ATA DA II ASSEMBLÉIA GERAL DOS ASSOCIADOS DO MOVIMENTO CATARINENSE PARA EXCELÊNCIA REALIZADA EM 13 DE DEZEMBRO DE 2005

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ATA DA II ASSEMBLÉIA GERAL DOS ASSOCIADOS DO MOVIMENTO CATARINENSE PARA EXCELÊNCIA REALIZADA EM 13 DE DEZEMBRO DE 2005"

Transcrição

1 ATA DA II ASSEMBLÉIA GERAL DOS ASSOCIADOS DO MOVIMENTO CATARINENSE PARA EXCELÊNCIA REALIZADA EM 13 DE DEZEMBRO DE 2005 Aos treze dias do mês de dezembro, às dezesseis horas e cinqüenta minutos, reuniram-se na sede do Sistema FIESC Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina, situada à Rodovia Admar Gonzaga, 2765, Bairro Itacorubi, CEP , no município de Florianópolis, os subscritores da Lista de Presença em anexo e ali qualificados, em Assembléia Geral de Associados do MOVIMENTO CATARINENSE PARA EXCELÊNCIA - MCE. Assumiu a presidência do trabalho o Sr. Ernesto Heinzelmann, Presidente do Conselho Superior (EMBRACO), agradecendo a presença de todos, convidando a Srta. Alice Carneiro de Castro, para secretariar a sessão e lavrar a competente ATA, e convidando os Srs. Alaor Bernardes (SEBRAE) e Eduardo Germano Wohlgemuth (WEG), Membros do Conselho Superior do MCE, e a Sra. Luciana Matos Santos Lima, Diretora Executiva do MCE, para compor a mesa diretora desta Assembléia. O Presidente informou aos presentes que o quorum necessário para quaisquer deliberações foi alcançado em primeira chamada. Após isto, leu a ordem do dia que tem o seguinte teor: (a) apresentação dos resultados obtidos pelo MCE em seu primeiro ano de atividades; (b) aprovação do plano de trabalho e agenda das ações no ano de 2006; (c) assuntos gerais. Anunciou que estava prevista em pauta a discussão de mudança de endereço do MCE, entretanto, este assunto foi transferido para a próxima reunião da Assembléia. Iniciando-se os trabalhos, Sr. Ernesto Heinzelmann convidou a Sra. Luciana Matos Santos Lima para apresentar os resultados obtidos pelo MCE no ano de Primeiramente, a Sra. Luciana apresentou o Plano de Trabalho do ano de 2005 e apresentou, a cada tópico os resultados obtidos. O primeiro ponto era a Realização do Planejamento Estratégico do MCE, que foi atingido com sucesso ao final do ano de O segundo era a Instalação da Comissão Técnica do Sistema de Avaliação, que foi realizada no início do ano de O terceiro tópico era a Divulgação do MCE, neste ponto, a Sra. Luciana apresentou as formas de divulgação utilizadas, são elas: Elaboração do material de divulgação do Movimento; Realização do Seminário Em Busca da Excelência; Publicação de Documentos (Critérios de Excelência); Seminários de sensibilização; Estruturação do site e Informativo sobre o MCE. A Sra. Luciana destaca a realização do Seminário Em Busca da Excelência, realizado no dia 31 de maio de 2005, em parceria com a Fundação Nacional da Qualidade FNQ, que contou com mais de duzentos e trinta participantes de quarenta organizações catarinenses. Após este destaque, a Sra. Luciana apresenta o novo site do MCE, disponível para acesso no endereço eletrônico: O quarto tópico do Plano de Trabalho de 2005 foi a Operacionalização do I Ciclo de Premiação. A Diretora Executiva apresenta os resultados desta ação no ano de 2005, são eles: um curso de Formação de Instrutores; dois cursos de interpretação dos critérios; um workshop Elaboração de Relatórios da Gestão; sete cursos de Formação de Examinadores, num total de 175 profissionais capacitados para atuação como Examinadores no Primeiro Ciclo de Avaliação do Prêmio Catarinense de Excelência - PCE. Destes profissionais, 44 foram selecionados para atuarem como examinadores e 11 para atuarem como examinadores seniores. Em seu primeiro ciclo, o PCE contou com onze organizações candidatas, destas foram reconhecidas quatro na Faixa Bronze, nível I 250 Pontos. Durante todo o processo do Prêmio foram contabilizadas três mil e oitocentas horas de trabalho voluntário e mais de cinco mil colaboradores envolvidos. A Sra. Luciana apresentou também a distribuição geográfica das candidatas pelo Estado de Santa Catarina: quatro no Norte; uma no Vale do Itajaí; duas na Grande Florianópolis; uma no Sul; duas no Meio-Oeste e uma no Oeste. Outro tópico do Plano de Trabalho de dois mil e cinco era a Certificação MCE na norma NBR ISO 9001:2000. A Sra Luciana justificou o não alcance deste objetivo, visto que em seu primeiro ano de atividades, o MCE adequou suas práticas às exigências da Norma para que, no ano de 2006, possa se certificar. O último tópico era a Instalação dos Comitês Setoriais, que também não foi realizado, devido ao intenso trabalho no Primeiro Ciclo de Avaliação do PCE. Após a apresentação das realizações do Plano de Trabalho de 2005, a Diretora Executiva apresentou alguns indicadores de resultado do MCE, são eles: Motivar o voluntariado para participar nas atividades do MCE, a meta era de cem voluntários e foi realizada em oitenta e sete por cento; Captação de adesões de MPME ao MCE, a meta era vinte por cento do quadro de associados do MCE e foram atingidos dezesseis por cento; Plano de marketing e comunicação, a meta era de cinqüenta associados e foi realizada em oitenta e oito

2 por cento; Mobilização da Sociedade para a Qualidade e Competitividade, a meta era de atingir mil pessoas através de cursos e eventos e foi superada em quarenta por cento e sete décimos. Foram também apresentados os indicadores financeiros: Índice de auto-sustentabilidade, a meta era de um por cento e foi superado em trinta e oito décimos por cento; Inadimplência, a meta era de zero por cento e foram registrados seis por cento e oito décimos de inadimplência, em relação ao total de associados e nove por cento e quarto décimos, em relação aos associados mantenedores. Após a apresentação dos indicadores, a Sra. Luciana falou sobre outras ações realizadas pelo MCE, que não estavam previstas no Plano de Trabalho de dois mil e cinco, como o Convênio com IEL/SC sobre ferramenta de Benchmarking que visa disseminar as boas práticas das organizações catarinenses de sucesso para todos os associados do MCE e Projeto CNPq/RHAE para criação de uma rede de excelência, metrologia e design em conjunto com a Associação Catarina Design e Rede Metrológica de Santa Catarina. Após a apresentação dos resultados do ano de 2005, o Sr. Ernesto Heinzelmann agradeceu a Sra. Luciana e abriu a palavra para sugestões ou comentários dos presentes. O Sr. Mário Kruger (SCHULZ) questionou a Sra. Luciana do que o MCE está fazendo para conter a alta inadimplência dos associados. A Diretora Executiva responde que já enviou, boletos de cobrança, passou s e entrou em contato com os representantes das organizações inadimplentes e que não obteve algum resultado. O Sr. Celso Waldemar Castella (MULTIBRÁS) sugeriu que a Diretoria do MCE realizasse uma visita a cada associado inadimplente. A Sra. Luciana apresentou restrições quanto à visita, alegando ser constrangedor para a organização inadimplente e acredita que seria mais eficaz se o Sr. Presidente do Conselho Superior enviasse uma carta para eles, falando-lhes da importância de contribuir para o MCE e, se não houvesse retorno, telefonasse para eles. Todos concordaram e assim ficou definido como serão tratadas as inadimplências a partir do ano de O Sr. Ernesto disse que o ano de 2005 foi muito bom e produtivo e convidou a Sra. Luciana a apresentar o Plano de Trabalho e agenda de atividades para o ano de A Diretora Executiva começou falando sobre a programação de ações para o próximo ano, são elas: Mobilizar para a Inovação e Competitividade; Desenvolver uma rede estadual de Comitês Setoriais e Regionais; Rodar o Segundo Ciclo do Prêmio Catarinense de Excelência; Melhorar os canais de comunicação com os associados; Ampliar a abrangência geográfica das ações realizadas e Ação junto ao Governo Estadual. Uma das ações previstas inclui cursos de Interpretação dos Critérios de Excelência, Formação da Banca Examinadora, Atualização da Banca Examinadora, Elaboração de Relatórios da Gestão e outros cursos em parceria com organizações associadas. Está previsto um total de vinte e cinco turmas, dentre todos os cursos, nos meses de fevereiro a dezembro, com a expectativa de atingir quatrocentos e cinquenta participantes. A Sra. Luciana apresentou a pretensão de realizar os cursos nas seguintes cidades: Chapecó, Concórdia, Criciúma, Florianópolis, Jaraguá do Sul, Joinville, Lages e Rio do Sul. Também falou sobre os Seminários de Benchmarking, a proposta é de realizar cinco seminários, com previsão de atingir quatrocentas pessoas em todo o Estado, nas cidades de Florianópolis, Joinville, Jaraguá do Sul, Criciúma e Concórdia. Outra ação muito importante prevista para 2006 é a realização do II Ciclo do Prêmio Catarinense de Excelência, durante os meses de março a novembro, e a data da Cerimônia de Premiação prevista para o dia vinte e um de novembro de dois mil e seis, pois a intenção é trazer a Premiação para o primeiro semestre do ano, conforme a FNQ solicitou a todos os Prêmios Estaduais. Após esta apresentação abriu a palavra aos presentes, para que expressassem suas opiniões com relação à agenda de A Sra. Gislaine Vanderwegen (MULTIBRÁS) sugeriu que os cursos e seminários sejam feitos também em São Bento do Sul e Caçador, pois acredita ser regiões com empresas que necessitam conhecer as ações do MCE. O Sr. Alaor Bernardes (SEBRAE/SC) colocou as agências regionais do SEBRAE à disposição do MCE, para que possa realizar os cursos e também disponibilizou os agentes do SEBRAE para auxiliar na divulgação das ações do MCE. A Sra. Deise Cristina Wischral (ACIJS) perguntou para a Sra. Luciana se a FACISC (Federação das Associações Comerciais e Industriais de Santa Catarina) é associada ao MCE, a Diretora Executiva respondeu que, no ato de lançamento do MCE e das reuniões de constituição, a Federação acima foi convidada, porém não compareceu. A Sra. Deise sugeriu que a Diretoria do MCE entrasse em contato com a FACISC novamente, visto que a Diretoria deste órgão mudou e é possível que eles queiram colaborar com o Movimento. O Sr. Eduardo Germano Wolhgemuth (WEG) perguntou para a Sra. Luciana se a Fundação Nacional da Qualidade fará novamente o Seminário Em Busca da Excelência no próximo ano, em parceria com o MCE. A Sra. Luciana explicou que o foco da FNQ mudou com a mudança da superintendência e acredita que não faz parte dos planos da Fundação realizar seminários novamente em parceria com os Estados. O Sr. Eduardo perguntou à Sra. Luciana se é possível realizar Seminários em

3 parceria com o Núcleo Regional de Gespública de Santa Catarina. O Sr. Ariovaldo Stelle (GESPÚBLICA) afirmou que é plenamente possível e que podem ser feitas também palestras em parceria, já que uma das reconhecidas do Ciclo dois mil e cinco do PCE é uma organização pública. O Sr. Eduardo questionou a Sra. Luciana de por que os eventos estão programados para o primeiro semestre do ano. A Diretora Executiva explicou que as empresas que participarem do PCE têm a oportunidade de trabalhar os pontos fortes e oportunidades de melhoria contidos no Relatório de Avaliação que receberão ao final do Ciclo para que possam preparar para o Prêmio Nacional da Qualidade no próximo ano. O Sr. Antônio José Carradore (SENAI/SC) Sugeriu que o MCE utilizasse as casas já existentes no Estado, como o SENAI/SC, o SEBRAE/SC e as Associações Comerciais e Industriais, para fortalecer os seminários e os cursos. Também considerou que é importante que o MCE esteja presente em eventos estratégicos, como, por exemplo, a Expogestão, que ocorrerá em Joinville no próximo ano. E, por fim, sugeriu que o MCE trabalhasse fortemente na conscientização das organizações catarinenses no sentido de disponibilizar seus colaboradores para atuarem como voluntários do MCE. A Sra. Luciana agradeceu as sugestões e também aproveitou para agradecer publicamente o Sr. Rudnei Raulino (SEBRAE) pela entrevista dada ao Jornal Diário Catarinense no dia oito de dezembro, onde falou sobre a gestão empresarial e sobre o MCE, espontaneamente. A Sra. Gislaine Vanderwegen (MULTIBRÁS) falou sobre os Comitês Setoriais, sugeriu que fosse criada uma estrutura padrão para os Comitês, dizendo que o Núcleo Catarinense de CCQs pode ser um Comitê Setorial do MCE, mas precisa saber quais a fundamentação para se tornar um. O Sr. Ernesto Heinzelmann agradeceu as contribuições dos associados e, dando continuidade aos trabalhos, apresentou o histórico das negociações para o trabalho junto ao Governo do Estado de Santa Catarina. Algumas empresas do Estado tinham a intenção de criar o Instituto SC, que trabalharia a melhoria de gestão do Governo Estadual. Porém, criar um instituto para fazer este trabalho seria duplicar algo que existe: o MCE. Então, o Movimento foi apresentado aos empresários interessados, que aceitaram a proposta de, ao invés de criar uma nova organização, utilizar o MCE para este trabalho. Após esta aprovação, foi elaborada uma proposta de trabalho e apresentada ao Conselho Superior do MCE, que aprovou e definiu de diretrizes para o trabalho. Foi realizada uma reunião entre o Conselho Superior do MCE e o Grupo Gestor do Projeto e, mais tarde uma reunião entre o MCE, o INDG, provável fornecedor dos serviços de consultoria e Governo do Estado. E, no mês de dezembro foi realizado um diagnóstico na Secretaria de Estado da Fazenda para avaliar a situação e as necessidades de mudança e realizar o Planejamento para as ações do INDG neste projeto. A Sra. Luciana comentou que o MCE está verificando as questões legais para participar deste projeto, como tornar-se uma OSCIP - Organização da Sociedade Civil de Interesse Público e desenvolver mecanismos de controle financeiro para garantir a transparência durante a execução projeto. O Sr. Douglas Rocha (RESULT CONSULTORIA) sugeriu que o MCE buscasse transformar-se em OS Organização Social, pois acredita ser mais benéfico ao Movimento. Também disse que considera interessante que o MCE se aproxime do Instituto Celso Ramos, responsável pela inteligência do Estado na área de Gestão. O Sr. Ariovaldo disse que o INDG trabalha, dentre os Critérios de Excelência utilizados pelo MCE, com o Critério Sete, que trata dos Processos da organização. Sugeriu que o Núcleo Regional de Gespública fosse acionado para trabalhar ou outros Critérios com o Governo do Estado. O Sr. Albertino Colombo (ANJO TINTAS) perguntou se o MCE teria condições de auxiliar a Prefeitura de Criciúma em sua Gestão e o Sr. Alaor Bernardes disponibilizou o SEBRAE/SC para efetuar este trabalho. Como último assunto da reunião, foi tratado sobre o valor das contribuições anuais dos associados em dois mil e seis: Micro Empresas, com faturamento anual de até duzentos e quarenta mil reais, contribuem com trezentos reais; Pequenas Empresas, com faturamento anual acima de duzentos e quarenta mil reais até dois milhões e quinhentos mil reais, contribuem com setecentos e cinqüenta reais; Médias Empresas, com faturamento anual acima dois milhões e quinhentos mil reais até dez milhões de reais, contribuem com dois mil e quinhentos reais e Grandes Empresas, com faturamento anual superior a dez milhões de reais, contribuem com cinco mil reais. Todos os presentes concordaram com estes valores. A Sra. Luciana falou sobre as cotas de patrocínio para o MCE no próximo ano, estas cotas são divididas em Patrocínio Ouro, que tem direito à divulgação da logomarca da organização em todas as publicações do MCE; em material promocional dos eventos realizados pelo MCE e divulgação da organização em eventos dos quais o MCE participa, e tem o valor de cinco mil reais; e Patrocínio Educação, que tem direito à divulgação da logomarca da organização em todas as publicações do MCE, e tem o valor de dois mil e quinhentos reais. O Sr. Eduardo Wolhgemuth reiterou a importância de definir metas e buscar novos associados e contribuições

4 para o MCE. O Sr. Ariovaldo questionou sobre a concorrência das contribuições para o Movimento Brasil Competitivo e a Fundação Nacional da Qualidade. O sr. Eduardo Wolhgemuth sugeriu que fossem reduzidas as taxas para organizações que já participam de algum movimento (MBC, FNQ). O Sr. Ernesto anuncia que, a partir de dois mil e seis, a Assembléia Geral passará a ser realizada no primeiro trimestre do ano, a fim de cumprir uma de suas obrigações que é aprovar o orçamento e a prestação de contas do exercício anterior, acompanhada do parecer do Conselho Fiscal. Sendo assim, propôs a data de vinte e dois de março de dois mil e seis para a realização da próxima Assembléia Geral, após a reunião do Conselho Fiscal, que será realizada no início do mês de março. Foi aprovada a data acima sugerida para a Assembléia Geral e definida a data de nove de março para a Reunião do Conselho Fiscal. O Sr. Eduardo Wolhgemuth parabenizou o MCE pelos resultados alcançados em seu primeiro ano de atividades. O Sr. Ernesto Heinzelmann agradeceu a participação de todos e, às dezoito horas e quinze minutos, encerrou a Assembléia Geral de Associados do MCE. Florianópolis, 13 de dezembro de Ernesto Heinzelmann (Presidente) Luciana Matos Santos Lima (Diretora Executiva) Alice Carneiro de Castro (Secretária)

5 Lista de Presença, em duas vias, como peça integrante da Ata da II Reunião do Conselho Superior do MCE Data: 15/07/2005 Hora: 14h25min as 16h00min Local: Sede do Sistema FIESC Rodovia Admar Gonzaga, 2765 Bairro Itacorubi Florianópolis SC Alcantaro Corrêa Alice Carneiro de Castro Eduardo Wohlgemuth Ernesto Heinzelmann FIESC MCE WEG S.A. Embraco S.A. Nacionalidade:brasileira Engenheiro Endereço: Rod. Admar Gonzaga, 2765 Itacorubi Florianópolis Cep X Secretária Executiva Endereço: SC 401, 600 Tecnópolis Florianópolis Cep /R Nacionalidade: brasileiro engenheiro eletricista Endereço: Rua Venâncio da Silva Porto, 399 Jaraguá do Sul Santa Catarina /R Engenheiro Mecânico Endereço: Rua Rui Barbosa, 1020 Caixa Postal 91 Joinville Santa Catarina Francisco Gaidzinski Bastos Eliane Revestimentos Cerâmicos 6/R engenheiro químico Endereço: Rua Maximiliano Gaidzinsk 245 Centro Cocal do sul

6 Gislaine Vanderwegen Multibrás / Núcleo Catarinense de CCQ Nacionalidade: Endereço: José Alaor Bernardes José Aparecido Canassa José Júlio Pereira Luciana Matos Santos Lima SEBRAE/SC Correios Multibrás MCE Nacionalidade: Endereço: Nacionalidade: brasileira economista Endereço: Rua Trajano 199 Sala 1102 Centro Fplois CEP Nacionalidade: Endereço: Engenharia Civil Endereço: Rodovia SC 401, Tecnópolis IEL/Softpolis Florianópolis Santa Catarina

7 Roberto Tavares de Albuquerque SEBRAE/SC Administrador de Empresas Endereço: Av. Rio Branco, 611 Centro Florianópolis Santa Catarina Rudney Raulino Fecomercio / SENAC Nacionalidade: Endereço: Rua Felipe Schimidt 785 centro fpolis SSP/SC Sérgio Roberto Arruda Vicente Donini Diretor Regional SENAI / SC Presidente da Marisol Engenheiro Endereço: Rodovia Admar Gonzaga, 2765 Itacorubi Florianópolis - SC Nacionalidade:brasileiro industrial Endereço: Rua Bernardo Dornbusch, 1300 CP 407 Jaraguá do Sul Santa Catarina

ATA DA II REUNIÃO ORDINÁRIA DO CONSELHO SUPERIOR DO MOVIMENTO CATARINENSE PARA EXCELÊNCIA

ATA DA II REUNIÃO ORDINÁRIA DO CONSELHO SUPERIOR DO MOVIMENTO CATARINENSE PARA EXCELÊNCIA ATA DA II REUNIÃO ORDINÁRIA DO CONSELHO SUPERIOR DO MOVIMENTO CATARINENSE PARA EXCELÊNCIA REALIZADA EM 15 DE JULHO DE 2005 Aos 15 dias do mês de julho, às catorze horas e vinte e cinco minutos, reuniram-se

Leia mais

A importância da responsabilidade socioambiental na busca da excelência da gestão. MOVIMENTO CATARINENSE PARA A EXCELÊNCIA José Neci Corrêa O.

A importância da responsabilidade socioambiental na busca da excelência da gestão. MOVIMENTO CATARINENSE PARA A EXCELÊNCIA José Neci Corrêa O. A importância da responsabilidade socioambiental na busca da excelência da gestão MOVIMENTO CATARINENSE PARA A EXCELÊNCIA José Neci Corrêa O. Junior Quem somos Uma associação sem fins econômicos voltada

Leia mais

ATA DA ASSEMBLÉIA GERAL DE CONSTITUIÇÃO DO

ATA DA ASSEMBLÉIA GERAL DE CONSTITUIÇÃO DO ATA DA ASSEMBLÉIA GERAL DE CONSTITUIÇÃO DO MOVIMENTO CATARINENSE PARA EXCELÊNCIA REALIZADA EM 15 DE DEZEMBRO DE 2004 Aos 15 dias do mês de dezembro, às dezesseis horas e trinta minutos, reuniram-se na

Leia mais

PROGRAMA CATARINENSE DE INOVAÇÃO

PROGRAMA CATARINENSE DE INOVAÇÃO PROGRAMA CATARINENSE DE INOVAÇÃO PROGRAMA CATARINENSE DE INOVAÇÃO O Governo do Estado de Santa Catarina apresenta o Programa Catarinense de Inovação (PCI). O PCI promoverá ações que permitam ao Estado

Leia mais

Estratégias de atuação da FNQ

Estratégias de atuação da FNQ Estratégias de atuação da FNQ Mudanças na estrutura organizacional FNQ Estrutura organizacional principais mudanças Direção Executiva COMEX Diretor Executivo: Ricardo Correa Martins Principais Processos

Leia mais

Faça parte da nossa história! Plano de Patrocínio 2014

Faça parte da nossa história! Plano de Patrocínio 2014 Faça parte da nossa história! Plano de Patrocínio 2014 Sobre a FNQ História Criada em 1991, por um grupo de representantes dos setores público e privado, a Fundação Nacional da Qualidade (FNQ) procura

Leia mais

Ata da 2ª Reunião do Comitê de Petróleo e Gás do Sistema FIESC

Ata da 2ª Reunião do Comitê de Petróleo e Gás do Sistema FIESC Ata da 2ª Reunião do Comitê de Petróleo e Gás do Sistema FIESC Data: 18/04/2013 Horário: 14 às 17h30 Local: Sede do Sistema FIESC Objetivo do Comitê de Petróleo e Gás do Sistema FIESC: Incrementar e Promover

Leia mais

Relatório de Atividades do Comitê Setorial Comércio e Serviços 2015

Relatório de Atividades do Comitê Setorial Comércio e Serviços 2015 Relatório de Atividades do Comitê Setorial Comércio e Serviços 2015 Página 1 Capacitações para o Prêmio Qualidade RS 2015 A Agenda de Capacitações para o PQRS 2015 foi encaminhada semanalmente, no período

Leia mais

Projeto 05. Plano de intercâmbio / parceria entre os examinadores de diferentes Estados e Setores

Projeto 05. Plano de intercâmbio / parceria entre os examinadores de diferentes Estados e Setores Projeto 05 Plano de intercâmbio / parceria entre os examinadores de diferentes Estados e Setores Estimular intercâmbio/ parceria entre os examinadores de diferentes estados e setores Desenvolver plano

Leia mais

Naquela data, os empresários presentes indicaram Ernesto Heinzelmann como futuro presidente do MCE.

Naquela data, os empresários presentes indicaram Ernesto Heinzelmann como futuro presidente do MCE. Apresentação No início do ano de 2004, fui apresentado pela primeira vez ao projeto do então chamado Programa Catarinense de Qualidade e Produtividade. A criação de um programa similar a outros existentes

Leia mais

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE CADEIAS PRODUTIVAS DO SIMPESC

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE CADEIAS PRODUTIVAS DO SIMPESC PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE CADEIAS PRODUTIVAS DO SIMPESC Anderson Ramos dos Santos IEL Mirela das Neves IEL Edison Dacol IEL Agosto, 2011 Pauta Apresentação do Programa (revisão); Ações de Relacionamento;

Leia mais

FIESP - DECOMTEC INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

FIESP - DECOMTEC INOVAÇÃO TECNOLÓGICA FIESP - DECOMTEC INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Programa de Inovação Tecnologica FIESP CIESP - SENAI Sede Fiesp 2013 Chave para a competitividade das empresas e o desenvolvimento do país Determinante para o aumento

Leia mais

RELATÓRIO FORMADORES DE OPINIÃO E ASSOCIADOS

RELATÓRIO FORMADORES DE OPINIÃO E ASSOCIADOS RELATÓRIO FORMADORES DE OPINIÃO E ASSOCIADOS RESULTADOS PESQUISA COM COMITÊS Definição e significado do PGQP para os comitês: Definições voltadas para ao Programa Significado do PGQP Qualificação das organizações

Leia mais

Faça parte da nossa história! Plano de Patrocínio 2º semestre 2014

Faça parte da nossa história! Plano de Patrocínio 2º semestre 2014 Faça parte da nossa história! Plano de Patrocínio 2º semestre 2014 Sobre a FNQ História Criada em 1991, por um grupo de representantes dos setores público e privado, a Fundação Nacional da Qualidade (FNQ)

Leia mais

Instituto Euvaldo Lodi de Santa Catarina IEL/SC

Instituto Euvaldo Lodi de Santa Catarina IEL/SC Instituto Euvaldo Lodi de Santa Catarina IEL/SC Uma estrutura de apoio à Inovação Eliza Coral, Dr. Eng., PMP Outubro, 2010 Diretrizes Organizacionais Missão Contribuir para o desenvolvimento sustentável

Leia mais

Seminário Em Busca da Excelência 2008

Seminário Em Busca da Excelência 2008 Seminário Em Busca da Excelência 2008 IEL/SC - Implementação de sistema de gestão com base nos fundamentos da excelência Natalino Uggioni Maio, 2008 1 IEL em Santa Catarina Integrante da FIESC Federação

Leia mais

Apontamentos do encontro ocorrido no dia 03/02/2015

Apontamentos do encontro ocorrido no dia 03/02/2015 INSTANCIA GOVERNANÇA REGIONAL Apontamentos do encontro ocorrido no dia 03/02/2015 1. Abertura do encontro: o primeiro encontro mensal de 2015 da Instância da Governança Regional do PDRI aconteceu no último

Leia mais

MARIANA IMPLEMENTA LEI GERAL DA MICRO E PEQUENA EMPRESA

MARIANA IMPLEMENTA LEI GERAL DA MICRO E PEQUENA EMPRESA INFORMATIVO DEZEMBRO DE 2013 Acesse também: www.mariana.gov.br MARIANA IMPLEMENTA LEI GERAL DA MICRO E PEQUENA EMPRESA Promover a criação de um ambiente favorável para valorizar a micro e pequena empresa,

Leia mais

FINANCIADORA DE ESTUDOS E PROJETOS - FINEP PROGRAMA FINEP INOVAR SEMENTE 1ª CHAMADA PARA CAPITALIZAÇÃO DE FUNDOS LOCAIS DE CAPITAL SEMENTE

FINANCIADORA DE ESTUDOS E PROJETOS - FINEP PROGRAMA FINEP INOVAR SEMENTE 1ª CHAMADA PARA CAPITALIZAÇÃO DE FUNDOS LOCAIS DE CAPITAL SEMENTE FINANCIADORA DE ESTUDOS E PROJETOS - FINEP PROGRAMA FINEP INOVAR SEMENTE 1ª CHAMADA PARA CAPITALIZAÇÃO DE FUNDOS LOCAIS DE CAPITAL SEMENTE 1. OBJETO A Financiadora de Estudos e Projetos convida potenciais

Leia mais

INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO TERMO DE REFERÊNCIA Nº 05/2012

INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO TERMO DE REFERÊNCIA Nº 05/2012 INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO TERMO DE REFERÊNCIA Nº 05/2012 Contatos Luiz Augusto Gonçalves de Almeida (Coord. de Relações Institucionais) Fone:

Leia mais

INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM PESQUISA, INOVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO TERMO DE REFERÊNCIA Nº 04/2012

INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM PESQUISA, INOVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO TERMO DE REFERÊNCIA Nº 04/2012 INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM PESQUISA, INOVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO TERMO DE REFERÊNCIA Nº 04/2012 Contatos Luiz Augusto Gonçalves de Almeida (Coord. de Relações Institucionais)

Leia mais

Política de Patrocínio

Política de Patrocínio SUMÁRIO APRESENTAÇÃO...02 1. OBJETIVO INSTITUCIONAL...03 2. OBJETIVOS ESTRATÉGICOS...04 3. LINHAS DE ATUAÇÃO...05 3.1 Projetos prioritários...05 3.2 Projetos que não podem ser patrocinados...05 4. ABRANGÊNCIA...06

Leia mais

AYTY-INCUBADORA DE EMPRESAS DO IFAM EDITAL Nº 003/2014 INCUBADORA DE EMPRESAS

AYTY-INCUBADORA DE EMPRESAS DO IFAM EDITAL Nº 003/2014 INCUBADORA DE EMPRESAS AYTY-INCUBADORA DE EMPRESAS DO IFAM EDITAL Nº 003/2014 INCUBADORA DE EMPRESAS Parceria Instituição Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas IFAM, Fundação de Apoio ao Ensino, Pesquisa, Extensão

Leia mais

CONSELHO TEMÁTICO DA MICRO, PEQUENA E MÉDIA INDÚSTRIA

CONSELHO TEMÁTICO DA MICRO, PEQUENA E MÉDIA INDÚSTRIA ASSUNTOS TRATADOS Cartilha sobre produtos e serviços bancários para Micro e Pequenos Empresários Apresentação dos cases de sucesso e fracasso no setor da Construção Civil Notícias sobre o Fórum Permanente

Leia mais

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS CENTRO DE DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIAS INOVADORAS CDTI/UNITINS SELEÇÃO DE EMPRESAS EDITAL Nº 007, 13/08/2009.

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS CENTRO DE DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIAS INOVADORAS CDTI/UNITINS SELEÇÃO DE EMPRESAS EDITAL Nº 007, 13/08/2009. 1 FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS CENTRO DE DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIAS INOVADORAS CDTI/UNITINS SELEÇÃO DE EMPRESAS EDITAL Nº 007, 13/08/2009. A Fundação Universidade do Tocantins UNITINS torna público

Leia mais

Ata de Reunião. Data da Reunião: 02/07/2013 Horário: 10h00min às 18h00min Local: Apex Brasil.

Ata de Reunião. Data da Reunião: 02/07/2013 Horário: 10h00min às 18h00min Local: Apex Brasil. Ata de Reunião 1. IDENTIFICAÇÃO DA REUNIÃO Data da Reunião: 02/07/2013 Horário: 10h00min às 18h00min Local: Apex Brasil. Líder da Reunião: Regina Silvério Telefones: (61) 3426-0785 Ordem do dia: Reunião

Leia mais

ATENDIMENTO AO SETOR AUTOMOTIVO DE SANTA CATARINA

ATENDIMENTO AO SETOR AUTOMOTIVO DE SANTA CATARINA ATENDIMENTO AO SETOR AUTOMOTIVO DE SANTA CATARINA BALNEÁRIO CAMBORIÚ,14 DE NOVEMBRO DE 2008 Rede SENAI/SC 33 Unidades 316 laboratórios educacionais 14 laboratórios de prestação de serviço 1.360.000 alunos

Leia mais

Apresentação Institucional IEL/SC

Apresentação Institucional IEL/SC Apresentação Institucional IEL/SC Natalino Uggioni Joaçaba, 12 de Maio de 2014 IEL NO BRASIL O Sistema Indústria Presente nos 26 estados brasileiros e no Distrito Federal, o Sistema Indústria é composto

Leia mais

EDITAL DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO Nº 01/2012

EDITAL DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO Nº 01/2012 EDITAL DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO Nº 01/2012 PROCEDIMENTOS DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE PROJETOS EMPRESARIAIS INOVADORES PARA INGRESSO E PARTICIPAÇÃO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DE SÃO JOSÉ IESJ. A INCUBADORA

Leia mais

INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM GESTÃO FINANCEIRA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 02/2012

INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM GESTÃO FINANCEIRA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 02/2012 INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM GESTÃO FINANCEIRA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 02/2012 Contatos Luiz Augusto Gonçalves de Almeida (Coord. de Relações Institucionais) Fone: 55

Leia mais

OBRASCON HUARTE LAIN BRASIL S.A. CNPJ nº 02.919.555/0001-67 NIRE nº 35.300.322.746

OBRASCON HUARTE LAIN BRASIL S.A. CNPJ nº 02.919.555/0001-67 NIRE nº 35.300.322.746 OBRASCON HUARTE LAIN BRASIL S.A. CNPJ nº 02.919.555/0001-67 NIRE nº 35.300.322.746 Companhia Aberta ATA DA REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REALIZADA EM 13 DE MARÇO DE 2009 1. Data, Hora e Local: Aos

Leia mais

COMUNICADO 01 EDITAL SEBRAE/SC Nº 002/2014 CREDENCIAMENTO DE PESSOAS JURÍDICAS PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE INSTRUTORIA E CONSULTORIA

COMUNICADO 01 EDITAL SEBRAE/SC Nº 002/2014 CREDENCIAMENTO DE PESSOAS JURÍDICAS PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE INSTRUTORIA E CONSULTORIA COMUNICADO 01 EDITAL SEBRAE/SC Nº 002/2014 CREDENCIAMENTO DE PESSOAS JURÍDICAS PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE INSTRUTORIA E CONSULTORIA PUBLICADO EM 03/06/2014 O Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas

Leia mais

COTAÇÃO PRÉVIA Nº 14/2013

COTAÇÃO PRÉVIA Nº 14/2013 COTAÇÃO PRÉVIA Nº 14/23 TERMO DE REFERÊNCIA O Instituto Aliança com o Adolescente, associação civil sem fins lucrativos e qualificada como Organização da Sociedade Civil de Interesse Público OSCIP, MJ

Leia mais

A estratégia do PGQP frente aos novos desafios. 40ª Reunião da Qualidade 09-10-2006 Eduardo Guaragna

A estratégia do PGQP frente aos novos desafios. 40ª Reunião da Qualidade 09-10-2006 Eduardo Guaragna A estratégia do PGQP frente aos novos desafios 40ª Reunião da Qualidade 09-10-2006 Eduardo Guaragna PROCESSO DE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO MACROFLUXO ENTRADAS PARA O PROCESSO - Análise de cenários e conteúdos

Leia mais

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES CREDENCIAMENTO NO SEBRAE-SP:

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES CREDENCIAMENTO NO SEBRAE-SP: PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES CREDENCIAMENTO NO SEBRAE-SP: A oportunidade de se tornar um facilitador de aprendizagem e/ou consultor para o sucesso das micro e pequenas empresas APRESENTAÇÃO Esta cartilha

Leia mais

Número de. Empregados. Pessoa Física Nenhum R$ 50,00 R$ 600,00. Microempresa Até 5 R$ 70,00 R$ 840,00. Acima de 5 R$ 400,00 R$ 4800,00

Número de. Empregados. Pessoa Física Nenhum R$ 50,00 R$ 600,00. Microempresa Até 5 R$ 70,00 R$ 840,00. Acima de 5 R$ 400,00 R$ 4800,00 FICHA DE ADESÃO Por esta Ficha de adesão, solicito meu ingresso como associado da ABRIMPE ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE INCENTIVO E MELHORIA EM PROJETOS EMPRESARIAIS, EMPREENDEDORISMO E EDUCACIONAL, comprometendo-me

Leia mais

AGENDA. Impacto na Região Linhas Estratégicas

AGENDA. Impacto na Região Linhas Estratégicas AGENDA Como Surgiu Situação Atual Variáveis Importantes Governança Conquistas Impacto na Região Linhas Estratégicas Rodrigo Fernandes Coordenador Executivo da COMTEC Como Surgiu A T.I. surgiu para prover

Leia mais

Cartilha. Nova Lei de Estágios. Inovações e Adequações

Cartilha. Nova Lei de Estágios. Inovações e Adequações Cartilha Nova Lei de Estágios Inovações e Adequações 2008 IEL/SC Núcleo Regional Proibida a reprodução total ou parcial desta obra sem a permissão expressa do IEL/SC. Sistema Federação das Indústrias do

Leia mais

COMUNICADO 01 EDITAL SEBRAE/SC Nº 002/2014 CREDENCIAMENTO DE PESSOAS JURÍDICAS PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE INSTRUTORIA E CONSULTORIA

COMUNICADO 01 EDITAL SEBRAE/SC Nº 002/2014 CREDENCIAMENTO DE PESSOAS JURÍDICAS PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE INSTRUTORIA E CONSULTORIA COMUNICADO 01 EDITAL SEBRAE/SC Nº 002/2014 CREDENCIAMENTO DE PESSOAS JURÍDICAS PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE INSTRUTORIA E CONSULTORIA PUBLICADO EM 23/09/2014 O Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas

Leia mais

INCUBADORA DE EMPRESAS

INCUBADORA DE EMPRESAS INCUBADORA DE EMPRESAS INCUBADORA DE EMPRESAS BARÃO DE MAUÁ - IEBM TERMO DE REFERÊNCIA SERVIÇOS DE CONSULTORIA DE GESTÃO DE NEGÓCIOS. Contatos Domingos Sávio de Carvalho (Gerente Operacional do Projeto)

Leia mais

RUMO DAS FORMAS DE GESTÃO E SUSTENTABILIDADE DOS PROGRAMAS

RUMO DAS FORMAS DE GESTÃO E SUSTENTABILIDADE DOS PROGRAMAS Natureza Jurídica Característica da Qualidade Rio Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico, Energia, Indústria e Serviços do Rio de Janeiro Critérios de Excelência da FNQ e Norma ISO 9001:2000

Leia mais

DTR DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO REGIONAL. ADEOSC Agência de Desenvolvimento do Extremo Oeste de Santa Catarina

DTR DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO REGIONAL. ADEOSC Agência de Desenvolvimento do Extremo Oeste de Santa Catarina DTR DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO REGIONAL ADEOSC Agência de Desenvolvimento do Extremo Oeste de Santa Catarina Sistema Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina FIESC Instituto Euvaldo Lodi IEL

Leia mais

INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM MARKETING EMPRESARIAL E PESSOAL TERMO DE REFERÊNCIA Nº 03/2012

INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM MARKETING EMPRESARIAL E PESSOAL TERMO DE REFERÊNCIA Nº 03/2012 INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM MARKETING EMPRESARIAL E PESSOAL TERMO DE REFERÊNCIA Nº 03/2012 Contatos Luiz Augusto Gonçalves de Almeida (Coord. de Relações Institucionais)

Leia mais

EDITAL. Subvenção aos Núcleos Estaduais ODM do Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade

EDITAL. Subvenção aos Núcleos Estaduais ODM do Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade EDITAL Subvenção aos Núcleos Estaduais ODM do Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade 1. Justificativa Geral A Declaração do Milênio deixa clara a importância da participação social ao considerar

Leia mais

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DA ECONOMIA DE EUNÁPOLIS

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DA ECONOMIA DE EUNÁPOLIS PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DA ECONOMIA DE EUNÁPOLIS Eunápolis, Julho/2013 1. CONTEXTUALIZAÇÃO Eunápolis possui a terceira maior população do Extremo Sul da Bahia estimada em 102 mil habitantes, sendo

Leia mais

MidiaKit. Nossa indústria também produz visibilidade. Período 2012/2013

MidiaKit. Nossa indústria também produz visibilidade. Período 2012/2013 MidiaKit Nossa indústria também produz visibilidade Período 2012/2013 - 2 - Transforme visibilidade em oportunidades de negócio As publicações da Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina -

Leia mais

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade).

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). Coordenação Sindicato dos Centros de Formação de Condutores

Leia mais

PROJETO SETORIAL DO POLO DE TI&C DE SÃO CAETANO DO SUL E REGIÃO TERMO DE REFERÊNCIA

PROJETO SETORIAL DO POLO DE TI&C DE SÃO CAETANO DO SUL E REGIÃO TERMO DE REFERÊNCIA PROJETO SETORIAL DO POLO DE TI&C DE SÃO CAETANO DO SUL E REGIÃO TERMO DE REFERÊNCIA Prestação de Serviços em Assessoria, Consultoria e Treinamento na área de Recursos Humanos. 1. OBJETIVO Os objetivos

Leia mais

INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ

INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ TERMO DE REFERÊNCIA SERVIÇOS DE ASSESSORIA E CONSULTORIA EM PLANEJAMENTO, ELABORAÇÃO DE PROJETOS E PLANO DE NEGÓCIOS. Contatos Valter Fernandes (Gerente do Projeto)

Leia mais

REGULAMENTO DA SELEÇÃO DE EMPRESAS PARTICIPANTES DO EU EMPRESÁRIO SEBRAE 2013

REGULAMENTO DA SELEÇÃO DE EMPRESAS PARTICIPANTES DO EU EMPRESÁRIO SEBRAE 2013 REGULAMENTO DA SELEÇÃO DE EMPRESAS PARTICIPANTES DO EU EMPRESÁRIO SEBRAE 2013 1. Objeto e prazo da seleção de empresas 1.1. O presente Regulamento tem por objeto a seleção de micro, pequenas empresas e

Leia mais

ATO CONVOCATÓRIO 001 2013. OBJETO: Credenciamento de Consultores

ATO CONVOCATÓRIO 001 2013. OBJETO: Credenciamento de Consultores ATO CONVOCATÓRIO 001 2013 OBJETO: Credenciamento de Consultores O INSTITUTO QUALIDADE MINAS, pessoa jurídica de Direito privado sem fins lucrativos, qualificada como Organização da Sociedade Civil de Interesse

Leia mais

PROGRAMA DA NOVA ECONOMIA CATARINENSE APRESENTAÇÃO DE DEMANDAS COLETIVAS - GRUPO PAINEL

PROGRAMA DA NOVA ECONOMIA CATARINENSE APRESENTAÇÃO DE DEMANDAS COLETIVAS - GRUPO PAINEL PROGRAMA DA NOVA ECONOMIA CATARINENSE APRESENTAÇÃO DE DEMANDAS COLETIVAS - GRUPO PAINEL PAUTA: Apresentaçãodo ProgramadaNova EconomiaCatarinense; Apresentaçãodos resultadosgeraisoriundosdaaplicaçãodos

Leia mais

REGULAMENTO CONCURSO MEU SONHO MEU NEGÓCIO 1. APRESENTAÇÃO. alternativa de autoemprego e geração de renda para sobreviver.

REGULAMENTO CONCURSO MEU SONHO MEU NEGÓCIO 1. APRESENTAÇÃO. alternativa de autoemprego e geração de renda para sobreviver. CONCURSO MEU SONHO MEU NEGÓCIO PROJETO DE INCENTIVO AO PEQUENO NEGÓCIO 7ª EDIÇÃO, 2015 Realização: SEBRAE/SC e RICTV Record REGULAMENTO 1. APRESENTAÇÃO O concurso MEU SONHO MEU NEGÓCIO é um projeto realizado

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS E ADESÃO AO PROJETO SETORIAL LATITUDE

MANUAL DE PROCEDIMENTOS E ADESÃO AO PROJETO SETORIAL LATITUDE MANUAL DE PROCEDIMENTOS E ADESÃO AO PROJETO SETORIAL LATITUDE Pelo presente instrumento a Associação Brasileira de Arte Contemporânea - ABACT apresenta o Manual de Procedimentos e Adesão referente às regras

Leia mais

OFICINA DE REESTRUTURACÃO DA REABRI Data: 14 de Maio de 2010 UNIDAVI - Rio do Sul

OFICINA DE REESTRUTURACÃO DA REABRI Data: 14 de Maio de 2010 UNIDAVI - Rio do Sul OFICINA DE REESTRUTURACÃO DA REABRI Data: 14 de Maio de 2010 UNIDAVI - Rio do Sul Moderação: Graciane Regina Pereira e Katiuscia Wilhelm Kankerski 13h Apresentação dos objetivos e da metodologia de trabalho.

Leia mais

GESPÚBLICA Rede Nacional de Consultores. Apresentação SERVIÇO PÚBLICO RELEVANTE

GESPÚBLICA Rede Nacional de Consultores. Apresentação SERVIÇO PÚBLICO RELEVANTE GESPÚBLICA Rede Nacional de Consultores Apresentação A Rede de Nacional de Consultores "ad hoc" do Programa Nacional de Gestão Pública e Desburocratização GesPública se constitui elemento de suma importância

Leia mais

PADRÃO DO SISTEMA DE GESTÃO

PADRÃO DO SISTEMA DE GESTÃO Emitente QUALIDADE E GESTÃO Revisão: 00 Pág. 1/5 Nome Data Elaboração Verificação Aprovação Núcleo de Gestão e Qualidade. Núcleo de Gestão e Qualidade Alta Direção (subprefeito, coordenadores, chefe de

Leia mais

Ata Conselho de Usuários 12/11/2008.

Ata Conselho de Usuários 12/11/2008. Ata Conselho de Usuários 12/11/2008. Aos doze dias do mês de novembro de dois mil e oito, às 08h40min., reuniram-se o Presidente do Conselho, Sr. Osvaldo Eustáquio, o Vice-Presidente Sr. Petrolinces de

Leia mais

Perguntas Frequentes do Prêmio Catarinense de Excelência

Perguntas Frequentes do Prêmio Catarinense de Excelência Perguntas Frequentes do Prêmio Catarinense de Excelência O que é o Modelo de Excelência da Gestão (MEG) e quais são seus objetivos? O Modelo de Excelência da Gestão reflete a experiência, o conhecimento

Leia mais

SELEÇÃO PÚBLICA FUNDAÇÃO CERTI 01/2009 SUBVENÇÃO ECONÔMICA À INOVAÇÃO PROGRAMA PRIME - PRIMEIRA EMPRESA INOVADORA

SELEÇÃO PÚBLICA FUNDAÇÃO CERTI 01/2009 SUBVENÇÃO ECONÔMICA À INOVAÇÃO PROGRAMA PRIME - PRIMEIRA EMPRESA INOVADORA SELEÇÃO PÚBLICA FUNDAÇÃO CERTI 01/2009 SUBVENÇÃO ECONÔMICA À INOVAÇÃO PROGRAMA PRIME - PRIMEIRA EMPRESA INOVADORA 1. APRESENTAÇÃO O Programa Prime - Primeira Empresa Inovadora - visa apoiar empresas nascentes

Leia mais

5º Salão do Livro do Tocantins de 8 a 17 de maio de 2009 Praça dos Girassóis, S/ Nº - Palmas TO PROJETO SEDUC VERBA PARA AQUISIÇÃO DE ACERVOS

5º Salão do Livro do Tocantins de 8 a 17 de maio de 2009 Praça dos Girassóis, S/ Nº - Palmas TO PROJETO SEDUC VERBA PARA AQUISIÇÃO DE ACERVOS Prezado expositor 5º Salão do Livro do Tocantins PROJETO SEDUC VERBA PARA AQUISIÇÃO DE ACERVOS O Governo do Estado do Tocantins, através da Secretaria da Educação e Cultura, em parceria com a ANL Associação

Leia mais

ATO CONVOCATÓRIO 002 2013. OBJETO: Credenciamento de Consultores

ATO CONVOCATÓRIO 002 2013. OBJETO: Credenciamento de Consultores ATO CONVOCATÓRIO 002 2013 OBJETO: Credenciamento de Consultores O INSTITUTO QUALIDADE MINAS, pessoa jurídica de Direito privado sem fins lucrativos, qualificada como Organização da Sociedade Civil de Interesse

Leia mais

PRÊMIO QUALIDADE TOTAL ANOREG PQTA 2014 10ª EDIÇÃO REGULAMENTO

PRÊMIO QUALIDADE TOTAL ANOREG PQTA 2014 10ª EDIÇÃO REGULAMENTO PRÊMIO QUALIDADE TOTAL ANOREG PQTA 2014 10ª EDIÇÃO REGULAMENTO 1. ÍNDICE ÍNDICE... 2 2. APRESENTAÇÃO... 3 ANOREG BR Associação dos Notários e Registradores do Brasil...3 Missão... 3 Visão... 3 Política

Leia mais

Regimento Interno da Associação Ambientalista Pimentão

Regimento Interno da Associação Ambientalista Pimentão Regimento Interno da Associação Ambientalista Pimentão página 1-4 Regimento Interno da Associação Ambientalista Pimentão CAPÍTULO I Da Regulamentação do Regimento Interno Art. 1º - O presente Regimento

Leia mais

ASSEMBLÉIA GERAL EXTRAORDINÁRIA DO CONDOMINIO MAR DE ITAPUA REALIZADA EM 03 DE OUTUBRO DE 2015

ASSEMBLÉIA GERAL EXTRAORDINÁRIA DO CONDOMINIO MAR DE ITAPUA REALIZADA EM 03 DE OUTUBRO DE 2015 ASSEMBLÉIA GERAL EXTRAORDINÁRIA DO CONDOMINIO MAR DE ITAPUA REALIZADA EM 03 DE OUTUBRO DE 2015 Aos três dias do mês de outubro do ano de dois mil e quinze, às 14h30min, em segunda convocação, conforme

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA nº 07/2014

CHAMADA PÚBLICA nº 07/2014 1 CHAMADA PÚBLICA nº 07/2014 Projeto de Qualificação de Credenciados de Serviços de Consultoria e Instrutoria do SEBRAE/RS Porto Alegre 2014 2 PREÂMBULO O SERVIÇO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS

Leia mais

Programa Rede A PARCERIA CFC E SEBRAE: EDUCAÇÃO EMPREENDEDORA EM RESPONSABILIDADE PROFISSIONAL E SOCIAL

Programa Rede A PARCERIA CFC E SEBRAE: EDUCAÇÃO EMPREENDEDORA EM RESPONSABILIDADE PROFISSIONAL E SOCIAL Programa Rede A PARCERIA CFC E SEBRAE: EDUCAÇÃO EMPREENDEDORA EM RESPONSABILIDADE PROFISSIONAL E SOCIAL JUSTIFICATIVA A experiência na implementação da primeira versão do Programa Contabilizando o Sucesso

Leia mais

CREDENCIAMENTO DE PESSOAS JURÍDICAS PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA E INSTRUTORIA

CREDENCIAMENTO DE PESSOAS JURÍDICAS PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA E INSTRUTORIA CREDENCIAMENTO DE PESSOAS JURÍDICAS PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA E INSTRUTORIA PERGUNTAS FREQUENTES Este guia com perguntas e respostas foi desenvolvido para possibilitar um melhor entendimento

Leia mais

CONVOCAÇÃO. Estância Turística de Santa Fé do Sul, 19 de Setembro de 2014. Luiz Antonio Peres Trivelato Junior Presidente do Conselho Administrativo

CONVOCAÇÃO. Estância Turística de Santa Fé do Sul, 19 de Setembro de 2014. Luiz Antonio Peres Trivelato Junior Presidente do Conselho Administrativo CONVOCAÇÃO O Presidente do Conselho de Administração do SANTAFÉPREV Instituto Municipal de Previdência de Santa Fé do Sul, com base na Lei Municipal n 3.104 de 14/08/2013, CONVOCA, para o Dia 23/09/2014,

Leia mais

Fortus Consultoria Contábil Case Qualidade. Gestão de Resultados Solução Independente de Setor e Tamanho

Fortus Consultoria Contábil Case Qualidade. Gestão de Resultados Solução Independente de Setor e Tamanho Fortus Consultoria Contábil Case Qualidade Gestão de Resultados Solução Independente de Setor e Tamanho A Motivação da Busca de Programas de Qualidade 34 Experiência com manuais sobre qualidade em indústria

Leia mais

TELE NORTE CELULAR PARTICIPAÇÕES S.A. CNPJ: 02.558.154/0001-29 NIRE 3130002551-9 Companhia Aberta

TELE NORTE CELULAR PARTICIPAÇÕES S.A. CNPJ: 02.558.154/0001-29 NIRE 3130002551-9 Companhia Aberta TELE NORTE CELULAR PARTICIPAÇÕES S.A. CNPJ: 02.558.154/0001-29 NIRE 3130002551-9 Companhia Aberta Assembleia Geral Extraordinária Realizada em 9 de março de 2009 1. Data, Hora e Local. Realizada, em primeira

Leia mais

INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM VENDAS E COACHING EM PLANO DE VIDA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 07/2012

INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM VENDAS E COACHING EM PLANO DE VIDA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 07/2012 INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM VENDAS E COACHING EM PLANO DE VIDA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 07/2012 Contatos Luiz Augusto Gonçalves de Almeida (Coord. de Relações Institucionais)

Leia mais

PROJETO SETORIAL DO POLO DE TI&C DE SÃO CAETANO DO SUL E REGIÃO TERMO DE REFERÊNCIA

PROJETO SETORIAL DO POLO DE TI&C DE SÃO CAETANO DO SUL E REGIÃO TERMO DE REFERÊNCIA PROJETO SETORIAL DO POLO DE TI&C DE SÃO CAETANO DO SUL E REGIÃO TERMO DE REFERÊNCIA Prestação de Serviços em Assessoria e Consultoria Tributária para as empresas do Arranjo Produtivo Local. 1. OBJETIVO

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA DE PATROCÍNIO Nº 01/2014 ANEXO I. Formulário para Solicitação de Patrocínio

CHAMADA PÚBLICA DE PATROCÍNIO Nº 01/2014 ANEXO I. Formulário para Solicitação de Patrocínio CHAMADA PÚBLICA DE PATROCÍNIO Nº 01/2014 ANEXO I Formulário para Solicitação de Patrocínio Procedimentos para o envio de projeto ao CAU/GO: 1. Após preencher o Formulário para Solicitação de Patrocínio

Leia mais

SE O OBJETIVO É A EXPORTAÇÃO, A SOLUÇÃO É O START EXPORT

SE O OBJETIVO É A EXPORTAÇÃO, A SOLUÇÃO É O START EXPORT SE O OBJETIVO É A EXPORTAÇÃO, A SOLUÇÃO É O START EXPORT SUA EMPRESA ESTÁ PREPARADA PARA EXPORTAR? Já participou de feiras internacionais do setor? Você pode adequar/modificar seu produto? Seu site e catálogos

Leia mais

EDITAL DO PROCESSO SELETIVO CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 1º SEMESTRE/2015

EDITAL DO PROCESSO SELETIVO CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 1º SEMESTRE/2015 EDITAL DO PROCESSO SELETIVO CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 1º SEMESTRE/2015 ABERTURA A Escola de Direito de São Paulo da Fundação Getulio Vargas (FGV DIREITO SP) torna pública a abertura das inscrições

Leia mais

Novos negócios no Ceará

Novos negócios no Ceará ---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- Novos negócios no Ceará No DR Ceará, as oficinas de Estratégia de

Leia mais

II. MESA: Presidente: Paulo Roberto Lopes Ricci Secretário: Luiz Cláudio Ligabue

II. MESA: Presidente: Paulo Roberto Lopes Ricci Secretário: Luiz Cláudio Ligabue BB SEGURIDADE PARTICIPAÇÕES S.A. (subsidiária integral do Banco do Brasil S.A.) ATA DA ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA REALIZADA EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012 I. DATA, HORA E LOCAL: Em 31 de dezembro de 2012

Leia mais

III PRÊMIO PARAÍBA ABRAÇA ODM

III PRÊMIO PARAÍBA ABRAÇA ODM III PRÊMIO PARAÍBA ABRAÇA ODM Faça parte desse abraço A Fundação Solidariedade ponto focal do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento,braço social do Sistema Correio de Comunicação, é uma Associação

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO AMAPÁ SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO GABINETE DA SECRETÁRIA

GOVERNO DO ESTADO DO AMAPÁ SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO GABINETE DA SECRETÁRIA EDITAL SEED-AP Nº 001/2014 GAB/PERGE/SEED. A Secretária de Estado de Educação do Amapá, no uso de suas atribuições, torna pública a realização do II Prêmio Estadual de Referência em Gestão Escolar 2014,

Leia mais

Experiência: Projeto Rede Nacional de Agentes de Comércio Exterior Redeagentes

Experiência: Projeto Rede Nacional de Agentes de Comércio Exterior Redeagentes Experiência: Projeto Rede Nacional de Agentes de Comércio Exterior Redeagentes Ministério do Desenvolvimento Indústria e Comércio Exterior em parceria com o Ministério do Trabalho e Emprego (através do

Leia mais

RELATÓRIO DE FOMENTO 2008

RELATÓRIO DE FOMENTO 2008 MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Secretaria de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação RELATÓRIO DE FOMENTO 2008 MICROEMPRESA E EMPRESA DE PEQUENO PORTE Dados do Formulário sobre os investimentos das

Leia mais

Proposta de Prestação de serviços de Marketing Digital

Proposta de Prestação de serviços de Marketing Digital Proposta de Prestação de serviços de Marketing Digital Proposta número:... 1 Apresentação do produto Com o objetivo de falar com o mundo técnico, abrangendo as áreas da normalização, qualidade, metrologia,

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE FORMAÇÃO PARA CAPACITAÇÃO DE CAPITAL HUMANO EM LÍNGUA INGLESA DO PORTO DIGITAL

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE FORMAÇÃO PARA CAPACITAÇÃO DE CAPITAL HUMANO EM LÍNGUA INGLESA DO PORTO DIGITAL REGULAMENTO DO PROGRAMA DE FORMAÇÃO PARA CAPACITAÇÃO DE CAPITAL HUMANO EM LÍNGUA INGLESA DO PORTO DIGITAL 1. APRESENTAÇÃO Este regulamento apresenta as regras e os critérios estabelecidos pelo Núcleo de

Leia mais

CURSOS SUPERIORES SENAI

CURSOS SUPERIORES SENAI CURSOS SUPERIORES SENAI USE NOSSO NOME PARA CONSTRUIR O SEU. EDITAL DE PROCESSO SELETIVO ESPECIAL 2º SEMESTRE 2014/2 WWW.SC.SENAI.BR 0800 48 1212 CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA SENAI/SC PROCESSO SELETIVO

Leia mais

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Outubro 2009 Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Sustentabilidade Articulação Ampliação dos limites Sistematização Elementos do Novo Modelo Incubação

Leia mais

REGULAMENTO PARA PARTICIPAÇÃO NA SEGUNDA FASE DO CURSO DE FORMAÇÃO PARA CERTIFICAÇÃO DE CAPITAL HUMANO EM LÍNGUA INGLESA

REGULAMENTO PARA PARTICIPAÇÃO NA SEGUNDA FASE DO CURSO DE FORMAÇÃO PARA CERTIFICAÇÃO DE CAPITAL HUMANO EM LÍNGUA INGLESA REGULAMENTO PARA PARTICIPAÇÃO NA SEGUNDA FASE DO CURSO DE FORMAÇÃO PARA CERTIFICAÇÃO DE CAPITAL HUMANO EM LÍNGUA INGLESA 1. APRESENTAÇÃO Este regulamento apresenta as regras e os critérios estabelecidos

Leia mais

Pós-Graduação MBA em Gestão para Segurança de Alimentos a distância Turma 2010

Pós-Graduação MBA em Gestão para Segurança de Alimentos a distância Turma 2010 Faculdade de Tecnologia SENAI SC em Florianópolis EDITAL DE PROCESSO SELETIVO PARA A PÓS-GRADUAÇÃO Pós-Graduação MBA em Gestão para Segurança de Alimentos a distância Turma 2010 A Faculdade de Tecnologia

Leia mais

TERMO DE ADESÃO A ANTECIPAÇÃO DE PREMIAÇÃO PARA INVESTIMENTO EM MÍDIA

TERMO DE ADESÃO A ANTECIPAÇÃO DE PREMIAÇÃO PARA INVESTIMENTO EM MÍDIA TERMO DE ADESÃO A ANTECIPAÇÃO DE PREMIAÇÃO PARA INVESTIMENTO EM MÍDIA A FAEL E O POLO (NOME FANTASIA) CELEBRAM O PRESENTE TERMO VISANDO A ANTECIPAÇÃO DE VALORES, PARA UTILIZAÇÃO EXCLUSIVA EM MÍDIA, COMO

Leia mais

Seleção de Empresas para participação em Missões Empresariais em Mercado Internacional:

Seleção de Empresas para participação em Missões Empresariais em Mercado Internacional: CHAMADA EMPRESARIAL N o 01/2014 Seleção de Empresas para participação em Missões Empresariais em Mercado Internacional: Canton Fair China e Feira SIAL Paris Dando continuidade às ações do Programa de Competitividade

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL

INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL ATA DA 16ª REUNIÃO ORDINÁRIA DO CONSELHO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DA GERÊNCIA-EXECUTIVA DO INSS EM VARGINHA/MG. Data: 28/02/2007 Horário:14:30hs Local: Gerência Executiva

Leia mais

FINANCIADORA DE ESTUDOS E PROJETOS FINEP PROGRAMA FINEP INOVAR SEMENTE 4ª CHAMADA PARA CAPITALIZAÇÃO DE FUNDOS DE CAPITAL SEMENTE

FINANCIADORA DE ESTUDOS E PROJETOS FINEP PROGRAMA FINEP INOVAR SEMENTE 4ª CHAMADA PARA CAPITALIZAÇÃO DE FUNDOS DE CAPITAL SEMENTE FINANCIADORA DE ESTUDOS E PROJETOS FINEP PROGRAMA FINEP INOVAR SEMENTE 4ª CHAMADA PARA CAPITALIZAÇÃO DE FUNDOS DE CAPITAL SEMENTE 1. OBJETO A Financiadora de Estudos e Projetos (FINEP), o Banco de Desenvolvimento

Leia mais

CHAMADA DE PROJETOS 001/2013- APOIO PARA SOLUÇÕES DE INOVAÇÃO JUNTO AS MPE S de Uberaba

CHAMADA DE PROJETOS 001/2013- APOIO PARA SOLUÇÕES DE INOVAÇÃO JUNTO AS MPE S de Uberaba CHAMADA DE PROJETOS 001/2013- APOIO PARA SOLUÇÕES DE INOVAÇÃO JUNTO AS MPE S de Uberaba 1 OBJETIVO 1.1 Realizar, em 2013, apoio financeiro para viabilizar a execução de serviços em inovação e tecnologia

Leia mais

A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1

A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1 A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1 Narjara Bárbara Xavier Silva 2 Patrícia Morais da Silva 3 Resumo O presente trabalho é resultado do Projeto de Extensão da Universidade Federal da

Leia mais

INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ

INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ TERMO DE REFERÊNCIA SERVIÇOS DE GERENCIAMENTO DE PROJETO E ACOMPANHAMENTO DE EMPRESAS Contatos Vladimir de Souza Alves (Assessor Jurídico) Sheila Ribeiro Marques (Comitê

Leia mais

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DO SETOR METAL MECÂNICO DO GRANDE ABC

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DO SETOR METAL MECÂNICO DO GRANDE ABC ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DO SETOR METAL MECÂNICO DO GRANDE ABC TERMO DE REFERÊNCIA Nº 002/2009 SERVIÇOS DE CONSULTORIA DE COORDENAÇÃO DO PROJETO Contatos Luiz Augusto Gonçalves de Almeida (Relações Institucionais)

Leia mais

DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS

DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS 1 DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES E OBJETIVO DO MOVIMENTO 2 Artigo 1º O Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade/Nós

Leia mais

PLANO DE TRABALHO Rede Nacional de Jovens Líderes

PLANO DE TRABALHO Rede Nacional de Jovens Líderes PLANO DE TRABALHO Rede Nacional de Jovens Líderes pág. 1 VISÃO GERAL Objetivo 1 - No âmbito da seção escoteira, apoiar a correta aplicação do método escoteiro, em especial as práticas democráticas previstas

Leia mais

Visão estratégica e projetos futuros

Visão estratégica e projetos futuros Visão estratégica e projetos futuros 4 Encontro de Secretários Executivos de Sindicatos - FIESC 15 de setembro de 2010 PDA Visão Estratégica Panorama SC Projetos 2011 Objetivos Visão Estratégica 1/9 Mapa

Leia mais

PLANO DE TRABALHO Rede Nacional de Jovens Líderes

PLANO DE TRABALHO Rede Nacional de Jovens Líderes PLANO DE TRABALHO Rede Nacional de Jovens Líderes PLANO DE TRABALHO Rede Nacional de Jovens Líderes pág. 1 PLANO DE TRABALHO Rede Nacional de Jovens Líderes MISSÃO Somos uma rede nacional escoteira de

Leia mais