Viticultura de Precisão

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Viticultura de Precisão"

Transcrição

1 INOVAÇÃO E TECNOLOGIA NA FORMAÇÃO AGRÍCOLA Viticultura de Precisão Ricardo Braga

2 Definição A viticultura de precisão, tal como a agricultura de precisão, pode ser entendida como a gestão da variabilidade temporal e espacial das parcelas com o objectivo de melhorar o rendimento económico da actividade agrícola quer pelo aumento da produtividade e/ou qualidade quer pela redução dos custos de produção, reduzindo também o seu impacte ambiental e risco associado.

3 Definição Uma questão central na viticultura de precisão é a gestão da informação. A maioria das aplicações em viticultura de precisão envolvem quase sempre grandes volumes de dados que é preciso gerir e converter em informação útil que possa ser utilizada como base no processo de tomada de decisões no dia-a-dia das explorações.

4 Conceito A viticultura de precisão, fruto da sua juvenilidade, encontra-se actualmente num ponto em que é tecnicamente capaz de recolher enormes quantidades de dados (mapas de produtividade, mapas de nutrientes no solo, mapas de condutividade eléctrica no solo, etc.) mas ainda não está, de um modo geral, suficientemente habilitada para os integrar e converter em decisões capazes e tecnicamente válidas.

5 Variabilidade espaço-temporal O sucesso da viticultura de precisão prende-se com a existência de variabilidade da produtividade e/ou da qualidade. Um exemplo de um mapa de produtividade de uma parcela de vinha com 4,5 ha da casta Ruby Cabernet em 1999

6 Adopção da Viticultura de Precisão A adopção da viticultura de precisão dependerá do objectivo inicial de cada exploração vitivinícola e o seu contexto no mercado. A gestão da variabilidade pode ser orientada para 1. Garantir uma maior estabilidade do produto produzido de ano para ano; 2. A manutenção de um registo de monitorização técnica e ambiental de modo a garantir uma maior rastreabilidade do processo produtivo; 3. A utilização mais eficiente dos recursos face a objectivos de produção; 4. A identificação de zonas de produção de uvas com potencial para vinhos topo de gama.

7 Adopção em Portugal e no mundo A viticultura de precisão começou por ser adoptada na Austrália nos finais dos anos 90 do século passado em resultado do esforço de um consórcio entre empresas, associações profissionais e instituições de I&D.

8 Adopção em Portugal e no mundo As duas grandes áreas de desenvolvimento inicial foram: 1. Aplicação de detecção remota, sobretudo no visível e infra-vermelho e em baixa altitude, na caracterização da variabilidade espacial; 2. Obtenção de mapas de produtividade e qualidade, sua caracterização e causas.

9 Monitorização da produtividade e qualidade Os monitores de produtividade para vindimadoras são constituídos por: 1. um GPS; 2. uma consola que regista e armazena os registos; 3. um sensor de produtividade.

10 Vindimadores sem tegões Monitor de produtividade para vindimadoras sem tegão baseado em células de carga no tapete de descarga lateral Na Europa os modelos de vindimadora utilizados incorporam dois tegões no corpo da máquina

11 Tecnologia de taxa variável (VRT) A tecnologia de taxa variável permite que após uma detalhada caracterização da variabilidade espacial da cultura (produtividade, qualidade das uvas, vigor, etc.) e fertilidade do solo (condutividade eléctrica, nutrientes, ph, etc.) seja possível uma gestão espacial de factores de produção (rega, fertilizantes, fitofármacos, etc.) e operações culturais (mobilização, poda, etc.).

12 Tecnologia de taxa variável (VRT) Para que seja possível uma gestão espacial de factores de produção é necessário criar mapas de prescrição que contenham a recomendação para determinado factor de produção (e.g. taxa de aplicação de determinado fertilizante) de cada local da parcela.

13 Detecção remota A detecção remota, entendida como o registo da energia emitida ou reflectida pela superfície terrestre em diversos comprimentos de onda do espectro electromagnético, tem diversas aplicações em viticultura de precisão. A principal aplicação da detecção remota em viticultura de precisão é a obtenção de mapas de vigor e estado vegetativo das plantas como variável indicativa da qualidade da uva.

14 Detecção remota Fotografia aérea de falsa - cor de uma parcela de vinha com resolução espacial de 30 cm (esquerda) e 3 m (direita) Fonte: adaptado de Proffitt et al., 2006

15 Condutividade eléctrica do solo A condutividade eléctrica do solo exprime a capacidade deste em conduzir corrente eléctrica e é expressa em milisiemens por metro (ms/m). Os sensores de condutividade eléctrica aparente do solo (CEa) são já bastantes utilizados em viticultura de precisão e têm particular interesse em projectos de plantação de vinhas como apoio ao delineamento das parcelas, dos sectores de rega ou à escolha dos portaenxertos.

16 Condutividade eléctrica do solo Há dois principais tipos de sensores de CEa: Por indução electro-magnética; Por contacto. Sensor de condutividade eléctrica aparente do solo por indução electro-magnética EM38 da GEONICS Fonte: extraído de geonics.com Sensor de condutividade eléctrica aparente do solo por contactos Veris 3100 da Veris technologies Fonte: extraído de

17 Conclusões A viticultura de precisão representa a adaptação do conceito de agricultura de precisão à vitivinicultura. Como consequência da evolução temporal, a viticultura de precisão está ainda a dar os primeiros passos. A obtenção da informação geo-referenciada é ainda algo dispendiosa (e.g. levantamento da condutividade eléctrica aparente, mapa de NDVI) para que a sua utilização na tomada de decisões se torne mais generalizada.

18 Vindima segmentada: Introdução A actuação que tem suscitado maior interesse em viticultura de precisão é a segmentação espacial da vindima em que, conhecendo previamente mapas de qualidade da uva, se definem lotes de qualidade distinta que posteriormente são vindimados separadamente para que se possa tirar partido do diferencial de qualidade na adega. Em função dos objectivos de qualidade estabelecidos, é implementada uma vindima diferenciada no espaço permitindo a obtenção de lotes de uvas de qualidade distinta dentro da mesma parcela/casta.

19 Vindima segmentada: Introdução Alternativamente, a segmentação pode ser efectuada apenas no tempo ou combinada no espaço e no tempo. A segmentação no tempo diz respeito, por exemplo, a uma primeira vindima manual em que se colhem as uvas premium resultantes de cachos mais expostos, mais pequenos ou de zonas de solos mais arenosos ou de topo, acompanhada de uma segunda vindima mecânica em que se colhem as restantes uvas.

20 Vindima segmentada: Introdução A combinação de segmentação espaço-tempo resulta, por exemplo, da diferenciação espacial de lotes na mesma parcela/casta, procedendo-se à vindima de um dos lotes numa determinada data em que a qualidade é a desejada e, posteriormente (e.g. 3 semanas mais tarde), à vindima do ou dos outro(s) lote(s).

21 Vindima segmentada: Introdução Diagrama de ilustração do conceito de vindima segmentada Diagrama de ilustração da qualidade das uvas ao longo da vindima e respectiva variabilidade espacial

22 Viticultura de Precisão Vindima segmentada: Metodologia Localização: Alentejo (Encostas de Estremoz, Quinta da Esperança, Estremoz) Área: cerca de 100 ha Idade: cerca de 10 anos Pólos: Qta. da Esperança (Estremoz) e Herdade da Revenduda (Fronteira). Principais castas cultivadas: Touriga Franca, Tinta Barroca, Alicante Bouschet, Cabernet Souvignon, Trincadeira, Touriga Nacional e Aragonês.

23 Vindima segmentada: Metodologia A área de experimentação total foi de 12,9 ha das castas: Aragonês - 3,5 ha, Cabernet Sauvignon - 3,1 ha e Touriga Nacional - 6,3 ha

24 Vindima segmentada: Metodologia Densidade de plantas: 3086 plantas/ha Compasso: 2,8 x 1,2 m. A vinha é conduzida em cordão simples com poda a um gomo, é regada e com enrelvamento da entrelinha.

25 Vindima segmentada: Metodologia Carta das parcelas e castas da Quinta da Esperança, Estremoz

26 Vindima segmentada: Metodologia Localização das parcelas em estudo

27 Vindima segmentada: Metodologia A maturação das uvas foi monitorizada em diversos pontos das parcelas escolhidos ao acaso com uma densidade média de cerca de 10 pontos/ha. Os pontos de amostragem foram georeferenciados com recurso a GPS de alta precisão. A monitorização da maturação incidiu em 4 datas (última semana de Julho, segunda semana de Agosto, última semana de Agosto e primeira semana de Setembro) durante as campanhas de 2005, 2006 e Os parâmetros analisados foram: acidez total, ph e brix/grau álcool provável.

28 Vindima segmentada: Metodologia Com os dados da monitorização da maturação foram construídos gráficos espácio-temporais da evolução dos diversos parâmetros assim como mapas dos diversos parâmetros para cada uma das datas. Os mapas foram obtidos por integração num sistema de informação geográfica de todos os dados obtidos utilizado a krigagem como método de extrapolação espacial. O software de base utilizado foi o ESRI Arcview e o ArcGIS com as respectivas extensões.

29 Vindima segmentada: Metodologia Pontos de amostragem para controlo de maturação na casta Touriga Nacional

30 Vindima segmentada: Metodologia Cubas de fermentação com temperatura controlada (esquerda) e "sempre cheias" (direita) utilizadas para vinificar os dois lotes em estudo

31 Vindima segmentada: Resultados e Discussão Evolução temporal do ph das uvas em 2006 em que cada linha representa um ponto de amostragem (Touriga Nacional)

32 Vindima segmentada: Resultados e Discussão Evolução temporal do grau álcool provável (º) das uvas em 2006 em que cada linha representa um ponto de amostragem (Touriga Nacional)

33 Vindima segmentada: Resultados e Discussão Evolução temporal da acidez total (g/l ac. tart.) das uvas em 2006 em que cada linha representa um ponto de amostragem (Touriga Nacional)

34 Vindima segmentada: Resultados e Discussão Mapa de ph do mosto a 5 de Setembro (antes da vindima)

35 Vindima segmentada: Resultados e Discussão Mapa de grau álcool do mosto a 5 de Setembro (antes da vindima)

36 Vindima segmentada: Resultados e Discussão Mapa de acidez total do mosto a 5 de Setembro (antes da vindima)

37 Vindima segmentada: Resultados e Discussão Evolução temporal dos mapas de ph do mosto em 4 momentos (última semana de Julho, segunda semana de Agosto, última semana de Agosto e primeira semana de Setembro)

38 Vindima segmentada: Resultados e Discussão Evolução temporal dos mapas de grau álcool do mosto em 4 momentos (última semana de Julho, segunda semana de Agosto, última semana de Agosto e primeira semana de Setembro)

39 Vindima segmentada: Resultados e Discussão Evolução temporal dos mapas de ph do mosto em 4 momentos (última semana de Julho, segunda semana de Agosto, última semana de Agosto e primeira semana de Setembro)

40 Vindima segmentada: Resultados e Discussão Localização das áreas que satisfazem os valores requeridos para cada parâmetro (a vermelho) correspondente ao lote premium

41 Vindima segmentada: Resultados e Discussão Intercepção espacial das áreas que satisfazem os valores requeridos para cada parâmetro (a vermelho) de forma a localizar as áreas correspondentes ao lote premium

42 Vindima segmentada: Resultados e Discussão Localização das áreas em que foram colhidas as uvas correspondentes aos dois lotes. Azul escuro - lote premium ; azul claro - lote "normal"

43 Vindima segmentada: Resultados e Discussão Mapa de Normalized difference vegetation index à floração para a parcela em estudo

44 Vindima segmentada: Resultados e Discussão Mapa de condutividade eléctrica aparente do solo para a parcela em estudo

45 Vindima segmentada: Resultados e Discussão Mapa de Normalized difference vegetation index à floração para o conjunto das parcelas da Quinta da Esperança

46 Vindima segmentada: Resultados e Discussão Mapa de condutividade eléctrica aparente do solo para o conjunto das parcelas da Quinta da Esperança Mapa de altimetria para o conjunto das parcelas da Quinta da Esperança

47 Vindima segmentada: Resultados e Discussão Mapa do fluxo acumulado de escoamento das parcelas da Quinta da Esperança Mapa de orientação do declive para o conjunto das parcelas da Quinta da Esperança Mapa do fluxo acumulado de escoamento das parcelas da Quinta da Esperança

48 Vindima segmentada: Conclusões Demonstrou-se o potencial de aplicação de informação geo-referenciada na identificação pré-vindima de lotes de qualidade de uvas diferenciada. É de extrema importância a obtenção de mapas de NDVI, condutividade eléctrica do solo e altimetria para este intuito. É possível identificar zonas com uvas de qualidade distinta antes da vindima e deste modo constituir lotes a vindimar separadamente.

49 Um caso de estudo na Fundação Eugénio de Almeida O nível de maturação da uva é o principal factor, e um dos mais decisivos, na qualidade do vinho. O processo de maturação da uva é o resultado de um conjunto de complexos fenómenos fisiológicos e bioquímicos, cujo bom desenvolvimento e intensidade está intricadamente relacionado com as castas e com as condições ambientais tais como o solo e o clima.

50 Um caso de estudo na Fundação Eugénio de Almeida O processo de maturação da uva é amplamente influenciado por factores externos, tais como a disponibilidade de água, a luminosidade e o solo, o que se traduz numa grande heterogeneidade entre os bagos de talhões de uma mesma vinha e entre os bagos de cepas de um mesmo talhão (Ribéreau-Gayon, 2006). O acompanhamento da maturação é usualmente feito parcela a parcela, através da recolha de amostras de bagos de uva. As amostras são posteriormente transformadas em mosto onde são analisados parâmetros físico-químicos, representativos de cada parcela.

51 Um caso de estudo na Fundação Eugénio de Almeida Localização: Monte do Casito, Évora Época: Agosto a Setembro de 2008 Castas: Aragonês, Trincadeira e Syrah (geral) e Cabernet Sauvignon, Tempranillo e Aragonês (talhão 2) Parâmetros analisados: ph e álcool provável de cada amostra Outros: foram também, recolhidas as assinaturas espectrais no intervalo nm de bagos de uva, mosto e folhas

52 Um caso de estudo na Fundação Eugénio de Almeida O objectivo central deste trabalho passou pela utilização de sensores remotos no estudo da variabilidade espacial e temporal da qualidade da uva, numa óptica de segmentação dessa qualidade, de forma a obter produtos finais distintos.

53 Um caso de estudo na Fundação Eugénio de Almeida Talhões e castas da vinha

54 Um caso de estudo na Fundação Eugénio de Almeida Altimetria da área da vinha Carta de Declives da área da vinha

55 Um caso de estudo na Fundação Eugénio de Almeida Distribuição dos 50 pontos de amostragem nas parcelas 2B, 2C e 2D do talhão 2

56 Um caso de estudo na Fundação Eugénio de Almeida: Metodologia Foram recolhidas, com uma periodicidade semanal, amostras em cada um dos talhões da vinha e em cada um dos 50 pontos do talhão 2. Posteriormente em laboratório foram determinados os parâmetros físico-químicos, e as assinaturas espectrais dos bagos de uva intactos e respectivo mosto. A recolha das assinaturas espectrais das folhas foi realizada no campo, em cada um dos 50 pontos de amostragem do talhão 2. Para isso foi utilizado um suporte para o sensor denominado por leaf-clip que apresenta características específicas para medições no campo.

57 Um caso de estudo na Fundação Eugénio de Almeida: Metodologia Medição das reflectâncias de uma folha no campo (esquerda); Perfil do Leaf-Clip (direita)

58 Um caso de estudo na Fundação Eugénio de Almeida: Metodologia Instalação para a medição das reflectâncias. (1)Espectroradiometro; (2) Cabo de fibra óptica; (3) Sensor; (4) Placa de calibração; (5)Computador; (6) Fonte de iluminação (halogéneo - 75W) Medição da reflectância do mosto filtrado em laboratório

59 Um caso de estudo na Fundação Eugénio de Almeida: Assinaturas espectrais Reflectâncias do mosto de 50 amostras do talhão 2 obtidas na primeira semana (esquerda); Detalhe para a região do visível (direita)

60 Um caso de estudo na Fundação Eugénio de Almeida: Variabilidade entre talhões da mesma casta Valores de PRI médios para cada casta ao longo do tempo (CS) Cabernet Sauvignon; (A) Aragonês; (T) Tempranillo Evolução dos valores de álcool provável ao longo do tempo para os talhões da casta Aragonês

61 Um caso de estudo na Fundação Eugénio de Almeida: Variabilidade espacial (ph) Mapa da variável ph para as parcelas 2C e 2D, interpolado por krigagem normal

62 Um caso de estudo na Fundação Eugénio de Almeida: Condutividade eléctrica Mapa da condutividade eléctrica aparente da vinha do casito

63 i:farm: a a exploração vitícola inteligente da sociedade da informação e do conhecimento A viticultura, mais concretamente a viticultura de precisão, tem vindo a receber uma atenção crescente da comunidade científica e empresarial na medida em que é efectivamente uma actividade capital intensivo em que a realização de investimentos em tecnologias de informação e comunicação podem ser justificados numa análise custo/benefício rigorosa.

64 i:farm: TIC na agricultura As TIC promovem a recolha e disponibilização em tempo real dos mais diversos tipos de dados ao nível da exploração agrícola, devidamente geo-referenciados. A informação meteorológica, edáfica, de produtividade, de utilização de factores de produção, etc., estando neste momento a surgir no mercado os chamados fito-sensores que promovem a recolha automatizada de informação sobre a própria planta. Uma evolução notória nos sistemas de comunicação de dados sem fios, desde o Blue-tooth, passando pelo Wi-Fi, até chegar à WiMax e às mesh networks, oferecendo actualmente soluções que permitem a cobertura de grandes áreas com custos aceitáveis.

65 i:farm: TIC na agricultura A Agricultura de Precisão aparece, geralmente, com dois objectivos genéricos: O aumento do rendimento dos agricultores; A redução do impacte ambiental resultante da actividade agrícola.

66 i-farm A i-farm aplica, ao nível da exploração, o potencial da utilização integrada de soluções móveis, redes de sensores, comunicações sem fios e imagens digitais materializado num sistema de informação referenciada que apoia, no campo ou no escritório, a tomada de decisão do empresário agrícola em tempo real, suportado por um repositório único de conhecimento multidimensional integrando variáveis culturais, ambientais, sanitárias, económicas, etc.

67 i-farm A i-farm assenta num sistema de informação e de apoio à tomada de decisão para a viticultura que se materializa numa solução integrada ao nível da exploração utilizando software e hardware inovador para recolher e analisar dados de múltiplas proveniências integrados dinamicamente e em tempo real, tirando partido de sensores de última geração, captura de imagens e comunicações sem fios, combinados com assistentes pessoais digitais e serviços Web.

68 i-farm Arquitectura da i-farm

69 i-farm A i-farm é suportada por um sistema de informação integrando de forma modular múltiplas funcionalidades, acessíveis num ponto de acesso único na Web, como sejam: Sensores de monitorização sem fios; Interligação com os sistemas operacionais de gestão da exploração; Câmaras de vídeo/fotográficas sem fios; Assistentes pessoais digitais, integrando capacidades de comunicação/acesso à Internet; Cobertura sem fios da exploração.

70 Business Intelligence A BI é um termo abrangente que inclui ferramentas, arquitecturas, bases de dados, data warehouses, gestão de performance, metodologias, etc. integrados num sistema de informação unificado, cujo objectivo é disponibilizar aos gestores e técnicos de uma organização uma forma rápida e simples de aceder interactivamente a todos os dados da empresa, em tempo real, bem como facultar a possibilidade de efectuar operações de manipulação e análise sobre os mesmos (Turban, 2007).

71 Business Intelligence Entre as capacidades tradicionalmente disponibilizadas pelas soluções de BI podemos referir: reporting e querying, análises complexas, data mining, previsão, etc. As soluções de Business Intelligence em ambiente empresarial têm normalmente quatro componentes principais: Fontes de dados dos sistemas operacionais da empresa; Data warehouse; Business analytics; Interface para o utilizador.

72 Business Intelligence Arquitectura de alto-nível Fonte: Nilakanta et al., 2007

73 Business Intelligence na i-farm No caso concreto da i-farm, enquanto sistema integrado de apoio à decisão ao nível da exploração vitícola na unidade de demonstração montada na Herdade da Pimenta (São Miguel de Machede, Évora), foram instaladas três ilhas de monitorização numa parcela da casta Aragonês.

74 Business Intelligence na i-farm A instalação destas três ilhas e a sua localização espacial numa lógica de viticultura de precisão assentou numa análise da variabilidade espacial de algumas características da parcela, nomeadamente condutividade eléctrica do solo (a 30 e 80 cm), declive e elevação.

75 Business Intelligence na i-farm Estas três ilhas monitorizavam em permanência a vinha com recurso aos fito-sensores e o teor de humidade do solo, promovendo, ainda, a recolha de imagens digitais horárias com recurso a uma câmara de vídeo. Numa das ilhas é, também, monitorizada a atmosfera com recurso a uma estação meteorológica. Estas são as fontes de dados que serão integrados e complementados com os dados originários do sistema de informação operacional da exploração.

76 Business Intelligence na i-farm Numa abordagem de BI, o sistema proposto pela i-farm e materializado na Herdade da Pimenta, traduz-se no modelo esquematizado abaixo.

77 Business Intelligence na i-farm Fontes de dados recolha de dados efectuada de forma automática e contínua com diversas origens que podemos agrupar da seguinte forma: Informação de contexto; Informação da cultura; Informação operacional; Informação visual.

78 Business Intelligence na i-farm Data warehouse todos os dados recolhidos são integrados num único repositório de conhecimento que oferece a possibilidade de armazenar e processar informação alfa-numérica, espacial (geo-referenciada) e imagens/vídeos. Este repositório tem implementado um conjunto de procedimentos de validação interna que são executados de forma automática e contínua, visando garantir a fiabilidade e integridade da informação recolhida.

79 Business Intelligence na i-farm Business Analytics nesta camada do processo de BI têm lugar um conjunto de procedimentos de análise envolvendo de funcionalidades que consistem no que se denomina normalmente de querying, reporting e OnLine Analytical Processing (OLAP). Futuramente contamos explorar as potencialidades das técnicas de Data Mining aplicadas sobre o repositório de dados que foi possível construir, tendo em vista efectuar algumas análises numa lógica de descoberta de novo conhecimento e de previsão.

80 Business Intelligence na i-farm User Interface o ponto crítico da i-farm será, sem dúvida, a interface que os seus clientes, os técnicos/empresários agrícolas, terão de utilizar para aceder ao repositório de conhecimento criado. Esta camada suporta dois tipos distintos de abordagem na forma de entrega da informação: Numa lógica push suporta o envio por SMS ou de alertas para qualquer situação fora do que o sistema considere como normal. Numa lógica pull o acesso à informação pode ser efectuada num interface amigável sempre em ambiente Web, para duas plataformas distintas - computadores de secretária / portáteis e assistentes pessoais digitais com ligação à Internet, com ou sem fios.

81 Business Intelligence na i-farm Digital Dashboard da i-farm

82 Business Intelligence na i-farm Digital Dashboard da i-farm

83 Business Intelligence na i-farm Algumas funcionalidades do digital dashboard da i-farm

84 Conclusões Neste momento o grande desafio consiste em desenvolver os processos no campo da business analytics de forma a criar valor acrescentado sobre o conteúdo da data warehouse construída e torná-lo disponível de forma amigável e interactiva sob a forma de um digital dashboard aos seus utilizadores finais.

Viticultura de Precisão

Viticultura de Precisão INOVAÇÃO E TECNOLOGIA NA FORMAÇÃO AGRÍCOLA agrinov.ajap.pt Coordenação Técnica: Associação dos Jovens Agricultores de Portugal Coordenação Científica: Miguel de Castro Neto Instituto Superior de Estatística

Leia mais

6. AGRICULTURA DE PRECISÃO. EXEMPLO DA AVALIAÇÃO DO EFEITO DA TOPOGRAFIA E DA REGA SOBRE A VARIABILIDADE ESPACIAL E TEMPORAL DA PRODUTIVIDADE DO MILHO

6. AGRICULTURA DE PRECISÃO. EXEMPLO DA AVALIAÇÃO DO EFEITO DA TOPOGRAFIA E DA REGA SOBRE A VARIABILIDADE ESPACIAL E TEMPORAL DA PRODUTIVIDADE DO MILHO 6. AGRICULTURA DE PRECISÃO. EXEMPLO DA AVALIAÇÃO DO EFEITO DA TOPOGRAFIA E DA REGA SOBRE A VARIABILIDADE ESPACIAL E TEMPORAL DA PRODUTIVIDADE DO MILHO José Rafael Marques da Silva (1) e Luís Leopoldo Silva

Leia mais

ESTRATÉGIAS PARA MELHORAR A SUSTENTABILIDADE DA VITICULTURA PORTUGUESA

ESTRATÉGIAS PARA MELHORAR A SUSTENTABILIDADE DA VITICULTURA PORTUGUESA ESTRATÉGIAS PARA MELHORAR A SUSTENTABILIDADE DA VITICULTURA PORTUGUESA Carlos Lopes Dep. Ciências e Engenharia de Biossistemas Instituto Superior de Agronomia/Univ. Lisboa Simp. Viticultura Sustentável,

Leia mais

GIBDQA: GESTÃO INTEGRADA DE BASES DE DADOS DA QUALIDADE DA ÁGUA

GIBDQA: GESTÃO INTEGRADA DE BASES DE DADOS DA QUALIDADE DA ÁGUA GIBDQA: GESTÃO INTEGRADA DE BASES DE DADOS DA QUALIDADE DA ÁGUA Sandra CARVALHO 1, Pedro GALVÃO 2, Cátia ALVES 3, Luís ALMEIDA 4 e Adélio SILVA 5 RESUMO As empresas de abastecimento de água gerem diariamente

Leia mais

CASE STUDY ESPORÃO S.A.

CASE STUDY ESPORÃO S.A. CASE STUDY ESPORÃO S.A. ??????????????????????????????,??????????? O Esporão S.A. é o Grupo que tem por vocação a produção de vinhos e azeites portugueses de excelência, e que reúne os projectos Herdade

Leia mais

PODA MECÂNICA NA VINHA

PODA MECÂNICA NA VINHA PODA MECÂNICA NA VINHA EFEITOS NO RENDIMENTO E NA QUALIDADE Rogério de CASTRO (1) ; Aurélio CLARO (2) ; Ana RODRIGUES (2) ; António TEIXEIRA (3) ; José MACHADO (3) ; Chiara PIOVENE (1,4) ; Amândio CRUZ

Leia mais

2010-2014 NUVEM TECNOLOGIA LTDA. WWW.NUVEM.NET

2010-2014 NUVEM TECNOLOGIA LTDA. WWW.NUVEM.NET Sediada em Cuiabá, Mato Grosso, a Nuvem Tecnologia Ltda desenvolve softwares para empresas de médio e grande porte no centro-oeste do país. A partir do know-how adquirido sobre rastreabilidade, lançou

Leia mais

Agricultura de Precisão

Agricultura de Precisão INOVAÇÃO E TECNOLOGIA NA FORMAÇÃO AGRÍCOLA Agricultura de Precisão Editores José Pimentel Castro Coelho José Rafael Marques da Silva Introdução O conceito de Agricultura de Precisão está normalmente associado

Leia mais

Herdade do Esporão: desenhar e gerir vinhas para o futuro.

Herdade do Esporão: desenhar e gerir vinhas para o futuro. Herdade do Esporão: desenhar e gerir vinhas para o futuro. Rui Flores Gestor Agrícola Amândio Rodrigues Diretor Agrícola José Madeira Gestor Agrícola MISSÃO - A nossa razão de existir fazer os melhores

Leia mais

DIMENSÃO ESPACIAL DA INFORMAÇÃO

DIMENSÃO ESPACIAL DA INFORMAÇÃO DIMENSÃO ESPACIAL DA INFORMAÇÃO MISSÃO A Geoglobal incorpora a componente espacial dos dados nos sistemas de informação dos seus clientes. Desta forma, acrescenta valor à sua informação, permite melhorias

Leia mais

I. INTRODUÇÃO. SEINON Sistema Energético INtegral ONline. A melhor energia é a que não se consome

I. INTRODUÇÃO. SEINON Sistema Energético INtegral ONline. A melhor energia é a que não se consome I. INTRODUÇÃO SEINON Sistema Energético INtegral ONline A melhor energia é a que não se consome O sistema SEINON é uma ferramenta de gestão de consumo de energia que permite de forma simples e automática

Leia mais

Espacialização comparativa de dados de produtividade de milho com teores agronômicos das propriedades químicas dos solos

Espacialização comparativa de dados de produtividade de milho com teores agronômicos das propriedades químicas dos solos Espacialização comparativa de dados de produtividade de milho com teores agronômicos das propriedades químicas dos solos Amarindo Fausto Soares Embrapa Informática Agropecuária, Campinas São Paulo - Brasil

Leia mais

Geração e Interpretação de Mapas de Produtividade. Laboratório de Agricultura de Precisão II

Geração e Interpretação de Mapas de Produtividade. Laboratório de Agricultura de Precisão II Geração e Interpretação de Mapas de Produtividade Laboratório de Agricultura de Precisão II A implantação de um sistema de Agricultura de Precisão implica em um ciclo fechado de tarefas Os usuários e pesquisadores

Leia mais

Uma peça estratégica para o seu negócio

Uma peça estratégica para o seu negócio Uma peça estratégica para o seu negócio INFORMAÇÃO GERAL DA EMPRESA CASO DE SUCESSO EM IMPLEMENTAÇÃO BI PERGUNTAS E RESPOSTAS Fundada em 1997, Habber Tec é uma empresa especializada na oferta de soluções

Leia mais

SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO E TELEGESTÃO DE REDES DE REGA EM PRESSÃO. CASO DE ESTUDO. Resumo

SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO E TELEGESTÃO DE REDES DE REGA EM PRESSÃO. CASO DE ESTUDO. Resumo SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO E TELEGESTÃO DE REDES DE REGA EM PRESSÃO. CASO DE ESTUDO Autores: ISABEL GRAZINA Eng.ª Civil, EDIA, Rua Zeca Afonso, 2 7800-522 Beja, 00351284315100, igrazina@edia.pt JOSÉ CARLOS

Leia mais

Sistemas de Informação Geográfica (SIG) para Agricultura de Precisão

Sistemas de Informação Geográfica (SIG) para Agricultura de Precisão 01 Sistemas de Informação Geográfica (SIG) para Agricultura de Precisão Rodrigo G. Trevisan¹; José P. Molin² ¹ Eng. Agrônomo, Mestrando em Engenharia de Sistemas Agrícolas (ESALQ-USP); ² Prof. Dr. Associado

Leia mais

SIGs. Gerais e específicos

SIGs. Gerais e específicos SIGs Gerais e específicos Gerais ArcView É o SIG mais popular do mundo É possível: Usar a informação geográfica para apoiar na tomada de decisão; Visualizar e analisar dados espaciais; Criar e manter conjuntos

Leia mais

www.agrogestao.com 1 ACADEMIA AGROGESTÃO Formação em informática aplicada à agricultura ENOGEST O - Gestão informática de adega

www.agrogestao.com 1 ACADEMIA AGROGESTÃO Formação em informática aplicada à agricultura ENOGEST O - Gestão informática de adega www.agrogestao.com 1 ACADEMIA AGROGESTÃO Formação em informática aplicada à agricultura ENOGEST O - Gestão informática de adega 2 www.agrogestao.com 1 Material de apoio Cada um dos módulos será acompanhado

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE AVISOS DE REGA NOS PERÍMETROS DE REGA DO ALENTEJO

IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE AVISOS DE REGA NOS PERÍMETROS DE REGA DO ALENTEJO Projecto AGRO nº 5 IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE AVISOS DE REGA NOS PERÍMETROS DE REGA DO ALENTEJO Boletim Informativo nº1 Beja, Agosto de 2002 Nesta Edição 1- Introdução 1- INTRODUÇÃO 2- Objectivos 3-

Leia mais

ABLN. Automatização da recolha. de informação. no serviço de contraste leiteiro. Cartografia automática. Gestão agrícola AGRO.

ABLN. Automatização da recolha. de informação. no serviço de contraste leiteiro. Cartografia automática. Gestão agrícola AGRO. NEWSLETTER DO PROGRAMA OPERACIONAL AGRICULTURA E DESENVOLVIMENTO RURAL N Ú M E R O 11 O U T U B R O 2006 P E R I O D I C I D A D E T R I M E S T R A L 1750 E X E M P L A R E S Valores Despesa Pública até

Leia mais

QMS QUALIDADE COMUNICAÇÃO DE GESTÃO DA ESTRUTURA CONFIANÇA DECISÃO MODELO. ambidata GARANTIA SISTEMA GESTÃO SISTEMA RELATÓRIO SOFTWARE

QMS QUALIDADE COMUNICAÇÃO DE GESTÃO DA ESTRUTURA CONFIANÇA DECISÃO MODELO. ambidata GARANTIA SISTEMA GESTÃO SISTEMA RELATÓRIO SOFTWARE GARANTIA QMS SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE COMUNICAÇÃO GESTÃO SOFTWARE RELATÓRIO CONFIANÇA DECISÃO MODELO ESTRUTURA SISTEMA ambidata Digital Innovation Solutions & Consulting #1 QUALIDADE É A TOTALIDADE

Leia mais

Imagens de Satélite (características):

Imagens de Satélite (características): Imagens de Satélite (características): São captadas por sensores electro ópticos que registam a radiação electromagnética reflectida e emitida pelos objectos que se encontram à superfície da terra através

Leia mais

1º Relatório Técnico-Científico Projecto Appybaby Candidatura QREN n.º 30189

1º Relatório Técnico-Científico Projecto Appybaby Candidatura QREN n.º 30189 1º Relatório Técnico-Científico Projecto Appybaby Candidatura QREN n.º 30189 Resumo 1. Projecto e âmbito Descrição da natureza do projecto, linhas orientadoras e grandes eixos de desenvolvimento. 2. Resultados

Leia mais

Gestão de Equipas de Vendas

Gestão de Equipas de Vendas Gestão de Equipas de Vendas Análise Comercial Business Intelligence Gestão de Desempenho Atinjo os meus objectivos comerciais? Quais os vendedores com melhor desempenho? A função comercial é o motor de

Leia mais

Informática. Conceitos Básicos. Informação e Sistemas de Informação. Aula 3. Introdução aos Sistemas

Informática. Conceitos Básicos. Informação e Sistemas de Informação. Aula 3. Introdução aos Sistemas Informática Aula 3 Conceitos Básicos. Informação e Sistemas de Informação Comunicação Empresarial 2º Ano Ano lectivo 2003-2004 Introdução aos Sistemas A Teoria dos Sistemas proporciona um meio poderoso

Leia mais

PRIMAVERA INDUSTRY. Uma solução para as PME industriais

PRIMAVERA INDUSTRY. Uma solução para as PME industriais PRIMAVERA INDUSTRY Uma solução para as PME industriais PRIMAVERA INDUSTRY Uma solução para as PME industriais produtivos de modo a garantir uma maior qualidade dos produtos sujeitos a fabrico, ao menor

Leia mais

IRRICAMPO solidez organização interna saúde económico-financeira segurança estabilidade IRRICAMPO

IRRICAMPO solidez organização interna saúde económico-financeira segurança estabilidade IRRICAMPO A IRRICAMPO tem participado activamente no espectacular crescimento do mercado nacional da rega automatizada e desde sempre que as prioridades são a solidez, a organização interna e a saúde económico-financeira,

Leia mais

UNIDADES DE MANEJO: UMA OPÇÃO DESAFIADORA E MAIS INTELIGENTE

UNIDADES DE MANEJO: UMA OPÇÃO DESAFIADORA E MAIS INTELIGENTE Departamento de Engenharia de Biossistemas ESALQ/USP UNIDADES DE MANEJO: UMA OPÇÃO DESAFIADORA E MAIS INTELIGENTE V Seminário de Agricultura de Precisão Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz 9

Leia mais

GERAÇÃO DE MAPAS DIGITAIS E MODELOS TRIDIMENSIONAIS DE SUPERFÍCIES. Manoel Silva Neto Engenheiro Cartógrafo

GERAÇÃO DE MAPAS DIGITAIS E MODELOS TRIDIMENSIONAIS DE SUPERFÍCIES. Manoel Silva Neto Engenheiro Cartógrafo GERAÇÃO DE MAPAS DIGITAIS E MODELOS TRIDIMENSIONAIS DE SUPERFÍCIES Manoel Silva Neto Engenheiro Cartógrafo Com um novo conceito enraizado na inovação, a Droneng busca integrar a multidisciplinaridade no

Leia mais

CAPÍTULO 3 MATERIAL E MÉTODOS

CAPÍTULO 3 MATERIAL E MÉTODOS CAPÍTULO 3 MATERIAL E MÉTODOS 3. LOCAL DOS EXPERIMENTOS O trabalho foi realizado na Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP - Campinas, SP), em casa de vegetação do Departamento de Fisiologia Vegetal

Leia mais

Apresentação de Solução

Apresentação de Solução Apresentação de Solução Solução: Gestão de Altas Hospitalares Unidade de negócio da C3im: a) Consultoria e desenvolvimento de de Projectos b) Unidade de Desenvolvimento Área da Saúde Rua dos Arneiros,

Leia mais

CASE STUDY MADEIRA WINE COMPANY

CASE STUDY MADEIRA WINE COMPANY CASE STUDY MADEIRA WINE COMPANY A Madeira Wine Company, titular das conceituadas marcas Blandy's, Cossart Gordon, Leacock's, Miles e Atlantis posicionase como um produtor nacional com um forte perfil de

Leia mais

Antes de adquirir a Herdade do Peso, a Sogrape Vinhos tinha realizado já em 1992 um contrato para a compra das uvas da propriedade.

Antes de adquirir a Herdade do Peso, a Sogrape Vinhos tinha realizado já em 1992 um contrato para a compra das uvas da propriedade. HERDADE DO PESO Profundamente Alentejano INDICADORES Herdade do Peso é a marca especialista da Sogrape Vinhos na produção de vinhos do Alentejo. Com uma gama atractiva e alargada que vai ao encontro das

Leia mais

Os Sistemas de Informação Regionais das Cidades e Regiões Digitais na vertente Infraestrutural

Os Sistemas de Informação Regionais das Cidades e Regiões Digitais na vertente Infraestrutural Os Sistemas de Informação Regionais das na vertente Infraestrutural 1, 2 1 Instituto Politécnico de Tomar Tomar, Portugal 2 Centre of Human Language Tecnnology and Bioinformatics Universidade da Beira

Leia mais

Agricultura de Precisão

Agricultura de Precisão INOVAÇÃO E TECNOLOGIA NA FORMAÇÃO AGRÍCOLA agrinov.ajap.pt Coordenação Técnica: Associação dos Jovens Agricultores de Portugal Coordenação Científica: Miguel de Castro Neto Instituto Superior de Estatística

Leia mais

Caso de Sucesso Vinho do Porto Taylor s Port. Taylor s Port: Da vinha ao vinho com SAP

Caso de Sucesso Vinho do Porto Taylor s Port. Taylor s Port: Da vinha ao vinho com SAP Taylor s Port: Da vinha ao vinho com SAP The Fladgate Partnership Taylor s Port Sector Produção vinícola Produtos Vinho do Porto Web www.taylor.pt/pt Soluções e serviços SAP SAP Business Suite A Taylor

Leia mais

GESTÃO. Gestão dos Processos e Operações Gestão de Sistemas e Tecnologias de Informação (dentro do capítulo 6) CLF

GESTÃO. Gestão dos Processos e Operações Gestão de Sistemas e Tecnologias de Informação (dentro do capítulo 6) CLF GESTÃO Gestão dos Processos e Operações Gestão de Sistemas e Tecnologias de Informação (dentro do capítulo 6) Informação e Decisões Gerir envolve tomar muitas e frequentes decisões Para decidir com eficácia

Leia mais

PROJECTO BRAGG Um projecto na área dos sensores de fibra óptica Revista de Inovação Tecnológica, Outubro/Dezembro de 2001

PROJECTO BRAGG Um projecto na área dos sensores de fibra óptica Revista de Inovação Tecnológica, Outubro/Dezembro de 2001 PROJECTO BRAGG Um projecto na área dos sensores de fibra óptica Revista de Inovação Tecnológica, Outubro/Dezembro de 2001 O projecto Bragg teve como objectivo principal o desenvolvimento de cablagens avançadas

Leia mais

A rede meteorológica é o conjunto dos pontos onde se medem as variáveis de estado da fase

A rede meteorológica é o conjunto dos pontos onde se medem as variáveis de estado da fase O QUE É? A rede meteorológica é o conjunto dos pontos onde se medem as variáveis de estado da fase atmosférica do ciclo hidrológico. Compreende estações udométricas, onde se mede apenas o hidrometeoro

Leia mais

Figura 1: Bosque de Casal do Rei, alguns meses após o incêndio que ocorreu no Verão de 2005.

Figura 1: Bosque de Casal do Rei, alguns meses após o incêndio que ocorreu no Verão de 2005. Estudo da vegetação 1. Introdução A intensa actividade humana desenvolvida na região Centro ao longo dos últimos milénios conduziu ao desaparecimento gradual de extensas áreas de floresta autóctone, que

Leia mais

TERRAMAIS. Serviço on-line de suporte à gestão agro-florestal. Gomes Aires, José Miguel; Dias, Ana Paula; Duarte, Pedro; Coucelo, Carlos RESUMO

TERRAMAIS. Serviço on-line de suporte à gestão agro-florestal. Gomes Aires, José Miguel; Dias, Ana Paula; Duarte, Pedro; Coucelo, Carlos RESUMO TERRAMAIS Serviço on-line de suporte à gestão agro-florestal Gomes Aires, José Miguel; Dias, Ana Paula; Duarte, Pedro; Coucelo, Carlos RESUMO A vantagem na utilização de Sistemas de Informação Geográfica

Leia mais

Capítulo II Imagem Digital

Capítulo II Imagem Digital Capítulo II Imagem Digital Proc. Sinal e Imagem Mestrado em Informática Médica Miguel Tavares Coimbra Resumo 1. Formação de uma imagem 2. Representação digital de uma imagem 3. Cor 4. Histogramas 5. Ruído

Leia mais

LBS Location Based Services Empresas e Indivíduos. Eng.º Fernando Fortes ( Ford )

LBS Location Based Services Empresas e Indivíduos. Eng.º Fernando Fortes ( Ford ) Mobilidade Uma presença pervasiva no quotidiano das sociedades modernas 21 de Outubro de 2004 Hotel Le Meridien LBS Location Based Services Empresas e Indivíduos Eng.º Fernando Fortes ( Ford ) Patrocínio

Leia mais

Articles of PPOW :: PEOPLE POWER

Articles of PPOW :: PEOPLE POWER Articles of PPOW :: PEOPLE POWER Quinta dos Murças, uma nova era do Esporão 2011-10-13 07:10:24 Luiz Gastão Bolonhez O conglomerado Esporão, sucesso absoluto no Alentejo, lança vinhos de seu novo empreendimento,

Leia mais

Substituir este slide pelo slide de título escolhido

Substituir este slide pelo slide de título escolhido Substituir este slide pelo slide de título escolhido AS ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS E A AGRICULTURA PORTUGUESA Ana Paiva Brandão Coimbra, 7 de Abril de 2011 1 ÍNDICE 1. Alterações climáticas 2. Alterações climáticas

Leia mais

Apresentação da Solução. Divisão Área Saúde. Solução: Gestão de Camas

Apresentação da Solução. Divisão Área Saúde. Solução: Gestão de Camas Apresentação da Solução Solução: Gestão de Camas Unidade de negócio da C3im: a) Consultoria e desenvolvimento de de Projectos b) Unidade de Desenvolvimento Área da Saúde Rua dos Arneiros, 82-A, 1500-060

Leia mais

Plataforma Integrada de Gestão e Accionamento de Cenários

Plataforma Integrada de Gestão e Accionamento de Cenários , Plataforma Integrada de Gestão e Accionamento de Cenários Cláudia Paixão A Ilha da Madeira apresenta um conjunto de riscos específicos entre os quais se destacam: Movimentação de Massas Cheias Rápidas

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL OPERADOR(A) DE ELECTRÓNICA. PERFIL PROFISSIONAL Operador/a de Electrónica Nível 2 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/16

PERFIL PROFISSIONAL OPERADOR(A) DE ELECTRÓNICA. PERFIL PROFISSIONAL Operador/a de Electrónica Nível 2 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/16 PERFIL PROFISSIONAL OPERADOR(A) DE ELECTRÓNICA PERFIL PROFISSIONAL Operador/a de Electrónica Nível 2 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/16 ÁREA DE ACTIVIDADE - ELECTRÓNICA E AUTOMAÇÃO OBJECTIVO GLOBAL

Leia mais

Business Intelligence Framework

Business Intelligence Framework Business Intelligence Framework José Peixoto and Júlio Lopes Departamento de Informática Universidade do Minho Abstract. Este artigo apresenta os elementos que constituem a Framework desenvolvida, bem

Leia mais

Informação Geográfica (SIG) Inês Pinto Instituto de Investigação Cientifica Tropical

Informação Geográfica (SIG) Inês Pinto Instituto de Investigação Cientifica Tropical Introdução aos Sistemas de Informação Geográfica (SIG) Inês Pinto Instituto de Investigação Cientifica Tropical DEFINIÇÃO DE SIG As definições são condicionadas pelo ambiente em que surgem e pela realidade

Leia mais

Copyright 2008 GrupoPIE Portugal, S.A.

Copyright 2008 GrupoPIE Portugal, S.A. WinREST Sensor Log A Restauração do Séc. XXI WinREST Sensor Log Copyright 2008 GrupoPIE Portugal, S.A. 2 WinREST Sensor Log Índice Índice Pag. 1. WinREST Sensor Log...5 1.1. Instalação (aplicação ou serviço)...6

Leia mais

PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA

PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA Introdução Nesta edição do Catálogo de Serviços apresentamos os vários tipos de serviços que compõe a actual oferta da Primavera na área dos serviços de consultoria.

Leia mais

Business Intelligence & Performance Management

Business Intelligence & Performance Management Como medir a evolução do meu negócio? Tenho informação para esta decisão? A medição da performance é uma dimensão fundamental para qualquer actividade de gestão. Recorrentemente, qualquer gestor vê-se

Leia mais

PROGRAMA DE COOPERAÇÃO TERRITORIAL DO ESPAÇO SUDOESTE EUROPEU 2007-2013

PROGRAMA DE COOPERAÇÃO TERRITORIAL DO ESPAÇO SUDOESTE EUROPEU 2007-2013 WINETech - SOE1/P1/E071 PROGRAMA DE COOPERAÇÃO TERRITORIAL DO ESPAÇO SUDOESTE EUROPEU 2007-2013 FICHA DE INVESTIGADORES E-CATÁLOGO WINEtech INDICAÇÕES PARA O PREENCHIMENTO DA FICHA A diferença entre este

Leia mais

Enunciados dos Trabalhos de Laboratório. Instituto Superior Técnico - 2005/2006. 1 Introdução. 2 Configuração de Redes

Enunciados dos Trabalhos de Laboratório. Instituto Superior Técnico - 2005/2006. 1 Introdução. 2 Configuração de Redes Enunciados dos Trabalhos de Laboratório Instituto Superior Técnico - 2005/2006 1 Introdução A empresa XPTO vende serviços de telecomunicações. O seu portfólio de serviço inclui: acesso à Internet; serviço

Leia mais

GeoMob: Solução de Gestão e Controlo de Bens e Recursos Móveis

GeoMob: Solução de Gestão e Controlo de Bens e Recursos Móveis GeoMob: Solução de Gestão e Controlo de Bens e Recursos Móveis Luis Cabral IDC - Mobility & RFID, CCB 26 de Fevereiro de 2008 1 Miguel Setas GeoMob Gestão de Bens e Recursos Móveis Apresentação divida

Leia mais

A Importância dos Sistemas de Informação Geográfica na Caracterização e Gestão das Vinhas

A Importância dos Sistemas de Informação Geográfica na Caracterização e Gestão das Vinhas A Importância dos Sistemas de Informação Geográfica na Caracterização e Gestão das Vinhas José Aranha CITAB j_aranha@utad.pt Juliana Salvação bolseira EcoVitis jlsalvacao@hotmail.com Colóquio Ecovitis:

Leia mais

O SOFTWARE SPP Eucalyptus

O SOFTWARE SPP Eucalyptus Rua Raul Soares, 133/201 - Centro - Lavras MG CEP 37200-000 Fone/Fax: 35 3821 6590 O SOFTWARE SPP Eucalyptus 1/7/2008 Inventar GMB Consultoria Ltda Ivonise Silva Andrade INTRODUÇÃO Um dos grandes problemas

Leia mais

MAPA DE PESSOAL (POSTOS DE TRABALHO)

MAPA DE PESSOAL (POSTOS DE TRABALHO) s CONSELHO DIRETIVO 1 1 2 Subtotal 1 1 0 0 0 0 0 0 0 2 Gestão Financeira, dos Recursos Humanos, da Documentação, do Património e da Informática e Comunicações DIRECÇÃO DE SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS E FINANCEIROS

Leia mais

SOFTWARES PARA GESTÃO DE FAZENDAS DE ALGODÃO NO BRASIL

SOFTWARES PARA GESTÃO DE FAZENDAS DE ALGODÃO NO BRASIL SOFTWARES PARA GESTÃO DE FAZENDAS DE ALGODÃO NO BRASIL Ziany Neiva Embrapa Algodão 10º Congresso Brasileiro do Algodão 03 de setembro de 2015. Foz do Iguaçu, PR, Brasil. ANÁLISE DE SOFTWARES PARA GESTÃO

Leia mais

PALAVRAS CHAVE RESUMO

PALAVRAS CHAVE RESUMO ESIG2001 SPATIAL INTELLIGENCE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA COMO MEIO DE SUPORTE À DECISÃO João Machado Costa, Rui Marques Ferreira Novabase www.novabase.pt joao.machado@novabase.pt PALAVRAS CHAVE Spatial Information

Leia mais

Setor Sucroenergético: GIS Corporativo e Inovações no Grupo Noble CASE NOBLE GROUP. Herbert Del Petri Gerente Técnico Agrícola

Setor Sucroenergético: GIS Corporativo e Inovações no Grupo Noble CASE NOBLE GROUP. Herbert Del Petri Gerente Técnico Agrícola Gerente Técnico Agrícola Introdução O Noble Bioenergia ao longo da sua história no Brasil vem desenvolvendo o uso das informações espacializadas no dia-a-dia das operações e planejamento agrícola através

Leia mais

Tejo Wine Region. Região Tejo

Tejo Wine Region. Região Tejo RegiãoTejo Conheça o Team Tejo "Somos o «Team Tejo», a única comunidade vitivinícola situada junto a este grande Rio Português. A Região Vitivinícola do Tejo possui óptimas condições naturais para o cultivo

Leia mais

Agrolaboratory2010 MANUAL DO UTILIZADOR

Agrolaboratory2010 MANUAL DO UTILIZADOR Agrolaboratory2010 MANUAL DO UTILIZADOR INDICE Instalação...... 3 Fertirrega..... 6 Irri System...... 9 Irri Manager... 10 2 Instalação Abra a pasta do programa e execute o Setup.exe (duplo clique em Setup).

Leia mais

O ano vitícola na região. As castas na sub região do AVE. Mesa Redonda. IV Jornadas Técnicas Ano Vitivinícola 2008 3 de Dezembro de 2008

O ano vitícola na região. As castas na sub região do AVE. Mesa Redonda. IV Jornadas Técnicas Ano Vitivinícola 2008 3 de Dezembro de 2008 O ano vitícola na região Mesa Redonda As castas na sub região do AVE IV Jornadas Técnicas Ano Vitivinícola 2008 3 de Dezembro de 2008 EVAG Área de acção : Sub região do AVE, concelhos de V. N. Famalicão,

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL Automatização do processo de Controlo Ambiental Auto-controlo ambiental Sendo a Indústria que detém fontes poluidoras (Cimenteiras, Produção de energia, Incineradoras, etc.), uma das mais intervenientes

Leia mais

Luís Filipe A. C. Nunes

Luís Filipe A. C. Nunes Luís Filipe A. C. Nunes INTRODUÇÃO A instalação e exploração de uma estação meteorológica, clássica ou automática-ema, é relativamente simples, mas pode complicarse nalgumas circunstâncias; Não existem

Leia mais

Introdução. Confiabilidade. Conformidade. Segurança. Optimização e Disponibilidade

Introdução. Confiabilidade. Conformidade. Segurança. Optimização e Disponibilidade Introdução Desenvolvido segundo um modelo de bases de dados relacionais, podem ser realizadas personalizações à medida de cada empresa, em conformidade com o Sistema de Informação existente e diversas

Leia mais

Conceito. As empresas como ecossistemas de relações dinâmicas

Conceito. As empresas como ecossistemas de relações dinâmicas Conceito As empresas como ecossistemas de relações dinâmicas PÁG 02 Actualmente, face à crescente necessidade de integração dos processos de negócio, as empresas enfrentam o desafio de inovar e expandir

Leia mais

O RELACIONAMENTO COM O CIDADÃO A importância do Território

O RELACIONAMENTO COM O CIDADÃO A importância do Território Conferência Ibero-Americana WWW/Internet 2004 7/8 Outubro, Madrid, Espanha O RELACIONAMENTO COM O CIDADÃO A importância do Território Jorge Xavier Aluno de Mestrado DEGEI UA Campus Universitário de Santiago.

Leia mais

BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SUBSISTEMA DE INFORMAÇÃO DE GESTÃO DE CLIENTES DA EPAL, SA. Vítor B. VALE (1)

BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SUBSISTEMA DE INFORMAÇÃO DE GESTÃO DE CLIENTES DA EPAL, SA. Vítor B. VALE (1) BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SUBSISTEMA DE INFORMAÇÃO DE GESTÃO DE CLIENTES DA EPAL, SA Vítor B. VALE (1) RESUMO O SIGC - Sistema Integrado de Gestão de Clientes, foi analisado e desenvolvido tendo como grande

Leia mais

IBM Cognos Business Intelligence Scorecarding

IBM Cognos Business Intelligence Scorecarding IBM Cognos Business Intelligence Scorecarding Unindo a estratégia às operações com sucesso Visão Geral O Scorecarding oferece uma abordagem comprovada para comunicar a estratégia de negócios por toda a

Leia mais

Título Referencial de Formação na Área da Vitivinicultura. Edição DRAPN Direcção Regional de Agricultura e Pescas do Norte.

Título Referencial de Formação na Área da Vitivinicultura. Edição DRAPN Direcção Regional de Agricultura e Pescas do Norte. 2 3 Título Referencial de Formação na Área da Vitivinicultura. Edição DRAPN Direcção Regional de Agricultura e Pescas do Norte. Rua da República, 133 5370-347 MIRANDELA Telefone: 278 260 900 Fax: 278 260

Leia mais

Gestão Total da Manutenção: Sistema GTM

Gestão Total da Manutenção: Sistema GTM Gestão Total da Manutenção: Sistema GTM por Engº João Barata (jbarata@ctcv.pt), CTCV Inovação Centro Tecnológico da Cerâmica e do Vidro 1. - INTRODUÇÃO Os sub-sistemas de gestão, qualquer que seja o seu

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO SOBRE O ESTUDO DO LEITO DE CHEIA NUM TROÇO DO RIO MONDEGO

RELATÓRIO TÉCNICO SOBRE O ESTUDO DO LEITO DE CHEIA NUM TROÇO DO RIO MONDEGO RELATÓRIO TÉCNICO SOBRE O ESTUDO DO LEITO DE CHEIA NUM TROÇO DO RIO MONDEGO Instituto da Água - Direcção de Serviços de Recursos Hídricos Sónia Fernandes, Ana Catarina Mariano, Maria Teresa Álvares, Maria

Leia mais

Uma Revolução Na Análise De Leite

Uma Revolução Na Análise De Leite Uma Revolução Na Análise De Leite O NOVO EQUIPAMENTO DA SÉRIE NEXGEN Bentley DairySpec FT Um equipamento robusto e de alta precisão desenvolvido para análise de produtos lácteos A Série NexGen da Benltey

Leia mais

Bloco B: ESPAÇOS VERDES E SUSTENTABILIDADE. 1.3 Uso eficiente da água nos espaços verdes

Bloco B: ESPAÇOS VERDES E SUSTENTABILIDADE. 1.3 Uso eficiente da água nos espaços verdes Bloco B: ESPAÇOS VERDES E SUSTENTABILIDADE 1.1 A água no solo; 1.2 Monitorização da água no solo; 1.3 Uso eficiente da água nos espaços verdes Maria Isabel Valín Sanjiao Ponte de Lima 16 Maio- 2012 isabelvalin@esa.ipvc.pt

Leia mais

SELECÇÃO DA VIDEIRA. Guia para escolha de materiais (clones)a plantar

SELECÇÃO DA VIDEIRA. Guia para escolha de materiais (clones)a plantar SELECÇÃO DA VIDEIRA Guia para escolha de materiais (clones)a plantar SELECÇÃO GENÉTICA E SANITÁRIA EM FAVOR DA VITICULTURA PORTUGUESA: 4ª DÉCADA A Associação Portuguesa para a Diversidade da Videira (PORVID)

Leia mais

Geoprocessamento e Cartografia Prof. MSc. Alexander Sergio Evaso

Geoprocessamento e Cartografia Prof. MSc. Alexander Sergio Evaso Geoprocessamento e Cartografia Prof. MSc. Alexander Sergio Evaso Aula 02 Componentes de um GIS (SIE, ou SIG) Ideias dependem de pessoas. Pessoas trazem o conhecimento para uma equipe, que engendra ideias.

Leia mais

Fotografia aérea e foto-interpretação

Fotografia aérea e foto-interpretação Fotografia aérea e foto-interpretação Fotografias aéreas e foto-interpretação são elementos e técnicas de trabalho fundamentais para um conhecimento aprofundado do território e para a elaboração ou actualização

Leia mais

Sistemas de Informação Geográfica Prof. Tiago Eugenio de Melo, MSc.

Sistemas de Informação Geográfica Prof. Tiago Eugenio de Melo, MSc. Sistemas de Informação Geográfica Prof. Tiago Eugenio de Melo, MSc. SUMÁRIO Apresentação da ementa Introdução Conceitos Básicos de Geoinformação Arquitetura de SIGs Referências Bibliográficas APRESENTAÇÃO

Leia mais

Thalita Moraes PPGI Novembro 2007

Thalita Moraes PPGI Novembro 2007 Thalita Moraes PPGI Novembro 2007 A capacidade dos portais corporativos em capturar, organizar e compartilhar informação e conhecimento explícito é interessante especialmente para empresas intensivas

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO GRUPO INCENTEA

APRESENTAÇÃO DO GRUPO INCENTEA APRESENTAÇÃO DO GRUPO INCENTEA Quem Somos Somos um grupo de empresas de prestação de serviços profissionais nas áreas das Tecnologias de Informação, Comunicação e Gestão. Estamos presente em Portugal,

Leia mais

Touriga Nacional, Touriga Franca, Tinta Barroca, Alicante Bouschet e Aragonês, Trincadeira Cabernet Sauvignon. vinhos Encostas de Estremoz

Touriga Nacional, Touriga Franca, Tinta Barroca, Alicante Bouschet e Aragonês, Trincadeira Cabernet Sauvignon. vinhos Encostas de Estremoz É nas Encostas de Estremoz, na Quinta da Esperança, que nascem os nossos vinhos. Adaptamos as novas tecnologias de Viticultura à nossa realidade, inspirados no melhor do Novo Mundo, e preservando sempre

Leia mais

Case Study Business Intelligence Portals como solução de Mobilidade

Case Study Business Intelligence Portals como solução de Mobilidade Case Study Business Intelligence Portals como solução de Mobilidade Agenda A BetterSoft Mobilidade e Colaboradores móveis A Divisão de FoodServices da Nestlé Portais corporativos O que são A Arquitectura

Leia mais

Reinaldo Lúcio Gomide Embrapa Milho e Sorgo

Reinaldo Lúcio Gomide Embrapa Milho e Sorgo DETERMINAÇÃO DA VARIABILIDADE ESPAÇO-TEMPORAL DE DEMANDA HÍDRICA E PRODUTIVIDADE DA ÁGUA EM ESCALA REGIONAL POR MEIO DE TÉCNICAS DE SENSORIAMENTO REMOTO AGRÍCOLA, ASSOCIADAS À MODELAGEM, GEOPROCESSAMENTO

Leia mais

: Transforme seu plantio em um fundo de investimento ativo. The single source for Forest Resource Management

: Transforme seu plantio em um fundo de investimento ativo. The single source for Forest Resource Management : Transforme seu plantio em um fundo de investimento ativo The single source for Forest Resource Management 2 Tecnologia laser aerotransportada LiDAR LiDAR é um sistema ativo de sensoriamento remoto, originalmente

Leia mais

FORMAÇÃO EM TÉCNICAS DE PLANEAMENTO DE REDES PRIMÁRIAS DE FAIXAS DE GESTÃO DE COMBUSTÍVEL FASE II ELABORAÇÃO DE PLANOS DE RPFGC

FORMAÇÃO EM TÉCNICAS DE PLANEAMENTO DE REDES PRIMÁRIAS DE FAIXAS DE GESTÃO DE COMBUSTÍVEL FASE II ELABORAÇÃO DE PLANOS DE RPFGC FORMAÇÃO EM TÉCNICAS DE PLANEAMENTO DE REDES PRIMÁRIAS DE FAIXAS DE GESTÃO DE COMBUSTÍVEL FASE II ELABORAÇÃO DE PLANOS DE RPFGC Tecnologias SIG Sistemas de Informação Geográfica Centro de Operações e Técnicas

Leia mais

A versão básica disponibiliza a informação criada no Microsoft Navision em unidades de informação

A versão básica disponibiliza a informação criada no Microsoft Navision em unidades de informação O Business Analytics for Microsoft Business Solutions Navision ajuda-o a ter maior controlo do seu negócio, tomar rapidamente melhores decisões e equipar os seus funcionários para que estes possam contribuir

Leia mais

www.agrogestao.com 1 ACADEMIA AGROGESTÃO Formação em informática aplicada à agricultura A G R O G E S T Ã O - Apoio Técnico e Administrativo

www.agrogestao.com 1 ACADEMIA AGROGESTÃO Formação em informática aplicada à agricultura A G R O G E S T Ã O - Apoio Técnico e Administrativo www.agrogestao.com 1 ACADEMIA AGROGESTÃO Formação em informática aplicada à agricultura A G R O G E S T Ã O - Apoio Técnico e Administrativo 2 www.agrogestao.com 1 Material de apoio Cada um dos módulos

Leia mais

PHC Dashboard CS. Diversidade de análises de dados pré-configuradas. Representação gráfica da informação do sistema

PHC Dashboard CS. Diversidade de análises de dados pré-configuradas. Representação gráfica da informação do sistema PHC Dashboard CS Um novo nível de gestão A gestão da informação empresarial de forma sintética, visual e abrangente, possibilitando uma tomada de decisão mais rápida, correcta e precisa. BUSINESS AT SPEED

Leia mais

SISTEMA DE RASTREIO ÓPTICO

SISTEMA DE RASTREIO ÓPTICO SISTEMA DE RASTREIO ÓPTICO 1 SISTEMA DE RASTREIO ÓPTICO VISÃO GERAL O Sistema de Rastreio Óptico, ou simplesmente SISROT, foi desenvolvido com o objetivo de rastrear foguetes nos primeiros instantes de

Leia mais

ANO LECTIVO PLANIFICAÇÃO ANUAL. Tema 1: A Terra: estudos e representações UNIDADE DIDÁCTICA: 1- Da paisagem aos mapas. A descrição da paisagem;

ANO LECTIVO PLANIFICAÇÃO ANUAL. Tema 1: A Terra: estudos e representações UNIDADE DIDÁCTICA: 1- Da paisagem aos mapas. A descrição da paisagem; ANO LECTIVO PLANIFICAÇÃO ANUAL DEPARTAMENTO DE HISTÓRIA E GEOGRAFIA 2007/2008 ANO GEOGRAFIA 7.º GERAIS Tema 1: A Terra: estudos e representações Mobilizar saberes culturais, científicos e tecnológicos

Leia mais

Lisboa Interactiva Beta

Lisboa Interactiva Beta Lisboa Interactiva Beta Evolução para Web 2.0 com base na framework ExtJS Mauro Farracha GMV Portugal Sumário 3 Parte I Apresentação da GMV Portugal Quem Somos Organização Sistemas de Informação Geográfica

Leia mais

OS SISTEMAS GEOGRÁFICA DE INFORMAÇÃO NOS NEGÓCIOS INFRA-ESTRUTURA DE INFORMAÇÃO PARA A TERCEIRA GERAÇÃO DE APLICAÇÕES NO INÍCIO DO TERCEIRO MILÉNIO

OS SISTEMAS GEOGRÁFICA DE INFORMAÇÃO NOS NEGÓCIOS INFRA-ESTRUTURA DE INFORMAÇÃO PARA A TERCEIRA GERAÇÃO DE APLICAÇÕES NO INÍCIO DO TERCEIRO MILÉNIO 22 B&S DOSSIER SIG Por Marco Painho, Professor Associado, Director do Instituto Superior de Estatística e Gestão de Informação da Universidade Nova de Lisboa. OS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA NOS NEGÓCIOS

Leia mais

Qpoint Rumo à Excelência Empresarial

Qpoint Rumo à Excelência Empresarial 2 PRIMAVERA BSS Qpoint Rumo à Excelência Empresarial Numa era em que a competitividade entre as organizações é decisiva para o sucesso empresarial, a aposta na qualidade e na melhoria contínua da performance

Leia mais

O Geoportal do projeto DESOURB. Vila Real, 18 de setembro de 2012

O Geoportal do projeto DESOURB. Vila Real, 18 de setembro de 2012 O Geoportal do projeto DESOURB Vila Real, 18 de setembro de 2012 2 Ordem do dia: 1.- O Geoportal. 2.- Breve explicação da estrutura do Geoportal. Fases de trabalho. 3.- Gestão de indicadores. Tipologia

Leia mais

Relatório Técnico do projecto ARIADNE. Interface de utilizador do NewsSearch

Relatório Técnico do projecto ARIADNE. Interface de utilizador do NewsSearch Relatório Técnico do projecto ARIADNE Praxis XXI Interface de utilizador do NewsSearch Carlos Correia Norman Noronha Daniel Gomes Junho de 2000 Índice 1. INTRODUÇÃO...3 1.1 MOTIVAÇÃO...3 1.2 PROPOSTO...3

Leia mais