UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE FRAUDE EM SEGUROS DE TRANSPORTES DE CARGAS NO BRASIL Por: Leonardo de Araújo Cardoso Orientador Prof. Sergio Majerowicz Rio de Janeiro 2010 UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES

2 2 PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE FRAUDE EM SEGUROS DE TRANSPORTES DE CARGAS NO BRASIL Apresentação de monografia à Universidade Candido Mendes como requisito parcial para obtenção do grau de especialista em Logística Empresarial. Por:. Leonardo de Araújo Cardoso

3 3 AGRADECIMENTOS Aos colegas de turma, pelo constante apoio. Aos professores do curso de pósgraduação de Logística Empresarial da AVM.

4 4 DEDICATÓRIA Dedico à minha família e a Deus.

5 5 RESUMO Investigou-se nesta pesquisa que fatores são importantes para a redução e o combate do índice de fraudes em seguros. As fraudes no seguro de transportes de carga afetam diretamente a sociedade. A tipificação das fraudes varia daquela mais comum até as mais sofisticadas, onde se envolvem o embarcador, transportador e o cliente. No Brasil, predomina o transporte rodoviário, o qual sofre com os problemas como estradas esburacadas, violência e insegurança. O setor sofre ainda com a falta de investimento e ainda não foi conceituado como vital para o desenvolvimento do país. O custo logístico do processo produtivo também é composto por uma parcela do seguro de transporte. E em praticamente tudo que consumimos, este custo está presente, tudo se transporta. A fraude encarece o prêmio de seguro e este aumento é repassado para o consumidor, por isso se torna relevante para a sociedade o estudo dos meios de detecção e combate às fraudes. Verificouse que é necessário desenvolver métodos preventivos de detecção de fraude antes que ocorram. O processo de combate não poderá ser isolado, deve envolver seguradora e corretores, principalmente com relação a averbações de carga.

6 6 METODOLOGIA A metodologia de pesquisa que será aplicada a este trabalho com a intenção de atingir o objetivo geral proposto. A pesquisa será de natureza exploratória e explicativa. A investigação exploratória é realizada em área que na qual há pouco conhecimento acumulado e sistematizado. A investigação explicativa tem como principal objetivo tornar algo intangível justificar-lhe os motivos. Visa, portanto, esclarecer quais fatores contribuem, de alguma forma, para a ocorrência de determinado fenômeno. O meio de investigação será do tipo bibliográfica, pois este tipo de estudo é sistematizado desenvolvido com base em material publicado em livros, revistas, jornais, redes eletrônicas, isto é, material acessível ao público em geral.

7 7 SUMÁRIO INTRODUÇÃO 08 CAPÍTULO I - Seguro 10 CAPÍTULO II - Seguro de transporte 14 CAPÍTULO III Fraude 19 CONCLUSÃO 29 ANEXOS 31 BIBLIOGRAFIA CONSULTADA 32 ÍNDICE 33 FOLHA DE AVALIAÇÃO 35

8 8 INTRODUÇÃO O custo do seguro de cargas está presente em quase todos os produtos que consumimos e, com o os elevados índices de fraudes, as seguradoras se vêem obrigadas a elevar o preço do seguro, que é repassado ao consumidor. Para minimizar esse impacto tornou-se necessário identificar fatores importantes para a redução e o combate às fraudes. A atividade de transporte de cargas e imprescindível para o desenvolvimento do país, movimentando o mercado consumidor e produtor. O custo logístico das operações de produção é composto de uma parcela representativa do transporte de carga. Por esse motivo a investigação se limitou a uma visão teórica e alguns casos práticos a respeito de fraudes de seguros na carteira de transportes de carga das seguradoras brasileiras. O seguro conseqüentemente possui grande participação no custo, partindo da teoria de que nenhuma carga é transportada sem contrato de seguro e seu custo é repassado ao consumidor. A ocorrência de fraudes contribui para o encarecimento do produto final oferecido ao consumidor. Daí a importância do aperfeiçoamento da estrutura dos meios de detecção e combate às fraudes em seguros. O combate às fraudes nos seguros é obrigação das seguradoras, evitando que toda a sociedade seja atingida. Porém as fraudes acontecem de varias maneiras e cada vez mais ousadas e sofisticadas. Apesar da fraude ser um crime e sendo o contrato de seguro caracterizado pela boa fé, a sociedade não distingue dessa maneira. Ludibriar a seguradora é visto como um ato de esperteza. A cultura de seguro deve ser cada vez mais incluída no dia a dia da sociedade. Partindo do problema de que as seguradoras vêm sofrendo com a questão de fraudes em suas operações dificultando o crescimento do volume de prêmios na carteira de transportes, torna-se relevante um estudo sobre a prevenção e combate às fraudes nas seguradoras brasileiras.

9 9 CAPÍTULO I SEGURO O CONCEITO Conforme definição do dicionário do IRB, seguro é conceituado como um contrato realizado, mediante a pagamento de premio, onde uma das partes se compromete a indenizar a outra pela ocorrência de eventos específicos ou eventuais. Alvim (1999), descreve seguro da seguinte forma: Seguro é a operação pela qual o segurador recebe dos segurados uma prestação, chamada prêmio, para formação de um fundo comum por ele administrado e que tem por objetivo garantir o pagamento de uma soma em dinheiro àqueles que forem afetados por um dos riscos previstos. 1.1 Breve histórico Mesmo com o a baixa participação no PIB, o mercado segurador brasileiro vem crescendo. Vários fatores dificultam o crescimento da atividade securitária no país, como, por exemplo, falta de divulgação da importância dos seguros para o país, falta de cultura geral do povo sobre o assunto, minguada renda per capta da população, ensino do seguro não faz parte do currículo da maioria das carreiras acadêmicas e o fato de termos poucos profissionais formados na área (LEAL DA SILVA, Ademar, 2005, p. 20). 1.2 Conceitos do seguro Alguns termos são relevantes na pesquisa o que torna necessária as definições a seguir:

10 10 Seguradora: instituição responsável em garantir indenização ou reposição do bem, mediante ao pagamento do prêmio. No Brasil as seguradoras não estão sujeitas à falência e nem podem pedir concordata, mas podem ser liquidadas voluntária ou involuntariamente. Sinistro: ocorrência do acontecimento especificado no contrato de seguro e que, legalmente, a seguradora é obrigada a indenizar. Indenização: é a contraprestação do segurador ao segurado que, com a efetivação do sinistro. Averbação: é a declaração das coisas postas em risco. No seguro de transporte é a relação das cargas efetuadas com as especificações necessárias para que a cobertura de seguro seja analisada e efetivada. Contrato de seguro: é geralmente expresso em uma apólice com o objetivo de formalizar o contrato de seguro, ou seja, onde se expressa a obrigação da seguradora, mediante ao pagamento de prêmio, em ressarcir o segurado por perdas e danos causados pelo sinistro ocorrido. Risco: é o evento incerto ou de data incerta que independentemente da vontade das partes se contrata o seguro. Apólice: é o instrumento do contrato de seguro pelo qual o segurado transfere à seguradora a responsabilidade sobre os riscos acordados na mesma. 1.3 O contrato de seguro O contrato de seguro é o documento que formaliza o acordo pelo qual o segurado, mediante a pagamento do prêmio ao segurador, garante indenizações de prejuízos que venha a sofrer. Em todo contrato de seguro, há uma prestação e uma contraprestação: o segurado deve pagar um prêmio pela cobertura do risco e a seguradora obriga-se a indenizar pelas perdas e danos em caso de sinistro Características do contrato de seguro

11 11 Além dos elementos comuns a todos os contratos, o de seguro tem características pecuniárias: Bilateral: obrigações mútuas tanto para o segurado como pra o segurador. Ambas as partes assumem uma obrigação. Solene: sua forma e redação segundo o Código Civil. Máxima boa fé: atuar com máxima honestidade na interpretação dos termos do contrato e na determinação dos compromissos assumidos. Aleatório: condicionado pela possibilidade de que ocorra ou não um acontecimento. O segurado só se beneficiará se ocorre, no futuro, o acontecimento incerto. Oneroso: não é gratuito para nenhuma das partes. 1.4 Finalidade e características do seguro O objetivo do seguro é garantir a reposição de um bem, ou minimizar a perda de uma pessoa ou bem, através do pagamento da quantia estipulada na apólice Características O seguro possui três características básicas: Previdência: é o ato de prevenir-se. O seguro oferece proteção contra perdas e danos que possam atingir, no futuro, as pessoas ou seus bens. Mutualismo: no seguro, um grupo e pessoas, com interesses seguráveis comuns, que concorrem para a formação de uma massa econômica com a finalidade de suprir necessidades eventuais de algumas daquelas pessoas. Incerteza: o acontecimento é possível porem não se pode afirmar quando e como de fato ele ocorrerá Funções

12 12 O seguro desempenha algumas funções no aspecto desenvolvimento econômico e social: Aspecto econômico: o seguro, na sociedade, possui função reparadora garantindo e repondo patrimônios e riquezas. Aspecto social: cria riquezas (pelo investimento que faz de suas reservas financeiras), favorece as classes economicamente mais fracas.

13 13 CAPÍTULO II SEGURO DE TRANSPORTE Os principais fatores que compõem o nível de serviço de um sistema logístico são: prazo de entrega, avarias na carga, extravios e reclamações diversas. O seguro de transporte visa propiciar aos segurados que o serviço contratado será realizado, caso contrário, a indenização será recebida pelo segurado. O seguro de transporte representa grande parte do custo do processo. 2.1 Transporte O transporte é uma das principais funções logísticas. Além de representar a maior parcela dos custos logísticos, tem papel fundamental no desempenho de diversas dimensões do serviço ao cliente. Do ponto de vista de custos, representa mais da metade das despesas logísticas, o que em alguns casos pode significar duas ou três vezes o lucro de uma companhia, como é o caso, por exemplo, do setor de distribuição de combustíveis. As principais funções do transporte na logística estão relacionadas basicamente às dimensões de tempo e utilidade de lugar. Desde os primórdios o transporte de mercadorias tem sido utilizado para disponibilizar produtos onde existe demanda em potencial, dentro do prazo certo às necessidades do comprador. Mesmo com o avanço de tecnologias que permitem a troca de informações em tempo real, o transporte continua sendo fundamental para que seja atingido o objetivo logístico, que é o produto certo, na quantidade certa, na hora certa, no lugar certo ao menor custo possível. 2.2 Conceito de seguro de transporte

14 14 O seguro de transporte visa garantir a indenização por perdas e danos causados a carga transportada. Segundo Leal da Silva (2005), o seguro de transporte de carga tem como objetivo segurar até o limite da importância segurada contratada e, de acordo com as condições contratuais do seguro, o pagamento ao segurado por prejuízos ocorridos e devidamente comprovados, decorrentes dos riscos cobertos. O ramo de transportes é um dos mais antigos em operação nas seguradoras. O conceito de transporte de bens e mercadorias deve ser substituído pelo conceito de logística de operações, que é mais amplo que transporte. As atividades do ramo de seguro de transporte é regulamentada pela SUSEP (Superintendência de seguros privados), na circular 178, de 26 de dezembro de Nesta circular, todos os procedimentos, disposições legais e o modo de controle são estabelecidos. 2.3 Subdivisão do seguro de transporte No Brasil, existem basicamente cinco modais de carga e que o transporte rodoviário é disparadamente aquele que tem maior participação. A SUSEP subdividiu, para efeitos de controle, o ramo de transportes em vários sub-ramos: RCTRC (Responsabilidade civil do transportador rodoviário de carga) garante ao segurado, até o limite do valor segurado, o reembolso das reparações pecuniárias, pelas quais, por disposições legais, for ele o responsável em virtude das perdas e danos sofridos pelos bens ou mercadorias transportadas, por rodovia e em território nacional, contra conhecimento de transporte rodoviário, nota de embarque ou ainda outro documento hábil desde que as perdas sejam decorrentes de acidentes decorridos durante o transporte como: capotagem, colisão, tombamento, abalroamento, incêndio ou explosão.

15 15 RCFDC (Responsabilidade civil facultativa rodoviário desaparecimento de cargas) a contratação não é obrigatória, e se contratado, garante a indenização pecuniária devido a danos sofridos decorrentes do desaparecimento da carga. Serve de cobertura aos riscos de dolo (roubo ou desvio) do conteúdo da carga transportada. RCTAC (Responsabilidade civil do transportador aéreo) garante reparações pecuniárias ao segurado referente a danos causados as mercadorias de terceiros. Destinado a empresas que possuem autorização do departamento de aviação civil, para operar como transportadora aérea. E tem-se, Riscos nacionais terrestres, RF- riscos ferroviários e RR riscos rodoviários, transportes internacional e nacional. E ainda temos algumas modalidades, de acordo com o meio de transporte: terrestre, marítimo e aéreo. O seguro de transporte nacional é para o dono da carga, e é obrigatório, oferecendo cobertura completa incluindo roubo e furto em território nacional Transporte internacional Os segurado de viagens internacionais de importação poderão ser contratados mediante aplicação de clausulas estrangeiras, devidamente traduzidas, e que serão aprovadas pelos órgãos competentes. Para os seguros de exportação são utilizadas cláusulas estrangeiras, objetivando facilitar ao importador o exato conhecimento das coberturas concedidas. Neste caso, deverá ser emitido um certificado de seguro transportes bilíngüe em inglês e português. A prática do comércio em geral, utiliza uma serie de termos especiais para definir as condições de pagamento e entrega de mercadorias. Quando alguém vende algo a alguém, é indispensáveis definir quem paga as despesas de embraques, transporte e seguro da mercadoria, ou qualquer outra relacionada com a transação. Torna-se evidente a necessidade de empregar terminologia comercial única, quando se faz um contrato de venda ao comercio exterior.

16 16 O comercio exterior é regido pelos Incoterms, adotando termos para transportes internacionais marítimo, aéreo e terrestre. Os Incoterms relacionados a seguir determinam as responsabilidades na contratação do seguro internacional: Ex Works (sem serviços prestados) o vendedor deixa a mercadoria à disposição do comprador em seu estabelecimento. FOB FREE ON BORD (livre a bordo) o vendedor é responsável pela mercadoria até a colocação da mesma a bordo de veículo transportador. CIF COST, INSURANCE AND FREIGHT (custo, seguro e frete) o vendedor é responsável pela mercadoria, inclusive pelo frete e seguro, ate a sua entrega no destinatário final. C&F COST AND FREIGHT (custo e frete) a responsabilidade do vendedor termina quando a mercadoria ultrapassa o limite do navio. C.I COST AND INSURANCE (custo e seguro) o vendedor é responsável pela mercadoria, inclusive seguro, ate a sua entrega ao destinatário final Seguro no Mercosul Os governos do Brasil, Argentina, Paraguai, Uruguai, Chile, Bolívia e peru, firmaram convenio de transporte terrestre internacional, no qual prevê a obrigatoriedade deste seguro. O seguro de RCTR-VI CARGA (responsabilidade civil do transportador rodoviário em viagem internacional danos a carga), o presente seguro garantirá ao segurado, as quantias pelas quais for ele responsável em virtude de perdas e danos sofridos pelos bens ou mercadorias pertencentes a terceiros que lhe tenham sido entregues para transporte terrestre internacional, com a emissão de conhecimento de embarque.

17 17 O seguro de RCTRC-VI danos a terceiros (responsabilidade civil do transportador rodoviário em viagem internacional - danos a terceiros), destinados a empresas transportadoras (carga/pessoas) em viagens aos paises do Conesul, sejam caminhões, ônibus (linhas regulares e de turismo), táxis e pick-ups em trafego fronteiriço. Este seguro visa garantir ao segurado transportador as quantias pelas quais seja civilmente responsável, em sentença judicial transitada em julgamento, ou por acordo autorizado de modo expresso pela Seguradora, por eventos ocorridos durante a vigência do seguro, relativos a danos materiais e ou pessoais causados a terceiros (inclusive passageiros de ônibus) em território internacional.

18 18 CAPÍTULO III FRAUDE O dicionário de seguros do IRB define fraude do seguinte aspecto: o código penal no art. 171, capitula como crime a fraude para recebimento de indenização ou valor de seguro. (Pena: reclusão de um a cinco anos). 3.1 Conceito Existem pessoas que pensam que é uma pratica comum tentar receber mais que o devido das seguradoras, mas é importante ressaltar que isto é crime e pode levar a prisão (Parodi, 2008). E ainda de acordo com o autor a ocorrência de fraudes contribui para o encarecimento do preço do seguro. O segurado não deve usar a instituição de seguro para lucrar (Silva, 2005). Alguns fatores listados pelo autor são determinantes para a existência de fraudes nos seguros de transporte, são eles: ausência de cultura de seguros entre a população, falta de colaboração o mercado, falta de investimentos em sistemas de detecção de fraudes, ausência de procedimentos claros de detecção de fraudes no seguros de transportes, dificuldade de investigação e ausência de punição, as próprias seguradoras e complexidade da legislação no assunto fraude. Segundo Parodi (2008), em alguns casos o possível fator de incentivo é a impunidade, entretanto algumas seguradoras acabam não processando criminalmente os envolvidos em fraudes para evitar possíveis danos à imagem. O perfil dos fraudadores são traçados da seguinte maneira: fraudador de ocasião ou oportunista, comete o ato ilícito e consegue justificar a fraude contra a seguradora para receber uma indenização indevida (Nóbrega,Eduardo; Clementino,Marcus, 2006); fraudador de carreira, pertencem à quadrilhas, são especialistas, se aproveitam de brechas nos

19 19 processos, conhecem os processos de seguros, descobrem novos métodos de fraudes, persistem se não forem processados e condenados. (Bueno, 2003). 3.2 Fraudes internas As fraudes internas ocorrem em conseqüência do descobrimento de falhas na lógica dos sistemas e processos permitindo que seja proporcione vantagens. Durante a operacionalização do seguro podemos encontrar fraudes nos seguintes pontos: liberação de comissões indevidas para corretores e aceitação de riscos sem a documentação correta. Existem fraudadores internos que são mais ousados, cadastram empresas prestadoras de serviços, abrem contas em seu nome e até mesmos agem em parceria com corretores. A impunidade continua sendo o grande motivo da ocorrência de fraudes internas. As seguradoras se preocupam com sua imagem perante seus clientes e procuram não transparecer que são vitimas de fraudes. 3.3 Tipos de fraude em seguros de transporte Entre as fraudes mais comuns que envolvem o usuário de seguro, segundo Parodi (2008) tem-se, o facilitamento de alguma forma a ocorrência do sinistro para receber indevidamente o beneficio, denunciar sinistros não ocorridos, omitir e ou ocultar informações com relação ao sinistro, falsificar documentos ou provas para receber uma indenização indevida ou a favor de terceiros. De acordo com Silva (2005) entre as fraudes mais comuns que ocorrem no seguro de transporte tem-se: O saque da mercadoria transportada: o segurado diante de um eventual acidente com sua carga, por exemplo, um tombamento, ele recupera a carga restante e alega saque. Assim o segurado recebe a indenização e com a carga salvada;

20 20 O segurado alega roubo para receber indevidamente a indenização: pode ocorrer quando os próprios motoristas alteram o destino da carga e posteriormente faz um boletim de ocorrência como se fosse roubo de carga. Estufagem do container: o container é carregado de mercadorias somente nas extremidades preenchendo o restante com objetos sucatados, e quando se constata o evento o segurado atribui à a ação de piratas ou roubo; Utilização do seguro para lavagem de dinheiro por criminosos: estima-se que organizações criminosas possuem navios de carga operando. Simulações de acidentes: acidentes são simulados para reclamar indenização por uma carga já danificada. Aproveitamento do sinistro ocorrido: o segurado adiciona mais mercadorias à carga sinistrada, geralmente pode ocorrer quando são lugares de difícil acesso; Os segurados, com relação ao seguro de transportes, cometem a mais comum fraude neste segmento que é a falta de averbação. Eles deixam de averbar para economizar o valor do seguro em embarques que, por exemplo, já foram entregues em perfeitas condições, curtos trajetos ou só averbam cargas de altos valores. 3.4 Prevenção Segundo Parodi (2008) existem empresas que tem a função de investigar e detectar fraudes, as seguradoras costumam contratar os serviços destas empresas quando detectam algo suspeito. E o autor ainda descreve que fraude é fraude, independentemente do tamanho e valor envolvido e o crime é considerado o mesmo. E devemos combater a cultura que a sociedade possui de que uma pequena fraude não gera problemas e as seguradoras devem provocar um ambiente que não seja propício para que essas fraudes ocorram, ou seja, extinguir a imagem de impunidade.

21 21 As seguradoras precisam permear em toda sua estrutura o pensamento de combate às fraudes. Os padrões devem ser criteriosos no pagamento de indenizações, diante de precauções como descrição clara das cláusulas do contrato não deixando margem para dúvida. Um fato que ocorre no mercado segurador é a seguradora indenizar o segurado visando interesse comercial. (Silva, 2005). 3.5 Averbação de carga As cargas devem ser averbadas de acordo com o modo de averbação especificado na apólice, podendo ser de forma simplificada ou não, ou seja, o segurado deve informar para sua seguradora suas viagens de forma mensal ou diária. O modo como a averbação pode ser realizada variam de seguradora para seguradora, sendo por envio de arquivo e sistemas offline ou online. O envio de arquivo com a relação de embarques geralmente são aceitos de forma mensal, por esse motivo a ocorrência de fraudes são comuns e acontecem de varias formas como: a troca de veículos informados visando benefício no recebimento de possíveis indenizações, troca de percursos e mercadorias visando o abatimento de taxas, sempre com o objetivo de sonegar o prêmio de seguro. Os sistemas offline e online são nos quais o segurado cadastra suas averbações diretamente em um programa oferecido ou diretamente no site da seguradora. Esses sistemas são implementados e direcionados para serem padrão nas seguradoras, pois poupam o trabalho da área de faturamento e são relativamente menos propensos á ocorrência de fraudes. Em algumas seguradoras o modo de processamento das averbações de cargas pela área de faturamento não apresentam nenhum procedimento básico em prevenção de fraudes, como previa verificação da veracidade das informações ou mesmo algum indício de fraude. Esta inibição deve-se ao interesse comercial de não abalar a relação com o segurado de grande importância ou pela cultura da seguradora de visar sempre o lucro.

22 Treinamento dos colaboradores Os colaboradores de uma organização são responsáveis por manter e propagar a cultura organizacional. O próprio ambiente das seguradoras pode ser incentivo as fraudes, devido a falta de informação sobre prevenção e fraudes. O treinamento sugue como forma de divulgação, busca a conscientização dos colaboradores sobre o assunto. Todos os colaboradores devem ter conhecimento mínimo sobre fraudes e as formas mais comuns, para que diante de algum indício possa identificar um possível caso o direcionando para a área responsável. Algumas seguradoras oferecem cursos online, palestras e divulgam informativos sobre fraude e sua prevenção. Porem não se preocupam em verificar se realmente o objetivo esta sendo alcançado, somente visam a realização de objetivos estratégicos. 3.7 Combate Com relação ao combate às fraudes, existem alguns órgãos nacionais que se preocupam com o assunto. Usando sistemas de indicadores algumas poucas seguradoras desenvolveram sistemas internos de sinistros para identificar possíveis fraudes. No Brasil, vários elementos facilitadores das fraudes entre os quais temos: inadequada inspeção de riscos, inadequada regulação de sinistros, inadequada investigação, inadequada filtragem prévia dos sinistros. A tendência mundial do setor de seguros é de aperfeiçoar a maneira de combate a fraudes, ou seja, se os fraudadores não contassem com o fato de que alguém já cometeu a fraude e não sofreu nenhuma penalidade (Parodi, 2008). 3.8 Indicadores de fraudes

23 23 O analista de sinistro aprende a suspeitar das fraudes devido a experiência adquirida, porém ele só ganha experiência com a ocorrência de fraudes ao longo dos anos. Assim é necessário que ocorram fraudes para que ele ganhe experiência e se torne cada vez mais produtivo, mas desta maneira se tarda muito a formação de analistas. É importante que a empresa procure novas formas de acelerar esta transferência de conhecimento com intuito de minimizar custos de formação. Para detectar fraudes, busca-se sintomas das mesmas, descobrindo os detalhes e provas para formas as evidencias. A constatação de que o indicio apresentado no processo de detecção de fraudes é importante ou forte o suficiente para iniciar uma investigação, é de forma não sistêmica. A fraude é detectada, na maioria das vezes, através da experiência dos analistas de sinistro. Existem alguns métodos de detecção das fraudes como a denuncia anônima, detecção no sistema informático e a detecção pelos profissionais envolvidos. A denúncia anônima é um elemento importante no combate a fraude, varias seguradoras incentivam e facilitam a utilização pela população. Os sistemas informáticos promovem indícios de fraudes restritas aos dados cadastrais e contratuais do seguro. Realizando o levantamento corretamente esses sistemas, contribuem no processo de detecção de fraudes. O processo de tramitação do sinistro varia de seguradora para seguradora, porem todas elas seguem as mesmas atividades: aviso do sinistro pelo segurado; elaboração do laudo; analise da documentação; detecção de indicadores de fraudes; decisão da investigação. As seguradoras possuem controlabilidade relacionado ao controle das fraudes, podendo ser automático ou manual. O controle da detecção das fraudes automático é baseado no sistema de informação da empresa e o manual é baseado nos procedimentos estabelecidos. Exemplos de indícios de fraudes no seguro de transportes, controlados de forma manual: quebra de numeração nas notas fiscais pelo embarcador, quebra na numeração do conhecimento do embarque pela transportadora, documentação adulterada,

24 24 excesso de documentação comprobatória do evento, insistência do segurado em conhecer os procedimentos internos de regulação de sinistro, muita insistência na rapidez na regulação do sinistro, relato do acidente excessivamente detalhado, a escolta não percebeu o roubo da mercadoria, rotas diferentes, a mercadoria sinistrada está fora de linha ou é de consumo sazonal, setor econômico do qual o segurado pertence está em crise, testemunhas pouco confiáveis, datas do sinistro muito próximas do inicio ou termino da vigência da apólice. E como exemplos de indícios de fraudes no seguro de transportes, controlados de forma automática: demora na entrega da documentação necessária, roubos e avarias constantes para o mesmo segurado, boletim de ocorrência efetuado muito depois do evento, nervosismo exagerado, sistemas de alarme que não funcionam no momento mas depois funcionam, motoristas sem cadastro nas empresas gerenciadoras de risco, sinistros nos fins de semana ou feriados, aviso de sinistro feito por terceiros. 3.9 Meios de combate e SQF A palavra de ordem é desestimular, punir, combater, reduzir e identificar as fraudes. O mercado de seguros brasileiro está preocupado em trabalhar de forma unificada na prevenção da fraude, em 2003 a Fenaseg instaurou um projeto de prevenção a fraudes. No projeto um dos sistemas utilizados foi a quantificação das fraudes que ocorreram no mercado, que só foi possível com o fornecimento de informações dos seguradores. O compartilhamento das informações é um ponto importante para a eficácia de um programa de prevenção e combate às fraudes. A federação também estruturou um disque fraude em seguros, por meios de convênios firmados com serviços de disque denúncia estaduais. No sentido de quantificar a fraude contra o seguro, a Fenaseg desenvolveu um sistema inédito de quantificação da fraude para reunir informações do mercado brasileiro sobre os indicadores de fraude, chamado SQF Sistema de Quantificação da Fraude.

25 25 O Sistema de Quantificação da Fraude (SQF) consiste no fornecimento de informações das seguradoras, dentro de indicadores pré-estabelecidos, quais são as experiências em suas carteiras relacionadas à incidência de fraude, seja por indicio, como fraude comprovada ou, ainda, a que possui fortes indícios, mas não pode ser comprovada. A seguradora somente recusa o pagamento da indenização quando tem a comprovação e pode sustentá-la de forma legal, de que houve irregularidade ao contrato estabelecido. O SQF funciona como um instrumento para orientar o direcionamento das ações de combate à fraude, permite a aferição das ações implantadas, fundamentar a justificativa de retorno dos projetos das seguradoras na prevenção e redução das fraudes e promover a conscientização dos setores governamentais, da sociedade, dos segurados e do próprio mercado de seguros sobre a gravidade da incidência da fraude contra seguros Tratamento das fraudes Algumas seguradoras inovaram com a implantação de canais de comunicações de fraudes como o disque fraude. As denuncias são anônimas, e são feitas geralmente por segurados, prestadores de serviço, funcionários e corretores. O aviso de sinistro também pode ser realizado por centrais de atendimento, disponíveis 24 horas por dia, assim a seguradora tem a oportunidade que registrar e prestar assistência ao segurado no momento mais próximo da ocorrência. O intuito destes serviços é, além de prestar serviços em casos de acidentes, chegar rápido ao local da ocorrência, evitando possíveis fraudes. As seguradoras tendem a inibir a atuação de fraudadores, porem alguns de seus processos internos podem ser falhos. A regulação de sinistros é um processo administrativo pelo qual a seguradora verifica as causas e as conseqüências de um evento, em face de um pedido de indenização de um cliente. Este processo é composto por documentos e dados obtidos junto ao segurado e ou terceiro eventualmente envolvido. O objetivo da regulação de sinistro é constatar a possibilidade da existência de uma fraude.

Características Gerais dos Seguros de Transportes Internacionais: I Condições Gerais;

Características Gerais dos Seguros de Transportes Internacionais: I Condições Gerais; Coberturas de Riscos UNIDADE III: Seguros: modalidades, custos e legislação internacional do setor. Cláusulas e condições gerais das apólices de seguros Características Gerais dos Seguros de Transportes

Leia mais

Treinamento de Prevenção a Fraudes BTG Pactual Resseguradora e BTG Pactual Vida e Previdência

Treinamento de Prevenção a Fraudes BTG Pactual Resseguradora e BTG Pactual Vida e Previdência Janeiro 2015 Error! Reference source not found. Treinamento de Prevenção a Fraudes Introdução Esse treinamento visa à orientação dos funcionários da Resseguradora S.A. e Vida e Previdência S.A. e das pessoas

Leia mais

Fraude em seguros. fraude, estabeleceu ações e controles que visam o cumprimento à legislação vigente.

Fraude em seguros. fraude, estabeleceu ações e controles que visam o cumprimento à legislação vigente. Apresentação O que é fraude Os crimes de fraude ameaçam as sociedades, corporações e governos de todo mundo, independentemente do estágio de desenvolvimento de cada país. O mercado de seguros, assim como

Leia mais

CONDIÇÕES PARTICULARES

CONDIÇÕES PARTICULARES CONDIÇÕES PARTICULARES APÓLICE MULTIRISCO LOTÉRICOS 2015 Cláusula 1ª Fica entendido e acordado que o limite de cobertura para valores fora de cofres fortes e/ou caixas-fortes será de: a) Até R$ 4.000,00

Leia mais

CARTILHA SOBRE COMBATE E PREVENÇÃO À FRAUDE

CARTILHA SOBRE COMBATE E PREVENÇÃO À FRAUDE CARTILHA SOBRE COMBATE E PREVENÇÃO À FRAUDE Setembro/2015 MITSUI SUMITOMO SEGUROS Parte integrante do MS&AD Insurance Group, o maior grupo segurador do Japão e um dos maiores do mundo, a Mitsui Sumitomo

Leia mais

RETROATIVIDADE DO SEGURO: O Protector possibilita a contratação de cobertura retroativa para fatos desconhecidos de até 5 anos.

RETROATIVIDADE DO SEGURO: O Protector possibilita a contratação de cobertura retroativa para fatos desconhecidos de até 5 anos. SEGURADO: Sócio Administrador (Pessoa Física) Limite: São 6 opções entre R$ 100.000 e R$ 500.000. O limite do seguro poderá ser utilizado para um ou uma série de sinistros indenizados durante a vigência

Leia mais

CAPEMISA SEGURADORA DE VIDA E PREVIDÊNCIA S/A Manual do Cliente Siga Seguro Versão Mai./12

CAPEMISA SEGURADORA DE VIDA E PREVIDÊNCIA S/A Manual do Cliente Siga Seguro Versão Mai./12 2 SIGA SEGURO MANUAL DO CLIENTE Bem-vindo à CAPEMISA. O SIGA SEGURO é um seguro de acidente pessoal coletivo por prazo certo, garantido pela CAPEMISA Seguradora de Vida e Previdência S/A. Prevenir é sempre

Leia mais

DA RELAÇÃO SEGURO/ROUBO DE CARGA NO TRANSPORTE RODOVIÁRIO

DA RELAÇÃO SEGURO/ROUBO DE CARGA NO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DA RELAÇÃO SEGURO/ROUBO DE CARGA NO TRANSPORTE RODOVIÁRIO 1. Até a década de 70 não eram reconhecidos os crimes contra o patrimônio como risco a ser efetivamente protegido no transporte rodoviário de cargas,

Leia mais

SEGURO DE TRANSPORTE DE CARGAS NACIONAL E INTERNACIONAL

SEGURO DE TRANSPORTE DE CARGAS NACIONAL E INTERNACIONAL SEGURO DE TRANSPORTE DE CARGAS NACIONAL E INTERNACIONAL Sobre o Seguro de Transportes É destinado a dois tipos de clientes: 1. Proprietários de mercadorias (embarcador) 2. Empresas de transportes rodoviários

Leia mais

SEGUROS E RISCOS EM TRANSPORTE INTERNACIONAL. Profª MSc Cristiana Rennó D Oliveira Andrade

SEGUROS E RISCOS EM TRANSPORTE INTERNACIONAL. Profª MSc Cristiana Rennó D Oliveira Andrade SEGUROS E RISCOS EM TRANSPORTE INTERNACIONAL Profª MSc Cristiana Rennó D Oliveira Andrade TRANSPORTE INTERNACIONAL Transporte Internacional: comercial e global progresso e desenvolvimento troca e circulação

Leia mais

A Recondução à Legalidade do Seguro Obrigatório de Responsabilidade Civil do Transportador Rodoviário de Carga RCTR-C

A Recondução à Legalidade do Seguro Obrigatório de Responsabilidade Civil do Transportador Rodoviário de Carga RCTR-C Grupo: A Recondução à Legalidade do Seguro Obrigatório de Responsabilidade Civil do Transportador Rodoviário de Carga RCTR-C E Irregularidades do Seguro na DDR Comercialização do Frete até 1.990 EMPRESA

Leia mais

APÓLICE COLETIVA DE SEGURO DE TRANSPORTE Coletânea de Perguntas e Respostas

APÓLICE COLETIVA DE SEGURO DE TRANSPORTE Coletânea de Perguntas e Respostas APÓLICE COLETIVA DE SEGURO DE TRANSPORTE Coletânea de Perguntas e Respostas 1. A quem se destina a apólice? R.: Destina-se às empresas associadas ao SICEPOT-MG, sendo extensivo às empresas do mesmo grupo

Leia mais

MINUTA DE RESOLUÇÃO. Art.1º Dispor sobre as regras e os critérios para operação do seguro Viagem.

MINUTA DE RESOLUÇÃO. Art.1º Dispor sobre as regras e os critérios para operação do seguro Viagem. MINUTA DE RESOLUÇÃO A SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS SUSEP, no uso da atribuição que lhe confere o art. 34, inciso XI, do Decreto nº 60.459, de 13 de março de l967, e considerando o inteiro teor

Leia mais

Amigos, Atenciosamente,

Amigos, Atenciosamente, Amigos, A MSCB Advogados Associados, é o braço jurídico da Zênite Assessoria e Consultoria Ltda., que há mais de 20 anos presta serviços às empresas que atuam na área de transporte de cargas e logística,

Leia mais

Seguro Garantia É o seguro que garante o fiel cumprimento das obrigações assumidas pelo tomador perante o segurado, conforme os termos da apólice.

Seguro Garantia É o seguro que garante o fiel cumprimento das obrigações assumidas pelo tomador perante o segurado, conforme os termos da apólice. 2 Definição Seguro Garantia É o seguro que garante o fiel cumprimento das obrigações assumidas pelo tomador perante o segurado, conforme os termos da apólice. Partes Seguradora - Sociedade de seguros garantidora,

Leia mais

Treinamento de Prevenção a Fraudes

Treinamento de Prevenção a Fraudes Treinamento de Prevenção a Fraudes 1. Introdução Esse treinamento visa orientar os colaboradores, parceiros, fornecedores, terceiros e pessoas com as quais mantém relacionamento comercial com a PAN Seguros,

Leia mais

RETROATIVIDADE DO SEGURO: O Protector possibilita a contratação de cobertura retroativa para fatos desconhecidos de até 3 anos.

RETROATIVIDADE DO SEGURO: O Protector possibilita a contratação de cobertura retroativa para fatos desconhecidos de até 3 anos. SEGURADO: Advogados (pessoa física) e/ou Escritórios de Advocacia (pessoa jurídica) Limite: São 6 opções entre R$ 100.000 e R$ 500.000. O limite do seguro poderá ser utilizado para um ou uma série de sinistros

Leia mais

Resolução CNSP Nº 315 DE 26/09/2014 Publicado no DO em 29 set 2014

Resolução CNSP Nº 315 DE 26/09/2014 Publicado no DO em 29 set 2014 Resolução CNSP Nº 315 DE 26/09/2014 Publicado no DO em 29 set 2014 Dispõe sobre as regras e os critérios para operação do seguro viagem. A Superintendência de Seguros Privados - SUSEP, no uso da atribuição

Leia mais

RETROATIVIDADE DO SEGURO: O Protector possibilita a contratação de cobertura retroativa para fatos desconhecidos de até 5 anos.

RETROATIVIDADE DO SEGURO: O Protector possibilita a contratação de cobertura retroativa para fatos desconhecidos de até 5 anos. SEGURADO: Diretor, Conselheiro, CEO, CFO ou cargo Equivalente (pessoa física) Limite: São 6 opções entre R$ 100.000 e R$ 500.000. O limite do seguro poderá ser utilizado para um ou uma série de sinistros

Leia mais

28/12/11 Luiz Roberto Missagia. 28/12/11 Luiz Roberto Missagia. 28/12/11 Luiz Roberto Missagia. 28/12/11 Luiz Roberto Missagia

28/12/11 Luiz Roberto Missagia. 28/12/11 Luiz Roberto Missagia. 28/12/11 Luiz Roberto Missagia. 28/12/11 Luiz Roberto Missagia Formas de Pagamento no Comércio Internacional 1 Pagamentos Internacionais Em geral, a transação se dá em moeda estrangeira (ex: dólar, euro, libra, iene) Importador brasileiro pagará em reais Exportador

Leia mais

RETROATIVIDADE DO SEGURO: O Protector possibilita a contratação de cobertura retroativa para fatos desconhecidos de até 5 anos.

RETROATIVIDADE DO SEGURO: O Protector possibilita a contratação de cobertura retroativa para fatos desconhecidos de até 5 anos. SEGURADO: Corretores de seguros (pessoa física) e/ou Corretoras de Seguros (pessoa jurídica) Limite: São 6 opções entre R$ 100.000 e R$ 500.000. O limite do seguro poderá ser utilizado para um ou uma série

Leia mais

Seguro Garantia - Seguro que garante o fiel cumprimento das obrigações assumidas pelo tomador perante o segurado, conforme os termos da apólice.

Seguro Garantia - Seguro que garante o fiel cumprimento das obrigações assumidas pelo tomador perante o segurado, conforme os termos da apólice. GUIA DE SEGURO GARANTIA PARA CONSULTA FENSEG QUEM SÃO AS PARTES Seguro Garantia - Seguro que garante o fiel cumprimento das obrigações assumidas pelo tomador perante o segurado, conforme os termos da apólice.

Leia mais

RESOLUÇÃO CNSP N o 296, DE 2013.

RESOLUÇÃO CNSP N o 296, DE 2013. MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS RESOLUÇÃO CNSP N o 296, DE 2013. Dispõe sobre as regras e os critérios para operação do seguro de garantia estendida, quando da aquisição de

Leia mais

QUADRO PADRONIZADO PARA APRESENTAÇÃO DE SUGESTÕES E COMENTÁRIOS

QUADRO PADRONIZADO PARA APRESENTAÇÃO DE SUGESTÕES E COMENTÁRIOS MINUTA DE RESOLUÇÃO QUADRO PADRONIZADO PARA APRESENTAÇÃO DE SUGESTÕES E COMENTÁRIOS Remetente: Signatário: RESOLUÇÃO PROPOSTA SUGESTÃO DE ALTERAÇÃO JUSTIFICATIVA OU COMENTÁRIO A SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS

Leia mais

Condições Contratuais Seguro Transporte Internacional Cobertura Básica Nº 21 Processo SUSEP nº 15414.901332/2014-22 Versão 1.0b 1

Condições Contratuais Seguro Transporte Internacional Cobertura Básica Nº 21 Processo SUSEP nº 15414.901332/2014-22 Versão 1.0b 1 Cobertura Básica Nº 21 PARA SEGUROS DE MERCADORIAS CONDUZIDAS POR PORTADORES Cláusula 1 Riscos Cobertos 1.1. A presente cobertura garante, ao Segurado, os prejuízos que venha a sofrer em conseqüência de

Leia mais

Tokio Marine TRANSPORTES

Tokio Marine TRANSPORTES Tokio Marine TRANSPORTES Tokio Marine Transportes Objetivo Compreender o Seguro de Transportes e sua aplicação. Identificar oportunidades de negócios ligadas ao seguro de Transportes. 1. Objetivo do Seguro

Leia mais

André Dabus Revisado em 15/06/2010. SEGURO-GARANTIA

André Dabus Revisado em 15/06/2010. SEGURO-GARANTIA SEGURO-GARANTIA Prezados Corretores de Seguros, O SINCOR-SP, através da sua comissão técnica de seguros de crédito e garantia, elaborou esta cartilha de seguro garantia com o intuito de divulgar aos interessados

Leia mais

Manual do Estipulante / Segurado. Condições Particulares - Seguro Proteção MAIS! Premiada I CRED-SYSTEM

Manual do Estipulante / Segurado. Condições Particulares - Seguro Proteção MAIS! Premiada I CRED-SYSTEM Para facilitar o seu entendimento, resumimos as Condições Gerais para o SEGURO PROTEÇÃO MAIS PREMIADA I CRED-SYSTEM Cartões MAIS e CO-BRANDED, procedimentos e a documentação necessária para liquidação

Leia mais

Abordagens de Vendas / Estilos

Abordagens de Vendas / Estilos Quem somos. Somos uma empresa especializada em Gestão de Frotas, Seguros e Telemetria, Administrada por profissionais com mais de 20 anos de experiência no mercado, atuando em parceria com nossos clientes

Leia mais

MANUAL DO SEGURADO SEGURO DE PERDA OU ROUBO DE CARTÕES

MANUAL DO SEGURADO SEGURO DE PERDA OU ROUBO DE CARTÕES MANUAL DO SEGURADO SEGURO DE PERDA OU ROUBO DE CARTÕES Estipulante: ATUAL TECNOLOGIA E ADMINISTRACAO DE CARTOES. CNPJ: 07.746.799/0001-09 1. OBJETIVO DO SEGURO O presente contrato de seguro tem por objetivo

Leia mais

SEGUROS. Manual de Seguros. Banco Mercedes-Benz do Brasil S/A

SEGUROS. Manual de Seguros. Banco Mercedes-Benz do Brasil S/A SEGUROS Manual de Seguros Banco Mercedes-Benz do Brasil S/A 2013 SUMÁRIO 1. CONCEITOS... 3 1.1. Objeto do Seguro... 3 1.2. Tipos de Seguro... 3 1.3. Vigência... 3 2. COBERTURAS ADICIONAIS... 4 2.1. Responsabilidade

Leia mais

Seja um franqueado DEKRA

Seja um franqueado DEKRA Seja um franqueado DEKRA DEKRA SE A DEKRA no mundo Fundada em 1927, em Stuttgart, na Alemanha, a DEKRA esta presente em mais de 50 países e conta com mais de 25 mil colaboradores, atingindo em 2011 um

Leia mais

REGULAMENTO. Presenteador: É a pessoa física ou jurídica que adquire o VALE-VIAGEM CVC, mediante a compra direta de cargas de valores.

REGULAMENTO. Presenteador: É a pessoa física ou jurídica que adquire o VALE-VIAGEM CVC, mediante a compra direta de cargas de valores. REGULAMENTO A CVC BRASIL OPERADORA E AGÊNCIA DE VIAGENS S.A., o Presenteador e o Presenteado do VALE-VIAGEM CVC, a primeira, na qualidade de prestadora de serviços de turismo, e o segundo, aderindo às

Leia mais

Tipo de apólice Ramo Proc. Susep. 0022011079-A 24 Hs 04 JUL 2013 24 Hs 04 JUL 2014. Orgão Emissor Unidade Emissora Proposta Renova Apólice

Tipo de apólice Ramo Proc. Susep. 0022011079-A 24 Hs 04 JUL 2013 24 Hs 04 JUL 2014. Orgão Emissor Unidade Emissora Proposta Renova Apólice APÓLICE DE SEGURO Nome e Endereço do Segurado Tipo de apólice Ramo Proc. Susep ABERTA Apólice TRANSPORTE NACIONAL Início de vigência da apólice a partir de 15414.000748/2008-83 Término de vigência da apólice

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

Gestão de Riscos. Glossário de seguros

Gestão de Riscos. Glossário de seguros Gestão de Riscos Glossário de seguros A ADESÃO - Termo utilizado para definir características do contrato de seguro; contrato de adesão; ato ou efeito de aderir. ADITIVO - Termo utilizado para definir

Leia mais

SEGURO. 1. Referência legal do assunto. Art. 757 ao art. 802 do CC. 2. Conceito de seguro

SEGURO. 1. Referência legal do assunto. Art. 757 ao art. 802 do CC. 2. Conceito de seguro 1. Referência legal do assunto Art. 757 ao art. 802 do CC. 2. Conceito de seguro SEGURO O seguro é uma operação pela qual, mediante o pagamento de uma pequena remuneração, uma pessoa, o segurado, se faz

Leia mais

CARTILHA DE PREVENÇÃO À FRAUDE

CARTILHA DE PREVENÇÃO À FRAUDE CARTILHA DE PREVENÇÃO À FRAUDE EMPRESA DO GRUPO 1. INTRODUÇÃO Mundialmente as fraudes ameaçam os governos, as corporações, os negócios e a sociedade, independentemente do grau de desenvolvimento de cada

Leia mais

DECRETO Nº 61.867, DE 07 DE DEZEMBRO DE 1967

DECRETO Nº 61.867, DE 07 DE DEZEMBRO DE 1967 DECRETO Nº 61.867, DE 07 DE DEZEMBRO DE 1967 Regulamenta os seguros obrigatórios previstos no artigo 20 do Decreto-lei nº 73, de 21.11.66, e dá outras providências O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, usando da

Leia mais

DECRETO Nº 61.867, DE 07 DE DEZEMBRO DE 1967: Regulamenta os seguros

DECRETO Nº 61.867, DE 07 DE DEZEMBRO DE 1967: Regulamenta os seguros DECRETO Nº 61.867, DE 07 DE DEZEMBRO DE 1967: Regulamenta os seguros obrigatórios previstos no artigo 20 do Decreto-lei nº 73, de 21.11.66, e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, usando da

Leia mais

d) participação em competições esportivas, incluídos gastos com treinamento;

d) participação em competições esportivas, incluídos gastos com treinamento; CAPÍTULO : 10 - Viagens Internacionais, Cartões de Uso Internacional e Transferências Postais SEÇÃO : 1 - Viagens Internacionais 1. Esta seção trata das compras e das vendas de moeda estrangeira, inclusive

Leia mais

REGULAMENTO. Capítulo 1º. Definições:

REGULAMENTO. Capítulo 1º. Definições: REGULAMENTO A OPERADORA E AGÊNCIA DE VIAGENS CVC TUR LTDA., o Presenteador e o Presenteado do VALE-VIAGEM CVC, a primeira, na qualidade de prestadora de serviços de turismo, e o segundo, aderindo às condições

Leia mais

Categoria: Case: PAMTAX

Categoria: Case: PAMTAX PRÊMIO ANSP 2005 Categoria: Empresas de Prestação de Serviços Case: PAMTAX 2 Í N D I C E SINOPSE Pág. 4 PROBLEMA Pág. 5 A situação das seguradoras Pág. 6 A situação das transportadoras Pág. 8 SOLUÇÃO Pág.

Leia mais

Royal & SunAlliance Seguros

Royal & SunAlliance Seguros Royal Acidentes Pessoais O maior patrimônio de uma empresa são as pessoas. Por isso, o Royal Acidentes Pessoais garante a tranqüilidade dos funcionários e de suas famílias diante de imprevistos ocorridos.

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Item 2.3.3- Seguros

Conhecimentos Bancários. Item 2.3.3- Seguros Conhecimentos Bancários Item 2.3.3- Seguros Conhecimentos Bancários Item 2.3.3- Seguros Insegurança nas atividades cotidianas SEGURO Necessidade de controlar o RISCO! Conhecimentos Bancários Item 2.3.3-

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS RESERVE CLUBCAR

CONDIÇÕES GERAIS RESERVE CLUBCAR Seja bem-vindo à Blue Service Assistance, a opção mais vantajosa em assistência e clube de vantagens. É uma enorme satisfação ter você como nosso associado. A Blue Service Assistance está cada vez mais

Leia mais

ESCLARECIMENTO Nº 01. Segue abaixo, perguntas formuladas por empresa participantes da licitação supra e a respectivas respostas de FURNAS:

ESCLARECIMENTO Nº 01. Segue abaixo, perguntas formuladas por empresa participantes da licitação supra e a respectivas respostas de FURNAS: ESCLARECIMENTO Nº 01 Segue abaixo, perguntas formuladas por empresa participantes da licitação supra e a respectivas respostas de FURNAS: 1. Pergunta: Quais são os limites de responsabilidae (LR) por viagem

Leia mais

CO-SEGURADO VIGÊNCIA DO SEGURO OBJETO DO SEGURO CONDIÇÕES DE COBERTURA DE RESPONSABILIDADE CIVIL

CO-SEGURADO VIGÊNCIA DO SEGURO OBJETO DO SEGURO CONDIÇÕES DE COBERTURA DE RESPONSABILIDADE CIVIL DADOS DO ESTIPULANTE/SEGURADO Nome CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE AEROMODELISMO Atividade Principal Desenvolvida CPF / CNPJ 42.508.044/0001-77 Endereço RUA DO ARROZ CE 21011-070 Nome Bairro PENHA CIRCULAR

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL PROFISIONAL. TECNOLOGIA EM SEGUROS

A IMPORTÂNCIA DO SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL PROFISIONAL. TECNOLOGIA EM SEGUROS A IMPORTÂNCIA DO SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL PROFISIONAL. A RESPONSABILIDADE CIVIL A responsabilidade civil é caracterizada pela falta de intenção de prejudicar o outro. Ou seja, possibilidade existente

Leia mais

E XPORTAÇÃO. Dica: o dossiê com as informações sobre o produto deve ser preparado antes do contato com o importador.

E XPORTAÇÃO. Dica: o dossiê com as informações sobre o produto deve ser preparado antes do contato com o importador. EXPORTAÇÃO E XPORTAÇÃO Antes de fornecer o preço, é importante analisar os preços de produtos similares praticados no mercado onde está o potencial cliente, exigências técnicas, barreiras tarifárias e

Leia mais

Belo Horizonte, 21 de maio de 2013.

Belo Horizonte, 21 de maio de 2013. Belo Horizonte, 21 de maio de 2013. Esta empresa tem bons motivos para oferecer o PASI aos trabalhadores. Segurados, eles trabalham tranquilos e a própria empresa obtém vantagens exclusivas. As Empresas

Leia mais

12 dicas para baixar o preço do seguro do carro

12 dicas para baixar o preço do seguro do carro 12 dicas para baixar o preço do seguro do carro Especialistas ensinam a pagar mais barato sem assumir riscos demais cortando coberturas necessárias Carros antigos: seguros mais caros devido aos custos

Leia mais

Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo ANEXO XIX. SEGUROS DE RESPONSABILIDADE DA CONCESSIONÁRIA

Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo ANEXO XIX. SEGUROS DE RESPONSABILIDADE DA CONCESSIONÁRIA ANEXO XIX. SEGUROS DE RESPONSABILIDADE DA CONCESSIONÁRIA Durante o prazo da CONCESSÃO, a CONCESSIONÁRIA deverá contratar e manter em vigor no mínimo as apólices de seguro a seguir indicadas, nas condições

Leia mais

Seguro Compreensivo Residencial

Seguro Compreensivo Residencial Seguro Compreensivo Residencial Este seguro é destinado à moradias (casas e apartamentos) HABITUAIS de alvenaria, de uso exclusivamente residencial, contra diversos riscos, de maneira rápida e descomplicada,

Leia mais

CIRCULAR SUSEP N o 451, de 17 de outubro de 2012 ANEXO

CIRCULAR SUSEP N o 451, de 17 de outubro de 2012 ANEXO Fl. 2 da CIRCULAR SUSEP N o 451, de 17 de outubro de 2012. CIRCULAR SUSEP N o 451, de 17 de outubro de 2012 ANEXO INSTRUÇÕES COMPLEMENTARES PARA A OPERAÇÃO DO SEGURO OBRIGATÓRIO DE DANOS PESSOAIS CAUSADOS

Leia mais

SEGURO DE ACIDENTES PESSOAIS COLETIVO POR PRAZO CERTO

SEGURO DE ACIDENTES PESSOAIS COLETIVO POR PRAZO CERTO SEGURO DE ACIDENTES PESSOAIS COLETIVO POR PRAZO CERTO 2 Seguro de Acidentes Pessoais Coletivo por Prazo Certo MANUAL DO CLIENTE Bem-vindo à CAPEMISA. Parabéns, você acaba de adquirir um produto garantido

Leia mais

DINÂMICA TRANSPORTES RODOVIÁRIOS DE CARGAS E ENCOMENDAS LTDA

DINÂMICA TRANSPORTES RODOVIÁRIOS DE CARGAS E ENCOMENDAS LTDA DINÂMICA TRANSPORTES RODOVIÁRIOS DE CARGAS E ENCOMENDAS LTDA RUA DR. TAVARES CORREIA, Nº105 LOJA 02 IMBIRIBEIRA RECIFE PE CEP Nº 51.200-130 - TELEFONES: 3471.7404 3338.1563 Recife-PE. 04 de Janeiro de

Leia mais

Nova Lista de Verificação Seguro de Auto Versão 01 (julho/2012)

Nova Lista de Verificação Seguro de Auto Versão 01 (julho/2012) LISTA DE VERIFICAÇÃO CIRCULARES SUSEP N os 256 e 269/04 E OUTROS NORMATIVOS DESCRIÇÃO ATENÇÃO: No preenchimento da Lista de Verificação, para os itens informativos, a coluna Fls. deverá ser marcada com

Leia mais

Consórcio Fênix Rua Cândido Ramos nº550 - CEP 88090.800 Capoeiras - Florianópolis/SC - Brasil CNPJ 19.962.391/0001-53 sac@consorciofenix.com.

Consórcio Fênix Rua Cândido Ramos nº550 - CEP 88090.800 Capoeiras - Florianópolis/SC - Brasil CNPJ 19.962.391/0001-53 sac@consorciofenix.com. 1 2 CONSÓRCIO FÊNIX PREFEITURA MUNICIPAL DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DE MOBILIDADE URBANA - SMMU MANUAL DOS USUÁRIOS DO SISTEMA SIM MODALIDADE POR ÔNIBUS DIREITOS E DEVERES DAS PARTES ENVOLVIDAS

Leia mais

CONDIÇÕES PARTICULARES. Cláusula 1ª Fica entendido e acordado que o limite de cobertura para valores fora de cofres fortes e/ou caixas-fortes será de:

CONDIÇÕES PARTICULARES. Cláusula 1ª Fica entendido e acordado que o limite de cobertura para valores fora de cofres fortes e/ou caixas-fortes será de: APÓLICE MULTIRISCO LOTÉRICOS 2012 CONDIÇÕES PARTICULARES Cláusula 1ª Fica entendido e acordado que o limite de cobertura para valores fora de cofres fortes e/ou caixas-fortes será de: a) Até R$ 4.000,00

Leia mais

CONTRATO DE FORNECIMENTO DE GÁS NATURAL CANALIZADO CONTENDO AS CONDIÇÕES GERAIS DE FORNECIMENTO DE GÁS CANALIZADO REFERENTES AOS CLIENTES COMERCIAIS

CONTRATO DE FORNECIMENTO DE GÁS NATURAL CANALIZADO CONTENDO AS CONDIÇÕES GERAIS DE FORNECIMENTO DE GÁS CANALIZADO REFERENTES AOS CLIENTES COMERCIAIS CONTRATO DE FORNECIMENTO DE GÁS NATURAL CANALIZADO CONTENDO AS CONDIÇÕES GERAIS DE FORNECIMENTO DE GÁS CANALIZADO REFERENTES AOS CLIENTES COMERCIAIS DA CEG 1.º PARTES a) CEG: COMPANHIA DISTRIBUIDORA DE

Leia mais

Análise CADERNOS DE SEGURO. Seguro e doença preexistente. Lauro Vieira de Faria

Análise CADERNOS DE SEGURO. Seguro e doença preexistente. Lauro Vieira de Faria 16 Seguro e doença preexistente Lauro Vieira de Faria Um dos temas mais polêmicos no mercado de seguros são as limitações e até recusas de cobertura decorrentes das chamadas doenças preexistentes. Em diversos

Leia mais

Plano de Controle de Qualidade. Resolução 3.954

Plano de Controle de Qualidade. Resolução 3.954 Plano de Controle de Qualidade Resolução 3.954 1. DA RESOLUÇÃO 3.954, DE 24 DE FEVEREIRO DE 2011 Com as alterações advindas pela Resolução 3.954/11, um dos objetivos do Conselho Monetário Nacional é que

Leia mais

Limite de Retenção Orientações da Susep ao Mercado

Limite de Retenção Orientações da Susep ao Mercado Limite de Retenção Orientações da Susep ao Mercado JUNHO/2013 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 2 1.1. Área Responsável... 2 1.2. Base Legal... 2 1.3. Abrangência... 2 1.4. Contextualização... 2 2. LIMITE DE RETENÇÃO...

Leia mais

GUIA PARA EMITIR A NOTA FISCAL ELETRÔNICA

GUIA PARA EMITIR A NOTA FISCAL ELETRÔNICA GUIA PARA EMITIR A NOTA FISCAL ELETRÔNICA SUMÁRIO >> Introdução... 3 >> O que é a nota fiscal eletrônica?... 6 >> O que muda com esse novo modelo de documento fiscal?... 8 >> O DANFE - Documento Acessório

Leia mais

REGULAMENTO DA CAMPANHA PANDA EMPRESTA

REGULAMENTO DA CAMPANHA PANDA EMPRESTA REGULAMENTO DA CAMPANHA PANDA EMPRESTA Esta campanha, denominada PANDA EMPRESTA (doravante CAMPANHA), é promovida pela JC CONSIGNADOS LTDA., inscrita no CNPJ sob o nº 15.169.211/0001-20 pessoa jurídica

Leia mais

Manual do Estipulante / Segurado. Condições Particulares - Seguro Cartão MAIS! Protegido I CRED-SYSTEM

Manual do Estipulante / Segurado. Condições Particulares - Seguro Cartão MAIS! Protegido I CRED-SYSTEM Para facilitar o seu entendimento, resumimos as Condições Gerais para o SEGURO CARTÃO MAIS PROTEGIDO I CRED-SYSTEM Cartões MAIS e CO-BRANDED, procedimentos e a documentação necessária para liquidação de

Leia mais

POLÍTICA DE RELACIONAMENTO COM CORRESPONDENTES NO PAÍS

POLÍTICA DE RELACIONAMENTO COM CORRESPONDENTES NO PAÍS POLÍTICA DE RELACIONAMENTO COM CORRESPONDENTES NO PAÍS Belo Horizonte, Novembro de 2013. Diretoria de Crédito Consignado Diretoria Executiva Comercial Diretoria Executiva Administrativa e de Atendimento

Leia mais

GABINETE DO MINISTRO

GABINETE DO MINISTRO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 265, DE 16 DE NOVEMBRO DE 2001 O MINISTRO DE ESTADO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO, no uso de suas atribuições, e considerando o disposto no art. 8º do Decreto nº

Leia mais

RESOLUÇÃO CNSP nº 12/1988

RESOLUÇÃO CNSP nº 12/1988 RESOLUÇÃO CNSP nº 12/1988 A SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS - SUSEP, na forma do art. 30 do Regimento Interno baixado pela Resolução CNSP nº 31/68, de 19.08.68, com a redação dada pela Resolução CNSP

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS

SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS CIRCULAR SUSEP N o 477, DE 30 DE SETEMBRO DE 2013. Dispõe sobre o Seguro Garantia, divulga Condições Padronizadas e dá outras providências. O SUPERINTENDENTE DA SUPERINTENDÊNCIA

Leia mais

TRANSQUALIT GERENCIAMENTO DE RISCOS

TRANSQUALIT GERENCIAMENTO DE RISCOS TRANSQUALIT Transqualit GRIS GERENCIAMENTO DE RISCOS INTRODUÇÃO Organizações de todos os tipos estão cada vez mais preocupadas em atingir e demonstrar um desempenho em termos de gerenciamento dos riscos

Leia mais

RETROATIVIDADE DO SEGURO: O Protector possibilita a contratação de cobertura retroativa para fatos desconhecidos de até 5 anos.

RETROATIVIDADE DO SEGURO: O Protector possibilita a contratação de cobertura retroativa para fatos desconhecidos de até 5 anos. SEGURADO: Médicos (pessoa física) ou Clinicas e Consultórios (pessoa jurídica) Limite: São 6 opções entre R$ 100.000 e R$ 500.000. O limite do seguro poderá ser utilizado para um ou uma série de sinistros

Leia mais

GLOSSÁRIO DE TERMOS TÉCNICOS SEGURO DE TRANSPORTES

GLOSSÁRIO DE TERMOS TÉCNICOS SEGURO DE TRANSPORTES GLOSSÁRIO DE TERMOS TÉCNICOS SEGURO DE TRANSPORTES Este glossário apresenta-se composto de palavras e expressões comumente usadas pelo mercado segurador e por vezes desconhecidas pelo grande público consumidor

Leia mais

OPERADORAS DE SAÚDE. Mariana Braga Shoji Barbosa Enfermagem UNIFESP mariana_shoji@yahoo.com.br

OPERADORAS DE SAÚDE. Mariana Braga Shoji Barbosa Enfermagem UNIFESP mariana_shoji@yahoo.com.br OPERADORAS DE SAÚDE Mariana Braga Shoji Barbosa Enfermagem UNIFESP mariana_shoji@yahoo.com.br O que são Operadoras de saúde? O que são Operadoras de saúde? Operadora é a pessoa jurídica que opera ( administra,

Leia mais

MANUAL DO CLIENTE BIZVOX, UBOOK E UMBARATO

MANUAL DO CLIENTE BIZVOX, UBOOK E UMBARATO MANUAL DO CLIENTE BIZVOX, UBOOK E UMBARATO Capemisa Seguradora de Vida e Previdência S/A Versão Nov./14 2 MANUAL DO CLIENTE BIZVOX, UBOOK E UMBARATO O produto disponibilizado pelas empresas Bizvox, Ubook

Leia mais

Edifício New England Manual do Credenciado

Edifício New England Manual do Credenciado Edifício New England Manual do Credenciado A BrasilPark quer prestar sempre o melhor serviço para seus clientes. Para que isso aconteça, é essencial que você fique atento aos nossos procedimentos de atendimento.

Leia mais

REGULAMENTOS DAS COBERTURAS OPCIONAIS PREVCAR AUTO

REGULAMENTOS DAS COBERTURAS OPCIONAIS PREVCAR AUTO REGULAMENTOS DAS COBERTURAS OPCIONAIS PREVCAR AUTO RESPONSABILIDADE CIVIL FACULTATIVA ESTA COBERTURA NÃO PODERÁ SER CONTRATADA ISOLADAMENTE FICANDO CONDICIONADA À COBERTURA DO EQUIPAMENTO ATIVO CADASTRADO

Leia mais

PORTARIA TC Nº 437, 23 DE SETEMBRO DE 2015

PORTARIA TC Nº 437, 23 DE SETEMBRO DE 2015 PORTARIA TC Nº 437, 23 DE SETEMBRO DE 2015 Disciplina os procedimentos para gestão de incidentes de segurança da informação e institui a equipe de tratamento e resposta a incidentes em redes computacionais

Leia mais

Resumo do Regulamento de Utilização do seu Cartão de Crédito Bradesco.

Resumo do Regulamento de Utilização do seu Cartão de Crédito Bradesco. SUMÁRIO EXECUTIVO Resumo do Regulamento de Utilização do seu Cartão de Crédito Bradesco. Resumo do Regulamento de Utilização dos Cartões de Crédito Bradesco - Pessoa Física das Bandeiras Visa, MasterCard

Leia mais

DE SEGUROS UM DOS MAIORES GRUPOS MUNDIAIS

DE SEGUROS UM DOS MAIORES GRUPOS MUNDIAIS UM DOS MAIORES GRUPOS MUNDIAIS DE SEGUROS Mais de 300 anos de atuação Negócios em mais de 140 localidades Operações em 30 países Cerca de 23 mil funcionários Mais de 17 milhões de clientes RSA SEGUROS

Leia mais

www.baviniferreira.com.br

www.baviniferreira.com.br www.baviniferreira.com.br 1. Aspecto Legal e a Responsabilidade Civil O que é a Responsabilidade Civil? A responsabilidade civil nada mais é senão o dever de reparar o dano. Em princípio, surge a responsabilidade

Leia mais

ACEEBRO. Associação de Compras de Empresas Extratoras e Beneficiadoras de Rochas Ornamentais SOARES & FASSARELLA CORRETORA DE SEGUROS

ACEEBRO. Associação de Compras de Empresas Extratoras e Beneficiadoras de Rochas Ornamentais SOARES & FASSARELLA CORRETORA DE SEGUROS ACEEBRO Associação de Compras de Empresas Extratoras e Beneficiadoras de Rochas Ornamentais SOARES & FASSARELLA CORRETORA DE SEGUROS SOARES & FASSARELLA CORRETORA DE SEGUROS A SF Corretora de Seguros atua

Leia mais

MANUAL DO SERVIÇO PARA ASSISTÊNCIA AUTOMÓVEL SERVCAR

MANUAL DO SERVIÇO PARA ASSISTÊNCIA AUTOMÓVEL SERVCAR MANUAL DO SERVIÇO PARA ASSISTÊNCIA AUTOMÓVEL SERVCAR 1. OBJETIVO Este manual contém informações acerca dos procedimentos que deverão ser tomados na ocorrência de qualquer fato que acarrete na utilização

Leia mais

FenSeg. Guia de Boas Práticas. Seguro Automóvel

FenSeg. Guia de Boas Práticas. Seguro Automóvel FenSeg Guia de Boas Práticas Seguro Automóvel Sumário 1. Introdução 2. Objetivo 3. O Seguro Automóvel 3.1 Coberturas 3.2 Abrangência Geográfica 4. Recomendações 4.1 Relações com Segurados 4.2 Relações

Leia mais

24/09/2010 (Assessoria empresarial) CONTRATO DE TRANSPORTE

24/09/2010 (Assessoria empresarial) CONTRATO DE TRANSPORTE 24/09/2010 (Assessoria empresarial) CONTRATO DE TRANSPORTE Contrato de transporte, segundo estabelece o artigo 730 do Código Civil, pode ser conceituado como aquele em que alguém se obriga, mediante retribuição,

Leia mais

Art. 3º - Além do serviço de Agenciamento de Viagens, o instrumento convocatório poderá prever, justificadamente, outros serviços correlatos.

Art. 3º - Além do serviço de Agenciamento de Viagens, o instrumento convocatório poderá prever, justificadamente, outros serviços correlatos. Campinas, 12 de março de 2015. Of. 18.222 O.E. Sr. Edner Mabeline LNX TRAVEL VIAGENS E TURISMO EIRELE Assunto: Esclarecimentos Pregão Presencial NLP 003/2015 Prezados Senhores, Em resposta à solicitação

Leia mais

Dispõe sobre o transporte rodoviário de cargas por conta de terceiros e mediante remuneração e revoga a Lei nº 6.813, de 10 de julho de 1980.

Dispõe sobre o transporte rodoviário de cargas por conta de terceiros e mediante remuneração e revoga a Lei nº 6.813, de 10 de julho de 1980. LEI Nº 11.442, de 05/01/2007 Dispõe sobre o transporte rodoviário de cargas por conta de terceiros e mediante remuneração e revoga a Lei nº 6.813, de 10 de julho de 1980. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço

Leia mais

Seguro de Acidentes Pessoais Coletivo para Eventos Resumo das Condições Contratuais

Seguro de Acidentes Pessoais Coletivo para Eventos Resumo das Condições Contratuais Seguro de Acidentes Pessoais Coletivo para Eventos Resumo das Condições Contratuais Fica determinado que as condições específicas, estabelecidas na Proposta de Contratação e nessas Condições Contratuais,

Leia mais

Edifício Centro Empresarial Morumbi Manual do Credenciado

Edifício Centro Empresarial Morumbi Manual do Credenciado Edifício Centro Empresarial Morumbi Manual do Credenciado A BrasilPark quer prestar sempre o melhor serviço para seus clientes. Para que isso aconteça, é essencial que você fique atento aos nossos procedimentos

Leia mais

WEBINAR SEGURO DPVAT O SEGURO DO TRÂNSITO. Palestrante Vera Cataldo

WEBINAR SEGURO DPVAT O SEGURO DO TRÂNSITO. Palestrante Vera Cataldo 1 WEBINAR SEGURO DPVAT O SEGURO DO TRÂNSITO Palestrante Vera Cataldo Seguro DPVAT Seguro Obrigatório de Danos Pessoais causados por Veículos Automotores de Via Terrestre ou por sua carga, a pessoas transportadas

Leia mais

REGRAS PADRÃO FIATA PARA SERVIÇOS DE AGENTE TRANSITÁRIO

REGRAS PADRÃO FIATA PARA SERVIÇOS DE AGENTE TRANSITÁRIO REGRAS PADRÃO FIATA PARA SERVIÇOS DE AGENTE TRANSITÁRIO PARTE I - DISPOSIÇÕES GERAIS 1. Pertinência 1.1. As presentes regras passam a vigorar quando incluídas em contrato, o que se dá por escrito, verbalmente

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos ADVERTÊNCIA Informamos que os textos das normas constantes deste material são digitados ou digitalizados, não sendo, portanto, textos oficiais. São reproduções digitais de textos publicados na internet

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.330. Art. 2º Esta Circular entra em vigor na data de sua publicação. Este texto não substitui o publicado no DOU e no Sisbacen.

CIRCULAR Nº 3.330. Art. 2º Esta Circular entra em vigor na data de sua publicação. Este texto não substitui o publicado no DOU e no Sisbacen. CIRCULAR Nº 3.330 Altera o Regulamento do Mercado de Câmbio e Capitais Internacionais (RMCCI). A Diretoria Colegiada do Banco Central do Brasil, em sessão extraordinária realizada em 27 de outubro de 2006,com

Leia mais

GLOSSÁRIO DE TERMOS TÉCNICOS BÁSICOS PRELIMINARES SOBRE SEGUROS PARA O ÂMBITO DO MERCOSUL

GLOSSÁRIO DE TERMOS TÉCNICOS BÁSICOS PRELIMINARES SOBRE SEGUROS PARA O ÂMBITO DO MERCOSUL MERCOSUL/GMC/RES.Nº 83/99 GLOSSÁRIO DE TERMOS TÉCNICOS BÁSICOS PRELIMINARES SOBRE SEGUROS PARA O ÂMBITO DO MERCOSUL TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto e a Recomendação Nº

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS TRACKER COM SEGURO

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS TRACKER COM SEGURO Página 1 de 7 CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS TRACKER COM SEGURO ET DO BRASIL LTDA., empresa com sede à Rua Federação Paulista de Futebol, 777, Barra Funda, São Paulo/SP, CEP: 01141-040, inscrita no

Leia mais

Prevenção e Combate à Fraude em Gerenciamento de Riscos: Avanços e Desafios. Therezinha Vollú Ricardo Tavares Gerentes da CNseg - CESER

Prevenção e Combate à Fraude em Gerenciamento de Riscos: Avanços e Desafios. Therezinha Vollú Ricardo Tavares Gerentes da CNseg - CESER Prevenção e Combate à Fraude em Gerenciamento de Riscos: Avanços e Desafios Therezinha Vollú Ricardo Tavares Gerentes da CNseg - CESER Representação Institucional do Mercado Segurador Soluções Desenvolvidas

Leia mais

CONTRATO DE LOCAÇÃO DE SISTEMA DE ENGENHARIA GERENCIADOR DE OBRAS ON LINE IDENTIFICAÇÃO DAS PARTES CONTRATANTES

CONTRATO DE LOCAÇÃO DE SISTEMA DE ENGENHARIA GERENCIADOR DE OBRAS ON LINE IDENTIFICAÇÃO DAS PARTES CONTRATANTES CONTRATO DE LOCAÇÃO DE SISTEMA DE ENGENHARIA GERENCIADOR DE OBRAS ON LINE IDENTIFICAÇÃO DAS PARTES CONTRATANTES LOCADOR: Obra24horas Soluções Web para Engenharia Ltda., com sede na Rua Formosa, 75 1º andar

Leia mais

Princípios Gerais para a Prevenção dos Riscos Penais Endesa Brasil

Princípios Gerais para a Prevenção dos Riscos Penais Endesa Brasil Princípios Gerais para a Prevenção dos Riscos Penais Endesa Brasil Introdução 5 INTRODUÇÃO A seguir, são descritos os comportamentos e princípios gerais de atuação esperados dos Colaboradores da Endesa

Leia mais