Novos paradigmas para o planejamento do produto turístico no meio rural

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Novos paradigmas para o planejamento do produto turístico no meio rural"

Transcrição

1 Novos paradigmas para o planejamento do produto turístico no meio rural Valdir José da Silva CPF Estudante do Curso de Mestrado em Extensão Rural do Departamento de Economia Rural da Universidade Federal de Viçosa Avenida P. H. Rolfs, s/nº - Campus Universitário - CEP Viçosa-MG José Benedito Pinho CPF Professor do Departamento de Economia Rural da Universidade Federal de Viçosa Av. P. H. Rolfs, s/nº - Campus Universitário - CEP Viçosa-MG Grupo de Pesquisa 10 - Desenvolvimento Territorial e Ruralidade Forma de apresentação: Apresentação em sessão sem debatedor Trabalho submetido tem como base dissertação de mestrado em andamento

2 Novos paradigmas para o planejamento do produto turístico no meio rural RESUMO A partir da constatação da complexidade do produto turístico no meio rural e com base nas formulações teóricas de KRIPPENDORF (2000) e de WOORTMMANN (1990), este artigo levanta aspectos inerentes à sua própria especificidade e às implicações que a interação de culturas provoca no meio rural. Conclui, ao final, que o planejamento do turismo no meio rural deve considerar novos paradigmas de marketing, que permitam novas abordagens e concepções de desenvolvimento, em que o meio rural seja considerado como um todo, nos aspectos econômicos, sociais, culturais e ecológicos. PALAVRAS-CHAVE: Turismo rural, marketing de turismo, planejamento do turismo rural, produto turístico.

3 Novos paradigmas para o planejamento do produto turístico no meio rural 1. INTRODUÇÃO Devido a características próprias do Brasil, como a dimensão continental, a exuberância de sua área natural, a diversidade cultural e as novas conformações do meio rural brasileiro, o turismo no espaço rural apresenta-se como um dos mais favoráveis. Por sua vez, a tendência contemporânea pela busca do novo, do diferente, do autêntico e do particular, em contraposição ao desgastado turismo de massa, tem representado um grande estímulo ao desenvolvimento das atividades de lazer e turismo em ambientes rurais. O desenvolvimento rural já não pode estar alicerçado apenas em atividades agrárias tradicionais, permanentemente submetidas ao risco, à incerteza e à exaustão dos fatores de produção. A diversificação impõe-se e, assim, o turismo rural é uma alternativa promissora em razão da constatação de que a busca pelos ambientes rurais surge como um legítimo anseio das populações de grandes centros urbanos. As dificuldades da vida moderna e o enfrentamento de desafios cada vez mais intensos têm levado, cada vez mais, parcelas significativas da população urbana a se conscientizarem de que o contato com a natureza e com a vida simples, autêntica e peculiar do campo é a melhor forma de recuperação de energias. O meio rural prepara-se para essa crescente demanda, visualizando os benefícios que poderão advir da atividade turística, como o aumento da diversificação da renda, a ocupação de mão-de-obra familiar relativamente ociosa, a interação social e cultural com um público de alto nível social e o aproveitamento de espaços e tempos ociosos, amenizando os problemas da sazonalidade da agropecuária. Os custos não são exagerados e, geralmente, envolvem adequação de instalações para acomodar visitantes e treinamento de pessoas para atender aos turistas. Porém, o que fica patente nas proposições de implementação do turismo no meio rural 1 é que o imediatismo provocado pela necessidade de encontrar alternativas para o desenvolvimento local, em face das dificuldades da atividade agropecuária, não tem permitido o aprofundamento das questões que dizem respeito à complexidade do planejamento do produto de forma a contemplar os interesses e necessidades de todos os grupos envolvidos turista, comunidade local e investidores. Por sua vez, o planejamento de marketing tem um foco basicamente empresarial, voltado para as estratégias de comercialização de produtos. Assim, no caso do Turismo Rural, as unidades produtivas aparecem com prioridade sobre a comunidade rural, o que pode ser visto como uma decorrência do próprio histórico do desenvolvimento capitalista, que se dá por meio da indústria e do surgimento do marketing vinculado a um mercado de produtos e mercadorias. Justifica-se, assim, propor neste estudo uma reflexão a respeito da complexidade do produto turístico no meio rural, por sua própria especificidade e pelas implicações que a interação de culturas provoca no meio rural, as quais não são, atualmente, consideradas no planejamento do marketing turístico. 1 As conceituações do turismo no meio rural são muitas e contraditórias, sendo discutidas, por exemplo, em TULIK, O. Turismo rural. 2. ed. São Paulo: Aleph, Por não ser objeto de preocupação nesse trabalho, a expressão turismo no meio rural será utilizada pela sua abrangência e por permitir superar a visão restritiva de turismo rural, enquanto atividade predominantemente voltada para unidades produtivas, com pouca ênfase na comunidade rural. Outras denominações são empregadas apenas para por razões de estilo,

4 2. O MIX DE MARKETING E O PRODUTO TURÍSTICO Os estudiosos do marketing têm afirmado que o sucesso das organizações depende da adequada combinação entre os 4 Ps do composto de marketing (Cobra, 2001; Kotler e Armstrong, 2003; Schewe e Hiam, 2000). Nesse sentido, é necessário ter um bom produto, um ponto de venda ou uma forma de levar esse produto até o cliente, uma comunicação eficiente e, finalmente, um preço que seja compatível com o produto ofertado e com a capacidade da demanda. Nos negócios turísticos, apesar da possibilidade de uma analogia com os demais tipos de produtos ou serviços, algumas particularidades requerem uma análise mais detalhada sobre a concepção e aplicação dos componentes do mix de marketing. Em primeiro lugar, trata-se de destacar que o turismo, como área específica de mercado, é relativamente recente. A sistematização dos estudos e a preocupação com o marketing turístico no Brasil têm pouco mais de trinta anos, considerando-se que a criação da Embratur (Empresa Brasileira de Turismo) data de As primeiras faculdades de turismo e de hotelaria surgiram na década de 1970, com uma clara preocupação de aperfeiçoar as relações mercadológicas nesse setor. No entanto, as pesquisas somente se desenvolveram a partir da década de 1990, com o surgimento de mestrados em turismo e teses de mestrado e doutorado sobre o assunto, nas áreas de administração, economia, comunicação, geografia e sociologia. Por outro lado, como visto, as origens do marketing denotam um vínculo muito intenso com o desenvolvimento industrial e, portanto, com ênfase no produto. Os estudos de marketing turístico estão limitados por esses paradigmas do marketing de produtos, gerando uma adaptação do marketing de consumo para o mercado turístico, como pode ser constatado na afirmação de Cobra (2001, p.46): No setor de negócios turísticos ter um bom produto é o primeiro e mais importante passo para atender as expectativas dos consumidores. Dois problemas podem ser identificados nessa adaptação. Primeiro, o mercado turístico vai além da simples prestação de serviços. Sabe-se, hoje, que a economia da experiência tem uma dimensão que não é coberta pela prestação de serviços. Segundo, a prestação de serviço, tratada no conceito de marketing moderno, é uma espécie de complemento ao modelo industrial, pois trata da comercialização de produtos, da assistência técnica, da educação, da saúde e do lazer. Assim, esquece-se que o turismo tem uma dimensão imaterial e subjetiva muito acentuada, e que exige novos paradigmas para a adequada definição de produto e serviços turísticos. Outro aspecto a ser considerado são as singularidades do produto turístico, como apontou Kripendorf (2000). Por sua natureza, o produto turístico apresenta, entre outras, características de intangibilidade; simultaneidade espacial e temporal da venda e do consumo; consumo no local da produção; impossibilidade de estocagem; irregularidade na prestação de serviços; concentração no espaço e no tempo; e instabilidade da demanda. O produto turístico ainda é estático, visto que é difícil adaptar ou mudar a localização ou a quantidade de uma atração turística, e tem demanda heterogênea, pois os consumidores no turismo são muitos e com características bastante distintas. 3. OFERTA TURÍSTICA O turismo não é um setor de produção bem definido, na medida em que utiliza bens e serviços de outras cadeias produtivas para oferecer o que se chama de produto final. Pode-se mesmo imaginar que ele exista em teoria, porque, na prática, cada pessoa procura dar um colorido especial a suas viagens, razão pela qual o resultado final poderá ser completamente outro.

5 Por razões de terminologia e conceituação diz-se que o produto turístico total, em sentido macroeconômico, é constituído de um conjunto de subprodutos, tais como transporte, hotelaria, restaurantes, filmes, livros, diversões, souvenirs, seguro e outros. Em sentido microeconômico, cada um deles pode receber a denominação de produto turístico. (Beni, 2000, p.160) A composição do produto turístico, no sentido macroeconômico, dá-se pela classificação da oferta turística em oferta original e em oferta agregada. A oferta original, representada pelos atrativos turísticos, determina a escolha do turista ou o diferencial do destino, sendo também denominada de matéria-prima do turismo. Já a oferta agregada é dada pelas facilidades (transporte, hospedagem, alimentação e entretenimento), as quais constituem elementos do produto turístico que, por si só, não geram fluxos turísticos. 2 A falta delas, porém, pode impedir o turista de visitar as atrações. Em relação à oferta original, a herança cultural de um povo é importante fator de atratibilidade, pois o desejo de conhecer os usos e costumes de um povo constitui importante motivação das viagens turísticas. A herança cultural é constituída de fatores inerentes, de hábitos ou lendas instituídas pelo homem e que se difundiram, consciente ou inconscientemente, numa sociedade ao longo dos anos, de tal forma que delineiam seu estilo de viver, as formas de morar, as manifestações materiais (como os monumentos) e as manifestações imateriais (ritos e mitos). 4. INTERAÇÃO DOS GRUPOS SOCIOLÓGICOS DO TURISMO NO MEIO RURAL O desenvolvimento turístico em pequenas comunidades foi tratado, por Krippendorf (2000), a partir da caracterização de três grupos sociológicos envolvidos a comunidade autóctone, o turista e os investidores ou trabalhadores do turismo, cada um com necessidades diferenciadas com relação ao turismo. A comunidade autóctone tem a necessidade primordial de manter o meio ambiente e a qualidade de vida, bem como preservar os seus valores sociais e culturais. O turista, um grupo geralmente proveniente de centros urbanos, busca, por meio do turismo no meio rural, a tranqüilidade, o ar puro, o contato com a natureza e a descontração. O grupo dos investidores ou trabalhadores, por sua vez, têm interesse maior na renda (lucros ou salários) do que no desenvolvimento que essa atividade pode proporcionar. Assim, o planejamento do produto turístico deve observar o equilíbrio na satisfação das necessidades de cada grupo ou, se isso não for possível, seguir uma hierarquia de atendimento de necessidades, em que, inicialmente, se considerem os interesses e as necessidades da comunidade autóctone e do turista, e depois do grupo de investidores e trabalhadores. Conforme Krippendorf (2000), o desenvolvimento turístico, até então, sempre seguiu hierarquia inversa, visto que privilegiando o grupo de investidores e trabalhadores em detrimento do turista e, principalmente, da comunidade autóctone. Normalmente, são considerados e avaliados muito mais os impactos econômicos das diversas manifestações do turismo no meio rural, relegando-se a segundo plano os impactos no meio físico da localidade e nos aspectos socioculturais das comunidades receptoras. Nesse sentido, no Brasil a sistematização teórica que estrutura o conhecimento do turismo, por meio do Sistema de Turismo - SISTUR, é pioneira na análise do conjunto das relações ambientais do turismo, abordando a necessidade de equilíbrio entre os subsistemas ecológico, econômico, 2 Aos elementos da oferta original e da oferta agregada devem ser acrescentadas as bases técnicas e materiais do turismo, bem como a infra-estrutura, que inclui, adicionalmente, serviços de informações, de comunicação e de acesso.

6 sociológico e cultural, como forma de garantir o desenvolvimento sustentável do turismo (Beni, 2000). Nota-se, nesse autor, o pensamento de Krippendorf (2000), especialmente quando aborda o subsistema sociológico do SISTUR e atribui grande ênfase às necessidades dos três grupos sociológicos turista, comunidade autóctone e investidores ou trabalhadores do turismo. Ruschmann (1997, p.9-10) acompanhou essa linha e expôs, com muita propriedade, seu ponto de vista: A finalidade do planejamento turístico consiste em ordenar as ações do homem sobre o território e ocupa-se em direcionar a construção de equipamentos e facilidades de forma adequada, evitando, dessa forma, os efeitos negativos nos recursos, que os destroem ou reduzem sua atratividade. (...) Por isso, o planejamento é fundamental e indispensável para o desenvolvimento turístico equilibrado e em harmonia com os recursos físicos, culturais e sociais das regiões receptoras, evitando, assim, que o Turismo destrua as bases que o fazem existir. Nesse estudo, defendemos a tese de que apenas as ações planejadas dentro de uma metodologia científica com vistas em um desenvolvimento sustentável da atividade turística poderiam conduzir a uma evolução favorável para os empreendedores, para as populações receptoras, para os turistas e, conseqüentemente, para todas as destinações. Entretanto, o risco dessa postura é presumir que valores e interesses que permeiam esse grupo comunidade autóctone sejam os mesmos dos outros dois turistas e investidores do turismo. Conclui-se que o tipo de desenvolvimento turístico proposto interessa a todos e que a sua matéria-prima representada pelas manifestações culturais que demonstram os valores autênticos da comunidade receptora, necessita ser preservada como condição para a continuidade do negócio. Assim, essas manifestações passam a não representar os valores da comunidade em si, mas sim a ter o seu valor meramente atrelado à condição de insumo do produto turístico. 5. PECULIARIDADES DO MEIO RURAL E RELAÇÃO COM GRUPOS EXTERNOS A caracterização da sociedade rural brasileira como receptora do turismo torna-se difícil devido à própria dimensão e diversidade cultural de nosso país, assim como em razão da diversidade inerente à própria concepção dessa sociedade. Sabe-se que o sentido da terminologia meio rural ultrapassa a visão que a vincula exclusivamente às atividades agropecuárias (ENCONTRO DE PESQUISADORES E JORNALISTAS, 2001), visto que o rural é maior do que a agricultura e há necessidade de se estabelecer novos critérios para divisão do que seja rural e urbano no Brasil. O critério meramente espacial de divisão, utilizado aqui, não corresponde aos empregados na maioria dos países, que usam o critério de densidade demográfica. Nessa nova proposição, o meio rural pode incluir pequenos municípios, vilas, distritos e bairros rurais onde a densidade é menor do que cem habitantes por quilômetro quadrado. Essa postura mais recente com relação ao meio rural permitiria uma ampliação do conceito de turismo rural, extrapolando a concepção que o vincula às unidades produtivas até atingir a comunidade rural como um todo. Portanto, se o planejamento do produto turístico no meio rural deve ser capaz de compatibilizar os interesses e necessidades dos grupos envolvidos, principalmente do grupo

7 receptivo, é necessário que haja um estudo que extrapole as concepções parciais e restritivas da concepção de meio rural. Uma nova postura se faz necessária para permitir a melhor compreensão dos valores sociais e culturais que orientam esse grupo. Os impactos mais relevantes do turismo na sociedade rural podem ser abordados em torno de variados aspectos. O primeiro é o econômico-objetivo. Sabe-se que o turismo pode acontecer em vários tipos de comunidades rurais, desde unidades produtivas (fazendas) modernamente equipadas e estruturadas para receber o turista até pequenas comunidades rurais onde há precariedade até mesmo de acomodação para o visitante. O segundo é o aspecto subjetivo, relacionado com os valores culturais. É possível que o turismo ocorra em comunidades rurais que comungam os valores morais e culturais da sociedade moderna capitalista, até aquelas que tem uma vida social pautada por valores característicos de uma sociedade tradicional. Outra observação importante é que, na prática, torna-se difícil delimitar a fronteira entre o objetivo e o subjetivo, assim como entre os valores tradicionais e os modernos. No entanto, isso não impede que, no aspecto teórico, esses conceitos possam ser tomados como parâmetro de análise. Para efeito dessa reflexão, será analisado basicamente o aspecto subjetivo, pois a preservação dos valores éticos, morais e culturais da comunidade autóctone é a matéria-prima do produto turístico no meio rural. Não menos importante, outro fator que remete essa análise ao aspecto subjetivo é a questão da atratividade. A maior ou menor capacidade para o desenvolvimento do turismo está intimamente relacionada com o poder de atração do local, provocado principalmente pela busca do diferente e exótico. Nesse sentido, as manifestações culturais da comunidade receptora exercerão maior fascínio ao turista quanto maior for a particularidade ou a genuinidade de sua cultura. Então, paradoxalmente, as sociedades que mais preservam os seus valores culturais terão maior capacidade de desenvolver o turismo. Porém, maior será o impacto que poderá ser provocado quando da interação desse grupo com outros grupos externos, aumentando ainda mais a probabilidade de comprometimento da sua capacidade de preservação cultural. Para melhor compreensão dos valores que norteiam cada grupo envolvido no turismo rural, é necessário distinguir a sociedade tradicional, que representa a comunidade autóctone, da sociedade moderna, que representa o turista e os investidores do turismo. Nesse sentido, os estudos sociológicos e antropológicos sobre as sociedades camponesas e a sua contraposição por meio do estudo da formação da sociedade moderna, capitalista, como ponto de vista predominante dos grupos de turistas e investidores do turismo, permitirão a elucidação da contradição de interesses e necessidades no processo de desenvolvimento turístico no meio rural. Nessa perspectiva, vários estudos podem ser analisados, particularmente os que tratam da campesinidade, especialmente Woortmann (1990). Nele, os valores morais, éticos e sociais do camponês manifestam-se na relação com a terra, com o trabalho, com a família e com a comunidade. A terra é o valor que permeia as relações sociais, e o termo campesinidade serve para designar uma ordem de valores do campesinato, determinada pelo grau de maior ou menor permeabilidade desses grupos, de acordo com suas relações com outros grupos externos. A sociedade camponesa possui valores e princípios organizacionais, como honra e hierarquia, que fazem parte de uma ordem moral que se contrapõe a uma ordem econômica das sociedades modernas, individualizadas, voltadas para o mercado. O homo economicus, associado aos valores racionais da sociedade capitalista, estaria em oposição ao homo moralis, relacionado com os valores de honra, reciprocidade e família da sociedade holista, hierárquica, tradicional. A ênfase dessas concepções fica evidente no próprio título da obra de Woortmman Com parente não se neguceia, na qual ele demonstra como as categorias

8 antropológicas de reciprocidade, honra e hierarquia se articulam para representar uma tradição na qual se inscreve a campesinidade. A noção de reciprocidade, mais do que de troca, permite a compreensão da campesinidade em sua dimensão mais geral. Contrariamente ao que se denomina na sociedade moderna de fetiche ou espírito da mercadoria que é trocada, a reciprocidade tem significado mais abrangente, pois constitui um espírito de reciprocidade que se afirma pela negação do negócio. Nesse sentido, o negócio é percebido como a negação da moralidade, pois ele significa ganhar as custas do trabalho alheio. É percebido, então, em oposição ao trabalho e como uma atividade que não envolve honra. (Woortmann, 1990, p.38). A reciprocidade afirma-se como um princípio moral, pela negação do espírito do lucro, e articula-se com outros conceitos de honra e hierarquia, formando uma ordem moral. O trabalho é percebido como honra do pai de família, que representa um todo e opõe-se ao negócio, atividade enriquecedora, mas desonrante, voltada para o interesse particular individual. Trabalho também significa aquilo que transforma a terra em patrimônio de família, em que família, trabalho e terra, nessa ordem social, constituem um ordenamento moral do mundo, em que a terra, mais que coisa, é patrimônio, isto é, pessoa moral. Terra e pai expressam o princípio da hierarquia em seu sentido mais fundamental de relação entre a parte e o todo, entre o englobado e o englobante. É só quando ela se torna mercadoria que ela se desloca da tradição e do todo para aderir ao indivíduo. (Woortmann, 1990, p.62) Assim, terra, trabalho e família não podem ser considerados separadamente porque são categorias de um universo concebido holisticamente. Também não é possível falar de reciprocidade sem falar de honra e de hierarquia, pois são conceitos teóricos que se interpenetram na constituição de uma ordem moral que o autor chama de campesinidade. Baseado nestes e em outros estudos sobre o campesinato, Pereira (2000) elaborou uma matriz de valores que sintetiza essa problemática e é também de grande importância para demonstrar a contraposição entre a sociedade rural grupo receptor no turismo rural e a sociedade urbana grupo de turista e investidores do turismo. Neste trabalho, esse autor distinguiu a sociedade camponesa, com características tradicionais e holístas, da sociedade urbana, com características modernas, individualistas. Trabalhou com categorias analíticas nucleantes, em que, no primeiro grupo, o valor englobante é a honra; a relação social é baseada na reciprocidade; a terra é um patrimônio de família; e o parentesco é um valor de família; enquanto no segundo grupo o valor englobante é a dignidade; a relação social está baseada na contratualidade; a terra é uma mercadoria; e o parentesco é um valor individual. Outro trabalho que trata dos valores éticos e morais da sociedade rural e serve como base para sua caracterização são os estudos sobre o campesinato latino-americano, de Foster (1974). Esse autor defendeu a idéia de que a consciência do limite dos bens materiais, existente na sociedade camponesa, forja uma ética baseada no sentimento de que o acúmulo material é imoral, uma vez que, para uns, representa o acúmulo e para outros, a escassez. Compreende-se, aí, o forte sentimento de valor social existente no meio rural e demonstra a dificuldade de enquadramento do camponês no espírito racional mercantilista da sociedade moderna.

9 Com base nos estudos sobre o campesinato, percebem-se a complexidade que envolve o desenvolvimento turístico no meio rural e a dificuldade de compatibilização dos interesses e necessidades dos três grupos sociológicos envolvidos. A relação da sociedade camponesa com grupos externos, norteados por valores racionais voltados para uma atividade mercantil, possui componentes contraditórios difíceis de conciliar. Como imaginar um camponês cobrando por um pouso ou por um prato de comida? Como querer que ele pense os seus valores fundamentais como objeto de troca? Para ele, sua propriedade, sua casa, é local onde manifesta e reproduz, juntamente com os seus, os valores fundamentais de honra e reciprocidade que norteiam sua vida. Pensar este local como mercadoria é abrir mão não apenas do seu conforto ou bem-estar familiar, mas de todos esses valores. Por outro lado, as próprias manifestações culturais, representadas por cerimônias e rituais religiosos da comunidade rural camponesa, possuem uma simbologia de valores próprios que estão profundamente arraigados no etos social. Essas festas acontecem de acordo com uma lógica própria, em que os objetivos de fé definem dias, horários e momentos próprios para acontecer. Portanto, como conceber que, de repente, esse ritual possa tornar-se espetáculo para ser exibido para um grupo externo, no momento e na hora que convier, de acordo com a lógica do mercado turístico? Como conciliar uma lógica de valores de fé com uma lógica de valor comercial? As propostas de planejamento do produto turístico no meio rural não podem ignorar essa realidade. Não há como negar que os valores de parentesco, compadrio e as relações de reciprocidade existentes entre os camponeses dificultem o estabelecimento do turismo no meio rural. A interação e a convivência com grupos externos em si não são o que dificulta a preservação dos valores camponeses. Porém, quando essa relação é mediada por uma relação mercantil, cujas manifestações fazem parte da própria mercadoria, a preservação de valores culturais da comunidade receptora é um discurso sem consistência. 6. CONSIDERAÇÕES FINAIS A elucidação da complexidade do produto turístico no meio rural deve servir como ponto de partida para o planejamento do marketing. Inicialmente, é preciso considerar a dificuldade da adaptação da idéia concreta, como é a idéia original de produto, a um tipo de atividade que foge a essa característica e atinge, basicamente, o imaterial. Outro aspecto a considerar é a dificuldade de adaptação de uma idéia de unidade bem definida e clara, que o termo produto induz, a uma complexidade de unidades dependentes como é o macroproduto turístico em comunidades rurais, pois este envolve desde microprodutos, como no caso da hospedagem, restauração, entretenimento, até o macroproduto, que é o conjunto de todos, mais os atrativos culturais e naturais de uma localidade, bem como as facilidades de transporte e de infra-estrutura. Se, por um lado, a dificuldade do planejamento do turismo se deve aos paradigmas do marketing de produtos, por outro, o turismo no meio rural envolve outro agravante ligado a este. O paradigma dos valores que acompanham o planejamento do produto são valores da sociedade moderna, na qual a indústria é a base primordial do desenvolvimento. Assim, é preciso planejar o turismo no meio rural a partir do estabelecimento de novos paradigmas de marketing que permitam novas abordagens e concepções de desenvolvimento, em que o meio rural seja considerado como um todo, nos aspectos econômicos, sociais, culturais e ecológicos. Os grupos envolvidos precisam ser devidamente pesquisados e ouvidos, para que o turismo nesse meio respeite as necessidades de todos os envolvidos. É necessário promover experiências interessantes ao turista, pois é ele que mantém economicamente essa atividade. É

10 essencial, também, que gere resultados financeiros para os investidores e trabalhadores, mas é imprescindível, sobretudo, que qualidade de vida, cultura e bem-estar da comunidade receptora sejam respeitados, pois é na sua casa que o turismo acontece. Se o turista está ali durante certa temporada e se os investidores, muitas vezes, têm ali apenas uma fonte de renda, o autóctone depende do local para viver e conviver com os seus. Assim, esse grupo, necessariamente, precisa estar envolvido no processo de planejamento da atividade turística no meio rural. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BENI, M. C. Análise estrutural do turismo. 4. ed. São Paulo: SENAC, COBRA, M. Marketing de turismo. 2. ed. São Paulo: Cobra, FOSTER, G. M. La sociedad y la imagen del bien limitado. In: BARTOLOMÉ, L. J. e GOROSTIAGA, E. E. (Eds.). Estudios sobre el campesinado latinoamericano. Buenos Aires: Ediciones Periferia, p KOTLER, P. e ARMSTRONG, G. Princípios de marketing. 9. ed. Trad. Arlete Simille Marques e Sabrina Cairo. São Paulo: Prentice Hall, KRIPPENDORF, Jost. Sociologia do turismo: para uma nova compreensão do lazer e das viagens. São Paulo: Aleph, ENCONTRO DE PESQUISADORES E JORNALISTAS, 2001, São Paulo. Brasil rural na virada do milênio. Brasília, Núcleo de Estudos Agrários e Desenvolvimento Rural, PEREIRA, José Roberto. De camponeses a membros do MST: os novos produtores rurais e sua organização social. Brasília, p. Tese de Doutorado em Sociologia. Instituto de Ciências Sociais, Universidade de Brasília. RUSCHMANN, D. V. M. Turismo e planejamento sustentável. Campinas: Papirus, SCHEWE, C. D. e HIAM, A. MBA: curso prático: marketing. Trad. Maurette Brandt. Rio de Janeiro: Campus, WOORTMMANN, Klass. Com parente não se neguceia: o campesinato como ordem moral. In: Diversos autores. Anuário Antropológico 87. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, p

ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.983

ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.983 ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.983 TURISMO E MEIO AMBIENTE: PRINCIPIOS E CONDUTAS NORMATIVAS PARA O USUFRUTO DE RECURSOS/ATRATIVOS

Leia mais

ANÁLISE DA EXISTÊNCIA DE ESTRATÉGIAS DE MARKETING APLICADAS NOS MATERIAIS DE DIVULGAÇÃO TURÍSTICA DE PONTA GROSSA-PARANÁ

ANÁLISE DA EXISTÊNCIA DE ESTRATÉGIAS DE MARKETING APLICADAS NOS MATERIAIS DE DIVULGAÇÃO TURÍSTICA DE PONTA GROSSA-PARANÁ ANÁLISE DA EXISTÊNCIA DE ESTRATÉGIAS DE MARKETING APLICADAS NOS MATERIAIS DE DIVULGAÇÃO TURÍSTICA DE PONTA GROSSA-PARANÁ Camilla Moro Piekarski 1 RESUMO Dentro de uma nova ordem mundial, com meios cada

Leia mais

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) na atualidade: luta, organização e educação

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) na atualidade: luta, organização e educação O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) na atualidade: luta, organização e educação Entrevista concedida por Álvaro Santin*, da coordenação nacional do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Pensar na realidade é pensar em transformações sociais. Atualmente, temos observado os avanços com relação à

Leia mais

Autores: ANNARA MARIANE PERBOIRE DA SILVA, MARIA HELENA CAVALCANTI DA SILVA

Autores: ANNARA MARIANE PERBOIRE DA SILVA, MARIA HELENA CAVALCANTI DA SILVA RELAÇÕES ENTRE A EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E O SETOR DE HOSPITALIDADE: um estudo de caso aplicável ao curso Técnico de Hospedagem Secretaria de Ciência, Tecnologia e Meio Ambiente de Pernambuco Autores: ANNARA

Leia mais

FUNDAMENTOS PARA A ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA

FUNDAMENTOS PARA A ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA FUNDAMENTOS PARA A ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA Abordagem da estratégia Análise de áreas mais específicas da administração estratégica e examina três das principais áreas funcionais das organizações: marketing,

Leia mais

TURISMO NO SUL DE MINAS: UMA ANÁLISE SOBRE O MUNICÍPIO DE FAMA (MG)

TURISMO NO SUL DE MINAS: UMA ANÁLISE SOBRE O MUNICÍPIO DE FAMA (MG) TURISMO NO SUL DE MINAS: UMA ANÁLISE SOBRE O MUNICÍPIO DE FAMA (MG) SÉRGIO HENRIQUE DE CAMPOS ESPORTE 1 e ANA RUTE DO VALE 2 sergio_h13@hotmail.com, ana.vale@unifal-md.edu.br 1 Bolsista de iniciação científica

Leia mais

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA O que é o Projeto de Intervenção Pedagógica? O significado de projeto encontrado comumente nos dicionários da Língua Portuguesa está associado a plano de realizar,

Leia mais

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos:

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos: A CONTRIBUIÇÃO DE MAX WEBER (1864 1920) Max Weber foi o grande sistematizador da sociologia na Alemanha por volta do século XIX, um pouco mais tarde do que a França, que foi impulsionada pelo positivismo.

Leia mais

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 901491 - EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução da teoria organizacional

Leia mais

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras 1. DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente para o desenvolvimento sustentável, das áreas onde atuamos e

Leia mais

PAPEL DO GESTOR AMBIENTAL NA EMPRESA

PAPEL DO GESTOR AMBIENTAL NA EMPRESA PAPEL DO GESTOR AMBIENTAL NA EMPRESA Copyright Proibida Reprodução. NECESSIDADE EMERGENTE - Apresentam-se hoje, em países desenvolvidos e em desenvolvimento, as preocupações com a sustentabilidade empresarial

Leia mais

SISTEMA DE INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE PARA A GESTÃO DE RIOS URBANOS

SISTEMA DE INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE PARA A GESTÃO DE RIOS URBANOS BRASIL - BAHIA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA POLITÉCNICA MESTRADO EM ENGENHARIA AMBIENTAL URBANA SISTEMA DE INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE PARA A GESTÃO DE RIOS URBANOS Erika do Carmo Cerqueira

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Nome da disciplina Evolução do Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação;

Leia mais

Empresa como Sistema e seus Subsistemas. Professora Cintia Caetano

Empresa como Sistema e seus Subsistemas. Professora Cintia Caetano Empresa como Sistema e seus Subsistemas Professora Cintia Caetano A empresa como um Sistema Aberto As organizações empresariais interagem com o ambiente e a sociedade de maneira completa. Uma empresa é

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Evolução de Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução

Leia mais

PRINCÍPIO DE ADMINISTRAÇÃO CIENTÍFICA

PRINCÍPIO DE ADMINISTRAÇÃO CIENTÍFICA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS - UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO - DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013 MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: ADMINISTRAÇÃO BACHARELADO SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 04 (QUATRO) ANOS LETIVOS - MÁXIMO

Leia mais

TURISMO. o futuro, uma viagem...

TURISMO. o futuro, uma viagem... TURISMO o futuro, uma viagem... PLANO NACIONAL DO TURISMO 2007-2010 OBJETIVOS Desenvolver o produto turístico brasileiro com qualidade, contemplando nossas diversidades regionais, culturais e naturais.

Leia mais

Rafael Vargas Presidente da SBEP.RO Gestor de Projetos Sociais do Instituto Ágora Secretário do Terceiro Setor da UGT.RO

Rafael Vargas Presidente da SBEP.RO Gestor de Projetos Sociais do Instituto Ágora Secretário do Terceiro Setor da UGT.RO Abril/2014 Porto Velho/Rondônia Rafael Vargas Presidente da SBEP.RO Gestor de Projetos Sociais do Instituto Ágora Secretário do Terceiro Setor da UGT.RO Terceiro Setor É uma terminologia sociológica que

Leia mais

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues.

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Ao longo da historia da Administração, desde seus primórdios, a partir dos trabalhos de Taylor e Fayol, muito se pensou em termos

Leia mais

A Sociologia de Weber

A Sociologia de Weber Material de apoio para Monitoria 1. (UFU 2011) A questão do método nas ciências humanas (também denominadas ciências históricas, ciências sociais, ciências do espírito, ciências da cultura) foi objeto

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO CURSO: TURISMO ( bacharelado) Missão Formar profissionais humanistas, críticos, reflexivos, capacitados para planejar, empreender e gerir empresas turísticas, adaptando-se ao

Leia mais

19/03/2013 1995: OMT. Elementos comuns a diferentes definições de turismo. Conceitos-chave:

19/03/2013 1995: OMT. Elementos comuns a diferentes definições de turismo. Conceitos-chave: 1995: OMT IFSP Profa. Rafaela Malerba O turismo compreende as atividades que realizam as pessoas durante suas viagens e estadas em lugares diferentes ao seu entorno habitual, por um período consecutivo

Leia mais

O turismo e os recursos humanos

O turismo e os recursos humanos Introdução O turismo e os recursos humanos Belíssimas praias, dunas, cachoeiras, cavernas, montanhas, florestas, falésias, rios, lagos, manguezais etc.: sem dúvida, o principal destaque do Brasil no setor

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Maio 2012 BAIRROS PLANEJADOS UMA REALIDADE NO BRASIL

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Maio 2012 BAIRROS PLANEJADOS UMA REALIDADE NO BRASIL Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Maio 2012 BAIRROS PLANEJADOS UMA REALIDADE NO BRASIL Ivo Szterling, Arquiteto Urbanista Diretor de Urbanismo da Cipasa Desenvolvimento

Leia mais

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO TAREFAS ESTRUTURA PESSOAS AMBIENTE TECNOLOGIA ÊNFASE NAS TAREFAS Novos mercados e novos conhecimentos ÊNFASE

Leia mais

A CONTABILIDADE COMO INSTRUMENTO DE AUXÍLIO NO CONTROLE DO MEIO AMBIENTE

A CONTABILIDADE COMO INSTRUMENTO DE AUXÍLIO NO CONTROLE DO MEIO AMBIENTE 546 A CONTABILIDADE COMO INSTRUMENTO DE AUXÍLIO NO CONTROLE DO MEIO AMBIENTE Irene Caires da Silva 1, Ana Carlina Toni Pereira 2, Carlile Serafim Pestana 2, Fernando Henrique Grigoletto dos Santos 2, Henrique

Leia mais

Palavras-chave: Turismo Rural; Turismo Alternativo; Atividades Agropecuárias.

Palavras-chave: Turismo Rural; Turismo Alternativo; Atividades Agropecuárias. Turismo Rural: Teoria x Prática 1 Patrícia Fino 2 Faculdade Carlos Drummond de Andrade Resumo A busca do homem contemporâneo por locais naturais e autênticos em seu tempo livre é crescente. O interesse

Leia mais

GESTÃO DE EMPRESA FAMILIAR: Um estudo de caso da HEBRON

GESTÃO DE EMPRESA FAMILIAR: Um estudo de caso da HEBRON GESTÃO DE EMPRESA FAMILIAR: Um estudo de caso da HEBRON Antonio Henrique Neto, Discente da Faculdade Integrada de Pernambuco - FACIPE Suzane Bezerra de França, - FACIPE, SEDUC/PE docente. suzyfranca@yahoo.com.br

Leia mais

Resumo. Introdução. Grupo de pesquisadores da rede municipal de ensino da cidade do Recife PE.

Resumo. Introdução. Grupo de pesquisadores da rede municipal de ensino da cidade do Recife PE. TRABALHO DOCENTE: POR UMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL CRÍTICA, TRANSFORMADORA E EMANCIPATÓRIA OLIVEIRA, Marinalva Luiz de Prefeitura da Cidade do Recife GT-22: Educação Ambiental Resumo Este trabalho tem o objetivo

Leia mais

MARKETING. Marketing # Vendas MARKETING. Vendas. Marketing 26/02/2013 MARKETING ESTRATÉGICO MARKETING OPERACIONAL.

MARKETING. Marketing # Vendas MARKETING. Vendas. Marketing 26/02/2013 MARKETING ESTRATÉGICO MARKETING OPERACIONAL. Material Didático Disciplina: Comercialização Agroindustrial # Vendas Prof. responsável: José Matheus Yalenti Perosa Vendas Objeto Produtos Necessidade dos consumidores Atividade humana ou processo social,

Leia mais

Palavras-chave: Historiografia; Paraná; Regime de Historicidade; História Regional

Palavras-chave: Historiografia; Paraná; Regime de Historicidade; História Regional Doi: 10.4025/7cih.pphuem.1280 OS HISTORIADORES, SEUS LUGARES E SUAS REGIÕES: A PRODUÇÃO HISTORIOGRÁFICA DA UNICENTRO SOBRE A REGIÃO PARANAENSE Darlan Damasceno Universidade Estadual de Londrina Resumo.

Leia mais

AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA

AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA Miranda Aparecida de Camargo luckcamargo@hotmail.com Acadêmico do Curso de Ciências Econômicas/UNICENTRO Luana Sokoloski sokoloski@outlook.com

Leia mais

O TURISMO CULTURAL COMO FATO GERADOR E DE SUSTENTABILIDADE DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL

O TURISMO CULTURAL COMO FATO GERADOR E DE SUSTENTABILIDADE DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL 384 O TURISMO CULTURAL COMO FATO GERADOR E DE SUSTENTABILIDADE DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL Esilaine Aparecida Tavares Pavan - Uni-FACEF Barbara Fadel Uni-FACEF INTRODUÇÃO A Revolução Industrial trouxe

Leia mais

Resenha. Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.)

Resenha. Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.) Resenha Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.) Patrícia Morais da Silva 1 Superar as expectativas do mercado atendendo de forma satisfatória as demandas dos clientes

Leia mais

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Setembro de 2010 Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E CIDADANIA ELEMENTOS COMPLEMENTARES NO COTIDIANO ESCOLAR

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E CIDADANIA ELEMENTOS COMPLEMENTARES NO COTIDIANO ESCOLAR EDUCAÇÃO AMBIENTAL E CIDADANIA ELEMENTOS COMPLEMENTARES NO COTIDIANO ESCOLAR LUZ, Janes Socorro da 1, MENDONÇA, Gustavo Henrique 2, SEABRA, Aline 3, SOUZA, Bruno Augusto de. 4 Palavras-chave: Educação

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO

CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO FINCK, Silvia Christina Madrid (UEPG) 1 TAQUES, Marcelo José (UEPG) 2 Considerações iniciais Sabemos

Leia mais

GESTÃO DO TURISMO Profa. Andreia Roque

GESTÃO DO TURISMO Profa. Andreia Roque GESTÃO DO TURISMO Profa. Andreia Roque Conteúdo Programático 1- Introdução ao Turismo: Gestão Local Conteúdo Programático TEMA GERAL : Abordagem sistêmica do fenômeno turismo. Inclui aspectos de mercado

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE S (ÁREA: GESTÃO) TECNÓLOGO SERIADO ANUAL - NOTURNO 3 (TRÊS) ANOS LETIVOS Integralização:A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável: idéias sobre a perspectiva da integração 1

Desenvolvimento Sustentável: idéias sobre a perspectiva da integração 1 Desenvolvimento Sustentável: idéias sobre a perspectiva da integração 1 Juliano Varela de Oliveira 2 O Desenvolvimento Sustentável é uma proposta alternativa ao modelo de desenvolvimento com viés puramente

Leia mais

As Escolas Famílias Agrícolas do Território Rural da Serra do Brigadeiro

As Escolas Famílias Agrícolas do Território Rural da Serra do Brigadeiro As Escolas Famílias Agrícolas do Território Rural da Serra do Brigadeiro VIEIRA, Tatiana da Rocha UFV - pedagogia_tati@yahoo.com.br BARBOSA, Willer Araújo UFV- wbarbosa@ufv.br Resumo: O trabalho apresentado

Leia mais

A EDUCAÇÃO, A CULTURA, O ESPORTE E O LAZER PARA OS IDOSOS

A EDUCAÇÃO, A CULTURA, O ESPORTE E O LAZER PARA OS IDOSOS A EDUCAÇÃO, A CULTURA, O ESPORTE E O LAZER PARA OS IDOSOS Agostinho Both3 3, Carmen Lucia da Silva Marques 3,José Francisco Silva Dias 3 As instituições, em especial as educacionais, não podem se furtar

Leia mais

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS 1 FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS MAURICIO SEBASTIÃO DE BARROS 1 RESUMO Este artigo tem como objetivo apresentar as atuais

Leia mais

Dados do Ensino Médio

Dados do Ensino Médio Dados do Ensino Médio População de 15 a 17 anos (2010): 10.357.874 (Fonte: IBGE) Matrículas no ensino médio (2011): 8.400.689 (Fonte: MEC/INEP) Dados do Ensino Médio Dos 10,5 milhões de jovens na faixa

Leia mais

Os pressupostos básicos para a teoria de Bertalanffy foram os seguintes:

Os pressupostos básicos para a teoria de Bertalanffy foram os seguintes: Teoria Geral de Sistemas Uma introdução As Teorias Clássicas (Administração Científica e Teoria Clássica), a Abordagem Humanística (Teoria das Relações Humanas), a Teoria Estruturalista e a Teoria da Burocracia

Leia mais

Centro Educacional Juscelino Kubitschek

Centro Educacional Juscelino Kubitschek Centro Educacional Juscelino Kubitschek ALUNO: N.º: DATA: / /2011 ENSINO FUNDAMENTAL SÉRIE: 6ª série/7 ano TURMA: TURNO: DISCIPLINA: GEOGRAFIA PROFESSOR: Equipe de Geografia Roteiro e lista de Recuperação

Leia mais

A EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA ESCOLA PERMEIA MUDANÇAS DE ATITUDES NA SOCIEDADE

A EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA ESCOLA PERMEIA MUDANÇAS DE ATITUDES NA SOCIEDADE A EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA ESCOLA PERMEIA MUDANÇAS DE ATITUDES NA SOCIEDADE INTRODUÇÃO José Izael Fernandes da Paz UEPB joseizaelpb@hotmail.com Esse trabalho tem um propósito particular pertinente de abrir

Leia mais

Administração Pública

Administração Pública Administração Pública Sumário Aula 1- Características básicas das organizações formais modernas: tipos de estrutura organizacional, natureza, finalidades e critérios de departamentalização. Aula 2- Processo

Leia mais

PROJETO PARA FORMAÇÃO DE MONITORES AMBIENTAIS NO DISTRITO DE SÃO FRANCISCO XAVIER - SP. Glauce Yukari Michida, Greice Keli Nunes, Cleide Pivott

PROJETO PARA FORMAÇÃO DE MONITORES AMBIENTAIS NO DISTRITO DE SÃO FRANCISCO XAVIER - SP. Glauce Yukari Michida, Greice Keli Nunes, Cleide Pivott PROJETO PARA FORMAÇÃO DE MONITORES AMBIENTAIS NO DISTRITO DE SÃO FRANCISCO XAVIER - SP Glauce Yukari Michida, Greice Keli Nunes, Cleide Pivott UNIVAP Universidade do Vale do Paraíba / Faculdade de Comunicação

Leia mais

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Eliane Aparecida Toledo Pinto Docente da Faculdade Municipal de Filosofia,

Leia mais

Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques

Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques Nada é mais perigoso do que uma idéia, quando ela é a única que temos. (Alain Emile Chartier) Neste módulo, faremos, a partir

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE TURISMO DE BLUMENAU. Senac Santa Catarina

PLANO MUNICIPAL DE TURISMO DE BLUMENAU. Senac Santa Catarina PLANO MUNICIPAL DE TURISMO DE BLUMENAU Senac Santa Catarina PLANO MUNICIPAL DE TURISMO UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA Órgão Proponente: Prefeitura Municipal Órgão Executor: Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial

Leia mais

CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO

CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO Resende, J.M.; Nascimento Filho, W.G.; Costa S.R.R. INEAGRO/UFRuralRJ INTRODUÇÃO O patrimônio de uma empresa é formado por ativos tangíveis

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA HISTÓRIA ECOLÓGICA PARA A EDUCAÇÃO DOS CIDADÃOS E CIDADÃS E FUTUROS TRABALHADORES

A IMPORTÂNCIA DA HISTÓRIA ECOLÓGICA PARA A EDUCAÇÃO DOS CIDADÃOS E CIDADÃS E FUTUROS TRABALHADORES A IMPORTÂNCIA DA HISTÓRIA ECOLÓGICA PARA A EDUCAÇÃO DOS CIDADÃOS E CIDADÃS E FUTUROS TRABALHADORES Bruna Maria Jacques Freire de Albuquerque, Universidade Católica de Pernambuco, exbolsista de Iniciação

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

1.3. Planejamento: concepções

1.3. Planejamento: concepções 1.3. Planejamento: concepções Marcelo Soares Pereira da Silva - UFU O planejamento não deve ser tomado apenas como mais um procedimento administrativo de natureza burocrática, decorrente de alguma exigência

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES Inês Barbosa de Oliveira O desafio de discutir os estudos e as práticas curriculares, sejam elas ligadas à educação de jovens e adultos ou ao

Leia mais

MAPEAMENTO E ORGANIZAÇÃO DOS PROGRAMAS E PROJETOS DE EXTENSÃO PARA A CONSTRUÇÃO DO CATÁLOGO DE EXTENSÃO DA FURG 2009-2012

MAPEAMENTO E ORGANIZAÇÃO DOS PROGRAMAS E PROJETOS DE EXTENSÃO PARA A CONSTRUÇÃO DO CATÁLOGO DE EXTENSÃO DA FURG 2009-2012 MAPEAMENTO E ORGANIZAÇÃO DOS PROGRAMAS E PROJETOS DE EXTENSÃO PARA A CONSTRUÇÃO DO CATÁLOGO DE EXTENSÃO DA FURG 2009-2012 Simone Machado Firme FURG 1 Karine Vargas Oliveira FURG 2 Michele Fernanda Silveira

Leia mais

Projeto PODEMOS MAIS E MELHOR

Projeto PODEMOS MAIS E MELHOR Projeto PODEMOS MAIS E MELHOR Mostra Local de: Londrina Categoria do projeto: I Projetos em Andamento (projetos em execução atualmente) Nome da Instituição/Empresa: "PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE RIBEIRÃO

Leia mais

Empreendedorismo Sustentável. Cândido Borges

Empreendedorismo Sustentável. Cândido Borges Empreendedorismo Sustentável Cândido Borges Cândido Borges, 2013 AGENDA 1. Empreendedorismo sustentável 2. Tipos de empreendedorismo sustentável 3. Alguns desafios dos empreendedores sustentáveis 4. Jovens

Leia mais

RESENHAS. Marketing Turístico e de Hospitalidade: Fonte de Empregabilidade e Desenvolvimento para o Brasil

RESENHAS. Marketing Turístico e de Hospitalidade: Fonte de Empregabilidade e Desenvolvimento para o Brasil RESENHAS Marketing Turístico e de Hospitalidade: Fonte de Empregabilidade e Desenvolvimento para o Brasil Erika Helena Bautto Completa, abrangente e extremamente didática, Marketing Turístico e de Hospitalidade:

Leia mais

A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006

A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006 A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006 No passado, até porque os custos eram muito baixos, o financiamento da assistência hospitalar

Leia mais

ESTUDO DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇO PARA EMPREENDIMENTOS DA ECONOMIA SOLIDÁRIA. Palavras-Chave: Custos, Formação de Preço, Economia Solidária

ESTUDO DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇO PARA EMPREENDIMENTOS DA ECONOMIA SOLIDÁRIA. Palavras-Chave: Custos, Formação de Preço, Economia Solidária ESTUDO DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇO PARA EMPREENDIMENTOS DA ECONOMIA SOLIDÁRIA Autores: Fábio Bruno da Silva Marcos Paulo de Sá Mello Palavras-Chave: Custos, Formação de Preço, Economia Solidária INTRODUÇÃO

Leia mais

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337.

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337. PROGRAMA TÉMATICO: 6229 EMANCIPAÇÃO DAS MULHERES OBJETIVO GERAL: Ampliar o acesso das mulheres aos seus direitos por meio do desenvolvimento de ações multissetoriais que visem contribuir para uma mudança

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIRETORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO E DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO - NADEP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL SÃO

Leia mais

Turismo responsável: uma alternativa ao turismo sustentável?. 1

Turismo responsável: uma alternativa ao turismo sustentável?. 1 1 Turismo responsável: uma alternativa ao turismo sustentável?. 1 Sérgio Domingos de Oliveira, Docente Dr;. 2 Rosislene de Fátima Fontana, Docente Msc. 3 Universidade Estadual Paulista. Unidade de Rosana,

Leia mais

PROBLEMÁTICA DO LIXO: PEQUENAS ATITUDES, UM BOM COMEÇO

PROBLEMÁTICA DO LIXO: PEQUENAS ATITUDES, UM BOM COMEÇO PROBLEMÁTICA DO LIXO: PEQUENAS ATITUDES, UM BOM COMEÇO Janelene Freire Diniz, Adeilton Padre de Paz, Hellen Regina Guimarães da Silva, Verônica Evangelista de Lima RESUMO Departamento de Química, Universidade

Leia mais

AÇÕES AGROECOLÓGICAS E DESENVOLVIMENTO RURAL: PRÁTICAS SUSTENTÁVEIS NO ASSENTAMENTO PRIMEIRO DO SUL CAMPO DO MEIO, MG. Área Temática: Meio Ambiente

AÇÕES AGROECOLÓGICAS E DESENVOLVIMENTO RURAL: PRÁTICAS SUSTENTÁVEIS NO ASSENTAMENTO PRIMEIRO DO SUL CAMPO DO MEIO, MG. Área Temática: Meio Ambiente AÇÕES AGROECOLÓGICAS E DESENVOLVIMENTO RURAL: PRÁTICAS SUSTENTÁVEIS NO ASSENTAMENTO PRIMEIRO DO SUL CAMPO DO MEIO, MG Área Temática: Meio Ambiente Responsável pelo trabalho: Artur Leonardo Andrade Universidade

Leia mais

DSCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL

DSCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO Turno: MATUTINO Currículo nº 9 Currículo nº 10 Reconhecido pelo Decreto Estadual n. o 5.497, de 21.03.02, D.O.E. nº 6195 de 22.03.02. Renovação de Reconhecimento Decreto

Leia mais

DSCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL

DSCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO Turno: MATUTINO Currículo nº 9 Currículo nº 10 Reconhecido pelo Decreto Estadual n. o 5.497, de 21.03.02, D.O.E. nº 6195 de 22.03.02. Renovação de Reconhecimento Decreto

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE GESTÃO ESTRATÉGICA E DE ESTRATÉGIA. Profª. Danielle Valente Duarte

GESTÃO EMPRESARIAL INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE GESTÃO ESTRATÉGICA E DE ESTRATÉGIA. Profª. Danielle Valente Duarte GESTÃO EMPRESARIAL INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE GESTÃO ESTRATÉGICA E DE ESTRATÉGIA Profª. Danielle Valente Duarte 2014 Os Estudos e a Prática da Gestão Estratégica e do Planejamento surgiram no final da década

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

Contribuição sobre Economia solidária para o Grupo de Alternativas econômicas Latino-Americano da Marcha Mundial das Mulheres Isolda Dantas 1

Contribuição sobre Economia solidária para o Grupo de Alternativas econômicas Latino-Americano da Marcha Mundial das Mulheres Isolda Dantas 1 Contribuição sobre Economia solidária para o Grupo de Alternativas econômicas Latino-Americano da Marcha Mundial das Mulheres Isolda Dantas 1 Economia solidária: Uma ferramenta para construção do feminismo

Leia mais

As melhores oportunidades de negócios a partir de análises das novas demandas do país

As melhores oportunidades de negócios a partir de análises das novas demandas do país A nova unidade de negócios da Urban Systems Brasil APRESENTAÇÃO 5 de maio de 2009 As melhores oportunidades de negócios a partir de análises das novas demandas do país Thomaz Assumpção Marco Versiani Modelo

Leia mais

GESTÃO DO TURISMO Profa. Andreia Roque

GESTÃO DO TURISMO Profa. Andreia Roque GESTÃO DO TURISMO Profa. Andreia Roque 3 -Administração da Empresa de Turismo Princípios da Administração de Recursos Administração Abrangente: Olhando o Todo Teoria da Administração e Gestão Teoria da

Leia mais

ANEXO B Hierarquização dos projetos através da metodologia Delphi

ANEXO B Hierarquização dos projetos através da metodologia Delphi ANEXO B Hierarquização dos projetos através da metodologia Delphi Discriminação AÇÃO AÇÃO AÇÃO AÇÃO AÇÃO AÇÃO s CUSTO PREVISTO DA AÇÃO (R$) - 500.000,00 1.000.000,00 2.850.000,00 170.000,00 30.000,00 1.120.000,00

Leia mais

Os atores e as redes: construindo espaços para inovação

Os atores e as redes: construindo espaços para inovação Os atores e as redes: construindo espaços para inovação Flávia Charão Marques WORKSHOP SOBRE PROCESSOS DE AVALIAÇÃO DA SUSTENTABILIDADE EM AGROECOSSISTEMAS FAMILIARES Pelotas, 31 de agosto de 2011 Av.

Leia mais

6.00.00.00-7 CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS TURISMO 6.13.00.00-4

6.00.00.00-7 CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS TURISMO 6.13.00.00-4 6.00.00.00-7 CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS TURISMO 6.13.00.00-4 QUALIDADE E EXCELÊNCIA DISNEY, UM EXEMPLO PARA HOTÉIS DE TODO O MUNDO Fábio Ricardo Barros da Silva Acadêmico do Curso de Turismo e Hotelaria

Leia mais

1 Simpósio Internacional de Práticas Integrativas e Complementares Baseadas em Evidencias ( 1 SIPIC-UNB)

1 Simpósio Internacional de Práticas Integrativas e Complementares Baseadas em Evidencias ( 1 SIPIC-UNB) Universidade de Brasília Faculdade de Ciências da Saúde Hospital Universitário de Brasília 1 Simpósio Internacional de Práticas Integrativas e Complementares Baseadas em Evidencias ( 1 SIPIC-UNB) Práticas

Leia mais

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO Autoria: Elaine Emar Ribeiro César Fonte: Critérios Compromisso com a Excelência e Rumo à Excelência

Leia mais

Urbanização Brasileira

Urbanização Brasileira Urbanização Brasileira O Brasil é um país com mais de 190 milhões de habitantes. A cada 100 pessoas que vivem no Brasil, 84 moram nas cidades e 16 no campo. A população urbana brasileira teve seu maior

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO MARKETING E COMUNICAÇÃO DE MODA

PÓS-GRADUAÇÃO MARKETING E COMUNICAÇÃO DE MODA PÓS-GRADUAÇÃO MARKETING E COMUNICAÇÃO DE MODA Coordenadora: Gláucia Centeno 13/04/2015 > 09/2016 400 horas Idioma: Português Aulas: Segundas e quartas das 19h30 às 22h30 PÚBLICO-ALVO Profissionais com

Leia mais

RELATÓRIO EIXO TEMÁTICO: INCLUSÃO SOCIAL POLÍTICAS PÚBLICAS GRUPO DE TRABALHO: ECONOMIA DA CULTURA E DO TURISMO

RELATÓRIO EIXO TEMÁTICO: INCLUSÃO SOCIAL POLÍTICAS PÚBLICAS GRUPO DE TRABALHO: ECONOMIA DA CULTURA E DO TURISMO RELATÓRIO EIXO TEMÁTICO: INCLUSÃO SOCIAL POLÍTICAS PÚBLICAS GRUPO DE TRABALHO: ECONOMIA DA CULTURA E DO TURISMO 1. NOME COMPLETO DO RELATOR 2. E-MAIL Rafael Ângelo Fortunato fortunatoturismo@bol.com.br

Leia mais

A Importância da Extensão Empreendedora em Assentamentos Rurais no Município de Rosário Oeste MT

A Importância da Extensão Empreendedora em Assentamentos Rurais no Município de Rosário Oeste MT A Importância da Extensão Empreendedora em Assentamentos Rurais no Município de Rosário Oeste MT Flávia Cristina Solidade Nogueira Débora Fabiana Aparecida Tenutes Silva Sandro Ribeiro da Costa Universidade

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL E ATIVIDADE TURÍSTICA, NO MUNICÍPIO DE JARDIM MS SILVANA APARECIDA L. MORETTI 1

RELAÇÃO ENTRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL E ATIVIDADE TURÍSTICA, NO MUNICÍPIO DE JARDIM MS SILVANA APARECIDA L. MORETTI 1 1 RELAÇÃO ENTRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL E ATIVIDADE TURÍSTICA, NO MUNICÍPIO DE JARDIM MS SILVANA APARECIDA L. MORETTI 1 RESUMO: Este trabalho pretende discutir a relação existente entre educação e organização

Leia mais

Movimento Nossa São Paulo Outra Cidade. Gestão Democrática

Movimento Nossa São Paulo Outra Cidade. Gestão Democrática Movimento Nossa São Paulo Outra Cidade Gestão Democrática Diagnóstico Em agosto de 2002, o Fórum de Educação da Zona Leste promoveu o 2º seminário Plano Local de Desenvolvimento Educativo. Realizado no

Leia mais

O capitalismo e o Advento de uma sociedade de consumo

O capitalismo e o Advento de uma sociedade de consumo O capitalismo e o Advento de uma sociedade de consumo Camila Fernandes Colégio Mãe de Deus T. 301 Resumo: A condição da redução do cidadão em consumidor, e a criação de tal cultura global, deu-se através

Leia mais

Resumo. O caminho da sustentabilidade

Resumo. O caminho da sustentabilidade Resumo O caminho da sustentabilidade Termos recorrentes em debates e pesquisas, na mídia e no mundo dos negócios da atualidade, como sustentabilidade, desenvolvimento sustentável, responsabilidade empresarial

Leia mais

Daniela Campioto Cyrilo Lima*, Emanuela Matos Granja*, Fabio Giordano **

Daniela Campioto Cyrilo Lima*, Emanuela Matos Granja*, Fabio Giordano ** AVALIAÇÃO SOBRE AS PRÁTICAS EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL DESENVOLVIDA ATRAVÉS DO ECOTURISMO NO CAMINHO DO MAR PARQUE ESTADUAL DA SERRA DO MAR NÚCLEO ITUTINGA PILÕES Daniela Campioto Cyrilo Lima*, Emanuela Matos

Leia mais

Simone Cristina de Oliveira (1) Engenheira Agrônoma (UFV), Mestre em Sociologia (UNESP), Gerente de Gestão Ambiental do DAAE

Simone Cristina de Oliveira (1) Engenheira Agrônoma (UFV), Mestre em Sociologia (UNESP), Gerente de Gestão Ambiental do DAAE EDUCAÇÃO AMBIENTAL COMO FERRAMENTA PARA O PLANEJAMENTO DA GESTÃO DO SANEAMENTO TEMA VII.c: EDUCAÇÂO AMBIENTAL Simone Cristina de Oliveira (1) Engenheira Agrônoma (UFV), Mestre em Sociologia (UNESP), Gerente

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Brasília - 2010 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO 3 II. OBJETIVOS DO SGE 4 III. MARCO DO SGE 4 IV. ATORES

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB

Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB Salvador, 21 de setembro de 2015 Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB Nos dias 19, 20 e 21 de agosto de 2015 realizou-se no Hotel Vila Velha, em

Leia mais

SEGMENTAÇÃO DO PUBLICO PARA UMA ECOPOUSADA EM IBIRAMA SC

SEGMENTAÇÃO DO PUBLICO PARA UMA ECOPOUSADA EM IBIRAMA SC SEGMENTAÇÃO DO PUBLICO PARA UMA ECOPOUSADA EM IBIRAMA SC 1 INTRODUÇÃO Alice Mecabô 1 ; Bruna Medeiro 2 ; Marco Aurelio Dias 3 O turismo é uma atividade que hoje é considerada um dos meios econômicos que

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO EMPRESARIAL: UMA ESTRATÉGIA NA INTEGRAÇÃO DAS AÇÕES DE SUSTENTABILIDADE

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO EMPRESARIAL: UMA ESTRATÉGIA NA INTEGRAÇÃO DAS AÇÕES DE SUSTENTABILIDADE Revista Ceciliana Jun 5(1): 1-6, 2013 ISSN 2175-7224 - 2013/2014 - Universidade Santa Cecília Disponível online em http://www.unisanta.br/revistaceciliana EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO EMPRESARIAL: UMA

Leia mais