Plano de Atividades. DRAP Alentejo. Direção Regional de Agricultura e Pescas do Alentejo. Divisão de Planeamento (Novembro/2014)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Plano de Atividades. DRAP Alentejo. Direção Regional de Agricultura e Pescas do Alentejo. Divisão de Planeamento (Novembro/2014)"

Transcrição

1 DRAP Alentejo Direção Regional de Agricultura e Pescas do Alentejo Plano de Atividades 2014 Divisão de Planeamento (Novembro/2014)

2 Plano de Atividades ÍNDICE I. Enquadramento... 3 II. DRAP Alentejo Objetivos Recursos Humanos Recursos Financeiros III. Objetivos por Unidade Orgânica Divisão de Planeamento - DP Quadro de objetivos e indicadores - DP Lista dos principais processos/atividades Direção de Serviços de Administração - DSA Quadro de objetivos e Indicadores - DSA Quadro de objetivos e indicadores - DGRH Quadro de objetivos e indicadores - DF Quadro de objetivos e indicadores - DSID Lista dos principais processos/atividades Direção de Serviços de Investimento - DSI Quadro de objetivos e indicadores - DSI Quadro de objetivos e indicadores - DIDR Lista dos principais processos/atividades Direção de Serviços de Desenvolvimento Agroalimentar e Rural - DSDAR Quadro de objetivos e Indicadores - DSADR Lista dos principais processos/atividades Direção de Serviços de Controlo (DSC) Quadro de objetivos e Indicadores - DSC Quadro de objetivos e indicadores - DCA Quadro de objetivos e indicadores - DLCP Lista dos principais processos/atividades Serviços Regionais - SR Quadro de objetivos e Indicadores - SR Lista dos principais Processos/Atividades IV. Proposta de QUAR... 39

3 Plano de Atividades I. ENQUADRAMENTO O Plano de Atividades inicia o ciclo anual de gestão. Decorrente da missão, valores e atribuições da DRAP Alentejo foram projetados um conjunto de objetivos que visam concorrer para a prossecução da visão da organização. Em consonância com os objetivos estratégicos e operacionais definidos, bem como pelo trabalho promovido pelo GPP na consensualização e validação de indicadores comuns de comparabilidade entre as cinco Direções Regionais de Agricultura e Pescas, foram definidas prioridades para 2014 refletidas no presente Plano de Atividades e QUAR. Assim, como prioridades para 2014 destacam-se, ao nível da eficácia, garantir e melhorar a execução dos programas de incentivos com maior impacto no setor da Região Alentejo (ProDer e RARRAV- Regime de Apoio à Reconversão e Reestruturação da Vinha) e a execução do Plano Anual de Controlo. Ao nível da eficiência e, atendendo ao contexto atual, as prioridades assentam essencialmente na desmaterialização de processos e procedimentos com a consequente redução de custos. A qualidade do serviço público prestado será assegurada com o reforço de competências dos trabalhadores, nomeadamente ao nível dos processos e atividades associadas às prioridades definidas para 2014.

4 Plano de Atividades II. DRAP ALENTEJO A, abreviadamente designada por DRAP Alentejo, é um serviço periférico da administração direta do Estado dotado de autonomia administrativa. MISSÃO: Participar na formulação e execução das políticas nas áreas da agricultura, do desenvolvimento rural e das pescas e, em articulação com os organismos e serviços centrais competentes e de acordo com as normas e orientações por estes definidas, contribuir para a execução das políticas nas áreas de segurança alimentar, da proteção animal, da sanidade animal e vegetal, da conservação da natureza e das florestas, no quadro de eficiência da gestão local de recursos. VISÃO: "Alentejo, crescimento e sustentabilidade para um mundo rural mais inclusivo" VALORES: RIGOR no cumprimento das obrigações, das regras, dos prazos e dos princípios do Estado de Direito; COMPETÊNCIA, fazer com qualidade, eficácia e eficiência; PLIFICAÇÃO, simplificar processos, de forma clara e célere; TRANSPARÊNCIA em todos os processos e decisões; IGUALDADE, promover a não discriminação entre homens e mulheres. ATRIBUIÇÕES O Artigo 2º do Decreto Regulamentar nº 39/2012, de 11 de abril determinou as seguintes atribuições das Direções Regionais de Agricultura e Pescas: a) Executar, na respetiva região, as medidas de política agrícola, de desenvolvimento rural, das pescas;

5 Plano de Atividades b) Realizar o levantamento das características e das necessidades dos subsectores agrícola, agroindustrial e das pescas e dos territórios rurais na respetiva região, no quadro do sistema estatístico nacional; c) Executar, de acordo com as normas funcionais definidas pelos serviços e organismos centrais do Ministério da Agricultura, do Mar, do Ambiente e do Ordenamento do Território (MAMAOT), as ações necessárias à receção, análise, aprovação, acompanhamento e validação dos projetos de investimento apoiados por fundos públicos, bem como promover a tramitação relativa à receção, análise e validação conducente ao pagamento dos respetivos apoios; d) Incentivar ações e projetos de intervenção no espaço rural e de programas ou planos integrados de desenvolvimento rural e apoiar os agricultores e as suas associações, bem como as populações rurais no âmbito das atribuições que prosseguem; e) Coordenar a execução de ações conjuntas enquadradas nos planos oficiais de controlo no âmbito da segurança alimentar, da proteção animal e da sanidade animal e vegetal, de acordo com as orientações funcionais emitidas pelos organismos e serviços centrais competentes em razão da matéria; f) Executar as ações enquadradas nos planos oficiais de controlo relativos aos regimes de apoio no âmbito da política agrícola comum, de acordo com as orientações funcionais emitidas pelos organismos e serviços centrais competentes em razão da matéria; g) Coordenar o processo de licenciamento no âmbito do regime económico da atividade pecuária, de acordo com as orientações funcionais emitidas pelos serviços e organismos centrais competentes em razão da matéria; h) Coordenar o processo de licenciamento das indústrias alimentares no âmbito do regime do exercício da atividade industrial, de acordo com as orientações funcionais emitidas pela autoridade responsável pela gestão do sistema de segurança alimentar; i) Colaborar na execução a nível regional, de acordo com as orientações funcionais emitidas pelos serviços e organismos centrais competentes em razão da matéria, da gestão das áreas classificadas, bem como da conservação da natureza e da

6 Plano de Atividades gestão sustentável de espécies, habitats naturais da flora e da fauna selvagem e de geossítios; j) Colaborar na execução de ações enquadradas nas políticas de ordenamento florestal, do regime florestal, das fileiras florestais, políticas cinegéticas, aquícolas das águas interiores e as relativas a outros produtos ou recursos da floresta, de acordo com as orientações funcionais emitidas pelos serviços e organismos centrais competentes em razão da matéria. ESTRUTURA ORGÂNICA A Portaria n.º 305/2012, de 4 de outubro determina a estrutura nuclear da DRAP Alentejo, constituída pelas seguintes unidades orgânicas nucleares: Direção de Serviços de Administração DSA Direção de Serviços de Investimento DSI Direção de Serviços de Desenvolvimento Agroalimentar e Rural DSDAR Direção de Serviços de Controlo DSC Serviços Regional do Norte Alentejano - SRNA Serviços Regional do Alentejo Central - SRAC Serviços Regional do Baixo Alentejo - SRBA Serviços Regional do Alentejo Litoral SRAL O organograma da figura seguinte representa a estrutura orgânica da Direção Regional de Agricultura e Pescas do Alentejo.

7 Plano de Atividades ORGANOGRAMA

8 Plano de Atividades Objetivos Na prossecução da missão e das atribuições da DRAP Alentejo foram considerados três objetivos estratégicos: o o Melhorar a prestação do serviço público; Desenvolver o capital humano e organizacional; o Otimizar recursos. Para a concretização dos objetivos estratégicos foram definidos de dez objetivos operacionais refletidos no seguinte Mapa Estratégico e respetivo quadro de objetivos e indicadores. Objetivo QUAR

9 QUAR Plano de Atividades Objetivos Indicadores Meta Tolerância Peso Assegurar a satisfação global dos clientes Melhorar a execução do Plano de Comunicação da DRAP Alentejo Garantir a execução do PRODER Índice de satisfação/confiança dos clientes Taxa de execução do Plano de Comunicação Taxa de análise de Pedidos de Apoio (P.A) % 85% 5% 70% 85% 5% 50% Taxa de análise de Pedidos de Pagamento (P.P) 80% 5% 50% Melhorar a execução do RARRV Prazo de execução da análise de Pedidos de Pagamento (dias) % Assegurar a execução do Plano Anual de Controlo Melhorar processos e procedimentos Melhorar a eficiência da rede de comunicação e informação da DRAP Alentejo Assegurar o reporte ao GPP dos indicadores de desempenho comuns (comparação entre DRAPs) Prazo de execução do Plano Anual de Controlo Componente Animal (dias) 171d 10 d 30% Prazo de execução do Plano Anual de Controlo Superfícies (dias) 212 d 10 d 50% Prazo de execução do Plano Anual de Controlo Outros Controlos (dias) Nº de ações de melhoria implementadas 274 d 10 d 20% % Nº de procedimentos auditados % Prazo de renovação da rede de comunicação de dados 180 d 15 d 50% Taxa de redução dos custos associados ao serviço 20% 5% 50% Nº de reportes dos indicadores comuns de desempenho enviados ao GPP % Prazo de entrega de reporte após o fecho do trimestre 30 d 15 d 50% Reforçar competências % De trabalhadores que beneficiam de formação no ano 25% 5% 100% Estender a desmaterialização de processos % De documentos assinados digitalmente face ao nº de documentos criados (ofícios e informações) % De documentos afetos a processos face ao nº de documentos criados (ofícios e informações) 20% 2% 50% 20% 2% 50%

10 Plano de Atividades Recursos Humanos O Mapa de Pessoal da DRAP Alentejo em 2014 prevê 356 postos de Trabalho. A 31 de outubro de 2013 estavam ocupados 350 postos de trabalho. Nº postos de trabalho ocupados (31/10/2013) Nº de postos de trabalho aprovados Direção - Direção Superior 1 2 Dirigentes - Direção Intermédia Técnico Superior (inclui especialistas de informática) Coordenador Técnico (inclui Chefes de Seção) Assistente Técnico (inclui Técnicos de Informática) Assistente Operacional TOTAL Recursos Financeiros Planeado ( ) Orçamento de Funcionamento (OF) Despesas c/pessoal Aquisição de Bens e Serviços Outras despesas correntes Orçamento de Investimento (OI) Outros Valores (OV) 0 TOTAL

11 Plano de Atividades III. OBJETIVOS POR UNIDADE ORGÂNICA 1. Divisão de Planeamento - DP Atribuições da DP Despacho n.º 14943/2012 de 21 de novembro de 2012 Colaborar na formulação, implementação e acompanhamento das políticas no âmbito da agricultura, desenvolvimento rural e pescas; Asseguarar a elaboração do plano de atividades e do relatório anual, em articulação com as demais unidades orgânicas e colaborar na preparação das propostas de orçamento; Definir e acompanhar indicadores de avaliação e funcionamento e implementar em articulação com a Direção de Serviços de Administração um data warehouse que os reflita; Acompanhar e monitorizar a evolução do cumprimento dos objetivos estratégicos, bem como do QUAR da DRAP Alentejo; Elaborar inquéritos periódicos para avaliar as necessidades e os índices de satisfação e confiança dos utentes dos serviços; Apoiar a criação das diversas formas de associativismo agrícola e rural; Assegurar a gestão e informação das contabilidades agrícolas; Promover o desenvolvimento de competências das populações nas zonas rurais e assegurar a gestão do Centro de Formação Técnico- Profissional Agrária de Évora; Assegurar e coordenar a participação da DRAP Alentejo em certames e outros eventos, bem como assegurar a organização de visitas de entidades aos serviços ou à região.

12 Plano de Atividades Quadro de objetivos e indicadores - DP SIADAP 2 Objetivo Indicador Meta Tolerância Principais QUAR Objetivo Indicador Meta Tolerância Peso Atividades/processos Principais Atividades/processos Assegurar a satisfação/confiança global dos clientes Índice de satisfação/confiança global % Transversal - Melhorar a execução do Plano de Comunicação % De execução do Plano de Comunicação da DRAP Alentejo 85% 5% 100% Plano de Comunicação - Assegurar a elaboração, monitorização e avaliação dos instrumentos de gestão da DRAP Alentejo Assegurar o reporte ao GPP dos indicadores de desempenho comuns entre as DRAPs Garantir a certificação de formação profissional agrícola Melhorar competências Elaboração do Relatório de Atividades/autoavaliação 15/abril 0 25% Elaboração do QUAR 30/nov. 0 25% N. de relatórios de monitorização % Elaboração do Plano de Atividades 30/set. 0 25% Nº de reportes dos indicadores comuns de desempenho enviados ao GPP Prazo de entrega do reporte após o fecho do trimestre (dias) Taxa de homologação de certificados de formação profissional (pedidos entregues até 30.novembro) % De trabalhadores que beneficiam de formação Plano de Atividades Relatório de Atividades QUAR Autoavaliação % Ciclo de gestão/unidades 30 d 15 d 50% Homogéneas 80% 5% 100% Formação Profissional 20% 2% 100% Transversal Reforçar a desmaterialização de processos % De documentos assinados digitalmente face ao nº de documentos criados (ofício e informações) % De documentos afetos a processos face ao nº de documentos criados (ofícios e informações) 20% 2% 50% 20% 2% 50% Transversal

13 Plano de Atividades Lista dos principais processos/atividades Divisão de Planeamento (DP) Ciclo de gestão o Assegurar a elaboração do Plano de Atividades e Relatório de Atividades; o Assegurar o reporte ao GPP dos indicadores de desempenho comuns que permite a comparação entre as DRAPs o Garantir a elaboração, monitorização e autoavaliação do QUAR. Assegurar o lançamento e tratamento dos inquéritos de satisfação/confiança a utentes e trabalhadores; SAG - Sociedade de Agricultura de Grupo - Receção e trâmites de pedidos de reconhecimento; Certificação da natureza agrícola de cooperativas - Receção e trâmites de processos de reconhecimento; Homologação de ações de formação profissional - Colaboração na análise e emissão de pareceres de ações de formação homologadas pelo MAMAOT; Rede Rural Nacional - Colaboração na animação na região Alentejo; RICA Coordenação regional, elaboração e acompanhamento de contabilidades agrícolas; Apoio à constituição e funcionamento de formas associativas agrícolas e rurais, nomeadamente Cooperativas e A ssociações de Beneficiários e Regantes; Implementar, em conjunto, com a Direção de Serviços de Administração, uma data warehouse que reflita indicadores de avaliação e funcionamento; Gestão do Centro de Formação Técnico - Profissional Agrário de Évora / Herdade Pomarinho; Assegurar a participação da DRAP Alentejo em certames e outros eventos; Assegurar a organização de visitas de entidades ou serviços à região; Colaborar na formulação, implementação e acompanhamento das políticas no âmbito da agricultura, desenvolvimento rural e pescas; Gestão de conteúdos/atualização do site da DRAP Alentejo; Animação de Rede Rural Nacional na Região Alentejo.

14 Plano de Atividades Direção de Serviços de Administração - DSA DSA SPL Secção de Património e Logística DGRH Divisão de Gestão de Recursos Humanos DGF Divisão de Gestão Financeira DSID Divisão de Sistemas de Informação e Documentação Atribuições da DSA Portaria n.º 305/2012 de 4 de outubro de 2012 Assegurar a elaboração dos estudos necessários à correta afetação e gestão de recursos humanos; Assegurar a preparação do plano anual de formação, tendo em atenção as necessidades gerais e específicas das diversas unidades orgânicas; Garantir a compilação e organização da informação relativa aos recursos humanos, a aplicação da avaliação do desempenho e a elaboração do balanço social; Assegurar o processamento dos vencimentos e abonos relativos ao pessoal, bem como o expediente relacionado com os benefícios sociais; Desenvolver as ações necessárias à organização e instrução de processos referentes à situação profissional dos trabalhadores; Preparar as propostas de orçamento e elaborar a conta de gerência anual; Assegurar a gestão e controlo orçamental e a avaliação da afetação dos recursos financeiros às atividades desenvolvidas pelos serviços; Garantir o aprovisionamento e o controlo das existências de bens de consumo geral; Assegurar os procedimentos de gestão, conservação e inventário do património; Promover e assegurar todos os procedimentos inerentes à eficaz cobrança e depósito de receitas, de acordo com as normais legais em vigor; Assegurar a elaboração e instrução de procedimentos inerentes à contratação pública e à realização de despesas e sua liquidação; Definir, organizar e gerir o sistema integrado de informação e o sistema de gestão documental e arquivo.

15 Plano de Atividades Quadro de objetivos e Indicadores - DSA QUAR Objetivo Indicador Meta Tolerância Peso Melhorar processos e procedimentos Nº de ações de melhoria implementadas % Melhorar a eficiência da rede de comunicação Prazo de renovação da rede de comunicação de dados (dias) Taxa de redução dos custos associados ao serviço % 20% 5% 50% Assegurar a monitorização trimestral do mapa de objetivos/indicadores Nº de monitorizações enviadas à divisão de planeamento Prazo de entrega do reporte após o fecho do trimestre % % Reforçar competências % De trabalhadores que beneficiam de formação no ano 30% 5% 100% Estender a desmaterialização de processos % De documentos assinados digitalmente face ao nº de documentos criados (ofício e informações) % De documentos afetos a processos face ao nº de documentos criados (ofícios e informações) 50% 2% 50% 50% 2% 50%

16 Plano de Atividades Quadro de objetivos e indicadores - DGRH Objetivo Indicador Meta Tolerância Peso Principais Processos / Atividades Assegurar a satisfação dos trabalhadores com DGRH Melhorar processos e procedimentos Índice de satisfação dos clientes internos 3,5 0,3 100% Nº de ações de melhoria implementadas % Reforçar competências Estender a desmaterialização de processos % De trabalhadores que beneficiam de formação no ano % De documentos assinados digitalmente face ao nº de documentos criados (ofício e informações) % De documentos afetos a processos face ao nº de documentos criados (ofícios e informações) 30% 5% 100% 20% 2% 50% 20% 2% 50% Gestão de Recursos Humanos

17 Plano de Atividades Quadro de objetivos e indicadores - DF Objetivo Indicador Meta Tolerância Peso Principais processos / atividades Melhorar processos e procedimentos Reforçar competências Estender a desmaterialização de processos Nº de ações de melhoria implementadas % % De trabalhadores que beneficiam de formação no ano % De documentos assinados digitalmente face ao nº de documentos criados (ofício e informações) % De documentos afetos a processos face ao nº de documentos criados (ofícios e informações) 30% 5% 100% 80% 5% 50% 80% 5% 50% Transversal

18 Plano de Atividades Quadro de objetivos e indicadores - DSID Objetivo Indicador Meta Tolerância Peso Principais processos / atividades Melhorar processos e procedimentos Nº de ações de melhoria implementadas % Melhorar a eficiência da rede de comunicação Reforçar competências Estender a desmaterialização de processos Prazo de renovação da rede de comunicação de dados (dias) Taxa de redução dos custos associados ao serviço % De trabalhadores que beneficiam de formação no ano % De documentos assinados digitalmente face ao nº de documentos criados (ofício e informações) % De documentos afetos a processos face ao nº de documentos criados (ofícios e informações) % 20% 5% 50% 30% 5% 100% 80% 5% 50% 80% 5% 50% Transversal

19 Plano de Atividades Lista dos principais processos/atividades DIREÇÃO DE SERVIÇOS DE ADMINISTRAÇÃO - DSA Secção de Património e Logística Gestão integrada dos recursos patrimoniais; Elaboração de processos de aquisição e venda de bens e serviços; Assegurar e garantir a execução dos contratos de fornecimento de serviço referentes a assistência técnica e outros; Gestão e manutenção do parque de viaturas; Orientação e coordenação dos serviços de transporte; Organização de processos de viaturas, assegurando a atualização da informação constante da base de dados da frota de viaturas; Elaboração de inventários de mercadorias, matérias-primas e outros materiais recebidos, expedidos ou armazenados, incluindo o Balanço Anual; Gestão de stocks; Organização e atualização do inventário, cadastro e arquivo de todos os bens móveis e imóveis da DRAP Alent ejo; Elaboração Mensal dos mapas das rendas de imóveis e respetiva atualização anual; Compilação e organização dos elementos patrimoniais necessários para o RIAP (Recenseamento dos Imóveis da Administração Públi ca). Divisão de Gestão de Recursos Humanos Atualização e manutenção dos processos individuais dos trabalhadores; ADSE: pedido e entrega de cartões, alterações, envio de documentos de despesas; Elaboração de processos de acidentes de trabalho; Encaminhamento de pedidos de junta médica; Elaboração de simulações e processos de pensões de aposentação; Execução de todos os procedimentos relacionados com contratação Medida Contrato Emprego Inserção + do IEFP; Apoio administrativo no processo de avaliação de desempenho SIADAP 2 e 3: aplicação de checklist s de controlo, envio, receção, registo e arquivo; Elaboração de estudos, pareceres e informações em matéria de recursos humanos e de emprego público; Elaboração de procedimentos concursais de dirigentes e de trabalhadores; Apresentação de dados referentes a remunerações, abonos e encargos da entidade patronal de todos os trabalhadores, com vista a preparação da proposta de orçamento da DRAP Alentejo; Preparação e carregamento de dados no Sistema de Informação e Organização do Estado (SIOE); Elaboração do balanço social; Elaboração do diagnóstico de necessidades de formação, da proposta de plano anual de formação, de candidaturas a programas de financiamento da formação, de peças de procedimentos de aquisição de serviços de formação e do relatório anual da f ormação; Organização de ações de formação interna.

20 Plano de Atividades Divisão de Gestão de Recursos Financeiros Apoio técnico de natureza administrativa e financeira na elaboração de propostas de candidatura de projetos cofinanciados; Organização administrativa e financeira dos projetos e acompanhamento das respetivas execuções; Elaboração de informações e pareceres de caráter económico e financeiro no âmbito de projetos; Elaboração e organização do Projeto de Orçamento e da Conta de Gerência; Apoio técnico de natureza administrativa e financeira à gestão dos vários orçamentos da DRAP Alentejo. Preparação dos elementos estatísticos e indicadores de gestão financeira solicitados superiormente; Elaboração, conferência e classificação de documentos contabilísticos e respetivas inscrições nos registos financeiros e contabilísticos; Arrecadação e registo das receitas cobradas pela DRAP Alentejo; Constituição, reconstituição e liquidação do Fundo de Maneio; Emissão de faturas; Registo de operações de tesouraria (descontos de remunerações, penhoras judiciais e execuções fiscais); Organização e atualização permanente da base de clientes da DRAP Alentejo; Atualização da tabela de preços dos serviços bens e do respetivo módulo da aplicação de faturação; Apuramento dos pagamentos em atraso e notificações para início de processo de cobrança coerciva; Notificação dos rendeiros do Estado para pagamento de rendas. Divisão de Sistemas de Informação e Documentação Plano de implementação dos instrumentos de interoperabilidade; Administração de redes, sistemas e serviços. Manutenção e atualização da rede de infraestruturas informáticas e de comunicações da DRAP Alentejo. Administração de sistemas de base de dados e desenvolvimento aplicacional. Administração e gestão de rede de voz. Criação e manutenção da página Web da DRAP Alentejo. Serviço de Helpdesk. Avaliação e seleção de documentação; Catalogação de documentação; Difusão mensal de informação através de boletim bibliográfico; Assistência técnica (computadores/software); Rede (Administração, página web, internet, correio eletrónico, intranet), outros (telefones, sistema de informação geográfica, fecho de processamentos, seguranças), programação aplicacional; Seleção, classificação, registo, encaminhamento/distribuição e arquivo de corre spondência; Execução de trabalhos de reprografia e de microfilmagem; Acolhimento, atendimento e encaminhamento dos utentes/clientes aos serviços.

21 Plano de Atividades Direção de Serviços de Investimento - DSI DSI DIDR Divisão de Incentivos ao Desenvolvimento Rural Atribuições da DSI Portaria n.º 305/2012 de 4 de outubro de 2012 Executar, de acordo com as normas funcionais definidas pelos serviços e organismos centrais, as ações necessárias à receção, análise, aprovação, acompanhamento e validação dos projetos de investimento apoiados por fundos públicos; Promover a tramitação relativa à receção, análise e validação conducente ao pagamento dos respetivos apoios; Assegurar a monitorização regional da execução dos diferentes instrumentos financeiros de apoio à agricultura e pescas, assim como dos impactos resultantes da sua aplicação, propondo medidas concretas em matéria de conceção e procedimentos; Promover a implementação de programas, ações e projetos de apoio aos agricultores e suas organizações; Assegurar uma adequada promoção e divulgação dos diferentes programas de apoios públicos.

22 Plano de Atividades Quadro de objetivos e indicadores - DSI QUAR Objetivos Indicador Meta Tolerância Peso Assegurar a satisfação/confiança do sector Índice de satisfação/confiança do sector na DRAPAL 4,2 0,2 100% Melhorar a informação ao cliente Nº de documentos/informações/artigos colocados no site da DRAP Alentejo % Assegurar a monitorização de execução do ProDer Nº de relatórios produzidos % Assegurar a monitorização trimestral do mapa de objetivos/indicadores Nº de monitorizações enviadas à divisão de planeamento Prazo de entrega do reporte após o fecho do trimestre (dias) % % Garantir a execução do RARRV Prazo de execução de análise de Pedidos de Pagamento (dias) % Garantir a execução do PAN Reforçar a desmaterialização de processos Estender Taxa de análise de Pedidos de Apoio (P.A) 90% 2.5% 50% Taxa de análise de Pedidos de Pagamento (P.P) % De documentos assinados digitalmente face ao nº de documentos criados (ofícios e informações) % De documentos afetos a processos face ao nº de documentos criados (ofícios e informações) 90% 2.5% 50% 25% 5% 50% 25% 5% 50%

23 Plano de Atividades Quadro de objetivos e indicadores - DIDR Objetivo Indicador Meta Tolerância Peso Principais Atividades/ Processos Facilitar e ampliar o diálogo com as organizações de agricultores N.º de reuniões com as OA % - Reconhecimento de OP; - OCM única; - Registo de produtos de qualidade. Melhorar a informação ao cliente Nº de documentos/informações/artigos colocados no site da DRAP Alentejo % - Relatórios; - Balanços de Campanha. Garantir a execução do PAN Reforçar a desmaterialização de processos Taxa de análise de Pedidos de Apoio (P.A) 90% 2.5% 50% Taxa de análise de Pedidos de Pagamento (P.P) 90% 2.5% 50% % De documentos assinados digitalmente face ao nº de documentos criados (ofícios e informações) % De documentos afetos a processos face ao nº de documentos criados (ofícios e informações) 25% 5% 50% 25% 5% 50% PAN Programa Apícola Nacional Transversal

24 Plano de Atividades Lista dos principais processos/atividades DIREÇÃO DE SERVIÇOS DE INVESTIMENTO - DSI Direção de Serviço de Investimento Atendimento: telefónico; esclarecimentos sobre os incentivos ao investimento no âmbito do RURIS -FTA, RARRV - Regime de Apoio à Reconversão e Reestruturação da Vinha, PRODER; receção de candidaturas; Carregamento de IB's; Registo e atualização de situações em SIADRU inerentes a projetos das várias Medidas AGRO; Emissão e receção de correspondência e contratos no âmbito do PRODER, AGRO, RURIS. Divisão de Incentivos ao Desenvolvimento Rural D.N. 11/ RECONHECIMENTO DE ORGANIZAÇÕES DE PRODUTORES o Análise e emissão de pareceres s/ pedidos de reconhecimento; o Verificação da manutenção das condições de reconhecimento; D.N. 2/ APOIO ESPECÍFICO PARA A MELHORIA DA QUALIDADE DOS PRODUTOS AGRÍCOLAS o Receção dos pedidos de pagamento, controlo, validação e homologação das declarações de comercialização e carregamento informático no idigital IFAP; REG. (CE) 1234/2007 (OCM ÚNICA) CONSTITUIÇÃO E FUNCIONAMENTO DE OP S NO ÂMBITO DA OCM DAS FRUTAS E HORTÍCOLAS o Análise e emissão de pareceres s/ pedidos de reconhecimento; o Verificação da manutenção das condições de reconhecimento. Propostas de decisão s/ a sua manutenção; o Recolha da ficha anual de atividades e relação nominal de associados; Programas Operacionais (PO) o Análise e emissão de pareceres s/ e suas alterações; o Comunicação ao GPP e IFAP s/ aprovações/alterações de PO; PAN PROGRAMA APÍCOLA NACIONAL o Receção e envio às entidades avaliadoras. Emissão de pareceres de admissibilidade; o Análise e avaliação de candidaturas e envio ao IFAP das propostas de decisão. PRRN Programa da Rede Rural Nacional o Análise de pedidos de pagamento PRODER ; 2.4.1; ; ; 3.1; 3.2 o Análise de pedidos de apoio o Análise de pedidos de pagamento PROMAR Eixo 4 o Análise de pedidos de apoio o Análise de pedidos de pagamento PRODUTOS DE QUALIDADE o DOP/IGP/ETG Análise de pedidos de registo/alteração de cadernos de especificações CESSAÇÃO DA ATIVIDADE AGRÍCOLA/REFORMA ANTECIPADA

25 Plano de Atividades Direção de Serviços de Desenvolvimento Agroalimentar e Rural - DSDAR DSADR SAF Secção de Administração Fundiária DAP Divisão de Apoio à Produção DAI Divisão de Ambiente e Infraestruturas DSVSA Divisão de Sanidade Vegetal e Segurança Alimentar Atribuições da DSADR Portaria n.º 305/2012 de 4 de outubro de 2012 Assegurar, em coordenação com os organismos centrais, a execução das medidas de política agrícola e de desenvolvimento rural, ambiente, ordenamento e gestão sustentável do território e pescas; Realizar o levantamento das características e das necessidades dos subsectores agrícola, agroindustrial e dos territórios rurais e das comunidades piscatórias na respectiva região no quadro do sistema estatístico nacional; Promover, apoiar e prestar apoio técnico aos sectores produtivos regionais, em articulação com outras entidades; Promover a diversificação da economia rural e o desenvolvimento de competências nas zonas rurais; Assegurar a boa execução dos projetos de engenharia rural e a sua aplicação na atividade agrícola ou no desenvolvimento rural, nomeadamente ao nível da gestão e utilização da água e do solo; Colaborar na execução de ações conjuntas enquadradas nos planos oficiais de controlo no âmbito da segurança alimentar, da proteção animal e da sanidade animal e vegetal, de acordo com as orientações funcionais emitidas pelos organismos e serviços centrais; Promover as ações relacionadas com a pesca marítima, aquicultura e indústria transformadora contribuindo para o acompanhamento e avaliação das mesmas em articulação com os organismos centrais competentes; Assegurar a recolha, análise e tratamento da informação estatística no quadro do sistema estatístico nacional e dos sistemas de informação agrária.

Plano de Atividades 2013. Direção Regional de Agricultura e Pescas do Alentejo. Dezembro/2012 (Versão revista: Junho/2013)

Plano de Atividades 2013. Direção Regional de Agricultura e Pescas do Alentejo. Dezembro/2012 (Versão revista: Junho/2013) Plano de Atividades 2013 Dezembro/2012 (Versão revista: Junho/2013) Página2 ÍNDICE I. DRAP ALENTEJO... 5 1. ATRIBUIÇÕES... 6 2. ORGANOGRAMA... 9 3. PARTES INTERESSADAS... 10 4. OBJETIVOS ESTRATÉGICOS:...

Leia mais

Plano de gestão de riscos de corrupção e infrações conexas. Versão 2.0

Plano de gestão de riscos de corrupção e infrações conexas. Versão 2.0 Plano de gestão de riscos de corrupção e infrações conexas Versão 2.0 Fevereiro 2015 Plano de gestão de riscos de corrupção e infrações conexas 2 Tabela de controlo de versões: Versão Descrição Páginas

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO MAR

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO MAR 944 Diário da República, 1.ª série N.º 24 4 de fevereiro de 2014 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO MAR Decreto-Lei n.º 18/2014 de 4 de fevereiro O Decreto -Lei n.º 86 -A/2011, de 12 de julho, estabeleceu,

Leia mais

Unidade orgânica/áreas de atividades. Inspetor- Geral. Subinspetor- Geral

Unidade orgânica/áreas de atividades. Inspetor- Geral. Subinspetor- Geral MODELO A MAPA DE PESSOAL 05 (Estrutura de mapa de pessoal - artigo 5º LVCR) Atribuições/Competências/Atividades Unidade orgânica/áreas de atividades Inspetor- Geral Subinspetor- Geral Diretor de Serviços

Leia mais

Direção Regional de Agricultura e Pescas do Algarve

Direção Regional de Agricultura e Pescas do Algarve Direção Regional de Agricultura e Pescas do Algarve PLANO DE ATIVIDES 2015 Ficha técnica: Título: Plano de Atividades para 2015 Direção: Diretor Regional: Fernando Manuel Neto Severino Diretor Regional

Leia mais

PROJECTO DE REGULAMENTO DOS SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS E FINANCEIROS

PROJECTO DE REGULAMENTO DOS SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS E FINANCEIROS PROJECTO DE REGULAMENTO DOS SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS E FINANCEIROS Artigo 1.º (Âmbito) 1 - O presente Regulamento estabelece a estrutura orgânica e as competências dos Serviços Administrativos e Financeiros

Leia mais

N. de Horas. 1 Agricultura Biológica Agricultura Biológica 144 Média Duração Formação Sem Legislação de Suporte

N. de Horas. 1 Agricultura Biológica Agricultura Biológica 144 Média Duração Formação Sem Legislação de Suporte Anexo II - Técnicos. Correspondência dos Cursos realizados no Entre Douro e Minho, entre 94 e 03, por área temática, tema do curso, duração, 1 Agricultura Biológica Agricultura Biológica 144 Média Duração

Leia mais

Estrutura Orgânica dos Serviços do Município de Paredes de Coura

Estrutura Orgânica dos Serviços do Município de Paredes de Coura Estrutura Orgânica dos Serviços do Município de Paredes de Coura Nos termos do disposto na alínea a) do artigo 7.º e no n.º 3 do artigo 10.º do Decretolei n.º 305/2009, de 23 de Outubro e dentro dos limites

Leia mais

Mapa de Pessoal CMP 2015. Unidades Orgânicas GABINETE DE APOIO À PRESIDENCIA

Mapa de Pessoal CMP 2015. Unidades Orgânicas GABINETE DE APOIO À PRESIDENCIA GABINETE DE APOIO À PRESIDENCIA Assistente Técnico Secretariado Administrativa 12.º ano de escolaridade 12.º ano de escolaridade complexidade, na área de secretariado, designadamente, gestão de agenda;

Leia mais

REGULAMENTO ORGÂNICO DOS SERVIÇOS DO ISA

REGULAMENTO ORGÂNICO DOS SERVIÇOS DO ISA Deliberação nº /2011 Considerando que, nos termos do nº 3 do artigo 12º dos Estatutos do Instituto Superior de Agronomia, compete ao Conselho de Gestão do Instituto Superior de Agronomia (ISA), aprovar,

Leia mais

Parcerias para a investigação e inovação no âmbito da Programação para o Desenvolvimento Rural 2014-2020

Parcerias para a investigação e inovação no âmbito da Programação para o Desenvolvimento Rural 2014-2020 Parcerias para a investigação e inovação no âmbito da Programação para o Desenvolvimento Rural 2014-2020 PDR 2014-2020 do Continente Cláudia Costa Diretora Adjunta do Gabinete de Planeamento e Políticas

Leia mais

8226 Diário da República, 1.ª série N.º 215 8 de Novembro de 2007

8226 Diário da República, 1.ª série N.º 215 8 de Novembro de 2007 8226 Diário da República, ª série N.º 215 8 de Novembro de 2007 da Madeira os Drs. Rui Nuno Barros Cortez e Gonçalo Bruno Pinto Henriques. Aprovada em sessão plenária da Assembleia Legislativa da Região

Leia mais

Manual de Gestão e Controlo Interno

Manual de Gestão e Controlo Interno Direcção Regional de Agricultura e Pescas do Norte Direcção de Serviços de Agricultura e Pescas Divisão de Protecção e ontrolo Fitossanitário Manual de Gestão e ontrolo Interno Definido ao abrigo do Plano

Leia mais

Alteração do Mapa de Pessoal CMP 2015. Unidades Orgânicas GABINETE DE APOIO À PRESIDÊNCIA

Alteração do Mapa de Pessoal CMP 2015. Unidades Orgânicas GABINETE DE APOIO À PRESIDÊNCIA GABINETE DE APOIO À PRESIDÊNCIA Secretariado 12.º ano de escolaridade Exerce funções de natureza executiva, de aplicação de métodos e processos, com base em diretivas definidas e instruções gerais, de

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Medida 1 INOVAÇÃO Ação 1.1 GRUPOS OPERACIONAIS Enquadramento Regulamentar Artigos do Regulamento (UE) n.º 1305/2013, do Conselho e do Parlamento

Leia mais

DESPACHO. Estrutura Orgânica dos Serviços da Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa.

DESPACHO. Estrutura Orgânica dos Serviços da Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa. DESPACHO N.º07/2014 Data: 2014/02/11 Para conhecimento de: Pessoal Docente, Discente e Não Docente ASSUNTO: Estrutura Orgânica dos Serviços da Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa. Os Estatutos

Leia mais

Diário da República, 2.ª série N.º 65 2 de abril de 2014 8907. CAPÍTULO III Disposições transitórias e finais

Diário da República, 2.ª série N.º 65 2 de abril de 2014 8907. CAPÍTULO III Disposições transitórias e finais Diário da República, 2.ª série N.º 65 2 de abril de 2014 8907 2 A afetação do pessoal necessário ao funcionamento dos diversos Serviços é determinada por despacho do Reitor, sob proposta do Administrador.

Leia mais

.: Instrumentos de financiamento de apoio à competitividade no âmbito do Portugal 2020. 14 de Janeiro de 2015

.: Instrumentos de financiamento de apoio à competitividade no âmbito do Portugal 2020. 14 de Janeiro de 2015 14 de Janeiro de 2015 O que é o Portugal 2020? O Portugal 2020 é um Acordo de Parceria assinado entre Portugal e a Comissão Europeia, que reúne a atuação dos 5 fundos estruturais e de investimento europeus

Leia mais

Relatório Anual de Actividades 2008

Relatório Anual de Actividades 2008 Relatório Anual de Actividades 2008 DIVISÃO DE AVALIAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DE PROJECTOS - BRAGA 07-03-2009 DIRECÇÃO REGIONAL DE AGRICULTURA E PESCAS DO NORTE LUISA HIPÓLITO Índice Divisão de Avaliação e

Leia mais

MODERNIZAÇÃO E CAPACITAÇÃO DAS EMPRESAS

MODERNIZAÇÃO E CAPACITAÇÃO DAS EMPRESAS MODERNIZAÇÃO E CAPACITAÇÃO DAS EMPRESAS Destina-se a apoiar. nas explorações agrícolas para a produção primária de produtos agrícolas - Componente 1. na transformação e/ou comercialização de produtos agrícolas

Leia mais

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS Nº 06 / SI / 2012

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS Nº 06 / SI / 2012 AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS Nº 06 / SI / 2012 SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME (SI QUALIFICAÇÃO DE PME) PROGRAMA ESTRATÉGICO +E+I VALE PROJETO SIMPLIFICADO

Leia mais

Mapa de Pessoal - 2015 4.ª ALTERAÇÃO

Mapa de Pessoal - 2015 4.ª ALTERAÇÃO Mapa Pessoal - 05 atividas Definição da política da Universida. Governação e representação externa da Universida. Gestão corrente da Universida e das políticas finidas pela Equipa al; Coornação Serviços

Leia mais

JORNAL OFICIAL. 2.º Suplemento. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Terça-feira, 6 de novembro de 2012. Série. Número 145

JORNAL OFICIAL. 2.º Suplemento. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Terça-feira, 6 de novembro de 2012. Série. Número 145 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Terça-feira, 6 de novembro de 2012 Série 2.º Suplemento Sumário VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL E SECRETARIAS REGIONAIS DO PLANO E FINANÇAS E DO AMBIENTE

Leia mais

Sessão de esclarecimentos Reconhecimento de Organizações de Produtores

Sessão de esclarecimentos Reconhecimento de Organizações de Produtores Sessão de esclarecimentos Reconhecimento de Organizações de Produtores Portaria nº 169/2015, de 4 de junho António Arlindo Santos Antunes Divisão de Desenvolvimento Rural I. Enquadramento legal 1. Portaria

Leia mais

2668 Diário da República, 1.ª série N.º 99 22 de maio de 2012

2668 Diário da República, 1.ª série N.º 99 22 de maio de 2012 2668 Diário da República, 1.ª série N.º 99 22 de maio de 2012 q) Instruir os processos na área de convenções internacionais e na área da deslocação para assistência médica no estrangeiro; r) Desenvolver

Leia mais

Portugal 2020. Modelo de governação

Portugal 2020. Modelo de governação Portugal 2020 Modelo de governação Princípios gerais: Princípio da racionalidade económica subordinação de qualquer decisão de apoio dos fundos à aferição rigorosa da sua mais-valia económica, social e

Leia mais

Agricultura Presente, um Projecto com Futuro

Agricultura Presente, um Projecto com Futuro Direcção Regional de Agricultura e Pescas de Lisboa e Vale do Tejo Agricultura Presente, Agricultura Presente, um Projecto com Futuro um Projecto com Futuro (LVT) 4.878 projetos aprovados Investimento

Leia mais

LOGÍSTICA NÍVEL I. LOCAL Centro de Formação TRIGÉNIUS FÁTIMA. CONDIÇÕES 1 Computador por participante Certificado de participação Coffee Break

LOGÍSTICA NÍVEL I. LOCAL Centro de Formação TRIGÉNIUS FÁTIMA. CONDIÇÕES 1 Computador por participante Certificado de participação Coffee Break LOGÍSTICA NÍVEL I Logística do ERP PRIMAVERA, designadamente Vendas e Stocks/ Inventários. administrativa. Configuração do administrador Criação e configuração de séries documentais Tratamento das entidades

Leia mais

Políticas e programas de apoio à investigação e inovação no setor agrícola e agroalimentar em Portugal

Políticas e programas de apoio à investigação e inovação no setor agrícola e agroalimentar em Portugal Políticas e programas de apoio à investigação e inovação no setor agrícola e agroalimentar em Portugal O apoio Inovação na Programação do Desenvolvimento Rural Eduardo Diniz Diretor do GPP Seminário Investigação,

Leia mais

SIALM Sistema de Incentivos de Apoio Local a Micro empresas. CCDRC, 14 fevereiro 2013

SIALM Sistema de Incentivos de Apoio Local a Micro empresas. CCDRC, 14 fevereiro 2013 SIALM Sistema de Incentivos de Apoio Local a Micro empresas CCDRC, 14 fevereiro 2013 PROGRAMA VALORIZAR RCM n.º 7/2013, de 9/01 Valorização do território do interior e de baixa densidade demográfica e

Leia mais

Ministério dos Petróleos

Ministério dos Petróleos Ministério dos Petróleos Decreto Lei nº 10/96 De 18 de Outubro A actividade petrolífera vem assumindo nos últimos tempos importância fundamental no contexto da economia nacional, constituindo por isso,

Leia mais

Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020

Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020 COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 30 de julho de 2014 Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020 Informações gerais O Acordo de Parceria abrange cinco fundos: Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional

Leia mais

Plano de Atividades 2014

Plano de Atividades 2014 Plano de Atividades 2014 ÍNDICE 1. APRESENTAÇÃO... 3 1.1 Breve caracterização da Direção-Geral das Artes... 3 1.2 Missão, Visão, Valores... 5 1.3 Identificação das Partes Interessadas... 5 2. CARACTERIZAÇÃO

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Medida 2 CONHECIMENTO Ação 2.1 CAPACITAÇÃO E DIVULGAÇÃO Enquadramento Regulamentar Regulamento (UE) n.º 1305/2013, do Conselho e do Parlamento

Leia mais

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Segunda-feira, 31 de março de 2014. Série. Número 44

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Segunda-feira, 31 de março de 2014. Série. Número 44 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Segunda-feira, 31 de março de 2014 Série Sumário VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL E SECRETARIA REGIONAL DO PLANO E FINANÇAS Portaria n.º 34/2014 Aprova a organização

Leia mais

Mapa de pessoal da Direcção-Geral do Tesouro e Finanças - Artigo 5º LVCR. Ano de 2011

Mapa de pessoal da Direcção-Geral do Tesouro e Finanças - Artigo 5º LVCR. Ano de 2011 Mapa de pessoal da Direcção-Geral do Tesouro e Finanças - Artigo 5º LVCR Cargo/Carreira/Categoria Área de formação académica e/ou profissional Nº PT/Área Formação Número de postos de trabalho Observações

Leia mais

Domínio Competitividade e Internacionalização. Sistemas de incentivos às empresas

Domínio Competitividade e Internacionalização. Sistemas de incentivos às empresas Sistemas de incentivos às empresas ACIBTM/In.Cubo 6 de julho 2015 P. O. financiadores Domínio Competitividade e OBJETIVO: Criação de riqueza e de emprego através da melhoria da competitividade das empresas

Leia mais

Regulamento de Competências de Subunidades Orgânicas

Regulamento de Competências de Subunidades Orgânicas Regulamento de Competências de Subunidades Orgânicas Dando sequência ao estabelecido no art.º 2.º do Regulamento da Estrutura Flexível dos serviços municipais e usando das competências conferidas pelos

Leia mais

Investimentos de Pequena Dimensão Acção 112

Investimentos de Pequena Dimensão Acção 112 Incentivos PRODER Investimentos de Pequena Dimensão Acção 112 Investimentos de Pequena Dimensão Acção 112 Abertura: A partir de 22 de Maio Objectivos: Melhorar condições vida, trabalho e produção dos agricultores

Leia mais

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL Diretor Geral O Diretor Geral supervisiona e coordena o funcionamento das unidades orgânicas do Comité Olímpico de Portugal, assegurando o regular desenvolvimento das suas

Leia mais

CTCV. seminários. Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020. Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015

CTCV. seminários. Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020. Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015 23 10 2014 Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020 Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015 Victor Francisco Gestão e Promoção da Inovação 21 de outubro

Leia mais

Mapa de pessoal da Direcção-Geral do Tesouro e Finanças - Artigo 5º LVCR. Ano de 2010

Mapa de pessoal da Direcção-Geral do Tesouro e Finanças - Artigo 5º LVCR. Ano de 2010 Mapa de pessoal da Direcção-Geral do Tesouro e Finanças - Artigo 5º LVCR Cargo/Carreira/Categoria Área de formação académica e/ou profissional Nº PT/Área Formação Número de postos de trabalho Observações

Leia mais

36070 Diário da República, 2.ª série N.º 245 18 de dezembro de 2013

36070 Diário da República, 2.ª série N.º 245 18 de dezembro de 2013 36070 Diário da República, 2.ª série N.º 245 18 de dezembro de 2013 c) Definição dos serviços a prestar e dos níveis indicativos a assegurar; d) Definição de requisitos e recursos, nomeadamente espaço

Leia mais

As diversas etapas indispensáveis à sua realização são as que passamos a descrever:

As diversas etapas indispensáveis à sua realização são as que passamos a descrever: Sistema de Aconselhamento Agrícola Trata-se de um sistema que é composto por serviços de aconselhamento agrícola e que visa fundamentalmente consciencializar e ajudar os agricultores a cumprirem as normas

Leia mais

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS Nº 01 / SIALM / 2013

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS Nº 01 / SIALM / 2013 AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS Nº 01 / SIALM / 2013 SISTEMA DE INCENTIVOS DE APOIO LOCAL A MICROEMPRESAS (SIALM) Nos termos do Regulamento do Sistema de Incentivos de Apoio Local a Microempresas

Leia mais

Estratégia de Dinamização e de Divulgação

Estratégia de Dinamização e de Divulgação Estratégia de Dinamização e de Divulgação Plano de Ação de 2015 FEVEREIRO 2015 1 Índice 1. INTRODUÇÃO... 3 2. VISÃO DA BOLSA DE TERRAS... 4 3. OBJETIVOS ESTRATÉGICOS - LINHAS GERAIS DA ESTRATÉGIA... 5

Leia mais

O Desenvolvimento Rural na Região. Carlos Pedro Trindade

O Desenvolvimento Rural na Região. Carlos Pedro Trindade O Desenvolvimento Rural na Região de Lisboa e Vale do Tejo Carlos Pedro Trindade O Desenvolvimento Rural na Região de Lisboa e Vale do Tejo 1. A Agricultura da região de LVT 2. O apoio ao Sector Agrícola

Leia mais

Identificação da empresa. Missão

Identificação da empresa. Missão Identificação da empresa SPMS - Serviços Partilhados do Ministério da Saúde, EPE, pessoa coletiva de direito público de natureza empresarial, titular do número único de matrícula e de pessoa coletiva 509

Leia mais

Curriculum Vitae. Informação pessoal. Experiência profissional. Datas Desde 1992. Data de nascimento 01/02/1965

Curriculum Vitae. Informação pessoal. Experiência profissional. Datas Desde 1992. Data de nascimento 01/02/1965 Curriculum Vitae Informação pessoal Nome completo Nacionalidade Alberto Carvalho Machado Portuguesa Data de nascimento 01/02/1965 Experiência profissional Datas Atual Independente Para todo o tipo de empresas,

Leia mais

Ação 1.1.1. Modernização e Capacitação das Empresas

Ação 1.1.1. Modernização e Capacitação das Empresas Junho 2014 Ação 1.1.1. Modernização e Capacitação das Empresas Índice Enquadramento..3 Tipos de Apoio da Ação 1.1.1....4 Quem são os beneficiários?...5 Critérios de elegibilidade dos beneficiários...6

Leia mais

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Aviso para apresentação de candidaturas Nº 07/SI/2010 1 Índice Condições de Elegibilidade do Promotor... 3 Condições

Leia mais

PLANIFICAÇÃO MODULAR ANO LECTIVO 2011 / 2012

PLANIFICAÇÃO MODULAR ANO LECTIVO 2011 / 2012 PLANIFICAÇÃO MODULAR ANO LECTIVO 2011 / 2012 CURSO/CICLO DE FORMAÇÃO Técnico de Produção Agrária 2011-2014 DISCIPLINA: Economia e Gestão Agrícola N.º TOTAL DE MÓDULOS: 6 N.º ORDEM 1 N.º DE DESIGNAÇÃO DO

Leia mais

JORNAL OFICIAL Quinta-feira, 27 de junho de 2013

JORNAL OFICIAL Quinta-feira, 27 de junho de 2013 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Quinta-feira, 27 de junho de 2013 Série Sumário VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL Despacho n.º 104/2013 Designa o Licenciado, António Gil Fraga Gomes Ferreira,

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 231 29 de novembro de 2012 6815

Diário da República, 1.ª série N.º 231 29 de novembro de 2012 6815 Diário da República, 1.ª série N.º 231 29 de novembro de 2012 6815 Artigo 7.º São revogadas as Portarias n. os 513/2007, 518/2007, 556/2007 e 561/2007, todas de 30 de abril. Artigo 8.º O Ministro de Estado

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural

Programa de Desenvolvimento Rural Programa de Desenvolvimento Rural PDR 2020 do Continente Terra no Horizonte 2014-2020 Tavira, 13 Março 2014 1 2 Panorama Principais constatações Atuação Constrangimentos e Necessidades 3 Arquitetura 4

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Medida 6 GESTÃO DO RISCO E RESTABELECIMENTO DO POTENCIAL PRODUTIVO Ação 6.1 SEGUROS Enquadramento Regulamentar Artigos do Regulamento (UE)

Leia mais

Versão Consolidada. Portaria n.º 482/2009, de 6 de Maio

Versão Consolidada. Portaria n.º 482/2009, de 6 de Maio Portaria n.º 482/2009, de 6 de Maio O Regulamento (CE) n.º 1698/2005, do Conselho, de 20 de Setembro, relativo ao apoio ao desenvolvimento rural pelo Fundo Europeu Agrícola de Desenvolvimento Rural (FEADER),

Leia mais

Carlos Branco - Engª Agronomo - Divisão de Investimento da Guarda

Carlos Branco - Engª Agronomo - Divisão de Investimento da Guarda Os apoios ao investimento em estruturas, equipamentos de produção, refrigeração, recolha, concentração e transformação do leite no âmbito do PRODER (Programa de Desenvolvimento Rural) 2007-2013 Sector

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO MAR

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO MAR Diário da República, 1.ª série N.º 30 12 de fevereiro de 2015 845 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO MAR Portaria n.º 31/2015 de 12 de fevereiro O Decreto -Lei n.º 137/2014, de 12 de setembro, estabeleceu

Leia mais

Associativismo e cooperativismo na Andaluzia e Múrcia - Caso de estudo. 05 de Fevereiro de 2013

Associativismo e cooperativismo na Andaluzia e Múrcia - Caso de estudo. 05 de Fevereiro de 2013 1 Associativismo e cooperativismo na Andaluzia e Múrcia - Caso de estudo Razões da escolha 2 Proximidade cultural e geográfica; Andaluzia: região com maior nº de cooperativas e representando o maior volume

Leia mais

Ministério da Agricultura

Ministério da Agricultura Ministério da Agricultura ESTATUTO ORGÂNICO DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA CAPÍTULO I Natureza e Atribuições Artigo 1.º (Natureza) O Ministério da Agricultura, abreviadamente designado por MINAGRI, é o órgão

Leia mais

SPMS, E.P.E 1º Trimestre 2012

SPMS, E.P.E 1º Trimestre 2012 1º Trimestre 2012 Indicadores de Gestão Interna 0 Indicadores de Gestão 1º Trimestre 2012 Enquadramento No presente documento apresentam-se os Indicadores de Gestão Interna da SPMS, EPE, relativos ao primeiro

Leia mais

O homem foi feito para realizar. A maior satisfação da vida provém da realização. Alfred Montapert

O homem foi feito para realizar. A maior satisfação da vida provém da realização. Alfred Montapert O homem foi feito para realizar. A maior satisfação da vida provém da realização. Alfred Montapert Desde 2010 A Empresa A SysTerra-Engenharia e Gestão, Lda. é uma empresa portuguesa que presta serviços

Leia mais

ACÇÃO DE FORMAÇÃO. EIXO 1 Aumento da Competitividade dos Sectores Agrícola e Florestal

ACÇÃO DE FORMAÇÃO. EIXO 1 Aumento da Competitividade dos Sectores Agrícola e Florestal ACÇÃO DE FORMAÇÃO EIXO 1 Aumento da Competitividade dos Sectores Agrícola e Florestal Medida 1.2 Instalação dos Jovens Agricultores Medida 1.5 Modernização das Explorações Agrícolas 10 de Dezembro de 2009

Leia mais

MAPA DE PESSOAL (POSTOS DE TRABALHO)

MAPA DE PESSOAL (POSTOS DE TRABALHO) s CONSELHO DIRETIVO 1 1 2 Subtotal 1 1 0 0 0 0 0 0 0 2 Gestão Financeira, dos Recursos Humanos, da Documentação, do Património e da Informática e Comunicações DIRECÇÃO DE SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS E FINANCEIROS

Leia mais

ANEXO XI. Resenha histórica da IGF e respetivas leis orgânicas

ANEXO XI. Resenha histórica da IGF e respetivas leis orgânicas ANEXO XI Resenha histórica da IGF e respetivas leis orgânicas Inicialmente, as suas competências eram, fundamentalmente, de órgão de inspeção das direções de finanças, repartições de finanças e de dar

Leia mais

VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 492/2009 de 28 de Abril de 2009

VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 492/2009 de 28 de Abril de 2009 VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 492/2009 de 28 de Abril de 2009 O Decreto Regulamentar n.º 84-A/2007, de 10 de Dezembro, estabeleceu o enquadramento

Leia mais

VALES SIMPLIFICADOS - INTERNACIONALIZAÇÃO, INOVAÇÃO, EMPEENDEDORISMO, E I&D. Condições de Enquadramento

VALES SIMPLIFICADOS - INTERNACIONALIZAÇÃO, INOVAÇÃO, EMPEENDEDORISMO, E I&D. Condições de Enquadramento VALES SIMPLIFICADOS - INTERNACIONALIZAÇÃO, INOVAÇÃO, EMPEENDEDORISMO, E I&D Condições de Enquadramento Portaria nº 57-A/2015 de 27 de Fevereiro de 2015 0 VALES SIMPLIFICADOS - INTERNACIONALIZAÇÃO, INOVAÇÃO,

Leia mais

AVISO DE CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS AVISO Nº ALT20 42 2015 13 INVESTIMENTOS NA ÁREA DOS EQUIPAMENTOS SOCIAIS E DA SAÚDE

AVISO DE CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS AVISO Nº ALT20 42 2015 13 INVESTIMENTOS NA ÁREA DOS EQUIPAMENTOS SOCIAIS E DA SAÚDE AVISO DE CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS AVISO Nº ALT20 42 2015 13 INVESTIMENTOS NA ÁREA DOS EQUIPAMENTOS SOCIAIS E DA SAÚDE INVESTIMENTOS NA ÁREA DA SAÚDE DOMÍNIO DA INCLUSÃO SOCIAL E EMPREGO

Leia mais

25136 Diário da República, 2.ª série N.º 152 8 de agosto de 2013

25136 Diário da República, 2.ª série N.º 152 8 de agosto de 2013 25136 Diário da República, 2.ª série N.º 152 8 de agosto de 2013 10 Plano de Estudos: Universidade do Minho Escola de Engenharia Formação Especializada em Engenharia Tingimento e Estamparia 1.º semestre

Leia mais

MANUAL DE CONTROLO INTERNO

MANUAL DE CONTROLO INTERNO MANUAL DE CONTROLO INTERNO ARSN, IP Página 1 de 12 Ed. Rev. Data Autor 00 00 s/ data Implementação do Modelo de Controlo Interno nas ACSS ARS. 01 00 jan./2013 Adequação dos procedimentos à ARSN,IP. UACI

Leia mais

PO AÇORES 2020 FEDER FSE

PO AÇORES 2020 FEDER FSE Apresentação pública PO AÇORES 2020 FEDER FSE Anfiteatro C -Universidade dos Açores -Ponta Delgada 04 de marçode 2015 PO AÇORES 2020 UM CAMINHO LONGO, DIVERSAS ETAPAS A definição das grandes linhas de

Leia mais

modernização administrativa desmaterialização processual SIRJUE sistema de informação do regime jurídico da urbanização e edificação

modernização administrativa desmaterialização processual SIRJUE sistema de informação do regime jurídico da urbanização e edificação modernização administrativa desmaterialização processual SIRJUE sistema de informação do regime jurídico da urbanização e edificação síntese [temas]: diagnóstico; objetivo: plataforma tecnológica sistema

Leia mais

Resolução do Conselho de Ministros n.º 34/2012

Resolução do Conselho de Ministros n.º 34/2012 Resolução do Conselho de Ministros n.º 34/2012 A Resolução do Conselho de Ministros n.º 16/2012, de 14 de fevereiro, que aprova os critérios de determinação do vencimento dos gestores públicos, estabelece

Leia mais

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Aviso para apresentação de candidaturas Nº 04/SI/2012 Índice Condições de Elegibilidade do Promotor... 3 Condições

Leia mais

NORMAS E PRINCÍPIOS DE EXECUÇÃO ORÇAMENTAL 2015

NORMAS E PRINCÍPIOS DE EXECUÇÃO ORÇAMENTAL 2015 NORMAS E PRINCÍPIOS DE EXECUÇÃO ORÇAMENTAL 2015 CAPÍTULO I 1 Artigo 1º (Objeto) O presente documento estabelece, sem prejuízo do disposto na legislação em vigor, os princípios, regras e procedimentos aplicáveis

Leia mais

Soluções CA para a Agricultura, Agro-Indústria Floresta e Mar

Soluções CA para a Agricultura, Agro-Indústria Floresta e Mar Soluções CA para a Agricultura, Agro-Indústria Floresta e Mar Quem somos O Grupo Crédito Agrícola é um Grupo Financeiro de âmbito nacional, integrado por um vasto número de bancos locais Caixas Agrícolas

Leia mais

d) Desenvolvimento e engenharia de produtos, serviços e processos melhoria das capacidades de desenvolvimento de produtos, processos e serviços;

d) Desenvolvimento e engenharia de produtos, serviços e processos melhoria das capacidades de desenvolvimento de produtos, processos e serviços; Sistema de Incentivos Qualificação das PME Objetivos e prioridades: Selecionar projetos que visem ações de qualificação de PME em domínios imateriais com o objetivo de promover a competitividade das PME

Leia mais

Qualificação e Internacionalização das PME

Qualificação e Internacionalização das PME Qualificação e Internacionalização das PME Portugal 2020 Programa Operacional INFEIRA GABINETE DE CONSULTADORIA, LDA. RUA DO MURADO, 535, 4536-902, MOZELOS 227 419 350 INFEIRA.PT 0 Tipologia de Projetos

Leia mais

PROJETOS DE INVESTIMENTO AGROALIMENTARES

PROJETOS DE INVESTIMENTO AGROALIMENTARES SOMOS PROJETOS DE INVESTIMENTO AGROALIMENTARES - AÇÃO 3.2.1 PDR2020 - - B r o c h u r a I n f o r m a t i v a Mod. MKT-CON-P321.v01.2/15 Regibio - Formação e Consultadoria, Lda. SEDE: Largo de São Tiago,

Leia mais

Portugal 2020 Candidaturas Incentivos à Qualificação e Internacionalização das PME

Portugal 2020 Candidaturas Incentivos à Qualificação e Internacionalização das PME Portugal 2020 Candidaturas Incentivos à Qualificação e Internacionalização das PME Projetos Conjuntos de Internacionalização: Natureza dos beneficiários Os beneficiários são empresas PME de qualquer natureza

Leia mais

XXXX xxxxxxx Assembleia da República n.º 124/2011

XXXX xxxxxxx Assembleia da República n.º 124/2011 Estrutura Matricial das Áreas de Atividade das Tecnologias e dos Sistemas de Informação da Autoridade Tributária e Aduaneira O Decreto-Lei n.º 117/2011, de 15 de dezembro, aprovou a orgânica do Ministério

Leia mais

COMPROMISSO PARA O CRESCIMENTO, COMPETITIVIDADE E EMPREGO. Grupo de Trabalho Competitividade e Crescimento

COMPROMISSO PARA O CRESCIMENTO, COMPETITIVIDADE E EMPREGO. Grupo de Trabalho Competitividade e Crescimento COMPROMISSO PARA O CRESCIMENTO, COMPETITIVIDADE E EMPREGO Grupo de Trabalho Competitividade e Crescimento O Programa do XIX Governo estabelece a consolidação orçamental como um dos objectivos cruciais

Leia mais

O IFAP desafiou Assunção Cristas, Ministra da Agricultura e do Mar numa entrevista para análise das perspetivas da nova Política Agrícola Comum!

O IFAP desafiou Assunção Cristas, Ministra da Agricultura e do Mar numa entrevista para análise das perspetivas da nova Política Agrícola Comum! O IFAP desafiou Assunção Cristas, Ministra da Agricultura e do Mar numa entrevista para análise das perspetivas da nova Política Agrícola Comum! IFAP: O novo Programa de Desenvolvimento Rural 2014-2020

Leia mais

Programas Operacionais das Organizações de Produtores de Frutas e Produtos Hortícolas. Acções ambientais

Programas Operacionais das Organizações de Produtores de Frutas e Produtos Hortícolas. Acções ambientais Página: 1 de 14 das Organizações de Produtores de Frutas e Produtos Hortícolas Acções ambientais Acção 7.3 Recuperação de energia a partir de resíduos de colheitas e outras matérias orgânicas Acção 7.4

Leia mais

micro-empresas e activid i a d de d ec e onómica c TAGUS, 24 de Janeiro de 2015

micro-empresas e activid i a d de d ec e onómica c TAGUS, 24 de Janeiro de 2015 micro-empresas e actividade económica TAGUS, 24 de Janeiro de 2015 20 anos Uma estratégia com o objectivo único de contribuirpara fixar população no interior do seu território. Combater o exodo rural e

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020. Medida 4 - VALORIZAÇÃO dos RECURSOS FLORESTAIS

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020. Medida 4 - VALORIZAÇÃO dos RECURSOS FLORESTAIS Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Medida 4 - VALORIZAÇÃO dos RECURSOS FLORESTAIS Enquadramento Regulamentar Artigos do Regulamento (UE) n.º 1305/2013 do Conselho e do Parlamento

Leia mais

Autoridade de Gestão do Programa Operacional Regional do Norte. Autoridade de Gestão do Programa Operacional Regional do Alentejo

Autoridade de Gestão do Programa Operacional Regional do Norte. Autoridade de Gestão do Programa Operacional Regional do Alentejo Autoridade de Gestão do Programa Operacional Regional do Norte Autoridade de Gestão do Programa Operacional Regional do Centro Autoridade de Gestão do Programa Operacional Regional de Lisboa Autoridade

Leia mais

Inovação empresarial e empreendedorismo. Qualificação e internacionalização das PME. Investigação e desenvolvimento tecnológico

Inovação empresarial e empreendedorismo. Qualificação e internacionalização das PME. Investigação e desenvolvimento tecnológico Mostra das empresas + Iniciativa Domínio Competitividade e Internacionalização Região Competitiva, Resiliente, Empreendedora e Sustentável com base na valorização do Conhecimento Loulé 8 Maio de 2015 Sistemas

Leia mais

MUNICÍPIO DO PORTO SANTO CÂMARA MUNICIPAL

MUNICÍPIO DO PORTO SANTO CÂMARA MUNICIPAL CADERNO DE ENCARGOS PROCESSO Nº 3 RH-2015 Apoio Técnico na área de Gestão de Recursos Humanos - Prestação de Serviços Ajuste Direto 1 de 10 ÍNDICE CAPÍTULO I - DISPOSIÇÕES GERAIS... 3 Cláusula 1.ª - Objecto...

Leia mais

Manual da Qualidade. Logo da certificação 05-11-2014 MQ-01/09

Manual da Qualidade. Logo da certificação 05-11-2014 MQ-01/09 Logo da certificação 1 Apresentação do Instituto Politécnico de Lisboa Os Serviços da Presidência do Instituto Politécnico Lisboa (IPL) apoiam o Presidente na coordenação das atividades das várias unidades

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADES E DE AUTO AVALIAÇÃO DRAPLVT 2013. Agricultura Presente um Projeto com Futuro

RELATÓRIO DE ATIVIDADES E DE AUTO AVALIAÇÃO DRAPLVT 2013. Agricultura Presente um Projeto com Futuro RELATÓRIO DE ATIVIDADES E DE AUTO AVALIAÇÃO DRAPLVT 2013 Agricultura Presente um Projeto com Futuro Ficha Técnica Edição: DRAP LVT DPE - 2014 Quinta das Oliveiras, Estrada Nacional 3 2001-906 SANTARÉM

Leia mais

N ORMA DE P ROCEDIMENTOS E XTERNA

N ORMA DE P ROCEDIMENTOS E XTERNA CONSELHO DIRECTIVO N ORMA DE P ROCEDIMENTOS E XTERNA N.º 007 ENTRADA EM VIGOR: 30-07-2010 Âmbito: GESTÃO E CONTROLO DAS GARANTIAS FEADER E FEP DATA DE APROVAÇÃO:30-07-2010 1. CONSIDERAÇÕES GERAIS 2 1.1

Leia mais

SEMINÁRIO IDARN Cenários de viabilização das Organizações Agrícolas regionais. Cenários de evolução das OA na Região Norte

SEMINÁRIO IDARN Cenários de viabilização das Organizações Agrícolas regionais. Cenários de evolução das OA na Região Norte SEMINÁRIO IDARN Cenários de viabilização das Organizações Agrícolas regionais Cenários de evolução das OA na Região Norte 19 novembro 2014 Vila Real UTAD Apontamento histórico Relacionamento institucional

Leia mais

MAPA DE PESSOAL UNIDADE ORGANICA CÂMARA POLICIA MUNICIPAL

MAPA DE PESSOAL UNIDADE ORGANICA CÂMARA POLICIA MUNICIPAL Nº POSTOS DE TRABALHO A PREENCHER PREENCHIDOS POR VINCULO DE EMPREGO TERMO CÂMARA POLICIA MUNICIPAL DIRETOR DE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE POLICIA MUNICIPAL Policia Municipal Licenciatura Define os objetivos

Leia mais

PLANO DE COMUNICAÇÃO PRODERAM 2020

PLANO DE COMUNICAÇÃO PRODERAM 2020 PLANO DE COMUNICAÇÃO DO PRODERAM 2020 Aprovado na 1.ª Reunião do Comité de Acompanhamento do PRODERAM 2020, de 3 de dezembro de 2015 ÍNDICE I. II. III. IV. V. VI. VII. INTRODUÇÃO... 3 OBJETIVOS... 5 GRUPOS-ALVO...

Leia mais

Versão Consolidada. Portaria n.º 1245/2010, de 14 de Dezembro

Versão Consolidada. Portaria n.º 1245/2010, de 14 de Dezembro Portaria n.º 1245/2010, de 14 de Dezembro O Regulamento (CE) n.º 1698/2005, do Conselho, de 20 de Setembro, relativo ao apoio ao desenvolvimento rural pelo Fundo Europeu Agrícola de Desenvolvimento Rural

Leia mais

EIXO PRIORITÁRIO II SISTEMAS AMBIENTAIS E DE PREVENÇÃO, GESTÃO E MONITORIZAÇÃO DE RISCOS (FUNDO DE COESÃO)

EIXO PRIORITÁRIO II SISTEMAS AMBIENTAIS E DE PREVENÇÃO, GESTÃO E MONITORIZAÇÃO DE RISCOS (FUNDO DE COESÃO) CONVITE PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS EM REGIME DE OVERBOOKING EIXO PRIORITÁRIO II SISTEMAS AMBIENTAIS E DE PREVENÇÃO, GESTÃO E MONITORIZAÇÃO DE RISCOS (FUNDO DE COESÃO) DOMÍNIO DE INTERVENÇÃO PREVENÇÃO

Leia mais

Id Serviços de Apoio

Id Serviços de Apoio Id Serviços de Apoio Cafetaria do Museu Calouste Gulbenkian e seu prolongamento no jardim. Serviços Centrais Valores em euros Encargos com pessoal 6 219 770 Despesas de funcionamento 9 606 628 Investimento

Leia mais