FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA"

Transcrição

1 FUNDAÇÃO ESCOLA TÉCNICA LIBERATO SALZANO VIEIRA DA CUNHA Projeto para Trabalho Trimestral de Física Curso: Mecânica Turma: 3112 Data: 14/08/2008 Sala : 269 Aluno: Pedro Santos Nascimento n : 28 Grupo C Aluno: Felipe dos Santos Machado n : 12 Aluno: Júlio do Canto Castro n : 17 Aluno: Dionei Fernando Daltrozo n : 5 Prof.: Luiz André Mützemberg FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA Na fundamentação teórica, escrevemos o conteúdo necessário para a compreensão do funcionamento de nosso experimento. Todas as informações utilizadas pelo grupo para formar uma teoria sobre o motivo que leva o afastamento de um imã, decorrente do movimento de uma placa de alumínio, estão expostos em uma linguagem simples, devido as paráfrases, proporcionando maior facilidade na compreensão do assunto Movimento Circular e Engrenagens Movimento Circular Introdução: Dizemos que uma partícula está em movimento circular quando sua trajetória é uma circunferência. Se o movimento for denominado circular uniforme é por que o valor da velocidade permanece constante e a direção muda continuamente, por ser circular. Período: é o tempo que a partícula gasta para dar uma volta completa. O espaço percorrido pela partícula, durante um período, é o comprimento da circunferência que vale 2.π.R

2 Freqüência: é o número de voltas completas em uma única unidade de tempo. Grandezas Angulares Espaço Angular Quando os móveis descrevem uma trajetória circular, podemos determinar sua posição através do ângulo determinado do ponto de partida, ou medindo sua trajetória. O ângulo também pode determinar o ponto de deslocamento e é chamado de espaço angular. O espaço de um ponto a outro é chamada de espaço linear. O arco relaciona-se com o ângulo em radianos e forma a fórmula: Os símbolos e representam respectivamente, velocidade angular e aceleração angular. Definição de Radiano (rad) Radiano é a medida do ângulo que junto com o raio (R) determina o tamanho da circunferência. Exemplo: Velocidade Angular a) Velocidade Angular Média: O espaço angular (ângulo1) de um móvel, num instante t1, e o ângulo2, outro espaço angular, num instante posterior t2. No intervalo de tempo Deltat = t2 - t1, a variação angular é:

3 A velocidade angular média m, no intervalo de tempo Delta t, é por definição: w = b)velocidade Angular Instantânea A velocidade angular instantânea é o valor limite da velocidade angular média, quando o intervalo de tempo tende a zero (Delta t = 0) w = Medindo-se em radiano o ângulo e em segundos a variação de tempo, a velocidade angular média e instantânea será medida em radianos por segundo (rad/s). c) Relação entre Velocidades Escalares (V) e Velocidades Angulares ( ) Dividindo ambos os membros da última igualdade por Delta t resulta: Vm = mr Considerando o intervalo de tempo (Delta t) tendendo a zero, a igualdade anterior se torna: V = R Aceleração Angular a)aceleração Angular Média m A aceleração angular média é representada pela fórmula: m = Delta Delta t Essa fórmula sai do conceito de velocidade angular diferente 1, 2 que constituem a variação de velocidade Delta = 2-1. É o conceito de duas variações de tempos diferente Delta t = t2 - t1. b) Aceleração angular instantânea É o valor limite ao qual que tende a aceleração angular média quando o intervalo de tempo Delta t tende a zero (Delta t = 0): = limite Delta Delta t = 0 Delta t É medida em radiano por segundo ao quadrado. Aceleração centrípeta

4 No movimento circular uniforme, o módulo da velocidade da partícula permanece constante e ela não possui aceleração tangencial. Como a direção da velocidade varia continuamente. A partícula possui aceleração centrípeta. O valor da aceleração centrípeta é dado por: O valor da aceleração centrípeta é proporcional ao quadrado da velocidade e inversamente proporcional ao raio da circunferência. Engrenagens A engrenagem é uma peça mecânica utilizada como um meio de obter movimento. Esse movimento é gerado através de rodas com dentes que giram prescionando os dentes das outras rodas. Em qualquer engrenagem, a relação é determinada pelo raio. Por exemplo, em um acoplamento com duas engrenagens, se uma delas tiver o dobro do diâmetro da outra, a relação será de 2:1, a cada volta que realizamos com a maior, a menor dará duas voltas. Assim, por exemplo, em nosso projeto, poderemos obter uma grande velocidade com essa característica. Se colocarmos engrenagens com proporções ainda mais distintas, faremos que a placa de Al acoplada na engrenagem tenha uma grande velocidade. Uma característica das engrenagens é de realizarem um movimento contrário à outra, já as polias não. No caso, estamos trabalhando com engrenagens e polias centralizadas, ou seja, que o eixo está no centro do círculo dentado. Mas existem engrenagens descentralizadas que possuem o eixo fora do centro do círculo. As polias não possuem características tão diferentes em relação às engrenagens. A característica mais importante para nosso projeto, que possibilita uma grande velocidade, também é encontrado nas polias. Se colocarmos uma polia grande e outra pequena obteremos grande velocidade da polia menor. Quanto a proporção, extabelecemos a mesma relação.

5 Estudos sobre o movimento circular Pode-se dizer que uma partícula está em movimento circular quando sua trajetória é uma circunferência. Se a velocidade for constante, podemos dizer que o movimento é circular e uniforme. Nesse movimento o vetor velocidade tem módulo constante, mas a direção deste vetor varia continuamente. Denomina-se período o tempo que uma partícula leva para efetuar uma volta completa e é representado por T. O comprimento da circunferência é o espaço percorrido por uma partícula em um período, que vale 2πR (R é o raio da trajetória). Como o movimento é uniforme, o valor da velocidade será dado por: logo v = 2τ R T FREQÜÊNCIA DO MOVIMENTO CIRCULAR Freqüência, f, é o quociente entre o número de voltas e o tempo gasto para efetuá-las. O modelo matemático que a define é o seguinte: Este resultado representa o número de voltas que o corpo executa por unidade de tempo. A unidade de freqüência, 1 volta/s, é chamada 1 hertz, em homenagem ao cientista alemão Heinrich Rudolf Hertz ( ). Ao observar o período e a freqüência, podemos ver que são grandezas inversamente proporcionais, tendo, assim, ligação entre si. Como a seguir: No tempo T (um período) é efetuada 1 volta.

6 Na unidade de tempo serão efetuadas f voltas (freqüência) ou, esquematicamente: T 1 1 f Assim: ft=1 logo f= T 1 ou T= f 1 Portanto, a freqüência é o inverso do período e vice-versa. VELOCIDADE ANGULAR Velocidade angular é a relação entre o ângulo descrito por uma partícula e o tempo gasto. A velocidade angular é representada por ω (ômega), como a seguir: θ ω= t A aplicação pode ser descrita a partir da seguinte figura: A velocidade linear pode ser definida pela relação v = d/ t. Podemos observar que v e ω são semelhantes: A velocidade linear refere-se á distância percorrida em uma unidade de tempo e a velocidade angular refere-se ao ângulo descrito em uma unidade de tempo. A velocidade angular nos informa sobre a rapidez que um corpo está girando. Quanto maior a velocidade angular de um corpo, maior vai ser o ângulo que ele descreve por unidade de tempo, isto é, ele estará girando mais rapidamente. A velocidade angular pode ser medida em graus/s ou em rad/s, como os ângulos. Em uma volta completa o ângulo descrito será de θ = 2π rad eo intervalo de tempo será de um período, isto é, t = T. Logo:

7 2π ω= T Noções de Eletromagnetismo Linhas de Indução A linha de indução é uma maneira de representação do campo magnético. A direção e sentido são indicados pela orientação das agulhas magnéticas colocados em vários pontos do campo magnético. Uma característica das linhas de indução é de serem desenhadas mais próximas nas áreas de campo magnético mais intenso, que se trata dos pólos norte e sul, onde há atração ou repulsão mais forte. Não, como as linhas de força, as linhas de indução saem do pólo norte e penetram no pólo sul, passando pelo interior do material que possui corrente elétrica em movimento. Outra maneira de encontrarmos como são as linhas de indução, é colocarmos limalha de ferro ao redor de um imã. Em cada local próximo ao imã, a limalha de ferro cairá em determinado sentido e direção. Se observarmos, veremos que formará linhas, que são chamadas de linhas de indução. Elas variam de acordo com o campo magnético. Exemplo: Um campo magnético é uniforme quando o módulo, direção e sentido forem iguais. Um exemplo é um imã em forma de U. O encontro de seus pólos apresentam grande uniformidade, como visto acima.

8 Carga Lançada com Velocidade Perpendicular ao Vetor Campo Magnético De uma maneira bem direta, podemos dizer que se uma carga for lançada em um campo magnético, sendo com a velocidade perpendicular ao vetor campo magnético, ela fará um movimento circular. Isso acontece, porque quando essa partícula entra em contato com o campo magnético, haverá duas correntes elétricas em movimento. Como sabemos, quando há duas correntes elétricas em movimento, aparece entre elas uma força magnética, responsável por manter uma atração (nesse caso). Essa força magnética é perpendicular à velocidade, que então é perpendicular ao vetor campo magnético. Dessa maneira, a força magnética estará atraindo sempre a partícula para o centro do espaço, ocasionando um movimento circular uniforme. Força Magnética em um Condutor Fio condutor em um campo magnético Um fio, em um campo magnético, percorrido por corrente elétrica é posto perpendicularmente ao vetor campo magnético. Quando há duas correntes elétricas em movimento, surge entre elas a força magnética, responsável por atrair as partículas que percorrem esse fio. Haverá, portanto, pequenas forças magnéticas atuando em cada partícula que passa pelo campo magnético em que o fio foi colocado. Se avaliarmos essa situação, é fácil prever que haverá uma resultante de todas essas forças, que atuarão sobre o fio, atraindo ele em direção ao local de campo magnético mais intenso. Com a regra do tapa podemos saber a direção da força magnética que atua sobre as partículas. Força Eletromotriz Induzida

9 Um condutor metálico é colocado perpendicularmente às linhas de indução de dois pólos, como a figura. A barra é deslocada do campo magnético, pois possui corrente elétrica em movimento, devido ao movimento da barra. Assim, como em duas correntes elétricas em movimento há formação de uma força magnética, a barra será submetida a ela e forçada para uma direção e sentido. Porém, analisando de uma maneira diferente, podemos saber que, como a FORÇA MAGNÉTICA ATUA EM UMA CORRENTE ELÉTRICA EM MOVIMENTO EMPURRANDO OS ELÉTRONS LIVRES PARA UMA DIREÇÃO, e como a barra possui elétrons livres, esses elétrons serão empurrados para um extremo da barra, formando duas extremidades com eletrização diferente, enquanto a barra estiver se movendo no campo magnético, já que é o movimento da barra no campo que faz surgir a corrente elétrica em movimento, gerando a força magnética e conseqüentemente a eletrização diferente. Portanto, a força gerada pelo movimento de um condutor metálico em um campo magnético, que gera eletrização diferente no condutor, é denominada FORÇA ELETROMOTRIZ INDUZIDA. Concluímos então que uma barra de metal colocada em um campo magnético, possibilita aos elétrons livres ser empurrados a uma das extremidades da barra, formando um material como uma pilha ou bateria, já que a pilha possui uma extremidade positiva e outra negativa. Corrente Induzida em um Circuito

10 Se a mesma barra no campo magnético, se deslocar sobre um trilho metálico, haverá um circuito elétrico fechado (que está interligado, corrente sempre circulando), formado pela barra e o trilho. Essa corrente ou fluxo de elétrons gerado pela movimentação dos elétrons livres, que então foi gerada pelo movimento da barra, será chamado de corrente induzida, já que a força eletromotriz induzida é que formou essa corrente. Vimos que a f.e.m. induzida (Força Eletromotriz induzida), FORMA UM CAMPO MAGNÉTICO, portanto, é obrigatório que seja criado uma corrente elétrica em movimento, e será essa corrente chamada de CORRENTE INDUZIDA. Há um critério que determina qual extremidade será positiva e qual será negativa. Está relacionado com a direção do movimento que daremos à barra de metal. Exemplo: Assim, se fizermos movimento repetido com uma barra de metal em um campo magnético, surgirá uma CORRENTE ALTERNADA. Corrente alternada: é o fluxo de elétrons (corrente) que constitui de uma variação em relação ao fluxo da corrente, ou seja, em relação à direção da corrente, decorrente do movimento vai-e-vem. Assim, irá alterar como visto acima, o fluxo. Portanto, podemos definir que uma barra de metal nessas condições, é definida como um GERADOR DE CORRENTE ALTERNADA. A lei de Faraday Fluxo Magnético Para entendermos como funciona a teoria de Faraday, devemos compreender o que é o fluxo magnético. Uma superfície plana é colocada em um campo magnético. Se traçarmos uma linha perpendicular a superfície, encontramos um ângulo entre a perpendicular (normal) e o vetor campo magnético. O fluxo magnético é representado por (fi).

11 O CONCEITO DE FLUXO MAGNÉTICO ATRAVÉS DE UMA SUPERFÍCIE PODE SER INTER PRETADO EM TERMOS DE NÚMERO DE LINHAS DE INDUÇÃO QUE FURAM UMA SUPERFÍCIE, OU O DESLOCAMENTO DE UMA CORRENTE ELÉTRICA EM RELAÇÃO AO CAMPO MAGNÉTICO. O fluxo magnético na primeira imagem é maior que na segunda imagem, pois existe maior quantidade de linhas de indução que ultrapassam o plano da primeira imagem. A PROXIMIDADE DAS LINHAS DE INDUÇÃO CARACTERIZAM OU INDICAM A INTENSIDADE DO CAMPO MAGNÉTICO, QUANTO MENOR A DITÂNCIA, MAIS INTENSO SERÁ O CAMPO MAGNÉTICO NO LOCAL. ASSIM, QUANTO MAIS INTENSO O CAMPO MAGNÉTICO, MAIOR SERÁ A QUANTIDADE DE LINHAS DE INDUÇÃO QUE CORTAM ESSA SUPERFÍCIE E CONSEQUENTEMENTE MAIOR SERÁ O VALOR DO FLUXO MAGNÉTICO. Podemos analisar e definir o fluxo magnético como: Vimos que estes dados estão de acordo com a fórmula, assim como as próximas relações citadas. Quanto maior for a área da superfície, maior será a quantidade de linhas de indução que ultrapassam esse plano e consequentemente maior o valor do fluxo

12 magnético. Também devemos observar que quanto mais inclinado for a superfície, menor será a quantidade de linhas de indução que cortam a superfície do plano. Lei de Faraday Faraday observou que: SEMPRE QUE UMA F.E.M. INDUZIDA APRECIA EM UM CIRCUITO, ESTAVA OCORRENDO UMA VARIAÇÃO DO FLUXO MAGNÉTICO ATRAVÉS DESTE CIRCUITO. Variação do fluxo magnético é a variação da quantidade de linhas de indução que cortam um plano em um campo magnético, ou então podemos definir como sendo a movimentação de cargas elétrica em relação ao campo magnético. Exemplo: Se aproximarmos um imã, ou distanciarmos de uma espira, haverá o aparecimento de uma força eletromotriz induzida e consequentemente uma corrente induzida na espira. Isso acontece porque houve uma variação do fluxo magnético através da espira. A quantidade de linhas de indução que ultrapassavam a espira varia no momento em que afastamos ou aproximamos o imã. Lei de Lenz Sentido da corrente induzida >>>>Se o fluxo do campo indutor aumenta, o campo induzido tem sentido oposto ao do campo indutor. >>>>Se o fluxo do campo indutor diminui, o campo induzido tem o mesmo sentido que o campo indutor.

13 Fato básico do eletromagnetismo O fato que explica a atração e a repulsão entre pólos está envolvido com a eletricidade, como todas situações magnéticas. Exemplo: Quando há presença de duas cargas elétricas em movimento, entre essas duas cargas cria-se além da força eletrostática a força magnética, ou em outras palavras, criase um campo magnético ao redor da carga em movimento que atua sobre outra carga que também estará em movimento, e assim também possuirá um campo magnético. Todos fenômenos magnéticos são explicados com base na força magnética, que é criadas com duas ou mais correntes elétricas em movimento como foi dito anteriormente. A atração e repulsão entre os pólos,o desvio da agulha na experiência de Oersted, a posição da bússola na direção norte-sul são exemplos da importância da força magnética na explicação desses tipos de fenômenos. Outras características dos imãs são de apresentarem cargas elétricas em movimento na estrutura atômica, que são responsáveis pelas suas características magnéticas. Através desses aspectos, podemos concluir que quando há duas cargas elétricas em movimento, além da força eletrostática, há formação de outra força, chamada de força magnética, responsável pela atração Campo Magnético O campo magnético é uma região onde encontramos o magnetismo. É um espaço onde ocorrem fenômenos de atração ou repulsão dos materiais ferromagnéticos, paramagnéticos ou diamagnéticos. Materiais ferromagnéticos são aquelas substâncias influenciadas pelo campo magnético. Os materiais ferrosos, por exemplo, são muito influenciados pelo campo magnético, já o cobre não sofre interferência. O campo magnético, também como a força magnética, é originado pelas correntes elétricas em movimento. Porém, o campo magnético pode estar presente em uma única corrente elétrica em movimento, ou seja, não há necessidade de haver duas correntes elétricas em movimento para originar o campo magnético. Já na força magnética, é necessário que haja duas ou mais correntes elétricas em movimento.

14 Na imagem, podemos observar um ímã com um campo magnético em sua volta. Isso ocorre porque os imãs apresentam em seu interior cargas elétricas em movimento. Na segunda ilustração, vemos um fio conduzindo corrente elétrica (assim o fio possui seu campo magnético) passando sobre o campo magnético do ímã. Em outras palavras, podemos dizer que, além de haver formação da força magnética pelo simples fato de ter duas correntes elétricas em movimento, podemos justificar a atração por haver dois campos magnéticos agindo um sobre o outro, ou então que há uma corrente elétrica em movimento passando por um campo magnético de outra corrente elétrica em movimento, são essas maneiras de justificarmos o aparecimento da força magnética. Podemos ver que no imã sozinho não há força magnética, pois há apenas uma corrente elétrica em movimento. Podemos observar então, que uma carga em movimento cria em sua volta um campo magnético, e que se houver outra carga elétrica em movimento passando por este campo magnético, surgirá uma força magnética, ou seja, uma atração entre os dois materiais que possuem corrente elétrica em movimento Correntes de Foucault A Corrente de Foucault (ou corrente parasita) é o nome dado à corrente induzida, gerada por uma força eletromotriz induzida e assim, consequentemente, deve haver uma variação no fluxo magnético, que nesse caso deve ser em um um material de porte consideravelmente grande. Em alguns casos a corrente de Foucault pode produzir resultados indesejáveis, como a elevação da temperatura do material. Para evitar, os materiais sujeitos a campos magnéticos variáveis são freqüentemente laminados ou construídos com placas muito pequenas isoladas umas das outras. O efeito pelicular em condutores é uma forma de manifestação da corrente de Foucault, no qual a corrente elétrica tende a fluir na periferia do condutor O freio eletromagnético O freio magnético é uma maneira de frenagem com base no magnetismo. Ele funciona da seguinte maneira: primeiramente, há uma placa de metal que não é atraída

15 pelo imã, ou seja, não é uma substância ferromagnética, podendo ser de alumínio, que é colocada em movimento por engrenagens ou motores, por exemplo. Colocando um imã na borda do disco de forma que ele fique com um pólo acima e outro abaixo da placa, gera uma variação no fluxo magnético através do disco. Assim, surge uma corrente elétrica na placa que é chamada de corrente de Foucault, que gera um campo magnético que se contrapõe ao campo magnético do indutor, que acabam por reduzir a velocidade. A rapidez da frenagem depende da intensidade do campo magnético, que depende do tipo de imã utilizado Teoria de funcionamento do protótipo Quando giramos a placa de alumínio (condutor) com o auxílio das engrenagens ou polias, estamos submetendo um movimento circular dentro de um campo magnético, já que há um imã sobre a superfície da placa e ele possui corrente elétrica em movimento no seu interior. Assim, surge a f.e.m. induzida (força eletromotriz induzida) que como sabemos, gera uma corrente elétrica, chamada de corrente induzida. A força eletromotriz induzida é gerada através de uma variação do fluxo magnético, que pode ser definido como um movimento de uma corrente elétrica em relação ao campo magnético ou então como uma variação na quantidade de linhas de força que passam através de uma superfície em um campo magnético. No caso de nosso experimento, a rotação da placa de alumínio, que possui elétrons livres, faz com que a placa tenha uma corrente elétrica circulando em seu interior, assim, esta se movimentando em relação ao campo magnético criado pela corrente elétrica da placa. Quando essa corrente passa pelo campo magnético do imã, há uma grande confusão no movimento da corrente, que se separa em correntes positivas e negativas. A força eletromotriz induzida tem por característica submeter um material a agir como uma pilha ou bateria, possuindo uma extremidade positiva e outra negativa. Vimos esse fenômeno em nosso experimento

16 quando essas correntes positivas e negativas se encontram com correntes de mesma carga. Como cargas iguais se repelem, haverá a formação de vários espaços na placa positivos e negativos, determinando que realmente há formação de uma força eletromotriz induzida: Nesse caso, essa corrente será chamada de corrente de Foucault. Como todas correntes elétricas em movimento geram um campo magnético, haverá, a partir dessa corrente induzida, a formação de um campo magnético no disco de Al. Quando há duas correntes elétricas em movimento, surge entre elas uma força magnética. No caso, há a corrente elétrica em movimento do imã, em seu interior e da placa, gerada pela força eletromotriz induzida. A força magnética age sempre em uma direção, empurrando os elétrons livres do material e consequentemente o próprio material. A direção da força magnética é definida a partir das leis de Lenz. Essa força, portanto, será responsável pelo afastamento do imã da placa de alumínio.

17 0.4 - Referência Bibliográfica STEFANINI, Osvaldo;GONÇALVES, Marco A. & RAMOS, Paulo B. Construindo um freio magnético. Em: ATAS do XV SNEF. Curitiba:UFPR. 2003(co_01_030_xv-snef.pdf) ALVARENGA, Beatriz. & MÁXIMO, Antônio. Curso de Física- volume 3.5ª ed. São Paulo: Scipione (Capítulo 24- Indução eletromagnética- Ondas eletromagnéticas. Pp ) ALVARENGA, Beatriz. & MÁXIMO, Antônio. Curso de Física- volume 3.5ª ed. São Paulo: Scipione (Capítulo 22- O Campo Magnético. pp ) Reforço de Física

Física: Eletromagnetismo

Física: Eletromagnetismo Física: Eletromagnetismo Questões de treinamento para a banca Cesgranrio elaborada pelo prof. Alex Regis Questão 01 Está(ão) correta(s): Considere as afirmações a seguir a respeito de ímãs. I. Convencionou-se

Leia mais

CURSO Eletroeletrônica - DATA / / Eletromagnetismo. Indução eletromagnética

CURSO Eletroeletrônica - DATA / / Eletromagnetismo. Indução eletromagnética 1 de 9 CURSO Eletroeletrônica - DATA / / COMPONENTE ALUNO DOCENTE Eletromagnetismo Prof. Romeu Corradi Júnior [www.corradi.junior.nom.br] RA: Assunto: Resumo com comentários Eletromagnetismo Indução eletromagnética

Leia mais

TC DE FÍSICA 2 a SÉRIE ENSINO MÉDIO

TC DE FÍSICA 2 a SÉRIE ENSINO MÉDIO TC DE FÍSICA 2 a SÉRIE ENSINO MÉDIO Professor(es): Odair Mateus 14/6/2010 1.Na(s) questão(ões) a seguir, escreva no espaço apropriado a soma dos itens corretos. Sobre os conceitos e aplicações da Eletricidade

Leia mais

Microfone e altifalante. Conversão de um sinal sonoro num sinal elétrico. sinal elétrico num sinal sonoro.

Microfone e altifalante. Conversão de um sinal sonoro num sinal elétrico. sinal elétrico num sinal sonoro. Microfone e altifalante Conversão de um sinal sonoro num sinal elétrico. Conversão de um sinal elétrico num sinal sonoro. O funcionamento dos microfones e dos altifalantes baseia-se na: - acústica; - no

Leia mais

Condensador equivalente de uma associação em série

Condensador equivalente de uma associação em série Eletricidade Condensador equivalente de uma associação em série por ser uma associação em série, a ddp U nos terminais da associação é igual à soma das ddps individuais em cada capacitor. U U U U 1 2 3

Leia mais

Considerando a polaridade do ímã, as linhas de indução magnética criadas por ele e o sentido da corrente elétrica induzida no tubo condutor de cobre

Considerando a polaridade do ímã, as linhas de indução magnética criadas por ele e o sentido da corrente elétrica induzida no tubo condutor de cobre 1. Em uma aula de laboratório, os estudantes foram divididos em dois grupos. O grupo A fez experimentos com o objetivo de desenhar linhas de campo elétrico e magnético. Os desenhos feitos estão apresentados

Leia mais

Campo Magnético. e horário. e anti-horário. e horário. e anti-horário. e horário. a) b) c) d) e)

Campo Magnético. e horário. e anti-horário. e horário. e anti-horário. e horário. a) b) c) d) e) Campo Magnético 1. (Ita 2013) Uma espira circular de raio R é percorrida por uma corrente elétrica i criando um campo magnético. Em seguida, no mesmo plano da espira, mas em lados opostos, a uma distância

Leia mais

MAGNETISMO - ELETROMAGNETISMO

MAGNETISMO - ELETROMAGNETISMO MAGNETISMO - ELETROMAGNETISMO MAGNETISMO Estuda os corpos que apresentam a propriedade de atrair o ferro. Estes corpos são denominados imãs ou magnetos. Quando suspendemos um imã deixando que ele gire

Leia mais

ELECTROMAGNETISMO. Dulce Godinho 1. Nov-09 Dulce Godinho 1. Nov-09 Dulce Godinho 2

ELECTROMAGNETISMO. Dulce Godinho 1. Nov-09 Dulce Godinho 1. Nov-09 Dulce Godinho 2 Dulce Godinho 1 Dulce Godinho 2 Dulce Godinho 1 Dulce Godinho 3 Dulce Godinho 4 Dulce Godinho 2 Dulce Godinho 5 Dulce Godinho 6 Dulce Godinho 3 Dulce Godinho 7 Dulce Godinho 8 Dulce Godinho 4 Dulce Godinho

Leia mais

FONTES DE CAMPO MAGNÉTICO. Caracterizar e mostrar o campo magnético produzido por uma carga a velocidade constante.

FONTES DE CAMPO MAGNÉTICO. Caracterizar e mostrar o campo magnético produzido por uma carga a velocidade constante. FONTES DE CAMPO MAGNÉTICO META Aula 8 Caracterizar e mostrar o campo magnético produzido por uma carga a velocidade constante. Mostrar a lei da circulação de Ampère-Laplace e a lei de Biot-Savart. Estudar

Leia mais

INDUÇÃO ELETROMAGNÉTICA

INDUÇÃO ELETROMAGNÉTICA INDUÇÃO ELETROMAGNÉTICA Desde 1820 quando Oersted descobriu que quando uma corrente elétrica percorria um condutor gerando em torno deste um campo magnético, que uma pergunta surgiu, seria possível que

Leia mais

Um pouco de história. Um pouco de história. Um pouco de história. Um pouco de história CORPOS ELETRIZADOS E NEUTROS CARGA ELÉTRICA

Um pouco de história. Um pouco de história. Um pouco de história. Um pouco de história CORPOS ELETRIZADOS E NEUTROS CARGA ELÉTRICA Um pouco de história O conhecimento de eletricidade data de antes de Cristo ~ 600 a.c. Ambar, quando atritado, armazena eletricidade William Gilbert em 1600 conseguiu eletrizar muitas substâncias diferentes

Leia mais

Capacitores, correntes contínua e alternada, magnetismo

Capacitores, correntes contínua e alternada, magnetismo É melhor lançar-se à luta em busca do triunfo, mesmo expondo-se ao insucesso, do que ficar na fila dos pobres de espírito, que nem gozam muito nem sofrem muito, por viverem nessa penumbra cinzenta de não

Leia mais

Relatório Final - F809 Construção de um Motor Elétrico Didático de Corrente Contínua

Relatório Final - F809 Construção de um Motor Elétrico Didático de Corrente Contínua Relatório Final - F809 Construção de um Motor Elétrico Didático de Corrente Contínua André Lessa - 008087 Orientador: Pedro Raggio 1 Sumário 1 Introdução 3 2 História 3 3 Teoria 3 3.1 Dipolo Magnético...........................

Leia mais

3º Bimestre. Física I. Autor: Geraldo Velazquez

3º Bimestre. Física I. Autor: Geraldo Velazquez 3º Bimestre Autor: Geraldo Velazquez SUMÁRIO UNIDADE III... 4 Capítulo 3: Eletromagnetismo... 4 3.1 Introdução... 4 3.2 Campo Magnético (B)... 6 3.3 Campo Magnético Gerado Por Corrente... 7 3.4 Campo

Leia mais

Hoje estou elétrico!

Hoje estou elétrico! A U A UL LA Hoje estou elétrico! Ernesto, observado por Roberto, tinha acabado de construir um vetor com um pedaço de papel, um fio de meia, um canudo e um pedacinho de folha de alumínio. Enquanto testava

Leia mais

RECUPERAÇÃO TURMAS: 2º ANO FÍSICA

RECUPERAÇÃO TURMAS: 2º ANO FÍSICA RECUPERAÇÃO TURMAS: 2º ANO Professor: XERXES DATA: 22 / 11 / 2015 RECUPERAÇÃO FINAL FORÇA ELÉTRICA (LEI DE COULOMB) FÍSICA Para todas as questões, considere a constante eletrostática no vácuo igual a 9.10

Leia mais

ELETROSTÁTICA. Ramo da Física que estuda as cargas elétricas em repouso. www.ideiasnacaixa.com

ELETROSTÁTICA. Ramo da Física que estuda as cargas elétricas em repouso. www.ideiasnacaixa.com ELETROSTÁTICA Ramo da Física que estuda as cargas elétricas em repouso. www.ideiasnacaixa.com Quantidade de carga elétrica Q = n. e Q = quantidade de carga elétrica n = nº de elétrons ou de prótons e =

Leia mais

COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE. Programa de Recuperação Paralela. 2ª Etapa 2014

COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE. Programa de Recuperação Paralela. 2ª Etapa 2014 COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE Programa de Recuperação Paralela 2ª Etapa 2014 Disciplina: Física Série: 3ª Professor (a): Marcos Vinicius Turma: FG Caro aluno, você está recebendo o conteúdo de recuperação.

Leia mais

a) os módulos das velocidades angulares ωr NOTE E ADOTE

a) os módulos das velocidades angulares ωr NOTE E ADOTE 1. Um anel condutor de raio a e resistência R é colocado em um campo magnético homogêneo no espaço e no tempo. A direção do campo de módulo B é perpendicular à superfície gerada pelo anel e o sentido está

Leia mais

Aula de Véspera - Inv-2008

Aula de Véspera - Inv-2008 01. Um projétil foi lançado no vácuo formando um ângulo θ com a horizontal, conforme figura abaixo. Com base nesta figura, analise as afirmações abaixo: (001) Para ângulos complementares teremos o mesmo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA PROPRIEDADES DOS ÍMÃS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA PROPRIEDADES DOS ÍMÃS UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA PROPRIEDADES DOS ÍMÃS ELETROMAGNETISMO O estudo dos ímãs remonta da China antiga, quando, por curiosidade, as pessoas utilizavam a hematita (óxido de ferro) para atrair

Leia mais

Física. Resolução. Q uestão 01 - A

Física. Resolução. Q uestão 01 - A Q uestão 01 - A Uma forma de observarmos a velocidade de um móvel em um gráfico d t é analisarmos a inclinação da curva como no exemplo abaixo: A inclinação do gráfico do móvel A é maior do que a inclinação

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DA 3ª ETAPA - 2013

PROGRAMAÇÃO DA 3ª ETAPA - 2013 PROGRAMAÇÃO DA 3ª ETAPA - 2013 FÍSICA CARLOS 3ª MÉDIO Srs. pais ou responsáveis, caros alunos, Encaminhamos a Programação de Etapa, material de apoio para o acompanhamento dos conteúdos e habilidades que

Leia mais

FORÇA MAGNÉTICA. Força magnética sobre cargas em um campo magnético uniforme

FORÇA MAGNÉTICA. Força magnética sobre cargas em um campo magnético uniforme FORÇA MAGNÉTICA Força magnética sobre cargas em um campo magnético uniforme Em eletrostática vimos que quando uma carga penetra em uma região onde existe um campo elétrico, fica sujeita a ação de uma força

Leia mais

Apostila de Eletromagnetismo

Apostila de Eletromagnetismo Apostila de Eletromagnetismo Um campo magnético não exerce força em uma carga elétrica em repouso; mas é possível experimentalmente verificar que um campo magnético exerce uma força sobre uma da carga

Leia mais

Tópico 02: Movimento Circular Uniforme; Aceleração Centrípeta

Tópico 02: Movimento Circular Uniforme; Aceleração Centrípeta Aula 03: Movimento em um Plano Tópico 02: Movimento Circular Uniforme; Aceleração Centrípeta Caro aluno, olá! Neste tópico, você vai aprender sobre um tipo particular de movimento plano, o movimento circular

Leia mais

CONHECIMENTOS TÉCNICOS DE AERONAVES

CONHECIMENTOS TÉCNICOS DE AERONAVES CONHECIMENTOS TÉCNICOS DE AERONAVES MÓDULO 2 Aula 4 Professor: Ricardo Rizzo MAGNETISMO É uma propriedade muito conhecida dos imãs, de atrair o ferro. Um imã possui dois pólos magnéticos denominados norte

Leia mais

EXPERIMENTO 11: DEMONSTRAÇÕES SOBRE ELETROMAGNETISMO. Observar, descrever e explicar algumas demonstrações de eletromagnetismo.

EXPERIMENTO 11: DEMONSTRAÇÕES SOBRE ELETROMAGNETISMO. Observar, descrever e explicar algumas demonstrações de eletromagnetismo. EXPERIMENTO 11: DEMONSTRAÇÕES SOBRE ELETROMAGNETISMO 11.1 OBJETIVOS Observar, descrever e explicar algumas demonstrações de eletromagnetismo. 11.2 INTRODUÇÃO Força de Lorentz Do ponto de vista formal,

Leia mais

2. Um pedaço de ferro é posto nas proximidades de um ímã, conforme a figura abaixo.

2. Um pedaço de ferro é posto nas proximidades de um ímã, conforme a figura abaixo. Magnetismo 1. Um feixe constituído de três espécies de partículas, A eletrizada positivamente, B eletrizada negativamente e C neutra, é lançado de um ponto O de um campo magnético uniforme de indução B

Leia mais

Corrente alternada. Chamamos de corrente elétrica, o movimento ordenado de elétrons dentro de um fio condutor.

Corrente alternada. Chamamos de corrente elétrica, o movimento ordenado de elétrons dentro de um fio condutor. Corrente alternada Chamamos de corrente elétrica, o movimento ordenado de elétrons dentro de um fio condutor. A corrente elétrica pode ser contínua (quando movimento é em uma única direçaõ e sentido) ou

Leia mais

Magnetismo. Campo Magnético. Professor Bolinha

Magnetismo. Campo Magnético. Professor Bolinha Magnetismo Campo Magnético Professor Bolinha Magnetismo Magnetismo é o ramo da Ciência que estuda os materiais magnéticos, ou seja, que estuda materiais capazes de atrair ou repelir outros a distância.

Leia mais

ATIVIDADE: USANDO UM ELETROÍMÃ

ATIVIDADE: USANDO UM ELETROÍMÃ ELETROÍMÃS 4.1- ELETROÍMÃS ELETROÍMÃS Você já ficou sabendo que em movimento, como numa corrente elétrica, gera magnetismo. Você também já ficou sabendo que um imã em movimento próximo de um condutor faz

Leia mais

Física Unidade VI Série 1

Física Unidade VI Série 1 01 a) Os polos sul e norte encontram-se próximos, por isso ocorre atração. b) Polos iguais encontram-se próximos, resultando em repulsão. c) Polos iguais encontram-se próximos, resultando em repulsão.

Leia mais

Cap. 6 - Campo Magnético e Força Magnética

Cap. 6 - Campo Magnético e Força Magnética Universidade Federal do Rio de Janeiro Instituto de Física Física III 2014/2 Cap. 6 - Campo Magnético e Força Magnética Prof. Elvis Soares Nesse capítulo, estudaremos as forças que agem em cargas elétricas

Leia mais

b) Qual deve ser a aceleração centrípeta, para que com esta velocidade, ele faça uma trajetória circular com raio igual a 2m?

b) Qual deve ser a aceleração centrípeta, para que com esta velocidade, ele faça uma trajetória circular com raio igual a 2m? 1 - Dadas as medidas da bicicleta abaixo: a) Sabendo que um ciclista pedala com velocidade constante de tal forma que o pedal dá duas voltas em um segundo. Qual a velocidade linear, em km/h da bicicleta?

Leia mais

LISTA 10 INDUÇÃO ELETROMAGNÉTICA

LISTA 10 INDUÇÃO ELETROMAGNÉTICA 1. (Ufmg 95) Esta figura mostra uma espira retangular, de lados a = 0,20 m e b = 0,50 m, sendo empurrada, com velocidade constante v = 0,50 m/s, para uma região onde existe um campo magnético uniforme

Leia mais

REVISÃO ENEM. Prof. Heveraldo

REVISÃO ENEM. Prof. Heveraldo REVISÃO ENEM Prof. Heveraldo Fenômenos Elétricos e Magnéticos Carga elétrica e corrente elétrica. Lei de Coulomb. Campo elétrico e potencial elétrico. Linhas de campo. Superfícies equipotenciais. Poder

Leia mais

Problemas de eletricidade

Problemas de eletricidade Problemas de eletricidade 1 - Um corpo condutor está eletrizado positivamente. Podemos afirmar que: a) o número de elétrons é igual ao número de prótons. b) o número de elétrons é maior que o número de

Leia mais

ELETROMAGNETISMO INTRODUÇÃO FÍSICA 3º ANO

ELETROMAGNETISMO INTRODUÇÃO FÍSICA 3º ANO 1 ÍMÃS ELETROMAGNETISMO INTRODUÇÃO O nome magnetismo vem de Magnésia, pequena região da Ásia Menor, onde foi encontrado em grande abundância um mineral naturalmente magnético. A pedra desse mineral é chamada

Leia mais

Força Eletromotriz Induzida

Força Eletromotriz Induzida Força Eletromotriz Induzida 1. (Uerj 2013) Um transformador que fornece energia elétrica a um computador está conectado a uma rede elétrica de tensão eficaz igual a 120 V. A tensão eficaz no enrolamento

Leia mais

A busca constantes da qualidade e a preocupação com o atendimento ao cliente estão presentes nas ações do SENAI.

A busca constantes da qualidade e a preocupação com o atendimento ao cliente estão presentes nas ações do SENAI. Sumário Introdução 5 Magnetismo 6 Magnetismo natural - ímãs 6 Ímãs artificiais 6 Pólos magnéticos de um ímã 7 Origem do magnetismo 8 Inseparabilidade dos pólos 10 Interação entre ímãs 10 Campo magnético

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS CAMPO MAGNÉTICO

LISTA DE EXERCÍCIOS CAMPO MAGNÉTICO 1. (Fuvest 96) A figura esquematiza um ímã permanente, em forma de cruz de pequena espessura, e oito pequenas bússolas, colocadas sobre uma mesa. As letras N e S representam, respectivamente, pólos norte

Leia mais

Lista 1 Cinemática em 1D, 2D e 3D

Lista 1 Cinemática em 1D, 2D e 3D UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA DEPARTAMENTO DE ESTUDOS BÁSICOS E INSTRUMENTAIS CAMPUS DE ITAPETINGA PROFESSOR: ROBERTO CLAUDINO FERREIRA DISCIPLINA: FÍSICA I Aluno (a): Data: / / NOTA: Lista

Leia mais

FÍSICA - MOVIMENTO CIRCULAR UNIFORME - PARÂMETROS SITE: www.sofstica.com.br Responsável: Sebastião Alves da Silva Filho Data: 02.12.

FÍSICA - MOVIMENTO CIRCULAR UNIFORME - PARÂMETROS SITE: www.sofstica.com.br Responsável: Sebastião Alves da Silva Filho Data: 02.12. O MOVIMENTO CIRCULAR Podemos definir movimento circular como todo aquele em que a trajetória percorrida por um móvel corresponde a uma circunferência. Não custa insistir, ainda uma vez, que a circunferência

Leia mais

Fundamentos do Eletromagnetismo (FEMZ4)

Fundamentos do Eletromagnetismo (FEMZ4) Fundamentos do Eletromagnetismo (FEMZ4) Aulas (período diurno): 3as-feiras: Três aulas de teoria 5as.-feiras: Duas aulas de laboratório Conteúdo: Campos Magnéticos. Forças Magnéticas. Leis de Maxwell:

Leia mais

Eletricidade e Magnetismo - Lista de Exercícios IV CEFET-BA / UE - VITÓRIA DA CONQUISTA COORDENAÇÃO DE ENGENHARIA ELÉTRICA

Eletricidade e Magnetismo - Lista de Exercícios IV CEFET-BA / UE - VITÓRIA DA CONQUISTA COORDENAÇÃO DE ENGENHARIA ELÉTRICA Eletricidade e Magnetismo - Lista de Exercícios IV CEFET-BA / UE - VITÓRIA DA CONQUISTA COORDENAÇÃO DE ENGENHARIA ELÉTRICA Campo Magnético (Fundamentos de Física Vol.3 Halliday, Resnick e Walker, Cap.

Leia mais

Aluno(a): Nº. Professor: Fabrízio Gentil Série: 3 o ano Disciplina: Física - Magnetismo

Aluno(a): Nº. Professor: Fabrízio Gentil Série: 3 o ano Disciplina: Física - Magnetismo Lista de Exercícios Pré Universitário Uni-Anhanguera Aluno(a): Nº. Professor: Fabrízio Gentil Série: 3 o ano Disciplina: Física - Magnetismo 01 - (PUC SP) Na figura abaixo temos a representação de dois

Leia mais

1. Descobertas de Oersted

1. Descobertas de Oersted Parte II - ELETROMAGNETISMO 1. Descobertas de Oersted Até o início do século XIX acreditava-se que não existia relação entre os fenômenos elétricos e magnéticos. Em 1819, um professor e físico dinamarquês

Leia mais

E L E T R O M AG N E T I S M O. Professor Alex Siqueira

E L E T R O M AG N E T I S M O. Professor Alex Siqueira E L E T R O M AG N E T I S M O Professor Alex Siqueira Equipe de Física UP 2015 DESCOBERTA DOS IMÃS Há muito tempo se observou que certos corpos tem a propriedade de atrair o ferro. Esses corpos foram

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA CAMPUS JOINILLE APOSTILA DE ELETROMAGNETISMO PROF. ANA BARBARA

Leia mais

EXPERIÊNCIA 9 LEI DE FARADAY

EXPERIÊNCIA 9 LEI DE FARADAY EXPERIÊCIA 9 LEI DE FARADAY I - OBJETIVO: Este experimento não é um experimento quantitativo. ele, vamos sempre verificar somente a qualidade. A lei de Faraday é uma lei experimental e procuraremos chegar

Leia mais

Tânia observa um lápis com o auxílio de uma lente, como representado nesta figura:

Tânia observa um lápis com o auxílio de uma lente, como representado nesta figura: PROVA DE FÍSICA QUESTÃO 0 Tânia observa um lápis com o auxílio de uma lente, como representado nesta figura: Essa lente é mais fina nas bordas que no meio e a posição de cada um de seus focos está indicada

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Princípios de Instrumentação Biomédica. Módulo 4

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Princípios de Instrumentação Biomédica. Módulo 4 Universidade Federal do Rio de Janeiro Princípios de Instrumentação Biomédica Módulo 4 Faraday Lenz Henry Weber Maxwell Oersted Conteúdo 4 - Capacitores e Indutores...1 4.1 - Capacitores...1 4.2 - Capacitor

Leia mais

Na análise das condições de equilíbrio de um corpo extenso verificamos que:

Na análise das condições de equilíbrio de um corpo extenso verificamos que: Na análise das condições de equilíbrio de um corpo extenso verificamos que: F=0 τ o= 0 A resultante das forças que atuam sobre o corpo é igual a zero A soma dos torques produzidos por cada uma das forças

Leia mais

Eletrodinâmica. Circuito Elétrico

Eletrodinâmica. Circuito Elétrico Eletrodinâmica Circuito Elétrico Para entendermos o funcionamento dos aparelhos elétricos, é necessário investigar as cargas elétricas em movimento ordenado, que percorrem os circuitos elétricos. Eletrodinâmica

Leia mais

Lei dos transformadores e seu princípio de funcionamento

Lei dos transformadores e seu princípio de funcionamento Lei dos transformadores e seu princípio de funcionamento Os transformadores operam segundo a lei de Faraday ou primeira lei do eletromagnetismo. Primeira lei do eletromagnetismo Uma corrente elétrica é

Leia mais

IBM1018 Física Básica II FFCLRP USP Prof. Antônio Roque Aula 3

IBM1018 Física Básica II FFCLRP USP Prof. Antônio Roque Aula 3 Linhas de Força Mencionamos na aula passada que o físico inglês Michael Faraday (79-867) introduziu o conceito de linha de força para visualizar a interação elétrica entre duas cargas. Para Faraday, as

Leia mais

Eletromagnetismo. Prof. Eng Luiz Antonio Vargas Pinto 2004. Prof. Engº Luiz Antonio Vargas Pinto

Eletromagnetismo. Prof. Eng Luiz Antonio Vargas Pinto 2004. Prof. Engº Luiz Antonio Vargas Pinto Eletromagnetismo Prof. Eng Luiz Antonio Vargas Pinto 2004 1 Experiência 1 - Teoria do magnetismo e espectro magnético de imã Objetivo: Verificar a disposição de um campo magnético em torno de um imã. Teoria:

Leia mais

Física FUVEST ETAPA. ε = 26 cm, e são de um mesmo material, Resposta QUESTÃO 1 QUESTÃO 2. c) Da definição de potência, vem:

Física FUVEST ETAPA. ε = 26 cm, e são de um mesmo material, Resposta QUESTÃO 1 QUESTÃO 2. c) Da definição de potência, vem: Física QUESTÃO 1 Um contêiner com equipamentos científicos é mantido em uma estação de pesquisa na Antártida. Ele é feito com material de boa isolação térmica e é possível, com um pequeno aquecedor elétrico,

Leia mais

Vestibular UFRGS 2015. Resolução da Prova de Física

Vestibular UFRGS 2015. Resolução da Prova de Física Vestibular URGS 2015 Resolução da Prova de ísica 1. Alternativa (C) O módulo da velocidade relativa de móveis em movimentos retilíneos de sentidos opostos pode ser obtido pela expressão matemática: v r

Leia mais

Os pólos do mesmo sinal repelem-se, norte com norte e sul com sul, e os pólos de sinal contrário atraem-se, sul com norte e norte com sul.

Os pólos do mesmo sinal repelem-se, norte com norte e sul com sul, e os pólos de sinal contrário atraem-se, sul com norte e norte com sul. A- Magnetismo 1- Íman Chama-se íman ao corpo que possui a propriedade de atrair ferro, níquel ou cobalto. Existem ímanes naturais denominados de magnetite, e ímanes artificiais constituídos por aço e ferro.

Leia mais

Exercícios de Física Eletromagnetismo

Exercícios de Física Eletromagnetismo Exercícios de Física Eletromagnetismo 1-Considerando as propriedades dos ímãs, assinale a alternativa correta. a) Quando temos dois ímãs, podemos afirmar que seus pólos magnéticos de mesmo nome (norte

Leia mais

Exercícios de Física Eletromagnetismo

Exercícios de Física Eletromagnetismo Exercícios de Física Eletromagnetismo 1-Considerando as propriedades dos ímãs, assinale a alternativa correta. a) Quando temos dois ímãs, podemos afirmar que seus pólos magnéticos de mesmo nome (norte

Leia mais

Exercícios Eletromagnetismo

Exercícios Eletromagnetismo Exercícios Eletromagnetismo 1-Considerando as propriedades dos ímãs, assinale a alternativa correta. a) Quando temos dois ímãs, podemos afirmar que seus pólos magnéticos de mesmo nome (norte e norte, ou

Leia mais

Introdução à Eletricidade e Lei de Coulomb

Introdução à Eletricidade e Lei de Coulomb Introdução à Eletricidade e Lei de Coulomb Introdução à Eletricidade Eletricidade é uma palavra derivada do grego élektron, que significa âmbar. Resina vegetal fossilizada Ao ser atritado com um pedaço

Leia mais

Lista de Exercícios Física 2 - Prof. Mãozinha Tarefa 15 Eletromagnetismo. Resumo de fórmulas. Fórmulas para cargas elétricas

Lista de Exercícios Física 2 - Prof. Mãozinha Tarefa 15 Eletromagnetismo. Resumo de fórmulas. Fórmulas para cargas elétricas Resumo de fórmulas Força magnética em uma carga elétrica em movimento F = q. v. B. senθ Fórmulas para cargas elétricas Raio de uma trajetória circular gerada por uma partícula em um campo magnético R =

Leia mais

ELECTROMAGNESTISMO CAMPO MAGNÉTICO

ELECTROMAGNESTISMO CAMPO MAGNÉTICO ELECTROMAGNESTISMO CAMPO MAGNÉTICO O magnetismo é uma propriedade que alguns corpos têm. É o caso dos ÍMANES Os ímanes atraem objectos de ferro ou de aço. Por exemplo clipes, pregos de aço e alfinetes.

Leia mais

GREGOR MENDEL & GRANDES MESTRES REVISÃO 2ª FASE BAHIANA

GREGOR MENDEL & GRANDES MESTRES REVISÃO 2ª FASE BAHIANA REVISÃO ª FASE BAHIANA 1 Um anel condutor de raio a e resistência R é colocado em um campo magnético homogêneo no espaço e no tempo. A direção do campo de módulo B é perpendicular à superfície gerada pelo

Leia mais

Centro Federal de Educação Tecnológica de Santa Catarina Departamento de Eletrônica Retificadores. Prof. Clóvis Antônio Petry.

Centro Federal de Educação Tecnológica de Santa Catarina Departamento de Eletrônica Retificadores. Prof. Clóvis Antônio Petry. Centro Federal de Educação Tecnológica de Santa Catarina Departamento de Eletrônica Retificadores Campos Magnéticos, Densidade de Fluxo, Permeabilidade e Relutância Prof. Clóvis Antônio Petry. Florianópolis,

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL JOÃO XXIII A

ESCOLA ESTADUAL JOÃO XXIII A Educando para a Modernidade desde 1967 ESCOLA ESTADUAL JOÃO XXIII A Escola que a gente quer é a Escola que a gente faz! NATUREZA DA ATIVIDADE: EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO 2 DISCIPLINA: FÍSICA ASSUNTO: MOVIMENTO

Leia mais

Cortina Elétrica com Controle Remoto

Cortina Elétrica com Controle Remoto FUNDAÇÃO ESCOLA TÉCNICA LIBERATO SALZANO VIEIRA DA CUNHA CURSO TÉCNICO EM MECÂNICA 1º SÉRIE DO ENSINO MÉDIO Turma 3111 Trabalho Trimestral de Física Cortina Elétrica com Controle Remoto Arian Müller (03)

Leia mais

CINEMÁTICA - É a parte da mecânica que estuda os vários tipos de movimento, sem se preocupar com as causas destes movimentos.

CINEMÁTICA - É a parte da mecânica que estuda os vários tipos de movimento, sem se preocupar com as causas destes movimentos. INTRODUÇÃO À CINEMÁTICA REPOUSO OU MOVIMENTO? DEPENDE DO REFERENCIAL! CINEMÁTICA - É a parte da mecânica que estuda os vários tipos de movimento, sem se preocupar com as causas destes movimentos. REFERENCIAL.

Leia mais

Lista de Eletromagnetismo - Tubarão. amostra em relação à localização dos. 1. Num laboratório de biofísica, um. lagos de onde vieram.

Lista de Eletromagnetismo - Tubarão. amostra em relação à localização dos. 1. Num laboratório de biofísica, um. lagos de onde vieram. 1. Num laboratório de biofísica, um pesquisador realiza uma experiência com "bactérias magnéticas", bactérias que tem pequenos ímãs no seu interior. Com auxílio desses imãs, amostra em relação à localização

Leia mais

Efeito magnético da corrente elétrica

Efeito magnético da corrente elétrica Efeito magnético da corrente elétrica Descoberta Um condutor percorrido por uma corrente elétrica faz desviar uma agulha magnética - efeito magnético da corrente elétrica. Observação Um condutor percorrido

Leia mais

TC 3 UECE - 2013 FASE 2 MEDICINA e REGULAR

TC 3 UECE - 2013 FASE 2 MEDICINA e REGULAR TC 3 UECE - 03 FASE MEICINA e EGULA SEMANA 0 a 5 de dezembro POF.: Célio Normando. A figura a seguir mostra um escorregador na forma de um semicírculo de raio = 5,0 m. Um garoto escorrega do topo (ponto

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E FÍSICA Professor: Renato Medeiros EXERCÍCIOS NOTA DE AULA IV Goiânia - 2014 EXERCÍCIOS 1. Uma partícula eletrizada positivamente é

Leia mais

UFMG - 2003 2º DIA FÍSICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR

UFMG - 2003 2º DIA FÍSICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR UFMG - 2003 2º DIA FÍSICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR Física Questão 01 Durante uma brincadeira, Rafael utiliza o dispositivo mostrado nesta figura para lançar uma bolinha horizontalmente. Nesse

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Considerando a interdependência das várias áreas de conhecimento dentro da Física, julgue os itens a seguir. 61 A temperatura de um cubo de gelo a 0 ºC, ao ser colocado em um

Leia mais

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES 1 a QUESTÃO Valor: 1,00 A L 0 H mola apoio sem atrito B A figura acima mostra um sistema composto por uma parede vertical

Leia mais

Geradores de Corrente Contínua UNIDADE 2 Prof. Adrielle de Carvalho Santana

Geradores de Corrente Contínua UNIDADE 2 Prof. Adrielle de Carvalho Santana Geradores de Corrente Contínua UNIDADE 2 Prof. Adrielle de Carvalho Santana INTRODUÇÃO Um gerador de corrente continua é uma máquina elétrica capaz de converter energia mecânica em energia elétrica. Também

Leia mais

LISTÃO DE MAGNETISMO PARA REVISÃO

LISTÃO DE MAGNETISMO PARA REVISÃO LISTÃO DE MAGNETISMO PARA REVISÃO 1. Favip-PE Considerando as propriedades dos ímãs, assinale a alternativa correta. a) Quando temos dois ímãs, podemos afirmarque seus pólos magnéticos de mesmo nome (norte

Leia mais

Carga Elétrica e Eletrização dos Corpos

Carga Elétrica e Eletrização dos Corpos ELETROSTÁTICA Carga Elétrica e Eletrização dos Corpos Eletrostática Estuda os fenômenos relacionados às cargas elétricas em repouso. O átomo O núcleo é formado por: Prótons cargas elétricas positivas Nêutrons

Leia mais

RELAÇÕES DE CORRENTE ALTERNADA

RELAÇÕES DE CORRENTE ALTERNADA RELAÇÕES DE CORRENTE ALTERNADA A tensão alternada senoidal é a qual utilizamos em nossos lares, na indústria e no comércio. Dentre as vantagens, destacamos: Facilidade de geração em larga escala; Facilidade

Leia mais

INTRODUÇÃO AO MAGNETISMO. Condigital: Mídias Digitais para a Educação

INTRODUÇÃO AO MAGNETISMO. Condigital: Mídias Digitais para a Educação Condigital: Mídias Digitais para a Educação CONTEXTO Tu foste mistério desde a antiga China e há mais de cinco mil anos se conta a sua história. Foi objeto de premonição do futuro, nas mãos dos adivinhos

Leia mais

Equipe de Física FÍSICA

Equipe de Física FÍSICA Aluno (a): Série: 3ª Turma: TUTORIAL 10R Ensino Médio Equipe de Física Data: FÍSICA Corrente Elétrica Ao se estudarem situações onde as partículas eletricamente carregadas deixam de estar em equilíbrio

Leia mais

5/8/2015. O Campo Magnético... um pouco do passado As primeiras manifestações de fenômenos magnéticos que se tem notícia ocorreu na Magnésia.

5/8/2015. O Campo Magnético... um pouco do passado As primeiras manifestações de fenômenos magnéticos que se tem notícia ocorreu na Magnésia. As primeiras manifestações de fenômenos s que se tem notícia ocorreu na agnésia. Na Grécia antiga, se conheciam as propriedades de um minério de ferro encontrado na região da agnésia, a magnetita, (Fe

Leia mais

FÍSICA. Questões de 01 a 04

FÍSICA. Questões de 01 a 04 GRUPO 1 TIPO A FÍS. 1 FÍSICA Questões de 01 a 04 01. Considere uma partícula presa a uma mola ideal de constante elástica k = 420 N / m e mergulhada em um reservatório térmico, isolado termicamente, com

Leia mais

DATA: / / 2014 ETAPA: 3ª VALOR: 20,0 pontos NOTA:

DATA: / / 2014 ETAPA: 3ª VALOR: 20,0 pontos NOTA: DISCIPLINA: Física PROFESSORES: Fabiano Vasconcelos Dias DATA: / / 2014 ETAPA: 3ª VALOR: 20,0 pontos NOTA: NOME COMPLETO: ASSUNTO: TRABALHO DE RECUPERAÇÃO FINAL SÉRIE: 3ª SÉRIE EM TURMA: Nº: I N S T R

Leia mais

PUCGoiás Física I. Lilian R. Rios. Rotação

PUCGoiás Física I. Lilian R. Rios. Rotação PUCGoiás Física I Lilian R. Rios Rotação O movimento de um cd, de um ventilador de teto, de uma roda gigante, entre outros, não podem ser representados como o movimento de um ponto cada um deles envolve

Leia mais

7] As polias indicadas na figura se movimentam em rotação uniforme, ligados por um eixo fixo.

7] As polias indicadas na figura se movimentam em rotação uniforme, ligados por um eixo fixo. Colégio Militar de Juiz de Fora Lista de Exercícios C PREP Mil Prof.: Dr. Carlos Alessandro A. Silva Cinemática: Vetores, Cinemática Vetorial, Movimento Circular e Lançamento de Projéteis. Nível I 1] Dois

Leia mais

Questão 1. Questão 2. Resposta. Resposta

Questão 1. Questão 2. Resposta. Resposta Questão 1 Na natureza, muitos animais conseguem guiar-se e até mesmo caçar com eficiência, devido à grande sensibilidade que apresentam para a detecção de ondas, tanto eletromagnéticas quanto mecânicas.

Leia mais

professordanilo.com Considerando a intensidade da aceleração da gravidade de tração em cada corda é de g 10 m / s, a intensidade da força

professordanilo.com Considerando a intensidade da aceleração da gravidade de tração em cada corda é de g 10 m / s, a intensidade da força 1. (Espcex (Aman) 015) Em uma espira condutora triangular equilátera, rígida e homogênea, com lado medindo 18 cm e massa igual a 4,0 g, circula uma corrente elétrica i de 6,0 A, no sentido anti-horário.

Leia mais

EQUACIONAL ELÉTRICA E MECÂNICA LTDA

EQUACIONAL ELÉTRICA E MECÂNICA LTDA ELETROTÉCNICA 1. INTRODUÇÃO : Este texto foi preparado procurando uma exposição na forma mais simples, apenas com a intenção de relembrar alguns conceitos fundamentais da eletricidade e do eletromagnetismo

Leia mais

MAGNETISMO História. De Magnete, Magneticisque Corporibus, et de Magno Magnete Tellure

MAGNETISMO História. De Magnete, Magneticisque Corporibus, et de Magno Magnete Tellure MAGNETISMO História. Na Grécia antiga (séc. VI a.c.) em uma região chamada Magnésia o filósofo grego Tales de Mileto observou-se a existência de uma pedra de comportamento diferente. Essas pedras possuíam

Leia mais

ESTUDO DIRIGIDO DE REVISÃO PARA RECUPERAÇÃO FINAL - 2015

ESTUDO DIRIGIDO DE REVISÃO PARA RECUPERAÇÃO FINAL - 2015 Nome: 3ª série: n o Professor: Luiz Mário Data: / / 2015. ESTUDO DIRIGIDO DE REVISÃO PARA RECUPERAÇÃO FINAL - 2015 Orientações: - Este estudo dirigido poderá ser usado para revisar a matéria que será cobrada

Leia mais

TC 1 UECE 2012 FASE 2. PROF.: Célio Normando

TC 1 UECE 2012 FASE 2. PROF.: Célio Normando TC 1 UECE 01 FASE PROF.: Célio Normando Conteúdo: Aritmética Ordem de Grandeza 1. Racionalizar o uso da água significa usá-la sem desperdício e considerá-la uma prioridade social e ambiental, para que

Leia mais

Exercícios de Eletrização

Exercícios de Eletrização Exercícios de Eletrização 1-Um corpo inicialmente neutro recebe 10 milhões de elétrons. Este corpo adquire uma carga de: (e = 1,6. 10 19 C). a) 1,6. 10 12 C b) 1,6. 10 12 C c) 16. 10 10 C d) 16. 10 7 C

Leia mais

Física Experimental - Magnetismo - Kit eletromagnetismo I - EQ405A

Física Experimental - Magnetismo - Kit eletromagnetismo I - EQ405A Índice Remissivo... 4 Abertura... 6 Guarantee / Garantia... 7 Certificado de Garantia Internacional... 7 As instruções identificadas no canto superior direito da página pelos números que se iniciam pelos

Leia mais

ELETROSTÁTICA 3ª SÉRIE

ELETROSTÁTICA 3ª SÉRIE ELETROSTÁTICA 3ª SÉRIE 1. (Pucrj 013) Duas cargas pontuais q1 3,0 μc e q 6,0 μc são colocadas a uma distância de 1,0 m entre si. Calcule a distância, em metros, entre a carga q 1 e a posição, situada entre

Leia mais