FOLHA 2. Programação Linear : modelação matemática

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FOLHA 2. Programação Linear : modelação matemática"

Transcrição

1 FOLHA 2 Programação Linear : modelação matemática 1. A fábrica de gelados Derretem-se na Boca SARL fabrica 2 qualidades de gelados : de nozes (C) e de frutas (P). A loja encontra-se localizada numa animada área turística de modo que toda a produção é sempre vendida. Um cone de C custa 75$00 e um cone de P custa 60$00. Um cone de C necessita de 4 gr de mistura de frutas e de 2 gr de noz moída. Um cone de P requer 6 gr de mistura de frutas e 1 gr de noz moída. Apenas podem ser produzidas por hora 96 gr de mistura de frutas e 24 gr de noz moída. Quantos cones de cada tipo devem ser fabricados de modo a maximizar a receita em cada hora? Formule matematicamente o problema e resolva-o graficamente. 2. Uma empresa labora em dois processos produtivos, fabricando 2 produtos : P1 e P2. No primeiro processo, 1 Kg de matéria-prima dá origem a 2 unidades de P1 e 1 unidade de P2, gerando 20 g de um resíduo altamente poluente. No segundo processo, com 1 Kg de matéria-prima obtêm-se 1 unidade de P1 e 3 unidades de P2, gerando 10 g do mesmo resíduo. A empresa dispõe de 3 toneladas de matéria-prima e deve satisfazer encomendas de 2000 unidades de P1 e 4000 unidades de P2. Atendendo a que a empresa pretende minimizar a quantidade produzida de resíduo poluente : a) Formule matematicamente o problema e resolva-o graficamente. b) Quais as quantidades de P1 e P2 produzidas em cada processo? c) Qual a quantidade de matéria-prima não utilizada? d) Qual a quantidade total de resíduo poluente produzido? 3. Uma empresa electrónica fabrica 2 tipos de circuitos impressos : A e B. Os do tipo A são vendidos por 4000$00 e os do tipo B por 5000$00. No processo produtivo, ambos os tipos de circuitos passam por 2 máquinas. Na 1ª, os circuitos do tipo A são trabalhados durante 4 horas e os do tipo B durante 5 horas. Na outra, os circuitos passam 4 e 3 horas, respectivamente. A 1ª máquina pode

2 4 Programação Linear : modelação matemática funcionar durante um máximo de 32 horas, enquanto a outra máquina não pode exceder as 24 horas de funcionamento. A empresa pretende maximizar a receita. Formule matematicamente o problema e resolva-o graficamente. Qual a receita máxima que a empresa pode obter? 4. Devido a alterações de mercado, os preços dos produtos A e B referidos no problema anterior, caíram para 4 e 3 mil escudos, respectivamente. Em simultâneo, modificações no processo produtivo, requeridas por um mais rigoroso controlo de qualidade, levaram à aquisição de uma nova máquina, onde tanto o produto A como o B sofrem alterações durante 1 hora. No entanto, esta máquina não pode funcionar menos de 8 horas semanais. Reformule o problema com as novas condições, representando graficamente a região admissível. 5. Os produtos 1, 2 e 3 são manufacturados passando por 3 operações : A, B e C. Os tempos (em minutos) requeridos por unidade de cada produto, a capacidade diária das operações de fabrico (em minutos/dia) e o lucro por unidade vendida de cada produto (numa dada unidade monetária) são : Operação Tempo por unidade Capacidade Operativa Produto 1 Produto 2 Produto 3 (min/dia) A B C Lucro unitário (u.m.) Supondo que toda a produção é vendida, formule o problema, de modo a obter um lucro máximo. 6. Um agricultor pode usar 2 tipos de cereais para alimentar as suas galinha (ver tabela seguinte) : Tipo de Unidades nutritivas (Kg/cereal) Custo/Kg cereal cereais Vitamina A Vitamina B Vitamina C (escudos) O número mínimo de unidades nutritivas requeridas por dia é de 8, 15 e 3 para as vitaminas A, B e C, respectivamente. Sabendo que se pretende minimizar o custo da alimentação das galinhas, formule o problema como um de programação linear.

3 Programação Linear : modelação matemática 5 7. Uma empresa produz 2 tipos de cintos : A e B. As margens brutas unitárias respectivas são de 160$00 e 70$00. Cada cinto do tipo A exige o dobro do tempo necessário à produção dum cinto do tipo B. A empresa pode fabricar diariamente cintos do tipo B. A quantidade de cabedal fornecido à empresa é apenas suficiente para fabricar por dia 800 cintos. O cinto do tipo A necessita de uma fivela de luxo e só se dispõe diariamente de 400 destas fivelas. Para o cinto B pode-se dispor diariamente de 700 fivelas. Apresente a formulação matemática deste problema de forma a maximizar o lucro diário. 8. Uma empresa possui 3 fábricas onde existe capacidade de produção em excesso. Todas as fábricas estão aptas a produzir um novo produto e a direcção decidiu usar desta forma alguma da capacidade disponível. Este novo produto pode ser fabricado em 3 tamanhos : grande (G), médio (M) e pequeno (P). Estes dão um lucro unitário de 42, 36 e 30 contos, respectivamente. As fábricas 1, 2 e 3 têm capacidade em excesso para produzir diariamente 750, 900 e 450 unidades deste produto, respectivamente, independentemente dos tamanhos ou combinações de tamanhos. O espaço de armazenamento disponível impõe uma limitação na produção do novo produto. As fábricas 1, 2 e 3 têm, respectivamente, 13000, e 5000 m 2 de espaço de armazenamento disponível por um dia de produção. Cada unidade dos produtos G, M e P produzida por dia necessita de 20, 15 e 12 m 2, respectivamente. As previsões de vendas indicam que podem ser vendidas diariamente 900, e 750 unidades dos produtos G, M e P, respectivamente. Para manter uma força de trabalho uniforme nas fábricas e dispor de alguma flexibilidade, a direcção decidiu que as fábricas devem usar a mesma percentagem da sua capacidade em excesso para produzir o novo produto. A direcção pretende saber quanto, de cada tamanho, deve ser produzido em cada fábrica, de modo a maximizar o lucro total. Construa um modelo matemático de PL para o problema, explicitando o significado das variáveis de decisão, das restrições e da função objectivo. 9. Uma empresa pode produzir 3 produtos. Para o efeito são necessários 3 recursos : serviços técnicos (ST), mão-de-obra (MO) e serviços de administração (SA). A tabela seguinte apresenta os requerimentos de cada um dos recursos para os 3 produtos : Recursos (horas) Lucro unitário Produtos ST MO SA (escudos)

4 6 Programação Linear : modelação matemática Dispõe-se de 100 horas de ST, 600 horas de MO e 300 horas de SA. A fim de determinar a combinação óptima dos produtos que maximizam o lucro total, formule o problema como um de PL. 10. Uma fundição de ferro tem um pedido de uma empresa para produzir no total 1000 Kg de peças de fundição, contendo pelo menos 0.45% de manganês e entre 3.25% e 5.50% de silício. Como estas peças representam uma encomenda especial, não existem na fundição peças adequadas, pelo que terão de ser necessariamente produzidas. As peças serão vendidas por 450 escudos/kg. A fundição tem disponíveis 3 tipos de ferro fusa em quantidades praticamente ilimitadas, e com as seguintes propriedades : Tipo de ferro fusa A B C Silício 4% 1% 0.6% Manganês 0.45% 0.5% 0.4% Note-se ainda que no processo de produção, pode ser adicionado directamente manganês ao metal fundido. Os custos dos vários componentes são : Ferro fusa tipo A : $00/tonelada Ferro fusa tipo B : $00/tonelada Ferro fusa tipo C : $00/tonelada Manganês : 8 000$00/Kg Derreter 1 Kg de ferro fusa tem um custo de 5$00. Pretende-se determinar um plano de produção que maximize o lucro total. Para tal, formule o problema como um de PL (não o resolva). 11. Uma fundição recebeu uma encomenda de kgs de uma liga metálica que deve possuir as seguintes características : pelo menos 60% do seu peso em cobre e não mais de 30% do seu peso em níquel. A liga pode ser obtida directamente a partir de cobre e níquel adquiridos no mercado ou a partir de sucatas provenientes da produção de outras ligas que contêm aqueles metais. Os dados técnico-económicos relevantes são os seguintes : Composição dos materiais (%) Disponibilidades Preço Materiais a utilizar Níquel Cobre Outros kgs u.m./kg Sucatas Liga A Liga B

5 Programação Linear : modelação matemática 7 Puros Níquel 100 ilimitada 10 Cobre 100 ilimitada 48 Miscelânea 100 ilimitada 4 Sabendo que a fundição pretende minimizar o custo da liga metálica, construa um modelo matemático de PL para o problema, explicitando o significado das variáveis de decisão, restrições e função objectivo. 12. Uma família possui 500 mil m 2 de terra e tem 5 mil contos em fundos disponíveis para investimento. Os membros da família podem produzir um total de pessoas hora de trabalho durante os meses de Inverno e pessoas hora durante o Verão. Se parte destas pessoas hora não for necessária, os membros mais novos da família podem usá-la para trabalhar nas quintas vizinhas, por 800 escudos/hora no Inverno e escudos/hora no Verão. As receitas, em dinheiro, podem ser obtidas através de 3 colheitas e da criação de 2 tipos de animais : vacas leiteiras e galinhas. Para as colheitas, não são necessários investimentos. Cada vaca requer um investimento de 200 mil escudos e cada galinha custa 1500 escudos. Cada vaca necessita de 6 mil m 2 de terra, 100 pessoas hora de trabalho durante o Inverno e 50 pessoas hora durante o Verão. Cada vaca produz uma receita anual líquida para a família de 165 mil escudos, enquanto cada galinha gera 850 escudos. Cada galinha necessita de 0.6 pessoas hora de trabalho durante o Inverno e 0.3 pessoas hora durante o Verão, não sendo necessário o uso de terra. O galinheiro pode albergar um máximo de 3000 galinhas, enquanto o tamanho de estábulo limita o número de vacas a 32. Os valores estimados de pessoas hora e de receita por m2 de terra plantado, em cada uma das 3 colheitas são : Soja Milho Aveia Pessoas hora no Inverno Pessoas hora no Verão Receita anual líquida (escudos) A família pretende determinar qual a superfície de terra que deve ser plantada em cada uma das colheitas, e quantas vacas e galinhas devem ser adquiridas para maximizar a receita líquida anual. Construa um modelo matemático de PL para o problema, explicitando o significado das variáveis de decisão, das restrições e da função objectivo.

6 8 Programação Linear : modelação matemática 13. Um fabricante de papel produz 3 tipos de papel : pesado (P) a um lucro de 6 u.m. por T, médio (M) a um lucro de 4 u.m. por T e fino (F) a um lucro de 5 u.m. por T. Para produzir 1 tonelada de P são consumidas 2 T de pasta e 2 unidades de energia eléctrica; para produzir 1 T de M aqueles valores valem, respectivamente, 1 e 2, e para a produção de 1 T de F os valores 1 e 5, respectivamente. O fabricante dispõe, semanalmente de 30 T de pasta e de 40 unidades de energia eléctrica. Pretende-se determinar o esquema de fabrico óptimo, isto é, a solução que maximiza o lucro total. Para o efeito, formule o problema como um modelo de PL. 14. Um estudante que toma as suas refeições diárias numa cantina universitária, tem à sua disposição, num determinado dia, 5 menus completos e variados (3 para o almoço e 2 para o jantar) cujos preços (em escudos) são apresentados na tabela seguinte : Almoço Jantar Menu 1 Menu 2 Menu 3 Menu 1 Menu Após ter determinado o total de substâncias nutritivas (proteínas e vitaminas) contido em cada um desses menus, obteve os valores seguintes : Almoço Jantar Menu 1 Menu 2 Menu 3 Menu 1 Menu 2 Proteínas (gr) Vitaminas (mg) Por outro lado, os requerimentos totais (almoço e jantar) de proteínas e vitaminas exigidos pelo estudante para a sua alimentação nesse dia são respectivamente 35 gr e 0.02 gr. Qual o esquema de alimentação que o estudante deve adoptar por forma a obter um custo mínimo de alimentação para esse dia específico? (isto é, qual o menu que ele deve escolher para o almoço e qual deve escolher para o jantar?) Formule o problema como um de PL. 15. Um industrial têxtil pode fabricar 2 tipos de tecido (A e B), para o que necessita de 4 tipos de fio (1, 2, 3 e 4). Assim, para fabricar 1 unidade de medida (u.m.) do tecido A, são necessários 4 Kgs de fio 1, 3 Kgs de fio 2, 6 Kgx de fio 3 e 1 Kg de fio 4. Para fabricar 1 u.m. de tecido B, são necessários 2 Kgs de fio 1, 8 Kgs de fio 2, 1 Kg de fio 3 e 3 Kgs de fio 4. O custo (em unidades monetárias U.M.) por Kg de fio, é dado na tabela seguinte : Fio Custo

7 Programação Linear : modelação matemática 9 O preço de venda por unidade de medida de tecido é de 250 U.M. para o tecido A e de 300 U.M. para o tecido B. Sabendo que o industrial só dispõe de U.M. para investir na compra de fio e que o fornecedor de fio só pode garantir a entrega de Kgs do fio 2, que quantidades devem ser fabricadas de tecido A e de tecido B, por forma a maximizar o quantitativo recebido pela venda (supõe-se garantida a venda total da produção)? Formule (não resolva) o problema como um de PL. 16. Uma fábrica de objectos de mármore produz 4 tipos de objectos : jarras (J), cinzeiros (C), formas livres (FL) e estátuas (E). Para cada objecto são necessárias as seguintes horas : Secção Produtos J C FL E Disponibi lidades Corte Cinzelagem Polimento Lucro unitário (u.m.) Formule este problema como um de PL, sabendo que se pretende maximizar o lucro total.

Fundamentos de Investigação Operacional / Introdução à Optimização. Folha nº. 1 Programação Linear. Método Simplex 2008/09

Fundamentos de Investigação Operacional / Introdução à Optimização. Folha nº. 1 Programação Linear. Método Simplex 2008/09 Fundamentos de Investigação Operacional / Introdução à Optimização Folha nº. 1 Programação Linear. Método Simplex 2008/09 1- A fábrica de gelados Derretem-se na Boca SARL fabrica duas qualidades de gelados:

Leia mais

Formulação de problemas de programação linear. Investigação Operacional (Economia) Exercícios de programação linear Formulação (Problemas propostos)

Formulação de problemas de programação linear. Investigação Operacional (Economia) Exercícios de programação linear Formulação (Problemas propostos) Investigação Operacional (Economia) Exercícios de programação linear Formulação (Problemas propostos) 1 - Um fabricante produz bicicletas e motoretas, devendo cada uma delas ser processada em duas oficinas.

Leia mais

Pesquisa Operacional. 4x1+3x2 <=1 0 6x1 - x2 >= 20 X1 >= 0 X2 >= 0 PESQUISA OPERACIONAL PESQUISA OPERACIONAL PESQUISA OPERACIONAL PESQUISA OPERACIONAL

Pesquisa Operacional. 4x1+3x2 <=1 0 6x1 - x2 >= 20 X1 >= 0 X2 >= 0 PESQUISA OPERACIONAL PESQUISA OPERACIONAL PESQUISA OPERACIONAL PESQUISA OPERACIONAL Modelo em Programação Linear Pesquisa Operacional A programação linear é utilizada como uma das principais técnicas na abordagem de problemas em Pesquisa Operacional. O modelo matemático de programação

Leia mais

Construir o modelo matemático de programação linear dos sistemas descritos a seguir:

Construir o modelo matemático de programação linear dos sistemas descritos a seguir: LISTA - Pesquisa Operacional I Qualquer erro, favor enviar e-mail para fernando.nogueira@ufjf.edu.br Construir o modelo matemático de programação linear dos sistemas descritos a seguir: ) Um sapateiro

Leia mais

1. Problemas de Programação Linear

1. Problemas de Programação Linear 1. Problemas de Programação Linear 1.1 A Direcção de Marketing de uma empresa de mobiliário metálico de escritório sugere o lançamento de dois novos produtos: um modelo de secretária e um modelo de estante,

Leia mais

Universidade da Beira Interior Departamento de Matemática. Ficha de exercícios nº1 Resolução Gráfica e Formulações em Programação Linear

Universidade da Beira Interior Departamento de Matemática. Ficha de exercícios nº1 Resolução Gráfica e Formulações em Programação Linear Ano lectivo: 2008/2009 Universidade da Beira Interior Departamento de Matemática INVESTIGAÇÃO OPERACIONAL Ficha de exercícios nº1 Resolução Gráfica e Formulações em Programação Linear Cursos: Economia

Leia mais

INVESTIGAÇÃO OPERACIONAL. Programação Linear. Exercícios

INVESTIGAÇÃO OPERACIONAL. Programação Linear. Exercícios INVESTIGAÇÃO OPERACIONAL Programação Linear Exercícios Cap. I Modelo de PL - Formalização António Carlos Morais da Silva Professor de I.O. i Recomendações 1. É possível aprender a matéria fazendo apenas

Leia mais

Lista de exercícios: Modelagem matemática Otimização Combinatória

Lista de exercícios: Modelagem matemática Otimização Combinatória Lista de exercícios: Modelagem matemática Otimização Combinatória Nas questões abaixo: i) Formule e apresente o modelo matemático. Caso não esteja, coloque na forma padrão. ii) Especicar as variáveis,

Leia mais

Investigação Operacional

Investigação Operacional Ano lectivo: 2014/2015 Universidade da Beira Interior - Departamento de Matemática Investigação Operacional Ficha de exercícios n o 5 Problemas de Transportes e Afectação. Cursos: Economia, Gestão e Optometria

Leia mais

Fundamentos da PESQUISA OPERACIONAL

Fundamentos da PESQUISA OPERACIONAL Andréa Cardoso Fundamentos da PESQUISA OPERACIONAL Março 200 2 0. Lista de Problemas 6. O quadro a seguir mostra o processo de resolução de um PPL. A partir dos dados fornecidos, responda às seguintes

Leia mais

Exercícios de testes intermédios e provas oficiais

Exercícios de testes intermédios e provas oficiais Exercícios de testes intermédios e provas oficiais 1. A Beatriz resolveu corretamente um problema de sobre mobiliário português do século XVIII e elaborou um relatório do qual constavam o enunciado e a

Leia mais

Concentração Mínima de Açúcar (g/l) N (normal) 2000 60 2 E (europeu fino) 1000. 80 1. Teor Máximo de Acidez (%)

Concentração Mínima de Açúcar (g/l) N (normal) 2000 60 2 E (europeu fino) 1000. 80 1. Teor Máximo de Acidez (%) FACULDADE LOURENÇO FILHO Revisão ENADE 2011 Disciplina: Pesquisa Operacional Profa. Danielle Abreu 17/096/2011 Questão 1 ENADE 2008 O gerente de planejamento e controle da produção de uma empresa de suco

Leia mais

Problemas de Mistura. Prof. Gustavo Peixoto Silva Departamento de Computação Univ. Federal de Ouro Preto 5 modelos

Problemas de Mistura. Prof. Gustavo Peixoto Silva Departamento de Computação Univ. Federal de Ouro Preto 5 modelos Problemas de Mistura Prof. Gustavo Peixoto Silva Departamento de Computação Univ. Federal de Ouro Preto 5 modelos Problemas de Mistura Problemas deste tipo consistem em combinar materiais obtidos na natureza

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Nos exercícios de 1 a 10 a seguir, determinar o seguinte: (a) uma modelagem matemática

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Nos exercícios de 1 a 10 a seguir, determinar o seguinte: (a) uma modelagem matemática Universidade Federal do Rio de Janeiro Instituto de Matemática Departamento de Matemática Lista 3 de Modelagem Matemática-PROFMAT Nos exercícios de 1 a 10 a seguir, determinar o seguinte: (a) uma modelagem

Leia mais

LISTA SOBRE MODELAGEM DE PROBLEMAS DE PROGRAMAÇÃO INTEIRA

LISTA SOBRE MODELAGEM DE PROBLEMAS DE PROGRAMAÇÃO INTEIRA LISTA SOBRE MODELAGEM DE PROBLEMAS DE PROGRAMAÇÃO INTEIRA 1) [Alocação de Recursos] A Capitão Caverna S.A., localizada em Pedra Lascada, aluga 3 tipos de barcos para passeios marítimos: jangadas, supercanoas

Leia mais

Pesquisa Operacional. Componentes de um modelo de PL

Pesquisa Operacional. Componentes de um modelo de PL Pesquisa Operacional Introdução à Modelagem de Problemas Lineares Recursos Escasso. Componentes de um modelo de PL O modelo Matemático é composto por: Função Objetivo (eq. Linear, Ex.: Lucro) Restrições

Leia mais

Esta aplicação é activada pressionando a tecla [APPS] da sua calculadora e seleccionando a opção?:inequality.

Esta aplicação é activada pressionando a tecla [APPS] da sua calculadora e seleccionando a opção?:inequality. A aplicação flash Inequality da TI-83/84 Plus O que é o Inequality Graphing? A aplicação Inequality Graphing para a TI-83/84 Plus oferece novas possibilidades para representar graficamente equações e inequações

Leia mais

CUSTO FIXO, LUCRO E MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO. Atividades Práticas

CUSTO FIXO, LUCRO E MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO. Atividades Práticas CUSTO FIXO, LUCRO E MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO 1 Assinalar Falso (F) ou Verdadeiro (V): Atividades Práticas ( ) Os custos fixos são totalmente dependentes dos produtos e volumes de produção executados no período.

Leia mais

Pesquisa Operacional. A Ciência da Decisão

Pesquisa Operacional. A Ciência da Decisão Pesquisa Operacional Aplicações da Programação Linear no Ambiente de Gestão A Ciência da Decisão Uma decisão pode ser classificada em estruturada t se envolver uma série éi de fatores que possam ser quantificados,

Leia mais

Arrendamento de espaço num armazém

Arrendamento de espaço num armazém Construção de Modelos de Programação Linear e Inteira 6 Arrendamento de espaço num armazém Uma empresa planeia arrendar espaço num armazém, sendo as suas necessidades para os próximos 5 meses as seguintes:

Leia mais

USO DE CONCENTRADOS PARA VACAS LEITEIRAS

USO DE CONCENTRADOS PARA VACAS LEITEIRAS USO DE CONCENTRADOS PARA VACAS LEITEIRAS Ivan Pedro de O. Gomes, Med.Vet., D.Sc. Professor do Departamento de Zootecnia CAV/UDESC. e-mail: a2ipog@cav.udesc.br A alimentação constitui-se no principal componente

Leia mais

Métodos de Pesquisa Operacional I. Lista de exercícios complementares - I

Métodos de Pesquisa Operacional I. Lista de exercícios complementares - I Lista de exercícios complementares - I Problema 1. Uma companhia de móveis faz cadeiras e mesas como parte de sua linha de móveis para jardim. O quadro abaixo mostra os recursos consumidos por unidade

Leia mais

PRODUÇÃO - Conceitos Iniciais

PRODUÇÃO - Conceitos Iniciais PRODUÇÃO - Conceitos Iniciais 1. Conceito - é a atividade de transformação (processo) de matéria-prima em utilidades necessárias ao consumidor. * Nenhuma organização sobrevive, a menos que produza alguma

Leia mais

Licenciatura em Matemática Aplicada Investigação Operacional Exercícios de Programação Inteira

Licenciatura em Matemática Aplicada Investigação Operacional Exercícios de Programação Inteira Licenciatura em Matemática Aplicada Investigação Operacional Exercícios de Programação Inteira Filipe Alvelos Departamento de Produção e Sistemas Universidade do Minho Primeira versão: 23 de Outubro de

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS 1 PESQUISA OPERACIONAL MODELAGEM

LISTA DE EXERCÍCIOS 1 PESQUISA OPERACIONAL MODELAGEM LISTA DE EXERCÍCIOS 1 PESQUISA OPERACIONAL MODELAGEM 1) Um alfaiate tem, disponíveis, os seguintes tecidos: 16 metros de algodão, 11 metros de seda e 15 metros de lã. Para um terno são necessários 2 metros

Leia mais

Problemas de Mistura. Prof. Gustavo Peixoto Silva Departamento de Computação Univ. Federal de Ouro Preto

Problemas de Mistura. Prof. Gustavo Peixoto Silva Departamento de Computação Univ. Federal de Ouro Preto Problemas de Mistura Prof. Gustavo Peixoto Silva Departamento de Computação Univ. Federal de Ouro Preto Problemas de Mistura Problemas deste tipo consistem em combinar materiais obtidos na natureza (ou

Leia mais

UFV Universidade Federal de Viçosa DMA Departamento de Matemática MAT 138 Noções de Álgebra Linear

UFV Universidade Federal de Viçosa DMA Departamento de Matemática MAT 138 Noções de Álgebra Linear UFV Universidade Federal de Viçosa DMA Departamento de Matemática MAT 138 Noções de Álgebra Linear 1 2 a LISTA DE EERCÍCIOS - 2005/I 1. Resolva os sistemas abaixo e classifique-os quanto ao número de soluções:

Leia mais

Problema de Mistura de Produtos

Problema de Mistura de Produtos Problema de Mistura de Produtos A companhia Electro & Domésticos pretende escalonar a produção de um novo apetrecho de cozinha que requer dois recursos: mão-de-obra e matéria-prima. A companhia considera

Leia mais

Módulo 2 Custos de Oportunidade e Curva de Possibilidades de Produção

Módulo 2 Custos de Oportunidade e Curva de Possibilidades de Produção Módulo 2 Custos de Oportunidade e Curva de Possibilidades de Produção 2.1. Custo de Oportunidade Conforme vínhamos analisando, os recursos produtivos são escassos e as necessidades humanas ilimitadas,

Leia mais

Gestão de Stocks. Gestão de Stocks. Gestão de Stocks. Gestão de Stocks. Gestão de Stocks. Gestão de Stocks. Tipos de inventários (Galloway):

Gestão de Stocks. Gestão de Stocks. Gestão de Stocks. Gestão de Stocks. Gestão de Stocks. Gestão de Stocks. Tipos de inventários (Galloway): Um inventário (stock) é uma reserva de materiais para facilitar a produção ou satisfazer a procura pelos clientes. Os stocks funcionam como almofadas entre as diversas taxas de procura e produção Os inventários

Leia mais

Exercícios de Gestão de Inventários

Exercícios de Gestão de Inventários Investigação Operacional Exercícios de Gestão de Inventários Exercícios de Gestão de Inventários Exercício 1 Uma empresa deve comprar 400 unidades de um artigo, por ano. Esta procura é conhecida e fixa.

Leia mais

Linha LATINGALVA, Cartagena, Colômbia, setembro de 2010.

Linha LATINGALVA, Cartagena, Colômbia, setembro de 2010. Linha LATINGALVA, Cartagena, Colômbia, setembro de 2010. Sustentabilidade da galvanização aplicada à administração interna de resíduos de cinzas e escória na galvanização geral por imersão a quente e da

Leia mais

Grupo I. de custeio das saídas utilizado no caso de haver mais de um lote entrado em armazém de produtos acabados.

Grupo I. de custeio das saídas utilizado no caso de haver mais de um lote entrado em armazém de produtos acabados. Exame de Contabilidade Analítica (A que se refere alínea f) do nº 1 do artº15º do Decreto de Lei 452/99 de 5 de Novembro) 15/Outubro/2005 VERSÃO A Grupo I 1. Diga qual das afirmações está correcta: a)

Leia mais

EXERCÍCIOS EXTRAS COM RESPOSTA GESTÃO DE CUSTOS

EXERCÍCIOS EXTRAS COM RESPOSTA GESTÃO DE CUSTOS EXERCÍCIOS EXTRAS COM RESPOSTA GESTÃO DE CUSTOS SUMÁRIO 1 Exercício 01...2 2 Exercício 02 - O caso da Empresa Equilibrada....4 3 Exercício 03...5 4 Exercício 04...6 5 Exercício 05...7 6 Exercício 06...9

Leia mais

TEMA: Dieta enteral de soja para paciente portadora de doença de Alzheimer e de adenocarcinoma gástrico.

TEMA: Dieta enteral de soja para paciente portadora de doença de Alzheimer e de adenocarcinoma gástrico. Nota Técnica Processo n º Solicitante: Dra. Daniele Viana da Silva Juíza da Comarca de Ervália - Mg Data: 07/12/2012 Medicamento/ Dieta Material Procedimento Cobertura x TEMA: Dieta enteral de soja para

Leia mais

Sequência orçamental

Sequência orçamental Sequência orçamental 1º Vendas Vendas = Quantidade de produto * PU 2º Produção Produção = Vendas + (Stock final de PA Stock inicial de PA) 3º ompras ompras = onsumo + (Existência final Existência inicial)

Leia mais

GRANDEZAS. A sua nota na prova depende do número de questões que você acerta?

GRANDEZAS. A sua nota na prova depende do número de questões que você acerta? . UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CURSO DE MATEMÁTICA DISCIPLINA: Matemática Financeira - Negócios PROFESSOR: Ramon Silva de Freitas DATA: / / ALUNO: GRANDEZAS Você já pensou que: A sua nota na prova depende

Leia mais

Exemplo de Exame de Gestão da Produção e das Operações

Exemplo de Exame de Gestão da Produção e das Operações Exemplo de Exame de Gestão da Produção e das Operações A. Resolva os seguintes problemas (8 valores) 1. Uma determinada empresa faz a lavagem de cisternas rodoviárias na zona norte do País. Com equipamento

Leia mais

ÍNDICE MITSUISAL A SUA NOVA OPÇÃO COM QUALIDADE

ÍNDICE MITSUISAL A SUA NOVA OPÇÃO COM QUALIDADE ÍNDICE Suplementos minerais pronto para uso Mitsuisal 40 - Bovinos de corte Mitsuisal 60 - Bovinos de corte Mitsuisal 65 - Bovinos de corte Mitsuisal 80 - Bovinos de corte Mitsuisal 88 - Bovinos de corte

Leia mais

O NÍVEL DE INEFICIÊNCIA DAS EMPRESAS PROPOSTA DE NOVO INDICADOR DE GESTÃO. João de Quinhones Levy*

O NÍVEL DE INEFICIÊNCIA DAS EMPRESAS PROPOSTA DE NOVO INDICADOR DE GESTÃO. João de Quinhones Levy* Revista FOCUS e Diário Económico Maio / 2001 O NÍVEL DE INEFICIÊNCIA DAS EMPRESAS PROPOSTA DE NOVO INDICADOR DE GESTÃO João de Quinhones Levy* O custo de produção de uma empresa, quer se trate de um projecto,

Leia mais

Sistemas de Lubrificação AutoJet

Sistemas de Lubrificação AutoJet Sistemas de Lubrificação AutoJet Sistemas de lubrificação AutoJet Sistemas de lubrificação oferece-lhe um método eficiente na aplicação de lubrificantes e líquidos anti-corrosivos. Em adição, moldes, estampagem,

Leia mais

EXERCÍCIO 01. Classificar em: Custos de Fabricação Despesas Administrativas Despesas Comerciais ou de Vendas Lucro

EXERCÍCIO 01. Classificar em: Custos de Fabricação Despesas Administrativas Despesas Comerciais ou de Vendas Lucro EXERCÍCIO 01 Classificar em: Custos de Fabricação Despesas Administrativas Despesas Comerciais ou de Vendas Lucro - Despesas de viagens 1.000 - Material direto 35.000 - Salário da administração 14.000

Leia mais

Programação Linear. Mauricio Pereira dos Santos Departamento de Matemática Aplicada Instituto de Matemática e Estatística

Programação Linear. Mauricio Pereira dos Santos Departamento de Matemática Aplicada Instituto de Matemática e Estatística Programação Linear Mauricio Pereira dos Santos Departamento de Matemática Aplicada Instituto de Matemática e Estatística UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO ii Copyright c 2.000 por Mauricio Pereira

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA DE SUCATAS

LOGÍSTICA REVERSA DE SUCATAS E S C O L A P O L I T É C N I C A DA U N I V E R S I D A D E DE S ÃO P A U L O - D E P A R T A M E N T O DE E N G E N H A R I A M E T A L Ú R G I C A E DE M A T E R I A I S - - L A B O R A T Ó R I O DE

Leia mais

Layouts Balanceamento de Linhas. Maria Antónia Carravilla

Layouts Balanceamento de Linhas. Maria Antónia Carravilla Layouts Balanceamento de Linhas Maria Antónia Carravilla Abril 1998 1. Layouts... 1 1.1 Definição, tipos de layouts... 1 1.1.1 Definição... 1 1.1.2 Factores determinantes para a construção de um layout...

Leia mais

TRATAMENTO QUÍMICO DE RESÍDUOS AGRÍCOLAS COM SOLUÇÃO DE URÉIA NA ALIMENTAÇÃO DE RUMINANTES

TRATAMENTO QUÍMICO DE RESÍDUOS AGRÍCOLAS COM SOLUÇÃO DE URÉIA NA ALIMENTAÇÃO DE RUMINANTES TRATAMENTO QUÍMICO DE RESÍDUOS AGRÍCOLAS COM SOLUÇÃO DE URÉIA NA ALIMENTAÇÃO DE RUMINANTES INTRODUÇÃO Onaldo Souza 1 Mariah Tenório de Carvalho Souza 2 Izabele Emiliano dos Santos 3 Cereal é a denominação

Leia mais

Ebene eins. Capítulo 1: Tool.Box Hofläden Aplicado na loja Müller Áustria - Ebene zwei. Ebene drei Modulo 7:» Plano Ebene vier de negócios e Cálculos

Ebene eins. Capítulo 1: Tool.Box Hofläden Aplicado na loja Müller Áustria - Ebene zwei. Ebene drei Modulo 7:» Plano Ebene vier de negócios e Cálculos Ebene eins Ebene zwei Ebene drei Modulo 7:» Plano Ebene vier de negócios e Cálculos Autor: Sabine E. Wurzer Ebene B. fünf A. Capítulo 1: Tool.Box Hofläden Aplicado na loja Müller Áustria - Vortragender

Leia mais

PROGRAMAÇÃO INTEIRA. Prof. Gustavo Peixoto Silva Departamento de Computação Univ. Federal de Ouro Preto 5 modelos

PROGRAMAÇÃO INTEIRA. Prof. Gustavo Peixoto Silva Departamento de Computação Univ. Federal de Ouro Preto 5 modelos PROGRAMAÇÃO INTEIRA Prof. Gustavo Peixoto Silva Departamento de Computação Univ. Federal de Ouro Preto 5 modelos M9.1 - Problema de Seleção de Projetos ver Taha Capítulo 9 Cinco projetos estão sob avaliação

Leia mais

ORÇAMENTO ESTÁTICO x ORÇAMENTO FLEXÍVEL ORÇAMENTO

ORÇAMENTO ESTÁTICO x ORÇAMENTO FLEXÍVEL ORÇAMENTO ORÇAMENTO ESTÁTICO x ORÇAMENTO FLEXÍVEL ORÇAMENTO É a etapa do processo do planejamento estratégico em que se estima (projeta) e determina a melhor relação entre resultados e despesas para atender às necessidades

Leia mais

DIRECTOR(A) DE RESTAURAÇÃO

DIRECTOR(A) DE RESTAURAÇÃO PERFIL PROFISSIONAL DIRECTOR(A) DE RESTAURAÇÃO ÁREA DE ACTIVIDADE - HOTELARIA, RESTAURAÇÃO E TURISMO OBJECTIVO GLOBAL - Planear, dirigir e controlar as actividades de produção e de serviço de alimentos

Leia mais

Análise de Sensibilidade

Análise de Sensibilidade Análise de Sensibilidade Transparências de apoio à disciplina de Investigação Operacional rupo de ontrolo e estão Análise de Sensibilidade A análise de sensibilidade permite responder a um conjunto de

Leia mais

CAPÍTULO 3 - ANÁLISE DE ALTERNATIVAS DE INVESTIMENTOS

CAPÍTULO 3 - ANÁLISE DE ALTERNATIVAS DE INVESTIMENTOS CAPÍTULO 3 - ANÁLISE DE ALTERNATIVAS DE INVESTIMENTOS III.1 - GENERALIDADES Após a classificação dos projetos tecnicamente corretos é imprescindível que a escolha considere aspectos econômicos. E é a engenharia

Leia mais

Gestão Financeira. Prof. Eduardo Pozzi

Gestão Financeira. Prof. Eduardo Pozzi Gestão Financeira Prof. Eduardo Pozzi Finanças Corporativas Questões centrais na gestão financeira de uma empresa: Quais investimentos de longo prazo precisam ser feitos? Que tipo de instalações, maquinário

Leia mais

Sistema de Produção KJewel

Sistema de Produção KJewel Sistema de Produção KJewel O sistema de Produção do Kjewel foi inicialmente desenhado para atender as necessidades de uma indústria joalheira. Todavia, como as características da indústria de jóias são

Leia mais

Planejamento da produção

Planejamento da produção Planejamento da produção Capítulo 3, parte B Sumário Capacidade de produção Elaboração do plano de produção Just-in-time Capacidade de produção O que é capacidade de produção? Capacidade de produção O

Leia mais

Modelagem e Decisão Planilhas Eletrônicas

Modelagem e Decisão Planilhas Eletrônicas Modelagem e Decisão Planilhas Eletrônicas Modelagem e Decisão (07181) Instituto de Ciências Econômicas, Administrativas e Contábeis (ICEAC) Universidade Federal do Rio Grande (FURG) Introdução Objetivo

Leia mais

Planejamento da produção. FATEC Prof. Paulo Medeiros

Planejamento da produção. FATEC Prof. Paulo Medeiros Planejamento da produção FATEC Prof. Paulo Medeiros Planejamento da produção O sistema de produção requer a obtenção e utilização dos recursos produtivos que incluem: mão-de-obra, materiais, edifícios,

Leia mais

Introdução. Conceitos aplicados a alimentação animal. Produção animal. Marinaldo Divino Ribeiro. Nutrição. Alimento. Alimento. Nutriente.

Introdução. Conceitos aplicados a alimentação animal. Produção animal. Marinaldo Divino Ribeiro. Nutrição. Alimento. Alimento. Nutriente. Conceitos aplicados a alimentação animal Introdução Produção animal Marinaldo Divino Ribeiro EMV Depto de Produção ão Animal - UFBA Genética Sanidade Nutrição Alimento Susbstância que, consumida por um

Leia mais

Universidade da Beira Interior Departamento de Matemática. Fábrica 1 Fábrica 2 Fábrica 3 Mina 1 45 80 140 Mina 2 70 145 95

Universidade da Beira Interior Departamento de Matemática. Fábrica 1 Fábrica 2 Fábrica 3 Mina 1 45 80 140 Mina 2 70 145 95 Universidade da Beira Interior Departamento de Matemática INVESTIGAÇÃO OPERACIONAL Ano lectivo: 2008/2009; Curso: Economia Ficha de exercícios nº5: Problema de Transportes e Problema de Afectação. 1. Uma

Leia mais

Produzir Leite é Bom Negócio? Alto Paranaíba. Sebastião Teixeira Gomes

Produzir Leite é Bom Negócio? Alto Paranaíba. Sebastião Teixeira Gomes Produzir Leite é Bom Negócio? Alto Paranaíba Sebastião Teixeira Gomes Viçosa Novembro 1996 1 Índice Especificação Página 1. Introdução... 2 2. Notas Metodológicas... 2 3. Recursos Disponíveis... 3 4. Raça

Leia mais

Utilização do SOLVER do EXCEL

Utilização do SOLVER do EXCEL Utilização do SOLVER do EXCEL 1 Utilização do SOLVER do EXCEL José Fernando Oliveira DEEC FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO MAIO 1998 Para ilustrar a utilização do Solver na resolução de

Leia mais

Exercícios Resolvidos sobre: I - Conceitos Elementares

Exercícios Resolvidos sobre: I - Conceitos Elementares Exercícios Resolvidos sobre: I - Conceitos Elementares Grupo II O Problema da Escassez e da Escolha Questão 1 Comecemos por explicitar o que se entende por bem económico: um bem económico é qualquer coisa

Leia mais

Lista 2 - Modelos determinísticos

Lista 2 - Modelos determinísticos EA044 - Planejamento e Análise de Sistemas de Produção Lista 2 - Modelos determinísticos Exercício 1 A Companhia Ferroviária do Brasil (CFB) está planejando a alocação de vagões a 5 regiões do país para

Leia mais

Aula 03 - Modelagem em PPLIM

Aula 03 - Modelagem em PPLIM Thiago A. O. 1 1 Universidade Federal de Ouro Preto 1 Componentos do modelo 2 3 4 5 6 Componentes de uma modelagem matemática Elementos; Conjuntos; Parâmetros; Variáveis; Objetivo; Restições; Elementos

Leia mais

I - Introdução à Contabilidade de Gestão 1.5 REVISÃO DE ALGUNS CONCEITOS FUNDAMENTAIS RECLASSIFICAÇÃO DE CUSTOS

I - Introdução à Contabilidade de Gestão 1.5 REVISÃO DE ALGUNS CONCEITOS FUNDAMENTAIS RECLASSIFICAÇÃO DE CUSTOS I - Introdução à Contabilidade de Gestão 1.5 REVISÃO DE ALGUNS CONCEITOS FUNDAMENTAIS RECLASSIFICAÇÃO DE CUSTOS Custos Industriais e Custos Não Industriais Custos controláveis e não controláveis Custos

Leia mais

MRP Planejamento das Necessidades de Materiais

MRP Planejamento das Necessidades de Materiais MRP Planejamento das Necessidades de Materiais Conceito Planejamento das necessidades de materiais. Utiliza-se dos pedidos em previsões de pedidos que a carteira, assim como empresa acha que irá receber.

Leia mais

Investigação Operacional

Investigação Operacional Licenciatura em Engenharia de Comunicações Licenciatura em Engenharia Electrónica Industrial e Computadores Investigação Operacional Exercícios de Métodos para Programação Linear Grupo de Optimização e

Leia mais

Primeiro Trabalho Pesquisa Operacional

Primeiro Trabalho Pesquisa Operacional Primeiro Trabalho Pesquisa Operacional March 24, 2013 1 Introdução Seguem 14 problemas de otimização para serem escolhidos pelos grupos para serem modelados. Alguns problemas têm dados numéricos, mas esses

Leia mais

Nutrição completa para equinos. Linha Equinos. Rações Suplementos Minerais

Nutrição completa para equinos. Linha Equinos. Rações Suplementos Minerais Nutrição completa para equinos Linha Equinos Rações Suplementos Minerais Confiança, Tecnologia, Qualidade e Resultado Estes são os ingredientes que fazem a diferença dos produtos Fanton. Há mais de 25

Leia mais

II Fórum SNPA Seminário técnico do Projeto de Reformulação das Pesquisas Agropecuárias do IBGE

II Fórum SNPA Seminário técnico do Projeto de Reformulação das Pesquisas Agropecuárias do IBGE II Fórum SNPA Seminário técnico do Projeto de Reformulação das Pesquisas Agropecuárias do IBGE Rio de janeiro, 25 de outubro de 2011 Av. República do Chile, nº500, 2º andar, Centro, Rio de Janeiro. Programa

Leia mais

A PRODUCAO LEITEIRA NOS

A PRODUCAO LEITEIRA NOS A PRODUCAO LEITEIRA NOS ESTADOS UNIDOS Estatisticas A produção leiteira durante Janeiro de 2012 superou os 7 bilhões de kg, 3.7% acima de Janeiro de 2011. A produção por vaca foi em media 842 kg em Janeiro,

Leia mais

Capítulo 3. Gestão da Produção de F&B

Capítulo 3. Gestão da Produção de F&B Capítulo 3 Gestão da Produção de F&B Análise dos Desperdícios n Analisa os desperdícios resultantes da preparação e do corte das carnes e dos peixes, antes da sua confeção e consumo n Resulta da transformação

Leia mais

Programa ABRELPE de Logística Reversa de Resíduos de Equipamentos EletroEletrônicos REEE

Programa ABRELPE de Logística Reversa de Resíduos de Equipamentos EletroEletrônicos REEE Programa ABRELPE de Logística Reversa de Resíduos de Equipamentos EletroEletrônicos REEE 1 A ABRELPE Associação nacional, sem fins lucrativos, que congrega e representa as empresas prestadoras de serviços

Leia mais

INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA

INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA UNIVERSIDADE DA MADEIRA Departamento de Gestão e Economia INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA 2º Semestre 2004/2005 1º CADERNO DE EXERCÍCIOS Introdução 1. INTRODUÇÃO 1. * A macroeconomia lida com: a) A Economia

Leia mais

Investigação Operacional- 2009/10 - Programas Lineares 3 PROGRAMAS LINEARES

Investigação Operacional- 2009/10 - Programas Lineares 3 PROGRAMAS LINEARES Investigação Operacional- 2009/10 - Programas Lineares 3 PROGRAMAS LINEARES Formulação A programação linear lida com problemas nos quais uma função objectivo linear deve ser optimizada (maximizada ou minimizada)

Leia mais

Aprender Ciências a Brincar

Aprender Ciências a Brincar Aprender Ciências a Brincar Os conhecimentos serão transmitidos recorrendo à exploração do meio e através de experiências simples, com materiais de uso corrente. A realização de experiências permitirá

Leia mais

Processo de fundição: Tixofundição

Processo de fundição: Tixofundição Processo de fundição: Tixofundição Disciplina: Processos de Fabricação. Professor Marcelo Carvalho. Aluno: Gabriel Morales 10/44940. Introdução O processo de fabricação conhecido como fundição pode ser

Leia mais

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO A economia brasileira tem passado por rápidas transformações nos últimos anos. Neste contexto ganham espaço novas concepções, ações

Leia mais

Seção 2/D Cadeia de Fornecimento

Seção 2/D Cadeia de Fornecimento Seção 2/D Cadeia de Fornecimento www.bettercotton.org Orientação Esta seção descreve como a BCI criará um fardo 100% Better Cotton e conectará a oferta de Better Cotton com sua demanda, estabelecendo um

Leia mais

ALIMENTAÇÃO PARA CRIANÇAS NÃO AMAMENTADAS

ALIMENTAÇÃO PARA CRIANÇAS NÃO AMAMENTADAS ALIMENTAÇÃO PARA CRIANÇAS NÃO AMAMENTADAS ALIMENTAÇÃO PARA CRIANÇAS NÃO AMAMENTADAS Quando o desmame não pôde ser revertido após orientações e acompanhamento dos profissionais ou em situações em que a

Leia mais

Lisina, Farelo de Soja e Milho

Lisina, Farelo de Soja e Milho Lisina, Farelo de Soja e Milho Disponível em nosso site: www.lisina.com.br Veja como substituir uma parte do farelo de soja por Lisina Industrial e milho Grande parte dos suinocultores conhecem a Lisina

Leia mais

Tubos OmegaBond Tecnologia Avançada

Tubos OmegaBond Tecnologia Avançada Aumento de produtividade em plantas de uréia através aumento de capacidade e melhoria de confiabilidade quanto a resistência a corrosão COMO A NOVA TECNOLOGIA AJUDA OS FABRICANTES A AUMENTAR A LUCRATIVIDADE

Leia mais

VALOR NUTRITIVO DA CARNE

VALOR NUTRITIVO DA CARNE VALOR NUTRITIVO DA CARNE Os alimentos são consumidos não só por saciarem a fome e proporcionarem momentos agradáveis à mesa de refeição mas, sobretudo, por fornecerem os nutrientes necessários à manutenção

Leia mais

A Fundição Injectada de Alumínio. Princípios e Desafios

A Fundição Injectada de Alumínio. Princípios e Desafios A Fundição Injectada de Alumínio Princípios e Desafios O Passado... Os primeiros exemplos de fundição por injecção (em oposição à fundição por gravidade) ocorrem em meios do século XIX (1800). A patente

Leia mais

Ovinocultura de Leite. Uma alternativa de renda às famílias rurais.

Ovinocultura de Leite. Uma alternativa de renda às famílias rurais. Ovinocultura de Leite Uma alternativa de renda às famílias rurais. Área de abragência Oeste, Meio Oeste, Alto Uruguai e Extremo Oeste Catarinense. 53% dos estabelecimentos rurais e 67% da área total rural.

Leia mais

POLÍTICA DE PREÇO O EM PLANEAMENTO DE MARKETING

POLÍTICA DE PREÇO O EM PLANEAMENTO DE MARKETING COMPETÊNCIAS COGNITIVAS - Capacidade de análise crítica - ADENDA POLÍTICA DE PREÇO O EM PLANEAMENTO DE MARKETING Generalidades; A política de preço e o marketing mix os custos e os preços; a procura e

Leia mais

Proteína: digestibilidade e sua importância na produção. Fabrizio Oristanio (Biruleibe)

Proteína: digestibilidade e sua importância na produção. Fabrizio Oristanio (Biruleibe) Proteína: digestibilidade e sua importância na produção Fabrizio Oristanio (Biruleibe) Introdução Evolução das estimativas protéicas a partir da década de 80 Método fatorial Manutenção Produção Sistemas

Leia mais

Maria Antónia Carravilla, José Fernando Oliveira 2012/2013

Maria Antónia Carravilla, José Fernando Oliveira 2012/2013 Formulação de modelos de programação linear Maria Antónia Carravilla, José Fernando Oliveira DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA E GESTÃO INDUSTRIAL 2012/2013 Índice 1 Modelação 2 Introdução à modelação 3 Problema

Leia mais

Capítulo 5-Análise das políticas agrícolas

Capítulo 5-Análise das políticas agrícolas Capítulo 5-Análise das políticas agrícolas Políticas de Preços e de Rendimentos Análise das políticas agrícolas Objectivos Analisar os mecanismos de política agrícola: Primeiro classificar os instrumentos

Leia mais

Custo Unitário do Nutriente (CUN) = A (B 100 x C 100),

Custo Unitário do Nutriente (CUN) = A (B 100 x C 100), CÁLCULO DE UM SUPLEMENTO PARA BUBALINOS DE CORTE Para se calcular um suplemento é necessário o conhecimento prévio de quatro fatores: o o o o Composição nutricional da pastagem Consumo da pastagem Identificação

Leia mais

PLANEJAMENTO FISCAL E GERENCIAL

PLANEJAMENTO FISCAL E GERENCIAL PLANEJAMENTO FISCAL E GERENCIAL Palestrante: SONIA SEGATTI Economista e Executiva de Gestão em Contabilidade Rural Nível Fiscal e Gerencial 1 A Deus coube criar a vida. Aos agricultores cabe preservar

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16. Estoques. Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 2 (IASB)

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16. Estoques. Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 2 (IASB) COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16 Estoques Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 2 (IASB) Índice Item OBJETIVO 1 ALCANCE 2 5 DEFINIÇÕES 6 8 MENSURAÇÃO

Leia mais

Manual do GesFiliais

Manual do GesFiliais Manual do GesFiliais Introdução... 3 Arquitectura e Interligação dos elementos do sistema... 4 Configuração do GesPOS Back-Office... 7 Utilização do GesFiliais... 12 Outros modos de utilização do GesFiliais...

Leia mais

Pesquisa Operacional

Pesquisa Operacional Pesquisa Operacional Tópicos em Programação Linear e Inteira Prof. Dr.Ricardo Ribeiro dos Santos ricr.santos@gmail.com Universidade Católica Dom Bosco - UCDB Engenharia de Computação Roteiro Introdução

Leia mais

INTRODUÇÃO ÀS ORGANIZAÇÕES E À GESTÃO

INTRODUÇÃO ÀS ORGANIZAÇÕES E À GESTÃO LICENCIATURA EM FINANÇAS EMPRESARIAIS ANO LECTIVO 2012-2013 INTRODUÇÃO ÀS ORGANIZAÇÕES E À GESTÃO EXERCÍCIOS SOBRE PONTO DE ENCOMENDA 1. No país dos BRINQUEDOS a empresa PELUCHE, Lda., produtora de ursos

Leia mais

ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS. 1. Sumário Executivo. Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso. 2. Sumário da Empresa. 2.1 Composição da Sociedade

ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS. 1. Sumário Executivo. Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso. 2. Sumário da Empresa. 2.1 Composição da Sociedade ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS 1. Sumário Executivo Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso 2. Sumário da Empresa 2.1 Composição da Sociedade Perfil Individual dos sócios, experiência, formação, responsabilidades

Leia mais

Definição. Planeamento Industrial Aula 13. MRP ou ponto de encomenda? Procura dependente e ponto de encomenda. MRP (Materials Requirements Planning):

Definição. Planeamento Industrial Aula 13. MRP ou ponto de encomenda? Procura dependente e ponto de encomenda. MRP (Materials Requirements Planning): Planeamento Industrial Aula 13 Material Requirements Planning (MRP):. introdução. requisitos. plano mestre de produção. funcionamento. loteamento Definição 2 MRP (Materials Requirements Planning): Conjunto

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16(R1) Estoques

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16(R1) Estoques COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16(R1) Estoques Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 2 (IASB) Índice Item OBJETIVO 1 ALCANCE 2 5 DEFINIÇÕES 6 8 MENSURAÇÃO

Leia mais

Engenharia de Software. Ficha T. Prática nº 2

Engenharia de Software. Ficha T. Prática nº 2 Engenharia de Software Ficha T. Prática nº 2 Objectivo: Análise do software como produto e como processo Caso de Estudo - Sistema de Controlo Orçamental O problema e as suas peculiaridades O principal

Leia mais