Ética Empresarial e Responsabilidade Social Corporativa à Luz da Teoria de Julgamento Moral, de Lawrence Kohlberg

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ética Empresarial e Responsabilidade Social Corporativa à Luz da Teoria de Julgamento Moral, de Lawrence Kohlberg"

Transcrição

1 Ética Empresarial e Responsabilidade Social Corporativa à Luz da Teoria de Julgamento Moral, de Lawrence Kohlberg BUSINESS ETHICS AND CORPORATE SOCIAL RESPONSIBILITY IN LIGHT OF LAWRENCE KOHLBERG S THEORY OF MORAL JUDGEMENT Resumo Este ensaio trata da relação entre a ética e as ciências econômicas. Para tanto, discute o interesse na ética empresarial e a evolução da preocupação com a responsabilidade social corporativa, tomando por base as teorias de Swift e Zadek. A seguir, apresenta a teoria do julgamento moral de Kohlberg, comparando os estágios evolutivos nela definidos com as categorias das discussões sobre ética empresarial. Mostra também a necessidade de se reconhecer que a responsabilidade social corporativa surgiu em resposta às reivindicações da sociedade. Indica que a ação da maioria das empresas ainda corresponde aos estágios mais elementares de desenvolvimento moral e que as expectativas quanto ao seu papel, como fundamental para reverter o quadro de pobreza global e a degradação ambiental dificilmente, poderão ser cumpridas por cada uma delas, isoladamente. Conclui sobre a necessidade de maior comunicação e colaboração entre os vários setores da sociedade para desenvolver uma ética econômica e empresarial aplicada à transformação social. Palavras-chave ÉTICA EMPRESARIAL RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA JULGAMENTO MORAL. MARGARET ANN GRIESSE Global Responsibility Project, Concordia University, Montréal/Canadá Abstract This paper deals with the relationship between ethics and economic sciences. It discusses the interest in business ethics and the evolution of the concept of corporate social responsibility as outlined in the theories of Swift and Zadek. Next, it presents Kohlberg s theory of moral judgement and compares the evolution of moral stages to the categories of business ethics. In addition, it shows the need to acknowledge that corporate social responsibility came as a response to societal demands. That most of the actions of businesses still correspond to elementary stages of moral development indicates that the expectation that business play a fundamental role in reversing the present context of global poverty and environmental degradation cannot be met in isolation. In conclusion, communication and collaboration is needed among the various sectors of society in order to develop an economic and business ethics whose application could result in social transformation. Keywords BUSINESS ETHICS CORPORATE SOCIAL RESPONSIBILITY MORAL JUDGMENT. Impulso, Piracicaba, 14(35): 33-48,

2 The nature of modern economics has been substantially impoverished by the distance that has grown between economics and ethics. AMARTYA SEN INTRODUÇÃO Aeconomia moderna, na condição de ciência, é geralmente caracterizada por uma vasta área de pesquisas empíricas e teóricas sobre temas como econometria, contabilidade, administração, comércio e marketing, entre outros, que raramente tratam de questões morais. Recentemente, porém, ao avaliar sobretudo processos de tomada de decisões e seu impacto global, essa área tem se aberto a discussões ambientais, sociais e particularmente éticas, mostrando que o diálogo entre ética e economia é possível. 1 As empresas, entendidas como unidades fundamentais no contexto global, são cada vez mais desafiadas a aplicar princípios éticos e a responsabilizar-se por atos relacionados direta ou indiretamente com os problemas da sociedade. Em casos como esses, elas não podem se limitar a uma visão rígida e estreita de seus interesses particulares, e sim desenvolver critérios específicos fazendo jus à sua realidade, isto é, considerando não somente fatores econômicos, mas também os contextos políticos, os impactos sociais e ambientais e vários outros aspectos associados às suas atividades. Com base nessas considerações práticas, surge, cada vez mais, e com maior apelo, a ênfase no conceito de ética empresarial. 2 O NOVO INTERESSE NA ÉTICA EMPRESARIAL A discussão recente sobre ética começou a ganhar força na década de 1980, provocando uma série de mudanças de comportamento nas empresas. 3 Pesquisa realizada pelo Bentley College Center for Business Ethics, nos Estados Unidos, com 244 multinacionais, apresenta dados concretos sobre tais transformações. Em 1990, 46% delas afirmaram estar expandindo suas ações no sentido de incorporar a ética como uma questão institucional, ao passo que, em 1984, somente 19% haviam tomado iniciativas nessa área. Por outro lado, 49% já tinham adotado algu- 1 Amartya Sen, Prêmio Nobel de Economia em 1998, tem sido um dos mais importantes defensores desse diálogo. Cf. SEN, A expressão ética empresarial é utilizada aqui em sentido amplo, ainda que em alguns estudos ela se refira mais ao comportamento interno da empresa, ou seja, à maneira como os funcionários resolvem problemas éticos de seu trabalho no dia-a-dia. 3 A preocupação com questões éticas nas relações econômicas e comerciais tem antecedentes de longa data, desde o Código de Hamurabi, passando pelas associações profissionais da Idade Média, chegando às iniciativas hoje em dia consideradas paternalistas, como as ações filantrópicas de Ford e Carnegie, nos Estados Unidos, no século XX. Cf., por exemplo, BAUTIER, 1971; SWARD, 1972; GIES & GIES, 1972; BARBOSA, PEDRON & CAFFARATE, Impulso, Piracicaba, 14(35): 33-48, 2003

3 4 WEISS, 1994, p Para uma análise histórica e evolutiva da reação das empresas às denúncias ambientais, cf. HOFFMAN, Cf. FISCHER & FALCONER, 1998; FERNANDES, 1994; FORSTATER, MACDONALD & RAYNARD, ma forma de treinamento no âmbito da ética em 1990, apontando um avanço substancial com relação a 1984, quando esse índice foi de 35%. 4 As razões para essas mudanças são várias. Uma delas é que as expectativas da sociedade civil aumentaram com respeito à atuação das empresas, ao mesmo tempo em que a confiança da sociedade para com essas instituições diminuía. Para lidar com essa situação, elas começaram a desenvolver após um período de negação de sua responsabilidade perante a sociedade projetos pró-ativos, destinados a evitar o julgamento social negativo sobre suas atividades. Particularmente as transnacionais, sensíveis a possíveis denúncias, passaram a incorporar programas de ética empresarial e organizaram códigos de desempenho ético para seus funcionários, criando setores e recrutando recursos humanos para esse fim. 5 Além disso, há uma percepção generalizada de que o Estado nacional não tem tido condições para responder às necessidades de suas populações. Mesmo nos países onde os benefícios do Estado são maiores nos chamados welfare states ou Estados sociais democráticos, a crise do Estado tem tornado difícil ao poder público proporcionar uma vida digna a todos os cidadãos e cidadãs. Em resposta a essa situação, surgiram outras tentativas de providenciar tais benefícios, tendo em vista o bem comum. No Brasil, por exemplo, empresas, organizações civis e várias instâncias do Estado envolveram-se em alianças que têm redundado no desenvolvimento de novos modelos de atuação para os setores público, privado e também para o chamado terceiro setor. 6 Outra explicação para o interesse na ética empresarial pode estar relacionada, em parte, a um projeto internacional, delineado pela ONU e por outras organizações supranacionais, com os objetivos de reduzir a pobreza no mundo, defender o meio ambiente e promover o desenvolvimento sustentável. O Pacto Global foi uma iniciativa do secretário-geral das Nações Unidas, Kofi Annan, lançado formalmente em Ele solicita às empresas que explicitem sua adesão a nove princípios universais, relativos a direitos humanos, normas trabalhistas e questões ambientais. Nas palavras de Kofi Annan: Vamos nos decidir por unir as forças do mercado com a autoridade de ideais universais. Resolvemos reconciliar as forças criativas da iniciativa privada com as necessidades dos desfavorecidos e as demandas das gerações futuras. 7 Aliado a isso, a ética empresarial pode ser vista como parte de uma resposta às situações com as quais somos atualmente confrontados: preocupações com o crescente número de pessoas vivendo em condições de miséria, a percepção generalizada de que a integridade do meio ambiente não pode ser mantida com os atuais níveis de degradação, o alarmante avanço da pandemia de aids no continente africano, os crescentes conflitos internacionais e a ampliação do impacto do terrorismo, além da globalização e do aumento na concorrência internacional. Também devem ser mencionadas questões que afetam mais diretamente as empresas, entre elas, as exigências e a crescente desconfiança das sociedades quanto à ação empresarial, incluindo as denúncias de organizações internacionais e da sociedade civil, assim como o desenvolvimento de tecnologias de comunicação a permitir a rápida divulgação de informações que podem afetar o desempenho, a visibilidade, a respeitabilidade e o valor de mercado de determinada organização. Todos esses pontos podem ser encarados como razões para o renovado interesse na discussão sobre o papel da empresa na sociedade. Ao levar em conta esse amplo contexto, podemos concluir que o interesse pelo tema da ética empresarial não é um fenômeno puramente endógeno, nascido dentro das empresas e depois ampliado para esfera social. Pelo contrário, ele não pode ser visto de modo isolado, mas também como uma 7 UNITED NATIONS Global Compact: <www.unglobalcompact.org>, jan./03 [essa e todas as traduções a seguir são da própria autora]. Impulso, Piracicaba, 14(35): 33-48,

4 reação à situação econômica paradoxal em que nos encontramos. 8 SOLOMON, R.C. Corporate Roles, Personal Virtues: an Aristotelian approach to business ethics, in: WINKLER & COOMBS, 1993, p WEISS, 1994, p. 6. DA ÉTICA EMPRESARIAL À RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA As razões aqui colocadas não explicitam o conteúdo das iniciativas, nem como a ética empresarial poderia ser definida. Tampouco dizem, mais especificamente, como ela é implementada dentro das empresas. Recentemente, expressões como responsabilidade social corporativa, filantropia, cidadania empresarial, marketing empresarial, ética empresarial, terceiro setor e balanço social, entre outras, entraram no vocabulário econômico e ganharam aceitabilidade nos discursos sociais, empresariais e políticos, sem muita reflexão anterior sobre seu significado ou suas conseqüências. Em artigo bem-humorado, Solomon comenta que o problema referente à ética empresarial não é mais a ignorância, pois tanto as universidades quanto as empresas e organizações civis são conscientes dos discursos e estão se envolvendo com o assunto. O problema diz respeito a uma confusão muito mais sofisticada sobre o que devemos esperar do tema e como a teoria sobre ética poderia ser útil nas práticas empresariais. 8 De forma resumida e geral, Weiss propõe definir a ética empresarial como a arte e a disciplina de aplicar princípios éticos para examinar e solucionar dilemas morais complexos. 9 Mais analiticamente, e tomando a perspectiva das teorias micro e macroeconômicas, podemos notar também duas vertentes gerais nessa discussão. Por um lado, teorias macroéticas sobre ética empresarial englobam o direito, a filosofia sociopolítica e a economia, tratando, por exemplo, os mecanismos de distribuição de bens dentro do mercado livre, os direitos à propriedade e as políticas públicas. Por outro, teorias microéticas sobre ética empresarial focalizam o indivíduo no interior da corporação, e o seu papel e comportamento dentro e fora da empresa, ao passo que, na corporação particular, poderiam discutir a relação dela com funcionários e membros da comunidade, no que diz respeito a discriminação, assédio sexual, qualidade do produto, relações trabalhistas e outros. 10 Visto por outra ótica, o discurso sobre ética no mundo empresarial e nas organizações civis tem enfatizado a idéia de responsabilidade diante das expectativas da sociedade e dos complexos dilemas morais que nos confrontam em vários níveis. O termo preferido na literatura empresarial para caracterizar essa questão tem sido responsabilidade social corporativa. São várias as suas definições e múltiplas as dimensões subentendidas: desde a tentativa de definir o compromisso das empresas com seus próprios empregados e clientes, passando pela normatização de seus procedimentos internos e chegando ao compromisso com a sociedade, com os direitos humanos, com a preservação do meio ambiente e com o desenvolvimento sustentável. No Brasil, o Instituto Ethos, criado, em 1998, como uma associação de empresas com o objetivo de disseminar a prática de responsabilidade social nas organizações brasileiras, num processo de avaliação e aperfeiçoamento contínuo, relata a sua visão quanto à participação delas da seguinte forma: As empresas, adotando um comportamento socialmente responsável, são poderosos agentes de mudança para, juntamente com Estados e sociedade civil, construir um mundo melhor. Este comportamento é caracterizado por uma coerência ética nas suas ações e relações com os diversos públicos com os quais interagem, contribuindo para o desenvolvimento contínuo das pessoas, das comunidades e de suas relações entre si e com o meio ambiente SOLOMON, R.C. Corporate Roles, personal virtues: an Aristotelian approach to business ethics, in: WINKLER & COOMBS, Cf. também SOLOMON & HANSON, INSTITUTO ETHOS: <http://www.ethos.org.br/docs/institucional/visao.shtml>, Impulso, Piracicaba, 14(35): 33-48, 2003

5 No quadro internacional, o Conselho Mundial de Negócios para o Desenvolvimento Sustentável (World Business Council for Sustainable Development-WBCSD) chegou a propor, após pesquisar as tendências regionais, nos vários continentes, durante dois anos, a seguinte definição geral de responsabilidade social corporativa: compromisso das empresas em contribuir para o desenvolvimento economicamente sustentável, trabalhando com funcionários, suas famílias, a comunidade local e a sociedade em geral para melhorar sua qualidade de vida. 12 Entre outras tentativas de definir o compromisso empresarial com a responsabilidade social, essas foram usadas como base para o desenvolvimento de vários códigos e guias, de modo a orientar as empresas a desenvolver ações e medidas que, em seu conjunto, são entendidas como indicadores de sua responsabilidade social corporativa. Por exemplo, partindo de sua visão global, o Instituto Ethos publicou uma lista de indicadores para que a empresa possa avaliar o seu desempenho nas seguintes áreas: valores e transparência, público interno, meio ambiente, fornecedores, consumidores e clientes, comunidade, governo e sociedade. 13 Outra iniciativa em âmbito mundial é a Norma de Responsabilidade Social SA8000, lançada em 1997 e revisada, pela Social Accountability International (SAI), em A SA8000 consiste num código para a auditoria de condições trabalhistas básicas, apoiado nas normas da Organização Internacional de Trabalho, na Declaração dos Direitos Humanos e na Convenção para os Direitos da Criança. Abrange nove temas: trabalho infantil, trabalho forçado, segurança e saúde no trabalho, liberdade de associação e direito à negociação coletiva, discriminação, práticas disciplinares, horário de trabalho, remuneração e sistemas de gestão. 14 Esse sistema de certificação é similar ao esquema internacional de Avaliação da 12 HOLME & WATTS, 2000, p INSTITUTO ETHOS: <http://www.ethos.org.br/docs/ conceitos_praticas/indicadores/default.asp>, Cf. SOCIAL ACCOUNTABILITY International: <www.sa-intl.org>, ou <www.cepaa.org/document%20center/standard%20portuguese.doc>, 2003; e CICCO, Conformidade por Organismos Certificadores de Sistemas de Gestão da Qualidade (ISO 9000) e ao Sistema de Gestão Ambiental (ISO 14000). 15 A Global Reporting Initiative (GRI) é uma instituição dedicada a desenvolver e disseminar as Sustainability Reporting Guidelines, diretrizes voluntárias organizadas de acordo com as dimensões econômicas, ambientais e sociais. A GRI foi desenvolvida em colaboração com o Programa de Meio Ambiente da ONU e o Pacto Global. Essas diretrizes ou guias medem não o desempenho, mas as formas de elaboração de relatórios (reporting), para que a divulgação de informação sobre a organização esteja em conformidade com os princípios de globalidade, transparência, inclusividade, auditabilidade, relevância e contexto de sustentabilidade por meio de um processo multistakeholder. 16 Essas são algumas das inúmeras iniciativas lançadas nos últimos anos. Podemos observar, de modo geral, a tendência de reivindicar a aplicação concreta dos princípios universais, já aceitos em grande parte, pela comunidade internacional, como a Declaração dos Direitos Humanos e as recomendações para a diminuição dos níveis de agressão contra o meio ambiente. A responsabilidade social é vista, assim, como um veículo para a transformação social, desde que a empresa vá além de seus interesses próprios estritamente definidos, posicionando-se como ator importante na comunidade, no contexto nacional e até em relação aos processos internacionais. Voltando a Solomon, podemos concluir que somos atualmente confrontados por uma confusão sofisticada ao tentar relacionar as diferentes definições de ética empresarial e de responsabilidade social corporativa. Tal confusão ocorre não somente por haver concepções de ética empresarial segundo a micro e a macroeconomia, mas também em razão de diretrizes, guias e 15 ISO-International Organization for Standardization (Organização International de Standarização) é uma organização não-governamental e a maior organizadora de códigos voluntários para organizações e empresas do mundo. Os códigos mais conhecidos são ISO 9000, sobre gestão de qualidade, e ISO 14000, que lida com gestão do meio ambiente. Para maiores informações, cf. <www.iso.ch>. 16 GLOBAL REPORTING INITIATIVE, Impulso, Piracicaba, 14(35): 33-48,

6 indicadores distintos para definir e operacionalizar o que se entende por responsabilidade social corporativa. Além disso, as expectativas são grandes e trazem consigo várias questões. Em alguns casos, as empresas são vistas como catalisadores e transformadores do contexto global. Porém, que condições elas têm de atender a esses anseios? Trata-se de uma intrincada situação, que nos leva a indagar: até que ponto podemos relacionar esse fenômeno com outras conceituações sobre ética e sua aplicação a dilemas morais complexos? AS GERAÇÕES EVOLUTIVAS DA RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA Para dar sentido e sistematização às várias definições e experiências apresentadas, tornamos ao trabalho de Tracey Swift e Simon Zadek. 17 Eles partem da análise da situação de empresas no mercado europeu para concluir que as iniciativas na área de responsabilidade social corporativa permanecem limitadas, quando não são incorporadas em estratégias e políticas mais amplas. Argumentam que, até agora, o foco tem sido a empresa particular (microética) e a forma como ela reage a novas situações e desenvolve políticas de responsabilidade social, ao passo que o novo desafio seria a possibilidade de operacionalizar uma política em conjunto com outros setores da sociedade (macroética). 18 Para atingi-lo, as empresas precisariam desenvolver um entendimento mais sofisticado sobre responsabilidade social corporativa. Swift e Zadek delineiam três estágios ou gerações de responsabilidade social corporativa, tomando por base suas pesquisas sobre a evolução do pensamento ético dentro das empresas. O primeiro é o estágio básico. Nele, a empresa considera a responsabilidade social corporativa como mera obrigação de cumprir com as leis referentes 17 SWIFT & ZADEK, Esse estudo foi organizado por The Copenhagen Centre (TCC), centro autônomo de reconhecimento internacional estabelecido pelo governo da Dinamarca, e AccountAbility, organização não-governamental localizada em Londres e uma das primeiras entidades a lidar com a questão da responsabilidade social corporativa. Simon Zadek é diretor-presidente da AccountAbility e Tracy Swift é diretor de Pesquisa dessa organização. 18 Ibid., p. ii. a impostos, segurança e saúde, direitos trabalhistas, direitos do consumidor, regulamentação sobre meio ambiente e outras normas vigentes. Para ser considerada boa e responsável, ela deve simplesmente atuar de acordo com as regras do jogo. Esse estágio não significa necessariamente uma política de responsabilidade social, e sim o mínimo a se esperar de uma empresa em termos de comportamento moral, pois cumprir as leis não seria necessariamente uma grande virtude, mas o simples exercício de uma cidadania que visa a que suas ações não sejam consideradas criminosas. Mais além desse estágio inicial, Swift e Zadek definem a primeira geração da responsabilidade social corporativa (low-level business case), 19 em que a empresa percebe a importância de evitar riscos ou crises e, para tanto, implementa processos de risk-management de curto prazo, ações pró-ativas e doações filantrópicas. A expressão business case trata de uma justificativa apoiada nos benefícios que poderiam melhorar o funcionamento da empresa, e não em qualquer princípio ético além do interesse próprio. Já na segunda geração (responsabilidade social corporativa estratégica), a empresa incorpora tal responsabilidade em sua estrutura, criando-lhe uma gerência geral. Isso ocorre quando ela percebe, por exemplo, que pode agregar valor a seus produtos e serviços, ao relacioná-los com programas sociais e benefícios e, assim, atrair e manter funcionários talentosos. Com uma estratégia de constante diálogo a longo prazo com a comunidade, a empresa pode desenvolver sensibilidade às necessidades do consumidor ou usuário e criar produtos de acordo com elas. Nessa condição, a responsabilidade social corporativa é vista como uma boa estratégia empresarial e há a tentativa de sistematizar a questão ética em todos os setores da empresa. 20 Por fim, na terceira geração (reformulação das vantagens competitivas), a responsabilidade social corporativa é vista não quanto ao comportamento exemplar de algumas empresas particu- 19 Ibid., p Ibid., p Impulso, Piracicaba, 14(35): 33-48, 2003

7 21 Ibid., p Ibid., p CONCEITO de PPP, 10/08/ KOHLBERG, 1981 e lares, mas como parte do tecido da economia. Isso inclui o desenvolvimento de um modelo de participação generalizada de múltiplos stakeholders, parcerias, construção de instituições e políticas públicas. 21 Esse modelo teria de incluir, necessariamente, um processo de diálogo e comunicação entre os vários setores do país e até mesmo as organizações internacionais. Entre as discussões que poderiam ser levantadas nessa geração está, por exemplo, se os códigos de responsabilidade social teriam como favorecer as empresas multinacionais e prejudicar as microempresas. Na mesma linha, no âmbito do comércio internacional, a adoção dos preceitos de responsabilidade social poderia beneficiar os países mais ricos, que têm os recursos para desenvolver e implementar produtos que adquirem um prêmio intangível. 22 Num mundo globalizado, onde muitos países pobres dependem particularmente do desempenho de organizações menores, os códigos poderiam aumentar os problemas sociais, ao invés de solucioná-los. Swift e Zadek vêem a resposta a esse dilema no desenvolvimento de clusters de responsabilidade social, ou seja, na cooperação entre empresas, sindicatos, ONGs e as várias instâncias do poder público. Argumentam que uma organização mais sistemática e eficiente de responsabilidade social no âmbito da economia seria capaz de aumentar a competitividade de toda uma nação. Já há tentativas brasileiras nesse sentido, por exemplo, os projetos PPP (Parcerias Público-Privado), 23 envolvendo a iniciativa privada e o Estado na construção de infra-estrutura. Porém, de modo geral, esse estágio tanto no Brasil quanto na Europa ainda está para ser criado. É por meio dessa análise evolutiva que se pode avaliar mais precisamente a maneira como o conceito de responsabilidade social está sendo implementado na empresa e no mundo. De acordo com os estudos de Swift e Zadek, a maioria das instituições atualmente envolvidas com responsabilidade social corporativa encontra-se na primeira geração, havendo, porém, um número cada vez maior chegando à segunda geração. Entretanto, nossa preocupação principal não é necessariamente registrar a ampliação no uso desse conceito em si, mas questionar de que modo relacionar as práticas econômicas com a concepção de ética, para melhor definir o que é ou não ética empresarial. A visão da responsabilidade social corporativa segundo estágios oferece uma boa base para realizar esse intento, pois podemos compará-los com os estágios do desenvolvimento moral e ético, sobre os quais existe ampla literatura ainda não utilizada extensivamente para tratar esse tema. Consideramos, então, necessária uma avaliação da atuação da empresa, com base em teorias mais abrangentes, como os estudos empíricos e as reflexões teóricas desenvolvidas por Lawrence Kohlberg. A TEORIA DE JULGAMENTO MORAL, DE LAWRENCE KOHLBERG Kohlberg preocupou-se em definir os níveis de consciência moral dos indivíduos, 24 tendo por base os estudos de Jean Piaget. Julgamento moral refere-se aqui à maneira como uma pessoa resolve dilemas e chega a decisões valendo-se de um fundamento ético. Portanto, mantemos a definição inicial de Weiss, da ética como a arte e a disciplina de aplicar princípios éticos, enquanto entendemos ser a moral o julgamento diante de um problema concreto. A moral refere-se, assim, a uma contextualização ou à praticabilidade da ética. Kohlberg baseia seu trabalho numa definição de justiça, proposta na filosofia moral de Kant, que a entendeu como um conceito ético fundado em princípios universais e em pressupostos racionais, cognitivos e formais. Apesar de suas raízes obviamente ocidentais e de ser considerada muito abstrata, a concepção de princípios éticos universais tem sido incorporada em documentos internacionais, como nas várias declarações referentes aos direitos humanos, apresentando, portanto, uma validade não apenas formal, mas também política e social. Além de funda- Impulso, Piracicaba, 14(35): 33-48,

8 mentar seu trabalho nesse conceito, Kohlberg também o complementou com estudos empíricos, envolvendo grande contingente de pessoas estudadas durante mais de 20 anos. Por isso, consideramos a sua teoria atual e válida para a nossa discussão, sendo sempre citada como referência obrigatória no debate atual sobre o tema. 25 O ponto de partida para a teoria sobre ética e julgamento moral, de Kohlberg, são os estudos piagetianos de estágios de desenvolvimento. 26 De acordo com a epistemologia de Piaget, a criança não nasce inteligente ou com uma moralidade, mas desenvolve suas capacidades por meio de um processo de construção cognitiva em interações com o meio ambiente. Nesse processo, a criança passa por estágios que consistem em sistemas completos de pensamento, pelos quais se organiza a informação, de acordo com as estruturas e os padrões do sistema. Mediante processos cognitivos de assimilação e acomodação, a criança avança de uma estrutura mais simples para outra maior de pensamento, que incorpora os estágios prévios em um sistema mais complexo e abrangente. Kohlberg, por sua vez, incorpora o construtivismo de Piaget, mas o modifica significativamente no que diz respeito à teoria moral. De acordo com Kohlberg, os estágios morais representam esquemas cognitivos qualitativamente diferenciáveis, seqüenciais, integrados hierarquicamente e considerados universais. O indivíduo teria de passar seqüencialmente pelos distintos níveis, integrando as estruturas prévias de pensamento num sistema mais complexo. E Kohlberg argumenta que tais estruturas de pensamento moral são comuns a todas as pessoas, independentemente da cultura. Para sistematizar esses aspectos distintos, ele desenvolveu uma teoria de desenvolvimento moral que incorpora três níveis: pré-convencional, convencional e pós-convencional, cada um deles constituído por dois estágios. Assim, chegou a um total de seis estágios progressivos de desenvolvimento moral. 25 Cf. as referências a Kohlberg em HABERMAS, 1993; APEL, 1994; GILLIGAN, 1982; e a crítica de Sung, em ASSMAN & SUNG, PIAGET, O primeiro nível, pré-convencional, referese ao desenvolvimento normalmente encontrado em crianças até aproximadamente os nove anos de idade, fase em que a moralidade é considerada algo externo, imposto por uma figura autoritária. A pessoa raciocina como um indivíduo que ainda não se coloca como membro de uma sociedade. No primeiro estágio desse nível, ela age cegamente à autoridade externa a moralidade é imposta pela autoridade por meio de ameaças de punição. Também nessa fase o indivíduo é egoísta e não tem a capacidade de tomar a perspectiva do outro. Já no segundo estágio desse primeiro nível, a pessoa pensa e age de acordo com os próprios interesses, mas consegue perceber que outros podem ter anseios diferentes. Para lidar com essa situação conflitante, ela se envolve em acordos, apoiados na idéia de troca e seguidos na medida em que satisfazem os desejos pessoais. Se, no primeiro estágio, a ameaça de punição prova que algo é errado ou imoral, no segundo, o interesse próprio indica o que vale como moral, ao passo que a punição é vista simplesmente como algo a ser evitado. No segundo nível, convencional, o indivíduo considera-se membro de um grupo maior e tem uma noção da importância das normas sociais. Tende a identificar-se com as normas e acreditar na moralidade como o que é definido pela sociedade. Tem-se aqui o terceiro estágio, no qual a pessoa preocupa-se em possuir características consideradas boas, comportar-se de acordo com as expectativas da família ou do grupo e desenvolver sentimentos como amor, lealdade, empatia, gratidão etc. Os sentimentos compartidos e os papéis sociais a serem desempenhados ganham mais importância do que os interesses individuais. Passando-se, porém, para o quarto estágio ainda como parte do nível convencional, a pessoa entende-se como membro da sociedade e preocupa-se em cumprir seus deveres e manter a ordem e o bem-estar geral. Enquanto a moralidade do terceiro estágio é definida mais pelos laços de família, grupo social ou comunidade local, a do quarto estágio envolve a organização, instituições e responsabilidades com o sistema social maior. 40 Impulso, Piracicaba, 14(35): 33-48, 2003

9 No terceiro nível, definido por Kohlberg como pós-convencional, o indivíduo é capaz de ir mais além e olhar a sociedade de uma perspectiva exterior, realizando julgamentos sobre como ela deveria organizar-se, valendo-se de fundamentos previamente determinados. Diferentemente do quarto estágio, no qual se dá a preocupação em manter a ordem vigente, a pessoa no quinto estágio apóia a ordem social apenas quando essa tem sua base num contrato social, processos democráticos e direitos fundamentais. As leis são avaliadas quanto à sua coerência com os princípios de justiça. No sexto estágio, tais princípios são entendidos como transcendentes a sociedades ou culturas e devem ser apoiados independentemente das leis, normas ou convenções. Nesse nível, segue-se a própria consciência por sua vez, altamente desenvolvida para determinar a moralidade de uma ação, em vez de firmar a decisão ou ação em convenções. Kohhberg admitiu que poucas pessoas conseguem chegar a esse último estágio e acabou por desconsiderá-lo, deixando-o somente como uma possibilidade teórica de seqüência na evolução moral. Em suas pesquisas empíricas, Kohlberg colocou cada indivíduo diante de um dilema moral e pediu para que justificasse sua opinião sobre como ele deveria ser resolvido. Não se preocupou com as respostas quanto à definição de ação certa ou errada, mas com as justificativas e os argumentos, indicativos do nível de julgamento moral do entrevistado. Por meio de exaustivas pesquisas longitudinais e interculturais, Kohlberg apresentou evidências com relação às suas teses. É importante novamente enfatizar que Kohlberg baseia a sua análise nas justificativas, e não nas respostas afirmativas ou negativas. Por exemplo, a resposta de que alguém ou alguma empresa deveria obedecer à lei pode receber distintas justificativas, de acordo com os diferentes níveis. No pré-convencional, a lei deveria ser obedecida por ter sido imposta por uma autoridade ou porque a negligência no respeito a ela poderia resultar em punição. No nível convencional, obedecendo a lei, a pessoa ou empresa receberia uma boa avaliação da comunidade ou estaria fazendo o seu dever na sociedade, mantendo a ordem social. Finalmente, o argumento no nível pós-convencional resultaria da análise sobre a correspondência entre a lei e os princípios universais. Questões a serem respondidas antes da tomada de decisão seriam: nesse contexto particular, há conexão entre obediência à lei e apoio dos fundamentos? Os princípios fundamentais requerem uma ação que inclui a lei, mas, ao mesmo tempo, vai além dela? A teoria de Kohlberg tem sido discutida por vários autores e autoras, levando a uma série de debates sobre a fundamentação e a universalidade dos princípios éticos. Por exemplo, a ética do cuidar (caring), desenvolvida por Carol Gilligan, defende que o conceito de ética proposto por Kohlberg é limitado. Gilligan afirma que as mulheres têm uma tendência a desenvolver sua ética na consideração para com o outro, na necessidade de cuidar e de fazer intervenções na vida do outro. 27 Nesse sentido, reclama do conceito de justiça de Kohlberg como demasiado abstrato, por não incluir essa dimensão. A ética do discurso, de Jürgen Habermas e Karl-Otto Apel, incorpora os estágios de Kohlberg. De acordo com Habermas, o discurso e a ação comunicativa dentro de uma estrutura democrática possibilita a pessoas, grupos, instituições e organizações internacionais chegarem ao consenso sobre responsabilidade, moralidade, justiça ou ética. Na sua concepção, a teoria de Kohlberg confirma a prática da ética discursiva. 28 Nesse esquema, Habermas se interessa sobretudo pelo nível pós-convencional, argumentando que o discurso permite a construção de meios e estruturas, tendo em vista a comunicação democrática. Apel, por sua vez, considera que a teoria de Kohlberg vale como descrição empírica da evolução moral, ao passo que a ética do discurso assume o papel de fundamentação filosófica pragmático-transcendental do princípio normativo da ética. 29 Tanto Habermas como Apel incluem a dimensão da comunicação e do discurso como a instância capaz de ajudar a resolver o problema de definir a 27 GILLIGAN, HABERMAS, 1983, p. 185ss. 29 APEL, 1994, p Impulso, Piracicaba, 14(35): 33-48,

10 ética pós-convencional em termos de princípios universais, sem, contudo, submetê-la ao plano exclusivamente ocidental ou puramente masculino. Por sua vez, Dussel, em sua ética da libertação, critica Kohlberg, Habermas e Apel por não incluírem um princípio ético-crítico em suas teorias. 30 Tomando a vida como princípio ético fundamental e discutindo os problemas da globalização econômica, Dussel afirma que a opção ética preferencial deve ser dada às pessoas excluídas da comunidade de comunicação. Enquanto Kohlberg se recusa a discutir conteúdos nos estágios de desenvolvimento moral, Dussel chama a atenção para a necessidade de se construir uma ética apoiada nas vítimas do processo de exclusão social e econômica. O juízo de fato crítico (a partir do marco material da ética) é enunciado como a possibilidade da produção, reprodução, e desenvolvimento da vida dos sujeitos reais do sistema, e como medida ou critério dos fins do mesmo: se a vida não é possível, a razão instrumental que se exerce em torná-la impossível é eticamente perversa. 31 De acordo com a ética de libertação, de Dussel, é pela organização crítica de uma comunidade de vítimas que a perversidade ética de um sistema evidencia-se. A responsabilidade consiste precisamente no diálogo com as vítimas e na transformação da sociedade, objetivando a sua inclusão e a promoção de suas vidas. Não é nossa intenção resolver essa discussão sobre ética e julgamento moral, mas somente mostrar a importância da teoria do julgamento moral, de Kohlberg, especialmente sua definição de vários estágios. Por outro lado, também consideramos que as teorias aqui colocadas já nos providenciam alguns marcos referenciais gerais para o debate acerca da ética e da responsabilidade social da empresa. Obviamente, empresas não são, nem devem ser, consideradas como indivíduos, que desenvolvem pensamentos ou moralidade. Nossa intenção não é encaixar rigidamente a teoria de Kohlberg ou as dos outros na discussão sobre responsabilidade e ética empresarial, mas utilizá-las como instrumentos a guiarem a nossa reflexão. ESTÁGIOS MORAIS E GERAÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA Como podemos relacionar os estágios de julgamento moral, de Kohlberg, com as gerações de responsabilidade social corporativa? Swift e Zadek não fizeram, de forma alguma, referência a princípios éticos ou morais; porém, a descrição deles mostra uma evolução de como a empresa se porta diante da questão ética. É esse desenvolvimento que nos interessa e que gostaríamos de analisar. Estágio Básico Quanto à aplicação da teoria de Kohlberg à avaliação de Swift e Zadek, o estágio básico referido por esses dois últimos autores poderia ser comparado, grosso modo, com o nível pré-convencional estabelecido pelo primeiro. Esse é o nível no qual a moralidade impõe-se por uma autoridade exterior e, no caso da empresa, ocorre quando ela se submete ao sistema jurídico/legislativo do país. Para muitos estudiosos, inclusive Swift e Zadek, essa fase não deveria ser considerada como parte de um programa de responsabilidade social corporativa, pois não há necessariamente um senso de responsabilidade próprio da empresa, ou seja, uma ética internalizada. Por outro lado, muito do material sobre o tema de responsabilidade social da empresa corresponde a esse nível de discussão. Há um número crescente de organizações não-governamentais dedicadas ao trabalho de vigilância com relação ao respeito da empresa às leis. O desrespeito a elas normalmente aparece na forma de escândalos, quando se descobre executivos ou funcionários de determinada instituição envolvidos conscientemente em atividades ilegais ou que propositadamente obscureceram informação, como ocorreu, recentemente, nos relatórios financeiros da Enron, 32 nos Estados Unidos, ou no desastre 30 DUSSEL, 2000, p Ibid., p CLARK & DEMIRAG, Impulso, Piracicaba, 14(35): 33-48, 2003

11 ecológico causado pela indústria de papel Cataguases, no Brasil, por conta da falta de manutenção e inspeção correta de um reservatório de resíduos químicos tóxicos. 33 Outro exemplo é a denúncia de trabalho infantil e escravo no Brasil, identificando particularmente as empresas agrícolas que praticam esse tipo de infração das leis trabalhistas. 34 Organizações como Greenpeace, Corpwatch, Anistia Internacional, Global Exchange, Social Accountability International, Transparência Internacional para nomear somente algumas dedicam-se, entre outras atividades, a denunciar ocorrências de fraude e corrupção no mundo empresarial. Acerca das justificativas encontradas pelas empresas para obedecer a lei, Donaldson argumenta que a adesão às normas ambientais e trabalhistas pelas empresas na Noruega é mais um resultado da pressão exterior dos sindicatos e das organizações civis do que uma reflexão dos executivos sobre a ética empresarial. 35 Machado Filho e Zylbersztajn 36 argumentam que, em sua pesquisa, a responsabilidade social corporativa parece ser motivada mais por pressões dos consumidores e órgãos financeiros entre eles, o Banco Mundial, o BNDES e as normas regulatórias restritivas impostas pelo Estado do que por razões altruístas. Esses casos mostram que, mesmo quando as empresas obedecem a regras avançadas referentes a direitos trabalhistas e a cuidados ao meio ambiente, como na Noruega, não o fazem por possuir um código de ética avançado, mas por causa das pressões externas. Do ponto de vista da teoria de Kohlberg, isso indica um nível baixo de evolução moral, além da importância do papel das organizações da sociedade civil em regulamentar o comportamento das empresas. Por outro lado, seguir a lei nem sempre corresponde a respeitar regras definidas e óbvias. Às vezes, há ambigüidades sobre a lei ou sobre qual das leis a empresa deve respeitar. O fato de todas as organizações mencionadas acima serem entidades de alcance internacional indica a preocupação com a conduta consistente das empresas no âmbito global. A mão-de-obra barata nos países menos desenvolvidos economicamente tem atraído corporações a desenvolver atividades de produção nessas áreas, abrindo, assim, uma questão ética menos definida, não podendo ser vista como o simples respeito às autoridades políticas e às leis locais. Por exemplo, a permissão conseguida pelas fábricas contratadas pela Nike como forma de incentivo, por parte do governo do país onde se instalaram, para oferecer salários abaixo do estabelecido como mínimo estimulou discussões e denúncias internacionalmente. As fábricas não estavam, tecnicamente, desrespeitando a lei, no entanto a Nike havia utilizado o seu poder de lobby para conseguir vantagens que resultavam em salários abaixo do necessário à sobrevivência (living wage). 37 Exemplo semelhante se dá com as leis ambientais. Quais delas deveriam ser respeitadas por uma empresa que atua em rede mundial? E como a empresa deveria proceder quando se cria um produto novo, para o qual ainda não foi concebida qualquer regulamentação, como no caso de organismos transgênicos? Essas ocorrências levantam questões que dificilmente poderiam ser ponderadas, de forma adequada, no nível préconvencional ou mesmo no convencional, pois exigem uma reflexão sobre princípios para além das regras convencionais de um contexto particular. Portanto, o nível básico de funcionamento do sistema capitalista, definido por Swift e Zadek, de obedecer às leis requer, na verdade, um sistema desenvolvido de informação e regulamentação pela sociedade civil e pelo poder público, como também um espaço para refletir sobre casos ainda não totalmente definidos. Tal atividade tem exigido uma grande dedicação de tempo e energia de várias entidades e, por isso, corresponde a uma área de responsabilidade e ética empresarial significativa. 33 GENTILE, ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO, DONALDSON, J. Key Issues in Business Ethics. New York: Academic Press, 1989, citado em BULL, MACHADO FILHO & ZYLBERSZTAJN, CLEAN CLOTHES CAMPAIGN, Impulso, Piracicaba, 14(35): 33-48,

12 Primeira Geração A primeira geração corresponde aproximadamente ao segundo estágio de desenvolvimento moral, pois a empresa considera a responsabilidade social de acordo com os seus próprios interesses, particularmente como uma troca, e não uma forma de seguir uma ética maior ou melhorar a situação social ou ambiental. Esse tipo de comportamento, caracterizado pelo ato de oferecer doações filantrópicas insignificantes ou envolver-se em atividades sociais com a finalidade única de evitar danos ou punição, tem também sido motivo de denúncia pelas organizações não-governamentais. Ele corresponde a uma atitude defensiva, de proteção, e não de engajamento social. Por exemplo, o termo Greenwash foi cunhado para se referir às empresas que fazem campanhas de marketing sobre responsabilidade social, especialmente ambiental, sem ter realmente projetos significativos na área, ou que os utilizam para desviar a atenção de outras atividades que desrespeitam a natureza ou que exploram os trabalhadores ou fornecedores. 38 Por outro lado, analisada do prisma da teoria do desenvolvimento moral, essa primeira geração significa um pequeno avanço no sentido de que a empresa reconhece, embora de forma limitada ou enganosa, a importância de lidar com o aspecto social e ambiental. Segunda Geração A segunda geração representa uma fase com potencial de muita atividade e criatividade entre empresa, poder público e organizações civis. A maioria das ações caracterizadas como de responsabilidade social poderia ser considerada resultado dessa geração. Corresponde, grosso modo, ao nível convencional de julgamento moral, sobretudo ao terceiro estágio, no qual a empresa se situa como um ator numa sociedade com vários setores e com interesse em gozar de boa reputação e ser bem-vista pela comunidade. A maioria das empresas nessa geração desenvolve uma série de atividades de acordo com o interesse demonstrado pelos funcionários ou executivos por um assunto particular, sendo essa uma oportunidade para que elas mostrem um lado bom perante a comunidade, ou também a convicção de que isso pode oferecer benefícios mútuos para si e os outros stakeholders. Programas de treinamento e benefícios para atrair e manter funcionários talentosos e investimentos em projetos ambientais e sociais de impacto mercadológico são exemplos de ações de responsabilidade social nessa geração. A chegada a essa geração significa uma ampliação na capacidade da empresa de ver sua atuação além do nível técnico ou do simples aumento de lucro. Implica uma abertura para as necessidades da sociedade e a possibilidade de chegar a soluções em conjunto. Nas palavras do World Business Council on Sustainable Development, para qualquer empresa, dar alta prioridade à RSC não é mais visto como algo que represente um custo não produtivo ou desperdício de recursos, mas como um meio de melhorar sua reputação e credibilidade perante os stakeholders algo do qual o sucesso ou mesmo a sobrevivência dependam. Entender e tomar conta das expectativas da sociedade é simplesmente interesse próprio esclarecido dentro do mundo interdependente de hoje. 39 A justificativa das empresas para se envolver em programas de responsabilidade social nessa geração corresponde ao modelo win-win, no qual tanto a sociedade quanto a empresa se beneficiam com a interação. A organização econômica do capitalismo contemporâneo dificulta e quase proíbe uma empresa de chegar a níveis de decisões morais além desse, convencional. Mesmo assim, indicações da existência de princípios éticos universais que vão além do que podemos encontrar na sociedade convencional aparecem nos discursos de empresas e representam, pelo menos, o reconhecimento da relevância deles. Kenneth Goodpaster cita uma carta escrita por um alto executivo, demons- 38 GREER & BRUNO, HOLME & WATT, 2000, p Impulso, Piracicaba, 14(35): 33-48, 2003

13 trando suas justificativas por apoiar a ação afirmativa da empresa. Freqüentemente me perguntam porque essa [ação afirmativa] é uma prioridade tão alta em nossa empresa. Há, por suposto, a resposta óbvia de que é de nosso maior interesse buscar e empregar pessoas boas de todos os setores da sociedade. E há a resposta que o interesse próprio esclarecido nos diz que mais e mais pessoas jovens, as quais devemos atrair como futuros funcionários, escolhem uma empresa tanto por seus indicadores sociais quanto por suas perspectivas nos negócios. Mas a razão principal para essa ênfase é porque é correto fazer isso. 40 É interessante notar que, nessa carta, as justificativas óbvias são aquelas que se referem ao interesse próprio, relativo aos níveis pré-convencional e convencional, indicadores do comportamento esperado no funcionamento normal da empresa. O executivo precisa fazer quase uma apologia para usar princípios que vão além desses níveis. Porém, esse documento mostra uma exceção, não a regra. 40 GOODPASTER, K. Business Ethics and Stakeholder Analysis, in: WINKLER & COOMBS, 1993, p UTTING, Terceira Geração A terceira geração dificilmente se encaixa na teoria de Kohlberg, a não ser com a ampliação sugerida por Habermas e Apel. Nessa geração, a empresa reconhece ter deveres sociais, afora os seus próprios interesses de lucro e crescimento. Mas, além disso, esse reconhecimento significa uma mudança no conceito sobre o papel da empresa na sociedade, pois o centro deixa de ser a empresa rodeada pelos stakeholders, sendo essa posição ocupada por ela em conjunto com os outros setores, na tentativa de construir uma sociedade saudável. Iniciativas desse tipo são, por exemplo, as parcerias entre organizações civis e o poder público para melhoria na infra-estrutura, adoção de escolas, organização de fóruns sociais e desenvolvimento de políticas públicas que incentivem a cooperação entre os vários segmentos. Essa fase implica o diálogo entre os diversos setores da sociedade. A teoria discursiva de Habermas e Apel é necessária para complementar o conceito de moralidade nessa fase, pois ele não poderia ser alcançado pela empresa sem estruturas de participação e comunicação comunitária. Por razões de clarificação teórica, as gerações da responsabilidade social corporativa foram comparadas com os níveis de julgamento moral, como se a empresa passasse por elas em sua íntegra. Na prática, mesmo que as empresas representem um conjunto organizacional com uma certa cultura empresarial, não se pode esperar que elas possuam uma organização cognitiva sistêmica, como se fossem pessoas. É mais provável que algumas áreas da empresa se comportem de maneira diferente com relação a outras. De fato, várias das empresas denunciadas por práticas corruptas tiveram programas de ação social exemplares. 41 Na verdade, uma empresa tem inúmeros níveis e áreas de atuação e, em cada um, poderia apresentar um nível distinto de comportamento ético. Sem um programa de integração da responsabilidade social, a empresa dificilmente alcança uma uniformidade ética. Por outro lado, isso indica a complexidade da empresa e o desafio presente de encontrar modelos para desenvolver uma ética empresarial. Finalmente, observamos que, sem pressão, colaboração e parceria dos outros setores da sociedade, a empresa pouco consegue implementar a ética empresarial. Em outras palavras, a ética empresarial é uma questão de incluir a participação de outros setores, e não meramente instituir uma iniciativa corporativa. CONCLUSÃO Devemos reconhecer, primeiramente, que a aproximação entre ética e economia é um reflexo da condição global de desequilíbrios sociais crescentes, degradação da natureza e falta de um desenvolvimento sustentável. A exclusão de uma grande parcela da população humana também tornou necessária uma nova organização e arti- Impulso, Piracicaba, 14(35): 33-48,

14 culação social, mesmo que de forma precária, e resultando em ações voltadas a aliviar sua situação. Devemos concordar com Dussel ao ele afirmar que o dilema complexo moral, nesse período da história, é a preocupação com a vida seja ela humana seja no sentido mais amplo, o meio ambiente. E essa é a principal justificativa encontrada nas declarações sobre a ética empresarial e sobre a responsabilidade social da empresa. Como parte de uma resposta a essa situação, as empresas e organizações civis, além do poder público e das entidades internacionais, têm proposto um novo papel para as empresas, fazendo-as assumir responsabilidades para reverter esse quadro e desenvolver uma ética sustentável e socialmente responsável. As propostas daí advindas chamam a atenção para uma ética apoiada nos princípios universais de direitos humanos e de respeito à vida, aplicada também às relações econômicas. Embora esse desenvolvimento seja positivo, nossa análise de Swift e Zadek e a comparação com Kohlberg mostraram que a maioria das atividades relacionadas a esse tema se concentra em níveis éticos bastante elementares. Mesmo sendo um avanço com referência ao passado, a exigência de respeitar a lei, ou de reconhecer os interesses de outros setores, não é considerada por muitos como parte de um programa ético, mas como simples observância às convenções vigentes: cumprir com aquilo que todo mundo deveria fazer. Portanto, é válida a descrição realística de Howard Bowen, de 1953, sobre o que se pode esperar da responsabilidade social corporativa: Responsabilidade social é a obrigação dos empresários de seguir as políticas, tomar as decisões ou seguir as linhas de ação desejáveis aos objetivos e valores da sociedade. 42 Bowen posiciona a responsabilidade social diretamente no nível convencional de moralidade, obrigando as empresas a incorporar os objetivos e valores da sociedade. Desse modo, o apelo para que elas incorporem princípios éticos capazes de transformar a sociedade parece-nos ser uma expectativa longe do seu alcance. É necessário um sistema de interação mais global para fazer transformações significativas. Para a empresa ir além do princípio do lucro e do interesse próprio, de modo sistemático, há que ter o apoio institucional da sociedade, do poder público e de outras empresas para transformar o tecido cultural e a forma de se entender a ética nos negócios. O princípio da comunicação, proposto por Habermas e Apel, é um elemento fundamental a essa mudança, pois a dimensão comunicativa é essencial ao desenvolvimento e à evolução dos níveis morais em direção a estágios ou gerações mais avançadas. Significa que a responsabilidade social corporativa deve ser comunicativa e cooperativa, incluindo a participação dos outros setores da sociedade, sem limitar-se à ação individual ou desenvolvida em isolamento. Nesse sentido, pode-se concluir que a condição para que as empresas possam transformar a sociedade é a sua articulação em conjunto com outros setores, objetivando a promoção da vida e tornando possível o diálogo entre ética e economia. 42 Citado em BATTEMAN, 2003 (grifos acrescidos). Referências Bibliográficas APEL, K.-O. Estudos de Moral Moderna. Petrópolis: Vozes, ASSMANN, H. & SUNG, J.M. Competência e Sensibilidade Solidária. Petrópolis: Vozes, BATEMAN, T. Thinking about Corporate Social Responsibility, The Integra Venture. <http://iintegra.infotech.sk/ downloads/83_csr-thinking%20.pdf>. Acesso em: 7/abr./03. BARBOSA, F.; PEDRON, Q. & CAFFARATE, V.M. Evolução histórica do direito do consumidor. Procon. <www.procon. goias.gov.br>. Acesso em: BAUTIER, R.-H. The Economic Development of Medieval Europe. Harcourt Brace Jovanovich, Inc Impulso, Piracicaba, 14(35): 33-48, 2003

15 BULL, B. Corporate social responsibility: the Norwegian Experience. Apresentado ao Banco Interamericano de Desenvolvimento (Iniciativa sobre Ética e Desenvolvimento, 19/mar./03), e incluído na biblioteca digital da Iniciativa Interamericana de Capital Social, Ética e Desenvolvimento <www.iadb.org/etica/ingles/ index-i.cfm>. Acesso em: 12/set./03. CLARK, W. & DEMIRAG, I. Enron: the failure of Corporate Governance. Journal of Corporate Citizenship 8, Winter Greenleaf Publishing, CLEAN CLOTHES CAMPAIGN <www.cleanclothes.org/codes/inilivingwa.htm>. Acesso em: 16/08/03. CICCO, F. SA 8000: um sistema de certificação de âmbito mundial para monitorar a reponsabilidade social das empresas SP. QSP <www.qsp.org.br/sa8000_umsistema.shtml>. Acesso em: 21/set./03. CONCEITO DE PPP é adotado em pelo menos 50 países há 10 anos. OESP on-line, <www.estado.estadão.com.br>. Acesso em: 10/ago./03. DONALDSON, Th. The Ethics of International Business. New York: Oxford University Press, DUSSEL, E. Ética da Libertação na Idade da Globalização e da Exclusão. Petrópolis: Vozes, GENTILE, C. Director arrested for Brazilian disaster. UPI Latin America Correspondent. <www.upi.com>. Acesso em: 4/jul./03. GREER, J. & BRUNO, K. Greenwash: the reality behind corporate environmentalism. Penang/New York: Third World Network/The Apex Press, FERNANDES, R.C. Privado Porém Público o terceiro setor na América Latina. Rio de Janeiro: Civicus/Relume Dumará, FISCHER, R.M. & FALCONER, A.P. Desafios da parceiria governo e terceiro setor. Revista de Administração da USP, v. 33, n. 1, FORSTATER, M.; MACDONALD, J. & RAYNARD, P. Business and Poverty: bridging the gap. London: Prince of Wales International Business Leaders Forum, GIES, J. & GIES, F. Merchants and Moneymen: the commercial revolution New York: Thomas Y. Crowell Company, GILLIGAN, C. In a Different Voice. Cambridge/London: Harvard University Press, GLOBAL REPORTING INITIATIVE (GRI). Introducing the 2002 Sustainability Reporting Guidelines <www.globalreporting.org/guidelines/2002/gri_companion_lite.pdf>. Acesso em: 14/set./03. HABERMAS, J. Moralbewusstsein und kommunikatives Handeln. Frankfurt: Suhrkamp, HOFFMAN, A.J. From Heresy to Dogma: an institutional history of corporate environmentalism. Standford: Standford University Press, HOLME, R. & WATTS, P. Corporate Social Responsbility: making good business sense. Geneva: World Business Report for Sustainable Development, KOHLBERG, L. Essays on Moral Development. Cambridge: Cambridge University Press, v. 1-2, KOHLBERG, L. & COLBY, A. The Measurement of Moral Judgment. Cambridge: Cambridge University Press, MACHADO FILHO, C.A.P. M. & ZYLBERSZTAJN, D. Responsabilidade Social Corporativa e a Criação de Valor para as Organizações. v.1., n. 1, <www.unimep.br/tmp/revistaextrato.html>. Acesso em: 11/ set./03. ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DE TRABALHO (OIT). Combate ao Trabalho Escravo: estatísticas. <http:// Acesso em: 25/set./03. PIAGET, J. The Moral Judgment of the Child. London: Kegan Paul, SEN, A. On Ethics and Economics. New York: Basil Blackwell, SOCIAL ACCOUNTABILITY INTERNATIONAL. <www.sa-intl.org>. Acesso em: 25/set./03. Impulso, Piracicaba, 14(35): 33-48,

16 SOLOMON, R.C. & HANSON, K.R.. It s Good Business. New York: Atheneum, SWIFT, T. & ZADEK, S. Corporate Reponsability and the Competetive Advantage of Nations. London: The Copenhagen Centre/Accountability, SWARD, K. The Legend of Henry Ford. New York: Atheneum, UNITED NATIONS GLOBAL COMPACT. <www. unglobalcompact.org>. Acesso em: jan./03. UTTING, P. The potential and limits of corporate social and environmental responsibility. Dossier Transnational Corporation and Human Rights, CETIM (Centre Europe/Tiers Monde). <www.cetim.ch/stn/stn_fra.htm>. Acesso em: 28/jul./03. WEISS, J.W. Business Ethics: a managerial, stakeholder approach. Belmont: Wadsworth Publishing Company, WINKLER, E.R. & COOMBS, J.R. Applied Ethics: a reader. Cambridge/Oxford: Blackwell Publishers, Dados da autora PhD em educação e desenvolvimento internacional pela Universidade de Frankfurt/Alemanha, é membro do Grupo de Pesquisa sobre Responsabilidade Social de Empresas na Concordia University e desenvolve projetos sobre estudos de gênero e direitos humanos no Brasil, Estados Unidos e Europa. Recebimento artigo: 9/set./03 Consultoria: 10/set./03 a 18/set./03 Aprovado: 23/set./03 48 Impulso, Piracicaba, 14(35): 33-48, 2003

ISO 26000: Diretrizes sobre Responsabilidade Social

ISO 26000: Diretrizes sobre Responsabilidade Social ISO 26000: Diretrizes sobre Responsabilidade Social Características essenciais de Responsabilidade Social Incorporação por parte da organização de considerações sociais e ambientais nas suas decisões tornando-se

Leia mais

Responsabilidade Social

Responsabilidade Social Responsabilidade Social Profa. Felicia Alejandrina Urbina Ponce A questão principal é debater: o que torna uma empresa socialmente responsável? É o fato de ela ser ética? Ou fi lantrópica? Ou porque ela

Leia mais

PRINCÍPIOS E NORMAS DE CONDUTA EMPRESARIAL NA RELAÇÃO DE FURNAS COM SEUS FORNECEDORES

PRINCÍPIOS E NORMAS DE CONDUTA EMPRESARIAL NA RELAÇÃO DE FURNAS COM SEUS FORNECEDORES PRINCÍPIOS E NORMAS DE CONDUTA EMPRESARIAL NA RELAÇÃO DE FURNAS COM SEUS FORNECEDORES Outubro/2009 1/8 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. ABRANGÊNCIA 3. OBJETIVOS 4. CÓDIGO DE CONDUTA EMPRESARIAL 4.1 NORMAS DE CONDUTA

Leia mais

Sustentabilidade Corporativa na Economia Mundial

Sustentabilidade Corporativa na Economia Mundial Sustentabilidade Corporativa na Economia Mundial NAÇÕES UNIDAS PACTO GLOBAL O que é o Pacto Global da ONU? Nunca houve um alinhamento tão perfeito entre os objetivos da comunidade internacional e os do

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Dimensão Social

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Dimensão Social DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Dimensão Social Por Daiane Fontes 1 A preocupação da sociedade com relação aos temas ética, cidadania, direitos humanos, desenvolvimento econômico, Desenvolvimento Sustentável

Leia mais

Norma Permanente 4.1. GOVERNANÇA E GESTÃO 4.2. PRINCÍPIOS 4.3. INVESTIMENTO SOCIAL PRIVADO E INCENTIVADO

Norma Permanente 4.1. GOVERNANÇA E GESTÃO 4.2. PRINCÍPIOS 4.3. INVESTIMENTO SOCIAL PRIVADO E INCENTIVADO Resumo: Reafirma o comportamento socialmente responsável da Duratex. Índice 1. OBJETIVO 2. ABRANGÊNCIA 3. DEFINIÇÕES 3.1. PARTE INTERESSADA 3.2. ENGAJAMENTO DE PARTES INTERESSADAS 3.3. IMPACTO 3.4. TEMAS

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA PI.001.00000000 A - 04 de Junho de 2014

CÓDIGO DE ÉTICA PI.001.00000000 A - 04 de Junho de 2014 CÓDIGO DE ÉTICA PI.001.00000000 A - 04 de Junho de 2014 PALAVRA DA DIRETORIA Apresentamos, com muito prazer, o do Grupo Galvão, que foi elaborado de maneira participativa com representantes dos colaboradores

Leia mais

Responsabilidade Social Empresarial

Responsabilidade Social Empresarial Responsabilidade Social Empresarial Henry Ford: produto e preço - Gestão de Produto e Processo. Jerome McCarty e Philip Kotler: produto, preço, praça (ponto de venda) e promoção. - Gestão de Marketing.

Leia mais

ÉTICA E RESPONSABILIDADE SOCIAL

ÉTICA E RESPONSABILIDADE SOCIAL ÉTICA E RESPONSABILIDADE SOCIAL Camila Cristina S. Honório 1 Maristela Perpétua Ferreira 1 Rosecleia Perpétua Gomes dos Santos 1 RESUMO O presente artigo tem por finalidade mostrar a importância de ser

Leia mais

Responsabilidade Social Corporativa

Responsabilidade Social Corporativa Responsabilidade Social Corporativa João Paulo Vergueiro jpverg@hotmail.com Stakeholders GOVERNOS ORGANISMOS INTERNACIONAIS FORNECEDORES CONCORRENTES INDÚSTRIA DA COMUNICAÇÃO ACIONISTAS PROPRIETÁRIOS EMPRESA

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA 23 de julho de 2015 ÍNDICE Pág. Introdução... 3 Objetivos... 3 Princípios gerais de atuação... 4 Princípios específicos de atuação... 7 Mecanismos de desenvolvimento,

Leia mais

Índice. 4. Princípios Os seguintes princípios norteiam as ações de Responsabilidade Socioambiental da Chevrolet Serviços Financeiros.

Índice. 4. Princípios Os seguintes princípios norteiam as ações de Responsabilidade Socioambiental da Chevrolet Serviços Financeiros. Índice 1. Objetivo... 1 2. Escopo e Partes Afetadas... 1 3. Definições... 1 4. Princípios... 1 5. Objetivos, metas e programas... 2 6. Papéis e Responsabilidades... 5 7. Regulamentação Aplicável... 6 1.

Leia mais

PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade. Democracia na escola Ana Maria Klein 1

PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade. Democracia na escola Ana Maria Klein 1 PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Democracia na escola Ana Maria Klein 1 A escola, instituição social destinada à educação das novas gerações, em seus compromissos

Leia mais

Fundação Dom Cabral EDUCAÇÃO DE LIDERANÇAS PARA A SUSTENTABILIDADE (ELS)

Fundação Dom Cabral EDUCAÇÃO DE LIDERANÇAS PARA A SUSTENTABILIDADE (ELS) Fundação Dom Cabral Ritual de Passagem: A Educação de Lideranças para a Sustentabilidade INSTRUMENTO PARA AVALIAÇÃO ALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO DE LIDERANÇAS PARA A SUSTENTABILIDADE (ELS) Prof. Raimundo Soares

Leia mais

Código. de Conduta do Fornecedor

Código. de Conduta do Fornecedor Código de Conduta do Fornecedor 03/2014 Índice 1. Considerações... 03 2. Decisões... 04 3. Diretrizes... 05 3.1. Quanto à Integridade nos Negócios... 05 3.2. Quanto aos Direitos Humanos Universais... 06

Leia mais

DELOITE TOUCHE TOHMATSU Código PO-SIGA POLITICA CORPORATIVA Revisão 02

DELOITE TOUCHE TOHMATSU Código PO-SIGA POLITICA CORPORATIVA Revisão 02 Pagina 1/6 ÍNDICE 1. OBJETIVO...3 2. ABRANGÊNCIA / APLICAÇÃO...3 3. REFERÊNCIAS...3 4. DEFINIÇÕES...3 5. DIRETRIZES E RESPONSABILIDADES...4 5.1 POLITICAS...4 5.2 COMPROMISSOS...4 5.3 RESPONSABILIDADES...5

Leia mais

Sustentabilidade: Hoje ou Amanhã?

Sustentabilidade: Hoje ou Amanhã? Sustentabilidade: Hoje ou Amanhã? Sustentabilidade O que isto significa? Tem implicações nas vidas das pessoas e organizações? Os cidadãos e os executivos estão comprometidos com isto? Surgem muitas organizações

Leia mais

Responsabilidade social empresarial na região de Campinas, Estado de São Paulo: características e expectativas

Responsabilidade social empresarial na região de Campinas, Estado de São Paulo: características e expectativas Responsabilidade social empresarial na região de Campinas, Estado de São Paulo: características e expectativas Cândido Ferreira da Silva Filho (UNISAL) candido.silva@am.unisal.br Gideon Carvalho de Benedicto

Leia mais

PRS - Programa de Responsabilidade Social do Crea-RS

PRS - Programa de Responsabilidade Social do Crea-RS PRS - Programa de Responsabilidade Social do Crea-RS Gestão de Administração e Finanças Gerência de Desenvolvimento Humano e Responsabilidade Social Junho/2014 Desenvolvimento Sustentável Social Econômico

Leia mais

INDICADORES ETHOS. De Responsabilidade Social Empresarial Apresentação da Versão 2000

INDICADORES ETHOS. De Responsabilidade Social Empresarial Apresentação da Versão 2000 INDICADORES ETHOS De Responsabilidade Social Empresarial Apresentação da Versão 2000 Instrumento de avaliação e planejamento para empresas que buscam excelência e sustentabilidade em seus negócios Abril/2000

Leia mais

Questionário para Instituidoras

Questionário para Instituidoras Parte 1 - Identificação da Instituidora Base: Quando não houver orientação em contrário, a data-base é 31 de Dezembro, 2007. Dados Gerais Nome da instituidora: CNPJ: Endereço da sede: Cidade: Estado: Site:

Leia mais

Sustentabilidade nos Negócios

Sustentabilidade nos Negócios Sustentabilidade nos Negócios Apresentação O programa Gestão Estratégica para a Sustentabilidade foi oferecido pelo Uniethos por nove anos. Neste período os temas ligados à sustentabilidade começam a provocar

Leia mais

CORRELAÇÃO COM OUTRAS INICIATIVAS

CORRELAÇÃO COM OUTRAS INICIATIVAS CORRELAÇÃO COM OUTRAS INICIATIVAS do conteúdo dos Indicadores Ethos com outras iniciativas Com a evolução do movimento de responsabilidade social e sustentabilidade, muitas foram as iniciativas desenvolvidas

Leia mais

GESTÃO DE PESSOAS E RESPONSABILIDADE SOCIAL: CRIANDO VALOR PARA. Profa. MARIA ELIZABETH PUPE JOHANN

GESTÃO DE PESSOAS E RESPONSABILIDADE SOCIAL: CRIANDO VALOR PARA. Profa. MARIA ELIZABETH PUPE JOHANN GESTÃO DE PESSOAS E RESPONSABILIDADE SOCIAL: CRIANDO VALOR PARA O NEGÓCIO Profa. MARIA ELIZABETH PUPE JOHANN Maio de 2007 LEMBRANDO ESTRATÉGIAS... APARENTE PARADOXO: POR QUE A RICA SOCIEDADE AMERICANA

Leia mais

ÉTICA GERAL E PROFISSIONAL MÓDULO 7

ÉTICA GERAL E PROFISSIONAL MÓDULO 7 ÉTICA GERAL E PROFISSIONAL MÓDULO 7 Índice 1. Ética empresarial...3 2 1. ÉTICA EMPRESARIAL É neste contexto, e com o objetivo de o mundo empresarial recuperar a confiança, que vai surgindo a ética Empresarial.

Leia mais

APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES

APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES 2º. Bimestre Capítulos: I Ética: noções e conceitos básicos II Processo de Decisão Ética III - Responsabilidade Social Apostila elaborada pela Profa. Ana

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL Introdução A partir da década de 90 as transformações ocorridas nos aspectos: econômico, político, social, cultural,

Leia mais

GRES ROTEIRO DE DESENVOLVIMENTO DE INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE. Setembro de 2008. Concepção: Uniethos

GRES ROTEIRO DE DESENVOLVIMENTO DE INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE. Setembro de 2008. Concepção: Uniethos GRES ROTEIRO DE DESENVOLVIMENTO DE INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE Setembro de 2008 Concepção: Uniethos 1 Introdução O objetivo do GRES Grupo Referencial de Empresas em Sustentabilidade - é o desenvolvimento

Leia mais

A ÉTICA E O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL SOB A ÓTICA DAS ORGANIZAÇÕES

A ÉTICA E O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL SOB A ÓTICA DAS ORGANIZAÇÕES A ÉTICA E O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL SOB A ÓTICA DAS ORGANIZAÇÕES Ítalo Camilo da Silva Nogueira Mestrando em Desenvolvimento Regional (mídias sociais), docente na Faculdade Nossa Senhora Aparecida/FANAP-GO.

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

PRSA - POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL Julho/2015

PRSA - POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL Julho/2015 PRSA - POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL Julho/2015 RELATÓRIO DE ACESSO PÚBLICO Este Manual/Relatório foi elaborado pela ATIVA com fins meramente informativos. É proibida a reprodução total ou

Leia mais

Auditoria e Gestão de Riscos no Conceito da Sustentabilidade das Organizações

Auditoria e Gestão de Riscos no Conceito da Sustentabilidade das Organizações Auditoria e Gestão de Riscos no Conceito da Sustentabilidade das Organizações Paulo Vanca Diretor do AUDIBRA / IIA Brasil Consultor da Junho de 2009 PwC Agenda Sustentabilidade Verdades e mitos Os 3 Pilares

Leia mais

6 de Maio de 2009 Anabela Lagorse Pontes

6 de Maio de 2009 Anabela Lagorse Pontes Códigos de Conduta e Ética 6 de Maio de 2009 Anabela Lagorse Pontes Códigos de Conduta e de Ética ETICA COMPROMISSO CONDUTA EMPRESAS PROFISSIONAL PRINCÍPIOS INDEPENDÊNCIA DEVERES CLIENTES EXIGÊNCIAS PÚBLICO

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA e CONDUTA GRUPO

CÓDIGO DE ÉTICA e CONDUTA GRUPO CÓDIGO DE ÉTICA e CONDUTA GRUPO invepar índice Apresentação Visão, Missão, Valores Objetivos Princípios Básicos Pág. 4 Pág. 6 Pág. 7 Pág. 8 Abrangência / Funcionários Empresas do Grupo Sociedade / Comunidade

Leia mais

NOSSOS PRINCÍPIOS ORIENTADORES

NOSSOS PRINCÍPIOS ORIENTADORES NOSSOS PRINCÍPIOS ORIENTADORES Por cerca de 50 anos, a série Boletim Verde descreve como a John Deere conduz os negócios e coloca seus valores em prática. Os boletins eram guias para os julgamentos e as

Leia mais

MELHORES PRÁTICAS DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE SUSTENTABILIDADE Pronunciamento de Orientação CODIM

MELHORES PRÁTICAS DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE SUSTENTABILIDADE Pronunciamento de Orientação CODIM MELHORES PRÁTICAS DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE SUSTENTABILIDADE Pronunciamento de Orientação CODIM COLETIVA DE IMPRENSA Participantes: Relatores: Geraldo Soares IBRI; Haroldo Reginaldo Levy Neto

Leia mais

Café com Responsabilidade. Sustentabilidade: a competência empresarial do futuro. Vitor Seravalli

Café com Responsabilidade. Sustentabilidade: a competência empresarial do futuro. Vitor Seravalli Café com Responsabilidade Sustentabilidade: a competência empresarial do futuro Vitor Seravalli Manaus, 11 de Abril de 2012 Desafios que o Mundo Enfrenta Hoje Crescimento Populacional Desafios que o Mundo

Leia mais

PROGRAMA DE ADOÇÃO DE PRINCÍPIOS SOCIOAMBIENTAIS

PROGRAMA DE ADOÇÃO DE PRINCÍPIOS SOCIOAMBIENTAIS A Copagaz A Copagaz, primeira empresa do Grupo Zahran, iniciou suas atividades em 1955 distribuindo uma tonelada de Gás Liquefeito de Petróleo - GLP por dia nos estados de São Paulo, Mato Grosso e Mato

Leia mais

Índice. Ética no Grupo --------------------------------------------------------------------------------- 3

Índice. Ética no Grupo --------------------------------------------------------------------------------- 3 Índice Ética no Grupo --------------------------------------------------------------------------------- 3 Código de Ética ---------------------------------------------------------------------- 4 Conduta

Leia mais

Código de Ética e Conduta do grupo Invepar

Código de Ética e Conduta do grupo Invepar Código de Ética e Conduta do grupo Invepar Edição: agosto/2014 1 ÍNDICE Visão, Missão e Valores 6 Fornecedores e prestadores de serviço 14 Objetivos 7 Brindes, presentes e entretenimento 15 Princípios

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA E RESPONSABILIDADE SOCIAL Laboratório Weinmann Ltda.

CÓDIGO DE ÉTICA E RESPONSABILIDADE SOCIAL Laboratório Weinmann Ltda. CÓDIGO DE ÉTICA E RESPONSABILIDADE SOCIAL Laboratório Weinmann Ltda. 1 Objetivo Descrever e comunicar os princípios que norteiam o relacionamento do Laboratório Weinmann Ltda. com as suas partes interessadas

Leia mais

O Grupo Atlas Copco. Código de Conduta Empresarial

O Grupo Atlas Copco. Código de Conduta Empresarial O Grupo Atlas Copco Código de Conduta Empresarial Índice O Grupo Atlas Copco 1 Primeiro na Mente Primeiro na Escolha 2 Valores Fundamentais 3 Relações 4 Sociedade e o ambiente 5 Colaboradores 6 Clientes

Leia mais

Responsabilidade Social 8000

Responsabilidade Social 8000 NORMA INTERNACIONAL SAI SA8000 : 2001 Responsabilidade Social 8000 SA8000 é uma marca registrada da Social Accountability International CÓPIA NÃO AUTORIZADA SEM PERMISSÃO DA SAI, EXCETO QUANDO PERMITIDO

Leia mais

PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO EM GESTÃO DA RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESARIAL E DESENVOLVIMENTO PETROBRÁS UNIVERSIDADE COORPORATIVA OFICINA 2

PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO EM GESTÃO DA RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESARIAL E DESENVOLVIMENTO PETROBRÁS UNIVERSIDADE COORPORATIVA OFICINA 2 PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO EM GESTÃO DA RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESARIAL E DESENVOLVIMENTO PETROBRÁS UNIVERSIDADE COORPORATIVA OFICINA 2 ESTRATÉGIAS E INSTRUMENTOS DE RESPONSABILIDADE SOCIAL AMBIENTAL

Leia mais

Responsabilidade na Gestão do Relacionamento com os Clientes. Política de comunicação Comercial; Excelência do atendimento;

Responsabilidade na Gestão do Relacionamento com os Clientes. Política de comunicação Comercial; Excelência do atendimento; Responsabilidade na Gestão do Relacionamento com os Clientes Política de comunicação Comercial; Excelência do atendimento; Danos potenciais dos produtos e serviços. PNQ 2007 - critérios: clientes e sociedade.

Leia mais

ENGENHEIRO DE TUBULAÇÃO NORMAS DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

ENGENHEIRO DE TUBULAÇÃO NORMAS DE RESPONSABILIDADE SOCIAL ENGENHEIRO DE TUBULAÇÃO NORMAS DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NORMAS DE RESPONSABILIDADE SOCIAL OBJETIVO DA DISCIPLINA Esta disciplina tem o objetivo de fornecer aos participantes informações sobre normas

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Projeto de Implantação e Implementação da Responsabilidade Socioambiental na Indústria

Mostra de Projetos 2011. Projeto de Implantação e Implementação da Responsabilidade Socioambiental na Indústria Mostra de Projetos 2011 Projeto de Implantação e Implementação da Responsabilidade Socioambiental na Indústria Mostra Local de: Umuarama Categoria do projeto: I - Projetos em implantação, com resultados

Leia mais

Introdução da Responsabilidade Social na Empresa

Introdução da Responsabilidade Social na Empresa Introdução da Responsabilidade Social na Empresa Vitor Seravalli Diretoria Responsabilidade Social do CIESP Sorocaba 26 de Maio de 2009 Responsabilidade Social Empresarial (RSE) é uma forma de conduzir

Leia mais

PRS - Programa de Responsabilidade Social do Crea-RS. Gestão de Administração e Finanças Gerência de Gestão de Pessoas

PRS - Programa de Responsabilidade Social do Crea-RS. Gestão de Administração e Finanças Gerência de Gestão de Pessoas PRS - Programa de Responsabilidade Social do Crea-RS Gestão de Administração e Finanças Gerência de Gestão de Pessoas Desenvolvimento Sustentável Social Econômico Ambiental Lucro Financeiro Resultado Social

Leia mais

GUIA DE MELHORES PRÁTICAS EM SUSTENTABILIDADE

GUIA DE MELHORES PRÁTICAS EM SUSTENTABILIDADE GUIA DE MELHORES PRÁTICAS EM SUSTENTABILIDADE GUIA DE MELHORES PRÁTICAS EM SUSTENTABILIDADE Comissão Técnica Nacional de Sustentabilidade novembro/2014 Sumário Desenvolver e aplicar análises ESG - ambiental,

Leia mais

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global (texto extraído da publicação IRVING, M.A.; BOTELHO, E.S.; SANCHO, A.; MORAES, E &

Leia mais

Unidade IV PROCESSOS ORGANIZACIONAIS. Prof. Léo Noronha

Unidade IV PROCESSOS ORGANIZACIONAIS. Prof. Léo Noronha Unidade IV PROCESSOS ORGANIZACIONAIS Prof. Léo Noronha As normas podem ser separadas em dois grandes grupos Normas de produtos ou serviços; Normas de sistemas de gestão. Estas definem os processos administrativos

Leia mais

PUC Goiás. Prof. Ricardo Resende Dias, MSc.

PUC Goiás. Prof. Ricardo Resende Dias, MSc. PUC Goiás Prof. Ricardo Resende Dias, MSc. 1 2 3 4 RAZÕES PARA ADOÇÃO DE PRÁTICAS SOCIOAMBIENTAIS AUMENTAR A QUALIDADE DO PRODUTO AUMENTAR A COMPETITIVIDADE DAS EXPORTAÇÕES ATENDER O CONSUMIDOR COM PREOCUPAÇÕES

Leia mais

c) Ênfase na importância e necessidade de contínuo aprimoramento cultural e profissional de todos os envolvidos.

c) Ênfase na importância e necessidade de contínuo aprimoramento cultural e profissional de todos os envolvidos. TÍTULO Código de Conduta Ética da Organização Bradesco GESTOR Banco Bradesco S.A. ABRANGÊNCIA Unidades no Exterior, Agências, Departamentos, Empresas Ligadas DATA DE PUBLICAÇÃO 07/08/2015 Descrição: 1.

Leia mais

Glossário do Investimento Social*

Glossário do Investimento Social* Glossário do Investimento Social* O IDIS Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social é uma organização da sociedade civil de interesse público, que tem como missão promover e estruturar o investimento

Leia mais

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO TAREFAS ESTRUTURA PESSOAS AMBIENTE TECNOLOGIA ÊNFASE NAS TAREFAS Novos mercados e novos conhecimentos ÊNFASE

Leia mais

PROGRAMA DE ELABORAÇÃO DE BALANÇOS SOCIOAMBIENTAIS INICIATIVA PRIVADA

PROGRAMA DE ELABORAÇÃO DE BALANÇOS SOCIOAMBIENTAIS INICIATIVA PRIVADA PROGRAMA DE ELABORAÇÃO DE BALANÇOS SOCIOAMBIENTAIS INICIATIVA PRIVADA CONHEÇA MELHOR A SAÚDE SOCIOAMBIENTAL DA SUA EMPRESA E OBTENHA MAIOR CREDIBILIDADE E VISIBILIDADE!!! INVISTA O Instituto Socioambiental

Leia mais

A Hora e a Vez da SA8000 A Norma de Responsabilidade Social

A Hora e a Vez da SA8000 A Norma de Responsabilidade Social SA8000 QUE NORMA É ESSA? ASA8000 passou a ter grande notoriedade a partir do momento em que a Petrobrás começou a divulgá-la e a incentivar seus fornecedores a implementá-la. Isso é plenamente compreensível

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

MICRO E PEQUENAS EMPRESAS E A SUSTENTABILIDADE

MICRO E PEQUENAS EMPRESAS E A SUSTENTABILIDADE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS E A SUSTENTABILIDADE JULIANA APARECIDA DE SOUZA REIS MAIARA NATALIA MARINHO DUARTE SUSELI SANTOS DIAS RESUMO Neste artigo temos por objetivo apresentar que as micros e pequenas

Leia mais

Introdução: Código de Conduta Corporativa

Introdução: Código de Conduta Corporativa Transporte Excelsior Ltda Código de Conduta Corporativa Introdução: A Transporte Excelsior através desse Código Corporativo de Conduta busca alinhar e apoiar o cumprimento de nossa Missão, Visão e Valores,

Leia mais

AA1000: Estrutura de gestão da responsabilidade corporativa. Informações gerais

AA1000: Estrutura de gestão da responsabilidade corporativa. Informações gerais AA1000: Estrutura de gestão da responsabilidade corporativa Informações gerais Produzido por BSD Brasil. Pode ser reproduzido desde que citada a fonte. Introdução Lançada em novembro de 1999, em versão

Leia mais

Código de ética e Conduta

Código de ética e Conduta DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS GlobalPET Reciclagem S.A Agosto /2014 Código de ética e Conduta Sumário 1. Introdução 2. Objetivos 3. Código de Conduta 4. Código de Ética 5. Valores éticos 6. Princípios

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DO FORNECEDOR SODEXO APRIL 2014

CÓDIGO DE CONDUTA DO FORNECEDOR SODEXO APRIL 2014 CÓDIGO DE CONDUTA DO FORNECEDOR SODEXO APRIL 2014 Índice INTRODUÇÃO INTEGRIDADE NOS NEGÓCIOS DIREITOS HUMANOS E DIREITOS FUNDAMENTAIS NO TRABALHO Eliminação de todas as formas de trabalho forçado ou compulsório

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL E VOLUNTARIADO EMPRESARIAL. A contribuição do trabalho voluntário na Responsabilidade Social

RESPONSABILIDADE SOCIAL E VOLUNTARIADO EMPRESARIAL. A contribuição do trabalho voluntário na Responsabilidade Social RESPONSABILIDADE SOCIAL E VOLUNTARIADO EMPRESARIAL A contribuição do trabalho voluntário na Responsabilidade Social Ana Paula P. Mohr Universidade do Vale do Rio dos Sinos ana.mohr@gerdau.com.br INTRODUÇÃO

Leia mais

Reflexões sobre Empresas e Direitos Humanos. Leticia Veloso leticiahelenaveloso@outlook.com

Reflexões sobre Empresas e Direitos Humanos. Leticia Veloso leticiahelenaveloso@outlook.com Reflexões sobre Empresas e Leticia Veloso leticiahelenaveloso@outlook.com PRINCÍPIOS ORIENTADORES SOBRE EMPRESAS E DIREITOS HUMANOS (ONU, 2011): 1. PROTEGER 2. RESPEITAR 3. REPARAR Em junho de 2011, o

Leia mais

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE 1. OBJETIVO E ABRANGÊNCIA Esta Política tem como objetivos: Apresentar de forma transparente os princípios e as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e direcionam

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL

RESPONSABILIDADE SOCIAL RESPONSABILIDADE SOCIAL Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares TODO COMPORTAMENTO TEM SUAS RAZÕES. A ÉTICA É SIMPLESMENTE A RAZÃO MAIOR DAVID HUME DEFINIÇÕES

Leia mais

Código de. Ética e Conduta. de Fornecedores

Código de. Ética e Conduta. de Fornecedores Código de Ética e Conduta de Fornecedores Fev/2012 Caro Fornecedor, Palavra do Presidente Este Código de Ética e Conduta de Fornecedores busca orientá-lo sobre as diretrizes da relação entre a Cielo e

Leia mais

Relatório Pacto Global. Princípio 1: As empresas devem dar apoio e respeitar a proteção aos direitos humanos proclamados internacionalmente;

Relatório Pacto Global. Princípio 1: As empresas devem dar apoio e respeitar a proteção aos direitos humanos proclamados internacionalmente; Relatório Pacto Global Princípios de Direitos Humanos Princípio 1: As empresas devem dar apoio e respeitar a proteção aos direitos humanos proclamados internacionalmente; Um dos valores que sustentam a

Leia mais

ISO 9001 ISO 14001. Relatório Comunicação de Progresso COP 2014

ISO 9001 ISO 14001. Relatório Comunicação de Progresso COP 2014 Relatório Comunicação de Progresso COP 2014 Detalhes da Comunicação de Progresso Nome da Empresa Signatária Copastur Viagens e Turismo País Brasil Setor Turismo Agenciamento de Viagens Período de Relato

Leia mais

Aliança do Brasil. É assim que a gente faz. Código de Conduta Ética

Aliança do Brasil. É assim que a gente faz. Código de Conduta Ética Aliança do Brasil. É assim que a gente faz. Código de Conduta Ética SUMÁRIO CONCEITO OBJETIVO ABRANGÊNCIA PRINCÍPIOS DE RELACIONAMENTOS CONFLITOS DE INTERESSE CONFIDENCIALIDADE DAS INFORMAÇÕES PRESERVAÇÃO

Leia mais

ABNT NBR 16001:2004 Responsabilidade social Sistema da gestão Requisitos

ABNT NBR 16001:2004 Responsabilidade social Sistema da gestão Requisitos FUNDAÇÃO VANZOLINI ABNT NBR 16001:2004 Responsabilidade social Sistema da gestão Requisitos 1 Das 100 maiores economias do mundo, 51 são empresas 1 2 5 11 14 23 24 25 27 28 29 31 37 38 40 42 43 PAÍS/EMPRESA

Leia mais

ISO 26000 Diretrizes sobre Responsabilidade Social

ISO 26000 Diretrizes sobre Responsabilidade Social ISO 26000 Diretrizes sobre Responsabilidade Social DIFERENCIAIS DA ISO 26000 O que são NORMAS? Registro da tecnologia consolidada Regras, diretrizes, características Resultado de um processo de CONSENSO

Leia mais

Écom muito prazer que divulgo nosso Código de Ética e Conduta.

Écom muito prazer que divulgo nosso Código de Ética e Conduta. Código de Ética e Conduta Carta do Presidente Écom muito prazer que divulgo nosso Código de Ética e Conduta. Procuramos refletir todos os princípios éticos e padrões de conduta emanados pela nossa fundadora

Leia mais

CESA Comitê Advocacia Solidária ISO 26.000 e Manual do Advogado Sustentável

CESA Comitê Advocacia Solidária ISO 26.000 e Manual do Advogado Sustentável CESA Comitê Advocacia Solidária ISO 26.000 e Manual do Advogado Sustentável Julho 2010 O que é ISO 26000? A ISO 26000 é uma norma internacional de Responsabilidade Social, um guia de diretrizes que contribui

Leia mais

Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis

Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis Agnaldo dos Santos Pesquisador do Observatório dos Direitos do Cidadão/Equipe de Participação Cidadã Apresentação O Observatório dos Direitos

Leia mais

PRONUNCIAMENTO DE ORIENTAÇÃO Nº 14, de 04 de setembro de 2012.

PRONUNCIAMENTO DE ORIENTAÇÃO Nº 14, de 04 de setembro de 2012. CODIM COMITÊ DE ORIENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES AO MERCADO (ABRAPP ABRASCA AMEC ANBIMA ANCORD ANEFAC APIMEC BM&FBOVESPA CFC IBGC IBRACON IBRI) PRONUNCIAMENTO DE ORIENTAÇÃO Nº 14, de 04 de setembro

Leia mais

RE SIGNIFICANDO A AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

RE SIGNIFICANDO A AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL RE SIGNIFICANDO A AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Maria Celina Melchior Dados da autora Mestre em Educação, Avaliadora Institucional do INEP/SINAES/MEC, atuou como avaliadora in loco do Prêmio Inovação em Gestão

Leia mais

Curso Sustentabilidade e Saúde Humana:

Curso Sustentabilidade e Saúde Humana: Curso Sustentabilidade e Saúde Humana: Ações individuais para melhorias em todo o planeta Nosso maior desafio neste século é pegar uma idéia que parece abstrata desenvolvimento sustentável e torná-la uma

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Publicado em: 27/02/2015 Válido até: 26/02/2020 Política de Responsabilidade Socioambiental 1. SUMÁRIO 2 2. OBJETIVO 2 3. ABRANGÊNCIA 2 4. IMPLEMENTAÇÃO 2 5. DETALHAMENTO 2 5.1. Definições 3 5.2. Envolvimento

Leia mais

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE 1) OBJETIVOS - Apresentar de forma transparente as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente

Leia mais

Colégio Estadual Juracy Rachel Saldanha Rocha Técnico em Administração Comportamento Organizacional Aílson José Senra Página 1

Colégio Estadual Juracy Rachel Saldanha Rocha Técnico em Administração Comportamento Organizacional Aílson José Senra Página 1 Página 1 COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL As pessoas que supervisionam as atividades das outras e que são responsáveis pelo alcance dos objetivos nessas organizações são os administradores. Eles tomam decisões,

Leia mais

Responsabilidade Social Empresarial

Responsabilidade Social Empresarial Relações Públicas e Comunicação Empresarial Disciplina: Comunicação Corporativa 6ºSemestre Responsabilidade Social Empresarial Docente: Tiago Ramos Discente: Vanessa Gomes Rolim nº5682 Lisboa, 26 de Abril

Leia mais

ISO 9000 para produção de SOFTWARE

ISO 9000 para produção de SOFTWARE ISO 9000 para produção de SOFTWARE A expressão ISO 9000 designa um grupo de normas técnicas que estabelecem um modelo de gestão da qualidade para organizações em geral, qualquer que seja o seu tipo ou

Leia mais

Identidade Organizacional. Prezado,

Identidade Organizacional. Prezado, Prezado, Apresentamos a todos os colaboradores, o Código de Conduta da Bolt Transportes, que foi minuciosamente elaborado de acordo com os valores que acreditamos ser essenciais para o um bom relacionamento

Leia mais

4º Período Ciências Contábeis Aulas 03 e 04 11.02.2014 Semana 2. Contabilidade e Responsabilidade Socioambiental

4º Período Ciências Contábeis Aulas 03 e 04 11.02.2014 Semana 2. Contabilidade e Responsabilidade Socioambiental 4º Período Ciências Contábeis Aulas 03 e 04 11.02.2014 Semana 2 Contabilidade e Responsabilidade Socioambiental 1 RESPONSABILIDADE SOCIAL: conceitos e importância Responsabilidade trata-se do cargo ou

Leia mais

C Da Nome D Empr PRO idade epar ta esa tamen T OC to OL O DE ENTRE GA Estado RG A C ssina ar go tur a CÓDIGO DE ÉTICA

C Da Nome D Empr PRO idade epar ta esa tamen T OC to OL O DE ENTRE GA Estado RG A C ssina ar go tur a CÓDIGO DE ÉTICA CÓDIGO DE ÉTICA Prezados, O Código de Ética apresenta os princípios éticos que devem orientar as decisões e a conduta dos funcionários do Ultra e parceiros da companhia. Além de expressar os compromissos

Leia mais

PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO EM GESTÃO DA RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESARIAL E DESENVOLVIMENTO PETROBRÁS UNIVERSIDADE COORPORATIVA OFICINA2

PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO EM GESTÃO DA RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESARIAL E DESENVOLVIMENTO PETROBRÁS UNIVERSIDADE COORPORATIVA OFICINA2 PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO EM GESTÃO DA RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESARIAL E DESENVOLVIMENTO PETROBRÁS UNIVERSIDADE COORPORATIVA OFICINA2 ESTRATÉGIAS E INSTRUMENTOS DE RESPONSABILIDADE SOCIAL AMBIENTAL E

Leia mais

MÓDULO 14 Sistema de Gestão da Qualidade (ISO 9000)

MÓDULO 14 Sistema de Gestão da Qualidade (ISO 9000) MÓDULO 14 Sistema de Gestão da Qualidade (ISO 9000) Ao longo do tempo as organizações sempre buscaram, ainda que empiricamente, caminhos para sua sobrevivência, manutenção e crescimento no mercado competitivo.

Leia mais

Novartis Código para Fornecedores

Novartis Código para Fornecedores Novartis Código para Fornecedores Version 1.0 01-04-2013 Introdução Finalidade Considerações éticas permeiam todas as dimensões de nossos negócios nossos processos de pesquisa, desenvolvimento, produção,

Leia mais

O HSBC é uma organização de serviços financeiros e bancários internacionais, sediada no Reino Unido.

O HSBC é uma organização de serviços financeiros e bancários internacionais, sediada no Reino Unido. Princípios e valores comerciais. Introdução O HSBC é uma organização de serviços financeiros e bancários internacionais, sediada no Reino Unido. Pertencemos a cerca de 200.000 acionistas, em aproximadamente

Leia mais

Rede de Responsabilidade Social Empresarial pela Sustentabilidade

Rede de Responsabilidade Social Empresarial pela Sustentabilidade Rede de Responsabilidade Social Empresarial pela Sustentabilidade Existe a compreensão evidente por parte das lideranças empresariais, agentes de mercado e outros formadores de opinião do setor privado

Leia mais

PSS - Seguridade Social

PSS - Seguridade Social CÓDIGO DE ÉTICA PSS Índice Página 1. Apresentação 2 2. Introdução 3 3. Objetivos Gerais 3 4. Integridades Profissional e Pessoal 4 5. Condutas Não Aceitáveis 5 6. Condutas Esperadas 6 7. Relações com os

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL: CUMPRIMENTO ÀS NORMAS OU DIFERENCIAL DE MERCADO. Ariane Mendes, Danielle Rodrigues, Débora Bianco 1, Ana Cabanas n

RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL: CUMPRIMENTO ÀS NORMAS OU DIFERENCIAL DE MERCADO. Ariane Mendes, Danielle Rodrigues, Débora Bianco 1, Ana Cabanas n RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL: CUMPRIMENTO ÀS NORMAS OU DIFERENCIAL DE MERCADO Ariane Mendes, Danielle Rodrigues, Débora Bianco 1, Ana Cabanas n 1,n Faculdade Anhanguera de São José/ Pós-graduação em

Leia mais

Código de Conduta Ética da. Organização Bradesco

Código de Conduta Ética da. Organização Bradesco Código de Conduta Ética da Organização Bradesco Caros Colaboradores, O regime da livre iniciativa e concorrência impõe às empresas, seus representantes, prepostos e funcionários conduzirem-se dentro de

Leia mais

Ferramentas normativas de Responsabilidade Social

Ferramentas normativas de Responsabilidade Social Ferramentas normativas de Responsabilidade Social A presente pesquisa busca apresentar algumas ferramentas normativas de Responsabilidade Social descrevendo a sua finalidade, como e por quem ela tem sido

Leia mais