TECNOLOGIA DE CEREAIS E OLEAGINOSAS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TECNOLOGIA DE CEREAIS E OLEAGINOSAS"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA - UNIPAMPA TECNOLOGIA DE CEREAIS E OLEAGINOSAS Prof a.valéria Terra Crexi

2 EPIBLASTO (capa) ABAIXO ESCUTELO: massa rica em gordura,proteínas e tiamina INTERIOR DO ESCUTELO PLÚMULA E A RADÍCULA dão origem a futura planta

3

4 Trigo: Os grãos de trigo são de forma oval, arredondados em ambos extremos. Ao longo do centro do grão se encontra o sulco e no final do sulco tem uma zona vascular fortemente pigmentada.

5 Arroz: É um cariopse coberta, ligeiramente menor que o trigo e tem um pequeno ponto no extremo oposto ao germe. Não possui sulco central.

6 Milho: O grão é maior que a dos outros cereais.

7 Aveia: O grão é de forma cilíndrica.

8 Cevada: O grão tem forma fusiforme, grosso no centro e vai diminuindo na direção de cada extremo. As cevadas de inverno tem mais casca que as de primavera.

9 Composição Química Os cereais apresentam padrão comum de composição química. Amido : principal constituinte do grão (75-80%); Proteína : 10 15% Proteínas de baixo valor biológico - baixa quantidade lisina e metionina Obs: Cevada, Centeio e Aveia - baixos valores amido - altos valores lipídios

10

11

12

13

Tecnologia do sorgo. Histórico. Gramíneas: Sorghum bicolor Recente no Brasil: uso na alimentaçã. ção o humana pouco explorada Panificaçã

Tecnologia do sorgo. Histórico. Gramíneas: Sorghum bicolor Recente no Brasil: uso na alimentaçã. ção o humana pouco explorada Panificaçã Tecnologia do sorgo Histórico Gramíneas: Sorghum bicolor Recente no Brasil: uso na alimentaçã ção o humana pouco explorada Panificaçã ção o com bons resultados FAO: 1998 59 milhões ton.. (3,3 % produçã

Leia mais

Teste de raios X: princípio e interpretação

Teste de raios X: princípio e interpretação Teste de raios X: princípio e interpretação Aula 2 LPV 5731 - ANÁLISE DE IMAGENS DE SEMENTES E PLÂNTULAS Programa de pós-graduação em Fitotecnia Francisco G Gomes-Junior Escola Superior de Agricultura

Leia mais

Uso do grão de arroz na alimentação de suínos e aves

Uso do grão de arroz na alimentação de suínos e aves Uso do grão de arroz na alimentação de suínos e aves O Brasil é o décimo maior produtor mundial de arroz e fora do continente Asiático o Brasil é o maior produtor de arroz. O volume de produção na safra

Leia mais

AMÉRICA LATINA MATRIZES ROSS 308 AP (AP95) Especificações Nutricionais. An Aviagen Brand

AMÉRICA LATINA MATRIZES ROSS 308 AP (AP95) Especificações Nutricionais. An Aviagen Brand 1 AMÉRICA LATINA MATRIZES ROSS 308 AP (AP95) Especificações Nutricionais An Aviagen Brand Introdução Este encarte contém as recomendações nutricionais para a matriz Ross 308 AP (AP95) de empenamento lento

Leia mais

1.2. Situação da Cultura do Trigo no Brasil e no Mundo

1.2. Situação da Cultura do Trigo no Brasil e no Mundo 1.2. Situação da Cultura do Trigo no Brasil e no Mundo TRIGO BALANÇO MUNDIAL Ano Área Produção Consumo Consumo Estoque final (mil ha) (mil t) (mil t) per capta (mil t) (kg/hab/ano) 2007/08 217.102 612.708

Leia mais

Especificações Nutricionais para Frangos de Corte. Junho 2007

Especificações Nutricionais para Frangos de Corte. Junho 2007 Especificações Nutricionais para Frangos de Corte Junho 2007 Introdução Nas tabelas seguintes são apresentadas as especificações nutricionais para frangos de corte, considerando situações diversas de produção

Leia mais

Professor Antônio Ruas

Professor Antônio Ruas Universidade Estadual do Rio Grande do Sul Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental Componente curricular: BIOLOGIA GERAL Aula 4 Professor Antônio Ruas 1. Temas: Macromoléculas celulares Produção

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: NUTRIÇÃO E ALIMENTAÇÃO ANIMAL Código da Disciplina: VET214 Curso: Medicina Veterinária Semestre de oferta da disciplina: 5 Faculdade responsável: Faculdade de Medicina

Leia mais

Professor Antônio Ruas

Professor Antônio Ruas Universidade Estadual do Rio Grande do Sul Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental Componente curricular: BIOLOGIA GERAL Aula 4 Professor Antônio Ruas 1. Temas: Macromoléculas celulares Produção

Leia mais

Caracterização química e rendimento de extração de amido de arroz com diferentes teores de amilose

Caracterização química e rendimento de extração de amido de arroz com diferentes teores de amilose Universidade Federal de Pelotas Programa de Pós-graduação em Ciência e Tecnologia Agroindustrial Laboratório de Pós-colheita, Industrialização e Controle de Qualidade de Grãos Caracterização química e

Leia mais

Enxofre Nutrição Mineral de Plantas ENXOFRE. Prof. Volnei Pauletti. Departamento de Solos e Engenharia Agrícola

Enxofre Nutrição Mineral de Plantas ENXOFRE. Prof. Volnei Pauletti. Departamento de Solos e Engenharia Agrícola ENXOFRE Prof. Volnei Pauletti Departamento de Solos e Engenharia Agrícola vpauletti@ufpr.br REPRESENTAÇÃO ESQUEMÁTICA DOS PRINCIPAIS COMPONENTES E PROCESSOS DO CICLO DO ENXOFRE. Enxofre S -fontes Matéria

Leia mais

Area colhida dos principais produtos agrícolas no Rio Grande do Sul 1985/90

Area colhida dos principais produtos agrícolas no Rio Grande do Sul 1985/90 Produção física dos principais produtos agrícolas no Rio Grande do Sul 1985/90 PRODUTOS 1985 1986 1987 1988 1989 (1) 1990 (2) Arroz 3 207 046 2 987 503 Aveia 63 134 71 469 Centeio 652 693 Cevada 64 772

Leia mais

ESTATÍSTICA DO SECTOR

ESTATÍSTICA DO SECTOR ESTATÍSTICA DO SECTOR Tendo em conta o universo dos seus associados, a produção de alimentos compostos para animais registou uma quebra de 3.6% em 2008, passando de 3 410 milhares de tons em 2007 para

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO MATÉRIAS-PRIMAS UTILIZADAS EM ALIMENTAÇÃO ANIMAL

CLASSIFICAÇÃO MATÉRIAS-PRIMAS UTILIZADAS EM ALIMENTAÇÃO ANIMAL I - INGREDIENTES DE ORIGEM VEGETAL ALFAFA Feno moído de alfafa 1214.10.00 8 Folhas desidratadas de alfafa 1214.90.00 8 ALGODÃO Farelo de algodão (solvente) 2306.10.00 6 Torta de algodão 2306.10.00 6 Casca

Leia mais

5.9 Controle de Pragas e Doenças

5.9 Controle de Pragas e Doenças 5.9 Controle de Pragas e Doenças 1 5.9.1 Medidas gerais de controle de pragas 2 a) Métodos Legislativos -Realizado pelo serviço de vigilância sanitária; - Consiste na fiscalização de portos, aeroportos,

Leia mais

Milho. Gérmen de milho. Gérmen de milho. Gérmen de milho 05/05/2008. Universidade Federal de Goiás Alimentos e Alimentação Animal

Milho. Gérmen de milho. Gérmen de milho. Gérmen de milho 05/05/2008. Universidade Federal de Goiás Alimentos e Alimentação Animal Universidade Federal de Goiás Alimentos e Alimentação Animal Alunos: Juliana Pinto Ferreira Vitor Augusto Oliveira Milho O principal componente das rações de aves e suínos é o milho, cujo custo tem sido

Leia mais

Emprego de matérias primas para pet food que não competem com a alimentação humana. Márcio Antonio Brunetto FMVZ/USP

Emprego de matérias primas para pet food que não competem com a alimentação humana. Márcio Antonio Brunetto FMVZ/USP Emprego de matérias primas para pet food que não competem com a alimentação humana Márcio Antonio Brunetto FMVZ/USP Sub-ordem Caniformia Classe Mamíferos Ordem Carnivora Sub-ordem Feliformia Canedae Procyonidae

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 QUALIDADE DE GRÃOS DE MILHO NA REGIÃO NORTE DO ESTADO DE SÃO PAULO Paulo César da Luz Leão 1, Antonio Luis de Oliveira

Leia mais

ARROZ PARBOILIZADO Arroz parboilizado

ARROZ PARBOILIZADO Arroz parboilizado ARROZ ARROZ CULINÁRIA ITALIANA PREMIUM Arroz culinária italiana Premium ARROZ CULINÁRIA JAPONESA GUIN Arroz culinária japonesa Guin ARROZ CULINÁRIA JAPONESA MOMIJI ARROZ CULINÁRIA JAPONESA MOMIJI ARROZ

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO MATÉRIAS-PRIMAS UTILIZADAS EM ALIMENTAÇÃO ANIMAL

CLASSIFICAÇÃO MATÉRIAS-PRIMAS UTILIZADAS EM ALIMENTAÇÃO ANIMAL I - INGREDIENTES DE ORIGEM VEGETAL Nome Comum Nome Científico NCM USUAL II² (%) DINON Observações ALFAFA Feno moído de alfafa 1214.10.00 8 Folhas desidratadas de alfafa 1214.90.00 8 ALGODÃO Farelo de algodão

Leia mais

TÉCNICA DIETÉTICA I. Prof. Msc. Isabelle Oliveira

TÉCNICA DIETÉTICA I. Prof. Msc. Isabelle Oliveira TÉCNICA DIETÉTICA I Prof. Msc. Isabelle Oliveira 1 Cereais Alimentos de origem vegetal, amplamente consumidos. O nome deriva da deusa grega, Ceres, deusa da agricultura e da colheita. São grãos que provém

Leia mais

COMPOSIÇÃO DE ALIMENTOS DA AMÉRICA LATINA ANÁLISE APROXIMADA (SISTEMA DE WEENDE), COM BASE NA MATÉRIA SECA AO AR. Gordura % Prot.

COMPOSIÇÃO DE ALIMENTOS DA AMÉRICA LATINA ANÁLISE APROXIMADA (SISTEMA DE WEENDE), COM BASE NA MATÉRIA SECA AO AR. Gordura % Prot. COMPOSIÇÃO DE ALIMENTOS DA AMÉRICA LATINA ANÁLISE APROXIMADA (SISTEMA DE WEENDE), COM BASE NA MATÉRIA SECA AO AR ALIMENTOS Seca Prot. Gordura Fibra ENN Cinza Cálcio 2.1 Fósforo ALFAFA, farinha de 88,0

Leia mais

Alimentos Alternativos disponíveis no Nordeste para Alimentação de Aves Tipo Caipira

Alimentos Alternativos disponíveis no Nordeste para Alimentação de Aves Tipo Caipira Alimentos Alternativos disponíveis no Nordeste para Alimentação de Aves Tipo Caipira Professor Carlos Bôa-Viagem Rabello Departamento de Zootecnia Universidade Federal Rural de Pernambuco Recife Pernambuco

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Departamento de Farmácia Laboratório de Farmacognosia

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Departamento de Farmácia Laboratório de Farmacognosia MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Departamento de Farmácia Laboratório de Farmacognosia MICROSCOPIA DE DROGAS VEGETAIS Esta aula tem o objetivo de iniciar o aluno na prática do laboratório

Leia mais

Nutrientes. Leonardo Pozza dos Santos

Nutrientes. Leonardo Pozza dos Santos Nutrientes Leonardo Pozza dos Santos Itaqui, 2017 O que define um nutriente? - Qualquer elemento ou composto químico necessário para o metabolismo de um organismo vivo. - Eles compõem os alimentos e são

Leia mais

Secretaria de Estado da Educação do Paraná Superintendência de Desenvolvimento da Educação DEFINIÇÃO DA DOENÇA

Secretaria de Estado da Educação do Paraná Superintendência de Desenvolvimento da Educação DEFINIÇÃO DA DOENÇA DEFINIÇÃO DA DOENÇA Doença celíaca é alergia ao glúten, proteína encontrada no trigo, aveia, centeio, cevada e derivados. Essa doença afeta a parede do intestino, fazendo com que a absorção de vários nutrientes

Leia mais

FEIRA DE CIÊNCIA EB1/JI DA FREITA MARCO DE CANAVESES

FEIRA DE CIÊNCIA EB1/JI DA FREITA MARCO DE CANAVESES FEIRA DE CIÊNCIA EB1/JI DA FREITA MARCO DE CANAVESES É na escola que se adquirem as competências indispensáveis ao desenvolvimento da cultura científica, cabendo aos pais e encarregados de educação um

Leia mais

INFORMAÇÃO NUTRICIONAL

INFORMAÇÃO NUTRICIONAL MUFFIN DE ESPINAFRE Ingredientes: Quinoa, leite de arroz, ovos, farinha de arroz, espinafre, azeite, chia, sal. Porção de 80 g Valor energético 223 kcal = 937 kj 11% Carboidratos 31 g 10% Proteínas 7,1

Leia mais

COMPONENTES ORGÂNICOS: CARBOIDRATOS. Glicídios ou Açúcares

COMPONENTES ORGÂNICOS: CARBOIDRATOS. Glicídios ou Açúcares COMPONENTES ORGÂNICOS: CARBOIDRATOS Glicídios ou Açúcares COMPOSIÇÃO DOS CARBOIDRATOS Compostos constituídos principalmente de: Carbono, Hidrogênio Oxigênio Principal fonte de energia para os seres vivos.

Leia mais

SEMENTE, GERMINAÇÃO E PLÂNTULAS

SEMENTE, GERMINAÇÃO E PLÂNTULAS BIB140 Forma & Função em Plantas SEMENTE, GERMINAÇÃO E PLÂNTULAS Atividade 1 Experimento sobre pressão de embebição Faça essa atividade ao início da aula prática. Só então comece a observação morfológica.

Leia mais

2ºAno Turma B. Maio de Pesquisa elaborada pelos alunos nas aulas de Cidadania, ao longo do 2º período, em colaboração com as suas famílias.

2ºAno Turma B. Maio de Pesquisa elaborada pelos alunos nas aulas de Cidadania, ao longo do 2º período, em colaboração com as suas famílias. SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E CULTURA DIREÇÃO REGIONAL DA EDUCAÇÃO ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DAS LAJES DO PICO 2ºAno Turma B Pesquisa elaborada pelos alunos nas aulas de Cidadania, ao longo

Leia mais

Natal. Amor - Leiria Portugal

Natal. Amor - Leiria Portugal Natal Amor - Leiria Portugal +351 244 840 030 www.otoinito.pt www.otoinito.pt O Toinito orgulha-se de apresentar um conjunto de miniaturas e bolos secos de inspiração na doçaria tradicional Portuguesa.

Leia mais

POTENCIAL DE CONTAMINAÇÃO DO PANTANAL POR PESTICIDAS UTILIZADOS NA BACIA DO ALTO TAQUARI, MS. INTRODUÇÃO

POTENCIAL DE CONTAMINAÇÃO DO PANTANAL POR PESTICIDAS UTILIZADOS NA BACIA DO ALTO TAQUARI, MS. INTRODUÇÃO Nº 16, jun/98, p.1-5 POTENCIAL DE CONTAMINAÇÃO DO PANTANAL POR PESTICIDAS UTILIZADOS NA BACIA DO ALTO TAQUARI, MS. Luiz Marques Vieira 1 Sérgio Galdino 2 Carlos Roberto Padovani 3 INTRODUÇÃO Os pesticidas

Leia mais

Centro de Tecnologia de Alimentos e Bebidas Tecnologia Cervejeira Módulo: Adjuntos cervejeiros

Centro de Tecnologia de Alimentos e Bebidas Tecnologia Cervejeira Módulo: Adjuntos cervejeiros Centro de Tecnologia de Alimentos e Bebidas Tecnologia Cervejeira Módulo: Adjuntos cervejeiros SENAI / Vassouras Adjuntos Definição: Matéria-prima que substitui parcialmente o malte de cevada como fonte

Leia mais

AVEIA: UM CEREAL POLIVALENTE

AVEIA: UM CEREAL POLIVALENTE AVEIA: UM CEREAL POLIVALENTE A aveia é um cereal muito nutritiva, que contém cálcio, ferro, proteínas, além de vitaminas, carboidratos e fibras. Possui alto poder benéfico da sua fibra solúvel, que está

Leia mais

ESCLARECIMENTO I EDITAL DE PREGÃO PRESENCIAL SESI Nº 113/2017

ESCLARECIMENTO I EDITAL DE PREGÃO PRESENCIAL SESI Nº 113/2017 ESCLARECIMENTO I EDITAL DE PREGÃO PRESENCIAL SESI Nº 113/2017 O SESI -PR, através de sua Comissão de Licitação, torna público o ESCLARECIMENTO referente ao edital de licitação acima relacionado, conforme

Leia mais

Biorrefinaria da madeira o novo foco da pesquisa em celulose e papel

Biorrefinaria da madeira o novo foco da pesquisa em celulose e papel Laboratório de Celulose e Papel Departamento de Engenharia Florestal Universidade Federal de Viçosa Biorrefinaria da madeira o novo foco da pesquisa em celulose e papel Jorge L. Colodette colodett@ufv.br

Leia mais

- CAPÍTULO 1- VIDA: CIÊNCIA DA BIOLOGIA

- CAPÍTULO 1- VIDA: CIÊNCIA DA BIOLOGIA - CAPÍTULO 1- VIDA: CIÊNCIA DA BIOLOGIA ORIGEM DA BIOLOGIA Surgiu oficialmente entre 1800 e 1802; É um termo formado pelas união das palavras gregas bios (vida) e logos (estudo); CARACTERÍSTICAS DO SERES

Leia mais

AVALIAÇÃO DE HÍBRIDOS TRIPLOS DE ALTA QUALIDADE PROTÉICA (QPM) NO CENTRO - SUL DO BRASIL.

AVALIAÇÃO DE HÍBRIDOS TRIPLOS DE ALTA QUALIDADE PROTÉICA (QPM) NO CENTRO - SUL DO BRASIL. AVALIAÇÃO DE HÍBRIDOS TRIPLOS DE ALTA QUALIDADE PROTÉICA (QPM) NO CENTRO - SUL DO BRASIL. Cleso Antônio Patto Pacheco (1), Paulo Evaristo de Oliveira Guimarães (1), Manoel Xavier dos Santos (1), Elto Eugênio

Leia mais

Composição Química das Células: Água

Composição Química das Células: Água A Química da Vida Composição Química das Células: Água As substâncias que constituem os corpos dos seres vivos possuem em sua constituição cerca de 75/85% de água. Ou seja, cerca de 80% do corpo de um

Leia mais

Melhoramento de mandioca

Melhoramento de mandioca Melhoramento de mandioca Teresa Losada Valle teresalv@iac.sp.gov.br Temas Características do melhoramento de mandioca Obtenção de variedades para fins específicos Por que fazer melhoramento de mandioca?

Leia mais

Graças a sua adaptação, o arroz é atualmente cultivado em quase todos os países de todos os continentes, a exceção da Antártida.

Graças a sua adaptação, o arroz é atualmente cultivado em quase todos os países de todos os continentes, a exceção da Antártida. HISTÓRICO Graças a sua adaptação, o arroz é atualmente cultivado em quase todos os países de todos os continentes, a exceção da Antártida. É a única espécie cultivada e explorada em áreas pantanosas, ocupando

Leia mais

Fisiologia Vegetal. Curso de Zootecnia Prof. Etiane Skrebsky Quadros

Fisiologia Vegetal. Curso de Zootecnia Prof. Etiane Skrebsky Quadros Fisiologia Vegetal Curso de Zootecnia Prof. Etiane Skrebsky Quadros Unidade: Fotossíntese Fase química ou de fixação/redução de carbono da fotossíntese: Todos os organismo que fotossintetizam precisam

Leia mais

ANEXOS. Proposta de Regulamento do Parlamento Europeu e do Conselho

ANEXOS. Proposta de Regulamento do Parlamento Europeu e do Conselho COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 29.9.2016 COM(2016) 631 final ANNEXES 1 to 3 ANEXOS da Proposta de Regulamento do Parlamento Europeu e do Conselho relativo à introdução de medidas comerciais autónomas temporárias

Leia mais

MATERNAL I MANHÃ MATERNAL I TARDE. MATERNAL I MANHÃ - 16/05/2016 Segunda-feira Antes de executar suas tarefas, revise a parte teórica.

MATERNAL I MANHÃ MATERNAL I TARDE. MATERNAL I MANHÃ - 16/05/2016 Segunda-feira Antes de executar suas tarefas, revise a parte teórica. MATERNAL I TARDE MATERNAL I MANHÃ MATERNAL I MANHÃ - 16/05/2016 Segunda-feira Vogal O atividade no álbum Pinte a vogal O com a cor de sua preferência Atividade no álbum contorne com lã, a vogal O Profissões

Leia mais

O OVO NA ALIMENTAÇÃO Prof. Eduardo Purgatto Faculdade de Saúde Pública USP 2016

O OVO NA ALIMENTAÇÃO Prof. Eduardo Purgatto Faculdade de Saúde Pública USP 2016 O OVO NA ALIMENTAÇÃO Prof. Eduardo Purgatto Faculdade de Saúde Pública USP 2016 INTRODUÇÃO O ovo é um alimento mundialmente conhecido e faz parte do hábito alimentar de diversas populações. Os hebreus

Leia mais

FIBRAS FIBRAS. As fibras insolúveis incluem: as fibras externas da ervilha, a celulose, as fibras do milho e as fibras da soja.

FIBRAS FIBRAS. As fibras insolúveis incluem: as fibras externas da ervilha, a celulose, as fibras do milho e as fibras da soja. FIBRAS Até os anos 70 as fibras eram entendidas como componentes inertes dos alimentos que atravessavam o tubo digestivo e eram eliminados sem produzir efeitos no organismo humano. No entanto, os estudos

Leia mais

Licenciatura em Biologia. Biologia Celular 2º P

Licenciatura em Biologia. Biologia Celular 2º P Licenciatura em Biologia Biologia Celular 2º P Célula Eucariótica Vegetal Tipos de células Seres procarióticos (bactérias e cianobactérias): Células procarióticas. Seres eucarióticos (algas, protozoários,

Leia mais

Produção integrada de alimento, meio ambiente e energia. Miqueli Sturbelle Schiavon

Produção integrada de alimento, meio ambiente e energia. Miqueli Sturbelle Schiavon Produção integrada de alimento, meio ambiente e energia Miqueli Sturbelle Schiavon A energia e a Humanidade Recursos e Consumo e de Energia na Terra Reservas mundiais de gás natural Reservas mundiais

Leia mais

MORFOLOGIA DE GRAMÍNEAS FORRAGEIRAS

MORFOLOGIA DE GRAMÍNEAS FORRAGEIRAS Capítulo 2 MORFOLOGIA DE GRAMÍNEAS FORRAGEIRAS Renato Serena Fontaneli, Henrique Pereira dos Santos e Roberto Serena Fontaneli A família das gramíneas (Poaceae ou Gramineae) é uma das principais famílias

Leia mais

Carboidrato. Curso: Farmácia 3º período Prof. Helder Braz Maia

Carboidrato. Curso: Farmácia 3º período Prof. Helder Braz Maia Carboidrato Curso: Farmácia 3º período Prof. Helder Braz Maia Introdução O que são os carboidratos? Conhecidos como hidratos de carbono, sacarídeos ou açúcares; São as biomoléculas mais abundantes na natureza.

Leia mais

Profº Lásaro Henrique

Profº Lásaro Henrique Profº Lásaro Henrique Proteínas são macromoléculas complexas, compostas de aminoácidos. São os constituintes básicos da vida e necessárias para os processos químicos que ocorrem nos organismos vivos. Nos

Leia mais

Coprodutos da industrialização do arroz na alimentação de cães e gatos

Coprodutos da industrialização do arroz na alimentação de cães e gatos II SIMPÓSIO DE NUTRIÇÃO DE ANIMAIS DE COMPANHIA IISINPET 26 e 27 de setembro de 2014 Coprodutos da industrialização do arroz na alimentação de cães e gatos M. Sc. Gabriel Faria Estivallet Pacheco Z o o

Leia mais

6.4 CONTROLE DE PLANTAS DANINHAS

6.4 CONTROLE DE PLANTAS DANINHAS 6.4 CONTROLE DE PLANTAS DANINHAS Prejuízos: -Competição por água; -Competição por luz; -Competição por nutrientes; -Hospedeiros de pragas e doenças; -Interferência na operação de colheita. Período de competição:

Leia mais

Cereais. Disciplina: Produção e Composição de Alimentos HNT 205 Prof. Eduardo Purgatto Departamento de Nutrição Faculdade de Saúde Pública USP

Cereais. Disciplina: Produção e Composição de Alimentos HNT 205 Prof. Eduardo Purgatto Departamento de Nutrição Faculdade de Saúde Pública USP Cereais Disciplina: Produção e Composição de Alimentos HNT 205 Prof. Eduardo Purgatto Departamento de Nutrição Faculdade de Saúde Pública USP 2016 CEREAL: deusa da colheita CERES. Gramíneas : trigo, arroz,

Leia mais

DIAGNOSE FOLIAR EM MILHO E SORGO

DIAGNOSE FOLIAR EM MILHO E SORGO I Simpósio Paulista Sobre Nutrição de Plantas Jaboticabal - SP, 15 a 17 de Abril de 2008 DIAGNOSE FOLIAR EM MILHO E SORGO ANTÔNIO MARCOS COELHO ESTRATÉGIAS DE MANEJO PARA ALTA PRODUTIVIDADE João Lorenti

Leia mais

Estratégias integradas para o aumento da produtividade da amendoeira em Trás os Montes

Estratégias integradas para o aumento da produtividade da amendoeira em Trás os Montes Estratégias integradas para o aumento da produtividade da amendoeira em Trás os Montes Projecto em curso no âmbito da ação 1.1.1. do ProDeR (Cooperação para a Inovação) António Castro Ribeiro Ana Paula

Leia mais

TERMO DE ADJUDICAÇÃO. Item 0001

TERMO DE ADJUDICAÇÃO. Item 0001 TERMO DE ADJUDICAÇÃO Às 09:03 horas do dia 23 de agosto de 2012, o Pregoeiro Oficial da Prefeitura Municipal de Teutônia, designado pela portaria 3087/2011 após analise da documentação do Pregão Eletrônico

Leia mais

Aula Prática. - Preparo de meio de cultivo. - Influência da temperatura no crescimento de microrganismos

Aula Prática. - Preparo de meio de cultivo. - Influência da temperatura no crescimento de microrganismos Aula Prática - Preparo de meio de cultivo - Influência da temperatura no crescimento de microrganismos PREPARO DE MEIO DE CULTIVO Exercício BDA (Batata-Dextrose-Ágar) - Caldo de batata ------------ 100ml

Leia mais

C ARTA C IRCULAR N.º 01/2004

C ARTA C IRCULAR N.º 01/2004 CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO C ARTA C IRCULAR N.º /2004 DATA DE EMISSÃO: 30-11-2004 : 30-11-2004 Assunto: Âmbito: Linha de Crédito de Curto Prazo - Agricultura, Silvicultura e Pecuária Continente Os agricultores

Leia mais

TECNOLOGIA DE AMIDOS E DERIVADOS

TECNOLOGIA DE AMIDOS E DERIVADOS TECNOLOGIA DE AMIDOS E DERIVADOS Profa. MSc. Juliana Schmidt Galera O amido é a principal substância de reserva nas plantas superiores e fornece de 70 a 80% das calorias consumidas pelo homem. A produção

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA DISCIPLINA DE BIOQUÍMICA DOS ALIMENTOS (Prof. Dr. Tiago André Kaminski) EXERCÍCIOS PARA 2ª PROVA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA DISCIPLINA DE BIOQUÍMICA DOS ALIMENTOS (Prof. Dr. Tiago André Kaminski) EXERCÍCIOS PARA 2ª PROVA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA DISCIPLINA DE BIOQUÍMICA DOS ALIMENTOS (Prof. Dr. Tiago André Kaminski) EXERCÍCIOS PARA 2ª PROVA BIOQUÍMICA DOS OVOS 1) Complete as sentenças. a) A membrana da casca protege

Leia mais

A Energia que vem do campo Linha de Produtos

A Energia que vem do campo Linha de Produtos A Energia que vem do campo Linha de Produtos CASTELHANO Santa Cecília 10 anos Visão Estar entre os três maiores produtores de biodiesel no Brasil Missão Participar do desenvolvimento sustentável do planeta

Leia mais

6.3 CALAGEM E ADUBAÇÃO

6.3 CALAGEM E ADUBAÇÃO 6.3 CALAGEM E ADUBAÇÃO 6.3.1 - CALAGEM Estados do Rio Grande do Sul e Santa Catarina A quantidade de corretivo de acidez a ser usada varia conforme o Índice SMP determinado na análise do solo e a dose

Leia mais

A CÉLULA EUCARIÓTICA

A CÉLULA EUCARIÓTICA A CÉLULA EUCARIÓTICA ... A célula é a unidade básica, estrutural e funcional de todos os seres vivos... A maioria das células têm um tamanho de 10 a 100 micrómetros e formas variadas De acordo com a estrutura

Leia mais

Área: Tecnologia de Alimentos VARIABILIDADE DA COMPOSIÇÃO DE FARINHA DE CARNE E OSSOS SUÍNA DE DIFERENTES PROCEDÊNCIAS

Área: Tecnologia de Alimentos VARIABILIDADE DA COMPOSIÇÃO DE FARINHA DE CARNE E OSSOS SUÍNA DE DIFERENTES PROCEDÊNCIAS p. 1/6 Área: Tecnologia de Alimentos VARIABILIDADE DA COMPOSIÇÃO DE FARINHA DE CARNE E OSSOS SUÍNA DE DIFERENTES PROCEDÊNCIAS Vivian Feddern a *, Angélica Riqueli Laux b, Gustavo Júlio Mello Monteiro Lima

Leia mais

A agricultura: Atividade económica do setor primário; A palavra agricultura significa a cultura do campo;

A agricultura: Atividade económica do setor primário; A palavra agricultura significa a cultura do campo; A agricultura A agricultura: Atividade económica do setor primário; A palavra agricultura significa a cultura do campo; Paisagem agrária: É a forma de cultivo e a divisão dos campos; É condicionada por

Leia mais

Ementas Primavera/Verão Creche (1-3 anos)

Ementas Primavera/Verão Creche (1-3 anos) Semana 1 com pão com bolacha Sopa de feijão-verde Massa à lavrador (c/vitela, tronchuda e feijão vermelho) Sopa de feijão branco e Tintureira/cação de cebolada (tomate e pimento) e batata cozida Pão (1/2)

Leia mais

Envia-se em anexo, à atenção das delegações, o documento COM(2016) 631 final - ANEXOS 1-3.

Envia-se em anexo, à atenção das delegações, o documento COM(2016) 631 final - ANEXOS 1-3. Conselho da União Europeia Bruxelas, 4 de outubro de 2016 (OR. en) Dossiê interinstitucional: 2016/0308 (COD) 12936/16 ADD 1 PROPOSTA de: data de receção: 3 de outubro de 2016 para: WTO 279 COEST 248 NIS

Leia mais

Município de Valongo Semana de 4 a 8 de janeiro de 2016 Almoço

Município de Valongo Semana de 4 a 8 de janeiro de 2016 Almoço Semana de 4 a 8 de janeiro de 2016 Sopa Creme de couve-flor 1,3,5,6,7,8,9,12 Prato Tesourinhos de peixe com arroz branco 1,2,3,4,5,6,7,9,12,14 Cenoura raspada Frutas da época (laranja ou maçã) Prato Massinha

Leia mais

8 - Beneficiamento 1

8 - Beneficiamento 1 8 - Beneficiamento 1 8.1 - Objetivos -Eliminação de agentes contaminantes da massa de grãos ou sementes; -Classificação por tamanho no caso de sementes Facilitar a regulagem das semeadoras 2 Contaminantes:

Leia mais

Adubação da Cultura da Soja no Paraná e Goiás

Adubação da Cultura da Soja no Paraná e Goiás Tema 2 Manejo da adubação com ênfase na aplicação a lanço Adubação da Cultura da Soja no Paraná e Goiás Adilson de Oliveira Junior César de Castro Fábio Álvares de Oliveira Vinícius Benites Pesquisadores

Leia mais

Palavras-Chave: INTRODUÇÃO

Palavras-Chave: INTRODUÇÃO LEVANTAMENTO DE SUBPRODUTOS E/OU RESÍDUOS AGROINDUSTRIAIS DE ORIGEM VEGETAL DISPONÍVEIS NA REGIÃO DE CASSILÂNDIA, POTENCIALMENTE UTILIZÁVEIS NA ALIMENTAÇÃO ANIMAL Gabriela Azambuja de Freitas¹; Andréia

Leia mais

Relação entre caracteres nutricionais e a produtividade de grãos em cultivares de milho transgênico

Relação entre caracteres nutricionais e a produtividade de grãos em cultivares de milho transgênico Relação entre caracteres nutricionais e a produtividade de grãos em cultivares de milho transgênico Bruna Mendonça Alves 1 Alberto Cargnelutti Filho 2 Marcos Toebe 1 Cláudia Burin 3 Leila Picolli da Silva

Leia mais

DIA PRATO EMENTA GUARNIÇÃO / ACOMPANHAMENTO

DIA PRATO EMENTA GUARNIÇÃO / ACOMPANHAMENTO Escolas EB 1 e Jardins-de-Infância - 3 Semana de 01 a 05 de Fevereiro de 2016 2ª-feira Sopa de feijão verde almôndegas estufadas arroz branco, cenoura raspada e alface 1 Sobremesa* fruta da época 3ª-feira

Leia mais

a) A digestão enzimática de carboidratos só se inicia no duodeno. b) O meio ácido do estômago inativa todas as enzimas digestivas.

a) A digestão enzimática de carboidratos só se inicia no duodeno. b) O meio ácido do estômago inativa todas as enzimas digestivas. Nome: Nº Ano: 8º Turma: Ensino Fundamental II 2ª Etapa Data: ATIVIDADE DE INTERVENÇÃO - CIÊNCIAS Profª.: Luciana Cardinali QUESTÃO 1 (MACK - adaptada) Assinale a alternativa correta a respeito do processo

Leia mais

Valor nutritivo dos alimentos utilizados na formulação de rações para peixes tropicais. Nutritive value of common feeds used in tropical fish diets

Valor nutritivo dos alimentos utilizados na formulação de rações para peixes tropicais. Nutritive value of common feeds used in tropical fish diets Revista Brasileira de Zootecnia ISSN 1516-3598 (impresso) ISSN 1806-9290 (on-line) www.sbz.org.br R. Bras. Zootec., v.38, p.43-51, 2009 (supl. especial) Valor nutritivo dos alimentos utilizados na formulação

Leia mais

BIODIVERSIDADE ALIMENTAR

BIODIVERSIDADE ALIMENTAR BIODIVERSIDADE ALIMENTAR O uso das Plantas Alimentícias Não Convencionais CAJAN Comercialização justa e Cultura alimentar NÚCLEO DE AGROECOLOGIA Monotonia alimentar & Monoculturas, como chegamos nesta

Leia mais

AMÉRICA LATINA ROSS 308 AP (AP95) Especificações Nutricionais FRANGOS. An Aviagen Brand

AMÉRICA LATINA ROSS 308 AP (AP95) Especificações Nutricionais FRANGOS. An Aviagen Brand AMÉRICA LATINA FRANGOS ROSS 308 AP (AP95) Especificações Nutricionais 2017 An Aviagen Brand Introdução Nas seguintes tabelas são mostradas as especificações nutricionais para frangos de corte, considerando

Leia mais

Magnésio Nutrição Mineral de Plantas MAGNÉSIO. Prof. Volnei Pauletti. Departamento de Solos e Engenharia Agrícola

Magnésio Nutrição Mineral de Plantas MAGNÉSIO. Prof. Volnei Pauletti. Departamento de Solos e Engenharia Agrícola MAGNÉSIO Prof. Volnei Pauletti Departamento de Solos e Engenharia Agrícola vpauletti@ufpr.br COMPOSIÇÃO QUÍMICA MÉDIA DA CROSTA TERRESTRE NA PROFUNDIDADE DE 0 16 KM (MENEGEL & KIRKBY, 1987) Mg no solo

Leia mais

Município de Valongo Semana de 29 de Junho a 3 de Julho de 2015 Almoço

Município de Valongo Semana de 29 de Junho a 3 de Julho de 2015 Almoço Semana de 29 de Junho a 3 de Julho de 2015 Sopa Creme de espinafres e cenoura 1,3,5,6,7,8,9,12 Prato Hambúrguer de aves com esparguete e salada de cenoura raspada 1,2,3,4,6,7,9,10,12 Sobremesa Frutas da

Leia mais

MANEJO DE RESTOS CULTURAIS DE MILHO PARA PLANTIO DIRETO DE TRIGO. Resumo

MANEJO DE RESTOS CULTURAIS DE MILHO PARA PLANTIO DIRETO DE TRIGO. Resumo MANEJO DE RESTOS CULTURAIS DE MILHO PARA PLANTIO DIRETO DE TRIGO Denardin, J.E. 1 ; Kochhann, R.A. 1 Resumo Presume-se que semeadoras para plantio direto apresentam problemas operacionais para semear trigo

Leia mais

Operações Unitárias: Fragmentação de sólidos. Profª. Camila Ortiz Martinez UTFPR Campo Mourão

Operações Unitárias: Fragmentação de sólidos. Profª. Camila Ortiz Martinez UTFPR Campo Mourão Operações Unitárias: Fragmentação de sólidos Profª. Camila Ortiz Martinez UTFPR Campo Mourão Moagem Redução Termos empregados Muitos processos na indústria de alimentos Forças mecânicas através de equipamentos

Leia mais

Angiospermas. Monocotiledôneas

Angiospermas. Monocotiledôneas Angiospermas Monocotiledôneas Arecaceae Sch. Sch. (Palmae) 200 gên. (2000 spp); Brasil: 40 gên. (200 spp.) Posição taxonômica Distribuição Características morfológicas Exemplos Próxima Posição taxonômica

Leia mais

SEMINÁRIO ARMAZENAMENTO E PREPARO DE GRÃOS PALESTRA: MICOTOXINAS

SEMINÁRIO ARMAZENAMENTO E PREPARO DE GRÃOS PALESTRA: MICOTOXINAS SEMINÁRIO ARMAZENAMENTO E PREPARO DE GRÃOS PALESTRA: MICOTOXINAS Palestrante: Eduardo Micotti da Gloria Formação: Eng. Agr. USP/ESALQ Doutor Tecnologia de Alimentos FEA/UNICAMP Atuação Profissional: USP/ESALQ

Leia mais

Fontes do Mel. Fontes naturais do mel. Néctar (Honeydew)(Cana de açúcar

Fontes do Mel. Fontes naturais do mel. Néctar (Honeydew)(Cana de açúcar ENIPEC-2008 Mel MAARA- Instrução Normativa nº 11: Entende- se por mel o produto alimentício produzido pelas abelhas melíferas a partir do néctar das flores ou das secreções procedentes de partes vivas

Leia mais

Suspensão da COFINS e do PIS e crédito presumido de COFINS e PIS: Base legal: Lei / art. 54 a 57 - alterada pela Lei 12.

Suspensão da COFINS e do PIS e crédito presumido de COFINS e PIS: Base legal: Lei / art. 54 a 57 - alterada pela Lei 12. Suspensão da COFINS e do PIS e crédito presumido de COFINS e PIS: Base legal: Lei 12.350/2010 - art. 54 a 57 - alterada pela Lei 12.431/2011 Lei 12.058/2009 art. 32 -- alterada pela Lei 12.431/2011 Lista

Leia mais

Bio. Semana 8. Nelson Paes (Hélio Fresta)

Bio. Semana 8. Nelson Paes (Hélio Fresta) Semana 8 Nelson Paes (Hélio Fresta) Este conteúdo pertence ao Descomplica. Está vedada a cópia ou a reprodução não autorizada previamente e por escrito. Todos os direitos reservados. CRONOGRAMA 04/04 Exercícios:

Leia mais

Proteínas São macromoléculas complexas, compostas de aminoácidos, e necessárias para os processos químicos que ocorrem nos organismos vivos

Proteínas São macromoléculas complexas, compostas de aminoácidos, e necessárias para os processos químicos que ocorrem nos organismos vivos Proteínas São macromoléculas complexas, compostas de aminoácidos, e necessárias para os processos químicos que ocorrem nos organismos vivos São os constituintes básicos da vida: tanto que seu nome deriva

Leia mais

ELABORAÇÃO DE HAMBURGUERES DE PESCADA (Cynoscion striatus) COM A UTILIZAÇÃO DE DIFERENTES AGENTES TEXTURIZANTES

ELABORAÇÃO DE HAMBURGUERES DE PESCADA (Cynoscion striatus) COM A UTILIZAÇÃO DE DIFERENTES AGENTES TEXTURIZANTES ELABORAÇÃO DE HAMBURGUERES DE PESCADA (Cynoscion striatus) COM A UTILIZAÇÃO DE DIFERENTES AGENTES Autor(es): Apresentador: Orientador: Revisor 1: Revisor 2: Instituição: BUENO, Francine Manhago; BORGES,

Leia mais

VANTAGENS E DESVANTAGENS DA PRODUÇÃO DE LEITE EM SISTEMAS PASTORIS

VANTAGENS E DESVANTAGENS DA PRODUÇÃO DE LEITE EM SISTEMAS PASTORIS VANTAGENS E DESVANTAGENS DA PRODUÇÃO DE LEITE EM SISTEMAS PASTORIS Fatores que determinam o sistema de produção de leite Terra área/limitações Capital investimento/tecnologia Mão de obra capacitação/tecnologia

Leia mais

População mundial crescerá 34% até 2050.

População mundial crescerá 34% até 2050. Agronegócio no Mundo Protagonista no Cenário Mundial População mundial crescerá 34% até 2050. 10.000 9.000 8.000 7.000 6.000 5.000 4.000 3.000 2.000 1.000-9.150 7.670 6.830 195 210 219 2009 2020 2050 Mundo

Leia mais

Page Content: 10 Receitas de bolos simples e fáceis Ana Luiza Tudisco Todos os direitos reservados.

Page Content: 10 Receitas de bolos simples e fáceis Ana Luiza Tudisco Todos os direitos reservados. Page Content: 10 Receitas de bolos simples e fáceis Ana Luiza Tudisco Todos os direitos reservados. Page Content: Bolo de 1 Fubá 2 Chocolate 3 Cenoura 4 Laranja 5 Trigo 6 Banana 7 Mandioca 8 Maçã 9 Caneca

Leia mais

Matéria Orgânica do Solo. Everlon Cid Rigobelo

Matéria Orgânica do Solo. Everlon Cid Rigobelo Matéria Orgânica do Solo Everlon Cid Rigobelo 1 Solo receptáculo final Recebedor Resíduos orgânicos de origem Vegetal, animal Produtos de suas transformações 2 Solo receptáculo final Vegetação Responsável

Leia mais

A Roda dos Alimentos LEITE

A Roda dos Alimentos LEITE LEITE A Roda dos Alimentos serve para nos ensinar o que devemos comer, quando e em que quantidades. Ajuda-nos a manter uma alimentação equilibrada, variada e completa, ou seja, mais saudável! A Roda dos

Leia mais

LIVRE DE GLÚTEN, LEITE E SEUS DERIVADOS, OVOS, SOJA, CORANTES E CONSERVANTES.

LIVRE DE GLÚTEN, LEITE E SEUS DERIVADOS, OVOS, SOJA, CORANTES E CONSERVANTES. LIVRE DE DERIVADOS, OVOS, SOJA, ROSQUINHAS LEITE DE SOJA COOKIES CHOCOLATE C/ GOTAS DE CHOCOLATE produzidos com farinha de arroz, são perfeitos para quem busca vida saudável através da dieta sem glúten

Leia mais

Alimentos fonte e importância de nutrientes na dieta. Deborah Bauer - Nutricionista Mestranda em Alimentos e Nutrição (UNIRIO)

Alimentos fonte e importância de nutrientes na dieta. Deborah Bauer - Nutricionista Mestranda em Alimentos e Nutrição (UNIRIO) Alimentos fonte e importância de nutrientes na dieta Deborah Bauer - Nutricionista Mestranda em Alimentos e Nutrição (UNIRIO) Alimentos x Nutrientes? Água Minerais Carboidratos Alimentos Vitaminas?Compostos

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Unidade Universitária: Centro de Ciências Biológicas e da Saúde Curso: Farmácia Disciplina: Bromatologia Professor(es): Eder de Carvalho Pincinato DRT: 1134997 Código da Disciplina: 061.1401.6 Etapa: 4

Leia mais

ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL FREDERICO GUILHERME SCHMIDT Escola Técnica Industrial. Disciplina de Biologia Primeiro Ano Curso Técnico de Eletromecânica

ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL FREDERICO GUILHERME SCHMIDT Escola Técnica Industrial. Disciplina de Biologia Primeiro Ano Curso Técnico de Eletromecânica ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL FREDERICO GUILHERME SCHMIDT Escola Técnica Industrial Disciplina de Biologia Primeiro Ano Curso Técnico de Eletromecânica Prof. Diogo Schott diogo.schott@yahoo.com Substâncias orgânicas

Leia mais

Bioquímica: Componentes orgânicos e inorgânicos necessários à vida. Leandro Pereira Canuto

Bioquímica: Componentes orgânicos e inorgânicos necessários à vida. Leandro Pereira Canuto Bioquímica: orgânicos e inorgânicos necessários à vida Leandro Pereira Canuto Toda matéria viva: C H O N P S inorgânicos orgânicos Água Sais Minerais inorgânicos orgânicos Carboidratos Proteínas Lipídios

Leia mais