SÍNDROME DE ASPERGER, TRABALHO E EDUCAÇÃO: CONSIDERAÇÕES SOBRE A CONSTITUIÇÃO DOS SUJEITOS NAS PRÁTICAS SOCIAIS.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SÍNDROME DE ASPERGER, TRABALHO E EDUCAÇÃO: CONSIDERAÇÕES SOBRE A CONSTITUIÇÃO DOS SUJEITOS NAS PRÁTICAS SOCIAIS."

Transcrição

1 SÍNDROME DE ASPERGER, TRABALHO E EDUCAÇÃO: CONSIDERAÇÕES SOBRE A CONSTITUIÇÃO DOS SUJEITOS NAS PRÁTICAS SOCIAIS. CAMILA AZEVEDO DE ARAÚJO 1 MARIA DE FÁTIMA CARVALHO 2 Introdução Este trabalho apresenta parte das considerações e questionamentos elaborados no trabalho de Iniciação Científica A constituição dos sujeitos nas práticas sociais: síndrome de Asperger, trabalho e educação 3, desenvolvido de agosto de 2007 a junho de 2009 como parte do projeto de pesquisa Inclusão Educacional de Jovens e Adultos com Deficiência Mental: Interação Social, Relação com o Conhecimento e Constituição de Sujeitos, da Professora Dra. Maria de Fátima Carvalho (UNIFESP, Guarulhos), com o objetivo de contribuir para a reflexão sobre as condições de possibilidades de aprendizagem e desenvolvimento, vividas por sujeitos jovens e adultos, no âmbito de sua inclusão em práticas de educação e trabalho. O projeto foi realizado com apoio do PIBIC UNIFESP (vigência: 2007/2009), no curso de Pedagogia, Campus Guarulhos. Assumindo como fundamentos teóricos e metodológicos os pressupostos da vertente histórico-cultural em Psicologia acerca do desenvolvimento humano como processo social e a importância de consideração dos aspectos históricos e sócio-culturais na constituição das mais diversas formas de comprometimento do funcionamento mental (Vygotsky: 1985, 2001, 2007) e a perspectiva discursiva (Bakhtin: 2004), investigou as possibilidades de aprendizagem e desenvolvimento construídas por um adulto com síndrome de Asperger, um homem de 29 anos, identificado como H., em práticas de trabalho voluntário, na função de auxiliar de professor, em uma escola especial de caráter filantrópico que atende crianças e adolescentes com paralisia cerebral na cidade de São Paulo, com o objetivo de observar, registrar (em áudio e diário de campo), descrever interações que configuram o trabalho voluntário desempenhado pelo sujeito junto aos demais envolvidos (professores, pesquisadora e alunos), buscando compreender e tornar visíveis, nessas práticas sociais, aspectos dos processos de aprendizagem e desenvolvimento do sujeito, de sua constituição como adulto, como trabalhador voluntário. Método O trabalho de pesquisa, caracterizado como um Estudo de Caso, foi desenvolvido a partir da observação participante e de contribuições da metodologia de Análise Microgenética. Os trabalhos de observação e registro foram realizados durante 20 semanas, duas vezes por semana, às quartas e sextas-feiras, das 7 às 11 horas, em duas diferentes salas/turmas da escola, onde o sujeito desempenhava a atividade voluntária. No processo de observação e registro, a pesquisadora participou das atividades pedagógicas também como auxiliar, voluntária e somou às observações o material construído a partir da realização de entrevistas semi-estruturadas realizadas (gravadas em 1 Graduanda em Pedagogia pela Universidade Federal de São Paulo Campus Guarulhos. 2 Doutora, Professora adjunta do curso de Pedagogia; Professora do Programa de Pós - Graduação Saúde e Educação na Infância e na Adolescência na Universidade Federal de São Paulo Campus Guarulhos. 3 Parte das considerações elaboradas neste texto foram apresentadas no Congresso de Iniciação Científica, PIBIC UNIFESP, junho de 2009 como parte do Relatório Final do Trabalho A Constituição dos Sujeitos nas Práticas Sociais: Síndrome de Asperger, Trabalho e Educação. 2744

2 áudio) com as professoras e com o sujeito. A discussão específica dos modos de participação de uma pessoa com síndrome de Asperger em uma situação de trabalho voluntário nos permite enfocar a dimensão social do desenvolvimento jovem e adulto e as condições de possibilidades de constituição dos sujeitos, no enfrentamento do funcionamento mental comprometido, no âmbito de uma situação de trabalho que pode ser definida como formadora, embora não profissionalizante. No processo de construção dos dados (observação, registro, realização de entrevistas, fundamentação teórica e discussão/análise), destacam-se aspectos organizadores das interações sociais vividas pelo sujeito na instituição, na configuração do trabalho voluntário, os quais permitem refletir sobre como as concepções de síndrome de Asperger em circulação na instituição afetam as interações vividas pelo sujeito e os seus modos diferenciados de relacionar-se no/com o contexto de trabalho e consigo mesmo. Apontam também para a necessidade de reflexão e análise, no âmbito dos processos de formação e profissionalização, sobre as condições de participação, de aprendizagem e de desenvolvimento como adulto e como trabalhador. Os dados apontam ainda para os modos de participação mais característicos do sujeito (e demais envolvidos) nas interações e para o seu empenho em responder as demandas do trabalho, em significar a função de voluntário, em desenvolver suas possibilidades de atuação e apropriar-se de modos de participação dos adultos, professores e demais voluntários com quem se relaciona, elaborando seus recursos cognitivos, de comunicação e sócio-afetivos. Desenvolvimento No Brasil, a produção relacionada à investigação do desenvolvimento adulto na existência da síndrome de Asperger é ainda escassa, não havendo referência à abordagem da questão do trabalho como uma experiência de inclusão e desenvolvimento. Neste contexto, buscamos nas contribuições de autores como Giordano (2000) e Carvalho ( 2006, 2007), elementos para a discussão da questão do trabalho na existência do comprometimento do funcionamento mental e, mais especificamente, da deficiência intelectual, embora saibamos que a deficiência intelectual não é uma característica da síndrome de Asperger. Giordano, assumindo uma perspectiva materialista dialética, destaca a o caráter de produção cultural humana da atividade de trabalho e afirma que o seu significado transcende a função de subsistência, para constituir-se um dos aspectos de identidade social. Para esta autora, o trabalho assume um lugar importante como atividade humana e como realidade social, devido à sua freqüência e relevância na vida das pessoas. (2000, p. 50). Conforme esta autora, podemos entender que o trabalho carrega representações de valores/comportamentos que afetam o processo de desenvolvimento do sujeito (...) soma-se um conjunto de representações sociais, cognitivas e afetivas das condutas, normas, papéis, tarefas que estão relacionadas com o mundo do trabalho e que os indivíduos vão adquirindo através de um processo mental resultante de todo o processo de interação que se estabelece entre os indivíduos com suas próprias experiências e o ambiente. (p. 51) A atividade de trabalho conforma-se assim ao mesmo tempo, como um local, uma ação, um instrumento e um papel social constituído e constituinte pelo/do sujeito (...) por meio do trabalho, o homem adquire sua identidade social e atende às necessidades básicas de segurança, autonomia, afirmação, auto-realização, prazer, auto-estima, dentre outras tantas, caracterizando, portanto, um dos mais valiosos recursos de adaptação do homem ao meio. (p.53) No Brasil, a legislação reconhece a importância do trabalho estabelecendo-o como direito, 2745

3 conforme o estabelecido pela Declaração Universal dos Direitos dos Homens. Esse direito, embora estabelecido na Constituição de 1988 ( Art. 5º, inciso XIII do Capítulo I e no Art. 6º do Capítulo II), a despeito dos avanços que caracterizaram as últimas décadas e dos desdobramentos decorridos após 18 anos de promulgação da Lei 8213 (1991), constitui-se ainda hoje, para a grande maioria dos brasileiros que possuem deficiências em uma impossibilidade. Laplane (2004), problematiza o fato de num contexto de políticas ostensivamente inclusivas ocorrer a reprodução de um modelo do mercado que estabelece as competências a serem exigidas com o objetivo de inserção profissional. Neste contexto onde a participação nas práticas educacionais já não é mais condição de garantia de trabalho e ascensão profissional e social, a falta de escolarização, formação e profissionalização que frequentemente caracteriza o adulto com deficiência no Brasil constitui-se como um grave problema, quando os campos da educação e do trabalho reproduzem as formas de uma organização social onde as relações de poder e propriedade são excluidoras dos menos aptos à competição e a produção. Carvalho (2007) ao explorar a relação entre os campos do Trabalho e da Educação enfatiza a importância da participação dos sujeitos com deficiências nas práticas de Educação e Trabalho, ressaltando também a necessidade de consideração das formas como essa relação se estabelece no âmbito das instituições de educação escolar (que propõem-se preparar os alunos para o mundo do trabalho, como os CIEJAS, em São Paulo) e de preparação para o trabalho remunerado (como Instituições de Atendimento Especial que configuram a oferta de preparação para o trabalho em oficinas de Trabalho abrigado e competitivo). Para esta autora, os modos como essas instituições concebem e relacionam educação, trabalho e deficiência, afetam os sujeitos dirigindo suas formas de entendimento e contingenciando suas possibilidades de educação e de trabalho (p. 8). Esta autora aponta para algumas das condições que se relacionam na construção das dificuldades e possibilidades vividas por essa população nesses campos e enfatiza a necessidade de consideração (entre outras coisas) de: (...)o papel desempenhado pelos diagnósticos e concepções das deficiências ou doenças mentais nos processos de busca, de preparação e de exercício de atividades educacionais ou laborais remuneradas; a ausência de políticas públicas efetivas que contemplem as necessidades de formação profissional dessa população no âmbito da educação profissional básica; o caráter filantrópico, assistencialista, terapêutico e restritivo que perpassa as práticas de preparação para o trabalho dirigidas a essa população. Carvalho (2007, p. 8) Em Giordano (op. cit.), encontramos a referência ao emprego como modalidade mais constante de relação das pessoas com deficiência com o mundo do trabalho. Em algumas situações as pessoas são inseridas em contextos que necessitam de adaptação e em outros não. Quando a situação demanda adaptação do meio para receber esses sujeitos, essa modificação pode ser temporária. Existe também a possibilidade de oferecimento em setores mediados por instituições especializadas, que medeiam a força de trabalho de pessoas com deficiências e os contratantes. Esta autora também aponta para o papel desempenhado pelas concepções de deficiência vigentes na sociedade. Discute como essas condições de empregabilidade são oferecidas. A maioria dessas pessoas são empregadas em instituições chamadas Oficinas Abrigadas, mas a autora aponta que as habilidades aprendidas nessas práticas respondem pouco as exigências do mercado de trabalho e aborda também a diferenciação entre o significado da remuneração, onde a remuneração pelo trabalho é apontada como um prêmio para esses indivíduos, enquanto para as pessoas (...) [sem deficiência] é um direito do cidadão (p. 58). Ela atribui a inadequação dessas iniciativas às concepções de deficiência construídas na sociedade. Os pressupostos assumidos por esse trabalho (Vygotski, 1997), nos permitem conceber a 2746

4 deficiência como desenvolvimento diferenciado, onde o sujeito que apresenta alguma forma de comprometimento do funcionamento mental não se encontra incapacitado, mas desenvolve-se de forma singular, podendo ao longo de toda a vida, nas e pelas interações sociais, construir formas novas e mais eficientes de ação (Carvalho, 2006). Nessa direção, podemos compreender que a participação social é condição de construção de suas possibilidades de ação psíquicas/cognitivas/sócio-afetivas. A idéia do desenvolvimento humano como um processo social, apóia-se em uma perspectiva discursiva de linguagem, em uma visão interacionista que compreende a interação social como intrinsecamente discursiva e por isso, local e matéria de constituição do funcionamento psicológico, pelos processos de significação. Esse pressuposto, nos permite considerar os fatos em seu acontecimento, incorporados à sua dimensão histórica, ou seja, considerar a necessidade de abordar os lugares discursivos ocupados pelos sujeitos, os modos de participação que nas variadas condições cotidianas são produzidos, as mediações que organizam suas ações. De acordo com as contribuições de Góes sobre a Análise Microgenética (2000, p. 9-11) destacamos a tese vygotskiana segundo o qual os processos humanos têm gênese nas relações com o outro e com a cultura e são as relações sociais, as interações, que devem ser investigadas ao se examinar o curso de ação do sujeito (p. 11). Dessa forma, atentamos para episódios interativos que consideramos significativos, para as relações intersubjetivas e para as condições sociais da situação, buscando realizar um relato minucioso dos acontecimentos. No contexto da psicologia histórico-cultural, são principalmente as contribuições de Mikhail Bakhtin (1990) sobre a dimensão discursiva das interações e a característica ideológica dos discursos, o que embasa a possibilidades de análise. Para Bakhtin (1990) a palavra revela-se, no momento de sua expressão, como o produto da interação viva das forças sociais e cada coisa dita, se apresenta como uma arena em miniatura onde se entrecruzam e lutam valores sociais e orientações contraditórias. Para este autor, a linguagem nos permite objetivar a experiência, tipificando-as e agrupandoas em categorias amplas e significativas para o indivíduo (p. 61). Na idade adulta, conforme argumenta Carvalho (2006, 2007) a inserção no campo do trabalho é fundamental. Para isso, é fundamental que o sujeito como afirma Giordano (op. cit.) desenvolva suas capacidades profissionais, suas habilidades laborativas (...) do mesmo modo que as pessoas sem deficiência (p. 55). Nesse contexto, podemos compreender que a inclusão de sujeitos com deficiência mental no sistema educativo e no mercado de trabalho se dá num processo circular, onde uma inclusão complementa a outra, onde esses espaços de socialização concorrem para a construção de possibilidades de aprendizagem e desenvolvimento de modos novos de ação psicológica. Assim, na elaboração, pelo sujeito com comprometimento do funcionamento mental, das formas de ação que caracterizam a vida adulta, o trabalho assume um papel preponderante e formador, educativo. (Carvalho, 2007) Para H. (o sujeito de nossa pesquisa) a atividade de trabalho voluntário como auxiliar de professor em uma escola, releva-se como condição de possibilidade de transformação de suas formas de ação psíquica em todas as suas dimensões (cognição, afeto, sociabilidade, motricidade, socialização). Sem outras possibilidades de participação social que oportunizem relações sociais organizadas em torno de um objetivo sócio-culturalmente tão valorizado quanto o trabalho, ou de construção de vínculos pessoais e de continuidade (embora assistemática) de relação com o conhecimento (tratase de uma escola de ensino fundamental), o sujeito encontra no trabalho voluntário uma oportunidade ímpar de aprendizado e desenvolvimento na etapa de vida adulta. 2747

5 Como voluntário, é chamado para responder às diferentes solicitações relacionadas ao papel de auxiliar de professor. Neste contexto, atende às solicitações de crianças que apresentam significativas dificuldades psicomotoras e de comunicação, responde às solicitações dos professores frente à preparação de materiais, convive com outros voluntários e com toda a equipe da instituição escolar, encontrando no trabalho as mais diferentes oportunidades de relação. Mas como o trabalho afeta o desenvolvimento de H.? Será que a participação como auxiliar de professor permite a construção de modos de participação que favoreçam o seu desenvolvimento na etapa de vida em que se encontra? Como nas interações que caracterizam as práticas de trabalho voluntário ele aprende e se desenvolve? Como participa? O que e como aprende? Como sua presença afeta a instituição? A discussão dos dados registrados no Diário de Campo nos levaram a enfrentar essas questões. Conclusões: A Síndrome de Asperger e os modos de interação do sujeito: a constituição social das possibilidades de participação como trabalhador voluntário. Nos novos padrões diagnósticos, a síndrome de Asperger é considerada um Transtorno Global do Desenvolvimento. Atualmente, três eixos de comprometimento são considerados para o diagnóstico de um Transtorno Global do Desenvolvimento, esses eixos são: a deficiência no desenvolvimento da linguagem, a deficiência de interação social e a presença de interesses e movimentos repetitivos. É a existência de um desenvolvimento comprometido, simultaneamente nestes três eixos, o que expressa o tipo de transtorno de desenvolvimento assim denominado (SACKS, p ). A Organização Mundial de Saúde define a síndrome de Asperger como: Transtorno de validade nosológica incerta, caracterizado por uma alteração qualitativa das interações sociais recíprocas, semelhante à observada no autismo, com um repertório de interesses e atividades restrito, estereotipado e repetitivo. Ele se diferencia do autismo essencialmente pelo fato de que não se acompanha de um retardo ou de uma deficiência de linguagem ou do desenvolvimento cognitivo. Os sujeitos que apresentam este transtorno são em geral muito desajeitados. As anomalias persistem freqüentemente na adolescência e idade adulta. O transtorno se acompanha por vezes de episódios psicóticos no início da idade adulta. Psicopatia autística. Transtorno esquizóide da infância (Ibid., F84.4). Esse comprometimento é a forma mais branda do espectro autista. O sujeito com Asperger não apresenta deficiências, mas transtornos, comprometimentos cognitivos e de linguagem e pode, de acordo com as condições de seu desenvolvimento, construir formas compensatórias de habilidades sociais. Podem, em alguns casos, apresentar altas habilidades. H. apresenta todas as características que sustentam esse diagnóstico. A condição sindrômica articula-se a outras condições na construção de seu desenvolvimento. Ele é filho de uma família de classe média, freqüentou escolas especiais na infância, chegou a freqüentar (em 1994) sem se adaptar uma escola regular na adolescência e retornou à escolas especiais (de 1995 a 2005), tendo atualmente além da atividade voluntária, as atividades sociais que desenvolve com sua família e a as atividades físicas desenvolvidas em uma academia de ginástica. Possivelmente por tratar-se de uma instituição de educação especial, a escola em que ele é aceito como voluntário mostra-se aberta às suas possibilidades de aprendizado e desenvolvimento e ao convívio com as diferenças relacionadas à síndrome, percebendo-o como capaz de assumir um posto de trabalho voluntário, de relacionar-se com as crianças, professores, demais voluntários, educadores e técnicos, relacionar-se com uma rotina de trabalho, com as normas e formas de 2748

6 organização que a caracterizam. Apesar dessa positividade da situação encontraremos no dia a dia escolar, formas contraditórias de convívio e significação das possibilidades de ação de H. e da síndrome de Asperger. Podemos apontar, por exemplo, entre outras característica dos modos de participação dos professores, a repetição. Os professores repetem muitas vezes o que H. tem que fazer. Em uma mesma situação, uma professora E. chega a repetir oito(8) vezes a explicação da atividade e uma outra professora D. duas (2) vezes. A partir do trabalho de observação, constatamos ser essa repetição desnecessária. H. compreende as ordens dadas e solicitações e pode responder. Destacamos aqui a emergência no âmbito interativo, de uma das características da síndrome de Asperger: a tendência à repetição, à estereotipia. Mas nas situações referidas essa característica não é manifesta pelo sujeito. Podemos perguntar se as repetidas explicações das professoras podem ser tomadas como indícios de uma desconfiança nas possibilidades de compreensão do sujeito, decorrentes da associação da síndrome de Asperger à existência de deficiência intelectual, algo comum em nossa cultura. Poderiam ainda ser interpretadas como uma característica professoral, comum no contexto da educação especial desenvolvida junto a crianças com considerável comprometimento de fala e comunicação. Perguntamos também, como afetam H.? Contribuiriam para a transformação de suas formas de significar suas próprias limitações? As condições de ação de H. são definidas nas diversas formas de atuação dos professores e voluntários. São distintas as formas de significar sua presença e suas possibilidades de participação. Em algumas situações, evidencia-se a dificuldade de percebê-lo como adulto, trabalhador voluntário e a propensão à atribuir, para ele, o papel de aluno, criança, deficiente. Em uma dessas situações, a professora C. ao explicar que a atividade, seria baseada no livro didático Os Problemas da Família Gorgonzola (Furnari, 2001) 4, o qual explora problemas matemáticos, pede para cada aluno inventar uma história, trazer fotos de sua família e inclui H. entre os alunos. Determina que ele fará o mesmo que as crianças, o que não é solicitado de outros voluntários que trabalham nessa mesma sala. Ela sugere que H. (fazendo uso de suas altas habilidades) ajuda a a turma com os problemas matemáticos. Ela pede a H. que veja as horas e comenta sorrindo: Professora C: - Ele é muito bom com horas e datas. Diversas vezes ela fez comentários sobre ele. Ela faz esses comentários diante dele, excluindo-o da conversa, não se preocupa se ele está escutando ou não. Ela lê os problemas matemáticos propostos no livro e ao final pede que ele resolva. Ele respondeu na hora ao que é solicitado, orgulhoso dá as respostas corretas. Ela fala das aptidões de H. Para o grupo. Participando desta forma das atividade, H. é deslocado de seu papel de auxiliar de professor voluntário. A professora solicita-o como aluno e é desse lugar que ele responde, propondo-se a, como aluno, fazer a atividade. A valorização das altas habilidades para o cálculo ganha um sentido de exibição que é assumido pelo sujeito. Ele demonstra gostar disso. Ao contrário das outras situações em que pode usar suas capacidades, mas não é chamado a exibi-las. Possivelmente, esta situação gratifica o sujeito porque não o desafia a colocar-se socialmente de forma mais compatível com sua idade e possibilidades de ação. Ele é chamado a comportar-se como uma criança. 4 FURNARI, Eva. Os Problemas da Família Gorgonzola. São Paulo: Global,

7 Na mesma situação, em seguida chegou a professora E. com cópias do livro citado. Percebendo a situação, ela problematiza a possibilidade de H. participar como aluno. A professora E. Não confronta a professora C. e pergunta para H. se ele não vê problema em participar, trazer fotos da própria família etc. Ele fez um gesto com a cabeça afirmando que não haveria problema. A professora C. por sua vez, permanece alheia a problematização levantada pela colega. Ela dá ordens sobre como ele deve proceder para fazer a atividade, diz que ele deve comprar e ler o livro, criar a história, usar as fotos da família dele e montar essas fotos compondo a história. Então ela pergunta se eu (a pesquisadora) poderia ajudá-lo. Eu sabia que o sujeito não precisava de ajuda, mas constrangida, disse sim. A professora solicitou que eu escrevesse para ele (como é feito com os alunos que não sabem escrever) o que ele deveria fazer em casa. Ela pegou um papel com linhas e margens coloridas de amarelo do armário e me perguntou se era muito infantil para dar a ele. Eu respondi com a cabeça que não, achando que sim. E ela deu a ele para que escrevesse a atividade na sala. Na semana seguinte ele trouxe a atividade escrita e leu para o grupo. Desautorizado, H. responde de onde é chamado, deixa de ser trabalhador voluntário que auxilia e volta a ser garoto prodígio que dá respostas certas. Confrontado quanto a adequação da situação, não consegue descolar desse lugar que lhe foi atribuído como natural por toda a vida. Dessa forma, vamos vendo emergir na escola, local de trabalho, as condições de elaboração do lugar de trabalhador voluntário e com elas, de modos de participação que definam o desenvolvimento adulto. Ora aparecem como a condição dada de trabalho e ora desparecem na forma como o sujeito é percebido e solicitado nas interações. Nesse contexto contraditório, H. convive também com o desafio de atender a demandas d e trabalho que desafiam a ser, comportar-se de forma mais compatível com o seu desenvolvimento adulto. Nas salas onde atua, H. trabalha com as crianças auxiliando na realização de atividades, ele prepara atividades, ele digita textos, ele cola, recorta, escreve, pesquisa no google, pesquisa em livros e revistas etc. Considerando-se as grandes dificuldades motoras e de fala que caracterizam as crianças, aprender a entendê-las e efetivamente ajudá-las é para H., assim como para os professores e demais voluntários, um permanente desafio. Nessas situações evidencia-se que as professoras confiam cada vez mais em H. Vemos assim se evidenciarem, em meio as contradições, as transformações recíprocas de H. e seus pares. Os modos de ação de H. vão ganhando forma em relação às formas de ação dos Outros que convivem com ele na instituição. Em muitas situações, as características relacionadas à síndrome se destacam, H. insiste para que projetos não realizados sejam cumpridos. Não esquece os combinados. Demonstra rigidez, dificuldade para contornar as situações, aceitar que o que é combinado nem sempre ocorre etc. Demonstra particular interesse pelos passeios, excursões. Em uma situação ele organiza-se para ir a um passeio como se fosse um dos alunos e nessa situação, é mais uma vez confrontado pela professora E. que conversa com ele sobre a propriedade de sua atitude, sobre suas responsabilidades e as exigências de seu trabalho, ela fala sobre a importância e necessidade de sua presença na escola, que sua ausência interfere na realização das atividades, pois se ele vai aos passeios ele é um trabalhador voluntário a menos. Ela sugeriu a ele que perguntasse a professora da sala onde deveria trabalhar, se poderia faltar. Explicou que ele só poderia ir como voluntário, para ajudar com as crianças do outro grupo. O desfecho desta situação deu-se com a ida de H. ao passeio. 2750

8 É nesse contexto que podemos refletir sobre como vão se definindo nas interações, as possibilidades e limitações, as características que definem a síndrome, como a repetição, as estereotipias, a infantilidade, a rigidez etc. Uma das características da síndrome de Asperger é uma certa rigidez em relação ao que é planejado e aparentemente compreendido como algo que tem que ser cumprido. H. apresenta essa característica. Por outro lado, podemos considerar que participar das excursões é uma oportunidade de vivenciar coisas novas, passear etc. Vemos assim que contraditoriamente sintoma e motivação aparecem juntos, assim como a dificuldade de H. e das professoras de compreender e separar o papel de voluntário e de aluno, pois apesar da repreensão, ele vai ao passeio. É assim, em meio as contradições, que as possibilidades de aprendizagem, compreendida na perspectiva vygotskiana, como processo relacional e de significação, que H. vai encontrando (ou não) as condições de transformação/desenvolvimento de suas possibilidades de ação. Como, por exemplo, ao ser solicitado a ajudar uma criança que não fala e não escreve, cuja comunicação é apenas com os olhos, a professora disse a H. e a aluna: Professora D. : - O H. vai fazer pra você, ta? ( ) - Olha H., por favor. Ajuda ela? O dela tem que escrever pra ela porque ela não escreve a professora leu o exercício para a aluna e disse O H. vai fazer para você, tá?. A professora deu um lápis para ele escrever para a menina. H. escrevia a lição para a menina em silêncio. Em outro momento um aluno pediu auxílio dele. R. emitiu sons apontando para H. H. pergunta O que? R. estava bastante agitado, então eu disse a H.: - Ele quer sua ajuda, eu acho. E continuei o que estava fazendo com outra aluna. H. dirige-se a R. e pergunta: E qual é o melhor jeito de te ajudar R.? R. não respondia, pois não fala, se comunica por prancha de comunicação. H. perguntou: - Como você vai escrever? O aluno acomodou o lápis na mão e H. pegou a mão do aluno e começou ajudá-lo a escrever. Terminaram e a professora disse: - Olha, o Haroldo te ajudou. Que legal hein! O aluno abraçou Haroldo que se deixou abraçar. A situação evidencia a receptividade das crianças em relação ao sujeito, assim como as diferentes formas de solicitação que a ele são dirigidas no trabalho e os seus modos de responder. Na situação, são feitas duas solicitações diferentes para a atuação junto a alunos bem diferentes. Na primeira situação a professora pede a ele que escreva as respostas da atividade para a aluna, não o instrui para interagir com ela. Na segunda situação, H. pergunta à criança como deve ajudá-la. H., assim como os demais voluntários, quando chegou à instituição, foi informado pelas professoras sobre como deveria agir com os alunos. Foi orientado a interagir com os alunos que não falavam, lendo as atividades para eles e a sempre perguntar Qual o melhor jeito de eu lhe ajudar?. H. aprendeu. O processo de observação e a construção dos dados nos permitiu ver como as formas de ação do sujeito se transformaram ao longo desse período, assim como os modos da instituição solicitá-lo. Refletindo sobre as condições de trabalho, pensamos que a condição de voluntário vivida por H. na instituição ainda é mal compreendida pelo sujeito não apenas em decorrência de suas limitações, 2751

9 mas pelas limitações da escola de a definir, por ser ele um voluntário com características diferenciadas. A despeito das intenções incluidoras e do acolhimento, circulam na instituição diferentes formas de conceber o sujeito e a síndrome de Asperger como característica que condiciona seu desenvolvimento. Embora seja necessário em quase todas as situações que alguém provoque suas falas, evidenciamse suas maiores possibilidades de comunicação com o grupo e uma maior capacidade de interpretação dos diálogos e situações, de inserção na rede discursiva. Suas possibilidades de socialização ampliaram-se consideravelmente e ele, como os outros auxiliares e professores, dirigise aos familiares das crianças com quem trabalha e às próprias crianças, fazendo perguntas ou comentários simples. Em uma situação de entrevista semi estruturada e em conversas informais, ele fornece as pistas para compreendermos como se dá seu aprendizado: ele responde às solicitações da forma que lhe é sugerido e possível, conseguindo, quando isso é demandado, corresponder ao papel de auxiliar voluntário, colocando-se no lugar daquele que ajuda às crianças. Nesse contexto, a desorganização das situações, o inacabado, as solicitações afetivas das crianças, assim como as contradições que organizam o cotidiano institucional, têm contribuído para a diminuição de sua rigidez e para o desenvolvimento de autonomia cada vez maior no exercício de sua função. O trabalho na instituição tem enorme importância para H. O trabalho confere sentido às suas ações, proporciona interesse, motiva e significa o seu desenvolvimento como adulto, tem um caráter formativo, educador. Ele desempenha algo valorizado e útil para as crianças e para a escola. Ele realmente, nas salas onde as professores oferecem condições de participação, trabalha, auxilia. Por outro lado, esse trabalho não remunera, não profissionaliza, não lhe permite avançar da condição de dependência familiar na qual se encontra, mas H. ainda não se pergunta sobre isso. Ele gosta de trabalhar, ele quer trabalhar. É importante que a instituição organize-se para definir melhor o seu lugar de voluntário contribuindo dessa forma para que ele também o elabore e assuma de forma que a atividade de trabalho demande novas necessidades. Referências Bibliográficas BAHKTIN,M Marxismo e filosofia da linguagem. 5ª ed., Tradução : Michel Lahud e Yara Frateschi Vieira, São Paulo : Hucitec. BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Especial. Diretrizes nacionais para a educação especial na educação básica. Brasília, MEC/SEESP, CARVALHO, Maria de Fátima. Conhecimento e vida na escola: convivendo com as diferenças. Campinas: Editora Unijui, CARVALHO, Maria de Fátima. Educação de jovens e adultos com deficiência mental: inclusão escolar e constituição dos sujeitos/education of teenagers and adults with mental deficiencies: school inclusion and the constitution of subjects. In HORIZONTES. Revista Semestral do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Educação da Universidade São Francisco. Volume 24 Número 2 Julho/Dezembro ISSN (2006-b) CARVALHO, Maria de Fátima. Inclusão Educacional de Jovens e Adultos com Deficiência Mental: Interação Social, Relação com o Conhecimento e Constituição de Sujeitos (2006). Relatório Fapesp/Faculdade de Educação da USP. Outubro, c. GIORDANO, Blanche Warzée. (D)eficiência e trabalho: analisando suas representações. São Paulo: Annablume: Fapesp,

10 GÓES, Maria Cecília Rafael de. A abordagem microgenética na matriz histórico-cultural: uma perspectiva para o estudo da constituição da subjetividade. In: Cadernos cedes 50. Relações de Ensino e Análises na Perspectiva Histórico-Cultural. 1 ed. Campinas: CEDES, LAPLANE, Adriana Lia Friszman de. Notas para uma análise dos discursos sobre inclusão escolar. In: GOES, Maria Cecília Rafael (org.); LAPLANE, Adriana Lia Friszman de (org.). Políticas e Práticas de Educação Inclusiva. Campinas: Autores Associados, Cap. 1. p OLIVEIRA, Martha Kohl de. Vygotsky: aprendizado e desenvolvimento: um processo sóciohistórico. 4 ed. São Paulo: Scipione, OLIVEIRA, Martha Kohl de. Ciclos de Vida: algumas questões sobre a psicologia do adulto. In: Educação e Pesquisa. V. 30, n. 2, p. 189, maio/ag. São Paulo: FEUSP ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE. CID 10: Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde. Décima Revisão. Disponível em: Acesso em: 9 jan SACKS, Oliver W. Um Antropólogo em Marte. São Paulo: Companhia das Letras, VIGOTSKI, Lev S. A Construção do Pensamento e da Linguagem. São Paulo: Martins Fontes, VIGOTSKI, Lev S. A Formação Social da Mente. São Paulo: Martins Fontes, VIGOTSKI, Lev S. Fundamentos de Defectologia. Madrid: Visor,

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR

CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR Acreditamos ser relevante abordar de forma rápida o contexto atual da Educação Física Escolar

Leia mais

Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS

Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS Psicologia do Desenvolvimento e Aprendizagem da Criança de 0 a 5 anos Docente do Curso Gilza Maria Zauhy Garms Total da Carga

Leia mais

PSICOLOGIA E PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: EVIDÊNCIAS DE UMA RELAÇÃO.

PSICOLOGIA E PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: EVIDÊNCIAS DE UMA RELAÇÃO. PSICOLOGIA E PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: EVIDÊNCIAS DE UMA RELAÇÃO. Betânia Maria Oliveira de Amorim UFCG betânia_maria@yahoo.com.br Polliany de Abrantes Silva UFCG pollianyabrantes_psico@hotmail.com

Leia mais

ESPAÇO INCLUSIVO Coordenação Geral Profa. Dra. Roberta Puccetti Coordenação Do Projeto Profa. Espa. Susy Mary Vieira Ferraz RESUMO

ESPAÇO INCLUSIVO Coordenação Geral Profa. Dra. Roberta Puccetti Coordenação Do Projeto Profa. Espa. Susy Mary Vieira Ferraz RESUMO ESPAÇO INCLUSIVO Coordenação Geral Profa. Dra. Roberta Puccetti Coordenação Do Projeto Profa. Espa. Susy Mary Vieira Ferraz RESUMO A inclusão é uma realidade mundial. Desde a Declaração de Salamanca em

Leia mais

ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR?

ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? O que dizem as crianças sobre o brincar e a brincadeira no 1 ano do Ensino Fundamental? Resumo JAIRO GEBIEN - UNIVALI 1 Esta pesquisa visa investigar os momentos

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA FORMAÇÃO PARA O MAGISTÉRIO EM EDUCAÇÃO INFANTIL SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização:

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores A VISÃO DE ALGUMAS BOLSISTAS DO PIBID SOBRE SUA ATUAÇÃO EM CONTEXTOS EDUCACIONAIS INCLUSIVOS

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA 1 A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA INTRODUÇÃO O tema a ser estudado tem como finalidade discutir a contribuição da Educação Física enquanto

Leia mais

Um pouco mais sobre desenvolvimento social e os Transtornos do Espectro Autista

Um pouco mais sobre desenvolvimento social e os Transtornos do Espectro Autista Um pouco mais sobre desenvolvimento social e os Transtornos do Espectro Autista www.infanciaeadole scencia.com.br O desenvolvimento social ocorre ao longo de todas as etapas do ciclo vital. Entretanto,

Leia mais

EDUCAÇÃO INCLUSIVA: ALUNO COM DEFICIÊNCIA MÚLTIPLA NO ENSINO REGULAR

EDUCAÇÃO INCLUSIVA: ALUNO COM DEFICIÊNCIA MÚLTIPLA NO ENSINO REGULAR EDUCAÇÃO INCLUSIVA: ALUNO COM DEFICIÊNCIA MÚLTIPLA NO ENSINO REGULAR Autoras: Natália Aparecida DAL ZOT, Rafaela Alice HORN, Neusa MARTINI Identificação autores: Acadêmica do Curso de Matemática-Licenciatura

Leia mais

Duração: 8 meses Carga Horária: 360 horas. Os cursos de Pós-Graduação estão estruturados de acordo com as exigências da Resolução CNE/CES nº 01/2007.

Duração: 8 meses Carga Horária: 360 horas. Os cursos de Pós-Graduação estão estruturados de acordo com as exigências da Resolução CNE/CES nº 01/2007. Arte em Educação Considerando que a ação educacional é uma prática social mediadora da prática social mais ampla, nossa missão é: Formar o profissional de arte educação contemplando suas três dimensões:

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias novembro/2011 página 1 CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Elba Siqueira de Sá Barretto: Os cursos de Pedagogia costumam ser muito genéricos e falta-lhes um

Leia mais

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Eixo temático 1: Fundamentos e práticas educacionais Telma Sara Q. Matos 1 Vilma L. Nista-Piccolo 2 Agências Financiadoras: Capes / Fapemig

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA JURUMENHA, Lindelma Taveira Ribeiro. 1 Universidade Regional do Cariri URCA lindelmafisica@gmail.com FERNANDES, Manuel José Pina 2 Universidade Regional do Cariri

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Erika Cristina Pereira Guimarães (Pibid-UFT- Tocantinópolis) Anna Thércia José Carvalho de Amorim (UFT- Tocantinópolis) O presente artigo discute a realidade das

Leia mais

Palavras chaves: Criança, Educação Infantil, Corpo e Movimento.

Palavras chaves: Criança, Educação Infantil, Corpo e Movimento. CORPO E MOVIMENTO: CONCEPÇÕES E PRÁTICAS DOS PROFESSORES NA EDUCAÇÃO INFANTIL Tamiris Andrade dos Santos (UEL) tamiris_152@hotmail.com Gilmara Lupion Moreno gilmaralupion@uel.br RESUMO: Sabe-se da importância

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

TRABALHO PEDAGÓGICO NA PERSPECTIVA DE UMA ESCOLA INCLUSIVA. Profa. Maria Antonia Ramos de Azevedo UNESP/Rio Claro. razevedo@rc.unesp.

TRABALHO PEDAGÓGICO NA PERSPECTIVA DE UMA ESCOLA INCLUSIVA. Profa. Maria Antonia Ramos de Azevedo UNESP/Rio Claro. razevedo@rc.unesp. TRABALHO PEDAGÓGICO NA PERSPECTIVA DE UMA ESCOLA INCLUSIVA Profa. Maria Antonia Ramos de Azevedo UNESP/Rio Claro. razevedo@rc.unesp.br O que é educação inclusiva? Inclusão é um processo de aprendizagem

Leia mais

O ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO COMO REDE DE SERVIÇOS E APOIO NA EDUCAÇÃO: CONTRIBUIÇÕES DA TEORIA HISTÓRICO-CULTURAL

O ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO COMO REDE DE SERVIÇOS E APOIO NA EDUCAÇÃO: CONTRIBUIÇÕES DA TEORIA HISTÓRICO-CULTURAL O ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO COMO REDE DE SERVIÇOS E APOIO NA EDUCAÇÃO: CONTRIBUIÇÕES DA TEORIA HISTÓRICO-CULTURAL ANTUNES, Clarice Filipin de Castro (UNIOESTE) 1 ROSSETTO, Elisabeth (Orientadora/UNIOESTE)

Leia mais

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias dezembro/2006 página 1 FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Bernardete Gatti: o país enfrenta uma grande crise na formação de seus professores em especial, de alfabetizadores.

Leia mais

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1988 CONSTITUIÇÃO FEDERAL ANTECEDENTES Art. 210. Serão fixados conteúdos mínimos para o ensino fundamental, de maneira a assegurar formação básica comum

Leia mais

EXPLICAÇÕES SOBRE A ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO FINAL DE ESTÁGIO

EXPLICAÇÕES SOBRE A ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO FINAL DE ESTÁGIO EXPLICAÇÕES SOBRE A ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO FINAL DE ESTÁGIO Elementos Textuais: INTRODUÇÃO: Introduzir significa apresentar. Descrever o trabalho baseando-se nas seguintes colocações: o quê fez, por que

Leia mais

OS DIREITOS HUMANOS NA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES

OS DIREITOS HUMANOS NA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES OS DIREITOS HUMANOS NA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES Gisllayne Rufino Souza* UFPB gisllayne.souza@gmail.com Profa. Dra. Marlene Helena de Oliveira França UFPB/Centro de Educação/Núcleo de Cidadania e Direitos

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE ENSINO NA EDUCAÇÃO INFANTIL E FORMAÇÃO DE PROFESSORES. Profa. Me. Michele Costa

ESTRATÉGIAS DE ENSINO NA EDUCAÇÃO INFANTIL E FORMAÇÃO DE PROFESSORES. Profa. Me. Michele Costa ESTRATÉGIAS DE ENSINO NA EDUCAÇÃO INFANTIL E FORMAÇÃO DE PROFESSORES Profa. Me. Michele Costa CONVERSAREMOS SOBRE Formação de Professores Continuação do diálogo sobre o professor de educação infantil.

Leia mais

A Pesquisa Crítica de Colaboração- aspectos teóricos-metodológicos da pesquisa

A Pesquisa Crítica de Colaboração- aspectos teóricos-metodológicos da pesquisa O BRINCAR NO PROCESSO DE REFLEXÃO CRÍTICA ENTRE PESQUISADORAS E COORDENADORAS DE CRECHES Resumo ABREU, Maritza Dessupoio de 1 - UFJF GOMES, Lilian Marta Dalamura 2 - UFJF SCHAPPER, Ilka 3 - UFJF Grupo

Leia mais

Centro de Estudos Avançados em Pós Graduação e Pesquisa

Centro de Estudos Avançados em Pós Graduação e Pesquisa EDUCAÇÃO INFANTIL JUSTIFICATIVA O momento social, econômico, político e histórico em que vivemos está exigindo um novo perfil de profissional, de cidadão: informado, bem qualificado, crítico, ágil, criativo,

Leia mais

Rousseau e educação: fundamentos educacionais infantil.

Rousseau e educação: fundamentos educacionais infantil. Rousseau e educação: fundamentos educacionais infantil. 1 Autora :Rosângela Azevedo- PIBID, UEPB. E-mail: rosangelauepb@gmail.com ²Orientador: Dr. Valmir pereira. UEPB E-mail: provalmir@mail.com Desde

Leia mais

ORIENTAÇÃO E MOBILIDADE PARA ALUNOS DEFICIENTES VISUAIS:EM FOCO A FORMAÇÃO DOCENTE.

ORIENTAÇÃO E MOBILIDADE PARA ALUNOS DEFICIENTES VISUAIS:EM FOCO A FORMAÇÃO DOCENTE. ORIENTAÇÃO E MOBILIDADE PARA ALUNOS DEFICIENTES VISUAIS:EM FOCO A FORMAÇÃO DOCENTE. Amauri de Oliveira¹, Adenilson Argolo¹, Marilene Pereira¹. ¹Universidade do Estado da Bahia Campus XV Educação e trabalho

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INVESTIGAÇÃO DA PRÁTICA DOCENTE I... 4 02 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO... 4 03 PROFISSIONALIDADE DOCENTE... 4 04 RESPONSABILIDADE

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS 1. EMENTA Paradigmas de Organização Escolar: pressupostos teóricos e práticos. Administração/gestão escolar: teorias e tendências atuais no Brasil. A escola concebida e organizada a partir das Diretrizes

Leia mais

A DANÇA NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA COM O ESTILO HIP-HOP 1

A DANÇA NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA COM O ESTILO HIP-HOP 1 A DANÇA NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA COM O ESTILO HIP-HOP 1 Claudiane da S. EUSTACHIO Dayana Pires Alves GARCIA Fátima RODRIGUES Jean de J. SANTANA 2 Juliana CESANA 3 Ana Lucia de Carvalho MARQUES

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova.

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova. 12. As concepções de educação infantil Conforme OLIVEIRA, a educação infantil no Brasil, historicamente, foi semelhante a outros países. No Séc. XIX tiveram iniciativas isoladas de proteção à infância

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

:: Legislação. Unidade: Câmara de Educação Básica. Número: 79/2009 Ano: 2009. Ementa:

:: Legislação. Unidade: Câmara de Educação Básica. Número: 79/2009 Ano: 2009. Ementa: :: Legislação Unidade: Câmara de Básica Número: 79/2009 Ano: 2009 Ementa: Estabelece normas para a Especial, na Perspectiva da Inclusiva para todas as etapas e Modalidades da Básica no Sistema Estadual

Leia mais

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor Juliana Graciano Parise 1 Eliane de Lourdes Felden 2 Resumo: O trabalho apresenta uma experiência de ensino articulado à pesquisa

Leia mais

PRÁTICAS DE INCLUSÃO SÓCIO EDUCATIVAS, CULTURAIS E RECREATIVAS COMO FORMA DE REDUZIR DESIGUALDADES.

PRÁTICAS DE INCLUSÃO SÓCIO EDUCATIVAS, CULTURAIS E RECREATIVAS COMO FORMA DE REDUZIR DESIGUALDADES. PRÁTICAS DE INCLUSÃO SÓCIO EDUCATIVAS, CULTURAIS E RECREATIVAS COMO FORMA DE REDUZIR DESIGUALDADES. TÍTULO: INSERÇÃO DO LÚDICO (BRINCAR) AO PROCESSO DA INCLUSÃO PRODUTIVA. INTRODUÇÃO Verifiquei a importância

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

CURSO PREPARATÓRIO PARA PROFESSORES. Profa. M. Ana Paula Melim Profa. Milene Bartolomei Silva

CURSO PREPARATÓRIO PARA PROFESSORES. Profa. M. Ana Paula Melim Profa. Milene Bartolomei Silva CURSO PREPARATÓRIO PARA PROFESSORES Profa. M. Ana Paula Melim Profa. Milene Bartolomei Silva 1 Conteúdo: Concepções Pedagógicas Conceitos de Educação; Pedagogia; Abordagens Pedagógicas: psicomotora, construtivista,

Leia mais

AUTISMO. 3º Encontro Formativo para Profissionais da Educação. Atendimento aos Estudantes com Deficiência na Rede Municipal de Contagem

AUTISMO. 3º Encontro Formativo para Profissionais da Educação. Atendimento aos Estudantes com Deficiência na Rede Municipal de Contagem AUTISMO 3º Encontro Formativo para Profissionais da Educação Atendimento aos Estudantes com Deficiência na Rede Municipal de Contagem Quem somos? Professoras das SRMF / AAE - Contagem Raquel Shirley Stella

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola

EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola Autora: CAMILA SOUZA VIEIRA Introdução A presente pesquisa tem como temática Educação física para Portadores

Leia mais

Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais)

Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais) UFPR SETOR DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA EMENTAS DAS DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais) 1º ANO

Leia mais

CONSTRUINDO TRIÂNGULOS: UMA ABORDAGEM ENFATIZANDO A CONDIÇÃO DE EXISTÊNCIA E CLASSIFICAÇÕES

CONSTRUINDO TRIÂNGULOS: UMA ABORDAGEM ENFATIZANDO A CONDIÇÃO DE EXISTÊNCIA E CLASSIFICAÇÕES CONSTRUINDO TRIÂNGULOS: UMA ABORDAGEM ENFATIZANDO A CONDIÇÃO DE EXISTÊNCIA E CLASSIFICAÇÕES Poliana de Brito Morais ¹ Francisco de Assis Lucena² Resumo: O presente trabalho visa relatar as experiências

Leia mais

Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual

Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual Adriana Cristina Lázaro e-mail: adrianaclazaro@gmail.com Milena Aparecida Vendramini Sato e-mail:

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR

ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR Luciana Barros Farias Lima e Claudia Regina Pinheiro Machado Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro UNIRIO lucpeda@gmail.com

Leia mais

ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS

ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS 1 ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS INTRODUÇÃO Marilda Coelho da Silva marildagabriela@yahoo.com.br Mestrado Profissional Formação de Professores UEPB As

Leia mais

PROFESSOR DE MATEMÁTICA E EDUCADOR ESPECIAL: UM PASSO PARA INCLUSÃO

PROFESSOR DE MATEMÁTICA E EDUCADOR ESPECIAL: UM PASSO PARA INCLUSÃO ISSN 2316-7785 PROFESSOR DE MATEMÁTICA E EDUCADOR ESPECIAL: UM PASSO PARA INCLUSÃO RESUMO Karen Rodrigues Copello Universidade Federal de Santa Maria karen_keruso@hotmail.com Debora Silvana Soares Universidade

Leia mais

O ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS NO FAZER PEDAGÓGICO

O ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS NO FAZER PEDAGÓGICO ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE LAMBARI D OESTE SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA MATOS, Alaíde Arjona de 1 OLIVEIRA, Sônia Fernandes de 2 Professora da rede municipal de ensino

Leia mais

1» A revolução educacional e a educação em valores 11

1» A revolução educacional e a educação em valores 11 Sumário Introdução 9 1» A revolução educacional e a educação em valores 11 Introdução 12 As causas da revolução educacional 12 O triplo desafio pedagógico 14 Da transmissão à educação 15 O que pretende

Leia mais

A EDUCAÇÃO DOS SURDOS: UMA ANÁLISE HISTÓRICO-CRÍTICA RESUMO

A EDUCAÇÃO DOS SURDOS: UMA ANÁLISE HISTÓRICO-CRÍTICA RESUMO A EDUCAÇÃO DOS SURDOS: UMA ANÁLISE HISTÓRICO-CRÍTICA Mayara Cordeiro da Silva ( UFAL) Mayaracordeiro4@gmail.com Rebecca Thamyres de Missena Costa( UFAL) rebecca.ufal@gmail.com RESUMO Muito vem sendo discutido

Leia mais

CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X

CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X DA INVISIBILIDADE AFROBRASILEIRA À VALORIZAÇÃO DA DIVERSIDADE

Leia mais

ROJO, Roxane. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola, 2009.

ROJO, Roxane. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola, 2009. Resenhas 161 ROJO, Roxane. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola, 2009. Márcia Moreira Pereira* marcia.moreirapereira@gmail.com *Possui graduação em Letras pela Universidade

Leia mais

CONCEPÇÕES DE PROFESSORES SOBRE GÊNEROS TEXTUAIS/DISCURSIVOS NA ESCOLA. Fernanda Cargnin Gonçalves goncalves.fernandac@gmail.com

CONCEPÇÕES DE PROFESSORES SOBRE GÊNEROS TEXTUAIS/DISCURSIVOS NA ESCOLA. Fernanda Cargnin Gonçalves goncalves.fernandac@gmail.com CONCEPÇÕES DE PROFESSORES SOBRE GÊNEROS TEXTUAIS/DISCURSIVOS NA ESCOLA Fernanda Cargnin Gonçalves goncalves.fernandac@gmail.com O que faremos? Recorte de uma pesquisa realizada no ano de 2010 com 84 professores

Leia mais

A Educação Inclusiva, realidade ou utopia?

A Educação Inclusiva, realidade ou utopia? A Educação Inclusiva, realidade ou utopia? Gloria Contenças Marques de Arruda (Escola Municipal Luiz de Lemos) Baseado em informações dos conteúdos estudados, Michels (2006) diz que "[...] as reformas

Leia mais

MATRÍCULA: 52862 DATA: 15/09/2013

MATRÍCULA: 52862 DATA: 15/09/2013 AV1 Estudo Dirigido da Disciplina CURSO: Administração Escolar DISCIPLINA: Educação Inclusiva ALUNO(A):Claudia Maria de Barros Fernandes Domingues MATRÍCULA: 52862 DATA: 15/09/2013 NÚCLEO REGIONAL: Rio

Leia mais

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA JUNTO A UM PROGRAMA DE ESTIMULAÇÃO PRECOCE: O PAPEL DOS PROFESSORES E DA FAMÍLIA Ana Paula Marques Leal Barbosa 1 Adriana Garcia Gonçalves 2 1 Aluno do Curso de Pedagogia; Campus

Leia mais

OBSERVANDO A PRÁTICA DOCENTE E O APRENDIZADO DAS CRIANÇAS EM UMA CRECHE MUNICIPAL DA CIDADE DO RECIFE PRISCILLA SILVESTRE DE LIRA OLIVEIRA

OBSERVANDO A PRÁTICA DOCENTE E O APRENDIZADO DAS CRIANÇAS EM UMA CRECHE MUNICIPAL DA CIDADE DO RECIFE PRISCILLA SILVESTRE DE LIRA OLIVEIRA 1 OBSERVANDO A PRÁTICA DOCENTE E O APRENDIZADO DAS CRIANÇAS EM UMA CRECHE MUNICIPAL DA CIDADE DO RECIFE PRISCILLA SILVESTRE DE LIRA OLIVEIRA 1. Introdução: Compreendendo que a Educação Infantil é uma etapa

Leia mais

RELATO DE ESTÁGIO PEDAGÓGICO VOLUNTÁRIO NA DISCIPLINA DE FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO

RELATO DE ESTÁGIO PEDAGÓGICO VOLUNTÁRIO NA DISCIPLINA DE FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO RELATO DE ESTÁGIO PEDAGÓGICO VOLUNTÁRIO NA DISCIPLINA DE FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO Elaine Cristina Penteado Koliski (PIBIC/CNPq-UNICENTRO), Klevi Mary Reali (Orientadora), e-mail: klevi@unicentro.br

Leia mais

ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE A PARTIR DO JOGO TRAVESSIA DO RIO. Palavras-chave: resolução de problemas; jogo; problematizações.

ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE A PARTIR DO JOGO TRAVESSIA DO RIO. Palavras-chave: resolução de problemas; jogo; problematizações. ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE A PARTIR DO JOGO TRAVESSIA DO RIO Cidinéia da Costa Luvison SME Bragança Paulista/SP; SEE - Morungaba/SP E-mail: cidineiadacosta.luvison@gmail.com Cleane Aparecida dos Santos

Leia mais

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como Texto de apoio ao Curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Desenvolvimento motor do deficiente auditivo A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

ESTUDO DE CASO PSICOPEDAGÓGICO

ESTUDO DE CASO PSICOPEDAGÓGICO ESTUDO DE CASO PSICOPEDAGÓGICO Autora: Suellen Viviane Lemos Fernandes Co-autora: Maria Irene Miranda Bernardes Universidade Federal de Uberlândia suellenped65@hotmail.com Introdução O presente trabalho

Leia mais

LINGUAGEM ESCRITA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: FORMAS DE CONHECER O MUNDO

LINGUAGEM ESCRITA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: FORMAS DE CONHECER O MUNDO LINGUAGEM ESCRITA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: FORMAS DE CONHECER O MUNDO SILVA, Hayana Crislayne Benevides da. Graduanda Pedagogia - UEPB/Campus I hayana_benevides@yahoo.com.br SILVA, Alzira Maria Lima da. Graduanda

Leia mais

Resenha de livro. Por Camila Munerato 1 Camila Rodrigues dos Santos 2 Eunice Pereira Cardoso 3

Resenha de livro. Por Camila Munerato 1 Camila Rodrigues dos Santos 2 Eunice Pereira Cardoso 3 Resenha de livro Por Camila Munerato 1 Camila Rodrigues dos Santos 2 Eunice Pereira Cardoso 3 A presente resenha do livro de Moretto, (2007) em sua 2 edição tem o intuito de mostrar que a avaliação é um

Leia mais

A INCLUSÃO ESCOLAR DE UM ALUNO SURDO: UM ESTUDO DE CASO NA REGIÃO DO CARIRI ORIENTAL DA PARAÍBA

A INCLUSÃO ESCOLAR DE UM ALUNO SURDO: UM ESTUDO DE CASO NA REGIÃO DO CARIRI ORIENTAL DA PARAÍBA A INCLUSÃO ESCOLAR DE UM ALUNO SURDO: UM ESTUDO DE CASO NA REGIÃO DO CARIRI ORIENTAL DA PARAÍBA 1.0 INTRODUÇÃO JUSCIARA LOURENÇO DA SILVA (UEPB) VIVIANA DE SOUZA RAMOS (UEPB) PROFESSOR ORIENTADOR: EDUARDO

Leia mais

MOTRICIDADE DIALÓGICA: COMPARTILHANDO A CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO NA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR

MOTRICIDADE DIALÓGICA: COMPARTILHANDO A CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO NA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR 1 MOTRICIDADE DIALÓGICA: COMPARTILHANDO A CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO NA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR Clayton da Silva Carmo Luiz Gonçalves Junior (O) Mestrado Práticas Sociais e Processos Educativos Resumo

Leia mais

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA Profª. Ms. Marilce da Costa Campos Rodrigues - Grupo de estudos e pesquisas em Política e Formação Docente: ensino fundamental

Leia mais

Centro Educacional Pró-Hope

Centro Educacional Pró-Hope Centro Educacional Pró-Hope A escola da Casa Hope As pessoas que são atendidas pela Instituição sofrem com a carência financeira, a doença e o afastamento da rede familiar e social de apoio. Tudo isso

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: PNLD, livro didático, língua estrangeira, gênero.

PALAVRAS-CHAVE: PNLD, livro didático, língua estrangeira, gênero. PNLD 2011: ANÁLISE DE UMA COLEÇÃO DE LIVRO DIDÁTICO DE INGLÊS Universidade Federal de Goiás Programa de Pós-Graduação em Letras e Linguística Mestranda: Maria Letícia Martins Campos FERREIRA mleticiaf@hotmail.com

Leia mais

Mediação, autismo e educação infantil: Práticas para engajar a criança em atividades Cláudia Sanini Cleonice Alves Bosa Universidade Federal do Rio

Mediação, autismo e educação infantil: Práticas para engajar a criança em atividades Cláudia Sanini Cleonice Alves Bosa Universidade Federal do Rio Mediação, autismo e educação infantil: Práticas para engajar a criança em atividades Cláudia Sanini Cleonice Alves Bosa Universidade Federal do Rio Grande do Sul Eixo Temático: Autismo Introdução: O autismo

Leia mais

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância Nilce Fátima Scheffer - URI-Campus de Erechim/RS - snilce@uri.com.br

Leia mais

Dra. Margareth Diniz Coordenadora PPGE/UFOP

Dra. Margareth Diniz Coordenadora PPGE/UFOP Dra. Margareth Diniz Coordenadora PPGE/UFOP Pela sua importância destacam-se aqui alguns dos seus princípios: Todos/as os/ssujeitos, de ambos os sexos, têm direito fundamental à educação, bem como a oportunidade

Leia mais

Atividades CTS em uma abordagem argumentativa: a reflexão de um futuro professor

Atividades CTS em uma abordagem argumentativa: a reflexão de um futuro professor Atividades CTS em uma abordagem argumentativa: a reflexão de um futuro professor Ariane Baffa Lourenço 1, Maria Lúcia V. dos S. Abib 2 e Salete Linhares Queiroz 3 1 Programa de Pós-Graduação Interunidades

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

O ORIENTADOR FRENTE À INCLUSÃO DA PESSOA COM DEFICIENCIA NA ESCOLA REGULAR DE ENSINO

O ORIENTADOR FRENTE À INCLUSÃO DA PESSOA COM DEFICIENCIA NA ESCOLA REGULAR DE ENSINO O ORIENTADOR FRENTE À INCLUSÃO DA PESSOA COM DEFICIENCIA NA ESCOLA REGULAR DE ENSINO Flávia Fernanda Vasconcelos Alves Faculdades Integradas de Patos FIP flaviavasconcelos.edu@hotmail.com INTRODUÇÃO Observa-se

Leia mais

Ambientes Não Formais de Aprendizagem

Ambientes Não Formais de Aprendizagem Ambientes Não Formais de Aprendizagem Os Ambientes formais de aprendizagem desenvolvem-se em espaços próprios (escolas) com conteúdos e avaliação previamente determinados; Os Ambientes não formais de aprendizagem

Leia mais

A EDUCAÇÃO, A CULTURA, O ESPORTE E O LAZER PARA OS IDOSOS

A EDUCAÇÃO, A CULTURA, O ESPORTE E O LAZER PARA OS IDOSOS A EDUCAÇÃO, A CULTURA, O ESPORTE E O LAZER PARA OS IDOSOS Agostinho Both3 3, Carmen Lucia da Silva Marques 3,José Francisco Silva Dias 3 As instituições, em especial as educacionais, não podem se furtar

Leia mais

A INCLUSÃO EDUCACIONAL NAS ESCOLAS PÚBLICAS RURAIS

A INCLUSÃO EDUCACIONAL NAS ESCOLAS PÚBLICAS RURAIS A INCLUSÃO EDUCACIONAL NAS ESCOLAS PÚBLICAS RURAIS Patrícia Correia de Paula Marcocia - UTP Este trabalho apresenta resultados parciais e preliminares de uma pesquisa qualitativa sobre a inclusão escolar

Leia mais

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME)

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) Palmas 2010 1. Apresentação O Núcleo de Apoio Didático e Metodológico NADIME é o órgão da Faculdade Católica do Tocantins responsável pela efetivação da

Leia mais

OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA

OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA SILVA, Lourdes Helena da - UFV GT: Educação Fundamental /n.13 Agência Financiadora:

Leia mais

CUIDAR, EDUCAR E BRINCAR: REFLETINDO SOBRE A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CUIDAR, EDUCAR E BRINCAR: REFLETINDO SOBRE A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CUIDAR, EDUCAR E BRINCAR: REFLETINDO SOBRE A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Gislaine Franco de Moura (UEL) gislaine.franco.moura@gmail.com Gilmara Lupion Moreno (UEL) gilmaralupion@uel.br

Leia mais

Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco. Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas

Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco. Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas Metodologia Científica 60 horas História da Educação 60 horas Sociologia da Educação I 60 horas Filosofia

Leia mais

RODA DE CONVERSA SOBRE PROFISSÕES

RODA DE CONVERSA SOBRE PROFISSÕES RODA DE CONVERSA SOBRE PROFISSÕES Kátia Hatsue Endo Unesp hatsueendo@yahoo.com.br Daniela Bittencourt Blum - UNIP danibittenc@bol.com.br Catarina Maria de Souza Thimóteo CEETEPS - catarinamst@netonne.com.br

Leia mais

INICIAÇÃO CIENTÍFICA PARA DEFICIENTE AUDITIVO: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA DE TRABALHO REALIZADO EM COLÉGIO PÚBLICO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

INICIAÇÃO CIENTÍFICA PARA DEFICIENTE AUDITIVO: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA DE TRABALHO REALIZADO EM COLÉGIO PÚBLICO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO INICIAÇÃO CIENTÍFICA PARA DEFICIENTE AUDITIVO: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA DE TRABALHO REALIZADO EM COLÉGIO PÚBLICO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Adriana Oliveira Bernardes UENF (Universidade do Estado do Norte

Leia mais

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa Pedagogia Prof. Marcos Munhoz da Costa Tecnologias da informação e mídias digitais na educação Objetivos deste tema Refletir sobre as mudanças de experiências do corpo com o advento das novas tecnologias;

Leia mais

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS PROGRAMADAS: APROXIMAÇÃO DO ACADÊMICO DE PEDAGOGIA COM O PROFISSIONAL DO ENSINO

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS PROGRAMADAS: APROXIMAÇÃO DO ACADÊMICO DE PEDAGOGIA COM O PROFISSIONAL DO ENSINO PRÁTICAS PEDAGÓGICAS PROGRAMADAS: APROXIMAÇÃO DO ACADÊMICO DE PEDAGOGIA COM O PROFISSIONAL DO ENSINO Resumo HOÇA, Liliamar Universidade Positivo liliamarh@up.com.br MORASTONI, Josemary- Universidade Positivo

Leia mais

Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4

Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4 Guia do Educador CARO EDUCADOR ORIENTADOR Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 2. PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4 Objetivo GERAL 5 METODOLOGIA 5 A QUEM SE DESTINA? 6 O QUE

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES TEÓRICAS DE LEV VYGOTSKY (1896-1934) 1

CONTRIBUIÇÕES TEÓRICAS DE LEV VYGOTSKY (1896-1934) 1 . PREFEITURA MUNICIPAL DO SALVADOR Secretaria Municipal de Educação e Cultura SMEC Coordenadoria de Ensino e Apoio Pedagógico CENAP CONTRIBUIÇÕES TEÓRICAS DE LEV VYGOTSKY (1896-1934) 1 Angela Freire 2

Leia mais

MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G)

MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G) MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G) Resumo: Este artigo procurou abordar o ensino da matemática na Educação Infantil através de brincadeiras,

Leia mais

Curso de Especialização em EDUCAÇÃO INCLUSIVA, ESPECIAL E POLÍTICAS DE INCLUSÃO

Curso de Especialização em EDUCAÇÃO INCLUSIVA, ESPECIAL E POLÍTICAS DE INCLUSÃO Curso de Especialização em EDUCAÇÃO INCLUSIVA, ESPECIAL E POLÍTICAS DE INCLUSÃO ÁREA DO CONHECIMENTO: Educação NOME DO CURSO: Curso de Pós-Graduação Lato Sensu, especialização em Educação Inclusiva, Especial

Leia mais

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES Inês Barbosa de Oliveira O desafio de discutir os estudos e as práticas curriculares, sejam elas ligadas à educação de jovens e adultos ou ao

Leia mais

OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE

OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE Maria Cristina Kogut - PUCPR RESUMO Há uma preocupação por parte da sociedade com a atuação da escola e do professor,

Leia mais

9. A realidade da inclusão

9. A realidade da inclusão 9. A realidade da inclusão A filosofia da inclusão ainda está muito aquém de ser posta em prática da forma como realmente se espera. Para que se tenha uma escola para todos, temos que conceber professores

Leia mais

AS NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS E A INCLUSÃO

AS NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS E A INCLUSÃO AS NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS E A INCLUSÃO Francelina Elena Oliveira Vasconcelos (france.vasconcelos@gmail.com) Rosilda Teixeira de Freitas (rosildafreitas@farrapo.com.br) Resumo Neste trabalho

Leia mais

(IM)PACTOS DA/COM A LEITURA LITERÁRIA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES ALFABETIZADORES Fernanda de Araújo Frambach UFRJ

(IM)PACTOS DA/COM A LEITURA LITERÁRIA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES ALFABETIZADORES Fernanda de Araújo Frambach UFRJ (IM)PACTOS DA/COM A LEITURA LITERÁRIA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES ALFABETIZADORES Fernanda de Araújo Frambach UFRJ Resumo O presente trabalho objetiva apresentar uma pesquisa em andamento que

Leia mais

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II Índice Sistemático Capitulo I Da apresentação...02 Capitulo II Dos objetivos da proposta pedagógica...02 Capitulo III Dos fundamentos da proposta pedagógica...02 Capitulo IV Da sinopse histórica...03 Capitulo

Leia mais