DOCUMENTO PROTEGIDO PELA LEI DE DIREITO AUTORAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DOCUMENTO PROTEGIDO PELA LEI DE DIREITO AUTORAL"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU AVM FACULDADE INTEGRADA CONSTRUÇÕES SUSTENTÁVEIS Por: Gisele Novelli Orientador Prof. Mário Luiz São Paulo 2013 DOCUMENTO PROTEGIDO PELA LEI DE DIREITO AUTORAL

2 UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU AVM FACULDADE INTEGRADA CONSTRUÇÕES SUSTENTÁVEIS Apresentação de monografia à AVM Faculdade Integrada como requisito parcial para obtenção do grau de especialista em Gestão Pública. Por: Gisele Novelli

3 AGRADECIMENTOS Ao tutor Marcelo Oliveira, ao professor Antônio Fernando Vieira Ney e ao mentor Mário Luiz, pela orientação, apoio e incentivo durante todo o curso.

4 DEDICATÓRIA Dedico esse trabalho aos amigos da Caixa Econômica Federal pela dedicação e empenho diário em prol de uma sociedade melhor.

5 RESUMO Este trabalho tem como objetivo demonstrar os desafios da produção habitacional com sustentabilidade ambiental. Para tanto, destacou-se os principais passos para se chegar a uma construção sustentável, bem como seus principais desafios. Estudaremos de que forma a construção civil pode enfrentar e propor soluções aos principais problemas ambientais atuais, sem renunciar à moderna tecnologia e a criação de edificações que atendam às necessidades de seus usuários. Por fim, este estudo abordará a iniciativa da Caixa Econômica Federal com a criação do Selo Casa Azul Caixa, que é o primeiro sistema brasileiro de classificação de sustentabilidade na construção civil.

6 METODOLOGIA A metodologia aplicada para realização deste trabalho consiste em pesquisa bibliográfica, fazendo uso de leitura exploratória e seletiva em livros, artigos publicados em revistas e jornais, sítios da internet que tratem do assunto, sítios de órgãos institucionais do executivo e legislativo, pesquisa junto à Caixa Econômica Federal referente ao Selo Casa Azul Caixa, além de consulta aos módulos do curso de Gestão Pública. O Trabalho desta monografia consiste em uma pesquisa exploratória em busca de maior entendimento sobre o tema de modo a torná-lo mais claro para o autor e para os leitores. O objetivo principal deste estudo é entender de que forma é possível colocar em prática o tema proposto. Para o desenvolvimento deste estudo com base na pesquisa bibliográfica destaco as obras de Márcio Augusto de Araújo consultor do IDHEA (Instituto para o Desenvolvimento da Habitação Ecológica), Marian Keeler e Bill Burke com o livro Fundamentos de Projeto de Edificações Sustentáveis, como principais fontes de pesquisa. A obra Minha Casa Sustentável Guia para uma Construção Residencial Responsável, de Heliomar Venâncio, possibilitou uma visão mais ampla e enriquecedora sobre o tema, sendo de grande valia para este estudo. Destaco, por fim, a importância da consulta ao Guia Selo Casa Azul Caixa para realização do estudo abordado no Capítulo III.

7 SUMÁRIO INTRODUÇÃO 08 CAPÍTULO I - Os Desafios das Construções Sustentáveis 10 CAPÍTULO II - Principais Passos para se Chegar a uma Construção Sustentável Planejamento Sustentável da Obra Aproveitamento Passivo dos Recursos Naturais Eficiência Energética Gestão e Economia da Água Gestão dos Resíduos na Edificação Qualidade do ar e do Ambiente Interior Conforto Termo-Acústico Uso Racional de Materiais Uso de Produtos e Tecnologias Ambientalmente Amigáveis 32 CAPÍTULO III Selo Casa Azul Caixa 34 CONCLUSÃO 40 BIBLIOGRAFIA CONSULTADA 43 ANEXO I Resolução CONAMA N 307 de 5 de julho de

8 8 INTRODUÇÃO O tema desta pesquisa é a importância da adoção de soluções de projetos e tecnologia em arquitetura e urbanismo com redução de custos e impactos ao meio-ambiente. Destaca-se como problema central da pesquisa o questionamento: Produção habitacional com sustentabilidade ambiental? Como hipótese norteadora, ou possível resposta ao problema formulado, estabeleceu-se que o desenvolvimento de modelos que permitam à construção civil enfrentar e propor soluções aos principais problemas ambientais atuais, sem renunciar à moderna tecnologia, e a criação de edificações que atendam as necessidades de seus usuários com redução de impactos negativos ao meio ambiente, são práticas possíveis. O tema escolhido é de extrema importância para a gestão pública, visto que, as construções sustentáveis visam à redução de custos e redução de impactos ao meio-ambiente. O compromisso com o meio-ambiente traduzse em medidas concretas para financiar o desenvolvimento de cidades mais sustentáveis melhorando a condição de vida das pessoas, à medida em que, se torna mais adequada e benéfica a relação do indivíduo com o meioambiente em que vive. Assim sendo, este estudo foi dividido em três capítulos. No Capítulo I abordaremos Os Desafios das Construções Sustentáveis onde serão apresentados os principais obstáculos para esta prática bem como os órgãos e as certificações já existentes no Brasil. Na sequência, no Capítulo II, apresentaremos os Principais Passos para se Chegar a uma Construção Sustentável. De acordo com o IDHEA (Instituto para o Desenvolvimento da Habitação Ecológica) existem nove passos: O planejamento sustentável da obra; O aproveitamento passivo dos recursos naturais; A eficiência energética; A gestão e economia da água; A gestão dos resíduos na edificação; A qualidade do ar e do ambiente interior; O conforto termo-acústico; O uso

9 9 racional de materiais; O uso de produtos e tecnologias ambientalmente amigáveis. Por fim, no Capítulo III, estudaremos a Certificação Selo Casa Azul Caixa, que é o primeiro sistema brasileiro de certificação de sustentabilidade na construção habitacional, criado pela Caixa Econômica Federal. O objetivo do Selo é incentivar o uso racional de recursos naturais na construção de empreendimentos habitacionais, reduzir o custo de manutenção dos edifícios e as despesas mensais de seus usuários, bem como promover a conscientização de empreendedores e moradores sobre as vantagens das construções sustentáveis.

10 10 CAPÍTULO I OS DESAFIOS DAS CONSTRUÇÕES SUSTENTÁVEIS Em 2008, pela primeira vez na história, mais da metade da população mundial, atualmente em torno de 7 bilhões de habitantes, vivem nas cidades. E até 2030, a população urbana deverá chegar a quase 5 bilhões 60% da população mundial. (UNFPA, 2007) Contudo, segundo dados apresentados pela UN-Habitat, agência da ONU responsável por questões habitacionais, o vigente processo de urbanização não é o desejado, uma vez que em 2007 estimava-se que um bilhão de pessoas viviam em favelas espalhadas pelo mundo. Este número tenderia a seguir em crescimento, atingindo 1,3 bilhões em Apesar de em superfície, as cidades ocuparem apenas 2% da terra, estas geram um impacto ambiental gigantesco. Alguns exemplos podem ser citados, como erosões causadas pelo desmatamento e construções em áreas íngremes, impermeabilização do solo, poluição dos rios por esgoto não tratado, poluição provocada por veículos e indústrias, além da grande geração de resíduos provocados pelo alto nível de consumo da população (PAVIANI, 1999; UN HABITAT, 2007). De acordo com Baumam (2010) é importante perceber que estes impactos não são apenas da grande população urbana mundial. O atual sistema de produção e consumo vigente na maior parte dos países do mundo, inclusive aqueles em desenvolvimento, se baseia no alto consumo de todo tipo de bens, estimulando uma produção maciça e constante. A atual cultura do consumo e do crédito é estimulada especialmente nas cidades, fazendo dos seus habitantes causadores e vítimas dos problemas ambientais supracitados. Ela faz com que mesmo poucos habitantes provoquem um alto impacto ambiental, como se pode observar na comparação entre a pegada ecológica do mundo desenvolvido e do subdesenvolvido. Por estar no centro da sociedade de consumo e concentrar as melhores oportunidades de boa qualidade de vida para seus habitantes (UN

11 11 HABITAT, 2007), as cidades atraem um constante contingente de habitantes, especialmente nos países em desenvolvimento. Isto provoca também sérios impactos sociais, como as favelas, alta desigualdade social e surtos de doenças, por exemplo, uma vez que as cidades, na maior parte das vezes, não têm condições de acolher todos os novos habitantes de forma digna. Observa-se que as cidades apresentam algumas características que tornam os impactos ambientais inerentes à sua existência até os dias de hoje. Alguns deles são: a necessidade de se levar bens aos habitantes urbanos, que obrigam as cidades a terem espaços para a disposição de lixo; o papel central do comércio, que estimula o consumo dos habitantes urbanos em níveis mais altos que os observados no meio rural; e a alta densidade demográfica que gera pressões, como por exemplo, de geração de esgoto. Estes pontos mostram que as próprias características das cidades geram impactos ambientais (MEIO AMBIENTE, 2003) e quais dificuldades podem surgir na busca pela redução da poluição no ambiente urbano. Segundo Ferreira (2005), as cidades brasileiras possuem em média entre 40% e 50% de sua população vivendo na informalidade urbana, situação que incorpora inadequação físico-construtiva e ambiental da habitação, ausência de infraestrutura urbana ou ainda ilegalidade da posse da terra ou do contrato de uso. As cidades evoluíram com o poder público realizando melhorias e obras de urbanização nas regiões centrais, que acabaram se valorizando e impossibilitando sua aquisição pelas classes mais pobres. Além disso, nos planos de industrialização nas maiores cidades do Brasil, houve uma expulsão explícita da população pobre de cortiços e áreas centrais para áreas mais distantes. Esse processo gerou uma concentração de infraestrutura e serviços urbanos nas áreas centrais, que foram ocupadas pelas elites, e deixou as áreas periféricas ocupadas pela população mais pobre sem serviços básicos, reduzindo assim a sua qualidade de vida (FERREIRA, 2005).

12 12 Por outro lado, São Paulo é uma situação extrema, na qual o crescimento populacional chegou a níveis tão altos que o rico e o pobre convivem literalmente lado a lado, porém com interação mínima. O crescimento desordenado e segregado das cidades brasileiras apresenta mais dificuldades para construção de um desenvolvimento urbano sustentável, pois as cidades sofrem problemas muito distintos, mas de grande impacto em seus diferentes espaços. Os problemas advindos do crescimento desordenado são ainda ampliados com o fenômeno recente de aglomeração populacional em algumas poucas áreas, gerando o que chamamos de megacidades, cujos exemplos no Brasil são São Paulo e Rio de Janeiro (TELLO, 2011). Parte significativa da população mundial vive em um planeta aglomerado em pólos gigantescos, que se denominam megacidades. Megacidades são aglomerações urbanas com mais de 10 milhões de habitantes (GLOBESCAN e MRC McCLEAN HAZEL, 2007). Segundo a ONU, estas cidades já abrigam aproximadamente 280 milhões de habitantes e são ao mesmo tempo centros cada vez mais importantes na promoção do crescimento das economias de seus países (GLOBESCAN e MRC McCLEAN HAZEL, 2007) e fontes de graves problemas como desemprego e subemprego, trabalho informal, crescimento de favelas, e poluição do ar, águas e solo (LEITE, 2010). Além disso, surgem grandes desafios no que se refere governança e infraestrutura necessárias para promover a integração dos cidadãos dessas grandes extensões geográficas e estimular o crescimento econômico dessas regiões, cujas soluções demandam inovações e parcerias de todos os stakeholders (GLOBESCAN e MRC McCLEAN HAZEL, 2007). Observa-se que existem grandes desafios a serem enfrentados pelo setor da construção, muitos deles vão além da fronteira das empresas, o que demanda ações integradas nas cadeias produtivas e conscientização de profissionais e consumidores, o que demanda apoio do setor acadêmico e governamental. Só assim será possível construir as bases para a construção

13 13 de mercados sustentáveis, isto é, que privilegiam empresas com atuação responsável e punem as irresponsáveis (TELLO, 2011). De acordo com o IDHEA Instituto para o Desenvolvimento da Habitação Ecológica, construção sustentável é um sistema construtivo que promove alterações conscientes no entorno, de forma a atender as necessidades de habitação do homem moderno, preservando o meio ambiente e os recursos naturais, garantindo qualidade de vida para as gerações atuais e futuras. Sabemos que hoje a sobrevivência do planeta depende de uma série de mudanças na sociedade industrial, alterando padrões tecnológicos de produção e hábitos de consumo. Na verdade é preciso mais do que isso, é preciso mudar a formar de pensar e agir, é preciso alterar as raízes culturais. No Brasil, um país onde muito se fala sobre a preservação da Amazônia, a questão da sustentabilidade parece estar voltada apenas para o problema florestal. São poucas as pessoas que tem a consciência de que é preciso estarmos atentos às atitudes do dia a dia. O hábito de apagar a luz, economizar água, a decisão dos produtos que serão consumidos, por exemplo, são pequenas atitudes, porém muitos significativas para a sustentabilidade global. A sustentabilidade tem sido aplicada em todos os setores, inclusive o da construção. O grande desafio para as construções sustentáveis é conseguir um equilíbrio entre a proteção ambiental, justiça social e viabilidade econômica. De todas as atividades praticadas pelo ser humano, a construção civil é uma das que mais tem impacto no meio ambiente. No Brasil aproximadamente 40% da extração de recursos naturais têm como destino a indústria da construção. Além disso, 50% da energia gerada são para abastecer o funcionamento das edificações e 50% dos resíduos sólidos urbanos, vêm das construções e das demolições. (BUSSOLOTI, 2010)

14 14 Felizmente já existem muitas pessoas, empresas, entidades e governos que estão se mobilizando para viabilizar o desenvolvimento de construções sustentáveis. Algumas das entidades que contribuem para uma melhoria na qualidade de vida das pessoas, promovendo a defesa e a preservação do meio ambiente, partindo de um princípio da consciência ecológica e responsabilidade social, são: - IDHEA (Instituto para Desenvolvimento da Habitação Ecológica) - Fupam (Fundação para Pesquisa Ambiental) - Ipema (Instituto de Permacultura e Eco Vilas da Mata Atlântica) - Ipec (Instituto de Permacultura do Cerrado) - Green Institute - ATA (Alternative Technology Association) Existem também, em muitos países, alguns conselhos para o desenvolvimento dos conceitos da construção sustentável, que orientam e discutem os padrões a serem seguidos em cada lugar. No caso do Brasil, foi criado recentemente, o Conselho Brasileiro de Construção Sustentável, formado por acadêmicos, pessoas ligadas às áreas social e financeira, construtores e representantes de organizações não-governamentais. - CBCS (Conselho Brasileiro de Construção Sustentável) - USGBC (United States Green Building Council) - CaGBC (Canadá Green Building Council) - GBCA (Green Building Council Australia) - Japan Sustainable Building Consortium A certificação para as construções sustentáveis pode ser obtida por meio de algumas entidades que criaram métodos e sistemas de base que estudam e avaliam o impacto de projeto, construção e operação dos edifícios. As mais comuns são:

15 15 - BREEAM (Building Reserch Establishment Environmental Assessment Method) - LEED (Leadership in Energy and Environmental Design) De acordo com Bussoloti (2010) ambas possuem métodos simplificados, facilmente formatados para serem utilizados pelo mercado e projetistas e vinculam o desempenho em formas de checklists, na qual a somatória de itens cumpridos elevam a categoria na qual o projeto se encontra. A primeira, britânica, é pioneira e serviu de base para as outras certificadoras. A segunda, de origem norte americana, foi desenvolvida pela ONG United States Green Building Council e é a mais popular, já utilizada em alguns projetos brasileiros. Existe ainda, o Selo Casa Azul Caixa objeto de estudo do Capítulo III, que é o primeiro sistema de classificação da sustentabilidade de projetos ofertado no Brasil, desenvolvido para a realidade da construção habitacional brasileira. A metodologia do Selo foi desenvolvida por uma equipe técnica da Caixa Econômica Federal com vasta experiência em projetos habitacionais e em gestão para a sustentabilidade. Um grupo multidisciplinar de professores da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo, Universidade Federal de Santa Catarina e Universidade Estadual de Campinas, atuou como consultor.

16 16 CAPÍTULO II PRINCIPAIS PASSOS PARA SE CHEGAR A UMA CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL 2.1 Planejamento Sustentável da Obra A primeira e mais importante etapa para realização de uma construção sustentável é o planejamento do empreendimento. De acordo com o planejamento do empreendimento habitacional é que serão definidas as alterações ambientais que ocorrerão durante a construção. Segundo o Guia Selo Casa Azul Caixa a escolha do local do empreendimento deve levar em consideração alguns itens: - A otimização do uso da infraestrutura e serviços existentes na cidade; - A redução do processo de espalhamento urbano (uso e ocupação do solo de forma indevida); - A conectividade com o meio urbano (provimento de bons serviços de transporte e comunicação, ou seja, transporte público para promover o acesso das pessoas às escolas, emprego, comércio, saúde; e amplo acesso à internet e telecomunicações); - A qualidade do espaço urbano; - A valorização do empreendimento; - A recuperação de áreas degradadas; - A ocupação de vazios urbanos. (CAIXA ECONÔMICA FEDERAL, 2010) Nesta etapa de escolha da área deve-se dar preferência a planos de uso de solo que evitem áreas ecologicamente sensíveis e preservem,

17 17 melhorem ou restaurem as funções dos sistemas naturais e a vitalidade do entorno. (FREITAS, 2002) A renovação de construções existentes e a ocupação de vazios urbanos são estratégias de adensamento que otimizam o uso do solo e de infraestrutura, protegendo e preservando habitats e recursos naturais. (FREITAS, 2002) Existem 10 princípios básicos para o crescimento urbano inteligente (SMART GROWTH NETWORK, 2002, 2003): 1. Uso de solo misto. 2. Projeto compacto para edificações. 3. Variedades de alternativas e oportunidades de habitação. 4. Criação de vizinhanças orientadas para pedestres. 5. Estímulo à comunidades atraentes e diferenciadas. 6. Preservação de espaços abertos. 7. Fortalecimento e desenvolvimento das comunidades existentes. 8. Variedades de alternativas de transporte. 9. Tomada de decisão justa, com boa relação custo-efetividade. 10. Colaboração entre comunidade e partes interessadas na tomada de decisão. A construção de novos ambientes urbanos deve estar em sinergia com o ambiente já existente, ajustando-se ao entorno e às necessidades locais. A escolha da área deve considerar as relações entre o empreendimento e seu entorno, de modo que seja possível avaliar os impactos positivos da vizinhança sobre o empreendimento, visando à segurança, à saúde e ao bem estar de seus moradores.

18 Aproveitamento Passivo dos Recursos Naturais A construção sustentável é um sistema que promove intervenções sobre o meio ambiente, sem esgotar os recursos naturais, preservando-os para as gerações futuras. Tal modelo de construção utiliza ecomateriais e soluções tecnológicas inteligentes, que promovem a redução da poluição, o bom uso e a economia de água e de energia e o conforto de seus usuários. A obra sustentável deve aproveitar os passivos dos recursos naturais (como por exemplo, iluminação natural), racionalizar o uso de energia, prover sistemas e tecnologias que permitam redução no consumo de água (reuso, aproveitamento da água de chuva), contemplar áreas para coleta seletiva de lixo (reciclagem) e criar ambientes saudáveis, utilizando tecnologias para regular acústica e temperatura. Uma construção sustentável utiliza materiais e tecnologias biocompatíveis, que não agridem o meio ambiente, seja durante o processo de obtenção, fabricação, aplicação e durante a sua vida útil. Para tanto, é necessário utilizar produtos à base de água ou 100% sólidos, pois estes materiais não emitem gases nem odores quando em contato com o oxigênio. (CAIXA ECONÔMICA FEDERAL, 2010) Segundo Márcio Augusto Araújo (2010), consultor do IDHEA (Instituto para o Desenvolvimento da Habitação Ecológica), entre as características das construções sustentáveis estão: o aproveitamento passivo dos recursos naturais, tais como iluminação natural, conforto térmico acústico; eficiência energética mediante o aproveitamento de fontes de energia renováveis como a eólica (vento) e a solar; economia de água com o uso de tecnologias que permitam a recirculação da água utilizada na habitação e aproveitamento de parte da água da chuva para fins não potáveis. Trabalhar para que um imóvel seja sustentável, de acordo com Araújo (2010), é de fundamental importância para a saúde do indivíduo e do planeta. A verdadeira construção sustentável o é não apenas porque não esgota os recursos empregados para a sua edificação e uso, mas também porque sustenta aqueles que a habitam. Ela é a base para suas realizações,

19 19 segurança, alegria e felicidade. Essa visão deveria permear qualquer projeto ou idéia de construção ou habitação sustentável. 2.3 Eficiência Energética As edificações no Brasil são responsáveis por 44% do consumo total de energia elétrica do País, considerando-se os setores residencial (22%), comercial (14,5%) e público (8%) (Brasil, BEN, 2009). Dentro do consumo de energia por fonte, o setor residencial ocupa uma posição importante no consumo de energia. Para o desenvolvimento de projetos mais sustentáveis no Brasil, dentro do setor residencial, é necessário buscar uma redução no consumo de eletricidade, lenha e gás, e um aumento do uso de fontes renováveis de energia, o que leva à importância de considerar-se a eficiência energética das edificações como um dos critérios principais para o desenvolvimento de projetos de edificações mais sustentáveis no país. O projeto deverá ser desenvolvido contemplando estratégias e soluções para o uso racional da energia elétrica sem prejudicar o conforto térmico, lumínico e acústico. FONTES ALTERNATIVAS DE ENERGIA: - Aquecimento Solar: Como fonte de energia alternativa, temos como uma das principais estratégias a utilização do aquecimento solar (para algumas regiões dão país). O sistema de aquecimento solar da água é a aplicação da energia solar mais usada no Brasil e no mundo, e quase sempre este uso é para aquecer a água para banho. Basicamente o sistema é composto por coletores solares, que captam a energia solar para aquecer a água, e reservatórios térmicos, que

20 20 armazenam a água aquecida para o consumo. Um estudo realizado pela Eletrobrás e pelo Laboratório Green Solar da PUC/MG mostra que o uso da energia solar para o aquecimento de água gerou uma redução de 44% no gasto com energia. (CAIXA ECONÔMICA FEDERAL, 2010) - Energia Solar Fotovoltaica: É a conversão de energia solar em energia elétrica através do módulo solar fotovoltaico. Há mais de dez anos na Europa, Estados Unidos e Japão, estão sendo utilizados os painéis fotovoltaicos conectados diretamente na rede de energia elétrica, tornando o recurso mais acessível, pois dispensa o uso de baterias para armazenar a energia, o que torna o processo mais caro e reduz o índice de aproveitamento. No Brasil, desde abril de 2012 a Resolução Normativa da ANEEL (Agência Nacional de Energia Elétrica), regulamenta a implantação de projetos deste tipo, cuja proposta funciona da seguinte forma: o painel solar fotovoltaico é instalado na residência, capta a energia do sol e a transforma em energia elétrica e caso produza mais do que consome, o excedente é então injetado à rede e será utilizado por outros usuários, gerando créditos para quem produziu. Desta forma, é possível, num primeiro momento, uma redução nas contas de energia, uma vez que a edificação produza energia suficientem para gerar créditos que suportem o uso provindo da rede. (ECOCASA, 2013) - Energia Eólica: A energia eólica é a energia que provém do vento. É gerada por meio de aerogeradores, onde a força do vento é captada por hélices ligadas a uma turbina que aciona um gerador elétrico. A quantidade de energia transferida é função da densidade do ar, da área coberta pela rotação das hélices e da velocidade do vento. (MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE, 2013) Para que a energia eólica seja considerada tecnicamente aproveitável, é necessário que sua densidade seja maior ou igual a 500 W/m², a uma altura de 50 metros, o que requer uma velocidade mínima do vento de 7 a 8 m/s (GRUBB, 1993). Segundo a organização Mundial de Meteorologia, o vento

21 21 apresenta velocidade média igual ou superior a 7 m/s, a uma altura de 50m, em apenas 13% da superfície terrestre. Essa proporção varia muito entre regiões e continentes, chegando a 32% na Europa Ocidental. De acordo com a Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL), o Brasil possui 248 megawats (MW) de capacidade instalada de energia eólica, derivados de dezesseis empreendimentos em operação. O Atlas do Potencial Eólico Brasileiro, elaborado pelo Centro de Pesquisas de Energia Elétrica (CEPEL), mostra um potencial bruto de 143,5 GW, o que torna a energia eólica uma alternativa importante para a diversificação do mix de geração de eletricidade no país. O maior potencial foi identificado na região litoral do Nordeste e no Sul e Sudeste. O potencial de energia anual para o Nordeste é de cerca de 144,29 TWh/ano; para a região Sudeste, de 54,93 TWh/ano; e, para a região Sul, de 41,11TWh/ano. De acordo com reportagem publicada por Marília Bugalho Pioli, em 03/11/2010 para o Portal Ambiente Energia, existem muitas questões duvidosas sobre a eficiência da energia eólica: A grande estrela das fontes renováveis no Brasil tem sido inquestionavelmente a energia eólica. Nos dois leilões realizados em agosto de 2010 (leilão de energia de reserva e leilão de fontes renováveis), 70% da energia negociada provém dos ventos. Uma das grandes vantagens alardeadas da energia eólica e são muitas é o fato de ser uma fonte eminentemente limpa e sem impacto ao meio ambiente. Contudo, já começam a circular notícias de problemas advindos dos impactos ambientais provocados pela energia eólica. Mas, afinal...a energia eólica causa ou não impacto ambiental? Sim, causa, como eu causo, você causa, os animais causam, toda humanidade e a modernidade causam. Viver causa impacto ambiental. Enfim, tudo causa impacto ambiental. Portanto, condenar a energia eólica por causar impacto ambiental é condenar tudo mais que existe no mundo completa a jornalista.

22 Gestão e Economia da Água De acordo com o IDHEA Instituto para o Desenvolvimento da Habitação Ecológica, a gestão e economia da água tem como objetivos: Reduzir e controlar o consumo de água fornecido pela concessionária ou obtido junto a fontes naturais (poços, poços artesianos, nascentes, outros); Não contaminar a água e corpos receptores; Aproveitar as fontes disponíveis; Tratar águas cinzas e negras e reaproveitá-las na edificação; Reduzir necessidade de tratamento de efluentes pelo poder público; Aproveitar parte da água pluvial disponível. A gestão e economia da água são indispensáveis para sobrevivência da humanidade, devendo a água ser considerada um insumo finito, por isso deve ser economizada para que possamos prorrogar o atendimento às necessidades dos seus usuários. O uso racional da água pela cadeia produtiva da construção deve envolver não só a promoção da educação entre seus diversos atores como também o fomento à gestão integrada (do manejo e da drenagem), ao gerenciamento equilibrado entre a oferta e a demanda em pelo menos três níveis de abrangência: macro, com a exploração racional dos recursos hídricos; médio, com a gestão otimizada dos sistemas públicos; e micro, com otimização do consumo de água nos edifícios. Fundamentalmente nas edificações, a gestão deve contemplar: o suprimento de água potável; a gestão de águas pluviais e o esgotamento sanitário. (CAIXA ECONÔMICA FEDERAL, 2010) Nas edificações, uma das medidas indicadas para economia da água é o uso de medição individualizada, tendo em vista a redução de desperdícios e uso excessivo, já que cada um vai pagar pelo que consumir. Em relação ao esgotamento sanitário existem duas alternativas: o sistema é ligado à rede pública de coleta de esgoto sanitário ou o edifício dispõe de sistema local de tratamento de esgotos. No caso do sistema local e tratamento de esgotos, de acordo com a NBR (ABNT, 1997), quanto

23 23 mais concentrado é o esgoto mais fácil será o processo de depuração. Portanto, no planejamento de um sistema de tratamento de esgoto sanitário, é fundamental a redução do volume de esgoto, e para que isto seja possível é necessária a conservação da água nas edificações além da redução do consumo. (CAIXA ECONÔMICA FEDERAL, 2010) O uso racional da água é fundamental para o desenvolvimento das construções sustentáveis. Dados da Agência Nacional de Águas (ANA) apontam que, dos municípios brasileiros, 55% poderão ter um déficit no abastecimento de água até Para evitar esse problema, o país precisa investir, até lá, segundo o mesmo levantamento, R$22 bilhões. Até 2025, serão necessários R$70 bilhões, com prioridade para obras nos mananciais e na coleta e tratamento de esgotos, a fim de proteger as fontes de abastecimento (rios e lagos). Somadas, essas localidades vão concentrar, em 2025, 139 milhões de habitantes ou 72% da população. 2.5 Gestão dos Resíduos na Edificação A Resolução 307, de 05/07/2002, aprovada pelo Conselho Nacional do Meio Ambiente CONAMA, estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão dos resíduos da construção civil, disciplinando as ações necessárias de forma a minimizar os impactos ambientais. A construção civil é responsável por aproximadamente 50% dos resíduos gerados na sociedade. Esses resíduos podem ser reciclados, de forma que haja uma redução nos impactos negativos causados ao meio ambiente. Os resíduos que podem ser destinados à reciclagem, de acordo com a Resolução 307 Art. 2 I, são: os provenientes de construções, reformas, reparos e demolições de obras de construção civil, e os resultantes da preparação e da escavação de terrenos, tais como: tijolos, blocos cerâmicos, concreto em geral, solos, rochas, metais, resinas, colas tintas, madeiras e

24 24 compensados, forros, argamassa, gesso, telhas, pavimento asfáltico, vidros, plásticos, tubulações, fiação elétrica, etc. As prefeituras municipais são responsáveis pelo recolhimento dos resíduos gerados e devem oferecer local apropriado para depósito dos entulhos. Os resíduos sempre são gerados seja para bens de consumo duráveis (edifícios, pontes e estradas) ou não duráveis (embalagens descartáveis). Neste processo a produção quase sempre utiliza matérias primas não rendáveis de origem natural (JOHN, 1999). Os resíduos se transformam em graves problemas urbanos como gerenciamento caro e complexo, considerando-se volume e massa acumulados. Os problemas se caracterizam por escassez de área de decomposição de resíduos causados pela ocupação e valorização de áreas urbanas, custos sociais, problemas de saneamento público e contaminação ambiental (JOHN, 1999). De acordo com o IDHEA, os objetivos da gestão de resíduos nas edificações são: criar área para disposição dos resíduos gerados pelos próprios moradores/usuários; reduzir geração de resíduos; reduzir emissão de resíduos orgânicos para processamento pelo Poder Público ou concessionárias; incentivar a reciclagem de resíduos secos ou úmidos. 2.6 Qualidade do Ar e do Ambiente Interior O objetivo desta etapa é de criar um ambiente interior saudável aos ocupantes, identificando poluentes internos na edificação (água, ar, temperatura, umidade, materiais) e evitando ou controlando sua entrada e atuação nociva sobre a saúde e bem-estar dos indivíduos. (IDHEA, 2013) A idéia é de se criar um ambiente saudável, onde se possa respirar melhor, um ambiente isento de poluentes (tais como partículas em suspensão,

25 25 COVs Compostos Orgânicos Voláteis), com uso de materiais biocompatíveis, naturais e/ou que não liberem substâncias voláteis. Alguns exemplos de produtos que emitem gases voláteis e que geralmente são usados nas construções convencionais são: tintas, solventes, resinas, vernizes, colas, carpetes sintéticos e espumas. No lugar desses produtos o ideal seria buscar sempre produtos à base de água ou 100% sólidos, isto é, que em contato com o oxigênio não emitem gases ou odores. (CAIXA ECONÔMICA FEDERAL, 2013) É importante evitar também materiais que reconhecidamente estão envolvidos com graves problemas ambientais, e sobre os quais hoje há consenso entre todas as entidades sérias que trabalham com construção sustentável e Bioconstrução no mundo, como é o caso do PVC (policloreto de vinil) e o alumínio. Outros produtos considerados aceitáveis na ausência de outras opções, devem ser usados de maneira bastante criteriosa principalment no interior da casa ou apartamento, como compensados e OSBs (colados com cola à base de formaldeído). O mesmo vale para madeiras de reflorestamento tratadas por autoclave (sistema CCA), as quais são imunizadas com um veneno à base arsênico e cromo este tipo de madeira, em consenso entre a EPA (Agência de Proteção Ambiental dos EUA) e fabricantes nos EUA, está proibida naquele país desde dezembro de (CAIXA ECONÔMICA FEDERAL, 2013) As empresas, os governos e as ONGs não são as únicas responsáveis pelos materiais de construção e pelo estado atual do meio ambiente. O consumidor, ao optar por um produto A, B ou C, é também co-responsável por todo o processo, já que é para ele que se destinam todos os produtos e, por extensão, as construções. Desta forma, a consciência do consumidor pode ajudar a alterar as regras do mercado.

26 Conforto Termo Acústico Esta etapa consiste na utilização de materiais para vedação e tecnologias naturais ou eco-eficientes para regular a temperatura e som na edificação; climatização natural ou com sistemas eco-eficientes. (IDHEA, 2013) Os isolantes térmicos e acústicos são utilizados nas construções sustentáveis por duas principais razões: primeiro pela economia de energia, segundo pela durabilidade dos isolantes, pois uma vez incorporados à edificação (principalmente na envoltória) permanecerão pelo tempo que a mesma existir, sem necessidade de substituição ou manutenção, o que reduz a quantidade de resíduos e a demanda de recursos naturais para produzir novamente. (IDHEA, 2013) De acordo com Carlos Caruy (2011) gerente técnico da Saint Gobain e diretor técnico da Abraliso, cada projeto tem sua peculiaridade. Por esse motivo é importante observar as necessidades de cada caso. Toda vez que um projetista necessita criar um ambiente com o conforto termo acústico ideal, deve levar em consideração a finalidade do ambiente, o nível de ruído interno e externo, sua localização (área urbana/rural), a incidência solar/climática, seja para reduzir a reverberação do som, a temperatura interna das edificações, ou para proporcionar menor consumo de energia, explica. Segundo Caruy (2011), existem vários tipos de materiais destinados para isolação térmica e acústica, que variam de acordo com sua composição, tipo de aplicação, necessidade a ser atendida (térmica e/ou acústica, proteção ao fogo), desempenho desejado (térmico, acústico e segurança ao fogo), atendimento à normas técnicas, custo, etc. Ele explica, por exemplo, que as lãs minerais, pelas suas características, podem ser aplicadas em praticamente todas as situações onde os isolantes térmicos e acústicos são necessários. Especificamente para o uso na construção civil, visando isolação térmica e acústica, o isolante térmico é

27 27 sempre recomendado para as coberturas, fachadas, paredes divisórias e no piso. (CARUY, 2011) Além disso, a isolação térmica também é empregada em sistema de ar condicionado (dutos, tubulações e equipamentos) e na proteção passiva ao fogo (portas, dutos de ventilação, escadas, isolamento de estruturas metálicas e de shafts, etc.). Para cada situação existem materiais específicos. Os isolantes são os materiais que propiciam o melhor retorno do investimento feito em uma edificação. Os principais benefícios são a economia de energia obtida com a isolação, a redução da necessidade de carga térmica (KWs) dos equipamentos de climatização, o conforto térmico obtido e, numa análise financeira, geralmente o retorno do investimento em isolação térmica paga-se em dias, (CARUY, 2011) Como menciona Caruy (2011), a partir de 2010 entrou em vigor a Norma de Desempenho de Edificações NBR 15575, que estipula os requisitos mínimos de desempenho termo-acústico de edificações. Embora esta série de normas seja para edifícios habitacionais de cinco pavimentos, muitos requisitos serão adotados e referenciados para outros tipos de edificações. Várias iniciativas estão sendo tomadas para tornar a construção civil menos impactante ao meio ambiente. Entidades como o CBCS Conselho Brasileiro para a Construção Sustentável, as certificações LEED e AQUA, o Guia de Compras Públicas Sustentáveis, e Regulamenteção de Eficiência Energética do Procel-Inmetro, são alguns exemplos claros deste movimento. Os diversos eventos (congressos, seminários, workshops, etc.) que estão sendo realizados sobre este tema mostram o interesse cada vez maior sobre a eco-eficiência dos materiais isolante usados nas edificações. (CONSELHO BRASILEIRO DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL, 2011) Segundo Caruy (2013), a ABRALISO Associação Brasileira dos Fabricantes de Lãs Isolantes Minerais tem trabalhado muito na educação e

28 28 consciência sobre isolação térmica e acústica junto ao meio acadêmico, técnico e profissional, através de congressos técnicos, além da contribuição da associação no aperfeiçoamento de normas e regulamentações voltadas para a conservação de energia, conforto térmico e acústico. Outro ponto é que não existe nenhum tipo de incentivo oficial e fiscal para reduzir os custos de seus produtos e difundir o uso de isolantes na construção civil, por exemplo. Os isolantes ainda são vistos apenas como custo e muitas vezes cortados na execução de uma obra, sendo que as conseqüências sempre ficam para o usuário (desconforto, maior consumo de energia, ruído, etc.). Outro detalhe importante apontado por Caruy (2013) é que a correção térmica ou acústica é muitas vezes mais cara e, por vezes, inviável tecnicamente, do que a aplicação dos isolantes durante a execução da obra, conforme previsto no projeto. MATERIAIS DISPONÍVEIS NO MERCADO: - Lã de Vidro: possui um bom desempenho no tratamento acústico de ambiente graças ao seu coeficiente de absorção acústica, sendo indicada sua aplicação em forros ou na confecção de paredes duplas no processo construtivo conhecido como massa-mola-massa, substituindo com vantagens as paredes pesadas, dificultando a transmissão dos sons graças a sua descontinuidade e a grande elasticidade. As principais características são: alto poder de isolação térmica; ótimo coeficiente de absorção acústica; não propagam chamas; não deterioram ou apodrecem; estáveis mesmo em altas temperaturas; fáceis de recortar e aplicar; são inquebráveis, reduzindo as perdas nas obras. (ABRALISO, 2013) - Lã de Rocha: devido a suas características termo-acústicas atende aos mercados da construção civil, industrial, automotivos e eletrodomésticos entre outros. Garantindo conforto ambiental, segurança e aumento no rendimento de equipamentos industriais; suas principais características são: alto poder de absorção acústica; resistência ao fogo; segurança (não oferece

29 29 risco à saúde); facilidade de manuseio; boa resiliência; resistente a vibrações; não higroscópico; imputrescível e quimicamente neutra. (ABRALISO, 2013) - Barreiras Acústicas: são os polímeros minerais de alta densidade à base de EPDM e rocha basáltica, e apresentam bom desempenho acústico. Podem ser aplicadas na construção civil para isolamento acústico de pisos, paredes, tetos e diversas outras aplicações, como isolar acusticamente ruídos provenientes de tubulações de banheiros, esgotos, água fria e água quente. As barreiras acústicas conferem bons resultados com o mínimo de interferência na superfície aplicada. Assim, as espessuras das lajes e do contra piso podem ser melhores dimensionadas. (ABRALISO, 2013) - Espumas Acústicas: A espuma absorvedora acústica permite isolar ou absorver ruídos incômodos provenientes de outros ambientes ou mesmo aqueles reverberados (eco). A sua estrutura multi-celular faz com que a onda sonora seja dissipada (perca energia) em seu interior. E a sua configuração superficial permite a penetração de ondas sonoras vindas de qualquer direção. A espuma absorvedora acústica pode ser aplicada tanto em residências como em locais de trabalho. Pela sua ampla gama de atuação pode ser utilizada em lojas, bancos, restaurantes, escritórios, auditórios, estúdios de rádio e TV, ginásios, entre outros. (ABRALISO, 2013) 2.8 Uso Racional de Materiais Tem como objetivo racionalizar o uso de materiais de construção tradicionais e prevenir o uso de produtos cuja fabricação e uso acarretem problemas ao meio ambiente ou que são suspeitos de afetar a saúde humana. (IDHEA, 2013)

30 30 A construção civil exerce grande impacto sobre o meio ambiente, consumindo de 40% a 75% dos recursos naturais extraídos do planeta (sem considerar água e energia). (CONSELHO BRASILEIRO DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL, 2013) As Construções Sustentáveis devem buscar a utilização de materiais sustentáveis objetivando o maior volume possível de utilização de materiais certificados, de manejo sustentável e recicláveis. Deve ainda, buscar a utilização de materiais cujos processos de extração de matérias primas, beneficiamento, produção, armazenamento e transporte causem menor índice de danos ao meio ambiente nem estejam baseados em condições de trabalho indignas para operários. A extração da maioria das matérias-primas implica a destruição de biomas importantes. Alguns produtos simples, como areia, madeira nativa obtida de forma não manejada, causam grandes impactos ao meio ambiente. Materiais de construção essenciais como a cerâmica, o cimento e todos os metais, dependem de processos térmicos, que via de regra utilizam combustíveis fósseis ou, infelizmente, de madeira extraída ilegalmente, contribuindo para a mudança climática e outros poluentes. A produção, uso e descarte de qualquer material de construção implica impactos ambientais, sociais e econômicos. O uso sustentável destes recursos depende da habilidade dos profissionais em selecionarem os produtos mais adequados e os fornecedores com maior responsabilidade ambiental e social. O CBCS Conselho Brasileiro de Construção Sustentável tem como objetivo motivar o uso sustentável dos materiais de construção civil, visando à redução de seus impactos no meio ambiente através do incentivo à compra de produtos de empresas que cumprem com suas obrigações fiscais e legais e ao estudo do melhor produto a ser utilizado em cada projeto, considerando a existência de produtos locais, forma de transporte, qualidade e desempenho, ciclo de vida do produto e durabilidade e vida útil, além de incentivar a redução do consumo de materiais através da racionalização da produção. Existem significativas diferenças no impacto ambiental entre diferentes fábricas de um mesmo produto. Alguns exemplos do mercado brasileiro: o

31 31 consumo de energia para produção de gesso varia entre aproximadamente 1,4GJ/t até 6,9GJ/t diferença agravada por variações de combustíveis; a emissão de CO2 para fabricação de clínquer da fábrica mais eco-eficiente é cerca de 30% menor do que a média; telhas de cerâmica vermelha são produzidas em fornos contínuos muito eficientes e também em fornos intermitentes. (CONSELHO BRASILEIRO DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL, 2013) A melhor ferramenta para selecionar produtos com base em critérios de eco-eficiência é a ferramenta de análise do ciclo de vida, que integra o conjunto de ferramentas previstas na série de normas ISO A análise do ciclo de vida realiza uma contabilidade de todas as emissões e de todo o consumo de matérias-primas e energias associados à vida do produto da sua produção ao seu descarte final. Esta ferramenta permite que os fabricantes emitam a Declaração Ambiental do Produto, apresentando em detalhes todas as emissões e consumo de recursos relevantes associadas a este, tornando possível ao profissional realizar uma seleção objetiva ponderando aspectos ambientais, econômicos e sociais. Também permite ao fabricante identificar pontos fracos e investir na melhoria do desempenho ambiental de seus processos e produtos. (CONSELHO BRASILEIRO DE COSNTRUÇÃO SUSTENTÁVEL, 2013) A aplicação desta ferramenta depende da existência de uma base de dados com as emissões e consumos das principais matérias-primas nacionais o que ainda não está disponível. O CBCS Conselho Brasileiro de Construção Sustentável, junto com as empresas associadas, está colaborando com órgãos governamentais e outras entidades para criar as condições para que no futuro esta ferramenta esteja disponível no Brasil.

32 32 Amigáveis 2.9 Uso de Produtos e Tecnologias Ambientalmente No Brasil, ainda não há normas para avaliação e certificação de produtos sustentáveis ou ambientalmente corretos, com exceção das madeiras (Madeiras Certificadas) e produtos orgânicos alimentícios. De acordo com o IDHEA (2013), os objetivos desta etapa são: prever na obra uso máximo de produtos e tecnologias amigas do meio ambiente que atendam os seguintes pontos: Ecologia Coletar dados que comprovem o desempenho sustentável dos processos construtivos, produtos e tecnologias recomendados, do ponto de vista da gestão e uso de matérias-primas e insumos básicos; energia; água; emissão de poluentes; normatização; cumprimento das leis vigentes; embalagem; transportes (logística); potencial de reuso e/ou reciclagem; Economia: Recomendar ecoprodutos e tecnologias sustentáveis adequados à realidade financeira e capacidade de investimento do cliente, com prazo e taxas de retorno definidos (payback); Saúde: Avaliar a biocompatibilidade e sanidade doas produtos recomendados com o ser humano e organismos vivos em geral, com o objetivo de gerar um ambiente saudável e de elevada qualidade para seus ocupantes e vizinhança; Responsabilidade Social: Recomendar o uso de materiais que atendam às normas brasileiras e internacionais de qualidade e padronização (NBR16001), cuja fabricação contribua para inserção da população desfavorecida no mercado de trabalho e consumo, bem como para fixação do homem em sua região de origem. Na concepção do projeto a pesquisa é extremamente importante, e neste momento é possível analisar todos os materiais que serão utilizados na obra, desde as matérias-primas até os materiais reciclados ou recicláveis que

33 33 podem ser utilizados. Para melhor escolhê-los, responda a perguntas básicas como: de onde vem esse material? Qual é seu ciclo de vida? (ARAÚJO, 2005) A escolha dos produtos e materiais para uma obra sustentável deve obedecer a critérios específicos como origem da matéria-prima, extração, processamento, gastos com energia para transformação, emissão de poluentes, biocompatibilidade, dentre outros -, que permitam classificá-los como sustentáveis e elevar o padrão da obra. Essa seleção também deve atender parâmetros de inserção, estando de acordo com a geografia circundante, história, tipologia, ecossistema, condições climáticas, resistência, responsabilidade social, dentre outras abordagens e leituras do ambiente de implantação da obra. (ARAÚJO, 2005)

34 34 CAPÍTULO III SELO CASA AZUL CAIXA A Caixa Econômica Federal (2013) atua no País há 150 anos, buscando fomentar o desenvolvimento e a inclusão social em suas ações internas, na interação com o cliente e no apoio a projetos que beneficiem comunidades locais e a sociedade. É uma empresa preocupada com a responsabilidade social e a sustentabilidade ambiental. São várias as iniciativas da empresa voltadas para estas finalidades, tais como: - AÇÃO MADEIRA LEGAL: a Caixa Econômica Federal (2013), implementou em 2009, em parceria com o IBAMA e o Ministério do Meio Ambiente, a Ação Madeira Legal. O banco passou a verificar a origem da madeira de espécies nativas usada em empreendimentos habitacionais. Para preservação da floresta Amazônica, é muito importante consumir apenas madeira retirada de áreas legais, pois boa parte dessa matéria-prima é fruto de extração não autorizada ou desmatamento ilegal. - ENERGIA LIMPA: A Caixa Econômica Federal (2013) financia projetos de usinas hidrelétricas, eólicas, de biomassa e Pequenas Centrais Hidrelétricas (PCHs), que fazem parte do Programa de Incentivo às Fontes Alternativas de Energia Elétrica. A Caixa incentiva, ainda, a redução no consumo de energia com a oferta de crédito diferenciado para as empresas que buscam máquinas e equipamentos ecoeficientes. O uso responsável de energia nas residências também é estimulado. A instituição financia, por exemplo, o sistema de aquecimento solar da água para famílias de baixa renda, isso reduz a conta de luz em até 40%. - FUNDO SOCIOAMBIENTAL: A Caixa Econômica Federal (2013) destina até 2% de seu lucro para ações e investimentos de caráter socioambiental, ou seja, que buscam, ao mesmo tempo, proteger a natureza e incentivar o desenvolvimento humano local.

35 35 - CIDADES SUSTENTÁVEIS: Para Caixa Econômica Federal (2013) uma cidade sustentável vai além do ambientalmente responsável ela deve ser justa para todos, próspera, com boa oferta de empregos, bem projetada e construída, amigável e amplamente conectada com serviços de transportes e comunicação. É por isso que as ações e programas do banco têm forte atuação no desenvolvimento do espaço urbano e na inclusão de seus habitantes. Com o objetivo de promover o desenvolvimento sustentável e contribuir para o alcance das metas nacionais dos Objetivos do Milênio, o banco financia e repassa recursos para: - Saneamento Ambiental; - Infraestrutura; - Habitação; - Ações socioambientais com a comunidade. No programa Minha Casa Minha Vida, que dá subsídios e crédito para as famílias brasileiras comprarem uma moradia, o Governo Federal e a Caixa Econômica Federal (2013) vêm incentivando medidas que garantam o bemestar dos moradores e o respeito ao meio ambiente. Até agora, são mais de 1 milhão de unidades, que, além de se transformar em lar para milhares de pessoas, também acolhem princípios de sustentabilidade. No balanço do PAC2 Programa de Aceleração do Crescimento, divulgado nesta segunda-feira (10/06/2013) pelo Ministério do Planejamento (2013), o governo federal destacou a utilização de materiais inovadores na construção de empreendimentos do Programa Minha Casa Minha Vida. Citou, por exemplo, o residencial Haragano, que está sendo construído em Pelotas, Rio Grande do Sul. As 280 unidades desse empreendimento estão sendo construídas com tecnologia que utiliza madeira de reflorestamento tratada e processada na estrutura, e fechamento das paredes em placas de cimento.

Nove Passos para a Obra Sustentável - resumo

Nove Passos para a Obra Sustentável - resumo Nove Passos para a Obra Sustentável - resumo IDHEA Instituto para o Desenvolvimento da Habitação Ecológica www.idhea.com.br idhea@idhea.com.br (disponível na íntegra para clientes) Introdução O conceito

Leia mais

A Produção de Empreendimentos Sustentáveis

A Produção de Empreendimentos Sustentáveis A Produção de Empreendimentos Sustentáveis Arq. Daniela Corcuera arq@casaconsciente.com.br www.casaconsciente.com.br A construção sustentável começa a ser praticada no Brasil, ainda com alguns experimentos

Leia mais

CONSELHO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL CDES GT MATRIZ ENERGÉTICA PARA O DESENVOLVIMENTO COM EQUIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

CONSELHO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL CDES GT MATRIZ ENERGÉTICA PARA O DESENVOLVIMENTO COM EQUIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL CONSELHO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL CDES GT MATRIZ ENERGÉTICA PARA O DESENVOLVIMENTO COM EQUIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL COLÓQUIO EMPREGOS VERDES E CONSTRUÇÕES SUSTENTÁVEIS 20.08.2009

Leia mais

Sistemas construtivos à base de cimento. Uma contribuição efetiva para a. sustentabilidade da construção civil

Sistemas construtivos à base de cimento. Uma contribuição efetiva para a. sustentabilidade da construção civil Sistemas construtivos à base de cimento. Uma contribuição efetiva para a sustentabilidade da construção civil A CONSCIÊNCIA AMBIENTAL É TEMA DESTE SÉCULO, E PORQUE NÃO DIZER DESTE MILÊNIO REDUZA REUTILIZE

Leia mais

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática A Abiquim e suas ações de mitigação das mudanças climáticas As empresas químicas associadas à Abiquim, que representam cerca

Leia mais

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras 1. DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente para o desenvolvimento sustentável, das áreas onde atuamos e

Leia mais

Eco Houses / Casas ecológicas. Juliana Santos Rafaela Castilho Sandra Aparecida Reis Sislene Simões Curso:Tecnologia em Gestão Ambiental

Eco Houses / Casas ecológicas. Juliana Santos Rafaela Castilho Sandra Aparecida Reis Sislene Simões Curso:Tecnologia em Gestão Ambiental Eco Houses / Casas ecológicas Juliana Santos Rafaela Castilho Sandra Aparecida Reis Sislene Simões Curso:Tecnologia em Gestão Ambiental IDHEA - INSTITUTO PARA O DESENVOLVIMENTO DA HABITAÇÃO ECOLÓGICA Conceito:

Leia mais

CARTILHA DA LEI DO ENTULHO FERNANDÓPOLIS, SP ORIENTAÇÃO EM BUSCA DA CIDADANIA

CARTILHA DA LEI DO ENTULHO FERNANDÓPOLIS, SP ORIENTAÇÃO EM BUSCA DA CIDADANIA CARTILHA DA LEI DO ENTULHO FERNANDÓPOLIS, SP ORIENTAÇÃO EM BUSCA DA CIDADANIA - (17) 3463-9014 TEL. (17) 3463-1495 O CER também comercializa materiais reciclados para obra de ótima qualidade como areia,

Leia mais

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO TAREFAS ESTRUTURA PESSOAS AMBIENTE TECNOLOGIA ÊNFASE NAS TAREFAS Novos mercados e novos conhecimentos ÊNFASE

Leia mais

Automação para desempenho ambiental e desenho universal

Automação para desempenho ambiental e desenho universal Automação para desempenho ambiental e desenho universal 58 pontos providos por sistemas de e equipamentos periféricos Eng. Gabriel Peixoto G. U. e Silva Selos verdes AQUA (selo francês HQE) Alta Qualidade

Leia mais

SELO CASA AZUL CAIXA. Cases empresariais - SBCS10 São Paulo, 9/NOV/2010

SELO CASA AZUL CAIXA. Cases empresariais - SBCS10 São Paulo, 9/NOV/2010 Cases empresariais - SBCS10 São Paulo, 9/NOV/2010 SELO CASA AZUL CAIXA Sandra Cristina Bertoni Serna Quinto Arquiteta Gerência Nacional de Meio Ambiente SELO CASA AZUL CAIXA CATEGORIAS E CRITÉRIOS SELO

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA Resolução nº 307, de 5 de Julho de 2002. Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão dos resíduos da construção civil, disciplinando as ações

Leia mais

NORMAS DE DESEMPENHO: Alinhamento da Arquitetura Brasileira aos Padrões Mundiais de Projeto

NORMAS DE DESEMPENHO: Alinhamento da Arquitetura Brasileira aos Padrões Mundiais de Projeto 38 a. ASSEMBLEIA & 1º FORUM ANUAL 21 de Maio de 2010 NORMAS DE DESEMPENHO: Alinhamento da Arquitetura Brasileira aos Padrões Mundiais de Projeto Arquiteta Ana Maria de Biazzi Dias de Oliveira anabiazzi@uol.com.br

Leia mais

Soluções sustentáveis para a vida.

Soluções sustentáveis para a vida. Soluções sustentáveis para a vida. A Ecoservice Uma empresa brasileira que está constantemente em busca de recursos e tecnologias sustentáveis para oferecer aos seus clientes, pessoas que têm como conceito

Leia mais

Resíduos da Construção Civil INEA DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL (DILAM)

Resíduos da Construção Civil INEA DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL (DILAM) Resíduos da Construção Civil INEA DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL (DILAM) Legislação e Normas Resolução CONAMA n 307 de 04 de Maio de 2002 Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão

Leia mais

SELO CASA AZUL. Mara Luísa Alvim Motta Gerente Executiva Meio Ambiente

SELO CASA AZUL. Mara Luísa Alvim Motta Gerente Executiva Meio Ambiente SELO CASA AZUL Mara Luísa Alvim Motta Gerente Executiva Meio Ambiente SELO CASA AZUL CAIXA CATEGORIAS E CRITÉRIOS CATEGORIA CONSERVAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS Avalia o uso racional de materiais de construção

Leia mais

Otimização do uso do solo

Otimização do uso do solo Otimização do uso do solo Criamos uma cidade compacta, adensada, próxima de meios de transporte de alta capacidade, paisagens e ecossistemas visualmente atraentes e que agregam valor à comunidade. Urbanização

Leia mais

Curso de Desenvolvimento. sustentável.

Curso de Desenvolvimento. sustentável. 50 Série Aperfeiçoamento de Magistrados 17 Curso de Desenvolvimento Sustentável Juliana Andrade Barichello 1 O objetivo deste trabalho é discorrer sobre os principais pontos das palestras proferidas sobre

Leia mais

SELO CASA AZUL CAIXA Seminário Construções Sustentáveis

SELO CASA AZUL CAIXA Seminário Construções Sustentáveis SELO CASA AZUL CAIXA Seminário Construções Sustentáveis 19/OUT/2011 Mara Luísa Alvim Motta Gerência Nacional de Meio Ambiente CAIXA EVOLUÇÃO DO CRÉDITO IMOBILIÁRIO 2003-2010 EVOLUÇÃO DO CRÉDITO IMOBILIÁRIO

Leia mais

Linhas de financiamento para apoio a Eficiência Energética e utilização de fontes de energia limpa nos diversos setores da sociedade

Linhas de financiamento para apoio a Eficiência Energética e utilização de fontes de energia limpa nos diversos setores da sociedade Soluções em Eficiência Energética e Energia Renovável Aplicáveis a Edificações Residenciais e Comerciais de Pernambuco Linhas de financiamento para apoio a Eficiência Energética e utilização de fontes

Leia mais

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Setembro de 2010 Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente

Leia mais

PARCERIA: SUSTENTABILIDADE

PARCERIA: SUSTENTABILIDADE Contabilidade Ambiental e a Sustentabilidade nas Empresas Luis Fernando de Freitas Penteado luisfernando@freitaspenteado.com.br www.freitaspenteado.com.br PARCERIA: SUSTENTABILIDADE Dificuldade de definição

Leia mais

QUALIVERDE. Legislação para Construções Verdes NOVEMBRO DE 2012

QUALIVERDE. Legislação para Construções Verdes NOVEMBRO DE 2012 QUALIVERDE Legislação para Construções Verdes NOVEMBRO DE 2012 Legislação para Construções Verdes Concessão de benefícios às construções verdes, de modo a promover o incentivo à adoção das ações e práticas

Leia mais

MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE

MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE Sustentabilidade significa permanecer vivo. Somos mais de 7 bilhões de habitantes e chegaremos a 9 bilhões em 2050, segundo a ONU. O ambiente tem limites e é preciso fazer

Leia mais

Sustentabilidade em Edificações Públicas Entraves e Perspectivas

Sustentabilidade em Edificações Públicas Entraves e Perspectivas Câmara dos Deputados Grupo de Pesquisa e Extensão - Programa de Pós-Graduação - CEFOR Fabiano Sobreira SEAPS-NUARQ-CPROJ-DETEC Valéria Maia SEAPS-NUARQ-CPROJ-DETEC Elcio Gomes NUARQ-CPROJ-DETEC Jacimara

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 (DOU de 17/07/2002)

RESOLUÇÃO Nº 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 (DOU de 17/07/2002) RESOLUÇÃO Nº 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 (DOU de 17/07/2002) Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão dos resíduos da construção civil. Correlações: Alterada pela Resolução nº 469/15

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 Publicada no DOU nº 136, de 17/07/2002, págs. 95-96

RESOLUÇÃO N o 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 Publicada no DOU nº 136, de 17/07/2002, págs. 95-96 RESOLUÇÃO N o 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 Publicada no DOU nº 136, de 17/07/2002, págs. 95-96 Correlações: Alterada pela Resolução nº 448/12 (altera os artigos 2º, 4º, 5º, 6º, 8º, 9º, 10 e 11 e revoga os

Leia mais

DECRETOS E RESOLUÇÕES - RESÍDUOS INERTES / CONSTRUÇÃO CIVIL

DECRETOS E RESOLUÇÕES - RESÍDUOS INERTES / CONSTRUÇÃO CIVIL Decreto / Norma Emissor Assunto Diretrizes e procedimentos / Resíduos da Construção Civil. Define a tipologia de resíduos da construção civil Artigo2º, tem I: Resíduos da construção civil: São os provenientes

Leia mais

SUSTENTABILIDADE 2014

SUSTENTABILIDADE 2014 SUSTENTABILIDADE 2014 Rutivo de no CONSTRUIR, PLANTAR E TRANSFORMAR Nosso objetivo vai além de ser responsável pelo processo construtivo de nossas obras, procuramos estimular e disseminar o conceito de

Leia mais

SUSTENTABILIDADE EM CONDOMINIOS

SUSTENTABILIDADE EM CONDOMINIOS EM CONDOMINIOS Miguel Tadeu Campos Morata Engenheiro Químico Pós Graduado em Gestão Ambiental Considerações Iniciais Meta - A sobrevivência e perpetuação do seres humanos no Planeta. Para garantir a sobrevivência

Leia mais

Geração de Energia a partir do lixo urbano. Uma iniciativa iluminada da Plastivida.

Geração de Energia a partir do lixo urbano. Uma iniciativa iluminada da Plastivida. Geração de Energia a partir do lixo urbano. Uma iniciativa iluminada da Plastivida. Plástico é Energia Esta cidade que você está vendo aí de cima tem uma população aproximada de 70.000 mil habitantes e

Leia mais

Engenharia e Meio Ambiente

Engenharia e Meio Ambiente Engenharia e Meio Ambiente 1. ECOLOGIA 2. MEIO AMBIENTE 3. HABITAT E NICHO ECOLÓGICO 4. POTENCIAL BIÓTICO 5. RESISTÊNCIA AMBIENTAL 6. PEGADA ECOLÓGICA O QUE É ECOLOGIA? 1. Ciência que estuda as relações

Leia mais

"Água e os Desafios do. Setor Produtivo" EMPRESAS QUE DÃO ATENÇÃO AO VERDE DIFICILMENTE ENTRAM NO VERMELHO.

Água e os Desafios do. Setor Produtivo EMPRESAS QUE DÃO ATENÇÃO AO VERDE DIFICILMENTE ENTRAM NO VERMELHO. "Água e os Desafios do Setor Produtivo" EMPRESAS QUE DÃO ATENÇÃO AO VERDE DIFICILMENTE ENTRAM NO VERMELHO. DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E O PAPEL DE CADA UM É o desenvolvimento que atende às necessidades

Leia mais

TECNOLOGIAS E PRODUTOS SUSTENTÁVEIS

TECNOLOGIAS E PRODUTOS SUSTENTÁVEIS TECNOLOGIAS E PRODUTOS SUSTENTÁVEIS ENGº. MARCOS CASADO Gerente Técnico LEED Tópicos a serem abordados: Objetivos Conceitos: ECOPRODUTOS - Produtos recomendados - Produtos corretos - Produtos aceitáveis

Leia mais

GESTÃO E GERENCIAMENTO AMBIENTAL ESTRATÉGIAS DE GESTÃO AMBIENTAL

GESTÃO E GERENCIAMENTO AMBIENTAL ESTRATÉGIAS DE GESTÃO AMBIENTAL GESTÃO E GERENCIAMENTO AMBIENTAL GESTÃO AMBIENTAL: Planejamento. GERENCIAMENTO AMBIENTAL: Execução e Controle. GESTÃO ETAPAS: 1. Definição dos Objetivos do Planejamento = metas. 2. Inventário/ Banco de

Leia mais

Ações CAIXA para promover a Eficiência Energética e a Geração Distribuída

Ações CAIXA para promover a Eficiência Energética e a Geração Distribuída Fórum de Eficiência Energética e Geração Distribuída ANEEL 2015 Ações CAIXA para promover a Eficiência Energética e a Geração Distribuída Mara Luísa Alvim Motta Gerente Executiva Gerência Nacional de Sustentabilidade

Leia mais

Desafios de Seleção de Materiais e Fornecedores

Desafios de Seleção de Materiais e Fornecedores Desafios de Seleção de Materiais e Fornecedores VERA FERNANDES HACHICH Conselho Brasileiro da Construção Sustentável CBCS TESIS Tecnologia de Sistemas em Engenharia 5 de novembro 2009 Tópicos Palestra

Leia mais

Conjunto de indicadores de sustentabilidade de empreendimentos - uma proposta para o Brasil

Conjunto de indicadores de sustentabilidade de empreendimentos - uma proposta para o Brasil Conjunto de indicadores de sustentabilidade de empreendimentos - uma proposta para o Brasil Texto Preliminar Completo - Agosto 2011 INTRODUÇÃO Começam a existir no Brasil um bom número de edifícios com

Leia mais

Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima

Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável I Introdução O Projeto Granja São Roque de redução

Leia mais

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS VI.1. Introdução A avaliação de riscos inclui um amplo espectro de disciplinas e perspectivas que vão desde as preocupações

Leia mais

Eco Dicas - Construir ou Reformar

Eco Dicas - Construir ou Reformar Eco Dicas - Construir ou Reformar São dicas de como preservar e economizar os recursos naturais quando se pensa em obras. Praticando-as, nosso bolso também agradece. É bom saber que: a fabricação de PVC

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO PROGRAMAÇÃO DO EVENTO Dia 08/08 // 09h00 12h00 PLENÁRIA Nova economia: includente, verde e responsável Nesta plenária faremos uma ampla abordagem dos temas que serão discutidos ao longo de toda a conferência.

Leia mais

Otimização do uso do solo

Otimização do uso do solo Otimização do uso do solo Criamos uma cidade compacta, adensada, próxima de meios de transporte de alta capacidade e de paisagens e ecossistemas visualmente atraentes que agregam valor à comunidade. Urbanização

Leia mais

Jean Rodrigues Benevides

Jean Rodrigues Benevides AÇÕES DE INCENTIVO E FINANCIAMENTO A PROJETOS DE SUSTENTABILIDADE E EFICIÊNCIA Jean Rodrigues Benevides Gerente Nacional Gerência Nacional de Sustentabilidade e Responsabilidade Socioambiental 153 67 mil

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE RESOLUÇÃO N. 307, DE 05 DE JULHO DE 2002 Alterações: Resolução CONAMA n. 348, de 16.08.04 Resolução CONAMA n. 431, de 24.05.11 Resolução CONAMA n. 448, de 18.01.12 Resolução

Leia mais

SUSTENTABILIDADE E CERTIFICAÇÃO AQUA EM EMPREENDIMENTO COMERCIAL

SUSTENTABILIDADE E CERTIFICAÇÃO AQUA EM EMPREENDIMENTO COMERCIAL FICHA TÉCNICA Empresa: Syene Empreendimentos Projeto: Syene Corporate Área Construída: 77.725,45 m² Data de implementação: 01/09/2010 Responsável: Jealva Fonseca Contato: jealva@syene.com.br INTRODUÇÃO

Leia mais

PROGRAMA DE GESTÃO AMBIENTAL SEBRAE - SP

PROGRAMA DE GESTÃO AMBIENTAL SEBRAE - SP PROGRAMA DE GESTÃO AMBIENTAL SEBRAE - SP DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL desenvolvimento que satisfaz as necessidades do presente sem comprometer a capacidade das futuras gerações satisfazerem suas próprias

Leia mais

Curso de Gestão de Águas Pluviais

Curso de Gestão de Águas Pluviais Curso de Gestão de Águas Pluviais Capítulo 4 Prof. Carlos E. M. Tucci Prof. Dr. Carlos E. M. Tucci Ministério das Cidades 1 Capítulo 4 Gestão Integrada Conceito Marcos Mundiais, Tendência e Estágio Institucional

Leia mais

ASSOCIAÇÃO TECNOLOGIA VERDE BRASIL - ATVerdeBrasil MINUTA DE PROJETO DE LEI A SER SUGERIDA AOS PODERES PÚBLICOS

ASSOCIAÇÃO TECNOLOGIA VERDE BRASIL - ATVerdeBrasil MINUTA DE PROJETO DE LEI A SER SUGERIDA AOS PODERES PÚBLICOS ASSOCIAÇÃO TECNOLOGIA VERDE BRASIL - ATVerdeBrasil MINUTA DE PROJETO DE LEI A SER SUGERIDA AOS PODERES PÚBLICOS PROJETO DE LEI DO LEGISLATIVO Dispõe sobre a obrigatoriedade da instalação de telhados verdes

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2014

PROJETO DE LEI Nº, DE 2014 PROJETO DE LEI Nº, DE 2014 (Do Sr. Geraldo Resende) Estabelece a Política Nacional de Captação, Armazenamento e Aproveitamento de Águas Pluviais e define normas gerais para sua promoção. O Congresso Nacional

Leia mais

SELO CASA AZUL CAIXA. Mara Luísa Alvim Motta Gerente Executiva Gerência Nacional de Meio Ambiente

SELO CASA AZUL CAIXA. Mara Luísa Alvim Motta Gerente Executiva Gerência Nacional de Meio Ambiente Mara Luísa Alvim Motta Gerente Executiva Gerência Nacional de Meio Ambiente Cases empresariais- SBCS10 São Paulo, 9/NOV/2010 A sustentabilidade Demanda mudanças de hábitos, atitudes conscientes e corajosas

Leia mais

CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL IMPLANTAÇÃO DA AGÊNCIA GRANJA VIANA

CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL IMPLANTAÇÃO DA AGÊNCIA GRANJA VIANA IMPLANTAÇÃO DA AGÊNCIA GRANJA VIANA CONCEITO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL CONSTRUÇÃO ECOLÓGICA CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL PROMOVE INTERVENÇÕES CONSCIENTES SOBRE O MEIO AMBIENTE, ADAPTANDO-O PARA AS NECESSIDADES

Leia mais

Apresentação CEI. Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica

Apresentação CEI. Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica Apresentação CEI Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica A CEI é produtora independente de energia em MG, com 9 usinas em operação, 15 empreendimentos hidrelétricos em desenvolvimento (130MW) e

Leia mais

Prefeitura Municipal de Jaboticabal

Prefeitura Municipal de Jaboticabal LEI Nº 4.715, DE 22 DE SETEMBRO DE 2015 Institui a Política Municipal de estímulo à produção e ao consumo sustentáveis. RAUL JOSÉ SILVA GIRIO, Prefeito Municipal de Jaboticabal, Estado de São Paulo, no

Leia mais

ULC/0417 PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL. 1.0 18/08/09 Ajuste de layout para adequação no sistema eletrônico.

ULC/0417 PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL. 1.0 18/08/09 Ajuste de layout para adequação no sistema eletrônico. CONTROLE DE REVISÃO Código do Documento: Nome do Documento: ULC/0417 PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL Responsável pela Elaboração: Gerente de Segurança e Meio NE/SE Responsável

Leia mais

O homem e o meio ambiente

O homem e o meio ambiente A U A UL LA O homem e o meio ambiente Nesta aula, que inicia nosso aprendizado sobre o meio ambiente, vamos prestar atenção às condições ambientais dos lugares que você conhece. Veremos que em alguns bairros

Leia mais

Sistemas de aquecimento de água residencial e o ASBC: Aquecedor Solar de Baixo Custo Por Felipe Marques Santos Aluno do curso de Engenharia de Energia Projeto Coordenado por Prof. Dr. Rogério Gomes de

Leia mais

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS Resumo da Agenda 21 CAPÍTULO 1 - Preâmbulo Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS CAPÍTULO 2 - Cooperação internacional para acelerar o desenvolvimento sustentável dos países em desenvolvimento e políticas

Leia mais

ARQUITETANDO O FUTURO

ARQUITETANDO O FUTURO ARQUITETANDO O FUTURO Arq. Emílio Ambasz T J D F T ASSESSORIA DA SECRETARIA GERAL DA PRESIDÊNCIA Objetivos do TJDFT Cumprir o mandamento constitucional de defesa e preservação do meio ambiente para as

Leia mais

Armazenamento de Energia Renovável

Armazenamento de Energia Renovável Solar Eólico Armazenamento de Energia Renovável Biomassa Eficiência Energética Comercial Parques Público Rural Industrial Residencial MICRO E MINIGERAÇÃO DE ENERGIA A ANEEL permitiu aos consumidores através

Leia mais

Pesquisa e Desenvolvimento que geram avanços

Pesquisa e Desenvolvimento que geram avanços P&D O compromisso das empresas com o desenvolvimento sustentável por meio da energia limpa e renovável será demonstrado nesta seção do relatório. Nela são disponibilizados dados sobre a Pesquisa, Desenvolvimento

Leia mais

18/06/2009. Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br.

18/06/2009. Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br. Marketing Ambiental Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. O que temos visto e ouvido falar das empresas ou associado a elas? Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br 2 3 Sílvia

Leia mais

Viver Confortável, Morar Sustentável

Viver Confortável, Morar Sustentável Viver Confortável, Morar Sustentável A Verde Lar foi criada em Março de 2009, dando início a uma jornada com o compromisso e ética das questões ambientais no mercado habitacional oferecendo soluções para

Leia mais

Infinity Tower características de projeto e tecnologia de sistemas prediais para a sustentabilidade.

Infinity Tower características de projeto e tecnologia de sistemas prediais para a sustentabilidade. Realização: Parceiro: Infinity Tower características de projeto e tecnologia de sistemas prediais para a sustentabilidade. Cesar Ramos - Gerente de projetos da Yuny Incorporadora Daniel Gallo - Gerente

Leia mais

PROGRAMA PRODUTOR SOLAR

PROGRAMA PRODUTOR SOLAR PROGRAMA PRODUTOR SOLAR COOPERATIVA DE ENERGIAS RENOVÁVEIS A TESLA ENERGIA é uma cooperativa uma empresa social de energias renováveis, que alia à sua natureza social o apoio a projetos de solidariedade,

Leia mais

Iniciativas Futuro Verde" do Japão

Iniciativas Futuro Verde do Japão 1. Compreensão Básica Iniciativas Futuro Verde" do Japão 1. Nas condições atuais, em que o mundo está enfrentando diversos problemas, como o crescimento populacional, a urbanização desordenadas, a perda

Leia mais

INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO

INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO Aula 8 a A Engenharia e o Meio Ambiente Parte I Edgar Aberto de Brito PRIMEIRA PARTE As questões ambientais e os problemas para a engenharia. ENGENHARIA

Leia mais

PROGRAMA DE SUSTENTABILIDADE NAS UNIDADES DE SAÚDE

PROGRAMA DE SUSTENTABILIDADE NAS UNIDADES DE SAÚDE PROGRAMA DE SUSTENTABILIDADE NAS UNIDADES DE SAÚDE 118 IABAS Relatório de Gestão Rio de Janeiro 2010/2011/2012 Programa de Sustentabilidade nas Unidades de Saúde O Programa de Sustentabilidade promove

Leia mais

Conjunto de pessoas que formam a força de trabalho das empresas.

Conjunto de pessoas que formam a força de trabalho das empresas. 1. OBJETIVOS Estabelecer diretrizes que norteiem as ações das Empresas Eletrobras quanto à promoção do desenvolvimento sustentável, buscando equilibrar oportunidades de negócio com responsabilidade social,

Leia mais

Guia de sustentabilidade para plásticos

Guia de sustentabilidade para plásticos Guia de sustentabilidade para plásticos Maio 2014 1 2 3 4 5 6 7 8 Introdução... 4 Contextualização dos plásticos... 6 Composição dos móveis e utensílios de plásticos...7 Requerimentos para materiais que

Leia mais

Disciplina: Fontes Alternativas de Energia

Disciplina: Fontes Alternativas de Energia Disciplina: Fontes Alternativas de Parte 1 Fontes Renováveis de 1 Cronograma 1. Fontes renováveis 2. Fontes limpas 3. Fontes alternativas de energia 4. Exemplos de fontes renováveis 1. hidrelétrica 2.

Leia mais

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE PALMAS DIRETORIA DE CONTROLE AMBIENTAL GERÊNCIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE PALMAS DIRETORIA DE CONTROLE AMBIENTAL GERÊNCIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL TERMO DE REFÊRENCIA PARA ELABORACÃO DE PROJETO AMBIENTAL DE DEDETIZADORAS, LIMPA FOSSA E EMPRESAS QUE PRESTA SERVIÇO DE LIMPEZA. Este Termo de Referência visa orientar na elaboração de PROJETO AMBIENTAL

Leia mais

Empresa. R. Estado do Amazonas, 609 Jd. Imperador São Paulo SP CEP 03935-000 PABX: (11) 2107-0499 www.isar.com.br

Empresa. R. Estado do Amazonas, 609 Jd. Imperador São Paulo SP CEP 03935-000 PABX: (11) 2107-0499 www.isar.com.br Empresa Com sede própria, construída em uma área de 6.000 m² e localizada estrategicamente próxima ao Pólo Petroquímico da região leste de São Paulo, a Isar é uma das maiores e mais competentes empresas

Leia mais

O que é saneamento básico?

O que é saneamento básico? O que é saneamento básico? Primeiramente, começaremos entendendo o real significado de saneamento. A palavra saneamento deriva do verbo sanear, que significa higienizar, limpar e tornar habitável. Portanto,

Leia mais

As Diretrizes de Sustentabilidade a serem seguidas na elaboração dos projetos dos sistemas de abastecimento de água são:

As Diretrizes de Sustentabilidade a serem seguidas na elaboração dos projetos dos sistemas de abastecimento de água são: OBJETIVO A SANEPAR busca prestar serviços de Saneamento Ambiental de forma sustentável, a fim de contribuir com a melhoria da qualidade de vida. Portanto evidencia-se a necessidade de considerar o conceito

Leia mais

ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015

ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015 ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015 Critérios Descrições Pesos 1. Perfil da Organização Breve apresentação da empresa, seus principais produtos e atividades, sua estrutura operacional

Leia mais

Serão distribuídos: Para os professores: Cinco módulos temáticos e um caderno de atividades. Para os alunos: um caderno de atividades.

Serão distribuídos: Para os professores: Cinco módulos temáticos e um caderno de atividades. Para os alunos: um caderno de atividades. professor Serão distribuídos: Para os professores: Cinco módulos temáticos e um caderno de atividades. Para os alunos: um caderno de atividades. Também serão produzidos, dentro de sala de aula, cartazes

Leia mais

AMBIENTE EFICIENTE Consultoria

AMBIENTE EFICIENTE Consultoria AMBIENTE EFICIENTE Consultoria ESCOPO DOS SERVIÇOS CERTIFICAÇÃO LEED A certificação LEED pode ser aplicada no Brasil em oito tipologias: Novas Construções (New Construction) Edifícios Existentes Operação

Leia mais

Produção de Energia Alternativa

Produção de Energia Alternativa Produção de Energia Alternativa Prof.Pedro Araújo Realizado por: - Diogo Fernandes nº27097 - Gonçalo Paiva nº26743 - José Silva nº27144 Introdução A produção de energias alternativas, tem vindo a ganhar

Leia mais

Linha Economia Verde

Linha Economia Verde Linha Economia Verde QUEM SOMOS Instituição Financeira do Estado de São Paulo, regulada pelo Banco Central, com inicio de atividades em Março/2009 Instrumento institucional de apoio àexecução de políticas

Leia mais

ENERGIA E MEIO AMBIENTE Rio de Janeiro, 11 de dezembro de 2001

ENERGIA E MEIO AMBIENTE Rio de Janeiro, 11 de dezembro de 2001 Seminário ENERGIA E MEIO AMBIENTE Rio de Janeiro, 11 de dezembro de 2001 PROJETOS DE CONSERVAÇÃO E EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Eletrobrás Saulo José Nascimento Cisneiros Diretor de Projetos Especiais da Eletrobrás

Leia mais

PEC I - Primeiro Painel Temático de Pesquisa da Engenharia Civil da UNIJUÍ 14 de Outubro de 2014

PEC I - Primeiro Painel Temático de Pesquisa da Engenharia Civil da UNIJUÍ 14 de Outubro de 2014 PEC I - Primeiro Painel Temático de Pesquisa da Engenharia Civil da UNIJUÍ 14 de Outubro de 2014 NOME: AVALIAÇÃO DO USO DE AGREGADO MIÚDO OBTIDO ATRAVÉS DA RECICLAGEM DE ENTULHOS EM CONCRETO DE CIMENTO

Leia mais

PRODUÇÃO INDUSTRIAL CRESCIMENTO ECONÔMICO

PRODUÇÃO INDUSTRIAL CRESCIMENTO ECONÔMICO UNIVERSIDADE DE CAIAS DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO Produção mais Limpa: O Caso do Arranjo Produtivo Local Metal-Mecânico Mecânico Automotivo da Serra Gaúcha Eliana Andréa

Leia mais

A CRISE ENERGÉTICA E AS EMPRESAS DE ENERGIA DO FUTURO (*)

A CRISE ENERGÉTICA E AS EMPRESAS DE ENERGIA DO FUTURO (*) A CRISE ENERGÉTICA E AS EMPRESAS DE ENERGIA DO FUTURO (*) Enquanto o Brasil vinha insistindo em uma política energética privilegiando grandes usinas e extensas linhas de transmissão, cada vez mais distantes

Leia mais

Empresa jovem e 100 % nacional, a Bazze está sediada em PORTÃO RS e é referência na extrusão de perfis em PVC.

Empresa jovem e 100 % nacional, a Bazze está sediada em PORTÃO RS e é referência na extrusão de perfis em PVC. Empresa jovem e 100 % nacional, a Bazze está sediada em PORTÃO RS e é referência na extrusão de perfis em PVC. Comprometida com a qualidade e o desenvolvimento dos nossos produtos investimos continuamente

Leia mais

Projeto ACV Modular para Construção Brasileira

Projeto ACV Modular para Construção Brasileira MODULAR Projeto ACV Modular para Construção Brasileira Vanderley M. John (Poli USP) Flávio Pacca (EACH USP) Universidade de São Paulo A proposta a ser apresentada foi elaborada pelo Comitê de Materiais

Leia mais

PUBLICADO NA EDIÇÃO IMPRESSA SEGUNDA-FEIRA, 18 DE JUNHO DE 2012 POR JM. Energia sustentável

PUBLICADO NA EDIÇÃO IMPRESSA SEGUNDA-FEIRA, 18 DE JUNHO DE 2012 POR JM. Energia sustentável PUBLICADO NA EDIÇÃO IMPRESSA SEGUNDA-FEIRA, 18 DE JUNHO DE 2012 POR JM Energia sustentável A ONU declarou 2012 como o Ano Internacional da Energia Sustentável para Todos. Esta iniciativa pretende chamar

Leia mais

Rumo à Cidade Sustentável: promovendo a sustentabilidade urbana e a qualidade de vida na produção da Habitação de Interesse Social.

Rumo à Cidade Sustentável: promovendo a sustentabilidade urbana e a qualidade de vida na produção da Habitação de Interesse Social. Rumo à Cidade Sustentável: promovendo a sustentabilidade urbana e a qualidade de vida na produção da Habitação de Interesse Social. Júnia Santa Rosa Secretaria Nacional de Habitação Ministério das Cidades

Leia mais

O Aquecimento Global se caracteriza pela modificação, intensificação do efeito estufa.

O Aquecimento Global se caracteriza pela modificação, intensificação do efeito estufa. O que é o Aquecimento Global? O Aquecimento Global se caracteriza pela modificação, intensificação do efeito estufa. O efeito estufa é um fenômeno natural e consiste na retenção de calor irradiado pela

Leia mais

Em 20 anos, Brasil poderá gerar 280 MW de energia do lixo

Em 20 anos, Brasil poderá gerar 280 MW de energia do lixo Em 20 anos, Brasil poderá gerar 280 MW de energia do lixo Fabíola Ortiz - 28/02/13 Potencial de produção de energia vinda dos aterros pode dobrar em 20 anos, se a lei de resíduos sólidos for cumprida.

Leia mais

PROGRAMA DE GESTÃO AMBIENTAL DA PGR PROJETO PARA AQUISIÇÃO DE COLETORES PARA COLETA SELETIVA

PROGRAMA DE GESTÃO AMBIENTAL DA PGR PROJETO PARA AQUISIÇÃO DE COLETORES PARA COLETA SELETIVA Programa de Gestão Ambiental da PGR PROGRAMA DE GESTÃO AMBIENTAL DA PGR PROJETO PARA AQUISIÇÃO DE COLETORES PARA COLETA SELETIVA Brasília, abril de 2007 Considerações Gerais Finalmente a questão ambiental

Leia mais

Curso - Materiais ecológicos e tecnologias sustentáveis para arquitetura e construção civil

Curso - Materiais ecológicos e tecnologias sustentáveis para arquitetura e construção civil Curso - Materiais ecológicos e tecnologias sustentáveis para arquitetura e construção civil Materiais Ecológicos e Tecnologias Sustentáveis para Arquitetura e Construção Civil é o primeiro curso no Brasil

Leia mais

A Importância da reciclagem

A Importância da reciclagem Texto 1 A Importância da reciclagem Vanessa Minuzzi Bidinoto Reciclar é economizar energia, poupar recursos naturais e trazer de volta ao ciclo produtivo o que jogamos fora. Para compreendermos a reciclagem

Leia mais

Ideal Qualificação Profissional

Ideal Qualificação Profissional 2 0 1 1 Finalista Estadual - SP Categoria Serviços de Educação 2 0 1 2 Vencedora Estadual - SP Categoria Serviços de Educação 2 0 1 2 Finalista Nacional Categoria Serviços de Educação Apresentação O desenvolvimento

Leia mais

BANCO DE PROJETOS. A infra-estrutura dos Estados e Municípios necessita ser planejada;

BANCO DE PROJETOS. A infra-estrutura dos Estados e Municípios necessita ser planejada; BANCO DE PROJETOS É O ACERVO DE PROJETOS EXECUTADOS COM ANTERIORIDADE PARA DAR SUPORTE A UM PROGRAMA DE OBRAS, ESPECIALMENTE DE MÉDIO E LONGO PRAZO, COM VISTAS A UM EFICIENTE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE

Leia mais

MANIFESTO SOBRE PRINCÍPIOS E SALVAGUARDAS PARA O REDD

MANIFESTO SOBRE PRINCÍPIOS E SALVAGUARDAS PARA O REDD MANIFESTO SOBRE PRINCÍPIOS E SALVAGUARDAS PARA O REDD INTRODUÇÃO O REDD (Redução das Emissões por Desmatamento e Degradação) é o mecanismo que possibilitará países detentores de florestas tropicais poderem

Leia mais

Política de Sustentabilidade

Política de Sustentabilidade Política de Sustentabilidade Síntese O Compromisso ALIANSCE para a Sustentabilidade demonstra o nosso pacto com a ética nos negócios, o desenvolvimento das comunidades do entorno de nossos empreendimentos,

Leia mais

concreto É unir economia e sustentabilidade.

concreto É unir economia e sustentabilidade. concreto É unir economia e sustentabilidade. A INTERBLOCK Blocos e pisos de concreto: Garantia e confiabilidade na hora de construir. Indústria de artefatos de cimento, que já chega ao mercado trazendo

Leia mais

Nota técnica Março/2014

Nota técnica Março/2014 Nota técnica Março/2014 Sistemas de Saneamento no Brasil - Desafios do Século XXI João Sergio Cordeiro O Brasil, no final do ano de 2013, possuía população de mais de 200 milhões de habitantes distribuídos

Leia mais

ECONOMIA VERDE A Nova Economia Desafios e Oportunidades FACULDADE FLAMINGO

ECONOMIA VERDE A Nova Economia Desafios e Oportunidades FACULDADE FLAMINGO ECONOMIA VERDE A Nova Economia Desafios e Oportunidades FACULDADE FLAMINGO O mundo dá sinais de exaustão Mudanças Climáticas Alterações ambientais Paradoxo do consumo: Obesidade x Desnutrição Concentração

Leia mais