20ª OFICINA DE PLANEJAMENTO QUALIFAR-SUS EIXO ESTRUTURA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "20ª OFICINA DE PLANEJAMENTO QUALIFAR-SUS EIXO ESTRUTURA"

Transcrição

1 QUALIFAR-SUS 20ª OFICINA DE PLANEJAMENTO QUALIFAR-SUS EIXO ESTRUTURA COORDENAÇÃO GERAL DE ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA BÁSICA DEPARTAMENTO DE ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA E INSUMOS ESTRATÉGICOS SECRETARIA DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INSUMOS ESTRATÉGICOS MINISTÉRIO DA SAÚDE São Paulo, 3 de dezembro de 2012

2 AGENDA Apresentação Programa Nacional de Qualificação da Assistência Farmacêutica no SUS(QUALIFAR-SUS) Marco regulatório Eixos Eixo Estrutura para os municípios do Plano Brasil Sem Miséria Objetivo, marco regulatório Resultados Apoio Estruturação dos serviços farmacêuticos na atenção básica dos municípios do Plano Brasil Sem Miséria Eixo Estrutura Estratégias de apoio ao planejamento das ações de estruturação Orientações Técnicas Oficinas presenciais nos estados Reuniões Videoconferências Equipe de Apoiadores Institucionais Centralizado e Descentralizado do MS e-car Monitoramento HÓRUS ou Sistemas Próprios PMAQ

3 FINANCIAMENTO. 10 bilhões 9 bilhões 8 bilhões 7 bilhões 6 bilhões 5 bilhões 4 bilhões 3 bilhões 2 bilhões bilhão Evolução orçamentária dos gastos com medicamentos. DAF/SCTIE/MS Fonte: Fundo Nacional de Saúde FNS e CGPLAN/SCTIE/MS Atualizado: 31/01/2012

4 FINANCIAMENTO. Percentual de gastos com medicamentos em relação ao orçamento total do Ministério da Saúde Fonte: Fundo Nacional de Saúde FNS e CGPLAN/SCTIE/MS OBS: Em 2009 houve acréscimo orçamentário ref. ao crédito extraordinário para H1N1 Atualizado: 31/01/2012

5 CONTEXTO Educação Ano CURSO Fitoterapia para Médicos do SUS (EAD) Seleção Racional de Medicamentos e Boas Práticas de Prescrição Médica e Odontológica (EAD) Especialização em gestão da Assistência Farmacêutica (EAD) Sistema Nacional de Gestão da Assistência Farmacêutica HÓRUS (EAD) Farmacêuticos na APS: construindo uma relação integral (EAD) Cursos de Pós-graduação lato sensu em gestão da assistência farmacêutica (presencial) Mestrado profissionalizante em Gestão da Assistência Farmacêutica Especialização em Gestão Pública da Assistência Farmacêutica Especialização em Farmácia Hospitalar * Investimento superior a R$ ,00 * Oferta de mais de 5000 vagas

6 CONTEXTO Elaboração de documentos técnicos Ano Publicação 2011 Temas Selecionados - Condutas Baseadas em Evidências sobre Medicamentos Utilizados em Atenção Primária à Saúde 2011 Prêmio Nacional de Incentivo à Promoção do Uso Racional de Medicamentos 2009 resumos dos trabalhos publicados 2010 Relação Nacional de Medicamentos Essenciais RENAME Formulário Terapêutico Nacional 2010 RENAME Da excepcionalidade às linhas de cuidado: o Componente Especializado da Assistência Farmacêutica 2009 Assistência Farmacêutica no NASF Diretrizes do NASF- Cadernos de Atenção Básica nº Diretrizes para estruturação de farmácias no âmbito do Sistema Único de Saúde 2009 Programa Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos 2008 Programa farmácia popular do Brasil: manual de informações às unidades credenciadas: sistema de copagamento 2008 Formulário Terapêutico Nacional 2008 RENAME Relação Nacional de Medicamentos Essenciais - RENAME O Ensino e as Pesquisas da Atenção Farmacêutica no Âmbito do SUS 2007 Temas Selecionados - Evidências existentes em relação a determinados medicamentos 2006 A fitoterapia no SUS e o programa de pesquisas de plantas medicinais da Central de Medicamentos 2006 Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos 2006 Relação Nacional de Medicamentos Essenciais RENAME Aquisição de Medicamentos para Assistência Farmacêutica no SUS 2006 Assistência Farmacêutica na Atenção Básica instruções técnicas 2006 Planejar é preciso: uma proposta de método para aplicação à assistência farmacêutica

7 CONTEXTO Elaboração de documentos técnicos

8 CONTEXTO Informação 2005 a Análise dos Sistemas Municipais Elaboração do Projeto Implantação do Projeto Expansão: Projeto e Implantação Resultados: Projeto e Implantação Visita para conhecer a solução do município de Recife; Apoio financeiro para aprimoramento da solução criada pelo município de Recife. Adequações na solução de Recife; Transferência tecnologia ao MS; Lançamento HÓRUS; Elaboração e disponibilização do site do HÓRUS no portal da saúde; Disponibilização: 1ª fase de adesão ao HÓRUS - municípios. Municípios pilotos (indicação CONASEMS); Disponibilização: 2ª a 4ª fase de adesão HÓRUS - municípios; Oficialização na Portaria 4217/2010; Inicio do Projeto web service; Inicio do Projeto BI; Apoio institucional descentralizado (Alagoas). Curso EAD; Ampliação Apoio institucional descentralizado; Disponibilização das fases de adesão para os estados (Piloto: Alagoas); Links municípios < habitantes; Divulgação relatos experiências exitosas municípios; Projeto service; Projeto BI. web Inserção apoiadores na Estratégia de Apoio Integrado MS; Apresentação relatos experiências exitosas municípios eestados; QUALISUS-Redes; Projeto Indígena Projeto service; Projeto BI HÓRUS web

9 CENÁRIO DA AF NA ATENÇÃO BÁSICA Quadro 1 Descrição das constatações apontadas pela CGU relativas aos pontos críticos observados na assistência farmacêutica prestada em Unidades de Saúde. Constatação (29º e 30º Sorteios Públicos) Nº Município % (n = 116) Controle de estoque deficiente/inexistente 85 73,28 Falta de medicamentos 32 27,59 Condições inadequadas de armazenamento 51 43,97 Medicamentos vencidos ou com validade próxima da data 29 25,00 de vencimento Não-comprovação dos gastos com recurso do programa 14 12,07 Contrapartida Estadual e/ou Municipal em desacordo com o pactuado na Comissão Intergestores Bipartite (CIB) Inobservância aos procedimentos referentes ao processo licitatório Aquisição de medicamentos com preço superior ao praticado no Banco de Preços/MS e/ou em outras fontes de consulta , , ,59 Fraude em processo licitatório 09 7,76 Fonte: CGU (2010)

10 CENÁRIO DA AF NA ATENÇÃO BÁSICA Achados de Auditorias nos 10 Estados Omissão dos governos estaduais na coordenação e orientação dos municípios; Falta de planejamento da assistência farmacêutica; Falta de critérios técnicos na seleção de medicamentos; Programação inadequada das compras de medicamentos; Condições inadequadas de armazenamento dos medicamentos; Falta de controle no fluxo de medicamentos; Atuação deficiente do MS na coordenação e controle dos recursos repassado Fonte: Acórdão TCU 1459/2011

11 CENÁRIO DA AF NA ATENÇÃO BÁSICA ESTRUTURA DA ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA *N=1314 municípios Fonte: BI-HÓRUS

12 CENÁRIO DA AF NA ATENÇÃO BÁSICA GESTÃO DA ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA *N=1314 municípios Fonte: BI-HÓRUS

13 CENÁRIO DA AF NA ATENÇÃO BÁSICA SISTEMAS INFORMATIZADOS EM GESTÃO DA AF *N=1314 municípios Fonte: BI-HÓRUS

14 DESAFIO Superar a fragmentação das ações e serviços no campo da Assistência Farmacêutica, avançando conjuntamente na perspectiva das Redes de Atenção a Saúde (RAS), que buscam responder, de forma organizada e integrada, às demandas de saúde da população brasileira. Consideramos, que o modelo vigente no campo da Assistência Farmacêutica que ainda valoriza apenas a disponibilidade do medicamento não atende às necessidades propostas pelas RAS.

15 INSTITUI E REGULAMENTA QUALIFAR-SUS O Programa Nacional de Qualificação da Assistência Farmacêutica no SUS tem por finalidade contribuir para o processo de aprimoramento, implementação e integração sistêmica das atividades da Assistência Farmacêutica nas ações e serviços de saúde, visando a uma atenção contínua, integral, segura, responsável e humanizada.

16 QUALIFAR-SUS Marco Regulatório

17 EIXOS DO QUALIFAR-SUS Eixo Cuidado Eixo Estrutura Eixo Educação Eixo Informação

18 EIXOS QUALIFAR-SUS

19 EIXO EDUCAÇÃO 2013 Especialização em gestão da Assistência Farmacêutica(EAD) Farmacêuticos na APS: construindo uma relação integral (EAD) Curso de Qualificação de profissionais da Assistência Curso de Qualificação de profissionais da Assistência Farmacêutica e a utilização do Sistema Nacional de Gestão da Assistência Farmacêutica HÓRUS(EAD)

20 EIXO INFORMAÇÃO BD HÓRUS (Básico) Base Nacional de dados das ações e serviços da AF NO SUS Fontes de Dados Base Nacional de dados das ações e serviços da A.F (BI) Entrega da Informação Ger. Desemp. da AF BD HÓRUS (Estratégico) BD HÓRUS (Especializado) DATA WAREHOUSE Ferramenta Fácil de Usar Análises da AF BD FARMACIA POPULAR DATA Mining (mineração de dados) Dispositivos Relatórios Sistema não HÓRUS PACTUADA NA CIT DE 18 DE OUTUBRO DE 2012

21 EIXO INFORMAÇÃO Fontes de Dados Base Nacional de dados das ações e serviços da A.F (BI) BD HÓRUS (Básico) DATA WAREHOUSE Sistemas não HÓRUS 1ª Etapa: Municípios habilitados no QUALIFAR-SUS 2ª Etapa: Demais, conforme cronograma pactuado em 2013

22 EIXO ESTRUTURA Transferência de recurso financeiro para a estruturação dos serviços farmacêuticos em 20% dos municípios do BSM até mil habitantes(n= 453 municípios) PMAQ SAS/DAB QUALIFAR SUS SCTIE/DAF Atenção Básica REQUALIFICA UBS SAS/DAB Aprovada Meta Específica COAP 8.2 Critérios de priorização: PMAQ/REQUALIFICA/HÓRUS

23 EIXO ESTRUTURA ESTRUTURAÇÃO DOS SERVIÇOS FARMACÊUTICOS DA ATENÇÃO BÁSICA EM 20% DOS MUNICÍPIOS DO BSM Promover a estruturação das Centrais de Abastecimento Farmacêutico(CAF) e das Farmácias na atenção básica, no que se refere a equipamentos e mobiliários mínimos considerados compatíveis com as atividades a serem desenvolvidas na gestão da assistência farmacêutica Meta Específica COAP

24 Distribuição dos municípios do BSM segundo faixa populacional e região do país N= municípios do BSM

25 EIXO ESTRUTURA PARA OS MUNICÍPIOS DO BSM PROJEÇÃO DA ESTRUTURAÇÃO DOS SERVIÇOS FARMACÊUTICOS NA ATENÇÃO BÁSICA NOS MUNICIPIOS DO PLANO BRASIL SEM MISÉRIA

26 PROCESSO DE INSCRIÇÃO Período de 14 de junho a 13 de julho de 2012 Inscrições na página

27 RESULTADO QUALIFAR-SUS 2012 QUALIFAR-SUS 2012 REGIÃO Norte Nordeste Sul Sudeste Centro- Oeste INSCRITOS SELECIONADOS TOTAL DE INSCRITOS: SELECIONADOS: 453

28 RECURSO EIXO ESTRUTURA QUALIFAR-SUS Recurso Capital Aquisição de equipamentos e mobiliários para CAF e farmácia R$ ,00 para municípios até 25 mil habitantes R$ ,00 para municípios de 25 a 50 mil habitantes REPASSE FUNDO A FUNDO* R$33.600,00 para municípios de 50 a 100 mil habitantes Recurso Custeio Manutenção dos Serviços Farmacêuticos R$ ,00/ano *A fonte de recurso deverá onerar a Ação Orçamentária 20AH do PPA vigente, estando previstos para o ano 2012, o valor global de R$ 17 milhões

29 RESULTADO QUALIFAR-SUS 2012 REGIÃO NORTE REGIÃO SUDOSTE Estado Elegíveis Realizaram a Inscrição Selecionados Espírito Santo Minas Gerais Rio de Janeiro São Paulo

30 REPASSE DO RECURSO

31 QUALIFAR-SUS SÃO PAULO Distribuição dos 38 municípios paulistas contemplados pelo Eixo Estrutura:

32 QUALIFAR-SUS EIXO ESTRUTURA 2012

33 ESTRATÉGIAS DE APOIO Disponível no site Orientações técnicas sobre o planejamento e monitoramento do recurso do Eixo Estrutura

34 ESTRATÉGIAS DE APOIO

35 ESTRATÉGIAS DE APOIO Oficinas nos Estados Reuniões por Videoconferências Objetivo: Apoiar os municípios na estruturação dos serviços farmacêuticos Eixo Estrutura do QUALIFAR-SUS.

36 AGENDA OFICINAS DATA ESTADO LOCAL N MUNICÍPIOS 22/10 ES Vitória 8 25/10 RJ Rio de Janeiro 9 26/10 CE Fortaleza 78 1/11 PI Teresina 11 1/11 RR/RO/AM/AP Brasília* 9 6/11 MT/MS/SC Brasília* 14 7/11 PE Recife 13 7/11 AL Maceió 8/11 AL Arapiraca 25 9/11 PR Curitiba** 34 9/11 GO Goiás 9 13/11 ABERTA Brasília* 14/11 RS Porto Alegre 9 20/11 BA Salvador 54 21/11 AC Porto Velho 5 21 e 22/11 PB João Pessoa 38 22/11 PA Belém 19 27/11 TO Palmas 19 30/11 MG Pedra Azul 18 03/12 SP São Paulo 38 06/12 RN Natal 39 *Videoconferência -Os municípios poderão participar nos DATASUS regionais ou assistir via web pelo tempo real **Os municípios poderão participar nas regionais de saúde do estado

37 ESTRATÉGIAS DE APOIO Equipe de Apoiadores Institucionais Centralizado e Descentralizado do MS Objetivo: Fortalecer a relação com estados e municípios na lógica da cooperação e solidariedade, construindo uma rede de apoio e cooperação técnica entre os gestores das três esferas de governo. Os apoiadores da CGAFB/DAF irão auxiliar os municípios habilitados no eixo estrutura do QUALIFAR-SUS, de forma a contribuir para a estruturação dos serviços farmacêuticos na Atenção Básica.

38 Apoiadores dos Estados de Minas Gerais Estado Apoiadora Apoiadora Descentralizada MG SP SP Kelli Brunna Dias Amaral Kelli Dias Estado SP Apoiadora Centralizada Alessandra Figueiredo

39 ESTRATÉGIA DE APOIO AO PLANEJAMENTO e-car Cadastro no E-CAR Realizado de forma centralizada pelo DEMAS/SE após o recebimento dos dados cadastrais dos representantes das entidades PERFIS DE ACESSO: Perfil1:ediçãoevisualizaçãodaaçãodoseumunicípio Representantes dos municípios habilitados Responsabilidade: alimentação dos dados relativos ao planejamento e execução da ação do seu município Perfil 2: visualização das ações dos municípios do estado Representantes do COSEMS/Coordenação Estadual de Assistência Farmacêutica Apoiador institucional do MS do estado(s) Responsabilidade: apoiar o planejamento e implantação da ação nos municípios do seu estado

40 ESTRATÉGIA DE APOIO AO PLANEJAMENTO Cadastro no E-CAR Perfil 3: visualização de todas as ações dos municípios do QUALIFAR- SUS Representantes do Ministério da Saúde - CGAFB/DAF/SCTIE Representante do CONASS/CONASEMS Responsabilidade: apoiar o planejamento e a implantação da ações nos municípios Acesso: Domínio a ser definido Usuário: Senha: qualifarsus Troca de senha no 1º acesso

41 CICLOS DE MONITORAMENTO 1º CICLO Fase 1:Parecer técnico-caracterização dos serviços farmacêuticos na atenção básica e necessidades de estruturação Fase 2:Cadastro de ações, metas de estruturação e cronograma de execução PRAZO TÉRMINO 1º CICLO: até final de março/2013 2º CICLO Monitoramento das ações, metas e cronograma de execução

42 FERRAMENTA DE APOIO AO PLANEJAMENTO

43 FERRAMENTA DE APOIO AO PLANEJAMENTO

44 FERRAMENTA DE APOIO AO PLANEJAMENTO 1ª CICLO Planejamento das ações de estruturação Fase 1: Parecer técnico contendo: Caracterização dos serviços farmacêuticos da atenção básica do município e análise das necessidades de estruturação

45 FERRAMENTA DE APOIO AO PLANEJAMENTO

46 FERRAMENTA DE APOIO AO PLANEJAMENTO

47 FERRAMENTA DE APOIO AO PLANEJAMENTO 1º PASSO Acessar a planilha auxiliar de diagnóstico

48 FERRAMENTA DE APOIO AO PLANEJAMENTO 2º PASSO Utilizar a planilha auxiliar e realizar o diagnóstico em todos os serviços de atenção básica do município

49 FERRAMENTA DE APOIO AO PLANEJAMENTO 3º PASSO Preencher a planilha com os dados consolidados do diagnóstico em todos os serviços de atenção básica do município e anexar no formulário eletrônico

50 FERRAMENTA DE APOIO AO PLANEJAMENTO 4º PASSO Preencher os dados consolidados da planilha de diagnóstico no formulário eletrônico

51 FERRAMENTA DE APOIO AO PLANEJAMENTO 1ª CICLO Planejamento das ações de estruturação Fase 2: Cadastro de ações, metas de estruturação e cronograma de execução Com base no diagnóstico realizado fazer o planejamento das ações e metas de estruturação e seu respectivo prazo de execução

52 FERRAMENTA DE APOIO AO PLANEJAMENTO 1ª CICLO Planejamento das ações de estruturação Fase 2: Cadastro de ações, metas de estruturação e cronograma de execução

53 FERRAMENTA DE APOIO AO PLANEJAMENTO 1ª CICLO Planejamento das ações de estruturação Fase 2: Cadastro de ações, metas de estruturação e cronograma de execução Nomedameta Prazo para execução Planejamento da execução

54 FERRAMENTA DE APOIO AO PLANEJAMENTO 2ª CICLO Monitoramento das ações, metas e cronograma de execução Acompanhamento da execução das metas estabelecidas no planejamento Prazo: trimestral durante o prazo de execução

55 MONITORAMENTO HÓRUS OBJETIVO: Disponibilizar informações em relação ao acesso e uso dos medicamentos na atenção básica

56 MONITORAMENTO SISTEMAS PRÓPRIOS OBJETIVO: Disponibilizar informações em relação ao acesso e uso dos medicamentos na atenção básica, por meio, do envio do conjunto de dados pelo serviço de webservice MARCO REGULATÓRIO: Portaria que institui e regulamenta a Base Nacional de Ações e Serviços da Assistência Farmacêutica

57 MONITORAMENTO - Programa Nacional de Melhoria, Acesso e Qualidade (PMAQ) OBJETIVO: De forma complementar as demais estratégias, o PMAQ disponibilizará informações relativas: Lista de medicamentos dos municípios e disponibilidade Estrutura das farmácias das UBS

58 MONITORAMENTO KSC16 Instrumento de autoavaliação AMAQ Instrumento de avaliação externa Informações referentes a estrutura das farmácias das unidades de saúde dos municípios selecionados

59 Slide 58 KSC16 DEIXAR SO UM SLIDE DO PMAQ Karen S Costa; 13/10/2012

60 PLATAFORMA INTEGRADA BI - HÓRUS Art. 7º O monitoramento das ações desenvolvidas em decorrência dos repasses dos recursos definidos nesta Portaria será realizado mediante: I - prioritariamente, pelo acompanhamento da utilização do Sistema HÓRUS ou da transmissão das informações conforme disposto no art. 6º; e II - de forma complementar, pelo PMAQ-AB,.

61 MONITORAMENTO QUALIFAR-SUS : SISTEMA HÓRUS Indicadores de Gestão

62 MONITORAMENTO QUALIFAR-SUS : SISTEMA HÓRUS Indicadores de Gestão

63 MONITORAMENTO QUALIFAR-SUS: SISTEMA HÓRUS Indicadores de Uso Racional

64 MONITORAMENTO QUALIFAR-SUS: Indicadores de Estrutura e Processo

65 QUALIFAR-SUS SÃO PAULO Distribuição dos 38 municípios paulistas contemplados pelo Eixo Estrutura:

66 QUALIFAR-SUS SÃO PAULO MUNICÍPIO ÁLVARES FLORENCE CADASTRO DE ADESÃO TERMO DE ADESÃO CAPACITAÇÃO PRODUÇÃO RECURSO EIXO ESTRUTURA OK R$ ,00 + R$ ,00 APIAÍ OK OK OK R$ ,00 + R$ ,00 ARAPEÍ OK OK OK OK R$ ,00 + R$ ,00 BARRA DO CHAPÉU R$ ,00 + R$ ,00 BIRITIBA MIRIM OK OK OK OK R$ ,00 + R$ ,00 CAMPINA DO MONTE ALEGRE OK OK OK R$ ,00 + R$ ,00 CANANÉIA OK R$ ,00 + R$ ,00 CASTILHO R$ ,00 + R$ ,00 CORONEL MACEDO R$ ,00 + R$ ,00 ELDORADO R$ ,00 + R$ ,00

67 FASES DE ADESÃO AO HÓRUS E RECURSOS: MUNICÍPIO CADASTRO DE ADESÃO TERMO DE ADESÃO CAPACITAÇÃO PRODUÇÃO RECURSO EIXO ESTRUTURA EMBU GUAÇU OK OK OK OK R$ ,00 + R$ ,00 FERNÃO R$ ,00 + R$ ,00 FLORA RICA R$ ,00 + R$ ,00 HERCULÂNDIA OK R$ ,00 + R$ ,00 ILHA COMPRIDA OK R$ ,00 + R$ ,00 IPERÓ OK OK OK R$ ,00 + R$ ,00 ITAPEVA OK OK OK OK R$ ,00 + R$ ,00 ITAPORANGA R$ ,00 + R$ ,00 ITAPURA R$ ,00 + R$ ,00 ITARIRI OK OK OK OK R$ ,00 + R$ ,00 JACUPIRANGA OK OK OK OK R$ ,00 + R$ ,00 JUQUIÁ R$ ,00 + R$ ,00

68 FASES DE ADESÃO AO HÓRUS E RECURSOS: MUNICÍPIO CADASTRO DE ADESÃO TERMO DE ADESÃO CAPACITAÇÃO PRODUÇÃO RECURSO EIXO ESTRUTURA JUQUITIBA R$ ,00 + R$ ,00 MIRANTE DO PARANAPANEMA R$ ,00 + R$ ,00 MONGAGUÁ R$ ,00 + R$ ,00 PARIQUERA-AÇU OK OK R$ ,00 + R$ ,00 PERUÍBE R$ ,00 + R$ ,00 PLATINA OK OK OK R$ ,00 + R$ ,00 QUELUZ R$ ,00 + R$ ,00 REGISTRO OK OK OK OK R$ ,00 + R$ ,00 RIBEIRÃO GRANDE OK OK R$ ,00 + R$ ,00 RUBINÉIA OK R$ ,00 + R$ ,00 SÃO JOSÉ DO BARREIRO OK OK OK OK R$ ,00 + R$ ,00

69 FASES DE ADESÃO AO HÓRUS E RECURSOS: MUNICÍPIO CADASTRO DE ADESÃO TERMO DE ADESÃO CAPACITAÇÃO PRODUÇÃO RECURSO EIXO ESTRUTURA SARAPUÍ OK OK OK OK R$ ,00 + R$ ,00 SETE BARRAS R$ ,00 + R$ ,00 SUZANÁPOLIS OK OK OK R$ ,00 + R$ ,00 TAQUARITUBA R$ ,00 + R$ ,00 TAQUARIVAÍ OK OK R$ ,00 + R$ ,00 RESUMO SP: 114 elegíveis, 81 inscritos e 38 selecionados

70 QUALIFAR-SUS SÃO PAULO RRAS: MUNICÍPIOS: 2 BIRITIBA-MIRIM 4 7 EMBU-GUAÇU JUQUITIBA CANANÉIA ELDORADO ILHA COMPRIDA ITARIRI JACUPIRANGA JUQUIÁ MONGAGUÁ PARIQUERA-AÇU PERUÍBE REGISTRO SETE BARRAS RRAS: MUNICÍPIOS: APIAÍ BARRA DO CHAPÉU CAMPINA DO MONTE ALEGRE ITAPEVA RIBEIRÃO GRANDE SARAPUÍ TAQUARIVAÍ CORONEL MACEDO ITAPORANGA TAQUARITUBA FERNÃO HERCULÂNDIA PLATINA Municípios que possuem sistemas próprios. RRAS: MUNICÍPIOS: FLORA RICA MIRANTE DO PARANAPANEMA ÁLVARES FLORENCE CASTILHO IPERÓ ITAPURA RUBINÉIA SUZANÁPOLIS ARAPEÍ QUELUZ SÃO JOSÉ DO BARREIRO

71 QUALIFAR-SUS SÃO PAULO Dados: 38 municípios contemplados 17 informaram que possuem sistema próprio (ITAPEVA e SARAPUÍ possuem senha de produção do Hórus); 21 informaram que não possuem sistemas próprios (destes 7 estão na 4ª fase de adesão ao Hórus e 14 não possuem todas as fases). 9 municípios em 4ª fase: ARAPEÍ BIRITIBA-MIRIM EMBU-GUAÇU ITAPEVA ITARIRI JACUPIRANGA REGISTRO SÃO JOSÉ DO BARREIRO SARAPUÍ Fonte: CGAFB/DAF/SCTIE/Ministério da Saúde - novembro/2012

72 OBRIGADO Karen Costa Coordenadora da CGAFB/DAF Suetônio Queiroz Apoiador Institucional Descentralizado da CGAFB/DAF Brunna Amaral Apoiadora Institucional Descentralizada (São Paulo) da CGAFB/DAF Rafael de Morais DEMAS/SE/MS

73 CONTATOS Tel: (61)

QUALIFAR-SUS Programa Nacional de Qualificação da Assistência Farmacêutica

QUALIFAR-SUS Programa Nacional de Qualificação da Assistência Farmacêutica Ministério da Saúde Secretaria de Ciência, tecnologia e Insumos Estratégico Departamento de Assistência Farmacêutica e Insumos Estratégico Coordenação Geral de Assistência Farmacêutica Básica QUALIFAR-SUS

Leia mais

CONGRESSO COSEMS/SP Março 2013

CONGRESSO COSEMS/SP Março 2013 CONGRESSO COSEMS/SP Março 2013 Elaboração de Políticas e Articulações Interfederativas Assistência Farmacêutica no SUS CONSTITUIÇÃO FEDERAL CAPÍTULO DA SAÚDE Art. 196 - A saúde é direito de todos e dever

Leia mais

19ª OFICINA NACIONAL DE APOIO A IMPLANTAÇÃO/IMPLEMENTAÇÃO O EIXO ESTRUTURA DO QUALIFAR- SUS NOS MUNICÍPIOS DO PLANO BRASIL SEM MISÉRIA

19ª OFICINA NACIONAL DE APOIO A IMPLANTAÇÃO/IMPLEMENTAÇÃO O EIXO ESTRUTURA DO QUALIFAR- SUS NOS MUNICÍPIOS DO PLANO BRASIL SEM MISÉRIA 19ª OFICINA NACIONAL DE APOIO A IMPLANTAÇÃO/IMPLEMENTAÇÃO O EIXO ESTRUTURA DO QUALIFAR- SUS NOS MUNICÍPIOS DO PLANO BRASIL SEM MISÉRIA Manaus, 21 de novembro de 2013 Estratégias de apoio Eixo Estrutura

Leia mais

Msc. Luiz Henrique Costa Coordenador Geral de Assistência Farmacêutica e Medicamentos Estratégicos/SCTIE/MS

Msc. Luiz Henrique Costa Coordenador Geral de Assistência Farmacêutica e Medicamentos Estratégicos/SCTIE/MS Msc. Luiz Henrique Costa Coordenador Geral de Assistência Farmacêutica e Medicamentos Estratégicos/SCTIE/MS Assistência Farmacêutica Histórico 1990: Criação da lei Orgânica do SUS Equidade Universalidade

Leia mais

V Congresso de Secretários Municipais de Saúde do Estado do Piauí COSEMS-PI

V Congresso de Secretários Municipais de Saúde do Estado do Piauí COSEMS-PI V Congresso de Secretários Municipais de Saúde do Estado do Piauí COSEMS-PI QUALIFICAÇÃO DA ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA NO MUNICÍPIO: QUALIFAR-SUS 2 DESAFIO Superar a fragmentação das ações e serviços no

Leia mais

NOTA TÉCNICA 33 2012

NOTA TÉCNICA 33 2012 NOTA TÉCNICA 33 2012 Proposta de regulamentação da base nacional de dados das ações e serviços do Componente Básico da Assistência Farmacêutica no SUS Assembleia do CONASS de 17 outubro de 2012 Brasília,

Leia mais

MANUAL TÉCNICO PARA RECEBIMENTO DE PRODUTOS/ BENS VERSÃO MUNICÍPIOS

MANUAL TÉCNICO PARA RECEBIMENTO DE PRODUTOS/ BENS VERSÃO MUNICÍPIOS MANUAL TÉCNICO PARA RECEBIMENTO DE PRODUTOS/ BENS VERSÃO MUNICÍPIOS BRASÍLIA- DF 2015 1 Elaboração e informações: MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Departamento

Leia mais

II Fórum de Coordenadores de imunizações dos estados e de municípios de capital, 2014

II Fórum de Coordenadores de imunizações dos estados e de municípios de capital, 2014 II Fórum de Coordenadores de imunizações dos estados e de municípios de capital, 2014 Situação e mecanismo para avançar no processo de implantação do SIPNI Carla Magda A. S. Domingues Coordenadora Geral

Leia mais

Aquisição e Gerenciamento de Medicamentos do Componente Básico da Assistência Farmacêutica

Aquisição e Gerenciamento de Medicamentos do Componente Básico da Assistência Farmacêutica Aquisição e Gerenciamento de Medicamentos do Componente Básico da Assistência Farmacêutica Maceió -Setembro/2013 HISTÓRICO PORTARIA GM/MS nº 3.916/98 POLÍTICA NACIONAL DE MEDICAMENTOS ESTABELECEU DIRETRIZES

Leia mais

NOTA TÉCNICA 63 2011 PROPOSTA DE AMPLIAÇÃO DO PROJETO VIDA NO TRÂNSITO

NOTA TÉCNICA 63 2011 PROPOSTA DE AMPLIAÇÃO DO PROJETO VIDA NO TRÂNSITO NOTA TÉCNICA 63 2011 PROPOSTA DE AMPLIAÇÃO DO PROJETO VIDA NO TRÂNSITO Repasse financeiro do Fundo Nacional de Saúde aos Fundos de Saúde Estaduais, Municipais e do Distrito Federal, por meio do Piso Variável

Leia mais

DEMANDA DE CANDIDATOS POR VAGA

DEMANDA DE CANDIDATOS POR VAGA Analista de Correios / Administrador AC / Rio Branco 123 1 123,00 Analista de Correios / Técnico em Comunicação Social Atuação: Jornalismo AC / Rio Branco 27 1 27,00 Médico do Trabalho Formação: Medicina

Leia mais

Telessaúde: Estratégia de Educação Permanente para melhoria da resolutividade e qualidade na Atenção Básica

Telessaúde: Estratégia de Educação Permanente para melhoria da resolutividade e qualidade na Atenção Básica Telessaúde: Estratégia de Educação Permanente para melhoria da resolutividade e qualidade na Atenção Básica XIV APS: Encontro de Atualização de Atenção Primária à Saúde Juiz de Fora Outubro, 2013 ATENÇÃO

Leia mais

TELESSAÚDE BRASIL REDES NA ATENÇÃO BÁSICA

TELESSAÚDE BRASIL REDES NA ATENÇÃO BÁSICA MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA TELESSAÚDE BRASIL REDES NA ATENÇÃO BÁSICA MANUAL INSTRUTIVO Sumário Introdução... 3 Atividades a serem desenvolvidas dentro

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO Nota Técnica elaborada em 01/2014 pela CGAN/DAB/SAS. MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO NOTA TÉCNICA Nº15/2014-CGAN/DAB/SAS/MS

Leia mais

VII Fórum Nacional de Assistência Farmacêutica. Intervenção Sistêmica da Assistência Farmacêutica nas regiões do Projeto QualiSUS-REDE

VII Fórum Nacional de Assistência Farmacêutica. Intervenção Sistêmica da Assistência Farmacêutica nas regiões do Projeto QualiSUS-REDE VII Fórum Nacional de Assistência Farmacêutica Intervenção Sistêmica da Assistência Farmacêutica nas regiões do Projeto QualiSUS-REDE Brasília, 08 de dezembro de 2014 1 Integração do QUALIFAR-SUS com Projetos

Leia mais

INFORME SARGSUS. Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde

INFORME SARGSUS. Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde INFORME SARGSUS Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde 1 ESFERA MUNICIPAL 1.1 Relatório de Gestão Ano 2013 Até a presente data,

Leia mais

Programa de Requalificação de UBS. Março/2015

Programa de Requalificação de UBS. Março/2015 Programa de Requalificação de UBS Março/2015 PROGRAMA DE REQUALIFICAÇÃO DE UBS Instituído no ano de 2011 OBJETIVOS: Criar incentivo financeiro para as UBS Contribuir para estruturação e o fortalecimento

Leia mais

O componente saúde bucal do PMAQ-AB e indicadores de Saúde Bucal na Atenção Básica

O componente saúde bucal do PMAQ-AB e indicadores de Saúde Bucal na Atenção Básica MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE SAÚDE BUCAL O componente saúde bucal do PMAQ-AB e indicadores de Saúde Bucal na Atenção Básica Edson

Leia mais

NOTA TÉCNICA 38 /2013. Institui, no âmbito da Política Nacional de Saúde Bucal, o componente GraduaCEO BRASIL SORRIDENTE e dá outras providências.

NOTA TÉCNICA 38 /2013. Institui, no âmbito da Política Nacional de Saúde Bucal, o componente GraduaCEO BRASIL SORRIDENTE e dá outras providências. NOTA TÉCNICA 38 /2013 Institui, no âmbito da Política Nacional de Saúde Bucal, o componente GraduaCEO BRASIL SORRIDENTE e dá outras providências. Brasília, 18 de setembro de 2013 1 INTRODUÇÃO O Ministério

Leia mais

Mapeamento de Experiências Municipais e Estaduais no campo do Envelhecimento e Saúde da Pessoa Idosa

Mapeamento de Experiências Municipais e Estaduais no campo do Envelhecimento e Saúde da Pessoa Idosa COMEMORAÇÃO DOS 29 ANOS DO ICICT/FIOCRUZ Mapeamento de Experiências Municipais e Estaduais no campo do Envelhecimento e Saúde da Pessoa Idosa O papel da COSAPI no incentivo de experiências exitosas de

Leia mais

INFORMATIZAÇÃO E TELESSAÚDE BRASIL REDES NA ATENÇÃO BÁSICA

INFORMATIZAÇÃO E TELESSAÚDE BRASIL REDES NA ATENÇÃO BÁSICA MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA INFORMATIZAÇÃO E TELESSAÚDE BRASIL REDES NA ATENÇÃO BÁSICA MANUAL INSTRUTIVO Sumário Introdução... 3 Atividades a serem

Leia mais

Programa Rede A PARCERIA CFC E SEBRAE: EDUCAÇÃO EMPREENDEDORA EM RESPONSABILIDADE PROFISSIONAL E SOCIAL

Programa Rede A PARCERIA CFC E SEBRAE: EDUCAÇÃO EMPREENDEDORA EM RESPONSABILIDADE PROFISSIONAL E SOCIAL Programa Rede A PARCERIA CFC E SEBRAE: EDUCAÇÃO EMPREENDEDORA EM RESPONSABILIDADE PROFISSIONAL E SOCIAL JUSTIFICATIVA A experiência na implementação da primeira versão do Programa Contabilizando o Sucesso

Leia mais

Oficina de Avaliação sobre a Implantação e Utilização do e-sus AB GT e-sus AB/DAB/SAS/MS Maio de 2015

Oficina de Avaliação sobre a Implantação e Utilização do e-sus AB GT e-sus AB/DAB/SAS/MS Maio de 2015 Estratégia e-sus AB caminhos da implantação Oficina de Avaliação sobre a Implantação e Utilização do e-sus AB GT e-sus AB/DAB/SAS/MS Maio de 2015 Assista o vídeo que mostra como os profissionais de saúde

Leia mais

O e-sus AB no Ceará. COSEMS - Fortaleza 08 de maio de 2015

O e-sus AB no Ceará. COSEMS - Fortaleza 08 de maio de 2015 O e-sus AB no Ceará COSEMS - Fortaleza 08 de maio de 2015 e-saúde e o SUS Reestruturação dos sistemas de informação em saúde do MS em busca de um SUS eletrônico: Cartão Nacional de Saúde e-sus Hospitalar

Leia mais

Política Nacional de Saúde Bucal

Política Nacional de Saúde Bucal MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE SAÚDE BUCAL Política Nacional de Saúde Bucal Brasil Sorridente, suas ações, abrangências e como as

Leia mais

Saúde mais Perto de Você

Saúde mais Perto de Você Saúde mais Perto de Você LINHAS GERAIS DA NOVA POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO BÁSICA Ampliação do Financiamento da AB Programa de Requalificação das UBS Ampliação do Acesso Melhoria da Qualidade da AB Ações

Leia mais

Melhorar sua vida, nosso compromisso Redução da Espera: tratar câncer em 60 dias é obrigatório

Melhorar sua vida, nosso compromisso Redução da Espera: tratar câncer em 60 dias é obrigatório Melhorar sua vida, nosso compromisso Redução da Espera: tratar câncer em 60 dias é obrigatório Maio de 2013 Magnitude do Câncer no Brasil 518 mil novos casos em 2013 Câncer de pele não melanoma deve responder

Leia mais

ENCONTRO PARA A CONTINUIDADE DO PROCESSO DE PLANEJAMENTO REGIONAL E COAP

ENCONTRO PARA A CONTINUIDADE DO PROCESSO DE PLANEJAMENTO REGIONAL E COAP MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA Departamento de Articulação Interfederativa ENCONTRO PARA A CONTINUIDADE DO PROCESSO DE PLANEJAMENTO REGIONAL E COAP NORMAS E FLUXOS

Leia mais

Situação da Tuberculose no Brasil

Situação da Tuberculose no Brasil Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância Epidemiológica Programa Nacional de Controle da Tuberculose Situação da Tuberculose no Brasil Draurio Barreira Coordenador

Leia mais

Mais Médicos para o Brasil

Mais Médicos para o Brasil Mais Médicos para o Brasil EIXOS Ampliação e Melhoria da Infraestrutura Formação para o SUS Ampliação da Oferta na Graduação e Residência Médica Mudança no Eixo dos Locais de Formação Reorientação da Formação

Leia mais

III CONGRESSO DE REFEITURAS E SECRETARIAS UNICIPAIS DE SAÚDE DO IO GRANDE DO NORTE SUS 25 ANOS: AVANÇOS E DESAFIOS

III CONGRESSO DE REFEITURAS E SECRETARIAS UNICIPAIS DE SAÚDE DO IO GRANDE DO NORTE SUS 25 ANOS: AVANÇOS E DESAFIOS III CONGRESSO DE REFEITURAS E SECRETARIAS UNICIPAIS DE SAÚDE DO IO GRANDE DO NORTE SUS 25 ANOS: AVANÇOS E DESAFIOS Agosto 2014 Voltando no tempo... Estado autoritário, controlador, centralizador Fragmentado

Leia mais

FINANCIAMENTO DOS MUNICÍPIOS DO BRASIL Um balanço o entre aspectos sociais e econômicos

FINANCIAMENTO DOS MUNICÍPIOS DO BRASIL Um balanço o entre aspectos sociais e econômicos Seminário Internacional sobre Tributação Imobiliária FINANCIAMENTO DOS MUNICÍPIOS DO BRASIL Um balanço o entre aspectos sociais e econômicos Maria Cristina Mac Dowell maria-macdowell.azevedo@fazenda.gov.br

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DO CÂNCER FEMININO. Rio de Janeiro RJ 30 de junho de 2011

POLÍTICA NACIONAL DO CÂNCER FEMININO. Rio de Janeiro RJ 30 de junho de 2011 MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE - SAS DEPARTAMENTO DE ASSISTÊNCIA ESPECIALIZADA DAE Coordenação-Geral de Média e Alta Complexidade POLÍTICA NACIONAL DO CÂNCER FEMININO Maria Inez Pordeus

Leia mais

Pesquisa de Informações Básicas Estaduais 2012

Pesquisa de Informações Básicas Estaduais 2012 Pesquisa de Informações Básicas Estaduais 2012 Informações Básicas Recursos Humanos Foram pesquisadas as pessoas que trabalhavam na administração direta e indireta por vínculo empregatício e escolaridade;

Leia mais

Pendências de Envio do Relatório de Gestão Municipal-2013 aos CMS

Pendências de Envio do Relatório de Gestão Municipal-2013 aos CMS INFORME SARGSUS Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde 1 ESFERA MUNICIPAL 1.1 Relatório de Gestão Ano 2013 Até a presente data,

Leia mais

Centro de Artes e Esportes Unificados, Sertãozinho SP. UBS Elpidio Moreira Souza AC. UPA município de Ribeirão Pires SP

Centro de Artes e Esportes Unificados, Sertãozinho SP. UBS Elpidio Moreira Souza AC. UPA município de Ribeirão Pires SP Centro de Artes e Esportes Unificados, Sertãozinho SP UBS Elpidio Moreira Souza AC Quadra da Escola Municipal Érico de Souza, Águas Lindas GO UPA município de Ribeirão Pires SP UBS Clínica da Família,

Leia mais

No Brasil, existem cerca de 45 milhões de Pessoas com Deficiência, o que representa ¼ da população geral (Censo IBGE, 2010).

No Brasil, existem cerca de 45 milhões de Pessoas com Deficiência, o que representa ¼ da população geral (Censo IBGE, 2010). O Plano Nacional dos Direitos da Pessoa com Deficiência PLANO VIVER SEM LIMITE 2011-2014 foi instituído por meio do Decreto da Presidência da República nº 7.612, de 17/11/2011 e tem como finalidade promover,

Leia mais

CARTA DE SÃO PAULO 5º CONGRESSO BRASILEIRO SOBRE O USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS O USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS E A SEGURANÇA DO PACIENTE

CARTA DE SÃO PAULO 5º CONGRESSO BRASILEIRO SOBRE O USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS O USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS E A SEGURANÇA DO PACIENTE CARTA DE SÃO PAULO 5º CONGRESSO BRASILEIRO SOBRE O USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS O USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS E A SEGURANÇA DO PACIENTE A realização do I Congresso Brasileiro sobre o Uso Racional de Medicamentos

Leia mais

Ministério da Saúde Conselho Nacional de Saúde/CNS

Ministério da Saúde Conselho Nacional de Saúde/CNS Ministério da Saúde Conselho Nacional de Saúde/CNS Ministério da Saúde Conselho Nacional de Saúde/CNS Comissão Nacional de Ética em Pesquisa 256ª Reunião Ordinária CNS Jorge Alves de Almeida Venancio 09/04/2014

Leia mais

Estratégia de fortalecimento dos Pequenos Negócios Maria Aparecida Bogado

Estratégia de fortalecimento dos Pequenos Negócios Maria Aparecida Bogado Estratégia de fortalecimento dos Pequenos Negócios Maria Aparecida Bogado Consultor Sebrae Nacional PARCERIAS MPOG - Ministério do Planejamento Orçamento e Gestão/SLTI CONSAD Conselho Nacional de Secretários

Leia mais

MÓDULO 1 Conhecendo o HÓRUS

MÓDULO 1 Conhecendo o HÓRUS MÓDULO 1 Conhecendo o HÓRUS Bem-vindo(a) ao primeiro módulo do curso! A partir de agora você conhecerá as principais características do sistema HÓRUS. Para iniciar, você saberia dizer por que este sistema

Leia mais

Programa Academia da Saúde

Programa Academia da Saúde Programa Academia da Saúde Política Nacional de Promoção da Saúde Objetivos: Promover a qualidade de vida Reduzir a vulnerabilidade e os riscos à saúde relativos aos seus determinantes e condicionantes

Leia mais

OS MUNICÍPIOS BILIONÁRIOS EM 2012

OS MUNICÍPIOS BILIONÁRIOS EM 2012 OS MUNICÍPIOS BILIONÁRIOS EM 2012 (Estudo Técnico nº 175) François E. J. de Bremaeker Salvador, julho de 2012 2 OS MUNICÍPIOS BILIONÁRIOS EM 2012 François E. J. de Bremaeker Economista e Geógrafo Associação

Leia mais

Programa de Melhoria da Gestão em Hospitais Filantr

Programa de Melhoria da Gestão em Hospitais Filantr Imagem: Santa Casa de Santos fundada em 1543 Atualização: 26/outubro Programa de Melhoria da Gestão em Hospitais Filantr ópicos Filantró Hospitais e Entidades Filantrópicas - CMB Objetivos do Projeto Governança

Leia mais

CONSELHO DE SECRETARIAS MUNICIPAIS DE SAÚDE

CONSELHO DE SECRETARIAS MUNICIPAIS DE SAÚDE ANEXO II TERMO DE REFERÊNCIA PROFISSIONAL NÍVEL SUPERIOR CONTEUDISTA (MESTRE) PARA O CURSO DE QUALIFICAÇÃO DE PROFISSIONAIS DA ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA, COM UTILIZAÇÃO DO SISTEMA NACIONAL DE GESTÃO DA

Leia mais

PORTARIA No- 2.554, DE 28 DE OUTUBRO DE 2011

PORTARIA No- 2.554, DE 28 DE OUTUBRO DE 2011 PORTARIA No- 2.554, DE 28 DE OUTUBRO DE 2011 Institui, no Programa de Requalificação de Unidades Básicas de Saúde, o Componente de Informatização e Telessaúde Brasil Redes na Atenção Básica, integrado

Leia mais

Portaria nº 1.555, de 30 de julho de 2013 Perguntas e respostas mais frequentes

Portaria nº 1.555, de 30 de julho de 2013 Perguntas e respostas mais frequentes MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INSUMOS ESTRATÉGICOS DEPARTAMENTO DE ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA E INSUMOS ESTRATÉGICOS Esplanada dos Ministérios. Bloco G, Ed. Sede, 8º Andar CEP:

Leia mais

Programa de Melhoria da Gestão em Hospitais Filantr

Programa de Melhoria da Gestão em Hospitais Filantr Imagem: Santa Casa de Santos fundada em 1543 Programa de Melhoria da Gestão em Hospitais Filantr ópicos Filantró Hospitais e Entidades Filantrópicas - CMB Objetivos do Projeto Governança Metodologia Seleção

Leia mais

MICROCEFALIA DENGUE CHIKUNGUNYA ZIKA NOVEMBRO DE 2015

MICROCEFALIA DENGUE CHIKUNGUNYA ZIKA NOVEMBRO DE 2015 MICROCEFALIA DENGUE CHIKUNGUNYA ZIKA NOVEMBRO DE 2015 Situação da microcefalia no Brasil Até 21 de novembro, foram notificados 739 casos suspeitos de microcefalia, identificados em 160 municípios de nove

Leia mais

Governança Pública. O Desafio do Brasil. Contra a corrupção e por mais desenvolvimento. Governança de Municípios. Março/2015

Governança Pública. O Desafio do Brasil. Contra a corrupção e por mais desenvolvimento. Governança de Municípios. Março/2015 Governança Pública O Desafio do Brasil Contra a corrupção e por mais desenvolvimento Governança de Municípios Março/2015 João Augusto Ribeiro Nardes Ministro do TCU Sumário I. Introdução-OTCUeocombateàcorrupção

Leia mais

Edital do Processo Seletivo para o Curso Micropolítica da Gestão e Trabalho em Saúde Ênfase na Gestão Estadual do Sistema Único de Saúde

Edital do Processo Seletivo para o Curso Micropolítica da Gestão e Trabalho em Saúde Ênfase na Gestão Estadual do Sistema Único de Saúde 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E INOVAÇÃO COORDENADORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Rio de Janeiro, em 06 de outubro

Leia mais

Departamento de Atenção Básica/MS. Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade PMAQ. Outubro 2013

Departamento de Atenção Básica/MS. Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade PMAQ. Outubro 2013 Departamento de Atenção Básica/MS Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade PMAQ Outubro 2013 1 Desafios : I - Precariedade da rede física, com parte expressiva dos estabelecimentos de saúde

Leia mais

ANEXO II - PLANILHA DE FORMAÇÃO DE PREÇOS - MODELO DE PROPOSTA PROPOSTADEFORNECIMENTO

ANEXO II - PLANILHA DE FORMAÇÃO DE PREÇOS - MODELO DE PROPOSTA PROPOSTADEFORNECIMENTO ANEXO II - PLANILHA DE FORMAÇÃO DE PREÇOS - MODELO DE PROPOSTA PROPOSTADEFORNECIMENTO Ref.:COTAÇÃO ELETRÔNICANº003/2015 ApresentamosnossapropostaparafornecimentodosItensabaixodiscriminados,conformeAnexoI

Leia mais

Política Nacional de Saúde do Trabalhador e da Trabalhadora. Portaria GM/MS n 1.823, de 23 de agosto de 2012

Política Nacional de Saúde do Trabalhador e da Trabalhadora. Portaria GM/MS n 1.823, de 23 de agosto de 2012 Política Nacional de Saúde do Trabalhador e da Trabalhadora Portaria GM/MS n 1.823, de 23 de agosto de 2012 MARCOS LEGAIS: Constituição Federal de 1988 Art. 200 Ao SUS compete, além de outras atribuições,

Leia mais

NOAS 01/02: amplia responsabilidades de gestão

NOAS 01/02: amplia responsabilidades de gestão Decreto 7508: organização do SUS; planejamento, assistência e articulação interfederativa 11 NOB 93: Descentralização NOAS 01/02: amplia responsabilidades de gestão 93 96 02 06 NOB 96: odelo de gestão

Leia mais

DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ

DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ EIXO 1 DIREITO À SAÚDE, GARANTIA DE ACESSO E ATENÇÃO DE QUALIDADE Prioritária 1: Manter o incentivo aos Programas do Núcleo Apoio da Saúde da Família

Leia mais

Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade na Atenção Básica

Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade na Atenção Básica Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade na Atenção Básica Diretrizes : Envolver, mobilizar e responsabilizar o gestor federal, gestores estaduais, municipais e locais, equipes e usuários

Leia mais

UN 4 0,00 Catraca pedestal com cofre com leitor smart card

UN 4 0,00 Catraca pedestal com cofre com leitor smart card ITEM 1 - Município - Rio de Janeiro - RJ ANEXO II DO TERMO DE REFERÊNCIA QT Valor Unitário R$ Valor Total R$ 1 - Projeto (verba para infraestrutura e ativação local) VB 1 Software de Acesso - Licença Web

Leia mais

PROJETO DE FORMAÇÃO E MELHORIA DA QUALIDADE DA REDE DE SAUDE QUALISUS-REDE

PROJETO DE FORMAÇÃO E MELHORIA DA QUALIDADE DA REDE DE SAUDE QUALISUS-REDE TERMO DE REFERÊNCIA Nº 10/2015 Consultor Conteudista para elaboração do Curso EAD voltado à Implantação de Serviço de Clínica Farmacêutica Intervenção Sistêmica Gestão da Assistência Farmacêutica : Implantação

Leia mais

CONVOCAÇÕES REALIZADAS ATÉ 01/01/2012

CONVOCAÇÕES REALIZADAS ATÉ 01/01/2012 SERVIÇO FEDERAL DE PROCESSAMENTO DE DADOS (SERPRO) CONCURSO PÚBLICO PARA PREENCHIMENTO DE E FORMAÇÃO DE CADASTRO DE RESERVA PARA OS CARGOS DE ANALISTA E DE TÉCNICO EDITAL Nº 1 SERPRO, DE 08 DE OUTUBRO

Leia mais

DOCUMENTO FINAL 8ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DE TOCANTINS

DOCUMENTO FINAL 8ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DE TOCANTINS DOCUMENTO FINAL 8ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DE TOCANTINS EIXO 1 DIREITO À SAÚDE, GARANTIA DE ACESSO E ATENÇÃO DE QUALIDADE DIRETRIZ: Ampliação da cobertura e qualidade dos serviços de saúde, com o aprimoramento

Leia mais

Seminário O controle interno governamental no Brasil. A articulação entre os órgãos de controle interno e o foco nos resultados

Seminário O controle interno governamental no Brasil. A articulação entre os órgãos de controle interno e o foco nos resultados Seminário O controle interno governamental no Brasil A articulação entre os órgãos de controle interno e o foco nos resultados Ronald da Silva Balbe CGU 14 a 16 de Maio Iguassu Resort Foz do Iguaçu - Paraná

Leia mais

Reunião do Comitê da Saúde. 8 de novembro de 2011

Reunião do Comitê da Saúde. 8 de novembro de 2011 Reunião do Comitê da Saúde 8 de novembro de 2011 ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA NO SUS Em 1998 foi publicada a Portaria GM/MS 3.916, que estabeleceu a POLÍTICA NACIONAL DE MEDICAMENTOS (PNM) como parte essencial

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate á Fome Secretaria Nacional de Renda de Cidadania Programa Bolsa Família

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate á Fome Secretaria Nacional de Renda de Cidadania Programa Bolsa Família Ministério do Desenvolvimento Social e Combate á Fome Secretaria Nacional de Renda de Cidadania Programa Bolsa Família ENAP, 1 de abril de 2005 Criação do Bolsa Família Medida Provisória nº 132 de 20 de

Leia mais

Compras Institucionais. Programa de Aquisição de Alimentos

Compras Institucionais. Programa de Aquisição de Alimentos Compras Institucionais Programa de Aquisição de Alimentos Brasil Sem Miseria: Rota de Inclusao Produtiva Termo de compromisso ABRAS Programa de Aquisição de Alimentos (PAA) Compras Privadas Promoção Comercial

Leia mais

Saúde mais Perto de Você

Saúde mais Perto de Você Saúde mais Perto de Você FINANCIAMENTO DA ATENÇÃO BÁSICA Ano PAB fixo PAB variável Estruturação + Construção e Ampliação Valor total 2010 R$ 3,65 Bi R$ 5,92 Bi R$ 147 Mi R$ 9,73 Bi 2012 R$ 4,42 Bi R$ 8,31

Leia mais

Universidade Federal do Ceará Pró Reitoria de Pesquisa e Pós Graduação Faculdade de Educação/Departamento de Estudos Especializados

Universidade Federal do Ceará Pró Reitoria de Pesquisa e Pós Graduação Faculdade de Educação/Departamento de Estudos Especializados 1 Universidade Federal do Ceará Pró Reitoria de Pesquisa e Pós Graduação Faculdade de Educação/Departamento de Estudos Especializados EDITAL Nº 05/2009 SELEÇÃO DE CANDIDATOS PARA PREENCHIMENTO DE VAGAS

Leia mais

EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO NA AREA DA SAÚDE

EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO NA AREA DA SAÚDE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO NA AREA DA SAÚDE Porto Alegre, 01 de julho de 2011 EDUCAÇÃO PROFISSIONAL LDB Nº 9394/96 É uma modalidade de ensino integrada às diferentes formas de educação,

Leia mais

NOTA TÉCNICA 31 2013 REPASSES FINANCEIROS DE INVESTIMENTO PARA FOMENTO E APRIMORAMENTO DAS CONDIÇÕES DE FUNCIONAMENTO DA REDE DE FRIO

NOTA TÉCNICA 31 2013 REPASSES FINANCEIROS DE INVESTIMENTO PARA FOMENTO E APRIMORAMENTO DAS CONDIÇÕES DE FUNCIONAMENTO DA REDE DE FRIO NOTA TÉCNICA 31 2013 REPASSES FINANCEIROS DE INVESTIMENTO PARA FOMENTO E APRIMORAMENTO DAS CONDIÇÕES DE FUNCIONAMENTO DA REDE DE FRIO Brasília, 16 de agosto de 2013 REPASSES FINANCEIROS DE INVESTIMENTO

Leia mais

INSTRUTIVO DE PREENCHIMENTO DE PROJETOS DE IMPLANTAÇÃO, IMPLEMENTAÇÃO, FORTALECIMENTO E/OU APERFEIÇOAMENTO DE INICIATIVAS

INSTRUTIVO DE PREENCHIMENTO DE PROJETOS DE IMPLANTAÇÃO, IMPLEMENTAÇÃO, FORTALECIMENTO E/OU APERFEIÇOAMENTO DE INICIATIVAS INSTRUTIVO DE PREENCHIMENTO DE PROJETOS DE IMPLANTAÇÃO, IMPLEMENTAÇÃO, FORTALECIMENTO E/OU APERFEIÇOAMENTO DE INICIATIVAS PRIORITÁRIAS DA POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM (PNAISH)

Leia mais

Organização Regional da Linha de Cuidado do Sobrepeso e da Obesidade na Rede de Atenção à Saúde das Pessoas com Doenças Crônicas

Organização Regional da Linha de Cuidado do Sobrepeso e da Obesidade na Rede de Atenção à Saúde das Pessoas com Doenças Crônicas MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO ESPECIALIZADA E TEMÁTICA COORDENAÇÃO-GERAL DE ATENÇÃO ÀS PESSOAS COM DOENÇAS CRÔNICAS Organização Regional da Linha de Cuidado

Leia mais

ÍNDICE RELATÓRIO SIOR 2012. Pág. 02 NOTÍCIAS 2011/2012. Pág. 03 ANÁLISE DAS DEMANDAS. Pág. 04 GRÁFICO DE DEMANDAS POR ESTADO. Pág.

ÍNDICE RELATÓRIO SIOR 2012. Pág. 02 NOTÍCIAS 2011/2012. Pág. 03 ANÁLISE DAS DEMANDAS. Pág. 04 GRÁFICO DE DEMANDAS POR ESTADO. Pág. RELATÓRIO SIOR 2012 ÍNDICE NOTÍCIAS 2011/2012 ANÁLISE DAS DEMANDAS GRÁFICO DE DEMANDAS POR ESTADO TEMPO DE ATENDIMENTO DEMANDAS CONSIDERADAS PROCEDENTES MAPA DAS PRINCIPAIS DEMANDAS CONSIDERADAS PROCEDENTES

Leia mais

Rede Brasileira de Monitoramento e Avaliação

Rede Brasileira de Monitoramento e Avaliação Rede Brasileira de Monitoramento e Avaliação Ciclo de formação em monitoramento e avaliação: a experiência do MDS na formação de agentes públicos estaduais e municipais. Autores: Patricia Vilas Boas Marcilio

Leia mais

CARTÃO NACIONAL DE SAÚDE & RES 2012

CARTÃO NACIONAL DE SAÚDE & RES 2012 CARTÃO NACIONAL DE SAÚDE & RES 2012 CARTÃO - DADOS GERAIS DO CARTÃO NACIONAL DE SAÚDE Todos os 5.564 municípios brasileiros e mais o Distrito Federal já realizaram cadastramentos e emitiram o Cartão Nacional

Leia mais

Objetivos Consolidar uma política garantidora de direitos Reduzir ainda mais a desigualdade social

Objetivos Consolidar uma política garantidora de direitos Reduzir ainda mais a desigualdade social AGENDA SOCIAL AGENDA SOCIAL Estamos lutando por um Brasil sem pobreza, sem privilégios, sem discriminações. Um país de oportunidades para todos. A melhor forma para um país crescer é fazer que cada vez

Leia mais

DIAGNÓSTICO E ESTRATÉGIA DE COMPRAS ESTADUAIS

DIAGNÓSTICO E ESTRATÉGIA DE COMPRAS ESTADUAIS DIAGNÓSTICO E ESTRATÉGIA DE FORTALECIMENTO DOS MODELOS DE COMPRAS ESTADUAIS Grupo de trabalho Metodologia BID ENAP Modelo colaborativo de construção e desenvolvimento do projeto com grupo multidisciplinar

Leia mais

ÓRGÃO: JUSTIÇA FEDERAL

ÓRGÃO: JUSTIÇA FEDERAL ÓRGÃO: JUSTIÇA FEDERAL Programa: 0569 - PRESTAÇÃO JURISDICIONAL NA JUSTIÇA FEDERAL Objetivo: Garantir pleno exercício do direito por meio da prestação dos serviços jurisdicionais, observando o disposto

Leia mais

II ENCONTRO NACIONAL DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL

II ENCONTRO NACIONAL DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL Ministério da Saúde II ENCONTRO NACIONAL DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL APLICAÇÃO DAS DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM NUTRIÇÃO, DESAFIOS E POSSIBILIDADES Brasília, 25 de setembro de

Leia mais

Planejamento intersetorial e Gestão Participativa. Recife, 04/09/2013

Planejamento intersetorial e Gestão Participativa. Recife, 04/09/2013 Planejamento intersetorial e Gestão Participativa Recife, 04/09/2013 Art. 6º São direitos sociais a educação, a saúde, a alimentação, o trabalho, a moradia, o lazer, a segurança, a previdência social,

Leia mais

ANEXO I BICICLETA ESCOLAR. Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1)

ANEXO I BICICLETA ESCOLAR. Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1) ANEXO I BICICLETA ESCOLAR Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1) Assunto: Adesão à ata de registro de preços nº 70/2010 do pregão eletrônico nº 40/2010. 1 2 BICICLETA 20 - AC,

Leia mais

DECRETO Nº 7.508, DE 28 DE JUNHO DE 2011.

DECRETO Nº 7.508, DE 28 DE JUNHO DE 2011. DECRETO Nº 7.508, DE 28 DE JUNHO DE 2011. Regulamenta a Lei n o 8.080, de 19 de setembro de 1990, para dispor sobre a organização do Sistema Único de Saúde - SUS, o planejamento da saúde, a assistência

Leia mais

Testes Rápidos de HIV e Sífilis

Testes Rápidos de HIV e Sífilis Testes Rápidos de HIV e Sífilis Videoconferência Nº 04 Ministério da Saúde Outubro de 2012 PRÉ-NATAL A partir da adesão dos municípios, recursos para: TODAS AS GESTANTES Ultrassonografia 100% das gestantes

Leia mais

ACOMPANHAMENTO DAS CONVOCAÇÕES

ACOMPANHAMENTO DAS CONVOCAÇÕES ACOMPANHAMENTO DAS CONVOCAÇÕES PROFISSIONAL JÚNIOR ADMINISTRAÇÃO NACIONAL 57ª PROFISSIONAL JÚNIOR ADMINISTRAÇÃO NACIONAL PNE * PROFISSIONAL JÚNIOR ANALISTA DE SISTEMAS - ÊNFASE EM DESENVOLVIMENTO EM ERP

Leia mais

A Carreira Muller. As melhores soluções para sua empresa

A Carreira Muller. As melhores soluções para sua empresa ABRIL 2.013 A Carreira Muller ESTUDO REEMBOLSO QUILOMETRAGEM ABRIL 2013 As melhores soluções para sua empresa A Carreira Muller é uma empresa de consultoria empresarial que desenvolve e implanta soluções

Leia mais

Apresentação do IDConselho Municipal. Apresentação elaborada pela Coordenação Geral de Vigilância Socioassistencial CGVIS Brasília

Apresentação do IDConselho Municipal. Apresentação elaborada pela Coordenação Geral de Vigilância Socioassistencial CGVIS Brasília Apresentação do IDConselho Municipal Apresentação elaborada pela Coordenação Geral de Vigilância Socioassistencial CGVIS Brasília 5.366 Conselhos Municipais que preencheram o Censo SUAS 2014 Dinâmica de

Leia mais

O DILEMA DOS GESTORES O DESAFIO DA GESTÃO

O DILEMA DOS GESTORES O DESAFIO DA GESTÃO 1 O DILEMA DOS GESTORES NECESSIDADES CRESCENTES RECURSOS LIMITADOS O DESAFIO DA GESTÃO SITUAÇÃO DE SAÚDE DA POPULAÇÃO Condições crônicas MODELO DE ATENÇÃO Condições agudas 3 Um sistema formador complexo

Leia mais

NOTA TÉCNICA 47 2013 QUALISUS-REDE. Projeto: P0088716 Contrato de Empréstimo: BIRD 7632-BR Agência Executora: Ministério da Saúde

NOTA TÉCNICA 47 2013 QUALISUS-REDE. Projeto: P0088716 Contrato de Empréstimo: BIRD 7632-BR Agência Executora: Ministério da Saúde NOTA TÉCNICA 47 2013 QUALISUS-REDE Projeto: P0088716 Contrato de Empréstimo: BIRD 7632-BR Agência Executora: Ministério da Saúde Brasília, 19 de abril de 2013 PROJETO QUALISUS-REDE RELATÓRIO DE PROGRESSO

Leia mais

PROPOSTAS PARA A ESTRUTURAÇÃO DA ÁREA FARMACÊUTICA EM PERNAMBUCO

PROPOSTAS PARA A ESTRUTURAÇÃO DA ÁREA FARMACÊUTICA EM PERNAMBUCO PROPOSTAS PARA A ESTRUTURAÇÃO DA ÁREA FARMACÊUTICA EM PERNAMBUCO Documento elaborado a partir das discussões do Fórum Pernambucano de Valorização da Profissão Farmacêutica RECIFE/PE, AGOSTO DE 2014 Propostas

Leia mais

ORIENTAÇÕES E ESCLARECIMENTOS

ORIENTAÇÕES E ESCLARECIMENTOS COAP 06/13 ORIENTAÇÕES E ESCLARECIMENTOS 1.0 O que é o Contrato Organizativo da Ação Pública - COAP? O COAP é um acordo de colaboração firmado entre os três entes federativos, no âmbito de uma Região de

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 09/2015

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 09/2015 TERMO DE REFERÊNCIA Nº 09/2015 Consultor em Tecnologia da Informação para o desenvolvimento do conjunto de ferramentas do EPI INFO para a implantação e monitoramento das ações e serviços da Assistência

Leia mais

PRÊMIO DE ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA DO SUS/ MG- PRÊMIO ALUÍSIO PIMENTA-ANO 2009/2010

PRÊMIO DE ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA DO SUS/ MG- PRÊMIO ALUÍSIO PIMENTA-ANO 2009/2010 PRÊMIO DE ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA DO SUS/ MG- PRÊMIO ALUÍSIO PIMENTA-ANO 2009/2010 TRABALHO: HUMANIZAÇÃO DO ATENDIMENTO NO ÂMBITO DA ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA NAS UNIDADES DE SAÚDE DA FAMÍLIA DO MUNICÍPIO

Leia mais

DECRETO Nº 7.508, DE 28 DE JUNHO DE 2011

DECRETO Nº 7.508, DE 28 DE JUNHO DE 2011 DECRETO Nº 7.508, DE 28 DE JUNHO DE 2011 Regulamenta a Lei n o 8.080, de 19 de setembro de 1990, para dispor sobre a organização do Sistema Único de Saúde - SUS, o planejamento da saúde, a assistência

Leia mais

Combate à Pobreza, Crescimento Inclusivo e Nova Agenda Social. Centro de Políticas Sociais FGV Wanda Engel Rio de Janeiro, 27 de novembro de 2015

Combate à Pobreza, Crescimento Inclusivo e Nova Agenda Social. Centro de Políticas Sociais FGV Wanda Engel Rio de Janeiro, 27 de novembro de 2015 Combate à Pobreza, Crescimento Inclusivo e Nova Agenda Social Centro de Políticas Sociais FGV Wanda Engel Rio de Janeiro, 27 de novembro de 2015 Marcos da Política de Combate à Pobreza Antecedentes: Assistência

Leia mais

O SUAS e rede privada na oferta de serviços, programas, projetos e benefícios socioassistenciais

O SUAS e rede privada na oferta de serviços, programas, projetos e benefícios socioassistenciais O SUAS e rede privada na oferta de serviços, programas, projetos e benefícios socioassistenciais Departamento da Rede Socioassistencial Privada do SUAS. Secretaria Nacional de Assistencia Social. DADOS

Leia mais

Juliana Gagno Lima 1 ; André Schimidt da Silva 2 ; Monique Alves Padilha 1; Waleska Muniz Lopes Guerra 3

Juliana Gagno Lima 1 ; André Schimidt da Silva 2 ; Monique Alves Padilha 1; Waleska Muniz Lopes Guerra 3 Financiamento da atenção básica no estado do Rio de Janeiro: análise dos repasses federais e estaduais. 1. INTRODUÇÃO/JUSTIFICATIVA Juliana Gagno Lima 1 ; André Schimidt da Silva 2 ; Monique Alves Padilha

Leia mais

O Jornal O Imparcial, em sua edição do dia 07 de fevereiro do corrente, publicou uma matéria sobre as críticas do Conselheiro Henrique Liberato

O Jornal O Imparcial, em sua edição do dia 07 de fevereiro do corrente, publicou uma matéria sobre as críticas do Conselheiro Henrique Liberato O Jornal O Imparcial, em sua edição do dia 07 de fevereiro do corrente, publicou uma matéria sobre as críticas do Conselheiro Henrique Liberato Salvador, da Delegacia Regional de P. Prudente do Conselho

Leia mais

Brasília DF Abril, 2014

Brasília DF Abril, 2014 Avaliação do processo de implementação dos Centros-dia de Referência para a Pessoa com Deficiência e suas Famílias, no âmbito do Plano Viver Sem Limite, na Região Nordeste Projeto de pesquisa apresentado

Leia mais

AS COMPRAS GOVERNAMENTAIS E O SEBRAE. Denise Donati Coordenadora do Projeto Compras Governamentais Sebrae Nacional

AS COMPRAS GOVERNAMENTAIS E O SEBRAE. Denise Donati Coordenadora do Projeto Compras Governamentais Sebrae Nacional AS COMPRAS GOVERNAMENTAIS E O SEBRAE Denise Donati Coordenadora do Projeto Compras Governamentais Sebrae Nacional Desafio Fomentar o Uso do Poder de Compra do Governo Junto aos Pequenos Negócios para Induzir

Leia mais

Women and Cancer: Saving Lives and Avoiding Suffering. Ministério da Saúde Brasília, Brazil May/2012

Women and Cancer: Saving Lives and Avoiding Suffering. Ministério da Saúde Brasília, Brazil May/2012 Women and Cancer: Saving Lives and Avoiding Suffering Ministério da Saúde Brasília, Brazil May/2012 Fortalecimento da Rede de Prevenção, Diagnóstico e Tratamento do Câncer Conjunto de ações estratégicas

Leia mais