O JORNAL, O LEITOR E A LEITURA NO OITOCENTOS BRASILEIRO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O JORNAL, O LEITOR E A LEITURA NO OITOCENTOS BRASILEIRO"

Transcrição

1 O JORNAL, O LEITOR E A LEITURA NO OITOCENTOS BRASILEIRO Patrícia Kátia da Costa Pina UESC Resumo: Este estudo aborda as práticas editoriais próprias do século XIX brasileiro, após a chegada da Corte Portuguesa e da conseqüente abertura para que se construísse a imprensa periódica no Rio de Janeiro e em outros pontos do Brasil, associando-as à produção literária (ou não) publicada nos jornais, sua circulação e sua recepção, a partir do enfoque da folha paulista O Diabo Coxo. Trata-se de uma investigação acerca da importância da diagramação das páginas, da relação texto/anúncio, do uso de imagens, do tipo utilizado para a impressão do texto, do tamanho do periódico, enfim, das estratégias dos tipógrafos/editores de jornais, no Brasil do oitocentos, a fim de que pudessem aproximar do jornal uma sociedade oralizada por séculos de um colonialismo controlador do impresso. A História da Leitura produzida por Roger Chartier, bem como reflexões de Márcia Abreu, Lúcia Santaella, Marisa Lajolo e outros estudiosos da cultura impressa, fundamentam este estudo. Palavras-chave: Cultura escrita e cultura oral; Suportes da escrita; Práticas editoriais Entre os retiros da vida privada e as leituras das reuniões, autênticas ou idealizadas, existem, portanto, outras situações de leitura às quais se aliam as competências individuais e estabelece-se uma relação pedagógica imediata e espontânea. Roger Chartier, Do Livro à Leitura O trecho destacado como epígrafe relaciona leitura silenciosa (vida privada) e leitura oral (reuniões) como algumas das possíveis situações de leitura que ocorreriam na época do Romantismo, na Europa. De tais situações, o autor depreende um processo pedagógico imediato e espontâneo. Quero, a partir da afirmação do renomado pesquisador, discutir a compreensão do que seria o processo de leitura: no fragmento acima, Chartier refere-se à leitura de textos escritos e impressos, à decifração da palavra, o que é bastante pertinente, quando aplicado à sociedade européia, detentora de bons índices de alfabetização e, portanto, possuidora de significativo leitorado, ao menos, potencialmente, salvo raras exceções. Atravessando o Atlântico, no Brasil oitocentista as práticas de leitura seguiam, na medida do possível, os moldes europeus, mas a questão aqui foi mais complexa, em virtude das dificuldades históricas do meio. Foi no dezenove brasileiro que se desenhou nosso leitorado, aí se estabeleceram padrões de produção e recepção do texto literário, 1

2 nossa geografia intelectual e cultural foi traçada nesse momento. O artista desse desenho não foi o escritor de romances ou poemas, foi, sim, o editor de jornais e revistas, o desenhista, o tipógrafo, foi o cronista, que ocupava a seção de folhetim variedades. Em tal contexto, a decifração do escrito não me parece ser a única forma de leitura: penso que produzir sentido para imagens visuais é, também, ler. Assim, o uso de imagens impressas pode ter sido uma estratégia de formação de hábitos de consumo de jornais, revistas, livros etc. Nosso analfabetismo é histórico e resulta de sanções metropolitanas, as quais fizeram com que, somente a partir de 1808, o Brasil conquistasse o direito de contar, oficialmente, com tipografias, direito este que, nos sendo negado nos séculos precedentes, reduziu nossas letras impressas à marginalidade. Com a chegada de D. João VI e a transferência da Corte para cá, entramos, tardiamente, na era da imprensa. E como, até então, o impresso era raro, a habilidade da leitura era um tanto ociosa. Na parte introdutória de A letra e a voz, Paul Zumthor estuda três formas de oralidade: a primária, própria de grupos analfabetos, sem contato algum com a escrita; a mista, que sofre influência externa da escrita; a terceira, chamada segunda, que se refaz pelo papel e pela tinta. Assim ele distingue cultura escrita (possuidora de uma escritura) e cultura letrada, na qual...toda expressão é marcada mais ou menos pela presença da escrita... (ZUMTHOR, 1993, p.18) Mesmo voltadas para a Idade Média européia, as colocações de Paul Zumthor abrem caminho para que se reflita sobre as práticas culturais oitocentistas brasileiras. Nós não eliminamos radicalmente a oralidade; aqui, escrita e oral partilharam a cultura. O olho não lia a palavra, mas lia imagens e ouvia as vozes que, alternativamente, conduziam o impresso, permitindo que a leitura ficasse na interseção visual/auditivo e contactando diretamente o universo oralizado do leitor. Como conseqüência desse atraso, o Brasil do início do século XIX tinha poucas tipografias, livrarias e periódicos. Com o correr do século, a situação muda em parte, surgem livreiros, editores de periódicos (PINA, 2002, p ). Essa precariedade, se, por um lado, criou obstáculos para a formação de grupos de leitores, por outro, tornou imprescindível o aproveitamento dos protocolos de comunicação oral 2

3 que reinavam por estas plagas, deu margem à sua incorporação aos padrões do impresso, aproximando este último de possíveis receptores. Tal incorporação, como a entendo, significou, de certa forma, fazer do papel e da tinta substitutos do corpo e da voz dos contadores de causos, dos porta-vozes das instâncias administrativas etc, num processo de modernização das ações de produção e de recepção. Uma das formas de tornar o impresso palatável foi incorporar a ele elementos do cotidiano que fossem familiares aos grupos de possíveis consumidores, alfabetizados ou não. A reprodução de imagens ganha, então, relevo. Ilustrar as folhas foi um meio encontrado, por editores e demais produtores de bens culturais, para se acercarem do potencial público que poderia movimentar, sustentar, o mercado cultural da época. Em Foi o Diabo!, introdução à edição fac-símile do periódico paulistano Diabo Coxo, objeto deste estudo, Cagnin afirma: A imagem fascina o homem. Na leitura do jornal, os olhos buscam primeiro as fotos dos fatos, as críticas das charges, as histórias em quadrinhos. Mais que ler e ouvir, é imperioso ver notícias. (CAGNIN, 2005, p. 9) Na tímida São Paulo da segunda metade do século XIX, berço do periódico enfocado, a imagem era para poucos. Com a litografia, os desenhistas, conhecidos na época como repórteres do lápis, enriqueceram a página jornalística, ornamentando-a de forma que se tornasse atrativa para letrados e iletrados. Agostini, desenhista do Diabo Coxo, foi o precursor das tiras jornalísticas brasileiras. É assim que vai a público o Diabo Coxo: todo domingo, o pequeno jornal de Luís Gama e Ângelo Agostini, medindo 18cm por 26cm, com 8 páginas somente, sendo 4 de ilustrações e 4 de textos variados, chegava às famílias paulistanas, com material para diferenciados interesses, e tendo como fio a atar esse mosaico o bom humor com que os fatos eram tratados. No primeiro número, ressalta a página inicial: duas grandes ilustrações dividem espaço com informações sobre assinaturas e contribuições e com um pequeno poema, de duas estrofes. Na parte de cima da página, um diabrete, com perna de pau e asas, mostra, do alto de um elevado, a cidade a um jovem, vestido de terno e com um papel em branco ao lado. Essa personificação do jornal coloca-o como concretização de algo superior que é dado aos homens, num ato de vontade quase mágica. 3

4 Logo abaixo e ocupando quase a página inteira, surge a figura de um diabo civilizado: sem asas, vestido de fraque, segurando uma cartola, como se se apresentasse ao leitor. Abaixo da imagem, a frase: O Diabo-coxo comprimenta [sic] aos seus leitores. O olhar do diabinho é cortante, profundo, e seu sorriso é cáustico. Ladeando a imagem, as estrofes: Sou o Diabo coxo: quem ha que desconheça Na vida social, meu vasto poderio? Percorro o mundo inteiro, ora pedestre humilde, Ora atirado aos lombos de um palafrem sombrio Não ha palacio altivo, nem misera choupana Cujos mysterios fundos não possa penetrar; Cheguei hoje a S. Paulo, - sentido meu povinho! A musica está prompta, nós vamos começar. (GAMA, 2005, p.1) [sic] A linguagem alusiva aponta para a função do periódico: invadir os subterrâneos da vida paulistana, desvendando-lhe segredos e expondo-lhe as chagas sociais, sem respeitar fortunas, nem outras limitações que lhe tentassem impor. Essa folha paulistana é um exemplo perfeito do que a junção imagem-palavra poderia fazer, numa terra em que o impresso foi realidade tardia e cheia de percalços. Marisa Lajolo e Regina Zilberman afirmam, ao estudarem a formação do público leitor brasileiro, que...só existem o leitor, enquanto papel de materialidade histórica, e a leitura, enquanto prática coletiva, em sociedades de recorte burguês, onde se verifica no todo ou em parte uma economia capitalista. (LAJOLO e ZILBERMAN, 1996, p.16) Leitor e consumidor são, portanto, termos equivalentes. Nesse contexto, o jornalismo foi fundamental. Suas características periodicidade, universalidade, variedade de temas e matérias, atualidade, difusão fazem dessa prática cultural um grande instrumento de agregação de público (leitores e/ou ouvintes). O jornalismo delimita o espaço social, marca seus contornos, suas áreas de interseção; tudo, nas páginas dos jornais, tem uma seqüência, obedece a uma ordem. Dessa forma, os produtores de cultura impressa, especificamente, os tipógrafos, desenhistas e editores de jornais, desde os inícios do século XIX, constroem suas folhas, a fim de atenderem às necessidades e expectativas dos indivíduos que, em função da nova ordem social e econômica, passavam a ser vistos como consumidores em potencial. 4

5 Ana Luíza Martins afirma que o jornalismo brasileiro teve uma fase heróica, cujo termo veio com a coroação de D. Pedro II. Vendo o Brasil transformado em um Império de verdade, nossos jornalistas engajaram-se em outras lutas: A consolidação da unidade do país e o estabelecimento das bases do sistema representativo são, em boa parte, tributários da imprensa desse Império tropical. Como diferencial do período em que o anonimato também foi uma constante sublinhe-se a ampla liberdade de expressão, propulsora daquela rica produção, de credos diversos e ensaios múltiplos, em busca do ideal maior: a construção da nação. (MARTINS, 2008, p.79) Formar público leitor significava formar opinião pública, isto é, formar grupos de cidadãos conscientes de sua força e capazes de constituir teias sociais representativas. O jornalismo engajou-se nesse processo, entendendo que a construção de um público era, por conseqüência, a construção de um sentimento nacionalista sólido e contagiante. Assim, pode-se perceber que para nossa imprensa heróica e seus sucessores oitocentistas, a criação de um mercado de bens culturais impressos rico em produtos de boa qualidade e em consumidores interessados nesses produtos era o caminho para plantar a semente da nação brasileira nas mentes e nos corações desses leitores. Luís Gama e Ângelo Agostini planejaram e executaram o Diabo Coxo a partir dessa perspectiva nacionalista, mas com um viés crítico. Daí, seguindo uma tradição européia, o uso de uma referência demoníaca para nomear o jornal: o diabo simbolizaria a subversão das normas impostas pelas sociedades para calar suas falhas. Sarcástico, irônico, corrosivo, o diabo atravessa céus e terras para cumprir seus desígnios. Dentre eles, o de ampliar o leitorado paulistano, agregando às hostes elitizadas, grupos populares indefinidos pela flutuação de limites entre letrados e iletrados. Trazer o impresso para perto do homem comum, até para perto do analfabeto, tentando-o pela imagem, parece bastante diabólico! A estruturação da folha em foco, no entanto, não descarta uma proximidade com a mídia das elites, talvez até para dessacralizá-la. Na segunda página desse periódico, veio, no primeiro número, uma espécie de Editorial de apresentação, nomeado Introducção. Chama-me a atenção a nomenclatura, por dirigir a leitura para o campo do livro, conhecido por poucos e ambicionado por muitos dos leitores de folhas da 5

6 época. O editor cria uma narrativa que justifica o jornal e seu nome, curiosamente, uma narrativa cunhada nos moldes românticos ainda em voga, com alusões góticas e ultraromânticas, as quais são desconstruídas pelo tom jocoso dado ao texto. Há, na edição em foco, um artigo meio panfletário, versando sobre leitura, política, literatura, o primeiro capítulo de um romance folhetim o Romance de Um Estudante, a seção Chronica. O mais interessante fica por conta das ilustrações de Agostini: duas páginas mediais, com oito quadros e a página final, com caricatura e alusões políticas. Ou seja: há material impresso para todos os gostos e todas as necessidades. A sociedade brasileira, até a difusão da imprensa, em meados de século XIX, mantém hábitos culturais formados no âmbito da oralidade, isto é, o leitor brasileiro foi criado nos liames da palavra-espetáculo. O ornato o seduz, a reflexão o afasta. Além de enfeitarem as páginas dos periódicos, as ilustrações guiavam o olhar dos consumidores e desenhavam as marcas identitárias do país e da região em que circulavam. Quero ressaltar, novamente, que nossa imprensa nasceu nacionalista e anti-lusitana, sempre andando de braços dados com a política, fosse para ratificar atos administrativos, fosse para discuti-los e pô-los ao alcance de todos os consumidores. Nesse filão entra o Diabo Coxo. Segundo Marco Morel,...o surgimento da imprensa periódica no Brasil não se deu numa espécie de vazio cultural, mas em meio a uma densa trama de relações e formas de transmissão já existentes, na qual a imprensa se inseria. Ou seja, o periodismo pretendia, também, marcar e ordenar uma cena pública que passava por transformações nas relações de poder que diziam respeito a amplos setores da hierarquia da sociedade, em suas dimensões políticas e sociais. A circulação de palavras faladas, manuscritas ou impressas não se fechava em fronteiras sociais e perpassava amplos setores da sociedade...(morel, 2008, p.25) Pela incorporação dos protocolos de comunicação oral ao impresso, ou seja, pela construção de uma palavra que vadiava entre as marcas dos trânsitos culturais letrados e as estruturações dialógicas típicas das interações cotidianas orais, o nosso periodismo pôde chegar a variados segmentos sociais, definindo os contornos da nacionalidade brasileira e de diferentes grupos de nosso leitorado. O livro, principal tipo de impresso conhecido por aqui, era caro, por conta da necessidade de importação, de difícil manuseio, restrito quase sempre ao clero e a 6

7 alguns magistrados. De certa forma, o livro era um objeto indicador de status social, algo por demais distante do cotidiano da maior parte dos brasileiros. Nesse contexto, o livro não poderia prescindir do jornal. Marco Morel registra: Havia relação estreita dos livros com os jornais periódicos, até porque ambos podem ser definidos como imprensa, num sentido ampliado. Os jornais (também vendidos nas livrarias) custavam entre 40 e 80 réis o exemplar, de acordo com o número de páginas o que os tornava muito mais acessíveis que os livros. E era comum, na época, impressos desse tipo transcreverem (e traduzirem, quando era o caso) longos trechos de livros, tornando-se, assim, veículos de disseminação. O jornal realizava também divulgação(e reinterpretação, com freqüência) dos livros nos anos de 1820 e 1830, antes de se expandir a publicação de volumes em folhetins nos periódicos. Ou seja, mesmo quem não tinha acesso a tais livros, poderia eventualmente lê-los em extratos na imprensa periódica. (MOREL, op. cit., p.37) Essa relação simbiótica entre as duas mídias veiculadoras de conhecimentos e saberes letrados, pode ter amplificado a circulação dos mesmos, principalmente quando associados a ilustrações. No livro, o texto estava geralmente só. No jornal, o texto literário e o não-literário caminhavam de mãos dadas, ilustrações e anúncios ladeavamnos. As linguagens misturavam-se e viabilizavam a diversificação do público nesse capitalismo emergente. No Diabo Coxo, as ilustrações tinham vida própria. No segundo número lançado, o sucesso do jornal vem estampado na primeira página: a divisão entre duas ilustrações permanece, sendo a de cima a mesma, com poucas alterações. A de baixo, que ocupa quase toda a página, tem uma pequena legenda: Recepção que teve o Diabo-Coxo. A imagem acima da legenda mostra um diabrete de chifres e asas, sobre uma nuvem, observando os leitores brigarem por um exemplar do jornal. Antônio Luiz Cagnin afirma que a publicação do referido periódico causou rumor na sociedade paulistana:...os leitores afoitos acotovelavam-se diante da Litografia Alemã para adquirir o número inaugural de 2 de outubro de 1864(foi até dezembro de 1865). Foi um pandemônio! (CAGNIN, op. cit., p.12) Para um país pouco afeito ao impresso, para uma cidade com redes culturais ainda incipientes, como a São Paulo da época, o Diabo Coxo foi um enorme sucesso de vendas. Segundo Lúcia Santaella, a linguagem jornalística insere-se perfeitamente no mundo de consumo capitalista: 7

8 O jornal, por seu lado, após um primeiro momento (suas fases ainda artesanais) de importação de beletrismo literário, foi gradativamente desenvolvendo seu próprio know-how (pós-industrialização) buscando para si uma imagem de objetividade, economia e imparcialidade que o mosaico jornalístico parecia realizar, satisfazendo a necessidade de condensação informativa e fornecendo ao leitor doses cotidianas para sua reserva de acontecimento (ficção). (SANTAELLA,1996, p.53) Enquanto suporte de informação e cultura, o jornal pode suprir as necessidades intelectuais do leitor. Mesmo em sua fase inicial, no Brasil do século XIX, ele poderia ser lido em qualquer lugar, por uma ou por várias pessoas, poderia ser alvo de uma leitura coletiva, alcançando, assim, até mesmo receptores analfabetos poderia ser, também, emprestado, vencendo limites, imposições e dificuldades financeiras. E dentro do fragmentário e sedutor mosaico jornalístico, a reprodução de ilustrações ampliava o leque do consumo, determinando padrões de produção e recepção. A viabilização da leitura como ato social, da leitura por grupos, da audição do lido, da pura visão do impresso, fez do jornal um elemento revolucionário. No entanto, o periodismo brasileiro oitocentista esteve sujeito às pressões do capital, como afirma Ana Luíza Martins:...os periódicos traziam fatura modesta, papel ordinário, dimensões reduzidas, saindo de prelos toscos que se instalaram nas capitais. A impressão de livros não vingou, conforme se conhece da experiência do editor carioca Paula Brito ( ), sucumbindo logo aos reveses mercantis ditados, sobretudo, pelo baixo consumo daquele produto. Logo, no país de fraco poder aquisitivo, o gênero periódico figurou como suporte fundamental do impresso...(martins, op. cit., p.57) Indivíduo de carne e osso, o leitor do dezenove detém o poder de sustentar o comércio cultural: orientar seu gosto, estabelecer modos de habituá-lo a determinado tipo de texto e/ou de publicação eram ações autorais/editoriais importantíssimas. Uma das maneiras de envolver o leitor nas teias textuais é convidá-lo a habitar o espaço do impresso, através das ilustrações e da palavra bem humorada. É o que fazem Luís Gama e Ângelo Agostini: as ilustrações que ficam no meio da folha podem ser vistas como antecessoras de nossas tiras de quadrinhos, muitas têm continuidade. São crônicas visuais bem humoradas da vida brasileira e da cena paulista. E as seções verbais que compõem o periódico em pauta primam pelo tom jocoso com que tratam os mais diferentes assuntos. 8

9 Canevacci, ao estudar a comunicação visual, define a concepção oitocentista de comunicação como mecanicista, resumindo-se à relação entre um emissor e um destinatário, e ressalta a inquietação de que surge o texto visual e a que este provoca. (CANEVACCI, 2001, p.8) As representações visuais, sejam as primitivas ilustrações das folhas do século XIX, sejam as arrojadas cenas cinematográficas do século XXI, definem uma negociação de significados que complexifica e aprofunda o processo comunicativo, envolvendo inclusive a afetividade dos receptores. Diálogo necessário como meio de convencimento e persuasão do leitor oitocentista, habituado a uma cultura oralizada, para quem o impresso era algo ainda muito novo, com menos de um século de vida em solo brasileiro, a ilustração foi uma interessante estratégia dos editores da época, prestando-se ao contato não apenas com o leitor alfabetizado, mas com o enorme contingente de analfabetos, que partilhavam o impresso apenas vendo-o e ouvindo-o. Intimamente ligada a uma espécie de cruzada pedagógica no campo cultural, própria do século XIX, as ilustrações, os desenhos, se apresentam como expediente de sedução do público real. O leitor, em relação aos produtores de bens culturais impressos, é uma alteridade a ser conquistada, e isso com os meios que estiverem disponíveis. Em A ordem dos livros, Roger Chartier ressalta a importância do meio material do impresso para a efetivação de um processo receptivo: Manuscritos ou impressos, os livros são objetos cujas formas comandam, se não a imposição de um sentido ao texto que carregam, ao menos os usos de que podem ser investidos e as apropriações às quais são suscetíveis. As obras, os discursos, só existem quando se tornam realidades físicas, inscritas sobre as páginas de um livro, transmitidas por uma voz que lê ou narra, declamadas num palco de teatro.(chartier, 1994, p.8) O suporte da escrita, então, influi diretamente no processo de recepção. O livro, ao surgir, incrementou uma elitização da leitura: quer voltado para o estudo, quer para o lazer, o livro demanda, em geral, uma leitura particular e silenciosa, a partir da qual o leitor dialoga tão só com o lido. O livro é objeto de status, de determinação do lugar social dos grupos que com ele são habituadas. Em Do Livro À Leitura, Chartier trabalha com a questão da posse do livro e com a questão dos usos do impresso e das formas de apropriação do mesmo, colocando a história do impresso como uma história das práticas culturais a ele associadas: ele 9

10 expõe duas formas de abordagem da história do impresso e da leitura a que enfoca a produção de textos e a que aborda a produção de livros. O que importa para a investigação da leitura via produção de textos são as senhas, explícitas ou implícitas, trabalhadas pelo autor, suas instruções ao leitor, as quais têm duas estratégias, a saber, inscrever no texto convenções sociais ou literárias e empregar técnicas que objetivam a produção de um determinado efeito: Existe aí um primeiro conjunto de dispositivos resultantes da escrita, puramente textuais, desejados pelo autor, que tendem a impor um protocolo de leitura, seja aproximando o leitor a uma maneira de ler que lhe é indicada, seja fazendo agir sobre ele uma mecânica literária que o coloca onde o autor deseja que esteja.(chartier, 1996, p.96) Essas instruções, no entanto, se cruzam com outras, relacionadas ao suporte material da escrita e que envolvem questões tipográficas, como disposição e divisão dos textos, ilustrações etc. Tal trabalho editorial, essa maquinaria externa ao texto, interage com ele, e traz implícito o tipo de leitor a que o impresso se dirige: Os dispositivos tipográficos têm, portanto, tanta importância ou até mais, do que os sinais textuais, pois são eles que dão suportes móveis às possíveis atualizações do texto. Permitem um comércio perpétuo entre textos imóveis e leitores que mudam, traduzindo no impresso as mutações de horizonte de expectativa do público e propondo novas significações além daquelas que o autor pretendia impor a seus primeiros leitores.(chartier, op. cit., p.98) O enfoque do suporte material da escrita abre, portanto, espaço para o social. Os protocolos de leitura implicados no impresso indiciam os possíveis usos que cada grupo social pode fazer dele. Como afirma Márcia Abreu: A leitura não é prática neutra. Ela é campo de disputa, é espaço de poder (ABREU, 2002, p. 15). A percepção da problemática envolvida no consumo do impresso implicou, desde seus começos, um investimento em estratégias capazes de abrir caminhos para que livros, jornais, folhetos, enfim, pudessem circular produtivamente nas sociedades. O periódico Diabo Coxo, publicado em São Paulo, na década de 1860, cumpriu em seu curto tempo de circulação a missão de, através da página jornalística, formar leitores críticos, aproveitando a materialidade do impresso como instrumento. As inovações trazidas pelo Diabo Coxo podem ser resumidas como: baixo custo de 10

11 publicação (pedra, lápis, água e tinta), facilidade de execução, rápida multiplicação e ilustrações. Trata-se de uma folha que se definia como resultante de um pacto do editor com o diabo, dividindo-se em duas partes, que tinham espaço definido e constante: a parte ilustrada, composta pela primeira página, pelas páginas centrais e pela última página; a parte verbal, composta pelas páginas 2, 3, 6 e 7, apresentava matéria textual variada, como já apontei anteriormente. Ao abrir a publicação com a ilustração, os editores investiam na sedução de segmentos diferenciados de consumidores. Como o teor tanto das ilustrações, como dos textos, era crítico, pondo em questão as mais variadas instituições, o humor e a ironia fechavam o cerco ao leitor, prendendo-o nas malhas do impresso. Somente a partir do quarto número, surgiram anúncios, que ocuparam parte da página 7, roubando espaço aos textos, mas inserindo o periódico no cambaleante capitalismo que se iniciava no Brasil. As ilustrações de que se utilizou o periódico em foco, casando-se às seções verbais, desenharam o perfil do consumidor desejado pelos editores: o leitor ambicionado pela referida folha deveria conhecer a política nacional e local, deveria preocupar-se com questões de ponta na cena social, e deveria, por fim, ter algumas lascas de cultura, que lhe permitissem entrar no jogo sardônico da ironia construída pelo visual e pelo verbal. Verbais ou visuais, as imagens que circulavam nas folhas da época foram instrumentos de formação e consolidação dos hábitos de consumo dos bens culturais impressos, funcionando, ainda, no sentido de estabelecerem padrões de gosto literário, uma vez que introjetavam na página jornalística, bem mais acessível que a livresca, aquilo que queriam encontrar no público. Os periódicos oitocentistas construíram seu público e o leitorado para a literatura casando ilustrações e textos, mesclando palavra impressa e imagem gráfica. Ilustrações e textos complementavam-se na missão de formar padrões de produção e recepção de bens culturais impressos, na tarefa de desenhar perfis de consumidores críticos e de estabelecer territórios férteis para a circulação do jornal e do livro. A diagramação das páginas também denunciavam uma vocação pedagógica, por parte dos editores: como os prováveis compradores da folha não tinham hábitos de ler e de manusear o impresso, foram utilizados sinais gráficos orientadores do olhar do leitor 11

12 entre as duas colunas de cada página, surgia uma linha fina e completa, que indicava simbolicamente a direção a ser seguida na leitura; entre uma seção e outra, pequenas linhas, simples ou duplas, indicavam a mudança de assunto. Essas estratégias editorias denunciam a preocupação de envolver o leitorado nas teias da página impressa, denunciam uma certa vontade de controlar o processo de apropriação do que era publicado. Martyn Lyons relê Michel de Certeau e afirma: O leitor é um invasor, rastejando pela propriedade de outrem atrás de propósitos nefastos. (LYONS, 1999, p.11) Depreende-se da definição dada que a atividade de leitura seria invasiva, audaciosa, independente. Mais adiante, ele desenvolve a idéia: «...o leitor individual insinua seus significados e objetivos dentro do texto de outrem. Cada leitor individual tem meios silenciosos e invisíveis de subverter a ordem dominante da cultura de consumo.» (LYONS, op. cit., idem) O leitor, sob tal ótica, tem poder sobre o texto que lê, ele negocia silenciosa e sutilmente com os produtores dos bens culturais impressos, usando táticas específicas de apropriação. Para Michel de Certeau, A uma produção racionalizada, expansionista, além de centralizadora, barulhenta e espetacular corresponde outra produção, qualificada de consumo : esta é astuciosa, é dispersa, mas ao mesmo tempo ela se insinua ubiquamente, silenciosa e quase invisível, pois não se faz notar com produtos próprios mas nas maneiras de empregar os produtos impostos por uma ordem econômica dominante. (CERTEAU, 1996, p.39) Se o leitor, conforme a reflexão aqui estabelecida, é quem movimenta o mercado cultural, sua apropriação dos bens culturais impressos pode ser pessoal, ousada, desafiadora. Infere-se, também, que a leitura seria produção e atividade de indivíduos dominados por uma ordem maior, estruturadora das formas e manifestações da escrita. Se se agregar essa reflexão ao estudo do Diabo Coxo, pode-se perceber que seus editores criaram um jogo de poder com as instituições que desconstruíam em sua folha e com seus leitores, desestabilizando suas convicções, suas certezas. Luis Gama e Ângelo Agostini provocaram o leitorado paulistano, convidaram-no a constituir-se e a ver-se como grupo, qualquer que fosse sua atuação social. Na teoria de Michel de Certeau, os leitores só são dominados sob a ótica dos produtores de bens culturais, i.e., dos dominadores, e isso porque aqueles desenvolvem táticas de apropriação que fogem às determinações destes, implícitas no texto e no 12

13 suporte os leitores, fracos a priori, tirariam partido dos produtores, seres fortes nessa cadeia alimentar intelectual. O leitorado da época, ouso sugerir, ouve no silêncio da ilustração e das matérias publicadas no Diabo Coxo as histórias que protagoniza, direta ou indiretamente, em seu cotidiano. A dominação desses editores corajosos parece ter viabilizado a formação de um público nacionalista e crítico, capaz de questionar a própria relação de dominação. Referências bibliográficas: ABREU, Márcia. Prefácios: Percursos da Leitura. Em.: (org.). Leitura, história e história da leitura. Campinas, SP: Mercado das Letras, Associação de Leitura do Brasil; São Paulo: FAPESP, CANEVACCI, Massimo. Antropologia da comunicação visual. Tradução de Alba Olmi. Rio de Janeiro: DP&A, CAGNIN, Antonio Luiz. Foi o Diabo!. Em.: GAMA, Luís. Diabo Coxo. Ed. Facsimilar. São Paulo: EdUSP, 2005.p CHARTIER, Roger. A ordem dos livros: leitores, autores e bibliotecas na Europa entre os séculos XIV e XVII. Tradução de Mary Del Priore. Brasília: Editora da Universidade de Brasília, CHARTIER, Roger. Do livro à leitura. Em: CHARTIER, Roger (org.). Práticas de leitura. Tradução de Cristiane Nascimento. São Paulo: Estação Liberdade, 1996, p DE CERTEAU, Michel. A invenção do cotidiano: artes de fazer. 2 ed. Petrópolis, Vozes, p. GAMA, Luís. Diabo Coxo. Ed. Fac-similar. São Paulo: EdUSP, LAJOLO, Marisa e ZILBERMAN, Regina. A formação da leitura no Brasil. São Paulo: Ática, LYONS, Martyn. A História da Leitura de Gutenberg a Bill Gates. Em.: e LEAHY, Cyana. A palavra impressa: histórias da leitura no século XIX. Rio de Janeiro: Casa da Palavra, MARTINS, Ana Luíza. Imprensa em Tempos de Império. Em: MARTINS, Ana Luíza e DE LUCA, Tânia Regina. História da imprensa no Brasil. São Paulo: Contexto, p

14 MOREL, Marco. Os Primeiros Passos da Palavra Impressa. Em: MARTINS, Ana Luíza e DE LUCA, Tânia Regina. História da imprensa no Brasil. São Paulo: Contexto, p PINA, Patrícia Kátia da Costa. Literatura e jornalismo no oitocentos brasileiro. Ilhéus: EDITUS, SANTAELLA, Lúcia. Cultura das mídias. 2 ed. São Paulo: Experimento, ZUMTHOR, Paul. A letra e a voz: a literatura medieval. Tradução de Amálio Pinheiro e Jerusa Pires Ferreira. São Paulo: Companhia das Letras,

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens Para pensar o livro de imagens ROTEIROS PARA LEITURA LITERÁRIA Ligia Cademartori Para pensar o Livro de imagens 1 1 Texto visual Há livros compostos predominantemente por imagens que, postas em relação,

Leia mais

Jornalismo cultural na internet e a proposta do site Movamente 1

Jornalismo cultural na internet e a proposta do site Movamente 1 Jornalismo cultural na internet e a proposta do site Movamente 1 Letícia BARROSO 2 Thaís PEIXOTO 3 Centro Universitário Fluminense Campus II- Campos/RJ RESUMO: A falta de espaço nos veículos convencionais

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL

ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL ORIENTAÇÕES PARA OS GRUPOS QUE ESTÃO PRODUZINDO UMA: REPORTAGEM Tipos de Textos Características

Leia mais

Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural

Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural Camila Turati Pessoa (Universidade Federal de Uberlândia) camilatpessoa@gmail.com Ruben de Oliveira

Leia mais

Fotografia e Escola. Marcelo Valle 1

Fotografia e Escola. Marcelo Valle 1 Fotografia e Escola Marcelo Valle 1 Desde 1839, ano do registro da invenção da fotografia na França, quase tudo vem sendo fotografado, não há atualmente quase nenhuma atividade humana que não passe, direta

Leia mais

ESCOLA MUNICIPAL JOSÉ EVARISTO COSTA RELATO DE EXPERIÊNCIA. Autora: Bia Villela. Professoras: Maria Cristina Santos de Campos. Período: Três semanas.

ESCOLA MUNICIPAL JOSÉ EVARISTO COSTA RELATO DE EXPERIÊNCIA. Autora: Bia Villela. Professoras: Maria Cristina Santos de Campos. Período: Três semanas. ESCOLA MUNICIPAL JOSÉ EVARISTO COSTA RELATO DE EXPERIÊNCIA Sequência Didática I Era uma vez um gato xadrez... Autora: Bia Villela. Professoras: Maria Cristina Santos de Campos. Silvana Bento de Melo Couto.

Leia mais

Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa. Prof. Juliana Pinto Viecheneski

Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa. Prof. Juliana Pinto Viecheneski Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa Prof. Juliana Pinto Viecheneski LIVRO DIDÁTICO ONTEM E HOJE A escola tem um papel fundamental para garantir o contato com livros desde a primeira infância:

Leia mais

Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados

Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados escrito por Vários autores Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios práticos

Leia mais

Palavras-chave: Leitura. Oralidade. (Re)escrita. Introdução

Palavras-chave: Leitura. Oralidade. (Re)escrita. Introdução 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA (X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA OS TEXTOS

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX

Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX Jorge Luiz de FRANÇA * Nesta comunicação, pretendemos, por intermédio das publicações

Leia mais

Leitura na escola reflexões pedagógicas sobre os processos de formação de leitores e escritores na educação infantil, jovens e adultos.

Leitura na escola reflexões pedagógicas sobre os processos de formação de leitores e escritores na educação infantil, jovens e adultos. Leitura na escola reflexões pedagógicas sobre os processos de formação de leitores e escritores na educação infantil, jovens e adultos. Diogo Vieira do Nascimento 1 (UERJ/EDU) Fabiana da Silva 2 (UERJ/EDU)

Leia mais

PARANÁ GOVERNO DO ESTADO

PARANÁ GOVERNO DO ESTADO PARANÁ GOVERNO DO ESTADO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SEED DIRETORIA DE POLÍTICAS E PROGRAMAS EDUCACIONAIS - DPPE PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO EDUCACIONAL PDE Anexo I Professor PDE FORMULÁRIO DE ACOMPANHAMENTO

Leia mais

LEITURA E LITERATURA NA FORMAÇÃO DA CRIANÇA

LEITURA E LITERATURA NA FORMAÇÃO DA CRIANÇA LEITURA E LITERATURA NA FORMAÇÃO DA CRIANÇA Suellen Lopes 1 Graduação Universidade Estadual de Londrina su.ellen23@hotmail.com Rovilson José da Silva 2 Universidade Estadual de Londrina rovilson@uel.br

Leia mais

Leituras rebeldes: a presença de Maria Helena Souza Patto na História da Psicologia e da Educação

Leituras rebeldes: a presença de Maria Helena Souza Patto na História da Psicologia e da Educação Mnemosine Vol.8, nº2, p. 331-336 (2012) Biografia Leituras rebeldes: a presença de Maria Helena Souza Patto na História da Psicologia e da Educação Marcelo de Abreu Maciel Roger Chartier é um historiador

Leia mais

Governo da Paraíba Secretaria de educação do estado Prêmio mestres da educação Escola Estadual de Ensino Fundamental e Médio José Luiz Neto

Governo da Paraíba Secretaria de educação do estado Prêmio mestres da educação Escola Estadual de Ensino Fundamental e Médio José Luiz Neto Governo da Paraíba Secretaria de educação do estado Prêmio mestres da educação Escola Estadual de Ensino Fundamental e Médio José Luiz Neto Maria José Almeida Silva Projeto: A literatura de cordel como

Leia mais

TELEJORNALISMO E ESTUDOS CULTURAIS

TELEJORNALISMO E ESTUDOS CULTURAIS Sétimo Fórum Nacional de Professores de Jornalismo Praia dos Ingleses, SC, abril de 2004 GT: Laboratório de Jornalismo Eletrônico Trabalho: TELEJORNALISMO E ESTUDOS CULTURAIS Autora: Célia Maria Ladeira

Leia mais

RESENHA. A FORMAÇÃO DA LEITURA NO BRASIL Leonardo Barros Medeiros (UCP)

RESENHA. A FORMAÇÃO DA LEITURA NO BRASIL Leonardo Barros Medeiros (UCP) RESENHA A FORMAÇÃO DA LEITURA NO BRASIL Leonardo Barros Medeiros (UCP) Marisa Lajolo & Regina Zilberman. A formação da leitura no Brasil. São Paulo: Ática, 1996. (http://www.editoraatica.com.br) Trata-se

Leia mais

MIDIA E INCLUSÃO: RELATO DE EXPERIÊNCIAS DE UMA PESSOA COM DEFICIÊNCIA VISUAL RESUMO. Fabiana Fator Gouvêa Bonilha Rede Anhanguera de Comunicação

MIDIA E INCLUSÃO: RELATO DE EXPERIÊNCIAS DE UMA PESSOA COM DEFICIÊNCIA VISUAL RESUMO. Fabiana Fator Gouvêa Bonilha Rede Anhanguera de Comunicação MIDIA E INCLUSÃO: RELATO DE EXPERIÊNCIAS DE UMA PESSOA COM DEFICIÊNCIA VISUAL Fabiana Fator Gouvêa Bonilha Rede Anhanguera de Comunicação fabiana.ebraille@gmail.com RESUMO No presente trabalho, tenciona-se

Leia mais

LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra

LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra INTRODUÇÃO As organizações vivem em um ambiente em constante transformação que exige respostas rápidas e efetivas, respostas dadas em função das especificidades

Leia mais

Alfabetização e Letramento

Alfabetização e Letramento Alfabetização e Letramento Material Teórico A Escrita no Processo de Alfabetização Responsável pelo Conteúdo e Revisor Textual: Profª. Ms Denise Jarcovis Pianheri Unidade A Escrita no Processo de Alfabetização

Leia mais

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido 1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido No estudo da Comunicação, a publicidade deve figurar como um dos campos de maior interesse para pesquisadores e críticos das Ciências Sociais e Humanas.

Leia mais

LINGUAGEM: O COMPLEXO JOGO DAS MUDANÇAS SOCIAIS

LINGUAGEM: O COMPLEXO JOGO DAS MUDANÇAS SOCIAIS LINGUAGEM: O COMPLEXO JOGO DAS MUDANÇAS SOCIAIS Aline Almeida de Araújo 1 RESUMO A sociolinguística estuda as variações do meio social, procura entender e explicar as várias maneiras de expressão dos falantes.

Leia mais

MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DE MILÍCIAS E SUAS ADAPTAÇÕES

MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DE MILÍCIAS E SUAS ADAPTAÇÕES MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DE MILÍCIAS E SUAS ADAPTAÇÕES Simone de Souza Burguês (PIBIC/CNPq-UEM), Mirian Hisae Yaegashi Zappone (Orientadora), e-mail: mirianzappone@gmail.com Universidade Estadual de Maringá/Departamento

Leia mais

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima.

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima. Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público Alexia Melo Clebin Quirino Michel Brasil Gracielle Fonseca Rafaela Lima Satiro Saone O projeto Rede Jovem de Cidadania é uma iniciativa da Associação

Leia mais

O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA

O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA Maria Lúcia C. Neder Como já afirmamos anteriormente, no Texto-base, a produção, a seleção e a organização de textos para a EAD devem

Leia mais

O lugar da oralidade na escola

O lugar da oralidade na escola O lugar da oralidade na escola Disciplina: Língua Portuguesa Fund. I Selecionador: Denise Guilherme Viotto Categoria: Professor O lugar da oralidade na escola Atividades com a linguagem oral parecem estar

Leia mais

5.1. As significações do vinho e o aumento de seu consumo

5.1. As significações do vinho e o aumento de seu consumo 5 Conclusão Para melhor organizar a conclusão desse estudo, esse capítulo foi dividido em quatro partes. A primeira delas aborda as significações do vinho e como elas se relacionam com o aumento de consumo

Leia mais

Resumo. GT Produção Laboratorial Impresso Jornal cultural 2ª Opinião Márcia Eliane Rosa Professora de Jornalismo, doutoranda na ECA/USP

Resumo. GT Produção Laboratorial Impresso Jornal cultural 2ª Opinião Márcia Eliane Rosa Professora de Jornalismo, doutoranda na ECA/USP GT Produção Laboratorial Impresso Jornal cultural 2ª Opinião Márcia Eliane Rosa Professora de Jornalismo, doutoranda na ECA/USP Resumo O 2ª Opinião - Espaço cultural é um jornal-laboratório que vem sendo

Leia mais

COMISSÃO DIRETORA PARECER Nº, DE 2006

COMISSÃO DIRETORA PARECER Nº, DE 2006 COMISSÃO DIRETORA PARECER Nº, DE 2006 Redação final do Projeto de Lei da Câmara nº 79, de 2004 (nº 708, de 2003, na Casa de origem). A Comissão Diretora apresenta a redação final do Projeto de Lei da Câmara

Leia mais

PROPORCIONANDO UMA APRENDIZAGEM DINÂMICA E CONTEXTUALIZADA A PARTIR DO GÊNERO TEXTUAL MÚSICA

PROPORCIONANDO UMA APRENDIZAGEM DINÂMICA E CONTEXTUALIZADA A PARTIR DO GÊNERO TEXTUAL MÚSICA PROPORCIONANDO UMA APRENDIZAGEM DINÂMICA E CONTEXTUALIZADA A PARTIR DO GÊNERO TEXTUAL MÚSICA RAVENA FLÁVIA MEDEIROS DE FREITAS, POLIANA SALDANHA DE SOUSA, PATRICIA FERREIRA DOS SANTOS, AIVONEIDE DE OLIVEIRA

Leia mais

Pedagogia Profª Silvia Perrone. Ensino de Língua Portuguesa. Roteiro. Teorias que orientam o ensino

Pedagogia Profª Silvia Perrone. Ensino de Língua Portuguesa. Roteiro. Teorias que orientam o ensino Pedagogia Profª Silvia Perrone Ensino de Língua Portuguesa Roteiro Teorias que orientam o ensino: empirista e construtivista. A visão de texto nas diferentes teorias. Ensinar a produzir textos na escola.

Leia mais

A LEITURA E O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO

A LEITURA E O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO A LEITURA E O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO Adriana M. das Virgens Chagas (adrianachagas3@hotmail.com) Aluna de graduação do curso de Pedagogia das Faculdades Integradas de Aracruz Luciana C.

Leia mais

Articulando saberes e transformando a prática

Articulando saberes e transformando a prática Articulando saberes e transformando a prática Maria Elisabette Brisola Brito Prado Na sociedade do conhecimento e da tecnologia torna-se necessário repensar o papel da escola, mais especificamente as questões

Leia mais

Cleide Tavares de Oliveira Araripe UNISO (Universidade de Sorocaba Sorocaba/SP) HÁBITOS DE LEITURA EM ESTUDANTES DE GRADUAÇÃO

Cleide Tavares de Oliveira Araripe UNISO (Universidade de Sorocaba Sorocaba/SP) HÁBITOS DE LEITURA EM ESTUDANTES DE GRADUAÇÃO 1 Cleide Tavares de Oliveira Araripe UNISO (Universidade de Sorocaba Sorocaba/SP) HÁBITOS DE LEITURA EM ESTUDANTES DE GRADUAÇÃO Resumo Este trabalho apresenta os resultados de uma pesquisa realizada com

Leia mais

As adivinhas são jogos de linguagem em que a relação entre fatos semânticos

As adivinhas são jogos de linguagem em que a relação entre fatos semânticos As adivinhas na relação ilustração-texto na literatura infantil 73 Kassandra da Silva Muniz * Resumo: Esta pesquisa se insere no projeto A organização textual interativa das adivinhações, coordenado pela

Leia mais

Ensino/aprendizagem circense: projeto transversal de política social

Ensino/aprendizagem circense: projeto transversal de política social ENSINO/APRENDIZAGEM CIRCENSE: PROJETO TRANSVERSAL DE POLÍTICA SOCIAL Erminia Silva Centro de Formação Profissional em Artes Circenses CEFAC Teatralidade circense, circo como educação permanente, história

Leia mais

Apresentação da FAMA

Apresentação da FAMA Pós-Graduação Lato Sensu CURSO DE ESPECIIALIIZAÇÃO 444 horras/aulla 1 Apresentação da FAMA A FAMA nasceu como conseqüência do espírito inovador e criador que há mais de 5 anos aflorou numa família de empreendedores

Leia mais

1ª a 5ª série. (Pró-Letramento, fascículo 1 Capacidades Linguísticas: Alfabetização e Letramento, pág.18).

1ª a 5ª série. (Pró-Letramento, fascículo 1 Capacidades Linguísticas: Alfabetização e Letramento, pág.18). SUGESTÕES PARA O APROVEITAMENTO DO JORNAL ESCOLAR EM SALA DE AULA 1ª a 5ª série A cultura escrita diz respeito às ações, valores, procedimentos e instrumentos que constituem o mundo letrado. Esse processo

Leia mais

Aluno(a) Nº. Série: Turma: Ensino Médio Trimestre [ ] Data: / / Disciplina: Professor: Linguagem e língua

Aluno(a) Nº. Série: Turma: Ensino Médio Trimestre [ ] Data: / / Disciplina: Professor: Linguagem e língua Aluno(a) Nº. Série: Turma: Ensino Médio Trimestre [ ] Data: / / Disciplina: Professor: Linguagem e língua É a palavra que identifica o ser humano, é ela seu substrato que possibilitou a convivência humana

Leia mais

ESTRUTURA E ORGANIZAÇÃO DA ESCOLA DE

ESTRUTURA E ORGANIZAÇÃO DA ESCOLA DE Unidade II ESTRUTURA E ORGANIZAÇÃO DA ESCOLA DE EDUCAÇÃO INFANTIL Profa. Ana Lucia M. Gasbarro A formação pessoal e social da criança, áreas de conhecimento e desenvolvimento da criança Introdução A importância

Leia mais

SEQUÊNCIA DIDÁTICA: A Publicidade na Sala de Aula

SEQUÊNCIA DIDÁTICA: A Publicidade na Sala de Aula OFICINA SEMIPRESENCIAL O(S) USO(S) DE DOCUMENTO(S) DE ARQUIVO NA SALA DE AULA ALUNA: Alcinéia Emmerick de Almeida / Núcleo de Ação Educativa - APESP SEQUÊNCIA DIDÁTICA: A Publicidade na Sala de Aula TEMA:

Leia mais

Conheça também! As demais disciplinas desta coleção nas páginas 4, 8, 32, 36, 72 e 90.

Conheça também! As demais disciplinas desta coleção nas páginas 4, 8, 32, 36, 72 e 90. porta aberta Nova edição Geografia 2º ao 5º ano O estudo das categorias lugar, paisagem e espaço tem prioridade nesta obra. 25383COL05 Conheça também! As demais disciplinas desta coleção nas páginas 4,

Leia mais

Pré-Escola 4 e 5 anos

Pré-Escola 4 e 5 anos PREFEITURA MUNICIPAL DE SALVADOR Secretaria Municipal da Educação e Cultura SMEC DIÁRIO DE CLASSE Educação Infantil Pré-Escola 4 e 5 anos DIÁRIO DE CLASSE ESCOLA: CRE: ATO DE CRIAÇÃO DIÁRIO OFICIAL / /

Leia mais

RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS

RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS BRASÍLIA ECHARDT VIEIRA (CENTRO DE ATIVIDADES COMUNITÁRIAS DE SÃO JOÃO DE MERITI - CAC). Resumo Na Baixada Fluminense, uma professora que não está atuando no magistério,

Leia mais

LETRAMENTO, LEITURA, LITERATURA E PRODUÇÃO DE TEXTO: SUAS IMPLICAÇÕES NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM

LETRAMENTO, LEITURA, LITERATURA E PRODUÇÃO DE TEXTO: SUAS IMPLICAÇÕES NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM LETRAMENTO, LEITURA, LITERATURA E PRODUÇÃO DE TEXTO: SUAS IMPLICAÇÕES NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM Kelly Cristina Costa Martins 1 Simônica da Costa Ferreira 2 Introdução Nos dias atuais percebemos

Leia mais

de 20, à criação do samba no Rio de Janeiro ou ao cinema novo. Ao mesmo tempo procurei levar em conta as aceleradas transformações que ocorriam nesta

de 20, à criação do samba no Rio de Janeiro ou ao cinema novo. Ao mesmo tempo procurei levar em conta as aceleradas transformações que ocorriam nesta 5 Conclusão A década de 70 foi com certeza um período de grande efervescência para a cultura brasileira e em especial para a música popular. Apesar de ser muito difícil mensurar a constituição de um termo

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA. Sequência Didática II Brincadeira Amarelinha

RELATO DE EXPERIÊNCIA. Sequência Didática II Brincadeira Amarelinha ESCOLA MUNICIPAL JOSÉ EVARISTO COSTA RELATO DE EXPERIÊNCIA Sequência Didática II Brincadeira Amarelinha Professoras: Maria Cristina Santos de Campos. Silvana Bento de Melo Couto. Público Alvo: 3ª Fase

Leia mais

A LITERATURA INFANTOJUVENIL CONTEMPORÂNEA: ENTRE CARTAS E E-MAILS

A LITERATURA INFANTOJUVENIL CONTEMPORÂNEA: ENTRE CARTAS E E-MAILS A LITERATURA INFANTOJUVENIL CONTEMPORÂNEA: ENTRE CARTAS E E-MAILS Resumo: Prof. Dr. Diógenes Buenos Aires de Carvalho i (UEMA) O presente trabalho objetiva analisar a obra P.S. Beijei, de Adriana Falcão

Leia mais

OS MEDIADORES NAS HISTÓRIAS DE LEITURA DOS PROFESSORES Jeovana Alves de Lima Oliveira Secretaria de Educação do Estado da Bahia

OS MEDIADORES NAS HISTÓRIAS DE LEITURA DOS PROFESSORES Jeovana Alves de Lima Oliveira Secretaria de Educação do Estado da Bahia OS MEDIADORES NAS HISTÓRIAS DE LEITURA DOS PROFESSORES Jeovana Alves de Lima Oliveira Secretaria de Educação do Estado da Bahia INTRODUÇÃO: A proposta desse trabalho é apresentar a pesquisa de Mestrado,

Leia mais

CURRÍCULO 1º ANO do ENSINO UNDAMENTAL LINGUAGEM

CURRÍCULO 1º ANO do ENSINO UNDAMENTAL LINGUAGEM CURRÍCULO do ENSINO UNDAMENTAL LINGUAGEM ORALIDADE Formar frases com seqüência e sentido. Relacionar palavras que iniciam com vogais. Associar primeira letra/som em palavras iniciadas por vogal. Falar

Leia mais

Um Menino Igual a Todo Mundo

Um Menino Igual a Todo Mundo elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO Um Menino Igual a Todo Mundo escrito por & ilustrado por Sandra Saruê Marcelo Boffa Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios

Leia mais

PROJETO MULTIPLICADORES DE LEITURA NA ESCOLA PÚBLICA

PROJETO MULTIPLICADORES DE LEITURA NA ESCOLA PÚBLICA PROJETO MULTIPLICADORES DE LEITURA NA ESCOLA PÚBLICA Elize Huegel Pires 1 1 Apresentação O projeto Multiplicadores de Leitura foi desenvolvido no ano de 2008 com alunos de 5ª série da Escola Municipal

Leia mais

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 721 CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE Elaine Fernanda Dornelas de Souza Serviço Nacional de

Leia mais

Nossa memória é nossa coerência, nossa razão, nossa ação, nosso sentimento. Sem ela, somos nada." Luis Buñuel, cineasta

Nossa memória é nossa coerência, nossa razão, nossa ação, nosso sentimento. Sem ela, somos nada. Luis Buñuel, cineasta 1 A HISTÓRIA NA EMPRESA: IDENTIDADES E OPORTUNIDADES Karen Worcman, graduada em História e mestre em Lingüística pela Universidade Federal Fluminense. Fundadora e diretora do Instituto Museu da Pessoa.

Leia mais

A linguagem da fotonovela Isabel S. Sampaio

A linguagem da fotonovela Isabel S. Sampaio A linguagem da fotonovela Isabel S. Sampaio No segundo semestre de 1970, as revistas que publicavam fotonovelas no Brasil ocupavam o segundo lugar em tiragem e circulação, perdendo apenas para as revistas

Leia mais

COMPRE AQUI E MORE BEM : A LINGUAGEM PUBLICITÁRIA E OS DISCURSOS DA PROPAGANDA IMOBILIÁRIA

COMPRE AQUI E MORE BEM : A LINGUAGEM PUBLICITÁRIA E OS DISCURSOS DA PROPAGANDA IMOBILIÁRIA COMPRE AQUI E MORE BEM : A LINGUAGEM PUBLICITÁRIA E OS DISCURSOS DA PROPAGANDA IMOBILIÁRIA Maria Eliane Gomes Morais (PPGFP-UEPB) Linduarte Pereira Rodrigues (DLA/PPGFP-UEPB) Resumo: Os textos publicitários

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas:

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas: EDUCAÇÃO INFANTIL A Educação Infantil, enquanto segmento de ensino que propicia um maior contato formal da criança com o mundo que a cerca, deve favorecer a socialização da criança, permitir a interação

Leia mais

Literatura infantil e juvenil Formação de leitores

Literatura infantil e juvenil Formação de leitores Coleção educação em análise A literatura é um campo privilegiado para ocultar/desocultar sentidos, e os livros contemporâneos (muitas vezes plenos de mensagens que vão além do texto literário, estabelecendo

Leia mais

LEITURAS E LEITORES DA COLEÇÃO BIBLIOTECA DAS MOÇAS. PONTOS PARA UMA PESQUISA A PARTIR DAS MARCAS DE LEITURA FEITAS POR NORMALISTAS i

LEITURAS E LEITORES DA COLEÇÃO BIBLIOTECA DAS MOÇAS. PONTOS PARA UMA PESQUISA A PARTIR DAS MARCAS DE LEITURA FEITAS POR NORMALISTAS i LEITURAS E LEITORES DA COLEÇÃO BIBLIOTECA DAS MOÇAS. PONTOS PARA UMA PESQUISA A PARTIR DAS MARCAS DE LEITURA FEITAS POR NORMALISTAS i Cássia Aparecida Sales M Kirchner ii Faculdade de Educação Unicamp

Leia mais

O uso do desenho e da gravura sobre fotografia como práxis poética da memória

O uso do desenho e da gravura sobre fotografia como práxis poética da memória O uso do desenho e da gravura sobre fotografia como práxis poética da memória Vinicius Borges FIGUEIREDO; José César Teatini CLÍMACO Programa de pós-graduação em Arte e Cultura Visual FAV/UFG viniciusfigueiredo.arte@gmail.com

Leia mais

MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES

MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES EDIT MARIA ALVES SIQUEIRA (UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA). Resumo Diferentes instrumentos de avaliação (ENEM, SIMAVE) tem diagnosticado o despreparo dos alunos

Leia mais

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM PORTUGUESA DE LÍNGUA. Anos Iniciais do Ensino Fundamental (1º ao 5º ano) MARÇO

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM PORTUGUESA DE LÍNGUA. Anos Iniciais do Ensino Fundamental (1º ao 5º ano) MARÇO EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM DE LÍNGUA PORTUGUESA MARÇO 2013 Expectativas de Aprendizagem de Língua Portuguesa dos anos iniciais do Ensino Fundamental 1º ao 5º ano Anos Iniciais do Ensino Fundamental (1º

Leia mais

UM MINUTO PRA FALAR DO MUNDO Davina Marques Ludmila Alexandra dos Santos Sarraipa

UM MINUTO PRA FALAR DO MUNDO Davina Marques Ludmila Alexandra dos Santos Sarraipa CULTURAS E CONHECIMENTOS DISCIPLINARES ANO 3 EDIÇÃO 16 UM MINUTO PRA FALAR DO MUNDO Davina Marques Ludmila Alexandra dos Santos Sarraipa O sabiá Teco vai fugir da gaiola em busca de um lugar melhor para

Leia mais

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino fundamental Resumo O projeto de iniciação científica está vinculado à pesquisa Uso do jornal em sala de aula e compreensão

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL CURRÍCULO DE LINGUAGEM

EDUCAÇÃO INFANTIL CURRÍCULO DE LINGUAGEM EDUCAÇÃO INFANTIL CURRÍCULO DE LINGUAGEM COMUNICAÇÃO FASE I FASE II ORALIDADE Transmitir recados simples. Formar frases com seqüência. Argumentar para resolver conflitos. Verbalizar suas necessidades e

Leia mais

Unidade II Cultura: a pluralidade na expressão humana Aula 13.1 Conteúdo: Outras formas de narrar: o conto

Unidade II Cultura: a pluralidade na expressão humana Aula 13.1 Conteúdo: Outras formas de narrar: o conto 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Unidade II Cultura: a pluralidade na expressão humana Aula 13.1 Conteúdo: Outras formas de narrar: o conto 3 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO

Leia mais

História da Mídia Impressa na Educação

História da Mídia Impressa na Educação História da Mídia Impressa na Educação LUSTOSA, Elem Acadêmica do Curso de Pedagogia Iniciação Científica MACIEL, Margareth de Fátima Doutorado em Educação UNICENTRO - PARANÁ RESUMO Esse texto aborda a

Leia mais

Palavras chave: texto, gêneros textuais, ensino, PCN, educação.

Palavras chave: texto, gêneros textuais, ensino, PCN, educação. Karen Alves de Andrade 1 RESUMO A inserção dos gêneros textuais no ensino vem mudando a dinâmica da educação em língua portuguesa em nosso país. A importância de se trabalhar a língua em uso, através de

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS TEXTO DE APOIO

GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS TEXTO DE APOIO AULA 2.2 - A SIGNIFICAÇÃO NA ARTE TEXTO DE APOIO 1. A especificidade da informação estética Teixeira Coelho Netto, ao discutir a informação estética, comparando-a à semântica, levanta aspectos muito interessantes.

Leia mais

2 Editoração Eletrônica

2 Editoração Eletrônica 8 2 Editoração Eletrônica A década de 80 foi um marco na história da computação. Foi quando a maioria dos esforços dos desenvolvedores, tanto de equipamentos, quanto de programas, foram direcionados para

Leia mais

e-scrita ISSN 2177-6288

e-scrita ISSN 2177-6288 194 e-scrita ISSN 2177-6288 COMO LER IMAGENS? SANTAELLA, Lucia. Leitura de imagens. São Paulo. Melhoramentos. 2012. 184 p. (Coleção Como eu ensino). Rodrigo da Costa Araujo 1 Como ler imagens? Como elas

Leia mais

Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva

Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva A criança que chega à escola é um indivíduo que sabe coisas e que opera intelectualmente de acordo com os mecanismos de funcionamento

Leia mais

O TREM DA SISTEMATIZAÇÃO (idéias construídas coletivamente nos grupos do CFES-SUL) A ESTAÇÃO

O TREM DA SISTEMATIZAÇÃO (idéias construídas coletivamente nos grupos do CFES-SUL) A ESTAÇÃO O TREM DA SISTEMATIZAÇÃO (idéias construídas coletivamente nos grupos do CFES-SUL) A ESTAÇÃO Trata-se do ponto de partida do processo de sistematização. Neste momento é importante considerar os elementos

Leia mais

A nova leitura feminina: o que as adolescentes estão lendo? Eixo temático Livre

A nova leitura feminina: o que as adolescentes estão lendo? Eixo temático Livre A nova leitura feminina: o que as adolescentes estão lendo? Cintia Kath Blank 1 Ana Paula Damasceno 2 Eixo temático Livre RESUMO Observa-se na história da leitura feminina hábitos de leitura estabelecidos

Leia mais

PÉ NO PALCO PROJETO INTERDISCIPLINAR DO ENSINO FUNDAMENTAL II DO COLÉGIO NACIONAL UBERLÂNDIA

PÉ NO PALCO PROJETO INTERDISCIPLINAR DO ENSINO FUNDAMENTAL II DO COLÉGIO NACIONAL UBERLÂNDIA PÉ NO PALCO PROJETO INTERDISCIPLINAR DO ENSINO FUNDAMENTAL II DO COLÉGIO NACIONAL UBERLÂNDIA Getúlio Góis de Araújo getulio_araujo @nacionalnet.com.br Colégio Nacional Ensino Fundamental II Relato de Experiência

Leia mais

Cadernos do CNLF, Vol. XVII, Nº 04. Rio de Janeiro: CiFEFiL, 2013.

Cadernos do CNLF, Vol. XVII, Nº 04. Rio de Janeiro: CiFEFiL, 2013. 122 Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos LER, ESCREVER E REESCREVER NO ENSINO MÉDIO POR MEIO DOS CLÁSSICOS DA LITERATURA BRASILEIRA José Enildo Elias Bezerra (IFAP) enildoelias@yahoo.com.br

Leia mais

AUTORA: Djenane Sichieri Wagner Cunha - djenanewagner@uol.com.br. INSTITUIÇÕES: Faculdade de Educação São Luís e Universidade Interativa COC

AUTORA: Djenane Sichieri Wagner Cunha - djenanewagner@uol.com.br. INSTITUIÇÕES: Faculdade de Educação São Luís e Universidade Interativa COC AUTORA: Djenane Sichieri Wagner Cunha - djenanewagner@uol.com.br INSTITUIÇÕES: Faculdade de Educação São Luís e Universidade Interativa COC TÍTULO: O TRABALHO COM OS PARADIDÁTICOS EM SALA DE AULA: Estratégias

Leia mais

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Claudia Maria da Cruz Consultora Educacional FEVEREIRO/2015 CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A ênfase na operacionalização escrita dos documentos curriculares municipais é

Leia mais

Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1. Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana Xavier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE

Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1. Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana Xavier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1 Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana avier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE RESUMO Este trabalho se propõe uma jornada Arcoverde adentro

Leia mais

PROJETO DE LEITURA E ESCRITA. Era uma vez... E conte outra vez.

PROJETO DE LEITURA E ESCRITA. Era uma vez... E conte outra vez. PROJETO DE LEITURA E ESCRITA Era uma vez... E conte outra vez. CARACTERIZAÇÃO DO PROJETO TEMA; PROJETO DE LEITURA E ESCRITA. Era uma vez... E conte outra vez. INSTITUIÇÃO Escola Estadual Lino Villachá

Leia mais

PROCESSO SELETIVO PARA PROFESSORES SUBSTITUTOS EDITAL

PROCESSO SELETIVO PARA PROFESSORES SUBSTITUTOS EDITAL EDUCAÇÃO INFANTIL 01) Tomando como base a bibliografia atual da área, assinale a alternativa que destaca CORRE- TAMENTE os principais eixos de trabalho articuladores do cotidiano pedagógico nas Instituições

Leia mais

A Formação docente e o ensino da leitura e escrita por meio dos gêneros textuais

A Formação docente e o ensino da leitura e escrita por meio dos gêneros textuais A Formação docente e o ensino da leitura e escrita por meio dos gêneros textuais Dayanne Cristina Moraes de DEUS; Dulcéria TARTUCI; Maria Marta Lopes FLORES; Reila Terezinha da Silva LUZ Departamento de

Leia mais

PROJETO A HORA DO CONTO: ALFABETIZANDO COM OS GÊNEROS LITERÁRIOS. Palavras Chaves: Alfabetização, Letramento e Gêneros Literários.

PROJETO A HORA DO CONTO: ALFABETIZANDO COM OS GÊNEROS LITERÁRIOS. Palavras Chaves: Alfabetização, Letramento e Gêneros Literários. PROJETO A HORA DO CONTO: ALFABETIZANDO COM OS GÊNEROS LITERÁRIOS Zeni Aguiar do Nascimento Alves i Zênio Hélio Alves ii O SESC LER Zona Norte de Natal desenvolve atividades que evidenciam a questão da

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE UNICENTRO CURSO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO KARINA DE NAZARÉ DA COSTA MARTINS PROFESSOR: PAULO GUILHERMITE

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE UNICENTRO CURSO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO KARINA DE NAZARÉ DA COSTA MARTINS PROFESSOR: PAULO GUILHERMITE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE UNICENTRO CURSO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO KARINA DE NAZARÉ DA COSTA MARTINS PROFESSOR: PAULO GUILHERMITE O USO DA INTERNET NO PROCESSO EDUCACIONAL: O DESAFIO PARA OS PROFESSORES

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Centro de Comunicação e Letras Curso de Letras

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Centro de Comunicação e Letras Curso de Letras ÁREAS DE ORIENTAÇÕES DOS PROFESSORES DO CURSO DE LETRAS (Licenciatura e Bacharelado) DOCENTE Área(s) de orientação Temas preferenciais de orientação Alexandre - Literatura - Elaboração de propostas Huady

Leia mais

OFICINA EDUCOMUNICATIVA EM FOTOGRAFIA

OFICINA EDUCOMUNICATIVA EM FOTOGRAFIA OFICINA EDUCOMUNICATIVA EM FOTOGRAFIA Uma proposta para aplicação no Programa Mais Educação Izabele Silva Gomes Universidade Federal de Campina Grande UFCG izabelesilvag@gmail.com Orientador (a): Professora

Leia mais

VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil

VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil NOSSA MISSÃO: Por meio da educação formar cidadãos felizes, independentes, éticos e solidários VALORES: Respeito, honestidade, boa moral

Leia mais

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades;

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades; INFANTIL II OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações:

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA/UFSC/SC RELATÓRIO SUCINTO: MÊS JUNHO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA/UFSC/SC RELATÓRIO SUCINTO: MÊS JUNHO 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA/UFSC/SC 1. Dados do Município ou GERED a) Município: FLORIANÓPOLIS b)município/gered: SECRETARIA MUNICIPAL RELATÓRIO

Leia mais

JORNALISMO CULTURAL ONLINE: EXPERIÊNCIAS DE COBERTURA JORNALÍSTICA DO SITE CULTURA PLURAL

JORNALISMO CULTURAL ONLINE: EXPERIÊNCIAS DE COBERTURA JORNALÍSTICA DO SITE CULTURA PLURAL 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( x ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA JORNALISMO

Leia mais

REDAÇÃO DISSERTAÇÃO AULA 5. Professora Sandra Franco

REDAÇÃO DISSERTAÇÃO AULA 5. Professora Sandra Franco REDAÇÃO AULA 5 Professora Sandra Franco DISSERTAÇÃO 1. Definição de Dissertação. 2. Roteiro para dissertação. 3. Partes da dissertação. 4. Prática. 5. Recomendações Gerais. 6. Leitura Complementar. 1.

Leia mais

PROJETO SALA DE REDAÇÃO

PROJETO SALA DE REDAÇÃO PROJETO SALA DE REDAÇÃO Eliane Teresinha da Silva Acadêmica do Curso de Letras Português e Literaturas UAB Restinga Seca/UFSM Gláucia Josiele Cardoso Acadêmica do Curso de Letras Português e Literaturas

Leia mais

Apresentação. Práticas Pedagógicas Língua Portuguesa. Situação 4 HQ. Recomendada para 7a/8a ou EM. Tempo previsto: 4 aulas

Apresentação. Práticas Pedagógicas Língua Portuguesa. Situação 4 HQ. Recomendada para 7a/8a ou EM. Tempo previsto: 4 aulas Práticas Pedagógicas Língua Portuguesa Situação 4 HQ Recomendada para 7a/8a ou EM Tempo previsto: 4 aulas Elaboração: Equipe Técnica da CENP Apresentação Histórias em quadrinhos (HQ), mangás e tirinhas

Leia mais

PROGRAMAs de. estudantil

PROGRAMAs de. estudantil PROGRAMAs de empreendedorismo e protagonismo estudantil Ciclo de Palestras MAGNUM Vale do Silício App Store Contatos Calendário Fotos Safari Cumprindo sua missão de oferecer uma educação inovadora e de

Leia mais

O CHÃO DA PALAVRA: CINEMA E LITERATURA NO BRASIL: A CULTURA CINEMATOGRÁFICA E LITERÁRIA BRASILEIRAS SOB O OLHAR DE JOSÉ CARLOS AVELLAR

O CHÃO DA PALAVRA: CINEMA E LITERATURA NO BRASIL: A CULTURA CINEMATOGRÁFICA E LITERÁRIA BRASILEIRAS SOB O OLHAR DE JOSÉ CARLOS AVELLAR O CHÃO DA PALAVRA: CINEMA E LITERATURA NO BRASIL: A CULTURA CINEMATOGRÁFICA E LITERÁRIA BRASILEIRAS SOB O OLHAR DE JOSÉ CARLOS AVELLAR Matheus Oliveira Knychala Biasi* Universidade Federal de Uberlândia

Leia mais

Palavras-chave: LEITURA E ESCRITA, CIDADANIA, PROTAGONISMO SOCIAL. OFICINA PALAVRA MAGICA DE LEITURA E ESCRITA

Palavras-chave: LEITURA E ESCRITA, CIDADANIA, PROTAGONISMO SOCIAL. OFICINA PALAVRA MAGICA DE LEITURA E ESCRITA OFICINA PALAVRA MAGICA DE LEITURA E ESCRITA ELAINE CRISTINA TOMAZ SILVA (FUNDAÇÃO PALAVRA MÁGICA). Resumo A Oficina Palavra Mágica de Leitura e Escrita, desenvolvida pela Fundação Palavra Mágica, é um

Leia mais

A leitura e a discussão colectiva da banda desenhada: uma experiência e alguns apontamentos

A leitura e a discussão colectiva da banda desenhada: uma experiência e alguns apontamentos Apoio: A leitura e a discussão colectiva da banda desenhada: uma experiência e alguns apontamentos Grupo de Leitores de BD da Bedeteca de Lisboa Rosa Barreto e Pedro Moura Bedeteca de Lisboa 1996/2008

Leia mais

PESQUISA AÇÃO E FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA PRÁTICA LEITORA EMANCIPADA BLASZKO,Caroline Elizabel - FAFIUV karolblaszko@yahoo.com.br.

PESQUISA AÇÃO E FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA PRÁTICA LEITORA EMANCIPADA BLASZKO,Caroline Elizabel - FAFIUV karolblaszko@yahoo.com.br. PESQUISA AÇÃO E FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA PRÁTICA LEITORA EMANCIPADA BLASZKO,Caroline Elizabel - FAFIUV karolblaszko@yahoo.com.br. Resumo UJIIE, Najela Tavares - FAFIUV najelaujiie@yahoo.com.br. Eixo

Leia mais

INDIVÍDUO E SOCIEDADE PARTE 2

INDIVÍDUO E SOCIEDADE PARTE 2 TEXTO NUM. 2 INDIVÍDUO E SOCIEDADE PARTE 2 Max Weber, O indivíduo e a ação social: O alemão Max Weber (1864-1920), diferentemente de Durkheim, tem como preocupação central compreender o indivíduo e suas

Leia mais