Lena Lavinas (IE/UFRJ)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Lena Lavinas (IE/UFRJ)"

Transcrição

1 Status e direitos para galvanizar oportunidades: desafios do combate à miséria frente às incertezas da conjuntura econômica Lena Lavinas (IE/UFRJ) ENAP/MDS Seminário internacional PROTEÇÃO SOCIAL E CIDADANIA 2011

2 DESAFIO Um país em desenvolvimento, ou um país de renda média, será capaz de reduzir a miséria a patamares muito pequenos menos de 2%, por exemplo consolidando um sistema de proteção social ainda inacabado, pouco efetivo e cuja imperfeição maior é ser excludente e regressivo?

3 Pontos em debate: 1. Oportunidades: quais as precondições para galvanizá-las e aproveitá-las? 1. Contexto macroeconômico recente: crescimento com geração de postos de trabalho, formalização e aumento dos rendimentos do trabalho, expansão do crédito. Quem ficou de fora? 2. O papel da política social: força e debilidade de sua institucionalidade na luta para tornar a miséria residual no curto e médio prazo. Oportunidades perdidas! 3. Lacunas no sistema de proteção social: desafios de curto e médio prazo na consolidação do sistema de proteção social.

4 1. OPORTUNIDADES

5 OPORTUNIDADES: Dependem de dois fatores: 1. Fatores externos => contexto de crescimento e desenvolvimento (instituições com seus valores e normatividade) 2. Aspectos individuais ou dotações: capacidade de cada um de saber apropriar-se de chances quando existem - e transformá-las em bem-estar, riqueza, patrimônio em um sentido amplo. Esse processo de autonomização requer dispor de um conjunto de dotações básicas saúde, capital humano, status, necessidades básicas satisfeitas - que ao serem mobilizadas ampliam-se e promovem mais bemestar.

6 2. CONTEXTO RECENTE - RETOMADA DO CRESCIMENTO COM EMPREGO E INCREMENTO DA RENDA... E UM CENÁRIO DEMOGRÁFICO FAVORÁVEL!

7 Taxas de Crescimento em Alta PIB: taxa real de crescimento anual ( )* (Em %) PIB - var. real anual - (% a.a.) Fonte: IBGE/CCN. *2010: Variação média real do PIB estimada em 7,0%.

8 Ineditismo: taxa de inflação em queda e desconcentração de renda do trabalho, em particular a partir de 2005

9 Evolução Recente do GINI ligeira redução, mas todavia alto! 2009 = 0, 544 e 2010 = 0,538 1 (previsao) 0,9 0,8 0,7 0,6 0,596 0,598 0,601 0,636 0,601 0,602 0,594 0,589 0,572 0,5 0,584 0,583 0,563 0,548 0,4 0,3 0,2 0, Gini Linear (Gini)

10 Crescimento com mais empregos formais Saldo de emprego formal ( )* Fonte: Caged/MTE. Saldo de emprego formal Fonte: PME/IBGE

11 Saldo líquido de novos postos de trabalho formal entre 2003 e 2010 (gestão Lula) 11,240 milhões de novos postos de trabalho formalizados em oito anos, um recorde Incremento de 60% do emprego formal em oito anos (Dedecca, 2010)

12 Razão emprego formal/informal (Dedecca, 2010 e IPEA, 2010) 2009 Para 15 postos de trabalho criados com proteção social, formalizados, foram criados 10 novos postos no setor informal A taxa de formalização passou de 44% em 2001 para 55,5% em Todos os setores econômicos registraram aumento da população ocupada, exceto o agrícola 2001 Essa relação era de 6 para 10, em 2001 < ===== NOVIDADE! Quase 90% desses empregos foram criados na faixa de até 3 salários mínimos

13 Em 2010, Brasil tem: 192 milhões de habitantes, sendo que a PEA representa quase 100 milhões ou 52% (contra PEA de 36% em 1980) Entre 2010 e 2030, Brasil vive a fase do bônus demográfico: taxas de dependência são muito baixas (logo, até 2030, o número de dependentes inativos por ativo é declinante grande potencial produtivo da população) Desses, 30 milhões vivem no campo (e 15 milhões fazem parte da PEA agrícola) Taxa de fecundidade média em 2010: 1,7 filho por mulher na faixa anos (contra 2 na França e 2,1 nos US) 10% da população tem 65 anos de idade ou mais.

14 Até entre os pobres (<R$140/mês per capita), a fecundidade é baixa

15 Recuperação dos rendimentos médios do trabalho Rendimentos Médios de Todos os Trabalhos (2009) Brasil, PNAD, mês de setembro de cada ano ANO R$ , , , , , , , , ,00 OBS. Valores reais, deflacionados pelo IPCA.

16 mar/02 jul/02 nov/02 mar/03 jul/03 nov/03 mar/04 jul/04 nov/04 mar/05 jul/05 nov/05 mar/06 jul/06 nov/06 mar/07 jul/07 nov/07 mar/08 jul/08 nov/08 mar/09 jul/09 nov/09 mar/10 jul/10 Massa Salarial, em recuperação mas ainda baixa: 34.1% do PIB em 2009 Massa Salarial (Número Índice: base mar/2002=100) Massa Salarial (Número Índice: base mar/2002=100) Fonte: PME/IBGE * Calculada a partir da multiplicação do rendimento real habitualmente recebido pelo número de pessoas ocupadas, empregadas nas RMs.

17 * Crédito: oferta aumenta e prazos para reembolso também (de R$ 317 bilhões em 2004 para R$ 871 bilhões em 2010) Operações de Crédito do Sistema Financeiro como Proporção do PIB (%) 50,0 45,0 42,3 44,8 40,0 38,0 35,0 32,4 30,0 25,0 24,8 25,0 26,7 29,4 20,0 Crédito do Sistema Financeiro (%PIB)

18 ºbim.2010 Evolução do Crédito Pessoal, em Bilhões de Reais Gráfico 8 - Participação do Crédito Consignado no Crédito Pessoal Total % 44% 45% % 41% % 33% - Participação do crédito não-consignado no c. pessoal Participação do crédito consignado no c. pessoal Fonte: BCB (elaboração própria)

19 EFEITOS MAIS IMPORTANTES DE CRESCIMENTO COM MAIS PROTEÇÃO

20 Redução dos índices de pobreza e miséria 2009: 28, 7 milhões de pessoas pobres (10 milhões no campo) Proporção de Pobres e Indigentes na População Brasileira ANO POBRES (%) INDIGENTES (%) ,3 15, ,1 8, ,2 8, ,5 6, ,1 5,4 Fonte: PNAD, IBGE, anos citados, com base na renda familiar per capita

21 Estimativas de Pobres e Indigentes LP (R$ 140,00) e LI (R$ 70,00 do Bolsa Família Em milhões de pessoas Brasil Indigentes Pobres I + P Total 14,806 27,533 42,340 Urbano 8,896 19,258 28,154 Rural 5,910 8,274 14,185 Brasil Indigentes Pobres I + P Total 10,065 18,691 28,757 Urbano 6,037 12,700 18,737 Rural 4,028 5,991 10,019 Fonte: PNAD

22 Pobres Todos os Rendimentos (inclui outras fontes) Rendimentos do Trabalho + Aposent e Pensões Apenas Rendimento do Trabalho Indigentes Todos os Rendimentos (inclui outras fontes) Rendimentos do Trabalho + Aposent e Pensões Apenas Rendimento do Trabalho Pobres Todos os Rendimentos (inclui outras fontes) 15,5 19,2 22,1 33,3 Rendimentos do Trabalho + Aposent e Pensões 18,7 21,8 24,9 34,6 Apenas Rendimento do Trabalho 30,1 33,3 36,5 45,4 Indigentes Todos os Rendimentos (inclui outras fontes) 6,5 8,2 8,5 15,6 Rendimentos do Trabalho + Aposent e Pensões 9,4 10,9 11,3 17,0 Apenas Rendimento do Trabalho 10,2 20,9 21,3 27,4 Fonte: IBGE, PNAD, 2001, 2004, 2007, 2008 Número de Pobres Proporção de Pobres (%)

23 Atividade e trabalho infantil É provável que o direito a um benefício compensatório assegurado a parcela importante da população vivendo em situação de pobreza tenha permitido que as tarefas mais degradantes e extremamente mal remuneradas tenham sido abandonadas pelos setores mais vulneráveis, fortalecendo o mercado de trabalho rural e conferindo liberdade a esses trabalhadores em recusar esse tipo de trabalho degradante. Retração acentuada do trabalho infantil: em milhões Brasil Total P + I Urbano Rural ,783 1,308 1,306 1, ,890 0,645 1,085 0,804

24 DUAS DIFICULDADES DEVEM SER OBSERVADAS NO LASTRO DESSE CRESCIMENTO RECENTE:

25 RENDA DOMICILIAR PER CAPITA MEDIANA (2009) MANTÉM-SE BAIXA R$ 465,00 Brasil R$ 277,00 Nordeste URBANO RURAL R$ 492,00 R$ 275,00 Ora, R$ 279,00 correspondem a 60% da mediana Brasil logo 50% da população rural seriam consideradas pobres

26 MUITA GENTE NÃO SE CONSEGUE APROVEITAR AS OPORTUNIDADES DO CRESCIMENTO COM QUALIDADE PNAD 2009: 10 milhões de indigentes 18,7 milhões de pobres CENSO 2010: 16,8 milhões de indigentes (N de pobres será bem maior)

27 Porém, só crescimento não basta há que redistribuir, ampliar e consolidar direitos e regular os mínimos sociais 2. DA NOVA INSTITUCIONALIDADE DA POLÍTICA SOCIAL À SUA MAIOR EFETIVIDADE

28 A Seguridade Social inovação institucional, com financiamento próprio O ponto de ruptura que vai permitir uma mudança no grau de efetividade da política social brasileira: é a criação da Seguridade Social em Sistema integrado, com regras e normas definidas e maior uniformidade Nova institucionalidade do sistema de proteção: o seguro social (benefícios previdenciários para quem contribui, com base em regras uniformes) - CONTRIBUTIVO a assistência social, para os necessitados (DIREITO X ACESSO a um mínimo social derivado da comprovação de déficit de renda) NÃO CONTRIBUTIVO a saúde, para todos, financiada a partir de tributos indiretos com incidência sobre o consumo (tal como a assistência) NÀO CONTRIBUTIVO Seguro-desemprego CONTRIBUTIVO

29 FATORES DA POLÍTICA SOCIAL QUE APOIARAM O CRESCIMENTO ECONÔMICO: 1. POLÍTICA DE REVALORIZAÇÃO DO SALÁRIO MÍNIMO, COM UMA NOVA REGRA DE REAJUSTE ANUAL

30 jan/44 jan/47 jan/50 jan/53 jan/56 jan/59 jan/62 jan/65 jan/68 jan/71 jan/74 jan/77 jan/80 jan/83 jan/86 jan/89 jan/92 jan/95 jan/98 jan/01 jan/04 jan/07 jan/10 Salário Mínimo: trajetória de recuperação com ganhos reais importantes Salário Mínimo Real* (R$) Salário mínimo real - R$ 25 por Média Móvel (Salário mínimo real - R$ ) Fonte: Ipeadata (Elaboração própria) * Série em reais (R$) constantes do último mês, elaborada pelo IPEA, deflacionando-se o salário mínimo nominal pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC)

31 Salário Mínimo (R$ 545 em 2010) Remunera o piso do trabalho; Está vinculado ao piso dos benefícios previdenciários (aposentadorias e pensões, rurais e urbanos) É o valor do BPC (assistencial) OS BENEFÍCIOS VINCULADOS AO SALÁRIO MÍNIMO CONTRIBUEM PARA A REDUÇÃO DA IGUALDADE

32 2. POLÍTICA ASSISTENCIAL INSTITUCIONALIZADA, NACIONAL, BASE ADA NA FOCALIZAÇÃO E NA COMPROVAÇÃO DE POBREZA (AUTO- DECLARADA) R$ 30,5 BILHÕES EM 2009 OU 9% OSS EXECUTADO E POUCO MAIS D 1% DO PIB)

33 Não tem regra de reajuste e não é um direito Dois programas focalizados BPC (Benefício de Prestação Continuada), desde 1996 Para idosos com 65 anos ou + e portadores de deficiência, com renda familiar per capita <= ¼ do SM Não é condicionado Alcança a 3 milhões de pessoas aproximadamente Pago mensal: 1 SM ou R$ 545,00 É um direito Bolsa Família, desde 2003 Para famílias com renda familiar per capita inferior a 140,00 (quando for indigente < R$ 70,00, ganha um benefício fixo, além dos variáveis) É condicionado Alcança a 45 milhões de pessoas Pago mensal varia entre R$ 70,00 e 240,00 por família

34 PORÉM: Déficit de cobertura altíssimo do BF, porque não é um direito há 5,8 milhões de arranjos domiciliares que são pobres, por terem renda familiar per capita inferior a R$140,00 ao mês (dados de 2009, PNAD). Desses, 2,2 milhões de arranjos domiciliares declararam não receber nenhum tipo de benefício assistencial público. Isso atinge 9 milhões de pessoas de um total estimado de quase 29 milhões de pobres (quase 1/3), um contingente massivo que não consegue benefícios ou proteção!

35 Estimativas de Não Cobertura do BF LP do Bolsa Família (140,00) Em milhões de arranjos domiciliares Brasil Total Urbano Rural Arranjos domiciliares (I + P) Não recebem transferências monetárias (Outros Rendimentos) 5,842 3,783 2,058 2,231 1,623 0,607 Fonte: PNAD 2009 Cerca de 2,4 milhões de pessoas (~25% do n de pobres estimado pela PNAD 2009)

36 Acesso ao BF Ineficiências horizontais, mesmo quando oferecem cobertura satisfatória. Isso porque a finalidade precípua da focalização não é chegar aos mais necessitados, mas reduzir a demanda através da imposição de condicionalidades e outros critérios que dificultam a habilitação de parte do público-alvo (os chamados custos de inconveniência ). Logo, ganhos de efetividade na gestão dos grandes programas de governo voltados para o combate à pobreza monetária já permitiriam uma redução ainda mais significativa da pobreza e indigência vigentes nas zonas rurais do país, favorecendo a região onde a miséria é mais disseminada e intensa, o Nordeste.

37 ALÉM DAS TRANSFERÊNCIAS DE RENDA, QUAL A DINÂMICA DAS OPORTUNIDADES DERIVADAS DO ACESSO MAIS IGUALITÁRIO À INFRA- ESTRUTURA SOCIAL?

38 Pobreza não monetária: acessibilidade Na última década, o gasto com transferências monetárias diretas foi privilegiado em relação a outras formas de gasto e se constituiu no quase tudo da política social brasileira. EVOLUÇÃO DO GASTO FEDERAL POR FUNÇÃO (em Bilhões de Reais) - NÚMERO índice 2000=100 FUNÇÃO 2000 (Valor Atualizado¹) Assistência Social Previdência Social Saúde Trabalho Educação Cultura Habitação e Urbanismo Saneamento Gestão Ambiental Ciência e Tecnologia TOTAL Fonte: SIAFI - STN/CCONT/GEINC ¹ Valor atualizado com base no IGP-DI de 2000/2010 de 2,

39 Pobreza não monetária: acessibilidade O diferencial entre provisão pública desmercantilizada, na forma de serviços gratuitos, vis a vis a concessão de benefícios monetários, é justamente permitir equalizar as condições de acesso e, assim, promover mais igualdade de oportunidade. O escopo do sistema de proteção social deixou de fora outras dimensões indispensáveis ao bem-estar e à segurança da população, como moradia e saneamento, cuja evolução ficou ainda mais refém da política macroeconômica de restrição de gastos, baixo crescimento e formação de elevados superávits fiscais primários das últimas décadas. O hiato urbano/rural permanece acentuado. O modo de vida dos pobres rurais parece agudamente precário.

40 Déficit habitacional (FJP, 2010) Déficit habitacional: 5,572 milhões de moradias 9,7% do estoque de domicílios do país Famílias com até 3 salários mínimos representam 90% do déficit 65% dos domicílios não são dotados de serviços públicos de saneamento completos Programa Minha Casa Minha Vida (2009) Fase 1 (até 2011): 400 mil moradias com subsídio integral e isenção de seguro para famílias até 3 SM ou 40% do novo estoque (600 mil para famílias com renda entre mais de 3 e 10 salários mínimos). Fase 2: correção para 1,200 mil moradias faixa até 3 salários mínimos (60% do novo estoque)

41 Domicílios POBRES com condições adequadas de saneamento, por situação de domicílio - Brasil / ,0 90,0 80,0 84,7 78,5 94,4 88,3 95,1 92,5 70,0 60,0 50,0 60,6 55,4 58,4 67,3 40,0 30,0 20,0 10,0 14,6 25,0 12,1 20,0 8,8 15,2 0,0 Água por Rede Geral Lixo Coletado Esgoto por rede ou fossa séptica Fonte: PNAD, 2004/2009 (microdados) 2004 Urbano 2009 Urbano 2004 Rural 2009 Rural Tem banheiro

42 Domicílios POBRES com acesso a luz elétrica e eletrodomésticos selecionados, por situação de domicílio - Brasil / ,0 90,0 98,2 99,2 89,2 93,4 84, Urbano 2009 Urbano 80,0 70,0 72,8 77,3 77,2 74,3 62, Rural 2009 Rural 60,0 50,0 40,0 47,1 43,6 30,0 20,0 10,0 0,0 Tem luz elétrica Tem TV Tem geladeira Tem máquina de lavar roupa Fonte: PNAD, 2004/2009 (microdados) 9,3 16,4 2,7 4,3

43 5,2 5,3 8,9 10,6 16,4 19,9 30,1 29,4 36,9 60,6 57,5 69,6 84,7 87,2 86,4 84,7 83,2 94,4 95,1 99,2 94,8 93,4 Comparativo entre características domiciliares de domicílios URBANOS POBRES e RURAIS NÃO POBRES - Brasil Água por Rede Geral Lixo Coletado Esgoto por rede ou fossa séptica Tem banheiro Tem luz elétrica Urbano Pobre Tem celular Tem TV Tem geladeira Rural Não Pobres Tem Tem máquina de computador lavar roupa Tem internet

44 Oportunidades para as mulheres pobres foram mais tímidas TOTAL POBRES TAXA DE ATIVIDADE FEMININA : 65% TAXA DE ATIVIDADE MASCULINA: 88% HORAS SEMANAIS TRABALHADAS MULHERES 20% MAIS RICAS: 41H CRIANÇAS ATÉ 3 ANOS SEM ACESSO A CRECHE: 82% TAXA DE ATIVIDADE FEMININA : 51% TAXA DE ATIVIDADE MASCULINA: 82,1% PARA AS 20% MAIS POBRES: 28H CRIANÇAS ATÉ 3 ANOS SEM ACESSO A CRECHE: 94%

45 PESQUISA REALIZADA EM RECIFE COM 121 MIL FAMÍLIAS POBRES (2008) DO CADÚNICO Não foi observada correlação entre ser beneficiária do Bolsa Família e maior empoderamento de gênero. O processo de autonomização no âmbito das relações sociais de gênero para as mulheres aparece exclusivamente para as ativas com alguma formação escolar concluída o processo emancipatório se dá pelo acesso a dotações e pelo trabalho

46 Evolução recente do sistema de proteção social no Brasil: Prevalência das transferências de renda (mais de 75% % DO GASTO SOCIAL) Programas focalizados com tempo para acabar Parâmetros distintos entre os programas assistenciais Gasto social como provisão universal cresceu pouco e a infraestrutura social é insuficiente e de baixa qualidade Apesar da institucionalidade da Seguridade, prevalece a visão do seguro social e, pior, de seguro individual Linha de pobreza muito baixa como estabelecer uma linha mais alta ou relativa?

47 BRASIL: pobreza medida pela renda capita do BF e de 60% mediana (2009) TOTAL POBRES Linha de Pobreza do BF TOTAL POBRES Linha de Pobreza 60% Mediana Brasil: 28,7 milhões pessoas (15,5%) Brasil: 70,7 milhões (37%)

48 Qual a efetividade da política social? Avanços em duas frentes de luta, a do Reconhecimento e a da Redistribuição (2 pilares da reflexão filosófica da Nancy Fraser sobre justiça social) Reconhecimento: ser visto, reconhecido e, portanto, contemplado de forma equânime. O não-reconhecimento é um status subordinado que constitui uma forma de opressão, que retira liberdades e fere o princípio de justiça. A inexistência social é fruto do não-reconhecimento

49 Redistribuição: diz respeito ao acesso a bens e serviços e a fardos ou restrições, como condições de vida adversas (mortalidade infantil, por ex.) Trata, portanto, da dimensão sócioeconômica, do direito a uma boa vida e à superação da privação, da marginalização econômica, da exploração, da falta de oportunidades.

50 LACUNAS NO SISTEMA DE PROTEÇÃO SOCIAL: DESAFIOS DE CURTO E MÉDIO PRAZO NA CONSOLIDAÇÃO DO SISTEMA DE PROTEÇÃO SOCIAL

51 Agenda pendente para o sucesso do Brasil Sem Miséria Política assistencial não garante direitos para todos e gera iniquidades entre ospobres nem todos se beneficiam do status (reconhecimento) de cidadão com necessidades, portanto, com direito a mínimos sociais. Nem todos saíram da invisibilidade social. Gasto com infra-estrutura social ainda muito aquém do necessário isso compromete oportunidades reconhecimento e redistribuição em xeque Benefícios assistenciais continuam sem regra e data de reajuste, ajustandose às exigências do Caixa do governo compromete a redistribuição! Linha de pobreza única tem de ser definida para estruturar acessos e garantir a integração das políticas sociais com cobertura universal Desconstitucionalização do Orçamento da Seguridade Social não tem sido enfrentada como prioridade, o que tende a comprometer a efetividade e o alcance da redistribuição, levando a novas zonas de opacidade social.

Política Social no Brasil e seus Efeitos sobre a Pobreza e a Desigualdade

Política Social no Brasil e seus Efeitos sobre a Pobreza e a Desigualdade CIDOB AECID EL BRASIL DESPUES DE LULA. Éxitos y desafíos en la reducción de la pobreza y el liderazgo regional Política Social no Brasil e seus Efeitos sobre a Pobreza e a Desigualdade Lena LAVINAS Instituto

Leia mais

Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES. A Consolidação das Políticas Sociais na Estratégia de Desenvolvimento Brasileiro

Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES. A Consolidação das Políticas Sociais na Estratégia de Desenvolvimento Brasileiro Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES A Consolidação das Políticas Sociais na Estratégia de Desenvolvimento Brasileiro A CONTRIBUIÇÃO DO CDES PARA O DEBATE DA CONSOLIDAÇÃO DAS POLÍTICAS SOCIAIS

Leia mais

Crise e respostas de políticas públicas Brasil

Crise e respostas de políticas públicas Brasil Crise e respostas de políticas públicas Brasil Ipea - Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada BRASIL Jorge Abrahão de Castro Diretor da Diretoria de Estudos Sociais Brasília, 08 de setembro de 2009 Situação

Leia mais

INDICADORES SOCIAIS (AULA 4)

INDICADORES SOCIAIS (AULA 4) 1 INDICADORES SOCIAIS (AULA 4) Ernesto Friedrich de Lima Amaral Universidade Federal de Minas Gerais Faculdade de Ciências Humanas e Filosofia ESTRUTURA DO CURSO 2 1. Conceitos básicos relacionados a indicadores

Leia mais

A SUSTENTABILIDADE DA SEGURIDADE SOCIAL NO BRASIL TENDO EM CONTA OS MODELOS CONTRIBUTIVOS E NÃO CONTRIBUTIVOS

A SUSTENTABILIDADE DA SEGURIDADE SOCIAL NO BRASIL TENDO EM CONTA OS MODELOS CONTRIBUTIVOS E NÃO CONTRIBUTIVOS A SUSTENTABILIDADE DA SEGURIDADE SOCIAL NO BRASIL TENDO EM CONTA OS MODELOS CONTRIBUTIVOS E NÃO CONTRIBUTIVOS Semana Internacional de la Seguridad Social 2012 Promoviendo una Cultura de Prevención Quito,

Leia mais

ipea A EFETIVIDADE DO SALÁRIO MÍNIMO COMO UM INSTRUMENTO PARA REDUZIR A POBREZA NO BRASIL 1 INTRODUÇÃO 2 METODOLOGIA 2.1 Natureza das simulações

ipea A EFETIVIDADE DO SALÁRIO MÍNIMO COMO UM INSTRUMENTO PARA REDUZIR A POBREZA NO BRASIL 1 INTRODUÇÃO 2 METODOLOGIA 2.1 Natureza das simulações A EFETIVIDADE DO SALÁRIO MÍNIMO COMO UM INSTRUMENTO PARA REDUZIR A POBREZA NO BRASIL Ricardo Paes de Barros Mirela de Carvalho Samuel Franco 1 INTRODUÇÃO O objetivo desta nota é apresentar uma avaliação

Leia mais

Relatório de Avaliação do PPA 2012-2015

Relatório de Avaliação do PPA 2012-2015 Relatório de Avaliação do PPA 2012-2015 2014, ano base 2013 Dimensão Estratégica (vol. 1) e Programas Temáticos (vol. 2) Resumo do preenchimento Esther Bemerguy de Albuquerque Secretária de Planejamento

Leia mais

APRESENTAÇÃO NO INSTITUTO DO VAREJO

APRESENTAÇÃO NO INSTITUTO DO VAREJO APRESENTAÇÃO NO INSTITUTO DO VAREJO 18 de Agosto de 2006 Demian Fiocca Presidente do BNDES www.bndes.gov.br 1 BRASIL: NOVO CICLO DE DESENVOLVIMENTO Um novo ciclo de desenvolvimento teve início em 2004.

Leia mais

Transferir renda para quê?

Transferir renda para quê? Transferir renda para quê? Publicada em 11/08/2006 às 21h26m, O Globo Lena Lavinas* Os programas de transferência de renda são considerados um importante mecanismo de combate à pobreza. Tal afirmação é

Leia mais

PANORAMA DA PREVIDÊNCIA SOCIAL NO BRASIL

PANORAMA DA PREVIDÊNCIA SOCIAL NO BRASIL MPS Ministério da Previdência Social SPS Secretaria de Previdência Social PANORAMA DA PREVIDÊNCIA SOCIAL NO BRASIL Seminário Técnico - CPLP Timor Leste, 06 e 07 de fevereiro de 2008 ASPECTOS CONCEITUAIS

Leia mais

Gabriel Leal de Barros

Gabriel Leal de Barros TEXTO PARA DISCUSSÃO Um Conceito de Renda Ampliada em Bases Mensais para a Economia Brasileira e suas Aplicações Rodrigo Leandro de Moura Gabriel Leal de Barros Pesquisadores de Economia Aplicada do IBRE/FGV

Leia mais

X Encontro Nacional de Economia da Saúde: Panorama Econômico e Saúde no Brasil. Porto Alegre, 27 de outubro de 2011.

X Encontro Nacional de Economia da Saúde: Panorama Econômico e Saúde no Brasil. Porto Alegre, 27 de outubro de 2011. X Encontro Nacional de Economia da Saúde: Panorama Econômico e Saúde no Brasil Porto Alegre, 27 de outubro de 2011. Brasil esteve entre os países que mais avançaram na crise Variação do PIB, em % média

Leia mais

Bônus demográfico, crescimento econômico e redução da pobreza no Brasil

Bônus demográfico, crescimento econômico e redução da pobreza no Brasil Bônus demográfico, crescimento econômico e redução da pobreza no Brasil José Eustáquio Diniz Alves i As eleições de 2 nem começaram de fato, mas já existe uma grande quantidade de textos circulando na

Leia mais

Tópico: RBC e o Trabalho (questões éticas, políticas e empíricas relacionadas aos mercados laborais formais e informais).

Tópico: RBC e o Trabalho (questões éticas, políticas e empíricas relacionadas aos mercados laborais formais e informais). Tópico: RBC e o Trabalho (questões éticas, políticas e empíricas relacionadas aos mercados laborais formais e informais). Título: MERCADO DE TRABALHO NO BRASIL: EVOLUÇÃO RECENTE, DESAFIOS E COMBATE À POBREZA

Leia mais

Estratégia de Desenvolvimento no Brasil e o Programa Bolsa Família. Junho 2014

Estratégia de Desenvolvimento no Brasil e o Programa Bolsa Família. Junho 2014 Estratégia de Desenvolvimento no Brasil e o Programa Bolsa Família Junho 2014 Estratégia de Desenvolvimento no Brasil Estratégia de desenvolvimento no Brasil Crescimento econômico com inclusão social e

Leia mais

A queda da desigualdade e da pobreza no Brasil

A queda da desigualdade e da pobreza no Brasil 28 set 2006 Nº 14 A queda da desigualdade e da pobreza no Brasil Por Antonio Prado 1 Economista do BNDES O salário mínimo subiu 97% de 1995 a 2006, enquanto a concentração de renda diminuiu O desenvolvimento

Leia mais

ipea 45 NOTA TÉCNICA Pobreza e crise econômica: o que há de novo no Brasil metropolitano anos

ipea 45 NOTA TÉCNICA Pobreza e crise econômica: o que há de novo no Brasil metropolitano anos ipea 45 anos NOTA TÉCNICA Pobreza e crise econômica: o que há de novo no Brasil metropolitano Rio de Janeiro, maio de 2009 1 Pobreza e crise econômica: o que há de novo no Brasil metropolitano Marcio Pochmann

Leia mais

IX CONFERÊNCIA ESTADUAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CURITIBA-PR

IX CONFERÊNCIA ESTADUAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CURITIBA-PR IX CONFERÊNCIA ESTADUAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CURITIBA-PR Rosiane Costa de Souza Assistente Social Msc Serviço Social/UFPA Diretora de Assistência Social Secretaria de Estado de Assistência Social do Pará

Leia mais

2 A Realidade Brasileira

2 A Realidade Brasileira 16 2 A Realidade Brasileira 2.1. A Desigualdade Social no Brasil De acordo com o levantamento do IBGE, embora a renda per capita no país seja relativamente elevada para os padrões internacionais, a proporção

Leia mais

IV Seminário Nacional do Programa Nacional de Crédito Fundiário Crédito Fundiário no Combate a Pobreza Rural Sustentabilidade e Qualidade de Vida

IV Seminário Nacional do Programa Nacional de Crédito Fundiário Crédito Fundiário no Combate a Pobreza Rural Sustentabilidade e Qualidade de Vida IV Seminário Nacional do Programa Nacional de Crédito Fundiário Crédito Fundiário no Combate a Pobreza Rural Sustentabilidade e Qualidade de Vida 30 DE NOVEMBRO DE 2011 CONTEXTO Durante os últimos anos,

Leia mais

Um país menos desigual: pobreza extrema cai a 2,8% da população Dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) foram divulgados pelo IBGE

Um país menos desigual: pobreza extrema cai a 2,8% da população Dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) foram divulgados pelo IBGE Um país menos desigual: pobreza extrema cai a 2,8% da população Dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) foram divulgados pelo IBGE Brasília, 7 A pobreza extrema no país caiu a 2,8%

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Julho 2009

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Julho 2009 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Julho 2009 Desafios do Programa Habitacional Minha Casa Minha Vida Profa. Dra. Sílvia Maria Schor O déficit habitacional brasileiro é

Leia mais

FIM DAS REFORMAS REGRESSIVAS DA PREVIDÊNCIA COM GANHOS PARA OS TRABALHADORES

FIM DAS REFORMAS REGRESSIVAS DA PREVIDÊNCIA COM GANHOS PARA OS TRABALHADORES AS MUDANÇAS DO REGIME GERAL DE PREVIDÊNCIA FIM DAS REFORMAS REGRESSIVAS DA PREVIDÊNCIA COM GANHOS PARA OS TRABALHADORES www.pepevargas.com.br dep.pepevargas@camara.gov.br AS MUDANÇAS DO REGIME GERAL DE

Leia mais

mhtml:file://e:\economia\ibge Síntese de Indicadores Sociais 2010.mht

mhtml:file://e:\economia\ibge Síntese de Indicadores Sociais 2010.mht Page 1 of 7 Comunicação Social 17 de setembro de 2010 Síntese de Indicadores Sociais 2010 SIS 2010: Mulheres mais escolarizadas são mães mais tarde e têm menos filhos Embora abaixo do nível de reposição

Leia mais

A DÍVIDA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

A DÍVIDA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL A DÍVIDA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL Porto Alegre, 27 de março de 2012. CONDIÇÕES DE RENEGOCIAÇÃO DAS DÍVIDAS ESTADUAIS 1997/98 1997 Lei 9.496/97 Os entes federados renegociaram suas dívidas contratuais

Leia mais

A CONTRIBUIÇÃO DOS PROGRAMAS DE TRANSFERÊNCIA MONETÁRIA NA QUEDA DA DESIGUALDADE DE RENDA NO BRASIL

A CONTRIBUIÇÃO DOS PROGRAMAS DE TRANSFERÊNCIA MONETÁRIA NA QUEDA DA DESIGUALDADE DE RENDA NO BRASIL A CONTRIBUIÇÃO DOS PROGRAMAS DE TRANSFERÊNCIA MONETÁRIA NA QUEDA DA DESIGUALDADE DE RENDA NO BRASIL: uma análise a partir do rendimento domiciliar per capita no período 2001-2006 Juliana Carolina Frigo

Leia mais

A desigualdade de renda parou de cair? (Parte III)

A desigualdade de renda parou de cair? (Parte III) www.brasil-economia-governo.org.br A desigualdade de renda parou de cair? (Parte III) Marcos Mendes 1 O texto da semana passada mostrou como o mercado de trabalho atuou no sentido de reduzir a desigualdade

Leia mais

Sobre a queda recente na desigualdade de renda no Brasil

Sobre a queda recente na desigualdade de renda no Brasil Sobre a queda recente na desigualdade de renda no Brasil Ricardo Paes de Barros (IPEA) Mirela de Carvalho (IPEA) Samuel Franco (IPEA) Rosane Mendonça (UFF) Brasília, agosto de 2006 Entre 2001 e 2004 a

Leia mais

Boletim Econômico. Federação Nacional dos Portuários. Sumário

Boletim Econômico. Federação Nacional dos Portuários. Sumário Boletim Econômico Federação Nacional dos Portuários Agosto de 2014 Sumário Indicadores de desenvolvimento brasileiro... 2 Emprego... 2 Reajuste dos salários e do salário mínimo... 3 Desigualdade Social

Leia mais

EFEITOS DA POPULAÇÃO ECONOMICAMENTE ATIVA SOBRE A TAXA DE DESEMPREGO

EFEITOS DA POPULAÇÃO ECONOMICAMENTE ATIVA SOBRE A TAXA DE DESEMPREGO NOTA TÉCNICA EFEITOS DA POPULAÇÃO ECONOMICAMENTE ATIVA SOBRE A TAXA DE DESEMPREGO Maria Andréia Parente Lameiras* 1 INTRODUÇÃO Ao longo da última década, o mercado de trabalho no Brasil vem apresentando

Leia mais

O EIXO DE GARANTIA DE RENDA NO PLANO BRASIL SEM MISÉRIA

O EIXO DE GARANTIA DE RENDA NO PLANO BRASIL SEM MISÉRIA O EIXO DE GARANTIA DE RENDA NO PLANO BRASIL SEM MISÉRIA Os expoentes do eixo de garantia de renda do Plano Brasil sem Miséria são o Programa Bolsa Família e o Benefício de Prestação Continuada (BPC), ambos

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Porto Alegre do Norte, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 3994,51 km² IDHM 2010 0,673 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 10748 hab.

Leia mais

Comunicado da. Presidência

Comunicado da. Presidência Número 7, agosto de 2008 Comunicado da Presidência Pobreza e riqueza no Brasil metropolitano Realização: Assessoria Técnica da Presidência 2 1. Apresentação 1 A economia brasileira, ao longo dos últimos

Leia mais

Seminário. Combate à pobreza, crescimento inclusivo e a nova agenda social

Seminário. Combate à pobreza, crescimento inclusivo e a nova agenda social Seminário Combate à pobreza, crescimento inclusivo e a nova agenda social MDS 27 de novembro de 2015 Renda cresce para todas as faixas. Renda dos 10% mais pobres cresce quase 3x mais do que os 10% mais

Leia mais

Transferencias de renda no Brasil. O Fim da Pobreza?

Transferencias de renda no Brasil. O Fim da Pobreza? Transferências de renda no Brasil O Fim da Pobreza? PET - Economia - UnB 20 de novembro de 2013 Outline A Autora 1 A Autora Sonia Rocha 2 Renda Mensal Vitaĺıcia (RMV) Bolsa Escola 3 Fome Zero O Novo Programa

Leia mais

O cenárioeconômicoe as MPE. Brasília, 1º de setembro de 2010. Luciano Coutinho

O cenárioeconômicoe as MPE. Brasília, 1º de setembro de 2010. Luciano Coutinho O cenárioeconômicoe as MPE Brasília, 1º de setembro de 2010 Luciano Coutinho O Brasil ingressa em um novo ciclo de desenvolvimento A economia brasileira pode crescer acima de 5% a.a. nos próximos cinco

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Peruíbe, SP 30/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 323,17 km² IDHM 2010 0,749 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 59773 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Novo Mundo, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 5826,18 km² IDHM 2010 0,674 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 7332 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Cabo Verde, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 368,15 km² IDHM 2010 0,674 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 13823 hab. Densidade

Leia mais

Redução da Pobreza no Brasil

Redução da Pobreza no Brasil Conferencia Business Future of the Americas 2006 Câmara Americana de Comércio Redução da Pobreza no Brasil Resultados Recentes e o Papel do BNDES Demian Fiocca Presidente do BNDES Rio de Janeiro, 5 de

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Vera, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 2962,4 km² IDHM 2010 0,680 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 10235 hab. Densidade demográfica

Leia mais

Educação e desenvolvimento. Professor: Jorge Abrahão de Castro Período: Julho de 2013.

Educação e desenvolvimento. Professor: Jorge Abrahão de Castro Período: Julho de 2013. Educação e desenvolvimento Professor: Jorge Abrahão de Castro Período: Julho de 2013. Circuito de influencia Fatores do desenvolvimento Ampliação da participação política e social Consumo (Novo padrão

Leia mais

Financiamento e gasto da Política Social brasileira Brasil

Financiamento e gasto da Política Social brasileira Brasil Financiamento e gasto da Política Social brasileira Brasil Jorge Abrahão de Castro Diretor da Diretoria de Estudos e Políticas Sociais (Disoc) do IPEA Brasília, 21 de outubro de 2011 POLÍTICAS SETORIAIS

Leia mais

Subsídios para elaboração do PPA Municipal

Subsídios para elaboração do PPA Municipal Município: São Luís / MA Apresentação Este Boletim de Informações Municipais tem o objetivo de apresentar um conjunto básico de indicadores acerca de características demográficas, econômicas, sociais e

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de São José do Rio Claro, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 5074,56 km² IDHM 2010 0,682 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 17124 hab.

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Guaranésia, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 294,28 km² IDHM 2010 0,701 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 18714 hab. Densidade

Leia mais

FGTS 45 ANOS DE DESENVOLVIMENTO O BRASIL E PROMOVENDO A CIDADANIA

FGTS 45 ANOS DE DESENVOLVIMENTO O BRASIL E PROMOVENDO A CIDADANIA FGTS 45 ANOS DE DESENVOLVIMENTO O BRASIL E PROMOVENDO A CIDADANIA Inês Magalhães Secretária Nacional de Habitação Ministério das Cidades Brasília, 24 de novembro de 2011 Política Nacional de Habitação

Leia mais

O Brasil Sem Miséria é um Plano de metas para viabilizar o compromisso ético ousado do Governo da presidenta

O Brasil Sem Miséria é um Plano de metas para viabilizar o compromisso ético ousado do Governo da presidenta O Brasil Sem Miséria é um Plano de metas para viabilizar o compromisso ético ousado do Governo da presidenta Dilma Rousseff. É também um desafio administrativo e de gestão ao impor ao setor público metas

Leia mais

Cadastro Único e Programa Bolsa Família

Cadastro Único e Programa Bolsa Família Cadastro Único e Programa Bolsa Família Letícia Bartholo Secretária Adjunta Abril de 2014 A Secretaria A Secretaria Nacional de Renda de Cidadania (Senarc) é responsável pela gestão, em nível nacional,

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Santos, SP 30/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 281,35 km² IDHM 2010 0,840 Faixa do IDHM Muito Alto (IDHM entre 0,8 e 1) (Censo 2010) 419400 hab. Densidade

Leia mais

Qual o futuro do Bolsa Família? Celia Lessa Kerstenetzky CEDE e DCP-UFF

Qual o futuro do Bolsa Família? Celia Lessa Kerstenetzky CEDE e DCP-UFF Qual o futuro do Bolsa Família? Celia Lessa Kerstenetzky CEDE e DCP-UFF PBF: retrato em branco e preto Idade: 10 anos Tamanho: 13,8 milhões de famílias, 12 bilhões de dólares, 0,5% do PIB Elegibilidade:

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Alto Boa Vista, MT 01/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 2248,35 km² IDHM 2010 0,651 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 5247 hab. Densidade

Leia mais

Oficina O Uso dos Sistemas de Informação como Ferramentas de Gestão Local do SUAS

Oficina O Uso dos Sistemas de Informação como Ferramentas de Gestão Local do SUAS Oficina O Uso dos Sistemas de Informação como Ferramentas de Gestão Local do SUAS O Cadastro Único e a Gestão do SUAS: Essa ferramenta auxilia no processo de planejamento das ações socioassistenciais?

Leia mais

Salário Mínimo e Mercado de Trabalho no Brasil no Passado Recente

Salário Mínimo e Mercado de Trabalho no Brasil no Passado Recente Salário Mínimo e Mercado de Trabalho no Brasil no Passado Recente João Saboia 1 1. Introdução A questão do salário mínimo está na ordem do dia. Há um reconhecimento generalizado de que seu valor é muito

Leia mais

Perspectivas da Economia Brasileira

Perspectivas da Economia Brasileira Perspectivas da Economia Brasileira CÂMARA DOS DEPUTADOS Ministro Guido Mantega Comissão de Fiscalização Financeira e Controle Comissão de Finanças e Tributação Brasília, 14 de maio de 2014 1 Economia

Leia mais

A Rede de Proteção Social: fazer mais para quem precisa mais

A Rede de Proteção Social: fazer mais para quem precisa mais A Rede de Proteção Social: fazer mais para quem precisa mais 37,6 milhões de benefícios regulares para os mais pobres Ao lado dos programas sociais que se destinam a toda a sociedade, o Governo Federal

Leia mais

Na Crise - Esperança e Oportunidade. Desenvolvimento como "Sonho Brasileiro".(Desenvolvimento com Inclusão). Oportunidade para as Favelas

Na Crise - Esperança e Oportunidade. Desenvolvimento como Sonho Brasileiro.(Desenvolvimento com Inclusão). Oportunidade para as Favelas Na Crise - Esperança e Oportunidade. Desenvolvimento como "Sonho Brasileiro".(Desenvolvimento com Inclusão). Oportunidade para as Favelas Rio de Janeiro, 17 de setembro de 2009 Fórum Especial INAE Luciano

Leia mais

Cadastro Único: um cadastro, vários programas sociais.

Cadastro Único: um cadastro, vários programas sociais. Cadastro Único: um cadastro, vários programas sociais. Secretaria de Estado da Assistência e Desenvolvimento Social. O CADASTRO ÚNICO é a porta de entrada para os Programas Sociais do Governo Federal e

Leia mais

Modalidade do Trabalho: Apresentação oral. 1 Introdução

Modalidade do Trabalho: Apresentação oral. 1 Introdução O Bolsa Família: a centralidade do debate e da implementação da focalização nas famílias pobres e extremamente pobres no Brasil 1 Maria Ozanira da Silva e Silva Valéria Ferreira Santos de Almade Lima Modalidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Areado, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 282,6 km² IDHM 2010 0,727 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 13731 hab. Densidade demográfica

Leia mais

Gênero e Pobreza no Brasil: contexto atual

Gênero e Pobreza no Brasil: contexto atual Gênero e Pobreza no Brasil: contexto atual Hildete Pereira de Melo Economia/UFF Projeto SPM/CEPAL Caracterização do tema Gênero: visão diferenciada dos papéis de mulheres e homens na vida econômica e social.

Leia mais

Cenário econômico-político do Brasil: momento atual e perspectivas

Cenário econômico-político do Brasil: momento atual e perspectivas Simpósio UNIMED 2015 Cenário econômico-político do Brasil: momento atual e perspectivas Mansueto Almeida 28 de agosto de 2015 Indústria: o que aconteceu? Produção Física da Indústria de Transformação 2002-

Leia mais

Plano Brasil sem Miséria e a Educação para redução da pobreza e das desigualdades UNDIME 15/06/2015

Plano Brasil sem Miséria e a Educação para redução da pobreza e das desigualdades UNDIME 15/06/2015 Plano Brasil sem Miséria e a Educação para redução da pobreza e das desigualdades UNDIME 15/06/2015 Terceira maior redução do número de pessoas subalimentadas no mundo 2002/2014 BRASIL - POPULAÇÃO EM SUBALIMENTAÇÃO

Leia mais

A economia brasileira em transição: política macroeconômica, trabalho e desigualdade

A economia brasileira em transição: política macroeconômica, trabalho e desigualdade outubro 2014 A economia brasileira em transição: política macroeconômica, trabalho e desigualdade Por Mark Weisbrot, Jake Johnston e Stephan Lefebvre* Center for Economic and Policy Research 1611 Connecticut

Leia mais

INDICADORES ECONÔMICOS PARA ANÁLISE DE CONJUNTURA. Fernando J. Ribeiro Grupo de Estudos de Conjuntura (GECON) - DIMAC

INDICADORES ECONÔMICOS PARA ANÁLISE DE CONJUNTURA. Fernando J. Ribeiro Grupo de Estudos de Conjuntura (GECON) - DIMAC INDICADORES ECONÔMICOS PARA ANÁLISE DE CONJUNTURA Fernando J. Ribeiro Grupo de Estudos de Conjuntura (GECON) - DIMAC FORTALEZA, Agosto de 2013 SUMÁRIO 1. Fundamentos da Análise de Conjuntura. 2. Tipos

Leia mais

Avaliação de Conhecimentos. Macroeconomia

Avaliação de Conhecimentos. Macroeconomia Workshop de Macroeconomia Avaliação de Conhecimentos Específicos sobre Macroeconomia Workshop - Macroeconomia 1. Como as oscilações na bolsa de valores impactam no mercado imobiliário? 2. OquemoveoMercadoImobiliário?

Leia mais

ESTUDO TÉCNICO N.º 30/2013

ESTUDO TÉCNICO N.º 30/2013 ESTUDO TÉCNICO N.º 30/2013 Evolução das transferências constitucionais e do Programa Bolsa Família entre os anos 2005 e 2012: uma análise comparativa MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME

Leia mais

3º RELATÓRIO CONSOLIDADO DE ANDAMENTO DO PBA E DO ATENDIMENTO DE CONDICIONANTES

3º RELATÓRIO CONSOLIDADO DE ANDAMENTO DO PBA E DO ATENDIMENTO DE CONDICIONANTES 3º RELATÓRIO CONSOLIDADO DE ANDAMENTO DO PBA E DO ATENDIMENTO DE CONDICIONANTES 4.6.2 PROJETO DE ATENDIMENTO SOCIAL E PSICOLÓGICO DA POPULAÇÃO ATINGIDA Anexo 4.6.2-1 - Proposta de uso do Índice de Desenvolvimento

Leia mais

Rogério Medeiros medeirosrogerio@hotmail.com

Rogério Medeiros medeirosrogerio@hotmail.com Programa Nacional de Capacitação do SUAS - Sistema Único de Assistência Social CAPACITASUAS CURSO 2 Indicadores para diagnóstico e acompanhamento do SUAS e do BSM Ministrado por Rogério de Souza Medeiros

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Botelhos, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 335,24 km² IDHM 2010 0,702 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 14920 hab. Densidade

Leia mais

BRASIL: SUPERANDO A CRISE

BRASIL: SUPERANDO A CRISE BRASIL: SUPERANDO A CRISE Min. GUIDO MANTEGA Setembro de 2009 1 DEIXANDO A CRISE PARA TRÁS A quebra do Lehman Brothers explicitava a maior crise dos últimos 80 anos Um ano depois o Brasil é um dos primeiros

Leia mais

Qual o programa assistencial mais caro do Brasil? (Não é o Bolsa Família)

Qual o programa assistencial mais caro do Brasil? (Não é o Bolsa Família) Qual o programa assistencial mais caro do Brasil? (Não é o Bolsa Família) Pedro Fernando Nery 1 Introdução Principal política pública discutida pela opinião pública nas eleições de 2014 e objeto de uma

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome MDS Secretaria Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional SESAN

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome MDS Secretaria Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional SESAN Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome MDS Secretaria Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional SESAN Fórum de debates sobre a pobreza e a segurança alimentar Campinas, 13 de outubro

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO II RELATÓRIO ANALÍTICO 15 1 CONTEXTO ECONÔMICO A quantidade e a qualidade dos serviços públicos prestados por um governo aos seus cidadãos são fortemente influenciadas pelo contexto econômico local, mas

Leia mais

Desigualdade e pobreza no Brasil 1995-2009. Pedro H. G. Ferreira de Souza

Desigualdade e pobreza no Brasil 1995-2009. Pedro H. G. Ferreira de Souza Desigualdade e pobreza no Brasil 1995-2009 Pedro H. G. Ferreira de Souza Renda domiciliar per capita (R$ setembro/2009) 700 600 500 400 521 1995 2003: 1% a.a. 2003 2009: +4.8% a.a 637 300 200 100 0 1995

Leia mais

CRÉDITO IMOBILIÁRIO E POLÍTICA HABITACIONAL

CRÉDITO IMOBILIÁRIO E POLÍTICA HABITACIONAL CRÉDITO IMOBILIÁRIO E POLÍTICA HABITACIONAL. O déficit habitacional brasileiro é da ordem de 7 milhões de unidades. A demanda por crescimento demográfico do número de famílias é da ordem de 700 MIL unidades

Leia mais

Estudo Estratégico n o 5. Desenvolvimento socioeconômico na metrópole e no interior do Rio de Janeiro Adriana Fontes Valéria Pero Camila Ferraz

Estudo Estratégico n o 5. Desenvolvimento socioeconômico na metrópole e no interior do Rio de Janeiro Adriana Fontes Valéria Pero Camila Ferraz Estudo Estratégico n o 5 Desenvolvimento socioeconômico na metrópole e no interior do Rio de Janeiro Adriana Fontes Valéria Pero Camila Ferraz PANORAMA GERAL ERJ é o estado mais urbano e metropolitano

Leia mais

DIREITOS DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES: O QUE ISTO TEM A VER COM SUSTENTABILIDADE? 1

DIREITOS DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES: O QUE ISTO TEM A VER COM SUSTENTABILIDADE? 1 DIREITOS DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES: O QUE ISTO TEM A VER COM SUSTENTABILIDADE? 1 O conceito de sustentabilidade Em 1987, o Relatório Brundtland, elaborado pela Comissão Mundial do Ambiente e Desenvolvimento,

Leia mais

Produtividade Partilhada

Produtividade Partilhada Produtividade Partilhada Marcelo Neri SAE/PR marcelo.neri@presidencia.gov.br 1 O Brasil tem ficado para traz em termos de produtividade Renda vs Produtividade: descompasso real 140# Produ&vidade+do++vs.+Renda+do++

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE A POBREZA NA BAHIA: TENDÊNCIAS E ESTIMATIVAS DE EFEITOS DE POLÍTICA DE TRANSFERÊNCIA DIRETA. n. 3

CONSIDERAÇÕES SOBRE A POBREZA NA BAHIA: TENDÊNCIAS E ESTIMATIVAS DE EFEITOS DE POLÍTICA DE TRANSFERÊNCIA DIRETA. n. 3 CONSIDERAÇÕES SOBRE A POBREZA NA BAHIA: TENDÊNCIAS E ESTIMATIVAS DE EFEITOS DE POLÍTICA DE TRANSFERÊNCIA DIRETA n. 3 Salvador ago. 211 2 CONSIDERAÇÕES SOBRE A POBREZA NA BAHIA: TENDÊNCIAS E ESTIMATIVAS

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Sorriso, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 9382,37 km² IDHM 2010 0,744 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 66521 hab. Densidade

Leia mais

Análise Macroeconômica Projeto Banco do Brasil

Análise Macroeconômica Projeto Banco do Brasil Análise Macroeconômica Projeto Banco do Brasil Segundo Trimestre de 2013 Energia Geração, Transmissão e Distribuição Conjuntura Projeto Banco Macroeconômica do Brasil Energia Geração, Transmissão e Distribuição

Leia mais

O Programa Bolsa Família

O Programa Bolsa Família Painel sobre Programas de Garantia de Renda O Programa Bolsa Família Patrus Ananias de Sousa Ministro do Desenvolvimento Social e Combate à Fome República Federativa do Brasil Comissão de Emprego e Política

Leia mais

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD 2011

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD 2011 Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD 2011 Rio de Janeiro, 21/09/2012 1 Abrangência nacional Temas investigados: Características Características gerais dos moradores Educação Migração Trabalho

Leia mais

Visão. O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada. do Desenvolvimento. nº 96 29 jul 2011

Visão. O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada. do Desenvolvimento. nº 96 29 jul 2011 Visão do Desenvolvimento nº 96 29 jul 2011 O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada Por Fernando Puga e Gilberto Borça Jr. Economistas da APE BNDES vem auxiliando

Leia mais

A emergência da classe média no Brasil

A emergência da classe média no Brasil División América Departamento Econômico André Loes A emergência da classe média no Santander, 06 de julho de 2007 : um Campeão da Desigualdade de renda Coeficiente de Gini no mundo (0 = igualdade absoluta,

Leia mais

Indicadores da Semana

Indicadores da Semana Indicadores da Semana O saldo total das operações de crédito do Sistema Financeiro Nacional atingiu 54,5% do PIB, com aproximadamente 53% do total do saldo destinado a atividades econômicas. A carteira

Leia mais

Perfil Municipal - Rio Bom (PR)

Perfil Municipal - Rio Bom (PR) Caracterização do Território Área: 177,4 km² u Densidade Demográfica: 20,0 hab/km² Altitude da Sede: 680 m Ano de Instalação: 1.964 Distância à Capital: 284,5 km Microrregião: Faxinal Mesorregião: Norte

Leia mais

Uma Análise dos Determinantes da Focalização do Programa Bolsa Família

Uma Análise dos Determinantes da Focalização do Programa Bolsa Família Uma Análise dos Determinantes da Focalização do Programa Bolsa Família BRASÍLIA-DF Março, 2013 Introdução Motivação Revisão de Literatura Metodologia Resultados Considerações Finais 2 Introdução Transferência

Leia mais

Planejamento, Desenvolvimento e Políticas Públicas

Planejamento, Desenvolvimento e Políticas Públicas Planejamento, Desenvolvimento e Políticas Públicas MÁRCIO GIMENE DE OLIVEIRA Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Salvador, 6 de agosto de 2014 ABOP Slide 1 PLANEJAMENTO: cálculo que precede

Leia mais

SEMINÁRIOS TEMÁTICOS. Mesa 1: Produção Habitacional : programas de financiamento da habitação de interesse social

SEMINÁRIOS TEMÁTICOS. Mesa 1: Produção Habitacional : programas de financiamento da habitação de interesse social SEMINÁRIOS TEMÁTICOS Mesa 1: Produção Habitacional : programas de financiamento da habitação de interesse social Maria do Carmo Avesani Diretora do Departamento de Produção Habitacional Secretaria Nacional

Leia mais

POLÍTICA SOCIAL NO NORDESTE BRASILEIRO: O USO DOS PROGRAMAS DE TRANSFERÊNCIA DE RENDA COM ÊNFASE AO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA (PBF)

POLÍTICA SOCIAL NO NORDESTE BRASILEIRO: O USO DOS PROGRAMAS DE TRANSFERÊNCIA DE RENDA COM ÊNFASE AO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA (PBF) POLÍTICA SOCIAL NO NORDESTE BRASILEIRO: O USO DOS PROGRAMAS DE TRANSFERÊNCIA DE RENDA COM ÊNFASE AO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA (PBF) Márcia Ribeiro de Albuquerque 1 Ana Carolina Alves Gomes 2 A questão das

Leia mais

Trabalho Social em Programas de Habitação e Desenvolvimento Urbano: Entre o Ideal e o Concreto

Trabalho Social em Programas de Habitação e Desenvolvimento Urbano: Entre o Ideal e o Concreto Trabalho Social em Programas de Habitação e Desenvolvimento Urbano: Entre o Ideal e o Concreto INÊS MAGALHÃES Secretária Nacional de Habitação Ministério das Cidades Seminário Trabalho Social em Programas

Leia mais

Macro, Micro Economia e Previdência Previdência: o desafio da longevidade. Marco Antônio Barros

Macro, Micro Economia e Previdência Previdência: o desafio da longevidade. Marco Antônio Barros Macro, Micro Economia e Previdência Previdência: o desafio da longevidade Marco Antônio Barros Previdência Social - histórico Fim do imposto inflacionário Envelhecimento da população: aumento da longevidade

Leia mais

MB ASSOCIADOS CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO. Sergio Vale Economista-chefe

MB ASSOCIADOS CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO. Sergio Vale Economista-chefe MB ASSOCIADOS CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO Sergio Vale Economista-chefe I. Economia Internacional II. Economia Brasileira Comparação entre a Grande Depressão de 30 e a Grande Recessão de 08/09 Produção

Leia mais

Taxa de analfabetismo

Taxa de analfabetismo B Taxa de analfabetismo B.1................................ 92 Níveis de escolaridade B.2................................ 94 Produto Interno Bruto (PIB) per capita B.3....................... 96 Razão de

Leia mais

Visão. Crédito à pessoa física responde por 27% do crescimento da economia entre 2004 e 2009. do Desenvolvimento. nº 84 6 ago 2010

Visão. Crédito à pessoa física responde por 27% do crescimento da economia entre 2004 e 2009. do Desenvolvimento. nº 84 6 ago 2010 Visão do Desenvolvimento nº 84 6 ago 2010 Crédito à pessoa física responde por 27% do crescimento da economia entre 2004 e 2009 Por Gilberto Borça Jr. e Leandro Coutinho Economista e advogado da APE Expansão

Leia mais

Fórum Banco Central de Inclusão Financeira. Painel MDS

Fórum Banco Central de Inclusão Financeira. Painel MDS Fórum Banco Central de Inclusão Financeira Painel MDS Brasília, 18/nov/2010 Sumário Breve descrição do PBF; Razões para inclusão financeira; Marco legal da inclusão financeira; Atual agenda de inclusão

Leia mais

Fernanda de Paula Ramos Conte Lílian Santos Marques Severino RESUMO:

Fernanda de Paula Ramos Conte Lílian Santos Marques Severino RESUMO: O Brasil e suas políticas sociais: características e consequências para com o desenvolvimento do país e para os agrupamentos sociais de nível de renda mais baixo nas duas últimas décadas RESUMO: Fernanda

Leia mais

Bolha imobiliária: realidade ou ficção? Marcelo Barros, economista, professor da FBV Antônio Pessoa, economista, professor da FBV

Bolha imobiliária: realidade ou ficção? Marcelo Barros, economista, professor da FBV Antônio Pessoa, economista, professor da FBV Bolha imobiliária: realidade ou ficção? Marcelo Barros, economista, professor da FBV Antônio Pessoa, economista, professor da FBV Las Vegas - EUA Barro Recife/PE Qual é o imóvel mais caro? Fonte: Blog

Leia mais