Índice de Trabalhos. Linha de Pesquisa: Estudos de Cinema e Audiovisual

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Índice de Trabalhos. Linha de Pesquisa: Estudos de Cinema e Audiovisual"

Transcrição

1

2 O XIV Seminário de Mestrandos do PPGCom-UTP, em 6 de março de 2015, apresenta as pesquisas dos discentes da turma de O Seminário oferece uma oportunidade de interação entre docentes e discentes, além de ser uma experiência aos mestrandos, que devem adquirir o hábito de apresentar seus temas em duração determinada e de dialogar produtivamente com seus professores e colegas. Os debates são sempre uma fonte de novas informações e intercâmbio de repertórios, procurando fomentar a pesquisa e contemplar novos olhares sobre os temas abordados. Na linha de Pesquisa Estudos de Cinema e Audiovisual, os projetos se referem às representações nas áreas de cinema, audiovisual e games, além das interações de mídias, incluindo artes gráficas, animação e teatro, em seus diálogos intertextuais. Temas como identidade cultural na era digital, hibridação e hipérbole no cinema contemporâneo e interações cinema-teatro e cinema-tv compartilham seus pontos de vista com a publicidade, o esporte e o estereótipo no cinema. Apresentação Na Linha de Pesquisa Processos Mediáticos e Práticas Comunicacionais, os projetos analisam temas oriundos das mídias digitais, como a exposição midiática, a construção das novas celebridades, o rádio hipermidiático e as identidades culturais na Internet. Na área de Jornalismo, há pesquisas que tratam da cobertura eleitoral de 2014 e das possibilidades do jornal como incentivo à leitura. Há também pesquisas sobre a democratização do conhecimento científico e a arte popular urbana. Os projetos de ambas as linhas refletem a diversidade de temas e enfoques, analisados com embasamentos e conceitos teóricos de pesquisadores da área. Há temas polêmicos, como a origem dos estereótipos no cinema, o grafite e a pichação como arte urbana, os fenômenos virais na rede, o ponto-contraponto do eu real e do eu digital, a representação das crianças como monstros, e a representação do negro no cinema. A postura acadêmica, contudo, incentiva o debate produtivo e a polifonia de vozes dos diversos pontos de vista sobre os mesmos temas. Profa. Dra. Denize Araujo - LP Estudos de Cinema e Audiovisual Prof. Dr. Geraldo Pieroni LP Processos Mediáticos e Práticas Comunicacionais Organizadores do XIV Seminário de Pesquisa de Mestrandos- PPGCOM-UTP-2014

3 Linha de Pesquisa: Estudos de Cinema e Audiovisual 2 coelhos: uma análise sobre a intertextualidade e o hibridismo na produção cinematográfica contemporânea brasileira... Mestrando: Evandro Klos FABRÍCIO Orientadora: Profa. Dra. Denise Azevedo Duarte GUIMARÃES A representaçâo do cearense no filme Cine Holliúdy... Mestrando: João Eudes Portela de SOUSA Orientador: Prof. Dr. Rafael Tassi TEIXEIRA O documentário sobre corrida de modalidade esportiva e a construção sônica-visual... Mestranda: Karen BORTOLINI Orientador: Prof. Dr. Rafael Tassi TEIXEIRA Entre o eu real e o eu digital: interações simbólicas na relação sujeito e herói dos games... Mestrando: Leonardo Vieira da ROCHA Orientador: Prof. Dr. Rafael Tassi TEIXEIRA A influência das estéticas teatrais na teledramaturgia: o caso de Avenida Brasil... Mestranda: Rafaela Ricardo Santos MARCOLINO Orientadora: Profa. Dra. Sandra FISCHER A gênese do mal: a representação da criança em filmes de horror... Mestrando: Rodrigo André da Costa GRAÇA Orientador: Prof. Dr. Rafael Tassi TEIXEIRA A espuma dos dias: o cinema hiperbólico de Michel Gondry... Mestrando: Sergio Roberto Vieira MARTINS Orientadora: Profa. Dra. Denize Correa ARAUJO César deve morrer: estudo da heteronomia e hibridização na narrativa fílmica... Mestranda: Tânia C. Kaminski Alves ASSINI Orientadora: Profa. Dra. Denize Correa ARAUJO O entretenimento como argumento de venda: uma análise do audiovisual publicitário da Internet... Mestrando: Thiago Garcia MARTINS Orientador: Prof. Dr. Fernando ANDACHT Medianeras: a questão da experiência estética... Mestranda: Aline VAZ Orientadora: Profa. Dra. Sandra FISCHER A representatividade do negro na televisão brasileira: uma abordagem histórica e social... Mestrando: Josiel Guimarães ADAM Orientador: Prof. Dr. Fernando ANDACHT Representação e estereótipo do Brasil no cinema... Mestrando: Marco Aurélio VAVASSORI Orientadora: Profa. Dra. Denize Correa ARAUJO Índice de Trabalhos

4 Linha de Pesquisa: Processos Midiáticos e Práticas Comunicacionais New addictions a dependência patológica da exposição midiática em músicos nacionais... Mestranda: Amanda Valentini Borges BUENO Orientador: Prof. Dr. Álvaro LARANGEIRA Estrelato na web: a construção de celebridades a partir dos fenômenos virais em rede... Mestranda: Deborah Susane Sampaio SOUSA Orientador: Prof. Dr. Carlos Eduardo MARQUIONI Análise de discurso dos jornais O Globo, O Estado de S. Paulo e Folha de S. Paulo durante a cobertura eleitoral de Mestrando: Edinei WASSOASKI Orientadora: Profa. Dra. Mônica FORT Rádio hipermidiático: a recepção dos aplicativos pelo público das rádios Jovem Pan fm 103,9 de Curitiba, PR, e Mundial fm 96,5 de Ijuí, RS... Mestranda: Lidia Paula TRENTIN Orientador: Prof. Dr. Álvaro LARANGEIRA Das variações nas formas de apresentação do jornalismo científico na TV brasileira: uma análise dos programas Scientia (Ufpr TV) e Como Será? (Rede Globo)... Mestranda: Maria de Lurdes Welter PEREIRA Orientador: Prof. Dr. Carlos Eduardo MARQUIONI O jornal na sala de aula: um exercício para incentivar a leitura e a escrita... Mestrando: André Luis Lucas RODRIGUES Orientadora: Profa. Dra. Mônica FORT Murocromia: apropriação de linguagens e conflito entre arte de rua e publicidade... Mestrando: Fernando César GOHL Orientadora: Profa. Dra. Mônica FORT Do estabelecimento de identidades culturais na internet: uma análise dos traços de cearensidade no personagem Suricate Seboso... Mestranda: Lia Dias Aderaldo MELLO Orientador: Prof. Dr. Carlos Eduardo MARQUIONI Índice de Trabalhos

5 06/ mar./ 2015 Miniauditório 2 Apresentações Linha de Estudos de Cinema e Audiovisual Cronograma: apresentação mestrando: 20 debate aberto: 15 total: 35 para cada mestrando 8h às 8h15 Apresentação geral 8h15 às 8h50 Evandro Klos FABRÍCIO 12h35 - Almoço 14h às 14h35 Tânia C. Kaminski Alves ASSINI Programação 8h50 às 9h25 João Eudes Portela de SOUSA 9h25 às 10h Karen BORTOLINI Coffee Break - 10h às 10h15 10h15 às 10h50 Leonardo Vieira da ROCHA 10h50 às 11h25 Rafaela Ricardo Santos MARCOLINO 11h25 às 12h Rodrigo André da Costa GRAÇA 14h35 às 15h10 Thiago Garcia MARTINS 15h10 às 15h45 Aline VAZ Coffee Break 15h45 às 16h 16h às 16h35 Josiel Guimarães ADAM 16h35 às 17h10 Marco Aurélio VAVASSORI Encerramento 17h10 às 17h30 12h às 12h35 Sergio Roberto Vieira MARTINS

6 06/ mar./ 2015 Miniauditório 4 Apresentações Linha de Processos Mediáticos e Práticas Comunicacionais Cronograma: apresentação mestrando: 20 debate aberto: 15 total: 35 para cada mestrando 8h às 8h15 Apresentação geral Programação 8h15 às 8h50 Amanda Valentini Borges BUENO 8h50 às 9h25 Deborah Susane Sampaio SOUSA 9h25 às 10h Edinei WASSOASKI 10h às 10h15 - Coffee Break 10h15 às 10h50 Lidia Paula TRENTIN 10h50 às 11h25 Maria de Lurdes Welter PEREIRA 11h25 às 12h André Luis Lucas RODRIGUES 12h às 12h35 Fernando César GOHL 12h35 às 13h10 Lia Dias Aderaldo MELLO Encerramento 13h10 às 13h30

7 Linha de Pesquisa: Estudos de Cinema e Audiovisual

8 2 Coelhos: uma análise sobre a intertextualidade e o hibridismo na produção cinematográfica contemporânea brasileira Mestrando: Evandro Klos FABRÍCIO Orientadora: Profa. Dra. Denise Azevedo Duarte GUIMARÃES A presente pesquisa tem como propósito investigar e posteriormente analisar, dentro de um produto cinematográfico, o uso de novas tecnologias, com ênfase nos estudos de técnicas de produção e a aplicação de efeitos visuais na pós-produção. A partir de um recorte no cinema brasileiro contemporâneo, foi selecionado como objeto empírico de estudo o filme 2 Coelhos, lançado em 2012, escrito e dirigido por Afonso Poyart. A escolha do corpus foi definida pelo fato de ser um filme que se apropria de uma linguagem pouco usual nas produções contemporâneas nacionais, inserindo elementos encontrados em outras formas de representações audiovisuais, não especificamente voltadas somente para o cinema, mas também para a televisão e outras mídias, como os games, artes gráficas e animação. Partindo da hipótese que o uso de meios tecnológicos, somados à utilização de diferentes formas de linguagens, caracterizam um avanço nas produções cinematográficas contemporâneas, os objetivos almejados são de analisar o uso das recentes tecnologias de produção e pós-produção na construção de novas formas de representação dos elementos visuais. De forma mais especifica, busca-se definir, através de uma perspectiva histórica, o que se entende por produção e pós-produção no cinema clássico e moderno; identificar a inserção de imagens com uso de linguagens distintas; e ainda explorar a intertextualidade e o hibridismo, por meio de comparação entre elementos visuais do filme e os de outras mídias e artes. O referencial teórico se aporta principalmente nos autores Arlindo Machado e Ismail Xavier sobre evolução do cinema e o uso de novas tecnologias. Para os estudos de imagens eletrônicas serão utilizados os conceitos de Julio Plaza e Mônica Tavares. Sobre novas teorias sobre a linguagem digital serão utilizados os conceitos de Lev Manovich. Palavras-chave: Cinema. Imagem. Novas tecnologias. Hibridismo. Artes. 8

9 A representaçâo do cearense no filme Cine Holliúdy Mestrando: João Eudes Portela de SOUSA Orientador: Prof. Dr. Rafael Tassi TEIXEIRA Neste trabalho, abordaremos o cinema contemporâneo brasileiro enquanto instância representacional, a partir de um filme que se destacou no Brasil por representar o sujeito cearense por meio de suas falas, trejeitos e costumes. Diante disso, analisaremos os aspectos referentes à construção do que podemos chamar de identidade cultural do sujeito cearense. A reflexão se dará acerca dessa cearensidade manifestada no filme Cine Holliúdy. A pesquisa tem com problemática geral: como o filme Cine Holliúdy representa o Ceará ou os cearenses? Será feito um alinhamento teórico sobre o conceito de identidade e cultura, tendo como metodologia a análise do conteúdo categorial do filme. Autores como Hommi Bhabha, Stuart Hall, Durval Muniz de Albuquerque Junior, Denys Cuche, Paulo César Alves, Manuel Castells, Nestor Garcia Canclini, Renato Ortiz e Erving Goffman nos ajudarão com as questões relacionadas à cultura, identidade, representação e estereótipo e sua relação com o cinema. Com base nesse estudo, buscaremos uma compreensão de como é feita a construção dessa cearensidade. Outro objetivo é identificar algumas questões relacionadas à cultura e aos estereótipos usados de forma exótica e humorística de um sujeito castigado, sofredor, mas que não perde o senso de humor. Palavras-chave: Cultura. Identidade. Representação. Estereótipo. Cinema. 9

10 O documentário sobre corrida de modalidade esportiva e a construção sônicavisual Mestranda: Karen BORTOLINI Orientador: Prof. Dr. Rafael Tassi TEIXEIRA O presente estudo trata da análise fílmica do filme-documentário São Silvestre, dirigido por Lina Chamie, 2013, sobre a corrida de rua de longa distância mais tradicional do país, na capital paulista. Pretende-se situar a pesquisa dentro da área da comunicação, e, para isso, serão abordadas teorias relacionadas a este campo como: enunciação, indexação e recepção. Como se trata da representação de um fenômeno social, também serão trazidas teorias da sociologia, psicologia e história. A escolha do filme se justifica por sua estrutura ser diferente dos documentários convencionais contendo, no entanto, elementos da narrativa cinematográfica convencional. O documentário promove experiências no espectador provindas de funções e opções de imagem-câmera. Por isso, serão feitas análises de sua forma, sobre estilo e opções estilísticas feitas pela diretora, e também da mise-en-scène e de seu conteúdo, com o estudo de suas mensagens transmitidas através dos signos visuais e sonoros, principalmente os não verbais, pois o filme conta com raras palavras pronunciadas. O objetivo é verificar de que maneira a corrida é representada, bem como a figura do atleta e dos espaços urbanos ocupados pela modalidade. E, ainda, verificar de que forma um documentário pode produzir significados sem diálogos. Pretende-se utilizar, entre outros, autores tais como: BORDWEll, David; CORSEUL, Anelise Reich; RAMOS, Fernão Pessoa; LIMA, Luiz Costa; MACHADO, Arlindo; VIANA, Nildo; MCQUAIL, Denis; XAVIER, Ismail; SODRÉ, Muniz; SANTAELLA, Lúcia. Palavras-chave: Comunicação. Cinema. Representação. Corrida. Documentário. 10

11 Entre o eu real e o eu digital: interações simbólicas na relação sujeito e herói dos games Mestrando: Leonardo Vieira da ROCHA Orientador: Prof. Dr. Rafael Tassi TEIXEIRA A presente pesquisa objetiva, por meio da abordagem do interacionismo simbólico, a identificação das significações construídas na relação jogador-herói. Busca-se compreender o que existe nos games capaz de influenciar atitudes e ações do sujeito que joga. Justifica-se este estudo mediante o entendimento que a interação é o lugar de ocorrência da comunicação e a crescente valorização dos games como produto audiovisual com influencias socioculturais. Neste aspecto, a interação torna-se o objeto científico, analisado sobre três vertentes: imersão, agência e transformação. Na primeira busca-se apreender aspectos da interface, interatividade e experiência. Na segunda contextualiza-se o objeto empírico pelas linhas narratológicas e ludológicas e por fim, resgata-se a contribuição da psicologia analítica e da heroicidade mitológica para compreensão dos aspectos inconscientes do sujeito no ciberespaço. O corpus teórico principal se apoia nas proposições de Janet Murray, José Luiz Braga, Arlindo Machado, Frans Mayra, Katie Salen, Eric Zimmerman, Joseph Campbell e Carl Gustav Jung. Como recorte do corpus do trabalho, definiu-se os games Bioshock Infinite (2K Games, EUA), e Last of Us (Naughty Dog, EUA) e o processo metodológico consiste de uma pesquisa survey para a delimitação do universo microssocial dos jogadores, observação participante com apoio de entrevistas semiestruturadas para a coleta de dados e a utilização do método fenomenológico para a análise qualitativa dos dados. A hipótese principal é de que a interação entre sujeito e game insurge aspectos simbólicos relativos ao processo de individuação e ao arquétipo do herói. Palavras-chave: Games. Interação Simbólica. Arquétipo. Herói. 11

12 A influência das estéticas teatrais na teledramaturgia: o caso de Avenida Brasil Mestranda: Rafaela Ricardo Santos MARCOLINO Orientadora: Prof.ª Dr.ª Sandra FISCHER O trabalho A INFLUÊNCIA DAS ESTÉTICAS TEATRAIS NA TELEDRAMATURGIA: O CASO DE AVENIDA BRASIL tem a proposta de estudar e analisar a suposta influência da estética teatral naturalista em telenovelas brasileiras da contemporaneidade. Para tanto, será feito um pormenorizado estudo de caso, considerando principalmente os aspectos formais e diegéticos que se apresentam na telenovela Avenida Brasil, de João Emanuel Carneiro, produzida pela Rede Globo de Televisão e exibida pela mesma emissora no ano de A obra foi escolhida, entre outras razões, por conta de sua relevância estético-comunicacional e da significativa repercussão em termos de audiência. Será realizada uma investigação reflexiva tendo em vista os elementos teatrais que podem ser responsáveis por peculiaridades na representação da dita realidade social em telenovelas exibidas na faixa das 21 horas, considerada como o horário nobre da referida emissora. O suporte teórico será estruturado a partir de pensadores que fundamentam a estética teatral naturalista, como Constantin Stanislavski, e apoiado em trabalhos de pesquisadores que se dedicam ao estudo da teledramaturgia, tais como Esther Hamburguer, Maria Immacolata Vassallo de Lopes, Renata Pallottini, Sandra Fischer e outros. Pretende-se rastrear, identificar e estudar na obra mencionada a presença de elementos do teatro naturalista, bem como ali avaliar a influência das teorias teatrais e observar os consequentes efeito de sentido em função da hipótese de que a telenovela se apropria do teatro para construir seus efeitos de sentido. Palavras-chave: Telenovela brasileira contemporânea. Teatro e teledramaturgia. Avenida Brasil. 12

13 A gênese do mal: a representação da criança em filmes de horror Mestrando: Rodrigo André da Costa GRAÇA Orientador: Prof. Dr. Rafael Tassi TEIXEIRA O presente trabalho discute a representação da monstruosidade em crianças nos filmes de horror ocidentais. Monstros corporificam o incompreensível e o irracional na natureza, na sociedade e em nós mesmos. Expor a monstruosidade em obras de expressão culturais como arte, literatura e cinema, entre outras, permite compreender e racionalizar o mal. A partir desta exposição, presente na raiz da palavra monstro (MAGALHÃES, pag. 24, 2003), podemos enxergar melhor os problemas e idiossincrasias de nossa sociedade. Em geral, a infância e a adolescência ocupam um espaço privilegiado em nossa cultura, um espaço de proteção e cuidado; porém este espaço é ameaçado por alguns poucos que vêem monstros em forma de crianças (HERINGER, 2013 e LEITÃO, 2013). Compreender como crianças são retratadas como monstros é entender como limites culturais da infância são transgredidos. Para tanto são analisados filmes ocidentais que possuem crianças como antagonistas, vilãs e monstros. Filmes como Deixa Ela Entrar de Tomas Alfredson (2008), Filhos do Medo de David Cronenberg (1979), O Comilão Otesáner de Jan Švankmajer (2000), entre outros. Como instrumento de análise, são utilizadas as categorias de inadequado, como um indivíduo culturalmente cassado (pag. 277, 2000), de Margaret Mead; infantil, como um espaço que não somos mais, não queremos e não devemos ser mais (pag 321, 2004), de Sandra Mara Corazza; monológico e reflexivo, como um discurso único que não constrói significações (2006), de Mikhail Bakhtin. Em outras palavras, como o mal infantil surge, como se estabelece e quais suas implicações para como nossa cultura trata a idéia de criança. Palavras-chave: Infância. Inadequado. Filme de Horror. Monológico. 13

14 A espuma dos dias: o cinema hiperbólico de Michel Gondry Mestrando: Sergio Roberto Vieira MARTINS Orientadora: Prof.ª Dr.ª Denize Correa ARAUJO O objetivo desta pesquisa é analisar o filme A espuma dos dias (L écume des jours, 2013), de Michel Gondry, uma adaptação para o cinema do romance homônimo escrito por Boris Vian, publicado em 1947, que traz em seu enredo uma simples história de amor, mas que ganha exuberância, dramaticidade e causa estranheza através do uso da hipérbole. O diretor procura utilizar diversos efeitos visuais, nos personagens, nos objetos cenográficos, nos cenários, nas cores e por vezes fortalecendo ou enfatizando algumas características da psique humana, em especial, do protagonista, e suas relações com o mundo. Com isso, transgride e subverte a realidade, por meio do onírico, do simbólico e da metalinguagem. A hipótese seria que o filme só consegue esse resultado com o uso da hipérbole, figura de linguagem que indica exagero, que tem como fundamento enfatizar algo, destacar, fortalecer ou engrandecer certas partes, provocando assim mais dramaticidade, exuberância, afastando-se daquilo que temos por normalidade. Pretende-se fazer uma análise do conteúdo, de forma qualitativa, reconhecendo a exuberância que ocorre pelo uso da hipérbole, presente nesses vários elementos, buscando com isso perceber que essas características hiperbólicas não são utilizadas de maneira gratuita, apelativa, mostrando incoerência ou fora de propósito, mas que podem denotar representações emotivas, de pensamentos racionais ou não, como também simbolizar ideias que cercam o filme de uma rica construção cinematográfica, com conteúdos relevantes e do cotidiano, porém apresentadas um pouco distante do tradicional cinema clássico ou dominante. Para discutir o hiperbólico e tratar do onírico, do surreal, do simbólico e do metacinema serão utilizadas algumas referências fundamentais de Luis Buñuel, Gaston Barchelard, Roland Barthes, Lucia Santaella, Arlindo Machado e Peter Wollen, entre outros. Palavras-chave: Cinema. Ficção. Hipérbole. Surreal. Metacinema. 14

15 César deve morrer: estudo da heteronomia e hibridização na narrativa fílmica Mestranda: Tânia C. Kaminski Alves ASSINI Orientadora: Profa. Dra. Denize Correa ARAUJO A pesquisa volta-se para o tema do contato entre as linguagens artísticas e a fusão entre gêneros nas produções fílmicas contemporâneas, levantando o problema dos desafios colocados para a teoria da narrativa fílmica, a partir da constatação do movimento heterônomo de parte do cinema contemporâneo de buscar, em procedimentos comuns a outras artes e mídias de comunicação, modos de transgredir e atualizar o fazer fílmico convencionado. Propõe-se como objeto de análise o filme César deve morrer (2012), dirigido pelos irmãos Taviani, a partir da peça de teatro Júlio César, de Shakespeare. Objetiva-se estudar os elementos de elaboração estética do filme no processo de direção, considerando-se a produção filme/documentário, ou drama/documentário na perspectiva da heterogeneidade e sentidos propostos para esta produção no contexto da Comunicação e das Artes na contemporaneidade. Que forças heterogêneas à construção da narrativa fílmica estariam sendo incorporadas ao processo criativo do filme Cesar Deve Morrer? O que aflora na narrativa fílmica quando toca o documentário? O que essa imbricação de campos potencializa nos processos de comunicação? A hipótese é a de que a produção fílmica heterônoma e híbrida desloque a teoria, causando uma desautomatização no que tange a posicionamentos classificatórios de gêneros. Embasam a pesquisa reflexões de teóricos que interpretam a arte e a narrativa cinematográfica de forma múltipla e polissêmica como Umberto Eco, Walter Benjamim, Deleuze e Guattari, entre outros. Para fundamentar o conceito de montagem buscar-se-á amparo nas reflexões de Eisenstein e nas formulações conceituais de Bakhtin, sobre heterogeneidade e polifonia da obra de arte. Palavras-chave: Narrativa fílmica. Heteronomia. Hibridização. Transcriação. Carnavalização. 15

16 O entretenimento como argumento de venda: uma análise do audiovisual publicitário da Internet Mestrando: Thiago Garcia MARTINS Orientador: Prof. Dr. Fernando ANDACHT A pesquisa procura estudar as estratégias de comunicação que exploram as novas mídias como poderosos canais para persuadir o indivíduo, bem como, produtos que buscam oferecer experiências através de suas marcas por meio da comunicação tradicional e da interatividade. A Internet apresenta a possibilidade de criar um usuário mais ativo nas escolhas de conteúdos: a pessoa pode escolher o que deseja ver ou compartilhar e replicar conteúdos. Assim, a propaganda busca novas ideias e estratégias para atrair a atenção do usuário para que o mesmo assista ou até, idealmente, compartilhe o material. É possível perceber o uso constante do entretenimento como uma das estratégias mais utilizadas pela divulgação de marcas (GABLER, 1999). O estudo pretende comparar como dois audiovisuais publicitários virais utilizam a noção do real e a da ficção para entreter o público no ambiente digital. Como objeto da pesquisa serão estudados os comerciais Eduardo e Mônica - da marca Vivo, de 2011, que tem como característica ser uma das mais caras produções brasileiras feitas para Internet - e Retratos da Real Beleza - da marca Dove, de 2013, considerado o vídeo publicitário mais assistido da história do YouTube. Através de um método qualitativo e por meio de um estudo exploratório em fontes secundárias, a pesquisa pretende realizar uma análise literária da narrativa (AUERBACH, 1998) como também uma análise fílmica de cunho semiótico dos materiais publicitários mencionados, discorrendo sobre a utilização do entretenimento como estratégia publicitária fundamental. Procura-se compreender as estratégicas retóricas e estéticas que ambos vídeos apresentam para promover seus produtos na mídia. Palavras-chave: Propaganda. Internet. Audiovisual. Viral. Realidade. 16

17 Medianeras: a questão da experiência estética Mestranda: Aline VAZ Orientadora: Prof.ª Dr.ª Sandra FISCHER O trabalho busca discutir a questão da experiência estética tal como se potencializa no filme argentino Medianeras - Buenos Aires na Era do Amor Virtual (Gustavo Taretto; 2011). A partir do olhar das personagens Martin e Mariana, que vagam por entre os edifícios da capital argentina, procura-se analisar a representação dos mundos visualizados através de janelas. Percebemos no filme que as experiências estéticas tendem a serem oprimidas por um efeito mise en abyme, emolduradas por telas, janelas e vitrines comerciais. O flâneur, que nos termos de Walter Benjamin é conceituado como um ser ótico por excelência, ao contrário do transeunte, não pertence à multidão, pois o medo de ser anulado o coloca como observador e transforma-se em um ciber-flâneur, agora nos termos de André Lemos, o qual reconhece uma relação entre o flanar pela cidade e pelo ciberespaço. Marc Augé observa que os espaços de não-lugares identificam seus usuários por números, à moda do que acontece com os moradores de Buenos Aires que são identificados por letras, promovendo no anonimato uma relação de reificação, equiparando moradores e casas, enfatizando solidões. Investiga-se a possibilidade de a moradia, tal como a entende Gaston Bachelard, transformar-se em um não-lugar. Martin Heidegger chama a atenção para a relação homem/máquina, em que se desconstrói uma representação técnica, apenas tecnicamente, pois há que refletir sobre o ponto de vista do ser, compreender e possuir o mundo, desconstruindo os simulacros definidos por Arlindo Machado como as coisas que significam as coisas que representam. As personagens Martin e Mariana precisam desconstruir os simulacros pela fratura do olhar (Julien Greimas) em um movimento de olhante e olhado (Didi-Huberman). Palavras-chave: Cinema argentino. Estesia e experiência estética. Olhar e olhares. Interiores e janelas. 17

18 A representatividade do negro na televisão brasileira: uma abordagem histórica e social Mestrando: Josiel Guimarães ADAM Orientador: Prof. Dr. Fernando ANDACHT O objetivo da presente pesquisa é uma reflexão acerca da participação da raça negra nos cenários televisivo e cinematográfico brasileiros. Especificamente considera-se a sua representação midiática em algumas obras audiovisuais nacionais no que se refere aos enredos teledramatúrgicos. Na busca de alcançar o objetivo estabelecido, a representação do negro, partiu-se de duas obras escolhidas dentre as muitas levadas às telas: Da Cor do Pecado (Rede Globo, 2004) e Xica da Silva (Manchete, 1996), para estudar, especificamente com base na análise discursiva destas duas obras, a posição social do negro no Brasil nos momentos históricos abordados, e para estabelecer paralelos com a telenovela Império (Rede Globo, 2014). Assim, procura-se evidenciar a trajetória do negro como sujeito histórico coparticipante na formação da cultura nacional. O objetivo é estabelecer paralelos com as questões sociais como o negro pobre e a condição da mulher negras no Brasil das épocas representadas nas duas telenovelas selecionadas para análise nesta pesquisa, e contrastá-los com a situação atual, por meio da terceira novela de A metodologia adotada é a análise qualitativa, a qual não se ocupa de quantificar, mas de aprofundar interpretativamente a compreensão sobre o objeto da pesquisa, explicitando as estratégias discursivas que podem explicar determinados fatos observados no decorrer da pesquisa, fundamentando-se na tríade estabelecida pela descrição, compreensão e explicação. Também se aplicou a pesquisa bibliográfica, buscando amparo em autores como Stuart Hall, Muniz Sodré, dentre outros, visando fundamentar teoricamente o estudo, utilizando algumas teorias da sociologia (Bourdieu), e da Escola dos Estudos Culturais de Birmingham, sendo o foco principal as teorias da comunicação. A ênfase das análises recairá nas estratégias da encenação verbal, visual e retórica utilizada nas obras teledramatúrgicas em estudo, procurando estabelecer sua relevância no que diz respeito ao objetivo do estudo. Palavras-chave: Teledramaturgia. Comunicação. Cultura. Representação de personagens negros. Televisão. 18

19 Representação e estereótipo do Brasil no cinema Mestrando: Marco Aurélio VAVASSORI Orientadora: Profa. Dra. Denize Correa ARAUJO Praia, sensualidade, futebol, favela e carnaval são elementos constituídos na linguagem cinematográfica de certos filmes estadunidenses para representar um país, considerado por eles como exótico, misterioso, carismático e de várias interpretações, chamado Brasil. Mas de onde vêm e como os estereótipos foram originados nos filmes? Dada a intenção de contextualizar as construções da narrativa de alguns dos filmes americanos, como também nacionais, que usam do estereótipo para alimentar o imaginário sobre o Brasil, procura-se estudar estes filmes para compreender o espírito brasileiro por meio da imagem da cidade do Rio de Janeiro, sendo este visto como um cenário romântico, de esconderijo e violento. Desta forma, pretende-se entender os contrastes e as várias interpretações do Brasil dentro dos filmes e se os estereótipos são criações dos próprios brasileiros ou algo que se constituiu fora do país. Esta pesquisa se classifica como exploratória na qual se levará a uma observação direta e intensiva por meio de análises sobre fílmes tais como: Uma Noite no Rio (1941); Alô, amigos (1942); Dias Melhores Virão (1989); Crepúsculo: Amanhecer Parte 1 (2011); Rio (2011); Velozes e Furiosos 5: Operação Rio (2011), entre outros. Como referências teóricas, serão analisados os conceitos sobre a indústria cultural (Adorno e Horkheimer), e sobre orientalismo (Edward Said), e a tese O Brasil dos gringos, de Antonio Carlos (Tunico) Amâncio, que foi um dos embasamentos do documentário Olhar Estrangeiro, de Lucia Murat. Palavras-chave: Estereótipo. Cinema. Brasil. Representação. Análise fílmica. 19

20 Linha de Pesquisa: Processos Mediáticos e Práticas Comunicacionais

DATAS DE PRÉ-MATRÍCULA

DATAS DE PRÉ-MATRÍCULA Mestrado e Doutorado em Comunicação Matrícula e Calendário acadêmico 2014.2 DATAS DE PRÉ-MATRÍCULA: 29, 30 e 31/07/2014 LOCAL: A pré-matrícula deverá ser efetivada na Secretaria do PPGCOM ou através do

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA TÍTULO: CINEMA E PUBLICIDADE: RELAÇÕES INTERTEXTUAIS E MERCADOLÓGICAS. CURSO: Programa de Mestrado em Comunicação

PROJETO DE PESQUISA TÍTULO: CINEMA E PUBLICIDADE: RELAÇÕES INTERTEXTUAIS E MERCADOLÓGICAS. CURSO: Programa de Mestrado em Comunicação PROJETO DE PESQUISA TÍTULO: CINEMA E PUBLICIDADE: RELAÇÕES INTERTEXTUAIS E MERCADOLÓGICAS CURSO: Programa de Mestrado em Comunicação LINHA DE PESQUISA: Inovações na Linguagem e na Cultura Midiática PROFESSOR

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS Cultura Brasileira 1º PERÍODO O fenômeno cultural. Cultura(s) no Brasil. Cultura regional e

Leia mais

Jornalismo cultural na internet e a proposta do site Movamente 1

Jornalismo cultural na internet e a proposta do site Movamente 1 Jornalismo cultural na internet e a proposta do site Movamente 1 Letícia BARROSO 2 Thaís PEIXOTO 3 Centro Universitário Fluminense Campus II- Campos/RJ RESUMO: A falta de espaço nos veículos convencionais

Leia mais

JORNALISMO CULTURAL ONLINE: EXPERIÊNCIAS DE COBERTURA JORNALÍSTICA DO SITE CULTURA PLURAL

JORNALISMO CULTURAL ONLINE: EXPERIÊNCIAS DE COBERTURA JORNALÍSTICA DO SITE CULTURA PLURAL 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( x ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA JORNALISMO

Leia mais

EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA

EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA LET 02630 LÍNGUA PORTUGUESA Noções gerais da língua portuguesa. Leitura e produção de diferentes tipos de textos, em especial os relativos à comunicação de

Leia mais

Nome do candidato TÍTULO DO PROJETO

Nome do candidato TÍTULO DO PROJETO Nome do candidato TÍTULO DO PROJETO Projeto de Pesquisa apresentado ao Programa de Pós- Graduação em Comunicação da Universidade Federal de Santa Maria como requisito parcial para a seleção de ingresso

Leia mais

Programa Sonora Eletrônica 1. Márcio Farias de MELLO 2 Raquel RECUERO 3 Universidade Católica de Pelotas, Pelotas, RS

Programa Sonora Eletrônica 1. Márcio Farias de MELLO 2 Raquel RECUERO 3 Universidade Católica de Pelotas, Pelotas, RS Programa Sonora Eletrônica 1 Márcio Farias de MELLO 2 Raquel RECUERO 3 Universidade Católica de Pelotas, Pelotas, RS RESUMO O uso e a produção áudio-visual no jornalismo hoje, não depende mais exclusivamente

Leia mais

FACULDADE DE ARTES DO PARANÁ CURSO DE BACHARELADO EM CINEMA E VÍDEO Ano Acadêmico de 2008 MATRIZ CURRICULAR

FACULDADE DE ARTES DO PARANÁ CURSO DE BACHARELADO EM CINEMA E VÍDEO Ano Acadêmico de 2008 MATRIZ CURRICULAR MATRIZ CURRICULAR Carga Horária Semestral por Disciplina Disciplinas 1º semestre 2º semestre 3º semestre 4º semestre 5º semestre 6º semestre 7º semestre 8º semestre Total Obrigatórias Optativas Fundamentos

Leia mais

EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO

EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO LET 02630 LÍNGUA PORTUGUESA Noções gerais da língua portuguesa. Leitura e produção de diferentes tipos de textos, em especial os relativos à comunicação de massa. Os tipos

Leia mais

O BLOG NUMA PERSPECTIVA EDUCOMUNICATIVA

O BLOG NUMA PERSPECTIVA EDUCOMUNICATIVA O BLOG NUMA PERSPECTIVA EDUCOMUNICATIVA SANTOS, Suara Macedo dos 1 - UFPE Grupo de Trabalho Comunicação e Tecnologia Agência Financiadora: não contou com financiamento Resumo O trabalho apresentado resulta

Leia mais

Anexo I Ementário das Modalidades conforme Categorias DA EXPOCOM

Anexo I Ementário das Modalidades conforme Categorias DA EXPOCOM Anexo I Ementário das Modalidades conforme Categorias DA EXPOCOM JORNALISMO JO 01 Agência Jr. de Jornalismo (conjunto/ série) Modalidade voltada a agências de jornalismo experimentais, criadas, desenvolvidas

Leia mais

Trabalho interdisciplinar e atividade extensionista na UEPG: o projeto Portal Comunitário

Trabalho interdisciplinar e atividade extensionista na UEPG: o projeto Portal Comunitário Trabalho interdisciplinar e atividade extensionista na UEPG: o projeto Portal Comunitário SOUZA, Kauana Mendes 1 ; XAVIER, Cintia 2 Universidade Estadual de Ponta Grossa, Paraná, PR RESUMO O projeto Portal

Leia mais

Portal de conteúdos. Tecnologia a serviço da educação

Portal de conteúdos. Tecnologia a serviço da educação Portal de conteúdos Tecnologia a serviço da educação O trabalho do docente vai muito além do horário de aula. Estudantes possuem muitas atividades para pesquisar e não dispõem de fontes seguras. E se os

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO FERNANDA SERRER ORIENTADOR(A): PROFESSOR(A) STOP MOTION RECURSO MIDIÁTICO NO PROCESSO DE ENSINO E DE APRENDIZAGEM

Leia mais

Cronograma do IV SID

Cronograma do IV SID 06/10 07/10 08/10 De 15h às 17h - Investigando As Expectativas Dos Alunos Da Escola Estadual Evandro Ávila Quanto À Construção De Um Projeto De Educação Ambiental (Biologia) - Ensino De Ciências Para Alunos

Leia mais

Palavras-chave: 1. Artes; 2. Audiovisual 3. Educação; 4. Rádio; 5. Vídeo

Palavras-chave: 1. Artes; 2. Audiovisual 3. Educação; 4. Rádio; 5. Vídeo Artes Audiovisuais: Estratégia cooperativa na modalidade Educação Jovem e Adulta - EJA STEFANELLI, Ricardo 1 Instituto Federal de Educação Tecnológica de São Paulo RESUMO O presente trabalho na disciplina

Leia mais

Missão. Objetivo Geral

Missão. Objetivo Geral SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO Curso: CINEMA E AUDIOVISUAL Missão O Curso de Cinema e Audiovisual da Universidade Estácio de Sá tem como missão formar um profissional humanista, com perfil técnico e artístico

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Publicidade e Propaganda 2011-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Publicidade e Propaganda 2011-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Publicidade e Propaganda 2011-2 DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO CAMPANHA DE POSICIONAMENTO

Leia mais

Cotas Pra Quê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Documentário; Educação; Sistema de Cotas; Ensino Superior.

Cotas Pra Quê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Documentário; Educação; Sistema de Cotas; Ensino Superior. Cotas Pra Quê? 1 Sarah Rocha MARTINS 2 Luan Barbosa OLIVEIRA 3 Camilla Alves Ribeiro PAES LEME 4 Instituto de Ensino Superior de Rio Verde, Rio Verde, Goiás RESUMO Este documentário foi planejado e desenvolvido

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMUNICAÇÃO SOCIAL CURSO DE MESTRADO E DOUTORADO - PARA ESTRANGEIROS

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMUNICAÇÃO SOCIAL CURSO DE MESTRADO E DOUTORADO - PARA ESTRANGEIROS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMUNICAÇÃO SOCIAL CURSO DE MESTRADO E DOUTORADO - PARA ESTRANGEIROS E D I T A L PARA ESTRANGEIROS - 2016 O Departamento de Comunicação Social da Pontifícia Universidade Católica

Leia mais

Radionovela para e com deficientes visuais 1

Radionovela para e com deficientes visuais 1 Radionovela para e com deficientes visuais 1 Gabriela Rodrigues Pereira CAPPELLINI 2 Raquel PELLEGRINI 3 Christian GODOI 4 Centro Universitário do Monte Serrat, Santos, SP RESUMO Narrar histórias a deficientes

Leia mais

Portal de conteúdos Linha Direta

Portal de conteúdos Linha Direta Portal de conteúdos Linha Direta Tecnologias Educacionais PROMOVEM SÃO Ferramentas Recursos USADAS EM SALA DE AULA PARA APRENDIZADO SÃO: Facilitadoras Incentivadoras SERVEM Necessárias Pesquisa Facilitar

Leia mais

Cinema como ferramenta de aprendizagem¹. Angélica Moura CORDEIRO². Bianca da Costa ARAÚJO³ Universidade Federal de Campina Grande, Campina Grande, PB.

Cinema como ferramenta de aprendizagem¹. Angélica Moura CORDEIRO². Bianca da Costa ARAÚJO³ Universidade Federal de Campina Grande, Campina Grande, PB. Cinema como ferramenta de aprendizagem¹ Angélica Moura CORDEIRO² Bianca da Costa ARAÚJO³ Universidade Federal de Campina Grande, Campina Grande, PB. RESUMO Este artigo pronuncia o projeto Criancine que

Leia mais

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima.

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima. Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público Alexia Melo Clebin Quirino Michel Brasil Gracielle Fonseca Rafaela Lima Satiro Saone O projeto Rede Jovem de Cidadania é uma iniciativa da Associação

Leia mais

Constelação 1 RESUMO. PALAVRAS-CHAVE: haicai; minimalismo; poesia; imaginação INTRODUÇÃO

Constelação 1 RESUMO. PALAVRAS-CHAVE: haicai; minimalismo; poesia; imaginação INTRODUÇÃO Constelação 1 Bruno Henrique de S. EVANGELISTA 2 Daniel HERRERA 3 Rafaela BERNARDAZZI 4 Williane Patrícia GOMES 5 Ubiratan NASCIMENTO 6 Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, RN RESUMO Este

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SECRETARIA DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SECRETARIA DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS DELIBERAÇÃO Nº 65, DE 11 DE MAIO DE 2012 O DA UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO, tendo em vista a decisão tomada em sua 257ª Reunião Extraordinária, realizada em 11 de maio de 2012, e considerando

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013 Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: COMUNICAÇÃO SOCIAL BACHARELADO MATRIZ CURRICULAR PUBLICIDADE E PROPAGANDA SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL

Leia mais

ANÁLISE DOS TERMOS DE DESIGNAÇÃO PARA INCLUSÃO EDUCACIONAL NO WEBJORNALISMO

ANÁLISE DOS TERMOS DE DESIGNAÇÃO PARA INCLUSÃO EDUCACIONAL NO WEBJORNALISMO ANÁLISE DOS TERMOS DE DESIGNAÇÃO PARA INCLUSÃO EDUCACIONAL NO WEBJORNALISMO PALAVRAS-CHAVE: Análise, Educação, Inclusão. Lucas Lameira Martins RESUMO Este artigo tem como objetivo apresentar um trabalho

Leia mais

O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas

O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas Julie Caroline de Alcântara Universidade do Sagrado Coração, Bauru/SP E-mail: juliealcantara.31@gmail.com

Leia mais

RESENHA. SANTAELLA, L. Por que as comunicações e as artes estão convergindo? São Paulo: Paulus, 2005.

RESENHA. SANTAELLA, L. Por que as comunicações e as artes estão convergindo? São Paulo: Paulus, 2005. 1 RESENHA Mónica Santos Pereira Defreitas 1 SANTAELLA, L. Por que as comunicações e as artes estão convergindo? São Paulo: Paulus, 2005. O livro de Lúcia Santaella, Por que as comunicações e as artes estão

Leia mais

PLANEJAMENTO DE MARKETING ELETRÔNICO

PLANEJAMENTO DE MARKETING ELETRÔNICO Instituto FA7 IBMEC MBA em Marketing Disciplina: Professor: Turma: Equipe: Marketing Eletrônico Renan Barroso Marketing II - Fortaleza Ana Hilda Sidrim, Ana Carolina Danziger PLANEJAMENTO DE MARKETING

Leia mais

O PAPEL DA PROPAGANDA NO AMBIENTE ESCOLAR

O PAPEL DA PROPAGANDA NO AMBIENTE ESCOLAR O PAPEL DA PROPAGANDA NO AMBIENTE ESCOLAR Izabele Silva Gomes Vívian Galvão Barbosa Universidade Federal de Campina Grande UFCG izabelesilvag@gmail.com viviangbarbosa@msn.com INTRODUÇÃO Termos como Era

Leia mais

17º FESTIVAL BRASILEIRO DE CINEMA UNIVERSITÁRIO. 06.08 a 12.08 Rio de Janeiro 13.08 a 19.08 São Paulo

17º FESTIVAL BRASILEIRO DE CINEMA UNIVERSITÁRIO. 06.08 a 12.08 Rio de Janeiro 13.08 a 19.08 São Paulo 17º FESTIVAL BRASILEIRO DE CINEMA UNIVERSITÁRIO 06.08 a 12.08 Rio de Janeiro 13.08 a 19.08 São Paulo APRESENTAÇÃO O 17º Festival Brasileiro de Cinema Universitário acontecerá de 6 a 12 de agosto de 2012,

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Centro de Comunicação e Letras Curso de Letras

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Centro de Comunicação e Letras Curso de Letras ÁREAS DE ORIENTAÇÕES DOS PROFESSORES DO CURSO DE LETRAS (Licenciatura e Bacharelado) DOCENTE Área(s) de orientação Temas preferenciais de orientação Alexandre - Literatura - Elaboração de propostas Huady

Leia mais

JUSTIFICATIVA PEDAGÓGICA DA PRODUÇÃO DE CONTEÚDOS DIGITAIS NA FORMATAÇÃO DO SOFTWARE EDUCACIONAL (SIMULAÇÃO E ANIMAÇÃO)

JUSTIFICATIVA PEDAGÓGICA DA PRODUÇÃO DE CONTEÚDOS DIGITAIS NA FORMATAÇÃO DO SOFTWARE EDUCACIONAL (SIMULAÇÃO E ANIMAÇÃO) JUSTIFICATIVA PEDAGÓGICA DA PRODUÇÃO DE CONTEÚDOS DIGITAIS NA FORMATAÇÃO DO SOFTWARE EDUCACIONAL (SIMULAÇÃO E ANIMAÇÃO) De acordo com o Edital de produção de conteúdo digitais multimídia, alguns aspectos

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - INSTITUTO DE ARTES ESCOLA DE ARTES VISUAIS DO PARQUE LAGE

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - INSTITUTO DE ARTES ESCOLA DE ARTES VISUAIS DO PARQUE LAGE UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - INSTITUTO DE ARTES ESCOLA DE ARTES VISUAIS DO PARQUE LAGE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENSINO DA ARTE - TURMA 2015 PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EMENTAS DOS CURSOS Arte

Leia mais

PORTARIA Nº 123 DE 28 DE JULHO DE

PORTARIA Nº 123 DE 28 DE JULHO DE PORTARIA Nº 123 DE 28 DE JULHO DE 2006. O Presidente, Substituto, do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira - INEP, no uso de suas atribuições, tendo em vista a Lei nº 10.861,

Leia mais

Anuários de Criação. Imagens da intimidade em propaganda impressa

Anuários de Criação. Imagens da intimidade em propaganda impressa USCS UNIVERSIDADE MUNICIPAL DE SÃO CAETANO DO SUL PRÓ-REITORIA DE PÓS GRADUAÇÃO E PESQUISA COMISSÃO DE PESQUISAS ACADÊMICAS Anuários de Criação Imagens da intimidade em propaganda impressa Docente Responsável:

Leia mais

Ementa das disciplinas optativas 2011.1 (em ordem alfabética independente do curso e do turno)

Ementa das disciplinas optativas 2011.1 (em ordem alfabética independente do curso e do turno) Ementa das disciplinas optativas 2011.1 (em ordem alfabética independente do curso e do turno) Disciplina Ementa Pré- requisito C.H. Curso Assessoria de Comunicação Conhecimento geral, reflexão e prática

Leia mais

O letramento a partir da oralidade e do uso de gêneros textuais no Ensino Fundamental

O letramento a partir da oralidade e do uso de gêneros textuais no Ensino Fundamental O letramento a partir da oralidade e do uso de gêneros textuais no Ensino Fundamental Rosangela Balmant; Universidade do Sagrado Coração de Jesus- Bauru-SP. rosangelabalmant@hotmail.com Gislaine Rossler

Leia mais

TELEJORNALISMO E ESTUDOS CULTURAIS

TELEJORNALISMO E ESTUDOS CULTURAIS Sétimo Fórum Nacional de Professores de Jornalismo Praia dos Ingleses, SC, abril de 2004 GT: Laboratório de Jornalismo Eletrônico Trabalho: TELEJORNALISMO E ESTUDOS CULTURAIS Autora: Célia Maria Ladeira

Leia mais

Estrela Serrano JORNALISMO POLÍTICO EM PORTUGAL

Estrela Serrano JORNALISMO POLÍTICO EM PORTUGAL A/484566 Estrela Serrano JORNALISMO POLÍTICO EM PORTUGAL A cobertura de eleições presidenciais na imprensa e na televisão (1976-2001) Edições Colibri Instituto Politécnico de Lisboa ÍNDICE Introdução 23

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE A LINGUAGEM EM BLOGS EDUCATIVOS E O PROCESSO DE APRENDIZAGEM Adriana Ferreira Boeira* PPGEd/UCS

A RELAÇÃO ENTRE A LINGUAGEM EM BLOGS EDUCATIVOS E O PROCESSO DE APRENDIZAGEM Adriana Ferreira Boeira* PPGEd/UCS 1 A RELAÇÃO ENTRE A LINGUAGEM EM BLOGS EDUCATIVOS E O PROCESSO DE APRENDIZAGEM Adriana Ferreira Boeira* PPGEd/UCS RESUMO: Este trabalho apresenta a pesquisa, que está em andamento, que tem como objetivo

Leia mais

Programa de vivência, criação e circulação artística e cultural. Programa de vivência, criação e circulação artística e cultural

Programa de vivência, criação e circulação artística e cultural. Programa de vivência, criação e circulação artística e cultural 1 1. Apresentação // 4 2. Objetivos e metas // 8 3. Estratégia - Música e Economia criativa // 9 4. Temáticas // 9 5. Programas // 10 6. Projetos Especiais // 10 7. Conselho gestor // 11 1. Apresentação

Leia mais

MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS. 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias

MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS. 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias C/H Memória Social 45 Cultura 45 Seminários de Pesquisa 45 Oficinas de Produção e Gestão Cultural 45 Orientação

Leia mais

HISTÓRIA EM QUADRINHO: A CRIAÇÃO E A EXPRESSÃO NA WEB

HISTÓRIA EM QUADRINHO: A CRIAÇÃO E A EXPRESSÃO NA WEB HISTÓRIA EM QUADRINHO: A CRIAÇÃO E A EXPRESSÃO NA WEB Luzivone Lopes GOMES - PPGFP UEPB luzivone@gmail.com Kennedy Machado OLIVIERA prof.kennedy@hotmail.com RESUMO: Este artigo trata de um relato de experiência

Leia mais

TAMANHO DAS FOLHAS - DEMONSTRATIVOS

TAMANHO DAS FOLHAS - DEMONSTRATIVOS TAMANHO DAS FOLHAS - DEMONSTRATIVOS INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO AMAZONAS IFAM CAMPUS HUMAITÁ CURSO DE... NOME DO(A) DISCENTE TÍTULO DA PESQUISA HUMAITÁ AM ANO EM QUE O TRABALHO

Leia mais

Universidade Federal Fluminense IACS - Instituto de Arte e Comunicação Social Departamento de Comunicação Social Curso de Publicidade e Propaganda

Universidade Federal Fluminense IACS - Instituto de Arte e Comunicação Social Departamento de Comunicação Social Curso de Publicidade e Propaganda Universidade Federal Fluminense IACS - Instituto de Arte e Comunicação Social Departamento de Comunicação Social Curso de Publicidade e Propaganda Disciplinas Optativas Publicidade Carga horária total

Leia mais

Mestres 1 RESUMO. 4. Palavras-chave: Comunicação; audiovisual; documentário. 1 INTRODUÇÃO

Mestres 1 RESUMO. 4. Palavras-chave: Comunicação; audiovisual; documentário. 1 INTRODUÇÃO Mestres 1 Tiago Fernandes 2 Marcelo de Miranda Noms 3 Mariane Freitas 4 Tatiane Moura 5 Felipe Valli 6 Bruno Moura 7 Roberto Salatino 8 Conrado Langer 9 Prof. Msc. Luciana Kraemer 10 Centro Universitário

Leia mais

COORDENAÇÃO DO CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL

COORDENAÇÃO DO CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL Disciplina: CRIAÇÃO PUBLICITÁRIA I Código: HT/OC 261 Curso: Comunicação Social Publicidade e Propaganda Pré-requisito: não tem Natureza: Semestral Carga horária: Aulas teóricas: 30 horas-aula Aulas práticas:

Leia mais

Participação política na internet: o caso do website Vote na web

Participação política na internet: o caso do website Vote na web Participação política na internet: o caso do website Vote na web Lívia Cadete da Silva 1 Lucas Arantes Zanetti 2 Orientadora: Caroline Kraus Luvizotto 3 Universidade Estadual Paulista, Bauru, SP RESUMO

Leia mais

CULTURA JOVEM E NARRATIVA PUBLICITÁRIA: UM ESTUDO SOBRE ANÚNCIOS DE CIGARRO DAS DÉCADAS DE 1960/1970

CULTURA JOVEM E NARRATIVA PUBLICITÁRIA: UM ESTUDO SOBRE ANÚNCIOS DE CIGARRO DAS DÉCADAS DE 1960/1970 Departamento de Comunicação Social CULTURA JOVEM E NARRATIVA PUBLICITÁRIA: UM ESTUDO SOBRE ANÚNCIOS DE CIGARRO DAS DÉCADAS DE 1960/1970 Aluno: Juliana Cintra Orientador: Everardo Rocha Introdução A publicidade

Leia mais

Marcele Bastos. o Graduada em Comunicação Social - Relações Públicas. Fundamentos de marketing. o Especialista em Gestão - ênfase em Marketing

Marcele Bastos. o Graduada em Comunicação Social - Relações Públicas. Fundamentos de marketing. o Especialista em Gestão - ênfase em Marketing o Especialista em Gestão - ênfase em Marketing o Graduada em Comunicação Social - Relações Públicas o Docente universitária na disciplina Fundamentos de marketing o 12 anos de experiência em comunicação

Leia mais

Lucas Arantes Zanetti 1 Lívia Cadete da Silva 2 Orientadora: Caroline Kraus Luvizotto 3 Universidade Estadual Paulista, Bauru, SP

Lucas Arantes Zanetti 1 Lívia Cadete da Silva 2 Orientadora: Caroline Kraus Luvizotto 3 Universidade Estadual Paulista, Bauru, SP Movimentos sociais e internet: uma análise sobre as manifestações de 2013 no Brasil Lucas Arantes Zanetti 1 Lívia Cadete da Silva 2 Orientadora: Caroline Kraus Luvizotto 3 Universidade Estadual Paulista,

Leia mais

AS CRIANÇAS E SUAS NARRATIVAS AUDIOVISUAIS: UMA PESQUISA EM PROCESSO Renata Gazé UNIRIO

AS CRIANÇAS E SUAS NARRATIVAS AUDIOVISUAIS: UMA PESQUISA EM PROCESSO Renata Gazé UNIRIO AS CRIANÇAS E SUAS NARRATIVAS AUDIOVISUAIS: UMA PESQUISA EM PROCESSO Renata Gazé UNIRIO Resumo Hoje muitas crianças convivem com narrativas audiovisuais na tv, no cinema e na Internet. Como se relacionam

Leia mais

PROGRAMA DE PESQUISA - REDE DOCTUM DE ENSINO

PROGRAMA DE PESQUISA - REDE DOCTUM DE ENSINO PROGRAMA DE PESQUISA - REDE DOCTUM DE ENSINO O Programa de Pesquisa da Rede Doctum de Ensino parte de três princípios básicos e extremamente importantes para o processo de Pesquisa: 1. O princípio de INDISSOCIABILIDADE

Leia mais

Apresentação da FAMA

Apresentação da FAMA Pós-Graduação Lato Sensu CURSO DE ESPECIIALIIZAÇÃO 444 horras/aulla 1 Apresentação da FAMA A FAMA nasceu como conseqüência do espírito inovador e criador que há mais de 5 anos aflorou numa família de empreendedores

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO: PARAÍBA: ARTE, SABER E CULTURA ATRAVÉS DAS OBRAS DE ARIANO SUASSUNA E LEANDRO GOMES DE BARROS.

PROJETO PEDAGÓGICO: PARAÍBA: ARTE, SABER E CULTURA ATRAVÉS DAS OBRAS DE ARIANO SUASSUNA E LEANDRO GOMES DE BARROS. PROJETO PEDAGÓGICO: PARAÍBA: ARTE, SABER E CULTURA ATRAVÉS DAS OBRAS DE ARIANO SUASSUNA E LEANDRO GOMES DE BARROS. RESUMO SANTOS, Enia Ramalho os UEPB enia.ramalho @hotmail.com SANTOS, Patricia Ferreira

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

O PAPEL DA AGÊNCIA DE JORNALISMO DA UEPG NO FOMENTO À PRODUÇÃO DE NOTÍCIAS INSTITUCIONAIS NA WEB

O PAPEL DA AGÊNCIA DE JORNALISMO DA UEPG NO FOMENTO À PRODUÇÃO DE NOTÍCIAS INSTITUCIONAIS NA WEB 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( X ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA O PAPEL DA

Leia mais

PROJETO DE MONITORIA 2014

PROJETO DE MONITORIA 2014 PROJETO DE MONITORIA 2014 Centro Universitário SENAC: CAS Curso: Bacharelado em Publicidade Disciplina: Teorias da Comunicação Professor responsável: Mônica Rodrigues da Costa Período letivo: 2º Período

Leia mais

ALVES, Giovanni. MACEDO, Felipe. Cineclube, Cinema e Educação etrópolis: Vozes,

ALVES, Giovanni. MACEDO, Felipe. Cineclube, Cinema e Educação etrópolis: Vozes, ALVES, Giovanni. MACEDO, Felipe. Cineclube, Cinema e Educação etrópolis: Vozes, 2009. Editora Práxis, 2010. Autêntica 2003. 11 Selma Tavares Rebello 1 O livro Cineclube, Cinema e Educação se apresenta

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio Etec Etec: Professor Massuyuki Kawano Código: 136 Município: Tupã Área de conhecimento: Ciências Humanas e Suas Tecnologias Componente Curricular:

Leia mais

O MODELO DA TELEVISÃO BRASILEIRA NA CONCEPÇÃO DE VIDEOAULAS: UMA EXPERIÊNCIA INOVADORA DO IFSC NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA.

O MODELO DA TELEVISÃO BRASILEIRA NA CONCEPÇÃO DE VIDEOAULAS: UMA EXPERIÊNCIA INOVADORA DO IFSC NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. O MODELO DA TELEVISÃO BRASILEIRA NA CONCEPÇÃO DE VIDEOAULAS: UMA EXPERIÊNCIA INOVADORA DO IFSC NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Autor: Paulo Vitor Tavares, Ms. Palavras-chave: EAD, Televisão, Videoaula, IFSC.

Leia mais

Resumo. GT Produção Laboratorial Impresso Jornal cultural 2ª Opinião Márcia Eliane Rosa Professora de Jornalismo, doutoranda na ECA/USP

Resumo. GT Produção Laboratorial Impresso Jornal cultural 2ª Opinião Márcia Eliane Rosa Professora de Jornalismo, doutoranda na ECA/USP GT Produção Laboratorial Impresso Jornal cultural 2ª Opinião Márcia Eliane Rosa Professora de Jornalismo, doutoranda na ECA/USP Resumo O 2ª Opinião - Espaço cultural é um jornal-laboratório que vem sendo

Leia mais

Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados

Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados escrito por Vários autores Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios práticos

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Publicidade e Propaganda 2012-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Publicidade e Propaganda 2012-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Publicidade e Propaganda 2012-2 REVITALIZAÇÃO DA IMAGEM DA MARCA DO CINE 9 DE ABRIL Alunos:

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Jornalismo 2011-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Jornalismo 2011-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Jornalismo 2011-2 O PAPEL DO YOUTUBE NA CONSTRUÇÃO DE CELEBRIDADES INSTANTÂNEAS Aluno: Antonio,

Leia mais

(IM)PACTOS DA/COM A LEITURA LITERÁRIA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES ALFABETIZADORES Fernanda de Araújo Frambach UFRJ

(IM)PACTOS DA/COM A LEITURA LITERÁRIA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES ALFABETIZADORES Fernanda de Araújo Frambach UFRJ (IM)PACTOS DA/COM A LEITURA LITERÁRIA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES ALFABETIZADORES Fernanda de Araújo Frambach UFRJ Resumo O presente trabalho objetiva apresentar uma pesquisa em andamento que

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO 1. AUDIOVISUAL NO ENSINO MÉDIO O audiovisual tem como finalidade realizar-se como crítica da cultura,

Leia mais

Produção de vídeos pelos Educandos da Educação Básica: um meio de relacionar o conhecimento matemático e o cotidiano

Produção de vídeos pelos Educandos da Educação Básica: um meio de relacionar o conhecimento matemático e o cotidiano Produção de vídeos pelos Educandos da Educação Básica: um meio de relacionar o conhecimento matemático e o cotidiano SANTANA, Ludmylla Siqueira 1 RIBEIRO, José Pedro Machado 2 SOUZA, Roberto Barcelos 2

Leia mais

PRODUÇÕES AUDIOVISUAIS COMO UM PRODUTO DE INCENTIVO A FAVOR DAS ENTIDADES DA TV COMUNITÁRIA

PRODUÇÕES AUDIOVISUAIS COMO UM PRODUTO DE INCENTIVO A FAVOR DAS ENTIDADES DA TV COMUNITÁRIA 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( X ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA PRODUÇÕES AUDIOVISUAIS COMO UM

Leia mais

Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação Câmpus de Bauru PLANO DE DISCIPLINA

Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação Câmpus de Bauru PLANO DE DISCIPLINA PLANO DE DISCIPLINA 1. UNIDADE: Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação 2. PROGRAMA: Pós-graduação em Televisão Digital: Informação e Conhecimento 3. NÍVEL: Mestrado Profissional 4. ÁREA DE CONCENTRAÇÃO:

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio Plano de Trabalho Docente 2014 Etec Ensino Médio Etec: PROFESSOR MARIO ANTONIO VERZA Código: 164 Município: PALMITAL Área de conhecimento: CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS Componente Curricular: GEOGRAFIA

Leia mais

CARTILHA MONTE SEU PERCURSO DE FORMAÇÃO LIVRE

CARTILHA MONTE SEU PERCURSO DE FORMAÇÃO LIVRE CARTILHA MONTE SEU PERCURSO DE FORMAÇÃO LIVRE Tutorial básico para realização de atividades de formação livre em campi temporários ÍNDICE Apresentação, 03 Como funcionam os campi temporários?, 04 O que

Leia mais

A Pobreza tem Cor no Brasil: Precisamos Reverter este Quadro 1

A Pobreza tem Cor no Brasil: Precisamos Reverter este Quadro 1 A Pobreza tem Cor no Brasil: Precisamos Reverter este Quadro 1 Andrey Scariott FILIPPI 2 Lucas Paiva de OLIVEIRA 3 Marcelo Barbosa CORRÊA 4 Virgínia FEIX 5 Centro Universitário Metodista do IPA, Porto

Leia mais

Contrata Consultor na modalidade Produto

Contrata Consultor na modalidade Produto Contrata Consultor na modalidade Produto PROJETO 914BRZ1134 EDITAL Nº 001/2014 1. Perfil: I - Consultoria para monitoramento e avaliação acerca de como se dá a apropriação de conteúdos, conceitos e novas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS JAGUARÃO CURSO DE PEDAGOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS JAGUARÃO CURSO DE PEDAGOGIA PLANO DE ENSINO 2011-1 DISCIPLINA: Arte e Educação - JP0029 PROFESSOR: Ms. Clóvis Da Rolt I DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Carga Horária Teórica: 60h Carga Horária Prática: 15h II EMENTA A disciplina de Arte e

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: website; jornalismo online; comunicação organizacional.

PALAVRAS-CHAVE: website; jornalismo online; comunicação organizacional. Contribuições para a comunicação organizacional de um curso de Jornalismo: Website do Curso de Comunicação Social - Jornalismo da UFSJ 1 Priscila NATANY 2 Alessandra de FALCO 3 Universidade Federal de

Leia mais

O USO DA IMAGEM NAS AULAS DE HISTÓRIA: AS PINTURAS DO SÉCULO XIX

O USO DA IMAGEM NAS AULAS DE HISTÓRIA: AS PINTURAS DO SÉCULO XIX O USO DA IMAGEM NAS AULAS DE HISTÓRIA: AS PINTURAS DO SÉCULO XIX Ricardo Barros Aluno do curso de Pós graduação (mestrado) da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo Sendo as coisas que pensamos

Leia mais

CULTURA POPULAR E IDENTIDADE REGIONAL: A CONTRIBUIÇÃO DO SITE JORNALÍSTICO CULTURA PLURAL NOS CAMPOS GERAIS

CULTURA POPULAR E IDENTIDADE REGIONAL: A CONTRIBUIÇÃO DO SITE JORNALÍSTICO CULTURA PLURAL NOS CAMPOS GERAIS 110. ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) (X ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA CULTURA POPULAR E IDENTIDADE

Leia mais

Joaozinho, o repórter 1. Fábio Willard de OLIVEIRA 2 Tárcio ARAUJO 3 Moises Henrique Cavalcante de ALBUQUERUQUE 4

Joaozinho, o repórter 1. Fábio Willard de OLIVEIRA 2 Tárcio ARAUJO 3 Moises Henrique Cavalcante de ALBUQUERUQUE 4 Joaozinho, o repórter 1 Fábio Willard de OLIVEIRA 2 Tárcio ARAUJO 3 Moises Henrique Cavalcante de ALBUQUERUQUE 4 Universidade do Estado do Rio Grande do Norte, Mossoró, RN. RESUMO O documentário Joãozinho,

Leia mais

Desenho didático para cursos online

Desenho didático para cursos online Desenho didático para cursos online Edméa Santos Professora da UERJ Professora-tutora do PROGED/ISP/UFBA E-mail: mea2@uol.com.br Site: www.docenciaonline.pro.br/moodle Que é cibercultura? Educação online:

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DAS MÍDIAS SOCIAIS CLUBE TURISMO

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DAS MÍDIAS SOCIAIS CLUBE TURISMO MANUAL DE UTILIZAÇÃO DAS MÍDIAS SOCIAIS CLUBE TURISMO INTRODUÇÃO: As mídias sociais estão cada vez mais presentes no dia-a-dia das pessoas, oferecendo soluções e transformando as relações pessoais e comerciais.

Leia mais

Portfólio de Criação Espaço Experiência 1. Gabriel Godinho CARRARO 2 Julia Meinhardt TELLES 3 Jarissa Maguatini Pinto COGOY 4 Vinícius MANO 5

Portfólio de Criação Espaço Experiência 1. Gabriel Godinho CARRARO 2 Julia Meinhardt TELLES 3 Jarissa Maguatini Pinto COGOY 4 Vinícius MANO 5 Portfólio de Criação Espaço Experiência 1 Gabriel Godinho CARRARO 2 Julia Meinhardt TELLES 3 Jarissa Maguatini Pinto COGOY 4 Vinícius MANO 5 Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto

Leia mais

Attached File: Proposta de Curso para Pós.doc

Attached File: Proposta de Curso para Pós.doc nome: Adilson José Gonçalves enviado_por: professor proposta: Ampliar as discuss~eos sobre o redesenho, apontando para a excelencia, agilidade, flexibilidade e aprofundamento da democratização da instituição.

Leia mais

Portal Toque da Ciência: jornalismo científico em diferentes linguagens 1

Portal Toque da Ciência: jornalismo científico em diferentes linguagens 1 Portal Toque da Ciência: jornalismo científico em diferentes linguagens 1 Lydia Rodrigues SOUZA 2 Aline Ferreira PÁDUA 3 Gabriela Vanni ARROYO 4 Angela Maria Grossi de CARVALHO 5 Juliano Maurício de CARVALHO

Leia mais

LEVANTAMENTO BIBLIOGRÁFICO SOBRE AS METODOLOGIAS PARA O DESIGN DE INTERFACES DIGITAIS E PRODUTOS MIDIÁTICOS 1

LEVANTAMENTO BIBLIOGRÁFICO SOBRE AS METODOLOGIAS PARA O DESIGN DE INTERFACES DIGITAIS E PRODUTOS MIDIÁTICOS 1 LEVANTAMENTO BIBLIOGRÁFICO SOBRE AS METODOLOGIAS PARA O DESIGN DE INTERFACES DIGITAIS E PRODUTOS MIDIÁTICOS 1 Patrícia Marques da Silva 2 ; Aline Cardoso Militão 3 ; Sônia Cristina Soares Dias Vermelho

Leia mais

AS TIRAS DA MAFALDA: CONTEÚDOS DE GEOGRAFIA NA LINGUAGEM DE QUADRINHOS

AS TIRAS DA MAFALDA: CONTEÚDOS DE GEOGRAFIA NA LINGUAGEM DE QUADRINHOS AS TIRAS DA MAFALDA: CONTEÚDOS DE GEOGRAFIA NA LINGUAGEM DE QUADRINHOS Anderson Iury Nunes BARROS andersoniury@yahoo.com.br Instituto de Estudos Sócio-Ambientais IESA/UFG Bolsista Prolicen Camila Porto

Leia mais

OS RECURSOS AUDIOVISUAIS NO ESPAÇO ESCOLAR

OS RECURSOS AUDIOVISUAIS NO ESPAÇO ESCOLAR OS RECURSOS AUDIOVISUAIS NO ESPAÇO ESCOLAR Fundação Universidade Federal do Tocantins Maria Jose de Pinho mjpgon@mail.uft.edu.br Professora orientadora do PIBIC pedagogia Edieide Rodrigues Araújo Acadêmica

Leia mais

E D I T A L 2016. 1. INSCRIÇÕES 1.1. Poderão inscrever-se aqueles que concluíram curso de Mestrado em Comunicação Social ou áreas afins.

E D I T A L 2016. 1. INSCRIÇÕES 1.1. Poderão inscrever-se aqueles que concluíram curso de Mestrado em Comunicação Social ou áreas afins. PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO EM COMUNICAÇÃO SOCIAL CURSO DE DOUTORADO E D I T A L 2016 O Departamento de Comunicação Social da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro torna pública a abertura

Leia mais

CORPO FEMININO E DETERMINAÇÕES DA INDÚSTRIA CULTURAL: CONTRIBUIÇÕES DA PSICOLOGIA SOCIAL Bruna Trevizoli Ferraz Lobo 1

CORPO FEMININO E DETERMINAÇÕES DA INDÚSTRIA CULTURAL: CONTRIBUIÇÕES DA PSICOLOGIA SOCIAL Bruna Trevizoli Ferraz Lobo 1 CORPO FEMININO E DETERMINAÇÕES DA INDÚSTRIA CULTURAL: CONTRIBUIÇÕES DA PSICOLOGIA SOCIAL Bruna Trevizoli Ferraz Lobo 1 (Orientador) Profa. Dra. Tatiana Machiavelli Carmo Souza 2 RESUMO O presente trabalho

Leia mais

Designer gráfico. elementos verbais e não-verbais que irão compor peças gráficas com a finalidade

Designer gráfico. elementos verbais e não-verbais que irão compor peças gráficas com a finalidade Rubens de Souza Designer gráfico O designer gráfico desenvolve projetos ou planejamentos a partir de elementos verbais e não-verbais que irão compor peças gráficas com a finalidade específica de atingir

Leia mais

CURSO DE ENFERMAGEM EDITAL DE CHAMADA PARA A V MOSTRA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DO CURSO DE ENFERMAGEM Nº 05 /2012

CURSO DE ENFERMAGEM EDITAL DE CHAMADA PARA A V MOSTRA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DO CURSO DE ENFERMAGEM Nº 05 /2012 CURSO DE ENFERMAGEM EDITAL DE CHAMADA PARA A V MOSTRA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DO CURSO DE ENFERMAGEM Nº 05 /2012 A Coordenação do Curso de Enfermagem da Fanor- DeVry Brasil, no uso de suas atribuições,

Leia mais

Imaginação e protagonismo na Educação Infantil: construindo uma escola mais íntima da infância

Imaginação e protagonismo na Educação Infantil: construindo uma escola mais íntima da infância Imaginação e protagonismo na Educação Infantil: construindo uma escola mais íntima da infância Me. Tony Aparecido Moreira tony.educ@gmail.com Denise Watanabe de.wtnb@gmail.com Dr. José Milton de Lima miltonlima@fct.unesp.br

Leia mais

GRADUAÇÃO EM COMUNICAÇÃO SOCIAL - HABILITAÇÃO JORNALISMO

GRADUAÇÃO EM COMUNICAÇÃO SOCIAL - HABILITAÇÃO JORNALISMO 1 GRADUAÇÃO EM COMUNICAÇÃO SOCIAL - HABILITAÇÃO JORNALISMO ESTRUTURA CURRICULAR O curso de Comunicação Social - habilitação Jornalismo será ofertado, preferencialmente, no turno matutino, terá a duração

Leia mais

FRANCISCO JOSÉ PAOLIELLO PIMENTA

FRANCISCO JOSÉ PAOLIELLO PIMENTA FRANCISCO JOSÉ PAOLIELLO PIMENTA Figura 1 - Francisco Paoliello Pimenta, professor na Universidade Federal de Juiz de Fora acervo pessoal de Francisco Paoliello Pimenta Não há separação entre o conhecimento

Leia mais