Relatório do GPES. Conhecendo o Framework Struts

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Relatório do GPES. Conhecendo o Framework Struts"

Transcrição

1 Relatório do GPES Relatório referente à criação da camada de regra de negócio com a utilização do Framework Struts para o desenvolvimento de um exemplo de Cadastro de Clientes. Conhecendo o Framework Struts Struts é um framework de aplicação, ou seja, uma aplicação que pode ser reutilizada, sendo semicompleta e podendo ser especializada para produzir aplicações personalizadas [1]. É um framework mantido pela Apache Software Foundation (ASF) [2] como parte do projeto Jakarta. A sua arquitetura foi desenvolvida baseada no Modelo 2 [3] que é uma variação do MVC (Model-View-Controller) ou Modelo-Visão-Controlador [4]. Foi originalmente criado para construir aplicações Smalltalk [5]. A principal diferença entre o MVC e o Modelo 2 é o fato da camada de apresentação comunicar-se diretamente com o modelo, ligação essa representada pelo padrão de notificação Observer [6]. Além do Struts o projeto Jakarta conta com outros projetos de fonte aberta como o Tomcat, Ant e o Velocity. A base do seu código fonte foi desenvolvida entre maio de 2000 e junho de O seu primeiro arquiteto e desenvolvedor foi Craig R. McClanahan, onde além do Struts ele também fez parte do desenvolvimento do Tomcat 4, atualmente esta trabalhando com o Java Server Faces (JSF) entre outros projetos [1]. O Struts está disponível para o público sob a licença Apache Software License [7], onde não existe nenhum custo para a sua utilização, podendo ser utilizado como base para um projeto comercializável sem nenhum custo pela sua utilização. O seu nome se deve ao fato do Struts ser utilizada por engenheiros de software como base para aplicações comerciais, assim como a base e a estrutura, que matem uma ponte ou um prédio [1]. O seu funcionamento é baseado em tecnologias já conhecidas como o Java Servlets [8], JavaBeans [9], JavaServer Pages (JSP) [10], Hypertext Transfer Protocol (HTML) [11] e Common Gateway Interface (CGI) [12] e o Extensible Markup Language (XML) [13]. A seguir será demonstrado o funcionamento básico do Framework Struts (Figura 1). 1

2 Figura 1: Funcionamento do Framework Struts [14] Abaixo será explicando cada ação que ocorre no funcionamento básico do Struts [14]: 1. O usuário faz uma solicitação através de uma url no browser. Ex: Note que no final da url tem um.do que será usado para invocar (na verdade mapear) o servlet controller do struts. 2. Se for a primeira solicitação que o container recebeu para esta aplicação, ele irá invocar o método init() da ActionServlet (controller do Struts) e irá carregar as configurações do arquivo struts-config.xml em estruturas de dados na memória. Vale lembrar que esta passagem só será executada uma única vez, pois nas solicitações subseqüentes, a servlet consulta estas estruturas na memória para decidir o fluxo a ser seguido. 3. Baseado no fluxo definido no arquivo struts-config.xml, e que neste momento já se encontra carregado em estruturas na memória, o ActionSerlet identificará qual o ActionForm (classe para a validação dos dados) irá invocar. A classe ActionForm através do método validate irá verificar a integridade dos dados que foram recebidos na solicitação que vem do browser. 4. O controle da aplicação é retomado pelo ActionServlet, que verifica o resultado do ActionForm. Se faltar alguma coisa (campo não preenchido, valor inválido, etc), o usuário recebe um formulário html (geralmente o mesmo que fez a solicitação), informando o motivo do não atendimento da solicitação, para que o usuário possa preencher corretamente os dados para fazer uma nova solicitação. Se não faltou nenhuma informação, ou seja, todos os dados foram enviados corretamente, o controle (controller) passa para o próximo passo (Action). 2

3 5. O ActionServlet, baseado no fluxo da aplicação (estruturas já carregadas em memória) invoca uma classe Action. A classe Action passará pelo método execute que irá delegar a requisição para a camada de negócio. 6. A camada de negócio irá executar algum processo (geralmente popular a um bean, ou uma coleção). O resultado da execução deste processo (objetos já populados) será usado na camada de apresentação para exibir os dados. 7. Quando o controle do fluxo da aplicação voltar ao Action que invocou o processo da camada de negócio, será analisado o resultado, e definido qual o mapa adotado para o fluxo da aplicação. Neste ponto, os objetos que foram populados na camada de negócio serão "atachados" como atributos na seção do usuário. 8. Baseado no mapeamento feito pelo o Action, o Controller faz um forward para o JSP para apresentar os dados. 9. Na camada de apresentação (View), os objetos que foram setados como atributos da sessão do usuário serão consultados para montar o html para o browser. 10. Chega o html da resposta requisitada pelo usuário. Componentes do Framework Struts Classes Básicas: ActionServlet: É a parte do Controller que recebe a requisição do usuário e envia a resposta; ActionForm: É uma classe que representa os campos dos formulários que será utilizado nas classes, implementando apenas os métodos reset e validate. Action: Geralmente responsável por validar a entrada dos dados, comunicar-se com a camada de persistência e retornar um ActionForward para o ActionServlet. ActionForward: É um objeto que contem o local para o qual a visão devera retornar a resposta da requisição solicitada. ActionMapping: Contem o caminho para o para o qual a aplicação devera ser direcionada, podendo também conter varias informações sobre como a classe Action deve-se comportar quando for solicitada. Arquivos de Configuração: MessageResources.properties: Local onde as mensagens e os labels podem ser armazenados, com a sua utilização facilita a internacionalização da aplicação. struts-config.xml: É utilizado para configurar os vários componentes do Framework Struts. validation.xml: Neste arquivo você pode descrever o seu formulário para a validação. validator-rules.xml: Arquivo que contem a forma como as validações básicas são feitas, sendo utilizado pelo validation.xml. 3

4 tiles-defs.xml: Com a sua ajuda você pode criar vários componentes, como menu, template, layout, entre outros, que podem ser usados em várias paginas JSP de forma dinâmica, facilitando assim a sua utilização. web.xml: É o descritor de desenvolvimento da aplicação web requerido pela especificação JavaServlet. O contêiner servlet/jsp usa esse arquivo para carregar e configurar sua aplicação. Tags: struts-html.tld: Utilizado na criação de um formulário HTML integrado com o Struts em uma pagina JSP; struts-bean.tld: Utilizado em uma pagina JSP para poder trabalhar com JavaBeans e suas propriedades; struts-logic.tld: Utilizado nas paginas JSP para testar os valores das propriedades, permitindo a criação de estruturas de repetição e condição além da administração do fluxo da aplicação; struts-nested: permite a definição de modelos de objetos aninhados e a capacidade de representá-los e administrá-los; struts-tiles.tld: permite a criação de modelos dinâmicos de páginas JSP que compartilham de um formato comum. Vantagens e Desvantagens de Utilizar o Framework Struts: Desvantagens: As desvantagens mostradas a seguir foram retiradas do livro Struts em Ação. Detalhar-sea apenas algumas dessas desvantagens. Para consultar mais detalhes sobre as demais consulte [1]: Um ActionServlet: Apenas um ActionServlet pode ser usado em uma única aplicação. Esse limite pode levar a conflitos de configuração; Requer uma compreensão dos componentes Struts: Para trabalhar no Struts, um desenvolvedor precisa compreender varias classes especiais e como elas interagem; Os lançamentos dos formatos não são rápidos: As versões do formato do Struts foram relativamente lentas em comparação com alguns outros produtos. Os desenvolvedores têm de usar a construção noturna para utilizar as ultimas melhorias. Também não há nenhum cronograma definido para os lançamentos; Limites i18n: Os recursos de mensagem do Struts são muito bons ao internacionalizar os labels e as mensagens de erro, mais não são adequados para gerenciar blocos maiores de texto; Nenhum modelo de eventos; Depuração; Nenhum modelo de dados default ou recomendações concretas; O revendedor não oferece um suporte de qualidade; A lista de correspondência é um obstáculo dos ricos; 4

5 Localização de exceções do JSP; As propriedades das tags são explicativas; Assinatura perform e execute; Nomenclatura não clara. Vantagens: As vantagens demonstradas a seguir foram retiradas do livro Struts em Ação, apenas algumas delas serão demonstradas com sua explicação, para consultar mais detalhes sobre as demais consulte [1]: Centrado no HTTP: O Struts é designado em torno do modelo de solicitaçãoresposta padrão HTTP, familiar para muitos desenvolvedores web; Leve: O Struts tem relativamente poucas classes básicas para os desenvolvedores aprenderem; Fonte aberta: O código-fonte completo é fornecido sob a Apache Software License liberal, deixando todas as suas opções abertas; Comunidade forte de desenvolvimento: Há uma forte comunidade de desenvolvimento sob o Struts, A correspondência é muito ativa. Muitas extensões dos desenvolvedores estão ativas; Suporte i18n: O suporte para a localização esta predefinida no Struts completamente; Fortemente baseado nos padrões da construção: O Framework Struts implementa vários padrões clássicos em sua arquitetura que são familiares para a maioria dos desenvolvedores; Modelo neutro: O Struts não é predisposto para nenhuma camada particular de permanência. Registro padrão; Registro de depuração opcional; Reúne o detalhe da implementação em uma configuração centralizada; Permite um arquivo de recursos da mensagem diferente para cada local; Comunidade forte de revendedores; Suporte forte do produto; Equipe forte de desenvolvimento; Versões estáveis; Alta compatibilidade/predisposição com tendência atual; Extensões tag com serviço total; Código-fonte bem documentado; Extensível. Criando o Projeto de Cadastro de Clientes Criando o Projeto: 5

6 Agora estará sendo dado inicio ao desenvolvimento do projeto de Cadastro de Clientes, o primeiro passo será criar o novo projeto. - Clicar em File, New, Project... (Figura 2). Figura 2: Criando um Novo Projeto - Na opção Java, escolha WebApp Project e pressione Next (Figura 3). Figura 3: Escolha do Tipo de Projeto - Em Project Name, escolha um nome para o projeto, que neste caso será cadastrocliente, logo após pressione Finish (Figura 4). 6

7 Figura 4: Escolhendo um Nome para o Projeto Pronto o projeto já esta criado. O Package Explorer ficará assim (Figura 5): Adicionando o Struts: Figura 5: Packge Explorer do Novo Projeto Para importar o projeto do Struts clique com o botão direito do mouse no projeto e depois vá a Import... (Figura 6). 7

8 Figura 6: Importando o Struts para o Projeto Em seguida escolha a opção Archive file, e vá a Next (Figura 7). Figura 7: Tipo de Arquivo a ser Importado Agora clique em Browse, procure o local onde foi descompactado o Struts. Dentro desta pasta procure pela pasta webapp (Figura 8). 8

9 Figura 8: Localizando o struts-blank.war Após o passo anterior ter sido executado não aparecerá nada na tela. Acesse então a opção Arquivos do Tipo e escolha (*.*), então escolha struts-blank.war e clique em Abrir (Figura 9). 9

10 Depois, clique em Finish (Figura 10). Figura 9: Escolhendo o Tipo de Projeto a Importar Figura 10: Finalizando a Importação Agora aparecerá uma mensagem perguntando se você quer substituir as pastas e arquivos com o mesmo nome, clique em Yes To All (Figura 11). 10

11 Figura 11: Substituindo Arquivos e Pastas com Mesmo Nome Pronta o Struts já esta adicionada ao projeto, o Package Explorer ficara assim (Figura 12): Figura 12: Packge Explorer com o Struts Importada Com isso o Struts já esta adicionada ao projeto. Configurando o Projeto: 11

12 Agora estará sendo feita a configuração do projeto. Com o botão direito no projeto escolha a opção Properties (Figura 13). Figura 13: Iniciando a Configuração do Projeto Na lista que aparece ao lado escolha a Opção TomCat. Marque a opção Is a Tomcat Project, em Context name escolha um nome para seu projeto. Neste caso, /cadastrocliente. Depois clique em Apply (Figura 14). 12

13 Figura 14: Definindo o Nome do Contexto no Container 15). Agora escolha a opção Java Buld Path, e em Libraries pressione Add JARs (Figura Figura 15: Importando os JARs Clique em cadastrocliente, em WEB-INF e em LIB e selecione todos os arquivos.jar e pressione OK (Figura 16). 13

14 Figura 16: Escolhendo os Arquivos a Serem Importados Pronto os pacotes já foram importados, clique em OK (Figura 17). Figura 17: Finalizando a Importação e Definição do Contexto Agora se deve adicionar as bibliotecas do TomCat. Com o botão direito do mouse no projeto vá a Tomcat project e escolha a opção Add Tomcat libraries to project buld path (Figura 18). 14

15 Figura 18: Adicionando a Biblioteca do Tomcat Agora como no caso anterior vá a Tomcat project, só que agora escolha Update context definition (Figura 19). 15

16 Figura 19: Atualizando o Contexto no Container Agora reinicie o Container clicando no ícone Restart Tomcat (Figura 20). Figura 20: Reiniciando o Tomcat Após um tempo irá aparecer a mensagem Server startup in... ms. Pronto o Container já foi reiniciado (Figura 21). Figura 21: Tomcat Reiniciado e Rodando 16

17 Agora para testar se o projeto esta funcionando corretamente acesse o link <http:// :8080/cadastrocliente>, onde será exibida a tela de boas vindas do Struts (Figura 22). Figura 22: Testando o Projeto Pronto o Struts já foi importada para o seu projeto e esta funcionando corretamente. Criando as Classes Criação dos Pacotes: Com o botão direito no projeto, escolha a opção New, Package (Figura 23). Figura 23: Criando os Pacotes Em Name coloque o nome do pacote que é br.com.cliente.bean. Onde cada ponto significa uma pasta, por exemplo, a estrutura de pastas deste exemplo ficara assim C:\cadastrocliente\WEB-INF\classes\br\com\cliente\bean (Figura 24). 17

18 Figura 24: Definindo o Nome do Pacote Faça a mesma ação para os seguintes pacotes: br.com.cliente.action br.com.cliente.form Package Explorer (Figura 25): Pronto os pacotes já estão criados. Criação das Classes: Figura 25: Package Explorer com os Pacotes Criados Para criar as classes pressione como botão direito no pacote br.com.cliente.form. Vá a New e em Class (Figura 26). 18

19 Figura 26: Criando as Classes Em Name escolha o nome da classe. Neste caso, ClienteForm (Figura 27). Figura 27: Definindo o Nome da Classe Faça a mesma ação para criar as seguintes classes: ClienteAction no pacote br.com.cliente.action ClienteBean no pacote br.com.cliente.bean CidadeBean no pacote br.com.cliente.bean EstadoBean no pacote br.com.cliente.bean Package Explorer (Figura 28): 19

20 Com isso as classes já estarão criadas Classe ClienteBean: Figura 28: Package Explorer com as Classes Criadas A classe Bean é responsável pelo encapsulamento dos objetos. Esses objetos são acessados pelos métodos set e get. A ilustração da classe Bean é exibida abaixo (Código 1). Code: package br.com.cliente.bean; public class ClienteBean implements Serializable private static final long serialversionuid = 1L; private int codigo; private String nome; private String telefone; private int cidade; private int estado; private String rua; private String bairro; private String complemento; private String cpf; private String rg; private String usuario; private String senha; private String status; private String nomecidade; private String nomeestado; /* * Criar os métodos set e get para todos os atributos */ Código 1: Implementação da Classe ClienteBean 20

21 Classe ClienteForm: A classe Form é uma classe que representa os campos dos formulários que será utilizado nas classes. Através dessa classe é que se envia todos os dados retirados da tela para a classe Bean, através do método setbean. Pode-se também recuperar os dados do Bean através do método getbean. Podendo também ser feita à validação nos campos nesta classe. Abaixo se apresenta o código da classe Form (Código 2). Code: package br.com.cliente.form; /* * Adcionar os import necessários */ public class ClienteForm extends ValidatorForm private static final long serialversionuid = 1L; private ClienteBean bean = new ClienteBean(); public ClienteBean getbean() return bean; public void setbean(clientebean bean) this.bean = bean; public void reset(actionmapping arg0, HttpServletRequest arg1) this.bean = new ClienteBean();; public ActionErrors validate(actionmapping arg0, HttpServletRequest arg1) ActionErrors errors = new ActionErrors(); if (this.bean.getnome().length() == 0) ActionMessage("validaformcampo.nome")); if (this.bean.getnome().length() > 50) ActionMessage("validaformcampo.nome.invalido")); if (this.bean.gettelefone().length() == 0) ActionMessage("validaformcampo.telefone")); if (this.bean.gettelefone().length() > 13) ActionMessage("validaformcampo.telefone.invalido")); if (this.bean.getestado() == 0) 21

22 ActionMessage("validaformcampo.estado")); if (this.bean.getcidade() == 0) ActionMessage("validaformcampo.cidade")); if (this.bean.getrua().length() == 0) ActionMessage("validaformcampo.rua")); if (this.bean.getrua().length() > 50) ActionMessage("validaformcampo.rua.invalido")); if (this.bean.getbairro().length() == 0) ActionMessage("validaformcampo.bairro")); if (this.bean.getbairro().length() > 50) ActionMessage("validaformcampo.bairro.invalido")); if (this.bean.getcpf().length() == 0) ActionMessage("validaformcampo.cpf")); if (this.bean.getcpf().length() > 14) ActionMessage("validaformcampo.cpf.invalido")); if (this.bean.getrg().length() == 0) ActionMessage("validaformcampo.rg")); if (this.bean.getrg().length() > 11) ActionMessage("validaformcampo.rg.invalido")); if (this.bean.getusuario().length() == 0) ActionMessage("validaformcampo.usuario")); if (this.bean.getusuario().length() > 15) ActionMessage("validaformcampo.usuario.invalido")); if (this.bean.getsenha().length() == 0) 22

23 ActionMessage("validaformcampo.senha")); if (this.bean.getsenha().length() > 6) ActionMessage("validaformcampo.senha.invalido")); return errors; Código 2: Implementação da Classe ClienteForm Classe ClienteAction: Na classe Action fica a regra de negócio. Nesta classe é que se indica o que será feito com os dados, como, por exemplo, enviar os dados para a classe que persiste no banco, redirecionar o usuário para uma determinada página de acordo com o resultado da sua solicitação. Segue abaixo o código para a classe Action (Código 3), a classe ClienteDAO que esta sendo utilizada nesta classe será criada e implementada no próximo relatório. Code: 23

24 package br.com.cliente.action; /* * Adcionar os import necessários */ public class ClienteAction extends DispatchAction private ClienteDAO dao; public ClienteAction() // TODO Auto-generated constructor stub dao = new ClienteDAO(); public ActionForward cadastrar(actionmapping mapping, ActionForm form, HttpServletRequest request, HttpServletResponse response) ClienteForm funform = ((ClienteForm) form); ClienteBean bean = funform.getbean(); ActionMessages messages = new ActionMessages(); bean.setstatus("ativo"); try if(dao.cadastrar(bean) == true) funform.setbean(new ClienteBean()); messages.add(actionmessages.global_message,new ActionMessage("cadastrar.sucesso")); savemessages(request,messages); return (mapping.findforward("sucesso")); catch (Exception e) // TODO Auto-generated catch block e.printstacktrace(); messages.add(actionmessages.global_message,new ActionMessage("cadastrar.erro")); savemessages(request,messages); return (mapping.findforward("erro")); messages.add(actionmessages.global_message,new ActionMessage("cadastrar.erro")); savemessages(request,messages); return (mapping.findforward("erro")); public ActionForward pesquisar(actionmapping mapping, ActionForm form, HttpServletRequest request, HttpServletResponse response) CidadeDAO cidadedao = new CidadeDAO(); CidadeBean cidade = new CidadeBean(); EstadoDAO estadodao = new EstadoDAO(); EstadoBean estado = new EstadoBean(); ClienteForm funform = ((ClienteForm) form); ClienteBean bean = funform.getbean(); ActionMessages messages = new ActionMessages(); try bean = (dao.pesquisar(bean)); cidade.setcodigo(bean.getcidade()); cidade = cidadedao.pesquisar(cidade); bean.setnomecidade(cidade.getcidade()); estado.setcodigo(bean.getestado()); estado = estadodao.pesquisar(estado); 24

25 bean.setnomeestado(estado.getestado()); funform.setbean(bean); if(bean.getnome() == null) messages.add(actionmessages.global_message,new ActionMessage("pesquisar.invalido")); savemessages(request,messages); return (mapping.findforward("pesquisar")); catch (Exception e) // TODO Auto-generated catch block e.printstacktrace(); return (mapping.findforward("erro")); public ActionForward pesalterar(actionmapping mapping, ActionForm form, HttpServletRequest request, HttpServletResponse response) CidadeDAO cidadedao = new CidadeDAO(); CidadeBean cidade = new CidadeBean(); EstadoDAO estadodao = new EstadoDAO(); EstadoBean estado = new EstadoBean(); ClienteForm funform = ((ClienteForm) form); ClienteBean bean = funform.getbean(); ActionMessages messages = new ActionMessages(); try bean = dao.pesquisar(bean); cidade.setcodigo(bean.getcidade()); cidade = cidadedao.pesquisar(cidade); bean.setnomecidade(cidade.getcidade()); estado.setcodigo(bean.getestado()); estado = estadodao.pesquisar(estado); bean.setnomeestado(estado.getestado()); funform.setbean(bean); if(bean.getnome() == null) messages.add(actionmessages.global_message,new ActionMessage("pesquisar.invalido")); savemessages(request,messages); return (mapping.findforward("pesalterar")); return (mapping.findforward("alterar")); catch (Exception e) // TODO Auto-generated catch block e.printstacktrace(); messages.add(actionmessages.global_message,new ActionMessage("alterar.erro")); savemessages(request,messages); return (mapping.findforward("erro")); public ActionForward alterar(actionmapping mapping, ActionForm form, HttpServletRequest request, HttpServletResponse response) CidadeDAO cidadedao = new CidadeDAO(); CidadeBean cidade = new CidadeBean(); ClienteForm funform = ((ClienteForm) form); ClienteBean bean = funform.getbean(); ActionMessages messages = new ActionMessages(); try cidade.setcodigo(bean.getcidade()); 25

26 cidade = cidadedao.pesquisar(cidade); if(cidade.getcodigoestado() == bean.getestado()) bean.setstatus("ativo"); if(dao.alterar(bean) == true) messages.add(actionmessages.global_message,new ActionMessage("alterar.sucesso")); savemessages(request,messages); return (mapping.findforward("sucesso")); else messages.add(actionmessages.global_message,new ActionMessage("alterar.cidade.invalido")); savemessages(request,messages); return (mapping.findforward("alterar")); catch (Exception e) // TODO Auto-generated catch block e.printstacktrace(); messages.add(actionmessages.global_message,new ActionMessage("alterar.erro")); savemessages(request,messages); return (mapping.findforward("erro")); messages.add(actionmessages.global_message,new ActionMessage("alterar.erro")); savemessages(request,messages); return (mapping.findforward("erro")); public ActionForward remover(actionmapping mapping, ActionForm form, HttpServletRequest request, HttpServletResponse response) ClienteForm funform = ((ClienteForm) form); ClienteBean bean = funform.getbean(); ActionMessages messages = new ActionMessages(); try bean = dao.pesquisar(bean); bean.setstatus("inativo"); if(dao.alterar(bean) == true) funform.setbean(new ClienteBean()); messages.add(actionmessages.global_message,new ActionMessage("remover.sucesso")); savemessages(request,messages); return (mapping.findforward("sucesso")); catch (Exception e) // TODO Auto-generated catch block e.printstacktrace(); messages.add(actionmessages.global_message,new ActionMessage("remover.erro")); savemessages(request,messages); return (mapping.findforward("erro")); messages.add(actionmessages.global_message,new ActionMessage("remover.erro")); savemessages(request,messages); return (mapping.findforward("erro")); Código 3: Implementação da Classe ClienteAction 26

27 Arquivos de Configuração Configurando o struts-config.xml: Esta é um dos principais arquivos do projeto. É através do struts-config.xml que as paginas sabem para onde deve ir e qual ação devem executar e para qual pagina devem retornar. Aqui serão adicionados os seguintes códigos ao arquivo existente, não sendo necessário alterar o restante do código existente no arquivo (Código 4). Code: <!-- ================================================ Form Bean Definitions --> <form-beans> <form-bean name="clienteform" type="br.com.cliente.form.clienteform" /> </form-beans> <!-- =========================================== Global Forward Definitions --> <global-forwards> <forward name="inicio" path="/inicio.do"/> <forward name="cadastrar" path="/cadastrar.do"/> <forward name="pesquisar" path="/pesquisar.do"/> <forward name="alterar" path="/alterar.do"/> <forward name="remover" path="/remover.do"/> <forward name="estado" path="/estado.do"/> <forward name="cidade" path="/cidade.do"/> </global-forwards> <!-- =========================================== Action Mapping Definitions --> <!-- Mapeamentos para cada action path - O caminho URI para este mapeamento type - Classe Java que que implementa as ações para este mapeamento 27

28 name - Nome do form-bean definido na seção form-beans que será utilizado por este mapeamento unknow - Configure como True se este mapeamento deve ser configurado default para esta aplicação para tratar todas as requisições não tratados por outro mapeamento scope - Identificador do escopo (Request ou Session), com qual o form-bean associado será criado input - Caminho do formulário de entrada ao qual o controle deve ser retornado no caso de haver algum erro de validação validate = Configure como True se o método validate() deste action deve ser invocado forward elements - Configuração dos ActionForward associados com este mapeamento --> <action-mappings> <action path="/inicio" forward="/pages/index.jsp"/> <action path="/cadastrar" forward="/pages/cliente/cadastrar.jsp"/> <action path="/pesquisar" forward="/pages/cliente/pesquisar.jsp"/> <action path="/alterar" forward="/pages/cliente/pesalterar.jsp"/> <action path="/remover" forward="/pages/cliente/remover.jsp"/> <action path="/estado" forward="/pages/cliente/estado.jsp"/> <action path="/cidade" forward="/pages/cliente/cidades.jsp"/> <action path="/clientecadastrar" type="br.com.cliente.action.clienteaction" name="clienteform" input="/pages/cliente/cadastrar.jsp" scope="request" parameter="id" validate="true" > <forward name="sucesso" path="/pages/cliente/sucesso.jsp" /> <forward name="erro" path="/pages/cliente/erro.jsp" /> <forward name="cadastrar" 28

29 path="/pages/cliente/cadastrar.jsp"/> </action> <action path="/cliente" type="br.com.cliente.action.clienteaction" name="clienteform" input="/clienteform" scope="request" parameter="id" validate="false" > <forward name="sucesso" path="/pages/cliente/sucesso.jsp" /> <forward name="erro" path="/pages/cliente/erro.jsp" /> <forward name="pesquisar" path="/pages/cliente/pesquisar.jsp" /> <forward name="alterar" path="/pages/cliente/alterar.jsp" /> <forward name="pesalterar" path="/pages/cliente/pesalterar.jsp"/> <forward name="remover" path="/pages/cliente/remover.jsp" /> </action> </action-mappings> Código 4: Alteração do Arquivo struts-config.xml Alterando o MessageResources.properties: Aqui, é onde todas as mensagens são centralizadas. Coma a utilização de uma chave, nome esse que vai ser utilizado quando estiver se referenciando a essa mensagem, seguida por = e a mensagem desejada (Código 5), antes de adicionar o código vá na mensagem errors.required e acrescente um # na frente da mensagem ficando assim, #errors.required=0 is required. Code: # -- Apresentação -- tela.titulo=informaçoões do Cliente tela.cadastrar=cadastrar Cliente tela.pesquisar=pesquisar Cliente tela.alterar=alterar Cliente tela.remover=remover Cliente tela.sucesso=sucesso tela.erro=erro # -- Link -- link.inicio=ir para Pagina Principal # -- Cadastrar -- cadastrar.sucesso=cadastro Realizado com Sucesso cadastrar.erro=erro no Cadastro. Tentar Novamente mais Tarde # -- Pesquisar -- pesquisar.invalido=codigo Invalido # -- Alterar -- alterar.sucesso=alteração Realizada com Sucesso alterar.erro=erro na Alteração. Tentar Novamente mais Tarde 29

30 alterar.cidade.invalido=esta Cidade não é Valida para esse Estado # -- Remover -- remover.sucesso=cliente Removido com Sucesso remover.erro=erro ao Remover o Cliente. Tentar Novamente mais Tarde # -- Validação dos Campos no Form -- validaformcampo.codigo=o campo 'CODIGO' é obrigatório. validaformcampo.nome=o campo 'NOME' é obrigatório. validaformcampo.nome.invalido=o campo 'NOME' é não pode conter mais de 50 caracteres. validaformcampo.telefone=o campo 'TELEFONE' é obrigatório. validaformcampo.telefone.invalido=o campo 'TELEFONE' não pode conter mais de 13 caracteres. validaformcampo.estado=o campo 'ESTADO' é obrigatório. validaformcampo.cidade=o campo 'CIDADE' é obrigatório. validaformcampo.rua=o campo 'RUA' é obrigatório. validaformcampo.rua.invalido=o campo 'RUA' não pode conter mais de 50 caracteres. validaformcampo.bairro=o campo 'BAIRRO' é obrigatório. validaformcampo.bairro.invalido=o campo 'BAIRRO' não pode conter mais de 50 caracteres. validaformcampo.complemento=o campo 'COMPLEMENTO' é obrigatório. validaformcampo.complemento.invalido=o campo 'COMPLEMENTO' não pode conter mais de 30 caracteres. validaformcampo.cpf=o campo 'CPF' é obrigatório. validaformcampo.cpf.invalido=o campo 'CPF' não pode conter mais de 14 caracteres. validaformcampo.rg=o campo 'RG' é obrigatório. validaformcampo.rg.invalido=o campo 'RG' não pode conter mais de 11 caracteres. validaformcampo.usuario=o campo 'USUARIO' é obrigatório. validaformcampo.usuario.invalido=o campo 'USUARIO' não pode conter mais de 15 caracteres. validaformcampo.senha=o campo 'SENHA' é obrigatório. validaformcampo.senha.invalido=o campo 'SENHA' não pode conter mais de 6 caracteres. # -- Validação dos Campos no validation.xml -- errors.required=o campo '0' é obrigatório. validacampo.codigo=codigo validacampo.nome=nome validacampo.telefone=telefone validacampo.cidade=cidade validacampo.estado=estado validacampo.rua=rua validacampo.bairro=bairro validacampo.complemento=complemento validacampo.cpf=cpf validacampo.rg=rg validacampo.usuario=usuario validacampo.senha=senha # -- Campos do Cliente -- campo.codigo=codigo: campo.nome=nome: campo.telefone=telefone: campo.telefone.exemplo=(ex: (42) ) campo.cidade=cidade: campo.estado=estado: campo.rua=rua: campo.bairro=bairro: campo.complemento=complemento: campo.cpf=cpf: campo.rg=rg: 30

31 campo.usuario=usuario: campo.usuario.exemplo=(no maximo 15 caracteres) campo.senha=senha: campo.senha.exemplo=(no maximo 6 caracteres) # -- Botoes -- botao.login=entrar botao.cadastrar=cadastrar botao.pesquisar=pesquisar botao.remover=remover botao.alterar=alterar botao.limpar=limpar Configurando o validation.xml Código 5: Alteração do Arquivo MessageResources.properties O validation.xml é utilizado para fazer a validação, o código abaixo deve ser inserido entre as tags <formset> </formset>. Neste caso, define-se qual o campo a ser utilizado no property e qual o tipo de validação que deve ser feito no depends. Neste exemplo que está sendo demonstrado, todos os campos descriminados são requeridos, caso o usuário deixe um desses campos em branco ele mostrara a mensagem de acordo como o que estiver em arg0 key=, mensagem esta que estará no MessageResources (Código 6). Code: <formset> <form name="clienteform"> <field property="bean.codigo" depends="required"> <arg0 key="validacampo.codigo" /> </field> <field property="bean.nome" depends="required"> <arg0 key="validacampo.nome" /> </field> <field property="bean.telefone" depends="required"> <arg0 key="validacampo.telefone" /> </field> <field property="bean.cidade" depends="required"> <arg0 key="validacampo.cidade" /> </field> <field property="bean.estado" depends="required"> <arg0 key="validacampo.estado" /> </field> <field property="bean.rua" depends="required"> <arg0 key="validacampo.rua" /> </field> <field property="bean.bairro" depends="required"> <arg0 key="validacampo.bairro" /> </field> <field property="bean.complemento" depends="required"> <arg0 key="validacampo.complemento" /> </field> <field property="bean.cpf" depends="required"> <arg0 key="validacampo.cpf" /> </field> <field property="bean.rg" depends="required"> <arg0 key="validacampo.rg" /> </field> 31

32 </form> <field property="bean.usuario" depends="required"> <arg0 key="validacampo.usuario" /> </field> <field property="bean.senha" depends="required"> <arg0 key="validacampo.senha" /> </field> </formset> Código 6: Alteração do Arquivo validation.xml Alterando o web.xml No arquivo web.xml a única alteração que deve-se fazer será na pagina inicial, como esta sendo demonstrado abaixo (Código 7). Code: Referências <!-- The Usual Welcome File List --> <welcome-file-list> <welcome-file>/pages/index.jsp</welcome-file> </welcome-file-list> Código 7: Alteração do Arquivo web.xml [1] HUSTED, Ted et al. Struts em Ação. Rio de Janeiro: Editora Ciência Moderna Ltda., , 5, p.. ISBN: [2] APACHE SOFTWARE FOUNDATION. Disponível em <http://www.apache.org/> acesso em 13-abr [3] WIKIPEDIA. Disponível em <http://pt.wikipedia.org/wiki/model_2> acesso em 13-abr [4]. Disponível em <http://pt.wikipedia.org/wiki/mvc> acesso em 13-abr [5]. Disponível em <http://pt.wikipedia.org/wiki/smalltalk> acesso em 13-abr [6]. Disponível em <http://pt.wikipedia.org/wiki/observer> acesso em 13-abr [7] APACHE SOFTWARE FOUNDATION. Disponível em <http://www.apache.org/licenses/> acesso em 13-abr [8] WIKIPEDIA. Disponível em <http://pt.wikipedia.org/wiki/servlet> acesso em 13-abr [9]. Disponível em <http://pt.wikipedia.org/wiki/javabeans> acesso em 05-mar [10]. Disponível em <http://pt.wikipedia.org/wiki/jsp> acesso em 13-abr [11]. Disponível em <http://pt.wikipedia.org/wiki/html> acesso em 13-abr [12]. Disponível em <http://pt.wikipedia.org/wiki/cgi> acesso em 13-abr [13]. Disponível em <http://pt.wikipedia.org/wiki/xml> acesso em 13-abr [14] SOUZA, Welington B. Struts Tutorial - Parte 1 de 2. Disponível em <http://www.portaljava.com.br/home/modules.php?name=content&pa=showpage&pid=63& page=1> acesso em 05-mar

33 Bibliografia GOETTEN, Vicente Junior. Desmitificando o Framework Jakarta Struts. Disponível em <http://www.javafree.org/content/view.jf?idcontent=22> acesso em 13-abr APACHE SOFTWARE FOUNDATION. Disponível em <http://struts.apache.org/1.2.9/userguide > acesso em 13-abr SOUZA, Welington B. Struts Tutorial - Parte 1 de 2. Disponível em <http://www.portaljava.com.br/home/modules.php?name=content&pa=showpage&pid=63& page=1> acesso em 05-mar

J550. Apache Struts. Helder da Rocha (helder@acm.org) www.argonavis.com.br

J550. Apache Struts. Helder da Rocha (helder@acm.org) www.argonavis.com.br J550 Apache Struts Helder da Rocha (helder@acm.org) www.argonavis.com.br 1 Sobre este módulo Este é um módulo opcional. Apresenta uma visão geral do framework Struts, usado para desenvolver aplicações

Leia mais

Curso de Introdução ao

Curso de Introdução ao Curso de Introdução ao Daniel Destro do Carmo Softech Network Informática daniel@danieldestro.com.br O que é? Struts Struts é um framework gratuito para construção de aplicações web implementadas em Java.

Leia mais

Minicurso de MVC web com Struts. EclipseDay@Serpro Felipe F Nascimento felipenasc@inf.puc-rio.br

Minicurso de MVC web com Struts. EclipseDay@Serpro Felipe F Nascimento felipenasc@inf.puc-rio.br Minicurso de MVC web com Struts EclipseDay@Serpro Felipe F Nascimento felipenasc@inf.puc-rio.br Agenda MVC Web e Command Visão Geral, Conceitos e terminologia Exemplo Conceitos Avançados Referências Laboratório

Leia mais

Arquitetura de Aplicações JSP/Web. Padrão Arquitetural MVC

Arquitetura de Aplicações JSP/Web. Padrão Arquitetural MVC Arquitetura de Aplicações JSP/Web Padrão Arquitetural MVC Arquitetura de Aplicações JSP/Web Ao projetar uma aplicação Web, é importante considerála como sendo formada por três componentes lógicos: camada

Leia mais

Associação Carioca de Ensino Superior Centro Universitário Carioca

Associação Carioca de Ensino Superior Centro Universitário Carioca Desenvolvimento de Aplicações Web Lista de Exercícios Métodos HTTP 1. No tocante ao protocolo de transferência de hipertexto (HTTP), esse protocolo da categoria "solicitação e resposta" possui três métodos

Leia mais

Use a Cabeça! FREEMAN, Eric e Elisabeth. HTML com CSS e XHTML BASHMAN, Brian / SIERRA Kathy / BATES, Bert. Servlets & JSP

Use a Cabeça! FREEMAN, Eric e Elisabeth. HTML com CSS e XHTML BASHMAN, Brian / SIERRA Kathy / BATES, Bert. Servlets & JSP Use a Cabeça! FREEMAN, Eric e Elisabeth. HTML com CSS e XHTML BASHMAN, Brian / SIERRA Kathy / BATES, Bert. Servlets & JSP Software cliente: browser e outros Protocolo HTTP Infraestrutura de transporte

Leia mais

!" # # # $ %!" " & ' ( 2

! # # # $ %!  & ' ( 2 !"# # #$ %!" "& ' ( 2 ) *+, - 3 . / 4 !" 0( # "!#. %! $""! # " #.- $ 111.&( ( 5 # # 0. " % * $(, 2 % $.& " 6 # #$ %% Modelo (Encapsula o estado da aplicação) Implementado como JavaBeans Responde a consulta

Leia mais

Desenvolvimento WEB em JAVA. Palestrante: Lourival F. de Almeida Júnior

Desenvolvimento WEB em JAVA. Palestrante: Lourival F. de Almeida Júnior Desenvolvimento WEB em JAVA Palestrante: Lourival F. de Almeida Júnior Agenda Introdução Servlet Arquitetura de Software Velocity Struts Conclusão Referências Introdução (antes) Programador Produto Introdução

Leia mais

Universidade da Beira Interior

Universidade da Beira Interior Universidade da Beira Interior Relatório Apresentação Java Server Pages Adolfo Peixinho nº4067 Nuno Reis nº 3955 Índice O que é uma aplicação Web?... 3 Tecnologia Java EE... 4 Ciclo de Vida de uma Aplicação

Leia mais

Java para WEB. Servlets

Java para WEB. Servlets Servlets Servlets são classes Java que são instanciadas e executadas em associação com servidores Web, atendendo requisições realizadas por meio do protocolo HTTP. Servlets é a segunda forma que veremos

Leia mais

Aula 03 - Projeto Java Web

Aula 03 - Projeto Java Web Aula 03 - Projeto Java Web Para criação de um projeto java web, vá em File/New. Escolha o projeto: Em seguida, na caixa Categorias selecione Java Web. Feito isso, na caixa à direita selecione Aplicação

Leia mais

Prof. Roberto Desenvolvimento Web Avançado

Prof. Roberto Desenvolvimento Web Avançado Resposta exercício 1: Configuração arquivo web.xml helloservlet br.com.exercicios.helloservlet

Leia mais

DWR DIRECTED WEB REMOTING

DWR DIRECTED WEB REMOTING DWR DIRECTED WEB REMOTING Vamos ver nesse artigo um pouco sobre o Frameworks Ajax para Java, o DWR. Vamos ver seus conceitos, utilidades, vantagens, algumas práticas e fazer o passo a passo para baixar,

Leia mais

Java para Desenvolvimento Web

Java para Desenvolvimento Web Java para Desenvolvimento Web Servlets A tecnologia Servlet foi introduzida pela Sun Microsystems em 1996, aprimorando e estendendo a funcionalidade e capacidade de servidores Web. Servlets é uma API para

Leia mais

Como criar um EJB. Criando um projeto EJB com um cliente WEB no Eclipse

Como criar um EJB. Criando um projeto EJB com um cliente WEB no Eclipse Como criar um EJB Criando um projeto EJB com um cliente WEB no Eclipse Gabriel Novais Amorim Abril/2014 Este tutorial apresenta o passo a passo para se criar um projeto EJB no Eclipse com um cliente web

Leia mais

Criação de Servlets Name Directory Build WAR JSP/Servlet frameworks Launch URL Package Class name Generate header comments

Criação de Servlets Name Directory Build WAR JSP/Servlet frameworks Launch URL Package Class name Generate header comments Criação de Servlets 1. Crie um novo projeto através do Menu File New Project. 2. Acesse o Menu File New. 3. Na janela Object Gallery que surgirá, selecione a guia Web. 4. Escolha o ícone que corresponde

Leia mais

INTRODUÇÃO À TECNOLOGIA SERVLETS

INTRODUÇÃO À TECNOLOGIA SERVLETS PROGRAMAÇÃO SERVIDOR EM SISTEMAS WEB INTRODUÇÃO À TECNOLOGIA SERVLETS Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-1 Objetivos Apresentar o conceito aplicações orientada a serviços via web Apresentar o papel dos contentores

Leia mais

Curso - Padrões de Projeto Módulo 5: Model-View- Controller

Curso - Padrões de Projeto Módulo 5: Model-View- Controller Curso - Padrões de Projeto Módulo 5: Model-View- Controller Vítor E. Silva Souza vitorsouza@gmail.com http://www.javablogs.com.br/page/engenho http://esjug.dev.java.net Sobre o Instrutor Formação: Java:

Leia mais

e-genial Soluções em Software Livre Curso e-gen Developer

e-genial Soluções em Software Livre Curso e-gen Developer 1 Curso básico de e-gen Developer Parte 1 - Instalação 2 ÍNDICE INTRODUÇÃO 4 CONHECENDO O CORAÇÃO DO E-GEN (STRUTS) 5 O DESIGN PATTERN MVC DO STRUTS 6 COMPONENTES MODEL 6 COMPONENTES VIEW 6 COMPONENTES

Leia mais

WebWork 2. João Carlos Pinheiro. jcpinheiro@cefet-ma.br

WebWork 2. João Carlos Pinheiro. jcpinheiro@cefet-ma.br WebWork 2 João Carlos Pinheiro jcpinheiro@cefet-ma.br Versão: 0.5 Última Atualização: Agosto/2005 1 Agenda Introdução WebWork 2 & XWork Actions Views Interceptadores Validação Inversão de Controle (IoC)

Leia mais

Relatório do GPES. Descrição dos Programas e Plugins Utilizados. Programas Utilizados:

Relatório do GPES. Descrição dos Programas e Plugins Utilizados. Programas Utilizados: Relatório do GPES Relatório referente à instalação dos programas e plugins que estarão sendo utilizados durante o desenvolvimento dos exemplos e exercícios, sendo esses demonstrados nos próximos relatórios.

Leia mais

Java II. Sérgio Luiz Ruivace Cerqueira sergioruivace@gmail.com

Java II. Sérgio Luiz Ruivace Cerqueira sergioruivace@gmail.com Java II Sérgio Luiz Ruivace Cerqueira sergioruivace@gmail.com Por quê JSP? Com Servlets é fácil Ler dados de um formulário Recuperar dados de uma requisição Gerar informação de resposta Fazer gerenciamento

Leia mais

Acessando um Banco de Dados

Acessando um Banco de Dados Acessando um Banco de Dados Introdução Agora que você já está craque em JSP e já instalou seu servidor, vamos direto para a parte prática! Neste tutorial vamos aprender a acessar um banco de dados. Para

Leia mais

Facebook. Java com o. Integrando Aplicações. Descubra como é fácil criar uma aplicação para rodar no Facebook. _capa

Facebook. Java com o. Integrando Aplicações. Descubra como é fácil criar uma aplicação para rodar no Facebook. _capa _capa Integrando Aplicações Java com o Facebook Descubra como é fácil criar uma aplicação para rodar no Facebook Desde o lançamento oficial do Facebook, em 2004, o número de usuários vem aumentando a cada

Leia mais

4 O Workflow e a Máquina de Regras

4 O Workflow e a Máquina de Regras 4 O Workflow e a Máquina de Regras O objetivo do workflow e da máquina de regras é definir um conjunto de passos e regras configuráveis. Ao longo de sua execução, um usuário consegue simplificar o seu

Leia mais

Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008

Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008 Goiânia, 16/09/2013 Aluno: Rafael Vitor Prof. Kelly Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008 Objetivo Esse tutorial tem como objetivo demonstrar como instalar e configurar o IIS 7.0 no Windows Server

Leia mais

Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008

Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008 Goiânia, 16/09/2013 Aluno: Rafael Vitor Prof. Kelly Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008 Objetivo Esse tutorial tem como objetivo demonstrar como instalar e configurar o IIS 7.0 no Windows Server

Leia mais

Scriptlets e Formulários

Scriptlets e Formulários 2 Scriptlets e Formulários Prof. Autor: Daniel Morais dos Reis e-tec Brasil Programação Avançada Para Web Página1 Meta Permitir ao aluno aprender a criar um novo projeto Java para web no Netbeans IDE,

Leia mais

Configurar o Furbot no Eclipse

Configurar o Furbot no Eclipse Configurar o Furbot no Eclipse Primeiramente, precisamos abrir o Eclipse. Logo no início, deverá aparecer uma tela assim: Nela, você irá selecionar o local do seu workspace. Workspace é o local onde ficarão

Leia mais

Arquitetura de uma Webapp

Arquitetura de uma Webapp Arquitetura de uma Webapp Arquitetura J2EE Containers e componentes MVC: introdução Frederico Costa Guedes Pereira 2006 fredguedespereira@gmail.com Plataforma J2EE World Wide Web e a Economia da Informação

Leia mais

Desenvolvimento Web TCC-00.226 Turma A-1

Desenvolvimento Web TCC-00.226 Turma A-1 Desenvolvimento Web TCC-00.226 Turma A-1 Conteúdo Arquitetura de Aplicações Distribuídas na Web Professor Leandro Augusto Frata Fernandes laffernandes@ic.uff.br Material disponível em http://www.ic.uff.br/~laffernandes/teaching/2013.2/tcc-00.226

Leia mais

Criando e Entendendo o Primeiro Servlet Por: Raphaela Galhardo Fernandes

Criando e Entendendo o Primeiro Servlet Por: Raphaela Galhardo Fernandes Criando e Entendendo o Primeiro Servlet Por: Raphaela Galhardo Fernandes Resumo Neste tutorial serão apresentados conceitos relacionados a Servlets. Ele inicial como uma breve introdução do funcionamento

Leia mais

Java na WEB Servlet. Sumário

Java na WEB Servlet. Sumário 1 Java na WEB Servlet Objetivo: Ao final da aula o aluno será capaz de: Utilizar Servlets para gerar páginas web dinâmicas. Utilizar Servlets para selecionar páginas JSPs. Utilizar Servlets como elemento

Leia mais

Configurando uma aplicação Struts

Configurando uma aplicação Struts Configurando uma aplicação Struts Instalando os Softwares 1. NetBeans IDE 5.0 2. Java Standard Development Kit (JDK ) version 1.4.2 or 5.0 Criando uma nova aplicação Struts 1. Click File > New Project.

Leia mais

Guia para Iniciantes do WebWork

Guia para Iniciantes do WebWork Guia para Iniciantes do WebWork Marcelo Martins Este guia descreve os primeiros passos na utilização do WebWork Introdução Desenvolver sistemas para Web requer mais do que simplesmente um amontoado de

Leia mais

J550. Model View Controller

J550. Model View Controller J550 Model View Controller 1 Design de aplicações JSP Design centrado em páginas Aplicação JSP consiste de seqüência de páginas (com ou sem beans de dados) que contém código ou links para chamar outras

Leia mais

Desenvolvimento Web TCC-00.226 Turma A-1

Desenvolvimento Web TCC-00.226 Turma A-1 Desenvolvimento Web TCC-00.226 Turma A-1 Conteúdo JavaServer Pages (JSP) Professor Leandro Augusto Frata Fernandes laffernandes@ic.uff.br Material disponível em http://www.ic.uff.br/~laffernandes/teaching/2013.2/tcc-00.226

Leia mais

Criação de um novo projeto no Eclipse utilizando Maven

Criação de um novo projeto no Eclipse utilizando Maven 1. Faça o download da versão mais atual do Eclipse IDE for Java EE Developers em https://www.eclipse.org/downloads/. 2. No Eclipse, crie um novo projeto Maven, em File >> New >> Maven Project 3. Marque

Leia mais

Criação de Applets com o JBuilder Professor Sérgio Furgeri

Criação de Applets com o JBuilder Professor Sérgio Furgeri OBJETIVOS DA AULA: Apresentar o processo de criação em uma interface gráfica para a Internet; Fornecer subsídios para que o aluno possa compreender onde aplicar Applets; Demonstrar a criação de uma Applet

Leia mais

SILVIO COSTA MOREIRA UTILIZAÇÃO DO STRUTS FRAMEWORK NO DESENVOLVIMENTO DE UM GERENCIADOR DE EVENTOS

SILVIO COSTA MOREIRA UTILIZAÇÃO DO STRUTS FRAMEWORK NO DESENVOLVIMENTO DE UM GERENCIADOR DE EVENTOS SILVIO COSTA MOREIRA UTILIZAÇÃO DO STRUTS FRAMEWORK NO DESENVOLVIMENTO DE UM GERENCIADOR DE EVENTOS Palmas 2006 i SILVIO COSTA MOREIRA UTILIZAÇÃO DO STRUTS FRAMEWORK NO DESENVOLVIMENTO DE UM GERENCIADOR

Leia mais

Programação Web. Professor: Diego Oliveira. Conteúdo 02: JSP e Servlets

Programação Web. Professor: Diego Oliveira. Conteúdo 02: JSP e Servlets Programação Web Professor: Diego Oliveira Conteúdo 02: JSP e Servlets JSP JSP é um template de uma página Web que usa Java para gerar HTML dinamicamente JSP é considerado server-side e roda em um objeto

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS PROGRAMAÇÃO PARA INTERNET TUTORIAL DE APLICAÇÃO JSF DESENVOLVIDO COM A FERRAMENTA ECLIPSE LUNA

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS PROGRAMAÇÃO PARA INTERNET TUTORIAL DE APLICAÇÃO JSF DESENVOLVIDO COM A FERRAMENTA ECLIPSE LUNA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS PROGRAMAÇÃO PARA INTERNET TUTORIAL DE APLICAÇÃO JSF DESENVOLVIDO COM A FERRAMENTA ECLIPSE LUNA NOME DO PROJETO: CadastroWeb ALUNOS: Fabio Henrique, Murillo Victor TUTORIAL

Leia mais

Java II. Sérgio Luiz Ruivace Cerqueira sergioruivace@gmail.com

Java II. Sérgio Luiz Ruivace Cerqueira sergioruivace@gmail.com Java II Sérgio Luiz Ruivace Cerqueira sergioruivace@gmail.com Servlets Servlet Aplicação Java que é executada no servidor que estende a capacidade do servidor Web Alternativa Java para os scripts CGI Gerenciado

Leia mais

Aula 4. Objetivos. Conteúdo dinâmico na internet.

Aula 4. Objetivos. Conteúdo dinâmico na internet. Aula 4 Objetivos Conteúdo dinâmico na internet. Para uma solicitação da Web mais simples, um navegador solicita um documento HTML e o servidor Web encontra o arquivo correspondente e devolve. Se o documento

Leia mais

Prática Sobre Servlets e JSP

Prática Sobre Servlets e JSP Prática Sobre Servlets e JSP 1. Localize a pasta do Tomcat (TOMCAT_HOME); 2. Acesse a pasta bin e execute tomcat5w.exe; 3. Abra o Navegador e acesse http://localhost:8080 (A apresentação de uma página

Leia mais

Manual de Instalação: Agente do OCS Inventory NG

Manual de Instalação: Agente do OCS Inventory NG Manual de Instalação: Agente do OCS Inventory NG Abril 2013 Sumário 1. Agente... 1 2. Onde instalar... 1 3. Etapas da Instalação do Agente... 1 a. Etapa de Instalação do Agente... 1 b. Etapa de Inserção

Leia mais

Passo a Passo. WebSphere Message Broker. Fluxo como WebService

Passo a Passo. WebSphere Message Broker. Fluxo como WebService Passo a Passo WebSphere Message Broker Fluxo como WebService Alexandre José Batista ajbatist@ibest.com.br Criado em: 07/11/08 Página 1 de 38 Índice 1. OBJETIVOS DO DOCUMENTO... 4 2. CRIANDO UM FLUXO NO

Leia mais

Universidade Católica de Brasília Pró-Reitoria de Graduação Sistemas de Informação. na Prática. Por: Fernando Goulart

Universidade Católica de Brasília Pró-Reitoria de Graduação Sistemas de Informação. na Prática. Por: Fernando Goulart Universidade Católica de Brasília Pró-Reitoria de Graduação Sistemas de Informação Struts na Prática Por: Fernando Goulart 1 Leituras recomendadas Husted, Ted. Struts em Ação. Ciência Moderna, 2004. Spielman,

Leia mais

Desenvolvendo Aplicações Web com NetBeans

Desenvolvendo Aplicações Web com NetBeans Desenvolvendo Aplicações Web com NetBeans Aula 3 Cap. 4 Trabalhando com Banco de Dados Prof.: Marcelo Ferreira Ortega Introdução O trabalho com banco de dados utilizando o NetBeans se desenvolveu ao longo

Leia mais

Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB

Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB Disciplina: Programação Orientada a Objetos II Professor: Cheli dos S. Mendes da Costa Servidor de Aplicações WEB Tomcat Servidor Tomcat Foi desenvolvido

Leia mais

1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO

1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO 1 ÍNDICE 1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO... 3 1.1 REQUISITOS BASICOS DE SOFTWARE... 3 1.2 REQUISITOS BASICOS DE HARDWARE... 3 2 EXECUTANDO O INSTALADOR... 3 2.1 PASSO 01... 3 2.2 PASSO

Leia mais

Desenvolvimento de aplicações Web. Java Server Pages

Desenvolvimento de aplicações Web. Java Server Pages Desenvolvimento de aplicações Web Java Server Pages Hamilton Lima - athanazio@pobox.com 2003 Como funciona? Servidor web 2 Internet 1 Browser 3 Arquivo jsp 4 JSP Compilado 2 Passo a passo 1 browser envia

Leia mais

PadrãoIX. Módulo II JAVA. Marcio de Carvalho Victorino. Servlets A,L,F,M

PadrãoIX. Módulo II JAVA. Marcio de Carvalho Victorino. Servlets A,L,F,M JAVA Marcio de Carvalho Victorino 1 Servlets 2 1 Plataforma WEB Baseada em HTTP (RFC 2068): Protocolo simples de transferência de arquivos Sem estado (não mantém sessão aberta) Funcionamento (simplificado):

Leia mais

TUTORIAL: MANTENDO O BANCO DE DADOS DE SEU SITE DENTRO DO DOMÍNIO DA USP USANDO O SSH!

TUTORIAL: MANTENDO O BANCO DE DADOS DE SEU SITE DENTRO DO DOMÍNIO DA USP USANDO O SSH! UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO (USP) ESCOLA DE ARTES, CIÊNCIAS E HUMANIDADES (EACH) TUTORIAL: MANTENDO O BANCO DE DADOS DE SEU SITE DENTRO DO DOMÍNIO DA USP USANDO O SSH! Autoria e revisão por: PET Sistemas

Leia mais

Minha primeira aplicação utilizando Java Server Faces + Glassfish

Minha primeira aplicação utilizando Java Server Faces + Glassfish Minha primeira aplicação utilizando Java Server Faces + Glassfish Este tutorial apresenta de forma simples, como iniciar no desenvolvimento com o framework Java Server faces 1.2, utilizando-se o servidor

Leia mais

ABORDAGEM DE FRAMEWORKS PARA JSF QUE AUXILIAM O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

ABORDAGEM DE FRAMEWORKS PARA JSF QUE AUXILIAM O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE ABORDAGEM DE FRAMEWORKS PARA JSF QUE AUXILIAM O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Amarildo Aparecido Ferreira Junior 1, Ricardo Ribeiro Rufino 1 ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil aapfjr@gmail.com

Leia mais

Sumário 1. SOBRE O NFGoiana DESKTOP... 3 1.1. Apresentação... 3 1.2. Informações do sistema... 3 1.3. Acessando o NFGoiana Desktop... 3 1.4.

Sumário 1. SOBRE O NFGoiana DESKTOP... 3 1.1. Apresentação... 3 1.2. Informações do sistema... 3 1.3. Acessando o NFGoiana Desktop... 3 1.4. 1 Sumário 1. SOBRE O NFGoiana DESKTOP... 3 1.1. Apresentação... 3 1.2. Informações do sistema... 3 1.3. Acessando o NFGoiana Desktop... 3 1.4. Interface do sistema... 4 1.4.1. Janela Principal... 4 1.5.

Leia mais

Novell. Novell Teaming 1.0. novdocx (pt-br) 6 April 2007 EXPLORAR O PORTLET BEM-VINDO DESCUBRA SEU CAMINHO USANDO O NOVELL TEAMING NAVIGATOR

Novell. Novell Teaming 1.0. novdocx (pt-br) 6 April 2007 EXPLORAR O PORTLET BEM-VINDO DESCUBRA SEU CAMINHO USANDO O NOVELL TEAMING NAVIGATOR Novell Teaming - Guia de início rápido Novell Teaming 1.0 Julho de 2007 INTRODUÇÃO RÁPIDA www.novell.com Novell Teaming O termo Novell Teaming neste documento se aplica a todas as versões do Novell Teaming,

Leia mais

Manual 2010 Webmaster

Manual 2010 Webmaster Manual 2010 Webmaster Menu 1. Acesso ao sistema 2. Campanhas 2.1 Ver Campanhas Disponíveis 2.2 Minhas Campanhas 3. Formatos 3.1 Banners Automáticos 3.2 Banners Manuais 3.3 E-mail Marketing 3.4 Vitrines

Leia mais

Passos para a configuração do ambiente de desenvolvimento:

Passos para a configuração do ambiente de desenvolvimento: Passos para a configuração do ambiente de desenvolvimento: 0 - (Opcional) Criar uma pasta onde vai ser o seu Workspace. Ou seja, onde os códigos de todos os projetos do Eclipse serão salvos: 1 - Instalar

Leia mais

Introdução a Servlets

Introdução a Servlets Linguagem de Programação para Web Introdução a Servlets Prof. Mauro Lopes 1-31 21 Objetivos Iniciaremos aqui o estudo sobre o desenvolvimento de sistemas web usando o Java. Apresentaremos nesta aula os

Leia mais

Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB

Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB Disciplina: Programação Orientada a Objetos II Professor: Cheli dos S. Mendes da Costa Modelo Cliente- Servidor Modelo de Aplicação Cliente-servidor Os

Leia mais

Programação WEB (JSP + Banco Dados) Eng. Computação Prof. Rodrigo Rocha http://www.materialdeaula.com.br

Programação WEB (JSP + Banco Dados) Eng. Computação Prof. Rodrigo Rocha http://www.materialdeaula.com.br Programação WEB (JSP + Banco Dados) Eng. Computação Prof. Rodrigo Rocha http://www.materialdeaula.com.br JSP (Java Server Pages) - JavaServer Pages (JSP) - Tecnologia de programação serverside - Permite

Leia mais

Programação Web Aula 12 - Java Web Software

Programação Web Aula 12 - Java Web Software Programação Web Aula 12 - Java Web Software Bruno Müller Junior Departamento de Informática UFPR 25 de Maio de 2015 1 Java 2 Java Web Software 3 Servlets Modelo de Trabalho Funcionamento API Java Código

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS CONTROLE DE ACESSO USANDO O FRAMEWORK RICHFACES. 5º PERÍODO Gestão da Tecnologia da Informação

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS CONTROLE DE ACESSO USANDO O FRAMEWORK RICHFACES. 5º PERÍODO Gestão da Tecnologia da Informação FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS CONTROLE DE ACESSO USANDO O FRAMEWORK RICHFACES 5º PERÍODO Gestão da Tecnologia da Informação Alunos: Alessandro Aparecido André Alexandre Bruno Santiago Thiago Castilho

Leia mais

Servlets e Applets, funcionamento e comparativo.

Servlets e Applets, funcionamento e comparativo. Servlets e Applets, funcionamento e comparativo. Airon Rabel Teixeira Rua Guarapuava Joinville SC airon@ymail.com Resumo: Este artigo explica de maneira breve o funcionamento de servlets e applets, mostrando

Leia mais

1. Introdução pág.3 2. Apresentação do sistema Joomla! pág.4 3. Acessando a administração do site pág.4 4. Artigos 4.1. Criando um Artigo 4.2.

1. Introdução pág.3 2. Apresentação do sistema Joomla! pág.4 3. Acessando a administração do site pág.4 4. Artigos 4.1. Criando um Artigo 4.2. 1. Introdução pág.3 2. Apresentação do sistema Joomla! pág.4 3. Acessando a administração do site pág.4 4. Artigos 4.1. Criando um Artigo 4.2. Editando um Artigo 4.3. Excluindo um Artigo 4.4. Publicar

Leia mais

BACKUP ONLINE PASSOS PARA CONFIGURAÇÃO INICIAL DO PRODUTO

BACKUP ONLINE PASSOS PARA CONFIGURAÇÃO INICIAL DO PRODUTO BACKUP ONLINE PASSOS PARA CONFIGURAÇÃO INICIAL DO PRODUTO Criação de Conta de Usuário...03 Edição da Conta de Usuário...10 Download do Backup Online Embratel...10 Descrição dos Conjuntos de Cópia de Segurança...19

Leia mais

DESENVOLVENDO APLICAÇÃO UTILIZANDO JAVA SERVER FACES

DESENVOLVENDO APLICAÇÃO UTILIZANDO JAVA SERVER FACES DESENVOLVENDO APLICAÇÃO UTILIZANDO JAVA SERVER FACES Alexandre Egleilton Araújo, Jaime Willian Dias Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil araujo.ale01@gmail.com, jaime@unipar.br Resumo.

Leia mais

TUTORIAL SPRING SECURITY PROGRAMAÇÃO COM FRAMEWORKS Responsáveis: Ana Luíza Cruvinel, Maikon Franczak e Wendel Borges

TUTORIAL SPRING SECURITY PROGRAMAÇÃO COM FRAMEWORKS Responsáveis: Ana Luíza Cruvinel, Maikon Franczak e Wendel Borges Versão 1.0 TUTORIAL SPRING SECURITY PROGRAMAÇÃO COM FRAMEWORKS Responsáveis: Ana Luíza Cruvinel, Maikon Franczak e Wendel Borges Data: 01/12/2014 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 2 2. O QUE É SPRING SECURITY?...

Leia mais

Nota de Aula: Utilização da IDE Code::Blocks

Nota de Aula: Utilização da IDE Code::Blocks INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO MARANHÃO CAMPUS SÃO LUÍS MONTE CASTELO DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE INFORMÁTICA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DISCIPLINA: LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO I PROFESSOR:

Leia mais

Programando em PHP. Conceitos Básicos

Programando em PHP. Conceitos Básicos Programando em PHP www.guilhermepontes.eti.br lgapontes@gmail.com Conceitos Básicos Todo o escopo deste estudo estará voltado para a criação de sites com o uso dos diversos recursos de programação web

Leia mais

JSF - Controle de Acesso FERNANDO FREITAS COSTA

JSF - Controle de Acesso FERNANDO FREITAS COSTA JSF - Controle de Acesso FERNANDO FREITAS COSTA ESPECIALISTA EM GESTÃO E DOCÊNCIA UNIVERSITÁRIA JSF Controle de Acesso Antes de iniciarmos este assunto, é importante conhecermos a definição de autenticação

Leia mais

Manual do usuário (v 1.2.0) E-commerce

Manual do usuário (v 1.2.0) E-commerce Manual do usuário (v 1.2.0) E-commerce Sumário Acessando o sistema gerencial... 1 Enviando logomarca, banners e destaques... 1 Logomarca... 1 Destaques... 2 Banners... 3 Cadastrando produtos... 4 Embalagem...

Leia mais

Passo a Passo: Reiniciar Senha do Contribuinte na Internet

Passo a Passo: Reiniciar Senha do Contribuinte na Internet 1 Passo a Passo: Reiniciar Senha do Contribuinte na Internet A funcionalidade Reiniciar Senha no SIARE/Internet será utilizada pelos usuários que esqueceram sua senha e possuem a Identificação tipo: Inscrição

Leia mais

Programação de Computadores I. Conhecendo a IDE Code::Blocks

Programação de Computadores I. Conhecendo a IDE Code::Blocks Code::Blocks Conhecendo a IDE Programação de Computadores I Professor: Edwar Saliba Júnior Conhecendo a IDE Code::Blocks Apresentação: 1) Abra a IDE (Integrated Development Environment), ou seja, o Ambiente

Leia mais

CONFIGURAÇÃO MINIMA EXIGIDA:

CONFIGURAÇÃO MINIMA EXIGIDA: Este tutorial parte do princípio que seu usuário já possua conhecimentos básicos sobre hardware, sistema operacional Windows XP ou superior, firewall, protocolo de rede TCP/IP e instalação de software.

Leia mais

Tutorial 5 Questionários

Tutorial 5 Questionários Tutorial 5 Questionários A atividade Questionário no Moodle pode ter várias aplicações, tais como: atividades de autoavaliação, lista de exercícios para verificação de aprendizagem, teste rápido ou ainda

Leia mais

Padrão Arquitetura em Camadas

Padrão Arquitetura em Camadas Padrão Arquitetura em Camadas Universidade Católica de Pernambuco Ciência da Computação Prof. Márcio Bueno poonoite@marciobueno.com Fonte: Material da Profª Karina Oliveira Definição Estimula a organização

Leia mais

Manual do Usuário. E-DOC Peticionamento Eletrônico TST

Manual do Usuário. E-DOC Peticionamento Eletrônico TST E-DOC Peticionamento APRESENTAÇÃO O sistema E-DOC substituirá o atual sistema existente. Este sistema permitirá o controle de petições que utiliza certificado digital para autenticação de carga de documentos.

Leia mais

Configuração e Instalação do Atendimento Online

Configuração e Instalação do Atendimento Online Configuração e Instalação do Atendimento Online Não é possível trocar a senha do administrador, e não aconselhamos o uso desta conta como Atendente, deve ser usado apenas para cadastrar e alterar Grupos

Leia mais

V.1.0 SIAPAS. Sistema Integrado de Administração ao Plano de Assistência à Saúde. Contas Médicas

V.1.0 SIAPAS. Sistema Integrado de Administração ao Plano de Assistência à Saúde. Contas Médicas 2014 V.1.0 SIAPAS Sistema Integrado de Administração ao Plano de Assistência à Saúde Contas Médicas SIAPAS Sistema Integrado de Administração ao Plano de Assistência à Saúde Módulos CONTAS MÉDICAS Capa

Leia mais

Como criar e editar Blogs. Manual Básico do. Mario Roberto Barro Jerino Queiroz Ferreira Profª Drª Salete Linhares Queiroz

Como criar e editar Blogs. Manual Básico do. Mario Roberto Barro Jerino Queiroz Ferreira Profª Drª Salete Linhares Queiroz Como criar e editar Blogs Manual Básico do Mario Roberto Barro Jerino Queiroz Ferreira Profª Drª Salete Linhares Queiroz São Carlos Setembro / 2008 Sumário Introdução...3 Criando um Blog no Edublogs...4

Leia mais

Manual de Envio de Torpedos SMS Comtele. Introdução... 02. 1.Cadastrar um Grupo... 02. 2.Inserir ou Importar Contatos... 06. 2.1 Ordem de envio...

Manual de Envio de Torpedos SMS Comtele. Introdução... 02. 1.Cadastrar um Grupo... 02. 2.Inserir ou Importar Contatos... 06. 2.1 Ordem de envio... Manual de Envio de Torpedos SMS Comtele Índice Introdução... 02 1.Cadastrar um Grupo... 02 2.Inserir ou Importar Contatos... 06 2.1 Ordem de envio... 08 3.Criar e Enviar uma Mensagens... 12 4. Salvando

Leia mais

ARQUITETURA SISGRAD. Manual de Utilização. Versão: 2.0. Criação: 05 de julho de 2007 Autor: André Penteado

ARQUITETURA SISGRAD. Manual de Utilização. Versão: 2.0. Criação: 05 de julho de 2007 Autor: André Penteado ARQUITETURA SISGRAD Manual de Utilização Versão: 2.0 Criação: 05 de julho de 2007 Autor: André Penteado Última Revisão: 09 de outubro de 2009 Autor: Alessandro Moraes Controle Acadêmico - Arquitetura SISGRAD

Leia mais

Guia Rápido de Instalação

Guia Rápido de Instalação Guia Rápido de Instalação Conteúdo Passo 1 Download dos Arquivos de Instalação Passo 2 Tela de Boas Vindas Passo 3 Termos de Licença Passo 4 Local de Instalação Passo 5 Informações de Registro Passo 6

Leia mais

Mini-Tutorial. Como criar relatórios Java para Web com JasperReports e ireport por Roberto J. Furutani 20/07/2005 www.furutani.eti.

Mini-Tutorial. Como criar relatórios Java para Web com JasperReports e ireport por Roberto J. Furutani 20/07/2005 www.furutani.eti. Mini-Tutorial Como criar relatórios Java para Web com JasperReports e ireport por Roberto J. Furutani 20/07/2005 www.furutani.eti.br 1. Introdução O objetivo deste trabalho é mostrar de forma prática como

Leia mais

MÓDULO Programação para Web 2

MÓDULO Programação para Web 2 MÓDULO Programação para Web 2 USANDO O JSF Continuação Interdependência e Injeção Instâncias de Managed Beans podem conversar entre si para dividir o processamento das requisições dos usuários de acordo

Leia mais

Tutorial Jogo da Velha WEB

Tutorial Jogo da Velha WEB Tutorial Jogo da Velha WEB Criação do Projeto 1- Inicie o Eclipse 2- Crie um novo projeto Web dinâmico. 3- Na tela seguinte, digite o nome do projeto e caso no campo Target Runtime não estiver aparecendo

Leia mais

Manual do usuário. v1.0

Manual do usuário. v1.0 Manual do usuário v1.0 1 Iniciando com o Vivo Gestão 1. como fazer login a. 1º acesso b. como recuperar a senha c. escolher uma conta ou grupo (hierarquia de contas) 2. como consultar... de uma linha a.

Leia mais

COMO INSTALAR ZIM 8.50 WINDOWS

COMO INSTALAR ZIM 8.50 WINDOWS ZIM TECHNOLOGIES DO BRASIL COMO INSTALAR ZIM 8.50 WINDOWS Próx Antes de Iniciar O objetivo deste documento é apresentar os passos necessários para instalar a versão mais recente do Zim 8.50 para Windows.

Leia mais

Está apto a utilizar o sistema, o usuário que tenha conhecimentos básicos de informática e navegação na internet.

Está apto a utilizar o sistema, o usuário que tenha conhecimentos básicos de informática e navegação na internet. 1. Descrição Geral Este manual descreve as operações disponíveis no módulo VTWEB Client, cuja finalidade é gerenciar cadastros de funcionários, realização de pedidos e controle financeiro dos pedidos.

Leia mais

Aprenda como instalar o plugin EclipseUML no Eclipse e como utilizá-lo para fazer engenharia reversa de seu código-fonte.

Aprenda como instalar o plugin EclipseUML no Eclipse e como utilizá-lo para fazer engenharia reversa de seu código-fonte. Omondo EclipseUML Ricardo Rodrigues Lecheta Aprenda como instalar o plugin EclipseUML no Eclipse e como utilizá-lo para fazer engenharia reversa de seu código-fonte. Introdução Neste tutorial será apresentado

Leia mais

A U T O R I Z O R R I GUIA DE INSTALAÇÃO W E B. Versão: 1.02 Agosto/2006 Versão: AW 4.004.006

A U T O R I Z O R R I GUIA DE INSTALAÇÃO W E B. Versão: 1.02 Agosto/2006 Versão: AW 4.004.006 A U T O R I Z A D O R W E B B I O M E T R I A GUIA DE INSTALAÇÃO Versão: 1.02 Agosto/2006 Versão: AW 4.004.006 ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 UTILIZANDO A BIOMETRIA... 4 INSTALAÇÃO... 5 CADASTRO DA DIGITAL...15

Leia mais

Utilizando o correio eletrônico da UFJF com Thunderbird e IMAP

Utilizando o correio eletrônico da UFJF com Thunderbird e IMAP Utilizando o correio eletrônico da UFJF com Thunderbird e IMAP O cliente de e-mail web utilizado pela UFJF é um projeto OpenSource que não é desenvolvido pela universidade. Por isso, pode ocorrer que alguns

Leia mais

GUIA INTEGRA SERVICES E STATUS MONITOR

GUIA INTEGRA SERVICES E STATUS MONITOR GUIA INTEGRA SERVICES E STATUS MONITOR 1 - Integra Services Atenção: o Integra Services está disponível a partir da versão 2.0 do software Urano Integra. O Integra Services é um aplicativo que faz parte

Leia mais

Programação para a Internet. Prof. M.Sc. Sílvio Bacalá Jr sbacala@gmail.com www.facom.ufu.br/~bacala

Programação para a Internet. Prof. M.Sc. Sílvio Bacalá Jr sbacala@gmail.com www.facom.ufu.br/~bacala Programação para a Internet Prof. M.Sc. Sílvio Bacalá Jr sbacala@gmail.com www.facom.ufu.br/~bacala A plataforma WEB Baseada em HTTP (RFC 2068) Protocolo simples de transferência de arquivos Sem estado

Leia mais