perguntas do tipo: Qual é a temperatura? E agora? Quantos graus desceu?

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "perguntas do tipo: Qual é a temperatura? E agora? Quantos graus desceu?"

Transcrição

1 Um termômetro muito prático, para ensinar a ler termômetro e para trabalhar com números negativos. As peças são uma base de trás pintada de preto, duas tábuas laterais entre as quais vai correr o cursor branco. A parte da frente com uma abertura vertical e a numeração. Para fechar embaixo, colocar um toquinho e, um pouco acima, dois preguinhos para o cursor não chegar até em baixo o que esconderia o bulbo de mercúrio. O cursor deve chegar até o 15 e ainda sobrar uma pontinha para poder pegar com os dedos e puxar. perguntas do tipo: Qual é a temperatura? E agora? Quantos graus desceu? Trilha para números relativos A carapeta possui 4 faces com as inscrições: avança 7, volta 6, avança 8 e volta 9 ou apenas A 7, V 6, A 8 e V 9. Os três primeiros significados são bem aceitos, mas o quarto é preciso ser convencionado pelos próprios jogadores. O que acaba acontecendo e a convenção de V 9 ser o mesmo que A 9, para ficar dois avançar e dois voltar. A trilha é desenhada em uma cartolina ou cartão. Não precisa colorir. A regra é apenas uma: jogar duas vezes encontrar o resultado e marcar na trilha movendo o próprio botão. Por exemplo: um menino rodou duas vezes a carapeta e obteve volta 6 e avança 8, assim deverá retroceder com seu botão 14 casas. Quem completar primeiro duas voltas, ganhou o jogo. O objetivo do jogo é o aluno se acostumar com a idéia que tirar dívida é colocar crédito. 14

2 Mico matemático Este é um jogo divertido e instrutivo Estas duas cartas formam um par porque a segunda é reposta da primeira. São trinta cartas ou mais, metade com expressões e a outra metade com as respostas. As cartas são distribuídas. Cada jogador compra do colega da esquerda e, se formar par, desce para a mesa e deixa o colega da direita comprar. Continua assim até acabarem as cartas. Quem ficar com a carta com um mico grande ou apenas um X, perde. Outra variante que pode ser combinada é que ganha quem ficar com o mico. Confecção do baralho. Comprar um baralho comum e escrever (é melhor no verso, mesmo que o aluno acabe decorando que expressão ou resposta está na carta) com uma caneta de retro-projetor as expressões e respostas. Ou então, para fazer o baralho, as cartas podem ser recortadas em cartolina ou cartão, inclusive em medidas maiores. Não cole nas cartas etiquetas ou adesivos que dificultem o seu embaralhar. Termômetro Fazer um de madeira com uma tira branca que desliza deixando ver o fundo escuroi simulando o mercúrio cm 10cm 13

3 uma das extremidades há tentos unidos entre si, mas que deslizam: um, dois, quatro e oito. O jogo é o seguinte: dizer um número de 1 até 15; para representá-lo, o aluno puxa as contas para o centro do quadro. Por exemplo: para formar o número 7, o aluno deve descobrir que precisa puxar para o centro bolinhas. Para representar o 12, deve puxar 8+4 e assim por diante cada vez mais rápido. Há variações, como puxar o complementar do número dado, isto é, dito um número, o aluno puxa o que falta para completar 16. Por exemplo, dizendo 7, o aluno puxa 9, que é o que falta ao 7 para 16. E 9 é 8+1. Os jogos com o quadro Paed envolvem associatividade e comutatividade. Caixa de subtração Pode ser uma caixa de fósforos grande, com uma divisória com passagem. Colocar, por exemplo, 15 grãos de milho ou feijão de um lado, perguntar à criança Quantos são? Ela conta. A caixa é fechada, balançada e aberta até o meio, ficando grãos dos dois lados, mas apenas um lado visível. Quantos grãos estão escondidos? A criança deverá contar os grãos que vê e subtrair de 15 para encontrar o número escondido. Dominó de contas Comprar ripa aparelhada, que é uma tábua de uns 3,5 cm de largura. Cortar umas 50 peças de 8 cm de comprimento. Em cada peça é escrito uma conta e uma resposta, com um pincel atômico. Pronto As peças são repartidas como com dominó comum. O primeiro menino coloca uma peça, digamos: O próximo a jogar deve procurar dentre as suas peças se há a resposta 11, encontrou a peça: O próximo precisa ter a peça com o número 2, encontrou: O próximo não tem o número 12, então deve tentar a outra ponta, procurando, dentre as suas peças, alguma conta cuja resposta seja 5. Se encontrar pode colocá-la, se não, passa a vez. Quem fica com menos peças, ganha o jogo. As crianças gostam muito desse jogo e ficam jogando até no recreio. O outro lado das peças pode ser pintado de outra cor para não misturar, e ali escrever outro jogo. Pode ter dominó de contas de vários níveis, até com frações. Uma observação: colocar sempre duas ou três contas diferentes com a mesma resposta e também peças diferentes com o mesmo numeral. O aluno põe uma peça e há duas ou três que servem na seqüência. Isso para não dar sempre a mesma configuração de jogo. Mesmo assim eles decoram tudo com rapidez e esse não é o objetivo. 12

4 entre os objetos do cotidiano e os números, até que o aluno entre no estágio das operações formais. Com material dourado formamos símbolos de números, portanto, ficando entre os objetos e os signos. As outras observações são as mesmas do cavalu. Fazer que os alunos manuseiem o material, tanto em grupo como individualmente. Fazer graficamente. Existe, no mercado, esse material para compra. Mas também pode ser feito pela escola, cortando a madeira e desenhando os cubinhos com uma esferográfica. Ver as Mini-aulas Material dourado e Polinômios no site: Quadro de varetas Consiste em um quadro de madeira em cima do qual se colocam varetas ou arames. No desenho há quatro varetas dispostas de lado e três de comprido, logo, são doze cruzamentos (3 4). O jogo é simples: colocar as varetas e perguntar ao aluno o número de cruzamentos. Pode falar em mapa de uma cidade com os cruzamentos de ruas. Em um primeiro momento o aluno conta os cruzamentos um a um, em um segundo momento, conta os cruzamentos de uma rua e soma tantas vezes quantas forem essas ruas, em um terceiro momento ele multiplica os dois números de ruas. Atenção para um detalhe: o quadro não pode ser liso em cima, para que as varetas não rolem; alguns preguinhos ou varetas que não rolam também resolvem o problema. Podemos efetuar multiplicações com números maiores que 9. Por exemplo Quadro PAEd Como mostra a figura, trata-se de um quadro com dois arames em diagonal; em cada 11

5 Agora sim podemos distribuir, dando 3 placas para cada um e sobrando 1. Não podemos continuar distribuindo placas, pois há somente uma. Então, trocamos a placa por barras, ficando 10: Distribuímos as barras e cada criança recebe 2, sobrando 2: Trocamos as duas barras por 20 cubinhos, ficando 25, com os 5 que já havia: Distribuindo entre as 4 crianças, damos 6 para cada uma e resta 1 cubinho O material dourado é uma calculadora que dá a resposta. Nas quatro operações, em um primeiro momento, trabalhar somente com o material dourado e obter a resposta. Em um segundo momento, ir trabalhando o material e, passo a passo, escrevendo, fazendo uma associação entre o manuseio do material e o algoritmo. Em um quarto momento, sem o material, escrever a conta, representando uma operação que é concreta porque corresponde ao manuseio. Desse modo o material dourado faz uma ponte 10

6 9. Multiplicação: Como exemplo, vamos fazer sabendo que, com seus valores: vezes é igual a e vezes é e vezes é : = = = 156. Outro exemplo: = (30+2) (20+4) = = = 768. Tudo isso é completamente improdutivo na construção do algoritmo da multiplicação. Para quem já sabe o algoritmo, até que não é difícil usar os cubos e é até curioso, mas começar com os cubos para aprender a conta é sem sentido para a criança. 10. Divisão. A divisão com o material dourado é muito interessante e até útil, principalmente para ilustrar aulas conteudistas. Como primeiro exemplo vamos dividir 67 por 3: = 67 Chamamos três alunos para receber as partes. Distribuímos entre eles os cubinhos e as barras. Cada um receberá duas barras e dois cubinhos, sobrando um. Portanto, 67 dividido por 3 é 22, com resto 1. Outro exemplo: dividido por 4. Chamamos quatro alunos para receberem os cubinhos. Começamos com o cubo. Não podemos distribuir cubos pois só temos um. Trocamos, então, o cubo por 10 placas que, com as outras 3, formam 13: 9

7 Sugestões de atividades 1. Quantidades. Do mesmo modo que com o cavalu, começar a representar os números na medida em que forem sendo estudados: um, dois, três... Chegando ao dez combinar a troca por uma barra. 2. Estabelecer correspondência entre peças. Perguntar, por exemplo: Treze cubinhos correspondem a quê? (A uma barra e três cubinhos.) Notar que não importa o jeito de colocar as peças, sempre valerão treze. Não há valordo-lugar, nem há ordem. Mas podemos pedir aos alunos que façam de uma forma organizada, colocando juntas as peças iguais e as maiores à esquerda. 3. Ditado e solfejo. Dar um número e representá-lo com o material. Inversamente, representar um número e pedir para o aluno ler. Veja um exemplo com número grande apenas para ilustrar: 4. Adição sem elevação: Basta contar as dezenas (cinco) e as unidades (seis). 5. Adição com agrupamento: Agrupar 10 cubinhos substituindo por uma barra e agrupar 10 barras trocando por uma placa. 6. Subtração simples: Retirar duas barras e 5 cubinhos, restando 2 barras e 3 cubinhos. 7. Subtração trocas: Trocar uma barra por 10 cubinhos transformando o 53 em Retirar Propriedades da multiplicação: 4 (10 + 3) = Esses tipos de atividades trabalham áreas, comutatividade, distributividade, quadrado da soma. Só que deve ficar para a 5ª série. Podemos, do mesmo modo, fazer os outros produtos notáveis. Também podemos fazer esse tipo de atividade em um caderno quadriculado. 8

8 Ábaco Em cada arame ficam dezoito discos (podem ser sementes furadas ou rodinhas cortadas de um cabo de vassoura e furadas). É preciso serrar madeira, pregar, fixar arames curvos. Há outros tipos de confecção um pouco mais simples, mas esse funciona bem e está com os discos sempre à disposição, sem perdas. No ábaco acima está representado o número 214. As atividades são as mesmas do cavalu. Quando inteira dez tentos em um arame, eles são voltados para trás, em troca de puxar um para a frente no arame à esquerda. Veja a soma 27+15: Ver o artigo As seis etapas, no site Material Dourado Montessori São peças de madeira de quatro tipos: cubinho de 1 1 1cm 3 barra de cm 3 placa de cm 3 cubo de cm 3 O material dourado serve para trabalhar a base decimal (e há material para outras bases), áreas e volumes, propriedades das operações, produtos notáveis. O material dourado permite trocar dez cubinhos soltos por uma barra de dez cubinhos presos, portanto, faz agrupamentos decimais. Ele é decimal, mas não posicional. O cavalu e o ábaco são posicionais, pois peças iguais podem possuir valores diferentes conforme o lugar que ocupam. Por isso, podemos começar com o material dourado, trabalhando apenas o decimal e, depois, passar para o cavalu, trabalhando o decimal e o valor posicional. Mas somente o cavalu já resolve o problema, se antes for feito o trabalho com jogos posicionais. O material dourado pouco contribui para a construção do valor posicional. O adulto se encanta com ele porque já elaborou o conhecimento. Aliás, esse fato é muito comum. O adulto se encanta com certos materiais porque já possui o conhecimento. 7

9 Argolas Quantos pontos ele fez? 12. Como?! Se ele acertou 3 argolas, fez 3 pontos! Tombalata Fliperama Dar um piparote na bola da direita, ela sobe rebate na tábua 45 e vem caindo batendo no pinos. Jogar 5 bolas e dizer quantos pontos fez. Na figura já são 201 pontos. Se uma bola cai de volta ao boxe de lançamento, atirar outra vez. O rebatedor passa a importante informação que o ângulo de incidência é igual ao de reflexão. Isso ocorre de uma forma não formalizada, mas é base para os conceitos de ótica. A criança percebe que a intenção é rebater em ângulo de 90. A confecção é simples: um taboleiro com os boxes, o rebatedor e os preguinhos. Colocar dois pequenos toquinhos atrás para dar uma pequena inclinação ao taboleiro. 6

10 c) Na terceira série de exercícios é feita somente a conta, sem o cavalu: 27 = = = = 90+3 = 93. d) A quarta série de exercícios formaliza aos poucos o algoritmo: = = = = 70+2 = Subtração com reserva: a) Só no cavalu: 65 27: O cavalu é uma calculadora que dá a resposta, sem papel nem lápis. Fazer a associação, passo a passo, entre o cavalu e o algoritmo: 22. Operações com numerais decimais. Trocar as fichas indicativas de ordens. A ficha unidade possui uma vírgula. Tudo se passa como se não houvesse vírgula. O cavalu é muito versátil. É posicional e serve para qualquer base. Trabalha com numerais decimais e unidades de medidas. Além disso, podem ser colocadas, nas pregas, outras fichas de outras atividades: letras, palavras, gravuras etc. Lembrar que o cavalu trabalha numerais e não números, cuja construção possui outra seqüência. O professor decide o que fazer em cada série, mas nos capítulos que se seguem há sugestões. 27 Jogos posicionais. São jogos em que os acertos possuem valores diferentes, por convenção. Eles trabalham o valor-do-lugar e podem ser jogados desde a pré-escola. Há várias possibilidades como tiro ao alvo, argolas, derrubar latas, fliperama etc. (Ver o artigo Seis estapas) Tiro ao alvo 5

11 com mais linhas, mas estando feita a compreensão, isso perde o sentido. 14. Divisão por 2. Repartir as fichas em duas dobras, de uma em uma, de duas em duas, como quiser Divisão por 3. Repartir as fichas em três dobras, como no item anterior Maiores que cem. Representar números maiores que cem e pedir ao aluno que leia. Dar um número e pedir para representá-lo. 17. O valor do lugar. Transformar centena em dezena e vice-versa (análogo ao item 6). 18. Valor absoluto versus valor relativo. Discutir os valores destes que aparecem em cada coluna valendo 3, 30 e 300. Comparar com a outra notação: Multiplicação por 10: 10 2 = 2 10 = = 2 dezenas. 20. Adição com reserva: a) A primeira série de exercícios é feita somente no cavalu. O cavalu é uma calculadora: b) Na segunda série de exercícios é feita a associação, passo a passo, do cavalu com a conta: (1) colocamos no cavalu e escrevemos 40+7 e 30+5; (2) separamos uma dezena e escrevemos: ; (3) passamos a dezena para o outro lado e escrevemos 80+2, que é 82. Assim: = 80+2 = 82. 4

12 depois o represente apenas com unidades Cavalu desenhado. Desenhar o cavalu simplificado no caderno, repetir as atividades do item 6. Fazer variações como: pedrinhas em buracos, ábaco, dois meninos (o menino das unidades e o das dezenas, representando com os dedos; veja o 37 na figura a seguir) etc. 8. Adição com reserva: Dez unidades foram transformadas em uma dezena, obtendo 11. Isso foi feito retirando 10 unidades do cavalu e colocando um palito na coluna das dezenas. 9. Adição e subtração de dezenas inteiras: Fazer do mesmo modo que no item Adição e subtração com dezenas e unidades sem reserva: Par ou ímpar? Dado um número colocar as fichas uma debaixo da outra, duas a duas, para ver se sobra alguma sem par. Se tiver que ocupar a coluna da esquerda retirar as fichas indicativas de dezena e centena. 7 é ímpar Mostrar que dezena é par e o que vai decidir se o número é par ou ímpar são as unidades. Em 37 o trinta é par, devemos olhar apenas as unidades que, no caso, é sete, que é ímpar, logo o número 37 é ímpar. 12. Multiplicação por 2: Multiplicação por 3: 3 12 Ler assim mesmo, sem mexer no cavalu: trinta e seis. Dizer: três vezes duas unidades, três vezes uma dezena, preparando o algoritmo. Para fazer 4 vezes, ou mais, precisaria um cavalu 3

13 temos o numeral 301. Tudo deve ser bem-feito e bonito, mas simples e que possa ser visto com clareza do fundo da sala. Todos os palitos devem ser iguais: o que diferencia as ordens é o lugar. Aí está o fundamental: o valor-do-lugar. O cavalu é posicional e pode ser usado para qualquer base. O conceito de numeração posicional é muito difícil, principalmente com signos, por isso deve ser utilizado o cavalu (ou o ábaco), onde usamos símbolos que, além disso, são manuseáveis. Também podem ser feitos cavaluzinhos para trabalhos em grupos. Basta dividir todas as medidas por 4 e fazer em cartolina ou papel manilha. Sugestões de atividades 1. Quantidades. Os números vão sendo representados no cartaz-valor-do-lugar à medida que vão sendo estudados. Com isso os alunos vão se acostumando com o cavalu. 2. Ditado e solfejo. Quando chegar ao 5 iniciar atividades assim: a) escolher um número para o aluno representar no cavalu, b) representar um número para que o aluno o leia. 3. Adição: 3 2 Contar o total. Repetir esse tipo de conta. Os alunos devem manusear o cavalu. 4. Subtração: Colocar 5 palitos, os alunos contam, passar 2 palitos para baixo e contar. Quantos sobraram? Essa disposição não só mostra que 5 2 = 3, como também que 3+2 = 5. É necessário o ato de retirar 2 palitos dos 5 e passar para baixo, restando 3 em cima. 5. Amarradinhos. Continuar representando os números até passar de dez, sempre na coluna das unidades. Combinar de fazer amarradinhos de dez (de uma dezena), porque os palitos não estão mais cabendo na coluna. Trabalhar um pouco com amarradinhos: um amarradinho mais um palito, um amarradinho mais dois etc. Depois, combinar que os amarradinhos ficarão do lado esquerdo. Coloque as fichas indicativas de unidades e dezenas que, até agora, não tinham sentido. Trabalhar um pouco dessa forma, separando os amarradinhos das unidades. Por último, uma vez que na segunda coluna só ficam as dezenas, combinar de colocar uma única ficha para representar uma dezena. Assim, cada ficha da esquerda vale um amarradinho, vale uma dezena. É o valor do lugar. Integrar com tiro ao alvo e outros jogos onde os valores dependem do lugar onde foi o acerto. Ver jogos posicionais. 6. Ditado e solfejo. À medida que os números vão sendo estudados, repetir sempre essa atividade: a) Representar um número e pedir ao aluno que o leia. b) Dizer um número e pedir ao aluno que o represente apenas com unidades e depois com dezenas e unidades. Sempre ditado e solfejo. c) Dizer um número e pedir ao aluno que o represente com unidades e dezenas e 2

14 ARITMÉTICA Cavalu Material dourado Tiro ao alvo Argolas Tombalata Ábaco Quadro de varetas Quadro PAED Dominó de contas Mico matemático Caixa de subtração 1) Cavalu O cartaz-valor-do-lugar ou cartaz de pregas, conhecido por cavalu ou CVL, é decisivo no trabalho com números e operações quanto ao problema da elevação. Ele não serve para construir o conceito de número nem de operações. Ele é muito útil na alfabetização matemática no fundamental problema da elevação (reagrupamento). Esse problema não existe com os números, existe somente nos numerais posicionais. O cartaz deve ficar permanentemente preso na parede e em lugar bem visível e de fácil acesso. A confecção do cartaz é muito simples. Em um cartão de 97cm 66cm fazer os riscos de dobras como na ilustração abaixo. A primeira dobra é para trás, a segunda para frente, assim por diante até o fim. Na parte de trás colar tudo, fixando as dobras e fazendo a barra de 2,5cm. Na parte da frente, fazer 4 costuras verticais, dividindo o cavalu em três colunas, ficando com doze bolsas. Recortar três fichas de cartolina (18cm 14cm) e escrever 100, 10, 1, que, mais tarde serão substituídas por centena, dezena, unidade. Preparar 40 fichas compridas de cartolina (1,5cm 14cm) ou palitos de picolé ou canudinhos cortados de tamanhos convenientes. Pronto, é só isso! O cavalu pode ser feito de lona costurada e fixada em compensado ou papelão. O verso pode ser também usado para outras coisas. 2,5 cm 15 cm 8 cm 15 cm 8 cm 15 cm 8 cm 15 cm 8 cm 2,5 cm 16 cm 20 cm 30 cm No cavalu aqui desenhado temos na primeira linha as fichas: centena, dezena, unidade. Na segunda linha temos o numeral 63, isto é, dezenas e unidades. Na terceira linha 1

Com uma coleção de figuras e de formas geométricas que mais parecem um jogo, mostre à turma que os números também têm seu lado concreto

Com uma coleção de figuras e de formas geométricas que mais parecem um jogo, mostre à turma que os números também têm seu lado concreto Universidade Severino Sombra Fundamentos Teóricos e Metodologia de Matemática 1 1 Com uma coleção de figuras e de formas geométricas que mais parecem um jogo, mostre à turma que os números também têm seu

Leia mais

CADERNO DE ATIVIDADES E JOGOS: MATERIAL DOURADO E OUTROS RECURSOS

CADERNO DE ATIVIDADES E JOGOS: MATERIAL DOURADO E OUTROS RECURSOS SECRETARIA DE EDUCAÇÃO / DIRETORIA PEDAGÓGICA GERÊNCIA DE ENSINO FUNDAMENTAL CADERNO DE ATIVIDADES E JOGOS: MATERIAL DOURADO E OUTROS RECURSOS Regina Aparecida de Oliveira Assessoria Pedagógica de Matemática

Leia mais

Crianças e números. Senso numérico. Vamos fazer uma experiência. Observe as figuras : Onde há mais pessoas? Agora veja estas figuras :

Crianças e números. Senso numérico. Vamos fazer uma experiência. Observe as figuras : Onde há mais pessoas? Agora veja estas figuras : Senso numérico Crianças e números Vamos fazer uma experiência. Observe as figuras : Onde há mais pessoas? Agora veja estas figuras : Em qual dos dois casos foi mais fácil perceber onde há mais pessoas?

Leia mais

OFICINA DE JOGOS APOSTILA DO PROFESSOR

OFICINA DE JOGOS APOSTILA DO PROFESSOR OFICINA DE JOGOS APOSTILA DO PROFESSOR APRESENTAÇÃO Olá professor, Essa apostila apresenta jogos matemáticos que foram doados a uma escola de Blumenau como parte de uma ação do Movimento Nós Podemos Blumenau.

Leia mais

Curso de Formação de Professores Classe Montessori 3 a 6 anos. Matemática. NOME DO AUTOR Florianópolis, 2013 - 1 -

Curso de Formação de Professores Classe Montessori 3 a 6 anos. Matemática. NOME DO AUTOR Florianópolis, 2013 - 1 - Curso de Formação de Professores Classe Montessori 3 a 6 anos Matemática NOME DO AUTOR Florianópolis, 2013-1 - Introdução No estudo da história da Matemática, diz-se que ela surgiu como ajuda à vida, à

Leia mais

Sumário. Volta às aulas. Vamos recordar?... 7 1. Grandezas e medidas: tempo e dinheiro... 59. Números... 10. Regiões planas e seus contornos...

Sumário. Volta às aulas. Vamos recordar?... 7 1. Grandezas e medidas: tempo e dinheiro... 59. Números... 10. Regiões planas e seus contornos... Sumário Volta às aulas. Vamos recordar?... Números... 0 Um pouco da história dos números... Como os números são usados?... 2 Números e estatística... 4 Números e possibilidades... 5 Números e probabilidade...

Leia mais

PROPOSTAS DE TRABALHO PARA OS ALUNOS A PARTIR DE JOGOS 2º ANO. Adriana da Silva Santi Coordenação Pedagógica de Matemática

PROPOSTAS DE TRABALHO PARA OS ALUNOS A PARTIR DE JOGOS 2º ANO. Adriana da Silva Santi Coordenação Pedagógica de Matemática PROPOSTAS DE TRABALHO PARA OS ALUNOS A PARTIR DE JOGOS 2º ANO Adriana da Silva Santi Coordenação Pedagógica de Matemática Piraquara Abril/214 1 JOGOS E PROPOSTAS DE TRABALHO PARA OS ALUNOS JOGO DOS 6 PALITOS

Leia mais

ATIVIDADES COM MATERIAIS CONCRETOS PARA O ENSINO DAS OPERAÇÕES ARITMÉTICAS

ATIVIDADES COM MATERIAIS CONCRETOS PARA O ENSINO DAS OPERAÇÕES ARITMÉTICAS ATIVIDADES COM MATERIAIS CONCRETOS PARA O ENSINO DAS OPERAÇÕES ARITMÉTICAS Maria da Conceição Alves Bezerra mcabst@hotmail.com Universidade Federal da Paraíba UFPB VIRTUAL RESUMO: Este minicurso tem como

Leia mais

Relógio de Bolinhas Montagem de Flávio Machado Desenhos de Alex Sandro

Relógio de Bolinhas Montagem de Flávio Machado Desenhos de Alex Sandro Relógio de Bolinhas Montagem de Flávio Machado Desenhos de Alex Sandro Construir este relógio foi um desafio, pois não dispunha de nenhum projeto e o que tinha eram apenas fotos, por isso relutava em entrar

Leia mais

3.ª e 4.ª SÉRIES/4.º e 5.º ANOS

3.ª e 4.ª SÉRIES/4.º e 5.º ANOS 3.ª e 4.ª SÉRIES/4.º e 5.º ANOS 1) Qual das planificações abaixo não é a planificação de um cubo? Resposta: I Existem 11 planificações diferentes para o cubo, indicadas pelas letras A, B, C, D, E, F, G,

Leia mais

PROJETO : Jogando e aprendendo com a matemática

PROJETO : Jogando e aprendendo com a matemática Prefeitura Municipal de Rafael Jambeiro Secretaria de Educação PROJETO : Jogando e aprendendo com a matemática Área: Matemática Elaborado por : Cristiane M. Rios Coordenadora da SME 1.Apresentação Ensinar

Leia mais

BINGO DAS EXPRESSÕES

BINGO DAS EXPRESSÕES BINGO DAS EXPRESSÕES 1) Identificação da atividade: BINGO a)tema: EXPRESSÕES b) Público Alvo: 6º ano turma 61 segundo período, e turma 63 quarto período. c) Data: 09/04/2013 d) Professora: Rosmari e) Bolsista:

Leia mais

PLANO DE TRABALHO 1 MATEMÁTICA 4º ANO GEOMETRIA. Adriana da Silva Santi Coordenação Pedagógica de Matemática

PLANO DE TRABALHO 1 MATEMÁTICA 4º ANO GEOMETRIA. Adriana da Silva Santi Coordenação Pedagógica de Matemática PLANO DE TRABALHO 1 MATEMÁTICA 4º ANO GEOMETRIA Adriana da Silva Santi Coordenação Pedagógica de Matemática Piraquara Abril/2015 1 CONTEÚDOS - Poliedros: prismas e pirâmides. - Corpos Redondos: cone, cilindro

Leia mais

Cotagem de elementos

Cotagem de elementos Cotagem de elementos Introdução Na aula anterior você estudou algumas regras para cotagem e aprendeu como indicar as cotas básicas da peça. Mas, só com essas cotas, não é possível produzir peças que tenham

Leia mais

Sentido de número e visualização no pré escolar e primeiros anos

Sentido de número e visualização no pré escolar e primeiros anos no pré escolar e primeiros anos Cenfores 2009 As relações mais, menos e o mesmo que Estes conceitos são as relações mais básicas para o conceito de número no seu aspecto mais global e a criança começa

Leia mais

JOGOS QUE CONSTAM DO KIT DE REFORÇO ESCOLAR

JOGOS QUE CONSTAM DO KIT DE REFORÇO ESCOLAR JOGOS QUE CONSTAM DO KIT DE REFORÇO ESCOLAR DOMINÓ É um jogo onde se combinam a palavra e a figura. Cada jogador recebe 7 peças e segura-as de forma que o adversário não veja. O primeiro jogador coloca

Leia mais

Coordenadoria de Educação CADERNO DE REVISÃO-2011. Matemática Aluno (a) 5º ANO

Coordenadoria de Educação CADERNO DE REVISÃO-2011. Matemática Aluno (a) 5º ANO CADERNO DE REVISÃO-2011 Matemática Aluno (a) 5º ANO Caderno de revisão FICHA 1 COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO examesqueiros Os Números gloriabrindes.com.br noticias.terra.com.br cidadesaopaulo.olx... displaypaineis.com.br

Leia mais

Sistemas de Numeração

Sistemas de Numeração Professor Menezes SISTEMA DE NUMERAÇÃO 1-1 Sistemas de Numeração Observe que alguns números decimais a possuem uma representação muito curiosa no sistema binário: 1 decimal = 1 binário; 2 decimal = 10

Leia mais

Aula 3 - Sistemas de Numeração

Aula 3 - Sistemas de Numeração UEM Universidade Estadual de Maringá DIN - Departamento de Informática Disciplina: Fundamentos da Computação Profª Thelma Elita Colanzi Lopes thelma@din.uem.br Aula 3 - Sistemas de Numeração O ser humano,

Leia mais

APOSTILA DE MATEMÁTICA BÁSICA PARA E.J.A.

APOSTILA DE MATEMÁTICA BÁSICA PARA E.J.A. CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DE CURITIBA C.E.E.P CURITIBA APOSTILA DE MATEMÁTICA BÁSICA PARA E.J.A. Modalidades: Integrado Subseqüente Proeja Autor: Ronald Wykrota (wykrota@uol.com.br) Curitiba

Leia mais

Conhecendo um pouco de matrizes e determinantes

Conhecendo um pouco de matrizes e determinantes Módulo 3 Unidade 29 Conhecendo um pouco de matrizes e determinantes Para início de conversa... Frequentemente em jornais, revistas e também na Internet encontramos informações numéricas organizadas na

Leia mais

Jogo ProvocAção. ProvocAção 5.-

Jogo ProvocAção. ProvocAção 5.- Jogo ProvocAção Aprender brincando! Este foi o objetivo do desenvolvimento desse jogo. É um importante instrumento de aprendizagem, possuiu múltiplos usos e garante muita diversão e conhecimento para crianças,

Leia mais

Soluções Nível 1 5 a e 6 a séries (6º e 7º anos) do Ensino Fundamental

Soluções Nível 1 5 a e 6 a séries (6º e 7º anos) do Ensino Fundamental a e 6 a séries (6º e 7º anos) do Ensino Fundamental 1. (alternativa C) Os números 0,01 e 0,119 são menores que 0,12. Por outro lado, 0,1 e 0,7 são maiores que 0,. Finalmente, 0,29 é maior que 0,12 e menor

Leia mais

Sistemas de Numerações.

Sistemas de Numerações. Matemática Profº: Carlos Roberto da Silva; Lourival Pereira Martins. Sistema de numeração: Binário, Octal, Decimal, Hexadecimal; Sistema de numeração: Conversões; Sistemas de Numerações. Nosso sistema

Leia mais

Programa de Cursos 2011 / Matemática - Ensino Fundamental / 2º. ao 5º. ano

Programa de Cursos 2011 / Matemática - Ensino Fundamental / 2º. ao 5º. ano Sugestões de jogos Os jogos que apresentamos neste material envolvem diversos conceitos e procedimentos matemáticos, com variações nos níveis de complexidade e destinados a um ou mais grupos de ensino,

Leia mais

Planejamento Anual 2014 Matemática 1º período 3º ano - Ensino Fundamental I. Reconhecer a necessidade de contar no cotidiano.

Planejamento Anual 2014 Matemática 1º período 3º ano - Ensino Fundamental I. Reconhecer a necessidade de contar no cotidiano. COLÉGIO LA SALLE BRASÍLIA Associação Brasileira de Educadores Lassalistas ABEL SGAS Q. 906 Conj. E C.P. 320 Fone: (061) 3443-7878 CEP: 70390-060 - BRASÍLIA - DISTRITO FEDERAL Planejamento Anual 2014 Matemática

Leia mais

Guia do Professor Introdução

Guia do Professor Introdução Guia do Professor Introdução Pesquisas realizadas pelo SAEB (Sistema Nacional de Avaliação da Educação Básica) mostram as dificuldades dos estudantes em resolver situações problemas. Essa situação é decorrente

Leia mais

Como fazer para deixar firme uma estante de hastes com prateleiras que está balançando para os lados?

Como fazer para deixar firme uma estante de hastes com prateleiras que está balançando para os lados? cesse: http://fuvestibular.com.br/ o triângulo é uma das figuras mais importantes da Geometria, e também uma das mais interessantes. Na nossa vida diária, existem bons exemplos de aplicação de triângulos

Leia mais

Raciocínio Lógico Matemático Caderno 1

Raciocínio Lógico Matemático Caderno 1 Raciocínio Lógico Matemático Caderno 1 Índice Pg. Números Naturais... 02 Números Inteiros... 06 Números Racionais... 23 Números Decimais... - Dízimas Periódicas... - Expressões Numéricas... - Divisibilidade...

Leia mais

SISTEMAS DE NUMERAÇÃO

SISTEMAS DE NUMERAÇÃO Atualizado em Prof. Rui Mano E mail: rmano@tpd.puc rio.br SISTEMAS DE NUMERAÇÃO Sistemas de Numer ação Posicionais Desde quando se começou a registrar informações sobre quantidades, foram criados diversos

Leia mais

A arca de Noé. Texto: Ruth Rocha Ilustrações: Mariana Massarani. Elaboração Anna Flora

A arca de Noé. Texto: Ruth Rocha Ilustrações: Mariana Massarani. Elaboração Anna Flora A arca de Noé Texto: Ruth Rocha Ilustrações: Mariana Massarani Elaboração Anna Flora Brincadeira 1: Cada bicho com seu par Veja nos arquivos anexos e imprima a página que tem os nomes dos bichos da Arca

Leia mais

Figuras geométricas. Se olhar ao seu redor, você verá que os objetos. Nossa aula. Figuras geométricas elementares

Figuras geométricas. Se olhar ao seu redor, você verá que os objetos. Nossa aula. Figuras geométricas elementares A UU L AL A Figuras geométricas Se olhar ao seu redor, você verá que os objetos têm forma, tamanho e outras características próprias. As figuras geométricas foram criadas a partir da observação das formas

Leia mais

Memória 3D - figura e palavra

Memória 3D - figura e palavra DICAS DE JOGOS PARA ALFABETIZAR Silabário Para jogar: Se não houver a possibilidade de construir um silabário para cada criança, será necessário um para cada grupo de 3 ou 4 crianças. Formas de jogar:

Leia mais

Responsáveis: Fernando Celso Villar Marinho e Rita Maria Cardoso Meirelles DOMINÓ DAS FRAÇÕES COM O USO DO TANGRAM

Responsáveis: Fernando Celso Villar Marinho e Rita Maria Cardoso Meirelles DOMINÓ DAS FRAÇÕES COM O USO DO TANGRAM FORMAÇÃO CONTINUADA DE DOCENTES DA EDUCAÇÃO BÁSICA SECRETARIA ESTADUAL DE EDUCAÇÃO RJ SUCESSO ESCOLAR SUPORTE DIDÁTICO PARA IMPLEMENTAÇÃO DA REORIENTAÇÃO CURRICULAR Matemática Pólo Rio de Janeiro Responsáveis:

Leia mais

Simulado OBM Nível 2

Simulado OBM Nível 2 Simulado OBM Nível 2 Gabarito Comentado Questão 1. Quantos são os números inteiros x que satisfazem à inequação? a) 13 b) 26 c) 38 d) 39 e) 40 Entre 9 e 49 temos 39 números inteiros. Questão 2. Hoje é

Leia mais

Frações. Números Racionais

Frações. Números Racionais Frações Números Racionais Consideremos a operação 4:5 =? onde o dividendo não é múltiplo do divisor. Vemos que não é possível determinar o quociente dessa divisão no conjunto dos números porque não há

Leia mais

XXXVI OLIMPÍADA PAULISTA DE MATEMÁTICA Prova da Primeira Fase (11 de agosto de 2012) Nível (6 o e 7 o anos do Ensino Fundamental)

XXXVI OLIMPÍADA PAULISTA DE MATEMÁTICA Prova da Primeira Fase (11 de agosto de 2012) Nível (6 o e 7 o anos do Ensino Fundamental) Instruções: XXXVI OLIMPÍADA PAULISTA DE MATEMÁTICA Prova da Primeira Fase (11 de agosto de 2012) Nível (6 o e 7 o anos do Ensino Fundamental) Folha de Perguntas A duração da prova é de 3h30min. O tempo

Leia mais

REGRAS DOS JOGOS TRABALHADOS NO PROJETO BRINCANDO COM A MATEMÁTICA

REGRAS DOS JOGOS TRABALHADOS NO PROJETO BRINCANDO COM A MATEMÁTICA REGRAS DOS JOGOS TRABALHADOS NO PROJETO BRINCANDO COM A MATEMÁTICA 1- JOGO DAS OPERAÇÕES a) Aprendizagem: Resolver adições e subtrações em situações-problema referentes ao campo aditivo. 1 dado com os

Leia mais

Aplicações de Combinatória e Geometria na Teoria dos Números

Aplicações de Combinatória e Geometria na Teoria dos Números Aplicações de Combinatória e Geometria na Teoria dos Números Nesse artigo vamos discutir algumas abordagens diferentes na Teoria dos Números, no sentido de envolverem também outras grandes áreas, como

Leia mais

Casa para pássaros para a varanda ou para o jardim

Casa para pássaros para a varanda ou para o jardim Casa para pássaros para a varanda ou para o jardim Expedição ao mundo animal. Casa para pássaros Pequenos e grandes zoólogos podem em breve observar e descobrir o mundo a partir da própria porta da varanda.

Leia mais

Metas Curriculares do Ensino Básico Matemática 1.º Ciclo. António Bivar Carlos Grosso Filipe Oliveira Maria Clementina Timóteo

Metas Curriculares do Ensino Básico Matemática 1.º Ciclo. António Bivar Carlos Grosso Filipe Oliveira Maria Clementina Timóteo Metas Curriculares do Ensino Básico Matemática 1.º Ciclo António Bivar Carlos Grosso Filipe Oliveira Maria Clementina Timóteo Números e Operações Contar até cem, mil,... Descodificar o sistema de numeração

Leia mais

16 Comprimento e área do círculo

16 Comprimento e área do círculo A UA UL LA Comprimento e área do círculo Introdução Nesta aula vamos aprender um pouco mais sobre o círculo, que começou a ser estudado há aproximadamente 4000 anos. Os círculos fazem parte do seu dia-a-dia.

Leia mais

Oficina 18: TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO. Introdução

Oficina 18: TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO. Introdução Oficina 18: TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO Introdução Segundo os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCNs) o conteúdo Tratamento da Informação, deve ser trabalhado de modo que estimule os alunos a fazer perguntas,

Leia mais

10 simples passos que irão mudar a forma como você tira fotos

10 simples passos que irão mudar a forma como você tira fotos VERSÃO FOTOGRAFIA 10 simples passos que irão mudar a forma como você tira fotos Existem várias formas de alterar o resultado final de uma foto, seja através do ISO, da velocidade do obturador, da abertura

Leia mais

PLANOS DE TRABALHO MATEMÁTICA 2º ANO

PLANOS DE TRABALHO MATEMÁTICA 2º ANO PLANOS DE TRABALHO MATEMÁTICA 2º ANO Adriana da Silva Santi Coordenação Pedagógica de Matemática Piraquara Março/2014 PLANO DE TRABALHO - 2º ANO CONTEÚDOS OBJETIVOS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Geometria: -

Leia mais

REVISÃO E AVALIAÇÃO DA MATEMÁTICA

REVISÃO E AVALIAÇÃO DA MATEMÁTICA 2 Aula 45 REVISÃO E AVALIAÇÃO DA 3 Vídeo Arredondamento de números. 4 Arredondamento de números Muitas situações cotidianas envolvendo valores destinados à contagem, podem ser facilitadas utilizando o

Leia mais

Problemas de Jogos e Tabuleiros

Problemas de Jogos e Tabuleiros Problemas de Jogos e Tabuleiros Professor Emiliano Augusto Chagas Para esquentar! 01) Duas crianças se revezam em turnos quebrando uma barra retangular de chocolate, com seis quadrados de altura e oito

Leia mais

EUREKA. Conselhos de utilização

EUREKA. Conselhos de utilização EUREKA Conselhos de utilização Os jogos Eureka foram concebidos para suscitar o interesse e a abertura de espírito relativamente às várias línguas e culturas da União Europeia, de uma forma divertida.

Leia mais

A Magia da Matemática Oficina Pedagógica Prof. Ilydio P. de Sá www.magiadamatematica.com

A Magia da Matemática Oficina Pedagógica Prof. Ilydio P. de Sá www.magiadamatematica.com 26 27 28 Atividades sugeridas: 1) Aprendendo com as formas da história: Ao ler a história pela primeira vez para os seus alunos, aproveite para explorar os aspectos matemáticos referentes às formas geométricas

Leia mais

Atividade 4 - Acerte no alvo

Atividade 4 - Acerte no alvo Atividade 4 - Acerte no alvo 1. Justificativa Para entender um processo estatístico, é possível criar um experimento em que os alunos possam vivenciá-lo, organizando, selecionando, interpretando e criticando

Leia mais

Plano Curricular de Matemática 3.º Ano - Ano Letivo 2015/2016

Plano Curricular de Matemática 3.º Ano - Ano Letivo 2015/2016 Plano Curricular de Matemática 3.º Ano - Ano Letivo 2015/2016 1.º Período Conteúdos Programados Previstas Dadas Números e Operações Utilizar corretamente os numerais ordinais até vigésimo. Ler e representar

Leia mais

CADERNO DE ATIVIDADES DE MATEMÁTICA

CADERNO DE ATIVIDADES DE MATEMÁTICA SECRETARIA DE EDUCAÇÃO / DIRETORIA PEDAGÓGICA GERÊNCIA DE ENSINO FUNDAMENTAL CADERNO DE ATIVIDADES DE MATEMÁTICA de Keiko Kasza Assessoria Pedagógica de Matemática Regina Aparecida de Oliveira Londrina,

Leia mais

SITE_INEP_PROVA BRASIL - SAEB_MT_5ºANO (OK)

SITE_INEP_PROVA BRASIL - SAEB_MT_5ºANO (OK) 000 IT_023672 As balanças podem ser utilizadas para medir a massa dos alimentos nos supermercados. A reta numérica na figura seguinte representa os valores, em quilograma, de uma balança. 0 1 2 3 A partir

Leia mais

Pesquisas e Contagens

Pesquisas e Contagens Reforço escolar M ate mática Pesquisas e Contagens Dinâmica 1 1ª Série 1º Bimestre DISCIPLINA SÉRIE CAMPO CONCEITO Matemática Ensino Médio 1ª Numérico Aritmético Conjuntos Aluno Primeira Etapa Compartilhar

Leia mais

Programação em papel quadriculado

Programação em papel quadriculado 4 NOME DA AULA: Programação em papel quadriculado Tempo de aula: 45 60 minutos Tempo de preparação: 10 minutos Objetivo principal: ajudar os alunos a entender como a codificação funciona. RESUMO Ao "programar"

Leia mais

Solução da prova da 1 a fase OBMEP 2008 Nível 1

Solução da prova da 1 a fase OBMEP 2008 Nível 1 OBMEP 00 Nível 1 1 QUESTÃO 1 Como Leonardo da Vinci nasceu 91 anos antes de Pedro Américo, ele nasceu no ano 14 91 = 145. Por outro lado, Portinari nasceu 451 anos depois de Leonardo da Vinci, ou seja,

Leia mais

Exercícios Teóricos Resolvidos

Exercícios Teóricos Resolvidos Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Exatas Departamento de Matemática Exercícios Teóricos Resolvidos O propósito deste texto é tentar mostrar aos alunos várias maneiras de raciocinar

Leia mais

CADERNO DE ATIVIDADES DE RECUPERAÇÃO

CADERNO DE ATIVIDADES DE RECUPERAÇÃO COLÉGIO ARNALDO 2015 CADERNO DE ATIVIDADES DE RECUPERAÇÃO Matemática Aluno (a): 2º ano: Turma: Professora: Valor: 20 pontos Nota: Conteúdos Números - Comparação entre os números. Adição e subtração. Fatos

Leia mais

Exposição Matemática Viva (piso 0)

Exposição Matemática Viva (piso 0) Exposição Matemática Viva (piso 0) Departamento Educativo PNE A Matemática está bem viva e presente em quase todas as actividades do nosso dia-a-dia, ainda que muitas vezes disso não nos dêmos conta. E

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL e 1 o ANO

EDUCAÇÃO INFANTIL e 1 o ANO EDUCAÇÃO INFANTIL e 1 o ANO (Materiais Complementares) SUGESTÕES DE ATIVIDADES PARA A CONSTRUÇÃO DA BASE ALFABÉTICA 1. Jogo do correio: as crianças escrevem mensagens e as colocam num envelope com o nome

Leia mais

2. Sistemas de Numeração, Operações e Códigos. 2. Sistemas de Numeração, Operações e Códigos 1. Números Decimais. Objetivos.

2. Sistemas de Numeração, Operações e Códigos. 2. Sistemas de Numeração, Operações e Códigos 1. Números Decimais. Objetivos. Objetivos 2. Sistemas de Numeração, Operações e Códigos Revisar o sistema de numeração decimal Contar no sistema de numeração binário Converter de decimal para binário e vice-versa Aplicar operações aritméticas

Leia mais

ÍNDICE DOS CONCEITOS, RELAÇÕES E OPERAÇÕES NAS ATIVIDADES E JOGOS DO LIVRO 2 O ANO

ÍNDICE DOS CONCEITOS, RELAÇÕES E OPERAÇÕES NAS ATIVIDADES E JOGOS DO LIVRO 2 O ANO ÍNDICE DOS CONCEITOS, RELAÇÕES E OPERAÇÕES NAS ATIVIDADES E JOGOS DO LIVRO 2 O ANO Páginas 1. A ORGANIZAÇÃO E O TRATAMENTO DE INFORMAÇÕES 1.1- Através de gráficos... 2, 9, 20, 65, 116 1.2- Através de tabelas...

Leia mais

16 CARLOS RODRIGUES BRANDÃO

16 CARLOS RODRIGUES BRANDÃO 16 CARLOS RODRIGUES BRANDÃO 1 a Começa assim Este jogo começa com todos os participantes procurando as PA LAVRAS SEMENTES. E isso não é nada difícil! Basta as pessoas que vão jogar o jogo saírem conversando

Leia mais

Em duplas os alunos receberão uma folha contendo o material que será desenvolvido em aula.

Em duplas os alunos receberão uma folha contendo o material que será desenvolvido em aula. Série: 5ª série Carga horária: 2 períodos Conteúdo: Frações Objetivo: O aluno ao final da aula deverá verificar por meio de representações concretas, que o resultado de dividir a por b é o mesmo que dividir

Leia mais

Dia das Crianças. 3º ano Fundamento I. Justificativa

Dia das Crianças. 3º ano Fundamento I. Justificativa Dia das Crianças 3º ano Fundamento I Justificativa O mês de outubro começa com uma expectativa entre as crianças: a comemoração do seu dia. A data não pode ser esquecida. Assim, sugerimos que a escola

Leia mais

Sistemas Numéricos e a Representação Interna dos Dados no Computador

Sistemas Numéricos e a Representação Interna dos Dados no Computador Capítulo 2 Sistemas Numéricos e a Representação Interna dos Dados no Computador 2.0 Índice 2.0 Índice... 1 2.1 Sistemas Numéricos... 2 2.1.1 Sistema Binário... 2 2.1.2 Sistema Octal... 3 2.1.3 Sistema

Leia mais

Apresentação. Sumário

Apresentação. Sumário Apresentação Este livro vai ajudar você a fazer cálculos, resolver contas, encontrar soluções para alguns desafios em Matemática. Além das tabelas de tabuada e dos cálculos, você encontrará problemas que

Leia mais

Relógio de Bolinhas Montagem de Flávio Machado Desenhos de Alex Sandro

Relógio de Bolinhas Montagem de Flávio Machado Desenhos de Alex Sandro Relógio de Bolinhas Montagem de Flávio Machado Desenhos de Alex Sandro Construir este relógio foi um desafio, pois não dispunha de nenhum projeto e o que tinha eram apenas fotos, por isso relutava em entrar

Leia mais

Setor de Educação de Jovens e Adultos FUNDAÇÃO BRADESCO

Setor de Educação de Jovens e Adultos FUNDAÇÃO BRADESCO Setor de Educação de Jovens e Adultos FUNDAÇÃO BRADESCO Coletânea de Jogos e Materiais Manipuláveis SUMÁRIO 1 Apresentação 3 2 Contribuição dos jogos para o ensino da Matemática 4 3 Coletânea 5 3.1 Eixo:

Leia mais

Somatórias e produtórias

Somatórias e produtórias Capítulo 8 Somatórias e produtórias 8. Introdução Muitas quantidades importantes em matemática são definidas como a soma de uma quantidade variável de parcelas também variáveis, por exemplo a soma + +

Leia mais

Prova da segunda fase - Nível 1

Prova da segunda fase - Nível 1 Caro Aluno, Parabéns pela sua participação na nona edição da Olimpíada de Matemática de São José do Rio Preto! Lembre-se de que uma Olimpíada é diferente de uma prova escolar. Muitas vezes, as questões

Leia mais

Professor Ventura Ensina Tecnologia

Professor Ventura Ensina Tecnologia Professor Ventura Ensina Tecnologia Experimento PV001 Maquete com Instalação Elétrica Ensino Fundamental Direitos Reservados = Newton C. Braga 1 Maquete com Instalação Elétrica Você gostaria de aprender

Leia mais

Primeiramente, vamos saber o que foi utilizado para a confecção do elevador, vamos listar as coisas utilizadas mais importantes:

Primeiramente, vamos saber o que foi utilizado para a confecção do elevador, vamos listar as coisas utilizadas mais importantes: Primeiramente, vamos saber o que foi utilizado para sua confecção, vamos listar as coisas mais importantes que foram utilizadas: Primeiramente, vamos saber o que foi utilizado para a confecção do elevador,

Leia mais

Projeto Mancala. Objetivo. Objetivo linguístico. Etapas e duração. Procedimentos. Aula 1

Projeto Mancala. Objetivo. Objetivo linguístico. Etapas e duração. Procedimentos. Aula 1 Projeto Mancala Objetivo Aprender sobre jogos de Mancala. Os Mancalas constituem uma família de jogos africanos em que o tabuleiro consiste de duas, três ou quatro fileiras de buracos, nos quais são distribuídas

Leia mais

Os jogos nas aulas de matemática

Os jogos nas aulas de matemática UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO ENCONTRO REGIONAL DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA Oficina: Os jogos nas aulas de matemática Professora: Odenise Maria bezerra Natal, agosto de

Leia mais

RodoMat Matemático 2015. Versão 1

RodoMat Matemático 2015. Versão 1 RodoMat Matemático 2015 Versão 1 Nome: Ano: Turma: Instruções da Prova A prova tem início às 15H30 e tem a duração de uma hora. Não é permitido sair antes da hora. Não podes usar calculadora. Há apenas

Leia mais

Usando unidades de medida

Usando unidades de medida Usando unidades de medida O problema Q uando alguém vai à loja de autopeças para comprar alguma peça de reposição, tudo que precisa é dizer o nome da peça, a marca do carro, o modelo e o ano de fabricação.

Leia mais

Alguns exemplos de problemas resolvidos

Alguns exemplos de problemas resolvidos Alguns exemplos de problemas resolvidos Partilhamos contigo alguns problemas e respetivas resoluções que selecionámos, para ilustrar todo este desafiante processo de resolução de problemas. Vais reparar

Leia mais

Fonte: http://revistaescola.abril.com.br/gestao-escolar/coordenador-pedagogico/projeto-formacao-professoresmatematica-623627.shtml

Fonte: http://revistaescola.abril.com.br/gestao-escolar/coordenador-pedagogico/projeto-formacao-professoresmatematica-623627.shtml Fonte: http://revistaescola.abril.com.br/gestao-escolar/coordenador-pedagogico/projeto-formacao-professoresmatematica-623627.shtml Projeto de formação de professores em Matemática Um projeto exclusivo

Leia mais

Índice. 1. Blocos Lógicos e Material Dourado - Continuação...3. 2. Séries e Sequências...4 3. Espaço e Forma...5. 1.1. Material Dourado...

Índice. 1. Blocos Lógicos e Material Dourado - Continuação...3. 2. Séries e Sequências...4 3. Espaço e Forma...5. 1.1. Material Dourado... GRUPO 5.4 MÓDULO 17 Índice 1. Blocos Lógicos e Material Dourado - Continuação...3 1.1. Material Dourado... 3 2. Séries e Sequências...4 3. Espaço e Forma...5 2 1. BLOCOS LÓGICOS E MATERIAL DOURADO - CONTINUAÇÃO

Leia mais

Não dá para jogar porque a casa 7 já está fechada!

Não dá para jogar porque a casa 7 já está fechada! ATVDADES 1 2 3 4 5 6 7 8 9 1 6 8 3 7 4 9 e Ou e Ou e Ou e Ou só o 2 5 CÉLLUS Feche a caixa 1 O E 2 O ANOS Diferentes possibilidades de adição para obter o mesmo resultado Agrupamentos para adicionar mais

Leia mais

Tigris & Euphrates. Regras em Português

Tigris & Euphrates. Regras em Português Tigris & Euphrates Regras em Português Componentes do jogo 1 Tabuleiro 153 Peças de Civilização o 57 Vermelhas (Templos) o 36 Azuis (Quintas) o 30 Verdes (Mercados) o 30 Pretas (Colonizações) 8 Peças de

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL MATEMÁTICA 3 DOMÍNIOS OBJETIVOS ATIVIDADES

PLANIFICAÇÃO ANUAL MATEMÁTICA 3 DOMÍNIOS OBJETIVOS ATIVIDADES PLANIFICAÇÃO ANUAL MATEMÁTICA 3 DOMÍNIOS OBJETIVOS ATIVIDADES Números naturais Conhecer os numerais ordinais Utilizar corretamente os numerais ordinais até centésimo. Contar até um milhão Estender as regras

Leia mais

RESOLUÇÃO DAS QUESTÕES DE RACIOCÍNIO LÓGICO-MATEMÁTICO

RESOLUÇÃO DAS QUESTÕES DE RACIOCÍNIO LÓGICO-MATEMÁTICO RESOLUÇÃO DAS QUESTÕES DE RACIOCÍNIO LÓGICO-MATEMÁTICO Caro aluno, Disponibilizo abaixo a resolução das questões de Raciocínio Lógico- Matemático das provas para os cargos de Analista do TRT/4ª Região

Leia mais

Cotagem de dimensões básicas

Cotagem de dimensões básicas Cotagem de dimensões básicas Introdução Observe as vistas ortográficas a seguir. Com toda certeza, você já sabe interpretar as formas da peça representada neste desenho. E, você já deve ser capaz de imaginar

Leia mais

Simulado OBM Nível 1. Gabarito Comentado

Simulado OBM Nível 1. Gabarito Comentado Simulado OBM Nível 1 Gabarito Comentado Questão 1. Renata digitou um número em sua calculadora, multiplicou-o por 3, somou 12, dividiu o resultado por 7 e obteve o número 15. O número digitado foi: a)

Leia mais

COMO TRABALHAR COM BLOCOS LÓGICOS

COMO TRABALHAR COM BLOCOS LÓGICOS I. Descrição do Material: COMO TRABALHAR COM BLOCOS LÓGICOS Material criado por Dienes. Constitui-se de 48 peças, que combinam quatro atributos em cada uma sendo: Tamanho (grande e pequeno) Cor (amarelo,

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL DE MATEMÁTICA

PLANEJAMENTO ANUAL DE MATEMÁTICA COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 PLANEJAMENTO ANUAL DE MATEMÁTICA 6º ANO "... A minha contribuição

Leia mais

Brincadeiras Para Pré-Primários

Brincadeiras Para Pré-Primários Brincadeiras Para Pré-Primários 1. Fazendo o Ninho Novelo grande de lã (de preferência marrom ou amarelo) Giz e quadro negro ou papel cartaz e canetinha Fita adesiva ou tachinhas Escreva o versículo no

Leia mais

Recado aos Pais e Professores

Recado aos Pais e Professores Recado aos Pais e Professores A criança aprende fazendo. Um trabalho manual confeccionado logo após a história bíblica fixa os ensinos que a criança acabou de ouvir, e também é um lembrete visual do constante

Leia mais

BIMESTRAL - MANHÃ MATEMÁTICA CÁLCULOS TESTES. Nome: Nº: Data: / /2007 Série: 6ª/Ano: 7º Bimestre: 1º NOTA: Prova: Disciplina:

BIMESTRAL - MANHÃ MATEMÁTICA CÁLCULOS TESTES. Nome: Nº: Data: / /2007 Série: 6ª/Ano: 7º Bimestre: 1º NOTA: Prova: Disciplina: Nome: Nº: Disciplina: MATEMÁTICA Prova: BIMESTRAL - MANHÃ Data: / /2007 Série: 6ª/Ano: 7º Bimestre: 1º NOTA: Orientações para a prova: A prova é um instrumento de avaliação e aprendizagem. 1 - Leia cada

Leia mais

SUB12 Campeonato de Resolução de Problemas de Matemática Edição 2009/2010

SUB12 Campeonato de Resolução de Problemas de Matemática Edição 2009/2010 Puxa um banco ou uma cadeira O Sr. António fabrica na sua oficina de marcenaria bancos e cadeiras de madeira. Os bancos e as cadeiras têm pés exactamente iguais. Cada banco leva 3 pés e cada cadeira tem

Leia mais

Apostila de Atividades

Apostila de Atividades Apostila de Atividades IMAX A viagem pelo espaço continua aqui Transforme a sua sala de aula em uma divertida aventura pelo espaço. Assim que sua classe viver a experiência sem limites pelo universo com

Leia mais

DEPARTAMENTO DE 1º Ciclo - Grupo 110. Planificação Anual / Critérios de avaliação. Disciplina: Matemática 2.º ano 2015/2016

DEPARTAMENTO DE 1º Ciclo - Grupo 110. Planificação Anual / Critérios de avaliação. Disciplina: Matemática 2.º ano 2015/2016 DEPARTAMENTO DE 1º Ciclo - Grupo 110 Planificação Anual / Critérios de avaliação Disciplina: Matemática 2.º ano 2015/2016 Domínio (Unidade/ tema) Subdomínio/Conteúdos Metas de Aprendizagem Estratégias/

Leia mais

Tutorial do Iniciante. Excel Básico 2010

Tutorial do Iniciante. Excel Básico 2010 Tutorial do Iniciante Excel Básico 2010 O QUE HÁ DE NOVO O Microsoft Excel 2010 é um programa de edição de planilhas eletrônicas muito usado no mercado de trabalho para realizar diversas funções como;

Leia mais

I.INTRODUÇÃO A MATEMÁTICA.

I.INTRODUÇÃO A MATEMÁTICA. I.INTRODUÇÃO A MATEMÁTICA. 1. HISTÓRIA DA MATEMÁTICA Matemática é uma ciência que foi criada a fim de contar e resolver problemas com uma razão de existirem, foi criada a partir dos primeiros seres racionais

Leia mais

Desenho Técnico. Desenho Projetivo e Perspectiva Isométrica

Desenho Técnico. Desenho Projetivo e Perspectiva Isométrica Desenho Técnico Assunto: Aula 3 - Desenho Projetivo e Perspectiva Isométrica Professor: Emerson Gonçalves Coelho Aluno(A): Data: / / Turma: Desenho Projetivo e Perspectiva Isométrica Quando olhamos para

Leia mais

INTRODUÇÃO E OBJETIVO DO JOGO

INTRODUÇÃO E OBJETIVO DO JOGO Instruções O K2 é a segunda maior montanha do mundo (depois do Monte Evereste) com uma altura de 8.611 metros acima do nível do mar. Também é considerada uma das mais difíceis. O K2 nunca foi conquistado

Leia mais

Corte total. Qualquer pessoa que já tenha visto um regis- A U L A

Corte total. Qualquer pessoa que já tenha visto um regis- A U L A Corte total Introdução Qualquer pessoa que já tenha visto um regis- tro de gaveta, como o que é mostrado a seguir, sabe que se trata de uma peça complexa, com muitos elementos internos. Se fôssemos representar

Leia mais

Caderno de Aplicação das Actividades do Manual

Caderno de Aplicação das Actividades do Manual Caderno de Aplicação das do Manual Com vista à reutilização do manual do aluno Eva Lima, Nuno Barrigão, Nuno Pedroso, Susana Santos Matemática 3.º ano Oferta ao aluno Também disponível on-line Oo Este

Leia mais