MEMÓRIAS DE MULHERES: PROCESSO DE MIGRAÇÃO PARA A REGIÃO DE UBIRATÃ ENTRE 1950 E 1980

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MEMÓRIAS DE MULHERES: PROCESSO DE MIGRAÇÃO PARA A REGIÃO DE UBIRATÃ ENTRE 1950 E 1980"

Transcrição

1 MEMÓRIAS DE MULHERES: PROCESSO DE MIGRAÇÃO PARA A REGIÃO DE UBIRATÃ ENTRE 1950 E 1980 Tatiane Alves da Silva (PIC, Fundação Araucária), UNESPAR/Campo Mourão Claudia Priori (OR), UNESPAR/Campo Mourão RESUMO: Este trabalho tem como objetivo discutir como o processo de migração para a cidade de Ubiratã, região Centro-Oeste do Paraná, entre as décadas de 1950 e 1980, atingiu a vida de mulheres e suas famílias, analisando as memórias elas têm do período, as motivações para a migração, bem como as experiências vividas por elas no processo de adaptação à nova região. Isso é importante pois contribui para novos olhares acerca das relações de gênero nas histórias locais e regionais, como é o caso do município de Ubiratã e de tantos outros da circunvizinhança. Para isso, utilizamos como procedimento metodológico o uso de fontes orais, entrevistando mulheres que migraram para a região na baliza cronológica proposta e que ainda residem no município, o que nos permitiu entender versões particulares de processos coletivos, cruzando intersubjetividades, memória e trajetórias de vida dessas mulheres. Além disso, nosso intuito se pautou também em evidenciar suas práticas, experiências e representações sociais forjadas no processo de migração e adaptação à nova vida. Palavras-chave: Mulheres. Migração. Memória. Introdução No início das décadas de 1960 e 1970, a suposta supremacia masculina foi contestada pelos movimentos feministas e de mulheres. Além disso, os novos estudos historiográficos se voltaram para o estudo da história das mulheres, trazendo novas temáticas para a discussão, abordando aspectos culturais. É nesse período que surgem os estudos de gênero que buscam entender a construção social do cotidiano feminino, que por muito tempo ficou esquecido dos estudos históricos. 2449

2 Para Matos (1997), a falta de produção oficial das mulheres despertou interesse para a reconstrução de sua história. Tendo em vista que muitos são os entraves que pesquisadoras e pesquisadores encontram ao estudar a história das mulheres e do gênero, um deles está relacionado à própria carência de registros sobre a participação social feminina. Foram essas inquietações, que nos levaram a escolher como objeto de pesquisa a questão da migração feminina no período de colonização da região centro-oeste do Paraná, especificamente no município de Ubiratã, que carece de análise e reflexão, contribuindo para o registro historiográfico. A abordagem de trajetórias, memórias e experiências vividas por mulheres no processo migratório para o município de Ubiratã, bem como as relações socioculturais construídas na fase de adaptação e assimilação à nova região, entre as décadas de 1950 e 1980, tem contribuído para novos olhares sobre a história, novos conhecimentos e novas interpretações, analisando as relações de gênero nas histórias locais e regionais, como é o caso do município de Ubiratã e de tantos outros. Migração, mulheres e memórias: análise conceitual e metodológica Antes de submergir na história do município de Ubiratã nos anos de 1950 a 1980 é importante contextualizar o período em que se encontrava o Brasil nessa época. Marcado pelo desenvolvimento do setor econômico tanto no âmbito urbano quanto rural, o país assistiu, ao longo do século, vários movimentos migratórios, em que contingentes populacionais se deslocavam de uma região para outra, em busca de emprego, terras e novas oportunidades. Homens e mulheres migraram em larga escala, deixando seus locais de origem e se embrenharam em novas regiões, enfrentando novos modos de vida, adversidades, adaptação cultural, lutas pela sobrevivência e melhores condições de vida em centros urbanos e em zonas rurais. Para Martine, (1990), o processo de migração é caracterizado pelo deslocamento de indivíduos e grupos para outra determinada região geográfica de povoação. Na qual as migrações internas são, ao mesmo tempo, condicionadas e resultantes de um processo global de mudanças sociais e econômicas, das quais não podem ser separadas. Assim, nosso estudo 2450

3 procura tratar de como esses deslocamentos, essas migrações produziram transformações na realidade social do Oeste do Paraná, e como repercutiram na vida de mulheres que para ali migraram e tiveram que se adaptar a uma nova região e modos de vida. Nosso objeto de estudo está inserido nesse contexto histórico de migração para a região de Ubiratã, a partir da década de 1950 até a década de 1980, e temos como enfoque principal a análise das experiências vividas por mulheres nesse processo de deslocamento e adaptação à nova região, buscando compreender os impactos socioculturais que elas tiveram ao se deparar com uma nova região e cultura local distinta das que haviam vivido até então, e perceber também como vão se movimentando no novo espaço, as vivências, os laços que vão criando, as estratégias de sobrevivência, as relações sociais e de poder, o cotidiano, as práticas e representações. Para a investigação das memórias e vivências de mulheres ubiratanenses partimos de uma abordagem de cunho interpretativa, buscando conhecer e compreender os aspectos sociais e culturais envoltos no processo migratório. De acordo com Portelli (1997), a memória está atrelada diretamente ao indivíduo, cabendo ao sujeito o papel de rememorar. Assim, rememorar pode se tornar uma narrativa utilizando-se da metodologia da história oral que permite recuperar memórias. Em relação a isso, o autor afirma que: A História Oral é uma ciência e arte do indivíduo. Embora diga respeito assim como a sociologia e a antropologia a padrões culturais, estruturas sociais e processos históricos, visa aprofundálos, em essência, por meio de conversas com pessoas sobre a experiência e a memória individuais e ainda por meio do impacto que estas tiveram na vida de cada uma. (PORTELLI, 1997, p. 15). Refletindo tal questão, podemos assinalar que o ato de rememorar é uma ação exclusiva do sujeito entrevistado(a) - e sua interação com um outro indivíduo - entrevistador(a). No entanto, a memória, por se tratar de um fenômeno concomitantemente individual e coletivo, é também um processo em constante mudança, ligando o sujeito histórico ao grupo social, e a um momento específico no tempo. 2451

4 Resultados e discussoes: perfil das mulheres e relaçoes de genero A análise e interpretação dos dados coletados nas entrevistas nos possibilitou traçar o perfil das mulheres, abordando a idade, motivações e responsáveis pelos deslocamentos, bem como dificuldades e atividades desenvolvidas na nova região, conforme apresentado nas tabelas abaixo. Tabela 1 Motivações para o processo migratório Ano de chegada Responsável pela migração Motivo 1955 (A) Marido Econômico e social 1958 (B) Marido Econômico e social 1960 (C) Marido (família) Econômico e social 1964 (D) Marido (família) Econômico 1965 (E) Marido Família Fonte: Entrevistas (Fontes Orais) Tabela 2 Impactos e atividades desenvolvidas pelas mulheres na fase de adaptação Mulheres Impactos Principais atividades A Clima, alimentação e trabalho Agricultura (hortelã, milho, feijão) B Clima, religião, costumes local Agricultura (milho, algodão) C Clima, moradia e trabalho Agricultura (hortelã, milho, feijão) D Clima, amizades e sotaque Agricultura (hortelã, milho,) Fonte: Entrevistas (Fontes Orais) 2452

5 Os relatos evidenciaram aspectos da vida dessas mulheres e suas famílias que migraram para a cidade de Ubiratã, entre as décadas de 1950 e 1980, lançando luz sobre suas vivências históricas e contribuindo dessa forma para novos olhares sobre a história, novos conhecimentos e novas interpretações. Isso nos permitiu recuperar e registrar a presença feminina no processo histórico do município. Outro eixo abordado nas narrativas orais das mulheres da cidade de Ubiratã, região Centro-Oeste do Paraná, são os significados atribuídos por elas às relações de gênero, ou seja, as relações entre homens e mulheres. Constatamos em suas narrativas, que as decisões de migração, não partiam delas, mas sim da família e/ou esposos, que teriam tomado as iniciativas e a elas, naquele contexto, coube apenas aceitar. Quando inquiridas a respeito de sua participação na hora da escolha para a vinda à nova cidade de Ubiratã, todas as entrevistadas declararam uma neutralidade sobre a decisão. Isso fica explícito nas falas seguintes: Ainda me lembro quando Francisco chegou da roça mais cedo, todo alegre, dizendo que iríamos para o Paraná. Falou para mim muer arrume todas nossas trouxas e vamos viajar, lá é garantido, vamos poder dar estudo para essas criança. Vamos mudar de vida muer. (D, 80 anos cearense). A ideia foi do meu Marido, e ao me perguntar diz que nóis viam pois, cortar cana, naquela época era muito sofrido (...) meus meninos não eram acostumado a cortar palha de cana (M, 78 anos, pernambucana). A ideia foi do meu esposo, ele tinha irmão aqui no Paraná e mandou uns para ele, uns nicre...uns dinheiros para agente vim pra cá. Ele perguntou para eu se eu queria vim com ele ou ficar com as crianças, eu disse que viria junto com ele. (F, 71 anos, pernambucana). Para além dessa constatação, observamos no estudo de Mariana Coelho A evolução do feminismo (2002, p. 47) que desde a antiguidade a mulher sempre foi oprimida e a mercê da imagem masculina. A autora salienta que O sexo feminino, ninguém o pode contestar, tem vivido séculos e séculos verdadeiramente asfixiado sob a prepotência masculina de 2453

6 acomodatícia tradição, na qual tem ela impunemente sufocado as suas preciosas faculdades intelectuais e de trabalho (2002, p. 47). A dominação masculina sobre as mulheres perdurou por séculos e ainda se faz presente em muitas sociedades contemporâneas, pois culturalmente ainda existem práticas sociais que excluem, dominam e oprimem as mulheres. Significados atribuidos ao processo de migraçao e adaptaçao A interlocução entre o processo de migração e adaptação a nova região compôs mais um eixo das entrevistas realizadas com as mulheres, por meio do qual as entrevistadas expuseram suas lembranças, memórias e experiências vivenciadas no processo de deslocamento de uma região para outra e também diante do que a vida numa região nova lhes oferecia e lhes cobrava. Suas narrativas orais nos possibilitaram desvendar um pouco de suas trajetórias de viagens, as histórias vividas nas cidades de origem, as dificuldades enfrentadas durante o processo de adaptação, bem como suas perspectivas e esperanças diante do novo que se lhes apresentava aos olhos e à vida, como percebiam esse novo espaço e quais modos de vida foram sendo construídos. Os relatos das mulheres apontaram como principal motivação para a migração, o fator econômico e social. Todas elas alegaram ser as dificuldades enfrentadas nas regiões de origem que levaram suas famílias a migrarem. Isso pode ser constatado no seguinte excerto: (...) lá não dava certo, a seca quando vim era muita, e o povo não sabia o que fazer. (...) nois busca um lugar, um jeito melhor de viver. Meu marido sempre ouviu noticias boas do Paraná. (F, 71 anos, Pernambucana). Quando inquiridas sobre as atividades que exerciam na nova região, constatamos em seus relatos que vários eram os papéis que elas desempenhavam - além das funções como cuidar da casa, crianças e do marido era a realização de trabalho no desbravamento da mata, pegando no machado e cortando lenha, na preparo da terra e plantio da lavoura, tirar água do poço, cuidar da criação de animais e aves...enfim, na realização de atividades que a vida no campo, a abertura de matas, o desbravar de um novo 2454

7 espaço requeria. Tarefas que tanto homens e mulheres cumpriam, sem distinção. Uma das principais atividades que realizavam era o trabalho na roça, na lavoura, como se percebe nos seguintes relatos: Minha vida aqui foi cuidar dos filhos, trabalhar na roça de hortelã, mas trabalhei muito foi nas roças de algodão, quebrando milho sempre ajudando ele. (F, 71 anos, Pernambucana). Naquela época, a gente trabalha derrubando mata, eu fica com a tarefa de carrega os troncos mais pequenos e, depois preparamos a madeira para o colocar nos fornos enormes, e de lá, sai em forma de carvão. Meu marido ficou doente e o médico pediu para ele, pra para de queimar carvão, que seu pulmão está bem doente. A saída foi vim para o Paraná (...) chegando aqui compramos um chácara derrubamos a mata e começo a plantar algodão e milho, arroz. Era só ele e eu, naquela terra coberta de mata. (A, 77 anos, Mineira). Percebemos que o processo de adaptação cultural atingiu a forma de vida dessas mulheres, ou seja, proporcionando um processo de descontinuidade de sua origem cultural e social, e mostra também como elas se adaptaram à nova região, ao que a vida lhes exigia naquele momento. Fica perceptível nas falas dessas mulheres, a cumplicidade conjugal, o companheirismo, a mulher sempre ao lado do marido, desempenhando qualquer tipo de atividade, aquilo que fosse necessário. Mulheres que não se encaixam nos estereótipos femininos de dona de casa, rainha do lar...essas mulheres cuidavam também dos filhos, mas pegavam na enxada, no arado, cuidavam da roça... Mulheres que pegavam no machado para derrubar árvores, carregavam troncos, cortavam lenhas, quebravam milho, cortavam cana...mulheres com mãos que fiavam, cozinhavam, banhavam os filhos, mas mulheres também com mãos calejadas, corpos fortes que labutavam, mulheres que derramavam suor e com certeza, lágrimas, no processo de adaptação cultural ao novo modo de vida que estavam construindo, ao lado de suas famílias. As dificuldades encontradas na região podem ser percebidas nas narrativas abaixo: A tempestade aqui - não tinha visto na minha terra - nem o frio, e tem outra coisa, a comida não é gostosa como de lá, pode fazer o que for, o sabor não é igual de lá, porque eu não sei, o jeito do povo nos costume é diferente do meu. Até o modo de reza, se vestir não é 2455

8 parecido com o de lá. O povo aqui é muito individualista, mas lá não, um ajudava o outro. (F, 71 anos, pernambucana). (...) dificuldade sempre existiu pra gente, mas a que eu nunca esqueço desde que cheguei aqui foi a perca do meu marido no Paraná (...) tinham 6 filhos para criar, tive que trabalhar muito e as pessoas aqui tinham um preconceito quanto a mulher sem marido. Eu me lembro de quando ia pedir emprego a referência que os donos das fazendas perguntava quem era o meu marido? Já perdi muito colheitas de algodão por ser mulher sem marido, os fazendeiros eram machistas. ( B, 70 anos Paulista) O começo foi muito sofrido, tudo isso aqui era mato, morávamos numa casinha feita de taipava, o telhado era vigas de madeira, onde colocavam as telhas, era normal molhar dentro; chão era todo de terra batido, era tudo muito simples, não tinha luz, água na torneira nem pensar, eram tudo feito manualmente. Eu não gostava de ir para cidade, me sentia muito mau, as pessoas das cidade era muito xique. Eu tinha vergonha! [risos] e a minha cidade, de onde eu vim, eu me sentia a vontade, o povo era muito simples, lá eu tinha minhas amigas. (D, 80 anos cearense) Fica claro nesses relatos, que o processo de adaptação dessas mulheres no município de Ubiratã não foi nada fácil. Tiveram que lidar com a precariedade de recursos, a perda de maridos, as dificuldades financeiras, o trabalho duro para criar os filhos, a saudade das terras de origem, o sentimento de desenraizamento, e ainda enfrentaram a discriminação e o olhar preconceituoso de uma sociedade culturalmente machista. É evidente que o processo de adaptação enfrentou grande impacto cultural, pois sentiam falta da comida, da alegria do povo, das amizades de outrora. Estar numa nova região era ter de enfrentar o deslocamento não apenas de espaço geográfico, mas de lugar social; era ter de aprender um novo modo de vida. Considerações finais Nossa pesquisa constatou a presença feminina no processo migratório, entre as décadas de 1950 e 1980, bem como trouxe visibilidade à atuação das mulheres na sociedade ubiratanense, com destaque aos aspectos socioculturais, políticos e econômicos, por meio de suas memórias e experiências. Analisando as narrativas dessas mulheres recuperamos memórias que durante anos estiveram à margem da produção historiográfica do município de Ubiratã. As poucas vezes que elas eram mencionadas, era simplesmente para 2456

9 ilustrar o discurso masculino. Constatamos algumas das práticas sociais femininas, bem como suas atuações no processo de migração e adaptação à nova região. Fica evidente na pesquisa realizada, que a maioria das mulheres migrou para a região de Ubiratã para acompanhar seus maridos, companheiros, pais e parentes, sem nem sequer terem sido consultadas se a migração estava ou não em seus planos e sonhos. Percebemos assim, dentre outros aspectos, que a condição de esposa, companheira, mãe e filha que exerciam, lhes condicionavam a seguir as famílias, maridos e companheiros para onde quer que eles migrassem, mas não só isso. As condições econômicas, as dificuldades de trabalho nas terras de origem, as intempéries naturais como a seca, o estado de saúde de algum familiar, e principalmente as esperanças e perspectivas acerca de uma nova terra, um novo modo de vida, incentivados também pela propaganda que se fazia da vida promissora nos estados do Sul, especificamente o Paraná, levou muitas famílias a migrarem para diversas regiões do estado, entre elas a região centro-oeste, onde se localiza Ubiratã. Sendo assim, esperamos com este trabalho, contribuir para o conhecimento da história das mulheres migrantes, lançando luz sobre suas vivências, trazendo novos olhares e discussões sobre o assunto, especialmente das relações de gênero nas histórias locais e regionais, como é o caso do município de Ubiratã e de tantos outros. Referências ALBERTI, Verena. História dentro da História. In: PINSKY, Carla Bassanezi. (Org.) Fontes Históricas. São Paulo: Contexto, 2005, p BOURDIEU, Pierre. A ilusão biográfica. In: AMADO, Janaina & FERREIRA, Marieta de Moraes (Org). Usos & abusos da História Oral. 8ª edição. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2006, p CARDOSO, Ciro Flamarion & VAINFAS, Ronaldo (Org). Domínios da História Ensaios de teoria e metodologia. Rio de Janeiro: Campus, CORRÊA, Mariza. Do feminismo aos estudos de gênero no Brasil: um exemplo pessoal. Cadernos Pagu, (16) 2001, p

10 ETIENNE, François. A fecundidade da história oral. In: AMADO, Janaina & FERREIRA, Marieta de Moraes (Org.). Usos & abusos da História Oral. 8ª edição. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2006.p GINZBURG, Carlos. O Queijo e os Vermes. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.p. GOMES, Gisele Ambrósio. História, Mulher, Gênero. Virtú, Disponível em Acesso em 07/04/2013. JOUTARD, Philippe. História oral: balanço de metodologia e da produção dos últimos 25 anos. In: AMADO, Janaina & FERREIRA, Marieta de Moraes (Org.). Usos & abusos da História Oral. 8ª edição. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2006, p LEVI, Giovanni. Uso da biografia. In: AMADO, Janaina & FERREIRA, Marieta de Moraes(Org.). Usos & abusos da História Oral. 8ª edição. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2006, p LE GOFF, Jacques. História e Memória. São Paulo: Ed. Unicamp, LOZANO, Jorge Eduardo Aceves. Práticas e estilos de pesquisa na história oral contemporânea. In: AMADO, Janaina & FERREIRA, Marieta de Moraes (Org.). Usos & abusos da História Oral. 8ª edição. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2006, p MACCARI, Neiva Salete Kern. Migração e memórias: a colonização do oeste paranaense. Dissertação (Mestrado). Universidade Federal do Paraná. Curitiba, MOROKIVASIC, Mirjana. Birds of Passage are also women. Internacional Migration Review, v. XVIII, n. 4, Winter, 1984, p PADIS, P. C. Formação de uma economia periférica: o caso do Paraná. São Paulo: HUCITEC, PEDRO, Joana Maria. Traduzindo o debate: o uso da categoria gênero na pesquisa histórica. História, São Paulo, v.24, N.1, p.77-98, PERROT, Michelle. Os Excluídos da História: operários, mulheres e prisioneiros. Trad. Denise Bottmann. Rio de Janeiro, Paz e Terra, PORTELLI, Alessandro. Tentando aprender um pouquinho: algumas reflexões sobre a ética na História Oral. Projeto História. São Paulo, v.15, RODRIGUES, Maria Alice. A mulher no espaço privado: da incapacidade à igualdade de direitos. Rio de Janeiro: Renovar, SAMARA, Eni de Mesquita; SOIHET, Rachel e MATOS, M. Izilda S. de (Org.). Gênero em Debate: trajetória e perspectivas na historiografia contemporânea. São Paulo, Educ, SCARIOT, Maria Zoleide. O rosto feminino das migrações. REMHU Revista Interdisciplinar da Mobilidade Humana. Ano XIV, N. 29,

11 SCOTT, Joan. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação e Realidade. Porto Alegre, vol.16, n. 2, História das Mulheres. In: BURKE, Peter (Org.). A escrita da História. Trad. Magda Lopes. São Paulo, Edunesp, SOIHET, Rachel e PEDRO, Joana Maria. A emergência da pesquisa da História das Mulheres e das Relações de Gênero. Revista Brasileira de História. São Paulo, 2007, v.27, n.54, p SPERANÇA, Alceu; SPERANÇA, Regina; CARVALHO, Selene Cotrim R. de. Ubiratã: História e Memória. 1ª ed., Edição do autor, VAINFAS, Ronaldo. História das mentalidades e História cultural. In: CARDOSO, Ciro Flamarion, VAINFAS, Ronaldo (Org.). Domínios da história: ensaios de teoria e metodologia. Rio de Janeiro: Campus, 1997.p VOLDMAN, Danièle. Definições e usos. In: AMADO, Janaina & FERREIRA, Marieta de Moraes (Org.). Usos & abusos da História Oral. 8ª edição. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2006, p

UMA PROPOSTA DE EMPREENDEDORISMO E INSERÇÃO SOCIAL FEMININA: Projeto Paidéia em Campo Mourão

UMA PROPOSTA DE EMPREENDEDORISMO E INSERÇÃO SOCIAL FEMININA: Projeto Paidéia em Campo Mourão UMA PROPOSTA DE EMPREENDEDORISMO E INSERÇÃO SOCIAL FEMININA: Projeto Paidéia em Campo Mourão Eva Simone de Oliveira (acadêmica) e-mail: UNESPAR/Campo Mourão e- mail: Claudia Priori (Orientadora) INTRODUÇÃO

Leia mais

P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento.

P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento. museudapessoa.net P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento. R Eu nasci em Piúma, em primeiro lugar meu nome é Ivo, nasci

Leia mais

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

Concurso Literário. O amor

Concurso Literário. O amor Concurso Literário O Amor foi o tema do Concurso Literário da Escola Nova do segundo semestre. Durante o período do Concurso, o tema foi discutido em sala e trabalhado principalmente nas aulas de Língua

Leia mais

AS FIANDEIRAS DE JATAÍ: UMA MEMÓRIA SE PERDENDO NO TEMPO

AS FIANDEIRAS DE JATAÍ: UMA MEMÓRIA SE PERDENDO NO TEMPO AS FIANDEIRAS DE JATAÍ: UMA MEMÓRIA SE PERDENDO NO TEMPO Simone Aparecida Borges Dantas 1 Adriano Freitas Silva 2 Esta comunicação é fruto do projeto de pesquisa As fiandeiras de Jataí: Uma memória se

Leia mais

Entrevista Noemi Rodrigues (Associação dos Pescadores de Guaíba) e Mário Norberto, pescador. Por que de ter uma associação específica de pescadores?

Entrevista Noemi Rodrigues (Associação dos Pescadores de Guaíba) e Mário Norberto, pescador. Por que de ter uma associação específica de pescadores? Entrevista Noemi Rodrigues (Associação dos Pescadores de Guaíba) e Mário Norberto, pescador. Por que de ter uma associação específica de pescadores? Noemi: É a velha história, uma andorinha não faz verão,

Leia mais

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar MELHORES MOMENTOS Expressão de Louvor Acordar bem cedo e ver o dia a nascer e o mato, molhado, anunciando o cuidado. Sob o brilho intenso como espelho a reluzir. Desvendando o mais profundo abismo, minha

Leia mais

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência 43 5 ADOLESCÊNCIA O termo adolescência, tão utilizado pelas classes médias e altas, não costumam fazer parte do vocabulário das mulheres entrevistadas. Seu emprego ocorre mais entre aquelas que por trabalhar

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Adaptação. Cultura. Migrantes Nordestinos. Sujeitos Sociais. Trabalho.

PALAVRAS-CHAVE: Adaptação. Cultura. Migrantes Nordestinos. Sujeitos Sociais. Trabalho. MIGRANTES NORDESTINOS NO PONTAL DO TRIÂNGULO MINEIRO: PAPEL SOCIAL, CULTURAL E ECONÔMICO Meireslaine Nascimento da Silva 1 Raquel Silva Borges 2 Cairo Mohamad Ibrahim Katrib (Orientador) 3 RESUMO Este

Leia mais

PROGRAMA DE VOLUNTARIADO. NOME: Serviço Voluntário Europeu (SVE) EMAIL: info@euromedp.org

PROGRAMA DE VOLUNTARIADO. NOME: Serviço Voluntário Europeu (SVE) EMAIL: info@euromedp.org PROGRAMA DE VOLUNTARIADO NOME: Serviço Voluntário Europeu (SVE) EMAIL: info@euromedp.org WEBSITES: Serviço de Voluntariado Europeu: http://www.sve.pt http://www.facebook.com/l.php?u=http%3a%2f%2fwww.sve.pt%2f&h=z

Leia mais

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa.

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Encontro com a Palavra Agosto/2011 Mês de setembro, mês da Bíblia 1 encontro Nosso Deus se revela Leitura Bíblica: Gn. 12, 1-4 A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Boas

Leia mais

Estimulando expectativas de futuro em adolescentes através de jogos dramáticos

Estimulando expectativas de futuro em adolescentes através de jogos dramáticos Estimulando expectativas de futuro em adolescentes através de jogos dramáticos CHARLIZE NAIANA GRIEBLER EVANDIR BUENO BARASUOL Sociedade Educacional Três de Maio Três de Maio, Rio Grande do Sul, Brasil

Leia mais

Datas das próximas viagens da UFMG. Visitas às casas dos moradores de Lagedo e Riacho

Datas das próximas viagens da UFMG. Visitas às casas dos moradores de Lagedo e Riacho Ano 2 Lagedo, Domingo, 25 de janeiro de 2015 N o 8 Datas das próximas viagens da UFMG Data Casa 8 23 a 25 de janeiro de 2015 Lúcia 9 27 de fevereiro a 1 de março de 2015 Irene/Paulo 10 27 de março a 29

Leia mais

Educação escolar indígena

Educação escolar indígena Educação escolar indígena O principal objetivo desta apresentação é fazer uma reflexão sobre a cultura indígena kaingang, sobre as políticas educacionais integracionistas e sobre a política atual, que

Leia mais

A INVISIBILIDADE DO TRABALHO DA MULHER NA ORGANIZAÇÃO DOS ESTABELECIMETNOS AGROPECUÁRIOS: UM ESTUDO DO MUNICÍPIO DE MARMELEIRO (PR)

A INVISIBILIDADE DO TRABALHO DA MULHER NA ORGANIZAÇÃO DOS ESTABELECIMETNOS AGROPECUÁRIOS: UM ESTUDO DO MUNICÍPIO DE MARMELEIRO (PR) A INVISIBILIDADE DO TRABALHO DA MULHER NA ORGANIZAÇÃO DOS ESTABELECIMETNOS AGROPECUÁRIOS: UM ESTUDO DO MUNICÍPIO DE MARMELEIRO (PR) LUÍS CARLOS BRAGA UNESP Presdiente Prudente l.karlos2009@hotmail.com

Leia mais

Roteiro para curta-metragem. Nathália da Silva Santos 6º ano Escola Municipalizada Paineira TEMPESTADE NO COPO

Roteiro para curta-metragem. Nathália da Silva Santos 6º ano Escola Municipalizada Paineira TEMPESTADE NO COPO Roteiro para curta-metragem Nathália da Silva Santos 6º ano Escola Municipalizada Paineira TEMPESTADE NO COPO SINOPSE Sérgio e Gusthavo se tornam inimigos depois de um mal entendido entre eles. Sérgio

Leia mais

Os sindicatos de professores habituaram-se a batalhar por melhores salários e condições de ensino. Também são caminhos trilhados pelas lideranças.

Os sindicatos de professores habituaram-se a batalhar por melhores salários e condições de ensino. Também são caminhos trilhados pelas lideranças. TEXTOS PARA O PROGRAMA EDUCAR SOBRE A APRESENTAÇÃO DA PEADS A IMPORTÂNCIA SOBRE O PAPEL DA ESCOLA Texto escrito para o primeiro caderno de formação do Programa Educar em 2004. Trata do papel exercido pela

Leia mais

Transcriça o da Entrevista

Transcriça o da Entrevista Transcriça o da Entrevista Entrevistadora: Valéria de Assumpção Silva Entrevistada: Ex praticante Clarice Local: Núcleo de Arte Grécia Data: 08.10.2013 Horário: 14h Duração da entrevista: 1h COR PRETA

Leia mais

Conversando com os pais

Conversando com os pais Conversando com os pais Motivos para falar sobre esse assunto, em casa, com os filhos 1. A criança mais informada, e de forma correta, terá mais chances de saber lidar com sua sexualidade e, no futuro,

Leia mais

A África no Brasil. Ventre Livre, de 28 de setembro de 1871.

A África no Brasil. Ventre Livre, de 28 de setembro de 1871. A África no Brasil A África aparece nas narrativas primeiramente como referência de ancestralidade. Neste sentido, nas narrativas selecionadas, a memória da África e do africano aparecem associadas à noção

Leia mais

12/02/2010. Presidência da República Secretaria de Imprensa Discurso do Presidente da República

12/02/2010. Presidência da República Secretaria de Imprensa Discurso do Presidente da República , Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de inauguração da Escola Municipal Jornalista Jaime Câmara e alusiva à visita às unidades habitacionais do PAC - Pró-Moradia no Jardim do Cerrado e Jardim Mundo

Leia mais

AÇÃO DE EXTENSÃO: HAITIANOS EM MANAUS 140 QUESTIONÁRIOS TABULADOS

AÇÃO DE EXTENSÃO: HAITIANOS EM MANAUS 140 QUESTIONÁRIOS TABULADOS BREVE PERFIL DOS HAITIANOS EM MANAUS UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS PRÓ-REITORIA REITORIA DE EXTENSÃO E INTERIORIZAÇÃO AÇÃO DE EXTENSÃO: HAITIANOS EM MANAUS Grupo de Estudos Migratórios na Amazônia GEMA

Leia mais

INTRODUÇÃO. elevada ao patamar de Entidade Pública.

INTRODUÇÃO. elevada ao patamar de Entidade Pública. MULHERES: UM ESTUDO SOBRE OS PERCURSOS EDUCACIONAIS DE ARTISTAS PLÁSTICAS E PROFESSORAS DE ARTES FIAMONCINI, Rosina Salete de Franceschi FURB rosinafr@terra.com.br Eixo: Educação e Arte /n. 16 Agência

Leia mais

XII ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISADORES EM SERVIÇO SOCIAL - ENPESS

XII ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISADORES EM SERVIÇO SOCIAL - ENPESS MEMÓRIA, HISTÓRIA ORAL E GÊNERO notas metodológicas. Rita de Cássia Freitas 1 Cenira D. Braga 2 Camilla Andrade 3 Marcele Oliveira 4 Monique Silva 5 Paula Reis 6 Raquel de L Maria 7 RESUMO Este texto resgata

Leia mais

Escola de Português Verão de 2015 Ano 13 Nível 2 Exercícios Semana 1 Parte 2 Revisão Verbos irregulares no pretérito perfeito do indicativo:

Escola de Português Verão de 2015 Ano 13 Nível 2 Exercícios Semana 1 Parte 2 Revisão Verbos irregulares no pretérito perfeito do indicativo: Escola de Português Verão de 2015 Ano 13 Nível 2 Exercícios Semana 1 Parte 2 Revisão Verbos irregulares no pretérito perfeito do indicativo: 1) Complete as frases abaixo com o pretérito perfeito dos seguintes

Leia mais

LENDA DA COBRA GRANDE. Um roteiro de IVI SIBELI ROCHA DE BARROS DAIANE MONTEIRO POLIANA AGUIAR FERREIRA MARIA LUZIA RODRIGUES DA SILVA

LENDA DA COBRA GRANDE. Um roteiro de IVI SIBELI ROCHA DE BARROS DAIANE MONTEIRO POLIANA AGUIAR FERREIRA MARIA LUZIA RODRIGUES DA SILVA LENDA DA COBRA GRANDE Um roteiro de IVI SIBELI ROCHA DE BARROS DAIANE MONTEIRO POLIANA AGUIAR FERREIRA MARIA LUZIA RODRIGUES DA SILVA CRUZEIRO DO SUL, ACRE, 30 DE ABRIL DE 2012. OUTLINE Cena 1 Externa;

Leia mais

Você sabia que... Alguns fatos sobre o meu país

Você sabia que... Alguns fatos sobre o meu país Brasil Você sabia que... A pobreza e a desigualdade causam a fome e a malnutrição. Os alimentos e outros bens e serviços básicos que afetam a segurança dos alimentos, a saúde e a nutrição água potável,

Leia mais

coleção Conversas #11 - agosto 2014 - n a h u e s Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #11 - agosto 2014 - n a h u e s Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. coleção Conversas #11 - agosto 2014 - Não quero s o a negra a m e pr s s eu e n ta min Respostas r pais. So perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. h u a n ra a m cis o t r a a?

Leia mais

Paródia 1ªA. Música Fugidinha Michel Teló. Cheguei na escola não consegui entender. Mas depois de um tempo tudo foi se resolver

Paródia 1ªA. Música Fugidinha Michel Teló. Cheguei na escola não consegui entender. Mas depois de um tempo tudo foi se resolver Paródia 1ªA Música Fugidinha Michel Teló Cheguei na escola não consegui entender Mas depois de um tempo tudo foi se resolver Tudo dando certo eu vou ficar esperto E vestibular eu vou fazer Sempre tem aquele

Leia mais

Entendendo o que é Gênero

Entendendo o que é Gênero Entendendo o que é Gênero Sandra Unbehaum 1 Vila de Nossa Senhora da Piedade, 03 de outubro de 2002 2. Cara Professora, Hoje acordei decidida a escrever-lhe esta carta, para pedir-lhe ajuda e trocar umas

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 37 Discurso na cerimónia de retomada

Leia mais

Marlon (Espírito) Psicofonia compilada por Maria José Gontijo Revisão Filipe Alex da Silva

Marlon (Espírito) Psicofonia compilada por Maria José Gontijo Revisão Filipe Alex da Silva Comunicação Espiritual J. C. P. Novembro de 2009 Marlon (Espírito) Psicofonia compilada por Maria José Gontijo Revisão Filipe Alex da Silva Resumo: Trata-se de uma comunicação pessoal de um amigo do grupo

Leia mais

Depressão e Qualidade de Vida. Dra. Luciene Alves Moreira Marques Doutorado em Psicobiologia pela UNIFESP

Depressão e Qualidade de Vida. Dra. Luciene Alves Moreira Marques Doutorado em Psicobiologia pela UNIFESP Depressão e Qualidade de Vida Dra. Luciene Alves Moreira Marques Doutorado em Psicobiologia pela UNIFESP 1 Percepções de 68 pacientes entrevistadas. 1. Sentimentos em relação à doença Sinto solidão, abandono,

Leia mais

Vida nova Jovens contam como superaram doenças graves. Depois de um câncer de mama aos 23 anos, Dolores Cardoso teve um filho, escreveu um livro e

Vida nova Jovens contam como superaram doenças graves. Depois de um câncer de mama aos 23 anos, Dolores Cardoso teve um filho, escreveu um livro e Sexta Vida nova Jovens contam como superaram doenças graves. Depois de um câncer de mama aos 23 anos, Dolores Cardoso teve um filho, escreveu um livro e mudou o rumo da vida profissional FOLHA DA SEXTA

Leia mais

Como Plantar Pensando na Renda

Como Plantar Pensando na Renda Como Plantar Pensando na Renda A PERSPECTIVA DE RENDA É UM BOM MOTIVO PARA O AGRICULTOR PRODUZIR É a renda que motiva o agricultor Com que motivação, você agricultor, trabalha a terra? É claro, você também

Leia mais

Homens da África Ahmadou Kourouma. Edições SM. Cabelos de axé: identidade e resistência Raul Lody. Editora SENAC

Homens da África Ahmadou Kourouma. Edições SM. Cabelos de axé: identidade e resistência Raul Lody. Editora SENAC ÁFRICA Homens da África Ahmadou Kourouma. Edições SM Ricamente ilustrada por fotos e desenhos, esta obra traça um painel detalhado da vida dos habitantes da África do Oeste: sua tradição oral, detalhes

Leia mais

A INCORPORAÇÃO DE RELATOS ORAIS COMO FONTES NA PESQUISA HISTÓRICA

A INCORPORAÇÃO DE RELATOS ORAIS COMO FONTES NA PESQUISA HISTÓRICA A INCORPORAÇÃO DE RELATOS ORAIS COMO FONTES NA PESQUISA HISTÓRICA Carla Monteiro de Souza* Em todos os tempos existem homens, eles existem no seu tempo e continuarão a existir enquanto alguém contar a

Leia mais

Dados internacionais de catalogação Biblioteca Curt Nimuendajú

Dados internacionais de catalogação Biblioteca Curt Nimuendajú Catalogação: Cleide de Albuquerque Moreira Bibliotecária/CRB 1100 Revisão: Lucimar Luisa Ferreira / Marinez Santina Nazzari Revisão Final: Elias Januário Consultor: Luís Donisete Benzi Grupioni Projeto

Leia mais

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak Entrevista com Ezequiel Quem é você? Meu nome é Ezequiel, sou natural do Rio de Janeiro, tenho 38 anos, fui

Leia mais

PLANO DE AÇÃO OFICINA DE SENSIBILIZAÇÃO DOS PROFESSORES SOBRE O CONCURSO TEMPOS DE ESCOLA

PLANO DE AÇÃO OFICINA DE SENSIBILIZAÇÃO DOS PROFESSORES SOBRE O CONCURSO TEMPOS DE ESCOLA PLANO DE AÇÃO OFICINA DE SENSIBILIZAÇÃO DOS PROFESSORES SOBRE O CONCURSO TEMPOS DE ESCOLA PROPOSTA DE AÇÃO Sensibilizar os professores sobre a importância de incentivar seus alunos a participarem do Concurso

Leia mais

Estudo de Caso. Cliente: Rafael Marques. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses

Estudo de Caso. Cliente: Rafael Marques. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses Estudo de Caso Cliente: Rafael Marques Duração do processo: 12 meses Coach: Rodrigo Santiago Minha idéia inicial de coaching era a de uma pessoa que me ajudaria a me organizar e me trazer idéias novas,

Leia mais

INDICE Introdução 03 Você é muito bonzinho 04 Vamos ser apenas amigos dicas para zona de amizade Pg: 05 Evite pedir permissão

INDICE Introdução 03 Você é muito bonzinho 04 Vamos ser apenas amigos dicas para zona de amizade Pg: 05 Evite pedir permissão 1 INDICE Introdução... Pg: 03 Você é muito bonzinho... Pg: 04 Vamos ser apenas amigos dicas para zona de amizade... Pg: 05 Evite pedir permissão... Pg: 07 Não tenha medo de ser você mesmo... Pg: 08 Não

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 68 Discurso na cerimónia de lançamento

Leia mais

Transcrição de Entrevista nº 4

Transcrição de Entrevista nº 4 Transcrição de Entrevista nº 4 E Entrevistador E4 Entrevistado 4 Sexo Masculino Idade 43 anos Área de Formação Engenharia Electrotécnica E - Acredita que a educação de uma criança é diferente perante o

Leia mais

OS 4 PASSOS ALTA PERFORMANCE A PARTIR DE AGORA PARA VOCÊ COMEÇAR A VIVER EM HIGHSTAKESLIFESTYLE.

OS 4 PASSOS ALTA PERFORMANCE A PARTIR DE AGORA PARA VOCÊ COMEÇAR A VIVER EM HIGHSTAKESLIFESTYLE. OS 4 PASSOS PARA VOCÊ COMEÇAR A VIVER EM ALTA PERFORMANCE A PARTIR DE AGORA HIGHSTAKESLIFESTYLE. Hey :) Gabriel Goffi aqui. Criei esse PDF para você que assistiu e gostou do vídeo ter sempre por perto

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO Faculdade de Educação PROJETO DE PESQUISA

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO Faculdade de Educação PROJETO DE PESQUISA PROJETO DE PESQUISA INSTITUIÇÕES E INTELECTUAIS DA EDUCAÇÃO NO BRASIL: HISTÓRIA, IDEIAS E TRAJETÓRIAS Responsável: Prof. Dr. Mauro Castilho Gonçalves O projeto investiga a história de instituições educativas

Leia mais

FICHA SOCIAL Nº 121 INFORMANTE: SEXO: IDADE: ESCOLARIZAÇÃO: LOCALIDADE: PROFISSÃO: DOCUMENTADORA: TRANSCRITORA: DIGITADORA: DURAÇÃO:

FICHA SOCIAL Nº 121 INFORMANTE: SEXO: IDADE: ESCOLARIZAÇÃO: LOCALIDADE: PROFISSÃO: DOCUMENTADORA: TRANSCRITORA: DIGITADORA: DURAÇÃO: FICHA SOCIAL Nº 121 INFORMANTE: F.A.C. SEXO: Masculino IDADE: 51 anos ESCOLARIZAÇÃO: 9 a 11 anos LOCALIDADE: Alto da Penha Zona Urbana PROFISSÃO: Funcionário Público DOCUMENTADORA: Luciana Muniz da França

Leia mais

RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS

RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS BRASÍLIA ECHARDT VIEIRA (CENTRO DE ATIVIDADES COMUNITÁRIAS DE SÃO JOÃO DE MERITI - CAC). Resumo Na Baixada Fluminense, uma professora que não está atuando no magistério,

Leia mais

ESVAZIAMENTO DE POPULAÇÃO JOVEM NO MUNICÍPIO DE CORUMBATAÍ DO SUL PR

ESVAZIAMENTO DE POPULAÇÃO JOVEM NO MUNICÍPIO DE CORUMBATAÍ DO SUL PR ESVAZIAMENTO DE POPULAÇÃO JOVEM NO MUNICÍPIO DE CORUMBATAÍ DO SUL PR Jaqueline T. Gouveia, (IC),UNESPAR/FECILCAM, gouveia.jaqueline@hotmail.com Fábio Rodrigues da Costa, (OR), UNESPAR/FECILCAM, fabiorcmestrado@bol.com.br

Leia mais

coleção Conversas #10 - junho 2014 - Respostas que podem estar sendo feitas para algumas perguntas Garoto de Programa por um.

coleção Conversas #10 - junho 2014 - Respostas que podem estar sendo feitas para algumas perguntas Garoto de Programa por um. coleção Conversas #10 - junho 2014 - Eu sou Estou garoto num de programa. caminho errado? Respostas para algumas perguntas que podem estar sendo feitas Garoto de Programa por um. A Coleção CONVERSAS da

Leia mais

Entrevista com o antropólogo Luis Donisete Benzi Grupioni

Entrevista com o antropólogo Luis Donisete Benzi Grupioni 1 Guia Prático para Professores de Ensino Fundamental 1, publicação mensal da Editora Lua ( entrevista do mês da edição de abril de 2009. Ano 06, No. 62). ISBN 1679-9879. Entrevista com o antropólogo Luis

Leia mais

DISCURSO SOBRE LEVANTAMENTO DA PASTORAL DO MIGRANTE FEITO NO ESTADO DO AMAZONAS REVELANDO QUE OS MIGRANTES PROCURAM O ESTADO DO AMAZONAS EM BUSCA DE

DISCURSO SOBRE LEVANTAMENTO DA PASTORAL DO MIGRANTE FEITO NO ESTADO DO AMAZONAS REVELANDO QUE OS MIGRANTES PROCURAM O ESTADO DO AMAZONAS EM BUSCA DE DISCURSO SOBRE LEVANTAMENTO DA PASTORAL DO MIGRANTE FEITO NO ESTADO DO AMAZONAS REVELANDO QUE OS MIGRANTES PROCURAM O ESTADO DO AMAZONAS EM BUSCA DE MELHORES CONDIÇÕES DE VIDA DEPUTADO MARCELO SERAFIM

Leia mais

ATITUDES INOCENTES QUE REFORÇAM ESTEREÓTIPOS DE GÊNERO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

ATITUDES INOCENTES QUE REFORÇAM ESTEREÓTIPOS DE GÊNERO NA EDUCAÇÃO INFANTIL ATITUDES INOCENTES QUE REFORÇAM ESTEREÓTIPOS DE GÊNERO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Marcela da Fonseca Lemos Grupo de Pesquisa Linguagem desenhadas e educação ProPEd/UERJ celalora_rj@hotmail.com INTRODUÇÃO O texto

Leia mais

Ensino Português no Estrangeiro Nível A2 Prova B (13A2BA) 70 minutos

Ensino Português no Estrangeiro Nível A2 Prova B (13A2BA) 70 minutos Ensino Português no Estrangeiro Nível A2 Prova B (13A2BA) 70 minutos Prova de certificação de nível de proficiência linguística no âmbito do Quadro de Referência para o Ensino Português no Estrangeiro,

Leia mais

A ETNOGRAFIA COMO POTENCIAL ARTICULADOR PARA A TERAPIA OCUPACIONAL SOCIAL.

A ETNOGRAFIA COMO POTENCIAL ARTICULADOR PARA A TERAPIA OCUPACIONAL SOCIAL. A ETNOGRAFIA COMO POTENCIAL ARTICULADOR PARA A TERAPIA OCUPACIONAL SOCIAL. Autoras: Marina Di Napoli Pastore Universidade Federal de São Carlos / Casa das Áfricas; Denise Dias Barros Universidade de São

Leia mais

LEMA: EU VIM PARA SERVIR (Mc 10,45) TEMA: FRATERNIDADE: IGREJA E SOCIEDADE

LEMA: EU VIM PARA SERVIR (Mc 10,45) TEMA: FRATERNIDADE: IGREJA E SOCIEDADE LEMA: EU VIM PARA SERVIR (Mc 10,45) TEMA: FRATERNIDADE: IGREJA E SOCIEDADE Introdução A CF deste ano convida-nos a nos abrirmos para irmos ao encontro dos outros. A conversão a que somos chamados implica

Leia mais

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de inauguração do Centro de Especialidades Odontológicas de Campo Limpo

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de inauguração do Centro de Especialidades Odontológicas de Campo Limpo , Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de inauguração do Centro de Especialidades Odontológicas de Campo Limpo São Paulo-SP, 20 de outubro de 2004 Meus queridos companheiros e minhas queridas companheiras

Leia mais

MEU TIO MATOU UM CARA

MEU TIO MATOU UM CARA MEU TIO MATOU UM CARA M eu tio matou um cara. Pelo menos foi isso que ele disse. Eu estava assistindo televisão, um programa idiota em que umas garotas muito gostosas ficavam dançando. O interfone tocou.

Leia mais

INFLUÊNCIA DO ENSINO DE MATEMÁTICA NAS PRÁTICAS DIÁRIAS DE ALUNOS DAS ESCOLAS RADIOFÔNICAS DO RN

INFLUÊNCIA DO ENSINO DE MATEMÁTICA NAS PRÁTICAS DIÁRIAS DE ALUNOS DAS ESCOLAS RADIOFÔNICAS DO RN INFLUÊNCIA DO ENSINO DE MATEMÁTICA NAS PRÁTICAS DIÁRIAS DE ALUNOS DAS ESCOLAS RADIOFÔNICAS DO RN Márcia Maria Alves de Assis UFRN marciageomat@ig.com.br Liliane dos Santos Gutierre UFRN lilianeccet@ufrn.br

Leia mais

A discussão da igualdade nas relações de gênero pelo curso de serviço social através do projeto de extensão unigênero

A discussão da igualdade nas relações de gênero pelo curso de serviço social através do projeto de extensão unigênero A discussão da igualdade nas relações de gênero pelo curso de serviço social através do projeto de extensão unigênero Michelle Rabelo de Souza * Mirella Cristina Xavier Gomes da Silva Lauschner Resumo:

Leia mais

Eu sempre ouço dizer. Que as cores da pele são diferentes. Outros negros e amarelos. Há outras cores na pele dessa gente

Eu sempre ouço dizer. Que as cores da pele são diferentes. Outros negros e amarelos. Há outras cores na pele dessa gente De todas as cores Eu sempre ouço dizer Que as cores da pele são diferentes Que uns são brancos Outros negros e amarelos Mas na verdade Há outras cores na pele dessa gente Tem gente que fica branca de susto

Leia mais

NO TEMPO DA MINHA AVÓ: REFLEXÃO E USO DA HISTÓRIA ORAL EM SALA DE AULA

NO TEMPO DA MINHA AVÓ: REFLEXÃO E USO DA HISTÓRIA ORAL EM SALA DE AULA NO TEMPO DA MINHA AVÓ: REFLEXÃO E USO DA HISTÓRIA ORAL EM SALA DE AULA Juliana de Oliveira Meirelles Camargo Universidade Candido Mendes/ Instituto Prominas e-mail: Ju_meirelles@yahoo.com.br Léa Mattosinho

Leia mais

Projetos sociais. Criança Futuro Esperança

Projetos sociais. Criança Futuro Esperança Projetos sociais Newsletter externa ABB - Projetos sociais Criança Futuro Esperança Maria Eslaine conta sobre o início de seu curso profissionalizante 02 De ex-aluno do projeto a funcionário da ABB 04

Leia mais

ALEGRIA ALEGRIA:... TATY:...

ALEGRIA ALEGRIA:... TATY:... ALEGRIA PERSONAGENS: Duas amigas entre idades adolescentes. ALEGRIA:... TATY:... Peça infanto-juvenil, em um só ato com quatro personagens sendo as mesmas atrizes, mostrando a vida de duas meninas, no

Leia mais

A PRESENÇA NEGRA NO PARÁ: RESENHA DE UM

A PRESENÇA NEGRA NO PARÁ: RESENHA DE UM R E S E N H A A PRESENÇA NEGRA NO PARÁ: RESENHA DE UM TRABALHO PIONEIRO SALLES, VICENTE. O NEGRO NO PARÁ. SOB O REGIME DA ESCRAVIDÃO. 3ª EDIÇÃO. BELÉM: INSTITUTO DE ARTES DO PARÁ, 2005. JOSÉ MAIA BEZERRA

Leia mais

Gtp+ PROGRAMAS E PROJETOS Grupo de Trabalhos em Prevenção Posithivo (GTP+) Fundação em 2000, Recife-PE O Grupo de Trabalhos em Prevenção Posithivo é a única ONG da Região Nordeste do Brasil coordenada

Leia mais

MEMÓRIAS DE PESQUISA: A HISTÓRIA DE VIDA CONTADA POR MULHERES VIGIADAS E PUNIDAS

MEMÓRIAS DE PESQUISA: A HISTÓRIA DE VIDA CONTADA POR MULHERES VIGIADAS E PUNIDAS MEMÓRIAS DE PESQUISA: A HISTÓRIA DE VIDA CONTADA POR MULHERES VIGIADAS E PUNIDAS 1 Introdução O presente estudo se insere no contexto do sistema penitenciário feminino e, empiricamente, tem como tema as

Leia mais

MATRIZ DA PROVA DE EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA SOCIOLOGIA (CÓDIGO 344 ) 12ºAno de Escolaridade (Dec.-Lei nº74/2004) (Duração: 90 minutos)

MATRIZ DA PROVA DE EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA SOCIOLOGIA (CÓDIGO 344 ) 12ºAno de Escolaridade (Dec.-Lei nº74/2004) (Duração: 90 minutos) 1. Unidades temáticas, conteúdos e objetivos/competências I O que é a Sociologia Unidades temáticas/conteúdos* 1. Sociologia e conhecimento sobre a realidade social 1.1. Ciências Sociais e Sociologia 1.2.

Leia mais

P/1 Então por favor, começa com o seu nome completo, local e a data de nascimento.

P/1 Então por favor, começa com o seu nome completo, local e a data de nascimento. museudapessoa.net P/1 Então por favor, começa com o seu nome completo, local e a data de nascimento. R Meu nome é Kizzes Daiane de Jesus Santos, 21 de julho de 1988, eu nasci em Aracaju, no estado do Sergipe.

Leia mais

O Convite. Roteiro de Glausirée Dettman de Araujo e. Gisele Christine Cassini Silva

O Convite. Roteiro de Glausirée Dettman de Araujo e. Gisele Christine Cassini Silva O Convite Roteiro de Glausirée Dettman de Araujo e Gisele Christine Cassini Silva FADE OUT PARA: Int./Loja de sapatos/dia Uma loja de sapatos ampla, com vitrines bem elaboradas., UMA SENHORA DE MEIA IDADE,

Leia mais

AS MARCAS DA FORMAÇÃO RELIGIOSA NA TRAJETÓRIA DE UMA PROFESSORA EM UMA ESCOLA CONFESSIONAL

AS MARCAS DA FORMAÇÃO RELIGIOSA NA TRAJETÓRIA DE UMA PROFESSORA EM UMA ESCOLA CONFESSIONAL 1 UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE - UNESC CURSO DE PEDAGOGIA EDINALVA LEAL FERREIRA AS MARCAS DA FORMAÇÃO RELIGIOSA NA TRAJETÓRIA DE UMA PROFESSORA EM UMA ESCOLA CONFESSIONAL CRICIÚMA, JULHO DE

Leia mais

Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008

Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008 IDENTIFICAÇÃO Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008 Humberto Cordeiro Carvalho admitido pela companhia em 1 de julho de 1981. Eu nasci em 25 de maio de 55 em Campos do Goytacazes. FORMAÇÃO Segundo grau Escola

Leia mais

Tudo que você precisa saber a respeito de Deus está esta escrito no Salmo 23. Tudo que você precisa saber a teu respeito está escrito no Salmo 23.

Tudo que você precisa saber a respeito de Deus está esta escrito no Salmo 23. Tudo que você precisa saber a teu respeito está escrito no Salmo 23. Tema: DEUS CUIDA DE MIM. Texto: Salmos 23:1-6 Introdução: Eu estava pesando, Deus um salmo tão poderoso até quem não está nem ai prá Deus conhece uns dos versículos, mas poderosos da bíblia e o Salmo 23,

Leia mais

Gravidez na adolescência: narrativas da paternidade

Gravidez na adolescência: narrativas da paternidade Gravidez na adolescência: narrativas da paternidade ANTÓNIO MANUEL MARQUES IV CONGRESSO INTERNACIONAL DE SAÚDE, CULTURA E SOCIEDADE Portalegre, Julho 2008 Tópicos Gravidez na adolescência e paternidade

Leia mais

TempoLivre. Deixem brincar as crianças. Entrevista com a pedagoga Maria José Araújo. www.inatel.pt. N.º 235 Março 2012 Mensal 2,00

TempoLivre. Deixem brincar as crianças. Entrevista com a pedagoga Maria José Araújo. www.inatel.pt. N.º 235 Março 2012 Mensal 2,00 N.º 235 Março 2012 Mensal 2,00 TempoLivre www.inatel.pt Entrevista com a pedagoga Maria José Araújo Deixem brincar as crianças Destacável Viagens Primavera Verão 2012 Entrevista Maria José Araújo Pedagoga

Leia mais

História Oral: panorama histórico e reflexões para o presente. Profa. Dra. Suzana Lopes Salgado Ribeiro

História Oral: panorama histórico e reflexões para o presente. Profa. Dra. Suzana Lopes Salgado Ribeiro História Oral: panorama histórico e reflexões para o presente Profa. Dra. Suzana Lopes Salgado Ribeiro O que é História Oral? Processo de trabalho que privilegia o diálogo e a colaboração de sujeitos considerando

Leia mais

Ana Paula Vitelli, Ph.D. Reunião do Comitê de RH, Britcham 08 de Outubro, 2013 São Paulo SP

Ana Paula Vitelli, Ph.D. Reunião do Comitê de RH, Britcham 08 de Outubro, 2013 São Paulo SP Ana Paula Vitelli, Ph.D. Reunião do Comitê de RH, Britcham 08 de Outubro, 2013 São Paulo SP Introdução Do que estamos falando? Um grupo específico de mulheres Uma visão Pesquisa de Doutorado na FGV EAESP

Leia mais

Acorda, seu Zé Preguiça, hoje é domingo. Dia do Senhor. A sua mãe tá passando a roupa que você separou ontem, e o seu café já está pronto, só

Acorda, seu Zé Preguiça, hoje é domingo. Dia do Senhor. A sua mãe tá passando a roupa que você separou ontem, e o seu café já está pronto, só Acorda, seu Zé Preguiça, hoje é domingo. Dia do Senhor. A sua mãe tá passando a roupa que você separou ontem, e o seu café já está pronto, só esperando a sua boa vontade. Felipe tentou voltar a dormir,

Leia mais

Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1. Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana Xavier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE

Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1. Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana Xavier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1 Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana avier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE RESUMO Este trabalho se propõe uma jornada Arcoverde adentro

Leia mais

Rio de Janeiro, 2 de junho de 2008

Rio de Janeiro, 2 de junho de 2008 Rio de Janeiro, 2 de junho de 2008 IDENTIFICAÇÃO Meu nome é Ivo Barcelos Assumpção, nasci dia 13 do doze de 1954 em Rezende, Estado do Rio de Janeiro. FORMAÇÃO Eu estudei engenharia química na UFRJ, entrei

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE DOCUMENTAÇÃO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UM ESTUDO DE CASO

ESTRATÉGIAS DE DOCUMENTAÇÃO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UM ESTUDO DE CASO ESTRATÉGIAS DE DOCUMENTAÇÃO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UM ESTUDO DE CASO Eixo Temático 2 - Pesquisa e Práticas Educacionais Autora: Beatriz de Oliveira Abuchaim Orientadora: Maria Malta

Leia mais

CARTA DA TERRA PARA CRIANÇAS

CARTA DA TERRA PARA CRIANÇAS 1 CARTA DA TERRA A Carta da Terra é uma declaração de princípios fundamentais para a construção de uma sociedade que seja justa, sustentável e pacífica. Ela diz o que devemos fazer para cuidar do mundo:

Leia mais

Você quer ser um Discípulo de Jesus?

Você quer ser um Discípulo de Jesus? Você quer ser um Discípulo de Jesus? A História do povo de Israel é a mesma história da humanidade hoje Ezequel 37:1-4 Eu senti a presença poderosa do Senhor, e o seu Espírito me levou e me pôs no meio

Leia mais

DEPOIMENTO DE DONA IZAR NASCIMENTO ALVES IZAR NASCIMENTO ALVES *

DEPOIMENTO DE DONA IZAR NASCIMENTO ALVES IZAR NASCIMENTO ALVES * DEPOIMENTO DE DONA IZAR NASCIMENTO ALVES AO DO JUDICIÁRIO DO RIO GRANDE DO SUL Diz-se que o Júri é o Tribunal do Povo. E é o que o depoimento de Izar Nascimento Alves revela com todas as letras. O relato

Leia mais

Urbis, Peri, peri-urbano

Urbis, Peri, peri-urbano Urbis, Peri, peri-urbano Aquela cidade que você habita, aquilo que foi tomado como sonho de progresso, de civilidade. As tensões e interações intersocietárias. Aquele idealizado que está em busca de um

Leia mais

Superando Seus Limites

Superando Seus Limites Superando Seus Limites Como Explorar seu Potencial para ter mais Resultados Minicurso Parte VI A fonte do sucesso ou fracasso: Valores e Crenças (continuação) Página 2 de 16 PARTE 5.2 Crenças e regras!

Leia mais

Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão. Jorge Esteves

Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão. Jorge Esteves Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão Jorge Esteves Objectivos 1. Reconhecer que Jesus se identifica com os irmãos, sobretudo com os mais necessitados (interpretação e embora menos no

Leia mais

ulher não fala muito Mulher pensa alto

ulher não fala muito Mulher pensa alto ulher não fala muito Mulher pensa alto bla bla PROF. GRETZ Mulher não fala muito. Mulher pensa alto. Reflexões bem humoradas para uma ótima vida a dois Florianópolis 2014 1. Silêncio 7 2. Percepção 13

Leia mais

10 segredos para falar inglês

10 segredos para falar inglês 10 segredos para falar inglês ÍNDICE PREFÁCIO 1. APENAS COMECE 2. ESQUEÇA O TEMPO 3. UM POUCO TODO DIA 4. NÃO PRECISA AMAR 5. NÃO EXISTE MÁGICA 6. TODO MUNDO COMEÇA DO ZERO 7. VIVA A LÍNGUA 8. NÃO TRADUZA

Leia mais

Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa

Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa Olhando as peças Histórias de Deus:Gênesis-Apocalipse 3 a 6 anos Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa História Bíblica: Gênesis 41-47:12 A história de José continua com ele saindo da prisão

Leia mais

Segmentos da Entrevista do Protocolo 5: Alunos do Pré-Escolar

Segmentos da Entrevista do Protocolo 5: Alunos do Pré-Escolar Segmentos da Entrevista do Protocolo 5: Alunos do Pré-Escolar CATEGORIAS OBJECTIVOS ESPECÍFICOS S. C. Sim, porque vou para a beira de um amigo, o Y. P5/E1/UR1 Vou jogar à bola, vou aprender coisas. E,

Leia mais

SOFRIMENTO PSÍQUICO NA ADOLESCÊNCIA Marcia Manique Barreto CRIVELATTI 1 Solânia DURMAN 2

SOFRIMENTO PSÍQUICO NA ADOLESCÊNCIA Marcia Manique Barreto CRIVELATTI 1 Solânia DURMAN 2 SOFRIMENTO PSÍQUICO NA ADOLESCÊNCIA Marcia Manique Barreto CRIVELATTI 1 Solânia DURMAN 2 INTRODUÇÃO: Durante muitos anos acreditou-se que os adolescentes, assim como as crianças, não eram afetadas pela

Leia mais

AUTO DE NATAL OUTRO NATAL

AUTO DE NATAL OUTRO NATAL AUTO DE NATAL OUTRO NATAL Escrito em conjunto com Cristina Papa para montagem pelo curso Técnico Ator 2007/2008 do SENAC Araraquara-SP, sob supervisão do professor Carlos Fonseca. PERSONAGENS: CORO / NARRADORES

Leia mais

HERÓIS SEM ROSTOS - A Saga do Imigrante para os EUA Autor: Dirma Fontanezzi - dirma28@hotmail.com

HERÓIS SEM ROSTOS - A Saga do Imigrante para os EUA Autor: Dirma Fontanezzi - dirma28@hotmail.com HERÓIS SEM ROSTOS - A Saga do Imigrante para os EUA Autor: Dirma Fontanezzi - dirma28@hotmail.com TRECHO: A VOLTA POR CIMA Após me formar aos vinte e seis anos de idade em engenharia civil, e já com uma

Leia mais

DESENGANO CENA 01 - CASA DA GAROTA - INT. QUARTO DIA

DESENGANO CENA 01 - CASA DA GAROTA - INT. QUARTO DIA DESENGANO FADE IN: CENA 01 - CASA DA GAROTA - INT. QUARTO DIA Celular modelo jovial e colorido, escovas, batons e objetos para prender os cabelos sobre móvel de madeira. A GAROTA tem 19 anos, magra, não

Leia mais

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a João do Medo Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a mamãe dele. Um dia, esse menino teve um sonho ruim com um monstro bem feio e, quando ele acordou, não encontrou mais

Leia mais

?- Período em que participavam das aulas.

?- Período em que participavam das aulas. Iniciativa Apoio como foi a campanha HISTÓRIAS EX ALUNOS 1997 2013 as perguntas eram relacionadas ao:?- Período em que participavam das aulas. - Impacto que o esporte teve na vida deles. - Que têm feito

Leia mais

RELAÇÕES DE GÊNERO NO TRABALHO DOMÉSTICO

RELAÇÕES DE GÊNERO NO TRABALHO DOMÉSTICO RELAÇÕES DE GÊNERO NO TRABALHO DOMÉSTICO Conceição Garcia Martins 1 Nanci Stancki da Luz 2 Marília Gomes de Carvalho 3 1 Introdução Na tradicional divisão sexual do trabalho, às mulheres sempre coube a

Leia mais

DISCURSO PROFERIDO PELO NOBRE DEPUTADO HELIO DE SOUSA, EM CARÁTER EXCEPCIONAL, NO DIA 08 DE OUTUBRO DE 2015

DISCURSO PROFERIDO PELO NOBRE DEPUTADO HELIO DE SOUSA, EM CARÁTER EXCEPCIONAL, NO DIA 08 DE OUTUBRO DE 2015 DISCURSO PROFERIDO PELO NOBRE DEPUTADO HELIO DE SOUSA, EM CARÁTER EXCEPCIONAL, NO DIA 08 DE OUTUBRO DE 2015 Senhores Deputados, meu pronunciamento é em caráter excepcional. Eu tenho uma história de vida

Leia mais