1. INTRODUÇÃO Principais utilizadores/destinatários Tipificação dos serviços prestados OBJETIVOS E ESTRATÉGIAS...

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1. INTRODUÇÃO... 5. 2.1 Principais utilizadores/destinatários... 9 2.2 Tipificação dos serviços prestados... 10 3. OBJETIVOS E ESTRATÉGIAS..."

Transcrição

1 Plano de Atividades 2014

2 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO Missão Atribuições da DGPJ Legislação e regulamentação interna Organograma CARATERIZAÇÃO DO AMBIENTE EXTERNO E INTERNO Principais utilizadores/destinatários Tipificação dos serviços prestados OBJETIVOS E ESTRATÉGIAS Enquadramento Objetivos estratégicos e operacionais PROJETOS E ATIVIDADES A DESENVOLVER Projetos a desenvolver no cumprimento dos Objetivos Estratégicos Atividades não diretamente relacionadas com os Objetivos Operacionais RECURSOS HUMANOS E FINANCEIROS Recursos Humanos Recursos Financeiros

3 Siglas e acrónimos Unidades orgânicas da DGPJ: CDI Centro de Documentação e Informação DEJ Divisão de Estatísticas da Justiça DGRH Divisão de Gestão de Recursos Humanos DGRMF Divisão de Gestão de Recursos Materiais e Financeiros DI - Divisão Informática DSEJI Direção de Serviços das Estatísticas da Justiça e Informática DSGR Direção de Serviços de Gestão de Recursos GRI Gabinete Relações Internacionais PE Planeamento Estratégico PL Política Legislativa UCI Unidade de Cooperação Internacional UJC Unidade para a Justiça Civil, Cidadania e Contencioso Internacional UJP Unidade para a Justiça Penal Outras siglas e acrónimos utilizados no texto do presente Plano: ADSE - Assistência na Doença aos Servidores Civis do Estado ANCP - Agência Nacional de Compras Públicas APSDI - Associação para a Promoção e desenvolvimento da Sociedade de Informação BEP - Bolsa de Emprego Público CCAS - Conselho Coordenador de Avaliação de Serviços CGA - Caixa Geral de Aposentações CMJPLOP Conferência dos Ministros da Justiça dos Países de Língua Oficial Portuguesa COMJIB Conferência Ministros Justiça Ibero Americanos CPLP Comunidade dos Países de Língua Portuguesa DGO - Direção-Geral do Orçamento DGPJ - Direção-Geral da Política de Justiça DIAP - Departamento de Investigação e Ação Penal FUESEN - Ficheiro de Unidades Estatísticas para o Sistema Estatístico Nacional GeADAP Gestão Integrada da Avaliação de Desempenho da Administração Pública GAFI - Grupo de Ação Financeira Internacional 3

4 GAFISUD - Grupo de Ação Financeira da América do Sul contra a Lavagem de Dinheiro e o Financiamento do Terrorismo GERFIP - Gestão de Recursos Financeiros em modo partilhado GOP Grandes Opções do Plano IGFEJ, I. P. - Instituto de Gestão Financeira e Equipamentos de Justiça, I. P. INE - Instituto Nacional de Estatística JOUE - Jornal Oficial da União Europeia MJ- Ministério da Justiça MNE - Ministério dos Negócios Estrangeiros MRAL - Meios de Resolução Alternativa de Litígios OCDE - Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico OE Orçamento de Estado PALOP Países Africanos Língua Oficial Portuguesa PER - Processo Especial de Revitalização PG - Programa do Governo PIDDAC - Plano de Investimento e Desenvolvimento da Administração Central PLOP Países Língua Oficial Portuguesa PNUD - Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento PRACE - Programa de Reestruturação da Administração Central do Estado QUAR Quadro de Avaliação e Responsabilização RCLUE / NCLEU - Rede de Cooperação Legislativa dos Ministérios da Justiça da União Europeia RCTFP - Regime do Contrato de Trabalho em Funções Públicas SGPS - Sociedade Gestora de Participações Sociais SIADAP - Sistema Integrado de Gestão e Avaliação do Desempenho na Administração Pública SIEJ - Sistema de Informação das Estatísticas da Justiça SIOE - Sistema de Informação da Organização do Estado SMF - Sistema de Mediação Familiar SML - Sistema de Mediação Laboral SMP - Sistema de Mediação Penal TEDH - Tribunal Europeu dos Direitos do Homem TJUE - Tribunal de Justiça da União Europeia UNODC - United Nations Office on Drugs and Crime 4

5 1. INTRODUÇÃO 1.1 Missão A Direção-Geral da Política de Justiça (DGPJ) é um serviço central da administração direta do Estado, dotado de autonomia administrativa e tem por missão prestar apoio técnico, acompanhar e monitorizar políticas, organizar e fomentar o recurso aos tribunais arbitrais, aos julgados de paz e a outros meios extrajudiciais de resolução de conflitos, assegurando o planeamento estratégico e a coordenação das relações externas e de cooperação, e é responsável pela informação estatística da área da justiça (artigo 2º, n.º 1 do Decreto-Lei n.º 163/2012, de 31 de julho). 1.2 Atribuições da DGPJ A DGPJ prossegue as seguintes atribuições definidas na sua lei orgânica (artigo 2º, n.º 2 do Decreto-Lei n.º 163/2012, de 31 de julho): Apoiar o planeamento, a conceção, o acompanhamento e a avaliação das políticas, objetivos e prioridades do Ministério da Justiça (MJ), bem como o desenvolvimento de meios extrajudiciais de resolução de conflitos e a definição e execução de políticas no domínio da justiça com a União Europeia, outros governos e organizações internacionais; Conceber, preparar, analisar e apoiar tecnicamente a execução de iniciativas, medidas legislativas, políticas e programas no âmbito do MJ e proceder à sua avaliação; Apoiar a criação e a operacionalização de meios extrajudiciais de composição de conflitos, designadamente a mediação, a conciliação e a arbitragem; Promover a criação e apoiar o funcionamento de centros de arbitragem, julgados de paz e sistemas de mediação; Assegurar os mecanismos adequados de acesso ao direito, designadamente nos domínios da informação e consultas jurídicas e do apoio judiciário; 5

6 Participar na conceção e colaborar com o Instituto de Gestão Financeira e Equipamentos de Justiça, I. P. (IGFEJ, I. P.), no desenvolvimento, na implantação, no funcionamento e na evolução dos sistemas de informação; Coordenar a preparação dos planos de ação, anual e de médio prazo, do MJ, numa ótica de gestão por objetivos, procedendo ao seu acompanhamento e à avaliação da sua execução; Coordenar e orientar os processos setoriais de planeamento do MJ, auxiliando no desenvolvimento de planos estratégicos para a rede judiciária e para os diversos serviços da administração da justiça, antecipando e acompanhando as alterações sociais, económicas e normativas na caracterização, localização e atividade dos órgãos, serviços e organismos na área da justiça; Proceder à elaboração de documentos estratégicos para a área da justiça, nomeadamente através da formulação de contributos para as Grandes Opções do Plano, acompanhando e avaliando a sua execução; Conceber, elaborar e difundir instrumentos de planeamento e de avaliação das políticas desenvolvidas no âmbito do MJ; Assegurar o desenvolvimento dos sistemas de avaliação de serviços e organismos no âmbito do MJ, coordenar e controlar a sua aplicação e exercer as demais competências que sejam atribuídas pela lei aos órgãos de planeamento e controlo departamental do sistema integrado de gestão e avaliação do desempenho na Administração Pública (SIADAP); Liquidar, cobrar e registar as receitas próprias; Assegurar a recolha, utilização, tratamento, análise e difusão da informação estatística da justiça, no quadro do sistema estatístico nacional, definindo normas e procedimentos a observar pelos serviços e organismos do MJ, desenvolvendo as operações necessárias ao aperfeiçoamento da produção estatística de interesse para a área da justiça; Conduzir a política e articular as ações de cooperação na área da justiça, coordenar a ação e prestar apoio aos representantes do Estado Português nos órgãos internacionais do setor e promover e apoiar as medidas de cooperação jurídica e judiciária com outros Estados, sem prejuízo das atribuições próprias do Ministério dos Negócios Estrangeiros; Acompanhar e apoiar a política internacional do Estado Português na área da justiça, coordenando a representação do MJ na negociação de convenções, acordos e tratados 6

7 internacionais, bem como em comissões, reuniões, conferências ou organizações similares; Acompanhar as questões relativas ao contencioso da União Europeia nas matérias da área da justiça; Recolher e estudar as normas de direito internacional e de direito da União Europeia aplicáveis ou em relação às quais o Estado Português se pretenda vincular, bem como estudar e divulgar a jurisprudência, a doutrina e a política da União Europeia para o sector; Assegurar o desenvolvimento e a manutenção do Sistema de Informação das Estatísticas da Justiça (SIEJ), designadamente das componentes tecnológicas e aplicacional. 1.3 Legislação e regulamentação interna A lei orgânica da DGPJ foi fixada pelo Decreto-Lei n.º 163/2012, de 31 de julho, que define a missão, as atribuições e o tipo de organização interna. A estrutura nuclear dos serviços e as competências das respetivas unidades orgânicas, bem como o número máximo de unidades orgânicas flexíveis foram aprovadas pela Portaria n.º 389/2012, de 29 de novembro. A referida Portaria refere que a DGPJ se estrutura em quatro unidades orgânicas nucleares: a Direção de Serviços de Estatísticas da Justiça e Informática; o Gabinete de Relações Internacionais, o Gabinete para a Resolução Alternativa de Litígios e a Direção de Serviços de Gestão de Recursos. O limite máximo de unidades orgânicas flexíveis da DGPJ é fixado em nove, sendo da competência do dirigente máximo da DGPJ a criação das respetivas unidades orgânicas flexíveis e a definição das respetivas atribuições e competências. 7

8 1.4 Organograma 8

9 2. CARATERIZAÇÃO DO AMBIENTE EXTERNO E INTERNO 2.1 Principais utilizadores/destinatários Os serviços fornecidos pela DGPJ destinam-se fundamentalmente às seguintes entidades: 1. Gabinete da Ministra da Justiça e gabinete do Senhor Secretário de Estado da Justiça e demais gabinetes governamentais; 2. Assembleia da República; 3. Cidadãos; 4. Tribunais, Conselho Superior da Magistratura, Conselho Superior dos Tribunais Administrativos e Fiscais, Procuradoria-Geral da República e Ministério Público; 5. Serviços e organismos da Administração Pública, com particular relevo para os serviços e organismos do Ministério da Justiça, do Ministério dos Negócios Estrangeiros e do Ministério da Administração Interna; 6. Instituto Nacional de Estatística; 7. Conselho dos Oficiais de Justiça, Ordem dos Solicitadores, Ordem dos Advogados e Ordem dos Notários; 8. Conselho dos Julgados de Paz, Julgados de Paz, Centros de Arbitragem e Mediadores; 9. Entidades formadoras de mediadores; 10. Autarquias; 11. Organizações internacionais ou supranacionais, nomeadamente a União Europeia, a Organização das Nações Unidas, o Conselho da Europa e a Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Económico, entre outras; 12. Universidades, outros estabelecimentos de ensino e centros de investigação; 13. Órgãos de comunicação social. 9

10 2.2 Tipificação dos serviços prestados Na prossecução das suas atribuições, a DGPJ presta os seguintes tipos de serviços: 1. Conceber, preparar, analisar e apoiar tecnicamente a execução de iniciativas legislativas, políticas e programas no âmbito do Ministério da Justiça e proceder à respetiva avaliação; 2. Conduzir a política e articular as ações de cooperação na área da Justiça, coordenar a ação e apoiar os representantes do Estado Português nos órgãos internacionais do sector e promover e apoiar as medidas de cooperação jurídica e judiciária com outros Estados; 3. Recolher, utilizar, tratar e analisar a informação estatística da Justiça e proceder à difusão dos respetivos resultados, no quadro do sistema estatístico nacional; 4. Editar e publicar documentos vários, elaborados no âmbito das suas atribuições; 5. Coordenar e acompanhar a avaliação de desempenho dos serviços e organismos do Ministério da Justiça (SIADAP 1); 6. Acompanhar a criação, operacionalização e monitorização de meios extrajudiciais para a resolução de conflitos (Julgados de Paz, centros de arbitragem institucionalizada e sistemas públicos de mediação). 10

11 3. OBJETIVOS E ESTRATÉGIAS 3.1 Enquadramento O presente Plano foi elaborado atendendo às principais linhas de orientação inscritas no Programa do XIX Governo Constitucional e nas Grandes Opções do Plano para o horizonte temporal Assim, dando sequência às políticas de ação constantes no Programa do Governo, a Direção-Geral da Política de Justiça irá assegurar a continuidade dos projetos iniciados em 2013 e concretizará novos projetos e atividades em 2014 com vista ao desenvolvimento e à melhoria de um serviço público de excelência na Justiça. O sistema de Justiça é um pilar do Estado de Direito e uma das funções de soberania fundamentais do Estado, que tem como desígnio primeiro o cidadão, na defesa de direitos, liberdades e garantias e é um fator de eficiência da economia, sendo transversal a sua importância na vida política e social. Importa melhorar a qualidade do Estado de Direito, reforçar a cidadania, dignificar a Justiça e os seus agentes e combater a corrupção, bem como agilizar os sistemas processuais. As reformas a empreender só podem ser levadas à prática com o envolvimento dos órgãos de soberania, dos operadores judiciários e respetivas instituições e da sociedade. Neste sentido, de modo a contribuir para a prossecução desta finalidade a DGPJ prosseguirá em 2014 os trabalhos da Reforma do Acesso ao Direito e aos Tribunais, comprometendo-se a elaborar um estudo de Avaliação de Impacto Prévio sobre o Regime de Acesso ao Direito e aos Tribunais; a acompanhar os trabalhos de implementação do Código do Processo Civil; a acompanhar o regime da insolvência e do PER; a acompanhar os trabalhos de Reforma da Organização Judiciária e a acompanhar a revisão dos principais instrumentos legais da justiça administrativa, designadamente o Código de Processo nos Tribunais Administrativos e o Código de Procedimento Administrativo. 11

12 Como novas iniciativas, a DGPJ propõe para o próximo ano, o lançamento das bases para a preparação da comemoração dos 50 anos do Código Civil. Proceder-se-á ainda à elaboração de um estudo de avaliação sucessiva do regime dos jovens delinquentes. Ao nível da simplificação e desburocratização da Justiça, tem-se mantido como objetivo para esta Direção-Geral a simplificação da linguagem, através da elaboração de projetos de clarificação da linguagem jurídica, nas comunicações dos tribunais aos cidadãos e nas notificações com especial incidência no regime jurídico da injunção. Igualmente relevante é a preocupação com a satisfação dos utentes dos Julgados de Paz, Sistemas de Mediação e Arbitragem, apoiados pelo Ministério da Justiça, propondo-se para 2014 a elaboração de um relatório com base nas respostas recolhidas junto dos utentes, por via da aplicação de inquéritos. Para prestar um serviço público de excelência na Justiça, esta Direção-Geral continuará a assegurar o fornecimento de estatísticas da justiça que constituam um instrumento de planeamento, gestão e avaliação do sistema de Justiça, procurando aumentar a utilização e a qualidade das mesmas. Contribui para a prossecução deste objetivo o esforço para manter baixo o tempo de resposta a pedidos de esclarecimento de informação estatística e o alargamento do âmbito das estatísticas a novos temas. Importa, ainda, salientar o empenho da DGPJ na promoção do sistema de consulta das estatísticas da Justiça a entidades externas, através da realização de sessões de apresentação. As Grandes Opções do Plano aprovadas pela Lei n.º 64-A/2011, de 30 de dezembro, fundamentam a orientação estratégica da política de desenvolvimento nacional. O sector da Justiça surge no ponto 3.2 da 3ª opção Cidadania, Sociedade, Justiça e Segurança e identifica como principais prioridades para o sector: Reforço do sistema de justiça; Fomento de um acesso efetivo e universal à justiça e ao direito; Gestão coerente dos recursos humanos bem como de todos os recursos disponíveis; Combate à morosidade da justiça; 12

13 Criação de um novo paradigma para o processo civil, que garanta a conclusão dos processos em tempo útil; Reavaliação do mapa judiciário; Combate à corrupção; Reforço da justiça penal; Revisão do Código do Processo dos Tribunais Administrativos e Fiscais; Revisão do Código de Insolvência e de Recuperação de Empresas; Revisão do Regime de Acesso ao Direito. Neste contexto foram definidos os objetivos estratégicos e operacionais para o QUAR, pretendendo-se que até 2015 sejam cumpridas todas as medidas previstas nas GOP. No âmbito dos Meios de Resolução Alternativa de Litígios (MRAL), a DGPJ tenciona promovê-los através de sessões de esclarecimento junto de públicos específicos e do estabelecimento de protocolos com organismos que visem a sua divulgação. Para além disso, prevê contribuir para a eficiência dos centros de arbitragem apoiados financeiramente pelo Ministério da Justiça, tendo planeado um estudo pelo qual se proceda à definição de critérios aferidores dos montantes de financiamento a afetar a cada um dos centros de arbitragem institucionalizada apoiados pelo MJ. No que concerne às Relações Internacionais serão prosseguidos os trabalhos de coordenação e acompanhamento da negociação internacional de instrumentos, na área da Justiça, bem como serão desenvolvidas as atividades relacionadas com o cumprimento das obrigações de Portugal no âmbito dos processos de avaliação e monitorização de instrumentos jurídicos internacionais. Em relação à área da cooperação internacional é intuito da DGPJ aumentar a visibilidade da cooperação na área da Justiça e divulgar e promover externamente a matriz do ordenamento jurídico português, os modelos e os produtos da Justiça. Para além disso, a realização de encontros de Direito Internacional é uma iniciativa que, dada a sua relevância, se irá manter para 2014, bem como a realização de consultas públicas sobre novos instrumentos internacionais/europeus. 13

14 Ao nível da Política Legislativa, importa referir que será assegurada, sempre que seja solicitado, a elaboração e a participação na feitura de atos legislativos e regulamentares incluindo os relativos à transposição de direito da União Europeia e de adequação do direito nacional a obrigações decorrentes de instrumentos internacionais. Por último, o Planeamento Estratégico irá apoiar a avaliação e a monitorização dos Quadros de Avaliação e Responsabilização dos serviços do MJ, com vista a enraizar uma cultura de avaliação por objetivos e de compromisso dos dirigentes na prossecução dos projetos prioritários para o sector da Justiça. 3.2 Objetivos estratégicos e operacionais Foram definidos para a DGPJ os seguintes objetivos estratégicos: 1. Acompanhar e facilitar a definição das políticas no domínio da Justiça no âmbito nacional e internacional/europeu, designadamente através da negociação internacional de instrumentos jurídicos e da elaboração de projetos de atos legislativos e regulamentares, bem como de tratados, convenções, acordos e outros instrumentos internacionais; 2. Conduzir e/ou coordenar as intervenções/negociações em estruturas de coordenação técnica interministeriais e em organizações e organismos internacionais e europeus na área da Justiça; 3. Dinamizar a cooperação na área da Justiça; 4. Consolidar a imagem da DGPJ e reforçar sinergias com os parceiros institucionais, a sociedade civil e a academia; 5. Assegurar que as estatísticas da justiça constituem um instrumento de planeamento, gestão e avaliação do sistema de justiça; 6. Monitorizar e divulgar os Meios de Resolução Alternativa de Litígios (MRAL); 7. Aumentar a eficiência dos centros de arbitragem apoiados financeiramente pelo Ministério da Justiça. Os objetivos supra referidos estão interligados com os quinze objetivos operacionais que se repartem por objetivos de Eficácia, Eficiência e Qualidade. A dimensão com maior peso 14

15 percentual é a da Eficácia com 40% por ser também a que mais objetivos integra (num total de 8 objetivos), seguindo-se a dimensão da Eficiência e da Qualidade com igual peso (30%). Os objetivos operacionais estão definidos no QUAR da DGPJ para 2014 (vd. anexo 1). 15

16 OBJETIVOS ESTRATÉGICOS 2014 Acompanhar e facilitar a definição das políticas no domínio da Justiça no âmbito nacional e internacional/europeu, designadamente através da negociação internacional de instrumentos jurídicos e da elaboração de projetos de atos legislativos e regulamentares, bem como de tratados, convenções, acordos e outros instrumentos internacionais OBJETIVO 1 Conduzir e/ou coordenar as intervenções/negociações em estruturas de coordenação técnica interministeriais e em organizações e organismos internacionais e europeus na área da Justiça OBJETIVO 2 Dinamizar a cooperação na área da Justiça OBJETIVO 3 Consolidar a imagem da DGPJ e reforçar sinergias com os parceiros institucionais, a sociedade civil e a academia ALINHAMENTO DOS OBJETIVOS OPERACIONAIS DAS UNIDADES ORGÂNICAS COM OS OBJETIVOS ESTRATÉGICOS FIXADOS OBJETIVO 4 Realização de Encontros de Direito Internacional; Elaboração e envio de contributos para feitura de atos legislativos e regulamentares sempre que seja solicitado; Acompanhar e facilitar a política internacional/europeia do Estado português na área da Justiça; Estudo de Avaliação de Impacto Prévio sobre o Regime de Acesso ao Direito e aos Tribunais. PL / GRI Participação e/ou acompanhamento nos grupos de trabalho, nos grupos de peritos, comités e outras formações da União Europeia e de organizações e organismos internacionais; Participação e/ou acompanhamento dos processos de avaliação e monitorização de instrumentos jurídicos internacionais/europeus. GRI Planear, monitorizar e avaliar a cooperação para o desenvolvimento na área da Justiça. GRI Realização de consultas públicas sobre novos instrumentos internacionais/europeus; Aumentar a visibilidade da cooperação na área da Justiça, divulgar e promover externamente a matriz do ordenamento jurídico português, os modelos e os produtos da Justiça; Assegurar o acompanhamento e a monitorização do SIADAP 1 no Ministério da Justiça. GRI/PE 16

17 OBJETIVOS ESTRATÉGICOS 2014 Assegurar que as estatísticas da justiça constituem um instrumento de planeamento, gestão e avaliação do sistema de justiça OBJETIVO 5 Monitorizar e divulgar os Meios de Resolução Alternativa de Litígios (MRAL) OBJETIVO 6 Aumentar a eficiência dos centros de arbitragem apoiados financeiramente pelo Ministério da Justiça OBJETIVO 7 ALINHAMENTO DOS OBJETIVOS OPERACIONAIS DAS DIREÇÕES COM OS OBJETIVOS ESTRATÉGICOS FIXADOS Aumentar a utilização das estatísticas da Justiça; Consolidar os processos internos de produção das estatísticas da Justiça; Aumentar a qualidade das estatísticas da Justiça. DSEJI Promoção dos Meios de Resolução Alternativa de Litígios. GRAL Contribuir para a eficiência dos centros de arbitragem apoiados financeiramente pelo Ministério da Justiça GRAL 17

18 4. PROJETOS E ATIVIDADES A DESENVOLVER EM Projetos a desenvolver no cumprimento dos Objetivos Estratégicos OBJETIVO ESTRATÉGICO OE 1 Acompanhar e facilitar a definição das políticas no domínio da Justiça no âmbito nacional e internacional/europeu, designadamente através da negociação internacional de instrumentos jurídicos e da elaboração de projetos de atos legislativos e regulamentares, bem como de tratados, convenções, acordos e outros instrumentos internacionais OBJETIVO OPERACIONAL OO Elaborar e participar na feitura de atos legislativos e regulamentares, incluindo os relativos à transposição de direito da União Europeia e de adequação do direito nacional a obrigações decorrentes de instrumentos internacionais N.º 1 INDICADOR Elaboração e envio de contributos para feitura de atos legislativos e regulamentares sempre que seja solicitado (QUAR OB1) INDICADORES DE REALIZAÇÃO VALOR MEIO DE META CRÍTICO VERIFICAÇÃO 90% 100% Submissão ao GMJ RESPONSABILIDADE PL 18

19 OBJETIVO OPERACIONAL OO Acompanhar e facilitar a política internacional/europeia do Estado Português na área da Justiça N.º 1 2 INDICADOR Preparação de pastas para os membros do Governo que participem em reuniões internacionais/europeias que incidam sobre aspetos da Justiça sempre que solicitado (dias antes da reunião) (QUAR OB11) Elaboração de informações sobre propostas legislativas da União Europeia (QUAR OB11) OBJETIVO OPERACIONAL OO Cumprimento do Programa da Presidência Portuguesa da CMJPLOP N.º 1 INDICADOR Rácio entre o número de medidas realizadas / previstas INDICADORES DE REALIZAÇÃO META VALOR MEIO DE CRÍTICO VERIFICAÇÃO Submissão ao Gabinete do 5 7 membro do Governo e/ou ao MNE Rácio entre o número de 80% 100% informações / número de propostas INDICADORES DE REALIZAÇÃO META VALOR MEIO DE CRÍTICO VERIFICAÇÃO Submissão à 85% 100% Direção do Balanço da Presidência RESPONSABILIDADE GRI GRI RESPONSABILIDADE GRI 19

20 OBJETIVO OPERACIONAL OO Rever as comunicações efetuadas por Portugal ao abrigo da legislação da União Europeia N.º 1 INDICADOR Desvio face ao prazo de revisão das comunicações (em semanas) META Semana 44 INDICADORES DE REALIZAÇÃO VALOR CRÍTICO MEIO DE VERIFICAÇÃO RESPONSABILIDADE Semana 40 Envio ao MNE GRI OBJETIVO OPERACIONAL OO Compilação de jurisprudência relativamente a alguns instrumentos europeus e internacionais N.º INDICADOR Desvio face ao prazo de compilação, relativamente à jurisprudência nacional (em semanas) Desvio face ao prazo de compilação, relativamente à jurisprudência nacional (em semanas) Desvio face ao prazo de compilação, relativamente à jurisprudência nacional (em semanas) INDICADORES DE REALIZAÇÃO VALOR MEIO DE META CRÍTICO VERIFICAÇÃO Semana Fichas de Semana jurisprudência Semana Fichas de Semana jurisprudência Semana Fichas de Semana jurisprudência RESPONSABILIDADE GRI GRI GRI 20

21 OBJETIVO OPERACIONAL OO Estudo de Avaliação de Impacto Prévio sobre o Regime de Acesso ao Direito e aos Tribunais N.º 1 INDICADOR Desvio face ao prazo de entrega à Direção de relatório preliminar (em semanas) (QUAR OB13) INDICADORES DE REALIZAÇÃO VALOR MEIO DE META CRÍTICO VERIFICAÇÃO Submissão de Semana Semana 50 relatório preliminar 52 à Direção RESPONSABILIDADE PL OBJETIVO ESTRATÉGICO OE 2 Conduzir e/ou coordenar as intervenções/negociações em estruturas de coordenação técnica interministeriais e em organizações e organismos internacionais e europeus na área da Justiça OBJETIVO OPERACIONAL OO 2.1 Participação e/ou acompanhamento nos grupos de trabalho, nos grupos de peritos, comités e outras formações da União Europeia e de organizações e organismos internacionais N.º 1 INDICADOR Percentagem de acompanhamento e participação em grupos de trabalho, nos grupos de peritos, comités e outras formações da União Europeia e de organizações e organismos internacionais (QUAR OB3) INDICADORES DE REALIZAÇÃO VALOR MEIO DE META CRÍTICO VERIFICAÇÃO 70% 100% Rácio entre o número de avaliações realizadas e participadas RESPONSABILIDADE GRI 21

22 OBJETIVO OPERACIONAL OO 2.2 Participação e/ou acompanhamento dos processos de avaliação e monitorização de instrumentos jurídicos internacionais/europeus N.º 1 INDICADOR Percentagem de participação e acompanhamento dos processos de avaliação e monitorização de instrumentos jurídicos internacionais (QUAR OB4) INDICADORES DE REALIZAÇÃO META VALOR MEIO DE CRÍTICO VERIFICAÇÃO Rácio entre o número 75% 100% de solicitações e participações / acompanhamento RESPONSABILIDADE GRI OBJETIVO OPERACIONAL OO 2.3 Participar no desenho do Programa de Estocolmo N.º 1 INDICADOR Desvio face ao prazo de preparação de Informação após apresentação da primeira proposta (em semanas) INDICADORES DE REALIZAÇÃO VALOR MEIO DE RESPONSABILIDADE META CRÍTICO VERIFICAÇÃO 10 8 Semanas Submissão à Direção GRI Semanas OBJETIVO OPERACIONAL OO 2.4 Elaborar observações em processos de questões prejudiciais junto do TJUE INDICADORES DE REALIZAÇÃO N.º INDICADOR VALOR MEIO DE RESPONSABILIDADE META CRÍTICO VERIFICAÇÃO 1 N.º de observações elaboradas 4 6 Envio ao MNE GRI 22

23 OBJETIVO OPERACIONAL OO 2.5 Apresentar proposta que contemple as alterações legislativas impostas por avaliações internacionais respeitantes ao Direito Penal e Processual Penal N.º 1 INDICADOR Desvio face ao prazo de apresentação da proposta (em semanas) INDICADORES DE REALIZAÇÃO VALOR MEIO DE RESPONSABILIDADE META CRÍTICO VERIFICAÇÃO Semana Semana 36 Submissão à Direção GRI 39 OBJETIVO ESTRATÉGICO OE 3 Dinamizar a cooperação na área da Justiça OBJETIVO OPERACIONAL OO 3.1 Planear, monitorizar e avaliar a cooperação para o desenvolvimento na área da Justiça N.º 1 INDICADOR Percentagem de atividades realizadas em relação às previstas (QUAR OB15) INDICADORES DE REALIZAÇÃO META VALOR MEIO DE CRÍTICO VERIFICAÇÃO Rácio entre o número de atividades 80% 100% realizadas / número de atividades previstas RESPONSABILIDADE GRI 23

24 OBJETIVO OPERACIONAL OO 3.2 Editar três Newsletters da Cooperação N.º INDICADOR Desvio face ao prazo de edição da 1ª Newsletter (em semanas) Desvio face ao prazo de edição da 2ª Newsletter (em semanas) Desvio face ao prazo de edição da 3ª Newsletter em língua inglesa (em semanas) INDICADORES DE REALIZAÇÃO META VALOR MEIO DE RESPONSABILIDADE CRÍTICO VERIFICAÇÃO Semana 30 Semana 29 Envio de Newsletter GRI Semana 52 Semana 51 Envio de Newsletter GRI Semana 52 Semana 51 Envio de Newsletter GRI OBJETIVO OPERACIONAL OO 3.3 Elaboração dos Guias da Cooperação N.º 1 INDICADOR Desvio face ao prazo de elaboração de Guias (em semanas) INDICADORES DE REALIZAÇÃO VALOR MEIO DE RESPONSABILIDADE META CRÍTICO VERIFICAÇÃO Semana Semana 9 Guias de Cooperação GRI 11 24

25 OBJETIVO ESTRATÉGICO OE 4 Consolidar a imagem da DGPJ e reforçar sinergias com os parceiros institucionais, a sociedade civil e a academia OBJETIVO OPERACIONAL OO 4.1 Realização de Encontros de Direito Internacional N.º 1 INDICADOR Número de Encontros de Direito Internacional (QUAR OB5) INDICADORES DE REALIZAÇÃO VALOR MEIO DE META CRÍTICO VERIFICAÇÃO Realização dos 1 2 encontros (notícia) RESPONSABILIDADE GRI OBJETIVO OPERACIONAL OO 4.2 Realização de consultas públicas sobre novos instrumentos internacionais/europeus INDICADORES DE REALIZAÇÃO N.º INDICADOR VALOR MEIO DE META CRÍTICO VERIFICAÇÃO Consultas inseridas 1 Número de consultas públicas efetuadas (QUAR OB6) 80% 100% no sítio eletrónico da DGPJ RESPONSABILIDADE GRI 25

Relatório de Atividades 2012

Relatório de Atividades 2012 Relatório de Atividades 2012 1 DIREÇÃO-GERAL DA POLÍTICA DE JUSTIÇA Relatório de Atividades 2012 Abril 2013 Direção-Geral da Política de Justiça Av. D. João II, Lote 1.08.01-D/E, Torre H, Piso 2/3, 1990-097

Leia mais

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL Diretor Geral O Diretor Geral supervisiona e coordena o funcionamento das unidades orgânicas do Comité Olímpico de Portugal, assegurando o regular desenvolvimento das suas

Leia mais

DOCUMENTO METODOLÓGICO

DOCUMENTO METODOLÓGICO DOCUMENTO METODOLÓGICO Operação Estatística Estatísticas das Custas Pagas nos Tribunais. Código: 483 Versão: 1.0 Setembro de 2010 INTRODUÇÃO A Direcção-Geral da Política de Justiça, antigo Gabinete de

Leia mais

Auditoria: Desafio e Confiança. 13 de setembro de 2013

Auditoria: Desafio e Confiança. 13 de setembro de 2013 XI Congresso da Ordem dos Revisores Oficiais de Contas Auditoria: Desafio e Confiança 13 de setembro de 2013 Senhor Bastonário da Ordem dos Revisores Oficiais de Contas, Dr. José Azevedo Rodrigues, Senhoras

Leia mais

MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS

MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS Diário da República, 1.ª série N.º 118 20 de junho de 2012 3057 Designação dos cargos dirigentes ANEXO Mapa a que se refere o artigo 9.º Qualificação dos cargos dirigentes Grau Número de lugares Diretor

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Alteração ao Regime Jurídico da Avaliação do Ensino Superior Num momento em que termina o ciclo preliminar de avaliação aos ciclos de estudo em funcionamento por parte da Agência de Avaliação e Acreditação

Leia mais

Síntese da Cooperação Bilateral com São Tomé e Príncipe na área da Justiça

Síntese da Cooperação Bilateral com São Tomé e Príncipe na área da Justiça Síntese da Cooperação Bilateral com São Tomé e Príncipe na área da Justiça Fevereiro 2015 SÍNTESE DA COOPERAÇÃO BILATERAL COM SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE NA ÁREA DA JUSTIÇA O Ministério da Justiça tem apoiado,

Leia mais

MINISTÉRIO DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS INSTITUTO DIPLOMÁTICO

MINISTÉRIO DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS INSTITUTO DIPLOMÁTICO VAGAS PARA ESTÁGIOS SERVIÇOS INTERNOS 1º SEMESTRE DE 2013/2014 SERVIÇO VAGAS PERFIL DO ESTAGIÁRIO DESCRIÇÃO DAS FUNÇÕES A DESEMPENHAR Divisão de Arquivo e Biblioteca/IDI (Instituto Diplomático) Vaga I-1/1S/1314

Leia mais

Eficácia 01. Melhorar a satisfação das necessidades e das condições de instalação dos serviços do MJ

Eficácia 01. Melhorar a satisfação das necessidades e das condições de instalação dos serviços do MJ ANEXO II ANO: 2015 Ministério da Justiça Instituto de Gestão Financeira e Equipamentos da Justiça, IP MISSÃO: Gestão dos recursos financeiros do Ministério da Justiça, do património afeto à área da justiça,

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO ESPECÍFICO. Regulamento

CURSO DE FORMAÇÃO ESPECÍFICO. Regulamento CURSO DE FORMAÇÃO ESPECÍFICO ÍNDICE PREÂMBULO... 3 Procedimentos Técnico-Pedagógicos... 4 1.1. Destinatários e condições de acesso... 4 1.2. Organização dos cursos de formação... 4 1.3. Componentes de

Leia mais

DOCUMENTO METODOLÓGICO

DOCUMENTO METODOLÓGICO DOCUMENTO METODOLÓGICO Operação Estatística Estatísticas dos Gabinetes de Consulta Jurídica Código: 485 Versão: 1.0 Abril de 2010 1 INTRODUÇÃO A operação estatística relativa aos Gabinetes de Consulta

Leia mais

Regulamento de Funcionamento

Regulamento de Funcionamento AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE S. PEDRO DO SUL Avaliação de Desempenho Pessoal não Docente Regulamento de Funcionamento Regulamento da Avaliação de Desempenho do Pessoal não Docente do Agrupamento de Escolas

Leia mais

Relatório de Actividades 2010

Relatório de Actividades 2010 Relatório de Actividades 2010 1 DIRECÇÃO-GERAL DA POLÍTICA DE JUSTIÇA Relatório de Actividades 2010 Abril 2011 Direcção-Geral da Política de Justiça Av. Óscar Monteiro Torres, 39, 1000 216 Lisboa www.dgpj.mj.pt

Leia mais

Plano de Atividades 2014

Plano de Atividades 2014 Plano de Atividades 2014 Escola de Ciências Universidade do Minho 1. Missão A Escola de Ciências tem como missão gerar, difundir e aplicar conhecimento no âmbito das Ciências Exatas e da Natureza e domínios

Leia mais

Linhas de Ação para o Plano de Atividade de 2014

Linhas de Ação para o Plano de Atividade de 2014 Linhas de Ação para o Plano de Atividade de 2014 As entidades de supervisão do sistema financeiro internacional procederam ao longo dos últimos anos a profundas adaptações, por via legislativa e organizacional,

Leia mais

Instrumento que cria uma Rede de Cooperação Jurídica e Judiciária Internacional dos Países de Língua Portuguesa

Instrumento que cria uma Rede de Cooperação Jurídica e Judiciária Internacional dos Países de Língua Portuguesa Instrumento que cria uma Rede de Cooperação Jurídica e Judiciária Internacional dos Países de Língua Portuguesa TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Criação 1. A Conferência dos Ministros da Justiça

Leia mais

Código de Conduta para as Estatísticas Europeias

Código de Conduta para as Estatísticas Europeias Código de Conduta para as Estatísticas Europeias Adotado pelo Comité do Sistema Estatístico Europeu em 28 de setembro de 2011 Tradução realizada pelo INE, IP Preâmbulo Visão do Sistema Estatístico Europeu

Leia mais

Financiador. Parceiro. Governo da Região de Gabú

Financiador. Parceiro. Governo da Região de Gabú PROGRAMA de Cooperação da FEC na GUINÉ-BISSAU FUNÇÃO: Gestor(a) de Sistemas de Informação e Dados LOCALIZAÇÃO: República da Guiné-Bissau (Gabú) DURAÇÃO: 12 meses (renovável): julho 2015 - junho 2016 CONTEXTO

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO. Titulo: Sistema de Gestão da Qualidade CMSeixal MANUAL DE GESTÃO V09. Sistema de Gestão da Qualidade

IDENTIFICAÇÃO. Titulo: Sistema de Gestão da Qualidade CMSeixal MANUAL DE GESTÃO V09. Sistema de Gestão da Qualidade IDENTIFICAÇÃO Titulo: Sistema de Gestão da Qualidade CMSeixal MANUAL DE GESTÃO V09 Código: CMSeixalSGQ_2600204_ManualGestaoV09 Destinatários: Trabalhadores, Munícipes e Utentes da CMSeixal Campo de aplicação:

Leia mais

Estratégia de Dinamização e de Divulgação

Estratégia de Dinamização e de Divulgação Estratégia de Dinamização e de Divulgação Plano de Ação de 2015 FEVEREIRO 2015 1 Índice 1. INTRODUÇÃO... 3 2. VISÃO DA BOLSA DE TERRAS... 4 3. OBJETIVOS ESTRATÉGICOS - LINHAS GERAIS DA ESTRATÉGIA... 5

Leia mais

01 JULHO 2014 LISBOA GJ AIP-CCI

01 JULHO 2014 LISBOA GJ AIP-CCI 01 JULHO 2014 LISBOA GJ AIP-CCI 1 CENTRO DE MEDIAÇÃO, CONCILIAÇÃO E ARBITRAGEM 2 PONTOS DA INTERVENÇÃO: SOBRE O CENTRO DE ARBITRAGEM PROPRIAMENTE DITO: GÉNESE LEGAL DESTE CENTRO ESTRUTURA ORGÂNICA ÂMBITO

Leia mais

Diretrizes para aplicação do SIADAP no INMLCF, I.P.

Diretrizes para aplicação do SIADAP no INMLCF, I.P. Diretrizes para aplicação do SIADAP no INMLCF, I.P. Na sequência das deliberações tomadas nas reuniões ocorridas nos dias 20 e 31 de março de 2015, tendo em vista uma aplicação objetiva e harmónica do

Leia mais

Eixo Prioritário V Assistência Técnica

Eixo Prioritário V Assistência Técnica Eixo Prioritário V Assistência Técnica Convite Público à Apresentação de Candidatura no Domínio da Assistência Técnica no Âmbito da Delegação de Competências com os Organismos Intermédios na gestão dos

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO 2006-2011

PLANO ESTRATÉGICO 2006-2011 PLANO ESTRATÉGICO 2006-2011 MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Versão 0/Junho 2006 INDICE 1. Introdução 2. Visão, missão, valores 3. A estrutura do plano 4. Programa 1 6. Programa 2 Reforço da administração da justiça

Leia mais

Identificação da empresa. Missão

Identificação da empresa. Missão Identificação da empresa SPMS - Serviços Partilhados do Ministério da Saúde, EPE, pessoa coletiva de direito público de natureza empresarial, titular do número único de matrícula e de pessoa coletiva 509

Leia mais

Relatório de Actividades do ano 2011 do Conselho Consultivo da Reforma Jurídica

Relatório de Actividades do ano 2011 do Conselho Consultivo da Reforma Jurídica Relatório de Actividades do ano 2011 do Conselho Consultivo da Reforma Jurídica Fevereiro de 2012 Índice 1. Resumo das actividades... 1 2. Balanço e aperfeiçoamento... 6 3. Perspectivas para os trabalhos

Leia mais

MINISTÉRIO DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS INSTITUTO DIPLOMÁTICO

MINISTÉRIO DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS INSTITUTO DIPLOMÁTICO VAGAS PARA ESTÁGIOS SERVIÇOS INTERNOS º SEMESTRE DE 04/05 SERVIÇO VAGAS PERFIL DO ESTAGIÁRIO Serviço do Protocolo de Estado Relações Vaga I-/s/45 Tradução Internacionais, Direito e/ou SAPE-DGA Serviço

Leia mais

A implementação do balcão único electrónico

A implementação do balcão único electrónico A implementação do balcão único electrónico Departamento de Portais, Serviços Integrados e Multicanal Ponte de Lima, 6 de Dezembro de 2011 A nossa agenda 1. A Directiva de Serviços 2. A iniciativa legislativa

Leia mais

Resolução do Conselho de Ministros n.º 34/2012

Resolução do Conselho de Ministros n.º 34/2012 Resolução do Conselho de Ministros n.º 34/2012 A Resolução do Conselho de Ministros n.º 16/2012, de 14 de fevereiro, que aprova os critérios de determinação do vencimento dos gestores públicos, estabelece

Leia mais

TRIBUNAL ARBITRAL DO DESPORTO REGULAMENTO DO SECRETARIADO

TRIBUNAL ARBITRAL DO DESPORTO REGULAMENTO DO SECRETARIADO TRIBUNAL ARBITRAL DO DESPORTO REGULAMENTO DO SECRETARIADO REGULAMENTO DO SECRETARIADO INDICE ARTIGO 1.º - Norma habilitante ARTIGO 2.º - Definição ARTIGO 3.º - Sede ARTIGO 4.º - Direção do secretariado

Leia mais

OBJETIVO GERAL DA FUNÇÃO

OBJETIVO GERAL DA FUNÇÃO PROGRAMA DE COOPERAÇÃO EM MOÇAMBIQUE FUNÇÃO: Técnico de Capacitação Institucional (TCI) LOCALIZAÇÃO: Moçambique, Província de Nampula DURAÇÃO: 17 meses (datas prováveis: 1 de agosto de 2015 a 31 de dezembro

Leia mais

DOCUMENTO METODOLÓGICO. Operação Estatística Estatísticas dos Tribunais das Comunidades Europeias

DOCUMENTO METODOLÓGICO. Operação Estatística Estatísticas dos Tribunais das Comunidades Europeias DOCUMENTO METODOLÓGICO Operação Estatística Estatísticas dos Tribunais das Comunidades Europeias Código: 484 Versão: 1.0 Abril de 2010 1 INTRODUÇÃO A operação estatística relativa aos processos dos Tribunais

Leia mais

Artigo 2.º (Definições) Para efeitos da aplicação do SIADAP no seio da UC, entende-se por: a) «Dirigente máximo do serviço», o reitor.

Artigo 2.º (Definições) Para efeitos da aplicação do SIADAP no seio da UC, entende-se por: a) «Dirigente máximo do serviço», o reitor. 1 Nos termos do disposto no n.º 3 do artigo 110.º do RJIES, a aprovação do presente regulamento, elaborado ao abrigo do estatuído no artigo 3.º da Lei n.º 66-B/2007, de 28 de Dezembro, é precedida da sua

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR PESSOA FÍSICA MODALIDADE PRODUTO

TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR PESSOA FÍSICA MODALIDADE PRODUTO Número e Título do Projeto Função no Projeto: TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR PESSOA FÍSICA MODALIDADE PRODUTO BRAX66 - Fortalecimento da Secretaria Nacional de Justiça em cooperação jurídica

Leia mais

Ministério dos Petróleos

Ministério dos Petróleos Ministério dos Petróleos Decreto Lei nº 10/96 De 18 de Outubro A actividade petrolífera vem assumindo nos últimos tempos importância fundamental no contexto da economia nacional, constituindo por isso,

Leia mais

Missão: Melhorar a qualidade de vida dos munícipes e promover a modernização administrativa com vista à aproximação dos serviços aos cidadãos.

Missão: Melhorar a qualidade de vida dos munícipes e promover a modernização administrativa com vista à aproximação dos serviços aos cidadãos. OBJETIVOS DAS UNIDADES ORGÂNICAS - 2011 MUNICÍPIO DA MARINHA GRANDE UNIDADE ORGÂNICA: Divisão de Cooperação, Comunicação e Modernização Missão: Melhorar a qualidade de vida dos munícipes e promover a modernização

Leia mais

O PAPEL DAS AUTORIDADES CENTRAIS E A SECRETARIA DE COOPERAÇÃO JURÍDICA INTERNACIONAL DO MPF

O PAPEL DAS AUTORIDADES CENTRAIS E A SECRETARIA DE COOPERAÇÃO JURÍDICA INTERNACIONAL DO MPF O PAPEL DAS AUTORIDADES CENTRAIS E A SECRETARIA DE COOPERAÇÃO JURÍDICA INTERNACIONAL DO MPF Curso de Cooperação Jurídica Internacional para membros e servidores da Procuradoria da República no Paraná 31

Leia mais

PLANO PARA A IGUALDADE DE GÉNERO DO EXÉRCITO

PLANO PARA A IGUALDADE DE GÉNERO DO EXÉRCITO PLANO PARA A IGUALDADE DE GÉNERO DO EXÉRCITO PARA O ANO DE 2014 2 1. ENQUADRAMENTO a. O princípio da igualdade é um princípio fundamental da Constituição da República Portuguesa, em que no seu Artigo 13º

Leia mais

OPERAÇÕES INDIVIDUAIS E OPERAÇÕES TRANSVERSAIS

OPERAÇÕES INDIVIDUAIS E OPERAÇÕES TRANSVERSAIS AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS N.º 01/ SAMA/ 2012 SISTEMA DE APOIOS À MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA (SAMA) OPERAÇÕES INDIVIDUAIS E OPERAÇÕES TRANSVERSAIS Nos termos do Regulamento do SAMA, a apresentação

Leia mais

Quadro jurídico no sistema educativo português

Quadro jurídico no sistema educativo português I Simpósio Luso-Alemão sobre a Qualificação Profissional em Portugal - Oportunidades e Desafios Isilda Costa Fernandes SANA Lisboa Hotel, Av. Fontes Pereira de Melo 8, Lisboa 24 de novembro 2014 Contexto

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PARA A ECONOMIA CÍVICA PORTUGAL

ASSOCIAÇÃO PARA A ECONOMIA CÍVICA PORTUGAL ASSOCIAÇÃO PARA A ECONOMIA CÍVICA PORTUGAL MISSÃO A Associação para a Economia Cívica Portugal é uma Associação privada, sem fins lucrativos cuja missão é: Promover um novo modelo de desenvolvimento económico

Leia mais

Plano de Sustentabilidade e Gestão da Segurança Social PSGSS

Plano de Sustentabilidade e Gestão da Segurança Social PSGSS Plano de Sustentabilidade e Gestão da Segurança Social PSGSS Manuel Moreira Coordenador do PSGSS Benguela, 22 e 23 de Maio Agenda Objetivos Gerais Objectivos Estratégicos Estrutura do Projecto Inciativas

Leia mais

Missão: Melhorar a qualidade de vida dos munícipes e promover a modernização administrativa com vista à aproximação dos serviços aos cidadãos.

Missão: Melhorar a qualidade de vida dos munícipes e promover a modernização administrativa com vista à aproximação dos serviços aos cidadãos. OBJECTIVOS DAS UNIDADES ORGÂNICAS - 2011 MUNICÍPIO DA MARINHA GRANDE UNIDADE ORGÂNICA: Divisão de Cooperação, Comunicação e Modernização Missão: Melhorar a qualidade de vida dos munícipes e promover a

Leia mais

PRIORIDADES DA POLÍTICA DE CONCORRÊNCIA PARA O ANO DE 2015. - 30 de dezembro de 2014 -

PRIORIDADES DA POLÍTICA DE CONCORRÊNCIA PARA O ANO DE 2015. - 30 de dezembro de 2014 - PRIORIDADES DA POLÍTICA DE CONCORRÊNCIA PARA O ANO DE 2015-30 de dezembro de 2014 - PRIORIDADES DA POLÍTICA DE CONCORRÊNCIA PARA O ANO DE 2015 Em cumprimento do disposto no n.º 3 do artigo 7.º da Lei n.º

Leia mais

JORNAL OFICIAL Quinta-feira, 27 de junho de 2013

JORNAL OFICIAL Quinta-feira, 27 de junho de 2013 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Quinta-feira, 27 de junho de 2013 Série Sumário VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL Despacho n.º 104/2013 Designa o Licenciado, António Gil Fraga Gomes Ferreira,

Leia mais

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO. Decreto-Lei n.º 76/2012 de 26 de março

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO. Decreto-Lei n.º 76/2012 de 26 de março MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO Decreto-Lei n.º 76/2012 de 26 de março No âmbito do Compromisso Eficiência, o XIX Governo Constitucional determinou as linhas gerais do Plano de Redução e Melhoria da

Leia mais

PORTAL CITIUS NOVAS TECNOLOGIAS AO SERVIÇO DOS CIDADÃOS, DAS EMPRESAS E DA JUSTIÇA

PORTAL CITIUS NOVAS TECNOLOGIAS AO SERVIÇO DOS CIDADÃOS, DAS EMPRESAS E DA JUSTIÇA PORTAL CITIUS NOVAS TECNOLOGIAS AO SERVIÇO DOS CIDADÃOS, DAS EMPRESAS E DA JUSTIÇA Perguntas & Respostas 10 de Setembro de 2009 1. O que é o Portal CITIUS? (www.citius.mj.pt) O Portal CITIUS é um novo

Leia mais

EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA

EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA Convite Público à Apresentação de Candidatura no Domínio da Assistência Técnica aos Organismos Intermédios Eixo Prioritário VI - Assistência Técnica Convite para

Leia mais

Autoridade de Gestão do Programa Operacional Regional do Norte. Autoridade de Gestão do Programa Operacional Regional do Alentejo

Autoridade de Gestão do Programa Operacional Regional do Norte. Autoridade de Gestão do Programa Operacional Regional do Alentejo Autoridade de Gestão do Programa Operacional Regional do Norte Autoridade de Gestão do Programa Operacional Regional do Centro Autoridade de Gestão do Programa Operacional Regional de Lisboa Autoridade

Leia mais

Projeto do plano de classificação: Desenvolvimento e Expetativas

Projeto do plano de classificação: Desenvolvimento e Expetativas Projeto do plano de classificação: Desenvolvimento e Expetativas Daniel de Melo Helena Neves Natália Antónia Município de Lisboa Dificuldades sentidas Conceitos - série documental - abordagem por processos

Leia mais

Realização das Noites de Sociologia, encontro tertúlia subordinado a um tema, e que habitualmente se realiza em junho.

Realização das Noites de Sociologia, encontro tertúlia subordinado a um tema, e que habitualmente se realiza em junho. Índice 1. Introdução... 3 2. Atividades científicas, de formação e divulgação....3 3. Publicações.. 3 4. Internet... 4 5. Secções Temáticas e Núcleos Regionais 4 6. Outras atividades....4 2 1. Introdução

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE

PROGRAMA NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE PROGRAMA NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE 2009 3 ÍNDICE I INTRODUÇÃO 4 II MODELO NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE 5 III ÂMBITO DE APLICAÇÃO 8 IV OBJECTIVO GERAL 8 V OBJECTIVOS ESPECÍFICOS 8 VI ESTRATÉGIAS

Leia mais

Município de Vieira do Minho

Município de Vieira do Minho REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO AO ASSOCIATIVISMO Preâmbulo O Associativismo constitui um esteio importante e singular de intervenção da sociedade civil na realização e prática de atividades de índole cultural,

Leia mais

Alterações ao Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas

Alterações ao Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas Alterações ao Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas O Governo divulgou recentemente um conjunto de medidas de revisão e aperfeiçoamento do atual Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas,

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção 02 Estratégia Nacional de

Leia mais

ENQUADRAMENTO DO IGFIJ NA JUSTIÇA PORTUGUESA

ENQUADRAMENTO DO IGFIJ NA JUSTIÇA PORTUGUESA 1 Boas Práticas DESMATERIALIZAÇÃO PROCESSOS NA JUSTIÇA Instituto de Gestão Financeira e Infra-Estruturas da Justiça, I.P. 2 Boas Práticas GRAÇA NAMORA Coordenadora Gabinete Sistemas de Informação 29.10.2010

Leia mais

PRIORIDADES DA POLÍTICA DE CONCORRÊNCIA PARA O ANO DE 2016. - 30 de dezembro de 2015 -

PRIORIDADES DA POLÍTICA DE CONCORRÊNCIA PARA O ANO DE 2016. - 30 de dezembro de 2015 - PRIORIDADES DA POLÍTICA DE CONCORRÊNCIA PARA O ANO DE 2016-30 de dezembro de 2015 - PRIORIDADES DA POLÍTICA DE CONCORRÊNCIA PARA O ANO DE 2016 Em cumprimento do disposto no n.º 3 do artigo 7.º da Lei n.º

Leia mais

GUIA DE APOIO. Documento aprovado em sede do Conselho Diretivo Nacional da Ordem dos Engenheiros em 17 de setembro de 2013

GUIA DE APOIO. Documento aprovado em sede do Conselho Diretivo Nacional da Ordem dos Engenheiros em 17 de setembro de 2013 GUIA DE APOIO Documento aprovado em sede do Conselho Diretivo Nacional da Ordem dos Engenheiros em 17 de setembro de 2013 Gabinete de Qualificação Avenida António Augusto de Aguiar, 3D 1069-030 Lisboa

Leia mais

REGULAMENTO DELEGADO (UE) N.º /.. DA COMISSÃO. de 4.3.2014

REGULAMENTO DELEGADO (UE) N.º /.. DA COMISSÃO. de 4.3.2014 COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 4.3.2014 C(2014) 1229 final REGULAMENTO DELEGADO (UE) N.º /.. DA COMISSÃO de 4.3.2014 que completa o Regulamento (UE) n.º 1299/2013 do Parlamento Europeu e do Conselho no que

Leia mais

Área Metropolitana do. Porto 2007-2013. Programa Territorial de Desenvolvimento

Área Metropolitana do. Porto 2007-2013. Programa Territorial de Desenvolvimento Área Metropolitana do Porto 2007-2013 Programa Territorial de Desenvolvimento Modernização do Governo Electrónico e melhoria da relação das empresas e dos cidadãos com a Administração Desconcentrada e

Leia mais

ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES

ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES 2015 2 Formar gestores e quadros técnicos superiores, preparados científica e tecnicamente para o exercício de funções na empresa

Leia mais

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS. Reforçar a Competitividade das Empresas

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS. Reforçar a Competitividade das Empresas AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS PROGRAMA OPERACIONAL DA 2014-2020 (MADEIRA 14-20) EIXO PRIORITÁRIO 3 Reforçar a Competitividade das Empresas PRIORIDADE DE INVESTIMENTO (PI) 3.a Promoção do espírito

Leia mais

Agrupamento de Escolas da Moita. Plano de Melhoria. P r o v i s ó r i o P p P r o. Ano letivo 2013-14

Agrupamento de Escolas da Moita. Plano de Melhoria. P r o v i s ó r i o P p P r o. Ano letivo 2013-14 Agrupamento de Escolas da Moita Plano de Melhoria P r o v i s ó r i o P p P r o Ano letivo 2013-14 Moita, 22 de abril de 2015 A COMISSÃO DE AUTOAVALIAÇÃO o Célia Romão o Hélder Fernandes o Ana Bela Rodrigues

Leia mais

DOCUMENTO METODOLÓGICO

DOCUMENTO METODOLÓGICO DOCUMENTO METODOLÓGICO Operação Estatística Estatísticas do pessoal ao serviço nos Tribunais Código: 471 Versão: 1.0 Abril de 2010 1 INTRODUÇÃO A operação estatística Pessoal ao serviço nos Tribunais tem

Leia mais

REGULAMENTO DO CENTRO DE CONGRESSOS DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA

REGULAMENTO DO CENTRO DE CONGRESSOS DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA REGULAMENTO DO CENTRO DE CONGRESSOS DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA Aprovado pelo Presidente do ISEL a NOTA INTRODUTÓRIA Criado a 19 de Setembro de 2006 e tendo iniciado as suas funções a

Leia mais

Estatísticas trimestrais sobre processos de falência, insolvência e recuperação de empresas e sobre processos especiais de revitalização (2007-2013)

Estatísticas trimestrais sobre processos de falência, insolvência e recuperação de empresas e sobre processos especiais de revitalização (2007-2013) Abril de 2014 Boletim n.º 15 DESTAQUE ESTATÍSTICO TRIMESTRAL 4º Trimestre de 2013 Estatísticas trimestrais sobre processos de falência, insolvência e recuperação de empresas e sobre processos especiais

Leia mais

Guia do Voluntário EDP

Guia do Voluntário EDP Apresentação O presente é uma das três partes distintas do Manual do Voluntariado EDP. O Manual do Voluntariado foi concebido desta forma, conforme o público-alvo a que se destina, para facilitar a sua

Leia mais

European Foundation for Quality Management na Secretaria-Geral do Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior

European Foundation for Quality Management na Secretaria-Geral do Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior European Foundation for Quality Management na Secretaria-Geral do Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior 1 ÍNDICE 1. A Secretaria-Geral do Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior

Leia mais

Financiador. Parceiro. Governo da Região de Gabú

Financiador. Parceiro. Governo da Região de Gabú PROGRAMA de Cooperação da FEC na GUINÉ-BISSAU FUNÇÃO: Técnico(a) Administrativo(a) e Financeiro(a) LOCALIZAÇÃO: República da Guiné-Bissau (Gabú) DURAÇÃO: 12 meses (renovável): março 2015 - fevereiro 2016

Leia mais

Introdução. 1 Direcção Geral da Administração Interna, Violência Doméstica 2010 Ocorrências Participadas às

Introdução. 1 Direcção Geral da Administração Interna, Violência Doméstica 2010 Ocorrências Participadas às Câmara Municipal da Departamento de Educação e Desenvolvimento Sociocultural Divisão de Intervenção Social Plano Municipal contra a Violência Rede Integrada de Intervenção para a Violência na Outubro de

Leia mais

Manual de Procedimentos. Volume 3 Direção de Recursos Humanos

Manual de Procedimentos. Volume 3 Direção de Recursos Humanos Manual de Procedimentos Volume 3 Direção de Recursos Humanos Índice Princípios Gerais... 3 Abreviaturas e Acrónimos... 6 Legislação Aplicável... 7 Lista de Símbolos... 11 Mapa de Atualização do Documento...

Leia mais

COMISSÃO EUROPEIA. o reforço de capacidades das organizações de acolhimento e a assistência técnica às organizações de envio,

COMISSÃO EUROPEIA. o reforço de capacidades das organizações de acolhimento e a assistência técnica às organizações de envio, C 249/8 PT Jornal Oficial da União Europeia 30.7.2015 COMISSÃO EUROPEIA CONVITE À APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS EACEA 25/15 Iniciativa Voluntários para a Ajuda da UE: Destacamento de Voluntários para a Ajuda

Leia mais

BASES GERAIS DO REGIME JURÍDICO DA PREVENÇÃO, HABILITAÇÃO, REABILITAÇÃO E PARTICIPAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA. Lei n.º 38/2004, de 18 de Agosto

BASES GERAIS DO REGIME JURÍDICO DA PREVENÇÃO, HABILITAÇÃO, REABILITAÇÃO E PARTICIPAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA. Lei n.º 38/2004, de 18 de Agosto BASES GERAIS DO REGIME JURÍDICO DA PREVENÇÃO, HABILITAÇÃO, REABILITAÇÃO E PARTICIPAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA Lei n.º 38/2004, de 18 de Agosto Define as bases gerais do regime jurídico da prevenção,

Leia mais

PLANO DE MELHORIA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DO PORTO

PLANO DE MELHORIA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DO PORTO PLANO DE MELHORIA DO 2015-2017 Conservatório de Música do Porto, 30 de outubro de 2015 1. Introdução... 3 2. Relatório de Avaliação Externa... 5 Pontos Fortes... 5 Áreas de Melhoria... 6 3. Áreas Prioritárias...

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO E ORGANIZAÇÃO DA JUSTIÇA REGULAMENTO. Objeto, duração e definições

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO E ORGANIZAÇÃO DA JUSTIÇA REGULAMENTO. Objeto, duração e definições CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO E ORGANIZAÇÃO DA JUSTIÇA REGULAMENTO Objeto, duração e definições Artigo 1.º Objecto do Curso 1. O Curso de Especialização em Gestão e Organização da Justiça é um Curso de

Leia mais

SIADAP Sistema Integrado de Gestão e Avaliação do Desempenho na Administração Pública

SIADAP Sistema Integrado de Gestão e Avaliação do Desempenho na Administração Pública SIADAP Sistema Integrado de Gestão e Avaliação do Desempenho na Administração Pública (Lei n.º 66-B/2007, de 28 de dezembro, com as alterações introduzidas pela Lei n.º 66-B/2012, de 31 de dezembro) 1

Leia mais

Carta do Conselho da Europa sobre a Educação para a Cidadania Democrática e a Educação para os Direitos Humanos

Carta do Conselho da Europa sobre a Educação para a Cidadania Democrática e a Educação para os Direitos Humanos Carta do Conselho da Europa sobre a Educação para a Cidadania Democrática e a Educação para os Direitos Humanos Introdução A educação desempenha um papel essencial na promoção dos valores fundamentais

Leia mais

Conferência Privacidade, Inovação e Internet. 22 de maio de 2013 Sala 2 da Culturgest

Conferência Privacidade, Inovação e Internet. 22 de maio de 2013 Sala 2 da Culturgest Conferência Privacidade, Inovação e Internet 22 de maio de 2013 Sala 2 da Culturgest Com a Colaboração Patrocinadores Globais APDSI Privacidade, Inovação e Internet Enquadramento Nacional e Europeu sobre

Leia mais

Política de Produto e Serviço Caixa Geral de Depósitos. Política de Produto e Serviço

Política de Produto e Serviço Caixa Geral de Depósitos. Política de Produto e Serviço Política de Produto e Serviço Publicado em julho 2012 1 Fundada em 1876, a Caixa Geral de Depósitos (CGD) é o maior grupo financeiro nacional, atuando em diferentes áreas, designadamente na banca comercial,

Leia mais

ANEXO XI. Resenha histórica da IGF e respetivas leis orgânicas

ANEXO XI. Resenha histórica da IGF e respetivas leis orgânicas ANEXO XI Resenha histórica da IGF e respetivas leis orgânicas Inicialmente, as suas competências eram, fundamentalmente, de órgão de inspeção das direções de finanças, repartições de finanças e de dar

Leia mais

Diagnóstico de Competências para a Exportação

Diagnóstico de Competências para a Exportação Diagnóstico de Competências para a Exportação em Pequenas e Médias Empresas (PME) Guia de Utilização DIRECÇÃO DE ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL Departamento de Promoção de Competências Empresariais Índice ENQUADRAMENTO...

Leia mais

PROJETO de Documento síntese

PROJETO de Documento síntese O Provedor de Justiça INSERIR LOGOS DE OUTRAS ORGANIZAÇÔES Alto Comissariado Direitos Humanos das Nações Unidas (ACNUDH) Provedor de Justiça de Portugal Ministério dos Negócios Estrangeiros de Portugal

Leia mais

AGENDA 21 escolar. Pensar Global, agir Local. Centro de Educação Ambiental. Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89" N 9º15'50.

AGENDA 21 escolar. Pensar Global, agir Local. Centro de Educação Ambiental. Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89 N 9º15'50. AGENDA 21 escolar Pensar Global, agir Local Centro de Educação Ambiental Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89" N 9º15'50.84" O 918 773 342 cea@cm-tvedras.pt Enquadramento A Agenda

Leia mais

GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL

GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL CADERNOS DE MUSEOLOGIA Nº 28 2007 135 GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL INTRODUÇÃO Os Sistemas da Qualidade

Leia mais

Regulamento da CMVM n.º 2/2014. Papel comercial. (Revogação do Regulamento da CMVM n.º 1/2004)

Regulamento da CMVM n.º 2/2014. Papel comercial. (Revogação do Regulamento da CMVM n.º 1/2004) Regulamento da CMVM n.º 2/2014 Papel comercial (Revogação do Regulamento da CMVM n.º 1/2004) As alterações introduzidas pelo Decreto-Lei n.º 52/2006, de 15 de março, e pelo Decreto-Lei n.º 29/2014, de

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE. Página: 2 Edição: 01 Revisão: 0 ÍNDICE

MANUAL DA QUALIDADE. Página: 2 Edição: 01 Revisão: 0 ÍNDICE Manual da Qualidade Página: 2 ÍNDICE CAP 1 Manual de Gestão da Qualidade 1.1 Objetivo do manual 1.2 Âmbito do Sistema de Gestão da Qualidade 1.2.1 Exclusões 1.3 Terminologia e abreviaturas usadas no manual

Leia mais

Objectivos Estratégicos (OE) Meta 2008 Taxa de Realização

Objectivos Estratégicos (OE) Meta 2008 Taxa de Realização Ministério: Organismo: MISSÃO: Ministério das Finanças e da Administração Pública Direcção-Geral do Orçamento A Direcção-Geral do Orçamento (DGO) tem por missão superintender na elaboração e execução do

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Proposta de Lei n.º 313/XII. Exposição de Motivos

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Proposta de Lei n.º 313/XII. Exposição de Motivos Proposta de Lei n.º 313/XII Exposição de Motivos O XIX Governo Constitucional implementou, ao longo da presente legislatura, importantes e significativas reformas no setor da administração local, em que

Leia mais

Documento Metodológico

Documento Metodológico Documento Metodológico Registo Predial ( Modelo 287 Mapa de actividade mensal) Código: 502 Versão: 1.0 Introdução O Registo Predial destina-se essencialmente a dar publicidade à situação jurídica dos prédios,

Leia mais

1ª. Reunião de Análise Estratégica - 2012. Núcleo de Gestão Estratégica. Manaus, 05 de março de 2012

1ª. Reunião de Análise Estratégica - 2012. Núcleo de Gestão Estratégica. Manaus, 05 de março de 2012 1ª. Reunião de Análise Estratégica - 2012 Núcleo de Gestão Estratégica Manaus, 05 de março de 2012 Objetivos Divulgar os resultados da Metas Nacionais de 2011 e apresentar os desafios para 2012. Calendário

Leia mais

Sessão de apresentação. 08 de julho de 2015

Sessão de apresentação. 08 de julho de 2015 REDE INTERMUNICIPAL DE PARCERIAS DE APOIO AO EMPREENDEDORISMO E ÀS EMPRESAS, COM IMPACTO NO DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO E SOCIAL DA REGIÃO DO ALGARVE Sessão de apresentação. 08 de julho de 2015 1 1 CONTEÚDOS

Leia mais

Como sempre, e de acordo com a nossa missão, continuaremos a dar a conhecer a Síndrome de Asperger e a APSA à sociedade em geral.

Como sempre, e de acordo com a nossa missão, continuaremos a dar a conhecer a Síndrome de Asperger e a APSA à sociedade em geral. Plano de Atividades 2016 INTRODUÇÃO O Plano de Atividades para 2016 agora apresentado tem como mote central DAR SENTIDO. Dar Sentido a tudo o que fazemos, o que nos envolve e o que envolve os outros. Centrarse-á

Leia mais

O Ministério da Justiça da República Portuguesa e o Ministério da Justiça da República democrática de Timor - Leste:

O Ministério da Justiça da República Portuguesa e o Ministério da Justiça da República democrática de Timor - Leste: Protocolo de Cooperação Relativo ao Desenvolvimento do Centro de Formação do Ministério da Justiça de Timor-Leste entre os Ministérios da Justiça da República Democrática de Timor-Leste e da República

Leia mais

Plano de Atividades 2014

Plano de Atividades 2014 Plano de Atividades 2014 ÍNDICE 1. APRESENTAÇÃO... 3 1.1 Breve caracterização da Direção-Geral das Artes... 3 1.2 Missão, Visão, Valores... 5 1.3 Identificação das Partes Interessadas... 5 2. CARACTERIZAÇÃO

Leia mais

REUNIÕES DA DIRECÇÃO DO CDL

REUNIÕES DA DIRECÇÃO DO CDL 1. Reuniões realizadas Reuniões Plenárias 23 Reuniões da Comissão Executiva 8 2. Reuniões Plenárias Reuniões Plenárias 5.Janeiro 12.Janeiro 19.Janeiro 26.Janeiro 3. Definição dos objectivos programáticos

Leia mais

Orçamento do Conselho Geral para 2012. Justificação do planeado

Orçamento do Conselho Geral para 2012. Justificação do planeado Orçamento do Conselho Geral para 2012 Justificação do planeado Esta proposta de orçamento é a primeira apresentada pelo atual Conselho Geral. É um instrumento de concretização do programa eleitoral dos

Leia mais

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre o Planejamento Estratégico de TIC no âmbito do Poder Judiciário e dá outras providências. ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário Planejamento

Leia mais

Portugal 2020. Modelo de governação

Portugal 2020. Modelo de governação Portugal 2020 Modelo de governação Princípios gerais: Princípio da racionalidade económica subordinação de qualquer decisão de apoio dos fundos à aferição rigorosa da sua mais-valia económica, social e

Leia mais

Newsletter n.º 26 Mar.2013 MICROSOFT APOIA LINKCITIES

Newsletter n.º 26 Mar.2013 MICROSOFT APOIA LINKCITIES Newsletter n.º 26 Mar.2013 MICROSOFT APOIA LINKCITIES A Microsoft deu a conhecer a Plataforma LinkCities propriedade da Link Think. Esta Plataforma liga as cidades e autarquias locais, através das suas

Leia mais

Que futuro? João Tiago Silveira Conferência Justiça Económica em Portugal Fundação Francisco Manuel dos Santos e Associação Comercial de Lisboa

Que futuro? João Tiago Silveira Conferência Justiça Económica em Portugal Fundação Francisco Manuel dos Santos e Associação Comercial de Lisboa Que futuro? João Tiago Silveira Conferência Justiça Económica em Portugal Fundação Francisco Manuel dos Santos e Associação Comercial de Lisboa Dados sobre a Justiça no futuro Processos a entrar nos tribunais

Leia mais