MOTIVAÇÃO NO CONTEXTO ESCOLAR: UM ESTUDO DE CONCEITOS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MOTIVAÇÃO NO CONTEXTO ESCOLAR: UM ESTUDO DE CONCEITOS"

Transcrição

1 MOTIVAÇÃO NO CONTEXTO ESCOLAR: UM ESTUDO DE CONCEITOS Ana Carolina Vilar de Oliveira Laignier 1 Mirelly Cristine da Rocha Ribeiro 2 Adelson Fernandes Moreira 3 1 Aluna regular do Curso de Mestrado em Educação Tecnológica Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais 2 Aluna do curso técnico em Meio Ambiente Bolsista de Iniciação Científica Junior Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais 3 Professor orientador Mestrado em Educação Tecnológica e Iniciação Científica Junior Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais RESUMO: Conhecer e compreender a visão, o sentimento e o engajamento dos alunos em diferentes momentos do percurso acadêmico, e fomentar condições de promoção da satisfação, do aprendizado emancipatório e do comprometimento com os estudos justificam estudar a motivação no contexto escolar, em especial, na educação profissional e tecnológica. Dessa forma, o aprofundamento nas questões relacionadas ao sujeito aluno depende do maior conhecimento da diversidade dos conceitos e entendimentos sobre motivação. Diante disso, o presente trabalho objetiva apresentar, discutir e relacionar estudos sobre Motivação, Motivação e Educação e Teoria da Autodeterminação. A partir desse contato, identificar corroborações e discordâncias que permitam ampliar os conhecimentos e as expectativas em relação às possibilidades de continuidade de estudos na área. Como metodologia foi realizada uma revisão de literatura utilizando trabalhos artigos, dissertações e teses selecionados em buscas no portal da CAPES entre agosto de 2013 e maio de 2014, além de livros rotineiramente citados nos trabalhos que abordam o tema. Por ter vários conceitos, teorias e abordagens, a motivação é um termo de difícil definição. Uma primeira ideia sugestiva sobre o tema surge da própria origem etimológica da palavra, que vem do verbo latino movere, que significa mover-se. Pode ser entendida como um conjunto de mecanismos biológicos e psicológicos que permitem o desencadeamento da ação, ativam a conduta e a orientam em determinado sentido para poder alcançar um objetivo. Engajamento, interesse, vontade,

2 envolvimento: a motivação pode ser intrínseca e extrínseca, e sua influência no cotidiano escolar e nas atividades dos alunos é peculiar se comparada a outras atividades humanas, que também dependem da motivação, como o esporte, o trabalho profissional e o lazer, por exemplo. No contexto educacional a motivação é importante por também estar ligada à auto regulação da aprendizagem. Portanto, além de estar relacionada às razões ou propósitos dos indivíduos para se engajarem em uma atividade, também está ligada às percepções das dificuldades e da capacidade para a realização das atividades, ao interesse pessoal e às atribuições de valores pertinentes à atividade específica. Alguns autores abordam o problema da ausência de motivação do aluno e sugerem que essa condição representa uma redução do investimento pessoal e um prejuízo à aprendizagem. Relatam que muitos alunos até vão motivados à escola, mas para encontrarem os colegas ou comerem a merenda. Quando trata-se de envolvimento para execução de tarefas que envolvam o aprendizado, o problema motivacional inicia-se. Paralelamente aos níveis baixos ou à ausência de motivação, estudiosos afirmam que um outro problema consiste em alunos apresentarem níveis excessivos de motivação, que acabam por implicar em alta ansiedade frente às exigências escolares. Portanto, no contexto escolar, a motivação ideal não pode ser fraca, mas também não pode ser exageradamente alta: os extremos são prejudiciais aos envolvidos. Uma referência importante para o estudo do tema, principalmente no contexto da escola, é a Teoria da Autodeterminação, que propõe que os seres humanos podem ser proativos e engajados, ou passivos e alienados em função das condições sociais em que se desenvolvem e em que atuam. A Teoria da Autodeterminação focaliza a existência de algumas necessidades psicológicas básicas e inatas que movem os seres humanos e que são determinantes da motivação intrínseca. Na teoria, três necessidades são destacadas: a necessidade de competência, a necessidade de autonomia e a necessidade de pertencer ou de estabelecer vínculos. Destacamos que muitos são os estudos que abordam a temática proposta e que vários conceitos são distintos, apesar de alguns apresentarem um caráter complementar e não excludente. O presente trabalho objetiva estabelecer um conceito de motivação a partir dessas diferentes abordagens. PALAVRAS-CHAVE: Motivação; Educação Profissional; Atividade.

3 1. INTRODUÇÃO A ideia deste estudo surgiu a partir da experiência de uma das autoras, no acompanhamento de estagiários, estudantes do ensino médio profissional e do ensino médio geral, especialmente da constatação de que os primeiros se mostravam mais motivados e com mais disposição para a atuação profissional que aqueles que cursavam apenas do ensino médio. Conhecer e compreender a visão, o sentimento e o engajamento dos alunos em diferentes momentos do percurso acadêmico, e fomentar condições de promoção da satisfação, do aprendizado emancipatório e do comprometimento com os estudos justificam estudar a motivação no contexto escolar. Dessa forma, o aprofundamento em questões relacionadas ao sujeito aluno depende do maior conhecimento da diversidade dos conceitos e entendimentos sobre motivação. Nas duas últimas décadas, ocorreu um notável incremento de estudos específicos sobre motivação no contexto escolar. As principais contribuições do período focalizaram a motivação situada no ambiente de sala de aula, em determinado curso, nível de escolaridade, ou em uma disciplina específica. Existem várias abordagens a respeito do assunto. Ocorre que essa variabilidade, apesar de ter trazido contribuições para a área, acabou trazendo também certa confusão terminológica, pois muitos autores utilizam termos diferentes para denominar situações iguais, ou, ao contrário, utilizam os mesmos nomes, para tratar de realidades diferentes (BZUNECK, 2001). Embora desejável, não se pode ainda contar com uma teoria geral compreensiva, nem da motivação geral, nem da motivação do aluno. Na educação, algumas teorias importantes e que impactaram em suas épocas já perderam importância por não serem aplicáveis em sala de aula (WEINER, 1990, citado por BZUNECK, 2001). Apesar da dificuldade em relação às teorias e conceituações, a importância da motivação nas atividades relacionados ao ensino tem sido corroborada por psicólogos e pedagogos e o seu estudo pelo educador representa uma necessidade amplamente reconhecida, principalmente em escolas com características democráticas. Nessas instituições, os conteúdos e os métodos da educação respeitam, sempre que possível, as características individuais dos alunos (ECCHELI, 2008). Essa preocupação com o sujeito aluno e suas características individuais é de grande importância. Deve-se considerar que no contexto escolar alunos aprendem por gostarem ou

4 terem interesse por determinado assunto. Mas também, podem aprender por almejarem boas notas e aprovação, ou para agradarem seus pais e professores (GUIMARÃES, 2001). Diante disso, o presente trabalho objetiva apresentar, discutir criticamente e relacionar estudos sobre Motivação, buscando identificar corroborações e discordâncias que permitam a elaboração de um conceito inicial de motivação. Consideramos essa conceituação uma etapa importante na delimitação do objeto de uma pesquisa de mestrado, cujo objetivo é investigar como se modifica a motivação de estudantes da educação profissional e tecnológica, desde o início do curso técnico até a sua conclusão. Uma vez apresentadas a situação geradora desse artigo e o objetivo do estudo, explicitamos, a seguir, a forma como a revisão foi realizada. Delineamos, então, as contribuições de estudos com foco no tema motivação. Finalizamos esse artigo, retomando o objetivo proposto e questionando a abordagem predominante na elaboração do conceito de motivação. 2. MÉTODOS Este artigo apresenta os resultados de uma revisão de literatura artigos, dissertações e teses selecionada em buscas no portal da CAPES entre agosto de 2013 e maio de 2014, além de livros sistematicamente citados nos trabalhos que abordam o tema. Foram utilizadas as palavras e expressões chave: motivação; motivação humana; motivação e educação; motivação e ensino; motivação no ensino médio. Foram encontrados dez (10) artigos, quatorze (14) dissertações de mestrado, três (3) teses de doutorado e seis (6) trabalhos de conclusão de curso de graduação. Além disso, foram utilizados quatro (4) livros e cinco (5) capítulos de livros. O critério adotado para a escolha dos textos cujas contribuições estão apresentadas neste artigo foi a abordagem teórica: aqueles com maior desenvolvimento e detalhamento de conceitos e teorias sobre motivação. Resultados das pesquisas realizadas: TÍTULO Key Characteristics of Effective Schools: A Review of Effectiveness Research* AUTOR SAMMONS, P., HILLMAN, J. e MORTIMORE TIPO DE TRABALHO ARTIGO A motivação como prevenção da indisciplina* ECCHELI, S. D. ARTIGO

5 Professores como fonte de motivação dos alunos: O quê e o porquê da aprendizagem do aluno* A Motivação de Adolescentes em Relação com a Perspectiva de Tempo Futuro* Motivação de alunos do ensino fundamental: relações entre rendimento acadêmico, autoconceito, atribuições de causalidade e metas de realização* Motivação dos alunos para a utilização da tecnologia wiki: um estudo prático no ensino superior Motivação e desempenho num curso de Simulação Empresarial A motivação de alunos adolescentes enquanto desafio na formação do professor O estilo motivacional de professores de Educação Física LENS, W.; MATOS, L.; VANSTEENKISTE, M. LOCATELLI, A. C. D.; BZUNECK, J. A.; GUIMARÃES, S. E. R.; ZAMBON, M. P.; ROSE, T. M. S. COSTA, C.; ALVELOS, H.; TEIXEIRA, L. PINHEIRO, M. M.; SARRICO, C. S.; SANTIAGO, R. A. CAVENAGHI, A. R. A.; BZUNECK, J. A. MINELLI, D. S.; NASCIMENTO, G. Y.; VIEIRA, L. F.; BARBOSA-RINAL DI, I. P. ARTIGO ARTIGO ARTIGO ARTIGO ARTIGO ARTIGO ARTIGO Estratégias para motivar os alunos JESUS, S. N. ARTIGO The Problem of Activity in Psychology* LEONTIEV, A. N. As atribuições de causalidade: a compreensão do sucesso e do fracasso escolar por crianças brasileiras* A motivação do aluno: aspectos introdutórios* MARTINI, M. L.; BORUCHOVITCH, E. BUZUNECK, J. A As crenças da auto-eficácia e o seu papel na motivação do aluno* BUZUNECK, J. A. A motivação do aluno orientado a metas de realização* BUZUNECK, J. A. CAPITULO DE LIVRO CAPITULO DE LIVRO CAPÍTULO DE LIVRO CAPÍTULO DE LIVRO CAPÍTULO DE LIVRO Motivação intrínseca e extrínseca e o uso de recompensas em sala de aula* Motivação escolar e o lúdico: o jogo RPG como estratégia Pedagógica para o ensino de História* GUIMARÃES, S. E. R. CARDOSO, E. T. CAPÍTULO DE LIVRO Motivação no contexto escolar e desempenho acadêmico* GENARI, C. H. M. Motivação intrínseca e extrínseca nas aulas de Educação Física* KOBAL, M. C. Atitudes e motivação: fatores intrínsecos da interação professor/aluno RIBEIRO, M. M. S. Relações entre as orientações motivacionais e desempenho escolar de alunos da 7ª série do Ensino Fundamental em Matemática, na resolução de equações do 1 grau. A motivação para aprender língua estrangeira (inglês) em contexto de ensino interdisciplinar Motivação intrínseca e o estado mental flow em corredores de rua COSTA, G. D. F. BACHIN, D. C. M. MASSARELLA, F. L.

6 Motivação Humana nas Organizações: análise crítica do comportamento humano no contexto das teorias e técnicas motivacionais aplicadas em organizações Indicadores Organizacionais como Base Motivacional para a Gestão da Qualidade O efeito retroativo da avaliação de rendimento de alunos do ensino fundamental: um olhar sobre a motivação para aprender língua estrangeira (inglês) A trajetória institucional e histórica da difusão do psicodrama pedagógico em campinas: relatos orais sobre motivações vivenciais, contradições institucionais e perspectivas educacionais A motivação na sala de alfabetização do Projeto Educativo de Integração Social (PEIS) AGUILAR, M. A. VIANA, P. C. L. OLIVEIRA, J. A. S. SANTOS, R. C. SOUZA, A. R. Motivação através do reprojeto do trabalho CHANG JUNIOR, J. As orientações motivacionais e as crenças sobre inteligência, esforço e sorte de alunos do Ensino Fundamental NEVES, E. R. C. Psicologia da aprendizagem* CAMPOS, D. M. S. LIVRO Motivação e Emoção* MURRAY, E. J. LIVRO Didática: uma introdução* NÉRICI, I. G. LIVRO Psicologia do Esporte* SAMULSKI, D. LIVRO A motivação para aprender: um estudo sobre alunos do ensino fundamental SANS, M. A. TCC A motivação de estudantes do ensino fundamental e a aprendizagem de matemática RODRIGUES, A. C. M. A. TCC Muito prazer: sou professor! A constituição da motivação docente LEME, A. S. TCC O professor e a motivação para aprendizagem MEDEIROS, S. D. TCC Uma investigação sobre as orientações motivacionais de alunos de 2ª e 4ª série do Ensino Fundamental Motivação docente e trabalho colaborativo: análise de produções escritas de professores Influências entre os estados emocionais e motivacionais dos alunos e os resultados de testes de física* Aprendizagem autorregulada de estudantes de pedagogia: suas estratégias de aprendizagem, teorias implícitas de inteligência e variáveis motivacionais Avaliação do estilo motivacional do professor: adaptação e validação de um instrumento * Trabalhos que contribuíram para a elaboração do texto. HONORIO, G. R. V. R. AMARAL, A. M. F. FONSECA, J. L. S MARINI, J. A. S. GUIMARÃES, S. E. R. TCC TCC TESE TESE TESE 3. MOTIVAÇÃO CONCEITOS E TEORIAS

7 A motivação é um conceito básico da Psicologia para explicar a conduta humana. Termo de difícil definição, até pela quantidade de palavras que se remetem a ele, seu significado passa pelas expressões interesse, motivo, necessidade, impulso, engajamento, vontade, envolvimento, prontidão para desenvolvimento de determinada tarefa. Todos esses termos são constructos, processos internos hipotéticos que parecem explicar o comportamento, e não podem ser diretamente medidos ou observados (CARDOSO, 2008; FONSECA, 2011). Desta forma, é importante salientar que a motivação não é um produto, mas sim é um processo (FONSECA, 2011). Com relação aos termos que remetem à motivação, verifiquemos o significado etimológico da palavra motivo. Extraído do latim movere, motum, significa aquilo que faz mover. Em um sentido funcional, motivo pode ser definido como uma condição interna que pode levar ou predispor o indivíduo a persistir em um comportamento orientado para o alcance de um determinado objetivo (CAMPOS, 1987). A partir desses significados, podemos nos referir ao motivar como provocar um movimento, uma atividade em um indivíduo (CAMPOS, 1987). E motivação como o processo que se desenvolve no interior do indivíduo e o impulsiona a agir, mental ou fisicamente, em função de algo. O indivíduo motivado encontra-se, então, disposto a despender esforços para alcançar seus objetivos (NÉRICI, 1986). Ao conceituar o termo motivação, Samulski (2002) considera que ela é caracterizada como um processo ativo, intencional e dirigido a uma meta, o qual depende da interação de fatores pessoais (intrínsecos) e ambientais (extrínsecos)". Assim, a motivação apresenta uma determinante energética (nível de ativação) e uma determinante de direção do comportamento (intenções, interesses, motivos e metas). Com relação aos fatores externos, também chamados de ambientais ou extrínsecos, Nérici (1986) diferencia motivação de incentivo, definindo incentivo como o estímulo exterior que visa despertar no indivíduo vontade ou interesse para algo. Levando em consideração essa diferenciação, a definição de motivação voltada para a educação pode ser considerada como o processo de incentivo, estímulo ou direção destinados a predispor os alunos ao aprendizado, à realização de esforços e à sustentação de comportamentos para alcançarem certos objetivos, resul tantes da convergência de aspectos cognitivos e contextuais (NERICI, 1986; ZAMBON E ROSE, 2012).

8 A literatura mais recente tem tratado de variáveis que podem auxiliar na compreensão da motivação dos alunos. Assim, nas pesquisas contemporâneas a motivação tem sido estudada em associação com as metas de realização e com as atribuições de causalidade, e em termos de auto eficácia e de motivação extrínseca e intrínseca, por exemplo, o estudo desenvolvido por Locatelli, Bzuneck e Guimarães (2007). A Teoria de Metas de Realização é uma teoria que trabalha com a motivação à realização, que considera a relação entre motivação, metas ou objetivos, além dos comportamentos de realização das pessoas, ou seja, as formas como elas abordam suas tarefas. Nessa teoria, a motivação à realização pode ser influenciada por características de cada situação, como a estruturação psicológica da sala de aula e a forma com que os professores orientam os alunos para uma ou outra meta de realização (BZUNECK, 2001 a). As crenças da auto eficácia pertencem à classe de expectativas e, como o próprio termo sugere, expectativas ligadas ao self (BZUNECK, 2001 b, p. 116). Essas crenças seriam um entendimento da própria capacidade de execução de cursos de ação exigidos para o alcance de determinadas metas definidas para determinadas tarefas (BZUNECK, 2001 b). A Teoria da Atribuição da Causalidade integra sentimento, pensamento e ação futura do indivíduo. Teorias cognitivas da motivação consideram que as crenças do aluno influenciam a motivação para a aprendizagem, as emoções e as expectativas de fracasso e sucesso. As atribuições de causalidade são crenças pessoais e referem-se à leitura que o aluno faz sobre as causas de um evento. Assim, as dimensões da causalidade, ou sistema de classificação das causas, podem ser esquematizadas considerando a localização (a causa pode ser interna ou externa ao sujeito), a controlabilidade (se a causa é controlável ou não controlável) e a estabilidade (se é interpretada pelo sujeito como estável ou não estável). As dimensões de causalidade são mais importantes que a causa específica na determinação do comportamento: elas influenciam a motivação à realização, as expectativas de sucesso e fracasso futuros e as respostas emocionais dos alunos (MARTINI E BORUCHOVITCH, 2001). Além dessas abordagens, destaca-se um estudo que tem como objeto a adolescência, colocada em relação com a escolaridade. Essa vertente considera a motivação em função de uma perspectiva de tempo futuro, ou seja, dos objetivos de vida a que a pessoa se propõe atingir (LOCATELLI, BZUNECK E GUIMARÃES, 2007, p. 268).

9 Considerando esse contexto de valorização de metas, alguns autores têm trabalhado com a teoria de expectativa-valor, desenvolvida por Eccles e Wigfield. Essa teoria trabalha com a ideia de que a crença sobre o valor subjetivo de uma dada tarefa engloba quatro elementos: o interesse intrínseco, a utilidade, a importância e o custo (LOCATELLI, BZUNECK E GUIMARÃES, 2007). O interesse intrínseco é aquele que ocorre quando o indivíduo sente prazer na realização da tarefa (GUIMARÃES, 2001; LOCATELLI, BZUNECK E GUIMARÃES, 2007). A utilidade é relacionada ao grau que o indivíduo julga que determinada atividade/tarefa faz parte de um processo para realização de alguma meta futura. A importância refere-se à percepção de que o cumprimento de uma tarefa é visto como central no atendimento de certas necessidades pessoais, desta forma, está ligada à aspectos da identidade do indivíduo. E o custo diz respeito ao esforço despendido para executar a tarefa (LOCATELLI, BZUNECK E GUIMARÃES, 2007). Em termos motivacionais, a meta futura será valorizada conforme algum, ou alguns desses elementos. A perspectiva de futuro está mais relacionada ao elemento utilidade. Algumas pesquisas empíricas têm apresentado esclarecimentos significativos a essas suposições. Os estudantes podem estar motivados a aprender não necessariamente por acharem as tarefas escolares prazerosas, mas sim, por perceberem que são significativas e que vale a pena o esforço para conseguirem, através delas, os objetivos traçados (BROPHY, 1993, citado por ECCHELI, 2008). As atividades intrinsecamente motivadas estão mais frequentemente ligadas à autonomia, o que leva a maior interesse, menor tensão, melhor aprendizagem, estados emocionais mais positivos, auto-estima mais elevada, maior autoconfiança, melhor saúde física e psicológica (KOBAL, 1996). Certas experiências sensoriais e certas atividades comportamentais são intrinsecamente recompensadoras, como, por exemplo, as atividades exploratórias e lúdicas, que são realizadas sem outros motivos que os decorrentes da sua própria natureza, por um prazer ou satisfação inatos. Há casos em que as pessoas se envolvem com atividades que as mantêm interessadas em sua execução, ficando motivadas a ponto de quererem repeti-las mais vezes (MURRAY, 1978). De acordo com a Teoria da Motivação Intrínseca, a definição de motivação intrínseca passa então, pela escolha e realização de determinada tarefa por sua própria causa, pelo fato do indivíduoconsidera-la atraente, interessante ou geradora de satisfação. Dessa forma,

10 quando algum aluno realiza uma tarefa motivado intrinsecamente, considera o próprio envolvimento como a principal recompensa, independente de fatores externos como demandas de pais e professores, ou obter boas avaliações na escola (GUIMARÃES, 2001). Nesta perspectiva, a motivação intrínseca é entendida como uma propensão natural e inata dos seres humanos para envolver o seu interesse individual e exercitar suas capacidades, buscando e alcançando desafios. Também é compreendida como um importante propulsor da aprendizagem, adaptação e crescimento nas competências que caracterizam o desenvolvimento humano (GUIMARÃES, 2001). A presença de características como grande criatividade, flexibilidade e espontaneidade podem significar um comportamento intrinsecamente motivado (KOBAL, 1996). Apesar de parecer utópico encontrar alunos com tal padrão motivacional em relação aos conteúdos escolares, Guimarães (2001) salienta a importância dos professores e profissionais ligados ao cotidiano escolar, no reconhecimento de fatores causadores da motivação intrínseca, e apoio para o seu desenvolvimento através de atividades que proporcionem a sua manifestação em situações de aprendizagem. Por sua vez, as atividades extrinsecamente motivadas são geralmente controladoras. Nelas, a motivação para trabalhar é uma resposta a algo externo à tarefa ou atividade: recompensa material ou reconhecimento, ou para demonstrar competência ou habilidades. A existência da motivação extrínseca na escola está muito relacionada às avaliações pelas quais devem passar os alunos (GUIMARÃES, 2001). No contexto escolar, esse tipo de motivação pode ser explicado como sendo um estado emocional provocado por estímulos situacionais específicos que levam os alunos a se engajarem de forma intencional nas atividades escolares, procurando atingir os objetivos sugeridos, através da utilização de recompensas ou pressões (ECCHELI, 2008). Dessa forma, a motivação extrínseca leva o aluno a acreditar que o envolvimento na tarefa trará os resultados desejados, por exemplo, notas, elogios, prêmios, ou ajudará a evitar problemas. A forma como a aprendizagem é conduzida na escola propicia a motivação extrínseca, e faz com que alguns indivíduos que concluem (ou porque terminam um ciclo ou porque o abandonam) sintam-se aliviados por estarem livres dos livros e dos professores (GUIMARÃES, 2001). Esse tipo de motivação está relacionada ao reforço, que ocorre quando a consequência de um comportamento é agradável ou desejável, ou ainda se o comportamento pode eliminar ou evitar algo desagradável ou doloroso. O último caso é chamado de reforço negativo e é

11 muito frequente em situações escolares, nas quais muitas vezes os alunos se mantêm em silêncio ou realizam as atividades escolares propostas para evitarem notas baixas, ou serem expostos ou humilhados publicamente (ECCHELI, 2008). Um problema do reforço, independentemente do tipo, é que à medida que um comportamento se vincula ao recebimento de recompensas ou à fuga de punições, no futuro, na ausência delas, é menos provável que esse comportamento volte a ocorrer (RYAN; CONNELL; DECI, 1985, citados por ECCHELI, 2008). É o caso da maioria dos estudantes que, quando estão longe dos controles escolares - notas, avaliações, prazos para entregas de trabalhos, supervisão controlada - deixam de se engajar nas atividades devidas. Brophy e Rohrkemper (1981) também criticam a perspectiva de associação de incentivos e recompensas ao desempenho do aluno. Eles consideram que, embora possam provocar o desempenho dos estudantes, as recompensas não são capazes de desenvolver a motivação intrínseca para aprender. À medida que as recompensas são atraentes e à medida que o desempenho na tarefa é visto pelo aluno como uma forma de conseguir essas recompensas e não como um fim em si mesmo, os estudantes possivelmente concentrar-se-ão em qualquer situação ou atitude que assegure tais recompensas, ao invés de se concentrarem na aquisição do conhecimento e nas habilidades que a tarefa pode desenvolver. O resultado pode ser alunos com uma mentalidade interesseira, que busquem realizar eficientemente o mínimo necessário para conseguirem as recompensas sem valorizarem a atividade em si e sem aspirarem a uma compreensão e aprendizado verdadeiros (BROPHY E ROHRKEMPER, 1981, citados por ECCHELI, 2008). Eccheli (2008) afirma que alguns autores (BANDURA; SCHUNK, 1981; LEPPER; HODELL, 1989) discutem que uma maneira de reduzir os efeitos nocivos do uso de recompensas pelo professor é associá-las não à mera execução, mas à qualidade dos trabalhos. Além disso, considera-se que o reforço será mais eficiente quando utilizado de forma intermitente, em intervalos variáveis, e para manutenção de comportamentos (SKINNER, 1991, citado por ECCHELI, 2008). Utilizar o elogio como forma de recompensa pode ser interessante e possibilita, de forma viável, que o professor mostre para o aluno que valoriza e aprova o desempenho na atividade e/ou aprendizagem. Seria uma forma de uso do feedback positivo, porém, com adição de aspectos relacionados à demonstração afetiva do professor em relação às atitudes do aluno (GUIMARÃES, 2001). O elogio e o incentivo, utilizados como reforços positivos a

12 uma determinada tarefa são, então, relacionados à emoção e podem ser considerados como características-chave de uma escola eficaz. Apesar dessa afirmação, é reconhecido que a maioria das pesquisas trate apenas de fatores cognitivos (SAMMONS et al., 1995). É importante lembrar que o ambiente social criado em sala de aula é resultado de diversas varáveis ligadas à ação do professor. Podem influenciar a motivação do aluno a forma de propor atividades, de avalia-las e de dar informações a respeito do aluno. O uso de recompensas não pode ser, então, considerado como o único fator a influenciar motivação extrínseca dos alunos (GUIMARÃES, 2001). A maioria dos indivíduos atua no meio social movida por motivos externos ou por incentivos do ambiente (como prêmios ou punições), ao invés de atuarem dirigidos pela realização da tarefa, ou seja, motivados intrinsecamente. A ação do professor contribui para a construção de um espaço educacional controlador ou promotor de autonomia (GUIMARÃES, 2001). A promoção da autonomia pode depender de um equilíbrio entre o uso de motivos externos na orientação das atividades e a identificação do que motiva intrinsecamente os seus alunos. As concepções apresentadas sobre a motivação intrínseca têm origem em estudos desenvolvidos nas últimas décadas. Motivação para a competência, Teoria da Auto Determinação e Teoria da Avaliação Cognitiva são os referenciais que embasaram essa área do conhecimento (GUIMARÃES, 2001). A ideia da Motivação para a competência surgiu com White (1975) e é utilizado o termo competência para definir a capacidade do organismo de interagir satisfatoriamente com o seu ambiente (GUIMARÃES, 2001, p. 39). Considerando que o ser humano não possui as características inatas necessárias para essa interação, é necessário desenvolver essas capacidades e assim, através das tentativas de domínio de uma técnica ou habilidade, a competência teria um aspecto motivacional considerado intrínseco (GUIMARÃES, 2001). Na teoria da Auto Determinação os seres humanos são movidos por algumas necessidades psicológicas básicas, que quando satisfeitas promovem sensação de bem estar, e são definidas como componentes necessários para um relacionamento bem sucedido e saudável do ser humano com seu ambiente. Têm sido destacadas como determinantes da motivação intrínseca três necessidades psicológicas inatas: necessidade de autonomia ou auto determinação, necessidade de competência e necessidade de pertencer ou se sentir parte de um contexto (GUIMARÃES, 2001; GENARI, 2006; FONSECA, 2011).

13 A necessidade de competência trabalhada na teoria da Auto Determinação converge com os aspectos explicitados anteriormente quando foi tratada a ideia da motivação para competência. A necessidade de pertencer ou se sentir parte de um contexto relaciona-se com aspectos afetivos, de segurança, com o esforço para estabelecer relações e com a preocupação com o outro (FONSECA, 2011). A maior parte das pesquisas que trabalha com esse ponto são realizadas analisando a relação entre pais e filhos. Porém, alguns estudos já apresentaram que alunos mais seguros em relação a seus pais, mas também a seus professores, aceitam mais positivamente os fracassos acadêmicos e são mais envolvidos com a aprendizagem, além de serem mais autônomos e sentirem-se melhor a respeito de si mesmos (GUIMARÃES, 2001). A necessidade de autonomia ou autodeterminação seria uma necessidade humana inata, relacionada à motivação intrínseca. Assim, por acreditar que realizam uma atividade por desejo próprio, e não por demandas externas, um indivíduo seria naturalmente propenso a realizar determinada tarefa (GENARI, 2006). Desta forma, a Teoria da Autodeterminação sugere a compreensão dos aspectos da motivação intrínseca e extrínseca e dos elementos que podem ter relação com suapromoção. A personalidade e a motivação humana são abordadas principalmente em seus aspectos relacionados às tendências evolutivas, necessidades psicológicas inatas e às condições de contexto favoráveis ao funcionamento social, ao bem estar pessoal e à motivação (GENARI, 2006; FONSECA, 2011). Quando observamos as condições dos alunos, a motivação para aprender pode ser caracterizada como podendo ser tanto um traço geral, que seria a motivação intrínseca, como um estado situacional, que seria a motivação extrínseca. Quando consideramos a motivação para aprender como um traço geral referimo-nos a uma disposição para valorizar o aprender como um fim em si mesmo (BROPHY, 1993, citado por ECCHELI, 2008). Já em estados situacionais, a motivação para aprender ocorrerá quando os alunos se engajarem intencionalmente nas atividades propostas, esperando por recompensas, caso atinjam os objetivos (ECCHELI, 2008). No caso da motivação enquanto traço geral, a motivação ocorrerá com uma disposição durável, um envolvimento pelas tarefas, e uma valorização do processo de aprender à medida que novos conhecimentos são adquiridos. Assim, o aluno experimenta a autonomia percebendo suas ações como autodeterminadas ou derivadas da vontade própria. E quando percebe sua competência ou recebe um reforço positivo, tende a aumentar sua motivação

14 intrínseca, o que nos leva a perceber que existe possibilidade da aprendizagem motivada extrinsecamente conduzir à motivada intrinsecamente (ECCHELI, 2008). Assim, na Teoria da Autodeterminação a motivação extrínseca passaria por quatro tipos de regulação, seguindo um continuum crescente de autonomia, até transformar-se em motivação intrínseca. Essestipos de regulação seriam: externa, introjetada, identificada e integrada. Na externa, o comportamento é mantido por recompensas ou punições externas. Na introjetada, sentimentos de culpa ou vergonha motivam a realização do comportamento esperado. Na regulação identificada, a identificação com o outro favorece a aceitação do que a pessoa valoriza. E na regulação integrada, o indivíduo percebe as pressões ou incentivos externos como sendo orientações para suas ações e não como coerções que controlam o seu comportamento (ECCHELI, 2008; FONSECA, 2011; GUIMARÃES, 2001; LENS, MATOS E VANSTEENKISTE, 2008). Nesse sentido, como organizador do ambiente de aprendizagem, o professor pode influenciar o nível de motivação dos alunos através das atividades propostas, das formas de avaliação e das referências ao desempenho dos alunos nas tarefas realizadas. A tarefa muito difícil para o aluno poderá levar ao fracasso, que não estará necessariamente ligado à falta de esforço, mas à falta de capacidade, gerando sentimentos negativos que podem afetar a motivação intrínseca. A proposição de atividades fáceis, contribui para a percepção da auto eficácia nas fases iniciais de aquisição de novas habilidades. Porém, se esse nível baixo de dificuldade for mantido, as atividades deixam de ser desafiadoras e acabam trazendo prejuízos à motivação (ECCHELI, 2008). As argumentações para essa abordagem trabalham com a ideia de um processo motivacional que permite que atividades desinteressantes tornem-se atividades úteis para o indivíduo através da internalização, tendência humana em assimilar e modificar os valores e as regulações externas em processos de regulação internos, tornando-os pessoalmente assegurados (GUIMARÃES, 2001). Por sua vez, a Teoria da avaliação cognitiva, elaborada por Ryan, Conell e Deci (1985), está ligada às teorias anteriores. Tem como base a motivação intrínseca e sua relação com a competência e a autodeterminação. A motivação intrínseca, segundo essa teoria, é baseada em três ideias básicas: a primeira é relacionada ao locus da causalidade, em que toda situação que facilite a experiência do locus interno de causalidade é fundamental para a promoção da motivação intrínseca. Ao contrário, toda ocorrência de controladores externos

15 (recompensas externas ou sanções), por incrementar o lócus externo de causalidade, pode prejudicar a motivação intrínseca (GUIMARÃES, 2001, p. 43). A segunda ideia trata da percepção de competência para realização adequada de determinada tarefa. A motivação intrínseca poderá aumentar em situações nas quais as exigências do ambiente proporcionem um retorno positivo a respeito de seu desempenho. Caso o feedback seja negativo, a motivação intrínseca será prejudicada. E caso o feedback não seja relativo ao esforço despendido ou ao resultado do desempenho em si, não haverá resultados positivos sobre o entendimento e a sensação de competência. A terceira ideia relacionada à Teoria da avaliação cognitiva trata das particularidades do contexto interpessoal e intrapessoal, que influencia a motivação intrínseca. Os fatores interpessoais, também chamados de ambientais, são classificados em: eventos informativos, eventos controladores e eventos motivadores. Dentre os intrapessoais podemos destacar o interesse do indivíduo como influência expressiva para a aprendizagem. Para tratar melhor esses aspectos intrapessoais, criou-se o termo aprendizagem espontânea, que é associada ao interesse, ao envolvimento na tarefa e a outros processos afetivos, também presentes na motivação intrínseca (GUIMARÃES, 2001, p. 43). Apesar de todas as abordagens apresentadas, a motivação não deveria ser considerada como um traço relativamente estável da personalidade. Ela é um processo psicológico no qual atuam as características de personalidade e as características ambientais. Assim, a motivação dos alunos pode ser alterada através de mudanças nos próprios alunos e através da mudança do seu ambiente de aprendizagem na cultura escolar (LENS, MATOS E VANSTEENKISTE, 2008). 4. CONSIDERAÇÕES FINAIS Diante das teorias apresentadas, destacamos que muitos são os estudos que abordam a temática proposta, com uma diversidade de conceitos, apresentando um caráter mais complementar que excludente. A conceituação de motivação a partir de suas dimensões extrínseca e intrínseca é recorrente. Os estudos se diversificam ao serem explicitados os fatores que promovem e relacionam aquelas dimensões, embora prevaleçam muitas convergências.

16 Todavia, os trabalhos destacados nesse artigo apresentam uma abordagem predominantemente biológica e comportamental, que coloca em segundo plano a dimensão sociocultural da motivação, destacada por autores do campo da perspectiva histórico cultural, como Leontiev (1981). Certamente nas abordagens apresentadas, elementos situacionais e externos são apresentados para discutir seus efeitos na motivação, porém em uma perspectiva em que indivíduo e sociedade são tratados de forma disjunta e dicotômica. Indivíduo e sociedade devem ser pensados como constituindo uma unidade, na qual as interações no plano social têm uma precedência no desenvolvimento da personalidade e da consciência dos indivíduos e, portanto, nas disposições relativas aos motivos que engajam esses indivíduos em diferentes atividades. Mesmo os elementos constitutivos de uma motivação intrínseca são decorrentes de aspectos externos, próprios da atividade em que o sujeito se engaja, e na sua relação com o objeto da atividade. Se esse engajamento decorre da motivação caracterizada como intrínseca é porque houve um encontro entre necessidades do sujeito e o objeto da atividade em que ele se insere. Esse encontro da necessidade com o objeto constitui o motivo que engaja o sujeito na atividade. Mesmo essas necessidades, próprias do indivíduo, são também constituídas socialmente, dentro de uma cultura determinada, desde a mais tenra idade. Nessa primeira elaboração, consideramos a motivação como uma disposição que move um indivíduo a se engajar em determinada atividade. Ela se constitui na tensão irredutível entre o externo e o interno, entre o sociocultural e o individual, promovendo o engajamento em atividades cujo resultado será o desenvolvimento da autonomia moral e intelectual de seus participantes. Dentro dessa tensão, cabe fazer uma releitura crítica das contribuições dos estudos que tenham como orientação principal uma combinação de aspectos individuais, inatos, biológicos e comportamentais. 5. REFERÊNCIAS BROPHY, J. Conceptualizing student motivation. Educational Psychologist, Hillsdale, v. 18, n. 3, p , Citado por ECCHELI, S. D. A motivação como prevenção da Indisciplina. Educar, Curitiba, n. 32, p , Editora UFPR.

17 BROPHY, J. E.; ROHRKEMPER, M. M. The influence of problem ownership on teacher s perceptions of and strategies for coping with problem student. JournalofEducationalPsychology, Arlington, v. 73, n. 3, p , Citado por ECCHELI, S. D. A motivação como prevenção da indisciplina. Educar, Curitiba, n. 32, p , Editora UFPR. BUZUNECK, J. A. A motivação do aluno orientado a metas de realização. In: BORUCHOVITCH, E.; BUZUNECK, J. A. (Org.). A motivação do aluno: contribuições da psicologia contemporânea. Petrópolis: Vozes, p BUZUNECK, J. A. A motivação do aluno: aspectos introdutórios. In: BORUCHOVITCH, E.; BUZUNECK, J. A. (Org.). A motivação do aluno: contribuições da psicologia contemporânea. Petrópolis: Vozes, p BUZUNECK, J. A. As crenças da auto-eficácia e o seu papel na motivação do aluno. In: BORUCHOVITCH, E.; BUZUNECK, J. A. (Org.). A motivação do aluno: contribuições da psicologia contemporânea. Petrópolis: Vozes, p CAMPOS, D. M. S. Psicologia da aprendizagem. Petrópolis: Vozes, CARDOSO, E. T. Motivação escolar e o lúdico: o jogo RPG como estratégia Pedagógica para o ensino de História f. Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Educação, Campinas, ECCHELI, S. D. A motivação como prevenção da Indisciplina. Educar, Curitiba, n. 32, p , Editora UFPR. FONSECA, J. L. S. Influências entre os estados emocionais e motivacionais dos alunos e os resultados de testes de física f. Tese (doutorado) Universidade Federal de Minas Gerais, Faculdade de Educação, Belo Horizonte GENARI, C. H. M. Motivação no contexto escolar e desempenho acadêmico f. Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Educação, Campinas, GUIMARÃES, S. E. R. Motivação intrínseca e extrínseca e o uso de recompensas em sala de aula. In: BORUCHOVITCH, E.; BUZUNECK, J. A. (Org.). A motivação do aluno: contribuições da psicologia contemporânea. Petrópolis: Vozes, p KOBAL, M. C. Motivação intrínseca e extrínseca nas aulas de Educação Física f. Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Educação Física, Campinas, 1996.

18 LENS, W.; MATOS, L.; VANSTEENKISTE, M. Professores como fonte de motivação dos alunos: O quê e o porquê da aprendizagem do aluno. Educação, Porto Alegre, v.31, n.1, p.1720, jan./abr LEONTIEV, A. N. The Problem of Activity in Psychology. In: WERTSCH, J. V. (Ed.) The concept of activity in soviet psychology. New York: M. E. Sharpe. Inc., 1981, p LOCATELLI, A. C. D.; BZUNECK, J. A.; GUIMARÃES, S. E. R.; A Motivação de Adolescentes em Relação com a Perspectiva de Tempo Futuro. Psicologia: Reflexão e Crítica, Londrina, n. 20, v. 2, p , MARTINI, M. L.; BORUCHOVITCH, E. As atribuições de causalidade: a compreensão do sucesso e do fracasso escolar por crianças brasileiras. In: BORUCHOVITCH, E.; BUZUNECK, J. A. (Org.). A motivação do aluno: contribuições da psicologia contemporânea. Petrópolis: Vozes, p MURRAY, E.J. Motivação e Emoção. 4. ed. Rio de Janeiro: Zahar, NÉRICI, I. G. Didática: uma introdução. São Paulo: Atlas, PINTRICH, P. R.; SCHUNK, D. H. Motivation in education: Theory, Research and Applications. EnglewwodCliffs, N.J.: Prentice Hall, Inc., Citado por GUIMARÃES, S. E. R. Motivação intrínseca e extrínseca e o uso de recompensas em sala de aula. In: BORUCHOVITCH, E.; BUZUNECK, J. A. (Org.). A motivação do aluno: contribuições da psicologia contemporânea. Petrópolis: Vozes, p RYAN, R. M.; CONNELL, J. P.; DECI, E. L. A motivational analysis of self-determination and self-regulation in education. In: AMES C.; AMES, R. (Eds.). Reserch on Motivation in Education. New York: Academic Press, v. 2, p Citado por ECCHELI, S. D. A motivação como prevenção da indisciplina. Educar, Curitiba, n. 32, p , Editora UFPR. SAMMONS P., HILLMAN, J. e MORTIMORE, P. Key Characteristics of Effective Schools: A Review of Effectiveness Research. London: Office for Standards in Education (OFSTED), p. SAMULSKI, D. Psicologia do Esporte. Barueri: Manole, SKINNER, B. F. Questões recentes na análise comportamental. Campinas: Papirus, Citado por ECCHELI, S. D. A motivação como prevenção da Indisciplina. Educar, Curitiba, n. 32, p , Editora UFPR.

19 WEINER, B. Human motivational research in education. Journal of Educational Psychology, v. 82, n. 4, p , Citado por BUZUNECK, J. A. A motivação do aluno: aspectos introdutórios. In: BORUCHOVITCH, E.; BUZUNECK, J. A. (Org.). A motivação do aluno: contribuições da psicologia contemporânea. Petrópolis: Vozes, p ZAMBON, M. P.; ROSE, T. M. S. Motivação de alunos do ensino fundamental:relações entre rendimento acadêmico, autoconceito, atribuições de causalidade e metas de realização. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 38, n. 04, p , out./dez

O PAPEL DA MOTIVAÇÃO NO PROCESSO DE APRENDIZADO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA Bárbara Andrade de Sousa (UFJF) barbaraandrade.letras@gmail.

O PAPEL DA MOTIVAÇÃO NO PROCESSO DE APRENDIZADO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA Bárbara Andrade de Sousa (UFJF) barbaraandrade.letras@gmail. O PAPEL DA MOTIVAÇÃO NO PROCESSO DE APRENDIZADO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA Bárbara Andrade de Sousa (UFJF) barbaraandrade.letras@gmail.com 1. Introdução Podemos considerar inegável que um dos fatores atuantes

Leia mais

DESENCANTAMENTO DE ALUNOS: O QUE FAZER?

DESENCANTAMENTO DE ALUNOS: O QUE FAZER? DESENCANTAMENTO DE ALUNOS: O QUE FAZER? Rita de Cássia de Souza Soares 1 Arno Bayer 2 Resumo O presente texto versa sobre questões motivacionais e o trabalho de sala de aula. O enfoque dado diz respeito

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? DIOGO SÁ DAS NEVES

O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? DIOGO SÁ DAS NEVES 1 O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? Introdução DIOGO SÁ DAS NEVES A Psicopedagogia compromete-se primordialmente com o sistema

Leia mais

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Eixo temático 1: Fundamentos e práticas educacionais Telma Sara Q. Matos 1 Vilma L. Nista-Piccolo 2 Agências Financiadoras: Capes / Fapemig

Leia mais

TEORIAS DE CONTÉUDO DA MOTIVAÇÃO:

TEORIAS DE CONTÉUDO DA MOTIVAÇÃO: Fichamento / /2011 MOTIVAÇÃO Carga horária 2 HORAS CONCEITO: É o desejo de exercer um alto nível de esforço direcionado a objetivos organizacionais, condicionados pela habilidade do esforço em satisfazer

Leia mais

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE Sérgio Dal-Ri Moreira Pontifícia Universidade Católica do Paraná Palavras-chave: Educação Física, Educação, Escola,

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA O que é o Projeto de Intervenção Pedagógica? O significado de projeto encontrado comumente nos dicionários da Língua Portuguesa está associado a plano de realizar,

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PSICOLOGIA Ementário/abordagem temática/bibliografia básica (3) e complementar (5) Morfofisiologia e Comportamento Humano Ementa: Estudo anátomo funcional

Leia mais

Padrão Resposta às Questões Discursivas Psicologia do Trabalho

Padrão Resposta às Questões Discursivas Psicologia do Trabalho Concurso Público 2015 Padrão Resposta às Questões Discursivas Psicologia do Trabalho Questão 1 a) Para Walton, QVT refere-se a valores ambientais e humanos, negligenciados pelas sociedades industriais

Leia mais

Motivação para o Desempenho. Carlos Fracetti carlosfracetti@yahoo.com.br. Carlos Felipe carlito204@hotmail.com

Motivação para o Desempenho. Carlos Fracetti carlosfracetti@yahoo.com.br. Carlos Felipe carlito204@hotmail.com Motivação para o Desempenho Carlos Fracetti carlosfracetti@yahoo.com.br Carlos Felipe carlito204@hotmail.com Heitor Duarte asbornyduarte@hotmail.com Márcio Almeida marciobalmeid@yahoo.com.br Paulo F Mascarenhas

Leia mais

Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS

Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS Psicologia do Desenvolvimento e Aprendizagem da Criança de 0 a 5 anos Docente do Curso Gilza Maria Zauhy Garms Total da Carga

Leia mais

O uso da informática na escola: Webquest como estratégia de aprendizagem construtivista

O uso da informática na escola: Webquest como estratégia de aprendizagem construtivista O uso da informática na escola: Webquest como estratégia de aprendizagem construtivista Maira Teresinha Lopes Penteado 1 Gisele Dorneles Fernandes 2 RESUMO: O presente artigo tem por finalidade esclarecer

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA 1 A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA INTRODUÇÃO O tema a ser estudado tem como finalidade discutir a contribuição da Educação Física enquanto

Leia mais

1.3. Planejamento: concepções

1.3. Planejamento: concepções 1.3. Planejamento: concepções Marcelo Soares Pereira da Silva - UFU O planejamento não deve ser tomado apenas como mais um procedimento administrativo de natureza burocrática, decorrente de alguma exigência

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia 1. Componentes curriculares O currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia engloba as seguintes dimensões. 1.1. Conteúdos de natureza teórica Estes conteúdos

Leia mais

Projeto Acelerando o Saber

Projeto Acelerando o Saber Projeto Acelerando o Saber Tema: Valorizando o Ser e o Aprender Lema: Ensinar pra Valer Público Alvo: Alunos do Ensino Fundamental da Rede Municipal de Ensino contemplando o 3º ano a 7ª série. Coordenadoras:

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

O USO DO TANGRAM COMO QUEBRA-CABEÇA PARA UMA APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA SOBRE MULTIPLICAÇÃO DE POLINÔMIOS

O USO DO TANGRAM COMO QUEBRA-CABEÇA PARA UMA APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA SOBRE MULTIPLICAÇÃO DE POLINÔMIOS ISSN 2177-9139 O USO DO TANGRAM COMO QUEBRA-CABEÇA PARA UMA APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA SOBRE MULTIPLICAÇÃO DE POLINÔMIOS Morgana Fernandes da Silva 1 morganaf60@gmail.com Faculdades Integradas de Taquara,

Leia mais

Palavras-chaves: Jogos matemáticos; Ensino e aprendizagem.

Palavras-chaves: Jogos matemáticos; Ensino e aprendizagem. Emanuella Filgueira Pereira Universidade Federal do Recôncavo da Bahia O JOGO NO ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA Resumo O presente artigo apresenta resultados parciais de uma pesquisa mais ampla que

Leia mais

ESTRATÉGIAS PEDAGÓGICAS DO ENSINO DE CIÊNCIAS NO FUNDAMENTAL I: UMA ANÁLISE A PARTIR DE DISSERTAÇÕES

ESTRATÉGIAS PEDAGÓGICAS DO ENSINO DE CIÊNCIAS NO FUNDAMENTAL I: UMA ANÁLISE A PARTIR DE DISSERTAÇÕES ESTRATÉGIAS PEDAGÓGICAS DO ENSINO DE CIÊNCIAS NO FUNDAMENTAL I: UMA ANÁLISE A PARTIR DE DISSERTAÇÕES Tamiris Andrade Nascimento (Mestranda do Programa Educação Cientifica e Formação de Professores da Universidade

Leia mais

Escola Secundária com 3º CEB de Coruche EDUCAÇÃO SEXUAL

Escola Secundária com 3º CEB de Coruche EDUCAÇÃO SEXUAL Escola Secundária com 3º CEB de Coruche 0 EDUCAÇÃO SEXUAL INTRODUÇÃO A Educação da sexualidade é uma educação moral porque o ser humano é moral. É, também, uma educação das atitudes uma vez que, com base

Leia mais

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias novembro/2011 página 1 CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Elba Siqueira de Sá Barretto: Os cursos de Pedagogia costumam ser muito genéricos e falta-lhes um

Leia mais

PSICOLOGIA E PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: EVIDÊNCIAS DE UMA RELAÇÃO.

PSICOLOGIA E PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: EVIDÊNCIAS DE UMA RELAÇÃO. PSICOLOGIA E PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: EVIDÊNCIAS DE UMA RELAÇÃO. Betânia Maria Oliveira de Amorim UFCG betânia_maria@yahoo.com.br Polliany de Abrantes Silva UFCG pollianyabrantes_psico@hotmail.com

Leia mais

ANGELITA DE SOUZA MOTIVAÇÃO DOCENTE: UMA PESQUISA BIBLIOGRÁFICA

ANGELITA DE SOUZA MOTIVAÇÃO DOCENTE: UMA PESQUISA BIBLIOGRÁFICA ANGELITA DE SOUZA MOTIVAÇÃO DOCENTE: UMA PESQUISA BIBLIOGRÁFICA Londrina 2012 ANGELITA DE SOUZA MOTIVAÇÃO DOCENTE: UMA PESQUISA BIBLIOGRÁFICA Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao departamento

Leia mais

RESUMO DE CONCLUSÃO DE CURSO

RESUMO DE CONCLUSÃO DE CURSO RESUMO DE CONCLUSÃO DE CURSO CONCEITO Empreendedorismo é o estudo voltado para o desenvolvimento de competências e habilidades relacionadas à criação de um projeto (técnico, científico, empresarial). Tem

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO ESTRUTURA GERAL DOS ROTEIROS DE ESTUDOS QUINZENAL Os roteiros de estudos, cujo foco está destacado nas palavras chaves, estão organizados em três momentos distintos: 1º MOMENTO - FUNDAMENTOS TEÓRICOS -

Leia mais

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL Somos especializados na identificação e facilitação de soluções na medida em que você e sua empresa necessitam para o desenvolvimento pessoal, profissional,

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA CAMINHOS PARA O ENSINO

FORMAÇÃO CONTINUADA CAMINHOS PARA O ENSINO FORMAÇÃO CONTINUADA CAMINHOS PARA O ENSINO SUPERIOR PLANO DE ENSINO E ESTRATÉGIAS Profª Msc. Clara Maria Furtado PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO CURRÍCULO ORGANIZAÇÃO CURRICULAR PLANEJAMENTO DO CURSO OBJETIVOS

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

determinam o comportamento e as consequências do comportamento no contexto de interação, ou seja, na relação funcional dos comportamentos.

determinam o comportamento e as consequências do comportamento no contexto de interação, ou seja, na relação funcional dos comportamentos. Psicoterapia comportamental infantil Eliane Belloni 1 A psicoterapia comportamental infantil é uma modalidade de atendimento clínico que visa propiciar mudanças no comportamento da criança a partir de

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS- GRADUAÇÃO Lato sensu Curso: Língua Inglesa/2005 Nome Aluno(a) Título Monografia/Artigo Orientador/Banca Annelise Lima

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola

EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola Autora: CAMILA SOUZA VIEIRA Introdução A presente pesquisa tem como temática Educação física para Portadores

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec ETEC: PAULINO BOTELHO EXTENSÃO ARLINDO BOTELHO Código: 092-2 Município: SÃO CARLOS Eixo tecnológico: GESTÃO E NEGÓCIOS Habilitação Profissional: TÉCNICO

Leia mais

Principais discussões sobre o ensino-aprendizagem de matemática na educação infantil

Principais discussões sobre o ensino-aprendizagem de matemática na educação infantil 1 Introdução: A matemática é uma disciplina de fundamental importância na vida de todo mundo. Desde tempos antigos o ensino dessa matéria vem fazendo cada vez mais parte da vida dos seres humanos. Basta

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

Centro de Formação da Associação de Escolas do Alto Tâmega e Barroso. Motivação e Sucesso Escolar

Centro de Formação da Associação de Escolas do Alto Tâmega e Barroso. Motivação e Sucesso Escolar Centro de Formação da Associação de Escolas do Alto Tâmega e Barroso Motivação e Sucesso Escolar Marina Serra de Lemos 08 de março de 2014 Sumário O papel da motivação no contexto escolar Definição de

Leia mais

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: SERVIÇO

Leia mais

A divulgação desta apresentação por Cd-Rom e no Web site do programa Educação do Instituto do Banco Mundial e feita com a autorização do autor.

A divulgação desta apresentação por Cd-Rom e no Web site do programa Educação do Instituto do Banco Mundial e feita com a autorização do autor. A divulgação desta apresentação por Cd-Rom e no Web site do programa Educação do Instituto do Banco Mundial e feita com a autorização do autor. A ESCOLA PRECISA SER VISTA COMO UMA UNIDADE FUNDAMENTAL PARA

Leia mais

EDUCAÇÃO ESCOLAR: GESTOR OU ADMINISTRADOR?

EDUCAÇÃO ESCOLAR: GESTOR OU ADMINISTRADOR? EDUCAÇÃO ESCOLAR: GESTOR OU ADMINISTRADOR? Maria Rafaela de Oliveira FECLESC-UECE Renata Leite Moura FECLESC-UECE RESUMO Este trabalho apresenta algumas reflexões acerca da Educação Escolar e dos desafios

Leia mais

ATIVIDADES EXPERIMENTAIS PARA O ESTUDO DA ASTRONOMIA: CONSTRUINDO O SISTEMA SOLAR REDUZIDO

ATIVIDADES EXPERIMENTAIS PARA O ESTUDO DA ASTRONOMIA: CONSTRUINDO O SISTEMA SOLAR REDUZIDO ATIVIDADES EXPERIMENTAIS PARA O ESTUDO DA ASTRONOMIA: CONSTRUINDO O SISTEMA SOLAR REDUZIDO José da Silva de Lima¹; José Rodolfo Neves da Silva²; Renally Gonçalves da Silva³; Alessandro Frederico da Silveira

Leia mais

TÍTULO: O INGRESSO DA CRIANÇA AOS SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS DILEMA OU SOLUÇÃO

TÍTULO: O INGRESSO DA CRIANÇA AOS SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS DILEMA OU SOLUÇÃO TÍTULO: O INGRESSO DA CRIANÇA AOS SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS DILEMA OU SOLUÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE DO GRANDE

Leia mais

PSICOPEDAGOGIA. DISCIPLINA: Desenvolvimento Cognitivo, Afetivo e Motor: Abordagens Sócio Interacionistas

PSICOPEDAGOGIA. DISCIPLINA: Desenvolvimento Cognitivo, Afetivo e Motor: Abordagens Sócio Interacionistas PSICOPEDAGOGIA DISCIPLINA: Fundamentos da Psicopedagogia EMENTA: Introdução e fundamentos da Psicopedagogia. O objeto de estudo. Visão histórica e atual. Concepções que sustentam a Psicopedagogia. O papel

Leia mais

SOBRE UM PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA COM MODELAGEM MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA

SOBRE UM PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA COM MODELAGEM MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA SOBRE UM PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA COM MODELAGEM MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA Susana Lazzaretti Padilha Universidade Estadual do Oeste do Paraná (UNIOESTE) Campus Cascavel susana.lap@hotmail.com

Leia mais

Brincadeiras que ensinam. Jogos e brincadeiras como instrumentos lúdicos de aprendizagem

Brincadeiras que ensinam. Jogos e brincadeiras como instrumentos lúdicos de aprendizagem Brincadeiras que ensinam Jogos e brincadeiras como instrumentos lúdicos de aprendizagem Por que as crianças brincam? A atividade inerente à criança é o brincar. A criança brinca para atribuir significados

Leia mais

A MOTIVAÇÃO É A ESSÊNCIA PARA APRENDER MATEMÁTICA

A MOTIVAÇÃO É A ESSÊNCIA PARA APRENDER MATEMÁTICA A MOTIVAÇÃO É A ESSÊNCIA PARA APRENDER MATEMÁTICA Sandro Onofre Cavalcante sandro-professor@hotmal.com José Carlos Lourenço FIP Faculdade Integrada de Patos JCLS956@hotmail.com Adriano Alves da Silveira

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

PROGRAMA DE HABILIDADES SOCIAIS COMO ESTRATÉGIA PARA A INCLUSÃO ESCOLAR E SOCIAL

PROGRAMA DE HABILIDADES SOCIAIS COMO ESTRATÉGIA PARA A INCLUSÃO ESCOLAR E SOCIAL PROGRAMA DE HABILIDADES SOCIAIS COMO ESTRATÉGIA PARA A INCLUSÃO ESCOLAR E SOCIAL PATRÍCIA LORENA QUITÉRIO patylorenaq@gmail.com PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO (PROPED/UERJ) 1 INTRODUÇÃO A oficina

Leia mais

Projeto. Supervisão. Escolar. Adriana Bührer Taques Strassacapa Margarete Zornita

Projeto. Supervisão. Escolar. Adriana Bührer Taques Strassacapa Margarete Zornita Projeto de Supervisão Escolar Adriana Bührer Taques Strassacapa Margarete Zornita Justificativa O plano de ação do professor pedagogo é um guia de orientação e estabelece as diretrizes e os meios de realização

Leia mais

Motivação e Aprendizagem

Motivação e Aprendizagem 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS Programa Nacional Escola de Gestores da Educação Básica Curso de Especialização em Coordenação Pedagógica Motivação e Aprendizagem Luiz Antonio de Souza Resumo Este

Leia mais

A PALAVRA MOTIVAÇÃO NO DISCURSO DA PRODUÇÃO EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA BRASILEIRA: UM OLHAR SOBRE AS COMUNICAÇÕES CIENTÍFICAS DO IX ENEM

A PALAVRA MOTIVAÇÃO NO DISCURSO DA PRODUÇÃO EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA BRASILEIRA: UM OLHAR SOBRE AS COMUNICAÇÕES CIENTÍFICAS DO IX ENEM A PALAVRA MOTIVAÇÃO NO DISCURSO DA PRODUÇÃO EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA BRASILEIRA: UM OLHAR SOBRE AS COMUNICAÇÕES CIENTÍFICAS DO IX ENEM Rita de Cássia de Souza Soares Ramos 1 Universidade Estadual de Londrina

Leia mais

Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP

Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP ALVES, Crislaine 1; CARVALHO, Daiane 1; CRUZ, Júlia 1, FÉLIX, Michelle 1; FERREIRA, Juliane

Leia mais

Andragogia, uma estratégia em T&D.

Andragogia, uma estratégia em T&D. Andragogia, uma estratégia em T&D. Por PAULA FRANCO Ensinar exige o reconhecimento de ser condicionado Gosto de gente porque, inacabado, sei que sou um ser condicionado, mas, consciente do inacabamento,

Leia mais

USO DE ESTRATÉGIAS DE APRENDIZAGEM E SUAS RELAÇÕES COM AS METAS DE REALIZAÇÃO

USO DE ESTRATÉGIAS DE APRENDIZAGEM E SUAS RELAÇÕES COM AS METAS DE REALIZAÇÃO USO DE ESTRATÉGIAS DE APRENDIZAGEM E SUAS RELAÇÕES COM AS METAS DE REALIZAÇÃO Souza, Isabel Cristina de Universidade Estadual de Londrina Guimarães, Sueli Édi 1 Universidade Estadual de Londrina 1 jsgj@uel.br

Leia mais

OFICINA DE JOGOS MATEMÁTICOS E MATERIAIS MANIPULÁVEIS

OFICINA DE JOGOS MATEMÁTICOS E MATERIAIS MANIPULÁVEIS OFICINA DE JOGOS MATEMÁTICOS E MATERIAIS MANIPULÁVEIS Mais informações: Site PIBID: http://www.pibid.ufrn.br/ Site LEM/UFRN: http://www.ccet.ufrn.br/matematica/lemufrn/index.html E-mail do LEM/UFRN: lem2009ufrn@yahoo.com.br

Leia mais

A APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA NA EDUCAÇÃO BIOLÓGICA: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA

A APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA NA EDUCAÇÃO BIOLÓGICA: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA A APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA NA EDUCAÇÃO BIOLÓGICA: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA Maria José Rodrigues de Farias Universidade Estadual da Paraíba lyarodriguesbio@gmail.com Introdução Atualmente os modelos

Leia mais

RESENHA Área Temática: Ensino de Psicologia & Psicologia Educacional Número Especial: Motivação

RESENHA Área Temática: Ensino de Psicologia & Psicologia Educacional Número Especial: Motivação A MOTIVAÇÃO DO ALUNO CDD: 370.154 BORUCHOVITCH, E.; BZUNECK, J. A. (Org.). A motivação do aluno: contribuições da psicologia contemporânea. 4. ed. Petrópolis: Vozes, 2009. Telma Pileggi Vinha Uma escola

Leia mais

ATITUDES EM RELAÇÃO À GEOMETRIA DE ALUNOS DO CURSO DE PEDAGOGIA

ATITUDES EM RELAÇÃO À GEOMETRIA DE ALUNOS DO CURSO DE PEDAGOGIA ATITUDES EM RELAÇÃO À GEOMETRIA DE ALUNOS DO CURSO DE PEDAGOGIA Mírian Moreira Menezes Venâncio mirian.me.ve@hotmail.com Odaléa Aparecida Viana odalea@pontal.ufu.br Resumo: Esta pesquisa tem como foco

Leia mais

Prof. Gustavo Nascimento. Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA

Prof. Gustavo Nascimento. Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA Prof. Gustavo Nascimento Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA A liderança e seus conceitos Liderança é a capacidade de influenciar um grupo para que as metas sejam alcançadas Stephen Robbins A definição de liderança

Leia mais

PLANO DE ENSINO E ESTRATÉGIAS

PLANO DE ENSINO E ESTRATÉGIAS PLANO DE ENSINO E ESTRATÉGIAS Profª. Msc. Clara Maria Furtado claramaria@terra.com.br clara@unifebe.edu.br PLANEJAMENTO Representa uma organização de ações em direção a objetivos bem definidos, dos recursos

Leia mais

Indisciplina escolar: um breve balanço da pesquisa em educação. Juliana Ap. M. Zechi FCT/UNESP

Indisciplina escolar: um breve balanço da pesquisa em educação. Juliana Ap. M. Zechi FCT/UNESP Indisciplina escolar: um breve balanço da pesquisa em educação Juliana Ap. M. Zechi FCT/UNESP Complexidade do assunto e multiplicidade de interpretações que o tema encerra. Ações mais assemelhadas à indisciplina

Leia mais

PERCEPÇÕES DE PROFISSIONAIS DE RECURSOS HUMANOS REFERENTES À AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO HUMANO NAS ORGANIZAÇÕES

PERCEPÇÕES DE PROFISSIONAIS DE RECURSOS HUMANOS REFERENTES À AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO HUMANO NAS ORGANIZAÇÕES 26 a 29 de outubro de 2010 ISBN 978-85-61091-69-9 PERCEPÇÕES DE PROFISSIONAIS DE RECURSOS HUMANOS REFERENTES À AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO HUMANO NAS ORGANIZAÇÕES Jaqueline Reinert Godoy 1 ; Talita Conte Ribas

Leia mais

A MOTIVAÇÃO INFLUENCIA NO DESEMPENHO DAS PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES? INFLUENCE MOTIVATION PERFORMANCE OF PERSONS IN ORGANIZATIONS?

A MOTIVAÇÃO INFLUENCIA NO DESEMPENHO DAS PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES? INFLUENCE MOTIVATION PERFORMANCE OF PERSONS IN ORGANIZATIONS? A MOTIVAÇÃO INFLUENCIA NO DESEMPENHO DAS PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES? INFLUENCE MOTIVATION PERFORMANCE OF PERSONS IN ORGANIZATIONS? Ana Carolina Gimenes Figueiredo Graduanda em Administração - Universidade

Leia mais

CONSTITUINDO REFERENCIAIS TEÓRICO-METODOLÓGICOS: CONTRIBUIÇÕES DO PIBID PARA O TRABALHO COM ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO

CONSTITUINDO REFERENCIAIS TEÓRICO-METODOLÓGICOS: CONTRIBUIÇÕES DO PIBID PARA O TRABALHO COM ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO CONSTITUINDO REFERENCIAIS TEÓRICO-METODOLÓGICOS: CONTRIBUIÇÕES DO PIBID PARA O TRABALHO COM ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO Bruna Mendes Muniz 1 Gislaine Aparecida Puton Zortêa 2 Jéssica Taís de Oliveira Silva

Leia mais

Quem Contratar como Coach?

Quem Contratar como Coach? Quem Contratar como Coach? por Rodrigo Aranha, PCC & CMC Por diversas razões, você tomou a decisão de buscar auxílio, através de um Coach profissional, para tratar uma ou mais questões, sejam elas de caráter

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

TUTORIA EM EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Maria Teresa Marques Amaral. Introdução

TUTORIA EM EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Maria Teresa Marques Amaral. Introdução TUTORIA EM EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Maria Teresa Marques Amaral Introdução Buscando no dicionário a palavra tutor vamos encontrar como primeira definição o jurídico: indivíduo que exerce uma tutela (dita tutoria)

Leia mais

CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR

CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR Acreditamos ser relevante abordar de forma rápida o contexto atual da Educação Física Escolar

Leia mais

HABILIDADE EMPÁTICA EM GRADUANDOS DE ENFERMAGEM: DIMENSÕES COGNITIVA E AFETIVA. Célia Caldeira Fonseca Kestenberg¹, Natalia André Barbosa Silva²

HABILIDADE EMPÁTICA EM GRADUANDOS DE ENFERMAGEM: DIMENSÕES COGNITIVA E AFETIVA. Célia Caldeira Fonseca Kestenberg¹, Natalia André Barbosa Silva² HABILIDADE EMPÁTICA EM GRADUANDOS DE ENFERMAGEM: DIMENSÕES COGNITIVA E AFETIVA Célia Caldeira Fonseca Kestenberg¹, Natalia André Barbosa Silva² INTRODUÇÃO A empatia é uma habilidade socialmente aprendida,

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

Católica Porto. Aprender a Educar. Sessões para Professores e Educadores. 5ª Edição

Católica Porto. Aprender a Educar. Sessões para Professores e Educadores. 5ª Edição Católica Porto Aprender a Educar Sessões para Professores e Educadores 5ª Edição 2014/2015 Ser Professor ou Educador nos dias de hoje é um desafio!... O APRENDER A EDUCAR Programa para Professores e Educadores

Leia mais

A FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA A INCLUSÃO DOS ALUNOS NO ESPAÇO PEDAGÓGICO DA DIVERSIDADE 1

A FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA A INCLUSÃO DOS ALUNOS NO ESPAÇO PEDAGÓGICO DA DIVERSIDADE 1 A FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA A INCLUSÃO DOS ALUNOS NO ESPAÇO PEDAGÓGICO DA DIVERSIDADE 1 Rita Vieira de Figueiredo 2 Gosto de pensar na formação de professores (inspirada no poema de Guimarães) Rosa

Leia mais

Mestrado em Educação Superior Menção Docência Universitária

Mestrado em Educação Superior Menção Docência Universitária Apresentação Mestrado em Educação Superior Menção Docência Universitária A Vice-Reitoria de Pesquisa, Inovação e Pósgraduação da Universidad Arturo Prat del Estado de Chile, ciente da importância dos estudos

Leia mais

Situando o uso da mídia em contextos educacionais

Situando o uso da mídia em contextos educacionais Situando o uso da mídia em contextos educacionais Maria Cecília Martinsi Dentre os pressupostos educacionais relevantes para a época atual, considera-se que as múltiplas dimensões do ser humano - intelectual,

Leia mais

O PEDAGOGO E O CONSELHO DE ESCOLA: UMA ARTICULAÇÃO NECESSÁRIA

O PEDAGOGO E O CONSELHO DE ESCOLA: UMA ARTICULAÇÃO NECESSÁRIA O PEDAGOGO E O CONSELHO DE ESCOLA: UMA ARTICULAÇÃO NECESSÁRIA SANTOS *, Josiane Gonçalves SME/CTBA josiane_2104@hotmail.com Resumo Os tempos mudaram, a escola mudou. Refletir sobre a escola na contemporaneidade

Leia mais

MOTIVAÇÃO UM NOVO COMBUSTÍVEL EMPRESARIAL

MOTIVAÇÃO UM NOVO COMBUSTÍVEL EMPRESARIAL MOTIVAÇÃO UM NOVO COMBUSTÍVEL EMPRESARIAL Daniele Cristine Viana da Silva 1 Maria José Vencerlau 2 Regiane da Silva Rodrigues 3 André Rodrigues da Silva 4 Fábio Fernandes 5 RESUMO O Artigo Científico tem

Leia mais

Centro de Estudos Avançados em Pós Graduação e Pesquisa

Centro de Estudos Avançados em Pós Graduação e Pesquisa EDUCAÇÃO INFANTIL JUSTIFICATIVA O momento social, econômico, político e histórico em que vivemos está exigindo um novo perfil de profissional, de cidadão: informado, bem qualificado, crítico, ágil, criativo,

Leia mais

Introdução à Administração. Prof. Adilson Mendes Ricardo Novembro de 2012

Introdução à Administração. Prof. Adilson Mendes Ricardo Novembro de 2012 Novembro de 2012 Aula baseada no livro Teoria Geral da Administração Idalberto Chiavenato 7ª edição Editora Campus - 2004 Nova ênfase Administração científica tarefas Teoria clássica estrutura organizacional

Leia mais

Grupo de Trabalho: Temas Livres

Grupo de Trabalho: Temas Livres ATIVIDADE FÍSICA, LAZER E SAÚDE NA ADOLESCÊNCIA: POSSÍVEIS APROXIMAÇÕES Alipio Rodrigues Pines Junior (alipio.rodrigues@gmail.com) Grupo Interdisciplinar de Estudos do Lazer - GIEL/USP/CNPq Tiago Aquino

Leia mais

ESTUDO DE CASO PSICOPEDAGÓGICO

ESTUDO DE CASO PSICOPEDAGÓGICO ESTUDO DE CASO PSICOPEDAGÓGICO Autora: Suellen Viviane Lemos Fernandes Co-autora: Maria Irene Miranda Bernardes Universidade Federal de Uberlândia suellenped65@hotmail.com Introdução O presente trabalho

Leia mais

Critérios de seleção e utilização do livro didático de inglês na rede estadual de ensino de Goiás

Critérios de seleção e utilização do livro didático de inglês na rede estadual de ensino de Goiás Critérios de seleção e utilização do livro didático de inglês na rede estadual de ensino de Goiás COSTA, Bianca Ribeiro Morais OLIVEIRA, Eliane Carolina de Universidade Federal de Goiás- UFG Programa de

Leia mais

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional)

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) Universidade Federal de Roraima UFRR Brasil Especialista em Alfabetização (Prática Reflexiva

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Orientações para a elaboração do projeto escolar

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Orientações para a elaboração do projeto escolar MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO MÉDIA E TECNOLÓGICA Coordenação-Geral de Ensino Médio Orientações para a elaboração do projeto escolar Questões norteadoras: Quais as etapas necessárias à

Leia mais

PRÁTICA DE ENSINO INTERDISCIPLINAR NO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO NA PERSPECTIVA DOS DISCENTES.

PRÁTICA DE ENSINO INTERDISCIPLINAR NO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO NA PERSPECTIVA DOS DISCENTES. PRÁTICA DE ENSINO INTERDISCIPLINAR NO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO NA PERSPECTIVA DOS DISCENTES. Introdução As mudanças e desafios no contexto social influenciam a educação superior, e como consequência, os

Leia mais

Motivação. O que é motivação?

Motivação. O que é motivação? Motivação A motivação representa um fator de sobrevivência para as organizações, pois hoje é um dos meios mais eficazes para atingir objetivos e metas. Além de as pessoas possuírem conhecimento, habilidades

Leia mais

PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA

PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA Fernanda Pimentel Dizotti Academia de Ensino Superior fernandadizotti@gmail.com Norma Suely Gomes Allevato Universidade Cruzeiro do Sul normallev@uol.com.br

Leia mais

DESEMPENHO 1 INTRODUÇÃO

DESEMPENHO 1 INTRODUÇÃO DESEMPENHO 1 INTRODUÇÃO Esta pesquisa tem como objetivo abordar o tema voltado para a avaliação do desempenho humano com os seguintes modelos: escalas gráficas, escolha forçada, pesquisa de campo, métodos

Leia mais

LURDINALVA PEDROSA MONTEIRO E DRª. KÁTIA APARECIDA DA SILVA AQUINO. Propor uma abordagem transversal para o ensino de Ciências requer um

LURDINALVA PEDROSA MONTEIRO E DRª. KÁTIA APARECIDA DA SILVA AQUINO. Propor uma abordagem transversal para o ensino de Ciências requer um 1 TURISMO E OS IMPACTOS AMBIENTAIS DERIVADOS DA I FESTA DA BANAUVA DE SÃO VICENTE FÉRRER COMO TEMA TRANSVERSAL PARA AS AULAS DE CIÊNCIAS NO PROJETO TRAVESSIA DA ESCOLA CREUSA DE FREITAS CAVALCANTI LURDINALVA

Leia mais

AÇÕES EFETIVAS DE GERENCIAMENTO DO STRESS OCUPACIONAL: Desafio de Conciliar Embasamento Científico e Planejamento Estratégico

AÇÕES EFETIVAS DE GERENCIAMENTO DO STRESS OCUPACIONAL: Desafio de Conciliar Embasamento Científico e Planejamento Estratégico AÇÕES EFETIVAS DE GERENCIAMENTO DO STRESS OCUPACIONAL: Desafio de Conciliar Embasamento Científico e Planejamento Estratégico Sâmia Simurro Novembro/2011 FATOS SOBRE O STRESS Inevitável Nível positivo?

Leia mais

CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PSICOPEDAGOGIA PROJETO PEDAGÓGICO

CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PSICOPEDAGOGIA PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PSICOPEDAGOGIA PROJETO PEDAGÓGICO Campo Limpo Paulista 2012 1 CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PSICOPEDAGOGIA Marcos Legais Resolução CNE CES 1 2002 Resolução CNE

Leia mais

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense Projeto de Extensão Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense 1.0 - JUSTIFICATIVA Considerando que a Extensão Universitária tem entre as suas

Leia mais

PROJETO PSICOPEDAGOGIA. Geral: - Trabalhar o aspecto aprendizagem em toda comunidade educativa.

PROJETO PSICOPEDAGOGIA. Geral: - Trabalhar o aspecto aprendizagem em toda comunidade educativa. PROJETO PSICOPEDAGOGIA 1. OBJETIVOS: Geral: - Trabalhar o aspecto aprendizagem em toda comunidade educativa. Específicos: Discernir com os pais a importância deste vínculo da aprendizagem do seu filho;

Leia mais

DIAGNÓSTICO DO PERFIL DO LEITOR: ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE O ENSINO PÚBLICO E PRIVADO NA REGIÃO OESTE DO ESTADO DE SÃO PAULO

DIAGNÓSTICO DO PERFIL DO LEITOR: ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE O ENSINO PÚBLICO E PRIVADO NA REGIÃO OESTE DO ESTADO DE SÃO PAULO DIAGNÓSTICO DO PERFIL DO LEITOR: ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE O ENSINO PÚBLICO E PRIVADO NA REGIÃO OESTE DO ESTADO DE SÃO PAULO Érika Cristina Mashorca Fiorelli, UNESP - Presidente Prudente-SP, SESI/SP; Ana

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Lúcia Peranzoni 1 Fabiana Lacerda da Silva 2 Resumo: O presente trabalho foi desenvolvido na disciplina Estágio Básico II no segundo semestre de 2011, tendo

Leia mais

Organização da Aula. Motivação e Satisfação no Trabalho. Aula 2. Motivação Extrínseca. Contextualização. Motivação Intrínseca

Organização da Aula. Motivação e Satisfação no Trabalho. Aula 2. Motivação Extrínseca. Contextualização. Motivação Intrínseca Motivação e Satisfação no Trabalho Aula 2 Profa. Adriana Straube Organização da Aula Motivação Extrínseca X Motivação Intrínseca Necessidades Inatas Teoria do Reforço Teoria da Equidade Motivação Extrínseca

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004.

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004. 1 CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004. (*) (**) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de graduação em Educação Física,

Leia mais