Instrução n. o 7/2016 BO n. o 5 Suplemento

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Instrução n. o 7/2016 BO n. o 5 Suplemento"

Transcrição

1 Instrução n. o 7/2016 BO n. o 5 Suplemento Temas Supervisão Registo Índice Texto da Instrução Anexo I Texto da Instrução Assunto: Apresentação de requerimentos de autorização, não oposição e registo especial junto do Banco de Portugal e de notificações e outras comunicações através do sistema BPnet A Instrução do Banco de Portugal n.º 5/2016 regulamenta a utilização de um sistema de comunicação eletrónica com o objetivo de interligar, de forma segura, o Banco de Portugal e as entidades supervisionadas, no âmbito das suas atribuições legais, denominado «Sistema BPnet». O Sistema BPnet apresenta várias vantagens, das quais se destacam a celeridade e facilidade de utilização, bem como as garantias de autenticidade das comunicações realizadas por esta via. O Sistema BPnet mereceu uma ampla aceitação por parte das entidades supervisionadas pelo Banco de Portugal, o que justifica uma aposta no desenvolvimento de serviços adicionais no âmbito daquele sistema. Neste sentido, considera-se relevante a criação de um serviço no âmbito do Sistema BPnet que torne possível, às diversas entidades sujeitas à supervisão do Banco de Portugal, dirigir, a esta autoridade de supervisão, requerimentos, notificações e comunicações, com diferentes finalidades. Assim, o Banco de Portugal promoveu a criação e regulamentação de um serviço adicional do Sistema BPnet denominado «Pedidos de Autorização e Registo» (PAR). Adicionalmente, importa que este serviço permita, àquelas entidades, o acompanhamento do estado da tramitação dos procedimentos que lhes digam diretamente respeito, o acesso às comunicações eletrónicas enviadas e às respostas e comunicações eletrónicas que lhes sejam dirigidas pelo Banco de Portugal, até ao término dos mesmos. O serviço PAR tem vários objetivos. Em primeiro lugar, visa tornar mais simples a instrução de requerimentos, notificações e comunicações, com diferentes finalidades, mediante a sua automatização e acesso por via eletrónica. Em segundo lugar, visa tornar mais célere a decisão final do Banco de Portugal, na medida em que cria condições para a correta instrução daqueles requerimentos, notificações e comunicações, pelas entidades supervisionadas. Pressupondo o prévio acesso ao Sistema BPnet pelas entidades sujeitas à supervisão do Banco de Portugal, o serviço PAR não abrange os procedimentos de início de atividade em Portugal, sujeitos a

2 autorização ou mera comunicação, consoante os casos, àquela autoridade de supervisão. Pela mesma razão, o serviço PAR não abrange procedimentos iniciados por entidades que não tenham aderido àquele sistema ou que, pela sua natureza, não estejam sujeitas à supervisão do Banco de Portugal (por exemplo, pessoa singular ou coletiva não financeira que comunica previamente o seu projeto de aquisição de uma participação qualificada em instituição de crédito). O Banco de Portugal, no uso das competências que lhe são conferidas pelo artigo 17.º da sua Lei Orgânica, aprovada pela Lei n.º 5/98, de 31 de janeiro, pelo disposto na alínea f) do n.º 1 artigo 116.º do Regime Geral das Instituições de Crédito e Sociedades Financeiras, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 298/92, de 31 de dezembro, e pela alínea c) do n.º 1 do artigo 6.º do Regime Jurídico dos Serviços de Pagamento e da Moeda Eletrónica, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 317/2009, de 30 de outubro, nas respetivas redações atuais, aprova a seguinte Instrução: Artigo 1.º Objeto 1 A presente Instrução tem como objeto criar o serviço «Pedidos de Autorização e Registo» (PAR), bem com proceder à regulamentação do âmbito e condições de adesão ao mesmo. 2 O PAR é um serviço do Sistema BPnet, sendo a participação no BPnet, incluindo o acesso à infraestrutura e à adesão e disponibilização dos serviços desse sistema, regulada pela Instrução do Banco de Portugal n.º 5/ O PAR permite, às entidades sujeitas à supervisão do Banco de Portugal, submeter e consultar, por via eletrónica e através de um sistema que assegura a autenticidade da identidade dos interlocutores por meios adequados, comunicações eletrónicas dirigidas ao Banco de Portugal ou por este remetidas, no âmbito de um procedimento administrativo ou de uma comunicação obrigatória. 4 Sempre que o pedido em concreto a formular pela entidade sujeita à supervisão do Banco de Portugal não for disponibilizado pelo PAR na BPnet, este é apresentado em suporte de papel. Artigo 2.º Âmbito subjetivo de aplicação 1 O PAR é de adesão obrigatória para as seguintes entidades: a) Instituições de crédito; b) Empresas de investimento; c) Outras sociedades financeiras; d) Instituições de pagamento; e) Instituições de moeda eletrónica; f) Sucursais em Portugal de instituições de crédito, autorizadas em Estados-Membros da União Europeia; g) Sucursais em Portugal de instituições de crédito autorizadas em países que não sejam membros da União Europeia; e h) Sociedades gestoras de participações sociais sujeitas à supervisão do Banco de Portugal, nos termos do artigo 117.º do Regime Geral das Instituições de Crédito e Sociedades Financeiras (RGICSF).

3 Artigo 3.º Procedimentos relativos a instituições de crédito, empresas de investimento e outras sociedades financeiras 1 Devem ser submetidos e acompanhados através do PAR os seguintes procedimentos e comunicações relativos a instituições de crédito: a) Autorização de alterações estatutárias, nos termos do disposto no n.º 1 do artigo 34. do RGICSF, com exceção das previstas nas alíneas e) e g) do referido número; b) Autorização de operações de fusão e cisão, ao abrigo do disposto no artigo 35. do RGICSF; c) Autorização para o exercício de funções dos membros dos órgãos de administração e fiscalização, bem como comunicações respeitantes a factos supervenientes, nos termos do disposto nos artigos 30. e seguintes do RGICSF e na Instrução do Banco de Portugal n.º 12/2015; d) Comunicação prévia de aquisição ou aumento de participação qualificada, nos termos do disposto no artigo 102. do RGICSF e no Aviso do Banco de Portugal n.º 5/2010; e) Comunicação prévia de aquisição ou aumento de participação qualificada em instituição com sede no estrangeiro, nos termos do disposto no artigo 43. -A do RGICSF e no Aviso do Banco de Portugal n.º 2/2003; f) Comunicação de aquisição de participação qualificada, nos termos do disposto no artigo 104. do RGICSF; g) Comunicação prévia de diminuição de participação qualificada, nos termos do disposto no artigo 107. do RGICSF; h) Comunicação de alterações relativas a participações qualificadas, nos termos do disposto no artigo 108. do RGICSF; i) Comunicação de projeto de dissolução voluntária, nos termos do disposto no artigo 35. -A do RGICSF; j) Notificação prévia de estabelecimento de sucursal no estrangeiro de instituição de crédito com sede em Portugal, incluindo a autorização para o exercício de funções de gerente, bem como modificação dos respetivos elementos, nos termos do disposto nos artigos 36., 40. e 42. do RGICSF; k) Notificação prévia de prestação de serviços noutro Estado-Membro da União Europeia por instituição com sede em Portugal, nos termos do disposto no artigo 43. do RGICSF; l) Comunicação prévia de constituição ou aquisição de filial em país terceiro, nos termos do disposto no artigo 42. -A do RGICSF e no Aviso do Banco de Portugal n.º 1/2003; m) Pedido de registo especial, nos termos do disposto nos artigos 66. a 69. do RGICSF; e n) Comunicação prévia para efeitos de oposição ou de não oposição a acumulação de cargos nos termos do disposto no artigo 33.º do RGICSF. 2 Aplica-se o disposto no número anterior, com as devidas adaptações, às empresas de investimento e outras sociedades financeiras, por força do disposto nos artigos 174.º-A, 184.º, 196.º, 199.º-C, 199.º-D, 199.º-E e 199.º-I do RGICSF.

4 Artigo 4 º Procedimentos relativos a instituições de pagamento e instituições de moeda eletrónica 1 Devem ser submetidos e acompanhados através do PAR os seguintes procedimentos relativos a instituições de pagamento: a) Autorização de alterações estatutárias, nos termos do disposto no n.º 1 do artigo 15. do Regime Jurídico dos Serviços de Pagamento e da Moeda Eletrónica (RJSPME), com exceção das alterações previstas nas alíneas e) e g) do referido artigo; b) Autorização de operações de fusão e cisão, nos termos do disposto no artigo 17. do RJSPME; c) Autorização para o exercício de funções dos membros dos órgãos de administração e fiscalização, bem como comunicações respeitantes a factos supervenientes, nos termos do disposto no artigo 12. do RJSPME e na Instrução do Banco de Portugal n.º 12/2015; d) Comunicação de aquisição de participação qualificada, nos termos do n.º 2 do artigo 15.º do RJSPME; e) Comunicação de projeto de dissolução voluntária, nos termos do disposto no artigo 17. do RJSPME; f) Notificação prévia de sucursal ou prestação de serviços noutro Estado-Membro da União Europeia, bem como modificação dos respetivos elementos, nos termos do disposto no 23. do RJSPME; g) Notificação prévia de estabelecimento de sucursal ou filial em países terceiros, bem como modificação dos respetivos elementos, nos termos do disposto no artigo 27. do RJSPME; e h) Pedido de registo especial, nos termos do disposto no artigo 21. do RJSPME. 2 Devem ser submetidos e acompanhados através do PAR os seguintes procedimentos relativos a instituições de moeda eletrónica: a) Os procedimentos previstos no número anterior, com exceção da alínea d); b) Comunicação prévia de aquisição ou aumento de participação qualificada, nos termos dos n.ºs 1, 2 e 4 do artigo 33. -G do RJSPME e do Aviso do Banco de Portugal n.º 5/2010; c) Comunicação prévia de diminuição de participação qualificada, ao abrigo dos n.ºs 5 e 6 do artigo 33. -G do RJSPME; d) Comunicação de alterações relativas a participações qualificadas, nos termos do artigo 33. -I do RJSPME. Artigo 5 º Procedimentos relativos a sucursais de instituições de crédito autorizadas em Estados-Membros da União Europeia Devem ser submetidos e acompanhados através do PAR os procedimentos abaixo enumerados relativos às seguintes sucursais em Portugal de instituições autorizadas em Estados-Membros da União Europeia: a) Comunicação prévia de alteração a elementos relativos à sucursal, designadamente o programa de atividades, o endereço da sucursal e a identificação dos responsáveis da sucursal, nos termos do disposto no artigo 51.º do RGICSF; e b) Requerimento de registo dos elementos previstos no artigo 67.º do RGICSF.

5 Artigo 6º Procedimentos relativos a sucursais de instituições de crédito autorizadas em países terceiros Devem ser submetidos e acompanhados através do PAR os procedimentos abaixo enumerados relativos às seguintes sucursais de instituições autorizadas em países terceiros: a) Autorização para o exercício de funções de gerente de sucursal em Portugal de instituição autorizada em país terceiro, nos termos do disposto no artigo 45. do RGICSF; b) Comunicação prévia de abertura de novos estabelecimentos em Portugal por instituição de crédito que já tenha sucursal em Portugal, nos termos do disposto no n.º 3 do artigo 49.º do RGICSF; e c) Requerimento de registo dos elementos previstos no artigo 67.º do RGICSF. Artigo 7 º Procedimentos relativos a sociedades gestoras de participações sociais Devem ser submetidos e acompanhados através do PAR os seguintes procedimentos relativos a sociedades gestoras de participações sociais, sujeitas à supervisão do Banco de Portugal, nos termos do n.º 4 do artigo 117.º do RGICSF: a) Comunicação prévia em caso de constituição de filiais em países que não sejam membros da União Europeia, de acordo com o n.º 1 do artigo 42.º-A do RGICSF; b) Comunicação prévia em caso de aquisição de participações qualificadas em empresas com sede no estrangeiro, nos termos do artigo 43.º-A do RGICSF; c) Autorização para o exercício de funções dos membros dos órgãos de administração e fiscalização, bem como comunicações respeitantes a factos supervenientes, nos termos do disposto nos artigos 30. a 32º do RGICSF e na Instrução do Banco de Portugal n.º 12/2015; e d) Pedido de registo especial, nos termos das disposições conjugadas do n.º 5 do artigo 10.º do Decreto-Lei n.º 495/88 de 30 de dezembro, na redação atual, e dos artigos 66. a 69. do RGICSF. Artigo 8 º Tramitação excecional Em situações excecionais, devidamente fundamentadas, o Banco de Portugal pode autorizar que os requerimentos, as notificações e as comunicações previstas nos artigos 3.º a 7.º da presente Instrução sejam apresentados, respeitando as normas legais e regulamentares aplicáveis, através de suporte físico adequado, para o seguinte endereço:

6 BANCO DE PORTUGAL DEPARTAMENTO DE SUPERVISÃO PRUDENCIAL RUA FRANCISCO RIBEIRO, N.º 2-5.º ANDAR LISBOA Artigo 9 º Arquivo de documentos originais 1 As entidades devem conservar nos seus arquivos, por um período de cinco anos a contar do termo dos procedimentos previstos nos artigos 3.º a 7.º da presente Instrução: a) Os documentos assinados por representante da entidade com poderes para o efeito ou por pessoa singular, em nome próprio ou em representação de pessoa coletiva, no âmbito dos procedimentos abrangidos pela presente Instrução; e b) Outros documentos originais, quando seja apresentada ao Banco de Portugal cópia eletrónica dos mesmos. 2 A apresentação dos documentos referidos no número anterior pode ser exigida a todo o tempo pelo Banco de Portugal, até ao termo do prazo estabelecido no número anterior. Artigo 10 º Dever de confidencialidade e proteção de dados pessoais 1 Sem prejuízo do dever de segredo nos termos do disposto nos artigos 78.º e 79.º do RGICSF e no artigo 37.º do RJSPME e da obrigação de garantir a segurança das comunicações eletrónicas prevista na Instrução do Banco de Portugal n.º 5/2016, os Utilizadores do PAR devem assegurar a confidencialidade da informação que tenha um carácter pessoal transmitida através deste serviço do Sistema BPnet. 2 Para efeitos do disposto no número anterior, entende-se como Utilizadores as pessoas singulares autorizadas por cada entidade a aceder, por conta e em nome desta, aos procedimentos tratados através do PAR. Artigo 11 º Representatividade 1 As entidades que se encontrem em relação de domínio ou de grupo podem partilhar entre si a utilização de uma infraestrutura comum de ligação ao PAR, cumpridas as condições previstas no n.º 3 do artigo 4.º da Instrução do Banco de Portugal n.º 5/ Sem prejuízo do número anterior, a partilha de infraestrutura comum de ligação ao PAR está sujeita à emissão de uma declaração nos termos do Anexo I à presente Instrução, e da qual faz parte integrante, pela qual: a) A entidade interessada (Entidade Representada) declare permitir a outra entidade (Entidade Representante) o acesso à informação disponibilizada no PAR, bem como a tramitação e gestão de requerimentos e de comunicações por esta via em seu nome; b) A Entidade Representante declare assumir as obrigações e responsabilidades decorrentes da utilização do PAR também no interesse da Entidade Representada.

7 3 A cessação da partilha de infraestrutura comum de ligação ao PAR prevista nos números anteriores é notificada ao Banco de Portugal com a antecedência mínima de 45 dias. 4 Sem prejuízo do disposto no número anterior, a notificação aí referida deve também ser junta aos procedimentos previstos na presente Instrução que se encontrem em curso na BPnet. 5 As declarações previstas nos n.ºs 2 e notificação prevista no n.º 3 são remetidas, por escrito em suporte de papel, para o endereço referido no artigo 8.º. Artigo 12 º Disposições transitórias Os procedimentos referidos nos artigos 3.º a 7.º que se encontrem em curso à data da entrada em vigor da presente Instrução devem prosseguir até ao seu termo em suporte de papel, salvo se, num dado caso concreto, outro procedimento for acordado entre o Banco de Portugal e as entidades requerente. Artigo 13 º Entrada em vigor A presente Instrução entra em vigor 30 dias após a sua publicação.

8 Anexo à Instrução n. o 7/2016 BO n. o 5 Suplemento Anexo I Declaração A (indicar firma), com o número de identificação de pessoa coletiva [ ], com sede [ ], matriculada na Conservatória do Registo Comercial de [ ], com o capital de [ ], representada por [representantes e identificação dos mesmos nomes/número de identificação civil], (doravante, Entidade Representada ) autoriza o acesso à informação disponibilizada no serviço Pedidos de Autorização e Registo disponibilizada no Sistema BPnet ( PAR ), bem como a submissão e o acompanhamento de requerimentos, notificações e de comunicações realizados através do PAR em seu nome, por parte da (indicar firma), com o número de identificação de pessoa coletiva [ ], com sede [ ], matriculada na Conservatória do Registo Comercial de [ ], com o capital de [ ] (doravante, Entidade Representante ), representada por [representantes e identificação dos mesmos nomes/número de identificação civil]. A Entidade Representante declara assumir as obrigações e responsabilidades decorrentes da utilização do serviço «Pedidos de Autorização e Registo» no interesse da Entidade Representada. Pessoa de contacto da Entidade Representada Nome: Cargo: Telefone: Endereço de correio eletrónico: Morada: Pessoa de contacto da Entidade Representante Nome: Cargo: Telefone: Endereço de correio eletrónico: Morada: Pela Entidade Representada Pela Entidade Representante [assinatura] [nome] [assinatura] [nome] [assinatura] [nome] [assinatura] [nome]

BOLETIM OFICIAL Suplemento. 20 maio Legislação e Normas SIBAP

BOLETIM OFICIAL Suplemento. 20 maio Legislação e Normas SIBAP BOLETIM OFICIAL 5 2016 Suplemento 20 maio 2016 www.bportugal.pt Legislação e Normas SIBAP BOLETIM OFICIAL 5 2016 Suplemento Banco de Portugal Av. Almirante Reis, 71 2.º 1150-012 Lisboa www.bportugal.pt

Leia mais

Aviso do Banco de Portugal n. o 1/2019

Aviso do Banco de Portugal n. o 1/2019 Aviso do Banco de Portugal n. o 1/2019 Índice Texto do Aviso Anexo ao Aviso Texto do Aviso O Regulamento (CE) n.º 1606/2002 do Parlamento Europeu e do Conselho, de 19 de julho de 2002, relativo à aplicação

Leia mais

Instrução n. o 9/2016 BO n. o

Instrução n. o 9/2016 BO n. o Instrução n. o 9/2016 BO n. o 7 15-07-2016 Temas Supervisão Normas Prudenciais Índice Texto da Instrução Texto da Instrução Assunto: Autorização para a utilização de modelos internos para cálculo dos requisitos

Leia mais

Boletim Oficial Suplemento BANCO DE PORTUGAL E U R O S I S T E M A

Boletim Oficial Suplemento BANCO DE PORTUGAL E U R O S I S T E M A BANCO DE PORTUGAL E U R O S I S T E M A Boletim Oficial 12 2017 2. Suplemento BOLETIM OFICIAL DO BANCO DE PORTUGAL Normas e informações 12 2017 2.º SUPLEMENTO 20 dezembro 2017 www.bportugal.pt Legislação

Leia mais

Alterações ao Regime Geral das Instituições de Crédito e Sociedades Financeiras decorrentes da DMIF II

Alterações ao Regime Geral das Instituições de Crédito e Sociedades Financeiras decorrentes da DMIF II Alterações ao Regime Geral das Instituições de Crédito e Sociedades Financeiras decorrentes da DMIF II Clara Rainho Núcleo de Consultoria Jurídica do Departamento de Supervisão Prudencial OPEN HEARING

Leia mais

Aviso do Banco de Portugal n. o 2/2016

Aviso do Banco de Portugal n. o 2/2016 Aviso do Banco de Portugal n. o 2/2016 Índice Texto do Aviso Anexo I Anexo II Texto do Aviso O Regulamento de Execução (UE) n.º 680/2014 da Comissão, de 16 de abril de 2014 estabelece requisitos uniformes

Leia mais

BOLETIM OFICIAL DO BANCO DE PORTUGAL

BOLETIM OFICIAL DO BANCO DE PORTUGAL BOLETIM OFICIAL DO BANCO DE PORTUGAL 10 2018 3.ºSUPLEMENTO 30 outubro 2018 www.bportugal.pt Legislação e Normas SIBAP BOLETIM OFICIAL DO BANCO DE PORTUGAL Normas e informações 10 2018 3.º SUPLEMENTO Banco

Leia mais

Orientações EBA/GL/2015/

Orientações EBA/GL/2015/ EBA/GL/2015/19 19.10.2015 Orientações sobre as notificações de passaporte de intermediários de crédito que intervenham em operações de crédito abrangidas pela Diretiva de Crédito Hipotecário 1 1. Obrigações

Leia mais

Projecto de Regulamento da CMVM sobre. Registo de investidores qualificados

Projecto de Regulamento da CMVM sobre. Registo de investidores qualificados Projecto de Regulamento da CMVM sobre Registo de investidores qualificados O presente regulamento regula o registo dos investidores qualificados previsto no artigo 110.º-A do Código dos Valores Mobiliários.

Leia mais

Aviso do Banco de Portugal n. o 1/2016

Aviso do Banco de Portugal n. o 1/2016 Aviso do Banco de Portugal n. o 1/2016 Índice Texto do Aviso Texto do Aviso Mod. 99999910/T 01/14 O nível de exposição das instituições de crédito ao risco imobiliário tem vindo a sofrer um aumento significativo

Leia mais

Aviso do Banco de Portugal n. o 11/2014

Aviso do Banco de Portugal n. o 11/2014 Aviso do Banco de Portugal n. o 11/2014 Índice Texto do Aviso Texto do Aviso Assunto: Assunto Mod. 99999910/T 01/14 O Regulamento (UE) n.º 575/2013 do Parlamento Europeu e do Conselho, de 26 de junho de

Leia mais

EXERCÍCIO DA ATIVIDADE DE INTERMEDIAÇÃO DE MEDICAMENTOS DE USO HUMANO REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA

EXERCÍCIO DA ATIVIDADE DE INTERMEDIAÇÃO DE MEDICAMENTOS DE USO HUMANO REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA EXERCÍCIO DA ATIVIDADE DE INTERMEDIAÇÃO DE MEDICAMENTOS DE USO HUMANO REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA A intermediação de medicamentos é qualquer atividade ligada à venda ou compra de medicamentos, com exceção

Leia mais

Instrução n. o 5/2017 BO n. o 3 2.º Suplemento

Instrução n. o 5/2017 BO n. o 3 2.º Suplemento Instrução n. o 5/2017 BO n. o 3 2.º Suplemento 03-04-2017 Temas Supervisão Elementos de Informação Índice Texto da Instrução Anexo I Informação financeira Anexo II Informação sobre os fundos próprios e

Leia mais

DECRETO N.º 41/XI. A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte:

DECRETO N.º 41/XI. A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: DECRETO N.º 41/XI Derrogação do sigilo bancário (21.ª alteração à Lei Geral Tributária, aprovada pelo Decreto-Lei n.º 398/98, de 17 de Dezembro, e segunda alteração ao Decreto-Lei n.º 62/2005, de 11 de

Leia mais

Consulta pública n.º 1/2014

Consulta pública n.º 1/2014 Consulta pública n.º 1/2014 Deveres de Informação na vigência dos contratos de crédito aos consumidores Projeto de Aviso 1 / 8 DEVERES DE INFORMAÇÃO NA VIGÊNCIA DOS CONTRATOS DE CRÉDITO AOS CONSUMIDORES

Leia mais

É também definido no presente Aviso o procedimento de submissão dos planos de recuperação ao Banco de Portugal. Artigo 1.º.

É também definido no presente Aviso o procedimento de submissão dos planos de recuperação ao Banco de Portugal. Artigo 1.º. Avisos do Banco de Portugal Aviso do Banco de Portugal nº 12/2012 Com o objetivo de identificar as medidas suscetíveis de serem adotadas para corrigir oportunamente uma situação em que uma instituição

Leia mais

DECRETO N.º 364/XII. A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: Artigo 1.

DECRETO N.º 364/XII. A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: Artigo 1. DECRETO N.º 364/XII Terceira alteração ao Decreto-Lei n.º 27-C/2000, de 10 de março, trigésima sexta alteração ao Regime Geral das Instituições de Crédito e Sociedades Financeiras, aprovado pelo Decreto-Lei

Leia mais

LICENÇA n.º ANACOM-1/2013-SP

LICENÇA n.º ANACOM-1/2013-SP LICENÇA n.º ANACOM-1/2013-SP A 1 de fevereiro de 2013, a Autoridade Nacional de Comunicações (ANACOM) decidiu, nos termos previstos e para efeitos do disposto na alínea c) do n.º 2 do artigo 8.º e dos

Leia mais

para a gestão de um sistema integrado de resíduos de embalagens, válida até 31

para a gestão de um sistema integrado de resíduos de embalagens, válida até 31 CONTRATO DE UTILIZAÇÃO DA MARCA NOVO VERDE Entre: NOVO VERDE - SOCIEDADE GESTORA DE RESÍDUOS DE EMBALAGENS, S.A., sociedade comercial anónima, com sede no Centro Empresarial Ribeira da Penha Longa, Rua

Leia mais

CONVOCATÓRIA ASSEMBLEIA GERAL ANUAL DE ACIONISTAS

CONVOCATÓRIA ASSEMBLEIA GERAL ANUAL DE ACIONISTAS NOS, SGPS, S.A. (Sociedade Aberta) Sede Social: Rua Actor António Silva, número 9 Campo Grande, freguesia do Lumiar, 1600-404 Lisboa Pessoa Coletiva número 504.453.513, matriculada na Conservatória do

Leia mais

LICENÇA N.º ICP-ANACOM-7/2013-SP

LICENÇA N.º ICP-ANACOM-7/2013-SP LICENÇA N.º ICP-ANACOM-7/2013-SP O Vogal do Conselho de Administração do ICP - Autoridade Nacional de Comunicações (ICP- ANACOM), Prof. Doutor João Manuel Lourenço Confraria Jorge e Silva, decide, nos

Leia mais

(2014/434/UE) TÍTULO 1 PROCEDIMENTO A APLICAR NA INSTITUIÇÃO DE UMA COOPERAÇÃO ESTREITA. Artigo 1. o. Definições

(2014/434/UE) TÍTULO 1 PROCEDIMENTO A APLICAR NA INSTITUIÇÃO DE UMA COOPERAÇÃO ESTREITA. Artigo 1. o. Definições 5.7.2014 L 198/7 DECISÃO DO BANCO CENTRAL EUROPEU de 31 de janeiro de 2014 relativa à cooperação estreita com as autoridades nacionais competentes de Estados-Membros participantes cuja moeda não é o euro

Leia mais

(Texto relevante para efeitos do EEE)

(Texto relevante para efeitos do EEE) 17.3.2017 L 72/57 REGULAMENTO DE EXECUÇÃO (UE) 2017/461 DA COMISSÃO de 16 de março de 2017 que estabelece normas técnicas de execução no que se refere aos formulários, modelos e procedimentos comuns para

Leia mais

AUTORIZAÇÃO N.º ICP ANACOM - 2/ SP

AUTORIZAÇÃO N.º ICP ANACOM - 2/ SP AUTORIZAÇÃO N.º ICP ANACOM - 2/2012 - SP O Vice-Presidente do Conselho de Administração do ICP-Autoridade Nacional de Comunicações (ICP-ANACOM), decide, nos termos do artigo 5.º do Decreto-Lei n.º 150/2001,

Leia mais

ANEXOS REGULAMENTO DELEGADO DA COMISSÃO

ANEXOS REGULAMENTO DELEGADO DA COMISSÃO COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 11.11.2016 C(2016) 7159 final ANNEXES 1 to 3 ANEXOS do REGULAMENTO DELEGADO DA COMISSÃO que complementa o Regulamento (UE) N.º 909/2014, do Parlamento Europeu e do Conselho,

Leia mais

Política de Proteção de Dados e de Privacidade DreamMedia

Política de Proteção de Dados e de Privacidade DreamMedia Política de Proteção de Dados e de Privacidade DreamMedia Índice Compromisso de Proteção de Dados e Privacidade... 3 Definições... 3 Entidade Responsável pelo Tratamento... 4 Contactos do Responsável pelo

Leia mais

REGULAMENTOS. (Texto relevante para efeitos do EEE)

REGULAMENTOS. (Texto relevante para efeitos do EEE) L 340/6 20.12.2017 REGULAMENTOS REGULAMENTO DE EXECUÇÃO (UE) 2017/2382 DA COMISSÃO de 14 de dezembro de 2017 que estabelece normas técnicas de execução no que respeita aos formulários, modelos e procedimentos

Leia mais

AVISO N.º 09/2013 de 10 de Junho

AVISO N.º 09/2013 de 10 de Junho Publicado em DR I.ª Série n.º 128 de 8 de Julho AVISO N.º 09/2013 de 10 de Junho ASSUNTO: INSTRUÇÃO DE PEDIDOS DE AUTORIZAÇÃO PARA A CONSTITUIÇÃO DE INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS BANCÁRIAS Havendo a necessidade

Leia mais

Política de Seleção e Avaliação da Adequação dos Membros dos Órgãos de Administração e de Fiscalização e dos Titulares de Cargos com Funções

Política de Seleção e Avaliação da Adequação dos Membros dos Órgãos de Administração e de Fiscalização e dos Titulares de Cargos com Funções Política de Seleção e Avaliação da Adequação dos Membros dos Órgãos de Administração e de Fiscalização e dos Titulares de Cargos com Funções Essenciais Página em branco Aprovação Nível 1 2 Índice 1. Introdução...

Leia mais

Suplemento. Boletim Oficial

Suplemento. Boletim Oficial Suplemento Boletim Oficial 10 2018 BOLETIM OFICIAL DO BANCO DE PORTUGAL 10 2018 SUPLEMENTO 18 outubro 2018 www.bportugal.pt Legislação e Normas SIBAP BOLETIM OFICIAL DO BANCO DE PORTUGAL Normas e informações

Leia mais

ALTERA A REGULAMENTAÇÃO DO REGISTO CENTRAL DE CONTRATOS DE SEGURO DE VIDA, DE ACIDENTES PESSOAIS E DE OPERAÇÕES DE CAPITALIZAÇÃO

ALTERA A REGULAMENTAÇÃO DO REGISTO CENTRAL DE CONTRATOS DE SEGURO DE VIDA, DE ACIDENTES PESSOAIS E DE OPERAÇÕES DE CAPITALIZAÇÃO Não dispensa a consulta da Norma Regulamentar publicada em Diário da República NORMA REGULAMENTAR N.º 7/2013-R, de 24 de outubro ALTERA A REGULAMENTAÇÃO DO REGISTO CENTRAL DE CONTRATOS DE SEGURO DE VIDA,

Leia mais

3. Proceder à apreciação, em termos gerais, da Administração e da Fiscalização da Sociedade;

3. Proceder à apreciação, em termos gerais, da Administração e da Fiscalização da Sociedade; INTERHOTEL- SOCIEDADE INTERNACIONAL DE HOTÉIS, SA Sociedade Aberta Sede: Edifício Espaço Chiado, Rua da Misericórdia, 12 a 20, 5º Andar, Escritório nº 19 1200-273 Lisboa Capital Social: 34.719.990,86 Euros

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 826/XII/4.ª SIMPLIFICAÇÃO E PADRONIZAÇÃO DO COMISSIONAMENTO DE CONTAS DE DEPÓSITO À ORDEM

PROJETO DE LEI N.º 826/XII/4.ª SIMPLIFICAÇÃO E PADRONIZAÇÃO DO COMISSIONAMENTO DE CONTAS DE DEPÓSITO À ORDEM PROJETO DE LEI N.º 826/XII/4.ª SIMPLIFICAÇÃO E PADRONIZAÇÃO DO COMISSIONAMENTO DE CONTAS DE DEPÓSITO À ORDEM (ALTERA O DECRETO-LEI N.º 27-C/2000, DE 10 DE MARÇO, O DECRETO-LEI N.º 298/92, DE 31 DE DEZEMBRO

Leia mais

Foi ouvida a Comissão Nacional de Protecção de Dados. Capítulo I. Disposições gerais

Foi ouvida a Comissão Nacional de Protecção de Dados. Capítulo I. Disposições gerais PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR N.º /2010-R, de...de Junho REGULAMENTA O REGISTO CENTRAL DE CONTRATOS DE SEGURO DE VIDA, DE ACIDENTES PESSOAIS E DE OPERAÇÕES DE CAPITALIZAÇÃO Pelo Decreto-Lei n.º 384/2007,

Leia mais

Instrução n. o 1/2017 BO n. o

Instrução n. o 1/2017 BO n. o Instrução n. o 1/2017 BO n. o 2 15-02-2017 Temas Supervisão Divulgação de informação Índice Texto da Instrução Texto da Instrução Assunto: Processos e critérios relativos à aplicação das noções de relevância,

Leia mais

Anexo I Contrato-Tipo de Participação no BPnet. CONTRATO DE PARTICIPAÇÃO NO BPnet

Anexo I Contrato-Tipo de Participação no BPnet. CONTRATO DE PARTICIPAÇÃO NO BPnet Anexo à Instrução nº 30/2002 Anexo I Contrato-Tipo de Participação no BPnet CONTRATO DE PARTICIPAÇÃO NO BPnet No âmbito do BPnet é estabelecido entre o BANCO DE PORTUGAL, pessoa colectiva de direito público

Leia mais

ASSEMBLEIA GERAL ANUAL CONVOCATÓRIA

ASSEMBLEIA GERAL ANUAL CONVOCATÓRIA BANCO COMERCIAL PORTUGUÊS, S.A. Sociedade Aberta Sede: Praça D. João I, 28 - Porto Capital Social: 6.064.999.986 euros Matriculada na C.R.C. do Porto Número único de matrícula e identificação fiscal 501

Leia mais

CONVOCATÓRIA DE ASSEMBLEIA DE OBRIGACIONISTAS DO BANCO POPULAR PORTUGAL, S.A.

CONVOCATÓRIA DE ASSEMBLEIA DE OBRIGACIONISTAS DO BANCO POPULAR PORTUGAL, S.A. BANCO POPULAR PORTUGAL, S.A. Sede: Rua Ramalho Ortigão, 51, Lisboa Natureza Jurídica: Sociedade Anónima Matriculada na Conservatória do Registo Comercial de Lisboa com o número único de matrícula e de

Leia mais

AVISO N.º13/07 De 12 de Setembro

AVISO N.º13/07 De 12 de Setembro AVISO N.º13/07 De 12 de Setembro Havendo necessidade de se estabelecer os requisitos e procedimentos para a constituição de instituições financeiras e para a revogação da respectiva autorização; Ao abrigo

Leia mais

DESPACHO N. GR.03/05/2011

DESPACHO N. GR.03/05/2011 DESPACHO N. GR.03/05/2011 Regulamento Estatuto de Trabalhador-Estudante da Universidade do Porto No uso da competência que me é consagrada na alínea o) do n 1 do artigo 400 dos Estatutos da Universidade

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO EXECUTIVA. Artigo 1.º. Âmbito

REGULAMENTO DA COMISSÃO EXECUTIVA. Artigo 1.º. Âmbito Sociedade Comercial Orey Antunes, S.A. Sociedade aberta com o Capital Social: 12.000.000,00 (doze milhões de euros) Sede: Rua Carlos Alberto da Mota Pinto, n.º 17, 6.º andar, 1070-313 Lisboa Registada

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Proposta de Lei n.º 97/XIII. Exposição de Motivos

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Proposta de Lei n.º 97/XIII. Exposição de Motivos Proposta de Lei n.º 97/XIII Exposição de Motivos O financiamento colaborativo constitui um importante instrumento de empreendedorismo colaborativo que, por um lado, permite aos cidadãos apoiar projetos

Leia mais

GESTORA DE PARTICIPAÇÕES SOCIAIS, S.A. Sociedade Aberta ASSEMBLEIA GERAL ANUAL CONVOCATÓRIA

GESTORA DE PARTICIPAÇÕES SOCIAIS, S.A. Sociedade Aberta ASSEMBLEIA GERAL ANUAL CONVOCATÓRIA IMPRESA - SOCIEDADE GESTORA DE PARTICIPAÇÕES SOCIAIS, S.A. Sociedade Aberta ASSEMBLEIA GERAL ANUAL CONVOCATÓRIA Nos termos da lei e dos estatutos, e a pedido do Conselho de Administração, são convocados

Leia mais

CONTRATO DE ADESÃO PVE. (Artigo 2.º n.º2, do Decreto-Lei n. 170/2008, de 26 de agosto)

CONTRATO DE ADESÃO PVE. (Artigo 2.º n.º2, do Decreto-Lei n. 170/2008, de 26 de agosto) CONTRATO DE ADESÃO PVE (Artigo 2.º n.º2, do Decreto-Lei n. 170/2008, de 26 de agosto) Entre: Entidade de Serviços Partilhados da Administração Pública, I.P. com sede em Alfragide, na Av. Leite de Vasconcelos,

Leia mais

Aviso do Banco de Portugal n. o 6/2017

Aviso do Banco de Portugal n. o 6/2017 Aviso do Banco de Portugal n. o 6/2017 Índice Texto do Aviso Anexo I Anexo II Anexo III Anexo IV Texto do Aviso Através do Decreto-Lei n.º 81-C/2017, de 7 de julho, o legislador aprovou o regime jurídico

Leia mais

Última actualização em 04/03/2008

Última actualização em 04/03/2008 Portaria n.º 220-A/2008 de 4 de Março. - Cria uma secretaria-geral designada por Balcão Nacional de Injunções (BNI), Ministérios das Finanças e da Administração Pública e da Justiça, S.I, 1º SUPLEMENTO,

Leia mais

Regulamento de Inscrição de Juristas de Reconhecido Mérito, Mestres e Doutores em Direito, para a Prática de Actos de Consulta Jurídica

Regulamento de Inscrição de Juristas de Reconhecido Mérito, Mestres e Doutores em Direito, para a Prática de Actos de Consulta Jurídica Regulamento de Inscrição de Juristas de Reconhecido Mérito, Mestres e Doutores em Direito, para a Prática de Actos de Consulta Jurídica O Regulamento de Inscrição de Juristas de Reconhecido Mérito, Mestres

Leia mais

Instituto de Biologia Molecular e Celular - IBMC AJUSTE DIRETO N.º 29/ IBMC

Instituto de Biologia Molecular e Celular - IBMC AJUSTE DIRETO N.º 29/ IBMC Instituto de Biologia Molecular e Celular - IBMC AJUSTE DIRETO N.º 29/2013 - IBMC CONVITE À APRESENTAÇÃO DE PROPOSTA PARA PROCEDIMENTO DE AJUSTE DIRETO AJUSTE DIRETO PARA A AQUISIÇÃO DE SERVIÇOS PARA CLIMATIZAÇÃO

Leia mais

Instrução n. o 2/2009 BO n. o

Instrução n. o 2/2009 BO n. o Instrução n. o 2/2009 BO n. o 2 16-02-2009 Temas Sistemas de Pagamentos Contas de Depósito à Ordem no Banco de Portugal Índice Texto da Instrução Texto da Instrução Assunto:Normas sobre abertura e movimentação

Leia mais

Instrução n. o 14/2015 BO n. o

Instrução n. o 14/2015 BO n. o Instrução n. o 14/2015 BO n. o 9 15-09-2015... Temas Supervisão Normas Prudenciais Índice Texto da Instrução Anexo I Mapa Modelo 1 Anexo II Mapa Modelo 2 Anexo III Mapa Modelo 3 Anexo IV Instruções de

Leia mais

Lei nº 19/2011, de 20 de Maio

Lei nº 19/2011, de 20 de Maio Lei nº 19/2011, de 20 de Maio Primeira alteração ao Decreto-Lei nº 27-C/2000, de 10 de Março, que cria o sistema de acesso aos serviços mínimos bancários A Assembleia da República decreta, nos termos da

Leia mais

CONVOCATÓRIA. Sociedade Aberta - Capital Social ,00 - Pessoa Colectiva n.º C.R.C. Lisboa

CONVOCATÓRIA. Sociedade Aberta - Capital Social ,00 - Pessoa Colectiva n.º C.R.C. Lisboa JERÓNIMO MARTINS, SGPS, S.A. Sociedade Aberta Rua Tierno Galvan, Torre 3 9.º J, Lisboa Capital Social de Euro 629.293.220,00 Matricula na Conservatória do Registo Comercial de Lisboa e NIPC: 500 100 144

Leia mais

Instrução n. o 17/2014 BO n. o

Instrução n. o 17/2014 BO n. o Instrução n. o 17/2014 BO n. o 8 18-08-2014 Temas Operações Bancárias Depósitos e Levantamentos de Notas Índice Texto da Instrução Texto da Instrução Assunto: Operações de depósito e levantamento de moeda

Leia mais

Instruções do Banco de Portugal. Instrução nº 16/2001. ASSUNTO: Regulamento

Instruções do Banco de Portugal. Instrução nº 16/2001. ASSUNTO: Regulamento Instruções do Banco de Portugal Instrução nº 16/2001 ASSUNTO: Regulamento Ao abrigo do nº 2 do Artº 1.º do Decreto-Lei nº 29/96, de 11 de Abril, e do artigo 17.º da sua Lei Orgânica, o Banco de Portugal

Leia mais

REGIME JURÍDICO DA ARBITRAGEM SOCIETÁRIA. Artigo 1.º. (Objeto)

REGIME JURÍDICO DA ARBITRAGEM SOCIETÁRIA. Artigo 1.º. (Objeto) REGIME JURÍDICO DA ARBITRAGEM SOCIETÁRIA Artigo 1.º (Objeto) 1 O presente diploma estabelece o regime aplicável à resolução de litígios em matéria societária com recurso à arbitragem. 2 Podem ser submetidos

Leia mais

AUTORIZAÇÃO Nº ICP 04/ SP

AUTORIZAÇÃO Nº ICP 04/ SP AUTORIZAÇÃO Nº ICP 04/2001 - SP O Conselho de Administração do Instituto das Comunicações de Portugal (ICP), em reunião efectuada em 13 de Dezembro de 2001, deliberou, ao abrigo da alínea j) do nº 1 e

Leia mais

Proposta de Instrução n. o xx/xxxx

Proposta de Instrução n. o xx/xxxx Proposta de Instrução n. o xx/xxxx Índice Texto da Instrução Anexo I Modelos de reporte de informação Anexo II Requisitos da declaração do órgão de administração Texto da Instrução Assunto: Comunicações

Leia mais

DECRETO-LEI Nº 398/98, DE 17 DE DEZEMBRO. Código Civil ª Edição. Atualização nº 1

DECRETO-LEI Nº 398/98, DE 17 DE DEZEMBRO. Código Civil ª Edição. Atualização nº 1 DECRETO-LEI Nº 398/98, DE 17 DE DEZEMBRO Código Civil 2018 10ª Edição Atualização nº 1 1 LEI GERAL TRIBUTÁRIA CÓDIGO CIVIL Atualização nº 1 EDITOR EDIÇÕES ALMEDINA, S.A. Rua Fernandes Tomás nºs 76, 78,

Leia mais

Condições de Venda Fora das Farmácias de Medicamentos Para Uso Humano Não Sujeitos a Receita Médica (MNSRM)

Condições de Venda Fora das Farmácias de Medicamentos Para Uso Humano Não Sujeitos a Receita Médica (MNSRM) Condições de Venda Fora das Farmácias de Medicamentos Para Uso Humano Não Sujeitos a Receita Médica (MNSRM) O Decreto Lei n.º 134/2005, de 16 de agosto, aprovou o regime de venda de medicamentos não sujeitos

Leia mais

Portaria nº 420/2012, de 21 de dezembro

Portaria nº 420/2012, de 21 de dezembro Portaria nº 420/2012, de 21 de dezembro O Fundo de Resolução, que tem por objeto principal a prestação de apoio financeiro à aplicação de medidas de resolução adotadas pelo Banco de Portugal, foi criado

Leia mais

Ao abrigo do disposto no n.º 2 do artigo 36.º do Decreto-Lei n.º 211/2004, de 20 de Agosto:

Ao abrigo do disposto no n.º 2 do artigo 36.º do Decreto-Lei n.º 211/2004, de 20 de Agosto: Legislação Portaria n.º 1327/2004, de 19 de Outubro Publicada no D.R. n.º 246, I Série-B, de 19 de Outubro de 2004 SUMÁRIO: Regulamenta os procedimentos administrativos previstos no Decreto-Lei n.º 211/2004,

Leia mais

Provedoria do Cliente. Regulamento de Funcionamento

Provedoria do Cliente. Regulamento de Funcionamento Provedoria do Cliente Regulamento de Funcionamento Provedoria do Cliente da Abarca - Companhia de Seguros, SA Regulamento de Funcionamento Artigo 1.º - Objecto 1. O presente documento tem por objecto definir

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA INÍCIO DA OFERTA DE REDES E SERVIÇOS DE COMUNICAÇÕES ELECTRÓNICAS

PROCEDIMENTOS PARA INÍCIO DA OFERTA DE REDES E SERVIÇOS DE COMUNICAÇÕES ELECTRÓNICAS PROCEDIMENTOS PARA INÍCIO DA OFERTA DE REDES E SERVIÇOS DE COMUNICAÇÕES ELECTRÓNICAS Introdução A Lei nº 5/2004, de 10 de Fevereiro, estabelece o regime jurídico aplicável às redes e serviços de comunicações

Leia mais

REGULAMENTO DAS SOCIEDADES PROFISSIONAIS DE CONTABILISTAS CERTIFICADOS E SOCIEDADES DE CONTABILIDADE

REGULAMENTO DAS SOCIEDADES PROFISSIONAIS DE CONTABILISTAS CERTIFICADOS E SOCIEDADES DE CONTABILIDADE REGULAMENTO DAS SOCIEDADES PROFISSIONAIS DE CONTABILISTAS CERTIFICADOS E SOCIEDADES DE CONTABILIDADE Capítulo I Disposições gerais Artigo 1.º Âmbito O presente regulamento estabelece as regras de constituição

Leia mais

DECISÃO. Enquadramento

DECISÃO. Enquadramento DECISÃO Enquadramento O ICP Autoridade Nacional de Comunicações (ICP-ANACOM), por deliberação do Conselho de Administração de 22 de dezembro de 2011, aprovou o sentido provável de decisão relativo: às

Leia mais

SONAECOM, S.G.P.S., S.A. Sociedade Aberta

SONAECOM, S.G.P.S., S.A. Sociedade Aberta SONAECOM, S.G.P.S., S.A. Sede Social: Lugar do Espido, Via Norte, Maia Matriculada na Conservatória de Registo Comercial da Maia Número único de Matrícula e de Pessoa Coletiva 502 028 351 Capital Social

Leia mais

ORDEM DO DIA. 2. Deliberar sobre a proposta de aplicação de resultados relativos ao exercício de 2017.

ORDEM DO DIA. 2. Deliberar sobre a proposta de aplicação de resultados relativos ao exercício de 2017. INAPA INVESTIMENTOS, PARTICIPAÇÕES E GESTÃO, S.A. (sociedade aberta) Sede: Rua Braamcamp, n.º 40 9.º D, 1250-050 Lisboa Capital social: 180 135 111,43 Número único de matrícula na Conservatória do Registo

Leia mais

JORNAL OFICIAL. Suplemento. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Quarta-feira, 16 de novembro de Série. Número 201

JORNAL OFICIAL. Suplemento. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Quarta-feira, 16 de novembro de Série. Número 201 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Quarta-feira, 16 de novembro de 2016 Série Suplemento Sumário SECRETARIA REGIONAL DA ECONOMIA, TURISMO E CULTURA Portaria n.º 488/2016 Aprova os modelos das placas

Leia mais

2. Documentos de instrução do processo

2. Documentos de instrução do processo PROCEDIMENTO PARA ALTERAÇÃO DO RESPONSÁVEL TÉCNICO (MÉDICO DENTISTA, MÉDICO OU FARMACÊUTICO) PELOS MEDICAMENTOS DE USO HUMANO CONSTANTES DA LISTA DE SUBSTÂNCIAS ATIVAS (DCI) DO ANEXO I E/OU ANEXO II DA

Leia mais

Informação sobre tratamento de dados pessoais

Informação sobre tratamento de dados pessoais Informação sobre tratamento de dados pessoais 1. Objecto O presente documento destina-se a facultar informação aos titulares de dados pessoais tratados pelo Banco Efisa, no âmbito das suas atividades nas

Leia mais

Título de injunção europeu

Título de injunção europeu PATRÍCIA PINTO ALVES Título de injunção europeu VERBO jurídico VERBO jurídico Título de injunção europeu: 2 Título de injunção europeu PATRÍCIA PINTO ALVES Mestre em Direito pela Escola de Direito da Universidade

Leia mais

IMOBILIÁRIA CONSTRUTORA GRÃO-PARÁ, S.A. Sociedade Aberta Lisboa. Capital social: Euro

IMOBILIÁRIA CONSTRUTORA GRÃO-PARÁ, S.A. Sociedade Aberta Lisboa. Capital social: Euro IMOBILIÁRIA CONSTRUTORA GRÃO-PARÁ, S.A. Sociedade Aberta Sede: Edifício Espaço Chiado, Rua da Misericórdia, 12 a 20, 5º andar, Escritório n.º 19 1200-273 Lisboa Capital social: Euro 12.500.000 Matriculada

Leia mais

ASSEMBLEIA GERAL ANUAL AVISO CONVOCATÓRIO

ASSEMBLEIA GERAL ANUAL AVISO CONVOCATÓRIO IMOBILIÁRIA CONSTRUTORA GRÃO-PARÁ, S.A. Sociedade Aberta Sede: Edifício Espaço Chiado Rua da Misericórdia, 12 a 20, 5º andar, Escritório n.º 19 1200-273 Lisboa Capital social: Euro 12.500.000 Matriculada

Leia mais

ORDEM DO DIA INFORMAÇÃO AOS ACCIONISTAS. Elementos informativos à disposição dos accionistas na sede social

ORDEM DO DIA INFORMAÇÃO AOS ACCIONISTAS. Elementos informativos à disposição dos accionistas na sede social INAPA INVESTIMENTOS, PARTICIPAÇÕES E GESTÃO, S.A. (sociedade aberta) Sede: Rua Braamcamp, n.º 40 9.º D, 1250-050 Lisboa Capital social: 180 135 111,43 Número único de matrícula na Conservatória do Registo

Leia mais

JERÓNIMO MARTINS, SGPS, S.A.

JERÓNIMO MARTINS, SGPS, S.A. JERÓNIMO MARTINS, SGPS, S.A. Sociedade Aberta Rua Actor António Silva, n.º 7, Lisboa Capital Social de Euro 629.293.220,00 Matricula na Conservatória do Registo Comercial de Lisboa e NIPC: 500 100 144

Leia mais

REGULAMENTO DO REGISTO DAS SOCIEDADE CIVIS DE SOLICITADORES

REGULAMENTO DO REGISTO DAS SOCIEDADE CIVIS DE SOLICITADORES REGULAMENTO DO REGISTO DAS SOCIEDADE CIVIS DE SOLICITADORES O Estatuto da Câmara dos Solicitadores, aprovado pelo Decreto-Lei 88/2003, de 26 de Abril, no seu artigo 102º, prevê que os solicitadores podem

Leia mais

ASSEMBLEIA GERAL ANUAL AVISO CONVOCATÓRIO

ASSEMBLEIA GERAL ANUAL AVISO CONVOCATÓRIO SONAE SGPS, S.A. Sede: Lugar do Espido, Via Norte, Maia Capital social: 2.000.000.000 Euros Matriculada na C.R.C. da Maia Número único de matrícula e de pessoa coletiva n.º 500 273 170 Sociedade Aberta

Leia mais

Política de Seleção e Avaliação da Adequação dos Membros dos Órgãos de Administração e de Fiscalização e dos Titulares de Cargos com Funções

Política de Seleção e Avaliação da Adequação dos Membros dos Órgãos de Administração e de Fiscalização e dos Titulares de Cargos com Funções Política de Seleção e Avaliação da Adequação dos Membros dos Órgãos de Administração e de Fiscalização e dos Titulares de Cargos com Funções Essenciais Página em branco 31-mai-2016 2 Índice Introdução...

Leia mais

SERVIÇOS DE VALOR ACRESCENTADO BASEADOS NO ENVIO DE MENSAGEM

SERVIÇOS DE VALOR ACRESCENTADO BASEADOS NO ENVIO DE MENSAGEM SERVIÇOS DE VALOR ACRESCENTADO BASEADOS NO ENVIO DE MENSAGEM REGISTO PARA O EXERCÍCIO DA ATIVIDADE Pessoa Singular matriculada como Comerciante em Nome Individual (Decreto-Lei n.º 177/99, de 21 de maio,

Leia mais

INSTRUÇÃO DO PEDIDO DE AUTORIZAÇÃO PARA FUSÃO DE ORGANISMOS DE INVESTIMENTO COLETIVO EM VALORES MOBILIÁRIOS

INSTRUÇÃO DO PEDIDO DE AUTORIZAÇÃO PARA FUSÃO DE ORGANISMOS DE INVESTIMENTO COLETIVO EM VALORES MOBILIÁRIOS INSTRUÇÃO DO PEDIDO DE AUTORIZAÇÃO PARA FUSÃO DE ORGANISMOS DE INVESTIMENTO COLETIVO EM VALORES MOBILIÁRIOS 1. Instrução do pedido de autorização para fusão Nacional (apenas OICVM autorizados em Portugal)

Leia mais

DESTACAMENTO DE TRABALHADORES NO ÂMBITO DE UMA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS. Lei n.º 29/2017

DESTACAMENTO DE TRABALHADORES NO ÂMBITO DE UMA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS. Lei n.º 29/2017 DESTACAMENTO DE TRABALHADORES NO ÂMBITO DE UMA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS Lei n.º 29/2017 A Lei n.º 29/2017, de 30 de maio, veio transpor para a ordem jurídica interna a Diretiva 2014/67/UE, do Parlamento Europeu

Leia mais

DECRETO N.º 156/XIII

DECRETO N.º 156/XIII DECRETO N.º 156/XIII Altera o Decreto-Lei n.º 433/99, de 26 de outubro, o Código de Procedimento e de Processo Tributário, e o Decreto-Lei n.º 6/2013, de 17 de janeiro A Assembleia da República decreta,

Leia mais

Regulamento dos. Apoios Financeiros a Projetos de Investigação Científica da Fundação BIAL

Regulamento dos. Apoios Financeiros a Projetos de Investigação Científica da Fundação BIAL Regulamento dos Apoios Financeiros a Projetos de Investigação Científica da Fundação BIAL PREÂMBULO Tendo como objetivo incentivar a investigação centrada sobre o ser humano, tanto sob os aspetos físicos

Leia mais

Artigo 1.º. Objeto e âmbito

Artigo 1.º. Objeto e âmbito PROJETO DE AVISO DO SOBRE O DEVER DE AVALIAÇÃO DA SOLVABILIDADE DOS CLIENTES BANCÁRIOS NO ÂMBITO DA ATIVIDADE DE CONCESSÃO DE CRÉDITO [ ] Assim, no uso da competência que lhe é atribuída pelo disposto

Leia mais