Leia estas instruções:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Leia estas instruções:"

Transcrição

1 Leia estas instruções: Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado. Este Caderno contém 35 questões de múltipla escolha, dispostas da seguinte maneira: 01 a 10 Língua Portuguesa; 11 a 35 Conhecimentos Específicos. Se o Caderno estiver incompleto ou contiver imperfeição gráfica que impeça a leitura, solicite imediatamente ao Fiscal que o substitua. Cada questão apresenta quatro opções de resposta, das quais apenas uma é correta. Interpretar as questões faz parte da avaliação; portanto, não adianta pedir esclarecimentos aos Fiscais. Para preencher a Folha de Respostas, fazer rascunhos, etc., use exclusivamente caneta esferográfica de tinta na cor azul ou preta. Utilize qualquer espaço em branco deste Caderno para rascunhos e não destaque nenhuma folha. Os rascunhos e as marcações que você fizer neste Caderno não serão considerados para efeito de avaliação. Você dispõe de, no máximo, três horas para responder às questões e preencher a Folha de Respostas. 10 O preenchimento da Folha de Respostas é de sua inteira responsabilidade. 11 Antes de retirar-se definitivamente da sala, devolva ao Fiscal a Folha de Respostas e este Caderno. Assinatura do Candidato: Prefeitura Municipal de Jardim de Piranhas Concurso Público 2014

2

3 Língua Portuguesa 01 a 10 As questões de 1 a 10 referem-se ao Texto 1, reproduzido a seguir. Texto 1 VICIADOS EM REDES SOCIAIS João Loes O vício em redes sociais é uma realidade e tem impactos impossíveis de ignorar. Um dos primeiros estudos a revelar a força dessa nova dependência de forma inconteste foi apresentado em fevereiro de 2012 pela Universidade de Chicago. Depois de acompanhar a rotina de checagem de atualizações em redes sociais de 205 pessoas por sete dias, os pesquisadores concluíram que resistir ao Facebook e ao Twitter é mais difícil do que dizer não ao álcool e ao cigarro. Uma consulta aos números do programa de dependênci a de internet do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas da Universidade de São Paulo (IPq-HCUSP) dá contornos brasileiros ao argumento posto pelos americanos de Chicago. Cerca de 25% dos pacientes que buscam ajuda no programa do IPq o fazem atrá s de tratamento para o vício em redes sociais. E esse percentual deve aumentar, afirma Dora Góes, psicóloga do programa. O vício em redes sociais é forte como o da dependência química. Como o viciado em drogas, que, com o tempo, precisa de doses cada vez maiores de uma substância para ter o efeito entorpecente parecido com o obtido no primeiro contato, o viciado em Facebook também necessita se expor e ler as confissões de amigos com cada vez mais frequência para saciar sua curiosidade e narcisismo. Sintom as de crise de abstinência, como ansiedade, acessos de raiva, suores e até depressão, quando há afastamento da rede, também são comuns. Atualmente, a atenção em torno do assunto é tamanha que já há setores defendendo a inclusão da dependência por redes sociais no Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais, da Associação Americana de Psiquiatria. O pedido mais incisivo veio de um time formado por quatro psiquiatras da Universidade de Atenas, na Grécia, que publicou um artigo na revista acadêmica European Psychiatry com uma descrição assustadora da rotina de uma paciente de 24 anos completamente viciada. Trazida à clínica pelos pais, ela passava cinco horas por dia no Facebook, havia perdido os amigos reais, o emprego, a vida social e, aos poucos, estava perdendo a saúde, pois já não dormia nem se alimentava bem. A paciente usava a internet havia sete anos e nunca tinha tido problemas, diz o artigo. A rede social é que foi o gatilho para o distúrbio do impulso. Considerando a escala potencialmente planetária desse novo candidato à doença o Facebook tem 901 milhões de usuários no mundo, sendo 46,3 milhões no Brasil, o segundo país com maior participação da Terra, o pleito é mais do que razoável. Entender as razões dessa compulsão em ascensão é um desafio. Por que usamos tanto e, às vezes, até preferimos esses canais para nos comunicar? Carlos Florêncio, coach e consultor em desenvolvimento pessoal há 20 anos, com mais de 60 mil atendimentos no currículo, tem uma teoria: Nas redes sociais, temos controle absoluto sobre quem somos, diz ele. Lá, as vidas são editadas para que só os melhores momentos, as mais belas fotos e os detalhes mais interessantes do dia a dia sejam expostos. Até os defeitos, quando compartilhados, são cuidadosamente esc olhidos. E isso tem um custo imenso. São poucas as pessoas que conseguem, de fato, viver o ideal que projetam, o que gera grande frustração. E mais: privilegiar as relações mediadas pela internet compromete as nossas habilidades sociais no mundo real. Desaprendemos a olhar no olho, interpretar os sinais corporais e dar a atenção devida a quem está ali, diante da gente, diz Dora, do IPq-HCUSP. Mas nem tudo é ruim nas teias das redes sociais. Pelo contrário. Grande parte do que elas oferecem é bom. O problema é saber dosar o uso para que as vantagens não sejam ofuscadas pelo vício que surge com os excessos. Afinal, cair no canto da sereia virtual é fácil e conveniente. As redes sociais são a cocaína da era digital e estamos todos viciados. Você não está sozinho. Disponível em <http://www.istoe.com.br/reportagens/204040_viciados+em+redes+sociais>.acesso em : 20 ago.2014.[adaptado] Prefeitura Municipal de Jardim de Piranhas Concurso Público 2014 Técnico de Enfermagem ESF 1

4 01. No texto, o praopósito comunicativo dominante é A) explicar a importância de o usuário de redes sociais ter autocontrole para não ficar viciado nessa ferramenta de comunicação. B) censurar o comportamento dos usuários da internet e as consequências negativas do uso compulsivo das redes sociais. C) criticar os usuários compulsivos de redes sociais, como o Facebook e o Twitter, os quais não acreditam nos malefícios dessa prática viciosa. D) defender a ideia de que o vício em redes sociais causa tanta dependência quanto outros vícios, como o álcool, o cigarro ou as drogas. 02. Em relação à ideia principal dos parágrafos do texto, é correto afirmar: A) O primeiro parágrafo trata da comparação entre o vício em redes sociais e outros vícios. B) O segundo parágrafo compara o viciado em redes sociais com o dependente químico. C) O terceiro parágrafo mostra o poder viciante do Facebook e os males que ele tem causado. D) O quarto parágrafo concentra-se nas consequências da dependência em redes sociais. 03. Para sustentar seu posicionamento, o autor cita como argumento de autoridade A) uma enumeração de sintomas advindos da dependência em redes sociais. B) um estudo apresentado em fevereiro de 2012 por pesquisadores da Universidade de Chicago. C) a apresentação do número de usuários do Facebook no mundo. D) o caso de uma paciente trazida a uma clínica psiquiátrica com dependência em redes sociais. 04. A partir da leitura do texto, pode-se afirmar que, do grupo de dependentes das redes sociais, nem autor nem leitor escapam. A opção que apresenta elementos do texto que reforçam essa afirmação é: A) Como o viciado em drogas (linha 12) e o viciado em Facebook (linha 14). B) As redes sociais são a cocaína da era digital (linha 46). C) estamos todos viciados (linha 46) e Você não está sozinho (linha 47). D) resistir ao Facebook e ao Twitter é mais difícil do que dizer não ao álcool e ao cigarro (linhas 5 e 6). 05. De acordo com as ideias presentes no texto, uma das causas para a dependência por redes sociais é: A) Nas redes sociais, a vida é editada, ou seja, cada usuário controla o que deseja expor. B) Na vida real, pode haver perda de amigos, do emprego, das relações sociais e até da saúde. C) As redes sociais garantem ao usuário o alcance de uma vida autentica mente feliz e livre de frustrações. D) A vida real reflete a perspectiva idealizada que os usuários projetam nas redes sociais. 2 Prefeitura Municipal de Jardim de Piranhas Concurso Público 2014 Técnico de Enfermagem ESF

5 06. A opção em que o segundo elemento retoma o primeiro é: A) a dependência química (linhas 11 e 12) e o viciado em Facebook (linha 14). B) o Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas da Universidade de São Paulo (linha 7) e a Associação Americana de Psiquiatria (linha 20). C) o programa de dependência de internet (linhas 6 e 7) e o Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (linhas 19 e 20). D) O vício em redes sociais (linha 1) e essa nova dependência (linha 2). 07. Considere o trecho a seguir: Sintomas de crise de abstinência, como ansiedade, acessos de raiva, suores e até depressão, quando há afastamento da rede, também são comuns.. A opção de reescrita desse trecho que se mantém de acordo com as regras de pontuação previstas na norma culta da Língua Portuguesa é: A) Sintomas de crise de abstinência como ansiedade, acessos de raiva, suores e até depressão quando há afastamento da rede também são comuns. B) Sintomas de crise de abstinência, como ansiedade, acessos de raiva, suores e, até, depressão, quando há afastamento da rede, também, são comuns. C) Sintomas de crise de abstinência como ansiedade, acessos de raiva, suores e até depressão quando há afastamento da rede também são comuns. D) Sintomas de crise de abstinência, como ansiedade, acessos de raiva, suores e até depressão quando há afastamento da rede, também são comuns. 08. Leia o trecho a seguir: Considerando a escala potencialmente planetária desse novo candidato à doença o Facebook tem 901 milhões de usuários no mundo, sendo 46,3 milhões no Brasil, o segundo país com maior participação da Terra, o pleito é mais do que razoável. O período em destaque foi introduzido com a finalidade de A) explicar o uso da expressão escala potencialmente planetária em referência ao número de usuários das redes sociais. B) explicitar o porquê de o vício em Facebook ser um candidato à doença. C) reforçar a ideia de que o vício em redes sociais é uma doença. D) contrastar o número de usuários do Facebook com a escala potencialmente planetária de novos dependentes. 09. Considere o trecho a seguir: Atualmente, a atenção em torno do assunto é tamanha que já há setores defendendo a inclusão da dependência por redes sociais no Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais, da Associação Americana de Psiquiatria. Observando-se as regras de concordância verbal utilizadas na variedade culta da Língua Portuguesa, o verbo destacado pode ser substituído por A) existia. B) existe. C) existiam. D) existem. 10. Leia o trecho a seguir: Trazida à clínica pelos pais, ela passava cinco horas por dia no Facebook, havia perdido os amigos reais [...]. A exemplo do que ocorre nesse trecho, o uso do acento grave (indicativo da crase) também está correto em: A) O vício em redes sociais tem suscitado à curiosidade dos pesquisadores no mundo. B) A paciente de 24 anos chegava à passar cinco horas por dia no Facebook. C) De fato, essa moça estava perdendo inclusive à saúde. D) É dado um valor enorme à vida editada no Facebook. Prefeitura Municipal de Jardim de Piranhas Concurso Público 2014 Técnico de Enfermagem ESF 3

6 C o n h e c i ment o s E specíficos 1 1 a De acordo com o Art.7º da Lei 7498/86 que rege o exercício profissional da enfermagem, são Técnicos de enfermagem os titulares de diploma ou de certificado de Técnico de enfermagem, expedido de acordo com a legislação e registrado pelo órgão competente. Considere as atividades realizadas na área de enfermagem apresentadas nos itens a seguir. I II III IV Identificar as distócias obstétricas e tomar as providências até a chegada do médico. Realizar consulta de enfermagem. Participar da orientação e supervisão do trabalho de enfermagem em grau auxiliar. Participar da equipe de saúde. Dentre essas atividades, compete especialmente ao Técnico de enfermagem as que estão presentes nos itens A) I e II. C) II e III. B) III e IV. D) I e IV. 12. A entidade de classe da enfermagem que compromete-se a promover a educação e a cultura em geral; e a propor e defender políticas e programas que visem à melhoria da qualidade de vida da população e ao acesso universal e equânime aos serviços social e de saúde é A) a Ordem dos profissionais de enfermagem. B) o Conselho Federal de Enfermagem. C) o Sindicato Brasileiro da Enfermagem. D) a Associação Brasileira de Enfermagem. 13. As técnicas de higienização das mãos podem variar, dependendo do objetivo ao qual se destinam. A técnica de higienização das mãos que tem como finalidade eliminar a microbiota transitória da pele e reduzir a microbiota residente, além de proporcionar efeito residual na pele do profissional, é A) a fricção de antisséptico nas mãos. B) a higienização antisséptica das mãos. C) a antissepsia cirúrgica ou preparo pré-operatório das mãos. D) a higienização simples das mãos. 14. A territorialização é a base do trabalho das Equipes de Saúde da Família (ESF) para a prática da Vigilância em Saúde. O propósito fundamental desse processo é A) reconhecer os espaços geográficos para a delimitação da atenção em saúde exclusiva dos agentes comunitários de saúde, contribuindo para o planejamento de suas atividades. B) ser o componente fundamental na organização dos serviços, pois é a partir dele que se estabelecem exclusivamente os limites geográficos que ficam sob a responsabilidade das equipes de Saúde. C) conhecer as diferentes áreas geográficas e populacionais para desenvolver as ações de saúde a partir de ações exclusivamente assistenciais no atendimento domiciliar. D) permitir eleger prioridades para o enfrentamento dos problemas identificados nas áreas de atuação, o que refletirá na definição das ações mais adequadas, contribuindo para o planejamento e a programação local. 4 Prefeitura Municipal de Jardim de Piranhas Concurso Público 2014 Técnico de Enfermagem ESF

7 15. Atualmente, o Ministério da Saúde (2014) orienta a vacinação da rotina nas gestantes contra A) sarampo, caxumba, rubéola e tétano. B) difteria, tétano, coqueluche e hepatite B. C) difteria, tétano, coqueluche, hepatite B e influenza. D) sarampo, caxumba, rubéola, coqueluche e H1N Sobre a visita domiciliar no contexto da Estratégia Saúde da Família, considere as afirmações a seguir. I II III IV Tem como objetivo central a atenção à saúde das famílias e da comunidade. Deve sempre focar na família como núcleo do cuidado. Tem um enfoque exclusivo na atenção individual e curativa, especialmente nos domicílios com idosos acamados, puérperas ou pacientes cirurgiados. Acontece somente na presença do Agente Comunitário de Saúde, pois é esse profissional que estabelece o vínculo da família com os demais profissionais da equipe. Das afirmações, estão corretas A) I e II. B) I e IV. C) II e III. D) III e IV. 17. O Sistema de Informação de Agravos de Notificação (SINAN) é o principal sistema da vigilância epidemiológica, pois consolida o registro das doenças de notificação compulsória (DNC) do Brasil. Nos serviços de saúde, os instrumentos utilizados no SINAN são: A) a ficha de notificação de caso suspeito ou confirmado de DNC e a declaração de nascido vivo. B) a ficha de investigação epidemiológica por DNC e a declaração de óbito. C) a ficha de notificação de caso suspeito ou confirmado de DNC e a ficha individual de investigação. D) a declaração de óbito por DNC e a declaração de nascido vivo. 18. O Centro de Atenção Psicossocial (CAPS) tem como objetivo A) prestar atendimento em regime de atenção ambulatorial e/ou hospitala r a pessoas que sofrem com transtornos mentais, psicoses, neuroses graves e demais quadros, cuja severidade e/ou persistência justifiquem sua permanência num dispositivo de cuidado intensivo. B) oferecer atendimento a grupos específicos de portadores de do enças mentais os quais pertençam a sua área de abrangência, realizando o acompanhamento clínico e hospitalar, além das atividades de supervisão de unidades hospitalares psiquiátricas que atuem no seu território. C) ser referência no tratamento de pessoas que sofrem com transtornos mentais, psicoses, neuroses graves e demais quadros, cuja severidade e/ou persistência justifiquem sua permanência num dispositivo de cuidado intensivo, comunitário, personalizado e promotor de vida. D) oferecer atendimento em regime de atenção exclusivamente ambulatorial a grupos específicos de portadores de doenças mentais de menor severidade os quais pertençam a sua área de abrangência, realizando acompanhamento exclusivamente clínico. Prefeitura Municipal de Jardim de Piranhas Concurso Público 2014 Técnico de Enfermagem ESF 5

8 19. A Atenção Básica tem papel fundamental no desenvolvimento das ações de promoção, prevenção e atenção ao doente com dengue. São atividades de monitoramento dos casos de dengue na atenção básica: A) acompanhar os pacientes com diagnóstico de dengue no estadiamento A e B, com prescrição de acompanhamento ambulatorial, diário, para reavaliação médica e realização de novos exames. B) providenciar a reposição volêmica imediata, inclusive durante eventual transferência para uma unidade de referência com leito de terapia intensiva. C) reavaliar o paciente de hora em hora, observando frequência cardíaca e respiratória, pressão arterial e perfusão periférica, descrevendo sinais e sintomas clínicos e laboratoriais. D) providenciar acesso venoso periférico calibroso imediatamente, de preferência na fossa antecubital, e reposição volêmica imediatamente, conforme prescrição médica. 20. Sobre a tuberculose, considere as afirmações a seguir. I II III IV A radiografia de tórax deve ser solicitada para todo paciente com suspeita clínica de tuberculose pulmonar e, caso apresente alguma alteração, não há necessidade da baciloscopia de escarro. O tratamento será desenvolvido sob regime ambulatorial e será diretamente observado (TDO), ou seja, a tomada da medicação deve ser supervisionada criteriosamente por um familiar ou amigo do paciente. Os sintomas clássicos da tuberculose pulmonar são: tosse persistente, produtiva ou não (com muco e eventualmente sangue), febre vespertina, sudorese noturna e emagrecimento. A baciloscopia direta de escarro deve ser realizada em, no mínimo, duas amostras: uma por ocasião da primeira consulta da identificação do paciente e outra, independentemente do resultado da primeira, na manhã do dia seguinte, preferencialmente ao despertar. Das afirmações, estão corretas A) I e II. B) III e IV. C) I e IV. D) II e III. 21. A baciloscopia de escarro deve ser solicitada aos pacientes que apresentem A) critérios de definição de sintomático respiratório e suspeita clínica e/ou radiológica de tuberculose pulmonar, independentemente do tempo de tosse. B) suspeita clínica de formas extrapulmonares da tuberculose e suspeita clínica e/ou radiológica de tuberculose pulmonar, independentemente do tempo de tosse. C) sinais e sintomas de formas extrapulmonares e disseminadas em pessoas infectadas pelo HIV. D) suspeita clínica de formas graves de tuberculose, como a miliar e a meningoencefalite. 6 Prefeitura Municipal de Jardim de Piranhas Concurso Público 2014 Técnico de Enfermagem ESF

9 22. No Brasil, o Programa Nacional de Suplementação de Vitamina A foi instituído por meio da Portaria nº 729, de 13 de maio de 2005, e está implantado até os dias atuais com o objetivo de reduzir e controlar a deficiência nutricional dessa vitamina A) em crianças de 6 a 24 meses de idade e puérperas no pós-parto imediato. B) em crianças de 6 a 59 meses de idade e puérperas no pós -parto imediato. C) em crianças de 12 a 59 meses de idade e gestantes. D) em crianças de 6 a 59 meses de idade e gestantes. 23. O pulso é uma sensação palpitante. É possível palpá-lo sobre a artéria periférica ou auscultálo acima do ápice cardíaco. A artéria mais utilizada para verificação do pulso periférico é a A) radial. B) dorsal do pé. C) tibial posterior. D) poplítea. 24. A obesidade pode ser definida, de forma resumida, como o grau de armazenamento de gordura no organismo associado a riscos para a saúde, devido a sua relação com várias complicações metabólicas. O índice recomendado para a medida da obesidade em nível populacional e na prática clínica é o A) índice de massa corporal (IMC). B) índice altura por idade (A/I). C) índice peso por idade (P/I). D) índice de massa adiposa (IMA). 25. O Diabetes Mellitus (DM) é um problema de saúde considerado condição sensível à atenção primária, pois evita hospitalizações e mortes por complicações cardiovasculares e cerebrovasculares (ALFRADIQUE, 2009). Sobre o armazenamento, o transporte e a administração da insulina, leia as afirmações a seguir. I II III IV As insulinas lacradas devem ficar guardadas em temperatura ambiente e, somente depois de abertas, devem ser colocadas sob refrigeração. Apesar de serem descartáveis, as seringas com agulhas acopladas podem ser reutilizadas pela própria pessoa, desde que a agulha e a capa protetora não tenham sido contaminadas. Em caso de combinação de dois tipos de insulina, aspirar antes a insulina de ação curta (regular) para que o frasco não se contamine com a insulina d e ação intermediária (NPH). Após aplicação da insulina, deve-se retirar imediatamente a agulha para que não haja saída do medicamento do tecido subcutâneo. Das afirmações, estão corretas A) II e III. B) I e IV. C) I e II. D) III e IV. Prefeitura Municipal de Jardim de Piranhas Concurso Público 2014 Técnico de Enfermagem ESF 7

10 26. Segundo a American Diabetes Association (2013), a hipoglicemia é a diminuição dos níveis glicêmicos com ou sem sintomas para valores abaixo de A) 40mg/dL. B) 50 mg/dl. C) 60mg/dL. D) 70 mg/dl. 27. O planejamento familiar deve ser pautado no princípio da paternidade responsável e no direito de livre escolha dos indivíduos e/ou casais. Em relação aos métodos anticoncepcionais, é correto afirmar: A) O método do muco cervical ou Billings baseia-se na identificação do período fértil por meio da auto-observação das características do muco cervical. No período da ovulação, o muco se apresenta espesso e grumoso. B) O método da temperatura basal deve ser utilizado a partir do 14º dia do ciclo menstrual, no qual se verifica diariamente a temperatura basal, pela manhã, antes de se realizar qualquer atividade, até o primeiro dia da menstruação. C) O método Ogino-Knaus baseia-se no fato de que a duração da segunda fase do ciclo menstrual (pós-ovulatório) é relativamente constante, com a ovulação ocorrendo entre o 11º e o 16º dia antes do início da próxima menstruação. D) O preservativo masculino é um método comportamental que impede a passagem dos espermatozoides. Além de evitar a gravidez, reduz o risco de transmissão do vírus HIV e de outros agentes sexualmente transmissíveis. 28. Os profissionais da atenção básica devem realizar ações de atenção integral e de promoção da saúde, prevenção de agravos e escuta qualificada das necessidades das gestantes em todas as ações. Leia, a seguir, algumas ações referentes à at enção ao pré-natal de baixo risco. I II III IV Realiza exame clínico das mamas e coleta exame citopatológico do colo do útero. Atende as intercorrências e, quando necessário, encaminha as gestantes para os serviços de urgência/emergência obstétrica. Verifica o peso e a pressão arterial e anota os dados no Cartão da Gestante. Fornece medicação mediante receita assim como os medicamentos padronizados para o programa de pré-natal (sulfato ferroso e ácido fólico). São atribuições do Técnico de Enfermagem as ações apresentadas nos itens A) I e III. C) III e IV. B) I e II. D) II e IV. 29. O principal método e o mais amplamente utilizado para rastreamento de câncer do colo do útero é o teste de Papanicolau ou exame citopatológico do colo do útero para detecção das lesões precursoras. Segundo as diretrizes brasileiras, esse exame deve ser disponibilizado às mulheres com vida sexual ativa, prioritariamente àquelas da faixa etária A) de 35 a 60 anos, por prevalecer as lesões de baixo grau, passíveis de serem tratadas e não evoluírem para câncer. B) de 15 a 59 anos, definida como a população-alvo. C) acima dos 60 anos, por ser a de maior ocorrência das lesões pré-malignas de alto grau, passíveis de serem tratadas e não evoluírem para câncer. D) de 25 a 59 anos, definida como a população-alvo. 8 Prefeitura Municipal de Jardim de Piranhas Concurso Público 2014 Técnico de Enfermagem ESF

11 30. A estratégia que tem a finalidade de estruturar e organizar a atenção à saúde materno -infantil no País, através do pré-natal, do parto e do nascimento, do puerpério e da atenção integral à saúde da criança e do sistema logístico (transporte sanitário e regulação) é A) Atenção Integrada às Doenças Prevalentes na Infância (AIDPI). B) Rede cegonha. C) Alojamento conjunto. D) Ação Integral à Sáude da mulher (PAISM). 31. A Organização Mundial da Saúde (OMS) e o Ministério da Saúde recomendam aleitamento materno exclusivo por seis meses e complementado até os dois anos ou mais. Portanto, é importante conhecer e utilizar as definições de aleitamento materno adotadas por esses organismos e reconhecidas no mundo inteiro. Entre as definições existentes, a que está correta é: A) Aleitamento materno predominante ocorre quando a criança recebe somente leite materno, direto da mama ou ordenhado, ou leite humano de outra fonte, sem outros líquidos ou sólidos. B) Aleitamento materno complementado ocorre quando a criança recebe, além do leite materno, qualquer alimento sólido ou semissólido com a finalidade de complementá -lo, e não de substituí-lo. C) Aleitamento materno exclusivo ocorre quando a criança recebe, além do leite materno, água ou bebidas à base de água (água adocicada, chás, infusões), sucos de frutas e fluidos rituais. D) Aleitamento materno misto ou parcial ocorre quando a criança recebe leite materno (direto da mama ou ordenhado), independentemente de receber ou não outros alimentos. 32. O aleitamento materno NÃO deve ser recomendado quando as mães estão A) com doença de Chagas. C) infectadas pelo HIV. B) com varicela. D) com infecção herpética. 33. São doenças detectadas no teste do pezinho (Triagem neonatal) e orientadas pelo Sistema Único de Saúde (SUS): A) doença celíaca, hipotireoidismo congênito, anemia falciforme e fenilcetonúria. B) fibrose cística, síndrome de Reye, anemia falciforme e mucopolisacaridose. C) hipotireoidismo congênito, anemia falciforme, fenilcetonúria e fibrose cística. D) doença celíaca, síndrome de Reye, anemia falciforme e mucopolissacaridose. 34. Os pais e os cuidadores devem ser alertados quanto ao risco de morte súbita de crianças no primeiro ano de vida, sobretudo nos primeiros 6 meses. Eles devem receber a orientação de que a melhor maneira de prevenir casos assim é colocando a criança para do rmir na posição A) SIMS. C) ventral. B) dorsal. D) lateral. 35. Segundo as diretrizes da American Heart Association (2010), no Suporte Básico de Vida (SBV) para profissionais de saúde, a sequência da Ressuscitação Cardiopulmonar (RCP) e a frequência de compressão torácica são, respectivamente, A) C-A-B e, no mínimo, 90/minuto. C) A-B-C e, no mínimo, 100/minuto. B) C-A-B e, no mínimo, 100/minuto. D) A-B-C e, no mínimo, 90/minuto. Prefeitura Municipal de Jardim de Piranhas Concurso Público 2014 Técnico de Enfermagem ESF 9

Leia estas instruções:

Leia estas instruções: Leia estas instruções: 1 2 3 4 5 6 7 8 9 Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado. Este Caderno contém 35 questões de múltipla

Leia mais

Leia estas instruções:

Leia estas instruções: Leia estas instruções: 1 2 3 4 5 6 7 8 9 Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado. Este Caderno contém 35 questões de múltipla

Leia mais

PROVA PRÁTICA ACS CONCURSO PÚBLICO PREFEITURA MUNICIPAL DE MARACANAÚ

PROVA PRÁTICA ACS CONCURSO PÚBLICO PREFEITURA MUNICIPAL DE MARACANAÚ QUESTÃO 01 O Agente Comunitário de Saúde tem como objetivo principal contribuir para a qualidade de vida das pessoas e da comunidade. Analise as opções abaixo e marque a alternativa incorreta: A) Conhecer

Leia mais

Leia estas instruções:

Leia estas instruções: Leia estas instruções: 1 2 3 4 5 6 7 8 9 Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado. Este Caderno contém 35 questões de múltipla

Leia mais

Boletim Epidemiológico

Boletim Epidemiológico Secretaria Municipal de Saúde de Janaúba - MG Edição Julho/ 2015 Volume 04 Sistema Único de Saúde TUBERCULOSE VIGILÂNCIA Notifica-se, apenas o caso confirmado de tuberculose (critério clinico-epidemiológico

Leia mais

Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de respostas.

Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de respostas. Prezado(a) candidato(a): Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de respostas. Nº de Inscrição Nome ASSINALE A RESPOSTA

Leia mais

II INFORME MUNICIPAL DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE 2º TRIMESTRE DE 2013

II INFORME MUNICIPAL DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE 2º TRIMESTRE DE 2013 1 INDICADORES MUNICIPAIS DE SAÚDE II INFORME MUNICIPAL DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE 2º TRIMESTRE DE 2013 Ago/2013 2 INTRODUÇÃO A Vigilância em Saúde tem como objetivo a análise permanente da situação de saúde

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE PREFEITURA MUNICIPAL DE MOSSORÓ SECRETARIA MUNICIPAL DA CIDADANIA

ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE PREFEITURA MUNICIPAL DE MOSSORÓ SECRETARIA MUNICIPAL DA CIDADANIA 1 ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE PREFEITURA MUNICIPAL DE MOSSORÓ SECRETARIA MUNICIPAL DA CIDADANIA GERÊNCIA EXECUTIVA DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA À SAÚDE ASSUNTOS DESTE INFORME Agravos notificados

Leia mais

D I Á R I O O F I C I A L

D I Á R I O O F I C I A L D I Á R I O O F I C I A L DO MUNICIPIO DE CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM ESTADO DO ESPÍRITO SANTO w w w. c a c h o e i r o. e s. g o v. b r ANO XXXX - Cachoeiro de Itapemirim - Quarta- Feira 18 de Janeiro de

Leia mais

PROGRAMA DA DISCIPLINA

PROGRAMA DA DISCIPLINA Código: ENFAEN2 Disciplina: ADMINISTRAÇÃO EM ENFERMAGEM II (Enfermagem ao adulto e ao idoso em doenças tropicais) E ENFAENF (Administração em enfermagem I) Teoria: 60h Prática: 60h Teoria: 3 Prática: 3

Leia mais

PROVA OBJETIVA. Processo Seletivo para Agente Comunitário de Saúde - Nova Bassano/RS - Edital 04/2015. Nome do(a) candidato(a): ESF de Abrangência:

PROVA OBJETIVA. Processo Seletivo para Agente Comunitário de Saúde - Nova Bassano/RS - Edital 04/2015. Nome do(a) candidato(a): ESF de Abrangência: PROVA OBJETIVA Processo Seletivo para Agente Comunitário de Saúde - Nova Bassano/RS - Edital 04/2015 Nome do(a) candidato(a): ESF de Abrangência: Fique atento para as instruções abaixo: - As questões a

Leia mais

ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA PROVA OBJETIVA RECRUTAMENTO INTERNO TÉCNICO DE ENFERMAGEM

ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA PROVA OBJETIVA RECRUTAMENTO INTERNO TÉCNICO DE ENFERMAGEM ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA PROVA OBJETIVA RECRUTAMENTO INTERNO TÉCNICO DE ENFERMAGEM Prezado candidato(a), você recebeu o seguinte material: - um caderno de questões contendo 20 (vinte) questões objetivas,

Leia mais

TB - TUBERCULOSE. Prof. Eduardo Vicente

TB - TUBERCULOSE. Prof. Eduardo Vicente TB - TUBERCULOSE Prof. Eduardo Vicente A História do TB A tuberculose foi chamada antigamente de "peste cinzenta", e conhecida também em português como tísica pulmonar ou "doença do peito" - é uma das

Leia mais

NORMA PROCEDIMENTAL REALIZAÇÃO DE EXAMES LABORATORIAIS

NORMA PROCEDIMENTAL REALIZAÇÃO DE EXAMES LABORATORIAIS 10.03.002 1/09 1. FINALIDADE Estabelecer procedimentos e disciplinar o processo para realização de exames laboratoriais no Hospital de Clínicas - HC. 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO Todas as unidades do HC, em

Leia mais

Prova do Processo Seletivo para Agente Comunitário de Saúde e Agente de Combate de Endemias. SEMSA - Ponte Nova MG

Prova do Processo Seletivo para Agente Comunitário de Saúde e Agente de Combate de Endemias. SEMSA - Ponte Nova MG Prova do Processo Seletivo para Agente Comunitário de Saúde e Agente de Combate de Endemias. SEMSA - Ponte Nova MG Nome: Nota: INSTRUÇÕES PARA REALIZAÇÃO DA PROVA (LEIA ATENTAMENTE!) 1. A prova é individual

Leia mais

Boletim Epidemiológico Volume 01, Nº 2, 04 de Julho 2013.

Boletim Epidemiológico Volume 01, Nº 2, 04 de Julho 2013. Boletim Epidemiológico Volume 0, Nº 2, 04 de Julho 20. Influenza O controle da Influenza no país continua sendo feito por monitoramento - vigilância de Síndrome Gripal (SG) e da Síndrome Respiratória Aguda

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN-SP GEFIS Nº 29 / 2010 Abordagem Sindrômica. Participação Legal do Enfermeiro. Programa de Controle das Doenças Sexualmente Transmissíveis. Programa de Atenção Integral em Doenças Prevalentes

Leia mais

PORTARIA MS Nº 1.271, DE 6 DE JUNHO DE 2014

PORTARIA MS Nº 1.271, DE 6 DE JUNHO DE 2014 PORTARIA MS Nº 1.271, DE 6 DE JUNHO DE 2014 Define a Lista Nacional de Notificação Compulsória de doenças, agravos e eventos de saúde pública nos serviços de saúde públicos e privados em todo o território

Leia mais

Tuberculose. Profa. Rosângela Cipriano de Souza

Tuberculose. Profa. Rosângela Cipriano de Souza Tuberculose Profa. Rosângela Cipriano de Souza Risco para tuberculose Pessoas em contato com doentes bacilíferos, especialmente crianças Pessoas vivendo com HIV/AIDS Presidiários População vivendo nas

Leia mais

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA Manual das ações programáticas 1 M o d e l o S a ú d e T o d o D i a PROGRAMA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DE AGRAVOS TRANSMISSÍVEIS INDICE INTRODUÇÃO... 5 FLUXOGRAMA DO ENVIO

Leia mais

AULAS PRÁTICAS DA DISCIPLINA DE EPIDEMIOLOGIA II

AULAS PRÁTICAS DA DISCIPLINA DE EPIDEMIOLOGIA II AULAS PRÁTICAS DA DISCIPLINA DE EPIDEMIOLOGIA II 1. Objetivos das aulas práticas 1.1 Gerais Ser capaz de, através do cadastramento, detectar problemas, pensar nas causas destes problemas e propor soluções

Leia mais

EIXO I - Política de saúde na seguridade social, segundo os princípios da integralidade, universalidade e equidade

EIXO I - Política de saúde na seguridade social, segundo os princípios da integralidade, universalidade e equidade 10ª CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE SAÚDE: OO"TODOS USAM O SUS! SUS NA SEGURIDADE SOCIAL - POLÍTICA PÚBLICA, PATRIMÔNIO DO POVO BRASILEIRO" EIXO I - Política de saúde na seguridade social, segundo os princípios

Leia mais

NÚCLEO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA HOSPITALAR

NÚCLEO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA HOSPITALAR NÚCLEO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA HOSPITALAR Enfª Dda. Verginia Rossato Enfª Danieli Bandeira Santa Maria, 2012 Portaria GM/MS nº 2529, de 23 de novembro de 2004 Institui o Subsistema Nacional de Vigilância

Leia mais

Palavras- chave: Vigilância epidemiológica, Dengue, Enfermagem

Palavras- chave: Vigilância epidemiológica, Dengue, Enfermagem ANÁLISE DAS NOTIFICAÇÕES DE DENGUE APÓS ATUAÇÃO DO SERVIÇO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA HOSPITALAR INTRODUÇÃO: A Dengue é uma doença infecciosa febril aguda de amplo espectro clínico e de grande importância

Leia mais

Seminário estratégico de enfrentamento da. Janeiro PACTUAÇÃO COM GESTORES MUNICIPAIS. Maio, 2013

Seminário estratégico de enfrentamento da. Janeiro PACTUAÇÃO COM GESTORES MUNICIPAIS. Maio, 2013 Seminário estratégico de enfrentamento da Tuberculose e Aids no Estado do Rio de Janeiro PACTUAÇÃO COM GESTORES MUNICIPAIS Maio, 2013 1.Detecção de casos e tratamento da tuberculose 1.1. Descentralizar

Leia mais

PROGRAMA DA DISCIPLINA. Disciplina: ENFERMAGEM EM DOENÇAS TRANSMISSÍVEIS (TEORIA) Fase: 6ª Grade curricular: 2000 Pré-requisitos:

PROGRAMA DA DISCIPLINA. Disciplina: ENFERMAGEM EM DOENÇAS TRANSMISSÍVEIS (TEORIA) Fase: 6ª Grade curricular: 2000 Pré-requisitos: 21cir FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecimento: Portaria nº 604, de 31 de maio de 1995 E-mail: denf@unir.br Campus Porto Velho/RO. BR 364,

Leia mais

Secretaria da Saúde do Estado da Bahia Ministério da Saúde. Tuberculose. Informações para Agentes Comunitários de Saúde

Secretaria da Saúde do Estado da Bahia Ministério da Saúde. Tuberculose. Informações para Agentes Comunitários de Saúde Secretaria da Saúde do Estado da Bahia Ministério da Saúde Tuberculose Informações para Agentes Comunitários de Saúde 2011. Secretaria da Saúde do Estado da Bahia É permitida a reprodução parcial desta

Leia mais

ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS INTEGRANTES DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA

ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS INTEGRANTES DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS INTEGRANTES DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA ATRIBUIÇÕES DO MÉDICO I- Realizar consultas clínicas aos usuários de sua área adstrita; II- Participar das atividades de grupos de controle

Leia mais

Calendário de Vacinação do Prematuro e da Criança

Calendário de Vacinação do Prematuro e da Criança Calendário de Vacinação do Prematuro e da Criança Central de Atendimento: (61) 3329-8000 Calendário de Vacinação do Prematuro Vacinas BCG ID (intradérmica) Hepatite B (HBV) Pneumocócica conjugada Recomendações

Leia mais

AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE - PROVA TIPO 2 CONHECIMENTOS GERAIS. Vida e Morte

AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE - PROVA TIPO 2 CONHECIMENTOS GERAIS. Vida e Morte AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE - PROVA TIPO 2 CONHECIMENTOS GERAIS PORTUGUÊS Vida e Morte A grande produção de armas nucleares, com seu incrível potencial destrutivo, criou uma situação ímpar na história

Leia mais

PREVINA O CÂNCER DO COLO DO ÚTERO

PREVINA O CÂNCER DO COLO DO ÚTERO SENADO FEDERAL PREVINA O CÂNCER DO COLO DO ÚTERO SENADOR CLÉSIO ANDRADE 2 Previna o câncer do colo do útero apresentação O câncer do colo do útero continua matando muitas mulheres. Especialmente no Brasil,

Leia mais

Você sabe os fatores que interferem na sua saúde?

Você sabe os fatores que interferem na sua saúde? DICAS DE SAÚDE 2 Promova a sua saúde. Você sabe os fatores que interferem na sua saúde? Veja o gráfico : 53% ao estilo de vida 17% a fatores hereditários 20% a condições ambientais 10% à assistência médica

Leia mais

TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1

TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1 TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1 A Dengue A dengue é uma doença infecciosa de origem viral, febril, aguda, que apesar de não ter medicamento específico exige

Leia mais

Pesquisador em Saúde Pública. Prova Discursiva INSTRUÇÕES

Pesquisador em Saúde Pública. Prova Discursiva INSTRUÇÕES Pesquisa Clínica Pesquisador em Saúde Pública Prova Discursiva 1. Você recebeu do fiscal o seguinte material: INSTRUÇÕES a) Este Caderno de Questões contendo o enunciado das 2 (duas) questões da prova

Leia mais

1.1. PROTOCOLO DE IDENTIFICAÇÃO E MONITORAMENTO DE CONTACTANTES DE CASOS DE DOENÇA PELO VÍRUS EBOLA (DVE)

1.1. PROTOCOLO DE IDENTIFICAÇÃO E MONITORAMENTO DE CONTACTANTES DE CASOS DE DOENÇA PELO VÍRUS EBOLA (DVE) 1.1. PROTOCOLO DE IDENTIFICAÇÃO E MONITORAMENTO DE CONTACTANTES DE CASOS DE DOENÇA PELO VÍRUS EBOLA (DVE) ATUALIZAÇÃO: VERSÃO 11-27 DE OUTUBRO DE 2014 7.2.1. Introdução A detecção de casos suspeitos de

Leia mais

Boletim Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 37 de 2015

Boletim Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 37 de 2015 Boletim Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 37 de 2015 A vigilância da influenza no Brasil é composta pela vigilância

Leia mais

Prof. Sabrina Cunha da Fonseca E-mail: sabrina.cfonseca@hotmail.com

Prof. Sabrina Cunha da Fonseca E-mail: sabrina.cfonseca@hotmail.com Prof. Sabrina Cunha da Fonseca E-mail: sabrina.cfonseca@hotmail.com A estatística tem como objetivo fornecer informação (conhecimento) utilizando quantidades numéricas. Seguindo este raciocínio, a estatística

Leia mais

Requisitos mínimos para o programa de Residência em Pediatria

Requisitos mínimos para o programa de Residência em Pediatria Requisitos mínimos para o programa de Residência em Pediatria O programa de Residência em Pediatria prevê 60 horas de jornada de trabalho semanal, sendo 40 horas de atividades rotineiras e 20 horas de

Leia mais

ANEXO. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Para candidatos que desejam entrar na 4ª etapa do curso

ANEXO. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Para candidatos que desejam entrar na 4ª etapa do curso ANEXO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Para candidatos que desejam entrar na 4ª etapa do curso Células e Tecidos do Sistema Imune Anatomia do sistema linfático Inflamação aguda e crônica Mecanismos de agressão por

Leia mais

PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE - PAS (ANO)

PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE - PAS (ANO) PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE - PAS (ANO) Mês e Ano de elaboração MODELO PARA ELABORAÇÃO DA PAS 2014: Gerência de Programação em Saúde- DEPLAN/SUSAM 1 SUMÁRIO IDENTIFICAÇÃO DO MUNICÍPIO...3 ELABORAÇÃO...4

Leia mais

Pacto de Atenção Básica 2002 Notas Técnicas

Pacto de Atenção Básica 2002 Notas Técnicas Pacto de Atenção Básica 2002 Notas Técnicas Estão disponíveis, nestas páginas, os indicadores do Pacto de Atenção Básica 2002, estabelecidos a partir da portaria 1.121, de 17 de junho de 2002, calculados

Leia mais

Centro de Prevenção e Controle de Doenças CCD Núcleo Municipal de Controle de Infecção Hospitalar - NMCIH

Centro de Prevenção e Controle de Doenças CCD Núcleo Municipal de Controle de Infecção Hospitalar - NMCIH Centro de Prevenção e Controle de Doenças CCD ALERTA EPIDEMIOLÓGICO I Influenza Suína ABRIL 2009 Definição de caso 1-Caso suspeito de infecção humana pelo vírus da influenza suína A (H1N1). Apresentar

Leia mais

UNIMED GOIÂNIA. Centro de Vacinação

UNIMED GOIÂNIA. Centro de Vacinação UNIMED GOIÂNIA COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO PROCESSO SELETIVO 2013 PARA PREENCHIMENTO DE VAGAS NOS RECURSOS E SERVIÇOS PRÓPRIOS 20 de outubro de 2012 Centro de Vacinação SÓ ABRA ESTE CADERNO QUANDO AUTORIZADO

Leia mais

NÍVEL FUNDAMENTAL Cargo: AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE

NÍVEL FUNDAMENTAL Cargo: AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE ESTADO DO PARÁ MUNICÍPIO DE CURUÁ PREFEITURA MUNICIPAL DE CURUÁ - CONCURSO PÚBLICO - Edital N.º 001/2009 REALIZAÇÃO DA PROVA OBJETIVA: 23 de Agosto de 2009 NÍVEL FUNDAMENTAL Cargo: AGENTE COMUNITÁRIO DE

Leia mais

1 01. São funções da Vigilância Epidemiológica: I. coletar, analisar e interpretar os dados; II. divulgar as informações; III. recomendar ou adotar as medidas de controle; Está(ão) correta(s) apenas a(s)

Leia mais

Nome da Unidade de Atenção Básica: Tipo da Unidade: Número do CNES: Data da Visita: Emissor do Questionário: Número do Protocolo:

Nome da Unidade de Atenção Básica: Tipo da Unidade: Número do CNES: Data da Visita: Emissor do Questionário: Número do Protocolo: ASPECTO DO FORMULÁRIO: ACESSIBILIDADE NA UNIDADE DE SAÚDE 1) SOBRE ACESSIBILIDADE NAS DEPENDÊNCIAS DA UNIDADE: a) A unidade tem acessibilidade em todos os ambientes? (i) Onde não há? b) Todas as entradas

Leia mais

Nota Técnica Conjunta n 02/2015

Nota Técnica Conjunta n 02/2015 Nota Técnica Conjunta n 02/2015 DVSCA/DAPS/SAS/SESA DVPcD/DACC/SAS/SESA Assunto: Esclarecimentos e orientações sobre a coleta obrigatória do Teste do Pezinho nos Hospitais/Maternidades, Públicos e Privados,

Leia mais

VAMOS FALAR SOBRE. AIDS + DSTs

VAMOS FALAR SOBRE. AIDS + DSTs VAMOS FALAR SOBRE AIDS + DSTs AIDS A AIDS (Síndrome da Imunodeficiência Adquirida) atinge indiscriminadamente homens e mulheres e tem assumido proporções assustadoras desde a notificação dos primeiros

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA Acompanhamento das gestantes vacinadas inadvertidamente (GVI) com a vacina dupla viral (sarampo e rubéola)

Leia mais

PROCESSO SELETIVO DE ACADÊMICO BOLSISTA

PROCESSO SELETIVO DE ACADÊMICO BOLSISTA SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO COORDENADORIA GERAL DE GESTÃO DE TALENTOS SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE E DEFESA CIVIL PROCESSO SELETIVO DE ACADÊMICO BOLSISTA CADERNO DE QUESTÕES Estágio: ATENÇÃO

Leia mais

ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA E A PROMOÇÃO DA SAÚDE NO TERRITÓRIO A SAÚDE ATUAÇÃO DO AGENTE COMUNITÁRIO

ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA E A PROMOÇÃO DA SAÚDE NO TERRITÓRIO A SAÚDE ATUAÇÃO DO AGENTE COMUNITÁRIO ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA E A PROMOÇÃO DA SAÚDE NO TERRITÓRIO A SAÚDE ATUAÇÃO DO AGENTE COMUNITÁRIO Marlúcio Alves UFU Bolsista programa CAPES/FCT Jul/dez 2011 A ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA - ESF

Leia mais

Pesquisa Nacional de Saúde

Pesquisa Nacional de Saúde Diretoria de Pesquisas Coordenação de Trabalho e Rendimento Pesquisa Nacional de Saúde 21/08/15 Histórico INVESTIGAÇÃO DO TEMA SAÚDE... 1998 2003 2008 2013 PNAD Características da PNS Pesquisa Domiciliar

Leia mais

Preparando a casa para receber o bebê

Preparando a casa para receber o bebê Preparando a casa Preparando a casa para receber o bebê Vamos ensinar aos pais os direitos das crianças? Está chegando a hora do bebê nascer. A família deve ajudar a gestante a preparar a casa para a chegada

Leia mais

NÍVEL FUNDAMENTAL COMPLETO. Cargo: AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE (ACS)

NÍVEL FUNDAMENTAL COMPLETO. Cargo: AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE (ACS) PROCESSO SELETIVO PÚBLICO - EDITAL N.º 001/2012 PREFEITURA MUNICIPAL DE BREVES PROVA OBJETIVA: 1 de abril de 2012 NÍVEL FUNDAMENTAL COMPLETO Cargo: AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE (ACS) Nome do Candidato:

Leia mais

ACONSELHAMENTO PARA DST/AIDS NO SUS

ACONSELHAMENTO PARA DST/AIDS NO SUS ACONSELHAMENTO PARA DST/AIDS NO SUS A prática do aconselhamento desempenha um papel importante no diagnóstico da infecção pelo HIV/ outras DST e na qualidade da atenção à saúde. Contribui para a promoção

Leia mais

PROTOCOLO DE ATENDIMENTO: mulheres em idade fértil, gestantes, puérperas e bebês com microcefalia

PROTOCOLO DE ATENDIMENTO: mulheres em idade fértil, gestantes, puérperas e bebês com microcefalia PROTOCOLO DE ATENDIMENTO: mulheres em idade fértil, gestantes, puérperas e bebês com microcefalia Boletim Epidemiológico de Microcefalia (até 5 de dezembro) 1.761 casos suspeitos 14 estados 422 municípios

Leia mais

CARACTERÍSTCAS DOS ATENDIMENTOS AOS PACIENTES COM GRIPE H1N1 EM UM SERVIÇO DE REFERÊNCIA

CARACTERÍSTCAS DOS ATENDIMENTOS AOS PACIENTES COM GRIPE H1N1 EM UM SERVIÇO DE REFERÊNCIA 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 CARACTERÍSTCAS DOS ATENDIMENTOS AOS PACIENTES COM GRIPE H1N1 EM UM SERVIÇO DE REFERÊNCIA Regina Lúcia Dalla Torre Silva 1 ; Marcia helena Freire Orlandi

Leia mais

PROTOCOLO GESTANTE COM SÍFILIS. Carmen Silvia Bruniera Domingues Vigilância Epidemiológica Programa Estadual DST/Aids - SP

PROTOCOLO GESTANTE COM SÍFILIS. Carmen Silvia Bruniera Domingues Vigilância Epidemiológica Programa Estadual DST/Aids - SP PROTOCOLO GESTANTE COM SÍFILIS Carmen Silvia Bruniera Domingues Vigilância Epidemiológica Programa Estadual DST/Aids - SP O que fazer antes do bebê chegar? Os caminhos do pré-natal... (fase I estamos grávidos

Leia mais

Precauções Padrão. Precaução Padrão

Precauções Padrão. Precaução Padrão Precauções Padrão Precaução Padrão Por todos os profissionais para todos os pacientes, na presença de risco de contato com sangue; fluidos corpóreos, secreções e excreções (exceção: suor); pele com solução

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Cargo: ENFERMEIRO/ÁREA 1. DESCRIÇÃO SUMÁRIA DO CARGO: Prestar assistência ao paciente e/ou usuário em clínicas, hospitais, ambulatórios, navios, postos de saúde e em domicílio, realizar consultas e procedimentos

Leia mais

Investigação de Surto de Rubéola e fatores associados a não-vacinação, Luziania/GO, 2007

Investigação de Surto de Rubéola e fatores associados a não-vacinação, Luziania/GO, 2007 Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância Epidemiológica Coordenação Geral de Doenças Transmissíveis Coordenação de Doenças de Transmissão Respiratória e Imunopreveníveis Investigação

Leia mais

ABNER SANTOS MAGALHÃES 5821273 ADRIANA OLIVEIRA DOS SANTOS 456432280 CAMILA GIL DAMACENA 468135820 MICHELLY LEITE CAMPOS PINTO 496312534

ABNER SANTOS MAGALHÃES 5821273 ADRIANA OLIVEIRA DOS SANTOS 456432280 CAMILA GIL DAMACENA 468135820 MICHELLY LEITE CAMPOS PINTO 496312534 IRMANDADE DA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE SÃO PAULO Entidade Mantenedora ESCOLA DE ENFERMAGEM DA SANTA CASA Autorização de Funcionamento: Portaria 312 Publicada no D.O.E. 09.01.1993 Diretoria de Ensino

Leia mais

A S S I S T Ê N C I A P R É - N A T A L. O diagnóstico da gravidez pode ser feito pelo médico ou pelo enfermeiro da unidade básica, de acordo com:

A S S I S T Ê N C I A P R É - N A T A L. O diagnóstico da gravidez pode ser feito pelo médico ou pelo enfermeiro da unidade básica, de acordo com: A S S I S T Ê N C I A P R É - N A T A L 3.1. Diagnóstico da Gravidez O diagnóstico da gravidez pode ser feito pelo médico ou pelo enfermeiro da unidade básica, de acordo com: Após confirmação da gravidez

Leia mais

11.Saúde. (1)Ao engravidar. (2)Após o Nascimento da Criança

11.Saúde. (1)Ao engravidar. (2)Após o Nascimento da Criança 11.Saúde (1)Ao engravidar Engravidar - dar à luz significa adquirir uma grande responsabilidade sobre o bebê. É importante para o bem do casal e do bebê, que na medida do possível, a gestação e o parto

Leia mais

Construção de Redes Intersetoriais para a atenção dos usuários em saúde mental, álcool, crack e outras drogas

Construção de Redes Intersetoriais para a atenção dos usuários em saúde mental, álcool, crack e outras drogas Construção de Redes Intersetoriais para a atenção dos usuários em saúde mental, álcool, crack e outras drogas EDUCAÇÃO PERMANENTE SAÚDE MENTAL - CGR CAMPINAS MÓDULO GESTÃO E PLANEJAMENTO 2012 Nelson Figueira

Leia mais

Desenvolver animação Módulo Optativo Assistência Médica por Ciclos de Vida

Desenvolver animação Módulo Optativo Assistência Médica por Ciclos de Vida Observações Desenvolver animação Módulo Optativo Assistência Médica por Ciclos de Vida APRESENTAÇÃO O módulo de Assistência Médica por Ciclos de Vida aborda o trabalho específico do Médico de Família,

Leia mais

VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE

VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE Um modelo de assistência descentralizado que busca a integralidade, com a participação da sociedade, e que pretende dar conta da prevenção, promoção e atenção à saúde da população

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO RETIFICAÇÃO AO EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO N 01/2014

CONCURSO PÚBLICO RETIFICAÇÃO AO EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO N 01/2014 CONCURSO PÚBLICO RETIFICAÇÃO AO EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO N 01/2014 Dispõe sobre a retificação do edital de abertura de inscrições para o provimento de cargo público do Quadro Permanente de Pessoal do

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL DE MAJOR VIEIRA CNPJ/MF 83.102.392/0001-27

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL DE MAJOR VIEIRA CNPJ/MF 83.102.392/0001-27 EDITAL Nº 002/2015 PROCESSO SELETIVO DE PROVAS PARA SUPRIR VAGA TEMPORÁRIA ORILDO ANTONIO SEVERGNINI Prefeito Municipal de Major Vieira, Estado de Santa Catarina, usando de suas atribuições legais, faz

Leia mais

Leia estas instruções:

Leia estas instruções: Leia estas instruções: 1 2 3 Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado. Este Caderno contém 35 questões de múltipla escolha, dispostas

Leia mais

ENFERMEIRO DO PSF - 40H

ENFERMEIRO DO PSF - 40H QUESTÃO 01 A Constituição Federal de 1988 na seção II dispõe sobre a Saúde, que descreve em artigo sobre a saúde ser direito de todos. Para tanto, no art. 198 as ações e serviços públicos de saúde integram

Leia mais

ASSISTÊNCIA PRÉ-NATAL

ASSISTÊNCIA PRÉ-NATAL ASSISTÊNCIA PRÉ-NATAL Agenda aberta à qualquer hora, para atendimento pré-natal por médico ou enfermeiro treinado, ou para atividades em grupo, ampliando-se as possibilidades de recepção e ingresso da

Leia mais

EXAME NACIONAL DE REVALIDAÇÃO D E D I P L O M A S M É D I C O S EXPEDIDOS POR INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR ESTRANGEIRAS.

EXAME NACIONAL DE REVALIDAÇÃO D E D I P L O M A S M É D I C O S EXPEDIDOS POR INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR ESTRANGEIRAS. D E D I P L O M A S M É D I C O S EXPEDIDOS POR INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR ESTRANGEIRAS Prova Discursiva LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO. 1. Verifique se, além deste caderno, você recebeu

Leia mais

Medidas de Precaução

Medidas de Precaução Medidas de Precaução INFLUENZA A (H1N1) Gerência-Geral de Tecnologia em Serviços de Saúde GGTES/Anvisa Medidas de Precaução Precaução Padrão Precauções Baseadas na Transmissão: contato gotículas aerossóis

Leia mais

Tratamento da Dependência Química: Um Olhar Institucional.

Tratamento da Dependência Química: Um Olhar Institucional. A dependência química é uma síndrome de números superlativos e desconfortáveis; A OMS (Organização Mundial de Saúde) aponta que mais de 10% de qualquer segmento populacional apresenta predisposição à dependência

Leia mais

PROTOCOLO DE IDENTIFICAÇÃO E MONITORAMENTO DE CONTACTANTES DE CASOS DE DOENÇA PELO VÍRUS EBOLA (DVE)

PROTOCOLO DE IDENTIFICAÇÃO E MONITORAMENTO DE CONTACTANTES DE CASOS DE DOENÇA PELO VÍRUS EBOLA (DVE) PROTOCOLO DE IDENTIFICAÇÃO E MONITORAMENTO DE CONTACTANTES DE CASOS DE DOENÇA PELO VÍRUS EBOLA (DVE) Versão 1 atualização em 09 de outubro de 2014 1. INTRODUÇÃO A detecção de casos em tempo hábil e a resposta

Leia mais

Capacitação em Serviço: Dengue em 15 minutos

Capacitação em Serviço: Dengue em 15 minutos Capacitação em Serviço: Dengue em 15 minutos Situação Epidemiológica O Brasil é responsável por 75% dos casos de dengue na América Latina A partir de 2002, houve grande aumento de casos de dengue e das

Leia mais

Professora do curso de extensão em vacinas da UFRJ. Professor Adjunto de Infectologia Pediátrica da UFRJ,

Professora do curso de extensão em vacinas da UFRJ. Professor Adjunto de Infectologia Pediátrica da UFRJ, VACINAÇÃO DE GESTANTES Isabella Ballalai (MD) Diretora Médica da VACCINI - Clínica de Vacinação Professora do curso de extensão em vacinas da UFRJ Edimilson Migowski (MD, PhD, MSc) Professor Adjunto de

Leia mais

Tuberculose, o que é?

Tuberculose, o que é? Tuberculose, o que é? P Á T R I A E D U C A D O R A O que é tuberculose? A tuberculose é uma doença infecciosa causada por um micróbio visível apenas ao microscópio chamado bacilo de Koch. Uma doença causada

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE O ACOMPANHAMENTO DO CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO INFANTIL (PUERICULTURA)

ORIENTAÇÕES SOBRE O ACOMPANHAMENTO DO CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO INFANTIL (PUERICULTURA) ORIENTAÇÕES SOBRE O ACOMPANHAMENTO DO CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO INFANTIL (PUERICULTURA) I- Introdução O acompanhamento do crescimento e desenvolvimento, do nascimento até os 5 anos de idade, é de fundamental

Leia mais

CARTILHA ELETRÔNICA INFLUENZA A (H1N1) INFORMAÇÃO E PREVENÇÃO PARA AS ESCOLAS

CARTILHA ELETRÔNICA INFLUENZA A (H1N1) INFORMAÇÃO E PREVENÇÃO PARA AS ESCOLAS CARTILHA ELETRÔNICA INFLUENZA A (H1N1) INFORMAÇÃO E PREVENÇÃO PARA AS ESCOLAS ORIENTAÇÃO AOS PEDAGOGOS Todas as informações constantes nesta cartilha devem ser levadas ao conhecimento de todos os alunos,

Leia mais

Boletim Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 29 de 2014

Boletim Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 29 de 2014 Boletim Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 29 de 2014 A vigilância da influenza no Brasil é composta pela vigilância

Leia mais

Leia estas instruções:

Leia estas instruções: Leia estas instruções: 1 2 Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. Caso se identifique em qualquer outro local deste

Leia mais

Estratégias para eliminação da Transmissão Vertical do HIV e da Sífilis

Estratégias para eliminação da Transmissão Vertical do HIV e da Sífilis Estratégias para eliminação da Transmissão Vertical do HIV e da Sífilis 1)Contextualização da Transmissão Vertical de HIV e de Sífilis A transmissão vertical do HIV (TVHIV) acontece pela passagem do vírus

Leia mais

EDITAL 020/13 TÉCNICO EM ENFERMAGEM COMPLEMENTAÇÃO TARDE PARA CANDIDATOS FORMADOS EM AUXILIAR EM ENFERMAGEM

EDITAL 020/13 TÉCNICO EM ENFERMAGEM COMPLEMENTAÇÃO TARDE PARA CANDIDATOS FORMADOS EM AUXILIAR EM ENFERMAGEM IRMANDADE DA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE SÃO PAULO Entidade Mantenedora ESCOLA DE ENFERMAGEM DA SANTA CASA Autorização de Funcionamento: Portaria 312 Publicada no D.O.E. 09.01.1993 Diretoria de Ensino

Leia mais

Enfermagem PADRÃO DE RESPOSTA

Enfermagem PADRÃO DE RESPOSTA Enfermagem PADRÃO DE RESPOSTA Em termos de atendimento à proposta, espera-se que o estudante estabeleça relação entre a qualidade do serviço de esgotamento sanitário e de tratamento da água para o agravamento

Leia mais

10 projetos de pesquisa aprovados no edital BICT/FUNCAP 12/2014

10 projetos de pesquisa aprovados no edital BICT/FUNCAP 12/2014 Projetos de pesquisa no Saúde Instituto de Ciências da 10 projetos de pesquisa aprovados no edital BICT/FUNCAP 12/2014 Título: Avaliação da autoeficácia materna para prevenir diarreia infantil em Redenção-CE

Leia mais

A POLÍTICA DE PROTEÇÃO DA MATERNIDADE JULIO MAYER DE CASTRO FILHO

A POLÍTICA DE PROTEÇÃO DA MATERNIDADE JULIO MAYER DE CASTRO FILHO A POLÍTICA DE PROTEÇÃO DA MATERNIDADE JULIO MAYER DE CASTRO FILHO Ministério da Saúde Diretrizes gerais Pacto pela Saúde Estados ComissãoBi partite Municípios Plano Municipal de Saúde Objetivos Ações estratégicas

Leia mais

Cartilha de Prevenção. ANS - nº31763-2. Diabetes. Fevereiro/2015

Cartilha de Prevenção. ANS - nº31763-2. Diabetes. Fevereiro/2015 Cartilha de Prevenção 1 ANS - nº31763-2 Diabetes Fevereiro/2015 Apresentação Uma das missões da Amafresp é prezar pela qualidade de vida de seus filiados e pela prevenção através da informação, pois esta

Leia mais

Câmara Municipal de Itápolis 1

Câmara Municipal de Itápolis 1 Câmara Municipal de Itápolis 1 Apresentação Prezado Cidadão, Esta é a Cartilha da Boa Saúde de Itápolis, uma publicação da Câmara Municipal de Vereadores que tem por objetivo trazer à população informações

Leia mais

OBJETIVO REDUZIR A MORTALIDADE

OBJETIVO REDUZIR A MORTALIDADE pg44-45.qxd 9/9/04 15:40 Page 44 44 OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO BRASIL OBJETIVO REDUZIR A MORTALIDADE NA INFÂNCIA pg44-45.qxd 9/9/04 15:40 Page 45 45 4 " META 5 REDUZIR EM DOIS TERÇOS, ENTRE

Leia mais

As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função

As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função respiratória é prioritária em qualquer situação de intercorrência clínica. O paciente

Leia mais

ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL

ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL Das Atribuições dos Profissionais dos Recursos Humanos Atribuições comuns a todos os profissionais que integram a equipe: Conhecer a realidade das famílias pelas

Leia mais

A. FORMULÁRIO DE CADASTRAMENTO DE PROGRAMAS PARA PROMOÇÃO DA SAÚDE E PREVENÇÃO DE RISCOS E DOENÇAS (FC)

A. FORMULÁRIO DE CADASTRAMENTO DE PROGRAMAS PARA PROMOÇÃO DA SAÚDE E PREVENÇÃO DE RISCOS E DOENÇAS (FC) GLOSSÁRIO Quando a operadora desejar a aprovação do programa, deverá efetuar o cadastramento do programa para Promoção da Saúde e Prevenção de Riscos e Doenças. A. FORMULÁRIO DE CADASTRAMENTO DE PROGRAMAS

Leia mais

Lílian Maria Lapa Montenegro Departamento de Imunologia Laboratório rio de Imunoepidemiologia

Lílian Maria Lapa Montenegro Departamento de Imunologia Laboratório rio de Imunoepidemiologia XVIII Congresso Mundial de Epidemiologia e VII Congresso Brasileiro de Epidemiologia Avaliação do desempenho da técnica de nested- PCR em amostras de sangue coletadas de pacientes pediátricos com suspeita

Leia mais

Nota Técnica Varicela 2012

Nota Técnica Varicela 2012 Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil Subsecretaria de Promoção, Atenção Primária e Vigilância em Saúde Superintendência de Vigilância em Saúde Coordenação

Leia mais

PROCESSO SELETIVO PÚBLICO 01/2007 RIS/GHC RESIDÊNCIA INTEGRADA EM SAÚDE 2008 GERÊNCIA DE ENSINO E PESQUISA

PROCESSO SELETIVO PÚBLICO 01/2007 RIS/GHC RESIDÊNCIA INTEGRADA EM SAÚDE 2008 GERÊNCIA DE ENSINO E PESQUISA De acordo com o Edital 01/2007, que rege o Processo Seletivo, os recursos com argumentações inconsistentes, extemporâneos, que estiverem fora das especificações estabelecidas para a interposição, que contiverem

Leia mais

Ocorrências de casos humanos de influenza suína no México e EUA Informe do dia 26.04.09, às 13h

Ocorrências de casos humanos de influenza suína no México e EUA Informe do dia 26.04.09, às 13h Ministério da Saúde Gabinete Permanente de Emergências em Saúde Pública ALERTA DE EMERGÊNCIA DE SAÚDE PÚBLICA DE IMPORTÂNCIA INTERNACIONAL Ocorrências de casos humanos de influenza suína no México e EUA

Leia mais

REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO NÃO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ENFERMAGEM. (Resolução Nº 001/2013 da Pró-Reitoria de Graduação)

REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO NÃO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ENFERMAGEM. (Resolução Nº 001/2013 da Pró-Reitoria de Graduação) Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG. CEP 37130-000 REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO NÃO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ENFERMAGEM (Resolução Nº 001/2013 da Pró-Reitoria

Leia mais

CARTÃO DA GESTANTE. Agendamento. Nome. Endereço. Bairro Município UF. Telefone. Nome da Operadora. Registro ANS. Data Hora Nome do profissional Sala

CARTÃO DA GESTANTE. Agendamento. Nome. Endereço. Bairro Município UF. Telefone. Nome da Operadora. Registro ANS. Data Hora Nome do profissional Sala CARTÃO DA GESTANTE Nome Endereço Bairro Município UF Telefone Nome da Operadora Registro ANS Agendamento Hora Nome do profissional Sala 1 Carta de Informação à Gestante O parto é um momento muito especial,

Leia mais