e teleproteção utilizadas nessas linhas?

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "e teleproteção utilizadas nessas linhas?"

Transcrição

1 Título : A EXPANSÃO DE NEGÓCIOS DE TELECOMUNICAÇÕES NA ELETROBRAS ELETRONORTE E A NECESSIDADE DE MUDANÇAS NA ESTRUTURA DE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO Autor : MARCELO COSTA DE ARAUJO Empresa :ELETRONORTE Uma vez que o sistema utilizado é o MS-Access, já tentaram ou pensaram em integrá-lo ao MS- Essa integração não havia sido pensada. Porém, reconheço que isso traria como benefício o fato de que a manutenção Sharepoint? do banco de dados deixaria de ser feita pelo centro de gerência de redes de telecomunicações e passaria a ser feita pela equipe de TI da empresa. Essa alternativa será analisada pela equipe. Título : ACOPLAMENTO INDUTIVO DE SINAIS DE COMUNICAÇÃO EM REDES ELÉTRICAS: UMA TECNOLOGIA PARA SMART GRID Autor : CELIO FONSECA BARBOSA Empresa :CPqD A largura de banda é fixa ou adaptativa? Qual foi o retardo medido na transmissão? Como está 1. Na implementação apresentada foi utilizado um acoplador ressonante na frequência da portadora. Portanto, ele planejado evitar a perda de sinal e o transito nos elementos transformadores da rede? Em suporta apenas sistemas de modulação em uma única portadora, como FSK e PSK. Com algumas alterações de projeto, linhas com voltagem maior que 80 Kv está planejado a implementação dos serviços de voz dados pode-se trabalhar com sistemas adaptativos (e.g, OFDM), mas a eliminação do sistema ressonante requer medidas e teleproteção utilizadas nessas linhas? complementares para garantir a qualidade do acoplamento indutivo. 2. O retardo medido na transmissão foi de 0,45 s, o que inviabiliza a aplicação deste sistema para proteção. Como comentado, a principal aplicação deste sistema é telemetria e telecomando. 3. A perda de sinal para uma transmissão em circuito metálico é muito baixa, podendo-se alcançar com facilidade centenas de quilômetros no enlace PLC, o que pode ser creditado à frequência relativamente baixa da portadora (132,5 khz). Já o efeito de transformadores ao longo da rede (e.g., na distribuição) não afeta significativamente o sinal, já que a sua indutância de dispersão praticamente isola o circuito primário do secundário. Por outro lado, a passagem do sinal da média para a baixa tensão não foi estudada neste trabalho e, em princípio, poderia ser feita através de um enlace rádio (ZigBee), de maneira análoga ao implementado para comunicar com a UTR. 4. O sistema desenvolvido visa o tráfego de informações operacionais dos equipamentos (taxa de 9600 bps) e não suporta serviço de voz nem teleproteção. No entanto, é importante frisar que estas são limitações do sistema implementado e não da técnica de acoplamento indutivo. Em outras palavras, pode ser feita uma implementação de sistema de comunicação com acoplamento indutivo que suporte estas aplicações. Título : ANÁLISE DE SISTEMAS RÁDIO EM ENLACES OBSTRUÍDOS PARA TRÁFEGO DE DADOS DE ETHERNET EM PCHS EXPERIÊNCIA DA CEEE-GT Autor : DIOGO DA SILVA COSTA Empresa :CEEE-GT

2 A partir de qual distância / comprimento o desempenho dos enlaces apresentam uma disponibilidade não aceitável para a transmissão de informações críticas? No nosso estudo, não pesquisamos a distância limítrofe para os enlaces. Entretanto, pelo levantamento realizado, até a distância de 47,7 km que é nosso enlace mais longo, o desempenho foi considerado satisfatório para transmissão de informações não críticas. Para o transporte de informações críticas os enlaces não apresentaram uma confiabilidade boa devido à grande variabilidade dos níveis de sinal recebido. Também por causa das falhas de comunicação, que apesar de serem, na maioria das vezes, de curtíssima duração a ponto de não prejudicar a disponibilidade total, cortam a comunicação com uma certa frequência, situação o que poderia prejudicar os serviços críticos. Título : ATENDIMENTO DO MCPSE UTILIZANDO AS FERRAMENTAS GERENCIAMENTO DAS ENGENHARIAS DE MANUTENÇÃO E EXPANSÃO DO SISTEMA ELÉTRICO DE DISTRIBUIÇÃO Autor : LUCIENE MARTINS MOURA RODRIGUES Empresa :CEMIG D Existia muita divergência entre o que estava instalada e cadastrado no sistema? Como foi feito Sim. Foi feito o inventário físico e posteriormente a consciliação físico- contábil. Durante o projeto foram mobilizadas 60 para alinhar as informações? Qual o tamanho da equipe? pessoas diretamente e em torno de 120 indiretamente. Como foram tratados os sobressalentes? Como ficou a troca da UAR (Unidade de adição e retirada) no caso de substituição por sobressalentes? As unidades sobressalentes são tratadas inicialmente como itens de estoque. À medida que são retirados para aplicação no sistema como UARs, são abertos subprojetos de atendimento utilizando Ordens de Imobilização próprias para cada instalação. Sim. Todo o sistema foi redesenhado contemplando também os processos e os equipamentos de telecomunicações. SIm eles possuem cadastro próprio no módulo PM. Foi feito alguma estruturação dos instrumentos de telecomunicações? Eles foram cadastrados no SAP? Título : CARACTERÍSTICAS DO BARRAMENTO DE PROCESSO EM UMA REDE DE COMUNICAÇÃO BASEADA EM IEC Autor : CARLOS ALBERTO DUTRA Empresa :REASON A aquisição de uma Merge Units para cada equipamento do pátio é mais viável financeiramente do que o cabeamento tradicional de entradas e saidas digitais / analógicas? Em cada Merging Unit estarão conectados um conjunto de 4 tensões e 4 correntes e potencialmente vários sinais de sinalização digitais, como estado de disjuntores e chaves seccionadoras, além de a partir dela estarem os acionamentos dos disjuntores. O cabeamento destes elementos de campo até a sala de relé não seria mais necessário, obtendo uma redução significativa do custo com o material (principalmente considerando os elevados custos com cabos para interligação de TCs). Entretanto, além do custo de material também existe a redução com projeto e execução da passagem dos cabos, que estão relacionados com mão de obra especializada. A longo prazo também existem as reduções relacionadas à manutenção do sistema, visto que não haveria necessidade de desernergização da linha para substituições de equipamentos como relés de proteção com defeito. Título : DESAFIOS DA SEGURANÇA CIBERNÉTICA NAS SUBESTAÇÕES DE ENERGIA ELÉTRICA Autor : GERALDO ROCHA Empresa :SEL

3 Existe conhecimento de como está a maturidade de empresas das empresas no Brasil cerca de sua segurança, em particular nos dispositivos IED s? Muitas empresas brasileiras, principalmente a nível de concessionárias de distribuição vem tomando consciência da importância do tema. Como em muitos outros temas, infelizmente, a lição vem sendo aprendida devido à más experiências. As ações sendo tomadas de maneira corretiva e não preventiva. No entanto, não existem ocorrências catastróficas registradas no país até o momento comprovadamente provenientes de ataques cibernéticos. O ponto principal que vem gerando interesse pelo tema é a falta de controle de acesso. Inúmero colaboradores tem acesso ao sistema. Após ocorrências de eventos constata-se que os parâmetros de operação são diferentes daquilo que deveriam ser. Pela falta de controle de acesso não se sabe identificar quais ações foram executadas por quais colaboradores, sejam elas propositais ou não. Embora a preocupação com o tema venha ganhando importância, ele ainda não é tratado com a seriedade que deveria. Problemas como a referida falta de controle de acesso vem gerando interesse e discussão por estas questões e espera-se que a partir das mesmas venham a ser tomadas as devidas ações. Como se proteger de um ataque combinado da técnica \"DOS\" \"IP/MAC Spoofing\" Tais ataques se baseiam no fato de que tanto endereço MAC como IP sejam conhecidos e \\\"clonados\\\" de um equipamento confiável da rede, camuflando o atacante. Do ponto de vista de um ataque de link externo utilizamos a criptografia do canal para embaralhar a informação entre emissor e receptor válido, ou seja, os pacotes enviados pelo atacante serão interpretados como corrompidos e descartados. Além disso, filtros de entrada de firewall podem ser utilizados para permitir a passagem de pacotes oriundos de um número restrito de endereços. Do ponto de vista de ataques internos, estando o invasor localizado na subestação ou dentro da rede corporativa, a principal defesa é o Sticky Secure MAC implementado nos switchs gerenciáveis, o que bloqueia acesso do invasor ao switch, impossibilitando que o ataque confunda sua tabela interna de endereços MAC, evitando o MAC spoofing e por consequência o IP spoofing. O equipamento de autenticaçaõ de usuários propostos utiliza a filosofia de \"single sign on\"? Já existem reles que suportam esta filosofia? Título : DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA MULTICAMADAS PARA ANÁLISE DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO Autor : RAFAEL GRESSLER MILBRADT Empresa :UFSM Este é um dos objetivos do dispositivo de segurança e autenticação. O usuário utilizando suas credenciais únicas acessa o sistema. O dispositivo verifica uma base de dados de usuários para possibilitar ou impedir o acesso do mesmo. Se o usuário tiver autorização de acesso o dispositivo verifica quais níveis de acesso de quais equipamentos (IEDs) tal colaborador tem acesso, a partir de associações existentes entre a base de dados de usuários e equipamentos gerenciados. Desta forma o usuário tem acesso ao dispositivo, e este é quem vai fazer o acesso aos diferentes níveis dos IEDs dependendo das credenciais do usuário. Por utilizar credenciais únicas é possível permitir, impedir e registrar todas as ações tomadas pelos diferentes usuários no sistema, garantindo auditoria de ações e portanto, um controle de acesso efetivo.

4 Está previsto no curto / médio prazo a implantação de um protótipo deste sistema multicamadas em algum município do estado do RS pela CEEE? Qual seria o custo financeiro aproximado desta implementação? O sistema desenvolvido possibilita também a contestação de fraude / roubo de energia? 1) Este projeto com a CEEE-D findou neste ano, contudo existe interesse da companhia em um novo projeto cabeça-desérie visando a implementação em outras redes. 2) Nesta etapa do projeto ainda não foi feito um levantamento dos custos para a implementação/implantação do software, por tratarem-se apenas de custos subjetivos. Outros custos relativos aos equipamentos de comunicação e automação da rede também são muito dependentes dos interesses da própria companhia, porte da rede, nível de tecnologia já existente, etc. 3) O sistema não foi desenvolvido com este propósito. É possível, logicamente, utilizar um estimador de estados para contestar as cargas faturadas com o estado atual, o que poderia caracterizar a fraude em determinada região ou circuito de baixa tensão. Entretanto para que isto fosse possível com uma mínima precisão o sistema de monitoramento/medição na rede deveria mais complexo e mais caro do que o utilizado/proposto no artigo. Título : ENERGIA NÃO É FÁBRICA, SUA TI EXIGE COMPLEMENTOS ESPECÍFICOS Autor : ISMAR NEUMANN KAUFMAN Empresa :IN FORMA A partir da afirmação de que a energia não é fábrica, como você propõe encapsular as demandas A organicidade da TI nas organizações é um tema polêmico, influenciado pelos debates das habilidades dos analistas de por serviços de TI para agilizar o entendimento e por sua vez o retorno do serviço demandado sistemas e analistas de negócios, da governança de TI e da relação entre estratégia corporativa X estratégia de TI, entre pela TI. outros. Embora na década de 90 o modelo conhecido como \"federativo\" era considerado a melhor estrutura organizacional para TI, na maioria das empresas prevaleceu o argumento dos ganhos de escala e a TI é gerenciada por um órgão central. Por outro lado, a transição de sistemas proprietários para sistemas baseados em software de mercado enfatizou o papel do órgão de TI como um intermediário na relação entre usuários e fabricantes (externos) de software. Essa intermediação é positiva na medida em que a TI própria deveria ser capaz de traduzir, compatibilizar, organizar e controlar os requisitos de áreas diversas no diálogo com os fornecedores. Quando a TI não é capaz de realizar este papel, o entendimento e o retorno do serviço demandado sofrem, o diálogo fica difícil e os sistemas de informação não servem aos seus propósitos. Título : ESTUDO DA SEGURANÇA E CONFIABILIDADE DE ESQUEMAS DE TELEPROTEÇÃO BASEADO NA IEC E NOS PROCEDIMENTOS DE REDE DO ONS Autor : CARLOS HENRIQUE DA SILVA CERTORIO Empresa :ELETROBRAS FURNAS Em esquema de redundância, muitas vezes se utilizam fibras diferentes que passam pelo mesmo Os cenários 3 e 4 apresentados no IT consideram meios físicos totalmente independentes. Neste caso, fibras diferentes cabo. Seu estudo faz alguma recomendação neste sentido, ou considera custo e benefício que de um mesmo cabo não representam esta condição. Por outro lado, configurações de redes ópticas em anel atendam aos procedimentos de rede do ONS? representam meios independentes. Para casos desta natureza, é proposta a utilização de apenas 01 (um) equipamento de teleproteção digital por via.

5 O submodulo 2.6 exige que para um sinal transfer-trip sejam enviados dois canais e na recepção haja a opção de conversão monocanal para o caso de receção de apenas 1 canal. Isto exige que sejam utlizados dois equipamentos de teleproteção? É esta a proposta para revisão do documento? A proposta de revisão do submódulo 2.6 dos Procedimentos de Rede do ONS aplica-se apenas a linhas de transmissão de classe de tensão igual ou superior a 345kV quando se utilizam equipamentos de teleproteção digital que utilizam meios físicos independentes nos esquemas primário e alternado. O estudo comprovou que não existem ganhos de confiabilidade e disponibilidade do sistema de teleproteção associado quando se utilizam dois equipamentos de teleproteção digital por via. Para esta situação específica, apresentada no IT como cenário 4, propõe-se a revisão do submódulo 2.6, reduzindo-se a quantidade de equipamentos de teleproteção digital para apenas 1 (um) por via, representada no cenário 3 do IT. Ressalta-se que a proposta de revisão é aplicável apenas quando são utilizados equipamentos de teleproteção digital em vias primária e alternada totalmente independentes. O sistema PLC pode ser considerado nos cenários simulados? Os quatro cenários foram simulados somente para equipamentos de teleproteção digital e os resutados obtidos nestas simulações não se aplicam a sistemas de ondas portadoras. Poder-se-ia simular um cenário com sistemas de ondas portadoras a partir dos dados de segurança e confiabilidade dos equipamentos, porém, ainda que os resultados obtidos sejam favoráveis a uma possível redução de equipamentos, entende-se não ser indicada esta hipótese devido às condições de ruído intrínsecas neste tipo de transmissão. Título : ESTUDO DA UTILIZAÇÃO DA FREQUÊNCIA DE 915 MHZ PARA TRANSMISSÃO DE DADOS EM SISTEMAS SUPERVISÓRIOS DE ISOLADORES POLIMÉRICOS DA CLASSE DE TENSÃO DE 500 KV Autor : HUEDERSON APARECIDO BOTURA DA SILVA Empresa :Balestro Foram avaliados outras frequencias livres alem de 915 Mz? Se sim, qual foi o critério para optar Este estudo limitou o estudo apenas na frequência de 915 MHz, entretanto um estudo futuro poderia ser realizado para por 915 Mz comparação em campo de outras frequências livres. Foi realizado algum estudo com relação ao alcance máximo entre transmissor e receptor? Este estudo foi realizado em laboratório de alta tensão, com isto as dimensões físicas do laboratório limitaram o Porque o tamanho do pacote ficou limitado a 250 pacotes? Poderiam ter feitos testes com uma distância máxima entre os nós sensores. O fabricante do ZigBee apresenta alguns valores padrões de distância amostragem maior? entretanto um valor real só será obtido após a aplicação destes dispositivos em campo. O número de 250 pacotes foi um valor que pegamos como referencia para uma análise estatística. O experimento total foi realizado através de 10 rajadas de pacotes e cada um contento 250 pacotes, portanto a quantidade total de pacotes foi maior. Como o anel corona foi dimensionado? Porque o anel corona só foi instalado em uma das extremidades? O anel anti-corona foi dimensionado utilizando os softwares de simulação Gmsh e GetDP utilizando a técnica dos métodos dos elementos finitos. Neste dimensionamento foram variadas as dimensões da altura, raio e diâmetro do condutor do anel anti-corona. Neste experimento o anel anti-corona foi aplicado nas duas extremidades, entretanto a parte sob estudo é a extremidade fase do isolador no qual está aplicada a tensão no isolador e automaticamente a que apresenta a maior intensidade de campo elétrico. Título : FERRAMENTA CORPORATIVA PARA GERENCIAMENTO E MANUTENÇÃO DOS DADOS DE PARÂMETROS ELÉTRICOS EM SISTEMAS DE TRANSMISSÃO Autor : JOÃO HENRIQUE MAGALHÃSE ALMEIDA Empresa :UFMG

6 A engenharia de telecomunicações utiliza os dados do IMPERAM para cálculo de desempenho dos sistemas de onda portadora - OPLAT? O desenvolvimento do sistema buscou a modelagem de forma sensível aos parâmtros em frequencia industrial, 60 Hz, portanto não abordou as necessidades relativas a engenharia de telecomunicações. O Impedan pode atender as necessidades da equipe de telecomunicações desde que modificações voltadas para esse objetivo sejam realizadas. Título : IMPACTO DA GERAÇÃO TERMOELÉTRICA EM REDES DE DADOS SEM FIO Autor : MARCELO LUIZ DE AMORIM CABRAL Empresa :Eletrobras Furnas S/A O ganho de 3 db, encontrado no trocador de calor, ocorreu nos trocadores das duas unidades ou Sim, o ganho foi encontrado nos dois trocadores de calor e de forma bastante similar. apenas no trocador de uma das turbinas? Qual sua experiencia da interferência eletromagnética nos sinais da rede? As fontes interferentes à cobertura, expoentes deste estudo de cobertura, foram diversas e por vezes combinadas. Os anteparos metálicos representados pelas estruturas elevadas e espessas, tal qual os invólucros dos aspiradores e turbinas, o ambiente turbulento, motivado pela absorção de algumas toneladas de ar por minuto e os fluxos de gases aquecidos, tal qual a exaustão de gases a 540ºC para atmosfera, impediram a avaliação individual destes atenuantes. Quando combinados aos atenuantes elétricos, tal qual o carregamento dos trafos elevadores, o ruído gerado pelo gerador de 13kV e seus barramentos de interligação, tornou-se inviável a avaliação deles, na forma como os testes foram executados. A avaliação de cobertura na subestação, durante a avaliação do IPdect, apontou indícios de uma relação entre o carregamento da linha de transmissão e a elevação da BER, mas não haviam mecanismos válidos para atestar. As malhas de terra e as contribuições de solo não foram avaliadas por falta de recursos adequados para tal. Título : IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE COMUNICAÇÃO PARA O EMPREENDIMENTO DE 500KV ENTRE ITAIPU E ANDE Autor : BRUNO MARINS FONTES Empresa :ITAIPU Custo financeiro aproximado do sistema de telecomunicações implementados (sistema óptico e O custo total do empreendimento foi de US$ 340 Milhões. Não temos o valor exato referente apenas ao sistema de oplat) Telecomunicações. Porém, podemos citar que dentro do escopo apresentado os itens referentes à implantação dos cabos OPGW foram os mais representativos. Principalmente devido à exigência da substituição em regime energizado dos cabos para-raios por OPGW nas LTs 220kV da ANDE. Foi comentado que no sistema óptico implantado houve a necessidade de utilização de conversores eletro-ópticos para conexão dos IED s ao multiplex em canais de 64 Kbps. Considerando o comprimento longo da LT (acima de 300 Km), os canais de 64 Kbps apresentam comportamento satisfatório para atendimento a proteção diferencial? Em função da latência intrínseca à solução implantada, não seria mais indicado utilizar-se canais de 2 Mbps para conexão dos IED s Sim, atendeu aos testes de comissionamento realizados pela equipe de Proteção. A mesma solução foi adotada no retrofit da proteções das Linhas de 500kv 50/60Hz da ITAIPU em operação desde O equipamento Multiplex possui canais 2M disponíveis para utilização pelos relés de proteção. A utilização do canal 64kbps é definida pelo conversor eletro-óptico utilizado como interface entre o IED e MUX. O conversor é parte integrante do projeto de proteção vinculado diretamente aos IEDs. Título : INDICADORES DE DESEMPENHO PARA MANUTENÇÃO EM TELECOMUNICAÇÕES Autor : ARMANDO TEMPORAL Empresa :CHESF

7 Foi realizada um estudo de como agilizar o planejamento da preventiva em aproveitamento da corretiva sem que isso cause atrasos ao atendimento emergencial.? Na verdade tentamos sempre fazer da forma contrária: em um atendimento corretivo aproveitamos a oportunidade de ter feito um deslocamento com a equipe até a instalação para realizar manutenções preventivas planejadas para o curto prazo naquela localidade ou em localidades vizinhas. Neste caso, a manutenção preventiva não causa atraso em atendimento emergencial, até mesmo porque o atendimento à manutenção preventiva não exige prazo de execução com data estabelecida. As manutenções preventivas programadas para um determinado mês não possuem data de agendamento, apenas o mês de realização indicado é aquele, podendo ser realizada na primeira ou última semana do mês sem que isso altere os indicadores de atendimento. O indicador avalia se a manutenção preventiva foi realizada dentro do mês previsto. Para o cálculo dos tempos de manutenção foi considerado tempo do início do evento / falha ou o tempo de abertura da OS? Você acha que a realização de manutenções preventivas estão ajudando no desempenho dos equipamentos da CHESF tendo em vista que o índice de manutenção corretivas está maior que as preventivas? Para o cálculo do tempo de manutenção é considerado o instante em que se percebe a anomalia. O preenchimento deste tempo é manual e pode ser anterior à data e hora da abertura da OS, quando a mesma não é aberta imediatamente. É esperado que o quantitativo de manutenção preventiva seja inferior ao quantitativo de manutenção corretiva. Como os dados apresentados não foram segmentados ou estratificados por tipos de ocorrência, aí estão inclusas todas as ações de manutenções como reparos em ramais telefônicos e trocas de aparelhos telefônicos. Ou seja, das mais simples às mais complexas. Estamos estudando se as ocorrências em equipamentos que necessitaram de manutenção corretiva coincidem ou não com equipamentos que passaram pela manutenção preventiva, mas ainda não temos nenhuma conclusão no momento. Com certeza a manutenção preventiva, desde que não obrigue a uma intervenção no equipamento, colabora com a continuidade dos serviços e não introduz novas falhas no sistema. Existe serviços terceirizados, os prazos e índices também são aplicados e usados como penalidades de contrato? Nos indicadores de desempenho são levados em conta os acidentes de trabalho e/ou trajeto ocorridos? Toda a nossa manutenção, seja ela preventiva ou corretiva, é realizada por pessoal próprio (equipe Chesf) e não temos manutenção por equipe terceirizada para Telecomunicações. Não temos índices de acidentes de trabalho ou percurso que justifiquem esta consideração no cálculo dos indicadores de desempenho. Os prazos considerados (metas) levam em consideração o tempo para planejamento, o deslocamento até a instalação de ocorrência e o tempo de execução do reparo ou substituição. Título : MEDIÇÕES DE PMD MÉTODOS DE MEDIÇÃO, RESULTADOS, LIMITES E CONSELHOS PRÁTICOS Autor : CRISTIANO HENRIQUE FERRAZ Empresa :NETCON

8 Em cabos OGW é necessário que sejam feitas medições regulares de PMD? A degradação é contínua ao longo da vida útil de um cabo OPGW? Não necessariamente. Embora fatores ambientais causem uma degradação da PMD, essa degradação é percebida pela degradação na taxa de erros (BER), que é objeto de uma monitoração em serviço (ISM, in-service monitoring) feita pelo sistema de transmissão. A ocorrência de erros indica uma degradação, e o processo de busca de falhas inclui, entre outras, a medição de PMD. As medições regulares são efetuadas em rotas escolhidas, por amostragem, quando se quer conhecer o comportamento a longo prazo das fibras com respeito à PMD, mas não constituem um processo regular de medição da totalidade das fibras. Cabe observar que na aceitação final dos cabos instalados deve-se medir a totalidade das fibras (e catalogar os resultados), preferivelmente durante 24 horas. E após intervenções nas fibras (tais como emendas e novos seccionamentos, a PMD deve sempre ser medida também após os atos de manutenção, uma vez que nesse momento é possível comprovar imediatamente a correlação entre a manutenção e um eventual aumento da PMD. Título : MONITORAMENTO ONLINE PARA MICROGERAÇÃO UTILIZANDO FONTES RENOVÁVEIS DE ENERGIA Autor : RENATA IMACULADA SOARES PEREIRA (CPF: ) Empresa :IFCE Na sua opinião, o que falta para a microgeração se tornar realidade no Brasil, inclusive no O primeiro passo já foi dado com o advento da resolução normativa da ANEEL 482/2012 que permite a microgeração espírito da luz para todos distribuída com potência instalado menor ou igual a 100 kw e que utilize fontes como base em energia renovável. O segundo passo é a redução dos custos dos microgeradores de energia elétrica a partir de fontes renováveis, o que vem acontecendo gradativamente com a participação da China também neste mercado. O terceiro ponto é o apoio que os governos federal, estadual e/ou municipal podem disponibilizar como subsídio na aquisição de equipamentos de microgeração, como é feito, por exemplo, na Alemanha. O Brasil adota a filosofia de subsídio no programa Minha Casa Minha Vida. Um quarto aspecto, é a necessidade de capacitação de técnicos e engenheiros da área de forma que possam instalar os sistemas de microgeração, como também mantê-los. Título : O USO DE UMA FERRAMENTA OPEN SOURCE PARA GESTAO DE INVENTARIO DE TELECOMUNICAÇÕES Autor : MARCELO COSTA DE ARAUJO Empresa :ELETRONORTE Como funciona o sistema de georeferenciamento do sistema? qual seria a base cartográfica O sistema não utiliza georeferenciamento. É possível apenas inserir um mapa, retirado de sites como o google maps, utilizada GOOGLE MAPS, BINE MAPS, AUTOCAD entre outros como imagem de fundo e inserir as estações de telecomunicações nesse mapa. Como garantir, em termos de processos, que novas instalações não sejam realizadas sem o devido cadastro? Um aspecto preocupante de qualquer sistema é o gerenciamento de mudanças. Foram criados ferramentas, processos e procedimentos para gerenciamento de mudanças? Realmente, é necessário revisar os processos organizacionais para garantir que o banco de dados da ferramenta permaneça atualizado. Além disso, obter o apoio da alta direção da empresa é um fator fundamental nesse processo de mudança de cultura. Como dito anteriormente, o sistema ainda não foi colocado em operação na Eletronorte. Porém, concordo que a revisão de processos e procedimentos é essencial para garantir a atualização do banco de dados do sistema. Isso representa uma etapa posterior à implantação.

9 A ferramenta apresenta a possibilidade de controle do inventário lógico da rede, ou seja controle dos serviços que trafegam na rede? A versão atual do software não permite que seja feito o cadastro dos circuitos que trafegam na rede de telecomunicações. Há uma enquete no site do desenvolvedor questionando sobre as novas funcionalidades em versões futuras. Até a última verificação feita, a função de cadastro de circuitos estava no topo dos resultados. Voce fez alguma aplicação pratica desta ferramenta? Alem do cadastro de equipamento podemos efetuar o cadastramento de canal? Qual é o \\\"Delta T\\\" existente entre o comissionamento ao equipamento / material e a sua inclusão no módulo de manutenção do SAP - PM Título : PLANEJAMENTO DA SINCRONIZAÇÃO DAS NOVAS REDES ELÉTRICAS INTELIGENTES Autor : CRISTIANO HENRIQUE FERRAZ Empresa :NETCON Gostaria de entender melhor a diferença entre um switch como TC ou BC No momento, o sistema se encontra apenas em um ambiente de testes. Na versão atual do software não é possível fazer o cadastramento de circuitos, embora haja demanda por essa funcionalidade por parte dos usuários aos desenvolvedores. Essa pergunta se refere a outro trabalho apresentado nesse bloco. Um relógio de fronteira ou BC (Boundary Clock) é um relógio que efetivamente interpõe-se na cadeia de transmissão das estampas de tempo. Possui uma instância de relógio escravo, sincronizada em fase, tempo e frequência pelas estampas de tempo recebidas do relógio mestre anterior (um GMC -- GrandMaster Clock -- ou um BC mais alto na hierarquia de distribuição) e uma ou mais instâncias mestras para os relógios subsequentes (BCs mais baixos na hierarquia ou SOOCs, Slave-Only Ordinary Clocks). Cabe ressaltar que o cascateamento de BCs degrada o sinal, e os BCs precisam ser dotados de osciladores de alta qualidade para causarem menor distorção, o que eleva seu custo. Uma solução alternativa para mitigar o efeito de degradação causado pela passagem de estampas de tempo por switches Ethernet é incluir nos mesmos a função de relógio transparente (TC, transparent clock). Estes medem o tempo de residência no switch, tornando conhecida a parte variável do retardo. Como o retardo total é medido, ao conhecer o tempo acumulado de residência é possível conhecer o tempo fixo de propagação pelo meio, que não se altera significativamente a menos que haja uma mudança no caminho seguido pelas estampas de tempo. Assim, é possível alcançar uma alta precisão em redes complexas. Um tipo especial de TCs é o TC peer-to-peer, no qual os switches participam ativamente do processo de medição de retardo, medindo apenas o retardo de propagação no meio físico até seu vizinho a jusante. Uma cadeia de TCs peer-to-peer soma o retardo medido no trecho anterior ao tempo local de residência e ao tempo acumulado informado pelo TC anterior. Como a medição é feita em todas as interfaces (tanto as ativas quanto as bloqueadas pelo algoritmo de montagem de árvore de cobertura da LAN), uma alteração da topologia da rede não altera nem sequer durante um tempo curto a precisão do método, o qual, por isso mesmo, deve ser o preferido em LANs de automação críticas quanto à precisão da fase e do tempo.

10 É possivel utilizar a saida de sincronismo do SDH como fonte de sincronismo secundário ou é necessário que a fonte de telecom seja fornecida por GPS? Qual é o nível de sincronismo de telecom mínimo recomendado para utilização de segunda fonte de sincronismo? Para a transmissão de referências para o sincronismo de frequência entre sites, não só é possível, como é recomendável, transmiti-las pela frequência do sinal de linha. Nas redes SDH, os sinais de linha seguem o relógio do elemento de rede, e são portanto, rastreáveis à fonte seguida pelo mesmo. Nos projetos de propagação da referência de frequência, busca-se limitar o número de elementos de rede sincronizados pelo sinal de linha em cascata (para evitar cadeias longas, de mais do que, por exemplo, 8 NEs ópticos ou 5 NEs de rádio), número esse que deve ser respeitado mesmo no caso de falhas que provoquem o reencaminhamento do sinal a partir da referência (SSU) original. Observa-se que o método também pode ser utilizado em PTNs, sendo que, neste caso, o sinal de linha ethernet síncrono (SyncEt) é totalmente análogo a um sinal síncrono SDH, podendo ser utilizado para transmitir a referência de frequência ao longo de uma sequência de elementos de rede todos eles dotados de cartões de linha exclusivamente SyncE, aplicando-se, no caso, as mesmas limitações ao número de saltos sucessivos aplicáveis a NEs SDH. Entretanto, também é preciso observar que a sincronização de fase e tempo somente pode ser feita mediante a transmissão de estampas de tempo de um relógio mestre (GMC) a relógios escravos (SOOC, passando ou não por relógios de fronteira (BCs) e transparentes (TCs); ou, alternativamente, a partir de um GPS local. Portanto, o método de sincronizar pelo sinal de linha somente se aplica ao sincronismo de frequência (nos novos documentos, geralmente referido como \"sintonização\"). Título : REDES IEC NA SUBESTAÇÃO DA MARGEM DIREITA DA ITAIPU - CRITÉRIOS DE PROJETO Autor : BRUNO MARINS FONTES Empresa :ITAIPU Como vocês pretendem implementar o controle de acesso? Existe a ideia de uso de servidores De início a ideia é implementar o controle de acesso apenas localmente nos elementos de rede. Porém, o ideal seria centrais do tipo LDAP utilizar um serviço centralizado que possibilite atribuir login/privilégios de acesso além de oferecer um log de todos os acesso e modificações realizadas. Um servidor tipo LDAP serviria para implementar esta solução. Qual topologia, anel ou estrela é conveniente com equipes de rede para subestações co tempo de convergência menor que 5 mseg? Analisando sob o aspecto do tempo de convergência a topologia em estrela é a mais recomendada. Neste tipo de topologia a criação de uma cama superior de rede praticamente elimina a possibilidade de loops no backbone reduzindo o tempo de reconvergência em caso de falha. Na topologia em anel deve-se atentar para quantidade de elementos de rede conectados no sistema. Quanto mais elementos mais tempo a rede levará para convergir. Neste tipo de arquitetura é importante estudar a fundo o mapa de convergência da rede mantendo sempre o domínio sobre as rotas principais e secundárias do tráfego prioritário.

11 Como seria a migração do processo de configuração dos switch nos sistema implementados na Itaipu? O que há de documentação das politicas de rede apresentada? A implementação das políticas apresentadas é extremamente crítica pois os sistemas citados encontram-se em operação e as modificações demandariam uma paralisação ou fora de serviço da rede IEC 61850, o que teria impacto direto na disponibilidade energética da subestação. A ideia do estudo e consolidar os conceitos para que os futuros sistemas já nasçam preparados para a integração. Eventualmente, caso haja necessidade da parada forçada de algum sistema por motivo relacionado às condições energéticas, existe a possibilidade de aproveitar esta janela para realizar algumas modificações inciais e testes na rede. Com relação a documentação, ainda estamos trabalhando para criar um documento oficial da empresa que possa ser utilizado como anexo dos futuros cadernos de especificação técnica de sistemas IEC Título : REDES MESH E APLICAÇÕES IP Autor : LAUREANO JOSÉ PICONEZ BOUZON Empresa :ABB Como é a alimentação elétrica da antena? Existe um limite na quantidade de antenas da rede? 2R (parte 1) - A alimentação pode ser feita através de unidades PoE externas, sendo que estas unidades se interligar ão à rede AC e a Rede Ethernet (para o caso dos rádios operarem como Gateways), se forem Nós se faz necessário somente o AC. A unidade PoE externa se conecta ao rádio via a porta LAN do rádio. Outra forma, é montar um cabo UTP blindado, de um lado conectá-lo à porta LAN do rádio, na outra extremidade, separar os fios da rede LAN (montar um conector RJ45) e os fios de alimentação DC (terminá-los em bones). 2R (parte 2) - Teoricamente não existe limite, mas deve- se planejar a rede pois, o throughput esta diretamente relacionado aos hops, assim deve-se dimensionar o número de Gateways para a rede, e as distâncias entre os elementos. Qual mé a funcionalidade dos sistemas TDM existentes (SDH - OPLAT) na nova infratestrutura mesh - ip? O tráfego de dados em distribuição é diferente ao trafego de transmissão, como está planejado fazer a diferenciação deles? 1R (parte 1) - Como apresentado, o sistema Wireless vem para adicionar mais recursos tecnológicos com o objetivo de atender as necessidades de comunicação das redes atuais. Os sistemas SDH e OPLT. No caso do SDH, estes podem ser utilizados para prover interconexões em camadas superiores (maiores capacidades de transmissão), e para os sistemas OPLAT, o atndimento a áreas onde o único meio de comunicação é a Linha de Transmissão. Existem várias possibilidades para a s interligações entre os sistemas, sob meu ponto de vista, o importante é efetuar um planejamento da rede e ter conhecimento dos recursos que o mercado disponibiliza. 1R (parte 2) - Para responder a esta pergunta, gostaria de motivar algumas reflexões: Uma delas seria definir o Sistema em camadas de cobertura, sendo que a Transmissão seria uma camada superior, com altas taxas de transmissão, e para as camadas inferiores poderíamos definir a Dsitribuição até chegar nos usuários finais. para este atendimento, poderíamos utilizar as redes mesh. Outra reflexão, em uma rede podemos definir VPN (Virtual Private Network) para cada serviço ou aplicação. Título : SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE INSPEÇÃO DE EQUIPAMENTOS Autor : GUSTAVO BOMFIM MEDEIRO Empresa :Eletrosul Eletrobras

12 O aplicativo está preparado para comunicação com dispositivo de leitura de RFId Foi considerada a criação de um aplicativo móvel em HTML 5 Não foi implementada solução de comunicação utilizando RFID. HTML é uma linguagem de marcação e não de programação o que inviabilizaria o desenvolvimento do aplicativo. Foi efetuado algum estudo sobre cobertura wifi e interferência desta rede em subestações? Existe alguma interação do aplicativo com o sistema de inspeção da empresa (SAP por exemplo)? Como é feita a inserção de relatório da aplicação com a ferramenta de manutenção Embora o desenvolvimento tenha sido realizado levando-se em consideração as necessidades da Eletrosul, este é um software de prateleira, ou seja, um software sem integração com qualquer outro mas que deve atender a qualquer organização. Não há integração com a ferramenta de manutenção da empresa, visto que este é um software de prateleira. Título : SISTEMA DE MONITORAMENTO DE FIBRAS ÓPTICAS UTILIZANDO SOFTWARE LIVRE Autor : RICARDO ROSCOE Empresa :ELETRONORT Existe impeditivo com algum departamento de meio ambiente da empresa sobre o uso de algum Que tenho conhecimento não. O problema de utilizar o formicida é que dependendo de sua composição ele pode reagir formicida que evite entrada de formigas? com as fibra ópticas. Mesmo utilizando SW livre, existe alguma restrição no uso do Browser? Não existe nenhuma restrição com relação ao uso de browser. O sistema suporta todos os browsers disponíveis, inclusive aqueles existentes em smartphones e tablets. Como a formiga entra na caixa de emenda? ela destrói algum componente? As formigas entram devido a problemas de vedação nas caixas de emenda. Não há como precisar se elas conseguem destruir a vedação para entrar. Para alimentar as larvas as formigas expelem uma substância que contém ácido fórmico. Este ácido reage com componentes da fibra óptica e as tornam extremamente quebradiças. Título : TELECOMUNICAÇÃO DAS ESTAÇÕES CONVERSORAS DE PORTO VELHO E ARARAQUARA 2. PRIMEIRO BIPOLO DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO DAS USINAS DO RIO MADEIRA Autor : NORBERTO MOREIRA SOARES Empresa :ELETROBRAS ELETRONORTE Foi apresentado que o tempo de transmissão foi um fator crítico na linha direta, como esta Foram implantadas placas ethernet nos equipamentos SDH das empresas Eletronorte e Furnas, nas subestações de modo questão foi superada no circuito provisório? a evitar as conversões E1----->ethernet > E1. Os tempos obtidos ficaram abaixo de 16 mseg.

Exercícios de Redes de Computadores Assuntos abordados: Conceitos gerais Topologias Modelo de referência OSI Modelo TCP/IP Cabeamento 1.

Exercícios de Redes de Computadores Assuntos abordados: Conceitos gerais Topologias Modelo de referência OSI Modelo TCP/IP Cabeamento 1. Exercícios de Redes de Computadores Assuntos abordados: Conceitos gerais Topologias Modelo de referência OSI Modelo TCP/IP Cabeamento 1. (CODATA 2013) Em relação à classificação da forma de utilização

Leia mais

TI Aplicada. Aula 05 Redes de Computadores (parte 2) Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http://www.edilms.eti.br

TI Aplicada. Aula 05 Redes de Computadores (parte 2) Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http://www.edilms.eti.br TI Aplicada Aula 05 Redes de Computadores (parte 2) Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http://www.edilms.eti.br Conceitos Básicos Equipamentos, Modelos OSI e TCP/IP O que são redes? Conjunto de

Leia mais

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal:

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal: Redes - Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Comunicação sempre foi, desde o início dos tempos, uma necessidade humana buscando aproximar comunidades distantes.

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Prof. Esp. Fabiano Taguchi http://fabianotaguchi.wordpress.com fabianotaguchi@gmail.com COMUTAÇÃO CIRCUITOS PACOTES É necessário estabelecer um caminho dedicado entre a origem e o

Leia mais

XXSNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

XXSNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA XXSNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 XXX.YY 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO XV GRUPO DE ESTUDO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E TELECOMUNICAÇÃO PARA

Leia mais

Bateria REDES MPU Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com/blog http://twitter.com/timasters http://br.groups.yahoo.com/group/timasters/

Bateria REDES MPU Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com/blog http://twitter.com/timasters http://br.groups.yahoo.com/group/timasters/ Bateria REDES MPU Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com/blog http://twitter.com/timasters http://br.groups.yahoo.com/group/timasters/ STJ 2008 Com relação a transmissão de dados, julgue os itens

Leia mais

DIRETORIA DE OPERAÇÃO - DO

DIRETORIA DE OPERAÇÃO - DO ANEXO II ESPECIFICAÇÕES PARA UCD / CONCENTRADOR DE DADOS A2. Unidade Controle Digital Remota / Concentrador de Dados 2.1. Introdução Esta seção tem a finalidade de especificar tecnicamente a Unidade de

Leia mais

WirelessHART Manager

WirelessHART Manager Descrição do Produto O uso de tecnologias de comunicação de dados sem fio em sistemas de automação industrial é uma tendência em crescente expansão. As vantagens do uso de tecnologia sem fio são inúmeras

Leia mais

QUANDO TRATAMOS SOBRE MEIOS DE TRANSMISSÃO, DEVEMOS ENFATIZAR A EXISTÊNCIA DE DOIS TIPOS DESSES MEIOS, SENDO:

QUANDO TRATAMOS SOBRE MEIOS DE TRANSMISSÃO, DEVEMOS ENFATIZAR A EXISTÊNCIA DE DOIS TIPOS DESSES MEIOS, SENDO: CABEAMENTO DE REDE QUANDO TRATAMOS SOBRE MEIOS DE TRANSMISSÃO, DEVEMOS ENFATIZAR A EXISTÊNCIA DE DOIS TIPOS DESSES MEIOS, SENDO: MEIO FÍSICO: CABOS COAXIAIS, FIBRA ÓPTICA, PAR TRANÇADO MEIO NÃO-FÍSICO:

Leia mais

Telecomunicações, Internet e tecnologia sem fio. slide 1

Telecomunicações, Internet e tecnologia sem fio. slide 1 Telecomunicações, Internet e tecnologia sem fio slide 1 Objetivos de estudo Quais os principais componentes das redes de telecomunicações e quais as principais tecnologias de rede? Quais os principais

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Introdução Redes de Computadores Marco Antonio Montebello Júnior marco.antonio@aes.edu.br Rede É um conjunto de computadores chamados de estações de trabalho que compartilham recursos de hardware (HD,

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Parte II: Camada Física Dezembro, 2012 Professor: Reinaldo Gomes reinaldo@computacao.ufcg.edu.br Meios de Transmissão 1 Meios de Transmissão Terminologia A transmissão de dados d

Leia mais

Manual do Usuário. ccntelecom.com.br

Manual do Usuário. ccntelecom.com.br Manual do Usuário ccntelecom.com.br PD-FIBER (1 Gbps, 7 Ramais/Clientes) O PD-FIBER é um equipamento constituído de uma placa que concentra alguns produtos já conceituados da CCN Telecom, de forma a reduzir

Leia mais

DMI. Dispositivo de Monitoramento Inteligente DMI TCR 88ES

DMI. Dispositivo de Monitoramento Inteligente DMI TCR 88ES DMI Dispositivo de Monitoramento Inteligente 1 DMI TCR 88ES Prezado Consumidor, A ISSO atua em diversos projetos envolvendo novas tecnologias, na área de TI, equipamentos elétricos e eletrônicos, equipamentos

Leia mais

Segunda Lista de Exercícios

Segunda Lista de Exercícios INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA Segunda Lista de Exercícios 1. Qual é a posição dos meios de transmissão no modelo OSI ou Internet? Os meios de transmissão estão localizados abaixo

Leia mais

GERENCIAMENTO REMOTO DOS EQUIPAMENTOS DO SISTEMA DIGITAL DE TELEPROTEÇÃO CARRIER

GERENCIAMENTO REMOTO DOS EQUIPAMENTOS DO SISTEMA DIGITAL DE TELEPROTEÇÃO CARRIER GERENCIAMENTO REMOTO DOS EQUIPAMENTOS DO SISTEMA DIGITAL DE TELEPROTEÇÃO CARRIER Rocilda José Nogueira Santana Engenheiro de Analise da Manutenção Divisão de Gestão da Manutenção São Paulo CTEEP-Brasil

Leia mais

Figura 1 - Comparação entre as camadas do Modelo OSI e doieee. A figura seguinte mostra o formato do frame 802.3:

Figura 1 - Comparação entre as camadas do Modelo OSI e doieee. A figura seguinte mostra o formato do frame 802.3: Introdução Os padrões para rede local foram desenvolvidos pelo comitê IEEE 802 e foram adotados por todas as organizações que trabalham com especificações para redes locais. Os padrões para os níveis físico

Leia mais

Prof. Luís Rodolfo. Unidade I REDES DE COMPUTADORES E

Prof. Luís Rodolfo. Unidade I REDES DE COMPUTADORES E Prof. Luís Rodolfo Unidade I REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO C Redes de computadores e telecomunicação Objetivo: apresentar os conceitos iniciais e fundamentais com relação às redes de computadores

Leia mais

1. Descrição do Produto

1. Descrição do Produto 1. Descrição do Produto Os repetidores óticos FOCOS/PROFIBUS AL-2431 e AL-2432 destinam-se a interligação de quaisquer dispositivos PROFIBUS, assegurando altíssima imunidade a ruídos através do uso de

Leia mais

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Por que redes de computadores? Tipos de redes Componentes de uma rede IFPB/Patos - Prof. Claudivan 2 Quando o assunto é informática, é impossível não pensar em

Leia mais

ATIVIDADE 1. Definição de redes de computadores

ATIVIDADE 1. Definição de redes de computadores ATIVIDADE 1 Definição de redes de computadores As redes de computadores são criadas para permitir a troca de dados entre diversos dispositivos estações de trabalho, impressoras, redes externas etc. dentro

Leia mais

Smart Grid A Transição nas Redes das Concessionárias de Energia

Smart Grid A Transição nas Redes das Concessionárias de Energia 1 Smart Grid A Transição nas Redes das Concessionárias de Energia Autor: Kobi Gol Gerente de Desenvolvimento de Negócios e Soluções da RAD Data Communications. 2 As redes das empresas de energia estão

Leia mais

Redes Industriais. Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson

Redes Industriais. Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson Redes Industriais Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson Capítulo 2 Meio Físicos A automação no meio produtivo Objetivos: Facilitar os processos produtivos

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M Tanenbaum Redes de Computadores Cap. 1 e 2 5ª. Edição Pearson Padronização de sistemas abertos à comunicação Modelo de Referência para Interconexão de Sistemas Abertos RM OSI Uma

Leia mais

Sistema de Monitoramento e Supervisão de Vibração HYMV05

Sistema de Monitoramento e Supervisão de Vibração HYMV05 Sistema de Monitoramento e Supervisão de Vibração Revisão 1 Mai2005 O é um sistema inteligente de Monitoramento, Aquisição de Dados e Supervisão Local para utilização com os softwares da linha Dynamic.

Leia mais

Figura 1 Taxas de transmissão entre as redes

Figura 1 Taxas de transmissão entre as redes Conceitos de Redes Locais A função básica de uma rede local (LAN) é permitir a distribuição da informação e a automatização das funções de negócio de uma organização. As principais aplicações que requerem

Leia mais

Automação de Subestações

Automação de Subestações Automação de Subestações Geração Distribuição Transmissão Indústria Produtos e Serviços: Merging Units Gateway DNP -IEC 61850 Projeto, Integração, TAF, TAC Montagem de Painéis Configuração de Sistemas

Leia mais

2 Meios de transmissão utilizados em redes de telecomunicações 2.1. Introdução

2 Meios de transmissão utilizados em redes de telecomunicações 2.1. Introdução 2 Meios de transmissão utilizados em redes de telecomunicações 2.1. Introdução Atualmente, as estruturas das redes de comunicação são classificadas conforme a escala: rede de acesso, rede metropolitana

Leia mais

Cap 01 - Conceitos Básicos de Rede (Kurose)

Cap 01 - Conceitos Básicos de Rede (Kurose) Cap 01 - Conceitos Básicos de Rede (Kurose) 1. Quais são os tipos de redes de computadores e qual a motivação para estudá-las separadamente? Lan (Local Area Networks) MANs(Metropolitan Area Networks) WANs(Wide

Leia mais

PLANO DE ENSINO CARGA HORÁRIA TOTAL: 72 TEORIA: 50 PRÁTICA: 22

PLANO DE ENSINO CARGA HORÁRIA TOTAL: 72 TEORIA: 50 PRÁTICA: 22 DEPARTAMENTO: Sistemas de Informação PLANO DE ENSINO DISCIPLINA: Redes de Computadores I PROFESSOR: SERGIO ROBERTO VILLARREAL SIGLA: RED I E-MAIL: sergio.villarreal@udesc.br CARGA HORÁRIA TOTAL: 72 TEORIA:

Leia mais

Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA

Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA Disciplina: Redes de Computadores Prof.: Rafael Freitas Reale Aluno: Data / / Prova Final de Redes Teoria Base 1) Qual o tipo de ligação e a topologia respectivamente

Leia mais

1 Introduc ao 1.1 Hist orico

1 Introduc ao 1.1 Hist orico 1 Introdução 1.1 Histórico Nos últimos 100 anos, o setor de telecomunicações vem passando por diversas transformações. Até os anos 80, cada novo serviço demandava a instalação de uma nova rede. Foi assim

Leia mais

Capítulo XI Estações de acesso remoto de engenharia

Capítulo XI Estações de acesso remoto de engenharia 56 Apoio Automação de subestações Capítulo XI Estações de acesso remoto de engenharia Equipe de engenharia da Schweitzer Engineering Laboratories (SEL) O desenvolvimento das facilidades de comunicação

Leia mais

Meios de Transmissão. Conceito. Importância. É a conexão física entre as estações da rede. Influência diretamente no custo das interfaces com a rede.

Meios de Transmissão. Conceito. Importância. É a conexão física entre as estações da rede. Influência diretamente no custo das interfaces com a rede. Meios de Transmissão Conceito Importância É a conexão física entre as estações da rede. Influência diretamente no custo das interfaces com a rede. Meios de Transmissão Qualquer meio físico capaz de transportar

Leia mais

REQUISITOS MÍNIMOS PARA INSTALAÇÃO DE GERADOR POR PARTICULARES

REQUISITOS MÍNIMOS PARA INSTALAÇÃO DE GERADOR POR PARTICULARES REQUISITOS MÍNIMOS PARA INSTALAÇÃO DE GERADOR POR PARTICULARES NTD-22 CONTROLE DE VERSÕES NTD 22- REQUISITOS MÍNIMOS PARA INSTALAÇÃO DE GERADOR POR PARTICULARES Nº.: DATA VERSÃO 01 04/2010 Original INDICE

Leia mais

on-line para transformadores de potência baseados em uma arquitetura descentralizada Por Marcos E. G. Alves e Vagner Vasconcellos*

on-line para transformadores de potência baseados em uma arquitetura descentralizada Por Marcos E. G. Alves e Vagner Vasconcellos* Aula Prática 114 O Setor Elétrico / Setembro de 2009 Especificação de sistemas de monitoração on-line para transformadores de potência baseados em uma arquitetura descentralizada Por Marcos E. G. Alves

Leia mais

Tecnologia da Informação Apostila 02

Tecnologia da Informação Apostila 02 Parte 6 - Telecomunicações e Redes 1. Visão Geral dos Sistemas de Comunicações Comunicação => é a transmissão de um sinal, por um caminho, de um remetente para um destinatário. A mensagem (dados e informação)

Leia mais

Centro Tecnológico de Eletroeletrônica César Rodrigues. Atividade Avaliativa

Centro Tecnológico de Eletroeletrônica César Rodrigues. Atividade Avaliativa 1ª Exercícios - REDES LAN/WAN INSTRUTOR: MODALIDADE: TÉCNICO APRENDIZAGEM DATA: Turma: VALOR (em pontos): NOTA: ALUNO (A): 1. Utilize 1 para assinalar os protocolos que são da CAMADA DE REDE e 2 para os

Leia mais

Curso de Instalação e Gestão de Redes Informáticas

Curso de Instalação e Gestão de Redes Informáticas ESCOLA PROFISSIONAL VASCONCELLOS LEBRE Curso de Instalação e Gestão de Redes Informáticas EQUIPAMENTOS PASSIVOS DE REDES Ficha de Trabalho nº2 José Vitor Nogueira Santos FT13-0832 Mealhada, 2009 1.Diga

Leia mais

André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Redes

André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Redes André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Redes Noções de Redes: Estrutura básica; Tipos de transmissão; Meios de transmissão; Topologia de redes;

Leia mais

Capítulo 4 - Testes de Cabos. Associação dos Instrutores NetAcademy - agosto de 2007 - Página

Capítulo 4 - Testes de Cabos. Associação dos Instrutores NetAcademy - agosto de 2007 - Página Capítulo 4 - Testes de Cabos 1 Fundamentos - Ondas As ondas são importantes no estudo das redes, pois são elas que transmitem as informações, utilizando meios de cobre, fibra óptica ou o ar. As ondas são

Leia mais

Aula III Redes Industriais

Aula III Redes Industriais Aula III Redes Industriais Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Disciplina: Instrumentação e Automação Industrial I(ENGF99) Professor: Eduardo Simas(eduardo.simas@ufba.br) 1 Introdução Muitas

Leia mais

Organização de Computadores 1

Organização de Computadores 1 Organização de Computadores 1 SISTEMA DE INTERCONEXÃO (BARRAMENTOS) Prof. Luiz Gustavo A. Martins Arquitetura de von Newmann Componentes estruturais: Memória Principal Unidade de Processamento Central

Leia mais

Melhoria na confiabilidade da aplicação dos reles digitais através do monitor MDP

Melhoria na confiabilidade da aplicação dos reles digitais através do monitor MDP Melhoria na confiabilidade da aplicação dos reles digitais através do monitor MDP Eng. Fernando Azevedo COPEL Distribuição Eng. Henrique Florido Filho - Pextron 1 A Copel Companhia Paranaense de Energia,

Leia mais

Pós-Graduação em Segurança da Informação Exercícios de Redes de Alta Velocidade Professor : Marco Antônio C. Câmara - 15/03/2014. Aluno(a) : Gabarito

Pós-Graduação em Segurança da Informação Exercícios de Redes de Alta Velocidade Professor : Marco Antônio C. Câmara - 15/03/2014. Aluno(a) : Gabarito Aluno(a) : Gabarito 1 a. Questão : Com base no estudo dos aspectos de segurança de redes que afetam a performance, para cada uma das afirmações abaixo, assinale (C)erto ou (E)rrado. No caso da opção estar

Leia mais

UMG 104-Mais do que um simples Multímetro UMG 104

UMG 104-Mais do que um simples Multímetro UMG 104 UMG 104 UMG 104-Mais do que um ples Multímetro O UMG 104 equipado com um DSP de 500 MHz (processador de sinal digital) é um analisador de tensão muito rápido e potente. A varredura contínua dos 8 canais

Leia mais

Série Connect. Switches e Conversores Industriais. www.altus.com.br

Série Connect. Switches e Conversores Industriais. www.altus.com.br Série Connect Switches e Conversores Industriais www.altus.com.br Conectividade e simplicidade Compacto: design robusto e eficiente para qualquer aplicação Intuitivo: instalação simplificada que possibilita

Leia mais

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes e Sistemas Distribuídos. Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação. Redes de comunicação de dados

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes e Sistemas Distribuídos. Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação. Redes de comunicação de dados Estrutura de um Rede de Comunicações Profa.. Cristina Moreira Nunes Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação Utilização do sistema de transmissão Geração de sinal Sincronização Formatação das mensagens

Leia mais

Capítulo X Automação elétrica industrial Equipe de engenharia da Schweitzer Engineering Laboratories (SEL)

Capítulo X Automação elétrica industrial Equipe de engenharia da Schweitzer Engineering Laboratories (SEL) 52 Apoio Automação de subestações Capítulo X Automação elétrica industrial Equipe de engenharia da Schweitzer Engineering Laboratories (SEL) A instalação de relés microprocessados em indústrias tornou-se

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

CAPÍTULO 13. Conectividade Linhas Privativas Comercias LINHAS PRIVATIVAS COMERCIAIS

CAPÍTULO 13. Conectividade Linhas Privativas Comercias LINHAS PRIVATIVAS COMERCIAIS CAPÍTULO 13 LINHAS PRIVATIVAS COMERCIAIS Todos os serviços de conectividade e comunicação de dados oferecidos por qualquer operadora de telecomunicações, devem terminar nos pontos finais de utilização

Leia mais

Self-Healing Semi-Centralizado e seus benefícios para clientes com base instalada

Self-Healing Semi-Centralizado e seus benefícios para clientes com base instalada XI SIMPÓSIO DE AUTOMAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS 16 a 19 de Agosto de 2015 CAMPINAS - SP Self-Healing Semi-Centralizado e seus benefícios para clientes com base instalada Paulo Antunes Souza Wagner Hokama

Leia mais

COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL IV CIERTEC SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE AUTOMAÇÃO DE REDES DE

COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL IV CIERTEC SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE AUTOMAÇÃO DE REDES DE COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL IV CIERTEC SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE AUTOMAÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA E CENTROS DE CONTROLE Área de Distribuição e Comercialização Identificação

Leia mais

Informática. Prof. Macêdo Firmino. Redes de Computadores. Macêdo Firmino (IFRN) Informática Novembro de 2011 1 / 41

Informática. Prof. Macêdo Firmino. Redes de Computadores. Macêdo Firmino (IFRN) Informática Novembro de 2011 1 / 41 Informática Prof. Macêdo Firmino Redes de Computadores Macêdo Firmino (IFRN) Informática Novembro de 2011 1 / 41 Sistema Computacional Macêdo Firmino (IFRN) Informática Novembro de 2011 2 / 41 O que é

Leia mais

XXII SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

XXII SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA XXII SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA BR/GTL/18 13 a 16 de Outubro de 2013 Brasília - DF GRUPO - XV GRUPO DE ESTUDO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E TELECOMUNICAÇÃO PARA

Leia mais

Tutorial NEGER Telecom COMO IMPLANTAR REDES WIFI EM VEÍCULOS

Tutorial NEGER Telecom COMO IMPLANTAR REDES WIFI EM VEÍCULOS Tutorial NEGER Telecom COMO IMPLANTAR REDES WIFI EM VEÍCULOS Julho/2010 Objetivo Este tutorial tem como objetivo fornecer informações técnicas e recomendações na utilização de roteadores 3G para implantação

Leia mais

Camada Física. Bruno Silvério Costa

Camada Física. Bruno Silvério Costa Camada Física Bruno Silvério Costa Sinais Limitados por Largura de Banda (a) Um sinal digital e suas principais frequências de harmônicas. (b) (c) Sucessivas aproximações do sinal original. Sinais Limitados

Leia mais

Terminal Ad Hoc para viabilizar a comunicação das aplicações de automação das Utilities

Terminal Ad Hoc para viabilizar a comunicação das aplicações de automação das Utilities Terminal Ad Hoc para viabilizar a comunicação das aplicações de automação das Utilities Iran Lima Gonçalves * / Fabrício Lira Figueiredo Álvaro A. M. de Medeiros Agenda O que são Redes Ad Hoc sem Fio?

Leia mais

CAB Cabeamento Estruturado e Redes Telefônicas

CAB Cabeamento Estruturado e Redes Telefônicas MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS SÃO JOSÉ SANTA CATARINA CAB Cabeamento Estruturado e Redes Telefônicas

Leia mais

TÍTULO: SISTEMA DE ACESSIBILIDADE E AUTOMATIZAÇÃO PARA PESSOAS PORTADORAS DE NECESSIDADE ESPECIAIS

TÍTULO: SISTEMA DE ACESSIBILIDADE E AUTOMATIZAÇÃO PARA PESSOAS PORTADORAS DE NECESSIDADE ESPECIAIS TÍTULO: SISTEMA DE ACESSIBILIDADE E AUTOMATIZAÇÃO PARA PESSOAS PORTADORAS DE NECESSIDADE ESPECIAIS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE TECNOLOGIA

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M AGUIRRE, L. A. Enciclopédia da Automática, Volume II, Cap. 16 MORAES, C. C. Engenharia de Automação Industrial, Cap. 6 Microeletrônica equipamentos microprocessados necessidade

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M MORAES, C. C. Engenharia de Automação Industrial, Cap. 6 Tanenbaum, Redes de Computadores, Cap. 1.2 AGUIRRE, L. A. Enciclopédia da Automática, Volume II, Cap. 15.3 Escravo é um

Leia mais

Número da Licitação CO.DAQ.G.0020.2012 1/9 ESCLARECIMENTO Nº 4

Número da Licitação CO.DAQ.G.0020.2012 1/9 ESCLARECIMENTO Nº 4 CO.DAQ.G.0020.2012 1/9 ESCLARECIMENTO Nº 4 Seguem abaixo, solicitações formuladas por empresas participantes da Licitação supra e as respectivas respostas de FURNAS: 1. Pergunta: Gostaria de solicitar

Leia mais

Composição. Estrutura Fisica Redes Sistemas Operacionais Topologias de redes

Composição. Estrutura Fisica Redes Sistemas Operacionais Topologias de redes Composição Estrutura Fisica Redes Sistemas Operacionais Topologias de redes Aterramento Fio de boa qualidade A fiação deve ser com aterramento neutro (fio Terra) trabalhando em tomadas tripolares Fio negativo,

Leia mais

Capítulo VII. Redes de comunicação em subestações de energia elétrica Norma IEC 61850. Automação de subestações. A norma IEC 61850

Capítulo VII. Redes de comunicação em subestações de energia elétrica Norma IEC 61850. Automação de subestações. A norma IEC 61850 56 Capítulo VII Redes de comunicação em subestações de energia elétrica Norma IEC 61850 Equipe de engenharia da Schweitzer Engineering Laboratories (SEL) A construção de subestações é uma atividade que

Leia mais

09/08/2015 DISCIPLINA: TECNOLOGIA DE REDES DE COMPUTADORES. Tecnologia em Jogos Digitais. Mídias (meios) de transmissão

09/08/2015 DISCIPLINA: TECNOLOGIA DE REDES DE COMPUTADORES. Tecnologia em Jogos Digitais. Mídias (meios) de transmissão Tecnologia em Jogos Digitais Mídias (meios) de transmissão DISCIPLINA: TECNOLOGIA DE REDES DE COMPUTADORES Mídias físicas: composta pelo cabeamento e outros elementos componentes utilizados na montagem

Leia mais

UTP Unshielded Twisted Pair - UTP ou Par Trançado sem Blindagem: é o mais usado atualmente tanto em redes domésticas quanto em grandes redes

UTP Unshielded Twisted Pair - UTP ou Par Trançado sem Blindagem: é o mais usado atualmente tanto em redes domésticas quanto em grandes redes Definição Cabeamento para uso integrado em comunicações de voz, dados e imagem preparado de maneira a atender diversos layouts de instalações, por um longo período de tempo, sem exigir modificações físicas

Leia mais

PowerSpy Sistema de Monitoramento de Painéis de Distribuição

PowerSpy Sistema de Monitoramento de Painéis de Distribuição PowerSpy Sistema de Monitoramento de Painéis de Distribuição Uma solução completa para a medição e monitoramento de um vasto conjunto de grandezas elétricas, com indicações de valores individuais para

Leia mais

Arquiteturas e redundâncias em redes Ethernet Equipe de engenharia da Schweitzer Engineering Laboratories (SEL)

Arquiteturas e redundâncias em redes Ethernet Equipe de engenharia da Schweitzer Engineering Laboratories (SEL) 56 Capítulo IV Arquiteturas e redundâncias em redes Ethernet Equipe de engenharia da Schweitzer Engineering Laboratories (SEL) As atuais soluções de automação de subestações um relé de proteção 99,9945%

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais Administração de Sistemas de Informação Gerenciais UNIDADE V: Telecomunicações, Internet e Tecnologia Sem Fio. Tendências em Redes e Comunicações No passado, haviam dois tipos de redes: telefônicas e redes

Leia mais

UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO)

UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO) Par Trançado UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO) O cabo UTP é composto por pares de fios, sendo que cada par é isolado um do outro e todos são trançados juntos dentro de uma cobertura externa, que não possui

Leia mais

Processamento de Dados

Processamento de Dados Processamento de Dados Redes de Computadores Uma rede de computadores consiste de 2 ou mais computadores e outros dispositivos conectados entre si de modo a poderem compartilhar seus serviços, que podem

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof. Macêdo Firmino Meios de Transmissão Macêdo Firmino (IFRN) Redes de Computadores Abril de 2012 1 / 34 Pilha TCP/IP A B M 1 Aplicação Aplicação M 1 Cab M T 1 Transporte Transporte

Leia mais

SOLUÇÃO DE TELEMETRIA PARA SANEAMENTO

SOLUÇÃO DE TELEMETRIA PARA SANEAMENTO SOLUÇÃO DE TELEMETRIA PARA SANEAMENTO Marcelo Pessoa Engenheiro de soluções para saneamento Introdução As indústrias buscam eficiência, aumento da qualidade e a redução de custos. Para alcançar isto investem

Leia mais

Sistema de Telemetria para Hidrômetros e Medidores Aquisição de Dados Móvel e Fixa por Radio Freqüência

Sistema de Telemetria para Hidrômetros e Medidores Aquisição de Dados Móvel e Fixa por Radio Freqüência Sistema de Telemetria para Hidrômetros e Medidores Aquisição de Dados Móvel e Fixa por Radio Freqüência O princípio de transmissão de dados de telemetria por rádio freqüência proporciona praticidade, agilidade,

Leia mais

Sistema de Supervisão de Rede Óptica

Sistema de Supervisão de Rede Óptica WORKSHOP sobre TELECOMUNICAÇÕES DO RIO MADEIRA Soluções para LT de Longa Distância Sistema de Supervisão de Rede Óptica Paulo José Pereira Curado Gerente de Tecnologia de Rede Óptica 17/03/2010 Sumário

Leia mais

1 Lista de exercícios 01

1 Lista de exercícios 01 FRANCISCO TESIFOM MUNHOZ 2007 1 Lista de exercícios 01 1) No desenvolvimento e aperfeiçoamento realizado em redes de computadores, quais foram os fatores que conduziram a interconexão de sistemas abertos

Leia mais

EXPERIÊNCIA DA ALSTOM NA IMPLANTAÇÃO DE UM COG PARA OPERAÇÃO REMOTA DE PCH s ATRAVÉS DE COMUNICAÇÃO VIA SATÉLITE

EXPERIÊNCIA DA ALSTOM NA IMPLANTAÇÃO DE UM COG PARA OPERAÇÃO REMOTA DE PCH s ATRAVÉS DE COMUNICAÇÃO VIA SATÉLITE EXPERIÊNCIA DA ALSTOM NA IMPLANTAÇÃO DE UM COG PARA OPERAÇÃO REMOTA DE PCH s ATRAVÉS DE COMUNICAÇÃO VIA SATÉLITE Autores: Orlando Fernandes de Oliveira Neto Sebastião Gomes Neto Edson Ricardo da Rocha

Leia mais

ESCLARECIMENTO Nº 02

ESCLARECIMENTO Nº 02 ESCLARECIMENTO Nº 02 Segue abaixo, solicitações formuladas por empresas participantes da licitação supra e as respectivas respostas de FURNAS: 1. Pergunta: Solicitamos todas as distâncias entre as salas

Leia mais

Capítulo IX. Exemplos de automação em sistemas de supervisão e controle de subestações e redes de distribuição. Automação de subestações

Capítulo IX. Exemplos de automação em sistemas de supervisão e controle de subestações e redes de distribuição. Automação de subestações 54 Capítulo IX Exemplos de automação em sistemas de supervisão e controle de subestações e redes de distribuição A operação do sistema elétrico de potência é extremante dependente das informações de estados,

Leia mais

26. Dentre as dimensões a seguir, núcleo/casca, quais representam tipicamente fibras monomodo e fibras multimodos, respectivamente?

26. Dentre as dimensões a seguir, núcleo/casca, quais representam tipicamente fibras monomodo e fibras multimodos, respectivamente? CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CÓDIGO 05 UCs de Eletrônica e/ou de Telecomunicações 26. Dentre as dimensões a seguir, núcleo/casca, quais representam tipicamente fibras monomodo e fibras multimodos, respectivamente?

Leia mais

ESCLARECIMENTO Nº 02 Segue abaixo, solicitações formuladas por empresas participantes da licitação supra e as respectivas respostas de FURNAS:

ESCLARECIMENTO Nº 02 Segue abaixo, solicitações formuladas por empresas participantes da licitação supra e as respectivas respostas de FURNAS: ESCLARECIMENTO Nº 02 Segue abaixo, solicitações formuladas por empresas participantes da licitação supra e as respectivas respostas de FURNAS: 1. Pergunta: Item 7.1. do Edital: O PROPONENTE poderá inspecionar

Leia mais

DS AGILE SISTEMA DIGITAL INTEGRADO PARA SUBESTAÇÃO DE ENERGIA

DS AGILE SISTEMA DIGITAL INTEGRADO PARA SUBESTAÇÃO DE ENERGIA DS AGILE SISTEMA DIGITAL INTEGRADO PARA SUBESTAÇÃO DE ENERGIA A nova era de Smart Grids inteligentes exige subestações que possuam sistemas de automação mais sofisticados, permitindo aos operadores de

Leia mais

Multiplexação. Multiplexação. Multiplexação - FDM. Multiplexação - FDM. Multiplexação - FDM. Sistema FDM

Multiplexação. Multiplexação. Multiplexação - FDM. Multiplexação - FDM. Multiplexação - FDM. Sistema FDM Multiplexação É a técnica que permite a transmissão de mais de um sinal em um mesmo meio físico. A capacidade de transmissão do meio físico é dividida em fatias (canais), com a finalidade de transportar

Leia mais

Cabeamento Óptico 14/03/2014. Vantagens de utilização. Noções Ópticas. Vantagens de utilização. Sistema de comunicação Fibra. Funcionamento da Fibra

Cabeamento Óptico 14/03/2014. Vantagens de utilização. Noções Ópticas. Vantagens de utilização. Sistema de comunicação Fibra. Funcionamento da Fibra Cabeamento Óptico Fundamentos de Redes de Computadores Prof. Marcel Santos Silva Vantagens de utilização Total imunidade às interferências eletromagnéticas; Dimensões reduzidas; Maior segurança no tráfego

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Considerando o circuito mostrado na figura acima, julgue os itens seguintes. 51 O valor da tensão v o é igual a 10 V. 52 O valor da corrente I 2 é igual a 1 ma. 53 O equivalente

Leia mais

DIVISÃO DE MANUTENCAO DEPARTAMENTO DE MANUTENCAO DE SISTEMAS DIGITAIS. Especificações Técnicas. Rádios Banda Larga 5.8GHz e Antenas ETD- 00.

DIVISÃO DE MANUTENCAO DEPARTAMENTO DE MANUTENCAO DE SISTEMAS DIGITAIS. Especificações Técnicas. Rádios Banda Larga 5.8GHz e Antenas ETD- 00. COMPANHIA ESTADUAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA DIVISÃO DE MANUTENCAO DEPARTAMENTO DE MANUTENCAO DE SISTEMAS DIGITAIS Especificações Técnicas Rádios Banda Larga 5.8GHz e Antenas ETD- 00.058 Cod.

Leia mais

Descritivo Técnico AirMux-200

Descritivo Técnico AirMux-200 Multiplexador Wireless Broadband -Visualização da unidade indoor IDU e unidade outdoor ODU com antena integrada- Principais Características Rádio e multiplexador wireless ponto-a-ponto com interface E1

Leia mais

O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento. Padrões. Padrões. Meios físicos de transmissão

O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento. Padrões. Padrões. Meios físicos de transmissão O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento Romeu Reginato Julho de 2007 Rede. Estrutura de comunicação digital que permite a troca de informações entre diferentes componentes/equipamentos

Leia mais

IEC 61850 HardFiber Process Bus BRICK

IEC 61850 HardFiber Process Bus BRICK Digital Energy IEC 61850 HardFiber Process Bus BRICK Licinio Ribeiro de Miranda GE Digital Energy Engenheiro de Aplicações América Latina GE Digital Energy GE Energy The The GE GE Smart Smart Grid Grid

Leia mais

REDES. A Evolução do Cabeamento

REDES. A Evolução do Cabeamento REDES A Evolução do Cabeamento Até o final dos anos 80, todos os sistemas de cabeamento serviam apenas a uma aplicação, isto é, eram sistemas dedicados. Estes sistemas eram sempre associados à um grande

Leia mais

Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis

Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis 2.1. Histórico e Evolução dos Sistemas Sem Fio A comunicação rádio móvel teve início no final do século XIX [2], quando o cientista alemão H. G. Hertz demonstrou que as

Leia mais

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani Redes de Dados e Comunicações Prof.: Fernando Ascani Conceito de Redes Redes de computadores são estruturas físicas (equipamentos) e lógicas (programas, protocolos) que permitem que dois ou mais computadores

Leia mais

MÓDULO 4 Meios físicos de transmissão

MÓDULO 4 Meios físicos de transmissão MÓDULO 4 Meios físicos de transmissão Os meios físicos de transmissão são compostos pelos cabos coaxiais, par trançado, fibra óptica, transmissão a rádio, transmissão via satélite e são divididos em duas

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

5.2 MAN s (Metropolitan Area Network) Redes Metropolitanas

5.2 MAN s (Metropolitan Area Network) Redes Metropolitanas MÓDULO 5 Tipos de Redes 5.1 LAN s (Local Area Network) Redes Locais As LAN s são pequenas redes, a maioria de uso privado, que interligam nós dentro de pequenas distâncias, variando entre 1 a 30 km. São

Leia mais

2- Conceitos Básicos de Telecomunicações

2- Conceitos Básicos de Telecomunicações Introdução às Telecomunicações 2- Conceitos Básicos de Telecomunicações Elementos de um Sistemas de Telecomunicações Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Telecomunicações 2 1 A Fonte Equipamento que origina

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

Décimo Segundo Encontro Regional Ibero-americano do CIGRÉ Foz do Iguaçu-Pr, Brasil - 20 a 24 de maio de 2007

Décimo Segundo Encontro Regional Ibero-americano do CIGRÉ Foz do Iguaçu-Pr, Brasil - 20 a 24 de maio de 2007 SISTEMA DE CHAVEAMENTO AUTOMÁTICO PARA RÁPIDA ENERGIZAÇÃO DE FASE RESERVA EM BANCOS DE TRANSFORMADORES MONOFÁSICOS Fernando G. A. de Amorim* Nelson P. Ram os** * Treetech Sistem as Digitais Ltda. ** Furnas

Leia mais

Submódulo 12.2. Instalação do sistema de medição para faturamento

Submódulo 12.2. Instalação do sistema de medição para faturamento Submódulo 2.2 Instalação do sistema de medição para faturamento Rev. Nº. Motivo da revisão Data de aprovação pelo ONS Data e instrumento de aprovação pela ANEEL 0 Este documento foi motivado pela criação

Leia mais