UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO. ESPECIALIZAÇÃO latu sensu PRODUÇÃO E REPRODUÇÃO EM BOVINOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO. ESPECIALIZAÇÃO latu sensu PRODUÇÃO E REPRODUÇÃO EM BOVINOS"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO ESPECIALIZAÇÃO latu sensu PRODUÇÃO E REPRODUÇÃO EM BOVINOS MANEJO REPRODUTIVO DE FÊMEAS DE CORTE: INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL THIAGO ALVES DE PAIVA SÃO PAULO,out. de 2007

2 THIAGO ALVES DE PAIVA Aluno do Curso de Especialização latu sensu Produção e Reprodução em Bovinos MANEJO REPRODUTIVO DE FÊMEAS DE CORTE: INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL Trabalho monográfico de conclusão do curso de Especialização latu sensu Produção e Reprodução em Bovinos (TCC), apresentado à UCB como requisito parcial para a obtenção do título de Especialista em Produção e Reprodução em Bovinos, sob a orientação da Dra. Andrezza Maria Fernandes. SÃO PAULO, out. de 2007

3 MANEJO REPRODUTIVO DE FÊMEAS DE CORTE: INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL Elaborado por Thiago Alves de Paiva Aluno do Curso de Especialização latu sensu Produção e Reprodução em Bovinos Foi analisado e aprovado com grau:... São Paulo, de de. Membro Membro Orientador Presidente São Paulo,out. 2007

4 Sumário 1. INTRODUÇÃO REVISÃO DA LITERATURA 2.1. Fisiologia da reprodução de vacas Fisiologia pré-natal e neonatal da vaca Puberdade Ciclo Estral Regulação endócrina do ciclo estral Inseminação Artificial (IA) Definição e Importância Vantagens da IA Limitações da IA Instalações para a prática da IA Detecção do cio Sincronização do cio/ciclo estral Progestágenos Estrógenos Análogos da Prostaglandina (PGF2 α) A técnica da IA Inseminação Artificial em Tempo Fixo CONCLUSÃO REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS...29

5 Resumo Na cadeia produtiva da carne, para a obtenção de animais mais precoces e com melhor qualidade de carcaça, são essenciais o melhoramento genético e o manejo e alimentação adequados dos rebanhos; e o Brasil, apesar de ter o maior rebanho comercial de gado bovino do mundo e uma vasta extensão de pastagens, ainda não apresenta índices zootécnicos satisfatórios. A técnica da inseminação artificial é uma ferramenta que pode auxiliar na melhoria destes índices a partir do melhoramento genético do rebanho em curto prazo, pois permite a utilização de sêmen de reprodutores comprovadamente superiores, podendo esses touros estarem em outros estados ou países, ou mesmo mortos, além de prevenir acidentes com as vacas e proporcionar maior padronização do rebanho através do aumento do número de descendentes de um reprodutor. Mas embora vantajosa, a técnica de inseminação artificial pode não apresentar os resultados esperados se não forem tomados cuidados como: instalações e materiais adequados, mão-de-obra especializada e preciso controle zootécnico dos animais. Assim, torna-se necessário o estudo da inseminação artificial para que sua implantação em uma propriedade seja realizada da forma mais coerente e adequada possível, propiciando produtividade e lucratividade. Palavras-chave: bovinocultura, reprodução, inseminação artificial.

6 1 Introdução A demanda crescente por proteína animal tem exigido que os sistemas de produção sejam cada vez mais eficientes. Dentre os diversos fatores que influenciam a eficiência econômica dos sistemas, pode-se destacar a reprodução como sendo o mais básico de todos, pois sem ela não há a geração de produtos. Assim, quanto mais eficiente for o desempenho reprodutivo, maior será a possibilidade de retorno econômico positivo. A exportação de carne bovina, segundo FNP Consultoria (2001), já alcança 10% dos animais abatidos no Brasil e conseqüentemente exige dos criadores a produção de animais geneticamente melhorados para que se produzam animais precoces com carcaças de melhor qualidade em relação a sua marmorização, uma vez que o mercado importador é muito exigente. O Brasil possui um mercado interno muito grande, onde 85 milhões de brasileiros (metade da população) têm o hábito de consumir carne bovina, sendo a média anual de 36,8Kg per capita (FNP Consultoria, 2001). Neste contexto, um aumento de 10% no consumo exigirá um abate de mais de três milhões de cabeças/ano; por outro lado, o mercado externo apresenta hoje uma oportunidade histórica não só pelas epidemias de Encefalopatia Espongiforme Bovina (Doença da Vaca Louca) na Europa, mas também pelo esgotamento de recursos naturais dos concorrentes internacionais que chegaram a ponto de exploração, cujo aumento de produtividade exigirá três vezes mais investimentos que o Brasil. Este mercado, no entanto, é altamente exigente quanto à qualidade e procedência dos produtos, e enfrenta uma difícil concorrência motivada principalmente por princípios políticos. 1

7 Na cadeia produtiva, para obter animais mais precoces e com melhor qualidade de carcaça, é essencial o melhoramento genético e o manejo e alimentação adequados dos rebanhos, e o Brasil, apesar de ter o maior rebanho comercial de gado bovino do mundo e uma vasta extensão de pastagens, ainda não apresenta índices zootécnicos satisfatórios. Atualmente os produtores brasileiros já têm disponível no mercado sêmen de touros com DEP (Diferencial Esperado de Progênie), ou seja, touros que através de vários testes, comprovadamente conseguem transmitir características favoráveis como peso ao nascer, peso a desmama, precocidade sexual e de idade de abate de seus descendentes. O grande impasse é que o número de touros melhoradores geneticamente ainda é pequeno em relação ao tamanho do rebanho, e ainda, alguns pecuaristas não utilizam esses reprodutores, por serem muitas vezes mais caros que os outros touros comuns. Uma boa alternativa para eliminar o caminho da compra destes touros, seria o emprego da inseminação artificial (IA). Com este avanço, a viabilidade da aquisição do sêmen de touros com DEP positivo superou o custo da aquisição de reprodutores, tornando assim o melhoramento genético mais comum nas propriedades. O principal objetivo do presente trabalho é debater a importância do emprego da inseminação artificial nas propriedades. 2

8 2 Revisão de Literatura 2.1 Fisiologia de reprodução de vacas Fisiologia pré-natal e neonatal da vaca O ciclo reprodutivo refere-se a vários fenômenos: puberdade e maturidade reprodutiva, estação de monta, ciclo estral, atividade sexual pós-parto e senilidade. Estes componentes são regulados por fatores ambientais, genéticos, fisiológicos, hormonais, comportamentais e psicológicos. As taxas de fertilidade iniciadas na época da puberdade são mantidas por alguns anos antes de começarem a declinar gradualmente devido à idade. Os animais domésticos destinados à produção, todavia, de um modo geral, são abatidos quando a taxa de reprodução diminui (Hafez, 1995). As secreções das gonadotrofinas, FSH (hormônio folículo estimulante) e LH (hormônio luteinizante), assim como a dos seus hormônios liberadores hipotalâmicos (GnRH), sempre começam na vida fetal. Na vaca, o início é precoce, logo após a diferenciação sexual (um ou dois meses de gestação). Esta secreção regride temporariamente: ela é ligeiramente reduzida em dois meses antes do nascimento. O desencadeamento da secreção gonadotrófica deve estar relacionado à maturação do sistema nervoso central. As concentrações plasmáticas de gonadotrofina permanecem baixas até que se manifeste a puberdade (Hafez, 1995). 3

9 2.1.2 Puberdade No início da puberdade, a concentração de gonadotrofinas circulantes aumenta, em consequência da elevação da amplitude e da freqüência dos pulsos periódicos desses hormônios. Este fato resulta dos esteróides sexuais e possivelmente de um aumento da resposta do GnRH, secretado pelo hipotálamo para regular as gonadotrofinas (Hafez, 1995). Em condições de criação normal, dependendo da raça (Bos Taurus taurus ou Bos Taurus indicus), a puberdade ocorre em média entre 12 e 24 meses de idade. A idade da puberdade é influenciada por fatores ambientais, idade, genética, nutrição (afetando o peso) e níveis de crescimento antes e após o desmame. O início da puberdade está mais intimamente relacionado ao peso corporal do que a idade. Bovinos leiteiros atingem a puberdade quando o seu peso representa 30 a 40% do peso adulto, enquanto que em bovinos de corte, esta porcentagem é maior, sendo de 45 a 50% (Roy et al., 1975). Com fins de utilização de novilhas para a reprodução, devemos observar não só o aparecimento do cio, mas também, a maturidade sexual, ou seja, associando desenvolvimento corporal a possíveis dificuldades de parto e condições de nutrição para esta novilha gestante, de modo que se mantenha crescendo, ganhando peso e chegando ao parto em boa condição corporal Ciclo Estral Nos animais, as cobrições são limitadas ao período de cio coincidindo com o período que antecede o momento da ovulação. Algumas modificações morfológicas, endócrinas e secretoras, como a presença ou ausência de corpo lúteo e folículo 4

10 dominante e de suas secreções hormonais de progesterona e estrógeno ocorrem nos ovários durante o ciclo estral, assim como no útero, onde a presença ou ausência de muco e edemaciamento de vulva também são indicativos de alterações fisiológicas que ocorrem durante o ciclo estral. O conhecimento dessas modificações é muito útil para a detecção e sincronização de cio, na superovulação e na inseminação artificial (Hafez, 1995). A duração do ciclo estral em vacas é de 16 a 24 dias (média de 21 dias), onde este ciclo é dividido em quatro fases: proestro, estro, metaestro e diestro. A duração do cio varia de uma fêmea para outra, e este fato também é verdadeiro em relação ao momento da ovulação que pode ser de 16 à 30h após o início do cio (Hafez, 1995). O ciclo estral é regulado por mecanismos endócrinos e neuroendócrinos, principalmente os hormônios hipotalâmicos, as gonadotrofinas e os esteróides secretados pelos ovários. A regulação de secreção das gonadotrofinas durante o ciclo estral requer um delicado balanceamento entre complexas interações hormonais. O crescimento dos folículos ovarianos em bovinos ocorre em um padrão denominado ondas de crescimento folicular durante o ciclo estral (Ginther et al., 1989; Adams et al., 1992; Bo et al., 1994). Durante o ciclo estral uma onda de folículos emerge entre os dias 1 e 3 após o estro. São geralmente em torno de 10 a 50 folículos neste grupo com o tamanho em torno de 2 a 3mm. Nos dias subseqüentes, parte desses folículos cresce para 4 a 6mm, sendo que 2 a 5 folículos maiores do grupo continuarão a crescer, enquanto que os outros regridem. Neste grupo de folículos, pelo menos um continua a crescer e torna-se o folículo dominante até o momento da ovulação, ou então ocorre a sua regressão e inicia-se uma nova onda de crescimento folicular. O desenvolvimento do folículo dominante é dividido em 3 fases: fase de crescimento, estática e de regressão (Silcox et al., 1993). A primeira onda de 5

11 crescimento folicular vai desde a emergência até próximo do oitavo dia após o cio; a fase estática ocorre entre o oitavo e o décimo dia; e aquela de regressão apresenta-se após o décimo dia. Nesse mesmo dia do ciclo estral começa a segunda onda de crescimento folicular e o processo se repete. O folículo dominante dessa segunda onda de crescimento folicular regride (se houver três ondas), ou se torna folículo ovulatório (se houverem apenas duas ondas). O que determina se irão ocorrer duas ou três ondas de crescimento folicular parece ser a taxa de crescimento e a duração da fase luteínica em ciclos estrais normais e se a regressão do corpo lúteo ocorrer enquanto o folículo dominante da segunda onda for funcional (fase de crescimento ou estática), ele será ovulatório (ciclo estral com duas ondas), porém se o folículo já tiver iniciado a fase de regressão no momento da luteólise, haverá o crescimento de outro folículo dominante da terceira onda de crescimento folicular (Kastelic et al., 1990). Durante a fase luteínica do ciclo estral e em vacas gestantes, a progesterona secretada pelo corpo lúteo produz feed back negativo para a liberação do LH, e por esta razão não ocorre ovulação (Fortune, 1994) Regulação endócrina do ciclo estral O mecanismo que regula a dinâmica folicular está baseado em respostas diferenciais de LH e FSH (Ginther et al., 1996). Os aumentos periódicos na concentração de FSH circulantes são responsáveis pelas emergências das ondas foliculares, portanto, vacas com duas ondas, têm dois aumentos, e as vacas com três ondas, três aumentos de FSH (Bo et al., 1995). 6

12 O aumento de FSH permite o crescimento folicular suficiente para que alguns dos folículos adquiram a capacidade de responder ao LH. Ao mesmo tempo em que os perfis de crescimento do folículo dominante e dos subordinados começam a diferenciar-se, o FSH rapidamente (por volta do segundo dia de emergência da onda) declina (Ginther et al., 1996). A linha preta com quadrados no gráfico em anexo (anexo 1) mostra os picos de FSH que ocorrem no ciclo estral de duas ondas de crescimento folicular. O folículo destinado a ser dominante aparentemente tem mais receptores de LH, que é uma vantagem competitiva sobre os folículos destinados a serem subordinados, que o permite continuar crescendo sem FSH (Ginther, 1996). Após a ovulação, no local da eclosão do folículo dominante, há o início da fase luteínica. Nessa fase, o corpo lúteo formado é o responsável pela liberação de pulsos de progesterona, que é o hormônio que mantém a prenhez. Do contrário, não havendo concepção, o corpo lúteo fica funcional no ovário até o 14º ao 16º dia do ciclo estral, quando involuirá caso tenha uma onda folicular com folículo dominante apto à ovulação. Nesta fase há um aumento na concentração de estrógeno na circulação e no folículo dominante, que é o hormônio responsável pela caracterização do cio, inclusive pela aceitação de macho. Normalmente, somente um folículo ovula no ciclo estral em bovinos. Dois folículos ovulam em aproximadamente 10% dos casos, enquanto que três, são raros. Os folículos ovulam em cerca de 60% no ovário direito e 40% no ovário esquerdo. A primeira ovulação após o parto ocorre mais freqüentemente no ovário oposto ao corno uterino previamante gestante (Hafez, 1995). 7

13 2.2 Inseminação Artificial (IA) Definição e Importância Entende-se por inseminação artificial a transferência de sêmen de um macho fértil para uma fêmea fértil, por via instrumental, no momento oportuno (estro) e no lugar certo (cérvix), para que a fecundação ocorra naturalmente. Atualmente, além do uso de reprodutores em monta natural (MN), a inseminação artificial (IA) tem sido utilizada cada vez mais em todos os países do mundo. Nos países desenvolvidos, como por exemplo, EUA, Canadá, França, Alemanha, Holanda etc., em que a IA é utilizada na grande maioria dos rebanhos, a melhoria observada no desempenho produtivo é atribuída ao uso da IA, pois tem sido por meio dela, que se promoveu o melhoramento genético. Trabalhos realizados nos Estados Unidos reportam que com o advento da IA foi possível a implantação dos testes de progênie e conseqüentemente, o uso dos touros provados passou a ser uma rotina nos rebanhos. O grande aumento das médias de produção nos rebanhos de gado holandês nos EUA, por exemplo, é em parte devido à melhoria genética obtida na IA. É esse mesmo fator que tem sido o precursor do melhoramento dos rebanhos em todos os países de pecuária desenvolvida. Infelizmente, no Brasil o uso desta técnica tem sido muito limitado. Assim, é importante que se avalie economicamente o uso IA versus a utilização de touros em monta natural. A prática da Inseminação deve ser realizada com qualquer tempo, independente de sol, chuva, calor ou frio, sábado e domingo, feriado ou não, pois nem a vaca e nem o inseminador escolhem a data e o momento da manifestação de cio. 8

14 2.2.2 Vantagens da IA Melhoramento animal: melhoramento do rebanho em menor tempo e a um baixo custo através da utilização de sêmen de reprodutores comprovadamente superiores para a produção de leite ou de carne. Os maiores ganhos advindos do uso da inseminação artificial com touros geneticamente superiores, no entanto, não são obtidos de maneira direta. Para utilizarse de tal tecnologia, um pecuarista tem que se estruturar em termos de alimentação e nutrição, pastagens e saúde animal, organização e escrituração zootécnica, além de informar-se e formar adequadamente sua equipe de trabalho. Isto eleva de maneira muito significativa o nível do rebanho, que passa a poder expressar de maneira mais adequada seu potencial genético. A diminuição das perdas por doenças clínicas e subclínicas, subalimentação e uso inadequado de tecnologia são muito difíceis de serem medidas, mas podem ser feitas algumas simulações, como as apresentadas na Tabela 1. Atingir as metas propostas na Tabela 1 não colocaria nossa pecuária no nível das mais desenvolvidas, mas elevaria o patamar tecnológico e teria profundos resultados econômicos e de produtividade, com alteração expressiva das condições gerais do agribusiness da pecuária. 9

15 Tabela1: Aumento na produção de carne obtido com melhorias nas condições de ambiente, que ocorrem de maneira concomitante com o aumento no uso da inseminação artificial e de touros melhoradores. Característica Meta Nível 1º mundo Aumento na produção de carne (mil t) Valor (milhões US$) Mortalidade (nível atual 25%) 10% 3% 1121,0 1685,5 Fertilidade (atual 50%) 70% 75% 2989,3 4483,9 Taxa de desfrute (atual 16%) 25% 45-50% 2887,4 4331,1 Peso médio de abate (atual 201kg) Heterose sobre peso de abate (uso de cruzamentos) 230kg 808,7 1213,0 15% Variável 112,1 168,1 BEEFPOINT,2004 Os números demonstrados na Tabela 1 são extremamente altos, mas expressam a realidade. Esses números devem ser ainda maiores, ao avaliarem-se os ganhos secundários, obtidos com melhoria da qualidade de mão-de-obra e outros ganhos advindos com mudança do patamar tecnológico. Atingir 50% das metas descritas naquele Quadro significaria um incremento de cerca de US$ 6 bilhões na produção de carne, enquanto o sucesso em 100% das metas significaria um aumento de produção de cerca de US$ 12 bilhões. É importante lembrar que a simples elevação de 1 kg no consumo per capita de carne eleva o consumo total em 160 mil t/ano, quantidade que seria adicionada à produção nacional pelo ganho genético observado com um aumento da utilização de 200% da inseminação artificial em relação à usada hoje. Isto mostra que o mercado interno pode, com facilidade, absorver a produção acrescida. 10

16 Controle de doenças: pela monta natural, freqüentemente o touro pode transmitir doenças venéreas às vacas e vice-versa, o que pelo processo da inseminação artificial não ocorre quando o sêmen é adquirido de empresas idôneas. Em alguns países da Europa, como a Itália, o melhoramento dos índices reprodutivos a partir da inseminação artificial, comparativamente com os da monta natural, em certas áreas de criação, foi tão grande, que se traduziu num convite imediato aos criadores para adoção do método (Mies Filho, 1975). Pode-se dizer, que assim também se verifica no Brasil, cumprindo a inseminação artificial um importantíssimo papel na recuperação sanitária e zootécnica dos rebanhos (Mies Filho, 1975). Cruzamento entre raças: a inseminação artificial permite ao criador cruzar suas fêmeas zebuínas com touros taurinos e vice-versa, o que muitas vezes é dificultado na monta natural pela baixa resistência dos touros europeus a um ambiente desfavorável. Prevenção de acidentes com a vaca: acidentes podem ocorrer durante a cobertura de uma vaca por um touro muito pesado. Prevenção de acidentes com funcionários: a inseminação artificial evita acidentes com os funcionários, que são comuns quando se trabalha com animais de temperamento agressivo. Uso de touros incapacitados para monta: touros com problemas adquiridos e impossibilitados de efetuarem a monta, em razão de idade avançada, afecções nos cascos, fraturas, aderência de pênis, artroses, e outros impedimentos, poderão ser utilizados na inseminação artificial. Aumento do número de descendentes de um reprodutor: sabe-se que um touro cobre anualmente, a campo, cerca de 30 vacas. Em regime de monta controlada 11

17 pode servir a um máximo de 100 fêmeas, anualmente. Isso significa que, considerando quatro anos de vida reprodutiva de um touro, teremos um total de 120 a 400 filhos por animal, durante sua vida útil. Com a inseminação esse número é extraordinariamente aumentado, podendo um reprodutor ter mais de descendentes. Assim, fica fácil entender como a inseminação favorece o melhoramento do rebanho, pois esses touros superiores estão sendo usados em vários rebanhos no país ou no exterior, com grande número de filhos nascidos. Controle zootécnico do rebanho: através da inseminação artificial e utilização de fichas de controle é possível à obtenção de dados precisos de fecundação e partos, facilitando a seleção dos melhores animais do rebanho. Padronização do rebanho: utilizando-se poucos reprodutores em um grande número de vacas obtém-se homogeneidade dos lotes. Uso de touros após a morte: com a possibilidade de congelamento e estocagem do sêmen é possível utilizar-se o sêmen de reprodutores após sua morte. Redução da dificuldade em partos: através da utilização de touros que facilitem o parto reduzem-se os problemas principalmente me novilhas. Redução de custos com touros na fazenda: manter touros nas fazendas para a técnica da monta natural tem um custo elevado comparando-se com a técnica da inseminação artificial. A manutenção de cada touro no rebanho custa aproximadamente o equivalente a cinco doses de sêmen por vaca reproduzindo (Ferraz, 1996). 12

18 2.2.3 Limitações da IA Necessidade de infra-estrutura: A inseminação artificial não pode ser aplicada sem que haja um suporte de infra-estrutura adequada (tronco, botijão de sêmen, aplicadores, etc). Necessidade de mão-de-obra especializada: O inseminador deve se preparar para aplicar a técnica de inseminação artificial com cursos prévios, de modo a não prejudicar a os resultados esperados. Problemas na detecção do estro: A detecção do estro depende de vários fatores, e requer prática e habilidade de quem realiza este procedimento. Controle nutricional e sanitário: Deve-se ter maior rigidez no controle sanitário e nutricional do rebanho para que estes fatores não sejam prejudiciais aos resultados esperados pela utilização da IA Instalações para a prática da IA Para o bom desempenho do ato de inseminar, recomendam-se as seguintes instalações: Tronco ou brete: que deve ser coberto para evitar a luz solar, extremamente prejudicial ao espermatozóide. Uma simples adaptação nas instalações já existentes na maioria das fazendas, é suficiente para dotar a fazenda das condições necessárias. Em determinadas propriedades, com grandes extensões de terra, pequenos currais de inseminação podem ser construídos de forma a facilitar o manejo e otimizar a Inseminação com vários bretes de contenção bastante simples. Estes currais podem, inclusive, servir para outras atividades. 13

19 Cômodo para os materiais de Inseminação Artificial: que pode ser um armário também de construção simples e econômica, pia com água corrente e uma bancada onde possa trabalhar com os materiais. É importante que estas estruturas estejam próximas do tronco de contenção, para que, após o descongelamento do sêmen, o mesmo seja introduzido o mais rápido possível no aparelho genital da vaca. Outros materiais: - Botijão para a conservação do sêmen; - Sêmen dos reprodutores selecionados ao programa; - Estojo completo para o inseminador, contendo luvas, bainhas, aplicadores, termômetros, pinças, etc. Manejo com o botijão: O botijão é um recipiente térmico com isolamento a vácuo, destinado a conservação do sêmen, sendo que para tanto ele deve receber Nitrogênio líquido, que conserva as doses de sêmen congeladas a uma temperatura de -196ºC (cento e noventa e seis graus centígrados negativos) por tempo indeterminado, desde que se mantenha um determinado nível mínimo, abastecendo-o periodicamente. O botijão deve ser manipulado com o máximo cuidado para evitar danos que possam resultar em prejuízos. Para diminuir os riscos com o botijão, é aconselhável a construção de uma caixa de madeira para seu acondicionamento. O botijão não pode sofrer choques (batidas), nem movimentos muito bruscos, além de tombar derramando todo o seu conteúdo. O nitrogênio líquido evapora constantemente, devendo o inseminador estar atento para evitar perda de sêmen por falta de nitrogênio (nunca deve ficar com nível 14

20 inferior a 15 cm). Para tanto, o inseminador deverá medir regularmente o seu nível com medidor apropriado. Consumo elevado de nitrogênio pode indicar problemas com o botijão, assim como a formação de gelo ou umidade condensada sobre qualquer superfície externa, também pode indicar defeito ou estar danificado (caso haja formação de gelo no gargalo, prendendo a tampa, não tente removê-la com objetos pontudos, nem exagerar da força). Figura 1: Desenho de um botijão de nitrogênio líquido e suas estruturas. Onde: A- Tampa protetora; B- Apoio da tampa; C- Estrutura de alumínio; D- Pescoço em isolante; E- trava da tampa; F- Canecas identificadas; G- Sistema químico para retenção do vácuo; H- Apoio das canecas; J- Super isolamento a vácuo (LAGOA DA SERRA) 2.3 Detecção do cio A maior dificuldade que se encontra na prática da inseminação artificial é a detecção do cio e assim, ficam prejudicados a performance reprodutiva do rebanho, o intervalo entre partos e a produção do rebanho (Britt, 1985; Foote, 1975). 15

21 O observador deve saber reconhecer quais os sinais os animais em cio podem vir a apresentar; quais seriam as atitudes desse animal em cio em relação às demais companheiras; quais as atitudes das companheiras em relação a esta fêmea. Todos esses fatores são essenciais para que se determine o horário da inseminação artificial. Falhas na detecção do cio causam decréscimo na taxa de concepção e, conseqüentemente, aumento do período de serviço (Broadway et al., 1975). Outro fator importante na detecção do cio é o tempo em que se gasta com a observação dos animais. Há de se lembrar que quanto maior for o tempo de observação, maiores serão as possibilidades de detectar um animal em cio. Segundo Foote (1975), o horário em que se observa um maior número de animais em cio, é o período da manhã. Neste período de pré-cio os sinais são os seguintes: - inquietação, nervosismo; - cauda erguida; - urina freqüente; - vulva inchada e brilhante; - cabeçadas com outro animal; - diminuição do apetite; - mugidos constantes; - liberação de muco cristalino e transparente; - diminuição da produção de leite; - agrupamento; 16

22 - monta em outras fêmeas, mas ainda não se deixa montar. Figura 2: Esquema das etapas do estro de uma vaca e momentos adequados para realização da IA. Além da observação, existem muitos meios auxiliares para detecção do cio. Estes incluem dispositivos sensíveis à pressão e que são colocados no posterior dos animais e que mudam de cor quando um deles se imobiliza para ser montados, a utilização de touros esterilizados cirurgicamente adaptados com dispositivos que marcam as fêmeas que aceitam a cobertura, sondas eletrônicas e vacas androgenizadas (rufionas) (Foote et al., 1979). Neste último caso, ocorre a aplicação de testosterona na vaca, normalmente 1 a 1,5 grama como dose de indução ( mg/IM e mg/SC), onde a resposta positiva acontece em aproximadamente 7 a 10 dias e como resultado temos em média 70% dos animais com resposta adequada e o restante não responde ao tratamento; e como dose de manutenção (a ser aplicadas àquelas que responderam à dose de indução) mg/SC a cada 15 dias (após a dose inicial), por período igual à duração do programa de I.A. (alguns animais, após a segunda aplicação, já não necessitam mais da reposição hormonal, pois respondem continuadamente). Ao final da estação de inseminação, estas rufionas deverão estar 17

23 "gordas" (efeito causado pelo hormônio masculino que receberam) e poderão ser abatidas (respeitando o período de carência), retornando ao criador, os valores gastos com as aplicações, sem a necessidade de mantê-las para uma próxima estação reprodutiva. Como resultado temos rufionas menos seletivas (não ficam atrás da mesma fêmea em cio durante todo o tempo), mais atuantes, adaptadas ao lote. Para a escolha das fêmeas a serem utilizadas como rufionas, devemos observar que sejam do mesmo lote e que tenham características mais masculinizadas. Vale ressaltar que algum tipo de enfermidade, problemas de cascos ou aprumos, e também fatores estressantes, como o estresse térmico, podem limitar a manifestação do cio nos animais (Lucey et al., 1986) Sincronização do cio/ciclo estral Sincronização de cio e/ou da ovulação é um método que pode ser utilizado para facilitar, e consequentemente, aumentar a possibilidade da aplicação da técnica da inseminação artificial em bovinos. O objetivo principal da sincronização do cio tem sido o de também sincronizar a ovulação, para que se possa fazer a inseminação artificial em horários pré-determinados, sem a necessidade da detecção do cio (Mikeska & Williams, 1988). Entretanto, a taxa de concepção em relação ao estro induzido varia muito (33 a 68%) sendo influenciada pelo dia do ciclo estral em que o tratamento é iniciado e pela condição corporal dos animais (Odde, 1990). 18

24 2.3.2 Progestágenos O progestágeno é utilizado para inibir o desenvolvimento de um corpo lúteo em fêmeas que ovularam recentemente (próximo a data da colocação do implante) ou inibir a ovulação se a fêmea estiver no final do ciclo estral (Odde, 1990). Porém, dispositivos de progestágenos implantados na ausência de corpo lúteo provocam a formação de um folículo dominante persistente que quando ovula produz um ovócito de baixa qualidade (Smith & Stevenson, 1995). Isto se deve à alteração do padrão secretório de LH (alta freqüência e baixa amplitude), característico da fase folicular (Rajamanhenderan & Taylor, 1991), e não um padrão de alta amplitude e baixa freqüência, característico do diestro provocando então uma manutenção prolongada do folículo dominante, interrompendo o padrão usual do crescimento folicular em ondas. Este padrão secretório desencadeia o mecanismo de maturação nuclear, porém, insuficiente para promover a ovulação, no entanto, esta se torna presente quando é interrompida a administração do progestágeno (Madureira, 2000). À medida que os conhecimentos sobre a dinâmica folicular e efeitos de progesterona e progestágenos sobre o desenvolvimento folicular foram crescendo durante a década de 90, alteraram-se os princípios empregados na concepção de protocolos de sincronização de cio. Talvez um dos principais conceitos introduzidos, neste momento, tenha sido o de que incrementos na taxa de concepção poderiam ser obtidos com a atresia do folículo dominante, no início do tratamento com progestágenos, impedindo assim, a formação de folículos persistentes, permitindo o desenvolvimento de uma nova onda folicular da qual resultaria o folículo dominante ovulatório apto à fertilização (Madureira, 2000). 19

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/pecuaria/inseminacao.ht...

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/pecuaria/inseminacao.ht... Página 1 de 6 Pecuária Inseminação Artificial em Bovinos Nome Inseminação Artificial em Bovinos Produto Informação Tecnológica Data Agosto - 2000 Preço - Linha Pecuária Informações resumidas sobre Resenha

Leia mais

INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM TEMPO FIXO

INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM TEMPO FIXO Universidade Federal do Ceará INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM TEMPO FIXO Doutorando: MV Msc Rodrigo Vasconcelos de Oliveira Introdução Bovinocultura=> + eficiência reprodutiva Limitações: Anestro pós-parto longo

Leia mais

MELHORAMENTO GENÉTICO

MELHORAMENTO GENÉTICO MELHORAMENTO GENÉTICO Mudança do material hereditário do rebanho de forma a capacitá-lo para produzir leite, mais economicamente em um determinado ambiente. Genética é a ciência que estuda a variação e

Leia mais

PROGRAMAS DE IATF EM NOVILHAS ZEBUÍNAS

PROGRAMAS DE IATF EM NOVILHAS ZEBUÍNAS ANEXO TÉCNICO DO MANUAL DE SINCRONIZAÇÃO E INSEMINAÇÃO EM TEMPO FIXO EM BOVINOS PROGRAMAS DE IATF EM NOVILHAS ZEBUÍNAS Os protocolos de inseminação artificial em tempo fixo (IATF) são utilizados de forma

Leia mais

EFEITO DO TAMANHO DO FOLÍCULO DOMINANTE NO MOMENTO DA INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM TEMPO FIXO NA TAXA DE GESTAÇÃO EM VACAS NELORE

EFEITO DO TAMANHO DO FOLÍCULO DOMINANTE NO MOMENTO DA INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM TEMPO FIXO NA TAXA DE GESTAÇÃO EM VACAS NELORE EFEITO DO TAMANHO DO FOLÍCULO DOMINANTE NO MOMENTO DA INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM TEMPO FIXO NA TAXA DE GESTAÇÃO EM VACAS NELORE Éder Augusto Gonçalves 1 ; Fábio Luiz Bim Cavalieri 2 ; José Mauricio Gonçalves

Leia mais

12. FISIOLOGIA DO TRATO REPRODUTIVO DA FÊMEA BOVINA

12. FISIOLOGIA DO TRATO REPRODUTIVO DA FÊMEA BOVINA 12. FISIOLOGIA DO TRATO REPRODUTIVO DA FÊMEA BOVINA 12.1. PUBERDADE Tem seu início quando os órgãos reprodutivos iniciam sua função, sendo representada para a fêmea pelo 1º cio com ovulação. Isto ocorre,

Leia mais

Manejo reprodutivo. Gustavo M. Chilitti Coordenador Técnico MT Intervet do Brasil Vet. Ltda.

Manejo reprodutivo. Gustavo M. Chilitti Coordenador Técnico MT Intervet do Brasil Vet. Ltda. Manejo reprodutivo Gustavo M. Chilitti Coordenador Técnico MT Intervet do Brasil Vet. Ltda. Para produzir é preciso reproduzir!!! Eficiência Reprodutiva Rebanho Bovino Brasileiro Vacas e novilhas > 24

Leia mais

EMPREGO DE IATF (INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM TEMPO FIXO) COMO ALTERNATIVA NA REPRODUÇÃO DA PECUÁRIA DE CORTE

EMPREGO DE IATF (INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM TEMPO FIXO) COMO ALTERNATIVA NA REPRODUÇÃO DA PECUÁRIA DE CORTE EMPREGO DE IATF (INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM TEMPO FIXO) COMO ALTERNATIVA NA REPRODUÇÃO DA PECUÁRIA DE CORTE INFORZATO, Guilherme Repas SANTOS, William Ribeiro Martins dos CLIMENI, Bruno Santi Orsi DELLALIBERA,

Leia mais

MANEJO REPRODUTIVO NOVILHAS. David R. Rocha

MANEJO REPRODUTIVO NOVILHAS. David R. Rocha MANEJO REPRODUTIVO NOVILHAS David R. Rocha Manejo reprodutivode de novilhas NOS SISTEMAS DE PRODUÇÃO DE LEITE:??? venda, engorda, reprodutor, rufião, etc. CRIA E RECRIA Manejo reprodutivode de novilhas

Leia mais

AVANÇOS NOS PROTOCOLOS DE SUPEROVULAÇÃO DE BOVINOS

AVANÇOS NOS PROTOCOLOS DE SUPEROVULAÇÃO DE BOVINOS AVANÇOS NOS PROTOCOLOS DE SUPEROVULAÇÃO DE BOVINOS Manoel F. Sá Filho, Claudiney M. Martins, José Nélio S. Sales, Roberta M. Ferreira, Pietro S. Baruselli. Departamento de Reprodução Animal, FMVZ-USP,

Leia mais

42º Congresso Bras. de Medicina Veterinária e 1º Congresso Sul-Brasileiro da ANCLIVEPA - 31/10 a 02/11 de 2015 - Curitiba - PR 1

42º Congresso Bras. de Medicina Veterinária e 1º Congresso Sul-Brasileiro da ANCLIVEPA - 31/10 a 02/11 de 2015 - Curitiba - PR 1 1 SISTEMA ANTILUTEOLÍTICO E MORTE EMBRIONÁRIA EM FÊMEAS BOVINAS JEAN CAIO FIGUEIREDO DE ALMEIDA¹, ANA KELLY MENDES DA SILVA¹, GESSIANE PEREIRA DA SILVA¹, BRENDA JULIANE SILVA DOS SANTOS¹, CAMILA DE ALMEIDA

Leia mais

Aspectos da Sincronização de Estro em Bovinos de Acordo com a Fase do Ciclo Estral

Aspectos da Sincronização de Estro em Bovinos de Acordo com a Fase do Ciclo Estral Aspectos da Sincronização de Estro em Bovinos de Acordo com a Fase do Ciclo Estral Carlos Antônio de Carvalho Fernandes 1 Faculdade de Medicina Veterinária.- Unifenas. Rod. MG 179 km 0 371300-000 Alfenas

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE GnRH COMO EFEITO SOMATÓRIO NA INDUÇÃO DE OVULAÇÃO DE BOVINOS

UTILIZAÇÃO DE GnRH COMO EFEITO SOMATÓRIO NA INDUÇÃO DE OVULAÇÃO DE BOVINOS UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO PÓS-GRADUAÇÃO EM REPRODUÇÃO E PRODUÇÃO EM BOVINOS UTILIZAÇÃO DE GnRH COMO EFEITO SOMATÓRIO NA INDUÇÃO DE OVULAÇÃO DE BOVINOS MATHEUS GUAPO PAVARINA SÃO JOSÉ DO RIO PRETO SP

Leia mais

Profª Drª Alda Lúcia Gomes Monteiro Disciplina de Caprinocultura 2013

Profª Drª Alda Lúcia Gomes Monteiro Disciplina de Caprinocultura 2013 Profª Drª Alda Lúcia Gomes Monteiro Disciplina de Caprinocultura 2013 Manejo reprodutivo de caprinos Qual a importância de um bom manejo reprodutivo? Determina a eficiência do sistema de produção Estacionalidade

Leia mais

Inseminação Artificial em Tempo Fixo (IATF) Em Bovinos Leiteiros

Inseminação Artificial em Tempo Fixo (IATF) Em Bovinos Leiteiros Gado de Leite 1/54 Em Bovinos Leiteiros Erick Fonseca de Castilho Doutor em Reprodução Animal (UFV/MG) efcmv@yahoo.com.br 2/54 Eficiência reprodutiva IP e PS MN e IA Taxa de concepção Detecção de estro

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: .

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: <http://www.pubvet.com.br/texto.php?id=576>. PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: . Inseminação artificial em horário fixo de fêmeas bovinas de corte com cio sincronizado

Leia mais

Inseminação Artificial em Tempo Fixo em Vacas Leiteiras

Inseminação Artificial em Tempo Fixo em Vacas Leiteiras Inseminação Artificial em Tempo Fixo em Vacas Leiteiras Serviços em Pecuária de Leite Avaliação Ginecológica e Diagnóstico de Gestação com Aparelho de Ultrassonografia Exames Laboratoriais IATF Inseminação

Leia mais

Precocidade Sexual e a Inseminação Artificial em Tempo Fixo

Precocidade Sexual e a Inseminação Artificial em Tempo Fixo 4º Workshop Precocidade Sexual. Precocidade Sexual e a Inseminação Artificial em Tempo Fixo José Luiz Moraes Vasconcelos DPA FMVZ UNESP Botucatu, SP vasconcelos@fca.unesp.br Precocidade em novilhas Nelore

Leia mais

3. ANATOMIA E FISIOLOGIA DA REPRODUÇÃO DE FÊMEAS BOVINAS

3. ANATOMIA E FISIOLOGIA DA REPRODUÇÃO DE FÊMEAS BOVINAS 3. ANATOMIA E FISIOLOGIA DA REPRODUÇÃO DE FÊMEAS BOVINAS 3.1. Introdução Simone Cristina Méo Niciura I A aplicação de biotécnicas da reprodução animal, como a IA, requer o conhecimento da anatomia e da

Leia mais

Gabriel Mantelato Rogatto Graduando 3º ano Zootecnia

Gabriel Mantelato Rogatto Graduando 3º ano Zootecnia Gabriel Mantelato Rogatto Graduando 3º ano Zootecnia Introdução Brasil -> Nordeste Maior Produtor II)Canindé - Leite I)Boer - Carne III)Saanen - Leite Retirado de: www.caprilproduction.com Manejo Reprodutivo

Leia mais

DESENVOLVIMENTO FOLICULAR, ONDAS FOLICULARES E MANIPULAÇÃO *

DESENVOLVIMENTO FOLICULAR, ONDAS FOLICULARES E MANIPULAÇÃO * DESENVOLVIMENTO FOLICULAR, ONDAS FOLICULARES E MANIPULAÇÃO * Introdução A função ovariana nos bovinos tem início ainda no período fetal e estende-se após a puberdade, até idades que podem atingir aos 15

Leia mais

SINCRONIZAÇÃO DE OVULAÇÃO COMO ESTRATÉGIA PARA AUMENTAR A EFICIÊNCIA REPRODUTIVA DE FÊMEAS BOVINAS, EM LARGA ESCALA

SINCRONIZAÇÃO DE OVULAÇÃO COMO ESTRATÉGIA PARA AUMENTAR A EFICIÊNCIA REPRODUTIVA DE FÊMEAS BOVINAS, EM LARGA ESCALA SINCRONIZAÇÃO DE OVULAÇÃO COMO ESTRATÉGIA PARA AUMENTAR A EFICIÊNCIA REPRODUTIVA DE FÊMEAS BOVINAS, EM LARGA ESCALA José Luiz Moraes Vasconcelos e Mauro Meneghetti DPA FMVZ UNESP, Botucatu, SP vasconcelos@fca.unesp.br

Leia mais

MANEJO REPRODUTIVO DE CAPRINOS E OVINOS

MANEJO REPRODUTIVO DE CAPRINOS E OVINOS MANEJO REPRODUTIVO DE CAPRINOS E OVINOS Prof. Dr. Jurandir Ferreira da Cruz Eng. Agr. Rita de Cássia Nunes Ferraz Introdução A eficiência da produção de um rebanho está diretamente relacionada com o número

Leia mais

Ciclo Sexual ou Estral dos Animais Domésticos Prof. Dr. Wellerson Rodrigo Scarano Departamento de Morfologia Instituto de Biociências de Botucatu

Ciclo Sexual ou Estral dos Animais Domésticos Prof. Dr. Wellerson Rodrigo Scarano Departamento de Morfologia Instituto de Biociências de Botucatu Controle Hormonal da Gametogênese Feminina Ciclo Sexual ou Estral dos Animais Domésticos Prof. Dr. Wellerson Rodrigo Scarano Departamento de Morfologia Instituto de Biociências de Botucatu Ovários Formato

Leia mais

PEDRO ANDRÉ DE SENE BIERNASKI ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO EM REPRODUÇÃO ANIMAL

PEDRO ANDRÉ DE SENE BIERNASKI ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO EM REPRODUÇÃO ANIMAL PEDRO ANDRÉ DE SENE BIERNASKI ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO EM REPRODUÇÃO ANIMAL CURITIBA 2011 PEDRO ANDRÉ DE SENE BIERNASKI ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO EM REPRODUÇÃO ANIMAL Trabalho apresentado

Leia mais

OVÁRIOS. Fonte de gametas e hormônios

OVÁRIOS. Fonte de gametas e hormônios OVÁRIOS Fonte de gametas e hormônios OVOGÊNESE No feto células germinativas multiplicamse ovogônias Cresce meiose I para na prófase I ovócito I nascimento milhares de ovócitos primários. Ovócito primário

Leia mais

ALINE CARVALHO MARTINS DINÂMICA FOLICULAR EM BOVINOS

ALINE CARVALHO MARTINS DINÂMICA FOLICULAR EM BOVINOS ALINE CARVALHO MARTINS DINÂMICA FOLICULAR EM BOVINOS Docentes responsáveis: Prof a.adj. Dra. Maria Denise Lopes Prof.Ass.Dr. Sony Dimas Bicudo BOTUCATU SP 2005 ii ALINE CARVALHO MARTINS DINÂMICA FOLICULAR

Leia mais

Cuidados essenciais para maior produtividade na criação de bovinos

Cuidados essenciais para maior produtividade na criação de bovinos ebook Avanza Cuidados essenciais para maior produtividade na criação de bovinos Sumário 01 02 03 04 05 Introdução - Aumente a produtividade da sua criação Fertilização In Vitro Transferência de Embriões

Leia mais

PRIMEIRO CIO PÓS-PARTO DAS CABRAS E OVELHAS NO NORDESTE

PRIMEIRO CIO PÓS-PARTO DAS CABRAS E OVELHAS NO NORDESTE PRIMEIRO CIO PÓS-PARTO DAS CABRAS E OVELHAS NO NORDESTE Prof. Adelmo Ferreira de Santana Caprinocultura e Ovinocultura E-mail afs@ufba.br Departamento de Produção Animal Escola de Medicina Veterinária

Leia mais

ESTIMAÇÃO DOS FATORES QUE INTERFEREM DIRETAMENTE E INDIRETAMENTE NOS RESULTADOS DA FECUNDAÇÃO IN VITRO (FIV)

ESTIMAÇÃO DOS FATORES QUE INTERFEREM DIRETAMENTE E INDIRETAMENTE NOS RESULTADOS DA FECUNDAÇÃO IN VITRO (FIV) ESTIMAÇÃO DOS FATORES QUE INTERFEREM DIRETAMENTE E INDIRETAMENTE NOS RESULTADOS DA FECUNDAÇÃO IN VITRO (FIV) antonio hugo bezerra colombo 1, Liziane Zaniboni 1, Fabio Luiz Bim Cavalieri 2, Luiz Paulo Rigolon

Leia mais

PRINCIPAIS LIMITAÇÕES REPRODUTIVAS NO PERÍODO PÓS PARTO EM VACAS DE CORTE

PRINCIPAIS LIMITAÇÕES REPRODUTIVAS NO PERÍODO PÓS PARTO EM VACAS DE CORTE PRINCIPAIS LIMITAÇÕES REPRODUTIVAS NO PERÍODO PÓS PARTO EM VACAS DE CORTE SOARES, João Felipe B. 1 ; ARALDI, Daniele F. 2 Palavras-chave: Pecuária de corte. Índices de Produtividade. Fertilidade. Introdução

Leia mais

AVALIAÇÃO DA TAXA DE PRENHEZ DE VACAS TRATADAS COM DISPOSITIVOS DE PROGESTERONA REUTILIZADOS

AVALIAÇÃO DA TAXA DE PRENHEZ DE VACAS TRATADAS COM DISPOSITIVOS DE PROGESTERONA REUTILIZADOS 1 AVALIAÇÃO DA TAXA DE PRENHEZ DE VACAS TRATADAS COM DISPOSITIVOS DE PROGESTERONA REUTILIZADOS RESUMO O objetivo deste trabalho foi avaliar o efeito dos protocolos de IATF Crestar com dois implantes auriculares

Leia mais

Introdução. estacionalidade reprodutiva é o fotoperíodo, caso a nutrição esteja adequada.

Introdução. estacionalidade reprodutiva é o fotoperíodo, caso a nutrição esteja adequada. !"#"! $"%!! Introdução Durante sua evolução, os ovinos e os caprinos desenvolveram alternativas reprodutivas para assegurar o nascimento de suas crias nos períodos de maior fartura de água e alimentos.

Leia mais

SUINOCULTURA DINÂMICA Ano II N o 11 Janeiro/1993 Periódico técnico-informativo elaborado pela EMBRAPA CNPSA

SUINOCULTURA DINÂMICA Ano II N o 11 Janeiro/1993 Periódico técnico-informativo elaborado pela EMBRAPA CNPSA SUINOCULTURA DINÂMICA Ano II N o 11 Janeiro/1993 Periódico técnico-informativo elaborado pela EMBRAPA CNPSA Diagnóstico do cio e manejo da cobertura: Tarefas importantes na criação Isabel R. Scheid 1 Ivo

Leia mais

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO "LATO SENSU" EM PRODUÇÃO E

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PRODUÇÃO E UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO "LATO SENSU" EM PRODUÇÃO E REPRODUÇÃO DE BOVINOS INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM TEMPO

Leia mais

MELHORAMENTO GENÉTICO DA PRECOCIDADE SEXUAL NA RAÇA NELORE

MELHORAMENTO GENÉTICO DA PRECOCIDADE SEXUAL NA RAÇA NELORE MELHORAMENTO GENÉTICO DA PRECOCIDADE SEXUAL NA RAÇA NELORE Fábio Dias 1 ; Joanir P. Eler 2 ; José Bento S. Ferraz 2 ; Josineudson A. II de V. Silva 3 1 Zootecnista, MSc. Agro Pecuária CFM Ltda, Av. Feliciano

Leia mais

MANUAL TÉCNICO SOBRE SINCRONIZAÇÃO E INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL

MANUAL TÉCNICO SOBRE SINCRONIZAÇÃO E INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL MANUAL TÉCNICO SOBRE SINCRONIZAÇÃO E INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM TEMPO FIXO (IATF) EM BOVINOS Introdução A IATF é uma realidade na pecuária brasileira. Sua utilização proporciona tantas vantagens que se

Leia mais

1.1 Revisão de tópicos da morfologia e fisiologia do sistema genital feminino, sob o aspecto clínico nas diferentes espécies domésticas.

1.1 Revisão de tópicos da morfologia e fisiologia do sistema genital feminino, sob o aspecto clínico nas diferentes espécies domésticas. PROGRAMA PARA O CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DAS VAGAS PARA O CARGO DE PROFESSOR ADJUNTO, EDITAL Nº 764, DE 23 DE NOVEMBRO DE 2015, NA ÁREA DE REPRODUÇÃO ANIMAL 1) FÊMEA - PARTE TEÓRICA: 1.1 Revisão

Leia mais

BOVINOCULTURA DE LEITE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL

BOVINOCULTURA DE LEITE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL BOVINOCULTURA DE LEITE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL Aluno: Curso: SUMÁRIO INTRODUÇÃO...3 ASPECTOS GERAIS...3 I- REPRODUÇÃO...4 1. Aparelho reprodutor feminino...4 2. O cio...4 II- CONDIÇÕES IDEAIS PARA A INSEMINAÇÃO...7

Leia mais

Manual de Inseminação. Artificial em Tempo Fixo. (IATF) em gado leiteiro.

Manual de Inseminação. Artificial em Tempo Fixo. (IATF) em gado leiteiro. Manual de Inseminação Artificial em Tempo Fixo (IATF) em gado leiteiro. Introdução: As vacas leiteiras, durante a lactação, apresentam características fisiológicas particulares que diferenciam o comportamento

Leia mais

Como aumentar a quantidade e a qualidade de bezerros em rebanhos de corte

Como aumentar a quantidade e a qualidade de bezerros em rebanhos de corte Como aumentar a quantidade e a qualidade de bezerros em rebanhos de corte Pietro Sampaio Baruselli 1, Márcio de Oliveira Marques 2, Roberta Machado Ferreira 1, Manoel Francisco de Sá Filho 1, Emiliana

Leia mais

EFEITO DE DIFERENTES PROTOCOLOS HORMONAIS SOBRE A TAXA DE PRENHEZ DE VACAS NELORE INSEMINADAS EM TEMPO FIXO

EFEITO DE DIFERENTES PROTOCOLOS HORMONAIS SOBRE A TAXA DE PRENHEZ DE VACAS NELORE INSEMINADAS EM TEMPO FIXO 74 Artigo Científico EFEITO DE DIFERENTES PROTOCOLOS HORMONAIS SOBRE A TAXA DE PRENHEZ DE VACAS NELORE INSEMINADAS EM TEMPO FIXO Diogo Ribeiro CÂMARA 1*, Ricardo Felippe FIGUEIRA 2, Otto Cabral PORTELA

Leia mais

Ciência Rural ISSN: 0103-8478 cienciarural@mail.ufsm.br Universidade Federal de Santa Maria Brasil

Ciência Rural ISSN: 0103-8478 cienciarural@mail.ufsm.br Universidade Federal de Santa Maria Brasil Ciência Rural ISSN: 0103-8478 cienciarural@mail.ufsm.br Universidade Federal de Santa Maria Brasil Carvalho Siqueira, Lucas; Coelho de Oliveira, João Francisco; da Silveira Loguércio, Rosane; Kurtz Löf,

Leia mais

REDVET. Revista Electrónica de Veterinaria E-ISSN: 1695-7504 redvet@veterinaria.org Veterinaria Organización España

REDVET. Revista Electrónica de Veterinaria E-ISSN: 1695-7504 redvet@veterinaria.org Veterinaria Organización España REDVET. Revista Electrónica de Veterinaria E-ISSN: 1695-7504 redvet@veterinaria.org Veterinaria Organización España Carrijo Junior, Osmar Alves; Langer, Jackson Avaliação de Protocolo de Inseminação Artificial

Leia mais

O impacto do touro no rebanho de cria

O impacto do touro no rebanho de cria Algumas contas simples podem constatar que o touro de cria é um fator de produção de extrema relevância A realidade de mercado atual exige do pecuarista competência para se manter no negócio, e visão estratégica

Leia mais

INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL OU MONTA NATURAL

INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL OU MONTA NATURAL 1 INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL OU MONTA NATURAL Mario Luiz Martinez Luis Carlos Takao Yamaguchi Rui da Silva Verneque A demanda crescente por proteína animal tem exigido que os sistemas de produção sejam cada

Leia mais

SINCRONIZAÇÃO DE ESTRO E INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM TEMPO FIXO (IATF) EM OVINOS: RELATO DE CASO

SINCRONIZAÇÃO DE ESTRO E INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM TEMPO FIXO (IATF) EM OVINOS: RELATO DE CASO SINCRONIZAÇÃO DE ESTRO E INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM TEMPO FIXO (IATF) EM OVINOS: RELATO DE CASO ZANATTA, Giliardi 1 ; CORSETTI, Angel 1 ;SOUZA, Déborah Andrade¹;BORGES, Luiz F.K 2. Palavras-chave: Acetato

Leia mais

estação de monta Escolha do Leitor

estação de monta Escolha do Leitor estação de monta Realmente existe importância na gestão da fazenda e benefício para o produtor que se utiliza do período reprodutivo? Luís Adriano Teixeira* 32 - ABRIL 2015 A Estação de monta (EM) período

Leia mais

INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM TEMPO FIXO EM BOVINOS DE CORTE

INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM TEMPO FIXO EM BOVINOS DE CORTE PIETRO SAMPAIO BARUSELLI ET AL. 155 INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM TEMPO FIXO EM BOVINOS DE CORTE Pietro S. Baruselli 1, Gabriel A. Bó 2, Everton L. Reis 1 e Márcio O. Marques 1 1 Departamento de Reprodução

Leia mais

Acasalamento 3,0 3,5. Terço final da gestação 2,5 4,0. Parição (parto simples) 3,0 4,0. Parição (parto gemelar) 3,5 4,0

Acasalamento 3,0 3,5. Terço final da gestação 2,5 4,0. Parição (parto simples) 3,0 4,0. Parição (parto gemelar) 3,5 4,0 Manejo reprodutivo de ovinos Fêmeas Estacionalidade reprodutiva Fertilidade aumenta com os dias curtos Temperatura Calor acentuado: inibe cio, diminui a fertilidade e aumenta a mortalidade embrionária

Leia mais

ANATOMIA E FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO. Curso Inicial & Integração Novos Representantes

ANATOMIA E FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO. Curso Inicial & Integração Novos Representantes ANATOMIA E FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO Curso Inicial & Integração Novos Representantes 1 SISTEMA REPRODUTOR FEMININO O conjunto de órgãos do sistema reprodutor feminino tem como função principal

Leia mais

OBJECTIVOS PRODUTIVOS

OBJECTIVOS PRODUTIVOS I CICLO DE PALESTRAS TEMÁTICAS Gestão reprodutiva em bovinos de carne 5 e 6 de Dezembro de 2008 Associação de Criadores de Bovinos de Raça Alentejana MANEIO REPRODUTIVO EM EXPLORAÇÕES DE BOVINOS DE CARNE

Leia mais

Ilustração Olaff Behrend

Ilustração Olaff Behrend Autora José Luiz Jivago de Paula Rôlo Possui graduação em Medicina Veterinária pela Universidade de Brasília (2009). Atualmente é médico veterinário da Universidade de Brasília. Tem experiência na área

Leia mais

Med. Vet. Avelino Murta avelino@biocampomg.com.br

Med. Vet. Avelino Murta avelino@biocampomg.com.br Med. Vet. Avelino Murta avelino@biocampomg.com.br QUEM SOMOS Localizada em Montes Claros, norte de Minas Gerais, a BIOCAMPO Assistência Veterinária foi fundada em 2010 e atua na área de Reprodução Bovina.

Leia mais

TECNICAS DE AMPLIFICAÇÃO REPRODUTIVA E DE BIOTECNOLOGIA APLICADAS AO MELHORAMENTO ANIMAL

TECNICAS DE AMPLIFICAÇÃO REPRODUTIVA E DE BIOTECNOLOGIA APLICADAS AO MELHORAMENTO ANIMAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS FACULDADE DE AGRONOMIA ELISEU MACIEL DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA MELHORAMENTO ANIMAL TECNICAS DE AMPLIFICAÇÃO REPRODUTIVA E DE BIOTECNOLOGIA APLICADAS

Leia mais

PROGRAMAS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM REBANHOS BOVINOS: ANÁLISE DOS GANHOS PARA OS PEQUENOS PRODUTORES

PROGRAMAS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM REBANHOS BOVINOS: ANÁLISE DOS GANHOS PARA OS PEQUENOS PRODUTORES PROGRAMAS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM REBANHOS BOVINOS: ANÁLISE DOS GANHOS PARA OS PEQUENOS PRODUTORES Rafael Herrera Alvarez Médico Veterinário, Doutor, Pesquisador Científico do Pólo Centro Sul/APTA

Leia mais

AVALIAÇÃO DA REUTILIZAÇÃO DE IMPLANTES CONTENDO PROGESTÁGENOS PARA CONTROLE FARMACOLÓGICO DO CICLO ESTRAL E OVULAÇÃO EM VACAS DE CORTE

AVALIAÇÃO DA REUTILIZAÇÃO DE IMPLANTES CONTENDO PROGESTÁGENOS PARA CONTROLE FARMACOLÓGICO DO CICLO ESTRAL E OVULAÇÃO EM VACAS DE CORTE AVALIAÇÃO DA REUTILIZAÇÃO DE IMPLANTES CONTENDO PROGESTÁGENOS PARA CONTROLE FARMACOLÓGICO DO CICLO ESTRAL E OVULAÇÃO EM VACAS DE CORTE DÉCIO ZULIANI MALUF Dissertação apresentada à Escola Superior de Agricultura

Leia mais

AVANÇOS NOS PROTOCOLOS REPRODUTIVOS EM FÊMEAS BOVINAS UTILIZANDO SÊMEN SEXADO

AVANÇOS NOS PROTOCOLOS REPRODUTIVOS EM FÊMEAS BOVINAS UTILIZANDO SÊMEN SEXADO AVANÇOS NOS PROTOCOLOS REPRODUTIVOS EM FÊMEAS BOVINAS UTILIZANDO SÊMEN SEXADO Manoel F. Sá Filho, Alexandre H. Souza, Claudiney M. Martins, José N. S. Sales, Gabriel A. Crepaldi, Pietro S. Baruselli Departamento

Leia mais

PLANO INSTRUCIONAL FORMAÇÃO PROFISSIONAL RURAL PARTICIPANTES

PLANO INSTRUCIONAL FORMAÇÃO PROFISSIONAL RURAL PARTICIPANTES PLANO INSTRUCIONAL FORMAÇÃO PROFISSIONAL RURAL Título da ação da FPR: Inseminação Artificial em Bovinos Linha de ação: Pecuária Área ocupacional: Pecuária de Grande Porte. Ocupação:.Trabalhador na Inseminação

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA ECONÔMICA DA INSEMINAÇÃO EM TEMPO FIXO E DA INSEMINAÇÃO CONVENCIONAL DE FÊMEAS BOVINAS PLURÍPARAS DE CORTE

AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA ECONÔMICA DA INSEMINAÇÃO EM TEMPO FIXO E DA INSEMINAÇÃO CONVENCIONAL DE FÊMEAS BOVINAS PLURÍPARAS DE CORTE UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL AILSON SEBASTIÃO DA SILVA AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA ECONÔMICA DA INSEMINAÇÃO EM TEMPO FIXO E DA INSEMINAÇÃO CONVENCIONAL DE FÊMEAS BOVINAS PLURÍPARAS DE CORTE CAMPO

Leia mais

2. Como devo manusear o sêmen durante a sua retirada do botijão?

2. Como devo manusear o sêmen durante a sua retirada do botijão? CUIDADOS NO MANUSEIO DO SÊMEN CONGELADO O manuseio adequado do sêmen congelado é essencial para manter ótimos resultados nos programas de inseminação artificial, tanto no sêmen sexado como no sêmen convencional.

Leia mais

GERANDO RESULTADOS COM VOCÊ

GERANDO RESULTADOS COM VOCÊ GERANDO RESULTADOS COM VOCÊ Manejo Reprodutivo de Fazendas Leiteiras Robson Vilela Sá Fortes Veterinário Equipe Leite - ReHagro Roteiro Introdução Patologias Reprodutivas O que podemos fazer para melhorar

Leia mais

FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO

FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO 1 UNIVERSIDADE DE CUIABÁ Atividade Presencial: estudo através de Textos e Questionários realizado em sala de aula SOBRE A FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO CADA ESTUDANTE DEVERÁ IMPRIMIR E LEVAR

Leia mais

Manejo reprodutivo de caprinos e ovinos

Manejo reprodutivo de caprinos e ovinos Manejo reprodutivo de caprinos e ovinos Professor: Aparecido Porto da Costa Disciplina: Caprinovinocultura E-mail: aparecidoport@hotmail.com Introdução Importância Produtividade do rebanho => obter sucesso

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: .

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: <http://www.pubvet.com.br/texto.php?id=420>. PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: . Sincronização da ovulação para realização da inseminação artificial em tempo fixo em

Leia mais

INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM TEMPO FIXO EM BOVINOS DE CORTE

INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM TEMPO FIXO EM BOVINOS DE CORTE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM TEMPO FIXO EM BOVINOS DE CORTE FURTADO, Diego Augusto Acadêmico do curso de Medicina Veterinária da FAMED/ACEG - Garça - SP e-mail: daiane.vet@hotmail.com TOZZETTI, Daniel Soares

Leia mais

Quais hormônios regulam a ovogênese?

Quais hormônios regulam a ovogênese? Controle Endócrino da Ovogênese Ciclo Sexual Feminino Prof. Dr. Wellerson Rodrigo Scarano Departamento de Morfologia 1 Quais hormônios regulam a ovogênese? 2 1 CONTROLE HORMONAL DA OVOGÊNESE A ovogênese

Leia mais

HORMÔNIOS SEXUAIS SISTEMA ENDÓCRINO FISIOLOGIA HUMANA

HORMÔNIOS SEXUAIS SISTEMA ENDÓCRINO FISIOLOGIA HUMANA HORMÔNIOS SEXUAIS SISTEMA ENDÓCRINO FISIOLOGIA HUMANA GLÂNDULAS SEXUAIS GÔNADAS MASCULINAS = TESTÍCULOS GÔNADAS FEMININAS = OVÁRIOS PRODUZEM GAMETAS E HORMÔNIOS SEXUAIS CONTROLE HORMONAL DO SISTEMA TESTÍCULOS

Leia mais

Efeitos do estresse calórico sobre a produção e reprodução do gado leiteiro

Efeitos do estresse calórico sobre a produção e reprodução do gado leiteiro 1 Núcleo de Pesquisa, Ensino e Extensão em Pecuária www.ufpel.edu.br/nupeec Efeitos do estresse calórico sobre a produção e reprodução do gado leiteiro Marcelo Moreira Antunes Graduando em Medicina Veterinária

Leia mais

EFICIÊNCIA REPRODUTIVA: ESTRATÉGIAS DE MANEJO VISANDO MAXIMIZAR OS RESULTADOS

EFICIÊNCIA REPRODUTIVA: ESTRATÉGIAS DE MANEJO VISANDO MAXIMIZAR OS RESULTADOS ARTIGO TÉCNICO PREMIX 12ª edição EFICIÊNCIA REPRODUTIVA: ESTRATÉGIAS DE MANEJO VISANDO MAXIMIZAR OS RESULTADOS Gustavo da Silva Freitas 1,4, Paola Moretti Rueda 2,4, Désirée Ribeiro Soares 2,4, Tiago da

Leia mais

Diferenças entre Benzoato e Cipionato de Estradiol na indução da ovulação em programas de IATF em fêmeas bovinas

Diferenças entre Benzoato e Cipionato de Estradiol na indução da ovulação em programas de IATF em fêmeas bovinas Diferenças entre Benzoato e Cipionato de Estradiol na indução da ovulação em programas de IATF em fêmeas bovinas Um dos diferenciais da Tecnopec é desenvolver e apoiar pesquisas visando obter protocolos

Leia mais

IATF em novilha. CEP 05508-000, São Paulo-SP, Brasil; *manoel@firmasa.com.br

IATF em novilha. CEP 05508-000, São Paulo-SP, Brasil; *manoel@firmasa.com.br 54 Manoel Francisco de Sá Filho et al. IATF em novilha Manoel F. Sá Filho 1* ; Lindsay U. Gimenes 2 ; José Nélio S. Sales 2 ; Gabriel A. Crepaldi 2 ; Adriana G. Medalha 1 ; Pietro S. Baruselli 2 1 FIRMASA-

Leia mais

Inseminação Artificial em Tempo Fixo (IATF) Em Bovinos Leiteiros

Inseminação Artificial em Tempo Fixo (IATF) Em Bovinos Leiteiros Gado de Leite 1/35 Inseminação Artificial em Tempo Fixo (IATF) Em Bovinos Leiteiros Erick Fonseca de Castilho Doutor em Reprodução Animal (UFV/MG) efcmv@yahoo.com.br 2/35 Introdução Cronologia dos conceitos

Leia mais

INFORMATIVO. Cruzamento Industrial e suas vantagens Pág. 5

INFORMATIVO. Cruzamento Industrial e suas vantagens Pág. 5 INFORMATIVO Bauru, 21 de março 2008 nº 012 Saiba como aumentar a fertilidade em seu rebanho Pág. 2 O Informativo NOBRE desse mês, trás uma série de informações para seus leitores,sobretudo para quem deseja

Leia mais

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas INFLUÊNCIA DA CONDIÇÃO CORPORAL E CATEGORIA REPRODUTIVA NAS TAXAS DE GESTAÇÃO DE VACAS NELORE SUBMETIDAS À PROTOCOLO DE IATF, NA REGIÃO DA AMAZÔNIA LEGAL. TOLEDO, G.A. ¹ ; RIBEIRO, A.P.C.²; RIBEIRO, G.M.³

Leia mais

ANÁLISE DE PERIGOS E PONTOS CRITICOS DE CONTROLE (APPCC) NO MANEJO REPRODUTIVO DE BOVINOS

ANÁLISE DE PERIGOS E PONTOS CRITICOS DE CONTROLE (APPCC) NO MANEJO REPRODUTIVO DE BOVINOS 1 ANÁLISE DE PERIGOS E PONTOS CRITICOS DE CONTROLE (APPCC) NO MANEJO REPRODUTIVO DE BOVINOS (analysis of hazards and critical control points in a system of production cattle) RESUMO: o trabalho tem como

Leia mais

O Emprego da Inseminação Artificial nas Ovelhas

O Emprego da Inseminação Artificial nas Ovelhas ISSN 0100-8625 O Emprego da Inseminação Artificial nas Ovelhas 25 Bagé, RS Junho, 2002 Autor José Carlos Ferrugem Moraes Méd. Vet., Dr., Pesquisador da Embrapa Pecuária Sul, Caixa Postal 242, Bagé, RS,

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Inseminação artificial em tempo fixo (IATF) em bovinos de corte

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Inseminação artificial em tempo fixo (IATF) em bovinos de corte PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Inseminação artificial em tempo fixo (IATF) em bovinos de corte Carlos Rosa Godoi 1 ; Ednea Freitas Portilho Silva 2 ; Adriano Pereira de Paula

Leia mais

Protocolos para otimizar a fertilidade de vacas de corte e de leite

Protocolos para otimizar a fertilidade de vacas de corte e de leite ISSN 1981-2086 Protocolos para otimizar a fertilidade de vacas de corte e de leite 70 Resumo A mortalidade embrionária precoce é reconhecida como a principal causa de perdas de prenhez em bovinos de interesse

Leia mais

Programa Alta Gestação promove democratização da inseminação artificial em ovinos no Brasil

Programa Alta Gestação promove democratização da inseminação artificial em ovinos no Brasil Programa Alta Gestação promove democratização da inseminação artificial em ovinos no Brasil Parceria entre Alta Genetics, Pfizer e Sérgio Nadal promete acelerar os rebanhos comerciais do país. A carne

Leia mais

PUBERDADE. Fase fisiológica com duração de 2 a 5 anos, durante a qual ocorre a maturação sexual

PUBERDADE. Fase fisiológica com duração de 2 a 5 anos, durante a qual ocorre a maturação sexual Puberdade PUBERDADE Transição entre a infância e a vida adulta Transformações físicas e psíquicas complexas Fase fisiológica com duração de 2 a 5 anos, durante a qual ocorre a maturação sexual Desenvolvimento

Leia mais

Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia ISSN: 1982-1263

Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia ISSN: 1982-1263 Inseminação artificial em tempo fixo Kleber da Cunha Peixoto Junior 1*, Yessica Trigo 2 Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia ISSN: 1982-1263 1 Médico Veterinário, D. Sc.,Professor do Curso de

Leia mais

Sincronização da ovulação em vacas da raça Nelore e seus efeitos na função ovariana

Sincronização da ovulação em vacas da raça Nelore e seus efeitos na função ovariana 7 ISSN 1981-2078 1517-1981 Outubro Dezembro, 2000 2006 Sincronização da ovulação em vacas da raça Nelore e seus efeitos na função ovariana ISSN 1981-2078 Dezembro, 2006 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária

Leia mais

NEWS BRASIL SEM FRONTEIRAS ABC & ANO IV N o 04 R$ 19,50

NEWS BRASIL SEM FRONTEIRAS ABC & ANO IV N o 04 R$ 19,50 ASSOCIAÇÃO 1 DORPER BRASIL SEM FRONTEIRAS NEWS ANO IV N o 04 R$ 19,50 9 771414 620009 0 2 ORGÃO OFICIAL DA ASSOCIAÇÃO ABC & DORPER B R A S I L BRASILEIRA DOS CRIADORES DE DORPER BIOTECNOLOGIAS REPRODUTIVAS

Leia mais

FISIOLOGIA REPRODUTIVA DO MACHO BOVINO

FISIOLOGIA REPRODUTIVA DO MACHO BOVINO FISIOLOGIA REPRODUTIVA DO MACHO BOVINO O sistema reprodutivo masculino é constituído de diversos órgãos peculiares que atuam em conjunto para produzir espermatozóides e liberá- los no sistema reprodutor

Leia mais

INTRODUÇÃO A etapa de cria na cadeia produtiva da carne bovina é muito importante, e caracteriza-se como um período fundamental no processo de

INTRODUÇÃO A etapa de cria na cadeia produtiva da carne bovina é muito importante, e caracteriza-se como um período fundamental no processo de d e b e z e r r o d e c o r t e INTRODUÇÃO A etapa de cria na cadeia produtiva da carne bovina é muito importante, e caracteriza-se como um período fundamental no processo de produção. As técnicas utilizadas

Leia mais

EFEITO INDIVIDUAL DE FERTILIDADE DE TOUROS DA RAÇA HOLANDESA

EFEITO INDIVIDUAL DE FERTILIDADE DE TOUROS DA RAÇA HOLANDESA EFEITO INDIVIDUAL DE FERTILIDADE DE TOUROS DA RAÇA HOLANDESA ZANATTA, Guilherme Machado 1 ; SCHEEREN, Verônica Flores da Cunha 2 ; ARAUJO, Laurence Boligon de 3; PESSOA, Gilson Antônio 4 ; RUBIN, Mara

Leia mais

EFICIÊNCIA REPRODUTIVA EMPRENHAR A VACA O MAIS RÁPIDO POSSÍVEL APÓS O PARTO

EFICIÊNCIA REPRODUTIVA EMPRENHAR A VACA O MAIS RÁPIDO POSSÍVEL APÓS O PARTO TIAGO LEIVA EFICIÊNCIA REPRODUTIVA EMPRENHAR A VACA O MAIS RÁPIDO POSSÍVEL APÓS O PARTO Cria em gado de corte: o bezerro é o produto comercializado. Gado de leite (alta produção): a vaca precisa parir

Leia mais

NUEVOS AVANCES EN PROTOCOLOS DE IATF EN GANADO BOS INDICUS Y BOS TAURUS

NUEVOS AVANCES EN PROTOCOLOS DE IATF EN GANADO BOS INDICUS Y BOS TAURUS NUEVOS AVANCES EN PROTOCOLOS DE IATF EN GANADO BOS INDICUS Y BOS TAURUS Pietro Sampaio Baruselli, José Nélio S. Sales, Gabriel A. Crepaldi, Manoel F. Sá Filho 1 Departamento de Reprodução Animal, FMVZ-USP,

Leia mais

Ricardo Macedo Gregory & Dimas Correa Rocha Laboratório de Reprodução Animal, Faculdade de Veterinária UFRGS baragem@terra.com.br

Ricardo Macedo Gregory & Dimas Correa Rocha Laboratório de Reprodução Animal, Faculdade de Veterinária UFRGS baragem@terra.com.br RICARDO MACEDO GREGORY & DIMAS CORREA ROCHA 147 PROTOCOLOS DE SINCRONIZAÇÃO E INDUÇÃO DE ESTROS EM VACAS DE CORTE NO RIO GRANDE DO SUL Ricardo Macedo Gregory & Dimas Correa Rocha Laboratório de Reprodução

Leia mais

INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM TEMPO FIXO PROTOCOLOS E APLICAÇÃO

INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM TEMPO FIXO PROTOCOLOS E APLICAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO E CULTURA DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA 82ª SEMANA DO FAZENDEIRO INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM TEMPO FIXO PROTOCOLOS E APLICAÇÃO Fabrício Albani Oliveira

Leia mais

Rev Bras Reprod Anim Supl, Belo Horizonte, n.6, p.148-152, dez. 2009. Disponível em www.cbra.org.br.

Rev Bras Reprod Anim Supl, Belo Horizonte, n.6, p.148-152, dez. 2009. Disponível em www.cbra.org.br. Rev Bras Reprod Anim Supl, Belo Horizonte, n.6, p.148-152, dez. 2009. Disponível em www.cbra.org.br. Dinâmica folicular e uso de hormonioterapias na regulação do ciclo estral na vaca Follicular dynamics

Leia mais

INCREMENTO DA DUPLA OVULAÇÃO SOBRE A EFICIÊNCIA REPRODUTIVA NA TRANSFERÊNCIA DE EMBRIÕES EM ÉGUAS DA RAÇA QUARTO DE MILHA

INCREMENTO DA DUPLA OVULAÇÃO SOBRE A EFICIÊNCIA REPRODUTIVA NA TRANSFERÊNCIA DE EMBRIÕES EM ÉGUAS DA RAÇA QUARTO DE MILHA INCREMENTO DA DUPLA OVULAÇÃO SOBRE A EFICIÊNCIA REPRODUTIVA NA TRANSFERÊNCIA DE EMBRIÕES EM ÉGUAS DA RAÇA QUARTO DE MILHA Myrian Megumy Tsunokawa Hidalgo (PIBIC/Fundação Araucária), Tamires Korchovei Sanches

Leia mais

Outubro 2013 VERSÂO 1. 1. Observe a figura a lado que representa o sistema reprodutor masculino.

Outubro 2013 VERSÂO 1. 1. Observe a figura a lado que representa o sistema reprodutor masculino. BIOLOGIA 1 12º A Outubro 2013 VERSÂO 1 1. Observe a figura a lado que representa o sistema reprodutor masculino. Figura 1 1.1. Complete a legenda da figura 1. 1.2. Identifique a estrutura onde ocorre a

Leia mais

Curva de Crescimento e Produtividade de Vacas Nelore

Curva de Crescimento e Produtividade de Vacas Nelore Curva de Crescimento e Produtividade de Vacas Nelore THIAGO VINÍCIUS DE SOUZA GRADUANDO EM MEDICINA VETERINÁRIA UFMT/SINOP CONTATO: THIAGOV_SOUZA@HOTMAIL.COM Produtividade Cenário atual Nelore sistema

Leia mais

Atividade Ovariana em Fêmeas Bovinas da Raça Holandesa e Mestiças Holandês x Zebu, Durante Dois Ciclos Estrais Normais Consecutivos 1

Atividade Ovariana em Fêmeas Bovinas da Raça Holandesa e Mestiças Holandês x Zebu, Durante Dois Ciclos Estrais Normais Consecutivos 1 Atividade Ovariana em Fêmeas Bovinas da Raça Holandesa e Mestiças Holandês x Zebu, Durante Dois Ciclos Estrais Normais Consecutivos 1 Nadja Gomes Alves 2, Eduardo Paulino da Costa 3, José Domingos Guimarães

Leia mais

INTERAÇÃO ENTRE NUTRIÇÃO E REPRODUÇÃO EM VACAS DE CORTES

INTERAÇÃO ENTRE NUTRIÇÃO E REPRODUÇÃO EM VACAS DE CORTES INTERAÇÃO ENTRE NUTRIÇÃO E REPRODUÇÃO EM VACAS DE CORTES PARRA, Bruno César E-mail: brunocesarparra@hotmail.com Acadêmico da Associação Cultural e Educacional de Garça FAMED BELTRAN, Maria Paula Docente

Leia mais

IMPACTO DA IATF NA EFICIÊNCIA REPRODUTIVA EM BOVINOS DE CORTE

IMPACTO DA IATF NA EFICIÊNCIA REPRODUTIVA EM BOVINOS DE CORTE Pietro S. Baruselli et al. 113 IMPACTO DA IATF NA EFICIÊNCIA REPRODUTIVA EM BOVINOS DE CORTE Pietro S. Baruselli 1, Henderson Ayres 1, Alexandre H. Souza 1, Claudiney M. Martins 1, Lindsay U. Gimenes 1,

Leia mais

RELAÇÃO DA TAXA DE GESTAÇÃOUTILIZANDO INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM TEMPO FIXO (IATF) COM A TAXA DE PRODUÇÃO DE LEITE

RELAÇÃO DA TAXA DE GESTAÇÃOUTILIZANDO INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM TEMPO FIXO (IATF) COM A TAXA DE PRODUÇÃO DE LEITE RELAÇÃO DA TAXA DE GESTAÇÃOUTILIZANDO INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM TEMPO FIXO (IATF) COM A TAXA DE PRODUÇÃO DE LEITE Itiberê Itaborahy dos Santos 1 ; Isis Lustosa Goulart de Sousa 2 RESUMO O Brasil é um grande

Leia mais

USO DE GONADOTROFINA FOLÍCULO ESTIMULANTE PARA O AUXÍLIO DO CRESCIMENTO FOLICULAR FINAL EM VACAS EM ANESTRO NA IATF : FOLLTROPIN

USO DE GONADOTROFINA FOLÍCULO ESTIMULANTE PARA O AUXÍLIO DO CRESCIMENTO FOLICULAR FINAL EM VACAS EM ANESTRO NA IATF : FOLLTROPIN USO DE GONADOTROFINA FOLÍCULO ESTIMULANTE PARA O AUXÍLIO DO CRESCIMENTO FOLICULAR FINAL EM VACAS EM ANESTRO NA IATF : FOLLTROPIN FOLLTROPIN é um produto à base de Hormônio Folículo Estimulante (FSH) purificado

Leia mais