SISTEMA DE CUSTOS DO GOVERNO FEDERAL DESENVOLVIMENTO DA TEMÁTICA DE CUSTOS NO SETOR PÚBLICO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SISTEMA DE CUSTOS DO GOVERNO FEDERAL DESENVOLVIMENTO DA TEMÁTICA DE CUSTOS NO SETOR PÚBLICO"

Transcrição

1 SISTEMA DE CUSTOS DO GOVERNO FEDERAL DESENVOLVIMENTO DA TEMÁTICA DE CUSTOS NO SETOR PÚBLICO

2 CUMPRIR A LEGISLAÇÃO VIGENTE Lei nº 4.320/1964 Art. 99. Os serviços públicos industriais, ainda que não organizados como empresa pública ou autárquica, manterão contabilidade especial para determinação dos custos, ingressos e resultados, sem prejuízo da escrituração patrimonial e financeiro comum. O Decreto-Lei nº 200/1967 Art. 79. A contabilidade deverá apurar os custos dos serviços de forma a evidenciar os resultados da gestão. LRF/2000, artigo 50 3º A Administração Pública manterá sistema de custos que permita a avaliação e o acompanhamento da gestão orçamentária, financeira e patrimonial. Decreto /1986 Art A contabilidade deverá apurar o custo dos projetos e atividades, de forma a evidenciar os resultados da gestão

3 CUMPRIR A LEGISLAÇÃO VIGENTE Lei /2001 Art. 15. O Sistema de Contabilidade Federal tem por finalidade registrar os atos e fatos relacionados com a administração orçamentária, financeira e patrimonial da União e evidenciar: V - os custos dos programas e das unidades da Administração Pública Federal; LDO 2015 (13.080) Além de observar as demais diretrizes estabelecidas nesta Lei, a alocação dos recursos na lei orçamentária de 2015 e em seus créditos adicionais, e a respectiva execução, deverão propiciar o controle dos valores transferidos e dos custos das ações e a avaliação dos resultados dos programas de governo;

4 CUMPRIR A LEGISLAÇÃO VIGENTE Acórdão nº 1078/ 2004 do Tribunal de Contas da União TCU Determinou a adoção de providências para que a administração pública federal possa dispor com a maior brevidade possível de sistemas de custos, que permitam, entre outros, a avaliação e o acompanhamento da gestão orçamentária e financeira de responsáveis.

5 CUMPRIR A LEGISLAÇÃO VIGENTE Portaria STN Nº 157/2011 Art. 1º Fica criado o Sistema de Custo no âmbito do Governo Federal. Art. 3º Integram o Sistema de Custos do Governo Federal: I - a Secretaria do Tesouro Nacional do Ministério da Fazenda, como órgão central; e II - os órgãos setoriais. Portaria STN Nº 716/2011 Dispõe sobre as competências dos Órgãos Central e Setoriais do Sistema de Custos do Governo Federal.

6 Será que a alta gestão compreende a necessidade da informação de custos? Como estão os meus processos? Quais devem ser reavaliados? Existe uma maneira mais eficiente de gerenciar despesa? O processo de execução é integrado ou cada um faz a sua maneira? É possível identificar desperdícios?

7 Será que as áreas compreendem o seu papel no âmbito do órgão? A minha estrutura organizacional atende a necessidade de levantamento da informação de custos? O que eu tenho que fazer para levantar a informação de custos? Quais erros devem ser evitados no levantamento da informação de custos? Porque os outros órgãos conseguem avançar?

8 Qual perfil de servidores? Quais relatórios devo gerar? Quais são as minhas atividades diárias? Como identificar os meus objetos de custos? Porque eu tenho que implantar custos? Quais benefícios serão obtidos? Sabe quem é mais preocupado com a informação de custos?

9 Qual o objetivo: cumprir legislação ou obter resultado? O órgão tem pessoas aptas para gerar e analisar os relatórios? Com sistema de custos é necessário o uso de infrasig? É necessário e como criar objetos de custo? Quais os casos de utilização da informação? Qual a melhor área para implantar a setorial de custos?

10 UG Modelagem de Entrada de Dados Proposta Orçamentária UG da UO

11 UG Modelagem de Entrada de Dados Proposta Orçamentária Proposta Orçamentária UG da UO

12 UG Modelagem de Entrada de Dados UG da UO PLOA

13 UG Modelagem de Entrada de Dados PLOA UG da UO

14 UG LOA Modelagem de Entrada de Dados UG da UO

15 UG Modelagem de Entrada de Dados LOA UG da UO

16 UG Modelagem de Entrada de Dados UG da UO FITA SOF

17 UG Modelagem de Entrada de Dados UG Descentralização de Créditos: Provisão Descentralização de Créditos: Destaque UG da UO

18 Modelagem de Entrada de Dados

19 Estágios de execução da Despesa Orçamentária Empenho Liquidação Pagamento Ponto de partida para a geração da informação de custo Gasto Liquidação Gasto. Dispêndio de um ativo ou criação de um passivo para obtenção de um produto ou serviço. Liquidação. Verificação do direito adquirido pelo credor tendo por base os títulos e documentos comprobatórios do respectivo crédito.

20 RELACIONAMENTO: DESPESAS LIQUIDADAS, INVESTIMENTO E CUSTO Custo é o consumo de recursos Fonte: Machado, Nelson Sistema de informação de custo ENAP, 2005

21 SIC Atributos Métricas

22 Modelo de Geração de Informações SIC Atributos Métricas

23 Modelo de Geração de Informações SIC Atributos Métricas

24 Modelo de Geração de Informações SIC Atributos Métricas

25 Modelo de Geração de Informações SIC Atributos Métricas

26 Modelo de Geração de Informações SIC Atributos Métricas

27 Modelo de Geração de Informações SIC Atributos Métricas

28 Modelo de Geração de Informações SIC Atributos Métricas

29 Extração, Transformação e Carga CICLO DE VIDA DO MODELO DE BI (SIC) Fontes de Dados Sistemas Transacionais Inputs DW Data Warehouse Ferramenta de Acesso a Dados (MicroStrategy) Relatórios e Documentos Outputs

30

31 O que é o SIC Sistema de Informações de Custos do Governo Federal? O SIC é um sistema gerencial, integrado aos principais sistemas estruturantes do Governo Federal, concebido para fornecer informações de custos da Administração Pública Federal. Qual a abrangência do SIC? O SIC abrange todos os órgãos e entidades da administração pública que compõem o OGU Orçamento Geral da União, evidenciando custos sob a óticas institucional, funcional e programática. Quem gerencia o SIC? A STN, como órgão central do Sistema de Custos do Governo Federal, por meio da COINC Coordenação de Informações de Custos da União.

32 Visão Geral Nasceu como demanda da Secretaria Executiva do Ministério da Fazenda Disponível para aplicação em 2010 Base de dados a partir de 2008 Oficialmente institucionalizado pela Portaria STN nº 157/2011 Periodicidade da carga de dados SIAFI: D-1 SIAPE: Mensal SIOP: Semestral

33 Problema: Dificuldade em gerar informação útil à tomada de decisões. Grande quantidade de dados dispersos entre relatórios e bases de dados; Dados conflitantes vindos de fontes diferentes, que geram informações desencontradas; Custo para manter e analisar o grande volume de dados.

34 Solução: criar um modelo de B.I. para extração, tratamento, organização, armazenamento e análise de dados. Especializado na realização de consultas sobre um grande volume de dados; Centrado em um Data Warehouse (DW); Capaz de prover informações úteis às estratégias de negócio.

35 Sistema Transacional x Sistema Informacional Sistema Transacional Executam e registram as transações rotineiras necessárias para conduzir o negócio. Ex.: SIAFI, SIAPE, SIOP. Sistema Informacional Coletam, processam e disseminam dados que são convertidos em informações úteis à tomada de decisão. Ex.: SIC, SIOP Gerencial-BI.

36 Noções de BI Componentes (SIC) Bases de dados dos sistemas transacionais; Processo ETC Extração, Transformação e Carga; DW Data Warehouse; Ferramenta de acesso a dados (MicroStrategy).

37 Relatório SIC AGU SUPERINTENDÊNCIA PERNAMBUCO MARÇO/2014 Centro de Custo PI Natureza Despesa Detalhada UG Benef. ICC Valor Custo BA - SALVADOR - PF_PU AGU0032 SERVICOS DE VIGILANCIA VIGILANCIA PROCURADORIA-GERAL OSTENSIVA/MONITORADA/RASTRE DA UNIAO AMENTO PROCURADORIA-GERAL FEDERAL AGU0040 SERVICOS DE LIMPEZA LIMPEZA E CONSERVACAO PROCURADORIA-GERAL DA UNIAO AGU0044 SERVICOS DE GARCOM AGU0048 SERVICOS DE RECEPCAO AGU0050 SERVICOS DE OPERADOR DE REPROGRAFIA AGU0052 SERVICOS DE ENERGIA ELETRICA AGU0057 SERVICOS DE AUXILIAR DE SERVICOS DIVERSOS AGU0062 SERVICO DE COPEIRAGEM SERV. DE APOIO ADMIN., TECNICO E OPERACIONAL SERV. DE APOIO ADMIN., TECNICO E OPERACIONAL SERV. DE APOIO ADMIN., TECNICO E OPERACIONAL PROCURADORIA-GERAL FEDERAL PROCURADORIA-GERAL DA UNIAO PROCURADORIA-GERAL DA UNIAO PROCURADORIA-GERAL FEDERAL PROCURADORIA-GERAL DA UNIAO PROCURADORIA-GERAL FEDERAL SERVICOS DE ENERGIA ELETRICA PROCURADORIA-GERAL DA UNIAO SERV. DE APOIO ADMIN., TECNICO E OPERACIONAL SERV. DE APOIO ADMIN., TECNICO E OPERACIONAL PROCURADORIA-GERAL FEDERAL R$ ,16 R$ ,79 R$ 6.470,44 R$ ,19 R$ 4.918,00 R$ 3.533,66 R$ 3.533,66 R$ 7.748,44 R$ 3.874,22 R$ 7.856,33 R$ 9.065, PROCURADORIA-GERAL DA UNIAO R$ 5.543, PROCURADORIA-GERAL DA UNIAO PROCURADORIA-GERAL FEDERAL R$ 4.011,64 R$ 2.005,82

38 Relatório SIC CUSTO DOS PROGRAMAS POR OBJETIVOS (EXECUÇÃO FÍSICA) JAN-DEZ Programa 2014 Agropecuária Sustentável, Abastecimento e Comercialização 2013 Ação Produto Unidade Medida Meta Meta Reprograma da Realizada Custos 0012 Financiamentos ao Agronegócio CAFE (Lei N , DE 1992) Financiamento concedido unidade ,04 0A27 Equalização de Juros nos Financiamentos ao Agronegócio CAFE (LEI N , DE 1992) Instituição financeira remunerada unidade ,46 20Y8 Desenvolvimento da Cafeicultura Produtor beneficiado unidade ,09

39 Relatório SIC Custo do Programa por Ações Programa PT: 2052: PESCA E AQUICULTURA ANO 2013 Ação Produto Unidade de Medida Qtde Prevista Qtde Realizada Custo Direto (anual) Custo Unitário SUBVENCAO ECONOMICA AO PRECO DO OLEO Óleo diesel subvencionado litro DIESEL DE EMBARCACOES PESQUEIRAS (LEI R$ ,52 R$0,16 N , DE 1997) FOMENTO A PRODUCAO PESQUEIRA E AQUICOLA Iniciativa de fomento implementada unidade R$ ,02 R$ ,70 DESENVOLVIMENTO DA INFRAESTRUTURA PESQUEIRA E AQUICOLA Unidade da cadeia produtiva disponibilizada/mantida unidade R$ ,61 R$ ,54 FUNCIONAMENTO DE ESTACOES E CENTROS DE PESQUISA EM AQUICULTURA Centro/estação mantido(a) unidade 9 9 R$ ,83 R$ ,43 DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIAS DE PROCESSAMENTO DE PESCADO Tecnologia desenvolvida unidade 1 1 R$ 1.711,32 R$1.711,32 IMPLEMENTACAO DA CRIACAO INTENSIVA DE PEIXES EM RIOS, GRANDES RESERVATORIOS E CANAIS DE PERIMETROS DE IRRIGACAO Produtor capacitado unidade R$ ,60 R$622,99 IMPLANTACAO DE UNIDADE DE BENEFICIAMENTO DE PESCADO Unidade implantada unidade 2 2 R$ ,70 R$79.613,35 BANCO GENETICO DE ESPECIES DE PEIXES DA REGIAO NORDESTE Espécie identificada unidade 1 1 R$ 0,00 R$0,00 ELABORACAO DE PLANOS DE GESTAO E DE RECUPERACAO PARA RECURSOS PESQUEIROS Plano elaborado unidade 6 1 R$ 1.815,56 R$1.815,56

40 Relatório SIC UO 33101: MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL Programa = 2061 PREVIDÊNCIA SOCIAL ANOS = 2012 e 2013 Ação PT Ano Produto Unid. Medida 2587 SERVICOS DE OUVIDORIA AOS USUARIOS DA PREVIDENCIA SOCIAL 2012 Usuário atendido 2013 Usuário atendido unidade unidade Qtde Prevista Qtde Realizada % Exec. Física Custo Total no ano (R$) Custo Unitário % ,17 R$18, % ,31 R$20,83 Ação PT Ano Natureza Despesa Detalhada Custo Total no ano (R$) 2587 SERVICOS DE OUVIDORIA AOS DIARIAS NO PAIS ,41 USUARIOS DA PREVIDENCIA SOCIAL PASSAGENS PARA O PAIS , APOIO ADMINISTRATIVO, TECNICO E OPERACIONAL COMISSOES E CORRETAGENS ,22 996, DIARIAS NO PAIS , PASSAGENS PARA O PAIS APOIO ADMINISTRATIVO, TECNICO E OPERACIONAL COMISSOES E CORRETAGENS , , ,90

41 Relatório SIC Órgão MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE Secretaria de Extrativismo e Desenvolvimento Sustentável Período: Maio/2014 Unidade Organizacional SECRET DE EXTRAT DESENVOLV RURAL SUSTENT DEPARTAM. DE DESENVOLVIM. RURAL SUSTENTA Força de Trabalho Remuneração - Força de Trabalho GABINETE DA SDR DEPARTAMENTO DE EXTRATIVISMO DEPARTAMENTO DE ZONEAMENTO TERRITORIAL

42 Relatório SIC Custo Institucional SIORG Ano Órgão UGE Vlr Custo Direto (anual) Vlr Custo Direto (anual) Ministério da Fazenda MINISTERIO DA FAZENDA , ,91 BANCO CENTRAL DO BRASIL-ORC.FISCAL/SEG.SOCIAL , ,01 COMISSAO DE VALORES MOBILIARIOS SERVICO FEDERAL DE PROCESSAMENTO DE DADOS SUPERINTENDENCIA DE SEGUROS PRIVADOS , , , , , ,01 CASA DA MOEDA DO BRASIL - CMB , ,82 BANCO CENTRAL DO BRASIL , ,12 FUNDO DE COMPENSACAO E VARIACOES SALARIAIS , ,91 FUNDO DE ESTABILIDADE DO SEGURO RURAL FUNDO DE GARANTIA A EXPORTACAO FUNDO CONSTITUCIONAL DO DISTRITO FEDERAL , , , , , ,78

43 OBJETO DE CUSTOS É a unidade que se deseja mensurar e avaliar os custos. (Qualquer coisa). Determinados com base nas necessidades gerenciais das diversas áreas da organização. Exemplos: unidade organizacional, produto/serviço, programa (projeto/atividade) etc.

44 Importante o conhecimento da estrutura organizacional; Participação/patrocínio da alta gestão; Imprescindível o estabelecimento de parcerias internas na discussão pelo levantamento das informações de custos (planejamento, orçamento, recursos humanos, patrimônio, financeira, acompanhamento e avaliação); Fundamental a parceria com a contabilidade.

45

46 PRINCIPAIS OBJETOS DE CUSTOS DO SETOR PÚBLICO Programas Ação (Projeto/Atividade) Produtos/Serviços Institucional (órgão, departamento)

47

48

49 PGF PGU CGU XX + Z + SS + R R XX + YY + SS XX + YY + SS + R R UGB 01 UGB 02 UGB03 CC 01 CC 04 PF CC 02 PRF CC 05 PU PRU CC 03 PSU PF CJU CJU PSF CJU CJU XX.XX.XX YY.YY Z SS.SS.SS RR.RR

50 Elaborar informações gerenciais para subsidiar a tomada de decisões; Dotar os gestores de ferramenta que permita melhoraria da gestão na sua unidade; Propiciar comparações entre os custos dos serviços prestados pelas entidades públicas de mesma característica; Possibilitar a formulação da proposta orçamentária e instrumentos semelhantes com base em dados mais precisos; Dar maior transparência as informações a sociedade dos serviços prestados; Propiciar a redução de desvios, uso indevido bem como os desperdícios de recursos públicos; Qualificar os serviços oferecidos à população; Melhor avaliação de riscos; Saber o que custa e quanto custa;

51 Oferecer serviços sem aumento da carga tributária ou ainda com redução; Manter níveis de serviços com redução da carga tributária; Conhecimento e planejamento do conjunto de ativos; Conhecimento da estrutura do órgão e do processo de operacionalização da execução da despesa; Execução da despesa evoluir para gestão da despesa; Melhor alocação de recurso; Melhor conhecimento da estrutura no processo de contingenciamento de orçamento; Consequente melhoria nas funções de planejamento e orçamento; Reflexão sobre alternativas: (viajar-vídeo conferência, fazer a mesma atividade com mais recursos, continuidade de obra...) Retirar o mito quanto a gestão de custos;

52 Universidade planeja criar um Curso de Medicina

53 Exemplo: Construção de sede de um órgão público Foram gastos $ 10 milhões na construção da sede de determinado órgão público. A obra ainda não foi finalizada. Terminar a construção e transferir a sede Alternativas Vender o Prédio da forma como está Não fazer nada, arcando com os gastos de manutenção e segurança

54 É necessária a participação da alta gestão; O foco na Administração Direta favoreceu a estratégia do gradualismo; O DW é ferramenta que contempla a heterogeneidade dos diferentes poderes; É importante a evolução nas rotinas patrimoniais; O SIC contempla vários sistemas estruturantes em sua base, constituindo base única de dados; Mudança de gestão: burocrática para proativa; Dimensão cultural é um desafio a ser vencido; Refinamento metodológico é um processo contínuo; A constituição das setoriais propicia interação junto aos servidores e órgão central; Sistema a custo zero;

55 Marco na Administração Pública Mundial; A qualidade da informação que entra é qualidade da informação que sai; Gestor do sistema não é gestor da informação; Informação mais acessível ao cidadão (cartilha, guia interativo, portal); Desconforto na avaliação de gestores; Efeito multiplicador por órgãos que utilizam o SIC; Custo não é pagamento é consumo; A primeira imagem gerada pelo sistema não é bonita. Vai ficar quando você utilizar/gerenciar; Criação de normativos com política de boa gestão; É importante a participação de todos neste processo; Não existe mágica, existe trabalho;

56 Não se gerencia o que não se mede, não se mede o que não se define, não se define o que não se entende. (adaptado de W. Edwards Deming) Qualidade do gasto começa pela medição; entender, definir e medir custos no setor público é o caminho para a boa gestão. Gerência de Informação de Custos GEINC Coordenação de Informação de Custos da União COINC Subsecretaria de Contabilidade Pública SUCON Secretaria do Tesouro Nacional STN Institucional:

II SEMINÁRIO REGIONAL DE INFORMAÇÃO DE CUSTOS E QUALIDADE DO GASTO NO SETOR PÚBLICO REGIÃO NORTE 18 e 19 de junho de 2015

II SEMINÁRIO REGIONAL DE INFORMAÇÃO DE CUSTOS E QUALIDADE DO GASTO NO SETOR PÚBLICO REGIÃO NORTE 18 e 19 de junho de 2015 Subsecretaria de Contabilidade Pública - SUCON Coordenação de Informação de Custos da União - COINC SISTEMA DE CUSTOS DO GOVERNO FEDERAL ESTÁGIO ATUAL II SEMINÁRIO REGIONAL DE INFORMAÇÃO DE CUSTOS E QUALIDADE

Leia mais

Sistema de Informações de Custos do Governo Federal

Sistema de Informações de Custos do Governo Federal Sistema de Informações de Custos do Governo Federal ABOP Slide 1 INTRODUÇÃO APRESENTAÇÃO ASPECTOS NORMATIVOS CONTEXTUALIZAÇÃO HISTÓRICA CONTABILIDADE DE CUSTOS APLICADA AO SETOR PÚBLICO MODELO SISTÊMICO

Leia mais

SEMINÁRIO COM OS GESTORES DOS PROGRAMAS DE REESTRUTURAÇÃO E AJUSTE FISCAL DOS ESTADOS SISTEMA DE CUSTOS DO GOVERNO FEDERAL ESTÁGIO ATUAL

SEMINÁRIO COM OS GESTORES DOS PROGRAMAS DE REESTRUTURAÇÃO E AJUSTE FISCAL DOS ESTADOS SISTEMA DE CUSTOS DO GOVERNO FEDERAL ESTÁGIO ATUAL Subsecretaria de Contabilidade Pública - SUCON Coordenação de Informação de Custos da União - COINC SEMINÁRIO COM OS GESTORES DOS PROGRAMAS DE REESTRUTURAÇÃO E AJUSTE FISCAL DOS ESTADOS SISTEMA DE CUSTOS

Leia mais

Oficina 8:Apuração de Custos no Setor Público

Oficina 8:Apuração de Custos no Setor Público Sistema de Custos do Governo Federal Coordenação-Geral de Contabilidade e Custos da União STN/CCONT Oficina 8:Apuração de Custos no Setor Público Experiências Internacionais na Implementação de Sistemas

Leia mais

II ENCONTRO DE GESTÃO DE CUSTOS DO SETOR PÚBLICO. DETACUSTO: Ferramenta de Gestão

II ENCONTRO DE GESTÃO DE CUSTOS DO SETOR PÚBLICO. DETACUSTO: Ferramenta de Gestão Sistema de Custos do Governo Federal II ENCONTRO DE GESTÃO DE CUSTOS DO SETOR PÚBLICO DETACUSTO: Ferramenta de Gestão Subsecretaria de Contabilidade e Custos da União SUCON/STN Sistemas de Informação de

Leia mais

A EXPERIÊNCIA DO GOVERNO FEDERAL NA IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE CUSTOS ROSILENE SOUZA COORDENADORA DE CUSTOS E INFORMAÇÃO FISCAL

A EXPERIÊNCIA DO GOVERNO FEDERAL NA IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE CUSTOS ROSILENE SOUZA COORDENADORA DE CUSTOS E INFORMAÇÃO FISCAL Sistema de Custos do Governo Federal A EXPERIÊNCIA DO GOVERNO FEDERAL NA IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE CUSTOS ROSILENE SOUZA COORDENADORA DE CUSTOS E INFORMAÇÃO FISCAL Sistemas de Informação de Custos do Governo

Leia mais

XI Semana de d Adminis minis ação Orç Or amen amen ária , Financeira r e d e e d Contr Con a tr t a ações Públi Púb cas ABOP Slide 1

XI Semana de d Adminis minis ação Orç Or amen amen ária , Financeira r e d e e d Contr Con a tr t a ações Públi Púb cas ABOP Slide 1 Oficina 62 Sistema de Informações de Custos do Governo Federal ABOP Slide 1 Roteiro da Apresentação APRESENTAÇÃO APRESENTAÇÃO ASPECTOS NORMATIVOS CONTEXTUALIZAÇÃO HISTÓRICA CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR

Leia mais

Adequação do Sistema de Contabilidade Pública: novo plano de contas, competência e custos Subsecretaria de Contabilidade Pública STN/MF

Adequação do Sistema de Contabilidade Pública: novo plano de contas, competência e custos Subsecretaria de Contabilidade Pública STN/MF Adequação do Sistema de Contabilidade Pública: novo plano de contas, competência e custos Subsecretaria de Contabilidade Pública STN/MF MUDANÇAS NA ESTRUTURA CONCEITUAL Demonstrações Contábeis Plano de

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO DE CUSTOS NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

SISTEMA DE INFORMAÇÃO DE CUSTOS NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA GOVERNO FEDERAL MINISTÉRIO DA FAZENDA SISTEMA DE INFORMAÇÃO DE CUSTOS NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Apoio Histórico STN: Órgão Central do Sistema de Contabilidade Federal Decreto nº 3.589, de 06/ 09/ 2000 e

Leia mais

Custos no Serviço Público. Brasília DF 18 DE SETEMBRO DE 2014

Custos no Serviço Público. Brasília DF 18 DE SETEMBRO DE 2014 Custos no Serviço Público Brasília DF 18 DE SETEMBRO DE 2014 1 Objetivos do Gestor BUSCA CONSTANTE Eficiência no uso dos recursos públicos Eficácia no atingimento das metas (quantidade e qualidade) Efetividade

Leia mais

Sistema de Informação de Custos do Governo Federal. Coordenação-Geral de Contabilidade da União STN/CCONT

Sistema de Informação de Custos do Governo Federal. Coordenação-Geral de Contabilidade da União STN/CCONT Sistema de Informação de Custos do Governo Federal Coordenação-Geral de Contabilidade da União STN/CCONT Estratégia de Desenvolvimento GRADUALISMO Sistema de custos para o setor público Complexidade Abrangência

Leia mais

Custos na Administração Pública Municipal:

Custos na Administração Pública Municipal: Custos na Administração Pública Municipal: Victor Branco de Holanda Florianópolis/SC, 08 de Maio de 2013 Os fundamentos (pilares) sem os quais o sistema de custos não se sustenta: 1) Modelo Conceitual

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO DE CUSTOS DO SETOR PÚBLICO

SISTEMA DE INFORMAÇÃO DE CUSTOS DO SETOR PÚBLICO SISTEMA DE INFORMAÇÃO DE CUSTOS DO SETOR PÚBLICO Victor Branco de Holanda Belém/PA, 14 de Março de 2014 Elementos do nosso diálogo: Os processos de concepção, desenvolvimento e implantação A obrigatoriedade

Leia mais

PRÊMIO CHICO RIBEIRO SOBRE INFORMAÇÃO DE CUSTOS E QUALIDADE DO GASTO NO SETOR PÚBLICO

PRÊMIO CHICO RIBEIRO SOBRE INFORMAÇÃO DE CUSTOS E QUALIDADE DO GASTO NO SETOR PÚBLICO PRÊMIO CHICO RIBEIRO SOBRE INFORMAÇÃO DE CUSTOS E QUALIDADE DO GASTO NO SETOR PÚBLICO Tema 2 Experiências de Implantação de Custos (Casos práticos de aplicação) Categoria: Relatos de Experiência A Implantação

Leia mais

Sistema de Custos do Setor Público: a experiência brasileira

Sistema de Custos do Setor Público: a experiência brasileira XXIII SEMINÁRIO INTERNACIONAL DO CILEA Sistema de Custos do Setor Público: a experiência brasileira Nelson Machado Camboriu, julho 2011 Ambiente e Desafios Democratização e ampliação da participação social

Leia mais

Contabilidade Pública. Aula 1. Apresentação. Aula 1. Conceitos e definições. Bases legais. Contabilidade Pública.

Contabilidade Pública. Aula 1. Apresentação. Aula 1. Conceitos e definições. Bases legais. Contabilidade Pública. Contabilidade Pública Aula 1 Apresentação Prof. Adilson Lombardo Aula 1 Conceitos e definições Bases legais Contabilidade Pública Orçamento Público Normas Brasileiras de Contabilidade Técnicas 16 Normas

Leia mais

XI Semana de d Adminis minis ação Orç Or amen amen ária , Financeira r e d e e d Contr Con a tr t a ações Públi Púb cas SIAFI Básico ABOP Slide 1

XI Semana de d Adminis minis ação Orç Or amen amen ária , Financeira r e d e e d Contr Con a tr t a ações Públi Púb cas SIAFI Básico ABOP Slide 1 SIAFI Básico ABOP Slide 1 Oficina nº 65 - SIAFI BÁSICO Carga Horária: 4h Conteúdo: 1. Aspectos históricos do SIAFI. 1.1 Apresentação do Sistema. 1.2 Conceituações básicas do SIAFI. 1.3 Objetivos. 1.4 Abrangência.

Leia mais

SISTEMA DE CUSTOS Ajustes Contábeis. Coordenação-Geral de Contabilidade

SISTEMA DE CUSTOS Ajustes Contábeis. Coordenação-Geral de Contabilidade SISTEMA DE CUSTOS Ajustes Contábeis Coordenação-Geral de Contabilidade Cenário de Mudanças na Contabilidade Pública Portaria 184 do MF convergências normas internacionais de contabilidade aplicadas ao

Leia mais

DESCENTRALIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA REGIONAIS

DESCENTRALIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA REGIONAIS DESCENTRALIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA REGIONAIS DESCENTRALIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA REGIONAIS OBJETIVOS Dotar as Promotorias de Justiça

Leia mais

Custos no Setor Público: Ferramenta do Controle Social e da Transparência dos Gastos Públicos

Custos no Setor Público: Ferramenta do Controle Social e da Transparência dos Gastos Públicos Custos no Setor Público: Ferramenta do Controle Social e da Transparência dos Gastos Públicos 1 Teoria da legitimação... Se um tomador de decisão sabe que está sendo observado ao tomar a decisão, haverá

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 141, DE 03 DE SETEMBRO DE 2009.

LEI COMPLEMENTAR Nº 141, DE 03 DE SETEMBRO DE 2009. LEI COMPLEMENTAR Nº 141, DE 03 DE SETEMBRO DE 2009. O GOVERNADOR DO ESTADO DE PERNAMBUCO: Dispõe sobre o Modelo Integrado de Gestão do Poder Executivo do Estado de Pernambuco. Faço saber que a Assembléia

Leia mais

Contabilidade Pública. Aula 3. Apresentação. Definição de Receita Pública. Receita Pública. Classificação da Receita Pública

Contabilidade Pública. Aula 3. Apresentação. Definição de Receita Pública. Receita Pública. Classificação da Receita Pública Contabilidade Pública Aula 3 Apresentação Prof. Me. Adilson Lombardo Definição de Receita Pública Um conjunto de ingressos financeiros com fonte e fatos geradores próprios e permanentes, oriundos da ação

Leia mais

Ministério da Fazenda. Modelo de Mensuração dos Custos

Ministério da Fazenda. Modelo de Mensuração dos Custos Ministério da Fazenda Modelo de Mensuração dos Custos Novembro de 2014 Objetivo Desenvolver e implantar o modelo de mensuração dos custos do MF, de maneira a contribuir para a avaliação da eficiência das

Leia mais

Gestão de Finanças Públicas

Gestão de Finanças Públicas APRESENTAÇÃO Desde a primeira edição deste livro mencionamos como os avanços no arcabouço institucional e instrumental de gestão financeira foram relevantes para que o governo brasileiro, efetivamente,

Leia mais

Sistema de Gestão de Custos: Cumprindo a LRF. Selene Peres Peres Nunes

Sistema de Gestão de Custos: Cumprindo a LRF. Selene Peres Peres Nunes Sistema de Gestão de Custos: Cumprindo a LRF Selene Peres Peres Nunes 03/8/2015 Por que avaliação de custos no setor público? possível realocação orçamentária (uso no orçamento) onde podem ser realizados

Leia mais

Custos no Setor Público:

Custos no Setor Público: Custos no Setor Público: Ferramenta da melhoria da qualidade do gasto público e do controle social Belo Horizonte, 4 de Maio de 2012 1 Teoria da legitimação... Se um tomador de decisão sabe que está sendo

Leia mais

PROCESSO ORÇAMENTÁRIO CONCEITOS E PROCEDIMENTOS

PROCESSO ORÇAMENTÁRIO CONCEITOS E PROCEDIMENTOS PROCESSO ORÇAMENTÁRIO CONCEITOS E PROCEDIMENTOS Novembro/2009 Secretaria de Orçamento Federal Novembro/2009 Instituição Ministério do Planejamento, Secretaria de Orçamento Federal DEPT. PROGR. INFRAESTRUT.

Leia mais

SISTEMA DE CUSTOS DO GOVERNO FEDERAL

SISTEMA DE CUSTOS DO GOVERNO FEDERAL SISTEMA DE CUSTOS DO GOVERNO FEDERAL O QUE É? PARA QUE SERVE? E COMO ISSO AFETA MEU DIA A DIA? MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL SISTEMA DE CUSTOS DO GOVERNO FEDERAL O QUE É? PARA QUE

Leia mais

Subsecretaria de Contabilidade Pública. Coordenação-Geral de Contabilidade e Custos da União. Tesouro Gerencial

Subsecretaria de Contabilidade Pública. Coordenação-Geral de Contabilidade e Custos da União. Tesouro Gerencial Subsecretaria de Contabilidade Pública Coordenação-Geral de Contabilidade e Custos da União Tesouro Gerencial Brasília Novembro/2014 Objetivos do Curso O aluno deve ser capaz de: 1) Identificar as diferenças/semelhanças

Leia mais

Caros colegas! Desejo-lhes muita paz, tranqüilidade e que tenham excelente rendimento em seus estudos.

Caros colegas! Desejo-lhes muita paz, tranqüilidade e que tenham excelente rendimento em seus estudos. SIAFI TERCEIRA PARTE Caros colegas! Desejo-lhes muita paz, tranqüilidade e que tenham excelente rendimento em seus estudos. Crescem as expectativas de que o edital do concurso para o TCU sairá em breve.

Leia mais

Descentralização de amentários e de Recursos Financeiros

Descentralização de amentários e de Recursos Financeiros Descentralização de Créditos Orçament amentários e de Recursos Financeiros Conceito: Despesa Orçament amentária Despesa Orçamentária Pública aquela executada por entidade pública e que depende de autorização

Leia mais

VI Semana de Administração Orçamentária, Financeira e de Contratações Públicas do Governo Federal - 2008. Oficina 50

VI Semana de Administração Orçamentária, Financeira e de Contratações Públicas do Governo Federal - 2008. Oficina 50 VI Semana de Administração Orçamentária, Financeira e de Contratações Públicas do Governo Federal - 2008 SIAFI Básico Oficina 50 Painéis/Oficinas Oficina nº 50 - Siafi Básico Carga Horária: 4h Conteúdo:

Leia mais

Objetivos e principais documentos do Sistema Integrado de Administração Financeira do Governo Federal SIAFI

Objetivos e principais documentos do Sistema Integrado de Administração Financeira do Governo Federal SIAFI Objetivos e principais documentos do Sistema Integrado de Administração Financeira do Governo Federal SIAFI Amigos e amigas visitantes do Ponto dos Concursos! Desejo muita paz e tranqüilidade a todos os

Leia mais

GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA

GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA Brasília 14 de agosto de 2014 EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA E EXECUÇÃO FINANCEIRA Ocorrem concomitantemente; e Estão intrinsecamente relacionadas uma à outra. A despesa não poderá

Leia mais

Experiência na Gestão de Custos ADVOCACIA-GERAL DA UNIÃO

Experiência na Gestão de Custos ADVOCACIA-GERAL DA UNIÃO Experiência na Gestão de Custos ADVOCACIA-GERAL DA UNIÃO Passo a Passo da AGU Portaria do Ministro Meta da casa Apoio da Direção Institucionalizar Conhecer a Casa Estrutura Organizacional Estrutura de

Leia mais

A NOVA CONTABILIDADE DOS MUNICÍPIOS

A NOVA CONTABILIDADE DOS MUNICÍPIOS Apresentação O ano de 2009 encerrou pautado de novas mudanças nos conceitos e nas práticas a serem adotadas progressivamente na contabilidade dos entes públicos de todas as esferas do Governo brasileiro.

Leia mais

10h40 às 12h - PALESTRA II TEMA: PLANO DE CONTAS APLICADO AO SETOR PÚBLICO Palestrante: Fernando Freitas Melo

10h40 às 12h - PALESTRA II TEMA: PLANO DE CONTAS APLICADO AO SETOR PÚBLICO Palestrante: Fernando Freitas Melo 10h40 às 12h - PALESTRA II TEMA: PLANO DE CONTAS APLICADO AO SETOR PÚBLICO Palestrante: Fernando Freitas Melo Plano de Contas Aplicado ao Setor Público CH: 1:20 h Conteúdo: 1. Aspectos gerais do Plano

Leia mais

Serviço Público Municipal Prefeitura Municipal de Ubatã Estado da Bahia CNPJ: 14.235.253/0001-59 PORTARIA Nº 301 DE 09 DE DEZEMBRO DE 2015.

Serviço Público Municipal Prefeitura Municipal de Ubatã Estado da Bahia CNPJ: 14.235.253/0001-59 PORTARIA Nº 301 DE 09 DE DEZEMBRO DE 2015. PORTARIA Nº 301 DE 09 DE DEZEMBRO DE 2015. Estabelece os procedimentos e as normas a serem adotados pelos órgãos e entidades da administração pública estadual direta e indireta, para o encerramento anual

Leia mais

4. Padrão Mínimo de Qualidade dos Sistemas Integrados de Administração Financeira e Controle

4. Padrão Mínimo de Qualidade dos Sistemas Integrados de Administração Financeira e Controle 4. Padrão Mínimo de Qualidade dos Sistemas Integrados de Administração Financeira e Controle Luís Eduardo Vieira Superintendência de Gestão Técnica SGT Financeira e Controle. Introdução A transparência

Leia mais

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DE ALAGOAS VII ENCONTRO DE CONTABILIDADE DO AGRESTE ALAGOANO NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO Fernando Carlos Almeida MAIO - 2014 Contabilidade

Leia mais

CURSO ON-LINE PROFESSOR: DJALMA PEÇANHA

CURSO ON-LINE PROFESSOR: DJALMA PEÇANHA "Quando sopram os ventos da mudança, alguns constroem abrigos e se colocam a salvo; outros constroem moinhos e ficam ricos". (Claus Möller) Boa tarde, pessoal! Enfim, chegamos a este último ponto sobre

Leia mais

Art. 1º Aprovar Norma de Execução, na forma do Anexo a esta Portaria. ANEXO UNIDADE RESPONSÁVEL 31/12/2013 PROCESSO

Art. 1º Aprovar Norma de Execução, na forma do Anexo a esta Portaria. ANEXO UNIDADE RESPONSÁVEL 31/12/2013 PROCESSO PORTARIA Nº 2, DE 22 DE NOVEMBRO DE 2013 O AUDITOR-CHEFE DA AUDITORIA INTERNA DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO, no uso de suas atribuições, e tendo em vista a competência que lhe foi atribuída pelo inciso

Leia mais

ATENÇÃO: A cópia impressa a partir da intranet é cópia não controlada.

ATENÇÃO: A cópia impressa a partir da intranet é cópia não controlada. Proposto por: Equipe da Divisão de Apropriação e Análise Contábil (DECON/DIANA) Analisado por: Diretor do Departamento Contábil (DECON) Aprovado por: Diretor da Diretoria Geral de Planejamento, Coordenação

Leia mais

IV Semana de AOFCP Suprimento de Fundos - Legislação. Suprimento de Fundos. Legislação ABOP BIRD

IV Semana de AOFCP Suprimento de Fundos - Legislação. Suprimento de Fundos. Legislação ABOP BIRD Suprimento de Fundos Legislação Painéis/Oficinas is/oficinas Área Planejamento Cod 10 20 PPA LDO Sigla Oficina CH 21 Previsão da Receita Orçamento 22 23 Orçamento - Elaboração Orçamento Alterações Orçamentárias

Leia mais

O CONTROLE INTERNO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO PARA OS MUNICÍPIOS

O CONTROLE INTERNO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO PARA OS MUNICÍPIOS O CONTROLE INTERNO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO PARA OS MUNICÍPIOS Luís Filipe Vellozo de Sá e Eduardo Rios Auditores de Controle Externo TCEES Vitória, 21 de fevereiro de 2013 1 Planejamento Estratégico

Leia mais

Sistema de Custos do Governo Federal

Sistema de Custos do Governo Federal CARTILHA Sistema de Custos do Governo Federal O QUE É? PARA QUE SERVE? E COMO ISSO AFETA MEU DIA A DIA? MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL CARTILHA Sistema de Custos do Governo Federal

Leia mais

MANUAL DE CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO

MANUAL DE CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL MANUAL DE CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO PARTE GERAL Aplicado à União, Estados, Distrito Federal e Municípios Válido para o exercício de 2013

Leia mais

4.3 FUNDO CONSTITUCIONAL DO DISTRITO FEDERAL

4.3 FUNDO CONSTITUCIONAL DO DISTRITO FEDERAL 4.3 FUNDO CONSTITUCIONAL DO DISTRITO FEDERAL O Distrito Federal, em face de suas peculiaridades, depende, desde sua criação, de repasses da União para manutenção das áreas de segurança, educação e saúde

Leia mais

CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO : A BASE DO CONTROLE. Prof. LD. Lino Martins da Silva lino.martins@gmail.com

CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO : A BASE DO CONTROLE. Prof. LD. Lino Martins da Silva lino.martins@gmail.com CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO : A BASE DO CONTROLE Prof. LD. Lino Martins da Silva lino.martins@gmail.com UMA REFLEXÃO INICIAL O estudo da Ciência do Direito mostrará àqueles que acreditam na

Leia mais

ÍNDICE Volume 1 CONHECIMENTOS GERAIS

ÍNDICE Volume 1 CONHECIMENTOS GERAIS Tribunal de Contas dos Municípios do Estado de Goiás TCE/GO Auditor de Controle Externo Área Controle Externo ÍNDICE Volume 1 CONHECIMENTOS GERAIS Língua Portuguesa Ortografia oficial... 01 Acentuação

Leia mais

DECRETO Nº 14.407 DE 09 DE ABRIL DE 2013. Aprova o Regulamento do Sistema Financeiro e de Contabilidade do Estado, e dá outras providências.

DECRETO Nº 14.407 DE 09 DE ABRIL DE 2013. Aprova o Regulamento do Sistema Financeiro e de Contabilidade do Estado, e dá outras providências. DECRETO Nº 14.407 DE 09 DE ABRIL DE 2013 Aprova o Regulamento do Sistema Financeiro e de Contabilidade do Estado, e dá outras providências. (Publicado no DOE de 10 de abril de 2013) O GOVERNADOR DO ESTADO

Leia mais

Classificação por Categoria Econômica

Classificação por Categoria Econômica Classificação por Categoria Econômica 1. Classificação A classificação por categoria econômica é importante para o conhecimento do impacto das ações de governo na conjuntura econômica do país. Ela possibilita

Leia mais

VISÃO PROGRAMÁTICA DO ORÇAMENTO

VISÃO PROGRAMÁTICA DO ORÇAMENTO PAINEL II VISÃO PROGRAMÁTICA DO ORÇAMENTO Inovações da União para 2013 Bruno César Grossi de Souza Secretário-Adjunto Assuntos Orçamentários SECAD Secretaria de Orçamento Federal SOF/MP Objetivo desta

Leia mais

MANUAL DE NAVEGAÇÃO DO PORTAL DA TRANSPARÊNCIA DO PODER EXECUTIVO DE SANTA CATARINA

MANUAL DE NAVEGAÇÃO DO PORTAL DA TRANSPARÊNCIA DO PODER EXECUTIVO DE SANTA CATARINA MANUAL DE NAVEGAÇÃO DO PORTAL DA TRANSPARÊNCIA DO PODER EXECUTIVO DE SANTA CATARINA Versão 1.3 - março de 2013 Permitida a reprodução desde que citada a fonte 1 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 5 1. SOBRE O PORTAL...

Leia mais

CONTROLADORIA NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA PROF. MARCUS VINICIUS VERAS MACHADO (UFC) 13/11/2012.

CONTROLADORIA NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA PROF. MARCUS VINICIUS VERAS MACHADO (UFC) 13/11/2012. CONTROLADORIA NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA PROF. MARCUS VINICIUS VERAS MACHADO (UFC) 13/11/2012. Controle Conceito É a ação necessária para verificar se os objetivos, planos, políticas e padrões estão sendo

Leia mais

A GESTÃO PÚBLICA NO BRASIL E SEUS CONTROLES INTERNO E EXTERNO RESUMO

A GESTÃO PÚBLICA NO BRASIL E SEUS CONTROLES INTERNO E EXTERNO RESUMO A GESTÃO PÚBLICA NO BRASIL E SEUS CONTROLES INTERNO E EXTERNO RESUMO O presente estudo é resultado de uma revisão bibliográfica e tem por objetivo apresentar a contextualização teórica e legislativa sobre

Leia mais

GESTÃO, seus reflexos NA NOVA CONTABILIDADE PÚBLICA E OS RECENTES CONTROLES DO TCEES

GESTÃO, seus reflexos NA NOVA CONTABILIDADE PÚBLICA E OS RECENTES CONTROLES DO TCEES GESTÃO, seus reflexos NA NOVA CONTABILIDADE PÚBLICA E OS RECENTES CONTROLES DO TCEES Projeto do CFC 2013: Ano da Contabilidade no Brasil A importância da Contabilidade para o desenvolvimento socioeconômico

Leia mais

A necessidade de aperfeiçoamento do Sistema de Controle Interno nos Municípios como base para implantação do Sistema de Informação de Custos

A necessidade de aperfeiçoamento do Sistema de Controle Interno nos Municípios como base para implantação do Sistema de Informação de Custos A necessidade de aperfeiçoamento do Sistema de Controle Interno nos Municípios como base para implantação do Sistema de Informação de Custos Torres RS 9 de julho de 2015. Mário Kemphel da Rosa Mário Kemphel

Leia mais

Portal dos Convênios SICONV

Portal dos Convênios SICONV Portal dos Convênios SICONV O Novo Paradigma das Transferências Voluntárias da União José Antonio de Aguiar Neto Seminário : Captaçã ção o de Recursos Voluntários, uma Parceria Estratégica Quanto à limitaçã

Leia mais

MARCELO OLÍMPIO CARNEIRO TAVARES

MARCELO OLÍMPIO CARNEIRO TAVARES D E C L A R A Ç Ã O O Secretário da Fazenda, no uso das suas atribuições e consoante o disposto no artigo 42, 1º, incisos I e IV, da Constituição do Estado do Tocantins, DECLARA para fins de cumprimento

Leia mais

I - DA CONTA ÚNICA DO TESOURO NACIONAL

I - DA CONTA ÚNICA DO TESOURO NACIONAL INSTRUÇÃO NORMATIVA n o 04, de 30 de agosto de 2004. Dispõe sobre a consolidação das instruções para movimentação e aplicação dos recursos financeiros da Conta Única do Tesouro Nacional, a abertura e manutenção

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VIANA

PREFEITURA MUNICIPAL DE VIANA INSTRUÇÃO NORMATIVA SFI: 01/2014 Versão nº: 01 Data da Aprovação: 31/03/2014 Ato de Aprovação: Decreto Municipal nº 074/2014. Unidade Responsável: Departamento Financeiro da Secretaria Municipal de Finanças

Leia mais

Governança de TI no Governo. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação Paulo Roberto Pinto

Governança de TI no Governo. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação Paulo Roberto Pinto Governança de TI no Governo Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação Paulo Roberto Pinto Agenda Agenda Contexto SISP IN SLTI 04/2008 EGTI Planejamento

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO MATEUS ESTADO DO ESPÍRITO SANTO GABINETE DO PREFEITO

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO MATEUS ESTADO DO ESPÍRITO SANTO GABINETE DO PREFEITO 1 LEI COMPLEMENTAR Nº. 049/2011 CRIA A COORDENADORIA MUNICIPAL DA CONTADORIA GERAL, INSERE O ARTIGO 164-A, ALTERA O E III, SUPRIME OS INCISOS VI, VIII, XI, XVI, XVII, XX, XXII, XXIII, XXV, XXVII DO ART.

Leia mais

www.repec.org.br Revista de Educação e Pesquisa em Contabilidade

www.repec.org.br Revista de Educação e Pesquisa em Contabilidade v. 5, n. 2, resenha, p. 120-126 ISSN 1981-8610 mai/ago. 2011 Revista de Educação e Pesquisa em Contabilidade www.repec.org.br Sistema de Informação de Custos do Governo Federal (SIC): Uma nova abordagem

Leia mais

Sistema de Gestão Integrada Plano Operativo Anual - POA

Sistema de Gestão Integrada Plano Operativo Anual - POA Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria Executiva Coordenação Geral de Planejamento e Gestão Coordenação Geral de Orçamento e Finanças Coordenação Geral de Tecnologia da Informação

Leia mais

CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO: A ADOÇÃO DE UM NOVO MODELO NO BRASIL.

CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO: A ADOÇÃO DE UM NOVO MODELO NO BRASIL. CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO: A ADOÇÃO DE UM NOVO MODELO NO BRASIL. Autores: Marcus Vinicius Passos de Oliveira Elisangela Fernandes dos Santos Esaú Fagundes Simões Resumo Esta pesquisa tem

Leia mais

SEÇÃO DE CUSTOS APRESENTAR AS PECULIARIDADES DO SISTEMA GERENCIAL DE CUSTOS DO EXÉRCITO BRASILEIRO (SISCUSTOS).

SEÇÃO DE CUSTOS APRESENTAR AS PECULIARIDADES DO SISTEMA GERENCIAL DE CUSTOS DO EXÉRCITO BRASILEIRO (SISCUSTOS). CEBW BRASÍLIA SEÇÃO DE CUSTOS APRESENTAR AS PECULIARIDADES DO SISTEMA GERENCIAL DE CUSTOS DO EXÉRCITO BRASILEIRO (SISCUSTOS). DIRETORIA DE CONTABILIDADE SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 2. ESTRUTURA DO EXÉRCITO BRASILEIRO

Leia mais

Assunto: Contabilização de Obrigações Tributárias Renegociadas

Assunto: Contabilização de Obrigações Tributárias Renegociadas NOTA TÉCNICA n. 007/2009/GECON Vitória, 03 de julho de 2009. Alterados os itens 1 e 6 em 19 de agosto de 2009. Assunto: Contabilização de Obrigações Tributárias Renegociadas Prezados (as) Senhores (as),

Leia mais

Secretaria do Planejamento

Secretaria do Planejamento Salvador, Bahia Sexta-Feira 10 de outubro de 2014 Ano XCIX N o 21.543 Secretaria do Planejamento INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 02 DE 08 DE OUTUBRO DE 2014 Orienta os órgãos e entidades da Administração Pública

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA EXECUTIVA SUBSECRETARIA DE PLANEJAMENTO E ORÇAMENTO SPO/SE/MEC. Orientações Suplementares Versão 01

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA EXECUTIVA SUBSECRETARIA DE PLANEJAMENTO E ORÇAMENTO SPO/SE/MEC. Orientações Suplementares Versão 01 SECRETARIA EXECUTIVA /SE/MEC Orientações Suplementares Versão 01 Elaboração do Relatório de Gestão 2015 PRESIDENTA DA REPÚBLICA Dilma Vana Rousseff MINISTRO DA EDUCAÇÃO Aloizio Mercadante SECRETÁRIO EXECUTIVO

Leia mais

ELABORAR PROJETO DO PLANO PLURIANUAL 1 OBJETIVO

ELABORAR PROJETO DO PLANO PLURIANUAL 1 OBJETIVO Proposto por: Diretor da Divisão de Gestão Orçamentária (DIGOR) Analisado por: Diretor do Departamento de Planejamento e Orçamento (DEPLO) Aprovado por: Diretor da Diretoria-Geral de Planejamento, Coordenação

Leia mais

BOLETIM ADMINISTRATIVO Nº 020 DE 12 a 16/05/14

BOLETIM ADMINISTRATIVO Nº 020 DE 12 a 16/05/14 Leia-se:...Art. 1º DELEGAR COMPETÊNCIA e as responsabilidades decorrentes ao Superintendente Regional do DNIT nos estados de Goiás e Distrito Federal para Lavrar o Termo Aditivo de Prorrogação de prazo,

Leia mais

MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES SECRETARIA EXECUTIVA PRESTAÇÃO DE CONTAS ORDINÁRIA ANUAL RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2013

MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES SECRETARIA EXECUTIVA PRESTAÇÃO DE CONTAS ORDINÁRIA ANUAL RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2013 MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES SECRETARIA EXECUTIVA PRESTAÇÃO DE CONTAS ORDINÁRIA ANUAL RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2013 Brasília - DF / 2014 MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES SECRETARIA EXECUTIVA PRESTAÇÃO

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO INDIRETA

ADMINISTRAÇÃO INDIRETA GLOSSÁRIO A AÇÃO GOVERNAMENTAL: Conjunto de operações, cujos produtos contribuem para os objetivos do programa governamental. A ação pode ser um projeto, atividade ou operação especial. ADMINISTRAÇÃO DIRETA:

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA SECRETARIA DE CONTROLE INTERNO GERÊNCIA DE AUDITORIA TOMADA DE CONTAS ANUAL SIMPLIFICADA RELATÓRIO DE AUDITORIA Nº 18/2007/GEAUD/CISET/MD TIPO DE AUDITORIA : AVALIAÇÃO DE GESTÃO EXERCÍCIO

Leia mais

CONTABILIDADE GOVERNAMENTAL

CONTABILIDADE GOVERNAMENTAL SISTEMA DE INFORMAÇÃO DE CUSTO: DIRETRIZES PARA INTEGRAÇÃO AO ORÇAMENTO PÚBLICO P E À CONTABILIDADE GOVERNAMENTAL Nelson Machado Sec Executivo do MF Brasília, Outubro de 2008 DIVERSIDADE DE PONTOS DE VISTA

Leia mais

Seminário: O controle interno governamental no Brasil Velhos Desafios, Novas Perspectivas

Seminário: O controle interno governamental no Brasil Velhos Desafios, Novas Perspectivas Seminário: O controle interno governamental no Brasil Velhos Desafios, Novas Perspectivas Palestra: O controle Interno no Brasil - situação atual e perspectivas futuras. Valdir Agapito Teixeira Secretário

Leia mais

ORIENTADOR DO ACOMPANHAMENTO ORÇAMENTÁRIO

ORIENTADOR DO ACOMPANHAMENTO ORÇAMENTÁRIO ORIENTADOR DO ACOMPANHAMENTO ORÇAMENTÁRIO Brasília, fevereiro 2013 MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO MINISTRA DE ESTADO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO Miriam Belchior SECRETÁRIA-EXECUTIVA

Leia mais

13. DEMONSTRATIVO DE CAPACIDADE E SUSTENTABILIDADE FINANCEIRAS 13.1 Demonstração da sustentabilidade financeira 13.2 Estratégia de gestão

13. DEMONSTRATIVO DE CAPACIDADE E SUSTENTABILIDADE FINANCEIRAS 13.1 Demonstração da sustentabilidade financeira 13.2 Estratégia de gestão 13. DEMONSTRATIVO DE CAPACIDADE E SUSTENTABILIDADE FINANCEIRAS 13.1 Demonstração da sustentabilidade financeira 13.2 Estratégia de gestão econômico-financeira 13.3 Planos de investimentos 13.4 Previsão

Leia mais

FLUXOGRAMA DO TRÂMITE INTERNO DE CONTRATAÇÃO DE OPERAÇÃO DE CRÉDITO

FLUXOGRAMA DO TRÂMITE INTERNO DE CONTRATAÇÃO DE OPERAÇÃO DE CRÉDITO FLUXOGRAMA DO TRÂMITE INTERNO DE CONTRATAÇÃO DE OPERAÇÃO DE CRÉDITO Verificada a necessidade de cumprimento de meta de governo para a qual não haja recurso disponível, pode a Secretaria interessada analisar

Leia mais

NORMA DE EXECUÇÃO/SA/INCRA/Nº 42, DE 25 DE JANEIRO DE 2005

NORMA DE EXECUÇÃO/SA/INCRA/Nº 42, DE 25 DE JANEIRO DE 2005 NORMA DE EXECUÇÃO/SA/INCRA/Nº 42, DE 25 DE JANEIRO DE 2005 Dispõe sobre os prazos e procedimentos para apresentação do processo de Contas Anual das Superintendências Regionais e suas unidades jurisdicionadas.

Leia mais

Assunto: Sistema de Informação de Custos Aplicado ao Setor Público SICSP, adoção no Poder Executivo do Estado de Santa Catarina.

Assunto: Sistema de Informação de Custos Aplicado ao Setor Público SICSP, adoção no Poder Executivo do Estado de Santa Catarina. INFORMAÇÃO GENOC/DCOG Nº 17/2012 Florianópolis, 19 de março de 2012. Assunto: Sistema de Informação de Custos Aplicado ao Setor Público SICSP, adoção no Poder Executivo do Estado de Santa Catarina. Sra.

Leia mais

Assistência Técnica ao Crescimento Eqüitativo e Sustentável. Aperfeiçoamento e Modernização Institucional do Tesouro Nacional - PROMAT.

Assistência Técnica ao Crescimento Eqüitativo e Sustentável. Aperfeiçoamento e Modernização Institucional do Tesouro Nacional - PROMAT. Programa 0773 Gestão da Política de Administração Financeira e Contábil da União Ações Orçamentárias Número de Ações 16 1O600000 Assistência Técnica ao Crescimento Eqüitativo e Sustentável Produto: Projeto

Leia mais

Manual Cartão de Pagamento do Governo Federal. Banco do Setor público

Manual Cartão de Pagamento do Governo Federal. Banco do Setor público Manual Cartão de Pagamento do Governo Federal Banco do Setor público Sumário Introdução 04 Cartão de Pagamento do Governo Federal CPGF 04 Passo a Passo 10 Perguntas e Respostas 12 Legislação I Ementa 17

Leia mais

ROTEIRO CONTÁBIL PARA REGISTRO DA DESPESA DAS CONTRIBUIÇÕES PREVIDENCIÁRIAS AO ALAGOAS PREVI

ROTEIRO CONTÁBIL PARA REGISTRO DA DESPESA DAS CONTRIBUIÇÕES PREVIDENCIÁRIAS AO ALAGOAS PREVI Secretaria de Estado da Fazenda Superintendência do Tesouro Estadual Diretoria Especial de Contabilidade ROTEIRO CONTÁBIL PARA REGISTRO DA DESPESA DAS CONTRIBUIÇÕES PREVIDENCIÁRIAS AO ALAGOAS PREVI Em

Leia mais

Painel 4 Administração Financeira Execução Orçamentária e Financeira

Painel 4 Administração Financeira Execução Orçamentária e Financeira Administração Financeira Execução Orçamentária e Financeira Glauben Teixeira de Carvalho Brasília, 5 de maio de 2009 Etapas do Processo de Operação de Crédito Externo Negociação e Contratação Controle

Leia mais

Decreto Nº 9.826, de 26 outubro de 2012. A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE NATAL, no uso de suas atribuições constitucionais e legais,

Decreto Nº 9.826, de 26 outubro de 2012. A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE NATAL, no uso de suas atribuições constitucionais e legais, Decreto Nº 9.826, de 26 outubro de 2012 Dispõe sobre procedimentos e prazos relativos ao encerramento do exercício de 2012 e dá outras providências. A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE NATAL, no uso de suas atribuições

Leia mais

PCASP e os Consórcios Públicos

PCASP e os Consórcios Públicos Subsecretaria de Contabilidade Pública SUCON Coordenação-Geral de Normas de Contabilidade Aplicadas à Federação CCONF V FÓRUM MINEIRO DE CONTABILIDADE PÚBLICA MUNICIPAL Junho/2015 Conteúdo PCASP: introdução,

Leia mais

Prof. Alexandre Teshima. Prof. Alexandre Teshima. Prof. Alexandre Teshima. Prof. Alexandre Teshima

Prof. Alexandre Teshima. Prof. Alexandre Teshima. Prof. Alexandre Teshima. Prof. Alexandre Teshima CONCEITO: O SIAFI (Sistema Integrado de Administração Financeira do Governo Federal) é um sistema informatizado que processa e controla, por meio de terminais instalados em todo o território nacional,

Leia mais

Seminário de Conscientização 19/11/2013

Seminário de Conscientização 19/11/2013 Seminário de Conscientização 19/11/2013 CONVERGÊNCIA ÀS NORMAS INTERNACIONAIS A Torre de Babel da Contabilidade Somos protagonistas de uma revolução O processo de convergência às normas internacionais

Leia mais

Execução Orçamentária e Financeira

Execução Orçamentária e Financeira Execução Orçamentária e Financeira Introdutório aos cursos dos Sistemas de Contabilidade e Gastos Públicos Setembro / 2008 Administração Pública Classifica-se, conforme a CF/88 em: Administração Direta

Leia mais

Plano de Contas Aplicado ao Setor Público

Plano de Contas Aplicado ao Setor Público Plano de Contas Aplicado ao Setor Público Fonte: Apresentação da Coordenação Geral de Contabilidade STN/CCONT do Tesouro Nacional Última Atualização: 14/09/2009 1 Manual de Contabilidade Aplicada ao Setor

Leia mais

NOVO MODELO DE CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO. A experiência do Estado do Rio de Janeiro na implementação do PCASP.

NOVO MODELO DE CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO. A experiência do Estado do Rio de Janeiro na implementação do PCASP. NOVO MODELO DE CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO A experiência do Estado do Rio de Janeiro na implementação do PCASP. A CONTADORIA GERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Entendendo a estrutura administrativa

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Conselho Universitário

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Conselho Universitário Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Conselho Universitário PR UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ INTERESSADO: Universidade Tecnológica Federal do Paraná - UTFPR ASSUNTO:

Leia mais

Demonstrativo de Benefícios Financeiros e Creditícios. Ano 2014

Demonstrativo de Benefícios Financeiros e Creditícios. Ano 2014 Demonstrativo de Benefícios Financeiros e Creditícios Ano 2014 MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Política Econômica Demonstrativo de Benefícios Financeiros e Creditícios - 2014 Abril de 2015 MINISTRO

Leia mais

CONTABILIDADE PÚBLICA JOSE CARLOS GARCIA DE MELLO

CONTABILIDADE PÚBLICA JOSE CARLOS GARCIA DE MELLO CONTABILIDADE PÚBLICA JOSE CARLOS GARCIA DE MELLO Existe conceito de Contabilidade como um todo. Contabilidade é a ciência que estuda e pratica as funções de orientação e controle relativas aos atos e

Leia mais

Gestão dos Recursos da Saúde: Fundo de Saúde

Gestão dos Recursos da Saúde: Fundo de Saúde Gestão dos Recursos da Saúde: Fundo de Saúde Antonio Carlos Rosa de Oliveira Junior 1 Arionaldo Bomfim Rosendo 2 Erasmo Ferreira da Silva 3 José Carlos da Silva 4 Sandra Yoko Sato 5 Este texto tem o propósito

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO Plano Orçamentário Conceito, Implantação e Tendências Haroldo Cesar Sant Ana Areal SOF/MP Brasília, 10/out/2013 Objetivo desta palestra Relembrar o conceito, a finalidade, o funcionamento e a implantação

Leia mais

Financiamento no Âmbito do Programa de Incentivo à Implementação de Projetos de Interesse Social - PIPS (Lei nº 10.735, de 2003)

Financiamento no Âmbito do Programa de Incentivo à Implementação de Projetos de Interesse Social - PIPS (Lei nº 10.735, de 2003) Programa 0902 Operações Especiais: Financiamentos com Retorno Justificativa Operações Especiais: Financiamentos com Retorno Público Alvo Operações Especiais: Financiamentos com Retorno Ações Orçamentárias

Leia mais