TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Sindical NORMAS DE SEGURANÇA, HIGIENE, SAÚDE E DE MEDICINA DO TRABALHO PARA O COMÉRCIO. Eugenio Garcia Advogado

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Sindical NORMAS DE SEGURANÇA, HIGIENE, SAÚDE E DE MEDICINA DO TRABALHO PARA O COMÉRCIO. Eugenio Garcia Advogado"

Transcrição

1 TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Sindical NORMAS DE SEGURANÇA, HIGIENE, SAÚDE E DE MEDICINA DO TRABALHO PARA O COMÉRCIO Eugenio Garcia Advogado INTRODUÇÃO Este trabalho tem o propósito de alertar o empresário do comércio de que as normas de segurança, higiene, saúde e de medicina do trabalho não se restringem ao exame médico, mas que também existem diversas normas dirigidas aos comerciantes, comerciários e assemelhados, sob a responsabilidade do empresário e de seus prepostos. E, é óbvio, que o empresário quer todos os funcionários saudáveis e produtivos com menor custo. O plano básico do comércio, estabelecido no quadro anexo do Art. 577, da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), Quadro de Atividades e Profissões estabelece seis grupos. Vamos relembrá-los: comércio atacadista; comércio varejista; agentes autônomos do comércio; comércio armazenador; turismo e hospitalidade; e estabelecimentos de serviços de saúde, com inúmeras categorias profissionais com maior ou menor risco no desempenho diário das respectivas funções. O empresário brasileiro está sujeito à fiscalização dos agentes especiais, auditores e fiscais do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), a qualquer hora e sem aviso. Os agentes mais conscientes dão de três a oito dias para a reunião da documentação, mas esse prazo é insuficiente para reunir tudo, e, a conseqüência é um auto de infração. Pode-se pedir prazo para regularização, providências, adequação, compra de equipamento, etc. e sempre, ou quase sempre, ele é concedido até no máximo de 60 dias. Se este prazo for insuficiente, pode-se pedir mais prazo, até 120 dias, mas aí a negociação envolverá, em conjunto, o sindicato dos empregados da categoria ou das categorias e a autoridade do MTE. METODOLOGIA Vamos examinar as 33 Normas Regulamentadoras (NRs), comentando, somente, às correlatas com as atividades do comércio e de serviços, e, se possível, dando exemplos sem

2 40 conotação com qualquer empresa do plano básico do comércio. A seguir, comentaremos as Normas de Insalubridade e Periculosidade. LEGISLAÇÃO Todo trabalhador, brasileiro ou não, urbano ou rural, tem direito à redução/eliminação dos riscos inerentes ao trabalho, por meio de normas de saúde, higiene e segurança, segundo a Constituição Federal, Art. 7º, inciso XXII. Art.157. Cabe às empresas: I. cumprir e fazer cumprir as normas de segurança e medicina do trabalho; II. instruir os empregados, através de ordens de serviço, quanto as precauções a tomar no sentido de evitar acidentes do trabalho ou doenças ocupacionais; III. adotar medidas que lhe sejam determinadas pelo órgão estadual competente: IV. facilitar o exercício da fiscalização pela autoridade competente. Art.158. Cabe aos empregados: I. observar as normas de segurança e medicina do trabalho, inclusive as instruções de que trata o item do artigo anterior; II. colaborar coma a empresa na aplicação dos dispositivos deste Capítulo. Parágrafo único. Constitui ato faltoso do empregado a recusa injustificada: a) à observância das instruções expedidas pelo empregador na forma do item II do artigo anterior: b) ao uso dos equipamentos de proteção individual fornecido pela empresa. Nos artigos seguintes a Constituição Federal (CF) trata das edificações, iluminação, conforto térmico, instalações elétricas, movimento e manuseio de materiais, máquinas e equipamentos, das caldeiras, fornos e recipientes sob pressão, e mais os artigos sob prevenção de fadiga e de outras medidas especiais de proteção. As atividades insalubres e perigosas Arts. 189/197 serão analisadas à parte. Na CF é o inciso XXIII do Art. 7º. A CLT dispõe sobre a mesma matéria, e dela foram copiados pela Constituição Federal de 1988 os artigos acima resumidos na mesma ordem, Arts. 154 a 200. A Portaria nº 3.214/78, sobre a qual discorreremos mais adiante, normalizou todas as matérias citadas nas 33 Normas Regulamentadoras. Esta portaria contém todas as regras que regulamentam, simultaneamente, as normas em sua maioria normas preventivas para se evitar o acidente do trabalho. Trabalhos Técnicos

3 41 As NR se dividem em Gerais e Específicas. As NRs Gerais são as que dispõem sobre exames médicos, CIPA, instalações, iluminação e outras. Já as Específicas são dirigidas para uma, duas ou mais categorias, e é específica porque só interessa a ela, por exemplo: normas para indústria da construção civil. Não confundir Normas Regulamentadoras com Normas Técnicas. Por exemplo, as normas da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), entidade em que a CNC mantém um representante permanente. nº 3.214/78. Examinaremos agora as Normas Regulamentadoras que compõem a Portaria NR-1 DISPOSIÇÕES GERAIS Esta norma traça as disposições gerais relativas à segurança e medicina do trabalho, que são de observância obrigatória pelas empresas privadas e públicas, órgãos públicos de administração direta e indireta, Poderes Legislativo, Executivo e Judiciário que possuam empregados regidos pela CLT. Essas disposições aplicam-se aos trabalhadores avulsos, às entidades ou empresas que lhes tomem o serviço e aos sindicatos representativos das categorias profissionais. A observância das NRs não desobriga as empresas do cumprimento de outras disposições que, correlacionadas à matéria, sejam incluídas em códigos ou regulamentos sanitários dos estados e municípios e outras oriundas de acordos coletivos do trabalho. A Secretaria de Segurança e Saúde do Trabalho (SSST) é o órgão de âmbito nacional competente para coordenar, orientar, controlar e supervisionar as atividades relacionadas à segurança e medicina do trabalho, inclusive com campanhas de prevenção de acidentes e, ainda, com o Programa de Alimentação do Trabalhador (PAT) e a fiscalização em todo o território nacional pela Delegacia Regional do Trabalho (DRT), que poderá adotar medidas cabíveis, impor penalidades, embargar obra, interditar estabelecimento, notificar empresas, atender requisições judiciais para realização de perícias, próprias ou delegadas. Esta NR define empregador como empresa individual ou coletiva, que, assumindo os riscos da atividade econômica, admite, assalaria e dirige a prestação pessoal de serviços. A ele equiparam-se: os profissionais liberais, instituições de beneficência, associações recreativas e outras instituições sem fins lucrativos que admitem empregados. Empregado, para essa NR, é pessoa física que presta serviços de natureza não eventual a empregador, sob dependência deste e mediante salário. Trabalhos Técnicos

4 42 A NR sob comento termina explicitando o que é empresa, estabelecimento (cada unidade da empresa), frente de trabalho, e define o que é grupo industrial ou grupo comercial os quais serão solidariamente responsáveis, incluindo a controladora e/ou administradora. O empregador deve cumprir e fazer cumprir as disposições legais; e ao empregado, cumprir as disposições legais e as ordens do empregador, constituindo ato faltoso a recusa injustificada ao cumprimento das normas e ordens. NR-2 INSPEÇÃO PRÉVIA Todo estabelecimento novo, antes de iniciar suas atividades, deverá solicitar a aprovação de suas instalações ao órgão regional do Ministério do Trabalho e Emprego. Este órgão emitirá o Certificado de Aprovação de Instalações (CAI). A empresa deverá encaminhar ao órgão regional uma declaração de instalações do estabelecimento, padrão, que será aceita para fins de fiscalização quando não for possível efetuar a inspeção prévia. Procedimento idêntico quando houver substanciais modificações nas instalações e equipamentos, podendo a empresa submeter previamente o projeto. Essas providências asseguram ao estabelecimento que as instalações estão livres de acidentes e doenças do trabalho, que, se não atendidas, podem impedir o estabelecimento de funcionar, conforme prevê o Art. 160 da CLT. NR-3 EMBARGOS OU INTERDIÇÃO É utilizado pelo Delegado Regional do Trabalho, à vista de laudo técnico que demonstre grave e iminente risco para o trabalhador. De maneira que poderá interditar o estabelecimento, setor, máquina, equipamento, importando em paralisação total ou parcial. NR-4 SERVIÇOS ESPECIALIZADOS EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA E EM MEDICINA DO TRABALHO (SESMT) Este serviço é altamente técnico, portanto, um profissional ou uma empresa especializada nesta área deverá ser consultado no caso do risco x quantidade de empregados vir a exigir um serviço próprio em espaços próprios. Existe uma tabela que cruza o risco com a quantidade de empregados. NR-5 COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES (CIPA) Tem como objetivo a prevenção de acidentes e doenças decorrentes do trabalho, de modo a compatibilizar permanentemente o trabalho com a prevenção da vida e da saúde do trabalhador. Trabalhos Técnicos

5 43 A CIPA será composta por representantes do empregador e dos empregados, de acordo com o dimensionamento previsto no Quadro, a partir de 20 empregados. Também se cruzam os dados. Se no município a empresa tiver mais de um estabelecimento, poderá ser feita uma integração de CIPAS. As empresas instaladas em centro comercial ou industrial estabelecerão mecanismos de integração, podendo contar com a administração do mesmo. O empregador designará, entre seus representantes, o Presidente da CIPA; e os representantes dos empregados designarão o Vice-Presidente. As principais atribuições da CIPA são: a identificação de risco do trabalho; elaborar o plano de trabalho; implementar os controles das medidas de prevenção; realizar periódicas verificações nos ambientes de trabalho; divulgar informações relativas à segurança e saúde no trabalho; entre outras medidas complementares. Releva registrar que os membros eleitos da CIPA têm estabilidade provisória desde o registro da candidatura, durante o mandato, e até um ano após o final deste, de acordo com as disposições constitucionais transitórias, Art. 10, II, a, não podendo ser demitidos por dispensa arbitrária e sem justa causa. Portanto, os estabelecimentos de maior porte com algum risco e com maior quantidade de empregados a instalação da CIPA deverá ser muito bem estudada, planejada e acompanhada pelo empresário ou seus prepostos. NR-6 EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL (EPI) É todo dispositivo para proteção individual do trabalhador, ou produto de uso individual, destinado à proteção de riscos à segurança e saúde do trabalhador, que será fornecido gratuitamente pela empresa em perfeito estado, devidamente aprovado e acompanhado do Certificado de Aprovação (CA). Os mais conhecidos são os equipamentos para proteção dos olhos, da cabeça, proteção auditiva, respiratória, do tronco, dos membros superiores e inferiores, do corpo inteiro e contra as quedas. Detectada a necessidade de uso do EPI, o empregador exigirá do empregado o uso do equipamento, registrando por escrito e em documento a ser assinado pelo mesmo, onde constará que o não uso do EPI será considerado falta grave e será passível de medidas, conforme cada ocorrência. Em caso de dúvida, um laudo técnico poderá ser requisitado no local ou submeter o empregado a exame adequado, aferindo possibilidade de risco, como por exemplo, exames oftalmológicos, audiométricos, e outros. Trabalhos Técnicos

6 44 N-7 PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL (PCMSO) A admissão de um empregado só pode ser feita após exame médico próprio, em órgão ou entidade especializada, devidamente autorizada pelo PCMSO. O Quadro desta NR contém os parâmetros de desobrigação de serviço próprio, por exemplo, grau de risco 1 e 2 até 25/50 empregados em decorrência de negociação coletiva. Se o risco for de grau 3 e 4, as empresas com até 10 empregados poderão estar desobrigadas, mas serão assistidas por profissional competente em segurança e saúde do trabalho. O PCMSO inclui, entre outros, a realização dos exames médicos de admissão, periódicos, de retorno ao trabalho, de mudança de função e de demissão. Esta NR tem uma nota técnica extensa, super detalhada e com os parâmetros dos exames complementares. Todo estabelecimento deve estar equipado com todo o material necessário à prestação dos primeiros socorros, considerando-se as características da atividade desenvolvida. NR-8 EDIFICAÇÕES Não comentaremos por se tratar de norma muito específica para os profissionais da área de construção. NR-9 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (PPRA) Todos os empregadores e instituições devem elaborar e implementar o Programa de Prevenção de Riscos Ambientais, visando a preservação da saúde e da integridade dos trabalhadores, por meio da antecipação, reconhecimento, avaliação e controle das ocorrências de riscos ambientais. O PPRA é parte integrante do PCMSO, descrito resumidamente na NR- 07. Riscos ambientais são os agentes físicos, químicos e biológicos existentes nos ambientes de trabalho que, em função de sua natureza, concentração ou intensidade e tempo de exposição, são capazes de causar danos à saúde do trabalhador. São exemplos de agentes físicos: ruídos, vibrações, pressões anormais, temperaturas extremas, radiações ionizantes ou não, infra-som e infravermelho. De agentes químicos que podem atingir as vias respiratórias: a poeira, fumo, névoa, neblina, gases e vapores que possam ser absorvidos pelo organismo. De agentes biológicos são: as bactérias, fungos, bacilos, parasitas, protozoários, vírus, entre outros. Trabalhos Técnicos

7 45 O PPRA deverá conter uma estrutura mínima, desenvolvimento, medidas de controle, níveis de ação, monitoramento e registro de dados. Assim sendo, só um profissional de segurança e medicina do trabalho será capaz de, junto com o empregador, criar um programa adequado a cada estabelecimento ou ao conjunto deles. NR-10 INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE Esta norma é dirigida aos empregados que trabalham em instalações elétricas, em suas diversas etapas. É uma norma específica. NR-11 TRANSPORTE, MOVIMENTAÇÃO, ARMAZENAGEM E MANUSEIO DE MATERIAIS. Trata-se de norma específica para operação de elevadores, guindastes, transportadores industriais e máquinas transportadoras. Os equipamentos utilizados na movimentação de materiais, como os ascensores, elevadores de carga, guindastes, monta-cargas, pontes-rolantes, talhas, empilhadeiras, guinchos, esteiras rolantes, transportadores de diferentes tipos devem ser construídos com a necessária segurança e garantia de resistência e conservados em perfeitas condições de trabalho. Atenção especial deve ser dada aos cabos de aço, cordas, correntes, roldanas, e ganchos, que deverão ser inspecionados e substituídos quando necessário. Os operadores desses equipamentos terão um cartão de identificação próprio, válido por um ano, para que o empregado possa, anualmente, ser submetido a exames de saúde completos, por conta do empregador. Os comerciantes que têm depósitos diversos pátios cobertos ou não, manipulação de mercadorias, manualmente ou com máquinas e veículos podem contratar um profissional experiente na área, para realizar uma expertize, e, se for o caso, contratar a elaboração de laudo técnico para adaptação da movimentação, manuseio e armazenagem de carga. NR-12 MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS É uma norma que abrange a instalação de máquinas, seus pisos, distâncias, vias de circulação, e outros cuidados. Trabalhos Técnicos

8 46 NR-13 CALDEIRAS E VASOS DE PRESSÃO As caldeiras a vapor podem vir a ter sua instalação em determinados comércios e serviços, devendo possuir, para tanto, pessoal habilitado. Cada caldeira terá um prontuário individual. A NR-15 Atividades e Operações Insalubres e a NR 16, atividades e Operações Perigosas, serão vistas mais adiante. NR-14 FORNOS Sem comentários, pois são fornos industriais. NR-17 ERGONOMIA Esta Norma Reguladora visa estabelecer parâmetros que permitam a adaptação das condições de trabalho às características psicofisiológicas dos trabalhadores, de modo a proporcionar um máximo (sic) de conforto, segurança e desempenho eficiente. A norma cria a análise ergonômica do trabalho que abordará as condições de trabalho, incluindo aspectos relacionados ao levantamento, transporte e descarga de materiais, manual ou mecânico, mobiliário, equipamentos; e às condições ambientais do posto de trabalho. Inúmeros parâmetros e definições são titulados como trabalhador jovem tem idade entre 14 e 18 anos. Sempre que possível, o trabalho será executado na posição sentada ou de pé; as bancadas, escrivaninhas e painéis devem proporcionar ao trabalhador boa postura, assento ajustável, encosto levemente adaptado ao corpo para proteção da região lombar, suporte para os pés, suporte para documentos que envolvam digitação, datilografia ou mecanografia, com ajuste da tela, teclado independente e móvel. Nas condições ambientais de trabalho que exijam condições intelectuais, como salas de controle, laboratórios, escritórios, salas de projetos, entre outros, os níveis de ruído são os estabelecidos na NBR 10152, (até 65 ou 60 db) índice de temperatura entre 20 e 23 C, velocidade do ar não superior a 0.75m/s, umidade relativa do ar não inferior a 40%. Esses exemplos são constatações de que esta norma é super detalhista. Na iluminação, deve se utilizar o aparelho luxímetro e seguir a norma NBR 5413 do Instituto de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial (Inmetro). Até agora vimos como é extremamente complexo, difícil, para um pequeno, médio e mesmo grande empresário, seguir este cipoal de normas técnicas minuciosas e que exigem preparo profissional. Trabalhos Técnicos

9 47 NR-17 ANEXO I TRABALHO DE OPERADORES DE CHECKOUT Operadores de checkout (sic) são os trabalhadores em supermercados, hipermercados e comércio atacadista (sic). A norma discorre sobre mobiliário (ambiente físico), manipulação de mercadorias quando o empregador deve envidar esforços para que o operador não use força muscular excessiva por meio da adoção de equipamento e sistemas, mecanismos, quantidade de checkouts abertos e outras regras. Esses checkouts já estão incorporados e os arquitetos e engenheiros que projetam e constroem supermercados e hipermercados estão cientes desta norma, que importa tecnologia estrangeira. NR-17 ANEXO II TRABALHO EM TELEATENDIMENTO/TELEMARKETING Este anexo estabelece parâmetros mínimos para o trabalho em atividades de tele atendimento, (sic) telemarketing, (sic), nas diversas modalidades desse serviço de modo a proporcionar um mínimo de conforto, segurança, saúde e desempenho eficiente. Aplicam-se às empresas que têm atendimento ativo ou receptivo, em centrais telefônicas ou via rádio, relacionamento com clientes, call centers para informações e comercialização de serviços. Depois de discorrer sobre mobiliário, equipamentos e condições ambientais de trabalho, a norma se dedica à organização do trabalho, de modo a não haver trabalho aos domingos e feriados, exceto para as empresas expressamente autorizadas pelo MTE, conforme Arts. 384, 386 e 67, único da CLT, e/ou por intermédio de negociação coletiva. Ainda na organização do trabalho, são traçados os intervalos, pausas, escalas de serviço e outras regras laborais. A norma aborda o trabalho de pessoas deficientes, e toda a adaptação que tem de ser feita para atendê-las. NR-18 CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO NR-19 EXPLOSIVOS. ANEXO I FOGOS DE ARTIFÍCIOS NR-20 LÍQUIDOS COMBUSTÍVEIS E INFLAMÁVEIS NR-21 TRABALHO A CÉU ABERTO Trabalhos Técnicos

10 48 NR-22 SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL NA MINERAÇÃO São talvez das mais extensas e específicas. Sem comentários. NR-23 PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIO Todas as empresas deverão possuir proteção contra incêndio, saídas de emergência rápidas e suficientes, equipamentos suficientes para combater o fogo em seu início e pessoas adestradas no uso correto desses equipamentos. As empresas seguem uma série detalhada de conhecimento dos arquitetos e engenheiros sobre largura de portas, abrindo para fora, largura mínima de 1,20 metros, placas orientadoras, chuveiros automáticos, pisos, escadas, etc. A parte de prevenção de incêndios deve ser confiada a um profissional competente devido às tabelas, cálculos e outras peculiaridades do tema, e dependendo do tipo de estabelecimento, tipo de construção, trabalhadores e público circulante, a quantidade de profissionais terá de ser proporcional. NR-24 CONDIÇÕES SANITÁRIAS E DE CONFORTO NOS LOCAIS DE TRABALHO As áreas destinadas aos sanitários deverão atender às dimensões mínimas essenciais, isto é, 1,00m² para cada sanitário por vinte trabalhadores em atividade, separados por sexo. Segue-se uma série de descrições detalhadas destinadas ao construtor, que deverá ter conhecimento das normas, inclusive para pedir redução da proporção no caso de escritórios, estabelecimentos comerciais, bancários, securitários e afins. Esta norma enfatiza a participação da CIPA e de outros órgãos no seu cumprimento, incluindo limpeza, pintura, reforma e outros, que, se não cumpridas, podem ser levadas ao conhecimento dos sindicatos que denunciarão o empregador ao MTE. N-25 RESÍDUOS INDUSTRIAIS Só se aplica às indústrias porque se refere aos resíduos gasosos, líquidos e sólidos contaminantes. NR-26 SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA É o uso da cor na segurança do trabalho para prevenção de acidentes, delimitando áreas, identificando equipamentos de segurança. Algumas delas são aplicadas em escritórios, Trabalhos Técnicos

11 49 com maior ênfase em áreas de maior risco, maior circulação, equipamentos especiais, armazenamento e outras. É de emprego especializado para o profissional de segurança e o designer experiente na matéria. NR-27 REGISTRO PROFISSIONAL DO TÉCNICO DE SEGURANÇA DO TRABALHO NO MTE. REVOGADA PELA PORTARIA GM O exercício da função deste profissional depende de registro no MTE. NR-28 FISCALIZAÇÃO E PENALIDADES A fiscalização inicia-se com o agente da inspeção do trabalho que, se constatado algum descumprimento, lavrará um auto de infração. Ele pode conceder prazos para correção de irregularidades encontradas, prazo esse limitado mo máximo em 60 dias. Mediante justificativa escrita, este prazo pode ser ampliado para até 120 dias. Agora vejam que interessante: A concessão de prazo superior a 120 dias fica condicionada à prévia negociação entre o notificado e o sindicato representante da categoria dos empregados, com a presença da autoridade regional competente. O auto de infração também pode ser lavrado em laudo técnico por violação de preceitos, com base em laudo técnico emitido por engenheiro de segurança do trabalho, ou médico do trabalho, habilitados. Quando o agente constatar grave e iminente risco à saúde e/ou à integridade física do trabalhador, com base em critérios técnicos, deverá propor à autoridade a interdição do estabelecimento, setor, máquina, equipamento, ou o embargo parcial ou total. A autoridade à vista de outro laudo técnico poderá ou não suspender a interdição ou o embargo. As penalidades são, na realidade, multas pecuniárias e estão no final de cada norma; cada uma com um código, separadas por área, segurança do trabalho e medicina do trabalho. O número (sic) de empregados determina o agravamento da pena. NR-29 SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO PORTUÁRIO NR-30 TRABALHOS AQUAVIÁRIOS. PESCA COMERCIAL E INDUSTRIAL. NR-31 TRABALHOS RURAIS-AGRICULTURA, PECUÁRIA, SIVILCULTURA, EXPLORAÇÃO FLORESTAL E AQÜICULTURA Sem comentário porque são específicas. Trabalhos Técnicos

12 50 NR-32 ESTABELECIMENTOS DE SAÚDE Esta norma tem por finalidade estabelecer diretrizes básicas para proteger a segurança dos trabalhadores em serviços de saúde, bem como daqueles que promovem assistência à saúde em geral. Serviço de saúde é qualquer edificação destinada à prestação de serviço de saúde à população, envolvendo pesquisa e ensino. Os riscos estão divididos e minuciosamente explicados, sendo esta a norma mais extensa, podendo-se dizer que arrola todos os agentes biológicos conhecidos à época, 16/11/05. As edificações são regradas em parâmetros mínimos, incluindo construção de gabinetes radiológicos, odontológicos, radiações ionizantes, medicina nuclear, serviços de radiologia, braquiterapia (agulhas nuclearisadas), e outros. Os programas de prevenção, PPRA, são mais exigentes, podendo-se dizer o mesmo do PCMSO. edificadas. Em suma, a norma é exigente na medida em que os riscos são maiores em áreas NR-33 ESPAÇOS CONFINADOS A norma, bem específica, estabelece os requisitos mínimos para identificação dos espaços confinados e o reconhecimento, avaliação, monitoramento e controle dos riscos existentes, para garantir a segurança e a saúde dos trabalhadores que interagem direta ou indiretamente nestes espaços. O trabalho a ser executado nesses espaços exige uma permissão especial e nela se apurará previamente todos os requisitos necessários àquele serviço. (ASO). O trabalhador também é visado porque tem de ter o Atestado de Saúde Ocupacional Maiores detalhes, só consultando a citada norma. NR-15 INSALUBRIDADE O já falado Art.7º (...) são direitos dos trabalhadores (...) da Constituição Federal, no inciso XXIII, estampa: adicional de remuneração para as atividades penosas, Trabalhos Técnicos

13 51 insalubres ou perigosas, na forma da lei. Por sua vez, a CLT, no Art. 189, traz uma definição do que seja atividade insalubre e atividade perigosa; Art.189. Serão consideradas atividades ou operações insalubres aquelas que por sua natureza, condições ou métodos de trabalho, exponham os empregados a agentes nocivos à saúde, acima dos limites de tolerância fixados em razão da natureza da intensidade do agente e do tempo de exposição aos seus efeitos. A norma regulamentadora, por sua vez, é bem mais sucinta e concisa: são consideradas atividades ou operações insalubres as que se desenvolvem acima dos limites de tolerância previstos nos anexos 1, 2, 3, 5, 6, 11,12, 13 e 14. Com laudo de inspeção do trabalho nos anexos 7,8,9 e 10. Nota: a periculosidade será estudada na norma seguinte. A seguir, a norma define o que seja Limite de Tolerância : é a concentração, ou intensidade máxima ou mínima, relacionada com a natureza e o tempo de exposição ao agente, que não causará dano à saúde do trabalhador, durante sua vida laboral. Vemos que o problema principal é encontrar este limite de tolerância, que, se ultrapassado, ensejará ao trabalhador a percepção de um adicional incidente sobre o salário mínimo (da região, diz a norma, porque na época o salário mínimo era assim fixado), equivalente a: - 40% para insalubridade em grau máximo; - 20% para insalubridade em grau médio; - 10% para insalubridade em grau mínimo. O Supremo Tribunal Federal (STF), editou em 9 de maio de 2008 a Súmula Vinculante n 4, que veda qualquer vinculação ao salário mínimo, posto que a vinculação vem desde A citada súmula criou um vácuo legal, porque determinou que uma nova lei decidisse sobre a base legal de incidência dos percentuais. A Confederação Nacional da Indústria conseguiu suspender os efeitos da indigitada súmula. O STF, por sua vez, derrubou uma súmula do Tribunal Superior do Trabalho (TST) que determinava que o adicional incidisse sobre o salário básico do trabalhador. Hoje, 18 de agosto de 2008, os Juizes do Trabalho encaminharam ao Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, um pedido de edição de uma Medida Provisória (MP), para definição do tema. Trabalhos Técnicos

14 52 A Associação dos Magistrados do Trabalho (Anamantra), autora do pedido, sugere que a base de cálculo seja o salário básico do trabalhador (total do salário, menos adicionais como gratificações, prêmios e participações nos lucros) o que aumentará um pouco a folha salarial dessas empresas. A idéia da Anamantra é alterar o Art. 192, da CLT, introduzindo, por MP, as palavras salário básico do trabalhador. A boa doutrina recomenda que enquanto não vier a MP, que certamente será contestada, continuem as empresas pagando o adicional pelo salário mínimo que é a base legal. Todavia, os diretores e gerentes financeiros certamente criarão uma reserva financeira para as diferenças a pagar, no caso de demorar a entrar em vigor a nova regra; e vai demorar porque será contestada, seja por medida provisória, seja por lei nova. Se o empregador conseguir neutralizar ou eliminar a insalubridade seja pela adoção de medidas de ordem geral e/ou pelo uso de equipamento de proteção individual e conseguir provar isto por perícia com base em laudos, cessará o pagamento do adicional. É facultado às empresas e aos sindicatos das categorias profissionais interessadas, requererem ao MTE perícia em estabelecimento, ou setor, com o objetivo de classificar, caracterizar ou descaracterizar uma ou várias atividades insalubres. Nos vários anexos são tabelados os diversos agentes, tais como: ruído, calor, radiações ionizantes, frio, umidade, agentes químicos, poeiras minerais, asbesto, arsênico, carvão, benzeno, mercúrio e agentes biológicos. Vemos que a insalubridade da atividade tem base em três variáveis: limites de tolerância, natureza dela e tempo de exposição. Assim sendo, cabe ao empresário não expor seus empregados a esses agentes nocivos à saúde, e caso seja imprescindível, não expô-los por um tempo que conduza aquela atividade a ultrapassar o limite de tolerância. Pode ser que o uso de um EPI consiga eliminar, ou diminuir a tal ponto que o agente seja desconsiderado como agente insalubre, mormente se se tratar de frio, calor, umidade e ruído, em que as técnicas modernas conseguem equipamentos adequados à eliminação total. NR-16 PERICULOSIDADE insalubridade. Vimos no item anterior, que a CLT define no Art. 189 o que é periculosidade junto à Constatamos, então, que aqui o agente nocivo também tem as três variáveis citadas: tolerância com seus limites, natureza dela e tempo de exposição. Trabalhos Técnicos

15 53 A periculosidade, em sentido amplo, é a operação descrita na NR-16 como constante dos Quadros 1 e 2 anexos. O Quadro 1 lista os agentes explosivos e o Quadro 2 os agentes inflamáveis. O trabalho em condições penosas, que não podem ser eliminadas de nenhuma forma, assegura ao trabalhador um adicional de 30% incidente sobre o salário atual calculado sem nenhum tipo de acréscimo. E mais. O empregado pode optar pelo adicional de insalubridade que lhe seja devido. É facultado às empresas e sindicatos das categorias profissionais requererem perícia ao MTE, independentemente da perícia ex officio do próprio Ministério. O transporte de inflamáveis é considerado perigoso, com exceção para o transporte de pequenas quantidades, até 200 litros para inflamáveis líquidos e 135 quilos para os inflamáveis gasosos. O transporte de explosivos é todo especializado. A armazenagem se enquadra também nesta norma, conforme Quadro de quantidade de produto por área e distância mínima a ser mantida. Tanto as atividades perigosas como as insalubres são de extrema tecnicidade e exigem não só profissionais experientes para descrevê-las, enquadrá-las e emitir laudos técnicos, como também profissionais para acompanhar perícias e funcionar como assistente técnico. CONCLUSÃO Cumpre-nos divulgar que o website do MTE disponibiliza todas as normas, atualizadas, e todos os serviços correlacionados à saúde, higiene, segurança e medicina do trabalho para quem queira mais informações. O que o empresário do comércio pode fazer e o que não pode fazer diante desse cipoal de normas extremamente técnicas? Se tiver alguma dúvida, ou suspeita de que seu estabelecimento oferece algum risco à saúde, higiene, medicina e segurança do trabalho de seus empregados, deve verificar inicialmente se o seu Sindicato ou Federação tem serviço especializado para elaborar uma vistoria inicial. Em havendo na vistoria algum fato relevante ele pode, ou melhor, deve, chamar um profissional reputadamente experiente no tema e pedir-lhe um laudo técnico circunstanciado. Pode, também, chamar o serviço especializado do MTE de sua cidade ou de sua região. Mas aí já estará oficializando a inspeção oficial com seus prazos próprios. Trabalhos Técnicos

NORMAS REGULAMENTADORAS

NORMAS REGULAMENTADORAS NORMAS REGULAMENTADORAS As Normas Regulamentadoras estabelecem critérios e procedimentos obrigatórios relacionados à segurança e medicina do trabalho, que devem ser seguidos por empresas de acordo com

Leia mais

NORMAS REGULAMENTADORAS - NR ABAIXO ESTÃO AS NORMAS REGULAMENTADORAS VIGENTES DO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO

NORMAS REGULAMENTADORAS - NR ABAIXO ESTÃO AS NORMAS REGULAMENTADORAS VIGENTES DO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO NORMAS REGULAMENTADORAS - NR ABAIXO ESTÃO AS NORMAS REGULAMENTADORAS VIGENTES DO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO NR 1 - Disposições Gerais As Normas Regulamentadoras são de observância obrigatória por

Leia mais

SÚMULA DAS NORMAS REGULAMENTADORAS NR S. Objetivo: Instruir quanto ao campo de aplicação das NR s e direitos e obrigações das partes.

SÚMULA DAS NORMAS REGULAMENTADORAS NR S. Objetivo: Instruir quanto ao campo de aplicação das NR s e direitos e obrigações das partes. SÚMULA DAS NORMAS REGULAMENTADORAS NR S NR-1 DISPOSIÇÕES GERAIS O campo de aplicação de todas as Normas Regulamentadoras de segurança e medicina do trabalho urbano, bem como os direitos e obrigações do

Leia mais

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Introdução a Segurança do Trabalho Módulo Único

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Introdução a Segurança do Trabalho Módulo Único Curso Técnico Segurança do Trabalho Introdução a Segurança do Trabalho Módulo Único SeÄÅo IX Das InstalaÄÉes ElÑtricas Art. 179 - O Ministério do Trabalho disporá sobre as condições de segurança e as medidas

Leia mais

PORTARIA N. 3.214, 08 DE JUNHO DE 1978

PORTARIA N. 3.214, 08 DE JUNHO DE 1978 MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO PORTARIA N. 3.214, 08 DE JUNHO DE 1978 Aprova as Normas Regulamentadoras - NR - do Capítulo V, Título II, da Consolidação das Leis do

Leia mais

SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO

SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO Org. Marcos Garcia Hoeppner Advogado Autor da Coleção Síntese Jurídica e do Minidicionário Jurídico NR Normas Regulamentadoras Relativas à SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO (Capítulo V, Título II, da CLT)

Leia mais

NORMAS REGULAMENTADORAS

NORMAS REGULAMENTADORAS NORMAS REGULAMENTADORAS De que trata cada Norma Regulamentadora (NR), urbanas e rurais. Nos links (sublinhados), você pode conferir o texto original das Normas, direto no site do Ministério do Trabalho

Leia mais

30/03/2011. Matéria: Legislações e Normas Técnicas. Professor: Gustavo Fonseca. Assunto: Consolidação das Leis Trabalhistas e Normas Regulamentadoras

30/03/2011. Matéria: Legislações e Normas Técnicas. Professor: Gustavo Fonseca. Assunto: Consolidação das Leis Trabalhistas e Normas Regulamentadoras Matéria: Legislações e Normas Técnicas Professor: Gustavo Fonseca Assunto: Consolidação das Leis Trabalhistas e Normas Regulamentadoras A Constituição Federal de 1988 estabeleceu a competência privativa

Leia mais

SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO - SST No Brasil a Segurança e Medicina no Trabalho é regulamentada pela portaria 3214/78, atualmente com 36 Normas Regulamentadoras do Ministério

Leia mais

NORMAS REGULAMENTADORAS FAP E NTEP

NORMAS REGULAMENTADORAS FAP E NTEP NORMAS REGULAMENTADORAS FAP E NTEP LEGISLAÇÃO A Portaria n 3214, de 08/06/1978, aprovou as normas regulamentadoras NR do capítulo V, Título II, da CLT, relativas a segurança e medicina do trabalho. Atualmente

Leia mais

ANEXO VII: NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3)

ANEXO VII: NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3) ANEXO VII: NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3) NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3) 9.1. Do objeto e campo de aplicação. 9.1.1. Esta Norma Regulamentadora

Leia mais

INTRODUÇÃO A ENGENHARIA DE SEGURANÇA 02 sem 2009 PROF. DANIEL BRAATZ DEP/UFSCar TEXTO 03

INTRODUÇÃO A ENGENHARIA DE SEGURANÇA 02 sem 2009 PROF. DANIEL BRAATZ DEP/UFSCar TEXTO 03 INTRODUÇÃO A ENGENHARIA DE SEGURANÇA 02 sem 2009 PROF. DANIEL BRAATZ DEP/UFSCar TEXTO 03 Normas Regulamentadoras do trabalho, trabalho rural..objetivos ESPECÍFICOS Apresentar o modelo legal de organização,

Leia mais

b. Acidente em viagem a serviço da empresa; d. Doenças profissionais (provocadas pelo tipo de trabalho);

b. Acidente em viagem a serviço da empresa; d. Doenças profissionais (provocadas pelo tipo de trabalho); ASPECTOS LEGAIS SOBRE A SEGURANÇA D O TRABALHO E SUA IMPLICAÇÃO PARA A EMPRESA NA SUA GESTÃO JURÍDICA. SEGURANÇA DO TRABALHO São os conjuntos de medidas que são adotadas visando minimizar os acidentes

Leia mais

Conceitos básicos em Medicina e Segurança do Trabalho

Conceitos básicos em Medicina e Segurança do Trabalho Conceitos básicos em Medicina e Segurança do Trabalho A Consolidação das Leis do Trabalho foi aprovada pelo decreto-lei nº 5.452, de 1º de maio de l.943. Em seu art. 1º a Consolidação estatui as normas

Leia mais

SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO Constituição de 1934 direito do trabalhador de higiene e segurança Constituição de 1937 - direito do trabalhador de

SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO Constituição de 1934 direito do trabalhador de higiene e segurança Constituição de 1937 - direito do trabalhador de SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO Constituição de 1934 direito do trabalhador de higiene e segurança Constituição de 1937 - direito do trabalhador de higiene e segurança Constituição de 1967 - direito do

Leia mais

e-book PPRA E PCMSO O QUE ISSO TEM A VER COM SEU PROJETO ARQUITETÔNICO OU MOBILIÁRIO? índice express

e-book PPRA E PCMSO O QUE ISSO TEM A VER COM SEU PROJETO ARQUITETÔNICO OU MOBILIÁRIO? índice express e-book PPRA E PCMSO O QUE ISSO TEM A VER COM SEU PROJETO ARQUITETÔNICO OU MOBILIÁRIO? índice express Apresentação 2 PPRA perguntas & respostas 3 PCMSO perguntas & respostas 5 Links Úteis 6 apresentação

Leia mais

Constituição da Republica Federativa do Brasil de 1988

Constituição da Republica Federativa do Brasil de 1988 Constituição da Republica Federativa do Brasil de 1988 Seção II Da Saúde Art. 200. Ao Sistema Único de Saúde compete, além de outras atribuições, nos termos da Lei: II. Executar as ações de Vigilância

Leia mais

ÍNDICE GERAL PARTE I PARTE II. Normas Regulamentadoras NRs. NR 4 Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho

ÍNDICE GERAL PARTE I PARTE II. Normas Regulamentadoras NRs. NR 4 Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho ÍNDICE GERAL PARTE I Constituição da República Federativa do Brasil (parcial) Consolidação das Leis do Trabalho (parcial) Trabalho Rural Lei 5.889, de 8 de junho de 1973 (parcial) Lei 8.213, de 24 de julho

Leia mais

SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO DIRETRIZES BÁSICAS

SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO DIRETRIZES BÁSICAS SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO DIRETRIZES BÁSICAS Elaborado em: 05/01/2011 Autor: Borges 1.Introdução É comum entre empregadores e colaboradores que exerçam cargos de confiança a preocupação em gerir

Leia mais

Segurança e Saúde no Trabalho

Segurança e Saúde no Trabalho www.econcursando.com.br Segurança e Saúde no Trabalho Autor: Flávio O. Nunes Auditor Fiscal do Trabalho Todos os direitos reservados ao professor Flávio Nunes cópia proibida 1 NR-07 - PCMSO CLT: Art. 168

Leia mais

Matéria: Normas Regulamentadoras Aula 01: Integração e Código de ética do Técnico em Segurança PLANO DE CURSO

Matéria: Normas Regulamentadoras Aula 01: Integração e Código de ética do Técnico em Segurança PLANO DE CURSO PLANO DE CURSO Capítulo v da CLT e o meio ambiente do trabalho e a competência das empresas na saúde e segurança do trabalho; Código de ética do técnico em segurança Norma regulamentadora 1 disposições

Leia mais

Segurança do Trabalho Introdução

Segurança do Trabalho Introdução Segurança do Trabalho Introdução Joinville, fevereiro de 2015 Introdução A Segurança no Trabalho é a ciência que estuda as possíveis causas dos acidentes e incidentes originados durante a atividade laboral

Leia mais

Noções de Segurança e Higiene do Trabalho

Noções de Segurança e Higiene do Trabalho Noções de Segurança e Higiene do Trabalho Sinópse Generalidades. Antecedentes Históricos. Conceitos Básicos: - Acidente do Trabalho; - Atividades e Operações Insalúbres; - Riscos Ocupacionais; - Equipamentos

Leia mais

APOSENTADORIA ESPECIAL

APOSENTADORIA ESPECIAL FUNDAMENTO LEGAL Artigo 201, 1º, CF/88 Artigo 57 e 58 da Lei 8213/91 Artigo 64 a 70, do Decreto 3048/99 Artigo 246 a 299 da IN 77/2015 CONCEITO É o benefício previdenciário devido ao segurado que tenha

Leia mais

CONSULTA Nº 13.488/2012

CONSULTA Nº 13.488/2012 1 CONSULTA Nº 13.488/2012 Assunto: Sobre a execução da NR-32 da ANVISA. Relator: Conselheiro Renato Françoso Filho. Ementa: Ao implantar as medidas previstas nesta NR 32, o SESMT deve avaliar as condições

Leia mais

Associação Nacional de Engenharia de Segurança do Trabalho. SINDUSCON - São Paulo 25 de julho de 2011

Associação Nacional de Engenharia de Segurança do Trabalho. SINDUSCON - São Paulo 25 de julho de 2011 SINDUSCON - São Paulo 25 de julho de 2011 Ciclo de Debates ATUALIZAÇÃO DO CAPITULO V DA CLT Eng. Seg. Trab. Celso Atienza Eng. Seg. Trab. Elizabeth Spengler Cox de Moura Leite CLT CAPÍTULO V Das Condições

Leia mais

Manual de Procedimentos de Segurança e Medicina do Trabalho para Empresas Contratadas

Manual de Procedimentos de Segurança e Medicina do Trabalho para Empresas Contratadas Manual de Procedimentos de Segurança e Medicina do Trabalho para Empresas Contratadas Responsável: Diretoria de Administração (DA) Superintendência de Recursos Humanos (DARH) Gerência de Dinâmica Laboral

Leia mais

SEGURANÇA NO TRABALHO. Eng. Daiana Paterno

SEGURANÇA NO TRABALHO. Eng. Daiana Paterno SEGURANÇA NO TRABALHO Eng. Daiana Paterno ATUALMENTE?? PORQUE? O cenário atual da Segurança e Saúde no Trabalho no Brasil ainda é muito distante do desejável. A Previdência Social registra, anualmente,

Leia mais

Governador do Estado do Rio de Janeiro. Secretário de Estado de Trabalho e Renda

Governador do Estado do Rio de Janeiro. Secretário de Estado de Trabalho e Renda Governador do Estado do Rio de Janeiro Sérgio Cabral Secretário de Estado de Trabalho e Renda Sergio Zveiter Superintendência de Saúde, Segurança e Ambiente do Trabalho Engenheiro de Segurança do Trabalho

Leia mais

LEI Nº 8.234, DE 17 DE SETEMBRO DE 1991

LEI Nº 8.234, DE 17 DE SETEMBRO DE 1991 LEI Nº 8.234, DE 17 DE SETEMBRO DE 1991 Regulamenta a profissão de Nutricionista e determina outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte

Leia mais

LEGISLAÇÃO: RESUMO DAS NRs NORMAS REGULAMENTADORAS

LEGISLAÇÃO: RESUMO DAS NRs NORMAS REGULAMENTADORAS LEGISLAÇÃO: RESUMO DAS NRs NORMAS REGULAMENTADORAS Portaria Nº 3.214/78, SSST Secretaria de Segurança e Saúde no Trabalho, atualmente, DSST Departamento de Segurança e Saúde no Trabalho, do Ministério

Leia mais

GR ASSESSORIA LTDA. Engenharia de Segurança do Trabalho e Medicina do Trabalho. Fones 3257.4685 /3274.7841 / 3091.0306 87578392 / 8778.

GR ASSESSORIA LTDA. Engenharia de Segurança do Trabalho e Medicina do Trabalho. Fones 3257.4685 /3274.7841 / 3091.0306 87578392 / 8778. GR ASSESSORIA LTDA Engenharia de Segurança do Trabalho e Medicina do Trabalho Fones 3257.4685 /3274.7841 / 3091.0306 87578392 / 8778.4561 Normas Regulamentadoras Portaria nº 3.214 de 08 de Junho de 1978.

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 45

PROVA ESPECÍFICA Cargo 45 11 PROVA ESPECÍFICA Cargo 45 QUESTÃO 26 Sobre os Limites de Tolerância para exposição ao calor, em regime de trabalho intermitente, com períodos de descanso no próprio local de prestação de serviço, de

Leia mais

ADICIONAL DE PERICULOSIDADE

ADICIONAL DE PERICULOSIDADE 1 - DEFINIÇÃO Adicional salarial a que fazem jus os servidores que trabalham em contato permanente sob condições de risco acentuado em determinadas atividades ou operações classificadas como perigosas

Leia mais

Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa XXXVI CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MEDICINA DO TRABALHO. Clique para editar os estilos do texto

Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa XXXVI CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MEDICINA DO TRABALHO. Clique para editar os estilos do texto Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa Clique para editar os estilos do texto de São Paulo XXXVI CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MEDICINA DO TRABALHO 2015 1 Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa

Leia mais

A GESTÃO DA SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO

A GESTÃO DA SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO R & W Engenharia Fundada em 19 de abril de 1991. Prestação de serviços em segurança do trabalho atendendo em especial as NRs6, 9, 13, 15, 16 e 17 com emissão de laudos técnicos. Treinamentos como: Cipa,

Leia mais

HIGIENE E SEGURANÇA NO TRABALHO Segundo a OMS, a verificação de condições de Higiene e Segurança consiste num estado de bem-estar estar físico, mental e social e não somente a ausência de doença e enfermidades.

Leia mais

NR4- SESMT. Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho. Alunos:

NR4- SESMT. Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho. Alunos: NR4- SESMT Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho UFMS Faculdade de Engenharia Civil Prof. MSc. Elizabeth Spengler Cox e M. Leite Alunos: Jeverson Vasconcelos de Souza

Leia mais

PROJETO DE LEI. Engº Celso Atienza Membro do Conselho Consultivo da ANEST

PROJETO DE LEI. Engº Celso Atienza Membro do Conselho Consultivo da ANEST PROJETO DE LEI Engº Celso Atienza Membro do Conselho Consultivo da ANEST (Associação Nacional de Engenharia de Segurança do Trabalho) e Presidente da ANDEST (Associação Nacional dos Docentes dos Cursos

Leia mais

Comissão Interna de Prevenção de Acidentes - CIPA. Sindilojas, 24 de julho de 2014

Comissão Interna de Prevenção de Acidentes - CIPA. Sindilojas, 24 de julho de 2014 Comissão Interna de Prevenção de Acidentes - CIPA Sindilojas, 24 de julho de 2014 Legislação da CIPA Decreto-lei nº 7.036 de 10/11/1944 (Lei de Acidentes do Trabalho): Art. 82. Os empregadores, cujo número

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS

MANUAL DE PROCEDIMENTOS ASSUNTO PADRONIZAÇÃO DAS ATIVIDADES DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO, A SEREM EXECUTADAS PELAS EMPRESAS CONTRATADAS PELA INFRAERO RESPONSÁVEL DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO (DA) GERÊNCIA DE DINÂMICA LABORAL

Leia mais

Neste comentário analisaremos as regras acerca do adicional de insalubridade, dispostas no art. 189 e seguintes da CLT.

Neste comentário analisaremos as regras acerca do adicional de insalubridade, dispostas no art. 189 e seguintes da CLT. ADICIONAL DE INSALUBRIDADE - Considerações Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 02/05/2013. Sumário: 1 - Introdução 2 - Atividades e Operações Insalubres 3 - Adicional de Insalubridade

Leia mais

SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO

SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO Ligia Bianchi Gonçalves Vania Massambani Corazza da Cruz SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO São Paulo 2010 Copyright 2009 Editora: Yone Silva Pontes Assistente editorial: Ana Lúcia Grillo Diagramação: Nilza

Leia mais

Prezados Senhores, MANUAL DA UNIDADE SUMÁRIO O PAPEL DO RESPONSÁVEL PELA UNIDADE INFORMAÇÕES IMPORTANTES:

Prezados Senhores, MANUAL DA UNIDADE SUMÁRIO O PAPEL DO RESPONSÁVEL PELA UNIDADE INFORMAÇÕES IMPORTANTES: MANUAL DA UNIDADE Prezados Senhores, Com o intuito de promover a excelência e a qualidade na prestação de nossos serviços, vimos por meio deste, agradecer pela confiança e credibilidade. A Engemed Saúde

Leia mais

5º WORSHOP DO ALGODÃO AMPASUL NOÇÕES BÁSICAS DE SEGURANÇA DO TRABALHO RURAL

5º WORSHOP DO ALGODÃO AMPASUL NOÇÕES BÁSICAS DE SEGURANÇA DO TRABALHO RURAL 5º WORSHOP DO ALGODÃO AMPASUL NOÇÕES BÁSICAS DE SEGURANÇA DO TRABALHO RURAL Instituto Algodão Social Missão Promover aos associados do setor algodoeiro a responsabilidade social empresarial, a cidadania,

Leia mais

Material do curso PPRA EXPERT Apostila do aluno

Material do curso PPRA EXPERT Apostila do aluno PPRA MANUAL PRÁTICO PARA ELABORAÇÃO FORMULÁRIO PARA RECONHECIMENTO DOS RISCOS AMBIENTAIS Material do curso PPRA EXPERT Apostila do aluno RECONHECIMENTO DOS RISCOS AMBIENTAIS Esse Formulário deve ser aplicado

Leia mais

LEGISLAÇÃO APLICADA EM NORMA REGULAMENTADORA 01 COMENTADA

LEGISLAÇÃO APLICADA EM NORMA REGULAMENTADORA 01 COMENTADA LEGISLAÇÃO APLICADA EM NORMA REGULAMENTADORA 01 COMENTADA NORMA REGULAMENTADORA COMENTADA NR-01 ODEMIRO J B FARIAS O AUTOR ODEMIRO J B FARIAS Advogado Trabalhista e Previdenciário Especialista em Legislação

Leia mais

Normas para caldeiras

Normas para caldeiras Normas para caldeiras Normas de projeto e fabricação: No Brasil a norma mais adotada é o código ASME seção I da American Society of Mechanical Engineers ABNT: NB 227 Código para projeto e construção de

Leia mais

NR7, NR9, NR17 - PROGRAMAS. Adriano Fernandes da Silva Lucas dos Reis Furtado Natália Barrios da Vila

NR7, NR9, NR17 - PROGRAMAS. Adriano Fernandes da Silva Lucas dos Reis Furtado Natália Barrios da Vila NR7, NR9, NR17 - PROGRAMAS Alunos: Adriano Fernandes da Silva Lucas dos Reis Furtado Natália Barrios da Vila NR 7 PCMSO - PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL Esta Norma Regulamentadora - NR

Leia mais

LEI N.º 10.348 DE 4 DE SETEMBRO DE 1987

LEI N.º 10.348 DE 4 DE SETEMBRO DE 1987 LEI N.º 10.348 DE 4 DE SETEMBRO DE 1987 Dispõe sobre instalação e funcionamento de elevadores e outros aparelhos de transporte, e dá outras providências. Jânio da Silva Quadros, Prefeito do Município de

Leia mais

Adaptação do trabalho às pessoas.

Adaptação do trabalho às pessoas. NR- 17 Estabelece parâmetros que permitam a adaptação das condições de trabalho às características psicofisiológicas dos trabalhadores, de modo a proporcionar um máximo de conforto, segurança e desempenho

Leia mais

Procedimento de Segurança e Medicina do Trabalho na execução de obras e serviços por empresas contratadas

Procedimento de Segurança e Medicina do Trabalho na execução de obras e serviços por empresas contratadas 1. Objetivo Este Procedimento tem como objetivo fixar os requisitos de segurança e medicina do trabalho para as atividades de empresas contratadas, que venham a executar obras e/ou serviços nas dependências

Leia mais

Gestão da Segurança e Saúde no. Angela Weber Righi

Gestão da Segurança e Saúde no. Angela Weber Righi Gestão da Segurança e Saúde no Trabalho Angela Weber Righi LEGISLAÇÃO BRASILEIRA PARA SST Legislação brasileira para SST Consolidação das leis do trabalho (CLT) editada em 01/05/1943 Título II das normas

Leia mais

SIMULADOS - Professor Flávio Nunes Segurança e Saúde no Trabalho

SIMULADOS - Professor Flávio Nunes Segurança e Saúde no Trabalho 1. Com base na CLT e com a Norma Regulamentadora 07 (PCMSO), julgue os itens a seguir. I. Quando na fase de reconhecimento dos riscos ambientais não for detectado risco específico, o controle médico poderá

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 TÍTULO VIII DA ORDEM SOCIAL CAPÍTULO II DA SEGURIDADE SOCIAL Seção II Da Saúde Art. 196. A saúde é direito de todos e dever do Estado, garantido mediante

Leia mais

PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCO AMBIENTAL - PPRA NR 09

PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCO AMBIENTAL - PPRA NR 09 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCO AMBIENTAL - PPRA NR 09 Prof. Me. Vítor Hugo Magalhães Vono Engenheiro de Segurança do Trabalho Lei 6514 de 12/77 Capítulo V da CLT da Segurança e Medicina do Trabalho (art.

Leia mais

NR 4. SESMT Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e Medicina do Trabalho. Portaria 3.214 de 08 de junho de 1978

NR 4. SESMT Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e Medicina do Trabalho. Portaria 3.214 de 08 de junho de 1978 NR 4 SESMT Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e Medicina do Trabalho Portaria 3.214 de 08 de junho de 1978 A Norma Regulamentadora 4, cujo título é Serviços Especializados em Engenharia

Leia mais

NORMA REGULAMENTADORA NR 17

NORMA REGULAMENTADORA NR 17 NORMA REGULAMENTADORA NR 17 NORMA REGULAMENTADORA - NR 17 ERGONOMIA 17.1. Esta Norma Regulamentadora visa a estabelecer parâmetros que permitam a adaptação das condições de trabalho às características

Leia mais

SESMT SERVIÇOS ESPECIALIZADOS EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA E EM MEDICINA DO TRABALHO.

SESMT SERVIÇOS ESPECIALIZADOS EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA E EM MEDICINA DO TRABALHO. EMPRESA Conforme o Art. 157 da CLT - Consolidação das Leis Trabalhistas Cabe às empresas: Cumprir e fazer cumprir as normas de segurança e medicina do trabalho; Instruir os empregados, através de ordens

Leia mais

O Presidente da República. Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

O Presidente da República. Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Lei nº 6.514, de 22 de dezembro de 1977 Altera o Capítulo V do Título II da Consolidação das Leis do Trabalho, relativo à Segurança e Medicina do Trabalho. O Presidente da República. Faço saber que o Congresso

Leia mais

GR ASSESSORIA LTDA. Engenharia de Segurança do Trabalho e Medicina do Trabalho. Fones 3274.7841 / 3091.0306 / 3257.4685 / 87578392 / 8778.

GR ASSESSORIA LTDA. Engenharia de Segurança do Trabalho e Medicina do Trabalho. Fones 3274.7841 / 3091.0306 / 3257.4685 / 87578392 / 8778. GR ASSESSORIA LTDA Engenharia de Segurança do Trabalho e Medicina do Trabalho Fones 3274.7841 / 3091.0306 / 3257.4685 / 87578392 / 8778.4561 PCMSO Programa de Controle Médico e Saúde Ocupacional PPRA Programa

Leia mais

PROGRAMAS (41) 35620280. medicinaocupacional@saudemais.med.br. http://www.saudemais.med.br

PROGRAMAS (41) 35620280. medicinaocupacional@saudemais.med.br. http://www.saudemais.med.br (41) 35620280 medicinaocupacional@saudemais.med.br http://www.saudemais.med.br Temos a satisfação de apresentar nossos serviços de Saúde Ocupacional. Oferecemos assessoria completa em segurança e medicina

Leia mais

FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho. Módulo de Saúde Ocupacional AULA 4

FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho. Módulo de Saúde Ocupacional AULA 4 FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho Módulo de Saúde Ocupacional AULA 4 Competências a serem trabalhadas nesta aula Estabelecer os parâmetros e diretrizes necessários para garantir um padrão

Leia mais

O Adicional de Periculosidade

O Adicional de Periculosidade 1 O Adicional de Periculosidade 1 - O Adicional de Periculosidade 1.1 Introdução 1.2 Conceito 1.3 Legislação 1.3.1 - A questão das substancias radioativas e radiação ionizante 1.4 - Da caracterização 1.5

Leia mais

Manual de Regulamentação Saúde e Segurança Ocupacional

Manual de Regulamentação Saúde e Segurança Ocupacional Manual de Regulamentação Saúde e Segurança Ocupacional Normas Regulamentadoras (NR) As Normas Regulamentadoras (NR s), criadas pelo Ministério do Trabalho e do Emprego (MTE), tem como objetivo estabelecer

Leia mais

NR 7 - Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional(107.000-2)

NR 7 - Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional(107.000-2) Página 1 de 6 NR 7 - Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional(107.000-2) 7.1. Do objeto. 7.1.1. Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece a obrigatoriedade de elaboração e implementação, por parte

Leia mais

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO)

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) Objeto, princípios e campo de aplicação 35.1 Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece princípios e requisitos para gestão da segurança

Leia mais

Aprovadas pela Portaria 3214 de 08/06/1978. Revogadas NR rurais em 15/04/2008

Aprovadas pela Portaria 3214 de 08/06/1978. Revogadas NR rurais em 15/04/2008 Ministério Trabalho e Emprego -CLT Aprovadas pela Portaria 3214 de 08/06/1978 36 NR (última( (19/04/2013 Segurança e Saúde no Trabalho em Empresas de Abate e Processamento de Carnes e Derivados) Revogadas

Leia mais

LEI Nº 8.213, DE 24 DE JULHO DE 1991

LEI Nº 8.213, DE 24 DE JULHO DE 1991 LEI Nº 8.213, DE 24 DE JULHO DE 1991 Dispõe sobre os Planos de Benefícios da Previdência Social e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS REFERENTE À SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA EMPRESAS CONTRATADAS

DIRETRIZES GERAIS REFERENTE À SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA EMPRESAS CONTRATADAS DIRETRIZES GERAIS REFERENTE À SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA EMPRESAS CONTRATADAS 1) OBJETO 1.1) As diretrizes aqui apresentadas tem o objetivo de instruir as empresas contratadas pela, UNILA, quanto

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO PORTARIA N.º 25, DE 29 DE DEZEMBRO DE 1994 (*) (DOU de 30/12/94 Seção 1 págs 21.280 a 21.282) (Republicada em 15/12/95 Seção

Leia mais

Vigilância e saúde do trabalhador

Vigilância e saúde do trabalhador Vigilância e saúde do trabalhador Vigilância em Saúde do Servidor é o conjunto de ações contínuas e sistemáticas, que possibilita detectar, conhecer, pesquisar, analisar e monitorar os fatores determinantes

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 03

PROVA ESPECÍFICA Cargo 03 18 PROVA ESPECÍFICA Cargo 03 QUESTÃO 41 De acordo com a NR-01 da Portaria 3.214/78 MTE DISPOSIÇÕES GERAIS, as Normas Regulamentadoras NR relativas à segurança e medicina do trabalho são de observância

Leia mais

CIPA - Comissão Interna de Prevenção de Acidentes

CIPA - Comissão Interna de Prevenção de Acidentes CIPA - Comissão Interna de Prevenção de Acidentes DO OBJETIVO A Comissão Interna de Prevenção de Acidentes - CIPA - tem como objetivo a prevenção de acidentes e doenças decorrentes do trabalho, de modo

Leia mais

MEIO AMBIENTE, SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO

MEIO AMBIENTE, SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO MEIO AMBIENTE, SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO 6 CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM DIREITO AMBIENTAL INEAA MEIO AMBIENTE, SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO José Roberto Teixeira NOVEMBRO/2002 MEIO AMBIENTE, SAÚDE E

Leia mais

PORTARIA Nº 25, DE 29.12.94, DO SECRETÁRIO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO DOU DE 30.12.94, REPUBLICADA NO DE 15.02.95

PORTARIA Nº 25, DE 29.12.94, DO SECRETÁRIO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO DOU DE 30.12.94, REPUBLICADA NO DE 15.02.95 PORTARIA Nº 25, DE 29.12.94, DO SECRETÁRIO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO DOU DE 30.12.94, REPUBLICADA NO DE 15.02.95 Norma Regulamentadora NR 9 Riscos ambientais Nova redação Programa de Prevenção de

Leia mais

SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO NR Normas Regulamentadoras Relativas à SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (Capítulo V, Título II, da CLT) NR-1 à NR-36 CIP-BRASIL. CATALOGAÇÃO-NA-FONTE SINDICATO NACIONAL DOS EDITORES DE LIVROS, RJ N869 6.

Leia mais

NORMA REGULAMENTADORA 5 - NR 5 COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES DO OBJETIVO

NORMA REGULAMENTADORA 5 - NR 5 COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES DO OBJETIVO Page 1 of 7 NORMA REGULAMENTADORA 5 - NR 5 COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES DO OBJETIVO 5.1 a Comissão Interna de Prevenção de Acidentes - CIPA - tem como objetivo a prevenção de acidentes e

Leia mais

Programa de Prevenção de Riscos Ambientais

Programa de Prevenção de Riscos Ambientais Introdução à Segurança do Trabalho Desde seu aparecimento na Terra, o homem convive com situações de risco e por não ter controle sobre elas, esteve sempre sujeito a todo tipo de acidentes. Com o passar

Leia mais

3.1 - SERVIÇO ESPECIALIZADO EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO

3.1 - SERVIÇO ESPECIALIZADO EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO MAPA DE AVALIAÇÃO ANUAL DE ACIDENTES DE TRABALHO - 2013 Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 07/01/2013. Sumário: 1 - Introdução 2 - Obrigação 3 - Conceitos 3.1 - Serviço Especializado

Leia mais

Considerando que em 14 de janeiro de 1982, foram depositados os Instrumentos de Ratificação, pelo Brasil,

Considerando que em 14 de janeiro de 1982, foram depositados os Instrumentos de Ratificação, pelo Brasil, Página 1 DECRETO Nº 93.413, de 15 de outubro de 1986 Promulga a Convenção nº 148 sobre a Proteção dos Trabalhadores Contra os Riscos Profissionais Devidos à Contaminação do Ar, ao Ruído e às Vibrações

Leia mais

REGULAMENTO PRÊMIO SESI EM SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO - PSSST CAPÍTULO I DAS CARACTERISTICAS E OBJETIVOS

REGULAMENTO PRÊMIO SESI EM SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO - PSSST CAPÍTULO I DAS CARACTERISTICAS E OBJETIVOS REGULMEO PRÊMIO SESI EM SEGURÇ E SÚDE O RBLHO - PSSS CPÍULO I DS CRCERISICS E OBJEIVOS rt. 1 º O Serviço Social da Indústria SESI é uma entidade de direito privado, nos termos da Lei Civil, sem fins lucrativos,

Leia mais

LEI Nº 12.997/14 ADICIONAL DE PERICULOSIDADE EMPREGADOS QUE UTILIZAM MOTOCICLETA PARA TRABALHAR PASSAM A TER DIREITO AO ADICIONAL.

LEI Nº 12.997/14 ADICIONAL DE PERICULOSIDADE EMPREGADOS QUE UTILIZAM MOTOCICLETA PARA TRABALHAR PASSAM A TER DIREITO AO ADICIONAL. LEI Nº 12.997/14 ADICIONAL DE PERICULOSIDADE EMPREGADOS QUE UTILIZAM MOTOCICLETA PARA TRABALHAR PASSAM A TER DIREITO AO ADICIONAL. Orlando José de Almeida Sócio do Homero Costa Advogados Natália Cristina

Leia mais

Lei n o 6.514, de 22 de Dezembro de 1977

Lei n o 6.514, de 22 de Dezembro de 1977 Lei n o 6.514, de 22 de Dezembro de 1977 1 Altera o Capítulo V do Título II da Consolidação das Leis do Trabalho, relativo à segurança e medicina do trabalho e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA,

Leia mais

R E S O L U Ç Ã O 0 0 1 / 2 0 1 5

R E S O L U Ç Ã O 0 0 1 / 2 0 1 5 R E S O L U Ç Ã O 0 0 1 / 2 0 1 5 Estabelece instruções para o reconhecimento do tempo de serviço público exercido sob condições especiais que prejudiquem a saúde ou a integridade física pelo Instituto

Leia mais

Analise as Normas Regulamentadoras abaixo e apresente parecer sucinto comparando atendimento de cada item pela empresa.

Analise as Normas Regulamentadoras abaixo e apresente parecer sucinto comparando atendimento de cada item pela empresa. Analise as Normas Regulamentadoras abaixo e apresente parecer sucinto comparando atendimento de cada item pela empresa. NR 01 - Disposições Gerais Descrever alguns tópicos do que cabe ao empregador. Verificar

Leia mais

ENGENHARIA DE SEGURANÇA

ENGENHARIA DE SEGURANÇA ESTADO DE MATO GROSSO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ENGENHARIA DE SEGURANÇA P R O F ª K A R E N W R O B E L S T R A

Leia mais

- NORMA REGULAMENTADORA Nº 9 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS

- NORMA REGULAMENTADORA Nº 9 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS - NORMA REGULAMENTADORA Nº 9 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS 9.1 - Do Objeto e Campo de Aplicação Item 9.1 da NR 9 alterado pelo art. 1º da Portaria SSST nº 25 - DOU 30/12/1994 - Republicada

Leia mais

CURSO: PERÍCIAS JUDICIAIS - AMES. PROFESSOR: CLÁUDIO LUIZ REIS ROCHA. PERÍODO: MARÇO/2013. 1 de 21

CURSO: PERÍCIAS JUDICIAIS - AMES. PROFESSOR: CLÁUDIO LUIZ REIS ROCHA. PERÍODO: MARÇO/2013. 1 de 21 CURSO: PERÍCIAS JUDICIAIS - AMES. PROFESSOR: CLÁUDIO LUIZ REIS ROCHA. PERÍODO: MARÇO/2013. 1 de 21 ORIGEM DOS ADICIONAIS DE INSALUBRIDADE E PERICULOSIDADE CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 05/10/88 CAPÍTULO II -

Leia mais

NR 9 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS

NR 9 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS NR 9 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS Transcrito pela Nutri Safety * O SECRETÁRIO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO no uso de suas atribuições legais, e CONSIDERANDO o disposto nos artigos 155

Leia mais

ENCONTRO TÉCNICO Texto Técnico Básico do anexo IV da NR 16 Energia Elétrica

ENCONTRO TÉCNICO Texto Técnico Básico do anexo IV da NR 16 Energia Elétrica ENCONTRO TÉCNICO Texto Técnico Básico do anexo IV da NR 16 Energia Elétrica Rodrigo Vieira Vaz Auditor-Fiscal do Trabalho Ministério do Trabalho e Emprego 16 Maio de 2013, Rio de Janeiro Consolidação das

Leia mais

CIPA GESTÃO 2013/2014

CIPA GESTÃO 2013/2014 HOSPITAL SÃO PAULO-SPDM Mapa de Risco da Empresa: Questionário auxiliar para elaboração do Mapa de Riscos Mapa de Risco é uma representação gráfica de um conjunto de fatores presentes nos locais de trabalho,

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE FONOAUDIOLOGIA

CONSELHO FEDERAL DE FONOAUDIOLOGIA RESOLUÇÃO CFFa nº 467, de 24 de abril de 2015. Dispõe sobre as atribuições e competências relativas ao profissional fonoaudiólogo Especialista em Fonoaudiologia do Trabalho, e dá outras providências. O

Leia mais

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA/ESPECIFICAÇÕES BÁSICAS

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA/ESPECIFICAÇÕES BÁSICAS ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA/ESPECIFICAÇÕES BÁSICAS 1. OBJETO 1.1 Prestação de serviços técnicos especializados em Engenharia de segurança do Trabalho, de modo a elaborar o Programa de Prevenção de Riscos

Leia mais

P Ú B L I C O I N T E R N O

P Ú B L I C O I N T E R N O Apresentação O Banrisul valoriza seus colaboradores por entender que estes são a essência do negócio. A promoção da qualidade de vida e da segurança dos funcionários é uma prática constante que comprova

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 22

PROVA ESPECÍFICA Cargo 22 13 PROVA ESPECÍFICA Cargo 22 QUESTÃO 31 Os Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho, obedecendo ao Quadro II da NR- 4, subitem 4.4, com redação dada pela Portaria nº

Leia mais

ANEXO X - ESPECIFICAÇÕES

ANEXO X - ESPECIFICAÇÕES ANEXO X - ESPECIFICAÇÕES 1. JUSTIFICATIVA 1.1. Motivação para a Contratação: A contratação constante do objeto em questão é justificada em virtude do término do atual contrato; da impreterível necessidade

Leia mais

CONSULTA Nº 6.452/2012

CONSULTA Nº 6.452/2012 CONSULTA Nº 6.452/2012 Assunto: Se o médico (profissional autônomo) também precisa seguir a normatização da NR-32, já que é uma determinação apenas do Ministério do Trabalho. Relator: Conselheiro Renato

Leia mais

DIREITO DO TRABALHO II

DIREITO DO TRABALHO II DIREITO DO II Me. Ariel Silva. l Órgãos de segurança SESMT: O Serviço Especializado em engenharia de segurança e em Medicina do Trabalho, SESMT, constitui-se no órgão técnico da empresa composto exclusivamente

Leia mais

FAP Faculdade de Apucarana CESUAP Centro de Ensino Superior de Apucarana CNPJ 73243164/0001-13. NR5 - Comissão Interna de Prevenção de Acidentes

FAP Faculdade de Apucarana CESUAP Centro de Ensino Superior de Apucarana CNPJ 73243164/0001-13. NR5 - Comissão Interna de Prevenção de Acidentes NR5 - Comissão Interna de Prevenção de Acidentes DO OBJETIVO 5.1 a Comissão Interna de Prevenção de Acidentes - CIPA - tem como objetivo a prevenção de acidentes e doenças decorrentes do trabalho, de modo

Leia mais