ANEXO I. RECLASSIFICAÇÃO PELA RN 195/2009 Vínculo do Beneficiário INFORMAÇÃO DO REGISTRO DE PRODUTO ATÉ A RN 195/2009

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANEXO I. RECLASSIFICAÇÃO PELA RN 195/2009 Vínculo do Beneficiário INFORMAÇÃO DO REGISTRO DE PRODUTO ATÉ A RN 195/2009"

Transcrição

1 ANEXO I INFORMAÇÃO DO REGISTRO DE PRODUTO ATÉ A RN 195/2009 Tipo de Contratação Vínculo do Beneficiário Tipo de Contratação RECLASSIFICAÇÃO PELA RN 195/2009 Vínculo do Beneficiário 1 Coletivo Empresarial ou Coletivo por Adesão Com vínculo empregatício ativo Coletivo Empresarial Com vínculo empregatício ativo 2 Coletivo Empresarial ou Coletivo por Adesão Com vínculo empregatício inativo Coletivo Empresarial Com vínculo empregatício inativo 3 4 Coletivo Empresarial ou Coletivo por adesão Coletivo Empresarial ou Coletivo por Adesão 5 Coletivo Empresarial 6 Coletivo por Adesão 7 Coletivo Empresarial 8 Coletivo por Adesão 9 Coletivo Empresarial 10 Coletivo por Adesão Sem vínculo empregatício Com vínculo empregatício ativo + Com vínculo empregatício inativo Com vínculo empregatício ativo + Com vínculo empregatício inativo + Sem vínculo empregatício Com vínculo empregatício ativo + Com vínculo empregatício inativo + Sem vínculo empregatício Com vínculo empregatício ativo + Sem vínculo empregatício Com vínculo empregatício ativo + Sem vínculo empregatício Com vínculo empregatício inativo + Sem vínculo empregatício Com vínculo empregatício ativo + Sem vínculo empregatício Coletivo por Adesão Coletivo Empresarial Coletivo Empresarial Coletivo por Adesão Coletivo Empresarial Coletivo por Adesão Coletivo Empresarial Coletivo por Adesão 11 Coletivo Empresarial Sem marcação de vínculo Coletivo Empresarial 12 Coletivo por Adesão Sem marcação de vínculo Coletivo por Adesão Sem vínculo empregatício Com vínculo empregatício ativo + Com vínculo empregatício inativo Com vínculo empregatício ativo + Com vínculo empregatício inativo Sem vínculo empregatício Com vínculo empregatício ativo Sem vínculo empregatício Com vínculo empregatício inativo Sem vínculo empregatício Com vínculo empregatício ativo + Com vínculo empregatício inativo Sem vínculo empregatício

2 ANEXO II MANUAL DE ELABORAÇÃO DOS CONTRATOS DE PLANOS DE SAÚDE CARACTERÍSTICAS GERAIS DOS CONTRATOS DE PLANOS DE SAÚDE O contrato, regulamento ou outro documento que formalize a relação da Operadora com beneficiários de Plano de Saúde deve conter dispositivos sobre os temas a seguir relacionados, sempre que couber. No momento da contratação, a operadora deverá obrigatoriamente entregar ao contratante cópia do contrato/regulamento, cuja página inicial deverá conter os itens abaixo, conforme o registrado na ANS: a) qualificação da operadora: - Razão Social e Nome Fantasia, se houver; - Inscrição no Cadastro Nacional de Pessoas Jurídicas; - Registro da operadora na ANS; - Classificação da operadora na ANS (Observação: nas operadoras classificadas como autogestão conforme artigo 4º c/c artigo 12, II, da RN 137/2006, deverá ser informado se há em sua composição a figura do mantenedor ou patrocinador); - Endereço completo. b) qualificação do contratante: Os contratos individuais/familiares e coletivos por autogestões por RH deverão conter os seguintes dados da Pessoa Física contratante (ou seu Representante/Assistente no momento da comercialização): - Nome; - Filiação; - Data de nascimento; - Inscrição no Cadastro de Pessoa Física; - Cédula de Identidade - Órgão Expedidor; - Endereço. Os contratos coletivos, inclusive por autogestões com patrocinador, deverão conter os dados da Pessoa Jurídica contratante no momento da comercialização: - Razão Social e Nome Fantasia, se houver; - CNPJ; - Endereço. c) nome comercial e nº de registro do plano na ANS; d) tipo de contratação; e) segmentação assistencial do plano de saúde; f) área geográfica de abrangência do plano de saúde; g) área de atuação do plano de saúde;

3 h) padrão de acomodação em internação (Observação: nos contratos/regulamentos de planos registrados com acomodação individual, que sofreram alteração de segmentação para Referência, será garantida a acomodação informada no momento da contratação); i) formação do preço; e j) serviços e coberturas adicionais. Os contratos/regulamentos de planos privados de assistência à saúde devem estar de acordo com as suas características cadastradas na ANS. Não deverá haver no mesmo documento (contrato, regulamento ou outra forma) disponibilizado aos beneficiários referência a planos com diferentes registros. Tema I - Atributos do Contrato A) Indicar que se trata de prestação continuada de serviços ou cobertura de custos assistenciais na forma de plano privado de assistência à saúde prevista no inciso I, do artigo 1º, da Lei 9656/1998, visando à Assistência Médica Hospitalar e/ou Odontológica (de acordo com a segmentação do produto) com a cobertura de todas as doenças da Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados com a Saúde, da Organização Mundial de Saúde, e do Rol de Procedimentos e Eventos em Saúde editado pela ANS, vigente à época do evento. B) Indicar que se trata de contrato de adesão, bilateral, que gera direitos e obrigações para ambas as partes, na forma do Código Civil Brasileiro, estando também sujeito às disposições do Código de Defesa do Consumidor. As operadoras classificadas na ANS como autogestão devem mencionar que se trata de um regulamento que traça as diretrizes de plano de assistência à saúde, com características de contrato de adesão. C) Nos planos exclusivamente odontológicos, indicar que se trata de prestação continuada de serviços ou cobertura de custos assistenciais na forma de plano privado de assistência à saúde prevista no inciso I, do artigo 1º, da Lei 9656/1998, visando à Assistência Odontológica com a cobertura das doenças da Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados com a Saúde, da Organização Mundial de Saúde, no que se refere à saúde bucal, e do Rol de Procedimentos e Eventos em Saúde editado pela ANS, vigente à época do evento. Tema II - Condições de Admissão A) Indicar as condições de admissão dos beneficiários dependentes nos contratos de planos individuais/familiares. B) Indicar as condições de admissão dos beneficiários titulares e dependentes nos contratos de planos coletivos, sendo vedadas quaisquer outras exigências para a inscrição como beneficiário titular que não as necessárias para ingressar na pessoa jurídica contratante (artigo 16 da RN 195/2009, alterada pela RN 200/2009). C) Nos contratos de planos coletivos empresariais, definir a quem se destina o plano de acordo com o artigo 5º, caput e 1º, da RN 195/2009, alterada pela RN 200/2009, ou seja: pessoas vinculadas à pessoa jurídica contratante por relação empregatícia ou

4 estatutária, sócios e administradores da pessoa jurídica contratante, demitidos ou aposentados, que tenham sido a ela vinculados anteriormente, ressalvado o disposto no caput dos artigos 30 e 31 da Lei 9.656/1998; agentes políticos, trabalhadores temporários, estagiários e menores aprendizes, bem como o grupo familiar até o terceiro grau de parentesco consanguíneo, até o segundo grau de parentesco por afinidade, cônjuge ou companheiro dos empregados e servidores públicos e demais vínculos acima referidos (artigo 5º, 1º, VII, da RN 195/2009, alterada pela RN 200/2009). 1. Nos contratos de planos coletivos empresariais, dispor que a adesão do grupo familiar dependerá da participação do beneficiário titular no plano privado de assistência à saúde (artigo 5º, 2º, da RN 195/2009, alterada pela RN 200/2009). D) Nos contratos de planos coletivos por adesão, definir a quem se destina o plano de acordo com o artigo 9º, da RN 195/2009, alterada pela RN 200/2009, como pessoas físicas que mantenham vínculo profissional, classista ou setorial com: os conselhos profissionais e entidades de classe nos quais seja necessário o registro para o exercício da profissão; os sindicatos, as centrais sindicais e as respectivas federações e confederações; as associações profissionais legalmente constituídas; as cooperativas que congreguem membros de categorias ou classes de profissões regulamentadas; e as caixas de assistência e fundações de direito privado que se enquadrem nas disposições desta resolução, bem como outras pessoas jurídicas de caráter profissional, classista ou setorial desde que autorizadas pela ANS e as entidades previstas nas Leis 7395 de 31 de outubro de 1985 e 7398, de 04 de novembro de 1985; e o grupo familiar do beneficiário titular até o terceiro grau de parentesco consanguíneo, até o segundo grau de parentesco por afinidade, cônjuge ou companheiro (artigo 9º, I a VII, e 1º, da RN 195/2009, alterada pela RN 200/2009). 1. Nos contratos de planos coletivos por adesão, dispor que a adesão do grupo familiar dependerá da participação do beneficiário titular no plano privado de assistência à saúde (artigo 9º, 2º, da RN 195/2009, alterada pela RN 200/2009), e que; 2. Caberá à operadora de plano de assistência à saúde exigir e comprovar a legitimidade da pessoa jurídica contratante e a condição de elegibilidade do beneficiário (artigo 9º, 3º, da RN 195/2009, alterada pela RN 200/2009). E) Nos contratos de planos de todas as segmentações, especificar a garantia de inscrição do filho adotivo menor de 12 anos, com aproveitamento das carências já cumpridas pelo usuário adotante (artigo 12, VII, da Lei 9656/1998). F) Nos contratos de planos hospitalares com cobertura obstétrica, garantir o direito de inscrição do recém-nascido, filho adotivo ou natural, como dependente, com isenção de carência (artigo 12, III, "b", da Lei 9656/1998), sendo vedada qualquer alegação de DLP ou aplicação de CPT ou Agravo (artigo 20 da RN 162/2007). G) As operadoras classificadas na ANS como autogestões deverão definir no regulamento para quem se destina o plano, de acordo com o artigo 2º da RN 137/2006, alterada pela RN 148/2007, como: empregados ativos, aposentados, pensionistas e ex-empregados, bem como seus respectivos grupos familiares definidos, de uma ou mais empresas, ou ainda, participantes e dependentes de associações, sindicatos ou entidades de classes

5 profissionais, e grupos familiares dos beneficiários, limitado ao terceiro grau de parentesco, consanguíneo ou afim. Tema III - Coberturas e Procedimentos Garantidos As coberturas listadas abaixo, previstas no artigo 12 da Lei 9656/1998, no Rol de Procedimentos e Eventos em Saúde e no Rol de Procedimentos Odontológicos são as coberturas e procedimentos mínimos a serem garantidos nos planos de saúde, por determinação da legislação vigente e sua regulamentação. O oferecimento de cobertura mais ampla que a determinada nos normativos mencionados caracteriza Cobertura e/ou Serviço Adicional e deverá ser informada no cadastro do plano na ANS. A) Nos contratos de planos de todas as segmentações, dispor sobre: 1. as coberturas assistenciais contratadas, para todas as doenças da Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados com a Saúde, da Organização Mundial de Saúde (artigo 10 da Lei 9656/1998) e Rol de Procedimentos e Eventos em Saúde ou Rol de Procedimentos Odontológicos vigente à época do evento. B) Nos contratos de planos médico-hospitalares, dispor sobre: 1. a cobertura dos atendimentos nos casos de planejamento familiar, de que trata o inciso III do artigo 35-C da Lei 9656/1998, previstos no Anexo I da RN 192/2009; 2. a participação de profissional médico anestesiologista nos procedimentos listados no Rol de Procedimentos e Eventos em Saúde vigente à época do evento terá sua cobertura assistencial obrigatória, caso haja indicação clínica; 3. o atendimento, dentro da segmentação e da área de abrangência estabelecida no contrato, deve ser assegurado independentemente do local de origem do evento. C) Os contratos de Planos que incluem a segmentação Ambulatorial devem dispor sobre: 1. a cobertura de consultas médicas, em número ilimitado, em clínicas básicas e especializadas, inclusive obstétricas para pré-natal, reconhecidas pelo Conselho Federal de Medicina (artigo 12, I, "a", da Lei 9656/1998 e artigo 14, I, da RN 167/2008); 2. a cobertura de serviços de apoio diagnóstico, tratamentos e demais procedimentos ambulatoriais, incluindo procedimentos cirúrgicos ambulatoriais, solicitados pelo médico assistente, ou cirurgião-dentista devidamente habilitado, mesmo quando realizados em ambiente hospitalar, desde que não se caracterize como internação (artigo 12, I, "b", da Lei 9656/1998, artigo 14, II, da RN 167/2008 e Súmula da Diretoria Colegiada da ANS 11/2007); 3. a cobertura de consulta e sessões com nutricionista, fonoaudiólogo e terapeuta ocupacional de acordo com o número de sessões estabelecido no Rol de Procedimentos e Eventos em Saúde vigente à época do evento, conforme indicação do médico assistente (artigo 14, III, da RN 167/2008);

6 4. a cobertura de psicoterapia de acordo com o número de sessões estabelecido no Rol de Procedimentos e Eventos em Saúde vigente à época do evento, que poderão ser realizados tanto por psicólogo como por médico devidamente habilitado, conforme indicação do médico assistente (artigo 14, IV, da RN 167/2008); 5. a cobertura dos procedimentos de fisioterapia listados no Rol de Procedimentos e Eventos em Saúde vigente à época do evento, em número ilimitado de sessões por ano, que poderão ser realizados tanto por fisiatra como por fisioterapeuta, conforme indicação do médico assistente (artigo 14, V, da RN 167/2008); 6. a cobertura para os seguintes procedimentos considerados especiais (artigo 14, VIII, da RN 167/2008): - hemodiálise e diálise peritonial - CAPD; - quimioterapia oncológica ambulatorial; - radioterapia ambulatorial; - procedimentos de hemodinâmica ambulatoriais; - hemoterapia ambulatorial;e - cirurgias oftalmológicas ambulatoriais; 7. o atendimento às emergências psiquiátricas, assim consideradas as situações que impliquem em risco de vida ou de danos físicos para o próprio ou para terceiros (incluídas as ameaças e tentativas de suicídio e auto-agressão) e/ou em risco de danos morais e patrimoniais importantes (artigo 2º, I, "a", da Resolução CONSU 11/1998); 8. a psicoterapia de crise, entendida como o atendimento intensivo prestado por um ou mais profissionais da área da saúde mental, com duração máxima de doze semanas, tendo início imediatamente após o atendimento de emergência e podendo ser limitada a doze sessões por ano de contrato, não cumulativas (artigo 2º, I, "b", da Resolução CONSU 11/1998). D) Os contratos de Planos que incluem a segmentação hospitalar, inclusive o do plano referência, devem dispor sobre: 1. a cobertura de internações hospitalares, vedada a limitação de prazo, valor máximo e quantidade, em clínicas básicas e especializadas, reconhecidas pelo Conselho Federal de Medicina, bem como o acesso à acomodação em nível superior, sem ônus adicional na indisponibilidade de leito hospitalar nos estabelecimentos próprios ou contratados pelo plano, admitindo-se a exclusão dos procedimentos obstétricos, nos planos sem cobertura obstétrica (artigo 12, II, "a" c/c artigo 33, ambos da Lei 9656/1998); 2. a cobertura de internações hospitalares em centro de terapia intensiva, ou similar, vedada a limitação de prazo, valor máximo e quantidade, a critério do médico assistente (artigo 12, II, "b", da Lei 9656/1998); 3. a cobertura de despesas referentes a honorários médicos, serviços gerais de enfermagem e alimentação (artigo 12, II, "c", da Lei 9656/1998); 4. a cobertura de exames complementares indispensáveis para o controle da evolução da doença e elucidação diagnóstica, fornecimento de medicamentos, anestésicos, gases

7 medicinais, transfusões e sessões de quimioterapia e radioterapia, conforme prescrição do médico assistente, realizados ou ministrados durante o período de internação hospitalar (artigo 12, II, "d", da Lei 9656/1998); 5. a cobertura de toda e qualquer taxa, incluindo materiais utilizados (artigo 12, II, "e", da Lei 9656/1998); 6. a cobertura para remoção do paciente, comprovadamente necessária, para outro estabelecimento hospitalar, dentro dos limites de abrangência geográfica previstos no contrato, em território brasileiro (artigo 12, II, "e", da Lei 9656/1998); 7. a cobertura de despesas de acompanhante, no caso de pacientes menores de dezoito anos e com idade igual ou superior a sessenta anos, bem como para aqueles portadores de necessidades especiais, conforme indicação do médico assistente (artigo 12, II, "f", da Lei 9656/1998 c/c artigo 16 da Lei 10741/ Estatuto do Idoso e artigo 15, I e II, da RN 167/2008); 8. a cobertura de cirurgia odontológica buco-maxilo-facial que necessite de ambiente hospitalar, realizada por profissional habilitado pelo seu Conselho de Classe, incluindo a cobertura de exames complementares solicitados pelo cirurgião-dentista assistente, habilitado pelo respectivo conselho de classe, desde que restritos à finalidade de natureza odontológica, e o fornecimento de medicamentos, anestésicos, gases medicinais, transfusões, assistência de enfermagem e alimentação ministrados durante o período de internação hospitalar (artigo 15, III c/c artigo 17, 4º, ambos da RN 167/2008); 9. a cobertura da estrutura hospitalar necessária à realização dos procedimentos odontológicos passíveis de realização em consultório, mas que por imperativo clínico necessitem de internação hospitalar, incluindo a cobertura de exames complementares solicitados pelo cirurgião-dentista assistente, habilitado pelo respectivo conselho de classe, desde que restritos à finalidade de natureza odontológica e o fornecimento de medicamentos, anestésicos, gases medicinais, transfusões, assistência de enfermagem e alimentação ministrados durante o período de internação hospitalar (artigo 15, IV c/c artigo 17, 2º e 4º, ambos da RN 167/2008); 10. a cobertura para os seguintes procedimentos considerados especiais, mesmo quando prestados ambulatorialmente, cuja necessidade esteja relacionada à continuidade da assistência prestada como internação hospitalar (artigo 15, V, da RN 167/2008): - hemodiálise e diálise peritonial - CAPD; - quimioterapia oncológica ambulatorial, como definida no artigo 14, VIII, "b", da RN 167/08; - radioterapia: todos os procedimentos descritos no Rol de Procedimentos e Eventos em Saúde vigente para ambas as segmentações ambulatorial e hospitalar; - hemoterapia; - nutrição parenteral ou enteral; - procedimentos diagnósticos e terapêuticos em hemodinâmica descritos no Rol de Procedimentos e Eventos em Saúde vigente à época do evento; - embolizações listadas no Rol de Procedimentos e Eventos em Saúde vigente à época do evento; - radiologia intervencionista; - exames pré-anestésicos ou pré-cirúrgicos;

8 - procedimentos de fisioterapia: aqueles listados no Rol de Procedimentos e Eventos em Saúde vigente à época do evento; 11. a cobertura de cirurgia plástica reconstrutiva de mama, utilizando-se de todos os meios e técnicas necessárias, para o tratamento de mutilação decorrente de utilização de técnica de tratamento de câncer (artigo 10-A da Lei 9656/1998, incluído pela Lei 10223/2001); 12. a cobertura de cirurgia plástica reparadora de órgãos e funções conforme Rol de Procedimentos e Eventos em Saúde vigente à época do evento; 13. o custeio integral de, pelo menos, trinta dias de internação, por ano de contrato, não cumulativos, em hospital psiquiátrico ou em unidade ou enfermaria psiquiátrica em hospital geral, para portadores de transtornos psiquiátricos em situação de crise (artigo 2º, II, "a", da Resolução CONSU 11/1998, alterado pela Resolução CONSU 15/1999); 14. o custeio integral de, pelo menos, quinze dias de internação, por ano de contrato, não cumulativos, em hospital geral, para pacientes portadores de quadros de intoxicação ou abstinência provocados por alcoolismo ou outras formas de dependência química que necessitem de hospitalização (artigo 2º, II, "b", da Resolução CONSU 11/1998, alterado pela Resolução CONSU 15/1999); (Observação: o custeio, dentro dos prazos definidos acima, somente poderá ser parcial se houver co-participação ou franquia para as internações referentes às demais especialidades médicas - artigo 2º, II, "c", da Resolução CONSU 11/1998); 15. a cobertura de todos os atendimentos clínicos ou cirúrgicos decorrentes de transtornos psiquiátricos, aí incluídos os procedimentos médicos necessários ao atendimento das lesões auto-infligidas (artigo 2º, II, parágrafo único, da Resolução CONSU 11/1998); 16. nos casos em que houver limitação para o custeio integral das internações psiquiátricas, na forma prevista no artigo 2º, II, "a" e "b", da Resolução CONSU 11/1998, o contrato deve estipular a forma como se dará a cobertura da internação psiquiátrica nos dias excedentes. A regra do artigo 3º da Resolução CONSU 11/1998 dá a operadora a faculdade de compartilhar o custeio das internações psiquiátricas em que o(s) período(s) de internação ultrapasse(m) os prazos acima mencionados, no transcorrer de um mesmo ano de contrato, com o beneficiário, mediante a coparticipação. O contrato deve estipular ainda que esta co-participação não pode caracterizar o financiamento integral da internação e deve obedecer aos tetos estabelecidos nos normativos vigentes. (Observação: a co-participação exclusiva nos dias excedentes em psiquiatria, quando houver, não é fator determinante de característica de plano de saúde, conforme item 10 do Anexo II da RN 100/2005, e não deve ser informada no cadastro do plano na ANS); (Observação: deverá constar no contrato o campo para preenchimento dos percentuais ou valores de co-participação no momento da comercialização e que obedecerão aos tetos estipulados nos normativos editados pela ANS vigentes à época);

9 17. a cobertura de oito semanas anuais de tratamento em regime de hospital-dia para os portadores de transtornos psiquiátricos em situação de crise (artigo 5º, I, c/c artigo 2º, II, "a" ambos da Resolução CONSU 11/1998); 18. para os diagnósticos F00 a F09, F20 a F29, F70 a F79 e F90 a F98 relacionados na Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados com a Saúde, da Organização Mundial de Saúde, a cobertura de tratamento em regime de hospital-dia por cento e oitenta dias por ano (artigo 5º, II, da Resolução CONSU 11/1998); 19. a cobertura dos transplantes de Rins e Córneas, e dos transplantes autólogos listados no Rol de Procedimentos e Eventos em Saúde vigente à época do evento; (artigo 2º da Resolução CONSU 12/1998 e artigo 15, 3º, III, da RN 167/2008); 20. a cobertura das despesas com os procedimentos vinculados aos transplantes mencionados acima, incluindo todas aquelas necessárias à realização do transplante, no que couber, como: as despesas assistenciais com doadores vivos, os medicamentos utilizados durante a internação, o acompanhamento clínico no pós-operatório imediato e tardio e as despesas com captação, transporte e preservação dos órgãos na forma de ressarcimento ao SUS, sendo admitida a exclusão de medicamentos de manutenção (artigo 2º e parágrafos da Resolução CONSU 12/1998); 21. nos casos em que houver garantia de assistência para procedimentos hospitalares na modalidade de hospital-dia, em internações de curta-permanência, deve esclarecer que esta se dará a critério do médico assistente. E) Os contratos de Planos que incluem a segmentação hospitalar com obstetrícia, inclusive o do plano referência, devem dispor sobre: 1. toda a cobertura definida para os planos com segmentação hospitalar, acrescida dos procedimentos relativos ao pré-natal e da assistência ao parto e puerpério (artigo 16 da RN 167/2008); 2. a cobertura de um acompanhante indicado pela mulher durante o trabalho de parto e pós-parto imediato (artigo 16, I, da RN 167/2008); 3. a cobertura assistencial ao recém-nascido, filho natural ou adotivo do consumidor, titular ou dependente, durante os primeiros trinta dias após o parto (artigo 12, III, "a", da Lei 9656/1998), sendo vedada qualquer alegação de DLP ou aplicação de CPT ou Agravo (artigo 20, da RN 162/2007). (artigo 16, II, da RN 167/2008). F) Os contratos de Planos que incluem a segmentação odontológica devem dispor sobre: 1. todas as coberturas e procedimentos previstos no artigo 12, IV, da Lei 9656/1998, incluindo a cobertura do exame clínico, de procedimentos diagnósticos, atendimentos de urgência e emergência odontológicos, exames auxiliares ou complementares, tratamentos e demais procedimentos ambulatoriais solicitados pelo cirurgião-dentista assistente com a finalidade de complementar o diagnóstico do paciente, tais como, procedimentos de prevenção, dentística, endodontia, periodontia e cirurgia e no Rol de Procedimentos Odontológicos vigente à época do evento, especificando nominalmente todos os procedimentos (artigo 17, caput, da RN 167/2008);

10 2. a cobertura dos honorários e materiais utilizados pelo cirurgião-dentista quando, por imperativo clínico, for necessária estrutura hospitalar para a realização de procedimentos listados no Rol de Procedimentos Odontológicos vigente à época do evento (artigo 17, 3º, da RN 167/2008). G) Os contratos de Planos Odontológicos em regime de pagamento misto devem observar, além do disposto no item F, as seguintes regras: 1. discriminar os procedimentos em pré-pagamento estabelecidos no artigo 2º da RN 59/2003; 2. informar que a cobertura assistencial inclui todos os itens definidos pela ANS no Rol de Procedimentos Odontológicos vigente à época do evento, devendo obrigatoriamente ser submetidas a regime de pré-pagamento, sem utilização de mecanismos de regulação financeira, as despesas relativas, no mínimo, aos seguintes procedimentos: a) consulta inicial; b) curativo em caso de hemorragia bucal/labial; c) curativo em caso de odontalgia aguda/ pulpectomia/ necrose; d) imobilização dentária temporária; e) recimentação de peça protética; f) tratamento de alveolite; g) colagem de fragmentos; h) incisão e drenagem de abscesso extra-oral; i) incisão e drenagem de abscesso intra-oral; j) reimplante de dente avulsionado; k) orientação de higiene bucal; l) evidenciação de placa bacteriana; m) aplicação tópica de flúor. (Observação: os procedimentos não incluídos acima poderão ser submetidos a regime de pós-pagamento, de acordo com as regras estabelecidas no tema XII Reajuste) Tema IV - Exclusões de Cobertura A) Os contratos devem especificar as exclusões de cobertura à assistência contratada, com vistas ao disposto no artigo 10 da Lei 9656/1998, respeitadas as coberturas mínimas obrigatórias previstas no artigo 12 da Lei 9656/1998 e no Rol de Procedimentos e Eventos em Saúde e de Procedimentos Odontológicos editados pela ANS, vigente à época do evento, dentro da segmentação assistencial à qual o plano pertence. B) As exclusões deverão ser limitadas ao disposto no artigo 10 da Lei 9656/1998, no artigo 14, parágrafo único e no artigo 15, 3º, ambos da RN 167/2008. C) Nos contratos de todas as segmentações, são permitidas as seguintes exclusões assistenciais, observadas as definições previstas no artigo 13 da RN 167/2008: 1. tratamento clínico ou cirúrgico experimental; 2. procedimentos clínicos ou cirúrgicos para fins estéticos, bem como órteses e próteses para o mesmo fim; 3. inseminação artificial; 4. tratamento de rejuvenescimento ou de emagrecimento com finalidade estética;

11 5. fornecimento de medicamentos e produtos para a saúde importados não nacionalizados; 6. fornecimento de medicamentos para tratamento domiciliar; 7. fornecimento de próteses, órteses e seus acessórios não ligados ao ato cirúrgico; 8. tratamentos ilícitos ou antiéticos, assim definidos sob o aspecto médico, ou não reconhecidos pelas autoridades competentes; 9. casos de cataclismos, guerras e comoções internas, quando declarados pela autoridade competente; 10.tratamentos em clínicas de emagrecimento, clínicas de repouso, estâncias hidrominerais, clínicas para acolhimento de idosos e internações que não necessitem de cuidados médicos em ambiente hospitalar; 11.consultas domiciliares. D) Nos contratos de planos coletivos, não é obrigatória a cobertura para procedimentos relacionados com acidentes do trabalho e suas conseqüências, moléstias profissionais, assim como para os procedimentos relacionados com a saúde ocupacional (artigo 11 da RN 167/2008). E) Não podem ser excluídas em nenhuma hipótese as seguintes coberturas: 1. doenças constantes na Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados com a Saúde, da Organização Mundial de Saúde; 2. procedimentos constantes no Rol de Procedimentos e Eventos em Saúde vigente à época do evento, independentemente da causa; 3. próteses importadas nacionalizadas (registradas na ANVISA) e utilizadas no ato cirúrgico; 4. cirurgias plásticas reparadoras (artigo 10, II, da Lei 9656/1998); 5. complicações de procedimentos não cobertos, de acordo com a Súmula Normativa nº 10/2006. F) Nos contratos de planos exclusivamente ambulatoriais, podem ser excluídos: 1. procedimentos de diagnóstico e terapêutica em hemodinâmica que demandem internação e apoio de estrutura hospitalar por período superior a 12 (doze) horas, unidade de terapia intensiva e unidades similares; 2. procedimentos que exijam forma de anestesia diversa da anestesia local, sedação ou bloqueio; 3. quimioterapia oncológica intra-tecal ou as que demandem internação; 4. procedimentos de radioterapia para a segmentação hospitalar; 5. nutrição enteral ou parenteral;

12 6. embolizações e radiologia intervencionista; 7. internações hospitalares; 8. procedimentos para fim de diagnóstico ou terapia que, embora prescindam de internação, demandem o apoio de estrutura hospitalar por mais de 12 horas, ou serviços como de recuperação pós-anestésica, UTI, CETIN e similares. G) Nos contratos de planos exclusivamente hospitalares, podem ser excluídos: 1. consultas ambulatoriais e domiciliares; 2. atendimento pré-natal ambulatorial e hospitalar (quando não incluir a cobertura obstétrica); 3. transplantes, à exceção de córnea e rim, e dos transplantes autólogos listados no Rol de Procedimentos e Eventos em Saúde vigente à época do evento; 4. os honorários e materiais utilizados pelo cirurgião-dentista quando, por imperativo clínico, for necessária estrutura hospitalar para a realização de procedimentos listados no Rol de Procedimentos Odontológicos. H) Nos contratos de planos exclusivamente odontológicos, podem ser excluídos: 1. os procedimentos não constantes do Rol de Procedimentos Odontológicos vigente à época do evento; 2. os procedimentos buco-maxilares constantes do Rol de Procedimentos e Eventos em Saúde vigente à época do evento e suas despesas hospitalares; 3. as despesas com internação hospitalar oriundas da realização de procedimentos odontológicos que, não fosse por imperativo clínico, seriam executados em consultório. Tema V - Duração do Contrato A) Nos contratos de planos individuais/familiares: 1. as operadoras deverão informar que o contrato vigorará por prazo indeterminado, bem como o início da vigência; 2. considerar-se-á, para início de vigência contratual em planos individuais, a data da assinatura da proposta de adesão, da assinatura do instrumento jurídico em si ou a data de pagamento da mensalidade inicial, o que ocorrer primeiro, de forma a não haver prorrogação indevida dos prazos de carência admitidos pelo inciso V do artigo 12 da Lei 9656/1998; 3. a operadora poderá estipular que o prazo de vigência mínima do contrato será de um ano (artigo 13, parágrafo único, da Lei 9656/1998), observando o disposto no Tema XVII, "a", deste manual, devendo, neste caso, indicar que a renovação automática do contrato será por prazo indeterminado, sendo vedada a cobrança de taxa ou qualquer outro valor.

13 B) Nos contratos de planos coletivos: 1. as operadoras deverão informar o prazo do contrato, que será indeterminado, bem como o início da vigência (artigo 1º, I, da Lei 9656/1998); 2. as operadoras poderão estipular prazo de vigência mínima, devendo, nesse caso, indicar que a renovação automática do instrumento jurídico será por prazo indeterminado, sendo vedada a cobrança de taxa ou qualquer outro valor; 3. a data do início da vigência é a data de assinatura do contrato, para efeito de reajuste anual, de acordo com o artigo 16, II, da Lei 9656/1998. As partes contratantes podem negociar o início da vigência do contrato, desde que até este momento não seja feito nenhum pagamento à operadora; 4. nos planos operados por autogestão, o início da vigência será a data da aprovação do regulamento ou a data da assinatura do convênio de adesão pelo patrocinador. Tema VI - Períodos De Carência A) Especificar nos contratos os períodos de carência, se houver, para consultas, exames, parto, internação, odontologia e demais serviços, conforme o inciso V, do artigo 12 da Lei 9656/1998. B) Poderá haver previsão de campo, ao lado dos prazos máximos estipulados, para preenchimento de prazo inferior negociado entre as partes. C) Nos contratos de planos coletivos empresariais, especificar que não haverá carências nos planos com 30 participantes ou mais (artigo 6º da RN 195/2009, alterada pela RN 200/2009), para os beneficiários que formalizarem o pedido de ingresso em até trinta dias da celebração do contrato coletivo ou de sua vinculação à pessoa jurídica contratante. D) Nos contratos de planos coletivos por adesão, especificar que não poderá ser exigido o cumprimento de carências se: 1. a inscrição do beneficiário no plano ocorrer em até trinta dias da celebração do contrato (artigo 11 da RN 195/2009, alterada pela RN 200/2009); 2. o beneficiário se vincular à contratante após o transcurso do prazo acima e formalizar sua proposta de adesão até trinta dias após a data de aniversário do contrato coletivo (artigo 11, 1º, da RN 195/2009, alterada pela RN 200/2009). E) Nos contratos de planos coletivos, havendo carência, estabelecer que a contagem para cada beneficiário se dará a partir de seu ingresso. Tema VII - Doenças E Lesões Preexistentes A) Nos contratos de planos individuais/familiares e coletivos, a operadora deverá: 1. definir corretamente "doença e lesão preexistente", que é aquela de que o beneficiário é sabedor no momento da contratação do plano;

14 2. esclarecer que o beneficiário deverá preencher declaração de saúde, no momento da contratação, na forma dos artigos 5º, 10 e 11 da RN 162/2007, alterada pela RN 200/2009); 3. especificar que, caso a operadora opte pelo não oferecimento de cobertura total, deverá oferecer Cobertura Parcial Temporária (CPT). O oferecimento de CPT neste caso é obrigatório, sendo facultado o oferecimento de agravo como opção à CPT (artigo 6º, 1º, da RN 162/2007, alterada pela RN 200/2009); 4. especificar o conceito de Cobertura Parcial Temporária, como a suspensão, por um período ininterrupto de até 24 meses, a partir da data da contratação ou adesão ao plano privado de assistência à saúde, da cobertura de Procedimentos de Alta Complexidade (PAC), leitos de alta tecnologia e procedimentos cirúrgicos, desde que relacionados exclusivamente às doenças ou lesões preexistentes declaradas (artigo 2º, II, da RN 162/2007, alterada pela RN 200/2009); 5. especificar as obrigações e direitos do usuário, esclarecendo que se for identificado indício de fraude, referente à omissão de conhecimento de Doenças e Lesões Preexistentes por ocasião da contratação ou adesão ao plano, a operadora deverá comunicar imediatamente ao consumidor e poderá oferecer as opções de CPT, agravo ou abrir processo administrativo para julgamento da alegação de informação de omissão na declaração de saúde, conforme o disposto no artigo 15 da RN 162/2007, alterada pela RN 200/2009); 6. deixar claro que não será permitida, sob qualquer alegação, a negativa de cobertura assistencial, assim como a suspensão ou rescisão unilateral de contrato, até a publicação pela ANS do encerramento do processo administrativo (artigo 16, 3º, da RN 162/2007, alterada pela RN 200/2009); 7. esclarecer que é vedada a alegação de omissão de informação de DLP quando realizado qualquer tipo de exame ou perícia no beneficiário pela operadora, com vistas à sua admissão no plano privado de assistência à saúde (artigo 5º, 4º, da RN 162/2007, alterada pela RN 200/2009). B) Nos contratos de planos coletivos empresariais, a operadora deverá, ainda, especificar que não haverá cláusula de Cobertura Parcial Temporária ou Agravo, nos casos de Doença e Lesão Preexistente, quando o número de participantes for igual ou maior que trinta, para os beneficiários que formalizarem o pedido de ingresso em até trinta dias da celebração do contrato coletivo ou de sua vinculação a pessoa jurídica contratante. (artigo 7º da RN 195/2009, alterada pela RN 200/2009). Tema VIII Atendimento de Urgência e Emergência A) Os contratos de planos médico-hospitalares devem: 1. definir urgência e emergência na forma do artigo 35-C da Lei 9656/1998; 2. dispor sobre o atendimento da situação da urgência e emergência de acordo com a segmentação contratada e a garantia de remoção, quando necessária por indicação médica para outra unidade da operadora ou para o SUS quando não há cobertura para a continuidade do tratamento.

15 B) Nos contratos de planos ambulatoriais, a operadora deve dispor sobre a garantia de cobertura nas urgências e emergências por no mínimo doze horas de atendimento ou até que haja necessidade de internação (artigo 2º, caput e parágrafo único da Resolução CONSU 13/1998). 1. O contrato deve dispor, ainda, que haverá: a) garantia de remoção para unidade de atendimento da rede do plano, depois de realizados os atendimentos classificados como urgência e emergência, quando caracterizada, pelo médico assistente, a falta de recursos oferecidos pela unidade para continuidade da atenção ao paciente; b) garantia de remoção para unidade do SUS, depois de realizados os procedimentos caracterizados como urgência e emergência, quando ultrapassadas as primeiras 12 horas ou caracterizada a necessidade de internação. C) Nos planos que incluem segmentação hospitalar, excetuado o plano referência, o contrato deve dispor sobre: 1. a garantia para atendimentos decorrentes de acidentes pessoais, sem restrições, depois de decorridas 24 horas de vigência do contrato (artigo 3º, 2º, da Resolução CONSU 13/1998); 2. a garantia de que, depois de cumpridas as carências, haverá cobertura dos atendimentos de urgência e emergência que evoluírem para a internação, desde a admissão até a alta, ou que sejam necessários para a preservação da vida, órgãos e funções (artigo 3º da Resolução CONSU 13/1998); 3. a garantia dos atendimentos de urgência e emergência referentes ao processo gestacional, limitados às primeiras doze horas, nos planos com cobertura obstétrica, durante o cumprimento dos períodos de carência, e nos planos sem cobertura obstétrica. (artigo 4º, caput e parágrafo único da Resolução CONSU 13/1998); 4. a garantia de atendimento limitado às primeiras doze horas, ou até que ocorra a necessidade de internação, nos casos em que houver acordo de Cobertura Parcial Temporária e que resultem na necessidade de eventos cirúrgicos, leitos de alta tecnologia e procedimentos de alta complexidade relacionados às Doenças e Lesões Preexistentes (artigo 6º da Resolução CONSU 13/1998); 5. a garantia de atendimento limitado às primeiras doze horas, ou até que ocorra a necessidade de internação, nos casos em que o atendimento de urgência e emergência for efetuado no decorrer dos períodos de carência para internação; 6. o contrato deve dispor, ainda, que haverá: a) garantia de remoção para unidade de atendimento da rede do plano, depois de realizados os atendimentos classificados como urgência e emergência, quando caracterizada, pelo médico assistente, a falta de recursos oferecidos pela unidade para continuidade da atenção ao paciente;

16 b) garantia de remoção para unidade do SUS, depois de realizados os procedimentos caracterizados como urgência e emergência, nos casos do consumidor estar cumprindo período de carência para internação; c) garantia de remoção para unidade do SUS, depois de realizados os atendimentos de urgência e emergência, nos casos em que houver acordo de Cobertura Parcial Temporária e que resultem na necessidade de eventos cirúrgicos, leitos de alta tecnologia e procedimentos de alta complexidade relacionados às Doenças e Lesões Preexistentes. D) Nos planos da segmentação referência, o contrato deve dispor sobre: 1. a garantia de cobertura integral, ambulatorial e hospitalar para urgência e emergência (artigo 5º da Resolução CONSU 13/1998); 2. a garantia de atendimento limitado às primeiras doze horas, ou até que ocorra a necessidade de internação, nos casos em que houver acordo de Cobertura Parcial Temporária e que resultem na necessidade de eventos cirúrgicos, leitos de alta tecnologia e procedimentos de alta complexidade relacionados às Doenças e Lesões Preexistentes (artigo 6º da Resolução CONSU 13/1998); 3. o contrato deve dispor, ainda, que haverá: a) garantia de remoção para unidade de atendimento da rede do plano, depois de realizados os atendimentos classificados como urgência e emergência, quando caracterizada, pelo médico assistente, a falta de recursos oferecidos pela unidade para continuidade de atenção ao paciente; b) garantia de remoção para unidade do SUS, depois de realizados os procedimentos caracterizados como urgência e emergência, nos casos em que houver acordo de Cobertura Parcial Temporária e que resultem na necessidade de eventos cirúrgicos, leitos de alta tecnologia e procedimentos de alta complexidade relacionados às Doenças e Lesões Preexistentes. E) Nos planos com segmentação odontológica, o contrato deve dispor sobre: 1. a garantia de cobertura para atendimentos de urgência e emergência citando nominalmente todos os procedimentos de urgência e emergência e definições constantes no Rol de Procedimentos Odontológicos. F) Em planos de todas as segmentações, o contrato deve dispor sobre: 1. a garantia do reembolso, nos casos de urgência e emergência, quando não for possível a utilização dos serviços próprios ou contratualizados, dentro da área geográfica de abrangência e atuação do plano (artigo 12, VI, da Lei 9656/1998); 2. a garantia de que o valor do reembolso nas urgências e emergências não seja inferior ao valor praticado pela operadora junto à rede de prestadores do respectivo plano (artigo 12, VI, da Lei 9656/1998); 3. a relação dos documentos necessários para o reembolso, assegurando que o seu pagamento será efetuado em até trinta dias da entrega destes documentos;

17 4. o prazo de prescrição para o beneficiário apresentar os documentos, observando o mínimo de um ano (Código Civil 2002). G) O contrato deve dispor sobre as seguintes regras no caso de remoção para uma unidade do SUS: 1. quando não possa haver remoção por risco de vida, o contratante e o prestador o atendimento deverão negociar entre si a responsabilidade financeira da continuidade da assistência, desobrigando-se, assim, a operadora, desse ônus; 2. caberá à operadora o ônus e a responsabilidade da remoção do paciente para uma unidade do SUS que disponha dos recursos necessários a garantir a continuidade do atendimento; 3. na remoção, a operadora deverá disponibilizar ambulância com os recursos necessários a garantir a manutenção da vida, só cessando sua responsabilidade sobre o paciente quando efetuado o registro na unidade SUS; 4. quando o paciente ou seus responsáveis optarem, mediante assinatura de termo de responsabilidade, pela continuidade do atendimento em unidade diferente daquela definida no item 2, a operadora estará desobrigada da responsabilidade médica e do ônus financeiro da remoção. Tema IX - ACESSO A LIVRE ESCOLHA DE PRESTADORES Os contratos de planos de saúde que permitem acesso a livre escolha de prestadores devem: A) Indicar as coberturas que o consumidor poderá utilizar no sistema de acesso a livre escolha de prestadores não participantes da rede assistencial, própria ou contratualizada, na forma do item 9 do Anexo II da RN 100/2005 e conforme cadastrado na ANS. B) Conter cláusula clara com todas as informações necessárias para que o próprio consumidor possa calcular o quanto receberá de reembolso. Deste modo, a operadora deve trazer, conforme o caso; fórmula, juntamente com as descrições de seus componentes tais como: múltiplo de reembolso, unidade de reembolso, textos explicativos a respeito do modo de efetivação do cálculo etc. C) A tabela utilizada para o cálculo do valor de reembolso deve ser amplamente divulgada pela operadora, para tanto deverá indicar no contrato: 1. além do registro em cartório, pelo menos mais dois meios de divulgação da tabela, dentre os seguintes: acesso à tabela no sítio da operadora na internet; disponibilização da tabela na sede da contratante em planos coletivos, para consulta dos beneficiários; disponibilização da tabela na sede da operadora, para consulta dos beneficiários; 2. os meios de esclarecimento desta tabela, por exemplo, através de atendimento por telefone ao consumidor; 3. para melhor compreensão dos beneficiários, a operadora poderá ainda estabelecer em seu contrato uma tabela exemplificativa com os valores dos procedimentos mais utilizados.

18 D) Dispor que o valor de reembolso das despesas médicas provenientes do sistema de livre escolha não será inferior ao praticado diretamente na rede credenciada ou referenciada (inciso IX, artigo 2º, Resolução CONSU 08/1998, acrescentado pelo inciso V, artigo 1º, da Resolução CONSU 15/1998). E) Estipular prazo de reembolso, observando o prazo máximo de 30 dias após a entrega da documentação adequada (aplicação por analogia do inciso VI, artigo 12, da Lei 9656/1998). F) Informar como ocorrem os reajustes dos valores de reembolso ou da unidade de serviço, conforme o tipo de tabela utilizado pela operadora. G) É vedado o reembolso diferenciado por prestador, uma vez que tal prática restringe a livre escolha de prestadores. Tema X - MECANISMOS DE REGULAÇÃO Os contratos de planos de saúde devem: A) Definir as medidas de gerenciamento para regular a demanda de utilização dos serviços de saúde, observados os preceitos legais, em especial a regulamentação da Lei 9656/1998 e a Resolução CONSU 8/1998. B) Especificar os mecanismos de Porta de Entrada e Direcionamento, se houver, indicando as regras para o acesso e atendimento. C) Especificar, nos casos de co-participação e/ou franquia, na forma dos sub-itens 1 e 2, do item 10 do Anexo II da RN 100/2005, os eventos a que se aplicam e o seu valor monetário ou percentual, observando os limites máximos estabelecidos em normativo vigente. D) Estabelecer os valores prefixados de co-participação e/ou franquia nos casos de internação em planos hospitalares que não poderão ser indexados a procedimentos e/ou patologias. Somente para internações em transtornos psiquiátricos a co-participação poderá ser especificada em percentual (artigo 2º, VIII, e artigo 4º, VII da Resolução CONSU 8/1998). E) Especificar as condições de atendimento do beneficiário junto à rede de prestadores, contemplando as condições de habilitação, as formas de acesso aos serviços dos diversos tipos e aqueles procedimentos que requerem autorização prévia. F) Nos procedimentos que exigem autorização prévia, informar a rotina para a sua obtenção e que a resposta à solicitação de autorização prévia do procedimento será dada, no prazo máximo de um dia útil, a partir do momento da solicitação, ou em prazo inferior, quando caracterizada a urgência (artigo 4º, IV, da Resolução CONSU 8/1998). G) Informar que os serviços diagnósticos, tratamentos e demais procedimentos ambulatoriais podem ser solicitados pelo médico assistente ou cirurgião-dentista, não podendo haver restrição aos não pertencentes à rede própria ou contratualizada da operadora referenciados/cooperados/credenciados (artigo 12, I, "b" e artigo 2º, VI, da Resolução CONSU 8/1998 Súmula da Diretoria Colegiada da ANS 11/2007).

19 H) Informar os meios de divulgação da rede de prestadores de serviços (impresso, telefônico ou eletrônico). I) Definir que eventual alteração na rede hospitalar observará o disposto no artigo 17 e parágrafos, da Lei 9656/1998, com a comunicação prévia nos casos de substituição de rede hospitalar ou autorização da ANS nos casos de redimensionamento por redução de rede hospitalar. J) Indicar, quando houver, orientações diferenciadas para determinados procedimentos (ex: transplantes de rim e córnea e transtornos psiquiátricos). K) Dispor sobre a junta médica para definição de impasses em casos de divergências médicas ou odontológicas, na forma do artigo 4º, V, da Resolução CONSU 8/1998. Tema XI FORMAÇÃO DO PREÇO E MENSALIDADE Os contratos de planos de saúde devem: A) Definir a forma de se estabelecer os valores a serem pagos pela cobertura assistencial contratada conforme item 11 do Anexo II da RN 100/2005, alterado pela RN 144/2007, ou seja, pré ou pós-estabelecido na forma de custo operacional ou rateio. (Observação: apenas os planos odontológicos podem utilizar a forma de pagamento misto, na forma da RN 59/2003). B) Definir as obrigações do contratante relativas ao pagamento da mensalidade. C) Nos planos coletivos empresariais, o contrato deve dispor claramente que o pagamento total será feito pela pessoa jurídica contratante, sendo de sua exclusiva responsabilidade, ressalvadas as hipóteses dos artigos 30 e 31 da Lei 9656/1998, as operadoras na modalidade de autogestão ou entes da administração pública direta ou indireta (artigo 8º da RN 195/2009, alterada pela RN 200/2009). D) Nos planos coletivos por adesão, o contrato deve: 1. dispor claramente que o pagamento das contraprestações pecuniárias dos beneficiários à operadora será de responsabilidade da pessoa jurídica contratante, ressalvadas as hipóteses previstas nos artigos 30 e 31 da Lei 9656/1998, e as operadoras na modalidade de autogestão (artigo 13 da RN 195/2009, alterada pela RN 200/2009); 2. conter cláusula específica que discipline os casos de inadimplemento por parte dos beneficiários com a pessoa jurídica contratante, quando houver, bem como as condições e prazos de pagamento (artigo 15 da RN 195/2009, alterada pela RN 200/2009). E) Dispor sobre as conseqüências da mora, se houver, no pagamento da mensalidade, limitadas ao percentual de juros de 1% ao mês (0,033 ao dia) e à multa de 2% sobre o valor do débito em atraso. F) As operadoras classificadas como autogestões, deverão especificar o critério e a forma de participação financeira dos beneficiários que contribuem para o custeio do plano, bem como a participação financeira do patrocinador, conforme disposto no artigo 14, I e II, da RN 137/2006, alterada pela RN 148/2007.

20 G) Nos produtos coletivos por custo operacional, esclarecer como se dará o pagamento das despesas assistenciais (RN 100/2005, Anexo II, item 11). Especificar a participação da contratante e do beneficiário no custeio do plano, ressaltando que é vedado o repasse integral aos beneficiários pelo contratante/estipulante (Súmula da Diretoria Colegiada da ANS 9/2005). H) Não poderá haver distinção quanto ao valor da contraprestação pecuniária entre os beneficiários que vierem a ser incluídos no contrato e aqueles a este já vinculados (artigo 21 da RN 195/2009, alterada pela RN 200/2009). Tema XII - REAJUSTE A) Nos contratos de planos médico-hospitalares individuais e familiares, definir que o reajuste ocorrerá anualmente, a partir da data de aniversário do contrato (artigo 9º RN 171/2008) e observará o índice autorizado pela ANS (artigos 2º e 8º da RN 171/2008). B) Nos contratos de planos médico-hospitalares coletivos com formação de preço préestabelecido, definir os critérios de reajuste das contraprestações e a comunicação deste reajuste a ANS (artigos 13, 14 e 15 da RN 171/2008). C) Nos contratos de planos exclusivamente odontológicos individuais e familiares, eleger um índice de preços divulgado por instituição externa (artigo 2º da RN 172/2008). D) Nos contratos de planos exclusivamente odontológicos coletivos com formação de preço pré-estabelecido, definir os critérios de reajuste das contraprestações e a comunicação deste reajuste à ANS (artigo 14, 15 e 16 da RN 172/2008). E) Os contratos de planos exclusivamente odontológicos em regime de pagamento misto, além de observar o disposto para os planos com formação de preço pré-estabelecido, deverão: 1. informar as condições e periodicidade de atualização da tabela de preços dos procedimentos sujeitos a pós-pagamento, a qual deverá integrar o contrato (artigo 3º da RN 59/2003); 2. deixar claro que as atualizações da tabela serão incorporadas ao contrato a título de aditamento pré-consentido, estabelecido no instrumento inicial, e serão enviadas aos titulares do contrato (parágrafo único, artigo 3º, da RN 59/2003). F) Nos planos com formação de preço pós-estabelecido, custo operacional e rateio, não há reajuste de mensalidade, não havendo obrigação de enviar comunicado a ANS, entretanto a operadora deverá esclarecer como se dará o reajuste da tabela praticada entre a operadora e prestadores de sua rede e com que periodicidade. G) Os contratos de planos coletivos devem ainda prever as seguintes regras para aplicação de reajuste, considerado como qualquer variação positiva na contraprestação pecuniária, inclusive quando decorrente de revisão ou reequilíbrio econômico-atuarial do contrato (artigo 19, 1º, da RN 195/2009, alterada pela RN 200/2009): 1. nenhum contrato poderá receber reajuste em periodicidade inferior a 12 meses, ressalvadas as variações do valor da contraprestação pecuniária em razão de mudança de faixa etária, migração e adaptação do contrato à Lei 9656/98 (artigo 19, da RN 195/2009, alterada pela RN 200/2009);

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 262, DE 1 DE AGOSTO DE 2011.

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 262, DE 1 DE AGOSTO DE 2011. RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 262, DE 1 DE AGOSTO DE 2011. Atualiza o Rol de Procedimentos e Eventos em Saúde previstos na RN nº 211, de 11 de janeiro de 2010. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA CONTRATAÇÃO DE PLANO DE SAÚDE COLETIVO POR ADESÃO. Edição: 25/02/14

MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA CONTRATAÇÃO DE PLANO DE SAÚDE COLETIVO POR ADESÃO. Edição: 25/02/14 MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA CONTRATAÇÃO DE PLANO DE SAÚDE COLETIVO POR ADESÃO Edição: 25/02/14 Direito de migrar para plano individual ou familiar aproveitando carência do plano coletivo empresarial Os beneficiários

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 167, DE 9 DE JANEIRO DE 2008.

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 167, DE 9 DE JANEIRO DE 2008. RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 167, DE 9 DE JANEIRO DE 2008. Atualiza o Rol de Procedimentos e Eventos em Saúde, que constitui a referência básica para cobertura assistencial nos planos privados de assistência

Leia mais

Diário Oficial Imprensa Nacional... Nº 7 DOU de 10/01/08

Diário Oficial Imprensa Nacional... Nº 7 DOU de 10/01/08 Diário Oficial Imprensa Nacional... Nº 7 DOU de 10/01/08 REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL BRASÍLIA - DF AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR RESOLUÇÃO NORMATIVA No- 167, DE 9 DE JANEIRO DE

Leia mais

A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Saúde Suplementar - ANS, tendo

A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Saúde Suplementar - ANS, tendo Minuta de Resolução Normativa RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº XXX, DE 0XX DE XXXXXXXXX DE 2007. Atualiza o Rol de Procedimentos que constitui a referência básica para cobertura assistencial nos planos privados

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA CONTRATAÇÃO DE PLANOS DE SAÚDE DIFERENÇAS ENTRE PLANOS INDIVIDUAIS E COLETIVOS

MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA CONTRATAÇÃO DE PLANOS DE SAÚDE DIFERENÇAS ENTRE PLANOS INDIVIDUAIS E COLETIVOS Operadora: ELOSAÚDE - CNPJ: 11.593.821/0001-03 03 - N ANS: 41729-7 - Site: www.elosaude.com.br - Tel.: (48) 3298-5555 MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA CONTRATAÇÃO DE PLANOS DE SAÚDE DIFERENÇAS ENTRE PLANOS INDIVIDUAIS

Leia mais

Manual de Orientação para contratação de Plano de Saúde

Manual de Orientação para contratação de Plano de Saúde Operadora: Allianz Saúde CNPJ: 04.439.627/0001-0 Nº de registro na ANS: 00051-5 Nº de registro do produto: conforme contratado pelo estipulante Site: www.allianz.com.br Telefone: 0800 7228148 Manual de

Leia mais

Manual de Orientação para Contratação de Planos de Saúde

Manual de Orientação para Contratação de Planos de Saúde Operadora: Unimed Curitiba Sociedade Cooperativa de Médicos CNPJ: 75.055.772/0001-20 Nº de registro na ANS: 30470-1 Site: http://www.unimedcuritiba.com.br Tel:(41) 3019-2000 Exclusivo para liberações de

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA CONTRATAÇÃO DE PLANOS DE SAÚDE.

MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA CONTRATAÇÃO DE PLANOS DE SAÚDE. MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA CONTRATAÇÃO DE PLANOS DE SAÚDE. Operadora: Unimed Campo Grande MS Cooperativa de Trabalho Médico. CNPJ: 03.315.918/0001-18 Nº de registro na ANS: 312851 Site: http://www.unimedcg.com.br

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA RN Nº XXXXX, DE XX DE XXXXXX DE 2008.

RESOLUÇÃO NORMATIVA RN Nº XXXXX, DE XX DE XXXXXX DE 2008. RESOLUÇÃO NORMATIVA RN Nº XXXXX, DE XX DE XXXXXX DE 2008. Dispõe sobre a classificação e características dos planos privados de assistência à saúde, regulamenta a sua contratação, institui a orientação

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO

MANUAL DE ORIENTAÇÃO MANUAL DE ORIENTAÇÃO Operadora: GreenLine Sistema de Saúde - LTDA CNPJ: 61.849.980/0001-96 Nº de Registro na ANS: 32.507-4 Site: http://www.greenlinesaude.com.br Tel: 0800-776 - 7676 Manual de Orientação

Leia mais

COBERTURA ASSISTENCIAL - INFORMAÇÕES INDISPENSÁVEIS AO CONSUMIDOR -

COBERTURA ASSISTENCIAL - INFORMAÇÕES INDISPENSÁVEIS AO CONSUMIDOR - COBERTURA ASSISTENCIAL - INFORMAÇÕES INDISPENSÁVEIS AO CONSUMIDOR - A cobertura assistencial é um conjunto de direitos a que o consumidor faz jus ao contratar um plano de saúde. A extensão da cobertura

Leia mais

Cobertura assistencial PLANOS DE SAÚDE CONHEÇA SEUS DIREITOS. Contratos. Tipos de plano. Coberturas obrigatórias. Planos novos e adaptados SÉRIE

Cobertura assistencial PLANOS DE SAÚDE CONHEÇA SEUS DIREITOS. Contratos. Tipos de plano. Coberturas obrigatórias. Planos novos e adaptados SÉRIE Cobertura assistencial Contratos Tipos de plano Coberturas obrigatórias Planos novos e adaptados SÉRIE PLANOS DE SAÚDE CONHEÇA SEUS DIREITOS Cobertura assistencial SÉRIE PLANOS DE SAÚDE CONHEÇA SEUS DIREITOS

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA RN Nº 195, DE 14 DE JULHO DE 2009.

RESOLUÇÃO NORMATIVA RN Nº 195, DE 14 DE JULHO DE 2009. RESOLUÇÃO NORMATIVA RN Nº 195, DE 14 DE JULHO DE 2009. Dispõe sobre a classificação e características dos planos privados de assistência à saúde, regulamenta a sua contratação, institui a orientação para

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA RN Nº 195, DE 2009.

RESOLUÇÃO NORMATIVA RN Nº 195, DE 2009. RESOLUÇÃO NORMATIVA RN Nº 195, DE 2009. Dispõe sobre a classificação e características dos planos privados de assistência à saúde, regulamenta a sua contratação, institui a orientação para contratação

Leia mais

ANEXO I CARACTERÍSTICAS GERAIS PARA INSTRUMENTOS JURÍDICOS A SEREM FORMALIZADOS COM BENEFICIÁRIOS DE PLANOS DE SAÚDE

ANEXO I CARACTERÍSTICAS GERAIS PARA INSTRUMENTOS JURÍDICOS A SEREM FORMALIZADOS COM BENEFICIÁRIOS DE PLANOS DE SAÚDE ANEXO I CARACTERÍSTICAS GERAIS PARA INSTRUMENTOS JURÍDICOS A SEREM FORMALIZADOS COM BENEFICIÁRIOS DE PLANOS DE SAÚDE Os instrumentos jurídicos (contrato, regulamento ou outra forma) que formalizem a relação

Leia mais

CAPÍTULO I - DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

CAPÍTULO I - DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Ministério da Saúde ANS Resolução Normativa RN Nº. 279, de 24.11.2011: Dispõe sobre a regulamentação dos artigos 30 e 31 da Lei nº 9.656, de 3 de junho de 1998, e revoga as Resoluções do CONSU Nº. 20 e

Leia mais

Com 30 participantes ou mais

Com 30 participantes ou mais MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA CONTRATAÇÃO DE PLANOS DE SAÚDE CUNHA ODONTOLOGIA S/S LTDA CNPJ n : 06.216.938/0001-20 N de registro na ANS: 41695-9 Site: www.cunhaodontologia.com.br Tel: Serviços: (62) 3945.5673

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº - 262, DE 1º - DE AGOSTO DE 2011

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº - 262, DE 1º - DE AGOSTO DE 2011 RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº - 262, DE 1º - DE AGOSTO DE 2011 Atualiza o Rol de Procedimentos e Eventos em Saúde previstos na RN nº 211, de 11 de janeiro de 2010. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional

Leia mais

Art. 2º - Para fins de contratação, os planos privados de assistência à saúde classificam-se em:

Art. 2º - Para fins de contratação, os planos privados de assistência à saúde classificam-se em: RESOLUÇÃO NORMATIVA RN Nº 195, DE 14 DE JULHO DE 2009. Dispõe sobre a classificação e características dos planos privados de assistência à saúde, regulamenta a sua contratação, institui a orientação para

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 279 DE 24 DE NOVEMBRO DE 2011

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 279 DE 24 DE NOVEMBRO DE 2011 RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 279 DE 24 DE NOVEMBRO DE 2011 Dispõe sobre a regulamentação dos artigos 30 e 31 da Lei nº 9.656, de 3 de junho de 1998, e revoga as Resoluções do CONSU nºs 20 e 21, de 7 de

Leia mais

Seção II Das Definições

Seção II Das Definições RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 310, DE 30 DE OUTUBRO DE 2012 Dispõe sobre os princípios para a oferta de contrato acessório de medicação de uso domiciliar pelas operadoras de planos de assistência à saúde.

Leia mais

Módulo Ambulatorial+Hospitalar +Obstetrícia PREZADO ASSOCIADO

Módulo Ambulatorial+Hospitalar +Obstetrícia PREZADO ASSOCIADO Tabela Comercial UNIFAMÍLIA EMPRESARIAL POR ADESÃO COPARTICIPATIVO 50% Módulo Ambulatorial+Hospitalar +Obstetrícia Cobertura de consultas médicas de pré-natal, exames complementares bem como atendimentos

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA BÁSICO DE PLANO DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE (Anexo da Portaria Normativa SRH/MP nº 01, de 27 de dezembro de 2007)

TERMO DE REFERÊNCIA BÁSICO DE PLANO DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE (Anexo da Portaria Normativa SRH/MP nº 01, de 27 de dezembro de 2007) TERMO DE REFERÊNCIA BÁSICO DE PLANO DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE (Anexo da Portaria Normativa SRH/MP nº 01, de 27 de dezembro de 2007) 1. OBJETO 1.1. O presente instrumento tem por objeto regular o plano de

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA REGULAÇÃO E DA CONTRATUALIZAÇÃO EM SAÚDE SUPLEMENTAR. Comissão Nacional de Convênios e Credenciamentos (CNCC)

A IMPORTÂNCIA DA REGULAÇÃO E DA CONTRATUALIZAÇÃO EM SAÚDE SUPLEMENTAR. Comissão Nacional de Convênios e Credenciamentos (CNCC) 1 A IMPORTÂNCIA DA REGULAÇÃO E DA CONTRATUALIZAÇÃO EM SAÚDE SUPLEMENTAR 2 CONCEITOS 3 SAÚDE SUPLEMENTAR: atividade que envolve a operação de planos privados de assistência à saúde sob regulação do Poder

Leia mais

www.santahelenasuade.com.brmecanismos de

www.santahelenasuade.com.brmecanismos de 1 www.santahelenasuade.com.brmecanismos de Regulação 2 A CONTRATADA colocará à disposição dos beneficiários do Plano Privado de Assistência à Saúde, a que alude o Contrato, para a cobertura assistencial

Leia mais

Manual de Orientação para contratação de planos de saúde

Manual de Orientação para contratação de planos de saúde Manual de Orientação para contratação de planos de saúde nós somos a casembrapa Funcionamento de um plano de autogestão: Somos uma operadora de saúde de autogestão. Uma entidade sem fins lucrativos, mantida

Leia mais

Manual de Orientação para Contratação de Plano de Saúde

Manual de Orientação para Contratação de Plano de Saúde Manual de Orientação para Contratação de Plano de Saúde Manual de Orientação para Contratação de Plano de Saúde Operadora: Prodent Assistência Odontológica Ltda CNPJ: 61.590.816/0001-07 N de registro na

Leia mais

Guia Prático. do seu PLANO DE SAÚDE. Rio

Guia Prático. do seu PLANO DE SAÚDE. Rio Guia Prático do seu PLANO DE SAÚDE Rio Bem -vindo à ALIANÇA ADMINISTRADORA! Sumário Informações Importantes...3 Guia de Leitura Contratual...6 Manual de Orientação para Contratação de Plano de Saúde...8

Leia mais

GUIA DE CONTRATAÇÃO DE PLANOS ODONTOLÓGICOS

GUIA DE CONTRATAÇÃO DE PLANOS ODONTOLÓGICOS GUIA DE CONTRATAÇÃO DE PLANOS ODONTOLÓGICOS GUIA DE CONTRATAÇÃO DE PLANOS ODONTOLÓGICOS 2 Diferenças entre planos individuais e coletivos: Os planos com contratação individual ou familiar são aqueles contratados

Leia mais

SAÚDE PAS MEDICINA & ODONTO Plano COMPLETO

SAÚDE PAS MEDICINA & ODONTO Plano COMPLETO Registro ANS: 40924-3 C.N.P.J: 03.424.929/0001-36 Razão Social: SAÚDE PAS MEDICINA E ODONTO Plano: COMPLETO Contratação: Coletivo por Adesão Abrangência Geográfica: Estadual Segmentação Assistencial: Ambulatorial

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA RN Nº 195, DE 14 DE JULHO DE 2009.

RESOLUÇÃO NORMATIVA RN Nº 195, DE 14 DE JULHO DE 2009. RESOLUÇÃO NORMATIVA RN Nº 195, DE 14 DE JULHO DE 2009. Dispõe sobre a classificação e características dos planos privados de assistência à saúde, regulamenta a sua contratação, institui a orientação para

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN N 259, DE 17 DE JUNHO DE 2011

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN N 259, DE 17 DE JUNHO DE 2011 RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN N 259, DE 17 DE JUNHO DE 2011 Dispõe sobre a garantia de atendimento dos beneficiários de plano privado de assistência à saúde e altera a Instrução Normativa IN nº 23, de 1º de

Leia mais

CONTRATO INDIVIDUAL / FAMILIAR PRATA

CONTRATO INDIVIDUAL / FAMILIAR PRATA CONTRATO INDIVIDUAL / FAMILIAR PRATA CONTRATO INDIVIDUAL / FAMILIAR PRATA DIFERENÇAS DOS TIPOS DE CONTRATATAÇÃO (Redação dada pela RN nº 379, de 01/06/2015) Planos individuais ou familiares: São aqueles

Leia mais

Manual de Orientação para contratação de planos de saúde

Manual de Orientação para contratação de planos de saúde Manual de Orientação para contratação de planos de saúde nós somos a casembrapa Somos uma operadora de saúde de autogestão. Uma entidade sem fins lucrativos, mantida com recursos dos associados e da patrocinadora

Leia mais

COBERTURAS E CARÊNCIAS:

COBERTURAS E CARÊNCIAS: PLANO REGIONAL E LOCAL UNIVERSITARIO PESSOA FÍSICA Lei 9656/98 ANS Beneficiários que residem em Guaratinguetá, Aparecida, Cunha ou Potim Definições: Unimed: Cooperativa de Trabalho Médico, regida pela

Leia mais

Atualizado em JANEIRO/2009 Informações e tabelas de preços cedidas pela UNIMED Guarapuava

Atualizado em JANEIRO/2009 Informações e tabelas de preços cedidas pela UNIMED Guarapuava A Unimed Guarapuava, tem por objetivo, oferecer sempre as melhores opções, com produtos que supram a necessidade de nossos clientes, garantindo-lhes inúmeras vantagens como: cobertura mais ampla, profissionais

Leia mais

ADITIVO CONTRATUAL DE MANUTENÇÃO DE SEGURADOS DEMITIDOS OU APOSENTADOS

ADITIVO CONTRATUAL DE MANUTENÇÃO DE SEGURADOS DEMITIDOS OU APOSENTADOS ADITIVO CONTRATUAL DE MANUTENÇÃO DE SEGURADOS DEMITIDOS OU APOSENTADOS Este aditivo é parte integrante do Seguro Saúde contratado pelo Estipulante abaixo indicado, bem como de suas Condições Gerais. Número

Leia mais

4 1 v o N T K M IDEAL I Apartamento

4 1 v o N T K M IDEAL I Apartamento IDEAL I Apartamento MKT Nov 14 Instrumento de Assistência à Saúde IDEAL I - Apartamento MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA CONTRATAÇÃO DE PLANOS DE SAÚDE Centro Trasmontano de São Paulo CNPJ: 62.638.374/0001-94

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 254, DE 5 DE MAIO DE 2011

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 254, DE 5 DE MAIO DE 2011 RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 254, DE 5 DE MAIO DE 2011 Dispõe sobre a adaptação e migração para os contratos celebrados até 1º de janeiro de 1999 e altera as Resoluções Normativas nº 63, de 22 de dezembro

Leia mais

Associação Unisaúde Marau MANUAL DO USUÁRIO. Manual do Usuário

Associação Unisaúde Marau MANUAL DO USUÁRIO. Manual do Usuário Associação Unisaúde Marau MANUAL DO USUÁRIO Manual do Usuário MANUAL DO USUÁRIO SUMÁRIO. QUALIFICAÇÃO DA OPERADORA DE PLANO DE SAÚDE... 3 2. CARACTERÍSTICAS DO PLANO... 3 2.. Objetivo... 3 2.2. Nome comercial

Leia mais

SULAMÉRICA TRT 2ª REGIÃO / SP

SULAMÉRICA TRT 2ª REGIÃO / SP SULAMÉRICA TRT 2ª REGIÃO / SP 1. OBJETO: 1.1. A presente proposta tem por objeto disponibilizar seguros saúde da Sul América Seguros Saúde S.A., operadora registrada na Agência Nacional de Saúde Suplementar

Leia mais

Tira dúvidas Planos de Saúde

Tira dúvidas Planos de Saúde Tira dúvidas Planos de Saúde TEMAS Saúde Suplementar Embora o direito à saúde seja um dever constitucional, o Estado permite à iniciativa privada a prestação de serviços de assistência à saúde. Os serviços

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO AMIL

MANUAL DE UTILIZAÇÃO AMIL MANUAL DE UTILIZAÇÃO AMIL Preocupada com a qualidade do benefício mais nobre que uma empresa pode oferecer aos seus funcionários, a CULTURA INGLESA renovou com a AMIL a parceria que dura mais de 17 anos.

Leia mais

Apresentação. Prezado beneficiário,

Apresentação. Prezado beneficiário, LANOIII Apresentação Prezado beneficiário, Visando dar continuidade à prestação dos melhores serviços em saúde e promover uma melhor qualidade de vida ao beneficiário, a CompesaPrev apresenta o CompesaSaúde

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 211, DE 11 DE JANEIRO DE 2010.

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 211, DE 11 DE JANEIRO DE 2010. RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 211, DE 11 DE JANEIRO DE 2010. Atualiza o Rol de Procedimentos e Eventos em Saúde, que constitui a referência básica para cobertura assistencial mínima nos planos privados de

Leia mais

Dados do Titular: Adesão ( ), Inclusão ( ), Alteração ( ), Exclusão ( ). Nome: Mãe: Endereço Bairro: Cidade: UF: CEP:

Dados do Titular: Adesão ( ), Inclusão ( ), Alteração ( ), Exclusão ( ). Nome: Mãe: Endereço Bairro: Cidade: UF: CEP: Requerimento de: Adesão ( ), Inclusão ( ), Alteração ( ), Exclusão ( ). Plano: Padrão ( ) ou Especial ( ) Código MT - SAUDE: Titular ( ), Dependente ( ), Agregados ( ) Dados do Titular: Adesão ( ), Inclusão

Leia mais

1. Tipos de contratação: QUE TIPO DE PLANO DE SAÚDE VOCÊ PODE TER?

1. Tipos de contratação: QUE TIPO DE PLANO DE SAÚDE VOCÊ PODE TER? FIQUE ATENTO! A operadora é obrigada a divulgar os planos de saúde que comercializa em sua página na internet. 1. Tipos de contratação: QUE TIPO DE PLANO DE SAÚDE VOCÊ PODE TER? Individual ou Familiar

Leia mais

CAURJ CAIXA ASSISTENCIAL UNIVERSITÁRIA DO RIO DE JANEIRO REGULAMENTO APROVADO EM 27/04/2005 PLANO AMBULATORIAL

CAURJ CAIXA ASSISTENCIAL UNIVERSITÁRIA DO RIO DE JANEIRO REGULAMENTO APROVADO EM 27/04/2005 PLANO AMBULATORIAL CAURJ CAIXA ASSISTENCIAL UNIVERSITÁRIA DO RIO DE JANEIRO REGULAMENTO APROVADO EM 27/04/2005 PLANO AMBULATORIAL REGULAMENTO DO PLANO AMBULATORIAL DA CAURJ* (*ENTIDADE REGISTRADA SOB O Nº. 34.782 PLANO REGISTRADO

Leia mais

OPERADORAS DE SAÚDE. Mariana Braga Shoji Barbosa Enfermagem UNIFESP mariana_shoji@yahoo.com.br

OPERADORAS DE SAÚDE. Mariana Braga Shoji Barbosa Enfermagem UNIFESP mariana_shoji@yahoo.com.br OPERADORAS DE SAÚDE Mariana Braga Shoji Barbosa Enfermagem UNIFESP mariana_shoji@yahoo.com.br O que são Operadoras de saúde? O que são Operadoras de saúde? Operadora é a pessoa jurídica que opera ( administra,

Leia mais

CONTRATO DE OPERAÇÃO DE PLANO PRIVADO DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE - Plano Ambulatorial e Hospitalar Com Obstetrícia -

CONTRATO DE OPERAÇÃO DE PLANO PRIVADO DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE - Plano Ambulatorial e Hospitalar Com Obstetrícia - CONTRATO DE OPERAÇÃO DE PLANO PRIVADO DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE - Plano Ambulatorial e Hospitalar Com Obstetrícia - Registro da Operadora na ANS nº 36.656-1 SUPER BEM - INDIVIDUAL E/OU FAMILIAR Registro dos

Leia mais

CONTRATO INDIVIDUAL / FAMILIAR PRATA

CONTRATO INDIVIDUAL / FAMILIAR PRATA CONTRATO INDIVIDUAL / FAMILIAR PRATA CONTRATO INDIVIDUAL / FAMILIAR PRATA Solicite sempre os dados do representante responsável pela venda de seu plano, ele é um importante canal para tirar suas dúvidas

Leia mais

CONTRATO DE COBERTURA DE ASSISTÊNCIA MÉDICA E HOSPITALAR PESSOA JURÍDICA 011 L CLÁUSULAS ASSUNTO PÁGINA

CONTRATO DE COBERTURA DE ASSISTÊNCIA MÉDICA E HOSPITALAR PESSOA JURÍDICA 011 L CLÁUSULAS ASSUNTO PÁGINA CLÁUSULAS ASSUNTO PÁGINA 1 QUALIFICAÇÃO DA OPERADORA... 1 2 QUALIFICAÇÃO DA CONTRATANTE... 1 3 NOME COMERCIAL E NÚMERO DE REGISTRO DO PLANO NA ANS... 2 4 TIPO DE CONTRATAÇÃO... 3 5 SEGMENTAÇÃO ASSISTENCIAL

Leia mais

PROPOSTA DE PLANO DE SAÚDE ASSUFSM. Santa Maria, 06 de Junho de 2013.

PROPOSTA DE PLANO DE SAÚDE ASSUFSM. Santa Maria, 06 de Junho de 2013. PROPOSTA DE PLANO DE SAÚDE ASSUFSM Santa Maria, 06 de Junho de 2013. INTRODUÇÃO Trata-se de uma proposta de Plano de Saúde no sistema de pré-pagamento para atender os associados da ASSUFSM de Santa Maria/RS,

Leia mais

CONTRATO DE PLANO PRIVADO DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE SEGMENTAÇÃO: AMBULATORIAL + HOSPITALAR COM OBSTETRICIA CONTRATAÇÃO: COLETIVA EMPRESARIAL (PME)

CONTRATO DE PLANO PRIVADO DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE SEGMENTAÇÃO: AMBULATORIAL + HOSPITALAR COM OBSTETRICIA CONTRATAÇÃO: COLETIVA EMPRESARIAL (PME) CONTRATO DE PLANO PRIVADO DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE SEGMENTAÇÃO: AMBULATORIAL + HOSPITALAR COM OBSTETRICIA CONTRATAÇÃO: COLETIVA EMPRESARIAL (PME) NÚMERO DO REGISTRO DA OPERADORA NA AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE

Leia mais

CONTRATO DE PLANO PRIVADO DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE SEGMENTAÇÃO: AMBULATORIAL + HOSPITALAR COM OBSTETRICIA CONTRATAÇÃO: COLETIVA EMPRESARIAL (PME)

CONTRATO DE PLANO PRIVADO DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE SEGMENTAÇÃO: AMBULATORIAL + HOSPITALAR COM OBSTETRICIA CONTRATAÇÃO: COLETIVA EMPRESARIAL (PME) CONTRATO DE PLANO PRIVADO DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE SEGMENTAÇÃO: AMBULATORIAL + HOSPITALAR COM OBSTETRICIA CONTRATAÇÃO: COLETIVA EMPRESARIAL (PME) NÚMERO DO REGISTRO DA OPERADORA NA AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE

Leia mais

TERMO DE ADITAMENTO AO CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE PME ALTO TIETÊ - PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS

TERMO DE ADITAMENTO AO CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE PME ALTO TIETÊ - PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS JAN/10 TERMO DE ADITAMENTO AO CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE PME ALTO TIETÊ - PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS O presente aditamento é parte integrante do Contrato de Assistência Médica

Leia mais

CONTRATO COLETIVO EMPRESARIAL OURO

CONTRATO COLETIVO EMPRESARIAL OURO CONTRATO COLETIVO EMPRESARIAL OURO CONTRATO COLETIVO EMPRESARIAL OURO DIFERENÇAS DOS TIPOS DE CONTRATATAÇÃO (Redação dada pela RN nº 379, de 01/06/2015) Planos individuais ou familiares: São aqueles contratados

Leia mais

CARACTERÍSTICAS GERAIS DO CONTRATO QUALIFICAÇÃO DA OPERADORA

CARACTERÍSTICAS GERAIS DO CONTRATO QUALIFICAÇÃO DA OPERADORA Dados Gerais do plano de saúde contrato- 3009 Formação do Preço: Pré-Estabelecido Vínculo do Beneficiário: Sem vínculo empregatício Padrão de Acomodação: Privativa Fator Moderador: Sem coparticipação CARACTERÍSTICAS

Leia mais

CONTRATO DE COBERTURA DE ASSISTÊNCIA MÉDICA E HOSPITALAR PESSOA JURÍDICA 112A CLÁUSULAS ASSUNTO PÁGINA

CONTRATO DE COBERTURA DE ASSISTÊNCIA MÉDICA E HOSPITALAR PESSOA JURÍDICA 112A CLÁUSULAS ASSUNTO PÁGINA CLÁUSULAS ASSUNTO PÁGINA 1 QUALIFICAÇÃO DA OPERADORA.......................................... 1 2 QUALIFICAÇÃO DA CONTRATANTE......................................... 1 3 NOME COMERCIAL E NÚMERO DE REGISTRO

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAPELA DE SANTANA

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAPELA DE SANTANA ANEXO I CARACTERÍSITCAS DO OBJETO Objeto: Contratação de operadora de plano de assistência médico-hospitalar, compreendendo os serviços clínicos e cirúrgicos, ambulatoriais, internação clínica, cirúrgica

Leia mais

CONTRATO DE OPERAÇÃO DE PLANO PRIVADO DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE - Plano Ambulatorial e Hospitalar Com Obstetrícia Coparticipativo-

CONTRATO DE OPERAÇÃO DE PLANO PRIVADO DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE - Plano Ambulatorial e Hospitalar Com Obstetrícia Coparticipativo- CONTRATO DE OPERAÇÃO DE PLANO PRIVADO DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE - Plano Ambulatorial e Hospitalar Com Obstetrícia Coparticipativo- Registro da Operadora na ANS nº 36.656-1 BEM FÁCIL INDIVIDUAL E/OU FAMILIAR

Leia mais

PLANO DE SAÚDE. Tenha em mãos informações importantes. Guarde junto com o cartão do seu plano de saúde para consultar quando precisar

PLANO DE SAÚDE. Tenha em mãos informações importantes. Guarde junto com o cartão do seu plano de saúde para consultar quando precisar PLANO DE SAÚDE Tenha em mãos informações importantes Guarde junto com o cartão do seu plano de saúde para consultar quando precisar A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) é a agência reguladora

Leia mais

Associação Policial de Assistência à Saúde. Ministério da Saúde Diretoria de Normas e Habilitação de Produtos Sistema de Registro de Planos de Saúde

Associação Policial de Assistência à Saúde. Ministério da Saúde Diretoria de Normas e Habilitação de Produtos Sistema de Registro de Planos de Saúde A P A S M a r í l i a Associação Policial de Assistência à Saúde Rua. Rio Grande do Sul n.º 121 - Centro - Cep. 17.509.130 - Marília - SP. CNPJ.: 57.272.510/0001-35 Fone/Fax.: (014)3433-1313 e 3413-5040

Leia mais

Manual de Orientação para Contratação de Planos de Saúde

Manual de Orientação para Contratação de Planos de Saúde Direito de migrar para plano individual ou familiar aproveitando carência do plano coletivo empresarial Os beneficiários dos planos coletivos empresariais que tiverem o benefício de plano de saúde extinto,

Leia mais

CONTRATO DE COBERTURA DE ASSISTÊNCIA MÉDICA E HOSPITALAR PESSOA JURÍDICA 110A CLÁUSULAS ASSUNTO PÁGINA

CONTRATO DE COBERTURA DE ASSISTÊNCIA MÉDICA E HOSPITALAR PESSOA JURÍDICA 110A CLÁUSULAS ASSUNTO PÁGINA CLÁUSULAS ASSUNTO PÁGINA 1 QUALIFICAÇÃO DA OPERADORA.......................................... 1 2 QUALIFICAÇÃO DA CONTRATANTE......................................... 1 3 NOME COMERCIAL E NÚMERO DE REGISTRO

Leia mais

PLANOS DE SAÚDE. O que é preciso saber?

PLANOS DE SAÚDE. O que é preciso saber? PLANOS DE SAÚDE O que é preciso saber? Queridos amigos, Estamos muito felizes por concluir a nossa segunda cartilha sobre direitos atrelados à saúde. Este trabalho nasceu com o propósito de levar informações

Leia mais

Modelo 5 COBERTURAS E PROCEDIMENTOS GARANTIDOS... 6 7 CARÊNCIAS...10 8 SAÚDE MENTAL...11 9 MENSALIDADES... 12 CLÁUSULA OBJETO PÁGINA

Modelo 5 COBERTURAS E PROCEDIMENTOS GARANTIDOS... 6 7 CARÊNCIAS...10 8 SAÚDE MENTAL...11 9 MENSALIDADES... 12 CLÁUSULA OBJETO PÁGINA CLÁUSULA OBJETO PÁGINA 1 2 PARTES INTEGRANTES / CONTRATAÇÃO...........................................1 OBJETO / ABRANGÊNCIA GEOGRÁFICA E ATUAÇÃO................................. 2 3 DEFINIÇÕES.....................................................................

Leia mais

Razão Social: ASSOCIAÇÃO DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE JOINVILLE I - QUALIFICAÇÃO DA OPERADORA

Razão Social: ASSOCIAÇÃO DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE JOINVILLE I - QUALIFICAÇÃO DA OPERADORA Registro ANS: 414913 C.N.P.J: 81.140.873/0001-00 Razão Social: ASSOCIAÇÃO DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE JOINVILLE Plano: Plano Básico 1 Registro: 459.883/09-1 Data de Registro:

Leia mais

APO PART I 464.503/11-1. Tipo de Segmentação Assistencial - As coberturas contratuais compreendem o tipo de segmentação assistencial Odontológico.

APO PART I 464.503/11-1. Tipo de Segmentação Assistencial - As coberturas contratuais compreendem o tipo de segmentação assistencial Odontológico. CONTRATO DE COBERTURA DE DESPESAS COM ASSISTÊNCIA À SAÚDE, que entre si fazem, de um lado, APO - ASSISTÊNCIA PERSONALIZADA ODONTOLÓGICA LTDA., com sede na cidade de Santana de Parnaíba, na Calçada Antares

Leia mais

Associação Policial de Assistência à Saúde. Ministério da Saúde Diretoria de Normas e Habilitação de Produtos Sistema de Registro de Planos de Saúde

Associação Policial de Assistência à Saúde. Ministério da Saúde Diretoria de Normas e Habilitação de Produtos Sistema de Registro de Planos de Saúde A P A S M a r í l i a Associação Policial de Assistência à Saúde Rua. Rio Grande do Sul n.º 121 - Centro - Cep. 17.509.130 - Marília - SP. CNPJ.: 57.272.510/0001-35 Fone/Fax.: (014)3433-1313 e 3413-5040

Leia mais

TERMO ADITIVO DE ADAPTAÇÃO DO CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS MÉDICOS E HOSPITALARES

TERMO ADITIVO DE ADAPTAÇÃO DO CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS MÉDICOS E HOSPITALARES TERMO ADITIVO DE ADAPTAÇÃO DO CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS MÉDICOS E HOSPITALARES QUALIFICAÇÃO DA OPERADORA a. Razão Social: UNIMED JOÃO PESSOA COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO b. CNPJ nº: 08.680.639/0001-77

Leia mais

Associação Policial de Assistência à Saúde

Associação Policial de Assistência à Saúde A P A S M a r í l i a Associação Policial de Assistência à Saúde Rua. Rio Grande do Sul n.º 121 - Centro - Cep. 17.509.130 - Marília - SP. CNPJ.: 57.272.510/0001-35 Fone/Fax.: (014)3433-1313 e 3413-5040

Leia mais

PORTO SEGURO SEGURO SAÚDE

PORTO SEGURO SEGURO SAÚDE Prezados Senhores, Em 25/11/2011, a Agência Nacional de Saúde Suplementar - ANS publicou a Resolução Normativa nº 279, a qual regulamenta os artigos 30 e 31 da Lei 9656/98, tendo revogado as Resoluções

Leia mais

Cartilha de Extensão de Benefício do. Beneficiários Contributários Demitidos. ou Exonerados Sem Justa Causa e/ou. Aposentados

Cartilha de Extensão de Benefício do. Beneficiários Contributários Demitidos. ou Exonerados Sem Justa Causa e/ou. Aposentados Cartilha de Extensão de Benefício do Seguro-saúde Empresarial aos Beneficiários Contributários Demitidos ou Exonerados Sem Justa Causa e/ou Aposentados Dezembro / 2013 Índice Introdução... 02 1. Definições...

Leia mais

CONTRATO UNIVALE REGIONAL PESSOA JURÍDICA

CONTRATO UNIVALE REGIONAL PESSOA JURÍDICA CONTRATO UNIVALE REGIONAL PESSOA JURÍDICA PLANO REGIONAL DE SAÚDE AMBULATORIAL/HOSPITALAR COM OBSTETRÍCIA Coletivo por Adesão EMPRESA: ASSUNIVASF 1 TÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO DAS PARTES SUBTÍTULO I QUALIFICAÇÃO

Leia mais

CONTRATO DE COBERTURA DE ASSISTÊNCIA MÉDICA E HOSPITALAR PESSOA FÍSICA 110A CLÁUSULAS ASSUNTO PÁGINA

CONTRATO DE COBERTURA DE ASSISTÊNCIA MÉDICA E HOSPITALAR PESSOA FÍSICA 110A CLÁUSULAS ASSUNTO PÁGINA CLÁUSULAS ASSUNTO PÁGINA 1 QUALIFICAÇÃO DA OPERADORA.......................................... 1 2 QUALIFICAÇÃO DA CONTRATANTE......................................... 1 3 NOME COMERCIAL E NÚMERO DE REGISTRO

Leia mais

Ministério da Saúde - Diretoria de Normas e Habilitação de RPS - Web - Sistema de Registro de Planos de

Ministério da Saúde - Diretoria de Normas e Habilitação de RPS - Web - Sistema de Registro de Planos de Registro Razão Social: Ministério da Saúde - Diretoria de Normas e Habilitação de RPS - Web - Sistema de Registro de Planos de Instrumento jurídico do Plano 41679-7 CNPJ: 04.686.687/0001-11 CLÍNICA ODONTOLÓGICA

Leia mais

ANEXO I CONDIÇÕES GERAIS PARA CONCESSÃO DA AUTORIZAÇÃO DE FUNCIONAMENTO ÀS PESSOAS JURÍDICAS PRETENDENTES

ANEXO I CONDIÇÕES GERAIS PARA CONCESSÃO DA AUTORIZAÇÃO DE FUNCIONAMENTO ÀS PESSOAS JURÍDICAS PRETENDENTES ANEXO I CONDIÇÕES GERAIS PARA CONCESSÃO DA AUTORIZAÇÃO DE FUNCIONAMENTO ÀS PESSOAS JURÍDICAS PRETENDENTES 1 - Para fins de registro da Operadora na ANS, as pessoas jurídicas que quiserem comercializar

Leia mais

VOCÊ JÁ CONHECE O PLANO DE SAÚDE DA UNIMED COM O SINTRAM?

VOCÊ JÁ CONHECE O PLANO DE SAÚDE DA UNIMED COM O SINTRAM? PLANO 6531 VOCÊ JÁ CONHECE O PLANO DE SAÚDE DA UNIMED COM O SINTRAM? É com satisfação que lhe apresentamos o UNIPAR 100. Um plano de saúde participativo, regulamentado pela Lei 9656/98, que garante ao

Leia mais

Primeira edição Guia do Consumidor de Planos de Saúde Coletivos

Primeira edição Guia do Consumidor de Planos de Saúde Coletivos Primeira edição Guia do Consumidor de Planos de Saúde Coletivos ASSOCIAÇÃO Temas A 04 Administradoras de Benefícios 10 Aposentados 16 Atrasos de Pagamento e Inadimplência B 18 Boletos C 20 Carências e

Leia mais

TERMO DE ADESÃO AO CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE ASSISTÊNCIA MÉDICA (UN005/0312-ANS Nº 39.332-1) CELEBRADO ENTRE O TI-Rio E A UNIMED-RIO EMPRESA ADERENTE

TERMO DE ADESÃO AO CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE ASSISTÊNCIA MÉDICA (UN005/0312-ANS Nº 39.332-1) CELEBRADO ENTRE O TI-Rio E A UNIMED-RIO EMPRESA ADERENTE TERMO DE ADESÃO AO CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE ASSISTÊNCIA MÉDICA (UN005/0312-ANS Nº 39.332-1) CELEBRADO ENTRE O TI-Rio E A UNIMED-RIO Razão Social CNPJ n Endereço EMPRESA ADERENTE Inscrição Municipal Código

Leia mais

http://www.ans.gov.br/portal/site/legislacao/legislacao_integra.asp?id=1974&id_original=0

http://www.ans.gov.br/portal/site/legislacao/legislacao_integra.asp?id=1974&id_original=0 Page 1 of 7 Consultas Pagamentos e Parcelamentos Programas Arquivos A ANS TRANSPARÊNCIA LEGISLAà ÃO Cà MARA DE SAÚDE SUPLEMENTAR EVENTOS ENTENDA O SETOR CONSULTAS Legislação RN/0211 BIBLIOTECA INFORMAÃ

Leia mais

Cartilha de Extensão de Benefício do Plano Empresarial aos Beneficiários.

Cartilha de Extensão de Benefício do Plano Empresarial aos Beneficiários. Cartilha de Extensão de Benefício do Plano Empresarial aos Beneficiários. Contributários demitidos ou exonerados sem justa causa e/ou aposentados. www.saolucassaude.com.br 01_ DIREITOS E DEVERES DO BENEFICIÁRIO

Leia mais

IV FÓRUM ÉTICO LEGAL EM ANÁLISES CLÍNICAS

IV FÓRUM ÉTICO LEGAL EM ANÁLISES CLÍNICAS IV FÓRUM ÉTICO LEGAL EM ANÁLISES CLÍNICAS Brasília, 08 de junho de 2010. Cumprimento de Contratos das Operadoras com os Laboratórios Clínicos. DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO SETORIAL - DIDES Gerência de

Leia mais

SEGURADORA SUL AMÉRICA COMPANHIA DE SEGURO SAÚDE

SEGURADORA SUL AMÉRICA COMPANHIA DE SEGURO SAÚDE 006246 SEGURADORA SUL AMÉRICA COMPANHIA DE SEGURO SAÚDE ESTIPULANTE Valor da USR R$0,52965 Valor da USR R$0,52965 196,65 307,84 316,22 321,54 331,25 335,77 481,79 489,25 606,67 1.179,93 154,61 242,04 248,61

Leia mais

O QUE É O POD III? QUEM PODE SER INSCRITO NO POD III?

O QUE É O POD III? QUEM PODE SER INSCRITO NO POD III? APRESENTAÇÃO Esta CARTILHA é destinada aos beneficiários responsáveis (titulares de grupos familiares) do Plano de Assistência Odontológica III (POD III), da Caixa de Assistência dos Empregados do Banco

Leia mais

CONTRATO DE PR ESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE OFERTA DE PLANO DE

CONTRATO DE PR ESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE OFERTA DE PLANO DE CONTRATO DE PR ESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE OFERTA DE PLANO DE Hospital César Leite Nome Fantasia: PLANCEL CNPJ: 22.263.081/0001-55, Registro da Operadora na ANS: 31.470-6, Classificação da Operadora na ANS:

Leia mais

UNIFLEX REGIONAL CO-PARTICIPAÇÃO 50% COLETIVO EMPRESARIAL. www.unimedflorianopolis.com.br SAC: 0800-483500 ÍNDICE

UNIFLEX REGIONAL CO-PARTICIPAÇÃO 50% COLETIVO EMPRESARIAL. www.unimedflorianopolis.com.br SAC: 0800-483500 ÍNDICE ÍNDICE CLÁUSULA 1ª - CARACTERÍSTICAS GERAIS DO CONTRATO DE PLANO DE SAÚDE. 2 CLÁUSULA 2ª ATRIBUTOS DO CONTRATO... 3 CLÁUSULA 3ª - CONDIÇÕES DE ADMISSÃO... 3 CLÁUSULA 4ª - COBERTURAS E PROCEDIMENTOS GARANTIDOS...

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA DOMICILIAR

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA DOMICILIAR REGULAMENTO DO PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA DOMICILIAR Regulamento do Programa de Assistência Domiciliar aprovado pelo Conselho REGULAMENTO DO PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA DOMILICIAR CAPITULO I DEFINIÇÕES GERAIS

Leia mais

Manual de Orientação para Contratação de Planos de Saúde

Manual de Orientação para Contratação de Planos de Saúde Operadora: Unimed do Estado de São Paulo - Federação Estadual das Cooperativas Médicas CNPJ: 43.643.139/0001-66 Nº de registro na ANS: 319996 Site: http://www.unimedfesp.coop.br SAC: 0800 772 3030 Manual

Leia mais