QUE FUTURO PARA OS COMBUSTÍVEIS FÓSSEIS? Deolinda Flores Departamento de Geologia da FCUP e Centro de Geologia da UP

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "QUE FUTURO PARA OS COMBUSTÍVEIS FÓSSEIS? Deolinda Flores Departamento de Geologia da FCUP e Centro de Geologia da UP dflores@fc.up."

Transcrição

1 QUE FUTURO PARA OS COMBUSTÍVEIS FÓSSEIS? Deolinda Flores Departamento de Geologia da FCUP e Centro de Geologia da UP 1. Introdução Os combustíveis fósseis carvão, petróleo e gás natural - constituem a maior parte das fontes de energia primárias a nível mundial. Sendo a energia essencial ao bem-estar das pessoas e ao desenvolvimento da sociedade, tal como se conhece hoje e como se prevê para o futuro, produzir e utilizar energia de forma sustentável é vital para a humanidade. Todos os indicadores apontam para um crescimento significativo do consumo de energia eléctrica nos próximos anos. Segundo a Agência Internacional de Energia prevê-se até 2030 um crescimento da procura de energia eléctrica de 119% no sector residencial, 97% nos serviços e 86% na indústria. São vários os condicionalismos associados ao consumo e utilização da energia, a saber: a) Geopolíticos - pesam enormemente no sector da energia e na disponibilidade de recursos energéticos. A Europa em geral e Portugal em particular dependem das importações destes recursos, que estão quase exclusivamente associadas aos combustíveis fósseis; b) Ambientais - são fundamentais e, hoje em dia, a opção passa por privilegiar a produção sustentada da energia eléctrica a partir de energias limpas e fontes renováveis. Os combustíveis fósseis apresentam numerosos problemas ambientais ligados ao seu transporte, armazenamento e combustão. Porém, as novas tecnologias, apontam para sistemas industriais cada vez mais eficientes e mais rigorosos em termos ambientais; c) Geológicos - são preocupantes, pois todos os indicadores apontam para que daqui a cinquenta anos, quase não haverá petróleo nem gás ou que a sua extracção será muito cara, implicando preços incomportáveis. Em 2006 os combustíveis fósseis contribuíram com mais de 80% correspondendo a maior percentagem ao petróleo (34,4%) seguido carvão (26,0%) e, por último, o gás natural com 20,5% (IEA 2008). A energia nuclear correspondia a 6,5% e nas energias renováveis, os resíduos e os combustíveis renováveis representavam 10,1%, enquanto que as restantes hidroeléctrica, geotérmica, solar, marés e ondas correspondiam a 2,8% (IEA 2008). Os combustíveis fósseis, tal como todos os recursos naturais, são escassos e devem ser geridos de modo a consumir apenas as quantidades necessárias, procurando alternativas que reduzam a dependência de bens que podem não existir em quantidade suficiente no futuro. Uma gestão controlada dos combustíveis fósseis e consequentemente do consumo de energia, água e consumíveis traduzem-se na aposta de um desempenho eficiente e numa contínua redução de custos. 2. Combustíveis Fósseis: Passado e futuro 2.1 O carvão Até à segunda guerra mundial, o carvão era o combustível mais utilizado no mundo, tendo sido substituído pelo uso excessivo do petróleo determinando, assim, uma forte recessão como agente produtor de energia. A disponibilidade de grandes jazidas de carvão e a sua distribuição mundial e geopolítica conferem a este combustível um papel relevante. Porém, a sua utilização industrial tem limitações de natureza ambiental, que lhe são inerentes, e que o colocam numa posição desfavorável relativamente aos outros combustíveis fósseis. A combustão do carvão produz um conjunto de poluentes, quer primários quer secundários. Os poluentes primários incluem todos os gases resultantes da combustão do

2 carvão, tais como CO, SOx, NOx, partículas (cinzas volantes) e vários elementos traço. O CO2 é o verdadeiro poluente e responsável pelo aquecimento global da atmosfera ou seja o efeito de estufa. Os poluentes secundários são formados na atmosfera a partir de gases produzidos durante a combustão. Os poluentes secundários incluem os aerossóis, o NO2, O3, outros oxidantes fotoquímicos e vapores ácidos. Actualmente, as unidades industriais estão equipadas com sistemas de retenção de partículas, através de precipitadores electrostáticos, e de tratamento de efluentes gasosos para cumprir as exigências ambientais. Os métodos de remoção das cinzas volantes chegam a ter uma eficiência superior a 99%, de modo a que apenas 1% das cinzas volantes produzidas são emitidas para a atmosfera. Contudo, essas partículas apresentam dimensões reduzidas e por isso causam ainda preocupação. Quando a sua dimensão é inferior a 10µm são respiráveis pelo homem. Por esta razão, em 1987, a U.S. Environment Protection Agency elaborou o Clean Air Act para partículas ultra-finas menores ou iguais a 10µm a que, posteriormente, em 1996, adicionaram novos padrões para as partículas ultra-finas de dimensão igual ou inferior a 2,5µm. Por sua vez, vários são os métodos usados para o controlo de emissões de SO2 e de NOx (dessulfuração e desnitrificação, respectivamente). A remoção do dióxido de enxofre (SO2) dos gases dos sistemas de combustão é baseada no emprego de lavadores de gases com suspensões de calcário que remove o SO2. Basicamente, o processo consiste na injecção de uma solução de leite de calcário no circuito de fumos, num reactor (absorvedor) equipado com chuveiros apropriados para o efeito. O carbonato de cálcio reagirá com o enxofre presente nos gases, fixando cerca de 90% do total de SO2, originando o gesso, material este que pode ser utilizado na produção de cimento ou como material de construção. O método mais usado na desnitrificação é o da redução catalítica selectiva. O princípio básico deste processo é a redução dos óxidos de azoto (NOx) para azoto (N2) e água (H2O), pela reacção do NOx e da amónia (NH3), na forma aquosa, num leito catalisador. A Redução Catalítica Selectiva é realizada através da injecção de amónia a montante do reactor com catalisador. A injecção efectua-se através de um sistema de injectores, que obtém uma mistura homogénea com os gases. Após esta injecção, os gases passam pelo reactor que contém o catalisador. Com esta tecnologia, obtém-se uma redução de mais de 37% relativamente às emissões actuais. As cinzas produzidas nas unidades indústrias de combustão são utilizadas como subproduto. A principal utilização das cinzas volantes é como componente na produção de cimento e de betão. O uso das cinzas volantes no betão reduz o teor de água requerido, melhora a resistência e o manuseamento, diminui a permeabilidade e pode diminuir a densidade global. As cinzas volantes podem, ainda, ser utilizadas em pavimentos de estradas, pó de fundição e tijolos refractários. As cinzas de fundo podem, também, ser utilizadas como agregados para a manufactura de blocos. Uma vez que o carvão não apresenta, a curto e médio prazo, grandes problemas de aprovisionamento, o futuro do carvão depende largamente do desenvolvimento de técnicas que permitam facilitar a sua utilização e reduzir o seu impacto ambiental em termos de emissões poluentes com a implementação de tecnologias de combustão mais limpa e eficiente e a captura e sequestração do CO Os hidrocarbonetos líquidos e gasosos As vantagens do petróleo explicam largamente a sua rápida penetração nas economias ocidentais logo a seguir ao pós-guerra. As suas propriedades deram um grande impulso aos transportes rodoviários, que deles dependem 99%. Apesar das várias crises petrolíferas vividas, o petróleo continua a ser um componente essencial em qualquer economia, sobretudo no sector dos transportes. Sabendo que mais de 70% das reservas mundiais do petróleo estão nos países membros da OPEP, o enquadramento geopolítico em que se encontram estas reservas e a ausência de medidas específicas para um menor recurso ao sector petrolífero, nomeadamente nos transportes, irá conduzir a um aumento da dependência do petróleo no futuro. Deste

3 modo, é indispensável o controlo do consumo com a substituição deste combustível por fontes alternativas de energia. O gás natural tornou-se um vector energético de largo espectro, de fácil utilização, graças à sua distribuição em rede, penetra actualmente em todos os sectores de energia, sejam eles a electricidade, a produção de energia térmica ou, até mesmo, os transportes. As reservas mundiais de gás são abundantes e relativamente melhor repartidas que o petróleo, mas estão concentradas em duas regiões, CEI (Comunidade dos Estados Independentes) e Médio Oriente, nas quais a produção de gás deverá aumentar consideravelmente durante os próximos anos. O gás natural é, sem dúvida, o combustível fóssil mais limpo. A sua combustão não emite dióxido de enxofre (SO2) nem partículas, sendo as emissões de monóxido de carbono (CO), hidrocarbonetos reactivos, óxido de azoto (NOx) e dióxido de carbono menores comparativamente com os outros combustíveis fósseis (cerca de metade em comparação com o carvão). 3. Combustíveis fósseis: alterações climáticas, desenvolvimento sustentável e qualidade do ar As alterações climáticas antropogénicas são já inevitáveis no século XXI, têm uma probabilidade elevada de se agravarem e terão impactos, na maior parte negativos, sobre vários sistemas naturais e sociais. A maior dificuldade na mitigação das alterações climáticas está associada ao facto dos combustíveis fósseis constituírem a maior parte das fontes primárias de energia. Outra dificuldade é a enorme disparidade de acesso do consumo de energia per capita entre os países desenvolvidos e os países em desenvolvimento. Nos países desenvolvidos persiste o paradigma de um consumo elevado de energia, com tendência para aumentar e com um valor médio anual cerca de 10 vezes superior à média no consumo de energia dos países em desenvolvimento (Santos & Miranda 2006). O grande desafio para a mitigação passa por: diminuir o consumo, a nível mundial, dos combustíveis fósseis através da poupança de energia; utilizar a energia primária de modo mais eficiente; desenvolver as energias renováveis; incrementar novas tecnologias de produção de energia; e, recorrer a processos de captura do CO2 produzido por combustão e sua sequestração em reservatórios geológicos. O cumprimento dos compromissos de redução das emissões de gases com efeito de estufa (GEE) estabelecidos no protocolo de Quioto não permitem estabilizar a concentração atmosférica de gases. A redução das emissões é cerca de 5% em 2012 relativamente ao ano base de 1990, admitindo que as metas estabelecidas são cumpridas. A União Europeia tem demonstrado o seu empenho na redução de emissões de 15% a 30% até 2020 e de 60% a 80% até 2050 relativamente a 1990 (Santos & Miranda 2006). As Estratégias de Desenvolvimento Sustentável constituem referenciais das diversas políticas, não só devido à sua visão de longo prazo, mas também porque corporizam visões globais de desenvolvimento, possuindo quatro áreas prioritárias: (i) combate às alterações climáticas; (ii) gestão de recursos naturais; (iii) limitação de riscos para a saúde pública; e, (iv) transportes sustentáveis. Por sua vez, o controlo da poluição atmosférica, passa pelo estabelecimento de um quadro normativo relativo às emissões atmosféricas e à concentração de poluentes no ar, bem como pelo estabelecimento de medidas para assegurar que os níveis dos poluentes não ultrapassem as normas de qualidade do ar. 4. Energia até 2050: Cenários para um futuro sustentável A formulação de cenários integrados é uma importante ferramenta para o planeamento de uma política energética sustentável. A geração de cenários contribui para estimar como um futuro incerto pode reagir e ser influenciado pelas decisões tomadas hoje. A sua construção é baseada em narrativas do desenvolvimento socioeconómico futuro que

4 incluem de forma coerente os factores demográficos, sociais, económicos, tecnológicos e ambientais (IEA 2003). O WETO-H2 (2006) elaborou uma projecção de referência do sistema energético europeu e dois cenários alternativos, um de limitação das emissões de CO2 e um outro baseado no hidrogénio. Estes cenários foram utilizados para estudar as opções políticas, tecnológicas e climáticas para os próximos cinquenta anos. Todas as projecções até 2050 foram feitas utilizando um modelo de simulação do sector energético mundial (European Commission 1996) que descreve o desenvolvimento dos sistemas energéticos nacionais e regionais e as suas interacções nos mercados energéticos internacionais, no contexto de recursos energéticos limitados e das políticas climáticas. As perspectivas da evolução do sistema energético europeu na projecção de referência até 2050 são as seguintes: O consumo primário total de energia na Europa aumenta ligeiramente, passando de 1,9 para 2,6Gtep 1 /ano em Até 2020, o leque dos combustíveis primários mantêm estáveis, com excepção do gás natural que apresenta um aumento considerável. Após essa data, torna-se mais rápido e desenvolvimento das fontes de energia renováveis e assiste-se à retoma da energia nuclear. Em 2050 as fontes de energia não fósseis, energias nucleares e renováveis, permitem satisfazer 40% do consumo primário de energia, superior aos actuais 20%; Esta combinação de políticas climáticas e de novas tendências na oferta de electricidade, as emissões de CO2 mantêm-se praticamente estáveis até 2030 e diminuem até 2050, sendo nessa altura inferiores às actuais em 10%; Políticas climáticas exigentes levarão a que em 2050, 70% da produção de electricidade não produz CO2; as fontes renováveis e a energia nuclear fornecem 60% da produção total de electricidade e um quarto da electricidade térmica é produzida em instalações equipadas com sistemas de captura e armazenamento de CO2. O hidrogénio desenvolve-se a partir de 2030 e em 2050 fornece o equivalente a 10% do consumo final de electricidade. No cenário do sistema energético sujeito a limitação das emissões em CO2 explora os efeitos de políticas de redução das emissões com o objectivo de estabilizar a longo prazo a concentração de CO2 na atmosfera a 500ppmv (partes por milhão por volume) até Neste cenário, as emissões em 2050 são reduzidas a metade em relação ao ano de referência de 1990; diminuem em média 10% em cada dez anos. Na Europa, o consumo total de energia permanece praticamente estável até 2030, mas aumenta seguidamente. Em 2050, as fontes renováveis permitem satisfazer 22% da procura de energia na Europa e as fontes nucleares 30%, fazendo diminuir o consumo dos combustíveis fósseis para menos de 50%. Nesta altura metade do parque imobiliário é composto por edifícios de baixo consumo energético e um quarto é composto por edifícios de muito baixo consumo energético. Mais de metade dos veículos produzem baixas e muitas baixas emissões (por exemplo, veículos eléctricos alimentados a H). Por sua vez, a Agência Internacional de Energia (IEA 2006) definiu dois cenários alternativos: o Cenário de Referência Global que mantêm as políticas actuais de procura dos combustíveis fósseis e os fluxos comerciais, bem como as emissões de gases que contribuem para o efeito de estufa; e, o Cenário de Políticas Alternativas que inclui um conjunto de políticas e medidas governamentais a implementar para uma redução significativa das emissões de GEE. No Cenário de Referência Global estima-se que até 2030 a procura mundial de energia primária cresça ligeiramente acima de metade do valor actual, o que corresponde a um crescimento anual de 1,6%. O petróleo passa a ter menos peso no conjunto global de combustíveis, embora mantenha a sua liderança até Se não for controlada, a procura crescente de petróleo e de gás, levará a uma maior vulnerabilidade dos países 1 tep - tonelada equivalente de petróleo é uma unidade de energia definida como o calor liberado na combustão de uma tonelada de petróleo, aproximadamente 42gigajoules.

5 consumidores no caso de uma grave crise na oferta com o consequente choque de preços destes combustíveis. Neste cenário, prevê-se, ainda, um crescimento de 55% das emissões de CO2 relacionadas com a energia, isto é, um crescimento de 1,7% por ano. No Cenário de Políticas Alternativas, a procura mundial de energia primária em 2030 será cerca de 10% inferior à procura do Cenário de Referência um valor aproximado ao consumo total actual da China. Em contraste com o Cenário de Referência, as importações de petróleo da OCDE param de crescer por volta de 2015, entrando depois em declínio. Em 2015 as emissões de dióxido de carbono ligadas à produção de energia diminuem 1,7 Gt, ou seja 5%, e em 2030, diminuem 6,3 Gt ou seja, descem 16% em comparação com o Cenário de Referência. Nos dois Cenários, os combustíveis fósseis continuarão a ser a principal fonte mundial de energia até O mercado energético em Portugal Portugal é um país com escassos recursos energéticos próprios (recurso endógenos), nomeadamente, aqueles que asseguram a generalidade das necessidades energéticas da maioria dos países desenvolvidos (como o petróleo, o carvão e o gás). Tal situação de escassez conduz a uma elevada dependência energética do exterior (82,9% em 2007, DGEG), nomeadamente das importações de fontes primárias - combustíveis fósseis. Portugal está, assim, perante uma reduzida diversificação da oferta energética primária, aliada à escassez de recursos próprios, que conduz a uma maior vulnerabilidade do sistema energético às flutuações dos preços internacionais, nomeadamente do preço do petróleo. O petróleo mantém um papel essencial na estrutura de abastecimento, representando 54,0% do consumo total de energia primária em 2007, contra 55,2% em 2006 (DGEG). O gás natural contribuiu, no último decénio, para diversificar a estrutura da oferta de energia e reduzir a dependência em relação ao petróleo. Manifestou uma evolução positiva no vector energético, representando este combustível, em 2007, 15,0% do total do consumo em energia primária. O consumo de carvão, representou em 2007 cerca de 11,3% do total do consumo de energia primária. Prevê-se uma redução progressiva do peso do carvão na produção de electricidade, devido ao seu impacto nas emissões de CO2. Em 2007, o peso do consumo dos principais sectores de actividade económica relativamente ao consumo final de energia (DGEG), foi de 29,2% na Indústria, 36,4% nos Transportes, 17,1% no Doméstico, 12,2% nos Serviços e 5,1% nos outros sectores (onde se inclui a Agricultura, Pescas, Construção e Obras Públicas), sendo o consumo de energia final per capita de 1,76 tep/habitante. O cenário energético nacional actual é caracterizado por uma forte dependência dos combustíveis fósseis exógenos e com um sistema energético fortemente dependente de fontes primárias de combustíveis fósseis (petróleo, carvão e gás natural). Assim, as linhas estratégicas para o sector da energia estão direccionadas para uma redução desta dependência e um aumento da eficiência energética e da redução das emissões de CO2. A Estratégia Nacional para a Energia (Resolução do Conselho de Ministros N.º 169/2005 de ) define as grandes linhas de orientação política e medidas de maior relevância para a área da energia, tendo como principais objectivos, a saber: (i) garantir a segurança do abastecimento de energia, através da diversificação dos recursos primários e dos serviços energéticos e da promoção da eficiência energética; (ii) estimular e favorecer a concorrência, por forma a promover a defesa dos consumidores, bem como a competitividade e a eficiência das empresas; e, (iii) garantir a adequação ambiental de todo o processo energético, reduzindo os impactes ambientais às escalas local, regional e global. As políticas e medidas nacionais elaboradas com o principal objectivo de Portugal cumprir o Protocolo de Quioto estão contidas no Plano Nacional para as Alterações Climáticas (PNAC 2004) que tem vindo a ser revisto (PNAC 2006), incluindo algumas metas sectoriais para 2010.

6 Por sua vez, o Plano Nacional de Atribuição de Licenças de Emissões de CO2 (PNALE 2004) definiu a quantidade total de licenças de emissão a atribuir às instalações que emitem GEE, assumindo o cenário de referência do PNAC, revisto de acordo com a incorporação de informação mais recente das instalações (valor máximo da média dos dois anos de maiores emissões dos triénios ou ) e das projecções de evolução do sistema electroprodutor. Este plano foi posteriormente reformulado para o quinquénio (PNALE ). 6. Questões-chave para um futuro energético sustentável O mundo enfrenta, actualmente, uma dupla ameaça no sector da energia: a inexistência de uma oferta segura e adequada de energia a preços acessíveis; e, os danos infligidos ao ambiente pelo excessivo consumo de energia. Uma estratégia integrada das políticas energética e ambiental deverá encontrar um ponto de equilíbrio entre a viabilidade técnico-económica e as condicionantes ambientais, tendo em consideração a relação custo-eficácia e o desenvolvimento social e económico na promoção de um desenvolvimento sustentável, não perdendo de vista a segurança do abastecimento e a sua competitividade. Muitas são as considerações e atitudes que podem ser aventadas e de implementação urgente para um futuro energético sustentável, a saber: Energias fósseis mais limpas. A integração de tecnologias limpas do carvão nos processos de planeamento de novas centrais eléctricas assim como o reequipamento das centrais que utilizam o carvão para a produção de electricidade, nomeadamente apetrechar as centrais termoeléctricas com sistemas de dessulfuração de gases. Captura e sequestração do carbono. Desenvolvimento de tecnologia que permita a captura e armazenagem de CO2 produzido nas centrais eléctricas. Promoção de redes de investigação e desenvolvimento. Facilitar a troca de informações sobre as novas tecnologias energéticas e as boas práticas existentes. Oferecer oportunidades para que o sector industrial participe e coopere nos programas de investigação e desenvolvimento. Energias renováveis. Promoção do desenvolvimento de programas de I&D de cooperação internacional fomentando o contínuo melhoramento e comercialização das energias renováveis. Eficiência energética dos edifícios, aparelhos domésticos, transportes e indústria. Motivar para as boas práticas de utilização da energia. Promover e potenciar o melhoramento da eficiência energética. Referências Bibliográficas DGEG, Direcção Geral de Energia e Geologia, European Commission, POLES 2.2. European Commission, DGXII, JOULE II Programme, Science Research Development, Ref. EUR European Commission, World Energy Technology Outlook WETO H2, Ref. EUR IEA, International Energy Agency, Energy to Scenarios for a sustainable futuro, IEA, International Energy Agency, Key World Energy Statistics, IEA, International Energy Agency, World Energy Outlook, Plano Nacional de atribuição de Licenças de Emissão de CO2 (PNALE I), Resolução do Conselho de Ministros nº 53/2005. Plano Nacional de atribuição de Licenças de Emissão de CO2 (PNALE II). Plano Nacional para as Alterações Climáticas - PNAC 2004, Resolução de Conselho de Ministros nº 119/2004. Plano Nacional para as Alterações Climáticas - PNAC 2006, Resolução de Conselho de Ministros nº 104/2006. Santos, F. D. & Miranda, P. (Eds), Alterações Climáticas em Portugal. Cenários, Impactos e Medidas de Adaptação. Projecto SIAM II. 505pp, Gradiva. Lisboa.

Energia, tecnologia e política climática: perspectivas mundiais para 2030 MENSAGENS-CHAVE

Energia, tecnologia e política climática: perspectivas mundiais para 2030 MENSAGENS-CHAVE Energia, tecnologia e política climática: perspectivas mundiais para 2030 MENSAGENS-CHAVE Cenário de referência O estudo WETO apresenta um cenário de referência que descreve a futura situação energética

Leia mais

Células de combustível

Células de combustível Células de combustível A procura de energia no Mundo está a aumentar a um ritmo alarmante. A organização WETO (World Energy Technology and Climate Policy Outlook) prevê um crescimento anual de 1,8 % do

Leia mais

Exploração sustentada de recursos geológicos Recursos energéticos

Exploração sustentada de recursos geológicos Recursos energéticos Exploração sustentada de recursos geológicos Recursos energéticos Aula nº85 22 Maio 09 Prof. Ana Reis Recursos energéticos Vivemos numa época em que os recursos energéticos afectam a vida de todas as pessoas.

Leia mais

rotulagem de energia eléctrica

rotulagem de energia eléctrica rotulagem de energia eléctrica ROTULAGEM DE ENERGIA ELÉCTRICA A produção e a distribuição de energia eléctrica são fundamentais para o desenvolvimento das sociedades. A rotulagem de energia eléctrica pretende

Leia mais

José Perdigoto Director Geral de Energia e Geologia. Lisboa, 20 de Junho de 2011

José Perdigoto Director Geral de Energia e Geologia. Lisboa, 20 de Junho de 2011 O papel dos biocombustíveis na política energética nacional Seminário Internacional sobre Políticas e Impactes dos Biocombustíveis em Portugal e na Europa José Perdigoto Director Geral de Energia e Geologia

Leia mais

PERSPECTIVAS MUNDIAIS DA TECNOLOGIA ENERGÉTICA 2050 (ESTUDO WETO-H2)

PERSPECTIVAS MUNDIAIS DA TECNOLOGIA ENERGÉTICA 2050 (ESTUDO WETO-H2) PERSPECTIVAS MUNDIAIS DA TECNOLOGIA ENERGÉTICA 2050 (ESTUDO WETO-H2) PRINCIPAIS MENSAGENS O estudo WETO-H2 elaborou uma projecção de referência do sistema energético mundial e dois cenários alternativos,

Leia mais

GERAÇÃO ELÉCTRICA SEGURA E COMPETITIVA Gás Natural e Carvão Limpo

GERAÇÃO ELÉCTRICA SEGURA E COMPETITIVA Gás Natural e Carvão Limpo GERAÇÃO ELÉCTRICA SEGURA E COMPETITIVA Gás Natural e Carvão Limpo 21.Abril.2009 Victor Baptista O Futuro Energético em Portugal Museu da Electricidade - Lisboa «Current global trends in energy supply and

Leia mais

EDP. PREPARAR A ECONOMIA DO CARBONO Eficiência energética em alerta vermelho EMPRESA

EDP. PREPARAR A ECONOMIA DO CARBONO Eficiência energética em alerta vermelho EMPRESA EDP PREPARAR A ECONOMIA DO CARBONO Eficiência energética em alerta vermelho EMPRESA O Grupo EDP Energias de Portugal centra as suas actividades na produção, distribuição e comercialização de energia eléctrica,

Leia mais

Efeitos da economia do carbono na economia nacional e europeia. Luís Fernão Souto

Efeitos da economia do carbono na economia nacional e europeia. Luís Fernão Souto Efeitos da economia do carbono na economia nacional e europeia Luís Fernão Souto As alterações climáticas são uma evidência Os 10 anos mais quentes desde sempre ocorreram após o ano de 1990! O dióxido

Leia mais

Engenharia Florestal. Desenvolvimento Rural

Engenharia Florestal. Desenvolvimento Rural Engenharia Florestal Desenvolvimento Rural 2/05/2010 Trabalho realizado por : Ruben Araújo Samuel Reis José Rocha Diogo Silva 1 Índice Introdução 3 Biomassa 4 Neutralidade do carbono da biomassa 8 Biomassa

Leia mais

RESUMO DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO

RESUMO DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 25.6.2009 SEC(2009) 815 DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO que acompanha a COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO Demonstração

Leia mais

Tendências. Membro. ECOPROGRESSO, SA tel + 351 21 798 12 10 fax +351 21 798 12 19 geral@ecotrade.pt www.ecotrade.pt

Tendências. Membro. ECOPROGRESSO, SA tel + 351 21 798 12 10 fax +351 21 798 12 19 geral@ecotrade.pt www.ecotrade.pt 30 27 Evolução do Preço CO2 Jan 06 - Fev 07 Spot Price Powernext Carbon Jan de 2006 a Fev 2007 Spot CO2 (30/01/07) Preço Δ Mensal 2,30-64.50% 2007 2,35-64,4% 2008 15.30-16,16% Futuro Dez 2009 2010 15.85

Leia mais

Energia e Ambiente: duas faces da mesma moeda

Energia e Ambiente: duas faces da mesma moeda Seminário A Política Ambiental no Sector Energético Português Coimbra, 3 de Julho 2008 Energia e Ambiente: duas faces da mesma moeda Guilherme Machado Conteúdo 1. Energia e Ambiente: Duas faces da mesma

Leia mais

Mobilidade eléctrica. Jorge Cruz Morais. Seminário Mobilidade Eléctrica Lisboa, 2 de M arço de 2011

Mobilidade eléctrica. Jorge Cruz Morais. Seminário Mobilidade Eléctrica Lisboa, 2 de M arço de 2011 Mobilidade eléctrica Jorge Cruz Morais Seminário Mobilidade Eléctrica Lisboa, 2 de M arço de 2011 factores da alteração Aumento da Procura Emissões de CO2 O consumo mundial de energia primária Evolução

Leia mais

Eficiência e Inovação no sector da energia. Jorge Cruz Morais

Eficiência e Inovação no sector da energia. Jorge Cruz Morais Eficiência e Inovação no sector da energia Jorge Cruz Morais Paradigma do século XX Energia abundante Energia barata factores da alteração Preço dos combustíveis fósseis Aumento da Procura Emissões de

Leia mais

Centro de Produção Sines

Centro de Produção Sines Centro de Produção Sines Conferência Pacto para a Saúde e Ambiente Sines, 6 de Junho de 2007 Agenda A Central e as suas características O desempenho técnico e ambiental da Central As exigências legais

Leia mais

Utilização Racional de Biomassa Florestal Mitos e Realidades

Utilização Racional de Biomassa Florestal Mitos e Realidades Utilização Racional de Biomassa Florestal Mitos e Realidades Paulo Canaveira Seminário Tecnicelpa Bioenergias. Novas Tendências 30 Março 2007 CELPA, Associação da Indústria Papeleira Pomos o Futuro no

Leia mais

Problemas Ambientais

Problemas Ambientais Problemas Ambientais Deflorestação e perda da Biodiversidade Aquecimento Global Buraco na camada de ozono Aquecimento Global - Efeito de Estufa Certos gases ficam na atmosfera (Troposfera) e aumentam

Leia mais

ENERGIAS RENOVÁVEIS NA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA PRODUÇÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA. 15-09-2011 Agostinho Figueira

ENERGIAS RENOVÁVEIS NA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA PRODUÇÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA. 15-09-2011 Agostinho Figueira PRODUÇÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA 15-09-2011 Agostinho Figueira TÓPICOS: 1. Política energética 2. Integração de fontes de energia renovável 3. Sistema electroprodutor Fontes renováveis 4. Plano de acção -

Leia mais

A ENERGIA SOLAR NA UNIVERSIDADE DE ÉVORA

A ENERGIA SOLAR NA UNIVERSIDADE DE ÉVORA O PANORAMA MUNDIAL DA ENERGIA WORLD ENERGY OUTLOOK 2011 IEA SOLAR ENERGY PERSPECTIVES 2011 IEA O PROGRAMA DA UNIVERSIDADE DE ÉVORA PARA AS ENERGIAS RENOVÁVEIS INVESTIGAÇÃO E DESENVOLVIMENTO ENSINO MESTRADO

Leia mais

PROJECTO DE RESOLUÇÃO SOBRE O CLIMA E A QUALIDADE DO AR NOS AÇORES

PROJECTO DE RESOLUÇÃO SOBRE O CLIMA E A QUALIDADE DO AR NOS AÇORES PROJECTO DE RESOLUÇÃO SOBRE O CLIMA E A QUALIDADE DO AR NOS AÇORES Exmo. Sr. Presidente da Assembleia Exma. Sras. Deputadas e Srs. Deputados Exma. Sra. e Srs. Membros do Governo Desde os anos oitenta que

Leia mais

PANORAMA ENERGÉTICO INTERNACIONAL

PANORAMA ENERGÉTICO INTERNACIONAL SENADO FEDERAL COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DEFESA NACIONAL AGENDA RUMOS DA POLÍTICA EXTERNA BRASILEIRA 2011-2012 PANORAMA ENERGÉTICO INTERNACIONAL Prof. Dr. Rex Nazaré Alves 19 de setembro de 2011

Leia mais

Biomassa Financiar uma Fonte Limpa de Produção Energética

Biomassa Financiar uma Fonte Limpa de Produção Energética Biomassa Financiar uma Fonte Limpa de Produção Energética Carlos Firme 07 de Julho de 2010 Índice 1. A Biomassa no Contexto das Energias Renováveis 2. A Emergência de um novo tipo de investidor 3. Os Economics

Leia mais

Volatilidade e Mudanças Estruturais Impactos na Indústria de Petróleo

Volatilidade e Mudanças Estruturais Impactos na Indústria de Petróleo Volatilidade e Mudanças Estruturais Impactos na Indústria de Petróleo Cristina Brunet de Figueiredo Coordenadora da Comissão de Responsabilidade Social do IBP Coordenadora de Comunicação e Relações Externas

Leia mais

Geração Elétrica Total. Cenário de Referência (2007)

Geração Elétrica Total. Cenário de Referência (2007) Geração Elétrica Total Cenário de Referência (2007) Greenpeace Brasil Somos uma organização global e independente que atua para defender o meio ambiente e promover a paz, inspirando as pessoas a mudarem

Leia mais

A Importância da Elaboração dos Inventários de Emissões de Gases de Efeito Estufa nas Capitais Brasileiras

A Importância da Elaboração dos Inventários de Emissões de Gases de Efeito Estufa nas Capitais Brasileiras A Importância da Elaboração dos Inventários de Emissões de Gases de Efeito Estufa nas Capitais Brasileiras Emilio Lèbre La Rovere Coordenador, CentroClima/LIMA/PPE/COPPE/UFRJ 2º Encontro dos Secretários

Leia mais

Energia, investimento e desenvolvimento económico

Energia, investimento e desenvolvimento económico Energia, investimento e desenvolvimento económico Aníbal Fernandes ENEOP Eólicas de Portugal Mesa Redonda Energia Eólica ERSE, 10 Fevereiro 2010 Prioridades de política energética e benefícios económicos

Leia mais

O RELATÓRIO DE ENERGIA ENERGIA 100% RENOVÁVEL ATÉ 2050

O RELATÓRIO DE ENERGIA ENERGIA 100% RENOVÁVEL ATÉ 2050 O RELATÓRIO DE ENERGIA ENERGIA 100% RENOVÁVEL ATÉ 2050 Este Relatório foi possível graças ao generoso apoio da ENECO ISBN 978 2 940443 26 0 Fotografia da capa: Wild Wonders of Europe / Inaki Relanzon /

Leia mais

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática A Abiquim e suas ações de mitigação das mudanças climáticas As empresas químicas associadas à Abiquim, que representam cerca

Leia mais

SUSTENTABILIDADE URBANA

SUSTENTABILIDADE URBANA 1ª FEIRA IBÉRICA SUSTENTABILIDADE URBANA ENERGIA, SUSTENTABILIDADE, CIDADANIA Joaquim Borges Gouveia bgouveia@ua.pt DEGEI UAVEIRO 8 de Junho de 2011 ENERGIA e SUSTENTABILIDADE Utilização Racional de Energia

Leia mais

Geopolítica do Petróleo:

Geopolítica do Petróleo: Seminário Energia e Geopolítica: Os impactos da segurança energética nas relações internacionais Geopolítica do Petróleo: uma Década de Transformações Helder Queiroz Pinto Junior Diretor ANP CEBRI Rio

Leia mais

GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 62 O PETRÓLEO EM DESTAQUE

GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 62 O PETRÓLEO EM DESTAQUE GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 62 O PETRÓLEO EM DESTAQUE Como pode cair no enem? (ENEM) No mundo contemporâneo, as reservas energéticas tornam-se estratégicas para muitos países no cenário internacional. Os

Leia mais

ÍNDICE 1. QUEM SOMOS 2. A ENERGIA EM PORTUGAL 3. CONTRIBUIÇÃO DAS RENOVÁVEIS PARA O DESENVOLVIMENTO NACIONAL

ÍNDICE 1. QUEM SOMOS 2. A ENERGIA EM PORTUGAL 3. CONTRIBUIÇÃO DAS RENOVÁVEIS PARA O DESENVOLVIMENTO NACIONAL ÍNDICE 1. QUEM SOMOS 2. A ENERGIA EM PORTUGAL 3. CONTRIBUIÇÃO DAS RENOVÁVEIS PARA O DESENVOLVIMENTO NACIONAL 4. O PAPEL DE PORTUGAL NAS ENERGIAS RENOVÁVEIS 2 1. QUEM SOMOS 3 A APREN A APREN - Associação

Leia mais

2012 - Panorama Energético: Perspectivas para 2040

2012 - Panorama Energético: Perspectivas para 2040 212 - Panorama Energético: Perspectivas para Índice Fundamentos globais 2 Residencial/comercial 3 Transportes 4 Industrial 5 Geração de eletricidade 6 Emissões 7 Fornecimento e tecnologia 8 Conclusão 9

Leia mais

A ISO 50001. Fórum SPQ Expo 27 de Setembro de 2013

A ISO 50001. Fórum SPQ Expo 27 de Setembro de 2013 Fórum SPQ Expo 27 de Setembro de 2013 Agenda Introdução aos Sistemas de Gestão de Energia Princípios da ISO 50001 Relação entre a ISO 50001 e outras normas como a ISO 14001 ou a ISO 9001 2 O problema económico

Leia mais

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD)

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD) UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD) TRABALHO DE BIOLOGIA GERAL RAQUEL ALVES DA SILVA CRUZ Rio de Janeiro, 15 de abril de 2008. TRABALHO DE BIOLOGIA GERAL TERMOELÉTRICAS

Leia mais

Certificação e Monitorização de Edifícios Públicos Municipais em Cascais

Certificação e Monitorização de Edifícios Públicos Municipais em Cascais Certificação e Monitorização de Edifícios Públicos Municipais em Cascais TECNOFIL Workshop Municípios e Certificação Energética de Edifícios Lisboa, 18 Junho 2009 Objectivos A Agência Cascais Energia é

Leia mais

Seminário sobre Energia Elétrica Luanda, 8 e 9 de Setembro de 2011

Seminário sobre Energia Elétrica Luanda, 8 e 9 de Setembro de 2011 Seminário sobre Energia Elétrica Luanda, 8 e 9 de Setembro de 2011 A política energética europeia para a promoção da competitividade, sustentabilidade e segurança de abastecimento Jorge de Sousa Professor

Leia mais

A VISÃO do ENERGYIN Motivos da sua criação & Objectivos

A VISÃO do ENERGYIN Motivos da sua criação & Objectivos Pólo da Competitividade e Tecnologia da Energia (PCTE) O papel do PCTE na energia solar em Portugal 8 e 9 de Fevereiro de 2010 António Mano - EDP Antonio.ermidamano@edp.pt A VISÃO do ENERGYIN Motivos da

Leia mais

Projecto HidroValor. Avaliação dos Impactos Económicos, Sociais e Ambientais de Novos Médios e Grandes Aproveitamentos Hídricos na Região Centro

Projecto HidroValor. Avaliação dos Impactos Económicos, Sociais e Ambientais de Novos Médios e Grandes Aproveitamentos Hídricos na Região Centro Projecto HidroValor Avaliação dos Impactos Económicos, Sociais e Ambientais de Novos Médios e Grandes Aproveitamentos Hídricos na Região Centro 11 Agradecimentos Os autores do presente estudo, querem

Leia mais

Os combustíveis fósseis e as energias alternativas

Os combustíveis fósseis e as energias alternativas Os combustíveis fósseis e as energias alternativas O que são combustíveis fósseis: Os combustíveis fósseis são compostos por hidrocarbonetos e são usados por exemplo como combustível. São alguns exemplos

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 8.10.2007 SEC(2007)907 DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO documento de acompanhamento da Comunicação da Comissão sobre um programa para ajudar as

Leia mais

ESTUDO DA PEGADA CARBÓNICA NO SECTOR FINANCEIRO EM PORTUGAL

ESTUDO DA PEGADA CARBÓNICA NO SECTOR FINANCEIRO EM PORTUGAL ESTUDO DA PEGADA CARBÓNICA NO SECTOR FINANCEIRO EM PORTUGAL Agosto de 2010 ÍNDICE ÍNDICE... 2 ENQUADRAMENTO... 3 O IMPACTE DO SECTOR FINANCEIRO NAS ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS... 4 PEGADA CARBÓNICA DO SECTOR

Leia mais

Valorização Energética dos Resíduos Derivados do Sector Pecuário

Valorização Energética dos Resíduos Derivados do Sector Pecuário 1º ENCONTRO LUSO-ANGOLANO DE ECONOMIA, SOCIOLOGIA E DESENVOLVIMENTO RURAL Valorização Energética dos Resíduos Derivados do Sector Pecuário BIAVANGA GUEVARA ZIONE 16 a 18 de Outubro de 2008, Universidade

Leia mais

Grandes Problemas Ambientais

Grandes Problemas Ambientais Grandes Problemas Ambientais O aumento do efeito de estufa; O aquecimento global; A Antárctica; A desflorestação; A Amazónia; A destruição da camada de ozono; As chuvas ácidas; O clima urbano; Os resíduos

Leia mais

Gás Natural Veicular alternativa para uma mobilidade mais inteligente. 9º Encontro Transportes em Revista Lisboa, 25 Junho 2015

Gás Natural Veicular alternativa para uma mobilidade mais inteligente. 9º Encontro Transportes em Revista Lisboa, 25 Junho 2015 Gás Natural Veicular alternativa para uma mobilidade mais inteligente 9º Encontro Transportes em Revista Lisboa, 25 Junho 2015 Índice 1. Grupo Dourogás 2. O Gás Natural 3. UE: mobilidade sustentável 4.

Leia mais

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 347/XI/2ª (PSD)

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 347/XI/2ª (PSD) PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 347/XI/2ª (PSD) Recomenda ao Governo que utilize sistemas de teleconferência e videoconferência em substituição de reuniões presenciais I - Exposição de motivos A proposta de

Leia mais

Uso de Energia de combustíveis fósseis como principal culpado do Aquecimento Global

Uso de Energia de combustíveis fósseis como principal culpado do Aquecimento Global Alterações Climáticas e Energia Três pontos de vista: Uso de Energia de combustíveis fósseis como principal culpado do Aquecimento Global Impactos ambientais dos sistemas de produção de Energia de origem

Leia mais

Ana Oliveira. Anibal T. de Almeida [aalmeida@isr.uc.pt] Enviado: sexta-feira, 9 de Março de 2001 18:06 Para: De: erse@erse.pt Cc:

Ana Oliveira. Anibal T. de Almeida [aalmeida@isr.uc.pt] Enviado: sexta-feira, 9 de Março de 2001 18:06 Para: De: erse@erse.pt Cc: Ana Oliveira De: Anibal T. de Almeida [aalmeida@isr.uc.pt] Enviado: sexta-feira, 9 de Março de 2001 18:06 Para: erse@erse.pt Cc: anacris@isr.uc.pt Assunto: Comentarios Anexos: ERSE-Revisão dos Regulamentos.doc;

Leia mais

GRANDES BARRAGENS: ENERGIA VERDE OU ESVERDEADA?

GRANDES BARRAGENS: ENERGIA VERDE OU ESVERDEADA? GRANDES BARRAGENS: ENERGIA VERDE OU ESVERDEADA? Paula CHAINHO Novas Barragens, Porto, 28 de Fevereiro PROGRAMA NACIONAL DE BARRAGENS Objectivos a) Contribuição para as metas de produção de energia com

Leia mais

XIX CONGRESSO SOCIEDADE, TERRITÓRIO E AMBIENTE A INTERVENÇÃO DO ENGENHEIRO 19 e 20 de outubro de 2012

XIX CONGRESSO SOCIEDADE, TERRITÓRIO E AMBIENTE A INTERVENÇÃO DO ENGENHEIRO 19 e 20 de outubro de 2012 XIX CONGRESSO SOCIEDADE, TERRITÓRIO E AMBIENTE A INTERVENÇÃO DO ENGENHEIRO 19 e 20 de outubro de 2012 O CONSUMO MUNDIAL DE ENERGIA CONTINUARÁ A CRESCER, MAS AS POLÍTICAS DE EFICIÊNCIA TERÃO UM FORTE IMPACTO

Leia mais

Unidade de BIOENERGIA, LNEG, Est. do Paço do Lumiar, 1649-038 Lisboa, Portugal. (e-mail: santino.diberardino@mail.ineti.pt)

Unidade de BIOENERGIA, LNEG, Est. do Paço do Lumiar, 1649-038 Lisboa, Portugal. (e-mail: santino.diberardino@mail.ineti.pt) Digestão anaeróbia Santino Di Berardino em Porto santo Unidade de BIOENERGIA, LNEG, Est. do Paço do Lumiar, 1649-038 Lisboa, Portugal. (e-mail: santino.diberardino@mail.ineti.pt) 1 1 Introdução O desenvolvimento

Leia mais

ENERGIA E SUSTENTABILIDADE. Isabel Cabrita, Pedro Azevedo, Ana Teresa Crujeira & Isabel Guerreiro II SEMINÁRIO DE SUSTENTABILIDADE FBAUL, 2010-02-25

ENERGIA E SUSTENTABILIDADE. Isabel Cabrita, Pedro Azevedo, Ana Teresa Crujeira & Isabel Guerreiro II SEMINÁRIO DE SUSTENTABILIDADE FBAUL, 2010-02-25 ENERGIA E SUSTENTABILIDADE Isabel Cabrita, Pedro Azevedo, Ana Teresa Crujeira & Isabel Guerreiro II SEMINÁRIO DE SUSTENTABILIDADE FBAUL, 2010-02-25 The world is not on course for a sustainable energy future.

Leia mais

Projecto Bio-Escola Episódios de uma escola sustentável

Projecto Bio-Escola Episódios de uma escola sustentável Ano lectivo 2011-2012 Projecto Bio-Escola Episódios de uma escola sustentável Concurso do Ano Internacional da Juventude - Inovação/Energias renováveis Escola Secundária Anselmo de Andrade Projecto elaborado

Leia mais

A MOBILIDADE ELÉCTRICA

A MOBILIDADE ELÉCTRICA A MOBILIDADE ELÉCTRICA Contextualização As significativas alterações climáticas e o aumento do preço dos combustíveis sustentam um dos maiores desafios do século XXI - fiabilidade, segurança e sustentabilidade

Leia mais

Situação em Portugal: A Estratégia Nacional para a Energia

Situação em Portugal: A Estratégia Nacional para a Energia Situação em Portugal: A Estratégia Nacional para a Energia No âmbito da Estratégia Nacional para a Energia, aprovada no passado mês de Outubro, foram agora publicados os diplomas que estabelecem os novos

Leia mais

Visão. Brasil precisa inovar mais em tecnologias de redução de emissões de carbono. do Desenvolvimento. nº 97 4 ago 2011

Visão. Brasil precisa inovar mais em tecnologias de redução de emissões de carbono. do Desenvolvimento. nº 97 4 ago 2011 Visão do Desenvolvimento nº 97 4 ago 2011 Brasil precisa inovar mais em tecnologias de redução de emissões de carbono Por André Albuquerque Sant Anna (APE) e Frederico Costa Carvalho (AMA) Economistas

Leia mais

Comentários sobre o. Plano Decenal de Expansão. de Energia (PDE 2008-2017)

Comentários sobre o. Plano Decenal de Expansão. de Energia (PDE 2008-2017) Comentários sobre o Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE 2008-2017) PAULO CÉSAR RIBEIRO LIMA JANEIRO/2009 Paulo César Ribeiro Lima 2 Comentários sobre o Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE 2008-2017)

Leia mais

ESTUDO STERN: Aspectos Económicos das Alterações Climáticas

ESTUDO STERN: Aspectos Económicos das Alterações Climáticas Resumo das Conclusões Ainda vamos a tempo de evitar os piores impactos das alterações climáticas, se tomarmos desde já medidas rigorosas. As provas científicas são presentemente esmagadoras: as alterações

Leia mais

Consumo e geração de energia equilibrados

Consumo e geração de energia equilibrados Consumo e geração de energia equilibrados Consumo e geração de energia equilibrados Em Portugal, a rede de transporte de energia foi concebida tendo em conta a produção maciça e contínua de energia proveniente

Leia mais

Conceito e Evolução da utilização da Energia

Conceito e Evolução da utilização da Energia Energia Limpa Agenda O que é energia limpa? Tipos de energia limpa Energia Hídrica Energia Eólica Energia Geotérmica Biomassa Energia Solar Energia do Mar O Brasil neste cenário Protocolo de Kyoto Conceito

Leia mais

FORNECEMOS EQUIPAMENTOS E LINHAS COMPLETAS PARA FABRICAÇÃO DE PELLET S PELLETS DE MADEIRA O COMBUSTIVEL DE AMANHÃ

FORNECEMOS EQUIPAMENTOS E LINHAS COMPLETAS PARA FABRICAÇÃO DE PELLET S PELLETS DE MADEIRA O COMBUSTIVEL DE AMANHÃ FORNECEMOS EQUIPAMENTOS E LINHAS COMPLETAS PARA FABRICAÇÃO DE PELLET S PELLETS DE MADEIRA O COMBUSTIVEL DE AMANHÃ Os Pellets são um combustível ideal, limpo e de CO2 neutro. Podem ser produzidos através

Leia mais

Produção de Energia Alternativa

Produção de Energia Alternativa Produção de Energia Alternativa Prof.Pedro Araújo Realizado por: - Diogo Fernandes nº27097 - Gonçalo Paiva nº26743 - José Silva nº27144 Introdução A produção de energias alternativas, tem vindo a ganhar

Leia mais

Precisa de electricidade e água quente? res-fc market

Precisa de electricidade e água quente? res-fc market Precisa de e água quente? res-fc market O Projecto Este projecto Europeu RES-FC Market, visa acelerar a introdução no mercado de sistemas de células de combustível para uso residencial, que utilizem como

Leia mais

Sumário executivo. Em conjunto, as empresas que implementaram

Sumário executivo. Em conjunto, as empresas que implementaram 10 Sumário executivo Conclusões coordenadas pela Deloitte, em articulação com os membros do Grupo de Trabalho da AÇÃO 7 Sumário executivo Em conjunto, as empresas que implementaram estes 17 projetos representam

Leia mais

Opções de Mitigação de Gases de Efeito Estufa (GEE) em Setores-Chave do Brasil

Opções de Mitigação de Gases de Efeito Estufa (GEE) em Setores-Chave do Brasil Opções de Mitigação de Gases de Efeito Estufa (GEE) em Setores-Chave do Brasil Régis Rathmann e Maurício Francisco Henriques Jr. Identificação do Projeto Agência implementadora: PNUMA Financiamento: Doação

Leia mais

Gestão de energia: 2008/2009

Gestão de energia: 2008/2009 Gestão de energia: 2008/2009 Aula # T12 Energia e Ambiente Prof. Miguel Águas miguel.aguas@ist.utl.pt Dr. Eng. João Parente Efeito de estufa Aula # T12: Energia e ambiente Slide 2 of 53 Efeito de estufa

Leia mais

POTENCIAL DA BIOENERGIA FLORESTAL

POTENCIAL DA BIOENERGIA FLORESTAL POTENCIAL DA BIOENERGIA FLORESTAL - VIII Congresso Internacional de Compensado e Madeira Tropical - Marcus Vinicius da Silva Alves, Ph.D. Chefe do Laboratório de Produtos Florestais do Serviço Florestal

Leia mais

Energia Solar Térmica Ponto da situação e caminhos para 2020

Energia Solar Térmica Ponto da situação e caminhos para 2020 Energia Solar Térmica Ponto da situação e caminhos para 2020 João Farinha Mendes ENERGIA 2020 Um objectivo a 10 anos 8-9 Fevereiro 2010 2 As Energias Renováveis no Programa do XVIII Governo - Objectivos

Leia mais

Profa. Dra. Vivian C. C. Hyodo

Profa. Dra. Vivian C. C. Hyodo Profa. Dra. Vivian C. C. Hyodo A Energia e suas Fontes Fontes de Energia Renováveis Fontes de Energia Não-Renováveis Conclusões Energia: Capacidade de realizar trabalho Primeira Lei da Termodinâmica: No

Leia mais

Geografia. Professor: Jonas Rocha

Geografia. Professor: Jonas Rocha Geografia Professor: Jonas Rocha Questões Ambientais Consciência Ambiental Conferências Internacionais Problemas Ambientais Consciência Ambiental Até a década de 1970 o homem acreditava que os recursos

Leia mais

Contributo para o quase zero de energia no edificado

Contributo para o quase zero de energia no edificado Energia nos EDIFÌCIOS: 40 % da energia primária consumida Contributo para o quase zero de energia no edificado 24% das emissões de GEE 30% do consumo de electricidade (per capita: 1,5 MWh/ano) Edifícios

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável para controlo da população humana.

Desenvolvimento Sustentável para controlo da população humana. Desenvolvimento Sustentável para controlo da população humana. O aumento da população humana é frequentemente citado como a principal causa de problemas para o planeta. De facto a humanidade está a crescer

Leia mais

ECOEFICIÊNCIA DA INDÚSTRIA BRASILEIRA DE CIMENTO: Gestão de carbono para a sustentabilidade. Yushiro Kihara Associação Brasileira de Cimento Portland

ECOEFICIÊNCIA DA INDÚSTRIA BRASILEIRA DE CIMENTO: Gestão de carbono para a sustentabilidade. Yushiro Kihara Associação Brasileira de Cimento Portland ECOEFICIÊNCIA DA INDÚSTRIA BRASILEIRA DE CIMENTO: Gestão de carbono para a sustentabilidade Yushiro Kihara Associação Brasileira de Cimento Portland Sumário Introdução Desafios da mitigação de Gases de

Leia mais

Alterações Climá/cas baixo carbono e adaptação

Alterações Climá/cas baixo carbono e adaptação Portugal e Alterações Climá/cas baixo carbono e adaptação Outubro de 2011 Comissão para as Alterações Climá/cas Comité Execu3vo Em 200 anos, emitimos a quantidade de carbono que havia sido emitida nos

Leia mais

ALEXANDRE UHLIG Instituto Acende Brasil. EXPANSÃO DA GERAÇÃO NA ERA PÓS- HIDRELÉTRICA Guia para debates

ALEXANDRE UHLIG Instituto Acende Brasil. EXPANSÃO DA GERAÇÃO NA ERA PÓS- HIDRELÉTRICA Guia para debates ALEXANDRE UHLIG Instituto Acende Brasil EXPANSÃO DA GERAÇÃO NA ERA PÓS- HIDRELÉTRICA Guia para debates QUESTÕES PARA REFLEXÃO 1 2 Qual o padrão atual da oferta de eletricidade no Brasil? Qual o padrão

Leia mais

Relatório de atribuição do Certificado off7. Observatório Português de Boas práticas Laborais

Relatório de atribuição do Certificado off7. Observatório Português de Boas práticas Laborais Relatório de atribuição do Certificado off7 Observatório Português de Boas práticas Laborais Ano: 2011 1. Índice 1. ÍNDICE... 2 2. SUMÁRIO EXECUTIVO... 3 3. INTRODUÇÃO... 5 4. MEDIR... 8 4.1. METODOLOGIA

Leia mais

COMENTÁRIOS DA CIP À PROPOSTA DE ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2015 E ÀS

COMENTÁRIOS DA CIP À PROPOSTA DE ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2015 E ÀS COMENTÁRIOS DA CIP À PROPOSTA DE ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2015 E ÀS REFORMAS FISCAIS A CIP lamenta que a dificuldade em reduzir sustentadamente a despesa pública tenha impedido que o Orçamento do Estado

Leia mais

Maria da Graça a de Carvalho. Repensar a Energia. XI Jornadas de Engenharia Faculdade de Engenharia e Tecnologias Universidade Lusíada

Maria da Graça a de Carvalho. Repensar a Energia. XI Jornadas de Engenharia Faculdade de Engenharia e Tecnologias Universidade Lusíada A Investigação Científica e Tecnológica na Área da Energia Maria da Graça a de Carvalho Repensar a Energia Políticas e Inovação Tecnológica XI Jornadas de Engenharia Faculdade de Engenharia e Tecnologias

Leia mais

Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima

Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável I Introdução O Projeto Granja São Roque de redução

Leia mais

ECONOMIA DA ENERGIA A Importância da Eficiência Energética

ECONOMIA DA ENERGIA A Importância da Eficiência Energética A Importância da Eficiência Energética Ordem dos Engenheiros Lisboa, 17 de Dezembro de 2013 Principal Objectivo Apresentar alguns dados que caracterizam a nossa economia, do ponto de vista macro energético,

Leia mais

Portugal 2020 e outros instrumentos financeiros. Dinis Rodrigues, Direção-Geral de Energia e Geologia Matosinhos, 27 de fevereiro de 2014

Portugal 2020 e outros instrumentos financeiros. Dinis Rodrigues, Direção-Geral de Energia e Geologia Matosinhos, 27 de fevereiro de 2014 Portugal 2020 e outros instrumentos financeiros Dinis Rodrigues, Direção-Geral de Energia e Geologia Matosinhos, 27 de fevereiro de 2014 O desafio Horizonte 2020 Compromissos Nacionais Metas UE-27 20%

Leia mais

Unidade IV Ser Humano e saúde. Aula 17.1

Unidade IV Ser Humano e saúde. Aula 17.1 Unidade IV Ser Humano e saúde. Aula 17.1 Conteúdo: O efeito estufa. Habilidade: Demonstrar uma postura crítica diante do uso do petróleo. REVISÃO Reações de aldeídos e cetonas. A redução de um composto

Leia mais

OPORTUNIDADES. Cluster energético: oportunidades; horizontes; observatório, BejaGlobal; PASE

OPORTUNIDADES. Cluster energético: oportunidades; horizontes; observatório, BejaGlobal; PASE CLUSTER ENERGÉTICO DE BEJA OPORTUNIDADES SUSTENTABILIDADE ENERGÉTICA E CRESCIMENTO ECONÓMICO A sustentabilidade energética e climática é um desígnio estratégico duplo significado. Por um lado, desenvolvimento

Leia mais

Nos estúdios encontram-se um entrevistador (da rádio ou da televisão) e um representante do Ministério da Terra, Ambiente e Desenvolvimento Rural

Nos estúdios encontram-se um entrevistador (da rádio ou da televisão) e um representante do Ministério da Terra, Ambiente e Desenvolvimento Rural Guião de Programa de Rádio e Televisão Tema: Redução de Emissões de Desmatamento e Degradação Florestal (REDD+) Nos estúdios encontram-se um entrevistador (da rádio ou da televisão) e um representante

Leia mais

Caso prático: Um contrato de desempenho energético num hotel de cinco estrelas. pág. 22

Caso prático: Um contrato de desempenho energético num hotel de cinco estrelas. pág. 22 Caso prático: Um contrato de desempenho energético num hotel de cinco estrelas. pág. 22 H IPALAI.'I.)"S'.' HOlfc.O'.^INIHIA Corínthía Hotel Lisbon "Energy Performance Contracting" num hotel de cinco estrelas

Leia mais

Emissões Atmosféricas e Mudanças Climáticas

Emissões Atmosféricas e Mudanças Climáticas CONCURSO PETROBRAS TÉCNICO(A) AMBIENTAL JÚNIOR Emissões Atmosféricas e Mudanças Climáticas Questões Resolvidas QUESTÕES RETIRADAS DE PROVAS DA BANCA CESGRANRIO DRAFT Produzido por Exatas Concursos www.exatas.com.br

Leia mais

ANÁLISE EXTERNA ANÁLISE INTERNA

ANÁLISE EXTERNA ANÁLISE INTERNA 3. DIAGNÓSTICO ESTRATÉGICO Neste último sub-capítulo do diagnóstico procurar-se-ão cruzar as diversas componentes analisadas nos pontos anteriores, numa dupla perspectiva: Análise externa - a avaliação

Leia mais

Uma visão geral do sector das energias renováveis na Roménia

Uma visão geral do sector das energias renováveis na Roménia Uma visão geral do sector das energias renováveis na Roménia A Roménia localiza-se geograficamente no centro da Europa (parte sudeste da Europa Central). O país tem,5 milhões de habitantes e abrange uma

Leia mais

IV Fórum do Sector Segurador e Fundos de Pensões. Lisboa, 15 de Abril de 2009

IV Fórum do Sector Segurador e Fundos de Pensões. Lisboa, 15 de Abril de 2009 IV Fórum do Sector Segurador e Fundos de Pensões Lisboa, 15 de Abril de 2009 Foi com todo o gosto e enorme interesse que aceitei o convite do Diário Económico para estar presente neste IV Fórum do sector

Leia mais

Case study. Aumentar o conhecimento, informar a decisão ÍNDICE E.VALUE ENERGIA E CO2 EM PORTUGAL EMPRESA

Case study. Aumentar o conhecimento, informar a decisão ÍNDICE E.VALUE ENERGIA E CO2 EM PORTUGAL EMPRESA Case study 2010 Aumentar o conhecimento, informar a decisão ÍNDICE E.VALUE ENERGIA E CO2 EM PORTUGAL EMPRESA A E.Value S.A. é uma empresa de consultoria e desenvolvimento, com competências nos domínios

Leia mais

Tecnologia nacional potencia sustentabilidade

Tecnologia nacional potencia sustentabilidade Tecnologia nacional potencia sustentabilidade 1 Tecnologia nacional potencia sustentabilidade O desenvolvimento de soluções inovadoras que melhoram a eficiência das organizações e a qualidade de vida das

Leia mais

Geração de energia elétrica

Geração de energia elétrica Geração de energia elétrica Suprimento (geração, transmissão e distribuição) de energia elétrica: aspectos socioambientais Lineu Belico dos Reis REQUISITOS BÁSICOS: Atendimento ao arcabouço legal ambiental

Leia mais

WORKSHOP PERSPECTIVAS E DESAFIOS DA ENERGIA NUCLEAR NA MATRIZ ELÉTRICA DO BRASIL

WORKSHOP PERSPECTIVAS E DESAFIOS DA ENERGIA NUCLEAR NA MATRIZ ELÉTRICA DO BRASIL WORKSHOP PERSPECTIVAS E DESAFIOS DA ENERGIA NUCLEAR NA MATRIZ ELÉTRICA DO BRASIL GESEL / SINERGIA / EDF A OPÇÃO NUCLEAR PARA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL Altino Ventura Filho Secretário de Planejamento

Leia mais

Sumário Executivo. A [R]evolução Energética

Sumário Executivo. A [R]evolução Energética Sumário Executivo Ameaças climáticas e soluções As mudanças climáticas globais, conseqüências do incessante aumento dos gases de efeito estufa na atmosfera do planeta, já estão alterando ecossistemas e

Leia mais

VII Jornadas Pascal. Energia: os desafios do futuro António Comprido Secretário-Geral da Apetro

VII Jornadas Pascal. Energia: os desafios do futuro António Comprido Secretário-Geral da Apetro VII Jornadas Pascal António Comprido Secretário-Geral da Apetro Porto, 2 de Junho de 2011 1 Estrutura da apresentação Onde estamos Para onde caminhamos Quais os desafios que enfrentamos 2 Onde estamos

Leia mais

JUSTIFICATIVAS PROPOSTA de LIMITES DE EMISSÕES FONTES EXISTENTES REFINARIAS

JUSTIFICATIVAS PROPOSTA de LIMITES DE EMISSÕES FONTES EXISTENTES REFINARIAS JUSTIFICATIVAS PROPOSTA de LIMITES DE EMISSÕES FONTES EXISTENTES REFINARIAS 1. Objetivo: Considerando os limites estabelecidos pela CONAMA 382 como referências para as fontes existentes, este documento

Leia mais

Programas Operacionais das Organizações de Produtores de Frutas e Produtos Hortícolas. Acções ambientais

Programas Operacionais das Organizações de Produtores de Frutas e Produtos Hortícolas. Acções ambientais Página: 1 de 14 das Organizações de Produtores de Frutas e Produtos Hortícolas Acções ambientais Acção 7.3 Recuperação de energia a partir de resíduos de colheitas e outras matérias orgânicas Acção 7.4

Leia mais

Índice 1 INTRODUÇÂO 2 A INDÚSTRIA DO CIMENTO NO CENÁRIO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS 3 REFERÊNCIAS INTERNACIONAIS

Índice 1 INTRODUÇÂO 2 A INDÚSTRIA DO CIMENTO NO CENÁRIO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS 3 REFERÊNCIAS INTERNACIONAIS Índice 1 INTRODUÇÂO 2 A INDÚSTRIA DO CIMENTO NO CENÁRIO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS 3 REFERÊNCIAS INTERNACIONAIS 4 2º INVENTÁRIO BRASILEIRO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA 5 PERSPECTIVAS E DESAFIOS 6

Leia mais

Tecnologia Alternativa Combustíveis renováveis

Tecnologia Alternativa Combustíveis renováveis 1 2 Tecnologia Alternativa Combustíveis renováveis Portaria nº 3-A/2007 de 2 de Janeiro Promoção da utilização de biocombustíveis nos transportes foi objecto do Decreto - Lei nº 62/2006 Decreto - Lei nº

Leia mais