ÁREA TEMÁTICA: Direito, Crime e Dependências INFÂNCIA, SOCIALIZAÇÃO E TERRITÓRIO: A APRENDIZAGEM SOCIAL DA DELINQUÊNCIA POR CRIANÇAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ÁREA TEMÁTICA: Direito, Crime e Dependências INFÂNCIA, SOCIALIZAÇÃO E TERRITÓRIO: A APRENDIZAGEM SOCIAL DA DELINQUÊNCIA POR CRIANÇAS"

Transcrição

1 ÁREA TEMÁTICA: Direito, Crime e Dependências INFÂNCIA, SOCIALIZAÇÃO E TERRITÓRIO: A APRENDIZAGEM SOCIAL DA DELINQUÊNCIA POR CRIANÇAS EM CONTEXTO DE REALOJAMENTO CARVALHO, Maria João Leote de Doutorada em Sociologia especialidade em Sociologia do Desenvolvimento e da Mudança Social CesNova FCSH, Universidade Nova de Lisboa

2 2 de 15

3 Resumo Fundando-se nos campos do interacionismo simbólico, da ecologia social e da sociologia da infância, a pesquisa que serve de base a esta comunicação teve por objetivo estudar as relações emergentes entre a delinquência de crianças em idade escolar (1º Ciclo do Ensino Básico: 6-12 anos) e os modelos de urbanização em que se integra a construção de seis bairros de realojamento no concelho de Oeiras, Área Metropolitana de Lisboa. Com base numa linha orientadora que cruza três vetores infância, delinquência e território, partiu-se da hipótese de que esses modelos se articulam com o desenvolvimento de processos de socialização e modos de vida facilitadores do acesso das crianças a janelas de oportunidades para a prática de delinquência. Entre final de 2005 e 2009 realizou-se um estudo de caso, de base etnográfica, aplicando-se um metodologia qualitativa que resultou da complementaridade de diferentes técnicas observação participante, técnicas visuais (desenho e fotografias dos bairros), entrevistas e análise documental, numa lógica analítica compreensiva que teve por ponto de partida a voz das crianças. No final, constatou-se como a espacialização da diferenciação social na origem destes bairros traduz-se em fragilidades do controlo social, identificando-se um quadro de desorganização social e baixa eficácia coletiva que favorece a aprendizagem social da delinquência. A transmissão de valores delinquentes, especialmente em famílias que se constituem como modelo de não conformidade social, assume significativa importância espelhando-se na diluição do controlo social informal. Para várias crianças a delinquência assume um carácter funcional e instrumental, nela encontrando formas atrativas e desafiantes de socialização. Abstract Rooted in the symbolic interactionism theory, social ecology theoretical approaches and childhood studies, the PhD research project in which this paper is based aimed to study the relation between school children delinquency (Elementary Level: 6-12 years-old), and the models of urbanization which have supported the construction of six public housing neighbourhoods in Oeiras, Lisbon Metropolitan Area, Portugal. Based on guideline that crosses three vectors childhood, delinquency, and territory, we started from the hypothesis that these models are linked with the development of socialization processes that facilitate the access to windows of opportunities for committing delinquency. Within this framework, between late 2005 and 009, it has been carried out a case study based on ethnographic research involving a combination of qualitative methodologies participant observation, visual techniques (neighbourhood drawings and community photography), interviews and documental analysis, sustained in a comprehensive analytical logic that has considered the voice of children as its starting point. Locally, the spatialization of the social differentiation of these neighbourhoods reflects into weaknesses of social control, and into the existence of a framework of social disorganization and low collective efficacy that promote the social learning of delinquency. The transmission of delinquent values, especially in families that are not models of social conformity, assumes significant importance and it is reflected in the dilution of informal social control. For many children, delinquency takes a functional and instrumental role, and may find in it attractive and rewarding forms of socialization. Palavras-chave: crianças, socialização, delinquência, ecologia social, políticas de habitação social Keywords: children, socialization, delinquency, socio ecological theories, public housing policies PAP de 15

4 4 de 15

5 Introdução A delinquência não é um fenómeno exclusivo das sociedades contemporâneas; existiu desde sempre e em todos os grupos sociais, variando apenas a forma como se caracteriza e se torna visível ao longo dos tempos. No presente, constitui um traço fundamental da análise social das dinâmicas da(s) cidade(s) e da(s) metropóle(s), que se edificam num quadro alargado de mudanças sociais tendo por pano de fundo um fenómeno de globalização. De igual modo, também a preocupação social sobre esta problemática não é nova. Contudo, nos dias de hoje, adquire um especial relevo pelas questões sociais que coloca em causa no seio de uma determinada sociedade, especialmente quando reportada aos atos dos seus membros mais novos, as crianças. Assente numa uma linha orientadora que cruzou três vetores infância, delinquência e território, no âmbito de dissertação de Doutoramento em Sociologia desenvolveu-se um projeto de investigação financiado pela Fundação para a Ciência e Tecnologia (SFRH/BD/43563/2008)que teve por objetivo estudar as relações emergentes entre a delinquência de crianças em idade escolar (1º Ciclo do Ensino Básico: 6-12 anos) e os modelos de urbanização em que se integra a construção de seis bairros de realojamento no concelho de Oeiras, na Área Metropolitana de Lisboa, com base na hipótese de que esses modelos e os processos de urbanização concretizados se articulam com o desenvolvimento de formas de socialização e modos de vida que facilitam o acesso a janelas de oportunidades para a prática de atos delinquentes. 1 Observar e compreender os quadros de vida das crianças significa apreender um universo muito vasto. A infância não é uma realidade plana, vivida ou representada exclusivamente no singular; pelo contrário destaca-se em cada forma de a viver um campo próprio que remete para a coexistência de traços singulares diversos decorrentes de desigualdades assinaladas por diferentes origens de género, espaço social de classes e, até mesmo, de local geográfico (Almeida, 2009). Dada a dimensão da pesquisa em causa, esta comunicação fica reduzida a uma breve discussão sobre alguns dos principais resultados obtidos relativos às práticas sociais das crianças e às formas como representam e assumem o seu envolvimento em delinquência. Teve-se a intenção de identificar a natureza e dimensões da delinquência na infância nos bairros de realojamento escolhidos, tentando-se perceber de que formas as crianças se apropriam dos modelos culturais dominantes e os violam, aceitam ou legitimam pela ação, como constroem o sentido da delinquência nestas idades. Trata-se de uma perspetiva que visa a conjugação dos atos, dos autores, dos resultados e sentidos da ação que lhes são atribuídos (Cusson, 1993). 1. Infância, urbanização e delinquência Enquanto conceito socialmente construído por referência a normas, valores, quadros socioculturais e jurídicos de uma sociedade, a delinquência reporta-se aos atos de violação desses quadros praticados por indivíduos que, em função da idade, se encontram na condição de inimputáveis perante a lei penal ficando, por isso, abrangidos por legislação específica de proteção à infância e juventude. Na sua origem estão processos e dinâmicas sociais cuja discussão se revela pertinente incrementar tanto a nível científico como social. Para isso importa identificar as formas de produção da delinquência a partir dos contextos onde se manifesta, dos protagonistas que envolve e dos instrumentos de reação social de que uma sociedade dispõe. O modelo teórico de análise preconizado nesta investigação (Carvalho, 2010), com origem nos campos do interacionismo simbólico, da ecologia social e da sociologia da infância, pensa a delinquência na infância (6-12 anos) como expressão de um problema social que, não sendo novo, está associado a um amplo espetro de fatores e circunstâncias de natureza diversa. Estes fatores e circunstâncias colocam-se em jogo num determinado território cujo ambiente físico influi e simultaneamente sofre as influências da ação e do controlo social exercido pelos indivíduos que nele se situam, ou o atravessam, e em relação aos quais as crianças, na qualidade de atores sociais, atribuem um sentido particular que apropriam, integram, reconstituem e (re)produzem. Ter em consideração o olhar da criança abre horizontes que remetem para a sua compreensão como entidade participativa na construção da realidade e da mudança social nas mais variadas dimensões. Se é verdade que 5 de 15

6 toda a ação tem um sentido, só assumindo a capacidade de escuta sobre esse sentido a partir do ator social é que se poderá caminhar para um processo de desocultação da mesma e dos mecanismos sociais que lhe estão subjacentes (Bourdieu, 1993). Nesta investigação interessou particularmente a conclusão apontada em diversos estudos relativamente à existência de uma relação positiva entre a concentração de desvantagens sociais em certos espaços urbanos e a delinquência. Na sua origem, o facto de desorganização social e (baixa) eficácia coletiva se interpenetrarem mutuamente, decorrendo da natureza deste processo o favorecimento da aprendizagem social da delinquência pelas crianças (Sampson, 2002).A eficácia coletiva refere-se aos mecanismos sociais de construção de confiança e de partilha de expectativas entre residentes de um determinado território relativamente ao controlo social, deslocando-se o foco de atenção dos laços individuais para o da eficácia social dos grupos. Como provam os resultados de várias pesquisas (Sampson, 2008), processos sociais fulcrais como o controlo social, se exercido nos espaços públicos com base no envolvimento coletivo dos residentes, associa-se negativamente a violência, delinquência e crime. À luz dos contornos do desenvolvimento urbano, a eficácia coletiva depende da construção de relações de confiança estabelecidas com o(s) outro(s), que satisfaçam tanto necessidades pessoais como sociais, sendo indissociáveis do território onde se concretizam. Nesta perspetiva, a delinquência surge como resultado de uma aprendizagem social (Akers, Krohn, Bandura) que se associa à existência de janelas de oportunidades que facilitam a passagem ao ato delinquente. Entre estas, destaque para a prevalência de determinados padrões de vizinhança e de redes sociais em determinadas zonas (Merton, Cohen, Cloward e Ohlin) e para a associação a modelos de referência delinquentes e criminais. A socialização de crianças em contextos sociais onde violência e crime tendem a acontecer com regularidade sujeita-as a uma maior exposição e contacto com esses problemas sociais, num quadro de valores que pode favorecer a violação de regras sociais e a não conformidade social. A família, como instância de socialização privilegiada nestas idades, tem um especial papel neste campo.os fatores associados à esfera familiar, ao controlo social informal, ao exercício da supervisão educativa e aos processos de aprendizagem que pais constroem com os filhos, em especial no sentido de lhes incutir ou não a adesão aos valores da sociedade, estão associados à delinquência e extensamente retratados na literatura científica. E tal como as famílias influenciam o desenvolvimento dos seus membros através da situação social e física, também sofrem com as influências do meio onde se (des)integram (McCord, 2002). 2. Aspetos metodológicos Entre final de 2005 e 2009, realizou-se um estudo de caso, de base etnográfica, em seis bairros de realojamento no concelho de Oeiras, Área Metropolitana de Lisboa. 2 A opção pelo uso da expressão bairro de realojamento nesta pesquisa remete primordialmente para uma medida de política pública de habitação social, que assentou em processos de relocalização de populações que conduziram ou podem ter mantido uma concentração de determinados problemas e desvantagens sociais em alguns territórios quando se poderia, eventualmente, ter defendido outras soluções que obstassem a esta concentração. Se é certo que estes são espaços onde está identificada a existência de um leque de problemas sociais, também é certo que esses problemas não se encontram ou se produzem só no seu interior, bem como não podem ser analisados sem se ter em consideração os contornos do funcionamento de sistemas sociais (de ensino, saúde, proteção e ação social, segurança e justiça), tanto a montante como a jusante (Machado e Silva, 2009). Em função da observação de uma realidade social complexa a nível de conteúdo e também, de forma específica, da acessibilidade aos atores sociais nela envolvidos, aplicou-se um metodologia qualitativa que resultou da complementaridade entre diferentes técnicas - observação participante, conversas informais, entrevistas semi-estruturadas a crianças (72) e a pais ou seus substitutos (62), técnicas visuais (312 desenhos sobre os bairros e fotografias dos bairros tiradas por 34 crianças de duas turmas de escola do 1º CicloEB),análise documental (primordialmente das ocorrências registadas na Esquadra local da Polícia de Segurança Pública e dos processo entrados na Comissão de Proteção de Crianças e Jovens de Oeiras pela prática de facto qualificado pela lei penal como crime). 3 6 de 15

7 O tratamento da informação recolhida foi sustentado numa lógica analítica compreensiva que teve como ponto de partida a voz das crianças. Neste texto são apresentados excertos resultantes da operacionalização das várias técnicas salientando-se, pela profundidade da informação recolhida, o desenho sobre o bairro. Nele participaram 312 crianças do 1º Ciclo do Ensino Básico, de ambos os sexos, com idades compreendidas entre os seis e os 13 anos, que, entre final de 2005 e início de 2009, frequentaram duas escolas do 1º Ciclo EB abrangidas pelo Programa TEIP II no contexto em estudo. Nesta análise cruzou-se o plano de representação gráfica com o conteúdo da descrição e interpretação (a narrativa) feita pelas próprias crianças no entendimento de que o desenho das crianças é, afinal, o desenho de um mundo (Sarmento, 2007, p.20). Esta foi uma investigação marcada por intensos desafios metodológicos e éticos relativamente aos quais não se tem oportunidade de abordar nestas páginas recomendando-se a consulta da dissertação (Carvalho, 2010) pois muito fica por dizer sobre estas matérias. 3. Putos assaltantes : práticas sociais e delinquência(s) Na análise das perspetivas das crianças sobre os bairros onde residem, o primeiro ponto relevante prende-se com o facto dos aspetos negativos se sobreporem significativamente aos positivos. Violência, desordens e crime, sob diferentes formas, foram os problemas mais destacados (Carvalho, 2010). Imagem 1 O meu bairro É a minha casa e tem o cano e o ribeiro ao lado com muito lixo. Precisa mais segurança no prédio porque eles vão para lá fumar, estragam o prédio todo, a rua, são bandidos. Neste bairro o que há a mais são bandidos, bandidos e ladrões, carros roubados e putos assaltantes, carros roubados a fazerem piões e bandidos a roubarem lojas e pessoas. O meu bairro tem tudo mas falta segurança, é muitos bandidos. [rapaz M70, 11 anos, 4º ano, Bairro Verde] Evidencia-se, nos seus discursos e produções visuais, como as crianças estão atentas à realidade social e dela participam, reconstruindo o seu papel social pelas situações que vivenciam, representando-as de forma conflitual. São significativas as referências a desordens, incivilidades e delinquência levadas a cabo por várias crianças e a consideração da existência de putos assaltantes, para usar a expressão de um dos participantes, representa a visibilidade que os atos delinquentes dos mais novos adquirem junto de quem aqui vive. 7 de 15

8 3.1 Dimensões da delinquência patrimonial Na conjugação dos resultados obtidos nos diversos patamares de análise, há a salientar vários aspetos relativamente às delinquências identificadas, podendo considerar-se a existência de diferentes dimensões consoante a natureza dos atos. Como observado noutros estudos realizados sobre esta problemática em contextos semelhantes (Chaiken, 2000), a maioria das crianças envolvidas em delinquência nestes bairros é do sexo masculino e desenvolve-a no campo patrimonial, numa linha aquisitiva que se vê concretizada, sobretudo, por pequenos furtos. Uma primeira dimensão, por assim dizer de base, mais extensa, por ser das mais referidas pelas próprias crianças, abrange ambos os sexos ainda que com maior incidência junto de rapazes, e diferentes idades, designadamente logo a partir dos 4-5 anos. Trata-se de uma delinquência de natureza exclusivamente patrimonial baseada em furtos praticados dentro e fora dos bairros, tendo por principais bens visados as guloseimas e os produtos alimentares cujo consumo tende a iniciar-se no interior dos espaços comerciais (delinquência formigueiro ).São situações que a maioria dos envolvidos, tal como muitos dos adultos residentes neste contexto, sobretudo os familiares das crianças, tende a desvalorizar, percecionando-as como coisa de crianças, não se denotando um juízo de condenação moral relativamente às mesmas. Ia lá só apanhar pastilhas e rebuçados ( ) Não, não, a minha mãe não se zangava, ela sabia que era coisa de crianças, não dizia nada. [rapaz M10, 9 anos, 3º ano, Bairro Azul, entrevista] Os modos de agir descritos pelas crianças entra-se, apanha-se, come-se e sai-se ocorrem, principalmente, nas grandes superfícies comerciais localizadas nas imediações dos bairros, onde é maior a possibilidade de se passar despercebido no meio das pessoas que os frequentam. Estrutura-se, assim, um primeiro patamar das delinquências aqui observadas. Pelo registado durante a inserção etnográfica nestes espaços comerciais facilmente se observa como esta prática se encontra vulgarizada entre parte dos clientes e não é exclusiva dos oriundos dos bairros. Seria, pois, importante verificar até que ponto a ausência de perceção sobre a ilegalidade e violação das normas que acarretam se estendem a outros setores da sociedade portuguesa e quais os efeitos das mesmas na socialização dos mais novos. Uma segunda dimensão, relativamente alargada a ambos os sexos, em que as idades variam entre os 6-7 e 12 anos situa-se também no campo da delinquência patrimonial, numa perspetiva básica de consumo, primordialmente concretizada através de furtos nas grandes superfícies comerciais localizadas nas proximidades dos bairros, algumas das quais especializadas em determinados produtos (desporto, equipamentos eletrónicos e informáticos, materiais de construção, vestuário, etc.).observa-se uma especialização por género, com os rapazes a furtarem mais objetos e materiais desportivos, eletrónicos, informáticos, enquanto as raparigas procuram mais vestuário, acessórios e material escolar. Épocas festivas, como o Natal, quando acresce a demonstração de equipamentos e de ofertas para o público, parecem suscitar uma maior atratividade, mesmo para aquelas crianças que habitualmente não estão envolvidas em delinquência, e são maiores as possibilidades de ação. Transparece a ideia de que esses espaços se transformam em locais de recreio que algumas tendem a usar com frequência em determinados períodos do dia e da noite, maioritariamente distantes de qualquer supervisão familiar. Em ambas as dimensões anteriormente mencionadas, para várias crianças estas ações parecem fazer parte da vida quotidiana, assentes numa variação da perceção sobre a sua gravidade. Um dos pontos mais destacados diz respeito ao lema recorrentemente notado, segundo o qual crime não é roubar, crime é ser-se apanhado e que não é exclusivo do contexto da investigação, estendendo-se a diversos segmentos da população portuguesa. Vê-se reforçada a perspetiva interacionista na forma como estes problemas são abordados, numa orientação associada à diluição dos mecanismos informais de controlo social que se encontra instalada nestes territórios. Daí decorre uma alteração significativa na perceção dos atos cometidos que se reflete na diferenciação entre o que se considera ser grave ou não em função das categorias de pensamento entretanto construídas e interiorizadas. 8 de 15

9 Eu roubar?!... Roubar não, nunca furtei um carro, isso é fatela, nunca andei a conduzir! Não, não furtei nada, não furto, já apanhei, já apanhei mas eu não ando para aí a furtar, só apanhei lá no [hipermercado] [rapaz M50, 11 anos, 4º ano, Bairro Branco] Como é que é isso? Já apanhei antenas e chocolates lá no [hipermercado], nunca um telemóvel. Fico lá ontem, apanhei bué de chocolates e comi. Vamos lá da escola, tem lá uma nova Play Station que dá para jogar e vamos lá, vamos lá, fingimos que vamos tirar os chocolates e metemos os chocolates atrás da outra caixa e abrimos e pomos tudo no bolso e vamos embora. Vem o segurança e não vê nada que está lá a caixa e já comemos tudo. És só tu a fazer isso? Nã, acha? São todos daqui, até o [M44]. E achas que isso não é furtar, isso não é roubar? Não é furtar, é apanhar, não é furto, isso aí de furto é de carros... Uma vez tive que lutar com o segurança, mandou bocas, era branco e estava mesmo a ver se levava e ele bateu em mim e levou meu e dos meus amigos, eu também era mais pequeno agora já ninguém vem bater. [entrevista] A utilização frequente de termos como apanhar e tomar em vez de furtar ou roubar, numa perspetiva que se identificou também comum entre muitos adultos, nomeadamente seus familiares, associa-se a códigos de conduta onde a reprovação dos atos delinquentes tende a fazer-se apenas a partir de um certo patamar. No fundo, predomina uma visão da pequena delinquência como uma experiência banal extensiva a um conjunto expressivo de crianças. Não quer isto dizer que as crianças não demonstrem ter a noção do bem ou do mal, embora esta tendência só se tenha manifestado mais visível quando acabaram também por ser vítimas de situações de natureza idêntica. É, contudo, de ressalvar que nem isso constituiu impedimento ou travão à continuação deste tipo de práticas. O que emerge mais significativo é a clara diluição de fronteiras entre conformidade e desvio que conduz à notória desvalorização da importância e consequências da violação de normas e regras da sociedade numa perspetiva que decorre, em larga medida, da desorganização social prevalente nos bairros. Isto é patente no discurso anterior, em que somente os ilícitos associados à delinquência rodoviária são vistos numa perspetiva de violação das normas e percecionados como graves e ilegais.esta ideia aparece fortemente enraizada em determinados grupos da população residente, como se observa nas palavras da avó de uma criança apanhada a furtar um jogo de PlayStation, sendo simultaneamente visíveis as dificuldades de exercício da mais adequada supervisão e controlo. De vez em quando ele [rapaz M02, 9 anos, 3º ano, Bairro Verde] porta bem. Agora foi lá tomar o jogo (risos), ele disse que foi apanhar o jogo com o [rapaz M56, 8 anos, 2º ano, Bairro Amarelo] (risos) ( ) Agora tenho de passar a fechar lá em casa à chave. Eu quando estou lá fecho a porta à chave para ver se ele não sai. Um dia foi lá casa um senhor, abri a porta e ele foi logo pela varanda, saiu... [avóe33, 51 anos, Bairro Verde] 3.2 A negação do outro Uma terceira dimensão, menos expressiva de um ponto de vista do número de crianças envolvidas mas onde se destaca a presença maioritária daquelas identificadas simultaneamente numa ou até mesmo nas duas dimensões anteriormente apresentadas, está associada a atos que tendem a ocorrer especialmente nos espaços públicos, mais dentro do que fora dos bairros, bem como especificamente no contexto escolar. Integra uma delinquência patrimonial manifestada pela realização de danos em equipamentos e mobiliário urbano ou em 9 de 15

10 bens privados (delinquência para o público ) e uma delinquência contra as pessoas concretizada através de ameaças, coação, injúrias e ofensas corporais. Trata-se de ações maioritariamente masculinas, surgindo os 8-9 anos como faixa etária mais relevante na sua realização. Foi possível identificar como as crianças nelas participam fundamentalmente a dois níveis. Por um lado, num papel ativo primordialmente por orientação de mais velhos, jovens e adultos, até da própria família, num processo que, em certos casos, se vai construindo como forma de promoção que pode acabar por desembocar na sua aceitação na criminalidade dos adultos. Isto foi especialmente visível nos danos causados em equipamentos e mobiliário urbano, nas ações de vandalização do espaço público e em algumas situações de envolvimento na provocação ou obstáculo à intervenção policial. Mas também se regista que acontece entre pares, em pequenos grupos e, sobretudo, em duplas do mesmo sexo, que se organizam sem qualquer supervisão como outros grupos juvenis que se encontram institucionalizados e territorialmente instalados em zonas urbanas tendencialmente degradadas em qualquer ponto do mundo (Hagedorn, 2007). Mas para muitas, mesmo sem envolvimento na delinquência, emerge um papel passivo em que a criança é espetadora, mesmo que involuntariamente e contra a sua vontade ou da família, expostas a um elevado grau de desordens e violência, sem possibilidade de escape pelo simples facto de ali se encontrarem a residir. Facilmente se passa de um destes níveis para uma brincadeira de polícias e ladrões entre pares comuns à infância em qualquer ponto do mundo, reproduzindo-se nestes casos alguns pormenores mais complexos socialmente aprendidos. O desafio às figuras de autoridade seja policial, escolar, autárquica, social ou outra constitui-se constantemente em torno de uma ideia próxima de um jogo de gato e de rato, numa provocação que se torna frequente envolvendo crianças, jovens e adultos de ambos os sexos. A construção discursiva das crianças sobre as vítimas dos seus atos, sobretudo ao nível dos atos contra pessoas, faz emergir diversas polarizações que se podem situar nos seguintes níveis: pobres vs ricos; homens (masculino) vs mulheres (feminino); novos vs velhos ( cotas ); familiares vs não familiares; preto vs brancos vs ciganos ; do bairro vs fora do bairro. Vou pedir uma roupa, uma moeda, quando não têm dinheiro roubo a mala. Quando vejo uma cota, fico a ver, vejo a cota, vejo a mala, vejo logo e depois roubo a mala, passo, passo, e levo a correr. Não é aqui, é lá mais para... lá em cima... [fora dos bairros] levo-lhes a mal, depois fico com a carteira. Se tem dinheiro tiro ( ) se tem só documentos deito fora, deito fora, deito para o mato lá em baixo, deito para o lixo, já não tem nada. ( ) Só as cotas, as mulheres, os homens não, há uns baixinhos que correm muito e dão para ir atrás... já um me apanhou, não quero mais, é mais fácil as cotas. Há uns que correm bué, bué depois dá esquadra não é? [rapaz M02, 9 anos, 2º ano, Bairro Azul, entrevista] Facilmente se deteta uma procura por aqueles que se encontram sozinhos ou em situação de maior diferenciação ou exclusão, constituindo o diferente posicionamento na estrutura social uma das fontes na seleção das vítimas que, como se verifica neste discurso, nem sempre acontecerá de modo imprevisto antes obedecendo a uma série de critérios baseados numa relação de custo-benefício que se antecipa à ação. A aparente ausência de entender e pensar os efeitos sobre a vítima é patente em muitas situações, não transparecendo uma ideia de julgamento moral. O outro representado pela vítima é somente visto num quadro funcional de utilitarismo e, por vezes, de alguma futilidade, numa via estabelecida para a obtenção de determinados bens e objetos. Deste modo, tudo se estrutura em função de oposições entre nós e os outros, valorizando-se a sua condição infantil numa perspetiva de grande rentabilidade na prática delinquente. Mas também é a própria criança envolvida em delinquência que pode considerada um outro que se usa, manipula e facilmente se descarta, explorando-se ao máximo a sua condição de menor, sobretudo quando se vê enquadrada por redes criminais de adultos. 3.3 Delinquência em rede Finalmente, uma quarta dimensão reporta-se a uma delinquência que se enquadra no campo da criminalidade de adultos, organizada e de redes criminais, abrangendo, essencialmente, tráfico de droga, furto de uso de 10 de 15

11 veículos, furtos no interior de veículos e o acesso a armas de fogo. São ações onde se vê concretizada uma distribuição de papéis específicos na atuação coletiva (os mais novos que carregam os bens furtados ou os utensílios usados; os mais novos que ficam sempre que ficam para trás para ser intercetados permitindo a fuga dos mais velhos; os mais novos que participam da venda de droga aos carochos, etc.), muitas vezes depois reproduzida nos atos cometidos somente entre pares. Os casos identificados neste âmbito são em número reduzido, quase na totalidade do sexo masculino, e num padrão em que os laços familiares voltam mais uma vez a estar significativamente presentes; muitas vezes, é a própria família que se encontra envolvida e dinamiza estas redes. A influência direta dos grupos e redes criminais, que já se via manifestada em desordens de natureza diversa, nomeadamente quando de tratava de criar obstáculos específicos à ação dos mecanismos de controlo social formal nos bairros, sobretudo a polícia, está na origem de alguns percursos de acentuada reincidência desde idades muito baixas e onde o envolvimento no furto de veículos ou no tráfico de droga constituem os momentos decisivos nesta evolução. [Arranjo as ganzas para vender] Na casa do [nome], ele orienta-me! [rapazm23, 11 anos, 4º ano, Bairro Verde] Depois vais à casa dos drogados [rapaz M58, 10 anos, 4º ano, Bairro Rosa] Olha, na casa do [nome] levas uma ganza e vens com o bolso cheio de dinheiro é, cheíiiiinho! [rapaz M14, 11 anos, 4º ano, Bairro Verde] [notas de campo] É digno de registo que não se tenha encontrado qualquer ocorrência policial na esquadra local sobre o envolvimento no tráfico de droga nestas idades, o que deixa transparecer o desfasamento entre o registado a nível oficial e algumas das ações referidas pelas crianças. Isto pode decorrer do facto de o mesmo apenas vir a ser feito por elas no âmbito dos bairros, como referiram, integrando-se nos percursos e rotinas diárias num modo que será difícil de detetar, não se levantando suspeitas por se tratar dos espaços de brincadeiras e socialização primária. Acresce que as próprias crianças têm consciência dos riscos envolvidos, mostrando-se atentas a qualquer indício que possa surgir e revelam-se aparentemente dotadas de estratégias e de conhecimento de expedientes capazes de contornar a situação. De igual modo, a frequência de certas atividades ilegais, como as corridas de automóveis e a condução perigosa leva à consideração da facilidade de acesso à delinquência rodoviária. Os furtos de uso de veículo, os furtos do seu interior, os danos e as tentativas de condução de veículos na via pública são atividades muito atraentes e gratificantes para várias crianças. A par da falta de parques infantis na maioria destes bairros algo reclamado intensamente pelas crianças participantes, a presença de automóveis na via pública, especialmente de certas marcas e em condição de abandono, constitui um desafio, sendo usados como se fossem brinquedos grandes, como espaços de recreio e equipamentos lúdicos, num processo de natureza exclusivamente masculina. Para alguns, constitui um motivo para a iniciação e aprendizagem de atos delinquentes que se adquire entre pares, com outros menores de 16 anos ou com familiares, por vezes os próprios pais. Imagem 2: O meu bairro 11 de 15

12 O meu bairro é fixe. Fazemos muitas corridas de motos e também de carros e é tudo fixe. Não falta nada. [rapaz M23, 11 anos, 4º ano, Bairro Verde] Constatou-se também como a perceção da gravidade dos atos pode decorrer a par da frequência com que os mesmos tendem a ganhar visibilidade nos bairros, quase numa perspetiva de naturalização ou normalização da violência e crime dada a sua regularidade, e não apenas isoladamente pela sua natureza. Nesta área, outro dos aspetos mais relevantes trazido para discussão pelas crianças prende-se com a aparente facilidade de acesso a armas de fogo. Assalto com pistola não é nada! [rapaz M51, 10 anos, 3º ano, Bairro Azul, notas de campo] A minha avó tinha uma pistola e não era a fingir. [rapaz M21, 9 anos, 3º ano, Bairro Verde, notas de campo] A existência de armas de fogo em casa é uma tendência de longa data registada na sociedade portuguesa e encontra-se muito longe de estar restrita à população deste tipo de bairros (Pureza et al., 2010). No entanto, contrariamente ao mais que será mais comum, aqui muitas crianças aprendem mais por si próprias e na rua a conhecer e a avaliar os perigos e riscos que correm do que sob a orientação adequada de adultos. E a experiência de contacto com armas de fogo ou armas brancas ganha outras proporções, mais sérias e de efeitos imprevisíveis, quando se trata de ser partilhada ou adquirida junto de familiares, até mesmo sob a sua iniciativa. Já vi muita caçadeira boa, automática na parte do bairro novo. Então no Ano Novo [rapaz M02, 10 anos, 3º ano, Bairro Azul] Pois, pois, está tudo na rua, o meu pai é que diz que é nessa altura que se vê quem tem as melhores armas! [rapaz M10, 9 anos, 3º ano, Bairro Azul] Ah! Ah! (risos) é só pum, pum [imita o som dos tiros] Eu andava com ela e também disparei lá para baixo, uma espingarda assim [faz os gestos do tamanho] Eu andava com ela. ( ) foi quatro caixas de balas ( ) deram-me, um gajo, um gajo fixe ( ) está em casa, está escondida, o meu pai também deu tiros para lá. [rapaz M02] [notas de campo] Outros pontos merecem particular atenção, nomeadamente o conhecimento que certas crianças, quase exclusivamente do sexo masculino, revelam sobre as possibilidades de aquisição de armas de fogo: sim, sou capaz de arranjar uma pistola, vou ao [nome] e compro, ele vende barato mas há muitos. Está a ver o [nome], ele já faz negócio ; posso ir lá [nome] e trocar por outra coisa, tanto faz e dá para ter, o [nome] já fez isso com [nome] e ficou com uma.38 ; vai comprar num carocho. Esta não são respostas isoladas e os nomes referenciados por uns e outros repetem-se, apontando para uma realidade dinâmica e acessível neste contexto. Além da aquisição, alguns mencionam ainda as formas de adaptação de determinadas armas, sobretudo de alarme, para o uso com munição real de certos calibres estando a par do como se faz, que mais do que em grupo de amigos parece ocorrer sobretudo no seio da família. De um modo geral, as crianças mais envolvidas nestas redes representam a posse e uso de arma de fogo associados a um determinado estatuto que lhes parece conferir poder e acesso a outro tipo de bens e recursos, ao mesmo tempo que acreditam que lhes garante proteção e segurança. Algumas, mais do sexo masculino do que do feminino, não só verbalizam o desejo de uso de armas como descrevem situações em que já tiveram oportunidade de o concretizar em idades inferiores aos 10 anos. Conclusão Para diversos autores (Sampson 2002; Wacquant, 2007; Moignard, 2008), desde os anos 1990 que as violências em contexto urbano revelam ruturas sociais fortemente associadas a uma delinquência crónica, persistente, que não provém somente de carências afetivas e educativas mas tem a sua 12 de 15

13 origem em segmentos da população e em territórios urbanos duramente atingidos por fatores de desvantagem social e exclusão. Trata-se de uma delinquência mais complexa, pois aos aspetos individuais recorrentemente identificados tende a associar-se, nestes espaços, uma concentração de indivíduos e redes criminosas que, aproveitando e explorando as vulnerabilidades sociais aí existentes, funcionam num enquadramento e organização que ultrapassa as fronteiras de bairros, cidades, e até, em alguns casos, de países. Apesar de inicialmente considerados na sua individualidade, depressa a pesquisa no terreno permitiu dar conta da interdependência entre os seis bairros em estudo, especialmente sentida por cinco deles terem como zona residencial mais próxima precisamente um outro bairro da mesma natureza. Este é, provavelmente, um dos pontos mais críticos no âmbito do planeamento urbano e das políticas de habitação social que lhes deram origem e que se revela determinante na existência de janelas de oportunidades para a prática de delinquência que aqui se veem territorialmente concentradas. A sua localização privilegiada, na confluência de importantes vias de comunicação e numa zona de crescente implementação comercial e empresarial, parece associar-se às delinquências de crianças identificadas. À medida que cresceu o número de estabelecimentos comerciais nas proximidades, foi aumentando o número de atos praticados nesses locais em detrimento dos poucos que se encontram instalados no seu interior. Este processo revela a elevada mobilidade que uma parte das crianças manifesta, mesmo em idades muito baixas, e que se estende além dos limites geográficos da zona de residência. Confirma-se nesta investigação que os bairros de realojamento selecionados não podem ser vistos de modo isolado, fechados nas suas características internas. Observa-se como a posição espacial que cada um ocupa na malha da grande cidade é fulcral nesta discussão. Os atos delinquentes das crianças entre os seis e os doze anos revelam que os mesmos são sistemas sociais interdependentes em territórios físicos e sociais mais vastos que implicam uma leitura sobre a cidade e a área metropolitana onde se localizam. Nesta conceção, um dos aspetos mais relevantes manifesta-se na forma como as delinquências identificadas são influenciadas pelas características sócio espaciais de cada bairro, por sua vez condicionadas pelos processos espaciais que caracterizam todo o sistema metropolitano (Sampson, 2002). Situados do outro lado da cidade, estes espaços não beneficiam de uma maior proximidade com outros onde as expectativas relativamente ao controlo social das crianças são mais elevadas. Na inserção etnográfica, dificilmente se teve a possibilidade de observar trocas de sentido positivo com zonas residenciais socialmente mais diferenciadas, mesmo em iniciativas promovidas pela autarquia com esse objetivo, acentuando-se desigualdades em termos de recursos a nível espacial (Morenoff et al., 2001). Como amplamente demonstrado na literatura científica, a delinquência é aprendida na interação social e quanto mais um indivíduo se associar a padrões delinquentes, maiores as probabilidades de vir a delinquir. Nestes padrões, incluem-se os de natureza familiar e a transgeracionalidade deste problema social, à semelhança de outros, não pode ser desvalorizada, o que conduz ao questionamento dos estilos e dos processos de aprendizagem que os pais constroem com os filhos no sentido de lhes incutir (ou não) a adesão aos valores da sociedade. Mas não basta uma criança estar na presença de modelos de não conformidade social. A delinquência coexiste com ações convencionais e paralelamente à não conformidade contrapõe-se a ausência de relações e laços significativos a modelos que promovam a conformidade social. As crianças não rejeitam os valores convencionais, só que na prática de delinquência sobrepõe-se a excitação, o prazer e noções fortemente difundidas e valorizadas nestes territórios ( ser esperto, ser duro e corajoso, ter poder e dinheiro ), recorrentemente associadas a traços de um código da rua (Anderson, 1999). Constata-se que nestes espaços onde a aplicação de regras convencionasse vê enfraquecida tende a prevalecer um conjunto de definições e regras informais que prescrevem ou rejeitam determinados comportamentos e ações tendo por base a procura de respeito e afirmação. E de uma socialização inicialmente marcada por uma lógica de transmissão e orientação na delinquência assiste-se, progressivamente, à emergência de uma lógica de poder sustentada a partir do reconhecimento social obtido, a que se associa uma crescente capacidade e competência de regulação individual da ação da criança que a revela parte ativa na construção da 13 de 15

14 sua própria socialização, visando determinadas oportunidades em detrimento de outras. Isto é particularmente notório no modo como se passa a selecionar o perfil de vítimas e de ações a desenvolver. Os constrangimentos que a delinquência em contexto urbano coloca à intervenção dos mecanismos de controlo social na sociedade portuguesa estão longe de se esgotar no que é apresentado nesta comunicação. E se é verdade que a delinquência na infância constitui um problema nestes bairros, importa reter, como se foi observando na etnografia e é referenciado em diferentes estudos, que mais do que agressoras, as crianças oriundas deste tipo de contextos sociais são as que tendem a apresentar uma maior probabilidade de ser vítimas de atos violentos, quando comparadas com as que residem noutros locais. Referências bibliográficas Almeida, Ana Nunes de (2009). Para uma Sociologia da Infância. Jogos de Olhares, Pistas para a Investigação. Lisboa: Instituto de Ciências Sociais. Anderson, Elijah (1999). The Code of the Street. Decency, Violence, and the moral Life of the Inner City. New York: W.W. Norton & Company Ltd. Bourdieu, Pierre (ed.) (1993). La Misère du Monde. Paris: Éditions du Seuil. Carvalho, Maria João Leote de (2010). Do Outro Lado da Cidade. Crianças, Socialização e Delinquência em Bairros de Realojamento (Dissertação de Doutoramento em Sociologia). Lisboa: Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, da Universidade Nova de Lisboa, disponível em Cusson, Maurice (1993). Délinquants Pourquoi? Québec: Hurtubise HMH. Chaiken, Marcia (2000). Violent Neighborhoods, Violent Kids, Juvenile Justice Bulletin. Washington: Office of Juvenile Justice and Delinquency Prevention. Hagedorn, Jonh (ed.) (2007). Gangs in the Global City. Alternatives to Traditional Criminology. Chicago: University of Illinois Press. Machado, Fernando Luís e Alexandre Silva (2009). Quantos Caminhos há no Mundo? Transições para a Vida Adulta num Bairro Social. Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa, Edições Principia. McCord, Jonh (2002). Forjar criminosos na família. In António Fonseca (ed.), Comportamento Anti-Social e Família. Uma Abordagem Científica, Coimbra: Almedina, pp Moignard, Benjamin (2008). L École et la Rue: Fabriques de Délinquance, Recherches Comparatives en France et au Brésil. Paris: PUF. Morenoff, Jeffrey D.; Sampson, Robert e Stephen W. Raudenbush (2001). Neighborhood inequality, collective efficacy, and the spatial dynamics of urban violence, Criminology, Vol.39, nº3, Pureza, José Manuel; Moura, Tatiana; Santos, Rita; Afonso, Carla e Marta Peça (2010).Violência e Armas Ligeiras. Um Retrato Português. Núcleo de Estudos para a Paz do Centro de Estudos Sociais, Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra. Acedido em 28 de maio de 2010, em Sampson, Robert (2008). After-school Chicago: space and the city, Urban Geography, 29, nº2, Sampson, Robert (2002). Transcending tradition: new directions in community research, Chicago style, Criminology, Vol.40, nº2, Sarmento, Manuel Jacinto (2007). Conhecer a Infância: os Desenhos das Crianças como Produções Simbólicas, Lição de Síntese para Provas de Agregação. Braga: Universidade do Minho (documento não publicado). Wacquant, Loïc (2007). Parias Urbains: Ghetto, Banlieues, État. Paris: Éditions La Découverte. 14 de 15

15 1 Dissertação realizada sob a orientação do Prof. Doutor Nelson Lourenço, apresentada na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, da Universidade Nova de Lisboa, em julho de Num total de fogos, mais de residentes, segundo dados oficiais, dos quais 32,2% entre 0-18 anos. 3 De forma a preservar a sua identidade, neste texto os nomes das crianças e adultos foram substituídos por códigos alfanuméricos e, no caso dos bairros, por nomes fictícios em torno do uso de cores. 15 de 15

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO A partir de meados do século xx a actividade de planeamento passou a estar intimamente relacionada com o modelo racional. Uma das propostas que distinguia este do anterior paradigma era a integração

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

24 O uso dos manuais de Matemática pelos alunos de 9.º ano

24 O uso dos manuais de Matemática pelos alunos de 9.º ano 24 O uso dos manuais de Matemática pelos alunos de 9.º ano Mariana Tavares Colégio Camões, Rio Tinto João Pedro da Ponte Departamento de Educação e Centro de Investigação em Educação Faculdade de Ciências

Leia mais

MATRIZ DA PROVA DE EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA SOCIOLOGIA (CÓDIGO 344 ) 12ºAno de Escolaridade (Dec.-Lei nº74/2004) (Duração: 90 minutos)

MATRIZ DA PROVA DE EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA SOCIOLOGIA (CÓDIGO 344 ) 12ºAno de Escolaridade (Dec.-Lei nº74/2004) (Duração: 90 minutos) 1. Unidades temáticas, conteúdos e objetivos/competências I O que é a Sociologia Unidades temáticas/conteúdos* 1. Sociologia e conhecimento sobre a realidade social 1.1. Ciências Sociais e Sociologia 1.2.

Leia mais

AGENDA 21 escolar. Pensar Global, agir Local. Centro de Educação Ambiental. Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89" N 9º15'50.

AGENDA 21 escolar. Pensar Global, agir Local. Centro de Educação Ambiental. Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89 N 9º15'50. AGENDA 21 escolar Pensar Global, agir Local Centro de Educação Ambiental Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89" N 9º15'50.84" O 918 773 342 cea@cm-tvedras.pt Enquadramento A Agenda

Leia mais

Considerações Finais. Resultados do estudo

Considerações Finais. Resultados do estudo Considerações Finais Tendo em conta os objetivos definidos, as questões de pesquisa que nos orientaram, e realizada a apresentação e análise interpretativa dos dados, bem como a sua síntese final, passamos

Leia mais

FORMAÇÃO ACREDITADA PARA PROFESSORES 2015/2016

FORMAÇÃO ACREDITADA PARA PROFESSORES 2015/2016 FORMAÇÃO ACREDITADA PARA PROFESSORES 2015/2016 QUEM SOMOS A APF Associação para o Planeamento da Família, é uma Organização Não Governamental com estatuto de IPSS (Instituição Particular de Solidariedade

Leia mais

Mulheres de rabo de peixe e homens de rosto de cão :

Mulheres de rabo de peixe e homens de rosto de cão : Mulheres de rabo de peixe e homens de rosto de cão : dilemas e soluções contingenciais para evitar a exclusão social na investigação Isabel Estrela Rego & Ana Moura Arroz Métodos Qualitativos em Ciências

Leia mais

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão.

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão. REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO Código Entrevista: 2 Data: 18/10/2010 Hora: 16h00 Duração: 23:43 Local: Casa de Santa Isabel DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS Idade

Leia mais

A ANA E O ALEX CONTRA OS FALSIFICADORES

A ANA E O ALEX CONTRA OS FALSIFICADORES JOGO EURO RUN www.novas-notas-de-euro.eu A ANA E O ALEX CONTRA OS FALSIFICADORES A Ana e o Alex são da mesma turma e amigos inseparáveis. Estão sempre a viver aventuras incríveis e hoje não é exceção.

Leia mais

A ANA E O ALEX CONTRA OS FALSIFICADORES

A ANA E O ALEX CONTRA OS FALSIFICADORES JOGO EURO RUN www.novas-notas-de-euro.eu A ANA E O ALEX CONTRA OS FALSIFICADORES - 2 - A Ana e o Alex são da mesma turma e amigos inseparáveis. Estão sempre a viver aventuras incríveis e hoje não é exceção.

Leia mais

PRÁTICAS, EXPERIÊNCIAS, CULTURA ESCOLAR: QUESTÕES QUE ENVOLVEM A PRÁTICA DOCENTE

PRÁTICAS, EXPERIÊNCIAS, CULTURA ESCOLAR: QUESTÕES QUE ENVOLVEM A PRÁTICA DOCENTE PRÁTICAS, EXPERIÊNCIAS, CULTURA ESCOLAR: QUESTÕES QUE ENVOLVEM A PRÁTICA DOCENTE DAMKE, Anderléia Sotoriva - UFMS anderleia.damke@yahoo.com SIMON, Ingrid FADEP ingrid@fadep.br Resumo Eixo Temático: Formação

Leia mais

World Café: Interligar para vencer

World Café: Interligar para vencer World Café: Interligar para vencer Principais Reflexões Tais reflexões resultam de uma sessão intitulada World Café: Interligar para vencer que ocorreu na Cruz Vermelha Portuguesa Centro Humanitário de

Leia mais

O Policiamento Comunitário como Mecanismo de Promoção da Cidadania no Rio de Janeiro

O Policiamento Comunitário como Mecanismo de Promoção da Cidadania no Rio de Janeiro O Policiamento Comunitário como Mecanismo de Promoção da Cidadania no Rio de Janeiro Aluno: Gabriel Ferreira de Carvalho gabriel_fc.90@hotmail.com Orientador: Dr. Augusto César Pinheiro da Silva augustoc@puc-rio.br

Leia mais

1. INTRODUÇÃO 2. ANÁLISE ESTRATÉGICA

1. INTRODUÇÃO 2. ANÁLISE ESTRATÉGICA CADERNO FICHA 11. RECUPERAÇÃO 11.4. OBJECTIVOS ESTRATÉGICOS O presente documento constitui uma Ficha que é parte integrante de um Caderno temático, de âmbito mais alargado, não podendo, por isso, ser interpretado

Leia mais

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA INED INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO PROJETO EDUCATIVO MAIA PROJETO EDUCATIVO I. Apresentação do INED O Instituto de Educação e Desenvolvimento (INED) é uma escola secundária a funcionar desde

Leia mais

LEITURA DA ENTREVISTA 2. E Boa tarde. Desde já quero agradecer-lhe a sua disponibilidade para colaborar neste

LEITURA DA ENTREVISTA 2. E Boa tarde. Desde já quero agradecer-lhe a sua disponibilidade para colaborar neste LEITURA DA ENTREVISTA 2 E Boa tarde. Desde já quero agradecer-lhe a sua disponibilidade para colaborar neste trabalho que estou a desenvolver. Como lhe foi explicado inicialmente, esta entrevista está

Leia mais

Gangues, Criminalidade Violenta e Contexto Urbano: Um Estudo de Caso

Gangues, Criminalidade Violenta e Contexto Urbano: Um Estudo de Caso Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) Centro de Estudos de Criminalidade e Segurança Pública (CRISP) Conferencia Internacional Violencia en Barrios en America Latina Sus Determinantes y Politicas

Leia mais

Nem tudo o que parece, é! Estereótipos de género, os meios de comunicação social, as e os jovens

Nem tudo o que parece, é! Estereótipos de género, os meios de comunicação social, as e os jovens Nem tudo o que parece, é! Estereótipos de género, os meios de comunicação social, as e os jovens Senhora Presidente da CIG, Caras parceiras e parceiro de mesa, Caras senhoras e caros senhores, É com grande

Leia mais

A procura social da educação Aumento da população escolarizada : massificação escolar. Aumento da esperança de vida escolar; Valorização dos diplomas; Necessidade de especialização. A educação é considerada

Leia mais

Plano de Desenvolvimento do Alto Minho

Plano de Desenvolvimento do Alto Minho Plano de Desenvolvimento do Alto Minho Síntese dos focus group preparatórios sobre o tema Como tornar o Alto Minho uma região resiliente 1. Sustentabilidade 2. Coesão 3. Flexibilidade e adaptabilidade

Leia mais

O Caracol Curioso. Escola a Tempo Inteiro - 1ºciclo. Projeto PedagógicoCAF/CATL - Bullying

O Caracol Curioso. Escola a Tempo Inteiro - 1ºciclo. Projeto PedagógicoCAF/CATL - Bullying O Caracol Curioso Escola a Tempo Inteiro - 1ºciclo Projeto PedagógicoCAF/CATL - Bullying 1. Enquadramento O projeto pedagógico definido para este ano letivo pretende abordar um tema actual, que tem tanto

Leia mais

3.4. EDUCAÇÃO. Problemas Sociais Identificados. Problemas Sociais Priorizados. 3.4.1. Educação: Enquadramento: Alunos sem projecto de vida

3.4. EDUCAÇÃO. Problemas Sociais Identificados. Problemas Sociais Priorizados. 3.4.1. Educação: Enquadramento: Alunos sem projecto de vida 3.4. EDUCAÇÃO Problemas Sociais Identificados Insucesso escolar Falta de expectativas socioprofissionais Alunos sem projecto de vida Expectativas inadequadas para famílias Problemas Sociais Priorizados

Leia mais

A IDENTIDADE DE GÉNERO NO JARDIM DE INFÂNCIA QUE CONSTRUÇÃO SOCIAL?

A IDENTIDADE DE GÉNERO NO JARDIM DE INFÂNCIA QUE CONSTRUÇÃO SOCIAL? A IDENTIDADE DE GÉNERO NO JARDIM DE INFÂNCIA QUE CONSTRUÇÃO SOCIAL? Cândida Penteado CBES Marinhais Alice Mendonça Universidade da Madeira Objectivo do estudo: determinar se os estereótipos de género se

Leia mais

ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM?

ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM? ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM? As Áreas de Conteúdo são áreas em que se manifesta o desenvolvimento humano ao longo da vida e são comuns a todos os graus de ensino. Na educação pré-escolar

Leia mais

AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES 2013 (canal internet)

AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES 2013 (canal internet) AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES 2013 Março 2014 AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES 2013 Autoridade Tributária e Aduaneira Ministério das Finanças Classificação: 010.10.01 Rua da Prata nº

Leia mais

Proposta de Lei da Imigração Inovações que mudam a vida das pessoas

Proposta de Lei da Imigração Inovações que mudam a vida das pessoas da Imigração Inovações que mudam a vida das pessoas Fui expulso, mas tenho um filho menor a cargo a viver em Portugal. Podem recusar-me a entrada? Sim. A residência de filhos menores em Portugal é apenas

Leia mais

Divisor de águas : uma etnografia sobre as trajetórias de alunos sobreviventes ao. primeiro ano do ensino médio em uma escola estadual carioca.

Divisor de águas : uma etnografia sobre as trajetórias de alunos sobreviventes ao. primeiro ano do ensino médio em uma escola estadual carioca. Divisor de águas : uma etnografia sobre as trajetórias de alunos sobreviventes ao primeiro ano do ensino médio em uma escola estadual carioca. Mylena Gomes Curvello mylenagcurvello@hotmail.com 9 período

Leia mais

COMBATE AO TRABALHO INFANTIL Nota de Imprensa

COMBATE AO TRABALHO INFANTIL Nota de Imprensa COMBATE AO TRABALHO INFANTIL Nota de Imprensa No próximo dia 12 de Junho, comemora-se o Dia Mundial de Combate ao Trabalho Infantil. O PETI e o Escritório da OIT Organização Internacional do Trabalho em

Leia mais

A ABORDAGEM DA GEOMETRIA COM CRIANÇAS NA PRÉ-ESCOLA: NÍVEL II

A ABORDAGEM DA GEOMETRIA COM CRIANÇAS NA PRÉ-ESCOLA: NÍVEL II 1 A ABORDAGEM DA GEOMETRIA COM CRIANÇAS NA PRÉ-ESCOLA: NÍVEL II Donizeth Henrique Aleluia Vieira 1 Paula Rodrigues de Souza 2 Suely Miranda Cavalcante Bastos 3 Resumo: Juntamente com o campo dos Números

Leia mais

Anexo 2.1 - Entrevista G1.1

Anexo 2.1 - Entrevista G1.1 Entrevista G1.1 Entrevistado: E1.1 Idade: Sexo: País de origem: Tempo de permanência 51 anos Masculino Cabo-verde 40 anos em Portugal: Escolaridade: Imigrações prévias : São Tomé (aos 11 anos) Língua materna:

Leia mais

Trabalho apresentado no III Congresso Ibero-americano de Psicogerontologia, sendo de total responsabilidade de seu(s) autor(es).

Trabalho apresentado no III Congresso Ibero-americano de Psicogerontologia, sendo de total responsabilidade de seu(s) autor(es). A QUALIDADE DE VIDA SOB A ÓTICA DAS DINÂMICAS DE MORADIA: A IDADE ENQUANTO UM FATOR DE ACÚMULO DE ATIVOS E CAPITAL PESSOAL DIFERENCIADO PARA O IDOSO TRADUZIDO NAS CONDIÇÕES DE MORADIA E MOBILIDADE SOCIAL

Leia mais

EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR O QUE SABEMOS

EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR O QUE SABEMOS EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR O QUE SABEMOS O QUE SABEMOS UMA METODOLOGIA DE PROJETO PARA A EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR O QUE É O TRABALHO DE PROJETO? Os projetos da coleção «O Que Sabemos» enquadram-se numa metodologia

Leia mais

EMPREENDEDORISMO: O CONTEXTO NACIONAL

EMPREENDEDORISMO: O CONTEXTO NACIONAL EMPREENDEDORISMO: O CONTEXTO NACIONAL Entrevista com Eng.º Victor Sá Carneiro N uma época de grandes transformações na economia dos países, em que a temática do Empreendedorismo assume uma grande relevância

Leia mais

Notas sobre experiências de Pacificação em favelas do Rio de Janeiro - Brasil.

Notas sobre experiências de Pacificação em favelas do Rio de Janeiro - Brasil. Conferencia Internacional Violencia en Barrios en America Latina Notas sobre experiências de Pacificação em favelas do Rio de Janeiro - Brasil. Lia de Mattos Rocha Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Leia mais

VAMOS CONSTRUIR UMA CIDADE

VAMOS CONSTRUIR UMA CIDADE VAMOS CONSTRUIR UMA CIDADE Versão adaptada de Eugénio Sena para Wir Bauen Eine Stadt de Paul Hindemith 1. MARCHA (Entrada) Uma cidade nossa amiga Não queremos a cidade antiga. Nós vamos pensar tudo de

Leia mais

DIREITO EMPRESARIAL PARA ECONOMISTAS E GESTORES

DIREITO EMPRESARIAL PARA ECONOMISTAS E GESTORES DIREITO EMPRESARIAL PARA ECONOMISTAS E GESTORES 2014 Paulo Olavo Cunha Doutor em Direito Professor da Faculdade de Direito da Universidade Católica Portuguesa (Lisboa) e na Católica Lisbon School of Business

Leia mais

ANEXO I: QUESTIONÁRIO DO INQUÉRITO

ANEXO I: QUESTIONÁRIO DO INQUÉRITO ANEXO I: QUESTIONÁRIO DO INQUÉRITO 1. Inquérito 1.1 Número de Questionário 1.2 Nome do entrevistador 1.3 Data da entrevista dd/mm/yyyy 1.4 Local da entrevisa 1.5 Lugar da entrevista 1 = lugar público 2

Leia mais

Reflexão: Abordagem ao domínio da matemática, comunicação oral e escrita na Educação de Infância

Reflexão: Abordagem ao domínio da matemática, comunicação oral e escrita na Educação de Infância 1 Reflexão: Abordagem ao domínio da matemática, comunicação oral e escrita na Educação de Infância Mariana Atanásio, Nº 2036909. Universidade da Madeira, Centro de Competência das Ciências Sociais, Departamento

Leia mais

Autores: Fatima Proença, ACEP / Luís Vaz Martins, LGDH. Lisboa, 17 de Setembro de 2015

Autores: Fatima Proença, ACEP / Luís Vaz Martins, LGDH. Lisboa, 17 de Setembro de 2015 Casa dos Direitos da Guiné-Bissau Uma aposta de cooperação numa cultura de Direitos Humanos como chave para construção da Paz e a realização dos Direitos Autores: Fatima Proença, ACEP / Luís Vaz Martins,

Leia mais

Educação para a Cidadania linhas orientadoras

Educação para a Cidadania linhas orientadoras Educação para a Cidadania linhas orientadoras A prática da cidadania constitui um processo participado, individual e coletivo, que apela à reflexão e à ação sobre os problemas sentidos por cada um e pela

Leia mais

CIDADANIA: o que é isso?

CIDADANIA: o que é isso? CIDADANIA: o que é isso? Autora: RAFAELA DA COSTA GOMES Introdução A questão da cidadania no Brasil é um tema em permanente discussão, embora muitos autores discutam a respeito, entre eles: Ferreira (1993);

Leia mais

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005.

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. Cooperação empresarial, uma estratégia para o sucesso Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. É reconhecida a fraca predisposição

Leia mais

Pobreza e Exclusão Social

Pobreza e Exclusão Social Pobreza e Exclusão Social Fontes de Informação Sociológica Carlos Ramos Coimbra, 2010 Ficha Técnica Titulo: Pobreza, Exclusão Social e Integração Este trabalho foi elaborado por Carlos Miguel Pereira Ramos,

Leia mais

Título da comunicação: As comunidades de origem imigrante e a escola 1 Tema: Migrações Sub-Tema: Migrações e Sistema de Ensino

Título da comunicação: As comunidades de origem imigrante e a escola 1 Tema: Migrações Sub-Tema: Migrações e Sistema de Ensino 1 II CONGRESSO PORTUGUÊS DE DEMOGRAFIA 27 a 29 Setembro 2004 Nome: Instituição: Faculdade de Ciências Sociais e Humanas Universidade Nova de Lisboa Departamento de investigação: SociNova/Migration Título

Leia mais

2. REDUZINDO A VULNERABILIDADE AO HIV

2. REDUZINDO A VULNERABILIDADE AO HIV 2. REDUZINDO A VULNERABILIDADE AO HIV 2.1 A Avaliação de risco e possibilidades de mudança de comportamento A vulnerabilidade ao HIV depende do estilo de vida, género e das condições socioeconómicas. Isso

Leia mais

Escolher o futuro O papel do/a psicólogo/a clínico/a no contexto de intervenção em comunidades socioeconómicas desfavorecidas 1

Escolher o futuro O papel do/a psicólogo/a clínico/a no contexto de intervenção em comunidades socioeconómicas desfavorecidas 1 Escolher o futuro O papel do/a psicólogo/a clínico/a no contexto de intervenção em comunidades socioeconómicas desfavorecidas 1 Mário Jorge Silva (psicólogo clínico) e Marli Godinho (psicóloga clínica)

Leia mais

As parcerias e suas dinâmicas: considerações a ter em conta para a promoção da mudança

As parcerias e suas dinâmicas: considerações a ter em conta para a promoção da mudança Centro de Recuperação de Menores D. Manuel Trindade Salgueiro Assumar 26 e 27 de Abril de 2013 As parcerias e suas dinâmicas: considerações a ter em conta para a promoção da mudança João Emílio Alves ESE-IPP

Leia mais

CARTA DA IGUALDADE 11 COMPROMISSOS PARA UM TERRITÓRIO MAIS IGUAL

CARTA DA IGUALDADE 11 COMPROMISSOS PARA UM TERRITÓRIO MAIS IGUAL CARTA DA IGUALDADE 11 COMPROMISSOS PARA UM TERRITÓRIO MAIS IGUAL PREÂMBULO A igualdade das mulheres e dos homens é um direito fundamental para todos e todas, constituindo um valor capital para a democracia.

Leia mais

Encontros do Observatório 2014 Pobreza Infantil

Encontros do Observatório 2014 Pobreza Infantil º Uma iniciativa: Com apoio: 1 Encontros do Observatório, 23 Maio 2014 1. Contextualização O Observatório de Luta contra a Pobreza na Cidade de Lisboa definiu como prioridade temática para 2014 a, problema

Leia mais

Centro de Atendimento

Centro de Atendimento Espaço situado no Bairro Alto onde se proporciona às mulheres um ambiente acolhedor de aceitação plena e onde podem falar de si próprias, dos seus problemas, dos seus sonhos... Espaço de Diálogo. Faz:

Leia mais

Pós-Graduação em Administração e Gestão de Escolas

Pós-Graduação em Administração e Gestão de Escolas Pós-Graduação em Administração e Gestão de Escolas ENQUADRAMENTO DO CURSO As escolas são estabelecimentos aos quais está confiada uma missão de serviço público, que consiste em dotar todos e cada um dos

Leia mais

(Docentes, Não-Docentes, Alunos e Encarregados de Educação) NOTA IMPORTANTE Esta apresentação não dispensa e leitura do Relatório da Função Manuel Leão. Tendo como preocupação fundamental a procura da

Leia mais

Observatório Luta Contra a Pobreza na Cidade de Lisboa

Observatório Luta Contra a Pobreza na Cidade de Lisboa Observatório Luta Contra a Pobreza na Cidade de Apresentação Plenário Comissão Social de Freguesia www.observatorio-lisboa.eapn.pt observatoriopobreza@eapn.pt Agenda I. Objectivos OLCPL e Principais Actividades/Produtos

Leia mais

OS DESAFIOS DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO NO SÉCULO XXI

OS DESAFIOS DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO NO SÉCULO XXI OS DESAFIOS DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO NO SÉCULO XXI Maria de Lurdes Rodrigues Em matéria de educação, em quase todo o mundo, foram definidas regras que consagram o objetivo de proporcionar a todas as crianças

Leia mais

DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÕES DE TRABALHO PRECOCE

DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÕES DE TRABALHO PRECOCE Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 18 a 22 de outubro, 2010 337 DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM

Leia mais

O trabalho compreende a análise de três TCC - Trabalho de Conclusão de Curso.

O trabalho compreende a análise de três TCC - Trabalho de Conclusão de Curso. III Congresso Internacional III Congresso Internacional, I Simpósio Ibero-Americano e VIII Encontro Nacional de Riscos Guimarães RISCO AMBIENTAL E VULNERABILIDADE: DISCUSSÃO CONCEITUAL A PARTIR DE TRABALHOS

Leia mais

ABCEducatio entrevista Sílvio Bock

ABCEducatio entrevista Sílvio Bock ABCEducatio entrevista Sílvio Bock Escolher uma profissão é fazer um projeto de futuro A entrada do segundo semestre sempre é marcada por uma grande preocupação para todos os alunos que estão terminando

Leia mais

DIREITOS HUMANOS, FEMINISMO E POLÍTICAS PÚBLICAS DE GÊNERO: APLICABILIDADE DA LEI Nº 11.340/06 EM CAMPINA GRANDE/PB

DIREITOS HUMANOS, FEMINISMO E POLÍTICAS PÚBLICAS DE GÊNERO: APLICABILIDADE DA LEI Nº 11.340/06 EM CAMPINA GRANDE/PB DIREITOS HUMANOS, FEMINISMO E POLÍTICAS PÚBLICAS DE GÊNERO: APLICABILIDADE DA LEI Nº 11.340/06 EM CAMPINA GRANDE/PB (ASFORA, R. V. S.) - Raphaella Viana Silva Asfora/Autora ¹ Escola Superior da Magistratura

Leia mais

Exmo. Presidente do município da Murtosa, Joaquim Santos Baptista; - na sua pessoa uma saudação aos eleitos presentes e a esta hospitaleira terra!

Exmo. Presidente do município da Murtosa, Joaquim Santos Baptista; - na sua pessoa uma saudação aos eleitos presentes e a esta hospitaleira terra! Exmo. Presidente do município da Murtosa, Joaquim Santos Baptista; - na sua pessoa uma saudação aos eleitos presentes e a esta hospitaleira terra! 1 Exmo. Diretor-Geral da Educação, em representação do

Leia mais

MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA

MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA Autor: Marusa Fernandes da Silva marusafs@gmail.com Orientadora: Profª. Ms. Mônica Mª N. da Trindade Siqueira Universidade de Taubaté monica.mnts@uol.com.br Comunicação oral:

Leia mais

Philippe Perrenoud Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação Universidade de Genebra 2009

Philippe Perrenoud Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação Universidade de Genebra 2009 EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA: Passar do Discurso para a Ação Philippe Perrenoud Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação Universidade de Genebra 2009 1º Fórum de Ideias - Cambridge University Press

Leia mais

Roupas e acessórios mais seguros. 1. Introdução

Roupas e acessórios mais seguros. 1. Introdução Roupas e acessórios mais seguros 1. Introdução Há um número muito grande de criminosos que atuam em vias públicas e locais de aglomeração de pessoas, como lojas, shoppings, ou mesmo nas ruas mais movimentadas,

Leia mais

OS CIDADÃOS EUROPEUS e a PROPRIEDADE INTELECTUAL: PERCEÇÃO, TOMADA DE CONSCIÊNCIA E COMPORTAMENTO SUMÁRIO EXECUTIVO

OS CIDADÃOS EUROPEUS e a PROPRIEDADE INTELECTUAL: PERCEÇÃO, TOMADA DE CONSCIÊNCIA E COMPORTAMENTO SUMÁRIO EXECUTIVO OS CIDADÃOS EUROPEUS e a PROPRIEDADE INTELECTUAL: PERCEÇÃO, TOMADA DE CONSCIÊNCIA E COMPORTAMENTO SUMÁRIO EXECUTIVO OS CIDADÃOS EUROPEUS e a PROPRIEDADE INTELECTUAL: PERCEÇÃO, TOMADA DE CONSCIÊNCIA E COMPORTAMENTO

Leia mais

Transição para a parentalidade após um diagnóstico de anomalia congénita no bebé: Resultados do estudo

Transição para a parentalidade após um diagnóstico de anomalia congénita no bebé: Resultados do estudo 2013 Transição para a parentalidade após um diagnóstico de anomalia congénita no bebé: Resultados do estudo Ana Fonseca, Bárbara Nazaré e Maria Cristina Canavarro Pontos de interesse especiais: Porque

Leia mais

Itinerários da Literacia e Inclusão Digital

Itinerários da Literacia e Inclusão Digital CFCUL, 3-4 dez. Itinerários da Literacia e Inclusão Digital Luísa Aires Universidade Aberta/CEMRI O contexto de partida A rede de Centros Locais da Aprendizagem da Universidade Aberta. Núcleos vocacionados

Leia mais

RELATÓRIO. Oficina de Formação

RELATÓRIO. Oficina de Formação RELATÓRIO Oficina de Formação Exploração e construção de situações de aprendizagem da matemática com programação em Scratch no pré escolar e no 1º ciclo do ensino básico Formadores: Miguel Figueiredo e

Leia mais

Transcrição de Entrevista n º 22

Transcrição de Entrevista n º 22 Transcrição de Entrevista n º 22 E Entrevistador E22 Entrevistado 22 Sexo Masculino Idade 50 anos Área de Formação Engenharia Electrotécnica E - Acredita que a educação de uma criança é diferente perante

Leia mais

GUIÃO DO PROFESSOR BRINCAR CIÊNCIA. As profissões. Exploração de conteúdos Preparação da visita Caderno do professor

GUIÃO DO PROFESSOR BRINCAR CIÊNCIA. As profissões. Exploração de conteúdos Preparação da visita Caderno do professor GUIÃO DO PROFESSOR BRINCAR CIÊNCIA Exploração de conteúdos Preparação da visita Caderno do professor As profissões Introdução Preparação da visita A Casa Inacabada é um dos espaços que faz parte da exposição

Leia mais

PROJETO O AR EXISTE? PICININ, Maria Érica ericapicinin@ig.com.br. Resumo. Introdução. Objetivos

PROJETO O AR EXISTE? PICININ, Maria Érica ericapicinin@ig.com.br. Resumo. Introdução. Objetivos PROJETO O AR EXISTE? PICININ, Maria Érica ericapicinin@ig.com.br Resumo O presente projeto O ar existe? foi desenvolvido no CEMEI Juliana Maria Ciarrochi Peres da cidade de São Carlos com alunos da fase

Leia mais

ACERTOS DE FACTURAÇÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA

ACERTOS DE FACTURAÇÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA ACERTOS DE FACTURAÇÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA Parecer interpretativo da ERSE (ao abrigo do artigo 290.º do Regulamento de Relações Comerciais) Julho de 2005 ACERTOS DE FACTURAÇÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA Parecer

Leia mais

Plano Intermunicipal de Mobilidade e Transportes da Região de Aveiro

Plano Intermunicipal de Mobilidade e Transportes da Região de Aveiro Plano Intermunicipal de Mobilidade e Transportes da Região de Aveiro www.regiaodeaveiro.pt PIMT de Aveiro, Aveiro TIS.PT Transportes Inovação e Sistemas, S.A. 1 16 Breve enquadramento A Comunidade Intermunicipal

Leia mais

A mediação intercultural e a construção de diálogos entre diferentes: notas soltas para reflexão

A mediação intercultural e a construção de diálogos entre diferentes: notas soltas para reflexão A mediação intercultural e a construção de diálogos entre diferentes: notas soltas para reflexão (Comentário ao Painel: Mediação Intercultural) Maria José Casa-Nova Instituto de Educação, Universidade

Leia mais

Ora, é hoje do conhecimento geral, que há cada vez mais mulheres licenciadas, com mestrado, doutoramentos, pós-docs e MBA s.

Ora, é hoje do conhecimento geral, que há cada vez mais mulheres licenciadas, com mestrado, doutoramentos, pós-docs e MBA s. Bom dia a todos e a todas, Não é difícil apontar vantagens económicas às medidas de gestão empresarial centradas na igualdade de género. Em primeiro lugar, porque permitem atrair e reter os melhores talentos;

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio Etec Etec: Professor Massuyuki Kawano Código: 136 Município: Tupã Área de conhecimento: Ciências Humanas e Suas Tecnologias Componente Curricular:

Leia mais

Estudo de um Sistema de Gêneros em um Curso Universitário

Estudo de um Sistema de Gêneros em um Curso Universitário Departamento de Letras Estudo de um Sistema de Gêneros em um Curso Universitário Aluna: Esther Ruth Oliveira da Silva Orientadora: Profª. Bárbara Jane Wilcox Hemais Introdução O presente projeto se insere

Leia mais

Falemos um pouco sobre o conceito DESPORTO. (3 a 3, definam desporto )

Falemos um pouco sobre o conceito DESPORTO. (3 a 3, definam desporto ) Falemos um pouco sobre o conceito DESPORTO (3 a 3, definam desporto ) Falemos um pouco sobre os conceitos DESPORTO Entendemos por Desporto todas as formas de actividade física que, através de uma participação

Leia mais

PROJETO DIDÁTICO: O LIXO QUE VIROU LUXO

PROJETO DIDÁTICO: O LIXO QUE VIROU LUXO PROJETO DIDÁTICO: O LIXO QUE VIROU LUXO Maria do Socorro dos Santos EEEFM José Soares de Carvalho socorrosantosgba@gmail.com Paula Priscila Gomes do Nascimento Pina EEEFM José Soares de Carvalho paulapgnascimento@yahoo.com.br

Leia mais

FICHA TÉCNICA AUTORIA DESIGN IMPRESSÃO TIRAGEM ISBN DEPÓSITO LEGAL EDIÇÃO. Relatório Síntese. Rita Espanha, Patrícia Ávila, Rita Veloso Mendes

FICHA TÉCNICA AUTORIA DESIGN IMPRESSÃO TIRAGEM ISBN DEPÓSITO LEGAL EDIÇÃO. Relatório Síntese. Rita Espanha, Patrícia Ávila, Rita Veloso Mendes Relatório Síntese FICHA TÉCNICA AUTORIA Rita Espanha, Patrícia Ávila, Rita Veloso Mendes DESIGN IP design gráfico, Lda. IMPRESSÃO Jorge Fernandes, Lda. TIRAGEM 200 exemplares ISBN 978-989-8807-27-4 DEPÓSITO

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO PROGRAMA DE FERIAS DESPORTIVAS E CULTURAIS

PROJETO PEDAGÓGICO DO PROGRAMA DE FERIAS DESPORTIVAS E CULTURAIS 1. APRESENTAÇÃO PRINCÍPIOS E VALORES Acreditamos pela força dos factos que o desenvolvimento desportivo de um Concelho ou de uma Freguesia, entendido na sua vertente quantitativa e qualitativa, exige uma

Leia mais

barómetro BARÓMETRO APAV/INTERCAMPUS #2 CRIMINALIDADE E INSEGURANÇA

barómetro BARÓMETRO APAV/INTERCAMPUS #2 CRIMINALIDADE E INSEGURANÇA barómetro BARÓMETRO APAV/INTERCAMPUS #2 CRIMINALIDADE E INSEGURANÇA Índice 2 11 Enquadramento 3 2 Amostra 7 3 Resultados 9 3 1 Enquadramento Objetivos 4 No âmbito da parceria entre a APAV e a INTERCAMPUS,

Leia mais

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA Profª. Ms. Marilce da Costa Campos Rodrigues - Grupo de estudos e pesquisas em Política e Formação Docente: ensino fundamental

Leia mais

OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA

OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA SILVA, Lourdes Helena da - UFV GT: Educação Fundamental /n.13 Agência Financiadora:

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Elisa Maçãs IDÉIAS & SOLUÇÕES Educacionais e Culturais Ltda www.ideiasesolucoes.com 1

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

PLANO DE PORMENOR DO DALLAS FUNDAMENTAÇÃO DA DELIBERAÇÃO DE DISPENSA DE AVALIAÇÃO AMBIENTAL

PLANO DE PORMENOR DO DALLAS FUNDAMENTAÇÃO DA DELIBERAÇÃO DE DISPENSA DE AVALIAÇÃO AMBIENTAL FUNDAMENTAÇÃO DA DELIBERAÇÃO DE DISPENSA DE AVALIAÇÃO AMBIENTAL Deliberação da Reunião Câmara Municipal de 29/11/2011 DIRECÇÃO MUNICIPAL DE URBANISMO DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE PLANEAMENTO URBANO DIVISÃO

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DAS CULTURAS INFANTIS DAS COMUNIDADES QUILOMBOLAS DO PARANÁ

CARACTERÍSTICAS DAS CULTURAS INFANTIS DAS COMUNIDADES QUILOMBOLAS DO PARANÁ 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 CARACTERÍSTICAS DAS CULTURAS INFANTIS DAS COMUNIDADES QUILOMBOLAS DO PARANÁ Luisa de Oliveira Demarchi Costa 1 ; Verônica Regina Müller 2 RESUMO: Este

Leia mais

Dia do Voluntário da U.Porto: Formar para o voluntariado Conclusões dos Workshops

Dia do Voluntário da U.Porto: Formar para o voluntariado Conclusões dos Workshops Dia do Voluntário da U.Porto: Formar para o voluntariado Conclusões dos Workshops Workshop1 Voluntariado na área social e humanitária nacional Dinamizadores: Vo.U Associação de Voluntariado Universitário

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: ESTUDO EXPLORATÓRIO E REFLEXIVO NO CREAS DO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE SP

VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: ESTUDO EXPLORATÓRIO E REFLEXIVO NO CREAS DO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE SP Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 385 VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: ESTUDO EXPLORATÓRIO E REFLEXIVO NO CREAS DO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE

Leia mais

O que é Estudo de Caso?

O que é Estudo de Caso? O que é Estudo de Caso? Segundo Araújo et al. (2008) o estudo de caso trata-se de uma abordagem metodológica de investigação especialmente adequada quando procuramos compreender, explorar ou descrever

Leia mais

Conferência Crianças e Meios Digitais Móveis em Portugal

Conferência Crianças e Meios Digitais Móveis em Portugal Conferência Crianças e Meios Digitais Móveis em Portugal Painel 1 Meios móveis de acesso à internet: O contexto português Cristina Ponte Co-funded by the European Union Estrutura da apresentação o Locais

Leia mais

13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS

13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS 13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS A importância da formação pessoal e social da criança para o seu desenvolvimento integral e para a

Leia mais

ACTIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR ANO LECTIVO 2011 / 2012 TIC@CIDADANIA. Proposta de planos anuais. 1.º Ciclo do Ensino Básico

ACTIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR ANO LECTIVO 2011 / 2012 TIC@CIDADANIA. Proposta de planos anuais. 1.º Ciclo do Ensino Básico ACTIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR ANO LECTIVO 2011 / 2012 TIC@CIDADANIA Proposta de planos anuais 1.º Ciclo do Ensino Básico Introdução O objetivo principal deste projeto é promover e estimular

Leia mais

Categorias Subcategorias Unidades de registo. Situação. Sai da escola e ia para casa da minha mãe (F1) Experiência de assalto

Categorias Subcategorias Unidades de registo. Situação. Sai da escola e ia para casa da minha mãe (F1) Experiência de assalto Categorias Subcategorias Unidades de registo Experiência de assalto Situação Sai da escola e ia para casa da minha mãe (F1) Estava a ir para a escola (F2) Estava a sair da escola e quando cheguei à porta

Leia mais

FORMAÇÃO SOBRE: GÉNERO E DESENVOLVIMENTO

FORMAÇÃO SOBRE: GÉNERO E DESENVOLVIMENTO Projecto PIGEM FORMAÇÃO SOBRE: GÉNERO E DESENVOLVIMENTO LUBANGO 28 DE ABRIL DE 2015 ELABORADO POR: MARIANA SOMA /PRELECTORA 1 GÉNERO E DESENVOLVIMENTO CONCEITO É uma abordagem que se concentra nas relações

Leia mais

VOLUNTARIADO E CIDADANIA

VOLUNTARIADO E CIDADANIA VOLUNTARIADO E CIDADANIA Voluntariado e cidadania Por Maria José Ritta Presidente da Comissão Nacional do Ano Internacional do Voluntário (2001) Existe em Portugal um número crescente de mulheres e de

Leia mais

Cerimónia de Assinatura Protocolo AICEP/CRUP

Cerimónia de Assinatura Protocolo AICEP/CRUP Cerimónia de Assinatura Protocolo AICEP/CRUP Lisboa, 10 janeiro 2014 António Rendas Reitor da Universidade Nova de Lisboa Presidente do Conselho de Reitores das Universidades Portuguesas Queria começar

Leia mais

Uma globalização consciente

Uma globalização consciente Uma globalização consciente O apelo a uma globalização mais ética tornou se uma necessidade. Actores da globalização como as escolas, devem inspirar por estes valores às responsabilidades que lhes são

Leia mais

POTENCIALIDADES E LIMITAÇÕES DE DISCUSSÕES DE CONTROVÉRSIAS SOCIOCIENTÍFICAS COM RECURSO À PLATAFORMA MOODLE PARA A PROMOÇÃO DA ARGUMENTAÇÃO

POTENCIALIDADES E LIMITAÇÕES DE DISCUSSÕES DE CONTROVÉRSIAS SOCIOCIENTÍFICAS COM RECURSO À PLATAFORMA MOODLE PARA A PROMOÇÃO DA ARGUMENTAÇÃO POTENCIALIDADES E LIMITAÇÕES DE DISCUSSÕES DE CONTROVÉRSIAS SOCIOCIENTÍFICAS COM RECURSO À PLATAFORMA MOODLE PARA A PROMOÇÃO DA ARGUMENTAÇÃO José Fanica Agrupamento de escolas de Romeu Correia joseffanica@hotmail.com

Leia mais