Ref. RESPOSTA DE QUESTIONÁRIO SOBRE CONTAMINAÇÃO DE ESPONJAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ref. RESPOSTA DE QUESTIONÁRIO SOBRE CONTAMINAÇÃO DE ESPONJAS"

Transcrição

1 Thiene Helena Recco Biologa de Pesquisa e Desenvolvimento BOMBRIL S.A. Marginal da Via Anchieta, Km São Bernardo do Campo SP T F Ref. RESPOSTA DE QUESTIONÁRIO SOBRE CONTAMINAÇÃO DE ESPONJAS Caros Senhores Tendo em vista solicitação efetuada, apresentamos relatório visando respostas de questionamentos sobre contaminação de esponjas de poliuretano e de aço.

2 ROBERTO MARTINS FIGUEIREDO Cargos Atual: Diretor Técnico da Microbiotécnica Assessoria e Análises Laboratoriais Cargos Atual: Diretor Técnico da RMF Assessoria e Serviços Formação: Ciências Biológicas - Modalidade Médica (Biomédicas) - OSEC Especialização em Saúde Pública São Camilo Marketing - Fundação Getúlio Vargas Especialização em Engenharia da Qualidade - Controle de Processos (POLI-USP) Especialização em Engenharia da Qualidade - Auditorias da Qualidade (POLI-USP) Autor do Livro: PROGRAMA DE REDUÇÃO DE PATÓGENOS PADRÕES E PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS DE SANITIZAÇÃO (SSOPs) COLEÇÃO HIGIENE DOS ALIMENTOS Vol. 1 Ed. Manole Autor do Livro: COMO NÃO COMER FUNGOS, BACTÉRIAS E OUTROS BICHOS QUE FAZEM MAL - COLEÇÃO HIGIENE DOS ALIMENTOS Vol. 2 Ed. Manole Autor do Livro: AS ARMADILHAS DE UMA COZINHA - COLEÇÃO HIGIENE DOS ALIMENTOS Vol. 3 Ed. Manole Autor do livro> Dr. Bactéria Ed Globo PARTICIPAÇÃO NA MÍDIA: TV : Atualmente contratado pele Rede TV Record, apresentado o Quadro Dr. Bactéria no programa Hoje em Dia Apresentou o Quadro no Fantástico Rede Globo Dr. Bactéria Apresentou o Quadro no Note e Anote Rede Record de TV - BLITS DE HIGIENE O Caçador de Bactérias Outras Participações na Mídia Programa Jô (Globo), Olga Bongiovani (Bandeirantes), Amaury Jr Fino Trato e Flash (Bandeirantes), Globo Repórter (Globo), Goulart de Andrade (Gazeta), Jornal CBI (CBI), Nei Gonçalves Dias (SBT), Jornal das 10 (Globo News), Jornal do Meio Dia (TV Brasil), Jornal do SBT (SBT), Mulheres (Gazeta), Jornal Gospel (Gospel), Programa Sem Censura Ledda Nagle (TVE Brasil), Dia a Dia (Bandeirantes), Visão Nacional (Rede Vida), Matéria Pública (Cultura), Cozinha Light (Rede Mulher), Mulher de Gravata Ronie Von (Rede Mulher), Jornal da Mulher (RedeMulher), SP TV (Globo), Viver e Conviver (Rede Vida), Note e Anote (Record), Caminhos da Polícia Militar (Rede Vida), Programa Comentando a Notícia (TV Comunitária), Zuppo Entrevista (UNITV), Programa JB (Santa Cecília), Ser Tão Mulher (Rede Mulher de TV), Prá Você (Gazeta), TV Jornal do Comércio de Limeira Rádio : Jovem Pan, CBN, Eldorado, São Francisco de Caxias do Sul, Rádio Globo, ABC, Rádio Mundial, Nova Difusora, Nova Regional, Imaculada Conceição, Metrópole Bahia, Câmara de Brasília, Jovem Pira, Nacional de Brasília, Brasil RJ, Programa Pânico Jovem Pan Internet - UOL- Bate Papo, AllTV (www.alltv.com.br), Chat do Fantástico

3 Quais os microrganismos que podemos encontrar em uma esponja durante o uso? As esponjas fornecem um caminho ideal para espalhar microrganismos causadores de DVAs. As bactérias tendem a se concentrar na pia, em seu dreno e na esponja. Carlos Enriquez da Universidade do Arizona desenvolveram pesquisas em todos os materiais na cozinha, desde pias até apoios para abertura de geladeiras, descobrindo pesada contaminação. Esta pesquisa se repetiu por vários dias consecutivos nesses mesmos locais, até que no sexto dia, observou-se que a maioria dos locais pesquisados se apresentou virtualmente livre de microrganismos, coincidindo com o início do uso de uma nova esponja pela família. Em áreas em torno da pia, especialmente no dreno, as contagens alcançaram bactérias por ml de água nestes locais. Detectaram 10 milhões de bactérias por ml de líquido de uma esponja de poliuretano torcida. Conclusões semelhantes foram mencionadas por Endres, E. da UNIMES, em trabalho desenvolvido visando a microbiota existente em esponjas de poliuretano. Ela menciona que a diversidade e número de microrganismos encontrados nas residências dependem de fatores relacionados ao ambiente, as condições sócio-econômicas e educacionais dos moradores. As casas podem albergar uma população expressiva de microrganismos, principalmente em ambientes úmidos, como cozinhas e banheiros. Endres quantificou a presença de alguns grupos importantes de bactérias como: Coliformes Totais (CT) Coliformes Fecais (CF) Staphylococcus aureus Bactérias Heterotróficas Totais (HT) Em pratos lavados com esponjas. Cinquenta esponjas de poliuretano utilizadas por 21 dias sucessivos por empregadas em residências foram analisadas. Os resultados foram expressos por Número Mais Provável (NMP) de microrganismos por esponja. A Tabela seguinte demonstra a % das 50 esponjas de poliuretano de cozinhas domésticas pesquisadas que apresentaram os diversos microrganismos estudados e seus graus de contaminação. NMP/esponja -1 Heterotróficos Coliformes Coliformes S. aureus Totais Totais fecais 2 *Abaixo de

4 não apresentaram crescimento nas concentrações indicadas * ausência de colônias (não detectado) Densidades de 10 8 a 10 9 NMP de Bactérias Heterotróficas Totais foram descobertas em 86% das amostras. Mais de 70% das amostras apresentaram as contagens entre 10 8 e 10 9 de NMP de Coliformes Totais. Em aproximadamente 40% das esponjas, não foram descobertos Coliformes Fecais, 38% das amostras apresentaram contagens entre 10 4 e 10 5 de Coliformes Fecais. Estes resultados indicam que os pratos lavados com esponjas podem agir como reservatório de microrganismos. Endres conclui que a esponja serve como um reservatório de microrganismos em uma quantidade enorme e incalculável, devido à constituição da espuma de poliuretano usada na fabricação da esponja. Essa espuma é formada por pequenos buracos e cada um destes é responsável por abrigar muitos destes microrganismos juntos. Desta forma estes microrganismos, multiplicados por milhões de cavidades existentes na esponja, aliados à presença de material orgânico (restos alimentares) e bastante umidade, fazem dessas esponjas um veículo de contaminações cruzadas (secundárias). Além das esponjas, as bactérias podem colonizar até aço inoxidável. O metal que parece liso a olho nu é, na perspectiva de uma bactéria, repleta de buracos, barrancos, colinas e gretas. Sempre que a bactéria encontrar um abrigo com alimento e umidade, se instala e cresce. Zottola da Universidade de Minnesota em St. Paul, mostrou que se estes microrganismos não forem rapidamente eliminados, produzirão uma cola orgânica que literalmente cimenta as células na superfície do material. Isto permite uma resistência a vários elementos como correntes de água, sprays, leves raspagens ou esfregações e soluções fracas de detergentes. Eventualmente outros grupos de bactérias podem agregar-se a essas células aderidas à superfície do material e penetrar. A comunidade microbiana resultante forma os chamados biofilmes que protege seus habitantes. Que riscos estes microorganismos podem causar a saúde? Vai depender qual o microorganismo estiver presente e em qual quantidade. Podendo haver uma contaminação chamada cruzada dos alimentos trazendo microorganismos patogênicos de alimentos, principalmente crus por ocasião das preparações e manipulações, para os alimentos prontos para o consumo, poderia mencionar como exemplo: Staphylococcus aureus = Intoxicações por Toxina estafilocóccica - 24 horas com náuseas, cefaléia e vômitos Escherichia coli O157:H7 Toxinfecção Diarréia muco pio sanguinolenta

5 Listeria monocytogenes Listeriose diarréia e vômitos e abortos em mulheres grávidas Salmonelella = Salmonelose diarréia, vômitos, náuseas, desidratação e febre Entre outras... PS. Convém esclarecer que estes microrganismos mencionados podem estar presente e não necessariamente estarão presentes. Tudo vai depender do nível de contaminação do alimento origem e da possibilidade da transferência destes para a esponja. O tempo de uso de uma esponja é um fator importante para o crescimento das bactérias? Sem dúvida que sim! Os microrganismos tendem a dobrar sua quantidade, em média, a cada 20 minutos. Fica claro que, quanto maior o tempo que eles ficarem dentro de uma temperatura ambiente, aliado ao fator de presença de restos alimentares e água, maior o crescimento destes e a possibilidade de formar os chamados biofilmes, que dificulta sobremaneira a eliminação destes dentro dos processos indicados para desinfecção. Podemos encontrar algum microrganismo patogênico nas esponjas? Snyder,O.P., afirma que os perigos representados pelos panos de cozinha já são conhecidos. Vários trabalhos demonstraram a presença de Salmonella, Staphylococcus e outros patógenos em esponjas e panos de prato. Novas pesquisas realizadas em New Orleans, Enriquez reportou que em 75 panos de prato e em 325 esponjas de cozinha onde encontrou um grande número de bactérias virulentas, inclusive Escherichia coli, Salmonella, Pseudomonas e Staphylococcus. Snyder, O.P. - THE MICROBIOLOGY OF DISHCLOTHS IN THE HOME KITCHEN - Hospitality Institute of Technology and Management 1997 Endres, E,, Alterthum, F. Detection and quantification of bacteria in polyurethane dish washing sponges Trabalho apresentado e publicado nos anais n o 101 General Meeting of the American Society for Microbiology Ano 2001 Pg. 611 Florida Estados Unidos. Após quanto tempo de uso, as esponjas começam a apresentar crescimento de bactérias? Estas esponjas se apresentam como um verdadeiro paraíso para bactérias, pois fornecem uma superfície fácil para elas se agarrarem e uma provisão farta de nutrientes restos de alimentos e umidade. Se uma esponja for mantida úmida, o número de microrganismos vivos não diminui por 2 semanas. As bactérias podem sobreviver por pelo menos 2 dias em uma esponja seca no ar. Em superfícies secas, em geral, as bactérias residentes sobrevivem não mais do que algumas horas, no entanto, é tempo suficientemente longo e bastante para infectar outras fontes de alimentos ou mãos de pessoas durante a preparação dos alimentos.

6 As bactérias dentro das condições existentes, isto é, presença de restos de alimentos, umidade (água) e temperatura ambiente, podem dobrar a sua quantidade, em média, de 20 em 20 minutos. As bactérias podem ser transferidas para os utensílios? Os microrganismos existentes em alimentos, sobretudo os crus carnes e vegetais podem contaminar vários locais como pias, mãos, utensílios em geral e serem transportados para os alimentos prontos ou para utensílios, talheres, pratos, travessas, etc, que irão entrar em contato com estes alimentos prontos. Deste modo, através da chamada contaminação cruzada, podem vir a acarretar doenças. O fato de deixar as esponjas sobre um recipiente na pia após o uso contribui para o desenvolvimento das bactérias? Sabões não são desinfetantes, isto quer dizer que não possuem ação sobre microrganismos. A colocação de esponjas sobre sabões e utensílios que levem a uma manutenção do grau de umidade da esponja, ira agravar a situação, podendo haver um aumento da velocidade do crescimento de microrganismos presentes. Estes podem levar a contaminação do próprio utensílio como também dos sabões existentes. Existe alguma forma correta de guardar as esponjas após o uso para evitar o crescimento de bactérias? Após o uso, a esponja deverá ser muito bem lavada, enxaguada, desinfetada por algum método indicado, seca e mantida em local seco e protegido. De modo geral, e sendo utilizado este procedimento, a esponja não deverá ter tempo de uso maior do que 7 a 15 dias, na dependência da qualidade da esponja. Técnicas diárias indicadas para desinfecção da esponja de poliuretano: ESPONJA ÁGUA SANITÁRIA Trocar toda semana. Após cada utilização, lavar com água e detergente, e secar. Uma vez ao dia, imergir em solução de água sanitária (2 colheres de sopa/l de água), guardar seca. Nunca sobre o sabão. ESPONJA - MICROONDAS Trocar toda semana. Após cada utilização, lavar com água e detergente, e secar. Uma vez ao dia, e ainda úmida, envolver em papel toalha, colocar sobre um prato, levar ao microondas por 30 a 60 segundos, retirar, guardar seca. Nunca sobre o sabão. Importante: nunca ultrapassar 60 segundos e nunca efetuar este tratamento com a esponja seca pois pode haver riscos da esponja pegar fogo. ESPONJA ÁGUA FERVENTE Ferver a água, após iniciar a ebulição, desligar o fogo e mergulhar a esponja por 5 a 10 minutos

7 As esponjas que estão em uso, mantidas em ambiente onde ocorre a manipulação de alimentos, como a pia da cozinha, podem contaminar estes alimentos? Como já mencionado, por meio da chamada CONTAMINAÇÃO CRUZADA e pelo fato de apresentarem uma grande concentração de microrganismos, podem vir a contaminar, sem dúvida. Existe algum estudo sobre a esponja de aço, com relação ao crescimento bacteriano? De meu conhecimento não, o aço não é um agente desinfetante, como acontece nos casos da Prata iônica e do Cobre que possuem ação oligodinâmica contra microrganismos mas, sem dúvida nenhuma, o tempo curto de vida da esponja de aço diminui os riscos de crescimento, presença e contaminação cruzada dos alimentos pelos microrganismos.

O Papel do Manipulador na Produção de Alimentos

O Papel do Manipulador na Produção de Alimentos Segurança Alimentar O Papel do Manipulador na Produção de Alimentos Eduardo Alécio - CEFETPE MANIPULADOR DE ALIMENTOS: Toda pessoa que pode entrar em contato com um produto comestível em qualquer etapa

Leia mais

MICROORGANISMOS perigosos na Cozinha:

MICROORGANISMOS perigosos na Cozinha: MICROORGANISMOS perigosos na Cozinha: Os microorganismos estão por todo o lado. Nas nossas mãos e corpo, no ar, nos utensílios de cozinha e mesmo nos alimentos que ingerimos. O facto de os alimentos possuirem

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DINHEIRO COMO UMA POSSÍVEL FONTE DE CONTAMINAÇÃO POR BACTÉRIAS PATOGÊNICAS

AVALIAÇÃO DO DINHEIRO COMO UMA POSSÍVEL FONTE DE CONTAMINAÇÃO POR BACTÉRIAS PATOGÊNICAS V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 27 AVALIAÇÃO DO DINHEIRO COMO UMA POSSÍVEL FONTE DE CONTAMINAÇÃO POR BACTÉRIAS PATOGÊNICAS Flávia Cristina Salvador 1

Leia mais

BOAS PRÁTICAS EM SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO: Segurança ao Cliente, Sucesso ao seu Negócio!

BOAS PRÁTICAS EM SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO: Segurança ao Cliente, Sucesso ao seu Negócio! BOAS PRÁTICAS EM SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO: Segurança ao Cliente, Sucesso ao seu Negócio! Dra. Marlise Potrick Stefani, MSc Nutricionista Especialista e Mestre em Qualidade, Especialista em Alimentação Coletiva

Leia mais

PROJETO ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL- Coma bem se divertindo Higiene e Saúde Alimentar

PROJETO ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL- Coma bem se divertindo Higiene e Saúde Alimentar PROJETO ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL- Coma bem se divertindo Higiene e Saúde Alimentar Professoras: Eliete, Maria Cristina e Midian INTRODUÇÃO O homem com o seu próprio corpo podem contaminar diretamente os alimentos

Leia mais

Módulo 1 Entendendo a contaminação dos alimentos

Módulo 1 Entendendo a contaminação dos alimentos Módulo 1 Entendendo a contaminação dos alimentos Aula 1 - O que é um Alimento Seguro? Por que nos alimentamos? A alimentação é uma atividade básica para o indivíduo manter- se vivo. Precisamos nos nutrir

Leia mais

Trabalho com a energia da vida. Tenho orgulho disso. Sou Boa Cozinha.

Trabalho com a energia da vida. Tenho orgulho disso. Sou Boa Cozinha. Trabalho com a energia da vida. Tenho orgulho disso. Sou Boa Cozinha. Sou consciente, escolhido por Deus. Sei o que faço. Amo o meu trabalho, amo a vida. Faço o certo. Aqui tem segurança. Sou comprometido

Leia mais

Cartilha do. Manipulador de Alimentos

Cartilha do. Manipulador de Alimentos Cartilha do Manipulador de Alimentos apresenta Cartilha do Manipulador de Alimentos Belezas naturais e lugares maravilhosos, assim é o turismo no Brasil, que se desenvolve a cada dia e ocupa um importante

Leia mais

Segurança de Alimentos: visão e legislação

Segurança de Alimentos: visão e legislação S & S Consultoria Implementação em Sistemas de Gestão da Segurança de Alimentos Segurança de Alimentos: visão e legislação Nut. Dra. Sabrina Bartz Introdução O mundo tem 7 bilhões de pessoas e a garantia

Leia mais

BOAS PRÁTICAS NO PREPARO DE ALIMENTOS

BOAS PRÁTICAS NO PREPARO DE ALIMENTOS BOAS PRÁTICAS NO PREPARO DE ALIMENTOS SÉRIE: SEGURANÇA ALIMENTAR e NUTRICIONAL Autora: Faustina Maria de Oliveira - Economista Doméstica DETEC Revisão: Dóris Florêncio Ferreira Alvarenga Pedagoga Departamento

Leia mais

Preparo de Alimentos Seguros

Preparo de Alimentos Seguros Preparo de Alimentos Seguros O que você precisa saber para preparar um alimento próprio para consumo? Alimento Seguro são aqueles que não oferecem riscos à saúde de quem o está consumindo, ou seja, o alimento

Leia mais

ELEMENTOS DE MICROBIOLOGIA Perigos Microbiológicos

ELEMENTOS DE MICROBIOLOGIA Perigos Microbiológicos ELEMENTOS DE MICROBIOLOGIA Perigos Microbiológicos Rosa Helena Luchese, PhD Departamento de Tecnologia de Alimentos Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro E-mail: rhluche@ufrrj.br CONTAMINANTES DOS

Leia mais

MANUAL DO LABORATÓRIO DE NUTRIÇÃO

MANUAL DO LABORATÓRIO DE NUTRIÇÃO MANUAL DO LABORATÓRIO DE NUTRIÇÃO Manual desenvolvido pela equipe de monitoras, sob a supervisão da disciplina de Tecnologia de Alimentos (Curso de Nutrição) para normatização das atividades desenvolvidas

Leia mais

3 segurança AlimentAr CHRistianne de VasConCelos affonso Jaqueline girnos sonati 19

3 segurança AlimentAr CHRistianne de VasConCelos affonso Jaqueline girnos sonati 19 3 Segurança Al i m e n ta r Christianne de Vasconcelos Affonso Jaqueline Girnos Sonati 19 Segurança Alimentar Atualmente temos muitas informações disponíveis sobre a importância da alimentação e suas conseqüências

Leia mais

HIGIENIZAÇÃO, LIMPEZA E PARAMENTAÇÃO

HIGIENIZAÇÃO, LIMPEZA E PARAMENTAÇÃO Bem Vindos! HIGIENIZAÇÃO, LIMPEZA E PARAMENTAÇÃO Quem sou? Farmacêutica Bioquímica e Homeopata. Especialista em Análises Clínicas, Micologia, Microbiologia e Homeopatia. 14 anos no varejo farmacêutico

Leia mais

"Análises obrigatórias para as várias fontes de abastecimento de água para o consumo"

Análises obrigatórias para as várias fontes de abastecimento de água para o consumo "Análises obrigatórias para as várias fontes de abastecimento de água para o consumo" Dr. Eneo Alves da Silva Jr. Controle Higiênico Sanitário de Alimentos CONTROLE DE ÁGUA NOS ESTABELECIMENTOS RDC 216/Anvisa

Leia mais

CARTILHA DE MANIPULAÇÃO DE ALIMENTOS

CARTILHA DE MANIPULAÇÃO DE ALIMENTOS CARTILHA DE MANIPULAÇÃO DE ALIMENTOS Departamento de Vigilância Sanitária Setor de Fiscalização de Alimentos Introdução De acordo com a publicação da Organização Mundial da Saúde (OMS), mais de 60% dos

Leia mais

Viviane Barreto. Grande quantidade de coliformes em sanduíche

Viviane Barreto. Grande quantidade de coliformes em sanduíche %RF IHFKDG Q SUDLD Análise do Laboratório Bioqualitas, a pedido do DIA, nos produtos vendidos por ambulantes na areia mostra que o melhor é fazer regime. Sanduíches, saladas de frutas, queijo coalho, mate...

Leia mais

Competências Técnicas

Competências Técnicas Missão Atender bem os clientes, com bons produtos, da maneira mais rápida possível, sempre com muita atenção, com os menores preços possíveis, em um local agradável e limpo. Competências Técnicas Formar

Leia mais

COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR. Higienização das Mãos

COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR. Higienização das Mãos COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR *Definição: Higienização das Mãos Lavagem das mãos é a fricção manual vigorosa de toda superfície das mãos e punhos,

Leia mais

Mistérios no banheiro: o que é isso entre os azulejos?

Mistérios no banheiro: o que é isso entre os azulejos? Mistérios no banheiro: o que é isso entre os azulejos? Eixo(s) temático(s) Vida e ambiente Tema Água e vida / o caminho cíclico dos materiais no ambiente / a reprodução e a ocupação de novos ambientes

Leia mais

!"!"!! #$ % $ % & ' ()# * * '* + "!! (, -./. (!!0"!"!!!% (0 "!0"!!12

!!!! #$ % $ % & ' ()# * * '* + !! (, -./. (!!0!!!!% (0 !0!!12 !"!"!! #$ % $ % & ' ()# * * '* + "!! (, -./. (!!0"!"!!!% (0 "!0"!!12 !"+RDC Nº 274, de 22/09/2005, estabelece o regulamento técnico para águas envasadas e gelo #$%!RDC Nº 275, de 22/09/2005, estabelece

Leia mais

POP 01 (Potabilidade da Água) RESTAURANTE...

POP 01 (Potabilidade da Água) RESTAURANTE... POP 01 (Potabilidade da Água) RESTAURANTE... Modelo sugerido por Márcia M M Paranaguá,, em conformidade com as leis da ANVISA. Código: POP - 01 Página: 2 de 6 1 OBJETIVO Estabelecer procedimentos a serem

Leia mais

Procedimento da Higiene das Mãos

Procedimento da Higiene das Mãos HIGIENE DAS MÃOS Pág. 1/7 Objetivo Melhorar as práticas de higiene das mãos dos profissionais de saúde. Reduzir a transmissão cruzada de microrganismos patogénicos. Âmbito Todos os serviços clínicos e

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE PRODUTOS SANEANTES EM DOMICÍLIOS DO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA (RS)¹.

UTILIZAÇÃO DE PRODUTOS SANEANTES EM DOMICÍLIOS DO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA (RS)¹. UTILIZAÇÃO DE PRODUTOS SANEANTES EM DOMICÍLIOS DO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA (RS)¹. DEON, Bárbara Cecconi ²; HECKTHEUER, Luiza Helena³; SACCOL, Silvana 4 ; MEDEIROS, Laissa Benites 5 ; ORSOLIN, Giulianna

Leia mais

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DAS DDA. Patrícia A.F. De Almeida Outubro - 2013

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DAS DDA. Patrícia A.F. De Almeida Outubro - 2013 VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DAS DDA Patrícia A.F. De Almeida Outubro - 2013 INTRODUÇÃO DDA Síndrome causada por vários agentes etiológicos (bactérias, vírus e parasitos) 03 ou mais episódios com fezes líquidas

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE RIO DO OESTE

PREFEITURA MUNICIPAL DE RIO DO OESTE PREFEITURA MUNICIPAL DE RIO DO OESTE PROCESSO SELETIVO Nº001/2010 AUXILIARES DE SERVIÇOS GERAIS NOME DO CANDIDAT0: ASSINATURA: RIO DO OESTE 27 DE JANEIRO DE 2010 Instruções: Antes de começar a realizar

Leia mais

ESTUDO DA QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DE ALIMENTOS COMERCIALIZADOS NA PRAIA DO PRATA PALMAS/TO

ESTUDO DA QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DE ALIMENTOS COMERCIALIZADOS NA PRAIA DO PRATA PALMAS/TO 11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas ESTUDO DA QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DE ALIMENTOS COMERCIALIZADOS NA PRAIA DO PRATA PALMAS/TO OLIVEIRA, T.S.¹; COELHO, A.F.S.² ¹ Aluna bolsista do grupo PET (Programa

Leia mais

Ubiquidade de microorganismos. Introdução. Materiais Necessários

Ubiquidade de microorganismos. Introdução. Materiais Necessários dução Os microorganismos (fungos, bactérias e vírus) são chamados assim por terem um tamanho bastante reduzido. Eles são tão pequenos que não conseguimos enxergá-los a olho nu, mas apenas utilizando microscópio

Leia mais

Diante da pandemia de influenza A (H1N1) e com base no conhecimento atual sobre a disseminação mundial deste novo vírus, o Comitê Estadual de

Diante da pandemia de influenza A (H1N1) e com base no conhecimento atual sobre a disseminação mundial deste novo vírus, o Comitê Estadual de Diante da pandemia de influenza A (H1N1) e com base no conhecimento atual sobre a disseminação mundial deste novo vírus, o Comitê Estadual de Enfrentamento da Influenza A H1N1 elaborou esta cartilha com

Leia mais

INFLUENZA A (H1N1) CARTILHA DE RECOMENDAÇÕES Para empresas, repartições públicas e comércio em geral

INFLUENZA A (H1N1) CARTILHA DE RECOMENDAÇÕES Para empresas, repartições públicas e comércio em geral INFLUENZA A (H1N1) CARTILHA DE RECOMENDAÇÕES Para empresas, repartições públicas e comércio em geral Diante da pandemia de influenza A (H1N1) e com base no conhecimento atual sobre a disseminação mundial

Leia mais

Higienização do Ambiente Hospitalar

Higienização do Ambiente Hospitalar Higienização do Ambiente Hospitalar Enfª Mirella Carneiro Schiavon Agosto/2015 O serviço de limpeza tem por finalidade preparar o ambiente de saúde para suas atividades, mantê-lo em ordem e conservar equipamentos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CARTILHA DO PESCADOR ARTESANAL Boas Práticas na Manipulação dos Produtos da Pesca Artesanal Carmelita de Fátima Amaral Ribeiro Oriana Trindade de Almeida Sérgio Luiz de Medeiros

Leia mais

HIGIENIZAÇÃO HOSPITALAR 2013

HIGIENIZAÇÃO HOSPITALAR 2013 HIGIENIZAÇÃO HOSPITALAR 2013 O Hospital realiza uma combinação complexa de atividades especializadas, onde o serviço de Higienização e Limpeza ocupam um lugar de grande importância. Ao se entrar em um

Leia mais

Bactérias que fazem mal à saúde e indicam falta de higiene foram detectadas nas maçanetas de banheiros analisados pelo Laboratório Bioqualitas

Bactérias que fazem mal à saúde e indicam falta de higiene foram detectadas nas maçanetas de banheiros analisados pelo Laboratório Bioqualitas ! %DQKHLURV" # # TX FD Bactérias que fazem mal à saúde e indicam falta de higiene foram detectadas nas maçanetas de banheiros analisados pelo Laboratório Bioqualitas Viviane Barreto Sem estar armado com

Leia mais

Ana Carolina Pedrosa ¹ ; Silvia Helena ZacariasSylvestre ¹ ; Gracie Ferraz Rodrigues Fernandes 1

Ana Carolina Pedrosa ¹ ; Silvia Helena ZacariasSylvestre ¹ ; Gracie Ferraz Rodrigues Fernandes 1 International Journal Of Medical Science And Clinical Inventions Volume 2 issue 07 page no. 1126-1134 ISSN: 2348-991X Available Online At: http://valleyinternational.net/index.php/our-jou/ijmsci Avaliação

Leia mais

DIREÇÃO DE COMPROVAÇÃO DA QUALIDADE. Qualidade Microbiológica de Colutórios e Elixires

DIREÇÃO DE COMPROVAÇÃO DA QUALIDADE. Qualidade Microbiológica de Colutórios e Elixires DIREÇÃO DE COMPROVAÇÃO DA QUALIDADE Qualidade Microbiológica de Colutórios e Elixires Enquadramento O INFARMED Autoridade Nacional do Medicamento e Produtos de Saúde, I.P., enquanto Autoridade Competente

Leia mais

Controle de populações microbianas: eficácia da ação de desinfetantes sobre superfícies inertes

Controle de populações microbianas: eficácia da ação de desinfetantes sobre superfícies inertes Departamento de Microbiologia Instituto de Ciências Biológicas Universidade Federal de Minas Gerais http://www.icb.ufmg.br/mic Controle de populações microbianas: eficácia da ação de desinfetantes sobre

Leia mais

GUIA PARA UMA ALIMENTAÇÃO SEGURA

GUIA PARA UMA ALIMENTAÇÃO SEGURA GUIA PARA UMA ALIMENTAÇÃO SEGURA Série Qualidade e Segurança dos Alimentos GUIA PARA UMA ALIMENTAÇÃO SEGURA Série Qualidade e Segurança dos Alimentos 2 0 0 7 2007. SENAI Departamento Nacional Todos os

Leia mais

Boas práticas na manipulação do pescado

Boas práticas na manipulação do pescado Boas práticas na manipulação do pescado O Brasil tem uma grande variedade de pescados e todas as condições para a produção deste alimento saudável e saboroso. Para que o pescado continue essa fonte rica

Leia mais

AEMS- FACULDADES INTEGRADAS DE TRÊS LAGOAS MS

AEMS- FACULDADES INTEGRADAS DE TRÊS LAGOAS MS AEMS- FACULDADES INTEGRADAS DE TRÊS LAGOAS MS ASSEPSIA E CONTROLE DE INFECÇÃO Prof. MARCELO ALESSANDRO RIGOTTI LICENCIADO EM ENFERMAGEM e ESPECIALISTA EM CONTROLE DE INFEÇÃO Mestrando pela Escola de Enfermagem

Leia mais

BIOLÓGICA CONTAMINAÇÃO. O risco invisível na era do Alimento Seguro CAPA. Por Francine Pupin e Juliana Haddad Tognon

BIOLÓGICA CONTAMINAÇÃO. O risco invisível na era do Alimento Seguro CAPA. Por Francine Pupin e Juliana Haddad Tognon CONTAMINAÇÃO BIOLÓGICA O risco invisível na era do Alimento Seguro Por Francine Pupin e Juliana Haddad Tognon O consumidor, ao olhar aquela fruta linda no supermercado, não nota os perigos escondidos nela.

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DO TRATAMENTO DA ÁGUA NA ETA JOSÉ LOUREIRO DA SILVA ATRAVÉS DE PARÂMETROS BACTERIOLÓGICOS.

AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DO TRATAMENTO DA ÁGUA NA ETA JOSÉ LOUREIRO DA SILVA ATRAVÉS DE PARÂMETROS BACTERIOLÓGICOS. AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DO TRATAMENTO DA ÁGUA NA ETA JOSÉ LOUREIRO DA SILVA ATRAVÉS DE PARÂMETROS BACTERIOLÓGICOS. Cristina C. Andriotti, Luciane Balestrin Reda, Ana Rita Moriconi, Ilo César Garcia e Marcelo

Leia mais

DELTA DO JACUÍ ILHAS DA PINTADA, GRANDE DOS MARINHEIROS, FLORES E PAVÃO: Estudo Preliminar de Viabilidade para Tratamento de Esgoto

DELTA DO JACUÍ ILHAS DA PINTADA, GRANDE DOS MARINHEIROS, FLORES E PAVÃO: Estudo Preliminar de Viabilidade para Tratamento de Esgoto DELTA DO JACUÍ ILHAS DA PINTADA, GRANDE DOS MARINHEIROS, FLORES E PAVÃO: Estudo Preliminar de Viabilidade para Tratamento de Esgoto Área temática: Saúde Pública/Vigilância Sanitária e Ambiental Trabalho

Leia mais

Introdução ao Tratamento de Esgoto. Prof. Dra Gersina Nobre da R.C.Junior

Introdução ao Tratamento de Esgoto. Prof. Dra Gersina Nobre da R.C.Junior Introdução ao Tratamento de Esgoto Prof. Dra Gersina Nobre da R.C.Junior PARÂMETROS QUÍMICOS DO ESGOTO Sólidos ph Matéria Orgânica(MO) Nitrogênio Total Fóforo Total PARÂMETROS QUÍMICOS DO ESGOTO ph Potencial

Leia mais

DIAGNÓSTICO DA QUALIDADE DE ÁGUA NO ENTORNO DE UM CEMITÉRIO EM JACI-PARANÁ (RO), AMAZÔNIA OCIDENTAL.

DIAGNÓSTICO DA QUALIDADE DE ÁGUA NO ENTORNO DE UM CEMITÉRIO EM JACI-PARANÁ (RO), AMAZÔNIA OCIDENTAL. DIAGNÓSTICO DA QUALIDADE DE ÁGUA NO ENTORNO DE UM CEMITÉRIO EM JACI-PARANÁ (RO), AMAZÔNIA OCIDENTAL. MAYAME MARTINS COSTA Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Rondônia Campus Colorado

Leia mais

SEGURANÇA ALIMENTAR E DTAS. Ana Paula Haas. Nutricionista - CRN2 8431

SEGURANÇA ALIMENTAR E DTAS. Ana Paula Haas. Nutricionista - CRN2 8431 SEGURANÇA ALIMENTAR E DTAS Ana Paula Haas Nutricionista - CRN2 8431 Segurança Alimentar Objetivos: Garantir acesso ao alimento em quantidade e qualidade adequadas, de forma permanente; Aproveitar ao máximo

Leia mais

Tratamento de cama de aves para sua reutilização

Tratamento de cama de aves para sua reutilização Tratamento de cama de aves para sua reutilização Valéria M. N. Abreu Cuiabá, 04 de maio 2010 Introdução evitar o contato direto das aves com o piso; servir de substrato para a absorção da umidade do ambiente;

Leia mais

30/8/2010 BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO. BPF_ BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO Parte 1

30/8/2010 BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO. BPF_ BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO Parte 1 São conjunto de princípios e regras que ajudam a reduzir, prevenir e evitar os perigos dos alimentos. BPF_ BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO Parte 1 Condutas para o Controle Higiênico-Sanitário de Alimentos

Leia mais

DOENÇAS MICROBIANAS DE ORIGEM ALIMENTAR. Palavras chaves: alimento, infecção alimentar, intoxicação alimentar, bactérias, manipuladores.

DOENÇAS MICROBIANAS DE ORIGEM ALIMENTAR. Palavras chaves: alimento, infecção alimentar, intoxicação alimentar, bactérias, manipuladores. 1 DOENÇAS MICROBIANAS DE ORIGEM ALIMENTAR Ana Flávia Machado Teixeira Resumo As doenças microbianas de origem alimentar são transmitidas por ingestão de alimentos e água contaminados por microrganismos

Leia mais

PESQUISAS COM AGENTES BIOLÓGICOS POTENCIALMENTE PERIGOSOS

PESQUISAS COM AGENTES BIOLÓGICOS POTENCIALMENTE PERIGOSOS PESQUISAS COM AGENTES BIOLÓGICOS POTENCIALMENTE PERIGOSOS Projetos que utilizem microorganismos (bactérias, vírus, viróides, fungos, parasitas, etc.), tecnologias com DNA recombinante (rdna) ou tecidos,

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÕES PARA MANIPULAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E INTERCORRÊNCIAS NA UTILIZAÇÃO DE DIETAS ENTERAIS

MANUAL DE ORIENTAÇÕES PARA MANIPULAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E INTERCORRÊNCIAS NA UTILIZAÇÃO DE DIETAS ENTERAIS MANUAL DE ORIENTAÇÕES PARA MANIPULAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E INTERCORRÊNCIAS NA UTILIZAÇÃO DE DIETAS ENTERAIS 2ª edição SUMÁRIO Nutrição Enteral: definição 1. Cuidados no preparo da Nutrição Enteral Higiene

Leia mais

Drª Viviane Maria de Carvalho Hessel Dias Infectologista Presidente da Associação Paranaense de Controle de Infecção Hospitalar 27/09/2013

Drª Viviane Maria de Carvalho Hessel Dias Infectologista Presidente da Associação Paranaense de Controle de Infecção Hospitalar 27/09/2013 Drª Viviane Maria de Carvalho Hessel Dias Infectologista Presidente da Associação Paranaense de Controle de Infecção Hospitalar 27/09/2013 Conceitos Básicos Organismo Vivo Conceitos Básicos Organismo Vivo

Leia mais

DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS CURSO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS CURSO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS CURSO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PEQUENOS VETORES GRANDES PREJUÍZOS JOÃO MARCILIO DA SILVA REBOUÇAS RIO DE JANEIRO RJ 2005 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 PÚBLICO ALVO... 4 IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

PROTOCOLO HIGIENIZAÇÃO DAS MÃOS

PROTOCOLO HIGIENIZAÇÃO DAS MÃOS 1 páginas É um termo geral que se aplica às atividades de lavar as mãos ou friccioná-las com álcool gel. Essa higiene é considerada a medida mais eficaz para evitar a disseminação de infecções. PARA QUE

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRONIZADO P O P

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRONIZADO P O P PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRONIZADO P O P P O P DEFINIÇÃO É uma descrição detalhada de todas as operações necessárias para a realização de uma atividade. É um roteiro padronizado para realizar uma atividade.

Leia mais

CONSULTE-NOS: (98) 3248-3957 (98) 3226-3305

CONSULTE-NOS: (98) 3248-3957 (98) 3226-3305 GEL MEGA 70 INPM 500G PUMP GEL MEGA 70º INPM 4700G ASSEPSIA A linha de Gel Anti-séptico Mega foi desenvolvida com fórmula ativa que mata os germes e bactérias instantaneamente. Além disso, proporciona

Leia mais

Princípios de Higiene Pessoal para Manipuladores da Indústria de Latícinios

Princípios de Higiene Pessoal para Manipuladores da Indústria de Latícinios MINISTERIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO 55 ISSN 0103-6068 Dezembro, 2003 Princípios de Higiene Pessoal para Manipuladores da Indústria de Latícinios Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária

Leia mais

O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais,

O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais, DECRETO N.º 23915, DE 13 DE JANEIRO DE 2004 DISPÕE SOBRE O LICENCIAMENTO SANITÁRIO A QUE ESTÃO SUJEITOS OS SALÕES DE CABELEIREIROS, OS INSTITUTOS DE BELEZA, ESTÉTICA, PODOLOGIA E ESTABELECIMENTOS CONGÊNERES;

Leia mais

Data de Vigência: Página 1 de 8. 1- Objetivo: Prevenir doenças e livrar o ambiente de pragas, insetos e roedores.

Data de Vigência: Página 1 de 8. 1- Objetivo: Prevenir doenças e livrar o ambiente de pragas, insetos e roedores. Data de Vigência: Página 1 de 8 1- Objetivo: Prevenir doenças e livrar o ambiente de pragas, insetos e roedores. 2- Aplicação: 3- Procedimentos: Este procedimento aplica-se a cozinha e refeitório. 3.1-

Leia mais

Passos para se proteger do Ébola enquanto aguarda por assistência Documento para a Guiné-Bissau

Passos para se proteger do Ébola enquanto aguarda por assistência Documento para a Guiné-Bissau Passos para se proteger do Ébola enquanto aguarda por assistência Documento para a Guiné-Bissau 1 Lembre-se de três coisas Não tocar Isole a pessoa doente Ligue para a linha de apoio 2 Se pensa que alguém

Leia mais

MATERIAIS, UTENSÍLIOS E PRODUTOS UTILIZADOS PELO SERVIÇO DE HIGIENE: O RACIONAL TEÓRICO, CONTROVÉRSIAS E A PRÁTICA

MATERIAIS, UTENSÍLIOS E PRODUTOS UTILIZADOS PELO SERVIÇO DE HIGIENE: O RACIONAL TEÓRICO, CONTROVÉRSIAS E A PRÁTICA MATERIAIS, UTENSÍLIOS E PRODUTOS UTILIZADOS PELO SERVIÇO DE HIGIENE: O RACIONAL TEÓRICO, CONTROVÉRSIAS E A PRÁTICA Isa Rodrigues Silveira isa@hu.usp.br Considerações sobre a HIGIENE HOSPITAR... O papel

Leia mais

O NÚMERO DE BACTÉRIAS

O NÚMERO DE BACTÉRIAS O NÚMERO DE BACTÉRIAS A CONTAGEM EM PLACAS A contagem em placas é um dos métodos mais utilizados para determinar qual o número de microrganismos viáveis em um meio líquido. Quando a concentração é baixa,

Leia mais

Procedimentos Operacionais NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA ELABORADO POR

Procedimentos Operacionais NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA ELABORADO POR Versão: 1 Pg: 1/9 NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA ELABORADO POR Mônica Regina Viera Coordenadora 05/09/2009 DE ACORDO Ivo Fernandes Sobreiro Gerente da Qualidade 08/09/2009 APROVADO POR Dr. Renato de Lacerda

Leia mais

Qual é o método mais fácil e seguro de desinfecção d água e superfícies?

Qual é o método mais fácil e seguro de desinfecção d água e superfícies? Qual é o método mais fácil e seguro de desinfecção d água e superfícies? Compostos que liberam cloro em contato com a água são os desinfetantes mais comuns. Cloro Gás Hipoclorito de sódio Hipoclorito de

Leia mais

ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DA ÁGUA DO POÇO ARTESIANO DO DISTRITO DE SÃO JOSÉ, PR

ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DA ÁGUA DO POÇO ARTESIANO DO DISTRITO DE SÃO JOSÉ, PR 5 a 8 de Outubro de 11 ISBN 97885884551 ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DA ÁGUA DO POÇO ARTESIANO DO DISTRITO DE SÃO JOSÉ, PR Jackeline Mondini 1 ; Jéssica Cristina Da Silva 1 ; Leia Carolina Lúcio RESUMO: A água

Leia mais

BOAS PRÁTICAS EM CONSULTÓRIOS MÉDICOS. Alessandra Lima

BOAS PRÁTICAS EM CONSULTÓRIOS MÉDICOS. Alessandra Lima BOAS PRÁTICAS EM CONSULTÓRIOS MÉDICOS Alessandra Lima PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO DOS 2005: 5 ENF 2006: 2 ENF 2007: 3 ENF CONSULTÓRIOS MÉDICOS 2009: 2 ENF 2008 3 ENF Necessidade de mudança do foco: Preocupação

Leia mais

POP S- Procedimentos Operacionais Padronizados

POP S- Procedimentos Operacionais Padronizados POP S- Procedimentos Operacionais Padronizados ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO, CULTURA E ESPORTE SUPERINTENDÊNCIA DE GESTÃO, PLANEJAMENTO E FINANÇAS GERÊNCIA DE MERENDA ESCOLAR NÚCLEO

Leia mais

ORIENTAÇÕES BÀSICAS DE HIGIENE PESSOAL DO PROFISSIONAL DE SAÚDE

ORIENTAÇÕES BÀSICAS DE HIGIENE PESSOAL DO PROFISSIONAL DE SAÚDE ÁREA 1 - HIGIENE E ANTISSEPSIA PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO Número: POP 001 ORIENTAÇÕES BÀSICAS DE HIGIENE PESSOAL DO PROFISSIONAL DE SAÚDE EXECUTANTE: Todos os profissionais da equipe de saúde. ÁREA:

Leia mais

MICROBIOTA OU FLORA NORMAL DO CORPO HUMANO

MICROBIOTA OU FLORA NORMAL DO CORPO HUMANO MICROBIOTA OU FLORA NORMAL DO CORPO HUMANO Disciplina: Microbiia e Parasitia Patrícia de Lima Martins INTRODUÇÃO O que é Microbiota? MICROBIOTA São os microrganismos (bactérias, fungos, vírus e protozoários)

Leia mais

Metodologias de Avaliação do Tratamento da Água do lago Guaíba com Base na Bactéria Bioindicadora Escherichia coli. Resumo

Metodologias de Avaliação do Tratamento da Água do lago Guaíba com Base na Bactéria Bioindicadora Escherichia coli. Resumo Metodologias de Avaliação do Tratamento da Água do lago Guaíba com Base na Bactéria Bioindicadora Escherichia coli. Juliano de Oliveira Nunes 1,2 Leonardo Galetto 1,2 Resumo O tratamento de água, é de

Leia mais

Por que os alimentos estragam? Introdução. Materiais Necessários

Por que os alimentos estragam? Introdução. Materiais Necessários Intro 01 Introdução Quando deixamos um alimento aberto ou fora da geladeira por alguns dias, ele estraga. Aparece mofo, bolor e, dependendo da quantidade de tempo, pode aparecer até larvas. O tipo de alimento

Leia mais

MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE PARA A COMUNIDADE ESCOLAR. INFLUENZA A H1N1 junho de 2011

MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE PARA A COMUNIDADE ESCOLAR. INFLUENZA A H1N1 junho de 2011 CENTRO ESTADUAL DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE PARA A COMUNIDADE ESCOLAR INFLUENZA A H1N1 junho de 2011 Medidas de prevenção: Higienizar as mãos com água e sabonete/sabão antes

Leia mais

39 Por que ferver a água antes de beber?

39 Por que ferver a água antes de beber? A U A UL LA Por que ferver a água antes de beber? Todo ano seu Antônio viaja para o litoral com a família e enfrenta sempre os mesmos problemas: congestionamento na estrada, praias lotadas e sujas que,

Leia mais

L R ECOLÓGICO. Conheça os produtos AMWAY HOME e faça parte de um Lar Ecológico.

L R ECOLÓGICO. Conheça os produtos AMWAY HOME e faça parte de um Lar Ecológico. Conheça os produtos AMWAY HOME e faça parte de um Lar Ecológico. Eles lhe permitirão cuidar da sua família e do meio ambiente, já que contêm Bioquest Formula, que é biodegradável, concentrada, dermatologicamente

Leia mais

Objectivos Pedagógicos

Objectivos Pedagógicos Programa de Ciências da Natureza 6º Ano Tema: Ambiente de Vida Capítulo II- Agressões do meio e integridade do organismo 1) A Higiene Este capítulo tem como objectivo ensinar aos alunos que a falta de

Leia mais

Na área de trabalho de uma unidade de processamento de pescado

Na área de trabalho de uma unidade de processamento de pescado Na área de trabalho de uma unidade de processamento de pescado 46 C-52 C 115 F-125 F 00:00:20 Todas as pessoas que entram na área de trabalho de uma unidade de processamento de pescado devem vestir roupas

Leia mais

XXVII Congresso Interamericano de Engenharia Sanitária e Ambiental

XXVII Congresso Interamericano de Engenharia Sanitária e Ambiental III-093 - TRATAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE VIA ESTERILIZAÇÃO POR VAPOR ÚMIDO E ALTO VÁCUO ASSOCIADO A MICROONDAS - ANÁLISE DA EFICIÊNCIA DO PROCESSO EM UM ESTABELECIMENTO HOSPITALAR Vania Elisabete

Leia mais

Importância da Higiene

Importância da Higiene Importância da Higiene Anexo 1 1 Semana Pedagógica 1º semestre - 2016 Anexo I Importância da Higiene Você sabe o que é higiene? Higiene é o conjunto de medidas que tomamos para eliminar a sujeira, que

Leia mais

METODOLOGIAS UTILIZADAS PARA ANÁLISES MICROBIOLÓGICAS. Tipo de amostra Análises SIF - Método CQ - Método

METODOLOGIAS UTILIZADAS PARA ANÁLISES MICROBIOLÓGICAS. Tipo de amostra Análises SIF - Método CQ - Método METODOLOGIAS UTILIZADAS PARA ANÁLISES MICROBIOLÓGICAS Tipo de amostra Análises SIF Método CQ Método Água M 04 Contagem de Clostridium perfringens Membrana Filtrante M 08 Contagem de Coliforme Total Membrana

Leia mais

INTRODUÇÃO ÀS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO (BPF)

INTRODUÇÃO ÀS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO (BPF) UFSC Universidade Federal de Santa Catarina Depto. de Eng. Química e de Eng. de Alimentos EQA 5221 - Turma 945 Higiene e Legislação de Alimentos INTRODUÇÃO ÀS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO (BPF) As BPF têm

Leia mais

L E P T O S P I R O S E

L E P T O S P I R O S E L E P T O S P I R O S E Elaborado por: Francisco Pinheiro Moura Médico Veterinário E-mail: bergson.moura@saude.ce.gov.br bergson.moura@live.com Definição Leptospirose é uma doença infecciosa que causa

Leia mais

POP 02 (Higienização de Ambientes e Superfícies ) RESTAURANTE...

POP 02 (Higienização de Ambientes e Superfícies ) RESTAURANTE... Página 1 POP 02 (Higienização de Ambientes e Superfícies ) RESTAURANTE... Modelo sugerido por Márcia M M Paranaguá, CRN 0434/5, em conformidade com as leis da ANVISA Página 2 1. OBJETIVOS - Estabelecer

Leia mais

Segurança Alimentar no Ambiente Escolar

Segurança Alimentar no Ambiente Escolar 4 Segurança Alimentar no Ambiente Escolar Cleliani de Cassia da Silva Especialista em Nutrição, Saúde e Qualidade de Vida UNICAMP segurança alimentar e nutricional é definida pelo Conselho Nacional de

Leia mais

MELHORIAS SANITÁRIAS E SEUS USOS EM COMUNIDADES NO ESTADO DA BAHIA

MELHORIAS SANITÁRIAS E SEUS USOS EM COMUNIDADES NO ESTADO DA BAHIA MELHORIAS SANITÁRIAS E SEUS USOS EM COMUNIDADES NO ESTADO DA BAHIA Silvio Roberto Magalhães Orrico Jennifer Conceição Carvalho Teixeira de Matos Ricardo Silveira Bernardes Patrícia Campos Borja Cristiane

Leia mais

"Oswego": Um Surto Epidêmico de Gastroenterite

Oswego: Um Surto Epidêmico de Gastroenterite FA C U L D A D E D E S A Ú D E P Ú B L I C A U N I V E R S I D A D E D E S Ã O P A U L O Série Vigilância em Saúde Pública E X E R C Í C I O N º 5 "Oswego": Um Surto Epidêmico de Gastroenterite Exercício

Leia mais

Autor(es): PIRES, Patrícia; MINHUEY, Nestor Raul Instituição: UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC

Autor(es): PIRES, Patrícia; MINHUEY, Nestor Raul Instituição: UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC Titulo: ESTUDO COMPARATIVO DA MICROBIOTA ENCONTRADA NO AMBIENTE ODONTOLÓGICO DURANTE UM DIA DE TRABALHO SOB VENTILAÇÃO NATURAL E NA SUPERFÍCIE DO AR CONDICIONADO. Autor(es): PIRES, Patrícia; MINHUEY, Nestor

Leia mais

MANUAL MASTITE BOVINA INFORMATIVO BPA 34 3818-1300 34 9684-3150. bpa@cemil.com.br REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA

MANUAL MASTITE BOVINA INFORMATIVO BPA 34 3818-1300 34 9684-3150. bpa@cemil.com.br REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA ilustra BPA REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA Normativa nº 51 18/09/2002. Regulamentos Técnicos de Produção, Identidade e Qualidade do Leite tipo A, do Leite tipo B, do Leite tipo C, do Leite Pasteurizado e do

Leia mais

FISPQ Ficha de Informação de Segurança de Produtos Químicos em acordo com a NBR 14725-4:2009

FISPQ Ficha de Informação de Segurança de Produtos Químicos em acordo com a NBR 14725-4:2009 Nome do Produto: TRIMECLOR 75 Página 1 de 5 1. Identificação do Produto e da Empresa Nome do Produto: TRIMECLOR 75 Nome da empresa: FARMABASE SAÚDE ANIMAL LTDA. Av. Emílio Marconato, 1000 Galpão A3 Chácara

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ - SESA SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA. Nota Técnica nº 08/13 DVVSA/CEVS/SESA 29 de agosto 2013.

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ - SESA SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA. Nota Técnica nº 08/13 DVVSA/CEVS/SESA 29 de agosto 2013. SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ - SESA SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA Nota Técnica nº 08/13 DVVSA/CEVS/SESA 29 de agosto 2013. BOAS PRÁTICAS PARA COMÉRCIO AMBULANTE DE ALIMENTOS A Secretaria do

Leia mais

UMIDIFICADOR DE AR ECOLÓGICO FEITO COM SUCATA

UMIDIFICADOR DE AR ECOLÓGICO FEITO COM SUCATA UMIDIFICADOR DE AR ECOLÓGICO FEITO COM SUCATA Nesses dias de baixíssima umidade relativa do ar, qualquer pessoa poderá fazer em poucos minutos um umidificador de ar ecológico que não consome energia elétrica

Leia mais

Professor Antônio Ruas. 1. Créditos: 60 2. Carga horária semanal: 4 3. Semestre: 2 4. Introdução ao estudo dos esgotos.

Professor Antônio Ruas. 1. Créditos: 60 2. Carga horária semanal: 4 3. Semestre: 2 4. Introdução ao estudo dos esgotos. Universidade Estadual do Rio Grande do Sul Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental Componente curricular: Saneamento Básico e Saúde Pública Aula 7 Professor Antônio Ruas 1. Créditos: 60 2. Carga

Leia mais

Manual de Instrucoes. Carro Termico. o futuro chegou a cozinha. refrigeracao coccao linha modular exposicao distribuicao apoio

Manual de Instrucoes. Carro Termico. o futuro chegou a cozinha. refrigeracao coccao linha modular exposicao distribuicao apoio Manual de Instrucoes Carro Termico o futuro chegou a cozinha refrigeracao coccao linha modular exposicao distribuicao apoio Obrigado por ter adquirido Equipamentos ELVI É com satisfação que entregamos

Leia mais

Prática 1 MATERIAL E TÉCNICAS BÁSICAS UTILIZADAS NO LABORATÓRIO DE MICROBIOLOGIA

Prática 1 MATERIAL E TÉCNICAS BÁSICAS UTILIZADAS NO LABORATÓRIO DE MICROBIOLOGIA Prática 1 MATERIAL E TÉCNICAS BÁSICAS UTILIZADAS NO LABORATÓRIO DE MICROBIOLOGIA Prática 1 Microrganismos Localização em todos os ambientes naturais; Populações mistas; Necessidade de isolamento. Cultura

Leia mais

TÍTULO: ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DE SUCO DE LARANJA IN NATURA COMERCIALIZADOS EM QUIOSQUES DAS PRAIAS DE SANTOS (SP)

TÍTULO: ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DE SUCO DE LARANJA IN NATURA COMERCIALIZADOS EM QUIOSQUES DAS PRAIAS DE SANTOS (SP) TÍTULO: ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DE SUCO DE LARANJA IN NATURA COMERCIALIZADOS EM QUIOSQUES DAS PRAIAS DE SANTOS (SP) CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS INSTITUIÇÃO:

Leia mais

20 amostras de água. Figura 1- Resultados das amostras sobre a presença de coliformes fecais E.coli no bairro nova Canãa. sem contaminação 15%

20 amostras de água. Figura 1- Resultados das amostras sobre a presença de coliformes fecais E.coli no bairro nova Canãa. sem contaminação 15% OS IMPACTOS DAS FOSSAS SÉPTICAS NO AMBIENTE E NO DESENVOLVIMENTO INTELECTUAL DOS ALUNOS DA ESCOLA MARIA IRANY RODRIGUES DA SILVA NO BAIRRO NOVA CANAÃ, NOVA IPIXUNA-PARÁ. Jordana Neta Vicente (1); Douglas

Leia mais

TÍTULO: ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DE BANHEIROS DE BARES DO MUNICÍPIO DE ANÁPOLIS

TÍTULO: ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DE BANHEIROS DE BARES DO MUNICÍPIO DE ANÁPOLIS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DE BANHEIROS DE BARES DO MUNICÍPIO DE ANÁPOLIS CATEGORIA: EM ANDAMENTO

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO CONTROLE HIGIÊNICO-SANITÁRIO PARA A OBTENÇÃO DE ALIMENTOS SEGUROS

A IMPORTÂNCIA DO CONTROLE HIGIÊNICO-SANITÁRIO PARA A OBTENÇÃO DE ALIMENTOS SEGUROS A IMPORTÂNCIA DO CONTROLE HIGIÊNICO-SANITÁRIO PARA A OBTENÇÃO DE ALIMENTOS SEGUROS RESUMO Carla Catiúscia Ferreira Gomes 1 Rosângela Gomes Rodrigues 2 O presente trabalho é resultado do aprendizado adquirido

Leia mais

Limpando a Caixa D'água

Limpando a Caixa D'água Limpando a Caixa D'água É muito importante que se faça a limpeza no mínimo 2 (duas) vezes ao ano. Caixas mal fechadas/tampadas permitem a entrada de pequenos animais e insetos que propiciam sua contaminação.

Leia mais