CENTRO UNIVERSITÁRIO MUNICIPAL DE SÃO JOSÉ USJ GLÁUCIA DE SOUZA CORRÊA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CENTRO UNIVERSITÁRIO MUNICIPAL DE SÃO JOSÉ USJ GLÁUCIA DE SOUZA CORRÊA"

Transcrição

1 CENTRO UNIVERSITÁRIO MUNICIPAL DE SÃO JOSÉ USJ GLÁUCIA DE SOUZA CORRÊA DESENHEI MINHA MÃE DE ROSA, SÓ QUE ELA É PRETA, SÓ QUE PRETO NÃO PODE : Algumas discussões sobre a diversidade étnico-racial na Educação Infantil. São José 2009

2 GLÁUCIA DE SOUZA CORRÊA DESENHEI MINHA MÃE DE ROSA, SÓ QUE ELA É PRETA, SÓ QUE PRETO NÃO PODE : Algumas discussões sobre a diversidade étnico-racial na Educação Infantil. Relatório de Pesquisa elaborado como requisito para aprovação na disciplina de Trabalho de Conclusão de Curso II do Centro Universitário Municipal de São José USJ. Prof. MSc Regina Ingrid Bragagnolo. São José

3 GLÁUCIA DE SOUZA CORRÊA DESENHEI MINHA MÃE DE ROSA, SÓ QUE ELA É PRETA, SÓ QUE PRETO NÃO PODE : Algumas discussões sobre a diversidade étnico-racial na Educação Infantil. Trabalho de Conclusão de Curso elaborado como requisito final para a aprovação no Curso de Pedagogia do Centro Universitário Municipal de São José - USJ. Avaliado no dia: 08 de Julho de 2009 por: Prof. MSc. Regina Ingrid Bragagnolo. Orientadora Prof. MSc. Evandro Brito. Membro Examinador Prof. MSc. Raquel Barbosa. Membro Examinador 3

4 Agradecimentos É com muita alegria que dedico este trabalho aos meus pais, Maria e Francisco que sempre me apoiaram, e com muito amor e carinho se esforçaram para que eu pudesse ter uma educação de qualidade. Agradeço também a um companheiro muito especial, meu esposo José Victor, que não só, esteve presente durante esta caminhada, como também empenhou muito esforço para que eu pudesse alcançar meus objetivos. Agradeço aos(as) educadores(as) que contribuíram em muito para minha formação, em especial a professora Regina, à qual sempre se dedicou muito em suas orientações. 4

5 Anjos Negros (Shirley Pimentel de Souza) [ ] Chega! A negritude dá seu grito de desabafo! As crianças negras querem anjos da guarda negros. O povo negro quer magia negra. O povo negro quer cultura negra! Repudiamos sua prepotência, Repudiamos sua divisão racial, Repudiamos sua aquarela racista. Queremos anjos negros! Faremos um bem negro. Somos povo negro! 5

6 RESUMO A diversidade étnico-racial é um assunto que precisa ser constantemente problematizado nas Instituições de Educação Infantil, pois, se as reflexões sobre as diferenças forem iniciadas, logo que as crianças ingressarem neste espaço de interação, tornar-se-á mais fácil desconstruir o mito da supremacia racial branca na sociedade. Neste sentido, através deste estudo, busquei investigar: Quais as relações étnico-raciais estabelecidas entre educadores e crianças no cotidiano de um grupo da Educação Infantil? Esta pesquisa, teve como objetivo principal, analisar como as crianças e professoras da Educação Infantil interagem com a diversidade étnico-racial. Com a finalidade de alcançar este propósito, realizei uma pesquisa qualitativa, por meio de estudos etnográficos, que me possibilitaram uma aproximação significativa com os sujeitos pesquisados. Estive presente no campo, dez dias, por cerca de três horas e trinta minutos diários. Durante estas observações, fiz uso do diário de campo, para coletar os dados, e foi possível constatar que, em muitos momentos, as crianças afro-descendentes são invisibilizadas no espaço educacional e têm uma cumplicidade maior quando se relacionam com seus pares, do que quando interagem com crianças de outras etnias. Palavras-chave: Diversidade étnico-racial. Educação Infantil. Crianças. ABSTRACT The racial ethnic diversity is a subject that constantly needs to be discussed in the upbringing education institutions, since if the reflections on the differences are initiated as soon as children approach to this sort of interaction, this will become easier to deconstruct the myth of the white race supremacy in society. Accordingly, through this study, I sought: What are the ethnic racial relations between teachers and children in their daily school life in an upbringing education group? Since this research had the main goal of analyzing how children and teachers interact with themselves, having in mind the racial ethnic diversity. In order to achieve this purpose, the qualitative research was conducted through an ethnographic study. So, I had to be closer to the subject studied in the field for ten days, that is to say, about, there hours and thirty minutes daily, so as to collect data. As a result, it was possibly noticed that most of the time, the Afro descendants children are blocked in the school environment when they approach to their peers more than they have to be in touch with children from other races. Keywords: racial ethnic diversity; upbringing; children. 6

7 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO PROBLEMÁTICA PROBLEMA DE PESQUISA OBJETIVOS Objetivo Geral Objetivos Específicos JUSTIFICATIVA NEGROS E EDUCAÇÃO CRIANÇA E EDUCAÇÃO INFANTIL PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS Os Participantes Instrumento de Coleta de Dados Situação Ambiente Organização, Tratamento e Análise de Dados DESCRIÇÃO E ANÁLISE DOS DADOS Educadores(as) e as situações que envolvem a diversidade étnico-racial Crianças afro-descendentes e a relação com seus pares As crianças afro-descendentes e suas relações com crianças de outras etnias CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS APÊNDICES ANEXOS

8 1. INTRODUÇÃO Racismo, preconceito e discriminação, questões que afligem constantemente a vida dos cidadãos afro-descendentes no Brasil. O pré-conceito racial está muito presente na sociedade brasileira, trata-se de um estigma que foi construído historicamente e que está tão arraigado na sociedade que é uma tarefa árdua desconstruí-lo. Mas, por que existe preconceito? O que faz com que uma pessoa se sinta superior ou inferior à outra pela diferença existente na cor da pele? Como desmistificar esse mito da supremacia racial branca? Muitos autores (MUNANGA 1988 e 2005, GOMES 2003, ROSEMNBERG, 1998), têm focado suas pesquisas na diversidade étnico-racial atrelada à educação. Porém, somente no ano de 2003 foi sancionada a Lei 10639/03, que reconhece a cultura negra como cultura brasileira, e torna obrigatória a inclusão da história da África e dos Afro-brasileiros no currículo do Ensino Fundamental e Médio. No entanto, acredito que o preconceito e a discriminação são aprendidos desde que os seres humanos estabelecem suas primeiras interações sociais. Sendo a Instituição de Educação Infantil um espaço destinado à interação e humanização das crianças pequenas, em muitos momentos, pode ser um espaço onde as relações de discriminação e preconceito podem aparecer. Mas como desconstruir esses estigmas com as crianças? Perante a questões relacionadas à diversidade racial em minha prática como educadora, lancei-me a pesquisar sobre a diversidade étnico-racial na Educação Infantil. Desse modo, este estudo aborda o percurso de minha pesquisa, bem como, propõe um debate das questões relacionadas à diversidade étnico-racial na infância com base nos registros feitos no diário de campo. Nesse sentido, por meio da problemática, inicio esta pesquisa, contextualizando as questões e reflexões que me fizeram optar pela pesquisa relacionada à diversidade étnico-racial. Posteriormente, na justificativa, busco ressaltar a importância de se pesquisar a diversidade étnica na infância, partindo do pressuposto que os profissionais que atuam nesta modalidade devem incorporar as questões raciais ao cuidar e educar de forma a abranger outra dimensão: a dimensão do humanizar. Em seguida, apresento o problema de pesquisa, bem como, os objetivos desta investigação. Logo, inicio o referencial teórico, que norteou esta pesquisa a partir do capítulo intitulado Negros e educação, onde faço um apanhado de algumas questões 8

9 históricas relacionadas aos afro-descendentes e à educação. No capítulo seguinte, intitulado Criança e Educação Infantil, abordo discussões acerca da infância e das Instituições de Educação Infantil atreladas ao tema central desta pesquisa. Após esse respaldo teórico sobre o tema, descrevo, nos procedimentos metodológicos, a trajetória da pesquisa, apresentando os participantes, o instrumento para a coleta de dados e as sensações e sentimentos construídos na ida ao campo de pesquisa. Na análise dos dados obtidos em campo, proponho uma discussão sobre os registros feitos no diário de campo. Para isso, foi necessário subdividir este capítulo em três sub-capítulos: Educadores(as) e as situações que envolvem a diversidade étnicoracial, onde são problematizadas as posturas dos(as) educadores(as) com relação à diversidade étnico-racial; Crianças afro-descendentes e a relação com seus pares, onde abordo as relações estabelecidas entre as crianças afro-descendentes durante as brincadeiras; As crianças afro-descendentes e suas relações com crianças de outras etnias, onde realizo um debate sobre as interações existentes entre as crianças afrodescendentes e as crianças de outras etnias. Ao final, são feitas conclusões baseadas nos conceitos encontrados nos referenciais teóricos atrelados às percepções sobre as questões raciais observadas no campo de pesquisa. 9

10 2. PROBLEMÁTICA As relações estabelecidas no cotidiano educacional são muito significativas na vida das crianças e muitas delas necessitam serem repensadas. Vivenciando o dia-a-dia de uma Instituição, como profissional da Educação Infantil, comecei a refletir sobre as relações étnico-raciais estabelecidas neste contexto. Diante de questões que expressavam preconceito 1 racial em um grupo de Educação Infantil onde as crianças têm cerca de cinco ou seis anos, a professora sentiu a necessidade de desmistificar as relações de preconceitos existentes no ambiente educacional e em muitos segmentos da sociedade. Segundo a professora, todo início de ano ela apresenta às crianças vários temas para ver qual é o mais adequado para desenvolver o projeto, e em uma destas situações, resolveu passar um filme chamado KIRIKOU 2. Trata-se da história de uma tribo africana onde todos os seus personagens são negros. Kirikou nasce nesta tribo e começa a sofrer muitos preconceitos por ser muito pequeno, porém, é muito inteligente e forte, ao final, as pessoas percebem que devem respeitá-lo. As crianças se envolveram com a história, e as problematizações acerca da diversidade racial começaram a partir deste momento. No grupo, havia alguns problemas quanto à aceitação das crianças negras, de acordo com o depoimento de uma mãe negra, seu filho chorava muito em casa porque seus irmãos são brancos e ele desejava ser como os irmãos. Houve outro caso em que uma mãe branca disse a seu filho que não deveria conversar com uma das colegas por que ela era negra e a criança contou a professora. Situações essas que a motivaram a desenvolver planejamentos acerca da diversidade étnico-racial, e a diferença foi o principal objetivo do seu projeto. Refletindo sobre o assunto, cabe a indagação: Como os educadores infantis vêm trabalhando a diversidade com as crianças? A diversidade étnico-racial é algo muito presente nas salas de aula ou nas Instituições de Educação Infantil por se tratarem de características que nos constituem enquanto pessoas. Todavia, é um tema pouco trabalhado pelos educadores. Compreendendo isto, a Secretaria Municipal de Educação de São José ofereceu a alguns 1 Para Souza (2005, p.2) [...] o preconceito é o primeiro passo para uma atitude discriminatória [...] o individuo preconceituoso se prende a uma determinada opinião numa posição dogmática que o impede de ter acesso a um conhecimento mais fundamentado [...] 2 Kirikou é um filme, tipo desenho animado, dirigido por Michel Ocelot, produzido no ano A história se passa em uma tribo africana, o personagem principal é muito estigmatizado e mostra a todos que não devemos ter preconceitos. 10

11 educadores da Rede, a possibilidade de frequentarem um curso intitulado: Programa de Diversidade étnico-racial, o qual tive a oportunidade de participar de alguns encontros onde foi enfatizada a importância de o (a) professor(a) mudar sua postura perante este assunto, sendo que, já faz seis anos, desde a homologação da Lei 10639/03, e quase nada foi efetivado em relação ao tema. A Lei 10639/03 busca reconhecer a cultura negra, como cultura brasileira e ressalta a obrigatoriedade de se trabalhar a história da África, do povo africano e a contribuição dos negros para a formação da sociedade brasileira. Esta Lei reconhece uma igualdade nas contribuições culturais de negros e brancos para a formação da cultura brasileira, e, a partir daí, sugere que, sejam repensados o passado e a história do Brasil que vem sendo contada nas Instituições Educativas. Art. 26-A. Nos estabelecimentos de ensino fundamental e médio, oficiais e particulares, torna-se obrigatório o ensino sobre História e Cultura Afro- Brasileira. 1o O conteúdo programático a que se refere o caput deste artigo incluirá o estudo da História da África e dos Africanos, a luta dos negros no Brasil, a cultura negra brasileira e o negro na formação da sociedade nacional, resgatando a contribuição do povo negro nas áreas social, econômica e políticas pertinentes à História do Brasil. 2o Os conteúdos referentes à História e Cultura Afro-Brasileira serão ministrados no âmbito de todo o currículo escolar, em especial nas áreas de Educação Artística e de Literatura e História Brasileira. (BRASIL, 2003). Essas duas experiências trouxeram-me alguns questionamentos sobre o tema diversidade étnico racial relacionado à Educação Infantil: Como trabalhar a diversidade racial com as crianças? Por que é tão difícil encontrar histórias infantis que tratem desse assunto? Por que as princesas e príncipes dos contos de fada são sempre brancos? Como a criança negra constrói sua imagem e sua auto-estima desde a Educação Infantil se em tudo o que a cerca há um padrão de beleza branco? Por meio de pesquisa bibliográfica foi possível perceber que já existem muitos estudos vinculados a este tema, um deles, publicado no ano de 2006, que se trata da dissertação de mestrado de Gisely Pereira Botega que investigou a influência das relações raciais na construção do autoconceito das crianças negras. Por meio desse trabalho, a autora mostra que na população pesquisada há dificuldades de relacionamento entre as crianças negras e brancas, sendo que, as crianças negras, procuram estar sempre entre negros. Quando há alguma intervenção do professor sobre as questões raciais, ele busca sempre proferir um discurso de que todos são iguais e não de que as diferenças devem ser respeitadas. 11

12 Há, na Educação, uma importância muito grande em levar em conta a singularidade de cada criança, no entanto, se as crianças forem consideradas todas como iguais, novamente será reconstruída a idéia de um padrão de criança desejado. Nilma Lino Gomes (2003), em uma de suas pesquisas, diz que a escola acaba criando um padrão de beleza (estético) e uniformiza as crianças, sendo que, quando a menina negra passa a frequentar a escola, ela precisa passar por um ritual para prender seus cabelos todos os dias, pois estes são motivos de chacota. Será que por esses mesmos motivos, na maioria das vezes, os meninos negros possuem os cabelos raspados? Dessa forma, qual a percepção/sentimento que essas crianças têm do corpo negro e do cabelo crespo? Ângela Maria dos Santos (2003) em seu livro Vozes e Silêncios do Cotidiano Escolar, resultado de sua dissertação de mestrado, centra sua pesquisa nas interações estabelecidas entre os alunos e a constituição das relações discriminatórias. A autora salienta que quando a criança sofre preconceito, sente-se intimidada e envergonhada com baixa auto-estima, fatores que, muitas vezes, tornam-se um problema de aprendizagem. Muitas vezes, ser negro, remete-se a feiura e os colegas põem apelidos uns nos outros, utilizando esteriótipos negativos, comparando-os com animais. [...] as cenas que aparentam uma relação harmoniosa entre os alunos mostram que existe um limite para a interação entre alunos negros e não negros. A qualquer momento, seja em situações de tensão ou não a relação de cordialidade se rompe. Então a cor ou outros atributos físicos dos colegas são utilizados como recurso para ofensas raciais que, na realidade, não se dirigem a um indivíduo, marca na individualidade o sentimento racista em relação a um grupo. (SANTOS, 2003 p.29). Alguns dos(as) professores(as) que participaram desta pesquisa não percebem discriminação entre os alunos, como se houvesse uma convivência harmoniosa com relação às questões étnico-raciais, eles afirmaram intervir, quando existe situações de preconceito, no entanto, a pesquisadora, durante suas observações, não percebe isto. Então, Santos (2003), ressalta a necessidade de uma reeducação das relações étnicoraciais. A diversidade étnico-racial é um tema tão polêmico e temido pelos educadores que me instigou a curiosidade em pesquisá-lo. Observando realidades muito diferenciadas em crianças de uma turma de Educação Infantil, que um menino de quatro anos, em uma atividade, deveria descrever suas características físicas, disse à professora: Ah, eu sô negão, e tenho o cabelo assim enlolado e o olho malon! 12

13 O garoto se descreveu com convicção, falando sobre sua identidade que o marca como diferente. Já, a mãe de uma menina do mesmo grupo, também com quatro anos, traz relatos de que, em casa, ela questiona por que tem essa cor, por que as amigas são brancas e ela não, sendo que, em alguns momentos, já chorou por desejar ser como as amigas. Então começo a me questionar: Quais as relações étnicas raciais estabelecidas entre educadores e crianças no cotidiano de um grupo da Educação Infantil? 13

14 3. PROBLEMA DE PESQUISA Quais as relações étnicas raciais estabelecidas entre educadores e crianças no cotidiano de um grupo da Educação Infantil? 4. OBJETIVOS 4.1 Objetivo Geral: Analisar como as crianças e professoras da Educação Infantil interagem com a diversidade étnico-racial. 4.2 Objetivos Específicos: -Identificar como os educadores mediam as situações cotidianas que envolvem a diversidade étnico-racial. - Verificar como o grupo de crianças afro-descendentes da Educação Infantil estabelece relações com seus pares. - Caracterizar como as crianças afro-descendentes estabelecem relações com crianças de outras etnias. 14

15 5. JUSTIFICATIVA Há tempos, na história do Brasil, que um de seus capítulos vem sendo omitido, a história da cultura afro-brasileira e dos afro-descentes, porém, com a homologação da LEI 10639/03, esse assunto eclodiu nas discussões entre educadores. Contudo, percebo em minhas experiências diárias, que se trata mais da preocupação em atender a um currículo, do que realmente a Lei se propõe a abordar. É possível imaginar aqui, quantas discussões foram travadas, quantas pessoas sofreram, quantos movimentos foram feitos até que esta Lei chegasse a ser homologada. E isso resolveu o problema? Não, pois a diversidade étnico-racial é um tema muito discutido no âmbito educacional, mas, muitas vezes, perpassam-se apenas discussões, como se fosse algo que está na moda educacional, no entanto, as atitudes são poucas. Muitos educadores parecem temer o assunto da diversidade, omitindo seu papel, quando se deparam com situações relacionadas ao tema no ambiente educacional. Munanga (2005), afirma que os educadores: Na maioria dos casos, praticam a política de avestruz ou sentem pena dos coitadinhos, em vez de uma atitude responsável que consistiria, por um lado, em mostrar que a diversidade não constitui um fator de superioridade e inferioridade entre os grupos humanos, mas sim, ao contrário, um fator de complementaridade e de enriquecimento da humanidade em geral; e por outro lado, em ajudar o aluno discriminado para que ele possa assumir com orgulho e dignidade os atributos de sua diferença, sobretudo quando esta foi negativamente introjetada em detrimento de sua própria natureza humana. (MUNANGA, 2005, p.15) Nesse sentido, qual o papel das Instituições de Educação Infantil na vida das crianças? No meu entendimento, enquanto professora auxiliar de uma Instituição de Educação Infantil, a creche, tem uma função social que tem como foco o desenvolvimento e o conhecimento das crianças através do cuidar e do educar. Mas, o que compreende este cuidar e educar? Segundo Cerisara (1999 p.16-17) [...] as instituições de educação infantil tem uma especificidade que as torna diferentes da família e da escola e que devem, devido a especificidade da faixa etária de suas crianças, desenvolver atividades ligadas ao cuidado e à educação dessas crianças. [...]. Conseguir concretizar esta concepção em práticas educativas ainda constitui um desafio para os educadores da área. Este desafio está acima de tudo estreitamente ligado às relações creche famílias, que precisam ser enfrentadas urgentemente no sentido de explicitar qual é o papel que estas duas instituições devem ter no atual contexto histórico, a fim de que as professoras de educação infantil e as famílias pais e mães das crianças - possam assumir suas responsabilidades com maior 15

16 clareza de seus papéis que, mesmo sendo complementares um em relação ao outro, são diferentes e devem continuar sendo. Acredito que atrelado a este cuidar e educar está o humanizar, que faz com que nos tornemos cidadãos, capazes de respeitar o outro, sem nenhuma forma de discriminação 3. Cuidar e educar na perspectiva da humanização, problematizando as questões que tenham uma relevância social para a vida. Eloísa Candal Rocha, referindose sobre as diretrizes pedagógicas da Educação Infantil nos aponta a importância de que: O desenvolvimento das experiências educativas [...] depende de uma organização pedagógica cuja dinâmica, ou se preferirem, metodologia, se paute na intensificação das ações das crianças relativas aos contextos sociais e naturais, no sentido de ampliá-los e diversificá-los, sobretudo através das interações sociais, da brincadeira e das mais variadas formas de linguagem e contextos comunicativos. Consideramos essas as formas privilegiadas pelas quais as crianças expressam, conhecem, exploram e elaboram significados sobre o mundo e sobre sua própria identidade social. [...]Enquanto construção social, a infância deve ser reconhecida em sua heterogeneidade, considerando fatores como classe social, etnia, gênero, religião como determinantes da constituição das diferentes infâncias e de suas culturas. (ROCHA, 2008, p.2-3) Sendo assim, por que há uma resistência tão grande dos educadores com relação à diversidade étnico-racial? Será a falta de conhecimento ou suporte teórico? Uma dificuldade em dar visibilidade a essas questões que historicamente foram esquecidas? Será o padrão eurocêntrico 4 que prevalece ainda? Existem poucas pesquisas que dão visibilidade a diversidade étnico-racial na Educação Infantil. Por meio de investigação feita no site da ANPED 5, considerado referência para pesquisas educacionais, realizei um mapeamento nos grupos de trabalho 07 (Educação de Crianças de 0 a 6 anos) e 21 (Afro-brasileiros e Educação) os quais mostraram que, desde a vigésima segunda reunião anual, foram publicados apenas quatro artigos que citam o tema, mas não o aprofundaram. Ao analisar o livro, O que você pode ler sobre o negro (LIMA, ROMÃO e SILVEIRA, 1998), do núcleo de estudos negros, que trata-se de um guia de referências bibliográficas sobre a questão dos negros, pude perceber que dentre todas as referências 3 Souza (2005), considera que a discriminação pode ser originada do preconceito, sendo que se trata de um tratamento diferencia,l conferido a certos membros de certos grupos. 4 Ao fazer uso da expressão eurocentrico refiro-me a teoria que coloca a Europa e sua cultura como o centro do mundo, como modelo, padrão para os demais povos e culturas. 5 Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação. Acesso em: 03/10/

17 ali contidas, apenas uma delas aborda especificamente a Educação Infantil,o texto de Ronilda Ribeiro: Ação educacional na construção do novo imaginário infantil sobre África, mais uma vez, evidenciando a falta de pesquisas sobre o assunto. Nesse sentido, são necessárias pesquisas que tratem deste assunto para que os educadores possam visualizar, com uma clareza maior, como estão acontecendo estas relações raciais no interior da creche. É de extrema importância que desde a Educação Infantil as crianças negras não fiquem em um campo de invisibilidade, procurando se reconhecer em um padrão embranquecido de beleza. É preciso mostrar às crianças que não há uma cultura negra e uma cultura branca, há sim, a cultura brasileira que é composta por uma diversidade muito grande, que vai além da negra e da branca, e isto faz com que surjam diversos tipos de música, de dança, de culinária, diversos modos de vestir e diversos tipos de beleza e nenhum deles deve se sobrepor ao outro. 17

18 6. NEGROS E EDUCAÇÃO O foco principal deste capítulo é investigar a maneira pela qual a história e cultura afro-descendentes vem sendo abordadas no contexto educacional brasileiro e como isto contribui para a perpetuação do preconceito e da discriminação. Nesse sentido, buscarei abordar a Lei /03 e possíveis avanços após a sua homologação. A discriminação, preconceito, racismo são questões que afligem a sociedade brasileira, porém, atingem principalmente a população negra, isso ocorre por tratar-se de um grupo étnico que vem sofrendo um processo de desqualificação desde o século VX. Sendo que falsos ideais de superioridade da raça branca foram disseminados naquela época e ainda estão presentes na sociedade atual. (Santos, 2002). Portanto, cabe-me perguntar: Qual o imaginário social presente no cotidiano da Educação Infantil, referente a essas questões de preconceito e discriminação racial? Serão a discriminação, o preconceito e o racismo atos conscientes de quem o exerce? Ou serão atitudes que se arraigaram ao longo de séculos naqueles que não refletem sobre o que é realmente ser humano? Quais as justificativas dos cidadãos da sociedade atual para ainda praticarem o preconceito dito racial? O preconceito racial faz parte da história de um Brasil que tentou durante anos ficar ofuscado, por ter se abordado a discussão da democracia racial, contudo, não passaram apenas de aparências. Para Guimarães (2006, p. 269), a democracia racial confere o período em que: O Brasil teria sido percebido historicamente como um país onde os brancos tinham uma fraca, ou quase nenhuma, consciência de raça onde a miscigenação era, desde o período colonial, disseminada e moralmente consentida; onde os mestiços, desde que bem-educados, seriam regularmente incorporados às elites; enfim, onde o preconceito racial nunca fora forte o suficiente para criar uma linha de cor. Mas, como pode um país com tantas disparidades sociais entre brancos e negros afirmar que vive em democracia racial? Está muito evidente e várias pesquisas 6 já confirmaram as desigualdades socioeconômicas que existem entre brancos e afrodescendentes em nosso país. Nesse sentido, é pertinente fazer um resgate histórico do nascimento dos ideais que foram fortes influenciadores no surgimento do preconceito. 6 Refiro-me principalmente as pesquisas de Delma Silva (1999) e Petrônio Domingues (2005) que serão citadas ainda neste capítulo. 18

19 Conforme Santos (2002), durante o século XV houve muitas descobertas e a partir delas, alguns pensadores começaram a repensar sobre as verdadeiras origens da humanidade. Uma das principais discussões que acontecia sob a ótica da teologia, era em torno dos povos recém-descobertos, dentre eles, os negros africanos. Existiam aqueles que defendiam a idéia de que eram seres humanos comuns, já, outros, afirmavam que eram bestas. Em quaisquer das hipóteses para conquistarem sua dignidade, estes povos deveriam se converter ao Cristianismo. O que me conduz ao pensamento, de que, já neste momento, desejou-se sobrepor o Cristianismo às crenças dos povos africanos. Durante o século XVII, os filósofos iluministas romperam com ideais teológicos e começaram a investigar sob a ótica da razão os povos não-europeus. Sendo assim, subdividiam-se em monogenistas: Os que acreditavam que os fatores causadores das diferenças eram a variação nos alimentos, clima e hábitos. E polígenistas, que atribuíam as diferenças às origens. Mas ambos consideravam a raça branca como superior às demais (SANTOS, 2002). Mais tarde, os darwinistas fundamentados nos princípios de evolução da espécie e de seleção natural, acreditavam que haveria uma raça pura que eliminaria as raças mais fracas. Nesse sentido, defendiam que o preconceito era favorável à evolução, pois este mantinha as populações separadas. Dessa forma, torna-se evidente pensar que estas idéias favoreceram em muito a escravidão, bem como, o surgimento e perpetuação do preconceito. (SANTOS, 2002). O Brasil foi um dos últimos países a acabar com a escravidão, e isso ocorreu, porque não foi mais possível suportar um sistema escravocrata, visto que já haviam algumas revoltas em muitas fazendas e havia também uma preocupação muito grande de que ocorresse um enegrecimento no país, sendo assim, libertaram-se os escravos como se fosse um presente à população negra, e buscaram-se imigrantes com a finalidade de suprir a mão-de-obra e de miscigenar a população. Com o fim da escravidão, os negros ficaram à margem da sociedade sem oportunidade de trabalho, sendo vistos como vadios, preguiçosos, e por aí seguem os rótulos que foram designados à população negra até a sociedade atual. (Santos, 2002). Porém, há muito tempo que esta história dos negros vem sendo omitida nas escolas. A história do Brasil contada durante toda a Educação Básica aborda a chegada dos portugueses, o Brasil Império, Independência do Brasil, Brasil República, tudo isso mostrando as benevolências que os portugueses trouxeram para cá. Mas, e os negros? 19

20 Onde ficam nessa história? Os negros eram apenas os escravos, não cabem nessa história de elites, que o Brasil aprendeu nas escolas, onde, durante muito tempo até os dias atuais, estes foram retratados como escravos. Munanga (2005, p.16) afirma que, Todos, ou pelo menos os educadores conscientes, sabem que a história da população negra quando é contada no livro didático é apresentada apenas do ponto de vista do Outro e seguindo uma ótica humilhante e pouco humana. Age-se muitas vezes como se os negros não possuíssem cultura, história, como se fossem apenas os escravos que aqui foram explorados, fazendo assim, com que a sociedade tenha um sentimento de piedade dos mesmos. Essa questão presente na nossa história dita, revela a invisibilidade da cultura e os cidadãos negros atualmente. Hoje, há a necessidade de as escolas separarem, na história, o enfoque do escravismo remetendo-se à cultura do negro. Nos registros da história do Brasil, os afro-descendentes ainda ocupam a periferia, o enfoque é centrado no navio negreiro, omitindo a nossa ancestralidade, pois se a mesma fosse enfocada com justiça, nossas crianças e jovens haveriam de dissociar a nossa história da história dos vencidos, haveriam de perceber que a prática do escravismo se deu no Brasil e em outros países como a Grécia e a Suécia, onde a escravidão foi branca. O escravismo é um fato na história econômica da humanidade. E essa informação ajudaria a desvelar os mitos acerca desse sistema produtivo como a compreensão de senso comum de que só os negros foram escravizados. (SILVA, 1999, p.101). A ausência das discussões sobre a cultura e história dos negros na escola faz com que a população negra não se sinta legitimada neste espaço, não o reconheça como sendo seu, e faz com que cresça o preconceito das outras crianças diante das crianças negras. Mas como evitar que aconteça o preconceito e a discriminação na escola? Como surgiu o preconceito contra os negros? Poucos educadores trabalham com esta ótica de desconstruir o que está posto pela história e pela sociedade, dessa forma, Machado (2002), ao se referir sobre o preconceito aponta que: Esse se constituiu na formação do estado brasileiro, e podemos afirmar que a escravidão que atingiu tanto indígenas quanto africanos e perdurou entre estes últimos em nosso país por cerca de 300 anos, é uma das principais responsáveis por isso. Com o processo de conquista do território americano e africano, aliado à escravidão, essas populações passaram a ser consideradas como seres sem alma, inferiores, sendo preciso inseri-los no processo civilizatório superior europeu, partir da adesão de padrões culturais e de comportamento. Em fins do século XIX, no contexto do processo de abolição, a maioria absoluta da população era composta de negros. O discurso veiculado no período defendia que eles eram os responsáveis pelos males da nação, sendo, portanto, necessário miscigenar a 20

21 população que com o passar dos tempos iria se tornar branca : era preciso tornar o povo brasileiro homogêneo. Nesse contexto, reafirmaram-se os preconceitos e estereótipos no sentido de inferiorizar as populações de origem africana no que diz respeito ao padrão estético, moral e cultural. Os aparelhos de reprodução ideológica e as instituições oficiais, incluindo a escola, atribuem ao negro adjetivos e estereótipos como: feio, mau, sem razão, instintivo e sem moral. O resultado disto é que alguns negros acabam reproduzindo uma rejeição de si próprios, passando a aderir e reproduzir os padrões culturais e de comportamento do dominador, nesse caso, de brancos descendentes de europeus. (MACHADO, 2002, p.23). Nesse sentido, é necessário que as Instituições Educacionais, e os educadores tenham uma concepção de história e cultura brasileiras que enfoque a diversidade existente no Brasil. Não é possível apenas separar a cultura e a história dos brancos da cultura e a história dos negros. É fundamental evidenciar a heterogeneidade da qual o Brasil é composto: índios, negros, brancos, orientais, bugres e outros mais. Nilma Lino Gomes (2003), ressalta que: [...] se a ênfase na discussão da cultura no campo educacional se restringir ao simples elogio às diferenças ou ficar reduzida aos estudos do campo do currículo e da cultura escolar, corremos o risco de não explorar toda a riqueza que tal inflexão pode nos trazer. A cultura, seja na educação ou nas ciências sociais, é mais do que um conceito acadêmico. Ela diz respeito às vivências concretas dos sujeitos, à variabilidade de formas de conceber o mundo, às particularidades e semelhanças construídas pelos seres humanos ao longo do processo histórico e social. (GOMES, 2003, p. 75). Conscientizar, através do discurso, torna-se algo inviável, hoje se discute que é preciso trabalhar a identidade de cada um, partindo da sala de aula e, assim, evidenciar a cultura e a descendência dos educandos, aliando-a à história brasileira. As Instituições de Educação devem ter como foco primordial, compreender os alunos como seres singulares que pertencem a culturas coletivas. Tendo em vista que a individualidade faz parte de uma coletividade, de um grupo cultural, racial, étnico, econômico e regional. Sendo assim, é fundamental estimular a criança ao autoconhecimento, motivando-a a conhecer e reconhecer sua identidade. (ROMÃO, 2001). Cabe ressaltar a importância de que o educando consiga identificar-se, reconhecerse no espaço escolar. Muitas vezes são trabalhadas inúmeras figuras ilustres da história, mas alguma delas é negra? É necessário significar estas figuras e apresentá-las às crianças. Nos livros didáticos como o negro é representado? Em muitas escolas brasileiras, o livro didático e de literatura são os principais recursos do educador, porém, muitas vezes, estes possuem conteúdos e imagens errôneas, que consciente ou 21

22 inconscientemente são internalizados pelos educandos. Até pouco tempo atrás não haviam imagens de negros nos livros didáticos, pois grande parte destes livros traziam um ideal de beleza eurocêntrico. Quando estas imagens apareciam, eram utilizadas, remetendo-se aos escravos, pobres, excluídos socialmente. Sendo assim, quando a figura do negro estava presente, este acabava sendo caracterizado por um estereótipo que o diminuía. Paulo Silva (2006), ao considerar um trabalho feito por PINTO (1981) onde o autor analisou livros de leitura do período compreendido entre 1941 a 1975 afirma que: Os personagens brancos, nos textos e nas ilustrações, eram apresentados como representantes da espécie. Muito mais freqüentes que negros (e indígenas), constavam em quase a totalidade de posições de destaque. Os personagens brancos muitas vezes estavam inseridos em contexto familiar, ao contrário dos personagens negros. Enquanto os personagens brancos foram retratados em inúmeros tipos de atividades ocupacionais, dentre as quais as de maior prestígio e poder, os negros foram apresentados em número muito limitado, sempre nas funções mais desvalorizadas socialmente. Os personagens brancos apresentaram maiores possibilidades de atuação e autonomia, em comparação com os negros que, prevalentemente, foram personagens sem possibilidade de atuação na narrativa, em posição coadjuvante ou como objeto da ação do outro. (SILVA, 2006 p.4) Hoje em dia, após muitas discussões, já é possível visualizar a presença do negro em alguns livros didáticos. Alguns autores, como Ana Célia Silva (2002), apontam que estas transformações da representação social do negro, nos livros didáticos, aconteceram principalmente depois da Constituição de 1988, que assinala a discriminação racial como crime e após a publicação dos Parâmetros Curriculares Nacionais em Um outro fator a ser considerado é que algumas editoras, como a FTD, advertiam para a não-veiculação de estereótipos discriminatórios. Ao mencionar alguns livros publicados pela mesma editora, após a década de 90, a autora afirma que: Neles, os personagens aparecem, ilustrados com status econômico de classe média, com constelação familiar, crianças praticando atividades de lazer, em interação com crianças de outras raças/etnias, com nome próprio, sem aspecto caricatural e freqüentando a escola; adultos negros exercendo funções e papéis diversificados, descritos como cidadãos, interagindo com pessoas de outras raças/etnias sem subalternidade, entre outras transformações. (SILVA, 2002, p.4). Uma preocupação que contempla os educadores e estudiosos da diversidade ainda é o fato de que os números das pesquisas relacionadas à situação social (econômica ou socioeconômica) dos afro-descentes são complexas, estão em situação de 22

23 vulnerabilidade pelo fato de encontrarem-se nas periferias, nos bolsões de pobreza. Petrônio Domingues (2005, p.165) afirma que: De acordo com o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA), de 53 milhões de brasileiros que vivem na pobreza, 63% são negros. De 22 milhões de brasileiros que vivem abaixo da linha de pobreza, 70% são negros (idem). Na área da educação, a situação do negro não é menos calamitosa. Do total dos universitários, 97% são brancos, sobre 2% de negros e 1% de descendentes de orientais (idem). Delma Silva (1999), ao referir-se ao Relatório do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) de 1996 relata que as disparidades de possibilidades entre negros e não-negros de ingressarem e manterem-se na escola são grandes, visto que: [...] os afro-descendentes com mais de 25 anos representam 68,8% da população, são analfabetos. [...] a probabilidade de entrar na escola para os brancos é de 85%, contra 65% para os afro-descendentes. A probabilidade de ingressar na segunda fase do ensino elementar 5ª a 8ª séries é de 55% para os brancos, diante de 40% para pretos e 44% para pardos. A probabilidade de um branco que completou o primeiro grau chegar ao segundo grau atual ensino médio é de 57%, enquanto que as probabilidades para um preto ou um pardo recaem para 36% e 46%, respectivamente. (SILVA, 1999, p.104) Nesse sentido, é perceptível que os cidadãos negros enfrentem maiores dificuldades de acesso e permanência na escola, [...] assim como freqüentam escolas de pior qualidade, redundando em maior índice de reprovação e atraso escolar do que aquele observado entre os brancos [...]. (ROSEMBERG, 1998, p.79). Muitas vezes, isso, é consequência da discriminação e preconceito existentes no âmbito educacional. Estes números nos mostram que ainda existem na sociedade preconceito, discriminação que fazem com que o negro sinta-se inferior, e acarretam na situação econômica do mesmo, o que ocasiona o fracasso e a evasão escolar. Não precisamos ser profetas para compreender que o preconceito incutido na cabeça do professor e sua incapacidade em lidar profissionalmente com a diversidade, somando-se ao conteúdo preconceituoso dos livros e materiais didáticos e às relações preconceituosas entre alunos de diferentes ascendências étnico-raciais, sociais e outras, desestimulam o aluno negro e prejudicam seu aprendizado. O que explica o coeficiente de repetência e evasão escolar altamente elevado do alunado negro, comparativamente ao do alunado branco. (MUNANGA, 2005, p.16) Como pode um educador menosprezar a capacidade de um aluno pela cor da pele? Infelizmente, ainda há um preconceito muito grande incutido na cabeça de alguns 23

24 educadores que acabam afetando diretamente os alunos, que são responsabilizados por um fracasso que não lhes pertence, que faz parte do ranço discriminatório que ainda é muito forte na sociedade brasileira e da má-formação dos educadores que não se dispõem a trabalhar com a diversidade, como se esta, não existisse. Gonçalves (2007), aponta em sua pesquisa que a justificativa das professoras para o baixo rendimento apresentado pelos alunos negros, está centrada nos próprios alunos e nos seus familiares. Dessa forma, torna-se mais fácil para o professor culpabilizar o aluno do que desconstruir seus próprios preconceitos. Em busca de maior igualdade social, após muitos anos, o movimento negro existente na sociedade brasileira conquistou a Homologação da Lei 10639/03. Para Dias (2005), durante as discussões das LDBs 4.024/61 e 5.692/71, as propostas para intervir na exclusão social dos negros foram as mínimas, este movimento começou a aparecer após a Constituição de [...] em 1987 deflagra-se movimento intenso de discussão das propostas de uma nova LDB. A discussão da LDB cruza-se com outros movimentos e, no caso em análise, a questão de raça nas LDBs tem dois importantes marcos impulsionadores: o Centenário da Abolição, em 1988, e os 300 Anos da Morte de Zumbi dos Palmares, em O movimento social negro atua intensamente no Centenário da Abolição da Escravatura. Ocorrem eventos no Brasil inteiro, são publicadas pesquisas com indicadores sociais e econômicos demonstrando que a população negra está em piores condições que a população branca, comparando-se qualquer indicador: saúde, educação, mercado de trabalho, entre outros. Constroem-se com isso novos argumentos para romper com a idéia de que todos são tratados do mesmo modo no Brasil. (DIAS, 2005, p. 54). Na tentativa de melhorar as condições sociais da população negra, no sentido de não haver mais discriminação, trabalhando nas escolas a diversidade cultural brasileira, a identidade cultural das crianças, valorizando-as e desmistificando a história tradicional do Brasil, foi sancionada a Lei 10639/03. Segundo Dias (2005): [...] um dos primeiros atos do governo Lula foi sancionar um projeto de lei apresentado pelos deputados federais Ester Grossi (educadora do Rio Grande do Sul) e Ben-Hur Ferreira (oriundo do movimento negro de Mato Grosso do Sul), ambos do PT. A lei, que modifica o artigo 26, foi sancionada pelo presidente Luis Inácio Lula da Silva e pelo ministro Cristovam Buarque em 9 de janeiro de A lei no altera a lei no 9.394/96 nos seus artigos 26 e 79, e torna obrigatória a inclusão no currículo oficial de ensino da temática História e Cultura Afro-brasileira. Após a homologação dessa Lei ampliaram-se as discussões sobre a diversidade étnico-racial nas escolas, pois os educadores que trabalham a partir do Ensino 24

25 Fundamental têm como obrigação abordar este tema durante suas aulas. Mas de que maneira isto vem sendo feito? É preciso quebrar as barreiras do preconceito existente na sociedade, nas escolas e nos educadores, para que os cidadãos negros não sejam mais excluídos da história e da educação brasileira. Para tanto, é preciso trabalhar a diversidade desde a Educação Infantil. 7. CRIANÇA E EDUCAÇÃO INFANTIL A educação das crianças pequenas é, sem sombra de dúvida, um tema que muito interessa aos pedagogos, acredito que é indispensável que educadores e pesquisadores de infâncias tenham bem clara as concepções de infância, criança e Educação Infantil. Dessa forma, neste capítulo proponho-me a contextualizar a Educação Infantil em uma perspectiva histórica, até os dias atuais, abordando as concepções de criança e infância que permeiam as discussões entre pedagogos, aliando-as ao tema central de minha pesquisa sobre a diversidade étnico-racial. A Educação Infantil é uma etapa muito importante da Educação Básica, pois serve de base ao desenvolvimento do ser, valorizando-o e criando oportunidades para o seu desenvolvimento, enquanto criança e sujeito de direitos. Sendo assim, Rocha (2008, p.2) afirma que: [ ] reafirma-se o reconhecimento da especificidade da educação infantil como primeira etapa da educação básica, cuja função sustenta-se no respeito aos direitos fundamentais das crianças e na garantia de uma formação integral orientada para as diferentes dimensões humanas (lingüística, intelectual, expressiva, emocional, corporal, social e cultural). Tal função realizando-se através de uma ação intencional orientada de forma a contemplar cada uma destas dimensões como núcleos da ação pedagógica ou campos de experiência educativa. As crianças são sujeitos sociais que participam ativamente da cultura e da história, sendo que esta é a concepção de criança presente na sociedade atual. Durante muito tempo, foram compreendidas como um vir a ser, tábula rasa, rastro vergonhoso da nossa natureza corrupta e animal, inocência em forma humana, ou seja, as crianças são, neste caso, Outros como fonte de todo mal, cabendo à educação regular e dominar, a sua natureza corrupta. (OLIVEIRA, 2004, p.182). 25

26 Ao pensar a infância, considero importante tratar de uma construção social que aconteceu ao longo dos tempos. Sabe-se que não há uma única infância ou uma única forma de experienciar esta fase da vida, sendo que as crianças não vivenciam a infância todas da mesma maneira, pois participam de diferentes culturas e criam e recriam suas próprias culturas. Rocha (2008, p. 3) afirma que: Enquanto construção social, a infância deve ser reconhecida em sua heterogeneidade, considerando fatores como classe social, etnia, gênero, religião, como determinantes da constituição das diferentes infâncias e de suas culturas. As primeiras preocupações com as crianças surgiram no final do século XVII e início do século XVIII, com os pensamentos de Jean Jacques Rousseau, foi ele quem destacou a necessidade de se enxergar a criança em seu mundo próprio com suas especificidades pertencendo ao adulto compreendê-la e respeitá-la. Nesse momento, a criança passou a existir como objeto de afeto e desenvolvimento para a sociedade. É preciso ter consciência clara de que não existe uma forma única de ser criança ou uma infância universal, para poder olhar os sujeitos que corporizam esta categoria e suas múltiplas formas de vivê-la, indo além dos conceitos sedimentados no nosso meio social. Na tentativa de quebrar tais paradigmas, busca-se um modo de ver e pensar as crianças com auxilio do Terceiro Olho, aquele que domina os conhecimentos científicos e que prima por perceber o intelecto e conjugá-lo com a alma humana (a visão interior e a inspiração intuitiva). [ ] É igualmente preciso modelar esse olhar de forma que se consiga perceber as infâncias e os sujeitos que compõem esta categoria social de maneira diversa e instável, e que se revelam como algo que encarna a aparição da alteridade. (OLIVEIRA, 2004, p ). Ao reconhecer que a infância precisa ter um cuidado especial, surgem, então, no período da Revolução Industrial, as creches. Segundo Kuhlmann (2005), neste período, as mulheres deixam seus lares para entrar no mercado de trabalho, as creches e pré-escolas nascem com o objetivo de evitar um aumento na mortalidade infantil e cuidar das crianças em um ambiente extra familiar. Sabe-se que no Brasil conviveram e convivem diferentes infâncias: a infância dos curumins, que foram catequizados para se tornar cristãos, e a infância dos moleques e molecas negros que pertenciam aos sinhozinhos e às sinhazinhas brancas, isto é uma história de desigualdades sociais, de dificuldades, mas também uma história de brincadeiras e reconhecimento social. Aqui, a educação e o cuidado das crianças pequenas iniciou-se no mesmo momento em que aconteceu a urbanização, a industrialização, a divulgação do discurso médico-higienista, a transformação na organização da família e a criação da República. [ ] As primeiras creches brasileiras surgiram como um mal necessário procurando atenuar a mortalidade 26

27 infantil, divulgar campanhas de amamentação, atender as mães solteiras e realizar a educação moral das famílias. (BARBOSA, 2006, p 82-83) De acordo com Kuhlmann (2005), até a década de 80, as Instituições de Educação Infantil, tinham caráter assistencialista, priorizavam o cuidar, os aspectos de higiene pessoal e saúde física, os aspectos pedagógicos não eram obrigatórios, deixando a cargo do professor utilizá-los ou não. Já, na década de 90, compreende-se que o cuidado e a educação devem caminhar juntos. Na verdade, o que acontecia nesta época é que a educação era proporcionada de acordo com as classes sociais, onde as crianças de baixa renda recebiam um atendimento que priorizava os cuidados básicos com o corpo; já, as crianças de famílias mais favorecidas economicamente, faziam parte de uma Educação Infantil com perspectivas para a escolarização. Mas, Ana Beatriz Cerisara (1999), ressalta que mesmo estas Instituições, tendo abordagens diferentes (assistencialista e educativa), ambas tinham caráter educativo. Sendo que uma priorizava os aspectos de higiene da classe mais pobre; e a outra, voltava-se para a escolarização da elite. Após muitas discussões, a necessidade de uma educação menos hierarquizada fez com nascesse a idéia do cuidar e educar de maneira indissociável. Educar e cuidar é a expressão usada para representar que, na Educação Infantil, não se pode separar o cuidado da educação, um está totalmente atrelado ao outro. Porém, muitos educadores, atualmente, ainda conseguem dissociar em suas práticas o que é cuidado, e o que é educação. O que evidencia que eles ainda compreendem a criança como um ser incompleto. Essa dicotomização entre as atividades com um perfil mais escolar e as atividades de cuidado, revelam que ainda não está clara uma concepção de criança com sujeito de direitos, que necessita ser educada e cuidada, uma vez que ela depende dos adultos para sobreviver e também pelo fato de permanecer muitas vezes de 10 a 12 horas diárias na instituição de educação infantil. (CERISARA, 1999, p. 16). A criança enquanto sujeito de direitos, ativo na sociedade, deve ter no espaço da Instituição de Educação Infantil, possibilidades para a manifestação de suas múltiplas linguagens. É extremamente importante que estas Instituições sejam agradáveis, estimulantes, acolhedoras e que as crianças sintam prazer em estar nestes locais, pois é nesse ambiente que os pequenos passam a maior parte do seu tempo. O espaço da Educação Infantil deve oportunizar as interações entre as crianças de diversas faixas 27

CULTURA AFRO CULTURA AFRO

CULTURA AFRO CULTURA AFRO CULTURA AFRO ESCOPO Apresentamos o projeto Cultura Afro com o compromisso de oferecer aos alunos do ensino fundamental um panorama completo e diversificado sobre a cultura afro em nosso país. Levamos em

Leia mais

RELAÇÕES DA EDUCAÇÃO ÉTNICO-RACIAL NA PRÉ-ESCOLA: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA

RELAÇÕES DA EDUCAÇÃO ÉTNICO-RACIAL NA PRÉ-ESCOLA: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA EDUCAÇÃO, CURRÍCULO E DIVERSIDADE CULTURAL RELAÇÕES DA EDUCAÇÃO ÉTNICO-RACIAL NA PRÉ-ESCOLA: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA Michelly Spineli de Brito Campos Vieira/Prefeitura de Itapissuma-PE Paloma Viana de

Leia mais

AS REPRESENTAÇÕES DO NEGRO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

AS REPRESENTAÇÕES DO NEGRO NA EDUCAÇÃO INFANTIL AS REPRESENTAÇÕES DO NEGRO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Rosa Maria Cavalheiro Jefferson Olivatto da Silva UNICENTRO Resumo: No Brasil, a abordagem das questões relacionadas História e Cultura Afro-Brasileira e

Leia mais

RELAÇÕES ÉTNICO RACIAIS: DESAFIOS NA IMPLEMENTAÇÃO DA LEI 10.639/03

RELAÇÕES ÉTNICO RACIAIS: DESAFIOS NA IMPLEMENTAÇÃO DA LEI 10.639/03 RELAÇÕES ÉTNICO RACIAIS: DESAFIOS NA IMPLEMENTAÇÃO DA RESUMO LEI 10.639/03 Anne Caroline Silva Aires Universidade Estadual da Paraíba annec153@yahoo.com.br Teresa Cristina Silva Universidade Estadual da

Leia mais

DCN DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS

DCN DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DCN DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS 01. Diretrizes Curriculares Nacionais são o conjunto de definições doutrinárias sobre princípios, fundamentos e procedimentos na Educação Básica, expressas pela Câmara

Leia mais

CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS

CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS MARTA LÚCIA DA SILVA ROSANA CAPPUTI BORGES Educação Infantil: desigualdades de idade e raça, um grande desafio a ser conquistado. São Paulo 2012 EDUCAÇÃO

Leia mais

O PRECONCEITO RACIAL PERCEBIDO/ NÃO PERCEBIDO, PELAS PROFESSORAS, NA EDUCAÇÃO FUNDAMENTAL Aline Oliveira Ramos PPGEd/UESB

O PRECONCEITO RACIAL PERCEBIDO/ NÃO PERCEBIDO, PELAS PROFESSORAS, NA EDUCAÇÃO FUNDAMENTAL Aline Oliveira Ramos PPGEd/UESB O PRECONCEITO RACIAL PERCEBIDO/ NÃO PERCEBIDO, PELAS PROFESSORAS, NA EDUCAÇÃO FUNDAMENTAL Aline Oliveira Ramos PPGEd/UESB Introdução Este trabalho se insere nas discussões atuais sobre relação étnico-cultural

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL E RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS: A LEI NO PAPEL, A LEI NA ESCOLA Aline de Assis Augusto UFJF

EDUCAÇÃO INFANTIL E RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS: A LEI NO PAPEL, A LEI NA ESCOLA Aline de Assis Augusto UFJF EDUCAÇÃO INFANTIL E RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS: A LEI NO PAPEL, A LEI NA ESCOLA Aline de Assis Augusto UFJF Resumo A presente pesquisa se debruça sobre as relações étnico-raciais no interior de uma escola

Leia mais

O Conselho Estadual de Educação do Estado da Paraíba, no uso de suas atribuições e considerando:

O Conselho Estadual de Educação do Estado da Paraíba, no uso de suas atribuições e considerando: GOVERNO DA PARAÍBA Secretaria de Estado da Educação e Cultura Conselho Estadual de Educação RESOLUÇÃO Nº 198/2010 REGULAMENTA AS DIRETRIZES CURRICULARES PARA A EDUCAÇÃO DAS RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS E O

Leia mais

AULA 05. Profª Matilde Flório EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM PARA EDUCAÇÃO ÉTNICO-RACIAL PMSP-DOT- 2008

AULA 05. Profª Matilde Flório EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM PARA EDUCAÇÃO ÉTNICO-RACIAL PMSP-DOT- 2008 AULA 05 Profª Matilde Flório EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM PARA EDUCAÇÃO ÉTNICO-RACIAL PMSP-DOT- 2008 FÁBRICA DE IDÉIAS PEDAGÓGICAS CONCURSO PMSP FUND II 2011 (em parceria com a APROFEM e o Jornal dos Concursos)

Leia mais

AFRICAMOS: PENSAR E VIVER AFRICANIDADES PARA E COM AS CRIANÇAS EM CONTEXTOS COLETIVOS DE EDUCAÇÃO E CUIDADO

AFRICAMOS: PENSAR E VIVER AFRICANIDADES PARA E COM AS CRIANÇAS EM CONTEXTOS COLETIVOS DE EDUCAÇÃO E CUIDADO AFRICAMOS: PENSAR E VIVER AFRICANIDADES PARA E COM AS CRIANÇAS EM CONTEXTOS COLETIVOS DE EDUCAÇÃO E CUIDADO Área Temática: Educação Coordenador: Adilson de Angelo 1 Autoras: Neli Góes Ribeiro Laise dos

Leia mais

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL JOSÉ MATEUS DO NASCIMENTO zenmateus@gmail.com POLIANI SANTOS DA SILVA poliany_mme@hotmail.com MARIA AUXILIADORA DOS SANTOS MARINHO Campus IV(CCAE)

Leia mais

DIVERSIDADE CULTURAL: A VALORIZAÇÃO ATRAVÉS DO LÚDICO 1

DIVERSIDADE CULTURAL: A VALORIZAÇÃO ATRAVÉS DO LÚDICO 1 DIVERSIDADE CULTURAL: A VALORIZAÇÃO ATRAVÉS DO LÚDICO 1 Naiara de Souza Araújo 2 Raquel Leandro Portal 3 Resumo O Brasil é um país com uma ampla diversidade cultural que necessita ser valorizada e por

Leia mais

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1988 CONSTITUIÇÃO FEDERAL ANTECEDENTES Art. 210. Serão fixados conteúdos mínimos para o ensino fundamental, de maneira a assegurar formação básica comum

Leia mais

ÀGORA, Porto Alegre, Ano 3, jan/jun.2012. ISSN 2175-3792

ÀGORA, Porto Alegre, Ano 3, jan/jun.2012. ISSN 2175-3792 28 ÀGORA, Porto Alegre, Ano 3, jan/jun.2012. ISSN 2175-3792 FORMAÇÃO DE PROFESSORES A PARTIR DA LEI 10.639/03: UMA EXPERIÊNCIA NO PROJETO DE EDUCAÇÃO ANTIRRACISTA NO COTIDIANO ESCOLAR, DESENVOLVIDO PELA

Leia mais

EDUCAÇÃO E RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS MÓDULOS IV e V. Profa. Dra. Sueli Saraiva (colaboradora)

EDUCAÇÃO E RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS MÓDULOS IV e V. Profa. Dra. Sueli Saraiva (colaboradora) EDUCAÇÃO E RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS MÓDULOS IV e V Profa. Dra. Sueli Saraiva (colaboradora) EDUCAÇÃO E RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS I MÓDULO IV Discutir sobre a educação das relações étnico-raciais na escola,

Leia mais

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova.

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova. 12. As concepções de educação infantil Conforme OLIVEIRA, a educação infantil no Brasil, historicamente, foi semelhante a outros países. No Séc. XIX tiveram iniciativas isoladas de proteção à infância

Leia mais

RACISMO NA ESCOLA: O LIVRO DIDÁTICO EM DISCUSSÃO

RACISMO NA ESCOLA: O LIVRO DIDÁTICO EM DISCUSSÃO RACISMO NA ESCOLA: O LIVRO DIDÁTICO EM DISCUSSÃO Adriana Rosicléia Ferreira CASTRO Graduada em Pedagogia pela Universidade do Estado do Rio Grande do Norte/ UERN - CAMEAM Pós-graduanda em Psicopedagogia

Leia mais

CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X

CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X DA INVISIBILIDADE AFROBRASILEIRA À VALORIZAÇÃO DA DIVERSIDADE

Leia mais

Trabalhando com Projetos

Trabalhando com Projetos Trabalhando com Projetos Educar para a diversidade étnica e cultural investigação e ação Ricardo Luiz da Silva Fernandes Educar para a compreensão da pluralidade cultural é a luta para construção da igualdade

Leia mais

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 721 CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE Elaine Fernanda Dornelas de Souza Serviço Nacional de

Leia mais

LITERATURA AFRICANA: EM BUSCA DE CAMINHOS PARA A DESCONSTRUÇÃO DO RACISMO

LITERATURA AFRICANA: EM BUSCA DE CAMINHOS PARA A DESCONSTRUÇÃO DO RACISMO 1 LITERATURA AFRICANA: EM BUSCA DE CAMINHOS PARA A DESCONSTRUÇÃO DO RACISMO Vanuza Oliveira do Carmo (UFS) 1- INTRODUÇÃO Presenciamos atualmente muitas discussões acerca da Lei 10.639 aprovada em janeiro

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 416/2006

RESOLUÇÃO Nº 416/2006 RESOLUÇÃO Nº 416/2006 Regulamenta o Ensino da História e Cultura Afro-Brasileira e Africanas e dá outras providências. O Conselho de Educação do Ceará CEC, no uso de suas atribuições legais no uso de suas

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Erika Cristina Pereira Guimarães (Pibid-UFT- Tocantinópolis) Anna Thércia José Carvalho de Amorim (UFT- Tocantinópolis) O presente artigo discute a realidade das

Leia mais

A CULTURA AFRO-BRASILEIRA COMO CONTEÚDO A SER ENSINADO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA

A CULTURA AFRO-BRASILEIRA COMO CONTEÚDO A SER ENSINADO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 A CULTURA AFRO-BRASILEIRA COMO CONTEÚDO A SER ENSINADO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA Vagner Ferreira Reis 1 ; Jacqueline da Silva Nunes Pereira 2 RESUMO:

Leia mais

AFROBRASILIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UM OLHAR PEDAGÓGICO À DIVERSIDADE

AFROBRASILIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UM OLHAR PEDAGÓGICO À DIVERSIDADE AFROBRASILIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UM OLHAR PEDAGÓGICO À DIVERSIDADE Patrícia da Silva Souza Graduanda de Pedagogia pela UEPB pipatricia278@gtmail.com Kátia Anne Bezerra da Silva Graduanda em Pedagogia

Leia mais

Projeto - A afrodescendência brasileira: desmistificando a história

Projeto - A afrodescendência brasileira: desmistificando a história Projeto - A afrodescendência brasileira: desmistificando a história Tema: Consciência Negra Público-alvo: O projeto é destinado a alunos do Ensino Fundamental - Anos Finais Duração: Um mês Justificativa:

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E ESPORTE: CONTRIBUIÇÕES PARA A INCLUSÃO

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E ESPORTE: CONTRIBUIÇÕES PARA A INCLUSÃO EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E ESPORTE: CONTRIBUIÇÕES PARA A INCLUSÃO Priscila Reinaldo Venzke Luciano Leal Loureiro RESUMO Este trabalho é resultado da pesquisa realizada para a construção do referencial teórico

Leia mais

TÍTULO: AFRO-EDUCAÇÃO: DESAFIOS PARA A SUPERAÇÃO DO RACISMO NAS ESCOLAS A PARTIR DA IMPLEMENTAÇÃO DA LEI N. 10.639/03.

TÍTULO: AFRO-EDUCAÇÃO: DESAFIOS PARA A SUPERAÇÃO DO RACISMO NAS ESCOLAS A PARTIR DA IMPLEMENTAÇÃO DA LEI N. 10.639/03. TÍTULO: AFRO-EDUCAÇÃO: DESAFIOS PARA A SUPERAÇÃO DO RACISMO NAS ESCOLAS A PARTIR DA IMPLEMENTAÇÃO DA LEI N. 10.639/03. CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: LETRAS INSTITUIÇÃO:

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

O CONFLITO DO RACISMO DURANTE A INFÂNCIA

O CONFLITO DO RACISMO DURANTE A INFÂNCIA O CONFLITO DO RACISMO DURANTE A INFÂNCIA Ana Cristina da Paixão Silva Daiana Moreira Gomes Thainá Oliveira Lima S egundo a Unicef (Fundo das Nações Unidas para a Infância), o Brasil tem feito avanços expressivos

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

OFICINAS CULTURAIS E CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NEGRA: PET (Re) CONECTANDO E PREVESTI.

OFICINAS CULTURAIS E CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NEGRA: PET (Re) CONECTANDO E PREVESTI. OFICINAS CULTURAIS E CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NEGRA: PET (Re) CONECTANDO E PREVESTI. Sabrina Silveira Silva Universidade Federal de Uberlândia\FACIP sabrinasilveiramgsasa@hotmail.com Luciane Ribeiro Dias

Leia mais

A INSERÇÃO DA CULTURA AFRO-BRASILIRA NOS CURRÍCULOS ESCOLARES

A INSERÇÃO DA CULTURA AFRO-BRASILIRA NOS CURRÍCULOS ESCOLARES A INSERÇÃO DA CULTURA AFRO-BRASILIRA NOS CURRÍCULOS ESCOLARES Delydia Cristina Cosme e Silva 1 Resumo Este trabalho apresenta um panorama da inclusão da história e cultura afro-brasileira nos currículos

Leia mais

RELAÇÕES ÉTNICO - RACIAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL: IMPLEMENTAÇÃO DA LEI 10.639/2003

RELAÇÕES ÉTNICO - RACIAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL: IMPLEMENTAÇÃO DA LEI 10.639/2003 RELAÇÕES ÉTNICO - RACIAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL: IMPLEMENTAÇÃO DA LEI 10.639/2003 Prof. Anderson Oramísio Santos Prof. Esp.Olga Helena Costa RESUMO: O presente artigo objetiva oportunizar espaços de estudo

Leia mais

Trabalhando a convivência a partir da transversalidade

Trabalhando a convivência a partir da transversalidade PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Trabalhando a convivência a partir da transversalidade Cristina Satiê de Oliveira Pátaro 1 Ricardo Fernandes Pátaro 2 Já há alguns

Leia mais

3.360 H/AULA (*) CURRÍCULO PLENO/

3.360 H/AULA (*) CURRÍCULO PLENO/ MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: HISTÓRIA LICENCIATURA PLENA SERIADO ANUAL 3 (TRÊS) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 03 (TRÊS) ANOS LETIVOS - MÁXIMO = 05 (CINCO)

Leia mais

O ENSINO DA HISTÓRIA E A EDUCAÇÃO DAS RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS. Palavras chaves: Ensino da História. Relações étnico-raciais. Formação acadêmica.

O ENSINO DA HISTÓRIA E A EDUCAÇÃO DAS RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS. Palavras chaves: Ensino da História. Relações étnico-raciais. Formação acadêmica. O ENSINO DA HISTÓRIA E A EDUCAÇÃO DAS RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS Nilvaci Leite de Magalhães Moreira¹ Resumo: Mesmo após 12 anos da promulgação da Lei nº 10.639/03, a História e cultura afrobrasileira ainda

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

Autor (1); S, M, R INTRODUÇÃO

Autor (1); S, M, R INTRODUÇÃO PROJETOS EDUCATIVOS E AS RELAÇÕES ÉTNICOS-RACIAIS: DIÁLOGOS ENTRE OS SABERES PRODUZIDOS NOS ESPAÇOS EDUCATIVOS NÃO- FORMAIS E O SISTEMA DE ENSINO BÁSICO ESCOLAR INTRODUÇÃO Autor (1); S, M, R Universidade

Leia mais

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA RESUMO Alba Patrícia Passos de Sousa 1 O presente artigo traz como temática o ensino da língua inglesa na educação de jovens e adultos (EJA),

Leia mais

AS PRÁTICAS DO PROFESSOR PERANTE AS QUESTÕES RACIAIS NO COTIDIANO ESCOLAR. RESUMO: Este trabalho apresenta o processo de investigação sobre

AS PRÁTICAS DO PROFESSOR PERANTE AS QUESTÕES RACIAIS NO COTIDIANO ESCOLAR. RESUMO: Este trabalho apresenta o processo de investigação sobre AS PRÁTICAS DO PROFESSOR PERANTE AS QUESTÕES RACIAIS NO COTIDIANO ESCOLAR Janete de Carvalho da Silva 1 Heldina Pereira Pinto 2 RESUMO: Este trabalho apresenta o processo de investigação sobre as práticas

Leia mais

Perfil das profissionais pesquisadas

Perfil das profissionais pesquisadas A PRÁTICA DO PROFESSOR FRENTE AO ENSINO DE HISTORIA E CULTURA AFRICANA E AFRO-BRASILEIRA NAS SALAS DE AULA DOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL DE UMA ESCOLA MUNICIPAL DE NAZARÉ DA MATA PE. Lucicleide

Leia mais

RELAÇÕES ÉTNICO RACIAIS E EDUCAÇÃO INFANTIL 1. Curso de Especialização em Psicopedagogia, Unidade Universitária de Pires do Rio, UEG

RELAÇÕES ÉTNICO RACIAIS E EDUCAÇÃO INFANTIL 1. Curso de Especialização em Psicopedagogia, Unidade Universitária de Pires do Rio, UEG 1 RELAÇÕES ÉTNICO RACIAIS E EDUCAÇÃO INFANTIL 1 Ana Maria Piva de Aquino 2,4 ; Maria Aparecida Carneiro Cunha 2,4 ; Melissa de Paula Santos Costa 2,4 ; Cristiane Maria Ribeiro 3,4. 1 Curso de Especialização

Leia mais

Workshop da FAEL. aborda direitos humanos. e papel do educador

Workshop da FAEL. aborda direitos humanos. e papel do educador Workshop da FAEL aborda direitos humanos e papel do educador No 15 workshop da Faculdade Educacional da Lapa - FAEL, os acadêmicos do curso de pedagogia tiveram a oportunidade de aprender e praticar os

Leia mais

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento;

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Objetivo geral Promover a igualdade no mundo do trabalho e a autonomia

Leia mais

AS ATIVIDADES ESPORTIVAS E DE LAZER COMO CONTRIBUIÇÃO PARA A INCLUSÃO DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIA NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE IGARASSU.

AS ATIVIDADES ESPORTIVAS E DE LAZER COMO CONTRIBUIÇÃO PARA A INCLUSÃO DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIA NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE IGARASSU. AS ATIVIDADES ESPORTIVAS E DE LAZER COMO CONTRIBUIÇÃO PARA A INCLUSÃO DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIA NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE IGARASSU. Autora: MARIA JOSÉ CALADO Introdução Diante da necessidade e do direito

Leia mais

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE

Leia mais

I FÓRUM DAS LICENCIATURAS UFMT/PROEG/PRODOCÊNCIA

I FÓRUM DAS LICENCIATURAS UFMT/PROEG/PRODOCÊNCIA I FÓRUM DAS LICENCIATURAS UFMT/PROEG/PRODOCÊNCIA TEMA 1: CICLOS DE FORMAÇÃO HUMANA A Organização da Escola de Ensino Fundamental em Ciclos de Formação da Rede Estadual de Mato Grosso: concepções, estratégias

Leia mais

DIVERSIDADE HISTÓRICA, CULTURAL E LINGUÍSTICA NA EDUCAÇÃO

DIVERSIDADE HISTÓRICA, CULTURAL E LINGUÍSTICA NA EDUCAÇÃO 1 DIVERSIDADE HISTÓRICA, CULTURAL E LINGUÍSTICA NA EDUCAÇÃO INTRODUCÃO Patrícia Edí Ramos Escola Estadual Maria Eduarda Pereira Soldera São José dos Quatro Marcos Este trabalho tem por objetivo uma pesquisa

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Lei 10.639/2003. Diversidade Etnicorracial. Práticas Pedagógicas.

PALAVRAS-CHAVE: Lei 10.639/2003. Diversidade Etnicorracial. Práticas Pedagógicas. REVELANDO SENTIDOS E DESPERTANDO PERTENÇAS: O PROCESSO DE IMPLEMENTAÇÃO DA LEI 10.639/03 EM UMA ESCOLA DA REDE PÚBLICA DE ENSINO DE CAMPINA GRANDE-PB Acacia Silva Alcantara Graduanda Pedagogia UEPB/PROPESQ/PIBIC-Af

Leia mais

1 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

1 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística 1 EDUCAÇÃO E PRECONCEITO RACIAL: CONVERGÊNCIAS E DIVERGÊNCIAS NAS PERCEPÇÕES DAS FAMÍLIAS NEGRAS E BRANCAS NO MUNICIPIO DE CUIABÁ MONTEIRO, Edenar Souza UFMT edenar.m@gmail.com GT-21: Afro-Brasileiros

Leia mais

Diversidade Cultural X Estereótipos: Discursos Ideológicos em Livros Didáticos para o ensino de Língua Inglesa

Diversidade Cultural X Estereótipos: Discursos Ideológicos em Livros Didáticos para o ensino de Língua Inglesa Diversidade Cultural X Estereótipos: Discursos Ideológicos em Livros Didáticos para o ensino de Língua Inglesa Mary Clevely Mendes Programa de Iniciação Científica UEG / CNPq Orientador (Pesquisador-líder):

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Prática: 15 h/a Carga Horária: 60 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

MULHERES EM ASCENSÃO: ESTUDO COMPARATIVO DE TRAJETÓRIAS EDUCACIONAIS DE MULHERES NEGRAS E BRANCAS NA PÓS-GRADUAÇÃO DA UFF PINTO

MULHERES EM ASCENSÃO: ESTUDO COMPARATIVO DE TRAJETÓRIAS EDUCACIONAIS DE MULHERES NEGRAS E BRANCAS NA PÓS-GRADUAÇÃO DA UFF PINTO MULHERES EM ASCENSÃO: ESTUDO COMPARATIVO DE TRAJETÓRIAS EDUCACIONAIS DE MULHERES NEGRAS E BRANCAS NA PÓS-GRADUAÇÃO DA UFF PINTO, Giselle UFF giselleuff@yahoo.com.br GT: Afro-Brasileiros e Educação / n.21

Leia mais

Plano de Aula As Ações Afirmativas Objetivo Geral: O objetivo da aula é demonstrar que as políticas de ação afirmativas direcionadas à população

Plano de Aula As Ações Afirmativas Objetivo Geral: O objetivo da aula é demonstrar que as políticas de ação afirmativas direcionadas à população Plano de Aula As Ações Afirmativas Objetivo Geral: O objetivo da aula é demonstrar que as políticas de ação afirmativas direcionadas à população negra brasileira são fundamentadas historicamente na luta

Leia mais

A Interdisciplinaridade e a Transversalidade na abordagem da educação para as Relações Étnico-Raciais

A Interdisciplinaridade e a Transversalidade na abordagem da educação para as Relações Étnico-Raciais CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS LEILA MARIA DE OLIVEIRA Mestre em Educação: Currículo pelo Programa de Pós Graduação da PUC-SP; professora de educação física; e integrante do Grupo

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO BRINCAR PARA O DESENVOLVIMENTO INFANTIL: EXPERIÊNCIAS NO ESTÁGIO SUPERVISIONADO

A IMPORTÂNCIA DO BRINCAR PARA O DESENVOLVIMENTO INFANTIL: EXPERIÊNCIAS NO ESTÁGIO SUPERVISIONADO A IMPORTÂNCIA DO BRINCAR PARA O DESENVOLVIMENTO INFANTIL: EXPERIÊNCIAS NO ESTÁGIO SUPERVISIONADO Emylle Barros de Almeida Fonseca Aluna graduanda do curso de Pedagogia - CAMEAM- UERN Thais Chaves de Oliveira

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR 1.ª SÉRIE DE OFERTA 99-8791-04 DIDÁTICA 160 0 160 99-8792-04

MATRIZ CURRICULAR 1.ª SÉRIE DE OFERTA 99-8791-04 DIDÁTICA 160 0 160 99-8792-04 Curso: Graduação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA PLENA MATRIZ CURRICULAR SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 04 (QUATRO) ANOS LETIVOS - MÁXIMO

Leia mais

UNIVERSIDADE DO PLANALTO CATARINENSE UNIPLAC PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, EXTENSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO E APOIO COMUNITÁRIO

UNIVERSIDADE DO PLANALTO CATARINENSE UNIPLAC PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, EXTENSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO E APOIO COMUNITÁRIO UNIVERSIDADE DO PLANALTO CATARINENSE UNIPLAC PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, EXTENSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO E APOIO COMUNITÁRIO Projeto do Curso de Extensão ORGANIZAÇÃO CURRICULAR NA EDUCAÇÃO

Leia mais

Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1

Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1 Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1 Meu nome é Maria Bonita, sou mulher de Vírgulino Ferreira- vulgo Lampiãofaço parte do bando de cangaceiros liderados por meu companheiro.

Leia mais

Professor MaPP Educação Infantil Conhecimentos Pedagógicos

Professor MaPP Educação Infantil Conhecimentos Pedagógicos Professor MaPP Educação Infantil Conhecimentos Pedagógicos 11) Analisando a relação entre desenvolvimento e aprendizagem na perspectiva de Vygotsky, é correto afirmar que: a) Desenvolvimento e aprendizagem

Leia mais

Os brasileiros precisam conhecer a história dos negros. (textos e fotos Maurício Pestana)

Os brasileiros precisam conhecer a história dos negros. (textos e fotos Maurício Pestana) Os brasileiros precisam conhecer a história dos negros (textos e fotos Maurício Pestana) Responsável pelo parecer do Conselho Nacional de Educação que instituiu, há alguns anos, a obrigatoridade do ensino

Leia mais

PRÁTICA PEDAGÓGICA EM GEOGRAFIA: ABORDANDO O ANTAGONISMO DO CONTINENTE AFRICANO POR MEIO DAS INTERVENÇÕES DO PIBID

PRÁTICA PEDAGÓGICA EM GEOGRAFIA: ABORDANDO O ANTAGONISMO DO CONTINENTE AFRICANO POR MEIO DAS INTERVENÇÕES DO PIBID PRÁTICA PEDAGÓGICA EM GEOGRAFIA: ABORDANDO O ANTAGONISMO DO CONTINENTE AFRICANO POR MEIO DAS INTERVENÇÕES DO PIBID Liberato Epitacio de Sousa da Silva - PIBID/UEPB (Bolsista do PIBID de Geografia) Liberatotacio20@hotmail.com

Leia mais

EE DR. LUÍS ARRÔBAS MARTINS

EE DR. LUÍS ARRÔBAS MARTINS QUAL É A NOSSA COR? Sala 3 Interdisciplinar EF I EE DR. LUÍS ARRÔBAS MARTINS Professoras Apresentadoras: DÉBORA CARLA M S GENIOLE ELIZABETH REGINA RIBEIRO FABIANA MARTINS MALAGUTI FERNANDA MARIA DE OLIVEIRA

Leia mais

Resolução SME N 24/2010

Resolução SME N 24/2010 Resolução SME N 24/2010 Dispõe sobre orientações das rotinas na Educação Infantil, em escolas e classes de período integral da rede municipal e conveniada, anexos I e II desta Resolução, com base no Parecer

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2007. (Do Sr. José Guimarães)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2007. (Do Sr. José Guimarães) PROJETO DE LEI Nº, DE 2007. (Do Sr. José Guimarães) Institui feriado nacional no dia 20 de novembro, Dia Nacional da Consciência Negra, data que lembra o dia em que foi assassinado, em 1695, o líder Zumbi,

Leia mais

RELAÇÕES RACIAIS E EDUCAÇÃO: VOZES DO SILÊNCIO

RELAÇÕES RACIAIS E EDUCAÇÃO: VOZES DO SILÊNCIO RELAÇÕES RACIAIS E EDUCAÇÃO: VOZES DO SILÊNCIO GONÇALVES, Vanda Lucia Sa 1 e MULLER, Maria Lucia Rodrigues 2 Palavras chaves: educação, relações raciais, professores Introdução Este texto traz parte dos

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

As 11 dúvidas mais frequentes

As 11 dúvidas mais frequentes As 11 dúvidas mais frequentes Deyse Campos Assessora de Educação Infantil dcampos@positivo.com.br Frequentemente recebemos solicitações de professores de escolas que estão utilizando o Sistema Positivo

Leia mais

EVASÃO ESCOLAR DE ALUNOS TRABALHADORES NA EJA

EVASÃO ESCOLAR DE ALUNOS TRABALHADORES NA EJA EVASÃO ESCOLAR DE ALUNOS TRABALHADORES NA EJA OLIVEIRA, Paula Cristina Silva de Faculdade de Educação/UFMG EITERER, Carmem Lúcia. (Orientadora) Faculdade de Educação/UFMG RESUMO: Este é um trabalho de

Leia mais

Cotas Pra Quê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Documentário; Educação; Sistema de Cotas; Ensino Superior.

Cotas Pra Quê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Documentário; Educação; Sistema de Cotas; Ensino Superior. Cotas Pra Quê? 1 Sarah Rocha MARTINS 2 Luan Barbosa OLIVEIRA 3 Camilla Alves Ribeiro PAES LEME 4 Instituto de Ensino Superior de Rio Verde, Rio Verde, Goiás RESUMO Este documentário foi planejado e desenvolvido

Leia mais

transmitindo o conhecimento científico, e, assim, possibilitando a mudança na forma de vida de todos os que do conhecimento se apropriassem.

transmitindo o conhecimento científico, e, assim, possibilitando a mudança na forma de vida de todos os que do conhecimento se apropriassem. RESENHA Artigo: ARROYO, M. G. Balanço da EJA: o que mudou nos modos de vida dos jovens adultos populares? Revej@ - Revista de Educação de Jovens e Adultos, V. I; 2007. Estamos diante de um texto que problematiza

Leia mais

CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA

CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA Jacqueline Oliveira de Melo Gomes Faculdade de Formação de Professores da Mata Sul / FAMASUL-PE jacomgomes@yahoo.com.br

Leia mais

Formação docente para educação infantil: políticas e metodologias para promoção da igualdade racial

Formação docente para educação infantil: políticas e metodologias para promoção da igualdade racial Assuntos em pauta na conjuntura educacional Ebulição Virtual Nº21 Formação docente para educação infantil: políticas e metodologias para promoção da igualdade racial Cristina Teodoro Trinidad Mestre em

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL E RELAÇÕES RACIAIS/ÉTNICAS

EDUCAÇÃO INFANTIL E RELAÇÕES RACIAIS/ÉTNICAS EDUCAÇÃO INFANTIL E RELAÇÕES RACIAIS/ÉTNICAS Maria Aparecida Silva Bento Doutora em Psicologia Social pela USP Diretora do Centro de Estudos das Relações de Trabalho e Desigualdades Este resumo está ancorado

Leia mais

SEQUÊNCIA DIDÁTICA SOBRE RAÇA E DISCRIMINAÇÃO RACIAL

SEQUÊNCIA DIDÁTICA SOBRE RAÇA E DISCRIMINAÇÃO RACIAL SEQUÊNCIA DIDÁTICA SOBRE RAÇA E DISCRIMINAÇÃO RACIAL DISCIPLINA: SOCIOLOGIA O propósito desta sequência didática é discutir com e/em interação com os jovens-alunos, a questão do preconceito racial e o

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Educação das Relações Étnico-raciais

Mostra de Projetos 2011. Educação das Relações Étnico-raciais Mostra de Projetos 2011 Educação das Relações Étnico-raciais Mostra Local de: Araucária. Categoria do projeto: I - Projetos em implantação, com resultados parciais. Nome da Instituição/Empresa: Secretaria

Leia mais

Preta/Parda 3.626.733 30,9 49,8 3,9 14,1. Branca 4.258.209 11,6 35,3 6.3 46,4

Preta/Parda 3.626.733 30,9 49,8 3,9 14,1. Branca 4.258.209 11,6 35,3 6.3 46,4 1 DESIGUALDADES RACIAIS NA TRAJETÓRIA ESCOLAR DE ALUNOS NEGROS DO ENSINO MÉDIO ZANDONA, Eunice Pereira UFMT eunice.zandona@gmail.com GT-21: Afro-Brasileiros e Educação Segundo dados do Programa das Nações

Leia mais

ESCOLA, GUETO SOCIAL, PRODUTORA DA DIFERENÇA

ESCOLA, GUETO SOCIAL, PRODUTORA DA DIFERENÇA ESCOLA, GUETO SOCIAL, PRODUTORA DA DIFERENÇA Mirian de Albuquerque Aquino Universidade Federal da Paraíba Brasil A educação pode ser pensada como uma prática social que permite a condição de vivermos como

Leia mais

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 0 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Renato da Guia Oliveira 2 FICHA CATALOGRÁFICA OLIVEIRA. Renato da Guia. O Papel da Contação

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas ESTUDO DO TERMO ONOMA E SUA RELAÇÃO COM A INTERDISCIPLINARIDADE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ENSINO FUNDAMENTAL DA GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DA ONOMÁSTICA/TOPONÍMIA Verônica Ramalho Nunes 1 ; Karylleila

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA A ESCOLA INCLUSIVA

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA A ESCOLA INCLUSIVA A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA A ESCOLA INCLUSIVA Vera Lúcia de Brito Barbos Mestranda em Educação Lúcia de Araújo R. Martins UFRN 1. INTRODUÇÃO Podemos considerar que estamos atravessando um dos maiores

Leia mais

13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS

13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS 13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS A importância da formação pessoal e social da criança para o seu desenvolvimento integral e para a

Leia mais

Dalriliane Schultz Josilda Silva Juliana Turibio Maria Nhyara Fernanda K. Halila Cecilia Hauresko

Dalriliane Schultz Josilda Silva Juliana Turibio Maria Nhyara Fernanda K. Halila Cecilia Hauresko O PROJETO POLITICO PEDAGÓGICO NA ESCOLA: ANALISE DOS PPP DO COLÉGIO ESTADUAL PADRE CHAGAS E COLÉGIO ESTADUAL DO CAMPO DA PALMEIRINHA, PELO PIBID- GEOGRAFIA 1 Resumo: Dalriliane Schultz Josilda Silva Juliana

Leia mais

EDUCAÇÃO INCLUSIVA: Atendimento e o Currículo para o Trabalho com Pessoas com Necessidades Educativas Especiais

EDUCAÇÃO INCLUSIVA: Atendimento e o Currículo para o Trabalho com Pessoas com Necessidades Educativas Especiais EDUCAÇÃO INCLUSIVA: Atendimento e o Currículo para o Trabalho com Pessoas com Necessidades Educativas Especiais Edilson José de Carvalho¹ Jarbas de Holanda Beltrão² 1 Pedagogo e Especialista em Educação

Leia mais

UM ESTUDO ANALÍTICO DA CONDIÇÃO SOCIAL DO NEGRO NO BRASIL

UM ESTUDO ANALÍTICO DA CONDIÇÃO SOCIAL DO NEGRO NO BRASIL UM ESTUDO ANALÍTICO DA CONDIÇÃO SOCIAL DO NEGRO NO BRASIL Anelita Maluf Caetano Silva Historicamente, a discriminação e exploração do negro no Brasil mostram-se claramente aos olhos de toda a sociedade.

Leia mais

OLHAR PEDAGÓGICO: A IMPORTÂNCIA DA BRINCADEIRA NOS

OLHAR PEDAGÓGICO: A IMPORTÂNCIA DA BRINCADEIRA NOS OLHAR PEDAGÓGICO: A IMPORTÂNCIA DA BRINCADEIRA NOS ESPAÇOS DE EDUCAÇÃO INFANTIL CHERUBINI, Iris Cristina Barbosa (UNIOESTE) Resumo: Este trabalho tem por propósito divulgar a importância da brincadeira

Leia mais

Relatório Final do Projeto Institucional de Apoio à Diversidade

Relatório Final do Projeto Institucional de Apoio à Diversidade Relatório Final do Projeto Institucional de Apoio à Diversidade Veja o exemplo de relatório do processo de ensino-aprendizagem apresentado pela professora de uma das turmas da CMEB Mário Leal Silva CMEB

Leia mais

TÍTULO: O INGRESSO DA CRIANÇA AOS SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS DILEMA OU SOLUÇÃO

TÍTULO: O INGRESSO DA CRIANÇA AOS SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS DILEMA OU SOLUÇÃO TÍTULO: O INGRESSO DA CRIANÇA AOS SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS DILEMA OU SOLUÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE DO GRANDE

Leia mais

A IMPRENSA E A QUESTÃO INDÍGENA NO BRASIL

A IMPRENSA E A QUESTÃO INDÍGENA NO BRASIL FACULDADE SETE DE SETEMBRO INICIAÇÃO CIENTÍFICA CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL COM HABILITAÇÃO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA ALUNA: NATÁLIA DE ARAGÃO PINTO ORIENTADOR: PROF. DR. TIAGO SEIXAS THEMUDO A IMPRENSA

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Pensar na realidade é pensar em transformações sociais. Atualmente, temos observado os avanços com relação à

Leia mais

Resumo Aula-tema 09:A miscigenação étnico-racial e sua influência na construção social do Brasil

Resumo Aula-tema 09:A miscigenação étnico-racial e sua influência na construção social do Brasil Resumo Aula-tema 09:A miscigenação étnico-racial e sua influência na construção social do Brasil Introdução No Brasil, a questão étnico-racial tem estado em pauta, nos últimos anos, em debates sobre políticas

Leia mais

DIVERSIDADE ÉTNICO-RACIAL NO ENSINO DE LÍNGUA INGLESA: UMA EXPERIÊNCIA ATRAVÉS DO PIBID Cristiane Rosa Lopes*

DIVERSIDADE ÉTNICO-RACIAL NO ENSINO DE LÍNGUA INGLESA: UMA EXPERIÊNCIA ATRAVÉS DO PIBID Cristiane Rosa Lopes* DIVERSIDADE ÉTNICO-RACIAL NO ENSINO DE LÍNGUA INGLESA: UMA EXPERIÊNCIA ATRAVÉS DO PIBID Cristiane Rosa Lopes* Resumo Este trabalho insere-se no campo da Linguística Aplicada, e tem como eixo central a

Leia mais

Universidade: Universo desigual

Universidade: Universo desigual 1 POLÍTICAS AFIRMATIVAS EM MATO GROSSO: EM QUESTÃO O PROJETO POLÍTICAS DA COR NA UFMT SOUZA, Elaine Martins da Silva UFMT ses_martins@yahoo.com.br GT-21: Afro-Brasileiros e Educação Agência Financiadora:

Leia mais

Reflexões sobre a prática docente na Educação Infantil.

Reflexões sobre a prática docente na Educação Infantil. 6. Humanização, diálogo e amorosidade. Reflexões sobre a prática docente na Educação Infantil. Santos, Marisa Alff dos 1 Resumo O presente trabalho tem como objetivo refletir sobre as práticas docentes

Leia mais

Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda Cinara Rizzi Cecchin Uma das primeiras certezas que o professor deve ter é que as crianças sempre

Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda Cinara Rizzi Cecchin Uma das primeiras certezas que o professor deve ter é que as crianças sempre Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda Cinara Rizzi Cecchin Uma das primeiras certezas que o professor deve ter é que as crianças sempre sabem alguma coisa, todo educando pode aprender, mas

Leia mais

Mara Lucia da Silva 1 Marilene Parè ² Ruth Sabat.² RESUMO

Mara Lucia da Silva 1 Marilene Parè ² Ruth Sabat.² RESUMO PROREXT/PROJETO DE EXTENSÃO 2008/1 - TERRITÓRIO AFROSUL DESENVOLVENDO O DIÁLOGO ACADEMIA / ONG AFROSUL ATRAVÉS DE TRABALHO COM JOVENS DE COMUNIDADE POPULAR RESUMO Mara Lucia da Silva 1 Marilene Parè ²

Leia mais