TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO APLICADA À LOGÍSTICA ENTRE EMPRESAS DA CADEIA DE SUPRIMENTOS DE ALIMENTOS E BEBIDAS DO BRASIL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO APLICADA À LOGÍSTICA ENTRE EMPRESAS DA CADEIA DE SUPRIMENTOS DE ALIMENTOS E BEBIDAS DO BRASIL"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE CÂNDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO - LOGÍSTICA EMPRESARIAL Autora: Érica Puppin Guedes Orientador: Prof. André Gustavo TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO APLICADA À LOGÍSTICA ENTRE EMPRESAS DA CADEIA DE SUPRIMENTOS DE ALIMENTOS E BEBIDAS DO BRASIL Rio de Janeiro Setembro de 2004

2 2 UNIVERSIDADE CÂNDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU - LOGÍSTICA EMPRESARIAL PROJETO A VEZ DO MESTRE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO APLICADA À LOGÍSTICA ENTRE EMPRESAS DA CADEIA DE SUPRIMENTOS DE ALIMENTOS E BEBIDAS DO BRASIL OBJETIVO: Poder traçar o grau de desenvolvimento em que as empresas do ramo de alimentos e bebidas se encontram no que diz respeito a investimento em tecnologia de informação aplicada à logística e, conseqüentemente, saber qual o nível de competitividade em que as mesmas atuam neste mercado.

3 3 AGRADECIMENTOS Aos meus familiares pelo incentivo. Ao meu tio Áureo pelo apoio. Ao meu marido pela paciência. Ao Prof. André Gustavo e ao Prof. Cereja pela compreensão e orientação.

4 4 DEDICATÓRIA Aos meus pais pelo amor e dedicação de sempre, ao meu tio Áureo pelo carinho e apoio e ao meu marido pelo companheirismo de todos os dias.

5 5 RESUMO No Brasil, ainda são poucas as publicações que tratam do desenvolvimento da logística empresarial, o que dirá da adoção de Tecnologia de Informação aplicada à logística, fato este que incentivou a elaboração deste projeto de pesquisa, o qual tem como objetivo analisar a utilização da tecnologia de informação dentro da estrutura logística de médias e grandes empresas brasileiras pertencentes ao elo produção/comercialização no setor de alimentos e bebidas. Com o crescente acirramento do ambiente competitivo, intensificado pela globalização da economia, combinado com as mudanças tecnológicas e as novas práticas de mercado como, por exemplo, o ECR (Eficient Consumer response Resposta eficiente ao consumidor), tem-se favorecido o desenvolvimento da logística em todos os seus aspectos, considerando de forma sistêmica todas as atividades que se relacionam direta e indiretamente aos fluxos físico e de informação da cadeia de suprimento. A globalização tem trazido competidores mais capacitados a este mercado nacional, com maior variedade de produtos e melhores níveis de serviço, e isto pode estar fazendo com que as empresas modifiquem suas práticas tradicionais de fazer negócio, estimulando a adoção de estratégias empresariais fundamentadas em soluções logísticas capazes de reverter às ameaças geradas pelo inevitável aumento da complexidade operacional. Uma empresa tem que ser competitiva dentro de seu sistema e este, por sua vez, tem de ser eficientemente coordenado, para que mudanças no ambiente sejam rapidamente repassadas de um lado a outro do sistema, de forma a promover sua adaptação à nova realidade. Deste modo, a informação deve fluir rapidamente entre os elos do sistema, pois é na rapidez com que este se adapta a uma nova tendência, oferecendo antes dos demais o produto desejado pelo consumidor, que será medida a sua competitividade final. A tecnologia da informação tem causado enormes impactos à estrutura de distribuição, principalmente quanto à agilidade de obtenção e troca de dados e suas análises e à redução de custos. Estes impactos ocorrem no sistema para frente, em

6 6 direção aos consumidores, para trás, rumo às unidades produtoras, e internamente, nos processos de gestão. A utilização estratégica da tecnologia de informação, como parte da estratégia da empresa, pode resultar em uma significante vantagem competitiva, como, por exemplo, o encontro de novos canais de distribuição, novos produtos e mercados. Assim, este projeto de pesquisa visa conhecer, de maneira mais profunda, como está desenvolvida a utilização da tecnologia de informação dentro da organização logística de um conjunto de empresas que se relacionam dentro do supply chain do setor de alimentos e bebidas.

7 7 METODOLOGIA A metodologia utilizada para o desenvolvimento deste trabalho consistiu em uma pesquisa, realizada pelo Centro de Estudos em Logística CEL/COPPEAD/UFRJ, que se utilizou de um questionário elaborado por eles, detalhado sobre as diversas aplicações da tecnologia de informação em diferentes áreas da estrutura logística da cadeia de suprimentos de alimentos e bebidas, o qual foi aplicado às empresas participantes pertencentes ao elo produção/comercialização do referido setor econômico do Brasil. Após a coleta do questionário, os dados foram organizados e analisados e então, com base em livros, trabalhos técnico-científicos, artigos, sites especializados no assunto e vários outros acervos bibliográficos, pode ser traçada a relação existente entre eles e o modelo proposto. Ao final são apresentadas as conclusões resultantes desta pesquisa, bem como anexado o questionário aplicado. A explicação detalhada sobre a metodologia utilizada está explicitada no capítulo 3 deste trabalho.

8 8 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO REVISÃO DA BIBLIOGRAFIA METODOLOGIA DA PESQUISA ANÁLISE DOS RESULTADOS CONCLUSÕES 50 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 57 ANEXO 58 APÊNDICE 59 ÍNDICE 65

9 9 1. INTRODUÇÃO 1.1 O Assunto: Motivação da Pesquisa A logística sempre foi vista como um simples conjunto de atividades operacionais ligadas aos transportes e geradora de custos: um mal necessário. Na visão tradicional, a logística foi definida como um conjunto de disciplinas técnicas, que trata do fluxo de materiais, desde a matéria-prima até o produto acabado, dentro de uma ótica de racionalidade econômica (César Lavalle 1995). As mudanças mercadológicas: a globalização da economia, turbulência no cenário econômico brasileiro, o aumento da competitividade, a era informacional e a mudança no comportamento do consumidor, são alguns dos fatores que têm favorecido o desenvolvimento da logística em termos conceituais e tecnológicos. A partir desses fatores, o conceito de logística tem migrado de uma visão fragmentada para uma visão integrada, de um conjunto de disciplinas técnicas para um conjunto de processos, que envolvem o manuseio e o fluxo de insumos, materiais em processo e produtos acabados desde o primeiro fornecedor até o consumidor final (por toda a cadeia de suprimentos). Surge, então, uma premissa: a Tecnologia de Informação (TI). A excelência no processo de implementação de estratégias é a pedra de toque da competitividade. Na gestão empresarial, a busca de competitividade deve ser orientada por três fatores: o mercado, a tecnologia e os processos. A orientação pela tecnologia pode ser exemplificada pelos avanços em pesquisa e desenvolvimentos de produtos, na indústria e particularmente na tecnologia da informação. Na tecnologia repousam as maiores oportunidades para o aumento da qualidade e a redução dos custos dos produtos vendidos pelas empresas. Não há chance de ser competitivo no mercado global sem grandes investimentos em tecnologia. A tecnologia da informação tem causado enormes impactos à estrutura de distribuição, principalmente quanto à agilidade de obtenção e troca de dados e análises e à redução de custos. Estes impactos ocorrem no sistema para frente, em direção aos

10 10 consumidores, para trás, rumo às unidades produtoras, e internamente, nos processos de gestão. Para frente, os programas ECR, devido a recursos de informática, códigos de barras e outros, permitem aos varejistas ter, momento a momento, um retrato das vendas, da efetividade de promoções, do comportamento dos consumidores, entre outras informações. Possibilitam, também, o acompanhamento histórico dos produtos, com relação a sazonalidade, efeitos de promoções dos concorrentes, previsão de demanda futura, atividades de merchandising e seus efeitos etc. A tecnologia traz, ainda, redução das filas e do tempo de permanência nas lojas, aumenta a agilidade e o conforto, valoriza o tempo e amplia o bem-estar do consumidor, tornando a experiência de compra mais interessante. Gera também maior disponibilidade de serviços, como informações em terminais, impressoras de cheques, pagamentos com cartões, balanças eletrônicas para produtos de pesos variáveis, consultas eletrônicas de preços e características específicas dos produtos, sugestões de roteiros, terminais de orientação aos consumidores sobre o que se oferece na loja etc. O avanço da tecnologia libera, consequentemente, espaços que passam a ser usados para o oferecimento de serviços de alimentação e outros, de modo a abranger o máximo das necessidades dos consumidores na loja. A tecnologia permite certas combinações de fatores de decisão racionais e de impulsos emocionais que acaba gerando maior propensão à compra por parte do consumidor. A tecnologia da informação e os serviços geram impactos na distribuição para trás, em direção à indústria de processamento e de transformação. Esta tendência indica um gerenciamento integrado dos estoques entre atacado/ varejo e essas indústrias, a otimização do transporte, os carregamentos mais frequentes, o emprego de técnicas de Just-In-Time e de containers de formato adequado para reduzir o manuseio (entregas dos produtos já nos pallets para carregamento). A tecnologia propiciará, também, a tomada de pedidos e a troca de informações informatizadas, as embalagens adequadas às marcas próprias, com códigos de barras, o controle integrado da qualidade, as estratégias comerciais e promocionais conjuntas e o compartilhamento de informações e ganhos.

11 11 Para dentro do segmento de distribuição, os benefícios da tecnologia da informação estão ligados à automatização de estoques, compras, contabilidade, precificação, crédito, cobrança e distribuição. Assim, será possível reduzir custos, papéis, desperdícios, erros, perdas por manuseio e o próprio emprego de mão de obra. A tecnologia permitirá a liberação de áreas antes reservadas aos enormes estoques e que passarão a servir à finalidade principal da loja, que é vender ao consumidor. Enfim, a tecnologia facilita qualidade maior no gerenciamento administrativo e cria condições para maior rentabilidade por linha de produto e por capital empregado no ponto-devenda. Um efetivo gerenciamento da cadeia de suprimentos pode fornecer um melhor caminho para se obter uma maior vantagem competitiva. A idéia do gerenciamento da cadeia de suprimentos deve estar lincada com o consumidor final, o canal de distribuição, o processo de produção e com a atividade de serviço ao cliente, tudo isto a um baixo custo total. Um dos fatores capaz de ir ao encontro desta idéia é através do uso efetivo da tecnologia de informação. O reconhecimento da importância da tecnologia de informação na atividade logística já atingiu os elos da cadeia de suprimentos. O varejo já percebeu a necessidade de melhorar, cada vez mais, o nível de serviço ao cliente e de redução nos níveis de estoques, o que tem gerado um grande investimento em tecnologia. Já no setor industrial, o movimento para a atividade de suprimento global ( Global Sourcing ) e o processo JIT ( Just-In-Time ) têm contribuído para este tipo de investimento. A tecnologia de informação pode ser um recurso estratégico que facilita a troca no comportamento competitivo, no marketing e no serviço ao cliente. Na essência, a tecnologia de informação pode ser um recurso que aproxima a orientação de marketing e a exploração tecnológica de uma organização, que logicamente tenha sido gerenciada corretamente. Em termos de publicações sobre logística empresarial, o Brasil se encontra, ainda, aquém de possuir um bom acervo bibliográfico, o que dizer sobre TI aplicada à logística. Em 1994, César Roberto Lavalle, junto com o CEL/COPPEAD/UFRJ, desenvolveu uma pesquisa baseada em estudos de caso, na qual foi avaliado o estágio de desenvolvimento da organização logística em grandes (dez) empresas brasileiras. Por

12 12 se tratarem de empresas pertencentes aos vários setores da economia brasileira, foram identificados níveis diferentes de complexidade, o que tornou difícil a análise generalizada das empresas. Sugeriu-se, então, uma nova pesquisa que abrangesse apenas um setor da economia de modo a facilitar a análise. O setor de alimentos e bebidas foi o escolhido por ter apresentado, desde o Plano Real, o maior crescimento dentre os demais setores da economia brasileira. Por outro lado, nos encontramos no auge, ou talvez ainda no início, da era informacional. A informação / informatização está gerando grandes transformações nas pessoas, na sociedade e no mundo. Está aí a explicação da escolha do assunto, que trata da TI aplicada à logística integrada.

13 Organização do Estudo O capítulo 2 mostra um breve histórico sobre a evolução do conceito de logística e, em seguida, situa o Brasil no contexto histórico atual referente ao assunto da pesquisa. No capítulo 3 é descrita, além do modelo conceitual adotado, a metodologia utilizada na coleta e análise das respostas do questionário (em anexo). No capítulo 4 são apresentados os resultados da pesquisa, dos quais é identificado o estágio das empresas pesquisadas no que se refere à adoção de TI, como também são mostradas as tendências futuras (através das análises dos níveis de importância atribuídos). E no capítulo 5, enfim, são relatadas as principais conclusões e, quem sabe não surgirão sugestões para trabalhos futuros. Após as conclusões, segue, em anexo, o questionário utilizado na pesquisa. Para maiores esclarecimentos a respeito de assuntos abordados durante o trabalho, foram colocados três apêndices (A, B e C), que discorrem, sucintamente, sobre EDI, Gerência de Categoria e, por fim, fecha com pequeno dicionário esclarecedor de termos.

14 14 2. REVISÃO DA BIBLIOGRAFIA 2.1 Evolução do Conceito de Logística e Interface com a TI No Brasil, são poucas as publicações que tratam de logística, menos ainda as que dissertam sobre o atual conceito de logística integrada, e quase inexistentes as que expõem sobre tecnologia de informação aplicada à logística. Talvez isso ocorra por ser um assunto muito atual, do qual não se têm, ainda, resultados concretos e de longo prazo destas aplicações. Além disso, as tecnologias estão crescendo e mudando em ritmo muito mais acelerado do que se pode acompanhar e avaliar antes de uma próxima mudança. A evolução do conceito de logística será exposta até se chegar a atual definição de logística integrada. E o conceito de logística integrada pressupõe a aplicação, com sucesso, da TI. A logística sempre foi, e ainda é, em muitas empresas nacionais, considerada como uma atividade estritamente técnica, sempre vista como sinônimo de transportes acrescida de custos. Alguns autores como Ballou (1993), Closs (1990), Lambert (1993), Bowersox (1986) e Poist (1986), foram, ao longo do tempo, reavaliando, se complementando e reescrevendo o conceito de logística. A abordagem de integração funcional vinha tomando o lugar de abordagem fragmentada. A definição mais atual de logística foi a apresentada pelo Council of Logistics Management (1991): Corresponde ao processo de planejamento, implementação e controle eficiente e efetivo do fluxo e armazenagem de insumos, materiais em processo e produtos acabados, assim como informações relacionadas, desde o ponto de origem até o ponto de consumo, com o propósito de atender aos requisitos do serviço ao cliente. Percebe-se, desta forma, que o atual conceito de logística está intimamente atrelado às atividades de marketing e serviço ao cliente, se preocupando com a minimização dos custos e se responsabilizando pelas atividades de suprimentos / transportes / distribuição. A logística deixou de ser operacional para fazer parte das

15 15 funções estratégicas. Mas para que se torne uma estratégia bem sucedida surge uma premissa básica: a aplicação certa da tecnologia adequada.

16 Situando o Brasil Nos EUA e na Europa, estes conceitos já se encontram bastante difundidos e enraizados no ambiente empresarial. No Brasil, temos alguns fatores que vêm modificando a abordagem da logística de forma a tender para o conceito de logística integrada. Antes do Plano Real (1994), a economia nacional era sensivelmente instável. Todos obtinham seus ganhos sobre os efeitos da inflação, lucrando muito mais através das operações financeiras do que por meio de seus próprios negócios. Com a adoção do Plano Real, atingiu-se a estabilidade da moeda, pela qual o Brasil ainda não havia passado. Com a inflação quase inexistente, houve uma redução considerável da margem de lucro sobre as operações financeiras. As ineficiências operacionais, antes camufladas com os ganhos da economia, começaram a transparecer, exigindo que começasse a ser dada maior atenção aos processos. Além disso, o mercado começou a se tornar globalizado e, por conseguinte, mais competitivo. Esta concorrência levou a indústria de alimentos e bebidas a se desdobrar, fazendo novos lançamentos e tornando seus produtos mais atraentes para o consumidor final, com maior valor agregado, a fim de evitar a diminuição da margem de lucro. Este acirramento da concorrência forçou estas indústrias a operarem com margens cada vez mais reduzidas e com volumes de produção crescentes. O setor viveu um processo de grandes avanços de produtividade. Os volumes de produção cresceram, mas os lucros ficaram cada vez menores. Depois de uma explosão de consumo após o Plano Real, as empresas, indústria e comércio, convivem, agora, com uma acomodação do mercado. Os lançamentos de novos produtos, porém, não pararam. O acirramento da concorrência, provocado pela globalização, e reforçado por esta acomodação do mercado, vem exigindo que as empresas se inovem para sobreviver. Cada vez mais produtos e serviços são oferecidos aos consumidores, por empresas multinacionais, com qualidades superiores e preços sensivelmente inferiores; o que, conseqüentemente, faz com que as empresas nacionais reduzam suas margens de

17 17 lucro a fim de se manterem concorrentes, ou até mesmo para sobreviverem, enquanto não estabelecem alguma estratégia com redução de custos sem redução de qualidade. O consumidor, por outro lado, vem se tornando cada vez mais exigente, não se contentando somente com biscoitos de água e sal ou de maisena, por exemplo. Ele quer biscoito recheado vitaminado, waffer, cookie importado... Até os tradicionais biscoitos de água e sal apresentam novas versões, com gergelim. As empresas já perceberam esta mudança no comportamento do consumidor. Existe uma clara tendência de sofisticação de todas as faixas de poder aquisitivo. As indústrias de alimentos e bebidas faturam bilhões de dólares por ano, correspondendo cerca de 9% do PIB. Os investimentos feitos por elas na aquisição de equipamentos somam cerca de 1,5 bilhões de dólares. O que confirma e ressalta a importância de novas TIs aplicadas à Logística Global e Integrada. Os demais investimentos estão distribuídos em partes iguais no lançamento de novos produtos e em propaganda e marketing. Outra tendência detectada é o grande crescimento do serviço de entrega de alimentos e bebidas. A maioria das refeições são feitas fora de casa ou encomendadas. Fato este que reforça a crescente importância da logística na cadeia de suprimentos como um todo, como também a relevância da TI como ferramenta facilitadora na obtenção e manutenção de qualquer diferencial perante o mercado.

18 18 3. METODOLOGIA DA PESQUISA 3.1 O Modelo Esta pesquisa baseou-se em uma pesquisa anteriormente realizada por César Lavalle, a qual utilizou o modelo proposto por Bowersox (1992), publicado a partir dos resultados de outra pesquisa, em seu livro Leading Edge Logistics: Competitive Positioning for the 90 s. O modelo oferece uma moldura conceitual para explicar a experiência de empresas que possuem um desempenho logístico superior à prática de mercado. Segundo o modelo (figura 2), o desenvolvimento simultâneo dos atributos Formalização, Monitoramento de Desempenho e Adoção de Tecnologia gera Flexibilidade do sistema para atender as demandas inesperadas do mercado. A Formalização pressupõe a organização integrada das funções e metas da logística e de padrões de operação estabelecidos. Entretanto, para manter esta Formalização, há a necessidade de constante Monitoramento, para aferir seu desempenho afim de, posteriormente, estabelecer as mudanças de rumo. Dependendo da complexidade da empresa, gera-se uma enorme massa de dados que, por sua vez, só torna possível um bom sistema de indicadores adequado com o avanço da Tecnologia para a manipulação e transmissão das informações. O ciclo se fecha uma vez que um plano logístico (componente básico do atributo Formalização) demanda informações em quantidade, precisão e tempo hábil para sua consecução. A partir do momento em que este ciclo de traduz em capacitação gerencial para lidar com as adversidades e/ou oportunidades de mercado, gera-se Flexibilidade. Se neste trabalho fossem abordados os demais atributos além da Tecnologia de Informação, poderia talvez me tornar repetitiva. Para este projeto foram utilizadas, somente, as questões referentes ao atributo Tecnologia de Informação, visto o foco do trabalho.

19 19 FORMALIZAÇÃO MONITORAMENTO DE DESEMPENHO ADOÇÃO DE TECNOLOGIA FLEXIBILIDADE Figura 1 O modelo

20 Base de Análise Considerada a importância do setor de alimentos e bebidas do Brasil dentre os demais setores da economia e encontrados os melhores do ranking do comércio e da indústria, participaram da pesquisa 26 empresas, 11 do comércio (atacado e varejo) e 15 da indústria. Os resultados deste estudo devem ser vistos como análise prática da atualidade das participantes e devem ser entendidos como indícios a serem aprofundados em estudos futuros.

21 Questões da Pesquisa Dada a motivação do projeto, mostrada no primeiro capítulo deste trabalho, surgem algumas questões que deverão ser elucidadas ao longo da análise dos resultados. 1- Quais as tecnologias de hardware operacional e computacional estão sendo utilizadas pelas empresas estudadas e qual grau de importância atribuído a elas? 2- Qual o grau de integração entre os sistemas gerenciais e os terminais de PDVs (Pontos De Vendas)? 3- Como se encontra o processo de reposição automática de estoque entre estas empresas? 4- Quais sistemas de informação associados à logística são mais utilizados atualmente? E os de maior importância? 5- Em que estágio se encontra a adoção das técnicas do EDI nas empresas pesquisadas? 6- Interno às empresas, qual departamento costuma demandar maior necessidade de adoção de TI? 7- Quais as formas mais freqüentes de acesso a novas TIs? 8- Qual o grau de influência das entidades externas às empresas para a adoção de novas TIs? 9- Quais as maiores dificuldades enfrentadas por uma empresa quando da adoção de nova TI? 10- Como se encontra o nível de qualidade das informações disponíveis às empresas? 11- Quais os níveis de satisfação dos entrevistados perante aos sistemas logísticos já existentes nas empresas?

22 Coleta de Dados A coleta de dados começou a ser feita, inicialmente, por meio de entrevistas pessoais com a utilização do questionário em anexo. Posteriormente, devido à falta de verbas e tempo para visitar as empresas pertencentes a outros Estados, alguns questionários foram enviados por fax, e suas respostas monitoradas por telefone. O questionário adotado neste trabalho constitui de uma primeira versão adaptada do questionário utilizado por César Lavalle em sua pesquisa e, por conseguinte, de uma segunda versão adaptada do questionário original desenvolvido por Bowersox (1989). Primeiramente, procurou-se obter informações gerais das empresas para que pudesse dimensionar o tamanho dos negócios. Vale ressaltar que, para as respostas das questões, ao entrevistados basearam-se apenas em suas experiências e percepções individuais sobre os itens questionados. A análise dos dados referentes aos níveis de adequação aos indicadores foi baseada no gap entre o nível máximo (5) e o nível de adequação atual percebido pelo entrevistado, ou seja, mediu-se o nível de insatisfação. Esse nível de insatisfação foi ponderado com relação ao grau de importância atribuído pelo entrevistado. Por último, o gap ponderado foi normalizado para melhor visualização dos resultados. Dados: Nível máximo de importância = 5 Nível máximo de adequação = 5 Gap = Nível máximo de adequação Nível adequação percebido Gap ponderado = (Gap * Nível de importância) / Nível máximo de importância Gap normalizado (%) = (Gap ponderado * 100) / Nível máximo de adequação

23 23 4. ANÁLISE DOS RESULTADOS Hardwares Operacionais e Computacionais: A análise sobre o nível de adoção de T.I. hardware foi dividida em 2 grandes grupos de tipos de hardwares: 11 computacionais e 8 operacionais. Hardware Operacional Nível de Importância No que diz respeito ao nível de importância atribuído pelas empresas aos hardwares operacionais, notamos (Tabela 1 e Gráfico 1) que tanto o comércio quanto a indústria atribuem grande valor à utilização do código de barras/ scanning ótico nas operações de transporte/ armazenagem e de entrada de dados no PDV. Este fato é perfeitamente explicado quando vemos os investimentos que tem sido feitos em ambos os lados da cadeia de suprimentos para uma melhor performance (qualidade e rapidez) do fluxo de materiais e de informação, dentro desta cadeia, na atual corrida contra o tempo. Tecnologias de Informação Operacionais comércio indústria Nível de Importância média média código barras/scanning (embalagem transp./armaz.) código barras/scanning (entrada de dados no PDV) veículo de entrega c\ computador à bordo sistema automático de armazenagem e recuperação empilhadeira c\ computador à bordo equip.automático de manipulação material equipam.de rastreamento de veículo robótica Escala: Tabela 1 1 = pouca importância 5 = muita importância

24 Tecnologia de Informação Operacional aplicada à logística 24 NÍVEL DE IMPORTÂNCIA valores percentuais de empresas ROBÓTICA EQUIP. AUTOM. MANIPULAÇÃO MAT. EQUIP. RASTREAM. VEÍCULO EMPILHADEIRA C/ COMPUTADOR SIST. AUTOM. ARMAZ. E RECUPERAÇÃO VEÍCULO C/ COMPUTADOR SCANNING / PDV indústria comércio SCANNING / ARMAZ Gráfico 1 Nível de Insatisfação Quando passamos a analisar estes mesmos atributos, porém, com relação ao nível de insatisfação vemos (Gráfico 2) que no comércio o maior percentual de insatisfação está relacionado com os sistemas automáticos de armazenagem e recuperação, e na indústria com as empilhadeiras com computador a bordo, atributos estes que no momento anterior são vistos como importantes para estes 2 seguimentos e que talvez por uma carência com relação a estes itens nestes setores, que de fato poderiam facilitar no fluxo de materiais, passam a gerar esta insatisfação.

25 25 Tecnologia de Informação Operacional aplicada à logística NÍVEL DE INSATISFAÇÃO valores percentuais de empresas SCANNING / PDV EQUIP. RASTREAM. VEÍCULO indústria comércio VEÍCULO C/ COMPUTADOR SCANNING / ARMAZ. ROBÓTICA EMPILHADEIRA C/ COMPUTADOR EQUIP. AUTOM. MANIPULAÇÃO MAT. SIST. AUTOM. ARMAZ. E RECUPERAÇÃO Gráfico 2 Hardware Computacional Nível de Importância Quanto aos hardwares computacionais nota-se (Tabela 2) que o comércio e a indústria atribuem grande importância à rede locais, consideradas agilizadoras no fluxo de informações dentro da organização. Tecnologias de Informação Computacionais comércio indústria Nível de Importância média média rede local rádio frequência comunicação por satélite coletor de dados manual notebook (suporte a vendas) Escala: Tabela 2 1 = pouca importância 5 = muita importância

26 26 Tecnologia de Informação Computacional aplicada à logística NÍVEL DE IMPORTÂNCIA valores percentuais de empresas NOTEBOOK / VENDAS COLETOR DADOS MANUAL indústria comércio COMUNICAÇÃO POR SATÉLITE RÁDIO FREQUÊNCIA REDE LOCAL Gráfico 3 Nível de Insatisfação Já quando falamos em nível de insatisfação destes hardwares computacionais (Gráfico 4), os 2 seguimentos (comércio e indústria) colocam as redes locais em último lugar, sinalizando que estão bem equipados quanto a este item. Tecnologia de Informação Computacional aplicada à logística NÍ VEL DE INSATISFAÇÃO valores percentuais de empresas REDE LOCAL indústria comércio NOTEBOOK / VENDAS COLETOR DADOS MANUAL RÁDIO FREQUÊNCIA COMUNICAÇÃO POR SATÉLITE Gráfico 4

27 27 Ainda no item hardware computacional, verificando as tecnologias que as empresas possuem, aplicadas em suas operações logísticas, vemos (Gráfico 5) que a grande maioria do comércio e da indústria apontam em 1º plano para a utilização do microcomputador nos seus processamentos de dados, e a inexistência de captadores vocais de dados em suas operações. Tecnologia de Informação Computacional aplicada à logística EMPRESAS QUE POSSUEM AS TECNOLOGIAS ABAIXO APLICADAS EM OPERAÇÕES LOGÍSTICAS valores percentuais de empresas CAPTADOR VOCAL DADOS CD-ROM indústria comércio FIBRA ÓTICA MINICOMPUTADOR MAINFRAME MICROCOMPUTADOR Gráfico 5

28 Nível de Utilização de PDVs (terminais de Pontos de Venda): As empresas pesquisadas foram analisadas segundo a utilização de PDVs e como esses estão interligados aos seus sistemas/aplicativos gerenciais. A questão foi elaborada para ser respondida apenas pelas empresas do varejo, mas 20% das indústrias, por possuírem lojas, responderam esta questão, afirmando que utilizam terminais de PDVs. Das empresas varejistas pesquisadas, todas (100%) já utilizam. Analisando separadamente as respostas das indústrias, quanto à integração dos sistemas e/ou aplicativos gerenciais, percebeu-se que, além de não formarem um conjunto significativo de dados, não apresentaram muita diferença das respostas dadas pelas empresas varejistas, permitindo que fossem avaliadas como pertencentes ao mesmo conjunto de dados. As empresas que possuem PDVs (ver tabela 03) apontaram os sistemas gerenciais de cálculo de margem dos produtos e de pedidos aos fornecedores (27,2% e 25,4%, respectivamente) como os aplicativos que mais freqüentemente se encontram integrados aos PDVs. Em contrapartida, as empresas colocaram o sistema de database marketing como o aplicativo que menos se encontra integrado aos seus PDVs (3,4%). Estes percentuais foram calculados da seguinte forma: X% = nº de vezes que um sistema é apontado como integrado ao PDV nº total de empresas que possuem PDV Verificou-se também que as empresas possuem seus sistemas gerenciais mais integrados aos PDVs em níveis de administração central (54,2%) do que em nível de loja (45,8%).

SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO

SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO Rosenclever Lopes Gazoni Data MACROPROCESSO [1] AUTOMAÇÃO DE ESCRITÓRIO/COMERCIAL: Correio eletrônico; vídeo texto; vídeo conferência; teleconferência;

Leia mais

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos Prof. Paulo Medeiros Introdução nos EUA surgiram 100 novos operadores logísticos entre 1990 e 1995. O mercado para estas empresas que

Leia mais

O Estágio de Desenvolvimento da Organização Logística em Grandes Empresas Brasileiras

O Estágio de Desenvolvimento da Organização Logística em Grandes Empresas Brasileiras O Estágio de Desenvolvimento da Organização Logística em Grandes Empresas Brasileiras Paulo Fernando Fleury Cesar Lavalle Resumo O objetivo deste trabalho é analisar a estrutura logística de grandes empresas

Leia mais

22/02/2009 LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO POR QUE A LOGÍSTICA ESTÁ EM MODA POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA

22/02/2009 LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO POR QUE A LOGÍSTICA ESTÁ EM MODA POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO A melhor formação cientifica, prática e metodológica. 1 POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA Marketing Vendas Logística ANTES: foco no produto - quantidade de produtos sem qualidade

Leia mais

2. Logística. 2.1 Definição de Logística

2. Logística. 2.1 Definição de Logística 2. Logística 2.1 Definição de Logística Por muito tempo a Logística foi tratada de forma desagregada. Cada uma das funções logísticas era tratada independentemente e como áreas de apoio ao negócio. Segundo

Leia mais

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi e Sistema Integrado Objetivos do Tema Apresentar: Uma visão da logística e seu desenvolvimento com o marketing. A participação da logística como elemento agregador

Leia mais

LOGÍSTICA GLOBAL. Sistemas de Logística EDI, MRP e ERP.

LOGÍSTICA GLOBAL. Sistemas de Logística EDI, MRP e ERP. LOGÍSTICA GLOBAL Sistemas de Logística EDI, MRP e ERP. EDI Intercâmbio Eletrônico de Dados Introdução O atual cenário econômico é marcado por: a) intensa competitividade, b) pela necessidade de rápida

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial Objetivos da aula: - Explorar as principais motivações para a redução dos níveis de estoque e as armadilhas presentes na visão tradicional, quando é focada apenas uma empresa em vez de toda a cadeia de

Leia mais

LOGÍSTICA. Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA

LOGÍSTICA. Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi LOGÍSTICA 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA O conceito de Logística sempre envolve um fluxo de materiais de uma origem ou destino e, no outro sentido, um fluxo

Leia mais

Artigo publicado. na edição 17. www.revistamundologistica.com.br. Assine a revista através do nosso site. julho e agosto de 2010

Artigo publicado. na edição 17. www.revistamundologistica.com.br. Assine a revista através do nosso site. julho e agosto de 2010 Artigo publicado na edição 17 Assine a revista através do nosso site julho e agosto de 2010 www.revistamundologistica.com.br :: artigo 2010 Práticas Logísticas Um olhar sobre as principais práticas logísticas

Leia mais

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA:

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA: Prof. Jean Cavaleiro Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA: PRODUÇÃO E COMÉRCIO Introdução Entender a integração logística. A relação produção e demanda. Distribuição e demanda. Desenvolver visão sistêmica para

Leia mais

Um olhar sobre a implantação do conceito de integração financeira na cadeia de suprimentos das organizações.

Um olhar sobre a implantação do conceito de integração financeira na cadeia de suprimentos das organizações. Supply Chain Finance 2011 Supply Chain Finance 2011 3 Supply Chain Finance 2011 Um olhar sobre a implantação do conceito de integração financeira na cadeia de suprimentos das organizações. Autor: Vanessa

Leia mais

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial Prof. Pedro Luiz de O. Costa Bisneto 14/09/2003 Sumário Introdução... 2 Enterprise Resourse Planning... 2 Business Inteligence... 3 Vantagens

Leia mais

O Estágio de Desenvolvimento da Organização Logística em Grandes Empresas Brasileiras

O Estágio de Desenvolvimento da Organização Logística em Grandes Empresas Brasileiras O Estágio de Desenvolvimento da Organização Logística em Grandes Empresas Brasileiras Paulo Fernando Fleury Cesar Lavalle Resumo O objetivo deste trabalho é analisar a estrutura logística de grandes empresas

Leia mais

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos?

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos? Fascículo 5 A medição do desempenho na cadeia de suprimentos Com o surgimento das cadeias de suprimento (Supply Chain), a competição no mercado tende a ocorrer cada vez mais entre cadeias produtivas e

Leia mais

Pesquisa sobre a integração da Logística com o Marketing em empresas de grande porte

Pesquisa sobre a integração da Logística com o Marketing em empresas de grande porte III SEGeT Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia 1 Pesquisa sobre a integração da Logística com o Marketing em empresas de grande porte Alexandre Valentim 1 Heloisa Nogueira 1 Dário Pinto Junior

Leia mais

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009 LOGÍSTICA EMPRESARIAL Rodolfo Cola Santolin 2009 Conteúdo Cadeia de suprimentos Custos Logísticos Administração de Compras e Suprimentos Logística Reversa CADEIA DE SUPRIMENTOS Logística Logística Fornecedor

Leia mais

Universidade São Judas Tadeu

Universidade São Judas Tadeu Universidade São Judas Tadeu Anna Karoline Diniz Fortaleza Camila Moura Favaro Fernando dos Anjos Reinaldo Francisco Carvalho Tiago Souza Tecnologia da Informação no Transporte São Paulo 2013 1 Tecnologia

Leia mais

Operadores Logísticos : uma tendência nos sistemas de distribuição das empresas brasileiras?

Operadores Logísticos : uma tendência nos sistemas de distribuição das empresas brasileiras? Operadores Logísticos : uma tendência nos sistemas de distribuição das empresas brasileiras? Introdução O Contexto econômico do mundo globalizado vem sinalizando para as empresas que suas estratégias de

Leia mais

A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo.

A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo. A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo. Cristian Carlos Vicari (UNIOESTE) viccari@certto.com.br Rua Engenharia, 450 Jd. Universitário C.E.P. 85.819-190 Cascavel Paraná

Leia mais

Logística Integrada. Prof. Fernando Augusto Silva Marins. fmarins@feg.unesp.br. www.feg.unesp.br/~fmarins

Logística Integrada. Prof. Fernando Augusto Silva Marins. fmarins@feg.unesp.br. www.feg.unesp.br/~fmarins Logística Integrada Prof. Fernando Augusto Silva Marins fmarins@feg.unesp.br www.feg.unesp.br/~fmarins 1 Sumário Cenário Fatores para o Desenvolvimento da Logística Bases da Logística Integrada Conceitos

Leia mais

IV. Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI)

IV. Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI) IV. Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI) 1. Funcionamento do EDI 2. EDI tradicional X WEB EDI 3. EDI Tradicional 4. WEB EDI Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI) EDI: Electronic Data Interchange Troca

Leia mais

Processamento de Pedidos na Mira Transportes

Processamento de Pedidos na Mira Transportes Processamento de Pedidos na Mira Transportes Sumário 1 Apresentação da empresa... 3 1.1 Histórico... 3 1.2 Diferenciais... 3 2 Processamento de pedidos: revisão teórica... 4 2.1 Preparação... 4 2.2 Transmissão...

Leia mais

1 Habilitação: Educação Profissional Técnica de Nível Médio em Administração de Logística

1 Habilitação: Educação Profissional Técnica de Nível Médio em Administração de Logística Habilitação, qualificações e especializações: 1 Habilitação: Educação Profissional Técnica de Nível Médio em Administração de Logística Carga-Horária: 960 horas 1.2 Objetivo Geral do Curso O curso de Educação

Leia mais

Tecnologias e Sistemas de Informação

Tecnologias e Sistemas de Informação Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 02 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras

A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras Medição do desempenho na cadeia de suprimentos Medição do desempenho Sob a perspectiva da gestão da produção, o desempenho pode ser definido

Leia mais

ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Michael E. Porter

ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Michael E. Porter ESTRATÉGIA COMPETITIVA Michael E. Porter 1. A NATUREZA DAS FORÇAS COMPETITIVAS DE UMA EMPRESA 2. ESTRATEGIAS DE CRESCIMENTO E ESTRATÉGIAS COMPETITIVAS 3. O CONCEITO DA CADEIA DE VALOR 1 1. A NATUREZA DAS

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

GESTÃO DE VAREJO, ATACADO E LOGÍSTICA 1 - INTRODUÇÃO À LOGÍSTICA. Conceitos básicos

GESTÃO DE VAREJO, ATACADO E LOGÍSTICA 1 - INTRODUÇÃO À LOGÍSTICA. Conceitos básicos GESTÃO DE VAREJO, ATACADO E LOGÍSTICA 1 - INTRODUÇÃO À LOGÍSTICA Conceitos básicos Poucas áreas de estudo têm um impacto tão significante no padrão de vida da sociedade como a logística. Praticamente todas

Leia mais

ENCONTRO 1 Logística e Transporte

ENCONTRO 1 Logística e Transporte ENCONTRO 1 Logística e Transporte ENCONTRO 1 Logística e Transporte TÓPICO 1: Contextualizando o encontro Olá! Você está iniciando o primeiro encontro do curso Logística Internacional. Neste encontro,

Leia mais

A LOGÍSTICA EMPRESARIAL E OS FATORES PARA A OBTENÇÃO DE VANTAGEM COMPETITIVA

A LOGÍSTICA EMPRESARIAL E OS FATORES PARA A OBTENÇÃO DE VANTAGEM COMPETITIVA A LOGÍSTICA EMPRESARIAL E OS FATORES PARA A OBTENÇÃO DE VANTAGEM COMPETITIVA Douglas Prates Magalhães 1 Resumo Uma revisão teórica e rápida conceituação da Logística e Vantagem competitiva. Foco em vantagem

Leia mais

INNOVA. Soluções de software que capacitam os processadores de aves a...

INNOVA. Soluções de software que capacitam os processadores de aves a... INNOVA Soluções de software que capacitam os processadores de aves a... Maximizar o rendimento e a produtividade Estar em conformidade com os padrões de qualidade e garantir a segurança dos alimentos Obter

Leia mais

Marketing Empresarial MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE

Marketing Empresarial MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE Marketing Empresarial Capítulo 1 Marketing: uma introdução Introdução ao Marketing O que é Marketing Marketing é a área do conhecimento que engloba todas as atividades concernentes às relações de troca,

Leia mais

Estratégias para aumentar a rentabilidade. Indicadores importantes. Controle a produção. Reduza filas. Trabalhe com promoções.

Estratégias para aumentar a rentabilidade. Indicadores importantes. Controle a produção. Reduza filas. Trabalhe com promoções. Uma publicação: Estratégias para aumentar a rentabilidade 04 Indicadores importantes 06 Controle a produção 08 Reduza filas 09 Trabalhe com promoções 10 Conclusões 11 Introdução Dinheiro em caixa. Em qualquer

Leia mais

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010 Enterprise Resource Planning - ERP Objetivo da Aula Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 2 1 Sumário Informação & TI Sistemas Legados ERP Classificação Módulos Medidas

Leia mais

LOGÍSTICA & BRASIL Artigo

LOGÍSTICA & BRASIL Artigo O artigo aborda relações entre logística, formação profissional e infra-estrutura do país. São debatidas questões sobre a evolução da logística no Brasil, a preparação educacional do profissional de logística

Leia mais

Faça mais, com menos: Como crescer em um mercado de trabalho desafiador

Faça mais, com menos: Como crescer em um mercado de trabalho desafiador Faça mais, com menos: Como crescer em um mercado de trabalho desafiador Investir em pessoal com um programa de gestão de desempenho permite que uma operação de abastecimento não só sobreviva, mas cresça

Leia mais

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA Marinalva R. Barboza Definição do conceito de logística e evolução Logística tem origem no idioma francês Logistique se define de forma militar sendo uma parte estratégica

Leia mais

whitepaper PRECIFICAÇÃO DINÂMICA

whitepaper PRECIFICAÇÃO DINÂMICA whitepaper PRECIFICAÇÃO DINÂMICA INTRODUÇÃO Quando se fala em precificar um produto, a primeira coisa que vem em mente é que essa é uma tarefa muito óbvia - são somados ao preço da mercadoria: os custos,

Leia mais

3 CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO

3 CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO 3 CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO O capítulo 3 apresenta o conceito de distribuição física, com enfoque nos centros de distribuição. São incluídos os processos de distribuição Cross docking, Merge in Transit e

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial Logística Empresarial Aula 05 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos

Leia mais

Paulo Gadas JUNHO-14 1

Paulo Gadas JUNHO-14 1 Paulo Gadas JUNHO-14 1 Cadeia de Suprimentos Fornecedor Fabricante Distribuidor Loja Paulo Gadas JUNHO-14 2 Exemplo de cadeia de suprimentos Fornecedores de matériaprima Indústria principal Varejistas

Leia mais

Excelência operacional

Excelência operacional Excelência operacional o pilar para obter um crescimento lucrativo na Colômbia POR: DAVID MONROY E ROBERTO PALACIOS, SINTEC Siga-nos: @Perspectiva Sintec @Sintec_ @PerspectivaSintec Introdução Toda empresa

Leia mais

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES 1 O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES Cesar Paulo Lomba (Discente do 4º período de Tecnologia de Gestão Financeira das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS) Maria Luzia

Leia mais

Importância da Logística. O lugar da Logística nas Empresas. Custos Logísticos são significativos

Importância da Logística. O lugar da Logística nas Empresas. Custos Logísticos são significativos IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA Importância da Logística O lugar da Logística nas Empresas A logística diz respeito à criação de valor; O valor em logística é expresso em termos de tempo e lugar. Produtos e serviços

Leia mais

O desafio: A vantagem da Videojet:

O desafio: A vantagem da Videojet: Nota de aplicação Tinta Tintas coloridas para embalagens de ponto de venda O desafio: O ambiente de varejo é um mercado em constante evolução, com maior ênfase na embalagem, que não só protege os produtos

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO Plano de Ação Estratégico Estratégias empresariais Anexo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas SEBRAE Unidade de Capacitação Empresarial Estratégias

Leia mais

Governança de TI Funções Gerenciais e Estrutura Organizacional. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br

Governança de TI Funções Gerenciais e Estrutura Organizacional. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Governança de TI Funções Gerenciais e Estrutura Organizacional Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Agenda Componentes de uma empresa Objetivos Organizacionais X Processos de negócios Gerenciamento integrado

Leia mais

MARKETING EMPRESARIAL MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE

MARKETING EMPRESARIAL MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO E SUSTENTABILIDADE Marketing: uma introdução Introdução ao Marketing O que é Marketing Marketing é a área do conhecimento que engloba todas as atividades concernentes às relações

Leia mais

WMS - Warehouse Management System

WMS - Warehouse Management System Sistema de Gestão Empresarial LUSANA SOUZA NATÁLIA BATUTA MARIA DAS GRAÇAS TATIANE ROCHA GTI V Matutino Prof.: Itair Pereira Sumário 1. INTRODUÇÃO... 2 2. WMS... 2 3. SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO... 2 4. POLÍTICA

Leia mais

Direcionando o Planejamento Estratégico com Modelo de Previsão Um artigo técnico da Oracle Junho de 2007

Direcionando o Planejamento Estratégico com Modelo de Previsão Um artigo técnico da Oracle Junho de 2007 Direcionando o Planejamento Estratégico com Modelo de Previsão Um artigo técnico da Oracle Junho de 2007 Direcionando o Planejamento Estratégico com Modelo de Previsão Com um processo funcional de planejamento

Leia mais

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 18 PROGRAMAÇÃO DE MATERIAIS

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 18 PROGRAMAÇÃO DE MATERIAIS PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 18 PROGRAMAÇÃO DE MATERIAIS Índice 1. Programação de materiais...3 2. Compras...4 2.1. Análise das OCs recebidas... 4 2.2. Pesquisa, identificação

Leia mais

Prof. Fernando Augusto Silva Marins www.feg.unesp.br/~fmarins fmarins@feg.unesp.br Este material foi adaptado de apresentação de Marco Aurelio Meda

Prof. Fernando Augusto Silva Marins www.feg.unesp.br/~fmarins fmarins@feg.unesp.br Este material foi adaptado de apresentação de Marco Aurelio Meda Tecnologia da Informação Aplicada à Logística Prof. Fernando Augusto Silva Marins www.feg.unesp.br/~fmarins fmarins@feg.unesp.br Este material foi adaptado de apresentação de Marco Aurelio Meda Como garantir

Leia mais

Sistemas de Produção. Administração de Compras. José Roberto de Barros Filho

Sistemas de Produção. Administração de Compras. José Roberto de Barros Filho Sistemas de Produção Administração de Compras José Roberto de Barros Filho Compras e o Planejamento e Controle da Produção Planejamento da Produção nos 3 níveis Planejamento Estratégico da Produção Departamento

Leia mais

CADEIA DE SUPRIMENTOS MÉTODOS DE RECEBIMENTOS RESUMO

CADEIA DE SUPRIMENTOS MÉTODOS DE RECEBIMENTOS RESUMO 1 CADEIA DE SUPRIMENTOS MÉTODOS DE RECEBIMENTOS LEANDRO PANTOJO 1 PETERSON ROBERTO DE LARA 2 VAGNER FUSTINONI 3 RENATO FRANCISCO SALDANHA SILVA 4 VALDECIL DE SOUZA 5 RESUMO O objetivo deste trabalho será

Leia mais

Aspectos Fundamentais da Gestão de Estoques na Cadeia de Suprimentos

Aspectos Fundamentais da Gestão de Estoques na Cadeia de Suprimentos Aspectos Fundamentais da Gestão de Estoques na Cadeia de Suprimentos Peter Wanke Introdução Este texto é o primeiro de dois artigos dedicados à análise da gestão de estoques, a partir de uma perspectiva

Leia mais

Logística Reversa Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais

Logística Reversa Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais Logística Reversa Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais Introdução Leonardo Lacerda Usualmente pensamos em logística como o gerenciamento do fluxo de materiais do seu ponto de

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

Dados x Informações. Os Sistemas de Informação podem ser:

Dados x Informações. Os Sistemas de Informação podem ser: CONCEITOS INICIAIS O tratamento da informação precisa ser visto como um recurso da empresa. Deve ser planejado, administrado e controlado de forma eficaz, desenvolvendo aplicações com base nos processos,

Leia mais

no SRM do que no CRM está na obtenção da certificação de qualidade ISO 9001. Para que o Fabricante de Cilindros mantenha o referido certificado de

no SRM do que no CRM está na obtenção da certificação de qualidade ISO 9001. Para que o Fabricante de Cilindros mantenha o referido certificado de 81 8 Conclusões O último capítulo da dissertação visa tecer conclusões a respeito do trabalho e sugerir algumas recomendações de estudos futuros. A presente dissertação teve como objetivos propor um modelo,

Leia mais

Organização Curricular do Curso Superior de Tecnologia em Logística

Organização Curricular do Curso Superior de Tecnologia em Logística Organização Curricular do Curso Superior de Tecnologia em Logística - TLO 2005/1 Organização Curricular do Curso Superior de Tecnologia em Logística 1 DADOS LEGAIS: Reconhecido pela Portaria MEC 134 de

Leia mais

Sistemas de Processamento de Transações. Sandro da Silva dos Santos sandro.silva@sociesc.com.br

Sistemas de Processamento de Transações. Sandro da Silva dos Santos sandro.silva@sociesc.com.br Sistemas de Processamento de Transações Sandro da Silva dos Santos sandro.silva@sociesc.com.br Evolução dos sistemas de informação Os dispositivos de computação passaram dos tubos a vácuo, nos anos 50

Leia mais

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia.

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Introdução Sávio Marcos Garbin Considerando-se que no contexto atual a turbulência é a normalidade,

Leia mais

Comércio eletrônico: os desafios dos sistemas logísticos para gerenciar a relação custo/beneficio

Comércio eletrônico: os desafios dos sistemas logísticos para gerenciar a relação custo/beneficio Comércio eletrônico: os desafios dos sistemas logísticos para gerenciar a relação custo/beneficio RESUMO O presente trabalho é um estudo sobre o comércio eletrônico e suas relações com a moderna utilização

Leia mais

Quem somos? Por que a sua empresa merece o Sistema de Gestão ERP da Otimizy?

Quem somos? Por que a sua empresa merece o Sistema de Gestão ERP da Otimizy? Por que a sua empresa merece Quem somos? A Otimizy Sistemas Inteligentes é a desenvolvedora do software ErpSoft, um Sistema de Gestão Empresarial voltado a resultados, que automatiza processos operacionais

Leia mais

Software de gerenciamento de trabalho

Software de gerenciamento de trabalho Software de gerenciamento de trabalho Software de gerenciamento de trabalho GoalPost O software de gerenciamento de trabalho (LMS) GoalPost da Intelligrated fornece informações sob demanda para medir,

Leia mais

CUSTOS LOGÍSTICOS - UMA VISÃO GERENCIAL

CUSTOS LOGÍSTICOS - UMA VISÃO GERENCIAL CUSTOS LOGÍSTICOS - UMA VISÃO GERENCIAL Data: 10/12/1998 Maurício Lima INTRODUÇÃO Um dos principais desafios da logística moderna é conseguir gerenciar a relação entre custo e nível de serviço (trade-off).

Leia mais

DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM.

DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM. DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM. Leonardo Silva Figueredo (UNAMA) leonardosfigueredo@hotmail.com

Leia mais

Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte

Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte IBM Global Technology Services Manutenção e suporte técnico Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte Uma abordagem inovadora em suporte técnico 2 Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável

Leia mais

MBA Executivo em Logística e Supply Chain Management

MBA Executivo em Logística e Supply Chain Management ISCTE BUSINESS SCHOOL INDEG_GRADUATE CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA Executivo em Logística e Supply Chain Management www.strong.com.br/alphaville - www.strong.com.br/osasco - PABX:

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão da Produção Integrada e Logística

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão da Produção Integrada e Logística Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão da Produção Integrada e Logística Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão da Produção e Logística tem por objetivo fornecer

Leia mais

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza Prova 1 09 de Maio de 2013 Nome: 1ª QUESTÃO (1,0) Segundo os dados divulgados pela ood and Agriculture Organization (AO, 2011) sobre as exportações brasileiras, em

Leia mais

Olá pessoal nesta fase vimos que a definição de Logística segundo Dornier (2000) é Logística é a gestão de fluxos entre funções de negócio.

Olá pessoal nesta fase vimos que a definição de Logística segundo Dornier (2000) é Logística é a gestão de fluxos entre funções de negócio. Gestão da Produção Industrial Módulo B Fase 1 2015 Logística Empresarial Olá pessoal nesta fase vimos que a definição de Logística segundo Dornier (2000) é Logística é a gestão de fluxos entre funções

Leia mais

A IMPORTANCIA DO CUSTEIO NA CADEIA DE SUPRIMENTOS COMO VANTAGEM COMPETITIVA: CASO LOGÍSTICO EM MORRINHOS/CE.

A IMPORTANCIA DO CUSTEIO NA CADEIA DE SUPRIMENTOS COMO VANTAGEM COMPETITIVA: CASO LOGÍSTICO EM MORRINHOS/CE. A IMPORTANCIA DO CUSTEIO NA CADEIA DE SUPRIMENTOS COMO VANTAGEM COMPETITIVA: CASO LOGÍSTICO EM MORRINHOS/CE. Jander Neves 1 Resumo: Este artigo foi realizado na empresa Comercial Alkinda, tendo como objetivo

Leia mais

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo III.1 GESTÃO DE TRANSPORTES 1.1. O desenvolvimento econômico e o transporte. 1.2. A geografia brasileira, a infraestrutura dos estados, municípios

Leia mais

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade II GOVERNANÇA DE TI

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade II GOVERNANÇA DE TI Profa. Gislaine Stachissini Unidade II GOVERNANÇA DE TI Estratégia e governança em TI Estratégia empresarial A palavra estratégia vem do grego strategus = "o general superior ou "generalíssimo. Strategia

Leia mais

01/12/2009 BUSINESS INTELLIGENCE. Agenda. Conceito. Segurança da Informação. Histórico Conceito Diferencial Competitivo Investimento.

01/12/2009 BUSINESS INTELLIGENCE. Agenda. Conceito. Segurança da Informação. Histórico Conceito Diferencial Competitivo Investimento. BUSINESS INTELLIGENCE Agenda BI Histórico Conceito Diferencial Competitivo Investimento Segurança da Objetivo Áreas Conceito O conceito de Business Intelligencenão é recente: Fenícios, persas, egípcios

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Suprimentos. WMS Gerenciamento de Armazém

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Suprimentos. WMS Gerenciamento de Armazém Bloco Suprimentos WMS Gerenciamento de Armazém Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo WMS, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas foram

Leia mais

Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA. Prof. Léo Noronha

Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA. Prof. Léo Noronha Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha A administração de materiais A administração de materiais procura conciliar as necessidades de suprimentos com a otimização dos recursos financeiros

Leia mais

Estratégia Competitiva 16/08/2015. Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor

Estratégia Competitiva 16/08/2015. Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor Estratégia Competitiva é o conjunto de planos, políticas,

Leia mais

Logística e Gestão da Cadeia de Suprimentos

Logística e Gestão da Cadeia de Suprimentos Logística e Gestão da Cadeia de Suprimentos 2 SISTEMA DE INFORMAÇÕES EM LOGÍSTICA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EM LOGÍSTICA RODA Sociedade de Sobrevivência (troca de mercadorias) Poder: Monopólio de Mercadorias

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM WMS WAREHOUSE MANAGEMENT SYSTEM SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE ARMAZÉM/DEP M/DEPÓSITO WMS Software de gerenciamento de depósito que auxilia as empresas na busca de melhorias nos

Leia mais

ERP. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning -Sistema de Gestão Empresarial -Surgimento por volta dos anos 90 -Existência de uma base de dados

Leia mais

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial Sistemas de Informação Empresarial SIG Sistemas de Informação Gerencial Visão Integrada do Papel dos SI s na Empresa [ Problema Organizacional ] [ Nível Organizacional ] Estratégico SAD Gerência sênior

Leia mais

BOAS PRÁTICAS NO DIA A DIA DAS CLÍNICAS DE IMAGEM

BOAS PRÁTICAS NO DIA A DIA DAS CLÍNICAS DE IMAGEM BOAS PRÁTICAS NO DIA A DIA DAS CLÍNICAS DE IMAGEM Introdução ÍNDICE Boas práticas no dia a dia das clínicas de imagem A Importância de se estar conectado às tendências As melhores práticas no mercado de

Leia mais

Sistemas de Informação. Sistemas Integrados de Gestão ERP

Sistemas de Informação. Sistemas Integrados de Gestão ERP Sistemas de Informação Sistemas Integrados de Gestão ERP Exercício 1 Um arame é cortado em duas partes. Com uma das partes é feito um quadrado. Com a outra parte é feito um círculo. Em que ponto deve ser

Leia mais

Pesquisa Logística no E-commerce Brasileiro 2015 Mauricio Salvador Presidente

Pesquisa Logística no E-commerce Brasileiro 2015 Mauricio Salvador Presidente Pesquisa Logística no E-commerce Brasileiro 2015 Mauricio Salvador Presidente AGRADECIMENTOS! A ABComm agradece o apoio dos mantenedores 2015 METODOLOGIA Foram coletados 451 questionários válidos no campo

Leia mais

Vamos nos conhecer. Avaliações 23/08/2015. Módulo I Introdução à Logistica Empresarial Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc.

Vamos nos conhecer. Avaliações 23/08/2015. Módulo I Introdução à Logistica Empresarial Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. Módulo I Introdução à Logistica Empresarial Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. Vamos nos conhecer Danillo Tourinho Sancho da Silva, M.Sc Bacharel em Administração, UNEB Especialista em Gestão da Produção

Leia mais

O impacto do e-procurement na obtenção de insumos hospitalares: o caso de um hospital da rede particular da cidade de João Pessoa

O impacto do e-procurement na obtenção de insumos hospitalares: o caso de um hospital da rede particular da cidade de João Pessoa O impacto do e-procurement na obtenção de insumos hospitalares: o caso de um hospital da rede particular da cidade de João Pessoa Andrea Regina Monteiro (UFPB) areginamonteiro@bol.com.br Mariana Moura

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

Mídias sociais como apoio aos negócios B2C

Mídias sociais como apoio aos negócios B2C Mídias sociais como apoio aos negócios B2C A tecnologia e a informação caminham paralelas à globalização. No mercado atual é simples interagir, aproximar pessoas, expandir e aperfeiçoar os negócios dentro

Leia mais

Universidade Cruzeiro do Sul. Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos

Universidade Cruzeiro do Sul. Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos Universidade Cruzeiro do Sul Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos 2010 0 O Processo pode ser entendido como a sequência de atividades que começa na percepção das necessidades explícitas

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PARA A COMPETITIVIDADE LOGÍSTICA 1

A IMPORTÂNCIA DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PARA A COMPETITIVIDADE LOGÍSTICA 1 A IMPORTÂNCIA DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PARA A COMPETITIVIDADE LOGÍSTICA 1 INTRODUÇÃO O avanço da tecnologia de informação (TI) nos últimos anos vem permitindo às empresas executarem operações que antes

Leia mais

Aula 03 CLASSIFICAÇÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

Aula 03 CLASSIFICAÇÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Aula 03 CLASSIFICAÇÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Na prática, não existe uma classificação rígida, permitindo aos autores e principalmente as empresas classificar seus sistemas de diversas maneiras. A ênfase

Leia mais

Distribuição Física. A distribuição física de produtos é realizada com a participação de alguns componentes, físicos ou informacionais, a saber:

Distribuição Física. A distribuição física de produtos é realizada com a participação de alguns componentes, físicos ou informacionais, a saber: Distribuição Física Objetivo da aula: Apresentar e discutir o conceito e os componentes do sistema de distribuição física, dentro do processo logístico. O objetivo geral da distribuição física, como meta

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

INTEGRAÇÃO ENTRE MARKETING E LOGÍSTICA EMPRESARIAL: UM ESTUDO DE CASO NO SETOR DE MÓVEIS PLANEJADOS

INTEGRAÇÃO ENTRE MARKETING E LOGÍSTICA EMPRESARIAL: UM ESTUDO DE CASO NO SETOR DE MÓVEIS PLANEJADOS INTEGRAÇÃO ENTRE MARKETING E LOGÍSTICA EMPRESARIAL: UM ESTUDO DE CASO NO SETOR DE MÓVEIS PLANEJADOS Amanda Cristina Nunes Alves (SSP) amandac.06@hotmail.com Anne Sthefanie Santos Guimaraes (SSP) annesthefanie14@hotmail.com

Leia mais