Capítulo 10: GREMAUD, TONETO JR. E VASCONCELLOS (2002) Setor Externo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Capítulo 10: GREMAUD, TONETO JR. E VASCONCELLOS (2002) Setor Externo"

Transcrição

1 Capítulo 10: GREMAUD, TONETO JR. E VASCONCELLOS (2002) Setor Externo BALANÇO DE PAGAMENTOS: É o registro sistemático das transações entre residentes e não-residentes de um país durante determinado período de tempo. Residentes: Possuem o centro de interesse no país. Nascidos no país morando fora ou dentro do país e nascidos no exterior morando no país. Não-residentes: nascidos no exterior morando fora do país. REGISTRO: PARTIDAS DOBRADAS (i)contas Operacionais: fatos geradores de recebimentos ou transferências. Ex.: Exportações de mercadorias. Entrada (crédito) e saída (débito). (ii) Contas de Caixa ou Haveres e Obrigações no Exterior (HOE): movimento de meios de pagamento à disposição do país: (a) Divisas (moedas estrangeiras); (b) Ouro monetário (aceito como Meio de Pagamento (MP) no comércio internacional); (c) Direitos Especiais de Saque (DES) - MP ou moeda em que cada país tem uma cota proporcional a seu capital junto ao FMI. É uma espécie de cheque especial que os países têm junto ao FMI. (d) Reservas no FMI. Aumento (débito) e diminuição (crédito). Haveres e Obrigações no Exterior (HOE): funciona como uma conta Caixa na Contabilidade privada. o Contabilidade privada: quando há ingresso de dinheiro, debita-se na conta Caixa. o Contabilização do BP: quando há ingresso de dólares no país, debita-se na conta HOE. Quando há saída, credita-se na conta HOE. o Variação das reservas internacionais: é dada pela conta HOE (divisas, ouro e DES em poder do BACEN ou depositados no FMI). MÉTODO DE PARTIDAS DOBRADAS CRÉDITOS: toda entrada de divisas Exportações de bens e serviços; Recebimentos de doações e indenizações de estrangeiros; Recebimentos de empréstimos de estrangeiros; Recebimentos de reembolsos de capital do estrangeiro; Vendas de ativos para estrangeiros etc. DÉBITOS: toda saída de divisas Importações de bens e serviços; Pagamentos de doações e indenizações a estrangeiros; Pagamentos de capital emprestado por estrangeiros; Reembolsos de capital a estrangeiros; Compras de ativos de estrangeiros etc.

2 TIPOS DE TRANSAÇÕES Transações autônomas - acontecem por si mesmas, são motivadas pelos interesses dos agentes (empresas, consumidores, governo). Transações compensatórias - destinadas a financiar o saldo final das transações autônomas. As transações compensatórias zeram o saldo do Balanço de Pagamento. ESTRUTURA DO BALANÇO DE PAGAMENTOS Dois grandes grupos: (i) Transações Correntes: movimentação de bens e serviços (ii) Movimento de Capitais: deslocamentos de moeda, créditos e títulos representativos de investimento TRANSAÇÕES CORRENTES Superavitária: País recebe recursos para: 1) pagamento de compromissos assumidos anteriormente; 2) investimento do país no exterior e 3) aumentar reservas. Deficitária: País possui necessidade de: 1) investimentos estrangeiros; 2) contrair empréstimos no exterior e 3) diminuir reservas. TRANSAÇÕES CORRENTES: 3 GRUPOS (i) Balança comercial: Exportações FOB(+). FOB: Free On Board (Posto a Bordo) isento de fretes e seguros. Importações FOB(-). CIF: Cost, Insurance and Freight Custo, Seguro e Frete. (ii) Balança de serviços: Não-fatores: viagens, fretes, seguros etc. Fatores: lucros, dividendos, juros etc. (iii) Transferências unilaterais: não existe contrapartida (doações, remessa de imigrantes, reparações de guerra etc.). BALANÇA COMERCIAL Principais fatores determinantes do saldo comercial EXPORTAÇÕES Preços externos em US$: se aumentarem, elevam X. Preços internos em R$: se aumentarem, desestimula X e incentiva venda no mercado interno. Taxa de câmbio (R$/US$): Desvalorização cambial estimula X (exportador nacional ganha mais R$ e importador do exterior com mesma quantia em US$ compra mais produtos). Renda mundial: se aumentar, estimula comércio internacional e aumenta X. Subsídios e incentivos às X: na ordem fiscal (isenções de impostos) e na ordem financeira (taxas de juros subsidiadas, financiamento, etc.) aumentam X.

3 IMPORTAÇÕES Preços externos em US$: se aumentarem, diminuem M. Preços internos em R$: se aumentarem, incentiva compra de M. Taxa de câmbio (R$/US$): Desvalorização cambial desestimula M (importador nacional paga mais R$ para comprar mesma quantidade de produtos). Renda e produto nacional: se aumentar, país aumenta M. Tarifas e barreiras às M: Barreiras quantitativas (elevação das tarifas sobre M) e barreiras qualitativas (proibição da M de certos produtos, entraves burocráticos e estabelecimento de quotas). BALANÇA DE SERVIÇOS Subdividida em 4 subcontas: 1.Transportes e seguros: fretes e prêmios de seguros; 2.Viagens internacionais e turismo; 3.Rendas de capital: juros e lucros; 4.Diversos: gastos com representações diplomáticas, royalties, patentes, assistência técnica, comissões, aluguel de equipamentos, filmes, etc. TRANSFERÊNCIAS UNILATERAIS: Pagamentos sem contrapartida de um país para outro. 1.Remessas de migrantes para suas famílias no país de origem enviadas (débito) e recebidas (crédito). 2.Doações feitas por um governo para outro receptor (crédito) e doador (débito). CAPITAIS Movimento de Capitais: deve-se distinguir entre o que representa transação operacional e o que corresponde à fonte de financiamento do saldo do BP. Agrupa as contas que representam modificações nos direitos e obrigações de residentes no país para com não-residentes. Capitais Autônomos: voluntários (investimento direto, empréstimos, amortizações). Capitais Compensatórios: contas de caixa, empréstimos de regularização e atrasados. CAPITAIS AUTÔNOMOS Investimentos: K de residentes aplicados no exterior e K de não-residentes no país. Investimentos diretos (aquisição de direitos de propriedade e controle de ativos) e de carteira (títulos, ações sem controle efetivo da empresa, etc.); Empréstimos e financiamentos de longo (+ de 10 anos) e médio (1 a 5 anos) prazos; Empréstimos de curto prazo (menos de 1 ano): empréstimos recebidos de ou concedidos para outros países e financiamentos para M ou X; Amortizações: pagamentos do principal referentes a empréstimos e financiamentos tomados no ou recebidos do exterior. CAPITAIS COMPENSATÓRIOS Variações de reservas: haveres em moeda estrangeira e ouro possuídos em reserva pelo país; Operações de regularização: operações realizadas com instituições internacionais (FMI).

4 MK = K A + K C Como: TC = - MK = - (K A + K C ) TC + K A = - K C ERROS E OMISSÕES Imperfeições nas estatísticas fazem com que TC + K A - K C Como K C é medido de forma precisa, introduz-se essa conta na parte de cima do BP. TC + K A + Erros e omissões = - K C ESTRUTURA DO BP (I) Balança comercial (II) Balanço de serviços (III) Transferências unilaterais (IV) Saldo do BP em TC (I + II + III) (V) Capitais autônomos (VI) Erros e omissões (VII) Saldo do BP (VIII) Capitais compensatórios SALDO EM TC: significa quanto o país importa ou exporta de poupança para financiar a formação de capital. TC > 0 S > I envia poupança para financiar I no resto do mundo (C + I < Y). TC < 0 S < I recebe poupança externa para financiar I (C + I > Y). BALANÇO DE SERVIÇOS: FATORES E NÃO-FATORES Transferência Líquida de Recursos ao Exterior: saldo das exportações e importações de bens e serviços não-fatores. Renda Líquida Enviada ao Exterior: é o saldo dos serviços fatores mais as transferências unilaterais. TC = TLRE - RLEE INDICADORES DA SITUAÇÃO EXTERNA Índice ou coeficiente de vulnerabilidade: relação dívida externa líquida/exportações, mostra-nos quantos anos de exportação são necessários para pagar a dívida externa. Juros/Exportações: parcela das exportações comprometida com o pagamento de juros da dívida externa. Reservas/Importações: quanto de importações está garantido pelas reservas do país caso não entre nenhuma divisa no país. Grau de abertura: (exportações + importações) / PIB

5 US$ Bilhões Ano Exportações Importações Saldo da Balança Comercial Saldo da Balança de Serviços Saldo de Transações Correntes Conta de Capitais Saldo do Balanço de Pagamentos ,70 13,70-1,00-5,00-5,90 9,40 3, ,20 18,10-2,90-7,90-10,70 7,70-3, ,10 22,90-2,80-10,20-12,80 9,70-3, ,30 22,10 1,20-13,10-11,70 12,80 0, ,20 19,40 0,80-17,10-16,30 7,80-8, ,90 15,40 6,50-13,40-6,80 2,10-5, ,00 13,90 13,10-13,20 0,04 0,20 0, ,70 13,20 12,50-12,90-0,20-2,50-3, ,30 14,00 8,30-13,70-5,30-7,10-12, ,20 15,00 11,20-12,70-1,40-0,70-3, ,80 14,60 19,20-15,10 4,20 3,60 7, ,40 18,30 16,10-15,30 1,00-3,60-3, ,40 20,70 10,70-15,40-3,80-4,70-8, ,60 21,00 10,60-13,50-1,40-4,10-4, ,90 20,60 15,30-11,30 6,10 25,30 30, ,60 25,50 13,10-15,40-0,60 9,90 8, ,50 33,10 10,40-14,70-1,70 14,20 12, ,50 49,80-3,30-18,60-17,90 29,30 13, ,70 53,20-5,50-21,70-24,30 33,00 8, ,99 61,38-8,39-26,89-33,05 25,86-7, ,12 57,59-6,47-28,80-33,61 29,73-7, ,01 49,27-1,26-25,21-25,40 17,38-7, ,09 55,78-0,69-25,46-24,64 19,33-2,26 Fonte: Conjuntura Econômica, Junho/2001 TAXA DE CÂMBIO: Transações entre países requerem compatibilização entre diferentes moedas. Relação entre moedas de diferentes países (preço da moeda nacional em termos de moeda estrangeira). Exemplo: E BR/USA = R$/US$. MERCADO CAMBIAL Mercado cambial: mercado em que as moedas dos diferentes países são transacionadas. Quem demanda moeda estrangeira: importadores, pessoas que possuem dívida com o exterior, multinacionais situadas no Brasil, turistas que viajam para o exterior etc. Quem oferta moeda estrangeira: exportadores brasileiros; estrangeiros que querem investir no Brasil, tomadores de empréstimo no exterior; turistas estrangeiros no Brasil etc. Desvalorização: moeda nacional passa a valer menos em moeda estrangeira. Valorização: moeda nacional passa a valer mais em moeda estrangeira.

6 TAXA DE CÂMBIO REAL: Relativo de preço entre o produto estrangeiro e o produto nacional. e = (E x P*)/P e = taxa de câmbio real. E = taxa de câmbio nominal. P* = preço do produto estrangeiro em moeda estrangeira. P = preço do produto nacional em moeda nacional. DETERMINANTES DA TAXA DE CÂMBIO Longo prazo: competitividade Lei do Preço Único: na ausência de barreiras, produtos homogêneos devem ter o mesmo preço em diferentes países quando medidos na mesma moeda Ajustamento via mercado: concorrência perfeita EXEMPLO: Big Mac Preço do Big Mac em Nova York = US$ 3.00 Preço do Big Mac em São Paulo = R$ 6,00 E x US$ 3.00 = R$ 6,00 E = 2,00 R$/US$ PARIDADE DO PODER DE COMPRA: E = P/ P* onde: P = nível geral de preços internos; P* = nível geral de preços no exterior COMPORTAMENTO DA TAXA DE CÂMBIO E = p - p* Comportamento da taxa de câmbio segue o diferencial entre a inflação interna e a inflação externa Desvalorização real: E > p - p* (aumenta a competitividade) Valorização real: E < p - p* (diminui a competitividade) DETERMINAÇÃO DA TAXA DE CÂMBIO Curto prazo: Arbitragem. Arbitragem: mecanismo pelo qual o retorno dos diferentes ativos se igualam. Taxa de câmbio no curto prazo reflete o movimento de capitais. EXEMPLO: Considere 2 alternativas de aplicação: 1. Brasil t R$ 1,00 2. Exterior t R$ 1,00 R$ 1,00 E t + 1 R$ 1,00 (1 + i) t + 1 [R$ 1,00 (1 + i*)]. E F /E R$ 1,00 x (1 + i*) E ARBITRAGEM Retorno de aplicar no Brasil = i Retorno de aplicar no exterior = i* + E Arbitragem: i = i* + E Se i > i* + E : entrada de recursos

7 Se i < i* + E : saída de recursos E F = valor esperado para taxa de câmbio no futuro Dado E F : i = i* + [(E F - E)/E] Se i > i* + E entrada de capital valoriza taxa de câmbio hoje até que expectativa de desvalorização iguale o retorno. Se i < i* + E saída de recursos desvaloriza taxa de câmbio até que a nova desvalorização esperada iguale o retorno. REGIMES CAMBIAIS Taxa de Câmbio Fixa: Banco Central se compromete a comprar e vender moeda estrangeira à taxa estipulada. Ajustamento do mercado via quantidade: BACEN deve ter reservas suficientes e compromete controle monetário. Taxa de Câmbio Flutuante: taxa se ajusta para igualar oferta e demanda Não existe desequilíbrio no BP Isola política monetária (Fixa X Flutuante: Volatilidade) Bandas cambiais: oscilação da taxa de câmbio em torno de uma taxa de referência até certos limites. Flutuação suja (dirty floating): taxas flexíveis administradas ou controladas. Currency board: regime de câmbio fixo em que a oferta de moeda está ancorada no volume de reservas cambiais. Taxa de câmbio flutuante, com livre mobilidade de capital: Política fiscal ineficaz Política monetária eficaz Taxa de câmbio fixa: Política fiscal eficaz Política monetária ineficaz QUADRO: REGIMES CAMBIAIS Câmbio Fixo Características BACEN fixa a taxa de câmbio. BACEN é obrigado a disponibilizar as reservas cambiais. Vantagens Maior controle da inflação (custo das importações estáveis). Desvantagens Reservas cambiais vulneráveis a ataques especulativos. A política monetária (taxa de juros) fica dependente do volume de reservas cambiais. Câmbio Flutuante (Flexível) O mercado (oferta e demanda de divisas) determina a taxa de câmbio. BACEN não é obrigado a disponibilizar as reservas cambiais. Política monetária mais independente do câmbio. Reservas cambiais mais protegidas de ataques especulativos. A taxa de câmbio fica muito dependente da volatilidade do mercado financeiro nacional e internacional. Maior dificuldade de controle das pressões inflacionárias, devido às desvalorizações cambiais (passthrough)

As informações relevantes para a decisão de importar ou exportar são preços domésticos, preços externos e taxa de câmbio.

As informações relevantes para a decisão de importar ou exportar são preços domésticos, preços externos e taxa de câmbio. Módulo 16 Introdução à Economia Internacional O comércio internacional se constitui no intercâmbio de bens, serviços e capitais entre os diversos países. Muitos teóricos em economia tentaram explicar as

Leia mais

Balanço de Pagamentos

Balanço de Pagamentos Alicia Ruiz Olalde Balanço de Pagamentos No balanço de pagamentos, são registradas todas as transações econômicas que o país realiza com o resto do mundo, num determinado período de tempo. O Balanço de

Leia mais

6 - Balanço de Pagamentos

6 - Balanço de Pagamentos Universidade Federal do Rio Grande do Sul Faculdade de Ciências Econômicas Departamento de Ciências Econômicas ECO-2215 - Contabilidade Social Balanço de Pagamentos Estrutura da apresentação 1) Definição

Leia mais

BALANÇO DE PAGAMENTOS. PAULANI, Leda Maria, BRAGA, Márcio Bobik. A Nova Contabilidade Social. São Paulo: Saraiva, 2000. (cap. 5).

BALANÇO DE PAGAMENTOS. PAULANI, Leda Maria, BRAGA, Márcio Bobik. A Nova Contabilidade Social. São Paulo: Saraiva, 2000. (cap. 5). 1 BALANÇO DE PAGAMENTOS Alexandre César Cunha Leite 1 REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA PAULANI, Leda Maria, BRAGA, Márcio Bobik. A Nova Contabilidade Social. São Paulo: Saraiva, 2000. (cap. 5). INTRODUÇÃO O estudo

Leia mais

Taxa de Câmbio. Recebimento de juros Recebimentos de lucros do exterior Receita de rendas do trabalho

Taxa de Câmbio. Recebimento de juros Recebimentos de lucros do exterior Receita de rendas do trabalho Taxa de Câmbio TAXA DE CÂMBIO No Brasil é usado a CONVENÇÃO DO INCERTO. O valor do dólar é fixo e o variável é a nossa moeda. Por exemplo : 1 US$ = R$ 3,00 Mercado de Divisa No mercado de câmbio as divisas

Leia mais

Aula 01. Balanço de Pagamentos

Aula 01. Balanço de Pagamentos 1. Conceito Aula 01 Balanço de Pagamentos O Balanço de Pagamentos (BP) é um registro sistemático das transações comerciais e financeiras de um país com Exterior, entre residentes e não residentes de um

Leia mais

Para evitar dupla contagem não são contabilizados os bens intermediários. Valor Agregado = VA = VBP Cons. Intermediário PN = ΣVA

Para evitar dupla contagem não são contabilizados os bens intermediários. Valor Agregado = VA = VBP Cons. Intermediário PN = ΣVA I - CONTAS NACIONAIS 1.1 Produto Agregado = Demanda Agregada = Renda Agregada (valor da produção) = (despesa com produto) = (W+L+J+A). 1.2 Renda Nacional: Somatório de todos os rendimento recebidos pelas

Leia mais

Política Cambial. Política Cambial e. Balanço de Pagamentos 26/03/2013. Mecanismos de intervenção na Economia. O que é Balanço de Pagamentos?

Política Cambial. Política Cambial e. Balanço de Pagamentos 26/03/2013. Mecanismos de intervenção na Economia. O que é Balanço de Pagamentos? Universidade Estadual Paulista Faculdade de Ciências Agronômicas Depto. de Economia, Sociologia e Tecnologia e Balança de Pagamentos Economia e Administração 3 º sem./medicina Veterinária Núria R. G. Quintana

Leia mais

Contabilidade Social Carmen Feijó [et al.] 4ª edição

Contabilidade Social Carmen Feijó [et al.] 4ª edição Contabilidade Social Carmen Feijó [et al.] 4ª edição CAPÍTULO 5 BALANÇO DE PAGAMENTOS Professor Rodrigo Nobre Fernandez Pelotas 2015 2 Introdução O balanço de pagamentos é o registro contábil de todas

Leia mais

IGEPP GESTOR - 2013. Política cambial. Relação entre taxa de juros, taxa de câmbio e regimes cambiais. Prof. Eliezer Lopes

IGEPP GESTOR - 2013. Política cambial. Relação entre taxa de juros, taxa de câmbio e regimes cambiais. Prof. Eliezer Lopes IGEPP GESTOR - 2013 Política cambial. Relação entre taxa de juros, taxa de câmbio e regimes cambiais. Prof. Eliezer Lopes MACROECONOMIA ABERTA POLÍTICA FISCAL POLÍTICA MONETÁRIA MERCADO DE BENS PRODUTO

Leia mais

Balanço de Pagamentos (BP)

Balanço de Pagamentos (BP) Balanço de Pagamentos (BP) Trata-se do registro sistemático das transações entre residentes e não residentes de um país num determinado período de tempo. Portanto, o estudo do BP torna-se relevante, uma

Leia mais

Lista 08 Balanço de Pagamentos Essa lista está valendo até dois pontos para quem resolver a última questão.

Lista 08 Balanço de Pagamentos Essa lista está valendo até dois pontos para quem resolver a última questão. Faculdade de Economia Lista 08 Teoria Macroeconômica I (SEN00076) Vítor Wilher (www.vitorwilher.com/monitoria) E-mail: macroeconomia@vitorwilher.com Atendimento Presencial: Quartas, 16h às 18h, Sala 21.

Leia mais

MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS MÓDULO 7 POLÍTICA CAMBIAL

MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS MÓDULO 7 POLÍTICA CAMBIAL MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS MÓDULO 7 POLÍTICA CAMBIAL Índice 1. Política Cambial...3 1.1. Taxa de câmbio fixa... 3 1.2. Taxa de câmbio flutuante... 3 1.3. Padrão currency board... 3 2. Política de

Leia mais

ECONOMIA INTERNACIONAL. Profa. Enimar J. Wendhausen

ECONOMIA INTERNACIONAL. Profa. Enimar J. Wendhausen ECONOMIA INTERNACIONAL Profa. Enimar J. Wendhausen Balanço de Pagamentos Registra contabilmente todas as transações econômicas realizadas entre residentes (pessoas físicas ou jurídicas, que tenham esse

Leia mais

Economia. Comércio Internacional Taxa de Câmbio, Mercado de Divisas e Balança de Pagamentos,

Economia. Comércio Internacional Taxa de Câmbio, Mercado de Divisas e Balança de Pagamentos, Economia Comércio Internacional Taxa de Câmbio, Mercado de Divisas e Balança de Pagamentos, Comércio Internacional Objetivos Apresentar o papel da taxa de câmbio na alteração da economia. Iniciar nas noções

Leia mais

Sumário. Logo WTO. Estados Unidos. 37 Argentina. Holanda. 3 Alemanha. 14 México. 2 Japão. 7 Itália. Outros. Valores de 2000

Sumário. Logo WTO. Estados Unidos. 37 Argentina. Holanda. 3 Alemanha. 14 México. 2 Japão. 7 Itália. Outros. Valores de 2000 Economia Carlos Nemer 3ª Ed. Capítulo 17: O Setor Externo Logo WTO Poli-UFRJ Copyright 2005. Direitos Autorais reservados ao Prof.Carlos NEMER Parte III-7-Slide 1 de 47/2005.1 Sumário 1. Introdução; 1.

Leia mais

BALANÇO DE PAGAMENTOS: desempenho brasileiro em 2010 RESUMO

BALANÇO DE PAGAMENTOS: desempenho brasileiro em 2010 RESUMO 78 BALANÇO DE PAGAMENTOS: desempenho brasileiro em 2010 Guilherme Fernandes de Souza RESUMO Com o objetivo de conhecer o desempenho brasileiro no que se refere ao Balanço de Pagamentos, esse artigo analisa

Leia mais

CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real

CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real Capítulo utilizado: cap. 13 Conceitos abordados Comércio internacional, balanço de pagamentos, taxa de câmbio nominal e real, efeitos

Leia mais

Unidade II. Mercado Financeiro e de. Prof. Maurício Felippe Manzalli

Unidade II. Mercado Financeiro e de. Prof. Maurício Felippe Manzalli Unidade II Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Maurício Felippe Manzalli Mercados Financeiros Definição do mercado financeiro Representa o Sistema Financeiro Nacional Promove o fluxo de recursos através

Leia mais

Teoria Macroeconômica I

Teoria Macroeconômica I Teoria Macroeconômica I Prof. Anderson Litaiff Prof. Salomão Neves Teoria Macroeconômica I - Prof. Anderson Litaiff/ Prof. Salomão Neves 1 2 Conteúdo Programático 2ª Avaliação Noções básicas de macroeconomia

Leia mais

Macroeconomia. Prof. Aquiles Rocha de Farias

Macroeconomia. Prof. Aquiles Rocha de Farias Macroeconomia Prof. Aquiles Rocha de Farias Modelo Mundell-Fleming (IS-LM-) No modelo Mundell-Fleming é introduzida ao modelo IS-LM uma nova curva, a curva, que corresponde aos valores de renda e taxa

Leia mais

Curso DSc Bacen - Básico Provas 2001-2010 - Macroeconomia. Prof.: Antonio Carlos Assumpção

Curso DSc Bacen - Básico Provas 2001-2010 - Macroeconomia. Prof.: Antonio Carlos Assumpção Curso DSc Bacen - Básico Provas 2001-2010 - Macroeconomia Prof.: Antonio Carlos Assumpção Contabilidade Nacional Balanço de Pagamentos Sistema Monetário 26- Considere a seguinte equação: Y = C + I + G

Leia mais

Investimento internacional. Fluxos de capitais e reservas internacionais

Investimento internacional. Fluxos de capitais e reservas internacionais Investimento internacional Fluxos de capitais e reservas internacionais Movimento internacional de fatores Determinantes da migração internacional: diferencial de salários; possibilidades e condições do

Leia mais

Questões de Economia Cesgranrio. Macroeconomia

Questões de Economia Cesgranrio. Macroeconomia Macroeconomia Balanço de Pagamento 1. Cesgranrio ANP 2008 Especialista em Regulação) Quando um país tem um deficit no balanço comercial do seu balanço de pagamentos, pode-se afirmar que a) as exportações

Leia mais

Setor externo estatísticas do comércio exterior

Setor externo estatísticas do comércio exterior Setor externo estatísticas do comércio exterior O comércio é mutuamente benéfico. Duas pessoas não trocam bens e serviços a não ser que ambas esperem obter um benefício. No nosso dia a dia dependemos de

Leia mais

o Setor Externoe a Determinação

o Setor Externoe a Determinação o Setor Externoe a Determinação da Taxa de Câmbio 1 o BALANÇODE PAGAMENTOS A partir do momento em que um país começa a comercializar com outros, surge a necessidade de se estabelecer um controle sobre

Leia mais

Balança de Pagamentos

Balança de Pagamentos Balança de Pagamentos Conceitos e Rubricas Definições Registo sistemático que se destina a medir as transacções económicas que se estabelecem entre os residentes (sectores internos) e os não residentes

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Item 3.5.3 - Mercado de Câmbio

Conhecimentos Bancários. Item 3.5.3 - Mercado de Câmbio Conhecimentos Bancários Item 3.5.3 - Mercado de Câmbio Conhecimentos Bancários Item 3.5.3 - Mercado de Câmbio Câmbio TROCA Conhecimentos Bancários Item 3.5.3 - Mercado de Câmbio Câmbio TROCA Moedas Estrangeiras

Leia mais

Vamos usar a seguinte definição: Aumento da taxa de cambio = Desvalorização. Taxa de cambio real : é o preço relativo dos bens em dois paises.

Vamos usar a seguinte definição: Aumento da taxa de cambio = Desvalorização. Taxa de cambio real : é o preço relativo dos bens em dois paises. Vamos usar a seguinte definição: Aumento da taxa de cambio = Desvalorização Uma desvalorização ocorre quando o preço das moedas estrangeiras sob um regime de câmbio fixa é aumentado por uma ação oficial.

Leia mais

Notas sobre Taxas de Câmbio e Mercado Cambial

Notas sobre Taxas de Câmbio e Mercado Cambial Notas sobre Taxas de Câmbio e Mercado Cambial Introdução Flávio R. Versiani & Flávio de O. Gonçalves Universidade de Brasília Uma característica das relações econômicas internacionais é fato o de envolverem

Leia mais

7.1. O Comércio internacional e a demanda agregada

7.1. O Comércio internacional e a demanda agregada TEXTO 7 7. O SETOR EXTERNO A análise das relações econômicas internacionais constitui condição necessária para um adequado entendimento da estrutura econômica de uma determinada nação. Isto porque os países

Leia mais

2.3. Balança de Pagamentos

2.3. Balança de Pagamentos Balança de Pagamentos (BP): Registo contabilístico (sistemático e equilibrado) dos valores das transações económicas entre agentes residentes e não residentes ocorridas durante um determinado período de

Leia mais

3. Contas Correntes: A categoria Contas Correntes tem quatro sub-divisões, a saber:

3. Contas Correntes: A categoria Contas Correntes tem quatro sub-divisões, a saber: 1. B/Pgtos, p. 1 Comércio e Finanças Internacionais Prof. José Alfredo A. Leite 1A. BALANÇO DE PAGAMENTOS 1. Definição: O B/P é o registro contábil dos recebimentos e pagamentos feitos pelos diversos agentes

Leia mais

Logística Internacional

Logística Internacional Logística Internacional Aula 10 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos

Leia mais

ANÁLISE DO DESEMPENHO DO SETOR EXTERNO BRASILEIRO NO SEGUNDO BIMESTRE DE 2013

ANÁLISE DO DESEMPENHO DO SETOR EXTERNO BRASILEIRO NO SEGUNDO BIMESTRE DE 2013 ANÁLISE DO DESEMPENHO DO SETOR EXTERNO BRASILEIRO NO SEGUNDO BIMESTRE DE 2013 QUIRINO, José Renato Dias 1 ; MEDEIROS 2, Rennan Kertlly de; RAMOS FILHO 3, Hélio S. RESUMO O estudo das relações econômicas

Leia mais

LISTA 6B GABARITO ANOTAÇÕES. Lista de Exercícios 6B Introdução à Economia 1. Conceitos importantes:

LISTA 6B GABARITO ANOTAÇÕES. Lista de Exercícios 6B Introdução à Economia 1. Conceitos importantes: LISTA 6B GABARITO Conceitos importantes: Relação entre Investimento Externo Líquido, Teoria da Paridade do Poder de Compra. Exportações Líquidas e Poupança Externa. Teoria Macroeconômica da Economia Aberta

Leia mais

Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras

Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Prof. Onivaldo Izidoro Pereira Finanças Corporativas Ambiente Econômico Em suas atividades uma empresa relacionase com: Clientes

Leia mais

NOTAS METODOLÓGICAS SOBRE AS ALTERAÇÕES NO BALANÇO DE PAGAMENTOS. Professor Rodrigo Nobre Fernandez

NOTAS METODOLÓGICAS SOBRE AS ALTERAÇÕES NO BALANÇO DE PAGAMENTOS. Professor Rodrigo Nobre Fernandez NOTAS METODOLÓGICAS SOBRE AS ALTERAÇÕES NO BALANÇO DE PAGAMENTOS Professor Rodrigo Nobre Fernandez Pelotas 2015 2 Introdução A partir de 2015, o Banco Central do Brasil divulga as estatísticas de setor

Leia mais

Produto Vendas Custo da matéria-prima

Produto Vendas Custo da matéria-prima Conceitos básicos de economia A economia pode ser subdividida em dois grandes segmentos: - Macroeconomia: trata da evolução da economia como um todo, analisando a determinação, comportamento e relações

Leia mais

Prof. Dr. Antony Mueller Economia Internacional

Prof. Dr. Antony Mueller Economia Internacional Prof. Dr. Antony Mueller Economia Internacional Revisão para Prova III UFS 2009/I A) 1. Regimes Cambiais - Regime cambial fixo - Regime de taxas de cambio flexíveis (flutuantes) - Ancoragem simétrico -

Leia mais

ANÁLISE DE BALANÇO DOS PAGAMENTOS

ANÁLISE DE BALANÇO DOS PAGAMENTOS ANÁLISE DE BALANÇO DOS PAGAMENTOS Antony P. Mueller*) antonymueller@gmail.com THE CONTINENTAL ECONOMICS INSTITUTE STUDY PAPERS SERIES 2011/1 www.continentaleconomics.com I. Balanço dos Pagamentos - Estrutura

Leia mais

CONVERSAO DE DEMONSTRACOES CONTABEIS EM MOEDA. ESTRAGEIRA: FASB nº 8 e FASB nº 52

CONVERSAO DE DEMONSTRACOES CONTABEIS EM MOEDA. ESTRAGEIRA: FASB nº 8 e FASB nº 52 CONVERSAO DE DEMONSTRACOES CONTABEIS EM MOEDA Evolução das Normas de Contabilidade aplicadas no EUA Critérios Contábeis brasileiros e americanos (USGAAP) Objetivos da conversão de demonstrações contábeis

Leia mais

Curso Online Macroeconomia para AFRFB Auditor Fiscal da Receita Federal do Brasil Teoria e Exercícios Prof. César Frade

Curso Online Macroeconomia para AFRFB Auditor Fiscal da Receita Federal do Brasil Teoria e Exercícios Prof. César Frade Olá pessoal! Curso Online Macroeconomia para AFRFB Vamos começar nossas aulas de Macroeconomia? A tentativa nessas aulas é fazer com que vocês compreendam a matéria de uma forma simples, sem aqueles jargões

Leia mais

Cenário Econômico de Curto Prazo O 2º Governo Lula

Cenário Econômico de Curto Prazo O 2º Governo Lula Cenário Econômico de Curto Prazo O 2º Governo Lula Esta apresentação foi preparada pelo Grupo Santander Banespa (GSB) e o seu conteúdo é estritamente confidencial. Essa apresentação não poderá ser reproduzida,

Leia mais

Mercado de Câmbio. Mercado de câmbio é a denominação para o mercado de troca de moedas.

Mercado de Câmbio. Mercado de câmbio é a denominação para o mercado de troca de moedas. Definição: Mercado de Câmbio Mercado de câmbio é a denominação para o mercado de troca de moedas. O mercado de Câmbio de TAXAS LIVRES opera com o dólar comercial. TAXAS FLUENTES opera com o dólar flutuante

Leia mais

As mais importantes alterações introduzidas na nova apresentação do balanço de pagamentos são:

As mais importantes alterações introduzidas na nova apresentação do balanço de pagamentos são: Notas explicativas ao Balanço de Pagamentos compilado de acordo com as normas estabelecidas na quinta edição do Manual de Balanço de Pagamentos do FMI 1 A partir de janeiro de 2001, o Banco Central do

Leia mais

TRABALHO DE ECONOMIA:

TRABALHO DE ECONOMIA: UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS - UEMG FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE ITUIUTABA - FEIT INSTITUTO SUPERIOR DE ENSINO E PESQUISA DE ITUIUTABA - ISEPI DIVINO EURÍPEDES GUIMARÃES DE OLIVEIRA TRABALHO DE ECONOMIA:

Leia mais

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Fevereiro/2014 A taxa de câmbio é um dos principais preços relativos da economia, com influência direta no desempenho macroeconômico do país e na composição de

Leia mais

Capítulo 4. Moeda e mercado cambial. Objectivos do capítulo

Capítulo 4. Moeda e mercado cambial. Objectivos do capítulo Capítulo 4 Moeda e mercado cambial Objectivos do capítulo Perceber o papel das taxas de câmbio no comércio internacional. Como são determinadas as taxas de câmbio de equilíbrio no mercado internacional

Leia mais

www.cursosolon.com.br SISTEMA FINANCEIRO Mercado Cambial

www.cursosolon.com.br SISTEMA FINANCEIRO Mercado Cambial SISTEMA FINANCEIRO Mercado Cambial MERCADO DE CÂMBIO CONCEITO É o mercado que reúne compradores e vendedores de moedas estrangeiras, sob supervisão do Banco Central. Os compradores e vendedores são normalmente

Leia mais

LISTA 6B GABARITO ANOTAÇÕES. Lista de Exercícios 6B Introdução à Economia 1. Conceitos importantes:

LISTA 6B GABARITO ANOTAÇÕES. Lista de Exercícios 6B Introdução à Economia 1. Conceitos importantes: LISTA 6B GABARITO Conceitos importantes: Relação entre Investimento Externo Líquido, Teoria da Paridade do Poder de Compra. Exportações Líquidas e Poupança Externa. Teoria Macroeconômica da Economia Aberta

Leia mais

Unidade de Política Econômica

Unidade de Política Econômica Unidade de Política Econômica Brasília, abril de 2007 Superávit na balança comercial e juros altos sustentam valorização do real No primeiro bimestre de 2007, o dólar foi negociado a R$ 2,10, na média

Leia mais

Construção do. Incidência da abertura externa sobre IS-LM Construção, interpretação e deslocamento da curva BP

Construção do. Incidência da abertura externa sobre IS-LM Construção, interpretação e deslocamento da curva BP Construção do Modelo IS-LM-BP Incidência da abertura externa sobre IS-LM Construção, interpretação e deslocamento da curva BP http://fernandonogueiracosta.wordpress.com/ Modelo IS-LM MODELO IS-LM: mostra

Leia mais

Unidade II. Contas externas brasileiras. Palavras-chave:

Unidade II. Contas externas brasileiras. Palavras-chave: Virene Roxo Matesco Unidade II Contas externas brasileiras Tópicos da unidade Relações Internacionais: setor externo Balanço de Pagamentos: estrutura básica Reservas Internacionais: composição Tipos de

Leia mais

Disciplina: Economia ECN001. Macroeconomia

Disciplina: Economia ECN001. Macroeconomia Disciplina: Economia ECN001 Macroeconomia Orçamento do Setor Público É a previsão de receitas e a estimativa de despesas a serem realizadas por um Governo em um determinado exercício (geralmente um ano).

Leia mais

ECONOMIA INTERNACIONAL II Professor: André M. Cunha

ECONOMIA INTERNACIONAL II Professor: André M. Cunha Introdução: economias abertas Problema da liquidez: Como ajustar desequilíbrios de posições entre duas economias? ECONOMIA INTERNACIONAL II Professor: André M. Cunha Como o cada tipo de ajuste ( E, R,

Leia mais

Aula nº 10 - MERCADO DE CÂMBIO

Aula nº 10 - MERCADO DE CÂMBIO POLÍTICA CAMBIAL Chama-se política cambial o conjunto de ações do Governo que influem no comportamento do mercado de câmbio e da taxa de O Banco Central executa a política cambial definida pelo Conselho

Leia mais

MERCADO CAMBIAL BRASILEIRO RESUMO

MERCADO CAMBIAL BRASILEIRO RESUMO MERCADO CAMBIAL BRASILEIRO Jonas Bordim 1 Luiz Antônio Gazola 2 Wagner Augusto Rodrigues 3 Marcos Rogério Rodrigues 4 RESUMO No mercado cambial brasileiro, as empresas que nele participam devem conhecer

Leia mais

Sumário. Conceitos básicos 63 Estrutura do balanço de pagamentos 64 Poupança externa 68

Sumário. Conceitos básicos 63 Estrutura do balanço de pagamentos 64 Poupança externa 68 Sumário CAPÍTULO l As CONTAS NACIONAIS * l Os agregados macroeconômicos e o fluxo circular da renda 2 Contas nacionais - modelo simplificado 4 Economia fechada e sem governo 4 Economia fechada e com governo

Leia mais

Taxa de câmbio (19/08/2015)

Taxa de câmbio (19/08/2015) Alicia Ruiz Olalde Taxa de câmbio Uma diferença entre o comércio interno e internacional é que este último envolve moedas de diferentes países. Como todo mercado, o mercado de câmbio conta com uma oferta

Leia mais

MACROECONOMIA I LEC201 Licenciatura em Economia 2007/08

MACROECONOMIA I LEC201 Licenciatura em Economia 2007/08 MACROECONOMIA I LEC201 Licenciatura em Economia 2007/08 CAP. 2 A MEDIÇÃO DA ACTIVIDADE ECONÓMICA --- EXERCÍCIOS 1. EXERCÍCIOS DAS AULAS 1.1. Contas Nacionais Considere o Quadro 1, com os principais agregados

Leia mais

SOUZA, José Meireles de Sousa. Gestão do Comércio Exterior Exportação/Importação. São Paulo: Saraiva, 2010.

SOUZA, José Meireles de Sousa. Gestão do Comércio Exterior Exportação/Importação. São Paulo: Saraiva, 2010. MERCADO CAMBIAL Definição e funcionamento Operações Prontas e Futuras Balanço de Pagamentos CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio Exterior FONTES: SOUZA, José Meireles de Sousa. Gestão do Comércio

Leia mais

LISTA 6A GABARITO O BALANÇO DE PAGAMENTOS

LISTA 6A GABARITO O BALANÇO DE PAGAMENTOS LISTA 6A GABARITO Conceitos importantes: 1) As transações externas de um país: o balanço de pagamentos 2) Estrutura do balanço de pagamentos: transações correntes, conta capital e financeira e erros &

Leia mais

Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Cleber Rentroia MBA em Finanças e Banking

Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Cleber Rentroia MBA em Finanças e Banking 1. Quando o IPCA tende a subir além das metas de inflação, qual medida deve ser tomada pelo COPOM: a) Abaixar o compulsório b) Reduzir taxa do redesconto c) Aumentar o crédito d) Elevar a taxa de juros

Leia mais

Um Novo Modelo de Desenvolvimento para o Brasil

Um Novo Modelo de Desenvolvimento para o Brasil Um Novo Modelo de Desenvolvimento para o Brasil Yoshiaki Nakano Escola de Economia de São Paulo Fundação Getulio Vargas 26 de Abril de 2006 Um Novo Modelo de Desenvolvimento para o Brasil A Base do Novo

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2004

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2004 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2004 Autoriza o Poder Executivo a criar a Poupança Emigrante e o Fundo de Financiamento ao Emigrante Empreendedor (FEE), com vistas a incrementar a entrada de divisas no

Leia mais

Globalização Financeira e Fluxos de Capital. Referências Bibliográficas. Referências Bibliográficas. 1) Mundialização Financeira

Globalização Financeira e Fluxos de Capital. Referências Bibliográficas. Referências Bibliográficas. 1) Mundialização Financeira e Fluxos de Capital Wilhelm Eduard Meiners IBQP/UniBrasil/Metápolis Referências Bibliográficas Referências Bibliográficas Chesnais, F. Mundialização Financeira, cap.1 Baumann, Canuto e Gonçalves. Economia

Leia mais

EXERCICIOS COMENTADOS ECONOMIA TELETRANSMITIDO

EXERCICIOS COMENTADOS ECONOMIA TELETRANSMITIDO EXERCICIOS COMENTADOS ECONOMIA TELETRANSMITIDO Questão 01 A questão 01 tem um pequeno problema que é o enunciado afirmar que se trata de uma economia sem governo, o que indicaria a não existência de tudo

Leia mais

B 02-(FCC/EMATER-2009)

B 02-(FCC/EMATER-2009) Ola, pessoal! Seguem aqui mais questões comentadas de Macroeconomia, visando a preparação para o excelente concurso de fiscal de rendas de SP. Todas as questões são da FCC. Bom treinamento! Marlos marlos@pontodosconcursos.com.br

Leia mais

CURSO ON-LINE PROFESSOR: MARLOS FERREIRA

CURSO ON-LINE PROFESSOR: MARLOS FERREIRA Olá, amigos! Reta final de preparação da Receita Federal do Brasil e eis uma pequena amostra do que vocês podem esperar na prova vindoura! Segue abaixo uma listagem de questões pertinentes a assuntos certamente

Leia mais

Manual de Instrução. Para o preenchimento do questionário sobre OPERAÇÕES E POSIÇÕES COM EXTERIOR EMPRESAS DE INVESTIMENTO DIRETO

Manual de Instrução. Para o preenchimento do questionário sobre OPERAÇÕES E POSIÇÕES COM EXTERIOR EMPRESAS DE INVESTIMENTO DIRETO Manual de Instrução Para o preenchimento do questionário sobre OPERAÇÕES E POSIÇÕES COM EXTERIOR EMPRESAS DE INVESTIMENTO DIRETO Direcção de Estatísticas Económicas e Financeiras DEEF 1.Introdução O Manual

Leia mais

MINI SIMULADO 14 DE ABRIL DE 2013 BACEN ÁREA 2 PROVA: CONHECIMENTOS GERAIS E ESPECÍFICOS

MINI SIMULADO 14 DE ABRIL DE 2013 BACEN ÁREA 2 PROVA: CONHECIMENTOS GERAIS E ESPECÍFICOS IGEPP Instituto de Gestão, Economia e Políticas Públicas Telefone:(61) 3443 0369 E-mail: contatoigepp@gmail.com MINI SIMULADO 14 DE ABRIL DE 2013 BACEN ÁREA 2 PROVA: CONHECIMENTOS GERAIS E ESPECÍFICOS

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique, de forma legível, a versão da prova (Versão 1 ou Versão 2).

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique, de forma legível, a versão da prova (Versão 1 ou Versão 2). EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/1.ª Fase 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique, de forma legível, a versão da prova (Versão 1 ou Versão 2).

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique, de forma legível, a versão da prova (Versão 1 ou Versão 2). EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/1.ª Fase 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Risco se conhece; se aprende com o erro. Incerteza não se conhece; não se aprende com o erro.

Risco se conhece; se aprende com o erro. Incerteza não se conhece; não se aprende com o erro. MACROECONOMIA Risco se conhece; se aprende com o erro. Incerteza não se conhece; não se aprende com o erro. A macroeconomia estuda os negócios comuns da vida (Alfred Marshall) de forma agregada, ou seja,

Leia mais

Aula 4: Política Cambial

Aula 4: Política Cambial Aula 4: Política Cambial Macroeconomia Política Cambial Gilmar Ferreira Abril 2010 Taxa de Câmbio Taxa de Câmbio A taxa de câmbio mostra qual é a relação de trocas entre duas unidades monetarias diferentes,

Leia mais

TEORIA MACROECONÔMICA II ECO1217. Aula 14 Professores: Márcio Gomes Pinto Garcia Dionísio Dias Carneiro 27/04/2006. Conteúdo

TEORIA MACROECONÔMICA II ECO1217. Aula 14 Professores: Márcio Gomes Pinto Garcia Dionísio Dias Carneiro 27/04/2006. Conteúdo TEORIA MACROECONÔMICA II ECO7 Aula 4 Professores: Márcio Gomes Pinto Garcia Dionísio Dias Carneiro 7/04/006 Conteúdo Poupança e Investimento na Economia Aberta a Conta Consolidada de Capital do Sistema

Leia mais

Figura 38 - Resultado global do Balanço de Pagamentos (US$ bilhões acum. Em 12 meses) Dez/95-Mar/07

Figura 38 - Resultado global do Balanço de Pagamentos (US$ bilhões acum. Em 12 meses) Dez/95-Mar/07 113 6. SETOR EXTERNO Fernando Ribeiro de Leite Neto 6.1 Balanço de Pagamentos 6.1.1 Resultado Global do Balanço de Pagamentos Ao longo de 2006, o setor externo da economia brasileira logrou registrar o

Leia mais

Curso Online - Economia em Exercícios Fiscal de Rendas do Estado do Rio de Janeiro ICMS/RJ Prof. Alexandre Candido

Curso Online - Economia em Exercícios Fiscal de Rendas do Estado do Rio de Janeiro ICMS/RJ Prof. Alexandre Candido Pessoal, Hoje começamos oficialmente o curso. Daremos continuidade ao assunto abordado na aula 00, cujo estudo considero importante para compreensão da aula de hoje. Como disse na aula demonstrativa, resolverei

Leia mais

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914 ESTUDO DE CASO MÓDULO XI Sistema Monetário Internacional Padrão Ouro 1870 1914 Durante muito tempo o ouro desempenhou o papel de moeda internacional, principalmente por sua aceitabilidade e confiança.

Leia mais

ECONOMIA INTERNACIONAL II

ECONOMIA INTERNACIONAL II Revisão do BP ECONOMIA INTERNACIONAL II Professor: André M. Cunha 2006 1. Ajustes nos Pagamentos Internacionais 2. O Balanço de Pagamento: Aspectos Gerais 3. Convenções e Mensuração 4.. Registros no BP:

Leia mais

Finanças Internacionais

Finanças Internacionais Universidade dos Açores Departamento de Economia e Gestão Mestrado em Ciências Empresariais Finanças Internacionais Ponta Delgada, Abril de 2009 Fernando José Rangel da Silva Melo Sumário 1 Gestão Financeira

Leia mais

Uma avaliação crítica da proposta de conversibilidade plena do Real XXXII Encontro Nacional de Economia - ANPEC 2004, Natal, dez 2004

Uma avaliação crítica da proposta de conversibilidade plena do Real XXXII Encontro Nacional de Economia - ANPEC 2004, Natal, dez 2004 Uma avaliação crítica da proposta de conversibilidade plena do Real XXXII Encontro Nacional de Economia - ANPEC 2004, Natal, dez 2004 Fernando Ferrari-Filho Frederico G. Jayme Jr Gilberto Tadeu Lima José

Leia mais

Introdução. Capitais Internacionais

Introdução. Capitais Internacionais Capitais Internacionais e Mercado de Câmbio no Brasil Atualizado em novembro de 2010 1 Introdução O tratamento aplicável aos fluxos de capitais e às operações de câmbio acompanhou as conjunturas econômicas

Leia mais

6. Moeda, Preços e Taxa de Câmbio no Longo Prazo

6. Moeda, Preços e Taxa de Câmbio no Longo Prazo 6. Moeda, Preços e Taxa de Câmbio no Longo Prazo 6. Moeda, Preços e Taxa de Câmbio no Longo Prazo 6.1. Introdução 6.2. O Princípio da Neutralidade da Moeda 6.3. Taxas de Câmbio Nominais e Reais 6.4. O

Leia mais

Mercado de Divisas e

Mercado de Divisas e Mercado de Divisas e Taxa de Câmbio Agentes do Mercado de Câmbio Taxa de Câmbio Nominal e Real Taxa de Câmbio Fixa e Flexível http://fernandonogueiracosta.wordpress.com/ Agentes do Mercado Cambial Todos

Leia mais

ANEXOS. Processo de definição da taxa de juros

ANEXOS. Processo de definição da taxa de juros ANEXOS Processo de definição da taxa de juros A taxa de juros constitui-se no mais importante instrumento de política monetária à disposição do Banco Central. Através dela, a autoridade monetária afeta

Leia mais

Anexo VI Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000)

Anexo VI Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo VI Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo à Mensagem da Lei de Diretrizes Orçamentárias para 2015, em cumprimento

Leia mais

MERCADO DE CÂMBIO HEDGE PARA IMPORTAÇÕES PROTEÇÃO CONTRA VOLATILIDADE CAMBIAL.

MERCADO DE CÂMBIO HEDGE PARA IMPORTAÇÕES PROTEÇÃO CONTRA VOLATILIDADE CAMBIAL. MERCADO DE CÂMBIO HEDGE PARA IMPORTAÇÕES PROTEÇÃO CONTRA VOLATILIDADE CAMBIAL. 1. Valdir Alcântara de Souza Junior. 2. Anderson Mateus Batista de Rezende. Introdução. As empresas que fazem importações

Leia mais

Economia e Mercado. Contextualização. Aula 5. Instrumentalização. Evolução da Moeda. Características Físicas. Prof. Me.

Economia e Mercado. Contextualização. Aula 5. Instrumentalização. Evolução da Moeda. Características Físicas. Prof. Me. Economia e Mercado Aula 5 Contextualização Prof. Me. Ciro Burgos Do escambo ao mercado monetário atual Importância de conhecer o funcionamento do mercado monetário Instrumentalização Taxa de juros e inflação

Leia mais

INVESTIMENTOS E ECONOMIA

INVESTIMENTOS E ECONOMIA INVESTIMENTOS E ECONOMIA Investimentos e economia Por que? Mundo em mudança Investimentos em mudança Discutir aspectos mais relevantes Impactos nos investimentos Incentivar a poupança Investimentos e Economia

Leia mais

d) participação em competições esportivas, incluídos gastos com treinamento;

d) participação em competições esportivas, incluídos gastos com treinamento; CAPÍTULO : 10 - Viagens Internacionais, Cartões de Uso Internacional e Transferências Postais SEÇÃO : 1 - Viagens Internacionais 1. Esta seção trata das compras e das vendas de moeda estrangeira, inclusive

Leia mais

Sistema Integrado de Comércio Exterior SISCOMEX

Sistema Integrado de Comércio Exterior SISCOMEX Direito Internacional Profª Mestre Ideli Raimundo Di Tizio p 63 TIPOS DE CONTRATOS Sistema Integrado de Comércio Exterior SISCOMEX O Sistema Integrado de Comércio Exterior - SISCOMEX, instituído pelo Decreto

Leia mais

PAGAMENTOS INTERNACIONAIS E TAXA DE CÂMBIO

PAGAMENTOS INTERNACIONAIS E TAXA DE CÂMBIO Pagamentos internacionais Como são feitos? Quais moedas são aceitas como meio de pagamento e em que proporção são trocadas umas pelas outras? Alterações da taxa de câmbio: afetam os preços relativos dos

Leia mais

Os investimentos no Brasil estão perdendo valor?

Os investimentos no Brasil estão perdendo valor? 1. Introdução Os investimentos no Brasil estão perdendo valor? Simone Maciel Cuiabano 1 Ao final de janeiro, o blog Beyond Brics, ligado ao jornal Financial Times, ventilou uma notícia sobre a perda de

Leia mais

QUESTÕES SOBRE A ECONOMIA BRASILEIRA

QUESTÕES SOBRE A ECONOMIA BRASILEIRA QUESTÕES SOBRE A ECONOMIA BRASILEIRA JOÃO RICARDO SANTOS TORRES DA MOTTA Consultor Legislativo da Área IX Política e Planejamento Econômicos, Desenvolvimento Econômico, Economia Internacional, Finanças

Leia mais

Indicadores da Semana

Indicadores da Semana Indicadores da Semana O saldo total das operações de crédito do Sistema Financeiro Nacional atingiu 54,5% do PIB, com aproximadamente 53% do total do saldo destinado a atividades econômicas. A carteira

Leia mais

MACROECONOMIA EM ECONOMIA ABERTA

MACROECONOMIA EM ECONOMIA ABERTA MACROECONOMIA EM ECONOMIA ABERTA Rogério Studart Doutor em Economia pela Universidade de Londres, professor da UFRJ 1. INTRODUÇÃO No mundo atual, as economias nacionais não estão isoladas de eventos mundiais.

Leia mais

Administração Financeira e Orçamentária I

Administração Financeira e Orçamentária I Administração Financeira e Orçamentária I Sistema Financeiro Brasileiro AFO 1 Conteúdo Instituições e Mercados Financeiros Principais Mercados Financeiros Sistema Financeiro Nacional Ações e Debêntures

Leia mais

NBC T 19.4 - Subvenção e Assistência Governamentais Pronunciamento Técnico CPC 07

NBC T 19.4 - Subvenção e Assistência Governamentais Pronunciamento Técnico CPC 07 NBC T 19.4 - Subvenção e Assistência Governamentais Pronunciamento Técnico CPC 07 José Félix de Souza Júnior Objetivo e Alcance Deve ser aplicado na contabilização e na divulgação de subvenção governamental

Leia mais