projeto fortalecendo as políticas de gênero nos municípios maranhenses: estadualização do plano nacional de políticas para as

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "projeto fortalecendo as políticas de gênero nos municípios maranhenses: estadualização do plano nacional de políticas para as"

Transcrição

1 PLANO MUNICIPAL DE POLÍTICAS PARA MULHERES

2 A construção deste plano teve o assessoramento técnico realizado pela Secretaria de Estado da Mulher, através do projeto fortalecendo as políticas de gênero nos municípios maranhenses: estadualização do plano nacional de políticas para as mulheres CONVÊNIO Nº 098/2010 SPM/PR. 2

3 1. APRESENTAÇÃO PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTA LUZIA DO PARUÁ ENDEREÇO: AVENIDA PROFESSOR JOÃO MORAIS SOUSA, 355 CENTRO - SANTA LUZIA DO PARUÁ - MA - CEP: Tel: (98) IDENTIFICAÇÃO DO ÓRGÃO SECRETARIA MUNICIPAL DE POLITICAS PARA AS MULHERES ENDEREÇO: AV. PROF. JOÃO MORAES DE SOUSA Nº 35 BAIRRO: CENTRO CIDADE: SANTA LUZIA DO PARUÁ CEP: SECRETÁRIA MUNICIPAL PAULA TEIXEIRA ALENCAR ASSESSORIA TÉCNICA SECRETARIA DE ESTADO DA MULHER (SEMU) LÊDA MARIA COSTA RÊGO (OUVIDORA DA MULHER) MARIA HELENA VEIGA (CHEFE DE DEP. DE GESTÃO E ARTICULAÇÃO) 3

4 3. IDENTIFICAÇÃO DO DOCUMENTO PLANO MUNICIPAL DE POLÍTICAS PARA MULHERES 4. CONTEXTUALIZAÇÃO NO MUNICÍPIO EM RELAÇÃO A VIOLÊNCIA : Foi divulgado os dados do Mapa da Violência do ano de No Maranhão, foram 204 óbitos em 2000, contra 907 registrados no ano No Nordeste, a maior parte das Unidades Federativas apresenta elevados índices de crescimento, com destaque para o Maranhão, cujo número de vítimas cresceu 344,6% na década. Já entre mortes de óbitos por armas fogo nas capitais são 86 casos em 2000, contra 316 em 2010, o que pressupõe aumento de 267,4%. O crescimento global de 11,2% no número de óbitos por arma de fogo na década 2000/2010 é resultante de um conjunto de situações extremamente diferenciadas. No Nordeste o crescimento foi elevado: 92,2%, quase duplicando o número no período. Santa Luzia do Paruá entra na lista das 150 cidades com mais homicídios: (128º), Arame (130º), Itinga do Maranhão (132º), Imperatriz (140º), Presidente Dutra (143º). São Luís aparece na 255ª posição. As capitais brasileiras possuem, de acordo com o censo de 2010, um total de 45,5 milhões de habitantes, o que representa 23,8% da população total do país. Mas o número de vítimas por armas de fogo nessas capitais, também em 2010, foi de , representando 34,8% do total nacional de óbitos pela referida causa. Pelo ordenamento das Unidades Federativas segundo taxas de óbito por arma de fogo, em cidades com 100 mil habitantes, o Maranhão aparece em 2000 na posição 20. Já em 2010 desceu para o 27º lugar no ranking dos estados, o que equivale a aumento de 282,2% no número de homicídios. São Luís é a 13ª capital quanto ao número de óbitos. Em 2010, segundo número, 4

5 taxas de óbito e distribuição porcentagem das vítimas por armas de fogo o Maranhão aparece com 50 óbitos em acidentes, 812 homicídios, 33 suicídios e 12 casos indeterminados. Várias capitais do país praticamente triplicam suas taxas entre os anos 2000 e 2010, como Belém, Fortaleza, Maceió e São Luís (que aparece na posição 13 entre as capitais com mais óbitos). No ano de 2010 morreram, vítimas de disparo de arma de fogo, brancos e negros. Utilizando os dados do Censo de 2010, as taxas resultantes foram 11,5 óbitos para cada 100 mil brancos e 26,8 óbitos para cada 100 mil negros. Dessa forma, a vitimização negra foi de 133%, isto é, morrem proporcionalmente vítimas de arma de fogo 133% mais negros que brancos. 5. HISTÓRIA DA CIDADE Tudo começou por volta do ano de 1962, no lugar que era uma aldeia indígena. No ano de 1907, na cidade de Caxias, nascia uma criança do sexo masculino que se chamava Raimundo Rodrigues dos Santos, que com o passar dos tempos recebeu o apelido de Codó. Algum tempo depois, se casou com a senhora Maria, constituindo assim uma família. Mas, o grande sonho de Codó era fundar um povoado. Codó foi embora para longe de seus familiares e o seu destino foi a Floresta do Gurupi. E foi assim que no dia 29 de dezembro de 1959 chega aqui. Ao chegar, gostando do clima e da mata, passa a morar definitivamente. Alguns dias depois, Codó colocou o nome da pequena clareira de TRAQUÁ, por causa da grande quantidade de enormes formigas e também por ser uma linguagem indígena. Mas nosso aventureiro era devoto de Santa Luzia e de família muito religiosa, foi então que resolveu trocar o nome de TRAQUÁ por SANTA LUZIA, ganhando o anexo PARUÁ em homenagem ao rio que aqui banha a cidade. Em 1961, começaram a fazer estradas. Em 1964, foi celebrada a primeira missa pelo padre brasileiro da cidade de Pinheiro, Pe. Adolfo. Assim Santa Luzia do Paruá foi crescendo e continua até os dias de hoje. No dia 11/06/1981, nosso fundador 5

6 morre sem ver seu sonho virar realidade. Santa Luzia do Paruá era considerado município de Santa Helena, até a abertura da BR 316. Passando a pertencer ao município de Turiaçú, até o dia 30/11/1987, quando Santa Luzia do Paruá passou a ser município próprio, desmembrando-se de Turiaçú. Em 10/11/1994, o município de Santa Luzia do Paruá sofreu alterações no seu aspecto geográfico, em conseqüência da perda das terras correspondente ao distrito de nova Olinda do Maranhão e Presidente Médici (Santa Teresa) que foram elevadas a categoria de Municípios, através da Lei nº População estimada População Área da unidade territorial (km²) 897,147 Densidade demográfica (hab/km²) 25,24 Código do Município santa-luziense-doparuá Gentílico Prefeito EUNICE BOUÉRES DAMASCEN Santa Luzia do Paruá Código: Censo Demográfico 2010: Resultados do Universo - Indicadores Sociais Municipais População residente - total pessoas População residente - situação do domicílio - urbana 55,6 % População residente - situação do domicílio - rural 44,4 % População residente - sexo - masculino 50,2 % 6

7 População residente - sexo - feminino 49,8 % Razão de sexo 101 % População residente - total pessoas População residente - total - grupos de idade - de 0 a 5 anos de idade 11,9 % População residente - total - grupos de idade - de 6 a 14 anos de idade 20 % População residente - total - grupos de idade - de 15 a 24 anos de idade 21,7 % População residente - total - grupos de idade - de 25 a 39 anos de idade 21,7 % População residente - total - grupos de idade - de 40 a 59 anos de idade 15,5 % População residente - total - grupos de idade - de 60 anos de idade ou mais 9,2 % População residente - total - urbana pessoas População residente - urbana - grupos de idade - de 0 a 5 anos de idade 11 % População residente - urbana - grupos de idade - de 6 a 14 anos de idade 19,4 % População residente - urbana - grupos de idade - de 15 a 24 anos de idade 21,5 % População residente - urbana - grupos de idade - de 25 a 39 anos de idade 23 % População residente - urbana - grupos de idade - de 40 a 59 anos de idade 15,7 % População residente - urbana - grupos de idade - de 60 anos ou mais 9,4 % População residente - total - rural pessoas População residente - rural - grupos de idade - de 0 a 5 anos de idade 13,1 % População residente - rural - grupos de idade - de 6 a 14 anos de idade 20,7 % População residente - rural - grupos de idade - de 15 a 24 anos de idade 22 % População residente - rural - grupos de idade - de 25 a 39 anos de idade 20,1 % População residente - rural - grupos de idade - de 40 a 59 anos de idade 15,2 % 7

8 População residente - rural - grupos de idade - de 60 anos ou mais 8,9 % Pessoas de 15 anos ou mais de idade que não sabem ler e escrever - total - grupos de idade - de 15 anos ou mais pessoas Pessoas de 15 anos ou mais de idade que não sabem ler e escrever - taxa - grupos de idade - de 15 anos ou mais 23,9 % Pessoas de 15 anos ou mais de idade que não sabem ler e escrever - total - grupos de idade - de 15 a 24 anos 260 pessoas Pessoas de 15 anos ou mais de idade que não sabem ler e escrever - taxa - grupos de idade - de 15 a 24 anos 5,3 % Pessoas de 15 anos ou mais de idade que não sabem ler e escrever - total - grupos de idade - de 25 a 39 anos 715 pessoas Pessoas de 15 anos ou mais de idade que não sabem ler e escrever - taxa - grupos de idade - de 25 a 39 anos 14,5 % Pessoas de 15 anos ou mais de idade que não sabem ler e escrever - total - grupos de idade - de 40 a 59 anos pessoas Pessoas de 15 anos ou mais de idade que não sabem ler e escrever - taxa - grupos de idade - de 40 a 59 anos 39,1 % Pessoas de 15 anos ou mais de idade que não sabem ler e escrever - total - grupos de idade - de 60 anos ou mais pessoas Pessoas de 15 anos ou mais de idade que não sabem ler e escrever - taxa - grupos de idade - de 60 anos ou mais 64 % Pessoas de 15 anos ou mais de idade que não sabem ler e escrever - branca - total pessoas 8

9 grupos de idade - de 15 anos ou mais Pessoas de 15 anos ou mais de idade que não sabem ler e escrever - branca - taxa - grupos de idade - de 15 anos ou mais 20,1 % Pessoas de 15 anos ou mais de idade que não sabem ler e escrever - branca - total - grupos de idade - de 15 a 24 anos 36 pessoas Pessoas de 15 anos ou mais de idade que não sabem ler e escrever - branca - taxa - grupos de idade - de 15 a 24 anos 3,4 % Pessoas de 15 anos ou mais de idade que não sabem ler e escrever - branca - total - grupos de idade - de 25 a 39 anos 160 pessoas Pessoas de 15 anos ou mais de idade que não sabem ler e escrever - branca - taxa - grupos de idade - de 25 a 39 anos 13,3 % Pessoas de 15 anos ou mais de idade que não sabem ler e escrever - branca - total - grupos de idade - de 40 a 59 anos 251 pessoas Pessoas de 15 anos ou mais de idade que não sabem ler e escrever - branca - taxa - grupos de idade - de 40 a 59 anos 31,6 % Pessoas de 15 anos ou mais de idade que não sabem ler e escrever - branca - total - grupos de idade - de 60 anos ou mais 267 pessoas Pessoas de 15 anos ou mais de idade que não sabem ler e escrever - branca - taxa - grupos de idade - de 60 anos ou mais 54,8 % Pessoas de 15 anos ou mais de idade que não sabem ler e escrever - preta - total - grupos de idade - de 15 anos ou mais 377 pessoas Pessoas de 15 anos ou mais de idade que não sabem ler e escrever - preta - taxa - 33,3 % 9

10 grupos de idade - de 15 anos ou mais Pessoas de 15 anos ou mais de idade que não sabem ler e escrever - preta - total - grupos de idade - de 15 a 24 anos 23 pessoas Pessoas de 15 anos ou mais de idade que não sabem ler e escrever - preta - taxa - grupos de idade - de 15 a 24 anos 7,5 % Pessoas de 15 anos ou mais de idade que não sabem ler e escrever - preta - total - grupos de idade - de 25 a 39 anos 71 pessoas Pessoas de 15 anos ou mais de idade que não sabem ler e escrever - preta - taxa - grupos de idade - de 25 a 39 anos 20,9 % Pessoas de 15 anos ou mais de idade que não sabem ler e escrever - preta - total - grupos de idade - de 40 a 59 anos 137 pessoas Pessoas de 15 anos ou mais de idade que não sabem ler e escrever - preta - taxa - grupos de idade - de 40 a 59 anos 47,9 % Pessoas de 15 anos ou mais de idade que não sabem ler e escrever - preta - total - grupos de idade - de 60 anos ou mais 146 pessoas Pessoas de 15 anos ou mais de idade que não sabem ler e escrever - preta - taxa - grupos de idade - de 60 anos ou mais 72,6 % Pessoas de 15 anos ou mais de idade que não sabem ler e escrever - parda - total - grupos de idade - de 15 anos ou mais pessoas Pessoas de 15 anos ou mais de idade que não sabem ler e escrever - parda - taxa - grupos de idade - de 15 anos ou mais 24,1 % Pessoas de 15 anos ou mais de idade que não sabem ler e escrever - parda - total pessoas 10

11 grupos de idade - de 15 a 24 anos Pessoas de 15 anos ou mais de idade que não sabem ler e escrever - parda - taxa - grupos de idade - de 15 a 24 anos 5,7 % Pessoas de 15 anos ou mais de idade que não sabem ler e escrever - parda - total - grupos de idade - de 25 a 39 anos 480 pessoas Pessoas de 15 anos ou mais de idade que não sabem ler e escrever - parda - taxa - grupos de idade - de 25 a 39 anos 14,5 % Pessoas de 15 anos ou mais de idade que não sabem ler e escrever - parda - total - grupos de idade - de 40 a 59 anos 966 pessoas Pessoas de 15 anos ou mais de idade que não sabem ler e escrever - parda - taxa - grupos de idade - de 40 a 59 anos 40,4 % Pessoas de 15 anos ou mais de idade que não sabem ler e escrever - parda - total - grupos de idade - de 60 anos ou mais 907 pessoas Pessoas de 15 anos ou mais de idade que não sabem ler e escrever - parda - taxa - grupos de idade - de 60 anos ou mais 65,9 % Pessoas de 15 anos ou mais de idade que não sabem ler e escrever - amarela - total - grupos de idade - de 15 anos ou mais 35 pessoas Pessoas de 15 anos ou mais de idade que não sabem ler e escrever - amarela - taxa - grupos de idade - de 15 anos ou mais 22,4 % Pessoas de 15 anos ou mais de idade que não sabem ler e escrever - amarela - total - grupos de idade - de 15 a 24 anos 3 pessoas Pessoas de 15 anos ou mais de idade que não sabem ler e escrever - amarela - taxa 5,1 % 11

12 - grupos de idade - de 15 a 24 anos Pessoas de 15 anos ou mais de idade que não sabem ler e escrever - amarela - total - grupos de idade - de 24 a 39 anos 4 pessoas Pessoas de 15 anos ou mais de idade que não sabem ler e escrever - amarela - taxa - grupos de idade - de 24 a 39 anos 8,2 % Pessoas de 15 anos ou mais de idade que não sabem ler e escrever - amarela - total - grupos de idade - de 40 a 59 anos 14 pessoas Pessoas de 15 anos ou mais de idade que não sabem ler e escrever - amarela - taxa - grupos de idade - de 40 a 59 anos 50 % Pessoas de 15 anos ou mais de idade que não sabem ler e escrever - amarela - total - grupos de idade - de 60 anos ou mais 14 pessoas Pessoas de 15 anos ou mais de idade que não sabem ler e escrever - amarela - taxa - grupos de idade - de 60 anos ou mais 70 % Pessoas de 15 anos ou mais de idade que não sabem ler e escrever - indígena - total - grupos de idade - de 15 anos ou mais 3 pessoas Pessoas de 15 anos ou mais de idade que não sabem ler e escrever - indígena - taxa - grupos de idade - de 15 anos ou mais 27,3 % Pessoas de 15 anos ou mais de idade que não sabem ler e escrever - indígena - total - grupos de idade - de 15 a 24 anos - pessoas Pessoas de 15 anos ou mais de idade que não sabem ler e escrever - indígena - taxa - grupos de idade - de 15 a 24 anos - % Pessoas de 15 anos ou mais de idade que não sabem ler e escrever - indígena - total - pessoas 12

13 - grupos de idade - de 25 a 39 anos Pessoas de 15 anos ou mais de idade que não sabem ler e escrever - indígena - taxa - grupos de idade - de 25 a 39 anos - % Pessoas de 15 anos ou mais de idade que não sabem ler e escrever - indígena - total - grupos de idade - de 40 a 59 anos 1 pessoas Pessoas de 15 anos ou mais de idade que não sabem ler e escrever - indígena - taxa - grupos de idade - de 40 a 59 anos 50 % Pessoas de 15 anos ou mais de idade que não sabem ler e escrever - indígena - total - grupos de idade - de 60 anos ou mais 2 pessoas Pessoas de 15 anos ou mais de idade que não sabem ler e escrever - indígena - taxa - grupos de idade - de 60 anos ou mais 66,7 % Unidades domésticas, por sexo das pessoas responsáveis pelos domicílios particulares permanentes - total unidades domésticas Unidades domésticas, por sexo das pessoas responsáveis pelos domicílios particulares permanentes - único responsável - total 61,1 % Unidades domésticas, por sexo das pessoas responsáveis pelos domicílios particulares permanentes - com mais de 1 responsável - total 38,9 % Unidades domésticas, por sexo das pessoas responsáveis pelos domicílios particulares permanentes - homem - total unidades domésticas Unidades domésticas, por sexo das pessoas responsáveis pelos domicílios particulares permanentes - homem - único responsável 58,3 % Unidades domésticas, por sexo das pessoas responsáveis pelos domicílios 41,7 % 13

14 particulares permanentes - homem - com mais de 1 responsável Unidades domésticas, por sexo das pessoas responsáveis pelos domicílios unidades particulares permanentes - mulher - total domésticas Unidades domésticas, por sexo das pessoas responsáveis pelos domicílios particulares permanentes - mulher - único responsável 65,8 % Unidades domésticas, por sexo das pessoas responsáveis pelos domicílios particulares permanentes - mulher - com mais de 1 responsável 34,2 % unidades Unidades domésticas por organização familiar - total domésticas Unidades domésticas por organização familiar - único responsável - total 61,1 % Unidades domésticas por organização familiar - com mais de 1 responsável - total 38,9 % unidades Unidades domésticas por organização familiar - responsável e cônjuge - total 464 domésticas Unidades domésticas por organização familiar - responsável e cônjuge - único responsável 45,7 % Unidades domésticas por organização familiar - responsável e cônjuge - com mais de 1 responsável 54,1 % Unidades domésticas por organização familiar - responsável e cônjuge com filhos unidades e/ou outros parentes - total domésticas Unidades domésticas por organização familiar - responsável e cônjuge com filhos e/ou outros parentes - único responsável 52 % Unidades domésticas por organização familiar - responsável e cônjuge com filhos 48 % 14

15 e/ou outros parentes - com mais de 1 responsável unidades Unidades domésticas por organização familiar - outros - total domésticas Unidades domésticas por organização familiar - outros - único responsável 84,3 % Unidades domésticas por organização familiar - outros - com mais de um responsável 15,7 % unidades Unidades domésticas por tipo - total domésticas Unidades domésticas por tipo - proporção de unipessoais 6,9 % unidades Unidades domésticas por tipo - nuclear - total domésticas Unidades domésticas por tipo - nuclear - casal sem filho(s) 14,6 % Unidades domésticas por tipo - nuclear - casal com filho(s) 71,5 % Unidades domésticas por tipo - nuclear - homem com filho(s) 2,3 % Unidades domésticas por tipo - nuclear - mulher com filho(s) 11,6 % unidades Unidades domésticas por tipo - estendida - total domésticas Unidades domésticas por tipo - estendida - casal sem filho(s) com outro(s) parente(s) 12,8 % Unidades domésticas por tipo - estendida - casal com filho(s) e outro(s) parente(s) 47,8 % Unidades domésticas por tipo - estendida - homem com filho(s) e outro(s) parente(s) 3,8 % Unidades domésticas por tipo - estendida - mulher com filho(s) e outro(s) parente(s) 22,9 % Unidades domésticas por tipo - estendida - outros tipos 12,6 % Unidades domésticas por tipo - composta - total 147 unidades 15

16 domésticas Unidades domésticas por tipo - composta - casal sem filho(s), com não parente(s) e com ou sem outro(s) parentes 12,9 % Unidades domésticas por tipo - composta - casal com filho(s), com não parente(s) e com ou sem outro(s) parente(s) 51,7 % Unidades domésticas por tipo - composta - homem com filho(s), com não parente(s) e com ou sem outro(s) parente(s) 3,4 % Unidades domésticas por tipo - composta - mulher com filho(s), com não parente(s) e com ou sem outro(s) parente(s) 17 % Unidades domésticas por tipo - composta - outros tipos 15 % Domicílios particulares permanentes - total domicílios Domicílios particulares permanentes - tipo de saneamento - total - adequado 6,9 % Domicílios particulares permanentes - tipo de saneamento - total - semi-adequado 72,8 % Domicílios particulares permanentes - tipo de saneamento - total - inadequado 20,3 % Domicílios particulares permanentes - urbano - tipo de saneamento - total domicílios Domicílios particulares permanentes - urbano - tipo de saneamento - adequado 11,4 % Domicílios particulares permanentes - urbano - tipo de saneamento - semi-adequado 84,2 % Domicílios particulares permanentes - urbano - tipo de saneamento - inadequado 4,5 % Domicílios particulares permanentes - rural - tipo de saneamento - total domicílios Domicílios particulares permanentes - rural - tipo de saneamento - adequado 1,2 % Domicílios particulares permanentes - rural - tipo de saneamento - semi-adequado 58,2 % Domicílios particulares permanentes - rural - tipo de saneamento - inadequado 40,7 % 16

17 Rendimento mensal domiciliar per capita nominal - valor médio - total 255 R$ Rendimento mensal domiciliar per capita nominal - total - 1º quartil 97 R$ Rendimento mensal domiciliar per capita nominal - total - 2º (mediana) quartil 170 R$ Rendimento mensal domiciliar per capita nominal - total - 3º quartil 282 R$ Rendimento mensal domiciliar per capita nominal - valor médio - total - urbano 307 R$ Rendimento mensal domiciliar per capita nominal - urbano - 1º quartil 119 R$ Rendimento mensal domiciliar per capita nominal - urbano - 2º (mediana) quartil 200 R$ Rendimento mensal domiciliar per capita nominal - urbano - 3º quartil 337 R$ Rendimento mensal domiciliar per capita nominal - valor médio - total - rural 187 R$ Rendimento mensal domiciliar per capita nominal - rural - 1º quartil 72 R$ Rendimento mensal domiciliar per capita nominal - rural - 2º (mediana) quartil 130 R$ Rendimento mensal domiciliar per capita nominal - rural - 3º quartil 235 R$ Valor médio e mediano do rendimento mensal total nominal por sexo - médio - homem (A) 617 R$ Valor médio e mediano do rendimento mensal total nominal por sexo - médio - mulher (B) 447 R$ Valor médio e mediano do rendimento mensal total nominal por sexo - mediano - homem (C) 510 R$ Valor médio e mediano do rendimento mensal total nominal por sexo - mediano - mulher (D) 500 R$ Razão entre o valor médio e mediano do rendimento mensal total nominal de homens e mulheres - médio 1,4 A/B 17

18 Razão entre o valor médio e mediano do rendimento mensal total nominal de homens e mulheres - mediano 1 C/D Valor médio do rendimento mensal total nominal por cor ou raça - branca (A) 688 R$ Valor médio do rendimento mensal total nominal por cor ou raça - preta (B) 460 R$ Valor médio do rendimento mensal total nominal por cor ou raça - parda (C) 492 R$ Valor médio do rendimento mensal total nominal por cor ou raça - amarelo (D) 520 R$ Valor médio do rendimento mensal total nominal por cor ou raça -indígena (E) 615 R$ Razão entre médias do rendimento mensal total nominal por cor ou raça - branca/preta 1,5 A/B Razão entre médias do rendimento mensal total nominal por cor ou raça - branca/parda 1,4 A/C Razão entre médias do rendimento mensal total nominal por cor ou raça - branca/amarela 1,3 A/D Razão entre médias do rendimento mensal total nominal por cor ou raça - branca/indígena 1,1 A/E Razão entre médias do rendimento mensal total nominal por cor ou raça - preta/parda 0,9 B/C População residente em domicílios particulares permanentes pessoas Proporção de pessoas, por classes selecionadas de rendimento mensal domiciliar per capita nominal - total - até 70,00 (R$) 16,4 % Proporção de pessoas, por classes selecionadas de rendimento mensal domiciliar per capita nominal - total - até 1/4 salário mínimo (=127,50) (R$) 37,8 % Proporção de pessoas, por classes selecionadas de rendimento mensal domiciliar per 71,5 % 18

19 capita nominal - total - até 1/2 salário mínimo (=255,00) (R$) Proporção de pessoas, por classes selecionadas de rendimento mensal domiciliar per capita nominal - total - até 60% da mediana (= 255,00) (R$) 64,2 % População residente em domicílios particulares permanentes - urbana pessoas Proporção de pessoas, por classes selecionadas de rendimento mensal domiciliar per capita nominal - urbana - até 70,00 (R$) 9,7 % Proporção de pessoas, por classes selecionadas de rendimento mensal domiciliar per capita nominal - urbana -até 1/4 salário mínimo(=127,50) (R$) 29,5 % Proporção de pessoas, por classes selecionadas de rendimento mensal domiciliar per capita nominal - urbana - até 1/2 salário mínimo (=255,00) (R$) 64,6 % Proporção de pessoas, por classes selecionadas de rendimento mensal domiciliar per capita nominal - urbana - até 60% da mediana (= 255,00) (R$) 60,2 % População residente em domicílios particulares permanentes - rural pessoas Proporção de pessoas, por classes selecionadas de rendimento mensal domiciliar per capita nominal - rural - até 70,00 (R$) 24,9 % Proporção de pessoas, por classes selecionadas de rendimento mensal domiciliar per capita nominal - rural -até 1/4 salário mínimo(=127,50) (R$) 48,5 % Proporção de pessoas, por classes selecionadas de rendimento mensal domiciliar per capita nominal - rural - até 1/2 salário mínimo (=255,00) (R$) 80,3 % Proporção de pessoas, por classes selecionadas de rendimento mensal domiciliar per capita nominal - rural - até 60% da mediana (= 255,00) (R$) 39,8 % População residente em domicílios particulares com saneamento inadequado - total pessoas 19

20 População residente em domicílios particulares com saneamento inadequado - rendimento nominal domiciliar per capita médio mensal - até 70,00 (R$) 27,3 % População residente em domicílios particulares com saneamento inadequado - rendimento nominal domiciliar per capita médio mensal - até 1/4 salário mínimo (=127,50) (R$) 54,8 % População residente em domicílios particulares com saneamento inadequado - rendimento nominal domiciliar per capita médio mensal - até 1/2 salário mínimo (=255,50) (R$) 84,8 % População residente em domicílios particulares com saneamento inadequado - rendimento nominal domiciliar per capita médio mensal - até 60% da mediana (=225,00) (R$) 79,2 % Taxa de analfabetismo da população de 15 anos ou mais de idade total 34,8 % Taxa de analfabetismo da população de 15 anos ou mais de idade total 23,9 % Taxa de analfabetismo da população de 15 anos ou mais de idade - grupos de idade 15 a 24 anos - ano ,3 % Taxa de analfabetismo da população de 15 anos ou mais de idade - grupos de idade 15 a 24 anos - ano ,3 % Taxa de analfabetismo da população de 15 anos ou mais de idade - grupos de idade 24 a 59 anos - ano % Taxa de analfabetismo da população de 15 anos ou mais de idade - grupos de idade 24 a 59 anos - ano ,8 % Taxa de analfabetismo da população de 15 anos ou mais de idade - grupos de idade 73 % 20

21 60 anos ou mais - ano 2000 Taxa de analfabetismo da população de 15 anos ou mais de idade - grupos de idade 60 anos ou mais - ano % Proporção de domicílios particulares permanentes por tipo de saneamento - adequado (1) - ano ,3 % Proporção de domicílios particulares permanentes por tipo de saneamento - adequado (1) - ano ,9 % Proporção de domicílios particulares permanentes por tipo de saneamento - semiadequado (2) - ano ,1 % Proporção de domicílios particulares permanentes por tipo de saneamento - semiadequado (2) - ano ,8 % Proporção de domicílios particulares permanentes por tipo de saneamento - inadequado (3) - ano ,6 % Proporção de domicílios particulares permanentes por tipo de saneamento - inadequado (3) - ano ,3 % Proporção de crianças de 0 a 5 anos de idade residentes em domicílios particulares permanentes - com responsável ou cônjuge analfabeto - ano ,5 % Proporção de crianças de 0 a 5 anos de idade residentes em domicílios particulares permanentes - com responsável ou cônjuge analfabeto - ano ,7 % Proporção de crianças de 0 a 5 anos de idade residentes em domicílios particulares permanentes - com saneamento inadequado(1) - ano ,7 % Proporção de crianças de 0 a 5 anos de idade residentes em domicílios particulares 21,5 % 21

22 permanentes - com saneamento inadequado(1) - ano 2010 Proporção de crianças de 0 a 5 anos de idade residentes em domicílios particulares permanentes - com responsável ou cônjuge analfabeto e saneamento inadequado (1) - ano ,2 % Proporção de crianças de 0 a 5 anos de idade residentes em domicílios particulares permanentes - com responsável ou cônjuge analfabeto e saneamento inadequado (1) - ano ,2 % Fonte: IBGE, Censo Demográfico EIXOS SAÚDE DAS MULHERES, DIREITOS SEXUAIS E DIREITOS REPRODUTIVOS AÇÃO RESPONSÁVEL PARCEIROS PRAZO Ampliação do Secretaria Municipal de Ses/Ministério da ATÉ 2015 atendimento à saúde Saúde Saúde bucal de mulheres Ampliação de políticas Secretaria Municipal de Ses/Ministério da ATÉ 2015 de atenção e cuidados Saúde Saúde /seduc/mec à saúde da criança Educação em saúde Secretaria Municipal de Ses/Ministério da Anualmente através de seminários, Saúde Saúde /seduc/mec 22

23 encontros e palestras de educação sobre violência domestica e sexual contra mulheres. Implementar ações de Secretaria Municipal de Ses/Ministério da ATÉ 2015 prevenção e promoção Saúde Saúde /seduc/mec à saúde em especial a doenças infecto contagiosas em mulheres AUTONOMIA, IGUALDADE NO MUNDO DO TRABALHO, COM INCLUSÃO SOCIAL AÇÃO RESPONSÁVEL PARCEIROS PRAZO Promover Inserção no mercado de trabalho e criação de cooperativas de mulheres COM Criação de cooperativa de mulheres e encaminhamento de Secretaria Municipal de Assistência Social SEDES/SPM/SETRES

24 mulheres para o mercado de trabalho Desenvolver Programa de qualificação profissional e inclusão produtiva para as mulheres Secretaria Municipal de Assistência Social MDS/SPM de trabalho 40% inseridas 2015 EDUCAÇÃO INCLUSIVA E NÃO SEXISTA,NÃO LESBOFOBICA. AÇÃO RESPONSÁVEL PARCEIROS PRAZO Promover curso de Alfabetização inclusiva com criação de classes de alfabetização para mulheres Divulgação de direitos das mulheres Inclusão de programas informativos sobre: gênero, etnia, Secretaria Municipal de Educação Secretaria Municipal de Assistência Social Secretaria Municipal de Educação SEDUC/MEC 2015 DPE/MP/SP/SEMU Anualmente SEDUC/MEC Até

25 prevenção de doenças, gravidez na adolescência. Seminários e grupos de estudo sobre diversidade e gênero Realizar campanhas e seminários sobre a temática: discriminação contra as mulheres lésbicas/mulheres com deficiência e mulheres Idosas. Secretaria Municipal de Educação Secretaria Municipal da mulher e Secretaria Municipal de Educação SEDUC/MEC/UFMA/SEMU/SPM Até 2015 Seduc/MEC/UFMA/UEMA/SEMU/SPM/Grupo Anualmente Lema/Fórum da Pessoa com Deficiência/ conselho do idoso/conselho estadual da mulher. ENFRENTAMENTO DE TODAS AS FORMAS DE VIOLÊNCIA CONTRA AS MULHERES AÇÃO RESPONSÁVEL PARCEIROS PRAZO Capacitação para o atendimento as mulheres em situação de violência Secretaria Municipal de Assistência Social Estudo e capacitação Anualmente 25

26 Divulgação da Lei Maria Secretaria Municipal da MP/DPE/TJ/SPM/SEMU Anualmente da Penha Mulher Campanha de Ativismo Secretaria Municipal da MP/DPE/TJ/SPM/SEMU Anualmente pelo o fim da violência Mulher contra as mulheres Divulgação da Secretaria Municipal da Seduc/MEC/UFMA/UEMA/SEMU/SPM/Grupo Anualmente Ouvidoria da Mulher da Mulher Lema/Fórum da Pessoa com Deficiência/ Secretaria de Estado da conselho do idoso/conselho estadual da Mulher através de mulher. palestras e audiência pública. CULTURA, COMUNICAÇÃO E MÍDIA IGUALITÁRIA, DEMOCRÁTICAS E NÃO DISCRIMINATÓRIAS AÇÃO RESPONSÁVEL PARCEIROS PRAZO Campanhas sobre a Secretaria Municipal A MP/DPE/TJ/SPM/SEMU Anualmente participação da mulher nos espaços Mulher Formação política para Secretaria Municipal A Secretaria Municipal de Assistência Anualmente 26

27 o exercício de liderança local Mulher Social/SEMU/SPM 27

28 7. GESTÃO E MONITORAMENTO DO PLANO O Monitoramento e a Avaliação será uma constante no processo. 1. Ações programadas e resultados obtidos; 2. Meta previstas e as alcançadas; 3. Divulgação das ações do Plano Estadual na câmara municipal, nos meios de comunicação, com presença de representantes da secretaria de estado da mulher (SEMU). 28

Censo Demográfico 2010. Trabalho e Rendimento Educação e Deslocamento

Censo Demográfico 2010. Trabalho e Rendimento Educação e Deslocamento Censo Demográfico 2010 Trabalho e Rendimento Educação e Deslocamento Rio de Janeiro, 19 de dezembro de 2012 As presentes publicações dão continuidade à divulgação dos resultados do Censo Demográfico 2010

Leia mais

Dimensão social. Educação

Dimensão social. Educação Dimensão social Educação 218 Indicadores de desenvolvimento sustentável - Brasil 2004 36 Taxa de escolarização Representa a proporção da população infanto-juvenil que freqüenta a escola. Descrição As variáveis

Leia mais

Censo Demográfico 2010. Características Gerais da População, Religião e Pessoas com Deficiência

Censo Demográfico 2010. Características Gerais da População, Religião e Pessoas com Deficiência Censo Demográfico 2010 Características Gerais da População, Religião e Pessoas com Deficiência Rio de Janeiro, 29 de junho de 2012 A presente publicação dá continuidade à divulgação dos resultados do Censo

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE POLITICAS PARA AS MULHERES GESTÃO 2014/2017. RuaDr. Paulo Ramos nº 78- Centro Presidente Dutra-Maranhão

PLANO MUNICIPAL DE POLITICAS PARA AS MULHERES GESTÃO 2014/2017. RuaDr. Paulo Ramos nº 78- Centro Presidente Dutra-Maranhão PLANO MUNICIPAL DE POLITICAS PARA AS MULHERES GESTÃO 2014/2017 Juran Carvalho de Sousa Prefeito Orlando Pinto Gomes Vice-Prefeito Maria de Fátima Sodré Carvalho Secretária Municipal da Mulher Assessoramento

Leia mais

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento;

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Objetivo geral Promover a igualdade no mundo do trabalho e a autonomia

Leia mais

PLANO MUNICPAL DE POLITICAS PARA AS MULHERES

PLANO MUNICPAL DE POLITICAS PARA AS MULHERES PLANO MUNICPAL DE POLITICAS PARA AS MULHERES Rosário -2013/2015 A construção deste plano teve o assessoramento técnico realizado pela Secretaria de Estado da Mulher, através do projeto fortalecendo as

Leia mais

Gênero e Pobreza no Brasil: contexto atual

Gênero e Pobreza no Brasil: contexto atual Gênero e Pobreza no Brasil: contexto atual Hildete Pereira de Melo Economia/UFF Projeto SPM/CEPAL Caracterização do tema Gênero: visão diferenciada dos papéis de mulheres e homens na vida econômica e social.

Leia mais

Daniel Cerqueira. Diretor de Estudos e Políticas do Estado, das Instituições e da Democracia DIEST/IPEA

Daniel Cerqueira. Diretor de Estudos e Políticas do Estado, das Instituições e da Democracia DIEST/IPEA Daniel Cerqueira Diretor de Estudos e Políticas do Estado, das Instituições e da Democracia DIEST/IPEA Mais de 60 mil pessoas são assassinadas a cada ano no Brasil; Há um forte viés de cor/raça nessas

Leia mais

Síntese de Indicadores Sociais 2003

Síntese de Indicadores Sociais 2003 Comunicação Social 13 de abril de 2004 Síntese de Indicadores Sociais 2003 Em 2030, cerca de 40% da população brasileira deverá ter entre 30 e 60 anos O estudo tem capítulos específicos sobre Educação,

Leia mais

SUMÁRIO APRESENTAÇÃO...3 CONSIDERAÇÕES DA SECRETARIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS PARA AS MULHERES SPM...5

SUMÁRIO APRESENTAÇÃO...3 CONSIDERAÇÕES DA SECRETARIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS PARA AS MULHERES SPM...5 PLANO MUNICIPAL DE POLÍTICAS PARA MULHERES ICATÚ 2013-2015 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO...3 CONSIDERAÇÕES DA SECRETARIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS PARA AS MULHERES SPM...5 1. PRINCÍPIOS DA POLÍTICA NACIONAL PARA AS

Leia mais

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD 2011

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD 2011 Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD 2011 Rio de Janeiro, 21/09/2012 1 Abrangência nacional Temas investigados: Características Características gerais dos moradores Educação Migração Trabalho

Leia mais

3Apesar dos direitos adquiridos pelas

3Apesar dos direitos adquiridos pelas objetivo. promover a igualdade entre os sexos e a autonomia das mulheres mulheres ao longo do século 20, ainda há considerável desigualdade entre os gêneros no mundo. Em geral, as mulheres sofrem com a

Leia mais

Promover a igualdade entre os sexos e a autonomia das mulheres

Promover a igualdade entre os sexos e a autonomia das mulheres Promover a igualdade entre os sexos e a autonomia das mulheres META 3 Eliminar as disparidades entre os sexos no ensino fundamental e médio, se possível, até 2005, e em todos os níveis de ensino, o mais

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Porto Alegre do Norte, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 3994,51 km² IDHM 2010 0,673 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 10748 hab.

Leia mais

Expectativa de vida do brasileiro cresce mais de três anos na última década

Expectativa de vida do brasileiro cresce mais de três anos na última década 1 FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO PROFESSOR BAHIA TEXTO DE CULTURA GERAL FONTE: UOL COTIDIANO 24/09/2008 Expectativa de vida do brasileiro cresce mais de três anos na última década Fabiana Uchinaka Do UOL Notícias

Leia mais

Analfabetismo no Brasil

Analfabetismo no Brasil Analfabetismo no Brasil Ricardo Paes de Barros (IPEA) Mirela de Carvalho (IETS) Samuel Franco (IETS) Parte 1: Magnitude e evolução do analfabetismo no Brasil Magnitude Segundo estimativas obtidas com base

Leia mais

Porque a violência e o trauma tornaram-se um problema de Saúde Pública e o que fazer para diminuir sua incidência?

Porque a violência e o trauma tornaram-se um problema de Saúde Pública e o que fazer para diminuir sua incidência? Porque a violência e o trauma tornaram-se um problema de Saúde Pública e o que fazer para diminuir sua incidência? Dados preliminares do sistema de informações de mortalidade do Ministério da Saúde de

Leia mais

Censo Demográfico 2010. Características Gerais dos Indígenas: Resultados do Universo

Censo Demográfico 2010. Características Gerais dos Indígenas: Resultados do Universo Censo Demográfico 2010 Características Gerais dos Indígenas: Resultados do Universo Rio de Janeiro, 10 de agosto de 2012 Identificação da população indígena nos Censos Demográficos do Brasil 1991 e 2000

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Novo Mundo, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 5826,18 km² IDHM 2010 0,674 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 7332 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Vera, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 2962,4 km² IDHM 2010 0,680 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 10235 hab. Densidade demográfica

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de São José do Rio Claro, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 5074,56 km² IDHM 2010 0,682 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 17124 hab.

Leia mais

IV Seminário Nacional do Programa Nacional de Crédito Fundiário Crédito Fundiário no Combate a Pobreza Rural Sustentabilidade e Qualidade de Vida

IV Seminário Nacional do Programa Nacional de Crédito Fundiário Crédito Fundiário no Combate a Pobreza Rural Sustentabilidade e Qualidade de Vida IV Seminário Nacional do Programa Nacional de Crédito Fundiário Crédito Fundiário no Combate a Pobreza Rural Sustentabilidade e Qualidade de Vida 30 DE NOVEMBRO DE 2011 CONTEXTO Durante os últimos anos,

Leia mais

mhtml:file://e:\economia\ibge Síntese de Indicadores Sociais 2010.mht

mhtml:file://e:\economia\ibge Síntese de Indicadores Sociais 2010.mht Page 1 of 7 Comunicação Social 17 de setembro de 2010 Síntese de Indicadores Sociais 2010 SIS 2010: Mulheres mais escolarizadas são mães mais tarde e têm menos filhos Embora abaixo do nível de reposição

Leia mais

Elaboração de Projetos Sociais e Capitação de Recursos

Elaboração de Projetos Sociais e Capitação de Recursos Elaboração de Projetos Sociais e Capitação de Recursos MARINA MONTEIRO DE QUEIROZ RAVAZZI Coordenadora de Políticas para as Mulheres de Marília/SP Elaboração de Projetos Sociais INSTITUIÇÃO PROPONENTE:

Leia mais

Censo Demográfico - 2000 : Educação: Resultados da Amostra

Censo Demográfico - 2000 : Educação: Resultados da Amostra Comunicação Social 02 de dezembro de 2003 Censo Demográfico - 2000 : Educação: Resultados da Em 2000, 5,8 milhões de brasileiros de 25 anos ou mais de idade tinham o curso superior concluído e proporção

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Peruíbe, SP 30/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 323,17 km² IDHM 2010 0,749 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 59773 hab. Densidade

Leia mais

3801 - SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS E SEGURANÇA CIDADÃ - ADMINISTRAÇÃO DIRETA

3801 - SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS E SEGURANÇA CIDADÃ - ADMINISTRAÇÃO DIRETA 3801 - SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS E SEGURANÇA CIDADÃ - ADMINISTRAÇÃO DIRETA Legislação: Lei nº 17.108, de 27 de julho de 2005. DESCRIÇÃO DO PROGRAMA DE TRABALHO PROGRAMAS ESPECÍFICOS VOLTADOS PARA

Leia mais

Agendas Transversais

Agendas Transversais Reunião do Conselho Nacional de Direitos da Mulher - CNDM Agendas Transversais Maria do Rosário Cardoso Andrea Ricciardi 02/10/2013 Ministério do Planejamento 1 AGENDAS TRANSVERSAIS Igualdade Racial, Comunidades

Leia mais

Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão SECADI/MEC Objetivo

Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão SECADI/MEC Objetivo Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão SECADI/MEC Objetivo Contribuir para o desenvolvimento inclusivo dos sistemas de ensino, voltado à valorização das diferenças e da

Leia mais

Jorge Abrahão de Castro Diretor da Diretoria de Estudos Sociais Brasília, 20 janeiro de 2010

Jorge Abrahão de Castro Diretor da Diretoria de Estudos Sociais Brasília, 20 janeiro de 2010 Juventude e Políticas Sociais no Brasil Jorge Abrahão de Castro Diretor da Diretoria de Estudos Sociais Brasília, 20 janeiro de 2010 Juventude e suas questões Juventude e População: Brasil 2008: 50,2 milhões

Leia mais

Taxa de analfabetismo

Taxa de analfabetismo B Taxa de analfabetismo B.1................................ 92 Níveis de escolaridade B.2................................ 94 Produto Interno Bruto (PIB) per capita B.3....................... 96 Razão de

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Cabo Verde, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 368,15 km² IDHM 2010 0,674 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 13823 hab. Densidade

Leia mais

Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Cobertura de Plano de Saúde Notas Técnicas

Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Cobertura de Plano de Saúde Notas Técnicas Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Cobertura de Plano de Saúde Notas Técnicas Sumário Origem dos dados... 2 Descrição das variáveis disponíveis para tabulação... 3 Variáveis de conteúdo... 3 %Pessoas

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Guaranésia, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 294,28 km² IDHM 2010 0,701 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 18714 hab. Densidade

Leia mais

Projeto RI-VIDA Rede de Integração para a Vida Projeto de prevenção de DST s, HIV/AIDS e Hepatites

Projeto RI-VIDA Rede de Integração para a Vida Projeto de prevenção de DST s, HIV/AIDS e Hepatites Projeto RI-VIDA Rede de Integração para a Vida Projeto de prevenção de DST s, HIV/AIDS e Hepatites Apoio: Centro de Referência e Treinamento DST/AIDS Secretaria de Estado da Saúde VULNERABILIDADE DA POPULAÇÃO

Leia mais

PNAD - Segurança Alimentar 2004 2009. Insegurança alimentar diminui, mas ainda atinge 30,2% dos domicílios brasileiros

PNAD - Segurança Alimentar 2004 2009. Insegurança alimentar diminui, mas ainda atinge 30,2% dos domicílios brasileiros 1 of 5 11/26/2010 2:57 PM Comunicação Social 26 de novembro de 2010 PNAD - Segurança Alimentar 2004 2009 Insegurança alimentar diminui, mas ainda atinge 30,2% dos domicílios brasileiros O número de domicílios

Leia mais

Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente de Juruti 2012-2014

Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente de Juruti 2012-2014 Plano de Ação Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente de Juruti 2012-2014 APRESENTAÇÃO Nosso O Conselho dos Direitos da Criança e do Adolescente do município de Juruti apresenta, no

Leia mais

DADOS. Histórico de lutas

DADOS. Histórico de lutas MULHERES O partido Solidariedade estabeleceu políticas participativas da mulher. Isso se traduz pela criação da Secretaria Nacional da Mulher e por oferecer a esta Secretaria completa autonomia. Acreditamos

Leia mais

Plano Porto Alegre das Mulheres

Plano Porto Alegre das Mulheres Gabinete da Primeira Dama Gabinete de Planejamento Estratégico Coordenação das Mulheres Plano Porto Alegre das Mulheres Mapa de Políticas por Diretriz 1 Novembro/2011 Plano Porto Alegre das Mulheres ROTEIRO

Leia mais

Sumário PNAD/SIMPOC 2001 Pontos importantes

Sumário PNAD/SIMPOC 2001 Pontos importantes Sumário PNAD/SIMPOC 2001 Pontos importantes Sistema de pesquisas domiciliares existe no Brasil desde 1967, com a criação da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD; Trata-se de um sistema de pesquisas

Leia mais

Ficha Técnica dos indicadores de saúde disponibilizados por meio do aplicativo Statplanet. Mortalidade

Ficha Técnica dos indicadores de saúde disponibilizados por meio do aplicativo Statplanet. Mortalidade Secretaria Municipal da Saúde Coordenação de Epidemiologia e Informação - CEInfo Ficha Técnica dos indicadores de saúde disponibilizados por meio do aplicativo Statplanet Mortalidade Taxa ou Coeficiente

Leia mais

INFORMAÇÕES SOBRE O MUNICÍPIO DE ARARAQUARA RELATÓRIO CENTRO DE REFERÊNCIA DA MULHER

INFORMAÇÕES SOBRE O MUNICÍPIO DE ARARAQUARA RELATÓRIO CENTRO DE REFERÊNCIA DA MULHER INFORMAÇÕES SOBRE O MUNICÍPIO DE ARARAQUARA O Município de Araraquara está localizado no centro do Estado de São Paulo, possuindo uma área total 1.312 Km2 com 77,37 Km2 ocupados pela área urbana. Sua posição

Leia mais

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO E ASSISTÊNCIA SOCIAL - SEDAS GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROJETOS E CAPACITAÇÃO TEXTO I

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO E ASSISTÊNCIA SOCIAL - SEDAS GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROJETOS E CAPACITAÇÃO TEXTO I TEXTO I Igualdade de Gênero no Enfrentamento à Violência Contra a Mulher As desigualdades são sentidas de formas diferentes pelas pessoas dependendo do seu envolvimento com a questão. As mulheres sentem

Leia mais

INDICADORES DEMOGRÁFICOS E NORDESTE

INDICADORES DEMOGRÁFICOS E NORDESTE INDICADORES DEMOGRÁFICOS E SOCIAIS E ECONÔMICOS DO NORDESTE Verônica Maria Miranda Brasileiro Consultora Legislativa da Área XI Meio Ambiente e Direito Ambiental, Organização Territorial, Desenvolvimento

Leia mais

Quase 10% dos brasileiros têm mais de 70 anos. Segundo o IBGE, em 40 anos o número de idosos deverá superar o de jovens

Quase 10% dos brasileiros têm mais de 70 anos. Segundo o IBGE, em 40 anos o número de idosos deverá superar o de jovens Um país de idosos Quase 10% dos brasileiros têm mais de 70 anos. Segundo o IBGE, em 40 anos o número de idosos deverá superar o de jovens A expectativa de vida do brasileiro aumentou mais de 20 anos em

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - SEAS

SECRETARIA DE ESTADO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - SEAS SECRETARIA DE ESTADO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - SEAS VISÃO Ser referência na região norte na efetivação de políticas sociais que promovam o desenvolvimento regional com inclusão social. MISSÃO Contribuir

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS SENADO FEDERAL BRASÍLIA, 16 DE MAIO DE 2013 Criação de um novo departamento dentro da SAS: DAET- Departamento de Atenção

Leia mais

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337.

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337. PROGRAMA TÉMATICO: 6229 EMANCIPAÇÃO DAS MULHERES OBJETIVO GERAL: Ampliar o acesso das mulheres aos seus direitos por meio do desenvolvimento de ações multissetoriais que visem contribuir para uma mudança

Leia mais

Formulário de inscrição para Unidades Escolares:

Formulário de inscrição para Unidades Escolares: Presidência da República Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial Secretaria de Políticas de Ações Afirmativas 1. Contextualização: Formulário de inscrição para Unidades Escolares: a) Descreva

Leia mais

Plano de Metas para uma Porto Alegre mais Sustentável.

Plano de Metas para uma Porto Alegre mais Sustentável. Plano de Metas para uma Porto Alegre mais Sustentável. EXPEDIENTE Realização: Prefeitura Municipal de Porto Alegre (PMPA) José Fortunati - Prefeito Secretaria Municipal de Governança Local (SMGL) Cezar

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM - PNAISH

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM - PNAISH POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM - PNAISH Brasília, outubro de 2015 População Masculina 99 milhões (48.7%) População alvo: 20 a 59 anos População Total do Brasil 202,7 milhões de

Leia mais

IX CONFERÊNCIA ESTADUAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CURITIBA-PR

IX CONFERÊNCIA ESTADUAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CURITIBA-PR IX CONFERÊNCIA ESTADUAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CURITIBA-PR Rosiane Costa de Souza Assistente Social Msc Serviço Social/UFPA Diretora de Assistência Social Secretaria de Estado de Assistência Social do Pará

Leia mais

Censo Demográfico 2010. Resultados gerais da amostra

Censo Demográfico 2010. Resultados gerais da amostra Censo Demográfico 2010 Resultados gerais da amostra Rio de Janeiro, 27 de abril de 2012 População e distribuição relativa População e distribuição relativa (%) para o Brasil e as Grandes Regiões 2000/2010

Leia mais

Evolução demográfica 1950-2010

Evolução demográfica 1950-2010 Evolução demográfica 195-1 37 A estrutura etária da população brasileira em 1 reflete as mudanças ocorridas nos parâmetros demográficos a partir da segunda metade do século XX. Houve declínio rápido dos

Leia mais

Munic 2014: 45% dos municípios tinham política de proteção às mulheres vítimas de violência doméstica

Munic 2014: 45% dos municípios tinham política de proteção às mulheres vítimas de violência doméstica Munic 2014: 45% dos municípios tinham política de proteção às mulheres vítimas de violência doméstica A Pesquisa de Informações Básicas Estaduais (Estadic) e a Pesquisa de Informações Básicas Municipais

Leia mais

GUIA PARA LEVANTAMENTO DE DADOS PELAS SEDUCS VISANDO A ELABORAÇÃO DO PLANO DE AÇÃO DE EDUCAÇÃO EM E PARA OS DIREITOS HUMANOS

GUIA PARA LEVANTAMENTO DE DADOS PELAS SEDUCS VISANDO A ELABORAÇÃO DO PLANO DE AÇÃO DE EDUCAÇÃO EM E PARA OS DIREITOS HUMANOS GUIA PARA LEVANTAMENTO DE DADOS PELAS SEDUCS VISANDO A ELABORAÇÃO DO PLANO DE AÇÃO DE EDUCAÇÃO EM E PARA OS DIREITOS HUMANOS I. PERFIL DO/A INTERLOCUTOR/A DESIGNADO PELA SECRETARIA DE EDUCAÇÃO 1.Nome 2.

Leia mais

Em defesa de uma Secretaria Nacional de Igualdade de Oportunidades

Em defesa de uma Secretaria Nacional de Igualdade de Oportunidades 1 Em defesa de uma Secretaria Nacional de Igualdade de Oportunidades A Comissão Nacional da Questão da Mulher Trabalhadora da CUT existe desde 1986. Neste período houve muitos avanços na organização das

Leia mais

População residente, por situação do domicílio Brasil, 2000 Fonte: IBGE, Censo Demográfico 2000 Resultados do Universo

População residente, por situação do domicílio Brasil, 2000 Fonte: IBGE, Censo Demográfico 2000 Resultados do Universo Material elaborado pelo Ético Sistema de Ensino Ensino fundamental Publicado em 2012 Prova bimestral 3o Bimestre 5o ano Geografia Data: / / Nível: Escola: Nome: 1. Leia os dados e o gráfico do censo do

Leia mais

PÚBLICO-ALVO Assistentes sociais que trabalham na área da educação e estudantes do curso de Serviço Social.

PÚBLICO-ALVO Assistentes sociais que trabalham na área da educação e estudantes do curso de Serviço Social. OBJETIVOS: Promover o debate sobre o Serviço Social na Educação; Subsidiar as discussões para o Seminário Nacional de Serviço Social na Educação, a ser realizado em junho de 2012 em Maceió-Alagoas; Contribuir

Leia mais

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre N o Brasil há 2.361 municípios, em 23 estados, onde vivem mais de 38,3 milhões de pessoas abaixo da linha de pobreza. Para eles, o Governo Federal criou

Leia mais

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - Síntese

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - Síntese 2014 Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - Síntese Dieese Subseção Força Sindical 19/09/2014 PESQUISA NACIONAL POR AMOSTRA DE DOMICILIOS - PNAD 2013 Síntese dos Indicadores POPULAÇÃO A Pesquisa

Leia mais

AGENDA NACIONAL DE TRABALHO DECENTE PARA OS TRABALHADORES E TRABALHADORAS DO SUS (ANTD-SUS)

AGENDA NACIONAL DE TRABALHO DECENTE PARA OS TRABALHADORES E TRABALHADORAS DO SUS (ANTD-SUS) AGENDA NACIONAL DE TRABALHO DECENTE PARA OS TRABALHADORES E TRABALHADORAS DO SUS (ANTD-SUS) Brasília, 20 de novembro de 2014 II Encontro Nacional das Mesas de Negociação do SUS Agenda Nacional de Trabalho

Leia mais

Amazônia Legal e infância

Amazônia Legal e infância Amazônia Legal e infância Área de Abrangência 750 Municípios distribuídos em 09 Unidades Federativas: Amazonas (62), Amapá (16), Acre (22), Roraima (15), Rondônia (52), Pará (143), Tocantins (139), Maranhão

Leia mais

Política Nacional de Saúde Integral da População Negra Plano Operativo

Política Nacional de Saúde Integral da População Negra Plano Operativo MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA DEPARTAMENTO DE APOIO À GESTÃO PARTICPATIVA Política Nacional de Saúde Integral da População Negra Plano Operativo Brasília - DF Abril

Leia mais

FOME ZERO. O papel do Brasil na luta global contra a fome e a pobreza

FOME ZERO. O papel do Brasil na luta global contra a fome e a pobreza FOME ZERO O papel do Brasil na luta global contra a fome e a pobreza Seminário Internacional sobre Seguro de Emergência e Seguro Agrícola Porto Alegre, RS -- Brasil 29 de junho a 2 de julho de 2005 Alguns

Leia mais

Estatísticas de Gênero Uma análise dos resultados do Censo Demográfico 2010. Sistema Nacional de Informações de Gênero SNIG

Estatísticas de Gênero Uma análise dos resultados do Censo Demográfico 2010. Sistema Nacional de Informações de Gênero SNIG Diretoria de Pesquisas - Coordenação de População e Indicadores Sociais Gerência de Indicadores Sociais Estatísticas de Gênero Uma análise dos resultados do Censo Demográfico 2010 Sistema Nacional de Informações

Leia mais

Ana Fonseca Secretária Extraordinária de Superação da Extrema Pobreza (SESEP/MDS) Reunião do SASF 2 de agosto de 2011 Brasília

Ana Fonseca Secretária Extraordinária de Superação da Extrema Pobreza (SESEP/MDS) Reunião do SASF 2 de agosto de 2011 Brasília Ana Fonseca Secretária Extraordinária de Superação da Extrema Pobreza (SESEP/MDS) Reunião do SASF 2 de agosto de 2011 Brasília LINHA E PÚBLICO DA EXTREMA POBREZA Linha de extrema pobreza: renda familiar

Leia mais

A INSERÇÃO DOS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS

A INSERÇÃO DOS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS OS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS NOVEMBRO DE 2013 A INSERÇÃO DOS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS A sociedade brasileira comemora, no próximo dia 20 de novembro, o Dia da

Leia mais

Plano de Ação de Educação em Direitos Humanos

Plano de Ação de Educação em Direitos Humanos Plano de Ação de Educação em Direitos Humanos 1 - Diagnóstico População do Estado de Goiás: 5.647.035 87,88% urbana 12,12% rural IDH de Goiás: 0,800 50,18% mulheres 49,82% homens 43,6% brancos 50,9% pardos

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Alto Boa Vista, MT 01/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 2248,35 km² IDHM 2010 0,651 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 5247 hab. Densidade

Leia mais

PROGRAMA Nº- 105 CASA DA MULHER/CENTRO ESPECIALIZADO DE ATENDIMENTO A MULHER CASA ABRIGO

PROGRAMA Nº- 105 CASA DA MULHER/CENTRO ESPECIALIZADO DE ATENDIMENTO A MULHER CASA ABRIGO ÓRGÃO RESPONSÁVEL: Secretaria Municipal de Políticas Públicas para Mulher NOME: PROGRAMA Nº- 105 CASA DA MULHER/CENTRO ESPECIALIZADO DE ATENDIMENTO A MULHER CASA ABRIGO Código Descrição FUNÇÃO: 14 Direitos

Leia mais

14/Mar/2013 :: Edição 31 ::

14/Mar/2013 :: Edição 31 :: 14/Mar/2013 :: Edição 31 :: Cadernos do Poder Executivo Poder Geraldo Julio de Mello Filho Executivo DECRETO Nº 26.993 DE 13 DE MARÇO DE 2013 EMENTA: Descreve as competências e atribuições dos cargos comissionados

Leia mais

Balanço SEMESTRAL da Gestão (Fev/Agosto 2012) Secretaria de Articulação Institucional e Ações Temáticas/SPM

Balanço SEMESTRAL da Gestão (Fev/Agosto 2012) Secretaria de Articulação Institucional e Ações Temáticas/SPM 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 ANEXO II ATA DA 10ª REUNIÃO ORDINÁRIA DO CONSELHO NACIONAL DOS DIREITOS DA MULHER REALIZADA NOS DIAS 04 E 05 DE SETEMBRO

Leia mais

A SECRETARIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS PARA MULHERES AS AÇÕES SÃO DESENVOLVIDAS POR QUATRO ÁREAS ESTRATÉGICAS:

A SECRETARIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS PARA MULHERES AS AÇÕES SÃO DESENVOLVIDAS POR QUATRO ÁREAS ESTRATÉGICAS: O QUE É QUE FAZ A SECRETARIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS PARA MULHERES A Prefeitura de São Paulo, em maio de 2013, seguindo a política implementada nacionalmente e atendendo uma reivindicação histórica do movimento

Leia mais

Demonstrativo da extrema pobreza: Brasil 1990 a 2009

Demonstrativo da extrema pobreza: Brasil 1990 a 2009 Campinas, 29 de fevereiro de 2012 AVANÇOS NO BRASIL Redução significativa da população em situação de pobreza e extrema pobreza, resultado do desenvolvimento econômico e das decisões políticas adotadas.

Leia mais

No Brasil, existem cerca de 45 milhões de Pessoas com Deficiência, o que representa ¼ da população geral (Censo IBGE, 2010).

No Brasil, existem cerca de 45 milhões de Pessoas com Deficiência, o que representa ¼ da população geral (Censo IBGE, 2010). O Plano Nacional dos Direitos da Pessoa com Deficiência PLANO VIVER SEM LIMITE 2011-2014 foi instituído por meio do Decreto da Presidência da República nº 7.612, de 17/11/2011 e tem como finalidade promover,

Leia mais

PLANO INTEGRADO DE ENFRENTAMENTOÀ FEMINIZAÇÃO DA AIDS NO CEARÁ - 2009

PLANO INTEGRADO DE ENFRENTAMENTOÀ FEMINIZAÇÃO DA AIDS NO CEARÁ - 2009 COORDENADORIA DE PROMOÇÃO E PROTEÇÃO À SAÚDE - COPROM NÚCLEO DE PREVENÇÃO E CONTROLE DE DOENÇAS NUPREV PLANO INTEGRADO DE ENFRENTAMENTOÀ FEMINIZAÇÃO DA AIDS NO CEARÁ - 2009 Responsáveis pela elaboração:

Leia mais

SEDE NACIONAL DA CAMPANHA

SEDE NACIONAL DA CAMPANHA Campanha Ponto Final na Violência contra as Mulheres e Meninas SEDE NACIONAL DA CAMPANHA REDE NACIONAL FEMINSTA DE SAÚDE, DIREITOS SEXUAIS E DIREITOS REPRODUTIVOS Avenida Salgado Filho, 28, cj 601. Porto

Leia mais

Por que criar mecanismos de gênero nos órgãos governamentais?

Por que criar mecanismos de gênero nos órgãos governamentais? Presidência da República Secretaria de Políticas para as Mulheres Seminário de Capacitação dos Mecanismos de Gênero no Governo Federal Por que criar mecanismos de gênero nos órgãos governamentais? Lourdes

Leia mais

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense 1. DISCRIMINAÇÃO DO PROJETO Título do Projeto Educação de Qualidade: direito de todo maranhense Início Janeiro de 2015 Período de Execução Término

Leia mais

CONFERÊNCIAS MUNICIPAIS OU REGIONAIS INSTRUMENTAL PARA GRUPO DE TRABALHO SAÚDE

CONFERÊNCIAS MUNICIPAIS OU REGIONAIS INSTRUMENTAL PARA GRUPO DE TRABALHO SAÚDE CONFERÊNCIAS MUNICIPAIS OU REGIONAIS INSTRUMENTAL PARA GRUPO DE TRABALHO SAÚDE II CONFERÊNCIA DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL Instrumental de Trabalho baseado nas Propostas Aprovadas na I Conferencia Estadual

Leia mais

CENSO DEMOGRÁFICO DE 2010: MUDANÇAS METODOLÓGICAS E RESULTADOS PRELIMINARES DO UNIVERSO

CENSO DEMOGRÁFICO DE 2010: MUDANÇAS METODOLÓGICAS E RESULTADOS PRELIMINARES DO UNIVERSO Suzana Cavenaghi José Eustáquio Diniz Alves Escola Nacional de Ciências Estatísticas (ENCE) Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). CENSO DEMOGRÁFICO DE 2010: MUDANÇAS METODOLÓGICAS E RESULTADOS

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Sorriso, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 9382,37 km² IDHM 2010 0,744 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 66521 hab. Densidade

Leia mais

É uma medida de desigualdade, mas comumente utilizada para calcular a desigualdade na distribuição de renda. É um número entre 0 e 1.

É uma medida de desigualdade, mas comumente utilizada para calcular a desigualdade na distribuição de renda. É um número entre 0 e 1. COEFICIENTE GINI É uma medida de desigualdade, mas comumente utilizada para calcular a desigualdade na distribuição de renda. É um número entre 0 e 1. 0 = completa igualdade 1= completa desigualdade. Desigualdade

Leia mais

Desigualdade Racial e políticas públicas no Brasil

Desigualdade Racial e políticas públicas no Brasil Desigualdade Racial e políticas públicas no Brasil Documento para a Audiência Pública sobre as políticas de ação afirmativa de acesso ao ensino superior- STF Ipea - Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada

Leia mais

Programa 2063 - Promoção dos Direitos de Pessoas com Deficiência

Programa 2063 - Promoção dos Direitos de Pessoas com Deficiência Programa Momento do Programa: Momento LOA+Créditos Tipo de Programa: Temático Macrodesafio Fortalecer a cidadania Eixo Direitos da Cidadania e Movimentos Sociais R$ 50.000.000 Notas de usuário para Programa

Leia mais

Especificidades das mortes violentas no Brasil e suas lições. Maria Cecília de Souza Minayo

Especificidades das mortes violentas no Brasil e suas lições. Maria Cecília de Souza Minayo Especificidades das mortes violentas no Brasil e suas lições Maria Cecília de Souza Minayo 1ª. característica: elevadas e crescentes taxas de homicídios nos últimos 25 anos Persistência das causas externas

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão Diretoria Políticas de Alfabetização e Educação de Jovens e Adultos maio 2015 PANORAMA DA EDUCAÇÃO DE JOVENS

Leia mais

Boletim PNAD Resultados da PNAD 2011 Educação Junho de 2013

Boletim PNAD Resultados da PNAD 2011 Educação Junho de 2013 Boletim PNAD Resultados da PNAD 2011 Educação Junho de 2013 RESULTADOS DA PNAD 2011 EDUCAÇÃO Apresentação 2 Governo do Estado da Bahia Jaques Wagner Secretaria do Planejamento (Seplan) José Sergio Gabrielli

Leia mais

Presidência da República Secretaria de Direitos Humanos Conselho Nacional dos Direitos do Idoso

Presidência da República Secretaria de Direitos Humanos Conselho Nacional dos Direitos do Idoso Presidência da República Secretaria de Direitos Humanos Conselho Nacional dos Direitos do Idoso Fundo Nacional do Idoso- Regulamentação e operacionalização 27º CAFÉ COM SUSTENTABILIDADE DA FEBRABAN PROMOTOR

Leia mais

Histórico Rede Evangélica Nacional de Ação Social (RENAS) agosto de 2010 no Recife Transformando a sociedade a partir da igreja local

Histórico Rede Evangélica Nacional de Ação Social (RENAS) agosto de 2010 no Recife Transformando a sociedade a partir da igreja local Histórico Esta campanha tem sua origem no contexto do V Encontro Nacional da Rede Evangélica Nacional de Ação Social (RENAS) em agosto de 2010 no Recife PE. Nessa ocasião, o enfoque do evento foi: Transformando

Leia mais

VIOLÊNCIA CONTRA IDOSOS. Edinilsa Ramos de Souza CLAVES/ENSP/FIOCRUZ

VIOLÊNCIA CONTRA IDOSOS. Edinilsa Ramos de Souza CLAVES/ENSP/FIOCRUZ VIOLÊNCIA CONTRA IDOSOS Edinilsa Ramos de Souza CLAVES/ENSP/FIOCRUZ O que é Violência contra idosos? É um ato (único ou repetido) ou omissão que lhe cause dano ou aflição e que se produz em qualquer relação

Leia mais

PAI Vila Esperança Churrasco Dia dos Pais Pq. Ecológico do Tietê

PAI Vila Esperança Churrasco Dia dos Pais Pq. Ecológico do Tietê PAI Vila Esperança Churrasco Dia dos Pais Pq. Ecológico do Tietê OS IDOSOS NA CIDADE DE SP IBGE Censo PAI Vila Esperança Sra. Shizuko restrita ao lar Caminhando no quintal com apoio da Acompanhante População:

Leia mais

01 REGIÃO METROPOLITANA 03 ENDEREÇO

01 REGIÃO METROPOLITANA 03 ENDEREÇO IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística Diretoria de Pesquisas Coordenação de Trabalho e Rendimento Gerência de Pesquisa Mensal PESQUISA MENSAL DE EMPREGO PME 1.0 QUESTIONÁRIO DE MÃO-DE-OBRA

Leia mais

SÍNTESE DE INDICADORES SOCIAIS

SÍNTESE DE INDICADORES SOCIAIS ESTUDOS & pesquisas INFORMAÇÃO DEMOGRÁFICA E SOCIoeconômica 5 SÍNTESE DE INDICADORES SOCIAIS 2000 IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística Presidente da República Fernando Henrique Cardoso

Leia mais

PROGRAMA. Brasil, Gênero e Raça. Orientações Gerais

PROGRAMA. Brasil, Gênero e Raça. Orientações Gerais PROGRAMA Brasil, Gênero e Raça Orientações Gerais Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro do Trabalho e Emprego Luiz Marinho Secretário-Executivo Marco Antonio de Oliveira Secretário

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME. Nota MDS Brasília, 02 de maio de 2011.

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME. Nota MDS Brasília, 02 de maio de 2011. Nota MDS Brasília, 02 de maio de 2011. Assunto: O perfil da Extrema Pobreza no Brasil com base nos dados preliminares do universo do Censo 2010. 1. INTRODUÇÃO O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

Leia mais