Manejo Prático Aplicado a Piscicultura de Água Doce

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Manejo Prático Aplicado a Piscicultura de Água Doce"

Transcrição

1 Universidade Federal Rural de Pernambuco Departamento de Zootecnia Programa de Educação Tutorial (PET/MEC/SESu) Manejo Prático Aplicado a Piscicultura de Água Doce Ministrante: Xélen Faria Wambach Zootecnista Mestranda em Recursos Pesqueiros e Aquicultura/UFRPE. Fone: (81) Curriculum Lattes: Recife/2012 1

2 Manejo Prático Aplicado a Piscicultura de Água Doce SUMÁRIO Pág. 1.0.Introdução Sistemas de Cultivo Sistema Extensivo Sistema Semi-intensivo Sistema Intensivo Qualidade de Água Manejo Geral Manejo dos peixes Manejo dos alevinos Manejo Alimentar Manejo da água Manejo de sistemas Manejo de produção Apetrechos de pesca Biometria Manejo da água e Solo Solo Água Adubação Fertilização Sistemas de produção Tipos de criação Sistema Semi-intensivo Sistema Intensivo Tanque-rede (TR) Distância e posicionamento dos tanques-rede Tamanho e formatos de tanques-redes Materiais utilizados na construção de TR Sistemas de criação em Tanques-rede Referencias Bibliográficas

3 1.0. INTRODUÇÃO Manejo Prático Aplicado a Piscicultura de Água Doce A aquicultura, conforme Cyrino, et al., 2012, é a criação de organismos aquáticos em condições controladas, uma atividade economicamente rentável, desde que feita com base em projetos tecnicamente corretos. Porém, apresenta algumas limitações como: necessita de um mercado favorável, receptividade da população para aceitar as mudanças trazidas pela implantação de uma nova indústria, uma política que garanta o acesso dos produtores aos recursos naturais indiscriminadamente, disponibilidade regional de alevinos, alimentos, equipamentos, materiais, serviços de extensão e controle sanitário, crédito e mercado financeiro favorável. Segundo MPA, 2010, a produção aquícola nacional (ano 2010) foi de t, representando um incremento de 15,3% em relação à produção de Comparando-se a produção atual com o montante produzido em 2008 ( t), fica evidente o crescimento do setor no país, com um incremento de 31,2% na produção durante o triênio Seguindo o padrão observado nos anos anteriores, a maior parcela da produção aquícola é oriunda da aquicultura continental, na qual se destaca a piscicultura continental que representou 82,3% da produção total nacional. A piscicultura, um dos ramos da aquicultura, na qual se destina a criação de peixes, possuindo uma boa lucratividade, no entanto, deve considerar também que ainda existem poucas informações, surgindo dúvidas a respeito dessa atividade. Esta atividade surgiu na China há cerca de 4 mil anos, onde também se desenvolveu o consórcio entre peixes e outros animais (búfalos e suínos). Na Europa a piscicultura só começou a partir do século XIV, através dos monges que criavam carpas nos mosteiros a fim de consumi-las nos momentos de abstinência de carnes vermelhas. A Argentina foi o primeiro país a introduzir a piscicultura na América do Sul, importando, em 1870, os primeiros reprodutores de carpa comum (Cyprinus carpio) e carpa espelho (Cyprinus carpio variedade especularis). No Brasil, a piscicultura propriamente dita iniciou-se por volta de Nessa época, o cientista Rodolfo Von Lhering estudou os peixes do Rio Mogi-Guaçu em Piracicaba - São Paulo, utilizando pela primeira vez hipófise para provocar desova do Dourado 3

4 (Salminus maxillorus). Em 1939, surgiu a primeira estação de piscicultura do país em Pirassununga São Paulo SISTEMAS DE CULTIVO Os sistemas de produção utilizados no cultivo de peixes são bastante diversificados em função: Da disponibilidade de recursos financeiros e insumos; Do acesso e da viabilidade do emprego de tecnologia; Da disponibilidade de água; Da disponibilidade de área; Das condições climáticas prevalentes; Das particularidades do mercado consumidor; Das características intrínsecas de cada empresa; Esses sistemas de produção são classificados em Extensivo, Semi-intensivo e Intensivo, descritos conforme Nascimento e Oliveira, 2010: 2.1. Sistema Extensivo Neste sistema, o número de peixes por unidade de área é baixo, a alimentação é restrita ao alimento naturalmente existente e não há controle sobre a reprodução. A piscicultura é praticada em reservatórios de pequenas ou grandes dimensões, naturais ou artificiais. Esses reservatórios são construídos, na maioria das vezes, para outra finalidade, por exemplo, para armazenar água para irrigação, para bebedouro de animais, energia elétrica, etc. A piscicultura aparece como um aproveitamento a mais desses reservatórios. Nesta modalidade de piscicultura não se alimentam os peixes regularmente e não se fertiliza a água com fertilizantes orgânicos ou inorgânicos. Os peixes se alimentam dos organismos presentes no próprio ambiente. 4

5 2.2.Sistema Semi-intensivo Este sistema se caracteriza pela maximização da produção de alimento natural (fito e zooplâncton, bentos e macrófitas), a partir do aporte de minerais que pode ser feito com adubos orgânicos (esterco de bovinos, suínos, equinos, etc.) ou químicos (fontes de nitrogênio e fósforo), para servir como principal fonte de alimento dos peixes. Em função disso, utiliza-se um maior número de peixes por m² (densidade de estocagem). Para aumentar diretamente a produção ou o crescimento dos peixes usam-se alimentos artificiais (são todos os alimentos que não são produzidos nos viveiros) que o piscicultor coloca no viveiro. No sistema semi-intensivo a piscicultura é praticada em viveiros construídos estritamente para se criar peixes. Estes viveiros são totalmente drenáveis, uma ou mais vezes por ano Sistema Intensivo Semelhante ao sistema semi-intensivo, os viveiros são planejados, escavados com máquinas e possuem declividade para facilitar a drenagem da água e despesca dos animais. A diferença está na taxa de renovação da água, para suportar a biomassa de pescado estocada e carrear as excretas para fora. Dependendo da disponibilidade e da qualidade da água pode-se estocar entre 1 a 10 peixes por metro quadrado. O fluxo de água é controlado para manter, no mínimo, um teor de oxigênio dissolvido (OD) de 8 mg/l. Como a densidade de estocagem de peixes é alta, o alimento natural não é capaz de manter sozinho o desenvolvimento completo dos animais. Portanto, se faz necessário o fornecimento de uma ração balanceada. 5

6 3.0. QUALIDADE DE ÁGUA A avaliação dos níveis de qualidade da água para os animais aquáticos é considerada importante, pois influencia diretamente na criação de peixes e com esse monitoramento, pode se presumir como estão as condições ambientais para a vida destes animais. Assim, com o desenvolvimento rápido e crescente da piscicultura, a qualidade da água procede a um enorme interesse nesta linha de atuação, já que a água em condições inadequadas ocasionará problemas no cultivo, podendo levar os peixes à morte. Nesse aspecto, MATSUZAKI et al., 2004 afirma que o manejo inadequado em piscicultura geralmente acelera o processo de eutrofização, deteriorando a qualidade da água, principalmente pela administração de altas doses de ração e pela fertilização (orgânica ou inorgânica). Então os principais fatores que influenciam diretamente na criação de peixes são: Temperatura da água (Tº C): influencia diretamente o rendimento dos sistemas de produção de organismos aquáticos. Oxigênio dissolvido (OD, mg/l): pode ser afetado através do aumento da alimentação, do metabolismo dos peixes, tamanho e fase de desenvolvimento do peixe, e também com o aumento da temperatura, pois com esse aumento, haverá menor a dissolução desse gás. ph (potencial hidrogeniônico): O ph reflete o grau de acidez ou de alcalinidade da água, sendo um fator importante para assegurar uma boa produção de peixes. Alcalinidade (mg/l de CaCO 3 ): a alcalinidade total é a concentração de todos os cátions divalentes na água, sendo o cálcio (Ca 2+ ) e o magnésio (Mg 2+ ) os cátions mais comuns em quase todos os sistemas de água doce. Amônia: é tóxica para todos os animais aquáticos, especialmente em lugares com baixas concentrações de oxigênio dissolvido. Existe duas formas de amônia a ionizada (NH4 + ) e a não-ionizada (NH 3 ), sendo sua toxicidade 6

7 atribuída principalmente à última forma (FOSS et al., 2003). Níveis elevados de amônia provocam estresse nos peixes, com consequente diminuição da resistência imunológica, danos nas brânquias e destruição das nadadeiras. Nitrito: O nitrito é um produto intermediário da transformação da amônia em nitrato, e pode ser tóxico para peixes (FRANCES et al., 1998). Essa amônia é reduzida a nitrito (resultante da ação da nitrificação bacteriana), e em sistemas fechados podem acumular para níveis tóxicos, pois o aumento nas concentrações de nitrito na água induz a acumulação deste no sangue e tecidos, e via reações complexas produzindo derivados tóxicos com ação deletéria em processos fisiológicos dos peixes (COSTA et al., 2004). Para manter os parâmetros físicos e químicos de qualidade de água numa faixa ideal, não se deve ultrapassar a capacidade máxima de suporte do ambiente. Tabela 1. Principais parâmetros físico-químicos de qualidade de água, suas frequências de análise e seus limites mínimos adequados para a aquicultura em tanque-rede (Boyd &Tucker, 1998). 7

8 Devem-se também considerar os diversos aspectos fundamentais relacionados não só à qualidade da água, mas também com a nutrição, a genética, a localização da área de produção, entre outros fatores. Se a capacidade máxima de suporte for ultrapassada, a qualidade da água e a produtividade diminuem acentuadamente, afetando diretamente os peixes. Nesse sentido, é recomendável monitorar com certa frequência, a qualidade da água e procurar manter os parâmetros físico-químicos dentro de alguns limites a fim de assegurar uma produção satisfatória de peixes MANEJO GERAL 4.1. Manejo dos peixes O bom manejo começa com a escolha das espécies mais adequadas ao ambiente de cultivo (escolher as espécies com que vai trabalhar, levando em considerações as exigências ambientais e climáticas de cada espécie, o habito alimentar, a rusticidade, a aceitação comercial). As principais espécies de peixes de água doce cultivadas no Brasil são: tilápias (Oreochromis spp), carpas (Cyprinus sp.), tambaqui (Colossoma macropomum), pacu (Piaractus mesopotamicus), matrinxã (Brycon spp.), piau (Leporinus sp.), bagre africano (Clarias gariepinus), entre outros. 8

9 4.2. Manejo dos alevinos Transporte Se possível verificar o fornecedor, o procedimento de captura e contagem dos alevinos. Se o mesmo utiliza embalagem plástica atóxica e resistente, água limpa, coloca de preferencia o oxigênio puro. Densidade Deve ser compatível com a espécie, tamanho e lembrar do tempo de transporte, também dando preferencia para não transportar em dias muito quentes Recepção Necessita de manuseio cuidadoso das embalagens, tendo-se preferencialmente uma aclimatação (verificação comparatória entre a água da embalagem e a do local a ser introduzido os animais - qualidade de água, como temperatura e ph). Depois de certo tempo (aproximadamente 15 a 30 minutos) pode-se soltar devagar os alevinos Manejo Alimentar Os custos com alimentação podem compor cerca de 50 a 70% do custo total de produção de peixes. Isso é um dos fatores que leva a fazer estudos, pesquisas e métodos alternativos para diminuir esse entrave na aquicultura. Pode-se minimizar de forma significativa este custo com adoção de manejo alimentar adequado e uso de rações com qualidade compatível com as diferentes fases de desenvolvimento dos peixes e com o sistema de cultivo utilizado. Para cada fase de desenvolvimento dos peixes tem-se a granulomentria e percentagem de proteína bruta (PB) na ração adequada. Essa ração para os peixes é a extrusada. Exemplos: Fase alevinagem: normalmente utiliza-se ração de 45 a 40% PB. Fase de engorda: normalmente utiliza-se ração de 36 a 32% PB. 9

10 O fornecimento a lanço de forma mais espalhada e homogênea possível. A frequência alimentar depende do manejo adequado adotado, podendo variar de 2 a 5 vezes por dia ou até 9 vezes ao dia (fase alevinagem). A quantidade varia muito do comportamento dos peixes, o clima da região, mas deve-se verificar comportamento alimentar podendo aumentar a quantidade ingerida ou diminui-la. Tabela 2: Recomendações de fornecimento de rações para tilápia do Nilo (Oreochmis niloticus), em diferentes fases de desenvolvimento em temperaturas de 25º a 26ºC (adaptado de GONTIJO et al., 2008). Para o armazenamento de rações deve dar preferencia a local fresco e seco, coberto, utilizando estrados para manter os sacos de ração distantes do piso e das paredes. 10

11 4.4. Manejo da água Para se manter em níveis adequados para criação de peixes, visto anteriormente (Tabela 1), com a observação da qualidade da água, comportamento dos peixes, pode-se tentar melhorar alguns aspectos da água. Exemplo: baixo oxigênio dissolvido: ver se há grande presença de macrófitas (plantas aquáticas) - Figura 1, se a renovação da água está normal, se a densidade de estocagem está dentro do limite, entre outros fatores. Com essas respostas podese fazer medidas para melhorar o oxigênio. Figura 1. Macrófitas em viveiro. 11

12 4.5. Manejo de sistemas Monofásico: cria-se peixes da fase alevinagem (inicial) até a fase engorda (final) no mesmo ambiente de cultivo, durante todo o ciclo produtivo. Bifásico: adota-se criar peixes da fase alevinagem (inicial) até a fase juvenil (intermediária) no mesmo ambiente de cultivo. Trifásico: adota-se criar peixes realizando despescas em cada fase de desenvolvimento (fase alevinagem até a fase de engorda) podendo ficar em diferentes ambientes de cultivo. Exemplo: 1,0g a 200g; 200 a 700g; 700 a 1.000g Manejo de produção 5.1. Apetrechos de pesca Pode ser utilizados em piscicultura e carcinicultura. Os principais utensílios são: Tarrafas: são confeccionadas de panagens de nylon multifilamento (geralmente com argola) ou nylon monofilamento (com rufo). Essa tarrafa de argola tem uma característica exclusiva de fechamento, através de fios de nylon monofilamento que ligam o topo da tarrafa até o chumbo, e é possível fechar totalmente esta rede formando um grande saco, facilitando as capturas (podendo capturar peixes de 2 cm a 20 cm na mesma tarrafa). Normalmente é um petrecho ideal para capturas localizadas, rápidas, com o mínimo de mão de obra e sem causar traumatismos. Figura 2. Rede de Arrasto: rede geralmente grande (tipo forma de saco) que quando puxada a uma velocidade, permite que os peixes, crustáceos ou outro tipo de pescado, sejam retidos dentro da rede. Figuras 4 e 5. 12

13 Puçás: uma rede tipo saco com cabo (tamanho variável) de madeira, alumínio ou material alternativo (cano pvc, etc), que serve para pegar os peixes evitando que escapem. Figura 3. Figura 2. Tarrafa Fonte: engepesca.com.br Fonte: pontaldapesca.com.br Figura 3. Puçá 4 5 Figura 4 e 5. Manejo com rede de arrasto 13

14 5.2. Biometria Uma das maneiras para o acompanhamento do desenvolvimento dos peixes é a realização da biometria. A biometria é uma prática bastante difundida na atividade aquícola, sendo executada mediante periódicas pesagens e medições do comprimento corporal de parte representativa do lote, proporcionando um acompanhamento dos peixes em relação ao ganho de peso e crescimento, podendo ajustar a quantidade de ração a ser fornecida (evitando desperdício ou desnutrição). A frequência a ser realizada depende do manejo adequado, disponibilidade de mão de obra, podendo ser realizada semanalmente, quinzenalmente ou até mensamente. Há dois tipos de biometria: individual (pesando-se um peixe por vez) e por amostragem aleatória (Figura 6 e 7). Para tal procedimento é necessário ter balança, puçás, baldes, rede de arrasto ou tarrafa (viveiros). Figura 6. Peso individual (g) Figura 7. Peso em grupo (g) Na biometria individual pode-se acompanhar o crescimento fazendo medições de comprimento, como na Figura 8. 14

15 Figura 8. Esquematização de medições de comprimento e partes morfológicas. Com os resultados dos dados adquiridos na biometria pode-se ter noção do desenvolvimento dos peixes e determinar, por exemplo, a quantidade de ração. Pode-se então ter o acompanhamento de: Peso médio (g ou kg): encontrado, dividindo-se a biomassa amostrada pelo número de peixes amostrado. Ganho de Peso (g): é a diferença entre o peso médio atual e o peso médio anterior. Biomassa (g ou Kg): número de peixes multiplicado pelo peso médio. Taxa de crescimento específico (TCE,% dia -1 ): (LN(Pf)-LN(Pi))/t) x 100, onde Pi é o peso médio inicial (g), Pf é o peso médio final (g), e t é o tempo em dias. Taxa de sobrevivência (Sob,%): computada como: [(nº final de peixes capturados / nº de peixes estocados) x 100]. Fator de Conversão Alimentar (FCA): consumo de ração/ganho de biomassa. 15

16 6.0. Manejo da água e Solo 6.1. Solo Calagem: corrige os valores de ph, reforça o sistema tampão formado por bicarbonatos, carbonatos e íons Ca 2+ e Mg 2+ e neutraliza a acidez de troca do solo do fundo dos viveiros. Para desinfectar o solo, depois do viveiro já seco (vazio), deixar secar (ao sol) por um dia ou mais dependo do clima da região. Depois para ter mais eficiência, deve utilizar produtos químicos (cal virgem e hidratada), sendo a dose inicial necessita ser aplicada a lanço sobre o fundo do viveiro ainda seco. Cal virgem (CaO): libera calor e mata muito rapidamente o ph do solo, matando todos os organismos aquáticos presentes. Cal hidratada (Ca(OH) 2 ): mata os organismos aquáticos presentes exclusivamente pelo aumento do ph (não eleva a temperatura da água). OBS: em solos com machas de lamas escuras e com mau cheiro (tipo ovo podre) necessita utilizar um produto mais forte (o hipoclorito de sódio). O critério usado para decisão a respeito de se fazer ou não a calagem de um tanque é: Quando a dureza e/ou alcalinidade da água forem menores que 20 mg de CaCO 3 /L, ou o ph da água de um tanque for menor que 6,0. Calcula-se a dose inicial de calcário a ser aplicada segundo a Tabela 3, abaixo. Tabela 3. Dose inicial de calcário. 16

17 6.2. Água 6.3. Adubação Normalmente os peixes possuem numerosos rastros branquiais e secretam muco na faringe, permitindo uma eficiente filtragem e aglutinação das pequenas partículas do fitoplâncton e zooplâncton. Pode-se criar peixes em viveiros adubados ou combinar a adubação e o uso de alimento de baixo custo (mistura de farelos vegetais, rações com baixo teor proteico entre outros). 6.4.Fertilização A fertilização de tanques e viveiros é uma prática essencial para aumentar a biomassa planctônica e consequentemente à produção dos peixes. O alimento natural pode contribuir com o suprimento de proteína, energia, vitaminas e minerais, podendo reduzir os custos com a alimentação. Há dois tipos de fertilização: Orgânica: usa-se esterco animais (os mais utilizados são de bovinos, caprinos, aves), também restos de culturas agrícolas e farelos vegetais. Inorgânica: nitrogênio (exemplo: uréia, [(NH2)2CO], na proporção de 3,0 mg/l (N)), ácido fosfórico (H3PO4), numa proporção de 0,3 mg/l (P), silicato (SiO2), na proporção de 1,0 mg/l, superfosfato simples, entre outros. Outros fertilizantes inorgânicos principais podem ser observados na Tabela 4. Há 3 formas de aplicação de fertilizantes químicos: - 1º método (o mais eficiente): é aquele que os fertilizantes são diluídos antes de serem aplicados, depois espalhados na superfície dos viveiros; 17

18 - 2º método: envolve a construção de uma pequena plataforma (material não tóxico), na qual deve ficar aproximadamente 30 cm da superfície (o vento irá se encarregar de distribuir os nutrientes pelo viveiro); - 3º método: consiste em colocar fertilizante nos próprios sacos ou outro saco poroso, e a fixação em estacas dentro do viveiro, sendo a eficiência colocando 2 ou mais sacos espalhados pelo viveiro. Para avaliar os efeitos da fertilização, pode ser medida pela abundância de fitoplâncton presente em viveiros (água se torna mais turva normalmente de coloração esverdeada). Tabela 4. Concentração aproximada nutrientes em resíduos de diversos animais (Ostrensky & Boeger, 1998). Animal Percentagem (%) Umidade N P 2 O 5 K 2 O Gado leiteiro 85 0,5 0,2 0,5 Gado de corte 85 0,7 0,5 0,5 Equino 72 1,2 1,3 0,6 Suíno 82 0,5 0,3 0,4 Ovino 77 1,4 0,5 1,2 Cama de aviário ND 0,4 0,3 0,1 * ND= Não determinado 18

19 Tabela 5. Principais fertilizantes inorgânicos. Fertilizante Forma Percentagem (%) N P 2 O 5 Uréia Granular 45 0 Nitrato de cálcio Granular 15 0 Nitrato de sódio Granular 16 0 Sulfato de amônio Granular Superfosfato Granular 0 0 Superfosfato triplo Granular Monoamônio fosfato Granular Diamônio fosfato Granular Tabela 6. Benefícios da fertilização em relação a produtividade na piscicultura. 19

20 7.0. Sistemas de produção Os sistemas de produção utilizados no cultivo de peixes são bastante diversificados e assim os índices de produtividade, custos de produção e lucratividade são bastante distintos. Capacidade de suporte (CS): É a máxima biomassa de peixes capaz de ser sustentada em uma unidade de produção (viveiros, tanque-rede, entre outros). E pode ser expressa em relação à área (kg/ha; kg/m²) ou ao volume (kg/m³) da unidade de produção. A determinação da capacidade de suporte é feita com base nos resultados de cultivos anteriores ou pode ser estimada através dos dados de produção obtidos em outras pisciculturas ou em dados técnicos publicados. Figura 9. Biomassa crítica (BC): em algum momento de cultivo o crescimento diário dos peixes atinge um valor máximo, no caso, o máximo de ganho de peso possível por peixe (g/dia) ou por unidade de área (kg/ha/dia) ou volume (kg/m³/dia). Neste momento diz-se que a unidade de produção atingiu a sua biomassa critica. Figura 9. Biomassa econômica (BE): representa o momento que ocorre o máximo lucro acumulado durante o cultivo. Pode-se realizar a despeca (parcial ou total), e em geral é em torno de 60 a 80% da capacidade de suporte. Figura 9. Figura 9: Representação gráfica dos pontos de Biomassa Crítica, Biomassa Econômica e Capacidade de Suporte, em viveiros de baixa renovação de água e sem aeração, com os peixes alimentados com ração completa. Kubitza,

21 8.0. Tipos de criação Em sistemas semi-intensivo ou intensivo, pode-se criar peixes em tanque de fibra de vidro, tanques de alvenaria, viveiros escavados, tanques-redes. Sendo: 8.1.Sistema Semi-intensivo Tanque de fibra de vidro: podem-se de utilizadas por pessoas que tenham espaço pequeno, mas o investimento inicial é alto (preço dos tanques, ter renovação constante, preferencialmente com aeração). Tanques de alvenaria: tem-se a desvantagem inicial de custo de materiais (cimento, tijolos). Viveiros escavados: são um dos mais utilizados. Para tal é necessário muitos aspectos a serem observados para a implantação dos mesmos. Como: a) Seleção de áreas: Aspectos de topografia (não selecionar áreas com topografia acidentada que requeiram grandes investimentos na limpeza e correção do terreno, preferindo locais livres de enchentes), escolhendo terrenos planos com suave declividade (não superior a 5%). Aspectos de solo (não selecionar áreas com tipos inadequados de solo tanto em relação à permeabilidade quanto ao ph), Aspectos da água (não selecionar áreas com pouca disponibilidade de água e/ou com água de baixa qualidade. Aspectos de infra-estrutura (não selecionar áreas sem infra-estrutura básica como energia elétrica, água, estradas, telefonia). b) Construção dos viveiros: Forma (ideal é a retangular). Viveiros quadrados ou circulares dificultam manejo. Tamanho (de acordo com a topografia e disponibilidade de área). Posicionamento (de acordo com a topografia, mas preferir eixo mais longo no sentido dos ventos predominantes). Profundidade dos viveiros: pelo menos 1,00m. 21

22 c) Solo: Tipo (preferir solos de baixa permeabilidade, argilosos ou areno-argilosos, sem afloramentos rochosos, sem excesso de matéria orgânica, ricos em nutrientes e com ph em torno de 6 a 7). Calagem (utilizar quantidades de calcário de acordo com recomendações de análise de solo, visando correção de ph e manutenção de alcalinidade adequada). Manejo (após período de cultivo proceder ao pouso de 30 a 45 dias, desinfecção, calagem e adubação inicial, antes de iniciar novo cultivo). d) Sistemas de abastecimento e drenagem: captar água de locais não poluídos e sem restrições ambientais, de boa qualidade; construir canais que não desperdicem água com configuração que evite erosão. Utilizar sistema de canos para viveiros pequenos e sistema de monge (Figuras 10 e 11) para viveiros maiores. Dimensionar o sistema para possibilitar o rápido esvaziamento do viveiro, impedindo a passagem dos peixes e ser de fácil manuseio). A quantidade de água necessária depende da área dos viveiros, das taxas de infiltração e evaporação, da água exigida no manejo da produção e do uso de estratégias de reaproveitamento da água, dentre outros fatores

23 11 Figuras 10 e 11: Tipos de Monges Sistema Intensivo Tanque-rede (TR) Tanques-rede são estruturas flutuantes utilizados na criação de peixes, em rede ou tela revestida, com malhas de diferentes tamanhos e que podem ser confeccionados de diversos materiais, permitindo a passagem do fluxo de água e dos dejetos dos peixes. Deve ser elaborados com materiais leves e não cortantes para facilitar o manejo e apresentar resistência mecânica e à corrosão. Figuras 12 e 13. Figura 12. Detalhes do tanque-rede: A. tampa; B. vista geral. Foto: Flávio L. Nascimento Figura 13. Tanque-Rede. 23

24 Para a implantação dessa estrutura é necessário observar a facilidade de acesso aos tanques-rede (muitas vezes precisa-se de barcos, canoas, passarelas, etc, para locomoção e chegada dos insumos ao local), também os aspectos de segurança, já que os peixes ficam confinados são presas fáceis para roubos ou furtos. Recomenda-se local que tenha uma profundidade de pelo menos uma vez a altura do tanque-rede (exemplo: um tanque-rede de 2,0 metros de altura, o local deve ter pelo menos 4 metros de profundidade na sua conta minima (mas isso pode ser adaptado de acordo com o local) Distância e posicionamento dos tanques-rede Geralmente os dos tanques-rede são posicionados em linhas podendo ser única (Figura 14) ou mais de uma. Quando for mais de uma linha sugere uma distância de 10 a 20 metros entre as linhas, Figura 15. A distancia entre os tanques-rede é uma a duas vezes o seu comprimento (exemplo: se o TR medir 3 metros de comprimento, a distancia será de 3 a 6 metros entre os demais). Foto: Flávio L. Nascimento Fonte: cultivodepeixes.com.br Figura 15: Tanques-rede dispostos em única linha. Figura 15: Tanques-rede dispostos em linhas duplas. 24

25 Tamanho e formatos de tanques-redes O tamanho dos tanques-redes variam de acordo com o tamanho da area a ser implantada, do financeiro, entre outros fatores, podendo variar de 1,0 m³ (1,0 x 1,0 x 1,0 m), 6,0 m³ (2,0 x 2,0 x 2,0), 13,5 m³ (3,0 x 3,0 x 1, 5 m), 4,0 m³ (2 m x 2 m x 1 m), e assim por diante. Os formatos pode ter quadrado, retangulares, cilindricos, hexagonal ou circular, sendo os mais utilizados o quadrado e o circular (Figura 15). O fluxo de água nesses formatos tem-se melhor distribuição conforme ilustrado na Figura 16. Fonte: engepesca.com.br Figura 16. Tanque-rede circular. Figura 17. Fluxo de água em tanque-rede Materiais utilizados na construção de TR Na fabricação da estrrtura de TR, pode-se utilizar diversos materiais como tubos e cantoneira de aluminio, aço galvanizados, madeira, barra de ferro soldadas e pintadas, entre putros. Nessas estrturas que são fixadas os flutuadores, as malhas, tampas e cabo de fixação que irão dar o formato ao TR. Dependedo da fase de criação dos peixes, utiliza malhas com a abetura especifica para cada fase (normalmente pode ser de 13mm a 25 mm). As tampas dos TR podem ser feitas com malhas maiores ou de igual tamanho ao TR (geralmente, com malhas de 25 mm. 25

26 Para a fixação dos TR pode usar cordas de nylon (espessura entre 14 e 20 mm), cabos de aços, esticados Sistemas de criação em Tanques-rede Monofásico: geralmente são estocados entre 30 a 50 g e despescados em peso comercial. Consideramos que a densidade de estocagem inicial de 300 peixes/m³ e a mortalidade próxima de 10%, a densidade final será em torno de 270 peixes/m3. Bifásico: criados alevinos por exemplo, fase I, peso médio inicial de 1,0g, que são criados em um tipo de bolsão de 4 m³, com malha entre 5 a 8 mm, durante 1 a 2 meses. Quando atingirem ao peso de 50g são transferidos para 4 outros tanques-rede (fase II) onde permanecem até atigirem peso comercial. Pode ter mortalidade de aproximadamente de 30 a 40%. Trifásico: fase I (1,0 até 50 g) nas condições de bifásico. Após transferidos para 2 outros TR, onde é realizada a fase II (até atingirem 200g, por exemplo), com mortalidade cerca de 10%. Depois, são transferidos para 4 outros TR (fase III), onde serão despescados quando atingirem peso comercial. 26

27 Principais espécies criadas em TR Tabela 4. Principais espécies criadas no Brasil. Espécie Densidade recomendada (TR) Tilápia Varia entre 100 a 250 peixes/m³. (Oreochromis sp.) Pirarucu Aproximadamente 30 kg/m³. (Arapaima gigas) Tambaqui 14 a 16 peixes/m³ (Colossoma macropomum) Pacu 50 a 75 peixes/m 3 (fase de terminação) (Piaractus mesopotamicus) Matrinxã 200 peixes/m³ (fase de alevinagem) e depois que (Brycon spp.) atingirem peso médio de 60g (50 peixes/m³) Surubim 50 a 100 peixes/m³. (Pseudoplatystoma sp.): Jundiá-cinza 75 e 100 peixes/m 3. (Rhamdia quelen) 27

28 9.0. REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS BOYD, C. E.; TUCKER, C. S. Pond aquaculture water quality management. Boston: Kluwer Academic, p. COSTA, O.T.F. et al. Susceptibility of the Amazonian fish, Colossoma macropomum (Serrasalminae), to shortterm exposure to nitrite. Aquaculture, v.232, p , CYRINO, J.E.P.; OLIVEIRA, A.M.B.M.S; COSTA, A.B. (Curso: Introdução à Piscicultura). Homepage. Disponível em: apostila-esalq-curso-atualizacao-em-piscicultura.pdf. Acesso: 04 de Agosto FOSS, A. et al. Growth and oxigen consumption in normal and O 2 supersaturated water, and interactive effects of O 2 saturation and ammonia on growth in spotted wolfish (Anarhichas minor Olafsen). Aquaculture v.224, p , FRANCES, J. et al. The effects of nitrite on the short-term growth of silver perch (Bidyanus bidyanus). Aquaculture, v.163, p.63-72, GONTIJO, V. P. M., OLIVEIRA, G. R., CARDOSO, E. L., MATTOS, B.O., SANTOS, M. D. Cultivo de Tilápias em tanques-rede. Boletim Técnico, nº 86. Belo Horizonte: EPAMIG, p. KUBITZA, F. Tilápia: Tecnologia e Planejamento na Produção comercial. 285 p MATSUZAKI, M.; MUCCI, J.J.N.; ROCHA, A Comunidade fitoplanctônica de um pesqueiro na cidade de São Paulo. Rev. Saúde Pública, 38(5): NASCIMENTO, L. F; OLIVEIRA, M. D. Noções básicas sobre piscicultura e cultivo em tanques-rede no Pantanal. Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (EMPRAPA), 31 p OSTRENSKY, A.; Boeger, W. Piscicultura: Fundamentos e técnicas de manejo. 211 p

Rio Doce Piscicultura

Rio Doce Piscicultura Rio Doce Piscicultura (19) 3633 2044 / (19) 3633 8587 / (19) 9 9512 2879 / (19) 9 8961-8180 contatos@riodocepiscicultura.com.br contatos@riodocepeixes.com.br CALAGEM, ADUBAÇÃO E DESINFECÇÃO DE VIVEIROS

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Centro de Aquicultura - Setor de Carcinicultura Responsável: Prof. Dr. Wagner Cotroni Valenti

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Centro de Aquicultura - Setor de Carcinicultura Responsável: Prof. Dr. Wagner Cotroni Valenti UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Centro de Aquicultura - Setor de Carcinicultura Responsável: Prof. Dr. Wagner Cotroni Valenti PREPARAÇÃO DO FUNDO, ADUBAÇÃO, CALAGEM E MANEJO DO FLUXO DE ÁGUA DOS VIVEIROS

Leia mais

Recebendo seus Alevinos

Recebendo seus Alevinos Recebendo seus Alevinos 1. Cuidados contra entrada e saída de peixes no viveiro O primeiro cuidado a ser tomado é a prevenção da entrada de peixes predadores nos viveiros. É possível fazer isso, protegendo

Leia mais

A tabela abaixo demonstra alguns índices de produtividade da espécie: valores sujeitos a alterações dados dezembro de 2008/ Mato Grosso do Sul.

A tabela abaixo demonstra alguns índices de produtividade da espécie: valores sujeitos a alterações dados dezembro de 2008/ Mato Grosso do Sul. O CULTIVO DOS SURUBINS PINTADO E CACHARA 1. PERSPECTIVAS PARA A CRIAÇÃO DOS SURUBINS Os surubins são peixes nobres, conhecidos e valorizados no mercado nacional, por sua carne branca, de sabor suave e

Leia mais

HILTON AMARAL JUNIOR EPAGRI / CEPC SC. CEPC.SC@MATRIX.COM.BR

HILTON AMARAL JUNIOR EPAGRI / CEPC SC. CEPC.SC@MATRIX.COM.BR A piscicultura em sistema integrado. HILTON AMARAL JUNIOR EPAGRI / CEPC SC. CEPC.SC@MATRIX.COM.BR Quando o esterco como qualquer outra matéria orgânica é adicionada a água de viveiros de peixes, parte

Leia mais

I - INTRODUÇÃO. II - O SISTEMA DE CULTIVO 1. Cultivo monofásico 2. Cultivo bifásico

I - INTRODUÇÃO. II - O SISTEMA DE CULTIVO 1. Cultivo monofásico 2. Cultivo bifásico I - INTRODUÇÃO II - O SISTEMA DE CULTIVO 1. Cultivo monofásico 2. Cultivo bifásico III - TANQUES REDE E GAIOLAS 1. Estruturas para tanque redes ou gaiolas 2. Abertura de malhas 3. Comedouros 4. Flutuadores

Leia mais

MANEJO ALIMENTAR DE PEIXES

MANEJO ALIMENTAR DE PEIXES MANEJO ALIMENTAR DE PEIXES Paula Adriane Perez Ribeiro 1 Juliana Sampaio Guedes Gomiero 2 Priscila Vieira Rosa Logato 3 1 Introdução Dentre os diversos aspectos relacionados à piscicultura, aqueles envolvidos

Leia mais

MANEJO DO CICLO DO ph PARA MANTER A SAÚDE ANIMAL SUMÁRIO:

MANEJO DO CICLO DO ph PARA MANTER A SAÚDE ANIMAL SUMÁRIO: MANEJO DO CICLO DO ph PARA MANTER A SAÚDE ANIMAL Por Claude E. Boyd, Ph.D. Department of Fisheries and Allied Aquacultures Alburn University Alburn, Alabama 36849 USA Artigo publicado na Revista Advocate

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: .

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: <http://www.pubvet.com.br/texto.php?id=430>. PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: . Uso de corretivos em tanques de piscicultura Fernanda Mara Cunha Freitas 1, Cássio Roberto

Leia mais

plantas aquáticas Controle de em viveiros de criação de peixe

plantas aquáticas Controle de em viveiros de criação de peixe 1 Controle de plantas aquáticas em viveiros de criação de peixe Por: Fernando Kubitza, Ph. D. Acqua Imagem Serviços Ltda fernando@acquaimagem.com.br lantas aquáticas e algas filamentosas podem tomar conta

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA AERAÇÃO NOS SISTEMAS DE PRODUÇÃO AQUÍCOLAS. Kátia Daniele do Nascimento

A IMPORTÂNCIA DA AERAÇÃO NOS SISTEMAS DE PRODUÇÃO AQUÍCOLAS. Kátia Daniele do Nascimento A IMPORTÂNCIA DA AERAÇÃO NOS SISTEMAS DE PRODUÇÃO AQUÍCOLAS. Kátia Daniele do Nascimento Universidade Federal de Minas Gerais Limnologia Aplicada à Aquicultura Prof. Ricardo Motta Pinto-Coelho Aquacultura

Leia mais

Parâmetros de qualidade da água. Variáveis Físicas Variáveis Químicas Variáveis Microbiológicas Variáveis Hidrobiológicas Variáveis Ecotoxicológicas

Parâmetros de qualidade da água. Variáveis Físicas Variáveis Químicas Variáveis Microbiológicas Variáveis Hidrobiológicas Variáveis Ecotoxicológicas Parâmetros de qualidade da água Variáveis Físicas Variáveis Químicas Variáveis Microbiológicas Variáveis Hidrobiológicas Variáveis Ecotoxicológicas Coloração - COR Variáveis Físicas associada à presença

Leia mais

Estudos sobre a implantação de tanques-rede em Reservatórios de Minas Gerais. CEMIG 2011 ELIZABETH LOMELINO CARDOSO elomelinoc@epamig.

Estudos sobre a implantação de tanques-rede em Reservatórios de Minas Gerais. CEMIG 2011 ELIZABETH LOMELINO CARDOSO elomelinoc@epamig. Estudos sobre a implantação de tanques-rede em Reservatórios de Minas Gerais CEMIG 2011 ELIZABETH LOMELINO CARDOSO elomelinoc@epamig.br Parques Aquícolas Decreto Nº 4.895 de 25 de novembro de 2003 (autorização

Leia mais

Tratamento de Efluentes na Aqüicultura

Tratamento de Efluentes na Aqüicultura Tratamento de Efluentes na Aqüicultura Alessandro Trazzi, Biólogo, Mestre em Engenharia Ambiental. Diretor de Meio Ambiente - CTA VI Seminário de Aqüicultura Interior, Cabo Frio Rio de Janeiro. Introdução

Leia mais

Nutrição completa para equinos. Linha Equinos. Rações Suplementos Minerais

Nutrição completa para equinos. Linha Equinos. Rações Suplementos Minerais Nutrição completa para equinos Linha Equinos Rações Suplementos Minerais Confiança, Tecnologia, Qualidade e Resultado Estes são os ingredientes que fazem a diferença dos produtos Fanton. Há mais de 25

Leia mais

Composição do solo. 3 partes: Física: granulometria, porosidade, textura, dadas principalmente pelos. Químico: nutrientes disponíveis e ph

Composição do solo. 3 partes: Física: granulometria, porosidade, textura, dadas principalmente pelos. Químico: nutrientes disponíveis e ph JARDINAGEM O que é solo? O solo é a camada superficial da crosta terrestre, sendo formado basicamente por aglomerados minerais, matéria orgânica oriunda da decomposição de animais e plantas e organismos

Leia mais

LIMA, Marcelo - 2016.

LIMA, Marcelo - 2016. PRINCÍPIOS DE BOAS PRÁTICAS DE MANEJO E MEDIDAS DE BIOSSEGURAÇA PARA A PRODUÇÃO SUSTENTÁVEL DO CAMARÃO Litopenaeus vannamei DIANTE DOS DESAFIOS IMPOSTOS PELAS ENFERMIDADES DE IMPORTANCIA ECONÔMICA. LIMA,

Leia mais

Qualidade da Água na Produção de Peixes - Parte II

Qualidade da Água na Produção de Peixes - Parte II Qualidade da Água na Produção de Peixes Parte II Por Fernando Kubitza, especialista em Nutrição e Produção de Peixes, mestre em Agronomia pela ESALQ USP e Ph.D em aqüicultura pela Auburn University Alabama,

Leia mais

Manual de qualidade da água para aquicultura

Manual de qualidade da água para aquicultura Manual de qualidade da água para aquicultura KT / KP ALFAKIT PRESERVE PRESERVE Alfakit Ltda Rua João Sampaio da Silva, 128 Capoeiras Florianópolis/SC 88090820 Fone (48) 30292300 vendas@alfakit.ind.br www.alfakit.ind.br

Leia mais

Piscicultores discutem custos de produção da aquicultura na região central do estado do Tocantins

Piscicultores discutem custos de produção da aquicultura na região central do estado do Tocantins Edição1 2014 Piscicultores discutem custos de produção da aquicultura na região central do estado do Tocantins Piscicultores e técnicos da região central do Tocantins se reuniram no dia 24 de julho de

Leia mais

Panorama da AQÜICULTURA, Janeiro/fevereiro, 1998

Panorama da AQÜICULTURA, Janeiro/fevereiro, 1998 QUALIDADE DA ÁGUA NA PRODUÇÃO DE PEIXES PARTE I Por Fernando Kubitza, especialista em Nutrição e Produção de Peixes, mestre em Engenharia Agrônoma pela ESALQ USP e Ph.D pela Auburn University Alabama,

Leia mais

RESPOSTA TÉCNICA 1 BOVINOS DE CORTE EM CONFINAMENTO MANEJO DE DEJETOS EM ESTERQUEIRA DIMENSIONAMENTO.

RESPOSTA TÉCNICA 1 BOVINOS DE CORTE EM CONFINAMENTO MANEJO DE DEJETOS EM ESTERQUEIRA DIMENSIONAMENTO. Núcleo de Pesquisa em Ambiência e Engenharia de Sistemas Agroindustriais AMBIAGRO Departamento de Engenharia Agrícola Universidade Federal de Viçosa ambiagro@ufv.br 031 3899 2729 031 3899 1865 RESPOSTA

Leia mais

Fertilização em Viveiros para Produção de Mudas

Fertilização em Viveiros para Produção de Mudas Fertilização em Viveiros para Produção de Mudas Produção de Mudas - No sistema de raiz nua Produção de mudas de Pinus no sul do BR - No interior de recipientes - Sacos plásticos - Tubetes Fertilização

Leia mais

Aeração e Aquicultura - Ar Difuso Peixes e Camarões

Aeração e Aquicultura - Ar Difuso Peixes e Camarões SNatural Ambiente Aeração e Aquicultura - Ar Difuso Peixes e Camarões Apostila 3: Aeração em Viveiros de Camarões e Peixes Aeração de Tanques pequenos em Série Apostila 1: Teoria de Aeração Apostila 2:

Leia mais

Claudinei Kurtz Eng Agr MSc Epagri EE Ituporanga Fertilidade do Solo e Nutrição de Plantas. Governo do Estado

Claudinei Kurtz Eng Agr MSc Epagri EE Ituporanga Fertilidade do Solo e Nutrição de Plantas. Governo do Estado NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DA CULTURA DA CEBOLA Claudinei Kurtz Eng Agr MSc Epagri EE Ituporanga Fertilidade do Solo e Nutrição de Plantas Governo do Estado AMOSTRAGEM DO SOLO Solo da camada 0-20cm 1ha = 2000

Leia mais

Bios Consultoria e Serviços Ambientais Ltda. MARÇO 2012 LAVRAS MG

Bios Consultoria e Serviços Ambientais Ltda. MARÇO 2012 LAVRAS MG 1 PLANO DE RESGATE DA ICTIOFAUNA NOS VÃOS DO VERTEDOURO PRINCIPAL DA UHE SANTO ANTÔNIO PARA CONSTRUÇÃO DAS OGIVAS FASE DE IMPLANTAÇÃO DA UHE SANTO ANTÔNIO, RIO MADEIRA/RO Bios Consultoria e Serviços Ambientais

Leia mais

MANEJO E CONSERVAÇÃO DO SOLO ADUBAÇÃO

MANEJO E CONSERVAÇÃO DO SOLO ADUBAÇÃO UNIPAC Faculdade Presidente Antônio Carlos GRANDES CULTURAS I MANEJO E CONSERVAÇÃO DO SOLO ADUBAÇÃO Profª Fernanda Basso Manejo e Conservação do Solo Sistema de manejo conjunto de operações que contribuem

Leia mais

FERTILIZANTES Fertilizante: Classificação Quanto a Natureza do Nutriente Contido Quanto ao Critério Químico Quanto ao Critério Físico

FERTILIZANTES Fertilizante: Classificação Quanto a Natureza do Nutriente Contido Quanto ao Critério Químico Quanto ao Critério Físico FERTILIZANTES Fertilizante: qualquer substância mineral ou orgânica, natural ou sintética, capaz de fornecer um ou mais nutrientes essenciais às plantas Classificação Quanto a Natureza do Nutriente Contido

Leia mais

MONITORAMENTO NICTIMIRAL DE PARAMETROS NITROGENADOS EM VIVEIRO DE PISCICULTURA NO MODELO MAVIPI DURANTE O INVERNO

MONITORAMENTO NICTIMIRAL DE PARAMETROS NITROGENADOS EM VIVEIRO DE PISCICULTURA NO MODELO MAVIPI DURANTE O INVERNO MONITORAMENTO NICTIMIRAL DE PARAMETROS NITROGENADOS EM VIVEIRO DE PISCICULTURA NO MODELO MAVIPI DURANTE O INVERNO Autores : Josué Rubens Schmoeller¹, Cesar Ademar Hermes² Identificação autores: 1 Bolsista

Leia mais

PLANTIO DIRETO. Definição JFMELO / AGRUFBA 1

PLANTIO DIRETO. Definição JFMELO / AGRUFBA 1 Definição JFMELO / AGRUFBA 1 INFLUÊNCIAS NO SOLO Matéria orgânica Estabilidade dos agregados e infiltração JFMELO / AGRUFBA 2 INFLUÊNCIAS NO SOLO Temperatura do solo JFMELO / AGRUFBA 3 INFLUÊNCIAS NO SOLO

Leia mais

Daniel Latorraca Ferreira Gestor de projetos do IMEA-

Daniel Latorraca Ferreira Gestor de projetos do IMEA- Daniel Latorraca Ferreira Gestor de projetos do IMEA- Índice Sobre o diagnóstico Aspectos sociais e produtivos Aspectos econômicos e mercadológicos Mercado consumidor Análise estratégica Sobre o diagnóstico

Leia mais

Nutrição e Alimentação de Tilápias - Parte 2 - Final

Nutrição e Alimentação de Tilápias - Parte 2 - Final Nutrição e Alimentação de Tilápias - Parte 2 - Final Por: Fernando Kubtiza, Ph.D. - Consultoria e Treinamento em Aqüicultura Devido a sua extensão, o texto Nutrição e alimentação foi dividido em duas partes.

Leia mais

BOAS PRÁTICAS DE MANEJO. Prof. Dr. Dalton José Carneiro

BOAS PRÁTICAS DE MANEJO. Prof. Dr. Dalton José Carneiro BOAS PRÁTICAS DE MANEJO NA ALIMENTAÇÃO DE PEIXES Prof. Dr. Dalton José Carneiro PRINCIPAIS FATORES DETERMINANTES DO DESEMPENHO NUTRICIONAL DAS DIETAS FORMULADAS PARA ORGANISMOS AQUÁTICOS Interdependência

Leia mais

DICAS SOBRE CRIAÇÃO E PESCA ESPORTIVA DO DOURADO: O MAIS COBIÇADO TROFÉU DOS RIOS BRASILEIROS.

DICAS SOBRE CRIAÇÃO E PESCA ESPORTIVA DO DOURADO: O MAIS COBIÇADO TROFÉU DOS RIOS BRASILEIROS. DICAS SOBRE CRIAÇÃO E PESCA ESPORTIVA DO DOURADO: O MAIS COBIÇADO TROFÉU DOS RIOS BRASILEIROS. 1 Nome popular: Dourado Ordem: Characiforme Família: Characidae Gênero: Salminus Espécies: maxillosus, brasiliensis

Leia mais

INFORMAÇÕES BÁSICAS. Equipe executora: Coordenador: Alina Stadnik Komarcheuski. Integrante 1: Gislaine Cristina Bill Kaelle

INFORMAÇÕES BÁSICAS. Equipe executora: Coordenador: Alina Stadnik Komarcheuski. Integrante 1: Gislaine Cristina Bill Kaelle INFORMAÇÕES BÁSICAS Título do projeto: Nutrilápia - Elaboração de um Software de formulação de ração destinado à Tilápia do Nilo (Oreochromis niloticus). Equipe executora: Coordenador: Alina Stadnik Komarcheuski

Leia mais

Culturas. A Cultura do Milho. Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha

Culturas. A Cultura do Milho. Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha 1 de 5 10/16/aaaa 11:24 Culturas A Cultura do Milho Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha Informações resumidas sobre a cultura do milho

Leia mais

TAMBAQUI alimentando com eficiência para reduzir custos

TAMBAQUI alimentando com eficiência para reduzir custos 1 Por: Fernando Kubitza, Ph.D. Acqua Imagem Serviços em Aquicultura fernando@acquaimagem.com.br entre os peixes amazônicos, o tambaqui é a espécie de maior destaque na América Latina, em especial no Brasil.

Leia mais

MÉTODOS DE CORREÇÃO DO SOLO

MÉTODOS DE CORREÇÃO DO SOLO MÉTODOS DE CORREÇÃO DO SOLO O laudo (Figura 1) indica os valores determinados no laboratório para cada camada do perfil do solo, servindo de parâmetros para direcionamento de métodos corretivos. Figura

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO OESTE CEO CURSO DE ZOOTECNIA MARCIO PEDROSO BARBOSA

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO OESTE CEO CURSO DE ZOOTECNIA MARCIO PEDROSO BARBOSA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO OESTE CEO CURSO DE ZOOTECNIA MARCIO PEDROSO BARBOSA PROCESSO PRODUTIVO AGOSTO/SETEMBRO 2009 NATIV PESCADOS U.N.E. 1. CHAPECÓ

Leia mais

Aplicação da hidrologia para prevenção de desastres naturais, com ênfase em mapeamento

Aplicação da hidrologia para prevenção de desastres naturais, com ênfase em mapeamento Jaraguá do Sul, 27 e 28 de agosto de 2012 Curso de Capacitação Aplicação da hidrologia para prevenção de desastres naturais, com ênfase em mapeamento Gean P. Michel (UFSC) Masato Kobiyama (UFSC) Roberto

Leia mais

IMPERMEABILIZAÇÃO DE RESERVATÓRIO DE ÁGUA PARA COMBATE A INCÊNDIO, IRRIGAÇÃO E LAVAGEM COM GEOMEMBRANA DE PEAD NEOPLASTIC AZUL JACUTINGA - MG

IMPERMEABILIZAÇÃO DE RESERVATÓRIO DE ÁGUA PARA COMBATE A INCÊNDIO, IRRIGAÇÃO E LAVAGEM COM GEOMEMBRANA DE PEAD NEOPLASTIC AZUL JACUTINGA - MG IMPERMEABILIZAÇÃO DE RESERVATÓRIO DE ÁGUA PARA COMBATE A INCÊNDIO, IRRIGAÇÃO E LAVAGEM COM GEOMEMBRANA DE PEAD NEOPLASTIC AZUL JACUTINGA - MG AUTOR: Departamento Técnico de Geomembrana NeoPlastic Eng Daniel

Leia mais

Aquaponia: IFPB Campus Sousa

Aquaponia: IFPB Campus Sousa Aquaponia: IFPB Campus Sousa O longo período de estiagem ocasionou a falta de água para produção de peixes no setor de Piscicultura do Campus Sousa. Diante desse desafio buscou-se uma forma de se produzir

Leia mais

- Manual Prático e Fundamentos. SNatural Meio Ambiente

- Manual Prático e Fundamentos. SNatural Meio Ambiente Tratamento de Água - Manual Prático e Fundamentos SNatural Meio Ambiente Rua das Orquídeas, 94 Vila Mariana SP São Paulo 04050 000 Fone: 11 5072 5452 www.snatural.com.br snatural@sti.com.br 1 Tratamento

Leia mais

sistema com bioflocos

sistema com bioflocos Panorama da AQÜICULTURA, maio, junho, 2011 1 Por: Fernando Kubitza, Ph. D. Acqua Imagem Serviços Ltda fernando@acquaimagem.com.br Criação de tilápias em Foto 1 - Bioflocos sob microscopia, sendo possível

Leia mais

De uma fazenda para outra, há uma grande variação nas taxas de produção de bagres. www.outdooralabama.com

De uma fazenda para outra, há uma grande variação nas taxas de produção de bagres. www.outdooralabama.com De uma fazenda para outra, há uma grande variação nas taxas de produção de bagres. www.outdooralabama.com Para aumentar a produtividade e os lucros, no caso dos tanques escavados, não é necessário aumentar

Leia mais

RESUMO. Introdução. 1 Acadêmicos PVIC/UEG, graduandos do Curso de Agronomia, UnU Ipameri - UEG.

RESUMO. Introdução. 1 Acadêmicos PVIC/UEG, graduandos do Curso de Agronomia, UnU Ipameri - UEG. EFEITOS DE FERTILIZANTES E CORRETIVOS NO ph DO SOLO Tiago Trevizam de Freitas 1 ; Zélio de Lima Vieira 1 ; Valter de Oliveira Neves Júnior 1 ; Rodolfo Araújo Marques 1 ; Raimar Vinícius Canêdo 1 ; Adilson

Leia mais

Atenção no manejo dos peixes na saída do inverno Por: Fernando Kubitza, Ph.D. Acqua & Imagem - Jundiaí-SP fernando@acquaimagem.com.

Atenção no manejo dos peixes na saída do inverno Por: Fernando Kubitza, Ph.D. Acqua & Imagem - Jundiaí-SP fernando@acquaimagem.com. Atenção no manejo dos peixes na saída do inverno Por: Fernando Kubitza, Ph.D. Acqua & Imagem - Jundiaí-SP fernando@acquaimagem.com.br E stamos chegando ao final do inverno nas regiões sul e sudeste, que

Leia mais

AGRICOTEC. Empresa catarinense, voltada para o ramo agroindustrial, está investindo fortemente na Aqüicultura, principalmente

AGRICOTEC. Empresa catarinense, voltada para o ramo agroindustrial, está investindo fortemente na Aqüicultura, principalmente EQUIPAMENTOS PARA PISCICULTURA Empresa catarinense, voltada para o ramo agroindustrial, está investindo fortemente na Aqüicultura, principalmente em equipamentos para piscicultura e carnicicultura que

Leia mais

Noções básicas sobre piscicultura e cultivo em tanques-rede no Pantanal

Noções básicas sobre piscicultura e cultivo em tanques-rede no Pantanal Noções básicas sobre piscicultura e cultivo em tanques-rede no Pantanal Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Pantanal Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Noções básicas

Leia mais

AULA 4 AGLOMERANTES continuação

AULA 4 AGLOMERANTES continuação AULA 4 AGLOMERANTES continuação Disciplina: Materiais de Construção I Professora: Dra. Carmeane Effting 1 o semestre 2014 Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Engenharia Civil O que tem em comum

Leia mais

QUALIDADE DA RAÇÃO E MANEJO ALIMENTAR NA SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA E AMBIENTAL EM EMPREENDIMENTOS AQUÍCOLAS

QUALIDADE DA RAÇÃO E MANEJO ALIMENTAR NA SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA E AMBIENTAL EM EMPREENDIMENTOS AQUÍCOLAS QUALIDADE DA RAÇÃO E MANEJO ALIMENTAR NA SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA E AMBIENTAL EM EMPREENDIMENTOS AQUÍCOLAS Eduardo Gianini Abimorad Dr., PqC do Polo Regional Noroeste Paulista/APTA abimorad@apta.sp.gov.br

Leia mais

QUÍMICA CELULAR NUTRIÇÃO TIPOS DE NUTRIENTES NUTRIENTES ENERGÉTICOS 4/3/2011 FUNDAMENTOS QUÍMICOS DA VIDA

QUÍMICA CELULAR NUTRIÇÃO TIPOS DE NUTRIENTES NUTRIENTES ENERGÉTICOS 4/3/2011 FUNDAMENTOS QUÍMICOS DA VIDA NUTRIÇÃO QUÍMICA CELULAR PROFESSOR CLERSON CLERSONC@HOTMAIL.COM CIESC MADRE CLÉLIA CONCEITO CONJUNTO DE PROCESSOS INGESTÃO, DIGESTÃO E ABSORÇÃO SUBSTÂNCIAS ÚTEIS AO ORGANISMO ESPÉCIE HUMANA: DIGESTÃO ONÍVORA

Leia mais

Sistemas de Recirculação:

Sistemas de Recirculação: Sistemas de Recirculação: Sistemas fechados com tratamento e reuso da água Por: Fernando Kubitza, Ph.D. Acqua & Imagem - Jundiaí-SP fernando@acquaimagem.com.br Experientes ou não em piscicultura, a maioria

Leia mais

ÁGUA. Água conhecida como elemento vital. primitivas. evoluídas. História da humanidade relação simples e intrínseca: Homem/Água.

ÁGUA. Água conhecida como elemento vital. primitivas. evoluídas. História da humanidade relação simples e intrínseca: Homem/Água. ÁGUA Água conhecida como elemento vital Comunidades primitivas evoluídas Água Sobrevivência História da humanidade relação simples e intrínseca: Homem/Água. Civilizações mais primitivas comunidades nômades

Leia mais

1. Introdução. Ajuste na carga de peixes em função da temperatura

1. Introdução. Ajuste na carga de peixes em função da temperatura Transporte de Peixes Vivos Fernando Kubitza, Ph.D. (Eng. Agrônomo) Departamento de Zootecnia - ESALQ-USP Caixa Postal 9, Piracicaba, SP, Brazil, 13418-900 Telefone: (019) 429-4135 Fax: (019) 429-4285 Dentre

Leia mais

Matéria Orgânica do solo (m.o.s)

Matéria Orgânica do solo (m.o.s) Matéria Orgânica do solo (m.o.s) Objetivos Proporcionar conhecimentos básicos sobre a origem e dinâmica da m.o. do solo; Conhecer suas características e propriedades; Discutir como algumas propriedades

Leia mais

Equipamentos e sistemas para fertirrigação

Equipamentos e sistemas para fertirrigação Equipamentos e sistemas para fertirrigação FERTIRRIGAÇÃO é a aplicação de fertilizantes através da água de irrigação (EMBRAPA UVA E VINHO) Não só adubos são aplicados por meio da água de irrigação pois

Leia mais

CICLOS BIOGEOQUÍMICOS

CICLOS BIOGEOQUÍMICOS CICLOS BIOGEOQUÍMICOS O fluxo de energia em um ecossistema é unidirecional e necessita de uma constante renovação de energia, que é garantida pelo Sol. Com a matéria inorgânica que participa dos ecossistemas

Leia mais

AMBIENTAL MS PROJETOS EQUIPAMENTOS E SISTEMAS

AMBIENTAL MS PROJETOS EQUIPAMENTOS E SISTEMAS AMBIENTAL MS PROJETOS EQUIPAMENTOS E SISTEMAS MANUAL DE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO SISTEMA DE APROVEITAMENTO DE ÁGUA PLUVIAL MS TAC 4000 REV.02 2 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO AO SISTEMA DE TRATAMENTO PARA REUSO....

Leia mais

clara (branca ou prateada) minimizam o aquecimento da água nos tanques de transporte pela radiação solar, principalmente nos dias quentes de verão.

clara (branca ou prateada) minimizam o aquecimento da água nos tanques de transporte pela radiação solar, principalmente nos dias quentes de verão. Transporte de Peixes Vivos Parte II Por Fernando Kubitza, Especialista em Aqüicultura, Projeto Pacu e-mail: prj_pacu@alanet.com.br Esta é a continuação da íntegra do artigo "Transporte de Peixes Vivos"

Leia mais

TRATAMENTO DA ÁGUA. Professora: Raquel Malta Química 3ª série - Ensino Médio

TRATAMENTO DA ÁGUA. Professora: Raquel Malta Química 3ª série - Ensino Médio TRATAMENTO DA ÁGUA Professora: Raquel Malta Química 3ª série - Ensino Médio Água poluída: água inadequada para beber ou para fazer nossa higiene. Diversas substâncias naturalmente presentes na água são

Leia mais

Tecnologia EM no Meio Ambiente

Tecnologia EM no Meio Ambiente Tecnologia EM no Meio Ambiente Os Microorganismos Benéficos podem fazer muito mais do que bons vinhos e queijos, eles também podem ajudar a amenizar impactos ambientais. O EM 1 tem uma ampla gama de aplicações

Leia mais

IMPORTÂNCIA DA NUTRIÇÃO NO DESEMPENHO DAS AVES POEDEIRAS

IMPORTÂNCIA DA NUTRIÇÃO NO DESEMPENHO DAS AVES POEDEIRAS IMPORTÂNCIA DA NUTRIÇÃO NO DESEMPENHO DAS AVES POEDEIRAS ALEXANDRE DA SILVA SECHINATO Médico veterinário Pesquisador Tortuga Cia Zootecnica Agrária INTRODUÇÃO Ovo é um excelente alimento Alimento completo

Leia mais

Abaixo pode ver como funciona a maior das 197 ETAs de São Paulo, a de Guaraú, que fica na zona norte da capital e abastece 8,1 milhões de pessoas!

Abaixo pode ver como funciona a maior das 197 ETAs de São Paulo, a de Guaraú, que fica na zona norte da capital e abastece 8,1 milhões de pessoas! A água captada de rios ou represas vem com folhas, peixes, lodo e muitas bactérias. Para chegar às casas limpa e sem cheiro, ela passa cerca de três horas dentro de uma estação de tratamento (ETA), o que

Leia mais

Engº. Gandhi Giordano

Engº. Gandhi Giordano Processos físico-químicos e biológicos associados para tratamento de chorume Engº. Gandhi Giordano Professor Adjunto do Departamento de Engª Sanitária e Meio Ambiente da UERJ Diretor Técnico da TECMA Tecnologia

Leia mais

CATALOGAÇÃO NA PUBLICAÇÃO Ficha de catalogação elaborada por Míriam Moema Loss CRBIlO-801

CATALOGAÇÃO NA PUBLICAÇÃO Ficha de catalogação elaborada por Míriam Moema Loss CRBIlO-801 CATALOGAÇÃO NA PUBLICAÇÃO Ficha de catalogação elaborada por Míriam Moema Loss CRBIlO-801 085p Ostrensky, Antonio Piscicultura : fundamentos e técnicas de manejo / Antonio Ostrensky, Walter Boeger. - -

Leia mais

Nutrição do cafeeiro e uso de Sódio S na agricultura. de Oliveira Silva Guilherme Maluf Breno Geraldo Rabelo Leblon Urbano Guimarães

Nutrição do cafeeiro e uso de Sódio S na agricultura. de Oliveira Silva Guilherme Maluf Breno Geraldo Rabelo Leblon Urbano Guimarães Nutrição do cafeeiro e uso de Sódio S na agricultura Júlio César C de Oliveira Silva Guilherme Maluf Breno Geraldo Rabelo Leblon Urbano Guimarães Sumário 1. História do café no Brasil 2. Conceitos e legislação

Leia mais

Mª Regina Menino Mª Amélia Castelo-Branco J. Casimiro Martins

Mª Regina Menino Mª Amélia Castelo-Branco J. Casimiro Martins Mª Regina Menino Mª Amélia Castelo-Branco J. Casimiro Martins ? O QUE É O SOLO? É um meio natural, limitado, que tem origem na desagregação do material originário ou rocha-mãe, através de um processo designado

Leia mais

LISTA DE ANEXOS MAPA DE LOCALIZAÇÃO DOS PONTOS DE AMOSTRAGEM

LISTA DE ANEXOS MAPA DE LOCALIZAÇÃO DOS PONTOS DE AMOSTRAGEM UHE SANTO ANTÔNIO INFORMAÇÕES ADICIONAIS SOBRE A QUALIDADE DE ÁGUA NO IGARAPÉ CEARÁ DURANTE A ESTABILIZAÇÃO DO RESERVATÓRIO DA UHE SANTO ANTÔNIO E SOLICITAÇÕES ENVIADAS POR EMAIL MARÇO/2012 INDICE 1 APRESENTAÇÃO...

Leia mais

O uso de concentrado para vacas leiteiras Contribuindo para eficiência da produção

O uso de concentrado para vacas leiteiras Contribuindo para eficiência da produção Leite relatório de inteligência JANEIRO 2014 O uso de concentrado para vacas leiteiras Contribuindo para eficiência da produção Na busca da eficiência nos processos produtivos na atividade leiteira este

Leia mais

SILVICULTURA E MANEJO FLORESTAL

SILVICULTURA E MANEJO FLORESTAL SILVICULTURA E MANEJO FLORESTAL Fase 1: Produção de Mudas e Recomendações de Adubação no Viveiro 1. Sistemas de Produção de Mudas de eucalipto e pinus Mudas em saquinhos Atualmente, os recipientes mais

Leia mais

NOVA AMBI SERVIÇOS ANALÍTICOS LTDA.

NOVA AMBI SERVIÇOS ANALÍTICOS LTDA. NOVA AMBI SERVIÇOS ANALÍTICOS LTDA. R-A 124/2009 Rev. 1 São Paulo, 18 de Agosto de 2009. À FUND. APLICAÇÕES DE TECNOL. CRÍTICAS - ATECH Rua do Rócio, 313 11º andar Vila Olimpia SÃO PAULO SP At.: Sr. Abrahão

Leia mais

REPRODUÇÃO INDUZIDA DE PACU (PIARACTUS MESOPOTAMICUS) COM O USO DE DIFERENTES HORMÔNIOS COMERCIAIS

REPRODUÇÃO INDUZIDA DE PACU (PIARACTUS MESOPOTAMICUS) COM O USO DE DIFERENTES HORMÔNIOS COMERCIAIS REPRODUÇÃO INDUZIDA DE PACU (PIARACTUS MESOPOTAMICUS) COM O USO DE DIFERENTES HORMÔNIOS COMERCIAIS Vander Bruno dos Santos Zootecnista, Dr. PqC do Pólo Regional Alta Sorocabana/APTA vander@apta.sp.gov.br

Leia mais

TAXA DE ARRAÇOAMENTO DO Astyanax bimaculatus

TAXA DE ARRAÇOAMENTO DO Astyanax bimaculatus TAXA DE ARRAÇOAMENTO DO Astyanax bimaculatus Cristhian Roberto Hartmann¹, Anderson Sloboda 1, Álvaro Célio Grocholski 1, Luiz Henrique da Silva 2, Moreira, Luiz Sérgio 3, Adolfo JATOBÁ 4. ¹Bolsista 170/2014

Leia mais

AVALIAÇÃO DE CARACTERÍSTICAS FÍSICO-QUIMICAS E BIOLÓGICAS DA ÁGUA NO CAMPUS II DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS RESUMO

AVALIAÇÃO DE CARACTERÍSTICAS FÍSICO-QUIMICAS E BIOLÓGICAS DA ÁGUA NO CAMPUS II DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS RESUMO AVALIAÇÃO DE CARACTERÍSTICAS FÍSICO-QUIMICAS E BIOLÓGICAS DA ÁGUA NO CAMPUS II DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Antônio Pasqualetto 1, Fernando Alcântara 2, Flávia de Sousa 2, Carlos Vieira 2, Levi Martins

Leia mais

FERTILIZANTES, ESCOLHA DE FÓRMULAS E TIPOS DE ADUBOS

FERTILIZANTES, ESCOLHA DE FÓRMULAS E TIPOS DE ADUBOS FERTILIZANTES, ESCOLHA DE FÓRMULAS E TIPOS DE ADUBOS Absorção plantas Prof. Dilmar Baretta (UDESC/CEO) & Profa. Carolina Baretta (UDESC/CEO/UNOCHAPECÓ) Roteiro da aula: 1) Noções de fertilizantes e escolha

Leia mais

Tecnologia EM na Vida Cotidiana. Os Microorganismos Benéficos podem fazer muito mais do s, eles também podem ajudar você no seu dia a dia.

Tecnologia EM na Vida Cotidiana. Os Microorganismos Benéficos podem fazer muito mais do s, eles também podem ajudar você no seu dia a dia. Tecnologia EM na Vida Cotidiana Os Microorganismos Benéficos podem fazer muito mais do que bons vinhos e queijos, s, eles também podem ajudar você no seu dia a dia. O EM 1 tem uma ampla gama de aplicações

Leia mais

Manejo de Solos. Curso de Zootecnia Prof. Etiane Skrebsky Quadros

Manejo de Solos. Curso de Zootecnia Prof. Etiane Skrebsky Quadros Manejo de Solos Curso de Zootecnia Prof. Etiane Skrebsky Quadros Aula 3: Manejo de adubação fosfatada em pastagens 1. Características Macronutriente Móvel na planta Junto com o N e o K, são os 3 mais exigidos

Leia mais

I-007 - UTILIZAÇÃO DA PRÉ-FILTRAÇÃO E FILTRAÇÃO LENTA NO TRATAMENTO DE ÁGUA PARA PISCICULTURA

I-007 - UTILIZAÇÃO DA PRÉ-FILTRAÇÃO E FILTRAÇÃO LENTA NO TRATAMENTO DE ÁGUA PARA PISCICULTURA I-7 - UTILIZAÇÃO DA PRÉ-FILTRAÇÃO E FILTRAÇÃO LENTA NO TRATAMENTO DE ÁGUA PARA PISCICULTURA José Euclides Stipp Paterniani (1) Engenheiro Civil, Mestre em Hidráulica e Saneamento pela USP, 1986, Doutor

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA INSTALAÇÃO DE FOSSA SÉPTICA E SUMIDOURO EM SUA CASA

INSTRUÇÕES PARA INSTALAÇÃO DE FOSSA SÉPTICA E SUMIDOURO EM SUA CASA INSTRUÇÕES PARA INSTALAÇÃO DE FOSSA SÉPTICA E SUMIDOURO EM SUA CASA A participação da Comunidade é fundamental Na preservação do Meio Ambiente COMPANHIA DE SANEAMENTO AMBIENTAL DO DISTRITO FEDERAL ASSESSORIA

Leia mais

https://www.youtube.com/watch?v=ejyyhuxkn8y

https://www.youtube.com/watch?v=ejyyhuxkn8y https://www.youtube.com/watch?v=ejyyhuxkn8y Definição é a camada superficial da crosta terrestre formada por quatro elementos principais: a, o, a e os. Possui importância fundamental para variadas atividades

Leia mais

Curso Aproveitamento de água de chuva em cisternas para o semi-árido 5 a 8 de maio de 2009. Construção de cisternas

Curso Aproveitamento de água de chuva em cisternas para o semi-árido 5 a 8 de maio de 2009. Construção de cisternas Curso Aproveitamento de água de chuva em cisternas para o semi-árido 5 a 8 de maio de 2009 Tema 3: Construção de cisternas Rodolfo Luiz Bezerra Nóbrega Universidade Federal de Campina Grande Financiadores:

Leia mais

Streptococcus sp. Boletim Técnico

Streptococcus sp. Boletim Técnico Boletim Técnico S Streptococcus sp. C A Estreptococose é uma doença causada por bactérias gram positivas do gênero Streptococcus sp. e S. agalactiae. Esta é considerada a enfermidade de maior impacto econômico

Leia mais

FOSSA SÉPTICA ECOLIMP

FOSSA SÉPTICA ECOLIMP Guia de Instalação FOSSA SÉPTICA ECOLIMP Importante: Ler atentamente todo o manual para a instalação e uso correto deste produto. guia_fossa_septica_1397x2159_v02.indd 1 07/06/2010 14:46:27 1. Apresentação

Leia mais

A Vida no Solo. A vegetação de um local é determinada pelo solo e o clima presentes naquele local;

A Vida no Solo. A vegetação de um local é determinada pelo solo e o clima presentes naquele local; A Vida no Solo A Vida no Solo A vegetação de um local é determinada pelo solo e o clima presentes naquele local; O solo é constituído por alguns componentes: os minerais, o húmus, o ar, a água e os seres

Leia mais

Valongo- 24 de abril de 2014. Ana Heitor ana.heitor@arsnorte.min-saude.pt

Valongo- 24 de abril de 2014. Ana Heitor ana.heitor@arsnorte.min-saude.pt Ana Heitor ana.heitor@arsnorte.min-saude.pt Água, o princípio de todas as coisas Tales de Mileto, 625 a.c. Ideias são sementes Há 2.000 anos, a população mundial correspondia a 3% da população actual,

Leia mais

Piscicultura. Fatores competitivos. Valor aproximado. Agronegócios

Piscicultura. Fatores competitivos. Valor aproximado. Agronegócios Piscicultura Descrição Empreender e atrair projetos para consolidação e expansão da piscicultura em Alagoas, envolvendo todos os elos da cadeia produtiva: criadores, beneficiadores, fornecedores de insumos

Leia mais

Recebido em: 01/09/2013 Aprovado em: 30/10/2013 Publicado em: 18/11/2013

Recebido em: 01/09/2013 Aprovado em: 30/10/2013 Publicado em: 18/11/2013 INFLUÊNCIA DAS DENSIDADES DE ESTOCAGEM NA QUALIDADE DA ÁGUA E NO DESEMPENHO PRODUTIVO DE ALEVINOS DE TILÁPIA (Oreochromis niloticus) CULTIVADOS EM TANQUES-REDE Josevaldo Alves dos Santos 1, Delka de Oliveira

Leia mais

Natural Ambiente Ar Difuso e Aquicultura - Aeração. 1) Desestratificação e Aeração de Lagos e Tanques pg 4.

Natural Ambiente Ar Difuso e Aquicultura - Aeração. 1) Desestratificação e Aeração de Lagos e Tanques pg 4. 1 Ar Difuso e Aquicultura - Aeração 1) Desestratificação e Aeração de Lagos e Tanques pg 4. 2) Aeração em Viveiros de Camarões e Piscicultura e Aeração de Tanques pequenos em Série pg 8. 3) Aeração em

Leia mais

Características dos Ovos

Características dos Ovos Características dos Ovos Miryelle Freire Sarcinelli 1 (e-mail: miryelle@hotmail.com) Katiani Silva Venturini 1 (e-mail: katiani_sv@hotmail.com) Luís César da Silva 2 (website: www.agais.com) 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

I o SEMINÁRIO REGIONAL DE AQÜICULTURA. 15 de Outubro 2004 Silva jardim. Presidente da OADS Vice Presidente da OADS

I o SEMINÁRIO REGIONAL DE AQÜICULTURA. 15 de Outubro 2004 Silva jardim. Presidente da OADS Vice Presidente da OADS AUTOMAÇÃO EM AQÜICULTURA I o SEMINÁRIO REGIONAL DE AQÜICULTURA DULCÍCOLA 15 de Outubro 2004 Silva jardim Ronald Cruz Ubirajara S. Japiassu Presidente da OADS Vice Presidente da OADS Introdução Introdução

Leia mais

FORMAS DE INJEÇÃO DE FERTILIZANTES COMPONENTES DE UM SISTEMA DE IRRIGAÇÃO LOCALIZADA

FORMAS DE INJEÇÃO DE FERTILIZANTES COMPONENTES DE UM SISTEMA DE IRRIGAÇÃO LOCALIZADA FORMAS DE INJEÇÃO DE FERTILIZANTES COMPONENTES DE UM SISTEMA DE IRRIGAÇÃO LOCALIZADA Motobomba ou reservatório elevado Central de controle: Dispositivos para medir vazão e pressão; registros; válvulas

Leia mais

Manejo na produção de peixes. Parte 2. O uso eficiente da aeração: fundamentos e aplicação

Manejo na produção de peixes. Parte 2. O uso eficiente da aeração: fundamentos e aplicação Panorama da AQÜICULTURA, setembro/outubro, 2008 1 Por: Fernando Kubitza, Ph. D. Acqua & Imagem Serviços Ltda. fernando@acquaimagem.com.br Na edição passada, iniciamos uma série de artigos sobre práticas

Leia mais

Fatores que proporcionam a grande produção e variedade agrícola:

Fatores que proporcionam a grande produção e variedade agrícola: Fatores que proporcionam a grande produção e variedade agrícola: Muito extenso Solos férteis Clima variado Bom regime pluviométrico Extensas planícies Cultivo variado Problemas: Falta de reforma agrária

Leia mais

A Pecuária é uma actividade agrária que consiste na criação de animais (gado) para a obtenção de carne, leite, lã, peles e, ainda, de força de

A Pecuária é uma actividade agrária que consiste na criação de animais (gado) para a obtenção de carne, leite, lã, peles e, ainda, de força de A Pecuária é uma actividade agrária que consiste na criação de animais (gado) para a obtenção de carne, leite, lã, peles e, ainda, de força de trabalho nas actividades agrícolas. Por gado entende-se o

Leia mais

Eco Houses / Casas ecológicas. Juliana Santos Rafaela Castilho Sandra Aparecida Reis Sislene Simões Curso:Tecnologia em Gestão Ambiental

Eco Houses / Casas ecológicas. Juliana Santos Rafaela Castilho Sandra Aparecida Reis Sislene Simões Curso:Tecnologia em Gestão Ambiental Eco Houses / Casas ecológicas Juliana Santos Rafaela Castilho Sandra Aparecida Reis Sislene Simões Curso:Tecnologia em Gestão Ambiental IDHEA - INSTITUTO PARA O DESENVOLVIMENTO DA HABITAÇÃO ECOLÓGICA Conceito:

Leia mais

3. AMOSTRAGEM DO SOLO

3. AMOSTRAGEM DO SOLO 3. AMOSTRAGEM DO SOLO Reinaldo Bertola Cantarutti 1 Victor Hugo Alvarez V. 2 Antônio Carlos Ribeiro 3 3.1. Introdução A amostragem do solo é a primeira e principal etapa de um programa de avaliação da

Leia mais

Produção Sustentável de Tilápias em Tanques-rede

Produção Sustentável de Tilápias em Tanques-rede Produção Sustentável de Tilápias em Tanques-rede Alex Frederico de Novaes Consultor Técnico Guabi Novaes & Martins Aquicultura - T Ó P I C O S - MERCADO LOCALIZAÇÃO DA PISCICULTURA ESTRUTURA: TANQUES,

Leia mais

CASE: PROJETO PISCICULTURA DE ÁGUA DOCE

CASE: PROJETO PISCICULTURA DE ÁGUA DOCE Semana de Sustentabilidade 16 a 19 de setembro de 2014 CASE: PROJETO PISCICULTURA DE ÁGUA DOCE UMA ALTERNATIVA DE RENDA E DE INSERÇÃO SOCIAL, PARA PRODUTORES RURAIS DA ÁREA DE ABRANGÊNCIA DA UHE BARRA

Leia mais