CAIXA ECONÔMICA FEDERAL 2012

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CAIXA ECONÔMICA FEDERAL 2012"

Transcrição

1 CAIXA ECONÔMICA FEDERAL

2 APRESENTAÇÃO DO CURSO CONHECIMENTOS BANCÁRIOS PARA CAIXA ECONÔMICA FEDERAL EM EXERÍCIOS Léo França Porto 2

3 CONHECIMENTOS BANCÁRIOS REVISÃO EM EXERCÍCIOS CONTEÚDO PROGRAMÁTICO: Conforme Edital CEF 2012 METODOLOGIA: Estudo de Provas e Gabaritos da Banca Cesgranrio e outras Curso Segmentado em 5 Módulos Exercícios gabaritados com o aluno, mostrando como se deve analisar a questão Comentários aos exercícios com aplicação de Teoria

4 MÓDULO I ESTRUTURA DO SFN

5 SFN APRESENTAÇÃO APLICAÇÃO Operação Ativa Poupador Tomador IFs CAPTAÇÃO Operação Passiva

6 ÓRGÃOS NORMATIVOS ENTIDADES SUPERVISORAS OPERADORES CONSELHO MONETÁRIO NACIONAL - CMN Banco Central do Brasil - BACEN Comissão de Valores Mobiliários - CVM Instituições Financeiras Captadoras de Depósitos à Vista Bolsas de Mercadorias e Futuros Demais Instituições Financeiras e Bancos de Câmbio Bolsas de Valores Outros Intermediários Financeiros e Administradores de Recursos de Terceiros CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS - CNSP Superintendência de Seguros Privados - SUSEP Resseguradores e Sociedades Seguradoras Sociedades de Capitalização Entidades Abertas de Previdência Complementar CONSELHO NACIONAL DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR - CNPC Superintendência Nacional de Previdência Complementar - PREVIC Entidades Fechadas de Previdência Complementar (Fundos de Pensão)

7 MÓDULO I ESTRUTURA DO SFN Questão 1) Cespe-UnB/CEF/Mai Julgue os itens abaixo, relativos às políticas da área econômica: (I) Os objetivos principais da política econômica são promover o desenvolvimento e o crescimento econômico; garantir o pleno emprego e sua estabilidade; equilibrar o volume financeiro das transações econômicas com o exterior; garantir a estabilidade dos preços e o controle da inflação; e promover a distribuição da riqueza e das rendas, com vistas a reduzir as desigualdades sociais e propiciar melhor condição econômica para mais pessoas. (II) A política monetária pode ser definida como o controle da oferta de moeda e a definição a taxa de juros para garantir o nível adequado de liquidez em cada momento econômico.

8 MÓDULO I ESTRUTURA DO SFN Questão 1 continuação) Cespe-UnB/CEF/Mai (III) A política monetária tem como objetivo aumentar a arrecadação de tributos junto à sociedade para fazer frente às despesas governamentais. (IV) A política fiscal trata das receitas e despesas do governo e tem como objetivo adequar as despesas efetuadas pelo governo ao volume de receitas arrecadadas. (V) A política cambial visa manter o equilíbrio das relações externas, via balanço de pagamentos, com as necessidades internas da economia, e a paridade da moeda do país em relação às moedas estrangeiras. Estão certos apenas os itens (A) I, II, III e IV. (B) I, II, III e V. (C) I, II, IV e V. (D) I, III, IV e V. (E) II, III, IV e V.

9 MÓDULO I ESTRUTURA DO SFN Questão 2) Cesgranrio/CEF/Mai O mercado que opera a curto prazo destinando os recursos captados ao financiamento de consumo para pessoas físicas e capital de giro para pessoas jurídicas, através de intermediários financeiros bancários, é o mercado: (A) de crédito (B) de capitais (C) de câmbio (D) de ações (E) monetário

10 MÓDULO I ESTRUTURA DO SFN Questão 3) Cesgranrio/CEF/Mai Quando o Banco Central deseja baratear os empréstimos e possibilitar maior desenvolvimento empresarial, ele irá adotar uma Política Monetária Expansiva, valendo-se de medidas como a: (A) venda de títulos públicos. (B) elevação da taxa de juros. (C) elevação do recolhimento compulsório. (D) redução das linhas de crédito. (E) redução das taxas de juros.

11 MÓDULO I ESTRUTURA DO SFN Questão 4) Cespe-UnB/CEF/Mai As operações de mercado aberto constituem o mais ágil instrumento de política monetária utilizado pelo BACEN, pois permitem o imediato e permanente ajuste da liquidez monetária e do custo primário do dinheiro na economia. A respeito dessas operações, assinale a opção correta: (A) Operação final ocorre quando o vendedor do título assume o compromisso de recomprá-lo, enquanto o adquirente assume o compromisso de revendê-lo. (B) Os dealers são instituições financeiras escolhidas pelo BACEN para fomentar a liquidez e a competitividade do mercado aberto de títulos públicos, aumentando a eficiência de suas operações, com consequências positivas para os preços dos títulos e para o perfil da dívida pública.

12 MÓDULO I ESTRUTURA DO SFN Questão 4 - continuação) Cespe-UnB/CEF/Mai (C) Operação compromissada ocorre quando o título é adquirido sem assunção de qualquer compromisso de revendê-lo no futuro, passando a compor a carteira da instituição adquirente de forma definitiva. (D) As operações de mercado aberto são realizadas com os títulos públicos e privados existentes na carteira do BACEN, por meio de operações compromissadas ou finais. (E) Nos leilões informais (go around), participam as pessoas físicas e jurídicas não financeiras, além dos dealers.

13 MÓDULO I ESTRUTURA DO SFN Questão 5) Cespe-UnB/BrB/2010. Em relação ao Sistema Financeiro Nacional (SFN) e aos seus diversos órgãos, entidades e instituições, julgue os itens a seguir. ( ) A partir da aprovação da Emenda Constitucional n.º 40/2003, a Constituição Federal (CF) passou a admitir que o SFN fosse regulado por meio de diversas leis ordinárias que deveriam dispor, inclusive, a respeito da participação do capital estrangeiro nas instituições que integram esse sistema. ( ) Compete ao Banco Central do Brasil (BACEN), de acordo com a Lei n.º 4.595/1964, regular a concorrência entre instituições financeiras.

14 MÓDULO I ESTRUTURA DO SFN Questão 5 continuação) Cespe-UnB/BrB/2010. ( ) Ao Conselho Monetário Nacional (CMN) incumbe expedir normas gerais de contabilidade e estatística a serem observadas pelas instituições financeiras - IF. ( ) Uma empresa que capte ou administre seguros não se caracteriza, de acordo com a Lei n.º 4.595/1964, como IF, embora possa a esta ser equiparada, para fins específicos, em outras leis especiais como, por exemplo, na lei que dispõe acerca dos crimes contra o SFN. ( ) As instituições financeiras que recebem depósitos do público podem emitir debêntures, desde que previamente autorizadas pelo BACEN.

15 MÓDULO I ESTRUTURA DO SFN Questão 6) FCC/BB/Ago O SFN é integrado por: (A) Ministérios da Fazenda e do Planejamento, Orçamento e Gestão. (B) Secretaria do Tesouro Nacional e Conselho Monetário Nacional. (C) órgãos normativos, entidades supervisoras e operadores. (D) Receita Federal do Brasil e Comissão de Valores Mobiliários. (E) Secretarias estaduais da Fazenda e Ministério da Fazenda.

16 MÓDULO I ESTRUTURA DO SFN Questão 7) FCC/BB/Mar O Sistema Financeiro Nacional tem na sua composição, como entidade supervisora: (A) a Caixa Econômica Federal. (B) o Banco Central do Brasil. (C) o Banco da Amazônia. (D) o Banco do Nordeste. (E) o Banco do Brasil.

17 MÓDULO I ESTRUTURA DO SFN Questão 8) Cespe-UnB/BASA/Fev Julgue os itens a seguir, acerca da estrutura do Sistema Financeiro Nacional (SFN): ( ) No que se refere à supervisão bancária e à regulação prudencial, o BACEN subordina-se às decisões do Conselho Monetário Nacional (CMN). ( ) O Banco da Amazônia S.A. é supervisionado, no que se refere às operações de crédito que realiza, exclusivamente pela Comissão de Valores Mobiliários. ( ) As resoluções que regulam o SFN são editadas pelo CMN.

18 MÓDULO I ESTRUTURA DO SFN Questão 8 - continuação) Cespe-UnB/BASA/Fev ( ) As cooperativas de crédito não são classificadas como instituições financeiras e não estão autorizadas a realizar operações de captação por meio de depósitos à vista e a prazo de associados. ( ) Dos três ministros que compõem o CMN, um deles é o ministro da Fazenda.

19 MÓDULO I ESTRUTURA DO SFN Questão 9) Cesgranrio/BB/Abr O Sistema Financeiro Nacional (SFN) é constituído por todas as instituições financeiras públicas ou privadas existentes no país e seu órgão normativo máximo é o(a): (A) Banco Central do Brasil. (B) Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social. (C) Ministério da Fazenda. (D) Conselho Monetário Nacional. (E) Caixa Econômica Federal.

20 MÓDULO I ESTRUTURA DO SFN Questão 10) Cespe-UnB/BB/Jun O Sistema Financeiro Nacional (SFN) é composto por órgãos de regulação, por instituições financeiras, e auxiliares, públicas e privadas, que atuam na intermediação de recursos dos agentes econômicos (pessoas, empresas, governo). Com relação ao SFN, julgue os itens que se seguem. ( ) São consideradas instituições financeiras as pessoas jurídicas, públicas ou privadas, que tenham como atividade principal ou acessória a coleta, a intermediação ou a aplicação de recursos financeiros próprios ou de terceiros, em moeda nacional ou estrangeira, e a custódia de valor de propriedade de terceiros.

21 MÓDULO I ESTRUTURA DO SFN Questão 10 - continuação) Cespe-UnB/BB/Jun ( ) A área normativa do SFN tem como órgão máximo o Banco Central do Brasil (BACEN). ( ) O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social é uma das principais entidades supervisoras do SFN. ( ) O SFN atua na intermediação financeira, ou seja, no processo pelo qual os agentes que estão superavitários, com sobra de dinheiro, transferem esses recursos para aqueles que estejam deficitários, com falta de dinheiro.

22 MÓDULO I ESTRUTURA DO SFN Questão 11) Cesgranrio/CEF/Mai O Sistema Financeiro Nacional (SFN), conhecido também como Sistema Financeiro Brasileiro, compreende um vasto sistema que abrange grupos de instituições, entidades e empresas. Nesse sentido, o Sistema Financeiro Nacional é compreendido por: (A) uma rede de instituições bancárias, ONG, entidades e fundações que visam principalmente à transferência de recursos financeiros para empresas com deficit de caixa. (B) um conjunto de instituições financeiras e instrumentos financeiros que visam, em última análise, a transferir recursos dos agentes econômicos (pessoas, empresas, governo) superavitários para os deficitários.

23 MÓDULO I ESTRUTURA DO SFN Questão 11 - continuação) Cesgranrio/CEF/Mai (C) dois subsistemas: um normativo e outro de intermediação financeira, sendo que este último é composto por instituições que estabelecem diretrizes de atuação das instituições financeiras operativas, como a Comissão de Valores Mobiliários. (D) instituições financeiras e filantrópicas, situadas no território nacional, que têm como objetivo principal o financiamento de obras públicas e a participação ativa em programas sociais. (E) agentes econômicos e não econômicos que objetivam a transferência de recursos financeiros, desde que previamente autorizada pela CVM, para os demais agentes participantes do sistema.

24 MÓDULO I ESTRUTURA DO SFN Questão 12) Cespe-UnB/BB/Jun O Sistema Financeiro Nacional (SFN) é composto por órgãos de regulação e por instituições financeiras e auxiliares, públicas e privadas, que atuam na intermediação de recursos dos agentes econômicos (pessoas, empresas, governo). Com relação ao SFN, julgue os itens seguintes: ( ) São consideradas instituições financeiras as pessoas jurídicas, públicas ou privadas, que tenham como atividade principal ou acessória a coleta, a intermediação ou a aplicação de recursos financeiros próprios ou de terceiros, em moeda nacional ou estrangeira, e a custódia de valor de propriedade de terceiros.

25 MÓDULO I ESTRUTURA DO SFN Questão 12 - continuação) Cespe-UnB/BB/Jun ( ) Os pagamentos sem utilização de papel-moeda (noncash) são efetuados principalmente por meio de cheques, transferências de crédito, cartões de crédito e de débito e, também, por débitos diretos. Todas essas movimentações, quando cursadas no SFN, podem ser realizadas em moeda nacional, em dólares norte-americanos ou em euros.

26 MÓDULO I ESTRUTURA DO SFN Questão 13) Cespe-UnB/BB/Mai O Sistema Financeiro Nacional (SFN) é composto por órgãos de regulação, por instituições financeiras e auxiliares, públicas e privadas, que atuam na intermediação de recursos dos agentes econômicos (pessoas, empresas, governo). Com relação ao SFN, julgue os itens a seguir. ( ) A área operativa do SFN é formada pelas instituições financeiras públicas e privadas, que atuam no mercado financeiro. ( ) A área normativa do SFN tem como órgão máximo o Banco Central do Brasil (BACEN).

27 MÓDULO I ESTRUTURA DO SFN Questão 13 - continuação) Cespe-UnB/BB-DF/Mai O Sistema Financeiro Nacional (SFN) é composto por órgãos de regulação, instituições financeiras, instituições auxiliares públicas e privadas, que atuam na intermediação de recursos dos agentes econômicos (pessoas, empresas, governo). Com relação ao SFN, julgue os itens a seguir: ( ) Há dois grandes grupos de entidades no SFN: o subsistema normativo, que trata da regulação e da fiscalização, e o subsistema operativo, que trata da intermediação, do suporte operacional e da administração.

28 MÓDULO I ESTRUTURA DO SFN Questão 13 - continuação) Cespe-UnB/BB-DF/Mai ( ) O SFN atua na intermediação financeira, processo pelo qual os agentes que estão superavitários, com sobra de dinheiro, transferem esses recursos para aqueles que estejam deficitários, com falta de dinheiro. ( ) O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) é uma das principais entidades supervisoras do SFN.

29 MÓDULO I ESTRUTURA DO SFN Questão 14) FCC/BB/Ago Para atuar no Sistema Financeiro Nacional os bancos estrangeiros dependem de: (A) depósito prévio de garantias em dinheiro ou representado por títulos púbicos. (B) decreto do Poder Executivo. (C) autorização autônoma do Banco Central do Brasil. (D) decisão do ministro da Fazenda. (E) formalização de tratado tributário entre os países.

30 MÓDULO I ESTRUTURA DO SFN Questão 15) FCC/BB/Fev O Conselho Monetário Nacional (CMN) é integrado pelo Ministro da Fazenda, (A) Presidente do Banco Central do Brasil e Presidente da Comissão de Valores Mobiliários. (B) Ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão e Presidente do Banco Central do Brasil. (C) Presidente do Banco Central do Brasil e membros do Comitê de Política Monetária. (D) Presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e Presidente do Banco Central do Brasil. (E) Presidente do Banco do Brasil e Presidente da Caixa Econômica Federal.

31 MÓDULO I ESTRUTURA DO SFN Questão 16) Cespe-UnB/CEF/Mai O CMN possui diversas competências. Segundo diretrizes estabelecidas pelo presidente da República, é competência do CMN: (A) baixar normas que regulem as operações internacionais, inclusive swaps, fixando limites, taxas, prazos e outras condições. (B) aprovar o regimento interno e as contas do Conselho Federal de Contabilidade e decidir sobre seu orçamento e sobre seus sistemas de contabilidade. (C) colaborar com a Câmara dos Deputados na instrução dos processos de empréstimos externos dos estados, do Distrito Federal e dos municípios.

32 MÓDULO I ESTRUTURA DO SFN Questão 16 - continuação) Cespe-UnB/CEF/Mai (D) determinar a porcentagem mínima dos recursos que as instituições financeiras poderão emprestar a um mesmo cliente ou grupo de empresas. (E) expedir normas gerais de contabilidade e estatística a serem observadas pelas instituições financeiras.

33 MÓDULO I ESTRUTURA DO SFN Questão 17) Cespe-UnB/CEF/Mai Junto ao CMN funcionam comissões consultivas de: (A) mercado futuro. (B) seguros privados. (C) crédito rural e de endividamento público. (D) política internacional. (E) assuntos tributários.

34 MÓDULO I ESTRUTURA DO SFN Questão 18) Cespe-UnB/CEF/Mai A Lei n.o 4.595/1964, alterada pela Lei n.o 6.045/1974, dispõe sobre as competências do CMN. De acordo com essa lei, compete ao CMN: (A) determinar as características gerais, exclusivamente, das cédulas e dos tributos. (B) coordenar sua própria política com a de investimentos dos governos federal, estadual e municipal. (C) autorizar as emissões de papel-moeda. (D) disciplinar o crédito em determinadas modalidades. (E) fixar diretrizes e normas da política internacional.

35 MÓDULO I ESTRUTURA DO SFN Questão 19) Cespe-UnB/BB/Jun O Conselho Monetário Nacional (CMN), instituído pela Lei n 4.595/1964, é um órgão normativo, responsável pelas políticas e diretrizes monetárias para a economia do país. No que concerne ao CMN, julgue os itens seguintes: ( ) É competência do CMN definir a forma como o BB administra as reservas vinculadas. ( ) O CMN é o órgão formulador da política da moeda e do crédito, devendo atuar até mesmo no sentido de promover o aperfeiçoamento das instituições e dos instrumentos financeiros, com vistas à maior eficiência do sistema de pagamentos e de mobilização de recursos.

36 MÓDULO I ESTRUTURA DO SFN Questão 19 - continuação) Cespe-UnB/BB/Jun-2009 ( ) O SFN tem como órgão executivo central o BACEN, que estabelece normas a serem observadas pelo CMN. ( ) As funções do CMN incluem: adaptar o volume dos meios de pagamento às reais necessidades da economia e regular o valor interno e externo da moeda e o equilíbrio do balanço de pagamentos.

37 MÓDULO I ESTRUTURA DO SFN Questão 20) Cesgranrio/CEF/Mai O Conselho Monetário Nacional (CMN) planeja, elabora, implementa e julga a consistência de toda a política monetária, cambial e creditícia do país. É um órgão que domina toda a política monetária e ao qual se submetem todas as instituições que o compõem. Uma das atribuições do CMN é: (A)administrar carteiras e a custódia de valores mobiliários. (B) estabelecer normas a serem seguidas pelo Banco Central (BACEN) nas transações com títulos públicos.

38 MÓDULO I ESTRUTURA DO SFN Questão 20 - continuação) Cesgranrio/CEF/Mai (C) executar a política monetária estabelecida pelo Banco Central. (D) regular a execução dos serviços de compensação de cheques e outros papéis. (E) propiciar liquidez às aplicações financeiras, fornecendo, concomitantemente, um preço de referência para os ativos negociados no mercado.

39 MÓDULO I ESTRUTURA DO SFN Questão 21) Cesgranrio/CEF/Jun O sistema financeiro é composto por um conjunto de instituições financeiras, públicas e privadas, e seu órgão normativo máximo é o Conselho Monetário Nacional (CMN). Algumas das principais atribuições do CMN são: I regular a constituição e o funcionamento das instituições financeiras, bem como zelar por sua liquidez; II acionar medidas de prevenção ou correção de desequilíbrios econômicos, surtos inflacionários etc;

40 MÓDULO I ESTRUTURA DO SFN Questão 21 - continuação) Cesgranrio/CEF/Jun III regulamentar, sempre que julgar necessário, as taxas de juros, comissões e qualquer outra forma de remuneração praticada pelas instituições financeiras; IV fomentar e reequipar os setores da economia por meio de várias linhas de crédito; V ter o monopólio das operações de penhor. Estão corretos APENAS os itens (A) I e IV (B) II e V (C) I, II e III (D) I, II e IV (E) II, III e V

41 ( ) Entre as competências do CMN encontra-se a de definir a forma como o Banco do Brasil administrará as reservas vinculadas. ( ) O CMN é o órgão formulador da política da moeda e do crédito, devendo atuar, inclusive, no sentido de promover o aperfeiçoamento das instituições e dos instrumentos financeiros, com vistas à maior eficiência do sistema de pagamentos e de mobilização de recursos. ( ) O Banco Central do Brasil (BACEN) é o principal executor das orientações do CMN. MÓDULO I ESTRUTURA DO SFN Questão 22) Cespe-UnB/BB/Jun O Conselho Monetário Nacional (CMN), instituído pela Lei n.º 4.595/1964, é um órgão normativo, responsável pelas políticas e diretrizes monetárias para a economia do país. Com relação ao CMN, julgue os itens:

42 MÓDULO I ESTRUTURA DO SFN Questão 23) Cespe-UnB/BB/Mai O Conselho Monetário Nacional (CMN), instituído pela Lei n.º 4.595/1964, é um órgão normativo, responsável pelas políticas e diretrizes monetárias para a economia do país. Acerca do CMN, julgue os itens que se seguem: ( ) O SFN tem como órgão executivo central o BACEN, que estabelece normas a serem observadas pelo CMN. ( ) Entre as funções do CMN, estão a de adaptar o volume dos meios de pagamento às reais necessidades da economia e a de regular o valor interno e externo da moeda e o equilíbrio do balanço de pagamentos.

43 MÓDULO I ESTRUTURA DO SFN Questão 24) Cespe-UnB/BB-DF/Mai O Conselho Monetário Nacional (CMN) é um órgão normativo, responsável pelas políticas e diretrizes monetárias para a economia do país. A respeito do CMN, julgue os itens: ( ) Na sua mais recente composição, o CMN passou a ser integrado pelo ministro da Fazenda, como presidente do conselho, pelo ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão e pelo presidente do Banco do Brasil.

44 MÓDULO I ESTRUTURA DO SFN Questão 24 - continuação) Cespe-UnB/BB-DF/Mai ( ) Compete ao CMN fixar as diretrizes e normas da política cambial, inclusive quanto a compra e venda de ouro e quaisquer operações em direitos especiais de saque e em moeda estrangeira. ( ) São regulamentadas por meio de resoluções as matérias aprovadas pelo CMN, normativo de caráter público, sempre divulgado no Diário Oficial da União (DOU) e na página de normativos do BACEN. ( ) Apenas a partir de reuniões consideradas nãosigilosas do CMN são lavradas atas, cujo extrato é publicado no DOU.

45 LEMBRETE CMN Principais atribuições do Presidente do CMN (Ministro da Fazenda): Convocar as reuniões ordinárias e extraordinárias; Abrir as reuniões e dirigir os trabalhos; Definir a pauta dos assuntos a serem discutidos em cada reunião; Autorizar o adiamento da votação de assuntos incluídos na pauta ou extrapauta; Convidar para participar das reuniões do Conselho, sem direito a voto, outros Ministros de Estado, assim como representantes de entidades públicas ou privadas;

46 ÓRGÃOS NORMATIVOS CMN Principais atribuições do Presidente do CMN (Ministro da Fazenda) continuação Deliberar ad referendum do Colegiado, nos casos de urgência e de relevante interesse, submetendo a decisão ao colegiado na primeira reunião que se seguir a este tipo de deliberação; Convocar reuniões extraordinárias da Comissão Técnica da Moeda e do Crédito e das Comissões Consultivas, por iniciativa própria ou por solicitação dos demais membros do CMN.

47 LEMBRETE CMN Comissões Consultivas (assessorar o CMN): (COMOC + 7 CC) Comissão Técnica da Moeda e do Crédito (COMOC) Comissão de Política Monetária e Cambial (COPOM) Normas e Organização do Sistema Financeiro; de Mercado de Valores Mobiliários e de Futuros; de Crédito Rural; de Crédito Industrial; de Crédito Habitacional e para Saneamento e Infra- Estrutura Urbana; e de Endividamento Público.

48 LEMBRETE CMN Objetivos do CMN (art. 3º, Lei 4.595/64): I - Adaptar o volume dos meios de pagamento às reais necessidades da economia nacional e seu processo de desenvolvimento; II - Regular o valor interno da moeda, para tanto prevenindo ou corrigindo os surtos inflacionários ou deflacionários de origem interna ou externa, as depressões econômicas e outros desequilíbrios oriundos de fenômenos conjunturais; III - Regular o valor externo da moeda e o equilíbrio no balanço de pagamento do País, tendo em vista a melhor 48 utilização dos recursos em moeda estrangeira;

49 LEMBRETE CMN Objetivos do CMN - continuação IV - Orientar a aplicação dos recursos das instituições financeiras, quer públicas, quer privadas, tendo em vista propiciar, nas diferentes regiões do País, condições favoráveis ao desenvolvimento harmônico da economia nacional; V - Propiciar o aperfeiçoamento das instituições e dos instrumentos financeiros, com vistas à maior eficiência do sistema de pagamentos e de mobilização de recursos; VI - Zelar pela liquidez e solvência das instituições financeiras; e VII - Coordenar as políticas monetária, creditícia, 49 orçamentária, fiscal e da dívida pública, interna e externa.

50 LEMBRETE CMN Principais Competências Privativas (art. 4º, Lei 4.595/64): I Autorizar as emissões de papel-moeda e moeda metálica; II Aprovar os orçamentos monetários preparados pelo BACEN por meio dos quais se estimarão as necessidades globais de moeda e crédito; III Definir a forma como o BACEN administrará as reservas internacionais vinculadas; IV Fixar as diretrizes e normas da política cambial inclusive compra e venda de ouro e quaisquer operações em moeda estrangeira; V Estabelecer normas a serem observadas pelo BACEN em suas transações com títulos públicos e de entidades de que 50 participe o Estado;

51 LEMBRETE CMN Competências Privativas do CMN continuação VI Disciplinar o crédito em todas as suas modalidades e as operações creditícias em todas as suas formas inclusive aceites, avais e prestações de quaisquer garantias por parte das instituições financeiras; VII Autorizar o BACEN e as IFs públicas federais a efetuar a subscrição, compra e venda de ações e outros papéis emitidos ou de responsabilidade das sociedades de economia mista e empresas do Estado; VIII Disciplinar as atividades das bolsas de valores e dos corretores de fundos públicos; IX Estatuir normas para as operações das IFs públicas; 51 X Fixar o recolhimento compulsório sobre os depósitos;

52 LEMBRETE CMN Competências Privativas do CMN continuação XI Aprovar o regimento interno e as contas do BACEN sem prejuízo da competência do Tribunal de Contas da União; XII Regulamentar, fixando limites, prazos e outras condições, as operações de redesconto e de empréstimo efetuadas com quaisquer instituições financeiras públicas e privadas de natureza bancária; XIII Colaborar com o Senado Federal na instrução dos processos de empréstimos externos dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios; XIV Baixar normas que regulem as operações de câmbio, inclusive swaps, fixando limites, taxas, prazos e outras 52 condições.

53 MÓDULO I ESTRUTURA DO SFN Questão 25) FCC/BB/Fev O Conselho de Recursos do Sistema Financeiro Nacional (CRSFN) é um órgão colegiado, integrante da estrutura do Ministério da Fazenda, que julga recursos I. em segunda e última instância administrativa. II. em primeira instância, de decisões do Banco Central do Brasil relativas a penalidades por infrações à legislação cambial. III. de decisões da Comissão de Valores Mobiliários relativas a penalidades por infrações à legislação de capitais estrangeiros. Está correto o que consta em: (A) I, apenas. (B) II, apenas. (C) I e III, apenas. (D) II e III, apenas. (E) I, II e III.

54 MÓDULO I ESTRUTURA DO SFN Questão 26) Cespe-UnB/BB/Jun O Conselho de Recursos do Sistema Financeiro Nacional (CRSFN) é um órgão colegiado, de segundo grau, integrante da estrutura do Ministério da Fazenda. Com relação ao CRSFN, julgue: ( ) É atribuição do CRSFN adaptar o volume dos meios de pagamento às reais necessidades da economia, bem como regular os valores interno e externo da moeda e o equilíbrio do balanço de pagamentos. ( ) De decisão em processo administrativo oriundo do BACEN, da CVM, da Secretaria de Comércio Exterior ou da Secretaria da Receita Federal, cabe recurso ao CRSFN, no prazo estipulado na intimação, devendo o interessado entregá-lo mediante recibo ao respectivo órgão instaurador.

55 MÓDULO I ESTRUTURA DO SFN Questão 26 - continuação) Cespe-UnB/BB/Jun-2009 ( ) É atribuição do CRSFN julgar, em segunda e última instância administrativa, os recursos interpostos das decisões relativas às penalidades administrativas aplicadas pelo BACEN quanto a matérias relativas à aplicação de penalidades por infração à legislação de consórcios.

56 MÓDULO I ESTRUTURA DO SFN Questão 27) Cespe-UnB/BB/Mai O Conselho de Recursos do Sistema Financeiro Nacional (CRSFN) é um órgão colegiado, de segundo grau, integrante da estrutura do Ministério da Fazenda, cuja Secretaria-Executiva funciona no edifício sede do BACEN. Acerca do CRSFN, julgue os itens que se seguem: ( ) Constituem atribuições do CRSFN: adaptar o volume dos meios de pagamento às reais necessidades da economia; regular o valor interno e externo da moeda e o equilíbrio do balanço de pagamentos.

57 MÓDULO I ESTRUTURA DO SFN Questão 27 - continuação) Cespe-UnB/BB/Mai ( ) Ao receber intimação decisória de processo administrativo oriundo do BACEN, da CVM, do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio-Secretaria de Comércio Exterior (SECEX) ou do Ministério da Fazenda- Secretaria da Receita Federal (SRF), o(s) interessado(s) poderá(ão) interpor recurso ao CRSFN, no prazo estipulado na intimação, devendo entregá-lo mediante recibo ao respectivo órgão instaurador.

58 MÓDULO I ESTRUTURA DO SFN Questão 28) Cespe-UnB/BB-DF/Mai O CRSFN é um órgão colegiado, de segundo grau, integrante da estrutura do Ministério da Fazenda. Com relação ao CRSFN, julgue os itens a seguir: ( ) É atribuição do CRSFN julgar, em segunda e última instâncias administrativas, os recursos interpostos das decisões relativas às penalidades administrativas aplicadas pelo BACEN e relativas a infração à legislação de consórcios.

59 MÓDULO I ESTRUTURA DO SFN Questão 28 - continuação) Cespe-UnB/BB-DF/Mai ( ) Compete ao CRSFN apreciar os recursos de ofício, dos órgãos e entidades competentes, contra decisões de arquivamento de processos que versem sobre penalidades por infrações à legislação cambial, de capitais estrangeiros e de crédito rural e industrial. ( ) Não é atribuição do CRSFN julgar recursos interpostos das decisões relativas às penalidades administrativas aplicadas pela Secretaria de Comércio Exterior do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC).

60 MÓDULO I ESTRUTURA DO SFN Questão 29) FCC/BB/Ago O Banco Central do Brasil tem como atribuição: (A) receber os recolhimentos compulsórios dos bancos. (B) garantir a liquidez dos títulos de emissão do Tesouro Nacional. (C) acompanhar as transações em bolsas de valores. (D) assegurar o resgate dos contratos de previdência privada. (E) fiscalizar os repasses de recursos pelo BNDES.

61 MÓDULO I ESTRUTURA DO SFN Questão 30) FCC/BB/Mar A função de zelar pela liquidez e solvência das instituições financeiras autorizadas a funcionar no País é: (A) da Federação Brasileira de Bancos. (B) do Fundo Garantidor de Crédito. (C) da Comissão de Valores Mobiliários. (D) do Ministério da Fazenda. (E) do Conselho Monetário Nacional.

62 MÓDULO I ESTRUTURA DO SFN Questão 31) Cespe-UnB/CEF/Mai As competências privativas do BACEN incluem: (A) a realização de operações de redesconto e empréstimos a instituições financeiras bancárias. (B) a emissão de debêntures conversíveis em ações. (C) a definição da tributação das operações financeiras. (D) o exercício da fiscalização das instituições financeiras, sem, contudo, aplicar-lhes penalidades. (E) a concessão de autorização às instituições financeiras para arquivarem os seus estatutos na junta comercial.

63 MÓDULO I ESTRUTURA DO SFN Questão 32) Cespe-UnB/CEF/Mai Ao exercer as suas atribuições, o BACEN cumpre funções de competência privativa. A respeito dessas funções, julgue os itens: (I) Ao realizar as operações de redesconto às instituições financeiras, o BACEN cumpre a função de banco dos bancos. (II) Ao emitir meio circulante, o BACEN cumpre a função de banco emissor. (III) Ao ser o depositário das reservas oficiais e ouro, o BACEN cumpre a função de banqueiro do governo.

64 MÓDULO I ESTRUTURA DO SFN Questão 32 - continuação) Cespe-UnB/CEF/Mai (IV) Ao autorizar o funcionamento, estabelecendo a dinâmica operacional, de todas as instituições financeiras, o BACEN cumpre a função de gestor do Sistema Financeiro Nacional. (V) Ao determinar, por meio do Comitê de Política Monetária (COPOM), a taxa de juros de referência para as operações de um dia (taxa SELIC), o BACEN cumpre a função de executor da política fiscal. Estão certos apenas os itens (A) I, II, III e IV. (B) I, II, III e V. (C) I, II, IV e V. (D) I, III, IV e V. (E) II, III, IV e V.

65 MÓDULO I ESTRUTURA DO SFN Questão 33) Cespe-UnB/CEF/Mai Julgue os itens seguintes, relativos à política monetária: (I) O BACEN, ao efetuar o recolhimento compulsório sobre os depósitos e outros recursos de terceiros, tem como objetivo reduzir a capacidade de criação de moeda pelas instituições financeiras que captam depósitos. (II) A execução da política monetária consiste em adequar o volume dos meios de pagamentos à efetiva necessidade dos agentes econômicos, mediante a utilização de determinados instrumentos de política monetária. (III) O BACEN, ao vender títulos às instituições financeiras, aumenta a liquidez no mercado.

66 MÓDULO I ESTRUTURA DO SFN Questão 33 - continuação) Cespe-UnB/CEF/Mai (IV) As operações de mercado aberto (open market) consistem na atuação do BACEN para aumentar ou diminuir a liquidez na economia, mediante a compra ou a venda de títulos. (V) Os instrumentos clássicos de política monetária são as operações de redesconto ou de assistência de liquidez, o recolhimento compulsório e as operações de mercado aberto (open market). Estão certos apenas os itens (A) I, II, III e IV. (B) I, II, III e V. (C) I, II, IV e V. (D) I, III, IV e V. (E) II, III, IV e V.

67 MÓDULO I ESTRUTURA DO SFN Questão 34) Cespe-UnB/BB/Jun O BACEN, criado pela Lei n.o 4.595/1964, é uma autarquia federal vinculada ao Ministério da Fazenda, com sede e foro na capital da República e atuação em todo o território nacional. Com relação ao BACEN, julgue os próximos itens: ( ) Além de autorizar o funcionamento e exercer a fiscalização das instituições financeiras, emitir moeda e executar os serviços do meio circulante, compete também ao BACEN traçar as políticas econômicas, das quais o CMN é o principal órgão executor.

68 MÓDULO I ESTRUTURA DO SFN Questão 34 - continuação) Cespe-UnB/BB/Jun ( ) As atribuições do BACEN incluem: estabelecer as condições para o exercício de quaisquer cargos de direção nas instituições financeiras, vigiar a interferência de outras empresas nos mercados financeiros e de capitais e controlar o fluxo de capitais estrangeiros no país.

69 MÓDULO I ESTRUTURA DO SFN Questão 34 - continuação) Cespe-UnB/BB/Jun ( ) O BACEN tem competência para regulamentar, autorizar o funcionamento e supervisionar os sistemas de compensação e de liquidação, atividades que, no caso de sistemas de liquidação de operações com valores mobiliários, exceto títulos públicos e títulos privados emitidos por bancos, são compartilhadas com a Comissão de Valores Mobiliários (CVM). ( ) Realizar operações de redesconto e empréstimo às instituições financeiras e regular a execução dos serviços de compensação de cheques e outros papéis são as atribuições do BACEN.

70 MÓDULO I ESTRUTURA DO SFN Questão 35) Cespe-UnB/CEF/Mai A respeito dos procedimentos relativos à liquidação interbancária de cheques e à Centralizadora da Compensação de Cheques (COMPE), julgue os seguintes itens: (I) A COMPE é regulada e executada pelo Banco Central do Brasil (BACEN). (II) Os participantes da COMPE são o BACEN, os estabelecimentos bancários autorizados a receber depósitos do público, movimentáveis por cheque; e outras instituições autorizadas a funcionar pelo BACEN, a critério deste banco. (III) A COMPE é composta por três sistemas: sistema local; sistema integrado regional; sistema nacional.

71 MÓDULO I ESTRUTURA DO SFN Questão 35 - continuação) Cespe-UnB/CEF/Mai (IV) A COMPE pode compensar e liquidar os seguintes papéis: cheques; documentos de acerto de diferença; recibos interbancários; comunicações de remessa; comunicações de devolução. (V) São compensáveis por meio do sistema nacional os documentos girados sobre praças participantes desse sistema e não abrangidas pelo sistema local ou sistema integrado regional em que estiverem sendo torçados. Estão certos apenas os itens (A) I, II, III e IV. (B) I, II, III e V. (C) I, II, IV e V. (D) I, III, IV e V. (E) II, III, IV e V.

72 MÓDULO I ESTRUTURA DO SFN Questão 36) Cespe-UnB/BB/Jun O BACEN, criado pela Lei n.º 4.595/1964, é uma autarquia federal vinculada ao Ministério da Fazenda, com sede e foro na capital da República e atuação em todo o território nacional. Com relação ao BACEN, julgue os seguintes itens: ( ) O CMN é o principal órgão executor da política traçada pelo BACEN, cumprindo-lhe, também, autorizar o funcionamento e exercer a fiscalização das instituições financeiras, emitir moeda e executar os serviços do meio circulante.

73 MÓDULO I ESTRUTURA DO SFN Questão 36 - continuação) Cespe-UnB/BB/Jun ( ) Entre as atribuições do BACEN estão a de estabelecer as condições para o exercício de quaisquer cargos de direção nas IFs, a de vigiar a interferência de outras empresas nos mercados financeiros e de capitais e a de controlar o fluxo de capitais estrangeiros no país. ( ) O BACEN tem competência para regulamentar, autorizar o funcionamento e supervisionar os sistemas de compensação e de liquidação, atividades que, no caso de sistemas de liquidação de operações com valores mobiliários, exceto títulos públicos e privados emitidos por bancos, são compartilhadas com a Comissão de Valores Mobiliários.

74 ( ) O BACEN tem sua sede no Rio de Janeiro e conta com representações em Brasília, capital do país, e nas capitais dos estados do Rio Grande do Sul, do Paraná, de São Paulo, de Minas Gerais, da Bahia, de Pernambuco, do Ceará e do Pará. ( ) Entre as atribuições do BACEN, estão a de realizar as operações de redesconto e empréstimo às instituições financeiras e a de regular a execução dos serviços de compensação de cheques e outros papéis. MÓDULO I ESTRUTURA DO SFN Questão 37) Cespe-UnB/BB/Mai O BACEN, criado pela Lei n.º 4.595/1964, é uma autarquia federal vinculada ao Ministério da Fazenda e tem atuação em todo o território nacional. No que se refere ao BACEN, julgue:

75 MÓDULO I ESTRUTURA DO SFN Questão 38) Cespe-UnB/BB-DF/Mai O BACEN, criado pela Lei n.º 4.595/1964, é uma autarquia federal vinculada ao Ministério da Fazenda, com sede e foro na capital da República e atuação em todo o território nacional. Com relação ao BACEN, julgue: ( ) O BACEN executa a política cambial definida pelo Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, regulamentando o mercado de câmbio e autorizando as instituições que nele operam. ( ) As instituições financeiras estrangeiras podem funcionar no país somente mediante prévia autorização do BACEN ou decreto do Poder Executivo. ( ) Compete ao BACEN autorizar e fiscalizar o funcionamento das administradoras de cartão de crédito.

76 MÓDULO I ESTRUTURA DO SFN Questão 39) FCC/BB/Mar O Comitê de Política Monetária (COPOM): (A) divulga semanalmente a taxa de juros de curto prazo verificada no mercado financeiro. (B) tem como objetivo cumprir as metas para a inflação definidas pela Presidência da República. (C) é composto pelos membros da Diretoria Colegiada do Banco Central do Brasil. (D) tem suas decisões homologadas pelo ministro da Fazenda. (E) discute e determina a atuação do Banco Central do Brasil no mercado de câmbio.

77 MÓDULO I ESTRUTURA DO SFN Questão 40) FCC/BB/Jun O Comitê de Política Monetária COPOM tem como objetivo: (A) Reunir periodicamente os ministros da Fazenda e do Planejamento, Orçamento e Gestão e o presidente do Banco Central do Brasil. (B) Coletar as projeções das instituições financeiras para a taxa de inflação. (C) Divulgar mensalmente as taxas de juros de curto e longo prazos praticadas no mercado financeiro. (D) Promover debates acerca da política monetária até que se alcance consenso sobre a taxa de juros de curto prazo a ser divulgada em ata. (E) Implementar a política monetária e definir a meta da Taxa SELIC e seu eventual viés.

78 MÓDULO I ESTRUTURA DO SFN Questão 41) Cespe-UnB/BB/Jun O Comitê de Política Monetária (COPOM) do BACEN foi instituído em 1996, com os objetivos de estabelecer as diretrizes da política monetária e de definir a taxa de juros. A criação desse comitê buscou proporcionar maior transparência e ritual adequado ao processo decisório do BACEN. Acerca do COPOM, julgue os próximos itens: ( ) O COPOM, constituído no âmbito do BACEN, tem como objetivo implementar as políticas econômica e tributária do governo federal.

79 MÓDULO I ESTRUTURA DO SFN Questão 41 - continuação) Cespe-UnB/BB/Jun ( ) Desde a adoção da sistemática de metas para a inflação como diretriz de política monetária, as decisões do COPOM visam cumprir as metas para a inflação definidas pelo CMN. ( ) Se as metas não forem atingidas, cabe ao presidente do BACEN divulgar, em carta aberta ao ministro da Fazenda, os motivos do descumprimento, as providências e o prazo para o retorno da taxa de inflação aos limites estabelecidos.

80 MÓDULO I ESTRUTURA DO SFN Questão 42) Cespe-UnB/BB/Jun O Comitê de Política Monetária (COPOM) do BACEN tem como objetivos estabelecer as diretrizes da política monetária e definir a taxa de juros. A criação desse comitê buscou proporcionar maior transparência e ritual adequado ao processo decisório da instituição. No que se refere ao COPOM, julgue os próximos itens: ( ) É objetivo do COPOM implementar as políticas econômica e tributária do governo federal.

81 MÓDULO I ESTRUTURA DO SFN Questão 42 continuação) Cespe-UnB/BB/Jun ( ) Desde a adoção da sistemática de metas para a inflação como diretriz de política monetária, as decisões do COPOM passaram a ter como objetivo cumprir as metas para a inflação definidas pelo CMN. Se as metas não forem atingidas, cabe ao presidente do BACEN divulgar, em carta aberta ao ministro da Fazenda, os motivos do descumprimento, bem como as providências e o prazo para retorno da taxa de inflação aos limites estabelecidos.

82 MÓDULO I ESTRUTURA DO SFN Questão 43) Cespe-UnB/BB/Mai O Comitê de Política Monetária (COPOM) do BACEN foi instituído em 20/6/1996, com o objetivo de estabelecer as diretrizes da política monetária e de definir a taxa de juros. A criação desse comitê buscou proporcionar maior transparência e ritual adequado ao processo decisório da instituição. Com relação ao COPOM, julgue os itens seguintes: ( ) As atas das reuniões do COPOM devem ser divulgadas no prazo de até quinze dias úteis após a data de sua realização.

83 MÓDULO I ESTRUTURA DO SFN Questão 43 - continuação) Cespe-UnB/BB/Mai ( ) A taxa de juros fixada na reunião do COPOM é a meta para a taxa SELIC (taxa média dos financiamentos diários, com lastro em títulos federais, apurados no Sistema Especial de Liquidação e Custódia), a qual vigora por todo o período entre reuniões ordinárias do Comitê.

84 MÓDULO I ESTRUTURA DO SFN Questão 44) Cespe-UnB/BB-DF/Mai O Comitê de Política Monetária (COPOM) do BACEN foi instituído em 1996, com o objetivo de estabelecer as diretrizes da política monetária e de definir a taxa de juros. A criação do COPOM buscou proporcionar maior transparência e ritual adequado ao processo decisório do BACEN. Julgue: ( ) Compete ao COPOM avaliar o cenário macroeconômico e os principais riscos a ele associados, com base nos quais são tomadas as decisões de política monetária. ( ) As atas das reuniões do COPOM são divulgadas quinze dias úteis após a sua realização. ( ) O COPOM reúne-se ordinariamente doze vezes por ano e extraordinariamente sempre que necessário, por convocação de seu presidente.

85 MÓDULO I ESTRUTURA DO SFN Questão 45) Cespe-UnB/CEF/Mai Quanto ao regime de política monetária no Brasil, assinale o correto: (A) No regime monetário atual, com o objetivo de atingir a meta de inflação fixada pelo CMN, o BACEN efetua controle da expansão da base monetária, mediante o emprego dos instrumentos de política monetária. (B) Integram o Comitê de Política Monetária, com direito a voto, o presidente e os diretores do BACEN, facultando-se, em suas reuniões, a participação do ministro da Fazenda e do ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão, ambos sem direito a voto. (C) O descumprimento da meta de inflação acarreta a exoneração do presidente do BACEN, em conformidade com disciplina veiculada em decreto do presidente da República.

86 (D) Para fins de estabelecimento das metas de inflação, o índice de preços adotado no Brasil é, segundo norma editada pelo CMN, o índice de preços ao consumidor amplo, calculado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (E) O principal instrumento para condução da política monetária no Brasil é a estipulação, pelo CMN, de limites máximos para taxas de juros, descontos, comissões e qualquer outra forma de remuneração de serviços bancários ou financeiros, adotando-se, ainda, em caráter suplementar, a fixação de recolhimentos compulsórios e a realização de operações de redesconto. MÓDULO I ESTRUTURA DO SFN Questão 45 - continuação) Cespe-UnB/CEF/Mai-2010.

87 LEMBRETE BACEN Principais Atribuições do BACEN (vide: I Emitir papel-moeda e moeda metálica (exclusivo do BACEN). II Executar os serviços do meio circulante. As atividades referentes ao meio circulante destinamse a satisfazer a demanda de dinheiro indispensável à atividade econômico-financeira do País. Anualmente, são encomendados à Casa da Moeda do Brasil (CMB) os quantitativos de numerário projetados para atender às necessidades previstas. O BACEN, em conjunto com a CMB, desenvolve projetos de cédulas e moedas metálicas, adotando linhas 87 temáticas que lhes confiram identidade nacional.

88 LEMBRETE BACEN Principais Atribuições do BACEN - continuação A CASA DA MOEDA DO BRASIL existe desde 1694, quando foi instalada na Bahia, sendo transferida, em 1699, para o Rio de Janeiro. Em 1970, foi para Pernambuco, lá funcionando até No ano seguinte, retornou ao RJ, onde permanece até hoje. A CMB tem como finalidade principal garantir o suprimento do meio circulante nacional. Para atender à demanda do BC, dispõe de unidades industriais responsáveis pela impressão de cédulas, pela cunhagem de moedas e também de medalhas comemorativas. O papel-moeda fabricado somente tem valor financeiro 88 quando registrado e custodiado pelo BACEN.

89 LEMBRETE BACEN Principais Atribuições do BACEN: III Recolher o Depósito Compulsório sobre Valores Sujeitos ao Recolhimento (VSR) de recursos captados ou de serviços prestados pelas IFs junto aos seus depositantes, aplicadores ou conveniados. IV Receber recolhimentos voluntários das Instituições Financeiras e Bancárias. V Realizar Open Market (Mercado Aberto): compra e Venda de Títulos Públicos Federais. VI Efetuar o Redesconto ou Empréstimo de Assistência à Liquidez às IFs: iliquidez temporária indesejável. 89

90 LEMBRETE BACEN Principais Atribuições do BACEN continuação VII Regular a execução do Serviço de Compensação de Cheques e Outros Papéis. Ob: Quem executa é o Banco do Brasil por meio de uma das câmaras de compensação (clearings houses) do SPB VIII Exercer o controle de crédito. IX Exercer a fiscalização das IFs. X Autorizar o funcionamento das IFs. XI Estabelecer as condições para o exercício de quaisquer cargos de direção nas IFs. XII Vigiar a interferência de outras empresas nos mercados financeiros e de capitais. XIII Controlar o fluxo de capitais estrangeiros no país. XIV Administrar o Sistema de Pagamentos Brasileiro (SPB). 90

91 LEMBRETE BACEN Principais Competências exclusivas do BACEN (Lei nº 4.595/64) Sanear o Meio Circulante: troca de moedas velhas, emissão de novas moedas, recolhimento moedas falsas e danificadas. Recolher o Depósito Compulsório sobre Valores Sujeitos ao Recolhimento (VSR) de recursos captados ou de serviços prestados pelas IFs junto aos seus depositantes, aplicadores ou conveniados. Receber recolhimentos voluntários das Instituições Financeiras e Bancárias Efetuar o Redesconto ou Empréstimo de Assistência à Liquidez: iliquidez temporária indesejável. Regular a execução do Serviço de Compensação de 91 Cheques e Outros Papéis (a execução é do Banco do Brasil)

92 LEMBRETE BACEN Principais Competências exclusivas do BACEN - continuação Efetuar Open Market (operações de compra e venda de títulos públicos e federais). Controlar o crédito sob todas as formas. Fiscalizar as IFs, aplicando, quando necessário, as penalidades previstas em lei. Conceder autorizações às IFs, no que se refere ao funcionamento, instalação ou transferência de sua sede, e aos pedidos de fusão e incorporação. Estabelecer as condições para o exercício de quaisquer cargos de direção nas IFs privadas. Regular a concorrência entre as IFs. 92

93 LEMBRETE BACEN Principais Competências exclusivas do BACEN - continuação Vigiar a interferência de outras empresas nos mercados financeiros e de capitais. Controlar o fluxo de capitais estrangeiros, garantindo o correto funcionamento do mercado cambial, operando, inclusive, via Ouro, Moeda ou Op. Crédito no exterior. Formular, executar e acompanhar a Política Monetária por meio de mecanismos das Reservas Bancárias; Operações de Mercado Aberto; Reservas 93 Compulsórias; e Assistência Financeira de Liquidez.

94 LEMBRETE BACEN Principais Competências exclusivas do BACEN - continuação Formular, executar e acompanhar a Política Cambial e de relações financeiras com o exterior por meio de: Regulação do Mercado de Câmbio; Administração das Reservas Internacionais; Acompanhamento dos movimentos de capitais; Relacionamento com Organismos Internacionais e América Latina; Participação no Processo de Integração do Mercosul; e Negociação da Dívida Externa. 94

95 LEMBRETE BACEN Principais Objetivos do BACEN: Zelar pela adequada liquidez da economia Manter as reservas internacionais em nível adequado Estimular a formação de poupança Zelar pela estabilidade econômica Promover o permanente aperfeiçoamento do 95 SFN

96 LEMBRETE BACEN BACEN NOTÍCIA RECENTE: COMEF O BACEN realizou dia 14 de julho a primeira reunião ordinária do Comitê de Estabilidade Financeira (COMEF). O Comitê, criado pela Portaria no de 18 de maio de 2011, é um órgão de governança do Banco Central que tem por objetivo, essencialmente, determinar a realização de estudos relativos à estabilidade financeira e à prevenção do risco sistêmico bem como definir as estratégias do BC para a condução dos processos relacionados à estabilidade financeira. 96

97 MÓDULO I ESTRUTURA DO SFN Questão 46) Cespe-UnB/BB-DF/Mai Sob o ponto de vista das instituições financeiras bancárias, as operações podem ser classificadas como passivas, ativas, de serviços financeiros e de captação de recursos. Acerca das operações das instituições financeiras bancárias, julgue os próximos itens. ( ) A atividade bancária é mais orientada por produto que por cliente, pois um mesmo cliente pode ser consumidor, concomitantemente, de diversos produtos.

Exercício para fixação

Exercício para fixação Exercício para fixação Quando o Banco Central deseja baratear os empréstimos e possibilitar maior desenvolvimento empresarial, ele irá adotar uma Política Monetária Expansiva, valendo-se de medidas como

Leia mais

IPC Concursos CEF 2014. Questões I SFN, CMN, BCB e CVM Material com as questões incorretas justificadas.

IPC Concursos CEF 2014. Questões I SFN, CMN, BCB e CVM Material com as questões incorretas justificadas. BRB 2011 Cespe Questões I SFN, CMN, BCB e CVM Material com as questões incorretas justificadas. A respeito da estrutura do Sistema Financeiro Nacional (SFN),julgue os itens a seguir. 1. Ao Conselho Monetário

Leia mais

CONHECIMENTOS BANCÁRIOS. Prof. Rodrigo O. Barbati

CONHECIMENTOS BANCÁRIOS. Prof. Rodrigo O. Barbati CONHECIMENTOS BANCÁRIOS Prof. Rodrigo O. Barbati AULA 01 Estrutura do Sistema Financeiro Nacional Subsistema normativo Sistema Financeiro Nacional O Sistema Financeiro Nacional (SFN) pode ser entendido

Leia mais

O Sistema Financeiro Nacional

O Sistema Financeiro Nacional O Sistema Financeiro Nacional 1 O Sistema Financeiro Nacional Foi constituído com base nas leis: 4595 de 31-12-64 Estrutura o Sistema Financeiro Nacional 4728 de 14-7- 65 Lei do Mercado de Capitais O Sistema

Leia mais

SUPER CURSO DE CONHECIMENTOS BANCÁRIOS E SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL SIMULADO 01 - BACEN e CMN Professor: Tiago Zanolla

SUPER CURSO DE CONHECIMENTOS BANCÁRIOS E SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL SIMULADO 01 - BACEN e CMN Professor: Tiago Zanolla SIMULADO Conhecimentos Bancários e SFN QUESTÃO 01 (INÉDITA TZ 2013) Considerando o Sistema Financeiro Nacional, assinale a única alternativa que traz a correta correlação de itens: 1. Funding 2. Spread

Leia mais

Unidade III. Operadores. Demais instituições financeiras. Outros intermediários financeiros e administradores de recursos de terceiros

Unidade III. Operadores. Demais instituições financeiras. Outros intermediários financeiros e administradores de recursos de terceiros MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS Unidade III 6 O SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL O sistema financeiro nacional é o conjunto de instituições e instrumentos financeiros que possibilita a transferência de recursos

Leia mais

Unidade III. Mercado Financeiro. Prof. Maurício Felippe Manzalli

Unidade III. Mercado Financeiro. Prof. Maurício Felippe Manzalli Unidade III Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Maurício Felippe Manzalli Mercados Financeiros Lembrando da aula anterior Conceitos e Funções da Moeda Política Monetária Política Fiscal Política Cambial

Leia mais

SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL INSTITUIÇÕES. Lei 4.595/64 FINANCEIRAS COLETA INTERMEDIAÇÃO APLICAÇÃO CUSTÓDIA

SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL INSTITUIÇÕES. Lei 4.595/64 FINANCEIRAS COLETA INTERMEDIAÇÃO APLICAÇÃO CUSTÓDIA SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL INSTITUIÇÕES Lei 4.595/64 FINANCEIRAS COLETA INTERMEDIAÇÃO APLICAÇÃO CUSTÓDIA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA JUROS PAGOS PELOS TOMADORES - REMUNERAÇÃO PAGA AOS POUPADORES SPREAD

Leia mais

O que é o Mercado de Capitais. A importância do Mercado de Capitais para a Economia. A Estrutura do Mercado de Capitais Brasileiro

O que é o Mercado de Capitais. A importância do Mercado de Capitais para a Economia. A Estrutura do Mercado de Capitais Brasileiro 1 2 O que é o Mercado de Capitais A importância do Mercado de Capitais para a Economia A Estrutura do Mercado de Capitais Brasileiro O que é Conselho Monetário Nacional (CNM) O que é Banco Central (BC)

Leia mais

Evolução do SFN. 1. Primeiro Período: 1808-1914 MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS. 3. Terceiro Período: 1945-1965. 2. Segundo Período: 1914-1945

Evolução do SFN. 1. Primeiro Período: 1808-1914 MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS. 3. Terceiro Período: 1945-1965. 2. Segundo Período: 1914-1945 Evolução do SFN MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS Profa. Dra. Andréa Paula Segatto-Mendes apsm@ufpr.br 1. Primeiro Período: 1808-1914 Abertura dos portos - acordos comerciais diretos Criação do Banco do

Leia mais

Atualidades do Mercado Financeiro

Atualidades do Mercado Financeiro Atualidades do Mercado Financeiro Sistema Financeiro Nacional Dinâmica do Mercado Mercado Bancário Conteúdo 1 Sistema Financeiro Nacional A estrutura funcional do Sistema Financeiro Nacional (SFN) é composta

Leia mais

Banco Central Bacen Conhecimentos Bancários

Banco Central Bacen Conhecimentos Bancários Banco Central Bacen Conhecimentos Bancários BANCO CENTRAL DO BRASIL O Banco Central do Brasil, criado pela Lei 4.595, de 31.12.1964, é uma autarquia federal, vinculada ao Ministério da Fazenda, que tem

Leia mais

Como funciona o Sistema Financeiro Nacional. José Reynaldo de Almeida Furlani Junho de 2013

Como funciona o Sistema Financeiro Nacional. José Reynaldo de Almeida Furlani Junho de 2013 José Reynaldo de Almeida Furlani Junho de 2013 Segmentação do Mercado MERCADO MONETÁRIO MERCADO DE CRÉDITO MERCADO FINANCEIRO MERCADO DE CAPITAIS MERCADO CAMBIAL Conceito de Sistema Financeiro Conjunto

Leia mais

Sistema Financeiro Nacional 3. Sistema Financeiro Nacional 3.1 Conceito 3.2 Subsistema de Supervisão 3.3 Subsistema Operativo 6/7/2006 2 3.1 - Conceito de Sistema Financeiro Conjunto de instituições financeiras

Leia mais

SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PARA ENGENHARIA 16/04/2013. Professor: Luis Guilherme Magalhães (62) 9607-2031

SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PARA ENGENHARIA 16/04/2013. Professor: Luis Guilherme Magalhães (62) 9607-2031 ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PARA ENGENHARIA Professor: Luis Guilherme Magalhães (62) 9607-2031 Obs.: Para aprofundar os conhecimentos no Sistema Financeiro Nacional, consultar o livro: ASSAF NETO, Alexandre.

Leia mais

Mirae Asset Securities (Brasil) C.T.V.M. Ltda www.miraeasset.com.br

Mirae Asset Securities (Brasil) C.T.V.M. Ltda www.miraeasset.com.br ENTIDADES AUTORREGULADORAS DO MERCADO ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO BM&FBOVESPA A BM&FBOVESPA é uma companhia de capital brasileiro formada, em 2008, a partir da integração das operações da Bolsa de Valores

Leia mais

Atualidades do Mercado Financeiro

Atualidades do Mercado Financeiro Atualidades do Mercado Financeiro Índice Pg. Sistema Financeiro Nacional... 02 Dinâmica do Mercado... 05 Mercado Bancário... 09 1 Sistema Financeiro Nacional A estrutura funcional do Sistema Financeiro

Leia mais

COMISSÃO DE FINANÇAS E TRIBUTAÇÃO

COMISSÃO DE FINANÇAS E TRIBUTAÇÃO COMISSÃO DE FINANÇAS E TRIBUTAÇÃO PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº. 140, DE 2004. Dispõe sobre as instituições de mercado de capitais, e dá outras providências. AUTOR: Deputado EDUARDO VALVERDE RELATOR:

Leia mais

O QUE É A CVM? II - a negociação e intermediação no mercado de valores mobiliários;

O QUE É A CVM? II - a negociação e intermediação no mercado de valores mobiliários; O QUE É A CVM? A CVM - Comissão de Valores Mobiliários é uma entidade autárquica em regime especial, vinculada ao Ministério da Fazenda, com personalidade jurídica e patrimônio próprios, dotada de autoridade

Leia mais

Curso de CPA 10 CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL ANBIMA SÉRIE 10. www.eadempresarial.net.br. www.eadempresarial.net.br - 18 3303-0383

Curso de CPA 10 CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL ANBIMA SÉRIE 10. www.eadempresarial.net.br. www.eadempresarial.net.br - 18 3303-0383 Curso de CPA 10 CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL ANBIMA SÉRIE 10 www.eadempresarial.net.br SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL Uma conceituação bastante abrangente de sistema financeiro poderia ser a de um conjunto de

Leia mais

Unidade II. Mercado Financeiro e de. Prof. Maurício Felippe Manzalli

Unidade II. Mercado Financeiro e de. Prof. Maurício Felippe Manzalli Unidade II Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Maurício Felippe Manzalli Mercados Financeiros Definição do mercado financeiro Representa o Sistema Financeiro Nacional Promove o fluxo de recursos através

Leia mais

Professora Elaine Barros Exercícios de Provas Anteriores Conhecimentos Bancários Item 5 SFN. 16. Junto ao CMN funcionam comissões consultivas de

Professora Elaine Barros Exercícios de Provas Anteriores Conhecimentos Bancários Item 5 SFN. 16. Junto ao CMN funcionam comissões consultivas de Professora Elaine Barros Exercícios de Provas Anteriores Conhecimentos Bancários Item 5 SFN 16. Junto ao CMN funcionam comissões consultivas de A seguros privados. B crédito rural e de endividamento público.

Leia mais

atividade a prática de operações de arrendamento As sociedades de arrendamento mercantil são

atividade a prática de operações de arrendamento As sociedades de arrendamento mercantil são Arrendamento mercantil ou leasing é uma operação em que o proprietário de um bem cede a terceiro o uso desse bem por prazo determinado, recebendo em troca uma contraprestação. No que concerne ao leasing,

Leia mais

Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras

Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Prof. Onivaldo Izidoro Pereira Finanças Corporativas Ambiente Econômico Em suas atividades uma empresa relacionase com: Clientes

Leia mais

SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL SFN. Instituições Financeiras Captadoras de Depósitos à Vista. Bolsas de Mercadorias e Futuros

SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL SFN. Instituições Financeiras Captadoras de Depósitos à Vista. Bolsas de Mercadorias e Futuros SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL SFN SUBSISTEMA NORMATIVO SUBSISTEMA OPERATIVO OU DE INTERMEDIAÇÃO Órgãos Normativos Entidades Supervisoras Operadores CONSELHO MONETÁRIO NACIONAL (CMN) Banco Central do Brasil

Leia mais

Relações Internacionais. Finanças Internacionais

Relações Internacionais. Finanças Internacionais Relações Internacionais Finanças Internacionais Prof. Dr. Eduardo Senra Coutinho Tópico 1: Sistema Financeiro Nacional ASSAF NETO, A. Mercado financeiro. 8ª. Ed. São Paulo: Atlas, 2008. Capítulo 3 (até

Leia mais

CONHECIMENTOS BANCÁRIOS: - - - - - - POLÍTICA ECONÔMICA & MERCADO FINANCEIRO

CONHECIMENTOS BANCÁRIOS: - - - - - - POLÍTICA ECONÔMICA & MERCADO FINANCEIRO CONHECIMENTOS BANCÁRIOS: - - - - - - POLÍTICA ECONÔMICA & MERCADO FINANCEIRO Prof.Nelson Guerra Ano 2012 www.concursocec.com.br INTRODUÇÃO Trata-se da política utilizada pelo Governo para obter desenvolvimento

Leia mais

Conhecimentos Bancários

Conhecimentos Bancários Conhecimentos Bancários 419 Conhecimentos Bancários Rogério F. Pizza Apresentação: Caro candidato, é com muita satisfação que discorri sobre o tema conhecimentos bancários. Procurei agregar nesse material

Leia mais

valores Sociedades de capitalização Entidades fechadas de previdência complementar (fundos de pensão)

valores Sociedades de capitalização Entidades fechadas de previdência complementar (fundos de pensão) CONHECIMENTOS BANCÁRIOS PROFESSOR RODRIGO O. BARBATI 1 ESTRUTURA DO SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL O Sistema Financeiro Nacional (SFN) é composto de um conjunto de instituições

Leia mais

LISTA DE TABELAS. Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços...

LISTA DE TABELAS. Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços... BANCOS MÚLTIPLOS LISTA DE TABELAS Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços... RESUMO Neste trabalho serão apresentadas as principais características e serviços disponibilizados pelos

Leia mais

Administração Financeira e Orçamentária I

Administração Financeira e Orçamentária I Administração Financeira e Orçamentária I Sistema Financeiro Brasileiro AFO 1 Conteúdo Instituições e Mercados Financeiros Principais Mercados Financeiros Sistema Financeiro Nacional Ações e Debêntures

Leia mais

Cid Roberto. Questões Gabaritadas. Banco do Nordeste. do Brasil

Cid Roberto. Questões Gabaritadas. Banco do Nordeste. do Brasil Cid Roberto Questões Gabaritadas Banco do Nordeste do Brasil Brasília / 2014 1. (BB/Cesgranrio/2014) O Sistema Financeiro Nacional é composto de dois grandes subsistemas: Subsistema Normativo e Subsistema

Leia mais

Conhecimentos Bancários

Conhecimentos Bancários Conhecimentos Bancários Índice Estrutura do Sistema Financeiro Nacional... Conselho Monetário Nacional... COPOM Comitê de Política Monetária... Banco Central do Brasil... Comissão de Valores Mobiliários...

Leia mais

PREPARATÓRIO PARA CARREIRAS BANCÁRIAS SIMULADO 02 Sistema Financeiro Nacional Professor: Tiago Zanolla

PREPARATÓRIO PARA CARREIRAS BANCÁRIAS SIMULADO 02 Sistema Financeiro Nacional Professor: Tiago Zanolla 1. (BB/FCC/2013) O tem como entidades supervisoras: (A) FEBRABAN e Superintendência Nacional de Previdência Complementar. (B) Receita Federal do Brasil e Resseguradores. (C) Comissão de Valores Mobiliários

Leia mais

Administração Financeira

Administração Financeira Administração Financeira MÓDULO 3: O ambiente operacional do administrador financeiro e da própria empresa Qualquer que seja o tipo de empreendimento empresa industrial, comercial, prestadora de serviços

Leia mais

D.O.U, de 26 de maio de 2011, Seção 1, pag. 35 COMITÊ NACIONAL DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA. DELIBERAÇÃO No- 1, DE 5 DE MAIO DE 2011

D.O.U, de 26 de maio de 2011, Seção 1, pag. 35 COMITÊ NACIONAL DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA. DELIBERAÇÃO No- 1, DE 5 DE MAIO DE 2011 D.O.U, de 26 de maio de 2011, Seção 1, pag. 35 COMITÊ NACIONAL DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA DELIBERAÇÃO No- 1, DE 5 DE MAIO DE 2011 Institui o Regimento Interno do Comitê Nacional de Educação Financeira. O COMITÊ

Leia mais

Administração Financeira II

Administração Financeira II Administração Financeira II Sistema Financeiro Nacional Professor: Roberto César SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL O Sistema Financeiro Nacional pode ser definido como o conjunto de instituições e orgãos que

Leia mais

Introdução: Mercado Financeiro

Introdução: Mercado Financeiro Introdução: Mercado Financeiro Prof. Nilton TÓPICOS Sistema Financeiro Nacional Ativos Financeiros Mercado de Ações 1 Sistema Financeiro Brasileiro Intervém e distribui recursos no mercado Advindos de

Leia mais

número 4 junho de 2005 A autonomia do Banco Central

número 4 junho de 2005 A autonomia do Banco Central número 4 junho de 2005 A autonomia do Banco Central A autonomia do Banco Central Amanutenção da política de elevadas taxas de juros reais conduzida pelo Copom - Comitê de Política Monetária - reacendeu

Leia mais

Sistema Financeiro Nacional-Aula 22.10.14 22/10/2014. Ciências Contábeis. Sistema Financeiro Nacional. Sistema Financeiro Nacional. Prof.

Sistema Financeiro Nacional-Aula 22.10.14 22/10/2014. Ciências Contábeis. Sistema Financeiro Nacional. Sistema Financeiro Nacional. Prof. -Aula 22.10.14 22/10/2014 UNIVERSIDADE COMUNITARIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ Ciências Contábeis Conceitos e Estrutura Professor : Johnny Luiz Grando Johnny@unochapeco.edu.br Surgimento e Finalidade: Cronograma

Leia mais

CURSO INDICADORES ECONÔMICOS. Sistema financeiro e Finanças públicas

CURSO INDICADORES ECONÔMICOS. Sistema financeiro e Finanças públicas Sistema financeiro e Finanças públicas Vamos imaginar um mundo sem finanças... Como seria o mercado imobiliário? A Construção? A Venda? No mundo sem Finanças grande parte dos bens estaria estocada. Na

Leia mais

GUIA DE FUNCIONAMENTO DO MERCADO V1. 04_2012

GUIA DE FUNCIONAMENTO DO MERCADO V1. 04_2012 GUIA DE FUNCIONAMENTO DO MERCADO V1. 04_2012 O objetivo deste material é prestar ao investidor uma formação básica de conceitos e informações que possam auxiliá-lo na tomada de decisões antes da realização

Leia mais

AULA 02. Estrutura do Sistema Financeiro Nacional. Subsistema Operativo I

AULA 02. Estrutura do Sistema Financeiro Nacional. Subsistema Operativo I AULA 02 Estrutura do Sistema Financeiro Nacional Subsistema Operativo I Subsistema Operativo No Sistema Financeiro Nacional, o subsistema operativo trata da intermediação, do suporte operacional e da administração.

Leia mais

Sistema Financeiro Nacional I

Sistema Financeiro Nacional I Conceitos gerais Sistema Financeiro Nacional (SFN) é o conjunto de instituições e instrumentos financeiros que possibilitam a transferência de recursos dos ofertantes finais (poupadores) para os tomadores

Leia mais

AULA 3. Disciplina: Mercado de Capitais Assunto: Introdução ao SFN. Contatos: E-mail: keillalopes@ig.com.br Blog: keillalopes.wordpress.

AULA 3. Disciplina: Mercado de Capitais Assunto: Introdução ao SFN. Contatos: E-mail: keillalopes@ig.com.br Blog: keillalopes.wordpress. AULA 3 Disciplina: Mercado de Capitais Assunto: Introdução ao SFN Contatos: E-mail: keillalopes@ig.com.br Blog: keillalopes.wordpress.com Objetivos da aula: SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL Histórico ; Composição;

Leia mais

CONHECIMENTOS BANCÁRIOS Prof. Cid Roberto (8141-4045) prof.bancario@gmail.com Comunidade Conhecimentos Bancários (orkut)

CONHECIMENTOS BANCÁRIOS Prof. Cid Roberto (8141-4045) prof.bancario@gmail.com Comunidade Conhecimentos Bancários (orkut) CONHECIMENTOS BANCÁRIOS Prof. Cid Roberto (8141-4045) prof.bancario@gmail.com Comunidade Conhecimentos Bancários (orkut) I. Sistema Financeiro Nacional 1. Estrutura do Sistema Financeiro Nacional 1.1 Órgãos

Leia mais

BANCOS INTERMEDIÁRIOS CORRETORES DE CÂMBIO

BANCOS INTERMEDIÁRIOS CORRETORES DE CÂMBIO SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL O MERCADO DE CÂMBIO E SEUS AGENTES C.M.N BACEN BANCOS INTERMEDIÁRIOS CORRETORES DE CÂMBIO SISTEMA CAMBIAL VIGENTE NO BRASIL. O regime cambial brasileiro é um regime controlado

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 350, DE 2015 - COMPLEMENTAR

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 350, DE 2015 - COMPLEMENTAR PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 350, DE 2015 - COMPLEMENTAR Altera a Lei nº 4.595, de 31 de dezembro de 1964, e a Lei nº 12.529, de 30 de novembro de 2011, para definir, como competência do Conselho Administrativo

Leia mais

Conhecimentos Bancários Professor Carlos Arthur

Conhecimentos Bancários Professor Carlos Arthur Conhecimentos Bancários Professor Carlos Arthur 1 - Sobre as atribuições do Banco Central do Brasil, é incorreto afirmar: a) Exerce o controle de crédito b) Estimula a formação de poupança e a sua aplicação

Leia mais

BANCO DO BRASIL ESCRITURÁRIO

BANCO DO BRASIL ESCRITURÁRIO BANCO DO BRASIL ESCRITURÁRIO CONHECIMENTOS BANCÁRIOS 1. O Sistema Financeiro Nacional (SFN) é constituído por todas as instituições financeiras públicas ou privadas existentes no país e seu órgão normativo

Leia mais

Conhecimentos bancários Profº Rodrigo Ocampo Barbati

Conhecimentos bancários Profº Rodrigo Ocampo Barbati Conhecimentos bancários Profº Rodrigo Ocampo Barbati 1) O Conselho Monetário Nacional (CMN), que foi instituído pela Lei 4.595, de 31 de dezembro de 1964, é o órgão responsável por expedir diretrizes gerais

Leia mais

MÓDULO 3 A estrutura brasileira para o comércio exterior

MÓDULO 3 A estrutura brasileira para o comércio exterior MÓDULO 3 A estrutura brasileira para o comércio exterior O governo brasileiro possui definida uma política voltada para o comércio internacional, onde defende os interesses das empresas nacionais envolvidas,

Leia mais

3.1 - Estrutura do SFN

3.1 - Estrutura do SFN 1 3. Sistema Financeiro Nacional 3.1 Estrutura do SFN 3.2 Subsistema normativo 3.3 Subsistema de intermediação 3.4 Títulos públicos negociados no MF 3.5 Principais papéis privados negociados no MF 3/4/2012

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS POLÍTICA DE INVESTIMENTOS 2010 Tibagi Tibagiprev. - 1 - Índice pág. 1 Introdução 3 2 Objetivos 4 3 Diretrizes de Alocação dos Recursos 6 4 Diretrizes para Gestão dos Segmentos 8 Tibagi Tibagiprev. - 2

Leia mais

Grupo Conhecimentos Bancários no Google http://goo.gl/gbkij Comunidade Conhecimentos Bancários (orkut) http://goo.gl/4a6y7

Grupo Conhecimentos Bancários no Google http://goo.gl/gbkij Comunidade Conhecimentos Bancários (orkut) http://goo.gl/4a6y7 (D) sociedades bancárias oficiais; (E) instituições de financiamentos e investimentos. Grupo Conhecimentos Bancários no Google http://goo.gl/gbkij Comunidade Conhecimentos Bancários (orkut) http://goo.gl/4a6y7

Leia mais

1 - Estrutura do Sistema Financeiro Nacional: 2 - Sistema de Seguros Privados e Previdência Complementar:

1 - Estrutura do Sistema Financeiro Nacional: 2 - Sistema de Seguros Privados e Previdência Complementar: EDITAL 2012 1 - Estrutura do Sistema Financeiro Nacional: Conselho Monetário Nacional; Banco Central do Brasil; Comissão de Valores Mobiliários; Conselho de Recursos do Sistema Financeiro Nacional; bancos

Leia mais

BAN CO DO BRASIL. Atualizada 19/01/2011 Neste curso os melhores alunos estão sendo preparados pelos melhores Professores 1

BAN CO DO BRASIL. Atualizada 19/01/2011 Neste curso os melhores alunos estão sendo preparados pelos melhores Professores 1 41. (CAIXA/2010) Compete à Comissão de Valores Mobiliários CVM disciplinar as seguintes matérias: I. registro de companhias abertas. II. execução da política monetária. III. registro e fiscalização de

Leia mais

Curso DSc. Você no curso certo. Concurso Público: Carreiras Correlatas - Bacen, CVM e SUSEP

Curso DSc. Você no curso certo. Concurso Público: Carreiras Correlatas - Bacen, CVM e SUSEP Curso DSc Você no curso certo Concurso Público: Carreiras Correlatas - Bacen, CVM e SUSEP Concurso Público Planejamento de Médio Prazo Não é Vestibular Foco no Edital Questões sorteadas Não cai tudo Não

Leia mais

Art. 1º Fica aprovado, na forma do Anexo, o Regimento Interno do Conselho Nacional de Arquivos - CONARQ. JOSÉ EDUARDO CARDOZO ANEXO

Art. 1º Fica aprovado, na forma do Anexo, o Regimento Interno do Conselho Nacional de Arquivos - CONARQ. JOSÉ EDUARDO CARDOZO ANEXO PORTARIA Nº 2.588, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2011 Aprova o Regimento Interno do Conselho Nacional de Arquivos O MINISTRO DE ESTADO DA JUSTIÇA, no uso de suas atribuições previstas nos incisos I e II do parágrafo

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO I V S E M I N Á R I O D E E X E C U Ç Ã O F I N A N C E I R A D E P R O J E T O S F I N A N C I A D O S C O M R E C U R S O S E X T E R N O S MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE

Leia mais

SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL BRUNI BRUNI BRUNI BRUNI. Sistema Financeiro Nacional

SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL BRUNI BRUNI BRUNI BRUNI. Sistema Financeiro Nacional Capítulo Sistema Financeiro Nacional Bibliografia básica Todo o conteúdo dos slides deve ser acompanhado com o livro Mercados Financeiros, publicado pela Editora Atlas. Objetivos do capítulo Distinguir

Leia mais

Questões de Concursos Tudo para você conquistar o seu cargo público

Questões de Concursos Tudo para você conquistar o seu cargo público Karina Jaques, professora de Conhecimentos Bancários do site QConcursos.com 1. (CESGRANRIO/2012/CEF/Técnico Bancário) Para estabelecer um relacionamento bancário, as pessoas devem comprovar o seu domicílio.

Leia mais

COMO SE FORMAM AS TAXAS DE JUROS PRATICADAS PELOS BANCOS - PARTE I

COMO SE FORMAM AS TAXAS DE JUROS PRATICADAS PELOS BANCOS - PARTE I COMO SE FORMAM AS TAXAS DE JUROS O QUE É E COMO FUNCIONA O SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL? O QUE É POLÍTICA MONETÁRIA? QUAIS INSTRUMENTOS O BANCO CENTRAL UTILIZA PARA INTERFERIR NO MERCADO? O QUE É ASSISTÊNCIA

Leia mais

Economia e mercado financeiro

Economia e mercado financeiro Economia Jonas Barbosa Leite Filho* * Especialista em Gestão Estratégica de Pessoas pela Faculdade Bagozzi. Graduado em Administração pelo Centro Universitário Campos de Andrade. Trabalhou no Banco do

Leia mais

BC e Universidade. Como Funciona o Sistema Financeiro Nacional (SFN) Sistema Financeiro Nacional. Frederico Pechir Gomes e Beatriz Simas Silva

BC e Universidade. Como Funciona o Sistema Financeiro Nacional (SFN) Sistema Financeiro Nacional. Frederico Pechir Gomes e Beatriz Simas Silva BC e Universidade Como Funciona o Sistema Financeiro Nacional (SFN) Frederico Pechir Gomes e Beatriz Simas Silva Agenda SFN: Definição e Marco Legal Estrutura do SFN Subsistema Normativo CMN, Bacen, CVM

Leia mais

Concurso 2011. Prof. Cid Roberto. Bancos Comerciais. Bancos Comerciais. prof.bancario@gmail.com

Concurso 2011. Prof. Cid Roberto. Bancos Comerciais. Bancos Comerciais. prof.bancario@gmail.com Concurso 2011 Prof. Cid Roberto prof.bancario@gmail.com Mercado Financeiro Comunidade Conhecimentos Bancários (orkut) 5ª aula Início da aula Instituições Operadoras Livro Como esticar seu dinheiro Ricardo

Leia mais

A empresa e o Ambiente de. Negócios

A empresa e o Ambiente de. Negócios Centro Universitário Franciscano Curso: Administração Disciplina: Gestão Financeira I A empresa e o Ambiente de 00 000 00 0 000 000 0 Negócios Profª. Juliana A. Rüdell Boligon Santa Maria, março de 202.

Leia mais

TEXTO INTEGRAL DA INSTRUÇÃO CVM 40, DE 07 DE NOVEMBRO DE 1984, COM ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELAS INSTRUÇÕES CVM 45/85, 54/86, 224/94 E 441/06

TEXTO INTEGRAL DA INSTRUÇÃO CVM 40, DE 07 DE NOVEMBRO DE 1984, COM ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELAS INSTRUÇÕES CVM 45/85, 54/86, 224/94 E 441/06 TEXTO INTEGRAL DA INSTRUÇÃO CVM N o 40, DE 07 DE NOVEMBRO DE 1984, COM ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELAS INSTRUÇÕES CVM N os 45/85, 54/86, 224/94 E 441/06. Dispõe sobre a Constituição de funcionamento de Clubes

Leia mais

Administração Financeira

Administração Financeira Administração Financeira MÓDULO 5: Sociedades de crédito ao microempreendedor As sociedades de crédito ao microempreendedor, criadas pela Lei 10.194, de 14 de fevereiro de 2001, são entidades que têm por

Leia mais

RESOLUÇÃO N 1.927. Art. 2º. Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação. Art. 3º. Revogar a Resolução nº 1.848, de 31.07.91.

RESOLUÇÃO N 1.927. Art. 2º. Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação. Art. 3º. Revogar a Resolução nº 1.848, de 31.07.91. RESOLUÇÃO N 1.927 Dá nova redação ao regulamento anexo V à Resolução nº 1.289, de 20.03.87, que autoriza e disciplina os investimentos de capitais estrangeiros através do mecanismo de "DEPOSITARY RECEIPTS"

Leia mais

Sistema Especial de Liquidação e de Custódia (Selic) Aspectos Jurídicos Relevantes

Sistema Especial de Liquidação e de Custódia (Selic) Aspectos Jurídicos Relevantes Sistema Especial de Liquidação e de Custódia (Selic) Aspectos Jurídicos Relevantes Agenda 1. Sistema de Pagamentos Brasileiro (SPB) 2. Papeis do Banco Central do Brasil no SPB 3. Sistema Especial de Liquidação

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Item 2.1.4- Fundos de Investimentos 2ª parte:

Conhecimentos Bancários. Item 2.1.4- Fundos de Investimentos 2ª parte: Conhecimentos Bancários Item 2.1.4- Fundos de Investimentos 2ª parte: Conhecimentos Bancários Item 2.1.4- Fundos de Investimentos: São condomínios, que reúnem aplicações de vários indivíduos para investimento

Leia mais

Antonio Chagas Meirelles Diretor. Este texto não substitui o publicado no DOU e no Sisbacen.

Antonio Chagas Meirelles Diretor. Este texto não substitui o publicado no DOU e no Sisbacen. 1 CIRCULAR Nº 765 Comunicamos que a Diretoria do Banco Central, em sessão realizada em 09.03.83, aprovou nova sistemática para a escrituração centralizada, sob o regime de "caixa única", das contas de

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE LEI N. 1.099, DE 1º DE DEZEMBRO DE 1993 "Dispõe sobre a constituição do Conselho Estadual do Bem-Estar Social e a criação do Fundo Estadual a ele vinculado e dá outras providências." O GOVERNADOR DO ESTADO

Leia mais

Procon, Fiscalizadores, Reguladores e a transparência na relação consumo.

Procon, Fiscalizadores, Reguladores e a transparência na relação consumo. Classificação das Sociedades - Existem 2 categorias : Conglomerados financeiros Concentram se em público-alvo, que são os clientes do próprio conglomerado, pertence a uma sociedade participativa liderada

Leia mais

Estatuto da Caixa Econômica Federal Decreto n 0. 6.473, de 05/06/2008

Estatuto da Caixa Econômica Federal Decreto n 0. 6.473, de 05/06/2008 Estatuto da Caixa Econômica Federal Decreto n 0. 6.473, de 05/06/2008 IF sob a forma de empresa pública, criada nos termos do Decreto-Lei n o 759, de 12 de agosto de 1969, vinculada ao Ministério da Fazenda.

Leia mais

COMÉRCIO INTERNACIONAL. Instituições Intervenientes no Comércio Exterior do Brasil e Siscomex COMÉRCIO INTERNACIONAL COMÉRCIO INTERNACIONAL

COMÉRCIO INTERNACIONAL. Instituições Intervenientes no Comércio Exterior do Brasil e Siscomex COMÉRCIO INTERNACIONAL COMÉRCIO INTERNACIONAL Instituições Intervenientes no Comércio Exterior do Brasil e Siscomex Prof.Nelson Guerra Órgãos acima + Ministério das Relações Exteriores. Conheça cada um deles CAMEX: Objetiva a formulação, adoção, implementação

Leia mais

Resolução nº 3.305/2005 2/8/2005 RESOLUÇÃO BACEN Nº 3.305, DE 29 DE JULHO DE 2005 DOU 02.08.2005

Resolução nº 3.305/2005 2/8/2005 RESOLUÇÃO BACEN Nº 3.305, DE 29 DE JULHO DE 2005 DOU 02.08.2005 Resolução nº 3.305/2005 2/8/2005 RESOLUÇÃO BACEN Nº 3.305, DE 29 DE JULHO DE 2005 DOU 02.08.2005 Altera a Resolução 3.121, de 2003, que estabelece as diretrizes pertinentes à aplicação dos recursos dos

Leia mais

DECRETO Nº 30226 DE 8 DE DEZEMBRO DE 2008

DECRETO Nº 30226 DE 8 DE DEZEMBRO DE 2008 DECRETO Nº 30226 DE 8 DE DEZEMBRO DE 2008 Regulamenta o Fundo Especial Projeto Tiradentes, criado pela Lei nº 3.019, de 2000, de 3 de maio de 2000. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas

Leia mais

7. Mercado Financeiro

7. Mercado Financeiro 7. Mercado Financeiro 7. Mercado Financeiro Mercado Financeiro O processo onde os recursos excedentes da economia (poupança) são direcionados para o financiamento de empresas (tomadores de crédito). Investidor

Leia mais

Concurso 2011. Prof. Cid Roberto. Banco Central do Brasil. prof.bancario@gmail.com. 56, 57, 58, 59, 60 e 61

Concurso 2011. Prof. Cid Roberto. Banco Central do Brasil. prof.bancario@gmail.com. 56, 57, 58, 59, 60 e 61 Concurso 2011 Prof. Cid Roberto prof.bancario@gmail.com Comunidade Conhecimentos Bancários (orkut) Banco Central do Brasil Fazer os exercícios 56, 57, 58, 59, 60 e 61 2ª aula Início da aula Exercício 56

Leia mais

Sistema Financeiro Nacional. Esperamos que, após o estudo do conteúdo desta aula, você seja capaz de:

Sistema Financeiro Nacional. Esperamos que, após o estudo do conteúdo desta aula, você seja capaz de: Sistema Financeiro Nacional A U L A 3 Meta da aula Apresentar a estrutura do Sistema Financeiro Nacional e as principais características das instituições que o compõem. objetivos 1 2 3 Esperamos que, após

Leia mais

AULA 10 Sociedade Anônima:

AULA 10 Sociedade Anônima: AULA 10 Sociedade Anônima: Conceito; características; nome empresarial; constituição; capital social; classificação. Capital aberto e capital fechado. Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e Bolsa de Valores.

Leia mais

CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS

CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Dispõe sobre o Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico FNDCT, e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta: CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1º O Fundo Nacional de Desenvolvimento

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA DE ESTADO DOS DIREITOS HUMANOS AUTORIDADE CENTRAL ADMINISTRATIVA FEDERAL

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA DE ESTADO DOS DIREITOS HUMANOS AUTORIDADE CENTRAL ADMINISTRATIVA FEDERAL II REUNIÃO DO CONSELHO DAS AUTORIDADES CENTRAIS BRASILEIRAS RESOLUÇÃO N.º 02/ 2000 Dispõe sobre a Aprovação do Regimento Interno e dá outras providências O Presidente do Conselho das Autoridades Centrais

Leia mais

Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Cleber Rentroia MBA em Finanças e Banking

Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Cleber Rentroia MBA em Finanças e Banking 1. Quando o IPCA tende a subir além das metas de inflação, qual medida deve ser tomada pelo COPOM: a) Abaixar o compulsório b) Reduzir taxa do redesconto c) Aumentar o crédito d) Elevar a taxa de juros

Leia mais

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A.

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REGIMENTO INTERNO DOS COMITÊS COMITÊ DE FINANÇAS E ORÇAMENTO APROVADO PELO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EM 24 DE SETEMBRO DE 2014 SUMÁRIO I INTRODUÇÃO

Leia mais

Disciplina: Economia ECN001. Macroeconomia

Disciplina: Economia ECN001. Macroeconomia Disciplina: Economia ECN001 Macroeconomia Orçamento do Setor Público É a previsão de receitas e a estimativa de despesas a serem realizadas por um Governo em um determinado exercício (geralmente um ano).

Leia mais

Depósito a Prazo com Garantia Especial do FGC (DPGE)

Depósito a Prazo com Garantia Especial do FGC (DPGE) Depósito a Prazo com Garantia Especial do FGC (DPGE) 1. O depósito criado pela Resolução 3.692/09 do CMN é um RDB (Recibo de Depósito Bancário) ou um CDB (Certificado de Depósito Bancário)? R. É um Depósito

Leia mais

Prof. Cid Roberto. Concurso 2012

Prof. Cid Roberto. Concurso 2012 Prof. Cid Roberto Concurso 2012 Grupo Conhecimentos Bancários no Google http://goo.gl/gbkij Comunidade Conhecimentos Bancários (orkut) http://goo.gl/4a6y7 Conselho Monetário Nacional É constituído pelo

Leia mais

Capítulo 1 Estrutura do Sistema Financeiro Nacional-SFN

Capítulo 1 Estrutura do Sistema Financeiro Nacional-SFN Capítulo 1 Estrutura do Sistema Financeiro Nacional-SFN Introdução Neste capítulo iremos compilar os normativos que tratam sobre o Sistema Financeiro Nacional-SFN, desde a sua criação até a data presente

Leia mais

Curso Preparatório ANBIMA - CPA-10 Curso Preparatório ANBIMA - CPA-20

Curso Preparatório ANBIMA - CPA-10 Curso Preparatório ANBIMA - CPA-20 Solange Honorato Curso Preparatório ANBIMA - CPA-10 Curso Preparatório ANBIMA - CPA-20 E Solange Honorato Facilitadora Certificação Profissional ANBIMA - CPA-10 Destina-se aos profissionais que desempenham

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Data base da cotação para determinação do valor em reais na nota fiscal de exportação

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Data base da cotação para determinação do valor em reais na nota fiscal de exportação Data nota fiscal de exportação 25/04/2014 Título do documento Sumário Sumário... 2 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 3 4. Conclusão... 5 5. Informações

Leia mais

REGULAMENTO DO PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA - PGA

REGULAMENTO DO PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA - PGA INSTITUTO GEIPREV DE SEGURIDADE SOCIAL REGULAMENTO DO PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA - PGA Regulamento aprovado pelo Conselho Deliberativo do GEIPREV na 123ª reunião realizada em 27/11/2009. 1 SUMÁRIO

Leia mais

Mercado de Capitais. Renda Variável. Mercado Primário de Ações. Mercado Primário - ETAPAS. Mercado Primário - ETAPAS

Mercado de Capitais. Renda Variável. Mercado Primário de Ações. Mercado Primário - ETAPAS. Mercado Primário - ETAPAS Mercado Primário de Ações Mercado de Capitais Renda Variável Mestrando: Paulo Jordão. 03/04/2012 Venda direta aos investidores através de ofertas públicas (IPOs) ou subscrição particular; Motivos: Expansão

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Item 3.1.3 Formação da Taxa de Juros Parte 2

Conhecimentos Bancários. Item 3.1.3 Formação da Taxa de Juros Parte 2 Conhecimentos Bancários Item 3.1.3 Formação da Taxa de Juros Parte 2 Item 3.1.3 Formação da Taxa de Juros Alguns conceitos importantes: 1. PIB PRODUTO INTERNO BRUTO; 2. Índices de Inflação; 3. Títulos

Leia mais

Safra Fundo Mútuo de Privatização FGTS Vale do Rio Doce (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações Financeiras em 31 de março de 2004 e em 30

Safra Fundo Mútuo de Privatização FGTS Vale do Rio Doce (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações Financeiras em 31 de março de 2004 e em 30 Safra Fundo Mútuo de Privatização FGTS Vale do Rio Doce Demonstrações Financeiras em 31 de março de 2004 e em 30 de setembro de 2003 e parecer dos auditores independentes Parecer dos auditores independentes

Leia mais

Regulação do Sistema Financeiro Nacional

Regulação do Sistema Financeiro Nacional Regulação do Sistema Financeiro Nacional Sergio Odilon dos Anjos Chefe do Departamento de Normas do Sistema Financeiro Brasília 18 de julho de 2011 1 Regulação do Sistema Financeiro Banco Central do Brasil

Leia mais

CONHECIMENTOS BANCÁRIOS PARA CONCURSOS

CONHECIMENTOS BANCÁRIOS PARA CONCURSOS Jonas Barbosa Leite Filho CONHECIMENTOS BANCÁRIOS PARA CONCURSOS 4.ª edição IESDE Brasil S.A. Curitiba 2012 2010 IESDE Brasil S.A. É proibida a reprodução, mesmo parcial, por qualquer processo, sem autorização

Leia mais

A competência privativa da União para legislar está listada no art. 22 da CF.

A competência privativa da União para legislar está listada no art. 22 da CF. Vitória, 14 de janeiro de 2008 Mensagem Nº. 15 /2008 Senhor Presidente: Usando das prerrogativas insculpidas nos artigos 66, 2º e 91, IV da CE/89, vetei totalmente o Projeto de Lei nº. 397/2007, de autoria

Leia mais