USO DE DROGAS LÍCITAS E ILÍCITAS ENTRE OS ESTUDANTES DA UNIVERSIDADE BRAZ CUBAS.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "USO DE DROGAS LÍCITAS E ILÍCITAS ENTRE OS ESTUDANTES DA UNIVERSIDADE BRAZ CUBAS."

Transcrição

1 98 Biofar, Rev. Biol. Farm. Campina Grande/PB, v. 9, n. 2, p junho/agosto, 2013 USO DE DROGAS LÍCITAS E ILÍCITAS ENTRE OS ESTUDANTES DA UNIVERSIDADE BRAZ CUBAS. Ana Carolina Silva Alves 1, Kamila Rejane de Salles Constantino 2, Ludlena Rodrigues 3, Maria Julia Leite Silveira 4, Fernanda Júdice Pinedo Martins 5 RESUMO - O consumo de substâncias psicoativas é considerado um problema global que afeta tanto o setor social, econômico e político, bem como de saúde. Todas as substâncias psicoativas usadas de forma abusiva produzem aumento do risco de acidentes e da violência, por tornar mais frágeis os cuidados de auto preservação. Este trabalho visou obter dados sobre a associação do estilo de vida e perfil socioeconômico dos estudantes da Universidade Braz Cubas e verificou uma possível relação com o uso de drogas e problemas acarretados. Foi aplicado um questionário estruturado com questões objetivas para o grupo de estudantes selecionados. Apenas 387 questionários foram considerados válidos. Os resultados obtidos mostraram que em ambos os cursos, o perfil sócio-econômico predominante é o que pertence à renda de 4 a 10 salários mínimos e que a maioria dos alunos exerceram atividade remunerada nos últimos seis meses. A maioria dos alunos declarou não fazer uso de tabaco, em relação ao consumo de bebidas alcoólicas, as informações mostram que a maioria faz uso, as duas drogas foram experimentadas pelos alunos antes dos 18 anos. A idade de experimentação das drogas ilícitas está entre 10 e 25 anos. Entre os que já experimentaram ou fizeram uso de droga ilícita, a mais utilizada foi maconha. Alguns alunos declararam eventos que já ocorreram após o consumo de bebidas alcoólicas e drogas, que foram: brigas, tirar nota (s) baixa (s) na (s) prova (s), faltar à faculdade e faltar ao trabalho. UNITERMOS: Álcool; tabaco; maconha; inalantes e universitários. THE CONSUMPTION OF LICIT AND ILLICIT DRUGS AMONG THE BRAZ CUBAS UNIVERSITY STUDENTS ABSTRACT - Psychoactive substances consumption is considered a global problem affecting; social, economic, political and health sectors. Improper psychoactive substances use increases risk of accidents and violence, because self-preservation care becomes more fragile. The aim of this work is obtain data to associate lifestyle and socioeconomic profile of students from Braz Cubas University in order to found a possible relationship between such problems and the drug use. A structured questionnaire was administrated with objective questions for selected students group. Only 387 questionnaires were considered valid. The results showed that socioeconomic profile is the predominant aspect for group receiving salary ranging from 4 to 10 national minimum salary, and that majority of students were employed in the last 6 months. Majority of students reported no use of tobacco, but the majority declared alcoholic drinks consumption, the information showed that students started started use of this two drugs before 18 years old. The use of illicit drugs started between 10 to 25 years old. Among those who have experienced or used illicit drug, marijuana was 1 Graduanda em farmácia pela Universidade Braz Cubas, Mogi das Cruzes, São Paulo-Brasil 2 Graduanda em farmácia pela Universidade Braz Cubas, Mogi das Cruzes, São Paulo-Brasil 3 Graduanda em farmácia pela Universidade Braz Cubas, Mogi das Cruzes, São Paulo-Brasil 4 Graduanda em farmácia pela Universidade Braz Cubas, Mogi das Cruzes, São Paulo-Brasil 5 Mestre em Toxicologia e Análises Toxicológicas pela Universidade de São Paulo, São Paulo, São Paulo-Brasil Recebido em 21/11/ Aprovado em 06/05/2013 Correspondência: Revista Brasileira de Biologia e Farmácia. Universidade Estadual da Paraíba. Centro de Ciências Biológicas e da Saúde. Departamento de Biologia. Av. Juvêncio Arruda, s/n, Bodocongó, Campina Grande, PB, BRASIL. Cep: E- mail: ou

2 Ana Carolina Silva Alves et al. 99 the most used. Some events reported by the students after consumption of alcohol and drugs were; fights, bad results on examinations, missing classes and work. UNITERMS: Alcohol, tobacco, marijuana, inhalants and university students. INTRODUÇÃO O consumo de substâncias psicoativas é considerado um problema global que afeta tanto o setor social, econômico e político, bem como de saúde (López-Maldonado; Luis; Gherardi-Donato, 2010). O consumo de álcool, tabaco e drogas entorpecentes é uma questão de saúde pública, que necessita análise quanto à sua prevalência e ao seu padrão de consumo (Petroianu et al., 2010). A inalação deliberada de substâncias voláteis não é um fenômeno recente; as civilizações antigas faziam uso desta prática em seus rituais místicos e religiosos (Oga, 2008). O consumo de álcool, além de trazer prejuízos para o próprio consumidor, levanta também questões de cunho social, pois, muitas vezes, afeta não só aquele que consome, mas, também, as pessoas que o cercam (Pereira et al., 2008). Os fatores relacionados ao processo de iniciação dos jovens em relação ao consumo de drogas são de interesse crescente, pois a elucidação do processo pelo qual essa população fica exposta ao consumo de substâncias pode propiciar o desenvolvimento de estratégias mais eficazes de prevenção e tratamento (Junior et al., 2009). A necessidade de pertencer revela a busca de integração e de aceitação, incluindo a imitação de comportamentos de grupo para promover a si mesmo. Com relação aos seus problemas pessoais, os alunos mencionam baixa auto-estima, complexos ou fobias, problemas em geral e da solidão, que é o mais mencionado neste caso (Rodriguez; Scherer, 2008). O uso de drogas lícitas e ilícitas afetam os indivíduos e a sociedade. Dessa forma, as drogas ilícitas são analisadas em diversos projetos e são objeto de diretrizes de ação estabelecidas por organizações internacionais/nacionais, não governamentais e governamentais, refletindo-se na introdução pelos países de leis e políticas públicas nacionais sobre o tema (Ventura, 2011). A luta contra as drogas representa um alto custo para os países, especialmente no que diz respeito ao desenvolvimento econômico e social (Ventura, 2011). Atualmente, o consumo de substâncias psicoativas entre universitários recebe atenção de vários pesquisadores, principalmente porque as consequências negativas decorrentes do uso no percurso acadêmico poderão influenciar o exercício profissional desses estudantes (Santos et al., 2013). Diante desta situação, o objetivo desta pesquisa foi a obtenção de dados sobre a associação do estilo de vida e o perfil socioeconômico dos estudantes da universidade Braz Cubas e a verificação de uma possível relação com o uso de drogas e problemas acarretados aos mesmos em relação à universidade. MATERIAL E MÉTODOS Foi aplicado um questionário estruturado com questões objetivas para o grupo de estudantes selecionados de forma aleatória. Este trabalho foi aprovado pelo Comitê de Ética em pesquisa com seres humanos da universidade, conforme o parecer consubstanciado nº 009/12, e após esta aprovação, foi dado inicio a parte prática de aplicação do questionário. Para tanto os alunos foram selecionados de forma aleatória e antes da aplicação do questionário foi aplicado o termo de consentimento livre esclarecido (TLC). Após o preenchimento do TLC o mesmo foi recolhido pelos pesquisadores responsáveis da pesquisa e no momento do recolhimento foi fornecido o questionário e um envelope com uma fita dupla adesiva para o seu fechamento. Após o preenchimento do questionário os alunos pesquisados entregaram o envelope lacrado e o depositaram em uma urna de forma a manter total sigilo dos dados de preenchimento e

3 identidade do sujeito. Cada curso teve 1 urna, sendo a mesma aberta somente no momento de analisar os dados ao final da realização da parte prática. Visando abrangência de dados de diferentes áreas acadêmicas para a comparação dos resultados e comparação das características de consumo das diferentes populações estudadas, escolheu se um curso da área de biológicas, sendo ele odontologia; um curso da área de humanas, sendo ele direito; e um curso da área de exatas, sendo ele a Engenharia mecânica; onde foram entrevistadas turmas de diferentes semestres para compor a amostragem. A população de interesse foi composta por o total de alunos matriculados no início do ano de 2012; sendo 338 o total de alunos de odontologia, 1252 o total de alunos de direito e 265 o total de alunos da engenharia mecânica. O plano de amostragem foi realizado com uma amostra estratificada por área, igualmente partilhada e calculada através de: f h = n h / N h Onde n h significa o número de estudantes incluídos na amostra e N h significa o número de alunos matriculados. Serão entrevistados então, 68 alunos do curso de odontologia; 250 alunos do curso de direito e 53 alunos do curso de engenharia mecânica. Os sujeitos da pesquisa foram escolhidos aleatoriamente quando se enquadrassem nos critérios de inclusão. Sendo calculado o desvio padrão e erro amostral, conforme Castanheira, (2008). Sendo o intervalo de confiança 95 % e o desvio padrão 8,06; o erro amostral desta pesquisa foi de 0, 82. RESULTADOS E DISCUSSÃO Dos 404 questionários distribuídos aos estudantes, apenas 387 foram considerados válidos. Sendo 247 alunos do curso de direito, 6s do curso de engenharia mecânica e 79 alunos do curso de odontologia. Dos entrevistados do curso de direito, 119 (48%) eram mulheres e 128 (52%) eram homens; do curso de engenharia mecânica, 2 (3%) eram mulheres e 59 (97%) eram homens; do curso de odontologia, 61 (77%) eram mulheres e 18 (23%) eram homens. Perfil sócio-econômico: Conforme as respostas, 211 (85%) dos alunos do curso de direito, 54 (88,5%) dos alunos do curso de engenharia mecânica e 57 (72%) dos alunos de odontologia exerceram atividade remunerada nos últimos seis meses. De acordo com as respostas obtidas em ambos os cursos, o perfil sócio econômico predominante é o que pertence à renda de 4 à 10 salários mínimos. Além disso, a maioria dos alunos exerceram atividade remunerada nos últimos seis meses. Assim como no resultado geral, entre os alunos que declararam que já fizeram uso ou fazem uso de drogas ilícitas e bebidas alcoólicas (em ambos os cursos) a maioria deles possui a renda de 4 à 10 salários mínimos, porém, houve alunos com todas as rendas citadas na tabela. Este estudo corrobora o de Alavarse e Carvalho (2006), pois, assim como o presente estudo, seus achados indicavam que o fato de ser de uma classe social menos ou mais privilegiada, não apresentou diferença significativa. Já que nesta pesquisa, foi citado o uso de drogas e álcool em todas as faixas re renda, houve uma maior prevalência de uso entre a renda de 4 à 10 salários mínimos, porém, a maioria dos alunos desta pesquisa, pertenciam a esta faixa salarial. Estilo de vida: As respostas obtidas foram: 127 (51%) dos alunos do curso de direito, 34 (55,8%) dos alunos do curso de engenharia mecânica e 46 (58,2%) dos alunos de odontologia moram com os pais, sendo a maioria dos alunos em ambos os cursos, porém, houve alunos em todas as situações de moradia. As respostas obtidas foram: 154 (62,3%) dos alunos do curso de direito, 41 (67,2%) dos alunos do curso de engenharia mecânica e 57 (72%) dos são solteiros, sendo a maioria dos alunos em todos os cursos, porém, houve alunos com todos os estados civis. 100

4 Ana Carolina Silva Alves et al. 101 Além disso, 156 (63%) dos alunos do curso de direito, 43 (70,5%) dos alunos do curso de engenharia mecânica e 63 (80%) dos alunos de odontologia não possuem filhos. Os resultados obtidos mostraram que em ambos os cursos a maioria dos alunos são solteiros e não possuem filhos. Assim como no resultado geral, entre os alunos que declararam que já fizeram uso ou fazem uso de drogas ilícitas e bebidas alcoólicas (em ambos os cursos) a maioria deles declarou ser solteiro, não possuir filhos e morar com os pais. Segundo Alavarse e Carvalho (2006), seu estudo evidencia que o experimento do álcool pelos adolescentes se deu em 71,61% das vezes em casa e com os pais. O álcool, normalmente aceito pela sociedade, tem sua primeira experiência de consumo muitas vezes na própria família, através de hábitos culturais ou mesmo em forma de diversão. O fato de estar experimentando uma droga em família, em ambiente protegido, pode dar ao adolescente a falsa noção de que este ato não poderá acarretar maiores consequências para a sua vida física, mental e psicológica. A presença de um vício facilita a aquisição de outras dependências (Petroianu et al., 2010). A pesquisa mostra a frequência de participação em festas dos alunos submetidos à pesquisa, de acordo com as respostas obtidas, a maioria dos alunos, 161 (65%) dos alunos do curso de direito, 32 (52,5%) dos alunos do curso de engenharia mecânica e 50 (63%) dos alunos de odontologia declarou participar de festas eventualmente. Esta pesquisa contradiz a de Silva et al. (2006), pois, segundo o mesmo em sua pesquisa o uso de álcool foi maior quando os alunos estavam em festas ou durante os fins de semana mostrando que os usuários dessas substâncias estão mais fora de casa e, consequentemente, mais expostos ao uso. Entre os alunos desta pesquisa que declararam que já fizeram uso ou fazem uso de drogas ilícitas (em ambos os cursos), a maioria deles declarou participar de festas semanalmente, embora, menos da metade deles tenha declarado utilizar drogas ilícitas semanalmente. Já, a maioria dos alunos que declararam fazer uso de bebidas alcoólicas (em ambos os cursos) declarou a frequência de uso como semanalmente, porém, não declararam participar de festas semanalmente, e sim, eventualmente. Isto significa que o uso de bebidas alcoólicas e drogas ilícitas não estão diretamente relacionados com a participação de festas. Em relação ao consumo de tabaco: Tabela 1. Uso de tabaco entre os alunos submetidos à pesquisa Direito Engenharia mecânica Odontologia Uso 25 alunos (10 %) 9 alunos (15 %) 4 alunos (5%) Não uso 188 alunos (76 %) 35 alunos (57 %) 5s (65 %) Já fiz uso 34 alunos (14%) 17 alunos (28 %) 24 alunos (30 %) De acordo com os resultados obtidos pelo estudo (Tabela 1), a maioria dos alunos submetidos à pesquisa, 188 (76%) do curso de direito, 35 (57%) do curso de engenharia mecânica e 51 (65%) do curso de odontologia declarou não fazer uso de tabaco. Entre os que usam ou já fizeram uso: Biofar, Rev. Biol. Farm. Campina Grande/PB, v. 9, n. 2, p , junho/agosto, 2013

5 102 Tabela 2. Idade da experimentação dos alunos submetidos à pesquisa que declararam fazer uso ou que já fizeram uso de tabaco. Idade da Direito Engenharia Odontologia experimentação mecânica Abaixo de 10 anos 3 alunos (5%) 3 alunos (12%) (3,5%) De 10 a 12 anos 5 alunos (8%) (4%) 0 (0*%) De 13 a 15 anos 16 alunos (27%) 10 alunos (38 %) 1 (43%) De 16 a 18 anos 2s (36%) 8 alunos (31%) 1 (43%) De 19 a 25 anos 1 (20%) (7,5%) (3,5%) Acima de 25 anos (2%) (7,5%) (7%) *Resultado em relação aos participantes da pesquisa. **01 (2%) aluno do curso de direito não declarou a idade de experimentação. As respostas obtidas (representadas na Tabela 2) mostram que em ambos os cursos a maioria dos alunos não fazem uso de tabaco e que a idade de experimentação foi maior antes dos 18 anos. A preferência de consumo tabágico é preocupante e representa a realidade atual entre os jovens. Além disso, vale ressaltar que a idade de experimentação e início do hábito tabágico precoce, ou seja, antes dos vinte anos de idade, está comumente associada ao período de transição do indivíduo, do nível de ensino médio para o superior, sendo que muitos jovens podem apresentar o primeiro contato com o cigarro quando estão ingressando na universidade. Portanto, é imprescindível a tomada de medidas antitabágicas para se evitar que o jovem inicie o hábito tabágico no âmbito escolar. Ao se avaliar a opinião dos estudantes fumantes (Wagner; Andrade, 2008). Em relação ao consumo de bebidas alcoólicas: Tabela 3. Uso de bebidas alcoólicas entre os alunos submetidos à pesquisa Direito Engenharia Odontologia mecânica Uso 114 alunos (46,2 %) 33 alunos (54 %) 40 alunos (50%) Não uso 85 alunos (34,4%) 15 alunos (25 %) 2 (28 %) Já fiz uso 48 alunos (19,4%) 13 alunos (21 %) 17 alunos (22 %) De acordo com os resultados obtidos pelo estudo (Tabela 3), a maioria dos alunos submetidos à pesquisa, 114 (46,2%) do curso de direito, 33 (54%) do curso de engenharia mecânica e 40 (50%) do curso de odontologia declarou fazer uso de álcool. Entre os que usam ou já fizeram uso:

6 Ana Carolina Silva Alves et al. 103 Tabela 4. Idade da experimentação dos alunos submetidos à pesquisa que declararam fazer uso ou que já fizeram uso de bebidas alcoólicas. Idade da Direito Engenharia Odontologia experimentação mecânica Abaixo de 10 anos (1%) (4,3%) (3,5%) De 10 a 12 anos 10 alunos (6%) (2%) 4 alunos (7%) De 13 a 15 anos 29 alunos (18%) 13 alunos (28,2 %) 14 alunos (24,5%) De 16 a 18 anos 8s (50%) 2s (46%) 28 alunos (49%) De 19 a 25 anos 29 alunos (18%) 7 alunos (15,2%) 9 alunos (16 %) Acima de 25 anos 3 alunos (2%) (4,3%) 0* *Resultado em relação aos participantes da pesquisa. **08 (5%) alunos do curso de direito não declararam a idade de experimentação. Em relação ao consumo de bebidas alcoólicas, as informações (Tabela 4) mostram que em ambos os cursos a maioria dos alunos usam bebidas alcoólicas e que a experimentaram antes dos 18 anos. Em relação à freqüência de uso dos alunos, a maioria deles declaram utilizar semanalmente ou eventualmente, sendo 58 (51%) do curso de direito, 21(64%) do curso de engenharia mecânica e 19 (33%) do curso de odontologia declararam fazer uso semanalmente, seguidos por 43 (38%) do curso de direito, 8 (24%) do curso de engenharia mecânica e 15 (26%) do curso de odontologia declararam fazer uso eventualmente. A maioria dos estudantes consome bebidas alcoólicas mesmo que de forma esporádica (Petroianu et al., 2010). Segundo, Portugal et al. (2008), seu estudo mostra que, entre as substâncias psicoativas, o uso das substâncias lícitas encontra-se em primeiro lugar, corroborando o estudo de Horta, Horta e Horta (2012), que diz que o álcool e a nicotina foram as substâncias cujo consumo foi mais referido na população estudada. Em ambos os cursos, alguns alunos declararam eventos que já ocorreram após o consumo de bebidas alcoólicas, que foram: brigas, tirar nota (s) baixa (s) na (s) prova (s), faltar à faculdade, faltar ao trabalho. Este estudo corrobora o de Pillon; Corradi Webster (2006), pois no seu estudo em relação ao desempenho acadêmico e ao consumo de álcool, encontrou se uma associação tendencial. No entanto, os estudantes que fazem uso problemático de álcool dormem mais em sala de aula e faltam mais às aulas após terem freqüentado festas na noite anterior. O estudante universitário que apresenta essa dificuldade para cumprir com seus compromissos acadêmicos pode ter seu desempenho escolar prejudicado. Corroborando os resultados encontrados neste estudo, com relação a presença em aulas, Silva et al (2006), também constatou que os usuários de álcool, tabaco, e drogas ilícitas faltam proporcionalmente mais aulas do que os não usuários destas substâncias. Em relação ao consumo de drogas ilícitas Biofar, Rev. Biol. Farm. Campina Grande/PB, v. 9, n. 2, p , junho/agosto, 2013

7 104 Tabela 5. Uso de drogas ilícitas entre os alunos submetidos à pesquisa Uso Já fiz uso Direito Engenharia mecânica Odontologia 10 alunos (4%) (1,6%) (2,5%) 44 alunos 15 alunos 14 alunos (18%) (24,6%) (17,7%) Dos alunos que declararam já terem feito uso de drogas ilícitas (Tabela 5), 44 alunos (18%) do curso de direito, 15 alunos (24,6%) do curso de engenharia mecânica e 14 alunos (17,7%) do curso de odontologia, pode-se observar que a idade de experimentação das drogas ilícitas está entre 10 e 25 anos. Quanto aos alunos que declararam fazer uso de drogas ilícitas, 10 alunos (4%) do curso de direito, (1,6%) do curso de engenharia mecânica e (2,5%) do curso de odontologia, a idade de experimentação está entre 13 e 25 anos. Dos alunos que declararam fazer uso de drogas ilícitas, do curso de direito declararam fazer uso diariamente, 1 faz uso de maconha diariamente, o outro faz uso de maconha e alucinógenos diariamente; 5 alunos do curso de direito declararam fazer uso de drogas ilícitas semanalmente, destes: 4 declararam fazer uso de maconha e 1 declarou fazer uso de alucinógenos; apenas do curso de direito declarou fazer uso de inalantes mensalmente; 5 alunos do curso de direito declararam fazer uso de drogas ilícitas eventualmente, destes: 2 declararam fazer uso de inalantes, 1 declarou fazer uso de maconha, 1 declarou fazer uso de maconha, alucinógenos e inalantes, e 1 declarou fazer uso de alucinógenos e inalantes. Do curso de engenharia mecânica, declarou fazer uso de cocaína eventualmente. Do curso de odontologia, declararam fazer uso de cocaína eventualmente. Em ambos os cursos, alguns alunos declararam eventos que já ocorreram após o consumo de drogas ilícitas, estes foram: faltou no trabalho, faltou na faculdade, tirou nota (s) baixa (s) na (s) prova (s) e brigou. Os vícios são um problema de saúde pública por altos números estatísticos apresentados no mundo do consumidor. É de grande importância ser garantida em espaços universitários uma formação adequada dos profissionais em nível primário (Navia-Bueno et al., 2011). O uso contínuo provoca diversos graus de dependência e, eventualmente, a deterioração das funções mentais. Consumo refere-se ao uso (fumada, inalada, aspiração, injetando, deglutição, mastigação, etc), o problema poderia ser superado se o treinamento de nossos profissionais tivessem conhecimentos para os cuidados primários desses assuntos (Navia-Bueno et al., 2011). Segundo Bertoni et al. (2009), estudos realizados junto a estudantes pelo Centro Brasileiro de Informações sobre Drogas Psicotrópicas (CEBRID) evidenciam que a adolescência é a fase da vida em que, em virtude da maior exposição e vulnerabilidade aos efeitos nocivos resultantes do uso de substâncias psicoativas (sejam elas ilícitas, como a maconha e a cocaína, ou lícitas, como o álcool), a experimentação destas torna-se um fenômeno mais freqüente e, eventualmente, definemse padrões de consumo repetitivo, que podem estar associados a diferentes riscos e danos. Podendo assim explicar o resultado encontrado por nós de acordo com a faixa etária de experimentação. De acordo com os resultados obtidos vimos que a maioria dos alunos já havia experimentado drogas antes de entrar na universidade. E podemos concluir que a universidade em si não está a servir como um núcleo para a promoção da primeira utilização de drogas. CONCLUSÃO Na tentativa de compreender as características de consumo e o perfil da população de interesse, visando extrapolar dados para a população geral e aprimorar programas de prevenção existentes em instituições de ensino superior, os estudos sobre o consumo de drogas entre universitários têm aumentado nos últimos anos, de forma acelerada. Este estudo possibilitou a descrição do perfil sócio econômico, estilo de vida e frequência de consumo de drogas entre estudantes dos cursos de direito, engenharia mecânica e odontologia da Universidade Braz Cubas, localizada na cidade de Mogi das Cruzes. Através da pesquisa, pudemos

8 Ana Carolina Silva Alves et al. 105 identificar as drogas com maior índice de abuso, além dos problemas mais frequentes causados por elas. Foi evidente que a maioria dos estudantes já experimentou álcool, tabaco e drogas ilícitas antes de ingressarem na universidade, entre os alunos que declararam já terem feito uso ou usarem, a maior parte deles é solteiro, não possui filhos e moram com os pais, possuem uma renda média de 4 à 10 salários mínimos. Contudo, os estudantes que já fizeram uso de álcool e drogas ilícitas relataram que já faltaram à universidade, já faltaram ao trabalho, tiraram notas baixas e participaram de brigas. REFERÊNCIAS Alavarse, G. M. A; Carvalho, M. D. B. (2006). Álcool e adolescência: perfil de consumo. Esc Anna Nery R Enferm., 10 (3): Bertoni, N. (2009). Uso de álcool e drogas e sua influência sobre as práticas sexuais de adolescentes de Minas Gerais, Brasil. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 25(6): Castanheira, N. P. (2008). Estatística: aplicada a todos os níveis. 4ª edição. Curitiba: IBPEX. p.208. Horta, R. L.; Horta, B. L.; Horta, L. C. (2012). Uso de drogas e sofrimento psíquico numa universidade do Sul do Brasil. Psicologia em Revista, 18(2): Júnior, H. P. O. et al. (2009). Percepção dos estudantes universitários sobre o consumo de drogas entre seus pares no abc paulista, São Paulo, Brasil. Revista Latino americana de Enfermage,. 17: Lópes-Maldonado, M. C.; Luis M. A. V.; Donato-Gherardi, E. C. S. (2011). Consumo de drogas ilícitas em estudantes de enfermagem de uma universidade privada em Bogotá, Colômbia. Revista latino americana Enfermagem, 19: Oga, S.(2008). Fundamentos da toxicologia. Ed. Atheneu. 3. ed. São Paulo. 515 p. Navia - Bueno, M. P. (2009). Conhecimento do fenómeno da droga entre os estudantes e os professores da Faculdade de Medicina da Universidade de São Andrés, La Paz, Bolívia. Rev. Latino-Am. Enfermagem, 19: Paduani, G. F. et al. (2008). Consumo e álcool e fumo entre os estudantes de Medicina. Revista brasileira de educação médica, 32 (1): Pereira, D. S. et al. (2008). Uso de substâncias psicoativas entre universitários de medicina da Universidade Federal do Espírito Santo. Jornal Brasileiro de Psiquiatria, 57(3): Petroianu, A. et al. (2010). Prevalência do consumo de álcool, tabaco e entorpecentes por estudantes de medicina da universidade federal de minas gerais. Rev Assoc Med Brasileira, 56 (5): Pillon, S. C.; Corradi-Webster, C. M. (2006). Teste de identificação de problemas relacionados ao uso de álcool entre estudantes universitários. Revista de enfermagem (UERJ), 14 (3): Portugal, F. B., et al. (2008). Uso de drogas por estudantes de Farmácia da Universidade Federal do Espírito Santo. J. bras. psiquiatr., 57 (2). Biofar, Rev. Biol. Farm. Campina Grande/PB, v. 9, n. 2, p , junho/agosto, 2013

9 106 Rodriguez, V. M. H.; Scherer Z. A. P.(2008). Motivação do estudante universitário para o consumo de drogas legais. Revista Latino Americana de enfermagem, 16: Santos, M. V. F et al. (2013). Uso de álcool e tabaco por estudantes de psicologia. Jornal Bras. Psiquiatria,62(1): Silva, L. V. E. R et al. (2006). Fatores associados ao consumo de álcool e drogas entre estudantes universitários. Revista de saúde pública, 40 (2): Ventura, C. A. A.(2011). Drogas lícitas e ilícitas: do direito internacional à legislação brasileira. Rev. Eletr. Enfermagem, 13(3): Wagner, G. A.; Andrade, A. G. (2008). Uso de álcool tabaco e outras drogas entre estudantes universitários brasileiros. Revista de psiquiatria clínica, 35 (1):

ALCOOLISMO ENTRE ACADÊMICOS DE ENFERMAGEM: UM ESTUDO TRANSVERSAL

ALCOOLISMO ENTRE ACADÊMICOS DE ENFERMAGEM: UM ESTUDO TRANSVERSAL ALCOOLISMO ENTRE ACADÊMICOS DE ENFERMAGEM: UM ESTUDO TRANSVERSAL RESUMO Descritores: Alcoolismo. Drogas. Saúde Pública. Introdução Durante a adolescência, o indivíduo deixa de viver apenas com a família

Leia mais

LEVANTAMENTO DO USO DE ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS ENTRE ESTUDANTES DE GRADUAÇÃO DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR

LEVANTAMENTO DO USO DE ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS ENTRE ESTUDANTES DE GRADUAÇÃO DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 LEVANTAMENTO DO USO DE ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS ENTRE ESTUDANTES DE GRADUAÇÃO DE UMA INSTITUIÇÃO DE

Leia mais

CONSUMO DE ÁLCOOL E TABACO ENTRE ESTUDANTES DE ODONTOLOGIA E FISIOTERAPIA DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR

CONSUMO DE ÁLCOOL E TABACO ENTRE ESTUDANTES DE ODONTOLOGIA E FISIOTERAPIA DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 CONSUMO DE ÁLCOOL E TABACO ENTRE ESTUDANTES DE ODONTOLOGIA E FISIOTERAPIA DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR Pedro Henrique Marques Andreo 1 ; Thyemi

Leia mais

Avaliação sobre o consumo de drogas por adolescentes nas escolas do município de Iporá-GO

Avaliação sobre o consumo de drogas por adolescentes nas escolas do município de Iporá-GO Avaliação sobre o consumo de drogas por adolescentes nas escolas do município de Iporá-GO Moreira, Izadora Cristina; Aquino, Valdirene Silva Rocha; RAMALHO, Letícia Carneiro; CUNHA, Marielton Passos; PINHEIRO,

Leia mais

VIOLÊNCIA CONTRA A CRIANÇA ou ADOLESCENTE

VIOLÊNCIA CONTRA A CRIANÇA ou ADOLESCENTE VIOLÊNCIA CONTRA A CRIANÇA ou ADOLESCENTE Equipe LENAD: Ronaldo Laranjeira Clarice Sandi Madruga IlanaPinsky Maria Carmen Viana Divulgação: Maio de 2014. 1. Porque esse estudo é relevante? Segundo a Subsecretaria

Leia mais

Como Prevenir e Tratar as Dependências Químicas nas Empresas?

Como Prevenir e Tratar as Dependências Químicas nas Empresas? Como Prevenir e Tratar as Dependências Químicas nas Empresas? Hewdy Lobo Ribeiro Psiquiatra Forense Ana Carolina S. Oliveira Psi. Esp. Dependência Química Importância Preocupação permanente de gestores

Leia mais

PREVALÊNCIA DO USO DE DROGAS PSICOTRÓPICAS POR ESTUDANTES DE MEDICINA NA REGIÃO CENTRAL DO ESTADO DO TOCANTINS

PREVALÊNCIA DO USO DE DROGAS PSICOTRÓPICAS POR ESTUDANTES DE MEDICINA NA REGIÃO CENTRAL DO ESTADO DO TOCANTINS PREVALÊNCIA DO USO DE DROGAS PSICOTRÓPICAS POR ESTUDANTES DE MEDICINA NA REGIÃO CENTRAL DO ESTADO DO TOCANTINS Diego Pereira Alves de Moraes 1 ; Leonardo Rodrigo Baldaçara 2 1 Aluno do Curso de Medicina;

Leia mais

Adultos Jovens no Trabalho em Micro e Pequenas Empresas e Política Pública

Adultos Jovens no Trabalho em Micro e Pequenas Empresas e Política Pública Capítulo 3 Adultos Jovens no Trabalho em Micro e Pequenas Empresas e Política Pública Maria Inês Monteiro Mestre em Educação UNICAMP; Doutora em Enfermagem USP Professora Associada Depto. de Enfermagem

Leia mais

USO DE DROGAS POR CRIANÇAS E ADOLESCENTES

USO DE DROGAS POR CRIANÇAS E ADOLESCENTES USO DE DROGAS POR CRIANÇAS E ADOLESCENTES Bianca Oliveira Garcia da Silva (Estudante de Psicologia) email: bia_podih@hotmail.com, Bruna Alves (Estudante de Psicologia) email: bruna-psi@hotmail.com, Ana

Leia mais

I Jornada de Saúde Mental do Vale do Taquari: Crack e outras drogas: perspectivas na abordagem psicossocial

I Jornada de Saúde Mental do Vale do Taquari: Crack e outras drogas: perspectivas na abordagem psicossocial I Jornada de Saúde Mental do Vale do Taquari: Crack e outras drogas: perspectivas na abordagem psicossocial 14 de junho de 2014 FATORES DE RISCO E COMORBIDADES PSIQUIÁTRICAS ASSOCIADOS AOS TRANSTORNOS

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS INEP

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS INEP MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS INEP Alunos apontam melhorias na graduação Aumenta grau de formação dos professores e estudantes mostram que cursos possibilitam

Leia mais

Consumo de álcool por adolescentes e gênero. Tatiane Vilela Coelho Raínne Costa Sousa

Consumo de álcool por adolescentes e gênero. Tatiane Vilela Coelho Raínne Costa Sousa Consumo de álcool por adolescentes e gênero Tatiane Vilela Coelho Raínne Costa Sousa Área de pesquisa Saúde pública Importância do fenômeno Álcool Droga psicotrópica atua no sistema nervoso central Possui

Leia mais

TÍTULO: PERFIL SOCIODEMOGRÁFICO E ACADÊMICO DE DISCENTES DE ENFERMAGEM DE UMA UNIVERSIDADE PARTICULAR

TÍTULO: PERFIL SOCIODEMOGRÁFICO E ACADÊMICO DE DISCENTES DE ENFERMAGEM DE UMA UNIVERSIDADE PARTICULAR TÍTULO: PERFIL SOCIODEMOGRÁFICO E ACADÊMICO DE DISCENTES DE ENFERMAGEM DE UMA UNIVERSIDADE PARTICULAR CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: ENFERMAGEM INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

Uso de substâncias psicoativas em crianças e adolescentes

Uso de substâncias psicoativas em crianças e adolescentes Uso de substâncias psicoativas em crianças e adolescentes Alessandro Alves A pré-adolescência e a adolescência são fases de experimentação de diversos comportamentos. É nessa fase que acontece a construção

Leia mais

CORRELAÇÃO ENTRE CONSUMIDORES DE DROGAS LICITAS E ILICITAS EM UM CAPS II

CORRELAÇÃO ENTRE CONSUMIDORES DE DROGAS LICITAS E ILICITAS EM UM CAPS II 929 CORRELAÇÃO ENTRE CONSUMIDORES DE DROGAS LICITAS E ILICITAS EM UM CAPS II Ana Paula Fernandes de Lima Demarcina Weinheimer Jussara Terres Larissa Medeiros Tarlise Jardim Vanessa Campos Camila Jacques

Leia mais

PESQUISA 1 PESQUISA 2 PESQUISA 3 PESQUISA 4 PESQUISA 5 PESQUISA 6

PESQUISA 1 PESQUISA 2 PESQUISA 3 PESQUISA 4 PESQUISA 5 PESQUISA 6 Monique e Rita PESQUISA 1 PESQUISA 2 PESQUISA 3 PESQUISA 4 PESQUISA 5 PESQUISA 6 TÍTULO DA PESQUISA AUTORES/ANO Uso de tabaco por estudantes adolescentes portugueses e fatores associados. Fraga, S., Ramos,

Leia mais

O USO DO ÁLCOOL ENTRE OS JOVENS: HISTÓRIA, POLÍTICAS GOVERNAMENTAIS, CONSEQÜÊNCIAS SOCIAIS E TRATAMENTO.

O USO DO ÁLCOOL ENTRE OS JOVENS: HISTÓRIA, POLÍTICAS GOVERNAMENTAIS, CONSEQÜÊNCIAS SOCIAIS E TRATAMENTO. ANTONIO WILKER BEZERRA LIMA O USO DO ÁLCOOL ENTRE OS JOVENS: HISTÓRIA, POLÍTICAS GOVERNAMENTAIS, CONSEQÜÊNCIAS SOCIAIS E TRATAMENTO. 1ª Edição Arneiroz Edição do Autor 2013 [ 2 ] Ficha catalográfica. Lima,

Leia mais

I Seminário. Estadual de enfrentamento ao CRACK. O papel da família no contexto da prevenção e do enfrentamento aos problemas decorrentes do CRACK

I Seminário. Estadual de enfrentamento ao CRACK. O papel da família no contexto da prevenção e do enfrentamento aos problemas decorrentes do CRACK O papel da família no contexto da prevenção e do enfrentamento aos problemas decorrentes do CRACK Contextualização Social Economia Capitalista Transformações sociais Alterações nos padrões de comportamento

Leia mais

CONCEPÇÕES DE IDOSOS ACERCA DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM PARA UM ENVELHECER SAUDÁVEL

CONCEPÇÕES DE IDOSOS ACERCA DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM PARA UM ENVELHECER SAUDÁVEL CONCEPÇÕES DE IDOSOS ACERCA DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM PARA UM ENVELHECER SAUDÁVEL Ocilma Barros de Quental. Faculdade de Medicina do ABC(ocilmaquental2011@hotmail.com) Sheylla Nadjane Batista Lacerda.

Leia mais

Noções de Pesquisa e Amostragem. André C. R. Martins

Noções de Pesquisa e Amostragem. André C. R. Martins Noções de Pesquisa e Amostragem André C. R. Martins 1 Bibliografia Silva, N. N., Amostragem probabilística, EDUSP. Freedman, D., Pisani, R. e Purves, R., Statistics, Norton. Tamhane, A. C., Dunlop, D.

Leia mais

TÍTULO: A ENFERMAGEM E OS USUÁRIOS DE SUBSTÂNCIAS PSICOATIVAS NO CAPS: RELATO DE VIVÊNCIAS.

TÍTULO: A ENFERMAGEM E OS USUÁRIOS DE SUBSTÂNCIAS PSICOATIVAS NO CAPS: RELATO DE VIVÊNCIAS. Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: A ENFERMAGEM E OS USUÁRIOS DE SUBSTÂNCIAS PSICOATIVAS NO CAPS: RELATO DE VIVÊNCIAS. CATEGORIA:

Leia mais

Educação em Saúde: Dependência Química. Módulo 1: A dimensão do problema das drogas no Brasil

Educação em Saúde: Dependência Química. Módulo 1: A dimensão do problema das drogas no Brasil Educação em Saúde: Dependência Química Módulo 1: A dimensão do problema das drogas no Brasil MODULO 1: A dimensão do problema das drogas no Brasil Epidemiologia do consumo de substâncias psicoativas no

Leia mais

PERFIL DO ESTUDANTE DE ENFERMAGEM DO UNISALESIANO - LINS.

PERFIL DO ESTUDANTE DE ENFERMAGEM DO UNISALESIANO - LINS. PERFIL DO ESTUDANTE DE ENFERMAGEM DO UNISALESIANO - LINS. Jéssica Aparecida Gregório Ferreira (Acadêmica do Curso de Enfermagem), Lais Daniele Lourenço da Silva (Acadêmica do Curso de Enfermagem), Silvio

Leia mais

Equipe: Ronaldo Laranjeira Helena Sakiyama Maria de Fátima Rato Padin Sandro Mitsuhiro Clarice Sandi Madruga

Equipe: Ronaldo Laranjeira Helena Sakiyama Maria de Fátima Rato Padin Sandro Mitsuhiro Clarice Sandi Madruga Equipe: Ronaldo Laranjeira Helena Sakiyama Maria de Fátima Rato Padin Sandro Mitsuhiro Clarice Sandi Madruga 1. Por que este estudo é relevante? Segundo o relatório sobre a Carga Global das Doenças (Global

Leia mais

COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS DO SENADO FEDERAL. Brasília maio 2010

COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS DO SENADO FEDERAL. Brasília maio 2010 COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS DO SENADO FEDERAL Brasília maio 2010 Audiência Pública: o avanço e o risco do consumo de crack no Brasil Francisco Cordeiro Coordenação de Saúde Mental, Álcool e outras Drogas

Leia mais

PROJETO DE PREVENÇÃO AO USO INDEVIDO DE SUBSTÂNCIAS PSICOATIVAS - VIVA MAIS

PROJETO DE PREVENÇÃO AO USO INDEVIDO DE SUBSTÂNCIAS PSICOATIVAS - VIVA MAIS PROJETO DE PREVENÇÃO AO USO INDEVIDO DE SUBSTÂNCIAS PSICOATIVAS - VIVA MAIS Coordenação geral: Prof. Dr. Paulo Eduardo M. Rodrigues da Silva, Pro-Reitor de Desenvolvimento Universitário/UNICAMP Assessores

Leia mais

Sumário Executivo Pesquisa Quantitativa Regular. Edição n 05

Sumário Executivo Pesquisa Quantitativa Regular. Edição n 05 Sumário Executivo Pesquisa Quantitativa Regular Edição n 05 Junho de 2010 2 Sumário Executivo Pesquisa Quantitativa Regular Edição n 05 O objetivo geral deste estudo foi investigar as percepções gerais

Leia mais

ABUSO DO CONSUMO DE BEBIDAS ALCOÓLICAS, UMA QUESTÃO DE SAÚDE PÚBLICA. Senhor Presidente,

ABUSO DO CONSUMO DE BEBIDAS ALCOÓLICAS, UMA QUESTÃO DE SAÚDE PÚBLICA. Senhor Presidente, Discurso proferido pelo deputado GERALDO RESENDE (PMDB/MS), em sessão no dia 04/05/2011. ABUSO DO CONSUMO DE BEBIDAS ALCOÓLICAS, UMA QUESTÃO DE SAÚDE PÚBLICA Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados,

Leia mais

Estudo epidemiológico realizado de 4 em 4 anos, em colaboração com a Organização Mundial de Saúde.

Estudo epidemiológico realizado de 4 em 4 anos, em colaboração com a Organização Mundial de Saúde. Mafalda Ferreira, Margarida Gaspar de Matos, Celeste Simões & Equipa Aventura Social Estudo epidemiológico realizado de 4 em 4 anos, em colaboração com a Organização Mundial de Saúde. Objectivo: Conhecer

Leia mais

Keywords: Alcohol. Prevalence. University students.

Keywords: Alcohol. Prevalence. University students. 1 PREVALÊNCIA DE USO DO ÁLCOOL ENTRE ESTUDANTES DE UMA UNIVERSIDADE PÚBLICA RESUMO Rita Ivana Barbosa Gomes * Elba Gomide Mochel ** Estudo epidemiológico, de caráter descritivo, com o propósito de estimar

Leia mais

O retrato do comportamento sexual do brasileiro

O retrato do comportamento sexual do brasileiro O retrato do comportamento sexual do brasileiro O Ministério da Saúde acaba de concluir a maior pesquisa já realizada sobre comportamento sexual do brasileiro. Entre os meses de setembro e novembro de

Leia mais

PREVENÇÃO AO USO DE DROGAS POR ADOLESCENTES EM CAMPINA GRANDE: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA

PREVENÇÃO AO USO DE DROGAS POR ADOLESCENTES EM CAMPINA GRANDE: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA PREVENÇÃO AO USO DE DROGAS POR ADOLESCENTES EM CAMPINA GRANDE: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA Tatianne Da Costa Sabino¹; Ana Cristina Martins de Lemos²; Sabrina Silva Antunes 3 ; Rosângela Vidal de Negreiros

Leia mais

PREVALÊNCIA DO USO DE TABACO E ÁLCOOL EM UNIVERSITÁRIOS DO SUL DO BRASIL

PREVALÊNCIA DO USO DE TABACO E ÁLCOOL EM UNIVERSITÁRIOS DO SUL DO BRASIL 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 PREVALÊNCIA DO USO DE TABACO E ÁLCOOL EM UNIVERSITÁRIOS DO SUL DO BRASIL Mayckel da Silva Barreto 1 ; Mara Cristina Ribeiro Furlan 1 ; Elen Ferraz Teston

Leia mais

AÇÕES EDUCATIVAS COM UNIVERSITÁRIOS SOBRE FATORES DE RISCO PARA SÍNDROME METABÓLICA

AÇÕES EDUCATIVAS COM UNIVERSITÁRIOS SOBRE FATORES DE RISCO PARA SÍNDROME METABÓLICA AÇÕES EDUCATIVAS COM UNIVERSITÁRIOS SOBRE FATORES DE RISCO PARA SÍNDROME METABÓLICA Reângela Cíntia Rodrigues de Oliveira Lima UFPI/cynthiast_89@hotmail.com Gislany da Rocha Brito - UFPI/gislanyrochasj@hotmail.com

Leia mais

UM OLHAR PARA O HOMEM IDOSO. Fabio Garani 17 Regional de Saude

UM OLHAR PARA O HOMEM IDOSO. Fabio Garani 17 Regional de Saude UM OLHAR PARA O HOMEM IDOSO Fabio Garani 17 Regional de Saude 1 ESPERANÇA DE VIDA AO NASCER : 7,4anos

Leia mais

INDICADORES SOCIAIS E CLÍNICOS DE IDOSOS EM TRATAMENTO HEMODIALÍTICO

INDICADORES SOCIAIS E CLÍNICOS DE IDOSOS EM TRATAMENTO HEMODIALÍTICO INDICADORES SOCIAIS E CLÍNICOS DE IDOSOS EM TRATAMENTO HEMODIALÍTICO Rosângela Alves Almeida Bastos - Universidade Federal da Paraíba- email: rosalvesalmeida2008@hotmail.com Maria das Graças Melo Fernandes

Leia mais

EXPOSIÇÃO DE RISCO DOS PARTICIPANTES DO PROJETO UEPG-ENFERMAGEM NA BUSCA E PREVENÇÃO DO HIV/AIDS

EXPOSIÇÃO DE RISCO DOS PARTICIPANTES DO PROJETO UEPG-ENFERMAGEM NA BUSCA E PREVENÇÃO DO HIV/AIDS 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA EXPOSIÇÃO DE RISCO DOS PARTICIPANTES DO PROJETO UEPG-ENFERMAGEM

Leia mais

Os padrões de consumo de crack, álcool e outras drogas e alguns instrumentos de avaliação e codificação

Os padrões de consumo de crack, álcool e outras drogas e alguns instrumentos de avaliação e codificação Os padrões de consumo de crack, álcool e outras drogas e alguns instrumentos de avaliação e codificação Enfª. Lorena Silveira Cardoso Mestranda em Saúde Coletiva do PRPPG - UFES VITÓRIA 2015 Nessa aula

Leia mais

O PROBLEMA DAS DROGAS NA SOCIEDADE EM QUE VIVEMOS

O PROBLEMA DAS DROGAS NA SOCIEDADE EM QUE VIVEMOS O PROBLEMA DAS DROGAS NA SOCIEDADE EM QUE VIVEMOS O século XX viveu em guerra. Todas os habitantes da Terra sejam da Europa, da Ásia, das Américas, da pobre África sofreram demais até os anos 70; foram

Leia mais

Investigação em Anatomia Patológica. Álcool e Jovens em Idade Escolar: Comportamentos e Conhecimentos Associados ao Consumo

Investigação em Anatomia Patológica. Álcool e Jovens em Idade Escolar: Comportamentos e Conhecimentos Associados ao Consumo de Janeiro de 2013 Instituto Politécnico de Lisboa Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa Investigação em Anatomia Patológica Álcool e Jovens em Idade Escolar: Comportamentos e Conhecimentos

Leia mais

Seminário: Drogas, Redução de Danos, Legislação e Intersetorialidade. Brasília, outubro de 2009.

Seminário: Drogas, Redução de Danos, Legislação e Intersetorialidade. Brasília, outubro de 2009. Seminário: Drogas, Redução de Danos, Legislação e Intersetorialidade Brasília, outubro de 2009. O uso do crack e cocaína: contexto e estratégias de cuidados à saúde PEDRO GABRIEL DELGADO Coordenação de

Leia mais

O Consumo de Tabaco no Brasil. Equipe LENAD: Ronaldo Laranjeira Clarice Sandi Madruga Ilana Pinsky Ana Cecília Marques Sandro Mitsuhiro

O Consumo de Tabaco no Brasil. Equipe LENAD: Ronaldo Laranjeira Clarice Sandi Madruga Ilana Pinsky Ana Cecília Marques Sandro Mitsuhiro O Consumo de Tabaco no Brasil Equipe LENAD: Ronaldo Laranjeira Clarice Sandi Madruga Ilana Pinsky Ana Cecília Marques Sandro Mitsuhiro 1. Porque esse estudo é relevante? Segundo a Organização Mundial de

Leia mais

Dependência Química - Classificação e Diagnóstico -

Dependência Química - Classificação e Diagnóstico - Dependência Química - Classificação e Diagnóstico - Alessandro Alves Toda vez que se pretende classificar algo, deve-se ter em mente que o que se vai fazer é procurar reduzir um fenômeno complexo que em

Leia mais

CONSUMO DE ÁLCOOL E ALCOOLISMO ENTRE ADOLESCENTES

CONSUMO DE ÁLCOOL E ALCOOLISMO ENTRE ADOLESCENTES CONSUMO DE ÁLCOOL E ALCOOLISMO ENTRE ADOLESCENTES Estéfani Gonçalves de Souza 1 RESUMO Com o objetivo de estimar a prevalência de consumo de álcool e do alcoolismo entre estudantes adolescentes de escola

Leia mais

Principais Resultados Estudo Comparativo: Brasil - 2001 e 2005

Principais Resultados Estudo Comparativo: Brasil - 2001 e 2005 303 Principais Resultados Estudo Comparativo: - 2001 e 2005 304 I ESTUDO COMPARATIVO: BRASIL 2001 E 2005 I Dados Gerais 1. População brasileira: 169.799.170 habitantes*. 2. População das 108 cidades brasileiras

Leia mais

Eduardo J. A. e SILVA 2 Camilla P. BRASILEIRO 3 Claudomilson F. BRAGA 4 Universidade Federal de Goiás, Goiânia, GO

Eduardo J. A. e SILVA 2 Camilla P. BRASILEIRO 3 Claudomilson F. BRAGA 4 Universidade Federal de Goiás, Goiânia, GO Estudo da proporção e o nível de conhecimento dos alunos de graduação do período vespertino do Campus II da UFG sobre o Programa Coleta Seletiva Solidária 1 Eduardo J. A. e SILVA 2 Camilla P. BRASILEIRO

Leia mais

Capítulo 50: centro de atenção psicossocial de álcool e drogas

Capítulo 50: centro de atenção psicossocial de álcool e drogas Capítulo 50: centro de atenção psicossocial de álcool e drogas Fernanda Marques Paz 1 Dependência Química: prevenção, tratamento e politicas públicas (Artmed; 2011; 528 páginas) é o novo livro de Ronaldo

Leia mais

NÍVEL DE CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS ENFERMEIROS SOBRE A SAÚDE DO HOMEM NO MUNICÍPIO DE CAJAZEIRAS-PB.

NÍVEL DE CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS ENFERMEIROS SOBRE A SAÚDE DO HOMEM NO MUNICÍPIO DE CAJAZEIRAS-PB. NÍVEL DE CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS ENFERMEIROS SOBRE A SAÚDE DO HOMEM NO MUNICÍPIO DE CAJAZEIRAS-PB. Antonio José Barbosa Neto (ajbneto_@hotmail.com) 1 Ceciliana Araújo Leite (cecidemais@hotmail.com)

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Departamento de Saúde - USP POLÍTICA DO PROGRAMA DE ENFRENTAMENTO DO USO DE ÁLCOOL E DROGAS NA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Departamento de Saúde - USP POLÍTICA DO PROGRAMA DE ENFRENTAMENTO DO USO DE ÁLCOOL E DROGAS NA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Departamento de Saúde - USP POLÍTICA DO PROGRAMA DE ENFRENTAMENTO DO USO DE ÁLCOOL E DROGAS NA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Faculdade de Medicina - GREA Hospital Universitário Coordenadoria

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº., DE 2015. (Do Sr. Roberto de Lucena)

PROJETO DE LEI Nº., DE 2015. (Do Sr. Roberto de Lucena) PROJETO DE LEI Nº., DE 2015 (Do Sr. Roberto de Lucena) Altera a Lei nº 11.343 de 23 de agosto de 2006, que institui o Sistema Nacional de Políticas Públicas sobre Drogas - Sisnad; prescreve medidas para

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA: ADOLESCENTES E ATIVIDADE SEXUAL PRECOCE EM UMA UNIDADE DE SAÚDE NA ZONA OESTE RJ

RELATO DE EXPERIÊNCIA: ADOLESCENTES E ATIVIDADE SEXUAL PRECOCE EM UMA UNIDADE DE SAÚDE NA ZONA OESTE RJ Revista Eletrônica Novo Enfoque, ano 2013, v. 17, n. 17, p. 134 138 RELATO DE EXPERIÊNCIA: ADOLESCENTES E ATIVIDADE SEXUAL PRECOCE EM UMA UNIDADE DE SAÚDE NA ZONA OESTE RJ PORTO, Adriana Vianna Costa 1

Leia mais

COMPANHIA HIDRO ELETRICA DO SÃO FRANCISCO

COMPANHIA HIDRO ELETRICA DO SÃO FRANCISCO PREVALÊNCIA DO USO DO ÁLCOOL NA CHESF Autora Marília Verri de Santana COMPANHIA HIDRO ELETRICA DO SÃO FRANCISCO RESUMO Este estudo tem como objetivo analisar comparativamente os dados do consumo de álcool

Leia mais

APLICAÇÃO DE INTERVENÇÃO BREVE EM ESTUDANTES DE ENSINO MÉDIO QUE APRESENTAM BEBER DE RISCO

APLICAÇÃO DE INTERVENÇÃO BREVE EM ESTUDANTES DE ENSINO MÉDIO QUE APRESENTAM BEBER DE RISCO APLICAÇÃO DE INTERVENÇÃO BREVE EM ESTUDANTES DE ENSINO MÉDIO QUE APRESENTAM BEBER DE RISCO Raul Aragão Martins UNESP - Universidade Estadual Paulista Campus São José do Rio Preto Apoio: Fundação de Amparo

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE PREVENÇÃO

ESTRATÉGIAS DE PREVENÇÃO ESTRATÉGIAS DE PREVENÇÃO no campo do álcool, tabaco e outras drogas - ATOD Geraldo Mendes de Campos ESTRATÉGIAS DE PREVENÇÃO no campo do álcool, tabaco e outras drogas - ATOD OBJETIVOS: - impedir ou retardar

Leia mais

O PROGRAMA ASSISTÊNCIA SÓCIO-JURÍDICA E OS DIREITOS DO IDOSO

O PROGRAMA ASSISTÊNCIA SÓCIO-JURÍDICA E OS DIREITOS DO IDOSO O PROGRAMA ASSISTÊNCIA SÓCIO-JURÍDICA E OS DIREITOS DO IDOSO Maria Salete da Silva Josiane dos Santos O Programa Assistência Sócio-Jurídica, extensão do Departamento de Serviço Social, funciona no Núcleo

Leia mais

Edital nº 001/2010/GSIPR/SENAD / MS PLANO INTEGRADO DE ENFRENTAMENTO AO CRACK E OUTRAS DROGAS

Edital nº 001/2010/GSIPR/SENAD / MS PLANO INTEGRADO DE ENFRENTAMENTO AO CRACK E OUTRAS DROGAS PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA GABINETE DE SEGURANÇA INSTITUCIONAL SECRETARIA NACIONAL DE POLITICAS SOBRE DROGAS MINISTÉRIO DA SAÚDE Comitê Gestor do Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e outras drogas

Leia mais

ANÁLISE DE RELATOS DE PAIS E PROFESSORES DE ALUNOS COM DIAGNÓSTICO DE TDAH

ANÁLISE DE RELATOS DE PAIS E PROFESSORES DE ALUNOS COM DIAGNÓSTICO DE TDAH Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 660 ANÁLISE DE RELATOS DE PAIS E PROFESSORES DE ALUNOS COM DIAGNÓSTICO DE TDAH Camila Rodrigues Costa 1, 2 Matheus

Leia mais

Cristina Almeida. Psicóloga escolar

Cristina Almeida. Psicóloga escolar Cristina Almeida Psicóloga escolar Preven Porque falar? Tema atual interfere direta e indiretamente na qualidade de vida. UNODC (Organização das Nações Unidas- Escritório contra Drogas e Crime Global Illicit

Leia mais

Pesquisa Semesp. A Força do Ensino Superior no Mercado de Trabalho

Pesquisa Semesp. A Força do Ensino Superior no Mercado de Trabalho Pesquisa Semesp A Força do Ensino Superior no Mercado de Trabalho 2008 Ensino superior é um forte alavancador da carreira profissional A terceira Pesquisa Semesp sobre a formação acadêmica dos profissionais

Leia mais

OS JOVENS PORTUGUESES E O CONSUMO DE DROGAS

OS JOVENS PORTUGUESES E O CONSUMO DE DROGAS OS JOVENS PORTUGUESES E O CONSUMO DE DROGAS Tema 1, Nº 2 Junho 2001 Margarida Gaspar de Matos e Susana Fonseca Carvalhosa Equipa do Aventura Social e Saúde Estudo realizado em co-financiamento pela Faculdade

Leia mais

Governo lança campanha de prevenção dos riscos do consumo de bebidas alcoólicas Resultados das pesquisas:

Governo lança campanha de prevenção dos riscos do consumo de bebidas alcoólicas Resultados das pesquisas: Governo lança campanha de prevenção dos riscos do consumo de bebidas alcoólicas O Ministério da Saúde lançou, nesta sexta-feira (10) no Rio de Janeiro (RJ), uma campanha publicitária alertando sobre os

Leia mais

Área: 924.573,8km 2. 1. População

Área: 924.573,8km 2. 1. População Área: 924.573,8km 2 1. População Capitais Habitantes* Belo Horizonte MG 2.238.526 Rio de Janeiro RJ 5.857.904 São Paulo SP 10.434.252 Vitória ES 292.304 Total 18.822.986 *IBGE, censo 2004. 2. Estudantes

Leia mais

OS PRINCIPAIS FATORES QUE CONTRIBUEM PARA A PERMANÊNCIA DE DEPENDENTES QUÍMICOS EM TRATAMENTO

OS PRINCIPAIS FATORES QUE CONTRIBUEM PARA A PERMANÊNCIA DE DEPENDENTES QUÍMICOS EM TRATAMENTO OS PRINCIPAIS FATORES QUE CONTRIBUEM PARA A PERMANÊNCIA DE DEPENDENTES QUÍMICOS EM TRATAMENTO Dário Fernando Treméa Kubiak 1 Jesus N. Durgant Alves 2 Mara Regina Nieckel da Costa 3 RESUMO Este artigo objetiva

Leia mais

PREVALÊNCIA DO USO DE DROGAS ENTRE ACADÊMICOS DA UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL ULBRA / GRAVATAÍ

PREVALÊNCIA DO USO DE DROGAS ENTRE ACADÊMICOS DA UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL ULBRA / GRAVATAÍ PREVALÊNCIA DO USO DE DROGAS ENTRE ACADÊMICOS DA UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL ULBRA / GRAVATAÍ SANDRA BRAGA DE MEDEIROS Autora Pedagoga, Especialista em Educação, Acadêmica de Psicologia, Universidade

Leia mais

PERCEPÇÃO DO CONHECIMENTO DE PROFISSIONAIS DA ATENÇÃO BÁSICA E ACOMPANHAMENTO DE ATIVIDADES VOLTADAS À SAÚDE DO COLETIVO

PERCEPÇÃO DO CONHECIMENTO DE PROFISSIONAIS DA ATENÇÃO BÁSICA E ACOMPANHAMENTO DE ATIVIDADES VOLTADAS À SAÚDE DO COLETIVO PERCEPÇÃO DO CONHECIMENTO DE PROFISSIONAIS DA ATENÇÃO BÁSICA E ACOMPANHAMENTO DE ATIVIDADES VOLTADAS À SAÚDE DO COLETIVO Elidiane dos Santos CIRILO¹, Emilly Maria de Lima OLIVEIRA¹, Fábio José Targino

Leia mais

II Seminário de Integração sobre Saúde e Segurança Boas Práticas na Área Portuária

II Seminário de Integração sobre Saúde e Segurança Boas Práticas na Área Portuária II Seminário de Integração sobre Saúde e Segurança Boas Práticas na Área Portuária PROGRAMA PORTO SEGURO LIMPO EM TERRA E A BORDO Área de Abrangência Saúde Mental e Comportamental. Objetivo Prevenção,

Leia mais

CATÁLOGO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU. 2010 1º semestre

CATÁLOGO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU. 2010 1º semestre CATÁLOGO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 2010 1º semestre APRESENTAÇÃO Caro egresso, Desejamos a você, neste ano de 2010, que todas as suas metas se realizem de forma a proporcionar-lhe alegria

Leia mais

Envolvimento dos profissionais da saúde no controle do tabagismo

Envolvimento dos profissionais da saúde no controle do tabagismo Envolvimento dos profissionais da saúde no controle do tabagismo Prof. Javaid Khan, FRCP (Edin) Setor Principal de Medicina de Cuidado Pulmonar e Crítico The Aga Khan University, Karachi, Paquistão Envolvimento

Leia mais

MÓDULO 2. Neste módulo você conhecerá a epidemiologia do consumo de substâncias psicoativas e os padrões de consumo do álcool e crack.

MÓDULO 2. Neste módulo você conhecerá a epidemiologia do consumo de substâncias psicoativas e os padrões de consumo do álcool e crack. MÓDULO 2 Neste módulo você conhecerá a epidemiologia do consumo de substâncias psicoativas e os padrões de consumo do álcool e crack. Você aprenderá alguns conceitos relacionados à temática, como os padrões

Leia mais

HISTÓRIA E PERSPECTIVAS DE VIDA DE ALCOOLISTAS

HISTÓRIA E PERSPECTIVAS DE VIDA DE ALCOOLISTAS HISTÓRIA E PERSPECTIVAS DE VIDA DE ALCOOLISTAS Jéssica Molina Quessada * Mariana Caroline Brancalhão Guerra* Renata Caroline Barros Garcia* Simone Taís Andrade Guizelini* Prof. Dr. João Juliani ** RESUMO:

Leia mais

TRATAMENTO DA DEPENDÊNCIA QUÍMICA NO MUNICÍPIO DE BETIM: investigação e delimitação do perfil de usuários do CAPS-AD

TRATAMENTO DA DEPENDÊNCIA QUÍMICA NO MUNICÍPIO DE BETIM: investigação e delimitação do perfil de usuários do CAPS-AD TRATAMENTO DA DEPENDÊNCIA QUÍMICA NO MUNICÍPIO DE BETIM: investigação e delimitação do perfil de usuários do CAPS-AD Renato Diniz Silveira 1 Allisson Vasconselos Oliveira 2 Cláudio Alves Taioba Júnior

Leia mais

O USO DE ÁLCOOL ENTRE JOVENS ESTUDANTES

O USO DE ÁLCOOL ENTRE JOVENS ESTUDANTES O USO DE ÁLCOOL ENTRE JOVENS ESTUDANTES PARREIRA, Graziela Vanessa1 - UNESP/Marília. DALLO, Luana2 - UNESP/Marília. DONATI, Fabiana Augusta3 - UNESP/Marília. MARTINS, Raul Aragão4 UNESP/Marília Grupo de

Leia mais

PERFIL DO CONSUMO DE ÀLCOOL EM MULHERES DE UM NÚCLEO DE SAÚDE DA FAMÍLIA

PERFIL DO CONSUMO DE ÀLCOOL EM MULHERES DE UM NÚCLEO DE SAÚDE DA FAMÍLIA PERFIL DO CONSUMO DE ÀLCOOL EM MULHERES DE UM NÚCLEO DE SAÚDE DA FAMÍLIA AGNES MERI YASUDA; Juliana Maria Marques Megale, Quitéria de Lourdes Lourosa; Aldaísa Cassanho Forster; Clarissa Lin Yasuda HOSPITAL

Leia mais

MS divulga retrato do comportamento sexual do brasileiro

MS divulga retrato do comportamento sexual do brasileiro MS divulga retrato do comportamento sexual do brasileiro Notícias - 18/06/2009, às 13h08 Foram realizadas 8 mil entrevistas com homens e mulheres entre 15 e 64 anos. A análise das informações auxiliará

Leia mais

O CUIDADO QUE EU PRECISO

O CUIDADO QUE EU PRECISO O CUIDADO QUE EU PRECISO GOVERNO FEDERAL GOVERNO ESTADUAL GOVERNO MUNICIPAL MOVIMENTOS SOCIAIS MEIOS DE COMUNICAÇÃO O CUIDADO QUE EU PRECISO Serviço Hospitalar de Referência AD CAPS AD III Pronto Atendimento

Leia mais

CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA GERAL E ANÁLISE DO COMPORTAMENTO PSICOLOGIA CLÍNICA NA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO

CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA GERAL E ANÁLISE DO COMPORTAMENTO PSICOLOGIA CLÍNICA NA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA GERAL E ANÁLISE DO COMPORTAMENTO PSICOLOGIA CLÍNICA NA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DEPENDÊNCIA E TRATAMENTO DO CONSUMO DE TABACO Andréia Souza Grespan

Leia mais

RISCOS E VULNERABILIDADES NA ADOLESCÊNCIA PARA O USO DE DROGAS. PAPEL DO ENFERMEIRO NA PREVENÇÃO

RISCOS E VULNERABILIDADES NA ADOLESCÊNCIA PARA O USO DE DROGAS. PAPEL DO ENFERMEIRO NA PREVENÇÃO RISCOS E VULNERABILIDADES NA ADOLESCÊNCIA PARA O USO DE DROGAS. PAPEL DO ENFERMEIRO NA PREVENÇÃO Renata Juliana Pereira de Moraes Trindade Crislene Kelly Guedes Lopes Luiza Jamila Silva da Costa Maria

Leia mais

ANEXO I. PROJETO De Extensão de Longa Duração

ANEXO I. PROJETO De Extensão de Longa Duração MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA REITORIA ANEXO I. PROJETO De Extensão de Longa Duração 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1 Título do Projeto: Diga Não Usando a Razão 1.2 Câmpus de Origem: Panambi

Leia mais

PRÁTICAS EDUCATIVAS PARENTAIS E O USO DE DROGAS ENTRE OS ADOLESCENTES ESCOLARES.

PRÁTICAS EDUCATIVAS PARENTAIS E O USO DE DROGAS ENTRE OS ADOLESCENTES ESCOLARES. PRÁTICAS EDUCATIVAS PARENTAIS E O USO DE DROGAS ENTRE OS ADOLESCENTES ESCOLARES. Marta Mulhule, 1 Mayra Martins 2 RESUMO: Objetivo: identificar as práticas educativas dos pais na percepção dos adolescentes

Leia mais

Saúde e Qualidade de Vida no Trabalho Relatório Enquete Virtual IFRS Câmpus Bento Gonçalves

Saúde e Qualidade de Vida no Trabalho Relatório Enquete Virtual IFRS Câmpus Bento Gonçalves Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Diretoria de Gestão de Pessoas Seção de Atenção ao Servidor Saúde e Qualidade de Vida no Trabalho Relatório Enquete Virtual IFRS

Leia mais

Desenvolvimento sociomoral e condutas de risco em adolescente

Desenvolvimento sociomoral e condutas de risco em adolescente Seminário Internacional Convivência Ética na Escola - 2015 Desenvolvimento sociomoral e condutas de risco em adolescente Teoria de Domínios de E. Turiel Raul Aragão Martins UNESP - Campus de São José do

Leia mais

Edital nº 002/2010/GSIPR/SENAD

Edital nº 002/2010/GSIPR/SENAD PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA GABINETE DE SEGURANÇA INSTITUCIONAL SECRETARIA NACIONAL DE POLITICAS SOBRE DROGAS MINISTÉRIO DA SAÚDE Comitê Gestor do Plano Integrado de Enfretamento ao Crack e Outras Drogas

Leia mais

Internação compulsória para dependentes de crack: solução ou engano?

Internação compulsória para dependentes de crack: solução ou engano? CRR Centro Regional de Referência sobre o Crack CEBRID Centro Brasileiro de Informações sobre Drogas Psicotrópicas Departamento de Medicina Preventiva - UNIFESP/EPM Internação compulsória para dependentes

Leia mais

Área: 576.300,8km 2. 1. População

Área: 576.300,8km 2. 1. População Área: 576.300,8km 2 1. População Capitais Habitantes* Curitiba PR 1.587.315 Florianópolis SC 342.315 Porto Alegre RS 1.360.590 Total 3.290.220 *IBGE, censo 2004. 2. Estudantes Estudantes matriculados*

Leia mais

RELATÓRIO DA PESQUISA DA QUALIDADE DE VIDA NA CIDADE DE ARACRUZ.

RELATÓRIO DA PESQUISA DA QUALIDADE DE VIDA NA CIDADE DE ARACRUZ. RELATÓRIO DA PESQUISA DA QUALIDADE DE VIDA NA CIDADE DE ARACRUZ. Apresentação Este relatório contém os resultados da 1ª pesquisa de Qualidade de Vida na cidade de Aracruz solicitada pela FACE. O objetivo

Leia mais

Ins$tuto Nacional de Ciência e Tecnologia para Polí$cas Públicas do Álcool e Outras Drogas Consumo de Álcool no Brasil: Tendências entre 2006/2012

Ins$tuto Nacional de Ciência e Tecnologia para Polí$cas Públicas do Álcool e Outras Drogas Consumo de Álcool no Brasil: Tendências entre 2006/2012 Ins$tuto Nacional de Ciência e Tecnologia para Polí$cas Públicas do Álcool e Outras Drogas Consumo de Álcool no Brasil: Tendências entre 26/212 Direção: Ronaldo Laranjeira Coordenação: Clarice Sandi Madruga

Leia mais

GALBA TACIANA SARMENTO VIEIRA

GALBA TACIANA SARMENTO VIEIRA GALBA TACIANA SARMENTO VIEIRA No Brasil, a questão do combate ao uso de drogas teve início na primeira metade do século XX, nos governos de Eptácio Pessôa e Getúlio Vargas; A primeira regulamentação sobre

Leia mais

PERFIL DO PROCURADOR DO ESTADO DE PERNAMBUCO

PERFIL DO PROCURADOR DO ESTADO DE PERNAMBUCO PROCURADORIA GERAL 8% 8% 8% CORREGEDORIA SECRETARIA GERAL 4% CENTRO DE ESTUDOS 12% PROCURADORIA DE APOIO PROCURADORIA CONSULTIVA 23% PROCURADORIA CONTENCIOSO 37% PROCURADORIA DA FAZENDA PROCURADORIA REGIONAL

Leia mais

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA,

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA, Carta de Campinas Nos dias 17 e 18 de junho de 2008, na cidade de Campinas (SP), gestores de saúde mental dos 22 maiores municípios do Brasil, e dos Estados-sede desses municípios, além de profissionais

Leia mais

A Política Nacional sobre Drogas e o Atendimento a Usuários de Drogas no Horto Medicinal da SEMAS de Goiânia-Go.

A Política Nacional sobre Drogas e o Atendimento a Usuários de Drogas no Horto Medicinal da SEMAS de Goiânia-Go. A Política Nacional sobre Drogas e o Atendimento a Usuários de Drogas no Horto Medicinal da SEMAS de Goiânia-Go. Marlene Fátima Stach Alves* Roberto Alves Pereira ** RESUMO: O presente artigo faz uma breve

Leia mais

Tema 1, Nº 1 Junho 2001

Tema 1, Nº 1 Junho 2001 Tema 1, Nº 1 Junho 2001 Margarida Gaspar de Matos e Susana Fonseca Carvalhosa Equipa do Aventura Social e Saúde Estudo realizado no âmbito do protocolo entre a Faculdade de Motricidade Humana e o Gabinete

Leia mais

EXPERIÊNCIA VIVENCIADA NA DISCIPLINA CARTOGRAFIA ESCOLAR DURANTE FORMAÇÃO ACADÊMICA

EXPERIÊNCIA VIVENCIADA NA DISCIPLINA CARTOGRAFIA ESCOLAR DURANTE FORMAÇÃO ACADÊMICA EXPERIÊNCIA VIVENCIADA NA DISCIPLINA CARTOGRAFIA ESCOLAR DURANTE FORMAÇÃO ACADÊMICA Claudio Francisco da Costa claud.fc@gmail.com 1977 Paulo Eduardo Ribeiro paeribeiro@hotmail.com Vilma Célia Santana vilmacsantanam@hotmail.com

Leia mais

PROGRAMA DE PREVENÇÃO AO USO INDEVIDO DE ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS. A experiência da Vale

PROGRAMA DE PREVENÇÃO AO USO INDEVIDO DE ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS. A experiência da Vale PROGRAMA DE PREVENÇÃO AO USO INDEVIDO DE ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS A experiência da Vale Objetivos do programa: Promover a segurança e a integridade dos empregados; Auxiliar na redução da incidência e prevalência

Leia mais

O Crack na Cidade de Salvador

O Crack na Cidade de Salvador O Crack na Cidade de Salvador Esdras Cabus Moreira Centro de Estudos e Tratamento do Abuso de Drogas CETAD/UFBA (vimeo.com/48998209) Realmente, o Brasil perde somente para os Estados Unidos

Leia mais

Capítulo 7 Estudos sobre Causalidade e Etiologia

Capítulo 7 Estudos sobre Causalidade e Etiologia L E I T u R A C R í T I C A D E A R T I G O S C I E N T í F I CO S 105 Capítulo 7 Estudos sobre Causalidade e Etiologia 7.1 Introdução Relembrando o que foi dito no capítulo 1 os estudos randomizados,

Leia mais