m & m i ú D E 2 a. G R A U m (D (O cn f ö N E R i ß ö R O V A L L E F L O R i A N ö F O L r S

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "m & m i ú D E 2 a. G R A U m (D (O cn f ö N E R i ß ö R O V A L L E F L O R i A N ö F O L r S"

Transcrição

1 O M I V E R ^ Ä! * ; f ï C æ H A U D E í S i W T A f ^ Ö Ö Ö Ä i Ä ö i f t e ^ a v t S O C f O L O Ö t A p o l í t i c a if B Ü R Ö C B B T i Z R C R Ö O B B Ä K B C B D U M E S T l i D O S O B R E Ö C Ö N S ^ H O E S T / Æ ) 0 D E S A N T A D E E X P A N S A O E S T A D U A L O E E D U C A C A O D O m & m i ú D E 2 a. G R A U "T:; i^.' <- i.^ 1 Ô m (D (O cn f ö N E R i ß ö R O V A L L E?Si. F L O R i A N ö F O L r S 1891

2 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PROGRAMA DE POS-GRADUAÇRO EM SOCIOLOGIA POLÍTICA B U R O C R A T I Z A Ç R O D A E D U C A Ç R O U m e s t u d o s o b r e o C o n s e l h o E s t a d u a l d e E d u c a ç ã o d o E s t a d o d e S a n t a C a t a r i n a e s e u p a p e l n a P o l í t i c a d e E x p a n s ã o d o E n s i n o d e 2 o. G r a u D i s s e r t a ç ã o d e M e s t r a d o a p r e s e n t a d a a o P r o g r a m a d e P ó s - G r a d u a ç ã o e m S o c i o l o g i a P o l í t i c a d a U n i v e r s i d a d e F e d e r a l d e S a n t a C a t a r i n a, p a r a o b t e n ç ã o d o g r a u d e M e s t r e e m S o c i o l o g i a P o l i t i c a. l o n e R i b e i r o V a l l e F l o r i a n ó p o l i s, n o v e m b r o d e

3 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PROGRAMA DE POS-BRADUACRO EM SOCIOLOGIA POLÍTICA B U R O C R A T I Z A Ç R O D A E D U C A Ç R O U m e s t u d o s o b r e o C o n s e l h o E s t a d u a l d e E d u c a ç ã o d o E s t a d o d e S a n t a C a t a r i n a e s e u p a p e l n a P o l í t i c a d e E x p a n s ã o d o E n s i n o d e 2 o. G r a u l o n e R i b e i r o V a l l e E s t a D i s s e r t a ç ã o f o i j u l g a d a e a p r o v a d a e m s u a f o r m a f i n a l p e l o O r i e n t a d o r e M e m b r o s d a B a n c a E x a m i n a d o r a, c o m p o s t a p e l o s p r o f e s s o r e s : P r o f e s s o r a D r a. N é i d e A l m e i d a F i o r i O r i e n t a d o r a P r o f e s s o r a D r a. L e d a S c h e i b e P r o f e s s o r a D r a. T a m a r a B e n a k o u c h e

4 A eesbria de linha avô Osvaiina. Sua cdragen e seu anor pela huaanidade ensinarai-ib a ser forte e a lutar pela justiça-. A ainha tâe Judith e ao aeu pai Vidal. Suas incobparâveis inteligências e suas energias pessoais proporcionaras-ie o acesso ao conplexo cundo do saber. Ao envolvente cospanheiro Nilton, por partilhar das Binhas dúvidas e dos «eus sonhos. Ao Cícero, por agüentar, nes seapre cos «uita paciência, os draaas da produção acadènica.

5 A G R A D E C I M E N T O S A r e a l i z a ç ï i o d e s t e e s t u d o n'ão t e r i a s i d o poss;[ v e! l. s e m a c o l a b o r a ç S f o d e u m n ú m e r o s i g n cativo d e p e s s o a s» A o r e g i s t r a r m e u a g r a d e c i m e n t o a e s t a s p(?ssoas,, o u s o d e s t a c a r alqumas,, s u a c o l a b o r a ç c í o f o i d a m a i o r re:i.evsncia Aqrad(- ç:o à p r o f e s s o r a N e i d e A l m e i d a F i o r i ^ m i n h a o r i e n t a d o ra,, p o r t e r incentivado,,,:iá n o i n i c i o d o s a n o s 80^ o m e u i n g r e s s o n e s t e P r o g r a m a dc? P ó s "Graduacâ'o S o u p r o f u n d a m e n t e (jrata,, também,, p e la orientaçgiío p r e c i s a e minuciosa,, d e c o r r e n t e d o s e u p r e p a r o intelec-- t.ual (» r i g o r t e ó r i c o - m e t o d o l ó g i c o ; (íi-ites,, p r o p o r c i o n a r a m - m e a s e g u r a n ç a n e c e s s á r i a a o d e s e n v o l v i m e n t o d a pesquisa.. A o s p r ofessores,, fi.uícionái'ioíi> e c o l e g a s d o C u r s o d e P ò s - GraduaçSi'o e m S o c i o l o g i a P o l í t i c a d a U n i v e r s i d a d e F e d e r a l d e S a n t a C a t a r i n a - UF8C;, a g r a d e ç o o apoio., a c o n f i a n ç a e o a q r á d a v e l c o n v í v i o d o s l o n g a s a n o s q u e p r e m a n e c i n o Curso., 1'leu agi'adecifiierrl'.o espec:ial ài::- amigaii^ Z e n i r liaria K o c h e M a r i a d a s D o r e s D a r o s d e A m o r i m p e l o i n c e n t i v o c o n t i n u o e p e l a s c o n t u n - d e n t e s s u g e s t ô ' e s e c r i t i c a s a p o n t a d a s p a r a o a p r i m o r a o i e n t o d o te-xlo,,

6 VI Aciradeço;, ainda., a o s arnicjos M a r i a d a s G r a ç a s Soares., A d é - l;i.a T e r e s i n h a M a s s a r o ( :? W a l d i r Berndt,, p e l o a p o i o d e s c o m p r o m e t i d o e c o r d i a l d u r a n t e t o d o o curso.. S o u grata,, tambo^fn., a o J(:/A'o Francis<:;o V a x Sefuetiba pcela r e vi síí.'o f i n a l d o texto.. N o â m b i t o i n s t i t u c i o n a l,, a g r a d e ç o a o s am:i.gos d a S e c r e t a r i a d e E s t a d o d a ElducaçSío, e m p a r t i c u l a r d a S u b u n i d a d e d e E n s i n o d e 2o.. Grauj, e s p e c i a l m e n t e á J u r a c i S i l v e s t r e e a o p r o f e s s o r Joíío C a r l o s Pottker,, p e l o a p o i o i m p r e s c i n d í v e l n o f o r n e c i m e n t o d o s d a d o s u t i l i z a d o s p e l a pesquisa,, M e u a g r a d e c i m e n t o abrange,, também,, a l g u n s f u n c i o n á r i o s d o C o n s e l h o Eistadual d e Educa(;:i(o., e m especial,, a s b i b l i o t e c á r i a s M a r i a A p a r e c i d a O r l a n d i e M e l s a I g l e s i a s p e l a d i s p o n i b i l i d a d e n o s e n t i d o d e l e v a n t a r o s d o c u m e n t o s e d i s p o s i t i v o s legais., M e u p a r t i c u l a r a g r a d e c i m e n t o a o s c o m p a n h e i r o s ( p r o f e s s o r e s f u n c i o n á r i o s e a l u n o s ) d a U n i v e r s i d a d e p a r a o D e s e n v o l v i m e n t o d o E s t a d o d e S a n t a C a t a r i n a U D E S C que,, n o s m o m e n t o s d e c i s i v o s d a l u t a p o r m e l h o r e s condií;:wes s a l a r i a i s e d e t r a b a l h o s o u b e r a m c o m p r e e n d e r a s c i r c u n s t â n c i a s q u e e n v o l v e m a produçíío acadêmica,.

7 R E S U M O A ):>c) ;i.c: a e cl n c:a :i.o ii a l cl o E t a cl o <:10 S a t a C; a t a i'-:i.11 a é i'-e «m.ui. t a d o d a c o n j u n t u r a p o l ;[ti ca--social d o s d:i.-ferentes oiomen t o s h i s t ó r i c o s., E s t a e m e r g i u s e m p r e d o a p a r e i h o d e Estado., e s p e c i a l m e n t e d o Poder' Executivo., a p r e s e n t a n d o - s e., portanto,, a r t i c u l a d a a o s i n t e r e s s e s d e s e t o r e s p r i v i l e g i a d o s d a s o c i e d a d e catarinense., ü C o n s e l h o E s t a d u a l d e Eiducaçíío, d o E s t a d o d e S a n t a Catarina., i m p l a n t a d o e m c o m o órgíio coleçjiado d a educatjisío, c a r a c t e r i xou--se e n q u a n t o iníirtífncia m á x i m a d e d e l i b e r a c S o d a p o l í t i c a e d u c a c i o n a l p a r a o Estado;; posi(;;:íío e s t a q u e l h e preservou,, inicialmente,, u m n í v e l d e a u t o n o m i a n o p r o c e s s o d e t o m a d a d e decissfo, e m relacsío a o F'oder Exe-- cutivo,, A p a r t i r d o s a n o s 70,, o C o n s e l h o E s t a d u a l d e E d u c a ç S o p a s s o u a i n t e g r a r a e s t r u t u r a o r g a n i z a c i o n a l d a S e c r e t a r i a d e E s t a d o d a E d u - cac«(o.. Eista n o v a posi(;;5ío h i e r á r q u i c a r e p r e s e n t o u u m c e r t o " e s v a z i a m e n t o " d o s e u p r o c e s s o p o l i t i c o - d e c i s ó r i o.. Assim,, o órgíío c o l e g i a d o d a educa<;âfo p a s s o u a c o n-figurar -se c o m o m a i s u m a instícncia d e p o d e r d a b u r o c r a c i a pedagógica,, e,, p o r extensafo, d o P o d e r E x e c u t i v o «A condiçiirto d e " s u b o r d i n a c í t o " d o C o n s e l h o Elstadual d e E d u c a c í í o á S e c r e t a r i a d e Eistado d a Educacíío foi p r e c o n i ixada p e l a s F^e-formas A d -

8 m i n i s t r a t i v a s Estaduais:; e s t a s v;i.savam a d a p t a r a s d i v e r s a s i n s t i t u i çiífíes e orçjani:;;aí;:ffes d a s o c i e d a d e a o R e q i m e A u t o r i tá r i o - B u r o c r á ti c o, i m p l a n t a d o n o p a i s n o a n o d e ;l.964 l-r^ste e s t u d o b u s c o u c o m p r e e n d e r o C o n s e l h o Eistadual d e Edi.u:;a - ç;2to,, a p a r t i r d e s u a s i s t e m á t i c a d e e x e r c í c i o d e poder,, c o m p o s i ç:^o ^ funcionamento e t o m a d a d e decisivo,, e s p e c i a l m e n t e q u a n t o a o s s e u s p r o c e d i m e n t o s n a p o l i ti ca d e expans2('o d o e n s i n o d e 2 o grau,, P a r a p r o c e d e r a e s s a a n á l i s e f o i n e c e s s á r i o i d e n t i f i c a r a a t u a ç ã o d o C o n s e l h o Oüstadual d e Educaç:3ío n a elabora<;:íío d o s P l a n o s d e ' E d u c a ç ã o e a relat;:3ío q u e e s s e ó r g à o c o l e g i a d o e s t a b e l e c e u c o m o C o n s e l h o F e d e r a l d e Educação,, n o â m b i t o federal., e c o m a S e c r e t a r i a d e E s t a d o d a EducaçS^o, n o â m b i t o estadual,, G p r o c e s s o d e c i s ó r i o n o C o n s e l h o E s t a d u a l d e Edu(::acSo foi i n vestigado,, também,, a p a r t i r d e par-âfnetros f o r m a i s d e s u a c o m p o s i ç;:?ío e d a indica^ííío d a s liga^:ôes i n s t i t u c i o n a i s d o s m e m b r o s d o órgíío cole-- g i a d o s p r o c e d i m e n t o e s t e q u e p e r m i t i u a p o n t a r t á t i c a s d i v e r s i f i c a d a s d e m a n u t e n ^ S o d a s i s t e m á t i c a d e e x e r c í c i o d e p o d e r e d o e s t i l o d e a u toridade,.

9 A B S T R A C T T h e e d u c a t i o n a l p o l i c y in S a n t a C a t a r i n a h a s result(-:?d froni t h e s o c i o - p o l i t i c a l c o n j u n c t u r e in d i f f e r e n t h i s t o r i c a l periods,. T h i s p o l i c y h a s a l w a y s e m e r q e d f r o m t h e S t a t e apparatus,, e s p e c i a l l y f r o m t h e a c t i o n s o f t h e E x e c u t i v e Power,, b e i n g t h u s s u b j e c t e d to t h e i n t e r e s t s o f p r i v i l e g e d g r o u p s in t h e s o c i e t y o f S a n t a Catarina.. Tl'ie S t a t e C o u n c i l o f Educat:i.on in S a n t a C a t a r i n a w a s ("rotated in a s t h e o r g a n f o r p o l i t i c a l a n d e d u c a t i o n a l d e l i b e r a t i o n in t h e State., It w a s c h a r a c t e r! zed in i t s i n i t i a l s t a t e by an a u t h o n o m y in t h e d e c i s i o n makirig p r o c e s s f r o m t h e E x e c u t i v e Power., In tlie 's the? Couricil wa;:;. irrt'.(?g r a t e d Lo t h e oi'gai'i i z a ticj" n a l s t r u c t u r e o f t h e s t a t e l-ducation Bureau.. T h i s n e w h i e r a r c h i c a l s i t u a t i o n r e s t r i c t e d i t s a c t i o n in t h e p o l i t i c a l d e c i s i o n - m a k i r i g p r o cess.. U n d e r t h e s e c i r c u n s t a n c e s, t h e c o l l e g i a t e o r g a n o f e d u c a t i o n b e c a m e m e r e l y a n o t h e r i n s t a n c e o f p e d a g o g i c a l b u r e a u c r a c y., a n d a s s u c h s u b j e c t e d to t h e E x e c u t i v e Power., T h e a d m i n i s t r a t i v e r e f o r m i m p o s e d by t h e a u t h o r i t a r i a n avid b u r e a u c r a t i c g o v e r n m e n t i m p l a n t e d in t h e c o u n t r y in 1964., a f f e c t e d d i f f e r e n t i n s t i t u t i o n a n d o r g a n i n a t i o n s a n d s t i p u l a ted t h e s u b o r d i n a t i o n o f t h e S t a t e E d u c a t i o n a l C o u n c i l t o t h e E d u c a t i o n a l Bureau.,

10 X T h i s s t u d y a i m s a t e l u c i d a t i n g t h e f o l l o w i n g p o i n t s c o n c e r n i n g t h e S t a t e E d u c a t i o n CoUncili! i t s s y s t e m a t i c e x e r c i s e o'f p o w e r s i t s c o m p o s i t i o n : ; activities,, a n d t h e d e c i s i o n -making process,, w i t h s p e c i a l -focus on t h e p r o c e d u r e s a d o p t e d in t h e e x p a n s i o n p o l i c y o f <i>econd a r y 1 e v e 1 etju{:;at i on F o r t h i s a n a l y s i s to be c a r r i e d out,, w e had to identi-fy t h e r o l e O 'f t h e S t a t e Eiducation C o u n c i l in l-ducational P o l i c y p l a n n i n g i t s r e l a t i o n s h i p w i t h b o t h t h e F e d e r a l l:::ducation C o u n c i l a n d t h e Sta-- te E!du ca t i ori B u i-eau., T h e a u t o n o m y o f S t a t e E d u c a t i o n C o u n c i l in t h e decision--ma-- k i n g i s a l s o i n v e s t i g a t e d in t h e l i g h t o f f o r m a l p a r a m e t e r s in i t s c o m p o s i t i o n,, a n d o f t h e r e l a t i o n s h i p o f t h e c o l l e g i a t e m e m b e r s w i t h i n s t i t u t i o n s. ri'ii!:;. procedi.u' e p r o v i d e d for ii"idi caticn'i o f diversi-f i(vm:l -l.ac-l.ics to main-l.aii'i -l.he sys-l.ematic exei'cise o f powei-- a n d a u t h o r i t a r y s-l.yle

11 X :ii:; c o e :; INTRODUÇPIO A P R E S E N T A Ç f i O O r i g e m d o E s t u d o P r o c e d i m e n t o s T e ó r i c o - M e t o d o l ó g i c o s Q u a d r o d e R e f e r ê n c i a T e ó r i c o M é t o d o s e T é c n i c a s d e Pesquisa, P A R T E 1 - P O L Í T I C A E D U C A C I O N A L E C O N S E L H O S D E E D U C A Ç R O I - C O N J U N T U R A S O C I O - E C O N O M I C A E P O L Í T I C A E D U C A C I O N A L L e g i s l a ç ã o d o E n s i n o C o n s e l h o s d e E d u c a ç K o i O r g ã o s d e v i a b i l i z a ç ã o d a P o l í t i c a E d u c a c i o n a l C o n s e l h o F e d e r a l e C o n s e l h o s E s t a d u a i s de E d u c a ç ã o : D a D e s c e n t r a l i z a ç ã o A r t i c u l a d a à S u b o r d i n a ç ã o F o r m a l P o l í t i c a E d u c a c i o n a l d o E s t a d o d e S a n t a C a t a r i n a : 0 C o n s e l h o E s t a d u a l d e E d u c a ç ã o e o s P l a n o s d e E d u c a ç ã o

12 XII P A R T E 2 - C O N S E L H O E S T A D U A L D E E D U C A Ç R O D O E S T A D O D E S A N T A C A T A R I N A I - A S P E C T O S C O N T E X T U A I S E L E G A I S L e i d e D i r e t r i z e s e B a s e s d a E d u c a ç à o N a c i o n a l e C o n s e l h o s E s t a d u a i s d e E d u c a ç à o C r i a ç ã o e I m p l a n t a ç ã o E s t r u t u r a O r g a n i a a c i o n «!.... i l O 4 - C o m p e t e ^ ^ ^ A t r i b u i ç õ e s C o m p o s i ç ã o E s t r u t u r a d e T o m a d a d e D e c i s ã o P l e n á r i a ComissCíes P r e s i d ê n c i a II - E X E R C Í C I O D O P O D E R E L E G I T I M I D A D E D e s c e n t r a l i z a ç ã o d o P o d e r e C o n s e l h o s M u n i c i p a i s d e E d u c a ç à o D e I n s t â n c i a P o l i t i c o - D e c i s ó r i a à I n s t â n c i a T é c n i c o - B u r o c r á t i c a C o n s e l h o E s t a d u a l d e E d u c a ç ã o e S e c r e t a r i a d e E s t a d o d a E d u c a ç ã o : D a S u b o r d i n a ç ã o F o r m a l à C o n v i v ê n c i a III - " A N E I S B U R O C R Á T I C O S " : I N T E R C O N E X A O E N T R E I N T E R E S S E S E S P E C Í F I C O S

13 XIII 1 - Organizações burocráticas e r e l a ç & e s d e p o d e r C o n s e l h e i r o s e s u a s l i g a ç ò e s i n s t i t u c i o n a i s M e m b r o s C o m p o n e n t e s C o n s e l h e i r o s P r e s i d e n t e s O r u p o s f r a g m e n t â r i o s o u d e i n t e r e s s e s C o n s e l h e i r o s v i n c u l a d o s à s I n s t i t u i ç õ e s P ú b l i c a s C o n s e l h e i r o s v i n c u l a d o s è»s I n s t i t u i ç õ e s P r i v a d a s E d u c a c i o n a i s C o n s e l h e i r o s v i n c u l a d o s à s I n s t i t u i ç õ e s d e E n s i n o S u p e r i o r R e c o n d u ç ã o c o m o T á t i c a d e M a n u t e n ç ã o do P o d e r d e G r u p o s F r a g m e n t á r i o s D u t r a s T á t i c a s a p o n t a d a s n a s F a l a s d o s C o n s e l h e i r o s ó P A R T E 3 - P O L Í T I C A D E E X P A N S R O D O E N S I N O D E 2 o - G R A U, E M S A N T A C A T A R I N A I - C O R R E L A Ç f t O D E F O R Ç A E N T R E A S R E D E S D E E N S I N O P l a n o s d e E d u c a ç ã o e E x p a n s ã o d a s R e d e s d e E n s i n o Q u a l i d a d e d o E n s i n o - U m E n f o q u e P e d a g ó g i c o E s c o l a P ú b l i c a X L i b e r d a d e d e E n s i n o

14 XIV 0 d i l e m a d a E s c o l a P a r t i c u l a r m e d i a n t e a E x p anssto d a E s c o l a P ú b l i c a P o l í t i c a d e C o n t e n ç ã o d a R e d e P ú b l i c a E s t a d u a l L i m i t e s d a P o l í t i c a d e C o n t e n ç ã o d a R e d e P ú b l i c a E s t a d u a l d e E n s i n o J o g o P r i v a t l s t a e T o m a d a d e D e c i s ã o n o O r g ã o C o l e g i a d o d a E d u c a ç ã o ft T I T U L O D E C O N C L U S Ã O - P E N S A N D O E M C O N T R I B U I R r e f e r e n c i a s B I B L I O G R A F I C A S L I S T A D E Q U A D R O S Q u a d r o 1 - R e u n i ã o C o n j u n t a d o s C o n s e l h o s d e E d u c a ç ã o / Q u a d r o 2 - P l a n o E s t a d u a l d e E d u c a ç ã o - C o m i s s ã o S u p e r i o r d e E s t u d o s Q u a d r o 3 - C E E - E s t r u t u r a O r g a n i z a c i o n a l / Q u a d r o 4 - C E E - C o m p o s i ç 2 ( o / Q u a d r o 5 - C E E - P o s i ç ã o n a E s t r u t u r a d o S i s t e m a d e E n s i n o / Q u a d r o 6 - C E E - C a r g o s e Ligaçeses I n s t i t u c i o n a i s / Q u a d r o 7 - S E E / C E E - S e c r e t á r i o s d e E s t a d o / M e m b r o s d o C E E / Q u a d r o 8 - S E E / C E E - S e c r e t á r i o s e C o n s e l h e i r o s /

15 XV Q u a d r o 9 - C E E - P e r i o d o d e P e r m a n ê n c i a d o s C o n s e l h e i r o s Q u a d r o C E E - C o n s e l h e i r o s P r e s i d e n t e s / M a n d a t o / Q u a d r o 11 - C E E - R u n i O e s d a Comissêto d o E n s i n o d e 2o. G r a u / Q u a d r o S E E - Previsfto O r ç a m e n t á r i a / A s s i s t ê n c i a à E n t i d a d e s P r i v a d a s d e 2o. G r a u / P r o g r a m a d e B o l s a s d e E s t u d o / Q u a d r o S E E - P r e v i s ã o O r ç a m e n t á r i a / E n s i n o d e 2o. G r a u / A s s i s t è n c i a E n t i d a d e s P r i v a d a s d e 2o. G r a u / P r o g r a m a B o l s a s d e E s t u d o / Q u a d r o 14 - S E E - B o l s a s d e E s t u d o C o n c e d i d a s / P o r U C R E / Q u a d r o S E E - Previsâto O r ç a m e n t á r i a / E n s i n o d e lo. e 2o. G r a u s / Q u a d r o A - C E E - E n s i n o d e 2o. G r a u / P r o c e s s o s d e E x p a n s a o / J u s t i f i c a t i v a ( A n e x o 12) Q u a d r o B - C E E - E n s i n o d e 2o. G r a u / P r o c e s s o s d e ExpansSfo/Opçcto p e l o C u r s o Q u a d r o C - C E E - E n s i n o d e 2o. G r a u / P r o c e s s o s d e E x p a n s ã o / E n v o l v i m e n t o d a C o m u n i d a d e ( A n e x o 12) Q u a d r o D - C E E - E n s i n o d e 2o. G r a u / P r o c e s s o s d e E x p a n s c f o / C u r s o s ( A n e x o 12) L I S T A D E G R Á F I C O S G r á f i c o 1 - E n s i n o d e 2o. G r a u / B o l s a s d e E s t u d o /

16 XVI G r á f i c o 2 - E n s i n o d e 2o. G r a u / M a t r i c u l a I n i c i a l p o r D e p e n d ê n c i a A d m i n i s t r a t i v a / G r á f i c o 3 - E n s i n o d e 2o. G r a u / U n i d a d e s E s c o l a r e s p o r D e p e n d ê n c i a A d m i n i s t r a t i v a / G r á f i c o 4 - E n s i n o d e 2o. G r a u / M a t r i c u l a I n i c i a l T o t a l / G r a f i c o 5 - E n s i n o d e 2o. G r a u / M a t r i c u l a p o r S e t o r da E c o n o m i a / '^*fico 6 - E n s i n o d e 2o. G r a u / T o t a l d e U n i d a d e s E s c o l a r e s / G r a f i c o 7 - E n s i n o d e 2o. G r a u / H a b i 1 i t a ç ò e s p o r D e p e n d ê n c i a A d m i n i s t r a t i v a / G r á f i c o 8 - E n s i n o d e 2o. G r a u / M a t r i c u l a I n i c i a l / C u r s o s S e m H a b i l i t a ç ã o / G r á f i c o 9 - E n s i n o d e 2o. G r a u / C u r s o s s e m H a b i l i t a ç ã o p o r D e p e n d ê n c i a A d m i n i s t r a t i v a / L I S T A D E A N E X O S A n e x o 1 - O r g a n o g r a m a d a S e c r e t a r i a d e E s t a d o d a E d u c a ç ã o A n e x o 2 - O r g a n o g r a m a d a S e c r e t a r i a d e E s t a d o d a E d u c a ç S o A n e x o 3 - S E E / U N O E / S U E S G - P a r e c e r A n e x o 4 - C N E C - O f i c i o no / A n e x o 5 - C N E C - O f i c i o no / A n e x o 6 - C N E C - O f i c i o no / A n e x o 7 - C N E C - D e c l a r a ç ê f o - P r o c e s s o no /

17 XVII A n e x o 8 - S E E / G a b i n e t e d o S e c r a t ô r i o - E x p o s i ç ã o d e M o t i v o s A n e x o 9 - S E E / G a b i n e t e d o S e c r e t á r i o - E x p o s i ç ã o d e M o t i v o s A n e x o S E E / S U E S G - P a r e c e r - P r o c e s s o no / A n e x o 11 - C a r a c t e r i z a ç ã o d a E x p a n s ã o A n e x o 12 - P r o c e s s o s d e c r i a ç ã o d a s r e d e s d e e n s i n o - A s p e c t o s T é c n i c o - B u r o c r á t i c o s L I S T A D E T A B E L A S T a b e l a 1 - E n s i n o d e 2o. G r a u / M a t r i c u l a I n i c i a l p o r D e p e n d ê n c i a A d m i n i s t r a t i v a / ( A n e x o 11) T a b e l a 2 - E n s i n o d e 2o. G r a u / U n i d a d e s E s c o l a r e s p o r D e p e n d ê n c i a A d m i n i s t r a t i v a / ( A n e x o 11) T a b e l a 3 - E n s i n o d e 2o. G r a u / H a b i 1 itaçftes p o r D e p e n d ê n c i a A d m i n i s t r a t i v a / ( A n e x o 11) T a b e l a 4 - E n s i n o d e 2 o. G r a u / C u r s o s o f e r e c i d o s ( A n e x o 11)

18 X r - B - i! " II--M" ii::;:n 11.. J c íií^ iih ;;;:» l:;!<;i.te e <;ít i.i<;lo a ]:>i'-e e n l.a cl o e n cj ia a n t o D :i.íü i-i-e i'-t a ç;:s o c! e M e íü 1 1'-a cl o, p r o p Ô B - s e a i n v e s t i g a r a l g u m a s cias i m p i i c:at:(ííes d e p r o c e s s o d e tcjínada d e d e c i s a b n o C o n s e l h o E s t a d u a l d e Elducacííc:. d o Estadcj d e S a n t a C a t a rina., a b r a n g e n d o o periodc? c o m p r e e n d i d o e n t r e a c r i a c S o d o órgíivo c o - l e g i a d o d a educaç^fo (;1.962) a t é ;l.9b7.. P a r a tanto,, p r o c u r o u c a r a c t e r i z a r a d i n â m i c a d e criaçgjq p r e c r i a ç ã o cio C o n s e l h o l-stadual d e EducacSo,, cjuantc? acjs a s p e c t o s r e l a c i o n a d o s à e s t r u t u r a o r g a n i z a c i o n a l,, à compcssicsío, acj - f u n c i c j n a m e n t o e a o p r o c e s s o decisório., A ccjmpreensívo d e s t a d i n â m i c a d e criacsvci e r e c r i a ç ã o fcji f u n d a m e n t a d a n a s conceptiffes t e ó r i c a s r e f e r e n t e s à s or- ganizaçílíes b u r o c r á t i c a s,, c o m # n f a s e à s i s t e m á t i c a d e e x e r c i cici d o pcjd e I'- e e s t ;i. ;i,o cl e a u t o i'-i d a d e,, c: a i" a c: t e r' i t i c: o <;: d e ta :i. í:í o r g a ri ;i. z a ç: (Se í;-.., E s t a p e s q u i s a p r o c u r o u apreender., n a P a r t e 1 a s i n f l u ê n c i a s p r e d o m i n a n t e s d o s d i f e r e n t e s m o m e n t o s h i s t ó r i c o s s o b r e o s C o n s e l h o s d e Educaçào,, e m geral., e s o b r e o C o n s e l h o E s t a d u a l d e EducaçSfo d o E s t a d o d e S a n t a Catarina,, e m particular;; t a i s i n f l u ê n c i a s f o r a m i d e n t i f i c a d a s n o n a c i o n a l i s m o c l e s e n v o l v i m e n t i s t a d o s a n o s 50;; luj prcjcesso d e in t e r n a c i o n a l i zacíio d a eccínomia,, c a r a c t e r í sti ccj dcjs ancjs 60;; n o R e q i m e Autcjritário-Burcjcrático,, i m p l e m e n t a d o n o p a í s d u r a n t e o s a n o s 70;i n a s fcjrças d e m o c r á t i c a s,, e m e m e r g ê n c i a ncjs a n o s 80..

19 A b r e v e a n á l i s e d a s d i s t i n t a s con j u n t u r a s p o l :[t i c o - e c o n ô m i - - c:as o f e r e c e u i n d i c a d o r e s á c o m p r e e n s i v o d a p o l :[t:i. ca e d u c a c i o n a l e x pressa,, a n i v e l federal., ::iela;:> L e i s no,, /6:l. (I...ei d e D i r e t r i z e s B a s e s d a E d u c a ç í í o Nacional)., no / 6 8 ( R e f o r m a d o E n s i n o S u p e r i o r ) e no., 5,.692/71 ( R e f o r m a d o E n s i n o d e :l.o» e 2o.. Graus).. P o s s i b i litou., tambéfiij n o ííímbito d o Estado,, i n f e r i r a r e s p e i t o d o s p r o c e d i m e n t o s a d o t a d o s p e l a b u r o c r a c i a p e d a q ó y i c a e s t a d u a l ( S e c r e t a r i a, d e liüstado d a EducaçSfo e Cíonselho l-stadual d e li^ducaçáo), n o s e n t i d o d e v i a b i l i z a r a pol líti ca e d u c a c i o n a l o r i u n d a d a e s f e r a f e d e r a l ; e s t e s p r o c e d i m e n t o s f o r a m e x p l i c i t a d o s a t r a v é s d o s l-'lanos d e E d u c a c A o e d e d ;i.íip o s i t :i.voi;:- 1 e q a i ííí c:om pü. e m e n ta r e;:i. A P a r t e 2 d e s t a p e s q u i s a a n a l i s o u o Ciionsel ho Eistadual d e Educaçííío d o E s t a d o d e S a n t a C]:atarina,, n o p e r i o d o c o m p r e e n d i d o e n t r e i962/;!.987., c o m ê n f a s e à d é c a d a ;l.977/1987,. T a l a n á l i s e f u n d a m e n t o u - s e n a c o m p a r a ç S í o e n t r e o s d i s p o s i t i v o s l e q a i s r e f e r e n t e s ao ó r g S o (::ole q i a d o d a edt.u::a^:áo,, a p r o v a d o s rtos d:i.fer en teí;i- m o m e n t o s hist(í>r i c o s E s t e s d i s p o s i t i v o s p e r m i t i r a m i d e n t i f i c a r a s i s t e m á t i c a d e e x e r c í c i o d o p o d e r d o órqáfo e o s p r o c e d i m e n t o s v o l t a d o s á b u s c a d e s u a l e q i t i m i d a - d e J u n t o á c o l e t i v i d a d e,, P e r mitiram,, também,, c a r a c t e r i z á - l o c o m o i n s - târicia p o l i t i c o - d e c i s ó r i a n o p e r í o d o c o m p r e e n d i d o e n t r e 1962/1987,, e e n q u a n t o i n s t â n c i a té c:n i co-bi.u'cjcrá ti c a, a part:i.r' d e 1970,, E s t a c a r a c terizaçsto f o i o r e s u l t a d o d a fiiudan^a n a posií;:5io h i e r á r q u i c a d o ó r q á o c: o 1 e q i a d o n o S :i.íiít e m a E íü t a d u a ;i. d e 1;:!i'i<;>i n c:) N e s t a P a r t e 'foram i d e n t i f i ç a d a s., ainda., a l q u m a s daiii ],i q a - çiiíííes i n s t i t u c i o n a i s d o s m e m b r o s d o C o n s e l h o l-stadual d e EducacíSo e o p e r i o d o d e p e r m a n ê n c i a d o s m e s m o s n o c a r q o d e C^onsel hei r o. E s t e s f e n ô m e n o s i n d i c a m a c o m p l e x a t e i a d e i n t e r c o n e x í V o e n t r e os i n t e r e s s e s c o n t e m p l a d o s n o a p a r e l h o d e E s t a d o e x p r e s s a s n a c o n s t i tui ç;<?(o d e

20 "ariéis burocrát:i.cos" p o s s i b i l i t a m a confiqura(;:sío d e q r u p o s fragíiien - t á r i o s e a p o n t a m a l q u m a s t á t i c a s v o l t a d a s á manutenç;:ííío d o s i n t e r e s s e s d e s s e s çirupos e d a s i s t e m á t i c a d e ex(?rci c:io d o p o d e r n a iiíter i o r dc:< órqá'o.. J á a P a r t e 3., d e s t e estudo,, e n f o c o u o p r o c e s s o d e t o m a d a d e decisívo n o C o n s e l h o E s t a d u a l d e EducacíXo q u a n t o á p o l i t i c a d e e x p a n - sííio d o e n s i n o d e 2o.. qrau,, e m S a n t a Catarina,, c o m fí?nfase á d é c a d a /.l F'ara tanto,, f o r a m analii-iados o s F'lanos de? EducaçiíVo e o s d i s p o s i tivoi::- leqais,, c a r a c t e r í s t i c o s d a expansíío d o ensirio (F'lanc:is d e llatricula e P l a n o s d e ExpansíVo);; t a i s d i s p o s i t i v o s indicaram,, n o i n t e r i o r d a b u r o c r a c i a p e d a q ó q i c a,, u m c o m p l e x o.:ioqo d e forças,, c a r a c t e r i z a d o p e l a p r e d o m i n â n c i a d o s i n t e r e s s e s p r i v a t i s t a s l i q a d o s á e d u c a - 0 p r o c e s s o d e t o m a d a d e decisív'o n o C o n s e l h o E s t a d u Educatíáo,, r e f e r e n t e á p o l i t i c a d e expansívo d o e n s i n o d e 2o.. q r a u e m S a n t a Catarina,, consistiu,, f u n d a m e n t a l m e n t e,, e m r e a f i r m a r a s d i r e t r i z e s d a S e c r e t a r i a d e E s t a d o d a Educa^;a'o., Assim,, n u m p r i m e i r o momoírito ( d é c a d a s d e 6 0 e 70) a p o l i t i c a d e expansá^o d o e n s i n o d e 2o.. q r a u c a - r a c t e r i z o u - s e p e l a c o n t e n ç S o d o c r e s c i m e n t o d a r e d e p ú b l i c a e s t a d u a l e., n u m s e q u n d o m o m e n t o (a p a r t i r d o s a n o s 80) f o r a m i n d i c a d o s o s l i m i t e s d a p o l i t i c a d e content;;íí'o d o c r e s c i m e n t o d e s s a rede,, f a t o e s t e q u e p r o p o r c i o n o u u m a retraçisvo n a r e d e p a r t i c u l a r d o ensino,,

21 4 H " ifi:: ie;;; s ; iie: ii-ii "t g ipt!ii:;:;ii O R I G E M D O E S T U D O F'ara s e c o m p r e e n d e r a s v i c i s s i t u d e s p e l a s q u a i s p a s s a o p e s q u i s a d o r e m b u s c a d e s e u tema,, é i m p o r t a n t e c o n s i d e r a r que,, m u i t a s ve:íeiii,, fa:i;--ii:-e necessái''io q u e se,;ia(ií en foc:adas experifí?ncias vi veri c:i.a-- d a s n o t r a bailio p r o f i<:isional E s t a s ex pei' i(?ncia;::- sívo relevante.;ii.is-- t a m e n t e p o r q u e a b r i g a m a gtínese d a opi;:í(o p e l o tema,, a l é m d e a p r e s e n t a r e m u m a b o a g a m a d e i n d i c a d o r e s p a r a o d e s e n v o l v i m e n t o d a pesquisa,, E s t e é o m e u caso,. A s s i m sendo,, a i n s p i racsio p a r a o e s t u d o d o p r o c e s s o d e c i s ó r i o n o C o n s e l h o E s t a d u a l d e EducaçííVo d o E s t a d o d e S a n t a C a t a r i n a t e m s u a o r i g e m n a m i n h a atuaçívo j u n t o à S e c r e t a r i a d e E s t a d o d a EducacíV^o,, n a S u b u n i d a d e d e E n s i n o d e 2o Grati (SUESG),, s u b o r d i n a d a á U n i d a d e O p e r a c i o n a l d e E n s i n o (ÜNOE)., l i g a d a d i r e t a m e n t e a o S e c r e t á r i o d a Educaç<tiO!i o f a t o d e u - s e n o p e r i o d o c o m p r e e r i d i d o e n t r e 1983/1986., n a condiç^to d e t é c n i c a d e e d u c a c S o e n a q u a l i d a d e d e c h e f e d e s s a S u b u n i dade., d u r a n t e o a n o d e

(Às Co missões de Re la ções Exteriores e Defesa Na ci o nal e Comissão Diretora.)

(Às Co missões de Re la ções Exteriores e Defesa Na ci o nal e Comissão Diretora.) 32988 Quarta-feira 22 DIÁRIO DO SENADO FEDERAL Ou tu bro de 2003 Art. 3º O Gru po Parlamentar reger-se-á pelo seu regulamento in ter no ou, na falta deste, pela decisão da ma i o ria absoluta de seus mem

Leia mais

PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O

PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O O s depós itos fos s ilíferos, o s s ítios paleontológ icos (paleobiológicos ou fossilíferos) e o s fós s eis q u e a p r e s e n ta m valores científico, educativo o u cultural

Leia mais

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e :

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : INSCRIÇÕES ABERTAS ATÉ 13 DE JULH DE 2015! Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : Caso vo cê nunca t e nh a pa

Leia mais

soluções sustentáveis soluções sustentáveis

soluções sustentáveis soluções sustentáveis soluções sustentáveis 1 1 1 2 3 KEYAS S OCIADOS UNIDADES DE NEGÓCIO ALGUNS CLIENTES 2 2 1 2 3 KEYAS S OCIADOS UNIDADES DE NEGÓCIO ALGUNS CLIENTES 3 3 APRES ENTAÇÃO A KEYAS S OCIADOS a tu a d e s d e 1

Leia mais

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10 QUESTÃO 1 VESTIBULAR FGV 010 JUNHO/010 RESOLUÇÃO DAS 15 QUESTÕES DE MATEMÁTICA DA PROVA DA MANHÃ MÓDULO OBJETIVO PROVA TIPO A O mon i tor de um note book tem formato retangular com a di ag o nal medindo

Leia mais

URBANISMO COMERCIAL EM PORTUGAL E A REVITALIZAÇÃO DO CENTRO DAS CIDADES

URBANISMO COMERCIAL EM PORTUGAL E A REVITALIZAÇÃO DO CENTRO DAS CIDADES LEITURAS URBANISMO COMERCIAL EM PORTUGAL E A REVITALIZAÇÃO DO CENTRO DAS CIDADES [Carlos José Lopes Balsas (1999), Gabinete de Estudos e Prospectiva Económica, Ministério da Economia, ISBN: 972-8170-55-6]

Leia mais

P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010

P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010 P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010 D A T A D E A B E R T U R A : 2 9 d e d e z e m b r o d e 2 0 1 0 H O R Á R I O : 9:0 0 h o r a s L O C A L D A S E S S Ã O P Ú B L I C A: S a l a d a C P L/

Leia mais

GASTRONOMIA. Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to.

GASTRONOMIA. Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to. GASTRONOMIA Instruções Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to. Res pe i te mar gens e en tra das de pa rá gra fo. Use as in for ma ções

Leia mais

Questionário sobre o Ensino de Leitura

Questionário sobre o Ensino de Leitura ANEXO 1 Questionário sobre o Ensino de Leitura 1. Sexo Masculino Feminino 2. Idade 3. Profissão 4. Ao trabalhar a leitura é melhor primeiro ensinar os fonemas (vogais, consoantes e ditongos), depois as

Leia mais

E v o lu ç ã o d o c o n c e i t o d e c i d a d a n i a. A n t o n i o P a i m

E v o lu ç ã o d o c o n c e i t o d e c i d a d a n i a. A n t o n i o P a i m E v o lu ç ã o d o c o n c e i t o d e c i d a d a n i a A n t o n i o P a i m N o B r a s i l s e d i me nt o u - s e u ma v is ã o e r r a d a d a c id a d a n ia. D e u m mo d o g e r a l, e s s a c

Leia mais

A N E X O P L A N O M U N I C I P A L D E E D U C A Ç Ã O 2 0 1 5 2024

A N E X O P L A N O M U N I C I P A L D E E D U C A Ç Ã O 2 0 1 5 2024 E S T A D O D E S A N T A C A T A R I N A P R E F E I T U R A M U N I C I P A L D E M A J O R V I E I R A S E C R E T A R I A M U N I C I P A L D E E D U C A Ç Ã O, C U L T U R A E D E S P O R T O C N

Leia mais

U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D O P A R A N Á L E T Í C I A M A R I A G R O B É R I O

U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D O P A R A N Á L E T Í C I A M A R I A G R O B É R I O U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D O P A R A N Á L E T Í C I A M A R I A G R O B É R I O A B O R T O : U M A Q U E S T Ã O M O R A L, L E G A L, C U L T U R A L E E C O N Ô M I C A C U R I T I B A

Leia mais

P R E F E I T U R A M U N I C I P A L D E J A R D I M

P R E F E I T U R A M U N I C I P A L D E J A R D I M N Ú C L E O D E C O M P R A S E L I C I T A Ç Ã O A U T O R I Z A Ç Ã O P A R A R E A L I Z A Ç Ã O D E C E R T A M E L I C I T A T Ó R I O M O D A L I D A D E P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 027/ 2

Leia mais

RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO

RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO 1. RESULTADOS QUESTIONÁRIO I - PARTES/ CONCILIAÇÃO 1.1- QUESTIONÁRIO I - PARTES/ CONCILIAÇÃO: AMOSTRA REFERENTE AS

Leia mais

Correção da fuvest ª fase - Matemática feita pelo Intergraus

Correção da fuvest ª fase - Matemática feita pelo Intergraus da fuvest 009 ª fase - Matemática 08.0.009 MATEMÁTIA Q.0 Na figura ao lado, a reta r tem equação y x no plano cartesiano Oxy. Além dis so, os pontos 0,,, estão na reta r, sendo 0 = (0,). Os pontos A 0,

Leia mais

Embarque no Turismo O Papel do Turismo no Desenvolvimento do País

Embarque no Turismo O Papel do Turismo no Desenvolvimento do País Embarque no Turismo O Papel do Turismo no Desenvolvimento do País Belo Horizonte/MG, 21 de junho de 2010 Segmentação A s eg mentação es tá pres ente em todos os mercados, incluindo o mercado do turis mo;

Leia mais

lh e c o n fe re o in c is o II d o a rt. 4 º d o Re g u la m e n to d o D e p a rta m e n to -G e ra l d o Pe s s o a l (R-1 56 ), a p ro v a d o

lh e c o n fe re o in c is o II d o a rt. 4 º d o Re g u la m e n to d o D e p a rta m e n to -G e ra l d o Pe s s o a l (R-1 56 ), a p ro v a d o PORTARIA Nº 1 6 4 -D G P, D E 4 D E NOV E M B RO D E 2 0 1 1. Alte ra a d is trib u iç ã o d e e fe tiv o d e m ilita re s te m p o rá rio s, p a ra o a n o d e 2 0 1 1. O CHEFE DO DEPARTAMENTO-GERAL DO

Leia mais

O P a pel da M ídia no C o ntro le da s P o lític a s de S a úde

O P a pel da M ídia no C o ntro le da s P o lític a s de S a úde B ra s ília, 26 de s etem bro de 2009 C o ntro le da s P o lític a s de L uiz R ibeiro FU N Ç Ã O D O J O R N A L I S M O J o r n a lis m o é a a tiv id a d e p r o fis s io n a l q u e c o n s is te e

Leia mais

.', HGFEDCBA. M e u s c o m p a n h e iro s e m in h a s c o m p a n h e ira s. M e u s a m ig o s e m in h a s a m ig a s.

.', HGFEDCBA. M e u s c o m p a n h e iro s e m in h a s c o m p a n h e ira s. M e u s a m ig o s e m in h a s a m ig a s. . ---,,,",jihgfedcbazyxwvutsrqponmlkjihgfedcba ".',.;. " f.,..~~' D is c u r s o p r e f e it o M a r c e lo D é d a S O L E N I D A D E D E L A N Ç A M E N T O D A S P U B L I C A Ç Õ E S D O P L A N

Leia mais

Estratégico. III Seminário de Planejamento. Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011

Estratégico. III Seminário de Planejamento. Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011 Estratégico III Seminário de Planejamento Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011 G es tão Em pre sa rial O rie nta ção pa ra om erc ado Ino vaç ão et

Leia mais

10.1 Objetivos, Conceitos e Funções. Os obje ti vos prin ci pais do con tro le orça men tá rio são: Responsabilidade pelo Controle Orçamentário

10.1 Objetivos, Conceitos e Funções. Os obje ti vos prin ci pais do con tro le orça men tá rio são: Responsabilidade pelo Controle Orçamentário Capítulo 10 Controle Orçamentário Essa etapa acon te ce após a exe cu ção das tran sa ções dos even tos eco nô mi cos pre vis - tos no plano orça men tá rio. Não se con ce be um plano orça men tá rio sem

Leia mais

IN S A In s titu t N a tio n a l

IN S A In s titu t N a tio n a l IN S A : U m a re d e d e 5 e s c o la s s u p e rio re s d e e n g e n h a ria O INS A de Rennes existe desde 1966 R ouen O INS A de Rouen existe desde 1985 O INS A de S trasbourg existe desde 2003 R

Leia mais

Prgrmçã O Mu s u Év r, p r l ém f rcr s s i g ns «vi s i t s cl áss i cs» qu cri m s p nt s c nt ct nt r s di v rs s p úb l ic s qu vi s it m s c nt ú d s d s u ri c s p ó l i, p r cu r, c nc m i t nt

Leia mais

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM No u s o d a c o mp e t ê n c i a p r e v i s t a al í n e a v ) d o n. º 1 d o ar t i g o 64º d o De c r e t o -Le i n. º 1

Leia mais

1. A cessan do o S I G P R H

1. A cessan do o S I G P R H 1. A cessan do o S I G P R H A c esse o en de reç o w w w.si3.ufc.br e selec i o ne a o p ç ã o S I G P R H (Siste m a I n te g ra d o de P la ne ja m e n t o, G estã o e R e c u rs os H u m a n os). Se

Leia mais

Resolução feita pelo Intergraus! Módulo Objetivo - Matemática FGV 2010/1-13.12.2009

Resolução feita pelo Intergraus! Módulo Objetivo - Matemática FGV 2010/1-13.12.2009 FGV 010/1-13.1.009 VESTIBULAR FGV 010 DEZEMBRO 009 MÓDULO OBJETIVO PROVA TIPO A PROVA DE MATEMÁTICA QUESTÃO 1 (Prova: Tipo B Resposta E; Tipo C Resposta C; Tipo D Resposta A) O gráfico abaio fornece o

Leia mais

Casa, acolhida e libertação para as primeiras comunidades

Casa, acolhida e libertação para as primeiras comunidades PNV 289 Casa, acolhida e libertação para as primeiras comunidades Orides Bernardino São Leopoldo/RS 2012 Centro de Estudos Bíblicos Rua João Batista de Freitas, 558 B. Scharlau Caixa Postal 1051 93121-970

Leia mais

AGÊNCIA AMBIENTAL FEDERAL AMERICANA - USEPA

AGÊNCIA AMBIENTAL FEDERAL AMERICANA - USEPA AGÊNCIA AMBIENTAL FEDERAL AMERICANA - USEPA Emenda ao 40 CFR Parts 261, 266, 268 e 271 Documento: FERTILIZANTES À BASE DE ZINCO PRODUZIDOS A PARTIR DE MATERIAL SECUNDÁRIO PERIGOSO Julho/2002 S U M Á R

Leia mais

O Sacrifício da Cruz

O Sacrifício da Cruz O Sacrifício da ruz 6 ø 4 4 Intenso q = 61 9. r. r m b sus4 6 Ó. m Œ. r J 1.u ø. r o - lho pa - ra_o céu, bus - M7.. can - do com - preen-der o sa - cri - fí - cio do Sal - va - dor em meu lu - gar ø ø

Leia mais

O RESTAURANTE NO FIM DO UNIVERSO

O RESTAURANTE NO FIM DO UNIVERSO O RESTAURANTE NO FIM DO UNIVERSO DOUGLAS ADAMS O RESTAURANTE NO FIM DO UNIVERSO Volume Dois da Série O MOCHILEIRO DAS GALÁXIAS A Jane e James, agradecimentos profundos; a Geoffrey Perkins, por realizar

Leia mais

HABERMAS E A ESFERA PÚBLICA: RECONSTRUINDO A HISTÓRIA DE UMA IDEIA

HABERMAS E A ESFERA PÚBLICA: RECONSTRUINDO A HISTÓRIA DE UMA IDEIA HABERMAS E A ESFERA PÚBLICA: RECONSTRUINDO A HISTÓRIA DE UMA IDEIA Filipe Carreira da Silva Resumo Este artigo tem por objectivo discutir a noção de esfera pública proposta por Jürgen Habermas. Para tanto,

Leia mais

C ontextualização his tórica da operacionalização da R es olução C onama 258/99 1/19

C ontextualização his tórica da operacionalização da R es olução C onama 258/99 1/19 C ontextualização his tórica da operacionalização da R es olução C onama 258/99 1/19 C iclo de vida : Do pneu novo ao pneu us ado FABRICAÇÃO IMPORTAÇÃO MERCADO Pneus Novos EXPORTADOS Pneus novos Fora do

Leia mais

Cadastro Territorial Multifinalitário no planejamento e gestão territorial urbana

Cadastro Territorial Multifinalitário no planejamento e gestão territorial urbana Mundo Geo Connect Seminário Geotecnologia na Gestão Municipal Sessão Desafios para as Prefeituras: o CTM como instrumento de política fiscal e urbana São Paulo, 16 de junho de 2011 Cadastro Territorial

Leia mais

Programa Copa do Mundo 2014

Programa Copa do Mundo 2014 Programa Copa do Mundo 2014 Programa Copa do Mundo 2014 Gerente do Programa: Mario Queiroz Guimarães Neto Rede do Programa: Rede de Cidades Objetivo do Programa: Organizar com excelência os eventos FIFA

Leia mais

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global Página Artigo: 6º Parágrafo: Único Inciso Alínea EMENDA MODIFICATIVA O parágrafo único do Artigo 6º do PL n 8035 de 2010, passa a ter a seguinte redação: Art. 6º... Parágrafo único. O Fórum Nacional de

Leia mais

Av. Tor res de Oli vei ra, 255 Ja gua ré - São Pau lo - SP (11) Rua Pa dre Car va lho, 730 (11) Pi nhei ros - São Pau lo - SP

Av. Tor res de Oli vei ra, 255 Ja gua ré - São Pau lo - SP (11) Rua Pa dre Car va lho, 730 (11) Pi nhei ros - São Pau lo - SP Serigrafados Bisotados Temperados Laminados Av. Tor res de Oli vei ra, 255 Ja gua ré - São Pau lo - SP (11) 2827-2100 Rua Pa dre Car va lho, 348 Pi nhei ros - São Pau lo - SP (11) 2142-8588 Rua Pa dre

Leia mais

Ainda há Tempo, Volta

Ainda há Tempo, Volta Ainda há empo, Volta Letra e Música: Diogo Marques oprano ontralto Intro Envolvente (q = 60) enor aixo Piano Ó Œ. R.. F m7 2 A b 2 E b.. 2 Ó Œ É 2 Ó Œ F m7 2.. 2 2 A b 2 2 Ainda há empo, Volta Estrofe

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA INTERDISCIPLINARIDADE EM SAÚDE

A IMPORTÂNCIA DA INTERDISCIPLINARIDADE EM SAÚDE AUDITORIA IA CLÍNICA A IMPORTÂNCIA DA INTERDISCIPLINARIDADE EM SAÚDE Auditoria é em um exame cuidadoso e sistemático das atividades desenvolvidas em determinada empresa ou setor, cujo objetivo é averiguar

Leia mais

PADRÕES DE VIDA DOS ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS NOS PROCESSOS DE TRANSIÇÃO PARA A VIDA ADULTA

PADRÕES DE VIDA DOS ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS NOS PROCESSOS DE TRANSIÇÃO PARA A VIDA ADULTA PADRÕES DE VIDA DOS ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS NOS PROCESSOS DE TRANSIÇÃO PARA A VIDA ADULTA Rosário Mauritti Resumo Este artigo começa por analisar a influência das origens sociais nas trajectórias de

Leia mais

IX FÓRUM APCER. EXCELÊNCIA EMPRESARIAL PARA PME s

IX FÓRUM APCER. EXCELÊNCIA EMPRESARIAL PARA PME s IX FÓRUM APCER EXCELÊNCIA EMPRESARIAL PARA PME s AGENDA Breve Apresentação AIP Projecto Excelência Empresarial Modelo EFQM Associação Industrial Portuguesa Criada em 1837 MISSÃO É uma instituição privada

Leia mais

Quero um Novo Lar پ0 3 پ0 3 پ0 3 پ0 3 پ0 3 پ0 0 پ0 0 پ0 3پ0 0 پ0 3 پ0 0

Quero um Novo Lar پ0 3 پ0 3 پ0 3 پ0 3 پ0 3 پ0 0 پ0 0 پ0 3پ0 0 پ0 3 پ0 0 1 3 پ0 7 _ پ0 7 _ پ0 7 _ & 4 7 A. ز E 7 1 j j پ0گ7? 4 n #_ n _ L? Mi - nha ca -sa e -ra ve - ha nپ0ٹ0o po - di - a su - por - tar پ0ˆ7. _ eu me 4 پ0 7 پ0 8 & E 7 G 6 /A A _.. nnn_ n پ0ˆ7_ j j j j G j پ0گ7

Leia mais

MODALIDADES DE INSERÇÃO PROFISSIONAL DOS QUADROS SUPERIORES NAS EMPRESAS

MODALIDADES DE INSERÇÃO PROFISSIONAL DOS QUADROS SUPERIORES NAS EMPRESAS MODALIDADES DE INSERÇÃO PROFISSIONAL DOS QUADROS SUPERIORES NAS EMPRESAS João Pedro Cordeiro Resumo O presente artigo versa sobre as práticas de gestão de recursos humanos pelas empresas, e mais especificamente

Leia mais

Oferta Significado 2011. Candidaturas POPH 3.2, 8.3.2 e 9.3.2 Formação para a Inovação e Gestão. Setembro 2011

Oferta Significado 2011. Candidaturas POPH 3.2, 8.3.2 e 9.3.2 Formação para a Inovação e Gestão. Setembro 2011 Oferta Significado 2011 Candidaturas POPH 3.2, 8.3.2 e 9.3.2 Formação para a Inovação e Gestão Setembro 2011 Data para submissão das Candidaturas: Até 10 de Outubro 2011 Financiamento Formação Geral Micro

Leia mais

A va lia ç ã o de R is c o s A plic a da à Q ua lida de em D es envo lvim ento de S o ftw a re

A va lia ç ã o de R is c o s A plic a da à Q ua lida de em D es envo lvim ento de S o ftw a re Rafael Espinha, Msc rafael.espinha@primeup.com.br +55 21 9470-9289 Maiores informações: http://www.primeup.com.br contato@primeup.com.br +55 21 2512-6005 A va lia ç ã o de R is c o s A plic a da à Q ua

Leia mais

n o m urd ne Hel e n o mis

n o m urd ne Hel e n o mis Em nosso cotidiano existem infinitas tarefas que uma criança autista não é capaz de realizar sozinha, mas irá torna-se capaz de realizar qualquer atividade, se alguém lhe der instruções, fizer uma demonstração

Leia mais

FOI DEUS QUEM FEZ VOCÊ

FOI DEUS QUEM FEZ VOCÊ FOI DEUS QUEM FEZ OCÊ AMELINHA Arr Neton W Mcedo Crmo Gregory c c c Deus que fez vo - Deus quem fez vo - Deus quem fez vo- c Deus quem fez vo - J De-us 4 Deus quem fez vo - Deus quem fez vo - J Deus quem

Leia mais

RELAÇÕES ENTRE MUNDO RURAL E MUNDO URBANO Evolução histórica, situação actual e pistas para o futuro

RELAÇÕES ENTRE MUNDO RURAL E MUNDO URBANO Evolução histórica, situação actual e pistas para o futuro RELAÇÕES ENTRE MUNDO RURAL E MUNDO URBANO Evolução histórica, situação actual e pistas para o futuro João Ferrão Resumo As visões recentes sobre o mundo rural revelam grande permeabilidade à ideia de património

Leia mais

P i s cina s : 2 P i s ci n a e x te rior de á g u a d e m a r a q u e cida P i s ci n a i n te ri or d e á g u a

P i s cina s : 2 P i s ci n a e x te rior de á g u a d e m a r a q u e cida P i s ci n a i n te ri or d e á g u a E M P R IM E I R A MÃO T h e O i ta v os é o e x c lu s i v o h o te l d e 5 e s tre la s q u e co m p le t a e v a l ori za a ofe rta d a Q u i n ta d a M a ri n h a, co n s olid a n d o -a c om o d e

Leia mais

A Prefeitura Municipal de Santa Barbara, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR.

A Prefeitura Municipal de Santa Barbara, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR. Edição Nº Nº 030/2012 00004 Sexta-Feira Quit-Feira 08 11 de Março Janeiro de de 2012 2013 A Prefeitura Municipal de Santa Barbara, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR. Nº

Leia mais

Gestão Democrática da Educação

Gestão Democrática da Educação Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica Departamento de Articulação e Desenvolvimento dos Sistemas de Ensino Coordenação Geral de Articulação e Fortalecimento Institucional dos Sistemas de

Leia mais

DATAPREV Divisão de Gestão Operacional e Controle - D1GC Serviço Técnico a Softwares de Produção STSP

DATAPREV Divisão de Gestão Operacional e Controle - D1GC Serviço Técnico a Softwares de Produção STSP GIS Gertran Integration Suite Guia de T ransferência de Arquivos Entidade x DATAPREV Versão 1.0 HTTPS G I S G ui a de T ra n sf er ên ci a d e Ar qu i vo s 1/ 8 ÍNDICE ANALÍT ICO 1. INTRODU ÇÃO......4

Leia mais

Si Mesmo. Logosófica. Carlos Bernardo González Pecotche. Editora RAUMSOL

Si Mesmo. Logosófica. Carlos Bernardo González Pecotche. Editora RAUMSOL Carlos Bernardo González Pecotche RAUMSOL A Herança de Si Mesmo Editora Logosófica A HerAnçA de Si Mesmo Ao publicar o presente tra balho, o autor levou em conta a repercussão que ele pode alcançar no

Leia mais

COASTAL TOURISM, ENVIRONMENT, AND SUSTAINABLE LOCAL DEVELOPMENT

COASTAL TOURISM, ENVIRONMENT, AND SUSTAINABLE LOCAL DEVELOPMENT RECENSÃO COASTAL TOURISM, ENVIRONMENT, AND SUSTAINABLE LOCAL DEVELOPMENT [Lígia Noronha, Nelson Lourenço, João Paulo Lobo-Ferreira, Anna Lleopart, Enrico Feoli, Kalidas Sawkar, e A. G. Chachadi (2003),

Leia mais

o bje tiv o f in a l d o C oa c h in g é fa z e r c o m qu e o s c lie n te s t o rn e m -s e a u tô no m o s.

o bje tiv o f in a l d o C oa c h in g é fa z e r c o m qu e o s c lie n te s t o rn e m -s e a u tô no m o s. O r ie n ta ç õ e s In i ci ai s E u, R ic k N e ls o n - P e rs on a l & P rof e s s io n al C o a c h - a c re dito qu e o o bje tiv o f in a l d o C oa c h in g é fa z e r c o m qu e o s c lie n te

Leia mais

A Gonçalves no México I N F O R M A

A Gonçalves no México I N F O R M A I N F O R M A Novembro de 2007 Depois de atuar por quase três anos no México com um escritório comercial, a Gonçalves investe em uma unidade industrial no país, que entrará em operação no início de 2008.

Leia mais

Proposta de Revisão Metodológica

Proposta de Revisão Metodológica Proposta de Revisão Metodológica Gestão do Desempenho Dezembro de 20 DIDE/SVDC Propostas para 202 Nova sist em át ic a de pac t uaç ão e avaliaç ão de m et as set oriais e de equipe; Avaliaç ão de De s

Leia mais

KEITH CAMERON SMITH. As 10 principais diferenças entre os milionários e a classe média

KEITH CAMERON SMITH. As 10 principais diferenças entre os milionários e a classe média KEITH CAMERON SMITH As 10 principais diferenças entre os milionários e a classe média Prefácio Por que es cre vi es te livro? Três mo ti vos me le va ram a es cre ver es te li vro. O pri - meiro foi a

Leia mais

Reforma gerencial do Estado, teoria política e ensino da administração pública

Reforma gerencial do Estado, teoria política e ensino da administração pública Artigo Especial Reforma gerencial do Estado, teoria política e ensino da administração pública Luiz Carlos Bresser-Pereira 1 1 Fundação Getúlio Vargas. Ministro da Fazenda (1987). Ministro da Administração

Leia mais

Uni ver si da de lan ça gri fe com a mar ca PUC Mi nas

Uni ver si da de lan ça gri fe com a mar ca PUC Mi nas Informativo mensal da unidade Contagem da PUC Minas nº 78 Agosto de 2008 Uni ver si da de lan ça gri fe com a mar ca PUC Mi nas Com três li nhas de pro du tos bá si ca, es cri tó rio e es por ti va, a

Leia mais

P r o g r a m a d e T r e in a m e n to e P a le s tr a s

P r o g r a m a d e T r e in a m e n to e P a le s tr a s P r o g r a m a d e T r e in a m e n to e P a le s tr a s D ia b e te s M e llitu s e H ip e r te n s ã o A r te r ia l Dra Fernanda Pavarini Diabetes M ellitus P o r q u e g e r e n c ia r D ia b e te

Leia mais

J u i n 2 0 0 9 L e ttr e d 'i n fo r m a ti o n n 1 9 E d i to r i al E p p u r si m u o ve «E t p o u r ta n t e l l e b o u g e» m u r m u r a G a l l i l é e s u r s o n c h a m p e s t l a r g e.

Leia mais

REVIS TA CONTATO LEITOR GALERIA COLUNAS EDIÇÕES ANTIGAS ASSINATURA. 30/7/2014 Salão de Gramado encerra nesta quinta-feira.

REVIS TA CONTATO LEITOR GALERIA COLUNAS EDIÇÕES ANTIGAS ASSINATURA. 30/7/2014 Salão de Gramado encerra nesta quinta-feira. Q u a, 3 0 d e J u l h o d e 2 0 1 4 search... REVIS TA CONTATO LEITOR GALERIA COLUNAS EDIÇÕES Selecione a Edição ANTIGAS C l i q u e n o l i n k a b a i xo p a r a a c e s s a r a s e d i ç õ e s a n

Leia mais

Art. 243. Vender, fornecer ain da que gratuita -

Art. 243. Vender, fornecer ain da que gratuita - Agosto de 2003 DIÁRIO DO SENADO FEDERAL Qu in ta-fe i ra 7 22447 LEGISLAÇÃO CITADA ANEXADA PELA SECRETARIA-GERAL DA MESA LEI Nº 8.069, DE 13 DE JULHO DE 1990 Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente

Leia mais

UMA TRAJETÓRIA DEMOCRÁTICA: das habilitações à coordenação pedagógica

UMA TRAJETÓRIA DEMOCRÁTICA: das habilitações à coordenação pedagógica UMA TRAJETÓRIA DEMOCRÁTICA: das habilitações à coordenação pedagógica Shirleiscorrea@hotmail.com A escola, vista como uma instituição que historicamente sofreu mudanças é apresentada pelo teórico português

Leia mais

Falta preparo para inclusão de crianças com deficiência na escola regular

Falta preparo para inclusão de crianças com deficiência na escola regular Entrevistas PARTICIPAÇÃO, DIREITOS E CIDADANIA Falta preparo para inclusão de crianças com deficiência na escola regular 1 DE JUNHO DE 2015 A inclusão da pessoa com deficiência na escola regular está prevista

Leia mais

O S I S T E M A P R O P O R C I O N A L N O N O V O Q U A D R O P O L Í T I C O E U R O P E U. A n t o n i o P a i m

O S I S T E M A P R O P O R C I O N A L N O N O V O Q U A D R O P O L Í T I C O E U R O P E U. A n t o n i o P a i m 1 O S I S T E M A P R O P O R C I O N A L N O N O V O Q U A D R O P O L Í T I C O E U R O P E U S U M Á R I O A n t o n i o P a i m I n t r o d u ç ã o 1. S i s t e m a p ro p o r c i o n a l n a E u r

Leia mais

Alencar Instalações. Resolvo seu problema elétrico

Alencar Instalações. Resolvo seu problema elétrico Alencar Instalações Resolvo seu problema elétrico T r a b a lh a m o s c o m : Manutenção elétrica predial, residencial, comercial e em condomínios Redes lógicas Venda de material elétrico em geral. Aterramentos

Leia mais

Medley Forró 2. œ œ # œ œ œ œ #.

Medley Forró 2. œ œ # œ œ œ œ #. Roteiro e adapta: Edu Morelenbaum e Rold Valle Ú 106 sa Branca 4 2 Luiz Gonzaga # # 6 # # # # # 12 # # # # # # 18 # # # # # 24 0 Quan-do_o - # iei # # de São Jo - ão - - - a # ter - ra_ar - D # Eu per-gun

Leia mais

José Maurício Nunes Garcia ( )

José Maurício Nunes Garcia ( ) José Maurício Nunes Garcia (1767-1830) ântico de Zacarias PM 0 Edição: Antonio amos coro, órgão (choir, organ) 12. Antonio amos licenciado ara Musica Brasilis, Rio de Janeiro, 2017 ântico de Zacarias Benedictus

Leia mais

En si no de jor na lis mo no Bra sil: re fle xões so bre a for ma ção do jor na lis ta

En si no de jor na lis mo no Bra sil: re fle xões so bre a for ma ção do jor na lis ta QUÓ RUM ACA DÉ MI CO Vol. 11 Nº 1, ene ro-junio 2014, Pp. 11-23 Uni ver si dad del Zu lia ISSN 1690-7582 En si no de jor na lis mo no Bra sil: re fle xões so bre a for ma ção do jor na lis ta Ma ría Eli

Leia mais

DESCARACTERIZAÇÃO DO CONTRATO BANCÁRIO ARRENDAMENTO MERCANTIL QUANDO COBRADO ANTECIPADAMENTE O VRG (VALOR RESIDUAL GARANTIDO)

DESCARACTERIZAÇÃO DO CONTRATO BANCÁRIO ARRENDAMENTO MERCANTIL QUANDO COBRADO ANTECIPADAMENTE O VRG (VALOR RESIDUAL GARANTIDO) DESCARACTERIZAÇÃO DO CONTRATO BANCÁRIO ARRENDAMENTO MERCANTIL QUANDO COBRADO ANTECIPADAMENTE O VRG (VALOR RESIDUAL GARANTIDO) Paulo Afonso Sandri * Con vém sa li en tar, em prin cí pio, a di fe ren ça

Leia mais

Padrões de lançamento para Estações de Tratamento de Esgotos Domésticos Reunião AESBE 10/02/09

Padrões de lançamento para Estações de Tratamento de Esgotos Domésticos Reunião AESBE 10/02/09 Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo - SABESP Associação das Empresas Estaduais de Saneamento Básico - AESBE Padrões de lançamento para Estações de Tratamento de Esgotos Domésticos Reunião

Leia mais

w w w. v o c e s a. c o m. b r SEFAZ BAHIA

w w w. v o c e s a. c o m. b r SEFAZ BAHIA sumário executivo w w w. v o c e s a. c o m. b r w w w. e x a m e. c o m. b r melhores empresas para você trabalhar São Pau lo, setembro de 2010. Pre za do(a) Sr(a)., SEFAZ BAHIA Em pri mei ro lu gar,

Leia mais

DE PESSOAL DE NÍVEL N. Brasília, Março de 2010 Ministério da Educação

DE PESSOAL DE NÍVEL N. Brasília, Março de 2010 Ministério da Educação Brasília, Março de 2010 I Conferência da ANAMBA e Encontro Regional Americano do EMBA COUNCIL São Paulo, 08 a 10 de março de 2010 A AVALIAÇÃO DO SISTEMA NACIONAL DE PÓS GRADUAÇÃO TÓPICOS O SNPG e a necessidade

Leia mais

C R IS E E C O N Ô M IC A E G A R A N T IA DE EM PR EG O

C R IS E E C O N Ô M IC A E G A R A N T IA DE EM PR EG O C R IS E E C O N Ô M IC A E G A R A N T IA DE EM PR EG O J o s é A ju r ic a b a d a C o s t a e S ilv a ( * ) I. C R I S E E C O N Ô M I C A S e g u n d o o s e c o n o m is t a s, c a ra c t e riz a

Leia mais

******************************************************************************** LEI Nº 7508/2007, de 31 de dezembro de 2007

******************************************************************************** LEI Nº 7508/2007, de 31 de dezembro de 2007 ******************************************************************************** LEI Nº 7508/2007, de 31 de dezembro de 2007 ********************************************************************************

Leia mais

In for má ti ca, ar qui vos, me mó ria, in ter net.

In for má ti ca, ar qui vos, me mó ria, in ter net. UMA MEMÓRIA PARA A TECNOLOGIA Fa us to Co lom bo Re su mo O tema da me mó ria, quan do as so ci a do ao das no vas tec no lo gi as, pro duz in te res san tes cor re la ções na me di da em que a in for

Leia mais

A Prefeitura Municipal de Conceição da Feira, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR.

A Prefeitura Municipal de Conceição da Feira, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR. Edição Nº Nº 030/2012 00034 Sexta-Feira Quit-Feira 22 08 de de Fevereiro Março de 2012 2013 A Prefeitura Municipal de Conceição da Feira, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR.

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA REGIMENTO INTERNO DA FACULDADE DE MATEMÁTICA, CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES, UFPA.

Leia mais

nelson de oliveira ódio sustenido

nelson de oliveira ódio sustenido ódio sustenido sai da chu va, josé! Ah, José, que é que vo cê faz aí parado? Sai da chu va, José! Larga es sa tai nha e cor re pra varanda. Ah, José, a vi da não é só ga nhar ou per der. Você sa be dis

Leia mais

FINANCIAMENTO DO DESENVOLVIMENTO URBANO

FINANCIAMENTO DO DESENVOLVIMENTO URBANO FINANCIAMENTO DO DESENVOLVIMENTO URBANO As condições para o financiamento do desenvolvimento urbano estão diretamente ligadas às questões do federalismo brasileiro e ao desenvolvimento econômico. No atual

Leia mais

Correção da fuvest ª fase - Geografia feita pelo Intergraus

Correção da fuvest ª fase - Geografia feita pelo Intergraus Q.01 GEOGRAFIA O conflito envolvendo Geórgia e Rússia, aprofundado em 2008, foi marcado por ampla repercussão in ter na - ci o nal. Ou tros con fli tos, en vol ven do pa í ses da ex-união So vié ti ca,

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL Lei n o 9.795, de 27 de Abril de 1999. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso

Leia mais

Correção da Unicamp 2010 2ª fase - Geografia feita pelo Intergraus. 12.01.2010

Correção da Unicamp 2010 2ª fase - Geografia feita pelo Intergraus. 12.01.2010 UNICAMP 2010 - GEOGRAFIA 13. Ob serve o gráfico abaixo e responda às questões: a) Indi que a(s) re gião(ões) do glo bo com ta xa de es pe ran ça de vi da ao nas cer in fe ri or à mé dia mun di al, nos

Leia mais

José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE

José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE Cabe a denominação de novas diretrizes? Qual o significado das DCNGEB nunca terem sido escritas? Educação como direito Fazer com que as

Leia mais

LEI Nº 5.869, DE 11 DE JANEIRO DE 1973. Insti tui o Código de Processo Ci vil.

LEI Nº 5.869, DE 11 DE JANEIRO DE 1973. Insti tui o Código de Processo Ci vil. Outubro de 2003 DIÁRIO DO SENADO FEDERAL Sexta-feira 31 34351 ares, me diante a exibição de ofí cio ou mandado em forma regular. 1º So men te se ex pe di rá pre ca tó ria, quando, por essa for ma, for

Leia mais

Fa la de Ben to Ser ras, co bra dor de bi lhe tes, nas ci do e mo ra dor em Amo rins:

Fa la de Ben to Ser ras, co bra dor de bi lhe tes, nas ci do e mo ra dor em Amo rins: Fa la de Ben to Ser ras, co bra dor de bi lhe tes, nas ci do e mo ra dor em Amo rins: «Diz que quer con tar tu do dos prin cí pios? Dos prin cí pios a gen te nun ca sa be. Quan do é o ca so de se lhe pôr

Leia mais

PNV 292. Atos das mulheres. Tea Frigerio. São Leopoldo/RS

PNV 292. Atos das mulheres. Tea Frigerio. São Leopoldo/RS PNV 292 Atos das mulheres Tea Frigerio São Leopoldo/RS 2012 Centro de Estudos Bíblicos Rua João Batista de Freitas, 558 B. Scharlau Caixa Postal 1051 93121-970 São Leopoldo/RS Fone: (51) 3568-2560 Fax:

Leia mais

Governabilidade, Participação Política e Sistemas Eleitorais

Governabilidade, Participação Política e Sistemas Eleitorais Seminário Internacional sobre Governabilidade Democrática e Igualdade de Gênero CEPAL - Santiago do Chile 1-2 de dezembro de 2004 Governabilidade, Participação Política e Sistemas Eleitorais Gostaria inicialmente

Leia mais

Deliberação CEE-120, de 20-5-2013

Deliberação CEE-120, de 20-5-2013 44 São Paulo, 123 (94) Diário Oficial Poder Executivo - Seção I terça-feira, 21 de maio de 2013 Deliberação CEE-120, de 20-5-2013 Dispõe sobre pedidos de reconsideração e recursos referentes aos resultados

Leia mais

1. A Evolução da Pós-Graduação Stricto-Sensu

1. A Evolução da Pós-Graduação Stricto-Sensu - 1-1. A Evolução da Pós-Graduação Stricto-Sensu Os dados da pós-graduação brasileira indicam que todas as áreas do conhecimento apresentaram crescimento expressivo ao longo dos anos, com algumas oscilações,

Leia mais

MÃE. M esmo q u e o s eu f ilho j á t enha sido regi strad o procu r e o cartóri o d e R egi stro Civil de

MÃE. M esmo q u e o s eu f ilho j á t enha sido regi strad o procu r e o cartóri o d e R egi stro Civil de APRESENTAÇÃO O T r i b u n a l d e J u st i ç a d e S ã o P a u l o d e s e n v o l ve, d e s d e 2 0 0 7, o P r o j e to P a t e r n i d a d e R e s p o n s á v e l. S u a d i s c i p l i n a e s t á

Leia mais

VESTIBULAR UNICAMP 2010-1ª FASE - NOVEMBRO/2009

VESTIBULAR UNICAMP 2010-1ª FASE - NOVEMBRO/2009 VESTIBULAR UNICAMP 2010-1ª FASE - NOVEMBRO/2009 Comentário da Redação Nes te ano, a pro va de Re da ção da Uni camp foi ex ce len te. Em pri me i ro lu gar, pelo res pe i to ao for ma to tra di ci o nal

Leia mais

IMPLICAÇÕES DEMOCRÁTICAS DAS ASSOCIAÇÕES VOLUNTÁRIAS O caso português numa perspectiva comparativa europeia

IMPLICAÇÕES DEMOCRÁTICAS DAS ASSOCIAÇÕES VOLUNTÁRIAS O caso português numa perspectiva comparativa europeia IMPLICAÇÕES DEMOCRÁTICAS DAS ASSOCIAÇÕES VOLUNTÁRIAS O caso português numa perspectiva comparativa europeia José Manuel Leite Viegas Introdução Na úl ti ma dé ca da do sé cu lo pas sa do as sis tiu-se

Leia mais

EMPREGO JOVEM: AS POLÍTICAS. Alexandre Oliveira - IEFP

EMPREGO JOVEM: AS POLÍTICAS. Alexandre Oliveira - IEFP EMPREGO JOVEM: AS POLÍTICAS Alexandre Oliveira - IEFP Objetivos da sessão Identificar intervenções do IEFP no âmbito das políticas ativas de emprego para jovens: Estágios Profissionais; Medida Estímulo

Leia mais

DOM LOURENÇO DE ALMEIDA PRADO

DOM LOURENÇO DE ALMEIDA PRADO EMPRESA BRASILEIRA DE TURISMO - EMBRATUR REESCALONAMENTO DAS FÉRIAS ESCOLARES DOM LOURENÇO DE ALMEIDA PRADO A Empresa Brasileira de Turismo-EMBRATUR - atra vés do Presidente, encaminhou ao Ministro da

Leia mais

NPQV Variável Educação Prof. Responsáv el : Ra ph a el B i c u d o

NPQV Variável Educação Prof. Responsáv el : Ra ph a el B i c u d o NPQV Variável Educação Prof. Responsáv v el :: Ra ph aa el BB ii cc uu dd o ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NA ÁREA DE EDUCAÇÃO 2º Semestre de 2003 ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NA ÁREA DE EDUCAÇÃO As atividades realizadas

Leia mais

1 - Corpo Docente Titulação: "Adequada" Tempo de Dedicação: "Bom" Concentração na Área: "Regular" Dependência de Visitantes: "Não Depende"

1 - Corpo Docente Titulação: Adequada Tempo de Dedicação: Bom Concentração na Área: Regular Dependência de Visitantes: Não Depende UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Credenciamento do curso de pós-graduação, em nível de Mestrado, em Estruturas Ambientais Urbanas, da Faculdade de Arquítetura e Urbanismo Jucundino da Silva Furtado Face ao pedido

Leia mais

ABRI AS PORTAS A CRISTO (Hino ao Beato João Paulo II)

ABRI AS PORTAS A CRISTO (Hino ao Beato João Paulo II) Órg. 6 11 q = 60 me mf ortas a ris to! Não te mais, não te nhais do: 'scanca rai o vosso cora ção ao mor de Deus. RI POR RIO (Hino ao eato João Paulo II) ortas a ris to! Não te mais não te nhais me do;

Leia mais

VI - ÏUJmRV /RFDLV RV yujmrv RX HQWLGDGHV PXQLFLSDLV UHVSRQViYHLV SHOR controle e fiscaliza o dessas atividades, nas suas respectivas jurisdi es;

VI - ÏUJmRV /RFDLV RV yujmrv RX HQWLGDGHV PXQLFLSDLV UHVSRQViYHLV SHOR controle e fiscaliza o dessas atividades, nas suas respectivas jurisdi es; /(,1'('(-8/+2'( $OWHUD D /HL Q GH GH DJRVWR GH TXH disp e sobre a Pol tica Nacional do Meio Ambiente, seus ILQV H PHFDQLVPRV GH IRUPXODomR H DSOLFDomR D /HL Q GHGHIHYHUHLURGHD/HLQGHGH julho de 1980, e

Leia mais