, de oito vezes sobre 2007, chegando a R$ 796,9 milhões. Este aumento é explicado pelo impacto da variação cambial, intensificado no terceiro trimestre de Com isso, o resultado bruto da intermediação financeira passou de R$ 1.926,9 milhões em dez/07 para R$ 1.060,2 milhões em dez/08 (queda de 45%). Também teve impacto nas despesas, a trajetória crescente da taxa de juros básica e as despesas com depósitos a prazo que tiveram ampliação, passando de R$ 131,7 milhões em dez/07 para R$ 217,1 milhões. A elevação das despesas relativas a pessoal está relacionada aos custos iniciais do enxugamento da estrutura operacional, por conta da redefinição da estratégia do banco frente à crise internacional, passando de R$ 71,7 milhões no encerramento de 2007 para R$ 99,7 milhões no mesmo período do ano posterior. R$ mil dez/06 dez/07 set/08 dez/08 Receita da Intermediação Financeira Operações de Crédito Operações de Arrend. Mercantil Títulos e Valores Mobiliários Instrumentos Financeiros Derivativos Despesa da Intermediação Financeira Captação no Mercado Empréstimos, Cessões e Repasses PCLD Resultado Bruto da Interm. Financeira Outras Rec./Desp. Operacionais Receitas de Prestação de Serviços Resultado Part. Coligada/Controlada Despesas de Pessoal Outras Despesas Administrativas Despesas Tributárias Outras Rec./Desp. Operacionais Resultado Operacional Resultado não Operacional Resultado antes IR RESULTADO LÍQUIDO AVALIAÇÃO DE RISCOS Crédito De acordo com a Resolução do Banco Central, o perfil da carteira de crédito apresentou leve deterioração, uma vez que, em dezembro de 2008, 88,6% dos créditos estavam classificados entre as faixas A e C, enquanto em dezembro de 2007, nestes níveis, havia 94,0%. Por ser um banco voltado ao crédito consignado, sua inadimplência histórica é baixa. O crédito consignado ao setor público, que representa 41,5% da carteira, apresentou inadimplência média de 1,0% durante 2008, enquanto o 6

7 consignado INSS, que representa 32,9% da carteira produzida, teve inadimplência média de 1,1%. Entretanto, a participação de outras modalidades de crédito, como CDC veículos, que teve inadimplência de 5,5% em 2008, afetou o indicador de inadimplência da carteira total de crédito, que ficou em 2,5% em A Austin vê como positiva a estratégia do banco de reduzir a participação de modalidades de crédito com inadimplência maior em favor do crédito consignado, que apresenta histórico favorável de pontualidade. Entretanto, no longo prazo, se mantém como um banco concentrado em um único produto, vinculando seu perfil de risco ao desempenho do mercado de crédito consignado. Do total de R$ 4.293,9 milhões de carteira mantida no balanço, em dezembro de 2008, cerca de 20% encontrava-se em atraso (levando em conta todo o contrato e não apenas a(s) parcela(s) vencida(s)). Houve elevação significativa em relação a junho do mesmo ano, quando esta relação era de aproximadamente 15%. O aumento do atraso foi observado em todo o sistema financeiro nacional, fruto do agravamento da crise econômica. Com isso, o nível de provisão constituída atingiu R$ 322,9 milhões em dez/08, sendo que deste último 17,7% se referia à provisão adicional. O montante de provisão adicional de R$ 57,0 milhões é relativo, essencialmente, às parcelas de contratos cedidos com coobrigação, calculado a taxa de 0,5% sobre valor presente. O banco exibe um grau elevado de pulverização na carteira de crédito em torno do número de tomadores de crédito, pessoas físicas vinculados a entes públicos e ao INSS, embora se observe uma ligeira concentração nas praças mineira, fluminense e paulista e junto aos servidores federais e estaduais lotados no Rio de Janeiro, nas três instâncias públicas, no município de São Paulo e junto às empresas privadas, locais com maior contingente de tomadores de crédito. Mercado Sua atuação é monitorada com o objetivo de controlar os riscos de descasamento de moeda, indexador e prazos entre suas operações ativas e passivas. O BMG adota como medida de risco a Circular nº do Banco Central. Em dezembro de 2008, o volume protegido por meio de operações de hedge montava R$ 2.464,4 milhões, sendo R$ 2.401,7 milhões em swaps e R$ 62,7 milhões em contratos futuros. As operações de swap que não atendiam aos critérios de hedge perfizeram uma exposição líquida de R$ 248,9 milhões. Estes contratos visam neutralizar o descolamento entre suas captações em dólar e seus ativos de crédito em moeda brasileira, bem como atender à demanda de proteção de clientes do banco. O ano de 2008 foi marcado pelo aumento dos custos de captação, com agravamento no último trimestre ligado elevação das taxas de cessão, sendo que os ativos não apresentaram reprecificação no mesmo período, particularmente as operações de consignado, que têm como características serem de longo prazo, além de limites máximos de taxas de juros para operações via INSS. Com isso, houve um processo de estreitamento de margens, o que impactou na rentabilidade do mercado como um todo e também no BMG. Para 2009, as perspectivas são de retomada na concessão do crédito, que havia sido reduzida no segundo semestre de 2008, e de declínio continuado das taxas básicas de juros, impactando diretamente nos custos do funding, portanto, a rentabilidade poderá ser favorecida por este cenário. Liquidez Ao final de 2008, a posição líquida montou R$ 783 milhões. A posição encontrava-se aplicada no mercado aberto, sendo esta basicamente sob a forma de aplicações bancadas no mercado aberto, montando R$ 732,6 milhões (LFTs) e R$ 198,1 milhões em LFTs classificados na categoria para negociação e contabilizados na carteira de títulos e valores mobiliários. A maior parte das cotas subordinadas de FIDCs foi classificada na categoria mantido até o vencimento, cujo valor montava R$ 472,1 milhões. Em dezembro de 2008, a análise de ativos e passivos por faixas de prazo espelha uma cobertura satisfatória entre os créditos vincendos para cobrir seus depósitos e outras obrigações remuneradas (short-term notes, empréstimos e repasses). Para o prazo de até 3 meses, a cobertura dos ativos sobre os passivos era de 1,2x; entre 3 a 12 meses de 7

8 2,5x; de 1 a 3 anos de 1,3x; de 3 a 5 anos de 0,3x, ou seja, a instituição mantém posição líquida adequada para a cobertura de seus passivos, sendo que os vencimentos de curto prazo são suficientes para o descasamento no longo prazo. Apesar de a crise ter impactado sua estrutura de liquidez, implicando na readequação dos níveis de produção de crédito para manutenção de caixa, o BMG conseguiu manter uma estrutura de vencimentos de ativos e passivos casada e os indicadores de liquidez em patamares adequados. Historicamente, o BMG mantinha indicadores de liquidez adequados e com o agravamento da crise financeira, apesar da redução de sua captação via depósitos, a estratégia de criação de um colchão de liquidez, com a manutenção dos fluxos de recebimento da carteira de crédito, foi bem sucedida, com índices de cobertura satisfatórios. Por não possuir uma rede de captação pulverizada, o banco possui certa concentração em torno de grandes aplicadores de depósitos interfinanceiros e a prazo. A relação dos dez maiores depositantes sobre o saldo de depósitos, que vinha diminuindo ao longo dos anos, passando de 40,6% em dez/06 para 33,5% em dez/07, retornou para o patamar de 40% no encerramento de 2008, em decorrência da redução da captação via depósitos. O risco ligado a uma estrutura concentrada de captação é agravado pela presença de grandes investidores institucionais, aumentando sua vulnerabilidade no caso de resgate. Operacional O controle do risco operacional do BMG encontra-se devidamente monitorado, tendo pouca freqüência e impacto na solidez financeira da instituição. Os mecanismos de controles operacionais e compliance estão disseminados na instituição. Em conformidade com a Resolução 2554 do Bacen, as atividades de compliance dentro do BMG contam, atualmente, com a presença de um Comitê e um gerente voltados especificamente para a execução destas rotinas (Superintendente de Riscos). Com o objetivo de se adequar às disposições da Resolução 3380 do Conselho Monetário Nacional, foi aprovada a instituição do Comitê Especial, composto por: Diretoria Responsável por Riscos Operacionais, Comitê de Gerenciamento de Riscos Operacionais, Grupo de Acompanhamento e Monitoramento dos Riscos Operacionais e Agentes de Acompanhamento e Risco. 8

9 Classificação da Austin Rating Solidez Financeira AAA AA A BBB BB B CCC CC C O banco apresenta solidez financeira intrínseca excepcional. Normalmente trata-se de grandes instituições, dotadas de negócio seguro e valorizado, excelente situação financeira atual e histórica. O ambiente empresarial e setorial pode variar sem, contudo, afetar as condições intrínsecas de funcionamento do banco. O risco é quase nulo. O banco apresenta solidez financeira intrínseca excelente. São instituições dotadas de negócio seguro e valorizado, boa situação financeira atual e histórica. O ambiente empresarial e setorial pode variar sem, porém, afetar as condições de funcionamento do banco. O risco é irrisório. O banco apresenta solidez financeira intrínseca boa. São instituições dotadas de negócio seguro e valorizado, boa situação financeira atual e histórica. O ambiente empresarial e setorial pode variar sem, porém, afetar as condições de funcionamento do banco. O risco é muito baixo. O banco apresenta solidez financeira intrínseca adequada. Normalmente são instituições com ativos dotados de cobertura. Tais bancos apresentam situação financeira razoável e estável. O ambiente empresarial e setorial pode ter uma variação mais acentuada do que nas categorias anteriores e apresenta algum risco nas condições intrínsecas de funcionamento do banco. O risco é baixo O banco apresenta solidez financeira intrínseca regular. Apresenta parâmetros de proteção adequados, mas vulneráveis às condições econômicas, gerais e setoriais, que podem afetar as condições intrínsecas de funcionamento do banco. O risco é médio. O banco apresenta solidez financeira intrínseca regular. Apresenta parâmetros de proteção adequados, tem uma vulnerabilidade grande às condições econômicas, gerais e setoriais, que pode afetar as condições intrínsecas de funcionamento do banco. O risco é médio. O banco apresenta baixa solidez financeira, exigindo eventual assistência externa, apresenta uma vulnerabilidade muito grande às condições econômicas, gerais e setoriais, que podem afetar as condições intrínsecas de funcionamento do banco. O risco é alto. O banco apresenta baixa solidez financeira, exigindo eventual assistência externa, apresenta uma vulnerabilidade muito grande às condições econômicas, gerais e setoriais, que podem afetar as condições intrínsecas de funcionamento do banco. O risco é muito alto. O banco apresenta péssima solidez financeira, exigindo eventual assistência externa. Tais instituições estão limitadas por um ou mais dos seguintes elementos: negócio de questionável valor; condições financeiras deficientes; e um ambiente empresarial altamente desfavorável. O risco é altíssimo. Sinais de (+) mais e (-) menos são utilizados para identificar uma melhor ou pior posição dentro de uma mesma escala de rating. Rating é uma classificação de risco, por nota ou símbolo. Esta expressa a capacidade do emitente de título de dívida negociável ou inegociável em honrar seus compromissos de juros e amortização do principal até o vencimento final. O rating pode ser do emitente, refletindo sua capacidade em honrar qualquer compromisso de uma maneira geral, ou de uma emissão específica, onde é considerada apenas a capacidade do emitente em honrar aquela obrigação financeira determinada. As informações obtidas pela Austin Rating foram consideradas como adequadas e confiáveis. As opiniões e simulações realizadas neste relatório constituem-se no julgamento da Austin Rating acerca do emitente, não se configurando, no entanto, em recomendação de investimento para todos os efeitos. Para conhecer nossas escalas de rating e metodologias, acesse: Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação poderá ser reproduzida ou transmitida de qualquer modo ou por outro meio, eletrônico ou mecânico, incluindo fotocópia, gravação ou qualquer outro tipo de sistema de armazenamento e transmissão de informação, sem prévia autorização, por escrito, da Austin Rating Serviços Financeiros Ltda. 9

Earnings Release 1s14

Earnings Release 1s14 Earnings Release 1s14 1 Belo Horizonte, 26 de agosto de 2014 O Banco Bonsucesso S.A. ( Banco Bonsucesso, Bonsucesso ou Banco ), Banco múltiplo, de capital privado, com atuação em todo o território brasileiro

Leia mais

Rating BANCO DO ESTADO DE SERGIPE S/A - BANESE. Bancos FUNDAMENTOS DO RATING

Rating BANCO DO ESTADO DE SERGIPE S/A - BANESE. Bancos FUNDAMENTOS DO RATING Relatório Analítico Semestral: JUN/09 Rating A- O banco apresenta solidez financeira intrínseca boa. São instituições dotadas de negócio seguro e valorizado, boa situação financeira atual e histórica.

Leia mais

Teleconferência de Resultados 4T09

Teleconferência de Resultados 4T09 Teleconferência de Resultados 4T09 Índice Comentários de Mercado Pág. 3 Qualidade da Carteira de Crédito Pág. 10 Liquidez Pág. 4 Índice de Eficiência Pág. 14 Funding e Carteira de Crédito Pág. 5 Rentabilidade

Leia mais

Release de Resultado 2T14

Release de Resultado 2T14 BANCO BMG ANUNCIA SEUS RESULTADOS CONSOLIDADOS DO 2T14 São Paulo, 07 de agosto de 2014 O Banco BMG S.A. e suas controladas ( BMG ou Banco ) divulgam seus resultados consolidados referentes ao período encerrado

Leia mais

BBB. Rating NBC BANK BRASIL S.A. Bancos FUNDAMENTOS DO RATING

BBB. Rating NBC BANK BRASIL S.A. Bancos FUNDAMENTOS DO RATING Relatório Analítico Semestral: JUN/10 Rating BBB O banco apresenta solidez financeira intrínseca adequada. Normalmente são instituições com ativos dotados de cobertura. Tais bancos apresentam situação

Leia mais

Relatório. Gestão de Riscos. Conglomerado Cruzeiro do Sul

Relatório. Gestão de Riscos. Conglomerado Cruzeiro do Sul Relatório de Gestão de Riscos Conglomerado Cruzeiro do Sul Data-Base 31/12/2010 Superintendência de Riscos Índice 1. Introdução 3 2. Perímetro 3 3. Estrutura de Gestão de Riscos 3 3.1 Risco de Crédito

Leia mais

BRASIL: BANCOS ANÁLISE DE RISCO DE BANCOS

BRASIL: BANCOS ANÁLISE DE RISCO DE BANCOS BRASIL: BANCOS ANÁLISE DE RISCO DE BANCOS RATING Set / 02 SOLIDEZ FINANCEIRA A BANCO DO BRASIL S/A 1) A CLASSIFICAÇÃO OBTIDA O Comitê de Classificação de Risco da Austin Rating, em reunião do dia 11 de

Leia mais

A+ A+ A+ AA+ Tel.: 55 11 3377 0708 Tel.: 55 11 3377 0703

A+ A+ A+ AA+ Tel.: 55 11 3377 0708 Tel.: 55 11 3377 0703 Condomínio: CAIXA FIDC CDC VEÍCULOS DO BANCO PANAMERICANO Aberto Administrador: Caixa Econômica Federal Prazo: Indeterminado Custodiante: Banco Itaú S.A. Data de Registro: 25/09/2003 Auditor: Ernest &

Leia mais

www.panamericano.com.br

www.panamericano.com.br www.panamericano.com.br Agenda Principais dados do Banco Histórico Divulgação das Demonstrações Financeiras Resultado e Balanço Providências e Perspectivas 2 Agenda Principais dados do Banco 3 Composição

Leia mais

BANCO INDUSTRIAL DO BRASIL S.A.

BANCO INDUSTRIAL DO BRASIL S.A. BI Monitoramento de Rating A LFRating comunica ao Banco Industrial S.A. e ao mercado que, em reunião de Comitê realizada no dia 6 de agosto de 2008, foi confirmada a nota A+ atribuída ao referido banco

Leia mais

VERAX RPW MICROFINANÇAS FIDC ABERTO. Rating. Fundo de Investimento em Direitos Creditórios FUNDAMENTOS DO RATING

VERAX RPW MICROFINANÇAS FIDC ABERTO. Rating. Fundo de Investimento em Direitos Creditórios FUNDAMENTOS DO RATING Relatório Analítico Rating A- As cotas do FIDC encontram-se suportadas por uma carteira de recebíveis com inadimplência muito baixa, a qual garante margem de cobertura muito boa para o pagamento do principal,

Leia mais

Rating BANCO BONSUCESSO S.A. Bancos FUNDAMENTOS DO RATING

Rating BANCO BONSUCESSO S.A. Bancos FUNDAMENTOS DO RATING Rating A- O banco apresenta solidez financeira intrínseca boa. São instituições dotadas de negócio seguro e valorizado, boa situação financeira atual e histórica. O ambiente empresarial e setorial pode

Leia mais

Circular nº 3477. Total de Créditos Tributários Decorrentes de Diferenças Temporárias Líquidos de Obrigações Fiscais 111.94.02.01.

Circular nº 3477. Total de Créditos Tributários Decorrentes de Diferenças Temporárias Líquidos de Obrigações Fiscais 111.94.02.01. Detalhamento do patrimônio de referência (PR) : 100 110 111 111.01 111.02 111.03 111.04 111.05 111.06 111.07 111.08 111.90 111.90.01 111.91 111.91.01 111.91.02 111.91.03 111.91.04 111.91.05 111.91.06 111.91.07

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS Conselho de Administração Diretoria Geral Gerenciamento de Capital Diretoria de Controladoria, Operações, Jurídico, Ouvidoria e Cobrança Diretoria de Tesouraria, Produtos e Novos Negócios Operações Bancárias

Leia mais

Teleconferência Resultados 1T10

Teleconferência Resultados 1T10 Teleconferência Resultados 1T10 18 de maio de 2010 Visão Geral da Administração Venda da estrutura de Varejo + Foco no segmento de crédito a Empresas Transferência das atividades de originação e crédito

Leia mais

BBB. Rating BANCO PAULISTA S/A. Bancos FUNDAMENTOS DO RATING

BBB. Rating BANCO PAULISTA S/A. Bancos FUNDAMENTOS DO RATING Relatório Analítico Rating BBB O banco apresenta solidez financeira intrínseca adequada. São instituições com ativos dotados de cobertura. Tais bancos apresentam situação financeira razoável e estável.

Leia mais

BRB ANUNCIA RESULTADOS DO 2T15

BRB ANUNCIA RESULTADOS DO 2T15 BRB ANUNCIA RESULTADOS DO 2T15 Brasília, 26 de agosto de 2015 O BRB - Banco de Brasília S.A., sociedade de economia mista, cujo acionista majoritário é o Governo de Brasília, anuncia seus resultados do

Leia mais

Apresentação Bradesco

Apresentação Bradesco Apresentação Bradesco 1 Perspectivas Econômicas 2013 Bradesco 2014 * Consenso do Mercado ** 2015 * 2014 2015 PIB 2,50% 0,50% 1,50% 0,29% 1,01% Juros(SelicFinal) 10,00% 11,00% 11,00% 11,00% 11,38% Inflação(IPCA)

Leia mais

Release de Resultado 4T14

Release de Resultado 4T14 BANCO BMG ANUNCIA SEUS RESULTADOS CONSOLIDADOS DO 4T14 São Paulo, 12 de fevereiro de 2015 O Banco BMG S.A. e suas controladas ( BMG ou Banco ) divulgam seus resultados consolidados referentes ao período

Leia mais

SANTINVEST S/A CRÉDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTOS

SANTINVEST S/A CRÉDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTOS Relatório Analítico Junho/12 Rating brbbb+ A financeira apresenta solidez financeira intrínseca adequada. Normalmente são instituições com ativos dotados de cobertura. Tais financeiras apresentam situação

Leia mais

Boletim Econômico Edição nº 89 novembro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico

Boletim Econômico Edição nº 89 novembro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Boletim Econômico Edição nº 89 novembro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Crise não afeta lucratividade dos principais bancos no Brasil 1 Lucro dos maiores bancos privados

Leia mais

Relatório de Estabilidade Financeira. Banco Central do Brasil Setembro de 2013

Relatório de Estabilidade Financeira. Banco Central do Brasil Setembro de 2013 Relatório de Estabilidade Financeira Banco Central do Brasil Setembro de 2013 Pontos abordados para o Sistema Bancário* Base: 1º semestre de 2013 Risco de liquidez Captações Risco de crédito Portabilidade

Leia mais

Análise de Risco de Bancos

Análise de Risco de Bancos Rating A Baixo Risco de Crédito BANCO DO BRASIL S/A Eduardo Guimarães guimaraes@bancoindustrial.com.br Relatório 1 o trimestre de 2004 Elaborado em 21/junho/2004 Análise de Risco de Bancos Comitê de Crédito

Leia mais

Banco Santander (Brasil) S.A.

Banco Santander (Brasil) S.A. Banco Santander (Brasil) S.A. Resultados em BR GAAP 4T14 3 de Fevereiro de 2015 INFORMAÇÃO 2 Esta apresentação pode conter certas declarações prospectivas e informações relativas ao Banco Santander (Brasil)

Leia mais

F.Q.S. DI - Fundo de Aplicação em Quotas de Fundos de Investimento Financeiro (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de

F.Q.S. DI - Fundo de Aplicação em Quotas de Fundos de Investimento Financeiro (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de F.Q.S. DI - Fundo de Aplicação em Quotas de Fundos de Investimento Financeiro Demonstrações financeiras em 31 de março de 2004 e de 2003 e parecer dos auditores independentes Parecer dos auditores independentes

Leia mais

Relatório de Estabilidade Financeira. Banco Central do Brasil Março de 2013

Relatório de Estabilidade Financeira. Banco Central do Brasil Março de 2013 Relatório de Estabilidade Financeira Banco Central do Brasil Março de 2013 Pontos abordados para o Sistema Bancário* Base: 2º semestre/12 Risco de liquidez Captações Risco de crédito Portabilidade Crédito

Leia mais

Nota de Crédito PJ. Janeiro 2015. Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014

Nota de Crédito PJ. Janeiro 2015. Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014 Nota de Crédito PJ Janeiro 2015 Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014 mai/11 mai/11 Carteira de Crédito PJ não sustenta recuperação Após a aceleração verificada em outubro, a carteira de crédito pessoa jurídica

Leia mais

BANCO INDUSTRIAL DO BRASIL S.A.

BANCO INDUSTRIAL DO BRASIL S.A. Monitoramento de Rating A LFRating comunica ao Banco Industrial S.A. e ao mercado que, em reunião de Comitê realizada no dia 09 de Setembro de 2010, foi confirmada a nota atribuída ao referido banco no

Leia mais

4 trimestre de 2010. Sumário Executivo. Itaú Unibanco Holding S.A.

4 trimestre de 2010. Sumário Executivo. Itaú Unibanco Holding S.A. 4 trimestre de 2010 Sumário Executivo Apresentamos, abaixo, informações e indicadores financeiros do (Itaú Unibanco) do quarto trimestre de 2010 e do exercício findo em 31 de dezembro de 2010. (exceto

Leia mais

Demonstrações Financeiras

Demonstrações Financeiras Demonstrações Financeiras Junho 2015 1 SUMÁRIO ANÁLISE DE DESEMPENHO... 4 SUMÁRIO EXECUTIVO 1S15... 6 MERCADO COMPETITIVO... 8 MARGEM ANALÍTICA... 9 Desempenho da Intermediação Financeira... 9 Variações

Leia mais

Objetivo. Introdução. Gestão de Riscos. Risco operacional

Objetivo. Introdução. Gestão de Riscos. Risco operacional Objetivo Este relatório tem como objetivo atender a Circular 3.678, de 31 de outubro de 2013, apresentando as informações referentes a gestão de riscos, à apuração do montante dos ativos ponderados pelo

Leia mais

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA.

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. 1. CONTEXTO OPERACIONAL A Patacão Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. ( Distribuidora ) tem como objetivo atuar no mercado de títulos e valores mobiliários em seu nome ou em nome de terceiros.

Leia mais

Resultados 1º Trimestre de 2008

Resultados 1º Trimestre de 2008 O BANCO CRUZEIRO DO SUL ANUNCIA SEUS DO 1T08 São Paulo, 12 de Maio de 2008 O Banco Cruzeiro do Sul (Bovespa - CZRS4), banco múltiplo privado operando principalmente no mercado de crédito pessoal com desconto

Leia mais

Destaques Operacionais. Desempenho Financeiro

Destaques Operacionais. Desempenho Financeiro Press Release Destaques Operacionais O Banrisul apresentou, nos nove meses de 2011, trajetória ascendente de crescimento no crédito. Os indicadores de inadimplência e de qualidade da carteira mantiveram-se

Leia mais

metodologias SR RATING

metodologias SR RATING metodologias SR RATING o processo de avaliação de risco de instituição financeira 1. INTRODUÇÃO A intermediação financeira é peça motriz da economia, estando esses agentes financeiros no centro da ebulição

Leia mais

Gerenciamento do Risco de Crédito

Gerenciamento do Risco de Crédito Gerenciamento do Risco de Crédito Documento TESTE INTRODUÇÃO O Conselho Monetário Nacional (CMN), por intermédio da Resolução no. 3.721 do Banco Central do Brasil (BACEN), determinou às instituições financeiras

Leia mais

Workshop de Securitização FIDC E CRI. Comitê de FIDCs da ANBIMA Ricardo Augusto Mizukawa

Workshop de Securitização FIDC E CRI. Comitê de FIDCs da ANBIMA Ricardo Augusto Mizukawa Workshop de Securitização FIDC E CRI Comitê de FIDCs da ANBIMA Ricardo Augusto Mizukawa Fundo de Investimento em Direitos Creditórios Mercado Iniciativas do Mercado - ANBIMA Classificação de FIDCs Formulário

Leia mais

BRB. Banco de Brasília S.A. Monitoramento de Rating

BRB. Banco de Brasília S.A. Monitoramento de Rating Banco de Brasília S.A. Monitoramento de Rating A LFRating comunica ao Banco de Brasília S.A. e ao mercado que, em reunião de Comitê realizada no dia 19 de Agosto de 2009, foi confirmada a nota atribuída

Leia mais

Divulgação dos Resultados 1T15

Divulgação dos Resultados 1T15 Divulgação dos Resultados 1T15 Sumário Resultado Itens Patrimoniais Índices Financeiros e Estruturais Guidance 2 Resultado Margem Financeira (em e %) * 1T15 / 1T14 1T15 / 4T14 1T15 / 1T14 21,1% 5,4% 21,1%

Leia mais

Gerenciamento de Riscos Pilar 3

Gerenciamento de Riscos Pilar 3 Gerenciamento de Riscos Pilar 3 2º Trimestre de 2014 ÍNDICE I - INTRODUÇÃO 3 II OBJETIVO 3 III PERFIL CORPORATIVO 3 IV GOVERNANÇA CORPORATIVA 4 V RISCO DE CRÉDITO 4 VI RISCO DE MERCADO 5 VII RISCO DE LIQUIDEZ

Leia mais

Especial Lucro dos Bancos

Especial Lucro dos Bancos Boletim Econômico Edição nº 90 novembro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Especial Lucro dos Bancos 1 Tabela dos Lucros em 2014 Ano Banco Período Lucro 2 0 1 4 Itaú Unibanco

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2013 - BANCO BRADESCO SA Versão : 2. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2013 - BANCO BRADESCO SA Versão : 2. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 5 Balanço Patrimonial Passivo 9 Demonstração do Resultado 12 Demonstração do Resultado

Leia mais

Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento

Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento Henrique de Campos Meirelles Novembro de 20 1 Fundamentos macroeconômicos sólidos e medidas anti-crise 2 % a.a. Inflação na meta 8 6 metas cumpridas

Leia mais

Banco Caterpillar S.A. Rua Alexandre Dumas, 1711 - Edifício Birmann 11-9º andar Setor 2 - São Paulo - SP CNPJ: 02.658.435/0001-53

Banco Caterpillar S.A. Rua Alexandre Dumas, 1711 - Edifício Birmann 11-9º andar Setor 2 - São Paulo - SP CNPJ: 02.658.435/0001-53 Rua Alexandre Dumas, 1711 - Edifício Birmann 11-9º andar Setor 2 - São Paulo - SP CNPJ: 02.658.435/0001-53 Balanço Patrimonial - Conglomerado Prudencial em 30 de Junho ATIVO 2014 CIRCULANTE 1.893.224 Disponibilidades

Leia mais

1. CONTEXTO OPERACIONAL

1. CONTEXTO OPERACIONAL BANCO TRIÂNGULO S.A. NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 30 DE JUNHO DE 2002 E 2001 (Em milhares de reais) 1. CONTEXTO OPERACIONAL O Banco Triângulo S.A. é uma sociedade privada que opera

Leia mais

RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

Resultados do 1T08. 14 de maio de 2008

Resultados do 1T08. 14 de maio de 2008 Resultados do 1T08 14 de maio de 2008 Destaques do Trimestre Desenvolvimento dos Negócios Início dos desembolsos das operações de FINAME e BNDES Automático Bim Promotora de Vendas fase piloto das operações

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Banco Rodobens. 2º Trimestre 2015

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Banco Rodobens. 2º Trimestre 2015 Relatório de Gerenciamento de Riscos Banco Rodobens 2º Trimestre 2015 INTRODUÇÃO O presente Relatório tem por objetivo apresentar as informações do Banco Rodobens para atendimento aos requerimentos do

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Banco Rodobens. 1º Trimestre 2015

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Banco Rodobens. 1º Trimestre 2015 Relatório de Gerenciamento de Riscos Banco Rodobens 1º Trimestre 2015 INTRODUÇÃO O presente Relatório tem por objetivo apresentar as informações do Banco Rodobens para atendimento aos requerimentos do

Leia mais

ANEXO A. Informe Mensal

ANEXO A. Informe Mensal ANEXO A Informe Mensal Competência: MM/AAAA Administrador: Tipo de Condomínio: Fundo Exclusivo: Todos os Cotistas Vinculados por Interesse Único e Indissociável? Aberto/Fechado Sim/Não Sim/Não ESPECIFICAÇÕES

Leia mais

ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS

ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS - 2007 (Anexo específico de que trata o art. 4º, 4º, da Lei Complementar nº 101, de 4 de maio de 2000)

Leia mais

1. Público-alvo. 2. Objetivos

1. Público-alvo. 2. Objetivos LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS dezembro/2013 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o. As informações completas sobre esse fundo podem ser obtidas no Prospecto e no Regulamento

Leia mais

BRB ANUNCIA RESULTADOS DE 2015

BRB ANUNCIA RESULTADOS DE 2015 BRB ANUNCIA RESULTADOS DE 2015 Brasília, 22 de março de 2016 O BRB - Banco de Brasília S.A., sociedade de economia mista, cujo acionista majoritário é o Governo de Brasília, anuncia seus resultados do

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RISCOS. Pilar III Basiléia

GERENCIAMENTO DE RISCOS. Pilar III Basiléia GERENCIAMENTO DE RISCOS Pilar III Basiléia 3º Trimestre 2015 ÍNDICE I - INTRODUÇÃO 3 II OBJETIVO 3 III PERFIL CORPORATIVO 3 IV GOVERNANÇA CORPORATIVA 4 V RISCO DE CRÉDITO 4 VI RISCO DE MERCADO 5 VII RISCO

Leia mais

Política de. Gestão do Risco de Liquidez

Política de. Gestão do Risco de Liquidez Política de Gestão do Risco de Liquidez 1 Índice 1. INTRODUÇÃO 3 2. PERFIL OPERACIONAL DO CONGLOMERADO CRUZEIRO DO SUL 3 3. DESCRIÇÃO DA ESTRUTURA DE GESTÃO DO RISCO DE LIQUIDEZ 4 3.1 RESPONSABILIDADES

Leia mais

Especialista questiona "ascensão" de bancos brasileiros em ranking

Especialista questiona ascensão de bancos brasileiros em ranking Veículo: Valor Online Data: 13/04/09 Especialista questiona "ascensão" de bancos brasileiros em ranking A crise global colocou os bancos brasileiros em destaque nos rankings internacionais de lucro, rentabilidade

Leia mais

JSL Arrendamento Mercantil S/A.

JSL Arrendamento Mercantil S/A. JSL Arrendamento Mercantil S/A. Relatório de Gerenciamento de Riscos 2º Trimestre de 2015 JSL Arrendamento Mercantil S/A Introdução A JSL Arrendamento Mercantil S/A. (Companhia) se preocupa com a manutenção

Leia mais

FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES BANRISUL MERCADO FUNDO DE INVESTIMENTO RENDA FIXA LONGO PRAZO CNPJ/MF 15.283.719/0001-54

FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES BANRISUL MERCADO FUNDO DE INVESTIMENTO RENDA FIXA LONGO PRAZO CNPJ/MF 15.283.719/0001-54 FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES BANRISUL MERCADO FUNDO DE INVESTIMENTO RENDA FIXA LONGO PRAZO CNPJ/MF 15.283.719/0001-54 ESTE FORMULÁRIO FOI PREPARADO COM AS INFORMAÇÕES NECESSÁRIAS AO ATENDIMENTO

Leia mais

O que é e como funciona uma operação de swap

O que é e como funciona uma operação de swap O que é e como funciona uma operação de swap! O que é Swap! O que é Hedge! Mecanismo básico de funcionamento de uma operação de Swap Autores: Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br)! Administrador de Empresas

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Informações Adicionais e. Dados Quantitativos

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Informações Adicionais e. Dados Quantitativos Relatório de Gerenciamento de Riscos Informações Adicionais e Dados Quantitativos Avaliação da adequação do Patrimônio de Referência (PR) face à estrutura e contexto operacional O processo de monitoramento

Leia mais

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 1 Trimestre de 2012 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 3 2 PERFIL DO BANCO... 3 3 RESUMO DA ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS... 3 4 RISCO DE CRÉDITO... 3 5 RISCO DE MERCADO... 8 6

Leia mais

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA 5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA Os sinais de redução de riscos inflacionários já haviam sido descritos na última Carta de Conjuntura, o que fez com que o Comitê de Política Monetária (Copom) decidisse

Leia mais

Apresentação de Resultados

Apresentação de Resultados Apresentação de Resultados 4º Trimestre, Aviso Importante: esta apresentação faz referências e declarações sobre expectativas, sinergias planejadas, estimativas de crescimento, projeções de resultados

Leia mais

Objetivo. Introdução. Gestão de Riscos

Objetivo. Introdução. Gestão de Riscos Objetivo As instituições financeiras estão expostas a riscos inerentes ao desenvolvimento de seus negócios e operações. A gestão e o controle de tais riscos constituem aspectos centrais da administração

Leia mais

Sexta-feira 14.05.2010 Divulgação do Resultado do Primeiro Trimestre de 2010

Sexta-feira 14.05.2010 Divulgação do Resultado do Primeiro Trimestre de 2010 Press Release 9 Bovespa: BRSR3, BRSR5, BRSR6 Este Press Release pode conter informações sobre eventos futuros. Tais informações não seriam apenas fatos históricos, mas refletiriam os desejos e as expectativas

Leia mais

Comunicado à Imprensa. S&P reafirma ratings da Tele Norte Leste Participações S.A.

Comunicado à Imprensa. S&P reafirma ratings da Tele Norte Leste Participações S.A. Comunicado à Imprensa S&P reafirma ratings da Tele Norte Leste Participações S.A. Analistas: Ana Claudia Nunes, São Paulo (55) 11-5501-8956; Reginaldo Takara, São Paulo (55) 11-5501- 8932; Milena Zaniboni,

Leia mais

RELEASE DE RESULTADOS. 3 Trimestre de 2012

RELEASE DE RESULTADOS. 3 Trimestre de 2012 RELEASE DE RESULTADOS 3 Trimestre de 2012 1 RELEASE DE RESULTADOS 3 Trimestre de 2012 MENSAGEM DA ADMINISTRAÇÃO O BANCO PAULISTA anuncia seus resultados do 3T12. O BANCO PAULISTA é reconhecido pela sua

Leia mais

REF.: RELATÓRIO TRIMESTRAL DO MARTINS FIDC (CNPJ: 07.162.400/0001-42) - PERÍODO ENCERRADO EM 30/06/2014.

REF.: RELATÓRIO TRIMESTRAL DO MARTINS FIDC (CNPJ: 07.162.400/0001-42) - PERÍODO ENCERRADO EM 30/06/2014. São Paulo, 15 de agosto de 2014. À Comissão de es Mobiliários ( CVM ) Gerência de Acompanhamento de Fundos Estruturados - GIE Rua Sete de Setembro, 111 30º andar. 20159-900 - Rio de Janeiro - RJ REF.:

Leia mais

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

RELEASE DE RESULTADOS

RELEASE DE RESULTADOS RELEASE DE RESULTADOS BANCO PAULISTA SOCOPA Corretora Resultados 1 Trimestre de 2011 1 O BANCO PAULISTA, reconhecido pela sua prestação de serviços de câmbio e de tesouraria, assim como pelo financiamento

Leia mais

Descrição da Estrutura de Gerenciamento 2015. - Risco de Mercado -

Descrição da Estrutura de Gerenciamento 2015. - Risco de Mercado - Descrição da Estrutura de Gerenciamento 2015 - Risco de Mercado - Sumário: 1. Introdução:... 3 2. Objetivo:... 3 3. Diretrizes de Gestão:... 3 4. Atribuições e Responsabilidades:... 4 Conselho de Administração:...

Leia mais

BANCO SEMEAR S.A. Bancos. Qualidade dos Ativos

BANCO SEMEAR S.A. Bancos. Qualidade dos Ativos Rating FUNDAMENTOS DO RATING Relatório Analítico Semestral: Jun/10 BBB O banco apresenta solidez financeira intrínseca adequada. Normalmente são instituições com ativos dotados de cobertura. Tais bancos

Leia mais

BANCO DO BRASIL ESCRITURÁRIO

BANCO DO BRASIL ESCRITURÁRIO BANCO DO BRASIL ESCRITURÁRIO CONHECIMENTOS BANCÁRIOS 1. O Sistema Financeiro Nacional (SFN) é constituído por todas as instituições financeiras públicas ou privadas existentes no país e seu órgão normativo

Leia mais

SOCINAL S.A- CRÉDITO FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO

SOCINAL S.A- CRÉDITO FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO SOCINAL S.A- CRÉDITO FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE CAPITAL - EXERCICIO 2014 SUMÁRIO 1. Introdução; 2. Política Institucional para Gestão do Risco de Capital; 3. Estrutura,

Leia mais

Divulgação de Resultados Segundo Trimestre de 2015

Divulgação de Resultados Segundo Trimestre de 2015 Divulgação de Resultados Segundo Trimestre de 2015 Apresentação da Teleconferência 06 de agosto de 2015 Para informações adicionais, favor ler cuidadosamente o aviso ao final desta apresentação. Divulgação

Leia mais

Mensagem da Administradora

Mensagem da Administradora Mensagem da Administradora Prezados Cotistas: Submetemos à apreciação de V.S.as. a demonstração da composição e diversificação das aplicações da CSN Invest Fundo de Investimento em Ações, em 31 de dezembro

Leia mais

MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE LIQUIDEZ

MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE LIQUIDEZ MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE LIQUIDEZ Introdução O Gerenciamento do Risco de Liquidez no Grupo Didier Levy, considerando as empresas BEXS Banco de Câmbio S/A e BEXS Corretora de Câmbio S/A está

Leia mais

PÉROLA FUNDO DE INVESTIMENTO EM DIREITOS CREDITÓRIOS (CNPJ nº 19.388.423/0001-59) (ADMINISTRADO PELA SOCOPA SOCIEDADE CORRETORA PAULISTA S/A)

PÉROLA FUNDO DE INVESTIMENTO EM DIREITOS CREDITÓRIOS (CNPJ nº 19.388.423/0001-59) (ADMINISTRADO PELA SOCOPA SOCIEDADE CORRETORA PAULISTA S/A) PÉROLA FUNDO DE INVESTIMENTO EM DIREITOS CREDITÓRIOS (CNPJ nº 19.388.423/0001-59) (ADMINISTRADO PELA SOCOPA SOCIEDADE CORRETORA PAULISTA S/A) DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE AGOSTO DE 2014 PÉROLA FUNDO

Leia mais

Riscos relacionados ao Santander Brasil e ao setor de Serviços Financeiros Brasileiro

Riscos relacionados ao Santander Brasil e ao setor de Serviços Financeiros Brasileiro Riscos relacionados ao Santander Brasil e ao setor de Serviços Financeiros Brasileiro Estamos expostos aos efeitos das perturbações e volatilidade nos mercados financeiros globais e nas economias nos países

Leia mais

Política de Gerenciamento de Riscos Financeiros Endesa Brasil

Política de Gerenciamento de Riscos Financeiros Endesa Brasil Política de Gerenciamento de Riscos Financeiros Endesa Brasil Objeto Estabelecer uma política adequada de gerenciamento de riscos financeiros, de modo a resguardar as empresas do grupo Endesa Brasil de

Leia mais

Gerenciamento de Riscos

Gerenciamento de Riscos Gerenciamento de Riscos 30 de dezembro 2011 Informações Referentes ao Gerenciamento de Riscos, Patrimônio de Referência e Patrimônio de Referência Exigido 1. Considerações Iniciais 1.1. Todas as condições

Leia mais

RELEASE DE RESULTADOS

RELEASE DE RESULTADOS RELEASE DE RESULTADOS BANCO PAULISTA SOCOPA Corretora Resultados 4 Trimestre de 2011 1 O BANCO PAULISTA e a SOCOPA - CORRETORA PAULISTA anunciam os resultados do quarto trimestre de 2011. O BANCO PAULISTA

Leia mais

Resultado da Oferta Pública Voluntária de Permuta. Novembro de 2014

Resultado da Oferta Pública Voluntária de Permuta. Novembro de 2014 Resultado da Oferta Pública Voluntária de Permuta Novembro de 2014 OFERTA VOLUNTÁRIA DE PERMUTA DE AÇÕES No dia 30 de outubro realizamos o leilão da oferta voluntária. A adesão dos minoritários do Santander

Leia mais

Porto Seguro Anuncia Lucro Líquido de R$ 44,2 milhões no 4T04 Crescimento de 22% dos Prêmios Auferidos em 2004

Porto Seguro Anuncia Lucro Líquido de R$ 44,2 milhões no 4T04 Crescimento de 22% dos Prêmios Auferidos em 2004 Porto Seguro Anuncia Lucro Líquido de R$ 44,2 milhões no 4T04 Crescimento de 22% dos Prêmios Auferidos em 2004 São Paulo, 25 de fevereiro de 2005 - A Porto Seguro S.A. (Bovespa: PSSA3) anuncia hoje seus

Leia mais

Teleconferência 2T14. 18 de agosto de 2014

Teleconferência 2T14. 18 de agosto de 2014 Teleconferência 18 de agosto de 2014 1T14 x Estabilidade da Carteira de Créditos, próxima a R$ 10,5 bilhões; Nível de liquidez imediata mantido dentro de parâmetros confortáveis; Redução dos NPLs, tanto

Leia mais

Pesquisa Trimestral de Condições de Crédito. Banco Central do Brasil Fevereiro de 2015

Pesquisa Trimestral de Condições de Crédito. Banco Central do Brasil Fevereiro de 2015 Pesquisa Trimestral de Condições de Crédito Banco Central do Brasil Fevereiro de 215 Indicadores de Condições de Crédito Objetivos: Verificar o sentimento dos últimos meses sobre o mercado de crédito e

Leia mais

ING. Demonstrações Financeiras

ING. Demonstrações Financeiras ING Demonstrações Financeiras 30/junho/2002 ÍNDICE ING BANK N.V. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS SEMESTRAIS DE 2002 E 2001... 3 ING CORRETORA DE CÂMBIO E TÍTULOS S.A. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS SEMESTRAIS DE

Leia mais

Teleconferência de Resultados 1T15. 8 de maio de 2015. Magazine Luiza

Teleconferência de Resultados 1T15. 8 de maio de 2015. Magazine Luiza Teleconferência de Resultados 8 de maio de 2015 Magazine Luiza Destaques do Vendas E-commerce Despesas Operacionais EBITDA Luizacred Lucro Líquido Ganhos de market share, principalmente em tecnologia Receita

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.477. I - bancos múltiplos, bancos comerciais, bancos de investimento, bancos de câmbio e caixas econômicas;

CIRCULAR Nº 3.477. I - bancos múltiplos, bancos comerciais, bancos de investimento, bancos de câmbio e caixas econômicas; CIRCULAR Nº 3.477 Dispõe sobre a divulgação de informações referentes à gestão de riscos, ao Patrimônio de Referência Exigido (PRE), de que trata a Resolução nº 3.490, de 29 de agosto de 2007, e à adequação

Leia mais

PERFIL CORPORATIVO FOCO NO CLIENTE. Sustentabilidade econômica e sócioambiental. Expansão da base geográfica RELACIONAMENTO

PERFIL CORPORATIVO FOCO NO CLIENTE. Sustentabilidade econômica e sócioambiental. Expansão da base geográfica RELACIONAMENTO PERFIL CORPORATIVO P Banco múltiplo privado com 20 anos de experiência no mercado financeiro P Sólida estrutura de capital e administração conservadora P Atuação em operações: Ativas Passivas Crédito Imobiliário

Leia mais

2005 Corretora em Nova York. Diversificação do portfólio. 2007 Expansão em Investment Bank, Consignado e Cartões. Estrutura acionária 3

2005 Corretora em Nova York. Diversificação do portfólio. 2007 Expansão em Investment Bank, Consignado e Cartões. Estrutura acionária 3 VISÃO GERAL - 2T5 Histórico 99 Início das operações como banco múltiplo 2002 Agência em Nassau 2005 Corretora em Nova York 2009 Início da parceria estratégica com o Banco do Brasil 205 BV Promotora (Consignado

Leia mais

Perspectivas do Mercado de Crédito Marcus Manduca, sócio da PwC

Perspectivas do Mercado de Crédito Marcus Manduca, sócio da PwC Perspectivas do Mercado de Crédito Marcus Manduca, sócio da PwC Perspectivas do Mercado de Crédito Cenário econômico Cenário econômico Contexto Macro-econômico e Regulamentação Redução de spreads Incremento

Leia mais

Basiléia. Patrimônio Líquido 6.368 5.927 5.117. Jun/09 Jun/10 Jun/11 Jun/12 Jun/13. Captações (líquidas de compulsório) 58.406 52.950 42.

Basiléia. Patrimônio Líquido 6.368 5.927 5.117. Jun/09 Jun/10 Jun/11 Jun/12 Jun/13. Captações (líquidas de compulsório) 58.406 52.950 42. Avenida Paulista, 2.100 - São Paulo - SP CNPJ 58.160.7890001-28 Se escolher navegar os mares do sistema bancário, construa seu banco como construiria seu barco: sólido para enfrentar, com segurança, qualquer

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS BÁSICAS

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS BÁSICAS 110 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS BÁSICAS CAPITAL ORDINÁRIO BALANÇO PATRIMONIAL ATIVO 2006 2005 Caixa e investimentos Caixa................................................. $ 276 $ 223 Investimentos Carteira

Leia mais

RELEASE DE RESULTADOS 1 Semestre de 2013

RELEASE DE RESULTADOS 1 Semestre de 2013 RELEASE DE RESULTADOS 1 Semestre de 2013 1 RELEASE DE RESULTADOS 1 Semestre de 2013 MENSAGEM DA ADMINISTRAÇÃO O BANCO PAULISTA anuncia seus resultados do 1S13. O BANCO PAULISTA é reconhecido pela sua prestação

Leia mais

HSBC Strategy S&P Diversifique seus investimentos com ativos internacionais

HSBC Strategy S&P Diversifique seus investimentos com ativos internacionais HSBC Strategy S&P Diversifique seus investimentos com ativos internacionais HSBC Strategy S&P Diversifique seus investimentos com ativos internacionais Avaliando oportunidades de sucesso através de um

Leia mais

Resumo Basileia III Brasil 2013

Resumo Basileia III Brasil 2013 Resumo Basileia III Brasil 2013 Basileia III - Introdução 1. Definição e Objetivos 2. Principais Medidas 3. Patrimônio de Referência (Nível I) 4. Deduções Regulamentares do Capital Principal 5. Nível II

Leia mais

INSTITUIÇÃO FINANCEIRA CREDIALIANÇA COOPERATIVA DE CRÉDITO RURAL Av. Castro Alves, 1579 - Rolândia - PR CNPJ: 78.157.146/0001-32

INSTITUIÇÃO FINANCEIRA CREDIALIANÇA COOPERATIVA DE CRÉDITO RURAL Av. Castro Alves, 1579 - Rolândia - PR CNPJ: 78.157.146/0001-32 INSTITUIÇÃO FINANCEIRA CREDIALIANÇA COOPERATIVA DE CRÉDITO RURAL Av. Castro Alves, 1579 - Rolândia - PR CNPJ: 78.157.146/0001-32 BALANCETE PATRIMONIAL EM 30 DE NOVEMBRO DE 2015 (valores expressos em milhares

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICO FINANCEIRA DA EMPRESA BOMBRIL S.A.

ANÁLISE ECONÔMICO FINANCEIRA DA EMPRESA BOMBRIL S.A. Universidade Federal do Pará Centro: Sócio Econômico Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Análise de Demonstrativos Contábeis II Professor: Héber Lavor Moreira Aluno: Roberto Lima Matrícula:05010001601

Leia mais

Fundos de Investimento

Fundos de Investimento Gestão Financeira Prof. Marcelo Cruz Fundos de Investimento 3 Uma modalide de aplicação financeira Decisão de Investimento 1 Vídeo: CVM Um fundo de investimento é um condomínio que reúne recursos de um

Leia mais