Introdução à Robótica Móvel. Introdução à Robótica Móvel

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Introdução à Robótica Móvel. Introdução à Robótica Móvel"

Transcrição

1 Introdução à Robótica Móvel Prof. Fernando Passold Maio 2004 Versão 1.1 Introdução à Robótica Móvel Ementa: 1. Introdução: Diferença robô manipulador x Robô Móvel; Características do robô móvel; Tipos de Robô; Aplicações de robôs móveis; Tipos de Robôs terrestres Tipos de tração para robôs móveis terrestres; Tipos de Sensores; Fontes de Erro 2. Integração Sensorial Definição Formas de Integração Sensorial Enfoques para Integração Sensorial Outros métodos Projeto dos Sensores utilizados Especificação Lógica de Sensores Modelagem dos Sensores 3. Modelagem do Entorno Definição Uso de landmarks Decomposição geométrica do entorno Fusão geométrica ou "map building" Formas de modelagem do entorno 4. Arquiteturas de Robôs Móveis Reativas Por planejamento Baseado em Comportamento Decomposição Funcional do Sistema de Controle Ativides do Controle por Comportamento Arquiteturas híbridas Exemplos de Arquiteturas de Controle Bibliografia Bibliografia Recomendada Quick Time Codec MPEG4: MPEG2 Video Decoder: 1

2 1. Introdução Diferença: Robô manipulador Robô Móvel: Robô móvel Robô manipulador - Movimentos conhecidos; - espaços em meios conhecidos; - ambiente de trabalho limitado. - Facilmente perde a orientação (por problemas de derrapagens, patinação, etc); - horizonte de trabalho: ± 30 metros. - Problema de incertezas! Introdução Robô móvel: Características - Mobilidade; - Autonomia; - Certa inteligência. 2

3 1. Introdução Tipos de robôs: Robôs móveis marinhos: - exploração submarina; - inspeção [e manutenção] de oleodutos, cabos de telefonia, cabos elétricos - mais comuns em plataformas petrolíferas. Robôs móveis aéreos: - inspeção de linhas de transmissão de energia (helicópteros pequenos, CMU); - problema avançado de controle: multivariável, não-linear e robusto. - problemas de peso autonomia sensorial (define o limite da teleoperação) Robôs de interiores: - veículos com tração diferencial; - veículos tipo triciclo: auto-guiados (restrições cinemáticas: entornos dificeis manobras complicadas 1. Introdução Tipos de robôs: Robôs móveis marinhos: - exploração submarina; - inspeção [e manutenção] de oleodutos, cabos de telefonia, cabos elétricos - mais comuns em plataformas petrolíferas. Robô tuna (MIT) Robô Pike nadando. Robô Pike virando. 3

4 1. Introdução Tipos de robôs: Robôs aéreos: inspeção de linhas de transmissão de energia (helicópteros pequenos, CMU); problema avançado de controle: multivariável, não-linear e robusto. problemas de peso autonomia sensorial (define o limite da teleoperação) 1. Introdução Tipos de robôs: Robôs terrestres aplicações em agricultura: Agricultural Robotics Information Page: Uso de GPS e marcadores por RF. 4

5 1. Introdução Tipos de robôs: Robôs terrestres The Nomad Super Scout II Especificações: PC industrial, sensores por toque e por ultrasom e módulo de visão opcional. Adicionalmente, usa o DSP TMS320C14 para controle dos motores com taxa de amostragem de 2 KHz. Diâmetro: 41 cm. Altura: 35 cm. Peso: 25 kg. (com baterias). Movimento: velocidade: 1.0 m/sec, aceleração: 2m/s 2 Capacidade de carga: 5 kg. Sistema de baterias: 432 watt-hora (recarregáveis). Sistema motriz: 2 rodas motrizes diferenciais no centro geométrico Resolução dos Encoders: translação: 756 contagens/cm, rotação: 230 pulsos/graus Processador: Pentium 233 MHz + Motorola MHz Hard Drive: 2 GB Memoria: 64 MB Portass: Serial (de controle): 38.4 Kbaud Porta serial (modo texto): 9600 Baud, Joystick analógico compatível com PC. 1. Introdução Aplicações: Robôs miniatura. Robô minerador. Robô anti-minas. 5

6 1. Introdução Tipos de robôs: Robôs terrestres: Uso doméstico (entretenimento): Sony AIBO Robot: Entre os vários sensores do AIBO estão: Sensores de distância por infravermelho; Sensores de aceleração; Chaves de toque (cabeça, face, pernas, patas e cauda); Sensores de vibração; Sensores de temperatura. Algumas das habilidades do AIBO: 1) Captura digital de imagens seguindo comandos por voz; 2) Capacidade de navegar pelo entorno usando rede LAN; 3) Salva imagens JPEG em memórias Stick. 4) Comunicação entre outros AIBOS e via PC. Interage e responde a outros AIBOs, portanto, pronto para operar em campeonatos RoboCup série robôs AIBO (a Sony está montando seu próprio time). Ele expressa ainda uma ampla gama de emoções (felicidade, tristeza, medo, indiferença, surpresa e raiva) e instintos (quer brincar, brincar de pegar, tem fome, tem sono). Pode ser utilizado como plataforma para testar diferentes algoritmos de comportamento baseados em projetos de robôs móveis. Vêm acompanhado de rede LAN wireless (sem fio, via rádio). Outras características (AIBO ERS-220A) : - Capacidade para reconhecer 75 comandos de voz; - Reconhece seu nome e o nome do dono. Introdução 1.2 Tipos de robôs: Robôs terrestres: mais comuns; Roda livre 1) Com tração diferencial; 2) Com estrutura de triciclo; 3) Disposição syncro-drive: todas as rodas giram e todas com propulsão. Roda + motor 2 Pára-choques Centro geométrico Pára-choques Roda + motor 1 Roda Encoder Roda livre 6

7 Introdução 1.2 Tipos de robôs: Robôs terrestres: mais comuns; 1) Com tração diferencial; 2) Com estrutura de triciclo; 3) Disposição syncro-drive: todas as rodas giram e todas com propulsão. y c θ 1 y x θ 2 Roda giratória com propulsor θ 1 e θ 2 pontos de controle distintos. Mais comum: θ 1 no caso de roda com propulsor acoplado. θ 2 têm relação com ângulo de orientação do robô (em relação ao centro de massa do mesmo). x c Rodas passivas Introdução y 0 y c 1.2 Tipos de robôs: Robôs terrestres: y R mais comuns; 1) Com tração diferencial; 2) Com estrutura de triciclo; 3) Disposição syncro-drive: todas as rodas giram e todas com propulsão. θ ϕ x R x c x 0 7

8 1. Introdução 1.3 Tipos de tração para robôs móveis terrestres por esteira com patas: na agricultura; exploração espacial; aplicações limitadas: dinâmica complexa para velocidades de deslocamento altas, desafio para a área de controle clássico. 1. Introdução 1.3 Tipos de tração para robôs móveis terrestres robôs tipo trepadores: aplicações como: limpar vidros em aranhacéus, pintura de barcos, manutenção de pontes, manutenção de turbinas elétricas, etc... Usam: - ventosas (Obs 1 ); -eletroímas; - garras (típico em construção civil, inspeção de estruturas metálicas); Obs 2 : movimenta 1 garra por vez para economizar bateria (aumentar sua autonomia). Uso de processamento de imagem, geralmente feito off-board para aumentar autonomia do robô. Obs 1 : Sistema muito lento. O maior problema não é o controle dos movimentos (seqüência de movimentação) MAS garantir aderência. 8

9 Introdução 1.4 Tipos de Sensores: Internos: de movimentação do robô. Externos: para localização do robô (medidas de distâncias). Propioceptivos Exteroceptivos Codificadores Angulares (encoders) Encoder + Sensor de proximidade Câmera (sensor CCD) + medidor laser Posição do Elemento terminal Posição de Um objeto Mapa 3D Tipos de Sensores Introdução 1.4 Tipos de Sensores: 1) Internos sensores de movimento do próprio robô; permite saber como avança o robô e, como está sendo realizado o avanço. 2) Medida de distâncias para localizar o robô; Para construir um modelo do mundo exterior. 3) Localização relativa à marcas localização de landscapes ; confirma localização do robô. Principal problema INCERTEZA quanto a localização do robô. Levar em conta erros dos próprios sensores, derrapagem das rodas, etc... Note que estes erros são acumulativos! 9

10 Introdução 1.4 Tipos de Sensores: Sensores de movimento do robô: 1) Odômetros: nas rodas encoders relativos: I A B Valores típicos: 2540 raias num disco de 5 cm de Note: a observação da diferença de defasamento (pontos 1, 2, 3 e 4) entre os pulsos de saída A e B pode ser utilizado para determinar a direção da rotação. A ranhura mais externa do disco gera um pulso a cada rotação do mesmo. Introdução 1.4 Tipos de Sensores: Sensores de movimento do robô: 1) Odômetros: nas rodas encoders relativos: I A B Valores típicos: 2540 raias num disco de 5 cm de Exemplo de uso: Robô gadget: 10

11 Introdução 1.4 Tipos de Sensores: Sensores de movimento do robô: 1) Odômetros: nas rodas encoders relativos: Exemplos práticos: I A B Fonte: Para saber como funciona um mouse: Introdução 1.4 Tipos de Sensores: Sensores de movimento do robô: 1) Odômetros: nas rodas encoders relativos: I A B Posição inicial Trajetória estimada pelo robô Elipsóides de erros por incerteza Problemas: elipsóides de erro crescentes: 11

12 Introdução 1.4 Tipos de Sensores: Sensores de movimento do robô: 1) Odômetros: nas rodas encoders absolutos ópticos: Exemplo: Array de foto-detectores Led Canhão expansor Lentes colimadoras Lentes cilíndricas Disco de Múltiplas raias ( código Gray) Disco de Gray de 8 bits: 2 8 = 256 raias 360 o /256 = 1,4 o /raia. Note: apenas 1 bit varia entre raias do disco! Introdução 1.4 Tipos de Sensores: Sensores de movimento do robô: 1) Odômetros: nas rodas encoders. 2) Inclinômetros. 3) Bússulas magnéticas desvios grandes, sofre influência de campos magnéticos. Caros. Não muito utilizados. Circuitos magnéticos, sensores por efeito hall. 4) Giroscópio mecânico mede variações de posicionamento (problemas com desvios horários: erro aumenta com tempo). roda mancal Pivô externo Pivô interno 5) Giroscópios ópticos uso de laser s contrapostos, mede-se o número de bandas causadas no fenômeno físico conhecido por franjas de interferência. 12

13 Introdução 1.4 Tipos de Sensores: Sensores de localização do robô: 1) Sonares: por ultrasom, infravermelho ou RF. Princípio: d = v t Onde: d = distância percorrida pela onda; v = velocidade de propagação da onda (v Som =0,3m/ms, v Luz =0,3m/ns) t = tempo gasto. v Introdução 1.4 Tipos de Sensores: Sensores de localização do robô: 1.a) Sonares: por ultrasom. Princípio: d = v t Onde: d = distância percorrida pela onda; v = velocidade de propagação da onda (v Som =0,3m/ms, v Luz =0,3m/ns) t = tempo gasto. Ultrasom: onda sonora na faixa de 40KHz à 250KHz v 30 o 15 o Baratos: tão utilizados quanto os encoders. Detalhe: o ganho do sinal que retorna aumenta à medida que aumenta o tempo (porque a medida que aumenta a distância, o sinal de retorno fica + fraco). Ultrasom: Alcance máximo típico: 10 cm à 10 m. de 20 à 150 medições/segundo. resolução: 0.08 cm à 1,0 cm ( freq., resolução, $$$ ) 13

14 Introdução 1.4 Tipos de Sensores: Sensores de localização do robô: 1.a) Sonares: por ultrasom. Ultrasom: onda sonora na faixa de 40KHz à 250KHz 30 o 15 o Princípio: d = v t Baratos: tão utilizados quanto os encoders. Detalhe: o ganho do sinal que retorna aumenta à medida que aumenta o tempo (porque a medida que aumenta a distância, o sinal de retorno fica + fraco). Ultrasom: Alcance máximo típico: 10 cm à 10 m. de 20 à 150 medições/segundo. resolução: 0.08 cm à 1,0 cm ( freq., resolução, $$$ ) Uso de 24 sensores = 360 o /15 o Introdução 1.4 Tipos de Sensores: Sensores de localização do robô: 1) Sonares. 2) Lasers: exige eletrônica de melhor precisão; Feixe pontual (por isto são necessários muitos feixes uso de espelhos); Permitem medir kilômetros; + caros. Permitem modelagem em 3D. λ Exemplo de localização por laser: Limite Mede-se a defasagem entre onda emitida e refletida. 14

15 Introdução 1.4 Tipos de Sensores: Sensores de localização do robô: 1) Sonares: por ultrasom, infravermelho ou RF. 2) Lasers. 3) De Inércia: medem acelerações angulares (sensor muito caro, deve ser de alta precisão) Introdução 1.4 Tipos de Sensores: Sensores de localização do robô: 1) Sonares: por ultrasom, infravermelho ou RF. 2) Lasers. 3) De Inércia. 4) Por triangulação. Triangulação por RF: Usam-se emissores de rádiofreqüência: Mede-se diferenças de potenciais: baixa precisão Veículo C A Transmissor mestre B Transmissor escravo 15

16 Introdução 1.4 Tipos de Sensores: Sensores de localização do robô: 1) Sonares: por ultrasom, infravermelho ou RF. 2) Lasers. 3) De Inércia. 4) Por triangulação. Usando GPS: necessita de no mínimo 4 satélites; Detalhes: sua altitude e precisão pode ser controlada. Na época da guerra do Goldo Pérsico, a precisão baixou muito (por questões militares, EUA). erro na faixa de 16 à 100 metros (modo alone ); Precisão aumenta com o uso de GPD Diferenciais (1 fixo + 1 móvel): de 3m 1cm. Ex.: Os portos marítimos na Alemanha possuem um GPS fixo; os naviso só necessitam de outro GPS (móvel). erro baixa (filtros de Kalman) à medida que se realize mais medições (mas isto demanda + tempo de processamento). 1.5 Fontes de Erro: Dificuldades com a determinação da própria localização do robô: Caminho desejado y 0 y R y c Roda livre x c Erros de odometria (sem compensação) θ ϕ x R x 0 16

17 1.5 Fontes de Erro: Dificuldades com a determinação da própria localização do robô: Caminho desejado y 0 y R y c Roda livre x c Erros de odometria CORRIGIDOS θ ϕ x R x 0 2. Integração Sensorial Definição: Consiste na utilização da informação proveniente de vários sensores para atualizar um modelo do entorno do robô com vistas a realização de alguma tarefa. Planejamento de Tarefas Integração Sensorial Subprodutos: Modelo do entorno - calibração de sensores; - redução de erros; - proteção contra falhas; Integração multi-sensorial: uso de informação de vários sensores para construir um modelo apropriado do mundo para um determinado fim. Integração Sensorial Gerenciamento de informação sensoriamento ativo 17

18 2. Integração Sensorial Formas de Integração Sensorial: Integração Competitiva: dois ou mais sensores geram informação do mesmo tipo sobre as mesmas características de um objeto. Integração Complementar: os sensores geram informações de diferentes características (ou de diferentes objetos); se obtêm informação por partes que se complementam. Integração Cooperativa: a informação desejada não pode ser obtida usando-se apenas um sensor (informação híbrida); típico quando se utiliza informação de um sensor para direcionar outro. 2. Integração Sensorial Formas de Integração Sensorial Exemplo: 18

19 2. Integração Sensorial Enfoques para integração sensorial Estático: Dinâmico: informação captada num único instante de tempo (uma amostra). evolução da informação no tempo (série de amostras). Fonte: (figura ao lado do item People Tracking ) 2. Integração Sensorial Enfoques para integração sensorial Estático: Dinâmico: Simultâneo: Seqüencial: informação captada num único instante de tempo (uma amostra). evolução da informação no tempo (série de amostras). todos os sensores ao mesmo tempo. uso de sensores de forma seqüencial (normalmente exige conhecimento prévio do meio). 19

20 2. Integração Sensorial Enfoques para integração sensorial Estático: Dinâmico: Simultâneo: Seqüencial: informação captada num único instante de tempo (uma amostra). evolução da informação no tempo (série de amostras). todos os sensores ao mesmo tempo. uso de sensores de forma seqüencial (normalmente exige conhecimento prévio do meio). Exemplo: Um sensor de ultrasom localiza um objeto no ambiente e a seguir um scaner à laser mapeia somente o objeto para processar os dados adquiridos do objeto. 2. Integração Sensorial Enfoques para integração sensorial Estático: Dinâmico: Simultâneo: Seqüencial: informação captada num único instante de tempo (uma amostra). evolução da informação no tempo (série de amostras). todos os sensores ao mesmo tempo. uso de sensores de forma seqüencial (normalmente exige conhecimento prévio do meio). Método combinado: Ex.: buscar a curvatura de um canto de objeto usando visão e sensor de proximidade. 20

21 2. Integração Sensorial Enfoques para integração sensorial Estático: Dinâmico: Simultâneo: Seqüencial: informação captada num único instante de tempo (uma amostra). evolução da informação no tempo (série de amostras). todos os sensores ao mesmo tempo. uso de sensores de forma seqüencial (normalmente exige conhecimento prévio do meio). de Baixo Nível: combinação de informação nas primeiras etapas de seu tratamento. Informação quantitativa. Algoritmos dependem do sistema. 2. Integração Sensorial Enfoques para integração sensorial Estático: Dinâmico: informação captada num único instante de tempo (uma amostra). evolução da informação no tempo (série de amostras). Simultâneo: todos os sensores ao mesmo tempo. Exemplo: extrair Seqüencial: uso de sensores de forma seqüencial informação simbólica (normalmente exige conhecimento prévio do meio). dos dados captados pelos sensores. Isto de Baixo Nível: combinação de informação nas primeiras etapas de permite seu tratamento. chegar a Informação quantitativa. deduções do tipo: Algoritmos dependem do sistema. 1) foram detectadas umas de Alto Nível: a fusão se realiza a nível do conhecimento. poucas cadeiras numa Métodos mais gerais. sala; Informação tratada de maneira simbólica. 2) a sala é grande não é uma sala de aula. 21

22 2. Integração Sensorial Outros métodos: 1) Método da média ponderada Uso de médias e análises estatísticas. 2) Método baseado em decisão é selecionado o sensor + confiável. Uso de uma medida de confiança para selecionar um valor entre várias medições. 3) Método direcionado uso valores gerados por um sensor para direcionar a aquisição e tratamento + preciso (do entorno) mediante outro sensor. O refinamento da informação é progressivo. 2. Integração Sensorial Projeto dos Sensores usados: Fatores envolvidos: Complexidade dos dispositivos Erros de observações (medidas) Disparidade de observação Múltiplos pontos de observação número de elementos; contribuição de cada um; incerteza de cada um. Ex 1 : Escolher um sensor CCD de 500 ou 1000 dpi!? Ex 2 : Trabalhar com um encoder que gera 500 ou 1000 pulsos por volta? 22

23 2. Integração Sensorial Projeto dos Sensores usados: Fatores envolvidos: Complexidade dos dispositivos Erros de observações (medidas) Disparidade de observação Múltiplos pontos de observação ruído (interferências do meio); erros de posicionamento, alinhamento e calibração dos sensores. Ex.: meio com fonte de calor sensores de IR do robô. 2. Integração Sensorial Projeto dos Sensores usados: Fatores envolvidos: Complexidade dos dispositivos Erros de observações (medidas) Disparidade de observação Múltiplos pontos de observação Tipos de informação; Transformação de um tipo de informação em outro (para poder comparar ou complementar info.) Ex.: medição de pressões através de medidas de deslocamento. 23

24 2. Integração Sensorial Projeto dos Sensores usados: Fatores envolvidos: Complexidade dos dispositivos Erros de observações (medidas) Disparidade de observação Múltiplos pontos de observação Elementos de medição distribuídos; Transferência de informação de um sistema a outro (transformação de coordenadas). Ex 1 : cinto de sensores de ultra-som (cobrindo os 360o). Ex 2 : sistemas multi-câmeras 2 estéreo visão (noção de profundidade, modelagem 3D). 2. Integração Sensorial Stereoscopy: a b A B A B 24

25 2. Integração Sensorial Especificação lógica de sensores: Cada sensor se modela mediante: Nome lógico; Vetor de saída; Sub-redes; Selecionador; Intérprete de comandos. Nome lógico do sensor Programa 1... Entradas Sensor lógicas Seletor... Vetor de saída de dados Programa n Comandos de controle Controle interpretador de comandos Comandos para os sensores lógicos 2. Integração Sensorial Modelagem dos Sensores: Cada sensor se modela levando-se em conta: Modelo de observação: capacidade de obter informação; Modelo de estado: posição e estado interno de cada sensor. Modelo de dependência: capacidade de interagir e intercambiar informação; 25

26 2. Integração Sensorial Modelagem dos Sensores: Modelo de observação: capacidade de obter informação Relacionado com a precisão/capacidade do sensor: Curva gaussiana 50% d Melhor faixa de medição Faixa de medição 2. Integração Sensorial Modelagem dos Sensores: Modelo de observação: capacidade de obter informação Relacionado com a precisão/capacidade do sensor: Curva gaussiana d Melhor faixa de medição 50% Faixa de medição Mudança de precisão do sensor conforme faixa de valor sendo medida: Faixa útil 5 10 Medida do sensor 26

27 2. Integração Sensorial Modelagem dos Sensores: Modelo de observação: capacidade de obter informação Relacionado com a precisão/capacidade do sensor: Exemplo: num sensor CCD colorido: qual a probabilidade de um pixel ser realmente azul? 2. Integração Sensorial Modelagem dos Sensores: Modelo de observação: capacidade de obter informação. Modelo de estado: probabilidade do sensor obter a medida z i dado o estado atual do robô. Exemplo: o sensor de ultrasom devolve um valor que está claramente fora da sua faixa de atuação. Este valor deve ser descartado. Faixa de alcance do sensor 27

28 2. Integração Sensorial Modelagem dos Sensores: Modelo de observação: capacidade de obter informação. Modelo de estado: probabilidade do sensor obter a medida z i dado o estado atual do robô. Modelo de dependência: se modela um conjunto de probabilidades condicionais (idéia: confirmar valores medidos) ( b b a) = P( b a) P( b a) P Exemplo: Info. Sensor 1: Info. Sensor 2: b 1 =10 b 2 =11 Qual é a medida correta? 1) Modelo probabilístico: Enfoque + comum: método Bayesiano: Valor real: a P P ( b b a) = P( b a) P( b a) = P( a b b ) ( x y) P = ( x y) P( y) P( x) (Teorema de Bayes) Idéia obter uma curva de probabilidades associadas à valores reais 2 2. Integração Sensorial Modelagem dos Sensores: Modelo de observação: capacidade de obter informação. Modelo de estado: probabilidade do sensor obter a medida z i dado o estado atual do robô. Modelo de dependência: se modela um conjunto de probabilidades condicionais (idéia: confirmar valores medidos) Idéia obter uma curva de probabilidades associadas à valores reais P(b 1 ) P(b 2 ) P conjunto Importância localização de um objeto! (a certeza do objeto estar no ponto sensoriado) b 1 =10 b 2 =11 28

29 2. Integração Sensorial Modelagem dos Sensores: Modelo de observação: capacidade de obter informação. Modelo de estado: probabilidade do sensor obter a medida z i dado o estado atual do robô. Modelo de dependência: se modela um conjunto de probabilidades condicionais (idéia: confirmar valores medidos) y Objeto Importância localização de um objeto! Dica : sabemos à priori o erro que pode estar associado a cada sensor. Probabilidade y x Um cone 3D x certeza do objeto estar neste ponto. 2. Integração Sensorial Modelagem dos Sensores: Modelo final: elipsóides de incertezas: 29

30 2. Integração Sensorial Modelagem dos Sensores: Modelo final: elipsóides de incertezas: A precisão das medidas realizadas depende de diversos fatores: distância até o objeto; Sensor utilizado (IR, ultrasom, microondas, laser, CCD, GPS); Ondulações do terreno; Ruídos gerados no entorno: Ex.: calor sensores IR, pés de cadeiras ultrasom; Reflexões de sinais causadas pela própria configuração geométrica do meio. 3. Modelagem do Entorno A exploração baseada em sensores possibilita ao robô explorar e mapear um entorno desconhecido, usando as informações dos sensores. Um dos componentes críticos a serem mapeados é a própria capacidade do robô se localizar num mapa parcialmente explorado. Isto se transforma em desafio quando o robô sofre ainda de erros de posicionamento, não pode contar com um dispositivo externo de posicionamento nem se pode dar ao luxo de guiar-se por balizas (marcas, landscapes) introduzidas no entorno. Métodos para localização e mapeamento simultâneos que exploram a topologia do espaço livre do robô, permitem localizar o robô num mapa parcialmente construído. Este mapa pode ser usado para gerar os grafos de Voroni (GVG) que é na realidade um mapa topológico que codifica algumas informações métricas a respeito do entorno do robô. Entretanto, atrasos de locomoção podem ser esperados devidos à incertezas provindas dos sensores e processamento pesado exigido. 30

31 3. Modelagem do Entorno Uso de landmarks: A exploração baseada em sensores possibilita ao robô explorar e mapear um entorno desconhecido, usando as informações dos sensores. Um dos componentes críticos a serem mapeados é a própria capacidade do robô se localizar num mapa parcialmente explorado. Isto se transforma em desafio quando o robô sofre ainda de erros de posicionamento, não pode contar com um dispositivo externo de posicionamento nem se pode dar ao luxo de guiar-se por balizas (marcas, landscapes) introduzidas no entorno. Navegação por balizas (landmarks). 3. Modelagem do Entorno Uso de landmarks: A exploração baseada em sensores possibilita ao robô explorar e mapear um entorno desconhecido, usando as informações dos sensores. Um dos componentes críticos a serem mapeados é a própria capacidade do robô se localizar num mapa parcialmente explorado. Isto se transforma em desafio quando o robô sofre ainda de erros de posicionamento, não pode contar com um dispositivo externo de posicionamento nem se pode dar ao luxo de guiar-se por balizas (marcas, landscapes) introduzidas no entorno. 31

32 3. Modelagem do Entorno A exploração baseada em sensores possibilita ao robô explorar e mapear um entorno desconhecido, usando as informações dos sensores. Um dos componentes críticos a serem mapeados é a própria capacidade do robô se localizar num mapa parcialmente explorado. Isto se transforma em desafio quando o robô sofre ainda de erros de posicionamento, não pode contar com um dispositivo externo de posicionamento nem se pode dar ao luxo de guiar-se por balizas (marcas, landscapes) introduzidas no entorno. Métodos para localização e mapeamento simultâneos que exploram a topologia do espaço livre do robô, permitem localizar o robô num mapa parcialmente construído. Este mapa pode ser usado para gerar os grafos de Voroni (GVG) que é na realidade um mapa topológico que codifica algumas informações métricas a respeito do entorno do robô. Entretanto, atrasos de locomoção podem ser esperados devidos à incertezas provindas dos sensores e processamento pesado exigido. 3. Modelagem do Entorno Decomposição trapezoidal: - Processamento + rápido Método avançado: Decomposição celular usando pontos críticos da função segmentadora: h(x,y)=x 2 +y 2. 32

33 3. Modelagem do Entorno Exemplo 3. Modelagem do Entorno Fusão geométrica dos dados ou Map Building : requer que um robô estime simultaneamente sua própria posição e o mapa do ambiente. y 0 y c y R Roda livre x c θ ϕ x R x 0 33

34 3. Modelagem do Entorno Map Building e Exploração do Entorno: Clip #1: Traçar grafo de Vorony (GVG) do ponto 2 até ponto 4. Clip #2: Voltar ao ponto 5, explorando as redondezas do ponto 6. Clip #3: Traçar o GVG do ponto 5 ao ponto 1. Clip #4: Traçar o ramo partindo do ponto 1 e retornar ao ponto Modelagem do Entorno Modelagem do entorno ( mundo do robô): Estrutural Paramétrica Funcional Determinação dos limites; Relações... Descrição física e Geométrica (arestas) Parâmetros; Domínios Características numéricas ligadas a uma estrutura (peso, comprimentos) Forma de interação com o entorno Como o objeto interage com os outros elementos ou como pode ser manipulado. 34

35 4. Arquitetura de Robôs Móveis Arquiteturas de Controle do robô: Reativas De Planejamento Atividades do Sistema de Controle: 1) Baseado em comportamento, ou; 2) Não baseado em comportamento. Modelagem do entorno: Modelagem do espaço livre; Planejamento da percepção 4. Arquitetura de Robôs Móveis Arquiteturas de Controle do robô: Reativas De Planejamento Atividades do Sistema de Controle: 1) Baseado em comportamento, ou; 2) Não baseado em comportamento. Exemplos: -Desviar de obstáculos; -Contornar obstáculos; -Seguir trilhas no chão (sensor IR) -Seguir paredes -Procurar/desviar de focos de luz Modelagem do entorno: Modelagem do espaço livre; Planejamento da percepção 35

36 4. Arquitetura de Robôs Móveis Arquiteturas de Controle do robô: Reativas: - Método dos Potenciais: Ponto de chegada Obstáculo: vetores divergentes 1) Definir força atrativa: ponto de chegada potencial atrativo. 2) Definir forças repulsivas (dadas pela info. de cada sensor). São forças divergentes geradas pelos obstáculos. 3) Cálculo do vetor resultante define o gradiente de força. 4) Aplicar no modelo cinemático do robô de forma a definir a velocidade linear e angular (giro). v θ Note: à partir deste ponto, mudança de direção, isto é, já passei do ponto de chegada. WHILE ponto_atual ponto_chegada 4. Arquitetura de Robôs Móveis Arquiteturas de Controle do robô: Reativas: - Método dos Potenciais: Notas: 1) Potencial Atrativo distância do ponto de chegada (função parabólica). Cuidados: definir função em que o vetor atrativo ainda seja maior que os vetores repulsivos quando o robô está longe do objetivo. Distância grande: se usa função cônica (3 a ordem vel. quase constante.) Distâncias pequenas: se usa função quadrática (de 2 a ordem). θ. v 36

37 4. Arquitetura de Robôs Móveis Arquiteturas de Controle do robô: Reativas: - Método dos Potenciais: Notas: 2) Potencial Repulsivo: 1/d onde d: distância do obstáculo: V Rep 1 (cm) 10 (cm) d Cuidados: não pode ser grande se o robô está longe do obstáculo. Calculado de forma local para cada obstáculo. θ. v 4. Arquitetura de Robôs Móveis Arquiteturas de Controle do robô: Reativas: - Método dos Potenciais: Detalhes: 1) Este algoritmo permite orientar o robô mesmo que o mesmo inicie com uma orientação propositalmente incorreta. 2) Se vetor_resultante 0 AND robô não percorre distância mínima dentro de certo tempo, se adiciona (lentamente) ruído de forma o força o robô a sair de um possível ponto de mínimo local. 3) Teste interessante: colocar um robô contra outro para verificar se desviam quando estão próximos (evita-se a colisão com outros objetos móveis?) θ. v 37

38 4. Arquitetura de Robôs Móveis Arquiteturas de Controle do robô: Reativas: - Método dos Potenciais: Vantagens: Não necessita do modelo do entorno! Resposta rápida. Problemas: Decompor vetor resultante de força em: Velocidade linear (v), e; Velocidade angular (dθ/dt = w). Pode ficar retido em mínimo locais (entornos + complexos) θ. v 4. Arquitetura de Robôs Móveis Arquiteturas de Controle do robô: Reativas De Planejamento Atividades do Sistema de Controle: 1) Baseado em comportamento, ou; 2) Não baseado em comportamento. Modelagem do entorno: Modelagem do espaço livre; Planejamento da percepção Campo fértil para a área de Inteligência Computacional e Inteligência Artificial Problema: muitas possibilidades de trajetórias. 38

39 4. Arquitetura de Robôs Móveis Arquiteturas de Controle do robô: De Planejamento: de missões off-line: 1 a parte de caminhos Intimamente relacionados da percepção. Note: exige levantamento do modelo do entorno. Problema: seguir por um caminho, mas o que devo mirrar? 4. Arquitetura de Robôs Móveis Arquiteturas de Controle do robô: De Planejamento: do caminho: (divide espaço em segmentos): Decomposição trapezoidal: Tarefa à cargo do planificador. Ponto médio Se introduz linhas verticais 39

40 4. Arquitetura de Robôs Móveis Arquiteturas de Controle do robô: De Planejamento: do caminho: Decomposição trapezoidal: 4. Arquitetura de Robôs Móveis Arquiteturas de Controle do robô: De Planejamento: do caminho: Diagramas de Voroni: (pontos eqüidistantes entre 2 arestas). Exemplos: Útil em entornos complexos e estreitos: 40

41 4. Arquitetura de Robôs Móveis Arquiteturas de Controle do robô: Reativas De Planejamento Atividades do Sistema de Controle: 1) Baseado em comportamento, ou; 2) Não baseado em comportamento. Modelagem do entorno: Modelagem do espaço livre; Planejamento da percepção Problema: Como mesclar comportamentos para que o robô realize uma Trajetória razoável. 4. Arquitetura de Robôs Móveis Atividades do Sistema de Controle: 1) Baseado em comportamento, ou; 2) Não baseado em comportamento. Mesclar tarefas de: percepção; planificação; execução de tarefas Problema: Como mesclar comportamentos para que o robô realize uma Trajetória razoável. 41

42 4. Arquitetura de Robôs Móveis Atividades do Sistema de Controle: 1) Baseado em comportamento, ou; 2) Não baseado em comportamento. Decomposição de tarefas: por funcionalidade: Mesclar tarefas de: percepção; planificação; execução de tarefas tarefa de localização; processamento sensorial; modelo do entorno; planificação de tarefas; execução de tarefas; controle de motores. por comportamento. 4. Arquitetura de Robôs Móveis Arquiteturas de Controle do robô: Reativas De Planificação Atividades do Sistema de Controle: 1) Baseado em comportamento, ou; 2) Não baseado em comportamento. Modelagem do entorno: Modelagem do espaço livre; Planejamento da percepção Outro campo fértil de pesquisas para a área de Inteligência Computacional e Inteligência Artificial 42

43 4. Arquitetura de Robôs Móveis Decomposição Funcional do Sistema de Controle: alto nível baixo nível Planificador Navegador Piloto Controle da execução Leva em conta o conceito de cruzabilidade, relacionado à velocidade máxima que o veículo pode desenvolver. Calcula-se a cruzabilidade de cada segmento para depois selecionar o melhor trajeto (procurar manter zonas de cruzabilidade constante). Define trajetória dinamicamente. Opera em escalas pequenas (< 10 metros). Segue baseado nos dados do planificador Segue seqüências de controle (velocidade linear e angular) baseado em dados gerados pelo navegador. Malha fechada baseada em sensores internos. Aqui necessário somente modelo dinâmico do sistema. 4. Arquitetura de Robôs Móveis Decomposição Funcional do Sistema de Controle: alto nível baixo nível Planificador Navegador Piloto Controle da execução Opera à nível geométrico. Recebe os pontos passados pelo planificador (3 zonas de cruzabilidade aprox. cte.). O navegador define pontos intermediários (interpolação). Define Mapa p/navegação. Necessita maior definição dos objetos externos (detecção de obstáculos?). O mapa passado pelo Navegador precisa ser detalhado. 43

44 4. Arquitetura de Robôs Móveis Decomposição Funcional do Sistema de Controle: alto nível baixo nível Planificador Navegador Piloto Controle da execução Converte as ordens do Navegador para os controladores do sistema motriz do robô (informações como vel. linear e angular). O Piloto evita os obstáculos desconhecidos porque somente neste nível mais baixo existe realimentação do mundo externo. Agente extra : Repórter avisa sobre obstáculos não previstos à priori. Avisa o planificador o que desencadeia uma nova planificação 4. Arquitetura de Robôs Móveis Decomposição Funcional do Sistema de Controle: alto nível Planificador Navegador Sem realimentação, a menos que este robô modele o próprio entorno Exige sistema de localização Piloto Sistema de localização não faz falta baixo nível Controle da execução Define trajetória dinamicamente. Opera em escalas pequenas (< 10 metros). Segue baseado nos dados do planificador 44

45 4. Arquitetura de Robôs Móveis Decomposição Funcional do Sistema de Controle: alto nível baixo nível Planificador Navegador Piloto Controle da execução Notas: se associa estratégias de Planejamento com planos de Percepção para confirmar a localização do robô. Exemplo: o robô se desloca pelo meio até encontrar marcas (landscapes). Se não encontra, é provável que tenha se deslocado na direção errada. Outro agente extra : Cartógrafo armazena info. Do entorno (topologicamente ou geometricamente). BD 4. Arquitetura de Robôs Móveis Atividades de Controle por Comportamento: Comportamentos: Seguir um caminho; Seguir uma trilha; Andar afastado de uma parede; Ir até um ponto; Procurar/detectar marcas; Atravessar uma porta; Seguir objeto em frente (comportamento de comboio)!? Sistema 45

46 4. Arquitetura de Robôs Móveis Atividades de Controle por Comportamento: Comportamentos: Seguir um caminho; Seguir uma trilha; Andar afastado de uma parede; Ir até um ponto; Procurar/detectar marcas; Atravessar uma porta; Seguir objeto em frente (comportamento de comboio)!? Sistema + interessante do ponto de vista de pesquisas; Tenta detectar objetos rápidos que se movem (prever colisões); Uso de PID para Ctrl. Traj.; Uso de RNs; Uso de regras; Uso de Lógica fuzzy; 4. Arquitetura de Robôs Móveis Atividades de Controle por Comportamento: Comportamentos: Seguir um caminho; Seguir uma trilha; Andar afastado de uma parede; Ir até um ponto; Procurar/detectar marcas; Atravessar uma porta; Seguir objeto em frente (comportamento de comboio)!? Sistema Problemas: Ações complexas: Seqüência de comportamento? Como combinar comportamentos? Associar uma prioridade (peso) para cada comportamento? Dificuldade: Mesclar comportamentos ; Uso de regras, RN, fuzzy. 46

47 4. Arquitetura de Robôs Móveis Arquiteturas híbridas: + indicado para entornos muito dinâmicos: + reativa + local (atividade de controle por comportamento) Estímulo (info. Local) + rápido: ação Na prática: resultados não muito bons porque o entorno é dinâmico (objetos se movem) + planificada (tanto local quanto globalmente) atividade de controle por funcionalidade (controle clássico: hierárquico) + lento: Novos obstáculos exigem replanificação 4. Arquitetura de Robôs Móveis Arquiteturas híbridas: + indicado para entornos muito dinâmicos: + reativa + local (atividade de controle por comportamento) Desvantagens: - Ações não otimizadas; - Mínimos locais; - Dificuldade para alcançar objetivos globais + rápido: Estímulo (info. Local) ação 47

48 4. Arquitetura de Robôs Móveis Arquiteturas híbridas: Planejamento: de missões (off-line, remoto); de caminhos Intimamente Relacionados da percepção Na prática: resultados não muito bons porque o entorno é dinâmico (objetos se movem) + planificada (tanto local quanto globalmente) atividade de controle por funcionalidade (controle clássico: hierárquico) + lento: Novos obstáculos exigem replanificação 4. Arquitetura de Robôs Móveis Arquiteturas híbridas: Controle funcional Alto nível + reativa + planificada Baixo nível Controle por comportamento (+ rápido) 48

49 4. Arquitetura de Robôs Móveis Arquiteturas para o Sistema de Controle: alto nível baixo nível Planificador Navegador Piloto Controle da execução Arquiteturas mais conhecidas: LAAS (Lab. LAAS, Toulose, França): híbrida, hierarquizada: 2 níveis: (1) superior: módulo supervisor + planificador, (2) inferior: módulo reativo ; + nível de decisão + nível funcional (biblioteca de funções inteligentes preparada para trabalhar em tempo-real, podem ser paralelizadas). AFRED: plano em nível + alto já entregue. Planos de execução + plano de percepção = casados p/fazer o veículo seguir um caminho. Baseado em mapas geométrico. Compara info. Sensores com planejamento prévio. 4. Arquitetura de Robôs Móveis Arquiteturas para o Sistema de Controle: alto nível baixo nível Planificador Navegador Piloto Controle da execução Arquiteturas mais conhecidas: IMAS (Meystel): planificação hierarquizada; NASREM (Albus): para robôs teleguiados no espaço, hierarquizada, pode ser distribuída (modelo do entorno pode estar em outras máquinas, compartilhamento de dados). Subsumption (Brooks): baseada em comportamentos, subdividido em níveis de competência, integração entre vários níveis de competência, prévio 8 níveis de competência: AURA (Aukin): reativa (não exige planejamento de uma rota). 49

50 4. Arquitetura de Robôs Móveis Arquiteturas para o Sistema de Controle: Arquitetura exemplo: Introdução à Robótica Móvel Prof. Fernando Passold Maio 2004 Versão

51 Bibliografia Livros: Meystel, A., Autonomous Mobile Robots, World Scientific, Russel, R.A., Robot Tactile Sensing, Prentice Hall, Borenstein, J. et all, Where am I? Sensors and Methods for Mobile Robot Positioning, University of Michigan: Bibliografia recomendada: Introdução a µc PIC s: Microcontroladores PIC on-line, Neboksa Matic, versão em português (Portugal) de Alberto Jerônimo site: picbook/00.htm ou Conteúdo: Exemplos de ligações práticas (Relés, Optoacopladores, LCD's, Teclas, Dígitos, Conversores A D, Comunicação série, etc.), Introdução aos Microcontroladores (Aprenda o que são, como funcionam, e como podem ser úteis no seu trabalho), Programação em linguagem Assembler (Como escrever o seu primeiro programa, utilização de macros, modos de endereçamento... ), Conjunto de Instruções (Descrição, exemplo e proposta para utilizar cada instrução...), Pacote do programa MPLAB (Como instalá-lo, como começar o primeiro programa, seguindo o programa passo a passo no simulador...). 51

52 Bibliografia recomendada: Livro de Introdução a Robótica Móvel: Robot Building For Dummies By Roger Arrick ISBN: Paperback 384 páginas October 2003 * Fundamentos de robótica e programação; * Explora robôs programáveis e não programáveis. * Construa seu próprio robô (baseado em kit). * Expanda seu robô adicionando sensores, vídeo e voz. * Melhore a ação de seus robôs usando programas especializados. Bibliografia recomendada: Introdução a Robótica Móvel Robôs TekBots (Universidade Estadual do Oregon, parte das disciplinas introdutórias para os cursos de Eng. Elétrica e Eng. de Software): Até competições: The TekBot Triathlon (http://oregonstate.edu/groups/srvos/tekbots/) Páginas de fabricantes de µc: ATMEL: Ex.: AT90S2313 (http://oregonstate.edu/groups/srvos/projects/ucboard/datash eets/at90s2313.pdf); PIC s: (Microchip): Ex.: PIC16F676 (http://oregonstate.edu/groups/srvos/projects/ucboard/datash eets/16f676.pdf). 52

53 Bibliografia recomendada: Fabricantes de Kits: Parallax: Boe-Bot The Toddler bipedal walking robot HexCrawler Bibliografia recomendada: Fabricantes de Kits: - K-team: Especialmente sobre o robô Khepera II: Links para: Khepera Unlimited Experiments Navigation Artificial Intelligence Multi-Agents System Control Collective Behavior Real-Time Programming Advanced Electronics Demonstration Simulador do Khepera: 53

54 Bibliografia recomendada: Fabricantes de Kits: - K-team: Especialmente sobre o robô Khepera II: Simulador para WebBoots: Bibliografia recomendada: Dados do robô Khepera II: Elements Processor Motion Speed Sensors Power Autonomy Communication Size Weight Simulators Development Environment for Autonomous Application KHEPERA II SPECIFICATIONS Technical Information Motorola 68331, 25MHz IMPROVED 2 DC brushed servo motors with incremental encoders (roughly 12 pulses per mm of robot motion) Max: 1 m/s, Min: 0.02 m/s 8 Infra-red proximity and ambient light sensors with up to 100mm range IMPROVED AND Power ConsumptionNEW Power Adapater OR Rechargeable NiMH BatteriesIMPROVED 1 hour, moving continuously IMPROVED. Additional turrets will reduce battery life. Standard Serial Port, up to 115kbps IMPROVED Diameter: 70 mm Height: 30 mm Approx 80 g WEBOTS, Realistic 3D Simulator (Windows & Linux). Freeware. KTProject, graphical interface for GNU C Cross-Compiler (Windows). GNU C Cross-Compiler, for native on-board applications (Windows, Linux & Sun). Freeware. 54

55 Bibliografia recomendada: Fabricantes de Kits: Lego MindStorms: Robotics Invention System 2.0: RCX Microcomputer: 6 AA batteries; LCD display; 3 sensor inputs; 3 motor outputs; Hitachi H8/ Mhz; 32k ram; rom with basic I/O functions CD-ROM Software USB Infrared Transmitter 718 pieces, including: 2 Motors 2 Touch Sensors 1 Light Sensor Hitachi H8/3297 µcontrolador: 8 registradores de 16-bits ou 16 registradores de 8-bits; High-speed operation: 8- or 16-bit register-register add/subtract: 125 ns (16 MHz; 8 x 8-bit multiply: 875 ns (16 MHz); 16 8-bit divide: 875 ns (16 MHz); 1 contador/timmer de 16-bits; 1 A/D de 10-bits; I/O ports: 43 input/output lines (16 of which can drive LEDs) 8 input-only lines. Interrupts: Four external interrupt lines: 10,, IRQ0 to IRQ2 19 on-chip interrupt sources Bibliografia recomendada: Laboratórios de Pesquisa: Biorobotics Lab (da Carnegie Mellon University): Mecanismos: Robôs indestrutíveis; Robôs biomédicos; Manipuladores distribuídos; Robôs cobra. Aplicações: Câmera aérea (Aercam); Busca e Salvamento; Limpar minas terrestres; Pintura. Robôs Educacionais Métodos Topológicos Convergência; slam ; Retração Controle Híbrido 55

56 Bibliografia recomendada: Informações sobre sensores: Animações mostrando funcionamento de diferentes sensores: [Welcome to Particle Filters in Action at the UW RSE-lab (Laboratório de estimação de estados e robótica da Universidade de Washington, Dept. de Engenharia e Ciência da Computação)] Bibliografia recomendada: Outros robôs: Stiquito.com Home of the world's smallest, inexpensive, hexapod robot!: (http://www.stiquito.com/ ) DOFs No. of Links Size (L x W x H) Weight Actuators x 70 x 25 mm 10 grams Nitinol 56

57 Bibliografia recomendada: Outros robôs: StampBug: Basic Stamp Exemplo: : Symbol dir_olho=pin5 Symbol dir_antena=pin6 Symbol esq_antena=pin7 'Inicio dirs=% pins=0 high esq_olho low dir_olho principal: toggle esq_olho toggle dir_olho meio_pos=max_grau esq_pos=max_grau dir_pos=max_grau gosub anda toggle esq_olho toggle dir_olho meio_pos=min_grau esq_pos=min_grau dir_pos=min_grau gosub anda goto principal : Bibliografia recomendada: Tendências Futuras (na área de robótica): Robôs modulares: Modular Serpentine Robot: Cobras reais se locomovem de diferentes maneiras no mundo animal. Para fazer estas cobras robôs se locomoverem, o modo como deslizam foi inspirado da natureza e adaptado para cada um dos blocos que compõem os elos da cobra robô completo, incluído a rotina de controle para cada módulo (comunicações e sensoriamento entre módulos). Seguem alguns vídeos demonstrando as habilidades desenvolvidas com estas cobras-robôs. Vídeos: Movimento sinusoidal da cobrarobô. Cobra-robô entrando num tubo. Cobra-robô atravessando obstáculo. Cobra-robô subindo paredes. 57

58 Bibliografia recomendada: Tendências Futuras (na área de robótica): Robôs modulares: Centro de Pesquisas da Xerox em Palo Alto (PARC) [desde 1997]: PolyBot: Generation I: PIC (16F877) 8-bit microcontroller is used on every module. The modules are connected together through either an RS232 or an RS485 serial bus. The modules may run either fully autonomously or under supervisory control from a PC sending commands through a wired or wireless radio link. Generation II: cube and this module is roughly 11 x 7 x 6 cm, The MicroMo gear motor (DC motors serving both for commutation as well as joint position with a resolution of 0.45 degrees.), although heavy is quite powerful delivering up to 5.6Nm of torque at 60 RPM and the stainless steel sheet structure has a range of motion of +90 to -90 degrees. Each module contains a Motorola PowerPC 555 embedded processor with 1 megabyte of external RAM. This is a relatively powerful processor to have on every module and its full processing power has not yet been utilized. The final goal of full autonomy may require the use of these processors and memory, Each module communicates over a semi-global bus using the (controller area network) CANbus standard. Generation III: 58

Introdução à Engenharia Elétrica Grupo de Automação & Controle. EEE071 - Introdução À Engenharia Elétrica Prof. Fernando Passold

Introdução à Engenharia Elétrica Grupo de Automação & Controle. EEE071 - Introdução À Engenharia Elétrica Prof. Fernando Passold Introdução à Engenharia Elétrica Grupo de Automação & Controle EEE071 - Introdução À Engenharia Elétrica Prof. Fernando Passold Enfoque desta disciplina: Problemas ou pequenos desafios que devem ser resolvidos

Leia mais

Sensores e Atuadores (1)

Sensores e Atuadores (1) (1) 4º Engenharia de Controle e Automação FACIT / 2009 Prof. Maurílio J. Inácio Introdução Sensores Fornecem parâmetros sobre o comportamento do manipulador, geralmente em termos de posição e velocidade

Leia mais

Módulo de captura de imagens do sistema Scisoccer

Módulo de captura de imagens do sistema Scisoccer 1 Módulo de captura de imagens do sistema Scisoccer Rafael Antonio Barro [1] Jailton Farias de Carvalho [2] Resumo: Este artigo descreve como funciona o módulo de captura de imagens do software Sci-soccer,

Leia mais

SISTEMA DE RASTREIO ÓPTICO

SISTEMA DE RASTREIO ÓPTICO SISTEMA DE RASTREIO ÓPTICO 1 SISTEMA DE RASTREIO ÓPTICO VISÃO GERAL O Sistema de Rastreio Óptico, ou simplesmente SISROT, foi desenvolvido com o objetivo de rastrear foguetes nos primeiros instantes de

Leia mais

5 Sistema Experimental

5 Sistema Experimental 5 Sistema Experimental Este capitulo apresenta o sistema experimental utilizado e é composto das seguintes seções: - 5.1 Robô ER1: Descreve o robô utilizado. É dividida nas seguintes subseções: - 5.1.1

Leia mais

SISTEMA INTELIGENTE DE NAVEGAÇÃO E LOCALIZAÇÃO DE ROBÔS MÓVEIS

SISTEMA INTELIGENTE DE NAVEGAÇÃO E LOCALIZAÇÃO DE ROBÔS MÓVEIS SISTEMA INTELIGENTE DE NAVEGAÇÃO E LOCALIZAÇÃO DE ROBÔS MÓVEIS Aluno: Lucas Grativol Ribeiro Orientador: Karla Tereza Figueiredo Leite Introdução As aplicações da robótica fora do contexto industrial têm

Leia mais

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição Capítulo 7 Entrada/saída Os textos nestas caixas foram adicionados pelo Prof. Joubert slide 1 Problemas de entrada/saída Grande variedade

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Sistemas de Entrada/Saída Princípios de Hardware Sistema de Entrada/Saída Visão Geral Princípios de Hardware Dispositivos de E/S Estrutura Típica do Barramento de um PC Interrupções

Leia mais

Capítulo 8 Arquitetura de Computadores Paralelos

Capítulo 8 Arquitetura de Computadores Paralelos Capítulo 8 Arquitetura de Computadores Paralelos Necessidade de máquinas com alta capacidade de computação Aumento do clock => alta dissipação de calor Velocidade limitada dos circuitos => velocidade da

Leia mais

Características. Gráficos em tempo real, incluindo medições, gráfico de barras, parciais de circuito, tempos de volta, e texto.

Características. Gráficos em tempo real, incluindo medições, gráfico de barras, parciais de circuito, tempos de volta, e texto. Vídeo VBOX Pro combina em um só equipamento um aquisitor de dados GPS e multi câmeras de alta qualidade para gravação de vídeo e displays em tempo real. Gravação de Multi Câmeras Combinando até quatro

Leia mais

Introdução a Robótica, do NXT ao Arduino

Introdução a Robótica, do NXT ao Arduino Introdução a Robótica, do NXT ao Arduino Com Alex Aquino III Workshop de Sistemas Embarcados do Semiárido do Nordeste & 3 Workshop Técnico Científico de Computação De 12 a 15 de Março de 2013 em Mossoró/RN

Leia mais

Arquitetura CAN. José Sérgio da Rocha Neto

Arquitetura CAN. José Sérgio da Rocha Neto Arquitetura CAN 1 Sumário Rede CAN. Arquitetura do Sistema Implementado. Interface SPI. Controlador CAN MCP2510. Transceiver MCP2551. ADuC812. Resultados Obtidos. Conclusões. 2 REDE CAN CAN Controller

Leia mais

Manual do usuário. Braço robótico para educação técnica

Manual do usuário. Braço robótico para educação técnica para educação técnica A T E N Ç Ã O Enquanto o robô Sci-Arm é um computador leve, pode se manejar em altas velocidades e pode causar danos se ele colidir com uma pessoa. Sempre use com extrema cautela.

Leia mais

Easy Lab. Manual do usuário Revisão 1.2 01/11/14. www.dma.ind.br. DMA Electronics 1

Easy Lab. Manual do usuário Revisão 1.2 01/11/14. www.dma.ind.br. DMA Electronics 1 Easy Lab Manual do usuário Revisão 1.2 01/11/14 www.dma.ind.br DMA Electronics 1 A DMA ELECTRONICS projeta e fabrica sistemas para aquisição e registro de dados com conexão a um computador do tipo PC.

Leia mais

Sensores de Imagem ivu

Sensores de Imagem ivu Sensores de Imagem ivu www.bannerengineering.com.br Sensor de Visão ivu com interface integrada Sensor de imagem para inspeções de aprovação/rejeição ou leitura de código de barras Interface Gráfica do

Leia mais

SISTEMA DE GRAVAÇÃO DIGITAL COM UM MICROCOMPUTADOR (DVD OU PLACAS DE CAPTURA DE VÍDEO)

SISTEMA DE GRAVAÇÃO DIGITAL COM UM MICROCOMPUTADOR (DVD OU PLACAS DE CAPTURA DE VÍDEO) SISTEMA DE GRAVAÇÃO DIGITAL COM UM MICROCOMPUTADOR (DVD OU PLACAS DE CAPTURA DE VÍDEO) Há vários tipos de sistemas de gravações digitais. Os mais baratos consistem de uma placa para captura de vídeo, que

Leia mais

Principais funções de movimento em analisadores médicos.

Principais funções de movimento em analisadores médicos. Movimento em analisadores médicos Menor, mais rápido, mais forte. Como os motores em miniatura estão ajudando os equipamentos de diagnóstico a avançar. Os diagnósticos médicos fazem parte da vida cotidiana

Leia mais

Representação de Imagens

Representação de Imagens Representação de Imagens Primitivas Gráficas As primitivas gráficas são os elementos básicos que formam um desenho. Exemplos: Ponto, segmento, polilinha, polígono, arco de elipse, etc. Primitivas já definidas

Leia mais

USO DA ARQUITETURA AURA - AUTONOMOUS ROBOT ARCHITECTURE EM UM ROBÔ EXPLORADOR DE LABIRINTO CONTROLADO POR RASPBERRY PI.

USO DA ARQUITETURA AURA - AUTONOMOUS ROBOT ARCHITECTURE EM UM ROBÔ EXPLORADOR DE LABIRINTO CONTROLADO POR RASPBERRY PI. USO DA ARQUITETURA AURA - AUTONOMOUS ROBOT ARCHITECTURE EM UM ROBÔ EXPLORADOR DE LABIRINTO CONTROLADO POR RASPBERRY PI. Resumo João Paulo Fernandes da Silva¹, Willame Balbino Bonfim 1. joaopauloibge@hotmail.com

Leia mais

SISTEMAS AVANÇADOS DE CÂMARAS DE VIDEO PARA INSPEÇÃO

SISTEMAS AVANÇADOS DE CÂMARAS DE VIDEO PARA INSPEÇÃO SISTEMAS AVANÇADOS DE CÂMARAS DE VIDEO PARA INSPEÇÃO MODELOS VIS 200 / VIS 250 Generalidades: Os sistemas de inspeção VIS 200 e VIS 250 são equipamentos de grande robustez, a preço económico, mas de elevada

Leia mais

Sensoriamento 55. Este capítulo apresenta a parte de sensores utilizados nas simulações e nos

Sensoriamento 55. Este capítulo apresenta a parte de sensores utilizados nas simulações e nos Sensoriamento 55 3 Sensoriamento experimentos. Este capítulo apresenta a parte de sensores utilizados nas simulações e nos 3.1. Sensoriamento da Simulação O modelo de robô utilizado neste trabalho é o

Leia mais

consideradas, entretanto, existem sonares mais sofisticados que são capazes de registrar outros tipos de informações.

consideradas, entretanto, existem sonares mais sofisticados que são capazes de registrar outros tipos de informações. 1 Introdução A robótica ocupa um papel fundamental na indústria. O emprego de manipuladores e máquinas capazes de automatizar processos repetitivos, cansativos, perigosos e inslubre para o ser humano eleva

Leia mais

AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL INTRODUÇÃO A ROBÓTICA

AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL INTRODUÇÃO A ROBÓTICA AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL INTRODUÇÃO A ROBÓTICA CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Microcontroladores - Hardware Microcontroladores - Software Visão Geral de um Robô Manipulador Constituição Básica de um Robô Industrial

Leia mais

O que é o motor de passo?

O que é o motor de passo? Universidade Federal Fluminense Centro Tecnológico Escola de Engenharia Curso de Engenharia de Telecomunicações Programa de Educação Tutorial Grupo PET-Tele Motor de Passo Autor atual: Felipe Gonçalves

Leia mais

UM SISTEMA DE NAVEGAÇÃO PARA O ROBÔ MÓVEL X80

UM SISTEMA DE NAVEGAÇÃO PARA O ROBÔ MÓVEL X80 UM SISTEMA DE NAVEGAÇÃO PARA O ROBÔ MÓVEL X80 JOSÉ RENATO A. SOUTO, ROSIERY MAIA, ANDERSON A. SOUZA, BRUNO SANTANA Departamento de Computação Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN) Natal,

Leia mais

ENCODERS. Fig 1 - Princípio de funcionamento de um encoder rotativo.

ENCODERS. Fig 1 - Princípio de funcionamento de um encoder rotativo. ENCODERS Este é sem dúvida nenhuma um dos equipamentos mais usados em Automação Industrial e Mecatrônica, pois com ele conseguimos converter movimentos angulares e lineares em informações úteis à nossa

Leia mais

Introdução ao Aplicativo de Programação LEGO MINDSTORMS Education EV3

Introdução ao Aplicativo de Programação LEGO MINDSTORMS Education EV3 Introdução ao Aplicativo de Programação LEGO MINDSTORMS Education EV3 A LEGO Education tem o prazer de trazer até você a edição para tablet do Software LEGO MINDSTORMS Education EV3 - um jeito divertido

Leia mais

ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES DISPOSITIVOS DE ENTRADA E SAÍDA. Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-1

ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES DISPOSITIVOS DE ENTRADA E SAÍDA. Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-1 ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES DISPOSITIVOS DE ENTRADA E SAÍDA Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-1 Objetivos Compreender o que é um dispositivo Compreender o mecanismo de acionamento de um dispositivo

Leia mais

Sensores. Sensor. Passivos: Chave Potenciômetro Energia Auxiliar. Ativos: Célula Fotoelétrica Cristal Piezoelétrico. Digitais: Encoder Régua Óptica

Sensores. Sensor. Passivos: Chave Potenciômetro Energia Auxiliar. Ativos: Célula Fotoelétrica Cristal Piezoelétrico. Digitais: Encoder Régua Óptica Sensores Passivos: Chave Potenciômetro Energia Auxiliar Ativos: Célula Fotoelétrica Cristal Piezoelétrico Entrada Sensor Saída Analógicos: Potenciômetro Resolver Digitais: Encoder Régua Óptica Prof. Silas

Leia mais

1. NÍVEL CONVENCIONAL DE MÁQUINA (Cont.) 1.3. INSTRUÇÕES Conceitos Básicos

1. NÍVEL CONVENCIONAL DE MÁQUINA (Cont.) 1.3. INSTRUÇÕES Conceitos Básicos 1. NÍVEL CONVENCIONAL DE MÁQUINA (Cont.) 1.3. INSTRUÇÕES Conceitos Básicos Já estudamos anteriormente que os processadores funcionam (ou melhor, o seu hardware funciona) através de ordens simples e básicas,

Leia mais

Controle Inteligente de Robôs Móveis Autônomos utilizando Sistemas Inteligentes

Controle Inteligente de Robôs Móveis Autônomos utilizando Sistemas Inteligentes Controle Inteligente de Robôs Móveis Autônomos utilizando Sistemas Inteligentes Aluno: Gabriel Lins Tenório Orientadoras: Roxana Jiménez e Marley Rebuzzi Vellasco Introdução A aplicação de robôs móveis

Leia mais

Camada Física: Meios de transmissão não guiados

Camada Física: Meios de transmissão não guiados Alan Menk Santos alanmenk@hotmail.com www.sistemasul.com.br/menk Camada Física: Meios de transmissão não guiados Transmissão sem Fio Pessoas cada vez mais dependente das redes; Alguns especialistas afirmam

Leia mais

Uma Arquitetura Distribuída de Hardware e Software para Controle de um Robô Móvel Autônomo

Uma Arquitetura Distribuída de Hardware e Software para Controle de um Robô Móvel Autônomo Uma Arquitetura Distribuída de Hardware e Software para Controle de um Robô Móvel Autônomo rbritto@dca.ufrn.br Orientador: Adelardo A. D. Medeiros adelardo@dca.ufrn.br - Universidade Federal do Rio Grande

Leia mais

Projeto de controle e Automação de Antena

Projeto de controle e Automação de Antena Projeto de controle e Automação de Antena Wallyson Ferreira Resumo expandido de Iniciação Tecnológica PUC-Campinas RA: 13015375 Lattes: K4894092P0 wallysonbueno@gmail.com Omar C. Branquinho Sistemas de

Leia mais

Conceitos Básicos. Conceitos Básicos Memória

Conceitos Básicos. Conceitos Básicos Memória Infra-Estrutura de Hardware Conceitos Básicos Memória Prof. Edilberto Silva www.edilms.eti.br edilms@yahoo.com Sumário Bits de Memória Ordem de Bytes Conceitos Básicos Memória Secundária Códigos de Correção

Leia mais

Curso Automação Industrial Aula 3 Robôs e Seus Periféricos. Prof. Giuliano Gozzi Disciplina: CNC - Robótica

Curso Automação Industrial Aula 3 Robôs e Seus Periféricos. Prof. Giuliano Gozzi Disciplina: CNC - Robótica Curso Automação Industrial Aula 3 Robôs e Seus Periféricos Prof. Giuliano Gozzi Disciplina: CNC - Robótica Cronograma Introdução a Robótica Estrutura e Características Gerais dos Robôs Robôs e seus Periféricos

Leia mais

AEC Access Easy Controller. Guia de Referência

AEC Access Easy Controller. Guia de Referência AEC Access Easy Controller Guia de Referência Índice 3 1. AEC - Vista Geral do Sistema 4 2. AEC - Componentes Principais 6 3. AEC - Configuração 7 4. AEC - Benefícios 8 5. AEC - Como encomendar? 10 6.

Leia mais

Visão computacional no reconhecimento de formas e objetos

Visão computacional no reconhecimento de formas e objetos Visão computacional no reconhecimento de formas e objetos Paula Rayane Mota Costa Pereira*, Josemar Rodrigues de Souza**, Resumo * Bolsista de Iniciação Científica da Faculdade de Tecnologia SENAI CIMATEC,

Leia mais

Implementação de um módulo Ethernet 10/100Mbps com interface Avalon para o processador Nios II da Altera

Implementação de um módulo Ethernet 10/100Mbps com interface Avalon para o processador Nios II da Altera Implementação de um módulo Ethernet 10/100Mbps com interface Avalon para o processador Nios II da Altera Ricardo Menotti Orientador: Prof. Dr. Eduardo Marques Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação

Leia mais

SISTEMA DE TREINAMENTO EM CONTROLADOR LÓGICO PROGRAMÁVEL

SISTEMA DE TREINAMENTO EM CONTROLADOR LÓGICO PROGRAMÁVEL SISTEMA DE TREINAMENTO EM CONTROLADOR LÓGICO PROGRAMÁVEL MODELO: CARACTERÍSTICAS 32 Pontos de Entrada / 32 Pontos de Saída. 3 Módulos Básicos: Controlador de Entrada, Simulador de Saída, Contador & Simulador

Leia mais

Ano Letivo 2015/2016 Ciclo de Formação: 2013-2016 Nº DO PROJETO: POCH-01-5571-FSE-000424 AUTOMAÇÃO E COMANDO,12ºANO PLANIFICAÇÃO ANUAL

Ano Letivo 2015/2016 Ciclo de Formação: 2013-2016 Nº DO PROJETO: POCH-01-5571-FSE-000424 AUTOMAÇÃO E COMANDO,12ºANO PLANIFICAÇÃO ANUAL COMANDO AGRUPAMENTO de ESCOLAS Nº1 de SANTIAGO do CACÉM CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE ELETRÓNICA AUTOMAÇÃO E Ano Letivo 2015/2016 Ciclo de Formação: 2013-2016 Nº DO PROJETO: POCH-01-5571-FSE-000424

Leia mais

4. Controlador Lógico Programável

4. Controlador Lógico Programável 4. Controlador Lógico Programável INTRODUÇÃO O Controlador Lógico Programável, ou simplesmente PLC (Programmiable Logic Controller), pode ser definido como um dispositivo de estado sólido - um Computador

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES

ARQUITETURA DE COMPUTADORES ARQUITETURA DE COMPUTADORES Aula 07: Memória Secundária MEMÓRIA SECUNDÁRIA Discos magnéticos: Organização do disco magnético em faces, trilhas e setores; Tipos de discos magnéticos Discos óticos: CD/DVD/BluRay

Leia mais

Câmera CFTV Digital Sem Fio

Câmera CFTV Digital Sem Fio Câmera CFTV Digital Sem Fio Manual do Usuário Você acaba de adquirir um produto Leadership, testado e aprovado por diversos consumidores em todo Brasil. Neste manual estão contidas todas as informações

Leia mais

Sistemas de Aquisição de Dados Baseado em Microcontroladores

Sistemas de Aquisição de Dados Baseado em Microcontroladores Universidade Federal do Pará Laboratório de Sensores e Sistemas Embarcados (LASSE) Sistemas de Aquisição de Dados Baseado em Microcontroladores Rodrigo Williams Rodrigues Ataíde rodrigowra@ufpa.br 26 de

Leia mais

AULA1 Introdução a Microprocessadores gerais

AULA1 Introdução a Microprocessadores gerais AULA1 Introdução a Microprocessadores gerais Disciplina: Aplicações Avançadas de Microprocessadores (AAM) Prof. Eduardo Henrique Couto ehcouto@hotmail.com 2014/1 Apresentação do Professor: Cronograma:

Leia mais

Características técnicas Baseado no ATMega da empresa AVR, fabricante de micro-controladores em plena ascensão e concorrente do PIC Pode usar ATMega

Características técnicas Baseado no ATMega da empresa AVR, fabricante de micro-controladores em plena ascensão e concorrente do PIC Pode usar ATMega ARDUINO O que é Arduino Arduino foi criado na Itália por Máximo Banzi com o objetivo de fomentar a computação física, cujo conceito é aumentar as formas de interação física entre nós e os computadores.

Leia mais

TECNÓLOGO EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I Aula 01: Conceitos Iniciais / Sistema Operacional

TECNÓLOGO EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I Aula 01: Conceitos Iniciais / Sistema Operacional TECNÓLOGO EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I Aula 01: Conceitos Iniciais / Sistema Operacional O conteúdo deste documento tem por objetivo apresentar uma visão geral

Leia mais

Camada Física. Bruno Silvério Costa

Camada Física. Bruno Silvério Costa Camada Física Bruno Silvério Costa Sinais Limitados por Largura de Banda (a) Um sinal digital e suas principais frequências de harmônicas. (b) (c) Sucessivas aproximações do sinal original. Sinais Limitados

Leia mais

Introdução à Informática. Aula 04. Sistemas Operacionais Aplicativos e Utilitários Transmissão e meios de transmissão de dados. Prof.

Introdução à Informática. Aula 04. Sistemas Operacionais Aplicativos e Utilitários Transmissão e meios de transmissão de dados. Prof. Aula 04 Sistemas Operacionais Aplicativos e Utilitários Transmissão e meios de transmissão de dados Sistema Operacional Um conjunto de programas que se situa entre os softwares aplicativos e o hardware:

Leia mais

Alessandro F. Cunha O que são sistemas embarcados?

Alessandro F. Cunha O que são sistemas embarcados? Alessandro F. Cunha O que são sistemas embarcados? 1. Introdução Alguma vez você já se deu conta que o microondas de sua casa tem uma capacidade computacional maior do que tinha o projeto Apolo, que levou

Leia mais

PROJETO E DESENVOLVIMENTO DE UM ROBÔ DE SERVIÇO INCORPORANDO AS VANTAGENS DE PROTOTIPAÇÃO RÁPIDA.

PROJETO E DESENVOLVIMENTO DE UM ROBÔ DE SERVIÇO INCORPORANDO AS VANTAGENS DE PROTOTIPAÇÃO RÁPIDA. PROJETO E DESENVOLVIMENTO DE UM ROBÔ DE SERVIÇO INCORPORANDO AS VANTAGENS DE PROTOTIPAÇÃO RÁPIDA. André Gustavo S. Conceição 1, Luciano F. Chaves 2, Luís Fernando A. Pereira 3 Pontifícia Universidade Católica

Leia mais

Sensoriamento A UU L AL A. Um problema. Exemplos de aplicações

Sensoriamento A UU L AL A. Um problema. Exemplos de aplicações A UU L AL A Sensoriamento Atualmente, é muito comum nos depararmos com situações em que devemos nos preocupar com a segurança pessoal e de nossos bens e propriedades. Daí decorre a necessidade de adquirir

Leia mais

Performance e Qualidade em Medição de Alta Precisão

Performance e Qualidade em Medição de Alta Precisão Performance e Qualidade em Medição de Alta Precisão A PACE Electronics, fundada em 1995, tem seu maior diferencial na busca pela alta tecnologia e qualidade em seus produtos com a satisfação plena de seus

Leia mais

GigaDAC. GigaTAC. Inspeção Técnica. Manual GigaDAC - v1.0-2012

GigaDAC. GigaTAC. Inspeção Técnica. Manual GigaDAC - v1.0-2012 Inspeção Técnica Manual GigaDAC - v1.0-2012 GigaDAC O Medidor Portátil GigaDAC funciona com princípios semelhantes que o dispositivo adicional de calibração GigaDAC, mas é projetado para fornecer uma metrologia

Leia mais

Sistemas Robóticos. Sumário. Introdução. Introdução. Arquitecturas de Controlo. Carlos Carreto

Sistemas Robóticos. Sumário. Introdução. Introdução. Arquitecturas de Controlo. Carlos Carreto umário istemas Robóticos de Controlo Introdução deliberativas reactivas híbridas baseadas em comportamentos Carlos Carreto Curso de Engenharia Informática Ano lectivo 2003/2004 Escola uperior de Tecnologia

Leia mais

Curso Automação Industrial Aula 2 Estrutura e características Gerais dos Robôs. Prof. Giuliano Gozzi Disciplina: CNC - Robótica

Curso Automação Industrial Aula 2 Estrutura e características Gerais dos Robôs. Prof. Giuliano Gozzi Disciplina: CNC - Robótica Curso Automação Industrial Aula 2 Estrutura e características Gerais dos Robôs Prof. Giuliano Gozzi Disciplina: CNC - Robótica Cronograma Introdução a Robótica Estrutura e Características Gerais dos Robôs

Leia mais

Laboratório de Máquinas Elétricas Utilizando um Sistema de Aquisição de Dados

Laboratório de Máquinas Elétricas Utilizando um Sistema de Aquisição de Dados Laboratório de Máquinas Elétricas Utilizando um Sistema de Aquisição de Dados Mauricélio Alves de Sousa, Eng o Fernando Luiz Marcelo Antunes, PhD Ricardo Silva Thé Pontes, MSc Grupo de Processamento de

Leia mais

COMUNICAÇÃO DE INFORMAÇÃO A LONGAS DISTÂNCIAS ONDAS ELETROMAGNÉTICAS E COMUNICAÇÃO

COMUNICAÇÃO DE INFORMAÇÃO A LONGAS DISTÂNCIAS ONDAS ELETROMAGNÉTICAS E COMUNICAÇÃO COMUNICAÇÃO DE INFORMAÇÃO A LONGAS DISTÂNCIAS À medida que uma onda se propaga, por mais intensa que seja a perturbação que lhe dá origem, uma parte da sua energia será absorvida pelo meio de propagação,

Leia mais

Seleção de motores em miniatura para os seus dispositivos médicos Avanços recentes aumentam a portabilidade, eficiência e confiabilidade

Seleção de motores em miniatura para os seus dispositivos médicos Avanços recentes aumentam a portabilidade, eficiência e confiabilidade thinkmotion Seleção de motores em miniatura para os seus dispositivos médicos Avanços recentes aumentam a portabilidade, eficiência e confiabilidade A criação de bombas de infusão pequenas e portáteis

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES Prof. João Inácio

ARQUITETURA DE COMPUTADORES Prof. João Inácio ARQUITETURA DE COMPUTADORES Prof. João Inácio Memórias Memória: é o componente de um sistema de computação cuja função é armazenar informações que são, foram ou serão manipuladas pelo sistema. Em outras

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Introdução Redes de Computadores Marco Antonio Montebello Júnior marco.antonio@aes.edu.br Rede É um conjunto de computadores chamados de estações de trabalho que compartilham recursos de hardware (HD,

Leia mais

Como Montar uma Rede Wireless Passo-a-Passo

Como Montar uma Rede Wireless Passo-a-Passo Outras apostilas em: www.projetoderedes.com.br Como Montar uma Rede Wireless Passo-a-Passo Redes Wireless estão em franco crescimento. Novas redes são implementadas, com soluções mais rápidas, abrangentes

Leia mais

Motivação. Sumário. Hierarquia de Memória. Como registramos nossas histórias (num contexto amplo)?

Motivação. Sumário. Hierarquia de Memória. Como registramos nossas histórias (num contexto amplo)? Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências Aplicadas e Educação Departamento de Ciências Exatas Motivação ACII: Armazenamento Secundário Prof. Rafael Marrocos Magalhães professor@rafaelmm.com.br

Leia mais

Multimedidores Inteligentes MGE G3 Modo de uso do software IBIS_BE_cnf. ABB Automação. Hartmann & Braun

Multimedidores Inteligentes MGE G3 Modo de uso do software IBIS_BE_cnf. ABB Automação. Hartmann & Braun Multimedidores Inteligentes MGE G3 Modo de uso do software IBIS_BE_cnf ABB Automação Hartmann & Braun Índice 1. IBIS_BE_CNF - DEFINIÇÃO... 3 2. INSTALAÇÃO... 3 2.1. PRÉ-REQUISITOS PARA INSTALAÇÃO... 3

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE DE WEBLAB PARA O ROBÔ MÓVEL TREKKER

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE DE WEBLAB PARA O ROBÔ MÓVEL TREKKER Anais do XIX Encontro de Iniciação Científica e Pós-Graduação do ITA - XIX ENCITA / 2013 Instituto Tecnológico de Aeronáutica São José dos Campos SP Brasil 17 de outubro de 2013 DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PETRÓPOLIS CENTRO DE ENGENHARIA E COMPUTAÇÃO

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PETRÓPOLIS CENTRO DE ENGENHARIA E COMPUTAÇÃO UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PETRÓPOLIS CENTRO DE ENGENHARIA E COMPUTAÇÃO Amanda 5ª Atividade: Codificador e codificação de linha e seu uso em transmissão digital Petrópolis, RJ 2012 Codificador: Um codoficador

Leia mais

Convertendo um servo motor RC em um dispositivo de tração para micro-robôs

Convertendo um servo motor RC em um dispositivo de tração para micro-robôs Convertendo um servo motor RC em um dispositivo de tração para micro-robôs Roberto Fernandes Tavares Filho Centro Tecnológico Para Informática Vice-presidente executivo da FIRA Todos aqueles que já se

Leia mais

Fundamentos de Sistemas Operacionais

Fundamentos de Sistemas Operacionais Fundamentos de Sistemas Operacionais Aula 16: Entrada e Saída: Estudo de Caso Diego Passos Última Aula Software de Entrada e Saída. Subsistema de E/S. Conjunto de camadas de abstração para realização de

Leia mais

DATA LOGGER PARA REGISTO DE TEMPERATURAS COM LIGAÇÃO USB

DATA LOGGER PARA REGISTO DE TEMPERATURAS COM LIGAÇÃO USB DATA LOGGER PARA REGISTO DE TEMPERATURAS COM LIGAÇÃO USB AVISO PRÉVIO A partir de 1 de Janeiro de 2014 os data loggers deixam de ser fornecidos com CD-ROM com software. O software continua a ser gratuito

Leia mais

Sistema de Segurança Digital. Tutorial para posicionamento de câmeras de leitura de placas de automóveis com o software Digifort. - Versão 1.

Sistema de Segurança Digital. Tutorial para posicionamento de câmeras de leitura de placas de automóveis com o software Digifort. - Versão 1. Tutorial para posicionamento de câmeras de leitura de placas de automóveis com o software Digifort. - Versão 1.0-01/2011 O objetivo deste tutorial é apenas dar uma dica de como fazer o posicionamento ideal

Leia mais

Realizando o ensaio de ultra-som

Realizando o ensaio de ultra-som Realizando o ensaio de ultra-som A UU L AL A Na aula anterior, você ficou sabendo que o ultra-som é uma onda mecânica que se propaga de uma fonte emissora até uma fonte receptora, através de um meio físico.

Leia mais

2- Conceitos Básicos de Telecomunicações

2- Conceitos Básicos de Telecomunicações Introdução às Telecomunicações 2- Conceitos Básicos de Telecomunicações Elementos de um Sistemas de Telecomunicações Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Telecomunicações 2 1 A Fonte Equipamento que origina

Leia mais

FUTEBOL UTEBOL ROBÓTICO

FUTEBOL UTEBOL ROBÓTICO FUTEBOL UTEBOL ROBÓTICO José Almeida Alfredo Martins Laboratório de Sistemas Autónomos Instituto Superior de Engenharia do Porto http://www.lsa.isep.ipp.pt Sumário Motivação Iniciativa robocup Equipas

Leia mais

Dados para mapeamento

Dados para mapeamento Dados para mapeamento Existem dois aspectos com relação aos dados: 1. Aquisição dos dados para gerar os mapas 2. Uso do mapa como fonte de dados Os métodos de aquisição de dados para o mapeamento divergem,

Leia mais

1. CAPÍTULO COMPUTADORES

1. CAPÍTULO COMPUTADORES 1. CAPÍTULO COMPUTADORES 1.1. Computadores Denomina-se computador uma máquina capaz de executar variados tipos de tratamento automático de informações ou processamento de dados. Os primeiros eram capazes

Leia mais

Sistemas Embarcados. Introdução aos sistemas embarcados

Sistemas Embarcados. Introdução aos sistemas embarcados Sistemas Embarcados Introdução aos sistemas embarcados Introdução aos Sistemas embarcados Definição de um sistema embarcado Exemplos de sistemas embarcados Processadores utilizados em sistemas embarcados

Leia mais

MOTAGEM E MANUTENÇÃO Hardware. Professor: Renato B. dos Santos

MOTAGEM E MANUTENÇÃO Hardware. Professor: Renato B. dos Santos MOTAGEM E MANUTENÇÃO Hardware Professor: Renato B. dos Santos 1 O computador é composto, basicamente, por duas partes:» Hardware» Parte física do computador» Elementos concretos» Ex.: memória, teclado,

Leia mais

Quadro de Comando 24V SMD CAN ISO 9001. 32 bits. A modernização necessária para seu elevador! 240m/min. Até 48. Componentes. Alimentação.

Quadro de Comando 24V SMD CAN ISO 9001. 32 bits. A modernização necessária para seu elevador! 240m/min. Até 48. Componentes. Alimentação. Quadro de Comando Componentes SMD Processador 32 bits Alimentação 24V Até 48 Comunicação CAN pavimentos Velocidade até Apenas conexões* 240m/min 27 Empresa com Duplex, Triplex e Quadriplex ISO 9001 A modernização

Leia mais

Cabeamento Óptico 14/03/2014. Vantagens de utilização. Noções Ópticas. Vantagens de utilização. Sistema de comunicação Fibra. Funcionamento da Fibra

Cabeamento Óptico 14/03/2014. Vantagens de utilização. Noções Ópticas. Vantagens de utilização. Sistema de comunicação Fibra. Funcionamento da Fibra Cabeamento Óptico Fundamentos de Redes de Computadores Prof. Marcel Santos Silva Vantagens de utilização Total imunidade às interferências eletromagnéticas; Dimensões reduzidas; Maior segurança no tráfego

Leia mais

Dispositivos de Entrada e Saída

Dispositivos de Entrada e Saída Dispositivos de Entrada e Saída Prof. Márcio Bueno {cgtarde,cgnoite}@marciobueno.com Fonte: Material do Prof. Robson Pequeno de Sousa e do Prof. Robson Lins Dispositivos de Entrada Teclado, Mouse, Trackball,

Leia mais

Sistemas de Informação Geográfica Aula 3

Sistemas de Informação Geográfica Aula 3 Sistemas de Informação Geográfica Aula 3 Introdução Equipamentos de entrada de dados são dispositivos que convertem dados analógicos e mapas impressos no papel em mídia m eletrônica ou digital para serem

Leia mais

RESUMO DO MINICURSO. Introdução ao Desenvolvimento de Software Embarcado para Sistemas Robóticos Usando Arduino

RESUMO DO MINICURSO. Introdução ao Desenvolvimento de Software Embarcado para Sistemas Robóticos Usando Arduino RESUMO DO MINICURSO Introdução ao Desenvolvimento de Software Embarcado para Sistemas Robóticos Usando Arduino Pedro S. do Nascimento Neto, Diego P. Rocha, Ranulfo P. Bezerra Neto André M. Sanatna 1. Microcontroladores

Leia mais

Rastreadores Portáteis:

Rastreadores Portáteis: Rastreadores Portáteis: MXT100 ou MXT101: Rastreadores portáteis que podem ser utilizados no monitoramento de pessoas, animais e ativos móveis - como cargas e bagagens - com exatidão de dados e grande

Leia mais

Encoder Magnético. Contexto Social e Profissional da Engenharia Mecatrônica. Grupo 8: Danilo Zacarias Júnior. Leonardo Maciel Santos Silva

Encoder Magnético. Contexto Social e Profissional da Engenharia Mecatrônica. Grupo 8: Danilo Zacarias Júnior. Leonardo Maciel Santos Silva Encoder Magnético Contexto Social e Profissional da Engenharia Mecatrônica Grupo 8: Danilo Zacarias Júnior Leonardo Maciel Santos Silva Yuri Faria Amorim Índice Resumo... 03 1. Introdução... 04 2. Desenvolvimento...

Leia mais

TRABALHO COM GRANDES MONTAGENS

TRABALHO COM GRANDES MONTAGENS Texto Técnico 005/2013 TRABALHO COM GRANDES MONTAGENS Parte 05 0 Vamos finalizar o tema Trabalho com Grandes Montagens apresentando os melhores recursos e configurações de hardware para otimizar a abertura

Leia mais

Guia do Usuário. Luxímetro Registrador de Dados com Interface para PC. Modelo HD450

Guia do Usuário. Luxímetro Registrador de Dados com Interface para PC. Modelo HD450 Guia do Usuário Luxímetro Registrador de Dados com Interface para PC Modelo HD450 Introdução Parabéns pela sua compra do Luxímetro Digital Extech HD450. O HD450 mede a iluminância em Lux e Foot candles

Leia mais

Baseado na portaria n 373 de 25 de fevereiro de 2011 do Ministério do Trabalho e Emprego;

Baseado na portaria n 373 de 25 de fevereiro de 2011 do Ministério do Trabalho e Emprego; Características Baseado na portaria n 373 de 25 de fevereiro de 2011 do Ministério do Trabalho e Emprego; Poderá ser utilizado por empresas autorizadas por convenção ou acordo coletivo a usar sistemas

Leia mais

O USO DE UM SENSOR DE LUZ LINEAR COMO RECURSO DIDÁTICO PARA DEMONSTRAR PRINCÍPIOS DE DIFRAÇÃO E ESPECTROSCOPIA

O USO DE UM SENSOR DE LUZ LINEAR COMO RECURSO DIDÁTICO PARA DEMONSTRAR PRINCÍPIOS DE DIFRAÇÃO E ESPECTROSCOPIA Quim. Nova, Vol. 38, No. 3, S1-S6, 2015 O USO DE UM SENSOR DE LUZ LINEAR COMO RECURSO DIDÁTICO PARA DEMONSTRAR PRINCÍPIOS DE DIFRAÇÃO E ESPECTROSCOPIA Fernando Arruda Mendes de Oliveira a,b, Eduardo Ribeiro

Leia mais

Entrada e Saída. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Entrada e Saída. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Entrada e Saída Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Introdução; Dispositivos Externos; E/S Programada; E/S Dirigida por Interrupção; Acesso Direto à Memória; Bibliografia. Prof. Leonardo Barreto Campos

Leia mais

Software de Tarifação para centrais PABX e ambiente Windows

Software de Tarifação para centrais PABX e ambiente Windows Software de Tarifação para centrais PABX e ambiente Windows Um tarifador fácil de usar e poderoso. Com o tarifador STI Windows Atenas você poderá controlar os gastos com telefone, reduzir custos e otimizar

Leia mais

Controle remoto por Bluetooth

Controle remoto por Bluetooth Controle remoto por Bluetooth Introdução Esse tutorial tem como objetivo, facilitar a montagem do controle e drive de potência voltado a modalidades que necessitam de controle remoto, seja robô sumo de

Leia mais

. linear ou rotativo. analógico ou digital. absoluto, incremental ou incremental-absoluto. princípio de operação

. linear ou rotativo. analógico ou digital. absoluto, incremental ou incremental-absoluto. princípio de operação 8 - Transdutores Um transdut or é um equipamento que converte variações de uma determinada grandeza física em outra. Por exemplo, um transdut or de posição converte variações de movimento em um sinal de

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores

Arquitetura e Organização de Computadores Arquitetura e Organização de Computadores Memória Externa Material adaptado e traduzido de: STALLINGS, William. Arquitetura e Organização de Computadores. 5ª edição Tipos de Memória Externa Disco Magnético

Leia mais

Medição de Velocidade Angular Usando Pll: Medidas de Alta Resolução Usando Enconders de Baixa Resolução

Medição de Velocidade Angular Usando Pll: Medidas de Alta Resolução Usando Enconders de Baixa Resolução Medição de Velocidade Angular Usando Pll: Medidas de Alta Resolução Usando Enconders de Baixa Resolução José G. N. de Carvalho Filho 1, Elyson A. N. Carvalho 1,2, Lucas Molina 1,3, Eduardo O. Freire 1

Leia mais

Módulo 2 Comunicação de Dados

Módulo 2 Comunicação de Dados URCAMP - CCEI - Curso de Informática Transmissão de Dados Módulo 2 Comunicação de Dados cristiano@urcamp.tche.br http://www.urcamp.tche.br/~ccl/redes/ Para SOARES (995), a transmissão de informações através

Leia mais

EXPERIÊNCIA 17 USO DO TEMPORIZADOR INTERNO

EXPERIÊNCIA 17 USO DO TEMPORIZADOR INTERNO EXPERIÊNCIA 17 USO DO TEMPORIZADOR INTERNO Parte I Fundamentos Teóricos O que diferencia um microcontrolador (como o 8051) de um microprocessador é o fato de que o primeiro pode apresentar, integrados

Leia mais

EXERCÍCIOS RESOLVIDOS

EXERCÍCIOS RESOLVIDOS ENG JR ELETRON 2005 29 O gráfico mostrado na figura acima ilustra o diagrama do Lugar das Raízes de um sistema de 3ª ordem, com três pólos, nenhum zero finito e com realimentação de saída. Com base nas

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores Introdução à Organização do Computador

Arquitetura e Organização de Computadores Introdução à Organização do Computador 1 Arquitetura e Organização de Computadores Introdução à Organização do Computador Professor: João Paulo de Brito Gonçalves Curso: Sistemas de Informação Introdução 2 O Computador é uma ferramenta que

Leia mais