Capitalização. Rodrigo Maia

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Capitalização. Rodrigo Maia"

Transcrição

1 Capitalização Rodrigo Maia

2 O que você pensa sobre capitalização

3

4 Histórico e Regulamentação Unidade I

5 Evolução Histórica Tudo começou com Paul Viget, diretor de uma cooperativa de mineiros na França. Seu objetivo inicial foi montar um sistema que proporcionasse auxílio financeiro aos sócios por meio de suas próprias poupanças. O sistema era baseado em contribuições mensais com o objetivo de constituir um capital, previamente definido, a ser pago no final do período combinado, ou, por meio de sorteio, de forma antecipada.

6 Evolução Histórica Sulacap Vila Kosmos/Jardim Sulacap Séc. 19 Autorização 1950 Correção Monetária 1974 Débito Automático Conglomerados 1994 Paul Viget /33 Inflação Perda de Valor 1964 Reaquecimento 1980 Forte expansão Em 10 anos a carteira de capitalização representava o dobro da produção de café no Brasil.

7 Histórico

8 Evolução Histórica A década de 60 - sobretudo em sua segunda metade - marcou a institucionalização do Sistema Financeiro Nacional inspirado em padrões internacionais. O Conselho Monetário Nacional, o Banco Central, o Sistemas Financeiro de Habitação, além dos principais mecanismos de poupança compulsória, como o FGTS, foram criados nesse período. Castello Branco a Costa e Silva a

9 Evolução Histórica Classificação: Conglomerados Financeiros Independentes

10 Evolução Histórica Classificação: Conglomerados Financeiros Companhias concentradas, em termos de público-alvo, diretamente nos clientes. Os principais produtos comercializados são planos com pagamento mensal com baixo carregamento embutido. Ex.:

11 Evolução Histórica Classificação: Independentes São aquelas cujo alvo comercial concentra-se nas parcerias. Sua estratégia de produto contempla principalmente planos mensais, mas sempre com o objetivo de completar o portfólio do parceiro. Ex.:

12 Evolução Histórica Classificação: Recentemente a SUSEP, através da Circular 365 de 2008, dividiu os planos de capitalização, para efeito de comercialização, em quatro modalidades distintas: Modalidade I Tradicional; Modalidade II Compra-Programada; Modalidade III Popular; Modalidade IV Incentivo. Essa divisão permite um melhor controle do Estado no momento que a legislação em vigor estabelece regras específicas para cada uma delas.

13 Qual a importância dos títulos de Capitalização para a economia brasileira

14 A Capitalização no Contexto Econômico do País Essencial para a didática da poupança popular Investidor Institucional: Investimentos de médio e longo prazo Incentivo à poupança agregada aos sorteios

15 A Capitalização no Contexto Econômico do País A capitalização não integra o Sistema Nacional de Seguros Privados, isto é, título de capitalização não é um plano de seguro a ser comercializado por uma seguradora, mas sim por sociedades de capitalização. Mesmo assim, por força do Decreto-Lei 261, de 28/02/67, que criou o Sistema Nacional de Capitalização (SNC), a fiscalização e regulamentação também estão a cargo da SUSEP e do CNSP, respectivamente.

16 A Capitalização no Contexto Econômico do País Em termos de política econômica, a captação desse tipo de poupança é fundamental como uma alternativa para financiamento dos investimentos de longo prazo, importantes para o desenvolvimento auto-sustentável do país. Por isso as Empresas de Capitalização, assim como as Seguradoras, são classificadas como investidores institucionais e devem obedecer, na aplicação dos recursos que captam junto ao público, as regras estabelecidas pelo Conselho Monetário Nacional.

17 O Sistema Nacional de Capitalização O Sistema Nacional de Capitalização (SNC), conforme Decreto Lei 261/67, é constituído pelos seguintes componentes: CNSP Conselho Nacional de Seguros Privados; SUSEP Superintendência de Seguros Privados; Sociedades autorizadas a operar em capitalização; A Resolução CNSP 15/91, inclui, ainda, os corretores de capitalização como integrantes do SNC.

18 O Sistema Nacional de Capitalização Decreto-Lei 261, de 28/2/67 O controle do estado se dá através do CNSP e SUSEP e tem como objetivo: I promover a expansão do Mercado de Capitalização e propiciar as condições operacionais necessárias à sua integração no progresso econômico e social do país; II promover o aperfeiçoamento do Sistema de Capitalização e das Sociedades que nele operam; III preservar a liquidez e a solvência das Sociedades de Capitalização; IV coordenar a política de Capitalização com a política de investimentos do Governo Federal, observados os critérios estabelecidos para as políticas monetária, creditícia e fiscal, bem como as características a que devem obedecer as aplicações de cobertura das reservas técnicas.

19 O Sistema Nacional de Capitalização CNSP fixa as diretrizes e normas da política de Capitalização e regulamenta as operações das Sociedades do ramo. SUSEP executa a política de Capitalização traçada pelo CNSP, cabendo-lhe fiscalizar a constituição, organização, funcionamento e operações das Sociedades do ramo. Sociedades de Capitalização entidades organizadas sob a forma de sociedade anônima, com a finalidade de constituir capitais, pagáveis em moeda corrente, aos titulares dos seus títulos, segundo cláusulas e regras aprovadas pelo Governo Federal, SUSEP.

20 O Sistema Nacional de Capitalização Sociedades de Capitalização A sociedade de capitalização deve constituir, obrigatoriamente, provisões matemáticas para garantir os títulos em vigor, Provisão Matemática para Resgate e, caso haja sorteios no título, a Provisão para Sorteios a Realizar. Também é obrigatória a constituição de provisões técnicas para obrigações a liquidar: Provisão de Sorteios a Pagar; Provisão para Resgate de Títulos; e Provisão para Participação nos Lucros dos Títulos Ativos. A sociedade de capitalização também é obrigada a manter registro atualizado contendo as informações sobre o título e os dados cadastrais do subscritor e titular, quando possível.

21 EXERCÍCIOS Páginas 17 e 18

22 Fundamentos Técnicos e Normas de Contratação Unidade II 2006

23 Título de Capitalização: Visão Geral Capitalização X Página 19 Poupança

24 Título de Capitalização: Construção Poupança + Sorteio? Ao Portador ou Nominal? Vigência? Carência para resgate? PU, PM ou PP? Tamanho da Série? Arrecadação total da série? Valor total dos sorteios? Quota de capitalização? Quota de carregamento? Quota de sorteio? Atualização?

25 Título de Capitalização: Visão Geral Conceitos Poupança Programada + Sorteio Desde a sua concepção, os títulos de capitalização sempre combinaram a aplicação de um capital com um componente lúdico bastante apreciado, o sorteio.

26 Título de Capitalização: Visão Geral Conceitos Título de capitalização é o objeto do processo administrativo aberto pela sociedade de capitalização: A SUSEP aprovou o título Cem Milhões da sociedade capital. Isso significa que as condições gerais e a nota técnica foram aprovadas pela SUSEP e, assim, a sociedade de capitalização poderá comercializar diversos contratos com aquelas mesmas condições gerais aprovadas.

27 Título de Capitalização: Visão Geral Conceitos Título de Capitalização também refere-se à individualização do contrato firmado entre consumidor e sociedade de capitalização: Eu comprei um título da Sociedade Capital. A aprovação dada pela SUSEP num processo administrativo autoriza a sociedade a comercializar diversos contratos de capitalização, sendo que todos deverão reproduzir as condições gerais aprovadas. Há quem denomine o objeto do processo administrativo de plano de capitalização, para diferenciá-lo dos títulos (contratos efetivamente comercializados).

28 Título de Capitalização: Visão Geral Conceitos O Título de Capitalização, um contrato, existe fisicamente; é impresso e possui um número identificador. Deve trazer as condições gerais que foram aprovadas pela SUSEP e, dependendo do caso, trazer informações sobre o subscritor e o titular. Hoje encontramos no mercado produtos bem diferentes, voltados para nichos de mercados diferentes.

29 Título de Capitalização: Visão Geral Poupança Programada Faz-se por meio da aplicação de parte dos pagamentos por um período estipulado, a uma determinada taxa de juros. Ao montante presente nessa poupança programada dá-se o nome de capital ou, mais tecnicamente, de Provisão Matemática para Resgate. Ao final de cada mês, os juros decorrentes da remuneração do capital são adicionados ao próprio capital, passando a fazer parte dessa provisão matemática para efeito de cálculo dos juros do próximo período. Aplicação a juros compostos.

30 Título de Capitalização: Visão Geral Poupança Programada Além disso, o capital vai sendo mensalmente atualizado por um índice predefinido, geralmente a TR. O saldo da Provisão Matemática para Resgate será utilizado como base para o valor que o consumidor terá direito no momento do resgate (valor do resgate).

31 Título de Capitalização: Visão Geral Poupança Programada Artigo 1o do Decreto-Lei 261/67: Art. 1o. Todas as operações das sociedades de capitalização ficam subordinadas às disposições do presente Decreto-Lei. Parágrafo único. Consideram-se sociedades de capitalização as que tiverem por objetivo fornecer ao público, de acordo com planos aprovados pelo Governo Federal, a constituição de um capital mínimo perfeitamente determinado em cada plano, e pago em moeda corrente em um prazo máximo indicado no mesmo plano, à pessoa que possuir um título segundo cláusulas e regras aprovadas e mencionadas no próprio título.

32 Título de Capitalização: Visão Geral Sorteios Como vimos, no início os sorteios tinham o objetivo de antecipar o valor a ser recebido no final do contrato. Sendo assim, inicialmente, o sorteio era um componente secundário, uma espécie de atrativo adicional e acessório. Atualmente, o valor do sorteio é estabelecido como sendo um múltiplo do pagamento único ou do pagamento periódico do título.

33 Título de Capitalização: Visão Geral Características do Título Título financeiro mobiliário, nominativo ou ao portador, adquirido pelo comprador a partir de uma proposta, estabelecida por uma Sociedade de Capitalização. Mobiliário o título, após sua aquisição, pode ser transferido de uma pessoa para outra. Nominativo o título possui um proprietário identificado que poderá transferir seu direito de propriedade a outra pessoa.

34 Título de Capitalização: Visão Geral Conteúdo do Título O título de capitalização também pode ser entendido como um contrato entre a sociedade de capitalização e o adquirente, sendo composto por um conjunto de cláusulas que dão uma forma própria ao título. Essas cláusulas são denominadas condições gerais do título e estabelecem as regras relativas à formação de capital (reserva matemática), como também as regras para os sorteios. São as condições gerais que individualizam uma série de títulos, havendo, assim, diversos produtos em razão de existirem condições gerais diferentes. O adquirente deve, por disposição legal, ter total conhecimento das condições gerais no momento de aquisição do título de capitalização.

35 Título de Capitalização: Visão Geral Conteúdo do Título Nota Técnica Atuarial descrição do título por meio de bases técnicas, hipóteses e formulações atuariais. Nela se encontram as demonstrações dos cálculos dos parâmetros técnicos de um título de capitalização, traduzidos em enunciados e fórmulas matemáticas que o plano tem que satisfazer. A Nota Técnica traz também a formulação matemática das provisões que serão constituídas no plano de capitalização. Ela deve ser assinada por um atuário devidamente registrado no Instituto Brasileiro de Atuária (IBA). A Nota Técnica Atuarial não necessita ser de conhecimento do adquirente do título.

36 Título de Capitalização: Visão Geral Conteúdo do Título É possível afirmar que um título de capitalização, tecnicamente, é formado pela união das condições gerais do título e a Nota Técnica Atuarial.

37 Título de Capitalização: Visão Geral Aprovação Para comercializar um título, a sociedade de capitalização deve obter a aprovação específica, fornecida pela SUSEP. A aprovação específica ocorre por um processo administrativo denominado processo para aprovação de título de capitalização. Havendo, então, um número de processo administrativo na SUSEP para cada plano que é obtido após o protocolo de pedido de aprovação do título.

38 Título de Capitalização: Visão Geral Aprovação As sociedades devem submeter seus produtos por meio de expediente, que deve ser assinado por um diretor da sociedade, contendo as seguintes informações: nome da sociedade; CNPJ; a respectiva modalidade à qual pertence o título; assinatura de um diretor da sociedade; assinatura do atuário responsável pela NTA.

39 Título de Capitalização: Visão Geral Aprovação A nota técnica e as condições gerais não precisam ser estáticas. Podem sofrer ajustes ou alterações, desde que as mudanças em seus dispositivos sejam aprovadas pela SUSEP previamente à sua implementação.

40 Ficha de Cadastro e Material de Propaganda Ficha de Cadastro A ficha de cadastro na capitalização não possui a mesma importância do que no mercado de seguros. Não há risco a ser transferido para a sociedade de capitalização, nem mesmo o de inadimplência, já que o valor a ser resgatado pelo titular será constituído a partir dos seus próprios pagamentos. Quanto aos sorteios, o inadimplemento acarreta a suspensão do título, isto é, afasta o direito de participar dos sorteios, logo, também não acarreta, pelo menos diretamente, prejuízo à sociedade. Caso o título suspenso venha a ser sorteado, o prêmio é de direito da sociedade de capitalização.

41 Ficha de Cadastro e Material de Propaganda Propaganda e Material de Comercialização Não são passíveis de aprovação pela SUSEP, porém, qualquer propaganda e todo material de promoção referentes aos títulos de capitalização somente podem ser confeccionados com autorização expressa e sob a supervisão da sociedade de capitalização. Pelo Código de Defesa do Consumidor, o material de promoção é parte integrante do contrato.

42 Condições Gerais do Título: o Contrato As Condições Gerais do Título As condições gerais são normas que regem o contrato celebrado entre a sociedade de capitalização e os adquirentes de títulos de capitalização. Suas cláusulas definem os direitos e deveres dos contratantes. Nas Condições Gerais são apresentados todos os diferenciais do produto de uma determinada empresa. Os elementos obrigatórios das Condições Gerais estão na página 27 da apostila.

43 Informações Complementares As informações a seguir também devem ser repassadas ao subscritor, porém podem estar apartadas das condições gerais: - valor do capital nominal mínimo, formado ao final do prazo de vigência, considerando-se todos os pagamentos previstos efetuados em dia; - nome e número de registro do corretor, quando existente; - identificação dos titulares, quando conhecidos previamente, com o respectivo percentual de cada um sobre os direitos do título, quando for o caso; e - número do título e os números ou códigos que o título utilizará na participação dos sorteios.

44 Formas de Contratação Além da contratação tradicional, a legislação permite a contratação por canais remotos: terminais bancários de auto-atendimento e Internet. Para isso a sociedade de capitalização deverá: - Disponibilizar, imediatamente, a confirmação da contratação ao consumidor; - Encaminhar, em até 15 dias após a data de início de vigência, o título de capitalização ao titular, ou disponibilizar, efetivamente, no momento da contratação, documentação contendo o título e suas Condições Gerais.

45 A Contratação: Subscritor e Titular Pessoa Física ou Jurídica, que subscreve a proposta para compra, efetuando os pagamentos do título. Também chamado de proponente. Subscritor Titular Pessoa(s) Física(s) ou Jurídica(s), proprietária do título. A ele(s) devem ser pagos os benefícios gerados pelo título. Em caso de falecimento, deverá ser aberto inventário para a sucessão legal dos herdeiros. (p.30)

46 Transferência: Cedente e Cessionário O título de capitalização é indivisível em relação à sociedade. Duas empresas não podem se unir para lançar um título, sendo, por exemplo, uma responsável pelo pagamento dos resgates e a outra pelos sorteios. Também não é permitida uma sociedade de capitalização transferir à outra suas obrigações.

47 Transferência: Cedente e Cessionário Cedente PF ou PJ que cede o título. Somente o titular pode transferir o título para outra pessoa. A transferência ocorre mediante solicitação conjunta de ambos e dever assinada pelos dois. Cessionário PF ou PJ a quem o título está sendo cedido. Sucede ao Cedente em todos os seus direitos e obrigações.

48 Transferência: Cedente e Cessionário Importante Cabe ao subscritor e/ou titular comunicar à sociedade de capitalização sobre: Seus dados cadastrais, para efeito de registro e controle; e A realização de transferência, informando os dados cadastrais do novo subscritor e do novo titular (cessionário) respectivamente.

49 Vigência de um Título Um título é considerado em vigor a partir da data do seu primeiro pagamento e permanece assim enquanto não houver atraso nos pagamentos. Prazo de Vigência - Mínimo 12 meses É o período em que o título está em vigor capitalizando parte das mensalidades pagas e com direito aos sorteios O prazo de vigência não se confunde com o prazo de pagamento, que é o período durante o qual o subscritor se compromete a efetuar os pagamentos. Porém, o prazo de pagamento só poderá, no máximo, ser igual ao prazo de vigência.

50 Prazo de Carência Alguns títulos admitem que o titular possa realizar resgates mesmo antes de encerrada a vigência do título, o chamado resgate antecipado. Carência É o período de tempo que o titular terá que esperar para receber o valor do resgate correspondente ao saldo, ou parte do saldo, da capitalização formado. As operadoras podem fixar um prazo de carência para os resgates desde que não sejam superiores a 24 meses. Caso o título tenha prazo de vigência inferior a 24 meses, o prazo máximo de carência torna-se igual a vigência do título.

51 Tipos de Título: PU e PM Pagamento Mensal Pagamento Único Pagamento Periódico

52 Composição do Pagamento Quota de Carregamento Quota de Capitalização Quota de Sorteio

53 Quotas de Capitalização PU com Sorteios PU com Sorteios % Mínimo de Capitalização Títulos em geral 70% Incentivo ou Popular com 12 meses de vigência 50%

54 Quotas de Capitalização PM com Sorteios PM ou PP com Sorteios % Mínimo de Capitalização 1º, 2º e 3º pagamentos 10% 4º pagamento em diante 70% Média de todos os pagamentos 70% ATENÇÃO Títulos sem sorteio, os percentuais de formação de reserva devem ser, no mínimo, de 98% de cada pagamento.

55 Quotas de Sorteio Finalidade - Custear os prêmios de cada série. Representam a parte lotérica do título. Ex.: Numa série de títulos com pagamento único, os prêmios de sorteio totalizam vezes o valor do pagamento, logo a quota de sorteio será de 10% (10.000/ ), ou seja, cada título colabora com 10% do seu pagamento para custear os sorteios. Série de títulos a R$ 1,00 - PU Total de Prêmios - R$ Quota - 10% (10.000/ )

56 Quotas de Carregamento Finalidade - Despesas operacionais, administrativas e comerciais, além dos produtos aderentes, caso existam. Também devem prever o lucro da sociedade de capitalização. Não há limitador. Ex.: Título R$ 200,00, cada um: Capitalização - 75% - R$ 150,00 Sorteio - 15% - R$ 30,00 Carregamento - 10% - R$ 20,00

57 A Estruturação: o Tamanho da Série Seqüências ou grupos de títulos submetidos às mesmas condições e características definidas em um plano de capitalização. Numerados seqüencialmente Possuem a mesma probabilidade de sorteio Quanto maior é a série, menor é a probabilidade Permite títulos com valores de pagamento diferenciados

58 Valor de Pagamento e Atualização A legislação prevê que o valor mínimo para cada pagamento de R$ 3,00, porém existem duas exceções: títulos que prevejam a cessão integral da provisão matemática de resgate para programas sociais, educacionais, culturais ou esportivos de interesse do Governo Federal; e títulos da modalidade Incentivo que prevejam a cessão gratuita ao consumidor somente do direito à participação nos sorteios.

59 Valor de Pagamento e Atualização Atualização Apenas para PP s e PM s. Existe para que o valor do título não seja corroído pela inflação, pois, anualmente o valor de pagamento á atualizado monetariamente. É vedada a atualização para títulos com prazo de pagamento igual ou inferior a 12 meses. É permitido a utilização de percentual inferior a 100% do índice pactuado (ex.: 60% do IGP-M), porém atualmente o mercado praticamente adotou o padrão de atualização por 100% do IGP-M.

60 Informações ao Consumidor A periodicidade dos extratos deve constar nas condições gerais, devendo ser de, no máximo, 6 meses para títulos PM s e PP s com vigência de 12 meses e de 1 ano para os demais títulos. Também há a obrigatoriedade de notificação, por escrito, mediante correspondência com AR, ou pela mídia impressa ou eletrônica, ao titular contemplado em sorteio no prazo máximo de 15 dias.

61 EXERCÍCIOS Páginas 39 a 44

62 Capital, Resgate e Sorteio Unidade III 2006

63 Provisão Matemática de Resgate É possível que as sociedades definam na Nota Técnica Atuarial do título que a Provisão Matemática para Resgate não será atualizada na data de aniversário do título, mas sim num dia específico. Ao término do prazo de vigência, o titular tem direito ao resgate integral do saldo existente.

64 Remuneração do Capital O que é capital? É o valor que terá direito o titular do título ao término do prazo. Juros Compostos A taxa de remuneração pode ser crescente ou decrescente. Taxa efetiva mensal OU % da taxa de juros aplicada na poupança Taxa de juros mínima: Tradicional e Compra Programada 90% da taxa da poupança (0,45% ao mês). Popular e Incentivo 20% da taxa da poupança (0,1% ao mês).

65 Atualização Visa a manutenção do poder de compra. INPC IPCA IGPM IGP-DI IPC/FGV IPC/FIPE TR A legislação atual exige atualização mensal e que, nas condições gerais e na propostas, sejam inseridos o índice de atualização.

66 Resgate Parcial OU Total Sorteio Resgate Antecipado Término da Vigência Carregamento É parcial o resgate que não esgota a totalidade da reserva e o título continua normalmente, ou seja, formando reserva e com direito aos sorteios. O resgate total sempre está vinculado ao encerramento do título e pode acontecer de três formas como visto acima. Provisão Matemática Juros + Atualizações Sorteio

67 Resgate Resgate Total por Sorteio Quando um título é sorteado existem duas opções: Continuidade normal da vigência, podendo o titular participar dos demais sorteios. Liquidação antecipada por sorteio, ou seja, o o título é automaticamente cancelado e resgatado sem penalidade, ou seja, o titular receberá 100% da reserva.

68 Resgate Resgate Total Antecipado por Solicitação do Titular Somente pode ocorrer após o término do prazo de carência e implica no cancelamento do título. O resgate antecipado, parcial ou total, pode sofrer a aplicação de uma penalidade do valor antecipadamente resgatado.

69 Resgate Resgate Total por Encerramento da Vigência do Título A Provisão Matemática para Resgate tem que estar integralmente disponível para o titular. Alguns títulos estabelecem que o saldo final da provisão corresponderá ao total do valor pago. Pág. 53

70 Penalidade É um % a ser aplicado sobre o montante resgatado em casos de resgate antecipado por solicitação do titular. Títulos com vigência de até 24 meses Até o 6º mês 10% A partir do 7º mês 5% Títulos com vigência superior a 24 meses Até o 6º mês 10% Do 7º mês até 3/4 da vigência 5% Ao final da vigência sem penalidade A partir de 3/4 da vigência sem penalidade A modalidade Compra-Programada, para qualquer prazo de vigência, a sociedade pode reter até 10%.

71 Tabela de Resgate A tabela permite o cálculo aproximado de resgate, já que não considera a atualização monetária. A tabela indica, ao final de cada mês, o montante aproximado de resgate através de um percentual que deverá ser aplicado sobre a soma dos valores pagos. Página 56

72 Suspensão e Cancelamento Suspensão Quando um determinado nº de mensalidades não foram pagas. O direito ao sorteio é imediatamente interrompido! Caso o título seja sorteado, a sociedade de capitalização é detentora do prêmio de sorteio. Iniciado o prazo de suspensão, também inicia-se a contagem de prazo de cancelamento, já que todo título tem um prazo máximo durante o qual poderá permanecer suspenso.

73 Reabilitação Ocorre mediante a quitação de um ou de todos os pagamentos em aberto, conforme determinado nas Condições Gerais. Reabilitação O direito ao sorteio é imediatamente restaurado! Sem prorrogação do prazo de vigência. Com prorrogação do prazo de vigência. Pág. 59

74 Sorteio O Grande Atrativo Não há qualquer vínculo entre o valor do prêmio do sorteio e o valor do resgate final do título. Nos títulos de capitalização, o sorteio tem que ser um evento aleatório, ou seja, que não dependa de prognósticos, de palpites do consumidor. Além disso o resultado deve ser imprevisível. O sorteio também deve ser eqüiprovável, isto é, todos os títulos devem ter a mesma chance de serem sorteados. Quando um título é contemplado, podem existir dois efeitos: - Liquidação antecipada por sorteio; e - Continuação normal do título (sem liquidação antecipada).

75 Sorteio Tipos Premiação Instantânea Sorteios Comuns Processo Operacional: Resultados da Loteria Federal ou; Processos próprios, devendo ser realizados nas sedes, sucursais ou quaisquer estabelecimentos de livre acesso aos titulares com presença de representante de auditoria independente.

76 Valores dos Prêmios dos Sorteios Múltiplos do valor de pagamento! Como em uma série podem haver valores diferentes de pagamento, no caso de prêmios que adotam este critério, a premiação também será diferenciada conforme o título. ATENÇÃO!!! Sobre os valores sorteados sempre incide IRRF conforme a legislação tributária em vigor Liquidação Antecipada 25% de IR Continuação Após o Sorteio 30% de IR

77 Limites aos Prêmios de Sorteio Regra 1: O valor de cada prêmio bruto individual de sorteio deverá ser fixado como um múltiplo do pagamento do título, sendo esse múltiplo não inferior a uma unidade. Na modalidade popular, nos títulos PM, o valor do prêmio do sorteio não pode ser inferior a 12 vezes o valor do pagamento. Regra 2: A premiação instantânea poderá representar no máximo 30% de todos os valores destinados aos sorteios do título. Regra 3: Os percentuais dos pagamentos destinados aos sorteios deverão observar os requisitos de cada modalidade. Modalidade % Máximo destinado aos sorteios Tradicional No máximo 15% Compra-Programada No máximo 15% Popular No máximo 25% e no mínimo 5% Incentivo No máximo 25%

78 Limites aos Prêmios de Sorteio Suponha uma série Popular composta por 100 mil títulos (R$ 1,00 cada) e suponha que sejam distribuídos os seguintes prêmios de sorteio: Temos: 3 instantâneos de 1000 vezes o valor do título (R$ 1.000,00) 4 prêmios semanais de 5500 vezes o valor do título (R$ 5.500,00) Custo total do sorteio = (3 x 1000) + (4 x 5500) = Custo total do sorteio = R$ ,00 Finalizando: Quota do sorteio = 25000/ = 25% Limite 25% dos pagamentos Quota do sorteio instantâneo = 3000/25000 = 12% Limite 30% dos sorteios

79 Limites aos Prêmios de Sorteio Suponha uma série PU Tradicional composta por 200 mil títulos (R$ 1,00 cada) e suponha agora que sejam distribuídos os seguintes prêmios de sorteio: 3 instantâneos de vezes o valor do título (R$ 4.000,00) 5 prêmios de vezes o valor do título (R$ 2.400,00) Temos: Custo total do sorteio = (3 x 4000) + (5 x 2400) = Custo total do sorteio = R$ Finalizando: Quota do sorteio = / = 12% Limite 15% Quota do sorteio instantâneo = / = 50% Limite 30%

80 Limites aos Prêmios de Sorteio Regra 4: As sociedades de capitalização somente podem comercializar títulos em que o valor máximo do somatório de todos os sorteios previstos, por série e em cada mês. Seja igual ou inferior a 10% do último patrimônio líquido auditado.

81 Sorteio - Comunicação Comunicação ao sorteado: Carta com A.R. ; Mídia impressa ou eletrônica. O pagamento do prêmio do sorteio deve estar disponibilizado em até 15 dias após a sua realização. É admitida ainda o parcelamento do pagamento do prêmio de sorteio em, no máximo, 12 meses consecutivos.

82 EXERCÍCIOS Páginas 71 a 76

83 As Modalidades de Um Título de Capitalização Unidade IV 2006

84 Tradicional Objetivo Restituir ao titular, ao final da vigência, no mínimo, o total do valor pago, sem considerar a atualização monetária, sendo vedada qualquer vinculação da reserva à aquisição de bem ou serviço, podendo apenas ser utilizada como instrumento de garantia, como o pagamento de aluguel. Na ficha de cadastro, de preenchimento obrigatório, deve constar: Este título poderá restituir valor inferior ao total dos pagamentos efetuados, caso o resgate seja realizado antes do término do prazo de vigência. A contratação desse título é apropriada, principalmente, na hipótese de o subscritor planejar realizar todos os pagamentos e permanecer até o final da vigência.

85 Tradicional Submodalidade Permite a estruturação de títulos com a possibilidade de pagamentos aleatórios, ou seja, aportes livres. Requisitos específicos: os títulos não são estruturados em série; é vedada a previsão de sorteios; os pagamentos deverão ser efetuados durante a vigência; não há tabela de resgate; o capital mínimo do título será definido com base no valor do primeiro pagamento, como se este fosse o único; é vedada a utilização da TR como índice de atualização da provisão matemática para resgate.

86 Tradicional Quadro-resumo: Saldo da PMR ao final da vigência Utilização do saldo da PMR Provisão de bônus Ficha de cadastro Tipos de título Custo com sorteio Taxa de juros Índice de atualização da PMR No mínimo, 100% do valor pago pelo subscritor (sem considerar atualização monetária e bônus) Proibida qualquer vinculação à aquisição de bem ou serviço, possível como instrumento de garantia Permitida Obrigatória PU, PP ou PM No máximo 15% dos valores pagos No mínimo, igual a 90% da taxa de juros da poupança Sem restrição, exceto para a submodalidade onde é vedada a TR

87 Compra-Programada É aquela em que a sociedade de capitalização também garante ao titular ao final da vigência, no mínimo, o total do valor pago, porém existindo a possibilidade do mesmo optar pelo recebimento do bem ou serviço referenciado na ficha de cadastro. Na ficha de cadastro, de preenchimento obrigatório, deve constar: Este título poderá restituir valor inferior ao total dos pagamentos efetuados, caso o resgate seja realizado antes do término do prazo de vigência. A vinculação do saldo da PMR a um bem ou serviço é obrigatória, porém, ao final da vigência, o titular poderá optar pelo recebimento em dinheiro.

88 Compra-Programada Para não correr o risco de, ao final da vigência, o valor da PMR não ser suficiente para a compra do bem ou serviço acordado, a mesma deverá ser atualizada monetariamente por um índice de preços e não pela Taxa de Remuneração Básica, TR. A TR somente será permitida caso a sociedade de capitalização apresente a SUSEP um contrato firmado com os fornecedores que também garanta a atualização do bem ou serviço pela TR. Somente poderá haver a liquidação antecipada por sorteio se este possibilitar que o titular adquira o bem ou serviço referenciado na ficha de cadastro. Nesse caso o resgate deverá ser de 100% da Provisão Matemática de Resgate.

89 Compra-Programada Quadro-resumo: Saldo da PMR ao final da vigência Utilização do saldo da PMR Penalidade em caso de resgate antecipado Provisão de bônus Ficha de cadastro Tipos de título Custo com sorteio Liquidação antecipada por sorteio Taxa de juros Índice de atualização da PMR No mínimo, 100% do valor pago pelo subscritor (sem considerar atualização monetária e bônus) Vinculada à aquisição de bem ou serviço, mas sendo dada ao titular a opção pelo recebimento em dinheiro do saldo da PMR No máximo, 10%, mas para qualquer momento do resgate antecipado Permitida Obrigatória PP ou PM ( não pode ser PU) No máximo 15% dos valores pagos Possível desde que possibilite ao titular a aquisição de bem ou serviço acordado No mínimo, igual a 90% da taxa de juros da poupança Em regra, por índice de preço. Excepcionalmente pode ser aprovado outro índice.

90 Popular Objetivo: propiciar a participação do titular em sorteios, sem que haja a devolução integral dos valores pagos. Nas condições gerais e na ficha de cadastro, quando prevista, deve constar: Este título restituirá ao final de sua vigência valor inferior ao total dos pagamentos efetuados. A contratação desse título é apropriada principalmente na hipótese de o subscritor estar interessado em participar dos sorteios. Consulte a tabela de resgate para observar a evolução do percentual de resgate, de acordo com os meses de vigência do título.

91 Popular Regras especiais: O custo com sorteios deverá corresponder, no mínimo, 5% e, no máximo, 25% dos pagamentos efetuados. Para títulos PM, o valor de cada prêmio bruto individual que deve ser garantido a cada título sorteado não poderá ser inferior a 12 vezes o valor dos pagamentos. Deve ser prevista a realização de, no mínimo, 1 sorteio a cada semestre de vigência do título.

92 Popular Quadro-resumo: Saldo da PMR ao final da vigência Provisão de bônus Ficha de cadastro Tipos de título Custo com sorteio Taxa de juros Índice de atualização da PMR Inferior a 100% do valor pago pelo subscritor Vetada Facultativa PU, PP ou PM No mínimo, 5% e, no máximo 25% dos valores pagos No mínimo, igual a 20% da taxa de juros da poupança Índice de preço ou TR

93 Incentivo O título está vinculado a um evento promocional de caráter comercial instituído pelo subscritor, ou seja, uma empresa interessada em alavancar suas vendas, por exemplo, adquire uma série de títulos para que seus clientes concorram a sorteios. A cessão gratuita do direito de participação nos sorteios é obrigatória, porém a cessão de direito de resgate é facultativa.

94 Incentivo Características específicas: A carência para resgate deve ser, no mínimo, 1 mês, nos casos em que não seja prevista a cessão do direito de resgate ao consumidor. Nos casos onde a empresa cede também o direito ao resgate, poderá ou não ser estabelecido prazo de carência. Numa promoção somente podem ser comercializadas séries exclusivas, ou seja, feitas especificamente para aquele subscritor.

95 Incentivo Quadro-resumo: Saldo da PMR ao final da vigência Direito de participação nos sorteios Provisão de bônus Ficha de cadastro Tipos de título Custo com sorteio Taxa de juros Carência para títulos sem a cessão do direito de resgate Comercialização de títulos Não há limites expressos na legislação Obrigatória a cessão gratuita aos consumidores da empresa Vetada Facultativa PU, PP ou PM No máximo 25% dos valores pagos No mínimo, igual a 20% da taxa de juros da poupança No mínimo, 1 mês Por meio de séries exclusivas

96 Condições Gerais

97 Condições Gerais 1) Qual o prazo de vigência do título? 2) Com quantos meses em atraso o título é cancelado? 3) Qual o tamanho da série a qual pertence o título? 4) A quantos sorteios o título concorrerá por mês? 5) Qual o valor bruto da premiação prevista? 6) Qual o IR a ser pago em caso de premiação? 7) Esse título prevê liquidação antecipada por sorteio? 8) Qual o prazo de carência previsto? 9) O título prevê resgate parcial? 10) Considere o valor de pagamento de R$ 10,00. Qual será o valor aproximado de resgate para um título no qual foram realizados 10 pagamentos? 11) Qual a penalidade adotada para resgates feitos entre o 7º e o 12º mês de vigência? 12) Quais são os índices de atualização de capital e de pagamentos, respectivamente?

98 Capitalização Rodrigo Maia

Procon, Fiscalizadores, Reguladores e a transparência na relação consumo.

Procon, Fiscalizadores, Reguladores e a transparência na relação consumo. Classificação das Sociedades - Existem 2 categorias : Conglomerados financeiros Concentram se em público-alvo, que são os clientes do próprio conglomerado, pertence a uma sociedade participativa liderada

Leia mais

VI - PAGAMENTO 6.1 - Este Título é de pagamento único, cabendo ao Subscritor o pagamento de uma única parcela na data indicada.

VI - PAGAMENTO 6.1 - Este Título é de pagamento único, cabendo ao Subscritor o pagamento de uma única parcela na data indicada. CONDIÇÕES GERAIS DO (PU 12 MESES versão 178) I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: Sul América Capitalização S.A. SULACAP CNPJ Nº 03.558.096/0001-04 (PU 12 MESES versão 178) - MODALIDADE:

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO APLICAP 026

CONDIÇÕES GERAIS DO APLICAP 026 CONDIÇÕES GERAIS DO APLICAP 026 I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: APLICAP CAPITALIZAÇÃO S.A. CNPJ: 13.122.801/0001-71 APLICAP 026 MODALIDADE: PU POPULAR PROCESSO SUSEP Nº: 15414.900500/2014-62

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO SOS MATA ATLÂNTICA

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO SOS MATA ATLÂNTICA CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO SOS MATA ATLÂNTICA I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRADESCO CAPITALIZAÇÃO S/A CNPJ: 33.010.851/0001-74 PÉ QUENTE BRADESCO SOS MATA ATLÂNTICA PLANO

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO PRIME

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO PRIME CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO PRIME I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRADESCO CAPITALIZAÇÃO S/A CNPJ: 33.010.851/0001-74 PÉ QUENTE BRADESCO PRIME PLANO PM 48/48 P - MODALIDADE:

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS SUPERXCAP

CONDIÇÕES GERAIS SUPERXCAP CONDIÇÕES GERAIS SUPERXCAP Versão 2013 Processo SUSEP Nº: 15414.900275/2013-83 ÍNDICE I II III IV V VI VII VIII IX X XI XII XIII XIV INFORMAÇÕES INICIAIS........... Pág. 4 GLOSSÁRIO... Pág. 4 OBJETIVO...

Leia mais

ICATU SEGUROS Condições Gerais Página 1

ICATU SEGUROS Condições Gerais Página 1 CONDIÇÕES GERAIS DO PU114P I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: ICATU CAPITALIZAÇÃO S.A. CNPJ: 74.267.170/0001-73 PLANO PU114P MODALIDADE: POPULAR PROCESSO SUSEP Nº: 15414.005166/2011-99II

Leia mais

Condições Gerais Agromania CAP

Condições Gerais Agromania CAP Condições Gerais Agromania CAP CONDIÇÕES GERAIS DO (PU 12 MESES VERSÃO 16) I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: Sul América Capitalização S.A. SULACAP CNPJ Nº 03.558.096/0001-04 (PU 12 MESES

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO (NOME FANTASIA DO PRODUTO) (NOME FANTASIA DO PRODUTO) - MODALIDADE: INCENTIVO PROCESSO SUSEP Nº: (nº processo SUSEP)

CONDIÇÕES GERAIS DO (NOME FANTASIA DO PRODUTO) (NOME FANTASIA DO PRODUTO) - MODALIDADE: INCENTIVO PROCESSO SUSEP Nº: (nº processo SUSEP) - textos na cor azul serão adotados caso selecionados; - textos na cor vermelha deverão ser suprimidos no documento original e trata-se de informações para a elaboração do Título; - textos em negrito,

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO TC CASH 36

CONDIÇÕES GERAIS DO TC CASH 36 Página 1 de 7 CONDIÇÕES GERAIS DO TC CASH 36 I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: HSBC Empresa de Capitalização (Brasil) S.A. CNPJ: 33.425.075/0001-73 TC CASH 36 MODALIDADE: TRADICIONAL PROCESSO

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO REALCAP MEGA SONHOS. (Empresa Incorporadora da Real Capitalização S.A. desde 30/09/2009)

CONDIÇÕES GERAIS DO REALCAP MEGA SONHOS. (Empresa Incorporadora da Real Capitalização S.A. desde 30/09/2009) CONDIÇÕES GERAIS DO REALCAP MEGA SONHOS I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: Santander Capitalização S/A (Empresa Incorporadora da Real Capitalização S.A. desde 30/09/2009) CNPJ: 03.209.092/0001-02

Leia mais

TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO

TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO CONDIÇÕES GERAIS TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO CONDIÇÕES GERAIS ÍNDICE I Informações Iniciais... 4 II Glossário... 4 III Objetivo... 5 IV Natureza do Título... 5 V Vigência... 5 VI Pagamento... 5 VII Carência...

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO SORTE DIA&NOITE

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO SORTE DIA&NOITE I INFORMAÇÕES INICIAIS CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO SORTE DIA&NOITE SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRADESCO CAPITALIZAÇÃO S/A CNPJ: 33.010.851/0001-74 PÉ QUENTE BRADESCO SORTE DIA&NOITE PLANO PM

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO PU 15 MESES

CONDIÇÕES GERAIS DO PU 15 MESES CONDIÇÕES GERAIS DO PU 15 MESES I INFORMAÇÕES INICIAIS II - GLOSSÁRIO SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: Sul América Capitalização S.A. SULACAP CNPJ: 03.558.096/0001-04 (PU 15 MESES) - MODALIDADE: TRADICIONAL

Leia mais

I INFORMAÇÕES INICIAIS II - GLOSSÁRIO

I INFORMAÇÕES INICIAIS II - GLOSSÁRIO I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: INVEST CAPITALIZAÇÃO S/A CNPJ: 93.202.448/0001-79 (NOME FANTASIA DO PRODUTO): INVESTCAP TRAD-PU 03 (12M) MODALIDADE: TRADICIONAL PROCESSO SUSEP Nº: 15414.900283/2013-20

Leia mais

CAPITALIZAÇÃO 2615.99.00.E -FEV/14 1

CAPITALIZAÇÃO 2615.99.00.E -FEV/14 1 CAPITALIZAÇÃO I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: Porto Seguro Capitalização S.A. CNPJ Nº 16.551.758/0001-58 MODALIDADE I: Tradicional PROCESSO SUSEP Nº: 15414.003346/2012-17 II GLOSSÁRIO

Leia mais

TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO APLUBCAP POPULAR 510 MODALIDADE POPULAR PAGAMENTO ÚNICO CONDIÇÕES GERAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: APLUB CAPITALIZAÇÃO S. A.

TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO APLUBCAP POPULAR 510 MODALIDADE POPULAR PAGAMENTO ÚNICO CONDIÇÕES GERAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: APLUB CAPITALIZAÇÃO S. A. I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: APLUB CAPITALIZAÇÃO S. A. CNPJ: 88.076.302/0001-94 APLUBCAP POPULAR 510 MODALIDADE: POPULAR PROCESSO SUSEP Nº: 15414.902145/2013-85 II - GLOSSÁRIO Subscritor

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO INSTITUTO AYRTON SENNA

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO INSTITUTO AYRTON SENNA CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO INSTITUTO AYRTON SENNA I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRADESCO CAPITALIZAÇÃO S/A CNPJ: 33.010.851/0001-74 PÉ QUENTE BRADESCO INSTITUTO AYRTON

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DE TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO PLANO DE PAGAMENTO ÚNICO (PU)

CONDIÇÕES GERAIS DE TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO PLANO DE PAGAMENTO ÚNICO (PU) CONDIÇÕES GERAIS DE TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO PLANO DE PAGAMENTO ÚNICO (PU) I INFORMAÇÕES INICIAIS 1.1- SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: LIDERANÇA CAPITALIZAÇÃO S.A. 1.2- SITE DA SOCIEDADE: www.telesena.com.br

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO PU 12 MESES

CONDIÇÕES GERAIS DO PU 12 MESES CONDIÇÕES GERAIS DO PU 12 MESES I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: Sul América Capitalização S.A. SULACAP CNPJ: Nº 03.558.096/0001-04 PU 12 MESES - MODALIDADE: TRADICIONAL PROCESSO SUSEP

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO AYRTON SENNA 50 ANOS

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO AYRTON SENNA 50 ANOS CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO AYRTON SENNA 50 ANOS I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRADESCO CAPITALIZAÇÃO S/A CNPJ: 33.010.851/0001-74 PLANO PM 48/48 D - MODALIDADE: TRADICIONAL

Leia mais

HIPERPLIN www.plin.com.br MODALIDADE POPULAR PROCESSO SUSEP Nº: 15414.003762/2008-39 CONDIÇÕES GERAIS

HIPERPLIN www.plin.com.br MODALIDADE POPULAR PROCESSO SUSEP Nº: 15414.003762/2008-39 CONDIÇÕES GERAIS HIPERPLIN www.plin.com.br MODALIDADE POPULAR PROCESSO SUSEP Nº: 15414.003762/2008-39 CONDIÇÕES GERAIS GLOSSÁRIO Subscritor é a pessoa que subscreve a proposta de aquisição do Título, assumindo o compromisso

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO PIC

CONDIÇÕES GERAIS DO PIC CONDIÇÕES GERAIS DO PIC I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: CIA ITAÚ DE CAPITALIZAÇÃO CNPJ: 23.025.711/0001-16 PIC - MODALIDADE: TRADICIONAL PROCESSO SUSEP Nº: 15414.005217/2012-63 WEB-SITE:

Leia mais

TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO APLUBCAP ECO 2.1 MODALIDADE DADE INCENTIVO PAGAMENTO ÚNICO CONDIÇÕES GERAIS

TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO APLUBCAP ECO 2.1 MODALIDADE DADE INCENTIVO PAGAMENTO ÚNICO CONDIÇÕES GERAIS TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO APLUBCAP ECO.1 I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: APLUB CAPITALIZAÇÃO S. A. CNPJ: 88.076.30/0001-94 APLUBCAP ECO.1 MODALIDADE: INCENTIVO PROCESSO SUSEP Nº: 15414.0055/011-47

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS I. INFORMAÇÕES INICIAIS II. GLOSSÁRIO

CONDIÇÕES GERAIS I. INFORMAÇÕES INICIAIS II. GLOSSÁRIO CONDIÇÕES GERAIS I. INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: CARDIF CAPITALIZAÇÃO S.A. CNPJ Nº. : 11.467.788/0001-67 PRODUTO: PR_PU_POPULAR1_S100_1S_CS0834 MODALIDADE: POPULAR PROCESSO SUSEP Nº:

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO PM102T7 TRADICIONAL CNPJ: 74.267.170/0001-73 MODALIDADE: TRADICIONAL PROCESSO SUSEP Nº:

CONDIÇÕES GERAIS DO PM102T7 TRADICIONAL CNPJ: 74.267.170/0001-73 MODALIDADE: TRADICIONAL PROCESSO SUSEP Nº: CONDIÇÕES GERAIS DO PM102T7 TRADICIONAL I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: ICATU CAPITALIZAÇÃO S.A CNPJ: 74.267.170/0001-73 PM102T7 MODALIDADE: TRADICIONAL PROCESSO SUSEP Nº: II GLOSSÁRIO

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO IBICAPITALIZAÇÃO MAIS

CONDIÇÕES GERAIS DO IBICAPITALIZAÇÃO MAIS CONDIÇÕES GERAIS DO IBICAPITALIZAÇÃO MAIS I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRADESCO CAPITALIZAÇÃO S.A. CNPJ: 33.010.851/0001-74 PLANO PM 60/60 A - MODALIDADE: TRADICIONAL PROCESSO SUSEP

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO OUROCAP MULTISORTE PM24P I INFORMAÇÕES INICIAIS

CONDIÇÕES GERAIS DO OUROCAP MULTISORTE PM24P I INFORMAÇÕES INICIAIS CONDIÇÕES GERAIS DO OUROCAP MULTISORTE PM24P I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRASILCAP CAPITALIZAÇÃO S.A. CNPJ: 15.138.043/0001-05 OUROCAP MULTISORTE PM24P - MODALIDADE: TRADICIONAL

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO 100 II

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO 100 II CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO 100 II I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRADESCO CAPITALIZAÇÃO S/A. CNPJ: 33.010.851/0001-74 PÉ QUENTE BRADESCO 100 II PLANO PU 36/001 B1 - MODALIDADE:

Leia mais

TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO ZURICHCAP INCENTIVO Nº 07 PU I07 MODALIDADE INCENTIVO PAGAMENTO ÚNICO CONDIÇÕES GERAIS

TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO ZURICHCAP INCENTIVO Nº 07 PU I07 MODALIDADE INCENTIVO PAGAMENTO ÚNICO CONDIÇÕES GERAIS DA ZURICHCAP INCENTIVO Nº 07 PU I07 I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: ZURICH BRASIL CAPITALIZAÇÃO S/A. CNPJ: 17.266.009/0001-41 MODALIDADE: INCENTIVO PROCESSO SUSEP Nº: II - GLOSSÁRIO

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO OUROCAP EMPRESA FLEX

CONDIÇÕES GERAIS DO OUROCAP EMPRESA FLEX CONDIÇÕES GERAIS DO OUROCAP EMPRESA FLEX I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRASILCAP CAPITALIZAÇÃO S.A. CNPJ: 15.138.043/0001-05 OUROCAP EMPRESA FLEX - MODALIDADE: TRADICIONAL PROCESSO

Leia mais

TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO - APLUBCAP TRADICIONAL 16 MODALIDADE TRADICIONAL - PAGAMENTO ÚNICO

TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO - APLUBCAP TRADICIONAL 16 MODALIDADE TRADICIONAL - PAGAMENTO ÚNICO TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO - APLUBCAP TRADICIONAL 16 MODALIDADE TRADICIONAL - PAGAMENTO ÚNICO CONDIÇÕES GERAIS I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: APLUB CAPITALIZAÇÃO S/A CNPJ: 88.076.302/0001-94

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS PU 12 meses 1 sorteio, pagamento variável Modalidade: Incentivo Processo SUSEP: 15414.003760/2011-45

CONDIÇÕES GERAIS PU 12 meses 1 sorteio, pagamento variável Modalidade: Incentivo Processo SUSEP: 15414.003760/2011-45 CONDIÇÕES GERAIS PU 12 meses 1 sorteio, pagamento variável Modalidade: Incentivo Processo SUSEP: 15414.003760/2011-45 1. Glossário Subscritor é quem adquire o Título, assumindo o compromisso de efetuar

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO DIN DIN COPA SANTANDER LIBERTADORES

CONDIÇÕES GERAIS DO DIN DIN COPA SANTANDER LIBERTADORES CONDIÇÕES GERAIS DO DIN DIN COPA SANTANDER LIBERTADORES I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: Santander Capitalização S/A CNPJ: 03.209.092/0001-02 Din Din Copa Santander Libertadores MODALIDADE:

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO PREMIUM CASH

CONDIÇÕES GERAIS DO PREMIUM CASH CONDIÇÕES GERAIS DO PREMIUM CASH I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRADESCO CAPITALIZAÇÃO S/A CNPJ: 33.010.851/0001-74 PREMIUM CASH PLANO PM 60/60 N - MODALIDADE: TRADICIONAL PROCESSO

Leia mais

Condições Gerais. I Informações Iniciais

Condições Gerais. I Informações Iniciais Condições Gerais I Informações Iniciais Sociedade de Capitalização: MAPFRE Capitalização S.A. CNPJ: 09.382.998/0001-00 Nome Fantasia do Produto: Mc-T-04- Pu 12 Meses Modalidade: Tradicional Processo Susep

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO PESSOA JURÍDICA

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO PESSOA JURÍDICA CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO PESSOA JURÍDICA I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRADESCO CAPITALIZAÇÃO S/A. CNPJ: 33.010.851/0001-74 PÉ QUENTE BRADESCO PESSOA JURÍDICA PLANO PU

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS. Pagamento Cota de sorteio % Cota de carregamento % Cota de Capitalização % 1º ao 3º 5,336% 59,464% 35,20%

CONDIÇÕES GERAIS. Pagamento Cota de sorteio % Cota de carregamento % Cota de Capitalização % 1º ao 3º 5,336% 59,464% 35,20% CONDIÇÕES GERAIS GLOSSÁRIO Subscritor é a pessoa que subscreve a proposta de aquisição do Título, assumindo o compromisso de efetuar o pagamento na forma convencionada nestas Condições Gerais. Titular

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS CONFIANÇA CAP

CONDIÇÕES GERAIS CONFIANÇA CAP CONDIÇÕES GERAIS CONFIANÇA CAP CONDIÇÕES GERAIS DO CONFIANÇA CAP CONDIÇÕES GERAIS CONFIANÇA CAP Versão: 05/2013 Proc. SUSEP 15414.004330/2012-21 CONDIÇÕES GERAIS DO CONFIANÇA CAP SUMÁRIO I - INFORMAÇÕES

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS SANTANDER CAP SORTE UNIVERSITÁRIO I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO:

CONDIÇÕES GERAIS SANTANDER CAP SORTE UNIVERSITÁRIO I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: CONDIÇÕES GERAIS SANTANDER CAP SORTE UNIVERSITÁRIO I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: Santander Capitalização S/A CNPJ: 03.209.092/0001-02 MODALIDADE: TRADICIONAL PROCESSO SUSEP Nº: 15414.001039/2009-04

Leia mais

GLOSSÁRIO. Subscritor é a pessoa que adquire o Título, responsabilizando-se pelo seu pagamento.

GLOSSÁRIO. Subscritor é a pessoa que adquire o Título, responsabilizando-se pelo seu pagamento. GLOSSÁRIO Subscritor é a pessoa que adquire o Título, responsabilizando-se pelo seu pagamento. Titular é o próprio subscritor ou outra pessoa expressamente indicada pelo mesmo, sendo este o proprietário

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS Troca Premiável Bradesco Seguros

CONDIÇÕES GERAIS Troca Premiável Bradesco Seguros I INFORMAÇÕES INICIAIS CONDIÇÕES GERAIS Troca Premiável Bradesco Seguros SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRADESCO CAPITALIZAÇÃO S.A. CNPJ: 33.010.851/0001-74 PLANO PU 12/12 T MODALIDADE POPULAR PROCESSO SUSEP

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS. Mês de Vigência Taxa de Juros 1º 0,65% a.m. 2º ao 12º 0,45% a.m.

CONDIÇÕES GERAIS. Mês de Vigência Taxa de Juros 1º 0,65% a.m. 2º ao 12º 0,45% a.m. PLIN FIDELIDADE MODALIDADE TRADICIONAL PROCESSO SUSEP Nº: 15414.003764/2008-28 CONDIÇÕES GERAIS GLOSSÁRIO Subscritor é a pessoa que subscreve a proposta de aquisição do Título, assumindo o compromisso

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DE TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO PLANO DE PAGAMENTO ÚNICO (PU)

CONDIÇÕES GERAIS DE TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO PLANO DE PAGAMENTO ÚNICO (PU) CONDIÇÕES GERAIS DE TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO PLANO DE PAGAMENTO ÚNICO (PU) I INFORMAÇÕES INICIAIS 1.1- SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: LIDERANÇA CAPITALIZAÇÃO S.A. 1.2- SITE DA SOCIEDADE: www.telesena.com.br

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS - TC MEGA DATA

CONDIÇÕES GERAIS - TC MEGA DATA Página 1 de 6 CONDIÇÕES GERAIS - TC MEGA DATA I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: HSBC Empresa de Capitalização (Brasil) S.A. TC MEGA DATA MODALIDADE: TRADICIONAL PROCESSO SUSEP Nº 15414.000814/2006-53

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO BRADESCO SOLUÇÃO DE ALUGUEL

CONDIÇÕES GERAIS DO BRADESCO SOLUÇÃO DE ALUGUEL I INFORMAÇÕES INICIAIS CONDIÇÕES GERAIS DO BRADESCO SOLUÇÃO DE ALUGUEL SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRADESCO CAPITALIZAÇÃO S.A. CNPJ: 33.010.851/0001-74 BRADESCO SOLUÇÃO DE ALUGUEL PLANO PU 15/15 A - MODALIDADE:

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO CAP FIADOR I INFORMAÇÕES INICIAIS. SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: Brasilcap Capitalização S.A. CNPJ: 15.138.043/0001-05 II GLOSSÁRIO

CONDIÇÕES GERAIS DO CAP FIADOR I INFORMAÇÕES INICIAIS. SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: Brasilcap Capitalização S.A. CNPJ: 15.138.043/0001-05 II GLOSSÁRIO CONDIÇÕES GERAIS DO CAP FIADOR I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: Brasilcap Capitalização S.A. CNPJ: 15.138.043/0001-05 CAP FIADOR MODALIDADE: Tradicional PROCESSO SUSEP Nº: 15414.005233/2011-75

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO TRICAP (PM910T3 TRADICIONAL)

CONDIÇÕES GERAIS DO TRICAP (PM910T3 TRADICIONAL) I INFORMAÇÕES INICIAIS II GLOSSÁRIO CONDIÇÕES GERAIS DO TRICAP (PM910T3 TRADICIONAL) SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: ICATU CAPITALIZAÇÃO S.A. CNPJ: 74.267.170/0001-73 PM BÔNUS - MODALIDADE: TRADICIONAL PROCESSO

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO PM110P3 POPULAR

CONDIÇÕES GERAIS DO PM110P3 POPULAR I INFORMAÇÕES INICIAIS CONDIÇÕES GERAIS DO PM110P3 POPULAR SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: ICATU CAPITALIZAÇÃO S.A. CNPJ: 74.267.170/0001-73 PM110P3 - MODALIDADE: POPULAR PROCESSO SUSEP Nº: 15414.003600/2011-04

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DIN DIN DO RONALDO

CONDIÇÕES GERAIS DIN DIN DO RONALDO CONDIÇÕES GERAIS DIN DIN DO RONALDO GLOSSÁRIO Subscritor é a pessoa que subscreve a proposta de aquisição do Título, assumindo o compromisso de efetuar o pagamento na forma convencionada nestas Condições

Leia mais

PP650V7 TRADICIONAL CONDIÇÕES GERAIS PROCESSO SUSEP Nº 15414.000663/2009-86 CONDIÇÕES GERAIS I INFORMAÇÕES GERAIS

PP650V7 TRADICIONAL CONDIÇÕES GERAIS PROCESSO SUSEP Nº 15414.000663/2009-86 CONDIÇÕES GERAIS I INFORMAÇÕES GERAIS CONDIÇÕES GERAIS I INFORMAÇÕES GERAIS II - GLOSSÁRIO PP650V7 TRADICIONAL CONDIÇÕES GERAIS PROCESSO SUSEP Nº 15414.000663/2009-86 SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: ICATU HARTFORD CAPITALIZAÇÃO S.A. CNPJ: 74.267.170/0001-73

Leia mais

CG DA MODALIDADE POPULAR PM CONDIÇÕES GERAIS DO APLUBCAP POPULAR 2262 SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: APLUB CAPITALIZAÇÃO S. A. CNPJ: 88.076.

CG DA MODALIDADE POPULAR PM CONDIÇÕES GERAIS DO APLUBCAP POPULAR 2262 SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: APLUB CAPITALIZAÇÃO S. A. CNPJ: 88.076. CONDIÇÕES GERAIS DO APLUBCAP POPULAR 2262 I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: APLUB CAPITALIZAÇÃO S. A. CNPJ: 88.076.302/0001-94 APLUBCAP POPULAR 226 MODALIDADE: POPULAR PROCESSO SUSEP Nº:

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO DE PAGAMENTO MENSAL (CÓDIGO 45.1) VIP 200

CONDIÇÕES GERAIS TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO DE PAGAMENTO MENSAL (CÓDIGO 45.1) VIP 200 CONDIÇÕES GERAIS TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO DE PAGAMENTO MENSAL (CÓDIGO 45.1) VIP 200 CONDIÇÕES GERAIS TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO DE PAGAMENTO MENSAL (CÓDIGO 45.1) GLOSSÁRIO _ Subscritor é a pessoa que subscreve

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS. I - INFORMAÇÕES INICIAIS Sociedade de Capitalização - APLUB Capita-lização S.A. CNPJ - 88.076.302/0001-94 Modalidade: Popular

CONDIÇÕES GERAIS. I - INFORMAÇÕES INICIAIS Sociedade de Capitalização - APLUB Capita-lização S.A. CNPJ - 88.076.302/0001-94 Modalidade: Popular ESTIPULANTE SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO CONDIÇÕES GERAIS TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO - APLUB SORTE EXTRA - TCA 420 (PROC. SUSEP Nº 15414.200104/2009-74), da APLUB Capitalização S. A. I - INFORMAÇÕES INICIAIS

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS - DIN DIN JUNINA

CONDIÇÕES GERAIS - DIN DIN JUNINA CONDIÇÕES GERAIS - DIN DIN JUNINA GLOSSÁRIO Subscritor é a pessoa que subscreve a proposta de aquisição do Título, assumindo o compromisso de efetuar o pagamento na forma convencionada nestas Condições

Leia mais

TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO APLUBCAP POPULAR 513 MODALIDADE POPULAR PAGAMENTO MENSAL CONDIÇÕES GERAIS

TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO APLUBCAP POPULAR 513 MODALIDADE POPULAR PAGAMENTO MENSAL CONDIÇÕES GERAIS I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: APLUB CAPITALIZAÇÃO S. A. CNPJ: 88.076.302/0001-94 APLUBCAP POPULAR 513 MODALIDADE: POPULAR PROCESSO SUSEP Nº: 15414.900001/2014-75 II - GLOSSÁRIO Subscritor

Leia mais

TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO APLUBCAP POPULAR 200 MODALIDADE POPULAR PAGAMENTO MENSAL CONDIÇÕES GERAIS

TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO APLUBCAP POPULAR 200 MODALIDADE POPULAR PAGAMENTO MENSAL CONDIÇÕES GERAIS I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: APLUB CAPITALIZAÇÃO S. A. CNPJ: 88.076.302/0001-94 APLUBCAP POPULAR 200 MODALIDADE: POPULAR PROCESSO SUSEP Nº: 15414.900570/2013-30 II - GLOSSÁRIO Subscritor

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO REALCAP PRESENTE. (Empresa Incorporadora da Real Capitalização S.A. desde 30/09/2009) CNPJ: 03.209.092/0001-02

CONDIÇÕES GERAIS DO REALCAP PRESENTE. (Empresa Incorporadora da Real Capitalização S.A. desde 30/09/2009) CNPJ: 03.209.092/0001-02 CONDIÇÕES GERAIS DO REALCAP PRESENTE I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: Santander Capitalização S/A (Empresa Incorporadora da Real Capitalização S.A. desde 30/09/2009) CNPJ: 03.209.092/0001-02

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO PU Tricap Empresarial Único 1000 TRADICIONAL

CONDIÇÕES GERAIS DO PU Tricap Empresarial Único 1000 TRADICIONAL CONDIÇÕES GERAIS DO PU Tricap Empresarial Único 1000 TRADICIONAL I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: ICATU CAPITALIZAÇÃO S.A. CNPJ: 74.267.170/0001-73 PU 81.4 - MODALIDADE: TRADICIONAL PROCESSO

Leia mais

TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO APLUBCAP POPULAR 636 MODALIDADE POPULAR PAGAMENTO ÚNICO CONDIÇÕES GERAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: APLUB CAPITALIZAÇÃO S. A.

TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO APLUBCAP POPULAR 636 MODALIDADE POPULAR PAGAMENTO ÚNICO CONDIÇÕES GERAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: APLUB CAPITALIZAÇÃO S. A. I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: APLUB CAPITALIZAÇÃO S. A. CNPJ: 88.076.302/0001-94 APLUBCAP POPULAR 636 MODALIDADE: POPULAR PROCESSO SUSEP Nº: 15414.901295/2014-52 II - GLOSSÁRIO Subscritor

Leia mais

CG DA MODALIDADE TRADICIONAL PU CONDIÇÕES GERAIS DA ZURICHCAP TRADICIONAL PU 01

CG DA MODALIDADE TRADICIONAL PU CONDIÇÕES GERAIS DA ZURICHCAP TRADICIONAL PU 01 CONDIÇÕES GERAIS DA ZURICHCAP TRADICIONAL PU 01 I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: ZURICH BRASIL CAPITALIZAÇÃO S/A. CNPJ: 17.266.009/0001-41 ZURICHCAP TRADICIONAL PU 01 MODALIDADE: TRADICIONAL

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO Tricap Empresarial Mensal TRADICIONAL

CONDIÇÕES GERAIS DO Tricap Empresarial Mensal TRADICIONAL CONDIÇÕES GERAIS DO Tricap Empresarial Mensal TRADICIONAL I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: ICATU CAPITALIZAÇÃO S.A. CNPJ: 74.267.170/0001-73 PM930T4 MODALIDADE: TRADICIONAL PROCESSO SUSEP

Leia mais

CNPJ: 03.209.092/0001-02 MODALIDADE: TRADICIONAL PROCESSO SUSEP Nº: 15414.004260/2008-25 WEB-SITE:

CNPJ: 03.209.092/0001-02 MODALIDADE: TRADICIONAL PROCESSO SUSEP Nº: 15414.004260/2008-25 WEB-SITE: CONDIÇÕES GERAIS SANTANDER CAP SORTE FÁCIL I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: Santander Capitalização S/A CNPJ: 03.209.092/0001-02 MODALIDADE: TRADICIONAL PROCESSO SUSEP Nº: 15414.004260/2008-25

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DE TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO PLANO DE PAGAMENTO ÚNICO (PU)

CONDIÇÕES GERAIS DE TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO PLANO DE PAGAMENTO ÚNICO (PU) CONDIÇÕES GERAIS DE TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO PLANO DE PAGAMENTO ÚNICO (PU) I INFORMAÇÕES INICIAIS 1.1- SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: LIDERANÇA CAPITALIZAÇÃO S.A. 1.2- SITE DA SOCIEDADE: www.telesena.com.br

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO OUROCAP TORCIDA BRASIL

CONDIÇÕES GERAIS DO OUROCAP TORCIDA BRASIL CONDIÇÕES GERAIS DO OUROCAP TORCIDA BRASIL I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: Brasilcap Capitalização S.A. CNPJ: 15.138.043/0001-05 OUROCAP TORCIDA BRASIL MODALIDADE: TRADICIONAL PROCESSO

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: APLUB CAPITALIZAÇÃO S. A. CNPJ: 88.076.302/0001-94 PROCESSO SUSEP Nº: 15414.

CONDIÇÕES GERAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: APLUB CAPITALIZAÇÃO S. A. CNPJ: 88.076.302/0001-94 PROCESSO SUSEP Nº: 15414. I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: APLUB CAPITALIZAÇÃO S. A. CNPJ: 88.076.302/0001-94 APLUBCAP POPULAR 166 : POPULAR PROCESSO SUSEP Nº: 15414.004323/2012-20 II - GLOSSÁRIO Subscritor é

Leia mais

RealCap PM Sonhos - Sorteios Mensais CONDIÇÕES GERAIS GLOSSÁRIO

RealCap PM Sonhos - Sorteios Mensais CONDIÇÕES GERAIS GLOSSÁRIO RealCap PM Sonhos - Sorteios Mensais CONDIÇÕES GERAIS GLOSSÁRIO Subscritor é a pessoa que subscreve a proposta de aquisição do Título, assumindo o compromisso de efetuar o pagamento na forma convencionada

Leia mais

Cota de sorteio. carregamento (%) capitalização (%) 1º a 3º 2,20 87,80 10,00 4º 2,20 67,80 30,00 5º a 60º 2,20 6,39 91,41

Cota de sorteio. carregamento (%) capitalização (%) 1º a 3º 2,20 87,80 10,00 4º 2,20 67,80 30,00 5º a 60º 2,20 6,39 91,41 HIPERPLIN Processo SUSEP: 15414.003979/2006-87 Período de Comercialização: desde agosto/07 CONDIÇÕES GERAIS GLOSSÁRIO Subscritor é a pessoa que subscreve a proposta de aquisição do Título, assumindo o

Leia mais

PM 60 SA SITE NA INTERNET: www.brasilcap.com CONDIÇÕES GERAIS

PM 60 SA SITE NA INTERNET: www.brasilcap.com CONDIÇÕES GERAIS PM 60 SA SITE NA INTERNET: www.brasilcap.com CONDIÇÕES GERAIS GLOSSÁRIO Subscritor é a pessoa que subscreve a proposta de aquisição do Título, assumindo o compromisso de efetuar o pagamento na forma convencionada

Leia mais

criada em 1964 com o objetivo de captar os recursos das poupanças populares e direcionálos para o financiamento habitacional.

criada em 1964 com o objetivo de captar os recursos das poupanças populares e direcionálos para o financiamento habitacional. criada em 1964 com o objetivo de captar os recursos das poupanças populares e direcionálos para o financiamento habitacional. conhecida popularmente por poupança Durante esses vários anos de existência

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO PRODUTO CAIXACAP VITÓRIA

CONDIÇÕES GERAIS DO PRODUTO CAIXACAP VITÓRIA CONDIÇÕES GERAIS DO PRODUTO CAIXACAP VITÓRIA GLOSSÁRIO Subscritor é a pessoa que subscreve a proposta de aquisição do Título, assumindo o compromisso de efetuar o pagamento na forma convencionada nestas

Leia mais

SANTANDER CAP. Condições Gerais. I - Objetivo

SANTANDER CAP. Condições Gerais. I - Objetivo SANTANDER CAP Condições Gerais I - Objetivo Art. 1º - A SANTANDER CAPITALIZAÇÃO S.A., doravante denominada Sociedade de Capitalização, institui o Título de Capitalização ora descrito e devidamente aprovado

Leia mais

GLOSSÁRIO. Data de aniversário é o mesmo dia do início de vigência para todos os meses subsequentes, enquanto o plano estiver em vigor.

GLOSSÁRIO. Data de aniversário é o mesmo dia do início de vigência para todos os meses subsequentes, enquanto o plano estiver em vigor. PLIN EMPRESARIAL Processo SUSEP: 15414.003337/2007-69 Período de Comercialização: 26/10/2007 a 27/02/2009 CONDIÇÕES GERAIS GLOSSÁRIO Subscritor é a pessoa que subscreve a proposta de aquisição do Título,

Leia mais

OUROCAP ESTILO FLEX SITE NA INTERNET: www.brasilcap.com CONDIÇÕES GERAIS MODALIDADE TRADICIONAL GLOSSÁRIO

OUROCAP ESTILO FLEX SITE NA INTERNET: www.brasilcap.com CONDIÇÕES GERAIS MODALIDADE TRADICIONAL GLOSSÁRIO OUROCAP ESTILO FLEX SITE NA INTERNET: www.brasilcap.com CONDIÇÕES GERAIS MODALIDADE TRADICIONAL GLOSSÁRIO Subscritor - é a pessoa que subscreve a proposta de aquisição do Título, assumindo o compromisso

Leia mais

PM48 MPE. SITE NA INTERNET : www.brasilcap.com CONDIÇÕES GERAIS GLOSSÁRIO

PM48 MPE. SITE NA INTERNET : www.brasilcap.com CONDIÇÕES GERAIS GLOSSÁRIO PM48 MPE SITE NA INTERNET : www.brasilcap.com CONDIÇÕES GERAIS GLOSSÁRIO Subscritor é a pessoa que subscreve a proposta de aquisição do Título, assumindo o compromisso de efetuar o pagamento na forma convencionada

Leia mais

I INFORMAÇÕES INICIAIS II - GLOSSÁRIO

I INFORMAÇÕES INICIAIS II - GLOSSÁRIO I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: INVEST CAPITALIZAÇÃO S/A CNPJ: 93.202.448/0001-79 NOME FANTASIA DO PRODUTO: INVESTCAP POP-PM 61 MODALIDADE: POPULAR PROCESSO SUSEP Nº: 15414.901593/2014-42

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO PRODUTO FEDERALCAP MENSAL (PM 60 PADRÃO)

CONDIÇÕES GERAIS DO PRODUTO FEDERALCAP MENSAL (PM 60 PADRÃO) CONDIÇÕES GERAIS DO PRODUTO FEDERALCAP MENSAL (PM 60 - PADRÃO) 1. INTRODUÇÃO 1.1. A FEDERAL CAPITALIZAÇÃO S.A., a seguir denominada EMITENTE, é uma sociedade especializada na instituição e administração

Leia mais

PLIN DOS SONHOS Processo SUSEP: 15414.003752/2004-70 Período de Comercialização: 01/03/2005 a 27/02/2009

PLIN DOS SONHOS Processo SUSEP: 15414.003752/2004-70 Período de Comercialização: 01/03/2005 a 27/02/2009 PLIN DOS SONHOS Processo SUSEP: 15414.003752/2004-70 Período de Comercialização: 01/03/2005 a 27/02/2009 CONDIÇÕES GERAIS GLOSSÁRIO Subscritor - é a pessoa que subscreve a proposta de aquisição do Título,

Leia mais

OUROCAP EMPRESA CONDIÇÕES GERAIS - MODALIDADE TRADICIONAL SITE NA INTERNET: www.brasilcap.com GLOSSÁRIO

OUROCAP EMPRESA CONDIÇÕES GERAIS - MODALIDADE TRADICIONAL SITE NA INTERNET: www.brasilcap.com GLOSSÁRIO OUROCAP EMPRESA CONDIÇÕES GERAIS - MODALIDADE TRADICIONAL SITE NA INTERNET: www.brasilcap.com GLOSSÁRIO Subscritor - é a pessoa que subscreve a proposta de aquisição do Título, assumindo o compromisso

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO MELHOR IDADE

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO MELHOR IDADE CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO MELHOR IDADE I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRADESCO CAPITALIZAÇÃO S/A CNPJ: 33.010.851/0001-74 PÉ QUENTE BRADESCO MELHOR IDADE PLANO PM 60/60

Leia mais

CIRCULAR Nº 255, DE 4 DE JUNHO DE 2004

CIRCULAR Nº 255, DE 4 DE JUNHO DE 2004 SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS CIRCULAR Nº 255, DE 4 DE JUNHO DE 2004 Dispõe sobre a atualização de valores relativos às operações de seguros, de previdência complementar aberta e de capitalização,

Leia mais

(R$500)Título de Capitalização de Pagamento Único Cód. 11.4. Condições Gerais. Glossário

(R$500)Título de Capitalização de Pagamento Único Cód. 11.4. Condições Gerais. Glossário (R$500)Título de Capitalização de Pagamento Único Cód. 11.4 Condições Gerais Glossário Subscritor - é a pessoa que subscreve a proposta de aquisição do Título, assumindo o compromisso de efetuar o na forma

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO DA CASA

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO DA CASA CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO DA CASA I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRADESCO CAPITALIZAÇÃO S/A CNPJ: 33.010.851/0001-74 PÉ QUENTE BRADESCO DA CASA PLANO PM 30/30 - MODALIDADE:

Leia mais

Venda exclusiva para pessoa jurídica. Condições Gerais EMPRESARIAL

Venda exclusiva para pessoa jurídica. Condições Gerais EMPRESARIAL Venda exclusiva para pessoa jurídica. Condições Gerais O IDEAL CAP Empresarial é um título de capitalização de pagamento mensal que ajuda você a guardar dinheiro para tirar os projetos do papel. Além disso,

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 162, DE 2006.

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 162, DE 2006. MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS RESOLUÇÃO CNSP N o 162, DE 2006. Institui regras e procedimentos para a constituição das provisões técnicas das sociedades seguradoras, entidades

Leia mais

CIRCULAR SUSEP N o 255, de 4 de junho de 2004.

CIRCULAR SUSEP N o 255, de 4 de junho de 2004. CIRCULAR SUSEP N o 255, de 4 de junho de 2004. Dispõe sobre a atualização de valores relativos às operações de seguros, de previdência complementar aberta e de capitalização, e dá outras providências.

Leia mais

PROGRAMA DE CAPITALIZAÇÃO SORTE SEMPRE

PROGRAMA DE CAPITALIZAÇÃO SORTE SEMPRE PROGRAMA DE CAPITALIZAÇÃO SORTE SEMPRE DEFINIÇÕES UTILIZADAS NESTE REGULAMENTO I) TÍTULO: Título de Capitalização da Modalidade Tradicional emitido pela APLUB Capitalização S.A. (APLUBCAP) e aprovado pela

Leia mais

Regulamento Top Seguro Digital Lojas Dadalto. 1. Cessão: Essa promoção comercial envolve apenas a cessão de participação nos sorteios.

Regulamento Top Seguro Digital Lojas Dadalto. 1. Cessão: Essa promoção comercial envolve apenas a cessão de participação nos sorteios. Regulamento Top Seguro Digital Lojas Dadalto 1. Cessão: Essa promoção comercial envolve apenas a cessão de participação nos sorteios. 2. Promotora: A Royal & Sunalliance Seguros (Brasil)S.A, é titular

Leia mais

MODALIDADE POPULAR PU PARÂMETROS DAS CONDIÇÕES GERAIS. (NOME FANTASIA DO PRODUTO) - MODALIDADE: POPULAR PROCESSO SUSEP Nº: (nº processo SUSEP)

MODALIDADE POPULAR PU PARÂMETROS DAS CONDIÇÕES GERAIS. (NOME FANTASIA DO PRODUTO) - MODALIDADE: POPULAR PROCESSO SUSEP Nº: (nº processo SUSEP) Pág.1 PARÂMETROS DAS CONDIÇÕES GERAIS I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: (NOME DA SOCIEDADE) CNPJ: (Nº CNPJ) (NOME FANTASIA DO PRODUTO) - MODALIDADE: POPULAR PROCESSO SUSEP Nº: (nº processo

Leia mais

3.5 Sorteio : 3.5.1 Valor ( máximo ou médio ponderado) do pagamento único : ( P ) 3.5.2 (P mínimo) = Valor mínimo do pagamento:

3.5 Sorteio : 3.5.1 Valor ( máximo ou médio ponderado) do pagamento único : ( P ) 3.5.2 (P mínimo) = Valor mínimo do pagamento: NOTA TÉCNICA ATUARIAL TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO Título Padrão PU MODALIDADE: (modalidade) 1 OBJETIVO O objetivo desta Nota Técnica Atuarial é apresentar as características, bases técnicas e formulações dos

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO EMPRESA SOCIOAMBIENTAL

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO EMPRESA SOCIOAMBIENTAL CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO EMPRESA SOCIOAMBIENTAL I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRADESCO CAPITALIZAÇÃO S.A. CNPJ: 33.010.851/0001-74 PÉ QUENTE BRADESCO EMPRESA SOCIOAMBIENTAL

Leia mais

CERTIFICADO INDIVIDUAL DE SEGURO MAPFRE ACIDENTES PESSOAIS PREMIADO

CERTIFICADO INDIVIDUAL DE SEGURO MAPFRE ACIDENTES PESSOAIS PREMIADO Grupo Ramo 0982 Início de vigência às 24 h do dia Nº da Apólice CERTIFICADO INDIVIDUAL DE SEGURO MAPFRE ACIDENTES PESSOAIS PREMIADO Nº do Certificado Individual Fim de vigência às 24 h do dia Data da Emissão

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO TORCIDA PÉ QUENTE BRADESCO PRIME PU

CONDIÇÕES GERAIS DO TORCIDA PÉ QUENTE BRADESCO PRIME PU I INFORMAÇÕES INICIAIS CONDIÇÕES GERAIS DO TORCIDA PÉ QUENTE BRADESCO PRIME PU SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRADESCO CAPITALIZAÇÃO S.A. CNPJ: 33.010.851/0001-74 TORCIDA PÉ QUENTE BRADESCO PRIME PU PLANO

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO PRIME SOS MATA ATLÂNTICA 300

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO PRIME SOS MATA ATLÂNTICA 300 CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO PRIME SOS MATA ATLÂNTICA 300 I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRADESCO CAPITALIZAÇÃO S/A CNPJ: 33.010.851/0001-74 PÉ QUENTE BRADESCO PRIME SOS MATA

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº, DE 2009

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº, DE 2009 PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº, DE 2009 Altera dispositivos do Decreto-lei nº 261, de 28 de fevereiro de 1967, que dispõe sobre as sociedades de capitalização, e dá outras providências. O Congresso Nacional

Leia mais

I. INFORMAÇÕES INICIAIS II. GLOSSÁRIO

I. INFORMAÇÕES INICIAIS II. GLOSSÁRIO PU_TRADICIONAL_100MM_15M Condições Gerais I. INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: CARDIF CAPITALIZAÇÃO S.A. CNPJ Nº. : 11.467.788/0001-67 PRODUTO: PU_TRADICIONAL_100MM_15M MODALIDADE: TRADICIONAL

Leia mais

PIC Condições Gerais. Cia Itaú de Capitalização I - OBJETIVO GLOSSÁRIO

PIC Condições Gerais. Cia Itaú de Capitalização I - OBJETIVO GLOSSÁRIO PIC Condições Gerais Cia Itaú de Capitalização GLOSSÁRIO Subscritor - é a pessoa que subscreve a proposta de aquisição do Título, assumindo o compromisso de efetuar o pagamento na forma convencionada nestas

Leia mais

Regulatory Practice Insurance News

Regulatory Practice Insurance News Maio 2008 INSURANCE Regulatory Practice Insurance News FINANCIAL SERVICES SUSEP Títulos de Capitalização Circular 365, de 27.05.2008 - Comercialização de títulos de capitalização Estabelece normas para

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS POSTALCAP. SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: Brasilcap Capitalização S.A. CNPJ: 15.138.043/0001-05 PROCESSO SUSEP Nº: 15414.

CONDIÇÕES GERAIS POSTALCAP. SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: Brasilcap Capitalização S.A. CNPJ: 15.138.043/0001-05 PROCESSO SUSEP Nº: 15414. CONDIÇÕES GERAIS POSTALCAP I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: Brasilcap Capitalização S.A. CNPJ: 15.138.043/0001-05 POSTALCAP MODALIDADE: POPULAR PROCESSO SUSEP Nº: 15414.902353/2014-65

Leia mais

Anexo I - Regulamento Seu Cartão Dá Sorte

Anexo I - Regulamento Seu Cartão Dá Sorte Anexo I - Regulamento Seu Cartão Dá Sorte CREDZ ADMINISTRADORA DE CARTÕES DE CRÉDITO Endereço: AVENIDA BRIGADEIRO FARIA LIMA, Nº 1309 11º ANDAR JARDIM PAULISTANO, SÃO PAULO - SP CNPJ 12.109.247/0001-20

Leia mais