20ª OFICINA DE PLANEJAMENTO QUALIFAR-SUS EIXO ESTRUTURA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "20ª OFICINA DE PLANEJAMENTO QUALIFAR-SUS EIXO ESTRUTURA"

Transcrição

1 QUALIFAR-SUS 20ª OFICINA DE PLANEJAMENTO QUALIFAR-SUS EIXO ESTRUTURA COORDENAÇÃO GERAL DE ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA BÁSICA DEPARTAMENTO DE ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA E INSUMOS ESTRATÉGICOS SECRETARIA DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INSUMOS ESTRATÉGICOS MINISTÉRIO DA SAÚDE São Paulo, 3 de dezembro de 2012

2 AGENDA Apresentação Programa Nacional de Qualificação da Assistência Farmacêutica no SUS(QUALIFAR-SUS) Marco regulatório Eixos Eixo Estrutura para os municípios do Plano Brasil Sem Miséria Objetivo, marco regulatório Resultados Apoio Estruturação dos serviços farmacêuticos na atenção básica dos municípios do Plano Brasil Sem Miséria Eixo Estrutura Estratégias de apoio ao planejamento das ações de estruturação Orientações Técnicas Oficinas presenciais nos estados Reuniões Videoconferências Equipe de Apoiadores Institucionais Centralizado e Descentralizado do MS e-car Monitoramento HÓRUS ou Sistemas Próprios PMAQ

3 FINANCIAMENTO. 10 bilhões 9 bilhões 8 bilhões 7 bilhões 6 bilhões 5 bilhões 4 bilhões 3 bilhões 2 bilhões bilhão Evolução orçamentária dos gastos com medicamentos. DAF/SCTIE/MS Fonte: Fundo Nacional de Saúde FNS e CGPLAN/SCTIE/MS Atualizado: 31/01/2012

4 FINANCIAMENTO. Percentual de gastos com medicamentos em relação ao orçamento total do Ministério da Saúde Fonte: Fundo Nacional de Saúde FNS e CGPLAN/SCTIE/MS OBS: Em 2009 houve acréscimo orçamentário ref. ao crédito extraordinário para H1N1 Atualizado: 31/01/2012

5 CONTEXTO Educação Ano CURSO Fitoterapia para Médicos do SUS (EAD) Seleção Racional de Medicamentos e Boas Práticas de Prescrição Médica e Odontológica (EAD) Especialização em gestão da Assistência Farmacêutica (EAD) Sistema Nacional de Gestão da Assistência Farmacêutica HÓRUS (EAD) Farmacêuticos na APS: construindo uma relação integral (EAD) Cursos de Pós-graduação lato sensu em gestão da assistência farmacêutica (presencial) Mestrado profissionalizante em Gestão da Assistência Farmacêutica Especialização em Gestão Pública da Assistência Farmacêutica Especialização em Farmácia Hospitalar * Investimento superior a R$ ,00 * Oferta de mais de 5000 vagas

6 CONTEXTO Elaboração de documentos técnicos Ano Publicação 2011 Temas Selecionados - Condutas Baseadas em Evidências sobre Medicamentos Utilizados em Atenção Primária à Saúde 2011 Prêmio Nacional de Incentivo à Promoção do Uso Racional de Medicamentos 2009 resumos dos trabalhos publicados 2010 Relação Nacional de Medicamentos Essenciais RENAME Formulário Terapêutico Nacional 2010 RENAME Da excepcionalidade às linhas de cuidado: o Componente Especializado da Assistência Farmacêutica 2009 Assistência Farmacêutica no NASF Diretrizes do NASF- Cadernos de Atenção Básica nº Diretrizes para estruturação de farmácias no âmbito do Sistema Único de Saúde 2009 Programa Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos 2008 Programa farmácia popular do Brasil: manual de informações às unidades credenciadas: sistema de copagamento 2008 Formulário Terapêutico Nacional 2008 RENAME Relação Nacional de Medicamentos Essenciais - RENAME O Ensino e as Pesquisas da Atenção Farmacêutica no Âmbito do SUS 2007 Temas Selecionados - Evidências existentes em relação a determinados medicamentos 2006 A fitoterapia no SUS e o programa de pesquisas de plantas medicinais da Central de Medicamentos 2006 Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos 2006 Relação Nacional de Medicamentos Essenciais RENAME Aquisição de Medicamentos para Assistência Farmacêutica no SUS 2006 Assistência Farmacêutica na Atenção Básica instruções técnicas 2006 Planejar é preciso: uma proposta de método para aplicação à assistência farmacêutica

7 CONTEXTO Elaboração de documentos técnicos

8 CONTEXTO Informação 2005 a Análise dos Sistemas Municipais Elaboração do Projeto Implantação do Projeto Expansão: Projeto e Implantação Resultados: Projeto e Implantação Visita para conhecer a solução do município de Recife; Apoio financeiro para aprimoramento da solução criada pelo município de Recife. Adequações na solução de Recife; Transferência tecnologia ao MS; Lançamento HÓRUS; Elaboração e disponibilização do site do HÓRUS no portal da saúde; Disponibilização: 1ª fase de adesão ao HÓRUS - municípios. Municípios pilotos (indicação CONASEMS); Disponibilização: 2ª a 4ª fase de adesão HÓRUS - municípios; Oficialização na Portaria 4217/2010; Inicio do Projeto web service; Inicio do Projeto BI; Apoio institucional descentralizado (Alagoas). Curso EAD; Ampliação Apoio institucional descentralizado; Disponibilização das fases de adesão para os estados (Piloto: Alagoas); Links municípios < habitantes; Divulgação relatos experiências exitosas municípios; Projeto service; Projeto BI. web Inserção apoiadores na Estratégia de Apoio Integrado MS; Apresentação relatos experiências exitosas municípios eestados; QUALISUS-Redes; Projeto Indígena Projeto service; Projeto BI HÓRUS web

9 CENÁRIO DA AF NA ATENÇÃO BÁSICA Quadro 1 Descrição das constatações apontadas pela CGU relativas aos pontos críticos observados na assistência farmacêutica prestada em Unidades de Saúde. Constatação (29º e 30º Sorteios Públicos) Nº Município % (n = 116) Controle de estoque deficiente/inexistente 85 73,28 Falta de medicamentos 32 27,59 Condições inadequadas de armazenamento 51 43,97 Medicamentos vencidos ou com validade próxima da data 29 25,00 de vencimento Não-comprovação dos gastos com recurso do programa 14 12,07 Contrapartida Estadual e/ou Municipal em desacordo com o pactuado na Comissão Intergestores Bipartite (CIB) Inobservância aos procedimentos referentes ao processo licitatório Aquisição de medicamentos com preço superior ao praticado no Banco de Preços/MS e/ou em outras fontes de consulta , , ,59 Fraude em processo licitatório 09 7,76 Fonte: CGU (2010)

10 CENÁRIO DA AF NA ATENÇÃO BÁSICA Achados de Auditorias nos 10 Estados Omissão dos governos estaduais na coordenação e orientação dos municípios; Falta de planejamento da assistência farmacêutica; Falta de critérios técnicos na seleção de medicamentos; Programação inadequada das compras de medicamentos; Condições inadequadas de armazenamento dos medicamentos; Falta de controle no fluxo de medicamentos; Atuação deficiente do MS na coordenação e controle dos recursos repassado Fonte: Acórdão TCU 1459/2011

11 CENÁRIO DA AF NA ATENÇÃO BÁSICA ESTRUTURA DA ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA *N=1314 municípios Fonte: BI-HÓRUS

12 CENÁRIO DA AF NA ATENÇÃO BÁSICA GESTÃO DA ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA *N=1314 municípios Fonte: BI-HÓRUS

13 CENÁRIO DA AF NA ATENÇÃO BÁSICA SISTEMAS INFORMATIZADOS EM GESTÃO DA AF *N=1314 municípios Fonte: BI-HÓRUS

14 DESAFIO Superar a fragmentação das ações e serviços no campo da Assistência Farmacêutica, avançando conjuntamente na perspectiva das Redes de Atenção a Saúde (RAS), que buscam responder, de forma organizada e integrada, às demandas de saúde da população brasileira. Consideramos, que o modelo vigente no campo da Assistência Farmacêutica que ainda valoriza apenas a disponibilidade do medicamento não atende às necessidades propostas pelas RAS.

15 INSTITUI E REGULAMENTA QUALIFAR-SUS O Programa Nacional de Qualificação da Assistência Farmacêutica no SUS tem por finalidade contribuir para o processo de aprimoramento, implementação e integração sistêmica das atividades da Assistência Farmacêutica nas ações e serviços de saúde, visando a uma atenção contínua, integral, segura, responsável e humanizada.

16 QUALIFAR-SUS Marco Regulatório

17 EIXOS DO QUALIFAR-SUS Eixo Cuidado Eixo Estrutura Eixo Educação Eixo Informação

18 EIXOS QUALIFAR-SUS

19 EIXO EDUCAÇÃO 2013 Especialização em gestão da Assistência Farmacêutica(EAD) Farmacêuticos na APS: construindo uma relação integral (EAD) Curso de Qualificação de profissionais da Assistência Curso de Qualificação de profissionais da Assistência Farmacêutica e a utilização do Sistema Nacional de Gestão da Assistência Farmacêutica HÓRUS(EAD)

20 EIXO INFORMAÇÃO BD HÓRUS (Básico) Base Nacional de dados das ações e serviços da AF NO SUS Fontes de Dados Base Nacional de dados das ações e serviços da A.F (BI) Entrega da Informação Ger. Desemp. da AF BD HÓRUS (Estratégico) BD HÓRUS (Especializado) DATA WAREHOUSE Ferramenta Fácil de Usar Análises da AF BD FARMACIA POPULAR DATA Mining (mineração de dados) Dispositivos Relatórios Sistema não HÓRUS PACTUADA NA CIT DE 18 DE OUTUBRO DE 2012

21 EIXO INFORMAÇÃO Fontes de Dados Base Nacional de dados das ações e serviços da A.F (BI) BD HÓRUS (Básico) DATA WAREHOUSE Sistemas não HÓRUS 1ª Etapa: Municípios habilitados no QUALIFAR-SUS 2ª Etapa: Demais, conforme cronograma pactuado em 2013

22 EIXO ESTRUTURA Transferência de recurso financeiro para a estruturação dos serviços farmacêuticos em 20% dos municípios do BSM até mil habitantes(n= 453 municípios) PMAQ SAS/DAB QUALIFAR SUS SCTIE/DAF Atenção Básica REQUALIFICA UBS SAS/DAB Aprovada Meta Específica COAP 8.2 Critérios de priorização: PMAQ/REQUALIFICA/HÓRUS

23 EIXO ESTRUTURA ESTRUTURAÇÃO DOS SERVIÇOS FARMACÊUTICOS DA ATENÇÃO BÁSICA EM 20% DOS MUNICÍPIOS DO BSM Promover a estruturação das Centrais de Abastecimento Farmacêutico(CAF) e das Farmácias na atenção básica, no que se refere a equipamentos e mobiliários mínimos considerados compatíveis com as atividades a serem desenvolvidas na gestão da assistência farmacêutica Meta Específica COAP

24 Distribuição dos municípios do BSM segundo faixa populacional e região do país N= municípios do BSM

25 EIXO ESTRUTURA PARA OS MUNICÍPIOS DO BSM PROJEÇÃO DA ESTRUTURAÇÃO DOS SERVIÇOS FARMACÊUTICOS NA ATENÇÃO BÁSICA NOS MUNICIPIOS DO PLANO BRASIL SEM MISÉRIA

26 PROCESSO DE INSCRIÇÃO Período de 14 de junho a 13 de julho de 2012 Inscrições na página

27 RESULTADO QUALIFAR-SUS 2012 QUALIFAR-SUS 2012 REGIÃO Norte Nordeste Sul Sudeste Centro- Oeste INSCRITOS SELECIONADOS TOTAL DE INSCRITOS: SELECIONADOS: 453

28 RECURSO EIXO ESTRUTURA QUALIFAR-SUS Recurso Capital Aquisição de equipamentos e mobiliários para CAF e farmácia R$ ,00 para municípios até 25 mil habitantes R$ ,00 para municípios de 25 a 50 mil habitantes REPASSE FUNDO A FUNDO* R$33.600,00 para municípios de 50 a 100 mil habitantes Recurso Custeio Manutenção dos Serviços Farmacêuticos R$ ,00/ano *A fonte de recurso deverá onerar a Ação Orçamentária 20AH do PPA vigente, estando previstos para o ano 2012, o valor global de R$ 17 milhões

29 RESULTADO QUALIFAR-SUS 2012 REGIÃO NORTE REGIÃO SUDOSTE Estado Elegíveis Realizaram a Inscrição Selecionados Espírito Santo Minas Gerais Rio de Janeiro São Paulo

30 REPASSE DO RECURSO

31 QUALIFAR-SUS SÃO PAULO Distribuição dos 38 municípios paulistas contemplados pelo Eixo Estrutura:

32 QUALIFAR-SUS EIXO ESTRUTURA 2012

33 ESTRATÉGIAS DE APOIO Disponível no site Orientações técnicas sobre o planejamento e monitoramento do recurso do Eixo Estrutura

34 ESTRATÉGIAS DE APOIO

35 ESTRATÉGIAS DE APOIO Oficinas nos Estados Reuniões por Videoconferências Objetivo: Apoiar os municípios na estruturação dos serviços farmacêuticos Eixo Estrutura do QUALIFAR-SUS.

36 AGENDA OFICINAS DATA ESTADO LOCAL N MUNICÍPIOS 22/10 ES Vitória 8 25/10 RJ Rio de Janeiro 9 26/10 CE Fortaleza 78 1/11 PI Teresina 11 1/11 RR/RO/AM/AP Brasília* 9 6/11 MT/MS/SC Brasília* 14 7/11 PE Recife 13 7/11 AL Maceió 8/11 AL Arapiraca 25 9/11 PR Curitiba** 34 9/11 GO Goiás 9 13/11 ABERTA Brasília* 14/11 RS Porto Alegre 9 20/11 BA Salvador 54 21/11 AC Porto Velho 5 21 e 22/11 PB João Pessoa 38 22/11 PA Belém 19 27/11 TO Palmas 19 30/11 MG Pedra Azul 18 03/12 SP São Paulo 38 06/12 RN Natal 39 *Videoconferência -Os municípios poderão participar nos DATASUS regionais ou assistir via web pelo tempo real **Os municípios poderão participar nas regionais de saúde do estado

37 ESTRATÉGIAS DE APOIO Equipe de Apoiadores Institucionais Centralizado e Descentralizado do MS Objetivo: Fortalecer a relação com estados e municípios na lógica da cooperação e solidariedade, construindo uma rede de apoio e cooperação técnica entre os gestores das três esferas de governo. Os apoiadores da CGAFB/DAF irão auxiliar os municípios habilitados no eixo estrutura do QUALIFAR-SUS, de forma a contribuir para a estruturação dos serviços farmacêuticos na Atenção Básica.

38 Apoiadores dos Estados de Minas Gerais Estado Apoiadora Apoiadora Descentralizada MG SP SP Kelli Brunna Dias Amaral Kelli Dias Estado SP Apoiadora Centralizada Alessandra Figueiredo

39 ESTRATÉGIA DE APOIO AO PLANEJAMENTO e-car Cadastro no E-CAR Realizado de forma centralizada pelo DEMAS/SE após o recebimento dos dados cadastrais dos representantes das entidades PERFIS DE ACESSO: Perfil1:ediçãoevisualizaçãodaaçãodoseumunicípio Representantes dos municípios habilitados Responsabilidade: alimentação dos dados relativos ao planejamento e execução da ação do seu município Perfil 2: visualização das ações dos municípios do estado Representantes do COSEMS/Coordenação Estadual de Assistência Farmacêutica Apoiador institucional do MS do estado(s) Responsabilidade: apoiar o planejamento e implantação da ação nos municípios do seu estado

40 ESTRATÉGIA DE APOIO AO PLANEJAMENTO Cadastro no E-CAR Perfil 3: visualização de todas as ações dos municípios do QUALIFAR- SUS Representantes do Ministério da Saúde - CGAFB/DAF/SCTIE Representante do CONASS/CONASEMS Responsabilidade: apoiar o planejamento e a implantação da ações nos municípios Acesso: Domínio a ser definido Usuário: Senha: qualifarsus Troca de senha no 1º acesso

41 CICLOS DE MONITORAMENTO 1º CICLO Fase 1:Parecer técnico-caracterização dos serviços farmacêuticos na atenção básica e necessidades de estruturação Fase 2:Cadastro de ações, metas de estruturação e cronograma de execução PRAZO TÉRMINO 1º CICLO: até final de março/2013 2º CICLO Monitoramento das ações, metas e cronograma de execução

42 FERRAMENTA DE APOIO AO PLANEJAMENTO

43 FERRAMENTA DE APOIO AO PLANEJAMENTO

44 FERRAMENTA DE APOIO AO PLANEJAMENTO 1ª CICLO Planejamento das ações de estruturação Fase 1: Parecer técnico contendo: Caracterização dos serviços farmacêuticos da atenção básica do município e análise das necessidades de estruturação

45 FERRAMENTA DE APOIO AO PLANEJAMENTO

46 FERRAMENTA DE APOIO AO PLANEJAMENTO

47 FERRAMENTA DE APOIO AO PLANEJAMENTO 1º PASSO Acessar a planilha auxiliar de diagnóstico

48 FERRAMENTA DE APOIO AO PLANEJAMENTO 2º PASSO Utilizar a planilha auxiliar e realizar o diagnóstico em todos os serviços de atenção básica do município

49 FERRAMENTA DE APOIO AO PLANEJAMENTO 3º PASSO Preencher a planilha com os dados consolidados do diagnóstico em todos os serviços de atenção básica do município e anexar no formulário eletrônico

50 FERRAMENTA DE APOIO AO PLANEJAMENTO 4º PASSO Preencher os dados consolidados da planilha de diagnóstico no formulário eletrônico

51 FERRAMENTA DE APOIO AO PLANEJAMENTO 1ª CICLO Planejamento das ações de estruturação Fase 2: Cadastro de ações, metas de estruturação e cronograma de execução Com base no diagnóstico realizado fazer o planejamento das ações e metas de estruturação e seu respectivo prazo de execução

52 FERRAMENTA DE APOIO AO PLANEJAMENTO 1ª CICLO Planejamento das ações de estruturação Fase 2: Cadastro de ações, metas de estruturação e cronograma de execução

53 FERRAMENTA DE APOIO AO PLANEJAMENTO 1ª CICLO Planejamento das ações de estruturação Fase 2: Cadastro de ações, metas de estruturação e cronograma de execução Nomedameta Prazo para execução Planejamento da execução

54 FERRAMENTA DE APOIO AO PLANEJAMENTO 2ª CICLO Monitoramento das ações, metas e cronograma de execução Acompanhamento da execução das metas estabelecidas no planejamento Prazo: trimestral durante o prazo de execução

55 MONITORAMENTO HÓRUS OBJETIVO: Disponibilizar informações em relação ao acesso e uso dos medicamentos na atenção básica

56 MONITORAMENTO SISTEMAS PRÓPRIOS OBJETIVO: Disponibilizar informações em relação ao acesso e uso dos medicamentos na atenção básica, por meio, do envio do conjunto de dados pelo serviço de webservice MARCO REGULATÓRIO: Portaria que institui e regulamenta a Base Nacional de Ações e Serviços da Assistência Farmacêutica

57 MONITORAMENTO - Programa Nacional de Melhoria, Acesso e Qualidade (PMAQ) OBJETIVO: De forma complementar as demais estratégias, o PMAQ disponibilizará informações relativas: Lista de medicamentos dos municípios e disponibilidade Estrutura das farmácias das UBS

58 MONITORAMENTO KSC16 Instrumento de autoavaliação AMAQ Instrumento de avaliação externa Informações referentes a estrutura das farmácias das unidades de saúde dos municípios selecionados

59 Slide 58 KSC16 DEIXAR SO UM SLIDE DO PMAQ Karen S Costa; 13/10/2012

60 PLATAFORMA INTEGRADA BI - HÓRUS Art. 7º O monitoramento das ações desenvolvidas em decorrência dos repasses dos recursos definidos nesta Portaria será realizado mediante: I - prioritariamente, pelo acompanhamento da utilização do Sistema HÓRUS ou da transmissão das informações conforme disposto no art. 6º; e II - de forma complementar, pelo PMAQ-AB,.

61 MONITORAMENTO QUALIFAR-SUS : SISTEMA HÓRUS Indicadores de Gestão

62 MONITORAMENTO QUALIFAR-SUS : SISTEMA HÓRUS Indicadores de Gestão

63 MONITORAMENTO QUALIFAR-SUS: SISTEMA HÓRUS Indicadores de Uso Racional

64 MONITORAMENTO QUALIFAR-SUS: Indicadores de Estrutura e Processo

65 QUALIFAR-SUS SÃO PAULO Distribuição dos 38 municípios paulistas contemplados pelo Eixo Estrutura:

66 QUALIFAR-SUS SÃO PAULO MUNICÍPIO ÁLVARES FLORENCE CADASTRO DE ADESÃO TERMO DE ADESÃO CAPACITAÇÃO PRODUÇÃO RECURSO EIXO ESTRUTURA OK R$ ,00 + R$ ,00 APIAÍ OK OK OK R$ ,00 + R$ ,00 ARAPEÍ OK OK OK OK R$ ,00 + R$ ,00 BARRA DO CHAPÉU R$ ,00 + R$ ,00 BIRITIBA MIRIM OK OK OK OK R$ ,00 + R$ ,00 CAMPINA DO MONTE ALEGRE OK OK OK R$ ,00 + R$ ,00 CANANÉIA OK R$ ,00 + R$ ,00 CASTILHO R$ ,00 + R$ ,00 CORONEL MACEDO R$ ,00 + R$ ,00 ELDORADO R$ ,00 + R$ ,00

67 FASES DE ADESÃO AO HÓRUS E RECURSOS: MUNICÍPIO CADASTRO DE ADESÃO TERMO DE ADESÃO CAPACITAÇÃO PRODUÇÃO RECURSO EIXO ESTRUTURA EMBU GUAÇU OK OK OK OK R$ ,00 + R$ ,00 FERNÃO R$ ,00 + R$ ,00 FLORA RICA R$ ,00 + R$ ,00 HERCULÂNDIA OK R$ ,00 + R$ ,00 ILHA COMPRIDA OK R$ ,00 + R$ ,00 IPERÓ OK OK OK R$ ,00 + R$ ,00 ITAPEVA OK OK OK OK R$ ,00 + R$ ,00 ITAPORANGA R$ ,00 + R$ ,00 ITAPURA R$ ,00 + R$ ,00 ITARIRI OK OK OK OK R$ ,00 + R$ ,00 JACUPIRANGA OK OK OK OK R$ ,00 + R$ ,00 JUQUIÁ R$ ,00 + R$ ,00

68 FASES DE ADESÃO AO HÓRUS E RECURSOS: MUNICÍPIO CADASTRO DE ADESÃO TERMO DE ADESÃO CAPACITAÇÃO PRODUÇÃO RECURSO EIXO ESTRUTURA JUQUITIBA R$ ,00 + R$ ,00 MIRANTE DO PARANAPANEMA R$ ,00 + R$ ,00 MONGAGUÁ R$ ,00 + R$ ,00 PARIQUERA-AÇU OK OK R$ ,00 + R$ ,00 PERUÍBE R$ ,00 + R$ ,00 PLATINA OK OK OK R$ ,00 + R$ ,00 QUELUZ R$ ,00 + R$ ,00 REGISTRO OK OK OK OK R$ ,00 + R$ ,00 RIBEIRÃO GRANDE OK OK R$ ,00 + R$ ,00 RUBINÉIA OK R$ ,00 + R$ ,00 SÃO JOSÉ DO BARREIRO OK OK OK OK R$ ,00 + R$ ,00

69 FASES DE ADESÃO AO HÓRUS E RECURSOS: MUNICÍPIO CADASTRO DE ADESÃO TERMO DE ADESÃO CAPACITAÇÃO PRODUÇÃO RECURSO EIXO ESTRUTURA SARAPUÍ OK OK OK OK R$ ,00 + R$ ,00 SETE BARRAS R$ ,00 + R$ ,00 SUZANÁPOLIS OK OK OK R$ ,00 + R$ ,00 TAQUARITUBA R$ ,00 + R$ ,00 TAQUARIVAÍ OK OK R$ ,00 + R$ ,00 RESUMO SP: 114 elegíveis, 81 inscritos e 38 selecionados

70 QUALIFAR-SUS SÃO PAULO RRAS: MUNICÍPIOS: 2 BIRITIBA-MIRIM 4 7 EMBU-GUAÇU JUQUITIBA CANANÉIA ELDORADO ILHA COMPRIDA ITARIRI JACUPIRANGA JUQUIÁ MONGAGUÁ PARIQUERA-AÇU PERUÍBE REGISTRO SETE BARRAS RRAS: MUNICÍPIOS: APIAÍ BARRA DO CHAPÉU CAMPINA DO MONTE ALEGRE ITAPEVA RIBEIRÃO GRANDE SARAPUÍ TAQUARIVAÍ CORONEL MACEDO ITAPORANGA TAQUARITUBA FERNÃO HERCULÂNDIA PLATINA Municípios que possuem sistemas próprios. RRAS: MUNICÍPIOS: FLORA RICA MIRANTE DO PARANAPANEMA ÁLVARES FLORENCE CASTILHO IPERÓ ITAPURA RUBINÉIA SUZANÁPOLIS ARAPEÍ QUELUZ SÃO JOSÉ DO BARREIRO

71 QUALIFAR-SUS SÃO PAULO Dados: 38 municípios contemplados 17 informaram que possuem sistema próprio (ITAPEVA e SARAPUÍ possuem senha de produção do Hórus); 21 informaram que não possuem sistemas próprios (destes 7 estão na 4ª fase de adesão ao Hórus e 14 não possuem todas as fases). 9 municípios em 4ª fase: ARAPEÍ BIRITIBA-MIRIM EMBU-GUAÇU ITAPEVA ITARIRI JACUPIRANGA REGISTRO SÃO JOSÉ DO BARREIRO SARAPUÍ Fonte: CGAFB/DAF/SCTIE/Ministério da Saúde - novembro/2012

72 OBRIGADO Karen Costa Coordenadora da CGAFB/DAF Suetônio Queiroz Apoiador Institucional Descentralizado da CGAFB/DAF Brunna Amaral Apoiadora Institucional Descentralizada (São Paulo) da CGAFB/DAF Rafael de Morais DEMAS/SE/MS

73 CONTATOS Tel: (61)

QUALIFAR-SUS Programa Nacional de Qualificação da Assistência Farmacêutica

QUALIFAR-SUS Programa Nacional de Qualificação da Assistência Farmacêutica Ministério da Saúde Secretaria de Ciência, tecnologia e Insumos Estratégico Departamento de Assistência Farmacêutica e Insumos Estratégico Coordenação Geral de Assistência Farmacêutica Básica QUALIFAR-SUS

Leia mais

Msc. Luiz Henrique Costa Coordenador Geral de Assistência Farmacêutica e Medicamentos Estratégicos/SCTIE/MS

Msc. Luiz Henrique Costa Coordenador Geral de Assistência Farmacêutica e Medicamentos Estratégicos/SCTIE/MS Msc. Luiz Henrique Costa Coordenador Geral de Assistência Farmacêutica e Medicamentos Estratégicos/SCTIE/MS Assistência Farmacêutica Histórico 1990: Criação da lei Orgânica do SUS Equidade Universalidade

Leia mais

CONGRESSO COSEMS/SP Março 2013

CONGRESSO COSEMS/SP Março 2013 CONGRESSO COSEMS/SP Março 2013 Elaboração de Políticas e Articulações Interfederativas Assistência Farmacêutica no SUS CONSTITUIÇÃO FEDERAL CAPÍTULO DA SAÚDE Art. 196 - A saúde é direito de todos e dever

Leia mais

NOTA TÉCNICA 33 2012

NOTA TÉCNICA 33 2012 NOTA TÉCNICA 33 2012 Proposta de regulamentação da base nacional de dados das ações e serviços do Componente Básico da Assistência Farmacêutica no SUS Assembleia do CONASS de 17 outubro de 2012 Brasília,

Leia mais

V Congresso de Secretários Municipais de Saúde do Estado do Piauí COSEMS-PI

V Congresso de Secretários Municipais de Saúde do Estado do Piauí COSEMS-PI V Congresso de Secretários Municipais de Saúde do Estado do Piauí COSEMS-PI QUALIFICAÇÃO DA ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA NO MUNICÍPIO: QUALIFAR-SUS 2 DESAFIO Superar a fragmentação das ações e serviços no

Leia mais

19ª OFICINA NACIONAL DE APOIO A IMPLANTAÇÃO/IMPLEMENTAÇÃO O EIXO ESTRUTURA DO QUALIFAR- SUS NOS MUNICÍPIOS DO PLANO BRASIL SEM MISÉRIA

19ª OFICINA NACIONAL DE APOIO A IMPLANTAÇÃO/IMPLEMENTAÇÃO O EIXO ESTRUTURA DO QUALIFAR- SUS NOS MUNICÍPIOS DO PLANO BRASIL SEM MISÉRIA 19ª OFICINA NACIONAL DE APOIO A IMPLANTAÇÃO/IMPLEMENTAÇÃO O EIXO ESTRUTURA DO QUALIFAR- SUS NOS MUNICÍPIOS DO PLANO BRASIL SEM MISÉRIA Manaus, 21 de novembro de 2013 Estratégias de apoio Eixo Estrutura

Leia mais

Aquisição e Gerenciamento de Medicamentos do Componente Básico da Assistência Farmacêutica

Aquisição e Gerenciamento de Medicamentos do Componente Básico da Assistência Farmacêutica Aquisição e Gerenciamento de Medicamentos do Componente Básico da Assistência Farmacêutica Maceió -Setembro/2013 HISTÓRICO PORTARIA GM/MS nº 3.916/98 POLÍTICA NACIONAL DE MEDICAMENTOS ESTABELECEU DIRETRIZES

Leia mais

TELESSAÚDE BRASIL REDES NA ATENÇÃO BÁSICA

TELESSAÚDE BRASIL REDES NA ATENÇÃO BÁSICA MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA TELESSAÚDE BRASIL REDES NA ATENÇÃO BÁSICA MANUAL INSTRUTIVO Sumário Introdução... 3 Atividades a serem desenvolvidas dentro

Leia mais

MANUAL TÉCNICO PARA RECEBIMENTO DE PRODUTOS/ BENS VERSÃO MUNICÍPIOS

MANUAL TÉCNICO PARA RECEBIMENTO DE PRODUTOS/ BENS VERSÃO MUNICÍPIOS MANUAL TÉCNICO PARA RECEBIMENTO DE PRODUTOS/ BENS VERSÃO MUNICÍPIOS BRASÍLIA- DF 2015 1 Elaboração e informações: MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Departamento

Leia mais

CONSELHO DE SECRETARIAS MUNICIPAIS DE SAÚDE

CONSELHO DE SECRETARIAS MUNICIPAIS DE SAÚDE ANEXO II TERMO DE REFERÊNCIA PROFISSIONAL NÍVEL SUPERIOR CONTEUDISTA (MESTRE) PARA O CURSO DE QUALIFICAÇÃO DE PROFISSIONAIS DA ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA, COM UTILIZAÇÃO DO SISTEMA NACIONAL DE GESTÃO DA

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE IMPLANTAÇÃO DO DECRETO 7.508/11 E APRIMORAMENTO DO PACTO PELA SAÚDE

MINISTÉRIO DA SAÚDE IMPLANTAÇÃO DO DECRETO 7.508/11 E APRIMORAMENTO DO PACTO PELA SAÚDE MINISTÉRIO DA SAÚDE IMPLANTAÇÃO DO DECRETO 7.508/11 E APRIMORAMENTO DO PACTO PELA SAÚDE Decreto 7.508/11 Regulamenta a Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990, para dispor sobre a organização do Sistema

Leia mais

Mapeamento de Experiências Municipais e Estaduais no campo do Envelhecimento e Saúde da Pessoa Idosa

Mapeamento de Experiências Municipais e Estaduais no campo do Envelhecimento e Saúde da Pessoa Idosa COMEMORAÇÃO DOS 29 ANOS DO ICICT/FIOCRUZ Mapeamento de Experiências Municipais e Estaduais no campo do Envelhecimento e Saúde da Pessoa Idosa O papel da COSAPI no incentivo de experiências exitosas de

Leia mais

Oficina de Avaliação sobre a Implantação e Utilização do e-sus AB GT e-sus AB/DAB/SAS/MS Maio de 2015

Oficina de Avaliação sobre a Implantação e Utilização do e-sus AB GT e-sus AB/DAB/SAS/MS Maio de 2015 Estratégia e-sus AB caminhos da implantação Oficina de Avaliação sobre a Implantação e Utilização do e-sus AB GT e-sus AB/DAB/SAS/MS Maio de 2015 Assista o vídeo que mostra como os profissionais de saúde

Leia mais

O COAP na perspectiva da gestão da Vigilância em Saúde. Sonia Brito Secretaria de Vigilância em Saúde

O COAP na perspectiva da gestão da Vigilância em Saúde. Sonia Brito Secretaria de Vigilância em Saúde O COAP na perspectiva da gestão da Vigilância em Saúde Sonia Brito Secretaria de Vigilância em Saúde Decreto 7.508/11 Regulamenta a Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990, para dispor sobre a organização

Leia mais

II Fórum de Coordenadores de imunizações dos estados e de municípios de capital, 2014

II Fórum de Coordenadores de imunizações dos estados e de municípios de capital, 2014 II Fórum de Coordenadores de imunizações dos estados e de municípios de capital, 2014 Situação e mecanismo para avançar no processo de implantação do SIPNI Carla Magda A. S. Domingues Coordenadora Geral

Leia mais

O e-sus AB no Ceará. COSEMS - Fortaleza 08 de maio de 2015

O e-sus AB no Ceará. COSEMS - Fortaleza 08 de maio de 2015 O e-sus AB no Ceará COSEMS - Fortaleza 08 de maio de 2015 e-saúde e o SUS Reestruturação dos sistemas de informação em saúde do MS em busca de um SUS eletrônico: Cartão Nacional de Saúde e-sus Hospitalar

Leia mais

VII Fórum Nacional de Assistência Farmacêutica. Intervenção Sistêmica da Assistência Farmacêutica nas regiões do Projeto QualiSUS-REDE

VII Fórum Nacional de Assistência Farmacêutica. Intervenção Sistêmica da Assistência Farmacêutica nas regiões do Projeto QualiSUS-REDE VII Fórum Nacional de Assistência Farmacêutica Intervenção Sistêmica da Assistência Farmacêutica nas regiões do Projeto QualiSUS-REDE Brasília, 08 de dezembro de 2014 1 Integração do QUALIFAR-SUS com Projetos

Leia mais

Melhorar sua vida, nosso compromisso Redução da Espera: tratar câncer em 60 dias é obrigatório

Melhorar sua vida, nosso compromisso Redução da Espera: tratar câncer em 60 dias é obrigatório Melhorar sua vida, nosso compromisso Redução da Espera: tratar câncer em 60 dias é obrigatório Maio de 2013 Magnitude do Câncer no Brasil 518 mil novos casos em 2013 Câncer de pele não melanoma deve responder

Leia mais

NOAS 01/02: amplia responsabilidades de gestão

NOAS 01/02: amplia responsabilidades de gestão Decreto 7508: organização do SUS; planejamento, assistência e articulação interfederativa 11 NOB 93: Descentralização NOAS 01/02: amplia responsabilidades de gestão 93 96 02 06 NOB 96: odelo de gestão

Leia mais

MÓDULO 1 Conhecendo o HÓRUS

MÓDULO 1 Conhecendo o HÓRUS MÓDULO 1 Conhecendo o HÓRUS Bem-vindo(a) ao primeiro módulo do curso! A partir de agora você conhecerá as principais características do sistema HÓRUS. Para iniciar, você saberia dizer por que este sistema

Leia mais

Programa Rede A PARCERIA CFC E SEBRAE: EDUCAÇÃO EMPREENDEDORA EM RESPONSABILIDADE PROFISSIONAL E SOCIAL

Programa Rede A PARCERIA CFC E SEBRAE: EDUCAÇÃO EMPREENDEDORA EM RESPONSABILIDADE PROFISSIONAL E SOCIAL Programa Rede A PARCERIA CFC E SEBRAE: EDUCAÇÃO EMPREENDEDORA EM RESPONSABILIDADE PROFISSIONAL E SOCIAL JUSTIFICATIVA A experiência na implementação da primeira versão do Programa Contabilizando o Sucesso

Leia mais

Saúde mais Perto de Você

Saúde mais Perto de Você Saúde mais Perto de Você LINHAS GERAIS DA NOVA POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO BÁSICA Ampliação do Financiamento da AB Programa de Requalificação das UBS Ampliação do Acesso Melhoria da Qualidade da AB Ações

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO Nota Técnica elaborada em 01/2014 pela CGAN/DAB/SAS. MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO NOTA TÉCNICA Nº15/2014-CGAN/DAB/SAS/MS

Leia mais

CARTA DE SÃO PAULO 5º CONGRESSO BRASILEIRO SOBRE O USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS O USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS E A SEGURANÇA DO PACIENTE

CARTA DE SÃO PAULO 5º CONGRESSO BRASILEIRO SOBRE O USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS O USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS E A SEGURANÇA DO PACIENTE CARTA DE SÃO PAULO 5º CONGRESSO BRASILEIRO SOBRE O USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS O USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS E A SEGURANÇA DO PACIENTE A realização do I Congresso Brasileiro sobre o Uso Racional de Medicamentos

Leia mais

famílias de baixa renda com acesso aos direitos

famílias de baixa renda com acesso aos direitos Acompanhamento das Condicionalidades do Programa Bolsa Família Na Saúde Seminário Regional Programa Bolsa Família na Saúde - 2009 Programa Bolsa Família Programa de transferência de renda para famílias

Leia mais

NOTA TÉCNICA 26 /2013

NOTA TÉCNICA 26 /2013 NOTA TÉCNICA 26 /2013 Institui a Estratégia Nacional para Promoção do Aleitamento Materno e Alimentação Complementar Saudável no Sistema Único de Saúde (SUS) - Estratégia Amamenta e Alimenta Brasil. Brasília,

Leia mais

Objetivos Consolidar uma política garantidora de direitos Reduzir ainda mais a desigualdade social

Objetivos Consolidar uma política garantidora de direitos Reduzir ainda mais a desigualdade social AGENDA SOCIAL AGENDA SOCIAL Estamos lutando por um Brasil sem pobreza, sem privilégios, sem discriminações. Um país de oportunidades para todos. A melhor forma para um país crescer é fazer que cada vez

Leia mais

E-SUS ATENÇÃO BÁSICA. Julho / 2013

E-SUS ATENÇÃO BÁSICA. Julho / 2013 E-SUS ATENÇÃO BÁSICA Julho / 2013 Estratégia de Qualificação da AB Saúde Bucal PMAQ Requalifica UBS PSE Telessaúde Brasil Redes Academia da Saúde Atenção Básica Financiamento Consultório na Rua Provimento

Leia mais

Matérias selecionadas do DOU de 05 de novembro de2007

Matérias selecionadas do DOU de 05 de novembro de2007 Conteúdo: SEÇÃO 1...2 PORTARIA No- 2.831, DE 1o- DE NOVEMBRO DE 2007...2 PORTARIA No- 2.834, DE 1o- DE NOVEMBRO DE 2007...4 PORTARIA No- 2.835, DE 1o- DE NOVEMBRO DE 2007...5 PORTARIA Nº 600, DE 1o- DE

Leia mais

PORTARIA No- 2.554, DE 28 DE OUTUBRO DE 2011

PORTARIA No- 2.554, DE 28 DE OUTUBRO DE 2011 PORTARIA No- 2.554, DE 28 DE OUTUBRO DE 2011 Institui, no Programa de Requalificação de Unidades Básicas de Saúde, o Componente de Informatização e Telessaúde Brasil Redes na Atenção Básica, integrado

Leia mais

PLANO OPERATIVO DA POLÍTICA NACIONAL DE SAÚDE INTEGRAL DA POPULAÇÃO DO CAMPO E DA FLORESTA

PLANO OPERATIVO DA POLÍTICA NACIONAL DE SAÚDE INTEGRAL DA POPULAÇÃO DO CAMPO E DA FLORESTA PLANO OPERATIVO DA POLÍTICA NACIONAL DE SAÚDE INTEGRAL DA POPULAÇÃO DO CAMPO E DA FLORESTA Departamento de Apoio à Gestão Participativa /DAGEP Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa /SGEP Ministério

Leia mais

Decreto N 7.508 de 28/06/11 Regulamentando a Lei N 8.080 de 19/09/90

Decreto N 7.508 de 28/06/11 Regulamentando a Lei N 8.080 de 19/09/90 Decreto N 7.508 de 28/06/11 Regulamentando a Lei N 8.080 de 19/09/90 Cesar Vieira cesarvieira@globo.com Reunião do CA/IBEDESS 12 de julho de 2011 Principais Conteúdos Organização do SUS Planejamento da

Leia mais

PNS/PES Planos Nacional e Estadual de Saúde e sua articulação com os Planos Municipais de Saúde

PNS/PES Planos Nacional e Estadual de Saúde e sua articulação com os Planos Municipais de Saúde PNS/PES Planos Nacional e Estadual de Saúde e sua articulação com os Planos Municipais de Saúde Instrumentos Guia para as ações de saúde sob a responsabilidade dos gestores públicos da saúde PLANEJAMENTO

Leia mais

Reunião do Comitê da Saúde. 8 de novembro de 2011

Reunião do Comitê da Saúde. 8 de novembro de 2011 Reunião do Comitê da Saúde 8 de novembro de 2011 ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA NO SUS Em 1998 foi publicada a Portaria GM/MS 3.916, que estabeleceu a POLÍTICA NACIONAL DE MEDICAMENTOS (PNM) como parte essencial

Leia mais

NOTA TÉCNICA 63 2011 PROPOSTA DE AMPLIAÇÃO DO PROJETO VIDA NO TRÂNSITO

NOTA TÉCNICA 63 2011 PROPOSTA DE AMPLIAÇÃO DO PROJETO VIDA NO TRÂNSITO NOTA TÉCNICA 63 2011 PROPOSTA DE AMPLIAÇÃO DO PROJETO VIDA NO TRÂNSITO Repasse financeiro do Fundo Nacional de Saúde aos Fundos de Saúde Estaduais, Municipais e do Distrito Federal, por meio do Piso Variável

Leia mais

Telessaúde: Estratégia de Educação Permanente para melhoria da resolutividade e qualidade na Atenção Básica

Telessaúde: Estratégia de Educação Permanente para melhoria da resolutividade e qualidade na Atenção Básica Telessaúde: Estratégia de Educação Permanente para melhoria da resolutividade e qualidade na Atenção Básica XIV APS: Encontro de Atualização de Atenção Primária à Saúde Juiz de Fora Outubro, 2013 ATENÇÃO

Leia mais

Perspectivas para a indústria farmacêutica brasileira, seus investimentos e suas pesquisas. Ministério da Saúde Brasília, 12 de agosto de 2015

Perspectivas para a indústria farmacêutica brasileira, seus investimentos e suas pesquisas. Ministério da Saúde Brasília, 12 de agosto de 2015 Perspectivas para a indústria farmacêutica brasileira, seus investimentos e suas pesquisas Ministério da Saúde Brasília, 12 de agosto de 2015 POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA Define a assistência

Leia mais

ORIENTAÇÕES E ESCLARECIMENTOS

ORIENTAÇÕES E ESCLARECIMENTOS COAP 06/13 ORIENTAÇÕES E ESCLARECIMENTOS 1.0 O que é o Contrato Organizativo da Ação Pública - COAP? O COAP é um acordo de colaboração firmado entre os três entes federativos, no âmbito de uma Região de

Leia mais

ENCONTRO PARA A CONTINUIDADE DO PROCESSO DE PLANEJAMENTO REGIONAL E COAP

ENCONTRO PARA A CONTINUIDADE DO PROCESSO DE PLANEJAMENTO REGIONAL E COAP MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA Departamento de Articulação Interfederativa ENCONTRO PARA A CONTINUIDADE DO PROCESSO DE PLANEJAMENTO REGIONAL E COAP NORMAS E FLUXOS

Leia mais

O componente saúde bucal do PMAQ-AB e indicadores de Saúde Bucal na Atenção Básica

O componente saúde bucal do PMAQ-AB e indicadores de Saúde Bucal na Atenção Básica MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE SAÚDE BUCAL O componente saúde bucal do PMAQ-AB e indicadores de Saúde Bucal na Atenção Básica Edson

Leia mais

Fabiola Sulpino Vieira. fabiolasulpino@uol.com.br

Fabiola Sulpino Vieira. fabiolasulpino@uol.com.br Fabiola Sulpino Vieira fabiolasulpino@uol.com.br Mercado Farmacêutico Mundial Entre 1980 e 1999 houve crescimento de 5 até quase 120 bilhões de dólares a preços constantes Em 1999, 15% da população mundial

Leia mais

DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ

DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ EIXO 1 DIREITO À SAÚDE, GARANTIA DE ACESSO E ATENÇÃO DE QUALIDADE Prioritária 1: Manter o incentivo aos Programas do Núcleo Apoio da Saúde da Família

Leia mais

Carta da Região Sudeste

Carta da Região Sudeste I FÓRUM ESTADUAL DE PRÁTICAS INTEGRATIVAS E COMPLEMENTARES I SEMINÁRIO SUDESTE DE PRÁTICAS INTEGRATIVAS E COMPLEMENTARES Carta da Região Sudeste Gestores da Saúde, Servidores da Saúde, Representantes de

Leia mais

Salvador Julho de 2010

Salvador Julho de 2010 Ministério da Saúde Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa SGEP Departamento de Monitoramento e Avaliação da gestão do SUS Salvador Julho de 2010 Cooperação Acadêmica & Gestão para o Fortalecimento

Leia mais

PREFEITURA DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE

PREFEITURA DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE REGIONALIZAÇÃO NAS DIFERENTES REDES DE ATENÇÃO: COAP E REGIONALIZAÇÃO FERNANDO RITTER SECRETÁRIO MUNICIPAL DE SAÚDE PREFEITURA DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE CONTRATO ORGANIZATIVO DA AÇÃO

Leia mais

No Brasil, existem cerca de 45 milhões de Pessoas com Deficiência, o que representa ¼ da população geral (Censo IBGE, 2010).

No Brasil, existem cerca de 45 milhões de Pessoas com Deficiência, o que representa ¼ da população geral (Censo IBGE, 2010). O Plano Nacional dos Direitos da Pessoa com Deficiência PLANO VIVER SEM LIMITE 2011-2014 foi instituído por meio do Decreto da Presidência da República nº 7.612, de 17/11/2011 e tem como finalidade promover,

Leia mais

Pesquisa de Informações Básicas Estaduais 2012

Pesquisa de Informações Básicas Estaduais 2012 Pesquisa de Informações Básicas Estaduais 2012 Informações Básicas Recursos Humanos Foram pesquisadas as pessoas que trabalhavam na administração direta e indireta por vínculo empregatício e escolaridade;

Leia mais

Ações do Ministério da Saúde no âmbito da Farmácia Hospitalar

Ações do Ministério da Saúde no âmbito da Farmácia Hospitalar Ações do Ministério da Saúde no âmbito da Farmácia Hospitalar Panorama das ações do Ministério da Saúde no âmbito da Farmácia Hospitalar Portaria N 4.283 de 30 de dezembro de 2010 - Diretrizes para ações

Leia mais

Programa de Requalificação de UBS. Março/2015

Programa de Requalificação de UBS. Março/2015 Programa de Requalificação de UBS Março/2015 PROGRAMA DE REQUALIFICAÇÃO DE UBS Instituído no ano de 2011 OBJETIVOS: Criar incentivo financeiro para as UBS Contribuir para estruturação e o fortalecimento

Leia mais

GUIA DE ARGUMENTOS DE VENDAS

GUIA DE ARGUMENTOS DE VENDAS GUIA DE ARGUMENTOS DE VENDAS O Plano Diretor é uma lei municipal que estabelece diretrizes para a ocupação da cidade. Ele deve identificar e analisar as características físicas, as atividades predominantes

Leia mais

Decreto 7.508 de 28/06/2011. - Resumo -

Decreto 7.508 de 28/06/2011. - Resumo - Decreto 7.508 de 28/06/2011 - Resumo - GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ Secretaria de Estado de Saúde Pública Sistema Único de Saúde SIMÃO ROBISON DE OLIVEIRA JATENE Governador do Estado do Pará HELENILSON PONTES

Leia mais

Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal

Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS SUBCHEFIA DE ASSUNTOS FEDERATIVOS Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal Mapa de obras contratadas pela CEF, em andamento com recursos do Governo Federal 5.048

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA Secretaria da Saúde do Estado da Bahia Superintendência de Atenção Integral à Saúde SAIS Diretoria de Atenção Básica DAB

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA Secretaria da Saúde do Estado da Bahia Superintendência de Atenção Integral à Saúde SAIS Diretoria de Atenção Básica DAB DAB Nota Técnica n 05/2012 Orienta sobre o acesso, o cadastro, a liberação de senhas, registro, monitoramento e validação das ações do Programa Saúde na Escola no Sistema Integrado de Monitoramento, Execução

Leia mais

INSTRUTIVO DE PREENCHIMENTO DE PROJETOS DE IMPLANTAÇÃO, IMPLEMENTAÇÃO, FORTALECIMENTO E/OU APERFEIÇOAMENTO DE INICIATIVAS

INSTRUTIVO DE PREENCHIMENTO DE PROJETOS DE IMPLANTAÇÃO, IMPLEMENTAÇÃO, FORTALECIMENTO E/OU APERFEIÇOAMENTO DE INICIATIVAS INSTRUTIVO DE PREENCHIMENTO DE PROJETOS DE IMPLANTAÇÃO, IMPLEMENTAÇÃO, FORTALECIMENTO E/OU APERFEIÇOAMENTO DE INICIATIVAS PRIORITÁRIAS DA POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM (PNAISH)

Leia mais

Perguntas e respostas baseadas nas videoconferências dos dias 8, 9 e 15 de fevereiro

Perguntas e respostas baseadas nas videoconferências dos dias 8, 9 e 15 de fevereiro Perguntas e respostas baseadas nas videoconferências dos dias 8, 9 e 15 de fevereiro 1 - Qual será o cronograma do Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais para as próximas videoconferências sobre

Leia mais

Testes Rápidos de HIV e Sífilis

Testes Rápidos de HIV e Sífilis Testes Rápidos de HIV e Sífilis Videoconferência Nº 04 Ministério da Saúde Outubro de 2012 PRÉ-NATAL A partir da adesão dos municípios, recursos para: TODAS AS GESTANTES Ultrassonografia 100% das gestantes

Leia mais

O papel dos conselhos na afirmação do Pacto pela Saúde

O papel dos conselhos na afirmação do Pacto pela Saúde Informativo interativo eletrônico do CNS aos conselhos de Saúde Brasília, junho de 2006 Editorial O papel dos conselhos na afirmação do Pacto pela Saúde A aprovação unânime do Pacto pela Saúde na reunião

Leia mais

DEMANDA DE CANDIDATOS POR VAGA

DEMANDA DE CANDIDATOS POR VAGA Analista de Correios / Administrador AC / Rio Branco 123 1 123,00 Analista de Correios / Técnico em Comunicação Social Atuação: Jornalismo AC / Rio Branco 27 1 27,00 Médico do Trabalho Formação: Medicina

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DO CÂNCER FEMININO. Rio de Janeiro RJ 30 de junho de 2011

POLÍTICA NACIONAL DO CÂNCER FEMININO. Rio de Janeiro RJ 30 de junho de 2011 MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE - SAS DEPARTAMENTO DE ASSISTÊNCIA ESPECIALIZADA DAE Coordenação-Geral de Média e Alta Complexidade POLÍTICA NACIONAL DO CÂNCER FEMININO Maria Inez Pordeus

Leia mais

PODER EXECUTIVO ANEXO I ATRIBUIÇÕES DO CARGO DE ESPECIALISTA EM POLÍTICAS PÚBLICAS E GESTÃO GOVERNAMENTAL

PODER EXECUTIVO ANEXO I ATRIBUIÇÕES DO CARGO DE ESPECIALISTA EM POLÍTICAS PÚBLICAS E GESTÃO GOVERNAMENTAL ANEXO I ATRIBUIÇÕES DO CARGO DE ESPECIALISTA EM POLÍTICAS PÚBLICAS E GESTÃO GOVERNAMENTAL a) formulação, implantação e avaliação de políticas públicas voltadas para o desenvolvimento sócio-econômico e

Leia mais

NOTA TÉCNICA 07 /2014

NOTA TÉCNICA 07 /2014 NOTA TÉCNICA 07 /2014 Institui o incentivo financeiro de custeio destinado aos núcleos de Telessaúde do Programa de Requalificação de Unidades Básicas de Saúde, Componente de Informatização e Telessaúde

Leia mais

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA NOTA TÉCNICA 07/13 RELATÓRIO ANUAL DE GESTÃO - RAG ORIENTAÇÕES GERAIS Introdução O Planejamento é um instrumento de gestão, que busca gerar e articular mudanças e aprimorar o desempenho dos sistemas de

Leia mais

Rede Brasileira de Monitoramento e Avaliação

Rede Brasileira de Monitoramento e Avaliação Rede Brasileira de Monitoramento e Avaliação Ciclo de formação em monitoramento e avaliação: a experiência do MDS na formação de agentes públicos estaduais e municipais. Autores: Patricia Vilas Boas Marcilio

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso das atribuições que lhe conferem os incisos I e II do parágrafo único do art. 87 da Constituição, e

O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso das atribuições que lhe conferem os incisos I e II do parágrafo único do art. 87 da Constituição, e PORTARIA Nº 1.341, DE 13 DE JUNHO DE 2012 Define os valores dos incentivos de implantação e de custeio mensal dos Centros de Especialidades Odontológicas - CEO e dá outras providências. O MINISTRO DE ESTADO

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa Departamento de Articulação Interfederativa COAP

MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa Departamento de Articulação Interfederativa COAP MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa Departamento de Articulação Interfederativa COAP O Brasil é o único país......com + de 100 milhões de hab. com o desafio de ter um sistema

Leia mais

O Pacto de Gestão do SUS e os Municípios

O Pacto de Gestão do SUS e os Municípios Colegiado de Secretários Municipais de Saúde do Estado de PE COSEMS-PE O Pacto de Gestão do SUS e os Municípios 2º Congresso Pernambucano de Municípios - AMUPE Gessyanne Vale Paulino Saúde Direito de todos

Leia mais

Programa Nacional de Controle do Tabagismo (PNCT) Tratamento do Tabagismo

Programa Nacional de Controle do Tabagismo (PNCT) Tratamento do Tabagismo Programa Nacional de Controle do Tabagismo (PNCT) Tratamento do Tabagismo O tabagismo é, reconhecidamente, uma doença crônica, resultante da dependência à droga nicotina, e um fator de risco para cerca

Leia mais

DOCUMENTO FINAL 8ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DE TOCANTINS

DOCUMENTO FINAL 8ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DE TOCANTINS DOCUMENTO FINAL 8ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DE TOCANTINS EIXO 1 DIREITO À SAÚDE, GARANTIA DE ACESSO E ATENÇÃO DE QUALIDADE DIRETRIZ: Ampliação da cobertura e qualidade dos serviços de saúde, com o aprimoramento

Leia mais

PACTO PELA SAÚDE. Pactos pela Vida, em Defesa do SUS e de Gestão. Seminário Pacto pela Saúde Agosto/2007. Departamento de Apoio à Descentralização

PACTO PELA SAÚDE. Pactos pela Vida, em Defesa do SUS e de Gestão. Seminário Pacto pela Saúde Agosto/2007. Departamento de Apoio à Descentralização PACTO PELA SAÚDE Pactos pela Vida, em Defesa do SUS e de Gestão Seminário Pacto pela Saúde Agosto/2007 Departamento de Apoio à Descentralização Secretaria Executiva PACTO PELA SAÚDE Pactuaçã ção o firmada

Leia mais

Grupo de Trabalho da PPI. Política Estadual para Contratualização de Hospitais de Pequeno Porte HPP

Grupo de Trabalho da PPI. Política Estadual para Contratualização de Hospitais de Pequeno Porte HPP Grupo de Trabalho da PPI Política Estadual para Contratualização de Hospitais de Pequeno Porte HPP 29 de março de 2011 Considerando: O processo de regionalização dos Municípios, que objetiva a organização

Leia mais

Política Nacional de Saúde do Trabalhador e da Trabalhadora. Portaria GM/MS n 1.823, de 23 de agosto de 2012

Política Nacional de Saúde do Trabalhador e da Trabalhadora. Portaria GM/MS n 1.823, de 23 de agosto de 2012 Política Nacional de Saúde do Trabalhador e da Trabalhadora Portaria GM/MS n 1.823, de 23 de agosto de 2012 MARCOS LEGAIS: Constituição Federal de 1988 Art. 200 Ao SUS compete, além de outras atribuições,

Leia mais

CAPACITAÇÃO EM SAÚDE BASEADA EM EVIDÊNCIAS EDITAL DE INSCRIÇÕES EDIÇÃO 2014

CAPACITAÇÃO EM SAÚDE BASEADA EM EVIDÊNCIAS EDITAL DE INSCRIÇÕES EDIÇÃO 2014 CAPACITAÇÃO EM SAÚDE BASEADA EM EVIDÊNCIAS EDITAL DE INSCRIÇÕES EDIÇÃO 2014 O Instituto Sirio-Libanês de Ensino e Pesquisa - IEP, o Ministério da Saúde, a ANVISA Rede de Hospitais Sentinela, o COSEMS Conselho

Leia mais

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 1.413, DE 10 DE JULHO DE 2013

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 1.413, DE 10 DE JULHO DE 2013 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 1.413, DE 10 DE JULHO DE 2013 Redefine as regras e critérios

Leia mais

INFORME SARGSUS. Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde

INFORME SARGSUS. Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde INFORME SARGSUS Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde 1 ESFERA MUNICIPAL 1.1 Relatório de Gestão Ano 2013 Até a presente data,

Leia mais

IV CONGRESSO BRASILEIRO DE DIREITO E SAÚDE. Os Impactos da Judicialização na Saúde Pública e Privada

IV CONGRESSO BRASILEIRO DE DIREITO E SAÚDE. Os Impactos da Judicialização na Saúde Pública e Privada IV CONGRESSO BRASILEIRO DE DIREITO E SAÚDE Os Impactos da Judicialização na Saúde Pública e Privada 25/11/2015 HISTÓRICO: Período anterior a CF de 1988 INAMPS População e procedimentos restritos Movimento

Leia mais

Oficina O Uso dos Sistemas de Informação como Ferramentas de Gestão Local do SUAS

Oficina O Uso dos Sistemas de Informação como Ferramentas de Gestão Local do SUAS Oficina O Uso dos Sistemas de Informação como Ferramentas de Gestão Local do SUAS O Cadastro Único e a Gestão do SUAS: Essa ferramenta auxilia no processo de planejamento das ações socioassistenciais?

Leia mais

Ministério da Saúde Secretaria Executiva Departamento de Economia da Saúde e Desenvolvimento

Ministério da Saúde Secretaria Executiva Departamento de Economia da Saúde e Desenvolvimento 1 Ministério da Saúde Secretaria Executiva Departamento de Economia da Saúde e Desenvolvimento I Congresso Informação de Custos e Qualidade do Gasto no Setor Público Oficina II Informação de Custo para

Leia mais

Estratégia de fortalecimento dos Pequenos Negócios Maria Aparecida Bogado

Estratégia de fortalecimento dos Pequenos Negócios Maria Aparecida Bogado Estratégia de fortalecimento dos Pequenos Negócios Maria Aparecida Bogado Consultor Sebrae Nacional PARCERIAS MPOG - Ministério do Planejamento Orçamento e Gestão/SLTI CONSAD Conselho Nacional de Secretários

Leia mais

PRÊMIO DE ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA DO SUS/ MG- PRÊMIO ALUÍSIO PIMENTA-ANO 2009/2010

PRÊMIO DE ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA DO SUS/ MG- PRÊMIO ALUÍSIO PIMENTA-ANO 2009/2010 PRÊMIO DE ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA DO SUS/ MG- PRÊMIO ALUÍSIO PIMENTA-ANO 2009/2010 TRABALHO: HUMANIZAÇÃO DO ATENDIMENTO NO ÂMBITO DA ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA NAS UNIDADES DE SAÚDE DA FAMÍLIA DO MUNICÍPIO

Leia mais

EIXO 5 GESTÃO DA POLÍTICA NACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS

EIXO 5 GESTÃO DA POLÍTICA NACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS EIXO 5 GESTÃO DA POLÍTICA NACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS Garantir a elaboração e implementação da política e do Plano Decenal

Leia mais

PROJETO DE FORMAÇÃO E MELHORIA DA QUALIDADE DA REDE DE SAUDE QUALISUS-REDE

PROJETO DE FORMAÇÃO E MELHORIA DA QUALIDADE DA REDE DE SAUDE QUALISUS-REDE TERMO DE REFERÊNCIA Nº 10/2015 Consultor Conteudista para elaboração do Curso EAD voltado à Implantação de Serviço de Clínica Farmacêutica Intervenção Sistêmica Gestão da Assistência Farmacêutica : Implantação

Leia mais

Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento,

Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento, Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento, Projetos e Capacitação Ministério do Desenvolvimento Social

Leia mais

regionalização e contratos organizativos de ação pública.

regionalização e contratos organizativos de ação pública. A Regulamentação da Lei 8.080/90: A Regulamentação da Lei 8.080/90: regionalização e contratos organizativos de ação pública. Seminário Nacional PRÓ Saúde e PET Saúde Brasília, 19 de outubro de 2011.,

Leia mais

EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO NA AREA DA SAÚDE

EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO NA AREA DA SAÚDE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO NA AREA DA SAÚDE Porto Alegre, 01 de julho de 2011 EDUCAÇÃO PROFISSIONAL LDB Nº 9394/96 É uma modalidade de ensino integrada às diferentes formas de educação,

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS FREQUENTES - Edital Nº 32, de 24 de julho de 2014 - RESIDÊNCIA MULTIPROFISSIONAL E EM ÁREA PROFISSIONAL DA SAÚDE

PERGUNTAS E RESPOSTAS FREQUENTES - Edital Nº 32, de 24 de julho de 2014 - RESIDÊNCIA MULTIPROFISSIONAL E EM ÁREA PROFISSIONAL DA SAÚDE PERGUNTAS E RESPOSTAS FREQUENTES - Edital Nº 32, de 24 de julho de 2014 - RESIDÊNCIA MULTIPROFISSIONAL E EM ÁREA PROFISSIONAL DA SAÚDE ORIENTAÇÕES PARA SOLICITAÇÃO DE FINANCIAMENTO DE BOLSAS DE RESIDÊNCIA

Leia mais

VII Fórum Nacional de Assistência Farmacêutica 10 ANOS DA PNAF

VII Fórum Nacional de Assistência Farmacêutica 10 ANOS DA PNAF Ministério da Saúde Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos Departamento de Assistência Farmacêutica e Insumos Estratégicos Coordenação-Geral de Assistência Farmacêutica e Medicamentos

Leia mais

2009 2010 2011 total 58.888 158.947 124.881 344.910

2009 2010 2011 total 58.888 158.947 124.881 344.910 Formação inicial 80000 Plano Nacional de Formação de Professores 70000 60000 50000 40000 Formação Pedagógica 30000 2ªLicenciatura 1ªLicenciatura especial 20000 1ªLicenciatura existente 10000 0 Presencial

Leia mais

Política Nacional de Saúde Bucal

Política Nacional de Saúde Bucal MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE SAÚDE BUCAL Política Nacional de Saúde Bucal Brasil Sorridente, suas ações, abrangências e como as

Leia mais

Mais Médicos para o Brasil

Mais Médicos para o Brasil Mais Médicos para o Brasil EIXOS Ampliação e Melhoria da Infraestrutura Formação para o SUS Ampliação da Oferta na Graduação e Residência Médica Mudança no Eixo dos Locais de Formação Reorientação da Formação

Leia mais

Mesa VI: Brasil Sorridente na Redes Prioritárias do Ministério da Saúde

Mesa VI: Brasil Sorridente na Redes Prioritárias do Ministério da Saúde Mesa VI: Brasil Sorridente na Redes Prioritárias do Ministério da Saúde Gilberto Alfredo Pucca Júnior Coordenador-Geral de Saúde Bucal Janeiro, 2014 Universalidade Descentralização políticoadministrativa

Leia mais

INCA - Relatório Anual 2003 - Ensino

INCA - Relatório Anual 2003 - Ensino 54 55 Ensino Principais realizações Início da primeira etapa do Projeto de Diagnóstico de Recursos Humanos em Oncologia no país. Implementação da inscrição informatizada. Início do Projeto de Educação

Leia mais

Programa 2063 - Promoção dos Direitos de Pessoas com Deficiência

Programa 2063 - Promoção dos Direitos de Pessoas com Deficiência Programa Momento do Programa: Momento LOA+Créditos Tipo de Programa: Temático Macrodesafio Fortalecer a cidadania Eixo Direitos da Cidadania e Movimentos Sociais R$ 50.000.000 Notas de usuário para Programa

Leia mais

Portaria nº 1.555, de 30 de julho de 2013 Perguntas e respostas mais frequentes

Portaria nº 1.555, de 30 de julho de 2013 Perguntas e respostas mais frequentes MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INSUMOS ESTRATÉGICOS DEPARTAMENTO DE ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA E INSUMOS ESTRATÉGICOS Esplanada dos Ministérios. Bloco G, Ed. Sede, 8º Andar CEP:

Leia mais

Estado: ESPIRITO SANTO RESPONSABILIDADES GERAIS DA GESTAO DO SUS

Estado: ESPIRITO SANTO RESPONSABILIDADES GERAIS DA GESTAO DO SUS PLANILHA DE PACTUAÇÃO DAS - TCG Data da Validação: 31/03/2010 Data da Homologação: 12/04/2010 Revisão Nº:001 Pedido de Revisão: 30/03/2010 Portaria: 2.846 Data da Publicação: 25/11/2008 Estado: ESPIRITO

Leia mais

Workshop Saneamento Básico Fiesp. Planos Municipais de Saneamento Básico O apoio técnico e financeiro da Funasa

Workshop Saneamento Básico Fiesp. Planos Municipais de Saneamento Básico O apoio técnico e financeiro da Funasa Workshop Saneamento Básico Fiesp Planos Municipais de Saneamento Básico O apoio técnico e financeiro da Funasa Presidente da Funasa Henrique Pires São Paulo, 28 de outubro de 2015 Fundação Nacional de

Leia mais

Apresentação da Coordenação. Estadual de Alimentação e Nutrição. do Estado do Paraná

Apresentação da Coordenação. Estadual de Alimentação e Nutrição. do Estado do Paraná Apresentação da Coordenação Estadual de Alimentação e Nutrição do Estado do Paraná Apresentação da Equipe Estadual Estado: PARANÁ Coordenadora: ADRIANE LEANDRO Equipe técnica: ADRIANE LEANDRO CÉLIA RATIGUIERI

Leia mais

DIAGNÓSTICO E ESTRATÉGIA DE COMPRAS ESTADUAIS

DIAGNÓSTICO E ESTRATÉGIA DE COMPRAS ESTADUAIS DIAGNÓSTICO E ESTRATÉGIA DE FORTALECIMENTO DOS MODELOS DE COMPRAS ESTADUAIS Grupo de trabalho Metodologia BID ENAP Modelo colaborativo de construção e desenvolvimento do projeto com grupo multidisciplinar

Leia mais

NOTA TÉCNICA 38 /2013. Institui, no âmbito da Política Nacional de Saúde Bucal, o componente GraduaCEO BRASIL SORRIDENTE e dá outras providências.

NOTA TÉCNICA 38 /2013. Institui, no âmbito da Política Nacional de Saúde Bucal, o componente GraduaCEO BRASIL SORRIDENTE e dá outras providências. NOTA TÉCNICA 38 /2013 Institui, no âmbito da Política Nacional de Saúde Bucal, o componente GraduaCEO BRASIL SORRIDENTE e dá outras providências. Brasília, 18 de setembro de 2013 1 INTRODUÇÃO O Ministério

Leia mais

Passo-a-passo para Implantação das Equipes de Atenção Domiciliar

Passo-a-passo para Implantação das Equipes de Atenção Domiciliar COORDENAÇÃO-GERAL DE ATENÇÃO DOMICILIAR DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA/DAB Passo-a-passo para Implantação das Equipes de Atenção Domiciliar Ação: Ampliação e qualificação da atenção domiciliar. Para quem:

Leia mais