SEQUÊNCIA DIDÁTICA SOBRE RAÇA E DISCRIMINAÇÃO RACIAL

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SEQUÊNCIA DIDÁTICA SOBRE RAÇA E DISCRIMINAÇÃO RACIAL"

Transcrição

1 SEQUÊNCIA DIDÁTICA SOBRE RAÇA E DISCRIMINAÇÃO RACIAL DISCIPLINA: SOCIOLOGIA O propósito desta sequência didática é discutir com e/em interação com os jovens-alunos, a questão do preconceito racial e o processo de construção sócio-histórica deste fenômeno no Brasil e no Mundo. Para isso, faz-se necessário a discussão das teorias cientificas que buscavam fundamentar o racismo Eugenia, o Mito da Democracia racial apresentado por Gilberto freire em sua Obra Casa Grande Senzala e a desconstrução desse mito com a análise de Florestan Fernandes e a tese do fenômeno do Racismo Velado No Brasil. Obs: Uma dica para maior efetividade deste trabalho é a de iniciá-lo um mês antes do Dia da Consciência Negra (20 de Novembro) e que o trabalho tenha culminância nesta data com a mobilização de toda a comunidade escolar e apresentação dos materiais produzidos a partir da efetivação desta sequência didática ATIVIDADE 1: Sensibilização sobre o Tema: Brasil, País com Racismo, mas Sem racista. TEMPOS: 50 Minutos OBJETIVO: Apresentar o material da campanha realizada pela IBASE em 2003 que teve como tema: Aonde você guarda seu preconceito. O propósito desta atividade é aproximar nossos educandos do conceito de Racismo Velado - fruto da análise do sociólogo Florestan Fernandes acerca do fenômeno da Discriminação Racial no Brasil. Tal análise indica que em nosso país mesmo apresentando um latente preconceito frente a determinados grupos raciais, a sociedade brasileira ainda insiste em negar este fato. MATERIAL: Giz, lousa, impressões em folha A4 PROCESSO: Inicialmente, escreva no Quadro ou Imprima e distribua para os educandos o seguinte fragmento de texto: Uma pesquisa realizada pela Fundação Perseu Abramo mostrou que grande parte dos brasileiros (87%) admite que há discriminação racial no país, mas apenas 4% da população se considera racista. Este pequeno fragmento deve ser descutido de forma reflexiva junto aos alunos, objetivando iniciar um processo de desnaturalização dos processos que resultam em posturas preconceituosas em nossa vida cotidiana. Além da questão que o próprio texto propõe: Existe Racismo sem racista?, Os alunos podem ser questionados pelo professor sobre o caráter do preconceito racial no Brasil. Como ele resume a discriminação dos negros no Brasil? O padrão de preconceito racial brasileiro se difere do exercido em outras parte do Mundo? E quais medidas poderiam ser adotadas para sanar o problema do Racismo em nossa sociedade?

2 DICA: Antes de realizar a discussão do fragmento com os educandos, provoque-os com as mesmas questões que foram feitas aos participantes da pesquisa. Peça para levantar as mãos, os alunos que acham que existe racismo no Brasil ( caso seja necessário explique em linha gerais o que é racismo). Anote no quadro, a quantidade de alunos que afirmaram que sim e os que responderam não. Em seguida, pergunte quem se considera racista e realize o mesmo procedimento anotando os resultados no quadro. Em seguida, relacione o resultado obtido em sala de aula (dados apresentados pela pesquisa da Fundação Perseu Abramo), salientando a questão suscitada pela pesquisa: Existe Racismo Sem racista? Depois de realizada a discussão, convite os alunos para se reunirem em grupos e trocar experiências sobre Casos de descriminação racial, que eles já tenham presenciado. Solicite que o grupo sintetize o que foi discutido em uma folha. Tal síntese deve ser entregue ao professor. Este material deverá servir de subsídio para próxima aula. ATIVIDADE 2: Análise e discussão dos textos produzidos na aula anterior TEMPO: 50 minutos (1 aula) OBJETIVO: Esta atividade pretende mostrar que o fenômeno do preconceito racial está muito mais próximo do cotidiano de nossos educandos. Refletir com os alunos, o fato de vivermos em uma sociedade ainda racista, com preconceitos/discriminações naturalizadas. Por meio dessa mesma atividade, podemos fomentar a discussão acerca de como devemos nos portar frente a um caso de discriminação racial explícito. Para tanto, tenha como balizador a legislação brasileira no que tange o combate a discriminação étnico-racial. PROCESSO: Analise os textos produzidos pelos alunos na última atividade. Inicie esta aula comentando o material produzido por eles e proponha um debate com os mesmos sobre como a vitima dos casos citados por eles deveriam proceder diante de tais ofensas. ANÁLISE DA PRÀTICA: Esta atividade com os alunos do Ensino Médio teve resultados bastante ricos. Alguns casos relatados foram amplamente discutidos e tiveram um grande impacto nas turmas. Um caso que marcou bastante as turmas foi o episódio - O balé no Palácio das Artes. Uma aluna relatou que desde muito jovem apresentava um talento nato para o Balé e com bastante esforço, ela conseguiu uma bolsa de estudos no Corpo de Balé do Palácio das Artes, Instituição Pública com grande renome no campo das culturas/artes em Minas Gerais. Tal instituição é mantida pelo governo do estado de Minas Gerais. Durante os treinos/ensaios no grupo de Balé, a aluna foi se destacando, sempre elogiada pelos professores. Mas quando foi realizada a montagem do espetáculo com as alunas de sua turma ocorreu para ela a grande surpresa. Mesmo com todos os elogios dos professores, a aluna ficou com atuação secundária dentro da peça. Ao chegar em casa, a mesma relatou o episódio para sua mãe, que resolveu verificar o ocorrido junto aos

3 professores do Palácio. Respondendo à mãe da aluna, uma professora do Palácio disse, sem maiores rodeios: meninas de cor, tradicionalmente no balé, não atuavam em papéis de destaque.... Após descrever este caso, sem citar o nome da educanda em questão, realizei uma análise da gravidade do caso. Chamei atenção dos alunos para o fato do ocorrido se passar numa instituição Pública que atua no campo da cultura, onde deveria ser justamente destruído/refletivo os preconceitos e valorizado a diversidade cultural de nosso país. Em seguida, questionei a turma sobre qual seria a atitude correta que a mãe da educanda deveria ter tomado frente ao caso de discriminação racial sofrido por sua filha. Após esta discussão, chegamos a conclusão de que além de chamar a polícia e fazer um boletim de ocorrência, já que a legislação brasileira prevê em seu código penal o racismo como crime. A mãe de nossa educanda deveria chamar a imprensa e colocar público o caso de racismo na Instituição Palácio das Artes. Seria interessante ainda, que os alunos tivessem acesso a legislação citada. No meu caso, tive a sorte de ter um aluno que dispunha de celular com internet naquele momento, que facilmente encontrou tal lei. Por fim, apresente o artigo da legislação brasileira na próxima aula com o intuito de fundamentar da discussão ali realizada. OBS: Vale muito a pena, acrescentar a essa discussão, os casos ligados ao racismo no futebol (Caso do Goleiro Aranha do Santos e do Volante Tinga do Cruzeiro) entre outros. Peça aos alunos para pesquisarem na Internet tais casos. Depois divida a turma em grupo para a discussão dos mesmos. Relatar o caso: quem são os sujeitos envolvidos? Onde eles aconteceram? Como tais casos tramitaram juridicamente? quais suas repercussões na mídia? e como esses casos mobilizaram a opinião pública? Essa pode ser uma oportunidade de fazer uma reflexão mais aprofundada sobre o tema. No caso do futebol, por exemplo, você pode questionar os educandos se o racismo é um fenômeno novo no futebol, dado o grande número de denúncia ocorrida recentemente. Antes o racismo não ocorria no futebol? Hoje tais denúncias representam uma maior tomada de consciência dos jogadores sobre os seus direitos? Caso ache conveniente, uma aula poderá ser reservada para tratar sobre o tema Racismo no Futebol. Mas é interessante que essa discussão seja realizada de forma local para o global, ou seja, o educando deve perceber que da mesma forma que deve ser abominado o ato de chamar alguém de Macaco no campo de futebol, o mesmo deve ser feito na sala de aula. ATIVIDADE 3 O CAMPO DA PUBLICIDADE TEMPO: 50 minutos (1 aula) OBJETIVO: Nesta aula, buscaremos aprofundar o processo de sensibilização de nossos educando sobre a questão da discriminação racial. Para isso, apresentaremos algumas peças utilizadas pelos movimentos sociais para discutir a questão do racismo no Brasil. Fomentar questões: Por que existe racismo? Historicamente, podemos datar e/ou indicar onde surgiu a discriminação racial e de quem ela está a serviço? Por que as pessoas se tornam racistas? Existe lógica em categorizar as pessoas segundo a sua cor? Realmente existe raças entre os seres humanos?

4 PROCESSO: Para isso, utilizaremos as peças publicitarias da campanha Onde você guarda o seu racismo? O material consiste em uma série de depoimentos de pessoas que foram vitimas de discriminação racial no Brasil como os listados abaixo: IMAGEM 1 As proximas três imagens são interessantes para ilustrar o padrão de preconceito da sociedade brasileira. Preconceito, que segundo o Sociologo Florestan Fernandes classificou como racismo velado. Ou seja, temos uma sociedade onde legalmente o preconceito racial é condenado e repudiado. Mas que na prática se mostra mapeado: populações negras e indígenas são relegadas a postos de trabalhos desqualificados e são os responsabilizados pelos crimes e atos de violências. Quando um individuo negro ou indígena escapam deste padrão - são vitimas de preconceitos, como é ilustrado no caso de advogados negros que ao usarem ternos sempre são confundidos como segurança ou se médico negro será identificado como auxiliar de enfermagem. Isto se deve ao forte processo de naturalização do racismo de cor.

5 IMAGEMS

6 As imagens acima podem ser mostradas com as seguintes questões aos jovens educandos: 1) As pessoas nascem racistas ou a educação que eles recebem as tornam racistas? O objetivo aqui é deixar claro que o racismo é uma construção social e ideológica. Ela é reproduzida e naturalizada por diversas instituições em nossa sociedade brasileira, como: família, igreja, escola, política e mídia. Outra peça que poderia contribuir para essa discussão seria o Vídeo: Racismo desde criança. Comparando as bonecas. O vídeo apresenta o impacto que a emersão de várias crianças em uma sociedade racista, como a Norte Americana, produz na identidade dessas crianças - autorepresentações. No debate, seria interessante correlacionar a análise do vídeo à teoria do educador Brasileiro Paulo Freire, em especial, a sua obra Pedagogia do Oprimido. Nesta, Paulo Freire discute a necessidade da educação ajudar sujeitos escolares superarem a mentalidade de oprimido e opressor. Opressão fundamentada em uma sociedade que hierarquiza as pessoas: marcas sociais, sexo, raça/cor, orientação sexual, relação de gênero e crença religiosa, etc. O vídeo em questão é um exemplo claro desta construção social que rotula as pessoas, segundo a sua cor. O vídeo deixa claro como as representações incutem nas mentes das próprias pessoas que são oprimidas, que as mesmas são inferiores, o que definitivamente não possui fundamento algum.

7 Obs: Recomendo a Leitura da Obra Pedagogia do Oprimido, em especial o seu primeiro capítulo para realização de uma mediação mais qualificada da discussão do vídeo. Link do Vídeo: Racismo desde criança. Comparando as bonecas Link do Livro: Pedagogia do Oprimido

Bons títulos valorizam o jornal

Bons títulos valorizam o jornal Plano de aula Bons títulos valorizam o jornal O título (ou manchete) é o primeiro contato entre o leitor e o texto. Através dele é feito um convite à leitura. Tradicionalmente, o título jornalístico devia

Leia mais

Proposta de Redação Ensino Médio

Proposta de Redação Ensino Médio Antes de fazer a redação, leia os textos a seguir: Texto I Proposta de Redação No Recife, mulheres protestam contra assédio no transporte público É numa tentativa de combater o assédio no transporte público

Leia mais

Meus Desafios Minhas Fortalezas Minhas Atitudes

Meus Desafios Minhas Fortalezas Minhas Atitudes É comum conhecermos pessoas que reclamam da Vida assumindo uma posição de vítima das circunstâncias. Entretanto, há também quem decida assumir a responsabilidade sobre sua história, reconhecendo oportunidades

Leia mais

DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES:

DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES: DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES: 1) O JOGO DOS PALITOS E A PROBABILIDADE: esta sequência didática apresentada aos anos iniciais (1º/5º ano) do Ensino Fundamental tem como objetivo possibilitar conhecimentos das

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DISCIPLINA : METODOLOGIA DA PESQUISA ASSUNTO: CIÊNCIA E CONHECIMENTO

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DISCIPLINA : METODOLOGIA DA PESQUISA ASSUNTO: CIÊNCIA E CONHECIMENTO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DISCIPLINA : METODOLOGIA DA PESQUISA ASSUNTO: CIÊNCIA E CONHECIMENTO PROFESSOR : Romilson Lopes Sampaio CIÊNCIA Etimologia: Ciência

Leia mais

Tabela Pitagórica para aprender multiplicação

Tabela Pitagórica para aprender multiplicação FUNDAMENTAL I Tabela Pitagórica para aprender multiplicação Envie por email Imprima Confira como utilizar esse excelente recurso para provocar a reflexão sobre as relações de proporcionalidade nas multiplicações

Leia mais

Complemento nominal. A discriminação aos negros é inaceitável, aliás, toda discriminação é inaceitável.

Complemento nominal. A discriminação aos negros é inaceitável, aliás, toda discriminação é inaceitável. Complemento nominal Termo da oração que completa o sentido de um substantivo, adjetivo ou advérbio, sempre através de uma preposição. Da mesma maneira que o objeto indireto, o complemento nominal é introduzido

Leia mais

Você já ouviu falar sobre a IGUALDADE DE GÊNERO? Saiba do que se trata e entenda o problema para as crianças, jovens e adultos se essa igualdade não

Você já ouviu falar sobre a IGUALDADE DE GÊNERO? Saiba do que se trata e entenda o problema para as crianças, jovens e adultos se essa igualdade não Você já ouviu falar sobre a IGUALDADE DE GÊNERO? Saiba do que se trata e entenda o problema para as crianças, jovens e adultos se essa igualdade não for ensinada na escola! O QUE É A IGUALDADE DE GÊNERO?

Leia mais

AS PRÁTICAS RELIGIOSAS E A DIVERSIDADE DE CRENÇAS

AS PRÁTICAS RELIGIOSAS E A DIVERSIDADE DE CRENÇAS ESCOLA SUPERIOR DE CIÊNCIAS DA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE VITÓRIA FACULDADE DE SERVIÇO SOCIAL SERVIÇO SOCIAL CRISTINA BARBOSA BENJAMIM AS PRÁTICAS RELIGIOSAS E A DIVERSIDADE DE CRENÇAS Vitória 2015

Leia mais

Relações Étnico-Raciais no Brasil. Professor Guilherme Paiva

Relações Étnico-Raciais no Brasil. Professor Guilherme Paiva Relações Étnico-Raciais no Brasil Professor Guilherme Paiva Unidade 1: Entender as relações étnico-raciais no Brasil através das legislações atuais Questões iniciais: a invisibilidade do negro e do índio

Leia mais

Flávia Oliveira Setembro/2015

Flávia Oliveira Setembro/2015 Flávia Oliveira Setembro/2015 Percepção subjetiva Há racismo no Brasil? Para responder a essa pergunta, Luh de Souza, professora de História, e Franciso Antero, funcionário público, criaram em 2013 o Teste

Leia mais

DIVERSIDADE ÉTNICO RACIAL: PERCEPÇÕES DE PROFESSORES E ALUNOS DO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL

DIVERSIDADE ÉTNICO RACIAL: PERCEPÇÕES DE PROFESSORES E ALUNOS DO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DIVERSIDADE ÉTNICO RACIAL: PERCEPÇÕES DE PROFESSORES E ALUNOS DO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL Raelma Danuza César Freire; Ma. Nadia Farias dos Santos (Orientadora) UEPB Univesidade Estadual da Paraíba

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO 1

PROJETO PEDAGÓGICO 1 PROJETO PEDAGÓGICO 1 Projeto Pedagógico Por Beatriz Tavares de Souza* Título: O fojo Autor: Fabiana Guimarães Ilustrações: Robson Araújo Formato: 24 cm x 22 cm Número de páginas: 16 Apresentação O livro

Leia mais

Duas experiências existenciais que marcam a relação do indivíduo com a religião:

Duas experiências existenciais que marcam a relação do indivíduo com a religião: Objetivo 4 Duas experiências existenciais que marcam a relação do indivíduo com a religião: A experiência de encontro com o Transcendente Desestabilizadora; Ampliadora de horizontes; Libertadora. A experiência

Leia mais

Ensino Fundamental Nível II

Ensino Fundamental Nível II Ensino Fundamental Nível II Comp. Curricular: Data: 2º Período Aluno (a): Nº Professor: Turma: DE OLHO NA IMAGEM QUESTÃO 01 No quadro, três crianças estão brincando. Campeão de bolinha de gude (1939),

Leia mais

Red. Eduardo Valladares (Bernardo Soares) Este conteúdo pertence ao Descomplica. Está vedada a cópia ou a reprodução não autorizada previamente e por

Red. Eduardo Valladares (Bernardo Soares) Este conteúdo pertence ao Descomplica. Está vedada a cópia ou a reprodução não autorizada previamente e por Aula 3 Eduardo Valladares (Bernardo Soares) Este conteúdo pertence ao Descomplica. Está vedada a cópia ou a reprodução não autorizada previamente e por Foca na Redação 28 mar Como planejar um bom texto?

Leia mais

30 anos de CUT e a Luta. pela Equidade Racial.

30 anos de CUT e a Luta. pela Equidade Racial. 30 anos de CUT e a Luta pela Equidade Racial. Apresentação Três décadas de desafios e conquistas Com intenção de visibilizar as marcas de combate ao racismo no trabalho e as ações de promoção de igualdade

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 471/XIII/2.ª ALTERA O CÓDIGO PENAL, REFORÇANDO O COMBATE À DISCRIMINAÇÃO RACIAL

PROJETO DE LEI N.º 471/XIII/2.ª ALTERA O CÓDIGO PENAL, REFORÇANDO O COMBATE À DISCRIMINAÇÃO RACIAL Grupo Parlamentar PROJETO DE LEI N.º 471/XIII/2.ª ALTERA O CÓDIGO PENAL, REFORÇANDO O COMBATE À DISCRIMINAÇÃO RACIAL Exposição de motivos O princípio da não discriminação constitui um elemento crucial

Leia mais

Definições Resenha-resumo: Resenha-crítica:

Definições Resenha-resumo: Resenha-crítica: Definições Resenha-resumo: É um texto que se limita a resumir o conteúdo de um livro, de um capítulo, de um filme, de uma peça de teatro ou de um espetáculo, sem qualquer crítica ou julgamento de valor.

Leia mais

As primeiras noções de mapa e a importância da Geografia nas séries iniciais

As primeiras noções de mapa e a importância da Geografia nas séries iniciais As primeiras noções de mapa e a importância da Geografia nas séries iniciais Ler e buscar informações Nas aulas de Geografia, é importante que a criança tenha espaço para desenhar e representar as situações,

Leia mais

CF/88 - CONSTITUIÇÃO FEDERAL DO BRASIL DE 1988

CF/88 - CONSTITUIÇÃO FEDERAL DO BRASIL DE 1988 CF/88 - CONSTITUIÇÃO FEDERAL DO BRASIL DE 1988 01. A Constituição Federal, no Artigo 211 e parágrafos 1., 2., 3. e 4., estabelece a organização e competências da União, Estados, Distrito Federal e Municípios

Leia mais

Média de ouvintes por minuto: Sexo Masculino: Sexo Feminino: Classes AB: Classe C: Classes DE:

Média de ouvintes por minuto: Sexo Masculino: Sexo Feminino: Classes AB: Classe C: Classes DE: O CAFÉ COM NOTÍCIA é apresentado pelo comunicador JUNIOR MOREIRA, que imprime um ritmo forte e dinâmico, com bom humor e alto astral. A primeira hora do programa (de 4h às 5h) é pautada na programação

Leia mais

Sociologia. Larissa Rocha 14 e Sociologia no Brasil

Sociologia. Larissa Rocha 14 e Sociologia no Brasil Sociologia no Brasil Sociologia no Brasil 1. A população negra teve que enfrentar sozinha o desafio da ascensão social, e frequentemente procurou fazê-lo por rotas originais, como o esporte, a música e

Leia mais

PROCURAR EMPREGO. Delegação Regional do Centro. Centro de Emprego da Covilhã

PROCURAR EMPREGO. Delegação Regional do Centro. Centro de Emprego da Covilhã PROCURAR EMPREGO Delegação Regional do Centro Centro de Emprego da Covilhã 1 Procurar Emprego Exige: MOTIVAÇÃO PROATIVIDADE DETERMINAÇÃO TEMPO PERSISTÊNCIA ORGANIZAÇÃO Conhecer-se a si próprio: Experiências

Leia mais

Redação Enem Tema: Caminhos para combater a intolerância religiosa no Brasil - Ensino Médio

Redação Enem Tema: Caminhos para combater a intolerância religiosa no Brasil - Ensino Médio Redação Enem 2016 - Tema: Caminhos para combater a intolerância religiosa no Brasil - Ensino Médio Texto selecionado da Turma 231 Aluna: Giorgia Gimenez Durante uma transmissão ao vivo de um canal televisivo

Leia mais

Sinttel-DF RESPEITA AS MINA. Assedio Sexual e caso de policia. Denuncie

Sinttel-DF RESPEITA AS MINA. Assedio Sexual e caso de policia. Denuncie Sinttel-DF RESPEITA AS MINA Assedio Sexual e caso de policia Denuncie Assedio Sexual e nojento Denuncie O Assédio Sexual é considerado a pior forma de Assédio Moral e sempre foi combatido duramente pelo

Leia mais

Proposta de produção de texto no modelo ENEM Tema: Racismo no Ensino Superior: acesso e permanência

Proposta de produção de texto no modelo ENEM Tema: Racismo no Ensino Superior: acesso e permanência Proposta de produção de texto no modelo ENEM Tema: Racismo no Ensino Superior: acesso e permanência PRODUÇÃO DE TEXTO Em Brasília, estudante protesta contra o sistema de cotas Disponível em: https://pt.wikipedia.org/wiki/cota_racial#/media/file:protesto_contra_o_sistema_de_cotas.jpg

Leia mais

UM POR TODOS E TODOS POR UM

UM POR TODOS E TODOS POR UM OFICINA Nº: 01 UM POR TODOS E TODOS POR UM ÁREA: Recreação FAIXA ETÁRIA: 13 a 16 anos. CARGA HORÁRIA: 03 horas. OBJETIVO: Desenvolver o trabalho em equipe, a cooperação, a comunicação, a criatividade e

Leia mais

1. Considere um processador super-pipelined com 4 estágios (IF,ID,EX,WB), a operar à frequência de 1GHz, e com as seguintes caracteristicas:

1. Considere um processador super-pipelined com 4 estágios (IF,ID,EX,WB), a operar à frequência de 1GHz, e com as seguintes caracteristicas: 1. Considere um processador super-pipelined com 4 estágios (IF,ID,EX,WB), a operar à frequência de 1GHz, e com as seguintes caracteristicas: unidades funcionais pipelined com as seguintes latências: 1

Leia mais

RAÇA BRASIL COLUNAS: TEMAS & CÓDIGOS & SUBCÓDIGOS

RAÇA BRASIL COLUNAS: TEMAS & CÓDIGOS & SUBCÓDIGOS Negritude Discriminação Racial 40 Negritude Entidades, instituições em favor do negro 35 Negritude Discriminação Racial Denúncias 9 Negritude Discriminação Racial Denúncias condenações realizadas 7 Cultura

Leia mais

Carlos Hasenbalg. Discriminação e desigualdades raciais no Brasil, Rio de Janeiro, ed. Graal,1979.

Carlos Hasenbalg. Discriminação e desigualdades raciais no Brasil, Rio de Janeiro, ed. Graal,1979. Carlos Hasenbalg Discriminação e desigualdades raciais no Brasil, Rio de Janeiro, ed. Graal,1979. racismo passa a ser conceito corrente para referir-se às s sociedades coloniais e pos- coloniais Hoetink

Leia mais

cesop OPINIÃO PÚBLICA, Campinas, Vol. XI, nº 2, Outubro, 2005, Encarte Tendências. p

cesop OPINIÃO PÚBLICA, Campinas, Vol. XI, nº 2, Outubro, 2005, Encarte Tendências. p cesop OPINIÃO PÚBLICA, Campinas, Vol. XI, nº 2, Outubro, 05, Encarte Tendências. p.469-499 O encarte de dados Tendências dedica-se à questão do e racismo. Os dados apresentados concentram-se em duas principais

Leia mais

O ensino de Sociologia e a temática Afro-Brasileira: aproximações. Estevão Marcos Armada Firmino SEE/SP

O ensino de Sociologia e a temática Afro-Brasileira: aproximações. Estevão Marcos Armada Firmino SEE/SP O ensino de Sociologia e a temática Afro-Brasileira: aproximações. Estevão Marcos Armada Firmino SEE/SP estevão.armada@yahoo.com.br 1. Introdução De acordo com a Lei Federal n 11.645/08, torna-se obrigatório

Leia mais

DISCRIMINAÇÃO RACIAL PRECONCEITO DE COR NO BRASIL

DISCRIMINAÇÃO RACIAL PRECONCEITO DE COR NO BRASIL DISCRIMINAÇÃO RACIAL E PRECONCEITO DE COR NO BRASIL Fundação Perseu Abramo Fundação Rosa Luxemburgo DISCRIMINAÇÃO RACIAL E PRECONCEITO DE COR NO BRASIL CONTATO COM MORTE VIOLENTA: (Espontânea e única,

Leia mais

História e Cultura Afro-brasileira

História e Cultura Afro-brasileira História e Cultura Afro-brasileira Guia de Auto-estudo Aula 13 Percepções da discriminação e do preconceito racial no século XXI Profa. Mônica Quaresma I - HABILIDADES A DESENVOLVER 1 - Analisar os resultados

Leia mais

Cuarta Conferencia Regional Intergubernamental sobre Envejecimiento y Derechos de las Personas Mayores en América Latina y el Caribe Asunción, junio

Cuarta Conferencia Regional Intergubernamental sobre Envejecimiento y Derechos de las Personas Mayores en América Latina y el Caribe Asunción, junio Cuarta Conferencia Regional Intergubernamental sobre Envejecimiento y Derechos de las Personas Mayores en América Latina y el Caribe Asunción, junio de 2017 Conselho Nacional dos Direitos da Pessoa Idosa

Leia mais

SAMPLE A TALENT SHOW 1 LOOK, LISTEN, AND ACT OUT. EIGHT

SAMPLE A TALENT SHOW 1 LOOK, LISTEN, AND ACT OUT. EIGHT > 1 A TALENT SHOW 6 1 LOOK, LISTEN, AND ACT OUT. Explore a cena com os alunos perguntando-lhes se já participaram de alguma apresentação na escola e, caso já tenham participado, como se sentiram. Comente

Leia mais

Publico alvo: alunos do 1º ao 9º ano E.E. Otávio Gonçalves Gomes

Publico alvo: alunos do 1º ao 9º ano E.E. Otávio Gonçalves Gomes Projeto Brasil misturado Duração: 01/11/12 a 30/11/12 Publico alvo: alunos do 1º ao 9º ano E.E. Otávio Gonçalves Gomes Culminância: Dia 30 de novembro Característica: Projeto interdisciplinar, envolvendo

Leia mais

Direito Penal III. Aula 10 04/04/2012. Exercícios de Revisão para a prova 11/04/2012 1ª V.A. Aula 11 18/04/ Difamação art.

Direito Penal III. Aula 10 04/04/2012. Exercícios de Revisão para a prova 11/04/2012 1ª V.A. Aula 11 18/04/ Difamação art. Aula 10 04/04/2012 Exercícios de Revisão para a prova 11/04/2012 1ª V.A Aula 11 18/04/2012 2.5.2 Difamação art. 139 a) Objeto jurídico honra objetiva. b) Tipo Objetivo Difamar é o ato imputar a alguém

Leia mais

CALENDÁRIO FEVEREIRO

CALENDÁRIO FEVEREIRO CALENDÁRIO - 2017 FEVEREIRO 01 Reunião Geral dos Professores 7h 15min e 13h 15min 02- Reunião de Responsáveis de alunos Novos do Maternal ao EM 7h 30min 02- Entrega do Material aos Professores do Maternal

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS JAGUARÃO CURSO DE PEDAGOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS JAGUARÃO CURSO DE PEDAGOGIA PLANO DE ENSINO 2011-2 DISCIPLINA: Educação e Relações Étnico-Raciais JP0053 PROFESSOR: Ms. Claudemir Madeira I DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Carga Horária:30 h II EMENTA Tratar os conceitos de etnia, raça, racialização,

Leia mais

POR UMA EDUCAÇÃO INFANTIL EMANCIPATÓRIA:

POR UMA EDUCAÇÃO INFANTIL EMANCIPATÓRIA: Revista Eventos Pedagógicos Desigualdade e Diversidade étnico-racial na educação infantil v. 6, n. 4 (17. ed.), número regular, p. 482-488, nov./dez. 2015 SEÇÃO ENTREVISTA POR UMA EDUCAÇÃO INFANTIL EMANCIPATÓRIA:

Leia mais

EXPLORAÇÃO DE PROBLEMAS, LABORATÓRIO DE ENSINO DE MATEMÁTICA E FORMAÇÃO DE CONCEITOS CIENTÍFICOS

EXPLORAÇÃO DE PROBLEMAS, LABORATÓRIO DE ENSINO DE MATEMÁTICA E FORMAÇÃO DE CONCEITOS CIENTÍFICOS EXPLORAÇÃO DE PROBLEMAS, LABORATÓRIO DE ENSINO DE MATEMÁTICA E FORMAÇÃO DE CONCEITOS CIENTÍFICOS Silvanio de Andrade Universidade Estadual da Paraíba silvanioandrade@ig.com.br Resumo: O presente mini-curso

Leia mais

ENSINO SECUNDÁRIO / PROFISSIONAL À DESCOBERTA DO MODELO DE NEGÓCIO

ENSINO SECUNDÁRIO / PROFISSIONAL À DESCOBERTA DO MODELO DE NEGÓCIO ENSINO SECUNDÁRIO / PROFISSIONAL À DESCOBERTA DO MODELO DE NEGÓCIO Ensino Secundário / Profissional Breve descrição Esta atividade pretende aprofundar um pouco o tema Modelos de Negócio e ajudar os alunos

Leia mais

Estratégias de ensino que facilitam a aprendizagem dos alunos. Perspectivas e dilemas Professora Dra. Elena Mabel Brutten DEPED/CCSA

Estratégias de ensino que facilitam a aprendizagem dos alunos. Perspectivas e dilemas Professora Dra. Elena Mabel Brutten DEPED/CCSA Estratégias de ensino que facilitam a aprendizagem dos alunos Perspectivas e dilemas Professora Dra. Elena Mabel Brutten DEPED/CCSA Aula expositiva Pontos fortes / fracos Perspectivas... Uma aula dialógica...

Leia mais

A EXPLORAÇÃO SEXUAL. Vamos entender como juntos podemos proteger crianças e adolescentes dessa grave violação de direitos.

A EXPLORAÇÃO SEXUAL. Vamos entender como juntos podemos proteger crianças e adolescentes dessa grave violação de direitos. A EXPLORAÇÃO SEXUAL Vamos entender como juntos podemos proteger crianças e adolescentes dessa grave violação de direitos. Por que esta causa? É uma das mais graves violações de direitos humanos. Quando

Leia mais

Ricardo Georges Affonso Miguel

Ricardo Georges Affonso Miguel Atleta mirim: Natureza jurídica da sua condição e a contribuição para o futebol. Ricardo Georges Affonso Miguel ricardo.miguel@trt1.jus.br O problema. A dificuldade econômica das famílias tem sido a principal

Leia mais

Relatório Anual de Atividades. CPCJ Matosinhos

Relatório Anual de Atividades. CPCJ Matosinhos Relatório Anual de Atividades de 2011 Relatório Anual de Atividades CPCJ Matosinhos 2011 Matosinhos, Março de 2012 Apresentação dos dados estatísticos referentes à atividade desenvolvida pela Comissão

Leia mais

Gênero em foco: Carta do leitor

Gênero em foco: Carta do leitor Gênero em foco: Carta do leitor Circula no contexto jornalístico e é definida como um texto em que o leitor de um jornal ou de revista manifesta seu ponto de vista sobre um determinado assunto da atualidade,

Leia mais

Afrodescendentes são vistos como pessoas de segunda categoria em Brasília

Afrodescendentes são vistos como pessoas de segunda categoria em Brasília www.tribunadobrasil.com.br 05 e 06/12/2009 Preconceito contra os negros Ed Alves Afrodescendentes são vistos como pessoas de segunda categoria em Brasília Gisele Diniz No início do ano, Luan da Rocha Sousa,

Leia mais

PROJETO LEI Nº: SÚMULA :"Cria a Coordenadoria Estadual de Promoção e Igualdade Racial - COEPIR, e dá outras providências."

PROJETO LEI Nº: SÚMULA :Cria a Coordenadoria Estadual de Promoção e Igualdade Racial - COEPIR, e dá outras providências. PROJETO LEI Nº: SÚMULA :"Cria a Coordenadoria Estadual de Promoção e Igualdade Racial - COEPIR, e dá outras providências." Art. 1º. Fica criado a Coepir - Coordenadoria Estadual de Promoção e Igualdade

Leia mais

CONHECIMENTOS GERAIS QUESTÕES de 01 a 23

CONHECIMENTOS GERAIS QUESTÕES de 01 a 23 CONHECIMENTOS GERAIS QUESTÕES de 01 a 23 Leia atentamente o texto a seguir para responder às questões de 01 a 15. FUTEBOL, RACISMO E O MITO DA "DEMOCRACIA RACIAL" Clarissa Nehe Publicado 03/09/2014 5 10

Leia mais

DIA NACIONAL DE COMBATE AO ABUSO E EXPLORAÇÃO SEXUAL DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES

DIA NACIONAL DE COMBATE AO ABUSO E EXPLORAÇÃO SEXUAL DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES DIA NACIONAL DE COMBATE AO ABUSO E EXPLORAÇÃO SEXUAL DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES BRASILIA (Notícias da OIT) A Organização Internacional do Trabalho (OIT), por meio do Projeto de Combate ao Tráfico de Pessoas,

Leia mais

DATA: 01 / 12 / 2016 III ETAPA AVALIAÇÃO ESPECIAL DE HISTÓRIA 2.º ANO/EF ALUNO(A): N.º: TURMA: VALOR: 10,0

DATA: 01 / 12 / 2016 III ETAPA AVALIAÇÃO ESPECIAL DE HISTÓRIA 2.º ANO/EF ALUNO(A): N.º: TURMA: VALOR: 10,0 SOCIEDADE MINEIRA DE CULTURA Mantenedora da PUC Minas e do COLÉGIO SANTA MARIA DATA: 0 / 2 / 206 III ETAPA AVALIAÇÃO ESPECIAL DE HISTÓRIA 2.º ANO/EF UNIDADE: ALUNO(A): N.º: TURMA: PROFESSOR(A): VALOR:

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 62/XIII

PROJETO DE LEI N.º 62/XIII PROJETO DE LEI N.º 62/XIII 41ª ALTERAÇÃO AO CÓDIGO PENAL, APROVADO PELO DECRETO-LEI N.º 400/82, DE 23 DE SETEMBRO, CRIMINALIZANDO UM CONJUNTO DE CONDUTAS QUE ATENTAM CONTRA OS DIREITOS FUNDAMENTAIS DOS

Leia mais

Programa de Educação Continuada (PEC)

Programa de Educação Continuada (PEC) Programa de Educação Continuada (PEC) Curso de Morfossintaxe Odette G.L.Altmann de Souza Campos* Construções que se alternam Ontem vimos Você sair Que você saiu Sua saída Você saindo É preciso Que você

Leia mais

DATA: 06 / 12 / 2012 III ETAPA AVALIAÇÃO ESPECIAL DE MATEMÁTICA 4.º ANO/EF ALUNO(A): N.º: TURMA:

DATA: 06 / 12 / 2012 III ETAPA AVALIAÇÃO ESPECIAL DE MATEMÁTICA 4.º ANO/EF ALUNO(A): N.º: TURMA: SOCIEDADE MINEIRA DE CULTURA Mantenedora da PUC Minas e do COLÉGIO SANTA MARIA DATA: 06 / / 0 III ETAPA AVALIAÇÃO ESPECIAL DE MATEMÁTICA 4.º ANO/EF UNIDADE: ALUNO(A): N.º: TURMA: PROFESSOR(A): VALOR: 0,0

Leia mais

1 Segunda e terceira leis de Newton

1 Segunda e terceira leis de Newton 1 SEGUNDA E TERCEIRA LEIS DE NEWTON 1 Atividade em Grupo n Nomes Turma 1 2 3 4 1 Segunda e terceira leis de Newton 1.1 Aplicando as leis de Newton a objetos que interagem: velocidade constante Três blocos

Leia mais

Fluxo de Recebimentos de Juros e Vencimentos

Fluxo de Recebimentos de Juros e Vencimentos PERFIL SUPER CONSERVADOR - 31/07/2017 2017 375.828,68 0,00 335.766.543,74 336.142.372,42 2018 901.988,83 0,00 49.752.876,09 50.654.864,92 2019 901.988,83 0,00 8.289.486,51 9.191.475,33 2020 901.988,83

Leia mais

SEQUÊNCIA 4 QUARTO ANO MATERIAL DO PROFESSOR VOLUME 1 SEQUÊNCIA 4 ATIVIDADE miolo quarto ano professor.indd 29 23/10/13 20:23

SEQUÊNCIA 4 QUARTO ANO MATERIAL DO PROFESSOR VOLUME 1 SEQUÊNCIA 4 ATIVIDADE miolo quarto ano professor.indd 29 23/10/13 20:23 SEQUÊNCIA 4 SEQUÊNCIA 4 ATIVIDADE 4.1 Ao longo de cada dia, contamos horas, minutos, segundos... Contamos dias, semanas, meses, anos... Que tal revisar nossos conhecimentos sobre o tempo? Complete o texto

Leia mais

Estereótipos raciais a partir da escravidão no Brasil: o processo de marginalização do negro UNIDADE 3

Estereótipos raciais a partir da escravidão no Brasil: o processo de marginalização do negro UNIDADE 3 Estereótipos raciais a partir da escravidão no Brasil: o processo de marginalização do negro Estereótipos raciais a partir da escravidão no Brasil: o processo de marginalização do negro O racismo no Brasil:

Leia mais

Resposta: b) Quais são os números divisíveis por 3? Justifique sua resposta. Resposta:

Resposta: b) Quais são os números divisíveis por 3? Justifique sua resposta. Resposta: NOME: TURMA: UNIDADE: NOTA: DATA DE ENTREGA: 14 / 06 / 2017 1. (1,2) Observe os números abaixo e responda. 11820 1000 14649 72048 1980 6930 42345 14214 16664 3924 1500 a) Quais são os números divisíveis

Leia mais

PRECONCEITO ÉTNICO RACIAL NA ESCOLA

PRECONCEITO ÉTNICO RACIAL NA ESCOLA PRECONCEITO ÉTNICO RACIAL NA ESCOLA Eduarda Maria de Andrade - UFCG eduardaema@gmail.com Thaisa Maria Ferreira de Sousa - UFCG thaisa_lg@hotmail.com O presente texto tem como eixo norteador o tema preconceito

Leia mais

O Ano da Acolhida Acolha, abrace, perdoe!

O Ano da Acolhida Acolha, abrace, perdoe! AVISOS Lembrar a célula da importância de participar das Missas dominicais e do Grupo Parusia, principalmente da Grande Célula todos os primeiros sábados do mês. Convidar para ajudar a sua liderança na

Leia mais

Porque Você Precisa ter Sua Própria. Caricatura?

Porque Você Precisa ter Sua Própria. Caricatura? Porque Você Precisa ter Sua Própria Caricatura? Já pensou em Ser Caricaturado(ª)? Se já pensou nisso, ótimo, logo você vai descobrir como é possível ter uma incrível Caricatura Digital. Se ainda não tinha

Leia mais

MATRIZ 1 DO PROJETO BIODIREITO E DIREITO PENAL ÁREA DO DIREITO PATRIMÔNIO GENÉTICO SOB A ÓTICA CRIMINAL TEMA DELIMITADO

MATRIZ 1 DO PROJETO BIODIREITO E DIREITO PENAL ÁREA DO DIREITO PATRIMÔNIO GENÉTICO SOB A ÓTICA CRIMINAL TEMA DELIMITADO MATRIZ 1 DO PROJETO ÁREA DO DIREITO TEMA DELIMITADO BIODIREITO E DIREITO PENAL PATRIMÔNIO GENÉTICO SOB A ÓTICA CRIMINAL A Lei de Biossegurança (Lei 11.105/05) menciona a utilização de embriões? Clonagem

Leia mais

Возрастная группа: 6º ano, 5 º ano Онлайн ресурсы: P o l i go l f e

Возрастная группа: 6º ano, 5 º ano Онлайн ресурсы: P o l i go l f e 1 План урока Polígonos - Vértices, Lad os, e ngulos Возрастная группа: 6º ano, 5 º ano Онлайн ресурсы: P o l i go l f e Abert ura Professor apresent a Alunos prat icam Encerrament o 1 5 мин 5 мин 20 мин

Leia mais

IV Encontro Nacional do Censo da Educação Superior. Importância da Coleta e do Tratamento do Quesito Cor ou Raça. Brasília, 10/10/2014

IV Encontro Nacional do Censo da Educação Superior. Importância da Coleta e do Tratamento do Quesito Cor ou Raça. Brasília, 10/10/2014 IV Encontro Nacional do Censo da Educação Superior Importância da Coleta e do Tratamento do Quesito Cor ou Raça Brasília, 10/10/2014 Síntese das atribuições da SEPPIR (DECRETO Nº 7.261, DE 12 DE AGOSTO

Leia mais

De se nvo l ver técnicas para a adição de frações.

De se nvo l ver técnicas para a adição de frações. 1 План урока Ad ição d e Frações Возрастная группа: 6º ano, 5 º ano, 4 º ano Онлайн ресурсы: So be bal ão Abert ura Professor apresent a Alunos prat icam Discussão com a Classe 1 0 мин 1 5 мин 1 2 мин

Leia mais

Promovendo o engajamento das famílias e comunidades na defesa do direito à saúde sexual e reprodutiva de adolescentes e jovens

Promovendo o engajamento das famílias e comunidades na defesa do direito à saúde sexual e reprodutiva de adolescentes e jovens Promovendo o engajamento das famílias e comunidades na defesa do direito à saúde sexual e reprodutiva de adolescentes e jovens Jaqueline Lima Santos Doutoranda em Antropologia Social UNICAMP Instituto

Leia mais

Obs.: *Fazer a leitura de todo o conteúdo (P.06 a 24), em seguida responda as questões. * Depois revise com atenção tirando as duvidas.

Obs.: *Fazer a leitura de todo o conteúdo (P.06 a 24), em seguida responda as questões. * Depois revise com atenção tirando as duvidas. /06/2014 Mariano Rolindo da Cruz 5º 1. Preencha o cabeçalho da avaliação com nome e sobrenome e o número. 2. Verifique se o número de questões e paginação estão corretos. 3. Cada questão possui sua pontuação,

Leia mais

Estudos das Relações Étnico-raciais para o Ensino de História e Cultura Afro-brasileira e Africana e Indígena. Ementa. Aula 1

Estudos das Relações Étnico-raciais para o Ensino de História e Cultura Afro-brasileira e Africana e Indígena. Ementa. Aula 1 Estudos das Relações Étnico-raciais para o Ensino de História e Cultura Afro-brasileira e Africana e Indígena Aula 1 Prof. Me. Sergio Luis do Nascimento Ementa Conceitos básicos, como: escravo, escravizado,

Leia mais

Projeto Volta às aulas

Projeto Volta às aulas Projeto Volta às aulas Educador(a), Este projeto tem como objetivo sugerir diferentes propostas para as primeiras aulas com a sua turma. Esse é um momento especial. Mesmo que você já conheça os alunos,

Leia mais

Pesquisa Dimensões da cidade: favela e asfalto

Pesquisa Dimensões da cidade: favela e asfalto Pesquisa Dimensões da cidade: favela e asfalto Coordenação: Instituto Brasileiro de Análises Sociais e Econômicas (Ibase); os questionários foram aplicados pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Objetivos:

Leia mais

Conteúdo(s) - Grandezas e Medidas; - Tratamento da Informação. Ano(s) 4º e 5º. Tempo estimado Uma a duas aulas.

Conteúdo(s) - Grandezas e Medidas; - Tratamento da Informação. Ano(s) 4º e 5º. Tempo estimado Uma a duas aulas. Objetivo(s) - Comparar e ordenar números naturais de qualquer ordem de grandeza; - Utilizar medidas de tempo em conversões simples entre meses e dias/ meses e semanas/ meses e anos; - Estabelecer relações

Leia mais

Critérios de Avaliação Departamento do 1º Ciclo. Ano letivo 2016/17. Domínios Indicadores VALOR

Critérios de Avaliação Departamento do 1º Ciclo. Ano letivo 2016/17. Domínios Indicadores VALOR Critérios de Avaliação Departamento do 1º Ciclo Ano letivo 2016/17 Os critérios de avaliação constituem referenciais comuns, no Agrupamento, sendo operacionalizados pelos professores da turma 1. Áreas

Leia mais

Os Livros dos Macabeus

Os Livros dos Macabeus Os Livros dos Macabeus O nome dos Livros surgiu do apelido de Macabeus (martelo) dado a Judas, filho mais famoso de Matatias. O texto foi escrito em Hebraico no início do 1º século a.c. Os livros descrevem

Leia mais

CÓDIGO PENAL CÓDIGO DE PROCESSO PENAL

CÓDIGO PENAL CÓDIGO DE PROCESSO PENAL LEI E PROCESSO CÓDIGO PENAL CÓDIGO DE PROCESSO PENAL 2015 2ª Edição Actualização nº 3 CÓDIGO PENAL CÓDIGO DE PROCESSO PENAL Actualização nº 3 ORGANIZAÇÃO BDJUR BASE DE DADOS JURÍDICA EDITOR EDIÇÕES ALMEDINA,

Leia mais

REGULAMENTO DO CONCURSO CULTURAL - CURSO SOBRE CRITÉRIOS DE EXCELÊNCIA

REGULAMENTO DO CONCURSO CULTURAL - CURSO SOBRE CRITÉRIOS DE EXCELÊNCIA REGULAMENTO DO CONCURSO CULTURAL - CURSO SOBRE CRITÉRIOS DE EXCELÊNCIA 1. Este concurso cultural-recreativo é promovido pela Fundação Nacional da Qualidade (FNQ), instituição privada sem fins lucrativos,

Leia mais

Возрастная группа: 2º ano Онлайн ресурсы: Cl ube do s se me l hant e s

Возрастная группа: 2º ano Онлайн ресурсы: Cl ube do s se me l hant e s 1 План урока Ad ição e Subtração até 20 Usand o Reagrupamentosdvd s Возрастная группа: 2º ano Онлайн ресурсы: Cl ube do s se me l hant e s Abert ura Professor apresent a Alunos prat icam Discussão com

Leia mais

Anais (2016): IV CONGRESSO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO-CÁCERES-MT ISSN CONSCIÊNCIA NEGRA: SÓ SE VALORIZA O QUE CONHECE EM SUA PLENITUDE

Anais (2016): IV CONGRESSO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO-CÁCERES-MT ISSN CONSCIÊNCIA NEGRA: SÓ SE VALORIZA O QUE CONHECE EM SUA PLENITUDE Anais (2016): IV CONGRESSO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO-CÁCERES-MT ISSN 2317-5494 1 de 12 Anais (2016): IV CONGRESSO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO-CÁCERES-MT ISSN 2317-5494 CONSCIÊNCIA NEGRA: SÓ SE VALORIZA O

Leia mais

MA14 - Aritmética Lista 1. Unidades 1 e 2

MA14 - Aritmética Lista 1. Unidades 1 e 2 MA14 - Aritmética Lista 1 Unidades 1 e 2 Abramo Hefez PROFMAT - SBM 05 a 11 de agosto 2013 Unidade 1 1. Mostre, por indução matemática, que, para todo n N {0}, a) 8 3 2n + 7 b) 9 10 n + 3.4 n+2 + 5 2.

Leia mais

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO FINAL DE CIÊNCIAS

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO FINAL DE CIÊNCIAS ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO FINAL DE CIÊNCIAS Nome: Nº 7º Ano Data: / / 2016 Professor(a): Nota: (Valor 2,0) A - Introdução Neste ano, fizemos um estudo acerca da diversidade dos seres vivos em nosso planeta.

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL ERNESTO SOLON BORGES. Turmas- 1º e 2º A Ano Matutino Número de alunos: 50

ESCOLA ESTADUAL ERNESTO SOLON BORGES. Turmas- 1º e 2º A Ano Matutino Número de alunos: 50 ESCOLA ESTADUAL ERNESTO SOLON BORGES 1) IDENTIFICAÇÃO Tema: Consciência Negra Turmas- 1º e 2º A Ano Matutino Número de alunos: 50 Professora: Vagna Luiz Rossales da Silva Cidade: Bandeirantes Estado: MS

Leia mais

CULTURA AFRICANA E AFROBRASILEIRA NA ESCOLA: AÇÕES DO PIBID LETRAS

CULTURA AFRICANA E AFROBRASILEIRA NA ESCOLA: AÇÕES DO PIBID LETRAS ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( x ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA CULTURA AFRICANA E AFROBRASILEIRA NA ESCOLA:

Leia mais

APLICAÇÃO DA LEI Nº /03 NO 4 e 5 ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE DUAS ESCOLA MUNICIPAIS E DUAS ESTADUAIS DE BELÉM-PA 1

APLICAÇÃO DA LEI Nº /03 NO 4 e 5 ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE DUAS ESCOLA MUNICIPAIS E DUAS ESTADUAIS DE BELÉM-PA 1 APLICAÇÃO DA LEI Nº 10.639/03 NO 4 e 5 ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE DUAS ESCOLA MUNICIPAIS E DUAS ESTADUAIS DE BELÉM-PA 1 Jéssica Regina Mariano 2 ; Juliany de Seixas Cardoso²; Maria Célia Virgolino Borges

Leia mais

De senvo l ver estratégias para resolver problemas com adição.

De senvo l ver estratégias para resolver problemas com adição. 1 План урока Resolução d e Problemas Usand o a Ad ição Возрастная группа: 1º ano, E duc aç ão i nf ant i l, 2º ano Онлайн ресурсы: Uma c i dade i nt e i ra,, À vi st a! I! Abert ura Professor apresent

Leia mais

LIBERTAR-SE A SI E AOS OPRESSORES: A TAREFA HUMANISTA DOS OPRIMIDOS

LIBERTAR-SE A SI E AOS OPRESSORES: A TAREFA HUMANISTA DOS OPRIMIDOS LIBERTAR-SE A SI E AOS OPRESSORES: A TAREFA HUMANISTA DOS OPRIMIDOS Gilnei da Rosa 1 Introdução O Homem nasce com possibilidade de tornar-se humano, mas somente chega a sê-lo, efetivamente, na e através

Leia mais

O Maior Tesouro da Humanidade

O Maior Tesouro da Humanidade elaboração: Tatiana Pita Mestre em Educação pela PUC (SP) O Maior Tesouro da Humanidade escrito por ilustrado por Patrícia Engel Secco Fábio Sgroi 2 O prazer da leitura Ler é um exercício de voar sem sair

Leia mais

COMISSÃO DE SEGURANÇA DIAGNOSTICO DE SEGURANÇA

COMISSÃO DE SEGURANÇA DIAGNOSTICO DE SEGURANÇA COMISSÃO DE SEGURANÇA DIAGNOSTICO DE SEGURANÇA Ana Cerilza S. Mélo - ADUFS Douglas - SINTEST Maristela - CONSU Paula Timbell - DCE Saulo GESTÃO Residência Universitária - CONVIDADO PLANO DE SEGURANÇA DIRETRIZES

Leia mais

A 8ª PARADA DO ORGULHO GLBT DE BELO HORIZONTE

A 8ª PARADA DO ORGULHO GLBT DE BELO HORIZONTE A 8ª PARADA DO ORGULHO GLBT DE BELO HORIZONTE 2005 Marco Aurélio Máximo Prado Cristiano Santos Rodrigues Frederico Viana Machado NPP / UFMG A pesquisa Relação Estado/Sociedade Civil/Universidade Contexto

Leia mais

Concurso de Curtas STOP Sem Tabus, Opressões e Preconceitos - Regulamento

Concurso de Curtas STOP Sem Tabus, Opressões e Preconceitos - Regulamento Concurso de Curtas STOP Sem Tabus, Opressões e Preconceitos - Regulamento Objetivos No âmbito do Movimento contra o Discurso de Ódio do Conselho da Europa, campanha à qual o Conselho Nacional de Juventude

Leia mais

Dissertação Argumentativa parte II. Professor Guga Valente

Dissertação Argumentativa parte II. Professor Guga Valente Dissertação Argumentativa parte II Professor Guga Valente Esquema da dissertação INTRODUÇÃO - Tema (paráfrase) - Tese (ideia a ser defendida) DESENVOLVIMENTO - Argumentos - Exemplos CONCLUSÃO - Ponto de

Leia mais

Abordagem Construtivista da alfabetização. Aula de 02/05/2010

Abordagem Construtivista da alfabetização. Aula de 02/05/2010 Abordagem Construtivista da alfabetização Aula de 02/05/2010 Dicas práticas para o planejamento do trabalho 1. LEIA EM VOZ ALTA TODOS OS DIAS... Textos literários: contos tradicionais, histórias contemporâneas,

Leia mais

Período Gênero textual Expectativa

Período Gênero textual Expectativa DISCIPLINA: Produção de texto ANO DE REFERÊNCIA: 2016 PROFESSORAS RESPONSÁVEIS: 6ºano Período Gênero textual Expectativa P35 Compreender o papel do conflito gerador no desencadeamento dos episódios narrados.

Leia mais

LISTA DE CONTEÚDOS PARA RECUPERAÇÃO FINAL Professor :Airton José Müller Componente Curricular: Educação Religiosa

LISTA DE CONTEÚDOS PARA RECUPERAÇÃO FINAL Professor :Airton José Müller Componente Curricular: Educação Religiosa LIST DE CONTEÚDOS PR RECUPERÇÃO FINL - 2015 Professor :irton José Müller Componente Curricular: Educação Religiosa CONTEÚDOS DO EXME 6º no 16 C e D Quem sou eu? mizade, cooperação, respeito... Convivência

Leia mais

APOSTILA JOGADORES CARACTERÍSTICAS E FUNÇÕES

APOSTILA JOGADORES CARACTERÍSTICAS E FUNÇÕES APOSTILA JOGADORES CARACTERÍSTICAS E FUNÇÕES O JOGADOR PADRÃO APOSTILA PÁGINA 6 As onze PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS DE UM BOM JOGADOR 1 - Sendo um jogo de conjunto, procurar sempre, e o mais rápido possível

Leia mais

O USO DO BLOG NA EDUCAÇÃO

O USO DO BLOG NA EDUCAÇÃO O USO DO BLOG NA EDUCAÇÃO O QUE É UM BLOG? Contração das palavras inglesas web b (rede) e log (diário de bordo); Página web de atualização rápida, organizada de forma cronológica, tendo como foco a temática

Leia mais

LOLA. Looking for Likely Alternatives. CARTAS PEDAGÓGICAS PASSO-A-PASSO Um processo didáctico para abordar a pesquisa de inovação social sustentável

LOLA. Looking for Likely Alternatives. CARTAS PEDAGÓGICAS PASSO-A-PASSO Um processo didáctico para abordar a pesquisa de inovação social sustentável LOLA Looking for Likely Alternatives CARTAS PEDAGÓGICAS PASSO-A-PASSO Um processo didáctico para abordar a pesquisa de inovação social sustentável Cartas pedagógicas LOLA passo a passo O LOLA propõe um

Leia mais