REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA SAÚDE Direcção de Planificação e Cooperação. Departamento de Monitoria e Avaliação. Maputo, Junho de 2012

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA SAÚDE Direcção de Planificação e Cooperação. Departamento de Monitoria e Avaliação. Maputo, Junho de 2012"

Transcrição

1 REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA SAÚDE Direcção de Planificação e Cooperação Departamento de Monitoria e Avaliação Maputo, Junho de 2012 Índice 1. Introdução e Contexto Justificação para elaboração do Plano de Monitoria e Avaliação Ligação entre o Plano de Monitoria e Avaliação e os principais Planos Estratégicos Ligação entre o Plano Nacional da M&A do Sector da Saúde com Sistema de Informação da Saúde Ligações entre o Plano Nacional da M&A do Sector da Saúde com os planos da M&A dos programas Objectivos do Plano de M&A Principais / Potenciais Utilizadores do Plano de M&A na Saúde Descrição deste Plano Nacional da M&A do Sector da Saúde Metodologia de Desenvolvimento do Plano Nacional de Monitoria e Avaliação... 7

2 2.2 Princípios Orientadores de Elaboração do Plano Nacional de Monitoria e Avaliação Estrutura do Plano Descrição e Análise do Sistema Actual de Monitoria e Avaliação Síntese dos estudos gerais realizados sobre o sistema da M&A Quadro/Matriz Teórica para a M&A e Indicadores Fontes de Informação Qualidade dos Dados de Rotina Ponto de Situação / Limitações Actividades / Estratégias Existentes e Boas Práticas Recursos Humanos e Capacitação Ponto de Situação Instituições e Coordenação Ministério de Saúde Outras Instituições Governamentais Universidades e Instituições Académicas Parcerias Técnicas: Sector Privado, Organizações Não Governamentais e Agencias Governamentais e Multilaterais Grupo do Trabalho de Planificação, Monitoria e Avaliação Analise, Divulgação e Uso dos Dados Análise de dados e Elaboração de relatórios Divulgação de dados para o uso interno e externo Promoção do uso de dados na tomada de decisões Pilares estratégicos Implementação do Plano Nacional de Monitoria e Avaliação

3 1. Introdução e Contexto O Ministério da Saúde (MISAU) é a instituição do Governo cuja missão é salvaguardar a saúde dos cidadãos Moçambicanos, implementando acções coordenadas de prevenção de doenças, promoção de saúde e tratamento de doentes. Para alcançar este objectivo, o MISAU implementa diferentes actividades operacionalizando os principais Planos Estratégicos Nacionais nomeadamente: O Programa Quinquenal do Governo (PQG) e o Plano Estratégico do Sector de Saúde (PESS) Para garantir o alcance dos seus objectivos estratégicos, o MISAU adoptou a Estrutura Orgânica abaixo indicada, que recentemente foi aprovada pelo Conselho de Ministros. Organograma do MISAU A existência de um sistema de monitoria e avaliação abrangente e funcional é um pressuposto básico para monitorar a implementação dos referidos documentos estratégicos, bem como alimentar todo o processo de planificação periódica no sector. Deste modo, um sistema de Monitoria e Avaliação abrangente é uma ferramenta importante no Sistema Nacional de Saúde para garantir o fornecimento de informação de boa qualidade para: Medir a eficiência, a eficácia e o impacto dos programas; Melhorar a prestação de serviços com base no princípio da transparência e prestação de contas; Facilitar a tomada de decisões baseadas em evidência, para melhorar a prestação dos serviços em todos os níveis de actuação; Apoiar a definição e implementação de novas estratégias em função da realidade de cada momento ou situação; O presente Plano Nacional de Monitoria e Avaliação surge num contexto especial, pois os principais documentos estratégicos do sector encontram-se a meio ou final de sua vigência, facto que determina que o mesmo seja em alguns aspectos bastante descritivo da realidade actual. Por este motivo, o documento está adaptado a esta realidade e assim apresenta as seguintes características: Faz uma discrição da situação actual da Monitoria e avaliação ao nível do sector, identificando as lacunas e oportunidades o que o torna num bom documento de análise situacional; Identifica as principais actividades estratégicas o que o torna numa boa referência para a elaboração dos próximos planos estratégicos; Identifica a necessidade de sua actualização periódica o que o torna dinâmico e possibilita o alinhamento permanentemente; Apresenta uma visão para o alcance de resultados pois valoriza os indicadores de impacto, resultado e produto. O documento apresenta um plano de acção com actividades organizadas em função dos objectivos que se pretende alcançar num horizonte temporal de 2 anos (até final de 2014). Grande parte das actividades prendem-se 3

4 com a organização do sistema de monitoria e avaliação e sua adequada inserção no Sistema Nacional de Saúde bem como de melhoria da qualidade, disponibilidade e uso da informação. O carácter transversal do sistema de monitoria e avaliação determina que a implementação do plano seja o mais coordenado possível e para o efeito todos os intervenientes são chamados a contribuir activamente. 1.1 Justificação para elaboração do Plano de Monitoria e Avaliação A existência de um plano de monitoria e avaliação do Sector Saúde que esteja alinhado com os Planos Estratégicos Nacionais e capaz de monitorar o progresso no alcance das metas estabelecidas nos mesmos, constitui uma prioridade do MISAU, pois é difícil a avaliação dos progressos alcançados em cada período de tempo, bem como uma planificação coerente e baseada na evidência e nas capacidades existentes sem a existência do referido plano. O fortalecimento do sistema de monitoria e avaliação para que seja mais abrangente e interligado e que ajude a identificar, priorizar e coordenar as actividades pode melhorar a efectividade dos investimentos para fortalecer o sector. Por outro lado, um plano de monitoria e avaliação é um documento de referência nos mecanismos de cooperação pois, também responde aos parceiros de cooperação e tem a potencialidade de reduzir a necessidade de planos para doadores ou projectos específicos, diminuindo a sobrecarga no Serviço Nacional de Saúde. Pelas razões acima referidas, a área de Monitoria e Avaliação foi eleita como uma prioridade do sector nos anos 2010, 2011 e 2012 e, no contexto das acções de reforço desta área, foi desenvolvido o presente Plano Nacional de Monitoria e Avaliação (PNMA) para o sector de saúde. Com o presente plano, pretende-se colocar disponível um documento orientador que sirva de plataforma comum para as várias audiências, com estratégias e actividades chaves para fortalecer o sistema de M&A a todos os níveis de actuação no sector de saúde. 1.2 Ligação entre o Plano de Monitoria e Avaliação e os principais Planos Estratégicos O MISAU orienta-se basicamente através de dois documentos estratégicos: O Programa Quinquenal do Governo (PQG) O Governo desenvolveu o Programa Quinquenal do Governo (PQG) para o período no qual, o capítulo do Sector Saúde apresenta de forma clara e objectiva, a visão do Governo para melhorar a saúde do povo moçambicano, tendo como principal eixo a actuação ao nível dos cuidados de saúde primários. Neste plano, estão patentes as diferentes actividades a serem levadas o cabo nos diferentes programas, alinhadas com as diferentes estratégias de actuação. O PQG é actualizado a cada cinco anos num exercício coordenado pela direcção de planificação e cooperação e envolvendo a participação de todos os sectores do Ministério de Saúde e Parceiros de Cooperação. Este documento é harmonizado ao nível do Governo e aprovado pela Assembleia da República. 4

5 O Plano Estratégico do Sector de Saúde ( ). O Ministério de Saúde tem o "Plano Estratégico do Sector Saúde (PESS) para o período O PESS organiza as estratégias em duas áreas prioritárias: (1) A melhoria do estado de saúde da população e prestação de cuidados de saúde de qualidade e (2) O reforço da capacidade do SNS para prestar cuidados de Saúde de qualidade. O PESS tem estado a ser actualizado em cada 5 anos, num esforço coordenado pela direcção de planificação e cooperação e parceiros de cooperação. É um processo bastante participativo, envolvendo todos os sectores e níveis do Ministério de Saúde e outros sectores do Governo e o documento final é aprovado pelo Conselho de Ministros. Os objectivos destes dois documentos estratégicos encontram-se detalhados no anexo-1. Os dois documentos estratégicos identificam indicadores (e metas relacionadas), que servem como base de planificação e monitoria das áreas prioritárias do sector. Anualmente, é desenvolvido um Plano Económico Social (PES) descrevendo as actividades previstas e os resultados esperados em cada um dos programas, em conformidade com as metas estabelecidas nestes documentos de referência. Em suma, estes planos estratégicos são operacionalizados pelo PES. Os resultados (incluindo constrangimentos e recomendações) são reportados no Balanço do PES (trimestral, semestral e anual), baseados principalmente nos dados de rotina. O balanço do PES constitui um dos principais instrumentos de monitoria do sector. Alem dos principais Planos Estratégicos Nacionais (PEN), o Quadro de Avaliação do Desempenho de Saúde (QAD- SAÚDE) define indicadores 1 que o MISAU e os doadores concordaram em utilizar no processo avaliação anual do desempenho que é reconhecido como um instrumento fundamental de monitoria das actividades e de planificação. Importa referir que grande parte dos indicadores do QAD-SAUDE, estão alinhados com os PEN. O Plano Nacional de Monitoria e Avaliação do Sector Saúde está harmonizado por um lado, com os indicadores do Plano Estratégico do Sector Saúde ( ) e do Programa Quinquenal do Governo (Figura 1) e por outro com os indicadores do QAD-SAUDE, reconhecendo a importância deste último como uma ferramenta na monitoria conjunta do sector. Figura 1 Ligação entre os Planos Estratégicos Principais e o Plano de Monitoria e Avaliação 1 O QAD SAÚDE tem 35 indicadores do produto/execução maioritariamente alinhados com os do PEN e reportados anualmente. Os indicadores e as metas do QAD - SAUDE são actualizados anualmente num processo coordenado. 5

6 Considerando o actual desfasamento entre o PQG e o PESS, bem como a proximidade do término do PESS (2012), o desenvolvimento de novos planos estratégicos incluindo o desenvolvimento do novo PESS obrigará a uma revisão do presente PNMA, de forma a salvaguardar que este esteja permanentemente harmonizado com os PENs, no concernente as novas abordagens, indicadores e metas. 1.3 Ligação entre o Plano Nacional da M&A do Sector da Saúde com Sistema de Informação da Saúde O Sistema de Informação para Saúde (SIS) é a principal fonte de informação de rotina do sector, cuja visão e missão encontram-se devidamente descritas no Plano Estratégico do SIS (PESIS) As acções de fortalecimento do SIS são apresentadas no respectivo plano estratégico, que tem sido objecto de seguimento através dos balanços semestrais e anuais do PES. Estando o PESIS em implementação e sem um respectivo plano de monitoria e avaliação, o PNMA servirá de ferramenta básica para complementar o balanço do PES, tornando-se desta forma no principal instrumento para monitoria do PESIS. A relação entre estes dois instrumentos contribuirá em grande medida para o reforço da coordenação entre o DIS, DMA e outras instituições que produzem informação, permitindo desta forma uma melhor abordagem em toda a cadeia da produção, análise, controle de qualidade, disseminação e uso da informação. Sendo o SIS bastante dinâmico e estando prevista a actualização da sua estrutura e funcionalidades, a actualização do PNMA terá em consideração este dinamismo de forma a manter estes dois instrumentos vitais para o sector, permanentemente alinhados e interactivos. Na prática, uma vez elaborado o PNMA, ele contribuirá para acompanhar a implementação do plano de acção do PESIS. 6

7 1.4 Ligações entre o Plano Nacional da M&A do Sector da Saúde com os planos da M&A dos programas Além dos dois principais documentos Estratégicos Nacionais do sector de saúde, existem outros planos estratégicos programáticos, nomeadamente: Plano Estratégico da Logística Farmacêutica; Plano Estratégico do Controle da Malária ( ); Plano Nacional do Desenvolvimento dos Recursos Humanos da Saúde ( ); Plano Nacional Estratégico para a Controle de Tuberculose ( ); Plano de Acceleracao de HIV/SIDA (em desenvolvimento)... Plano Integrado Nacional para MDG4 e MDG Plano Estrategico do Sector Saude (em fase final de elaboração) Os planos estratégicos programáticos descrevem as estratégias chaves e os resultados esperados das mesmas, incluindo indicadores e respectivas metas para cada período. Em certos casos, os mesmos apresentam planos de M&A programáticos que possibilitam a avaliação do progresso para o alcance das metas, porém grande parte não tem. Os principais programas do MISAU que ainda não possuem os próprios planos de M&A (ex: o programa de SMI, o programa dos Recursos Humanos) serão encorajados a desenvolver um plano de M&A programático, utilizando o formato padronizado através do PNMA para garantir e facilitar o alinhamento entre os mesmos (anexo-2). Espera-se que o plano de M&A programático esteja harmonizado com o Plano Estratégico do próprio programa e com o PNMA do sector de saúde, porém o mesmo apresentará um grau de detalhe que possibilitará uma gestão diária mais eficiente do programa. A interligação, harmonização e alinhamento entre o PNMA com outros planos de M&A dentro de MISAU é apresentada na Figura 2. 7

8 Figura 2 Interligação entre o Plano de M&A do Sector de Saúde e dos Programas Como mencionado antes, o Plano Nacional de M&A do Sector de Saúde incorpora informação sobre a monitoria e avaliação dos principais Planos Estratégicos do sector de saúde (PESS e PQG). Assim, o mesmo é composto pelos principais indicadores de impacto e resultado inclusos nos principais PEN e no QAD. Por outro lado, os Planos de M&A das Direcções e Programas para além dos indicadores que fazem parte do PNMA, incluem também informação de nível de gestão dos programas, os indicadores de insumos e de processos que são utilizados numa frequência mais rotineira pelos gestores dos programas. 1.5 Objectivos do Plano de M&A Objectivo Geral. O Plano Nacional da Monitoria e Avaliação do Sector da Saúde tem por objectivo geral servir de documento orientador para as Autoridades Nacionais da Saúde e Parceiros de Cooperação no processo da Monitoria da implementação das actividades, bem assim a definição das actividades estratégicas para fortalecer o sistema de M&A. Objectivos Específicos. O Plano Nacional da Monitoria e Avaliação do Sector da Saúde tem os seguintes objectivos específicos: Descrever o processo e frequência da recolha dos dados, processamento e análise dos indicadores seleccionados; Apresentar os mecanismos e passos para garantir a qualidade dos dados programáticos; Analisar como a informação (incluindo retroinformação) produzida pelo sistema da M&A é divulgada e utilizada para monitorar os resultados atingidos e para a tomada de decisões sobre os programas e políticas sectoriais; Descrever as instituições envolvidas e os papéis dos actores na implementação do sistema de M&A; Descrever as estratégias, potencialidades e prioridades para fortalecer o sistema de M&A; Definir um plano de acção para o fortalecimento da M&A. 1.6 Principais / Potenciais Utilizadores do Plano de M&A na Saúde Este plano foi desenvolvido para apoiar e/ou subsidiar os seguintes utilizadores: 1. Os decisores do MISAU e todo o pessoal do Sistema Nacional de Saúde envolvido na planificação e implementação das actividades dos Planos Estratégicos Nacionais; 2. Os técnicos do MISAU dos diferentes programas aos vários níveis, envolvidos na direcção do sistema de monitoria e avaliação (por exemplo pontos focais de monitoria e avaliação); 3. Os parceiros técnicos na área de monitoria e avaliação envolvidos no fortalecimento dos sistemas de M&A; 4. Os doadores do MISAU para quem o MISAU reporta a informação. 8

9 2. Descrição deste Plano Nacional da M&A do Sector da Saúde 2.1 Metodologia de Desenvolvimento do Plano Nacional de Monitoria e Avaliação Este plano foi desenvolvido por uma equipa composta por profissionais de monitoria e avaliação da Direcção de Planificação e Cooperação (DPC) e membros do grupo do trabalho de monitoria e avaliação (parceiros de cooperação). Uma descrição detalhada da metodologia consta do anexo-3. Em geral, o desenvolvimento deste plano seguiu os principais passos: Elaboração do formato/estrutura do plano, seguindo orientações internacionais e os potenciais utilizadores do documento; Revisão dos documentos chaves (estudos feitos sobre o sistema de monitoria e avaliação, relatórios feitos sobre as fontes de informação de saúde); Levantamento dos indicadores dos principais planos/documentos; Entrevistas com actores chaves do MISAU, incluindo pontos focais programáticos e de M&A; Elaboração do esboço; Apresentação do esboço com actores chaves do MISAU e outros actores. Incorporação das sugestões dos diversos actores para melhoria do PNMA. 2.2 Princípios Orientadores de Elaboração do Plano Nacional de Monitoria e Avaliação A elaboração deste plano baseou-se nos seguintes princípios orientadores: 1) Actividade sob coordenação da Direcção de Planificação e Cooperação (DPC) com contribuições de vários departamentos. 2) Alinhamento e harmonização com os principais Planos Estratégicos, nomeadamente o Plano Quinquenal do Governo, ) e o Plano Estratégico do Sector de Saúde ; 3) Alinhamento com os planos de M&A programáticos existentes (e os potenciais) e o Plano Estratégico Nacional dos Sistemas da Informação da Saúde ( ); 2.3 Estrutura do Plano A estrutura do PNMA inclui as secções chaves dum plano de monitoria e toma em conta os objectivos do mesmo. É constituído pelas seguintes secções: 1. Introdução e contextualização; 2. Descrição do Plano nacional de Monitoria e Avaliação; 3. Quadro de Monitoria e Avaliação; 4. Fontes de Informação; 5. Qualidade dos dados de rotina; 6. Recursos e capacitação; 7. Instituições de coordenação; 8. Acesso, divulgação e uso dos dados; 9. Actividades estratégicas. 9

10 Na secção Quadro de Monitoria e Avaliação, é feita uma descrição sobre a matriz de indicadores que fazem parte do Plano de M&A. O anexo-4 do documento, contém listas dos indicadores, incluindo a definição (numerador e denominador), fonte de dados, o sector/programa responsável, e a frequência de sua análise. A secção Fontes de Informação apresenta uma lista de fontes de dados chaves, que contribuem para o sistema de M&A. Para cada uma das fontes, é feita uma descrição do tipo de informação colectada, o fluxo de informação, a gestão de informação, os pontos fracos e fortes, os planos de fortalecimento do sistema, e outros assuntos relevantes. A secção Qualidade dos Dados de Rotina descreve os mecanismos existentes para o controlo da qualidade dos dados e estratégias chaves para continuar a melhorar esta qualidade. Na secção Recursos e Capacitação, é feita uma descrição dos recursos humanos envolvidos no sistema de M&A, fraquezas e necessidades de capacitação. A secção Instituições e Coordenação descreve as instituições envolvidas no sistema de M&A, os seus papéis, e os mecanismos de coordenação das actividades de monitoria e avaliação. Na secção, Analise, Divulgação e Uso dos Dados, descrevem-se os produtos do sistema de M&A, incluindo os relatórios e outros produtos de disseminação. A última secção, Actividades Estratégicas (Pilares Estratégicos), descreve as actividades em curso e as prioridades para implementar e fortalecer o sistema de M&A. Esta secção inclui um Plano de Acção, com actividades chaves de planificação, coordenação, formações, produção das ferramentas de recolha de dados, gestão de dados, análise e uso de dados a todos os níveis. 10

11 3. Descrição e Análise do Sistema Actual de Monitoria e Avaliação 3.1 Síntese dos estudos gerais realizados sobre o sistema da M&A Nos últimos anos ( ), foram realizadas diversas avaliações sobre o sistema de monitoria e avaliação (e o sistema de informação de saúde), fornecendo importantes informações sobre o desempenho e os problemas da M&A bem como, foram apresentadas recomendações e propostas para sua melhoria. De entre as principais avaliações realizadas nos últimos 5 anos destacam-se: Auto-avaliação do Sistema de M&A no Serviço Nacional de Saúde, com enfoque nos programas de HIV/SIDA, Tuberculose, Malária e Saúde Infantil 2 ; Seminário organizado pelo Departamento de Informação de Saúde com o objectivo de obter informações para subsidiar a elaboração de um Plano Estratégico do Sistema de Informação de Saúde (SIS) 3 ; Realizados dois levantamentos sobre o sistema de monitoria e avaliação para desenvolver o primeiro esboço deste plano. 1. O primeiro foi realizado por técnicos da M&A da Direcção de Planificação e Cooperação com objectivo de recolher informação para desenvolver os Termos de Referência de uma Unidade (ou outro tipo de entidade) de monitoria e avaliação que incluiu um levantamento nas Direcções e Programas do MISAU; 2. O segundo (coordenado com as actividades do primeiro), foi realizado como parte do desenvolvimento deste Plano de M&A e incluiu entrevistas com 35 pessoas chaves nas áreas programáticas e de M&A nas Direcções Nacionais e nos Programas do MISAU Foi realizada uma revisão do sector de saúde com objectivo providenciar um diagnóstico do sector no que concerne a implementação das estratégias com os Sistemas de Informação de Saúde, Monitoria e Avaliação; esta revisão foi feita como fase inicial do desenvolvimento do próximo Plano Estratégico do Sector de Saúde ( ). 2 A oficina de trabalho baseou-se essencialmente no preenchimento da ferramenta para o fortalecimento dos sistemas de Monitoria e Avaliação que foi desenvolvida pelos parceiros com destaque para o GFATM (Fundo Global), HMN (HealthMetricsNetwork), PEPFAR (Plano de Emergência do Presidente dos EUA para alívio ao SIDA), e MEASUREEvaluation, no espírito dos Três Únicos. Outros parceiros como RollBackMalaria (RBM), ONUSIDA, OMS, Stop TB e Banco Mundial aprovaram a ferramenta. 3 Os Um sumário das constatações de cada um dos levantamentos constitui o anexo 5 do presente documento, porém as principais necessidades/desafios foram: Simplificação, priorização, e padronização das ferramentas e indicadores; Fortalecimento do Sistema de Informação de Saúde, incluindo a necessidade em definir a arquitectura do SIS para esteja mais integrada, inter-operável, e harmonizada; participantes, organizados em grupos de trabalho, conforme a sua especialidade, debateram uma lista de perguntas pré-definidas pela Rede de Metrologia da Saúde (HealthMetricsNetworkHMN).A ferramenta, que deve ser aplicada aos profissionais de saúde, gestores da saúde e seus parceiros, apresenta uma lista de perguntas, agrupadas em distintas categorias: I. Recursos, II. Indicadores, III. Fontes de dados, IV. Tratamento dos dados, V. Produtos de informação, VI. Divulgação e uso. 11

12 Mecanismos de melhoramento da qualidade dos dados; Fortalecimento dos mecanismos de comunicação, divulgação, e uso de informação nos programas a todos os níveis. Reforço e capacitação dos Recursos Humanos; Criação / fortalecimento de estruturas funcionais de coordenação das actividades de M&A no MISAU; e Desenvolvimento do Plano Nacional de M&A do sector de saúde e planos de M&A dos programas específicos; Estes estudos constataram que os desafios nestas áreas ainda continuam a resultar da dificuldade do sector de saúde em ter informações acessíveis e de boa qualidade dos indicadores chaves programáticos e o uso inadequado da informação para a gestão do sistema nacional de saúde. A percepção de que as diversas avaliações periódicas do sistema de M&A e do SIS anteriormente elaboradas identificaram problemas semelhantes e apresentaram propostas para melhoria, trouxe como desafio na elaboração deste plano, a identificação de estratégias fundamentais para resolver os principais problemas identificados sobretudo com soluções para a melhoria dos Recursos Humanos da área e sistemas de monitoria e avaliação e da informação de saúde. 3.2 Quadro/Matriz Teórica para a M&A e Indicadores O presente PNMA foi elaborado tendo em consideração a plataforma comum da M&A que esboça os insumos, produtos, processos, resultados e impacto. No anexo 6 encontra-se um sumário dos conceitos básicos da monitoria e avaliação, incluindo as definições, os tipos dos indicadores e dimensões da qualidade dos dados. Figura 3 Matriz Teórico da Monitoria e Avaliação 12

13 Os PEN s apresentam indicadores quantitativos (ex: número das pessoas atendidas ou cobertura nacional dum serviço) e qualitativos (ex: elaboração duma estratégia ou o realizar um estudo), porém o presente plano apresenta apenas os indicadores quantitativos, excluindo os indicadores do processo, formação em serviço que devem fazer parte do plano de M&A do próprio programa. A lista dos indicadores está no anexo 4, e está organizada em formatos diferentes para os diferentes fins. A mesma inclui 79 Indicadores, das várias categorias: Impacto: 14 indicadores Resultado: 18 indicadores Produto: 44 indicadores Processo: 3 indicador Em geral, os indicadores que são apresentados neste plano apresentam as seguintes potencialidades e fraquezas: Cobrem os principais programas do Ministério de Saúde; Fornecem dados capazes de avaliar a cobertura (geográfica) dos serviços mas a análise da cobertura não é sistemática; Têm pouca possibilidade para avaliar a qualidade dos serviços (em particular os indicadores baseados nos dados recolhidos de forma rotineira); Falta de informação chave para a gestão de alguns programas (ex: consumos reais para fazer planificação das necessidades dos medicamentos e outros produtos de saúde); Não permitem avaliar o funcionamento e fortalecimento dos sistemas de saúde (área farmacêutica, finanças, laboratórios, sistemas de informação de saúde); Nem sempre existe uma ligação clara entre os indicadores do insumo, processo, produto, resultado e impacto em áreas específicas; Nem todos indicadores estão bem alinhados (há uma duplicação dos indicadores em algumas áreas); Alguns indicadores não estão harmonizados com os padrões dos indicadores internacionais; Alguns indicadores não tem uma definição clara e/ou fonte de informação funcional. Reconhecendo as potencialidades e fraquezas nos indicadores mencionados, o DIS desde 2011 está a elaborar o mapeamento de todos elementos de dados nas ferramentas de recolha de dados dos programas do MISAU e vai servir como base para a actualização, harmonização, priorização, e aprovação duma lista actualizada de indicadores oficiais do MISAU (ao nível programático e nível do sector) e para o desenvolvimento / actualização dos instrumentos / ferramentas relacionadas. Esta iniciativa também servirá de base para a elaboração do novo Plano Estratégico do Sector de Saúde, incluindo a priorização dos indicadores chaves para incluir no novo PESS. Perspectivas: O presente plano visa em parte melhorar gradualmente as fraquezas apresentadas acima. A planificação e a actualização do novo PESS apresentam uma boa oportunidade para desenvolver uma lista de indicadores mais harmonizados, apropriados, com fontes de informação funcionais, e com metas estabelecidas. 3.3 Fontes de Informação Para um bom desempenho do sistema de monitoria e avaliação, ele deve ser alimentado por dados de boa qualidade, os quais devem ser capazes de alimentar o plano de monitoria e avaliação com vista a responder aos indicadores e metas estratégicas definidas. 13

14 O plano de Monitoria e Avaliação comporta diferentes tipos de indicadores (produtos, resultados, impactos) que devem ser alimentados por várias fontes de informação, das quais se destacam sistemas de informação de rotina e inquéritos e pesquisas baseadas na população. (Tabelas 1 e 2.): A fonte principal de informação de rotina é o Sistema de Informação da Saúde, mas além disso existe uma grande variedade de fontes que proporcionam dados importantes de uma forma regular (e.g., trimestral, semestral, anual, bianual). Os pormenores de cada Sistema de Rotina de informação estão detalhados na Tabela abaixo. Tabela 1 - Sistemas de Rotina Tipo da Fonte Fonte Frequência Principais Responsáveis SIS Integrado de M&A Mensal DIS, M-OASIS (Módulo Básico) SIS Não Integrados Mensal Programas de Saúde Sistemas de Informação dos Serviços Nacionais de Saúde (Programas Verticais do MISAU) Sistema de Informação da Anual DNAM Qualidade dos Serviços (CLINIQUAL) Sistemas de Vigilância Boletim Epidemiológico (BES) Semanal DNSP Vigilância Sentinela Bianual HIV -- INS em colaboração com o PNC ITS/HIV/SIDA Sistemas Administrativos ou de Gestão Estatísticas Vitais Nutrição Programa de Reabilitação Nutricional Vigilância Demográfica Bianual INS, CISM, e instituições de pesquisa esistafe Mensal Ministério das Finanças. Dentro da MISAU, a DAF é responsável Contas Nacionais de Saúde A cada 3 anos DPC Sistema de Informação de Trimestral Direcção Nacional de Recursos Humanos (proposta) Recursos Humanos (DRH) Inventário de Unidades A definir DIS, M-OASIS Sanitárias / Infra-estruturas Sistema de Informação de Medicamentos e Artigos Médicos (SIMAM) Mensal Central de Medicamentos e Artigos Médicos, com apoio técnico do SCMS (Supply Chain Management Systems) Programa de Laboratorio Sistema de Informação Mensal Laboratorial (SIL) Censo Populacional Cada 10 anos Instituto Nacional de Estatística Registo Civil A definir múltiplos SIS de Mortalidade (Sistema Mensal DIS, M-OASIS 14

15 15 de Registo de Óbitos Hospitalares)

16 Tabela 2 - Inquéritos e pesquisas baseados na população Fonte Frequência Última Realização Principais Responsáveis Inquérito Demográfico de Saúde Cada 5 anos 2011/12 Instituto Nacional de Estatística (INE) em colaboração com o Ministério de Saúde Inquéritos Agregados de Indicadores Múltiplos (MICS) Cada 3-5 anos 2008 Instituto Nacional de Estatística (INE) em colaboração com o Ministério de Saúde Inquérito Nacional sobre Causas de Mortalidade Cada 10 anos 2007/8 Instituto Nacional de Estatística (INE) em colaboração com o Ministério de Saúde Estudos e Pesquisas Operacionais Variável Continuo Múltiplos Importa referir que em alguns casos, as fontes de informação usadas não se enquadram na estrutura acima referida, mas porque fornecem informação necessária de indicadores chaves do Plano de M&A, foram inclusas nesta secção, e futuramente poderão ser usadas como fontes de informação adicional. Para as fontes para as quais há planos por desenvolver ou actualizar, são descritas como Perspectivas. No anexo 7, encontra-se uma descrição com mais detalhe das todas as principais fontes de informação do sector, incluindo uma análise dos pontos fortes e fraquezas, a frequência de recolha dos dados, os responsáveis e perspectivas para respectiva fonte de informação Sumário Fontes de Informação Sumário da Análise das Fontes de Informação e Perspectivas Nos sistemas de informação actuais, verifica-se que a colheita de vários dados não tem a devida priorização e harmonização das ferramentas e dos indicadores. Há uma duplicação das informações colhidas ao nível da unidade sanitária e deficiente harmonização entre as informações colhidas, as ferramentas de recolha de dados e a os indicadores. A realização de actividades para desenvolver e manter um dicionário de dados e a actualização subsequente dos indicadores e ferramentas (como actividade chave do DIS/M&A e como base para o desenvolvimento do próximo PESS), constituem uma boa oportunidade racionalizar, priorizar, e harmonizar as informações de saúde colhidas no sector. Existem subsistemas de informação de saúde, sem uma arquitectura desenvolvida (finalizada) e clara para definir as ligações e comunicação entre os vários subsistemas. O Plano Estratégico do SIS considera que o factor determinante da pouca fiabilidade da informação para tomada de decisão é, principalmente, que a arquitectura/modelo actualmente definida para o SIS não se adequa às necessidades do Serviço Nacional de Saúde e aponta para a necessidade de definição da arquitectura do SIS. O DIS está a dirigir a fase inicial da definição da arquitectura, com forte participação das Direcções Nacionais. A partir desta definição será possível o desenho de um SIS integrado, de um data warehouse. O sistema de M&A não é abrangente e ainda não incorpora outras fontes de informação chave (por exemplo SIS - logística, estatísticas vitais, etc.). Também existem muitos fluxos paralelos que não permitem a integração da informação das várias fontes de informação. Uma prioridade com esta actualização dos indicadores e das ferramentas, e a definição da arquitectura dos subsistemas de informação de saúde é a harmonização e integração das informações chaves dos vários subsistemas de informação e da monitoria e avaliação. 16

17 Embora haja algumas pesquisas em curso ou terminadas, verifica-se a falta de um plano (agenda) das necessidades de pesquisas, inquéritos e estudos operacionais prioritários para depois de 2012, logo que expire o Plano Estratégico do Instituto Nacional de Estatística. Considerando o tempo e recursos necessários para a planificação e implementação dos estudos que requerem a coordenação entre diferentes programas para identificar os dados necessários seria útil um processo de planificação para a identificação das necessidades dos dados que vem dos inquéritos nacionais até pelo menos O Instituto Nacional de Saúde iniciou em Junho de 2012, o processo de auscultação dos diferentes actores para a elaboração da Agenda Nacional de Pesquisa em Saúde, cujo objectivo é identificar áreas prioritárias que possam orientar a pesquisa feita no País de forma a obter resultados que podem ser utilizados para o desenvolvimento de políticas, programas e boas práticas na saúde assim como na advocacia para financiamento da pesquisa Qualidade dos Dados de Rotina Um dos principais objetivos da monitoria e avaliação é utilizar os dados e a informação produzida pelo sistema de M&A para melhorar a tomada de decisões e portanto, melhorar os resultados das acções de saúde. Vários factores podem influenciar este processo, sendo um deles a qualidade ou credibilidade dos dados. A utilização dos dados para a tomada de decisões depende em grande medida da confiança que os decisores têm com a sua qualidade. (Veja Anexo 6 para mais descrição geral sobre a qualidade dos dados.) Ponto de Situação / Limitações Nas diferentes avaliações feitas 4, foi reconhecido que a qualidade dos dados ainda é fraca com particular destaque nos seguintes aspectos: 1. Informação não completa (Completude) Ao nível do paciente (livro do registo, processo clínico não bem preenchidos) e/ou; Nos dados agregados (falta de informação de todas unidades sanitárias ao nível distrital); 2. Concordância e Fiabilidade dos dados Concordância dos dados agregados e reportados pela U.S. (consistência dos dados do paciente [origem primária] com os dados agregados enviados pela U.S.); Concordância dos dados no fluxo desde a U.S. aos vários níveis (distrito, província, nacional); 3. Atraso na chegada dos dados (aos níveis superiores) Estas fraquezas resultam da insuficiência de mecanismos de controlo da qualidade dos dados nomeadamente: 1) Ao nível de colheita de informação 4 Estas avaliações incluem o Relatório Técnico da Oficina de trabalho sobre Auto-avaliação do Sistema de M&A no Serviço Nacional de Saúde e delineamento de plano de acção para o seu fortalecimento: com enfoque nos programas de HIV/SIDA, Tuberculose, Malária e Saúde Infantil (2007); o relatório do seminário organizado pelo Departamento de Informação de Saúde com o objectivo de obter informações para subsidiar a elaboração de um Plano Estratégico do Sistema de Informação de Saúde (SIS) em 2008; e os 2 levantamentos que foram feitos no fim de 2009 pelo 1) DPC e 2) equipe que desenvolveu este plano. Para mais detalhes sobre estas avaliações, veja o sumário dos Estudos Gerais Feitos sobre o Sistema da M&A (secção 3.1 deste plano). 17

18 Ferramentas não padronizadas de recolha dos dados (uso do livro texto, falta de dicionário de dados); Sobrecarga de trabalho ao nível de US; Duplicação da informação nos diferentes registos e outras fontes de informação; 2) Ao nível da agregação e reportagem dos dados Falta dos mecanismos padrão para avaliar, controlar, e melhorar a qualidade dos dados como por exemplo, um sistema de supervisão e/ou verificação da qualidade de informação preenchida; Deficiente reportagem da qualidade dos dados aos diferentes níveis de prestação de serviços; As rotinas de geração dos dados e da qualidade dos mesmos não são assuntos debatidos nas reuniões regulares de gestão das unidades administrativas de saúde Actividades / Estratégias Existentes e Boas Práticas Embora tenham sido identificadas estas fraquezas, estão em curso três principais actividades com o objectivo melhorar a qualidade dos dados. Guião de Supervisão incluindo uma Componente de Verificação dos dados Em 2010, foi desenvolvido e pilotado pelo DIS um guião de supervisão de rotina na área de planificação, monitoria e avaliação e sistemas de informação de saúde (SIS). A ferramenta foi desenvolvida com módulos diferentes para ser implementada ao nível da US, distrito, e província 5. Para cada nível, foi desenhada uma lista dos itens para verificar sobre os processos da gestão dos SIS e os recursos chaves incluindo documentos orientadores. Também existe uma componente de verificação dos dados dos indicadores seleccionados. Esta componente de verificação dos dados, inclui a verificação de concordância entre a fonte original dos dados e os reportados ao nível da unidade sanitária e no fluxo de informação. A ferramenta facilita a análise da informação com gráficos que se actualizam baseando na informação introduzida numa folha automatizada. Também foi desenhada uma matriz das recomendações, que ajuda a identificar as recomendações chaves para melhorar a qualidade dos dados. A implementação desta ferramenta nos anos seguintes será crítica para avaliar e fortalecer a qualidade dos dados reportados no sistema nacional de saúde. Estabelecimento dos Procedimentos para Medir e dar Retroinformação sobre a Completude Como mencionado acima, uma das principais fraquezas da qualidade dos dados é a chegada atempada dos relatórios mensais e/ou a falta da reportagem das todas unidades sanitárias. Ate agora, não existe um mecanismo padrão nos diferentes ciclos de entrada e gestão de informação, para rever e avaliar os dados para completude e concordância e para solicitar correcções. 5 As normas nacionais do MISAU para a supervisão são: Distrito àcada Unidade Sanitária cada trimestre; Província à cada Distrito 2 vezes cada ano; Nível Central à cada Província 1 vez por ano. 18

19 Um primeiro passo em melhorar esta situação, é o estabelecimento dos procedimentos para medir a retroinformação sobre a completude dos dados agregados reportados. Desde 2010, o DIS está a estabelecer mecanismos para enviar retroinformação de rotina aos níveis sub-nacionais, sobre os relatórios do Modulo Básico em falta. Este processo é crítico para melhorar a completude dos dados reportados. No futuro, o conteúdo desta retroinformação poderá ser expandido de modo a incluir validações dos dados, incluindo as tendências com dados reportados nos períodos anteriores, comparações entre dados de diferentes fontes (relatórios do programa versus do consumo dos medicamentos, relatórios dos dados dos fluxos de informação diferente no caso do fluxo paralelo dos dados). Verificação Anual dos Dados no contexto de Avaliação Conjunta Anual (ACA) Além dos processos internos no âmbito da melhoria da qualidade dos dados, é feita anualmente uma avaliação de qualidade dos dados através de um processo conjunto entre o MISAU e os doadores/parceiros, a Avaliação Conjunta Anual. De acordo com os Termos de Referência da Avaliação Conjunta Anual, são efetuadas visitas de trabalho às províncias como parte de ACA. Neste exercício, o MISAU, em colaboração com os Parceiros de Cooperação do Sector, seleciona províncias (geralmente 3 províncias) para serem visitadas, no âmbito da ACA. Anualmente, são selecionados três Indicadores que fazem parte da Matriz do Quadro da Avaliação de Desempenho do Sector Saúde (QAD Saúde) para esta verificação de dados. Em cada província são visitados 4-5 Unidades Sanitárias. Em cada Unidade Sanitária visitada, é avaliada a qualidade dos registos e a comparabilidade dos dados no fluxo da informação entre os diferentes níveis: 1. Concordância dos dados agregados e reportados pela U.S. (consistência dos dados do paciente [origem primária] com os dados agregados enviados pela U.S.); 2. Concordância dos dados no fluxo dos dados da U.S. a vários níveis (distrito, província, nacional); Os resultados e principais constatações deste exercício são apresentados e discutidos ao longo do processo da ACA. Boas Práticas Alem destas estratégias já em curso, foram identificadas algumas boas práticas que poderiam ser expandidas para melhorar a qualidade dos dados Uso de ferramentas padronizadas em todas U.S; Uso dos padrões (por exemplo CID 10) nas ferramentas; Controlo da qualidade dos dados no caso da base de dados (validações, testes do lógico e concordância dos dados); Comparações entre dados das fontes diferentes (relatórios do programa versus do consumo dos medicamentos, relatórios dos dados dos fluxos de informação diferente no caso do fluxo paralelo dos dados); 3.5. Recursos Humanos e Capacitação A insuficiência de recursos humanos ao nível do sector é um dos principais obstáculos a melhoria da prestação de serviços. É fundamental e urgente ter funcionários capacitados para executar efectivamente as actividades de M&A com a devida responsabilidade e perícia. 19

20 3.5.1 Ponto de Situação Uma das grandes fraquezas do sector ao nível nacional, é a insuficiência de pessoal qualificado e capaz de enfrentar os desafios da melhoria da qualidade nas diferentes áreas, incluindo a monitoria e avaliação. Com vista a minimizar este problema, o sector elaborou o Plano Nacional de Desenvolvimento dos Recursos Humanos da Saúde (PNDRHS), com um horizonte temporal de 7 anos ( ). Este plano, define como principais linhas estratégicas as seguintes: 1. Organização dos serviços e quadro normativo; 2. Capacidade de gestão aos diferentes níveis; 3. Distribuição, motivação e retenção dos RHS; 4. Capacidade da rede de produção inicial e de formação contínua; Embora exista o PNDRHS, o mesmo não é claro nem específico na priorização de acções de fortalecimento dos recursos humanos da área de sistemas de informação e monitoria e avaliação, o que acresce os desafios desta componente nos próximos anos em relação a formação contínua e inicial. No entanto, apesar da insuficiência de pessoal qualificado, cada Direcção Nacional do MISAU identificou pelo menos um responsável de M&A designado de ponto focal de M&A. Embora maior parte destes tenham interesse em desenvolver habilidades técnicas em M&A, não apresentam actualmente nenhuma formação específica para a função que exercem, o que dificulta a realização de suas actividades com a qualidade que seria de desejar. Por outro lado, verifica-se que os pontos focais da M&A ao nível central, para além da falta de formação específica, apresentam níveis de formação diferentes desde o médio até ao superior. Os termos de referência dos pontos focais de M&A ainda não estão harmonizados, o que contribui para a fraca coordenação das actividades entre as diferentes áreas bem assim, a definição de prioridades para os cursos de curta duração. Alguns programas específicos apresentam assessores de M&A, contratados para o fortalecimento do sistema de informação e monitoria e avaliação. A título de exemplo, as Direcções Nacionais de Recursos Humanos, Assistência Médica e Saúde Pública têm assessores para a implementação do PNDRHS, o programa do HIV e o programa da malária respectivamente. Uma das fragilidades desta assistência técnica é por um lado, a falta de clareza nos respectivos termos de referência no que respeita a transferência do conhecimento e a criação de capacidades nos quadros do sector e por outro, a falta de quadros habilitados a receber esta capacitação em tempo útil. Não menos importantes, são as fragilidades para o monitoria regular do processo da transferência de conhecimentos, que deveria ser feito regularmente e constituir um dos determinantes para a continuidade da assistência técnica. Ao nível sub-nacional, verifica-se um aumento gradual do pessoal afecto a área de M&A, porém, os problemas acima citados se repetem e com maior realce a medida que descemos do nível nacional para o distrital. Igualmente, destaca-se a grande mobilidade destes quadros, uma vez que sua área de formação específica, assim o permite. A título ilustrativo, os técnicos de medicina preventiva que asseguram maior parte dos núcleos distritais de estatística apresentam uma grande mobilidade quer por motivos de necessidade de serviço quer por motivos de continuação de estudos. 20

HMN Mozambique country report

HMN Mozambique country report República de Moçambique Ministério da Saúde Instituto Nacional de Saúde Departamento de informação para a saúde HMN Mozambique country report October, Mozambique 1 Introdução Desde a última avaliação do

Leia mais

MEDICUS MUNDI EM MOÇAMBIQUE A NOSSA PROPOSTA: CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS: VAMOS TORNÁ-LOS REALIDADE

MEDICUS MUNDI EM MOÇAMBIQUE A NOSSA PROPOSTA: CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS: VAMOS TORNÁ-LOS REALIDADE MEDICUS MUNDI EM MOÇAMBIQUE A NOSSA PROPOSTA: CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS: VAMOS TORNÁ-LOS REALIDADE Cuidados de Saúde Primários em Moçambique Já foi há mais de 30 anos que o sonho de Saúde para todos

Leia mais

Proposta de Cronograma de Acções Para a Reorientação e Reorganização do SIS (Versão -Final - de 30/06/06)

Proposta de Cronograma de Acções Para a Reorientação e Reorganização do SIS (Versão -Final - de 30/06/06) Proposta de Cronograma de Acções Para a Reorientação e Reorganização do SIS (Versão - - de 30/06/06) 1. Focar o SIS sobre o Estado de Saúde da população e o desempenho do SNS 1.1. Elaborar proposta de

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA A SAÚDE (SIS) 2009-2014

PLANO ESTRATÉGICO DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA A SAÚDE (SIS) 2009-2014 República de Moçambique Ministério da Saúde Direcção de Planificação e Cooperação Departamento de Informação para a Saúde PLANO ESTRATÉGICO DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA A SAÚDE (SIS) 2009-2014 Maputo,

Leia mais

UEM: Desafios e perspectivas na implementação do Sistema Nacional de Avaliação, Acreditação e Garantia de Qualidade do Ensino Superior

UEM: Desafios e perspectivas na implementação do Sistema Nacional de Avaliação, Acreditação e Garantia de Qualidade do Ensino Superior UEM: Desafios e perspectivas na implementação do Sistema Nacional de Avaliação, Acreditação e Garantia de Qualidade do Ensino Superior Autores: Maida Abdulssatar Khan, Eduardo Chiziane, Luisa Santos e

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO 2010-2014

PLANO ESTRATÉGICO 2010-2014 REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA SAÚDE INSTITUTO NACIONAL DE SAÚDE (INS) PLANO ESTRATÉGICO 2010-2014 REVISÃO 03 (Agosto de 2010) DO PLANO ESTRATÉGICO 2010 2014 Plano Estratégico do INS 2010 2014 Rev.06-08-10

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE

PROGRAMA NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE PROGRAMA NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE 2009 3 ÍNDICE I INTRODUÇÃO 4 II MODELO NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE 5 III ÂMBITO DE APLICAÇÃO 8 IV OBJECTIVO GERAL 8 V OBJECTIVOS ESPECÍFICOS 8 VI ESTRATÉGIAS

Leia mais

PLANO ESTRATÉGIO DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA A SAÚDE 2009-2014

PLANO ESTRATÉGIO DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA A SAÚDE 2009-2014 República de Moçambique Ministério da Saúde Direcção Nacional de Planificação e Cooperação Departamento de Informação para a Saúde PLANO ESTRATÉGIO DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA A SAÚDE 2009-2014 Rascunho

Leia mais

Termos de Referência

Termos de Referência MAPEAMENTO DE PARTES INTERESSADAS (PARCEIROS E DOADORES) Termos de Referência 1. Contexto O Fundo Mundial para a Natureza (WWF) tem vindo a trabalhar em Moçambique desde os meados dos anos 90 em áreas-chave

Leia mais

TORs da Avaliação do CCF Julho, 2014

TORs da Avaliação do CCF Julho, 2014 1. CONTEXTO AVALIAÇÃO DO CENTRO CRIANÇA FELIZ Termos de Referência O projecto Centro Criança Feliz é uma iniciativa da IBIS Moçambique, concebida e por si implementada desde 2008. O projecto surgiu no

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA PARA O POSTO DE CONSELHEIRO EM GESTÃO DE FINANÇAS PUBLICAS

TERMOS DE REFERÊNCIA PARA O POSTO DE CONSELHEIRO EM GESTÃO DE FINANÇAS PUBLICAS I. Introdução TERMOS DE REFERÊNCIA PARA O POSTO DE CONSELHEIRO EM GESTÃO DE FINANÇAS PUBLICAS O melhoramento da prestação de serviços públicos constitui uma das principais prioridades do Governo da Província

Leia mais

1. Introdução. 2. Situação Actual da Área de Documentação e Arquivo

1. Introdução. 2. Situação Actual da Área de Documentação e Arquivo 1. Introdução A gestão documental e a protecção especial de documentos e arquivos são da responsabilidade do Governo, enquanto instrumento chave de apoio à administração, à cultura, ao desenvolvimento

Leia mais

TCP/INT/3201 Termos de Referência Consultoria Nacional São Tomé

TCP/INT/3201 Termos de Referência Consultoria Nacional São Tomé TCP/INT/3201 Termos de Referência Consultoria Nacional São Tomé Essa consultoria nacional enquadra-se no âmbito do Projecto de Cooperação Técnica CPLP/FAO TCP/INT/3201 para assessorar o Comité Nacional

Leia mais

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE Projecto IMCHE/2/CP2 1 ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

Leia mais

Moçambique Plano Estratégico 2012 2015. Moçambique Plano Estratégico

Moçambique Plano Estratégico 2012 2015. Moçambique Plano Estratégico Moçambique Plano Estratégico 2012 2015 Moçambique Plano Estratégico 2012 2015 1 Rainha Juga, beneficiaria de uma campanha de cirurgia do Hospital Central da Beira ao distrito de Gorongosa 2 Moçambique

Leia mais

PROTECÇÃO SOCIAL EM MOÇAMBIQUE. Enquadramento, Políticas e Programas em Moçambique

PROTECÇÃO SOCIAL EM MOÇAMBIQUE. Enquadramento, Políticas e Programas em Moçambique REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA MULHER E DA ACÇÃO SOCIAL PROTECÇÃO SOCIAL EM MOÇAMBIQUE Enquadramento, Políticas e Programas em Moçambique MAPUTO, 02 de Setembro de 2014 ESTRUTURA 1. Contexto 2.

Leia mais

EXPERIÊNCIA DE MOÇAMBIQUE NA IMPLEMENTAÇÃO DA SEGURANÇA SOCIAL BÁSICA

EXPERIÊNCIA DE MOÇAMBIQUE NA IMPLEMENTAÇÃO DA SEGURANÇA SOCIAL BÁSICA REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA MULHER E DA ACÇÃO SOCIAL EXPERIÊNCIA DE MOÇAMBIQUE NA IMPLEMENTAÇÃO DA SEGURANÇA SOCIAL BÁSICA 16 DE OUTUBRO DE 2013 1 CONTEXTO DE MOÇAMBIQUE Cerca de 23 milhões de

Leia mais

República de Moçambique Ministério da Saúde. Relatório sobre as Boas Práticas do SIS Moçambique

República de Moçambique Ministério da Saúde. Relatório sobre as Boas Práticas do SIS Moçambique República de Moçambique Ministério da Saúde Relatório sobre as Boas Práticas do SIS Moçambique Elaborado por: Drª Ercília de Almeida Junho de 2007 Introdução O sistema de informação de Saúde em Moçambique

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA PLANIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO. SÍNTESE DA 15 a SESSÃO PLENÁRIA DO OBSERVATÓRIO DE DESENVOLVIMENTO

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA PLANIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO. SÍNTESE DA 15 a SESSÃO PLENÁRIA DO OBSERVATÓRIO DE DESENVOLVIMENTO REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA PLANIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO SÍNTESE DA 15 a SESSÃO PLENÁRIA DO OBSERVATÓRIO DE DESENVOLVIMENTO Maputo, Abril de 2014 ÍNDICE I. INTRODUÇÃO... 3 II. TEMAS APRESENTADOS...

Leia mais

Estratégia de parceria global da IBIS 2012. Estratégia de parceria global da IBIS

Estratégia de parceria global da IBIS 2012. Estratégia de parceria global da IBIS Estratégia de parceria global da IBIS Aprovada pelo conselho da IBIS, Agosto de 2008 1 Introdução A Visão da IBIS 2012 realça a importância de estabelecer parcerias com diferentes tipos de organizações

Leia mais

DIÁLOGO NACIONAL SOBRE EMPREGO EM MOÇAMBIQUE

DIÁLOGO NACIONAL SOBRE EMPREGO EM MOÇAMBIQUE DIÁLOGO NACIONAL SOBRE EMPREGO EM MOÇAMBIQUE CRIAÇÃO DE EMPREGO NUM NOVO CONTEXTO ECONÓMICO 27-28 demarço de 2014, Maputo, Moçambique A conferência de dois dias dedicada ao tema Diálogo Nacional Sobre

Leia mais

FRÁGEIS E EM SITUAÇÕES DE FRAGILIDADE

FRÁGEIS E EM SITUAÇÕES DE FRAGILIDADE PRINCÍPIOS PARA UMA INTERVENÇÃO INTERNACIONAL EFICAZ EM ESTADOS PRINCÍPIOS - Março 2008 Preâmbulo Uma saída sustentável da pobreza e da insegurança nos Estados mais frágeis do mundo terá de ser conduzida

Leia mais

ANÚNCIO DE VAGA DESCRIÇÃO DO POSTO. Junho de 2012.

ANÚNCIO DE VAGA DESCRIÇÃO DO POSTO. Junho de 2012. ANÚNCIO DE VAGA DESCRIÇÃO DO POSTO Posição: Director Executivo Programa Inter Religioso Contra a Malária (PIRCOM) Projecto Academy for Educational Development/Communication for Change (C Change) Supervisor:

Leia mais

Reformas em curso no Sistema de Gestão e Informação do INAS em Moçambique

Reformas em curso no Sistema de Gestão e Informação do INAS em Moçambique Reformas em curso no Sistema de Gestão e Informação do INAS em Moçambique Contextualização Para a operacionalização dos Programas de Segurança Social Básica o MMAS conta com O Instituto Nacional de Acção

Leia mais

ACORDO DE PLANEAMENTO ESTRATÉGICO PARA O DESENVOLVIMENTO ENTRE O GOVERNO DE TIMOR-LESTE O GOVERNO DA AUSTRÁLIA. Novembro de 2011

ACORDO DE PLANEAMENTO ESTRATÉGICO PARA O DESENVOLVIMENTO ENTRE O GOVERNO DE TIMOR-LESTE O GOVERNO DA AUSTRÁLIA. Novembro de 2011 ACORDO DE PLANEAMENTO ESTRATÉGICO PARA O DESENVOLVIMENTO ENTRE O GOVERNO DE TIMOR-LESTE E O GOVERNO DA AUSTRÁLIA Novembro de 2011 Acordo de planeamento estratégico para o desenvolvimento Timor-Leste Austrália

Leia mais

«As organizações excelentes gerem, desenvolvem e libertam todo o potencial dos seus colaboradores ao nível individual, de equipa e organizacional.

«As organizações excelentes gerem, desenvolvem e libertam todo o potencial dos seus colaboradores ao nível individual, de equipa e organizacional. A melhoria não é um acontecimento pontual ( ) um processo que necessita de ser planeado, desenvolvido e concretizado ao longo do tempo em sucessivas vagas, produzindo uma aprendizagem permanente. De acordo

Leia mais

Normas para Brigadas Móveis (BM) (Primeiro Esboço)

Normas para Brigadas Móveis (BM) (Primeiro Esboço) República de Moçambique Ministério da Saúde Programa Alargado de Vacinação Normas para Brigadas Móveis (BM) (Primeiro Esboço) Introdução Logo após a introdução do Programa Alargado de vacinação nas unidades

Leia mais

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR Princípios aplicáveis ao desenvolvimento dos Sistemas de Gestão de Riscos e de Controlo Interno das Empresas de Seguros As melhores práticas internacionais na regulamentação

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA FUNÇÃO PÚBLICA MODELO CONCEPTUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DE DESEMPENHO

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA FUNÇÃO PÚBLICA MODELO CONCEPTUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DE DESEMPENHO REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA FUNÇÃO PÚBLICA MODELO CONCEPTUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DE DESEMPENHO 1 CONTEXTUALIZAÇÃO A Reforma do sector público em curso no país enquadra se na estratégia mais

Leia mais

Encontros do Observatório 2014 Pobreza Infantil

Encontros do Observatório 2014 Pobreza Infantil º Uma iniciativa: Com apoio: 1 Encontros do Observatório, 23 Maio 2014 1. Contextualização O Observatório de Luta contra a Pobreza na Cidade de Lisboa definiu como prioridade temática para 2014 a, problema

Leia mais

Portaria n.º 605/99, de 5 de Agosto Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro)

Portaria n.º 605/99, de 5 de Agosto Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro) Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro) O sistema de avaliação e autorização de introdução no mercado de medicamentos, que tem vindo

Leia mais

República de Moçambique. Plano Estratégico do Sistema Estatístico Nacional 2008-2012

República de Moçambique. Plano Estratégico do Sistema Estatístico Nacional 2008-2012 República de Moçambique Plano Estratégico do Sistema Estatístico Nacional 2008-2012 I. ENQUADRAMENTO O presente Plano Estratégico do Sistema Estatístico Nacional é, no quadro geral do planeamento do Governo,

Leia mais

PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE PROJECTO DE PROGRAMA DE TRABALHO 1998-1999 (Art. 5.2.b da Decisão Nº 1400/97/CE)

PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE PROJECTO DE PROGRAMA DE TRABALHO 1998-1999 (Art. 5.2.b da Decisão Nº 1400/97/CE) PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE PROJECTO DE PROGRAMA DE TRABALHO 1998-1999 (Art. 5.2.b da Decisão Nº 1400/97/CE) 1. INTRODUÇÃO As actividades da União Europeia no domínio da

Leia mais

Normas do CAD para a Qualidade da Avaliação

Normas do CAD para a Qualidade da Avaliação Rede de Avaliação do CAD Normas do CAD para a Qualidade da Avaliação (para aplicação em fase experimental) As normas em anexo são provisórias e foram aprovadas pelos membros da Rede de Avaliação do CAD,

Leia mais

FINANCIAMENTO AO NIVEL COOPERAÇÃO NO SECTOR SAÚDE: ASPECTOS CONTEMPORÁNEOS MAPUTO 13 DE OUTUBRO

FINANCIAMENTO AO NIVEL COOPERAÇÃO NO SECTOR SAÚDE: ASPECTOS CONTEMPORÁNEOS MAPUTO 13 DE OUTUBRO FINANCIAMENTO AO NIVEL DISTRITAL COOPERAÇÃO NO SECTOR SAÚDE: ASPECTOS CONTEMPORÁNEOS MAPUTO 13 DE OUTUBRO Estrutura da apresentação Que é o financiamento externo ao nível distrital? Por que é importante?

Leia mais

Porquê que a Guiné-Bissau necessita de uma Estratégia Nacional de Desenvolvimento de Estatística

Porquê que a Guiné-Bissau necessita de uma Estratégia Nacional de Desenvolvimento de Estatística Porquê que a Guiné-Bissau necessita de uma Estratégia Nacional de Desenvolvimento de Estatística Como podem as estatísticas nacionais contribuir aos avanços direccionados a satisfação das necessidades

Leia mais

ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Da Beira Interior A.1.a. Identificação

Leia mais

Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental

Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental Auditoria do Tribunal de Contas à Direcção Geral do Tesouro no âmbito da Contabilidade do Tesouro de 2000 (Relatório n.º 18/2002 2ª Secção) 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

República de Moçambique. Ministério Das Finanças

República de Moçambique. Ministério Das Finanças República de Moçambique Ministério Das Finanças CEDSIF Centro de Desenvolvimento de Sistemas de Informação de Finanças TERMOS DE REFERÊNCIA PARA O OBJECTO 1 E/OU OBJECTO 2 MAPUTO, Setembro de 2012 2 Introdução

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA SAÚDE

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA SAÚDE REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA SAÚDE ACTIVIDADES COLABORATIVAS TB/HIV EXPERIÊNCIA DE MOÇAMBIQUE 18ª Reunião do Núcleo do Grupo de Trabalho Global sobre TB/HIV e Seminário para intensificar a implementação

Leia mais

Consultoria Para Mapeamento os Actores e Serviços de Apoio as Mulheres Vitimas de Violência no País 60 dias

Consultoria Para Mapeamento os Actores e Serviços de Apoio as Mulheres Vitimas de Violência no País 60 dias TERMO DE REFERÊNCIA Consultoria Para Mapeamento os Actores e Serviços de Apoio as Mulheres Vitimas de Violência no País 60 dias 1. Contexto e Justificação O Programa conjunto sobre o Empoderamento da Mulher

Leia mais

O Voluntariado e a Protecção Civil. 1. O que é a Protecção Civil

O Voluntariado e a Protecção Civil. 1. O que é a Protecção Civil O Voluntariado e a Protecção Civil 1. O que é a Protecção Civil A 03 de Julho de 2006, a Assembleia da Republica publica a Lei de Bases da Protecção Civil, que no seu artigo 1º dá uma definição de Protecção

Leia mais

PROMOVENDO CIDADANIA PARA A MUDANÇA - PROCIMU

PROMOVENDO CIDADANIA PARA A MUDANÇA - PROCIMU PROMOVENDO CIDADANIA PARA A MUDANÇA - PROCIMU A IBIS Moçambique é uma Organização Não Governamental Dinamarquesa, com sede em Maputo que trabalha em Moçambique desde 1976. As áreas temáticas actuais da

Leia mais

Addis Ababa, ETHIOPIA P. O. Box 3243 Telephone 517 Fax: 517844

Addis Ababa, ETHIOPIA P. O. Box 3243 Telephone 517 Fax: 517844 SA11715 AFRICAN UNION UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA Addis Ababa, ETHIOPIA P. O. Box 3243 Telephone 517 Fax: 517844 MECANISMO REVISTO DE ACOMPANHAMENTO DA IMPLEMENTAÇÃO, MONITORIZAÇÃO E AVALIAÇÃO DO PLANO

Leia mais

Versão de 11 de Julho de 2013

Versão de 11 de Julho de 2013 Moçambique: Avaliação do Pessoal na Área de Saúde Materna e Neonatal Revisão Documental Sumário Executivo Com o apoio da H4+ High Burden Countries Initiative Preparado pelo: Secretariado e Grupo Técnico

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA, IOLANDA CINTURA SEUANE, MINISTRA DA MULHER E DA ACÇÃO SOCIAL DE MOÇAMBIQUE SOBRE O TEMA DESAFIOS DA PROTECÇÃO SOCIAL PARA ALCANÇAR A SEGURANÇA ALIMENTAR

Leia mais

Programa do X Governo Regional. Programa do X Governo dos Açores - Área da Saúde

Programa do X Governo Regional. Programa do X Governo dos Açores - Área da Saúde Programa do X Governo dos Açores - Área da Saúde Ponta Delgada, 26 de Novembro de 2008 6 Saúde A saúde é um factor essencial no desenvolvimento do bem-estar da população, e a qualidade neste sector aparece

Leia mais

Termos de Referência para Análise das Plataformas das Organizações da Sociedade Civil que trabalham na gestão de recursos naturais em Moçambique

Termos de Referência para Análise das Plataformas das Organizações da Sociedade Civil que trabalham na gestão de recursos naturais em Moçambique Termos de Referência para Análise das Plataformas das Organizações da Sociedade Civil que trabalham na gestão de recursos naturais em Moçambique I. Introdução Nos últimos anos, uma das principais apostas

Leia mais

CARTA DAS ONGD EUROPEIAS

CARTA DAS ONGD EUROPEIAS CARTA DAS ONGD EUROPEIAS Princípios Básicos do Desenvolvimento e da Ajuda Humanitária das ONGD da União Europeia O Comité de Liaison das ONG de Desenvolvimento da UE O Comité de Liaison ONGD-UE representa,

Leia mais

O Relatório da OCDE: A avaliação do sistema de ensino superior em Portugal. Lisboa, 13 de Dezembro de 2006

O Relatório da OCDE: A avaliação do sistema de ensino superior em Portugal. Lisboa, 13 de Dezembro de 2006 O Relatório da OCDE: A avaliação do sistema de ensino superior em Portugal Lisboa, 13 de Dezembro de 2006 O relatório de avaliação do sistema de ensino superior em Portugal preparado pela equipa internacional

Leia mais

COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA

COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA PLANO ESTRATÉGICO DE COOPERAÇÃO EM SAÚDE DA CPLP (PECS/CPLP) 2009-2012 Maio de 2009 Página 1 de 20 ÍNDICE 1. CONTEXTUALIZAÇÃO 3 2. OBJECTIVOS 4 3. DIRECTRIZES

Leia mais

República de Moçambique Ministério das Finanças Direcção Nacional do Tesouro PROGRAMA DE GESTÃO DE FINANÇAS PÚBLICAS ORIENTADO PARA RESULTADOS (GFPR)

República de Moçambique Ministério das Finanças Direcção Nacional do Tesouro PROGRAMA DE GESTÃO DE FINANÇAS PÚBLICAS ORIENTADO PARA RESULTADOS (GFPR) República de Moçambique Ministério das Finanças Direcção Nacional do Tesouro PROGRAMA DE GESTÃO DE FINANÇAS PÚBLICAS ORIENTADO PARA RESULTADOS (GFPR) Título da atribuição: TERMOS DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO

Leia mais

256 I SÉRIE NÚMERO 29

256 I SÉRIE NÚMERO 29 256 I SÉRIE NÚMERO 29 Diploma Ministerial n.º 130/2006 de 19 de Julho Constituindo o processo de participação pública um procedimento de grande importância na avaliação do impacto ambiental e principal

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO CONSULTOR NACIONAL OPAS/OMS

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO CONSULTOR NACIONAL OPAS/OMS TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO CONSULTOR NACIONAL OPAS/OMS 1. Objetivo geral: Apoiar tecnicamente a gestão e a implementação das atividades do Termo de Cooperação 78 - Expansão da Estratégia Stop

Leia mais

Avaliação Externa Final. Relatório de Avaliação

Avaliação Externa Final. Relatório de Avaliação 1 Avaliação Externa Final Relatório de Avaliação Projecto Incremento do acesso e a qualidade dos cuidados de saúde primários através do fortalecimento dos serviços nacionais de saúde, priorizando o âmbito

Leia mais

Reabilitação do Sistema de Abastecimento de Água de Luena

Reabilitação do Sistema de Abastecimento de Água de Luena E1819 V6 Reabilitação do Sistema de Abastecimento de Água de Luena REHABILITATION OF LUENA WATER SUPPLY SYSTEM PGA PLANO DE GESTÃO AMBIENTAL (PGA) ENVIRONMENTAL MANAGEMENT PLAN (EMP) Adjudicante: Financial

Leia mais

ANTE PROJECTO DA PROPOSTA DE LEI DE BASES DO PLANEAMENTO ECONÓMICO E SOCIAL. CAPITULO I Princípios Gerais e Objectivos.

ANTE PROJECTO DA PROPOSTA DE LEI DE BASES DO PLANEAMENTO ECONÓMICO E SOCIAL. CAPITULO I Princípios Gerais e Objectivos. Nota explicativa O actual quadro jurídico do planeamento económico e social, aprovado pela Lei nº 52/II/85, de 10 de Janeiro, encontra-se desactualizado face à nova realidade jurídica, política, económica

Leia mais

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE Adoptada pelos Ministros da Saúde e Ministros do Ambiente na Segunda Conferência Interministerial sobre Saúde e

Leia mais

XXVIII. Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE

XXVIII. Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE XXVIII Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE 1. Sistema de gestão de qualidade... 2 1.1 Objectivos do sistema... 2 1.2 Estrutura organizativa... 4 1.2.1 Organização interna... 4 1.2.2 Estrutura

Leia mais

NND 05.10. Gestão de Informação

NND 05.10. Gestão de Informação NND 05.10 Normas Nacionais de Desminagem Gestão de Informação Instituto Nacional de Desminagem (IND) Maputo, Moçambique Telefone: +258 1 418577/8; +258 82 3023650; 258 82 3023470 Fax: +258 1 418577 Email:

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE COMISSÃO INTERMINISTERIAL DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. Resolução nº /2015

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE COMISSÃO INTERMINISTERIAL DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. Resolução nº /2015 REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE COMISSÃO INTERMINISTERIAL DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Resolução nº /2015 Havendo necessidade de aprovar o estatuto orgânico do Ministério da Ciência e Tecnologia, Ensino Superior e

Leia mais

A Estrategia de Desenvolvimento Rural e o Programa de Promoção do Uso dos Recursos Naturais para o Desenvolvimento

A Estrategia de Desenvolvimento Rural e o Programa de Promoção do Uso dos Recursos Naturais para o Desenvolvimento REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO ESTATAL Direcção Nacional de Promoção do Desenvolvimento Rural A Estrategia de Desenvolvimento Rural e o Programa de Promoção do Uso dos Recursos Naturais

Leia mais

1. SUMÁRIO EXECUTIVO 2. GERAÇÃO BIZ

1. SUMÁRIO EXECUTIVO 2. GERAÇÃO BIZ 1. SUMÁRIO EXECUTIVO O Programa Geração Biz (PGB) é um programa de promoção de Saúde Sexual e Reprodutiva e prevenção do HIV que teve o seu inicio em 1999, como um projectopiloto na Cidade de Maputo e

Leia mais

ACEF/1314/21732 Relatório final da CAE

ACEF/1314/21732 Relatório final da CAE ACEF/1314/21732 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Universidade De Lisboa A.1.a. Outras Instituições

Leia mais

a) Situação-problema e/ou demanda inicial que motivou e/ou requereu o desenvolvimento desta iniciativa;

a) Situação-problema e/ou demanda inicial que motivou e/ou requereu o desenvolvimento desta iniciativa; TÍTULO DA PRÁTICA: PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS CASOS DE TUBERCULOSE DO DISTRITO SANITÁRIO CENTRO 2011: apresentação regular dos dados de tuberculose as unidades do Distrito Sanitário Centro CÓDIGO DA PRÁTICA:

Leia mais

Workshop on Health Workforce Policy Development for Portuguese Speaking Countries. Sandton, South Africa 17-21/10/ 2005

Workshop on Health Workforce Policy Development for Portuguese Speaking Countries. Sandton, South Africa 17-21/10/ 2005 República de Angola Ministério da Saúde Direcção Nacional de Recursos Humanos Workshop on Health Workforce Policy Development for Portuguese Speaking Countries Sandton, South Africa 17-21/10/ 2005 1 Angola

Leia mais

Como construir uma DLA?

Como construir uma DLA? Como construir uma DLA? Conteúdo Como construir uma DLA?... 2 Introdução... 2 Metodologia DLA... 3 1.Preparação da DLA... 3 2.Planeamento da DLA... 6 2.1. Avaliação do estado actual... 6 2.3. Desenvolvimento

Leia mais

Carta de Segurança da Informação

Carta de Segurança da Informação Estrutura Nacional de Segurança da Informação (ENSI) Fevereiro 2005 Versão 1.0 Público Confidencial O PRESENTE DOCUMENTO NÃO PRESTA QUALQUER GARANTIA, SEJA QUAL FOR A SUA NATUREZA. Todo e qualquer produto

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA CONSULTOR NACIONAL OPAS/OMS

TERMO DE REFERÊNCIA CONSULTOR NACIONAL OPAS/OMS TERMO DE REFERÊNCIA CONSULTOR NACIONAL OPAS/OMS 1.Objetivo geral: Apoiar tecnicamente a gestão e implementação das atividades dos Projetos de Fortalecimento da Assistência Farmacêutica (Termo de Cooperação

Leia mais

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos. Gestão da Qualidade 2005

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos. Gestão da Qualidade 2005 ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos Gestão da Qualidade 2005 Estrutura da Norma 0. Introdução 1. Campo de Aplicação 2. Referência Normativa 3. Termos e Definições 4. Sistema de Gestão

Leia mais

1. INTRODUÇÃO 2. ANÁLISE ESTRATÉGICA

1. INTRODUÇÃO 2. ANÁLISE ESTRATÉGICA CADERNO FICHA 11. RECUPERAÇÃO 11.4. OBJECTIVOS ESTRATÉGICOS O presente documento constitui uma Ficha que é parte integrante de um Caderno temático, de âmbito mais alargado, não podendo, por isso, ser interpretado

Leia mais

Curso Geral de Gestão. Pós Graduação

Curso Geral de Gestão. Pós Graduação Curso Geral de Gestão Pós Graduação Curso Geral de Gestão Pós Graduação Participamos num processo acelerado de transformações sociais, políticas e tecnológicas que alteram radicalmente o contexto e as

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE UM CONSULTOR PARA PRESTAR APOIO ÀS ACTIVIDADES ELEITORAIS EM MOÇAMBIQUE

TERMOS DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE UM CONSULTOR PARA PRESTAR APOIO ÀS ACTIVIDADES ELEITORAIS EM MOÇAMBIQUE TERMOS DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE UM CONSULTOR PARA PRESTAR APOIO ÀS ACTIVIDADES ELEITORAIS EM MOÇAMBIQUE Local de trabalho: Maputo, Moçambique Duração do contrato: Três (3) meses: Novembro 2011

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE. Câmara Municipal do Funchal. Divisão de Atendimento e Informação

MANUAL DA QUALIDADE. Câmara Municipal do Funchal. Divisão de Atendimento e Informação Câmara Municipal do Funchal Divisão de Atendimento e Informação INDICE Promulgação Âmbito Exclusões Hierarquia da documentação do Sistema de Gestão da Qualidade Política da Qualidade Missão e Visão Apresentação

Leia mais

H SS -SMT BOLETIM INFORMATIVO. Editorial. religiosas e comunitárias encontram-se também envolvidos.

H SS -SMT BOLETIM INFORMATIVO. Editorial. religiosas e comunitárias encontram-se também envolvidos. The Clinical HIV/AIDS Services Strengthening Project in Sofala, Manica and Tete Edição nº2 Junho de 2012 Editorial Um dos desafios que Moçambique enfrenta por forma a melhorar os serviços clínicos e de

Leia mais

Elaboração de Planos Estratégicos gerais de Formação de quadros de funcionarios municipais

Elaboração de Planos Estratégicos gerais de Formação de quadros de funcionarios municipais TERMOS DE REFERÊNCIA Elaboração de Planos Estratégicos gerais de Formação de quadros de funcionarios municipais 1. ANTECEDENTES A Fundação IEPALA tem assinado com a Agencia Espanhola de Cooperação Internacional

Leia mais

Regulamento Interno do Secretariado Técnico de Segurança Alimentar e Nutricional (SETSAN)

Regulamento Interno do Secretariado Técnico de Segurança Alimentar e Nutricional (SETSAN) 670 I SÉRIE NÚMERO 76 do artigo 25 da Lei n.º 14/2002, de 26 de Junho, Lei de Minas, o Conselho de Ministros determina: Artigo 1. São aprovados os termos do Contrato Mineiro, para a mina de carvão do Projecto

Leia mais

PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT. Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto

PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT. Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto 1 - O presente Decreto-Lei estabelece o regime jurídico da carreira dos

Leia mais

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas À semelhança do que acontece nas sociedades contemporâneas mais avançadas, a sociedade portuguesa defronta-se hoje com novos e mais intensos

Leia mais

Jornadas da Medicus Mundi: Coordenação no Pais do Fundo Global. Kate Brownlow membro do MCP/NAIMA+

Jornadas da Medicus Mundi: Coordenação no Pais do Fundo Global. Kate Brownlow membro do MCP/NAIMA+ Jornadas da Medicus Mundi: Cooperação no Sector Saúde em Moçambique: Aspectos Contemporâneos Funcionamento do Mecanismo de Coordenação no Pais do Fundo Global Kate Brownlow membro do MCP/NAIMA+ O que é

Leia mais

SITUAÇÃO DA TUBERCULOSE NAS FAA

SITUAÇÃO DA TUBERCULOSE NAS FAA Forças Armadas Angolanas Estado Maior General Direcção dos Serviços de Saúde SITUAÇÃO DA TUBERCULOSE NAS FAA Capitão de M. Guerra/ Médico Isaac Francisco Outubro/2014 Caracterização de Angola Capital:

Leia mais

ACEF/1213/23052 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1213/23052 Relatório preliminar da CAE ACEF/1213/23052 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: ISCTE - Instituto Universitário de Lisboa

Leia mais

QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS

QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS I Os cinco domínios 1. Resultados 2. Prestação do serviço educativo 3. Organização e gestão escolar 4. Liderança 5. Capacidade de auto-regulação

Leia mais

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora:

Leia mais

Apreciação Conjunta de Estratégias e Planos Nacionais de Saúde

Apreciação Conjunta de Estratégias e Planos Nacionais de Saúde Apreciação Conjunta de Estratégias e Planos Nacionais de Saúde Instrumento de Apreciação Conjunta: Os atributos de una Estratégia nacional solida Versão 2: Setembro de 2011 Informação complementar em:

Leia mais

O seu Guia Rápido da Abordagem Harmonizada de Transferência de Dinheiro aos Parceiros de implementação

O seu Guia Rápido da Abordagem Harmonizada de Transferência de Dinheiro aos Parceiros de implementação Bureau des Fonds et Programmes des Nations Unies au Cap Vert O seu Guia Rápido da Abordagem Harmonizada de Transferência de Dinheiro aos Parceiros de implementação O que é a Abordagem Harmonizada de Transferência

Leia mais

REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017

REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017 REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017 Adão Augusto, Consultor 12-02-2015 1. Contextualização. Os projectos sociais fazem parte de um sistema complexo de relações que envolvem

Leia mais

Regulamento Interno PREÂMBULO

Regulamento Interno PREÂMBULO Regulamento Interno PREÂMBULO O Município de Beja enquanto promotor local de políticas de protecção social, desempenha um papel preponderante na elaboração de estratégias de desenvolvimento social e na

Leia mais

Propriedade, Prestação de Contas e Sustentabilidade na Resposta de VIH/SIDA, Tuberculose e Malária em África: Passado, Presente e o Futuro

Propriedade, Prestação de Contas e Sustentabilidade na Resposta de VIH/SIDA, Tuberculose e Malária em África: Passado, Presente e o Futuro SA10179 AFRICAN UNION UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA CIMEIRA ESPECIAL DA UNIÃO AFRICANA SOBRE O VIH/SIDA, TUBERCULOSE E MALÁRIA 12-16 DE JULHO DE 2013 ABUJA, NIGÉRIA Tema: Propriedade, Prestação de Contas

Leia mais

Manual do Ensino Aprendizagem SIGAQUIPAM

Manual do Ensino Aprendizagem SIGAQUIPAM Manual do Ensino Aprendizagem SIGAQUIPAM Índice Preambulo... 3 ÁREA (ii) APRENDIZAGENS E APOIO AOS ESTUDANTES... 5 1. ASSESSMENT/AVALIAÇÃO... 7 2. IMPROVEMENT/MELHORIA... 7 3. ENGAGEMENT/COMPROMISSO/GARANTIA...

Leia mais

ACEF/1112/20852 Relatório final da CAE

ACEF/1112/20852 Relatório final da CAE ACEF/1112/20852 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Fundação Minerva - Cultura - Ensino E Investigação

Leia mais

CEF/0910/26931 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/26931 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/26931 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Centro

Leia mais

Temas: Recomendações: Observações:

Temas: Recomendações: Observações: TI12653 CONFERÊNCIA DA UA DOS MINISTROS DA INDÚSTRIA (CAMI) Recomendações da 18 a Sessão Ordinária da Conferência dos Ministros da Indústria da UA (CAMI 18) a Nível de Altos Funcionários Durban, República

Leia mais

QUAIS INSTRUMENTOS SÃO USADOS NO MONITORAMENTO DE PROGRAMAS SOCIAIS?

QUAIS INSTRUMENTOS SÃO USADOS NO MONITORAMENTO DE PROGRAMAS SOCIAIS? COMO SE FAZ NO BRASIL: PRINCIPAIS INSTRUMENTOS DE MONITORAMENTO DE PROGRAMAS SOCIAIS COMO SE FAZ O MONITORAMENTO? O monitoramento de programas envolve as seguintes etapas:» 1ª etapa: Coleta regular de

Leia mais

Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público. Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio

Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público. Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio Tendo em conta a história económica do nosso País após a independência, a propriedade pública ainda ocupa um lugar muito

Leia mais

DESCRIÇÃO DO TRABALHO. Directora Nacional, WWF Moçambique

DESCRIÇÃO DO TRABALHO. Directora Nacional, WWF Moçambique DESCRIÇÃO DO TRABALHO Título de posição: Responde a: Supervisiona: Localização: Gestor de Comunicação Directora Nacional, WWF Moçambique Todo pessoal de comunicações Maputo, Moçambique Data: 19 de Agosto

Leia mais

ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Do Minho A.1.a. Identificação

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA PLANIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA PLANIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MINISTÉRIO DAS FINANÇAS REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA PLANIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MINISTÉRIO DAS FINANÇAS Orientações e Metodologia para a Elaboração das Propostas de: Plano Económico e Social e Orçamento do Estado

Leia mais

República de Moçambique

República de Moçambique República de Moçambique Nota Conceitual da FIEI 2013 Ponto de negócio e oportunidade de investimento Maputo Contexto Quadro orientador O Programa Quinquenal do Governo (PQG) prevê no âmbito do Vector Económico

Leia mais

Como elaborar um Plano de Negócios de Sucesso

Como elaborar um Plano de Negócios de Sucesso Como elaborar um Plano de Negócios de Sucesso Pedro João 28 de Abril 2011 Fundação António Cupertino de Miranda Introdução ao Plano de Negócios Modelo de Negócio Análise Financeira Estrutura do Plano de

Leia mais