UNIVERSIDADE CRUZEIRO DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO EM ENSINO DE CIÊNCIAS E MATEMÁTICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE CRUZEIRO DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO EM ENSINO DE CIÊNCIAS E MATEMÁTICA"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE CRUZEIRO DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO EM ENSINO DE CIÊNCIAS E MATEMÁTICA A Prática Avaliativa nas Aulas de Matemática:uma Ação Compartilhada com os Alunos Maria Inês Sparrapan Muniz Orientadora: Profa. Dra. Celi Espasandin Lopes Dissertação apresentada ao Mestrado em Ensino de Ciências e Matemática, da Universidade Cruzeiro do Sul, como parte dos requisitos para a obtenção do título de Mestre em Ensino de Ciências e Matemática. SÃO PAULO 2009

2 AUTORIZO A REPRODUÇÃO E DIVULGAÇÃO TOTAL OU PARCIAL DESTE TRABALHO, POR QUALQUER MEIO CONVENCIONAL OU ELETRÔNICO, PARA FINS DE ESTUDO E PESQUISA, DESDE QUE CITADA A FONTE. FICHA CATALOGRÁFICA ELABORADA PELA BIBLIOTECA CENTRAL DA UNIVERSIDADE CRUZEIRO DO SUL M936p Muniz, Maria Inês Sparrapan A prática avaliativa nas aulas de matemática: uma ação compartilhada com os alunos / Maria Inês Sparrapan Muniz. -- São Paulo; SP: [s.n], p. : il. ; 30 cm. Orientadora: Celi Espasandim Lopes. Dissertação (mestrado) Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências e Matemática, Universidade Cruzeiro do Sul. 1. Educação matemática (Avaliação). 2. Avaliação da aprendizagem. 3. Responsabilidade. 4. Matemática Ensino médio. 5. Matemática Ensino fundamental I. Muniz, Maria Inês Sparrapan. II. Universidade Cruzeiro do Sul. Programa de Pós Graduação em Ensino de Ciências e Matemática. III. Título. CDU: 51:371.26(043.3)

3 UNIVERSIDADE CRUZEIRO DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO A Prática Avaliativa nas Aulas de Matemática: Uma Ação Compartilhada com os Alunos Maria Inês Sparrapan Muniz Dissertação de mestrado defendida e aprovada pela Banca Examinadora em 08/06/2008. BANCA EXAMINADORA: Profa. Dra. Celi Espasandim Lopes Universidade Cruzeiro do Sul Presidente Profa. Dra. Edda Curi Universidade Cruzeiro do Sul Profa. Dra. Adair Mendes Nacarato USF Universidade São Francisco

4 "Temos a obrigação de inventar outro mundo porque sabemos que outro mundo é possível. Mas cabe a nós construí-lo com nossas mãos entrando em cena, no palco e na vida. Atores somos todos nós, e cidadão não é aquele que vive em sociedade: é aquele que a transforma!" Augusto Boal ( ) Diretor e dramaturgo brasileiro

5 À Minha Família, especialmente aos meus pais, Carma e Attílio, e aos meus tios Vitor, Tomás e Anita.

6 AGRADECIMENTOS À Miriam, uma grande educadora, a quem também dedico esse trabalho. Como grande educadora, contribui para a formação de professores e foi seu incentivo que me ajudou a perceber a importância de ser uma professora pesquisadora, o que permitiu que este trabalho se tornasse realidade. Sempre me motivou e promoveu inúmeras reflexões, durante a elaboração desta pesquisa, com profissionalismo, ética, responsabilidade e respeitabilidade. Meu eterno reconhecimento e admiração à Profa. Miriam Sampiere Santinho. À minha orientadora, Professora Drª. Celi Espasandin Lopes, que me proporcionou, através de discussões, sugestões, críticas e incentivos, permeados por seu profissionalismo ético, a coragem e a confiança necessárias para trilhar o caminho novo. Aos membros da banca examinadora: Professora Drª. Adair Mendes Nacarato e Professora Drª. Edda Curi, pelas importantes contribuições oferecidas para o enriquecimento desta pesquisa. Aos meus professores e colegas do programa de mestrado, que contribuíram de forma significativa para o meu crescimento pessoal e profissional e às amizades que nasceram durante essa trajetória, fonte de boas energias e de apoio moral ao longo do caminho. Às professoras Adriana, Conceição e Eliana que, na busca de uma prática avaliativa que pudesse ser compartilhada com seus alunos, num trabalho solidário e coletivo, possibilitaram a existência de um espaço especial em suas aulas para o desenvolvimento desta pesquisa. Aos alunos e alunas do Ensino Fundamental II e do Ensino Médio que participaram deste trabalho, ajudando-nos a aprender a percorrer caminhos para uma prática avaliativa emancipatória. Aos professores do LEM/IMECC que, ao longo de minha carreira profissional, contribuíram significativamente na minha formação como

7 professora de matemática e foram constantes incentivadores deste meu trabalho. À Doutora Regina Sparrapan, minha irmã, Pesquisadora Colaboradora do Instituto de Química da Unicamp, pela valiosa contribuição na estruturação deste trabalho. A Leda Farah, pela leitura pontuada do texto, permitindo correções e reflexões significativas sobre a redação final desta tese. Ao meu querido marido, João, presença de Deus em minha vida, que, com apoio, compreensão e amor, ajudou-me a encontrar forças para viver esta experiência tão significativa em minha vida. Ao meu filho, Guilherme, luz da minha vida, que me possibilitou novos olhares na educação dos meus alunos. Ao meu enteado, Ricardo, que me permitiu a oportunidade de compartilhar amor, respeito e crescimento pessoal. À minha família querida, onde encontro sólidos laços que me permitem compartilhar a complexidade de nossas experiências de vida com amor. A Deus que, através da vida, proporciona-nos a grandiosidade do desbravamento de seu Universo nas mais variadas matizes; e à vida, esta maravilhosa viagem cósmica, que nos proporcionou a graça da realização deste estudo. Meu muito obrigado a todos que, de alguma forma, participaram desta jornada. Maria Inês

8 MUNIZ, M. I. S. A pratica avaliativa nas aulas de matemática: uma ação compartilhada com os alunos f. Dissertação (Mestrado em Ensino de Ciências e Matemática) Universidade Cruzeiro do Sul, São Paulo, RESUMO Esta pesquisa tem por objetivo analisar a eficácia de determinadas ações docentes que visam possibilitar a inclusão do aluno como protagonista em seu processo avaliativo, para promover transformações positivas no processo de ensino e aprendizagem que ocorre em sala de aula. Para isso, analisou a prática avaliativa de três professoras de matemática, sendo duas do Ensino Fundamental II e uma do Ensino Médio de escolas públicas do Estado de São Paulo, na busca de responder a questão: Como a ação docente possibilita uma prática avaliativa cuja gestão requer a participação dos alunos e a inclusão dos pais no processo de avaliação da aprendizagem matemática? As análises foram feitas através das categorias: a ação docente, a cultura escolar, a concepção de educação, que emergiram do confronto entre os dados oriundos dos registros dos procedimentos de intervenção no processo avaliativo aplicado pelas professoras envolvidas. A coleta de dados iniciou-se após os alunos terem vivenciado atividades avaliativas diferenciadas, durante o ano escolar de A pesquisa apoiou-se em vários autores, destacando-se: Arroyo, Candaú, Charlot, Esteban, Luckesi, Perez Gómes, Perrenoud e Zabala, entre outros. Através da análise, evidenciaram-se os resultados: a ação docente parece ter sido composta por intervenções significativas para atingir os objetivos acima propostos; a cultura escolar parece ter colaborado para uma avaliação emancipatória; e a concepção de educação das professoras demonstrou ter influências significativas em todo o processo avaliativo. De acordo com os resultados, torna-se possível, dentro da realidade das escolas públicas do Estado de São Paulo, adotar uma prática avaliativa, que promova transformações positivas no ensino e na aprendizagem nas aulas de matemática. Palavras-chave: Educação matemática, Avaliação, Ação docente, Inclusão, compartilhamento de responsabilidades.

9 MUNIZ, M. I. S. The evaluation practice in mathematics classrooms: a shared action with students f. Dissertação (Mestrado em Ensino de Ciências e Matemática) Universidade Cruzeiro do Sul, São Paulo, ABSTRACT This research aims to analyze the effectiveness of certain actions that are designed to allow teachers to include the student as the protagonist in his evaluation process, to promote positive changes in the teaching and learning that occurs in the classroom. For that, we analyzed the evaluation practice of three math teachers, two of the Secondary School and one of the Middle School of the State of Sao Paulo, seeking to answer the question: "How the teaching provides a method of evaluation which management requires the participation of students and the inclusion of parents in the evaluation process of learning mathematics? The analysis was made through the categories: the teaching, school culture, the concept of education that emerged from the confrontation between the data from the records of the intervention procedures in the evaluation process applied by the teachers involved. Data collection began after the students have experienced different evaluation activities during the school year The research was based on several authors, including: Arroyo, Charlot, Esteban, Luckesi, Perez Gómes, Perrenoud and Zabala, among others. Through analysis, showed the results: the teaching seems to have been composed of meaningful interventions to meet the objectives proposed above, the school culture seems to have contributed to a critical evaluation, and the concept of education of teachers has proven to have significant influences on all the evaluation process. According to the results, it is possible to adopt an evaluation method that promotes positive changes in assessment in mathematics classrooms. Keywords: Mathematics education, Assessment, Teaching activities, Inclusion, shared responsibilities.

10 LISTA DE ILUSTRAÇÕES Quadro 1 Síntese - professora Adriana Quadro 2 Síntese - professora Conceição Quadro 3 Síntese - professora Eliana Quadro 4 Ação Docente: aspectos relevantes Quadro 5 Cultura Escolar: aspectos relevantes Quadro 6 Concepção de Educação: aspectos relevantes

11 SUMÁRIO CAPÍTULO I 1 INTRODUÇÃO Minha profissão e minha trajetória de vida Lacunas na avaliação Visualizando o problema CAPÍTULO II 2 PROCESSO DE AVALIAÇÃO EMERGENTE DA PRÁTICA DOCENTE Origem Os procedimentos Os resultados CAPÍTULO III 3 CONSTRUINDO O REFERENCIAL TEÓRICO A cultura escolar O tempo Concepção de Educação A Função social do ensino A Forma como o aluno estabelece relações com o saber O significado da avaliação A ação docente Ser transparente Ser formativo Ser integral... 46

12 3.3.4 Ser democrática CAPÍTULO IV 4 TRAJETÓRIA METODOLÓGICA Origem Os contextos nos quais se construíram os dados Os pressupostos que marcaram a construção dos dados A metodologia da pesquisa As categorias emergentes CAPÍTULO V 5 A PROFESSORA ADRIANA Trajetória pessoal e profissional A ação docente A transparência do processo avaliativo A avaliação integral A avaliação formativa A democratização da avaliação A cultura escolar Responsabilidades compartilhadas A prática avaliativa e a qualidade do trabalho pedagógico O tempo A concepção de educação A função social do ensino A forma como o aluno estabelece relações com o saber O significado da avaliação Considerações... 91

13 CAPÍTULO VI 6 A PROFESSORA CONCEIÇÃO Trajetória pessoal e profissional A ação docente A transparência do processo avaliativo A avaliação integral A avaliação formativa A democratização da avaliação A cultura escolar Responsabilidades compartilhadas A prática avaliativa e a qualidade do trabalho pedagógico O tempo A concepção de educação A função social do ensino A forma como o aluno estabelece relações com o saber O significado da avaliação Considerações CAPÍTULO VII 7 A PROFESSORA ELIANA Trajetória pessoal e profissional A ação docente A transparência do processo avaliativo A avaliação integral A avaliação formativa A democratização de avaliação

14 7.3 A cultura escolar Responsabilidades compartilhadas A prática avaliativa e a qualidade do trabalho pedagógico O tempo A concepção de educação A função social do ensino A forma como o aluno estabelece relações com o saber O significado da avaliação Considerações CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS ANEXOS

15 15 CAPÍTULO I 1 INTRODUÇÃO Neste capítulo inicial, destacarei alguns aspectos de minha trajetória profissional que me encaminharam e, certamente, influenciaram na elaboração e no desenvolvimento deste trabalho. 1.1 Minha Profissão e Minha História de Vida. Licenciei-me em Matemática em 1974, pela PUC de Campinas e em 1981 concluí o curso de Pedagogia pela Faculdade de Filosofia Ciências e Letras Nossa Senhora do Patrocínio, de Itú. Minha trajetória profissional iniciou-se em 1971, como professora da rede pública do Estado de São Paulo, quando eu estava no primeiro ano do curso de licenciatura em Matemática. Nessa época, fui contratada como professora de Matemática na EE Prof. Cyro de Barros Rezende, de Valinhos, para dar aulas para o Ginásio 1 e também para o Científico 2. Foi um desafio interessante, pois, coincidentemente, comecei a trabalhar na mesma escola em que fiz o Grupo Escolar 3, o Ginásio e o Científico e nela permaneci até minha aposentadoria, em Uma escola que fez parte de toda a minha vida, como estudante e como profissional, e onde vivenciei minha história: cresci, aprendi, errei, acertei; enfim, ela sempre teve significado ímpar em meu viver, pois se constituiu em uma parte importante do tecido social que permitiu meu desenvolvimento intrapessoal e interpessoal. 1 Ginásio hoje Ensino Fundamental II. 2 Científico hoje Ensino Médio. 3 Grupo Escolar hoje Ensino Fundamental I.

16 16 Em 1975 fui contratada para dar aulas de Matemática nas escolas da rede Sesi de Valinhos, para o Ginásio. Passei, então, a dar aulas tanto na rede pública como na rede Sesi, ambas do Estado de São Paulo. Em 1978 fui aprovada no concurso público para o provimento de cargo de Professor III do Estado de São Paulo e ingressei como professora efetiva na EE Prof. Cyro de Barros Rezende, de Valinhos, a mesma em que eu já vinha trabalhando como professora contratada. Ao longo desses anos, além de trabalhar na rede pública estadual e na rede Sesi, de onde saí em 1984, também vivi uma experiência muito interessante em 1989, na minha cidade, Valinhos, SP. Através de uma Associação que reuniu a princípio 150 pais, montamos uma escola comunitária, hoje chamada Nova Escola de Valinhos, que se propunha a trabalhar com uma proposta sociointeracionista. Eu fui a primeira diretora pedagógica da escola e foi a ela que confiei a educação do meu filho, Guilherme, que tinha quatro anos. Era, para a época, uma escola que falava de novos paradigmas, de ações pedagógicas diferentes e ousadas. Tem, hoje, 20 anos de existência e é bem aceita pela comunidade, uma vez que seu trabalho tem demonstrado bons resultados. O trabalho realizado pela Nova Escola teve uma grande repercussão no município, e, em 1993, fui convidada para ser a secretária de Educação de Valinhos, com o intuito de levar para as escolas municipais a mesma proposta pedagógica da Nova Escola. Nessa época, a Secretaria de Educação mantinha os cursos de Educação Infantil, Educação de Jovens e Adultos e Educação Especial. Foi uma experiência muito rica, que me possibilitou um crescimento pessoal e profissional muito grande. Trabalhamos na Secretaria com muitos projetos educacionais, com resultados surpreendentes. Um deles foi a implantação da Semana da Água, inspirada num projeto de educação ambiental da França denominado Les Classes d Eau. Registramos a primeira experiência, que ocorreu em 1996, num livro que se chama Semana da água: um programa de educação ambiental para crianças e adultos, que escrevi com Adriana Regina Braga, professora da rede municipal e em parceria com o Consórcio das Bacias dos rios Piracicaba e Capivari, de nossa região.

17 17 Ao sair da Secretaria de Educação, em 1996, reassumi minhas aulas de Matemática na EE Prof. Cyro de Barros Rezende. Durante toda a minha trajetória profissional sempre estive ligada ao Laboratório de Ensino de Matemática LEM, do Instituto de Matemática, Estatística e Computação Científica Imecc, da Unicamp. Esse laboratório sempre foi a instância à qual recorri para aperfeiçoar meus conhecimentos e melhorar minha prática pedagógica em sala de aula. O LEM fez com que minha trajetória como professora tomasse um rumo bastante diferenciado, quando, em 2002, fiz ali um curso de iniciativa da Capes e da Secretaria Nacional de Ensino e Tecnologia do Ministério da Educação conhecido como Pró-Ciências, parte de um programa de Apoio ao Aperfeiçoamento de Professores de Ensino Médio em Matemática e Ciências. Seu objetivo principal era o aperfeiçoamento em serviço de professores do Ensino Médio, nas áreas de Matemática, Física, Química e Biologia, por meio de apoio à inovação pedagógica. O programa foi implantado em diversos Estados, em parceria com Fundações de Amparo à Pesquisa e Secretarias Estaduais da Educação. O curso tinha como ponto de partida as orientações que integravam as propostas da Lei de Diretrizes e Bases (LDB), as Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio, os Parâmetros Curriculares Nacionais para o Ensino Médio e A Escola de Cara Nova - Programa de Educação Continuada. Através desse curso conheci diferentes possibilidades para trabalhar os conteúdos de aprendizagem de Matemática, de forma contextualizada e através da interdisciplinaridade entre Matemática, Física, Química e Biologia, isto é, entre as disciplinas que compunham a área de Ciências da Natureza, Matemática e suas tecnologias, nos Parâmetros Curriculares Nacionais do Ensino Médio (1998). Em minhas aulas, no Ensino Médio, resolvi pôr em prática o que eu havia aprendido no curso Pró-Ciências. Começou, então, o que considero a melhor fase de minha vida profissional: os projetos interdisciplinares e a contextualização dos conteúdos de aprendizagem de Matemática promoveram transformações positivas em minhas aulas, no que diz

18 18 respeito ao envolvimento dos alunos com as aulas e à aprendizagem dos conteúdos trabalhados. 1.2 Lacunas na Avaliação Embora o trabalho com os projetos interdisciplinares e a contextualização dos conteúdos de aprendizagem nas aulas de Matemática se mostrasse consistente e significativo para a o processo de desenvolvimento do aluno, ele evidenciava a fragilidade que fazia parte do processo de sua avaliação. Enquanto o aluno se envolvia com as propostas de trabalho, mostrava-se alienado do seu processo de avaliação, atribuindo o ato de avaliar ao julgamento feito pelo professor, sem imaginar a importância de seu envolvimento nesse processo. Por outro lado, assim como a avaliação final do processo era importante, a avaliação de suas partes era também muito significativa, para oportunizar as interferências necessárias que iriam possibilitar o maior desenvolvimento possível das capacidades do aluno, ao realizar aquele trabalho. Era evidente a lacuna relacionada ao envolvimento do aluno com sua avaliação nas aulas de Matemática. 1.3 Visualizando o Problema Embora houvesse combinados e acordos estabelecidos com os alunos, nas aulas de Matemática, havia, também, relações antigas estabelecidas, que levavam o aluno a atribuir ao professor o poder e a responsabilidade pelo processo de avaliação, sem que ele, aluno, interferisse ou participasse, o que provocava uma omissão de sua parte. Parecia que, ao aluno, caberia fazer e, ao professor, julgar, e isso começou a travar o andamento das aulas, que eram muito dinâmicas e com muitas atividades feitas pelos alunos. Comecei a preocupar-me com o papel do aluno em sua avaliação. Surgiram, então, alguns questionamentos: - como buscar alternativas para que meus alunos se conscientizassem da importância de seu papel no seu processo de avaliação?

19 19 - como fazer para que meu aluno participasse do processo de avaliação e pudesse promover as modificações ao longo do processo, para garantir o bom andamento de sua aprendizagem? - como compartilhar com o aluno as responsabilidades dessa avaliação, que sempre foram apenas minhas e que uma outra forma de trabalho pedagógico me levava a partilhar? Era necessário um aluno mais consciente, com mais autonomia, e que se colocasse como meu parceiro na busca dos caminhos mais adequados para o desenvolvimento de todas as suas capacidades. Essa situação já vinha se delineando, à medida que os trabalhos de sala de aula aconteciam, mas um fator contribuiu consideravelmente para o início de um processo de modificação: numa reunião de pais, conversei com uma mãe e com seu filho, meu aluno, cujo desempenho não tinha sido bom, mas poderia ter sido muito melhor, graças às condições dele. Mostrei a ela todos meus registros a respeito do caso e contei-lhe um pouco dos procedimentos em sala de aula. A mãe perguntou ao filho como é que ele justificava aquele resultado de final de bimestre, quando ele tivera tantas atividades e, conseqüentemente, tantas oportunidades de melhorar aquela situação durante o bimestre. Ele respondeu que julgava que eu não gostasse dele. Fiquei surpresa e assustada. Com essa fala do aluno, que de nenhuma maneira representava a verdade, percebi o quanto aquele processo de avaliação tinha significado só para mim: eram vários instrumentos de avaliação, várias oportunidades para ele retomar seu processo de aprendizagem, mas só eu conseguia considerá-los significativos. Percebi que esse aluno poderia responder qualquer coisa, pois ele não reconhecia nenhum significado naquilo que estava escrito nos registros que, para ele, eram meus e serviam para mim e para a escola, mas não tinham nada a ver com ele. Isso colaborou muito para evidenciar que meus alunos precisavam, de alguma maneira, sentir o significado da avaliação nas aulas de Matemática. Como fazê-los perceber que o processo avaliativo não era um julgamento, não se

20 20 processava de uma só vez e tinha como propósito ajudá-los a melhorar a sua aprendizagem? Queria que eles percebessem que, a qualquer momento do processo, seria possível tomar decisões para mudar em direção ao melhor; que aprendemos a fazer, fazendo; e que não precisamos acertar tudo para aprendermos; pretendia que nos transformássemos em parceiros, para somar esforços, com o objetivo de alcançar o melhor desenvolvimento possível das capacidades de cada um deles; e que eles percebessem o quanto era necessário e importante o seu envolvimento no processo de ensino, na aprendizagem e na avaliação que ocorre na sala de aula. Resolvi então, buscar um caminho que me permitisse compartilhar as responsabilidades do processo de ensino, da aprendizagem e da avaliação com meus alunos e seus pais. Buscava estabelecer entre nós uma relação de cumplicidade e parcerias, nas quais se evidenciasse o papel de cada um dos envolvidos nessa tarefa educacional. Diante disso, emergiu a busca pela sistematização de um processo de avaliação que contemplasse as questões elencadas anteriormente. Nessa trajetória, o diálogo com a literatura encaminhou-me à questão central desta pesquisa, a qual foi redigida da seguinte forma: Como a ação docente possibilita uma prática avaliativa cuja gestão requer a participação ativa dos alunos e a inclusão dos pais no processo de avaliação da aprendizagem matemática? Para responder a essa questão, elaborei um projeto de investigação de natureza qualitativa com análise interpretativa dos dados, o qual será detalhado no capítulo 3 desta dissertação. Com o intuito de relatar esta pesquisa, descreverei inicialmente, no próximo capítulo, o processo de avaliação que emergiu de minha prática docente e que usei em classes do Ensino Médio durante alguns anos em minhas aulas de Matemática.

21 21 CAPÍTULO II 2 PROCESSO DE AVALIAÇÃO EMERGENTE DA PRÁTICA DOCENTE Neste capítulo pretendo relatar a origem, os procedimentos e os resultados do processo de avaliação que apliquei em minhas aulas de matemática e que, embora não faça parte dos casos que analisei nessa pesquisa, porque eu já havia me aposentado nessa época, se constituiu em referencial para o desenvolvimento da mesma, através de outros professores Origem Minha experiência foi com alunos do Ensino Médio de uma escola da rede pública do Estado de São Paulo, em Valinhos. Como professora efetiva de Matemática, ao final de cada bimestre vivenciava um período desgastante em meu trabalho docente, pois, após dois meses de intenso trabalho, era hora de fechar os conceitos finais de meus alunos. Eram comuns muitas reclamações por parte dos alunos, discordando de sua média final, como se eles nada tivessem a ver com aquele resultado. Em muitas situações, o aluno chegava a delegar a mim a responsabilidade total pelo seu fracasso. Nessa hora, ele sempre se esquecia de considerar os problemas de comportamento e os procedimentos ocorridos durante o bimestre, além dos problemas relativos à aprendizagem dos conceitos desenvolvidos em sala de aula. Acontecia, em muitos casos, que o aluno agia com total desinteresse e alienação diante do resultado obtido no final do bimestre. Vencida a fase descrita acima, entrávamos na segunda etapa do processo de fechamento do bimestre: nas reuniões do Conselho de Classe, analisava-se a situação de cada aluno, individualmente, através de dados sobre seu aproveitamento, sobre seu perfil pessoal, sobre problemas familiares que o

22 22 envolviam etc. Também nessa instância tomávamos decisões sobre as formas de recuperar o aluno nos próximos bimestres, se necessário fosse; se estivéssemos no último Conselho Classe do ano, discutíamos se iríamos aprová-lo ou não. Em suma, eram decisões muito importantes que nos impunham uma grande responsabilidade sobre o andamento da vida escolar de cada um de nossos alunos. A próxima etapa desse processo era a reunião de pais, um momento delicado e muito importante, em que os pais deveriam obter informações sobre a evolução do processo de aprendizagem de seus filhos. Muitas vezes chegávamos a ela com dados pouco consistentes sobre os alunos para estabelecer, junto com seus pais, ações efetivas que pudessem gerar melhores resultados nos futuros bimestres. Em geral, lembrávamo-nos bem dos ótimos alunos ou dos que tinham muitas dificuldades; mas, entre eles, estava uma maioria de alunos sobre os quais tínhamos poucas informações, pois, afinal, eram muitas classes e muitos alunos em cada uma delas. Dentro desse contexto, precisávamos fundamentar nossas ações pedagógicas nos Parâmetros Curriculares Nacionais e levar em consideração os aspectos legais determinados pela Secretaria de Educação e pela Diretoria de Ensino, adequando-os ao projeto pedagógico elaborado pela equipe escolar, que se compunha de diretor, coordenador pedagógico e professores. Depois de muitos anos vivendo essa realidade, resolvi buscar algum caminho que minimizasse o desgaste que sofríamos, alunos e professora, a cada final de bimestre e, principalmente, que permitisse ao aluno tomar consciência do seu verdadeiro papel no processo de sua aprendizagem. Em outras palavras, buscava um aluno consciente, atuante, capaz de auto-avaliar-se e de tomar decisões em seu próprio benefício, que possibilitassem o pleno desenvolvimento de suas potencialidades. Seria isso possível? Como conduzir o processo de avaliação para atingir os objetivos expostos acima? Em primeiro lugar, resolvi fazer uma descrição do perfil do aluno que, julgava eu, correspondesse às expectativas descritas acima. Fui descrevendo-o através de ações, tais como: ter material escolar em sala; estar presente todos os dias (só faltar

23 23 se necessário); realizar as tarefas propostas para construir um conceito; fazer lição de casa; empenhar-se para fazer os trabalhos de classe propostos pelo professor; estudar em casa; participar dos diálogos e debates feitos em classe; fazer a correção das avaliações e levá-las para serem assinadas por seus pais ou responsáveis; ter os registros organizados no caderno; cumprir combinados; respeitar regras; cumprir prazos; ler e interpretar códigos (principalmente em Matemática); ler e interpretar textos; ter ritmo de trabalho; descobrir propriedades; generalizar; projetar; elaborar um trabalho com começo, meio e fim e com coerência, além de apresentá-lo com estética; enfim, são esses alguns exemplos do que listei e os exponho aqui, na desordem com que eu os via naquele momento. Nessa fase eu ainda não tinha conhecimento de que todas as ações que constavam da minha lista eram conteúdos de aprendizagem e que poderia classificá-los para melhor compreendê-los. Senti necessidade de buscar uma fundamentação teórica que me possibilitasse essa classificação. Foi então que procurei, em Zabala (1998), estudar a aprendizagem dos conteúdos segundo sua tipologia e percebi que o processo de ensino e aprendizagem que ocorria em minhas salas de aula se concentrava muito mais nos conteúdos conceituais e os procedimentos e atitudes serviam para manter a ordem ou o respeito em sala de aula ou para permitir o desenvolvimento das atividades propostas, porém não eram objetos de ensino, aprendizagem, nem de avaliação. Assim, foi evidenciando-se um desequilíbrio nas intenções educativas do meu projeto pedagógico: os conteúdos que faziam parte do saber eram objetos de ensino, aprendizagem e avaliação, mas os que faziam parte do saber fazer e do ser não estavam incluídos nesse processo; não havia, com relação a eles, intenções educativas explícitas. A partir desse entendimento, passei, então, a considerar os conteúdos como a matéria-prima com a qual trabalharia em sala de aula, classificando-os e organizando-os em: conceituais, procedimentais e atitudinais os conceituais referiam-se à abordagem de conceitos, fatos e princípios; os procedimentais expressavam um saber fazer; e os atitudinais incluíam valores, normas e atitudes.

24 24 Esse novo olhar sobre os conteúdos de aprendizagem constituiu-se nos primeiros passos na busca de caminhos para sistematizar procedimentos avaliativos, com caráter formativo, que considerasse o ensino, a aprendizagem e a avaliação dos três tipos de conteúdos e com a finalidade de atender às necessidades que eu havia listado, com relação ao perfil do aluno. Diante disso, surgiram as primeiras perguntas: como organizar um processo de avaliação transparente, que contemplasse todos os tipos de conteúdos e ainda permitisse que o aluno tomasse consciência da importância de cada um deles para o desenvolvimento de suas potencialidades? Como possibilitar ao aluno refletir com clareza sobre seu desempenho ao longo do processo avaliativo para que pudéssemos criar condições para compartilharmos as responsabilidades que envolviam o processo de avaliação de sua aprendizagem? Buscamos em Chevallard (2001) a idéia do contrato didático. Discutiríamos com os alunos de forma compartilhada o estabelecimento de negociações e critérios que fariam parte do processo avaliativo, com o objetivo de criar condições para que o aluno tomasse consciência da relevância do seu papel na escola, com responsabilidade, com compromisso, com envolvimento, com ação e reação. 2.2 Os Procedimentos O contrato didático define o que será possível ou impossível fazer na aula, o que terá sentido para os alunos e para o professor de maneira compartilhada. Antes de serem eficazes, as técnicas didáticas têm que ser aceitáveis e significativas para os protagonistas do sistema didático. (CHEVALLARD, 2001, p.192). Surgiu, então, a idéia de organizar o processo avaliativo com registro em três fichas: - a do caderno do aluno, preenchida por ele mesmo, diariamente, registrando as avaliações dos diferentes conteúdos trabalhados naquele dia ou em dias anteriores; - a do professor, contendo os mesmos dados que a do aluno, porém com registros feitos pelo professor e arquivada em seu Diário de Classe. Isso permitiria um acompanhamento do desenvolvimento do aluno durante o processo e nortearia

25 25 as interferências necessárias para o sucesso de seu ensino e da aprendizagem do aluno. No final do bimestre, possibilitaria uma conferência dos registros do aluno com os registros do professor, quando necessário. - a ficha anual, preenchida pelo próprio aluno, no final de cada bimestre, com base nos dados da ficha de seu caderno. Nela o aluno registraria o fechamento do seu desempenho durante o bimestre, nos mais diferentes conteúdos avaliados, e os resultados obtidos. A partir daí, juntamente com seu professor, ele fecharia o seu conceito final. Essa ficha anual, elaborada pelo aluno, seria assinada por ele e por seu pai ou responsável. Ao longo dos bimestres, ela iria se constituindo num espelho do desempenho e do aproveitamento desse aluno e evidenciando o seu processo de evolução. Ela permitiria que se estabelecesse, entre aluno, professor e pais, uma parceria para viabilizar as decisões necessárias em direção ao melhor desempenho possível, por parte do aluno. Pensei que, diante de todos esses dados, no final do bimestre, seria possível pedir para os alunos que escrevessem um texto sobre o seu desempenho, baseado na ficha de avaliação do seu caderno. Para elaborar esse texto ele seria orientado, pelo professor, a visualizar com clareza e objetividade, por meio da ficha do seu caderno; a refletir e perceber os comportamentos que deveriam ser reforçados e os que deveriam ser substituídos por outros mais eficazes, que lhe possibilitariam um melhor desempenho. O professor o orientaria para descrever, segundo a sua visão, quais seriam os novos comportamentos. Esse texto seria anexado ao registro de avaliação anual do aluno e, na reunião de pais, poderia servir como mais uma referência para fundamentar as reflexões que seriam feitas com os pais sobre o desenvolvimento de seu filho, no bimestre. Além disso, seria uma referência para pontuar alguns procedimentos que poderiam nortear uma possível ajuda dos pais. Acreditava eu que as reflexões feitas pelos alunos nesse texto contribuiriam para evidenciar, tanto para os alunos como para os pais, dados importantes advindos do processo de avaliação e que não eram vistos somente pela ótica do professor, mas também pela do aluno.

26 26 A ficha do caderno do aluno era composta por vários itens, tais como: avaliações parciais, avaliações bimestrais, trabalhos de classe, lição de casa, avaliação atitudinal (valores, atitudes e normas), etc., cada um dos quais discutido e combinado com os alunos, com as datas e os valores definidos, na medida do possível. Assim, o próprio educando estabelecia um acompanhamento diário da evolução do seu trabalho e do seu desempenho, facilitando as intervenções necessárias feitas por ele e/ou por seu professor, para corrigir os rumos de sua aprendizagem, ao longo do processo. Isso permitia que se evitasse que, tanto o professor como os alunos, tomasse ciência das necessidades de mudanças somente no final do bimestre, o que, comumente, acontecia nos processos de avaliação: descobriam-se um pouco tarde as dificuldades reais da maioria dos alunos. Os itens dessa ficha iam sendo modificados em função dos resultados das avaliações feitas sobre eles e das características dos conteúdos conceituais, procedimentais e atitudinais que variavam de bimestre para bimestre. 2.3 Os Resultados Comecei a usar essa prática avaliativa em minhas oito salas de aula, cada uma com 40 alunos, em média. Acreditava que essa prática poderia ser uma alternativa para atingir o objetivo de melhorar o processo de ensino, aprendizagem e avaliação dos alunos, mas não tinha muita idéia do que iria acontecer. No primeiro bimestre em que utilizei esse processo, senti-me insegura tanto em relação a sua implantação como em relação aos efeitos que eu estava observando nas reações dos alunos. Parecia que muitos alunos não haviam percebido que estávamos dividindo responsabilidades. Tudo foi novidade para mim e para eles, e alguns alunos só sentiram os efeitos desse trabalho depois que terminou o bimestre. Porém, como eu não tinha com quem discutir essas questões, resolvi tentar mais um bimestre. No segundo bimestre, já percebi uma melhora significativa no processo de conscientização dos alunos sobre seu papel de estudante, o que interferiu muito

27 27 positivamente na disciplina das classes, no desenvolvimento dos projetos e das atividades que aconteciam nas aulas de Matemática em geral. Tudo ficou melhor no terceiro bimestre: a postura dos alunos, o envolvimento com as propostas de trabalho, o desempenho e o interesse pelas aulas. Eles melhoraram em todos os aspectos que eu inicialmente havia listado como essenciais para ter um aluno que viesse para a escola para aprender a aprender, aprender a fazer e aprender a ser. Isso, porém, não quer dizer que eu não tivesse problemas. Para alguns poucos casos de alunos com dificuldades, procurei alternativas para ajudá-lo a estabelecer uma relação com o saber, buscando também envolver a família. Era possível, então, considerar como exceções não era mais como regra os casos dos alunos que apresentavam problemas. Durante três anos trabalhei dessa forma e percebi que esse caminho estava realmente permitindo interferências positivas no desempenho dos alunos, na relação com os pais e, principalmente, na reestruturação do processo didático que acontecia em sala de aula. Fui tomando consciência de que meu papel não era o de suportar sozinha a enorme carga da responsabilidade da educação do meu aluno; isso me angustiava muito, porque, quanto mais eu agia, sem a real participação dele no processo, mais eu o perdia de vista e os resultados, apesar do meu enorme esforço, não eram bons. A partir do momento em que fizemos essa parceria, como protagonistas do sistema didático, pude dedicar uma parte maior do meu tempo em sala de aula e fora dela para o projeto pedagógico, organizando melhor minhas aulas, levando em conta a interdisciplinaridade e a contextualização das atividades. Durante as aulas, ganhei um espaço muito interessante como orientadora dos trabalhos que eles desenvolviam; e, ao mesmo tempo, surgiam nas classes alunos que me ajudavam nessa tarefa, o que permitia um melhor ritmo no cumprimento de nossos programas. Com o tempo, fui aperfeiçoando o processo e descobrindo um aluno que se dá a chance de aprender, de fazer e de ser e pude perceber como todo esse movimento é contagiante. Esse cenário durante as aulas provocou interações entre

28 28 os alunos, de maneira a contagiar uns aos outros, com relação às atitudes que interferiam no seu bom desempenho. Os problemas de disciplina existiam, mas minimizaram-se, porque surgiu, para cada aluno, o desafio de compenetrar-se no desempenho do seu papel, ocupando-se com as tarefas propostas, com a sua aprendizagem e com a sua avaliação. Nesse contexto, com algumas exceções, o aluno que queria brincar ou não participar ficava sem respaldo dos colegas e acabava deixando-se contagiar pelo ambiente de trabalho que se instalava na classe. Por outro lado, dentro da escola havia tensões. Esse projeto de avaliação incomodava outros colegas e, portanto, não era bem visto. Durante alguns anos, a coordenação pedagógica o ignorou. De qualquer maneira, houve época em que a troca da coordenação pedagógica da escola possibilitou a socialização do processo para meus colegas, mas sem muito sucesso. De todos os professores da escola, que eram em torno de 40, somente dois se interessaram em usá-lo. Além da falta de interesse do professor, a rotatividade de uma boa parte dos professores, de um ano para o outro, criava outras dificuldades. Ao aposentar-me, no início de 2006, percebi que esse trabalho iria se perder, pois não tinha sido socializado. Nessa época a professora Miriam Sampieri Santinho, do LEM Laboratório de Ensino de Matemática do Imecc, na Unicamp, convidou-me para falar sobre esse processo de avaliação num curso de especialização para professores do Ensino Fundamental II. Na mesma época, apresentei-o na Teia do Saber, um projeto de educação continuada da Secretaria de Educação do Estado de São Paulo. Essas duas experiências permitiram-me encontrar professores que se interessaram em desenvolver esse processo de avaliação em suas aulas. Diante dos resultados que pude observar através das experiências desses professores, resolvi, em 2008, iniciar uma pesquisa científica, tendo como referência o trabalho desenvolvido por alguns professores, em suas salas de aula, com esse processo de avaliação. As professoras Adriana, Conceição e Eliana, que faziam parte do grupo que havia iniciado suas experiências com esse processo avaliativo,

29 29 concordaram em ser minhas parceiras e em permitir a coleta de dados para minha pesquisa, durante o trabalho desenvolvido em suas aulas no ano de Ocupei-me, até aqui, em relatar minha trajetória pessoal e profissional e o fiz, de forma intencional, na primeira pessoa do singular. Passo, agora, a expor o trabalho de elaboração e execução da pesquisa, resultado de trocas e partilhas com outros profissionais que, junto comigo, construíram o que aqui exponho. Por essa razão, a partir deste ponto, o relato será feito na primeira pessoa do plural, para sinalizar as muitas vozes, as muitas mãos, as muitas mentes que compuseram este trabalho. Para que essa pesquisa se efetivasse, era necessário que essa prática avaliativa fosse fundamentada teoricamente. Dessa forma, no capítulo a seguir, apresentaremos uma revisão bibliográfica baseada em autores cujas teorias respaldam esse processo avaliativo. A partir da interlocução com essa literatura elaboramos a questão de investigação desta pesquisa e a estruturamos metodologicamente.

30 30 CAPÍTULO III 3 CONSTRUINDO O REFERENCIAL TEÓRICO Neste capítulo estaremos buscando através de vários autores teorias que respaldam esse processo avaliativo no que diz respeito: à cultura escolar que se configura por papeis normas e rituais que são próprios da escola; à concepção de educação no que diz respeito à função social do ensino e a concepção de como o aluno estabelece relações com o saber e à ação docente que irá estabelecer os parâmetros para o processo avaliativo proposto. 3.1 A Cultura Escolar Estamos nós, professores, atuando em uma instituição de ensino, vivendo relações entre educação e cultura que permeiam nossa prática educativa. Também vivemos incertezas, inseguranças, medos e perplexidades, porém, somos impelidos a buscar e criar caminhos, pois eles exercem uma grande influência sobre nossas práticas educativas e, conseqüentemente, sobre as novas gerações cuja educação está sob nossa responsabilidade. Estamos imersos em um mundo descrito por Candaú da seguinte forma: No mundo atual, a consciência de que estamos vivendo mudanças profundas, que ainda não somos capazes de compreender adequadamente, é cada vez mais aguda. Esta realidade provoca em muitas pessoas insegurança, incerteza e suscita as mais variadas reações, de perplexidade, inquietude, medo, assim como, também, de busca e criatividade. (CANDAÚ, 2001, p. 61). Ainda de acordo com Candaú, entendemos o processo educativo como prática social em que estão presentes as tensões inerentes a uma sociedade como a nossa que vive processos de profunda transformação. (CANDAÚ, 2001, p.68). Adotamos, no desenvolvimento deste trabalho, o conceito de cultura que nos traz Pérez Gomes, abaixo descrito:

31 31 Considero cultura como o conjunto de significados, expectativas e comportamentos compartilhados com um determinado grupo social, o que facilita e ordena, limita e potencia os intercâmbios sociais, as produções simbólicas e materiais e as realizações individuais e coletivas dentro de um marco espacial e temporal determinado. (PÉREZ GÓMEZ, 2001, p. 17). Embora exista uma homogeneidade de alguns símbolos que compõem a cultura, a prática educativa exercida pelos professores em sala de aula vê-se desafiada pelo cruzamento de culturas que coexistem dentro da escola e que são identificadas por Perez Gómes (2001, p.17) como: a cultura pública, a cultura acadêmica, a cultura social, a cultura escolar e a cultura privada. Quanto à cultura pública, seu lócus seria constituído pelas disciplinas científicas, artísticas e filosóficas, ao passo que a cultura acadêmica estaria configurada pelas concreções destas disciplinas explicitadas no currículo escolar. A cultura social estaria representada pelos valores e práticas hegemônicas no cenário social, ao passo que a cultura privada seria aquela adquirida de fato por cada aluno/a através dos intercâmbios espontâneos com seu contexto. [...] No que diz respeito à cultura escolar, estaria configurada pelos papéis, normas, rotinas e ritos próprios da escola como instituição social especifica. (CANDAÚ, 2001, p. 65). Ao vivenciar essa diversidade de culturas na escola e em especial na sala de aula, o professor encontra-se situado em um espaço onde a cultura nem é um campo autônomo nem tampouco um campo determinado externamente, mas um espaço de diferenças e de lutas sociais. (JOHNSON, 1983, p. 3, apud PÉREZ GOMES, 2001, p. 14). Dentre os muitos rituais que compõem a cultura escolar está a avaliação como uma categoria pedagógica com um significado muito forte. O processo avaliativo promove tensões e as mais variadas reações por parte de todos os envolvidos na educação escolar, gerando expectativas e comportamentos que interferem nos relacionamentos que se estabelecem no processo educativo na escola e, em especial, na sala de aula. A avaliação tradicionalmente se estrutura através de diferentes modalidades as quais foram instituídas no processo pedagógico. O significado da avaliação vai se alterando por vários motivos, como, por exemplo, as políticas públicas, como é o caso da avaliação continuada, no Estado de São Paulo; as modificações das

32 32 relações sociais dentro e fora da escola; a democratização do processo de ensino e aprendizagem, etc. Nesse contexto, a avaliação vai transformando-se e perdendo o seu significado tradicional, e seu sentido precisa ser retomado. Porém, muitas vezes, a escola não está preparada para enfrentar as transformações que o processo de avaliação requer para adequar-se aos novos tempos. Este trabalho propõe-se a discutir a necessidade de pensar e repensar a avaliação dentro da cultura escolar, buscando caminhos que a reinterpretem e a transformem, para que ela possa ajudar a transformar as tensões existentes no processo avaliativo, construindo possibilidades de desenvolvimento, evolução e autonomia dos educandos. Queremos investigar como a ação docente pode possibilitar uma prática avaliativa cuja gestão requer a participação ativa dos alunos e a inclusão dos pais no processo de avaliação da aprendizagem nas aulas de matemática, de forma a garantir um processo avaliativo emancipatório, compartilhado com os alunos, que podem tornar-se seus protagonistas e também, por conseqüência, protagonistas do processo de conhecer. Este se estabelece através de um ambiente dialógico, onde todos os envolvidos têm voz e são ouvidos, na busca de um novo equilíbrio dessa assimetria que existe nas práticas avaliativas que ocorrem na sala de aula. Paulo Freire nos fala desse desafio de levar o educando a assumir-se como sujeito do processo de conhecer: Se você tem uma posição política reacionária, não há duvida que o papel do educador é ensinar e do educando é ser ensinado; se a sua opção política é uma opção transformadora e se você é coerente com a sua opção porque esse é outro problema sério que devemos examinar, pois a partir da opção, o educador tem que lutar para alcançar um limite razoável de coerência entre o discurso sobre a opção e a prática que viabiliza o sonho contido nela se é substancialmente democrática, você não renuncia a seu trabalho de educador, você se afirma nele e desafia o educando a assumirse como sujeito do processo de conhecer. (FREIRE, 1991, p. 43). E esse processo de conhecer é, sem dúvida, marcado pelo tempo. Um tempo de ensinar, um tempo de aprender, um tempo de compreender, um tempo de conhecer.

33 O Tempo Ao buscarmos um novo equilíbrio nas relações que envolvem alunos e professores dentro do processo de avaliação da aprendizagem que ocorre na escola, deparamo-nos com a questão do tempo. Esse tempo toma uma dimensão mais preocupante quando falamos em avaliações: há prazos a ser cumpridos, legislações a ser respeitadas, planejamentos a ser seguidos, conceitos a ser retomados em função da aprendizagem dos alunos. Enfim, são muitas as variáveis que se evidenciam num processo avaliativo e que devem ser administradas no curto espaço de tempo de um bimestre. Diante dessa realidade, como lidar com o desafio de um processo de avaliação que inclui o aluno como sujeito do processo e administrar essas relações, levando em consideração o tempo pedagógico? Para os docentes o ponto de partida é o tempo de trabalho. Este será o parâmetro de avaliação de qualquer intervenção na escola. (ARROYO, 2004, p. 395). Ao planejar o trabalho de um bimestre, a questão do tempo evidencia-se como um fator que merece uma atenção especial, pois traz consigo implicações importantes que afetam as condições e as situações do trabalho pedagógico. Porém é um direito perguntar-se por alguns pontos: em que qualquer proposta afetará suas rotinas de trabalho, seus tempos escolares e inclusive seus tempos de família, de descanso, se aumentará ou diminuirá o cansaço. A categoria se pergunta, ainda, se os saberes docentes produzidos em seu trabalho serão levados em conta, respeitados ou ignorados. (ARROYO, 2004, p. 396). A escola possui papéis, normas, rotinas e ritos próprios que exigem do professor habilidades na administração do tempo pedagógico. Ao organizarmos um processo avaliativo que procura desenvolver no aluno atitudes para constituir-se em sujeito desse processo, a relação com o tempo transforma-se, tanto para o aluno como para o professor. Ao repensarmos a concepção, o planejamento, a organização e a sistematização do processo de avaliação com o intuito de possibilitar ao aluno condições para que ele compartilhe com seu professor a gestão desse processo, estaremos provocando e produzindo nesse contexto uma reorganização e, conseqüentemente, uma otimização do tempo pedagógico, por meio de diversas práticas que essa outra visão nos possibilita.

PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA

PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA Fernanda Pimentel Dizotti Academia de Ensino Superior fernandadizotti@gmail.com Norma Suely Gomes Allevato Universidade Cruzeiro do Sul normallev@uol.com.br

Leia mais

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Jaqueline Oliveira Silva Ribeiro SESI-SP josr2@bol.com.br Dimas Cássio Simão SESI-SP

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO ESTRUTURA GERAL DOS ROTEIROS DE ESTUDOS QUINZENAL Os roteiros de estudos, cujo foco está destacado nas palavras chaves, estão organizados em três momentos distintos: 1º MOMENTO - FUNDAMENTOS TEÓRICOS -

Leia mais

Palavras-chaves: Jogos matemáticos; Ensino e aprendizagem.

Palavras-chaves: Jogos matemáticos; Ensino e aprendizagem. Emanuella Filgueira Pereira Universidade Federal do Recôncavo da Bahia O JOGO NO ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA Resumo O presente artigo apresenta resultados parciais de uma pesquisa mais ampla que

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância Nilce Fátima Scheffer - URI-Campus de Erechim/RS - snilce@uri.com.br

Leia mais

1» A revolução educacional e a educação em valores 11

1» A revolução educacional e a educação em valores 11 Sumário Introdução 9 1» A revolução educacional e a educação em valores 11 Introdução 12 As causas da revolução educacional 12 O triplo desafio pedagógico 14 Da transmissão à educação 15 O que pretende

Leia mais

O TRABALHO DOCENTE NUM PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: CONTRADIÇÕES E PERSPECTIVAS

O TRABALHO DOCENTE NUM PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: CONTRADIÇÕES E PERSPECTIVAS O TRABALHO DOCENTE NUM PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: CONTRADIÇÕES E PERSPECTIVAS Daiana Rodrigues dos Santos Prado¹; Francine de Paulo Martins² Estudante do Curso de Pedagogia; e-mail:

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DE ESPAÇO FÍSICO NA CRECHE ( os cantinhos ), que possibilitou entender o espaço como aliado do trabalho pedagógico, ou seja, aquele que

ORGANIZAÇÃO DE ESPAÇO FÍSICO NA CRECHE ( os cantinhos ), que possibilitou entender o espaço como aliado do trabalho pedagógico, ou seja, aquele que Introdução A formação continuada iniciou-se com um diagnóstico com os profissionais que atuam nos Centros de Educação Infantil do nosso município para saber o que pensavam a respeito de conceitos essenciais

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 INVESTIGAÇÃO MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO Bruno Rodrigo Teixeira 1 Universidade Estadual de Londrina - UEL bruno_matuel@yahoo.com.br Camila Rosolen 2 Universidade Estadual de Londrina - UEL camilarosolen@yahoo.com.br

Leia mais

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Introdução A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional afirma que cabe aos estabelecimentos de ensino definir

Leia mais

O que é o projeto político-pedagógico (PPP)

O que é o projeto político-pedagógico (PPP) O que é o projeto político-pedagógico (PPP) 1 Introdução O PPP define a identidade da escola e indica caminhos para ensinar com qualidade. Saiba como elaborar esse documento. sobre ele: Toda escola tem

Leia mais

O PORTFÓLIO ENQUANTO INSTRUMENTO DE REFLEXÃO DA PRÁTICA DOCENTE NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O PORTFÓLIO ENQUANTO INSTRUMENTO DE REFLEXÃO DA PRÁTICA DOCENTE NA EDUCAÇÃO INFANTIL O PORTFÓLIO ENQUANTO INSTRUMENTO DE REFLEXÃO DA PRÁTICA DOCENTE NA EDUCAÇÃO INFANTIL Telma Maria Pereira dos Santos Graduada em Pedagogia pela Universidade do Estado da Bahia UNEB e Pós-graduada em Educação

Leia mais

Com-Vida. Comissão de Meio Ambiente e Qualidade de Vida

Com-Vida. Comissão de Meio Ambiente e Qualidade de Vida Com-Vida Comissão de Meio Ambiente e Qualidade de Vida Com-Vida Comissao de Meio Ambiente e Qualidade de Vida Depois de realizar a Conferência... Realizada a Conferência em sua Escola ou Comunidade, é

Leia mais

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Rene Baltazar Introdução Serão abordados, neste trabalho, significados e características de Professor Pesquisador e as conseqüências,

Leia mais

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA JURUMENHA, Lindelma Taveira Ribeiro. 1 Universidade Regional do Cariri URCA lindelmafisica@gmail.com FERNANDES, Manuel José Pina 2 Universidade Regional do Cariri

Leia mais

Objetivo Promover reflexões acerca da identidade, do papel e das atribuições das equipes pedagógicas do IFTM, visando à construção coletiva de ações

Objetivo Promover reflexões acerca da identidade, do papel e das atribuições das equipes pedagógicas do IFTM, visando à construção coletiva de ações Objetivo Promover reflexões acerca da identidade, do papel e das atribuições das equipes pedagógicas do IFTM, visando à construção coletiva de ações a serem implementadas nos câmpus do Instituto. A identidade

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO Marcelo Moura 1 Líbia Serpa Aquino 2 Este artigo tem por objetivo abordar a importância das atividades lúdicas como verdadeiras

Leia mais

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA Profª. Ms. Marilce da Costa Campos Rodrigues - Grupo de estudos e pesquisas em Política e Formação Docente: ensino fundamental

Leia mais

ABCEducatio entrevista Sílvio Bock

ABCEducatio entrevista Sílvio Bock ABCEducatio entrevista Sílvio Bock Escolher uma profissão é fazer um projeto de futuro A entrada do segundo semestre sempre é marcada por uma grande preocupação para todos os alunos que estão terminando

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES 1 REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - Este regulamento normatiza as atividades relacionadas ao Estágio Curricular do Curso de Administração

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA

FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA Fabiana de Jesus Oliveira União de Ensino do Sudoeste do Paraná fabiana@unisep.edu.br Diversas são as pesquisas que têm mostrado que o ensino encontra-se

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Orientações para a elaboração do projeto escolar

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Orientações para a elaboração do projeto escolar MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO MÉDIA E TECNOLÓGICA Coordenação-Geral de Ensino Médio Orientações para a elaboração do projeto escolar Questões norteadoras: Quais as etapas necessárias à

Leia mais

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral III Mostra de Pesquisa da Pós-Graduação PUCRS Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral Marcelo Cavasotto, Prof.ª Dra. Ruth Portanova (orientadora) Mestrado em Educação

Leia mais

ENSINAR E APRENDER GEOMETRIA PLANA COM E A PARTIR DO USO DO SOFTWARE GEOGEBRA UMA VIVÊNCIA NO CONTEXTO ESCOLAR

ENSINAR E APRENDER GEOMETRIA PLANA COM E A PARTIR DO USO DO SOFTWARE GEOGEBRA UMA VIVÊNCIA NO CONTEXTO ESCOLAR ENSINAR E APRENDER GEOMETRIA PLANA COM E A PARTIR DO USO DO SOFTWARE GEOGEBRA UMA VIVÊNCIA NO CONTEXTO ESCOLAR Por: André Forlin Dosciati - UNIJUÍ Vanessa Faoro - UNIJUÍ Isabel Koltermann Battisti UNIJUÍ

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

RELATO DE ESTÁGIO PEDAGÓGICO VOLUNTÁRIO NA DISCIPLINA DE FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO

RELATO DE ESTÁGIO PEDAGÓGICO VOLUNTÁRIO NA DISCIPLINA DE FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO RELATO DE ESTÁGIO PEDAGÓGICO VOLUNTÁRIO NA DISCIPLINA DE FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO Elaine Cristina Penteado Koliski (PIBIC/CNPq-UNICENTRO), Klevi Mary Reali (Orientadora), e-mail: klevi@unicentro.br

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

Andragogia, uma estratégia em T&D.

Andragogia, uma estratégia em T&D. Andragogia, uma estratégia em T&D. Por PAULA FRANCO Ensinar exige o reconhecimento de ser condicionado Gosto de gente porque, inacabado, sei que sou um ser condicionado, mas, consciente do inacabamento,

Leia mais

LETRAMENTO MATEMÁTICO DE ALUNOS COM BAIXO DESEMPENHO POR MEIO DE REFORÇO ESCOLAR. Palavras-chave: Letramento Matemático; Reforço Escolar; SAERJINHO.

LETRAMENTO MATEMÁTICO DE ALUNOS COM BAIXO DESEMPENHO POR MEIO DE REFORÇO ESCOLAR. Palavras-chave: Letramento Matemático; Reforço Escolar; SAERJINHO. LETRAMENTO MATEMÁTICO DE ALUNOS COM BAIXO DESEMPENHO POR MEIO DE REFORÇO ESCOLAR Agnaldo da Conceição Esquincalha PUC-SP/PUC-Rio/Fundação CECIERJ aesquincalha@gmail.com Resumo: Neste texto elenca-se um

Leia mais

REGULAMENTO NÚCLEO DE APOIO PEDAGÓGICO/PSICOPEDAGÓGICO NAP/NAPP. Do Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico

REGULAMENTO NÚCLEO DE APOIO PEDAGÓGICO/PSICOPEDAGÓGICO NAP/NAPP. Do Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico REGULAMENTO NÚCLEO DE APOIO PEDAGÓGICO/PSICOPEDAGÓGICO NAP/NAPP Capítulo I Do Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico Art. 1º O Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico- NAP/NAPP do Centro de Ensino

Leia mais

A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID

A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID Victor Silva de ARAÚJO Universidade Estadual da Paraiba sr.victorsa@gmail.com INTRODUÇÃO A monitoria é uma modalidade

Leia mais

OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA. Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2

OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA. Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 1029 OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2

Leia mais

PROJETO DE ESTÁGIO CURSO: LICENCIATURA EM PEDAGOGIA DISCIPLINA: ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CIRCUITO: 9 PERIODO: 5º

PROJETO DE ESTÁGIO CURSO: LICENCIATURA EM PEDAGOGIA DISCIPLINA: ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CIRCUITO: 9 PERIODO: 5º PROJETO DE ESTÁGIO CURSO: LICENCIATURA EM PEDAGOGIA DISCIPLINA: ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CIRCUITO: 9 PERIODO: 5º Caro (a) aluno (a), Esta atividade, de caráter teórico-reflexivo, deverá

Leia mais

em partilhar sentido. [Gutierrez e Prieto, 1994] A EAD pode envolver estudos presenciais, mas para atingir seus objetivos necessita

em partilhar sentido. [Gutierrez e Prieto, 1994] A EAD pode envolver estudos presenciais, mas para atingir seus objetivos necessita II. COMPETÊNCIAS E HABILIDADES A assessoria pedagógica não consiste em transmitir certezas, mas em partilhar sentido. [Gutierrez e Prieto, 1994] A EAD pode envolver estudos presenciais, mas para atingir

Leia mais

METODOLOGIA PARA DESENVOLVIMENTO DE ESTUDOS DE CASOS

METODOLOGIA PARA DESENVOLVIMENTO DE ESTUDOS DE CASOS METODOLOGIA PARA DESENVOLVIMENTO DE ESTUDOS DE CASOS 1 O Método do Caso e o Ensino em Administração O uso do Método do Caso nas escolas de administração no Brasil é relativamente recente, embora não haja

Leia mais

SEÇÃO ENTREVISTA A INICIAÇÃO CIENTÍFICA E A PUBLICAÇÃO NA GRADUAÇÃO COMO MEIOS DE QUALIDADE NA FORMAÇÃO DE ENSINO SUPERIOR JOSÉ ROBERTO RUS PEREZ

SEÇÃO ENTREVISTA A INICIAÇÃO CIENTÍFICA E A PUBLICAÇÃO NA GRADUAÇÃO COMO MEIOS DE QUALIDADE NA FORMAÇÃO DE ENSINO SUPERIOR JOSÉ ROBERTO RUS PEREZ Revista Eventos Pedagógicos v.5, n.4 (13. ed.), número regular, p. 115-121, nov./dez. 2014 SEÇÃO ENTREVISTA A INICIAÇÃO CIENTÍFICA E A PUBLICAÇÃO NA GRADUAÇÃO COMO MEIOS DE QUALIDADE NA FORMAÇÃO DE ENSINO

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais

Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual

Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual Adriana Cristina Lázaro e-mail: adrianaclazaro@gmail.com Milena Aparecida Vendramini Sato e-mail:

Leia mais

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LI ESTAMOS PASSANDO PELA MAIOR TRANSFORMAÇÃO NA HISTÓRIA DA HUMANIDADE. VALORIZAR PESSOAS

Leia mais

A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA

A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA - APRESENTAÇÃO 1- COMO SURGIU A IDÉIA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA? 2- O QUE SIGNIFICA INCLUSÃO ESCOLAR? 3- QUAIS AS LEIS QUE GARANTEM A EDUCAÇÃO INCLUSIVA? 4- O QUE É UMA ESCOLA

Leia mais

G1 Formação de Professores. Julia de Cassia Pereira do Nascimento (DO)/ juliacpn@interacaosp.com.br Edda Curi/ edda.curi@cruzeirodosul.edu.

G1 Formação de Professores. Julia de Cassia Pereira do Nascimento (DO)/ juliacpn@interacaosp.com.br Edda Curi/ edda.curi@cruzeirodosul.edu. CONTRIBUIÇÕES DO ESTÁGIO PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: INDICATIVOS DA LEGISLAÇÃO VIGENTE E DA ORGANIZAÇÃO DO ESTÁGIO NUM CURSO DE PEDAGOGIA G1 Formação de Professores

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

Resenha de livro. Por Camila Munerato 1 Camila Rodrigues dos Santos 2 Eunice Pereira Cardoso 3

Resenha de livro. Por Camila Munerato 1 Camila Rodrigues dos Santos 2 Eunice Pereira Cardoso 3 Resenha de livro Por Camila Munerato 1 Camila Rodrigues dos Santos 2 Eunice Pereira Cardoso 3 A presente resenha do livro de Moretto, (2007) em sua 2 edição tem o intuito de mostrar que a avaliação é um

Leia mais

Interação das Escolas do Tocantins

Interação das Escolas do Tocantins SINDICATO DOS PEDAGOGOS DO ESTADO DO TOCANTINS - SINPETO www.sinpeto.com.br Interação das Escolas do Tocantins Palmas 2010. SINDICATO DOS PEDAGOGOS DO ESTADO DO TOCANTINS - SINPETO www.sinpeto.com.br Projeto:

Leia mais

GUIA DE SUGESTÕES DE AÇÕES PARA IMPLEMENTAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DO PROGRAMA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA

GUIA DE SUGESTÕES DE AÇÕES PARA IMPLEMENTAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DO PROGRAMA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA GUIA DE SUGESTÕES DE AÇÕES PARA IMPLEMENTAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DO PROGRAMA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA ALFABETIZAÇÃO NO TEMPO CERTO NAs REDES MUNICIPAIS DE ENSINO SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MINAS

Leia mais

ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR?

ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? O que dizem as crianças sobre o brincar e a brincadeira no 1 ano do Ensino Fundamental? Resumo JAIRO GEBIEN - UNIVALI 1 Esta pesquisa visa investigar os momentos

Leia mais

CNS - ISERJ: RETRATOS DA RESISTÊNCIA DISCENTE. Palavras-chave: Curso Normal Superior (CNS), perfil, pretensões e motivações.

CNS - ISERJ: RETRATOS DA RESISTÊNCIA DISCENTE. Palavras-chave: Curso Normal Superior (CNS), perfil, pretensões e motivações. 24 CNS - ISERJ: RETRATOS DA RESISTÊNCIA DISCENTE Profª Ms Angela Maria Venturini Instituto Superior de Educação do Rio de Janeiro/ISERJ RESUMO O Curso Normal Superior (CNS) do Instituto Superior de Educação

Leia mais

medida. nova íntegra 1. O com remuneradas terem Isso é bom

medida. nova íntegra 1. O com remuneradas terem Isso é bom Entrevista esclarece dúvidas sobre acúmulo de bolsas e atividadess remuneradas Publicada por Assessoria de Imprensa da Capes Quinta, 22 de Julho de 2010 19:16 No dia 16 de julho de 2010, foi publicada

Leia mais

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes FACULDADE ALFREDO NASSER INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO III PESQUISAR

Leia mais

GICO. ciência de governar. Ele prevê e dád

GICO. ciência de governar. Ele prevê e dád 1. PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO GICO 1.1 É a própria pria organização do trabalho pedagógico gico escolar como um todo, em suas especificidades, níveis n e modalidades. 1.2 É Político por que diz respeito

Leia mais

Valores educacionais do Olimpismo

Valores educacionais do Olimpismo Valores educacionais do Olimpismo Aula 3 Busca pela excelência e equilíbrio entre corpo, vontade e mente Rio 2016 Versão 1.0 Objetivos 1 Detalhar o valor busca pela excelência 2 Apresentar estratégias

Leia mais

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA RESUMO Os educadores têm se utilizado de uma metodologia Linear, que traz uma característica conteudista; É possível notar que o Lúdico não se limita

Leia mais

Resumo. Palavras-chave: Matemática; Geometria; Aulas Investigativas. Introdução

Resumo. Palavras-chave: Matemática; Geometria; Aulas Investigativas. Introdução III Seminário sobre Educação Matemática A desigualdade triangular em diferentes mídias Paulo César da Penha pcpenha@terra.com.br GRUCOGEO/USF/ Secretaria da Educação de Itatiba-SP Resumo O relato de experiência

Leia mais

Carta pedagógica. Professora: Maria Teresinha Turma: alfabetização

Carta pedagógica. Professora: Maria Teresinha Turma: alfabetização Carta pedagógica Ao escrever esta carta pedagógica, veio-me a questão do erro que acontece a todo o momento em minha turma na sala de aula. Lendo textos de autores como Morais, fiquei ciente da sua fala

Leia mais

ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL DRA. MARIA AUGUSTA SARAIVA MANUAL DE ESTÁGIO PROFISSIONAL

ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL DRA. MARIA AUGUSTA SARAIVA MANUAL DE ESTÁGIO PROFISSIONAL 2012 ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL DRA. MARIA AUGUSTA SARAIVA MANUAL DE ESTÁGIO PROFISSIONAL APRESENTAÇÃO Este Manual foi elaborado com o objetivo de normalizar o Estágio Profissional Supervisionado, para os

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio PLANO DE TRABALHO PEDAGÓGICO

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio PLANO DE TRABALHO PEDAGÓGICO Secretaria de Estado da Educação Estado do Paraná Núcleo Regional de Educação de União da Vitória COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio Rua Presidente Kennedy, 200 Fone: (42) 3552

Leia mais

ACS Assessoria de Comunicação Social

ACS Assessoria de Comunicação Social DISCURSO DO MINISTRO DA EDUCAÇÃO, HENRIQUE PAIM Brasília, 3 de fevereiro de 2014 Hoje é um dia muito especial para mim. É um dia marcante em uma trajetória dedicada à gestão pública ao longo de vários

Leia mais

GESTÃO DEMOCRÁTICA EDUCACIONAL

GESTÃO DEMOCRÁTICA EDUCACIONAL GESTÃO DEMOCRÁTICA EDUCACIONAL Nanci Cunha Vilela Rost ; Amanda Carvalho ; Edimara Soares Gonçalves ; Juliane Rocha de Moraes BILAC, Faculdade de pedagogia Bilac, graduação em Pedagogia, nancirost@hotmail.com

Leia mais

Regulamento e Critérios de Avaliação de Trabalho de Conclusão de Curso

Regulamento e Critérios de Avaliação de Trabalho de Conclusão de Curso Regulamento e Critérios de Avaliação de Trabalho de Conclusão de Curso Especialização em Acessibilidade Cultural Departamento de Terapia Ocupacional da UFRJ. Rio de Janeiro, 2013 Responsáveis pela elaboração

Leia mais

Jardim Helena São Miguel Paulista PROJETO DE REGÊNCIA EM TURMAS DO ENSINO MÉDIO RECUPERAÇÃO PARALELA.

Jardim Helena São Miguel Paulista PROJETO DE REGÊNCIA EM TURMAS DO ENSINO MÉDIO RECUPERAÇÃO PARALELA. De acordo com às determinações constantes do Plano de Estágio Supervisionado, submeto à apreciação de V.Sª o plano de aula que foram desenvolvidas no Estágio de Licenciatura em Matemática no período de

Leia mais

CONSTRUINDO A CIDADANIA POR MEIO DE TECNOLOGIAS COM ALUNOS DO EJA

CONSTRUINDO A CIDADANIA POR MEIO DE TECNOLOGIAS COM ALUNOS DO EJA CONSTRUINDO A CIDADANIA POR MEIO DE TECNOLOGIAS COM ALUNOS DO EJA Neire Oliveira de Castro Souza 1 Lorrainy Dias Mendes 2 Airson José de Moraes Júnior 3 Neusa Elisa Carignato Sposito (Orientador) 4 RESUMO

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

PROFESSOR DE MATEMÁTICA E EDUCADOR ESPECIAL: UM PASSO PARA INCLUSÃO

PROFESSOR DE MATEMÁTICA E EDUCADOR ESPECIAL: UM PASSO PARA INCLUSÃO ISSN 2316-7785 PROFESSOR DE MATEMÁTICA E EDUCADOR ESPECIAL: UM PASSO PARA INCLUSÃO RESUMO Karen Rodrigues Copello Universidade Federal de Santa Maria karen_keruso@hotmail.com Debora Silvana Soares Universidade

Leia mais

CUIDAR, EDUCAR E BRINCAR: REFLETINDO SOBRE A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CUIDAR, EDUCAR E BRINCAR: REFLETINDO SOBRE A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CUIDAR, EDUCAR E BRINCAR: REFLETINDO SOBRE A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Gislaine Franco de Moura (UEL) gislaine.franco.moura@gmail.com Gilmara Lupion Moreno (UEL) gilmaralupion@uel.br

Leia mais

O JOGO CONTRIBUINDO DE FORMA LÚDICA NO ENSINO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA

O JOGO CONTRIBUINDO DE FORMA LÚDICA NO ENSINO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA O JOGO CONTRIBUINDO DE FORMA LÚDICA NO ENSINO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA Denise Ritter Instituto Federal Farroupilha Campus Júlio de Castilhos deniseritter10@gmail.com Renata da Silva Dessbesel Instituto

Leia mais

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Resumo: O presente trabalho apresenta uma análise, que se originou a

Leia mais

O cotidiano da gestão educacional e a gestão do cotidiano escolar

O cotidiano da gestão educacional e a gestão do cotidiano escolar 5 CAPÍTULO 5 ESTÁGIO SUPERVISIONADO I: GESTÃO EDUCACIONAL O cotidiano da gestão educacional e a gestão do cotidiano escolar Introdução A compreensão deste capítulo está diretamente relacionada ao entendimento

Leia mais

PROJETO MEIO AMBIENTE NA SALA DE AULA

PROJETO MEIO AMBIENTE NA SALA DE AULA PROJETO MEIO AMBIENTE NA SALA DE AULA Conceito: PROJETO: -Proposta -Plano; Intento -Empreendimento -Plano Geral de Construção -Redação provisória de lei; Estatuto Referência:Minidicionário - Soares Amora

Leia mais

PCN em Ação Relatório 5ª a 8ª série

PCN em Ação Relatório 5ª a 8ª série 1 PCN em Ação Relatório 5ª a 8ª série Antonia Terra de Calazans Fernandes Mimoso do Sul - 02 a 05 de maio de 2000 Assistiu e ajudou na coordenação: Marísia Buitoni Caracterização do Grupo Estavam presentes

Leia mais

Educação Física: Mais do que um espaço de desenvolvimento físico, um espaço de possibilidade dialógica.

Educação Física: Mais do que um espaço de desenvolvimento físico, um espaço de possibilidade dialógica. Educação Física: Mais do que um espaço de desenvolvimento físico, um espaço de possibilidade dialógica. João Paulo Madruga 1 Quando pensamos em Educação Física no ambiente escolar, logo nos reportamos

Leia mais

PROJETO MEIO AMBIENTE NA SALA DE AULA

PROJETO MEIO AMBIENTE NA SALA DE AULA PROJETO MEIO AMBIENTE NA SALA DE AULA Conceito: PROJETO: -Proposta -Plano; Intento -Empreendimento -Plano Geral de Construção -Redação provisória de lei; Estatuto Referência:Minidicionário - Soares Amora

Leia mais

CURSINHO POPULAR OPORTUNIDADES E DESAFIOS: RELATO DE EXPERIÊNCIA DOCENTE

CURSINHO POPULAR OPORTUNIDADES E DESAFIOS: RELATO DE EXPERIÊNCIA DOCENTE CURSINHO POPULAR OPORTUNIDADES E DESAFIOS: RELATO DE EXPERIÊNCIA DOCENTE INTRODUÇÃO Lucas de Sousa Costa 1 Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará lucascostamba@gmail.com Rigler da Costa Aragão 2

Leia mais

Formação de professores do Ensino Médio

Formação de professores do Ensino Médio Formação de professores do Ensino Médio Etapa I Caderno VI Pacto Nacional pelo Fortalecimento do Ensino Médio A Avaliação no Ensino Médio Ocimar Alavarse Gabriel Gabrowski Mediadora: Viviane Aparecida

Leia mais

EDUCAÇÃO ESTATÍSTICA PESQUISA E PRÁTICA

EDUCAÇÃO ESTATÍSTICA PESQUISA E PRÁTICA A EDUCAÇÃO ESTATÍSTICA PESQUISA E PRÁTICA Prof.ª Ms. Keli Cristina Conti keli.conti@gmail.com Doutoranda em Educação pela Unicamp Licenciada em Matemática e Pedagoga Participante dos Grupos Prapem (Prática

Leia mais

Atividades CTS em uma abordagem argumentativa: a reflexão de um futuro professor

Atividades CTS em uma abordagem argumentativa: a reflexão de um futuro professor Atividades CTS em uma abordagem argumentativa: a reflexão de um futuro professor Ariane Baffa Lourenço 1, Maria Lúcia V. dos S. Abib 2 e Salete Linhares Queiroz 3 1 Programa de Pós-Graduação Interunidades

Leia mais

Pacto Nacional pelo Fortalecimento do Ensino Médio e Reinventando o Ensino Médio Profª. Welessandra A. Benfica- Doutoranda FAE-UFMG Universidade do

Pacto Nacional pelo Fortalecimento do Ensino Médio e Reinventando o Ensino Médio Profª. Welessandra A. Benfica- Doutoranda FAE-UFMG Universidade do Pacto Nacional pelo Fortalecimento do Ensino Médio e Reinventando o Ensino Médio Profª. Welessandra A. Benfica- Doutoranda FAE-UFMG Universidade do Estado de Minas Gerais Mas o que é mesmo que esse caderno

Leia mais

DIFICULDADES ENFRENTADAS POR PROFESSORES E ALUNOS DA EJA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA

DIFICULDADES ENFRENTADAS POR PROFESSORES E ALUNOS DA EJA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA 27 a 30 de Agosto de 2014. DIFICULDADES ENFRENTADAS POR PROFESSORES E ALUNOS DA EJA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA Resumo: MACHADO, Diana dos Santos 1 Ifes - Campus Cachoeiro de Itapemirim

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - u s a r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - u s a r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - Sou so profes r a, Posso m a s n ão parar d aguento m e ai ensinar s? d a r a u la s Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. A

Leia mais

AVALIAÇÃO DO PROCESSO ENSINO E APRENDIZAGEM

AVALIAÇÃO DO PROCESSO ENSINO E APRENDIZAGEM AVALIAÇÃO DO PROCESSO ENSINO E APRENDIZAGEM Kelly Cristina Sabadin kellysabadin@hotmail.com RESUMO A avaliação da aprendizagem escolar se faz presente em todas as instituições de ensino. É o tema mais

Leia mais

Justificativa: Cláudia Queiroz Miranda (SEEDF 1 ) webclaudia33@gmail.com Raimunda de Oliveira (SEEDF) deoliveirarai@hotmail.com

Justificativa: Cláudia Queiroz Miranda (SEEDF 1 ) webclaudia33@gmail.com Raimunda de Oliveira (SEEDF) deoliveirarai@hotmail.com 1 COMO COLOCAR AS TEORIAS ESTUDADAS NA FORMAÇÃO DO PNAIC EM PRÁTICA NA SALA DE AULA? REFLEXÕES DE PROFESSORES ALFABETIZADORES SOBRE O TRABALHO COM O SISTEMA DE NUMERAÇÃO DECIMAL Cláudia Queiroz Miranda

Leia mais

EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL

EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL JOSÉ INÁCIO JARDIM MOTTA ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA Fundação Oswaldo Cruz Curitiba 2008 EDUCAÇÃO PERMANENTE UM DESAFIO EPISTÊMICO Quando o desejável

Leia mais

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 O trabalho da CPA/PUCSP de avaliação institucional está regulamentado pela Lei federal nº 10.861/04 (que institui o SINAES), artigo 11 e pelo

Leia mais

A EDUCAÇÃO DO CAMPO E AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NAS ESCOLAS DO ASSENTAMENTO SÃO FRANCISCO III.SOLÂNEA/PB.

A EDUCAÇÃO DO CAMPO E AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NAS ESCOLAS DO ASSENTAMENTO SÃO FRANCISCO III.SOLÂNEA/PB. A EDUCAÇÃO DO CAMPO E AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NAS ESCOLAS DO ASSENTAMENTO SÃO FRANCISCO III.SOLÂNEA/PB. Otaciana da Silva Romão (Aluna do curso de especialização em Fundamentos da Educação UEPB), Leandro

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID DETALHAMENTO DO SUBPROJETO 1. Unidade: 2. Área do Subprojeto: Maracaju 3. Curso(s) envolvido(s) na proposta: Pedagogia Obs.: Para proposta

Leia mais

A CAPES : quais ambições para a pesquisa em Letras e Linguística?

A CAPES : quais ambições para a pesquisa em Letras e Linguística? A CAPES : quais ambições para a pesquisa em Letras e Linguística? Universidade de São Paulo benjamin@usp.br Synergies-Brésil O Sr. foi o representante da Letras junto à CAPES. O Sr. poderia explicar qual

Leia mais

Elaboração de Projetos

Elaboração de Projetos Elaboração de Projetos 2 1. ProjetoS Projeto: uma nova cultura de aprendizagem ALMEIDA, Maria Elizabeth Bianconcini de. Projeto: uma nova cultura de aprendizagem. [S.l.: s.n.], jul. 1999. A prática pedagógica

Leia mais

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor Juliana Graciano Parise 1 Eliane de Lourdes Felden 2 Resumo: O trabalho apresenta uma experiência de ensino articulado à pesquisa

Leia mais

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças PADILHA, Aparecida Arrais PMSP cidarrais@yahoo.com.br Resumo: Este artigo apresenta uma

Leia mais

TÍTULO: ALUNOS DE MEDICINA CAPACITAM AGENTES COMUNITÁRIOS NO OBAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE

TÍTULO: ALUNOS DE MEDICINA CAPACITAM AGENTES COMUNITÁRIOS NO OBAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE TÍTULO: ALUNOS DE MEDICINA CAPACITAM AGENTES COMUNITÁRIOS NO OBAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: MEDICINA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE CIDADE DE SÃO PAULO AUTOR(ES): THAIS

Leia mais

DIFICULDADES NA APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA NA ESCOLA OSVALDO DA COSTA E SILVA: ALGUMAS CAUSAS E POSSÍVESIS SOLUÇÕES

DIFICULDADES NA APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA NA ESCOLA OSVALDO DA COSTA E SILVA: ALGUMAS CAUSAS E POSSÍVESIS SOLUÇÕES DIFICULDADES NA APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA NA ESCOLA OSVALDO DA COSTA E SILVA: ALGUMAS CAUSAS E POSSÍVESIS SOLUÇÕES Rogério Sousa AZEVEDO (1); Iara M Cavalcante NOLETO (2) (1 e 2) Instituto Federal de

Leia mais

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID BARROS, Raquel Pirangi. SANTOS, Ana Maria Felipe. SOUZA, Edilene Marinho de. MATA, Luana da Mata.. VALE, Elisabete Carlos do.

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO TUTOR ON-LINE NA FORMAÇÃO DOCENTE

A IMPORTÂNCIA DO TUTOR ON-LINE NA FORMAÇÃO DOCENTE A IMPORTÂNCIA DO TUTOR ON-LINE NA FORMAÇÃO DOCENTE Curso de Especialização em Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva Página Inicial do AVA com a relação das disciplinas do Curso e Formação

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA: MUDANÇAS NA PRÁTICA PEDAGÓGICA NA VIVÊNCIA DE UM PROGRAMA.

FORMAÇÃO CONTINUADA: MUDANÇAS NA PRÁTICA PEDAGÓGICA NA VIVÊNCIA DE UM PROGRAMA. FORMAÇÃO CONTINUADA: MUDANÇAS NA PRÁTICA PEDAGÓGICA NA VIVÊNCIA DE UM PROGRAMA. Rosângela de Fátima Cavalcante França* Universidade Federal de Mato Grosso do Sul RESUMO Este texto apresenta de forma resumida

Leia mais

GRITO PELA EDUCAÇÃO PÚBLICA NO ESTADO DE SÃO PAULO

GRITO PELA EDUCAÇÃO PÚBLICA NO ESTADO DE SÃO PAULO Apresentação Esta cartilha representa um grito dos educadores, dos estudantes, dos pais, dos trabalhadores e da sociedade civil organizada em defesa da educação pública de qualidade, direito de todos e

Leia mais

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto 1 Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Professor Doutor Marcos T. Masetto Objetivos Desenvolver competências

Leia mais

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: UM ESTUDO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO NO CURSO DE LICENCIATURA EM BIOLOGIA, NA UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS, NO CAMPUS DE GURUPI. Nome dos autores: Josilia Ferreira Dos Santos,

Leia mais