CAMPANHA DE FILIAÇÃO OFERECE VANTAGENS PARA NOVOS E ANTIGOS ASSOCIADOS CONGRESSO GANHA LOGOMARCA OFICIAL SOCESP ESTRÉIA PROGRAMA NA TV

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CAMPANHA DE FILIAÇÃO OFERECE VANTAGENS PARA NOVOS E ANTIGOS ASSOCIADOS CONGRESSO GANHA LOGOMARCA OFICIAL SOCESP ESTRÉIA PROGRAMA NA TV"

Transcrição

1 PUBLICAÇÃO BIMESTRAL DA SOCIEDADE DE CARDIOLOGIA DO ESTADO DE SÃO PAULO ANO 1 N o 3 DEZEMBRO/2006 CONGRESSO GANHA LOGOMARCA OFICIAL SOCESP ESTRÉIA PROGRAMA NA TV CAMPANHA DE FILIAÇÃO OFERECE VANTAGENS PARA NOVOS E ANTIGOS ASSOCIADOS EXCLUSIVO ENTREVISTA COM O CARDIOLOGISTA SOCESP EM DESTAQUE 1 PROTÁSIO LEMOS DA LUZ

2 EXPEDIENTE EDITORIAL DIRETORIA DA SOCESP BIÊNIO 2006/2007 GRANDES PERSPECTIVAS PRESIDENTE Bráulio Luna Filho VICE-PRESIDENTE Ari Timerman 1 O SECRETÁRIO Ibraim Masciarelli Pinto 2 a SECRETÁRIA Ieda Biscegli Jatene 1 O TESOUREIRO João Nelson Rodrigues Branco 2 O TESOUREIRO Miguel Antonio Moretti DIRETOR CIENTÍFICO Fernando Nobre DIRETOR DE PUBLICAÇÕES Edson Stefanini DIRETOR DE REGIONAIS Márcio Jansen de O. Figueiredo ASSESSOR DE INFRA-ESTRUTURA Carlos Vicente Serrano Jr. ASSESSOR DE INFORMÁTICA Moacir Fernandes Godoy ASSESSOR DE QUALIDADE PROFISSIONAL José Henrique A. Vila EDITORES Edson Stefanini Luiz Francisco Cardoso Maria Teresa N. Bombig Pedro Silvio Farsky SOCESP em destaque é editado bimestralmente pela Diretoria de Publicações da Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo, Avenida Paulista, 2073 Horsa I, 15 o andar, cj. 1503, CEP , São Paulo, SP. Telefone (11) Estamos a dias do fi m de Foi um ano intenso para o Brasil, para os brasileiros, os médicos e para os cardiologistas. Carnaval, Copa do Mundo, eleições: o calendário esteve tomado. Nem vimos os meses passando. Na SOCESP a agenda também se manteve sempre repleta. O XXVII Congresso exigiu investimento e energia, mas deu resultados maravilhosos. As ações para os leigos, intensifi cadas pela atual Diretoria, viraram rotina e também renderam retorno excelente. O projeto Na Paulista, nós cuidamos do seu coração bateu recorde de público e virou notícia nos principais meios de comunicação, como Globo, Record, SBT, Bandeirantes, CBN, Jovem Pan, Eldorado, O Estado de S. Paulo, Folha de S. Paulo... Outras iniciativas voltadas ao esclarecimento da comunidade CREMESP RECADASTRA MÉDICOS alcançaram sucesso semelhante: exemplos são a 4ª Feira da Saúde e Cidadania e a cruzada SOCESP/ Sociedade Paulista de Pneumologia contra o tabaco. Vale destacar ainda o grande esforço empreendido para democratizar e difundir o conhecimento de excelência. Só no interior do Estado tivemos mais de 100 eventos de educação continuada, levando aos cardiologistas da região o que há de melhor e mais efi caz na especialidade. Nesta mesma área, apostamos na criação de cursos on-line, o que garante à SOCESP mais efi ciência e modernidade. Agora, neste fim de ano, trabalhamos numa grande campanha de fi liação que objetiva aumentar em no mínimo 20% o número de associados. Chegaremos lá, com certeza, fortalecendo a Sociedade, a cardiologia e o trabalho e a imagem dos cardiologistas. Portanto, são muito boas as perspectivas para Estou convicto de que iremos aproveitá-las bem para o benefício de todos. Muito obrigado a você, por estar conosco em todas essas ações. Feliz Natal e um ano novo de grandes conquistas e realizações. Bráulio Luna Filho, Presidente da SOCESP PRODUÇÃO GRÁFICA Patricia Lia Ferreira IMPRESSÃO AquaPrint Gráfica & Editora SOCESP na internet O Cremesp está tomando providências duras e necessárias para acabar de vez com a atuação dos chamados falsos médicos no Estado de São Paulo. Já encaminhou uma série de medidas para dificultar a ação de charlatões, como o recadastramento geral dos médicos em atividade, uma sugestão ao CFM de confecção de nova carteira médica com tecnologia digital e a inclusão de fotos dos profi ssionais no Guia Médico do site do Conselho. A atuação decidida e enérgica em defesa da medicina e dos médicos tem explicação no absurdo aumento de falsos profissionais. Até 2004, eram de 8 a 10 denúncias ao ano. Em 2006, só no primeiro semestre, foram descobertos 19 casos. Para esclarecimentos de dúvidas ou mais informações sobre o recadastramento, acesse o site ou os telefones (11) / 5616/5633/ 5640, das 9h às 21h. 2 SOCESP EM DESTAQUE

3 SOCESP ESTRÉIA PROGRAMA NA TV RÁPIDAS ÚLTIMAS NOTÍCIAS SOCESP Estreou em outubro Cuidando do Coração, programa da SO- CESP em parceria com a TV Unifesp. Apresenta dicas de prevenção, novidades e notícias sobre saúde cardiovascular, contribuindo para a melhoria da qualidade de vida da população. É o primeiro programa de uma Sociedade de especialidade voltado ao público em geral, lembra dr. Bráulio Luna Filho, presidente da SOCESP. Ele explica que todos os temas relevantes relacionados às doenças cardiovasculares serão abordados, visto que tais enfermidades são as principais causas de mortalidade e morbidade no mundo. Trata-se de um excelente meio de levar aos cidadãos conhecimentos sobre fatores de risco, possibilidades terapêuticas e controle das doenças cardiovasculares, reforça o dr. Ari Timerman, vice-presidente da SOCESP e um dos coordenadores da atração. Cuidando do Coração tem como âncora o dr. Nabil Ghorayeb e vai ao ar no Canal Universitário, transmiti- O âncora e entrevistador da atração é o dr. Nabil Ghorayeb do pela NET, canal 11, e TVA, 71. É quinzenal, sempre às segundas-feiras, às 18h30, com reprises às quartas, às 11h, e aos domingos, às 19h30. CURTAS Tornar-se referência para a mídia é um dos objetivos perseguidos pela SOCESP para oferecer aos cidadãos informações confiáveis sobre a saúde do coração. Os resultados dessa empreitada, felizmente, são positivos: bons espaços estão surgindo, como as entrevistas do dr. Agnaldo Pispico, no programa Charme, de Adriane Galisteu, e a do dr. Bráulio Luna para o Bom Dia São Paulo, da Globo. A SOCESP investe na utilização da internet como ferramenta para facilitar o acesso ao conhecimento científi co, com a implantação de inéditos cursos on-line, válidos para a revalidação do título de especialista. A Sociedade trabalha com tecnologia atual em benefício de seus associados, enfatiza o dr. Fernando Nobre, Diretor Científico. Até o fim de 2006, serão disponibilizadas, no site www. socesp.org.br, atualizações em Doença Arterial Coronariana, Insufi ciência Cardíaca, Dislipidemias e Hipertensão Arterial. Para participar, é necessário ser sócio da SOCESP: o curso é gratuito. O ano de 2007 nem começou, mas já reserva boas novidades aos cardiologistas do interior. De acordo com o diretor de Regionais, dr. Márcio Jansen, a SOCESP prepara um pacote de cursos de atualização científi ca de qualidade. O objetivo é facilitar a vida dos cardiologistas da região, que poderão resolver a questão da educação continuada em suas próprias cidades, sem deslocamentos e custos adicionais. Estarão em pauta temas importantes como hipertensão arterial, insufi ciência cardíaca e arritmia, entre outros. SOCESP EM DESTAQUE 3

4 CRESCIMENTO CONTÍNUO DA CARDIOLOGIA FILIAÇÃO CAMPANHA FORTALECE SOCESP E TRAZ BENEFÍCIOS A ASSOCIADOS A SOCESP deu início a mais uma etapa de sua estratégia de permanente valorização da especialidade e dos médicos. Até 1º de março de 2007, patrocinará uma campanha de filiação, cujo objetivo é ampliar, no mínimo, em 20% o número de associados. Uma novidade interessante é que a partir de agora qualquer pessoa interessada em assuntos cardíacos ou em cultivar a boa saúde do coração pode se associar, mesmo não sendo da área de saúde. Aliás, aqueles que se fi liarem até o fi m do ano não pagarão anuidade em Dr. Bráulio Luna Filho, presidente da SOCESP, explica que a meta é estimular o crescimento da Sociedade, fortalecendo-a e também a categoria. E, o mais importante, difundir conhecimento científi co de excelência, o que é essencial para a melhoria do atendimento de saúde no Brasil. DESCONTOS E FACILIDADES A ação abrange todo o Brasil, oferecendo benefícios econômicos, associativos e científi cos aos cardiologistas, aos médicos de outras especialidades, aos demais profissionais de saúde e a quaisquer cidadãos. Uma das vantagens é que os novos associados terão direito, já no início do próximo ano, ao Cartão de Fidelidade SOCESP, que garantirá descontos especiais em livrarias, lojas, restaurantes, locadoras de automóveis, empresas aéreas e em atividades culturais, como teatro e shows, além de academias de ginástica. Com o Cartão de Fidelidade, também receberá créditos ao participar das ações de educação continuada da SOCESP, o que possibilitará descontos progressivos no Congresso, no curso de reciclagem, entre outros. Depois de dois anos, conforme a pontuação acumulada, o associado alcançará um nível diferenciado de relacionamento, obtendo novos benefícios ainda mais atraentes. De acordo com o diretor de Regionais, dr. Márcio Jansen de Oliveira Figueiredo, a vida associativa é fundamental, especialmente para os profi ssionais liberais, e a consciência dos cardiologistas certamente trará retorno à altura para a campanha: Ao defl agrar uma ação dessa importância, a SOCESP abre as portas para que novos especialistas entrem e tornem a cardiologia mais forte tanto no interior quanto na capital. BENEFÍCIOS CIENTÍFICOS No quesito científi co, além do atrativo natural de ser membro de uma entidade de altíssimo nível, que é indiscutivelmente uma referência na difusão do conhecimento de excelência, os fi liados terão acesso irrestrito ao site org.br, aos inéditos cursos on-line de desenvolvimento profissional, receberão gratuitamente a Revista SOCESP, uma das mais importantes publicações de atualização, ao jornal SOCESP em destaque e poderão acessar as melhores publicações científi cas do Brasil e do mundo. A SOCESP, com sua tradição de excelência científi ca, representa para seus sócios a interface que os coloca em contato com todo esse material científi co relevante, atual e de boa qualidade. Essa estratégia garante a educação continuada efi - ciente, isto é, acessível, com pouco investimento de tempo e dinheiro, analisa a dra. Beatriz Matsubara, da Regional Botucatu. Vale ressaltar que o filiado à 4 SOCESP EM DESTAQUE

5 SOCIAL PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS AOS CIDADÃOS SOCESP pode ainda utilizar o recéminaugurado Centro de Treinamento de Emergências, o mais moderno e completo da América Latina, usufruir da Sala dos Sócios, com internet, videoteca, literatura e outros serviços, entre outras surpresas que estão sendo preparadas para 2007, quando a Sociedade completará 30 anos. DESCONTOS DE 20%, 50% E ATÉ 100% O prestígio científi co, político e social da SOCESP, seu trabalho permanente por valorização da cardiologia e dos cardiologistas e também por melhoria da assistência em saúde são atrativos que não têm preço. São um plus da campanha. Como se tudo isso não bastasse, haverá descontos de 20%, 50% e até 100%, dependendo da categoria, inclusive para profi ssionais não-médicos. Informações adicionais pelo telefone (11) ou no site Dr. Luiz Antônio Gubolino, da Regional São José do Rio Preto, considera toda essa iniciativa um motivo de orgulho para o cardiologista e, principalmente, um grande compromisso de responsabilidade com a busca contínua da atualização profissional. OUTRAS IMPRESSÕES Ser sócio da SOCESP dá maior status ao profissional médico, segundo o dr. Carlos Pimentel, da Regional Marília, que também considera a ampliação do conhecimento e a atualização essenciais para o crescimento intelectual e o êxito na prática da medicina. Já o dr. Alexander Braun, de Campinas, destaca a necessidade de união da classe médica nesse processo: Só com coesão e melhoria dos conhecimentos em medicina poderemos atingir nossos objetivos. Associar-se à SOCESP é fundamental; nos dará capacidade para reciclagem e luta de classe. CADA VEZ MAIS PRÓXIMA DA COMUNIDADE Uma das prioridades da SOCESP em 2006 tem sido estreitar sua relação com a comunidade. Os resultados, até agora, são extremamente positivos. Ações como o Na Paulista, nós cuidamos do seu Coração e a participação na 4ª Feira da Saúde e Cidadania envolveram diversos departamentos da Sociedade e levaram importantes informações sobre a boa saúde do coração a milhares de cidadãos. Na Feira, por exemplo, os nutricionistas ministraram palestras, destacando o papel da alimentação saudável na prevenção de doenças cardiovasculares, os psicólogos falaram sobre estresse, tabagismo, drogas e alcoolismo. Simultaneamente, assistentes sociais identificaram e encaminharam os que precisavam de tratamento médico e a equipe de enfermagem alertou para os perigos da Na 4ª Feira da Saúde e Cidadania, houve o envolvimento de vários Departamentos que levaram esclarecimentos e dicas sobre saúde do coração ao público hipertensão. Já os médicos tiraram dúvidas sobre doenças do coração e houve demonstrações de ressuscitação cardiopulmonar, usando bonecos especiais e Desfribrilador Externo Automático (DEA). O trabalho da SOCESP junto à comunidade tem sido muito consistente e eficaz. Uma vez que, a cada ano, a entidade dispõe de maior atenção a ações do gênero, esta prestação de serviços contribui bastante para uma orientação reconhecidamente concreta aos cidadãos, analisa a dra. Ieda Jatene, 2ª Secretária. REFERÊNCIA Transmitir conhecimentos precisos à comunidade sobre prevenção de doenças, visando a melhoria da qualidade de vida e a redução do número de mortes por doença cardiovascular, também foi o foco da Sociedade em outras iniciativas, como a ocorrida em 29 de agosto, Dia Nacional do Combate ao Tabagismo, no Conjunto Nacional em São Paulo. Especialistas e estudantes de medicina alertaram as pessoas sobre os malefícios do cigarro, além de medir a taxa de monóxido de carbono. Na avaliação do dr. Miguel Moretti, 2º Tesoureiro, a prática de atividades junto à comunidade leiga faz com que o cidadão tenha referência na cardiologia de forma isenta, sem ligação com essa ou aquela instituição ou serviço. Assim, cumprimos nosso papel social, como ponto de suporte e de segurança aos leigos, que também encontram na SOCESP uma fonte de informações confi áveis. SOCESP EM DESTAQUE 5

6 O QUE VEM POR AÍ ATUALIZAÇÃO XXVIII CONGRESSO DE CARDIOLOGIA Nos dias 28, 29 e 30 de abril de 2007, a SOCESP promoverá o XXVIII Congresso de Cardiologia, que terá como sede a capital de São Paulo. Os congressistas poderão aliar ciência às atrações gastronômicas, turísticas e à intensa vida cultural que a cidade oferece. O retorno à capital paulista apresenta muitas vantagens. Possibilitará, por exemplo, maior disponibilidade de recursos para investimento em boas novidades aos congressistas. Faremos um evento histórico, pois também coincidirá com os 30 anos da Sociedade. Sem dúvidas, terá repercussão nacional, afirma dr. Bráulio Luna Filho, presidente da SOCESP. Com o objetivo de oferecer conforto e comodidade aos profissionais, residentes e graduandos foi escolhido como palco central do evento o ITM Expo, espaço rico em infra-estrutura. Porém, o maior atrativo é a programação científica: renomados especialistas do Brasil e de importantes centros internacionais estão escalados para difundir o conhecimento de excelência, transmitir aos congressistas suas experiências e o que há de mais relevante atualmente para prevenção, diagnóstico e tratamento das doenças do coração, enfim, tudo para a boa prática da cardiologia. As formas de abordagens também serão inovadoras. Segundo dr. Leopoldo Soares Piegas, presidente do XXVIII Congresso, a primeira parte da manhã de cada um dos três dias será destinada ao Estado da Arte, sessão na qual será feita uma completa atualização sobre temas diversos. Serão 13 sessões diárias, das 8h às 10h, abordando ICO aguda, arritmias, emergências, idosos, cardiopatias con- 6 SOCESP EM DESTAQUE 6

7 RETRATO ATRAÇÕES DA CAPITAL PAULISTA gênitas, ICC, ICO crônica, valvopatias, ergometria, aterosclerose/dislipidemia, HAS e intervenção. Diariamente, haverá também uma sessão conjunta com os Departamentos da SOCESP. A Comissão Científica do Congresso estima que em breve a programação estará pronta e em janeiro será disponibilizada na internet. Uma inovação importante será que os participantes inscritos receberão o programa com antecedência mínima de um mês, diferentemente das edições passadas, quando a distribuição costumava acontecer apenas no início dos trabalhos. A edição de 2007 inaugurará outro marco: o logotipo oficial permanente do Congresso. Segundo dr. Ibraim Masciarelli Pinto, 1 o secretário, é um trabalho que busca consolidar ainda mais essa marca já vitoriosa e representativa da excelência cardiológica: Como significante absoluto de fonte confiável da cardiologia, como meio dinâmico de envolvimento de profissionais a partir do conhecimento e por ser tão singular, nosso congresso necessitava de um símbolo próprio que fixasse e representasse todas essas atribuições. Esforços não estão sendo medidos para que seja realmente o maior e mais completo congresso da cardiologia paulista. Reuniões periódicas da Comissão Organizadora e Científica têm ocorrido para viabilizar uma grade de alto nível e estrelas internacionais já começam a confirmar presença, a exemplo do canadense dr. Salim Yusuf, professor da McMaster University, líder de alguns dos mais importantes estudos clínicos da área. Simpósios, debates, temas livres e palestras colocarão em foco assuntos abrangentes e fundamentais à especialidade. O objetivo é munir o profissional que participar de todos os conhecimentos disponíveis no momento na área da cardiologia, trabalhando para aperfeiçoamento e avanço deste profissional e da especialidade, ressalta dr. Piegas. UM UNIVERSO CHAMADO SÃO PAULO A cidade de São Paulo é uma das poucas, no mundo, com tanta diversidade. Nas áreas de lazer, gastronomia, cultura ou entretenimento, é sempre difícil escolher o que fazer primeiro. São cerca de 10 mil restaurantes de mais de 50 tipos diferentes de cozinha; 15 mil bares; quase 80 shoppings center e mais de 200 mil lojas, dentro e fora deles. Em cultura não é diferente: mais de 100 teatros e 70 museus. Veja a seguir uma pequena mostra do que o espera na capital. Planetário do Ibirapuera Depois de sete anos, o Planetário do Ibirapuera voltou a funcionar. Um novo projetor tem capacidade de mostrar qualquer ponto conhecido do universo como, por exemplo, Marte. Um sistema de projeção de fi bra óptica reproduz cor e brilho reais das estrelas. Edifício Altino Arantes (ou Prédio do Banespa) Com arquitetura inspirada no Empire State Building, de Nova Iorque, oferece um raio de 360º de visão do alto de seus mais de 161 metros de altura. De lá é possível ver a Serra do Mar, o Pico do Jaraguá, os prédios da Avenida Paulista e as principais construções do centro. Museu da Língua Portuguesa Para mostrar a história e a dinâmica do nosso idioma, o mais novo museu da cidade oferece um passeio totalmente hightech. Jogos, mostras temporárias, palavras cruzadas e galerias são algumas das atrações. Zoológico Com área de 900 mil metros quadrados, abriga animais, sendo 200 espécies de aves, 100 de mamíferos, 98 de répteis, além dos anfíbios e dos invertebrados. O Zôo oferece visitas monitoradas e passeios noturnos. Pinacoteca do Estado Projetada pelo arquiteto Ramos de Azevedo, em 1895, conta com acervo de mais de 100 mil obras. O espaço oferece um delicioso e simpático café do lado de fora, proporcionando almoços ao ar livre com vista para o Parque da Luz. Fonte: São Paulo Turismo SOCESP EM DESTAQUE 7

8 QUALIDADE PROFISSIONAL EM FOCO ESCLARECIMENTO O PAPEL DO CARDIOLOGISTA NA DETECÇÃO PRECOCE DO CÂNCER O dr. José Henrique Andrade Vila, diretor de Qualidade Profissional da SOCESP, fala da importância de ser um aliado constante do paciente também no enfrentamento dos tumores como os de próstata, de mama, entre outros. O cardiologista tem obrigação de acompanhar essa questão? Obrigação não. Afinal, não somos especialistas. Porém, temos de pensar cada vez mais como médicos de família, ver o atendimento à saúde como realmente integral. Percebemos no exercício diário da profissão que grande parte da população, especialmente a de meia idade em diante, escolhe o cardiologista como seu principal médico. É nossa tarefa atender priorizando o aspecto humanístico e assistir a esses pacientes em todas as suas necessidades de saúde, sem, é lógico, ultrapassar os limites da especialidade. A que atribuiu essa opção de parte dos pacientes por ter o cardiologista como seu médico principal? Certamente tem relação com a alta incidência das doenças cardiovasculares, incluindo a hipertensão, entre outras. Essas complicações são responsáveis por grande porcentagem de mortes em homens com mais 35 anos e em mulheres com idades superiores. E o cardiologista, o que deve fazer? É necessário ter consciência desse quadro e responsabilidade social para transcender, em algumas situações, os próprios cuidados cardiovasculares. É fundamental, por exemplo, alertar os pacientes sobre os aspectos preventivos em relação aos tumores malignos dos diversos órgãos e sistemas. É só uma questão de orientação? Podemos fazer mais. Muitos homens ainda resistem às consultas periódicas com o urologista; grande número de grupos de risco que possuem hábitos e traços inadequados. Além de trabalhar para conscientizá-los, podemos solicitar, junto com a bateria de exames habitual, o PSA livre, o PSA total. Já com esses exames, é importante reforçar o encaminhamento ao especialista, que terá facilitada sua propedêutica. Poderá, assim, avançar no processo de diagnóstico, realizando o toque, por exemplo. Como fica o caso das mulheres? Da mesma maneira, em mulheres, é importante pedir o exame de mama periodicamente, pois poderá detectar nódulos precocemente e salvar vidas com o encaminhamento oportuno ao especialista. Dr. José Henrique Andrade Vila, diretor de Qualidade Profissional Aconteceu em 21 de novembro a primeira reunião científi ca do ciclo SOCESP em linha direta com os residentes em Cardiologia, transmitida simultaneamente para diversas cidades do interior do Estado de São Paulo, via internet. Profi ssionais R3 de diversas instituições participaram ativamente das discussões de casos clínicos sobre insufi ciência cardíaca congestiva e arritmia, apresentados por médicos residentes do Instituto do Coração - InCor. Os professores assistentes convidados foram os drs. Ângelo de Paola e Dirceu Rodrigues de Almeida, da Escola Paulista de Medicina, e Martino Martinelli Filho e Fernando Bacal, do InCor. Há outros pontos que se deve atentar? Pacientes com lesões cutâneas suspeitas em áreas expostas ao sol merecem encaminhamento ao especialista. Fumantes com qualquer alteração significativa da voz, expectoração sanguinolenta antes inexistente ou perda sanguínea pela urina indicam a possibilidade de tumores malignos dos brônquios. Temos, portanto, de orientálos a buscar o médico adequado. Essa postura vale para muitos outros casos de suspeita de câncer. Desta maneira o cardiologista auxiliará na solução de problemas que podem vir a ser fatais se não enfrentados precocemente. Enfim, isso faz parte de nosso papel de aliado incondicional do paciente. URGENTE LINHA DIRETA COM OS RESIDENTES Esse novo projeto SOCESP visa criar uma interface permanente entre os residentes dos diversos serviços e abrir para eles novas portas na Sociedade de Cardiologia. Queremos integrar os residentes e viabilizar espaços diferenciados para que possam interagir com os centros formadores de cardiologistas, comenta o dr. Miguel Moretti, 2º Tesoureiro. Novas rodadas estão previstas para breve com residentes de outros serviços, como a Unifesp e a Benefi cência Portuguesa. As inscrições são gratuitas e as vagas limitadas. Os interessados podem colher informações adicionais no site ou pelo 8 SOCESP EM DESTAQUE

9 INTERIOR NOTÍCIAS E MEMÓRIA DAS REGIONAIS À esquerda, Theatro Pedro II nos dias atuais. À direita, Antonio Casella Filho, Fernando Nobre, Leandro Carlos Grandini, Adib Domingos Jatene, Humberto Jorge Isaac, Galdós Ângulo - então presidente - Sérgio da Costa Pereira, Oswaldo Teno Castilho, Natan V. Soubihe, Sérgio Botelho Morais e Olavo de Carvalho Freitas durante a posse da primeira Diretoria A CONTRIBUIÇÃO DE RIBEIRÃO PRETO À CARDIOLOGIA A Regional Ribeirão Preto da SO- CESP foi fundada em 13 de abril de 1977 por iniciativa de um jovem cardiologista, o dr. Fernando Nobre. Ele tinha apenas três anos de profi ssão e a meta de consolidar uma entidade que congregasse especialistas em torno dos objetivos científi cos e sociais da cardiologia. Reuni as principais lideranças da especialidade na região, elaboramos o estatuto social e criamos uma entidade, antes mesmo da criação da SOCESP. Mais tarde, a Sociedade de Cardiologia de Ribeirão Preto tornouse a Regional da SOCESP. A posse da primeira diretoria ocorreu na sede do Centro Médico de Ribeirão Preto com a presença dos drs. Antonio Casella Filho, Leandro Carlos Grandini, Adib Domingos Jatene, Humberto Jorge Isaac, Galdós Ângulo (primeiro presidente), Sérgio da Costa Pereira, Oswaldo Teno Castilho, Natan V. Soubihe, Sérgio Botelho Morais e Olavo de Carvalho Freitas. Na ocasião, o dr. Adib Jatene ministrou palestra que contou com outros especialistas de expressão. A princípio, a idéia era promover um encontro periódico entre os médicos. Neste contexto, no ano seguinte, 1978, a Regional realizou sua 1ª Jornada de Cardiologia de Ribeirão Preto, presidida pelo dr. Fernando Nobre. Desde então, anualmente, o evento acontece com objetivo de promover atualização de conhecimentos na cardiologia e em suas subespecialidades. Atualmente, a SOCESP de Ribeirão Preto leva ações de qualificação profissional contínua para toda a região. Uma delas, a Jornada Internacional de Cardiologia Pediátrica, já se tornou tradicional por promover a integração entre especialistas estrangeiros e nacionais. Sua área de abrangência atinge os municípios de Altinópolis, Barrinha, Batatais, Brodósqui, Cajuru, Cássia dos Coqueiros, Cravinhos, Dumont, Guariba, Guatapará, Jaboticabal, Jardinópolis, Luís Antônio, Monte Alto, Pitangueiras, Pontal, Pradópolis, Santa Rosa do Viterbo, Santo Antônio da Alegria, São Simão, Serra Azul, Serrana, Sertãozinho e Taquaral. A Regional sempre procurou incrementar suas atividades por meio de eventos que abordam temas atuais e relevantes aos cardiologistas e universitários, uma vez que a reciclagem é fundamental a estes profissionais, afirma dr. Brasil Salim Mélis, atual presidente. DIRETORIA ATUAL Presidente: Brasil Salim Melis Vice-presidente: Paulo José Freitas Ribeiro Secretária: Rosana G. Mendes Tesoureiro: Renato Barroso Pereira de Castro SOCESP EM DESTAQUE 9

10 ENTREVISTA EXCLUSIVA PROTÁSIO LEMOS DA LUZ UMA HISTÓRIA DE AMOR À CARDIOLOGIA Nos EUA com o dr. Ganz Natural de Vacaria, Rio Grande do Sul, ele conserva algumas das características românticas do brasileiro do interior. Gremista roxo, adora uma boa conversa, é apaixonado por montaria, por uma roda de amigos e valoriza intensamente a vida. Provavelmente são heranças dos tempos de fazenda, onde passou parte da infância entre animais, muito verde, pisando na terra e correndo livremente. Pode não parecer, mas estamos falando de um dos mais importantes cardiologistas do Brasil, Protásio Lemos da Luz, professor associado da USP, diretor da Unidade de Aterosclerose do Incor e membro titular da Academia Brasileira de Ciências. Casado com dona Rosália, pai de Salvador e Rafael, fez colégio e o curso de medicina no Paraná. Foi, aliás, no Paraná que debutou na política estudantil, chegando até a presidente da União Paranaense de Estudantes Secundaristas. Após se formar, em 1965, ainda cumpriu residência médica no Hospital de Clínicas de Curitiba. Em seguida, desembarcou em São Paulo em busca de novos conhecimentos e fez o curso de especialização em cardiologia. À época ocorria o primeiro transplante de coração no Hospital das Clínicas com a equipe do dr. Zerbini, enquanto o sonho do Instituto do Coração começava a se delinear. E dr. Protásio era escolhido entre um grupo de jovens cardiologistas para ir aos Estados Unidos aperfeiçoar-se em terapia intensiva. Permaneceu de 1971 a 1976 em Los Angeles e também se envolveu com investigação em isquemia miocárdica, especificamente em infarto do miocárdio. Durante três anos, deixou a parte clínica para se dedicar à experimentação animal. Foi um aprendizado extremamente rico e, ao voltar ao Brasil, encontrou o Instituto do Coração em seu início. Na recém-criada Divisão de Experimentação montou sua equipe com jovens cardiologistas, que confirmaram seu brilhantismo com o passar dos anos, como os drs. Francisco Laurindo e Antônio Carlos Palandri Chagas. Mais tarde, passou a dirigir a Unidade de Aterosclerose do InCor, incentivando as pesquisas, as investigações na área clínica e criando também o laboratório de endotélio humano. Destacam-se seus trabalhos sobre vinho tinto e suco de uva que mostraram o papel protetor de ambos contra aterosclerose. Nos últimos anos, além de seu inabalável compromisso com a pesquisa, também trabalhou muito para a Comissão Científica, no Conselho Diretor e na Fundação Zerbini e em toda a área administrativa do Instituto. Aliás, o que não lhe falta é ânimo para abraçar tarefas e realizá-las sempre eficientemente. Nesta entrevista, dr. Protásio fala um pouco sobre os avanços da cardiologia e outras experiências que marcaram sua vida profissional. Sua experiência com a terapia intensiva aconteceu num momento de grandes transformações para a especialidade. O que pode destacar? Nos anos 70, com a incorporação do cateter de Swan-Ganz, passamos a ter medidas objetivas da função cardíaca em doentes graves, como resistência débito cardíaco, periférica, pressões da artéria pulmonar. Isso é a hemodinâmica à beira do leito. Outro importante avanço do período foi o correto entendimento do miocárdio isquêmico e do infarto. Nesses anos se compreendeu que o trombo de uma artéria coronária é o responsável pelo infarto, pois havia uma corrente que defendia que o trombo na artéria coronária era conseqüência de infartos graves. Foi ainda nessa época que estudos experimentais determinaram que o infarto é um fenômeno dinâmico, evolutivo. Quer dizer, começa com a obstrução do fluxo sanguíneo para determinada área levando as células miocárdias a morrer com o passar do tempo. Daí surgiu a definição de janela terapêutica. Em resumo, diria que os conceitos de monitorização à beira do leito e da redução do tamanho do infarto foram revoluções de então, pois criaram as bases fisiopatológicas para o que fazemos hoje. De lá para cá, quais as transformações mais relevantes? Mais tarde houve o desenvolvimento da angioplastia. Hoje destaco a aplicação da biologia molecular. Atualmente, através de ferramentas diversas, olhamos mecanismos subcelulares, os fenômenos que ocorrem dentro da célula. E que a biologia molecular consegue identifi car talvez até modular e modificar. Avalio que a medicina está sendo reescrita com base na biologia molecular. A identificação do genoma humano é de extraordinária importância. Anos atrás, achávamos que o homem tinha 100 mil genes. Hoje sabemos que tem apenas 30 mil, ou talvez seja só 25 mil. Foi preciso decodificar e entender o genoma humano. Agora vem a fase mais complicada que é identificar quais os genes que estão envolvidos com cada uma das doenças. É necessário compreender que determinadas doenças são alteradas por um gene, outras doenças, como a arteriosclerose, são produzidas por múltiplos genes. A compreensão permitirá que se mapeie as origens genéticas das doenças. Já ficou claro que não é só o gene que determina se uma pessoa terá uma determinada doença, é preciso considerar a ação do ambiente, os hábitos. Agora temos a questão das células-tronco que ainda necessita de mais pesquisas. 10 SOCESP EM DESTAQUE

11 PONTO DE VISTA ESTÍMULO AO DEBATE DE IDÉIAS E a farmacogenética, qual sua importância? No futuro, conhecendo o genoma de cada pessoa, cada um de nós terá um chip identifi cando a composição gênica. Poderemos saber em termos de terapêutica a forma como determinado cidadão responde a esta ou àquela droga. Conseguiremos fazer uma medicina personalizada, uma terapêutica com doses mais precisa e individualizadas e sem efeitos colaterais indesejáveis. Isso já está acontecendo, resta saber quando terá aplicabilidade prática. Enfim, são muitos os marcos que transformaram a cardiologia recentemente... Diversos; há também os diagnósticos por imagem. Hoje temos ressonância magnética, tomografias, ultra-som, radioisótopos, ecocardiograma. São métodos que permitem visualizar, por exemplo, os vasos do pescoço, as artérias coronárias de maneira não invasiva, sem introduzir cateter. Outra grande evolução é o desenvolvimento dos remédios. As estatinas, para citar um caso, são extremamente eficientes, podem mudar o curso da doença. Veja bem, mudar o curso das doenças pelo conhecimento dos fatores de risco. Isso também é um desenvolvimento importante, porque o conhecimento da terapêutica e dos mecanismos da evolução da arteriosclerose levou a uma enorme alteração nas maneiras de, por exemplo, a hipertensão, a aterosclerose e a insuficiência cardíaca serem tratadas. E aí temos de destacar ainda as intervenções com cateter, como a angioplastia, e a própria cirurgia cardíaca que tiveram avanço espetacular. O que ressalta de seus tempos de presidente da SOCESP? Foi uma época muito boa. Muitos ajudaram. Começamos a trazer o pessoal de ciências básicas para participar do congresso, o que hoje é comum. Criamos os primeiros departamentos: enfermagem, psicologia... Isso depois se desenvolveu extraordinariamente agregando bastante. Foi nessa época a aquisição da primeira sede na Avenida Paulista. E demos os primeiros passos no processo de educação continuada. OS BETA-BLOQUEADORES PERDERAM ESPAÇO NO TRATAMENTO DA HIPERTENSÃO ARTERIAL? Por Fernando Nobre, coordenador da Unidade Clínica de Hipertensão do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP Ribeirão Preto; Doutor em Medicina pela Faculdade de Medicina da USP; Fellow da European Society of Cardiology Sim. Atualmente o uso dos beta-bloqueadores para o tratamento da hipertensão arterial sem indicações específicas, como taquicardia, angina do peito, infarto do miocárdio ou insuficiência cardíaca, entre outras, tem sido questionado. Apesar de haver ainda uma ampla prescrição dessa classe de medicamentos, ela vem gradativamente sendo reduzida. Isso se deve principalmente aos seguintes aspectos: 1. Alguns estudos sugerem que não haja efeitos cardioprotetores dos beta-bloqueadores (principalmente o atenolol) quando comparados a outros medicamentos anti-hipertensivos; 2. O uso dessa classe poderá resultar em maior probabilidade de diabete melito e alterações na sensibilidade periférica à ação da insulina; 3. Recente metanálise (Lancet 2004;364:1684), analisando cinco grandes estudos ( pacientes), concluiu que atenolol esteve associado ao significante aumento de todas as causas de mortalidade e AVE. Esses achados poderiam ser aplicados a todos os demais representantes dessa classe? Essa é uma questão que ainda carece de apropriada resposta; 4. Outra metanálise envolvendo pacientes (com o uso de vários beta-bloqueadores) mostrou que houve aumento do risco de AVE comparado com outros medicamentos (Lancet 2005;366:1545); 5. Entretanto, esses achados de aumento do risco de AVE parecem estar afeitos aos pacientes com idade superior a 60 anos. Assim, não recomendamos o uso dos beta-bloqueadores para os indivíduos idosos, a menos que haja CURTAS Dr. Juliano de Lara Fernandes, cardiologista associado à Regional Campinas da SOCESP e membro da Diretoria, foi premiado no quesito Saúde do Coração com o Prêmio Saúde é Vital, promovido pela revista Saúde, da Editora Abril. A iniciativa visa divulgar e incentivar trabalhos realizados por cientistas dedicados à melhoria da saúde. Os cardiologistas Daniel Lages Dias, vice-presi- uma formal indicação para eles; 6. No MRC Trial, envolvendo pacientes, o uso de propranolol x hidroclortiazida ou placebo resultou em maior risco de AVE no grupo propranolol que, por sua vez, teve taxa mais baixa do que a observada no grupo que fez uso de placebo (Br Med J [Clin Res Ed] 1985;291:97). É, portanto, necessário considerar que em estudos comparando beta-bloqueadores a placebo houve redução de AVE muito superior ao observado com placebo para o tratamento ativo; 7. No estudo LIFE (Lancet 2002;359:995), que comparou losartan com atenolol, o grupo que fez uso do beta-bloqueador teve significativamente maior chance de AVE fatal e não fatal. 8. Por fim, no recente estudo ASCOT (Lancet 2005,366:895 e Lancet 2005;366:907) observou-se mais baixa taxa de mortalidade com o regime antihipertensivo baseado em amlodipino comparado com aquele que envolveu o uso de atenolol, fazendo com que o estudo tenha sido prematuramente interrompido pela sensível maior ocorrência de eventos no grupo dos beta-bloqueadores. Enfim, os beta-bloqueadores perderam espaço no tratamento da hipertensão arterial? Sim, perderam espaço no tratamento da hipertensão arterial principalmente naqueles pacientes sem indicações formais para o seu uso, como taquicardia, angina do peito, infarto do miocárdio ou insuficiência cardíaca, entre outras. Fora dessas condições peculiares é preciso que se avalie criteriosamente a relação custo-efetividade de sua prescrição, sobretudo como primeira escolha no tratamento da hipertensão arterial sistêmica dente da Regional Campinas, e Otávio Rizzi Coelho, ex-presidente da SOCESP (biênio ), receberam, em 31 de outubro, o Diploma do Mérito Médico Doutor Roberto Maia Rocha Brito. A homenagem da Câmara Municipal de Campinas foi indicação do vereador Paulo Oya (PDT), que destacou os especialistas entre as personalidades que se destacaram na medicina em SOCESP EM DESTAQUE 11

12 TIRE SUAS DÚVIDAS CIENTÍFICAS PERGUNTAS E RESPOSTAS O CONTROLE CALÓRICO DOS ALIMENTOS E AS GORDURAS TRANS Por Liliana Bricarello, Roberta Soares Lara Cassani e Rosana Raele Quando falamos em caloria, sabemos que as gorduras são altamente energéticas, mas, hoje em dia, a principal atenção a ser dada a este nutriente não é somente à sua densidade calórica. O conhecimento científi co a respeito da composição e do metabolismo de óleos e gorduras no organismo avançou muito nos últimos anos. As gorduras de um modo geral apresentam ácidos graxos saturados e de cadeia longa, o que confi gura sua característica mais sólida. A diferença entre o óleo e a gordura reside no fato de apresentar-se em estado líquido ou sólido à temperatura ambiente (20 graus). Na natureza, os ácidos graxos geralmente são encontrados na confi guração cis. Nesta confi guração os hidrogênios ligados ao carbono da dupla ligação se encontram do mesmo lado. No caso dos ácidos graxos trans, os hidrogênios ligados aos carbonos de uma insaturação estão em lados opostos (Andreo & Jorge, 2006). Os ácidos graxos trans possuem propriedades físicas semelhantes às dos ácidos graxos saturados. E sempre estiveram presentes na alimentação humana, através do consumo de alimentos provenientes de animais ruminantes, sendo encontradas em alguns alimentos de origem animal como carne, leite e manteiga (Martin e cols, 2004). A produção de gordura vegetal hidrogenada no Brasil começou por volta de Nos alimentos industrializados a gordura trans é resultado da hidrogenação parcial, no qual a gordura vegetal (líquida na temperatura ambiente) é aquecida e submetida ao processo de hidrogenação, com a adição de catalisadores metálicos e hidrogênio, fazendo com que os átomos de carbono se unam em confi guração linear e permaneçam em estado sólido à temperatura ambiente. Os ácidos graxos insaturados (gordura vegetal) possuem átomos de carbono que se alinham de forma não linear, Referências: resultando em estado líquido à temperatura ambiente. Daí a razão do processo de hidrogenação para endurecimento desta gordura vegetal. Em 1990, Mensink & Katan, demonstraram que a ingestão elevada de AGT (ácidos graxos trans) aumentava os níveis da lipoproteína de baixa densidade (LDL-c) de maneira similar aos ácidos graxos saturados. Entretanto, foi observado que os AGT reduziam os níveis de lipoproteína de alta densidade (HDL-c). Estudos recentes demonstraram que, quando se comparou o consumo de valor calórico proveniente de gorduras saturadas ou insaturadas cis, o consumo de gorduras trans elevou os níveis de LDL-c, reduziu os níveis de HDL-c, e aumentou a proporção de colesterol total para HDL-c, considerado atualmente um importante preditor de risco para doença cardíaca coronariana. Outros estudos têm sido realizados, demonstrando efeitos adversos; Ascherio et al, 1999, sugeriram que a elevação em 2% na ingestão de ácidos graxos trans pode estar relacionada a um aumento de 0,1 na relação LDL-c/HDL-c, e que o aumento de uma unidade (1,0) nesta relação está associada à elevação em cerca de 53% do risco de doenças cardiovasculares. Vários trabalhos relatam a relação entre consumo de gordura trans e aumento de LDL-c e triglicérides (Hu et al, 2001), bem como a infl uência da ingestão elevada de AGT sobre os níveis de lipoproteína(a) Lp(a), levando a um aumento signifi cativo dessa lipoproteína, quando diferentes teores de ácidos graxos saturados foram substituídos por AGT. Segundo Mozaffarian et al, independentemente da elevação dos níveis de lipoproteína lp(a), a gordura trans também aumenta os níveis de triglicérides quando comparada com a ingestão de outras gorduras, o que caracteriza um aumento em diferentes fatores de risco para a doença cardíaca coronariana (Mozaffarian et al, 2006). Recentes evidências indicaram que as gorduras trans promovem infl amação, o que correlaciona este tipo de gordura com aterosclerose, morte súbita por meio Andreo D, Jorge N. Gordura Trans e as implicações na saúde humana. Rev Nutrição em Pauta, São Paulo, p , set./out., 2006 Ascherio A, Katan MB, Zock PL, Stampfer MJ, Willet WC. Trans fatty acids and coronary heart disease. N Engl J Med 340(25):1994-8, 1999 Hu FB, Manson JE, Willet WC. Types of dietary fat and risk of coronary health disease: a critical review. Journal of American College Nutrition v.20:p.5-19, 2001 Martin CA, Matsushita M, Souza NE. Ácidos graxos trans: implicações nutricionais e fontes na dieta. Rev Nutr Campinas 17(3): , jul./set., 2004 Mensink RP, Katan MB. Effect of dietary trans fatty acids on high-density and low-density lipoprotein cholesterol levels in healthy subjects. N Engl J Med 323(7):439-45, 1990 Mozzaffarian, D.; katan, M.B.; Ascherio, A.; Stampfer, M.J.; Willett, W.C. Trans fatty acids and cardiovascular disease. N Engl J Med 15 (1): , april, 2006 Vasan, R.S.; Sullivan, L.M. Roubenoff, R.Infl ammatory markers and risk of heart failure in elderly subjects without prior myocardial infarction: the Framingham Heart Study. Circulation 107: , de causas cardíacas e diabetes. Associação positiva foi encontrada entre proteína C reativa (PCR) e risco para doença cardiovascular, sendo que diferenças nos níveis de PCR foram observadas por meio da ingestão média de gorduras trans em torno de 2,1%, quando comparada com 0,9% do total da ingestão energética, o que correspondeu a aumento no risco cardiovascular de aproximadamente 30% (Vasan et al, 2003). O grande interesse em utilizar gordura hidrogenada na produção de alimentos é com o objetivo de melhorar as características físicas e sensoriais dos alimentos como estabilidade na fritura, aumenta de tempo de prateleira, e diminuição do custo. Há dez anos a Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda a ingestão moderada desse tipo de gordura reconhecendo o impacto negativo sobre a saúde que a gordura trans acarreta. No Brasil, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) lançou uma portaria obrigando as indústrias alimentícias a declararem o teor específi co de GT no rótulo dos alimentos. Até julho de 2006, as indústrias de alimentos já deveriam estar com seus rótulos adequados. O consumo recomendado de GT ainda não foi totalmente estabelecido, mas o FDA (Food and Drug Administration), em 2003 publicou uma recomendação em que a ingestão diária máxima de gordura saturada + trans deve ser de 20g sem fator de risco e 15g com fator de risco. Já a OMS estabelece a ingestão diária máxima de GT de até 1% das calorias diárias ingeridas, ou seja, em uma dieta de 2000 calorias, isso equivale a 2,2g de GT. Quantidade de GT em alguns alimentos (FDA,2003): - margarina tablete (100g) = 3.5g - batatas fritas (1 pacote grande) = 6.0g - biscoitos tipo cookies (2 unidades) = 2.5g - biscoitos recheados (1 unidade) = 1.7g - pipoca de microondas (1 pacote) = 2.5g A realização de mais estudos para determinar o conteúdo nos alimentos e estimar a quantidade a ser ingerida com seguridade, e de ações governamentais para incentivar a tecnologia para a redução dessas gorduras sem elevar o conteúdo de ácidos graxos saturados devem ser incentivadas, além de uma ampla divulgação pelos meios de comunicação para esclarecimento à população. Mais uma vez vale a pena ressaltar que trabalhar um plano alimentar adequado não constitui apenas em adequar calorias, mas especialmente em quantifi car e qualifi car a fonte destas calorias, para que assim a seguridade alimentar seja garantida e a prevenção às doenças cardiovasculares seja efetiva. 12 SOCESP EM DESTAQUE

PROGRAMA IV BRASIL PREVENT & II LATIN AMERICAN PREVENT DATA: 05 A 07 DEZEMBRO 2013 BAHIA OTHON PALACE HOTEL SALVADOR BAHIA

PROGRAMA IV BRASIL PREVENT & II LATIN AMERICAN PREVENT DATA: 05 A 07 DEZEMBRO 2013 BAHIA OTHON PALACE HOTEL SALVADOR BAHIA PROGRAMA IV BRASIL PREVENT & II LATIN AMERICAN PREVENT DATA: 05 A 07 DEZEMBRO 2013 BAHIA OTHON PALACE HOTEL SALVADOR BAHIA Sábado 07 de Dezembro de 2013 09:00 10:30 Sessão 4 Novas Estratégias Para Prevenção

Leia mais

Colesterol O que é Isso? Trabalhamos pela vida

Colesterol O que é Isso? Trabalhamos pela vida Colesterol O que é Isso? X O que é o Colesterol? Colesterol é uma gordura encontrada apenas nos animais Importante para a vida: Estrutura do corpo humano (células) Crescimento Reprodução Produção de vit

Leia mais

Perguntas & Respostas ABIA sobre gorduras trans

Perguntas & Respostas ABIA sobre gorduras trans Perguntas & Respostas ABIA sobre gorduras trans GRUPO CONSUMIDOR 1) O que são ácidos graxos trans ou gordura trans? Os ácidos graxos ou gorduras trans são um tipo de gordura formada pelo processo de hidrogenação

Leia mais

Coração saudável. Dr. Carlos Manoel de Castro Monteiro MD,PhD

Coração saudável. Dr. Carlos Manoel de Castro Monteiro MD,PhD Coração saudável Dr. Carlos Manoel de Castro Monteiro MD,PhD Qual a importância da doença cardiovascular? Milhões de Mortes* Mortalidade por doenças cardiovasculares em 1990 e 2020 Países desenvolvidos

Leia mais

DOENÇAS CARDÍACAS NA INSUFICIÊNCIA RENAL

DOENÇAS CARDÍACAS NA INSUFICIÊNCIA RENAL DOENÇAS CARDÍACAS NA INSUFICIÊNCIA RENAL As doenças do coração são muito freqüentes em pacientes com insuficiência renal. Assim, um cuidado especial deve ser tomado, principalmente, na prevenção e no controle

Leia mais

COLESTEROL E TRIGLICÉRIDES

COLESTEROL E TRIGLICÉRIDES COLESTEROL E TRIGLICÉRIDES Muitas pessoas já ouviram falar deles. Algumas podem até imagine que colesterol e triglicérides sejam sinônimos de doença. Para desfazer a imagem de vilões que essas duas substâncias

Leia mais

Manual de Rotulagem de Alimentos

Manual de Rotulagem de Alimentos Manual de Rotulagem de Alimentos Agosto 2013 Programa Mesa Brasil Sesc O Mesa Brasil Sesc é um programa de segurança alimentar e nutricional sustentável, que redistribui alimentos excedentes próprios para

Leia mais

Colesterol 3. Que tipos de colesterol existem? 3. Que factores afectam os níveis de colesterol? 4. Quando está o colesterol demasiado elevado?

Colesterol 3. Que tipos de colesterol existem? 3. Que factores afectam os níveis de colesterol? 4. Quando está o colesterol demasiado elevado? Colesterol Colesterol 3 Que tipos de colesterol existem? 3 Que factores afectam os níveis de colesterol? 4 Quando está o colesterol demasiado elevado? 4 Como reduzir o colesterol e o risco de doença cardiovascular?

Leia mais

JORNAL A TARDE ONLINE DATA: 24/09/2009. SEÇÃO: BRASIL ASSUNTO: SAÚDE Obesidade na infância pode adiantar doença em 20 anos

JORNAL A TARDE ONLINE DATA: 24/09/2009. SEÇÃO: BRASIL ASSUNTO: SAÚDE Obesidade na infância pode adiantar doença em 20 anos JORNAL A TARDE ONLINE DATA: 24/09/2009 SAÚDE Obesidade na infância pode adiantar doença em 20 anos Agência Estado A obesidade na infância e na adolescência pode adiantar em até 20 anos os problemas cardiovasculares,

Leia mais

O QUE É COLESTEROL? TIPOS

O QUE É COLESTEROL? TIPOS O QUE É COLESTEROL? O colesterol pode ser considerado um tipo de lipídio (gordura) produzido em nosso organismo. Ele está presente em alimentos de origem animal (carne, leite integral, ovos etc.). Em nosso

Leia mais

PUBLICAÇÃO BIMESTRAL DA SOCIEDADE DE CARDIOLOGIA DO ESTADO DE SÃO PAULO ANO 1 N o 0 MAIO/2006

PUBLICAÇÃO BIMESTRAL DA SOCIEDADE DE CARDIOLOGIA DO ESTADO DE SÃO PAULO ANO 1 N o 0 MAIO/2006 PUBLICAÇÃO BIMESTRAL DA SOCIEDADE DE CARDIOLOGIA DO ESTADO DE SÃO PAULO ANO 1 N o 0 MAIO/2006 SOCESP EM DESTAQUE 1 EXPEDIENTE DIRETORIA DA SOCESP BIÊNIO 2006/2007 PRESIDENTE Bráulio Luna Filho VICE-PRESIDENTE

Leia mais

O que é O que é. colesterol?

O que é O que é. colesterol? O que é O que é colesterol? 1. O que é colesterol alto e por que ele é ruim? Apesar de a dislipidemia (colesterol alto) ser considerada uma doença extremamente prevalente no Brasil e no mundo, não existem

Leia mais

O QUE É COLESTEROL? Sinônimos: colesterol hdl, colesterol ldl

O QUE É COLESTEROL? Sinônimos: colesterol hdl, colesterol ldl O QUE É COLESTEROL? Sinônimos: colesterol hdl, colesterol ldl O colesterol pode ser considerado um tipo de lipídio (gordura) produzido em nosso organismo. Ele está presente em alimentos de origem animal

Leia mais

SBC incentiva organização dos cardiologistas do Acre

SBC incentiva organização dos cardiologistas do Acre SBC incentiva organização dos cardiologistas do Acre A primeira viagem oficial do novo presidente da SBC, Antonio Carlos Palandri Chagas, foi ao Acre. O motivo: o estado é um dos que ainda não possui uma

Leia mais

Desdobrável de informação ao paciente

Desdobrável de informação ao paciente Desdobrável de informação ao paciente Doença cardíaca coronária Secções para este tópico: Introdução Sintomas Causas Diagnóstico Tratamento Prevenção Hiperligações seleccionadas Introdução Para que funcione,

Leia mais

O PAPEL DA ENFERMAGEM NA REABILITAÇÃO CARDIACA RAQUEL BOLAS

O PAPEL DA ENFERMAGEM NA REABILITAÇÃO CARDIACA RAQUEL BOLAS O PAPEL DA ENFERMAGEM NA REABILITAÇÃO CARDIACA RAQUEL BOLAS Ericeira, 11 de Fevereiro 2011 DEFINIÇÃO De acordo com a OMS (2003), a Reabilitação Cardíaca é um conjunto De acordo com a OMS (2003), a Reabilitação

Leia mais

mídia KIT Indicadores: Perfil telespectador Potencial de Consumo Cobertura regional Audiência Clientes

mídia KIT Indicadores: Perfil telespectador Potencial de Consumo Cobertura regional Audiência Clientes mídia KIT 2011 2012 Indicadores: Perfil telespectador Potencial de Consumo Cobertura regional Audiência Clientes Programa A+TV Há 5 anos o programa A+TV está na grade da TV Clube/Band, fortalecendo ainda

Leia mais

Em pleno novo milênio nossa sociedade aparece com uma

Em pleno novo milênio nossa sociedade aparece com uma 8 Epidemiologia da Atividade Física & Doenças Crônicas: Diabetes Dênis Marcelo Modeneze Graduado em Educação Física Mestre em Educação Física na Área de Atividade Física, Adaptação e Saúde-UNICAMP Em pleno

Leia mais

Reeducação Alimentar na prevenção da Obesidade Professores: Ivo André Polônio; Edi Carlos Iacida; Ângela Cesira Maran Pilquevitch; Silvia Trevisan;

Reeducação Alimentar na prevenção da Obesidade Professores: Ivo André Polônio; Edi Carlos Iacida; Ângela Cesira Maran Pilquevitch; Silvia Trevisan; 1 Reeducação Alimentar na prevenção da Obesidade Professores: Ivo André Polônio; Edi Carlos Iacida; Ângela Cesira Maran Pilquevitch; Silvia Trevisan; Janaina Lopes; Eveline Batista Rodrigues; Cristiane

Leia mais

Apresentação. O que significam os itens da Tabela de Informação Nutricional dos rótulos

Apresentação. O que significam os itens da Tabela de Informação Nutricional dos rótulos O que significam os itens da Tabela de Informação Nutricional dos rótulos Valor Energético É a energia produzida pelo nosso corpo proveniente dos carboidratos, proteínas e gorduras totais. Na rotulagem

Leia mais

EXERCÍCIO FÍSICO: ESTRATÉGIA PRIORITÁRIA NA PROMOÇÃO DA SAÚDE E DA QUALIDADE DE VIDA.

EXERCÍCIO FÍSICO: ESTRATÉGIA PRIORITÁRIA NA PROMOÇÃO DA SAÚDE E DA QUALIDADE DE VIDA. 1 EXERCÍCIO FÍSICO: ESTRATÉGIA PRIORITÁRIA NA PROMOÇÃO DA SAÚDE E DA QUALIDADE DE VIDA. Tales de Carvalho, MD, PhD. tales@cardiol.br Médico Especialista em Cardiologia e Medicina do Esporte; Doutor em

Leia mais

Governador Geraldo Alckmin entrega o maior laboratório destinado a pesquisas sobre o câncer da América Latina

Governador Geraldo Alckmin entrega o maior laboratório destinado a pesquisas sobre o câncer da América Latina MATEC ENGENHARIA ENTREGA O MAIOR LABORATORIO PARA PESQUISA DE CÂNCER DA AMÉRICA LATINA Qui, 14/04/11-11h00 SP ganha maior laboratório para pesquisa de câncer da América Latina Instituto do Câncer também

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS Prof. Mestrando: Marcelo Mota São Cristóvão 2008 POPULAÇÕES ESPECIAIS

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS FATORES DE RISCO PARA DOENÇAS CARDIOVASCULARES DOS FREQUENTADORES DE PARQUES DA CIDADE DE SÃO PAULO

AVALIAÇÃO DOS FATORES DE RISCO PARA DOENÇAS CARDIOVASCULARES DOS FREQUENTADORES DE PARQUES DA CIDADE DE SÃO PAULO Ciências da Vida - Nutrição AVALIAÇÃO DOS FATORES DE RISCO PARA DOENÇAS CARDIOVASCULARES DOS FREQUENTADORES DE PARQUES DA CIDADE DE SÃO PAULO Fernanda Cristina Guevara 1 Camila Maria Melo 2 Tatiane Vanessa

Leia mais

Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa, Extensão e Ação Comunitária Coordenadoria de Extensão e Ação Comunitária PROPOSTA DE PROGRAMA

Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa, Extensão e Ação Comunitária Coordenadoria de Extensão e Ação Comunitária PROPOSTA DE PROGRAMA Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa, Extensão e Ação Comunitária Coordenadoria de Extensão e Ação Comunitária Coordenadoria de Extensão e Ação Comunitária PROPOSTA DE PROGRAMA Número da Ação (Para

Leia mais

Você sabe os fatores que interferem na sua saúde?

Você sabe os fatores que interferem na sua saúde? DICAS DE SAÚDE 2 Promova a sua saúde. Você sabe os fatores que interferem na sua saúde? Veja o gráfico : 53% ao estilo de vida 17% a fatores hereditários 20% a condições ambientais 10% à assistência médica

Leia mais

INTERVALO E VISITA À EXPOSIÇÃO PARALELA - TEMA LIVRE PÔSTER GRUPO I

INTERVALO E VISITA À EXPOSIÇÃO PARALELA - TEMA LIVRE PÔSTER GRUPO I XXII CONGRESSO NACIONAL DO DEPARTAMENTO DE ERGOMETRIA, EXERCÍCIO, REABILITAÇÃO CARDIOVASCULAR, CARDIOLOGIA NUCLEAR E CARDIOLOGIA DO ESPORTE. PROGRAMAÇÃO CIENTÍFICA QUINTA-FEIRA 29 DE OUTUBRO DE 2015 07:30H

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 396/2013 Naprix, Vastarel, Lasix, Carvedilol, Atorvastatina, Aspirina

RESPOSTA RÁPIDA 396/2013 Naprix, Vastarel, Lasix, Carvedilol, Atorvastatina, Aspirina RESPOSTA RÁPIDA 396/2013 Naprix, Vastarel, Lasix, Carvedilol, Atorvastatina, Aspirina SOLICITANTE Dra. Sabrina da Cunha Peixoto Ladeira. Juiza de Direito NÚMERO DO PROCESSO 13 007501-7 DATA 07/11/2013

Leia mais

2. HIPERTENSÃO ARTERIAL

2. HIPERTENSÃO ARTERIAL TESTE ERGOMETRICO O teste ergométrico serve para a avaliação ampla do funcionamento cardiovascular, quando submetido a esforço físico gradualmente crescente, em esteira rolante. São observados os sintomas,

Leia mais

O HDL é conhecido como o bom colesterol porque remove o excesso de colesterol e traz de volta ao fígado onde será eliminado. O LDL-colesterol é o

O HDL é conhecido como o bom colesterol porque remove o excesso de colesterol e traz de volta ao fígado onde será eliminado. O LDL-colesterol é o DISLIPIDEMIA Introdução Dislipidemias, também chamadas de hiperlipidêmicas, referem-se ao aumento dos lipídios no sangue, principalmente do colesterol e dos triglicerídeos. O colesterol é uma substância

Leia mais

1. O que é gordura trans?

1. O que é gordura trans? GORDURA TRANS 1. O que é gordura trans? É um tipo de gordura produzida industrialmente a partir de um processo químico, a hidrogenação. Usada desde o início do século passado, ela passou a ser consumida

Leia mais

Vamos falar sobre câncer?

Vamos falar sobre câncer? Vamos falar sobre câncer? O SIEMACO sempre está ao lado dos trabalhadores, seja na luta por melhores condições de trabalho, lazer e educação ou na manutenção da saúde, visando a promoção e ascensão social.

Leia mais

Protocolo de Dor Torácica / Doença Arterial Coronariana (DAC)

Protocolo de Dor Torácica / Doença Arterial Coronariana (DAC) Protocolo de Dor Torácica / Doença Arterial Coronariana (DAC) 1 - Epidemiologia No Brasil, as doenças cardiovasculares (DCV) representam a principal causa de mortalidade. Calcula-se que existam 900.000

Leia mais

Prof.: Luiz Fernando Alves de Castro

Prof.: Luiz Fernando Alves de Castro Prof.: Luiz Fernando Alves de Castro Dia Nacional de Combate ao Câncer O Dia 27 de Novembro, Dia Nacional de Combate ao Câncer, é uma data que deve ser lembrada não para comemorarmos e, sim, para alertarmos

Leia mais

Participar em estudos de investigação científica é contribuir para o conhecimento e melhoria dos serviços de saúde em Portugal

Participar em estudos de investigação científica é contribuir para o conhecimento e melhoria dos serviços de saúde em Portugal FO L H E TO F EC H A D O : FO R M ATO D L ( 2 2 0 x 1 1 0 m m ) FO L H E TO : C A PA Departamento de Epidemiologia Clínica, Medicina Preditiva e Saúde Pública Faculdade de Medicina da Universidade do Porto

Leia mais

O PROJETO. Exercícios físicos, boa alimentação, cuidados com o corpo e a mente. A busca. por um estilo de vida saudável é o atual

O PROJETO. Exercícios físicos, boa alimentação, cuidados com o corpo e a mente. A busca. por um estilo de vida saudável é o atual Exercícios físicos, boa alimentação, O PROJETO cuidados com o corpo e a mente. A busca por um estilo de vida saudável é o atual desafio da humanidade, que vive um cotidiano cada vez mais caótico. Na correria

Leia mais

Relatório Assessoria de Imprensa *** BOOK 2012

Relatório Assessoria de Imprensa *** BOOK 2012 Relatório Assessoria de Imprensa *** BOOK 2012 Índice Atividades: Pág. 03 Resultados 2012: Pág. 04 Imprensa Mídia/Origem Meses: Pág. 06 Imprensa Segmentos de imprensa: Pág. 07 Imprensa Qualidade dos espaços

Leia mais

OBTENHA UM RAIO X DOS SEUS KOL

OBTENHA UM RAIO X DOS SEUS KOL OBTENHA UM RAIO X DOS SEUS KOL RAIO X DE UM KOL Classe Terapêutica Dr.: Clínica Médica SP: Especialidade Cancerologia - Oncologia Bela Vista - São Paulo A FAVOR MEDICAMENTOS LABORATÓRIOS TERAPIAS Morfina

Leia mais

saúde Sedentarismo Os riscos do Saiba as causas e consequências de ficar parado e mexa-se!

saúde Sedentarismo Os riscos do Saiba as causas e consequências de ficar parado e mexa-se! saúde Sinal Canal de Comunicação da Sistel para os Usuários de Saúde Ano I - Nº 4 - Dezembro 2014 Os riscos do Sedentarismo Saiba as causas e consequências de ficar parado e mexa-se! O sedentarismo é resultado

Leia mais

Conheça o lado bom e o lado ruim desse assunto. Colesterol

Conheça o lado bom e o lado ruim desse assunto. Colesterol Conheça o lado bom e o lado ruim desse assunto. Colesterol COLESTEROL O nome colesterol vem do grego e significa cálculo biliar. Ele foi batizado pelo químico francês Michel Eugene Chevreul, em 1815.

Leia mais

PROCESSAMENTO DE LIPÍDEOS Aula 03. Patricia Cintra

PROCESSAMENTO DE LIPÍDEOS Aula 03. Patricia Cintra PROCESSAMENTO DE LIPÍDEOS Aula 03 Patricia Cintra Processamento de lipídeos À frio À quente Processamento de lipídeos Os triacilgliceróis são extraídos de fonte de origem animal e vegetal. A fluidização

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE REGULAÇÃO Portaria GM 1.559 01/08/08

POLÍTICA NACIONAL DE REGULAÇÃO Portaria GM 1.559 01/08/08 Secretaria de Estado da Saúde Coordenadoria das Regiões de Saúde SIMPÓSIO FAEPA Conquistas e Desafios na Atenção à Saúde Pública em Ribeirão Preto A IMPORTÂNCIA DA REGULAÇÃO DE FLUXO DE PACIENTES PARA

Leia mais

47 Por que preciso de insulina?

47 Por que preciso de insulina? A U A UL LA Por que preciso de insulina? A Medicina e a Biologia conseguiram decifrar muitos dos processos químicos dos seres vivos. As descobertas que se referem ao corpo humano chamam mais a atenção

Leia mais

Pesquisas brasileiras sobre câncer e doenças cardíacas e cerebrais colocam o País na vanguarda da medicina mundial

Pesquisas brasileiras sobre câncer e doenças cardíacas e cerebrais colocam o País na vanguarda da medicina mundial ISTOÉ - Independente Imprimir Especial BRASIL POTÊNCIA Edição: 2095 30.Dez.09-15:00 Atualizado em 06.Fev.13-12:48 Na Dianteira Do Conhecimento Pesquisas brasileiras sobre câncer e doenças cardíacas e cerebrais

Leia mais

Coração Saudável! melhor dele?

Coração Saudável! melhor dele? As doenças cardiovasculares (DCV s) - incluem as doenças coronarianas e o acidente vascular cerebral (AVC) também conhecido como derrame afetam pessoas de todas as idades, até mesmo mulheres e crianças.

Leia mais

Unidade: GUIA ALIMENTAR PARA A POPULAÇÃO

Unidade: GUIA ALIMENTAR PARA A POPULAÇÃO Unidade: GUIA ALIMENTAR PARA A POPULAÇÃO Unidade I: BRASILEIRA 0 Unidade: GUIA ALIMENTAR PARA A POPULAÇÃO BRASILEIRA O Guia Alimentar é um instrumento que define as diretrizes alimentares a serem utilizadas

Leia mais

HOSPITAL SÃO FRANCISCO RIBEIRÃO PRETO ESTADO DE SÃO PAULO PROGRAMA TEÓRICO E PRÁTICO PARA ESTÁGIO EM CARDIOLOGIA EM 2016

HOSPITAL SÃO FRANCISCO RIBEIRÃO PRETO ESTADO DE SÃO PAULO PROGRAMA TEÓRICO E PRÁTICO PARA ESTÁGIO EM CARDIOLOGIA EM 2016 HOSPITAL SÃO FRANCISCO RIBEIRÃO PRETO ESTADO DE SÃO PAULO PROGRAMA TEÓRICO E PRÁTICO PARA ESTÁGIO EM CARDIOLOGIA EM 2016 Credenciado e reconhecido pela Sociedade Brasileira de Cardiologia Início 2 de Fevereiro

Leia mais

Um novo tipo de câncer

Um novo tipo de câncer Um novo tipo de câncer Cirurgias menos invasivas e tratamentos personalizados são algumas das apostas da ciência para o câncer de cabeça e pescoço. Em visita ao Brasil, médico especialista na área apresenta

Leia mais

REQUERIMENTO N DE 2013 (dos Srs. Fernando Francischini e Willian Dib)

REQUERIMENTO N DE 2013 (dos Srs. Fernando Francischini e Willian Dib) REQUERIMENTO N DE 2013 (dos Srs. Fernando Francischini e Willian Dib) Requer a realização de Audiência Pública com os convidados que indica para discutir a negativa da Agência Nacional de Vigilância Sanitária

Leia mais

Atuação do Nutricionista no Desenvolvimento de Produtos Mais Saudáveis

Atuação do Nutricionista no Desenvolvimento de Produtos Mais Saudáveis Atuação do Nutricionista no Desenvolvimento de Produtos Mais Saudáveis Elizabeth Vargas Nutricionista Unilever America Latina Seminário Tecnológico de Nutrição, Saudabilidade e Meio Ambiente Junho 2014

Leia mais

Os lipídios são substâncias com estrutura variada sendo muito abundantes em animais e vegetais;

Os lipídios são substâncias com estrutura variada sendo muito abundantes em animais e vegetais; Lipídios Os lipídios são substâncias com estrutura variada sendo muito abundantes em animais e vegetais; Eles compartilham a característica de apresentarem baixa solubilidade em água sendo solúveis em

Leia mais

O começo na Educação Infantil

O começo na Educação Infantil O começo na Educação Infantil Ao entrar na pré-escola, a criança vive um momento delicado, pois tem que aprender, de uma só vez, a afastar-se do convívio familiar e a criar novas relações afetivas. A emoção

Leia mais

De 30% a 60% dos casos de câncer poderiam ser evitados com uma boa. alimentação

De 30% a 60% dos casos de câncer poderiam ser evitados com uma boa. alimentação De 30% a 60% dos casos de câncer poderiam ser evitados com uma boa alimentação Mudança na alimentação é apontada como uma das medidas mais importantes de prevenção ao câncer, dizem institutos Foto: Gonza

Leia mais

O QUE SÃO OS TRIGLICERÍDEOS?

O QUE SÃO OS TRIGLICERÍDEOS? O QUE SÃO OS TRIGLICERÍDEOS? Franklim A. Moura Fernandes http://www.melhorsaude.org Introdução Os triglicerídeos, também chamados de triglicéridos, são as principais gorduras do nosso organismo e compõem

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 5. Cronograma de Aulas Pág. 9. Coordenação Programa e metodologia; Investimento

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 5. Cronograma de Aulas Pág. 9. Coordenação Programa e metodologia; Investimento 1 SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento 3 4 5 Etapas do Processo Seletivo Pág. 5 Matrícula 7 Cronograma de Aulas Pág. 9 2 PÓS-GRADUAÇÃO EM NUTRIÇÃO NAS DOENÇAS CRÔNICAS

Leia mais

LITERATURA ÔMEGA 3 ÔMEGA 3

LITERATURA ÔMEGA 3 ÔMEGA 3 ÔMEGA 3 Introdução O cérebro humano representa apenas 2% do nosso peso total, mas usa aproximadamente 20% do oxigênio consumido por todo nosso corpo quando está em repouso. Ele é um órgão complexo que

Leia mais

MÍDIA KIT 2015 COMPLETO

MÍDIA KIT 2015 COMPLETO MÍDIA KIT 2015 COMPLETO SURGE UMA NOVA UNIDOOR Com mais de 30 anos de atuação e experiência em mídia exterior, a Unidoor Out of Home entende que mudar é preciso, e por isso está indo além, propondo uma

Leia mais

PARECER DA COMISSÃO DE SAÚDE, CIDADANIA E ASSISTÊNCIA SOCIAL

PARECER DA COMISSÃO DE SAÚDE, CIDADANIA E ASSISTÊNCIA SOCIAL PARECER DA COMISSÃO DE SAÚDE, CIDADANIA E ASSISTÊNCIA SOCIAL Projeto de Lei nº 019 de 13 de setembro de 2013 AUTOR: Poder Legislativo PARECER: Favorável, sem apresentação de emendas EMENTA: Institui a

Leia mais

As 6 Práticas Essenciais de Marketing para Clínicas de Exames

As 6 Práticas Essenciais de Marketing para Clínicas de Exames As 6 Práticas Essenciais de Marketing para Clínicas de Exames Introdução Fique atento aos padrões do CFM ÍNDICE As 6 práticas essenciais de marketing para clínicas de exames Aposte em uma consultoria de

Leia mais

Azul. Novembro. cosbem. Mergulhe nessa onda! A cor da coragem é azul. Mês de Conscientização, Preveção e Combate ao Câncer De Próstata.

Azul. Novembro. cosbem. Mergulhe nessa onda! A cor da coragem é azul. Mês de Conscientização, Preveção e Combate ao Câncer De Próstata. cosbem COORDENAÇÃO DE SAÚDE E BEM-ESTAR Novembro Azul Mês de Conscientização, Preveção e Combate ao Câncer De Próstata. Mergulhe nessa onda! A cor da coragem é azul. NOVEMBRO AZUL Mês de Conscientização,

Leia mais

Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004.

Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004. Artigo comentado por: Dr. Carlos Alberto Machado Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004. Kwok Leung Ong, Bernard M. Y. Cheung, Yu Bun

Leia mais

ACP Brazilian Chapter

ACP Brazilian Chapter ACP Brazilian Chapter Newsletter número 1, 2013 ENCONTRO DOS PARTICIPANTES BRASILEIROS DO ACP EM SAN FRANCISCO ACP 2013 O Congresso do ACP neste ano foi em San Francisco, na California. Página 2 CAMPANHA

Leia mais

Programa de Residência Médica em Cardiologia

Programa de Residência Médica em Cardiologia Programa de Residência Médica em Cardiologia Hospital Barra D`OR Programa de Residência Médica em Cardiologia Corpo Clínico Coordenador do Programa de Residência Médica em Cardiologia : Dr. João Luiz Fernandes

Leia mais

Câncer: mais 500 mil casos

Câncer: mais 500 mil casos Página 1 de 5 Quarta, 18 de Maio de 2011 ENTREVISTA Câncer: mais 500 mil casos O oncologista afirma que o Brasil não tem estrutura física e médica para tratar outro meio milhão de pessoas com câncer em

Leia mais

2 o Prêmio Jovem Jornalista Fernando Pacheco Jordão. Um paciente muito especial: retrato da saúde do adolescente no Brasil.

2 o Prêmio Jovem Jornalista Fernando Pacheco Jordão. Um paciente muito especial: retrato da saúde do adolescente no Brasil. 2 o Prêmio Jovem Jornalista Fernando Pacheco Jordão Um paciente muito especial: retrato da saúde do adolescente no Brasil. Sumário Pauta...2 Justificativa...2 Objetivos...3 Metodologia...3 Potencial de

Leia mais

MOVIMENTO CASCAVEL ROSA - NA LUTA CONTRA O CÂNCER

MOVIMENTO CASCAVEL ROSA - NA LUTA CONTRA O CÂNCER MOVIMENTO CASCAVEL ROSA - NA LUTA CONTRA O CÂNCER Área Temática: Saúde Adriane de Castro Martinez Martins 1 (Coordenadora) Claudecir Delfino Verli 2 Aline Maria de Almeida Lara 3 Modalidade: Comunicação

Leia mais

SUMÁRIO OBESIDADE...4 OBESIDADE EM ADULTOS...5 PREVENÇÃO...6 EM BUSCA DO PESO SAUDÁVEL...7 TRATAMENTO...9 CUIDADOS DIÁRIOS COM A ALIMENTAÇÃO...

SUMÁRIO OBESIDADE...4 OBESIDADE EM ADULTOS...5 PREVENÇÃO...6 EM BUSCA DO PESO SAUDÁVEL...7 TRATAMENTO...9 CUIDADOS DIÁRIOS COM A ALIMENTAÇÃO... 2 SUMÁRIO OBESIDADE...4 OBESIDADE EM ADULTOS...5 PREVENÇÃO...6 EM BUSCA DO PESO SAUDÁVEL...7 TRATAMENTO...9 CUIDADOS DIÁRIOS COM A ALIMENTAÇÃO...12 OUTROS HÁBITOS SAUDÁVEIS...14 ATIVIDADE FÍSICA...14 CUIDADOS

Leia mais

Esquecemos muitas vezes que a comunicação não é só troca de mensagens entre alguém que fala e alguém que escuta, mas que ela é de duas mãos.

Esquecemos muitas vezes que a comunicação não é só troca de mensagens entre alguém que fala e alguém que escuta, mas que ela é de duas mãos. Belo Horizonte - Quarta-feira - 29 de setembro de 2.010 O 66º Congresso Brasileiro de Cardiologia será realizado em Porto Alegre, de 16 a 19 de setembro de 2011, no Centro de Convenções da FIERGS, o melhor

Leia mais

TERAPÊUTICA DA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA

TERAPÊUTICA DA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA Disciplina: Farmacologia Curso: Enfermagem TERAPÊUTICA DA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA Professora: Ms. Fernanda Cristina Ferrari Controle da Pressão Arterial Sistêmica Controle Neural estimulação dos

Leia mais

Açaí, Agora No Combate Ao Câncer

Açaí, Agora No Combate Ao Câncer Açaí, Agora No Combate Ao Câncer Açaí Benefícios O minúsculo fruto da Amazônia ganha cada vez mais crédito entre nutricionistas renomados. Novas pesquisas sinalizam que o açaí ajuda a prevenir contra o

Leia mais

Oficina CN/EM 2012. Alimentos e nutrientes (web aula) H34 Reconhecer os principais tipos de nutrientes e seu papel no metabolismo humano.

Oficina CN/EM 2012. Alimentos e nutrientes (web aula) H34 Reconhecer os principais tipos de nutrientes e seu papel no metabolismo humano. Oficina CN/EM 2012 Alimentos e nutrientes (web aula) Caro Monitor, Ao final da oficina, o aluno terá desenvolvido as habilidade: H34 Reconhecer os principais tipos de nutrientes e seu papel no metabolismo

Leia mais

Cartilha de Prevenção. ANS - nº31763-2. Diabetes. Fevereiro/2015

Cartilha de Prevenção. ANS - nº31763-2. Diabetes. Fevereiro/2015 Cartilha de Prevenção 1 ANS - nº31763-2 Diabetes Fevereiro/2015 Apresentação Uma das missões da Amafresp é prezar pela qualidade de vida de seus filiados e pela prevenção através da informação, pois esta

Leia mais

Redações vencedoras I Concurso de Redação

Redações vencedoras I Concurso de Redação Redações vencedoras I Concurso de Redação 1 Lugar Aluno: Julia Stefani Moraes Professora: Regina M. Macedo de Melo Castro Informação: A melhor maneira de combater o câncer Penso que falar sobre este assunto

Leia mais

BOAS PRÁTICAS NO DIA A DIA DAS CLÍNICAS DE IMAGEM

BOAS PRÁTICAS NO DIA A DIA DAS CLÍNICAS DE IMAGEM BOAS PRÁTICAS NO DIA A DIA DAS CLÍNICAS DE IMAGEM Introdução ÍNDICE Boas práticas no dia a dia das clínicas de imagem A Importância de se estar conectado às tendências As melhores práticas no mercado de

Leia mais

PREVENÇÃO DE DOENÇAS

PREVENÇÃO DE DOENÇAS Page 1 of 7 PREVENÇÃO DE DOENÇAS (Adaptação baseada nas condutas propostas pela Academia Norte-Americana de Médicos de Família/Clínica Mayo, USA) O que a medicina atual preconiza em termos de prevenção

Leia mais

Uniquímica lança novo canal de comunicação. Informativo Bimestral

Uniquímica lança novo canal de comunicação. Informativo Bimestral Informativo Bimestral Uniquímica lança novo canal de comunicação A Uniquímica, através da Gerência de Ovos PUFA, lança um novo veículo de Comunicação. É o Jornal VIDA PUFA. O Informativo será enviado via

Leia mais

azul NOVEMBRO azul Saúde também é coisa de homem. Doenças Cardiovasculares (DCV)

azul NOVEMBRO azul Saúde também é coisa de homem. Doenças Cardiovasculares (DCV) Doenças Cardiovasculares (DCV) O que são as Doenças Cardiovasculares? De um modo geral, são o conjunto de doenças que afetam o aparelho cardiovascular, designadamente o coração e os vasos sanguíneos. Quais

Leia mais

ATENDIMENTO AMBULATORIAL AO PACIENTE HIPERTENSO

ATENDIMENTO AMBULATORIAL AO PACIENTE HIPERTENSO Universidade Federal do Maranhão - UFMA Hospital Universitário Presidente Dutra - HUPD Liga Acadêmica de Hipertensão Arterial Sistêmica - LAHAS ATENDIMENTO AMBULATORIAL AO PACIENTE HIPERTENSO São Luís

Leia mais

NOVEMBRO AZUL: COMBATE E PREVENÇÃO AO CÂNCER DE PRÓSTATA

NOVEMBRO AZUL: COMBATE E PREVENÇÃO AO CÂNCER DE PRÓSTATA COMBATE E PREVENÇÃO AO ÍNDICE 03 04 07 12 19 24 Introdução Novembro Azul O câncer Você precisa se importar! Prevenção: Vencendo o preconceito Bons hábitos e Diagnóstico precoce são a melhor prevenção 27

Leia mais

Fevereiro/2015. Período. 1 a 28 de fevereiro de 2015

Fevereiro/2015. Período. 1 a 28 de fevereiro de 2015 Fevereiro/2015 Período 1 a 28 de fevereiro de 2015 Unidades do Museu da Energia terão horários diferentes durante o Carnaval O feriado do Carnaval pode ser uma excelente oportunidade para o público conhecer

Leia mais

O PAPEL DO NEPA na segurança a do alimento e o consumidor

O PAPEL DO NEPA na segurança a do alimento e o consumidor O PAPEL DO NEPA na segurança a do alimento e o consumidor Renata Maria Padovani e Jaime Amaya-Farfan (Núcleo de Estudos e Pesquisas em Alimentação) Segurança a Alimentar Segurança alimentar Inocuidade

Leia mais

eliminando GORDURA TRANS ARTIFICIAL nos estabelecimentos de Serviços Alimentícios de Cambridge

eliminando GORDURA TRANS ARTIFICIAL nos estabelecimentos de Serviços Alimentícios de Cambridge eliminando GORDURA TRANS ARTIFICIAL nos estabelecimentos de Serviços Alimentícios de Cambridge Como Cumprir: O que Restaurantes, Buffets, Vendedores Ambulantes de Alimentos, e outros, precisam fazer www.cambridgepublichealth.org

Leia mais

FACULDADE DE MEDICINA DA UFMG DEPARTAMENTO DE CIRURGIA

FACULDADE DE MEDICINA DA UFMG DEPARTAMENTO DE CIRURGIA 1 FACULDADE DE MEDICINA DA UFMG DEPARTAMENTO DE CIRURGIA Av. Prof. Alfredo Balena 190-2 0 andar Caixa postal 340 - CEP 30130-100 031-3409-9759 e 3409-9760 cirurgia@medicina.ufmg.br CIR TÓPICOS CLÍNICA

Leia mais

Lipídeos II - os triacilgliceróis 27

Lipídeos II - os triacilgliceróis 27 Lipídeos II - os triacilgliceróis 27 AULA objetivos Esperamos que, após o estudo do conteúdo desta aula, você seja capaz de: Ser capaz de identificar um triacilglicerol; Ser capaz de entender como ele

Leia mais

Pâncreas. Pancreatite aguda. Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes.

Pâncreas. Pancreatite aguda. Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes. Pâncreas Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes. Pancreatite aguda Pancreatite crônica Cistos pancreáticos Câncer de Pancrêas Pancreatite aguda O pâncreas é um órgão com duas funções básicas:

Leia mais

HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS (SERVIÇO DE CARDIOLOGIA E CIRURGIA CARDIOVASCULAR)

HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS (SERVIÇO DE CARDIOLOGIA E CIRURGIA CARDIOVASCULAR) HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS (SERVIÇO DE CARDIOLOGIA E CIRURGIA CARDIOVASCULAR) REVISÃO DE DOENÇA DE ARTÉRIA CORONÁRIA Seu coração é uma bomba muscular poderosa. Ele é

Leia mais

Terapia Antiplaquetária no Mundo Real: O Que está Acontecendo no Brasil?

Terapia Antiplaquetária no Mundo Real: O Que está Acontecendo no Brasil? Apoiado por uma subvenção educacional independente de empresa Daiichi Sankyo, Inc.; Eli Lilly. Terapia Antiplaquetária no Mundo Real: O Que está Acontecendo no Brasil? Renato Lopes, MD, PhD: Olá e bem

Leia mais

MORTALIDADE POR CÂNCER COLORRETAL NO ESTADO: 2º ENTRE AS MULHERES E 4º ENTRE OS HOMENS

MORTALIDADE POR CÂNCER COLORRETAL NO ESTADO: 2º ENTRE AS MULHERES E 4º ENTRE OS HOMENS Resenha de Estatísticas Vitais do Estado de São Paulo Ano 7 nº 1 Março 2006 MORTALIDADE POR CÂNCER COLORRETAL NO ESTADO: 2º ENTRE AS MULHERES E 4º ENTRE OS HOMENS Com o aumento da expectativa de vida,

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM RESSONÂNCIA E TOMOGRAFIA CARDIOVASCULAR

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM RESSONÂNCIA E TOMOGRAFIA CARDIOVASCULAR CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM RESSONÂNCIA E TOMOGRAFIA CARDIOVASCULAR Coordenadores: Drs. Clerio Azevedo e Marcelo Hadlich 1. Objetivos do Programa Proporcionar, aos pós-graduandos, formação especializada

Leia mais

NOVOS INVESTIMENTOS NA REDE CREDENCIADA

NOVOS INVESTIMENTOS NA REDE CREDENCIADA Informativo do Santa Casa Saúde Edição 01 Bl Belo Horizonte, Jan/2008 - Fev/2008 SAÚDE SEGURA: PROMOÇÃO DA SAÚDE PARA TODA A VIDA. Santa Casa Saúde mantém o programa Saúde Segura com o intuito de promover

Leia mais

Saadi. Depois de 17 anos, o Congresso Brasileiro de Cirurgia ENTREVISTA

Saadi. Depois de 17 anos, o Congresso Brasileiro de Cirurgia ENTREVISTA Por Aline de Melo Pires Felicidade Saadi é a receita de Natural de Porto Alegre, 49 anos, o cirurgião Eduardo Saadi, membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Cardiovascular (SBCC) fala das causas das

Leia mais

Efeitos da Ampla Modificação no Estilo de Vida como Dieta, Peso, Atividade Física e Controle da Pressão Arterial: Resultado de 18 Meses de Estudo

Efeitos da Ampla Modificação no Estilo de Vida como Dieta, Peso, Atividade Física e Controle da Pressão Arterial: Resultado de 18 Meses de Estudo Efeitos da Ampla Modificação no Estilo de Vida como Dieta, Peso, Atividade Física e Controle da Pressão Arterial: Resultado de 18 Meses de Estudo Randomizado Apresentado por Tatiana Goveia Araujo na reunião

Leia mais

Resumo. GT Produção Laboratorial Impresso Jornal cultural 2ª Opinião Márcia Eliane Rosa Professora de Jornalismo, doutoranda na ECA/USP

Resumo. GT Produção Laboratorial Impresso Jornal cultural 2ª Opinião Márcia Eliane Rosa Professora de Jornalismo, doutoranda na ECA/USP GT Produção Laboratorial Impresso Jornal cultural 2ª Opinião Márcia Eliane Rosa Professora de Jornalismo, doutoranda na ECA/USP Resumo O 2ª Opinião - Espaço cultural é um jornal-laboratório que vem sendo

Leia mais

IDOSOS COM HIPERTENSÃO: CARACTERÍSTICAS EPIDEMIOLÓGICAS NO MUNICIPIO DE FOZ DO IGUAÇU, PARANÁ, BRASIL.

IDOSOS COM HIPERTENSÃO: CARACTERÍSTICAS EPIDEMIOLÓGICAS NO MUNICIPIO DE FOZ DO IGUAÇU, PARANÁ, BRASIL. IDOSOS COM HIPERTENSÃO: CARACTERÍSTICAS EPIDEMIOLÓGICAS NO MUNICIPIO DE FOZ DO IGUAÇU, PARANÁ, BRASIL. Paulo Sergio Lemke (Apresentador) 1, Marcos Augusto Moraes Arcoverde (Orientado) 2 Curso de Enfermagem

Leia mais

AGENTE DE FÉ E DO CORAÇÃO PASTORAL NACIONAL DA SAÚDE 04 de outubro de 2013. Dislipidemias

AGENTE DE FÉ E DO CORAÇÃO PASTORAL NACIONAL DA SAÚDE 04 de outubro de 2013. Dislipidemias AGENTE DE FÉ E DO CORAÇÃO PASTORAL NACIONAL DA SAÚDE 04 de outubro de 2013 Dislipidemias Raul D. Santos Unidade Clínica de Lípides InCor-HCFMUSP Faculdade de Medicina da USP Metabolismo do colesterol,

Leia mais

Iremos apresentar alguns conselhos para o ajudar a prevenir estes factores de risco e portanto a evitar as doenças

Iremos apresentar alguns conselhos para o ajudar a prevenir estes factores de risco e portanto a evitar as doenças FACTORES DE RISCO Factores de risco de doença cardiovascular são condições cuja presença num dado indivíduo aumentam a possibilidade do seu aparecimento. Os mais importantes são o tabaco, a hipertensão

Leia mais

INCOR COMEMORA 1OOº TRANSPLANTE CARDÍACO PEDIÁTRICO

INCOR COMEMORA 1OOº TRANSPLANTE CARDÍACO PEDIÁTRICO Sugestão de nota de agenda INCOR Instituto do Coração do Hospital das Clínicas da FMUSP 16 de maio de 2011 INCOR COMEMORA 1OOº TRANSPLANTE CARDÍACO PEDIÁTRICO No sábado, 7 de maio, o coração dos profissionais

Leia mais

Abordagens que não integraram a programação científica deste ano serão prioridade na edição de

Abordagens que não integraram a programação científica deste ano serão prioridade na edição de Diário do Congresso Brasília, 29.09.2014 Sucesso do 69º Congresso Brasileiro de Cardiologia é reconhecido por congressistas e diretores O 69º Congresso Brasileiro de Cardiologia recebeu cerca de 5.500

Leia mais

CURSO NACIONAL DE ATUALIZAÇÃO EM EMERGÊNCIAS CLÍNICAS

CURSO NACIONAL DE ATUALIZAÇÃO EM EMERGÊNCIAS CLÍNICAS CURSO NACIONAL DE ATUALIZAÇÃO EM EMERGÊNCIAS CLÍNICAS www.emergenciasclinicas.com.br HISTÓRICO DO EVENTO Em virtude da carência no ensino de urgências e emergências em algumas Faculdades de Medicina de

Leia mais

Idade, ela pesa 07/07/ 2015. Minhavida.com.br

Idade, ela pesa 07/07/ 2015. Minhavida.com.br Todo mundo quer viver muitos anos, não é mesmo? Mas você já se questionou se está somando mais pontos contra do que a favor na busca pela longevidade? Por isso mesmo, um estudo da Universidade da Califórnia,

Leia mais