Expoara: Turismo de Eventos Na Cidade de Araguaina. Expoara: Tourism Event In The City of Araguaína RESUMO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Expoara: Turismo de Eventos Na Cidade de Araguaina. Expoara: Tourism Event In The City of Araguaína RESUMO"

Transcrição

1 RESUMO Expoara: Turismo de Eventos Na Cidade de Araguaina Expoara: Tourism Event In The City of Araguaína Fábio Lopes de Almeida 1 Mônica Barbosa Paiva 2 Ursula Sydow 3 O artigo aborda a importância da EXPOARA, como turismo de eventos na cidade de Araguaína, um evento que gera renda e emprego para a localidade. Tem como objetivo fazer uma análise da EXPOARA, como fator de desenvolvimento econômico para o município de Araguaína, e para tanto, buscou-se levantar os dados sobre turismo de eventos e da própria feira, além de aplicar um questionário em setores que são beneficiados economicamente, direta ou indiretamente. Justifica-se o tema, tendo em vista a sua importância para a geração de emprego e renda durante o evento nos mais diversos setores da economia de cidade. A metodologia utilizada foi a aplicação de questionários com perguntas relacionadas à importância econômica da EXPOARA para o tripé do Turismo (hotéis, restaurantes e taxis) além do impacto no comercio local. Obtiveram-se resultados nos quais ficaram evidentes a necessidade de se pensar na feira como um evento que atrai muitos turistas e que ela, se bem organizada, pode trazer benefícios ainda maiores para a cidade. Palavras-chave: Expoara. Eventos. Economia. 1 Especialização em Metodologia do Ensino da História (FACINTER), graduado em História (UNITINS). Acadêmico do curso de Gestão em Turismo (UFT). 2 Graduada em Letras (UFT). Acadêmica do Curso de Gestão em Turismo (UFT). 3 Mestre em Meio Ambiente e Desenvolvimento Regional (UNIDERP), Especialista em Metodologia do Ensino Superior (PUCRS) e Bacharela em Turismo (PUCRS). Professora temporária da UFT. 49

2 Fábio Lopes de Almeida, Mônica Barbosa Paiva, Ursula Sydow ABSTRACT The academic article approaches the importance of EXPOARA like economic touristic development element in Araguaína, Tocantins, and the aim is to make a analysis of the EXPOARA like economic development to the city. For this sought find out dates about tourism of events, the fair and make the questionnaires in places that are beneficiaries direct and indirectly. The theme is justified because it is very important to create jobs and returns during the event, in the many sections of city economy. The method used was interview through of the questionnaires in hotels, restaurants, with taxi drivers and some stores. Through of results, it was possible to see that event needs to be more organized, in this manner it can bring more and betters benefits for the city. Keywords: Expoara. Events. Economy. 1 INTRODUÇÃO O turismo de eventos tem ganhado destaque no cenário mundial, pois além de oferecer entretenimento, lazer e cultura é uma oportunidade para quem quer fechar bons negócios. As feiras e exposições, por exemplo, tem atraído cada vez mais público com interesses diversos. No norte do Tocantins acontece todos os anos a maior feira em número de negócios da região, a Exposição Agropecuária de Araguaína, a EXPOARA, uma feira de negócios direcionada aos agropecuaristas do município e dos municípios circunvizinhos. No entanto, ela agrega outros valores, atrai outros públicos e fomenta todo o trade turístico municipal, fazendo com que a economia aumente em números significativos. Sendo assim, este artigo aborda o tema EXPOARA: Turismo de eventos na cidade de Araguaína. Objetiva-se em fazer uma análise da exposição como fator de desenvolvimento econômico local, pois se sabe que os eventos de uma maneira geral originam emprego (direta ou indiretamente) e renda para a cidade sede. É uma atividade sazonal que pode amenizar períodos de pouca rentabilidade econômica em 50

3 Expoara: Turismo de Eventos na Cidade de Araguaína uma cidade. A metodologia utilizada no primeiro momento foi a de pesquisa bibliográfica, em que se buscou conhecimento em livros específicos que abordam o tema, em revistas especializadas e em sites. Num segundo momento houve a pesquisa de campo no mês de outubro, ocasião em que foram aplicados, aleatoriamente, questionários estruturados em hotéis, restaurantes, taxistas e comercio em geral, sendo que a amostragem foi de 10 em cada segmento pesquisado. Os resultados mostraram a importância do evento para os segmentos pesquisados e a necessidade da construção de um novo espaço mais amplo e mais adequado para que possa atrair mais expositores e público visitante, trazendo assim maiores benefícios econômicos para a cidade de Araguaína. 2 O ESTADO DO TOCANTINS E A CIDADE DE ARAGUAÍNA O Estado do Tocantins foi constituído em 1988, mas a luta por um Estado independente começou ainda no século XIX, quando o então desembargador Joaquim Theotônio Segurado, que representava a Corte portuguesa na Comarca do Norte, rebelou-se contra o isolamento da Região, proclamando o Governo Autônomo do Estado do Tocantins. Segurado recebeu esse título de D. João VI e incentivou o transporte de mercadorias pelo Rio Tocantins até o mercado de Belém, mas questionava sempre o alto valor dos impostos cobrados, pois não havia sequer investimentos para melhorar as condições de vida de quem por ali vivia. Cavalcante (1999, p. 30) faz a seguinte afirmação: Goiás não detinha representatividade política significativa porque sua base econômica - a agropecuária- não havia alcançado um nível de comercialização para que pudesse ser facultada uma acumulação interna suficiente a ponto de possibilitar a elite regional no cenário nacional. Foi instalado então, em 1821, pelo próprio Theotônio Segurado, que liderava o movimento separatista, o Governo Provisório, sendo a princípio em Cavalcante, em seguida passou para São João da 51

4 Fábio Lopes de Almeida, Mônica Barbosa Paiva, Ursula Sydow Palma(hoje município de Paraná), mas infelizmente o movimento perdeu forças após a proclamação da independência do país. A região norte de Goiás estava de fato muito aquém das possibilidades de melhorias. A Revista Tocantins publicada em comemoração aos 10 anos de criação do Estado (1999, p.8) afirma que de Goiânia à Ponte do Estreito eram mais de 1300 km de distância e dos funcionários públicos, apenas estavam na região que contribuía apenas com 2,7 % da arrecadação tributária. Talvez por isso não houvesse interesse do Governo em investir ou sequer incentivar a migração para a Região. Nos anos de 1970, a criação do Estado de Mato Grosso do Sul, suscitou o desejo pela criação do Estado e sua definitiva separação de Goiás. Lideranças políticas e intelectuais, radicadas em Brasília e Goiânia especialmente, levantaram a bandeira dos interesses da região e criaram, segundo Cavalcante (1999), a Comissão de Estudos do Norte Goiano (CONORTE), para que fossem estudados e levantados dados acerca do potencial regional e em seguida conscientizar a população da necessidade de dividir o Estado e apontar as consequentes melhorias. Promoveu-se em 1982 um Congresso que resultou na Carta do Tocantins, em que se citava o descaso governamental bem como o desequilíbrio inter-regional, fazendo de fato um apelo, para que as reivindicações fossem atendidas. Nesse contexto é importante citar ainda os Deputados José Wilson Siqueira Campos e Totó Cavalcante que articularam juntamente com os demais parlamentares o início de mais uma luta a favor desta causa. Em 1987, de acordo com a Revista Tocantins 10 anos (1999, p. 9) com a Assembleia Nacional Constituinte e após 18 anos de tentativas e dois vetos que se justificavam pelo ônus que a criação de novos Estados implicaria aos cofres públicos, foi aprovada por unanimidade a emenda que criava o novo Estado com ,7 km² de extensão, fazendo divisa com os estados do Pará, Bahia, Goiás, Maranhão, Piauí e Mato Grosso, possuindo uma população de habitantes, com 139 municípios, com dois milhões de hectares de área protegida para os mais de 10 mil indígenas, banhado por dois grandes rios, o Araguaia e o Tocantins e principalmente, tendo como base econômica a agro- 52

5 Expoara: Turismo de Eventos na Cidade de Araguaína pecuária e o extrativismo vegetal, além de terras férteis e abundantes. Depois de criado, o novo Estado enfrentava seu primeiro grande impasse: a localização da sua sede de Governo, pois, muitos dos principais municípios da região acreditavam ter condições de ser a nova capital, quer fosse pelo seu número de habitantes, ou mesmo pela sua importância econômica. Em 1989, foi aprovada a lei de criação da cidade de Palmas como capital definitiva do Estado e como sede provisória, foi escolhida Miracema do Norte. Ainda em 1988, em 15 de novembro, realizaram-se as primeiras eleições para Governador, Senadores e Deputados Estaduais e Federais. O Estado do Tocantins possui localização privilegiada, pois se situa na Zona de Transição, onde se misturam os grandes ecossistemas brasileiros: Amazônia, semiárido, cerrado e pantanal. Possui dois grandes Parques Estaduais, o Jalapão e o Cantão, bem como a Ilha do Bananal. Sua economia baseia-se, essencialmente, na atividade rural, sendo o gado de corte responsável por 17% em média das exportações e a soja por 81% e as frutas por 2%. Além do cultivo de soja, destaca-se também o cultivo de milho, arroz e mandioca. Uma das grandes marcas do Estado, é a sua riqueza fluvial, possui considerável potencial hidrelétrico, exportando energia para outros Estados da Federação. A cidade de Araguaína, situada ao norte do Tocantins e como tantas outras cidades importantes, originou-se, segundo Santiago (2000) de um pequeno povoado às margens de um rio, no caso, o Rio Lontra, um afluente do majestoso Araguaia. O início do desbravamento da região, deu se por volta de 1876, com a chegada de João Batista da Silva que com sua família, dez filhos e esposa, também povoaram o lugar, que foi a princípio chamado de Livra-nos Deus, em razão da grande quantidade de animais selvagens e de índios, no caso os Carajás, que costumavam atacar quem por ali passava. No mesmo ano, outras famílias chegaram e instalaram-se no local, passando a cultivar principalmente cereais para subsistência e plantando café para venda, mas devido à ausência de estradas para escoamento da produção, tiveram que abandonar a atividade. No ano seguinte, o povoado passou a chamar-se Lontra, devido à grande quantidade do mamífero naquela localidade, pertencendo 53

6 Fábio Lopes de Almeida, Mônica Barbosa Paiva, Ursula Sydow inicialmente ao município de São Vicente do Araguaia, hoje Araguatins, posteriormente pertenceu ao município de Tocantinópolis para só então pertencer ao município de Filadélfia, onde se chamara Povoado de Araguaína. Em 1953 torna-se distrito com a mesma denominação. A lei de nº 52, de 20 de Julho de 1956, autoriza o desmembramento do Distrito, fixando seus limites e em 14 de novembro de 1958, a Lei Estadual nº 2.125, cria o Município de Araguaína sendo Henrique Ferreira de Oliveira nomeado como primeiro prefeito até as eleições ocorridas em outubro de Nesta época, o município tinha habitantes sendo que pertenciam à zona rural e os demais, à zona urbana. Vale lembrar, que a cidade não dispunha de recursos e sua população não possuía serviços básicos, conforme carta intitulada como Deus o quer, ninguém vence o povo escrito por Raimundo Gomes Marinho, reconhecido por ter contribuído muito para o desenvolvimento da cidade, [...] em 1969, com uma população [...] carente de tudo, embora com um povo trabalhador e ordeiro [...] devemos acentuar que esta comunidade não dispunha de energia elétrica, água tratada, não era Comarca, não dispúnhamos sequer de um simples posto dos Correios e Telégrafos, a Prefeitura local funcionava precariamente em dependências alugadas, não tínhamos assistência do INPS [...]. (SANTIAGO, 2000, p. 23). Apesar de tantas dificuldades, a população ainda almejava o possível desenvolvimento com a construção da Rodovia Belém-Brasília, o que de fato mais tarde aconteceu. Até 1975, Araguaína cresceu surpreendentemente, se tornado maior que as cidades circunvizinhas. No tocante à saúde, ressalta- -se a importância da Paróquia Sagrado Coração de Jesus, criada ainda em 1957, que implantou a primeira unidade de saúde da cidade, hoje, Hospital e Maternidade Dom Orione, o segundo maior do Estado. A estrutura comercial estava principalmente concentrada na Avenida Cônego João Lima. A cidade contava ainda com o Mercado Municipal, Cine Luz, Danceteria Bayuca, Piscina do Gaúcho, considerados atrati- 54

7 Expoara: Turismo de Eventos na Cidade de Araguaína vos municipais de lazer. Com atenuado crescimento, Araguaína ganhou títulos como a de Capital econômica do estado e a Capital do Boi Gordo, que em 1999 possuía cerca de 161,5 mil cabeças de gado de corte (SANTIAGO, 2000, p. 58). A cidade hoje, mesmo sem o título, ainda destaca-se pela agropecuária, mantendo propriedades rurais de pequeno, médio e grande porte. A Indústria, concentrada no Distrito Agro Industrial de Araguaína (DAIARA), possui três grandes e renomados frigoríficos bem como outras importantes unidades industriais, e, o comércio por sua vez, que se concentra principalmente no centro da cidade nas suas principais vias. Outro fator significativo para o crescimento e destaque da cidade foi a instalação de Unidades Educacionais de Nível Superior, sendo uma Federal, duas particulares atendendo ao modulo presencial e duas tele presenciais e, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) 2011, a população estimada é de habitantes. 3 TURISMO E EVENTOS É perceptível a prática do turismo muito antes de cientistas e estudiosos deste segmento começar a conceituar tal prática, pois como diz Ignarra (2003, p. 4), o ser humano se deslocava em busca de trocas mercantis, de novas terras, de religiosidade, pois a necessidade e a satisfação física provocavam a vivência turística, mesmo ainda não sendo conceituada cientificamente, [...] eram usuais as viagens dos romanos para cidades litorâneas para banhos medicinais. Com o passar dos séculos, a sociedade aprimora a prática turística e percebe que pode ser usada para uso correto do ócio. Com o crescimento e fortalecimento das viagens mercantis e o aparecimento de grandes estradas, facilitou a locomoção dos indivíduos para outros lugares, provocando assim o surgimento de estruturas que acolhiam os viajantes, nascendo as hospedarias, como afirma Ignarra (2003, p. 4): As viagens passaram a se tornar mais seguras e a se ampliar após o ano Começaram a aparecer grandes estradas por onde cir- 55

8 Fábio Lopes de Almeida, Mônica Barbosa Paiva, Ursula Sydow culavam os comerciantes que transportavam suas mercadorias em animais de cargas, carruagens puxadas a cavalo, peregrinos, mendigos, trovadores, monges errantes e estudantes. No período denominado pelos historiadores como Idade Moderna, o turismo vai se consolidando, pois com o crescimento industrial e enriquecimento de determinada classe social, estimula-se então o interesse por outras culturas sendo utilizadas até mesmo as rotas marítimas, não servindo apenas para transportar mercadorias, mas também pessoas, dando origem aos cruzeiros marítimos atuais. Ignarra (2003, p. 5) afirma que: [...] essas viagens que atravessavam os oceanos, levavam centenas de pessoas e duravam vários meses, teriam sido precursoras dos grandes cruzeiros marítimos da atualidade. Ainda segundo o autor, não se pode deixar de citar o surgimento das ferrovias em que seus veículos podiam transportar várias pessoas de um lugar a outro, como turistas, tendo sua primeira excursão agenciada por Thomas Cook em meados do século XIX, na Inglaterra. Ignarra (2003, p. 5) informa que: Em 1841, Thomas Cook organizou uma viagem de trem para 507 passageiros entre a cidade de Leicester e Lougboroug, na Inglaterra. O sucesso foi tanto que sua empresa passou a organizar excursões para a parte continental da Europa e, posteriormente até excursões para os Estados Unidos. Na Era Moderna, surge a aviação, capaz de romper longas distâncias em curto espaço de tempo, provocando um grande intercâmbio turístico. Mas, o grande ápice do desenvolvimento turístico se dá após a Segunda Guerra Mundial, em que acontece uma grande revolução na indústria, resultando na aceleração e na produção de riquezas, consequentemente aumentando a produção da prática do turismo no mundo. Neste percurso teórico da movimentação de pessoas em busca de algo, mostra a necessidade de uma conceituação pragmática do termo turismo, que se variou muito no último século, quando começou a se estudar o fenômeno dos dias atuais. Porém, a definição 56

9 Expoara: Turismo de Eventos na Cidade de Araguaína científica documentada mais antiga é de 1911 do austríaco Hermann Von Schullern Zu Schattenhofen que diz: Turismo é o conceito que compreende todos os processos, especialmente os econômicos, que se manifestem na chegada e na saída do turista de um determinado município, pais ou estado (BARRETO, 2005, p. 10). Existem ainda grandes estudiosos que expressaram seus conceitos sobre turismo tentando esclarecer de fato tal prática, desde o porquê até o que é turismo em qualquer parte do globo e hoje até mesmo do espaço, afirma Mongenroth (apud BARRETO, 2005, p. 10): [...] tráfego de pessoas que se afastam temporariamente do seu lugar fixo de residência para deter-se em outro local com o objetivo de satisfazer suas necessidades vitais e de cultura ou para realizar desejos de diversas índoles, unicamente como consumidores de bens econômicos e culturais Ou ainda segundo Borman (apud BARRETO, 2005, p. 10): Conjunto de viagens cujo objeto é o prazer ou por motivos comerciais ou profissionais ou outros análogos e durante os quais a ausência da residência habitual é temporária. Não são incluídas em turismo as viagens realizadas para ir ao local de trabalho. Na atualidade, criou-se a Organização Mundial do Turismo (OMT), que se preocupa com todos os meios e fins do turismo no mundo. A OMT o define como [...] o turismo engloba as atividades das pessoas que viajam e permanecem em lugares fora de seu ambiente usual durante não mais do que um ano consecutivo, por prazer, negócios e outros fins. (IGNARRA, 2003, p. 11). Vários estudiosos do segmento já o definiram no decorrer do tempo, sendo que na sua maioria excluem de suas definições as viagens por motivo de negócio, ou seja, de lucros, sendo essas viagens responsáveis também pelo uso de todos os meios que envolvem o turismo propriamente dito, como afirma Ignarra (2003, p. 14): [...] são elas responsáveis por grande parte da ocupação dos meios de transportes, dos hotéis, da estrutura de entretenimento, das 57

10 Fábio Lopes de Almeida, Mônica Barbosa Paiva, Ursula Sydow locadoras de veículos e dos espaços de eventos. Todos esses elementos são considerados empreendimento turístico. Não é por outra razão que se desenvolveram os termos turísticos de negócio do turismo de eventos. Com tantas definições, mas priorizando sempre algo em comum, o indivíduo que se desloca de sua residência e permanece um período de tempo em outro lugar para alguma atividade, e é por isso que há a necessidade de permanente de qualificação e catalogação de cada prática turística existente. Como expõe Beni (2006, p. 455): Turismo apresenta ainda uma especificidade própria, consoante às diversas motivações, necessidades e preferências dos turistas pelo principal produto permanente ou eventual, que imprime ao Núcleo Receptor sua vocação turística e seu consequente poder de atração, permitindo-lhe uma afluência autodeterminada e dirigida. Dentro desse contexto, o autor ainda norteia e aponta outras classificações como o turismo Ecológico, Rural, de Aventura, Desportivo, Educacional, Religioso, Empresarial ou de Negócio, de Saúde, da Terceira Idade e dentre outros, porém destaca-se neste estudo, o turismo de Eventos, que pode ser fixo e sazonal. De maneira geral, a OMT, registra que há um significante crescimento de viagens internacionais e mesmo dentro do país por motivo de negócios, como consequência da expansão do comercio e de transações mercantis internacionais, segmento que dão realce à área de eventos, que é uma das áreas que tem significada importância no desenvolvimento econômico do local receptor. Beni (2006) afirma que se pode considerar os eventos de calendário fixo: as feiras de exposições, feiras regionais e nacionais já consolidadas, e que determinadas feiras podem ser sazonais. [...] são de ocorrência regional, geram um processo de crescente competitividade entre municípios e organizações que se situam dentro do circuito razoavelmente homogêneo de produção agropastoril, ou industrial, ou cultural, podendo ou não inserir-se em calendários de eventos fixos. (BENI, 2006, p. 460). 58

11 Expoara: Turismo de Eventos na Cidade de Araguaína Eventos como feiras de exposição tornaram-se atrativos turísticos regionais e até mesmo de caráter interestaduais, provocando um aumento na economia local no período de ocorrência, fazendo parte integrante do produto turístico de determinadas cidades. Afirma Canton (2009, p. 197) [...] os eventos passaram a fazer parte significativa na composição do produto turístico, atendendo intrinsecamente às exigências do mercado de entretenimento, lazer, conhecimento, descanso e tantas outras motivações. Esses eventos movimentam e fomentam todo o tripé do turismo: transporte, hospedagem e alimentação, gerando emprego e renda para a comunidade local, como bem enfatizou Canton (2009, p ): [...] mobilizaram os agentes econômicos de uma área, cidade ou região, incluindo hotéis, agências receptivas, restaurantes e bares, comércio, além de uma gama dos mais variados prestadores de serviços. O setor contribui enormemente para a economia e desenvolvimento de uma área, gerando oportunidades de negócios, possibilitando criação de empregos e aumento da receita fiscal. O governo Federal percebeu a importância do turismo de eventos para o Brasil, pois com isso, criaram-se políticas administrativas e promotoras, criando-se assim a Diretoria de Turismo e Eventos do Instituto Brasileiro de Turismo (EMBRATUR) e mais recentemente o Ministério do Turismo (MTUR). Sabendo desta importância do turismo de eventos para o desenvolvimento econômico, social e cultural, para determinadas regiões, destaca-se a seguir, o turismo de evento, que ocorre na cidade de Araguaína, durante a Exposição Agropecuária de Araguaína(EXPOARA). 4 EXPOARA E SUA IMPORTÂNCIA ECONÔMICA PARA ARAGUAÍNA É comum entre a sociedade a formação de sindicatos de várias categorias profissionais, e como os agropecuaristas são expressivos em todo o país, eles se organizaram e criaram seu próprio sindicato, como foi o caso do Sindicato Rural de Araguaína, que teve sua fundação não 59

12 Fábio Lopes de Almeida, Mônica Barbosa Paiva, Ursula Sydow oficial em setembro de 1963, pela iniciativa de alguns produtores rurais. O Sindicato tem como principal objetivo, defender os interesses coletivos da classe agropecuarista. Somente em novembro de 1967 é que o Sindicato Rural de Araguaína (SRA) é oficialmente criado com personalidade jurídica, e em 1997, tem a Carta Sindical expedida pelo Ministério do Trabalho e Previdência Social. O SRA possui 731 associados, sendo oferecidos a eles serviços odontológicos, contábeis e veterinários. Foram inúmeras as conquistas, mas pode-se afirmar que a principal delas foi a aquisição da sede própria, hoje, o Parque de Exposição Dair José Lourenço. O SRA organiza todos os anos a EXPOARA, grande exposição agropecuária e comercial que atrai milhares de pessoas, e que, em alguns momentos, o espaço torna-se pequeno para receber tantos visitantes, fazendo-se pensar na possibilidade de uma sede nova em um local maior e mais apropriado para o evento. A EXPOARA acontece todos os anos no mês de junho, com o objetivo de expor o setor agropecuário da cidade e da região, tendo também caráter comercial e de entretenimento, por isso também considerada uma feira. O balanço de fechamento de negócios no decorrer de cada edição é sempre positivo, pois as metas são sempre alcançadas, como ocorreu nesse ano de 2012, movimentando nos onze dias de feira o valor de R$ ,00 (Quarenta e cinco milhões de reais), valor este que superou os R$ ,00 (Quarenta milhões de reais) do ano de A EXPOARA é a maior feira agropecuária do Estado do Tocantins, pois além do grande público, que chega a ser de aproximadamente trezentos mil, muitos negócios são oficializados pós-feira, gerando um aumento significativo no setor e em todos os ramos ligados ao produto rural. A exposição movimenta a economia da cidade, com um aumento significativo em diversos setores. Observa-se, por exemplo, que todos os estandes da feira foram vendidos com120 dias de antecedência, garantindo assim essa rentabilidade para o SRA. Porém, há um dado importante divulgado pela própria diretoria do SRA: no ano de 2012, houve uma queda de 41,33% em negócios fechados nos leilões de bovinos com relação ao ano de 2011, justificada pelo longo período de estiagem na região. 60

13 Expoara: Turismo de Eventos na Cidade de Araguaína Vale ressaltar o impacto que a feira provoca na cidade de Araguaína, movimentando um significativo aumento no tripé do turismo (transporte, hospedagem e gastronomia), pois com a EXPOARA, os hotéis lotam, os restaurantes vendem mais e os taxistas aumentam mais o faturamento, devido ao aumento no número de corridas para passageiros locais e especialmente os que vêm de cidades circunvizinhas que aproveitam a exposição como entretenimento, pois ela traz um vasto serviço gastronômico além de atrações artísticas e culturais, que torna o evento o mais esperado do ano. Observou-se, diante de pesquisa dirigida por meio de questionário direto, o aumento na lucratividade no trade 4 turístico local. Verificou-se ainda que os comerciantes e prestadores de serviço ligados direta ou indiretamente à feira tiveram suas vendas aumentadas, gerando mais empregos e renda para a população local. A pesquisa com os taxistas da cidade mostra que há um aumento de 30% nas corridas durante o evento, especialmente no período noturno e que é um evento muito esperado por eles para aumentar a sua lucratividade, passando a trabalhar aproximadamente 18 horas ao dia ininterruptamente. No comércio a procura por roupas típicas como botas, chapéus, cintos e acessórios, a venda chega a aumentar 80%, tendo necessidade de se efetuar contratações temporárias para atender a demanda. Vale expor que alguns dos comerciantes entrevistados afirmaram que o número de vendas neste período, só perde para as vendas do Natal. Com relação aos restaurantes, percebeu-se um dado curioso: há um aumento na venda de refeições/dia no período noturno de 50%, mostrando que, mesmo com um bom número de restaurantes localizados dentro da feira, não há interferência nas vendas dos que estão em pontos fixos da cidade, pois, sabe se que muitos consumidores preferem comer antes de ir à feira em função dos preços das refeições serem consideravelmente mais caros dentro do Parque. No ramo da hotelaria, também há um aumento significativo da taxa ocupacional das Unidades Habitacionais (UH s), chegando a 100% em toda cidade, desde os hotéis mais simples aos mais sofisticados, 4 Empresas do setor de turismo 61

14 Fábio Lopes de Almeida, Mônica Barbosa Paiva, Ursula Sydow sendo os hóspedes na sua maioria homens, vindos de cidades circunvizinhas. A pesquisa que foi realizada no mês de outubro de 2012 mostra que o trade turístico e a população da cidade de Araguaína é beneficiada economicamente com a exposição, confirmando assim os conceitos pesquisados sobre a importância da realização de eventos em uma localidade, pois gera emprego e renda para a população local. Toda a cidade ganha economicamente com a realização anual da EXPOARA, pois esta movimenta o setor financeiro local, toda a cadeia produtiva do turismo, bem como os grandes, médios e pequenos empresários que vendem seus produtos na parte externa do Parque e, consequentemente, a arrecadação de impostos municipais também aumenta. 5 CONCLUSÃO O turismo de eventos, uma atividade dentro do setor do Turismo, movimenta bilhões de dólares em todo o mundo e não seria diferente em Araguaína, mas é necessário o empenho das instituições privadas, associações, sindicatos e poder público, tanto na esfera municipal, quanto estadual e federal, pois as feiras e exposições agregam inúmeros valores mercadológicos antes, durante e depois de sua ocorrência. As divisas oriundas desses eventos proporciona a motivação de criação de outras feiras e exposições de diferentes segmentos. Vale ressaltar ainda a necessidade do poder público local ter um olhar mais técnico e direcionado aos eventos realizados na região, pois sabe-se o quanto este segmento do Turismo gera emprego e renda para a comunidade, mesmo sendo sazonais como é o caso da EXPOARA, hoje referência regional, pois agrega lazer, entretenimento e lucratividade. Pode-se perceber com pesquisa de campo que a economia local é impulsionada com a exposição, pois o tripé do turismo e o comércio em geral ganham um aumento financeiro significativo proporcionando também investimentos e perspectivas de crescimento a cada ano. O setor hoteleiro, gastronômico e de transporte, vive um momento de crescimento em Araguaína, provando a ascensão dos eventos 62

15 Expoara: Turismo de Eventos na Cidade de Araguaína artísticos e culturais e tendo a EXPOARA como o principal deles. Certifica-se ainda a necessidade da criação de um novo Parque de exposição, para melhor acomodação da exposição, diante do fato que o atual espaço torna-se, a cada ano, insuficiente para receber o público expositor e investidor. A prova disso, é a venda de todos os espaços da exposição com ampla antecedência. Criando tal espaço com maior amplitude, proporcionará maior acomodação e ampliação significativa da EXPOARA, além de minimizar os problemas de trânsito, pois hoje ela se encontra praticamente no centro da cidade. Podem ainda, as futuras instalações, servirem de palco para outros eventos que já ocorrem em Araguaína, atraindo assim mais participantes em todos os eventos, diante de uma estrutura física mais apropriada e de fácil acesso. Contudo, a iniciativa de mudança da consolidação das possíveis e futuras instalações do Parque deveria partir dos próprios associados, buscando incentivo do poder público, frente a magnitude do evento EXPOARA e do retorno econômico que traz para o município de Araguaína. 6 REFERÊNCIAS BARRETO, Margarita. Manual de iniciação ao estudo do turismo. 14. ed. Campinas (SP): Papirus, BENI, Mario Carlos. Análise estrutural do turismo. 11. ed. São Paulo: Editora Senac São Paulo, CAVALCANTE, Maria do E.S.R. Tocantins, o movimento separatista do norte de Goiás Goiânia: Editora USG, HISTORIA. Disponível em: <http://portalsra.com.br/conteudo.php?l= e07a920a2b511ee3ccb6a48637>. Acesso em: 30 out IGNARRA, Luiz Renato. Fundamentos do turismo. 2. ed. São Paulo: Pioneira Thomsom Learning,

16 Fábio Lopes de Almeida, Mônica Barbosa Paiva, Ursula Sydow INSTITUTO NACIONAL DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Censo Disponível em: <https://www.google.com.br/#hl=pt-br&sclient=psyab&q=ibge+senso+2011&oq=ibge+senso+2011&gs_l=hp.3..0i10j0i 8i j7j5j c.1.tnkgftdcuuc&pbx=1&bav=on.2,or.r_gc.r_pw.r_qf.&fp=bf40dc1d f&bpcl= &biw=1280&bih=697>. Acesso em: 18 out PANOSSO NETO, Alexandre; ANSARAH, Marilia Gomes dos Reis. Segmentação do mercado turístico, estudos, produtos e perspectivas. Barueri (SP): Manole, REVISTA TOCANTINS 10 ANOS. Brasília (DF): Mídia Brasil Consultoria e Comunicação S/C,2012 SANTIAGO, Claudivan. Araguaína, história e atualidade. Araguaína-TO: Ed. MEC, TOCANTINS. Disponível em <http://to.gov.br/tocantins/historia/10>. Acesso em: 30 out ª EXPOARA supera a meta e movimenta R$ 45 milhões. Disponível em <http://www.portalsra.com.br/noticia.php?l=eddb0ad1c214c2ed 3f49b895dd74f39c>. Acesso em: 30 out

CULTURA, GASTRONOMIA E TURISMO: DESENVOLVIMENTO LOCAL ESTUDO DE CASO DA III FESTA DA FARINHA DE ANASTÁCIO (MS)

CULTURA, GASTRONOMIA E TURISMO: DESENVOLVIMENTO LOCAL ESTUDO DE CASO DA III FESTA DA FARINHA DE ANASTÁCIO (MS) CULTURA, GASTRONOMIA E TURISMO: DESENVOLVIMENTO LOCAL ESTUDO DE CASO DA III FESTA DA FARINHA DE ANASTÁCIO (MS) 1 TREVIZAN, Fernanda Kiyome Fatori INTRODUÇÃO A promoção dos recursos humanos e do planejamento

Leia mais

Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008

Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008 Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008 A economia piauiense, em 2008, apresentou expansão em volume do Produto Interno Bruto (PIB) de 8,8% em relação ao ano anterior. Foi a maior taxa de crescimento

Leia mais

O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado

O MATOPIBA e o desenvolvimento destrutivista do Cerrado O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado Paulo Rogerio Gonçalves* No dia seis de maio de 2015 o decreto n. 8447 cria o Plano de Desenvolvimento Agropecuário do Matopiba e seu comitê gestor.

Leia mais

ENCONTRO NACIONAL DE CAMPISMO

ENCONTRO NACIONAL DE CAMPISMO ENCONTRO NACIONAL DE CAMPISMO MTUR/DEAOT/CGQT Campinas, 20 de março de 2010 ENCONTRO NACIONAL DE CAMPISMO POLÍTICAS DE INCENTIVO AO TURISMO NORMATIZAÇÃO DE CAMPINGS COPA DO MUNDO E OLIMPÍADAS REGISTRO

Leia mais

Introdução. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ASPECTOS QUANTITATIVOS DO 26º FESTIVAL UNIVERSITÁRIO DA CANÇÃO FUC

Introdução. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ASPECTOS QUANTITATIVOS DO 26º FESTIVAL UNIVERSITÁRIO DA CANÇÃO FUC 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO (X) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA ASPECTOS QUANTITATIVOS

Leia mais

Observatório do Turismo

Observatório do Turismo USUS 2012 Observatório do Turismo Cidade de São Paulo Brasil Turismo no Mundo 9,0% Representatividade no PIB Mundial em 2011 US$ 6,3 TRILHÕES Movimentação Financeira em 2011 980 MILHÕES Viagens no Mundo,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO RCVB (RECIFE CONVENTION &VISITORS BUREAU) PARA A CONSOLIDAÇÃO DO TURISMO DE EVENTOS EM RECIFE.

A IMPORTÂNCIA DO RCVB (RECIFE CONVENTION &VISITORS BUREAU) PARA A CONSOLIDAÇÃO DO TURISMO DE EVENTOS EM RECIFE. A IMPORTÂNCIA DO RCVB (RECIFE CONVENTION &VISITORS BUREAU) PARA A CONSOLIDAÇÃO DO TURISMO DE EVENTOS EM RECIFE. Autor: ANTÔNIO CARLOS DE SOUZA E SÁ FILHO Introdução O Turismo de Eventos está em plena ascensão

Leia mais

III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE

III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE Painel 8: O papel de Instituições Públicas para Desenvolvimento da Cacauicultura Brasileira O Cacau e a Agricultura Familiar Adriana

Leia mais

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre N o Brasil há 2.361 municípios, em 23 estados, onde vivem mais de 38,3 milhões de pessoas abaixo da linha de pobreza. Para eles, o Governo Federal criou

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA MBA EM GESTÃO ESTRATÉGICA DE PROJETOS

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA MBA EM GESTÃO ESTRATÉGICA DE PROJETOS 1 CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA MBA EM GESTÃO ESTRATÉGICA DE PROJETOS OS BENEFÍCIOS DA APLICAÇÃO DAS DIRETRIZES DA GESTÃO DE PROJETOS REUNIDAS NO PMBOK NO PLANEJAMENTO TURÍSTICO DE DESTINOS ALUNA: HELENA PERES

Leia mais

SEGMENTAÇÃO DO PUBLICO PARA UMA ECOPOUSADA EM IBIRAMA SC

SEGMENTAÇÃO DO PUBLICO PARA UMA ECOPOUSADA EM IBIRAMA SC SEGMENTAÇÃO DO PUBLICO PARA UMA ECOPOUSADA EM IBIRAMA SC 1 INTRODUÇÃO Alice Mecabô 1 ; Bruna Medeiro 2 ; Marco Aurelio Dias 3 O turismo é uma atividade que hoje é considerada um dos meios econômicos que

Leia mais

FERRAMENTAS UTILIZADAS PELO SEBRAE / MT

FERRAMENTAS UTILIZADAS PELO SEBRAE / MT MISSÃO SEBRAE Missão: Ser uma organização de desenvolvimento, ética e séria, gerando alternativas de soluções para nossos clientes tornarem-se competitivos alinhados à sustentabilidade da vida. ÁREA DE

Leia mais

SÍNTESE BARRA DO GARÇAS RP IV

SÍNTESE BARRA DO GARÇAS RP IV SÍNTESE BARRA DO GARÇAS RP IV Realizar projetos para destinação de resíduos sólidos * Meio Ambiente Desenvolver programas de educação ambiental Apresentar pequenos e médios projetos de recuperação (seqüestro

Leia mais

FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO

FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO É claro que o Brasil não brotou do chão como uma planta. O Solo que o Brasil hoje ocupa já existia, o que não existia era o seu território, a porção do espaço sob domínio,

Leia mais

ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.902

ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.902 ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.902 O TURISMO DE EVENTOS ENQUANTO MECANISMO DE PRESERVAÇÃO E PROPAGAÇÃO DE IDENTIDADES CULTURAIS

Leia mais

PANORAMA EMPRESARIAL DO TURISMO RURAL BRASILEIRO 2010 TENDÊNCIAS E OPORTUNIDADES

PANORAMA EMPRESARIAL DO TURISMO RURAL BRASILEIRO 2010 TENDÊNCIAS E OPORTUNIDADES PANORAMA EMPRESARIAL DO TURISMO RURAL BRASILEIRO 2010 TENDÊNCIAS E OPORTUNIDADES Organizador Patrocínio Apoio PANORAMA EMPRESARIAL DO TURISMO RURAL BRASILEIRO 2010 O Turismo é uma das maiores fontes de

Leia mais

Estudos e projetos para o Oceanário de Salvador. Categoria Valorização e gestão de atrativos turísticos e criação de novos produtos

Estudos e projetos para o Oceanário de Salvador. Categoria Valorização e gestão de atrativos turísticos e criação de novos produtos Componente 1 Título da Ação Estratégia de Produto Turístico Item 1.4 Objetivos Estudos e projetos para o Oceanário de Salvador Categoria Valorização e gestão de atrativos turísticos e criação de novos

Leia mais

ROSEMARY OLIVEIRA DE LIMA

ROSEMARY OLIVEIRA DE LIMA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA - CCT CENTRO DE ESTUDOS SOCIAIS APLICADOS - CESA MESTRADO PROFISSIONAL EM GESTÃO DE NEGÓCIOS TURÍSTICOS MPGNT ROSEMARY OLIVEIRA DE LIMA

Leia mais

Projeto de monitoria em eventos: com destaque nas disciplinas Introdução a Hospitalidade e Teoria e Pesquisa do Lazer

Projeto de monitoria em eventos: com destaque nas disciplinas Introdução a Hospitalidade e Teoria e Pesquisa do Lazer Projeto de monitoria em eventos: com destaque nas disciplinas Introdução a Hospitalidade e Teoria e Pesquisa do Lazer Gilmara Barros da Silva 1, Janaina Luciana de Medeiros 2, Kettrin Farias Bem Maracajá

Leia mais

Consultando o Dicionário da Língua Portuguesa de Aurélio Buarque de Holanda Ferreira, encontra-se a seguinte definição para turismo:

Consultando o Dicionário da Língua Portuguesa de Aurélio Buarque de Holanda Ferreira, encontra-se a seguinte definição para turismo: 4 Turismo O objetivo deste capítulo é apresentar definições de turismo, a relação entre turismo e fontes de emprego, a importância do domínio da língua inglesa para o mercado e o perfil do profissional

Leia mais

PROGRAMAS E PROJETOS PARA O DESENVOLVIMENTO DO ECOTURISMO NO PÓLO DO CANTÃO

PROGRAMAS E PROJETOS PARA O DESENVOLVIMENTO DO ECOTURISMO NO PÓLO DO CANTÃO º PROGRAMAS E S PARA O DESENVOLVIMENTO DO ECOTURISMO NO PÓLO DO CANTÃO Programa de utilização sustentável dos atrativos turísticos naturais Implementação do Plano de Manejo do Parque do Cantão Garantir

Leia mais

PROJETO PARA FORMAÇÃO DE MONITORES AMBIENTAIS NO DISTRITO DE SÃO FRANCISCO XAVIER - SP. Glauce Yukari Michida, Greice Keli Nunes, Cleide Pivott

PROJETO PARA FORMAÇÃO DE MONITORES AMBIENTAIS NO DISTRITO DE SÃO FRANCISCO XAVIER - SP. Glauce Yukari Michida, Greice Keli Nunes, Cleide Pivott PROJETO PARA FORMAÇÃO DE MONITORES AMBIENTAIS NO DISTRITO DE SÃO FRANCISCO XAVIER - SP Glauce Yukari Michida, Greice Keli Nunes, Cleide Pivott UNIVAP Universidade do Vale do Paraíba / Faculdade de Comunicação

Leia mais

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 3 } 1. INTRODUÇÃO: PARQUE TECNOLÓGICO CAPITAL DIGITAL - PTCD Principal polo de desenvolvimento Científico, Tecnológico e de Inovação do Distrito Federal, o PTCD

Leia mais

ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.951

ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.951 ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.951 A ATIVIDADE TURÍSTICA E O SEGMENTO DE EVENTOS. PERSPECTIVAS DE CRESCIMENTO GRAÇAS À COPA

Leia mais

Introdução. Núcleo de Pesquisas

Introdução. Núcleo de Pesquisas Introdução O verão é um período onde Santa Catarina demonstra todo a sua vocação para a atividade turística. Endereço de belas praias, o estado se consolidou como um dos principais destinos de turistas,

Leia mais

COPA DO MUNDO FIFA 2014 BRASIL. Oportunidades e Desafios

COPA DO MUNDO FIFA 2014 BRASIL. Oportunidades e Desafios COPA DO MUNDO FIFA 2014 BRASIL Oportunidades e Desafios COPA DO MUNDO - OPORTUNIDADES Um evento esportivo do porte de uma Copa do Mundo é como uma grande vitrine do país no exterior e corresponde a um

Leia mais

Habilitação Profissional do Tecnólogo em Gestão do Turismo

Habilitação Profissional do Tecnólogo em Gestão do Turismo PERFIL PROFISSIONAL Habilitação Profissional do Tecnólogo em Gestão do Turismo É o profissional que atua em agências de viagens, em meios de hospedagem, em empresas de transportes e de eventos; promove

Leia mais

Centro Cultural e de Exposições de Maceió

Centro Cultural e de Exposições de Maceió Centro Cultural e de Exposições de Maceió Descrição Administrar, explorar comercialmente e desenvolver eventos culturais, de lazer e de negócios no Centro Cultural e de Exposições de Maceió, localizado

Leia mais

São Paulo: múltiplas oportunidades que impulsionam seus negócios

São Paulo: múltiplas oportunidades que impulsionam seus negócios São Paulo: múltiplas oportunidades que impulsionam seus negócios A importância da economia paulista transcende as fronteiras brasileiras. O Estado é uma das regiões mais desenvolvidas de toda a América

Leia mais

TURISMO. o futuro, uma viagem...

TURISMO. o futuro, uma viagem... TURISMO o futuro, uma viagem... PLANO NACIONAL DO TURISMO 2007-2010 OBJETIVOS Desenvolver o produto turístico brasileiro com qualidade, contemplando nossas diversidades regionais, culturais e naturais.

Leia mais

IDENTIFICANDO O HÓSPEDE EM PONTA GROSSA ATRAVÉS DO MÉTODO DE PESQUISA DE DEMANDA

IDENTIFICANDO O HÓSPEDE EM PONTA GROSSA ATRAVÉS DO MÉTODO DE PESQUISA DE DEMANDA 9. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( X) TRABALHO (

Leia mais

www.idestur.org.br - info@idestur.org.br

www.idestur.org.br - info@idestur.org.br ROTEIROS PAULISTAS DE TURISMO EQUESTRE O Turismo Eqüestre que tem nos eqüídeos o principal atrativo ou, pelo menos, uma das principais motivações, já é reconhecido em diferentes países como um importante

Leia mais

METODOLOGIA SEBRAE BAHIA PARA PÓLOS DE EMPREENDEDORISMO CULTURAL

METODOLOGIA SEBRAE BAHIA PARA PÓLOS DE EMPREENDEDORISMO CULTURAL Trabalho apresentado no III ENECULT Encontro de Estudos Multidisciplinares em Cultura, realizado entre os dias 23 a 25 de maio de 2007, na Faculdade de Comunicação/UFBa, Salvador-Bahia-Brasil. METODOLOGIA

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Turismólogo. Turismo de eventos. Festival Nacional de Teatro.

PALAVRAS-CHAVE Turismólogo. Turismo de eventos. Festival Nacional de Teatro. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( x ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS

SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS PEQUENOS negócios no BRASIL 99% 70% 40% 25% 1% do total de empresas brasileiras da criação de empregos formais da massa salarial do PIB das exportações

Leia mais

Turismo de Negócios, Congressos e Eventos. 1º. Encontro de Secretários de Turismo da Rede Mercocidades. Mercodestinos Capitais Gauchas Rotas Tchê

Turismo de Negócios, Congressos e Eventos. 1º. Encontro de Secretários de Turismo da Rede Mercocidades. Mercodestinos Capitais Gauchas Rotas Tchê Turismo de Negócios, Congressos e Eventos 1º. Encontro de Secretários de Turismo da Rede Mercocidades Mercodestinos Capitais Gauchas Rotas Tchê Visão, Acordos, Compromissos, Estratégias e Ações Porto Alegre,

Leia mais

ANÁLISE DAS ADPTAÇÕES NA ACESSIBILIDADE NOS MEIOS DE HOSPEDAGENS DE FOZ DO IGUAÇU

ANÁLISE DAS ADPTAÇÕES NA ACESSIBILIDADE NOS MEIOS DE HOSPEDAGENS DE FOZ DO IGUAÇU ANÁLISE DAS ADPTAÇÕES NA ACESSIBILIDADE NOS MEIOS DE HOSPEDAGENS DE FOZ DO IGUAÇU Andriélle Pereira de Oliveira 1 RESUMO As normas de acessibilidade nos meios de hospedagens de Foz do Iguaçu são constituídas

Leia mais

RESENHAS. Marketing Turístico e de Hospitalidade: Fonte de Empregabilidade e Desenvolvimento para o Brasil

RESENHAS. Marketing Turístico e de Hospitalidade: Fonte de Empregabilidade e Desenvolvimento para o Brasil RESENHAS Marketing Turístico e de Hospitalidade: Fonte de Empregabilidade e Desenvolvimento para o Brasil Erika Helena Bautto Completa, abrangente e extremamente didática, Marketing Turístico e de Hospitalidade:

Leia mais

CONTAS REGIONAIS DO AMAZONAS 2009 PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DO AMAZONAS

CONTAS REGIONAIS DO AMAZONAS 2009 PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DO AMAZONAS CONTAS REGIONAIS DO AMAZONAS 2009 PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DO AMAZONAS APRESENTAÇÃO A Secretaria de Estado de Planejamento e Desenvolvimento Econômico SEPLAN em parceria com a SUFRAMA e sob a coordenação

Leia mais

MARKETING PARA TURISMO RODOVIÁRIO. Rosana Bignami Outubro_2015

MARKETING PARA TURISMO RODOVIÁRIO. Rosana Bignami Outubro_2015 MARKETING PARA TURISMO RODOVIÁRIO Rosana Bignami Outubro_2015 ATRATIVOS CIDADES PESSOAS TRANSPORTES SISTEMA DE TRANSPORTE VEÍCULO ATENDE LOCAIS E ATENDE A MINHA EMPRESA ESTÁ PRONTA PARA O MARKETING? OUÇA

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO TURÍSTICO 2014/2020 FARROUPILHA - RS

PLANO DE DESENVOLVIMENTO TURÍSTICO 2014/2020 FARROUPILHA - RS PLANO DE DESENVOLVIMENTO TURÍSTICO 2014/2020 FARROUPILHA - RS 22 de Outubro de 2014 AGENDA Relembrar o conceito de Plano Municipal de Turismo Etapas percorridas no desenvolvimento do PMT de Farroupilha

Leia mais

Nossa história. economia local. de expor as potencialidades da. sua origem deveu-se a necessidade

Nossa história. economia local. de expor as potencialidades da. sua origem deveu-se a necessidade PROJETO DE MÍDIA Nossa história sua origem deveu-se a necessidade de expor as potencialidades da economia local Tendo em vista o desenvolvimento do agronegócio nacional, e no intuito de atrair mais investidores

Leia mais

O turismo e os recursos humanos

O turismo e os recursos humanos Introdução O turismo e os recursos humanos Belíssimas praias, dunas, cachoeiras, cavernas, montanhas, florestas, falésias, rios, lagos, manguezais etc.: sem dúvida, o principal destaque do Brasil no setor

Leia mais

TÉCNICO EM HOSPEDAGEM

TÉCNICO EM HOSPEDAGEM Imagens para explicar que às vezes o turista quer um lugar simples, no meio da natureza para descansar, basta estar limpo, asseado e arejado, nem todos querem luxo, existe vários perfis de clientes.(grifo

Leia mais

BOLETIM EMPREGO Setembro 2014

BOLETIM EMPREGO Setembro 2014 Introdução A seguir são apresentados os últimos resultados disponíveis sobre o emprego no Brasil, com foco no ramo Metalúrgico. Serão utilizadas as bases de dados oficiais, são elas: a RAIS (Relação Anual

Leia mais

Estudo da Demanda Turística Internacional

Estudo da Demanda Turística Internacional Estudo da Demanda Turística Internacional Brasil 2012 Resultados do Turismo Receptivo Pontos de Coleta de Dados Locais de entrevistas - 25 Entrevistados - 31.039 15 aeroportos internacionais, que representam

Leia mais

NÍVEL DE EMPREGO, ESCOLARIDADE E RENDA NO RAMO DE ATIVIDADES FINANCEIRAS, SEGUROS E SERVIÇOS RELACIONADOS, DE CAMPO MOURÃO-PR.

NÍVEL DE EMPREGO, ESCOLARIDADE E RENDA NO RAMO DE ATIVIDADES FINANCEIRAS, SEGUROS E SERVIÇOS RELACIONADOS, DE CAMPO MOURÃO-PR. NÍVEL DE EMPREGO, ESCOLARIDADE E RENDA NO RAMO DE ATIVIDADES FINANCEIRAS, SEGUROS E SERVIÇOS RELACIONADOS, DE CAMPO MOURÃO-PR Área: ECONOMIA LOPES, Janete Leige PEREIRA, Kelli Patrícia PONTILI, Rosangela

Leia mais

CNM Internacional. Campinas 26 de maio.

CNM Internacional. Campinas 26 de maio. CNM Internacional Campinas 26 de maio. O que é a CNM Internacional? A área da Confederação Nacional de Municípios responsável por promover a inserção internacional dos municípios brasileiros. Lançada em

Leia mais

PARCEIROS BONS. Mercado

PARCEIROS BONS. Mercado Mercado BONS PARCEIROS por Fabio Steinberg Saiba quem são e como funcionam os Conventions & Visitors Bureaus, que divulgam o destino, sendo fundamentais para a captação de visitantes e eventos. Há milhares

Leia mais

ATUALIZAÇÃO DO PLANO DIRETOR DE TURISMO - PDTur. Prefeitura Municipal de Mairiporã

ATUALIZAÇÃO DO PLANO DIRETOR DE TURISMO - PDTur. Prefeitura Municipal de Mairiporã ATUALIZAÇÃO DO PLANO DIRETOR DE TURISMO - PDTur Prefeitura Municipal de Mairiporã Secretaria de Meio Ambiente e Turismo Departamento de Turismo - DeTur Apresentação Um Plano Diretor de Turismo é uma ferramenta

Leia mais

PIB DO ESTADO DE SÃO PAULO 2005

PIB DO ESTADO DE SÃO PAULO 2005 PIB DO ESTADO DE SÃO PAULO 2005 A Fundação Seade, em parceria com o IBGE, divulga os resultados do PIB do Estado de São Paulo, em 2005. Simultaneamente, os órgãos de estatística das demais Unidades da

Leia mais

RELATÓRIO EIXO TEMÁTICO: INCLUSÃO SOCIAL POLÍTICAS PÚBLICAS GRUPO DE TRABALHO: ECONOMIA DA CULTURA E DO TURISMO

RELATÓRIO EIXO TEMÁTICO: INCLUSÃO SOCIAL POLÍTICAS PÚBLICAS GRUPO DE TRABALHO: ECONOMIA DA CULTURA E DO TURISMO RELATÓRIO EIXO TEMÁTICO: INCLUSÃO SOCIAL POLÍTICAS PÚBLICAS GRUPO DE TRABALHO: ECONOMIA DA CULTURA E DO TURISMO 1. NOME COMPLETO DO RELATOR 2. E-MAIL Rafael Ângelo Fortunato fortunatoturismo@bol.com.br

Leia mais

PERFIL DOS ESTADOS E DOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS: INCLUSÃO PRODUTIVA.

PERFIL DOS ESTADOS E DOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS: INCLUSÃO PRODUTIVA. PERFIL DOS ESTADOS E DOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS: INCLUSÃO PRODUTIVA. FICHA TÉCNICA Coordenação de População e Indicadores Sociais: Bárbara Cobo Soares Gerente de Pesquisas e Estudos Federativos: Antônio

Leia mais

PLANO DE AÇÕES NA REGIÃO DO PANTANAL

PLANO DE AÇÕES NA REGIÃO DO PANTANAL Luis Carlos Morente 1 PLANO DE AÇÕES NA REGIÃO DO PANTANAL 1 Gerente de Políticas e Programas de Desenvolvimento do Turismo da Fundação de Turismo, MS - FUNDTUR. Rua desembargador Leão Neto do Carmo, s/nº,

Leia mais

Formação para Gestores de Associações Comerciais e Empresariais. - Desenvolvimento Local -

Formação para Gestores de Associações Comerciais e Empresariais. - Desenvolvimento Local - Formação para Gestores de Associações Comerciais e Empresariais - Desenvolvimento Local - CURITIBA, MARÇO DE 2010 Capacitação para gestores de Associações Comerciais e Empresariais 1 A ASSOCIAÇÃO E O DESENVOLVIMENTO

Leia mais

DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL

DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL SE É DESENVOLVIMENTO É PRIORIDADE DO SEBRAE LEI GERAL DA MICRO E PEQUENA EMPRESA REGULAMENTAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO LEI GERAL DA MICRO E PEQUENA EMPRESA LG REGULAMENTADA LG REGULAMENTADA

Leia mais

Desafíos y Gestión de la Hotelería Hospitalaria

Desafíos y Gestión de la Hotelería Hospitalaria Desafíos y Gestión de la Hotelería Hospitalaria Merielle Barbosa Lobo Pró-Saúde Hospital Materno Infantil Tia Dedé Tocantins Brasil merielle.hmitd@prosaude.org.br A ORIGEM DA ATIVIDADE HOTELEIRA O hotel

Leia mais

Fundação de Economia e Estatística Centro de Informações Estatísticas Núcleo de Contabilidade Social

Fundação de Economia e Estatística Centro de Informações Estatísticas Núcleo de Contabilidade Social Fundação de Economia e Estatística Centro de Informações Estatísticas Núcleo de Contabilidade Social COMENTÁRIOS ACERCA DOS NÚMEROS FINAIS DO PIB DO RS E DAS DEMAIS UNIDADES DA FEDERAÇÃO EM 2010 Equipe

Leia mais

Águas Continentais do Brasil. Capítulo 11

Águas Continentais do Brasil. Capítulo 11 Águas Continentais do Brasil Capítulo 11 As reservas brasileiras de água doce O Brasil é um país privilegiado pois detém cerca de 12% da água doce disponível no planeta; Há diversos problemas que preocupam:

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Rural PROJETO FIP-ABC. Produção sustentável em áreas já convertidas para o uso agropecuário (com base no Plano ABC)

Serviço Nacional de Aprendizagem Rural PROJETO FIP-ABC. Produção sustentável em áreas já convertidas para o uso agropecuário (com base no Plano ABC) Serviço Nacional de Aprendizagem Rural Serviço Nacional de Aprendizagem Rural PROJETO FIP-ABC Produção sustentável em áreas já convertidas para o uso agropecuário (com base no Plano ABC) Descrição do contexto

Leia mais

Catalão nas Fronteiras do Capitalismo: do desenvolvimento produtivo a construção da sociabilidade

Catalão nas Fronteiras do Capitalismo: do desenvolvimento produtivo a construção da sociabilidade Catalão nas Fronteiras do Capitalismo: do desenvolvimento produtivo a construção da sociabilidade Leonardo César PEREIRA 1 ; Revalino Antonio FREITAS (orientador) Palavras-chave: trabalho, migração, fronteira,

Leia mais

Brasil e suas Organizações políticas e administrativas. Brasil Atual 27 unidades político-administrativas 26 estados e distrito federal

Brasil e suas Organizações políticas e administrativas. Brasil Atual 27 unidades político-administrativas 26 estados e distrito federal Brasil e suas Organizações políticas e administrativas GEOGRAFIA Em 1938 Getúlio Vargas almejando conhecer o território brasileiro e dados referentes a população deste país funda o IBGE ( Instituto Brasileiro

Leia mais

Informação sob embargo até dia 30/11 às 9hs... Cana-de-açúcar avança em áreas prioritárias. para a conservação e uso sustentável do Cerrado

Informação sob embargo até dia 30/11 às 9hs... Cana-de-açúcar avança em áreas prioritárias. para a conservação e uso sustentável do Cerrado Informação sob embargo até dia 30/11 às 9hs Instituto Sociedade, População e Natureza... Cana-de-açúcar avança em áreas prioritárias para a conservação e uso sustentável do Cerrado (Mapas elaborados pelo

Leia mais

TRIBUTAÇÃO ESTADUAL INCENTIVOS FISCAIS E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO: REGRAS E LIMITES DE IMPLEMENTAÇÃO

TRIBUTAÇÃO ESTADUAL INCENTIVOS FISCAIS E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO: REGRAS E LIMITES DE IMPLEMENTAÇÃO X Congresso de Direito Tributário em Questão TRIBUTAÇÃO ESTADUAL INCENTIVOS FISCAIS E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO: REGRAS E LIMITES DE IMPLEMENTAÇÃO Gramado, julho de 2011 André Luiz Barreto de Paiva Filho

Leia mais

Paraná se destaca no cenário brasileiro de sistemas de segurança eletrônica

Paraná se destaca no cenário brasileiro de sistemas de segurança eletrônica Rogério Reis Paraná se destaca no cenário brasileiro de sistemas de segurança eletrônica CRESCIMENTO ECONÔMICO DA REGIÃO SUL IMPULSIONA MERCADO PARANAENSE POR ADRIANE DO VALE redacao@cipanet.com.br FOTOS

Leia mais

DADOS. Histórico de lutas

DADOS. Histórico de lutas MULHERES O partido Solidariedade estabeleceu políticas participativas da mulher. Isso se traduz pela criação da Secretaria Nacional da Mulher e por oferecer a esta Secretaria completa autonomia. Acreditamos

Leia mais

SETOR EQÜINO MOVIMENTA R$ 7,3 BILHÕES POR ANO

SETOR EQÜINO MOVIMENTA R$ 7,3 BILHÕES POR ANO SETOR EQÜINO MOVIMENTA R$ 7,3 BILHÕES POR ANO Pio Guerra 1, Sidney Almeida Filgueira de Medeiros 2 A importância dos eqüinos para o desenvolvimento do Brasil pode ser observada desde os tempos do Brasil-Colônia,

Leia mais

Feira Internacional de tecnologia e negócios. 05 a 09 de março de 2012 Não-Me-Toque/RS

Feira Internacional de tecnologia e negócios. 05 a 09 de março de 2012 Não-Me-Toque/RS EXPODIRETO 2012 Feira Internacional de tecnologia e negócios 05 a 09 de março de 2012 Não-Me-Toque/RS EXPODIRETO 2012 Feira Internacional de tecnologia e negócios Você é nosso convidado para participar

Leia mais

Universidade. Estácio de Sá. Turismo, Hotelaria e Gastronomia

Universidade. Estácio de Sá. Turismo, Hotelaria e Gastronomia Universidade Estácio de Sá Turismo, Hotelaria e Gastronomia A Estácio Hoje reconhecida como a maior instituição particular de ensino superior do país, a Universidade Estácio de Sá iniciou suas atividades

Leia mais

Anuário Estatístico de Turismo - 2013

Anuário Estatístico de Turismo - 2013 Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Ministério do Turismo Anuário Estatístico de Turismo - 2013 Volume 40 Ano base 2012 Guia de leitura Guia de leitura O Guia de Leitura tem o propósito de orientar

Leia mais

TURISMO DE NEGÓCIOS EM VOLTA REDONDA, RJ: ESTUDO COMPARATIVO DE GESTÃO HOTELEIRA

TURISMO DE NEGÓCIOS EM VOLTA REDONDA, RJ: ESTUDO COMPARATIVO DE GESTÃO HOTELEIRA TURISMO DE NEGÓCIOS EM VOLTA REDONDA, RJ: ESTUDO COMPARATIVO DE GESTÃO HOTELEIRA Alexandro Ferreira Reis Carlos Eduardo Brasil Campos Rossana Souza Almeida, Esp. (Orientadora) Este estudo tem como objetivo

Leia mais

The Nature Conservancy, Walmart, Marfrig e produtores do sudeste do Pará trabalharão juntos pela pecuária sustentável na Amazônia

The Nature Conservancy, Walmart, Marfrig e produtores do sudeste do Pará trabalharão juntos pela pecuária sustentável na Amazônia The Nature Conservancy, Walmart, Marfrig e produtores do sudeste do Pará trabalharão juntos pela pecuária sustentável na Amazônia Cadeia irá trabalhar unida na implementação das melhores práticas socioambientais

Leia mais

Palavras-chave: Turismo rural. Plano de desenvolvimento sustentável. Patrimônio ambiental. Distrito de Bela Vista.

Palavras-chave: Turismo rural. Plano de desenvolvimento sustentável. Patrimônio ambiental. Distrito de Bela Vista. PLANEJAMENTO TURÍSTICO SUSTENTÁVEL: DISTRITO DE BELA VISTA: Me Rodrigo Marciano da Luz 1 Ma Nadia Mar Bogoni 2 Ma Amanda Guareschi 3 Ma Elisabeth Foschiera 4 Dra. Rosa Maria Locatelli Kalil 5 Dra. Adriana

Leia mais

2.9. QUALIDADE E OFERTA DE ALOJAMENTO E OUTROS EQUIPAMENTOS TURÍSTICOS

2.9. QUALIDADE E OFERTA DE ALOJAMENTO E OUTROS EQUIPAMENTOS TURÍSTICOS 2.9. QUALIDADE E OFERTA DE ALOJAMENTO E OUTROS EQUIPAMENTOS TURÍSTICOS Este tópico apresenta uma avaliação da capacidade e da qualidade atual dos equipamentos turísticos disponíveis na Área de Planejamento,

Leia mais

Coordenação-geral de Competitividade e Inovação

Coordenação-geral de Competitividade e Inovação Coordenação-geral de Competitividade e Inovação Legislação Turística LEI N º 11.771/2008 DECRETO N 7.381/2010 PORTARIA N 197/20103 PORTARIA Nº 311/2013 Legislação Turística Lei Geral do Turismo 11.771/2008

Leia mais

Prezado Participante,

Prezado Participante, Prezado Participante, O Congresso SINDAG - preparou este Guia para otimizar o seu aproveitamento durante o congresso em Campo Grande MS, facilitando assim, a sua programação por meio da indicação de hotéis,

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TURISMO E HOTELARIA SETEMBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TURISMO E HOTELARIA SETEMBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TURISMO E HOTELARIA SETEMBRO DE 2015 1 2 PRODUTOS De acordo com a Organização Mundial do Turismo (OMT) o turismo compreende as atividades realizadas

Leia mais

CRESCIMENTO OFERTA LEITOS (%)

CRESCIMENTO OFERTA LEITOS (%) 3.9 Oferta Turística Para análise da oferta turística em Sergipe, o PDITS Costa dos Coqueirais apresenta a evolução da oferta turística no estado no período 1980-2000. Indica ainda o número atual de quartos

Leia mais

AVALIAÇÃO DA RECUPERAÇÃO TURÍSTICA E HOTELEIRA NOS DISTRITOS SEDE E ITAIPAVA NO MUNICÍPIO DE PETRÓPOLIS PÓS-CATÁSTROFE DE JANEIRO DE 2011

AVALIAÇÃO DA RECUPERAÇÃO TURÍSTICA E HOTELEIRA NOS DISTRITOS SEDE E ITAIPAVA NO MUNICÍPIO DE PETRÓPOLIS PÓS-CATÁSTROFE DE JANEIRO DE 2011 AVALIAÇÃO DA RECUPERAÇÃO TURÍSTICA E HOTELEIRA NOS DISTRITOS SEDE E ITAIPAVA NO MUNICÍPIO DE PETRÓPOLIS PÓS-CATÁSTROFE DE JANEIRO DE 2011 Leandro de Araújo Dias Lélio Galdino Rosa Sharon Fanny Nogueira

Leia mais

O SETOR PÚBLICO E AS AÇÕES DE ORGANIZAÇÃO DO TURISMO NO MUNICÍPIO DA ILHA DE ITAMARACÁ-PE

O SETOR PÚBLICO E AS AÇÕES DE ORGANIZAÇÃO DO TURISMO NO MUNICÍPIO DA ILHA DE ITAMARACÁ-PE 1 O SETOR PÚBLICO E AS AÇÕES DE ORGANIZAÇÃO DO TURISMO NO MUNICÍPIO DA ILHA DE ITAMARACÁ-PE GUILHERME ALVES DE SANTANA, MICHELLY ELAINE DE OLIVEIRA CONCEIÇÃO & EVERTON MEDEIROS BEZERRA Introdução Devido

Leia mais

Documentos 297. Agostinho Dirceu Didonet. ISSN 1678-9644 Março, 2014. Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Embrapa Arroz e Feijão

Documentos 297. Agostinho Dirceu Didonet. ISSN 1678-9644 Março, 2014. Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Embrapa Arroz e Feijão ISSN 1678-9644 Março, 2014 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Arroz e Feijão Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Documentos 297 O Papel das Mulheres no Desenvolvimento

Leia mais

Distribuição Geográfica dos Pontos de Coleta de Dados

Distribuição Geográfica dos Pontos de Coleta de Dados Distribuição Geográfica dos Pontos de Coleta de Dados Nº de Entrevistados da Pesquisa: 39.000 pessoas Nº de locais das entrevistas: 27 15 em aeroportos internacionais, que representam 99% do fluxo internacional

Leia mais

RÁDIO E TV TÉCNICO EM ATUAÇÃO NO MERCADO

RÁDIO E TV TÉCNICO EM ATUAÇÃO NO MERCADO O CEET - Centro Estadual de Educação Técnica Vasco Coutinho é uma Instituição de Ensino criada e mantida pelo Governo do Estado do Espírito Santo e transferido através da lei n 9.971/12, para Secretaria

Leia mais

O PROCESSO DE REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA NO BRASIL E AS MODIFICAÇÕES DA ECONOMIA GOIANA PÓS DÉCADA DE 1960.

O PROCESSO DE REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA NO BRASIL E AS MODIFICAÇÕES DA ECONOMIA GOIANA PÓS DÉCADA DE 1960. O PROCESSO DE REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA NO BRASIL E AS MODIFICAÇÕES DA ECONOMIA GOIANA PÓS DÉCADA DE 1960. Glauber Lopes Xavier 1, 3 ; César Augustus Labre Lemos de Freitas 2, 3. 1 Voluntário Iniciação

Leia mais

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE realizou, em outubro, o primeiro prognóstico para

Leia mais

ANÁLISE DOS RESULTADOS DAS OPERAÇÕES DE VENDA DA AGÊNCIA DE VIAGEM

ANÁLISE DOS RESULTADOS DAS OPERAÇÕES DE VENDA DA AGÊNCIA DE VIAGEM REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA TURISMO PERIODICIDADE SEMESTRAL ANO III EDIÇÃO NÚMERO 5 JUNHO DE 2006 ANÁLISE DOS RESULTADOS DAS OPERAÇÕES DE VENDA DA AGÊNCIA DE VIAGEM BARROS, Darci K. Y. de Curso de Turismo

Leia mais

POR QUE SER ASSOCIADO ABESE? CONHEÇA TODOS OS BENEFÍCIOS

POR QUE SER ASSOCIADO ABESE? CONHEÇA TODOS OS BENEFÍCIOS POR QUE SER ASSOCIADO ABESE? CONHEÇA TODOS OS BENEFÍCIOS Associação Brasileira das Empresas de Sistemas Eletrônicos de Segurança - ABESE Entidade que representa, nacionalmente, as empresas de sistemas

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Taxa de Serviço do Consumidor pelos Serviços Prestados de Agência de Viagens

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Taxa de Serviço do Consumidor pelos Serviços Prestados de Agência de Viagens Parecer Consultoria Tributária Segmentos Taxa de Serviço do Consumidor pelos Serviços Prestados de Agência de Viagens 28/09/2015 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas pelo

Leia mais

REDES HIDROGRÁFICAS SÃO TODOS OS RECURSOS HIDROGRÁFICAS DE UM PAÍS, COMPOSTOS GERALMENTE PELOS RIOS, LAGOS E REPRESAS.

REDES HIDROGRÁFICAS SÃO TODOS OS RECURSOS HIDROGRÁFICAS DE UM PAÍS, COMPOSTOS GERALMENTE PELOS RIOS, LAGOS E REPRESAS. REDES HIDROGRÁFICAS SÃO TODOS OS RECURSOS HIDROGRÁFICAS DE UM PAÍS, COMPOSTOS GERALMENTE PELOS RIOS, LAGOS E REPRESAS. BACIA HIDROGRÁFICA. É UMA REDE DE TERRAS DRENADAS POR UM RIO E SEUS PRINCIPAIS AFLUENTES.

Leia mais

Desafios para o Desenvolvimento da Região Sul e Tecnologias Sociais para seu Enfrentamento *

Desafios para o Desenvolvimento da Região Sul e Tecnologias Sociais para seu Enfrentamento * 1 Desafios para o Desenvolvimento da Região Sul e Tecnologias Sociais para seu Enfrentamento * Introdução Euclides André Mance Brasília, Abril, 2009 Respondendo ao convite realizado pela coordenação da

Leia mais

Orgânicos e desenvolvimento sustentável

Orgânicos e desenvolvimento sustentável Orgânicos e desenvolvimento sustentável SÉRGIO ANGHEBEN Gestor do Programa Desenvolvimento Rural Sustentável da Itaipu Binacional A princípio, gostaria de chamar atenção no quadro 1 para a área plantada

Leia mais

APL DE TURISMO NO LITORAL DO PIAUÍ

APL DE TURISMO NO LITORAL DO PIAUÍ APL DE TURISMO NO LITORAL DO PIAUÍ (A) Teresina; (B) Cajueiro da Praia; (C) Luis Correia; (D) Parnaíba; (E) Ilha Grande Rota das Emoções: Jericoacoara (CE) - Delta (PI) - Lençóis Maranhenses (MA) Figura

Leia mais

RENEX SOUTH AMERICA 2014

RENEX SOUTH AMERICA 2014 RENEX SOUTH AMERICA 2014 O mercado sul-americano de energia renovável em um só lugar 26a 28 Novembro 2014 Porto Alegre - 14h às 20h no Centro de Eventos FIERGS Entre em contato e acompanhe a RENEX pelas

Leia mais

Entendendo custos, despesas e preço de venda

Entendendo custos, despesas e preço de venda Demonstrativo de Resultados O empresário e gestor da pequena empresa, mais do que nunca, precisa dedicar-se ao uso de técnicas e instrumentos adequados de gestão financeira, para mapear a situação do empreendimento

Leia mais

SONDAGEM DE VENDAS DIA DAS CRIANÇAS

SONDAGEM DE VENDAS DIA DAS CRIANÇAS SONDAGEM DE VENDAS DIA DAS CRIANÇAS OUTUBRO/2013 FECOMERCIO/TO Hugo de Carvalho Presidente Anselmo da Silva Moraes Vice Presidente Silmara Lustosa Ribeiro Superintendente INSTITUTO FECOMÉRCIO/TO Hugo de

Leia mais

A força do turismo ECONOMIA. por Ana Lygia Monteferrario Leite Pezco Pesquisa & Consultoria e Frederico Araujo Turolla FGV-EESP e ESPM

A força do turismo ECONOMIA. por Ana Lygia Monteferrario Leite Pezco Pesquisa & Consultoria e Frederico Araujo Turolla FGV-EESP e ESPM ECONOMIA A força do turismo O Brasil é descrito como país privilegiado pela existência de exuberantes recursos naturais, pelo clima agradável e pela cultura receptiva. Por si só, essas características

Leia mais

turístico: a oferta e a demanda turísticas

turístico: a oferta e a demanda turísticas 2 Mercado turístico: a oferta e a demanda turísticas Meta da aula Apresentar os conceitos e o funcionamento do mercado turístico, especialmente a oferta e a demanda turística. Objetivos Esperamos que,

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA CONS CUL 07-09 01 Vaga

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA CONS CUL 07-09 01 Vaga INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA CONS CUL 07-09 01 Vaga 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Consultoria de pessoa física para realizar ações e organizar atividades

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO SOCIOECONÔMICA da ADA Projeto EIA-RIMA Nova Transnordestina - CFN

CARACTERIZAÇÃO SOCIOECONÔMICA da ADA Projeto EIA-RIMA Nova Transnordestina - CFN CARACTERIZAÇÃO SOCIOECONÔMICA da ADA Projeto EIA-RIMA Nova Transnordestina - CFN Data Entrevistador Resultado da visita (vide Quadro) Número do Questionário RESULTADO DA VISITA Residência... (a) Comércio...

Leia mais