A QUESTÃO RACIAL NO ENSINO SECUNDÁRIO BAIANO: PROBLEMATIZANDO O LIVRO DIDÁTICO DE HISTÓRIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A QUESTÃO RACIAL NO ENSINO SECUNDÁRIO BAIANO: PROBLEMATIZANDO O LIVRO DIDÁTICO DE HISTÓRIA"

Transcrição

1 A QUESTÃO RACIAL NO ENSINO SECUNDÁRIO BAIANO: PROBLEMATIZANDO O LIVRO DIDÁTICO DE HISTÓRIA Maria Cristina Dantas PINA UESB/PQI-CAPES Neste trabalho analisa-se como o escravo negro foi retratado nos livros didáticos História do Brasil (1900), de João Ribeiro; História do Brasil (1919), de Rocha Pombo; e Compêndio de História do Brasil (1929), de Veiga Cabral[1]. Busca-se perceber as relações entre os conteúdos desses livros e o contexto vivido por seus autores e leitores. O nosso recorte temporal são as três primeiras décadas do século XX e o recorte empírico se atém ao Ginásio da Bahia, criado em Até a década de 1940 o Ginásio era a única instituição pública de ensino secundário na Bahia. Durante esse período o Ginásio formou gerações, principalmente ligadas às elites baianas, só a partir de meados da década de 1940 que se estendeu às classes mais populares. Nesse sentido é importante verificar a partir dessa Instituição os conteúdos escolares referentes ao negro e sua escravidão presentes nos livros didáticos ali utilizados. Inicialmente apresentam-se os autores e suas obras, situando-os em seu contexto histórico e em suas concepções teóricas. Daí parte-se para a análise do conteúdo dos livros no que diz respeito à escravidão negra. Por fim, tecem-se algumas conclusões no sentido de pontuar os desafios colocados para a pesquisa em curso e as possibilidades abertas para a discussão do livro didático e seu conteúdo referente ao negro. Livro didático e escravidão Ribeiro, Rocha Pombo e Veiga Cabral A produção dos compêndios de história do Brasil, a partir do século XIX, foi marcada pelo modelo de história defendido pelo IHGB que, dentre outros aspectos, caracterizou-se pela centralidade das explicações racistas. A biologia foi utilizada para explicar as diferenças e superioridade dos europeus brancos. Com a instalação da República e num momento histórico de mudanças mundiais, tais pilares não foram alterados. Assim, num contexto de intensas transformações sociais e permanências no campo das idéias que são produzidos os livros que analisamos. Os livros de João Ribeiro, Rocha Pombo e Veiga Cabral foram indicados para uso no Colégio Pedro II (Ginásio Nacional) e, em decorrência, também indicado em outras instituições do ensino secundário, a exemplo do Ginásio da Bahia. Foram utilizados por décadas, principalmente os dois primeiros que foram reeditados até a década de sujeitos, saberes e práticas. 1

2 O livro História do Brasil curso superior, de João Ribeiro[2], foi publicado em As referências em relação ao negro e sua escravidão aparecem em três capítulos diferentes. No capítulo II Tentativa de unidade e organização de defesa -, no item As três raças a sociedade (07 páginas); no capítulo VI A formação do Brasil -, no item A escravidão negra (12 páginas) e no capítulo XI O Império: Progresso da democracia -, nos itens Revolta dos negros na Bahia (03 páginas) e A Abolição (04 páginas); perfazendo um total de 26 páginas num total de 540 páginas. Ribeiro organiza seu livro de forma completamente diferente do que até então tinha se visto em matéria de livro didático. Segundo ele próprio, os nossos livros didacticos de historia pátria dão excessiva importância à acção dos governadores e à administração, puros agentes (e deficientíssimos) da nossa defesa externa (p. 18). Daí propõe outra forma de narrar a história do Brasil, pois sua formação deve ser entendida a partir do colono, do jesuíta e do mameluco, da acção dos índios e dos escravos negros (p. 17). João Ribeiro estava envolvido com as idéias do historicismo alemão e o modelo de von Martius; além das concepções antropológicas em voga no Brasil. Para ele a história, assim como apontou von Martius, caracteriza-se pela multiplicidade de origens e de pontos de iniciação no vasto território. Muito diferente da periodização linear tão comum aos manuais didáticos, inclusive os de Rocha Pombo e Veiga Cabral. Logo, seu livro torna-se um marco na historiografia brasileira por esta inovação e pela riqueza de pesquisa histórica. Também vai ser um construtor da idéia de nação a partir da República. Segundo Melo (1997), Ribeiro vê a República como única forma de governo capaz de realizar o verdadeiro ideal da Fundação da própria nação, encontro da vontade do povo, do homem nacional (p. 6). Sua história vai ser marcada por esta concepção, caracterizado por Melo[3] como um texto republicano. O manual didático História do Brasil, de Rocha Pombo[4], foi publicado pela primeira vez em 1919, com o objetivo de ser utilizado nas aulas dos dois últimos anos do curso secundário. O livro é composto de 23 capítulos[5], que vão desde o Descobrimento do Brasil até à Proclamação da República, possui 502 páginas, com 90 ilustrações. No geral o livro segue as marcas tradicionais de periodização da História do Brasil, seguindo os fatos político-administrativos que marcaram a formação da nação e do Estado brasileiro: descobrimento, colonização, independência, abolição, sujeitos, saberes e práticas. 2

3 proclamação da república, marcas da história político-econômica, cuja abordagem tendia a condenar a colonização e valorizar os movimentos de independência e a construção da República, numa trajetória linear. Assim como Ribeiro, o sentimento republicano perpassa todo o texto. Nada mais coerente com as posturas políticas do seu autor que participou ativamente do movimento republicano. A presença do escravo negro é destacada em três capítulos: capítulo VI Divisão do Brasil em dois governos, e reunião posterior em um só -, no item Importação de Africanos com sete páginas; no capítulo XI Palmares, Emboabas e Mascates -, no item Os Quilombos dos Palmares com sete páginas; e no capítulo XXII A Abolição com seis páginas. Portanto o autor dedica apenas 20 páginas para analisar aproximadamente 400 anos de escravidão. Já o manual de Mário da Veiga Cabral[6] foi editado pela primeira vez em Caracteriza-se por apresentar uma lista extensa de fatos da história políticoadministrativa do Brasil e uma exaltação dos feitos de alguns personagens da vida política nacional. Sua concepção de história, portanto, centra-se na narrativa linear dos fatos predominantemente políticos, valorizando a ação de personagens isolados na história. O livro é dividido em 42 capítulos, composto de 359 páginas. Parte da colonização até os feitos republicanos da década de Apenas dois capítulos tratam da temática do negro: cap. XII Guerra dos Palmares (4 páginas) e o cap. XXX Libertação dos escravos (9 páginas), perfazendo um total de 13 páginas apenas. Esses livros são fontes importantes para a análise da questão aqui perseguida a escravidão negra e sua apropriação pela escola secundária baiana. Todos os três manuais didáticos foram produzidos num mesmo contexto histórico, embora tragam concepções e metodologias diferentes como visto anteriormente. Todos três autores viveram a experiência de lecionar História do Brasil e construíram os livros para tal fim. Eles viveram intensamente as transformações sócio-políticas, econômicas e culturais da transição do século XIX para o século XX, participando ativamente da vida intelectual brasileira. Eram intelectuais ligados ao IHGB e atuavam na vida intelectual do Rio de Janeiro, então capital da República. Logo, é fundamental entender como eles pensavam a escravidão negra. Para tanto, divide-se a análise das obras a partir de temáticas específicas: tráfico de escravos, resistência escrava e abolição. sujeitos, saberes e práticas. 3

4 O Tráfico de Escravos Os três autores condenam o tráfico de escravos. João Ribeiro e Rocha Pombo assumem uma posição crítica no tocante as condições do tráfico e dos negros. No entanto, eles, da mesma forma, constroem justificativas para a existência da escravidão e do tráfico a partir da concepção das diferenças e hierarquia entre as raças. Cada qual a seu modo, buscam explicar a escravidão a partir do próprio negro. João Ribeiro constrói uma justificativa para a escravidão muito próxima das idéias de Nina Rodrigues a anterior existência na África. Seus argumentos contribuíram para a consolidação dessa idéia na historiografia brasileira, mesmo ele ressaltando ser esta uma desculpa por parte dos traficantes. A escravidão para as nações negras era a pena de quase todos os delictos; o pae podia vender, o juiz (o sova) podia condemnar qualquer à escravidão; o rei podia escravizar os vassalos e a guerra podia escravizar a todos. D esse principio bárbaro (cuja execução facilitavam ou procuravam originar), aproveitavam-se os traficantes comprando e resgatando a ímpia propriedade. Com isso se desculpavam dizendo ser a escravidão mais um negócio africano, do que d elles traficantes (p. 246). Daí ele inicia a condenação do tráfico, descrevendo suas atrocidades e suas condições subumanas, tecendo duras críticas às condições de higiene e humanidade. Destaca as doenças causadas pelas condições do tráfico, demonstrando como a morte é um resultado dessas condições. Porém, mesmo condenado as péssimas condições do tráfico, constrói toda uma justificativa para afirmar que a escravidão na América representou uma melhoria nas condições de vida do negro africano. Citando o Bispo Azeredo Coutinho, Ribeiro passa a idéia que no Novo Mundo ele encontrou uma escravidão mais amena, principalmente quanto tinha a sorte de conseguir um senhor cristão e condolente. Consolida, assim, a idéia de uma escravidão branda, mesmo reconhecendo seus exageros, pois a mesma representou para os negros uma melhoria das condições de vida. Força é confessar que de toda essa jornada de horrores a escravidão no Brasil é o epílogo desejado para os escravos. D aqui em diante, a vida dos negros regulariza-se, a saúde refaz-se e com ella a alegria da vida e a gratidão pelos novos Senhores, que melhores que os da África e os do mar (p. 249). Descreve também um quadro harmônico das relações entre senhores e escravos, atribuída essa harmonia à boa índole do homem branco. Ribeiro, mais uma vez, recorre à questão das diferenças entre as raças para justificar as atitudes diante dos negros escravos. Rocha Pombo justifica a escravidão pela inferioridade da raça africana: Da sujeitos, saberes e práticas. 4

5 escravidão histórica nasceu; isto é, a exploração do cativeiro como negócio. Esta é exclusiva e característica das raças africanas degradadas, desde que se puseram em relação com outras raças em mais alto grau de cultura. (p. 125) Informa sobre a importância econômica do tráfico, seu funcionamento e destaca a diversidade étnica na distribuição do negro no Brasil. Outra questão tratada por ele é o tráfico interno entre as cidades e as fazendas. Também chama a atenção para o aspecto da miscigenação, principalmente facilitada pelos escravos domésticos, e as marcas deixadas pela mistura entre as raças. Percebe-se, assim como Ribeiro, uma visão hierárquica das raças. Afirma a influência do negro em todos os aspectos da vida social e constrói uma defesa do seu papel na formação do país, muitas vezes o caracterizando com heroísmo e superior ao indígena. E prossegue na afirmação da unidade nacional, justificando-a pelo aspecto moral das três raças. Mário de Veiga Cabral não destaca um item específico para essa temática, pontuando brevemente a respeito da introdução dos negros no Brasil no item relacionado ao Quilombo dos Palmares, utilizando de longos trechos de citação de João Ribeiro. Resistência escrava João Ribeiro destaca o processo de resistência escrava dando como exemplo as revoltas negras na Bahia, não tratando especificamente da experiência de Palmares, como fez os outros dois autores. Nessa parte da obra, Ribeiro cai em contradição com suas análises anteriores. Ele ressalta a ousadia e luta dos negros contra as atrocidades dos senhores e afirma: não tão raras quanto podem parecer, havia em todo o tempo da escravidão as sublevações dos negros (p. 487). Como exemplo cita Palmares e os quilombos de uma forma geral. Contradizendo com o espírito cristão escrito no capítulo VI, ele chega a justificar a rebeldia dos negros pelo tratamento cruel recebido. Em seguida descreve a revolta de negros malés, na Bahia em 1835, atribuindo às desordens regenciais e às guerras civis a facilidade da sua explosão. Em seguida, Ribeiro afirma ser o espírito de liberdade do negro um resultado da sociedade em que estavam inseridos, resultado do espírito livre do homem branco, voltando à sua concepção hierárquica das raças. Rocha Pombo, ao tratar da resistência escrava, destaca a experiência do sujeitos, saberes e práticas. 5

6 Quilombo dos Palmares. Percebe-se, também, a ambigüidade presente no discurso do autor: por um lado reforça a concepção hegemônica do período sobre a inferioridade e o perigo do negro para a sociedade brasileira, mas, por outro lado, não deixa de demonstrar certa admiração pela coragem, determinação e organização desses africanos. Quando define o quilombo, sua visão preconceituosa sobressai: É assim que se foram formando esses temerosos agrupamentos que desde o começo do referido século se fizeram em todas as capitanias o terror dos viandantes e das povoações indefesas (p. 210). Em seguida, responsabiliza, de certa forma, os holandeses pela formação dos quilombos e não a crueldade da condição do escravo, manifestando, mais uma vez, sua concepção republicana, patriótica. Além disso, descreve também um pouco da organização política e da vida social desses quilombos. Ao falar da resistência dos negros aquilombados, manifesta a sua concepção de história enquanto formadora da nação, seu espírito nacionalista, patriótico. Coloca nos negros os sentimentos patrióticos que gostaria que todos os brasileiros tivessem, construindo assim uma explicação para a resistência a partir dos ideais de nação. Porém volta a manifestar a temeridade e preocupação com essas vitórias. Era preciso, na sua visão, urgência na destruição de Palmares: (...) eram gerais as queixas e reclamos das populações, expostas à audácia crescente dos negros, vangloriosos daqueles repetidos insucessos dos brancos (p. 242). Nesse momento, o discurso histórico de Rocha Pombo contribui para a construção de outro mito da historiografia nacional o Bandeirante. Constrói a imagem do bandeirante como herói, único capaz de derrotar tantos negros. Veiga Cabral também descreve a experiência de Palmares, destacando um capítulo específico para tal (cap. XII). Explica sua ocorrência também a partir da invasão holandesa e, assim como Rocha Pombo, reforça o mito do sertanejo paulista o bandeirante. Por fim, comenta a reação dos negros às várias expedições e descreve a tomada definitiva do território de palmares pelo governo colonial. Abolição da Escravatura João Ribeiro inicia a discussão justificando que irá apenas fazer algumas indicações dessa temática, pois a história contemporânea ainda não pode ser devidamente descrita, mesmo assim tece algumas considerações. Ressalta, em forma de crítica, que fomos um dos últimos povos a emancipar seus sujeitos, saberes e práticas. 6

7 escravos. Inicia uma justificativa para tal situação pelo numero imenso do trafico. Daí passa a narrar o processo que levou à abolição definitiva. Descreve o caminho de leis e resoluções que levaram à abolição. Indica uma simpatia e ação de D. Pedro II em favor da Emancipação, mostrando suas atitudes para o desdobramento de um processo gradual e pacífico, diferentemente do contexto norte americano. Mostra-se simpático à gradatividade da emancipação, em nome da civilização e para evitar tumultos. Os descontentamentos com a abolição somaram-se a outros descontentamentos políticos levando, segundo João Ribeiro, à proclamação da República. Nessa mesma linha, Rocha Pombo descreve o processo de libertação da escravatura associada a um contexto de mudanças institucionais por que passava o Brasil, o qual o levou à proclamação da República, obra máxima segundo o autor. Analisa a abolição como uma das reformas mais importantes para o destino da nação, porém ressalta e justifica a necessidade de prudência que ocorreu na sua efetivação. Justifica a demora para a efetivação da abolição a partir do legado da colonização e do perigo que a mesma representava para a estrutura sócio-econômica brasileira. Assim, reconhece o prejuízo histórico da escravidão, mas, ao mesmo tempo, consciente do papel econômico que a escravidão representava, defendendo os interesses dos grandes proprietários rurais, ele reforça a necessidade do processo ter sido gradual e lento. Abolição sim, mas sem prejuízos para os proprietários de escravos. Esta foi a posição de muitos abolicionistas oriundos da classe social proprietária de terra e escravos, que soube muito bem conciliar o liberalismo econômico com a mão de obra escrava. Mário da Veiga Cabral, por conseguinte, apresenta a idéia de libertação dos escravos como bem anterior ao movimento abolicionista, já presente no movimento mineiro de 1789 e na Constituição de Destaca o papel dos abolicionistas, citando Nabuco e José do Patrocínio. Destaca, também, o apoio da Igreja, através da influência de Leão XIII. Em seguida cita o texto da Lei Áurea, indicando que sua aprovação significou um alvoroço popular. Essa descrição demonstra o romantismo que cercou uma parte das análises historiográficas sobre esse fato. Além disso, elas são responsáveis por reforçar o estabelecimento de mitos e heroísmos em personagens históricos como a Princesa sujeitos, saberes e práticas. 7

8 Izabel. Considerações Finais No geral, os três autores sustentam-se numa visão de história como manifestação da trajetória da formação da nação brasileira, consolidada com a proclamação da República. Como parte dessa concepção de história, o escravo negro aparece como elemento formador da nação brasileira, porém ocupando um lugar menor nesse processo pela inferioridade da raça e das civilizações africanas em relação à civilização européia. Apesar de destacarem, muitas vezes em tom de denúncia, a crueldade da escravidão, justificam sua existência por séculos em nome de um projeto maior a construção da nação brasileira livre e soberana. O livro de João Ribeiro, diferentemente dos outros, incorpora as mudanças teórico-metodológicas do final do XIX e início do XX, tornando-se um marco na historiografia brasileira por esta inovação e pela riqueza de pesquisa histórica. Contudo, assim como Rocha Pombo e Veiga Cabral, continua pensando a temática escrava como os intelectuais do IHGB. Ribeiro justifica a escravidão, apresentando uma versão branda e humanizada pelo espírito cristão do brasileiro. Mostra-se inovador, podendo ser considerado um precursor das idéias de Gilberto Freyre, destacando o caráter filantrópico dos colonos que demarca o diferencial no regime escravista brasileiro. Nossa escravidão foi assim, segundo ele, mais humana e mais frouxa. No geral, os autores demonstram certa simpatia pelo negro e por sua coragem, condenam a escravidão, embora permaneçam imbuídos da visão de inferioridade da raça negra e da sua função nesta pátria. Demonstram simpatia pela causa abolicionista e percebem sua necessidade histórica. Rocha Pombo bem mais ávido na defesa, mesmo considerando a gradação necessária. A obra de Veiga Cabral pode ser considerada mais tradicional, sem maiores aprofundamentos na narrativa dos fatos. Em relação à questão do escravo negro utiliza muito o próprio João Ribeiro, portanto, também contrário à escravidão, mas dando-a como fato consolidado e justificado. Mesmo sendo uma análise preliminar, pode-se afirmar que na História do Brasil escrita para uso no ensino secundário contribui para a manutenção, por décadas, de uma sociedade sustentada em privilégios econômicos, os quais têm respaldo nos valores sujeitos, saberes e práticas. 8

9 ideológicos que justificavam a posição social de superioridade assumida pelos brancos. Nesse sentido consideramos que João Ribeiro, Rocha Pombo e Veiga Cabral reforçam uma visão do negro hegemônica naquele período inferior, atrasado culturalmente, incapaz de progredir tecnologicamente e, portanto, destinado ao fracasso ou ao desaparecimento. O que terá repercussões fundamentais no espaço escolar, no processo de formação de uma cultura escolar e suas relações na sociedade como um todo. [1]CABRAL, M. V. Compêndio de História do Brasil. 6ª edição. Rio de Janeiro: Jacintho Ribeiro dos Santos, 1929; POMBO, J. F. R. História do Brasil, 6 a ed., São Paulo: Companhia Melhoramentos, 1952 e RIBEIRO, J. História do Brasil curso médio, 17 a ed., Rio de Janeiro: Livraria Francisco Alves, [2] João Batista Ribeiro de Andrade Fernandes nasceu em Larangeiras (SE) em 24 de junho de Em 1881 mudou-se para o Rio de Janeiro. Fez concurso para o Colégio Pedro II em 1887 para cadeira de Português, nomeado professor de História Universal e do Brasil (no externato) em Colaborou com jornais como O País e O Correio do Povo que apoiavam as causas abolicionista e republicana. Em 1895 fez sua primeira viagem à Europa, momento em que aprofundou nos estudos do historicismo germânico. Em 1898 foi indicado para a primeira vaga da Academia Brasileira de Letras. Silvio Romero foi parceiro intelectual numa intensa produção. Morreu em 13 de abril de (Melo, 1997). [3]MELO, C. F. C. B. Senhores da História: a construção do Brasil em dois manuais didáticos de história na segunda metade do século XIX. São Paulo: USP/FFLCH, 1997, p.7. [4] José Francisco da Rocha Pombo Nasceu em Morretes, no Paraná, a 4 de dezembro de Bacharel em Ciências Jurídicas e Sociais pela Faculdade de Direito do Rio de Janeiro, exerceu a função de jornalista, professor, poeta e historiador. Em 1875 fundou e dirigiu o jornal "O Povo" em Curitiba, no qual fez campanhas abolicionista e republicana, sendo eleito deputado provincial em 1886 pelo Partido Conservador. Mudou-se em 1897 para a Capital Federal. Ingressou por concurso na congregação do Colégio Pedro II e lecionou, também, na Escola Normal. Em 1900 foi admitido como sócio efetivo do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro. Em 16 de março de 1933 foi eleito membro da Academia Brasileira de Letras, mas, já bastante doente não chegou a tomar posse, falecendo no Rio de Janeiro em 26 de julho de (www.abl.org.br) sujeitos, saberes e práticas. 9

10 [5]Acrescido na sua 8ª edição (1958) de mais um capítulo, o capítulo XXIV Constituição de Governo Constitucional até o de Washington Luis. Constituições de 1934,1937 e 1946 e de Quadro sinóptico da nossa história redigidos pelo revisor Hélio Vianna. Cabe destacar que nesse artigo utiliza-se a edição de [6]Mário Vasconcelos da Veiga Cabral era engenheiro agrimensor, exercia a profissão de professor de história e de geografia no Colégio Militar e Escola Normal. Seus livros didáticos tiveram grande aceitação nos estabelecimentos de ensino secundário. sujeitos, saberes e práticas. 10

A ESCRAVIDÃO NO LIVRO DIDÁTICO DE HISTÓRIA: PROBLEMATIZANDO A QUESTÃO RACIAL NA EDUCAÇÃO SECUNDÁRIA BRASILEIRA NA PRIMEIRA REPÚBLICA RESUMO

A ESCRAVIDÃO NO LIVRO DIDÁTICO DE HISTÓRIA: PROBLEMATIZANDO A QUESTÃO RACIAL NA EDUCAÇÃO SECUNDÁRIA BRASILEIRA NA PRIMEIRA REPÚBLICA RESUMO 1884 A ESCRAVIDÃO NO LIVRO DIDÁTICO DE HISTÓRIA: PROBLEMATIZANDO A QUESTÃO RACIAL NA EDUCAÇÃO SECUNDÁRIA BRASILEIRA NA PRIMEIRA REPÚBLICA Maria Cristina Dantas Pina Universidade Estadual do Sudoeste da

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

CADERNO DE ATIVIDADES. História

CADERNO DE ATIVIDADES. História COLÉGIO ARNALDO 2015 CADERNO DE ATIVIDADES História Aluno (a): 4º ano: Turma: Professor (a): Valor: 20 pontos Conteúdo de Recuperação O que é História. Identificar a História como ciência. Reconhecer que

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL CESAR STANGE EFM.

COLÉGIO ESTADUAL CESAR STANGE EFM. COLÉGIO ESTADUAL CESAR STANGE EFM. PLANO DE TRABALHO DOCENTE - 2012 Professora: Ana Claudia Martins Ribas Disciplina: História - 8º ano -Fundamental 1º BIMESTRE Conteúdos Básicos: -Povos, Movimentos e

Leia mais

SEDUC SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS BRIANTE ANA MARIA DO NASCIMENTO CAMPOS

SEDUC SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS BRIANTE ANA MARIA DO NASCIMENTO CAMPOS SEDUC SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS BRIANTE ANA MARIA DO NASCIMENTO CAMPOS A CHEGADA DOS PORTUGUESES A AMÉRICA E AS VIAGENS MARÍTIMAS Projeto apresentado e desenvolvido

Leia mais

MINERAÇÃO E REVOLTAS NO BRASIL COLONIAL

MINERAÇÃO E REVOLTAS NO BRASIL COLONIAL MINERAÇÃO E REVOLTAS NO BRASIL COLONIAL Portugal: crises e dependências -Portugal: acordos comerciais com a Inglaterra; -Exportação de produtos brasileiros; -Tratado de Methuen: redução fiscal para os

Leia mais

BRASIL: O ENSINO SUPERIOR ÀS PRIMEIRAS UNIVERSIDADES COLÔNIA IMPÉRIO PRIMEIRA REPÚBLICA

BRASIL: O ENSINO SUPERIOR ÀS PRIMEIRAS UNIVERSIDADES COLÔNIA IMPÉRIO PRIMEIRA REPÚBLICA BRASIL: O ENSINO SUPERIOR ÀS PRIMEIRAS UNIVERSIDADES COLÔNIA IMPÉRIO PRIMEIRA REPÚBLICA Tânia Regina Broeitti Mendonça 1 INTRODUÇÃO: Os espanhóis fundaram universidades em seus territórios na América desde

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA ENSINO MÉDIO ÁREA CURRICULAR: CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS DISCIPLINA: HISTÓRIA SÉRIE 1.ª CH 68 ANO 2012 COMPETÊNCIAS:. Compreender

Leia mais

CURSO E COLÉGIO ESPECÍFICO. Darcy Ribeiro e O povo brasileiro Disciplina: Sociologia Professor: Waldenir 2012

CURSO E COLÉGIO ESPECÍFICO. Darcy Ribeiro e O povo brasileiro Disciplina: Sociologia Professor: Waldenir 2012 CURSO E COLÉGIO ESPECÍFICO Darcy Ribeiro e O povo brasileiro Disciplina: Sociologia Professor: Waldenir 2012 Sociologia Darcy Ribeiro e O povo brasileiro Antropologia Literatura Atuação política Propostas

Leia mais

HISTÓRIA - MATERIAL COMPLEMENTAR OITAVO ANO ENSINO FUNDAMENTAL II PROF. ROSE LIMA

HISTÓRIA - MATERIAL COMPLEMENTAR OITAVO ANO ENSINO FUNDAMENTAL II PROF. ROSE LIMA HISTÓRIA - MATERIAL COMPLEMENTAR OITAVO ANO ENSINO FUNDAMENTAL II PROF. ROSE LIMA INDEPENDÊNCIA DO Colonização: espanhola até 1697, posteriormente francesa. Produção açucareira. Maioria da população:

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR:

ESTRUTURA CURRICULAR: ESTRUTURA CURRICULAR: Definição dos Componentes Curriculares Os componentes curriculares do Eixo 1 Conhecimentos Científico-culturais articula conhecimentos específicos da área de história que norteiam

Leia mais

500 anos: O Brasil Colônia na TV

500 anos: O Brasil Colônia na TV 500 anos: O Brasil Colônia na TV Episódio 5: A Conquista da terra e da gente Resumo O episódio 5, A Conquista da terra e da gente, parte da série 500 anos: O Brasil Colônia na TV, apresenta o processo

Leia mais

A expansão dos EUA (séc. XVIII-XX)

A expansão dos EUA (séc. XVIII-XX) 1803 Os Estados Unidos compram a Louisiana da França. Cronologia 1846 a 1848 Guerra do México. Os Estados Unidos conquistam e anexam os territórios da Califórnia, Novo México, Nevada, Arizona e Utah. 1810

Leia mais

PLANO DE ENSINO DE HISTÓRIA 5ª. SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL 1º BIMESTRE

PLANO DE ENSINO DE HISTÓRIA 5ª. SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL 1º BIMESTRE PLANO DE ENSINO DE HISTÓRIA 5ª. SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL 1º BIMESTRE - Sistemas sociais e culturais de notação de tempo ao longo da história, - As linguagens das fontes históricas; - Os documentos escritos,

Leia mais

América: a formação dos estados

América: a formação dos estados América: a formação dos estados O Tratado do Rio de Janeiro foi o último acordo importante sobre os limites territoriais brasileiros que foi assinado em 1909, resolvendo a disputa pela posse do vale do

Leia mais

Memórias de um Brasil holandês. 1. Responda: a) Qual é o período da história do Brasil retratado nesta canção?

Memórias de um Brasil holandês. 1. Responda: a) Qual é o período da história do Brasil retratado nesta canção? Material elaborado pelo Ético Sistema de Ensino Ensino fundamental Publicado em 2012 Prova bimestral 3 o Bimestre 4 o ano história Data: / / Nível: Escola: Nome: Memórias de um Brasil holandês Nessa terra

Leia mais

Provão. História 5 o ano

Provão. História 5 o ano Provão História 5 o ano 61 Os reis portugueses governaram o Brasil à distância, até o século XIX, porém alguns acontecimentos na Europa mudaram essa situação. Em que ano a família real portuguesa veio

Leia mais

A Bandeira Brasileira e Augusto Comte

A Bandeira Brasileira e Augusto Comte A Bandeira Brasileira e Augusto Comte Resumo Este documentário tem como ponto de partida um problema curioso: por que a frase Ordem e Progresso, de autoria de um filósofo francês, foi escolhida para constar

Leia mais

Projeto - A afrodescendência brasileira: desmistificando a história

Projeto - A afrodescendência brasileira: desmistificando a história Projeto - A afrodescendência brasileira: desmistificando a história Tema: Consciência Negra Público-alvo: O projeto é destinado a alunos do Ensino Fundamental - Anos Finais Duração: Um mês Justificativa:

Leia mais

Construção do Espaço Africano

Construção do Espaço Africano Construção do Espaço Africano Aula 2 Colonização Para melhor entender o espaço africano hoje, é necessário olhar para o passado afim de saber de que forma aconteceu a ocupação africana. E responder: O

Leia mais

COLÉGIO MARISTA DE BRASÍLIA Educação Infantil e Ensino Fundamental Aluno(a): 8º Ano: Nº Professor(a): Data: / / Componente Curricular: HISTÓRIA

COLÉGIO MARISTA DE BRASÍLIA Educação Infantil e Ensino Fundamental Aluno(a): 8º Ano: Nº Professor(a): Data: / / Componente Curricular: HISTÓRIA COLÉGIO MARISTA DE BRASÍLIA Educação Infantil e Ensino Fundamental Aluno(a): 8º Ano: Nº Professor(a): Data: / / Componente Curricular: HISTÓRIA 2011/HIST8ANOEXE2-PARC-1ºTRI-I AVALIAÇÃO PARCIAL 1º TRIMESTRE

Leia mais

História. baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo

História. baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo História baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo 1 PROPOSTA CURRICULAR DA DISCIPLINA DE HISTÓRIA Middle e High School 2 6 th Grade A vida na Grécia antiga: sociedade, vida cotidiana, mitos,

Leia mais

João Paulo I O NORDESTE COLONIAL. Professor Felipe Klovan

João Paulo I O NORDESTE COLONIAL. Professor Felipe Klovan João Paulo I O NORDESTE COLONIAL Professor Felipe Klovan A ECONOMIA AÇUCAREIRA Prof. Felipe Klovan Portugal já possuía experiência no plantio da cana-de-açúcar nas Ilhas Atlânticas. Portugal possuía banqueiros

Leia mais

1º ano. A reconquista ibérica e as grandes navegações Capítulo 10: Item 2 A revolução comercial Capítulo 12: Item 3 O Novo Mundo Capítulo 10: Item 2

1º ano. A reconquista ibérica e as grandes navegações Capítulo 10: Item 2 A revolução comercial Capítulo 12: Item 3 O Novo Mundo Capítulo 10: Item 2 1º ano O absolutismo e o Estado Moderno Capítulo 12: Todos os itens A reconquista ibérica e as grandes navegações Capítulo 10: Item 2 A revolução comercial Capítulo 12: Item 3 O Novo Mundo Capítulo 10:

Leia mais

3.360 H/AULA (*) CURRÍCULO PLENO/

3.360 H/AULA (*) CURRÍCULO PLENO/ MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: HISTÓRIA LICENCIATURA PLENA SERIADO ANUAL 3 (TRÊS) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 03 (TRÊS) ANOS LETIVOS - MÁXIMO = 05 (CINCO)

Leia mais

1º ano. 1º Bimestre. Revolução Agrícola Capítulo 1: Item 5 Egito - política, economia, sociedade e cultura - antigo império

1º ano. 1º Bimestre. Revolução Agrícola Capítulo 1: Item 5 Egito - política, economia, sociedade e cultura - antigo império Introdução aos estudos de História - fontes históricas - periodização Pré-história - geral - Brasil As Civilizações da Antiguidade 1º ano Introdução Capítulo 1: Todos os itens Capítulo 2: Todos os itens

Leia mais

Gabarito oficial preliminar: História

Gabarito oficial preliminar: História 1) Questão 1 Segundo José Bonifácio, o fim do tráfico de escravos significaria uma ameaça à existência do governo porque Geraria uma crise econômica decorrente da diminuição da mão de obra disponível,

Leia mais

Resumo Aula-tema 09:A miscigenação étnico-racial e sua influência na construção social do Brasil

Resumo Aula-tema 09:A miscigenação étnico-racial e sua influência na construção social do Brasil Resumo Aula-tema 09:A miscigenação étnico-racial e sua influência na construção social do Brasil Introdução No Brasil, a questão étnico-racial tem estado em pauta, nos últimos anos, em debates sobre políticas

Leia mais

CULTURA AFRO CULTURA AFRO

CULTURA AFRO CULTURA AFRO CULTURA AFRO ESCOPO Apresentamos o projeto Cultura Afro com o compromisso de oferecer aos alunos do ensino fundamental um panorama completo e diversificado sobre a cultura afro em nosso país. Levamos em

Leia mais

Jogli - 2012!! Gabarito: 1.E. 2.A. 3.E. 4.B. Geografia 2012!!!

Jogli - 2012!! Gabarito: 1.E. 2.A. 3.E. 4.B. Geografia 2012!!! Jogli - 2012!! Gabarito: 1.E. 2.A. 3.E. 4.B. Geografia 2012!!! 1.(UFABC 2009) Exibicionismo burguês. Verdadeiros espetáculos da evolução humana (as e xposições universais) traziam um pouco de tudo: de

Leia mais

SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO

SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO 1 - INTRODUÇÃO Séc. XIX consolidação da burguesia: ascensão do proletariado urbano (classe operária) avanço do liberalismo.

Leia mais

1º ano. 1) Relações de Trabalho, Relações de Poder...

1º ano. 1) Relações de Trabalho, Relações de Poder... Liberdade, propriedade e exploração. A revolução agrícola e as relações comerciais. Capítulo 1: Item 5 Relações de trabalho nas sociedades indígenas brasileiras e americanas. Escravidão e servidão. Divisão

Leia mais

A PRESENÇA NEGRA NO PARÁ: RESENHA DE UM

A PRESENÇA NEGRA NO PARÁ: RESENHA DE UM R E S E N H A A PRESENÇA NEGRA NO PARÁ: RESENHA DE UM TRABALHO PIONEIRO SALLES, VICENTE. O NEGRO NO PARÁ. SOB O REGIME DA ESCRAVIDÃO. 3ª EDIÇÃO. BELÉM: INSTITUTO DE ARTES DO PARÁ, 2005. JOSÉ MAIA BEZERRA

Leia mais

A estrutura social e as desigualdades

A estrutura social e as desigualdades 3 A estrutura social e as desigualdades Unidade As desigualdades sociais instalaram se no Brasil com a chegada dos portugueses. Os povos indígenas foram vistos pelos europeus como seres exóticos e ainda

Leia mais

O candidato deverá demonstrar uma visão globalizante do processo transformacional

O candidato deverá demonstrar uma visão globalizante do processo transformacional CIÊNCIAS HUMANAS (HISTÓRIA/ATUALIDADES/GEOGRAFIA) O candidato deverá demonstrar uma visão globalizante do processo transformacional das sociedades através dos tempos, observando os fatores econômico, histórico,

Leia mais

A guerra holandesa no Brasil ajudou a pôr ainda com mais evidência. diante dos nossos olhos o problema racial, já que brancos, negros e índios se

A guerra holandesa no Brasil ajudou a pôr ainda com mais evidência. diante dos nossos olhos o problema racial, já que brancos, negros e índios se 1 A guerra holandesa no Brasil ajudou a pôr ainda com mais evidência diante dos nossos olhos o problema racial, já que brancos, negros e índios se envolveram na arrumação da sociedade étnica que estava

Leia mais

COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150

COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 PLANEJAMENTO ANUAL DE HISTÓRIA 8º ANO PROFESSOR: MÁRCIO AUGUSTO

Leia mais

NEGROS EM SOBRAL NO SÉCULO XIX (1880-1884): UM ESTUDO SOB A ÓTICA DA HISTÓRIA E DO DIREITO

NEGROS EM SOBRAL NO SÉCULO XIX (1880-1884): UM ESTUDO SOB A ÓTICA DA HISTÓRIA E DO DIREITO NEGROS EM SOBRAL NO SÉCULO XIX (1880-1884): UM ESTUDO SOB A ÓTICA DA HISTÓRIA E DO DIREITO Sabrina Nascimento de Carvalho, Universidade Estadual Vale do Acaraú - UVA, sabrinaerarisson@hotmail.com Rárisson

Leia mais

Resenha do livro: GONDRA, José Gonçalves; SCHUELER, Alessandra. Educação, poder e sociedade no Império Brasileiro. Sao Paulo: Cortez, 2008.

Resenha do livro: GONDRA, José Gonçalves; SCHUELER, Alessandra. Educação, poder e sociedade no Império Brasileiro. Sao Paulo: Cortez, 2008. do livro: GONDRA, José Gonçalves; SCHUELER, Alessandra. Educação, poder e sociedade no Império Brasileiro. Sao Paulo: Cortez, 2008. de: Surya Aaronovich Pombo de Barros Universidade Federal da Paraíba/UFPB

Leia mais

RESUMO PARA RECUPERAÇÃO 2º TRIMESTRE

RESUMO PARA RECUPERAÇÃO 2º TRIMESTRE RESUMO PARA RECUPERAÇÃO 2º TRIMESTRE Conceitos Diversos Estado É uma organização políticoadministrativa da sociedade. Estado-nação - Quando um território delimitado é composto de um governo e uma população

Leia mais

Exerc ícios de Revisão Aluno(a): Nº:

Exerc ícios de Revisão Aluno(a): Nº: Exerc íciosde Revisão Aluno(a): Nº: Disciplina:HistóriadoBrasil Prof(a).:Cidney Data: deagostode2009 2ªSériedoEnsinoMédio Turma: Unidade:Nilópolis 01. QuerPortugallivreser, EmferrosqueroBrasil; promoveaguerracivil,

Leia mais

VESTIBULAR 2011 1ª Fase HISTÓRIA GRADE DE CORREÇÃO

VESTIBULAR 2011 1ª Fase HISTÓRIA GRADE DE CORREÇÃO VESTIBULAR 2011 1ª Fase HISTÓRIA GRADE DE CORREÇÃO A prova de História é composta por três questões e vale 10 pontos no total, assim distribuídos: Questão 1 3 pontos (sendo 1 ponto para o subitem A, 1,5

Leia mais

Uma Reflexão Sobre o Surgimento do Candomblé

Uma Reflexão Sobre o Surgimento do Candomblé Uma Reflexão Sobre o Surgimento do Candomblé Os estudos sobre a África e as culturas africanas têm ganhado espaço nas últimas décadas. No Brasil esse estudo começou, basicamente, com Nina Rodrigues em

Leia mais

Nem cidadãos, nem brasileiros: Indígenas na formação do

Nem cidadãos, nem brasileiros: Indígenas na formação do Nem cidadãos, nem brasileiros: Indígenas na formação do Estado nacional brasileiro e conflitos na Província de São Paulo (1822-1845). São Paulo: Alameda, 2012. 292 p. Fernanda Sposito Luana Soncini 1 A

Leia mais

EUROPA BRASIL SÉCULO XIX AMÉRICA O BRASIL NO FINAL DO SÉCULO XVIII SÉCULO XVIII FINAL DA IDADE MODERNA

EUROPA BRASIL SÉCULO XIX AMÉRICA O BRASIL NO FINAL DO SÉCULO XVIII SÉCULO XVIII FINAL DA IDADE MODERNA O BRASIL NO FINAL DO SÉCULO XVIII SÉCULO XVIII FINAL DA IDADE MODERNA EUROPA Expansão dos Ideais Iluministas Revolução Francesa Fim do Antigo regime Ascensão da Burguesia ao poder Revolução Industrial

Leia mais

Historien (Petrolina). ano 5. n. 10. Jan/Jun 2014: 456-460.

Historien (Petrolina). ano 5. n. 10. Jan/Jun 2014: 456-460. REIS, João José. Domingos Sodré: um sacerdote africano - Escravidão, Liberdade e Candomblé na Bahia do século XIX. São Paulo: Companhia das letras, 2009. Jucimar Cerqueira dos Santos 1 Domingos Sodré:

Leia mais

DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS

DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS 7.PROJETO PEDAGÓGICO 1º SEMESTRE DISCIPLINA: INTRODUÇÃO À ECONOMIA EMENTA: Conceitos Fundamentais; Principais Escolas do Pensamento; Sistema Econômico; Noções de Microeconomia; Noções de Macroeconomia;

Leia mais

A ESCRAVIDÃO CHEGA AO FIM Aula: 37 Pág. 27 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO

A ESCRAVIDÃO CHEGA AO FIM Aula: 37 Pág. 27 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO A ESCRAVIDÃO CHEGA AO FIM Aula: 37 Pág. 27 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO 1 INTRODUÇÃO Colonização: trabalho escravo. Séc. XIX condenação da instituição escravista pelos países europeus (Inglaterra): pressiona

Leia mais

NINA RODRIGUES E OLIVEIRA VIANNA

NINA RODRIGUES E OLIVEIRA VIANNA NINA RODRIGUES E OLIVEIRA VIANNA Interpretações do Brasil Walter B. Gaspar 2010-2! NINA RODRIGUES E OLIVEIRA VIANNA Interpretações do Brasil Walter B. Gaspar 2010-2 Nina Rodrigues O intuito central de

Leia mais

INDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA LATINA (1808-1826) Profª Adriana Moraes

INDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA LATINA (1808-1826) Profª Adriana Moraes INDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA LATINA (1808-1826) Profª Adriana Moraes A independência foi o processo político e militar que afetou todas as regiões situadas entre os vicereinados da Nova Espanha e do Rio da

Leia mais

Prof. Dra. Laiana Lannes.

Prof. Dra. Laiana Lannes. Entre a miscigenação e a multirracialização: brasileiros negros ou negros brasileiros? Os desafios do movimento negro brasileiro no período de valorização nacionalista Prof. Dra. Laiana Lannes. O tema

Leia mais

Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho. Direitos Autorais: Faculdades Signorelli

Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho. Direitos Autorais: Faculdades Signorelli Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho Direitos Autorais: Faculdades Signorelli "O caminho da vida pode ser o da liberdade e da beleza, porém, desviamo-nos dele. A cobiça envenenou a alma dos homens,

Leia mais

Cidade e desigualdades socioespaciais.

Cidade e desigualdades socioespaciais. Centro de Educação Integrada 3º ANO GEOGRAFIA DO BRASIL A Produção do Espaço Geográfico no Brasil nas economias colonial e primário exportadora. Brasil: O Espaço Industrial e impactos ambientais. O espaço

Leia mais

INTEIRATIVIDADE FINAL CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA. Conteúdo: Independência dos Estados Unidos

INTEIRATIVIDADE FINAL CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA. Conteúdo: Independência dos Estados Unidos Conteúdo: Independência dos Estados Unidos Habilidades: Compreender o processo de independência Norte Americana dentro do contexto das ideias iluministas. Yankee Doodle 1 Causas Altos impostos cobrados

Leia mais

Pronunciamento em defesa das políticas de ações afirmativas no Brasil. Senhor Presidente, Senhoras Deputadas, Senhores Deputados,

Pronunciamento em defesa das políticas de ações afirmativas no Brasil. Senhor Presidente, Senhoras Deputadas, Senhores Deputados, Pronunciamento em defesa das políticas de ações afirmativas no Brasil Senhor Presidente, Senhoras Deputadas, Senhores Deputados, Conhecemos as desigualdades raciais no Brasil, que estão inequivocamente

Leia mais

Capítulo. Organização político- -administrativa na América portuguesa

Capítulo. Organização político- -administrativa na América portuguesa Capítulo Organização político- -administrativa na América portuguesa 1 O Império Português e a administração da Colônia americana Brasil: 1500-1530 O interesse português pelo território americano era pequeno

Leia mais

Recorde: Revista de História de Esporte volume 1, número 2, dezembro de 2008

Recorde: Revista de História de Esporte volume 1, número 2, dezembro de 2008 CAPOEIRA THE HISTORY OF AN AFRO-BRAZILIAN MARTIAL ART RESENHA Prof. Vivian Luiz Fonseca Fundação Getúlio Vargas - PPHPBC CPDOC/FGV Rio de Janeiro, Brasil vivianluizfonseca@gmail.com Recebido em 9 de setembro

Leia mais

Conteúdo Básico Comum (CBC) de HISTÓRIA do Ensino Fundamental do 6º ao 9º ano Exames Supletivos/2015

Conteúdo Básico Comum (CBC) de HISTÓRIA do Ensino Fundamental do 6º ao 9º ano Exames Supletivos/2015 SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MINAS GERAIS SUBSECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DO ENSINO MÉDIO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Conteúdo

Leia mais

Homens da África Ahmadou Kourouma. Edições SM. Cabelos de axé: identidade e resistência Raul Lody. Editora SENAC

Homens da África Ahmadou Kourouma. Edições SM. Cabelos de axé: identidade e resistência Raul Lody. Editora SENAC ÁFRICA Homens da África Ahmadou Kourouma. Edições SM Ricamente ilustrada por fotos e desenhos, esta obra traça um painel detalhado da vida dos habitantes da África do Oeste: sua tradição oral, detalhes

Leia mais

1º ano. I. O Surgimento do Estado e a Organização de uma Sociedade de Classes

1º ano. I. O Surgimento do Estado e a Organização de uma Sociedade de Classes Africana: África como berço da humanidade Capítulo 1: Item 1 Européia Capítulo 1: Item 2 Asiática Capítulo 1: Item 2 Americana Capítulo 1: Item 3 Arqueologia Brasileira Capítulo 1: Item 4 A paisagem e

Leia mais

FACULDADE EÇA DE QUEIRÓS

FACULDADE EÇA DE QUEIRÓS FACULDADE EÇA DE QUEIRÓS GISELE CRISTINA DE SANTANA FERREIRA PEREIRA JÉSSICA PALOMA RATIS CORREIA NOBRE PEDAGOGIA: PROJETO MENINA BONITA DO LAÇO DE FITA JANDIRA - 2012 FACULDADE EÇA DE QUEIRÓS GISELE CRISTINA

Leia mais

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 1ª PROVA PARCIAL DE HISTÓRIA Aluno(a): Nº Ano: 8º Turma: Data: 02/04/2011 Nota: Professora: Ivana Valor da Prova: 50 pontos Assinatura do responsável: Orientações

Leia mais

Escola de pensamento surgida Faculdade de Direito do Recife na década de 1870.

Escola de pensamento surgida Faculdade de Direito do Recife na década de 1870. ESCOLA DO RECIFE Escola de pensamento surgida Faculdade de Direito do Recife na década de 1870. OS PRIMEIROS CURSOS SUPERIORES As Faculdades de Direito surgiram no Brasil no início do século XIX, ligadas

Leia mais

CRISE DO ESCRAVISMO. O Brasil foi o último país da América Latina a abolir a escravidão.

CRISE DO ESCRAVISMO. O Brasil foi o último país da América Latina a abolir a escravidão. CRISE DO ESCRAVISMO A Dinamarca foi o primeiro país Europeu a abolir o tráfico de escravos em 1792. A Grã-Bretanha veio a seguir, abolindo em 1807 e os Estados Unidos em 1808. O Brasil foi o último país

Leia mais

XVIII) e D. Pedro I (século XIX) defenderam posições políticas opostas e foram protagonistas de ações bastante distintas.

XVIII) e D. Pedro I (século XIX) defenderam posições políticas opostas e foram protagonistas de ações bastante distintas. Atividade extra Fascículo 2 História Unidade 4 Questão 1 Na unidade que você estudou, você pôde observar a foto da Praça Tiradentes no Rio de Janeiro, com a estátua de D. Pedro I ao centro. Tiradentes

Leia mais

5.1 Planificação a médio prazo. 1. A Revolução Americana, uma revolução fundadora. 28 aulas

5.1 Planificação a médio prazo. 1. A Revolução Americana, uma revolução fundadora. 28 aulas 5.1 Planificação a médio prazo 28 aulas Conteúdos programáticos Segundo o Programa Oficial (março de 2001) TH11 Parte 2 (pp.) Saberes/Aprendizagens 1. A Revolução Americana, uma revolução fundadora 1.1.

Leia mais

ENEM 2015 Caderno Amarelo. Resolução da Prova de História

ENEM 2015 Caderno Amarelo. Resolução da Prova de História ENEM 2015 Caderno Amarelo Resolução da Prova de História 05. Alternativa (C) Feminismo Guerra Fria Movimentos Sociais O livro O Segundo Sexo, de Simone de Beauvoir, foi um marco importante para o movimento

Leia mais

COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150

COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 PLANEJAMENTO ANUAL DE SOCIOLOGIA 3ª SÉRIE DO ENSINO MÉDIO PROFESSOR

Leia mais

Autorizado pela Portaria nº 3.355 de 05/12/02 DOU de 06/12/02 PLANO DE CURSO

Autorizado pela Portaria nº 3.355 de 05/12/02 DOU de 06/12/02 PLANO DE CURSO C U R S O D E D I R E I T O Autorizado pela Portaria nº 3.355 de 05/12/02 DOU de 06/12/02 Componente Curricular: HISTÓRIA DO DIREITO Código: DIR 162 CH Total: 30 h Pré-Requisito: ----- Período Letivo:

Leia mais

Curso: Estudos Sociais Habilitação em História. Ementas das disciplinas: 1º Semestre

Curso: Estudos Sociais Habilitação em História. Ementas das disciplinas: 1º Semestre Curso: Estudos Sociais Habilitação em História Ementas das disciplinas: 1º Semestre Disciplina: Introdução aos estudos históricos Carga horária semestral: 80 h Ementa: O conceito de História, seus objetivos

Leia mais

ENTUSIASMO PELA EDUCAÇÃO E O OTIMISMO PEDAGÓGICO. pesquisadores da educação, como também é considerado ponto de virada de

ENTUSIASMO PELA EDUCAÇÃO E O OTIMISMO PEDAGÓGICO. pesquisadores da educação, como também é considerado ponto de virada de ENTUSIASMO PELA EDUCAÇÃO E O OTIMISMO PEDAGÓGICO Irene Domenes Zapparoli - UEL/ PUC/SP/ehps zapparoli@onda.com.br INTRODUÇÃO Jorge Nagle com o livro Educação e Sociedade na Primeira República consagrou-se

Leia mais

A NOVA QUESTÃO SOCIAL *

A NOVA QUESTÃO SOCIAL * COMO CITAR ESTE TEXTO: Formato Documento Eletrônico (ISO) NASCIMENTO, Alexandre do. A Nova Questão Social. [Acesso em dd/mm/aaaa]. Disponível em http://www.alexandrenascimento.com. A NOVA QUESTÃO SOCIAL

Leia mais

A expansão dos EUA (séc. XVIII-XX)

A expansão dos EUA (séc. XVIII-XX) 1803 Os Estados Unidos compram a Louisiana da França. Cronologia 1846 a 1848 Guerra do México. Os Estados Unidos conquistam e anexam os territórios da Califórnia, Novo México, Nevada, Arizona e Utah. 1810

Leia mais

RAÇA E ETNICIDADE BREVE HISTÓRICO DAS IDEIAS RACIAIS.

RAÇA E ETNICIDADE BREVE HISTÓRICO DAS IDEIAS RACIAIS. ! RAÇA E ETNICIDADE Atualmente é importante a discussão entre os aspectos relacionados à raça e etnicidade. Considerando o Brasil enquanto um dos países mais misturados em termos raciais no mundo. Podemos

Leia mais

Nota à 14 a Edição... 11 Introdução... 13

Nota à 14 a Edição... 11 Introdução... 13 sumário Nota à 14 a Edição................................................ 11 Introdução..................................................... 13 1. As Causas da Expansão Marítima e a Chegada dos Portugueses

Leia mais

RESUMO RESENHA DO LIVRO OS BESTIALIZADOS: O RIO DE JANEIRO E A REPÚBLICA QUE NÃO FOI, DE JOSÉ MURILO DE CARVALHO

RESUMO RESENHA DO LIVRO OS BESTIALIZADOS: O RIO DE JANEIRO E A REPÚBLICA QUE NÃO FOI, DE JOSÉ MURILO DE CARVALHO RESUMO RESENHA DO LIVRO OS BESTIALIZADOS: O RIO DE JANEIRO E A REPÚBLICA QUE NÃO FOI, DE JOSÉ MURILO DE CARVALHO Resenha do livro de José Murilo de Carvalho, Os bestializados: o Rio de Janeiro e a República

Leia mais

PIBID HISTÓRIA 1 COORDENAÇÃO: PROFA. DRA. KARINA KOSICKI BELLOTTI SUPERVISÃO: PROF. DANIEL JACOB NODARI COLÉGIO D. PEDRO II 28 de novembro de 2014

PIBID HISTÓRIA 1 COORDENAÇÃO: PROFA. DRA. KARINA KOSICKI BELLOTTI SUPERVISÃO: PROF. DANIEL JACOB NODARI COLÉGIO D. PEDRO II 28 de novembro de 2014 PIBID HISTÓRIA 1 COORDENAÇÃO: PROFA. DRA. KARINA KOSICKI BELLOTTI SUPERVISÃO: PROF. DANIEL JACOB NODARI COLÉGIO D. PEDRO II 28 de novembro de 2014 RELATÓRIO FINAL ATIVIDADE SOBRE DIA DA CONSCIÊNCIA NEGRA

Leia mais

SER NEGRO NO CEARÁ UM OLHAR SOBRE AS COMUNIDADES QUILOMBOLAS PARA O DIGITAL MUNDO MIRAIRA

SER NEGRO NO CEARÁ UM OLHAR SOBRE AS COMUNIDADES QUILOMBOLAS PARA O DIGITAL MUNDO MIRAIRA SER NEGRO NO CEARÁ UM OLHAR SOBRE AS COMUNIDADES QUILOMBOLAS PARA O DIGITAL MUNDO MIRAIRA Izaura Lila Lima Ribeiro 1 Maria de Lourdes Macena Filha 2 RESUMO Este artigo versa sobre o papel dos negros na

Leia mais

RELAÇÃO DA HISTÓRIA DO DIREITO COM FILME ALEXANDRE O GRANDE

RELAÇÃO DA HISTÓRIA DO DIREITO COM FILME ALEXANDRE O GRANDE RELAÇÃO DA HISTÓRIA DO DIREITO COM FILME ALEXANDRE O GRANDE LINHARES 2011 1º DIREITO B Peter Leite Souza André Pacheco Pulquerio RELAÇÃO DA HISTÓRIA DO DIREITO COM FILME ALEXANDRE O GRANDE Trabalho conforme

Leia mais

RACISMO NO BRASIL: O mito da democracia racial FALANDO DE HISTÓRIA: SER PEÇA, SER COISA

RACISMO NO BRASIL: O mito da democracia racial FALANDO DE HISTÓRIA: SER PEÇA, SER COISA RACISMO NO BRASIL: O mito da democracia racial FALANDO DE HISTÓRIA: SER PEÇA, SER COISA Por Neila Cristina N. Ramos Embora vivamos num país em que se tente transmitir uma imagem de igualdade e harmonia

Leia mais

Escola Básica e Secundária das Lajes do Pico História e Geografia de Portugal 2º Ciclo Ano Lectivo 2007/2008

Escola Básica e Secundária das Lajes do Pico História e Geografia de Portugal 2º Ciclo Ano Lectivo 2007/2008 Escola Básica e Secundária das Lajes do Pico História e Geografia de Portugal 2º Ciclo Ano Lectivo 2007/2008 Conteúdos Ano Lectivo Período Lectivo Tema A-A península Ibérica: dos primeiros povos à formação

Leia mais

CONSTITUCIONALISMO SOCIAL NO MERCOSUL

CONSTITUCIONALISMO SOCIAL NO MERCOSUL ELIANNE MARIA MEIRA ROSA Professora Titular de Direito Internacional Público da Faculdade de Direito da Universidade Braz Cubas. Mogi das Cruzes-SP. Professora de Ética Geral e Profissional da Faculdade

Leia mais

Brasil - Colônia e Império 1500-1889

Brasil - Colônia e Império 1500-1889 Brasil - Colônia e Império 1500-1889 Texto adaptado do livro "História do Brazil", de Rocha Pombo, publicado em 1919 pela Editora "Weiszflog Irmãos" Atualização e adaptação: Paulo Victorino José Francisco

Leia mais

Durante. Utilize os conteúdos multimídia para ilustrar a matéria de outras formas.

Durante. Utilize os conteúdos multimídia para ilustrar a matéria de outras formas. Olá, Professor! Assim como você, a Geekie também tem a missão de ajudar os alunos a atingir todo seu potencial e a realizar seus sonhos. Para isso, oferecemos recomendações personalizadas de estudo, para

Leia mais

1530 O regime de capitanias hereditárias é instituído por D. João III. Primeira expedição colonizadora chefiada por Martim Afonso de Sousa.

1530 O regime de capitanias hereditárias é instituído por D. João III. Primeira expedição colonizadora chefiada por Martim Afonso de Sousa. Vera, Use a seguinte legenda: Amarelo: o documento para o link encontra-se neste site: http://www.info.lncc.br/wrmkkk/tratados.html Rosa: o documento para o link encontra-se neste site: http://www.webhistoria.com.br

Leia mais

Colégio Visão. História Prof. Alexandre. Discursiva D4. Analise as seguintes figuras e leia o texto abaixo.

Colégio Visão. História Prof. Alexandre. Discursiva D4. Analise as seguintes figuras e leia o texto abaixo. Colégio Visão História Prof. Alexandre Discursiva D4 Questão 01 - (UFJF MG) Analise as seguintes figuras e leia o texto abaixo. Figura 1: Imperador Napoleão III (left) em Sedan, a 2 de Setembro de 1870,

Leia mais

PROJETO UNIVERSIDADE ABERTA 2011

PROJETO UNIVERSIDADE ABERTA 2011 PROJETO UNIVERSIDADE ABERTA 2011 Trabalhas sem alegria para um mundo caduco Carlos Drumond de Andrade 1. IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO Realização do 6º ano do Projeto Universidade Aberta, com o título Faces

Leia mais

A estrutura social e as desigualdades

A estrutura social e as desigualdades 3 A estrutura social e as desigualdades As desigualdades sociais instalaram-se no Brasil com a chegada dos portugueses. Os povos indígenas foram vistos pelos europeus como seres exóticos e ainda hoje são

Leia mais

A Capoeira é uma arte marcial afro-brasileira que iria encontrar suas raízes nos métodos de guerra e danças dos povos africanos no tempo da

A Capoeira é uma arte marcial afro-brasileira que iria encontrar suas raízes nos métodos de guerra e danças dos povos africanos no tempo da CAPOEIRA A Capoeira é uma arte marcial afro-brasileira que iria encontrar suas raízes nos métodos de guerra e danças dos povos africanos no tempo da escravatura no Brasil. No século XVI, Portugal tinha

Leia mais

MÓDULO 03 CICLOS ECONÔMICOS E REBELIÕES COLONIAIS

MÓDULO 03 CICLOS ECONÔMICOS E REBELIÕES COLONIAIS MÓDULO 03 CICLOS ECONÔMICOS E REBELIÕES COLONIAIS 3.1- A AGROMANUFATURA AÇUCAREIRA O COMPLEXO AÇUCAREIRO ( XVI / XVII ) - Pré-condições favoráveis( solo, clima, mão-deobra,mercado externo ) - Participação

Leia mais

REVOLTAS DURANTE A REPÚBLICA VELHA

REVOLTAS DURANTE A REPÚBLICA VELHA REVOLTAS DURANTE A REPÚBLICA VELHA Unidade 2, Tema 2 e 3. Págs. 50 53 Personagem. Pág. 55 e 64 Ampliando Conhecimentos. Págs. 60-61 Conceitos Históricos. Pág. 65 Em foco. Págs. 66-71 GUERRA DE CANUDOS

Leia mais

SERRANO, Carlos, WALDMAN, Maurício. Memória d África: a temática africana em sala de aula. São Paulo: Cortez, 2007. 327 p.

SERRANO, Carlos, WALDMAN, Maurício. Memória d África: a temática africana em sala de aula. São Paulo: Cortez, 2007. 327 p. SERRANO, Carlos, WALDMAN, Maurício. Memória d África: a temática africana em sala de aula. São Paulo: Cortez, 2007. 327 p. Ana Cláudia da SILVA A publicação da Lei Nº. 10.639, de 9 de janeiro de 2003,

Leia mais

Relações Étnico-raciais no Ensino de História e Cultura Afro-brasileira e Africana. Relações Raciais no Brasil. Teleaula 2. Para Refletir!

Relações Étnico-raciais no Ensino de História e Cultura Afro-brasileira e Africana. Relações Raciais no Brasil. Teleaula 2. Para Refletir! Relações Étnico-raciais no Ensino de História e Cultura Afro-brasileira e Africana Teleaula 2 Profa. Dra. Marcilene Garcia de Souza Relações Raciais no Brasil Características históricas para compreender

Leia mais

ÀGORA, Porto Alegre, Ano 3, jan/jun.2012. ISSN 2175-3792

ÀGORA, Porto Alegre, Ano 3, jan/jun.2012. ISSN 2175-3792 28 ÀGORA, Porto Alegre, Ano 3, jan/jun.2012. ISSN 2175-3792 FORMAÇÃO DE PROFESSORES A PARTIR DA LEI 10.639/03: UMA EXPERIÊNCIA NO PROJETO DE EDUCAÇÃO ANTIRRACISTA NO COTIDIANO ESCOLAR, DESENVOLVIDO PELA

Leia mais

COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150

COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 124, Toledo PR Fone: 277-810 PLANEJAMENTO ANUAL DE HISTÓRIA º Ano PROFESSORAS: JESSICA ALINE

Leia mais

Os brasileiros precisam conhecer a história dos negros. (textos e fotos Maurício Pestana)

Os brasileiros precisam conhecer a história dos negros. (textos e fotos Maurício Pestana) Os brasileiros precisam conhecer a história dos negros (textos e fotos Maurício Pestana) Responsável pelo parecer do Conselho Nacional de Educação que instituiu, há alguns anos, a obrigatoridade do ensino

Leia mais

REVOLUÇÃO FRANCESA MCC

REVOLUÇÃO FRANCESA MCC REVOLUÇÃO FRANCESA MCC REVOLUÇÃO FRANCESA. MOVIMENTO BURGUÊS França antes da revolução TEVE APOIO DO POVO Monarquia absolutista Economia capitalista.(costumes feudais) sociedade estamental. 1º Estado-

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS SECRETARIA DE ESTADO DE CULTURA ARQUIVO PÚBLICO MINEIRO INVENTÁRIO DO FUNDO AURÉLIO PIRES

GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS SECRETARIA DE ESTADO DE CULTURA ARQUIVO PÚBLICO MINEIRO INVENTÁRIO DO FUNDO AURÉLIO PIRES GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS SECRETARIA DE ESTADO DE CULTURA ARQUIVO PÚBLICO MINEIRO INVENTÁRIO DO FUNDO AURÉLIO PIRES Revisão e Atualização Diretoria de Arquivos Permanentes Diretoria de Acesso à

Leia mais

CURSO: HISTÓRIA PRIMEIRO PERÍODO. Área de Ciências Humanas Sociais e Aplicadas. DISCIPLINA: Metodologia Científica (on-line)

CURSO: HISTÓRIA PRIMEIRO PERÍODO. Área de Ciências Humanas Sociais e Aplicadas. DISCIPLINA: Metodologia Científica (on-line) CURSO: HISTÓRIA PRIMEIRO PERÍODO DISCIPLINA: Metodologia Científica (on-line) (Modalidade a Distância NEAD) 104032 04 01 80h O Conhecimento Científico e os Métodos Científicos. Epistemologia. Métodos Científicos:

Leia mais