La preservació digital en la perspectiva

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "La preservació digital en la perspectiva"

Transcrição

1 La preservació digital en la perspectiva sistèmica Facultat de Biblioteconomia i Documentació Universitat de Barcelona Maria Manuela Pinto Faculdade de Letras Universidade do Porto

2 PRESERVAR A INFORMAÇÃO PRESERVAR A MEMÓRIA

3 O desafio digital Iniciativas em curso abordar todo a ciclo de vida dos recursos digitais na perspectiva da sua preservação a longo prazo utilizar meta-informa informação e a sua relação com as diversas estratégias implementáveis, nomeadamente a emulação, a migração, a encapsulação ão,, a aplicação do Virtual Machine Software, o XML... conceber planos e implementar medidas, de âmbito organizacional e nacional,, relativas à avaliação e selecção de recursos a preservar e posterior acesso não esquecendo as suas incidências no que concerne aos direitos de autor...

4 1. QUE MEMÓRIA?

5 Vivemos na Sociedade da Informação ou Sociedade em Rede

6 O impacto das Tecnologias da Informação e Comunicação (TIC) nos mais diversos sectores e segmentos da sociedade, incluindo o da administração pública, p é inquestionável

7 O papel fundamental do desenvolvimento da Sociedade da Informação para a construção de uma Economia baseada no Conhecimento é hoje em dia amplamente reconhecido pelos diferentes Governos. Estratégias e planos de acção nacionais neste domínio têm vindo a ser definidos e implementados por todo o mundo.

8 Em Portugal Plano de Acção para a Sociedade da Informação, Plano de Acção para o Governo Electrónico Iniciativa Nacional para a Banda Larga visam a construção da Sociedade do Conhecimento

9 Nas iniciativas para a construção da Sociedade do Conhecimento destaque para: Redes comunitárias de banda larga Cidades e regiões digitais Programa nacional de compras electrónicas Portal do cidadão Iniciativa de reformulação dos processos de retaguarda Estrutura nacional de segurança da Informação Voto electrónico Plano Tecnológico PRACE, SIMPLEX etc..

10

11 Aos objectivos nacionais somam-se os constantes da INICIATIVA COMUNITÁRIA em matéria de Sociedade da Informação, nomeadamente o: PLANO DE ACÇÃO eeurope 2005 Uma sociedade da informação para todos [aprovado pelo Conselho Europeu de Sevilha (21 e 22 de Junho de 2002)] Objectivos: - fomentar a criação de emprego - impulsionar a produtividade - modernizar os serviços públicos - oferecer a todos a oportunidade de participarem na sociedade da informação. i2010 An European Information Society for growth and employment

12 i2010 An European Information Society for growth and employment

13 A Administração Pública P aposta nos novos meios de relacionamento : Cidadão Estado Empresas Demais agentes OBJECTIVOS: Inclusão na Sociedade da Informação Governo electrónico (e-government e m-government) Administração Pública P electrónica Estado aberto Simplificar Racionalizar Mais rapidez Maior eficiência Maior eficácia cia Mais Qualidade

14 Com um enfoque primordial no CIDADÃO, individual ou colectivo, cliente do serviço público, definem-se as acções que sustentarão: a mudança do modelo de prestação de serviços por parte do Estado: criando novas formas (canais) alternativas para o contacto e prestação de serviço; deixando ao critério de cada cliente a escolha final da forma como deseja ser servido. com as consequentes alterações dos métodos de trabalho, procedimentos/processos; assim como das plataformas tecnológicas e de comunicações que sustentam a prestação desse serviço.

15 SOCIEDADE INFORMAÇÃO Encontramo-nos nos num MOMENTO DE VIRAGEM: É preciso reequacionar: a estrutura organizacional os modelos de gestão os processos organizacionais os recursos utilizados a própria cultura organizacional Impera a necessidade de apostar na consolidação de INOVAÇÃO TIC? Ou algo mais? NOVAS COMPETÊNCIAS E CAPACIDADES

16 As plataformas tecnológicas (hardware e software) A utilização de meios digitais para interagir através s da Internet Eliminam limitações físicas ou fronteiras e permitem: Aceder ao cidadão/cliente e demais agentes Fazer aquisições Promover os serviços/produtos Assegurar o funcionamento da organização

17 Quando falamos em Gestão de informação consideramos: A gestão da plataforma tecnológica de informação e comunicação, mas também A gestão dos recursos de informação, A gestão do ciclo de vida da informação e actividades subjacentes, e. uma outra característica ESSENCIAL a necessária interligação com a ORGANIZAÇÃO e a sua dinâmica evolutiva Inúmeras vezes ultrapassada apetrechamento tecnológico pela premência do

18 Configura-se, desta forma, uma situação de desequilíbrio entre as variáveis veis referidas, sendo frequente: a falta de planificação do sistema de informação ão a inexistência de integração a não identificação das necessidades de informação a existência de informação redundante a não avaliação da informação a dispersão da informação por variados suportes a não aplicação de normalização a perda de produtividade o aumento desnecessário dos custos de manutenção e de transferência de suporte a possibilidade de não cumprimento dos imperativos legais a dificuldade em implementar um sistema de garantia da qualidade o uso da informação não direccionado à estratégia da organização o não cumprimento da missão e objectivos da organização

19 De facto não basta: possuir/gerir meios electrónicos (hardware/software) de captura/produção, processamento, armazenamento e disponibilização de informação possuir/gerir recursos de informação disponibilizar informação

20 Temos que ir mais além, sendo preciso: conhecer, avaliar e planear a estrutura produtora de informação/actores ão/actores,, os processos de negócio/produ cio/produção de informação, os consumidores/clientes, o ambiente interno e externo da organização planear estrategicamente a tecnologia,, a sua capacidade, performance, longevidade, compatibilidade, standards ; planear estrategicamente a produção de informação ão,, incluindo os standards de formatos de dados, as metodologias de exportação/importa ão/importação bem como de acesso e preservação da informação a longo termo, ; planear a administração do sistema,, os sistemas de segurança,, o acesso multinível e através s de diferentes meios (local, distribuído, do, VPN - Virtual Network Access, Internet) e suportes, o controle e avaliação de tempos de acesso e recuperação da informação;

21 No decurso da sua actividade uma ORGANIZAÇÃO produz/recebe, acumula e usa INFORMAÇÃO A informação que gera e recebe reflecte por inteiro a sua NATUREZA e OBJECTIVOS.

22 Uma ORGANIZAÇÃO APRENDE se, através s do seu processamento de informação ão,, o âmbito dos seus potenciais procedimentos é alterado. Assim, o objectivo principal da GESTÃO DE INFORMAÇÃO é aproveitar recursos de informação e capacidades de informação de modo a que a organização aprenda e se adapte ao seu meio ambiente em mudança [CHOO, Chun Wei - Gestão de informação para a organização inteligente: a arte de explorar o meio ambiente.. Lisboa: Editorial Caminho, SA, p. 57]

23 Como definir INFORMAÇÃO? Sinónimo nimo de Conhecimento explícito é o conjunto estruturado de representações mentais codificadas (signos, símbolos), s socialmente contextualizadas e passíveis de serem registadas num qualquer suporte material (papel, filme, banda magnética, disco óptico, etc.) e comunicadas de forma assíncrona e multi-direccionada direccionada [SILVA, Armando Malheiro da; RIBEIRO, Fernanda - Das ciências documentais à ciência da informação ão: ensaio epistemológico para um novo modelo curricular.. Porto: Edições Afrontamento,, 2002, (Biblioteca( das Ciências do Homem.. Plural; 4). ISBN , p. 37.]

24 Conceitos relacionados (CI) Documento a informação registada num suporte material/tecnológico e que é tratada como uma unidade do ponto de vista da informação Documento electrónico qualquer informação que possa ser gerada em, ou convertida para formato digital, armazenada e recuperada sob controlo de um computador e que é tratada como uma unidade do ponto de vista da informação Objecto digital pode ser definido como todo e qualquer objecto de informação que possa ser representado através s de uma sequência de dígitos d binários [Thibodeau,, K.- Overview of Technological Approaches to Digital Preservation and d Challenges in Coming Years]

25 Um OBJECTO: a INFORMAÇÃO SOCIAL OBJECTO específico da CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO (CI) emergente e diferenciada das propostas vigentes e herdeiras da tradição biblioteconómica e documentalista da matriz anglo-americana americana ligada ao aparecimento, a partir de meados de novecentos, da automatização da informação

26 Definição de C.I. a a disciplina que investiga as propriedades e o comportamento da informação ão,, as forças que regem o fluxo informacional e os meios de processamento da informação para a optimização do acesso e uso. Está relacionada com um corpo de conhecimento que abrange a origem, colecta, organização, armazenamento, recuperação, interpretação, transmissão, transformação e utilização da informação ão.. Isto inclui a investigação, as representações da informação tanto no sistema natural, como no artificial, o uso de códigos c para uma eficiente transmissão de mensagens e o estudo dos serviços e técnicas t de processamento da informação e seus sistemas de programação. Trata-se de uma ciência interdisciplinar derivada e relacionada com vários v campos como a matemática, tica, a lógica, l a linguística, a psicologia, a tecnologia computacional, as operações de pesquisa, as artes gráficas, as comunicações, a biblioteconomia, a gestão e outros campos similares. Tem tanto uma componente de ciência pura, que indaga o assunto sem ter t em conta a sua aplicação, como uma componente de ciência aplicada, que desenvolve serviços e produtos. ( )( a biblioteconomia e a documentação são aspectos aplicados da ciência da informação ão [Harold Borko]

27 Uma C.I. assente na interacção transdisciplinar da: ARQUIVÍSTICA BIBLIOTECONOMIA SISTEMAS TECNOLÓGICOS DE INFORMAÇÂO DOCUMENTAÇÃO ORGANIZAÇÃO E MÉTODOS constituindo-se, se, assim, o core ou núcleo n duro e unitário de um campo científico aberto e fecundado, em paralelo, por uma forte e intensa interdisciplinaridade

28 NOVO PARADIGMA PÓS-CUSTODIAL, DINÂMICO, INFORMACIONAL E CIENTÍFICO * PILARES Componente informacional Componente científica Informação (objecto de estudo) Objecto + Método de Investigação - Arquivo como Sistema de Informação - Profissional da informação / Gestor da Informação - Emergência do cientista da informação Cf. SILVA, Armando Malheiro da [et.al.] Arquivística: teoria e prática de uma ciência da informação. Porto: Edições Afrontamento, cop (Biblioteca das Ciências do Homem. Plural; 2). ISBN vol.1

29 Um Método: M o Método M Quadripolar desenvolvido e aplicado em investigação qualitativa das Ciências Sociais e Humanas, com os seus quatro pólos: p epistemológico teórico técnico morfológico

30 OBJECTO INFORMAÇÃO SOCIAL Sistema Informação Contexto de (re)produção organizado ou operatório do tipo semi-fechado Concebido MÉTODO para conhecer/interpretar explicar/gerir Concebido para conhecer/interpretar informação explicar/gerir informação Metodologia Qualitativa QUADRIPOLAR Sujeito Contexto de (re)produção combinatório ou aberto Pólo epistemológico (cultura científica) Pólo teórico (hipóteses, princípios) Pólo técnico (observação, avaliação ) Pólo morfológico (resultados, instrumentos acesso) Adapt. de SILVA, Armando Malheiro da [et.al.] Arquivística: teoria e prática de uma ciência da informação. Porto: Edições Afrontamento, cop (Biblioteca das Ciências do Homem. Plural; 2). ISBN vol.1

31 Sobressaindo no pólo p teórico a TEORIA SISTÉMICA inspirada pelo pensamento holístico e complexo e aplicada especificamente à compreensão e à organização da INFORMAÇÃO Recurso da ORGANIZAÇÃO

32 A INFORMAÇÃO SOCIAL está implicada no processo de gestão de qualquer entidade organizacional e, assim sendo, as PRÁTICAS INFORMACIONAIS decorrem e articulam-se com as e concepções e práticas dos GESTORES E ACTORES com a ESTRUTURA E CULTURA organizacionais, O cientista da informação deve, em vez de estabelecer ou impor regras operativas, COMPREENDER O SENTIDO DE TAIS PRÁTICAS e apresentar dentro de certos modelos teóricos as SOLUÇÕES (RETRO OU) PROSPECTIVAS MAIS ADEQUADAS.

33 Os sistemas de informação diferentes configurações: podem apresentar Contexto de (re( re)produção organizado ou operatório rio do tipo semi-fechado [equivalente ao ARQUIVO e um pouco como as bibliotecas especializadas ao serviço de uma entidade] Contexto de (re( re)produção combinatório ou aberto - BIBLIOTECA PÚBLICA P

34 O DESENVOLVIMENTO das organizações com êxito depende: da eficiente e eficaz utilização deste recurso no PRESENTE da sua capacidade de armazenar e recordar. ORGANIZAÇÃO RECURSOS HUMANOS RECURSOS MATERIAIS RECURSOS FINANCEIROS RECURSOS INFORMACIONAIS

35 A MEMÓRIA ORGANIZACIONAL Assumida numa perspectiva activa e proactiva sustenta e sustentará a sua ESTRATÉGIA PRESENTE E FUTURA. p(assado)+ p(resente)+ )+f(uturo)) = o(organização) ão)f(orte) p + p + f = of Distinta de uma visão passiva e passadista (pendor historicista) Esta valência fundamental tem de ser gerida e zelada na génese g e na actividade plena da organização ão,, com o duplo objectivo: de a rentabilizar nos ganhos de PRODUTIVIDADE e INOVAÇÃO; e de assegurar a sua tranquila e natural DISPONIBILIZAÇÃO ao acesso de qualquer género. g

36 COMO? Através s de um MODELO SISTÉMICO DE INTERVENÇÃO anunciado e determinado pelo desencadear, em várias v frentes, da Sociedade da Informação ou Sociedade em Rede e não sós de um programa mínimo m de defesa de acervos em resposta concreta a condições crónicas de negligência e de perda iminente de incontáveis acervos organizacionais e que separa em dois hemisférios afins, mas distintos, - o dia a dia das organizações - e as necessidades da investigação e do uso da informação Dia a dia da organização Necessidades investigação e uso informação

37 Valorização da INFORMAÇÃO (fenómeno/processo humano e social), Afirmação do incessante e natural DINAMISMO INFORMACIONAL Trinómio criação selecção natural acesso/uso Oposto ao "imobilismo" documental antinomia efemeridade permanência/conservação Impossibilidade de manter a "compartimentação" documentalista da informação pelo espaço o institucional e tecnológico onde se conserva serviço o de arquivo serviço o de biblioteca sistema informático critério rio é superficial e não abrange o dinâmico contexto de produção (organicidade), de retenção/mem ão/memória e de uso/consumo (funcionalidade)

38 Necessidade de conhecer (indagar, compreender e explicitar) a informação social, através s de MODELOS TEÓRICO RICO-CIENTÍFICOS cada vez mais exigentes e eficazes Ultrapassar o universo rudimentar e fechado da prática informacional EMPÍRICA RICA,, conjunto uniforme e acrítico de modos/regras de fazer, de procedimentos sós aparentemente "assépticos" ou neutrais de criação, classificação, ordenação e recuperação Alteração do actual quadro teórico rico-funcional,, em que quase sós pontificam as práticas metodológicas e os interesses "clientelares" clientelares" da História, do Direito e da Ciência da Administração

39 Substituição da lógica l instrumental patente nas expressões "gestão de documentos" "gestão da informação" pela lógica l científico fico-compreensivacompreensiva da INFORMAÇÃO NA GESTÃO

40 A INFORMAÇÃO SOCIAL está implicada no processo de gestão de qualquer entidade organizacional e, assim sendo, as PRÁTICAS INFORMACIONAIS decorrem e articulam-se com as concepções e práticas dos GESTORES E ACTORES e com a ESTRUTURA E CULTURA organizacionais, O cientista da informação deve, em vez de estabelecer ou impor regras operativas, COMPREENDER O SENTIDO DE TAIS PRÁTICAS, como se exige, por exemplo, a um sociólogo das organizações, e apresentar dentro de certos modelos teóricos as SOLUÇÕES (RETRO ou) PROSPECTIVAS MAIS ADEQUADAS.

41 Uma GESTÃO DA INFORMAÇÃO que adicione em permanência quatro variáveis veis elementares: produção eficiente e eficaz recolha prospectiva de informação válida v no futuro circulação eficiente do fluxo informacional actual recuperação ágil e exaustiva da informação antiga Contribuir para uma organização forte, sólida s e bem adaptada aos desafios permanentes

42 Modelo sistémico e interactivo características 1º Distinção clara entre a noção operatória ria de SISTEMA DE INFORMAÇÃO e as noções Sistema Arquivo, Sistema Biblioteca ou Sistema Informático tico. O S.I. na acepção aqui adoptada é Informação nos seus diversos tipos e suportes gerida, pensada e estudada como um todo, um sistema (semi( semi-)aberto e dinâmico ESTRUTURA ORGANIZACIONAL Pessoas Processos SISTEMA DE INFORMAÇÃO Informação de diversos tipos e suportes SISTEMA TECNOLÓGICO DE INORMAÇÃO

43 Estrutura Organizacional Gestão do SISTEMA DE INFORMAÇÃO Gestão do Sistema Tecnológico de Informação Gestão da Qualidade

44 A gestão de informação plena ou integral consubstancia-se, se, essencialmente, no modelo sistémico e interactivo designado por SI-AP Sistema de Informação - Activa e Permanente Organização/Negócio Gestão de informação Está registado no Produzem Gere e garante o uso do Agentes/Actores Criada por Usada por SI-AP Informação

45 2º A totalidade sistémica mica,, o SI, são: registos administrativos e contabilísticos publicações comerciais, jurídicas, publicitária... normas técnicas t (comércio e indústria...), imagens em fotografia e em vídeo v ou cd-rom rom, mapas e plantas de desenho técnico, t etc.,. (em papel ou suporte digital), Fruto de uma ACÇÃO protagonizada pela entidade EMPRESA/INSTITUIÇÃO com a sua ESTRUTURA ORGANIZACIONAL própria pria para atender a OBJECTIVOS

46 QUE MODELO? Records manager Gestión de documentos (archivos de oficina, archivos centrales)? Archivo histórico Biblioteca Archivist Centro de Documentación INTERNATIONAL COUNCIL ON ARCHIVES. Committee on current records in an electronic environment -Electronic Records : A workbook for archivists. -Paris : ICA, (Studies; 16

47 Da BI (tecnologia) ao SI-AP (Informação) Repositórios fonte (todas as transacções do dia a dia - OLTP) Repositório de informação de suporte à BI (Business Intelligence) Repositórios de informação com interesse estratégico por área de negócio / departamental Data Warehouse (utilizando uma framework ) Utilizadores/clientes OLTP Data warehouse OLAP/Data marts Front End Tecnologias que visam BI (Business Intelligence) visam facilitar uma melhor e mais rápida tomada de decisão

48 Da BI (tecnologia) ao SI-AP (Informação) Repositórios fonte (Informação produzida / recebida) Multiplas formas de representação e disponibilização da informação armazenada: Classificação Descrição Criação de pontos de acesso Repositório de informação SI-AP Utilizadores/clientes (já avaliada e destinada a conservação definitiva) OLTP Data warehouse OLAP/Data marts Front End BI (Business( Intelligence)

49 Um único ciclo de Gestão de Informação Adapt. de Timothy Sprehe, J. Enterprise Records Management: Strategies and Solutions (Hummingbird Ltd) Em vez da TRADICIONAL DIVISÃO Gestão de documentos Gestão de conteúdos Gestão arquivos Produção Revisão Edição Versão final Avaliação Eliminação Escrita Captura Digitalização Versão Armazenamento Rede / Intranet Captura Internet Introdução dados ou Captura Outras fontes informação Informação e Meta-informação (descritiva, estrutural, técnica, preservação,...) Disponibilização Cd Rom, Impressa

50 3º Torna-se, assim, impossível trabalhar com categorias diferenciadas a partir de: Aspectos formais e físicosf Arquivo administrativo, Biblioteca ou Centro de Documentação Arquivo Fotográfico Videoteca, Temáticos Arquivo de Patentes Arquivo de Desenhos de MáquinasM Apesar da técnica t do registo, da tecnologia de suporte e a diversidade temática, tica, háh um denominador comum essencial : a a Informação produzida/recebida e acumulada num contexto organizacional específico ao longo de sequências temporais curtas ou longas

51 Repositório digital sistema de informação responsável por gerir e armazenar objectos digitais [Glossário da Sociedade da Informação] Biblioteca digital O desafio digital [sin.] biblioteca virtual, biblioteca electrónica, [en.] digital library, virtual library, e-library, e electronic library Sistema de informação distribuído do garantindo a criação ão,, o armazenamento fiável e o uso efectivo de colecções heterogéneas de documentos electrónicos (texto, gráficos, áudio, vídeo) v através s de redes globais de comunicação, de forma conveniente para o utilizador final. [Glossário da Sociedade da Informação] Repositórios Institucionais sistemas de informação que armazenam, preservam, divulgam e dão acesso à produção intelectual de comunidades universitárias rias.. Ao fazê-lo intervêm em duas questões estratégicas: contribuir para o aumento da visibilidade e valor público das instituições, servindo como indicador tangível da sua qualidade; contribuir para a reforma do sistema de comunicação científica, expandindo o acesso aos resultados da investigação e reassumindo o controlo académico sobre a publicação científica fica. [Eloy Rodrigues Repositorium]

52 O desafio digital Preservation processes and operations involved in ensuring the technical and intellectual survival of authentic records through time [ISO 15489]

53 Sem ignorar a complexidade do objecto digital

54 Os documentos digitais podem considerar-se se como sendo constituídos por: Conteúdo o conteúdo está presente num ou em mais documentos tradicionais e/ou electrónicos que veiculam a mensagem do documento. Contexto contexto de produção Estrutura jurídico ou quadro regulamentador das actividades organizacionais, orgânico,, se nos atendermos a unidades orgânicas produtoras, funcional,, no caso da função ou processo em que o documento é produzido, tecnológico gico,, relativamente à plataforma tecnológica em que foi produzido, Informacional,, exprimindo a teia de relações informacionais subjacentes/decorrentes dàd actividade(s) desenvolvida no âmbito de um processo organizacional ou funcional. os documentos são armazenados de forma a permitir aos futuros utilizadores compreendê-los, tal implica que um documento contenha, acrescidas ao conteúdo do(s) seu(s) documento(s), e para além m de informações relativas ao contexto, informações relativas à estrutura do documento. Apresentação a apresentação depende de uma combinação dos conteúdos dos documentos, da sua estrutura e (no caso dos documentos electrónicos) do software utilizado para a expôr.

55 Os documentos digitais O desafio digital habitualmente são representados como objectos de informação logicamente delimitados, ou seja, como objectos discretos. todavia cada vez mais se encontram documentos sob a forma de objectos distribuídos, como sejam bases de dados relacionais e documentos compostos.

56 Atributos do documento digital São dependentes de um sistema intermediário rio (a plataforma tecnológica em que foram produzidos) São independentes e não solidários do suporte em que são mantidos (ao contrário rio do papel em que a identicação entre conteúdo, estrutura e suporte é inalterável), mantendo com ele relações múltiplas. m São distribuídos dos (mesmo um documento electrónico simples como por exemplo um documento de texto inclui componentes externas a si próprio prio - ex., as fontes que pertencem ao sistema operativo) São dinâmicos e por vezes mantêm capacidades automodificáveis (por exemplo quando utilizadas macros)

57 Atributos do documento digital São complexos assumindo formas muito estruturadas ou combinando diferentes media( bases de dados e sítios s web). Um documento pode incluir em si vários v documentos ou apenas um, mantendo portanto diversos tipos de cardinalidade (1-1; 1; 1-*). 1 São virtuais Um objecto irreal mas que parece real (pode parecer um objecto único quando na realidade inclui em si vários v objectos (documentos, componentes, formatos, etc.) Algo imaterial suportado por tecnologias de informação (depende de sistema intermediário rio composto por plataforma tecnológica e informática -à semelhança a das salas de conferência virtual, etc.-). Algo potencialmente presente e que apenas está activo mediante a superveniência de um estímulo (aplicável à congregação de diversos elementos informativos que criam uma vista -informação com estrutura, contexto e conteúdo mas de duração efémera) com um propósito pontual e localizado, dissolvendo-se se após s o cumprimento desse propósito; Um objecto que existe mas de forma dinâmica (modificável), ou seja, cuja composição não é estável vel.. Documentos automodificáveis e documentos complexos (bases de dados e páginas p web, documentos com macros, documentos dinâmicos, etc.)

58 Atributos do documento digital O documento electrónico deve: possuir a capacidade de ser autodemonstrável vel,, isto é,, conter em si mesmo os elementos contextualizadores da sua produção e ciclo de vida, sob o ponto de vista ambiental, documental, orgânico, funcional e tecnológico. deve permanecer inteligível vel,, ou seja, manter a capacidade de ser interpretado independentemente do software ou hardware originais que o tenham produzido.

59 É necessário uma GESTÃO DA INFORMAÇÃO que assegure a existência de informação: Autêntica a) ser aquilo que pretende ser b) ter sido produzida ou enviada pelo alegado produtor ou remetente c) ter sido produzida ou enviada no alegado momento de produção ou envio. Fidedigna aquela que é digna de crédito enquanto representação completa e fiel das transações, actividades ou factos que atesta, podendo dela depender subssequentes transações ou actividades. Integra que esta permaneça a completa e inalterada. Inteligível/utiliz vel/utilizável pode ser localizada, recuperada, apresentada e interpretada. Garantindo o uso dessa informação, a materialização das actividades da organização, a médio m e longo prazo

60 Uma gestão que passa pela utilização de META-INFORMA INFORMAÇÃO isto é, informação adicionada de forma automática tica ou semi-automatizada ao documento, em vários v momentos do seu ciclo de vida, e que permitirá a sua contextualização sob os diferentes aspectos jáj enunciados estruturas de informação paralelas indissociavelmente ligadas ao documento, ou seja, que constituem parte integrante do mesmo.

61 Reforçando a importância da Meta-informa informação Funcionalidades Suporta META-INFORMAÇÃO Normas Obedece a e Recomendações Descreve Acrescenta valor Conteúdos

62 O desafio digital Assim, a preservação digital requer: diferentes abordagens: quer técnicast quer organizacionais sendo as estratégias influenciadas por: tipo de entidade produtora tipo do sistema de informação tipo de gestão desse sistema e relação com os serviços produtores infra-estruturas técnicast legislação tipos e níveis n de serviços prestados...

63 PROPOSTA CI SI-AP REPOSITÓRIO DE PRESERVAÇÃO Tradicional BIBLIOTECA DIGITAL REPOSITÓRIO INSTITUCIONAL TESE NIVEL: ABERTO Documento - informacão científica ARQUIVO DIGITAL NIVEL: SEMI-ABERTO Documento - acto orgânico e/ou administrativo

64 4º Urgência de uma Informação selecção permanente da O Sistema de Informação organizacional (SI) ou da organização x, y, z z está sempre a ser alimentado enquanto ela funcionar e, nesse estado, impõe-se a urgência de uma selecção permanente,, ou seja, a aplicação de uma auto-regula regulação de selecção que zela pela existência e fluidez da memória organizacional, determinada por critérios rios científicos de AVALIAÇÃO ÃO [1]. [1]SILVA, Armando B. Malheiro da; RIBEIRO, Fernanda - A avaliação em arquivística: reformulação teórico rico- prática de uma operação metodológica. Páginas A&B: arquivos e bibliotecas.. Lisboa, 5 (2000). ISSN:

65 5º A interactividade informacional da organização Não sendo a interacção e a abertura ao outro/exterior uma novidade da época actual, a mediação tecnológica e a prática exponencial e geradora de efeitos múltiplos m graças as ao potencial das TIC e, mais precisamente, da INTRANET e da INTERNET, suporte tecnológico imprescindível à existência expansiva do SI, adquire nos nossos dias um papel fundamental nas organizações.

66 CICLO DE GESTÃO GESTÃO P R O D U T O R Manutenção e preservação 7 Uso e disseminação 6 Planeamento da gestão de informação 1 Criação, Captura e Recolha 2 Organização 3 C O N S U M I D O R Armazenamento 5 Avaliação 4 PRESERVAÇÃO

67 Gestão contínua nua do ciclo de vida da Informação WORKFLOW Validação Avaliação Criação/aquisição Repositório SI Armazenamento Difusão Integração Adapt. de:

68 Integração da Gestão GSI Gestão de informação em bases de dados Gestão de Workflow Gestão da Informação Gestão de imagens e audiovisual Gestão Groupware Gestão de Conteúdos Internet

69 6º O Sistema de Informação organizacional (SI) é,, pois, por natureza activo e permanente. É um sistema com memória ria. Esta valência fundamental tem de ser gerida e zelada na génese e na actividade plena da organização ão, com o duplo objectivo: de a rentabilizar nos ganhos de PRODUTIVIDADE e INOVAÇÃO e de assegurar a sua tranquila e natural DISPONIBILIZAÇÃO ao acesso de qualquer género

70 7º A consciencialização do duplo objectivo focado atrás s faz-se de várias v maneiras e por vários v intervenientes e não pode ter em conta apenas as grandes organizações, capazes de contratar gestor(es) ) de informação. As Entidades (em sentido tradicional ou empresas direccionadas a essa área de negócio )) que albergam, organizam e disponibilizam o acesso imediato, por exemplo, dos arquivos empresariais aos seus produtores têm de ajudar os seus clientes a ver para além m do imediatismo redutor do guarda por um tempo de validade fiscal e deita fora

71 8º O SI-AP surge e implementa-se para que essa consciencialização seja um desiderato visado persistentemente, mas o seu êxito depende sobretudo do exame crítico e permanente dos resultados que permite alcançar ar em cada organização onde é implantado. Cada organização com SI-AP é um case study e os conjuntos de empresas cuja informação é sistémicamente gerida fornecem indicações diversas e preciosas sobre a viabilidade e o potencial do modelo.

Processos e métodos de preservação digital do Património Arquivístico. Ana Mª Rodrigues

Processos e métodos de preservação digital do Património Arquivístico. Ana Mª Rodrigues Processos e métodos de preservação digital do Património Arquivístico Ana Mª Rodrigues 19 de Setembro de 2013 Objectivos da apresentação Relativamente ao Património Arquivístico Digital, apresentar os

Leia mais

A Preservação da informação em ambiente digital

A Preservação da informação em ambiente digital A Preservação da informação em ambiente digital 00111000 1110000 10101010 10101010 111000 00111000 Da Preservação do Documento à Preservação da Informação Jornada de Profissionais da Informação Arquivo

Leia mais

Uma era, uma visão, um paradigma: da teoria à prática

Uma era, uma visão, um paradigma: da teoria à prática Maria Manuela Gomes de Azevedo Pinto Uma era, uma visão, um paradigma: da teoria à prática RESUMO: O presente artigo tem como principal objectivo a apresentação de um caso de estudo, o projecto de Gestão

Leia mais

Jornada de Profissionais da Informação. Anabela Ribeiro aribeiro@iantt.pt. 2007 DGARQ/Arquivo Distrital da Guarda 28 de Novembro de 2007

Jornada de Profissionais da Informação. Anabela Ribeiro aribeiro@iantt.pt. 2007 DGARQ/Arquivo Distrital da Guarda 28 de Novembro de 2007 1 Jornada de Profissionais da Informação Anabela Ribeiro aribeiro@iantt.pt 2 1 Microfilmagem e A tecnologia micrográfica e digital nas organizações : Preservação da documentação Aumentar a qualidade e

Leia mais

Documentos Electrónicos

Documentos Electrónicos Documentos Electrónicos Define-se como Documento electrónico todo o documento produzido em computador integrado em sistemas e redes, não tendo existência própria se for deslocado do sistema de informação

Leia mais

Plano Estratégico de Sistemas de Informação 2009

Plano Estratégico de Sistemas de Informação 2009 v.1.6. Plano Estratégico de Sistemas de Informação 2009 Versão reduzida Hugo Sousa Departamento de Tecnologias PESI 2009 Calendário de Projectos Calendário Direcção de projectos para 2009Projecto Licenciamento

Leia mais

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Considerando que a informação arquivística, produzida, recebida, utilizada e conservada em sistemas informatizados,

Leia mais

Premier. Quando os últimos são os Primeiros

Premier. Quando os últimos são os Primeiros Premier Quando os últimos são os Primeiros Fundada em 1997 Especializada no desenvolvimento de soluções informáticas de apoio à Gestão e consultoria em Tecnologias de Informação. C3im tem como principais

Leia mais

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A satisfação e o desempenho dos recursos humanos em qualquer organização estão directamente relacionados entre

Leia mais

Gestão de Informação no ambiente de Cloud Computing

Gestão de Informação no ambiente de Cloud Computing Gestão de Informação no ambiente de Cloud Computing Karine Georg Dressler Karine Georg Dressler Programa Doutoral de Informação e Comunicação em Plataformas Digitais ICPD Faculdade de Letras Universidade

Leia mais

1. Introdução. 2. Situação Actual da Área de Documentação e Arquivo

1. Introdução. 2. Situação Actual da Área de Documentação e Arquivo 1. Introdução A gestão documental e a protecção especial de documentos e arquivos são da responsabilidade do Governo, enquanto instrumento chave de apoio à administração, à cultura, ao desenvolvimento

Leia mais

Primeiros anos do Arquivo do Técnico: memória e gestão da informação. Ana Silva Rigueiro

Primeiros anos do Arquivo do Técnico: memória e gestão da informação. Ana Silva Rigueiro Primeiros anos do Arquivo do Técnico: memória e gestão da informação Ana Silva Rigueiro Índice 1. Missão 2. Factos e números 3. Serviços 4. A história do Arquivo 5. Acervo documental 6. Os projectos de

Leia mais

PLANO TIC ano lectivo 2006/2007

PLANO TIC ano lectivo 2006/2007 PLANO TIC ano lectivo 2006/2007 O Coordenador TIC João Teiga Peixe Índice Índice...2 1. Introdução... 3 2. Objectivos... 3 3. Sectores Afectos... 4 1. Salas de Aulas... 4 2. Administrativo... 4 3. Outras

Leia mais

Câmara Municipal de Cascais é uma boa prática no relacionamento com os cidadãos

Câmara Municipal de Cascais é uma boa prática no relacionamento com os cidadãos 27 LEADERSHIP AGENDA a inovação na gestão do relacionamento compensa Câmara Municipal de Cascais é uma boa prática no relacionamento com os cidadãos A participação activa dos cidadãos é vital para a promoção

Leia mais

Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental

Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental Auditoria do Tribunal de Contas à Direcção Geral do Tesouro no âmbito da Contabilidade do Tesouro de 2000 (Relatório n.º 18/2002 2ª Secção) 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

Prémio Inovação em Intervenção Psicológica

Prémio Inovação em Intervenção Psicológica Prémio Inovação em Intervenção Psicológica ABRIL 2015 Índice 03 05 11 1. Programa OPP Inovação em Intervenção Psicológica 1.1. Prémio Inovação em Intervenção Psicológica 1.2. Summer Camp - Inovação em

Leia mais

Os Sistemas de Informação Regionais das Cidades e Regiões Digitais na vertente Infraestrutural

Os Sistemas de Informação Regionais das Cidades e Regiões Digitais na vertente Infraestrutural Os Sistemas de Informação Regionais das na vertente Infraestrutural 1, 2 1 Instituto Politécnico de Tomar Tomar, Portugal 2 Centre of Human Language Tecnnology and Bioinformatics Universidade da Beira

Leia mais

A MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E OS ARQUIVOS. Daniela F. Gabriel João Paulo Lopes Vítor Mesquita O EXEMPLO DA CMP AO SERVIÇO DO CIDADÃO

A MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E OS ARQUIVOS. Daniela F. Gabriel João Paulo Lopes Vítor Mesquita O EXEMPLO DA CMP AO SERVIÇO DO CIDADÃO 2015 CMP DMC DMAG Daniela F. Gabriel João Paulo Lopes Vítor Mesquita A MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E OS ARQUIVOS O EXEMPLO DA CMP AO SERVIÇO DO CIDADÃO GTGDA - BAD, 18 de Junho de 2015 2015 CMP DMC DMAG

Leia mais

ANA obtém certificação em quatro áreas críticas com apoio da VP Consulting

ANA obtém certificação em quatro áreas críticas com apoio da VP Consulting ANA obtém certificação em quatro áreas críticas com apoio da VP Consulting Contactos: Isabel Fonseca Marketing VP Consulting Telefone: +351 22 605 37 10 Fax: +351 22 600 07 13 Email: info@vpconsulting.pt

Leia mais

Curso Geral de Gestão. Pós Graduação

Curso Geral de Gestão. Pós Graduação Curso Geral de Gestão Pós Graduação Curso Geral de Gestão Pós Graduação Participamos num processo acelerado de transformações sociais, políticas e tecnológicas que alteram radicalmente o contexto e as

Leia mais

ARQUIVOLOGIA E GESTÃO DA INFORMAÇÃO/CONHECIMENTO

ARQUIVOLOGIA E GESTÃO DA INFORMAÇÃO/CONHECIMENTO ARQUIVOLOGIA E GESTÃO DA INFORMAÇÃO/CONHECIMENTO Armando Malheiro da Silva * ponto de vista * Faculdade de Letras da Universidade do Porto, Portugal 1 GÊNESE E EVOLUÇÃO Quase dez anos após o primeiro passo

Leia mais

Carteira. de formação. análise às nossas oportunidades e recursos. Missão, Visão e Objectivos. Desenvolver competências técnicas e transversais

Carteira. de formação. análise às nossas oportunidades e recursos. Missão, Visão e Objectivos. Desenvolver competências técnicas e transversais conteúdos: Programa de formação avançada centrado nas competências e necessidades dos profissionais. PÁGINA 2 Cinco motivos para prefirir a INOVE RH como o seu parceiro, numa ligação baseada na igualdade

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Objectivos do Curso. No final deste os alunos deverão: Identificar os principais objectivos associados à implementação de Sistemas de Gestão da Qualidade (SGQ) Compreender

Leia mais

Agenda Norte Região Digital: Diagnóstico, Estratégia e Plano de Acção

Agenda Norte Região Digital: Diagnóstico, Estratégia e Plano de Acção : Diagnóstico, Estratégia e Plano de Acção Mário Jorge Leitão INESC Porto / FEUP Sumário Enquadramento e-governo Local e Regional Cartão do Cidadão e Plataforma de Serviços Comuns da Administração Pública

Leia mais

Medidas intersectoriais 2010/11

Medidas intersectoriais 2010/11 Medidas intersectoriais 2010/11 IS01 BALCÃO DO EMPREENDEDOR DISPONIBILIZAÇÃO DE SERVIÇOS Objectivos: Inventariar, introduzir e manter permanentemente actualizados no Balcão do Empreendedor vários serviços,

Leia mais

XXVIII. Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE

XXVIII. Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE XXVIII Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE 1. Sistema de gestão de qualidade... 2 1.1 Objectivos do sistema... 2 1.2 Estrutura organizativa... 4 1.2.1 Organização interna... 4 1.2.2 Estrutura

Leia mais

O RELACIONAMENTO COM O CIDADÃO A importância do Território

O RELACIONAMENTO COM O CIDADÃO A importância do Território Conferência Ibero-Americana WWW/Internet 2004 7/8 Outubro, Madrid, Espanha O RELACIONAMENTO COM O CIDADÃO A importância do Território Jorge Xavier Aluno de Mestrado DEGEI UA Campus Universitário de Santiago.

Leia mais

SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA

SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA O Sistema de Certificação de Entidades Formadoras, consagrado na Resolução do Conselho de Ministros nº 173/2007, que aprova

Leia mais

Preservação de documentos arquivísticos digitais: algumas abordagens teóricas e aplicações práticas

Preservação de documentos arquivísticos digitais: algumas abordagens teóricas e aplicações práticas Preservação de documentos arquivísticos digitais: algumas abordagens teóricas e aplicações práticas Vanderlei Batista dos Santos Doutor em Ciência da Informação / UnB Arquivista 1/25 Preservação: perguntas

Leia mais

Introdução ao projecto Gaia Global

Introdução ao projecto Gaia Global Introdução ao projecto Gaia Global Autarquia de Vila Nova de Gaia Luís BorgesGouveia A sociedade da informação A Sociedade da Informação é uma sociedade que predominantemente utiliza o recurso às tecnologias

Leia mais

Curso Técnico Superior Profissional em Desenvolvimento Web

Curso Técnico Superior Profissional em Desenvolvimento Web Curso Técnico Superior Profissional em Desenvolvimento Web PROVA DE AVALIAÇÃO DE CAPACIDADE REFERENCIAL DE CONHECIMENTOS E APTIDÕES Áreas relevantes para o curso de acordo com o n.º 4 do art.º 11.º do

Leia mais

COMUNICAÇÃO DA ACÇÃO DE FORMAÇÃO

COMUNICAÇÃO DA ACÇÃO DE FORMAÇÃO COMUNICAÇÃO DA ACÇÃO DE FORMAÇÃO Data 3 de Novembro a 15 de Dezembro de 2015 Ação de formação Área temática Cód. Ref. Formadores Horário INTRODUÇÃO À ARQUIVÍSTICA Gestão Documental S16 Helena Neves / Rui

Leia mais

FORMAÇÃO 2012/2013 CURSOS GRATUITOS. HORÁRIO PÓS-LABORAL

FORMAÇÃO 2012/2013 CURSOS GRATUITOS. HORÁRIO PÓS-LABORAL FORMAÇÃO 01/013 CURSOS GRATUITOS. HORÁRIO PÓS-LABORAL INFORMAÇÕES FUNDAÇÂO MINERVA Cultura - Ensino e Investigação Científica Universidade Lusíada de Vila Nova de Famalicão Largo Tinoco de Sousa 760. 108

Leia mais

Informática. Conceitos Básicos. Informação e Sistemas de Informação. Aula 3. Introdução aos Sistemas

Informática. Conceitos Básicos. Informação e Sistemas de Informação. Aula 3. Introdução aos Sistemas Informática Aula 3 Conceitos Básicos. Informação e Sistemas de Informação Comunicação Empresarial 2º Ano Ano lectivo 2003-2004 Introdução aos Sistemas A Teoria dos Sistemas proporciona um meio poderoso

Leia mais

DSPACE GESTÃO DE. Características e requisitos técnicos REPOSITÓRIOS INSTITUCIONAIS WHITE PAPER SERIES

DSPACE GESTÃO DE. Características e requisitos técnicos REPOSITÓRIOS INSTITUCIONAIS WHITE PAPER SERIES DSPACE GESTÃO DE REPOSITÓRIOS INSTITUCIONAIS Características e requisitos técnicos WHITE PAPER SERIES Sobre o documento Identificador WP11173 Autor Miguel Ferreira Contribuição Luís Miguel Ferros Distribuição

Leia mais

Capítulo Descrição Página

Capítulo Descrição Página MANUAL DA QUALIIDADE ÍNDICE Capítulo Descrição Página 1 Apresentação da ILC Instrumentos de Laboratório e Científicos, Lda Dados sobre a ILC, sua história, sua organização e modo de funcionamento 2 Política

Leia mais

GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL

GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL CADERNOS DE MUSEOLOGIA Nº 28 2007 135 GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL INTRODUÇÃO Os Sistemas da Qualidade

Leia mais

Tipologia de Intervenção 6.4

Tipologia de Intervenção 6.4 Documento Enquadrador Tipologia de Intervenção 6.4 Qualidade dos Serviços e Organizações Acções de consultoria inseridas no processo que visa conferir uma certificação de qualidade às organizações que

Leia mais

Cadeira de Tecnologias de Informação. Conceitos fundamentais de sistemas e tecnologias de informação e de gestão do conhecimento.

Cadeira de Tecnologias de Informação. Conceitos fundamentais de sistemas e tecnologias de informação e de gestão do conhecimento. Cadeira de Tecnologias de Informação Ano lectivo 2007/08 Conceitos fundamentais de sistemas e tecnologias de informação e de gestão do conhecimento. Prof. Mário Caldeira Profª Ana Lucas Dr. Fernando Naves

Leia mais

Arquitectura Global de Interoperabilidade PNAGIA Proximidade, Diversidade e Eficiência da Oferta de Serviços ao Cidadão

Arquitectura Global de Interoperabilidade PNAGIA Proximidade, Diversidade e Eficiência da Oferta de Serviços ao Cidadão MTTI/CNTI 2015 Ministério das Telecomunicações e Tecnologias de Informação Centro Nacional das Tecnologias de Informação Arquitectura Global de Interoperabilidade PNAGIA Proximidade, Diversidade e Eficiência

Leia mais

Gestão integrada de sistemas de informação em autarquias locais: uma abordagem sistémica

Gestão integrada de sistemas de informação em autarquias locais: uma abordagem sistémica Gestão integrada de sistemas de informação em autarquias locais: uma abordagem sistémica Maria Manuela Gomes de Azevedo Pinto Resumo O principal objectivo deste artigo é dar a conhecer, de uma forma sintética,

Leia mais

Gestão do conhecimento

Gestão do conhecimento Gestão do Exemplos e aplicações Luis Manuel Borges Gouveia, lmbg@ufp.pt Janeiro de 2002 O SI, a GI e o Negócio Gestão e pessoas GESTÃO DA INFORMAÇÃO Organização e procedimentos SISTEMA DE INFORMAÇÃO missão

Leia mais

ARTIGO: SOLUÇÕES PARA O SECTOR AUTARQUIAS in IGOV Maio 2010

ARTIGO: SOLUÇÕES PARA O SECTOR AUTARQUIAS in IGOV Maio 2010 CÂMARA MUNICIPAL DE SANTARÉM - R EVOLUÇÃO ADMINISTRATIVA A Autarquia de Santarém, em parceria com a PT Prime, desenvolveu um sistema de soluções integradas e inter-operantes que lhe possibilitaram operacionalizar

Leia mais

Gestion electrónica de documentos y acesso a la informacion

Gestion electrónica de documentos y acesso a la informacion Universidad Lusófona /Universidad de Alcalá Ciencias Documentales: bibliografía y Documentación Gestion electrónica de documentos y acesso a la informacion Trabajo de doctorado: Problemas em torno da Gestion

Leia mais

Para Preservar e Divulgar a Memória do Porto. Os Arquivos das Organizações Populares.

Para Preservar e Divulgar a Memória do Porto. Os Arquivos das Organizações Populares. Universidade Popular do Porto Candidatura de projecto à Porto 2001 SA, Capital da Cultura Para Preservar e Divulgar a Memória do Porto. Os Arquivos das Organizações Populares. Agosto de 1999 (reformulado

Leia mais

A Câmara Municipal de Rio Maior e o papel do Curso de Educação e Comunicação Multimédia no Gabinete de Imagem, Comunicação e Relações Públicas

A Câmara Municipal de Rio Maior e o papel do Curso de Educação e Comunicação Multimédia no Gabinete de Imagem, Comunicação e Relações Públicas A Câmara Municipal de Rio Maior e o papel do Curso de Educação e Comunicação Multimédia no Gabinete de Imagem, Comunicação e Relações Públicas Psicologia organizacional A Psicologia Organizacional, inicialmente

Leia mais

Competitividade e Inovação

Competitividade e Inovação Competitividade e Inovação Evento SIAP 8 de Outubro de 2010 Um mundo em profunda mudança Vivemos um momento de transformação global que não podemos ignorar. Nos últimos anos crise nos mercados financeiros,

Leia mais

NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO

NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO NIP: Nº DO RELATÓRIO: DENOMINAÇÃO DA EMPRESA: EQUIPA AUDITORA (EA): DATA DA VISITA PRÉVIA: DATA DA AUDITORIA: AUDITORIA DE: CONCESSÃO SEGUIMENTO ACOMPANHAMENTO

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA

TERMOS DE REFERÊNCIA Nô Pintcha Pa Dizinvolvimentu UE-PAANE - Programa de Apoio aos Actores Não Estatais TERMOS DE REFERÊNCIA CONTRATO DE ASSISTÊNCIA TECNICA PARA FORMADOR/A EM COMUNICAÇÃO E VISIBILIDADE DAS ORGANIZAÇÕES UE-PAANE

Leia mais

PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA

PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA Introdução Nesta edição do Catálogo de Serviços apresentamos os vários tipos de serviços que compõe a actual oferta da Primavera na área dos serviços de consultoria.

Leia mais

SIBS PROCESSOS cria solução de factura electrónica com tecnologias Microsoft

SIBS PROCESSOS cria solução de factura electrónica com tecnologias Microsoft SIBS PROCESSOS cria solução de factura electrónica com tecnologias Microsoft A solução MB DOX oferece uma vantagem competitiva às empresas, com a redução do custo de operação, e dá um impulso à factura

Leia mais

Mestrado em Sistemas Integrados de Gestão (Qualidade, Ambiente e Segurança)

Mestrado em Sistemas Integrados de Gestão (Qualidade, Ambiente e Segurança) Mestrado em Sistemas Integrados de Gestão (Qualidade, Ambiente e Segurança) 1 - Apresentação Grau Académico: Mestre Duração do curso: : 2 anos lectivos/ 4 semestres Número de créditos, segundo o Sistema

Leia mais

MINISTÉRIO DA REFORMA DO ESTADO E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. N. o 78 3 de Abril de 2002 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B 3015

MINISTÉRIO DA REFORMA DO ESTADO E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. N. o 78 3 de Abril de 2002 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B 3015 N. o 78 3 de Abril de 2002 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B 3015 Figura 41 Vulnerabilidade dos aquíferos. Figura 42 Infra-estruturas de transporte existentes e previstas. Figura 43 Evolução da população residente

Leia mais

SI Sistema de Informação Anexo 4

SI Sistema de Informação Anexo 4 onselho oordenador omo implementar? No actual quadro da dministração Pública torna-se necessário avaliar o desempenho dos serviços, o que implica, para os gestores públicos, desenvolver (os seus) sistemas

Leia mais

EDIÇÃO 2011/2012. Introdução:

EDIÇÃO 2011/2012. Introdução: EDIÇÃO 2011/2012 Introdução: O Programa Formação PME é um programa financiado pelo POPH (Programa Operacional Potencial Humano) tendo a AEP - Associação Empresarial de Portugal, como Organismo Intermédio,

Leia mais

a emergência das tecnologias open source no SIG municipal de guimarães

a emergência das tecnologias open source no SIG municipal de guimarães a emergência das tecnologias open source no SIG municipal de guimarães processo de modernização administrativa prestação de um melhor serviço aos cidadãos utilização mais eficiente dos seus recursos no

Leia mais

2011/07/07 MQ-01/02 01/02-2011/07/07

2011/07/07 MQ-01/02 01/02-2011/07/07 MQ-01/02 01/02-2011/07/07 2011/07/07 NOTA: No caso de imprimir este documento, o mesmo passa automaticamente a Cópia Não Controlada ; a sua utilização implica a confirmação prévia de que corresponde à

Leia mais

INOVAÇÃO E SOLUÇÃO INTEGRADA

INOVAÇÃO E SOLUÇÃO INTEGRADA INOVAÇÃO E SOLUÇÃO INTEGRADA A Formação no ISQ A actividade de Formação do ISQ tem sido uma forte aposta enquanto factor determinante para o desenvolvimento e melhoria de desempenho dos sectores tecnológicos

Leia mais

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Aviso para apresentação de candidaturas Nº 07/SI/2010 1 Índice Condições de Elegibilidade do Promotor... 3 Condições

Leia mais

ILM e as Arquitecturas Empresariais por Pedro Sousa

ILM e as Arquitecturas Empresariais por Pedro Sousa ILM e as Arquitecturas Empresariais por Pedro Sousa Neste artigo clarifica-se os objectivos do ILM (Information Life Cycle Management) e mostra-se como estes estão dependentes da realização e manutenção

Leia mais

Visão Global de Operacionalização da Estratégia para as TIC na PSP 2013-2016

Visão Global de Operacionalização da Estratégia para as TIC na PSP 2013-2016 Visão Global de Operacionalização da Estratégia para as TIC na PSP 2013-2016 Outubro de 2013 Visão Global de Operacionalização da Estratégia para as TIC na PSP 2013-2016 Ciente da relevância estratégica

Leia mais

ANA AEROPORTOS REDES DE CONHECIMENTO

ANA AEROPORTOS REDES DE CONHECIMENTO PARTILHAR PARTILHAR ANA AEROPORTOS REDES DE CONHECIMENTO A ORGANIZAÇÃO O sector da aviação civil, dada a sua natureza, está sujeito a regulamentação internacional, europeia e nacional, que regula e uniformiza

Leia mais

SIMPLEX AUTARQUICO DO VALE DO MINHO

SIMPLEX AUTARQUICO DO VALE DO MINHO SIMPLEX AUTARQUICO DO VALE DO MINHO 2009 2010 MEDIDAS INTERSECTORIAIS: LICENÇAS, AUTORIZAÇÕES PRÉVIAS E OUTROS CONDICIONAMENTOS ADMINISTR ATIVOS SIMILARES Identificar e inventariar todas as licenças, autorizações

Leia mais

Gestão Arquivística de Documentos Eletrônicos

Gestão Arquivística de Documentos Eletrônicos Câmara Técnica de Documentos Eletrônicos Gestão Arquivística de Documentos Eletrônicos Claudia Lacombe Rocha Márcia Helena de Carvalho Ramos Margareth da Silva Rosely Cury Rondinelli Revisão por Alba Gisele

Leia mais

SAMA2020 OPERAÇÕES TEMÁTICAS ONLY ONCE E ADESÃO À IAP

SAMA2020 OPERAÇÕES TEMÁTICAS ONLY ONCE E ADESÃO À IAP SAMA2020 OPERAÇÕES TEMÁTICAS ONLY ONCE E ADESÃO À IAP 1 DE JULHO DE 2015 OPERAÇÕES TEMÁTICAS COLABORATION SIMPLIFICATION INNOVATION AGENCY FOR THE PUBLIC SERVICES REFORM OPERAÇÃO TEMÁTICA M/C DOTAÇÃO ORÇAMENTAL

Leia mais

GESTÃO. Gestão dos Processos e Operações Gestão de Sistemas e Tecnologias de Informação (dentro do capítulo 6) CLF

GESTÃO. Gestão dos Processos e Operações Gestão de Sistemas e Tecnologias de Informação (dentro do capítulo 6) CLF GESTÃO Gestão dos Processos e Operações Gestão de Sistemas e Tecnologias de Informação (dentro do capítulo 6) Informação e Decisões Gerir envolve tomar muitas e frequentes decisões Para decidir com eficácia

Leia mais

O controlo de gestão nas unidades de saúde: o Balanced Scorecard

O controlo de gestão nas unidades de saúde: o Balanced Scorecard O controlo de gestão nas unidades de saúde: o Balanced Scorecard P o r C a r l o s M a n u e l S o u s a R i b e i r o O Balanced Scorecard apresenta-se como alternativa viável aos tradicionais sistemas

Leia mais

Gestão Total da Manutenção: Sistema GTM

Gestão Total da Manutenção: Sistema GTM Gestão Total da Manutenção: Sistema GTM por Engº João Barata (jbarata@ctcv.pt), CTCV Inovação Centro Tecnológico da Cerâmica e do Vidro 1. - INTRODUÇÃO Os sub-sistemas de gestão, qualquer que seja o seu

Leia mais

Estratégia para os Sistemas e Tecnologias de Informação

Estratégia para os Sistemas e Tecnologias de Informação Estratégia para os Sistemas e Tecnologias de Informação A transcrição ou reprodução deste documento não é permitida sem a prévia autorização escrita do IGIF PRINCIPAIS MENSAGENS O IGIF, na vertente SI,

Leia mais

PONTDOC. Sistema de Gestão Documental. Dossier de Produto 02.01.2009 DP10.02. www.pontual.pt UGD 1 de 13

PONTDOC. Sistema de Gestão Documental. Dossier de Produto 02.01.2009 DP10.02. www.pontual.pt UGD 1 de 13 PONTDOC Sistema de Gestão Documental Dossier de Produto DP10.02 02.01.2009 www.pontual.pt UGD 1 de 13 PONTDoc Sistema de Gestão Documental A Pontual A Pontual é uma empresa de capitais 100% nacionais,

Leia mais

A gestão da produção informacional via email

A gestão da produção informacional via email A gestão da produção informacional via email HUGO OLIVEIRA MESTRADO EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO FACULDADE DE ENGENHARIA E FACULDADE DE LETRAS DA UNIVERSIDADE DO PORTO O EMAIL NAS ORGANIZAÇÕES A produção informacional

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE. Pág. 1 de 15. Actuar. Verifica r. Data: 09/05/2011 Edição: 01 Revisão: 00 Entrada em vigor:

MANUAL DA QUALIDADE. Pág. 1 de 15. Actuar. Verifica r. Data: 09/05/2011 Edição: 01 Revisão: 00 Entrada em vigor: MANUAL DA QUALIDADE Pág. 1 de 15 Planear Realizar Actuar Verifica r Rubrica: Rubrica: MANUAL DA QUALIDADE Pág. 2 de 15 INDICE: CAP. 1 - MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE 1.1. - Objectivo 1.2. - Âmbito e exclusões

Leia mais

RELATÓRIO DE AUDITORIA

RELATÓRIO DE AUDITORIA RELATÓRIO DE AUDITORIA MUNICÍPIO DE SÁTÃO Nº EXPEDIENTE: 2008/0132/ER/01 NORMA DE APLICAÇÃO: ISO9001:2008 Nº RELATÓRIO: 08 TIPO DE AUDITORIA: AS1 Requer envio de PAC à LUSAENOR: SIM X NÃO o Data de realização

Leia mais

5.7.6 Internet/Intranet 176 5.7.7 Gestão logística 177 CAPÍTULO 6. DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE WORKFLOW 181 6.1 Métodos de Desenvolvimento 181

5.7.6 Internet/Intranet 176 5.7.7 Gestão logística 177 CAPÍTULO 6. DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE WORKFLOW 181 6.1 Métodos de Desenvolvimento 181 SUMÁRIO SUMÁRIO PREFÁCIO AGRADECIMENTOS VII XI XIII INTRODUÇÃO CAPÍTULO 1. ORGANIZAR WORKFLOWS 1 1.1 Ontologia da gestão de workflows 1.2 Trabalho 1 1 1.3 Processos de Negócio 3 1.4 Distribuir e Aceitar

Leia mais

Maturidade da Impressão e Gestão Documental nas Organizações Nacionais

Maturidade da Impressão e Gestão Documental nas Organizações Nacionais Maturidade da Impressão e Gestão Documental nas Organizações Nacionais 1. Tendências na impressão e gestão documental 2. Modelo de maturidade da impressão e gestão documental 3. Q&A 2 Uma nova plataforma

Leia mais

Solutions for (Multi)Media Management

Solutions for (Multi)Media Management Solutions for (Multi)Media Management António Meneses Manager Education Segment Sony Business Europe Portugal O Poder dos Conteúdos Ricos O Poder da Comunicação 7% palavras 38% forma como informação é

Leia mais

iportalmais Rua Passos Manuel, n.º 66 / 76 4000-381 Porto - Portugal Telefone: +351225 106 476 Fax: 225 189 722 mail@iportalmais.pt www.iportalmais.pt MULTICERT Estrada Casal de Canas, Lote 6 Alfragide

Leia mais

Guia de Websites para a Administração Pública

Guia de Websites para a Administração Pública Guia de Websites para a Administração Pública Portugal precisa de um desafio de exigência e de conhecimento que nos eleve aos níveis de competência e de produtividade dos países mais desenvolvidos, de

Leia mais

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO::

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO:: ::ENQUADRAMENTO:: :: ENQUADRAMENTO :: O actual ambiente de negócios caracteriza-se por rápidas mudanças que envolvem a esfera politica, económica, social e cultural das sociedades. A capacidade de se adaptar

Leia mais

PHC Workflow CS. Informatize de forma eficaz todos os circuitos e processos de trabalho usados na sua empresa

PHC Workflow CS. Informatize de forma eficaz todos os circuitos e processos de trabalho usados na sua empresa PHCWorkflow CS DESCRITIVO O PHC Workflow permite que o conjunto de acções a executar, sigam uma ordem pré- -definida de acordo com as normas da empresa, aumentando a agilidade e produtividade dos colaboradores.

Leia mais

Global Incentives Solutions*

Global Incentives Solutions* Incentives Solutions Global Incentives Solutions* Informação sobre incentivos ao investimento Número 6, Outubro de 2007 *connectedthinking What s hot Assinatura dos Programas Operacionais (PO) No passado

Leia mais

TÉCNICO DE ARTES GRÁFICAS

TÉCNICO DE ARTES GRÁFICAS Saída Profissional 03.01 TÉCNICO DE ARTES GRÁFICAS O Técnico de Artes Gráficas é um profissional qualificado, conhecedor do fluxo de produção gráfica, e apto para o exercício de profissões ligadas à composição,

Leia mais

PHC Workflow. Informatize de forma eficaz todos os circuitos e processos de trabalho usados na sua empresa

PHC Workflow. Informatize de forma eficaz todos os circuitos e processos de trabalho usados na sua empresa PHCWorkflow DESCRITIVO O PHC Workflow permite que o conjunto de acções a executar, sigam uma ordem pré- -definida de acordo com as normas da empresa, aumentando a agilidade e produtividade dos colaboradores.

Leia mais

Ministério dos Petróleos

Ministério dos Petróleos Ministério dos Petróleos Decreto Lei nº 10/96 De 18 de Outubro A actividade petrolífera vem assumindo nos últimos tempos importância fundamental no contexto da economia nacional, constituindo por isso,

Leia mais

Áreas de utilização do GED e o que levar em consideração no Projeto de Implantação de GED em uma empresa Simone de Abreu

Áreas de utilização do GED e o que levar em consideração no Projeto de Implantação de GED em uma empresa Simone de Abreu Áreas de utilização do GED e o que levar em consideração no Projeto de Implantação de GED em uma empresa Simone de Abreu Cerca de dois milhões de pessoas estão trabalhando em aproximadamente 300 mil projetos

Leia mais

SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS

SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS Sistema de Incentivos às Empresas O que é? é um dos instrumentos fundamentais das políticas públicas de dinamização económica, designadamente em matéria da promoção da

Leia mais

Gestão e preservação de documentos digitais

Gestão e preservação de documentos digitais Gestão e preservação de documentos digitais I Congresso Nacional de Arquivologia Brasília novembro 2004 Contexto Internacional Na década de 90, a comunidade arquivística internacional dá início aos primeiros

Leia mais

ALENTEJO. Instituto Politécnico de Beja, 3 de Maio 2012

ALENTEJO. Instituto Politécnico de Beja, 3 de Maio 2012 OBSERVATÓRIO de TURISMO do ALENTEJO Instituto Politécnico de Beja, 3 de Maio 2012 Razões para a Criação do Observatório Regional de Turismo do Alentejo As lacunas da informação estatística sobre o turismo

Leia mais

» apresentação. WORKFLOW que significa?

» apresentação. WORKFLOW que significa? » apresentação WORKFLOW que significa? WORKFLOW não é mais que uma solução que permite sistematizar de forma consistente os processos ou fluxos de trabalho e informação de uma empresa, de forma a torná-los

Leia mais

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos. Gestão da Qualidade 2005

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos. Gestão da Qualidade 2005 ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos Gestão da Qualidade 2005 Estrutura da Norma 0. Introdução 1. Campo de Aplicação 2. Referência Normativa 3. Termos e Definições 4. Sistema de Gestão

Leia mais

Dados x Informações. Os Sistemas de Informação podem ser:

Dados x Informações. Os Sistemas de Informação podem ser: CONCEITOS INICIAIS O tratamento da informação precisa ser visto como um recurso da empresa. Deve ser planejado, administrado e controlado de forma eficaz, desenvolvendo aplicações com base nos processos,

Leia mais

A auditoria à Conta Geral da. Regiã o Administrativa Especial de Macau. no â mbito da prestaçã o de contas

A auditoria à Conta Geral da. Regiã o Administrativa Especial de Macau. no â mbito da prestaçã o de contas A auditoria à Conta Geral da Regiã o Administrativa Especial de Macau no â mbito da prestaçã o de contas São Tomé e Príncipe, 11-14 de Outubro de 2010 VI Assembleia Geral da OISC/CPLP Índice 1. Introdução

Leia mais

INDUSCRIA. PLATAFORMA PARA AS INDÚSTRIAS CRIATIVAS Um Contributo para as Novas Geografias Cosmopolitas

INDUSCRIA. PLATAFORMA PARA AS INDÚSTRIAS CRIATIVAS Um Contributo para as Novas Geografias Cosmopolitas OS CONSULTORES Instituicões & Empresas Associadas: GAB. COORDENADOR da ESTRATÉGIA DE LISBOA e do PLANO TECNOLÓGICO CEDRU_Centro de Estudos e Desenvolv. Regional e Urbano McKINSEY & Company PLMJ ASSOCIADOS_Sociedade

Leia mais

Linhas de Ação para o Plano de Atividade de 2014

Linhas de Ação para o Plano de Atividade de 2014 Linhas de Ação para o Plano de Atividade de 2014 As entidades de supervisão do sistema financeiro internacional procederam ao longo dos últimos anos a profundas adaptações, por via legislativa e organizacional,

Leia mais

Orientações para a criação de uma rede de catálogos PCCRBE 1

Orientações para a criação de uma rede de catálogos PCCRBE 1 Orientações para a criação de uma rede de catálogos PCCRBE 1 A biblioteca escolar é essencial a qualquer estratégia a longo prazo nos domínios da literacia, educação, informação e desenvolvimento económico,

Leia mais

Cidades e Regiões Digitais

Cidades e Regiões Digitais Sessão sobre as TICs, Aplicações e potencial para o território Planeamento e Ordenamento do Território Curso de especialização em Ciências e Tecnologia do Ambiente (ICAT 15 de Maio de 2004) Bibliografia:

Leia mais

O Novo Renascimento Relatório do «Comité de Sábios» Grupo de reflexão sobre a digitalização do património cultural europeu

O Novo Renascimento Relatório do «Comité de Sábios» Grupo de reflexão sobre a digitalização do património cultural europeu O Novo Renascimento Relatório do «Comité de Sábios» Grupo de reflexão sobre a digitalização do património cultural europeu RESUMO Ao longo dos séculos, as bibliotecas, os arquivos e os museus em toda a

Leia mais

Implementação do conceito. Balcão Único na Administração Pública. Janeiro de 2008

Implementação do conceito. Balcão Único na Administração Pública. Janeiro de 2008 Implementação do conceito Balcão Único na Administração Pública Janeiro de 2008 Janeiro 2008 1 Índice 1. Enquadramento e Objectivos...3 1.1. Enquadramento...3 1.2. Objectivos...7 2. Conceitos...7 3. Recomendações

Leia mais

SISTEMA INTEGRADO DE LICENCIAMENTO DO AMBIENTE

SISTEMA INTEGRADO DE LICENCIAMENTO DO AMBIENTE SISTEMA INTEGRADO DE LICENCIAMENTO DO AMBIENTE SILiAmb Felisbina Quadrado (binaq@apambiente.pt) Manuel Lacerda (manuel.lacerda@apambiente.pt) XIII CONFERENCIA DE DIRECTORES IBEROAMERICANOS DEL AGUA Foz

Leia mais

Ficha Técnica. Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação

Ficha Técnica. Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação Ficha Técnica Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação Edição: Região Autónoma dos Açores Secretaria Regional da Educação e Ciência Direcção Regional da Educação Design e Ilustração: Gonçalo Cabaça Impressão:

Leia mais